Issuu on Google+


Li st

a

s da

p es

s ie c ĂŠ

e am

ad aç

as


A história da Greenpeace Em 1971, motivada pelo sonho de um mundo verde e pacífico, uma pequena equipa de activistas zarpou de Vancouver, no Canadá, num velho barco de pesca. Esses activistas, fundadores da Greenpeace, acreditavam que um grupo de alguns indivíduos podia fazer a diferença.


A sua missão era “prestar testemunho” dos testes nucleares subterrâneos dos EUA em Amchitka, minúscula ilha ao largo da Costa Ocidental do Alasca, que é uma das regiões do mundo mais propensas a sismos. Amchitka era o último refúgio para 3.000 lontras marinhas em risco de extinção, e habitat de águias-de-cabeça-branca, falcões-peregrinos e outros animais selvagens. Apesar do seu velho barco, o “Phyllis Cormack”, ter sido interceptado antes de chegar a Amchitka, a viagem despertou um turbilhão na opinião pública. Os E.U.A. mas a voz nucleares mo ano, e santuário

não deixaram de detonar a bomba, da razão fez-se ouvir. Os testes em Amchitka terminaram nesse mesa ilha foi mais tarde declarada de pássaros.

Actualmente, a Greenpeace é uma organização internacional que privilegia campanhas ambientais à escala global. Com sede em Amsterdão, na Holanda, a Greenpeace possui 2,8 milhões de sócios em todo o mundo e delegações nacionais e regionais que asseguram presença em 41 países.


EM CRISE Os oceanos estão

• 3/4 dos stocks de peixe do mundo estão totalmente explorados ou esgotados • 88% das populações da União Europeia são vítimas da sobrepesca, frente a uma média mundial de 25% • 90% das populações de grandes predadores a nível global, como o atum, o bacalhau e o peixe espada, já desapareceram, principalmente por causa da sobrepesca • actualmente, apenas 1% dos oceanos e mares do mundo estão protegidos, e somente 0,1% como reservas marinhas.


O que pede a Greenpeace?

Os supermercados são cúmplices da destruição

A Greenpeace pede aos super-

Os supermercados têm um enor-

mercados que:

me poder nas mãos:

• desenvolvam uma política de com-

• mais de 70% do peixe consumido

pra e venda de peixe sustentável

em Portugal é adquirido nas gran-

• deixem de vender as espécies

des superfícies

da nossa lista vermelha, pois es-

• o consumo médio de peixe em

tão ameaçadas de extinção ou

Portugal é de aproximadamente 50

são capturadas com métodos

kg por pessoa por ano

muito destrutivos do ecossistema marinho

Portanto, a Greenpeace conside-

• aumentem a oferta de peixes que

ra que os supermercados têm a

sejam garantidamente provenien-

responsabilidade de desenvolver

tes de uma gestão sustentável de

políticas que garantam a sustenta-

recursos

bilidade do peixe que oferecem aos

• trabalhem com seus fornecedo-

consumidores. Somente assim a

res para que possam finalmente

saúde dos mares e oceanos estará

oferecer produtos sustentáveis

garantida.


TU PODES AJUDAR! Os supermercados têm responsabilidade sobre os produtos que vendem. Pedir-lhes que desenvolvam uma política de compra sustentável como solução ao problema dos oceanos é um primeiro passo. Como consumidor/a tens o direito de poder escolher produtos que tenham origem sustentável. Agora é o momento para que os supermercados desenvolvam políticas de compra e venda de peixe sustentável, da mesma forma como já é possível encontrar produtos de comércio justo em suas prateleiras.


ESCOLHE BEM O TEU PEIXE, Nテグ MORDAS O ANZOL!


Certifica-te de que o peixe que estás a comprar está etiquetado correctamente, tanto com o seu nome comum quanto com o nome científico. Não consumas as espécies da lista vermelha se não garantirem que sua origem é sustentável.

Não compres peixe capturado com métodos destrutivos, como a pesca de arrasto, que destrói o ecossistema marinho e captura acidentalmente uma enorme quantidade de peixes. Opta por métodos mais sustentáveis, como armadilhas e linha e anzol.



Vermelho? Eu?