Page 1

T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutando a tua Palavra e repartindo o pão, na esperança de ver o novo céu e a nova terra, onde não haverá fome, nem morte, nem dor, e onde viveremos na plena comunhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Toda a nossa louvação chegue a ti

em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

27. ABRAÇO DA PAZ

P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurreição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos uns aos outros o abraço da paz!

P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... Distribuição da Comunhão: canto de comunhão n. 18 A e B deste folheto.)

3º Domingo do Tempo Comum

29. ORAÇÃO FINAL

Ó Deus de ternura, nesta celebração, tu renovaste em nós o desejo de seguir Jesus e sermos anunciadores do reino. Dá-nos a unção do teu amor para ser28. RITO DA COMUNHÃO Após o Pai-Nosso, quem preside convida virmos com dedicação e ternura, seja a comunidade a partilhar o pão, dizendo: na comunidade dos irmãos, seja na misP – Da mesma maneira como este pão são. Por Cristo, nosso Senhor. partido foi primeiro trigo plantado e depois recolhido para se tornar alimento, O roteiro de “onde não houver missa” assim também somos um só corpo no encontra-se no livro “Dia do Senhor”: de M. Guimarães e P. Carpanedo, Cristo Jesus. Paulinas: Apostolado Litúrgico. Mostrando o pão consagrado:

O SENHOR NOS CHAMA!

O mistério que celebramos hoje Celebramos o mistério da Páscoa do Senhor acompanhando Jesus, no início de sua missão, na Galileia. Junto aos mais pobres e doentes ele anuncia a chegada do Reino de Deus, chama seus primeiros discípulos e cura as enfermidades do povo. Damos graças ao Pai, porque, imersos na luz de Cristo pelo batismo, nos tornamos filhos da luz, chamados a vencer, pela conversão constante, as trevas e a dureza que envolvem nossa vida e a vida dos irmãos. Hoje Ele renova seu chamado a cada um de nós, nos revigora

Arquidiocese de Goiânia

com sua Palavra e com o sacramento de seu Corpo e Sangue para que mais disponíveis, prestativos e alegres deixemos “nossas redes” para melhor seguir seu Evangelho e ser pescadores de gente. Sugestões para a equipe de celebração: 1. Criar possibilidade, nos ritos iniciais, de um acolhimento fraterno entre as pessoas. 2. Após a homilia e na louvação (se for Celebração da Palavra), pedir às pessoas que proclamem as ações libertadoras que Deus realiza na sua vida pessoal, comunitária e social.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Hb 9,15.24-28; Mc 3,22-30. 3ª-f.: Conversão de São Paulo – At 22,3-16 ou At 9,1-22; Mc 16,1518. 4ª-f.: 2Tm 1,1-8 ou Tt 1,1-5; Lc 10,1-9. 5ª-f.: Hb 10,19-25; Mc 4,21-25. 6ª-f.: Hb 10,32-39; Mc 4,26-34. Sábado: Hb 11,1-2.8-19; Mc 4,35-41. Domingo: 4º Domingo do Tempo Comum - Sf 2,3; 3,12-13; lCor 1,26-31; Mt 5,1-12a.

B l trCentral Brasil an raaslil C tre nC il s a e r entra B C l i s l a Br

Sua fonte mensal de formação e informação na Igreja e fora dela CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

23 de janeiro de 2011 - Ano XXVIII - Nº 1593

O SENHOR NOS CHAMA! 1. MOTIVAÇÃO

A – Nesta celebração, o Senhor nos convida a fazer uma profunda revisão de nossa vida e de nossa caminhada. Abramos o coração e deixemos que Ele nos transforme e nos conduza no caminho do seu Reino. Iniciemos, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (10º Curso: 09.95)

O Espírito do Senhor repousa sobre mim. / O Espírito do Senhor me escolheu, me enviou. 1. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / para anunciar a Boa-Nova a seus pobres, / para proclamar a alegria e a paz: / exulto de alegria em Deus meu Salvador. 2. Para dilatar o seu Reino entre as nações / consolar os corações esmagados pela dor; / para proclamar sua graça e salvação / e acolher quem sofre e chora sem apoio, sem consolo. 3. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / para anunciar libertação e salvação; / para anunciar seu amor e seu perdão, / e para celebrar sua glória entre os povos.

3. ACOLHIDA

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL

P – Em Jesus Cristo, o Justo, que intercede por nós e nos reconcilia com o Pai, abramos o nosso espírito ao arrependimento para sermos menos indignos de aproximar-nos da mesa do Senhor. (Pausa) P – Senhor, que oferecestes o vosso perdão a Pedro arrependido, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo que prometestes o paraíso ao

cobriu de glória o caminho do mar, do além-Jordão e da Galileia das nações. 9,10 O povo que andava na escuridão viu uma grande luz; para os que habitavam nas sombras da morte, uma luz resplandeceu. 2 Fizeste crescer a alegria, e aumentaste a felicidade; todos se regozijam em tua presença como alegres ceifeiros na colheita, ou como exaltados guerreiros ao dividirem os despojos. 3 5. HINO DE LOUVOR Pois o jugo que oprimia o povo, – a (30º Curso: 10.05) carga sobre os ombros, o orgulho dos Glória a Deus nos altos céus! / Paz na fiscais – tu os abateste como na jornaterra a seus amados! / A vós louvam, da de Madiã. Rei celeste, / os que foram libertados! – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio) 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos; / damos glória ao 8. SALMO 26 (27) vosso nome, / vossos dons agradecemos! (Salmos e Aclamações / ano A: 11.10) 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito O Senhor é minha luz e salvação. / O do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / Senhor é a proteção da minha vida. nossas culpas perdoai! 1a O Senhor é minha luz e salvação; / bde 3. Vós, que estais junto do Pai, / como quem eu terei medo? / cO Senhor é a pronosso intercessor, / acolhei nossos pedi- teção da minha vida; / dperante quem eu dos, / atendei nosso clamor! tremerei? 4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssi- 4Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, mo, o Senhor, / com o Espírito Divino, / e é só isto que eu desejo: / habitar no de Deus Pai no esplendor. santuário do Senhor por toda a minha vida; / saborear a suavidade do Senhor / 6. ORAÇÃO e contemplá-lo no seu templo. P – Oremos. (Pausa para oração) 13 Sei que a bondade do Senhor eu hei Deus eterno e todo-poderoso, dirigi a nosde ver / na terra dos viventes. / 14Espera sa vida segundo o vosso amor, para que no Senhor e tem coragem, / espera no possamos, em nome do vosso Filho, fruSenhor. tificar em boas obras. Por nosso Senhor (Tempo de silêncio) Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. 9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Primeira Carta de São T – Amém. Paulo aos Coríntios (l,10-13.17) - 10IrLITURGIA DA PALAVRA mãos, eu vos exorto, pelo nome do SeA – Escutemos a Palavra de Deus. Ela nhor nosso, Jesus Cristo, a que sejais nos anuncia a vinda do Reino da paz e todos concordes uns com os outros e justiça, que exige de nós a conversão e o não admitais divisões entre vós. Pelo contrário, sede bem unidos e concordes seguimento de Jesus. no pensar e no falar. 11 7. PRIMEIRA LEITURA Com efeito, pessoas da família de Leitura do Livro do Profeta Isaías Cloé informaram-me a vosso respeito, (8,23b-9,3) – 23bNo tempo passado o meus irmãos, que está havendo contenSenhor humilhou a terra de Zabulon das entre vós. 12Digo isso, porque cada e a terra de Neftali; mas recentemente um de vós afirma: “Eu sou de Paulo”;

bom ladrão, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, que acolheis toda pessoa que confia na vossa misericórdia, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Deus todo-poderoso, tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém.


ou: “Eu sou de Apolo”; ou: “Eu sou de Cefas”; ou: “Eu sou de Cristo!” 13 Será que Cristo está dividido? Acaso Paulo é que foi crucificado por amor de vós? Ou é no nome de Paulo que fostes batizados? 17 De fato, Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar a boa nova da salvação, sem me valer dos recursos da oratória, para não privar a cruz de Cristo da sua força própria. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

(Salmos e Aclamações / ano A: 11.10)

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) Pois do Reino a Boa Nova Jesus Cristo anunciava / e as dores do seu povo, com poder, Jesus curava. P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. T – Glória a vós, Senhor. (4,12-23) – 12Ao saber que João tinha sido preso, Jesus voltou para a Galileia. 13Deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia, 14no território de Zabulon e Neftali, para se cumprir o que foi dito pelo profeta Isaías: 15“Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, região do outro lado do rio Jordão, Galileia dos pagãos! 16O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz, e para os que viviam na região escura da morte brilhou uma luz”. 17 Daí em diante Jesus começou a pregar dizendo: “Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo”. 18 Quando Jesus andava à beira do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Estavam lançando a rede ao mar, pois eram pescadores. 19Jesus disse a eles: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens”. 20Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram. 21 Caminhando um pouco mais, Jesus viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Estavam na barca com seu pai Zebedeu consertando as redes. Jesus os chamou. 22Eles imediatamente deixaram a barca e o pai, e o seguiram. 23 Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando

todo tipo de doença e enfermidade do povo. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

imenso dom do amor. / Pela força no terreno. / Pelo dom de fazer pão. / Por esse impulso sereno / pra nos pôr em comunhão.

15. ORAÇÃO

P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus 11. HOMILIA Pai todo-poderoso. (Após a homilia, pausa para reflexão.) T – Receba o Senhor por tuas mãos 12. PROFISSÃO DE FÉ P – Cheios de confiança, professemos a este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja. nossa fé. Ó Deus, acolhei com bondade as ofeT – Creio em Deus Pai... rendas que vos apresentamos para que 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA sejam santificadas e nos tragam a salP – Ao Senhor, Luz do Mundo, apre- vação. Por Cristo, nosso Senhor. sentamos nossa vida e nossas súplicas, T – Amém. dizendo: 16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA VII T – Brilhe vossa luz, Senhor, (Prefácio próprio) 1. Sobre os pastores da Igreja. P – O Senhor esteja convosco. 2. Sobre nossa (Arqui)diocese. T – Ele está no meio de nós. 3. Sobre aqueles que, como João Batis- P – Corações ao alto. ta, são perseguidos, ameaçados e mortos T – O nosso coração está em Deus. por causa do Evangelho. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. 4. Sobre os jovens que hoje são chama- T – É nosso dever e nossa salvação. dos à vocação sacerdotal e religiosa. Na verdade, é justo e bom agradecer5. Sobre os pais e mães de família. vos, Deus Pai, porque constantemente nos chamais a viver na felicidade com6. Sobre os doentes e sofredores. pleta. Vós, Deus de ternura e de bonda7. Sobre cada um de nós. de, nunca vos cansais de perdoar. OfereP – Rezemos pela vocações. ceis vosso perdão a todos, convidando T – Jesus, Mestre Divino, que cha- os pecadores a entregar-se confiantes à mastes os apóstolos a vos seguirem, vossa misericórdia. continuai a passar pelos nossos caT – Como é grande, ó Pai, a vossa minhos, pelas nossas famílias, pelas misericórdia. nossas escolas, e continuai a repetir o convite a muitos de nossos jovens. Jamais nos rejeitastes quando quebraDai força para que vos sejam fiéis, mos a vossa aliança, mas, por Jesus, como apóstolos leigos, como padres, vosso Filho e nosso irmão, criastes com como religiosos e religiosas, para a família humana novo laço de amizao bem do Povo de Deus e de toda a de, tão estreito e forte, que nada poderá romper. Concedeis agora a vosso povo humanidade. Amém. tempo de graça e reconciliação. Dai, LITURGIA EUCARÍSTICA pois, em Cristo novo alento à vossa (Onde não houver missa, segue a partir Igreja, para que se volte para vós. Fazei que, sempre mais dócil ao Espírito Sando n.º 24 deste folheto.) to, se coloque ao serviço de todos. 14. CANTO DE PREPARAÇÃO T – Como é grande, ó Pai, a vossa DAS OFERENDAS misericórdia. (25º Curso: 03.03) Cheios de admiração e reconhecimento, 1. Espírito Criador! / Com o Pai fazeis fe- unimos nossa voz à voz das multidões cundo / o solo imenso do mundo, / pra nos do céu para cantar o poder do vosso dar trigo e flor. / Bendito sois noite e dia / amor e alegria da nossa salvação: por tão grande doação. / Fonte sem fim de Santo, Santo, Santo... alegria, / são matérias pro nosso pão. Ó Deus, desde a criação do mundo, fa2. Espírito Criador! / Foi dom de vossa zeis o bem a cada um de nós para serbondade / encher-nos de habilidade, / pro mos santos como vós sois santo. Olhai trabalho, Senhor. / Com o Pai Vós sois ben- vosso povo aqui reunido e derramai a dito, / porque dais à nossa mão, / com poder força do Espírito, para que estas ofeque é quase infinito, / continuar a Criação. rendas se tornem o Corpo e o Sangue 3. Espírito Criador! / Bendito sempre se- do Filho muito amado, no qual também jais, / por tudo isso; e bem mais, / pelo somos vossos filhos.

Enquanto estávamos perdidos e incapazes de vos encontrar, vós nos amastes de modo admirável: pois vosso Filho – o Justo e Santo – entregou-se em nossas mãos aceitando ser pregado na cruz. T – Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia. Antes, porém, de seus braços abertos traçarem entre o céu e a terra o sinal permanente da vossa aliança, Jesus quis celebrar a Páscoa com seus discípulos. Ceando com eles, tomou o pão e pronunciou a bênção de ação de graças. Depois, partindo o pão, o deu a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e comei: Isto é o meu corpo, que será entregue por vós. Ao fim da ceia, Jesus, sabendo que ia reconciliar todas as coisas pelo sangue a ser derramado na cruz, tomou o cálice com vinho. Ele vos deu graças novamente, e passou o cálice a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos, para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Lembramo-nos de Jesus Cristo, nossa páscoa e certeza da paz definitiva. Hoje celebramos sua morte e ressurreição, esperando o dia feliz de sua vinda gloriosa. Por isso, vos apresentamos, ó Deus fiel, a vítima de reconciliação que nos faz voltar à vossa graça. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa. Olhai com amor, Pai misericordioso, aqueles que atraís para vós, fazendo-os participar no único sacrifício do Cristo. Pela força do Espírito Santo, todos se tornem um só corpo bem unido, no qual todas as divisões sejam superadas. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa. Conservai-nos, em comunhão de fé e de amor, unidos ao papa Bento e ao nosso Bispo N. Ajudai-nos a trabalhar juntos na construção do vosso reino, até o dia em que, diante de vós, formos santos com os vossos santos, ao lado da Virgem Maria e dos Apóstolos, com nossos irmãos e irmãs já falecidos que confiamos à vossa misericórdia. Quando fizermos parte da nova criação, enfim libertada de toda maldade e fraqueza, poderemos cantar a ação de graças do Cristo que vive para sempre. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa.

Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

17. PAI-NOSSO

nova vida, sempre nos gloriemos dos vossos dons. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

21. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS

P – Guiados pelo Espírito de Jesus e ilu- 22. BÊNÇÃO FINAL minados pela sabedoria do Evangelho, P – O Senhor esteja convosco. ousamos dizer: T – Ele está no meio de nós. T – Pai nosso... P – A paz de Deus, que supera todo en18 A. CANTO DA COMUNHÃO tendimento, guarde os vossos corações e vossas mentes no conhecimento e no (31º Curso: 04.06) 1. Quando o Espírito de Deus soprou, / o amor de Deus, e de seu Filho, nosso mundo inteiro se iluminou. / A esperança Senhor Jesus Cristo. na terra brotou / e um povo novo deu-se T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, as mãos e caminhou! Pai e Filho e Espírito Santo. Lutar e crer, vencer a dor! / Louvar o T – Amém. Criador! / Justiça e paz hão de reinar! / E viva o amor! 23. DESPEDIDA 2. Quando Jesus a terra visitou, / a Boa P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. Nova da justiça anunciou. / O cego viu, o T – Graças a Deus. surdo escutou, / e os oprimidos das corONDE NÃO HOUVER MISSA rentes libertou. 3. Nosso poder está na união. / O mundo 24. COLETA FRATERNA novo vem de Deus e dos irmãos. / Vamos (É o momento de trazer donativos ou lutando contra a divisão / e preparando a oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia festa da libertação. 4. Cidade e campo se transformarão, / canta o n.º 14 deste folheto.) jovens unidos na esperança gritarão. / A 25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO força nova é o poder do amor, / nossa fra- (Quem preside convida a assembleia a queza é força em Deus libertador! se aproximar do altar.)

18 B. CANTO DA COMUNHÃO (Cante a Vida, página 215 )

1. Tu te abeiraste da praia, / não buscaste nem sábios nem ricos, / somente queres que eu te siga. Senhor, Tu me olhaste nos olhos, / a sorrir, pronunciaste meu nome. / Lá na praia, eu larguei o meu barco, / junto a ti, buscarei outro mar. 2. Tu sabes bem que em meu barco / eu não tenho nem ouro nem espadas, / somente redes e o meu trabalho. 3. Tu minhas mãos solicitas: / meu cansaço que a outros descanse; / amor que almeja seguir amando. 4. Tu, pescador de outros lagos, / ânsia eterna de almas que esperam, / bondoso amigo que assim me chamas.

P – Na alegria de partilhar o pão consagrado, vamos dar graças ao nosso Deus que manifesta o seu amor pela vinda de Jesus. Que o Senhor nos alegre com a sua presença como tantas vezes partilhou da mesa com os seus discípulos, antes e depois da ressurreição. (Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) (Curso: 03.92 – Semana Santa.)

Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, o pão da alegria descido do céu.

26. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS

O(a) presidente, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor: P – O Senhor esteja com vocês! T – Ele está no meio de nós! 19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus! Refrão meditativo: (33º Curso: 03.07) T – É nosso dever e nossa salvação! Ó Cristo, amado Senhor; ó Cristo, amado P – Nós te damos graças, ó Deus da Senhor! vida, porque neste dia santo de domingo nos acolhes na comunhão do teu 20. ORAÇÃO amor e renovas nossos corações com a P – Oremos. (Pausa para oração) Concedei-nos, Deus todo-poderoso, alegria da ressurreição de Jesus. que, tendo recebido a graça de uma (27º Curso: 03.04)


ou: “Eu sou de Apolo”; ou: “Eu sou de Cefas”; ou: “Eu sou de Cristo!” 13 Será que Cristo está dividido? Acaso Paulo é que foi crucificado por amor de vós? Ou é no nome de Paulo que fostes batizados? 17 De fato, Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar a boa nova da salvação, sem me valer dos recursos da oratória, para não privar a cruz de Cristo da sua força própria. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

(Salmos e Aclamações / ano A: 11.10)

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) Pois do Reino a Boa Nova Jesus Cristo anunciava / e as dores do seu povo, com poder, Jesus curava. P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. T – Glória a vós, Senhor. (4,12-23) – 12Ao saber que João tinha sido preso, Jesus voltou para a Galileia. 13Deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia, 14no território de Zabulon e Neftali, para se cumprir o que foi dito pelo profeta Isaías: 15“Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, região do outro lado do rio Jordão, Galileia dos pagãos! 16O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz, e para os que viviam na região escura da morte brilhou uma luz”. 17 Daí em diante Jesus começou a pregar dizendo: “Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo”. 18 Quando Jesus andava à beira do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Estavam lançando a rede ao mar, pois eram pescadores. 19Jesus disse a eles: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens”. 20Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram. 21 Caminhando um pouco mais, Jesus viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Estavam na barca com seu pai Zebedeu consertando as redes. Jesus os chamou. 22Eles imediatamente deixaram a barca e o pai, e o seguiram. 23 Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando

todo tipo de doença e enfermidade do povo. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

imenso dom do amor. / Pela força no terreno. / Pelo dom de fazer pão. / Por esse impulso sereno / pra nos pôr em comunhão.

15. ORAÇÃO

P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus 11. HOMILIA Pai todo-poderoso. (Após a homilia, pausa para reflexão.) T – Receba o Senhor por tuas mãos 12. PROFISSÃO DE FÉ P – Cheios de confiança, professemos a este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja. nossa fé. Ó Deus, acolhei com bondade as ofeT – Creio em Deus Pai... rendas que vos apresentamos para que 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA sejam santificadas e nos tragam a salP – Ao Senhor, Luz do Mundo, apre- vação. Por Cristo, nosso Senhor. sentamos nossa vida e nossas súplicas, T – Amém. dizendo: 16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA VII T – Brilhe vossa luz, Senhor, (Prefácio próprio) 1. Sobre os pastores da Igreja. P – O Senhor esteja convosco. 2. Sobre nossa (Arqui)diocese. T – Ele está no meio de nós. 3. Sobre aqueles que, como João Batis- P – Corações ao alto. ta, são perseguidos, ameaçados e mortos T – O nosso coração está em Deus. por causa do Evangelho. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. 4. Sobre os jovens que hoje são chama- T – É nosso dever e nossa salvação. dos à vocação sacerdotal e religiosa. Na verdade, é justo e bom agradecer5. Sobre os pais e mães de família. vos, Deus Pai, porque constantemente nos chamais a viver na felicidade com6. Sobre os doentes e sofredores. pleta. Vós, Deus de ternura e de bonda7. Sobre cada um de nós. de, nunca vos cansais de perdoar. OfereP – Rezemos pela vocações. ceis vosso perdão a todos, convidando T – Jesus, Mestre Divino, que cha- os pecadores a entregar-se confiantes à mastes os apóstolos a vos seguirem, vossa misericórdia. continuai a passar pelos nossos caT – Como é grande, ó Pai, a vossa minhos, pelas nossas famílias, pelas misericórdia. nossas escolas, e continuai a repetir o convite a muitos de nossos jovens. Jamais nos rejeitastes quando quebraDai força para que vos sejam fiéis, mos a vossa aliança, mas, por Jesus, como apóstolos leigos, como padres, vosso Filho e nosso irmão, criastes com como religiosos e religiosas, para a família humana novo laço de amizao bem do Povo de Deus e de toda a de, tão estreito e forte, que nada poderá romper. Concedeis agora a vosso povo humanidade. Amém. tempo de graça e reconciliação. Dai, LITURGIA EUCARÍSTICA pois, em Cristo novo alento à vossa (Onde não houver missa, segue a partir Igreja, para que se volte para vós. Fazei que, sempre mais dócil ao Espírito Sando n.º 24 deste folheto.) to, se coloque ao serviço de todos. 14. CANTO DE PREPARAÇÃO T – Como é grande, ó Pai, a vossa DAS OFERENDAS misericórdia. (25º Curso: 03.03) Cheios de admiração e reconhecimento, 1. Espírito Criador! / Com o Pai fazeis fe- unimos nossa voz à voz das multidões cundo / o solo imenso do mundo, / pra nos do céu para cantar o poder do vosso dar trigo e flor. / Bendito sois noite e dia / amor e alegria da nossa salvação: por tão grande doação. / Fonte sem fim de Santo, Santo, Santo... alegria, / são matérias pro nosso pão. Ó Deus, desde a criação do mundo, fa2. Espírito Criador! / Foi dom de vossa zeis o bem a cada um de nós para serbondade / encher-nos de habilidade, / pro mos santos como vós sois santo. Olhai trabalho, Senhor. / Com o Pai Vós sois ben- vosso povo aqui reunido e derramai a dito, / porque dais à nossa mão, / com poder força do Espírito, para que estas ofeque é quase infinito, / continuar a Criação. rendas se tornem o Corpo e o Sangue 3. Espírito Criador! / Bendito sempre se- do Filho muito amado, no qual também jais, / por tudo isso; e bem mais, / pelo somos vossos filhos.

Enquanto estávamos perdidos e incapazes de vos encontrar, vós nos amastes de modo admirável: pois vosso Filho – o Justo e Santo – entregou-se em nossas mãos aceitando ser pregado na cruz. T – Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia. Antes, porém, de seus braços abertos traçarem entre o céu e a terra o sinal permanente da vossa aliança, Jesus quis celebrar a Páscoa com seus discípulos. Ceando com eles, tomou o pão e pronunciou a bênção de ação de graças. Depois, partindo o pão, o deu a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e comei: Isto é o meu corpo, que será entregue por vós. Ao fim da ceia, Jesus, sabendo que ia reconciliar todas as coisas pelo sangue a ser derramado na cruz, tomou o cálice com vinho. Ele vos deu graças novamente, e passou o cálice a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos, para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Lembramo-nos de Jesus Cristo, nossa páscoa e certeza da paz definitiva. Hoje celebramos sua morte e ressurreição, esperando o dia feliz de sua vinda gloriosa. Por isso, vos apresentamos, ó Deus fiel, a vítima de reconciliação que nos faz voltar à vossa graça. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa. Olhai com amor, Pai misericordioso, aqueles que atraís para vós, fazendo-os participar no único sacrifício do Cristo. Pela força do Espírito Santo, todos se tornem um só corpo bem unido, no qual todas as divisões sejam superadas. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa. Conservai-nos, em comunhão de fé e de amor, unidos ao papa Bento e ao nosso Bispo N. Ajudai-nos a trabalhar juntos na construção do vosso reino, até o dia em que, diante de vós, formos santos com os vossos santos, ao lado da Virgem Maria e dos Apóstolos, com nossos irmãos e irmãs já falecidos que confiamos à vossa misericórdia. Quando fizermos parte da nova criação, enfim libertada de toda maldade e fraqueza, poderemos cantar a ação de graças do Cristo que vive para sempre. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa.

Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

17. PAI-NOSSO

nova vida, sempre nos gloriemos dos vossos dons. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

21. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS

P – Guiados pelo Espírito de Jesus e ilu- 22. BÊNÇÃO FINAL minados pela sabedoria do Evangelho, P – O Senhor esteja convosco. ousamos dizer: T – Ele está no meio de nós. T – Pai nosso... P – A paz de Deus, que supera todo en18 A. CANTO DA COMUNHÃO tendimento, guarde os vossos corações e vossas mentes no conhecimento e no (31º Curso: 04.06) 1. Quando o Espírito de Deus soprou, / o amor de Deus, e de seu Filho, nosso mundo inteiro se iluminou. / A esperança Senhor Jesus Cristo. na terra brotou / e um povo novo deu-se T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, as mãos e caminhou! Pai e Filho e Espírito Santo. Lutar e crer, vencer a dor! / Louvar o T – Amém. Criador! / Justiça e paz hão de reinar! / E viva o amor! 23. DESPEDIDA 2. Quando Jesus a terra visitou, / a Boa P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. Nova da justiça anunciou. / O cego viu, o T – Graças a Deus. surdo escutou, / e os oprimidos das corONDE NÃO HOUVER MISSA rentes libertou. 3. Nosso poder está na união. / O mundo 24. COLETA FRATERNA novo vem de Deus e dos irmãos. / Vamos (É o momento de trazer donativos ou lutando contra a divisão / e preparando a oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia festa da libertação. 4. Cidade e campo se transformarão, / canta o n.º 14 deste folheto.) jovens unidos na esperança gritarão. / A 25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO força nova é o poder do amor, / nossa fra- (Quem preside convida a assembleia a queza é força em Deus libertador! se aproximar do altar.)

18 B. CANTO DA COMUNHÃO (Cante a Vida, página 215 )

1. Tu te abeiraste da praia, / não buscaste nem sábios nem ricos, / somente queres que eu te siga. Senhor, Tu me olhaste nos olhos, / a sorrir, pronunciaste meu nome. / Lá na praia, eu larguei o meu barco, / junto a ti, buscarei outro mar. 2. Tu sabes bem que em meu barco / eu não tenho nem ouro nem espadas, / somente redes e o meu trabalho. 3. Tu minhas mãos solicitas: / meu cansaço que a outros descanse; / amor que almeja seguir amando. 4. Tu, pescador de outros lagos, / ânsia eterna de almas que esperam, / bondoso amigo que assim me chamas.

P – Na alegria de partilhar o pão consagrado, vamos dar graças ao nosso Deus que manifesta o seu amor pela vinda de Jesus. Que o Senhor nos alegre com a sua presença como tantas vezes partilhou da mesa com os seus discípulos, antes e depois da ressurreição. (Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) (Curso: 03.92 – Semana Santa.)

Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, o pão da alegria descido do céu.

26. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS

O(a) presidente, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor: P – O Senhor esteja com vocês! T – Ele está no meio de nós! 19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus! Refrão meditativo: (33º Curso: 03.07) T – É nosso dever e nossa salvação! Ó Cristo, amado Senhor; ó Cristo, amado P – Nós te damos graças, ó Deus da Senhor! vida, porque neste dia santo de domingo nos acolhes na comunhão do teu 20. ORAÇÃO amor e renovas nossos corações com a P – Oremos. (Pausa para oração) Concedei-nos, Deus todo-poderoso, alegria da ressurreição de Jesus. que, tendo recebido a graça de uma (27º Curso: 03.04)


T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutando a tua Palavra e repartindo o pão, na esperança de ver o novo céu e a nova terra, onde não haverá fome, nem morte, nem dor, e onde viveremos na plena comunhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Toda a nossa louvação chegue a ti

em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

27. ABRAÇO DA PAZ

P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurreição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos uns aos outros o abraço da paz!

P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... Distribuição da Comunhão: canto de comunhão n. 18 A e B deste folheto.)

3º Domingo do Tempo Comum

29. ORAÇÃO FINAL

Ó Deus de ternura, nesta celebração, tu renovaste em nós o desejo de seguir Jesus e sermos anunciadores do reino. Dá-nos a unção do teu amor para ser28. RITO DA COMUNHÃO Após o Pai-Nosso, quem preside convida virmos com dedicação e ternura, seja a comunidade a partilhar o pão, dizendo: na comunidade dos irmãos, seja na misP – Da mesma maneira como este pão são. Por Cristo, nosso Senhor. partido foi primeiro trigo plantado e depois recolhido para se tornar alimento, O roteiro de “onde não houver missa” assim também somos um só corpo no encontra-se no livro “Dia do Senhor”: de M. Guimarães e P. Carpanedo, Cristo Jesus. Paulinas: Apostolado Litúrgico. Mostrando o pão consagrado:

O SENHOR NOS CHAMA!

O mistério que celebramos hoje Celebramos o mistério da Páscoa do Senhor acompanhando Jesus, no início de sua missão, na Galileia. Junto aos mais pobres e doentes ele anuncia a chegada do Reino de Deus, chama seus primeiros discípulos e cura as enfermidades do povo. Damos graças ao Pai, porque, imersos na luz de Cristo pelo batismo, nos tornamos filhos da luz, chamados a vencer, pela conversão constante, as trevas e a dureza que envolvem nossa vida e a vida dos irmãos. Hoje Ele renova seu chamado a cada um de nós, nos revigora

Arquidiocese de Goiânia

com sua Palavra e com o sacramento de seu Corpo e Sangue para que mais disponíveis, prestativos e alegres deixemos “nossas redes” para melhor seguir seu Evangelho e ser pescadores de gente. Sugestões para a equipe de celebração: 1. Criar possibilidade, nos ritos iniciais, de um acolhimento fraterno entre as pessoas. 2. Após a homilia e na louvação (se for Celebração da Palavra), pedir às pessoas que proclamem as ações libertadoras que Deus realiza na sua vida pessoal, comunitária e social.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Hb 9,15.24-28; Mc 3,22-30. 3ª-f.: Conversão de São Paulo – At 22,3-16 ou At 9,1-22; Mc 16,1518. 4ª-f.: 2Tm 1,1-8 ou Tt 1,1-5; Lc 10,1-9. 5ª-f.: Hb 10,19-25; Mc 4,21-25. 6ª-f.: Hb 10,32-39; Mc 4,26-34. Sábado: Hb 11,1-2.8-19; Mc 4,35-41. Domingo: 4º Domingo do Tempo Comum - Sf 2,3; 3,12-13; lCor 1,26-31; Mt 5,1-12a.

B l trCentral Brasil an raaslil C tre nC il s a e r entra B C l i s l a Br

Sua fonte mensal de formação e informação na Igreja e fora dela CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

23 de janeiro de 2011 - Ano XXVIII - Nº 1593

O SENHOR NOS CHAMA! 1. MOTIVAÇÃO

A – Nesta celebração, o Senhor nos convida a fazer uma profunda revisão de nossa vida e de nossa caminhada. Abramos o coração e deixemos que Ele nos transforme e nos conduza no caminho do seu Reino. Iniciemos, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (10º Curso: 09.95)

O Espírito do Senhor repousa sobre mim. / O Espírito do Senhor me escolheu, me enviou. 1. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / para anunciar a Boa-Nova a seus pobres, / para proclamar a alegria e a paz: / exulto de alegria em Deus meu Salvador. 2. Para dilatar o seu Reino entre as nações / consolar os corações esmagados pela dor; / para proclamar sua graça e salvação / e acolher quem sofre e chora sem apoio, sem consolo. 3. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / para anunciar libertação e salvação; / para anunciar seu amor e seu perdão, / e para celebrar sua glória entre os povos.

3. ACOLHIDA

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL

P – Em Jesus Cristo, o Justo, que intercede por nós e nos reconcilia com o Pai, abramos o nosso espírito ao arrependimento para sermos menos indignos de aproximar-nos da mesa do Senhor. (Pausa) P – Senhor, que oferecestes o vosso perdão a Pedro arrependido, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo que prometestes o paraíso ao

cobriu de glória o caminho do mar, do além-Jordão e da Galileia das nações. 9,10 O povo que andava na escuridão viu uma grande luz; para os que habitavam nas sombras da morte, uma luz resplandeceu. 2 Fizeste crescer a alegria, e aumentaste a felicidade; todos se regozijam em tua presença como alegres ceifeiros na colheita, ou como exaltados guerreiros ao dividirem os despojos. 3 5. HINO DE LOUVOR Pois o jugo que oprimia o povo, – a (30º Curso: 10.05) carga sobre os ombros, o orgulho dos Glória a Deus nos altos céus! / Paz na fiscais – tu os abateste como na jornaterra a seus amados! / A vós louvam, da de Madiã. Rei celeste, / os que foram libertados! – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio) 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos; / damos glória ao 8. SALMO 26 (27) vosso nome, / vossos dons agradecemos! (Salmos e Aclamações / ano A: 11.10) 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito O Senhor é minha luz e salvação. / O do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / Senhor é a proteção da minha vida. nossas culpas perdoai! 1a O Senhor é minha luz e salvação; / bde 3. Vós, que estais junto do Pai, / como quem eu terei medo? / cO Senhor é a pronosso intercessor, / acolhei nossos pedi- teção da minha vida; / dperante quem eu dos, / atendei nosso clamor! tremerei? 4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssi- 4Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, mo, o Senhor, / com o Espírito Divino, / e é só isto que eu desejo: / habitar no de Deus Pai no esplendor. santuário do Senhor por toda a minha vida; / saborear a suavidade do Senhor / 6. ORAÇÃO e contemplá-lo no seu templo. P – Oremos. (Pausa para oração) 13 Sei que a bondade do Senhor eu hei Deus eterno e todo-poderoso, dirigi a nosde ver / na terra dos viventes. / 14Espera sa vida segundo o vosso amor, para que no Senhor e tem coragem, / espera no possamos, em nome do vosso Filho, fruSenhor. tificar em boas obras. Por nosso Senhor (Tempo de silêncio) Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. 9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Primeira Carta de São T – Amém. Paulo aos Coríntios (l,10-13.17) - 10IrLITURGIA DA PALAVRA mãos, eu vos exorto, pelo nome do SeA – Escutemos a Palavra de Deus. Ela nhor nosso, Jesus Cristo, a que sejais nos anuncia a vinda do Reino da paz e todos concordes uns com os outros e justiça, que exige de nós a conversão e o não admitais divisões entre vós. Pelo contrário, sede bem unidos e concordes seguimento de Jesus. no pensar e no falar. 11 7. PRIMEIRA LEITURA Com efeito, pessoas da família de Leitura do Livro do Profeta Isaías Cloé informaram-me a vosso respeito, (8,23b-9,3) – 23bNo tempo passado o meus irmãos, que está havendo contenSenhor humilhou a terra de Zabulon das entre vós. 12Digo isso, porque cada e a terra de Neftali; mas recentemente um de vós afirma: “Eu sou de Paulo”;

bom ladrão, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, que acolheis toda pessoa que confia na vossa misericórdia, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Deus todo-poderoso, tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém.

Folheto 01/01/2010  

Folheto 01/01/2010

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you