Issuu on Google+

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul R$ 3,10 - ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

Entrevista da Semana

Deputado estadual Emanuel Pinheiro – secretário geral do PR “Cabe à população repudiar as siglas de aluguel”. Pág. 3

editorial

Sucessão presidencial mais na página 2 Fotos: Ana Sampaio

Cuiabá

A cidade da Copa x usuários de crack Histórias contadas por usuários de crack são chocantes. Quem cai nas teias dessa droga derivada da cocaína tem em um curto espaço de tempo à saúde devastada, relações sociais destruídas e a vida destroçada. Foi o que constatou a equipe de reportagem do Centro-Oeste Popular. Em vários locais de consumo e venda de entorpecentes o cenário é quase sempre o mesmo. Totalmente escravizados pelo vício, os dependentes perambulam pelas ruas, ocupam calçadas, praças, terrenos baldios, casas abandonadas. Assim como nas grandes cidades brasileiras, em Cuiabá, sede da Copa 2014, é comum encontrar pequenos grupos de usuários aglomerados em espaços públicos consumindo drogas livremente, a qualquer hora do dia. Numa rua próxima a região da rodoviária, a reportagem conversou com moradores de rua e usuários de droga que consomem exaustivamente o crack, dormem em meio ao lixo ou caídos próximos ao local de consumo. A batalha para se livrar da pedra desafia dependentes e familiares de todas as classes sociais.

mais na página b1

Desassociar

Devedores MT

Eraí Maggi quer distância de Pedro Henry

Dívida ativa é estimada em mais de R$ 15 bilhões

O maior sojicultor do país fez exigências à cúpula nacional para que o ‘queimado’ deputado federal não apitasse mais regras no partido, bem como se mantivesse longe da sigla.

Condições administrativas e estrutura precária dificulta órgão estadual cobrar das empresas que acumulam dívida com Mato Grosso.

mais na página 6 Com desenho Fernando Ordakowski

mais na página 5

Tendência

Investimentos na pecuária de corte Longe de ser um alimento escolhido apenas por ser fonte de nutrientes, a carne bovina sempre representou prazer — ou desprazer — na mesa dos brasileiros. A satisfação principal é obtida com a maciez e referendada pelo sabor e suculência do corte. O que para os consumidores passou a ser uma exigência recorrente, para os pecuaristas é a confirmação de que a vida longa na atividade será permeada por investimentos em genética, nutrição, manejo e sanidade.

mais na página 4

Ver eador es de Cuiabá querem de volta verba indenizatória de R$ 25 mil, além do salário que já recebem de 15 mil. Na sua opinião, é justo?

mais na página b2


2 Opinião Editorial

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

Artigos

Sucessão presidencial

O

registro da Rede Sustentabilidade foi rejeitado pelo TSE por problemas na validação das assinaturas de apoiadores. Com 20 milhões de votos na bagagem, a ex-ministra do governo Lula teve 48 horas para repensar o futuro. Chegou a marcar uma entrevista coletiva apenas para dizer que não havia decidido nada. Por fim, fez o que analista nenhum havia sido capaz de prever. Mais do que causar surpresa, a jogada política protagonizada por Marina Silva no sábado, 5, embaralhou a disputa eleitoral de 2014.

É cedo para prever os desdobramentos do lance que levou a ex-senadora a se filiar ao PSB e a declarar apoio à candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, à Presidência. Líder do PPS — partido preterido por Marina —, Roberto Freire classificou a decisão como “suicídio político”. Candidato à Presidência pelo PSDB, o senador Aécio Neves não fez críticas. Limitou-se a saudar a adversária, embora saiba que terá mais dificuldades pela frente. No meio acadêmico, a mudança de rota também surpreendeu. Os

especialistas são unânimes ao afirmar que Marina conseguiu mexer com uma disputa que vinha, mais uma vez, polarizada entre PT e PSDB. Apesar disso, poucos se arriscam a projetar os efeitos dessa jogada. A questão é saber como seus apoiadores e eleitores reagirão. Afinal, Marina vinha defendendo a criação da Rede para renovar a política. Agora está no PSB, uma sigla histórica, em plena ascensão. Não por menos, a ex-senadora apressou-se em definir a aproximação como “programática” e não “pragmática”.

A perda de prestígio

Divulgação

Sempre descon- documentários mostram a podridão por trás fiei que os médicos da indústria de medicamentos, que é intimano Brasil se conside- mente ligada ao ofício da medicina ocidental. rassem uma estirpe Essa crise de credibilidade tem levado cada vez à parte da socieda- mais pacientes para tratamentos alternativos. de. Talvez o fato de Fitoterápicos e clínicas alternativas surgem a maioria vir de uma aos borbotões nas cidades. A busca por inforlinhagem doutores mação sobre a própria saúde tem despertado (pai, avôs e bisavôs nas pessoas dúvidas e vontades que médicos THIAGO FORESTI médicos) eles se sin- tradicionais são incapazes de responder. é jornalista, fotógrafo e vitam tão incomodados Além do mais, nossa medicina segue deomaker. É sócio da Forest Comunicação e um dos funda- com a crescente redupadrões norte-americanos com muita espedores do projeto 10porhora. cialização (tem médico que parece só cuidar Escreve sobre sustentabili- ção de prestigio e podade e meio ambiente. Para der imposta pela nosdo menisco do joelho esquerdo), investimento conhecer mais acesse www. sa sociedade. Afinal, o em diagnósticos de alta precisão (mesmo que forestcom.com.br que pensaria aquele alguns apresentem índices altos de radiação) e seu avô, o Doutor Os- doses cavalares de alopáticos. Ao contrário da mar, se um paciente entrasse no consultório medicina oriental, que preza pela prevenção e dele e arriscasse, ele mesmo, um diagnóstico? tem um olhar holístico para o corpo humano, Quem esse cara pensa que é! nossos médicos são acionados apenas quando Ser doutor no Brasil sempre foi sinônimo a situação já chegou ao limite. Cada vez mais de prestígio e alto poder aquisitivo. Quem quem está doente procura por um especialista nunca foi chamado pelo frentista do posto ou que tenha conhecimentos de medicina, mas porteiro do prédio de doutor? Foram séculos que também seja um profissional de fé, que de status social construídos com faculdades entenda as limitações da ciência e as possibicaras, livros grandes, linguagem inacessível lidades e mistérios de uma “cura quântica”. Isso tudo faz chegar e alto padrão de consumo. Isso tudo coloà conclusão que a clascou a classe médica se médica é mais uma O mundo um patamar acima profissão que precisa se dos pobres mortais. reinventar nos dias de em rede tem Reduzir privilégios hoje, assim como o jornacolocado em lista, o professor e tantas nunca foi algo fácil, cheque a credibilidade outras. Talvez a vinda de mas nos dias de hoje dos médicos médicos estrangeiros seja a classe médica tem uma boa oportunidade que lidar com isso para mudar o paradigma que alguns doutores diariamente. O acesso a diagnósticos de Wikipédia di- têm sobre a profissão; por vezes mais pautada minuiu o fosso de informação entre paciente em validação de diplomas e carteirinhas de e doutor. Hoje em dia toda consulta começa e conselhos do que em uma ética humanizada termina no Google. “Dores nas costas, febre, voltada para o paciente. catarro”, além de chegar com os sintomas Toda essa confusão e polêmica criada o paciente chega com algum possível diag- pelos sindicatos e associações de médicos nóstico: “pode ser pneumonia, né doutor”, têm deixado parte dos brasileiros bastante pergunta, geralmente extraindo uma carranca envergonhados, principalmente aqueles que do médico. Isso sem falar que grande parte acreditam que nos rincões do Brasil, onde dos pacientes digita a receita no Google a fim nossos doutores não chegam, um médico bemde verificar a procedência dos medicamentos -intencionado e atencioso, mesmo que sem instrumentos, pode fazer toda a diferença na prescritos. O mundo em rede tem colocado em vida de uma comunidade apenas dedicando cheque a credibilidade dos médicos. Filmes e um pouco de atenção.

expediente

é propriedade da

Diretor Antônio Carlos Oliveira Diretoria Comercial Max Feitosa Milas Editoria e Reportagem-MT Beatriz Girardi - DRT - 1187-MT

Sedes Avenida Miguel Sultil, nº 4.353 - Areão Cuiabá - Mato Grosso - CEP: 78.010-500 Fone (65) 3623-4300/e-mail: adm@copopular.com.br

Editor e Reportagem - MS Jota Menon Reportagens Beatriz Girardi, Regina Botelho, Juliana Radel Estagiários Ana Sampaio redacao@copopular.com.br Editor de Arte / Diagramação Mário Pulcherio Filho Diagramação / Projetos Leonardo Arruda - 65 9233-9018 Charge Fernando Ordakowski Circulação Brasília, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul

Endereço Brasília CLSW - 301 - Bloco A - Edifício Spaço Vip Sala 136 - Setor Sudoeste Fones: (61) 3028-1388/3028-1488

Escrtório Campo Grande Rua Joaquim Murtinho, nº 184 - Centro Campo Grande - Mato Grosso do Sul CEP: 79.002-100 Fone (67) 3029-4214 e-mail: admms@copopular.com.br Assinaturas: (65) 3046-0400 (67) 3029-4214 Acesse: www.copopular.com.br

Os artigos de opinião assinados por colaboradores e/ou articulistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Não representam assim a opinião do jornal.

Entrevista

Divulgação

Eduardo Viveiros de Castro, antro- dade encarregado e pólogo e professor do Museu Nacional da implementado por Universidade Federal do Rio de Janeiro, essa mesma ditaconcedeu à jornalista Stela Maris uma dura: destruição da polêmica entrevista em que demonstra Amazônia, mecatoda a sua desilusão com a noção ultra- nização, transgenipassada de progresso adotada pelo Brasil. zação e agrotoxifiDiz ele que a sociedade brasileira cação da “lavoura”, está profundamente dividida quanto a migração induzida GABRIEL NOVIS NEVES sua visão do país e do futuro. para as cidades. é médico e foi reitor da Teme que a maioria da sociedade U niversidade F ederal de Mato Grosso. brasileira goste e fique muito satisfeita Na década de sob um regime autoritário. 60 a juventude tiFala que o Brasil permanece uma nha ideias confusociedade visceralmente escravocrata, sas, mas ideais claros: acreditava e sabia racista e covarde. o que queria para o mundo. No geral, os Para mudar esse quadro só existe horizontes utópicos se retraíram enoruma via, que é a educação - hoje uma ter- memente. ra devastada, um No Brasil atual deserto. apenas dois moviUniversidades mentos chamam atensem a mínima esA aceleração da A grande no- ção. trutura física, um cultura agro-sulista vidade na socie- pelo interior do país ensino médio e fundade brasileira e a consolidação de damental inadequados, professofoi o surgimento das re- uma cultura popular res recebendo uma ligada ao movimento des sociais miséria, as greves evangélico. de docentes sendo A grande novireprimidas, como dade na sociedade se eles fossem bandidos. brasileira foi o surgimento das redes A “sociedade brasileira” está pos- sociais, produzindo o enfraquecimento suída por um orgulho besta, como se o das mídias por cinco ou seis grupos. mundo se curvasse ao Brasil. Se alguma grande mudança no cenáO Estado se aliou ao mercado contra rio político vier a acontecer, creio que vai a natureza e a cultura. passar por essa mobilização das redes. Enquanto acharmos que melhorar a Com relação a um novo modelo vida das pessoas é dar-lhes mais dinheiro político no Brasil, o entrevistado acha para comprar uma televisão em vez de indesculpável a falta de inventividade melhorar o saneamento, o abastecimento da sociedade brasileira, pelo menos das de água, a saúde, a educação fundamen- elites políticas e intelectuais, que pertal, nada vai mudar. deram várias ocasiões de se inspirarem Um governo que não se cansa de nas soluções socioculturais que os povos arrotar grandeza sobre a quantidade de brasileiros historicamente ofereceram e, veículos produzidos por ano como indi- assim, articular as condições de uma civicador de prosperidade econômica, é um lização brasileira minimamente diferente governo podre, com visão tacanha, um dos comerciais de TV. projeto burro para um país capitalista Está na hora de iniciarmos uma relaperiférico. ção nova com o consumo, menos ansiosa Temos um governo comandado por e mais realista diante da situação de crise uma pessoa perseguida e torturada pela atual. ditadura realizando um projeto de socieA felicidade tem muitos caminhos.

Temporada de Pirotecnias Divulgação

Com a proximidade do ano eleitoral sa, mas, sobretude 2014, onde estão em jogo os mais di- do, criam planos versos interesses econômicos, políticos, e i n v e s t i g a ç õ e s público, privado e “otras cositas más”, mirabolantes, fanhistoricamente e dessa vez ainda mais tasiosas, direcioacentuados, iniciam os “SHOWS PIRO- nadas, com frases TÉCNICOS”. Isso amplia sobremaneira e ações de efeito os picadeiros, por onde desfilam as vai- que buscam minar dades, egos e oportuniza aos “enrustidos com operações de recalcados” e àqueles que fazem uso de nomes exuberantes Eder Moraes suas influências, nas mais variadas insti- e impactar negaé secretário Chefe de Artuições, setores e atuações, com o único e tivamente nas vi- ticulação Institucional de exclusivo fim de denegrir, macular, cau- das dessas pessoas, Mato Grosso em Brasília sar prejuízos morais e, inexoravelmente, atentando contra a pré-julgar, submetendo ao imaginário honra e por fim em popular, bem como aos formadores de nome daquilo que esses pirotecnistas não opiniões, um julgamento antecipado, praticam, que é a honradez, sensatez, discondenando intencionalmente e de cernimento e atuar com imparcialidade. forma dolosa cidadãos com projeção Vendem o que não podem entregar, mas política, em especial, com a finalidade de daí o prejuízo a outrem já foi consumado. tentar aniquilá-los politicamente. O desvirtuamento das condutas Nesse intento, desprezam legali- desses que promovem essas operações dades, cometem insanamente pecados pirotécnicas fica evidenciado quando absolutamente irreversíveis do ponto de deixam de priorizar o fato ou o indício, vista legal, o que se mesmo que deturpaverifica a “postedo, para priorizarem riori” nas conclunomes, de preferência “Enrustidos re- autoridades públicas, sões judiciais ou nas análises mais calcados” usam alvo fácil de quem vive apuradas dos fatos pelos em influência para procurando quase sempre eivaovos, haja vista que, denegrir e causar prejuízos atuar no Executivo em dos de vícios, dolo morais e má-fé. A intenáreas finalísticas pasção é clara e chega sou a ser como camia ser aviltante, no nhar entre agulhas e que diz respeito aos regramentos posi- espinhos, com regras esdrúxulas, muitas tivados em lei, contrariados costumei- vezes criadas no afã de satisfazer desejos ramente na sua essência. Entretanto, alienados. E quando se coloca em prática, a tática sórdida e que num primeiro verifica-se a inaplicabilidade sob pena momento parece “legal” aos olhos da so- de paralisar o Executivo. ciedade, se revela ao longo do tempo, na Portanto, cabe a nós cidadãos obsermaioria dos casos, uma verdadeira praça var bem de perto e criteriosamente quem pirotécnica ou picadeiro de devaneios e são esses calhordas que costumeiramenambições. Fica exposta a nutrida vonta- te batem e escondem a mão, que usam de de de condenar os cidadãos na opinião artifícios nada republicanos para ver suas popular, execrá-los na convivência social estratégias dolosas serem colocadas em e taxá-los como verdadeiros bandidos. prática e depois aparecem como salvadoPara isso, usam e abusam das Ins- res da pátria, paladinos da moralidade, tituições que muitas das vezes, em suas acima do bem e do mal. composições, absorvem crápulas da “res Os exemplos estão aí, bem nas nossas pública”, dos disponíveis da impren- caras. Quer ver? Então escuta!!!


Entrevista da Semana 3

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br Deputado estadual Emanuel Pinheiro – secretário geral do PR

“Cabe à população repudiar as siglas de aluguel” E Pinheiro vem de uma tradição Filho do ex-deputado Emanuel Pinheiro, assassinado em Chapada dos Guimaraes em 1974 quando era candidato ao senado da República. É advogado e professor universitário de direito constitucional. Foi vereador de Cuiabá por dois mandatos. Em 1988 foi o vereador mais jovem na história de Cuiabá, com 22 anos. Foi fundador e secretário geral do Partido da República de Mato Grosso, além de secretário de Trânsito e Transporte Urbano da capital na primeira gestão do ex-prefeito Wilson Santos. Atualmente, Emanuel Pinheiro cumpre seu terceiro mandato de deputado estadual e é secretário geral do Partido da República (PR). manuel

familiar política.

Centro-Oeste Popular - Qual o efeito Eraí Maggi nas alianças para 2014? Emanuel Pinheiro Muitas coisas na política se resolvem com o tempo, pois o tempo é o senhor da razão. Até agora Eraí Maggi não tem demonstrado na prática aquilo que está posto, que está divulgado na mídia. Vamos ter que dar tempo ao tempo para entender se esta filiação, às vésperas do encerramento do prazo eleitoral para quem pretende se candidatar no ano que vem, é fruto realmente de um projeto político ou é fruto de uma estratégia política de grupo pessoal. Só o tempo irá dizer de acordo com a condução do processo que será liderado, no caso, pelo Eraí Maggi. CO Popular - E quanto ao envolvimento do senador Blairo Maggi no processo? Emanuel Pinheiro Talvez o seu envolvimento seja em virtude de ser primo do Eraí Maggi, mas o Blairo Maggi é a maior liderança do PR. É a maior liderança política de Mato Grosso. É um homem respeitado internamente, nacionalmente e até internacionalmente. Ele (Blairo) é o grande divisor de águas, o maior cabo eleitoral das eleições no ano que vem caso realmente ele saia candidato. Então devido ao parentesco com o Eraí talvez queiram colocar na cota do ex-governador Blairo uma articulação visando a filiação do Eraí Maggi. Mas eu posso lhe assegurar que o candidato ao senado e ao governo do Estado está em fase de construção de candidatura que é o Maurício Tonhá, ex-prefeito de Água Boa, juntamente com a candidatura de Wellington Fagundes com a candidatura ao senado da república. CO Popular - O pecuarista Maurício Tonhá é pré-candidato do PR ao governo do Estado. Quais os critérios usados pelo partido para justificar a escolha? Emanuel Pinheiro – A executiva do PR deliberou um projeto de candidatura própria para 2014, tanto para o governo quanto para o senado. E este projeto de candidatura própria tinha um candidato natural, o senador Blairo Maggi. Com a desistência do Blairo de se candidatar a qualquer cargo eletivo no ano que vem, o partido precisava buscar uma alternativa para trabalhar este projeto. Nós temos grandes alternativas, entre elas o deputado federal Wellington Fagundes. Dentre outros nomes, temos também o Maurício Tonhá que o seu currículo e a sua credibilidade política, empresarial e pessoal e seu histórico de vida pública e privada o credenciou a esse cargo. Tonhá foi vereador de Água Boa, presidente da Câmara Municipal, prefeito por dois mandatos. Realizou uma administração tida como referência, como modelo em todas as pesquisas, tanto estadual quanto nacional. É um pecuarista de renome estadual e até nacional, representante do agronegócio. É um homem que veio de baixo, graças ao seu trabalho, dedicação e luta conseguiu chegar numa posição de

destaque na comunidade local e estadual. O seu nome hoje ultrapassa as fronteiras do Araguaia, onde é o maior líder e referência política e começa a conquistar Mato Grosso. O trabalho do PR hoje é de fortalecer as bases do nosso partido para levar “Maurição” a todas as regiões do Estado, a partir da baixada cuiabana. CO Popular - O PR gostaria de compor com quais partidos? Emanuel Pinheiro - O PR não fecha as portas para ninguém. O PR é um partido que pretende discutir com a população mato-grossense um novo projeto para o Estado, um projeto que de sequência a tudo aquilo que foi iniciado pelo ex-governador Blairo Maggi que foi dado continuidade no governo Silval Barbosa e pretendemos avançar muito mais ainda, discutindo com a população, principalmente a humanização e a eficiência do serviço público. Áreas como saúde, educação, segurança pública e área social são agendas que estão na ordem do dia e que exigem do candidato ao governo, sensibilidade e propósito de discutir olho por olho com a população mato-grossense as suas ideias e o que pretende fazer para mudar o contexto atual. A partir desse

CO Popular - O senhor visualiza um cenário favorável? Emanuel Pinheiro – Vislumbro. O PR é o maior partido do Estado, conquistado nas urnas. Temos sete deputados estaduais. Somos a maior bancada na Assembleia Legislativa. Temos o deputado federal mais votado do Estado, que é o presidente da nossa legenda, o deputado Wellington Fagundes. Temos a maior liderança política de MT, que é o senador Blairo Maggi. Temos 16 prefeitos, 17 vice-prefeitos e cerca de 200 vereadores, além de ser o partido com o maior número de filiados em Mato Grosso. É um partido, sem sombra de dúvida, com condições e credibilidade para debater novos rumos para Estado. CO Popular - Em sua opinião, a criação de partidos expõe época de mais interesses e menos ideologia no Brasil e projetos para o país? Emanuel Pinheiro - O constituinte originário que elaborou a constituição de 1988, quando primou o pluripartidarismo como fundamento da constituição da República do Brasil, logo no artigo primeiro inciso cinco, visa exatamente consagrar o

A grande massa vota no candidato, independente do partido processo com um anteprojeto discutido com a população iremos conversar com os demais partidos, com os partidos aliados para poder fazer um grande arco de alianças que venha ter o apoio da população CO Popular - Na sua opinião, a disputa pelo Paiaguás será acirrada? Emanuel Pinheiro Não existe eleição fácil. Toda disputa é acirrada. Na política tem duas máximas que podemos citar: não existe eleição fácil e não existe eleição ganha antes do dia da eleição. Todo processo que estamos vendo aí é um processo natural de movimentação de candidatura. É um processo natural de construção de projetos políticos partidários visando à candidatura, no caso, a majoritária ao governo do Estado. Nós estamos consolidados hoje a nossa candidatura dentro de um projeto para MT que seja discutido com a população. CO Popular - Quanto mais candidatos ao governo, melhor? Emanuel Pinheiro Sem dúvida. Nós temos 31 partidos no país. Desses 31, Mato Grosso tem habilitado uns 20 partidos. Se pudéssemos ter 20 candidatos seria ideal, porque quanto maior o número de candidatos maior é o debate, mais propostas e ideias é apresentada à população. Isso faz com que a população tenha um maior leque de opções para poder indicar ao cargo tão importante que é o cargo de governador.

Estado democrático, ou seja, você tem direito de expressar as suas ideias e a suas opiniões em qualquer lugar e em qualquer momento. Se para isso for preciso criar um partido para defender as suas convicções ideológicas, as suas ideias, suas opiniões sobre o ideal desejado pela sociedade, você cumpre o que é previsto em lei e pode criar o seu partido para defender as suas ideias. Então o principio, a tese ela é muito bonita e consagra o Estado de democracia pura, ou seja, o pluripartidarismo como fundamento da República Federativa do Brasil. Mas esta abertura democrática acaba tendo um abuso por parte de correntes, não digo de política, mas por parte de correntes que acabam distorcendo a verdadeira intenção quando decidiu para o país o sistema de pluripartidarismo. E esse abuso se configura como sigla de aluguel. Partidos que não são partidos, são apenas siglas que surgem apenas no período eleitoral para negociar candidaturas, para negociar coligações que aparece constantemente em denúncias durante o período eleitoral. Hoje o Brasil precisa na discussão da reforma política adequar, não digo mudar, porque o pluripartidarismo é base da democracia. Porém, eu acho que pode adequar essa situação no sentido de não incentivarmos o surgimento de novas siglas ou de novas legendas de aluguel. CO Popular - A proliferação de siglas reforça o que os eleitores já desconfiavam: a política

virou um balcão de negócios. Concorda? Emanuel Pinheiro - Não a política, segmentos sociais que querem entrar na política para fazer negócio. É isso que tem que ficar bem claro, porque são pessoas que assumem partidos e querem entrar na política para fazer negócio. Os partidos estabelecidos, consagrados e que já foram avaliados nas urnas, como o PR, está aí, a população conhece sua liderança, conhece sua base, conhece sua história. Cabe à população nos ajudar a repudiar as siglas de aluguel nas urnas. CO Popular - O que está em jogo é tempo de rádio e TV, dinheiro do Fundo Partidário e cargos e benesses do poder público. Tudo isso, na avaliação de especialistas, contribui para a descrença generalizada nos partidos. O senhor concorda? Emanuel Pinheiro - Talvez este processo do surgimento de algumas legendas de aluguel pode contribuir com esse processo. Mas o fato é que população brasileira é focada nas candidaturas. Isto já é um processo tradicional da cultura da política pública brasileira. Ela é focada no nome, ela olha o partido em segundo lugar. A grande massa vota no candidato, no que ele representa, no que ele defende, independente do partido que ele esteja filiado. Isso acaba reforçando o processo democrático, pois o eleitor pode votar num candidato a governador de uma coligação e pode votar num deputado estadual, por exemplo, de outro partido. CO Popular - O senhor é favorável ao fim das coligações nas eleições proporcionais? Emanuel Pinheiro Eu acho que seria o primeiro passo para a regulamentação e moralização do pluripartidarismo. Como disse no começo da entrevista, foi idealizado dentro de um processo democrático tão avançado que acabou distorcido por correntes que acabam abusando e excedendo dentro dessa concepção. Eu acho que o fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais é um passo significativo para podermos acabar com as legendas de aluguel, porque cada partido vai ter que construir um projeto, formar quadros, ter filiados e apresentar candidatura própria para poder conquistar uma cadeira. CO Popular - Qual a plataforma de governo do PR? Emanuel Pinheiro - A nossa prioridade é o empreendedorismo, saúde, educação e a segurança pública. São os quatros pilares que sustentam o conteúdo programático do Partido da República, na construção de uma sociedade que possa primar pela cidadania e pela dignidade da pessoa humana. É nesse contexto que começamos articular com o nosso candidato ao governo Maurício Tonhá e com nosso candidato ao senado Wellington Fagundes.

Calcanhar de Aquiles

Dizem as más línguas que o empresário Valdinei Mauro de Souza – vulgo “Nei” -, sócio do prefeito Mauro Mendes na Maney Mineração, pode em breve vir a ser o “calcanhar de Aquiles” do alcaide cuiabano.

Calcanhar de Aquiles 2

A companhia de Nei pode não fazer muito bem à saúde, conforme comprovou o empresário Wanderlei Torres, dono da Trimec, que “abriu fuga” do sócio, depois de muito tiro... Abre o olho, Mauro Mendes!

Pinto Feliz

É digno de figurar em edição póstuma do Febeapá – Festival de Besteiras que Assola o País, obra do saudoso jornalista Sérgio Porto, o “Stanislau Ponte Preta” -, projeto apresentado à apreciação da Câmara de Vereadores de Cuiabá, já denominado popularmente “Pinto Feliz”, que prevê a distribuição de estimulantes da função erétil aos velhinhos na capital mato-grossense. Mais uma pra enfiar no pobre cuiabano.

Grilagem

Falar em Câmara Municipal de Cuiabá, o presidente daquela Casa, vereador João Emanoel, estaria metido em mais um rolo, desta vez a falsificação de documentos e títulos imobiliários, tudo em conluio com um cartório de registro de imóveis na capital mato-grossense, que estaria prestes a ser fechado em razão de inúmeras irregularidades.

Camburão

Corre em sigilo no Ministério Público Federal, segundo fontes confiáveis, um procedimento investigativo – que já teria mais de mil páginas – o qual são alvos, além de um poderoso político, também o irmão dele e um mega-empresário da construção pesada. Pelo que se sabe, não falta muito pra encostar o camburão.

Sefaz

Tem uma sala na Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), onde só entram pouco mais de dez fiscais – com acesso por identificação biométrica – que seriam a “tropa de elite” do órgão. Só que essa turma tem esbarrado na proteção política quando a missão é enquadrar alguns grandes empresários. Descontentes, falam em revelar os podres dos “protegidos”. A conferir.

Sefaz 2

E por falar em Sefaz, “cabuloso causo” das cartas de crédito promete fortes emoções. Éder Moraes posa de santo e acusa delegados por violação de segredo judicial. É tanto segredo...

Ex-bilionário

Eike Batista, que chegou a ser o oitavo homem mais rico do mundo em março de 2012, com uma fortuna estimada em US$ 34 bilhões, tem seu patrimônio avaliado agora em US$ 73 milhões pela Bloomberg, publicação especializada em finanças.

Barulho de eletrodomésticos

De olho na fabricação de produtos mais silenciosos, o Inmetro publicou portaria, que inclui a classificação de potência sonora no selo ruído para três dos eletrodomésticos que emitem mais ruídos: liquidificadores, aspiradores de pó e secadores de cabelo. Com a medida, além de avaliar a segurança elétrica, o Instituto vai classificar os decibéis de ’1′ (mais silencioso) a ’5′ (menos silencioso). A partir de 20 de fevereiro de 2014, os três eletrodomésticos deverão ser fabricados e importados somente de acordo com as novas regras. Nos próximos dois anos, será estudada a implantação da classificação sonora para outros eletrodomésticos, como por exemplo as máquinas de lavar e os aparelhos de ar condicionado.

À espera da decisão

Levantamento do Ibope feito a pedido do Estadão Dados mostra que a presidente Dilma Rousseff é, atualmente, a candidata ao Planalto no ano que vem com maiores chances de conquistar potenciais eleitores de Marina Silva, na hipótese de a ex-senadora não concorrer à Presidência da República. Os eleitores potenciais de Marina são 43% dos brasileiros, Desse contingente, 59% disseram na pesquisa que também poderiam votar em Dilma ou que “com certeza” votariam nela. No caso do tucano Aécio Neves, o índice foi de 52%. Eduardo Campos (PSB) apareceu com 40%. A soma dos índices supera 100% porque eleitores citaram mais de um nome como segunda ou terceira opção.


4 Geral

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

Tendência

Investimentos na pecuária de corte Para atender expectativa de consumidores, pecuaristas combinam genética, nutrição, sanidade e manejo Reprodução

Reprodução

A importância da seleção animal na qualidade da carne Juliana Radel Da Redação

Longe de ser um alimento escolhido apenas por ser

Divulgação

sidente do Grupo Estância Bahia e uma das 100 mais importantes personalidades do Agronegócio Brasileiro, o setor da pecuária é um Reprodução ótimo negócio. “Não tenho dúvida disso. Todo comércio tem seus altos e baixos e se não for feito com profissionalismo se

Para Maurício Tonhá, diretor presidente do Grupo Estância Bahia e uma das 100 mais importantes personalidades do Agronegócio Brasileiro, o setor da pecuária é um ótimo negócio

Eduardo Pedroso, diretor de relacionamento com o pecuarista do JBS Friboi: No Ponto é um programa de valorização por qualidade criada pela JBS para remuneração diferenciada ao pecuarista que produz carne de qualidade

fonte de nutrientes, a carne bovina sempre representou prazer — ou desprazer — na mesa dos brasileiros. A satisfação principal é obtida com a maciez e referendada pelo sabor e suculência do corte. O que para os consumidores passou a ser uma exigência recorrente, para os pecuaristas é a confirmação de que a vida longa na atividade será permeada por investimentos em genética, nutrição, manejo e sanidade. A atividade pecuária ganhou credibilidade entre os anos de 1988 e 1990, quando Mato Grosso vivenciou a valorização dos leilões. Para Maurício Tonhá, diretor pre-

torna um mau negócio”, avalia. O produtor rural, conhecido como o “Rei do Gado”, descreve que um dos principais motivos para pequenos produtores desistirem do ramo é a falta de capacidade para modernização da atividade. “São aqueles que não conseguem produzir em larga escala, além do custo da mão de obra”, observa Tonhá.

Raças mais caras

A elevação de preços de reprodutores e o avanço da inseminação artificial no país reforçam a tendência de que a genética irá absorver cada vez mais os investimentos na pecuária. O investimento em genética é justificado pela relevância

meira a se consolidar no setor de frigoríficos no Brasil. Possui 140 unidades de produção no mundo e mais de 120 mil colaboradores. Pedroso explica que o protocolo de

das características naturais do animal na produção de uma carne de qualidade. Com o consumo de 32 quilos per capita por ano de carne de gado, o Brasil deve ver crescer a exigência de qualidade. Com segmentação do mercado, a tendência é de alta no custo de produção e no risco da atividade.

qualidade da carne do Friboi é um programa chamado No Ponto. “É um programa de valorização por qualidade criada pela JBS para remuneração diferenciada ao pecuarista que produz carne de qualidade. O programa No Ponto inova ao estabelecer o compromisso contratual da

JBS com o pecuarista. Traz transparência e segurança para quem produz e garantia de fornecimento aos clientes especiais JBS durante o ano todo”. No Mato Grosso este programa está disponível nas unidades de Araputanga, Barra do Garças e Colíder”.

Exportações De acordo com divulgação da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), Mato Grosso obteve uma queda no volume de exportações. O Estado representa atualmente 16% do volume de proteína animal bovino exportado pela federação brasileira e acumulou até agosto de 2013 uma arrecaDivulgação

dação com as exportações de carne bovina de US$ 626,49 milhões, alta de 25% ante a arrecadação de US$ 500,11 milhões do mesmo período de 2012. Se considerado que ainda restam dois meses para o fim do ano e que já exportamos 72% do total de 2012, criam-se boas expectativas para o Estado.

Animais de excelência Alimentar esse mercado voraz por carne de qualidade requer um trabalho que começa na escolha das raças de acordo com o ambiente, passa pelas pastagens e cuidados no trato do animal e termina no momento considerado ideal para abate. Em Mato Grosso, segundo o Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária - Imea, as estimativas confirmam uma tendência promissora no setor pecuarista. De acordo com o órgão, o mês de setembro teve alta nos preços. Por outro lado, Para o jovem as indústrias registraram um produtor Tirso menor envio de cabeças boviBernardes, o nas ao gancho. Sendo assim, maior desafio o Imea relatou que, apesar da do pecuarista redução de oferta em geral em Mato de gado, a demanda vai bem, Grosso é obter com tendência de aumento um apoio maior ao bovinocultor e nas gôndodo governo las dos supermercados.

Qualidade à mesa

“A castração é o primeiro passo, depois vêm à alimentação e o manejo”, explica Eduardo Pedroso, diretor de relacionamento com o pecuarista do JBS Friboi. O grupo JBS é a maior empresa em processamento de proteína animal do mundo, atuando nas áreas de alimentos, couro, biodiesel, colágeno e latas. Foi a pri-

Novidade

Aplicativo no celular possibilita chamar táxi Viraram febre por serem eficientes e seguros para o usuário e o motorista, além de gratuitos para smartphones Juliana Radel Da redação

A onda de aplicativos de celular para chamar táxis deve chegar agora em Cuiabá. O passageiro indica que precisa de um táxi e o sistema envia um alerta para os taxistas que precisam ter o aplicativo instalado no celular, além de estarem cadastrados. Os aplicativos prometem agilidade, ótimo atendimento, segurança e comodidade, pois não será mais necessário ligar nas rádios táxis e ficar horas esperando pelo taxista na dúvida se irá chegar ou não. A ideia do aplicativo surgiu em meados do ano de 2011, com passageiros frustrados por taxistas que demoravam a chegar ao local, desviavam a rota e, por muitas vezes, furtavam os passageiros. Com isso os fundadores tiveram a brilhante ideia

de revolucionar este serviço tão requisitado, o táxi. Por meio de um aplicativo de celular, o usuário pode chamar um carro que está próximo e escolher o motorista com base em qualificações e resenhas. A fonte de lucro da maioria das companhias é uma taxa de R$ 2 cobradas dos profissionais por cada corrida, já os usuários não pagam nada pelo serviço. Outro fator positivo do novo sistema é que o cliente pode acompanhar pelo aplicativo onde o taxista está e se vai demorar a chegar para buscá-lo, tudo através do GPS. A pessoa pode baixar o aplicativo do próprio aparelho, no Goggle Play ou Download On The Store, além disso, os sites do novo sistema possuem “áreas de downloads”. Um dos aplicativos mais conhecidos é o Easy Taxi. Fundada em junho de 2011, a Easy Taxi é

pioneira no serviço de chamada de táxi na América Latina, que tem como objetivo “diminuir em até 4 vezes o custo do táxi para o passageiro, otimizando assim o tráfego nas cidades e diminuindo a emissão de CO2 pelos táxis”. A atendente Sthéfane, da empresa Easy, explica que para baixar o aplicativo o taxista precisa ter um celular Android 2.1, já a clientela precisar ter um aparelho Android, IOS ou Windows Fone. “É necessário apenas que o taxista esteja cadastrado no nosso sistema”, explica a atendente. Sthéfane conta ainda que o dispositivo já está em processo de cadastramento em Cuiabá, mas que “não possui o número exato de quantos taxistas já aderiram ao sistema, uma vez que, vai demorar um pouquinho para começar a funcionar em Cuiabá”. Há várias outras empresas

trabalhando no ramo do aplicativo “chama táxi”. Como a 99táxis, Tele táxi cidade, Taxijá, Taxibeat, dentre outros. A icab2go, por exemplo, disseque o serviço ainda não está disponível em Cuiabá, mas que “está previsto para chegar em novembro na capital”, informou. Seguro, rápido e confortável Não são apenas os taxistas que podem aderir ao sistema de aplicativo, as empresas do ramo de táxi não sairão perdendo com a nova tecnologia, elas podem cadastrar os seus funcionários e facilitar o serviço prestado. É o que avalia Cida, responsável pela Rádio Táxi Bandeirantes de Cuiabá. “Já recebemos várias propostas de empresas de aplicativos de celular. Creio que nos próximos dias o aplicativo já

A ferramenta está presente em 27 capitais do país, em 20 países e têm 1,5 milhão de usuários

estará disponível para quem usa os nossos serviços”. Conforme ela, os taxistas que trabalham na empresa já foram informados sobre o novo sistema. “Explicamos como funciona e praticamente todos adoraram a ideia. Um jeito novo e mais fácil de trabalhar. Vários já baixaram o aplicativo para ir pegando a prática”, revela.

Para o taxista Alexandre, a demanda irá aumentar com a chegada da Copa em Cuiabá e com isso o serviço disponibilizado pelo aplicativo facilitaria a agilidade do atendimento ao cliente. “Tudo que é novo a gente demora a aprender, mas o sistema ajuda o nosso serviço, pois com a rapidez deixa o cliente feliz”, observa.


Política 5

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

Devedores MT

Dívida ativa é estimada em mais de R$ 15 bilhões Condições administrativas e estrutura precária dificulta órgão estadual cobrar das empresas que acumulam dívida com Mato Grosso Fotos: Reprodução

Regina Botelho Da Redação

A dívida ativa do Governo de Mato Grosso é estimada em mais de R$ 15 bilhões e conta com mais de 60 mil ações inscritas. A informação foi repassada pelo Procurador Geral do Estado, Jenz Prochnow Júnior. Para Jenz, a cobrança poderia ser mais ampla se o órgão tivesse mais condições administrativas e estrutura para dar mais agilidade aos recebimentos. Outra barreira, citada pelo procurador, esbarra na localização de bens e imóveis dos devedores acionados pelo Estado na Justiça em ações de cobrança. “Os devedores são cobrados através da Lei 6.830/80 que concede alguns mecanismos para recebimento das dívidas. A Procuradoria tem notificado extrajudicialmente os devedores conforme determina normas do Código Tributário Nacional (CTN) e da Constituição da República. Estamos buscando todos os mecanismos por meio consensual para atingir o patrimônio e recuperar os créditos”, explica o procurador geral. Em relação às cobranças, lamenta que os créditos que vem para o Estado chegam fragmentados na sua qualidade tendo em vista o lapso existente de atuação até a execução, pois muitas empresas fecham, não deixam nenhum patrimônio e abandonam Mato Grosso. Segundo Jenz Júnior, o governo encaminhou à Assembleia Legislativa mensagem que cria o Programa de Recuperação Fiscal, com descontos que poderão chegar a 50% sobre o débito de credores do Estado. “O programa de recuperação fiscal será importante para os contribuintes e com certeza irá alavancar recursos bons para a administração pública”.

Com poucos funcionários, a Procuradoria Geral do Estado se tornou um órgão pouco eficiente

Procurador Jenz Prochnow Júnior afirma que o órgão está buscando todos os mecanismos para recuperar os créditos de MT

Mecanismo para recuperar créditos O Programa de Recuperação Fiscal é uma proposta que está em fase de conclusão de estudos na Casa Civil. É uma estratégia do Executivo para assegurar o recebimento inicial de 30% da dívida ativa do Estado, de R$ 15 bilhões. Com a nova dinâmica de cobrança poderá se sobrepor a outras ações projetadas pela Procuradora Geral do Estado (PGE) para avançar sobre os devedores, como a que prevê contratação de empresa com “expertise” em recebimento. “Se o plano der certo, Silval Barbosa terá de fato uma via promissora para resolver o mais grave dos problemas do caixa público do Estado”, diz Pedro Nadaf. O déficit orçamentário no atual exercício chega a R$ 919 milhões, sendo que a peça orçamentária estimada para 2014 também sinaliza para deficiência de R$ 1 bilhão. Se

atingir a meta de 30%, o programa garantirá recebimento de aproximadamente R$ 5 bilhões. O montante não apenas sanaria as brechas dos cofres públicos, como daria suporte para investimentos macro no Estado, principalmente no último ano de mandato da gestão do peemedebista. Deficiência na atuação e execução Com poucos funcionários e sem equipamentos e estrutura apropriada, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) se tornou um órgão pouco eficiente, conseguindo a recuperação de apenas 0,25% dos créditos inscritos na dívida ativa do Estado. Preocupado com a situação, o Sindicato dos Trabalhadores da Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Pública de Mato Grosso (Sinterp-MT) protocolou em dezembro de 2012 requerimento solicitando da PGE uma relação contendo nome das empresas

que estão na lista das que acumulam dívida com o Estado. Segundo o presidente do Sinterp, e autor do requerimento, Gilmar Brunetto, a intenção é esclarecer informações, pois há muitos indícios que existem empresas que devem milhões em Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e

sobre Prestações de Serviços de Transporte (ICMS), por exemplo. “Há muitas empresas que fizeram acordos espúrios, que devem milhões ao Estado e queremos ter certeza dessas informações. São vários impostos devidos. Agora queremos clareza do que acontece no Governo”, aponta. No documento, Brunetto diz que a entidade solicita, ainda, divulgação das empresas cujos respectivos valores dos débitos, tributos e compensação de preços daquelas que, por acaso, já quitaram os compromissos. “Queremos saber as empresas que recebem

incentivos fiscais e ter certeza para onde vai o dinheiro do Estado, que é nosso. Queremos monitorar a gestão dinheiro”, observa. Mas até o momento não foi feito a divulgação dos documentos pela PGE ao sindicato sobre o requerimento das informações de quantas são e quais são as empresas que acumulam dívida e monitorar o relacionamento dessas com o Estado. “Até hoje estamos à espera desse documento. Acredito que existe muita coisa escondida por trás disso e que a Procuradoria não quer divulgar”, lamenta o sindicalista.

“A PGE até o momento não divulgou informações de quantas são e quais são as empresas que acumulam dívida no Estado”, diz Gilmar Brunetto

Fiscalização

Recurso sonegado prejudica financiamento de políticas públicas Sefaz aperta cerco contra sonegadores em Mato Grosso Fotos: Reprodução

Regina Botelho Da Redação

Mato Grosso arrecada aproximadamente R$ 620 milhões ao mês com o recolhimento de impostos. Com expectativas de elevar a arrecadação com o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos (ITCD) e Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), a Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz), está fechando o cerco contra a sonegação fiscal. O secretário Adjunto da Receita Federal da Sefaz, Jonil Vital de Souza, explica que as empresas sonegadoras são identificadas através de denúncias, cruzamentos de dados, fiscalização física de cargas nos postos fiscais, Centro de Triagem dos Correios, Aeroporto e fiscalização volante. “Varia

Fiscalização física das cargas ocorre nos postos fiscais, correios e durante fiscalização volante

de acordo com os segmentos econômicos. Por exemplo, no segmento de madeira é maior que no segmento de combustíveis. Estima-se que no geral 5% a 10% dos contribuintes tenham alguma irregularidade”. Segundo Jonil Souza, o não recolhimento de impostos é uma concorrência desleal em relação aos demais contribuintes e o recurso sonegado faz falta para fi-

nanciamento das políticas públicas, financiamento da educação, saúde, segurança pública e prejudica toda a sociedade. “Trata-se de imposto que os consumidores pagam embutido em suas compras de mercadorias e serviços são apropriados pelos sonegadores”, enaltece. Souza afirma ainda que para evitar a sonegação a Sefaz fiscaliza as empresas por meio de cruzamento de

dados, buscando indícios de irregularidades ou falta de recolhimento do imposto, auditorias específicas (fiscalização) e medidas cautelares (por exemplo, cobrança antecipada na entrada e ou saída do Estado). Questionado pela reportagem sobre porque muitas empresas sonegadoras de impostos continuam atuando em Mato Grosso, o secretário Adjunto da Receita Federal enfatiza que a Sefaz tem mais de 100 mil contribuintes cadastrados no sistema do órgão e realiza ações periódicas, antes de uma possível prescrição, pois todos passam por algum tipo de verificação fiscal. “Os sonegadores de impostos não emitem notas fiscais, descumprem obrigações acessórias, como por exemplo, omissão nas declarações Escrituração Fiscal Digital - EFD, e Guia de Informação e Apuração do ICMS - GIA/ICMS. Não recolhem ICMS lançado ou declarado ocasionando subfaturamento, ou seja, de-

claram valores menores que o real”, sinaliza o secretário adjunto. A Sefaz trabalha em parceiras com o Ministério Público, Delegacia Fazendária, convênios com diversas entidades (Estados, Municípios, Governo Federal), compartilhamento de informação com demais Secretarias e Órgãos do Estado e Sindicatos e Associações dos diversos segmentos econômicos do Estado como Conselho

Regional de Contabilidade de Mato Grosso (CRCMT), Ordem dos Advogados do Brasil-Seccional Mato Grosso (OAB-MT) e Conselho Regional de Economia de Mato Grosso (CORECON/ MT) “Temos 16 segmentos econômicos, entre os mais fiscalizados estão combustível, comunicação e energia elétrica”, finaliza o secretário adjunto da Receita Federal da Secretaria da Fazenda.

Secretário Adjunto da Receita Federal da Sefaz, Jonil Vital de Souza: empresas sonegadoras são fiscalizadas periodicamente. Entre os segmentos mais fiscalizados está o setor de combustível, comunicação e energia elétrica


6 Política

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

Exigência

Eraí Maggi quer distância de Pedro Henry

PP em Mato Grosso está sem crise, após a condenação do deputado federal Pedro Henry no escândalo do Mensalão Foto: divulgação

Regina Botelho Da Redação

Refundar o Partido Progressista (PP), em Mato Grosso. Esse é um dos objetivos de Eraí Maggi. Para isso, o ruralista fez exigências à cúpula nacional que o ‘ queimado’ deputado federal Pedro Henry não apiRei da Soja vai tasse mais reaguardar alianças gras no partipolíticas para do, bem como anunciar se sairá se mantivesse candidato ao Palácio longe da sigla. Paiaguás ou até “Quero transmesmo ao Senado formar o PP em uma legenda do agronegócio, assim como nome do mensaleiro Pedro ocorre na Frente Parlamen- Henry durante o processo tar da Agricultura”, dispara eleitoral, o megaempreo maior sojicultor do Brasil. sário garante que não há Ao ser questionado sobre possibilidade. Disse que a preocupação de ter a está focado somente na sua imagem associada ao reoxigenação da sigla.

“Pretendo fortalecer o PP, aproximando-o do setor mais forte da economia de Mato Grosso e alçar o partido à condição de protagonista no próximo pleito”.

O ruralista deve sair candidato ao governo na disputa de 2014. A decisão de se filiar ao partido se deu após reunião com os senadores Ciro Nogueira (presidente nacional do

Má gestão compromete os trabalhos Servidores do Detran-MT devem paralisar a partir do dia 21 Reprodução

Gian Castrillon é presidente do Detran-MT, órgão que está sucateado por falta de funcionários e condições mínimas de estrutura tanto na capital quanto no interior do estado

Conforme a presidente do Sindicato dos Servidores do Departamento Estadual de Trânsito do Estado de Mato Grosso - Sinetran-MT, economista Veneranda Acosta Fernandes, apesar da arrecadação média de cerca de R$ 1,2 milhão por dia, o Detran-MT está sucateado por falta de funcionários e condições mínimas de estrutura tanto na capital quanto no interior do estado. De acordo com ela, os servidores do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT) prometem paralisar os trabalhos a partir do dia 21 de outubro. Veneranda revela que apesar do Governo ter atendido parte das reivindicações dos servidores na greve anterior, nada foi feito até o momento. A categoria reivindica melhorias de infraestrutura na sede e no interior, em todas as Ciretrans, além de reestruturação da carreira com revisão do PCCS e contratação de novos servidores. A decisão da nova paralização foi tomada na tarde

do dia 7, em assembleia geral que contou com a participação de representantes das regiões de Alta Floresta, Cáceres, Rondonópolis, Porto dos Gaúchos, Sinop, Tangará da Serra e Barra do Garças. Todos relataram as dificuldades que têm enfrentado com o sistema de informática DetranNet que vive fora do ar dificultando a transmissão de dados para as Ciretrans. Além de reformas emergenciais, faltam servidores e equipamento de informática para atender a população. De acordo com a presidente do Sinetran-MT, no interior a situação é mais precária porque falta de tudo, das coisas mais básicas como água mineral e impressora. Ainda de acordo com ela, há problemas em praticamente todas as unidades do interior do Estado. Atualmente o Departamento de Trânsito de Mato Grosso conta com cerca de 750 servidores e conta com 64 unidades espalhadas pelo interior do estado. Para Veneranda, o maior problema se refere ao grande número de pessoas que esperam

Governo do Estado para ouvir sobre a escolha de filiação de Eraí ao Partido Progressista. “Qualquer movimentação política de Eraí Maggi ou outro candidato não me diz respeito”, afirmou o juiz. Para o senador Jayme Campos (DEM), a movimentação do sojicultor não alterou significativamente o cenário pré-eleitoral. Segundo o parlamentar, a única pré-candidatura já concretizada é a do senador Pedro Taques, que não teria sido afetada pela especulação em torno do nome de Eraí ou de outros possíveis candidatos. O deputado estadual José Riva (PSD) afirma não ter dúvidas que Eraí, Blairo ou Julier são muito fortes para 2014. Riva diz que Eraí é um empresário que tem trânsito com todos os segmentos e não vê nenhum partido da base com resistência.

Mato Grosso

Precariedade

Da Redação

PP), senadora Ana Amélia (PP/RS), Blairo Maggi (PR) e Cidinho Santos (PR). O Partido Progressista conta com maioria na bancada do agronegócio, o que contribuiu para que Eraí escolhesse a filiação. Além disso, o PP está em sintonia com o Governo Federal. O “Rei da Soja” vai aguardar as alianças políticas para anunciar se sairá como candidato ao Palácio Paiaguás ou até mesmo ao Senado. Contudo, não descarta a possibilidade de enfrentar às urnas ano que vem. Maggi contará com a ajuda do também deputado estadual Antônio Azambuja. Em âmbito nacional, os progressistas contam com 48 deputados federais e cinco senadores. A reportagem procurou o juiz federal Julier Sebastião da Silva, um dos possíveis candidatos ao

atendimento nos guichês diariamente em pé, pois o espaço é pequeno e não recebe nenhuma manutenção. Outro entrave lembrado pela sindicalista ocorre no setor de internet que o tempo todo sofre interrupções e fica fora do ar. “Falta material básico de expediente, reformas nas unidades e compra de novos equipamentos e computadores. É um aberração o que acontece dentro do Detran. A qualquer hora que os usuários vem ao local podem constatar a falta de condições de trabalho a que os funcionários têm de se submeter. E, além disso, ainda têm de enfrentar a frustração dos contribuintes que muitas vezes acham que os funcionários não querem atendê-los, sem saber que o que acontece na realidade”, pontuou. Órgão sucateado “Estamos desde agosto aguardando um cronograma do governo para o repasse de recursos emergenciais para garantir pelo menos que o sistema funcione a contento e que possam ser adquiridos material de expediente e até

agora nada”, enfatizou Veneranda Acosta que disse ainda que além da reunião com o governador no mês de julho, também foram feitas outras reuniões com o chefe da casa Civil Pedro Nadaf e com o secretário de Administração Francisco Faiad, mas ainda não há nada definido. Além disso, o sindicato afirma que não abrirá mão do que foi prometido pelo governo que prometeu a resolução do problema das condições de trabalho. “Também consideramos inegociável o domínio do sistema DetranNet, que sendo administrado no próprio Detran-MT pelos seus analistas de sistema, vai gerar economia de R$ 5 milhões por ano que estão sendo repassados para o Cepromat sendo que o sistema continua não funcionando”, disse Veneranda. Outra séria deficiência relatada é a falta de segurança do pátio de apreensão onde acontecem muitos roubos. Veneranda revela que as unidades das Ciretrans de Rondonópolis (214 km de Cuiabá), Tangará da Serra (240 km) e Cáceres (239 Km) estão sem condições de atendimento devido as estruturas ultrapassadas que não comportam mais a demanda da população e sofrem abandono do Governo do Estado. “É comum em vários locais não contarem nem com móveis. Falta recurso até para consertar uma porta. Essas unidades polos são as piores do estado. Não vamos abrir mão de lutar por um Detran melhor. Não estamos reivindicando reajuste salarial, nem qualquer outro benefício remuneratório. Queremos apenas uma entidade mais técnica, organizada e moderna, para prestarmos um serviço eficiente junto à sociedade que paga altas taxas para ter isso”, cobra a presidente do Sinetran-MT. ( Com informações do Olhar Direto)

Governador aposta na logística para desenvolver região Mayke Toscano

Da Assessoria

“Mato Grosso é um estado solução”. Com essas palavras, o governador Silval Barbosa definiu as potencialidades de Mato Grosso durante a realização do Fórum Estadão Centro-Oeste, evento promovido pelo jornal O Estado de São Paulo em parceria com a Caixa Econômica Federal. Silval participou de uma mesa redonda com o governador de Mato Grosso do Sul, André Puccineli, vice-governador de Goiás, José Eliton Figuerêdo Júnior e do editor de Economia do jornal, Cley Scholz, mediador do debate. Silval apresentou os dados da produção agrícola de Mato Grosso, com 46 milhões de toneladas de grãos, metade da produção de algodão do País e o maior rebanho bovino do Brasil, tudo isso produzido em menos de 9% do seu território. “Sendo pessimista, Mato Grosso tem capacidade de duplicar a sua produção de grãos em um período de dez anos e isso sem tocar em um pé de árvore”, afirmou o governador. Junto com os outros governadores, Silval lembrou que o maior desafio para a região Centro-Oeste é a questão da logística. “Produzimos quase 50 milhões de toneladas e temos apenas 300 km de ferrovias. Nossa primeira prioridade é a logística, e a segunda é a logística, a terceira é logística. Se tivéssemos logística, os gestores reclamariam menos. Resolvido esse problema, o Centro-Oeste terá um crescimento ainda maior”, afirmou. “Mato Grosso já tem o domínio da tecnologia da produção, precisamos da logística para ajudar o Brasil a ser competitivo”. Além das ferrovias, o governador de Mato Grosso também falou da importância de melhorar as estradas, com a pavimentação da BR-158 e a duplicação da BR-163, que no momento está sendo duplicada no trecho entre Rondonópolis e o Posto Gil. O governador do Mato Grosso do Sul, também acompanhou o pedido por logística. “Estamos suplicando. Precisamos de ferrovia, de hidrovia, de rodovia, de aeroportos em nossos estados. Nós contribuímos com 50% do incremento do Produto Interno Bruto em 2012”, afirmou.

“Mato Grosso já tem o domínio da tecnologia da produção, precisamos da logística para ajudar o Brasil a ser competitivo”, afirma o governador Silval Barbosa

Outra questão discutida foram os incentivos fiscais e a chamada “guerra fiscal” entre os estados. Para o vice-governador de Goiás, “os incentivos são um importante instrumento de desenvolvimento regional, proporcionando chances iguais para todos os estados”. Puccineli afirmou que sem os incentivos não há condição da região competir com outros estados, como São Paulo. Silval disse que “para trazer as indústrias, nós precisamos dos incentivos, para ter poder de competitividade”. Os governadores também lembraram que é preciso de um novo modelo para renegociar as dividas estaduais, de maneira que a receita liquida dos estados não seja comprometida. Durante o debate, Silval também respondeu questões feitas pela plateia sobre o planejamento da safra, sobre a utilização do milho para a produção de etanol, o potencial do ecoturismo em Mato Grosso e também da realização da Copa do Mundo de 2014 em Cuiabá. “Estamos fazendo em Cuiabá o que não seria feito em três ou quatro décadas. Se não fosse pela copa, não teríamos a oportunidade de fazer essas transformações na região metropolitana”, disse.


Política 7

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

LOGÍSTICA

Presidente da EPL avalia ferrovia MT/PA e estima obra para 2015

O deputado estadual José Riva e comitiva de Mato Grosso e do Pará receberam a garantia de Bernardo Figueiredo de que estudará a proposta Assessoria

Da Assessoria

A ferrovia que interliga os estados de Mato Grosso e Pará pode ter as obras iniciadas em 2015. A previsão foi feita pelo presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL) Bernardo Figueiredo ao idealizador do traçado ferroviário, deputado estadual José Riva (PSD), durante reunião realizada na manhã de quinta-feira (10), em Brasília. De acordo com o representante do Governo Federal, os próximos passos para a implantação da ferrovia é a realização do estudo de viabilidade, estudo de engenharia, modelagem e contração da empresa que construirá a linha férrea. “Isso demora um tempo. Vamos construir uma proposta para implementa-la em partes, através de ramais. Também temos que passar pelo crivo do ministro dos Transportes e da União de uma forma geral. Porém, o prazo para a preparação do projeto é entre um ano e meio no máximo e temos a condição de deixá-lo pronto para começar em 2015”, garantiu Bernardo Figueiredo. Após a apresentação do projeto de ferrovia pela

O projeto de ferrovia MT/PA foi elaborado no gabinete do deputado Riva, com traçado partindo de Água Boa (MT) até Barcarena, no nordeste paraense

comitiva de Mato Grosso e do Pará, liderada pelo deputado Riva, o presidente da EPL agradeceu a sugestão dos estados ao lembrar que a empresa pública vinculada ao Ministério dos Transportes tem justamente esse papel, de planejar os cenários de logística para os próximos anos. “A EPL tem a obrigação de avaliar o Brasil em uma perspectiva de médio e longo prazo. A proposta complementa o esforço que está sendo feito pelo Governo Federal e faz sentido a sua implantação. O

potencial de produção e crescimento econômico da região justifica essa obra e concordo com a classe política de Mato Grosso que a falta de infraestrutura inviabiliza o crescimento”, disse Bernardo Figueiredo, que sugeriu inclusive adequações ao projeto para estar em consonância com o Plano Nacional de Viação Ferroviária. Para Riva, a reunião foi positiva em função do presidente da EPL dizer que não precisava ser convencido da importância da obra, pois já conhecia o projeto e a viabilidade.

“Temos que trabalhar a partir da realidade que já temos, o Brasil tem o Plano Ferroviário Nacional, na qual precisamos incluir a ferrovia. Conseguimos garantir o apoio do Bernardo Figueiredo que ampliará os estudos sobre a proposta e posteriormente, vamos intensificar as discussões entre os dois estados. Já tínhamos convicção da viabilidade, essa ferrovia representa a redenção não apenas para Mato Grosso e Pará, mas é fundamental para o Brasil, pois representará facilmente, o aumento de produção

em mais de 30 milhões de toneladas até 2020, ampliando em 50% a produção nacional de grãos e minérios”, justificou. Riva disse que após a reunião com o ministro dos Transportes, César Borges e agora com o presidente da EPL, a implantação da ferrovia está mais próxima de se tornar realidade. “Vamos fazer as adequações necessárias após conhecermos profundamente os estudos de malha ferroviária do Brasil. Temos investidores de cinco países [Rússia, Estados Unidos, China, Alemanha, Espanha] interessados em construir o traçado”. Bernardo Figueiredo assumiu a responsabilidade de estudar o projeto de ferrovia MT/PA. “O primeiro passo para a obra é esta ser estudada, estamos fazendo isso hoje. Vamos assumir o estudo dessa ligação, analisar como será feita e o traçado, talvez criando um ramal passando por Vila Rica (MT), Conceição do Araguaia e Redenção (PA), que já é parte dessa ferrovia proposta”, afirmou. FERROVIA O projeto de ferrovia MT/PA foi elaborado no gabinete do deputado Riva,

com traçado partindo de Água Boa (MT) até Barcarena, no nordeste paraense. Também é analisada a possibilidade da ferrovia seguir do município mato-grossense até Marabá, no sudeste do Pará. A ligação com o nordeste seria viabilizada com a construção de dois ramais, um até o porto de Vila do Conde (Barcarena) e outro até o porto de Espadarte (em Curuçá/ PA), que está em projeto de implantação. Lideranças políticas e empresariais de Sorriso solicitaram a inclusão do município no trajeto da ferrovia por meio de um ramal. Ao todo, mais de 30 municípios de Mato Grosso e Pará serão beneficiados com o traçado ferroviário de 1,8 mil km, melhorando a qualidade de vida de mais de três milhões de pessoas. Também estiveram presentes na reunião, os deputados federais de Mato Grosso, Eliene Lima (PSD), Wellington Fagundes (PR), Júlio Campos (DEM) e Nilson Leitão (PSDB) e o estadual Dilmar Dal Bosco (DEM) e o prefeito de Água Boa, Mauro Rosa da Silva (PPS). Da comitiva do Pará, participaram o deputado estadual Giovanni Queiroz (PDT) e o ex-deputado estadual Paulo Rocha (PT).


8 Meio Ambiente

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

Áreas protegidas

Auditoria coordenada no bioma da Amazônia

De acordo com o TCU esta é a primeira vez que os Tribunais de Contas vão atuar unidos para avaliar as Unidades de Conservação Reprodução

Juliana Radel Da Redação

Em março deste ano o Plenário do Tribunal de Contas da União (TCU), em Brasília, assinou o termo de cooperação técnica entre o Tribunal de Contas da União, os Tribunais de Contas de nove Estados, a Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) e o Instituto Rui Barbosa para realização de auditoria coordenada na área de meio ambiente. A inspeção ocorre em conjunto com os Tribunais de Contas dos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Mato Grosso e Maranhão. De acordo com o TCU esta é a primeira vez que os Tribunais de Contas vão atuar unidos para avaliar as Unidades de Conservação (UC) no bioma da Amazônia, além disso, a fiscalização será realizada através da Secretaria de Controle Externo

A inspeção ocorre em conjunto com os Tribunais de Contas dos estados do Mato Grosso, Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Maranhão. Resultados das auditorias sairá em breve

da Agricultura e do Meio Ambiente (SecexAmbiental) e a Secretaria de Métodos Aplicados e Suporte à Audi-

toria (Seaud). O TCU informa que a auditoria pondera as áreas protegidas da Amazônia e

visa identificar possíveis riscos ao meio ambiente como também melhoria nas reservas ambientais.

“Todo o processo é feito por avaliação das condições normativas, institucionais e operacionais necessários ao alcance dos objetos traçados durante a criação das unidades de conservação”, relata a assessoria. “Primeiramente é feio um planejamento juntamente entre os Tribunais de Contas citados, depois disso são realizadas auditorias individuais, seguido de relatórios independentes. Diante disso o TCU apresenta um sumário executivo consolidado sintetizando os dados federais e estaduais sobre a gestão dessas unidades de conservação no bioma Amazônia”, explica a assessoria. Um aspecto importante das auditorias coordenadas é buscar a excelência das ações de controle não somente no âmbito do TCU, mas também nos estados e municípios. “Por isso, estão previstas a realização de ações de treinamentos além das cooperações com os tribunais de

contas, juntamente com a Atricon e o Instituto Rui Barbosa”, pontuou a assessoria. O Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso informou a reportagem do Centro-Oeste Popular que “todas as informações citadas pelo TCU procedem.” “O nosso relatório foi feito por uma equipe de cinco auditores e o relatório vai ser divulgado em breve. Ainda não estamos autorizados a passar qualquer informação que seja. Vamos marcar com a imprensa quando os dados forem anunciados. Este relatório começou a ser feito no início do ano. Foram feitos vários investimentos e muitas visitas nas Unidades de Conservação do Estado”, explica a chefe de redação do TCE, Josana. O TCU informou também que o processo 012.478/2013-0 está em andamento e “não há deliberação do Tribunal e, dessa forma, não tem maiores informações sobre o resultado das auditorias”.

Modelo eficiente

Sema avança com programa de gestão de qualidade Programa implantado pelo órgão estadual é reconhecido pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso Marcos Vergueiro/Secom-MT

nalização e valorização do servidor, melhoria nas relações interpessoais, ambiental, de imagem e melhoria do trato com a coisa pública.

Eliminação do desperdício

“Trata-se de uma solução importante para o governo que trabalha com foco no orçamento x despesas a partir do regime de caixa e, este conceito, está embutido nessa proposta de gestão”, destacou o secretário de Estado do Meio Ambiente, José Lacerda Da Redação

O modelo de Gestão de Gastos implantado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) recebeu moção de congratulação de autoria do deputado Emanuel Pinheiro. Por orientação do governador Silval Barbosa, o programa, que tem como uma de suas principais premissas ‘fazer mais a um custo adequado para a administração’, foi de-

senvolvido e implantado pela Secretaria Adjunta Executiva do Núcleo Ambiental que incorporou as ações da comissão gestora da A3P - Agenda Ambiental na Administração Pública. “Trata-se de uma solução importante para o governo que trabalha com foco no orçamento x despesas a partir do regime de caixa e, este conceito, está embutido nessa proposta de gestão. Nossa meta

é implantar ainda em 2013, o Sistema de Gestão do Gasto (SIG)”, destacou o secretário de Estado do Meio Ambiente, José Lacerda lembrando que a Sema é o órgão piloto da Secretaria de Planejamento (Seplan) na implantação desse sistema. A diretriz deste modelo é de que a gestão passe a integrar um programa de conscientização e prática pública e cidadã com foco na profissio-

Lançado no último mês de setembro como parte das comemorações pelo dia da Árvore o programa tem como objetivo melhorar a qualidade do gasto por meio da eliminação do desperdício e da melhoria contínua da gestão dos processos. Com isso, a Sema pretende otimizar a prestação de serviços ao cliente cidadão. Entre as ações do programa estão: o uso eficiente dos recursos públicos; a conscientização dos servidores sobre a importância da qualidade do gasto; a capacitação dos gestores na metodologia de gerenciamento de despesas; o estímulo às boas práticas e o lançamento da cartilha sobre a gestão do gasto. O programa atua sobre as despesas de maior representatividade sobre a arrecadação da Sema. As despesas selecionadas foram reunidas em seis pacotes (transpor-

tes, diárias, pessoal, serviços gerais, desenvolvimento de soluções corporativas e consumo), para cada item realizou-se análises e estudo de tendências para definição das metas de redução ainda no exercício de 2013.

Resultados positivos

“Entre os investimentos já realizados pelo órgão, resultantes do novo modelo de gestão orçamentária, financeira e do gasto estão a aquisição de 300 computadores novos, dos quais foram entregues para a sede, 246 e, 36 para as Diretorias de Unidades Desconcentradas (DUD), localizadas no interior do estado”, enfatizou o secretário José Lacerda. No setor de pessoal foram nomeados mais 59 novos servidores efetivos do último concurso público Entre eles estão 15 Analistas de Meio Ambiente, perfil Analista de Sistemas, para compor o quadro efetivo da Sema, além de quatro engenheiros civis; 10 engenheiros agrônomos; nove engenheiros florestais; um engenheiro sanitarista; um geólogo; uma médica veterinária e uma química além de 17

agentes de desenvolvimento econômico e social. As mudanças se deram também na frota de veículos da Secretaria, com a locação de novas caminhonetes, 15 (4x2) e 45 (4x4), agilizando os serviços de monitoramento e fiscalização. Hoje, todas as DUD’s possuem veículos novos. Além disso, a Sema está adquirindo, com recursos próprios, mais 10 caminhonetes (4x4). A fim de estruturar melhor o atendimento no interior do estado, a DUD de Cáceres agora funciona em um novo prédio, melhor localizado e com melhor estrutura para atender aos usuários com conforto e segurança para os servidores. “Todas essas medidas, e outras que estão sendo implementadas por orientação do governador Silval Barbosa, como a descentralização do licenciamento dos empreendimentos de impacto local e a adoção de um programa visando melhorar a qualidade dos gastos, o Sema Virtual/eS@C, tem por objetivo oferecer um serviço de qualidade ao cidadão”, destacou José Lacerda.


Geral - MT B1

Distrito Distrito Federal Federal -- Mato Mato Grosso Grosso -- Mato Mato Grosso Grosso do do Sul Sul ANO ANO XIII XIII nº nº 580 580 13/10 13/10 aa 19/10 19/10 de de 2013 2013

www.copopular.com.br

Dependência e desespero

A rotina dos usuários de crack A batalha para se livrar da pedra desafia dependentes e familiares de todas as classes sociais Fotos: Ana Sampaio

Regina Botelho Da Redação

Histórias contadas por usuários de crack são chocantes. Quem cai nas teias dessa droga derivada da cocaína tem em um curto espaço de tempo à saúde devastada, relações sociais destruídas e a vida destroçada. Foi o que constatou a equipe de reportagem do Centro-Oeste Popular. Em vários locais de consumo e venda de entorpecentes o cenário é quase sempre o mesmo. Totalmente escravizados pelo vício, os dependentes perambulam pelas ruas, ocupam calçadas, praças, terrenos baldios, casas abandonadas. Assim como nas grandes cidades brasileiras, em Cuiabá, sede da Copa 2014, é comum encontrar pequenos grupos de usuários aglomerados em espaços públicos consumindo drogas livremente, a qualquer hora do dia. Numa rua próxima a região da rodoviária, a reportagem conversou com moradores de rua e usuários de droga que consomem exaustivamente o crack, dormem em meio ao lixo ou caídos próximos ao local de consumo. Com uma boa fisionomia, bem articulado, Marquinhos, 32, cursou dois anos de Educa-

Estima-se que, em todo o país, haja 1,3 milhão de dependentes de crack

ção Física. Além disso, é filho de uma conceituada empresária. Já foi instrutor de autoescola e tem um filho de 14 anos. Ele relata que desde os 16 é usuário. Conta que usa diariamente maconha e pasta base. Abandonou a família que reside no bairro Areão. Marquinhos foi preso três vezes

por tráfico, porte ilegal de arma e não pensa em abandonar a vida que leva. “Gosto dessa vida. Não preciso dar explicações “Minha família é a noite, as para ninguém. Minhas maioestrelas e o sol. Mantenho res paixões são as mulheres meu vício catando latinhas”, e drogas. Tive que me afastar diz Isaque de 60 anos da família, pois roubava vários objetos para comprar crack. Recebi ajuda para me libertar do vício, mas não consegui e voltei a conviver com outros viciados nas ruas”. Lúcio, 21 morava com familiares na Lixeira. Agressivo e sempre drogado foi expulso a força de casa. Ele disse que já recebeu ajuda de assistentes sociais, líderes de igrejas e esteve internado diversas vezes em clínicas da cidade e do interior do Estado. “Estou mergulhado O caminho precoce para o na dependência de todos os tipos vício de entorpecentes. Nada é mais importante do que a próxima pedra a ser fumada”. Emprego, amigos e família (país, cônjuge e até os Grávida de cinco próprios filhos) desabam na meses, Neuza 28, escala de valor de quem está não teme possuído pela droga. o que pode Jaqueline, 21, morava enfrentar em Porto Velho. Roubou um durante sua traficante e fugiu para Cuiabá. jornada Ex-prostituta abandonou seus cinco filhos e hoje é completamente viciada em pasta base e maconha. Para manter o vício rouba pequenos produtos nos estabelecimentos comerciais que são trocados com os ‘aviõezinhos nas bocas de fumo’. Os ‘zumbis’, como também são chamados os usuários de droga, vivem de forma ‘aérea’,

“Estou mergulhado na dependência de todos os tipos de entorpecentes. Nada é mais importante do que a próxima pedra a ser fumada”, revela um usuário

seja pela ausência ou pela presença da droga no corpo. É o caso de Carlos Neto, 32, do município de Santo Antônio do Leverger. Muito simpático, um porte físico que poderia atrair uma boa companhia, olhos verdes, ele confessa que chega a passar cerca de três dias acordado, perambulando pelas ruas na região da rodoviária. Sem trabalhar, ele diz viver dos chamados ‘corres’ que faz pela região. Na gíria dos usuários, ‘corre’, quer dizer vender produtos roubados e em troca conseguir dinheiro ou drogas. “Já tentei abandonar a vida que

polícia, corri, fui presa. Não tenho família e vivo nas ruas. Sou feliz assim, pois nada na minha vida foi fácil até chegar onde estou. Comecei a usar maconha muito cedo e nenhum tipo de tratamento ou ajuda que recebi foram suficientes para me livrar das drogas”. Isaque, 60, é usuário de crack, maconha, pasta base e outros derivados das drogas. “Minha família é o sol, a lua, a noite e as estrelas. Mantenho meu vício catando latinhas. Já passei por várias internações, mas sem arrumar nenhum emprego com carteira assinada e desacreditado da família voltei

Batalha para se livrar da pedra desafia dependentes e familiares de todas as classes sociais

levo nas ruas seis vezes, mas sempre que saio das clínicas volto ao mesmo local para consumir mais e mais drogas”. Os “ craqueiros” em sua maioria já passaram por vários centros de recuperação. É o que conta Diana, 21. Viciada desde os 15 e sob o efeito do crack confessa que se alimenta mal, dorme muito pouco e vai morrer junto com os amigos que conheceu nas ruas. Grávida de cinco meses, Neuza 28, não teme o que pode enfrentar durante sua jornada. “Já levei muita porrada da

a estaca zero e convivo com meus companheiros de ruas”, conta emocionado.

Saúde devastada, relações sociais destruídas e vida destroçada

O professor do Departamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp), o psiquiatra José Manoel Bertolote fala sobre as reais chances de recuperação de dependentes de Marquinhos já foi preso três vezes e não pensa em abandonar a vida que leva

Carlos Neto, 32, confessa que chega a passar cerca de três dias acordado, perambulando pelas ruas

crack. Ele avalia a importância da reinserção social e mostra porque é preciso mais que a desintoxicação para reduzir o índice de recaídas. “A desintoxicação, apenas, tem seu papel no sentido de reduzir os danos a que o usuário está sujeito, mas é uma contribuição modesta”, disse Bertolote. O professor avalia que é possível a recuperação do dependente por conta própria, mas que é preciso se considerar os efeitos do uso prolongado da droga. “O sucesso de qualquer tipo de tratamento para uma dependência química passa, em grande parte, pela vontade do usuário de se manter afastado da droga. Entretanto, há que se considerar a coexistência no mesmo indivíduo de outros transtornos mentais como depressão, psicoses, dependências de álcool e transtornos graves de personalidade”, sugere. O especialista explica que obrigar o dependente a fazer um tratamento não é viável. Outro cuidado especial é com relação às recaídas, que comprometem o sucesso da reabilitação. “Não se pode submeter ninguém a um tratamento involuntário, a menos que esteja intoxicado e representando uma ameaça e um risco para si mesmo e para os demais. Não há estudos suficientes que permitam estimar as taxas de recaída entre usuários de crack. Um sólido sistema de apoio médico, psiquiátrico, social e psicológico é essencial para o sucesso de um programa terapêutico, de reabilitação e reinserção social”, observou Bertolote.

Cracolândias

Um levantamento realizado pela Secretaria Municipal de Assistência Social, em setembro de 2012, mostra que quatro regiões em Cuiabá já são consideradas “cracolândias”. São elas: região do Porto, bairro Alvorada - especialmente na região do Terminal Rodoviário, Centro - englobando o chamado Beco do Candieiro, Centro Histórico e os bairros Jardim Leblon e Pedregal.

“Crack, é possível vencer”

O município de Cuiabá

vai receber R$ 3,9 milhões pelo programa “Crack, é possível vencer”. O anúncio foi feito no início do mês de agosto desde ano pelo Governo Federal durante a assinatura do termo de adesão ao programa, em Brasília. Os recursos serão destinados à capacitação de profissionais e aquisição de dois kits compostos por um micro-ônibus, dois carros e duas motos. O micro-ônibus funcionará como um centro de comando e controle móvel, com câmeras móveis, operado pela Polícia Militar, nas áreas detectadas com maior índice de usuários de drogas. Segundo o secretário de Esporte e Cidadania de Cuiabá, Carlos Brito, os kits servirão como base para o trabalho dos profissionais de saúde e assistência social. “Esta será a parte mais importante do programa, pois o monitoramento das áreas mais críticas proporcionará a abordagem correta para o oferecimento do tratamento não apenas aos usuários, mas também a seus familiares”, disse o secretário. Foi aprovada a implantação de mais um consultório na rua, dois CAPS AD III 24 horas, um CAPS III, um CAPS AD, uma unidade de acolhimento adulto, uma unidade de acolhimento infanto-juvenil, dez leitos especializados e 30 vagas em comunidades terapêuticas financiadas, no setor da Saúde. Na Assistência Social, a expansão abrange mais um serviço de abordagem social na rua, um CREAS e um Centro Pop. No setor de autoridade e segurança, 80 policiais receberão capacitação para o policiamento

Jaqueline é ex-prostituta e completamente viciada em pasta base e maconha

Diana, 21, é viciada desde os 15. Ela conta que se alimenta mal, dorme muito pouco e mora nas ruas

de proximidade e até 2014, 40 câmeras de vídeo-monitoramento fixo e duas bases móveis da polícia deverão ser implantadas. A aquisição de mais 20 câmeras fixas e já autorizada pelo Governo Federal. “Um novo edital foi lançado para o cadastramento de unidades terapêuticas e para que elas possam buscar recursos para abertura de novas vagas diretamente junto ao governo”, diz Brito. O programa prevê a participação de entidades ligadas a políticas públicas de prevenção do uso, tratamento e reinserção social do usuário de crack e outras drogas. A metodologia é baseada em três eixos principais: prevenção, cuidado e autoridade. Ou seja, dar tratamento adequado ao usuário de crack e outras drogas; oferecer cuidados àqueles que convivem com o indivíduo, como família e amigos; e elencar as autoridades e funções referentes a cada poder envolvido no sentido de cumprir as demais metas.


B2 Opinião - MT

C

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

riada em 2007 no valor de R$ 7,5 mil para substituir a parte da ‘verba de gabinete’ que foi retirada dos valores de manutenção do gabinete, a verba indenizatória (VI) era para ser justificada com a apresentação de notas fiscais. Depois, subiu para R$ 9 mil em 2009, chegou a 15 mil em 2011 e, neste ano, passou para R$ 25 mil. A verba foi suspensa em junho deste ano, durante três meses, em decisão liminar da desembargadora Maria Erotides

Kneip Baranjak, quando os vereadores receberam menos de R$ 2 mil de VI. A Câmara de Cuiabá vai recorrer ao Superior Tribunal da Justiça (STJ) da decisão da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que reconheceu a validade da verba indenizatória, mas determinou a redução de R$ 25 mil para no máximo R$ 18 mil por mês. A reportagem do Centro-Oeste Popular foi às ruas ouvir a população.

Vereadores de Cuiabá querem de volta verba indenizatória de R$ 25 mil, além do salário que já recebem de 15 mil. Na sua opinião, é justo?

José Roberto Almeida Feitosa, 24, atendente de balcão. Não. Não sei nem por onde começar a falar sobre os motivos do não merecimento. Certamente são inúmeros. Eles não fazem nada, não é justo ganharem tudo isso. Esse dinheiro tem que ser investido em educação e saúde.

Camila Gabriele Vitta, 17, estudante. Não. Além de ser um cargo abaixo do prefeito, o valor é muito alto. Eles precisam fazer por merecer. Não é o caso. Tem que investir esse dinheiro no transporte da cidade que está uma porcaria.

Sergio Luiz Martins, 47, segurança. Não. Esse dinheiro deveria ser usado em outro benefício. Essa verba tinha que ser investida na cidade. Há tantos problemas a serem resolvidos em Cuiabá que vai sediar a Copa. Eles deveriam abrir mão desse recurso já que falam que amam tanto a cidade.

Airton Dorileo, 52, cobrador. Não é nada justo. O trabalho deles nem é tão árduo. Sempre tranquilos, no ar condicionado. Estão sendo muito bem pagos e não precisam desta verba indenizatória. Esse dinheiro deve ser investido em educação, por exemplo.

Reinaldo Alves Pereira, 41, vendedor ambulante. Não. Esse dinheiro deveria ser usado pra construir hospitais e comprar novos ônibus. A cidade está com deficiência em muitas outras áreas, e eles preocupados com o próprio bolso.

Marilza Evangelista de Brito, 45, empregada doméstica. Acho justo sim. Eles estão lá trabalhando. Nós que os escolhemos. Acho que eles merecem. Mas se eles abrissem mão poderiam usar o dinheiro na saúde e na educação.

Suellen Silva, 21, vendedora. Não, nunca. Não fazem nada. Não vemos ação nenhuma deles. Pra ganhar mais precisam mostrar mais trabalho também.

Jorame Antonia Cardoso da Silva, 57, vendedora. Não é justo. Não fazem nada pela cidade. A saúde está péssima, educação e transporte nem se fala. Ainda tem as obras da Copa que não acabam nunca. Precisam fazer mais pelo povo que os elegeu.

Emílio de Moraes, 45 anos, Jornalista Não é justo e nem ético, mas eu entendo o desespero deles. É que acostumaram os eleitores com assistencialismo e para se manter no poder passam o tempo todo “atendendo” os eleitores com consultas, óculos, receitas médicas, material de construção e outras coisas do gênero. Quando não podem atender os “eleitores” migram para outras “fontes”. No fim das contas acaba sendo uma preocupação para manter o “projeto político”, mais ou menos isso. Mas que todos eles (vereadores) gostam de uma mordomia também, isso sim. Então pra manter o projeto político e a vida boa eles precisam de no mínimo aí uns 50 mil por mês.

Ferdinandes Pereira dos Santos, 35, vendedor ambulante. Bom, eles perderam. Mas devem se conformar com o que já tem. Estão ganhando muito bem e deveriam estar satisfeitos. Eles já têm muitos benefícios e já está na hora de se sensibilizarem e fazer algo pela cidade, pois até agora nada fizeram.

Danielly Patrícia, 19, vendedora. Não. Eles roubam demais já. Tem que investir esse dinheiro nos bairros. Há muitos bairros que não tem asfalto e saneamento básico. A saúde também está precisando de mais atenção.

Rosângela Candido Ferreira, 30, vendedora. Lógico que não. Mais que já ganham? Não acho certo. O que eles ganham já está de bom tamanho, dá pra sobreviver muito bem. Pra fazer nada ganham mais que merecem.

Alex da Silva, 23 garçom. Não é nenhum pouco justo. Eles já roubam um monte. A cidade está aí com obras da Copa pra terminar, saúde precária, educação em greve e transporte horrível. O que eles ganham já é o suficiente.

Edil Lima da Silva, 52, auxiliar de enfermagem. Acho justo sim. Eles merecem. Estão lá fazendo as leis e trabalhando por nós. Merecem ter a verba de volta porque são trabalhadores como nós e estão trabalhando pela cidade.

Ariane Gomes, 29, professora. Acho que eles não merecem é valor nenhum. Deveriam ganhar por produtividade. Esse dinheiro poderia ser investido em saúde e educação.

Odete Oliveira, 28, professora. É legal, porém é imoral. Vai contra a realidade socioeconômica do nosso país. Tem que investir esse dinheiro em saúde, educação e segurança pública.


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

Política-MT B3

www.copopular.com.br

Gestão pública

AMM organiza fórum de debates Workshop de secretários municipais com a participação de representantes de várias regiões

Vicente de Souza

Da Redação

A Associação Mato-grossense dos Municípios vai realizar de 23 a 25 de outubro o 4º Workshop de Secretários Municipais de Agricultura, Meio Ambiente e Turismo. O evento, já tradicional na AMM, será realizado no auditório da instituição, com a participação de representantes de várias regiões. As inscrições estão abertas no site www.amm.org.br O evento vai contar com a participação de prefeitos, secretários municipais, presidentes de consórcios intermunicipais de desenvolvimento, entre outros. O presidente da AMM, Valdecir Luiz Colle, Chiquinho, destacou que a instituição está mobilizando os gestores para o evento. “O

Workshop será um importante fórum de debates sobre o desenvolvimento dos municípios, por meio de áreas estratégicas para a gestão pública”, assinalou. A ampla programação inclui ciclo de palestras, painéis, debates, entrega de máquinas pelo ministério do Desenvolvimento Agrário para 73 municípios, oficinas de trabalho, entre outros. Serão também montados estandes de instituições para exposição de produtos e serviços para os municípios. Mais de 80% da ocupação no setor rural são gerados pela agricultura familiar, que concentra 40% da produção agrícola. As pequenas propriedades produzem boa parte dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros. O turismo também

se destaca como um importante segmento econômico para o desenvolvimento estadual e nacional. Para fomentar o turismo nos municípios foi reativada, recentemente, a Associação dos Municípios com Potencial Turístico – Amptur, presidida pelo prefeito de Dom Aquino, Josair Lopes, com participação de 23 prefeitos de diferentes regiões do estado. A entidade tem como foco o desenvolvimento regional valorizando o patrimônio cultural e as belezas naturais dos municípios. O meio ambiente também se destaca como um setor fundamental para promover o desenvolvimento sustentável. Confira abaixo a programação do evento. (Com agência de Notícias AMM)

A ampla programação inclui ciclo de palestras, painéis, debates, entrega de máquinas pelo ministério do Desenvolvimento Agrário para 73 municípios, oficinas de trabalho, entre outros

Foco

TCE-MT conclui ciclo de Planejamento Estratégico Resultados de 2006 a 2011 são tema de publicação Marcos Bergamasco/Agência Phocus

Conselheira substituta Jaqueline Jacobsen foi responsável pela elaboração do conteúdo do Planejamento Estratégico

Da Redação

A história recente do Tribunal de Contas de Mato Grosso é marcada pela preocupação com o cumprimento de metas e com o foco em resultados. Assim, as ações do primeiro Plano Estratégico de Longo Prazo (2006 a 2011) são tema do livro “Resultados Efetivos 20062011 Primeiro Ciclo do Planejamento Estratégico de Longo Prazo do TCE–MT”. Na publicação estão registradas as informações sobre o que foi planejado, realizado, os resultados obtidos nesse período de seis anos e também a constatação das enormes mudanças, cultural e estrutural do órgão. O Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso concluiu, em 2011, um ciclo de três gestões submetidas a um planejamento estratégico, cuja concepção teve início ainda em 2005, com a visão estratégica de ser referência em controle externo no Brasil. A conselheira substituta Jaqueline Jacobsen foi responsável pela organização e elaboração do conteúdo e conta que “é enorme a satisfação de falar sobre este processo de mudanças profundas e benéficas que o TCE-MT passou e tem passado, pois acompanhei essa etapa, primeiro como auditora e agora como conselheira substituta, e fico feliz por termos uma série de êxitos para contar”. Em 2006 o TCE-MT passou a funcionar a partir de um nova estrutura organizacional com a criação de seis Secretarias de Controle Externo de Relatorias, cada uma delas dividida em duas

Subsecretarias (Administração Pública Municipal e Administração Pública Estadual). Nesse período, ainda foi criada a Consultoria Técnica, unidade responsável pela harmonização dos entendimentos técnicos da instituição. Diante desta nova organização, foi possível atingir o objetivo de julgar 100% das contas de órgãos fiscalizados no exercício anterior dentro do ano seguinte. Alcançada esta etapa, o controle externo foi além e consolidou a análise de políticas públicas nas áreas de saúde e educação em 100% dos municípios do Estado. Ainda no âmbito do controle externo, a equipe técnica

definiu metodologia para Auditoria em Qualidade das Obras Públicas Rodoviárias cujos resultados constam no material intitulado: “Auditoria de qualidade em obras rodoviárias: A atuação do TCE de Mato Grosso em 2010”. A criação dos cargos de conselheiro substituto e procuradores e a nomeação dos aprovados em concurso fundamentaram a estrutura do corpo deliberativo. Nesse sentido, foi implantado o Ministério Público de Contas de Mato Grosso (MPC) em janeiro de 2009. De acordo com Constituição Federal, o MPC emite parecer sobre todos os processos que tramitam no TCE-MT.

A instituição A busca por se tornar um órgão acessível e transparente resultou na transmissão das sessões de julgamentos ao vivo pelo Portal do TCE-MT e pela TV Assembleia onde estão disponibilizados todos os documentos relativos a essas deliberações, a qualquer interessado, em até 30 minutos depois de encerrada a sessão.


B4 Cidades-MT

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

Irregularidades nos postos

Combustível adulterado danifica peças e aumenta o consumo Aquela economia de poucos centavos na hora do abastecimento pode trazer grandes problemas

Combustível adulterado pode causar danos sérios, como excesso de carbonização - o que pode prejudicar o funcionamento de válvulas - e até acelerar um processo de corrosão no sistema de alimentação e catalizadores

Ana Sampaio Da Redação

“Danos causados podem chegar a um prejuízo de R$ 20 mil”, diz chefes de mecânica das grandes concessionárias de Cuiabá referindo-se aos agravos que podem ocorrer quando há adulteração no combustível. De acordo com o mecânico Ramon Alexandre Muniz, as consequências acontecem a longo e a médio prazo. “Quando o carro para de uma vez é melhor, porque logo se descobre o problema. No entanto, quando a ruína vai acumulando e o carro continua andando é que é ruim

porque quando descobre o problema o caso já está muito grave”, explica Muniz. Fraude/adulteração em combustíveis é a adição de qualquer produto que modifique suas características originais. Na formulação da gasolina, por exemplo, faz-se tudo de forma a seguir as especificações determinadas e a outras propriedades também necessárias ao perfeito funcionamento do motor e garantindo o desempenho do produto. Na adulteração há ausência do cumprimento desses critérios, que impede o desempenho necessário. As fraudes são feitas com

elementos químicos também classificados como combustíveis (eles precisam queimar, para não deixar vestígios), por isso é necessário uma investigação especializada para detectar tais adições. O administrador de condomínios, João de Matos Júnior, conta que teve problemas com combustível este ano. Ao abastecer sua motocicleta e levá-la para revisão foi detectado que a gasolina estava com uma cor branca e que estava adulterada. “Fui orientado a esvaziar o tanque. A adulteração poderia danificar outras peças da minha moto”, conta Júnior que teve de arcar

Os 10 destinos preferidos do turista brasileiro de alta renda Empresa especializada em assistência em viagem completou em setembro um ano de atividade no país

Reprodução

Empresa especializada em assistência em viagem completou em setembro um ano de atividade no país Da Redação

Um levantamento realizado pela Premium Assistance demonstra quais são os principais destinos do turista brasileiro de alta renda. A empresa, especializada em assistência em viagem, pertence ao grupo Omint e completou em setembro um ano de atividade no país. De acordo com o diretor geral do grupo no país, André Coutinho, entre janeiro e setembro de 2013 foram comercializados 10 mil vouchers, tendo 83 países como destino. “Os Estados Unidos estão muito à frente do segundo destino preferido pelos clientes Premium”, afirma o executivo. Única empresa no merca-

do brasileiro que oferece coberturas de até US$ 1 milhão e que garante atendimento a passageiros com doenças pré-existentes, a Premium também se prepara para lançar novos produtos de olho em 3 públicos diferentes: gestantes, estudantes e atletas. País de Destino

“Pretendemos alcançar a marca de 15 mil vouchers comercializados até o final do ano. Estamos buscando crescimento orgânico, por meio da diferenciação e personalização dos nossos produtos e atendimento”, destaca. % QTD VOUCHER

Estados Unidos 34,3% França 5,8% Itália 4,4% Espanha 4,2% Argentina 3,4% Reino Unido 3,1% Chile 3,0% Portugal 2,8% Israel 1,9% Alemanha 1,4%

com o prejuízo. Manoel Polycarpo de Castro Neto é chefe de fiscalização da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) na região Centro-Oeste. Segundo ele, em Cuiabá não há casos muito graves de adulterações. Na última operação realizada em parceria com Delegacia do Consumidor (Decon), Ministério Público (MP) e Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) foram vistoriadas cerca de 30 postos de combustíveis e duas transportadoras. “A operação foi iniciada através de uma denúncia da imprensa”, conta Manoel. Na ocasião dois postos tiveram algumas bombas lacradas. “A operação começou pela manhã e nós evitamos que esses postos vendessem os produtos adulterados. Um deles havia acabado de ser abastecido com cinco mil litros de combustível, logo foi detectado que havia irregularidades e as bombas foram lacradas”, observa a delegada Ana Cristina Feldner, responsável pela Decon na capital. Feldner relata ainda que as irregularidades localizadas foram na gasolina e no álcool que estavam com nível de água e de álcool acima do permitido respectivamente. seus veículos. O chefe de mecânica Ramon Muniz orienta que os consumidores tenham um posto de confiança pra abastecer. “Se a pessoa abastecer sempre no mesmo estabelecimento ela cria um vínculo e se sente mais confiante, caso haja algum problema mecânico detectado por consequências do combustível”, ensina. Além disso, o cliente deve estar atento a algumas mudanças nos veículos como, por exemplo, o consumo do combustível que de acordo com Ramon pode chegar a um “aumento de 50%”. Troca do filtro de combustível de seis meses a um ano é um bom preventivo, segundo o mecânico. “É como se fosse uma dieta saudável ou um exame de rotina”, compara. O chefe de fiscalização da ANP explica que não só a adulteração do combustível é o perigo. Conforme ele, há uma série de outros elementos de segurança que precisam ser observados e denunciados pelo consumidor. “Existe um lacre do cabeçote da bomba, por exemplo, que precisam estar sem danos, pois há riscos de você atender o celular enquanto abastece e explodir o posto”, alerta. Outro sistema de fraude é por meio do chip eletrônico. “Hoje existe um chip que é implantado na bomba. Ele possui um controle que desativa. Muito usado em São Paulo”, conta a delegada Ana

Cristina Feldner. Esse tipo de fraude compromete a quantidade de combustível que é vendido e não a qualidade.

mou ao Centro-Oeste Popular, o sindicato faz ações para informar sobre a importância e como realizar os testes de qualidade e esclarecimento sobre as penalidades para quem adulterar. Em caso de adulteração comprovada, além da interdição, o posto receberá multa que pode variar entre R$ 20.000,00 e um milhão dependendo da infração cometida, conforme prevê o art. 3º e seus incisos da Lei 9847/99. “O consumidor é a nossa principal arma de fiscalização. Não há maneira melhor para tomarmos conhecimentos de que há algo errado”, declara o chefe de fiscalização da ANP, Manoel Polycarpo. “Nós precisamos que as pessoas liguem

O chefe de mecânica Ramon Alexandre orienta que os consumidores tenham um posto de confiança pra abastecer. “Se a pessoa abastecer sempre no mesmo estabelecimento ela cria um vínculo e se sente mais confiante, caso haja algum problema mecânico detectado por consequências do combustível”

Segundo Polycarpo, são milímetros a menos vendidos. “A quantidade é pouca, por isso o consumidor não consegue identificar”, observa. Ainda de acordo com ele, a diferença para o consumidor é pequena, mas para o posto é um lucro de cerca de R$ 150 mil reais por ano. O prejuízo do consumidor se contabilizado pode chegar a R$ 5 mil anualmente. “Quase imperceptível, mas faz uma enorme diferença”, avalia Manoel. Além de ter um posto fixo para o abastecimento é necessário guardar todos os cupons fiscais na hora da compra do combustível. Segundo Ivo Vinicius Firmo, gerente de fiscalização do Procon em Mato Grosso, as denúncias só podem ser comprovadas através do cupom fiscal. Firmo também orienta a população a ter um posto fixo para adquirir o combustível. “Nós sabemos que os prejuízos são grandes e o consumidor não pode deixar passar”, orienta Firmo. Depois de denunciado, o posto passa por uma avaliação/fiscalização para detectar a irregularidade. “É extremamente importante que as pessoas façam as reclamações. Se há de fato como comprovar tal irregularidade evita-se assim que outras pessoas sofram o mesmo golpe”, explica. O posto que for pego com fraudação através de denúncias é obrigado de imediato a ressarcir o produto adquirido e posteriormente os danos que causados pelo produto adulterado que tenha oferecido ao cliente.

Testes de qualidade e penalidades

De acordo com o Sindipetróleo de Mato Grosso, há em geral cerca de 1.000 postos no estado. Segundo infor-

e denunciem para tomarmos conhecimento mais rápido”, estimula a delegada Ana Feldner.

Deformidades

Durante o ano existe um cronograma de fiscalização programado pela ANP, mas as denúncias ajudam a detectar e tomar as providências cabíveis mais rápido. O diretor-executivo do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis de Mato Grosso (Sindipetróleo/ MT), Nelson Soares Júnior, afirma que a entidade apoia a ação dos órgãos de fiscalização, que transmitem segurança ao consumidor. “É importante que o consumidor saiba que ele tem o direito de pedir para que seja feito o teste aferição da bomba e os testes de qualidade e que tem órgãos cuidando disso”, sugere. Além disso, a fiscalização ajuda a inibir a concorrência desleal. Em caso de suspeitas, o consumidor pode denunciar o posto revendedor à ANP (Agência Nacional do Petróleo) na seção ‘Fale conosco’ no site www. anp.gov.br ou pela Central de Atendimento 0800 970 0267 (ligação gratuita). Para registrar a denúncia, será solicitado o maior número de informações possíveis sobre o agente econômico, como CNPJ, razão social, endereço, distribuidora, e a descrição do ocorrido. Para isso, é importante ter a nota fiscal em mãos. Mesmo que o posto não seja fiscalizado imediatamente ou não seja comprovada a adulteração, quando ocorrer a fiscalização ajuda a direcionar as ações e estabelecer os roteiros de fiscalização do Programa de Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis (da ANP).


C1 Geral - MT C13

Distrito DistritoFederal Federal---Mato MatoGrosso Grosso---Mato MatoGrosso Grossodo doSul Sul Distrito Federal Mato Grosso Mato Grosso do Sul ANO ANOXIII XIIInº nº580 58013/10 13/10aaa19/10 19/10de de2013 2013 ANO XIII nº 576 15/09 21/09 de 2013

www.copopular.com.br www.copopular.com.br

A Defensoria Pública de Mato Grosso realizou o Seminário “Defensoria Pública 2020”, com foco na saúde pública. O evento ocorreu em Primavera do Leste e reuniu dezenas de Defensores Públicos de várias Comarcas do Estado. A primeira etapa do Seminário ocorreu em Sinop. A próxima será realizada em Cuiabá, no próximo dia 18.

O distinto casal da nossa sociedade Dona Célia e o Sr. Altamiro Galindo, em dia de comemorações.

A chiquérrima arquiteta Carolina Fagundes completa hoje mais um ano de muita vida e sucesso! Simplesmente, foi convidada pela Revista de circulação nacional Kasa e receberá com todo o glamour na próxima quarta 16.10, no Espaço Àgora, convidados escolhidos a dedo. Tim- Tim!

A maior Campanha do Dia das Crianças já realizada em Cuiabá, tendo a frente a Primeira Dama da Capital Vírginia Mendes com toda a sua garra e empenho, ao lado do Secretário de Assistência Social José Rodrigues Rocha Júnior, equipe, cvoluntários e todos que colaboraram para esse grande evento.

Lançamento! A Família do Cel. Octayde Jorge da Silva, a Entrelinhas Editora e o Sesc Arsenal lançou o livro “TEMPOS IDOS, TEMPOS VIVIDOS: Crônicas do Cel. Octayde Jorge da Silva”, organizado por Fernando Tadeu de Miranda Borges. Sucesso absoluto! Embarque! A dança, a música e a gastronomia típicas alemãs estão em evidência em Santa Cruz do Sul. A 29ª Oktoberfest e Feirasul, abertas oficialmente na noite da última quarta-feira, 2, e que seguem até o próximo domingo, 13, atraíram milhares de visitantes durante os primeiros dias de festa, considerada a maior do gênero no Rio Grande do Sul e a segunda maior do Brasil. De Cuiabá um grande grupo de pessoas prestigiando esse ano as festas por lá, levados pela Casa de Viagens. Primavera Rosa!

O movimento ‘Outubro Rosa’ não é novo, apareceu pela primeira vez em 1990, durante a Corrida pela Cura, em Nova Iorque. Mas somente em 1997 empresas ao redor do mundo começaram a apoiar a ideia. Hoje, o movimento é internacional e a cor rosa é compreendida como união pela saúde feminina. No Brasil, o rosa simboliza um alerta para que mulheres façam o autoexame e, a partir dos 50 anos, a mamografia. De acordo com dados do Ministério da Saúde, no ano passado houve um aumento de 26% no número de exames de mamografia em relação a 2010, apenas no Sistema Único de Saúde (SUS). Em Mato Grosso desde empresas às instituições aderiram com atos simbólicos. É isso aí ! Estreiou! Em Rondonópolis-MT o Internacional Circo Kroner estreiou no últimod dia 11 de outubro, no estacionamento do Rondon Plaza Shopping. Número com trapezistas voadores e `Globo da Morte´ fazem parte

do espetáculo com duração de cerca de duas horas. Com estrutura italiana e origem alemã, o Circo Kroner tem design moderno e capacidade para 1.500 pessoas. A expectativa do gerente que atuou na equipe do Beto Carrero durante 26 anos é fazer uma temporada com bons espetáculos na cidade. Imperdível Muitos cuiabanos, atualmente, frequentam São Paulo com muita assiduidade. Uns, inclusive, tem residências de alto padrão por lá. Então, a dica é Joan Roca, o melhor chef do mundo da atualidade, desembarca no Brasil no próximo dia 15 com agenda marcada até dia 18. Proprietário do premiado El Celler de Can Roca estará no Manioca, casa de eventos do Maní, para preparar almoços privates. O espanhol dividirá as atenções com o casal Daniel Redondo e Helena Rizzo, eleita melhor chef da América Latina em 2013 e nome à frente do Maní, de São Paulo.

As amigas em dia de Happy Hour Giovana Dalmaso e Andréa Sacioto Rahal

O respeitado Juíz Federal, Julier Sebastião da Silva, em momento de lazer e sempre bem acompanhado.

O requisitado fotógrafo ao lado da nossa Miss MT e Miss Brasil, Jackeline de Oliveira, em noite de despedida para a disputa do Miss Universo. Daqui todos torcendo muito!

A sempre querida Agda Catulé ao lado do Ronaldo Fenômeno e toda a sua simpatia e cordialidade!


C2

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

C3

www.copopular.com.br

Clínica odontológica

Ateliê do Sorriso propicia bem estar e comodidade

Há dois meses o dentista Rubens Galvão, especialista em implantodontia, atende no Ateliê do Sorriso visando maior conforto aos seus pacientes

Implantes resgatam confiança e autoestima

Rubens Galvão, dentista: para o paciente saber se precisa de uma reabilitação com implantes é necessário agendar uma consulta com um especialista Da Redação

Para dar sempre o melhor aos pacientes, o dentista cuiabano Rubens César Galvão, especialista em implantes, agora atende em novo endereço, na clinica Ateliê do sorriso, no bairro Quilombo, em Cuiabá. Com um espaço amplo, arejado, moderno e com quase três anos de excelência em atendimento com profissionais na área de estética restauradora, ortodontia, periodontia e endodontia. Esses são alguns fatores que contribuíram para que o doutor Rubens Galvão atenda nessa clínica. No decorrer dos 14 anos de profissão, o dentista sempre visou o bem estar e a comodidade de seus pacientes. “Há pouco tempo tive a oportunidade de me mudar para o atual consultório. Isso ajudou a melhorar a abordagem e o tratamento ao cliente, principalmente com relação à infraestrutura. Agora os pacientes terão mais comodidade, conforto e praticidade” enfatiza o dentista. Especialista na área de

implantodontia e prótese, Rubens também atende casos de clinica geral e de cirurgia e de cirurgia oral menor, como extração de cisos, por exemplo. “A intenção é sempre fazer uma odontologia preventiva, e na medida do possível uma corretiva, com a reabilitação oral”, explica Galvão. Atenção e cuidado com o paciente são alguns dos diferenciais do atendimento do dentista, principalmente com pacientes da terceira idade. “Usamos no consultório roupas espe-

cificas, mais voltadas para a área de cirurgia. A intenção é proporcionar uma assepsia maior. Além disso, trabalhamos com aparelhos modernos que possibilitam o melhor acompanhamento do paciente”, detalha.

Perfil

O dentista se formou na faculdade de Presidente Prudente, São Paulo, onde também fez um curso de aperfeiçoamento na área de Cirurgia Oral Menor. Depois cursou

Raio x panorâmico

Implantes dentários são suportes ou estruturas de metal (normalmente de titânio) posicionadas cirurgicamente no osso maxilar abaixo da gengiva para substituir as raízes dentárias. Uma vez colocados, permitem ao dentista montar dentes substitutos sobre eles

especialização em Implantes e Próteses sobre Implantes, em Araçatuba, São Paulo. Sempre apaixonado pela área de implantes, Rubens atua em implantodontia há seis anos como especialista, porem já fazia estágios em clinicas de implantes anteriores. “Só fiz o vestibular para odontologia, nunca pensei em outro curso”, lembra. Prestou serviço militar em Dourados, onde trabalhou durante três anos na policlínica do exercito. “Estou me dedicando totalmente a minha área. Sempre com o objetivo de me aprimorar, fazer cursos, especializações, palestra”, diz Rubens, que

O implante dentário é a opção para quem deseja repor alguns, ou mesmo todos os dentes. Na cirurgia coloca-se pinos de titânio no osso da mandíbula ou maxila. Após algumas semanas, o osso se une ao implante formando uma estrutura única, chamados de “Implantes Osteointegrados”. Esses substituirão as raízes dentárias, passando a funcionar como suportes fixos para dentes artificiais individuais, com uma aparência de natural. O implante em geral, dura entre três a seis meses para que seja totalmente cicatrizado. Passando essa fase, coloca-se os dentes artificiais definitivos. Com a tecnologia os avanços na área de implantes também vêm evoluindo.

Os implantes de carga imediata são tratamentos ultra-modernos que permitem aos pacientes colocar o implante e os dentes provisórios no mesmo dia, após analise do dentista. Atualmente, os tratamentos com implantes oferecem muita segurança ao paciente. A técnica se tornou mais rápida, mais simples e indolor, proporcionando benefícios antes não alcançados por tratamentos convencionais. Há também os benefícios imediatos para o longo da vida, que são o melhor funcionamento do aparelho mastigatório, prevenção do envelhecimento precoce da face e a eficiência com que substituem os dentes perdidos. Uma função normal previne a migração de dentes adjacentes


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

www.copopular.com.br

ENTRA-E-SAI

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul R$ 3,10 - ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

EDITORIAL

Troca-troca partidário redefine representação partidária na AL de MS

O tiro saiu pela culatra? Página 2

Página 3

11 DE OUTUBRO

Mato Grosso do Sul comemora 36 anos de existência Na última sexta-feira o Estado de Mato Grosso do Sul celebrou os 36 anos da assinatura da Lei Complementar número 31, de 11 de outubro de 1977, documento que dividiu o então gigantesco Estado de Mato Grosso em duas unidades federativas, criando, por meio do decreto presidencial assinado pelo então presidente da República, general Ernesto Geisel, o Estado de Mato Grosso do Sul. O Estado surgiu com 44 municípios e sua Capital,

Campo Grande, que já se destacava pela condição de maior cidade do até então Mato Grosso indiviso, passou por um boom desenvolvimentista que não parou e, hoje, conta mais de 830 mil habitantes, o que faz com que os bairristas mais afoitos somem os habitantes de Cuiabá e Várzea Grande, cidades mato-grossenses contíguas, e cheguem a números muitos próximos

mais na página 6

SÃO GABRIEL DO OESTE

Ação leva crianças carentes a terem um dia especial mais na página 7

ELEIÇÕES 2014

Giroto volta ao PR e pode ser candidato a governador no grupo de Puccinelli O deputado federal licenciado e atual secretário estadual de Obras Públicas e de Transportes, Edson Giroto voltou ao Partido da República (PR), pelo qual conquistou o seu mandato com mais de 150 mil votos. Na da última segunda-feira (7), o deputado estadual Londres Machado, presidente regional da legenda, reuniu-se com os demais integrantes da executiva estadual para receber “o bom filho

mais na página 5

O TROCO

Manifestantes atiram moedas contra vereadores e comissão processante é adiada mais uma vez Uma verdadeira palhaçada. Assim pode se definir o que vem ocorrendo na Câmara Municipal, onde uma ampla maioria, formada por 20 dos 29 vereadores, faz muito estardalhaço, mas não apresenta nada de concreto. Pelo barulho que já fizeram os integrantes da opo-

sição na Câmara, liderados pelo ex-presidente da Casa, vereador Paulo Siufi (PMDB), e pelo pastor/vereador Elizeu Dionízio (agora filiado ao recém criado SDD), já se deveria ter apresentado algo mais

mais na página 4

corumbá

DESCAMBOU DE VEZ

Educação tem a arte como forte aliada para melhor ensinar as crianças

Inconformado com críticas, vereador manda prender desafeto na Câmara Municipal

Buscando oferecer suporte para que as crianças criem seu universo perceptivo e desenvolvam memória e auto-estima, a Prefeitura de Corumbá tem trabalhado o “Lúdico e suas possibilidades nas aulas de arte”.

mais na página 7

SIDROLÂNDIA

Prefeito participa do final do curso de Sagadeiros O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC – encerrou na manhã da última quarta feira (9) o Curso de Salgadeira. O curso foi ministrado pelo SENAC em parceria com a Prefeitura Municipal de Sidrolândia, através da Secretaria Municipal de Assistência Social, dentro do Programa PRONATEC.

mais na página 7

O clima está ficando pior do que esperavam os protagonistas de uma das maiores palhaçadas que já teve registro na história política de Mato Grosso do Sul. A guerra deflagrada por um grupo de vereadores contra o prefeito da Capital, Alcides Bernal (PP) chegou a tal ponto que popular que ousa ir à Câmara – ainda que comandado por lideranças políticas ligadas ao prefeito – está recebendo voz de prisão e sendo encaminhado à Delegacia de Polícia Civil para ser incurso em Inquérito Policial por desacato a

mais na página 4

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Prefeitura de Maracaju firmou convênio com o IEL O prefeito de Maracaju Maurílio Ferreira Azambuja (PMDB) esteve reunido com os secretários municipais e os responsáveis pela implantação do Instituto Euvaldo Lodi

mais na página 7


2 Opinião Editorial

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

Artigos

O Mato Grosso do Sul que queremos

O tiro saiu pela culatra? Se a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no sentido de negar provimento ao pedido de registro do partido denominado Rede Sustentabilidade – REDE -, idealizado pela ex-senadora Marina Silva, teve como pano de fundo a blindagem á candidatura a reeleição da presidente Dilma Roussef (PT), o tiro pode ter saído pela culatra. À véspera do último prazo para os arranjos e rearranjos partidários, a ex-senadora, que contabilizou mais de 20 milhões de votos na eleição presidencial passada, foi acolhida, de braços abertos, pelos militantes do PSBPartido Socialista Brasileiro -, que tem como pré-candidato a presidente da República, o atual governador pernambucano, Eduardo Campos. Assim como dois mais dois são quatro, os 26% de intenções de votos de Marina, somados aos 9% de Eduardo Campos, resultam 35%, praticamente o mesmo índice de intenções de votos da presidente da República e com um agravante para a dor de cabeça que deve ter se apossado da mulher mais poderosa do Brasil: Marina chegou ao PSB com possibilidade reais de se tornar candidata a presidente pelo partido. Simplificando a conversa, ao negar o registro ao REDE e, com isto, tentar alijar Marina da disputa presidencial, os ministros do TSE, ao contrário de enfraquecê-la {a Marina} a fortaleceram politicamente, uma

vez que se ela consegue o registro de seu partido, disputaria a sucessão presidencial com uma legenda fraca, com a mínima estrutura exigida pela Lei. Em síntese, seria apenas o nome de Marina Silva respaldado por uma leva de dons quixotes sonhadores contra toda uma máquina representada pela soma do PT – Partido dos Trabalhadores - com o PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro -, duas das maiores legendas políticas nacionais. Pelo PSB, ainda que aceite ser vice de Eduardo Campos, caso o nome deste cresça junto ao eleitorado nos próximos meses, marina disporá ao seu lado de uma estrutura partidária de grande porte, eis que foram os socialistas os grandes vencedores da eleição municipal do ano passado, quando elegeram o maior número de prefeitos das capitais brasileiras. Para concluir a ideia: não se pode acusar os ministros do TSE de terem agido atendendo interesses do Planalto, mas não se pode negar que o Planalto, primeiro vibrou com o não-registro do REDE para, depois, lamentar as consequências nefastas que esta decisão acabou surtindo. O tempo dirá se essa é ou não a leitura perfeita do que aconteceu nos primeiros dias deste mês outubro que ficou com nuanças mais para verde do que para vermelho.

Cenário Eleitoral para 2014 em MS A arquitetura Groso do Sul percebe que o PT, por meio do quadro políti- do seu candidato Delcidio do Amaral, está Eronildo Barbosa co de Mato Grosso hegemonizando o processo. Delcidio, aos É professor universitário e do Sul para 2014 poucos, está pavimentando, com muito doutor em educação. Email: está recebendo seus cuidado, a estrada que poderá leva-lo ao eronildo B rasil @ hotmail . últimos retoques. governo de Mato Grosso do Sul. com Não deve haver As forças politicas do estado, inclusive muitas novidades. porque não se prepararam para o pleito, Não mais do que três candidatos colocarão exceto o PSDB de Azambuja, tendem a seus nomes a disposição dos eleitores para cerrar fileira com Delcidio. governar o Estado. Todos os passos do PMDB, por exemEssa situação é completamente diferen- plo, seguem na direção da composição te das outras eleições do passado, embora, com o PT. Principalmente depois da ulem 2010, a disputa tenha se concentrado tima pesquisa eleitoral em que Nelsinho entre Zeca e André. Não vejo com bons mostrou não possuir uma boa musculaolhos isso. O ideal é que os partidos lancem tura eleitoral e Simone Tebet optou por seus candidatos. Eles existem para isso. É uma vaga no senado. Assim, pelo andar da carruagem, em bom para a democracia. Cria novos quadros 2014 a disputa pode se materializar entre políticos e oxigena a militância. Só que isso não quer dizer que seja Delcidio e Azambuja. Até porque os seus uma obrigação. Que tem que lançar porque partidos tem interesse, claro, de lançar candidato em Mato a legislação permite. Grosso do Sul. Não. Inclusive para Assim, pelo anO terceiro canevitar os vexames em dar da carruagem, em didato, se sair, pelo que candidatos são lançados para cumprir 2014 a disputa pode retrato de hoje, não o miserável papel de se materializar entre terá expressão eleiPosso explicar “laranja”. Nesse caso é Delcidio e Azambuja toral. minha ilação pelo melhor não lançar. simples fato de que Os partidos precisam preparar seus até o momento nenhum partido, mequadros. Não dá para chegar no período eleitoral e tirar um can- nor eleitoralmente, tenha anunciado didato do “bolso do colete”. É bem possível alguma candidatura diferente. A surpresa que a quantidade de partidos no país, alguns não apareceu. E acho que não vai aparecer. claramente legenda de aluguel, concorra Mesmo que Marina e Campos formem para essa situação, ou seja, ao não ter com- uma chapa nacional. Assim mesmo não promisso com a militância e com a nação, acredito em uma terceira via competitiva a agremiação não faz o menor esforço para aqui no estado. O jogo principal deve ser preparar seu candidato. Prefere se aboletar entre PSDB e PT. no “ônibus” eleitoral de um partido mais Também não vejo espaço para um forte. chapão. E é bom que não tenha. Partido Quem acompanha a politica de Mato existe para disputar eleição.

expediente

é propriedade da

Diretor Antônio Carlos Oliveira Diretoria Comercial Max Feitosa Milas Editoria e Reportagens-MT Beatriz Girardi - DRT - 118-MT Editor e Reportagem - MS Jota Menon Reportagens Beatriz Girardi, Regina Botelho, Jota Menon redacao@copopular.com.br Estagiários Ana Sampaio Editor de Arte Mário Pulcherio Filho Diagramação Leonardo Arruda Charge Fernando Ordakowski Circulação Brasília, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul

Sedes Avenida Miguel Sultil, nº 4.353 - Areão Cuiabá - Mato Grosso - CEP: 78.010-500 Fone (65) 3623-4300/e-mail: adm@copopular.com.br

Endereço Brasília CLSW - 301 - Bloco A - Edifício Spaço Vip Sala 136 - Setor Sudoeste Fones: (61) 3028-1388/3028-1488

Escrtório Campo Grande Rua Joaquim Murtinho, nº 184 - Centro Campo Grande - Mato Grosso do Sul CEP: 79.002-100 Fone (67) 3029-4214 e-mail: admms@copopular.com.br Assinaturas: (65) 3046-0400 (67) 3029-4214 Acesse: www.copopular.com.br

Os artigos de opinião assinados por colaboradores e/ou articulistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Não representam assim a opinião do jornal.

Nosso Estado Mato Grosso é o maior produtor de grãos do completa este mês Brasil, atualmente com 45 milhões de tonela36 anos de existência. das, enquanto Mato Grosso do Sul é o quinto Do ponto de vista his- colocado, com 14 milhões de toneladas. tórico, podemos dizer Sem querer transformar estes números que ainda somos jovens, embora tenhamos (existem muitos outros) numa espécie de disum passado de realizações acumuladas para puta entre Estados, creio que os indicadores ser comemorado e estudado. Por isso, a data é são importantes para que tenhamos em mente importante para abrir espaço para a análise so- que, a despeito das vantagens geográficas, vem bre os caminhos percorridos até aqui. Quando se tornando mais claro que, no balanço da o Mato Grosso foi desmembrado – resultado história, Mato Grosso do Sul não conseguiu de lutas seculares dos divisionistas da região até aqui a cumprir as promessas do processo Sul – de imediato gerou-se imensa expectativa divisório. diante do novo Estado que nascia. Pergunta-se: o que aconteceu nestes 36 A ideia era simples e lógica. Sem ter que anos para que houvesse essa reversão de expeccarregar o gigante do Norte nas costas, o Sul tativas? As explicações não são simples. Mas ficaria mais leve para acelerar seu processo penso que o principal fator foi não dar devido valor ao planejamento de desenvolvimento, estratégico e democrátransformando-se em tico. É fácil falar sobre poucos anos numa unidade federativa meio o leite derramado. Mas O fato é que as insisto nesta tese: toda a parecida com o Paracoisas não ocorre- vez que coloco um mapa ná e São Paulo. Daí se ram como se ima- de Mato Grosso do Sul criou, lá pelos idos de 1979/80, o conceito de sobre a mesa e começo ginava “Estado Modelo”. a estudar suas potencialidades fico otimista Nessa época, muitos brasileiros de várias e vislumbro possibiliregiões migraram para o Mato Grosso do Sul dades de transformarmos nossa realidade. acreditando que aqui era a terra da esperan- Basta estabelecer uma meta, ou seja, sonhar o ça, da oportunidade e do progresso. Vivemos que o Mato Grosso do Sul poderá ser quando nossa fase de Eldorado, que durou pouco pelas completar o seu cinquentenário, por exemplo. razões que os historiadores e estudiosos de Não é tarefa fácil. Mas com determinação e nossa política costumam apontar. metodologia chegaremos lá. Tenho percorrido O fato é que as coisas não ocorreram o Estado todo e acredito que temos que aprencomo se imaginava. As décadas se passaram e der com os erros e acertos praticados até aqui. muitos constatam hoje que o surto de desen- De cara, está errada essa política de planejar e volvimento foi muito mais favorável ao Mato querer fazer tudo de cima para baixo, sem ouvir Grosso. Os dados econômicos dos dois Estados, ninguém, sem dar pelota para as aspirações comparativamente, são eloquentes. da sociedade. O resultado é a nossa baixa perMato Grosso logo de cara saiu ganhando formance, apesar da propaganda do Governo. A questão mais grave é que nosso cresciem espaço. O Estado é 2,5 vezes maior do que o Mato Grosso do Sul. Por isso, seu PIB é mento tem ocorrido de maneira concentrada. superior em 63% (R$ 57,3 bilhões, conforme E não se toma medidas para reverter esse o IBGE) ao do nosso Estado (R$ 36,4 bilhões) processo. É preocupante o fato de que mais de e a renda per capita é maior em Mato Grosso 70% da população resida em pouco mais de 10 (R$ 20 mil) do que em Mato Grosso do Sul cidades. Ou seja: temos hoje algumas ilhas de (R$ 15,5 mil). Apesar disso, temos um IDH prosperidade num mar de empobrecimento da maioria dos municípios. um pouco melhor. Acredito que temos que discutir amMato Grosso tem uma população de pouco mais de 3 milhões de habitantes enquanto nós plamente esse assunto com a sociedade. O sul-mato-grossenses somos 2,5 milhões. Em processo de planejamento tem que contemtermos produtivos Mato Grosso – graças ao seu plar a todos de forma que o crescimento seja tamanho e à política de incentivos federais – equilibrado. Nesse caso, o papel do Estado nos suplantou em poucos anos. Até o começo deve ser o de indutor de desenvolvimento em dos anos 90, tínhamos a expectativa de ser o convergência com as aspirações regionais, maior produtor de bovinos do País. Atualmente amparado por estudos de vocação produtiva de ocupamos a 4ª posição, com 21,5 milhões de cada um. O Mato Grosso do Sul que queremos cabeça, enquanto Mato Grosso tem o maior é outro: mais igualitário, melhor planejado e mais aberto para as aspirações da população. rebanho: 30 milhões de cabeça. O mesmo ocorre com a produção agrícola. Só assim vamos poder de fato comemorar. Reinaldo Azambuja* *Deputado Federal do PSDB

Falou e Disse

“O Jamal não veio. Mas outros poderiam se abster também de votar. Outros poderiam sair do plenário. Tínhamos uma estratégia e precisamos proteger o prefeito”. Vereador João Rocha (PSDB) admitindo o bloqueio à votação da instalação da Comissão Processante contra Alcides Bernal (PP)

Ponto de Vista

Nada como.... ...um dia após o outro. Não há de ver que e a pimenta há de o tiro saiu pela culatra e foram eles que se fe- arder-lhes até outuriram, tanto fizeram para impedir o registro bro de 2014. Claro, partidário da Rede Sustentabilidade. Eis que as eleições estão a num rasgo de maestria política a ex-senadora pouco menos de um *Ruben Figueiró Marina, tal como a fênix, ressurge com sua ano e parodiando “Rede Clandestina” como a possível fiadora Mahatma Gandhi, é senador pelo PSDB-MS da derrota de seus algozes palacianos nas muita água passará eleições vindouras de 2014. abaixo das pontes João Ubaldo Ribeiro, expoente como partidárias. escritor e cronista, creio que também exNo entretanto, a torrente d’água ocor-seminarista, ao contestar a versão de vida rida no último dia 05, sem dúvida corroeu tranquila dos que morejam na arte de escre- o cimento da base aliada. Muitas de suas ver, lembrando Terêncio – ou quem quer que lideranças tiveram o sono agitado no final o disse – que “alieno, culo piper refrigerium”. de semana. Afinal, os barrancos que contiEm português castiço “Pimenta no oropigio nham o leito situacionista foram erodidos pelo efeito do rompimento da represa de dos outros é refresco”... É o que merecem dentre outros, os orá- indignação e revolta que causou aos exculos da Corte: João Santana e F r a n k l i n -companheiros de lutas passadas. Martins, que ditam os Do lado oposicionista, aforante os larumos publicitários do Planalto, mas o feitiço No entretanto, a tor- mentos do presidente PPS, a decisão da virou contra estes. rente d’água ocorrida do ex-senadora foi receHá agora uma alno último dia 05, sem bida com otimismo garavia de vozes no dúvida corroeu o ci- dentro das expectatisótão palaciano na tentativa de rearrumar a mento da base aliada vas de que o PSB fortalecido com a presencasa abalada pelos ventos tempestuosos plança da Marina assegura tados justamente por o segundo turno na seus ocupantes. Tanto fizeram contra a Rede, eleição presidencial futura. tanto subestimaram o PSB, considerando-os seus súditos e serviçais, que a reação veio


Política 3

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

ENTRA-E-SAI

Troca-troca partidário redefine representação partidária na AL de MS Jota Menon Campo Grande – MS.

CRÉDITOS Divulgação

Enquanto PROS “nasce” com dois deputados e PDT “dobra” bancada, PSB e PSL deixam de ter representatividade no Poder

O troca-troca partidário, cujo prazo permitido pela legislação eleitoral expirou-se no último dia 5, redefiniu em pouca proporção as bancadas na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Até a data limite de filiação, as poucas acomodações ficaram por conta das saídas dos deputados estaduais George Takimoto, que trocou o PSL (Partido Social Liberal) pelo PDT (Partido Democrático Trabalhista) e; Lauro Davi (ex-PSB) e Osvane Ramos (ex-PTdoB), que se abrigaram no recém criado PROS (Partido Republicano da Ordem Social). No âmbito federal, o deputado licenciado Edson Giroto deixou o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) para retornar ao partido que lhe deu o mandato, o PR (Partido da República). A migração de parlamentares de uma cadeira para outra, no entanto, fortaleceu apenas a bancada do PDT, reduziu o número de representante do PTdoB (Partido Trabalhista do Brasil) fez sumirem as bancadas do PSL e PSB (Partido Socialista Brasileiro) na Casa, assim como propiciou o surgimento do PROS.

Jota Menon - jota.menon@uol.com.br

PÉSSIMA OPÇÃO Nos meios políticos foram fortes os comentários negativos sobre a opção partidária feita pelo vereador campo-grandense Herculano Borges, que deixou o PSC (Partido Social Cristão) para se filiar ao recém-criado SDD (Solidariedade). Segundo os disse-que-disse dos bastidores políticos, se ficasse no partido pelo qual foi eleito e reeleito vereador, Herculano Borges estaria com as nádegas prontinhas para aconchegar-se em uma cadeira na Assembleia Legislativa. CAUSA E EFEITO Licenciado na Câmara Municipal da Capital para exercer o cargo fictício de secretário de estado da Juventude, Herculano pretendia se filiar ao PROS (Partido Republicano da Ordem Social), mas desistiu quando o controle da legenda caiu nas mãos do senador Delcídio do Amaral, pré-candidato do PT ao Governo do Estado. Herculano se propôs a deixar o PSC porque a legenda tem compromisso com Delcídio que, se eleito governador, abre a vaga de senador ao professor Pedro Chaves (ex-dono da Uniderp), primeiro suplente ao Senado. EFEITO BUMERANGUE O ato de Herculano pode ser considerado meio mal analisado, haja vista que, nas hostes peemedebistas, há tendência majoritária pela repetição em nível de província da aliança nacional que coloca o PT como cabeça de chapa (Dilma) e o PMDB indicando o vice-presidente (Michel Temer). Se isto ocorrer, Herculano vai ter que “engolir” a candidatura de Delcídio. DEPUTADO ESTADUAL Voltando ao primeiro tópico da coluna, Herculano, no PSC, seria deputado estadual eleito com facilidade pelo fato de sua suplente, Juliana Zorzo, ser filha do presidente regional da legenda, o empresário Wilson Joaquim da Silva, o Wilson Dallas. Claro que ninguém iria admitir isso publicamente, mas, com certeza, todas as cartas sociais-cristãs seriam jogadas a favor da eleição de Herculano, para que Juliana se efetivasse como titular da cadeira de vereadora da Capital.

Geroge Takimoto, novo pedetista na AL/MS

desfiliação de Osvane Ramos, que preferiu tentar a reeleição pelo PROS. Sua filiação ao partido recém

Lídio Lopes, agora no nanico PEN

A bancada do PDT contava apenas com um representante na Assembleia, Felipe Orro. Com a filiação de Takimoto, o partido “cresce 100%” e passa a ter dois deputados. Já a bancada do PTdoB passou a contar com os deputados Márcio Fernandes e Mara Caseiro a partir da

POLITICANDO

ro Davi, deixou a legenda atirando contra os ex-correligionários, dizendo que o partido estava parado no tempo aguardando definição da direção nacional e que por causa disso poderia ficar isolado. À imprensa, Lauro disse que deixou o partido para participar mais ativamente das eleições de 2014. Em outras palavras, ele preferiu não entrar em conflito com lideranças do PSB. CÂMARA MUNICIPAL Presidido no Estado pelo vereador de Campo Grande, Alceu Bueno, o PSL foi quem teve prejuízo em

pulsão no PP por causa de divergências políticas com o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, ele se filiou e assumiu o controle do nanico PEN (Partido Ecológico Nacional) em Mato Grosso do Sul. Lídio não perdeu e nem perderá seu mandato na Assembleia porque a justiça entendeu que não houve ato de infidelidade partidária, e que foi o partido que decidiu por sua expulsão. O deputado, que ganhou o cargo depois que o titular da cadeira, Paulo Duarte (PT), se elegeu prefeito do município de Corumbá, disse

criado visa apoiar a candidatura do senador Delcídio do Amaral (PT – Partido dos Trabalhadores) ao governo de Mato Grosso do Sul, no ano que vem. Ele foi o principal articulador da criação do novo partido no Estado. Único representante do PSB na Assembleia, Lau-

Lauro Davi seguiu o mesmo caminho de Osvane: PROS

duas Casas Legislativas, já que, além de Takimoto, na Assembleia, perdeu também o vereador Elizeu Dionízio para o recém criado SDD (Solidariedade).

Osvane Ramos preferiu migrar para o recém-formado PROS

ECOLÓGICO Há ainda o caso do deputado estadual Lídio Lopes. Como já estava sem partido desde que sofreu pressão e ameaças de ex-

antes mesmo de sua filiação que no novo partido poderá levar adiante seus projetos e criar novas expectativas políticas, o que não aconteceria se ele se filiasse em uma legenda de maior expressão eleitoral. “Recebei convites de vários partidos, mas em alguns não teria o espaço necessário”, previu Lídio, que tentará retornar à Assembleia em 2014.

DEPUTADO ESTADUAL (1) Como Herculano quis preservar o cargo que só dá status de secretário de estado, eis que até agora não se disse a que foi criada a tal da Secretaria da Juventude, a aposta é no sentido de que todo o staff do PSC vá trabalhar para eleger Juliana Zorzo deputada estadual, “roubando” a cadeira que seria dada de bandeja a Herculano. TIRO NO PÉ Mudando de Campo Grande para Brasília, a decisão do Tribunal Superior Eleitoral – TSE – no sentido de rejeitar o registro do partido criado pela ex-senadora Marina Silva, o Rede Sustentabilidade, pode ter sido um tiro no pé, se é que teve ingerências externas influenciando a decisão dos ministros. TIRO NO PÉ (1) Ao ver negado o pedido de registro da Rede, Marina tomou a decisão menos esperada – porém, lógica. Ela se filiou ao PSB – (Partido Socialista Brasileiro) – do governador pernambucano Eduardo Campos, pré-candidato socialista à Presidência da República e já garante, no mínimo, a condição de candidata a vice-presidente na chapa peessebista. PROVÍNCIA A vinda do ministro da educação, Aloísio Mercadante, a Campo Grande, já gera as primeiras reações internas no PT (Partido dos Trabalhadores). A visita foi vista como um canal para fomentar a articulação visando aliança entre dois tradicionais rivais no Estado, o PT e o PMDB. Mas, nem bem se falou sobre o assunto e já se sentiu resistências na “companheirada” que tem no ex-governador Zeca seu principal opositor. “Se ele veio com essa ideia, caiu do cavalo. O PT não pode cometer esse suicídio que seria se aliar ao PMDB ou ao PSDB. Tenho absoluta convicção que o nosso partido não precisa desse tipo de aliança para o Delcídio vencer. O povo não quer e se fizermos isso corremos o risco de perder as eleições”, disse Zeca, lembrando que as alianças passam pelo crivo decisivo da plenária do PT. PROVÍNCIA (1) Para Zeca, a recente pesquisa Ibrape/Midiamax mostra o senador Delcídio do Amaral (PT) com uma candidatura muito forte, e bem a frente de todos os demais concorrentes na disputa eleitoral para governador de Mato Grosso do Sul. O ex-governador vê o cenário de 2014 mais favorável do que as outras duas vezes que o partido venceu, quando ele mesmo foi o candidato ao cargo. “O povo daqui já perdeu o medo do PT e está com saudade do nosso modelo de governar”. SENADO O ex-governador tem a mesma postura contrária à aliança para o cargo de governador quanto à de senador. “Temos nomes dentro e fora do partido que podem muito bem ocupar a vaga de senador”. Ele defende que o PT deve buscar um nome que tenha afinidade com seus ideais e projetos e, principalmente, já tenham participado de outras caminhadas do partido. “O Pedro Kemp {deputado estadual} é uma possibilidade pela pessoa que é, assim como a Tatiana Ujacow {que foi sua candidata a vice na eleição passada}, que é uma mulher comprometida com as causas sociais”. Zeca só se esqueceu de dizer que ele também está na fila e, no caso de uma chapa pura, não pensaria duas vezes para dizer “sim, sim, sim, e sim” se fosse convidado para ser o candidato a senador do PT. NO PSB Apenas a título de informação, a advogada Tatiana Ujacow que participou do movimento de fundação da Rede Sustentabilidade em Mato Grosso do Sul, acompanhou a ex-senadora Marina Silva e se filiou ao PSB do Estado. VIVA O PORCO! Se o Zeca do PT não pensaria duas vezes para dizer “sim, sim, sim, e sim”, eu não penso um segundo para dizer viva, o Porco, viva o Porco, viva o Porco e viva o Porco!


4 Política

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

O TROCO

Manifestantes atiram moedas contra vereadores e comissão processante é adiada mais uma vez Jota Menon Campo Grande – MS.

Uma verdadeira palhaçada. Assim pode se definir o que vem ocorrendo na Câmara Municipal, onde uma ampla maioria, formada por 20 dos 29 vereadores, faz muito estardalhaço, mas não apresenta nada de concreto. Pelo barulho que já fizeram os integrantes da oposição na Câmara, liderados pelo ex-presidente da Casa, vereador Paulo Siufi (PMDB), e pelo pastor/vereador Elizeu Dionízio (agora filiado ao recém criado SDD), já se deveria ter apresentado algo mais definitivo para a população. Como os vereadores da oposição não se entendem e falam pelos cotovelos, como ocorreu com Siufi que chegou a classificar a terça-feira passada como “dia da alegria” numa alusão de que a sua almejada vingança contra Bernal, que o colocou a público como funcionário fantasma da Prefeitura, começaria a se tornar realidade a partir da instalação de uma comissão processante, o processo está emperrado na Casa de Leis. Ocorre que para instalar a tal comissão, a oposição

Foto: Midiamax

Em sessão ordinária que mais parecia um circo – sem qualquer trocadilho infame -, o palhaço Chocolate, que se tornou vereador, acabou atingido por moedas e saiu do plenário aos prantos

Servidora pública que atingiu vereador com moedas foi identificada entre manifestantes

precisa de 20 votos. Exatamente o número de vereadores que foram eleitos na chapa de Edson Giroto (PMDB), que perdeu a prefeitura para Bernal, que, por sua vez, elegeu apenas dois vereadores no primeiro turno e ganhou

o apoio de outros sete no embate decisivo. Mas, mesmo com esse grande contingente, há defecções na oposição. Na terça-feira “da alegria”, como queria Siufi, o vereador Dr. Jamal (PR), que já vinha

faltando a muitas sessões da Câmara, simplesmente faltou novamente. Sem o voto dele, faltaria um, porque os nove vereadores de Bernal, apesar também do destempero verborrágico – falam também pelos cotovelos – votam coesos na hora do vamos ver. A ausência de Jamal Salem provocou tumulto na Câmara. A vereadora Grazielle Machado (PR) pediu a palavra e exigiu que fossem registrados os vereadores ausentes na sessão. O vereador João Rocha (PSDB), que é da base aliada do Bernal, tentou justificar a ausência de Jamal, dizendo que este tinha viagem marcada há quatro meses e por isso não estava presente. O presidente da Câmara Mário César (PMDB) negou a informação e disse ter conversado com Jamal por telefone e que ele estava em Campo Grande. O vereador Edil Albuquerque (PMDB) pediu a palavra e disse que a viagem de Jamal estava programada para as 14h daquele dia e que, logo, dava para ele ter comparecido à sessão. Grazielle Machado declarou que Jamal deveria dar uma satisfação para a população presente na sessão da Câmara.

O que ninguém esperava, contudo, é que a presença de um grande público nas galerias da Câmara Municipal fosse acabar em tumulto. Revoltados com o que consideram perseguição a Bernal, cerca de 500 moradores de bairros de Campo Grande – houve a denúncia de que haviam moradores de Sidrolândia recrutados para o protestos – começaram a atirar moedas contra os vereadores. O vereador Waldecy Chocolate (PP) foi atingido por moedas de pessoas que se identificam como sindicalistas na Câmara de Campo Grande. Assustado com a violência que se tornou a sessão da Câmara, ele saiu chorando e amparado pelo vereador João Rocha (PSDB). IDENTIFICADA Uma das personagens mais ativas no ‘moedaço’ que constrangeu vereadores de oposição era Rosângela da Silva Napoleão, funcionária pública estadual. Ela é integrante do chamado ‘Movimento Voluntário’, responsável pelas maiores contestações aos vereadores da capital. Nas fotos da manifesta-

ção de terça-feira, Rosângela da Silva Napoleão aparece portando uma garrafa pet cheia de moedas. Em outra foto, ela surge distribuindo as moedas aos manifestantes. Como consequência do ‘moedaço’, o vereador Waldecy Batista Nunes (PP), conhecido como ‘Chocolate’, deixou o plenário da Câmara chorando, depois de acusado de traição à base do prefeito, pela qual se elegeu, e de ter mudado para o lado da oposição, liderada pelo PMDB. Os tumultos e a troca de acusações entre vereadores da situação e da oposição motivaram o presidente da Câmara, Mário César (PMDB), a suspender a sessão, como alegou. Com o adiamento da sessão da votação por uma semana, estabelecido em acordo com o presidente da Câmara e a direção de entidades que protestaram na Casa, o prefeito Alcides Bernal ganhou um prazo maior para convencer vereadores indecisos a se aliarem a ele. A próxima tentativa de instalar a tal comissão processante se dará na sessão matinal da próxima terça-feira, 15 de outubro.

DESCAMBOU DE VEZ

Inconformado com críticas, vereador manda prender desafeto na Câmara Municipal Jota Menon Campo Grande

O clima está ficando pior do que esperavam os protagonistas de uma das maiores palhaçadas que já teve registro na história política de Mato Grosso do Sul. A guerra deflagrada por um grupo de vereadores contra o prefeito da Capital, Alcides Bernal (PP) chegou a tal ponto que popular que ousa ir à Câmara – ainda que comandado por lideranças políticas ligadas ao prefeito – está recebendo voz de prisão e sendo encaminhado à Delegacia de Polícia Civil para ser incurso em Inquérito Policial por desacato a autoridade. Foi o que aconteceu na manhã da última quinta-feira quando, depois de discutir com o pastor Elizeu Dionízio (SDD), que exerce o cargo de vereador, chamando-o de “ladrão” e questionando sua oposição contra o prefeito Alcides Bernal, o empresário Rodrigo Valle da Costa, de 35 anos, foi preso, por desacato, na Câmara de Campo Grande. O vereador Elizeu Dionízio que, recentemente, chamou o prefeito de “ladrão”, mas não provou o que o chefe do Executivo roubou, foi quem deu voz de prisão ao cidadão. Rodrigo Valle da Costa foi candidato à uma cadeira na Câmara, no ano passado, concorrendo com o nome político de “Rodrigo Mão”. Ele era filiado ao nanico PHS quando levou nome à apreciação popular. De acordo com as informações já divulgadas em sites e jornais impressos da Capital, mas sem uma análise mais profunda da crise que se torna aguda na Capital, durante a

sessão da quinta-feira, Costa foi até a grade do plenário, chamou o vereador para conversar e iniciou a discussão. O empresário acusou o vereador de desvio de dinheiro, falou do seu pai, que preside a igreja Assembleia de Deus Missões e questionou o vereador que foi o relator da “CPI do Calote” contra a gestão do prefeito. “Que moral você tem para falar em cassação?” disparou. Contido por guardas municipais, Rodrigo acabou levado para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) no Centro, onde foi autuado e posteriormente liberado. Durante o princípio de tumulto, o vereador Alex do PT, líder do prefeito, tentou impedir sem sucesso a prisão de Valle da Costa, e acompanhou o empresário até a delegacia, para onde também foi Dionízio formalizar queixa por desacato. Sem querer entrar no mérito dessa briga que tem impedido a administração municipal de “andar” ou ao menos serve de desculpa para a inoperância administrativa que paira sobre Campo Grade, o que ficou claro é que, nos sites da Internet, os defensores de Bernal atuam com muita força e continuam acreditando que os vereadores são os responsáveis diretos pelo caos que se instalou na Cidade Morena. Os internautas que comentaram a notícia veiculada pelo site Midiamax, por exemplo, quase que por unanimidade condenaram a atitude do vereador que deu voz de prisão a um eleitor que expunha seu pensamento sobre a atuação dele no Poder Legislativo. Sebastião Ronei Souza

Ribeiro abriu a seção de comentários jogando pesado contra os vereadores. “Se for assim, vamos lá dar voz de prisão aos vereadores cassados (risos). É pra acaba, viu” afirmou. Quase que na mesma linha de pensamento de Ronei, o consultor de marketing Ed Dourado, questionou: “Mais e aí? Nos casos dos vereadores, então? A população pode-lhes dar voz de prisão também, já que desrespeitam o povo em seu exercício {de mandato}, desviando todo e qualquer fato para uso exclusivo em bem próprio?” questiona. Leandro de Oliveira que trabalha na Rede Municipal de Ensino de Campo Grande vai para a seara das escolas públicas municipais perguntando: “Não podemos prender pais de alunos que agridem professores e funcionários nas escolas? A lei não vale pra eles? Só pra vereadores?”. Wilds Ovando Pereira é enfático ao dizer que enxerga na “voz de prisão” de Elizeu Dionízio uma forma de expulsar o povo para longe do Poder Legislativo. “Esta é mais uma forma dos vereadores tentarem manter o povo insatisfeito longe da Câmara Municipal. Quem estiver insatisfeito não apareça na Câmara, pois, pode receber voz de prisão dos vereadores que não aceitam criticas. Estes vereadores da oposição só querem apontar o dedo causando o caos em Campo Grande (quanto pior melhor). Ficaram por oito anos aceitando tudo do Nelsinho e agora um risco é Francisco para eles. Vai deitá seus... Parem com essa palhaçada bando de sanguessugas” escreveu. Em tom de quem entende de Direito, Roque Nunes da

Cunha analisou o fato sob a luz da legislação que faculta a qualquer cidadão do povo prender em flagrante quem esteja cometendo um delito. “Está respondida a questão. No Estado democrático de Direito, qualquer cidadão pode dar voz de prisão em flagrante delito e acionar a autoridade policial para executar a prisão “de fato”. Mas, isso remete a uma questão que foi levantada neste jornal on line {referindo-se ao Midiamax}: na casa do povo pode alguém dar voz de prisão ao povo. Sim. é uma resposta categórica. Por ser a casa do povo ela possui regras e regimentos para seu funcionamento, bem como a autoridade constituída está revestida de poderes dados pelo próprio povo. Portanto, mesmo lá dentro, se o povo viola a lei e os estatutos de funcionamento da casa do povo, os responsáveis por essa casa têm o dever, veja bem, o dever, e não o direito, de dar voz de prisão àqueles que desacatam e violam as suas normas de funcionamento”. Daniel Sanches concorda com a teoria de que qualquer do povo tenha o poder de dar voz de prisão, mas discorda em se tratando de um vereador que recebe críticas. “Do ponto de vista legal qualquer pessoa do povo pode dar voz de prisão. Mas isso é um abuso em se tratando do vereador. Há poucos dias ele chamou o prefeito de ladrão, sem provas; alguém poderia ter dado voz de prisão e não foi feito. Parece-me que é uma medida anti-manifestação: estão querendo impedir que as pessoas do povo compareçam na “Casa do Povo”, o que chega a ser um paradoxo”. Mirian Costa foi irônica: “Então, já sabem: quem pe-

Foto Midiamax

Clima de guerra entre vereadores e prefeito Campo Grande chegou a tal ponto que um popular desacatou pastor que exerce mandato no Legislativo Municipal e acabou recebendo voz de prisão do próprio vereador

O empresário recebeu voz de prisão de vereador ofendido e foi parar na Delegacia, onde vai ser incurso em inquérito policial

gar um dos santos da Câmara fazendo o que mais supostamente sabem fazer, já tem a informação sobre como agir”. MOTIVAÇÃO A motivação dos internautas para comentar e discordar da “autoridade” do vereador para dar voz de prisão a alguém que esteja discordando da forma com que atua na Câmara foi um texto complementar veiculado no site Midiamax por meio do qual o site explica a legislação brasileira que faculta esse poder de polícia a qualquer cidadão nacional. Diz o texto: “Após a veiculação da voz de prisão dada pelo vereador Elizeu Dionizio (SDD) ao ex-candidato Rodrigo Mão na manhã desta quinta-feira em Campo Grande, internautas questionaram

se o parlamentar teria autoridade para isso. O artigo 301 do Código do Processo Penal preconiza que “qualquer do povo poderá e as autoridades policiais e seus agentes deverão prender quem quer que seja encontrado em flagrante delito”. Como foi desacatado no exercício da profissão por Rodrigo, o vereador resolver restabelecer a ordem na Casa de Leis e proferiu a voz de prisão. Fato que causou semelhante estranhamento, foi o caso de uma estudante de Direito no Rio de Janeiro deu voz de prisão a um major da Polícia Militar durante uma ação de protestos. Ela se sentiu ofendida pelo policial que, ao conversar com ela, começou a gritar e a apontar o dedo, como mostram as imagens divulgadas pelo YouTube”.


Política 5

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

ELEIÇÃO 2014

O deputado federal licenciado e atual secretário estadual de Obras Públicas e de Transportes, Edson Giroto voltou ao Partido da República (PR), pelo qual conquistou o seu mandato com mais de 150 mil votos. Na da última segunda-feira (7), o deputado estadual Londres Machado, presidente regional da legenda, reuniu-se com os demais integrantes da executiva estadual para receber “o bom filho que à casa torna”. Giroto volta ás origens cotado para disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa, mas seu nome já é lembrado para suprir uma possível necessidade de nome para concorrer ao Governo do Estado. Na solenidade de filiação de Giroto ao PR, também se filiaram ao partido

A cúpula do PR, representada por sua bancada na Assembleia Legislativa, e o deputado federal Giroto, que retornou às hostes republicanas

o ex-deputado federal Antônio Cruz (exerceu quatro mandatos de vereador e três de deputado federal, sendo um dos mais votados) e seu

filho, Augusto Cruz. De acordo com Londres Machado, essa é uma primeira etapa cumprida pelo partido com vistas à disputa

eleitoral de 2014. “Primeiro estamos fazendo bons quadros para a disputa”, disse o dirigente republicano, acrescentando que a segunda eta-

CRÉDITO Divulgação

Giroto pode ser deputado estadual e presidir a Assembleia prevêem analistas

Federal Reinaldo Azambuja (PSDB), Prefeito de Fátima do Sul Júnior Vasconcelos (PSDB), André Puccinelli (PMDB) e Delcidio do Amaral (PT): deputado, governador e senador podem estar juntos, num mesmo palanque, em 2014

O comando do PR em Campo Grande é dividido entre dois dos três deputados estaduais que integram a bancada na Assembléia Legislativa. Antônio Carlos Arroyo preside e Paulo Corrêa é seu vice-presidente. O presidente regional da legenda é o decano da Casa de Leis, Londres Machado, que tem seu domicílio eleitoral na pequena cidade de Fátima do Sul, na região da Grande Dourados. Na Capital é PR é bem

dividido, mesmo. Corrêa é “delcidista” de primeira hora e de quatro costados. Não esconde de ninguém que seu coração pulsa pelo apoio á candidatura do petista. Arroyo é “andrezista” apaixonado. Vai seguir cegamente Paulo Corrêa no apoio a Delcídio... se o governador assim o quiser. Se a opção do líder maior do for por candidatura própria ou pelo apoio a qualquer outro candidato que seja, Arroyo não só discute se for com Paulo Corrêa. E Londres Machado? Londres Machado observa

Grande, deputado Antonio Carlos Arroyo, disse que o PR tem muito a ganhar com a volta de Giroto para a legenda. Segundo ele, todas as decisões serão tomadas em conjunto. Ele destacou que o fato do partido estar na base aliada do governo do PMDB, não significa que seja condição para uma continuidade. “Vamos discutir com todos os companheiros qual o caminho a ser seguido para 2014. Faremos os encontros para discutir o futuro rumo, conforme o nosso presidente regional Londres Machado”. O vice-presidente municipal do PR, deputado Paulo Corrêa, disse que Edson Giroto, pelo seu peso político nunca deveria ter saído do partido e que o PR se alegrava por mais uma vez contar em seu quadro com um homem público “de tamanha envergadura”. (JM com informações do Correio do Estado).

CONSEQUÊNCIA

FUTUROLOGIA

Jota Menon Campo Grande – MS

pa, que será o entendimento com demais partidos para a concretização de alianças, será em 2014. “O PR não negociará de cócoras, de joelhos, o partido vai conversar com altivez”, disse. Edson Giroto disse que volta para cumprir qualquer missão que lhe for confiada pelo PR. “Serei um homem do partido, respeitando todas as missões que me forem confiadas”. Na oportunidade, o parlamentar afirmou que o PR, com sua participação em eleições anteriores, demonstrou o seu forte potencial eleitoral, lembrando que o somatório da votação dele {Londres Machado)} e dos demais parlamentares do partido, Antonio Carlos Arroyo e Paulo Corrêa, representou mais de 10% dos votos válidos que, inclusive, pode decidir uma eleição. Já o presidente municipal do partido em Campo

e, se precisar, intervém de bombeiro, aliás, como sempre atuou em sua vida política. Com uma leitura dessas sobre os republicanos de Mato Grosso do Sul, procedem as ilações nos meios políticos de que Giroto retornou ao PR fazendo parte de um projeto previamente discutido nos gabinetes palacianos. O projeto baseia-se, a despeito das negativas públicas, numa quase consolidada aliança do PMDB, do governador André Puccinelli, com o PT, de Delcídio do Amaral, em que a vaga de candidato a

senador da República ficaria com... André é claro! A vaga de vice-governador ficaria aberta para negociações, encaixando-se perfeitamente no fechamento da “majoritária” o ex-prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB). Outra hipótese – e aqui há também negativas e mais negativas públicas – seria o “encaixe” do deputado federal Reinaldo Azambuja, do PSDB, como candidato a vice, sacramentando-se praticamente a candidatura única de Delcídio ao Governo. E Giroto, onde entra nisso? Bem, a Giroto estaria reservado o dever de se tornar o deputado estadual mais votado nas eleições de 2014 e, com isto – e com o aval de Delcídio do Amaral – se tornar presidente da Assembleia Legislativa. Assim, numa costura política de fazer inveja a Nicolai Maquiavel, o PMDB que já perdeu a Prefeitura de Campo Grande e corre o sério risco de perder o Governo do Estado, ao menos garantiria um poder em suas mãos, a Assembleia Legislativa. Se nada disso der certo, Giroto já disse que voltava ao PR “para o que der e vier”, deixando claro que se os republicanos, com o aval de Puccinelli, resolver lançá-lo ao Governo do Estado, ele não tem medo do embate e vai para o front.

Líder do governo diz que Giroto no PR fortalece aliança com republicanos Crédito Arquivo

Da Redação Campo Grande – MS

Crédito – Gerson Walber (Correio do Estado)

Giroto volta ao PR e pode ser candidato a governador no grupo de Puccinelli

Líder do Governo na AL/MS, Mochi apoiou volta de Giroto para o PR

O presidente estadual do PMDB, o deputado Junior Mochi (PMDB), afirmou que a ida do secretário estadual de obras, Edson Giroto para o PR fortalece a parceria com o partido, que sempre foi aliado do governador André Puccinelli (PMDB) em sua administração. Mochi destacou que já havia um pedido da direção nacional do PR que Mato Grosso do Sul tivesse um representante do partido na bancada federal e que após a saída de Giroto esta lacuna não foi preenchida. “Foi uma solicitação a nível federal do PR que nós aceitamos, e nossa parceria vai continuar”, destacou ele. Questionado sobre a possibilidade levantada por Jerson Domingos que Giroto poderia ser vice de Delcídio do Amaral (PT)

em 2014, Mochi diz que são apenas hipóteses. “Ele apostou em uma conjuntura política, mas eu também posso apostar e fazer a minha”, enfatizou. O deputado estadual Antonio Carlos Arroyo (PR) já havia dito que o PR deveria seguir na base do PMDB e que apesar de não ter uma decisão definida, tudo indica que o acordo deve acontecer. “Nossa parceria não será só política, mas vamos participar do governo”. O deputado Paulo Corrêa (PR) chegou a cogitar o apoio ao senador Delcídio do Amaral, mas nunca teve o respaldo de Arroyo e Londres Machado que sempre se “esquivou” e salientou que a decisão ainda não havia sido tomada. (JM com informações do Campo Grande News).


6 Estado

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

11 DE OUTUBRO

Jota Menon Campo Grande – MS.

Na última sexta-feira o Estado de Mato Grosso do Sul celebrou os 36 anos da assinatura da Lei Complementar número 31, de 11 de outubro de 1977, documento que dividiu o então gigantesco Estado de Mato Grosso em duas unidades federativas, criando, por meio do decreto presidencial assinado pelo então presidente da República, general Ernesto Geisel, o Estado de Mato Grosso do Sul. O Estado surgiu com 44 municípios e sua Capital, Campo Grande, que já se destacava pela condição de maior cidade do até então Mato Grosso indiviso, passou por um boom desenvolvimentista que não parou e, hoje, conta mais de 830 mil habitantes, o que faz com que os bairristas mais afoitos somem os habitantes de Cuiabá e Várzea Grande, cidades mato-grossenses contíguas, e cheguem a números muitos próximos da população campo-grandense estimada. Campo Grande com seus 832.354 habitantes, segundo dados de 1º de julho deste ano, divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), tem apenas 356 habitantes a menos do que os dois municípios juntos. Pelos dados do IBGE, Cuiabá tem 569.830 e Várzea Grande 262.880, totalizando 832.710 habitantes. Característica parecida entre os dois estados refere-se ao número de municípios com mais de 100 mil habitantes: quatro. No Mato Grosso do Sul, além de Campo Grande, apenas Dourados, com 207.498 habitantes;

Dourados

Três Lagoas, com109.633 moradores e Corumbá, com 107.347 ultrapassaram a barreira dos 100 viventes. Em Mato Grosso, além de Cuiabá e Várzea Grande, romperam essa mesma barreira as cidades de Rondonópolis com 208.019 habitantes e Sinop, com

Três Lagoas

123.634 moradores. Em termos econômicos, enquanto o Mato Grosso do Sul busca diversificar suas matrizes históricas da bovinocultura e da agricultura com a implantação de núcleos potentes na Capital, região do Bolsão e Grande Dourados, o Estado que cedeu o território para a existência “do Sul” se destaca como um dos maiores produtores de grãos e de bovinos do país. HISTÓRIA O maior evento histórico que ocorreu nas terras do atual Estado de Mato Grosso do Sul foi a Guerra do Paraguai, evento em que os exércitos Brasileiro, Argentino e Uruguaio combateram juntos os Paraguaios. Esse combate praticamente destruiu o Paraguai, potência econômica durante o período da guerra (Século XIX). GUERRA DO PARAGUAI A situação na Bacia Platina, que ditaria os rumos no sul do Mato Grosso, agravar-se-ia ainda mais devido a acontecimentos no Rio Grande do Sul e Uruguai. A então província do Rio Grande

do Sul permanecia instável desde o fim da Revolução Farroupilha, uma vez que esta terminara por negociação política e não por uma derrota armada infligida pelo Governo Imperial aos revoltosos. Simultaneamente, o Uruguai encontrava-se em guerra civil, os blancos do partido do então presidente Atanásio da Cruz Aguirre tentando sufocar a oposição dos colorados, partido de Venâncio Flores. Com o agravamento dos conflitos no Uruguai, tornaram-se comuns perseguições e saques que atravessavam a fronteira ao território brasileiro, uma vez que eram numerosas as famílias de origens brasileiras naquele país. Foi dado um ultimato feito pelo Governo Imperial ao presidente Aguirre para que ele consertasse a situação, mas este não foi aceito. Então, Dom Pedro II, a pedido de Venâncio Flores, enviou o Exército Brasileiro para estabilizar aquele país. Em pouco mais de nove meses, a operação das tropas imperiais brasileiras pacificou o Uruguai e depôs Atanásio da Cruz Aguirre, em episódio que levou o nome de Guerra contra Aguirre. O ditador paraguaio Solano López, no entanto, utilizou a intervenção no Uruguai como motivação para o sequestro do navio brasileiro Marquês de Olinda e a captura do presidente da província de Mato Grosso, Frederico Carneiro de Campos. Pouco mais de um mês depois, as tropas paraguaias invadiram o território ao sul de Mato Grosso, antes mesmo de uma declaração formal de guerra ao Brasil. Na verdade, Solano López e suas tropas tinham em mente uma política expansionista, e pretendiam criar o “Paraguai Maior”, anexando regiões da Argentina, do Uruguai e do Brasil, como Rio Grande do Sul e Mato Grosso, e ganhar acesso ao Oceano Atlântico, fator tido como imprescindível para a continuação do progresso econômico do Paraguai. Prova disto é o fato de que, em fins do ano de 1863, um estrategista de alto gabarito paraguaio, disfarçado de fazendeiro, havia sido enviado a Corumbá com grande interesse em conhecer os campos do sul e suas fazendas de gado. Assim, em dezembro de 1864, o sul de Mato Grosso, na colônia de Dourados, foi invadido pelo próprio espião Isidoro Resquim, que desta vez possuía uma numerosa guarnição consigo. Foi de Requim, conhecedor do valor das tropas brasileiras desde seus trabalhos de espionagem, a seguinte frase: “Si todos los brasileiros son valientes así, mía no és un simples paseo militar”. De fato, havia uma guarnição de soldados sob o comando do herói Antônio João Ribeiro à espera das tropas invasoras. Os brasileiros lutaram até o último soldado ter perdido a vida, só então tendo sido possível às tropas paraguaias avançarem. Durante a guerra da Tríplice Aliança, quando o Brasil se uniu à Argentina e ao Uruguai para combater o Paraguai, o sul de Mato Grosso foi palco de alguns de seus mais dramáticos episódios. Após ter sido aprisionada no Rio Paraguai a Canhoneira Amambaí, pertencente à Marinha do Brasil, e uma vez declarada a guerra, após a invasão do sul Estado pelo exército paraguaio, o Governo Imperial brasileiro enviou um contingente militar terrestre para combater os invasores em Mato Grosso. Em abril de 1865, uma coluna partiu do Rio de Janeiro e se juntou a reforços em Uberaba, percorrendo mais de dois mil quilômetros a pé até alcançar Coxim. Essa cidade, no entanto, encontrava-se deserta e saqueada, o mesmo

Fotos Divulgação

MS comemora 36 anos de existência

Campo Grande

tendo ocorrido em Miranda e em outros povoamentos do sul. Suas populações, ou haviam fugido, ou sido mortas, ou levadas reféns para o Paraguai, onde executaram trabalhos forçados. Enfrentando adversidades, a exaustão e a falta de alimentos, que não encontravam nas cidades abandonadas, as tropas do Exército do Brasil somente resistiram graças às doações feitas por José Francisco Lopes do gado de sua própria família para alimentá-los, já nos limites do território brasileiro. José Francisco Lopes, que tivera a família sequestrada pelos paraguaios, fizera-se voluntário e guiava as tropas brasileiras, graças ao seu conhecimento do território. Mesmo com sua ajuda, no entanto, era grande a perda de brasileiros. Dos 2.780 homens que originalmente faziam parte daquele destacamento, em janeiro de 1867, quando alcançaram a fronteira paraguaia, restavam somente 1.680. RETIRADA DA LAGUNA Nesse mesmo mês, o coronel Carlos de Morais Camisão assumiu o comando da coluna e invadiu o território paraguaio. Os brasileiros conseguiram penetrar até Laguna, atual município de Bela Vista, a qual alcançaram em abril. Longe das linhas brasileiras e sem víveres para o sustento das tropas, afligida por doenças como cólera, tifo e beribéri, a coluna do Exército brasileiro teve de se retirar sob os constantes ataques da cavalaria paraguaia, que utilizavam táticas de guerrilha à moda indígena, infligindo perdas severas aos brasileiros. Nessa retirada, no entanto, a atuação do Guia Lopes da Laguna – apelido dado a José Francisco Lopes - foi vital para impedir um total massacre dos brasileiros. Mostrou os caminhos aos soldados brasileiros por terras sul-mato-grossenses e despistou o inimigo em um terreno difícil. Entre os brasileiros se encontrava o Visconde de Taunay, que mais tarde escreveria um livro sobre o assunto. Somente 700 homens sobreviveram, mas sem o Guia Lopes poderiam ter morrido muitos mais. FIM DA GUERRA Após a Batalha Naval do Riachuelo e a rendição de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, no entanto, os confrontos se dariam em solo paraguaio. Pode-se dizer que o último ano da guerra não passou de uma caça ao ex-ditador paraguaio Francisco Solano López em seu próprio país, estando as tropas aliadas sob o comando do Conde d’Eu. Quando terminou a Guerra do Paraguai em 1 de março de 1870, o sul de Mato Grosso se encontrava chacoalhado pela convulsão social. O processo de povoamento, que começava a se acelerar na primeira metade do século XIX, havia, em muitos locais, cessado. No centro, oeste e sul do atual estado de Mato Grosso do Sul, encontravam-se propriedades e povoados abandonados ou destruídos, estando as populações dispersas e abatidas pela fome, miséria e doenças. CONTRASTES A única região em que a vida continuou a um passo regular foi a região leste e nordeste do estado, onde a frente colonizadora da

família Garcia Leal e seus agregados aos poucos se expandia ao sul da cidade de Paranaíba para na década de 1880 colonizar o município de Três Lagoas. Ao contrário do que aconteceu no restante das terras sul-matogrossenses, as propriedades desta região nunca se encontraram devolutas ou improdutivas devido à guerra. Foi por esse motivo que, estando essas terras ocupadas, as próximas frentes colonizadoras a adentrar o sul do Estado não se demoraram nesta área, muito embora fosse muito atraente do ponto de vista econômico. SENTIMENTO DIVISIONISTA Neste complexo conflito de interesses iniciaram-se, por fim, as ideias e ideais divisionistas dos hoje sul-mato-grossenses. Os coronéis do sul de Mato Grosso passaram, a partir da formação da aliança com a oligarquia do norte, a fazer oposição armada ao governo estadual e à Matte Larangeira. A NOB - Nas primeiras décadas do século XX, com o advento da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, considerada um sinônimo de desbravamento da região oeste brasileira, foi notável o aumento da proximidade do sul matogrossense com o Estado de São Paulo. De fato, conquanto agora estivesse ligado por vias férrea, rodoviária e fluvial à capital paulista, o sul de Mato Grosso somente se ligava à capital mato-grossense, Cuiabá, através de uma estrada precária. Dessa maneira, com o estabelecimento das viagens de trem entre São Paulo e o Sul de Mato Grosso, o aumento no número de migrantes dinamizou a economia local, vinculando-a à paulista e permitindo a expansão de cidades cuja atividade principal era a pecuária, como Três Lagoas e Campo Grande. Simultaneamente, embora continuasse a estar ligada aos principais centros comerciais da Bacia do Prata, em especial Buenos Aires e Montevidéu, através do rio Paraguai, Corumbá, que na década de 1930 possuía 25 bancos internacionais e a libra esterlina como moeda corrente, começou a ver sua economia decair. Isso se deveu ao fato de que a NOB transferiu o eixo econômico do Rio Paraguai, Corumbá e Cuiabá para Campo Grande, Três Lagoas e o leste doEestado. Entre outros benefícios trazidos pela Estrada de Ferro Noroeste do Brasil estavam o crescimento populacional da região sul, a urbanização dessa população e, a somar-se a essas positivas mudanças sócio econômicas, a transferência, em 1920, do comando da Circunscrição Militar estadual de Cuiabá para Campo Grande. A REVOLUÇÃO DE 32 E O ESTADO DE MARACAJU A partir da década de 1930, as forças políticas divisionistas do sul, de maneira mais organizada, passaram a realizar pressões junto ao Governo Federal. Quando da Revolução Constitucionalista de 1932, a região sul aderiu ao movimento sob a condição de que, em caso de vitória dos revoltosos, obteria a separação do norte.

Os militares rebelados, sob o comando de Bertoldo Klinger, comandante da Circunscrição Militar de Mato Grosso, que funcionava em Campo Grande, instalaram no sul um governo dissidente sob comando de Vespasiano Martins, então prefeito de Campo Grande. Após três meses de luta, em que o sul do estado de Mato Grosso autodenominou-se “Estado de Maracaju”, os divisionistas (constitucionalistas) foram derrotados, não se cumprindo, assim, a promessa de divisão. Esta revolução, no entanto, divulgou o movimento divisionista, tendo Campo Grande se tornado o centro político do mesmo com cidades como Três Lagoas e o Bolsão sul-mato-grossense apoiando-o. O GOVERNO GETÚLIO VARGAS O grande crescimento populacional em Mato Grosso do Sul adveio, no entanto, de campanha do próprio Governo Getúlio Vargas, uma vez que os modelos de cidade de Bata e Hoffig se baseavam em populações pequenas de torno de dez mil pessoas. Ao mesmo tempo em que se iniciam os empreendimentos de Bata (Bataguassu e Batayporã), na década de 1940, uma vez que um dos motivos teóricos da Segunda Guerra Mundial havia sido a questão do “espaço vital”, o governo Getúlio Vargas ordenou a criação de seis territórios no Brasil – cinco deles na região oeste do mesmo-, que seriam administradas diretamente pelo Governo Federal. Assim, em 13 de setembro de 1943 foi criado o Território de Ponta Porã, abrangendo os municípios de Dourados, Porto Murtinho, Miranda, Nioaque, Bela Vista, Maracaju e Bonito, sendo Ponta Porã sua capital. Seu governador durante os três anos de existência foi o militar Ramiro Noronha – o território seria extinto em 18 de setembro de 1946 pela Constituição de 1946. É importante ressaltar, no entanto, que Campo Grande, a cidade da qual emanava o movimento divisionista, foi mantida de fora desse território. Além disso, Vargas decidiu povoar as áreas de menor densidade populacional do Brasil, nomeadamente o Oeste do país, através de um projeto denominado “Marcha para o Oeste”. A DIVISÃO Já na década de 1950, era inquestionável o aumento da importância do leste do estado, uma vez que o Bolsão Sul-mato-grossense já começava a exercer influência política ao nível estadual, tanto no norte, quanto no sul. Essas demonstrações de poder que se iniciaram com a candidatura de Filadelfo Garcia à Câmara dos Deputados do Brasil e se confirmaram com a eleição de Pedro Pedrossian ao governo de Mato Grosso em 1965. O governo federal com base na lei complementar nº 20, estabeleceu, em 1974, a legislação básica do período da ditadura militar para a criação dos estados e territórios brasileiros, reascendendo, assim, a campanha pela autonomia dos sul mato-grossenses. De fato, em 11 de outubro de 1977, o presidente Ernesto Geisel assinou a Lei Complementar 31, que criou o Estado de Mato Grosso do Sul, em área desmembrada do estado de Mato Grosso. Já em 1 de janeiro de 1979, tomaram posse os deputados eleitos, em 15 de novembro de 1978,

para a Assembléia Legislativa e Constituinte de Mato Grosso do Sul, conforme previsto na LC 31. O primeiro governador, o engenheiro gaúcho Harry Amorim Costa, servidor público do Departamento Nacional de Obras de Saneamento (DNOS), autarquia federal hoje extinta, foi nomeado pelo presidente Geisel, de acordo com a mesma Lei Complementar. ATUALIDADE Na década de 1980 o governo estadual procurou voltar-se para os problemas sociais, a educação e a saúde. Foi instalada a primeira companhia da Polícia Florestal, incumbida de reduzir as ações predatórias no Pantanal, área depredada por empresas pesqueiras e por caçadores. Implantou-se também o Grupo de Operações de Fronteira (GOF) para reprimir o tráfico de drogas, o contrabando e a caça ilegal de animais silvestres nos mais de 700 km de fronteiras com a Bolívia e o Paraguai. No ano de 1982 houve as primeiras eleições diretas do estado. Em 1986, a estrada que liga Campo Grande á Corumbá foi finalmente asfaltada. A par do desenvolvimento do turismo ecológico, propiciado pelo pantanal, na década de 1990 cresceram as perspectivas de desenvolvimento econômico, sobretudo com a decisão de se concluir as obras da Ferronorte, que permitirá o transporte ferroviário da produção agrícola para o porto de Santos, no estado de São Paulo. Em 1993 foi criada a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul e em 1997 foi privatizada a

Corumbá

Empresa Energética do Estado de Mato Grosso do Sul. Em 1998 é eleito governador Zeca do PT e em 2002 Zeca do PT se torna o primeiro governador reeleito da história de Mato Grosso do Sul. Em 2005 é aprovada a criação da segunda Universidade Federal no Estado, a Universidade

Pantanal

Federal da Grande Dourados. ETIMOLOGIA A origem do termo Mato Grosso é incerta. Acredita-se que o seja originário da palavra guarani Kaagua’zú (Kaa bosque, mata e Guazú grande, volumoso), que significaria literalmente Mato Grosso. Linguisticamente, o nome Mato Grosso do Sul se faz acompanhar por artigo definido, como acontece com nomes geográficos derivados de termos genéricos: “o Mato Grosso do Sul”, “o Rio de Janeiro”, “o Espírito Santo”. Entretanto, este uso é contestado e há quem prefira eliminar o artigo definido e utilizar “em Mato Grosso”. PRIMÓRDIOS A ocupação humana do Estado de Mato Grosso do Sul iniciou-se por volta de 10.000 A.C. através dos primeiros habitantes indígenas, ancestrais dos ameríndios contemporâneos Guaranis, Terenas, Caiouás e Caiapós, tendo, através dos anos, novos povos se estabelecido na região, como por exemplo os Ofaiés.


Estado 7

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

O prefeito de Maracaju Maurílio Ferreira Azambuja (PMDB) esteve reunido com os secretários municipais e os responsáveis pela implantação do Instituto Euvaldo Lodi (IEL) nos municípios de Mato Grosso do Sul. Na ocasião, prefeito e secretários participaram de uma explanação sobre o funcionamento do convênio, a implantação e a legislação para as iniciativas privada e pública. O Instituto Euvaldo Lodi funciona no Brasil há 44 anos, atuando junto às iniciativas privada e à pública, dando suporte para estudantes e empresários através do oferecimento de cursos de qualificação profissional e posterior colocação no mercado de trabalho. No Estado de Mato Grosso do Sul, o IEL órgão mantido pela Federação das Indústrias do Estado (Fiems) -, atende em 24 municípios, dos quais 15 com contratação de estagiários para o mercado de trabalho. Em Maracaju, sua atuação terá o mesmo funcionamento dos demais municípios e vai atender alunos universi-

FOTO: DIVULGAÇÃO

Prefeitura de Maracaju firmou convênio com o IEL

tários de instituições públicas e privadas, assim como do ensino médio, do EJA e do Cate. Os interessados para estágios nas vagas disponíveis deverão fazer as inscrições e passarão por uma avaliação que será feita pelos técnicos do próprio IEL. As inscrições começam dia 1º de novembro, na Prefeitura Municipal de Maracaju. Ao comentar mais esta parceria, o prefeito Maurílio Ferreira Azambuja disse que “na reestruturação pela qual o município está passando é

necessário todos contribuírem e acatarem as determinações. O convênio com o IEL para oportunizar qualificação profissional aos nossos estagiários é importante, pois fomentará a economia, além de resultar melhorias nos serviços prestados por nossos futuros profissionais”. SAIBA MAIS SOBRE O IEL O Instituto Euvaldo Lodi (IEL) oferece serviços para o aperfeiçoamento da gestão e da capacitação empresarial.

São eles: identificação de jovens talentos no programa de estágio; programas de consultoria em gestão empresarial e capacitação de gestores e dirigentes. Essas são as principais ferramentas para o desenvolvimento pleno e sustentável das empresas. O IEL atua nos 26 estados e no Distrito Federal. Com 97 escritórios autônomos espalhados pelo Brasil, que projetam as ações com base na realidade industrial de suas regiões, leva aos empresários informações estratégicas e

melhores práticas de gestão. Também promove a interação entre empresas e instituições que produzem conhecimento e novas tecnologias. Avalia as dificuldades dos empresários e oferece soluções apropriadas, que consideram o perfil dos empreendimentos, do mercado e as diferenças regionais. A missão do IEL é a de promover o aperfeiçoamento da gestão, a capacitação empresarial e a interação entre as empresas e os centros de conhecimento, contribuindo para a competitividade da indústria brasileira. A visão busca ser referência nacional no aperfeiçoamento da gestão, na capacitação empresarial e na interação entre as empresas e os centros de conhecimento e seus valores essenciais são a ética; a transparência; a satisfação dos clientes; a alta performance e; valorização das pessoas. HISTÓRIA Criado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 29 de janeiro de 1969, quando o Brasil crescia a padrões chineses e vivia o

início do chamado “milagre econômico”, o IEL iniciou suas atividades com uma proposta avançada para a época: aproximar os estudantes das linhas de montagem por meio de estágios supervisionados. Nos anos 1990, quando o Brasil abriu as portas para a concorrência externa, a defasagem tecnológica da indústria brasileira ficou visível. Neste momento o IEL começou a diversificar suas atividades. A partir daí, experiências internacionais levaram o Instituto a ser procurado por empresários que buscam o aperfeiçoamento da gestão de seus negócios, da inovação tecnológica e da modernização das práticas empresariais. O foco nos empreendedores continuou e foi fortalecido desde o final da década de 1990 até hoje, sem deixar de lado o incentivo ao estágio. Foram desenvolvidas parcerias com instituições internacionais para capacitação de dirigentes empresariais e o Programa IEL de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores (PQF), que qualifica as cadeias produtivas das grandes e médias empresas.

SÃO GABRIEL DO OESTE

Ação leva crianças carentes a terem um dia especial aberta à comunidade em geral, as crianças participam durante toda à tarde, de diversas brincadeiras como cama elástica, corrida de saco, dança da cadeira, entre outras, além de receberem lanches, refrigerantes, picolés, balas, pirulitos e ainda são presenteadas com brinquedos, tudo isso feito através das doações de colaboradores.

Da Redação Campo Grande – MS.

Uma ação beneficente promovida por um grupo de amigos moradores de São Gabriel do Oeste proporcionou um dia diferente, especial e repleto de brincadeiras e diversão a centenas de crianças carentes do município, que puderam desfrutar ainda de diversas guloseimas, além de serem presenteados com brinquedos. A ação que já é realizada pelo grupo há quatro anos, aconteceu no último domingo (06), no pátio do Sonoriza Som, no bairro Jardim Gramado. “Fico muito feliz ao ver o sorriso de cada criança que está presente no evento. É por isto que a gente realiza o evento com muito carinho

COMO COMEÇOU De nove crianças que eram atendidas no início, hoje são cerca A ideia de promover de 300 crianças beneficiadas no evento um dia especial às crianças carentes do município sure cuida de cada detalhe. A Edna também aproveitou para giu a partir de uma promessa, emoção toma conta de mim” agradecer a colaboração de feita há 14 anos, por uma das comentou Edna, uma das todos que ajudaram para que integrantes do grupo – a seintegrantes do grupo “Ação o evento fosse realizado com nhora Edna. Ela relata que descobriu entre Amigas”, responsável muito sucesso. pela organização do evento. Durante a ação que é que o filho recém nascido

CORUMBÁ

FOTO – Semed/Corumbá

Educação tem a arte como forte aliada para melhor ensinar as crianças

A atividade vai ajudar no processo de ensino-aprendizagem dos alunos

Buscando oferecer suporte para que as crianças criem seu universo perceptivo e desenvolvam memória e auto-estima, a Prefeitura de Corumbá tem trabalhado o “Lúdico e suas possibilidades nas aulas de arte”. A atividade, que envolve 120 professores da Rede Municipal de Ensino (Reme), faz parte de

um cronograma de formação continuada, desenvolvido durante todo o mês de setembro pela secretaria de Educação. “A disciplina de artes pode ajudar muito no processo de ensino-aprendizagem e resulta na inclusão e integração dos alunos na sociedade. Com a arte você trabalha disciplinas como

matemática, história, língua portuguesa, pois ela é um ponto de partida”, definiu Neide Leones Pereira, psicopedagoda da secretaria de Educação. Rosana Souza, professora na escola Municipal Cássio Leite de Barros, conta quais são suas expectativas com a disciplina. “A partir dessa formação, quero levar algo novo para o dia a dia dos meus alunos. Quero aprender e passar emoção, amor leveza e criatividade, itens essenciais para se trabalhar com a arte”, declarou a educadora. RIBEIRINHOS Pioneiro no Programa Povo das Águas, o trabalho com as artes começou lá e é aguardado por todas as crianças ribeirinhas a cada ação. “Nós começamos essa atividade na região das águas, pois identifi-

camos uma necessidade muito grande de trabalhar o lúdico e fortalecer o aprendizado deles”, explicou Neide Leones. Trabalhando com poucos recursos, a educadora explica que são nesses momentos que a criatividade flui ainda mais. “Às vezes, só temos uma sombra de árvore para nos reunirmos com as crianças, mas é debaixo dela que deixamos à alegria fluir. Com saias coloridas, chapéus engraçados, movimentos, ritmos, danças circulares e muita imaginação, alcançamos o resultado que esperamos: crianças mais desenvoltas, menos desinibidas e que participam o tempo todo. É esse o trabalho que eu, ‘Neidoca’ e a ‘tia Miroca’ desenvolvemos de forma positiva por lá. E nosso maior objetivo é que dê certo com as crianças daqui também”, completou.

tinha uma doença grave e os médicos que o examinaram disseram que o mesmo não sobreviveria; que ele dependia apenas de um milagre de Deus para se salvar. Diante da situação, Edna fez uma promessa que, se o filho se curasse, ela faria uma confraternização para nove crianças no Dia das Crianças, até quando ela tivesse forças. Após a promessa, o milagre aconteceu e o filho de Edna se curou. Desde então ela vem cumprindo com a promessa e, há quatro anos, um grupo de mulheres se identificou com a causa de Edna, se juntou a ela

para ajudá-la na ação fazendo com que, das nove crianças que eram atendidas no início, passasse para um total próximo de 300 crianças, hoje beneficiadas pela ação social e religiosa. Esse grupo de mulheres, denominado “Ação entre Amigas”, é formado pelas amigas Edna, Jéssica, Enir, Marlene, Roberta, Elaine e Eliane. Atualmente, o grupo conta com o apoio de várias outras pessoas, voluntárias que se mobilizaram com a ação e que ajudam todos os anos na realização do evento através de várias doações. (Com informações do idest.com.br)

SIDROLÂNDIA

Prefeito participa do final do curso de Sagadeiros O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC – encerrou na manhã da última quarta feira (9) o Curso de Salgadeira. O curso foi ministrado pelo SENAC em parceria com a Prefeitura Municipal de Sidrolândia, através da Secretaria Municipal de Assistência Social, dentro do Programa PRONATEC e beneficiou famílias inscritas no Programa Bolsa Família do Governo Federal. O curso teve inicio no dia 12 de agosto com 24 alunos e foi encerrado neste dia 9 de outubro com a aprovação de 11 novos salgadeiros. Durante o curso o aluno recebeu gratuitamente todo material utilizado, uniformes e uma ajuda de custo de $8,00 por aula. Todo o curso foi coordenado pelos profissionais do SENAC e contou com os professores Miguel Vilhalba

Rodrigues Nobushi, Elizabete Ribas Machado e com a nutricionista Denise Petró. O encerramento do curso contou com a presença do prefeito Ari Basso (PSDB), secretários Di Cezar, do Desenvolvimento Econômico, e Joana Michalski, de Assistência Social, e de representantes do SENAC. O prefeito Ari Basso parabenizou os formandos e voltou a falar da importância da capacitação do trabalhador. Lembrou ainda que nos últimos seis meses o seu governo procurou parcerias que já capacitaram mais de 200 trabalhadores em varias áreas.Ele garantiu que vai continuar investindo no ser humano, de forma a capacitá-lo para o mercado de trabalho.


8 Social

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 580 13/10 a 19/10 de 2013

www.copopular.com.br


CO POPULAR ED 580