Page 1

Quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

GAZETA DO POVO Editor responsável : Rodrigo Fernandes esportes@gazetadopovo.com.br

PEDREIRA

16 h Basquete

21 h Superliga masculina

22 h NBA

BandSports

SporTV2

Space e Space HD

Espanhol: Barcelona x Real Madrid

DESTAQUES DA TV

Florianópolis x Blumenau

Hans Deryk/ Reuters

Depois de perder para o Miami Heat do trio LeBron/Wade/Bosh, o New York Knicks de Amare Stoudemire (foto) encara outra pedreira na NBA. O rival da vez é o Orlando Magic, que conta com uma equipe forte no ataque e que tem como destaque individual o polivalente Dwight Howard.

Orlando Magic x New York Knicks

www.gazetadopovo.com.br/esportes

Passos lentos

COPA AMÉRICA

Estádio Ciudad de La Plata teve a colocação da cobertura adiada pela chuva e pelo vento.

Licitações tardias, atraso nas obras e até o clima atrapalham a organização argentina BUENOS AIRES Leonardo Aquino, especial para a Gazeta do Povo z Obras de infraestrutura, reformas

em estádios, investimentos públi­ cos e privados no futebol. Estes não são temas da ordem do dia exclusi­ vamente no Brasil, que vive a ex­­ pectativa de abrigar a Copa do Mun­­do de 2014. Nossos vizinhos argentinos também precisam se preparar para receber uma compe­ tição importante. Em julho do ano que vem, o país será palco da Copa América, que reunirá dez seleções sul-americanas e duas convidadas filiadas a outras confederações: México (América Central) e Japão (Ásia). Mas, a pouco menos de sete me­­ ses do início do torneio, ne­­nhum estádio (à exceção do Mo­­numental de Nuñez, que receberá apenas a final) está pronto. Há ca­­sos de obras cujas licitações fo­­ram aber­ tas apenas há poucos dias e de ou­­ tras que tiveram o andamento pre­ ­judicado por outras questões, até mesmo meteorológicas. O principal atrativo argentino para a Copa América está em La Plata, a 57 quilômetros de Bue­­nos Aires. O Estádio Ciudad de La Plata, que está fechado desde julho de 2009, recebe obras para torná-lo o mais mo­­derno da América do Sul, com um custo total estimado em US$ 100 milhões. A empresa americana Bird­­Air, que já cobriu 31 estádios em todo o planeta (três deles usados na últi­ ma Copa do Mundo), trabalha para deixar o Ciudad de La Plata 70% coberto. A inauguração, que esta­ va prevista para 19 de dezembro, acabou adiada para janeiro. Se­­ gundo a agência administradora do estádio, a força da chuva e do vento nos últimos dois meses tor­

Leonardo Aquino

z

EM OBRAS O cronograma está indefinido na maioria das praças esportivas. La Plata (53 mil lugares) Seria inaugurado dia 19 de dezembro, mas teve a reabertura adiada porque o vento e a chuva impediram a colocação da membrana que vai cobrir o estádio. Ficou para janeiro, ainda sem data definida.

Córdoba (55 mil) A primeira etapa das obras está em andamento e tem conclusão prevista para abril de 2011. A licitação para a segunda etapa da reforma, que abrange as

nou inseguro o trabalho de coloca­ ção da membrana na co­­bertura. Aliás, a demora na conclusão do Ciudad de La Plata não é de hoje. Ele deveria ter sido coberto desde a abertura oficial, em 2003. Mas o material para a co­­bertura, todo importado, ficou retido na alfân­ dega argentina em circunstâncias que nunca foram bem esclareci­ das. O estádio acabou inaugurado pela metade. Anos mais tarde, o governo da província de Buenos Aires re­­sol­­ veu continuar a obra. O ma­­terial, porém, já estava deteriorado. As colunas e cabos de aço passaram por testes no exterior e o que não podia mais ser aproveitado preci­ sou ser comprado outra vez. E assim a conclusão do estádio foi sendo adiada cada vez mais. Apesar de tanta demora, a ex­­ pectativa é que o Ciudad de La Plata passe a ser protagonista não só do futebol argentino, como dos gran­ des shows internacionais do país. Antes de receber a Copa América, o estádio vai ser palco das duas apresentações da turnê do U2 na Argen­­tina, em março. A outra obra de grande porte pa­­ra a Copa América está sendo realizada em San Juan, na re­­gião próxima à Cordilheira dos Andes. A cidade receberá o único estádio

cabeceiras do estádio, foi feita só neste mês.

San Juan (25 mil) O único estádio totalmente novo na Copa América. Deveria ser inaugurado em maio deste ano, mas houve mudanças no projeto original. A conclusão da obra é prevista para fevereiro.

Santa Fe (37 mil) A obra é bancada totalmente pelo clube proprietário, o Colón. Atualmente, os trabalhos

“Não posso ficar com a imagem que vi hoje: das obras, dos operários ainda trabalhando, da desordem. Preciso contar com o compromisso de que o que vejo na maquete será concluído em tempo. Jujuy é um desafio enorme porque se trata de colocar o reciclado de um estádio em condições de receber uma Copa América.” Jose Luis Meiszner, presidente do Comitê Organizador da Copa América-11.

totalmente novo da competição. O Bi­­cen­­tenário terá 25 mil lugares e, numa segunda etapa, vai fazer par­ te de um grande complexo esporti­ vo com campos auxiliares de fute­ bol e outras modalidades. Quando as obras começaram em fevereiro de 2009, a previsão era de que o estádio justificasse o nome e fosse entregue em 25 de maio desse ano, quando a nação argentina completou 200 anos. Entretanto, a construtora respon­ sável pela obra fez mudanças no projeto original e os operários se­­­ guem trabalhando. A previsão atu­ al de conclusão dos trabalhos é

estão concentrados na entrada do estádio, mas também estão sendo construídos novos camarotes. Não há previsão oficial de conclusão.

Mendoza (40 mil) A licitação para as obras só foi aberta em dezembro. Enquanto não se souber a empresa vencedora, não há como prever quando o estádio estará pronto.

Salta (20 mil) Inaugurado em 2001, o estádio passa por reformas de

pequeno impacto, principalmente na iluminação e no acesso.

Jujuy (30 mil) Segundo o comitê organizador da Copa América, é o estádio mais atrasado no ritmo das obras. A reabertura está prevista para maio do ano que vem.

Buenos Aires (68 mil) O Estádio Monumental de Nuñez receberá apenas a decisão do título e não passará por reforma alguma antes da Copa América.

para fevereiro de 2011. O orçamen­ to total é de 86 milhões de pesos argentinos (mais de R$ 38 milhões) e é bancado pelo governo da pro­ víncia de San Juan. Em meio aos estádios novos ou seminovos, a Copa América tam­ bém “herdará” duas grandes pra­ ças esportivas da Copa do Mundo de 78: o Estádio Olímpi­­co de Cór­­ doba (recentemente rebatizado como Estádio Mário Kempes) e o Malvinas Argenti­­nas, em Men­­do­­ za. Além do fato de terem recebido partidas do primeiro Mundial ven­ cido pelos hermanos, eles têm ou­­ tro ponto em comum: a demora na remodelação para o torneio conti­ nental do ano que vem. As duas cidades tiveram obras licitadas so­­ mente há poucos dias.

US$ 100 Milhões

Licitação

Dinheiro Público

Em Córdoba, foi aberta a licitação para a segunda etapa das obras, que prevê a reconstrução das ar­­ quibancadas atrás dos gols. A pri­ meira etapa, que envolve a cons­ trução de uma nova bandeja de arquibancadas, está em andamen­ to e deverá ser concluída em abril. Em Mendoza, a situação é pior. Ne­­ nhum trabalho começou e ainda há um agravante: o principal clube da cidade, o Godoy Cruz, está clas­ sificado para a Liber­­tadores-2011.

Em outras duas cidades, o po­­der público está ajudando, apesar de os estádios serem particulares. Em Jujuy, na região Norte do país, o estádio pertence ao Gim­­na­­sia y Esgrima local, mas as obras têm os custos divididos en­­tre o clube e o governo da província de Jujuy. O andamento dos trabalhos está tão lento que não convence nem ao comitê or­­­ga­­nizador da Copa Amé­­rica. Em uma visita recente ao Es­­tádio 23 de Agosto, o presi­

É o custo do Estádio Ciudad de La Plata, o principal investimento feito para a Copa América na Argentina. Além de partidas de futebol, o local irá abrigar também shows internacionais, como a turnê do U2, em março.

A maior parte das obras deverá ser realizada sem o fechamento do estádio. “O Godoy Cruz poderá seguir jogando, já que as obras não vão atingir o campo de jogo”, disse o ministro de infraestrutura da província de Mendoza, Fran­­ cisco Pérez, a um jornal local há poucos dias.

dente do comitê, José Luis Meisz­­ ner, cobrou os responsáveis pela obra. “Não posso ficar com a ima­ gem que vi hoje: das obras, dos operários ainda trabalhando, da desordem. Preciso contar com o compromisso de que o que vejo na maquete será concluído em tempo. Jujuy é um desafio enor­ me porque se trata de colocar o reciclado de um estádio em condi­ ções de receber um evento do por­ te da Copa América”, disse em co­­letiva de imprensa. Em Santa Fe, a divisão ficou mais clara. O Estádio Estanislao López tem sua reforma bancada pelo clube a quem pertence, o Co­­ lón. Já a província de Santa Fe anunciou investimentos de 15 mi­­lhões de pesos (quase R$ 7 mi­­ lhões) em obras de infraestrutura, segurança e melhoria de condi­ ções sanitárias. Em Salta, o Estádio Pa­­dre Ernesto Martea­­rena, cons­ truído para o Mundial Sub-20 de 2001, passa por reformas de pe­­ queno im­­pacto e não deverá re­­ presentar um impasse tão grande quanto os outros. O ritmo lento na entrega dos estádios é o preço que a Argen­­ti­­ na paga por apostar na Copa Amé­­­­rica como o recurso para fazer algo que nem o campeona­ to nacional consegue: interiori­ zar o futebol no país. Dos 26 jo­­ gos da competição, a capital Bue­ ­nos Aires vai receber apenas a de­­cisão do título, no estádio do River Plate. Das outras sete cidades-se­­de, quatro sequer têm um time na primeira divisão ar­­gentina. Os problemas do país são assumi­ dos pelo próprio presidente do comitê organizador. Em novem­ bro deste ano, José Luís Meiszner, que também é secretário da pre­ sidência da As­­sociação de Fute­­ bol Argentino, disse à agência de notícias EFE que o país não tem uma infraestrutura espor­ tiva competitiva para receber o torneio. “Esta não é uma exclu­ sividade da Argentina, mas uma ca­­racterística geral dos países sul-americanos”, decla­ rou na oca­­­­­­sião.

Passos Lentos  

Reportagem sobre a demora na reforma dos estádios argentinos para a Copa América 2011, publicada no jornal Gazeta do Povo (Curitiba-PR) em 3...