Page 1

3. Jesus, por João anunciado, / presente entre nós mostrado, / por Ele o prazer é dado, / de esperá-lo com ardor! (bis) 4. Ao preparar seu Natal, / querer sua vinda final, / quando finda todo mal / e se acaba toda dor. (bis) 5. Que na prece vigiemos, / de esperar não nos cansemos, / à sua vinda nos achemos, / celebrando seu louvor. (bis) 6. E agora, ó Desejado, / o teu povo congregado, / aos céus e à terra irmanado, / louva e bendiz ao Senhor! (bis) P – Por este sinal do corpo do teu Filho, que alimenta e sustenta a tua Igreja, expressamos nossa fé e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino e recebe o louvor de toda a criação e a prece que elevamos a

ti com as palavras que Jesus nos ensinou: tira o pecado do mundo! T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o po- T – Senhor, eu não sou digno(a)... der e a glória para sempre. Partilha do pão consagrado: canto de comunhão número 17 A deste folheto. 26. ABRAÇO DA PAZ

P – Irmãos e irmãs, por sua morte e res- 28. ORAÇÃO FINAL surreição, o Cristo nos reconciliou. De- Ó Deus próximo, amigo da humanidamo-nos uns aos outros o abraço da paz! de, nesta celebração, recebemos o alimento do reino. Que ele nos fortaleça 27. RITO DA COMUNHÃO em teus caminhos e nos dê toda a força (Após o Pai-Nosso, quem preside convida para prepararmos os caminhos para a a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) vinda do teu filho Jesus Cristo, nosso P – Assim disse Jesus: “Eis que estou à Senhor! Amém. porta e bato: se alguém ouvir a minha voz O roteiro de “onde não houver missa” e abrir a porta, entrarei em sua casa e co- encontra-se no livro “Dia do Senhor”, de merei com ele e ele comigo” (Ap 3,20) M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Mostrando o pão consagrado: Apostolado Litúrgico. P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que

O SENHOR VEM! BUSQUEMOS A CONVERSÃO

Sugestões para a equipe de celebração: Neste 2º domingo do Advento, a voz de João Batista continua clamando no deserto de nossa realidade, convidando-nos à conversão e nos preparando para escutar a voz do Senhor... Andamos, ainda, por caminhos tortuosos da injustiça, da corrupção e da violência. Que Ele venha endireitar nossas estradas e nos ajudar a fazer de nossa terra uma casa de irmãos. Sugestões para a equipe de celebração: 1. O roxo (mais avermelhado) como no folheto, diferente do roxo quaresmal, indica a alegria da espera que marca as

celebrações deste tempo. 2. É importante recordar nesta celebração fatos que são sinais que apressam a vinda de Deus no meio de nós. 3. É importante que a comunidade leve um compromisso bem concreto brotado na celebração, para ser vivido durante a semana. 4. No final da celebração, motivar a coleta do próximo domingo, como oferta para as atividades pastorais da Igreja, conforme determinação da 36ª. Assembleia Geral da CNBB.

LEITURAS BÍBLICAS:

2ª-f.:Is 35,1-10; Lc 5,17-26. 3ª-f.:Is 40,1-11; Mt 18,12-14. 4ª-f.: Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora – Gn 3,9-15; Ef 1,3-6.11-12; Lc 1,26-38. 5ª-f.: Is 41,13-20; Mt 11,11-15. 6ª-f.: Is 48,17-19; Mt 11,16-19. Sábado: Eclo 48,1-4.9-11; Mt 17,10-13. Domingo: 3º Domingo do Advento – Is 35, 1-6a.10; Tg 5, 7-10; Mt 11, 2-11.

B l trCentral an raaslil C tre ilnC seBrasil a r entra B C l i l Bras

Sua fonte mensal de formação e informação na Igreja e fora dela

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

De 2ª a 6ª, às 13h30

Informações sobre educação, ciência, tecnologia, comunidades, arte e cultura.

Canal 24 Canal 20 Net

Arquidiocese de Goiânia

2º Domingo do Advento

5 de dezembro de 2010 - Ano XXVIII - Nº 1583

O SENHOR VEM! BUSQUEMOS A CONVERSÃO Preparação: a) Chegada, oração pessoal, ensaios de canto; b) Tempo de silêncio; c) Refrão meditativo: (39º Curso: 08.10)

“Vigiai unidos a mim, / comigo orando, / sempre orando.” (Cantar várias vezes até a assembleia tornar-se um só corpo. Durante o canto, faz-se o acendimento da 2ª. vela da coroa do Advento.)

3. ACOLHIDA

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – O Deus da esperança, que nos cumula de toda alegria e paz em nossa fé, pela ação do Espírito Santo, esteja convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL

P – Preparamos o Natal do Senhor. De um lado, o barulho da propaganda que incentiva o consumismo. Do outro lado, a Palavra de Deus que nos chama à conversão. Ouvimos os dois, 1. MOTIVAÇÃO mas a quem estamos escutando? A – Irmãs e irmãos, estamos nos (Pausa) preparando para celebrar a vinda Desejosos de acolher o projeto de do Senhor. Ele sempre vem. Um dos Deus, peçamos seu perdão, cantando. caminhos que torna o Senhor sempre (34º Curso: 09.07) presente em nosso meio é o da perma1. Senhor, que vindes visitar vosso nente conversão. Dispostos a deixar povo na paz, tende piedade de nós. que a palavra de Deus nos indique em que precisamos transformar nos- 2. Cristo, que vindes salvar o que essa vida, iniciemos nossa celebração, tava perdido, tende piedade de nós. 3. Senhor, que vindes criar um mundo cantando. novo, tende piedade de nós. 2. CANTO DE ABERTURA Senhor, tende piedade. Cristo, ten(37º Curso: 09.09) de piedade de nós. Senhor, piedade, 1. Uma voz fez-se ouvir lá no deserto: / piedade de nós. (bis) “Preparai os caminhos do Senhor!” / Na (Conclusão pelo presidente) alegria do Céu assim tão perto, /entoou 5. ORAÇÃO toda Terra este clamor: Vem, Senhor, não tardes mais, / és o P – Oremos. (Pausa para oração) anseio das nações! / Vem curar os nosÓ Deus todo-poderoso e cheio de misesos “ais” / e expulsar as opressões! / ricórdia, nós vos pedimos que nenhuma Pastor Santo de Israel, / vem salvar teu povo, vem! / Deus bendito, Emanuel, / atividade terrena nos impeça de correr ao encontro do vosso Filho, mas, instruídos vem salvar teu povo, vem! pela vossa sabedoria, participemos da 2. Vai cumprir-se do Céu a profecia: / plenitude de sua vida. Por nosso Senhor “Nosso Deus entre nós vem habitar!” / Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Reunido, e na paz da liturgia, / vem o Espírito Santo. povo de Deus então cantar: T – Amém. 3. No horizonte já brilha nova vida, / Luz LITURGIA DA PALAVRA sublime de um novo amanhecer. / E, feliz, rumo à Terra Prometida, / eis o A – A Palavra de Deus nos chama a mudar de vida para nos prepararmos para a vinda povo de Deus sempre a dizer: do Senhor. Escutemos com atenção. 4. Eis grilhões da injustiça já rompidos, / mil algemas quebradas pelo amor, / mas 6. PRIMEIRA LEITURA na paz, o clamor dos oprimidos / chega Leitura do Livro do Profeta Isaíao Céu neste brado de louvor. as (11,1-10) – Naqueles dias, 1nascerá

uma haste do tronco de Jessé e, a partir da raiz, surgirá o rebento de uma flor; 2sobre ele repousará o espírito do Senhor: espírito de sabedoria e discernimento, espírito de ciência e temor de Deus; 3no temor do Senhor encontra ele seu prazer. Ele não julgará pelas aparências que vê nem decidirá somente por ouvir dizer; 4mas trará justiça para os humildes e uma ordem justa para os homens pacíficos; fustigará a terra com a força da sua palavra e destruirá o mau com o sopro dos lábios. 5Cingirá a cintura com a correia da justiça e as costas com a faixa da fidelidade. 6 O lobo e o cordeiro viverão juntos e o leopardo deitar-se-á ao lado do cabrito; o bezerro e o leão comerão juntos e até mesmo uma criança poderá tangê-los. 7A vaca e o urso pastarão lado a lado, enquanto suas crias descansam juntas; o leão comerá palha como o boi; 8a criança de peito vai brincar em cima do buraco da cobra venenosa; e o menino desmamado não temerá pôr a mão na toca da serpente. 9 Não haverá danos nem mortes por todo o meu santo monte: a terra estará tão repleta do saber do Senhor quanto as águas que cobrem o mar. 10Naquele dia, a raiz de Jessé se erguerá como um sinal entre os povos; hão de buscá-la as nações, e gloriosa será a sua morada. - Palavra do Senhor. T - Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

7. SALMO 71 (72)

(Salmos e Aclamações / ano A: 11.10)

Nos seus dias a justiça florirá, / a justiça florirá! 1 Dai ao Rei vossos poderes, Senhor Deus, / vossa justiça ao descendente da realeza! / 2Com justiça ele governe o vosso povo, / com equidade ele julgue os vossos pobres. 7 Nos seus dias a justiça florirá / e grande paz, até que a lua perca o brilho! / 8De mar a mar estenderá o seu domínio, / e desde o rio até os confins de toda a terra!


Libertará o indigente que suplica, / e o pobre ao qual ninguém quer ajudar. / 13 Terá pena do indigente e do infeliz, / e a vida dos humildes salvará. 17 Seja bendito o seu nome para sempre! / E que dure como o sol sua memória! / Todos os povos serão nele abençoados, / todas as gentes cantarão o seu louvor! (Tempo de silêncio) 12

8. SEGUNDA LEITURA

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos (15,4-9) – Irmãos, 4tudo o que outrora foi escrito, foi escrito para nossa instrução, para que, pela nossa constância e pelo conforto espiritual das Escrituras, tenhamos firme esperança. 5 O Deus que dá constância e conforto vos dê a graça da harmonia e concórdia, uns com os outros, como ensina Cristo Jesus. 6Assim, tendo como que um só coração e a uma só voz, glorificareis o Deus e Pai do Senhor nosso, Jesus Cristo. 7 Por isso, acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo vos acolheu, para a glória de Deus. 8Pois eu digo: Cristo tornou-se servo dos que praticam a circuncisão, para honrar a veracidade de Deus, confirmando as promessas feitas aos pais. 9Quanto aos pagãos, eles glorificam a Deus, em razão da sua misericórdia, como está escrito: “Por isso, eu vos glorificarei entre os pagãos e cantarei louvores ao vosso nome”. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

9. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

(Salmos e Aclamações / ano A: 11.10)

Aleluia! Aleluia! Aleluia! Preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas! / Toda a carne há de ver a salvação do nosso Deus. P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus T – Glória a vós, Senhor. (3,1-12) – 1Naqueles dias, apareceu João Batista, pregando no deserto da Judeia: 2“Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo”. 3João foi anunciado pelo profeta Isaías, que disse: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas!” 4 João usava uma roupa feita de pelos de camelo e um cinturão de couro em torno dos rins; comia gafanhotos e mel

do campo. 5Os moradores de Jerusalém, de toda a Judeia e de todos os lugares em volta do rio Jordão vinham ao encontro de João. 6Confessavam os seus pecados e João os batizava no rio Jordão. 7 Quando viu muitos fariseus e saduceus vindo para o batismo, João disse-lhes: “Raça de cobras venenosas, quem vos ensinou a fugir da ira que vai chegar? 8Produzi frutos que provem a vossa conversão. 9Não penseis que basta dizer: ‘Abraão é nosso pai’, porque eu vos digo: até mesmo destas pedras Deus pode fazer nascer filhos de Abraão. 10O machado já está na raiz das árvores, e toda árvore que não der bom fruto será cortada e jogada no fogo. 11Eu vos batizo com água para a conversão, mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu. Eu nem sou digno de carregar suas sandálias. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. 12Ele está com a pá na mão; ele vai limpar sua eira e recolher seu trigo no celeiro; mas a palha ele a queimará no fogo que não se apaga.” – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

LITURGIA EUCARÍSTICA (Onde não houver missa, segue a partir do nº 23 deste folheto.)

13. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (30º Curso: 10.05)

1. As nossas mãos se abrem, / mesmo na luta e na dor, / e trazem pão e vinho, / para esperar o Senhor. Deus ama os pobres / e se fez pobre, também: / desceu à terra / e fez pousada em Belém. 2. As nossas mãos se elevam, / para, num gesto de amor, / retribuir a vida, / que vem das mãos do Senhor. 3. As nossas mãos se encontram / na mais fraterna união. / Façamos deste mundo / a grande “Casa do Pão”! 4. As nossas mãos sofridas / nem sempre têm o que dar, / mas vale a própria vida / de quem prossegue a lutar.

14. ORAÇÃO

P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, 10. HOMILIA para nosso bem e de toda a santa Igreja. (Após a homilia, pausa para reflexão.) P – Acolhei, ó Deus, com bondade nossas humildes preces e oferendas, e, como 11. PROFISSÃO DE FÉ P – Cheios de confiança, professemos não podemos invocar os nossos méritos, venha em nosso socorro a vossa miseria nossa fé. córdia. Por Cristo, nosso Senhor. T – Creio em Deus Pai... T – Amém.

12. ORAÇÃO COMUNITÁRIA

P – Irmãs e irmãos, Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida. Confiantes, peçamos que Ele nos ajude a produzir frutos que provem a nossa conversão. 1. Diante dos apelos do Santo Padre, o Papa, para que sejamos fiéis na busca da santidade, T – Senhor, apressai a nossa conversão. 2. Diante do barulho e dos ruídos que só estimulam o consumismo, 3. Diante dos enfeites e decorações que nos distraem, impedindo um profundo exame de consciência, 4. Diante das ilusões deste mundo que não nos deixam enxergar a injustiça, a corrupção e a alienação, 5. Diante da indiferença que não nos deixa ver o sofrimento e o abandono dos pobres e excluídos, 6. Diante da autossuficiência e do orgulho que muitas vezes nos fazem pensar que não precisamos mais de conversão. (Preces da comunidade) (Conclusão pelo presidente)

15. ORAÇÃO EUCARÍSTICA II (Prefácio do Advento, I )

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso. Revestido da nossa fragilidade, ele veio a primeira vez para realizar seu eterno plano de amor, e abrir-nos o caminho da salvação. Revestido de sua glória, ele virá uma segunda vez para concedernos em plenitude os bens prometidos que hoje, vigilantes, esperamos. Por essa razão, agora e sempre, nós nos unimos aos anjos e a todos os santos, cantando (dizendo) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo...

Na verdade, ó Pai, vós sois santo e fonte de toda santidade. Santificai, pois, estas oferendas, derramando sobre elas o vosso Espírito, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso. T – Santificai nossa oferenda, ó Senhor! Estando para ser entregue e abraçando livremente a paixão, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo: Tomai todos, e bebei: este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte, e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando, pois, a memória da morte e ressurreição do vosso Filho, nós vos oferecemos, ó Pai, o pão da vida e o cálice da salvação; e vos agradecemos porque nos tornastes dignos de estar aqui na vossa presença e vos servir. T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! E nós vos suplicamos que, participando do Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos pelo Espírito Santo num só corpo. T – Fazei de nós um só corpo e um só espírito! Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, com o papa Bento, com o nosso bispo N. e todos os ministros do vosso povo. T – Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja! Lembrai-vos também dos nossos irmãos e irmãs que morreram na esperança da ressurreição e de todos os que partiram desta vida: acolhei-os junto a vós na luz da vossa face. T – Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos! Enfim, nós vos pedimos, tende piedade de todos nós e dai-nos participar da vida eterna, com a Virgem Maria, Mãe de Deus, com os santos Apóstolos e todos os que neste mundo vos serviram, a fim de vos louvarmos e glorificarmos por Jesus Cristo, vosso Filho. T - Concedei-nos o convívio dos eleitos! Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra

e toda a glória, agora e para sempre. T - Amém!

16. PAI-NOSSO

P – O Senhor nos comunicou o seu Espírito. Com a confiança e a liberdade de filhos, rezemos numa só voz: T – Pai nosso...

17. CANTO DA COMUNHÃO (14º Curso: 08.97)

Vem, ó Senhor, com o teu povo caminhar, / teu corpo e sangue, vida e força vem nos dar. (bis) 1. A Boa - Nova proclamai com alegria. / Deus vem a nós, Ele nos salva e nos recria. / E o deserto vai florir e se alegrar. / Da terra seca flores, frutos vão brotar. (bis) 2. Eis nosso Deus, e ele vem para salvar / com sua força vamos juntos caminhar. / E construir um mundo novo e libertado / do egoísmo, da injustiça e do pecado. (bis) 3. Uma voz clama no deserto com vigor, / “preparai hoje os caminhos do Senhor” / Tirai do mundo a violência e a ambição / que não vos deixam ver no outro vosso irmão. (bis) 4. Distribuí os vossos bens com igualdade, / fazei na terra germinar fraternidade./ O Deus da vida marchará com o seu povo, / e homens novos viverão num mundo novo. (bis) 5. Vem, ó Senhor, ouve o clamor da tua gente, / que luta e sofre, porém, crê que estás presente. / Não abandones os teus filhos, Deus fiel, / porque teu nome é Deus - conosco: Emanuel. (bis)

18. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

cuja volta esperais, e derrame sobre vós as suas bênçãos. T – Amém. P – Que durante esta vinda ele vos torne firmes na fé, alegres na esperança, solícitos na caridade. T – Amém. P – Alegrando-vos agora pela vinda do Salvador feito homem, sejais recompensados com a vida eterna, quando vier de novo em sua glória. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T - Amém.

22. DESPEDIDA

P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. T – Graças a Deus.

ONDE NÃO HOUVER MISSA

23. COLETA FRATERNA

(É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o nº 13 deste folheto.)

24. DA PALAVRA À REFEIÇÃO

(Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) P – Vamos dar graças a Deus e repartir entre nós o pão consagrado, memória viva do corpo de Jesus, razão da nossa alegria, a quem esperamos com toda a ternura do coração. (Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) (6º Curso: 09.94)

Refrão meditativo: (39º Curso: 08.10) Ó vem, Senhor, não tardes mais, / vem saciar nossa sede de paz. Ó vinde, eterno Deus (3x)

19. ORAÇÃO

P – Oremos. (Pausa para oração) Alimentados pelo pão espiritual, nós vos suplicamos, ó Deus, que, pela participação nesta Eucaristia, nos ensineis a julgar com sabedoria os valores terrenos e colocar nossas esperanças nos bens eternos. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

20. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS

25. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS

O(a) presidente, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor: P – O senhor esteja com vocês! T – Ele está no meio de nós! P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus! T – É nosso dever e nossa salvação! O(a) presidente convida a assembleia a expressar motivos de ação de graças... (30º Curso: 10.05)

É bom cantar um bendito / um canto novo, um louvor (bis) 21. BÊNÇÃO FINAL 1. Ao Deus dos tempos de outrora, / suprema força da História, / que merece toda P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. glória, / por Jesus, nosso Senhor! (bis) P – Que o Deus onipotente e miseri- 2. Por Jesus, o Prometido, / pelos profecordioso vos ilumine com o advento tas predito, / pela Virgem concebido / e do seu Filho, em cuja vinda credes e esperado com amor! (bis)


Libertará o indigente que suplica, / e o pobre ao qual ninguém quer ajudar. / 13 Terá pena do indigente e do infeliz, / e a vida dos humildes salvará. 17 Seja bendito o seu nome para sempre! / E que dure como o sol sua memória! / Todos os povos serão nele abençoados, / todas as gentes cantarão o seu louvor! (Tempo de silêncio) 12

8. SEGUNDA LEITURA

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos (15,4-9) – Irmãos, 4tudo o que outrora foi escrito, foi escrito para nossa instrução, para que, pela nossa constância e pelo conforto espiritual das Escrituras, tenhamos firme esperança. 5 O Deus que dá constância e conforto vos dê a graça da harmonia e concórdia, uns com os outros, como ensina Cristo Jesus. 6Assim, tendo como que um só coração e a uma só voz, glorificareis o Deus e Pai do Senhor nosso, Jesus Cristo. 7 Por isso, acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo vos acolheu, para a glória de Deus. 8Pois eu digo: Cristo tornou-se servo dos que praticam a circuncisão, para honrar a veracidade de Deus, confirmando as promessas feitas aos pais. 9Quanto aos pagãos, eles glorificam a Deus, em razão da sua misericórdia, como está escrito: “Por isso, eu vos glorificarei entre os pagãos e cantarei louvores ao vosso nome”. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

9. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

(Salmos e Aclamações / ano A: 11.10)

Aleluia! Aleluia! Aleluia! Preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas! / Toda a carne há de ver a salvação do nosso Deus. P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus T – Glória a vós, Senhor. (3,1-12) – 1Naqueles dias, apareceu João Batista, pregando no deserto da Judeia: 2“Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo”. 3João foi anunciado pelo profeta Isaías, que disse: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas!” 4 João usava uma roupa feita de pelos de camelo e um cinturão de couro em torno dos rins; comia gafanhotos e mel

do campo. 5Os moradores de Jerusalém, de toda a Judeia e de todos os lugares em volta do rio Jordão vinham ao encontro de João. 6Confessavam os seus pecados e João os batizava no rio Jordão. 7 Quando viu muitos fariseus e saduceus vindo para o batismo, João disse-lhes: “Raça de cobras venenosas, quem vos ensinou a fugir da ira que vai chegar? 8Produzi frutos que provem a vossa conversão. 9Não penseis que basta dizer: ‘Abraão é nosso pai’, porque eu vos digo: até mesmo destas pedras Deus pode fazer nascer filhos de Abraão. 10O machado já está na raiz das árvores, e toda árvore que não der bom fruto será cortada e jogada no fogo. 11Eu vos batizo com água para a conversão, mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu. Eu nem sou digno de carregar suas sandálias. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. 12Ele está com a pá na mão; ele vai limpar sua eira e recolher seu trigo no celeiro; mas a palha ele a queimará no fogo que não se apaga.” – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

LITURGIA EUCARÍSTICA (Onde não houver missa, segue a partir do nº 23 deste folheto.)

13. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (30º Curso: 10.05)

1. As nossas mãos se abrem, / mesmo na luta e na dor, / e trazem pão e vinho, / para esperar o Senhor. Deus ama os pobres / e se fez pobre, também: / desceu à terra / e fez pousada em Belém. 2. As nossas mãos se elevam, / para, num gesto de amor, / retribuir a vida, / que vem das mãos do Senhor. 3. As nossas mãos se encontram / na mais fraterna união. / Façamos deste mundo / a grande “Casa do Pão”! 4. As nossas mãos sofridas / nem sempre têm o que dar, / mas vale a própria vida / de quem prossegue a lutar.

14. ORAÇÃO

P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, 10. HOMILIA para nosso bem e de toda a santa Igreja. (Após a homilia, pausa para reflexão.) P – Acolhei, ó Deus, com bondade nossas humildes preces e oferendas, e, como 11. PROFISSÃO DE FÉ P – Cheios de confiança, professemos não podemos invocar os nossos méritos, venha em nosso socorro a vossa miseria nossa fé. córdia. Por Cristo, nosso Senhor. T – Creio em Deus Pai... T – Amém.

12. ORAÇÃO COMUNITÁRIA

P – Irmãs e irmãos, Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida. Confiantes, peçamos que Ele nos ajude a produzir frutos que provem a nossa conversão. 1. Diante dos apelos do Santo Padre, o Papa, para que sejamos fiéis na busca da santidade, T – Senhor, apressai a nossa conversão. 2. Diante do barulho e dos ruídos que só estimulam o consumismo, 3. Diante dos enfeites e decorações que nos distraem, impedindo um profundo exame de consciência, 4. Diante das ilusões deste mundo que não nos deixam enxergar a injustiça, a corrupção e a alienação, 5. Diante da indiferença que não nos deixa ver o sofrimento e o abandono dos pobres e excluídos, 6. Diante da autossuficiência e do orgulho que muitas vezes nos fazem pensar que não precisamos mais de conversão. (Preces da comunidade) (Conclusão pelo presidente)

15. ORAÇÃO EUCARÍSTICA II (Prefácio do Advento, I )

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso. Revestido da nossa fragilidade, ele veio a primeira vez para realizar seu eterno plano de amor, e abrir-nos o caminho da salvação. Revestido de sua glória, ele virá uma segunda vez para concedernos em plenitude os bens prometidos que hoje, vigilantes, esperamos. Por essa razão, agora e sempre, nós nos unimos aos anjos e a todos os santos, cantando (dizendo) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo...

Na verdade, ó Pai, vós sois santo e fonte de toda santidade. Santificai, pois, estas oferendas, derramando sobre elas o vosso Espírito, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso. T – Santificai nossa oferenda, ó Senhor! Estando para ser entregue e abraçando livremente a paixão, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo: Tomai todos, e bebei: este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte, e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando, pois, a memória da morte e ressurreição do vosso Filho, nós vos oferecemos, ó Pai, o pão da vida e o cálice da salvação; e vos agradecemos porque nos tornastes dignos de estar aqui na vossa presença e vos servir. T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! E nós vos suplicamos que, participando do Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos pelo Espírito Santo num só corpo. T – Fazei de nós um só corpo e um só espírito! Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, com o papa Bento, com o nosso bispo N. e todos os ministros do vosso povo. T – Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja! Lembrai-vos também dos nossos irmãos e irmãs que morreram na esperança da ressurreição e de todos os que partiram desta vida: acolhei-os junto a vós na luz da vossa face. T – Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos! Enfim, nós vos pedimos, tende piedade de todos nós e dai-nos participar da vida eterna, com a Virgem Maria, Mãe de Deus, com os santos Apóstolos e todos os que neste mundo vos serviram, a fim de vos louvarmos e glorificarmos por Jesus Cristo, vosso Filho. T - Concedei-nos o convívio dos eleitos! Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra

e toda a glória, agora e para sempre. T - Amém!

16. PAI-NOSSO

P – O Senhor nos comunicou o seu Espírito. Com a confiança e a liberdade de filhos, rezemos numa só voz: T – Pai nosso...

17. CANTO DA COMUNHÃO (14º Curso: 08.97)

Vem, ó Senhor, com o teu povo caminhar, / teu corpo e sangue, vida e força vem nos dar. (bis) 1. A Boa - Nova proclamai com alegria. / Deus vem a nós, Ele nos salva e nos recria. / E o deserto vai florir e se alegrar. / Da terra seca flores, frutos vão brotar. (bis) 2. Eis nosso Deus, e ele vem para salvar / com sua força vamos juntos caminhar. / E construir um mundo novo e libertado / do egoísmo, da injustiça e do pecado. (bis) 3. Uma voz clama no deserto com vigor, / “preparai hoje os caminhos do Senhor” / Tirai do mundo a violência e a ambição / que não vos deixam ver no outro vosso irmão. (bis) 4. Distribuí os vossos bens com igualdade, / fazei na terra germinar fraternidade./ O Deus da vida marchará com o seu povo, / e homens novos viverão num mundo novo. (bis) 5. Vem, ó Senhor, ouve o clamor da tua gente, / que luta e sofre, porém, crê que estás presente. / Não abandones os teus filhos, Deus fiel, / porque teu nome é Deus - conosco: Emanuel. (bis)

18. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

cuja volta esperais, e derrame sobre vós as suas bênçãos. T – Amém. P – Que durante esta vinda ele vos torne firmes na fé, alegres na esperança, solícitos na caridade. T – Amém. P – Alegrando-vos agora pela vinda do Salvador feito homem, sejais recompensados com a vida eterna, quando vier de novo em sua glória. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T - Amém.

22. DESPEDIDA

P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. T – Graças a Deus.

ONDE NÃO HOUVER MISSA

23. COLETA FRATERNA

(É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o nº 13 deste folheto.)

24. DA PALAVRA À REFEIÇÃO

(Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) P – Vamos dar graças a Deus e repartir entre nós o pão consagrado, memória viva do corpo de Jesus, razão da nossa alegria, a quem esperamos com toda a ternura do coração. (Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) (6º Curso: 09.94)

Refrão meditativo: (39º Curso: 08.10) Ó vem, Senhor, não tardes mais, / vem saciar nossa sede de paz. Ó vinde, eterno Deus (3x)

19. ORAÇÃO

P – Oremos. (Pausa para oração) Alimentados pelo pão espiritual, nós vos suplicamos, ó Deus, que, pela participação nesta Eucaristia, nos ensineis a julgar com sabedoria os valores terrenos e colocar nossas esperanças nos bens eternos. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

20. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS

25. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS

O(a) presidente, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor: P – O senhor esteja com vocês! T – Ele está no meio de nós! P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus! T – É nosso dever e nossa salvação! O(a) presidente convida a assembleia a expressar motivos de ação de graças... (30º Curso: 10.05)

É bom cantar um bendito / um canto novo, um louvor (bis) 21. BÊNÇÃO FINAL 1. Ao Deus dos tempos de outrora, / suprema força da História, / que merece toda P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. glória, / por Jesus, nosso Senhor! (bis) P – Que o Deus onipotente e miseri- 2. Por Jesus, o Prometido, / pelos profecordioso vos ilumine com o advento tas predito, / pela Virgem concebido / e do seu Filho, em cuja vinda credes e esperado com amor! (bis)


3. Jesus, por João anunciado, / presente entre nós mostrado, / por Ele o prazer é dado, / de esperá-lo com ardor! (bis) 4. Ao preparar seu Natal, / querer sua vinda final, / quando finda todo mal / e se acaba toda dor. (bis) 5. Que na prece vigiemos, / de esperar não nos cansemos, / à sua vinda nos achemos, / celebrando seu louvor. (bis) 6. E agora, ó Desejado, / o teu povo congregado, / aos céus e à terra irmanado, / louva e bendiz ao Senhor! (bis) P – Por este sinal do corpo do teu Filho, que alimenta e sustenta a tua Igreja, expressamos nossa fé e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino e recebe o louvor de toda a criação e a prece que elevamos a

ti com as palavras que Jesus nos ensinou: tira o pecado do mundo! T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o po- T – Senhor, eu não sou digno(a)... der e a glória para sempre. Partilha do pão consagrado: canto de comunhão número 17 A deste folheto. 26. ABRAÇO DA PAZ

P – Irmãos e irmãs, por sua morte e res- 28. ORAÇÃO FINAL surreição, o Cristo nos reconciliou. De- Ó Deus próximo, amigo da humanidamo-nos uns aos outros o abraço da paz! de, nesta celebração, recebemos o alimento do reino. Que ele nos fortaleça 27. RITO DA COMUNHÃO em teus caminhos e nos dê toda a força (Após o Pai-Nosso, quem preside convida para prepararmos os caminhos para a a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) vinda do teu filho Jesus Cristo, nosso P – Assim disse Jesus: “Eis que estou à Senhor! Amém. porta e bato: se alguém ouvir a minha voz O roteiro de “onde não houver missa” e abrir a porta, entrarei em sua casa e co- encontra-se no livro “Dia do Senhor”, de merei com ele e ele comigo” (Ap 3,20) M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Mostrando o pão consagrado: Apostolado Litúrgico. P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que

O SENHOR VEM! BUSQUEMOS A CONVERSÃO

Sugestões para a equipe de celebração: Neste 2º domingo do Advento, a voz de João Batista continua clamando no deserto de nossa realidade, convidando-nos à conversão e nos preparando para escutar a voz do Senhor... Andamos, ainda, por caminhos tortuosos da injustiça, da corrupção e da violência. Que Ele venha endireitar nossas estradas e nos ajudar a fazer de nossa terra uma casa de irmãos. Sugestões para a equipe de celebração: 1. O roxo (mais avermelhado) como no folheto, diferente do roxo quaresmal, indica a alegria da espera que marca as

celebrações deste tempo. 2. É importante recordar nesta celebração fatos que são sinais que apressam a vinda de Deus no meio de nós. 3. É importante que a comunidade leve um compromisso bem concreto brotado na celebração, para ser vivido durante a semana. 4. No final da celebração, motivar a coleta do próximo domingo, como oferta para as atividades pastorais da Igreja, conforme determinação da 36ª. Assembleia Geral da CNBB.

LEITURAS BÍBLICAS:

2ª-f.:Is 35,1-10; Lc 5,17-26. 3ª-f.:Is 40,1-11; Mt 18,12-14. 4ª-f.: Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora – Gn 3,9-15; Ef 1,3-6.11-12; Lc 1,26-38. 5ª-f.: Is 41,13-20; Mt 11,11-15. 6ª-f.: Is 48,17-19; Mt 11,16-19. Sábado: Eclo 48,1-4.9-11; Mt 17,10-13. Domingo: 3º Domingo do Advento – Is 35, 1-6a.10; Tg 5, 7-10; Mt 11, 2-11.

B l trCentral an raaslil C tre ilnC seBrasil a r entra B C l i l Bras

Sua fonte mensal de formação e informação na Igreja e fora dela

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

De 2ª a 6ª, às 13h30

Informações sobre educação, ciência, tecnologia, comunidades, arte e cultura.

Canal 24 Canal 20 Net

Arquidiocese de Goiânia

2º Domingo do Advento

5 de dezembro de 2010 - Ano XXVIII - Nº 1583

O SENHOR VEM! BUSQUEMOS A CONVERSÃO Preparação: a) Chegada, oração pessoal, ensaios de canto; b) Tempo de silêncio; c) Refrão meditativo: (39º Curso: 08.10)

“Vigiai unidos a mim, / comigo orando, / sempre orando.” (Cantar várias vezes até a assembleia tornar-se um só corpo. Durante o canto, faz-se o acendimento da 2ª. vela da coroa do Advento.)

3. ACOLHIDA

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – O Deus da esperança, que nos cumula de toda alegria e paz em nossa fé, pela ação do Espírito Santo, esteja convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL

P – Preparamos o Natal do Senhor. De um lado, o barulho da propaganda que incentiva o consumismo. Do outro lado, a Palavra de Deus que nos chama à conversão. Ouvimos os dois, 1. MOTIVAÇÃO mas a quem estamos escutando? A – Irmãs e irmãos, estamos nos (Pausa) preparando para celebrar a vinda Desejosos de acolher o projeto de do Senhor. Ele sempre vem. Um dos Deus, peçamos seu perdão, cantando. caminhos que torna o Senhor sempre (34º Curso: 09.07) presente em nosso meio é o da perma1. Senhor, que vindes visitar vosso nente conversão. Dispostos a deixar povo na paz, tende piedade de nós. que a palavra de Deus nos indique em que precisamos transformar nos- 2. Cristo, que vindes salvar o que essa vida, iniciemos nossa celebração, tava perdido, tende piedade de nós. 3. Senhor, que vindes criar um mundo cantando. novo, tende piedade de nós. 2. CANTO DE ABERTURA Senhor, tende piedade. Cristo, ten(37º Curso: 09.09) de piedade de nós. Senhor, piedade, 1. Uma voz fez-se ouvir lá no deserto: / piedade de nós. (bis) “Preparai os caminhos do Senhor!” / Na (Conclusão pelo presidente) alegria do Céu assim tão perto, /entoou 5. ORAÇÃO toda Terra este clamor: Vem, Senhor, não tardes mais, / és o P – Oremos. (Pausa para oração) anseio das nações! / Vem curar os nosÓ Deus todo-poderoso e cheio de misesos “ais” / e expulsar as opressões! / ricórdia, nós vos pedimos que nenhuma Pastor Santo de Israel, / vem salvar teu povo, vem! / Deus bendito, Emanuel, / atividade terrena nos impeça de correr ao encontro do vosso Filho, mas, instruídos vem salvar teu povo, vem! pela vossa sabedoria, participemos da 2. Vai cumprir-se do Céu a profecia: / plenitude de sua vida. Por nosso Senhor “Nosso Deus entre nós vem habitar!” / Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Reunido, e na paz da liturgia, / vem o Espírito Santo. povo de Deus então cantar: T – Amém. 3. No horizonte já brilha nova vida, / Luz LITURGIA DA PALAVRA sublime de um novo amanhecer. / E, feliz, rumo à Terra Prometida, / eis o A – A Palavra de Deus nos chama a mudar de vida para nos prepararmos para a vinda povo de Deus sempre a dizer: do Senhor. Escutemos com atenção. 4. Eis grilhões da injustiça já rompidos, / mil algemas quebradas pelo amor, / mas 6. PRIMEIRA LEITURA na paz, o clamor dos oprimidos / chega Leitura do Livro do Profeta Isaíao Céu neste brado de louvor. as (11,1-10) – Naqueles dias, 1nascerá

uma haste do tronco de Jessé e, a partir da raiz, surgirá o rebento de uma flor; 2sobre ele repousará o espírito do Senhor: espírito de sabedoria e discernimento, espírito de ciência e temor de Deus; 3no temor do Senhor encontra ele seu prazer. Ele não julgará pelas aparências que vê nem decidirá somente por ouvir dizer; 4mas trará justiça para os humildes e uma ordem justa para os homens pacíficos; fustigará a terra com a força da sua palavra e destruirá o mau com o sopro dos lábios. 5Cingirá a cintura com a correia da justiça e as costas com a faixa da fidelidade. 6 O lobo e o cordeiro viverão juntos e o leopardo deitar-se-á ao lado do cabrito; o bezerro e o leão comerão juntos e até mesmo uma criança poderá tangê-los. 7A vaca e o urso pastarão lado a lado, enquanto suas crias descansam juntas; o leão comerá palha como o boi; 8a criança de peito vai brincar em cima do buraco da cobra venenosa; e o menino desmamado não temerá pôr a mão na toca da serpente. 9 Não haverá danos nem mortes por todo o meu santo monte: a terra estará tão repleta do saber do Senhor quanto as águas que cobrem o mar. 10Naquele dia, a raiz de Jessé se erguerá como um sinal entre os povos; hão de buscá-la as nações, e gloriosa será a sua morada. - Palavra do Senhor. T - Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

7. SALMO 71 (72)

(Salmos e Aclamações / ano A: 11.10)

Nos seus dias a justiça florirá, / a justiça florirá! 1 Dai ao Rei vossos poderes, Senhor Deus, / vossa justiça ao descendente da realeza! / 2Com justiça ele governe o vosso povo, / com equidade ele julgue os vossos pobres. 7 Nos seus dias a justiça florirá / e grande paz, até que a lua perca o brilho! / 8De mar a mar estenderá o seu domínio, / e desde o rio até os confins de toda a terra!

Folheto 05.12.2010  

Folheto 05/12/2010

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you