Issuu on Google+


FATORES QUE INFLUENC CONSUMO DO COMBUST


CIAM NO TÍVEL

Hoje em dia, o automóvel se

3

constitui em um bem imprescindível para o exercício de nossas atividades diárias, sejam elas domésticas ou profissionais, adquirir e manter um carro, representa uma parcela significativa do orçamento familiar ou de uma empresa. Através de conhecimentos elementares, é possível diminuir sensivelmente a ocorrência de defeitos ou quebra do seu carro, e ainda economizar tempo, evitando de levá-lo com frequência à oficina.

Utilizando as informações contidas neste guia, você vai aprender de forma prática e objetiva como aumentar a segurança e a vida útil do seu automóvel, como gastar menos na hora de abastecer, além de diminuir seus custos com manutenção. Neste primeiro fascículo falaremos sobre consumo, pois o custo com abastecimento é o maior entre todas as despesas regulares que você tem com o seu veículo. Não importa qual o tipo de combustível que você utiliza, álcool, gasolina, diesel ou GNV. A verdade é que ele representa a maior despesa por quilômetro rodado do seu carro. Veja a seguir o custo aproximado de alguns itens de desgaste normal do automóvel, após rodar 80.000 km, tomando-se como base, um carro de porte médio com motor 1.0, utilizando gasolina.


MANUTENÇÃO PREVEN

É mais prática mais barata e mais se


NTIVA

egura

Se procurarmos no dicionário,

4

encontraremos que manutenção é o ato ou efeito de manter ou conservar. Porém, se expressando em linguagem técnica, a palavra manutenção assume um aspecto bem mais abrangente.

No campo da engenharia, resumimos manutenção como sendo o conjunto de todos procedimentos necessários para conservar um sistema (seja mecânico, elétrico e eletrônico) em condições ideais de funcionamento, através do menor custo possível com o melhor aproveitamento do fator tempo.

Existem dois, tipos básicos de manutenção: a corretiva e a preventiva. Como o próprio nome já diz, manutenção corretiva é aquela que corrige o defeito ou quebra do equipamento, depois de haver ocorrido a falha. Já a manutenção preventiva, previne para que não ocorra defeito ou quebra desse equipamento. Pelo que pudemos observar até agora, é fácil concluir que a manutenção preventiva é mais vantajosa para ser aplicada em seu veículo, pois além de ter um custo bem menor, ela proporciona maior segurança ao dirigir, menor consumo de combustível, maior durabilidade e consequentemente maior valor de revenda do seu automóvel.


RESUMO DO QUE VOCÊ GANHA COM A PRÁTICA DE UMA MANUTENÇÃO PREVENTIVA EFICIENTE

4

Menor consumo de combustível; Menor consumo de lubrificantes; Menor desgaste de pneus; Economia com peças de reposição; Economia com mão de obra para reparos; Redução de tempo gasto com veículo parado em oficina; Evita transtorno causado por quebra ou defeito do veículo ocorrido na rua ou em estrada;

CUIDADOS PARA AUMENTAR A VIDA ÚTIL DO SEU VEÍCULO

CARROCERIA Lavar pelo menos uma vez por semana e sempre que transitar pela orla marítima ou retornar da praia; Aplicar cera protetora a cada seis meses; Dentro do possível abrigar o veículo de sol, poeira, umidade e maresia; Reparar com brevidade pequenos pontos de ferrugem, ou arranhões profundos que deixem a mostra a chapa de aço.

Aumento da segurança quanto à prevenção de acidente; Aumento da segurança quanto a ocorrência de defeito ou quebra em local ou horário perigoso (risco de assalto); Além do custo menor a manutenção preventiva pode ser programada para uma ocasião em que seja mais conveniente para a paralisação do veículo; Com a diminuição da necessidade de encaminhar o veículo para reparos, evita-se também possíveis aborrecimentos em oficinas; Confiança e tranqüilidade ao dirigir; Valorização do veículo na hora da venda.

MOTOR Efetuar a troca de óleo de acordo com a recomendação do fabricante; Só utilizar lubrificante de boa qualidade (multiviscoso e aditivado); Efetuar a manutenção periódica de acordo a orientação do fabricante; Utilizar, de preferência, combustível aditivado e abastecer em postos confiáveis; Evitar altas rotações por período prolongado; Não exigir demais do motor, até que este atinja a temperatura normal de trabalho;


Manter-se alerta às luzes de advertência do painel,

Folga ou empeno na suspensão;

Ficar atento para possíveis vazamentos (observar a parte inferior do carro durante a troca do óleo, enquanto o veículo estiver suspenso).

Molas e amortecedores gastos;

4

Rolamentos gastos, danificados ou com folgas; Jantes empenadas; Impactos; Agentes químicos (derivados de pretróleo). CUIDADOS Evitar sobrecarga e Impactos; Alinhar a direção e balancear a cada 10.000km ou 6 meses; Calibrar semanalmente.

TRANSMISSÃO Evitar fazer meia embreagem desnecessariamente;

PNEUS Fatores que reduzem a sua durabilidade

Verificar regularmente o estado das coifas de proteção das juntas homocinéticas; Verificar vazamentos e nível do lubrificante.

Calor; Excesso de velocidade; Sobrecarga; Pressão incorreta (excesso ou falta); Rodas desbalanceadas; Direção desalinhada;

DIREÇÃO Verificar periodicamente; Nível de fluido (direção hidráulica); Estado das coifas dos braços de direção .


4

FREIOS Verificar periodicamente Nível do fluido; Espessura das pastilhas e lonas; Vazamentos ; Substituir o fluido de acordo com a recomendação do fabricante.

SISTEMA ELÉTRICO Verificação periódica geral de cabos e conexões; Bateria: - Aspecto geral - Fixação - Limpeza e aperto dos terminais LUBRIFICAÇÃO Óleo; Nível ; Especificação ;

REFRIGERAÇÃO

Troca, de acordo com o fabricante;

Nível do fluido;

Atenção constante à luz de advertência do painel;

Lavagem periódica do sistema e utilização de aditivo de boa qualidade na proporção indicada pelo fabricante.

Limpeza periódica do suspiro do carter.


4

ITENS QUE VOCÊ MESMO PODE VERIFICAR SEMANALMENTE Níveis: - Óleo do motor;

- Água do radiador e do limpador de pára-brisa;

- Fluido de freio e direção hidráulica;

- Correias / estado geral e tensão.


Preview - Guia Pratico de Mecanica