Issuu on Google+

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul R$ 3,10 - ANO XIII nº 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br

Entrevista da Semana Promotor de Justiça Antônio Sergio Cordeiro Piedade - “Não há algo mais perverso que a corrupção”. Pág. 3

editorial

Perfil e hábitos dos consumidores mais na página 2

Proliferação

“Sem parecer técnico não há como combater garimpo ilegal” R

elata Nathalia Moreno Pereira, promotora de Justiça do Ministério Público de Poconé, referindo-se a grande expansão de garimpos irregulares e entrada ilegal de mercúrio no município. De acordo com ela, é necessário inicialmente um trabalho mais especializado e com profissionais capazes de identificar os possíveis crimes ambientais antes de qualquer ação do Ministério Público. Mesmo com as ‘dificuldades’, o MP tomará as possíveis providências quanto aos crimes ambientais já identificados pela equipe de reportagem e denúncias do jornal Centro-Oeste Popular. Há pouco tempo no Ministério Público da cidade, Nathalia conta em entrevista exclusiva ao Centro-Oeste Popular que, como não tem uma fiscalização periódica nos garimpos, não há como identificar os proprietários e as irregularidades de cada garimpo. “A demanda é muito grande e não tem como eu saber que garimpo é de quem para abrir o procedimento necessário”, enfatiza a promotora.

mais na página b1

Cursos profissionalizantes

Prisioneiras do tráfico

“Da beira do fogão às grades da prisão” População carcerária feminina quintuplica nos últimos 10 anos em Mato Grosso. Presas principalmente por envolvimento no tráfico de drogas a mando dos companheiros, mulheres têm demandado mais vagas nas cadeias nos últimos 10 anos. São elas que dão continuidade aos negócios enquanto os companheiros estão na cadeia. Segundo informações da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos, o número de mulheres presas no Estado quintuplicou nos últimos 10 anos. Hoje elas

representam 11,2% da população carcerária do Estado. São 6.668 para 11.113 homens. No entanto, o número de vagas não avançou na mesma proporção. O déficit de vagas no Estado chega a 6.019 atingindo 118,6%. Os investimentos no sistema penitenciário não acompanhou este cenário. A única penitenciária feminina, a Ana Maria do Couto May, em Cuiabá, tem capacidade para 180 mulheres, mesmo número de cinco anos atrás.

crise institucional

Mauro Mendes “derruba” João Emanuel

Foco Empresarial

mais na página b3

Visão empreendedora e paixão pela medicina Cada vez mais profissionais da área de saúde estão descobrindo que suas atividades podem ser conduzidas como negócios.

mais na página b2

Setas e IDH-MT certificam 420 trabalhadores

mais na página b4

Novo visual

Morada do Ouro II ganha obras de infraestrutura mais na página 5

mais na página 7 Por Fernando Ordakowski


2 Opinião Editorial

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br

Artigos

Perfil e hábitos dos consumidores Médicos: debate me dá vergonha Divulgação

Quando a dívida já não cabe mais no bolso e as chances de pagá-la ficam cada vez mais distantes, ainda resta uma alternativa que na prática tem mostrado excelentes resultados: encarar o gerente e fazer um acordo com o banco. É exatamente o que mostra uma pesquisa encomendada pelo SPC Brasil ao revelar que oito em cada dez consumidores (84%) inadimplentes conseguem quitar as dívidas renegociando o valor diretamente com os bancos. O estudo foi realizado com o objetivo de traçar o perfil e os hábitos de consumidores adimplentes e inadimplentes no Brasil. Para isso foram ouvidas 1.238 pessoas de todas as 27 capitais brasileiras entre os dias 24 de julho e primeiro de agosto. Os números revelam uma mudança clara de comportamento na maneira como os bancos brasileiros passaram a se relacionar com os próprios clientes, sobretudo os de menor poder aquisitivo. Se antes a

relação era inflexível, agora as instituições financeiras parecem querer ouvir propostas e renegociar, independentemente do perfil do correntista. É tanto que o estudo mostra que o percentual de consumidores das classes C, D e E que conseguiram chegar a um acordo com o banco é 6% maior do que consumidores das classes A e B. Segundo os economistas do SPC Brasil, ao propor um acordo com a instituição credora, é possível conseguir bons resultados como reduzir o tamanho das prestações, obter juros menores e prazos mais alongados. Se a intenção do consumidor for pagar a vista, é possível até pedir um desconto no valor total da dívida. Essas condições são bem vantajosas e possíveis de negociação, se levarmos em consideração que a maior parte das dívidas destas pessoas foi contraída por serviços oferecidos pelos próprios bancos e, na maioria dos casos, possuem valores que extrapolam o orçamento dos

inadimplentes. E este é exatamente o perfil das dívidas apontado pelo estudo: quatro em cada dez consumidores inadimplentes tiveram os nomes incluídos em serviços de proteção ao crédito por atrasos referentes a cartões de crédito (46%) ou financiamentos bancários (40%). Além disso, quase a metade dos débitos (45%) estão concentrados em valores entre R$ 1 mil e R$ 5 mil. Surpreendentemente, o percentual de consumidores de classes C, D e E dentro desse intervalo sobe de 45% para 52%. De acordo com a pesquisa, pertencer à classe C, ser autônomo, ter gasto fixo com aluguel e possuir baixa escolaridade são algumas das características dos consumidores inadimplentes. Por outro lado, pertencer às classes A, D ou E, ser funcionário público e estar empregado há mais de cinco anos são atributos relacionados a quem mantém as contas em dia.

Agenda tirânica e orgulho ferido Reprodução

Ninguém pode ao defender hipótese de admissão de emafirmar que houve bargos infringentes ao referido processo. O chicana por parte vice-presidente se sentiu ofendido e pediu do juiz que apitou o a retratação, e é claro que o presidente do jogo de Luverdense Supremo Tribunal Federal não o atendeu. x Corinthians certo? Se o juiz não Entidades de classe apoiaram o miviu o jogador Misa- nistro ofendido, mas espantosamente a el ajeitando com a maioria da população brasileira aplaumão, teoricamente diu a atitude do ofensor. O artigo 140 TÂNIA REGINA DE MATOS não houve a inten- do código penal descreve a conduta do é defensora pública em Mato ção por parte do ár- presidente do STF como crime: Injuriar Grosso bitro em favorecer alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o time mato-gros- o decoro: pena - detenção, de um a seis sense. O fato é que o timão jogou mal e meses, ou multa. Não vi referência a isso. ao final levou um gol ainda que irregular. Independentemente de desejar o desfecho Uma ofensa ao atual campeão do mundo! do processo, acho que os dois ministros No Direito Penal para a responsa- precisam ser imparciais. bilização de um crime não basta que o O ex-presidente da república foi e agente realize uma ainda é alvo de chacotas conduta que cauque vou me abster de se um resultado. É reproduzi-las aqui pois Ultimamente dificilmente alguém ainpreciso também a existência de um tenho visto as da não recebeu alguma elemento subjetieletrônica ou pessoas se me- mensagem vo, o agente deve não ouviu piadas relatilindrarem por qualquer vas a figura deste líder atuar com dolo (incoisa tenção de cometer político em programas o crime) ou culpa humorísticos veiculados (provocação do rena mídia nacional. sultado por motivo de desobediência a um Recentemente uma secretária deste dever de cuidado). Estado quis impedir por via judicial que Nessa semana um desembargador es- um artista da terra se abstivesse de fazer tadual foi acusado de ter praticado “homo- referência a sua pessoa durante os seus fobia” contra um advogado por que teria espetáculos, pois também se sentiu ofeno chamado de “bicha”. Vamos aos fatos: dida... existe um áudio que confirma a veracidade É cediço que as maiores chagas da do que alega o profissional envolvido, mas humanidade são o egoísmo e o orgulho. a sessão já havia sido encerrada, todavia o Ultimamente tenho visto pessoas das mais equipamento de gravação capturou a frase “simples” às mais “importantes” se melinproferida pelo presidente do TRE que vem drarem por qualquer coisa. Sob o pretexto sendo reproduzida na mídia regional. O de defender uma causa acabam criando desembargador nega que a frase tivesse celeumas infindáveis. O bom senso manda sido dirigida ao referido causídico. socorrer-se do Poder Judiciário somente Vamos agora a outro fato visto e ou- quando não há entendimento. Muitas vido por todos os brasileiros: durante o dessas situações poderiam ser resolvidas julgamento dos mensaleiros o Ministro com base no diálogo: simples assim! Entre Joaquim Barbosa acusou seu colega Ri- a tirania de uma agenda e a coerência eu cardo Lewandowski de praticar chicana prefiro a coerência.

expediente

é propriedade da

Diretor Antônio Carlos Oliveira Diretoria Comercial Max Feitosa Milas Editoria e Reportagem-MT Beatriz Girardi - DRT - 1187-MT Editor e Reportagem - MS Jota Menon Reportagens Beatriz Girardi, Ana Sampaio, Regina Botelho, Juliana Radel, Jota Menon redacao@copopular.com.br Editor de Arte / Diagramação Mário Pulcherio Filho Diagramação / Projetos Leonardo Arruda - 65 9233-9018 Charge Fernando Ordakowski Circulação Brasília, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul

Sedes Avenida Miguel Sultil, nº 4.353 - Areão Cuiabá - Mato Grosso - CEP: 78.010-500 Fone (65) 3623-4300/e-mail: adm@copopular.com.br

Endereço Brasília CLSW - 301 - Bloco A - Edifício Spaço Vip Sala 136 - Setor Sudoeste Fones: (61) 3028-1388/3028-1488

Escrtório Campo Grande Rua Joaquim Murtinho, nº 184 - Centro Campo Grande - Mato Grosso do Sul CEP: 79.002-100 Fone (67) 3029-4214 e-mail: admms@copopular.com.br Assinaturas: (65) 3046-0400 (67) 3029-4214 Acesse: www.copopular.com.br

Os artigos de opinião assinados por colaboradores e/ou articulistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Não representam assim a opinião do jornal.

O perfil dos médicos cubanos é o seguinte: em quem é a culpa, se da geral, eles têm mais de uma década de formados, escola ou do aluno. Até passaram por missões em outros países, fizeram resi- porque para a eventual dência, parte deles ( 20%) cursaram mestrado e 40% vítima tanto faz. obtiveram mais que uma especialização. Mesmo sendo rePara quem está preocupado com o cidadão e não provados nos testes, os apenas com a corporação, a pergunta essencial é: essa estudantes ganham auformação é suficiente? torização para trabalhar. Aproveito essa pergunta para apontar o que vejo Por que essas mescomo uma absurda incoerência - uma incoerência mas associações, tão fuGILBERTO DIMENSTEIN pouca conhecida da população - de dirigentes de riosas em atacar médicos é jornalista da Folha de S. associações médicas. Um dos dirigentes, aliás, disse estrangeiros, não fazem Paulo e integra uma incubadora de projetos da Univerpublicamente que um médico brasileiro não deveria barulho para denunciar sidade de Harvard prestar socorro alunos (veja só) se um compropaciente for vívadamente despreparados? tima de um méresposta encontra-se na molésPor que as as- tia doAcorporativismo. dico estrangeiro. sociações dos Deixa morrer. Se os brasileiros querem tanto esmédicos não fa- sas vagas por que não se candidataram? Bela ética. Provas Será que preferem que o pobre se zem barulho para denunciar têm demonstradane apenas para que um outro médico alunos despreparados? do que uma boa não possa trabalhar? parte dos alunos Sinceramente, sinto vergonha por formados nos cursos de medicina no Brasil não está médicos que agem colocando a vida de um paciente apta a exercer a profissão. Não vou aqui discutir de abaixo de seus interesses.

Transporte incompetente Divulgação

A cadeia produtiva produtor ainda é obrigado a ver seu rebanho ser acoda carne envolve muitos modado em caminhões sem as mínimas condições agentes diretos e indi- para o transporte. São veículos velhos, danificados retos e todos exercem e que oferecem riscos para a saúde do gado. Não é influencia sobre a quali- rara a ocorrência de acidentes com o animal que dade da carne que chega lesionam, ferem ou até matam. E quem paga por à mesa dos consumido- isso? O pecuarista, é claro. res de todo o país. O peAlém do bem estar animal ser totalmente cuarista, a indústria e o negligenciado, o produtor tem descontado no varejo geralmente são os peso, e assim no rendimento, as retiradas feitas em LUCIANO VACCARI é gestor em Agronegócio e mais lembrados na hora virtude de hematomas e contusões. A Acrimat está superintendente da Associarealizando um programa chamado ‘Na Medida’, que ção dos Criadores de Mato de elogiar ou criticar um Grosso (Acrimat) bom corte. Mas entre o acompanha o manejo do gado desde a propriedade produtor, o beneficiador até o abate, e os relatos apontam para uma realidade e o comerciante existe uma etapa indispensável, o que precisa ser mudada e, para que essa mudança transporte entre o campo e o frigorífico, que viabiliza ocorra, o pecuarista precisa agir. o fornecimento do alimento e ao mesmo tempo pode Se cada pecuarista recusar o embarque de ser determinante no produto final. seu animal depois do horário agendado ou em Em Mato Grosso o problema da logística está caminhões desapropriados, os transportadores em voga e é alvo de debates e estudos para propor serão obrigados a alterar sua conduta. Sem animelhores condições de infraestrutura nos modais mal a indústria para e o prejuízo de um dia sem existentes. Porém, na pecuária, além das condições abate tem impacto na receita do mês inteiro. Se o das estradas, outros fatores também são prepon- frigorífico não tem como honrar o compromisso derantes, como o veículo, o motorista e a empresa e transportar o gado adequadamente, deve postransportadora. sibilitar que outras empresas comprem o animal Não é de hoje que ao invés de terceirizar o ouvimos dos pecuaristransporte só para garantir tas reclamações com o seu ‘domínio’ no mercado. Não é de hoje Os transportes terceirizados transporte dos animais. que ouvimos re- não têm compromisso com Os problemas começam com a falta de respeito clamações dos o pecuarista, nem com o fridos transportadores ao gorífico, fazendo a condução pecuaristas do animal sem cuidados e descumprirem os prazos prejudicando o rendimento contratados para o carde carcaça. Talvez seja neregamento do rebanho. O manejo do animal do campo até o curral demanda cessário o retorno dos boiadeiros das comitivas tempo e requer cuidados para que o mesmo fique que cortavam o país levando o gado para garantir bem instalado até o momento do embarque. O atraso carne de qualidade. Então, acompanhem seu rebanho, confiram de horas e até de dias pode acarretar em perda de peso, estresse do animal e até complicações mais pessoalmente as condições em que seu rebanho será transportado. Afinal, um animal representa graves, como ferimentos. Mas ultrapassado o problema com relação ao o investimento de meses ou anos e não pode ser horário marcado e o horário efetivo do embarque, o perdido pela irresponsabilidade de alguns.

Missão humanitária

Ana Sampaio

Quando a dívida já não cabe mais no bolso e as vista, é possível até pedir chances de pagá-la ficam cada vez mais distantes, ain- um desconto no valor da resta uma alternativa que na prática tem mostrado total da dívida. Essas conexcelentes resultados: encarar o gerente e fazer um dições são bem vantajosas acordo com o banco. É exatamente o que mostra uma e possíveis de negociação, pesquisa encomendada pelo SPC Brasil ao revelar que se levarmos em consideoito em cada dez consumidores (84%) inadimplentes ração que a maior parte conseguem quitar as dívidas renegociando o valor das dívidas destas pessoas diretamente com os bancos. foi contraída por serviços O estudo foi realizado com o objetivo de traçar oferecidos pelos próprios JAYME CAMPOS o perfil e os hábitos de consumidores adimplentes bancos e, na maioria dos é senador da República pelo DEM-MT e inadimplentes no Brasil. Para isso foram ouvidas casos, possuem valores 1.238 pessoas de todas as 27 capitais brasileiras entre que extrapolam o orçaos dias 24 de julho e primeiro de agosto. Os números mento dos inadimplentes. revelam uma mudança clara de comportamento na E este é exatamente o perfil das dívidas aponmaneira como os bancos brasileiros passaram a tado pelo estudo: quatro em cada dez consumidores se relacionar com os inadimplentes tiveram os nopróprios clientes, somes incluídos em serviços de bretudo os de menor proteção ao crédito por atrasos Só o Governo referentes a cartões de crédipoder aquisitivo. Se antes a relação era acha que o traba- to (46%) ou financiamentos inflexível, agora as (40%). Além disso, lho dessas orga- bancários instituições financeiquase a metade dos débitos nizações é satisfatório ras parecem querer (45%) estão concentrados em ouvir propostas e revalores entre R$ 1 mil e R$ negociar, indepen5 mil. Surpreendentemente, dentemente do perfil do correntista. É tanto que o o percentual de consumidores de classes C, D e E estudo mostra que o percentual de consumidores dentro desse intervalo sobe de 45% para 52%. das classes C, D e E que conseguiram chegar a um De acordo com a pesquisa, pertencer à classe C, acordo com o banco é 6% maior do que consumidores ser autônomo, ter gasto fixo com aluguel e possuir das classes A e B. baixa escolaridade são algumas das características Segundo os economistas do SPC Brasil, ao pro- dos consumidores inadimplentes. Por outro lado, por um acordo com a instituição credora, é possível pertencer às classes A, D ou E, ser funcionário púconseguir bons resultados como reduzir o tamanho blico e estar empregado há mais de cinco anos são das prestações, obter juros menores e prazos mais atributos relacionados a quem mantém as contas alongados. Se a intenção do consumidor for pagar a em dia.


Entrevista da Semana 3

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br promotor de Justiça Antônio Sergio Cordeiro Piedade

“Não há algo mais perverso que a corrupção” A

entrevista desta semana é com o secretário geral de gabinete

Ministério Público do Estado de Mato Grosso, promotor Justiça Antônio Sergio Cordeiro Piedade. Doutor e mestre em Direito Penal pela PUC/SP, graduou-se em Direito pela Universidade Estadual de Londrina (1995). Possui, ainda, especializações em Direito Público (2003), Penal e Processual Penal (2007). Também é professor da Fundação Escola Superior do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e membro do Conselho Técnico Científico da ‘Revista Argumenta’, publicada pelo Programa de Mestrado em Ciência Jurídica da Universidade do Norte do Paraná. Presidente da Associação dos Promotores do Júri; Confraria do Júri; Coordenador Pedagógico da Fundação Escola Superior do Ministério Público do Estado de Mato Grosso (2009). É titular da Promotoria de Justiça Criminal com atuação no Tribunal do Júri de Cuiabá- MT. Confira, a seguir, a entrevista exclusiva.

Ana Sampaio e Beatriz Girardi Da redação

Centro-Oeste Popular- Como foi a atuação do MPE nas últimas eleições com a entrada em vigor da Lei da Ficha Limpa? Promotor Antônio Sérgio Cordeiro Piedade - O Ministério Público entra num papel de garantidor da lisura do processo democrático, que significa assegurar paridade na disputa e o cumprimento da lei. Então, o MP é a instituição que fiscaliza a lisura desse processo. Na primeira Zona Eleitoral, nós fizemos uma análise de mais de 600 registros de candidaturas à Câmara Municipal de Cuiabá e Poder Executivo, para sabermos se havia alguma causa de inelegibilidade ou de violação a “Lei da Ficha Limpa”. A lei é boa, mas teve um abrandamento no apagar das luzes no Tribunal Superior Eleitoral com relação à prestação de contas e isso acabou diminuindo o seu efeito.

do de

O senhor concorda? Antônio Sérgio Piedade - Essa proposta do senador Pedro Taques em tornar o crime de corrupção hediondo é muito boa, porque não há algo mais perverso que a corrupção. De forma indireta, insidiosa, silenciosa e velada, esse crime assemelha-se ao homicídio. Na medida que um sujeito desvia dinheiro público das suas finalidades, falta dinheiro para educação de qualidade e saúde. A edificação e a construção de uma sociedade livre, como todos nós sonhamos, passa pela mudança de paradigmas culturais, entre eles, o da corrupção que só vai mudar quando nós mudarmos a nossa cultura. Nada mais justo do que o enfrentamento diferenciado da corrupção. Centro-Oeste Popular- Na sua opinião, o

tias, que são importantes, mas é necessário fazer um equilíbrio de proteção e dar condições para que a vítima tenha seus danos reparados. Uma vítima de roubo, um assalto a mão armada, por exemplo, os efeitos, as consequências, as sequelas emocionais, além das sequelas físicas, são deletérias. O sujeito pode desenvolver patologias como síndrome do pânico, uma esquizofrenia ou um transtorno bipolar por conta de um roubo e o Estado não está dotado de políticas públicas para atender essa vítima. Para vítima de crime contra a dignidade sexual há necessidade de o Estado estar preparado para dar esse suporte. Se não para resolver as sequelas emocionais, mas abrandá-las ao menos. Eu defendo que a vítima também seja vista pelo Estado.

Centro-Oeste Popular- Qual a preocupação do TriA vítima é uma principal bunal do Júri? figura completaAntônio SérCentro-Oeste Pomente esquecida gio Piedade - O pular- Reforma do no processo penal brasileiro Tribunal do Júri é Código Penal Brasium tribunal de coleiro. Na sua concepnotação nitidamenção, o que é impreste democrática. É a cindível mudar? oportunidade de o Antônio Sérgio Pie- TJMT está respondendo cidadão ser julgado por seus dade - Nós temos um Có- adequadamente aos ju- próprios pares, é um debate digo Penal de 1940. Nessa risdicionados? da vida. Uma ferramenta de época o mundo era outro, a Antônio Sérgio Pie- uma democracia participatirealidade e os valores eram dade - O Tribunal de Jus- va. O juiz leigo julga muitas diferentes. Em seguida, no tiça de Mato Grosso vem vezes melhor que o togado ano de 1984, tivemos uma se modernizando e a cada que tem mais um olhar técreforma da parte geral do dia se aperfeiçoando. Nós nico ao contrário do leigo. Código, mas, a parte espe- temos hoje o próprio Consecial permaneceu a mesma lho Nacional de Justiça que Centro-Oeste Poe a partir daí começamos a propõe de forma muito sábia pular- Condenando o quebrar o princípio da codi- algumas metas, a exemplo da culpado e absolvendo o ficação que é tudo no corpo meta 18 , que exige e impõe inocente. Como não erde um código. o julgamento das ações civis rar? Quais os casos mais Começamos com uma públicas de improbidade, frequentes? Antônio Sérgio Pielegislação penal extrava- e isso é importante. Então gante, como é o caso do eu vejo que o judiciário vem dade - Nós temos um processo penal de uma carga meio ambiente e lavagem de evoluindo a cada dia. de garantias tão importandinheiro. Esse novo código propõe que vigore o princíCentro-Oeste Popu- tes que o erro está em um pio da codificação, trazendo lar- O senhor já disse em percentual bem reduzido, toda essa estrutura legisla- entrevistas anteriores se é que há percentual. Os tiva para uma só legislação, que a vítima “é relegada homicídios oriundos de acerum só corpo organizado e a segundo plano”. Pro- tos de contas no tráfico de cede? entorpecentes é um enredo sistematizado. Antônio Sérgio Pie- muito presente nos casos do Centro-Oeste Popu- dade - A vítima é uma figu- Tribunal do Júri. lar- Crimes contra a Ad- ra completamente esquecida ministração Pública. O no processo penal brasileiro, Centro-Oeste Popusenador Pedro Taques relegada a segundo plano. lar- O senhor é a favor defende que a corrupção O crime ocorre e todos se ou contra a diminuição tenha pena maior e que voltam a olhar para figura da maioridade penal? seja um crime hediondo. do acusado e suas garanAntônio Sérgio Pie-

dade - Esse é um dos temas mais polêmicos, principalmente na reforma do Código Penal. Eu acredito que a redução da maioridade penal não vai ter a capacidade de resolver o problema da criminalidade. Em algumas situações, como medida de exceção, aquele maior de 16 e menor de 18 anos reincidente contumaz que passe por uma análise de uma equipe multidisciplinar e interdisciplinar e avalia o caso concreto, eu acho que esse indivíduo tem que ser sujeito não a uma medida sócio educativa do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), mas a uma pena. Ele tem que ser declarado imputável e não inimputável pelo critério psicológico da idade. Mas realmente, como uma exceção. Centro-Oeste Popular- Diferenças sociais. O senhor compartilha da ideia de que pobre não tem acesso à Justiça e somente ele vai preso? Antônio Sérgio Piedade - Não. Eu acho que esse é um olhar simplista. Atribuir a causa ou as causas da criminalidade a fatores sociais eu penso que é uma leitura equivocada. Centro-Oeste Popular- A criminalidade avança. Na sua opinião, como coibir? Antônio Sérgio Piedade - Eu acho que segurança pública tem que ser tratada como uma política de Estado e não de Governo. Não é o mandatário A ou B que vai traçar as diretrizes, tem que ser algo supra governo. E não se faz política de Estado sem orçamentos, recursos, capacitação e treinamento. A droga, por exemplo, é hoje um fator avassalador. Enfrentá-la no varejo, após a sua entrada no país é uma luta difícil. O trabalho de combate deve ter início nas fronteiras. Centro-Oeste Popular- É difícil ser promotor de Justiça em Cuiabá? Antônio Sérgio Piedade - Eu acho que não só em Cuiabá, mas no Brasil todo é uma profissão como qualquer outra, exige paixão, dedicação, envolvimento e comprometimento. Mas é algo muito gratificante. Desde a universidade eu tive esse projeto de ser promotor de Justiça. Centro-Oeste Popular- Acredita que o Ministério Público cumpre o seu papel? Antônio Sérgio Piedade - Não tenho dúvida. O nosso papel hoje, vai além da área criminal. Não há no Brasil, uma instituição com tanta democracia como o Ministério Público.

Agraciada com mais de R$200 milhões

São duas construtoras, sendo uma do estado do Tocantins e outra da capital federal. O que muitos não sabem é que ambas não são amigas das crianças e sim do famoso contraventor Carlinhos Cachoeira. Ambas mantem contratos milionários com o estado de Mato Grosso .

Facilidade em receber milhões

Enquanto empresas de médio e algumas de grande porte encontram dificuldades em receber por serviços realmente prestados, uma construtora sediada em Araguaia e com ligações com políticos de Mato Grosso e Goiás recebeu em apenas 3 meses a quantia superior a R$30 milhões. Segundo levantamento, a facilidade do recebimento se deve a mesma ter contraído empréstimo junto a um famoso banco em nossa capital.

Centro-Oeste Popular na estrada

Uma equipe do Jornal Centro- Oeste Popular se desloca a partir desta segunda-feira, 2/09, com a missão de averiguar in loco as obras de algumas construtoras na região do Araguaia. A equipe formada por fotógrafo, jornalista e um cinegrafista irá mostrar a verdadeira realidade dos gastos do dinheiro público, tendo em vista que no ano passado uma das construtoras que mantem “acampamento” na região teria ganho a quantia superior a R$2 milhões para simplesmente varrer o chão , de terra é claro.

Ouro de Tolo , ou melhor de espertos

Existem empresários declarando altas quantias de extração de ouro. Porém, só no papel. Segundo uma fonte de dentro de um garimpo na região do município de Nossa senhora do Livramento , há garimpo que se quer liga os moinhos. Seria uma verdadeira lavagem de dinheiro, adianta a fonte, ou melhor, uma maneira fácil e prática de esquentar milhões sem levantar suspeitas.

Uragano - R$50 milhões no Alencastro

Há empresas que gostam tanto de trabalhar para a prefeitura de Cuiabá que nem se importam se o pagamento atrasa ou não. O que vale é emprestar, ou melhor , prestar o serviço. Uma empresa investigada pelo MPE de Mato Grosso do Sul faturou nada mais do que R$50 Milhões da Prefeitura de Cuiabá nos últimos anos e vem faturando na gestão Mauro Mendes. Acorda Mauro!

Cervejaria Soja

É impressionante como existem empresas de grande porte que se prestam ao serviço da prática de simulação de exportação. Recentemente chegou em nossa redação uma denúncia que está sendo apurada envolvendo uma fábrica de cerveja que exporta soja ao invés de cerveja . Viva a soja!

Lamentável!

O primeiro vice-presidente da Câmara de Vereadores, Onofre Júnior (PSB), disse à reportagem do Centro-Oeste Popular que “já havia chamado a atenção dos chefes do Executivo e do Legislativo, pois o que está acontecendo prejudica a cidade como também os cidadãos” e conclui “é lamentável ver isso pela falta de diálogo entre o prefeito e o presidente da Câmara. Os dois possuem uma personalidade muito forte, por isso não chegaram a um entendimento”.


4 Geral

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br


Política 5

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br

Prisioneiras do tráfico

População carcerária feminina quintuplica nos últimos 10 anos Presas principalmente por envolvimento no tráfico de drogas a mando dos companheiros, mulheres têm demandado mais vagas nas cadeias nos últimos 10 anos Fotos Reprodução

Regina Botelho Da Redação

Aliciadas pelo tráfico para dar continuidade ao “negócio” do companheiro e crise financeira são fatores que contribuem para o crescente número de mulheres presas nas cadeias e penitenciárias de Mato Grosso. São elas que dão continuidade aos negócios enquanto os companheiros estão na cadeia. Segundo informações da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), o número de mulheres presas no Estado quintuplicou nos últimos 10 anos. Hoje elas representam 11,2% da população carcerária do Estado. São 6.668 para 11.113 homens. Dados do Departamento Penitenciário Nacional ( Depen), órgão ligado ao Ministério da Justiça, divulgou que nos últimos 12 meses, a população carcerária teve um aumento de 7,2%. Cresceu de 10.324 para 11.090. No entanto, o número de vagas não avançou na mesma proporção, aumentando de 4.827 para 5.071, o equivalente a 5,5%. O déficit de vagas no Estado chega a 6.019 atingindo 118,6%, mas os homens continuam sendo a maioria nos presídios de Mato Grosso. São 9.954(89,7%), enquanto as mulheres representam 1.1237(10,3%). Os investimentos no sistema penitenciário não acompanhou este cenário. A única penitenciária feminina, a Ana Maria do Couto May, em Cuiabá, tem capacidade para 180 mulheres, mesmo número de cinco anos atrás. A unidade abriga 270 detentas, número acima da capacidade. As outras 471 cumprem pena nas cadeias de Cáceres, Sinop, Água Boa, Colíder. Nenhuma das unidades possui condições apropriadas para abrigar as detentas, e o sistema acaba improvisando estruturas que não são adequadas. Segundo o superintendente de Gestão Penitenciária da Sejudh, Gilberto Carvalho, 741 mulheres está atrás das grades no Estado. Destas, 192 foram condenadas, 495 estão em regime provisório e 54 cumprem pena no regime semiaberto. Há um déficit de 206 vagas no sistema. Carvalho ressalata ainda que há predomínio de mulheres jovens, com idade entre 18 e 30 anos e reeducandas com idade acima dos 35 anos, inclusive senhoras entre 50 e

O salto considerável da população carcerária feminina é atribuído principalmente à utilização das mulheres como uma segunda via do tráfico. São elas que dão continuidade aos negócios enquanto os companheiros estão na cadeia

60 anos. O crescimento da população carcerária feminina mostra uma triste realidade. Com o título ���Da beira do fogão às grades da prisão”, a mestra em Serviço Social da Universidade Federal de Mato Gros-

Bispo da Silva, 35, morava no distrito Souza Lima, em Várzea Grande, e está presa há mais de cinco anos no presidio feminino Ana Maria do Couto. Ela foi parar atrás das grades após atear fogo na casa da sua irmã. Hoje cumpre pena no iso-

Muitas detentas são mãe es as crianças de colo que moram no local ficam em péssimas condições de abrigo

so (UFMT), Vera Bertoline, explica em um artigo que isso ocorre porque as mulheres estão se inserindo cada vez mais no universo masculino, e neste “universo” também estão o consumo de álcool, drogas e participação em crimes. “As mulheres conquistaram novos espaços de atuação no mundo público. Porém, a partir dessas conquistas, tem-se observado, por parte delas, a reprodução de comportamentos e atitudes até então tidos e aceitos como do mundo masculino”.

“Da beira do fogão às grades da prisão”

A dona de casa Elezeniu

lamento em um cubículo sem lâmpada e condições precárias. Cristiane dos Santos, 22, foi presa ao tentar entrar com entorpecentes na cadeia de Barra do Bugres (distante 170 km de Cuiabá) e transferida para a penitenciária na Capital. Segundo a jovem, receberia cerca de R$ 300,00 para fazer o serviço que seria utilizado para sustentar os quatro filhos, todos menores. “Estava desempregada e sem dinheiro para nada. Então aceitei fazer o serviço”, conta a detenta. Já Deise Ferreira da Silva, 47, alega que foi usada como “laranja” no transporte de drogas. Há cerca de dois anos responde por tráfico interna-

cional de drogas em Dourados-MS e cumpre pena no presídio feminino em Cuiabá. Ela conta que na época passava por sérios problemas financeiros e foi contratada por um conhecido no bairro Tijucal para fazer o transporte de drogas da Bolívia para Campo Grande. Um funcionário que preferiu não ter seu nome revelado comenta que no Ana Maria do Couto existe superlotação, servidores trabalham em um ambiente tenso, com instalações elétricas, hidráulicas e de higiene precárias. Ana Lúcia Ricarte, presidente da Comissão de Direito da Mulher da OAB/MT, recebeu várias denúncias de maus tratos que as reenducandas estariam enfrentando. Ela revela que muitas detentas são mães e as crianças de colo que moram no local, ficam em péssimas condições de abrigo, instaladas em cubículos da cela. “Além dessas deficiências, as presas e seus familiares sofrem

maus tratos”, alerta Ana Lúcia.

Situação vulnerável

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/ MT, Betsey Polistchuk de Miranda, confirma que há superlotação no presídio feminino e 96% das mulheres detidas na unidade são acusadas de praticar crimes relacionados ao tráfico de drogas. Betsey comentou que durante a última visita à unidade prisional foi constatado que há reeducandas com tuberculose, HIV, distúrbios mentais graves; outras sem tratamento dentário; gestantes sem nenhum tipo de acompanhamento médico e pré-natal. “Esta situação é muito séria. Tem uma série de coisas que precisam ser melhoradas”, consignou. Um dos que casos que chamou a atenção da presidente da Comissão de Direitos Humanos, foi de uma senhora com câncer, que apesar de ser

uma das únicas unidades prisionais que as encarceradas participam de diversas atividades, podem trabalhar e ter redução na pena. “Após a realização do Fórum Mato-grossense para Modernização e Humanização do Sistema Penitenciário que discutiu na semana passada os desafios e soluções para o sistema vamos verificar onde poderemos atuar para melhorar o sistema prisional em Mato Grosso como um todo. Uma série de coisas precisam ser mudadas e melhoradas. É preciso que muitas coisas sejam revistas para cumprir a pena com dignidade”, observou Betsey.

Outro lado

O secretário da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Luiz Antônio Pôssas de Carvalho, afirmou durante a abertura do Encontro dos Diretores das Unidades Penais de Mato Grosso, que os desafios são grandes, mas há a certeza

A única penitenciária feminina, a Ana Maria do Couto May, em Cuiabá, tem capacidade para 180 mulheres, mesmo número de cinco anos atrás

apenada estava em fase terminal dentro de um presídio. Para ela o local não é adequado para uma pessoa que está em fase terminal com câncer. O presídio feminino é

96% das mulheres detidas na unidade são acusadas de praticar crimes relacionados ao tráfico de drogas

de avanços no caminho por meio de diversas ações que sinalizam a transformação gradativa do antigo sistema carcerário, no novo e atual sistema penitenciário. “A cada dia vencemos novos obstáculos em direção aos objetivos de modernizar e humanizar o sistema penitenciário”, disse o secretário. Pôssas informou que o Estado por meio da Sejudh já tem projeto aprovado e recurso assegurado para construir dois presídios femininos, sendo um em Sapezal e outro em Porto Alegre do Norte. “Os dois vão aumentar em 660 vagas a capacidade do Sistema Penitenciário. O processo para construção se encontra em fase interna de licitação”, finaliza o secretário.


6 Política

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br


Geral 7

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br

Novo visual

Morada do Ouro II ganha obras de infraestrutura

Residencial já conta com redes de água e esgoto, iluminação e asfalto. Vai contar ainda com pista de caminhada, área de lazer, estacionamento e salão social Fotos Regina Botelho

já foram escrituradas e não há problemas fundiários na área do Morada do Ouro II. Cerca de 1000 moradores serão contemplados com a regularização de casas e apartamentos”, observa.

Um dos casos, Jaime conta que tem uma discussão na Justiça, onde o mutuário requer R$ 1,5 Cem apartamentos serão milhão, valor contestado pela entregues no final de setembro associação. “Ela teve o valor de 2013 aos mutuários que hacorrigido e o ideal seria de R$ viam quitado seus imóveis há 132 mil. Essas são as dificuldades que ainda temos mais de 10 anos e não haviam que resolver, as ações recebido no Morada do Ouro judiciais”. II, em Cuiabá. O residencial O presidente da foi projetado pelo sistema de associação é servidor autofinanciamento, está com público concursado, novo visual e ganha obras de infraestrutura como redes de água lotado na Justiça Estadual. Terminou o e esgoto, iluminação e asfalto. primeiro mandato Segundo o presidente da em 2012 e foi reeleito Cooperativa Habitacional e por mais quatro anos. Condominial Autônoma de Para ele, hoje o maior Mato Grosso - Cohaut, Jaime desafio é finalizar a Osmar Rodrigues, que também infraestrutura do Mopreside a Associação de Mo- Ruas da Morada do Ouro II receberam obras de pavimentação e de infraestrutura quase 17 anos depois do residencial ter sido projetado radores do mesmo bairro, as rado do Ouro II, cerca No final do mês de setembro, cem apartamentos obras em andamento são frutos de 75% , liberação de de um convênio firmado com de infraestrutura. O montante é Mato Grosso (Cohab/MT)”, social. “As casas serão entregues aos mutuários que quitaram seus mais recursos pelo imóveis há mais de 10 anos decorrente de uma decisão disse o presidente. o Governo do Estado. “Foram Governo e sanar os que seriam entreliberados em torno de R$ 20 judicial que responsabilizou problemas judiciais. Jaime Rodrigues explica gues deveriam ter Sistema de milhões somente para a parte o Governo do Estado pelas que quem comprou casa ou 55 metros quadrados e fizemos Ele acredita que com a libeobras de in- terreno na época, os mutuários uma pequena ampliação. O autofinaciamento ração de um novo montante Mesmo com várias ações até o final de 2014, as obras fraestrutura foram restituídos em dinheiro. terreno tem uma área de 270 do bairro. Na Nesse patamar, o presidente metros quadrados. Em torno judiciais, Rodrigues afirma serão concluídas. Já os proépoca, o re- enfatiza que a Cohaut está de 400 cooperados serão bene- que 80% do compromisso blemas judiciais, a associação sidencial foi conseguindo solucionar 80% ficiados com a obra”, garante firmado com os cooperados prevê dois anos para sanar as lançado por dos problemas que estavam em Jaime. está sendo cumprido e as de pendências. “Nossa expectativa é que meio de par- abertos. Além disso, Rodrigues menor dificuldade já foram ceria entre a até a Copa de 2014, conseguiO presidente conta que assegura que as escrituras dos solucionadas. cooperativa, os apartamentos possuem 65 terrenos que ainda estavam Um dos entraves que ain- mos deixar 100% a Morada do o Governo e metros quadrados, três quar- inscritos na antiga Cohab já da dificulta as ações é que mui- Ouro II mais bonita. Pretendea já extinta tos, sendo uma suíte, cozinha, foram passados para Cohaut. tos mutuários cobram o que mos remanejar as áreas verdes Companhia sacada e banheiro social. O Em relação aos documentos dos pagaram com valores corrigi- juntamente com a prefeitura, Jaime Osmar Rodrigues, presidente da Cohaut, de Habita- residencial vai contar ainda apartamentos, todos terão suas dos, multa diária e indenização fazer uma praça, garantindo comemora o sucesso das obras de infraestrutura ção Popular com pista de caminhada, área escrituras. “Várias casas onde os por não ter recebido o imóvel, total infraestrutura aos mutue a entrega dos apartamentos do Estado de de lazer, estacionamento e salão moradores já residiam no bairro ocasionando valores grandes. ários”, finaliza Rodrigues. Regina Botelho Da Redação


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br

Na semana passada, em solenidade de abertura do Cuiabá Fashion Week, O Deputado Mauro Savi e sua esposa Dona Dilair Savi foram perfeitos anfitriões. Na foto: O Secretário Allan Zanatta, a Deputada Estadual Tetê Bezerra, a Secretária de Cultura Dona Janete Riva e a Primeira Dama do Estado Roseli Barbosa, todos envolvidos nessa grande causa!

Jefferson Castilho - Sócio da escola de musica Pentagrama e musico da Banda Louvor Aliança

Em mesa redonda os Deputados Estaduais Ademir Brunetto e sua esposa Lucimara; e Alexandre César e sua esposa Alessandra em clima do bem!

Aniversariante da última semana, o Juíz, Dr. Dr. José Luis Blaszak e a sua amada Simone, em plena sintonia!

Alessandra Torres em bate papo descontraído ao lado da amiga Tânia Barbosa

#Bem vindo Setembro! O mês de Setembro nos traz de presente essa imperdível novidade. Anotem a data: Dia 12 de setembro, quinta, no Shopping Pantanal, das 17:30 as 22:00 hs, Cuiabá receberá em alto estilo uma das marcas mais conceituadas no mercado brasileiro em calçados. Envolvidos neste projeto e nesta grande festa está esta Colunista, a Colunista Roseli Arruda, o super talentoso Cleber Clemente, Edson Guilherme, o Programa Vip, as blogueiras mais badaladas do Estado e toda a sociedade. Anotem, vocês amarão! #Basta! O Prêmio de Renome Nacional foi a grande conquista pelas ações no combate as drogas e a exploração sexual, que rendeu homenagem ao prefeito

A empresária da moda Ady Silva, leia-se Ady Boutique, madrinha do Cuiabá Fashion Week, juntamente com a amiga Márcia Kuhn Pinheiro e sua filha Adiani Marchi

Conversa animada envolveu o clima dos empresáriso Fernando e Fernanda Minosso, Gustavo e Carla Renata Gasparotto, bem como a sempre simpática Priscila Prado

A dinda Marina Fava e o papai Allan Barros são todos mimos com a mamãe Márcia Ishizuca e neném Maria Clara

Walace Guimarães, em Várzea Grande. Lembrando, que até bem pouco tempo atrás, a mesma, era considerada uma das cidades mais violentas no nosso Estado. Belo exemplo! Da mesma forma, as pesquisas coloca Cuiabá, também, como as mais atuante do país no combate a extrema violência. #Do Bem! Sempre muito bom, leve e salautar saber notícias da querida Marina Muller que tantos ajuda e dona de um coração gigante! Ela que utiliza da técnica Body Tock vem fazendo um belíssimo trabalho mental, físico, auxiliando muitas pessoas no stress do dia a dia. Recomendo! #Farpas! Em meio a tantas farpas e ações

Elegância, sofisticação e diplomacia acompanha a mega empresária, do nosso Estado, Diuza Mara Borges Mastelaro

Combinação perfeita: paraíso, amor e eles: a empresária Geanine Gasparotto, leia-se Decorliz Perfumaria e Sierra, curtindo momentos ao lado do amado Vitor Sano

O Amor do nascer do pequeno Antônio Neto e os pais Larissa e o Dr. Rafael Peres do Pinho

que geraram polêmica em nossa Capital, entre o executivo e o legislativo, vem se destacando por sua atuação e poder de penetração na sociedade o vereador Allan Kardec. Isso aí, fazendo jus a população. #Anotem! Essa semana, dia 05 de setembro, começa a todo vapor e muitas novidades o Morar Mais 2013, no Clube Dom Bosco. A intenção do empreedimento é mostrar as pessoas que é possível unir bom gosto, beleza, arte, design a um custo bem mais acessível, com idéias formidáveis durante a mostra. Vamos prestigiar!

#Pop Art! O Shopping Goiabeiras preparou, entre os dias 5 a 22 de setembro, a Exposição Pop Art, do artista plástico Rafael Jonnier, decorarando toda a Praça Central de compras. Serao 25 Telas de tamanhos e diferentes formatos eletrônicos. O colorido é o grande touché do artista. Vamos todos participar! #In Love! As jovens, lindas, bem resolvidas e de familiares que eu, particularmente, adoro: Dra. Sílvia Godoy e Isabella Scaff em contagem dos dias para o nascimento dos seus babys. Meninas estou muito feliz por vocês, as famílias e a todos que as amão! Saúde e bençãos!

8


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 574 01/09 a 07/09 de 2013

www.copopular.com.br


Jornal Centro Oeste Popular 1-7/9