Issuu on Google+

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul R$ 3,10 - ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

editorial

TRIMEC

O juiz José Arimatéia Neves da Costa, da 20ª Vara Cível da Comarca de Cuiabá negou medida cautelar requerida pelo empresário Wanderley Fachetti Torres – o “Dono de Mato Grosso” -, também proprietário da empreiteira Trimec Construções e Terraplenagem Ltda.

mais na página 3

Polêmica adiada mais na página 2

MINA DE OURO

Manobra judicial teria beneficiado MM e “Nei” Prefeito-empresário e seu sócio Valdinei Mauro de Souza – vulgo “Nei” - teriam adquirido mineradora que detém jazidas avaliadas em mais de R$ 700 milhões por uma bagatela. Ambos estão sob suspeita de terem sido beneficiados por uma nebulosa manobra judicial orquestrada no Núcleo de Conciliação da Justiça do Trabalho em Mato Grosso que terminou na transferência à dupla da empresa Minérios Salomão. É de se observar que a Minérios Salomão não é um simples “garimpo”. Ainda que com sérios problemas na gestão de seu pessoal, a firma tem imenso potencial econômico, já que controla reservas auríferas e outros recursos naturais. De acordo com Laudo Técnico 610/620, produzido por solicitação do TRT, suas jazidas estariam avaliado atualmente

em um montante de R$ 723.788.869, 11 - enquanto as dívidas trabalhistas somam pouco mais de dois milhões de reais. Para disputar o controle das cotas da empresa Minérios Salomão foram credenciadas as empresas IDEPP Desenvolvimento de Projetos Ltda e a Bimetal Participações, esta de propriedade do prefeito-empresário. Por conta da atuação suspeita do juiz Luís Aparecido Ferreira Torres, aquilo que deveria ter sido resolvido pelo repasse das cotas para o autor da maior oferta, transformou-se em uma grande confusão que já resultou em diversas ações nas quais é questionada a legalidade de todo o procedimento. À caça de informações sobre o caso, a reportagem do Centro-Oeste Popular procurou entrevistar os principais envolvidos.

mais na página b1

“VERDINHAS DA SECOPA”

Convênio de R$ 4,5 milhões sob suspeita Secopa faz pagamentos a Instituto Ação Verde para reflorestamento e neutralização de carbono, mas as mudas são fornecidas pela Empaer mais na página 7

Abastecimento

Cuiabá no ranking de contaminação d’água Recente pesquisa divulgada pelo Instituto Nacional de Ciências e Tecnologias Analíticas Avançadas comprovou que a água de 19 capitais brasileiras está contaminada por cafeína e produtos de limpeza. Os estudos foram feitos com amostras de água recolhidas

diretamente da rede de distribuição, a mesma que sai de nossas torneiras, considerada potável pela legislação atual. As capitais com os maiores índices dessas substâncias são Porto Alegre, Campo Grande, Cuiabá, Belo Horizonte e Vitória. Segundo a doutora em

Desigualdade racial

Química da UFMT, Eliana Freire Gaspar, a quantidade de substâncias encontradas nos mananciais e que acabam indo parar no abastecimento vem do próprio consumo humano.

mais na página 4

BodyChef

A cada três assassinatos no Pratos leves Brasil, dois são de negros e saudáveis na porta de Se no País a exposição da pocasa pulação à possibilidade de morte violenta já é grande, ser negro corresponde a pertencer a um grupo de risco.

Em Cuiabá, o chef Mario Esposito apresenta a sua dieta delivery.

mais na página 5

Tecnologia

Quatro municípios de MT são contemplados no Programa Cidades Digitais Projeto do governo federal pretende modernizar gestão e acesso aos serviços públicos.

mais na página 8

mais na página c3

Por Fernando Ordakowski


2 Opinião Editorial

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

O

Superior Tribunal de Justiça decidiu suspender o julgamento do pagamento de pensão alimentícia de um homem à amante no interior do Rio de Janeiro. A Quarta Turma entendeu necessidade de substituição da mulher, já que ela faleceu durante os trâmites da apelação. A regularização do caso deve ocorrer com a entrada de um herdeiro no processo — no caso a filha originada da relação entre as partes. Dentro de 20 dias, o Judiciário deve voltar a julgar o mérito da ação. O relacionamento durou mais de 20 anos e, quando houve o rompimento, a amante estava gravemente doente, vindo a morrer mais tarde. Com

isso, o pagamento de cinco salários mínimos à mulher determinado pela justiça do Rio de Janeiro foi suspenso. Mesmo assim, os valores foram depositados na conta da amante. O réu pede agora a devolução do dinheiro, pois defende que não há proteção legal a casos de concubinato. Segunda família, família paralela, família simultânea: as palavras reforçam um conceito novo presente nas histórias de ações vencidas por amantes em luta por seus direitos em tribunais estaduais. Em Brasília, porém, o dogma do grupo familiar monogâmico resiste e enfraquece reivindicações da terceira pessoa envolvida. Os defensores do avanço dos direitos dessa terceira

pessoa lembram das conquistas dos homossexuais para sugerir que somente o tempo impede que Brasília passe a aceitar as mudanças também na questão dos amantes. Já os detratores da ideia consideram que o conceito de família monogâmica é imbatível. Há várias decisões sobre o assunto no país. No ano passado, a Justiça de Goiás decidiu que uma viúva deveria dividir a sua pensão com a amante do marido, morto em 1994. A “outra” anexou ao processo fotos e documentos para provar a relação extraconjugal, que durou 15 anos, e o exame de DNA da filha que os dois tiveram. A dependência econômica da amante foi usada pelo juiz como pilar da decisão.

O jogo político- PDT e PSB), com vistas a sua candidatura ao -eleitoral é todo per- governo do Estado. Leia-se: Percival Muniz, sonalizado. Nesse Otaviano Pivetta e Mauro Mendes. Políticos sentido, as agremia- – vale acrescentar - ligados ou próximos do ções partidárias do Blairo Maggi que, quando no governo, tampaís são semelhantes. bém contou com o apoio do Partido Verde, Até porque pessoas mesmo diante das resistências dos ecologistas. Foi nesse ínterim, que o Sachetti trocou se juntam a outras por interesses parti- o PDT pelo PSB. Há quem ache: por influLOUREMBERGUE ALVES culares e por espaço ência do republicano, até para “enfraquecer é professor universitário e político, não em razão a candidatura Taques em Rondonópolis”, e, articulista de programas e de por extensão, a todo o “Sul” do Estado. Tese, projetos. Esta situa- porém, destituída de fundamentação, embora ção se repete em Mato Grosso. se saiba da importância política do ex-prefeito Por aqui, aliás, dois coronéis regionais na região. controlam e monitoram quase completamente Uma região, cujo cenário é todo loteado o tablado da política. Nada, por exemplo, em por políticos. E isso obriga os candidatos ao relação à sucessão do Silval Barbosa, passa governo a se aproximarem de cada um deles. distante dos olhos de Blairo Maggi e José Riva. O Julier, a propósito, já tentou essa aproximação. Caso saia candidato seria mesmo pelo PT Ainda que eles não sejam candidatos. Isso torna mais claro quando se leva em – sigla ligada ao governador que, por sua vez, consideração que candidato algum conquista deve favores políticos ao Blairo – a despeito sozinho a vitória eleitoral. Para tal conquista, disso, o juiz conversou com parlamentares, carece de apoios e de “articuladores”. Perso- entre os quais o próprio Riva. O Riva que, nagens que, por outro lado, sofrem influên- recentemente, teve longas conversas com Eraí cias ou, em sua maioria, são influenciados Maggi – supostamente adversário do Blairo, pelos ditos coronéis, tanto nos negócios quanto na política. A partir os quais lhes têm recompensados com dessas conversas, tidas Riva e Blairo com o líder do PSD, que vantagens e benefícios, próprios do mero empresário resolveu disputam o cado da política – cuja deixar o PDT, mas a sua controle do movimentação se dá opção pelo PP foi uma processo de sucessão pela troca. Relação recomendação do primo-senador. antiga, remonta desde O primo que, no inía antiga Grécia, fincou raiz nos regimes absolutistas e se consolidou cio, diante da proximidade do Eraí com o Riva, tratou logo de lançar a candidatura ao governo nos Estados e unidades modernas. Colocar-se alheio ao que passa nesse de Maurício Tonhá, dividindo, assim, politimercado é, em outras palavras, deixar escapar camente o setor do agronegócio, e também uma peça importante para o entendimento do para funcionar como pressão contra o Eraí e jogo e do cenário político-eleitoral. Pior ainda, o Pedro Taques. Então, não é de graça quando deixar-se levar pela onda da fantasia, pois ine- o ex-prefeito de Água Boa diz que “o Taques xiste figura política – com êxito nas disputas bem que poderia se juntar a ele”, Tonhá, “e – desgarrada dos laços mercadológicos, bem ser” o seu vice. como dos apadrinhamentos e de apoiadores. Igualmente não são de graça as críticas O senador pedetista, por exemplo, se do José Riva ao governo do Estado. Pois as mostra arredio a determinados aliados, o que tais críticas servem também para evitar que pode atrair eleitores, mas o deixa bastante surja uma 3ª. via completamente longe do fragilizado e facilmente sujeito ao processo seu controle. de ser “fritado”. Possibilidade que se tornou Percebe-se, então, uma “briga” – antireal, aliás, conforme um dos sites locais. Tal- ga – entre o Riva e o Blairo pelo controle do vez por essa razão, o Pedro Taques defende a processo de sucessão do Silval Barbosa. Vale reoxigenação do “MT muito mais” (PV, PPS, a pena, prezado (e) leitor, dar atenção a ela.

é propriedade da

Diretor Antônio Carlos Oliveira

Editoria e Reportagem-MT Beatriz Girardi - DRT - 1187-MT

Sedes Avenida Miguel Sultil, nº 4.353 - Areão Cuiabá - Mato Grosso - CEP: 78.010-500 Fone (65) 3623-4300/e-mail: adm@copopular.com.br

Editor e Reportagem - MS Jota Menon Reportagens Beatriz Girardi, Regina Botelho, Juliana Radel Estagiários Ana Sampaio redacao@copopular.com.br Editor de Arte / Diagramação Mário Pulcherio Filho Diagramação / Projetos Leonardo Arruda - 65 9233-9018 Charge Fernando Ordakowski Circulação Brasília, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul

Na primeira vez em que um especialista, cujo zer dinheiro suficiente nome já esqueci, ousou cravar uma data (2043) para manter redações como o ano em que circularia a última edição em pletóricas como as que papel do último jornal do planeta, dei de ombros: existiram nos melhores em 2043, teria 100 anos e já estaria morto ou, na momentos do jornalismo impresso. pior das hipóteses, vivo mas aposentado. Hoje, o que está O problema seria portanto da garotada que havendo, nas redações está começando, não meu. Começo agora a ter segundos pensamentos. do mundo inteiro, é um Talvez o papel não chegue a 2043, a julgar pela verdadeiro genocídio decisão do “Financial Times” de priorizar a edição de postos de trabalho, digital em detrimento da edição impressa --ou até porque as demissões Clóvis Rossi do pessoal do papel não é repórter especial e membro como complemento, depende do ponto de vista. Conselho Editorial da O “FT” é ou era um das últimas publicações são acompanhadas de do Folha, ganhador dos prêmios que eu esperava ver migrar do papel para o digital. contratações equiva- Maria Moors Cabot (EUA) e Como eles têm certezas absolutas sobre a econo- lentes no mundo digital. da Fundación por un Nuevo Periodismo Iberoamericano mia de todo e qualquer país, sobre a economia O próprio “FT” é um internacional e sobre cada empresa mais ou menos exemplo: ao anunciar o relevante, imaginei que soubessem tudo também “digital first” no início do ano, deixou claro que hasobre o próprio negócio e, portanto, jamais seriam veria 35 demissões na redação-papel, para apenas envolvidos pela crise que afeta a mídia no mundo 10 contratações para a área digital. Ou seja, 25 vagas fointeiro. ram para o espaço, em O anúncio de que uma redação de aproxia estratégia --batizada madamente 600 pessoas, de “digital first”-- vai Tanto faz se o o que dá um corte de cerca mudar mostra que até essa bíblia do mundo papel sobreviverá de 4%. Não é difícil supor financeiro sofre com ou não ao digital. que haverá, agora, novos a queda de circulação. O jornalismo --e os jornalis- cortes, porque o “FT” suO “FT” começou o ano primirá todas as edições com uma redução nas tas—sobreviverá regionais em papel, exceto vendas de quase 4% em a da própria sede, Londres. relação aos números O que há de positivo com que fechara 2012. Mas, atenção, o fim do jornal impresso pode no novo modelo é que ele pretende romper a ser antes de 2043, como muita gente diz, mas sabedoria convencional que diz que o digital é pode ser também depois, até mesmo na avaliação imediatista e o papel é o aprofundamento. Lionel de Lionel Barber, o editor do “Financial Times” Barber diz que o “FT” precisa ser rápido, o que é e principal porta-voz da mudança de estratégia. óbvio, mas “não mais rápido do que todo o mundo Vejam o que ele disse em entrevista de julho para porque precisamos ser cuidadosos em não apressar julgamentos ou correr atrás do último rumor. Isso a Columbia Review of Journalism: Pergunta - Não haverá um momento em que é perigoso”. É uma tese que sempre defendo quando disfará sentido parar de imprimir o jornal? Uma porção de jornais está tentando adivinhar quando cuto jornalismo com meus botões: o importante não é dar a notícia primeiro, mas dar bem a notíe se isso acontecerá... Lionel Barber - Nunca entro nesse debate cia. Se se puder fazer ambas as coisas ao mesmo porque, primeiro de tudo, o impresso é valioso. tempo, tanto melhor, mas, do meu ponto de vista, É absolutamente óbvio para mim que um certo qualidade é mais relevante do que o imediatismo grupo de pessoas quer ler o jornal impresso. Acabo para a credibilidade de uma empresa jornalística. Acho até que ser o primeiro em noticiar algo de passar três dias em Nova York. Tive entrevistas com pelo menos cinco líderes de firmas de Wall é uma preocupação mais de jornalistas do que de Street, e eles compram uma ou duas edições do leitores. Para estes, que diferença faz, por exemplo, jornal. Eles assinam, uma para casa, outra para o quem anunciou primeiro que Cristina Kirchner escritório. E não querem lê-lo no seu computador. seria operada? Mais interessante é saber as conLeem no papel. E, o que é interessante, dois deles sequências da operação para o futuro político do disseram que acreditam realmente que ler um país, certo? Se o tão badalado “FT” firmar esse modelo jornal é uma forma mais profunda de ler porque você se concentra mais no que está ocorrendo na de pressa sem açodamento, mas com qualidade, talvez as redações comecem de novo a ter um núpágina impressa [do que no computador]. Deus dê longa vida a esse tipo de pessoas mero de profissionais adequado para desenvolvêporque o jornalismo precisa de tempo para de- -lo todos os dias. senhar um modelo de negócios que permita ou a Nessa hipótese idílica, tanto faz se o papel convivência papel/digital ou como ganhar dinheiro sobreviverá ou não ao digital. O jornalismo --e os com jornalismo na internet. jornalistas-- sobreviverá, e isso importa mais do Quando digo ganhar dinheiro, quero di- que a forma pela qual ele é apresentado ao público. Reprodução

Uma Briga à Parte

Diretoria Comercial Max Feitosa Milas

Legislação revista

O jornalismo sobreviverá ao papel?

Reprodução

expediente

www.copopular.com.br

Artigos

Polêmica adiada

Endereço Brasília CLSW - 301 - Bloco A - Edifício Spaço Vip Sala 136 - Setor Sudoeste Fones: (61) 3028-1388/3028-1488

Escrtório Campo Grande Rua Joaquim Murtinho, nº 184 - Centro Campo Grande - Mato Grosso do Sul CEP: 79.002-100 Fone (67) 3029-4214 e-mail: admms@copopular.com.br Assinaturas: (65) 3046-0400 (67) 3029-4214 Acesse: www.copopular.com.br

Os artigos de opinião assinados por colaboradores e/ou articulistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Não representam assim a opinião do jornal.

Por que não planejar?

Política 3

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

Divulgação

Um problema já grande, que parece estar no espaço apropriado assumindo proporções catastróficas: A difi- dentro do metrô. Este, culdade de mobilidade nas maiores cidades por sua vez, o leva no do país. Congestionamentos gigantescos, tempo previsto até o Acidentes evitáveis, estão no topo de uma lista local mais próximo de hipotética, onde listaríamos as consequências seu trabalho, onde ele de um problema gravíssimo: A falta de plane- desembarca e pedala jamento por parte dos governos envolvidos. até o bicicletário seDesde o começo. Reduzindo o IPI dos guro, onde ele deixa automóveis, o governo atestou sua fraca ca- sua bike e segue até o pacidade de previsão estratégica. Com essa seu escritório. Nesse RENATO SNOWARESKI GOMES medida, o interesse pela compra do automóvel percurso, ele levou é estudante de Administraaumentou. Ao mesmo tempo em que se igno- 45 minutos. De carro, ção e cicloativista rou o fato de que o espaço público poderia ser ele levaria 1h e 20min. insuficiente para comportar tamanha frota. Além de economizar Para compensar seu prejuízo, alguns governos e se exercitar pedalando, ainda chegou mais buscam meios de encarecer o uso do automó- cedo. Tal cenário não é incomum em várias vel, através de medidas como o aumento no cidades do Japão, que contam com bicicletários preço dos combustíveis, e de propostas de pe- subterrâneos e integração com metrô. dágio urbano. Essas medidas desencorajariam Entende-se que não há mais espaço uma parcela da população, que em teoria bus- para administração ignorar o planejamento cariam no transporte coletivo e no transporte estratégico. O estado já paga muito caro não-motorizado, novas formas de locomoção. pelas falhas de previsão e planejamento. A O problema é que, na prática, temos uma começar pela pasta da Saúde, que paga pelos sociedade “carrocraacidentados (vítimas da ta” (neologismo que falta de estrutura viária indica a dependênbásica, aliada a uma fiscia do brasileiro em pífia e um treiO E s t a d o j á calização relação aos veículos namento de motoristas paga muito caro insuficiente), e pelos que motorizados, em espelas falhas de indiretamente contraem pecial os carros), que prefere enfrentar enprevisão e planejamento doenças relacionadas à garrafamentos a se poluição e ao estresse submeter ao transdiário. Podemos citar porte coletivo e nãotambém as perdas eco-motorizado. E essas pessoas não deixam de nômicas, geradas pelo tempo perdido pelos ter razão. Não temos uma frota coletiva de alta motoristas enfrentando congestionamentos qualidade e confiabilidade, aliada a uma rede quilométricos. de vias para o transporte não- motorizado que Os corredores de ônibus que estão sendo justifiquem tal migração. implantados em São Paulo são uma pequeImagine um seguinte cenário hipotético. na parcela do que deve ser feito. É de vital Uma cidade com um sistema de trânsito bem importância, que se crie um mecanismo de planejado e monitorado. Um pedestre precisa monitoramento e melhoria do trânsito, seguida se locomover ao seu trabalho, distante 40 qui- da disponibilização de alternativas de locomolômetros de sua casa. Ele tem a disposição um ção de qualidade e confiabilidade. Alia-se a carro, mas, nessa simulação, o transporte pú- esse processo, uma fiscalização focalizada na blico é eficiente e com horários bem definidos, prevenção de acidentes e a punição rigorosa além de contar com equipamentos confortáveis dos infratores (muitos dos quais, provocam e pouco poluentes. Ele então, pega sua bici- graves acidentes, e permanecem impunes, pois cleta, pedala na rede de ciclovia até o ponto de a lei ainda entende como acidentes, diversos metrô (ex.) mais próximo. Ao chegar ao local, tipos de crimes no trânsito, verdadeiros asele embarca no metrô com a bicicleta e a coloca sassinatos).

Aumento das penas e a inclusão de novos crimes no rol dos hediondos Com emendas, avanços sobre aborto e drogas podem ficar fora da reforma do Código Penal

Da Redação

Avanços sugeridos no anteprojeto do novo Código Penal em temas como a descriminalização do aborto e do porte de drogas em determinadas condições ficaram pelo caminho no substitutivo apresentado pelo senador Pedro Taques (PDT-MT) em agosto. Sexta-feira, 18, foi o último dia para senadores proporem mais emendas, e é pouco provável que medidas mais “progressistas” sobrevivam até a elaboração do texto final, prevista para dezembro. Mas uma mudança de grande impacto é o aumento das penas e a inclusão de novos crimes no rol dos hediondos. Veja o que previa o projeto original e quais as alterações sugeridas até agora pelos parlamentares: 1. Aborto Como é hoje: é permitido aborto em casos de risco à vida da mãe ou quando a gravidez é fruto de violação sexual. Projeto original: passa a ser permitido aborto também por vontade da mulher até a 12ª semana de gestação, desde que médico ou psicólogo constate que ela não apresenta condições psicológicas de arcar com a maternidade. Alterações propostas: a permissão por vontade da mãe até a 12ª semana de gravidez foi excluída. Foram mantidas as demais possibilidades legais para a interrupção. 2. Eutanásia Como é hoje: homicídio comum, com pena de reclusão de seis a 20 anos. Projeto original: tipifica a prática como conduta própria, com pena de dois a quatro anos de detenção. Libera a ortotanásia (retirada de equipamentos ou medicações que prolongam a vida de doentes termi-

TRIMEC

O juiz José Arimatéia Neves da Costa, da 20ª Vara Cível da Comarca de Cuiabá negou medida cautelar requerida pelo empresário Wanderley Fachetti Torres – o “Dono de Mato Grosso” -, também proprietário da empreiteira Trimec Construções e Terraplenagem Ltda.

TRIMEC 2

O “Dono de Mato Grosso”, felizmente, manda muito no governo – nada de braçada em obras públicas -, mas nada manda no Judiciário matogrossense. A liminar pretendida era para que o Centro-Oeste Popular nada mais publicasse sobre as “ligações perigosas” do empresário. Com emendas, avanços sobre aborto e drogas podem ficar fora da reforma do Código Penal

nais), desde que atestada por dois médicos e com aval familiar. Alterações propostas: classifica a eutanásia como homicídio e mantém a ortanásia como conduta atípica (não é crime), desde que o paciente ou a família autorize e dois médicos atestem. 3. Tempo de pena Como é hoje: o tempo máximo cumprimento de pena é de 30 anos, com progressão após um sexto da pena. Projeto original: o tempo máximo segue em 30 anos. Se cometer novo crime, porém, o limite passa para 40 anos. A progressão ganhou uma escala, que vai de um sexto a três quintos da pena. Alterações propostas: primários cumprirão um quarto antes da progressão. A pena mínima para homicídio passa de seis para oito anos de prisão. Para homicídio culposo, que era de um a quatro anos, passa a ser de dois a seis anos. 4. Lei Seca Como é hoje: não está previsto o conceito de culpa gravíssima para crimes de trânsito. Projeto original: cria-se o conceito de culpa gravíssima para caracterizar os crimes

de trânsito. A gravíssima cabe quando o motorista não teve intenção de matar, nem assumiu o risco, mas agiu com temeridade. A pena varia de quatro a oito anos de prisão. Alterações propostas: aumenta a pena máxima para o ato de conduzir veículo sob a influência de álcool ou substância de efeitos análogos, passando para até cinco anos de prisão. 5. Drogas Como é hoje: hoje o consumo não é crime, mas o porte está sujeito a punição. Projeto original: fica descriminalizado o porte de drogas leves para consumo pessoal. A quantidade será determinada levando em conta o consumo médio individual por cinco dias. Alterações propostas: exclui a proposta de descriminalizar o porte de pequenas quantidades que configurem uso pessoal. O argumento é que o dispositivo poderia possibilitar que o traficante, passando-se por usuário, carregasse para comércio apenas pequenas quantidades. 6. Crimes contra animais Como é hoje: não há punição prevista para maus-tratos contra ani-

mais. Projeto original: estabelece pena de um a quatro anos de prisão para maus-tratos, como lesão, mutilação e morte de animais. Omissão de socorro e abandono também ficam sujeitos a penas de até quatro anos de prisão. Alterações propostas: descriminaliza práticas como transporte inadequado, abandono e omissão de socorro diminui para seis meses a três anos as penalidades. As penas foram consideradas excessivas e desproporcionais. 7. Crime cibernético Como é hoje: não há tipificação de crimes. Projeto original: surgem crimes como acesso indevido (dados são acessados, sem autorização, em um sistema protegido, com pena de seis meses a um ano de prisão ou multa) e sabotagem informática (invasões, interrupções ou entraves de sistemas, com pena de até dois anos de detenção). Alterações propostas: não faz diferença se o sistema é protegido para crime de acesso indevido. Pena é aumentada para até quatro anos se resultar em prejuízo econômico ou contra a administração pública.

TRIMEC 3

“Observamos que inobstante a matéria publicada na qual se percebe críticas perpetradas referindo a contratos firmados com o governo e sobre a existência de processos administrativos e judiciais envolvendo o nome do sócio Wanderley, não há como restringirmos o direito à livre manifestação do pensamento e opinião pessoal, quiçá da imprensa, ainda mais em se tratando de contratação de empresa para prestação de serviços públicos”, ensinou o magistrado ao negar a pretensão do “Dono de Mato Grosso”.

TRIMEC 4

Enquanto os cães ladram... Nas rodovias do interior matogrossense não passa nem tatu de chuteiras, quanto mais caravana. Na região Noroeste – especialmente nos municípios de Juara, Juína e Colniza -, a situação é caótica. E a Trimec continua a receber milhões para a manutenção de rodovias, ao tempo em que mais de cinquenta prefeitos ouvidos pela coluna nunca viram as tais patrulhas mecanizadas em seus municípios.

CÂMARA

Na Câmara Municipal de Cuiabá, o presidente João Emanuel continua a atravessar seu inferno astral. Depois do episódio do afastamento temporário e de ter sido apontado pelo Ministério Público na condição de integrante de uma quadrilha que atuava em favor de traficantes, o edil agora pode ter mais dores de cabeça por conta de possíveis fraudes imobiliárias. A conferir.

PACU

Falar em Câmara Municipal, primo Altamirando – aquele, do Stanislau Ponte Preta – disse que está errado o fabuloso projeto do vereador Mário Nadaf para distribuição de estimulantes da função erétil aos velhinhos cuiabanos. Referência a um dos símbolos da capital matogrossense, em vez de “Pinto Feliz”, poderia ser chamado “Pacu Feliz”...

PAU DE ANTA

Na Praça Maria Taquara, o raizeiro “Rei da Medicina” quer entrar na concorrência, à base de catuaba, ovo de codorna, pau de anta e raizadas congêneres...

MAGGI

O primo rico Blairo Maggi e o primo muito mais rico Eraí Maggi têm muito café no bule – ou soja no armazém, como queiram – pra encarar as eleições ano que vem.

PARCERIA

Aquela famigerada Oscip ligada ao PSDB que tem convênio milionário no governo peemedebista teria feito estranha parceria com uma empresa de mapas. Deve ser o mapa do tesouro...

São Luís I

Construtora que atualmente é agraciada com diversas cartas convite da SETPU para reforma de ponte e manutenção de rodovia pavimentada simplesmente deve existir dentro de uma pasta, pois no endereço da tal empreiteira não existe nenhum escritório.

São Luís II

Existe forte indício de que essa empresa estaria em nome de laranjas. A Equipe de Inteligência do Centro-Oeste Popular está investigando. Já foram feitas diversas tentativas para localizar essa tal construtora, todas em vão. Com a palavra o MPE.


4 Cidades

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

Abastecimento

Geral 5

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

Pepitas douradas

Cuiabá ocupa 3º lugar no ranking Garimpeiros denunciam mineradora no Congresso de contaminação d’água A audiência pública reuniu aproximadamente 200 garimpeiros

Proliferação no rio por produtos de limpeza e cafeína é resultado do crescimento das cidades e de novos processos industriais Regina Botelho Da Redação

Recente pesquisa divulgada pelo Instituto Nacional de Ciências e Tecnologias Analíticas Avançadas (INCTAA), sediado no departamento de Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), comprovou que a água de 19 capitais brasileiras está contaminada por cafeína e produtos de limpeza. Os estudos foram feitos com amostras de água recolhidas diretamente da rede de distribuição, a mesma que sai de nossas torneiras, considerada potável pela legislação atual. As capitais com os maiores índices dessas substâncias são Porto Alegre, Campo Grande, Cuiabá, Belo Horizonte e Vitória. Segundo a doutora em Química da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), da área de contaminantes, Eliana Freire Gaspar, a quantidade de substâncias encontradas nos mananciais e que acabam indo parar no abastecimento vem do próprio consumo humano. “Os produtos de limpeza vão parar nos esgotos que por falta de tratamento adequado, acabam sendo despejados diretamente nos mananciais e alteram a tensão superficial

feminino. De acordo com os pesquisadores, existe uma dificuldade química em achar, medir os compostos que têm atividade estrogênica, porque são vários hormônios, vários detergentes, pesticidas que têm essa atividade de confundir o sistema hormonal Estudos foram feitos com amostras de água recolhidas diretamente da rede humano. de distribuição, a mesma que sai de nossas torneiras A educadora da UFMT da água”, explica. e a concentração é alta. Te- esclarece que a cafeína não Eliana Gaspar diz ain- mos uma coleta mínima e o faz mal à saúde, mas por da que apesar da popula- tratamento menor ainda”, semelhanças químicas sua ção receber água tratada observa a pesquisadora. presença na água sinaliza nas torneiras, o processo de a existência dos poluentes Poluentes tratamento não teve granemergentes, resíduos cada emergentes des avanços. Para , a falta vez mais comuns nas águas. de saneamento adequado Entre as substâncias está No levantamento do a fenolftaleína, que tem seu aumenta a concentração dessas substâncias, pois os INCTAA foram coletadas uso como laxante proibido produtos estão sendo joga- amostras de água de ma- pela Agência Nacional de dos nos esgotos ‘in natura’ nanciais e da água já tratada Vigilância Sanitária(Anvisa), e a quantidade de produtos que chega à população das 19 e o triclosan, um antisséptico de limpeza usado nos lares capitais do Brasil e no Distri- usado em medicamentos, da cidade é muito grande. to Federal (DF). O nível de cremes dentais e desodoran“Usamos tanto para lavar cafeína na água é usado como tes. Sua proliferação em rios roupa, tomar banho, limpar indicador da presença de e reservatórios é resultado do a casa. A quantidade dos contaminantes que tem ação crescimento das cidades e de produtos de limpeza usados estrógena, isto é, um efeito novos processos industriais. pelos munícipes é elevado semelhante ao do hormônio

A pesquisa revelou que algumas estações de tratamento são capazes de remover até 99% da cafeína da água, por isso, mesmo quantidades muito pequenas podem indicar se o estresse do manancial por esgoto é alto.

Outro lado Por meio de nota, a CAB Cuiabá informou que a empresa atende a todos os parâmetros de controle de qualidade da água exigidos pela legislação, dentre eles a portaria 2914/2011 do Ministério da Saúde, que dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da água para consumo

humano e seu padrão de potabilidade. Segundo a nota todas as instalações utilizadas para tratamento de água em Cuiabá passaram por diversas ações de melhoria nos processos para adequar a água ao consumo humano. “O resultado dessas ações é auditado pela área de controle de qualidade da concessionária, bem como pelos órgãos de controle competentes que verificam a qualidade da água desde a estação de tratamento até os pontos de consumo. Desta forma, a água que chega às ligações das residências pode ser ingerida sem qualquer tipo de tratamento adicional”, finaliza a nota.

Por falta de tratamento adequado, os produtos vão parar no esgoto e acabam sendo despejados diretamente nos mananciais

site 247

Jornalismo investigativo

Brasil 247

No momento em que é lançado o filme Serra Pelada, de Heitor Dhalia, garimpeiros denunciam, na Câmara dos Deputados que estão sendo roubados por uma mineradora canadense. Sócia majoritária da empresa Serra Pelada Companhia de Desenvolvimento Mineral (SPCDM), a Colossus desde 2007 vem sendo acusada de fraudes pela sócia minoritária, a Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp), que reúne quase 40 mil garimpeiros que participaram da exploração da maior mina de ouro do Brasil. As denúncias contra a holding estrangeira foram apresentadas na audiência pública convocada pela Comissão do Trabalho,

Administração e Serviço Público, da Câmara dos Deputados, no último dia 15. O deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) defendeu a abertura de uma comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) para investigar as denúncias de desvios de dinheiro pela empresa mineradora Colossus Geologia e Participações Ltda, em Serra Pelada (PA). A principal reivindicação dos 38 mil garimpeiros associados da Coomigasp é de que seja honrado o contrato com a Colossus, aprovado em assembleia em 2007, estipulando 49% das ações para a Cooperativa e 51% das ações para a empresa canadense. Atualmente, segundo os garimpeiros por meio de manobras fraudulentas comprovadas

Veteranos de Serra Pelada acusam companhia canadense Colossus de usurpar o patrimônio deles; protesto acontece no momento em que é lançado o filme Serra Pelada, de Heitor Dhalia (foto)

por documentos, a Colossus teria usurpado 24% das ações da Coomigasp, reduzindo a participação dos garimpeiros a 25%. Para presidente da Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada, Vitor Albarado, a situação é insustentável e imoral. “Isso é uma agressão contra a comunidade garimpeira”, protesta o presidente da Coomigasp. Irregularidades apontadas pelo relatório do Comitê de Orçamentos Administrativos e Financeiros da Receita Federal (COAF), entre a Colossus e a antiga diretoria da Coomigasp, como corrupção, lavagem de dinheiro, apropriação indébita e formação de qua-

drilhas, também vieram à tona no debate. “Tem muitas coisas erradas no submundo do crime acontecendo em Curionópolis com que o Ministério Público deveria se preocupar”, aponta Vitor Albarado, eleito presidente da maior Cooperativa de Garimpeiros de Serra Pelada, em junho deste ano, com quase 100% dos votos. Da realidade para a ficção – Os imbróglios entre os garimpeiros do Pará e a mineradora canadense Colossus vêm à tona justamente no momento em que estreia nos cinemas de todo o país o

O jornal Centro-Oeste Popular já vem investigando, há seis meses aproximadamente, casos de empresas internacionais instaladas em Mato Grosso que na exploração de minérios se utilizam de empresas brasileiras como ‘laranjas’. É estarrecedor que ambos, governo federal e estadual, não tenham o controle da quantidade de extração de ouro e diamantes em Mato Grosso. Nos meses de junho e julho foram publicadas duas matérias falando da devastação do meio ambiente em Poconé (MT). Em agosto outra publicação foi feita. No entanto, foi constatado que os órgãos competentes não tomaram nenhuma providência quanto à problemática. A primeira reportagem revelou o tráfego de uma quantidade devassadora de mercúrio. “Na Coordenadoria de Mineração da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), por exemplo, não se tem sequer o controle do volume de mercúrio utilizado nos garimpos. Informa que a fiscalização do órgão resume-se a verificar as condições de segurança no manuseio do metal, de forma que não provoque contaminação do solo ou dos corpos d’água – desconhecem, no entanto, o fato de haver diversos garimpos que operam na mais absoluta clandestinidade, sem licenciamento ambiental ou qualquer controle por parte do Poder Público”, dizia um trecho da matéria. Na época, quem ocupava a cadeira da secretaria municipal de Meio Ambiente era o senhor Urbano Seni que apesar de questionado não tomou nenhuma medida para combater tal crime. drama Serra Pelada. Dirigido por Heitor Dhalia e tendo no elenco os atores Wagner Moura e Juliano Cazarré, o filme, atração na festa de encerramento do Festival de Cinema do Rio de janeiro, conta com realismo e aventura, a história de quem um dia viveu o sonho de “bamburrar” da noite para o dia. Na trama, os amigos de

infância Juliano (Juliano Cazaré) e Joaquim (Júlio Andrade) deixam São Paulo rumo à Serra Pelada com a esperança de ganhar muito dinheiro explorando ouro na região. Com o tempo eles percebem que por trás do brilho das pepitas douradas escondem um enredo macabro de ganância desmedida, violência, vingança e traição.

Desigualdade racial

A cada três assassinatos no Brasil, dois são de negros Probabilidade do negro ser vítima de homicídio é oito pontos percentuais maior, segundo pesquisa Da Redação

A cada três assassinatos registrados no Brasil, dois são de negros. A probabilidade do negro ser vítima de homicídio é oito pontos percentuais maior, mesmo quando se compara indivíduos com escolaridade e características socioeconômicas semelhantes. Os dados são da quarta edição do Boletim de Análise Político-Institucional (Bapi), apresentado pelo diretor do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Daniel Cerqueira, na manhã de quinta-feira, 17. Conforme artigo assinado pelo pesquisador do Ipea Almir de Oliveira Júnior e a acadêmica da área de Direitos Humanos da UnB Verônica Couto de Araújo Lima, somando-se a popula-

Se no País a exposição da população à possibilidade de morte violenta já é grande, ser negro corresponde a pertencer a um grupo de risco

ção residente nos 226 municípios brasileiros com mais de 100 mil

habitantes, calcula-se que a possibilidade de um adolescente negro

ser vítima de homicídio é 3,7 vezes maior em comparação com os

brancos. Analisando o racismo institucional dentro das polícias, os autores conceituam o termo como sendo o fracasso coletivo das instituições em promover um serviço profissional e adequado às pessoas por causa da sua cor. No texto “Segurança Pública e Racismo Institucional” os autores Almir de Oliveira Júnior e Verônica Couto de Araújo Lima falam da desigualdade de acesso à segurança entre brancos e negros. Se no País a exposição da população à possibilidade de morte violenta já é grande, ser negro corresponde a pertencer a um grupo de risco. A pesquisa aponta que negros são maiores vítimas de agressão por parte de policiais que brancos. A Pesquisa Nacional de Vitimização

mostra que 6,5% dos negros que sofreram uma agressão no ano anterior à coleta dos dados pelo IBGE, em 2010, tiveram como agressores policiais ou seguranças privados (que muitas vezes são policiais trabalhando nos horários de folga), contra 3,7% dos brancos. O Boletim de Análise Político-Institucional do Ipea é uma publicação que reúne artigos com foco em aspectos estruturais de algumas das instituições políticas brasileiras e a relação entre o desenvolvimento e os mecanismos de democracia representativa e participativa. Além do racismo, desenvolvimento sustentável, as manifestações de junho, a pacificação das favelas do Rio de Janeiro e o acesso à educação profissional estão entre os temas abordados.


6 Política

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

Política 7

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

“VERDINHAS DA SECOPA”

Diagnóstico

O desafio da agricultura familiar Convênio de R$ 4,5 milhões

sob suspeita

AMM vai orientar municípios sobre elaboração de plano para identificar as cadeias produtivas locais, fortalecer o setor e oferecer melhores condições de trabalho para milhares de famílias Reprodução

AMM orienta municípios na elaboração do Plano Municipal de Desenvolvimento da Agricultura Familiar para fortalecer o pequeno produtor rural Da Redação

Os municípios que ainda não possuem o Plano Municipal de Desenvolvimento da Agricultura Familiar poderão receber mais

informações sobre a elaboração do trabalho durante o IV Workshop de Secretários Municipais de Agricultura, Meio Ambiente e Turismo, que será realizado de 22 a 25 de outubro, no auditório da

Associação Mato-grossense dos Municípios. O assunto será debatido no primeiro dia do evento (22), com a participação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural e Agricul-

tura Familiar (Sedraf) e a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer). O presidente da AMM, Valdecir Luiz Colle, Chiquinho, disse que o planejamento é muito importante para fortalecer a agricultura familiar no estado, profissionalizando procedimentos e garantindo mais investimento no setor. “A elaboração dos planos vai identificar as cadeias produtivas locais, fortalecer o setor e oferecer melhores condições de trabalho para milhares de famílias que se dedicam à agricultura familiar”, assinalou. O gerente de Desenvolvimento Econômico da AMM, Hudson Saturnino, explica que existe uma preocupação em viabilizar a realização e implantação desses planos. Segundo ele, será apresentado e proposto o modelo já implantado em outros estados, que contempla ações planejadas e contínuas. Os municípios que

aderirem contarão com o acompanhamento da AMM e das instituições parceiras para a implementação das ações. O secretário-adjunto de Desenvolvimento Regional da Sedraf, Renaldo Loffi, disse que dos 141 municípios, uma pequena parcela possui os planos municipais. Ele destacou que cerca de 142 mil famílias no estado dependem da agricultura familiar, mas muitas não possuem renda suficiente para se manter. “Os planos municipais de agricultura familiar vão direcionar os investimentos públicos e os financiamentos no setor”, assinalou, destacando que o objetivo da iniciativa é também garantir renda suficiente para que as famílias tenham qualidade de vida. Outra proposta da AMM é a de organizar as secretarias municipais, capacitando o pessoal e criando, ou quando necessário, colocando em funcionamento os Conselhos

Municipais de Agricultura. Durante o evento a AMM vai apresentar um diagnóstico da situação da agricultura familiar em Mato Grosso. Os dados foram levantados pela equipe de técnicos da associação em assentamentos rurais. O workshop, já tradicional na AMM, vai contar com a participação de representantes de várias regiões. A programação inclui ciclo de palestras, painéis, debates, entrega de máquinas pelo ministério do Desenvolvimento Agrário para 73 municípios, oficinas de trabalho, entre outros. Serão também instalados estandes de instituições para exposição de produtos e serviços para os municípios. As inscrições para o evento estão abertas no site www.amm.org.br. O Workshop é destinado a prefeitos, secretários municipais, presidentes de consórcios intermunicipais de desenvolvimento, entre outros.

Parceria institucional

Ação conjunta promove desenvolvimento científico e institucional Termo de Cooperação entre TCE-MT e UFMT abrange atividades nas diversas áreas do conhecimento a fim de auxiliar o Tribunal de Contas a cumprir com as metas e aprimorar os serviços prestados à sociedade Divulgação

Da Redação

Com o objetivo de promover o intercâmbio educacional, técnico, científico e cultural, o Termo de Cooperação entre Tribunal de Contas de Mato Grosso e a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) completa três anos. Neste período, foram desenvolvidas ações conjuntas, abrangendo atividades nas diversas áreas do conhecimento. A UFMT, através da Fundação Uniselva, vem desenvolvendo pesquisas, diagnósticos, consultorias, cursos de capacitação, seminários nas áreas de tecnologia da informação, programa de estágio e serviços especializados em gestão de processos. De acordo com o secretário de Gestão do TCE-MT, Manoel da Conceição da Silva conta que “a cooperação veio suprir a demanda do Tribunal de Contas quanto à atualização de conhecimentos específicos”. A primeira área de cooperação com a Uniselva foi na área de tecnologia da informação do TCE-MT, a instituição ofereceu suporte técnico remoto e presencial, análise e desenvolvimento de sistemas próprios e a infraestrutura do ambiente computacional. O diretor-geral da Uniselva, Cristiano Maciel, explica que “a partir de diagnósticos, a Uniselva elaborou Planos de Trabalho, pautados no Planejamento Estratégico do TCE-MT, a fim de auxiliar o órgão a cumprir com as metas e aprimorar os serviços prestados à sociedade”. O TCE-MT operacionalizou os procedimentos de qualidade em tecnologia de informação, disponibilizou instalações, laboratórios e recursos materiais necessários à execução das atividades que foram

Índice global

Escravidão contemporânea Reprodução

Termo de Cooperação entre Tribunal de Contas de Mato Grosso e a Universidade Federal de Mato o Grosso completa três anos com o objetivo de promover o intercâmbio educacional, técnico, científico e cultural

propostas pela UFMT. Entre as ações do Plano de Trabalho, a Uniselva auxiliou a melhoria da gestão de processos internos do TCE-MT e do Ministério Público de Contas. Anualmente, é realizado diagnóstico do perfil dos colaboradores para propor capacitações e pesquisas relacionadas às suas necessidades. O TCE-MT trabalha com elevados níveis de exigência em segurança de informação, uma vez que é o órgão responsável pela fiscalização de recursos públicos municipais e estaduais. Assim, para atender à crescente demanda dos serviços de tecnologia da informação, foi desenvolvido o projeto “Serviços Técnicos Especializados na área de TI”. A parceria institucional ainda teve como fruto o projeto “Os conselhos de Políticas Públicas na Efetivação do Controle social”. Trata de curso, na modalidade Ensino a Distância (EaD), voltado aos representantes dos Conselhos Municipais de Políticas Públicas de Mato Grosso que contou com o apoio de oito tutores que

auxiliaram 463 conselheiros inscritos nas discussões dos conteúdos. Além disso, o órgão de controle externo consolidou-se como uma fonte de informações para o desenvolvimento de pesquisas científicas. Entre os trabalhos que tiveram como fonte de informação do TCE-MT, está o artigo do professor do Instituto de Ciência da Computação e diretor-geral da Uniselva, Cristiano Maciel. Ele apresentou o trabalho “Transparency and Social Control via the Citizen’s Portal: A Case Study with the Use of Triangulation” em conferência internacional da editora Springer, publicado no periódico Lecture Notes in Computer Science (LNCS). O evento tratou de aspectos de sistemas de informação do governo eletrônico. A cada ano o evento reúne especialistas de universidades, da administração pública e indústria para discutir sistemas de informação de governo. O trabalho pode ser acessado pelo link: http://link.springer.com/chapter/10.1007% 2F978-3-642-40160-2_10

Da Redação

O australiano Andrew Forrest, dono de uma fortuna estimada em US$ 4,3 bilhões, criou a Fundação Walk Free (WFF), determinada a erradicar o que chama de “escravidão moderna”. E, conforme informações da Bloomberg, seguiu a dica de Bill Gates — ambos integrantes do Giving Pledge, grupo de empresários que doam boa parte de suas fortunas à filantropia — tratou de medir o problema no mundo para poder agir de forma certeira. Assim surgiu o The Global Slavery Index (Índice Global de Escravidão), cujo primeiro relatório foi divulgado na quarta-feira, 16. Segundo a organização, compila e analisa de forma inédita o problema. Entre os 20 países com a pior posição, 14 são africanos, embora 75% dos escravos vivam na Ásia. Porém, nem os países mais bem po-

sicionados no ranking, como a Islândia, estão livres da exploração de seres humanos. A campeã em números absolutos de escravos é a Índia, com pelo menos 13,3 milhões de escravos. A escravidão moderna, segundo a organização, manifesta-se em diferentes ambientes, seja sob a forma de venda e sequestro de pessoas, trabalho forçado e tráfico humano (quando se refere à forma como a pessoa foi levada à exploração severa). A definição de escravidão usada como base para o relatório inclui também práticas como casamentos forçados e exploração infantil. Quando o problema é mensurado proporcionalmente à população, a Mauritânia, no Oeste da África, e o Haiti, no Caribe, estão no topo da lista. “O Haiti é um caso especial na região” por culpa “de uma história de mau governo, um forte

legado de escravidão e de exploração”, explica o relatório que acompanha o índice, que levou um ano e meio para ser elaborado e reúne mais de 20 pesquisas globais sobre o tema e dados internos de cada país. O australiano Forrest, produtor de minério de ferro, resolveu se engajar na causa depois que sua filha foi voluntária em 2008 em um orfanato no Nepal. Ele já doou US$ 260 milhões para a campanha e outras ações do tipo, segundo a Bloomberg. A ideia é que o índice anual ajude os governos a vigiar o problema. O estudo analisa em capítulos separados alguns países, entre eles o Brasil, que, apesar de figurar na 94ª posição e ter entre 200 mil a 220 mil escravos, apresenta iniciativas governamentais consideradas modelo no combate à chaga.

Secopa faz pagamentos a Instituto Ação Verde para reflorestamento e neutralização de carbono, mas as mudas são fornecidas pela Empaer HAROLDO ASSUNÇÃO Especial para o Centro-Oeste Popular

Mais um mirabolante projeto da Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo FIFA 2014 (Secopa) precisa ser bem explicado ao contribuinte mato-grossense que tem pago a conta – essa, sim, para lá de extraordinária! Trata-se agora de um tal “Projeto Copa Verde”, cujo objetivo seria o de “inventariar e neutralizar as emissões de gás carbônico da construção da Arena Multiuso Pantanal, através do plantio de árvores e da recuperação de áreas degradadas ao logo dos rios formadores do Pantanal”. Para isso, a Secopa firmou com um certo Instituto Ação Verde - famigerada Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) – o fabuloso Termo de Convênio nº 002/2011, segundo o qual o governo de Mato Grosso assumiu o compromisso de repassar módicos R$ 3,5 milhões para tão relevante ação ambiental. A contrapartida do Instituto Ação Verde seria a “disponibilização do Viveiro de Produção de Mudas, com área total de três mil metros quadrados, localizado na comunidade Barranco Alto I, no município de Santo Antonio de Leverger”. Não bastassem as “verdinhas” asseguradas no convênio, a Secopa firmou este ano Termo Aditivo assegurando o acréscimo, por parte do

CO Popular

Tesouro Estadual, de quase R$ 1 milhão em repasses ao Instituto Ação Verde.

PARCERIA CARACU A reportagem do Centro-Oeste Popular saiu à caça de informações sobre o suspeito “Projeto Ação Verde” e constatou que pode se tratar de mais uma “parceria caracu” – aquela, na qual a Oscip entra com a cara e o pobre contribuinte com o resto. Em 2011, quando do lançamento da iniciativa – sob holofotes e câmeras de televisão – foi realizado o plantio de algumas centenas de mudas em comunidades ribeirinhas, às margens do rio Cuiabá, no município de Santo Antonio de Leverger. Desde então, não se tem mais notícia de a quantas anda o tal reflorestamento da bacia pantaneira... O tal viveiro de produção de mudas, que ocupa cerca de mil metros quadrados está às moscas – conforme o zelador, Geraldo Magalhães, não há lá mais do que aproximadamente quinze mil mudas, muitas das quais já passaram da época adequada ao plantio. Isso não bastasse, a reportagem descobriu que mesmo as árvores que foram plantadas nesses dois anos custaram muito pouco ao Instituto Ação Verde. Isso porque a Oscip firmou Termo de Cooperação Técnica com a Empresa de Pesquisa Assistência e Ex-

tensão Rural (Empaer) para fornecimento das mudas ao “Projeto Copa Verde”. A Empaer, nunca é demais lembrar, pertence ao governo estadual – é vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar (Sedraf). Trocando em miúdos: a Secopa paga ao Instituto Ação Verde para o reflorestamento com mudas produzidas pelo próprio governo estadual. Na Empaer, a reportagem foi informada de que, até há bem pouco tempo, era a própria empresa que estava pagando insumos e trabalhadores – apenas cerca de R$ 60 mil teriam sido repassados em 2012 pelo Instituto Ação Verde, que atualmente paga três trabalhadores cedidos à Empaer, além de parte dos insumos necessários à produção de mudas. Já a mão-de-obra para o plantio é gratuita – famílias de ribeirinhos. Pelo que se tem notícia, a iniciativa não foi além de algumas comunidades levergenses – Engenho Velho, Vereda, Bocaina, Bar-

O viveiro de produção de mudas, que ocupa cerca de mil metros quadrados está às moscas – conforme o zelador, Geraldo Magalhães, não há lá mais do que aproximadamente quinze mil mudas, muitas das quais já passaram da época adequada ao plantio

ra do Aricá e Barranco Alto.

OUTRO LADO O superintendente da famigerada Oscip, Paulo Borges, atendeu a reportagem via telefone e nos encaminhou à engenheira ambiental Ariane Birolo, coordenadora executiva do projeto. Ela justificou o elevado valor do convênio firmado com a Secopa sob o argumento de que as ações não se restringem ao plantio de mudas – segundo ela, também é feito o transporte, a orientação técnica às comunidades, além de iniciativas em educação ambiental e até mesmo obras

tal a construção de muros de gabião na região da barra do Aricá, para conter desbarrancamento das margens. Além disso, afirmou que o governo tem atrasado os repasses relativos ao convênio. “Em 2013, não houve nenhum repasse, estamos trabalhando ainda com dinheiro das parcelas de 2012”, disse. Entretanto, evitou mencionar valores. “Isso, quem pode dizer é o superintendente Paulo Borges ou o presidente Carlos Avalone”. Avalone, aliás, é um dos próceres do PSDB em Mato Grosso – e, conforme se pode perceber, mantém trânsito livre na Secopa, mais precisamente no

gabinete do secretário. Informações contábeis obtidas pelo Centro-Oeste Popular dão conta do recebimento de quase metade dos valores previstos no convênio, por meio do Fundo da Copa (Funcopa) – teriam sido mais de R$ 1,3 milhão em 2011, e cerca de R$ 1,1 milhão ano passado. Procurados pela reportagem do Centro-Oeste Popular, o presidente do Instituto Ação Verde, Carlos Avalone, assim como o titular da Secopa, Maurício Guimarães, não foram localizados para quem sabe esclarecer o “cabuloso causo”. Voltaremos à carga!


8 Cidades

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

www.copopular.com.br

Tecnologia

Dependência e desespero

Quatro municípios de Mato Grosso são contemplados no Programa Cidades Digitais Projeto do governo federal pretende modernizar gestão e acesso aos serviços públicos Reprodução

Juliana Radel Da Redação

Quatro cidades de Mato Grosso foram contempladas com os recursos do Programa Cidades Digitais, do Ministério das Comunicações. Ao todo, 262 municípios brasileiros foram favorecidos com a segunda etapa do programa. O projeto conta com a parceria do Ministério do Planejamento, da Telebrás, do Inmetro e do BNDES. Conforme divulgado no Diário Oficial da União (DOU) no dia 14 de outubro, os municípios de Campinápolis, Colniza, Nossa Senhora do Livramento e Rosário Oeste serão convocados oportunamente pelo Ministério para assinatura do Acordo de Cooperação e recebimento de instruções básicas a cerca dos próximos passos do programa. Segundo o Ministério das Comunicações, 1.901 municípios de todo Brasil se inscreveram no processo e 6,2 milhões de pessoas devem ser beneficiadas. O programa recebeu um investimento de R$ 100 milhões no orçamento de 2013. Incluído ao Programa de Aceleração do Crescimento

INTERNET PARA TODOS

As cidades beneficiadas com o programa são municípios com IDH mais baixo e menor índice de acesso da população à banda larga, com até 50 mil habitantes, distantes até 50 km do backbone (rede principal) da Telebrás ou que tenham compromisso firmado com operadora privada para conexão à internet, conforme divulgou o Ministério das Comunicações. A primeira seleção do projeto-piloto de Cidades Digitais foi em 2012, quando contemplaram 80 municípios com projetos executivos para construção das redes de fibras ópticas pelas empresas vencedoras da licitação. A infraestrutura nessas primeiras localidades encontra-se em fase de implantação e tem conclusão prevista para fevereiro de 2014.

A velocidade da conexão disponibilizada depende da necessidade de cada cidade

mento da cidade nos meios tecnológicos, cultural, educacional, econômico, comercial e autossustentável.

COMO FUNCIONA O PROGRAMA Para que o projeto Internet para Todos aconteça, serão construídas redes de fibras ópticas para conectar órgãos municipais que devem

aos locais. O programa deve começar a funcionar somente em março de 2014, pois as companhias responsáveis só devem ser contratadas em janeiro do ano que vem, após pregão eletrônico. As tecnologias de rede digitais de acesso utilizadas variam de cidade para cidade. As mais usuais são: Wi-Max (tecnologia de banda larga

quando o programa vai começar a funcionar no município, mas que pelo menos 20 pontos da cidade serão instalados. “Temos que aguardar o repas-

se dos recursos do governo, dependemos disso para saber quando a população vai ter disponível a internet gratuita”, conclui. Para o prefeito de Nossa Senhora do Livramento, Carlos Roberto da Costa (PP) “Nezinho”, o programa Cidade Di-

gitais ajuda na transparência e organização da administração do município. “O programa permite que os órgãos da prefeitura tenham uma conexão avançada, o que agiliza nosso trabalho. Além disso, o projeto contribuiu para a população se comunicar”, explica.

AGENDA AMBIENTAL

Nova versão do Plano de Controle de Queimadas Grupo de Trabalho validou a versão final para consulta pública Reprodução

Da Redação

Para o prefeito de Colniza, Assis Raupp, o programa é algo novo para o município fundado há 14 anos. Já para o prefeito de Nossa Senhora do Livramento, “Nezinho”, o programa Cidade Digitais ajuda na transparência e organização da administração do município

sem-fio atua como alternativa às tecnologias como cabo e DSL e deve alcançar até 50 Km); Wi-Fi (é necessário estar em um raio de ação de um ponto de acesso conhecido por hotspot) e WiMesh (rede composta por várias antenas que por estarem próximas umas das outras ampliam a nuvem de transmissão). A velocidade da conexão disponibilizada depende da necessidade de cada cidade.

PREFEITURAS

Valdecir Luiz Colle, presidente da AMM: o programa vai contribuir com a modernização da gestão pública, garantindo mais transparência, agilidade, eficiência e acesso da população à informaçao

(PAC 2) do governo federal, o Cidades Digitais tem como finalidade criar e montar uma rede para interligar os órgãos da prefeituras, como também disponibilizar internet para a população das cidades de baixa renda. Além disso, o objetivo da proposta é oferecer infraestrutura básica para o desenvolvimento, inclusão digital, promoção à assistência social, aumento da arrecadação municipal, captação de recursos e de incentivos fiscais e financeiros, como também o desenvolvi-

melhorar a comunicação com os cidadãos e fornecer acesso à internet para a população em áreas de grande movimento. As prefeituras serão capacitadas para usar aplicativos de finanças, tributação, educação e saúde. Empresas a serem contratadas pelo programa serão responsáveis por fornecer equipamentos, instalá-los e prestar suporte técnico e capacitação, além de pesquisar e planejar a melhor tecnologia a ser usada, assim como a estrutura da rede e os meios os quais levarão internet

Política - MT B9

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Valdecir Luiz Colle, Chiquinho, destacou a importância do programa Cidades Digitais para os municípios. “O programa vai contribuir com a modernização da gestão pública, garantindo mais transparência, agilidade, eficiência e acesso da população às informações”, assinalou. Para o prefeito de Colniza, Assis Raupp (PMDB), o programa é algo novo para o município fundado há 14 anos. “Certamente a adesão ao programa Cidades Digitais vai trazer grandes benefícios para os moradores, como também integrar escolas, hospitais, comércio e casas ao mundo digital”, explica o prefeito. Raupp esclarece que não sabe

Técnicos e representantes da sociedade civil organizada participaram de mais uma etapa do processo de revisão do Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento e Queimadas (PPCDQ-MT). O Grupo de Trabalho validou a versão final do Plano para consulta pública. O evento aconteceu no Auditório do Parque Estadual Massairo Okamura. Foi a terceira reunião do grupo. No primeiro workshop, realizado em agosto, os técnicos tiveram um nivelamento de informações sobre os planos estadual e federal de prevenção e combate ao desmatamento, o perfil dos desmatamentos e queimadas e a dinâmica da ocupação do território mato-grossense. Na segunda reunião, em setembro, foi apresentada a versão preliminar e definidos os objetivos dos quatro eixos que integram o Plano: Ordenamento Fundiário e Territorial; Monitoramento e Controle; Fomento às atividades Produtivas Sustentáveis e Governança e Gestão Executiva e do Plano. Participaram do workshop membros da Comissão Executiva do PPCDQ-MT; representantes de órgãos do Governo Federal executores do Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPDCAm); representantes do governo estadual executores do PPCDQ/MT; Ministério Público Estadual; e representantes dos municípios mato-grossenses; de Organizações Não-Governa-

Um de seus eixos mais fortes é o que trata do Fomento às Atividades Sustentáveis

mentais; das comunidades indígenas e dos setores produtivos. O PLANO O PPCDQ-MT foi lançado em outubro de 2012 e reúne ações desenvolvidas pelo Governo do Estado e também os anseios da sociedade. Um de seus eixos mais fortes é o que trata do Fomento às Atividades Sustentáveis. Nesse eixo estão previstas capacitações em técnicas de manejo florestal, sistemas agroflorestais, agricultura e pecuária sustentáveis, além da recuperação de áreas degradadas e o incentivo a implementação de novas tecnologias. Nos seus quatro eixos - Ordenamento Territorial, Monitoramento e Controle, Fomento a Atividades Sustentáveis e Governança Ambiental - foram pensados, desenvolvidos e definidos um conjunto de ações que refletem a realidade e os anseios dos diferentes setores em relação à prevenção, monitoramento e combate ao desmatamen-

to e queimadas no estado. São objetivos estabelecidos no PPCD-MT a eliminação do desmatamento ilegal e a redução nas emissões de CO2 e outros Gases de Efeito Estufa (GEE) associados ao desmatamento e queimada de vegetação nativa; a geração de emprego e renda e o fortalecimento da equidade social, associados à conservação de florestas e à melhor utilização de áreas já desmatadas; O fortalecimento do sistema estadual de gestão florestal, com governança e transparência, em consonância com as diretrizes do SISNAMA; Aumento da competitividade de produtos do setor agropecuário e florestal de Mato Grosso, nos mercados nacionais e internacionais; e Envolvimento do Estado de Mato Grosso em novos mecanismos de cooperação internacional no âmbito das convenções das Nações Unidas sobre mudanças climáticas (UNFCCC) e conservação da biodiversidade (CDB), articulado com a política do governo brasileiro.

Manobra judicial teria beneficiado MM e sócio

Prefeito-empresário e seu sócio teriam adquirido mineradora que detém jazidas avaliadas em mais de R$ 700 milhões por uma bagatela; juiz é investigado por irregularidades no processo Reprodução

Haroldo Assunção Especial para o Centro-Oeste Popular

O prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (PSB) e seu sócio Valdinei Mauro de Souza – vulgo “Nei” – estão sob suspeita de terem sido beneficiados por uma nebulosa manobra judicial orquestrada no Núcleo de Conciliação da Justiça do Trabalho em Mato Grosso que terminou na transferência à dupla da empresa Minérios Salomão. O Núcleo de Conciliação agrega execuções trabalhistas de grande monta – ali, depois das tentativas iniciais de resolução através de processos individualizados, a Justiça do Trabalho concentra todos aqueles processos em que diversos trabalhadores reclamam por direitos sonegados por uma única empresa. Através desta totalização, a Justiça do Trabalho busca estabelecer negociações para beneficiar da melhor maneira os trabalhadores que, após serem vitoriosos na ação trabalhista, têm dificuldade de receber seus direitos. Portanto, depois de julgar procedentes os pedidos de trabalhadores reivindicando direitos da Minérios Salomão, empresa com atuação na área da mineração em Chapada dos Guimarães – região denominada “Casa de Pedra” -, a Justiça do Trabalho concentrou os processos no Núcleo de Conciliação que se encarregou de buscar formas para garantir o pagamento desses direitos já reconhecidos. É de se observar que a Minérios Salomão não é um simples “garimpo”. Ainda que com sérios problemas na gestão de seu pessoal, a firma tem imenso potencial econômico, já que controla reservas auríferas e outros recursos naturais. De acordo com Laudo Técnico 610/620, produzido por solicitação do TRT, suas jazidas estariam avaliado atualmente em um mon-

Caro juiz Luis Aparecido Ferreira Torres, Meu nome é Haroldo Assu nção caso que envolve execuçõe , sou repórter do jornal Centro-Oeste Popular e fui designado para prod s trabalhistas contra a emp uzir matéria sobre o rumo Trabalho em Mato Gros resa Minérios Salomão, roso so. em trâmite no Núcleo de Conciliação da Justiça do Tendo sido o senhor acus ado de irregularidades na causa, temos a questiona r o seguinte: 1 – O senhor realmente foi beneficiado por R$ 165 – ele teria depositado R$ mil do alvará levantado em 95 outros R$ 70 mil, em dinh mil em conta de uma construtora para pagamen favor do corretor de imóveis José Faria de Olive to de apartamentos adqu ira eiro, a seu pai? iridos pelo senhor e entre gue 2 – Quando o senhor dete rminou leilão para vend er a empresa, apresent Cuiabá Mauro Mendes, aram-se dois interessados e o Instituto de Desenvo lvim e procedeu adjudicação – em favor de Jéssica Cris ento de Projetos (IDEPP). Posteriormente, o senh a Bimetal, do prefeito de tina de Souza – a qual vend priedade do pai dela Vald or cancelou o leilão judic inei Mauro de Souza e do ial eu a empresa à Maney prefeito Mauro Mendes. por beneficiar Mauro Men Participações Ltda, de proPor quê o senhor adotou des e seu sócio? o procedimento que term inou 3 – As jazidas explorad as pela empresa Minérios dispensou perícia e aval Salomão estão avaliada iou a empresa em apenas s em mais de R$ 700 milh R$ 4 milhões, terminando o levou a tal depreciação ões. No entanto, o senh por or patrimonial da empresa, que terminou por beneficia proceder à adjudicação por R$ 2,8 milhões. O que r Mauro Mendes e seu sóci Sem mais para a ocasião, o? aguardamos seu contato. O telefone da redação é 3623-4300 e a reportage m será concluída nesta edição que vai às bancas sexta-feira (18/10/13), até domingo. as 14h – será publicada na Cordialmente, Haroldo Assunção

“Nei” e o sócio-prefeito Mauro Mendes: manobras judiciais

tante de R$ 723.788.869, 11 - enquanto as dívidas trabalhistas somam pouco mais de dois milhões de reais. Para disputar o controle das cotas da empresa Minérios Salomão foram credenciadas as empresas IDEPP Desenvolvimento de Projetos Ltda e a Bimetal Participações, esta de propriedade do prefeito-empresário. Por conta da atuação suspeita do juiz Luís Aparecido Ferreira Torres, aquilo que deveria ter sido resolvido pelo repasse das cotas para o autor da maior oferta, transformou-se em uma grande confusão que já resultou em diversas ações nas quais é questionada a legalidade de todo o procedimento. As cotas da Minérios Salomão tiveram seu valor fixado arbitrariamente pelo magistrado, sem passar por avaliador judicial, em R$ 4 milhões - mas acabaram sendo adjudicadas para Jéssica Cristina de Souza, logo depois, por apenas R$ 2,8 milhões. Esta, por sua vez, logo em seguida as transferiu para a Maney Participações Ltda, empresa em que os sócios são o pai dela, Valdinei Mauro de Souza

e o empresário-prefeito de Cuiabá Mauro Mendes. Designado pelo presidente do Tribunal Regional do Trabalho em Mato Grosso (TRT/MT) – e corregedor-Regional -, desembargador Tarcísio Valente, o juiz auxiliar Paulo Brescovici apontou a manobra levada a termo pelo magistrado Ferreira Torres quando responsável pelo Núcleo de Conciliação. “Observa-se que a adjudicação não passou de uma fraude processual urdida em defesa de interesses empresariais. Num completo

desvirtuamento do processo do trabalho, não objetivou a quitação de créditos trabalhistas”, acusa Brescovici.

PIADA PRONTA 171 A investigação preliminar que resultou na instauração de Procedimento Administrativo Disciplinar em desfavor do juiz Luis Aparecido Ferreira Torres, além de revelar a mano-

bra que teria beneficiado Mauro Mendes e seu sócio, também apontou suposto recebimento de vantagem pelo magistrado. Por meio de alvará judicial, Ferreira Torres autorizou o pagamento de R$ 185 mil ao corretor José Faria de Oliveira – que não prestara nenhum serviço no processo, pois a empresa não foi leiloada, mas teve seu controle acionário transferido por meio da adjudicação em favor da filha do empresário Valdinei Mauro de Souza, espécie de “laranja” na história. Interrogado por ocasião das investigações, o corretor confessou ter ficado com apenas R$ 20 mil daquele total. Mostrou extrato de depósito bancário em conta de uma construtora para pagamento de imóveis adquiridos por Ferreira Torres e confirmou a entrega de outro tanto em dinheiro vivo ao pai do juiz. O depoimento do corretor José Faria de Oliveira tem trechos de piada pronta. “De fato o depoente transferiu a importância de

R$ 95 mil para a construtora e entregou em espécie os R$ 70 mil ao pai do juiz Luis Aparecido, em uma casa no bairro Boa Esperança, recordando-se que a casa tinha o número 171”. Para os incautos, vale lembrar que 171 é o artigo do Código Penal que tipifica o crime de estelionato...

OUTRO LADO

À caça de informações sobre o caso, a reportagem do Centro-Oeste Popular procurou entrevistar os principais envolvidos. Na Justiça do Trabalho, o corregedor-regional e presidente do TRT, desembargador Tarcísio Valente, assim como o juiz auxiliar Paulo Brescovici, não quiseram se pronunciar – por meio da assessoria, informaram que se o fizessem incorreriam na incidência de suspeição. O juiz investigado, Luis Aparecido Ferreira Torres – que foi afastado preventiva e temporariamente de suas funções jurisdicionais – não foi encontrado em sua residência, no luxuoso Condomínio Itália, nem atendeu ao telefone final 3393. A reportagem ainda enviou mensagem eletrônica, sem obter qualquer resposta (leia fac-símile). Por meio do secretário de Comunicação de Cuiabá, o prefeito Mauro Mendes informou que não atenderia ao jornal Centro-Oeste Popular. O sócio dele, Valdinei Mauro de Souza, informou

que “está tudo na declaração de Imposto de Renda” e mais não quis dizer. Já um dos advogados da Idepp Desenvolvimento de Projetos Ltda – empresa sediada em São Paulo que havia manifestado interesse na aquisição da mineradora e teria sido prejudicada pela manobra judicial em benefício de Mauro Mendes e seu sócio – comentou sobre

uma possível “negociata” para posterior venda das jazidas. Os antigos sócios da Minérios Salomão também silenciaram – apenas Antonio Carlos Machado Matias, por telefone, disse que o “caso já está encerrado”. Indagado se recebera valores “por fora” dos proprietários da Maney Participações, saiu misteriosamente. “Nem sim, nem não”. A reportagem ainda apurou que, além do procedimento investigativo nº 07/2013 – que resultou na instauração do processo administrativo disciplinar contra o juiz Ferreira Torres -, há outra peça inquisitória, de nº 12/2013, a qual também tem por objeto o processo que envolve a Minérios Salomão – e que pode trazer à tona revelações mais “cabeludas”. Sem falar em outra pilha de execuções que envolvem grandes empresas e somas astronômicas, conduzidas pelo mesmo juiz, no mesmo Núcleo de Conciliação... Voltaremos à carga!


B10 Política - MT

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

Polêmica

DIREITOS

Minirreforma eleitoral e as novas regras

Deputados aprovam Residências Assistidas para Deficientes

Uma das medidas fixa teto para gastos com alimentação e aluguel de veículos em campanhas

Programa proporciona cuidados, proteção e convivência para a inserção plena desse público na sociedade ALMT ALMT

Reprodução

eleitorais. O texto também autoriza cooperativas e associações sem fins lucrativos a doarem para campanhas, quando não forem integradas por concessionários de serviços públicos nem beneficiárias de recursos públicos.

Da Redação

A Câmara aprovou na noite de quarta-feira, 16, o texto-base do projeto de minirreforma eleitoral. Um dos pontos mais polêmicos foi retirado da proposta: a permissão de doações indiretas de concessionários de serviços públicos. Por 222 votos a favor e 161 contra, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou, o projeto da minirreforma eleitoral. O substitutivo do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a proposta oriunda do Senado retirou dispositivos do texto. Entre eles, a redução, de 20% para 10%, do mínimo de recursos do Fundo Partidário a ser aplicado na fundação ou instituto de pesquisa e educação política do partido. Cunha relatou a matéria na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Devido à obstrução de vários partidos, a sessão foi encerrada sem votar alguns destaques. Um deles foi o que pretendia manter a permissão de propaganda em bens particulares com faixas, cartazes, bandeiras ou pinturas, por exemplo. Mais cedo, uma emenda permitiu parcelar multas eleitorais em até 60 meses, com prestações limitadas a 10% da renda do candidato ou do partido punido. Como o texto foi alterado, terá de

Propaganda

Divergências adiam término da votação da minirreforma eleitoral na Câmara

passar por nova análise no Senado. A aplicação das novas regras para as eleições de 2014 dividiu o plenário, uma vez que a lei determina que as normas sejam aprovadas até um ano antes — o prazo venceu no último dia 5. Diante disso, a palavra final deverá ser dada pela Justiça Eleitoral. Contra o projeto orientaram o PT, o PR, o PSB, o Pros, o PDT, o PCdoB e o Psol. O PV liberou sua bancada. A favor da matéria estão o PMDB, o PSDB, o PP, o PSD, o DEM, o SDD, o PTB, o PSC, o PRB, o PPS e o PMN. A proposta limita a propaganda em bens parti-

culares (proibindo placas, cavaletes e envelopamento de carros) e fixa teto para gastos com alimentação e aluguel de veículos em campanhas.

O texto de Eduardo Cunha veda à Justiça Eleitoral “a análise das atividades político-partidárias ou qualquer interferência em sua autonomia”.

Fiscalização

Punições

A proposta de minirreforma eleitoral também limita a fiscalização das prestações de contas das legendas ao dizer que a atuação da Justiça Eleitoral se destina exclusivamente a “identificar a origem das receitas e a destinação das despesas com as atividades partidárias e eleitorais, mediante exame formal dos documentos contábeis e fiscais apresentados pelos partidos”.

A proposta também reduz possibilidades de punição aos partidos em caso de irregularidades. O projeto diz que a sanção de suspensão do repasse de recursos do Fundo Partidário não poderá ser executada durante o segundo semestre do ano que se realizem as eleições. O objetivo do texto é garantir dinheiro às legendas para o pagamento de campanhas

A proposta dá ainda maior liberdade a pré-candidatos em período anterior à campanha eleitoral. O texto diz que não será considerada propaganda antecipada a participação de pré-candidatos em entrevistas, programas, encontros e debates no rádio, na televisão e na internet, “inclusive com a exposição de plataformas e projetos político”.

A minirreforma veda propaganda eleitoral em outdoors, inclusive eletrônicos. O texto prevê multa de R$ 5 mil a R$ 15 mil às empresas responsáveis pela publicidade, partidos, coligações e candidatos. O texto proíbe a veiculação de propaganda eleitoral em bens particulares, como fixação de faixas, placas, cartazes, bandeiras, pinturas, e bonecos. O projeto torna crime a contratação de pessoas com a “finalidade específica de emitir mensagens ou comentários na internet para ofender a honra ou denegris a imagem de candidato, partido ou coligação”. A punição prevista pelo projeto é de 2 a 4 anos de detenção e multa de R$ 15 mil a R$ 50 mil. Reprodução

A aplicação das novas regras para as eleições de 2014 dividiu o plenário

Vitória do municipalismo

Riva destaca alcance social com aprovação de projeto Proposta aprovada no Senado estabelece novas regras para a criação, incorporação, fusão e desmembramento de municípios Assessoria

Da Redação c/Assessoria

Principal defensor da criação de novos municípios em Mato Grosso, o deputado estadual José Riva (PSD) comemorou a aprovação na noite de quarta-feira (16), do Projeto de Lei Complementar do Senado (PLS-Comp) 98/2002, que estabelece novas regras para a criação, incorporação, fusão e desmembramento de municípios. De acordo com Riva, a aprovação do projeto é uma vitória do municipalismo. “É uma decisão importante para Mato Grosso, que é um estado que ainda está em processo de ocupação devido à sua dimensão territorial, ou seja, é um dos que mais tem municípios para ser criados. Alguns criticam as emancipações, mas esquecem de avaliar o alcance social dessa lei em função do cidadão ter o poder público mais próximo, tendo os principais pleitos atendidos”. Perguntado sobre quantos municípios devem ser criados em Mato Grosso, o parlamentar disse que é preciso analisar minuciosamente o conteúdo do texto do substitutivo aprovado pelo Senado. “O texto foi bastante alterado e então vamos fazer uma filtragem, mas o mais importante é que o projeto propicia

José Riva, deputado estadual: é uma decisão importante para Mato Grosso, que é um estado que ainda está em processo de ocupação devido à sua dimensão territorial

a regularização das divisas municipais e estaduais, além de criar novos municípios”, opinou. Para ser criado o novo município em Mato Grosso, um dos requisitos é que o distrito tenha aproximadamente seis mil habitantes. O presidente da Associação Mato-grossense de Áreas Emancipadas e Anexadas (Amaea), Nelson Salim Abdalla, afirmou que a aprovação do projeto faz justiça social com os moradores dos distritos.

“Atualmente, existem cidadãos de primeira e terceira categoria. Quem mora na sede do município, recebe os serviços essenciais. Já os moradores dos distritos, aguardam os recursos que mal chegam, ficando sempre com as sobras. A emancipação proporciona mais emprego, renda e qualidade de vida para a população. Além disso, a nova lei não onera a União em nenhum centavo, pois será feita a redistribuição dos recursos repassados aos municípios existentes”,

justificou. O projeto de autoria do senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), foi aprovado com 53 votos a favor, 5 contrários e 3 abstenções. Agora, segue para a sanção da presidente Dilma Rousseff.

Emancipação O substitutivo da Câmara condiciona a criação, incorporação, fusão e desmembramento de municípios à realização de Estudo de Viabilidade Municipal e de

Política-MT B11

www.copopular.com.br

plebiscito junto às populações dos municípios envolvidos. Com a nova lei, as Assembleias Legislativas voltam a examinar a criação de novos municípios, o que não acontecia há 17 anos. Para a instalação de municípios em áreas de propriedade da União, de suas autarquias e fundações será necessário uma prévia autorização da União. Também não poderão ser criados municípios em áreas indígenas e de preservação ambiental. Qualquer uma dessas ações terá início mediante requerimento endereçado à respectiva assembleia legislativa. O requerimento deverá ser subscrito por 20% dos eleitores residentes na área geográfica diretamente afetada, no caso de criação ou desmembramento, ou 10%, no caso de fusão ou incorporação. O cadastro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) será a base de cálculo para o número de eleitores necessários à admissibilidade dos requerimentos de alteração de fronteiras político-administrativas. Tanto o município a ser criado quanto o município pré-existente terão de ter população igual ou superior ao mínimo regional. O substitutivo propõe as regras para esse cálculo, uma para Norte

e Centro-Oeste, outra para Nordeste e outra para Sul e Sudeste. O número mínimo de imóveis existentes no núcleo urbano do novo município deverá abrigar pelo menos 20% das famílias residentes no núcleo urbano original. Os pré-requisitos populacional e imobiliário serão indispensáveis para a realização do Estudo de viabilidade, que deverá abordar as viabilidades econômico-financeira, político-administrativa, socioambiental e urbana, tanto do município pré-existente quanto do município a ser criado. Depois de aprovado e homologado o estudo de viabilidade, a Assembleia pedirá ao Tribunal Regional Eleitoral a realização do plebiscito para consultar as populações dos municípios envolvidos. O plebiscito ocorrerá, preferencialmente, junto às eleições seguintes. Se o plebiscito for pela rejeição, ficará vedada a realização de novo plebiscito para o mesmo fim no prazo de dez anos. Se o plebiscito for pela aprovação, a assembleia votará projeto de lei definindo nome, sede, limites geográficos, comarca judiciária, limites dos respectivos distritos e forma de absorção e aproveitamento de servidores públicos.

Dados

Da Redação

Os deputados aprovaram em plenário, em primeira votação, a criação do programa “Residências Assistidas para Pessoas com Deficiência” em Mato Grosso. A meta é proporcionar cuidados amplos e adequados aos integrantes desse público e às suas necessidades, além de proteção e convivência para que eles possam estar plenamente inseridos na sociedade. A resposta dos parlamentares mato-grossenses à lacuna existente no estado, nesse campo, aconteceu exatos cinco anos após o Brasil ratificar a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da ONU – a Organização das Nações Unidas – e adotá-la com status de Emenda Constitucional. Com isso, Mato Grosso pode reforçar sua posição nesse contexto. A atenção especial proposta está no Projeto de Lei n° 576/2012, do deputado Wagner Ramos (PR). Ela significa que o atendimento deve ser disponibilizado sempre quando existir situação de vulnerabilidade ou de risco social. Também, nos casos de semidependência para realização de atividades da vida diária e as famílias não

Famílias e governantes brasileiros gastam pouco com cultura Revela estudo do IBGE Da Redação

DeputadoWagner Ramos, autor do projeto de lei: essa atenção especial também deverá prevenir o isolamento e a institucionalização da pessoa com deficiência, a partir do fortalecimento dos vínculos familiares – quando houver – e da sua reinserção na comunidade da qual faz parte

tenham condições de prover esses cuidados ou, ainda, quando pessoas desse grupo não possuam famílias ou tenham sido abandonadas. “Essa atenção especial também deverá prevenir o isolamento e a institucionalização da pessoa com deficiência, a partir do fortalecimento dos vínculos familiares – quando houver – e da sua reinserção na comunidade da qual faz parte”, alertou Wagner Ramos. O projeto prevê ainda instalação de

residências apropriadas nas comunidades que ofereçam ao paciente infraestrutura adequada e inclusão social, com cuidados de profissionais especializados. A mais recente edição relacionada à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da ONU foi realizada em Brasília entre os dias 03 e 06 de dezembro do ano passado. O PL 576/2012 começou a ser analisado pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação.

Tanto as famílias brasileiras quanto os governantes gastam pouco com cultura. Um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado na sexta, 18, mostra que nem o cidadão nem os políticos costumam investir grandes somas de dinheiro próprio ou de recursos públicos em atividades culturais — que receberam do órgão oficial um conceito amplo que abrange desde comprar livros até usar o telefone. O levantamento, com a parceria do Ministério da Cultura, analisa despesas de todos os níveis de administração e das famílias brasileiras. A conclusão é de que os governantes destinam apenas 0,3% dos gastos municipal, estadual e federal para o setor cultural. Na análise dos gastos das famílias, o IBGE contabilizou uma ampla gama de produtos e serviços como cultura: aparelhos de som, TV e informática, livros, gastos com cinema e teatro, mas também com artigos

Na análise dos gastos das famílias, o IBGE contabilizou uma ampla gama de produtos e serviços como cultura: aparelhos de som, TV e informática, livros, gastos com cinema e teatro, mas também com artigos de decoração, festas, contas de telefone e brinquedos

de decoração, festas, contas de telefone e brinquedos. As tabelas, que não trazem dados regionais neste quesito, mostram que cada família brasileira gasta, em média, R$ 184,57 mensais com esses serviços ou produtos. Se for descontado o dinheiro aplicado em telefonia (que inclui internet móvel), sobram R$ 106,31. Um brasileiro branco, porém, gasta quase o dobro

do que um negro em razão da desigualdade social. Descontando-se também a despesa com a conta de telefone, o desembolso com bens e atividades culturais representa 5% do orçamento familiar, atrás de gastos considerados mais importantes como habitação e alimentação, mas também vestuário — que fica com 5,3% do suado dinheiro da população ao final do mês.


B12 Economia-MT

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

Geral - MT C13

Distrito DistritoFederal Federal---Mato MatoGrosso Grosso---Mato MatoGrosso Grossodo doSul Sul Distrito Federal Mato Grosso Mato Grosso do Sul ANO ANOXIII XIIInº nº581 58120/10 20/10aaa26/10 26/10de de2013 2013 ANO XIII nº 576 15/09 21/09 de 2013

www.copopular.com.br www.copopular.com.br

Empreendedorismo

A cada cinco minutos uma empresa é aberta no Brasil Hoje, três em cada quatro brasileiros querem empreender, mas desistem por falta de preparo e medo Beatriz Girardi Da Redação

Hoje, o país já tem mais de 16 milhões de estabelecimentos. Do total, 296 mil estão em Mato Grosso, conforme o novo site Empresômetro – Perfil Empresarial Brasileiro (www.empresometro.com.br), criado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação. O Empresômetro contabiliza em tempo real o número de novas empresas e apresenta estatísticas atualizadas por setor, atividade, tipo jurídico, Estado, cidade, matrizes e filiais. Do total, 45,19% das empresas é do setor de serviços, 41,79% do comércio, 7,17% são indústrias e 4,24% são do agronegócio. A média de idade das empresas brasileiras é de 8,8 anos. Nas regiões Sudeste e Sul, estão mais de 68% de

Reprodução

todas as empresas brasileiras e, no comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios, se encontra o maior número de companhias, com mais de 1 milhão de estabelecimentos. No ano passado, o faturamento das empresas nacionais foi de R$ 7,2 trilhões. Os três estados que mais têm empresas são São Paulo, com 29,11% do total, seguido de Minas Gerais, com 10,16%, e Rio de Janeiro, com 8,38%. Os três estados com menos empresas são Amapá, com 0,28% do total, Acre, com 0,27%, e Roraima, com 0,19%.

296 mil estabelecimentos estão em Mato Grosso

Felicidade no trabalho Reprodução

Pesquisa mostra que, para 78% dos profissionais, dinheiro é o mais importante para ser feliz no trabalho

Perfil de gênero O número de empreendedoras está crescendo a taxas chinesas no Brasil. Em 10 anos, o índice de aumento foi de 21,4%. A participação dos homens à frente dos micro e pequeReprodução

Em 10 anos, o número de mulheres que montou um negócio cresceu quase 80%. A Região Centro-Oeste apareceu em segundo lugar, com 43%

nos negócios, por sua vez, subiu 9,8% no mesmo período. De cada dez empresas em atividade no Brasil, três são comandadas por mulheres. Os dados fazem parte do Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas, do Sebrae em parceria com o Dieese, que analisou o perfil de gênero nos pequenos negócios - os que faturam até R$ 3,6 milhões por ano - entre 2001 e 2011. A Região Norte foi a que teve o maior crescimento de mulheres empreendedoras no país. Em 10 anos, o número de mulheres que montou um negócio cres-

ceu quase 80%. A Região Centro-Oeste apareceu em segundo lugar, com 43%. O estudo também revela que as mulheres que estão montando o seu próprio negócio são bastante jovens: 41,3% têm entre 18 e 39 anos e 52% têm entre 40 e 64 anos. Além disso, cerca de 40% delas são chefes de família, sendo que a maioria (70%) tem ao menos um filho. O setor que as mulheres mais empregam é o comércio, com 42% de empregos gerados, sendo a venda de roupas, acessórios e calçados, a atividade com maior concentração feminina. Os setores de Serviços e indústria vêm em seguida.

Turismo náutico

Temporada de cruzeiros 668 mil turistas no Brasil Reprodução

Da Redação

A temporada começa em novembro e vai até abril de 2014

Com crescimento de cerca de 600% na última década, o turismo náutico e de cruzeiros marítimos deve ter mais uma boa temporada a partir de novembro, prevê a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar). Para a próxima temporada 2013/2014, serão pelo menos 668 mil passageiros nas 242 opções de roteiros em 12 transatlânticos que estarão navegando pela costa brasileira. A temporada começa em novembro e vai até abril de 2014. Até o momento, a movimentação com maior impacto – R$ 1,4 bilhão na economia bra-

sileira- foi a da temporada (2010/2011), que teve um total de 20 cruzeiros navegando pela costa do país. Hoje, o Brasil hoje ocupa a sétima colocação no ranking mundial de transporte de passageiros em cruzeiros, mas já esteve em quinto, mostram dados do Ministério do Turismo. Neste ano, Fernando de Noronha voltará a receber cruzeiros marítimos com o navio Louis Aura, que tem capacidade para 700 pessoas. Estão previstas 21 escalas na ilha, com cruzeiros partindo de Recife, Natal, Fortaleza e João Pessoa. Os roteiros terão duração de duas a sete noites.

O tema felicidade no trabalho, hoje, é a bola da vez no mundo corporativo e uma das prioridades das áreas de recursos humanos. Para tentar desvendar o significado de felicidade no trabalho, o Ateliê de Pesquisa Organizacional fez um estudo com gestores e não gestores de companhias para que eles indicassem o entendimento e a experiência que têm da própria felicidade no trabalho. Entre as principais conclusões, a pesquisa revela que a felicidade no trabalho para os profissionais ouvidos está ligada a ganhar dinheiro, relacionar-se com pessoas, ter desafios, trabalhar em equipe. É contar com relações seguras e confiáveis entre colegas, ser reconhecido, sentir-se motivado, satisfeito, competente e alegre na empresa, entre outros sentimentos. a questão da infelicidade no trabalho, os participantes da pesquisa apontaram vários itens: ter disputas internas, sofrer pressões, ambiente tenso, colegas fingidos, adoecimentos, pouco tempo para coisas pessoais, ausência de reconhecimento e líderes inadequados, entre outros fatores. Veja abaixo os principais resultados do estudo: Felicidade em relação ao trabalho Para 78%, o dinheiro é um fator que se sobrepõe a todos os outros. Para 79% dos entrevistados, eles estão felizes ou muito felizes em relação ao trabalho, apenas 7% consideram-se infelizes ou muito infelizes. Para 46%, eles são os responsáveis e não a empresa pela própria felicidade no trabalho. Entre as mulheres, 84% consideram-se felizes ou muito felizes em relação ao trabalho. Entre os homens, 75% consideram-se felizes ou muito felizes em relação ao trabalho. Para 57%, trabalhar mais de 8 horas por dia é motivo de satisfação. Apenas 17% responderam que trabalhar além do horário é motivo de insatisfação.

A bela Patricie Rother e o Dr. André Crepaldi apaixonados pela obra!

Jamille Grunwald Guisardi arrasando com seu novo look ao lado da bela Juliana Barbour Sano.

Para História! Na última quinta, o advogado Eduardo Mahon, membro da Acadêmia de Letras ,recebeu mais de 200 amigos, no patrimônio histórico dos imortais, onde lançou seu livro NEVRALGIAS, com direito a muitos autógrafos e majestoso Sarau. Aqui ao lado de Yasmin Nadaf em momento emocionante!

Na mesma noite, engrandecendo a noite em homenagem ao Dr. Eduardo, duas gerações tradicionais, Bia e Marina Spinelli.

Mais uma Primavera! Comemorou no maior alto astral, repleta de amigos maravilhosos, na última quarta, mais um ano de vida a poderosa Kátia ao lado do marido, o empresário Ricardo Matsuda e suas filhas Luana e Lara. Amor, diversão e absurdamente tudo impecável.

Quando o assunto é arquitetura e designer é com elas mesmas: Francielle Martins e Liara Buzetti que fez lindo no Morar Mais 2013.

O que deixa feliz no trabalho Para 49%, relacionar-se com pessoas é uma das situações que os deixa felizes no trabalho. Para 41%, trabalhar em equipe é a principal situação. Para 68%, quando estão felizes no trabalho, sentem-se motivados. Para 48%, a infelicidade no trabalho traz o sentimento de desmotivação. Reprodução

O evento mais luxuoso dos últimos tempos, notadamente, foi da arquiteta Carolina Fagundes, celebrando a nova etapa como a mais novo membro da Revista Kaza Brasil, ao lado da amiga Fernanda Minosso recebeu a mais de 200 convidados de forma meiga e extremamente elegante no Espaço Àgora, Hotel Gran Odara. O número de empreendedoras está crescendo a taxas chinesas no Brasil

Primorosamente chiques, o trio da nossa sociedade: Emily Giglio, Andréa Bedin e Suzana Figueiredo Cândia.

Safra cheia

Crescimento de 9,6% no faturamento da agropecuária

Prestigiando noite memorável a cerimonialista Izis Dorileo ao lado dos pais, Sr. Benedito Pedro Dorileo e Dona Marlene.

O casal Marcela e o Secretário de Governo de Cuiabá Fábio Garcia, ao lado do casal Juliana Navarro e o empreendedor Omar Maluf.

Volume bruto de produção de lavouras e da pecuária deve alcançar R$ 416,98 bilhões Da Redação

A colheita nas lavouras está chegando ao fim e estudos prévios avaliam um faturamento de R$ 416,98 bilhões em 2013, o que representa uma receita de 9,6% em comparação ao ano de 2012. Esse montante representa o faturamento das principais lavouras e da pecuária.

De acordo com o coordenador de Planejamento Estratégico do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), José Garcia Gasques, os resultados anunciados devem sofrer pequena alteração até o final do ano, já que apenas algumas lavouras de inverno como de trigo, aveia, centeio e cevada estão na fase de colheita.

O valor da produção das lavouras deverá somar R$ 276,44 bilhões em 2013. Se comparado a 2012, o crescimento é de 9%. “ Grande parte das lavouras tem apresentado bom desempenho este ano, seja devido a preços melhores ou a produções mais elevadas que em 2012. O valor obtido pelo estudo representa 66,3% da renda

total da agropecuária”, disse Gasques. Os melhores desempenhos nas lavouras são do tomate, com aumento de 88,8%; da batata-inglesa, crescimento de 47,3%; da laranja, 32,9% e da soja, 19%. Em níveis mais baixos de aumento do volume bruto de produção encontram-se o arroz, com elevação de 10,6%; a banana, 11,9%; o

feijão, 7%; o fumo, 14,7%; o milho, 8% e o trigo, com aumento de 14,3%. A pior atuação neste ano vem sendo observado no algodão que apresenta 30,3% de queda e no café, 29,1%. A pecuária deve obter um faturamento de R$ 140,57 bilhões, que corresponde a 33,7 % do valor bruto da produção neste ano, ou seja, 10,8 % a mais

que no ano passado. A carne do frango lidera a lista de expansão com 23,3% de alta no VBP. Os ovos e os suínos também se destacam, com acréscimo no VBP respectivamente de 13,6% e 12,7%. O menor desempenho é da carne de bovinos, com 1,9% de aumento. (Com informações do Ministério da Agricultura)

A juíza Anglisley Solivan, a super querida Adriana Oliveira alegre toda vida e todo o brilho e luxo da amiga Luciana Marques Muller.

Lindos e cheios de muita energia, os amigos Luiza Miranda, Cleber Clemente e Jéssica Riva.


C14 Geral - MT

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

C15

www.copopular.com.br

Feirantes Mercado do Porto

O maior campeonato de Várzea do Mundo Craques como Hulk, Kaká, Paulo Nunes e Imperador. Times equilibrados, transmissão pelo rádio e Ana Paula Oliveira no apito. O torneio dos feirantes de Cuiabá é uma joia do futebol brasileiro

Revista Placar

Os corredores do Mercado do Porto de Cuiabá estão praticamente desertos. A maioria das barracas está fechada, coberta por lona, e nas poucas abertas há mulheres do outro lado do balcão. O relógio marca 14 horas e o termômetro, 16 graus, mas não é a tarde gélida para os padrões cuiabanos o que afasta os comerciantes e clientes dali. É segunda-feira – e a segunda é o domingo do feirante que tem no fim de semana seus dias mais intensos de trabalho. Pelos corredores vazios ecoa um som que raramente se ouve às segundas. “Ele toca agora pra Kaká, Kaká vai pra bola, volta para Kaká, agora pra Leandrinho, Leandrinho ajeitou, acabou saindo, é arremesso lateral para o Raça Pura!” Basta seguir o som para constatar que ele não vem de um aparelho de rádio, mas de um punhado de caixas de som empilhadas no terreno ao lado do mercado. É ali que todos estão concentrados para a disputa do Campeonato dos Feirantes do Mercado do Porto, que poderia tranquilamente reclamar para si o título de melhor torneio de várzea do Brasil. A afirmação inspira grande responsabilidade – afinal, são inúmeros os campeonatos amadores Brasil a fora. E, assim como boa parte deles, a pelada entre os feirantes nasceu do simples pretexto para reunir amigos e colegas de trabalho. “A gente queria organizar algo para unir mais os feirantes, mas não sabia exatamente o quê. Foi quando deram a ideia de um torneio de futebol, mas fiquei em dúvida, porque poderia dar confusão” diz Rosilma Tibaldy, coordenadora do Mercado do Porto. Era o ano de 2006, e os feirantes conseguiram convencer Rosilma de que poderia ser uma boa ideia. O palco para o torneio já estava pronto: ao lado do mercado, havia um campinho de futebol conhecido como Campo do Bode (devido a concentração de caprinos no local). A grama escassa contrastava com a altura do mato nos arredores. A área delimitada pela cal aparenta ter 50 x25 metros (nunca foi medida oficialmente), o que é suficiente para jogar com sete de cada lado. Coube a dois açougueiros

do Mercado, Marquinhos, 37 anos, e Regis, 34, a organização do campeonato, que acontece todos os anos entre maio e agosto, período em que há menos chuvas na cidade. A final do torneio é sempre programada para a segunda-feira mais próxima de 25 de agosto, dia do feirante. Em sua oitava edição neste ano, o Campeonato dos Feirantes virou o xodó dos trabalhadores do Mercado – e é o retrato de como a essência do esporte teima em sobreviver, em uma cidade que o futebol profissional esta longe de ser bem-sucedido. Os feirantes de Cuiabá alcançaram um grau de organização de dar inveja a muitos campeonatos profissionais. O melhor exemplo veio em março deste ano, quando uma partida entre Vila Aurora e Luverdense, pelo Campeonato Mato-grossense, não aconteceu por falta de ambulância. No Campeonato dos Feirantes, ela nunca falha: sempre há uma unidade à disposição, oferecida por uma drogaria que viu no torneio a oportunidade de divulgar sua marca. “A gente até brincou que, se a federação precisar de uma força, a gente poderia ajudar”, diz Regis.

LEI ANTIPANELA Mas o requinte na organização começa bem antes, no sistema de divisão dos times. Desde o primeiro torneio, decidiu-se que cada time teria seu presidente vitalício, mas que os jogadores seriam divididos por sorteio. “Foi o jeito que encontramos de evitar panelinhas. Assim a gente evita também que tenha rixa entre açougueiro e peixeiro” diz Regis. Todo ano, a organização abre inscrições para 100 jogadores, que são sorteados entre

BodyChef

Pratos leves e saudáveis na porta de casa Em Cuiabá, o chef Mario Esposito apresenta a sua dieta delivery FOTOS: Divulgação

Da Redação

Os feirantes de Cuiabá alcançaram um grau de organização de dar inveja a muitos campeonatos profissionais. O campeonato acontece todos os anos entre maio e agosto, período em que há menos chuvas na cidade

os dez times. Há jogadores de todas as idades, formas físicas e níveis de habilidade, mas já uma regra clara: só joga quem trabalha na feira. Evitam-se assim aqueles amigos que são convidados só porque jogam bem. Menores de idade a partir de 15 anos podem participar, desde que com autorização dos pais, caso sejam filhos de feirantes, ou do patrão. Feito o sorteio dos jogadores, as equipes são divididas em dois grupos, que jogam entre si. Os três primeiros classificados de cada chave se garantem automaticamente na segunda fase. Os últimos colocados dispu-

tam uma repescagem, e ao fim formam-se outros dois grupos de quatro equipes, que jogam entre si. Os dois primeiros de cada chave fazem as semifinais. O sistema garante que boa parte das equipes continue jogando durante quase todo o torneio. Não faltam referências ao mundo dos profissionais. Nas camisas, há nomes bem familiares – Kaká, Hulk, Paulo Nunes, Andrezinho, Imperador e até um Macarrão. Dono de uma banca de frutas, Apolinário, 39, mostra com orgulho o escudo do Tigrão, que toma empres-

tadas as cores e ao mascote do Mixto. “Aqui é sempre assim, essa rivalidade de irmão contra irmão, e o Tigrão sempre batendo no Operário. Quer dizer, no Tricolor!”, diz Apolinário. O ato falhotem seu motivo: Tricolor é o time presidido por seu irmão Carlinhos, inspirado nas cores e no escudo do Operário de Cuiabá. Mas a maior rivalidade do torneio é entre as equipes Fortaleza e Até Cuiabano. “Acontece que a gente ganhou uma final deles nos pênaltis, mas a rivalidade maior é pra ver quem tem o melhor camarote”, diz Regis, que além de coordenador do campeonato é também jogador, treinador e presidente do fortaleza. Por “camarote”, entendam-se as tendas que cada equipe monta ao redor do campo nos dias de jogos, onde servem churrasco, peixe frito e bebidas para amigos e familiares. Quanto mais fartura tiver o camarote, maior o prestígio da equipe. A rivalidade também é levada para as torcidas, que fazem de tudo para ganhar o título de mais animada do torneio. O

número de espectadores e de carros estacionados em torno do campinho vai aumentando durante a tarde – o torneio começa às 14h e vai até o entardecer, quando geralmente há uma banda para encerrar as atividades do dia. O campeonato tem até sua própria loteria esportiva: é a “Bodeira”, que aceita apostas a partir de 3,50 reais nos resultados de cada rodada.

TRIBUNAL RADICAL Apesar do clima amistoso, não há noticias de uma boa pelada que nunca tenha um entrevero. Mas entre os feirantes a turma do deixa-disso conta com um forte aparato legal para punir os brigões. “Quem briga fica suspenso por dois anos”, diz Marquinho. A narração dos jogos é feita ao vivo, por uma equipe de até cinco radialistas da região – um deles se ocupa de também comentar resultados das séries A a D do Brasileirão. Tudo é registrado pela câmera de Carlos Fernandes, 31, conhecido como Bob, que ao

fim do campeonato organiza um DVD com os melhores momentos do torneio. Neste ano, a procura pelo vídeo de Bob será grande. O motivo está estampada na capa: a final do campeonato, disputada entre Paim e Raça Pura, foi apitada pela bandeirinha Ana Paula Oliveira. A tensão antes da partida para saber se os 7000 reais investidos no cachê seriam recompensados acabou tão logo ela chegou ao Campo do Bode. “Ela surpreendeu a gente, já desceu do ônibus e saiu cumprimentando todo mundo. Foi simpática demais da conta”, conta Regis. A final, vencida por 4x0 pelo Paim, foi um sucesso de crítica e público – estima-se que havia 3000 pessoas no Campo do Bode. Mas acabou criando um grande problema par a organização. “Depois de trazer a Ana Paula, a gente já esta quebrando a cabeça para o ano que vem”, Diz Regis. “Tem gente querendo a Ana Paula de novo, mas se a gente fazer isso sempre vai acabar enjoando, né?”

Afinal do campeonato, disputada entre Paim e Raça Pura, foi apitada pela bandeirinha Ana Paula Oliveira

Uma dieta personalizada e direcionada ao objetivo de cada cliente, com essa finalidade o jovem empreendedor chef Mario Esposito de 23 anos dedicou-se à gastronomia durante dois anos. Em busca de novas oportunidades, mudou-se para Vancouver, no Canadá, onde adquiriu amadurecimento pessoal e profissional. Trabalhou na cozinha de restaurantes com diferentes estilos gastronômicos e complementou a graduação de Gestão em Gastronomia com o curso Food Safe West Coast BC. Criou a BodyChef, uma dieta delivery que traz praticidade às pessoas que buscam uma alimentação saudável. “Todo mundo sabe que um bom resultado na academia deve estar associado à nossa alimentação. Essa é a intenção da BodyChef, dar uma atenção a dieta de cada cliente de forma específica e cuidadosa”, garante o chef de cozinha. O cardápio é variado e as dietas são elaboradas de acordo com a vontade de cada cliente, sendo eles ganho de massa muscular, redução de gordura corporal ou reeducação alimentar. A BodyChef prepara tudo isso com orientação nutricional de especialistas. “Nosso cardápio é bem variado e temos como objetivo oferecer uma alimentação saudável, balanceada e com preparações atrativas”. Conciliando o prazer de comer bem com as eternas cobranças de uma alimentação saudável e equilibrada, os ingredientes são todos selecionados com produtos integrais e orgânicos para oferecer saúde e sabor para quem procura qualidade com o diferencial de ser entregue em casa. “Hoje temos 64 clientes. Cada um tem sua dieta balanceada e direcionada às suas necessidades, sem falar no sabor”, conta o jovem empreendedor.

Empreendedor chef Mario Esposito cria dieta delivery e conquista clientes em Cuiabá

Cada um dos 64 clientes da BodyChef têm sua dieta balanceada e direcionada as suas necessidades

Uma alimentação light não precisa ser sem graça. Isso é puro mito. Os cardápios BodyChef não deixam nada de fora, só as calorias. Peixes, frango, carnes magras, verduras, legumes, grãos e frutas são preparados de maneira saudável e servidos com muito sabor. A variedade é o grande segredinho do chef, para não deixar que a dieta caia na monotonia. Todo dia tem um prato diferente. Nada é congelado e as refeições são entregues diariamente para que o sabor e os nutrientes de cada alimento sejam mantidos. Utilizando os melhores produtos e sempre

atentos quanto à qualidade nutricional dos alimentos e segurança alimentar, a BodyChef conta com o preparo de uma equipe de profissionais de qualidade e com ingredientes selecionados e temperos saborosos.

Conceito BodyChef O chef Mário Espósito fala sobre a dieta anti-aging. “Esta dieta consiste em hábitos que irão ajudar pessoas preocupadas em atenuar as alterações físicas e mentais do envelhecimento”, observa o empresário. Muitos estudos demonstram que uma série de

nutrientes e alimentos devem ser consumidos regularmente, pois melhoram a saúde da pele e retardam o envelhecimento precoce. A saúde da pele é muito abordada, pois ela é o maior órgão do corpo humano, protege os órgãos internos das agressões externas, apresenta função estética, além de ser um reflexo exterior da boa nutrição e hidratação. Envelhecer é um processo natural e inevitável. Fatores como irradiação solar, fumo, estresse, álcool, má alimentação, dietas pobres em vitaminas, minerais e antioxidantes, podem agravar e acelerar esse processo.

Os cardápios BodyChef não deixam nada de fora, só as calorias. Peixes, frango, carnes magras, verduras, legumes, grãos e frutas são preparados de maneira saudável e servidos com muito sabor

Cardápio bem variado e uma alimentação saudável, balanceada e com ingredientes apetitosos e suculentos

“Diante desse fato, aqui na BodyChef, oferecemos um cardápio que utiliza alimentos comprovados cientificamente que servem para combater os radicais livres (responsáveis pelo envelhecimento precoce), previnem a flacidez e o aparecimento de linhas de expressão e o mais interessante, alimentos que tem o poder anti-inflamatório”. Para aproveitar as delícias oferecidas é muito simples. Primeiramente o cliente deve acessar o site do BodyChef: http:// www.bodychef.net e escolher qual menu se encaixa melhor nas suas necessidades. Depois é só preencher o formulário por completo e enviar para o e-mail. O cardápio foi montado para cada dia ser entregue uma refeição diferente e balanceada de acordo com seus objetivos. Quem não come carboidratos, recebe outro tipo de alimento. Quem não come carne verme-

lha, recebe outro tipo de proteína magra, e por aí vai. As refeições são entregues na sua casa, ou no seu trabalho, diariamente, entre 10h30 e 12h30.

Um jovem empreendedor Oferecer um serviço que se diferencie dos demais é um desafio para aqueles que desejam entrar no mercado atualmente. Pensando nisso, o empreendedor Mario Esposito pesquisou e encontrou em uma necessidade local a oportunidade para conquistar clientes em Cuiabá. Formado em gestão superior de gastronomia fez pós-graduação no Canadá – Safe Food West Coast –BC. “Conseguir ter emagrecido 35 kgs com exercícios físicos e uma boa alimentação me incentivou a ajudar as pessoas a viver de forma saudável com dietas balanceadas. Amo o que eu faço”.


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

www.copopular.com.br

QUASE CERTO

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul R$ 3,10 - ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

EDITORIAL

Delcídio percorrerá Estado com Azambuja para ouvir população

Paradoxo governamental! Página 2

Página 3

CRISE POLÍTICA

Aberta a temporada de “caça” ao mandato de Bernal Com alguns vereadores literalmente “caçando” algo concreto que justifique a cassação do mandato do prefeito Alcides Bernal (PP), o noticiário desta semana, em praticamente todos os meios de comunicação de Campo Grande, foi pautado pela instalação da Comissão Processante na Câmara Municipal que tem poderes para tirar do prefeito o mandato que lhe foi outorgado pela população, caso se comprove algum desvio em sua conduta enquanto administrador do município. O clima arrefeceu tanto que alguns vereadores

anteciparam o resultado de um julgamento que pode demorar meses e terminar em pizza, como muitas CPIs e congêneres tem terminado nesse país. Caso de Edil Albuquerque (PMDB), presidente da Comissão, que afirmou: “Tenho certeza que o Bernal não acaba o mandato, porque ele não vai aguentar a pressão e a cobrança”. Na tarde de quinta-feira, para embolar ainda mais o meio de campo, o promotor Alexandre Capibaribe pediu o imediato afastamento de Bernal de suas funções, acusando-o de improbidade administrativa.

mais naS páginaS 4 E 5

FATURANDO ALTO

Empresas ligadas à gestão passada tem contratos milionários com Bernal SAFRA 2013/2014

Agricultores intensificam plantio da soja que pode ter área recorde esse ano no Estado O plantio da safra brasileira de soja 2013/2014 ultrapassa a casa dos 8% da

área estimada, de acordo com levantamento da consultoria AgRuralf divulgado

CORUMBÁ

Orçamento de 2014 prevê R$ 179,2 milhões para a Saúde e Educação

na última segunda-feira (14), contra cerca de 3% verificados no mapeamento apre-

MORTE SÚBITA

Ex-diretor da Assomasul, Aloísio Corrêa morre na Capital Faleceu na madrugada de quinta-feira (17), em Campo Grande, aos 68 anos de idade, o ex-diretor da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Aloísio Castro Corrêa. Ele foi encontrado caído no quarto do hotel Iguaçu, onde se hospedava.

O Projeto de Lei que estima a receita e fixa a despesa de Corumbá para o exercício financeiro de 2014 foi encaminhado nessa semana para a Câmara de Vereadores. Em comparação com o orçamento de 2013, o crescimento no-

minal é de 12,19%. A estimativa da Prefeitura prevê para o próximo ano um montante de R$ 456 milhões, contra R$ 406,5 milhões deste ano.

mais na página 6

mais na página 3

sentado na semana passada.

mais na página 7

Já se tornou comum nas rodinhas populares se afirmar que, no Brasil, entra governo, sai governo e os privilegiados com os grandes contratos firmados entre administração pública e iniciativa privada beneficiam sempre os mesmos. É comum, também, se deixar claro nessas afirmativas que para toda regra existirá sempre uma exceção.

mais na página 6

Por Fernando Ordakowski


www.copopular.com.br

Agora, nem isso. O paradoxo está bem claro nas duas medidas oriundas de um mesmo governo, eis que uma visa estimular o consumo e a outra exatamente o contrário, ou seja, refrear o consumismo para, consequentemente, evitar o aumento da inflação. Em outras palavras, de um lado se a presidente da República necessitando tomar medidas doces para agradar a grande massa eleitoral e chegar a 2014 em condições de faturar a disputa de 5 de outubro no dia 5 de outubro e, de outro, os economistas que, com a cabeça no lugar e pouco se importando com as eleições que se avizinham tomam medidas amargas pra evitar a volta do fantasma da inflação descontrolada. Nessa mistura de jogo de interesses quem se ferra é o povão que, impelido pela grande mídia comprometida com o discurso fácil do governo, acaba passando os pés pelas mãos e acumulando dívidas por pensar que os preços baixaram, mas, na verdade, estará pagando mais do que antes da queda da alíquota do IPI, tudo por conta daquele meio pontinho percentual majorado na taxa oficial de juros do país.

Porque o sober- não. Qual o comportamento observado bo ditador e seus hoje em nossa Capital? Antes de ter que asseclas asseveram se submeter a ela bradava-se eloquenteÉ Vereador SDD que foram demo- mente sua visão com alteração mágica da craticamente elei- realidade.... depois da responsabilidade tos e depois de assumirem o poder esque- transferida, questiona-se a dureza que o cem-se dos fundamentos e princípios dessa código de regras significa e tem que encarar a realidade. forma de governo? A realidade da vida é diferente da faDemocracia exige constante prestação de contas para a sociedade, pois é o povo cilidade de discurso. Ainda mais da vida no poder. A observação dos seus valores e pública, onde a prestação de contas é cofundamentos deve ser perceptível e palpá- tidiana e implacável. Ainda mais quando vel, e não apenas discursos inflamados na as parcas realizações ficam recheadas de defesa do indefensável e completamente vícios, impropriedades, irresponsabilidadestituídos de conteúdo e compromisso, des e por fim ilegalidades. O sistema de governo, de pesos e conapenas um amontoado de frases de efeito trapesos, assim delimita as competências sem sentido prático algum. Fica uma incômoda questão: Então vale de cada ente público. Essa é a beleza da Democracia. Suas a Democracia para o voto. Depois se vive a regras são claras. Não se admite a arDemagogia no poder? Quem não quer se submeter às obri- bitrariedade. Fez errado. Tem que ser gações e deveres decorrentes do Estado corrigido. E, em alguns casos, punido. E Democrático de Direito não pode viver neste a punição pode ser o bilhete de saída pela nosso atual sistema político. Se a regra vale perda das condições que o colocaram na para Entrar... Então a cadeira. regra deve valer para As regras valem Fica uma incô- para o Antes (Eleio Durante e, para os moda questão: En- ções) e para o Durandesobedientes de plantão, para o Sair. tão vale a Demo- te/Depois (MandaViver em sociedacracia para o voto. to), principalmente. de exige a submissão “Os democratas” Depois se vive a tem que ao regramento desaprender que sa organização social. Demagogia no poder? o resultado das eleições não é um salvoSignifica estar atento -conduto para a ilea TODAS as exigências que a lei, democraticamente estabelecida, galidade, mais sim um compromisso com impõe e deve-se segui-la. Não com inter- a realidade. Respeitem-se o resultado das pretações convenientes e peculiares. A urnas e que se respeite a responsabilidade legislação deve ser obedecida. Gostem ou e as consequências que ao votado se impõe. Elizeu Dionízio

é propriedade da

Diretor Antônio Carlos Oliveira Diretoria Comercial Max Feitosa Milas Editoria e Reportagens-MT Beatriz Girardi - DRT - 118-MT Editor e Reportagem - MS Jota Menon Reportagens Beatriz Girardi, Regina Botelho, Jota Menon redacao@copopular.com.br Estagiários Ana Sampaio Editor de Arte Mário Pulcherio Filho Diagramação Leonardo Arruda Charge Fernando Ordakowski Circulação Brasília, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul

Delcídio percorrerá Estado com Azambuja para ouvir população

Caldo de galinha

O que é democracia?

expediente

QUASE CERTO

Sedes Avenida Miguel Sultil, nº 4.353 - Areão Cuiabá - Mato Grosso - CEP: 78.010-500 Fone (65) 3623-4300/e-mail: adm@copopular.com.br

Endereço Brasília CLSW - 301 - Bloco A - Edifício Spaço Vip Sala 136 - Setor Sudoeste Fones: (61) 3028-1388/3028-1488

Escrtório Campo Grande Rua Joaquim Murtinho, nº 184 - Centro Campo Grande - Mato Grosso do Sul CEP: 79.002-100 Fone (67) 3029-4214 e-mail: admms@copopular.com.br Assinaturas: (65) 3046-0400 (67) 3029-4214 Acesse: www.copopular.com.br

Os artigos de opinião assinados por colaboradores e/ou articulistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Não representam assim a opinião do jornal.

O livro “Viver é que os honorários “pagos” sem o serviço geraram coisa perigosa”, de processo contra o bem intencionado servidor Guilherme Schelb, público. E sua defesa era muito difícil pois os João Campos conta que milhares rastros de irregularidade eram flagrantes. Bastou É advogado especialista em de réus em processos uma ligação à escritora e a resposta cristalina foi: Direito do consumidor administrativos, judi- não é verdadeiro esse contrato, nunca estive no ciais e inquéritos não Brasil, etc. conseguem provar sua Aquele Ministro (ou mesmo auditor) do inocência por falta de cuidado em seus relacio- Tribunal de Contas que vem fazer uma palestra namentos pessoais e profissionais. patrocinada pelo órgão público que, no ano Um jantar, um brinde de final de ano, seguinte, será fiscalizado pelo TCU, um jantar uma viagem patrocinada por um empresário entre funcionário público e gerente de banco, futuramente indiciado em inquérito, uma foto com direito a menção na coluna social ou no comprometedora, tudo leva a presunções desfa- Facebook, a passagem para Miami paga pela voráveis ao inocente no atual e minado mundo empresa ao diretor de licitações da autarquia... dos negócios. tudo será motivo de questionamento ético. Participei de um seminário sobre a nova lei Um outro exemplo de descuido é o email anti-corrupção (12.846/13), que entra em vigor fazendo apologia de um produto, divulgando reno início de 2014 e, ao que tudo indica, causará sultados ou prognósticos de uma licitação, enviado a funcionários públicos, grandes mudanças no órgãos da administração cenário ético brasileiro. e assim por diante. Na É muito mais difícil primeira investigação, a defender um inocente do É muito mais di- primeira coisa que se pede que um culpado. Explico. fícil defender um é o disco rígido do comO inocente pratica atos inocente do que putador (HD). E mesmo que julga válidos, corretos, sem observar o critéos arquivos “apagados”, um culpado rio legal, na boa intenção “deletados” podem ser recuperados por um perito. e boa fé, achando que por Estão na moda tamaí se há de defender. Um cliente confessou que tinha comprado bém as gravações de áudio e vídeo (canetinhas, uma carta de habilitação no Detran, denunciou bottons, pingentes e até captadores de áudio a autoescola e o instrutor que o ajudaram. Foi fixados aos dentes) que provocam estragos em condenado por ser réu confesso e os que ele emplumadas reputações. “A gravação não foi judicialmente autoridenunciou foram liberados, absolvidos, porque era a palavra de um contra o outro, sem prova, zada!”, vai dizer o inocente. Diga isso ao WikiLeaks, ao Youtube ou ao Instagram. Quando o sem testemunhas. O que meu cliente achou que era um com- vídeo vai ao ar o estrago está feito. portamento ético voltou-se implacavelmente A possibilidade de você estar sendo gravado contra ele. em um telefonema dentro de sua casa ou no escriDeveria ter consultado o advogado antes e tório é, literalmente, 100%. Se você for um grande empresário que negocie com o governo, um alto não depois. Um outro, administrador de uma entidade funcionário público, um político importante esse cultural pública, tinha de adquirir fios de alta índice é de 200%. E esqueça fios, conexões, etc., tensão para instalar em uma megaestrutura de pois tudo hoje é wireless. Há, inclusive, treinamento para empresários shows. Seu orçamento não previa esse gasto, absolutamente necessário para consecução de sua com palavras-chaves que devem ser evitadas atividade. Solução do inocente: contratar uma (ou ditas) em telefonemas, mostrando que a famosa escritora peruana, “sem que ela preci- conduta preventiva é a melhor defesa. Antes sasse comparecer ao evento”. O valor destinado de realizar um negócio, consulte seu advogado á escritora era exatamente o mesmo devido pelos ou alguém de confiança. Essa cautela valerá cabos elétricos. Até nos centavos! O problema é milhões.

O PSDB e o PT caminham para fechar uma aliança para a eleição de 2014 em Mato Grosso do Sul. A dobradinha, que terá Delcídio do Amaral (PT) como provável candidato ao Governo do Estado e Reinaldo Azambuja (PSDB) concorrendo ao Senado, tinha programação que anunciava o início do trabalho de forma mais efetiva neste sábado (19), a partir de que Delcídio acompanhará o PSDB em boa parte dos nove seminários do “Pensando Mato Grosso do Sul”. A informação foi confirmada pelo deputado federal Reinaldo Azambuja, que recebeu a informação de que os encontros terão a participação de Delcídio e de lideranças do Partido dos Trabalhadores. “Grupos do PT vão participar do Pensando Mato Grosso do Sul porque entendem que é bom para o Estado. Se conseguirmos pensar juntos, vamos aproximar ideias do que o povo pensa”, detalhou. Azambuja é pré-candidato do PSDB em 2014 para disputar o Governo do Estado ou o Senado Federal. Porém, ao que tudo indica,

Governador André Puccinelli (PMDB) sobre o fato de os tucanos terem disputado as últimas quatro eleições para Governo, aliados ao seu partido

Ponto de Vista Por que sou contra a aliança A despeito de minha admiração por balu- grados objetivos de levar artes do antigo MDB, partido em cujo seio se democracia e legalidade travou a luta pela democratização do País durante quando pactuamos com o período de trevas que se abateu sobre a vida os inimigos de nossos política brasileira – entre eles Ulysses Guimarães, principais objetivo políMarcos Freire e Pedro Simon, em nível nacional, ticos. Esse gesto entrou e Plínio Barbosa Martins, em nível regional –, para a história, pois foi Semy Alves Ferraz (*) entendo temerária qualquer hipótese de aliança protagonizado diante É engenheiro civil e sedo Partido dos Trabalhadores com o agora PMDB das câmeras e dos prin- cretário de Infraestrucipais dirigentes de seu tura, Transporte e Habisul-mato-grossense. tação de Campo Grande. Antes de tecer maiores considerações, es- partido em 1990, quanclareço que sou da geração que aprendeu a fazer do seu irmão mais velho política com o cérebro, a razão: eram tempos de havia afiançado uma coligação inimaginável sob a chumbo, e qualquer erro político representava o justificativa de derrotar o seu inimigo maior, o exfim, a morte de qualquer projeto coletivo em prol -governador Pedro Pedrossian. O resultado todos de uma sociedade melhor, mais justa, solidária conhecem: o ex-governador, então celebrizado e fraterna. Por essa razão, vou expor os motivos como o “homem de Miranda”, ganhou no primeiro que me levam a tornar públicas as minhas con- turno, e o irmão do Doutor Plínio amargou, mais siderações sobre esta bizarra aliança. que a derrota eleitoral com todos os seus aliados À luz da ética e dos mais caros valores da de última hora, a saída do cenário político de uma vida republicana e destituído de todo e qualquer das maiores reservas morais da política brasileira, preconceito, não é possível haver diálogo entre o o grande democrata que falecera oito anos depois. pescoço e a guilhotina. Explico: o grupo político Faço questão de reiterar que nestas consique desde que se apossou da legenda de Ulysses derações não há qualquer cunho subjetivo, de Guimarães em Mato Grosso do Sul tem demons- ranço pessoal, mas de fundo ético e de princípios trado desprezo pelas lidemocráticos, dos quais berdades cidadãs e pelos nosso Partido não pode princípios da convivência se distanciar sob pena de Por essa razão, claudicar perante a sociedemocrática, dirigindo vou expor os moti- dade sul-mato-grossense, com fortes evidências de tirania, ou mais precisavos que me levam ainda mais num momenmente fascismo explícito, a tornar públicas as to em que as forças vivas as instituições às quais minhas considerações sobre da nação saíram às ruas chegaram usando todos para clamar por respeito os meios, não tem apti- esta bizarra aliança à vontade popular. dão moral para integrar Hoje, quando a cidao arco de alianças com aqueles que num passado dania tem acesso a informações antes inacessírecente tripudiou, hostilizou e até negou de ma- veis, graças ao avanço tecnológico, não podemos neira intolerante e intransigente. nem devemos subestimar a inteligência do cidaNão é demais trazer à lembrança o memorável dão comum, atento e cada vez mais presente no gesto do Doutor Plínio, quando seu partido fez uma cotidiano das instituições públicas. É nesse conaliança, na sua abalizada opinião, espúria, e ele foi texto que a atividade política precisa ser desenvoto vencido na convenção, o que o levou a rasgar volvida, focando o bem comum, a transparência sua ficha de filiação e a fazer um discurso indignado, e a participação coletiva, como razão de ser de em que ensinava que não há como lutar pelos sa- nossa vontade política.

Reinaldo Azambuja e Delcídio do Amaral

deve tentar a vaga de senador, em uma aliança que terá Delcídio como cabeça de chapa. “A decisão é para o ano que vem. Ninguém vai decidir isso este ano. Mas, estamos mais próximos hoje da campanha com o PT, ocupando a vaga de Senado. O PT tem sinalizado para

fazermos juntos um programa comum de governo, que seria nos moldes do Pensando Mato Grosso do Sul. Esta possibilidade é muito maior”, contou. Segundo Azambuja, além do PT, os seminários contarão com a participação de filiados ao DEM e ao PSDB. A aliança entre Delcídio

e Azambuja é vista como imbatível por filiados do PT e do PSDB. Porém, petistas, liderados pelo vereador Zeca do PT, avaliam como inviável, justificando que a aliança faria o PT eleger Azambuja, que pertence ao PSDB, principal opositor da presidente Dilma Rousseff (PT) em Brasília.

MORTE SÚBITA

Ações de vândalos causam Ex-diretor da Assomasul, prejuízos e insegurança Aloísio Corrêa morre para a população na Capital

“Quem puxou o vagãozinho do PSDB foi o Andrézinho”.

TOMA LÁ, DÁ CÁ! A presidente Dilma Rousseff pretende usar cerca de 12 vagas deixadas por ministros que vão disputar as eleições em 2014 para amarrar o apoio do PP, PTB e PSD a seu projeto de reeleição. A reforma deverá ser feita no fim de dezembro ou em janeiro. Caso uma aliança formal com esses partidos não seja possível, sobretudo por conta dos palanques regionais, a ideia do governo é que as siglas seduzidas, se não apoiarem Dilma, ao menos não deem palanque para os adversários da petista.

prejuízos aos cofres públicos, há também a questão de segurança. Apesar de não ter muitas casas no trecho, a iluminação pública e importante. A Marechal Deodoro é a principal via que liga a Nova Corumbá aos residenciais da região sul da cidade, além da Escola Cássio Leite de Barros. A escuridão acaba causando insegurança para os moradores”, ressalta. Zimi comentou ainda que outros trechos da cidade sofrem o mesmo problema, casos do Aeroporto e Jatobazinho. Uma alternativa, conforme o superintendente, seria implantar um sistema de iluminação idêntico ao existente na área central. “Como a iluminação pública na parte alta é aberta, os vândalos acabam quebrando a lâmpada com maior facilidade. Já o sistema do centro da cidade é fechado,com vidro temperado, bem mais resistentes às pedradas”, explicou, lembrando que a Prefeitura já faz estudos para levar o mesmo material utilizado na área central para os bairros da cidade.

CANDIDATÍSSIMO O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Joaquim Barbosa, admitiu na última segunda-feira (14), no Rio de Janeiro, que não descarta se lançar candidato a um cargo eletivo no futuro. Barbosa participou de uma palestra sobre “avanços e retrocessos institucionais” durante o congresso promovido pela Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), realizado na capital fluminense. A declaração do ministro foi dada após pergunta feita pelo repórter Fernando Rodrigues, colunista do UOL, que questionou se ele já cogitara seguir carreira política. CANDIDATÍSSIMO (1) Barbosa afirmou não ter “no momento intenções de sair candidato à Presidência da República”, mas ressalvou que, “no futuro, a médio prazo, eu posso pensar sobre isso”. “Nunca cogitei [seguir carreira política], sempre tive carreira técnica. Quando eu deixar o Supremo, ainda terei tempo para refletir sobre isso”, disse Barbosa. “EDUARDOU”? O governador André Puccinelli (PMDB) não garantiu apoio do PMDB a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). Na manhã da última segunda-feira (14) ele foi questionado sobre o apoio do partido por conta do provável confronto entre Nelsinho Trad (PMDB) e Delcídio do Amaral (PT) em 2014 e não garantiu o apoio da sigla. Puccinelli garantiu que ele, pessoa física, vai apoiar a presidente em gratidão ao empréstimo autorizado por ela ao Estado, mesmo contra a vontade de alguns, que segundo ele, queriam prejudicar a negociação. Todavia, não garantiu que o partido vá apoiar a presidente. “EDUARDOU”? (1) O governador disse que defendeu a reeleição de Dilma mesmo quando ela caiu para a casa dos 30% nas pesquisas e continuará ao lado dela, fazendo campanha em um caixote no Centro de Campo Grande, se preciso for. Apesar de não garantir o apoio do PMDB a Dilma, Puccinelli disse que, se puder, já na reta final, vai palpitar e tentar fazer o partido seguir com a presidente em Mato Grosso do Sul. “Sei que minha opinião é forte. Por isso, vai ficar para o ano que vem, já no final”, garantiu.

Recuperação é constante causando prejuízos aos cofres públicos

Fiscais da Prefeitura de Corumbá constataram novo ato de vandalismo na cidade que tem causado prejuízos aos cofres públicos e insegurança aos moradores. Desta vez a ação atingiu uma rede de iluminação pública na região da Nova Corumbá que tem se tornado uma rotina. Somente em um trecho da Rua Marechal Deodoro, entre a Alexandre de Castro e Rio Grande do Norte, cinco pontos estavam danificados. “Moradores da região reclamaram contra a escuridão do trecho e, ao checarmos, constatamos que em cinco pontos, as luminárias havia sido quebradas, devido a ações de vândalos. Isto acontece com frequência naquela região e, somente agora, o gasto para recuperar a iluminação, foi de R$ 1,3 mil”, afirmou Willian Zimi Padilha, superintendente de Serviços Urbanos. Conforme ele, esta não é a primeira vez que a Prefeitura é obrigada a intervir no trecho para recuperação dos pontos de iluminação. “Infelizmente, isto acontece com freqüência. Além dos

Jota Menon - jota.menon@uol.com.br

TOMA LÁ, DÁ CÁ! (2) Em nome do fortalecimento da chapa Dilma-Michel Temer está sendo discutida dentro do Palácio do Planalto a possibilidade de o PMDB abrir mão de alguma das pastas que comanda para ajudar a recompor o jogo partidário na máquina. O senador José Sarney (PMDB-AP), que já não é mais presidente do Senado, ainda ostenta duas indicações ministeriais e poderia abrir mão de uma delas. Com a saída de seu apadrinhado Gastão Vieira do Turismo para disputar o Senado pelo Maranhão, a pasta pode ser repassada ao PP.

CORUMBÁ

Falou e Disse

POLITICANDO

TOMA LÁ, DÁ CÁ! (1) A estratégia é considerada fundamental para neutralizar a capilaridade do PSDB, do senador Aécio Neves (MG), e do PSB, do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, agora apoiado pela ex-ministra e ex-senadora Marina Silva. O governo não descarta que o PMDB, numa reforma ministerial, possa ceder mais espaço para partidos que ganharam mais importância com o troca-troca protagonizado por parlamentares até o último dia 5.

Foto: Kleverton Velasques

A equipe econômica do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) tem tomado algumas atitudes que conflitam com a política estabelecida pela chefe do Executivo Nacional e que tem como principal objetivo fomentar o poder de compra do povo brasileiro. Um exemplo dessa preocupação da presidente pode ser conferido nas suas medidas provisórias de redução da alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) cobrada dos produtos industriais da denominada linha branca. Tais medidas visam interromper o desaquecimento do setor comercial a partir do momento em que os varejistas são “orientados”, pela grande mídia e pelo próprio Planalto, a repassar esse desconto ao consumidor final. Estaria tudo certo até aí se, imediatamente depois de a presidente da República anunciar em tomo solene a renovação da medida provisória de redução da alíquota do IPI, a equipe econômica não fizesse o que fez, ou seja, anunciar mais uma elevação na taxa de juro do país que, ao chegar a 9,5 pontos percentuais assume, novamente, a posição de maior taxa de juros do mundo. Até então, ainda perdíamos para os argentinos e chilenos.

www.copopular.com.br

Artigos

Paradoxo governamental!

Política 19

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

Foto: Chico Ribeiro

18 Opinião Editorial

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

Aloísio iria completar 69 anos no dia 26

Faleceu na madrugada de quinta-feira (17), em Campo Grande, aos 68 anos de idade, o ex-diretor da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Aloísio Castro Corrêa. Ele foi encontrado caído no quarto do hotel Iguaçu, onde se hospedava. Ao tomar conhecimento do fato, o presidente Douglas Figueiredo decretou luto oficial e determinou suspensão do expediente na entidade nesta quinta-feira. Nascido na cidade de Aquidauana no dia 26 de outubro de 1944, Aloísio

foi diretor da Assomasul no período de 1991 a 1995, nos mandatos dos presidentes Roberto Almeida (in memorian) e Valdir do Couto, prefeitos de Miranda e Nioaque, respectivamente. Ele iria completar 69 anos no próximo dia 26. Em agosto deste ano, ele foi eleito um dos diretores da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) na chapa encabeçada por Chico Maia, reeleito para mais um mandato. Aloísio foi casado com Marisa Corrêa e deixou três filhos – York, Daniel e Maria Fernanda.

“EDUARDOU”? (2) Além de Dilma, o PMDB tem como opção a aliança com o pré-candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos. Embora o partido não tenha ajudado o PMDB em nada, a aliança pode ser fechada em troca de apoio da sigla a candidatura de Nelsinho Trad (PMDB) na disputa pelo Governo do Estado. CUTUCÃO O governador aproveitou a oportunidade para alfinetar o PSDB, que esteve com ele nas últimas quatro eleições: derrota de Marisa Serrano (PSDB) e Ricardo Bacha (PSDB) e eleição e reeleição dele ao Governo do Estado. “Quem puxou o vagãozinho do PSDB foi o Andrézinho”, provocou, lembrando que os candidatos do PSDB à presidência sempre ganharam, com o apoio dele, em Campo Grande. REFRESCO? Foi aprovado por unanimidade, o Projeto de Lei n° 7.535/13, de autoria do Poder Executivo Municipal, que autoriza a abertura de crédito adicional suplementar no valor de R$ 40,263 milhões. O projeto foi aprovado em regime de urgência, durante sessão ordinária realizada na semana passada. Segundo o presidente da Comissão Permanente de Legislação, Justiça e Redação Final, vereador Airton Saraiva, a aprovação foi muito importante. “Estamos votando favorável a esse Projeto, porque esse é o papel da oposição responsável. A votação atrasou porque o Projeto veio com erro. Ele voltou corrigido esta semana e já colocamos em votação”. Será que Bernal está “engrenando” na Câmara da Capital? VIVA O PORCO! Mais três rodadas e já podemos dormir o sono dos realizados, enquanto o desespero fica por conta de quem sonhava ver o Maioral afundando. Viva o Porco, seus energúmenos!


20 Política

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

CASSAÇÃO DE BERNAL

Instalação de comissão tem exoneração, readmissão, choro, muito barulho e pouca ação vio Trad (PTdoB), Elizeu Dionízio (SDD), Chocolate (PP), Jamal (PR), Rose Modesto (PSDB), Juliana Zorzo (PSC), Coringa (PSD) e Edson Shimabukuro (PTB). Os vereadores contra a investigação foram: Zeca do PT, Alex do PT, João Rocha (PSDB), Cazuza (PP), Airton Araújo (PT), Gilmar da Cruz (PRB), Luiza Ribeiro (PPS) e Carlão (PSB).

Jota Menon Campo Grande – MS.

Com alguns vereadores literalmente “caçando” algo concreto que justifique a cassação do mandato do prefeito Alcides Bernal (PP), o noticiário desta semana, em praticamente todos os meios de comunicação de Campo Grande, foi pautado pela instalação da Comissão Processante na Câmara Municipal que tem poderes para tirar do prefeito o mandato que lhe foi outorgado pela população, caso se comprove algum desvio em sua conduta enquanto administrador do município. O mais estranho, contudo, foi alguns posicionamentos pessoais de vereadores antecipando o resultado de um julgamento que pode demorar meses e terminar em pizza, como muitas CPIs e congêneres tem terminado nesse país. O vereador e presidente da Comissão Processante, Edil Albuquerque (PMDB),

DEPUTADOS SE MANIFESTAM A repercussão da instalação da Comissão Processante na Câmara chegou à Assembleia Legislativa. Para alguns deputados, Alcides Bernal diz que Comissão Processante tem fundo político e quer enfraquecê-lo

dorme no ponto. Não foi por falta de aviso”, declarou o senador em sua página da rede social. Ele ainda postou uma figurinha que lembra alguém “dormindo no ponto”. JUSTIÇA O vereador Marcos Alex (PT), que representa

Júnior Mochi: “Falta de harmonia prejudica Campo Grande”

chegou a afirmar, numa entrevista ao programa Tribuna Livre da FM Capital, que o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), não chega ao fim do mandato. “Tenho certeza que o Bernal não acaba o mandato, porque ele não vai aguentar a pressão e a cobrança” disse Edil antecipando o resultado de uma investigação que apenas começou. Depois, meio que voltando atrás, se tornou conselheiro do vereador Chiquinho Teles (PSD) para que ele não peça o afastamento imediato do prefeito. Albuquerque declarou também que é seu desejo acelerar os trabalhos para que sejam concluídos antes do recesso do fim do ano. Ou seja, apesar de a Comissão ter um prazo de três meses para a conclusão dos trabalhos, o próprio presidente da mesma antecipa o desejo de concluir os trabalhos “no afogadilho” para dar uma resposta rápida à sociedade. DORMIU NO PONTO O assunto Comissão Processante foi tão “empolgante” que o senador Delcídio do Amaral (PT), considerado o mentor da candidatura de Bernal, não perdoou a incompetência do pupilo no que concerne à viabilização do seu projeto administrativo. Por meio do Facebook Delcídio se manifestou sobre a abertura da Comissão Processante contra o chefe do Executivo, lembrando que o avisou quanto o risco de ficar isolado. “A história é implacável com quem

Almi (PT). Para o também petista Pedro Kemp, a comissão vai dar chance do prefeito se defender e rever seu comportamento que “ficou isolado”. “A votação revelou esse problema de formar a base. Ele não conseguiu formar sua base de sustentação e agora será a oportunidade dele reverter esse quadro. Mas sem dúvidas a cidade vai perder com uma cassação”, acredita Kemp. Para Junior Mochi (PMDB), líder do Governo no Legislativo Estadual, a cidade também é a maior prejudicada pela possível cassação. “Essa falta de

o Executivo no Legislativo, garantiu, durante sessão comunitária realizada na quarta-feira que a Comissão Processante que irá investigar possíveis atos e fraudes na gestão de Alcides Bernal acabará na Justiça. O argumento para o pedido de anulação será a participação do presidente da Câmara, que não deveria ter votado, no entendimento do vereador. “Já sabíamos que iria ser aprovada a Comissão Processante. É uma lenda acreditar que vão investigar o prefeito. Na verdade, eles querem é cassá-lo. Vamos fazer um pedido na Justiça e utilizar como base o decreto 201, que não permite o voto do presidente da Casa das Leis, no caso Mário César (PMDB)”, afirma o Alex. O pedido qualificará tal voto como sendo ilegal. “Vamos disputar palmo a palmo a preservação do mandato. A Comissão Processante é apenas para fazer política e desgastar a imagem do prefeito”, avalia o parlamentar. De acordo com entendimento de alguns analistas políticos, o presidente só votaria se o seu voto fosse necessário para decidir pela instalação ou não da comissão, o conhecido voto de Minerva. GOLPE POLÍTICO Já o prefeito Alcides Bernal declarou durante coletiva na manhã seguinte à derrota lhe imposta pela Câmara, que quem está por trás da abertura da Comissão Processante, que pode cassar seu mandato, são os

adversários políticos. Para Bernal está evidente que é uma armação criminosa o que estão fazendo e o início de uma pré-campanha instalada para desgastá-lo enquanto prefeito. Bernal citou que os cidadãos que entraram com pedido de instalação da Comissão Processante na Câmara, Luis Pedro Guimarães e Raimundo Nonato, trabalharam na campanha de Edson Giroto (PMDB), candidato derrotado por ele nas urnas em 2012. “Tudo isso é orquestrado para gerar oportunidade para um golpe político. É uma grande armação criminosa contra a democracia e contra o nosso município. Essas armações estão prejudicando muito a administração de Campo Grande. Não pelo ponto de vista da sequência dos trabalhos da administração, mas de uma peça teatral muito triste. É lastimável”, afirmou. Na avaliação do prefeito esse ‘golpe político’ já é o início de uma campanha eleitoral. “Com certeza é a pré-campanha instalada para desgastar o prefeito de Campo Grande, porque eles (adversários políticos) não querem que seja suficiente-

mente forte para poder ajudar e mostrar a verdade dos fatos. Querem fragilizar o prefeito para poder se fortalecer e se possível excluir o prefeito do cenário político. Armação criminosa o que estão fazendo”, declarou, encerrando a coletiva. RETALIAÇÃO A esposa do vereador Waldecy Chocolate (PP), Cláudia Núbia Ferreira Duarte, foi exonerada na quarta-feira do cargo em comissão que ocupava na Prefeitura de Campo Grande. O fato aconteceu logo após o vereador votar a favor da abertura da Comissão Processante na Câmara para investigar a administração municipal. OS VOTOS Os vereadores a favor da investigação foram Edil Albuquerque (PMDB), Paulo Siufi (PMDB), Carla Stephanini (PMDB), Mario Cesar (PMDB), Vanderlei Cabeludo (PMDB), Airton Saraiva (DEM), Paulo Pedra (PDT), Grazielle Machado (PR), Chiquinho Telles (PSD), Delei Pinheiro (PSD), Alceu Bueno (PSL), Eduardo Romero (PTdoB), Flávio César (PTdoB), Otá-

ACORDANDO

Bernal anuncia conselho político sugerido pelo PT Azambuja diz que só participará de conselho político se Bernal deixar arrogância e prepotência

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, anunciou a criação de um Conselho Político Municipal já na manhã da quarta-feira (16) durante a coletiva convocada para se explicar sobre a Comissão Processante instaurada pela Câmara de Vereadores. “Vai ser um conselho amplo com políticas públicas, sugestões. Vai ter como integrantes lideranças políticas, membros de movimentos sociais e outras pessoas. Não vai ser para atender interesse da bancada partidária, mas sim o interesse público”, disse. Bernal não disse quando nem como será feita a criação do conselho. Perguntado por detalhes, ele afirmou apenas que a criação será feita “em breve”. Por seu lado, o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB), principal liderança do PSDB em Mato

Reinaldo diz que Bernal tem de deixar de ser prepotente e se achar o onipotente

Grosso do Sul, não descarta a possibilidade de participar do conselho político

a ser criado pelo prefeito Alcides Bernal (PP) para ajudá-lo a administrar a ci-

Delcídio do Amaral afirma, no Facebook, que Bernal “dormiu no ponto”

será a chance do prefeito se explicar. “A Comissão vai dar a oportunidade dele dizer o seu ponto de vista, de justificar sobre as irregularidades”, disse Rinaldo Modesto (PSDB). Além disso, a Comissão confirmou a fragilidade do diálogo entre a Câmara e o Executivo. “Ele precisa de fato governar a cidade e uma base ajuda para isso. Ele foi eleito para governar e ele tem que sair do gabinete e fazer isso”, alegou Cabo

harmonia prejudica Campo Grande. É lamentável que o Executivo não tenha sinalizado com o Legislativo uma base, uma união”, considerou. Já Laerte Tetila, do PT, diz que dez meses de gestão é muito pouco para julgar o prefeito. “Emitir um juízo de valor sobre ele ainda é muito cedo, mas é claro que o papel do prefeito é buscar a boa relação com os poderes, não pelo prefeito, mas pelo bem da cidade”, concluiu.

Chocolate prometeu denúncia bombástica, mas ficou só na choradeira

anunciada por Chocolate foi trocada por algumas lágrimas na tribuna e o discurso contando as dificuldades e agruras da infância, o prefeito Alcides Bernal voltou atrás da decisão de ter exonerado a mulher do vereador Waldecy Chocolate e tornou sem efeito a publicação, con-

forme informações do Diário Oficial do município da quinta-feira (17). Cláudia Núbia Ferreira Duarte, mulher do vereador, diz que sequer foi informada da exoneração e a publicação também não revela qual seria o motivo do prefeito em deixá-la sem o cargo. A esposa de Chocolate é Assessora-Técnica II, símbolo DCA-5, da Secretaria Municipal de Governo e Relações Institucionais e trabalhava junto ao Fundo de Apoio à Comunidade – FAC. Nos meios políticos, afirma-se que a exoneração foi uma forma de Bernal mostrar à população que Chocolate não era tão desprestigiado pela administração municipal, tanto que uma das suas indicações para cargos em comissão no governo municipal foi exatamente da sua esposa.

Membros da Comissão Processante mostram muita vontade de cassar o mandato de Bernal

Após base desistir de investigar em Comissão Processante, opositores aceitaram fazer parte dos trabalhos. Primeiro sorteado, o vereador Edil Albuquerque (PMDB) fará parte da Comissão Processante para investigar o resultado da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Calote que pode cassar o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal. Ele será o presidente da comissão. O segundo sorteado foi o vereador Flávio César (PTdoB) que será o relator. João Rocha (PSDB) foi o terceiro sorteado, mas renunciou participar. Waldecy Chocolate (PP) também foi sorteado e renunciou. Cazuza (PP) foi o terceiro sorteado e quando anunciado estava em uma ligação, renunciando posteriormente ao cargo. Alceu Bueno (PSL) foi sorteado em seguida e aceitou ser membro da comissão. ANTECIPAÇÃO Depois de se antecipar às investigações que nem bem começaram afirmando em entrevista a uma rádio de Campo Grande que dificilmente o prefeito Alcides Bernal chega ao final do mandato, o vereador Edil Albuquerque, acompanhado dos dois demais membros da CP, deu mais uma demonstração que começou

literalmente a temporada de “caça” ao mandato do prefeito da Capital. O vereador Edil Albuquerque informou na manhã da quarta-feira, durante a primeira reunião da comissão, que os vereadores vão adiantar os trabalhos e devem apresentar o relatório final até o dia 20 de dezembro e não nos 90 dias, prazo máximo determinado pela legislação. Com o adiantamento dos trabalhos, segundo os vereadores, Bernal corre o risco de ser cassado antes de completar um ano de mandato. No prazo máximo de cinco dias o prefeito será notificado com a remessa de uma cópia da denúncia para que, no prazo de dez dias, possa apresentar defesa por escrito, indicar provas que pretende produzir e arrolar testemunhas. O presidente da comissão rechaçou as acusações do prefeito de que os vereadores estariam tramando um golpe. Ele afirmou que um golpe sem consistência jamais prosperaria e questionou o medo do prefeito. “Quem não deve não teme. As denúncias estão todas fotocopiadas, digitalizadas. Cabe a ele contestar e mostrar que está certo. Ele tem que vir e provar que está certo”, desafiou. O relator da comis-

dade. Porém, o deputado só participará se o prefeito, de fato, se interessar em ouvir

os conselhos. “Não fui convidado, mas poderia até participar desde que o prefeito queira ouvir. Não vou participar se ele continuar com a arrogância e prepotência como agiu até hoje, isolando partidos e achando que governa sozinho, sem aliados”, justificou. Azambuja aprova a criação do conselho político por entender que é preciso ajudar com ideias para melhorar a máquina pública e resolver os problemas de Campo Grande, que é o almejado por todos. O deputado federal, que foi candidato a prefeito em Campo Grande, lembrou que quando decidiu apoiar Bernal, o partido apresentou o programa de governo ao prefeito, que prometeu usar e não cumpriu. “Estou pronto para discutir e conversar sobre uma plataforma de governo para

melhorar a vida das pessoas de Campo Grande. Se for fazer parte só para marketing, cada um fica no seu lugar”, concluiu. O PSDB já integrou a base de sustentação do prefeito Alcides Bernal na Câmara de Campo Grande, mas saiu por entender que o prefeito não estava seguindo a plataforma defendida pelo partido e pela falta de espaço dada para a sigla. Bernal chegou a indicar dois filiados do partido para secretarias, mas sem o consentimento do diretório, o que acabou prejudicando-os. Na segunda-feira (14) o secretário de Educação de Bernal, José Chadid, foi expulso do PSDB por ocupar cargo sem autorização. A diretora da Fundação Municipal do Esporte (Funesp), Leila Machado, também responde a processo e pode ser expulsa por desobediência.

EM CIMA DA HORA

Edil, Flávio e Bueno são os integrantes da Comissão Processante contra Bernal

Chocolate promete discurso bombástico, mas só lamenta e chora na tribuna

prática de nepotismo, eis que parentes consanguíneos e colaterais até segundo grau de detentores de mandatos eletivos – e aí se insere a esposa – são proibidos de exercer cargos de confiança na administração pública. Nepotismo ou não, o certo é que tão logo a “bomba”

www.copopular.com.br

SÓ OPOSIÇÃO

NÃO BOMBOU

Inconformado com a decisão do prefeito Alcides Bernal de demitir sua esposa de um cargo em comissão na administração municipal, o vereador Wanderley Chocolate (PP) anunciou um discurso tão bombástico que chegou a ter até a interferência do líder do prefeito, Alex do PT, tentando demovê-lo de tal ideia. Chocolate, contudo, irredutível, foi á tribuna da Casa e, para surpresa de muitas, apenas “chorou as pitangas” e, literalmente, derramou lágrimas ao relatar supostas humilhações de que teria sido vítima enquanto leal puxa-saco do prefeito Alcides Bernal. Ele só não explicou quando é que sua esposa foi nomeada na prefeitura Municipal e, por se tratar de cargo em comissão, se isto não representaria a

Política 21

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

são, vereador Flávio César (PTdoB), também estranhou a “manobra” do prefeito para tentar descredenciar a comissão. Ele esclarece que a abertura da investigação não significa cassação, mas a concessão de direito de ampla defesa. PRÓXIMOS PASSOS Terminado o prazo para defesa, a comissão emitirá em até cinco dias um parecer opinando pelo prosseguimento ou arquivamento da denúncia, que será submetida ao plenário. Se a Comissão opinar pelo prosseguimento, o presidente designará desde logo, o início da instrução, e determinará os atos, diligências e audiências que se fizerem necessários, para o depoimento do denunciado e inquirição das testemunhas. A comissão emitirá um parecer final pela procedência ou improcedência da acusação e solicitará ao presidente da Câmara a convocação da sessão para julgamento. Na sessão, serão lidas as peças requeridas pelos vereadores e denunciados e, a seguir, os que desejarem, poderão se manifestar pelo tempo de 15 minutos. Bernal, ou um procurador nomeado por ele, terão duas horas para produzir sua defesa oral.

Justiça recebe do MPE pedido de afastamento imediato de Bernal No fechamento desta edição foi confirmado o pedido de afastamento do prefeito Alcides Bernal (PP). O pedido foi apresentado pelo promotor Alexandre Pinto Capiberibe Saldanha, da 30ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social do Ministério Público do Estado e a 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Promotor Alexandre Pinto Capiberibe Saldanha, que pediu o afastamento imediato de Bernal Campo Grande deverá julgar o pedido de afastamento imediato do mento das obrigações da anteriormente realizadas, prefeito Alcides Bernal, sob Prefeitura Municipal de ocasionando prejuízo ao a acusação de improbidade Campo Grande para com os erário”. Depois de citar a confornecedores e prestadores administrativa. tratação da Salute, da Mega Em sua justificativa ao de serviço”. Para Saldanha, “uma Serv e da Jagás como “sipedido, o promotor alega q u e a c o n t i n u i d a d e d e vez que liquidada a despe- tuações fabricadas e dadas Bernal no cargo de prefeito sa, empresas, fornecedores como emergenciais”, o propoderá “ocasionar dano e credores ficaram sem motor afirmou que Bernal irreparável ou de difícil receber a ordem bancária contratou as três empresas reparação em detrimento e outras receberam os re- irregularmente, “imputanda coletividade municipal, cursos públicos com atraso do, assim, fator agravante bem como as empresas muito além do prazo razo- e censurável do prefeito fornecedoras e prestadoras ável, sendo que em ambas Municipal, o que vem caude serviços à Prefeitura de as situações, o Executivo sando prejuízo irreparável Campo Grande, causando Municipal não apresentou ao Município”. No seu pedido de afasinsegurança jurídica pe- processo administrativo rante os contratos vigen- formal que justificasse sua tamento do prefeito, o protes”. motor também argumenta decisão”. A ação civil apura dano Depois de afirmar que que “o Senhor Alcides Jesus ao erário, baseada em in- determinadas empresas Peralta Bernal poderá contiquérito do próprio MPE citadas pela CPI foram obri- nuar praticando atos de imque, por sua vez, está las- gadas a fazer rescisão “ami- probidade administrativa treado no relatório final gável” de seus contratos, em afronta à Constituição da CPI da Inadimplência paralisando suas atividades Federal, à Lei de Improbida Câmara Municipal de e demitindo seus funcioná- dade e a Lei das Licitações”. rios, o promotor Alexandre Diante desse quadro Campo Grande. Nas suas alegações, o Saldanha se reportou às traçado pelo promotor Alerepresentante do MPE afir- contratações emergenciais xandre Saldanha, o pedido ma que “devido às condutas de Bernal. de ‘Tutela Antecipada’ soliimprobas do Prefeito Mu“Destaca-se ainda – diz cita concessão imediata de nicipal de Campo Grande, o promotor – que em certas limiar para o afastamento Senhor Alcides Jesus Pe- contratações dadas como do Bernal do cargo de preralta Bernal, apuradas pela ‘emergenciais’, a Prefeitura feito. CPI da Inadimplência e de Campo Grande/MS adSaldanha estipula um relatadas minuciosamente quiriu produtos por preços prazo de 15 dias para que por este órgão ministe- superiores aos de mercado, Bernal se defenda da acurial, restou devidamente bem como com preços su- sação de Improbidade Addemonstrado o inadimple- periores aos de licitações ministrativa.


22 Estado

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

FATURANDO ALTO

Estado 23

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br

SAFRA 2013/2014

Empresas ligadas à gestão passada Agricultores intensificam plantio da soja que tem contratos milionários com Bernal pode ter área recorde esse ano no Estado

João Antônio De Marco continua operando na administração de Bernal

sede das empreiteiras Juah Engenharia e Selco Engenharia – ambas no mesmo endereço e telefone. Sob o pretexto de conversar sobre o orçamento de uma obra, um funcionário do departamento de compras confirmou que De Marco é ligado à empresa, teria estado na empresa pela manhã logo cedo e saíra em seguida. Na tarde do mesmo dia, o ex-secretário teve breve conversa telefônica com a reportagem e negou qualquer envolvimento com as empresas. Foi ríspido. “Não tenho nada a falar, não tenho conhecimento e não negocio com órgãos públicos, eu saí do serviço público”. Interrogado sobre as empresas, admitiu apenas ter sido sócio da Juah Engenharia, uma quarta empreiteira

do grupo, que tem contratos com a Agesul. Procurado novamente na semana passada, o ex-secretário não quis atender. O grupo supostamente organizado por João Antonio De Marco integra ainda os empresários Caio Trindade, Wilson Domingos Simioli (Gradual Engenharia), João Valter de Vasconcelos e Acir Magalhães (JW Serviços e Engenharia). Fechando o ciclo em relação bem familiar, Magalhães seria cunhado de Lozavero. Mera coincidência... Nenhum deles

MAIS LIGAÇÕES Outras ligações não muito ocultas da atual administração relacionam negócios com a Proteco, empresa dirigida pelo empresário João Amorim, principal operador da gestão passada. Mas, este é um assunto para a próxima edição quando voltaremos à carga!

Em Maracaju, maior produtor de grãos do MS, informações de técnicos dão conta de que plantio avança e já supera a marca dos 20% da estimativa de 230 mil hectares a serem cultivados com a oleaginosa

Jota Menon Campo Grande – MS.

O plantio da safra brasileira de soja 2013/2014 ultrapassa a casa dos 8% da área estimada, de acordo com levantamento da consultoria AgRuralf divulgado na última segunda-feira (14), contra cerca de 3% verificados no mapeamento apresentado na semana passada. No mesmo período do ano passado, o plantio no país chegava a 9% da área, informou a mesma fonte. O “pequeno atraso”, em nível nacional, em relação ao mesmo período do ano passado, pode ser justificado pela demora na chegada de chuva em índices suficientes para dar confiança ao agricultor na hora de levar a semeadeira para o campo. No municípo de Ma-

As primeiras plantas da oleaginosa emergem no solo vermelho da fazenda dos Mazzochin

informa o engenheiro agrônomo Dirceu Luiz Bröch, da empresa de consultoria agrícola MS Integração, o

CORUMBÁ

Orçamento de 2014 prevê R$ 179,2 milhões para a Saúde e Educação Da Redação Corumbá – MS.

O Projeto de Lei que estima a receita e fixa a despesa de Corumbá para o exercício financeiro de 2014 foi encaminhado nessa semana para a Câmara de Vereadores. Em comparação com o orçamento de 2013, o crescimento nominal Em comparação com 2013, o crescimento é de 12,19% é de 12,19%. A estimativa da Prefeitura a Secretaria Municipal de oriundas das audiências e as prevê para o próximo ano Infraestrutura, Habitação diretrizes contidas na proum montante de R$ 456 e Serviços Públicos estão posta do Plano de Governo. No PPA estão fixados milhões, contra R$ 406,5 previstos investimentos de cinco macrodesafios, conR$ 87,6 milhões. milhões deste ano. Na elaboração do Proje- tendo finalidades semeA receita decorrerá da arrecadação de tributos to de Lei foram observadas as lhantes aos onze fixados e de outras receitas cor- regras estabelecidas na Por- pelo Governo Federal e aos rentes e de capital, nas taria Conjunta da Secretaria cinco do Estado de Mato formas da legislação vi- de Orçamento Federal (SOF) Grosso do Sul. São eles: gente. São R$ 270.827.100 e da Secretaria do Tesouro promover a geração de emprovenientes do Tesouro e Nacional (STN), que aprova prego e renda; propiciar a R$ 185.266.000 de outras e atualiza os Procedimentos inclusão social e o acesso fontes. Desse total R$ 98,6 Contábeis Orçamentários e aos serviços essenciais de milhões serão investidos na na Lei de Responsabilidade saúde, educação, saneaSaúde Pública, um aumento Fiscal (LR), bem como nas mento, infraestrutura, sede 15% se comparado com demais normas que disci- gurança, cultura, esporte os R$ 85,6 milhões atuais. plinam a matéria e ainda e lazer; Fomentar o desenvolN a E d u c a ç ã o s e r ã o os critérios utilizados pela vimento econômico potenaplicados outros R$ 80,6 União e Estado. cializando a vocação do milhões, sendo R$ 44,7 milhões do Fundo Municipal ecoturismo e a utilização PLURIANUAL de Manutenção e de DeO P l a n o P l u r i a n u a l de forma sustentável dos senvolvimento da Educação (PPA) 2014/2017 também recursos naturais, recupeBásica e de Valorização dos já foi encaminhado para rando, conservando e preProfissionais da Educação o Legislativo Municipal. servando o meio ambiente; (FUNDEB) e R$ 35,9 mi- O Projeto de Lei segue as Implantar uma gestão inolhões do Fundo Municipal determinações contidas vadora, eficaz e eficiente de Educação. A diferença na Lei Complementar nº que propicie a qualidade para 2013 é de R$ 11,2 mi- 101, de 04 de maio de 2000 na prestação dos serviços lhões (16,1%). (LRF), as normas e crité- públicos essenciais; e amEm ambos os setores os rios utilizados pela União pliar a capacidade técnica valores estão bem acima dos e pelo Estado, contidos em e financeira de execução de mínimos determinados pela seus respectivos Planos obras de infraestrutura e de Constituição Federal. Para Plurianuais, e as demandas melhorias urbanas.

Máquinas estão sendo preparadas na propriedade de Genésio Mazzochin para o cultivo da soja

plantio avança em ritmo mais rápido do que o veri-

racaju, maior produtor de grãos do Estado, segundo

ficado nas demais regiões do país e estima-se que pelo menos 25% dos 230 mil hectares a serem cultivados já receberam as cultivares que se encontram em processo de emergência. A explicação para esse fenômeno, que diferencia Maracaju das demais regiões do país, pode ser encontrada nos pátios de máquinas dos produtores rurais maracajuenses. A maioria dos agricultores daquele município, segundo o agrônomo, pratica a agricultura utilizando tecnologias de última geração, o que inclui máquinas e equipamentos em número suficiente para realizar o plantio de grandes áreas em curto espaço de tempo.

Outro fator que tem contribuído para o avanço no plantio são os registros

nicípio como maior produtor de soja do Estado e um dos maiores de todo o país. É o que acontece na propriedade do agricultor Genésio Mazzochin, localizada a cerca de cinco quilômetros do perímetro urbano maracajuense. Lá, as máquinas estão “a ponto de bala” e, segundo o pessoal encarregado de semear a terra, uma pequena área já recebeu a semente que começa a “despontar”, como se pode conferir nas fotografias colhidas pela reportagem em área já plantada próxima ao Rio Brilhante. Em contato com a imprensa, o pessoal da fazenda, que fazia os últimos ajustes em uma plantadeira, informou que, a partir de agora, todo pequeno ciclo de estiagem será aproveita-

ano, a prioridade agrícola é a soja. Segundo o pessoal encarregado da semeadura da terra, não será cultivada nenhuma área que não seja com a oleaginosa. A diversidade cultural na fazenda ficará por conta do consórcio entre a agricultura e a pecuária. Ou seja, algumas áreas que foram ocupadas com a soja, na safra de verão do ano passado e com o milho safrinha, no inverno, foram disponibilizadas, neste período para gado de corte. Em contrapartida, as áreas que tinham gado no ano passado serão utilizadas para o cultivo agrícola. O consórcio agricultura/pecuária, uma técnica desenvolvida por pesquisadores maracajuenses, a partir de experimentos trazidos da Europa por agricultores

Propriedade de Mazzochin destaca-se também pela tecnologia do consórcio entre agricultura e pecuária

de chuvas intermitentes. Assim, a cada ciclo de estiagem é possível ver a movimentação das máquinas nas propriedades rurais que devem somar uma área plantada que manterá o mu-

do para o plantio que deve estar concluído no máximo em duas semanas. SOJA E CONSÓRCIO Na propriedade de Seu Genésio Mazzochin, neste

holandeses, substitui com resultados altamente positivos o sistema de rotação de culturas que tem por objetivo evitar a degradação do solo e melhorar os níveis de produtividade.

Estimativa mostra que Brasil pode se tornar maior produtor mundial de soja Produção agrícola deve ficar entre 191,9 milhões e 195,5 milhões de toneladas. Números são da primeira estimativa de safra divulgada pela CONAB A Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) anunciou em Brasília a primeira estimativa para a safra de 2013/2014. O Brasil poderá se tornar o maior produtor mundial de soja. Esse é o primeiro levantamento da safra de grãos. Por isso, a companhia faz estimativas mínima e máxima. A produção agrícola do período deve ficar entre 191,9 milhões de toneladas e 195,5 milhões de toneladas. Sobre a safra anterior, isso representa um aumento entre 2,6% e 4,5%. O algodão, que segue registrando crescimento, deve ter aumento de 28% em relação ao ano passado. O feijão deve crescer até 14,7%, na soma das três safras do ano. O arroz deve ter um aumento de 2,4% na safra. Mas, o destaque mesmo da produção brasileira é a soja. Os produtores devem colher até 89,7 milhões de toneladas, com crescimento de 10%. De acordo com a CONAB, os produtores estão preferindo plantar soja nas áreas onde antes tinha milho e pastagem. Se a estimativa

to da safra brasileira de grãos 2013/2014, divulgado pelo IBGE no último dia 9, a produção deverá ficar em 187

Divulgação

“Antigamente, mudavam as moscas e a m... continuava a mesma, agora não mudam nem as moscas mais” ironizou confiável fonte do Centro-Oeste Popular que confidenciou as íntimas ligações do ex-secretário De Marco com as três empreiteiras. Ele informou também que certo Abimael Lozavero, emissário que tem trânsito confortável nos meandros políticos e empresariais sul-mato-grossenses é quem daria assessoria a cabeças coroadas da administração atual.. Lozavero é uma espécie de “sombra” – seu rosto não é conhecido, difícil de ser encontrado, mesmo via seu aparelho móvel pessoal, final 9115. Não faz muito tempo, a reportagem procurou por João Antonio De Marco na

ADITIVOS MILIONÁRIOS Depois de faturar cifras astronômicas na administração passada – apenas Selco e JW teriam abocanhado quase R$ 50 milhões desde 2010 -, mal se acenderam as luzes sob o governo do sucessor Alcides Bernal (PP) – exatos nove dias de gestão – o secretário de Infraestrutura, Semy Alves Ferraz firmou generosos aditivos contratuais de 25% com as empresas Selco Engenharia e Gradual Engenharia, para operações de tapa-buracos. Os dois termos aditivos somam acréscimo de R$ 2,5 milhões, conforme os extratos publicados no Diogrande (Diário Oficial). A primeira contemplada com o aumento foi a Gradual Engenharia Consultoria, com acréscimo de R$ 1,2 milhão – o valor contratual saltou de R$ 4,959 milhões para R$ 6,199 milhões. O segundo termo aditivo foi entre a prefeitura a e Selco Engenharia, também de 25%, com aumento de R$ 1,337 milhão – salto de R$ 5,348 milhões para R$ 6,685 milhões. Em fevereiro, foi a vez da JW Serviços e Engenharia, que abocanhou aditivo de R$

857,4 mil ao valor inicial do contrato n. 72, firmado em março do ano passado - R$ 3.429 milhões -, de forma que a conta bate em R$ 4.287 milhões. A 31ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social da Comarca de Campo Grande instaurou inquérito civil para investigar pelo menos uma das empresas e a prefeitura. O promotor Henrique Franco Cândia quer saber se houve ilegalidade em pagamentos à Gradual Engenharia – sem as devidas medições – em contratos executados ano passado. A reportagem do Centro-Oeste Popular também prossegue as investigações sobre o suposto esquema sob o comando de João Antonio De Marco e deve trazer à luz mais detalhes das engrenagens que seriam movidas a tráfico de influência e – muito! – dinheiro público.

Fotos Paulo Garcia

foi encontrado pela reportagem.

Foto: Rodrigo Nascimento

Já se tornou comum nas rodinhas populares se afirmar que, no Brasil, entra governo, sai governo e os privilegiados com os grandes contratos firmados entre administração pública e iniciativa privada beneficiam sempre os mesmos. É comum, também, se deixar claro nessas afirmativas que para toda regra existirá sempre uma exceção. Porém, em Campo Grande, parece que não há exceção à regra, eis que empresas e empresários que faturaram horrores durante a administração passada simplesmente continuam fechando contratos pra lá de milionários com a atual gestão. Em síntese, Alcides Bernal (PP) derrotou o candidato do PMDB, mas, na prática, as empresas que tinham bases sólidas na administração municipal durante os últimos anos, sedimentaram ainda mais suas pilastras na atual administração. Na verdade, tratam-se de pequenas empreiteiras que iniciaram grandes contratos com a prefeitura de Campo Grande à época em que era secretário de Infraestrutura o empresário João Antonio De Marco. A Selco Engenharia Ltda., Gradual Engenharia Ltda e JW Serviços e Engenharia Ltda continuam a faturar milhões na administração de Alcides Bernal. Todas, inclusive, tiveram contratos aditivados pelo titular da Secretaria de Infraestrutura e Transportes, Semy Alves Ferraz.

milhões de toneladas, com aumento de 1,5% do obtido na safra anterior. (Globo Rural/G1)

Estado deve ter uma área 2,1 milhões de hectares cultivados com a soja

Em poucos dias o verde tomará conta dos campos com a emergência e crescimento da soja

para a safra se confirmar, o Brasil irá se tornar o maior produtor de soja do mundo, superando os Estados Unidos. “O mercado internacional, os grandes consumidores ficam atentos a esse número. Então, isso é muito positivo sob o aspecto da política agrícola e sobre o aspecto econômico pro nosso

país”, diz Neri Geller, secretário de Política Agrícola. O milho primeira safra está entre as culturas que terão queda na produção. A produção estimada é de até 34,5 milhões de mil toneladas, com redução de 4% em relação à safra passada. O diretor de Política Agrícola da CONAB diz que a menor oferta não será um

problema. “Nós teremos um estoque de passagem superior a 12 milhões de toneladas, tanto de estoque públicos como privados. Então, por mais que nós tenhamos problema na segunda safra do ano que vem, na safrinha, nós não teremos problema possivelmente de abastecimento”, diz Sílvio Porto. Pelo último levantamen-

O plantio da soja efetivamente começou em Mato Grosso do Sul. É o que mostra a circular técnica do Sistema de Informações Geográficas do Agronegócio (Siga), da Associação dos Produtores de Soja do Estado - Aprosoja/MS. A expectativa da instituição é que a área cultivada na safra 2013/2014 totalize 2,1 milhões de hectares, batendo recorde histórico novamente, com alta de 7,3% em relação à safra passada, quando o plantio ocupou 1,958 milhão de hectares. De acordo com o assessor técnico do Sistema Famasul, Leonardo Carlotto, o destaque é a região Sul, cuja área avançou 5,4%, beneficiado pelas condições climáticas. “Se o clima continuar osci-

lando entre chuvas e tempo seco o plantio será favorecido, podendo fechar a quinzena com 30% da área estimada plantada”, ressalta Carlotto. Segundo a circular técnica, os municípios que mais progrediram no avanço do plantio, atingindo 10% da área destinada ao plantio da soja são Ponta Porã, Aral Moreira e São Gabriel do Oeste. O Siga é desenvolvido por técnicos da Aprosoja/ MS e Famasul com recursos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo - Seprotur, por meio do Fundo de Desenvolvimento das Culturas do Milho e da Soja – Fundems. (Com informações da Famasul).


24 Social

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 581 20/10 a 26/10 de 2013

www.copopular.com.br


CENTRO OESTE POPULAR ED 581