Page 1

L


Disponibilização: Juuh Alves Tradução: Dri Machado Revisão Inicial:Juliana G. Revisão Final:Valesca Leitura Final: Dadá Formatação: Dadá


by Melody Anne

Lan莽amento

Disponibilizado

Pr贸ximos


"Você precisa entender esta verdade rapidamente, Mr Titan." Ela disse com sarcasmo, "Eu nunca vou me casar com você, nunca," ela terminou, puxando seu braço novamente. Ele não estava machucando-a de qualquer maneira, mas o aperto era firme e ele não parecia estará com nenhuma pressa para deixála ir. "Você não me chamou de senhor Titan quando estava gritando meu nome na paixão", ele disse a ela, ficando mais ofendido pelo uso de seu sobrenome do que com qualquer outra de suas palavras. Ela estreitou mais ainda os olhos para ele. Ela não precisava ser lembrada de como se comportou nessa ilha. Devia ter algo na água, porque ela tinha feito coisas lá que nunca sequer tinha cogitado fazer no mundo real. "Eu não sabia que era você que estava lá", ela disse a ele. "Você é certamente a mulher mais frustrante com quem eu já tive de lidar," ele quase gritou com ela. "Então pare de lidar comigo e vá embora", ela gritou de volta. Eles se encararam, nenhum deles disposto a recuar. Ambos estavam respirando com dificuldade, em silêncio. Drew de repente a puxou contra ele e esmagou seus lábios nos dela. Ela estava chocada demais para reagir em primeiro lugar, e ficou como uma boneca de pano enquanto a língua dele esfregava sobre seus lábios, procurando uma maneira de entrar. Quando ela se recuperou de seu choque, empurrou contra ele por cerca de três segundos antes que o calor começasse a reunir em seu estômago e coxas. Ela não tinha sido beijada assim por cinco meses, e seus hormônios estavam em todo o lugar com a gravidez. Sua raiva rapidamente alterou para uma paixão devoradora quando os lábios dele continuaram a golpear, enquanto ele esfregava as mãos para cima e para baixo em suas costas.


Este é o segundo livro da série Baby for the Billionaire. Drew Titan decide que é hora de tirar férias em um de seus resorts exóticos, e acaba, literalmente, correndo em direção a Trinity Mathews enquanto ela está surfando. Eles acabam tendo um romance quente ao longo da semana de férias, até que ela descobre que ele é o proprietário do resort, e que tinha mentido para ela. Ela tinha desistido de todos os homens de negócios uma vez que não conseguia encontrar alguém que soubesse como permanecer fiel a ela, o que era o exato motivo dela desembarcar no resort, pra começo de historia. Mas quando ela volta para casa, descobre que a primeira coisa impulsiva que já fez na vida a deixou grávida e sozinha. E isso é quando Drew a encontra... e ele não vai embora até que ela concorde em casar com ele. Venha desfrutar das aventuras de Drew e Trinity, e faça parte desta divertida história cheia de amor, paixão, luta, e superação. Os primos de Drew, Derek e Ryan, adicionam humor e ainda mais amor para a aventura, e vão deixar você querendo um pedaço deles para si mesma.


"Você não sabe o que está perdendo Drew. Eu nunca estive tão feliz em toda a minha vida. Eu amo você e Ryan como irmãos, você sabe disso, mas há algo completamente satisfatório em ter uma esposa e filhos. Eles preenchem um vazio que você nem sequer sabe que está lá, até que finalmente está com o seu verdadeiro amor", disse Derek, quando os dois homens sentaram-se à beira da piscina, tomando uma bebida. "Você sabe, eu acho que Jasmine é a pessoa mais perfeita neste universo, mas casamento não é para mim. Eu sou um solteirão convicto. Por que eu iria querer me estabelecer com apenas uma mulher, quando posso ter uma nova no meu braço a cada noite?" Disse Drew, com um sorriso malicioso. Ele disse as palavras, mas mesmo ele não acreditava mais nelas. Ele assistiu seu primo recém-casado com sua esposa, e se sentiu atraído para algo mais em sua vida. Ele não iria admitir isso em voz alta, no entanto. Ele tinha uma grande vida, e se recusou a sequer pensar em mudá-la. "Sim, bem, você sabe que eu me sentia da mesma forma, até que Jasmine voltou para a minha vida, e agora eu só penso em todos os anos desperdiçados onde podíamos ter estado juntos", disse Derek, com dor em sua voz. Seu primo tinha se casado com sua namorada de infância, mas as circunstâncias os mantiveram separados por dez anos - e Drew sabia que doía sempre que Derek pensava sobre todos os anos perdidos. "Eu acho que estou tão inquieto porque preciso de umas férias. Eu tenho trabalhado sem parar durante anos, e agora acho que vou escolher um dos meus resorts e apenas ir pegar um sol e relaxar. Tenho certeza que posso encontrar algumas moças bonitas para aproveitar o tempo comigo", disse ele. Ele era bem conhecido como um playboy. As mulheres com quem se envolveu conheciam o placar, e estavam à procura de nada mais que uma noite com ele - por isso não haviam sentimentos feridos entre o casal na parte da manhã.


Sempre tinha sido o suficiente para ele. E então ele descobriu que a inquietação que sentia realmente era apenas devido ao fato de que ele estava trabalhando muito duro. O velho ditado parecia ser bastante adequado: todo trabalho e nenhum jogo. "O que vocês meninos estão fazendo aqui fora?", Perguntou Jasmine, enquanto caminhava para fora com seu bebê bonito. Drew imediatamente a abraçou. Ela era a coisa mais adorável no mundo, e ele podia se imaginar com alguém assim algum dia. Ele teve que afastar o pensamento, embora, já que não poderia ter os bebês sem ter uma esposa. Ele tinha sido criado muito melhor do que isso. "Oh, você conhece Drew, ele está falando de todas as mulheres bonitas", disse Derek enquanto agarrava sua esposa em torno da cintura e a colocava em seu colo. Ela riu antes de curvar-se para beijá-lo, fazendo com que o clima ficasse um pouco desconfortável. Ele limpou a garganta, só para lembrá-los que ele ainda estava lá. Ele nunca esteve tão de cabeça para baixo por uma garota a ponto de esquecer todo o resto do lugar. Ele estava começando a se perguntar como seria. "Desculpe Drew," disse Jasmine um pouco acanhada, quando um blush bonito ruborizou seu rosto. "Quer tomar conta do bebê?", Disse Derek. Ele não estava nem um pouco arrependido pelo beijo. Antes de Drew ter a chance de dizer qualquer coisa, Derek se levantou da cadeira, com Jasmine ainda em seus braços, e levou-a pela casa. Ele podia ouvir seus protestos fracos conforme eles se afastavam. Britney estava olhando para ele com seus grandes olhos azuis que ele não podia resistir. Ele soprou algumas framboesas em sua barriga, o que a fez rir, e afagou seu rosto. "Eu sei que seus pais são um pouco loucos, mas você tem que amá-los de qualquer maneira", disse ele para o bebê. Ele não se sentia tolo por falar com ela, mesmo que ela não tivesse ideia do que ele estava dizendo. Ele encontrou-se sozinho por um tempo muito longo antes do casal feliz voltar para se juntar a ele. Ele ergueu as sobrancelhas para seu primo, que apenas deu de ombros como se dissesse que não podia ajudar a si mesmo. Jasmine pediu


desculpas pelo comportamento de seu marido e levou Britney de volta, para que ela pudesse levá-la para a cama. Ele relutantemente entregou-a. "Eu vou me retirar agora, já que a minha presença aqui, obviamente, não é necessária", disse Drew, com um enorme sorriso. "Ei, você sabe que é sempre bem vindo aqui", Derek disse a ele, realmente querendo dizer o que disse. "Eu sei. É por isso que eu continuo voltando. Eu vou seguir o conselho de todo mundo, embora, e sair de férias. Tenho certeza de que uma vez que eu tiver um pouco de diversão vou me sentir muito melhor, e voltar ao normal", disse ele. "Não fique longe por muito tempo, você sabe o quão rápido Britney está crescendo", disse Derek enquanto caminhava até a porta. "Eu não posso acreditar no quão rapidamente ela está crescendo. Estarei de volta em uma semana ou algo assim. Estou pensando que é hora de começar a abrandar. Estou percebendo que viajar não está tendo o mesmo apelo que costumava ter, e sempre que estou longe fico ansioso para voltar. Acho que é a culinária de sua esposa. Juro que engordei uns vinte quilos", disse ele, enquanto esfregava seu estômago incrivelmente plano. "Eu entendo. Vou ter que ir ao alfaiate para alargar todas as minhas calças também," Derek concordou, esfregando o próprio estômago impressionante. Ambos os homens pereciam mais como se devessem estar em capas de revistas do que sentados atrás de uma mesa. Eles apertaram as mãos, e Drew decolou. Ele ligou para o seu piloto, que já tinha o jatinho preparado, e foi direto para o aeroporto. Ele sabia que um pouco de sol e surf iriam lavar todas as suas preocupações à distância - e ele esperava que os pensamentos estranhos sobre casamento e filhos também. Ele simplesmente não era o tipo de cara que se casa, não como Derek era. Ele podia dizer desde que eram adolescentes que Derek seria o primeiro a se casar e fazer uma tonelada de crianças. Uma vez que ele estava no ar, ele escorregou em sua bebida e colocou a cabeça contra o assento. Ele já podia sentir-se relaxar. ‘Sim’, ele pensou, ‘isso é o que eu precisava’. Ele se recusou a trabalhar por um par de dias, e depois disso tudo voltaria ao normal.


Trinity deitou na toalha de grandes dimensões, deixando escapar um suspiro de êxtase total. Ela podia sentir o sol brilhando sobre suas pálpebras fechadas. Ela estava tão relaxada que podia se sentir flutuar na água cristalina há apenas alguns passos dela. Esta foi à primeira coisa impulsiva que ela já tinha feito em sua vida. Ela sempre tinha sido estável, confiável, uma pessoa responsável, mas depois de ser orientada por todos pela centésima vez, ela arrumou uma mala, pulou em um jato e acabou em uma ilha isolada ao longo da costa norte da Espanha. A última parte de sua viagem tinha sido em um pequeno avião fretado, com vista espetacular sobre o Mar Mediterrâneo. Era diferente de tudo que já tinha visto antes. Ela tinha sido incapaz de tirar os olhos da janela quando a aeronave circulou a ilha e pousou no paraíso. Ela pagou até o último centavo que ela tão estritamente guardou ao longo dos últimos dez anos em um mega e caro resort exclusivo. Como ela estava lá para apanhar banhos de sol, ela sabia que cada centavo valeu a pena, mesmo que ela tivesse que comer macarrão instantâneo durante todo o próximo ano quando voltasse para casa. Sua vida tinha virado de cabeça para baixo há poucos dias, e ela finalmente surtou, como muitas pessoas tinham previsto que um dia aconteceria se ela continuasse a permitir que as pessoas continuassem a abusar de sua boa natureza. Ela sempre tinha agradado às pessoas em seu grupo de amigos e nos poucos relacionamentos amorosos em que esteve, na maioria das vezes em detrimento próprio. Seu último relacionamento foi o motivo que ela estava agora tomando banhos de sol na Europa, e falida. Sua boca esticou em um sorriso satisfeito, entretanto. Ela estava começando a ficar muito quente, então se levantou e começou a andar em direção à água convidativa. Ela estava tentando realmente muito duro não pensar no seu ex, mas o


homem invadiu seus pensamentos, o que causou uma carranca e um franzir de sobrancelhas. Ela tinha estado com um namorado supostamente certinho durante seis meses, e realmente o amava, ou pelo menos pensou que fizesse. Nesse pensamento, ela decidiu que era hora de dar o próximo passo em seu relacionamento, e uma noite e o esperou voltar para casa do escritório toda vestida e especialmente arrumada. Ela realmente não entendia o trabalho dele - só sabia que ele possuía algum negócio que desenvolvia softwares. Ele até tentou falar sobre isso com ela, ao que ela acenou como se entendesse - mas na realidade, ele tinha deixado-a ainda mais confusa. Ela tinha a chave para entrar em sua casa desde que ele esteve em uma viagem de negócios no mês anterior, durante um período em que ela tinha ido regar suas plantas. Ele tinha esquecido que ela ainda tinha a chave, mas certamente ficaria muito agradecido, considerando que ela estava indo para planejar uma noite romântica para eles. Foi um clichê, porque é claro que ela abriu a porta com antecipação nervosa só para encontra-lo com a estúpida secretária em sua cama. Ele tinha, naturalmente, pedindo-lhe para não sair, e prometeu que tinha sido uma coisa de uma única vez, que ele tinha perdido temporariamente sua mente. Trinity sorriu enquanto pensava sobre aquele seu momento de rastejar. Quando saiu pela porta, porem, ela jurou que estava feita com empresários, para o próprio bem dela. Ela estava cansada de ser a namorada perfeita, que deixava a roupa limpa em seus lugares ou qualquer outra coisa que eles pedissem. Ela tinha acabado com a menina que todos podiam depender. Ela estava farta de sempre jogar pelo seguro. Certamente estava mais do que cansada de ser um capacho. Ela mergulhou na água e nadou até que seus braços começaram a doer. Ela se virou então, surpresa com o quão longe da costa estava. Ela não estava preocupada com isso, porém - ela era uma nadadora forte. Mesmo que estivesse cansada, poderia flutuar de costas por horas. Ela começou a longa viagem de volta para a praia, e continuou pensando sobre aqueles dias de mudança em sua vida. Trinity tinha voltado para seu chato apartamento bege e começado a pesquisar na internet por resorts exóticos. Ela tinha encontrado um novo local em uma ilha, fora da costa da Espanha, reservou seu bilhete e


foi ao shopping para comprar alguns vestidos de verão e um biquíni novo. Tinha dormido incrivelmente bem naquela noite, e foi para o aeroporto na primeira parte da manhã seguinte. Ela desembarcou ontem e logo apareceu na praia, enquanto observava o pôr do sol mais espetacular que já tinha visto em sua vida. Lágrimas caíram pelo seu rosto ao contemplar a beleza das cores espiraladas no céu. Ela estava exausta quando subiu para o quarto, mas também estava se sentindo melhor do que em um tempo muito longo. Algum tempo depois quando ela acordou naquela manhã, tinha estado confusa sobre onde estava. Ela tinha bebido algumas margaritas a mais no bar ao ar livre na noite anterior. Uma vez que tudo voltou para ela, porem, ela não conseguiu manter o sorriso do rosto. Ela vestiu o biquíni mais ousado e se dirigiu para a incrível praia, onde descansou durante horas até que finalmente mergulhou na água do mar cristalino. Trinity voltou para o presente, enquanto continuava a nadar mais perto da costa, sem sentir nada alem do calor do sol e da frescura da água gloriosa. Não havia estresse, nem sentimentos de pesar, e sem dúvida alguma ela sabia que tinha feito à escolha certa. Isso era tudo que ela sentia até que alguma coisa bateu em sua cabeça. Houve um tiro de dor e, em seguida, ela sentiu a escuridão rodeá-la. Seu último pensamento antes que começar a afundar sob a superfície da água foi que o quarto era não-reembolsável.

Drew estava deitado em sua prancha, nadando para pegar uma onda. Ele chegou ao resort mais cedo naquela manhã, e se sentia realmente bem por ter vindo. Ele disse a seus funcionários pra fingir que não o conheciam ao longo das próximas setenta e duas horas, e então foi à praia. Ele certamente podia se acostumar a ser um turista, pensou com uma risada. O dia tinha sido relaxante até agora, e ele podia sentir o estresse desaparecendo. Porem, quando remou mais para fora do mar, de repente


ele sentiu um baque e, virando a cabeça, viu um corpo começar a afundar na água. "Que diabos?", Ele gritou antes de mergulhar fora de sua prancha para recuperar quem ele tinha apenas batido. Ninguém jamais foi na água tão longe, a menos que estivessem surfando. Ele supôs que a prancha desse nadador podia ter ido para longe, mas não viu nenhuma prancha flutuando ao redor sem um dono. Ele pegou a pessoa antes que ela afundasse muito, percebendo que era uma mulher. Ele jogou-a na sua prancha e rapidamente remou de volta à costa. Uma vez na areia, ele imediatamente começou a CPR (massagem cardíaca), soltando um suspiro de alívio quando ela tossiu um pouco de água e começou a respirar novamente. Ela olhou para cima através de olhos vermelhos e gemeu, estendendo a mão para a cabeça onde ele já podia ver um grande caroço se formando. Ele ficou surpreso com o aperto em seu interior. Ela era espetacular, de uma maneira menina discreta. Ela tinha longos cabelos loiros que atualmente estavam grudados em seu rosto, e olhos cor de esmeralda. Ele nunca tinha visto olhos assim antes. Eles tinham um brilho que prendeu sua atenção. Eram cercados por cílios longos, que piscavam rapidamente para ele. Seu corpo era ágil e muito pálido para estar desprotegido nestas praias. Ele já podia ver uma tonalidade de vermelho surgindo em sua pele, que certamente ia incomodá-la na parte da manhã se não passasse uma abundância de loção sobre ela. Ele sentiu seu corpo apertar com o pensamento de esfregar loção em toda sua pele lisa. Suas curvas eram perfeitas, nem muito pequenas e nem muito grandes. Ele estava imaginando suas grandes mãos correndo por todo o corpo dela. Ele teve que sacudir a cabeça para clarear os pensamentos impróprios. Quase tinha afogado a pobre mulher, e agora estava admirando-a como se ela fosse um pedaço de doce. Ele realmente precisava ter mais tempo livre. Ele se abaixou e pegou-a em seus braços. Ela precisava receber assistência médica, para que ele pudesse ter certeza que ela ficaria bem. Enquanto caminhava pela praia com ela em seus braços ele podia sentir


seu calor suave irradiando para ele. O cheiro do seu cabelo estava causando imagens eróticas em sua mente. Seu minúsculo biquíni não estava escondendo muito, e ele queria mover as últimas duas polegadas da parte superior para o lado, para ver se seus seios eram tão pálidos quanto o resto de sua pele. Ele gemeu em voz alta enquanto tentava pensar em qualquer outra coisa alem de devorar a estranha em seus braços. Ele normalmente não despia uma mulher com os olhos. Pelo contrario, eram suas parceiras que geralmente o perseguiam; elas certamente nunca olhavam para ele com olhos arregalados e inocentes. "O que aconteceu?", Perguntou ela com uma voz áspera e, em seguida, fez uma careta. Ele tinha certeza de que sua garganta estava muito dolorida. Sua culpa sobre bater nela, pelo menos, afastou sua mente de seus pensamentos impróprios. "Eu corri para cima de você com a minha prancha, eu não vi você lá fora. Nós estamos indo para o posto de primeiros socorros, para que eu possa me certificar de que está tudo bem", respondeu ele quando entrou no prédio com ar condicionado. Ela imediatamente começou a tremer, e seus olhos foram atraídos para seus mamilos frisados, fazendo sua respiração sair rasa e curta. O que diabos estava errado com ele? Ele bateu na pobre moça, quase a afogou e, ainda por cima, estava cobiçando-a. Ele seriamente precisava levá-la a um encontro - de preferência um que terminasse com eles em sua cama. Ele chegou ao posto de primeiros socorros, a deitou numa maca e rapidamente encontrou um cobertor para cobri-la. Era tanto para o benefício dela quanto para o seu. O médico chegou dentro de poucos minutos, como tendia a acontecer quando era o dono do lugar que precisava de serviço. Ela não conseguia manter os olhos abertos, embora, e adormeceu antes que o medico pudesse começar seu exame. "O que aconteceu, Sr. Titan?" Perguntou preocupação, enquanto se dirigia para a menina.

o

médico

com

"Eu estava remando e bati nela na água. Eu bati-lhe muito duro na cabeça, e tive que realizar CPR. Não havia muita água em seus pulmões, felizmente. Ela permaneceu apenas por alguns segundos debaixo d’água", explicou.


O médico examinou-a completamente antes de se voltar para Drew. "Ela vai ficar bem. Sua cabeça vai doer bastante, mas não há nenhum dano permanente. Ela também não deve ficar sozinha esta noite, por isso, se ninguém está com ela, eu recomendo fortemente que ela fique aqui durante a noite", disse o médico. "Ela também precisa passar esta loção de aloe em sua pele, ou vai ficar muito machucada", completou. O maior problema médico do resort sempre foi a queimadura dos clientes. Eles não estavam acostumados com o calor intenso da ilha e nunca se protegiam o suficiente, embora houvessem sinais em todo o lugar. O resort também fornecia protetor solar gratuito em todos os quartos, e ainda assim o problema persistia. "Vou me certificar de que ela está sendo cuidada", disse Drew enquanto ela acordava. Ela abriu os olhos parcialmente quando realmente se esforçou. "Qual é o seu nome completo?" Drew perguntou a ela. "Trinity Mathews," ela guinchou para ele. "Eu estou de férias", acrescentou com um sorriso. Seu pequeno sorriso iluminou seu rosto, fazendo sua respiração ficar superficial, mais uma vez. Ele estava tentando livrar-se do efeito estonteante que ela estava tendo nele. "Você está aqui com alguém?", Perguntou ele, e viu-se prendendo a respiração. Ele notou que ela não estava usando um anel, mas isso não necessariamente quer dizer nada. "Não, estou aqui por minha conta", respondeu ela. "Minha cabeça dói muito", ela acrescentou com outra careta de dor. "O médico deu-lhe uma injeção para isso. Vai fazer efeito muito mais rápido do que as pílulas. A dor deve retroceder em breve", ele disse a ela. Então ela deitou-se e adormeceu mais uma vez. Drew enviou um membro da equipe para byscar a informação de que precisava de Trinity. Ele voltou rapidamente e confirmou que Trinity estava lá sozinha, e que ficaria em um dos menores quartos do hotel. Bem, ele pensou, Mathews apenas ganhou um upgrade para a suíte mais bonita no prédio. Ele chamou um carregador, "mova os bens de Ms. Mathews para o executivo", disse ele. E então teve que acordá-la outra vez.


"Trinity, o resort vai movê-la para uma suíte", disse Drew para ela. Ela sorriu para ele, como se estivesse ouvindo apenas metade do que ele disse. Drew pegou-a novamente em seus braços, deixando o cobertor sobre ela, e se arrastou através do hotel. Alguns funcionários tentaram se aproximar dele, mas rapidamente recuaram depois de verem seu olhar. Ele foi para o elevador e subiu para o andar superior. Havia apenas alguns quartos nesse nível, que necessitavam de uma chave especial para acesso até mesmo pra chegar até lá. O porteiro estava esperando quando ele se aproximou da suíte, segurando a porta aberta para ele. Ele a levou para dentro e a deitou em uma das camas enormes. Ela se aconchegou no colchão de plumas e suspirou. O porteiro saiu, e ele se viu sozinho com a linda garota. Ele a balançou e acordou de novo, e ela olhou para ele. Ele teve que suprimir o sorriso que queria sair em seu rosto. Era óbvio que ela estava ficando cansada de suas interrupções. "Trinity, eu sinto muito ter que acordá-la, mas o médico disse que você precisa passar essa loção no corpo ou sua pele vai queimar muito, e você vai odiar sua vida ainda mais na manhã seguinte," ele disse a ela. O que o médico tinha lhe dado devia servir também como auxílio para dormir, porem, porque ela fechou os olhos novamente e apagou. Drew gemeu quando percebeu que ia ter que aplicar a loção ele mesmo. Ele olhou para o céu e se perguntou o quanto poderia ter de tocar seu corpo flexível. Ele cantou em voz alta enquanto derramava a loção em suas mãos, e então começou a esfrega-las - ele não queria chocá-la passando loção fria em seu corpo quente. Uma vez que ele tinha esfregado o creme em suas mãos por um tempo ele começou a aplicá-lo nas pernas dela. Ele imaginou que começar pelas pernas seria mais fácil para sua libido. Mas ele estava errado, muito errado. Até o momento em que ele tinha acabado de passar loção por todo o seu corpo incrivelmente belo, ele tinha uma ereção latejante e estava respirando como se tivesse acabado de correr uma maratona. Inclusive suor escorria de sua testa. Ele saiu do quarto e rapidamente saltou para um banho muito frio. Ele ficou lá até que sua pele começou a ficar azul e seus arrepios tivessem seus próprios arrepios. Ele vestiu-se e pegou seu laptop para


começar a trabalhar em algum negócio. Se ele estava preso dentro de casa, ele podia muito bem voltar ao trabalho.

Trinity acordou no dia seguinte, e seu primeiro pensamento foi sobre como ela se sentia faminta. Ela cheirava algo delicioso à deriva em sua direção, e riu quando seu estômago roncou muito alto. Ela notou que estava na cama mais macia que já dormira e, em seguida, olhou em volta. Este não era o seu quarto! Ela começou a entrar em pânico quando olhou em volta com mais cuidado. Ela se lembrava vagamente de tudo o que tinha acontecido. Ela tinha para a praia, e a próxima coisa que lembrava era do cara mais sexy que já tinha visto em sua vida inclinando-se sobre ela, com os olhos em pânico. Aqueles olhos tinham a mesma cor do mar lindo atrás dele, e seu peito descoberto era escuro e musculoso. Ela tentou manter os olhos abertos e ouvir o que ele estava dizendo. Ela nem sabia que homens lindos realmente existiam além dos filmes de Hollywood ou de seus romances. Ela estava pensando que ele devia ter sido parte de seus delírios, porque homens quentes certamente não existiam na vida real. A próxima coisa que ela lembrava era da dor de cabeça latejante. Ela tinha ficado muito irritada com alguém a acordava, porque então ela tinha que suportar a dor. Estendendo a mão para a cabeça, ela sentiu ao redor: havia uma grande protuberância no lado, mas a dor de cabeça tinha ido embora. Ela podia lembrar vagamente de um médico dando-lhe algo. O que quer que tenha sido a magia funcionou, porque ela se sentia muito bem. Ela subiu na cama e olhou para o armário, apenas para ver que seus poucos itens de vestuário estavam lá. Então ela colocou um vestido de verão e seguiu seu nariz. O homem da praia estava sentado em uma mesa em uma sala enorme, removendo tampas do que pareciam ser uma muito boa salada de frutos do mar e massas. Ele a viu e imediatamente pulou. Ela teve que piscar duas vezes para se certificar de que estava realmente o vendo. Simplesmente não podia acreditar que ele fosse real.


Ela estava muito perto de pedir-lhe para tirar a camisa, para que ela pudesse ver se seu peito e estômago eram realmente tão lindos quanto ela se lembrava enquanto delirante. "Como você está, Trinity?", Perguntou ele com preocupação. "Estou bem. Onde estou, e por que estou aqui?", Perguntou ela com curiosidade, mas realmente não se importando tanto assim. Ela queria a comida que estava sobre a mesa, no entanto. Ele viu seu olhar focado na comida e riu antes de levá-la para a mesa e tirar mais algumas tampas. Ela pegou a taça de salada e começou a empurrar mordidas em sua boca. Era a melhor coisa que ela já tinha experimentado. Ela realmente gemeu antes que pudesse impedir-se, e então riu. "Me desculpe, mas eu não sei quando comi pela última vez", disse ela, devorando mais comida. Ela não se lembrava de já ter estado tão faminta quanto estava agora. "É bem verdade; Eu estava me preparando para acordá-la quando você saiu. Você dormiu durante catorze horas. O médico disse que tinha lhe dado uma bela e grande dose de analgésico, e eu estive verificando você muitas vezes, mas ainda assim estava começando a me preocupar. O medico também não quis que você sozinha, então me ofereci para cuidar de você", ele finalmente respondeu à pergunta anterior, ou pelo menos a metade. "Onde estou?", Ela perguntou-lhe novamente. "O hotel te atualizou, desde que você passou por um acidente grave", disse ele com um encolher de ombros. "Isso é tão grande. Meu antigo quarto era espetacular, mas vamos lá, olhe para esta sala!" Ela disse com entusiasmo.

Ele olhou ao redor, tentando ver o quarto pela visão dela. Era muito bom, mas ele estava tão acostumado a quartos de luxo que tendia a não notá-los mais.


"Então, o que exatamente aconteceu? Eu estava nadando em um minuto, então tudo que sei é que senti essa dor horrível na minha cabeça, e então escuridão, até que acordei para vê-lo em cima de mim", ela perguntou-lhe enquanto continuava comendo. "Eu estava surfando e não a vi. Corri para cima de você com minha prancha de surfe", disse ele, com medo que ela fosse ficar com raiva. Ela o surpreendeu quando começou a rir. Ele olhou para ela como se ela realmente tivesse uma concussão, e talvez ele devesse chamar o médico. "Desculpe, realmente, mas você tem que admitir que é muito engraçado. Eu nunca tive um período de férias antes, nunca, em toda a minha vida. Sou sempre a boa menina que faz tudo certo e sempre joga pelo seguro e, em seguida, no meu primeiro dia de férias, eu resolvo tomar um banho de mar apenas para baterem na minha cabeça. É muito divertido", disse ela, ainda rindo. Ele esperava que ela ficasse com raiva ou, pior ainda, soubesse exatamente quem ele era e ameaçasse processa-lo. Mas não, ela estava rindo, como se o acidente não fosse grande coisa. Ele começou a relaxar, o que podia ser perigoso. "Eu realmente sinto muito," ele tentou mais uma vez. "Sério, não é como se você estivesse lá de propósito e tivesse pensado: 'hmm, acho que gostaria de bater em alguém hoje’, por isso, não se preocupe. Afinal de contas, eu acabei nesta suíte incrível, o que fez valer a pena a dor de cabeça desagradável", disse ela com sinceridade. "Na verdade, eu me sinto um pouco culpada, porque eles poderiam alugar essa suíte para outra pessoa. Vou dizer-lhes que isso não é necessário amanhã", disse ela, em uma questão de fato. "Eu tenho certeza que eles estão mais do que felizes em deixar você ficar aqui e se recuperar totalmente. Então por que não aproveitar o quarto agradável e ter férias espetaculares? Há algumas coisas incríveis para fazer aqui", ele disse a ela. Ela franziu a testa, como se realmente tivesse que pensar sobre isso. "Estou cansada demais para sequer pensar em me mover no momento, então vou ter que pensar um pouco mais sobre isso mais tarde. Que horas são, afinal?", Ela perguntou. "Cinco da manhã", disse ele com um bocejo. "Você dormiu o resto da tarde, e a maior parte da noite", completou.


"Uau, que chatice. Desperdicei um dia inteiro de férias. Vou ter que compensar isso hoje", disse ela com um encolher de ombros. Ele poderia pensar em diversas formas de tornar as férias dela muito grandes. Ele não quis uma mulher tão rapidamente em tempo demais para se lembrar. Ele estava começando a esperar que eles pudessem se beneficiar mutuamente. "Eu adoraria ser o seu guia turístico, se você deixar", ele ofereceu. "Você está aqui de férias também?", Perguntou ela. "Eu estou, por agora," ele disse a ela. Ele estava dizendo a verdade, parcialmente. Ele veio para um período de férias, que era suposto durar apenas alguns dias, e então ele teria que começar a trabalhar de novo. Mas ele decidiu então que seu direito de férias seria prorrogado. "Bem, nesse caso, eu adoraria ter um guia de turismo", disse ela, mas então o olhou com desconfiança. Ela tomou seus calções de surf e tshirt com uma careta. "O que você faz para viver?", Perguntou ela com desconfiança. Ele sabia que era algum tipo de teste, mas não sabia qual era a resposta certa. Ele só sabia que não queria que ela soubesse que ele possuía resorts, porque então ela rapidamente descobriria que este era dele também. Ele também não queria ficar muito longe da verdade, porem, porque sabia que, uma vez que se começava a contar mentiras era realmente muito difícil se libertar delas. "Eu trabalho para o resort", respondeu ele. Era uma verdade, já que ele trabalhava sem parar em diferentes resorts. "Oh, você trabalha aqui. Mas você disse que está de férias", disse ela, com uma ruga de volta no lugar. Ele precisava ter muito cuidado para não persegui-la, embora. "Eu estou fora por alguns dias, o que é sempre um período de férias quando se está no paraíso", ele respondeu. Sua resposta parecia ser o caminho certo, porque o rosto dela se iluminou ante dela voltar a comer. Ele estava deslumbrado com a quantidade de comida que ela foi capaz de ingerir. Ele não tinha idéia de onde ela estava colocando-a. "Bem, nesse caso, eu poderia definitivamente utilizar um guia, especialmente um que conhece a área. Mas eu não quero afastá-lo de suas outras atividades", ela disse a ele. "Passar tempo com uma bela mulher nunca é uma dificuldade", disse ele, e deu-lhe seu coração em mais um sorriso. Ele tinha usado seu


sorriso com mais de uma mulher, o que sempre garantiu mulheres em sua trilha. E ele estaria usando tudo em seu arsenal para seduzir a senhorita Trinity Mathews.

Trinity pensou que poderia derreter na cadeira quando ele olhou para ela assim. Sua primeira reação foi de se retirar e dizer adeus, mas ela tinha tido a pouco uma enorme conversa de vitalidade consigo mesma sobre como viver a vida ao máximo, então ficou. Por que não passar o tempo com um adorável cara local e ver onde as coisas levariam em suas curtas férias? Ela logo estaria de volta ao mundo real, onde poderia ser sensata, mais uma vez. "Eu só acabei de perceber que não sei o seu nome", disse ela, e esperou. "Meu nome é Drew, e é meu prazer conhecê-la oficialmente", disse ele, estendendo a mão. Ela agarrou-a e sentiu algumas faíscas bateremlhe no braço. Ela teve que suprimir o tremor de necessidade rolando através dela. Suas férias certamente tinham se tornado muito mais interessantes desde que ela tinha decidido dar um mergulho. Trinity terminou a refeição e se dirigiu ao banheiro para tomar banho.

Drew pegou o telefone e ligou para sua equipe. Disse-lhes que não queria que ninguém se aproximasse dele com qualquer negócio, nem se o lugar estivesse em chamas. Ele estava oficialmente de férias, e não queria que sua convidada soubesse que ele era o chefe. Eles eram empregados incrivelmente leais, e ele não tinha dúvida de que iriam manter o segredo.


Logo depois que ele desligou, o telefone dele tocou de novo. Ele viu que era o número de seu advogado, e atendeu. Ele não estava feliz quando desligou. Seu advogado mandou alguns papéis por fax, e queria ter certeza de que Trinity ia assina-los antes que o dia terminasse. Ele estava preocupado que haveria uma enorme ação judicial se ela descobrisse que a pessoa que tinha lhe acertado era o proprietário do resort. Drew realmente odiava política e advogados. Ele mais uma vez ligou para sua equipe, e pediu para o gerente lidar com a papelada. Ele fez com que eles estivessem mandando para seu quarto todas as refeições e todas as atividades que ela tinha programado para o resto da semana. Mathews tinha ganhado férias grátis exclusivas. Ele teve o gerente atualizando suas passagens de volta para a primeira classe, e o hotel estava dando a ela um acordo de dez mil dólares também. Ele tinha a sensação de que ela ia recusar, mas estaria lá para convencê-la a aceitar - como um amigo e não como proprietário do resort, é claro. Ele rezou para que ela nunca descobrisse a verdade. E nesse meio tempo ele estava indo para dar-lhe as férias de uma vida. Ela saiu do chuveiro e desceu as escadas. O gerente chamou-a ao seu escritório e apresentou sua oferta para ela, e sua reação foi exatamente como Drew pensou que seria. "Eu vou assinar seus papéis, prometendo não processar, mas você realmente não precisa me dar todo esse material extra", disse ela. Ela não estava acostumada a tomar qualquer tipo de mão e ser gananciosa, mesmo considerando a oferta generosa. Seria bom pegar o dinheiro e desfrutar de umas férias livres, mas não foi culpa deles de Drew correu para ela. Não era mesmo culpa de Drew. Foi apenas um daqueles acidentes estranhos. "Trinity, essas corporações fazem enormes quantidades de dinheiro e podem pagar, além de ser mais provável que saia do seguro, de qualquer maneira. Por que você apenas não pega o que está sendo oferecido e tem férias incríveis? Basta pensar em todos os serviços de spa e jogos que você pode fazer", disse Drew, com uma relação de confiança e um sorriso no rosto. "Você realmente acha isso?", Ela perguntou, e ele concordou. Ela então se virou para o gerente, que estava balançando a cabeça em


encorajamento enquanto segurava uma caneta. Ela finalmente pegou e assinou os papéis, com relutância. "Lamentamos que suas férias foram interrompidas, e espero que isso vá compensar. Por favor, tire proveito de todos os nossos serviços e desfrute plenamente de sua estadia ", disse o homem. "Isso realmente não é ruim, e você foi muito gentil. Talvez eu vá usar o dinheiro para ir a um dos seus outros resorts ", disse ela, como se a ideia realmente a animasse. "Isso seria excelente Srt. Mathews", disse o gerente. "Se você decidir fazer isso avise-nos, e vamos ter certeza de obter o serviço real por uma fração do custo", completou. Ele sabia que ela ficaria muito desconfortável em tomar qualquer outra coisa deles, mas ela balançou a cabeça. Ela e Drew saíram da sala e se dirigiram para fora, bem quando o sol estava nascendo sobre o oceano. Apesar de ser muito cedo pela manhã, ainda era agradavelmente quente do lado de fora, e os dois se sentaram na areia para apreciar a vista.

Drew puxou-a na frente dele, e envolveu-a em seus braços. Trinity sabia que devia se afastar, já que ela mal conhecia o homem, mas era tão bom estar com ele. Ela cedeu aos seus próprios desejos e deitou a cabeça contra seu peito. Seu primeiro pensamento foi que o homem era realmente tão duro quanto uma rocha. Ela nunca teve esse desejo por correr as mãos para cima de um torso masculino antes. Ela podia sentir o calor do seu tanquinho em suas costas conforme ela se aninhava mais perto dele.


Drew estava lutando contra seus próprios impulsos enquanto segurava Trinity. Quando ela finalmente relaxou e deitou a cabeça contra o peito dele, ele teve que lutar contra o desejo de não colocá-los para baixo na areia e amá-la enquanto o sol nascia sobre o oceano. Sua presença era o suficiente para enviar seu corpo ao limite. Ele não achava que seria capaz de olhar para um por do sol da mesma forma novamente. "Então, o que você gostaria de fazer agora?", Perguntou ela. "Eu disse antes que estas são minhas primeiras férias, então vou deixar isso para você. Tudo que você acha que seria divertido e aventureiro eu quero fazer", disse ela. Ele teve que lutar contra um gemido uma vez mais, porque só havia uma coisa divertida e aventureira que ele realmente queria fazer, e envolvia estar em um quarto dia e noite. "OK, mas você esta preparada para as consequências de deixar tudo por minha conta?", perguntou ele. Ele então levantou-se e ajudou-a a se levantar também. Suas mãos deslizaram entre si enquanto caminhavam pela praia.

Pela primeira vez na vida de Trinity, ela não estava com pressa. Ela queria desfrutar de sua semana nesse lugar exótico e esquecer tudo sobre o mundo real. Ela estava fora em um bom começo.


Os próximos dias passaram voando em um turbilhão para Trinity. Ela estava tendo o tempo de sua vida com Drew, e não queria que o período de férias terminasse nunca. Ela o convidou para usar um dos quartos em sua suíte, não querendo que ele saísse. A cautelosa Trinity nunca teria feito isso. Ela estava tendo um momento difícil em não pedirlhe para compartilhar seu próprio quarto. Ela não podia ser tão ousada, no entanto. A única razão pela qual ela estava sendo corajosa era porque sabia que nunca iria vê-lo novamente após essa semana acabar. Eles estavam tendo um mergulho tarde na piscina aquecida, e Trinity estava, na verdade, um pouco frustrada. Ela nunca na vida quis tanto flertar com um homem, mas ou ele era completamente ignorante ou não a achava desejável. Ela decidiu que só tinha mais dois dias, e que não iria machucá-la arriscar-se um pouco. Ela estava cansada de ser a boa menina, sempre cautelosa. Desta vez ela iria jogar o cuidado para o vento e ver o que acontecia. Se ele não fizesse nenhum movimento então ela teria sua resposta, e ainda poderia considerar as férias um sucesso. Ela estaria insatisfeita, mas pelo menos estava relaxada. "Mmm... esta água é celestial", ela ronronou quando nadou até perto dele. O homem parecia tão incrivelmente bom em nada mais que um par de calções de banho! Ele havia tentado por dois dias manter suas mãos para si mesmo, mas estava se tornando cada vez mais duro passar o tempo com ela. Ele quase riu alto de seus próprios pensamentos. Isso certamente não era a única coisa que se tornava mais dura. Trinity estava perdendo rapidamente sua bravata. Ela desejava poder ser uma daquelas mulheres ousadas que podiam fazer o primeiro


movimento, para apenas colar seus lábios nos dele. Ela não pensou que tivesse esse tipo de coragem. Ela estava agora pendurada ao lado da parede, pensando que era hora de sair da piscina, quando ele fechou os últimos centímetros e pressionou seus corpos juntos. Ela inalou uma respiração rápida de ar enquanto seus seios roçavam contra seu peito. Ela podia sentir instantaneamente o calor da piscina em seu estômago, e seus mamilos se endureceram em antecipação a seu toque. Se ele se afastasse agora ela iria perder toda a função de seu corpo, e simplesmente escorregaria para o fundo da piscina. Ela virou geleia, e o homem não tinha feito nada mais do que se pressionar para perto dela. Drew examinou seus olhos cheios de desejos e rosnou baixo em sua garganta, puxando-a com mais força contra ele. Não havia uma parte de seus corpos que não se tocavam. Ela pode sentir quando sua excitação evidente apertou contra ela, e queria a roupa fora do caminho, para que ele pudesse mergulhar dentro dela. Ela assistiu com admiração quando seus olhos dilataram, segundos antes de ele abaixar a cabeça para a dela e juntar seus lábios no beijo mais apaixonado que ela já tinha recebido. Ela nunca tinha sido beijada assim tão eroticamente, e seu corpo tremia de emoção. Um gemido profundo escapou de sua garganta quando a língua dele traçou os contornos de sua boca. Suas mãos levantaram em torno de seus ombros e os dedos em seus cabelos emaranhados. Foi deslumbrante. Seu corpo continuou a tremer enquanto suas mãos esfregavam de cima para baixo em suas costas nuas. Ela estava grata pelo biquíni minúsculo que não escondeu muito sua pele de suas mãos, mas ainda não era suficiente. Ela queria mais. Trinity perdeu toda a capacidade de pensar quando Drew correu sua boca para baixo da coluna lisa de sua garganta e chupou a pele em seu ponto de pulso. Ele continuou acariciando seu pescoço e chegou ao vão entre os seios, fazendo-a engatar a respiração em antecipação. Ela não percebeu que eles estavam se movendo até que sentiu a sensação de frescor da água correndo sobre sua cabeça quando ele a carregou por debaixo da cascata no final da piscina. Eles estavam de repente fechados em uma caverna, com a cachoeira escondendo-os de quaisquer olhares indiscretos.


Drew desamarrou o top do biquíni e o jogou para o lado enquanto continuava a explorar seu corpo. Quando seus lábios traçaram a parte superior de seus montes suaves de carne ela não conseguiu parar de se contorcer de prazer. E quando ele finalmente agarrou seu mamilo dolorido ela arqueou as costas para frente, querendo mais. Ele queria mais luz, para que pudesse finalmente ver a cor de seus belos mamilos endurecidos, mas o sabor de seu corpo estava mandandoo rapidamente além do limite da sanidade. Ele desamarrou sua parte inferior do biquíni, que flutuou para longe a partes desconhecidas. Ela nem ligou; tudo o que importava era unir seus corpos juntos. Ela precisava dele mais do que precisava de ar. Ele trouxe seus lábios de volta para os dela, e ela se agarrou a ele como se estivesse morrendo de fome. Ele puxou as pernas dela para cima, e ela envolveu-as em torno de sua cintura enquanto seu estômago continuava tremendo de necessidade. Foi então que ela percebeu que ele estava exposto e pressionando contra sua abertura. Ela moveu os quadris para frente, precisando-o dentro dela. Ele acatou o pedido de seu corpo e, com um impulso profundo, enterrou-se dentro do núcleo dela. Ela gritou quando ele a encheu. Ela nunca tinha estado preenchida tão totalmente antes. Antes que ela tivesse tempo para recuperar o fôlego, ele estava segurando seus quadris com força enquanto se movia dentro e fora de seu calor úmido. Ela jogou a cabeça para trás e gritou. Drew traçou sua clavícula e chupou seu pulso batendo enquanto se movia mais rápido, dentro e fora de suas dobras. Ela sentiu o tiro de calor em seu núcleo e através de seus membros enquanto ele continuava a se mover rapidamente dentro e fora dela. Ela podia sentir seus músculos tensos conforme mais rápido ele se movia. De repente tudo era muito, e ela se empurrou em seus braços enquanto seu corpo se apertava convulsivamente em torno de seu membro inchado. Drew estremeceu quando seu corpo já apertado começou a convulsionar em torno dele, e não conseguiu segurar por mais tempo. Ele empurrou profundamente dentro do corpo dela, não deixando qualquer espaço entre eles. Ele lançou sua semente profundamente dentro de seu ventre enquanto seu corpo tremia com o poder do orgasmo. Ele estava muito grato pela borda sobre a qual eles estavam se


inclinando, porque as pernas já não podiam segurá-lo, e muito menos ambos. Trinity ficou enrolada em torno de Drew enquanto sua respiração começava a voltar ao normal. Eles ainda estavam intimamente ligados, e ela não queria deixa-lo ir. Depois de alguns minutos de ser enrolada na água, ela começou a tremer. Eles já não estavam fazendo amor, e ela percebeu que estava nua em uma piscina pública. Estava agradecida que Drew tinha pensado em arrastá-los para a privacidade, porque ela não estava pensando em nada alem da intensa necessidade de seu corpo. "Eu não sei onde meu traje de banho está," Trinity finalmente disse, e estava grata pela escuridão quando pode sentir o calor em seu rosto. "Sinto muito por isso", disse Drew, mas o sorriso enorme dividindo seu rosto não parecia muito arrependido. Trinity viu o humor da situação e começou a rir. Se apenas seus amigos pudessem vê-la agora! Eles certamente não iriam reconhecer a mulher corajosa que ela tinha sido. "Ei, quem está aí?" Ambos ouviram alguém chamar. Seu riso parou instantaneamente e ela ficou mortificada. Alguém sabia que ela estava na caverna isolada, e provavelmente sabia também o que ela estava fazendo ali. Ela começou a olhar ao redor com o pânico real. Ela viu seu top e conseguiu colocá-lo, mas não conseguia encontrar a parte inferior. "Eu vou encontrá-los, espere aqui", disse ele, ainda ostentando o mesmo sorriso. Ele desapareceu rapidamente, de volta para a piscina principal, e ela ficou na privacidade da caverna, tremendo de frio. Ela ouviu Drew falar com quem quer que estivesse lá fora, mas não poderia dizer o que eles estavam dizendo. Ele voltou através da cachoeira, e ela ficou incrivelmente grata ao ver seu biquíni em suas mãos. Ele o entregou para ela, que lutou para colocá-lo novamente sob a água. "Eu sabia que era o guarda noturno lá fora, e ele se foi agora. Vamos fugir daqui e voltar para o quarto," ele sussurrou quando ela finalmente teve sua roupa colocada. Ela assentiu e seguiu-o para fora da caverna.


Ela olhou ao redor nervosamente, mas não havia ninguém por perto. Ela saiu da piscina e rapidamente envolveu uma toalha em torno de seu corpo trêmulo. Drew agarrou a mão dela e eles se dirigiram pelos corredores, para o elevador. Trinity não respirou plenamente até que eles estivessem com segurança dentro da suíte de luxo. "Eu não posso acreditar que fiz isso", disse ela enquanto olhava para o homem que tinha acabado de abalar todo o seu universo. Ela ficou chocada ao perceber que não sentia qualquer culpa sobre o incidente. Tinha sido incrível, e ela levaria a memória com ela sobre essas longas e frias noites de chuva de volta para casa. "Acredite ou não, eu nunca estive tão faminto por uma mulher a ponto de perder minha cabeça assim", Drew respondeu com um olhar de descrença em seu próprio rosto. Ela sentia-se melhor sabendo que ele não fazia isso com todas as turistas. Sabia que era apenas uma aventura de férias, mas ainda assim, toda mulher queria se sentir especial. "Eu vou tomar banho, porque estou congelando e não consigo parar de tremer," ela disse a ele enquanto se dirigia para o chuveiro. "Eu vou acompanhá-la, para economizar água", disse ele com um meneio de sobrancelhas. Ela já tinha jogado a precaução ao vento, e decidiu aproveitar seus dois últimos dias de férias então. Fizeram amor mais uma vez sob a água quente do chuveiro que fluia sobre seus corpos. Trinity não achava que seria capaz de ver água novamente sem seu estômago tremer de necessidade. Eles rastejaram do chuveiro direto para a cama. Drew a puxou com força em seus braços, acariciando suas costas, o que a fez querer ronronar. Ela tinha que ter cuidado, porque já podia sentir seu coração inchando. Drew se sentia mais relaxado do que tinha estado em muito tempo para lembrar, e pensou que poderia tê-la com ele até o fim da eternidade. Ele não achava que conseguiria ser capaz de deixá-la ir daqui a apenas dois dias. Ele tentou organizar e pronunciar essas palavras em voz alta, mas não sabia sequer por onde começar. Se ela descobrisse quem ele realmente era certamente ficaria com raiva, mas eles também não poderiam continuar a ver um ao outro sob falsos pretextos.


Ele não entendia como tinha conseguido se colocar numa posição tão ruim. Precisava descobrir como corrigir tudo isso, porem. Inferno, ele construiu bilhões de dólares em resorts visitados por direitos autorais. Certamente poderia descobrir como resolver as coisas com uma mulher. Ele adormeceu, ainda tentando trabalhar numa idéia. Antes de finalmente dormir ele assegurou-se que ainda tinha um par de dias para pensar em algo eficaz. Ele tinha feito coisas mais difíceis afinal, e com muito menos tempo.

Trinity saiu do elevador com Drew a seu lado. Era seu último dia no paraíso, e ela teve que manter-se lembrando de que seu tempo com ele foi uma coisa de uma vez. Ela se permitiu ser impulsiva pela primeira vez em sua vida, e agora estava tentando convencer sua mente que foram grandes férias, e que isso era tudo. Estava tomando tudo dentro dela para não pedir o número de telefone dele. Mas ela não podia simplesmente ligar para ele uma vez que fosse embora, ou acabaria saltando de um relacionamento para outro. E, além disso, relacionamentos de longa distância nunca dão certo. "Onde você mora nos EUA?" Drew perguntou a ela enquanto entravam no restaurante para o café da manhã. "Se eu te disser, então a magia do nosso tempo juntos começa a desvanecer-se", disse ela em tom de brincadeira. "Eu vou para lá às vezes, e gostaria de vê-la quando estiver na mesma cidade", disse ele. "Eu não acho que é uma boa ideia. Isto entre nós tem sido inacreditável, e se tentarmos ficar em contato no mundo real tudo vai se quebrar", ela disse-lhe em voz baixa. "Você não tem que me dizer exatamente onde vive, apenas um estado e, se estiver mesmo destinado a ser, vamos apenas nos encontrar num pequeno café romântico em um dia chuvoso, e perceber que não


conseguimos ficar distantes", disse ele com um sorriso malicioso. Ela percebeu que, mesmo se lhe dissesse em qual estado morava, a probabilidade dele realmente encontrá-la era quase nula. "Eu moro na chuvosa Washington," ela finalmente respondeu. Ele pareceu tenso por um momento, mas depois relaxou e rebocou seu sorriso fácil novamente. Ela provavelmente apenas imaginou o desconforto dele por um momento, já que Drew parecia nunca ficar estressado. Ele não podia acreditar em sua sorte, sobre Washington. Aqui estava a mulher mais perfeita que ele já conheceu, e ela vivia em seu estado natal. Quais eram as chances dele conhecê-la em outro país? Ele viajava muito, principalmente por escolha agora que seus resorts corriam bem sem sua vigilância constante. Ele descobriu que estava gastando muito mais tempo em casa, de qualquer maneira, com seus primos, Derek e Ryan. Com Derek casado, todos eles pareciam girar em torno dele e de sua esposa, Jasmine. Ele estava até um pouco irritado consigo mesmo por ficar tão preso a sua menina de férias. Ele era geralmente muito melhor em se manter com o plano de namorar um monte de diferentes garotas, mas nenhuma antiga diretriz valia para a primeira garota que ele atropelou com sua prancha de surf. Ele sorriu para si mesmo, pensando que seus primos iriam achar sua situação hilariante. "Estou na bela North West muitas vezes", ele finalmente disse a ela. Trinity odiava que a batida de seu coração acelerou com suas palavras. Ela não queria esperar para vê-lo novamente. Isso só faria aquelas longas noites de inverno ainda mais longas. Ela estava começando a cair um pouco muito duro para o homem enigmático. "Eu vou ser honesta Drew, mesmo que isso seja um pouco difícil para mim. Eu sou sempre a bobalhona. Meu último namorado, com quem pensei que eventualmente me casaria, decidiu ir para cama com sua secretária, o que me levou a está muito impulsiva viagem de férias. Sou grata que a tive, e por ter conhecido você. Não lamento absolutamente nada, mas se continuar em contato com você quando voltar para o mundo real, a forma como eu me sinto vai mudar. Eu vou começar a pensar em felizes para sempre, e eu também não sou essa garota que você acha que sou. Você não vai gostar de mim quando eu


estiver de volta ao mundo real", disse ela, enquanto uma lágrima escapava de seu olho. "Eu nunca poderia não gostar de você Trinity, não importa onde estivermos. Então aqui está o que eu vou fazer. Este é o meu número de telefone, e eu vou esperar cada dia por você me ligar. Se você confiar em mim, mesmo um pouco, talvez possa me dar o seu", disse ele, esperançoso. Depois de pensar um momento no estande de sua escapada romântica, ela decidiu que não poderia se ferir por simplesmente trocar números de telefone. Se ele nunca ligasse ela iria simplesmente encarar tudo isso como um sonho mágico, e se ele ligar, então talvez eles possam ter uma noite agradável juntos, no futuro. Ela ia tentar não envolver seu coração, embora já pudesse dizer que estava falhando nisso. "Ok, vamos fazer do seu jeito. Mas acredite em mim, eu serei a primeira a dizer ‘eu te avisei’ quando você perceber o quão chata eu realmente sou", disse ela com um sorriso. "Deixe-me ser o juiz", ele disse, inclinando-se para lhe dar um beijo de parar o coração. Ela estava pensando que poderia ser bom estender suas férias por mais alguns dias. Ela se perguntou se isso iria fazê-la parecer muito carente. "Estas foram as melhores férias que eu já tive, mesmo que tecnicamente tenha sido a única", disse ela com um sorriso real. "Que tal ficarmos mais uns dias?", Perguntou ela. Ele estava olhando para ela com seriedade completa. Ela estava pensando que mais uns dias não poderiam doer nada. "Eu poderia ser capaz de fazer isso", disse ela timidamente para ele. Seu sorriso era tão brilhante que era quase ofuscante. Ela sabia que era um risco real para seu coração ficar mais, mas não conseguia mais ouvir seu cérebro. Ela estava curtindo seu tempo, e se recusou a se sentir culpada. "Vamos dizer para o hotel que você está mantendo o quarto um pouco mais", disse ele, e agarrou seu braço. "Eu posso voltar para o meu quarto original. Eles não vão querer que eu fique na suíte", disse ela, rindo de seu entusiasmo. "Eu preciso ter certeza de que posso mudar minha passagem, porem," ela terminou, tentando parecer razoável.


"Lembre-se que você está sendo impulsiva, então não se preocupe com nada disso", disse ele ao se aproximarem da recepção. "Drew, é você?", Eles ouviram uma mulher perguntar. Drew pareceu ficar tenso instantaneamente, e Trinity se virou para ver quem diabos podia deixá-lo tão nervoso. Ela achou que poderia ser uma examante, e sabendo que ele não tinha sido um monge antes dela quis tranquilizá-lo que não se importava - mas ela não teve essa chance. "Olá Nancy, como você está?" Ele disse. A mulher estava em seus quarenta e tantos anos, pelo menos. Trinity realmente não entendia por que ele estava tão nervoso. "Eu estou maravilhosa. Você tem um belo resort aqui, e eu estou tão feliz que decidimos ficar", disse ela, com uma risada suave de prazer. "Eu acabei de sair do seu spa incrível, e sinto como se estivesse flutuando sobre uma nuvem," ela terminou. "Estou tão feliz que você está se divertindo. Estamos com pressa, mas eu adoraria conversar com você mais tarde", disse ele à mulher, e quando girou em torno de Trinity parecia que ele não podia sair de lá suficientemente rápido. Ao se aproximarem das portas Drew estava pensando que tinha acabado de escapar por um triz. Teria que evitar o lobby nos próximos dias. Ele não precisava que Trinity descobrisse quem ele realmente era, não quando eles estavam ficando tão próximos. Ele nunca havia se sentido do jeito que se sentia com ela com qualquer outra mulher. Ele contaria quem realmente era para ela, mas isso precisava ser feito no momento certo, e não no meio de seu saguão. "Drew, me desculpe incomodá-lo novamente, mas meu marido realmente queria conhecê-lo e falar sobre o campo de golfe", a mulher aproximou-se mais uma vez, agora acompanhada de um homem de aparência distinta. "Querido, esse é de Drew Titan, o proprietário do resort. Drew, esse é meu marido, Dean", disse ela. Drew apertou a mão do homem e suspirou quando sentiu Trinity puxar sua mão da dele. Ele nunca tinha ficado tão aterrorizado por enfrentar qualquer coisa em sua vida, mas estava certo de que não queria virar e ver a expressão no rosto dela. O casal foi embora, eventualmente, e ele finalmente virou-se para encará-la.


Ela estava olhando para ele como se ele tivesse acabado de atropelar seu filhote de cachorro. Uma única lágrima escorreu de seu olho, e ele estendeu a mão para tentar confortá-la. Se ela só deixasse-o explicar, ele sabia que podia fazer tudo melhor. Mas de repente sua mão disparou e bateu-lhe no rosto com força suficiente pera ecoar pelo atrito. Várias cabeças em estado de choque se viraram para olhar para eles. O guarda de segurança começou a andar para frente até que Drew balançou a cabeça para ele. Ele merecia esse tapa, imaginou. "Deixe-me explicar..." ele começou a dizer. "Não se preocupe, Sr. Titan. Não sei por que você sequer se preocupou com toda a cena de sedução, considerando que eu assinei os papéis muito rapidamente para você. Há mais alguma coisa que você precisa que seja assinada, para garantir que o seu precioso resort está a salvo das minhas garras gananciosas?" Ela disse com veneno. "Eu não estou preocupado que você vá processar o resort", ele quase gritou. Este cenário inteiro estava rapidamente ficando fora de controle. "Eu só queria uma semana com uma bela mulher que não sabia quem eu era. Isso faz de mim um cara tão ruim assim?", completou. "Oh, eu nunca diria que você é um cara mau. Você fez tudo perfeitamente. Você venceu e me fodeu; me tirou dos meus pés. Você foi um anfitrião absolutamente perfeito, e eu nunca quero te ver de novo", ela cuspiu antes de se afastar com a cabeça erguida, mesmo que seus joelhos ainda tremessem. Drew imaginou que poderia dar-lhe algum tempo para se refrescar e, em seguida, eles poderiam falar. Ela perceberia que ele não era o vilão nesta história uma vez que acalmasse sua raiva. Mesmo que não fosse nem meio-dia ainda, ele pediu um uísque duplo e sentou-se ali, com a cabeça entre as mãos. Até o momento em que ele julgou que ela tinha tido tempo suficiente para se acalmar, e fez o seu caminho de volta para a suíte, ela tinha ido embora. Ela não deixou um único item para trás, exceto o pedaço de papel com seu número de telefone. Ele decidiu que provavelmente era melhor assim.


Cinco meses depois Trinity lutou com seus pés, o que estava se tornando mais difícil a cada dia que passava. Suas costas estavam doendo particularmente ruim naquele dia, e ela estava se sentindo um pouco mal-humorada. "Desculpe-me, alguém aqui?", Ela ouviu uma voz perguntar. Ela continuou a subir, e ficou um pouco chateada por ter um novo cliente. Trinity era dona de uma loja de flores razoavelmente bem sucedida, mas alguns dias ela desejava que fosse um pouco menos ocupada. Quando ela descobriu que estava grávida, depois de suas férias de improviso, ela entrou em pânico em primeiro lugar. Quanto mais tempo ela tinha que pensado sobre isso, porém, mais animada ela se tornou. Ela agora estava realmente animada para ter sua menina em seus braços. Ela recebeu suas primeiras fotos de sua filha por nascer apenas algumas semanas atrás, e tinha ficado muito animada para esperar para descobrir o sexo do bebê. Além disso, ela estava em um orçamento apertado, e tinha que procurar roupas para o nascimento. Drew tentou chamá-la no primeiro mês depois que ela chegou em casa, mas ele finalmente tomou a dica de ela não queria falar com ele e deixou-a sozinha desde então. Ela tinha descoberto que estava grávida de algumas semanas depois de sua última chamada, mas ainda não estava pronta para falar com ele sobre isso. Ela sabia que ia ter que dizer-lhe, mas não estava nada ansiosa por essa conversa. Ela só queria aproveitar o brilho de sua gravidez durante o maior tempo que pudesse. Ela não estava se aquecendo em qualquer brilho nesta tarde, no entanto. Suas costas estavam matando-a, seus pés estavam pelo menos duas vezes o seu tamanho normal, e estava realmente muito ocupada. Na verdade, estava incrivelmente grata que o dia estivesse quase no fim.


"Desculpe por isso, está levando um pouco mais de tempo para chegar a meus pés nos dias de hoje", disse Trinity quando finalmente se levantou. A mulher sorriu para ela e, em seguida, olhou para a mão dela. Ela franziu a testa um pouco antes de falar mais uma vez. "Este é seu primeiro filho e de seu marido?", Perguntou a mulher. "Este é o meu primeiro filho. Não sou casada", disse ela, embora não soubesse por que sentiu a necessidade de explicar a si mesma. "Oh," a mulher quase zombou dela. "Eu realmente não preciso de nada, afinal," ela terminou e se virou para sair. Trinity estava em choque quando a mulher saiu pela porta. No século que estavam alguém realmente iria trata-la de forma tão preconceituosa só porque estava grávida mas não se casou? Ela decidiu encerrar alguns minutos mais cedo, porque sabia seu dia não ia ficar melhor. Ela caminhou em direção à porta de vidro e virou o sinal, em seguida, viu um rosto familiar através do painel. "Olá linda", seu melhor amigo, Damien Whitfield, disse. "Você é uma lufada de ar fresco, Damien. Tem sido um dia difícil", disse Trinity quando Damien jogou seus braços em volta dela para um abraço. "Eu sempre gosto de ouvir tal coisa de uma bela mulher", disse ele, com seu bom humor habitual. "Vou levá-la para um jantar fantástico e para ver um novo filme de terror", disse ele enquanto a ajudava a fechar. "Isso soa celestial", ela respondeu. Ela precisava assistir alguns zumbis comendo a raça humana, para ajudar a desviar sua mente de suas preocupações, especialmente da última cliente. Ela o seguiu até seu veículo e eles logo foram embora. Eles tinham sido melhores amigos desde o colégio, e estavam sempre lá um para o outro, a qualquer hora que um deles passava por um mau bocado. Ela não sabia como poderia fazer isso sem Damien. "Eu tenho tentado encontrar coragem para falar com você sobre algo, mas não sabia como abordá-la", ele disse a ela, como se eles estivessem comendo no deserto. "Você sabe que pode falar comigo sobre qualquer coisa, Damien", ela respondeu-lhe, querendo verdadeiramente dizer o que disse.


"Ok, eu só vou por tudo para fora, mas eu quero que você realmente me ouça e pense seriamente sobre o que eu estou dizendo," começou Damien. Ela estava começando a ficar um pouco preocupada. Ela estendeu a mão sobre a mesa e pegou a mão dele, encorajando-o. "Eu acho que devemos nos casar. Espere antes de começar a abanar a cabeça. Lembre-se, você prometeu ouvir", ele a parou quando ela balançou a cabeça imediatamente. "Ok, eu vou ouvir, mas você é louco", ela disse. "Isso realmente não é tão louco, se você pensar a respeito. Nós somos melhores amigos e verdadeiramente nos amamos. Nós sempre estivemos lá um para o outro, e nós nunca brigamos. Nem um de nós tem sido capaz de encontrar a pessoa certa, e agora você tem esta bebezinha chegando daqui a quatro curtos meses, e eu daria um ótimo pai", disse Damien em um só fôlego. "Mas Damien, nós nunca fomos mais do que amigos. Tem que haver mais do que apenas amizade", ela tentou argumentar com ele. Ela não sentia nenhuma atração por seu melhor amigo, mas não queria dizer isso a ele. Não havia nenhuma razão para ser maldosa. "Estou simplesmente pedindo-lhe para pensar sobre isso. Eu posso cuidar de você e do bebê, e acho que nós poderíamos ser felizes", disse ele, olhando fixamente em seus olhos. Trinity amava Damien e ele até estava sendo razoável, mas ela nunca tinha estado fisicamente atraída por ele. Ela desejou que o amasse romanticamente, porque ele era o cara mais perfeito que já conhecera. Mas ele simplesmente não fazia seu estômago tremer da maneira que Drew tinha feito. Ela balançou a cabeça para afastar esse pensamento de sua mente. Drew não era um fator em nenhuma de suas decisões. O bebê chutou quando ela teve esse último pensamento, e ela sorriu. Sua menina era um enorme lembrete que Drew foi um fator. Mas ela não podia pensar nisso naquele momento. Ele mentiu para ela, e não foi nenhum pouco melhor do que o engano de seu ex. Ela não podia confiar nele para ser uma parte de sua vida. "Deixe-me pensar sobre as coisas, Damien," ela disse. "Leve o seu tempo, Trinity. Eu sei que é uma grande decisão, mas realmente quero dizer isso. Eu vou cuidar de você e te amar a cada segundo", disse ele. Damien tinha praticamente desistido do amor


próprio, mas ele iria até os confins da terra por sua melhor amiga. Ele desejou sentir mais do que amizade em relação a ela, mas muitos casamentos duraram com menos do que o que ele e Trinity compartilhavam. Ele tinha odiado vê-la sofrer ao longo dos últimos meses. Não podia deixá-la sozinha e grávida. "O que acontece se você se apaixonar por alguém e estiver preso comigo?", Perguntou ela. "E se você é esse alguém, e nós nunca percebemos isso?", Ele perguntou. Ela riu e prometeu deixá-lo saber em breve. Eles foram para o filme, e o resto da noite foi descontraída, como sempre era. Ela tinha a sensação de que ambos realmente se arrependeriam se ela dissesse que sim à oferta dele, o que era muito tentador. Ele parou na frente de seu apartamento e levou-a até a porta, como sempre fazia. Eles nunca tinham tido um daqueles momentos difíceis, mas estavam tendo um logo agora. Ele respirou fundo e se inclinou para colocar seus lábios nos dela. O primeiro instinto de Trinity foi se afastar e perguntar o que ele estava pensando, mas o homem tinha proposto casamento à ela, por isso era lógico que ele gostaria de compartilhar um beijo. Obrigou-se a relaxar enquanto ele aprofundava o beijo. Seus braços envolveram em volta dela sem jeito, e ela colocou suas próprias mãos em seus braços enquanto ele terminava o beijo. Ela estava incrivelmente triste ao perceber que sentia absolutamente nada. Não houve faísca, nenhum tremor no estômago. Ela não ficou arrepiada ou qualquer coisa – foi mais como beijar um primo. Ele finalmente se afastou dela, e ela viu o arrependimento em seus próprios olhos. Era óbvio que ele não sentiu nada também. "Bem, eu vou deixar você por agora. Deixe-me saber o que você decidir. Nosso casamento não tem que ser sobre paixão e amor não correspondido - pode ser sobre amizade e amar seu bebê", ele disse a ela. Ela não tinha certeza, entretanto, se ele estava tentando convencer a si mesmo ou a ela. E não importava realmente, ela pensou, porque isso não era sobre qualquer um deles - era sobre seu bebê. Ela se estendeu na ponta dos pés e beijou-o suavemente no rosto, em seguida, passou por sua porta. Ela encostou-se na parede quando uma única lágrima caiu-lhe pelo rosto. Ela realmente desejava sentir pelo menos um pouquinho de paixão por seu melhor amigo.


Trinity estava fechando sua loja mais uma vez, e estava se sentindo muito melhor. Alguns de seus inchaços tinham finalmente melhorado, ajudando-a a se sentir um pouco mais humana. Tinha passado uma semana desde que Damien tinha proposto, e ela finalmente tinha decidido aceitar. Ela tinha tentado e falhado com o romance, e seria muito bom ter alguém lá para ajudá-la a criar sua filha. Os dois tinham falado várias vezes no telefone desde o beijo desajeitado. Eles não discutiram o assunto, mas tinham focado em sua amizade, como sempre fizeram. Ela tinha sorte de ter um homem tão maravilhoso em sua vida. Era muito mais importante ter segurança e amor do que paixão. Ela tinha amado Damien por um longo tempo, e tinha certeza que esse sentimento poderia crescer se ela desejasse. Ela tinha acabado de exigir que seu corpo respondesse a ele, inclusive. Ela ergueu a cabeça com esse pensamento. Ela era uma pessoa obstinada, e queria se obedecer. Damien começou a andar para a loja logo que ela terminou de trancar a porta. Ela respirou fundo e se preparo para contar-lhe sua decisão. Ele parecia saber que ela estava pronta para falar com ele, porque não disse nada quando se aproximou. Ele só esperou por ela reunir o fôlego. Ela finalmente olhou em seus olhos bonitos - ele realmente era atraente, e ela não entendia por que não o desejava. "Eu vou me casar com você, se a oferta ainda estiver valendo", disse a ele com um sorriso hesitante. "Isso é maravilhoso," Damien disse a ela quando passou os braços em volta de seu corpo em expansão e beijou sua testa. Ela sentia como se estivesse em casa quando estava em seus braços, e pensou que tinha tomado a decisão certa. Ela se recusava a reconhecer as dúvidas que tentavam entrar em sua mente. Ela também se recusou a reconhecer que o abraço dele não trouxe nada mais do que conforto ao seu corpo necessitado. "Acho que devemos fazê-lo antes que o bebê nasça. Se você quer um grande casamento, o que é bom, é tudo por você. Eu quero que o seu


dia de casamento seja especial, e você sabe que dinheiro não é um problema. Nós vamos ter um bom casamento, e eu não quero que você tenha arrependimentos sobre a cerimônia em si", ele disse a ela. "Não, nós podemos fazê-lo apenas no tribunal, eu não tenho ninguém que queira convidar para um casamento real, de qualquer maneira." Ela disse, um pouco triste. Ele relutantemente concordou com ela, e eles começaram a descer a rua juntos. Seu apartamento não estava longe. Suas mãos deslizaram juntas quando eles fizeram seu caminho pela calçada. Isso foi uma coisa natural, já que eles estavam confortáveis para tocar um ao outro. Heck, ela tinha adormecido em seus braços antes, enquanto assistia a filmes. Eles eram confortáveis um com o outro, e por isso sua amizade sempre funcionou. "Eu nem sequer pensei em escolher um anel. Vou fazer isso amanhã", disse ele enquanto subiam as escadas e viravam a esquina. Ela não tinha pensado sobre um anel, como ela realmente não pensou no casamento real. Ela realmente tinha que conter as lágrimas, porque estava se instalando, e fazendo-o fazê-lo também. "Eu não preciso de um anel de fantasia, Damien, apenas uma faixa simples," ela disse a ele, mesmo antes de eles virarem a esquina. "Por quê você precisa de um anel?" Ela ouviu Drew perguntar, antes de parar de repente e olhar para os profundos olhos azuis que não tinha visto em cinco meses. Seu mundo pareceu parar de girar por um momento, e ela sentiu o pânico começar a se instalar profundamente dentro dela. Ela não esperava vê-lo novamente, e certamente não nessa situação. Ela também não podia acreditar na atração lavando através dela apenas com a visão dele. Por que ela não podia sentir o mesmo com Damien? "O que você está fazendo aqui?", Ela mal era capaz de sussurrar para ele. "Eu lhe fiz uma pergunta primeiro", disse ele, enquanto olhava para ela e para Damien e, em seguida, para baixo, para o seu estômago. Drew não tinha pensado em nada alem dela ao longo dos últimos cinco meses, e não estava feliz em encontrá-la com outro homem e, obviamente, muito grávida. E se ela tivesse superado-o muito mais rapidamente do que ele teria gostado? Ela estava muito grávida e, ou o


bebê era seu, ou ela tinha saltado para os braços de outro homem imediatamente. De qualquer maneira, ele não estava feliz com ela naquele momento. Ela podia ver que ele estava tentando descobrir exatamente o quão longe sua gravidez estava. Ela ouviu a porta do seu vizinho abrir do outro lado da rua, e queria ficar longe de seu vizinho intrometido antes de ter essa conversa pessoal. "Estou cansada Drew, e não quero conversar agora. A loja estará aberta amanhã, então por que você não vai até lá ao meio-dia?", disse ela antes de abrir a porta e entrar. Damien seguiu atrás dela lentamente, e Drew arrastou-se para dentro em seus calcanhares também. Ela olhou para ele enquanto ele entrava em seu santuário e olhava em volta. "Eu acho que nós vamos falar agora, e eu ainda gostaria de saber por que você precisa de um anel", afirmou ele. Ela não podia acreditar como ela chegou a pensar que o homem era simplesmente um empregado no resort. Ele exalava poder bruto, tanto em forma e vestido. Ela ficou horrorizada com seu corpo traidor por sua resposta a ele. Ele era ainda mais impressionante do que ela se lembrava, se isso realmente fosse possível. "Nós vamos nos casar", disse Damien, uma vez que era óbvio que ela não ia dizer nada. Damien podia dizer de uma só olhada que este era o pai do bebê. Ele ficaria ao seu lado não importa o que, mas tinha a sensação de que a história deles não estava completamente terminada. Ele ficou de lado para oferecer seu apoio, mas se Trinity quisesse resolver as coisas com o homem ele ficaria feliz por ela. Ele odiava admitir para si mesmo, mas ficou um pouco aliviado que o homem não estava recuando agora. Ele amava Trinity e faria qualquer coisa para ela, mas também sabia que ela merecia muito mais do que um casamento sem paixão. "Eu vejo. Você não demorou muito tempo para se recuperar depois do nosso relacionamento, ou este é o homem que te traiu?" Drew zombou. Damien estava perto de dar um soco no homem, mas não queria tornar a situação pior para Trinity. Ele não gostava de ser comparado com o desgraçado que quebrou o coração dela, porem. "Nada disso é da sua conta Drew. Você precisa sair agora, nós não temos nada para falar", disse ela quando olhou para ele. Ele olhou para seu estômago arredondado novamente, depois de volta para seu rosto, e


ela podia sentir o calor avermelhar suas bochechas. Seus olhos se estreitaram ainda mais. "De quanto tempo você está Trinity?", Perguntou a ela. Ele estava bem consciente que em sua primeira vez na piscina eles não tinham usado proteção. Ele nunca tinha sido tão estúpido a ponto de ter relações sexuais desprotegidas, mas tinha perdido a cabeça muitas vezes naquela semana. Ele pensou que ela ligaria se houvessem consequências de sua semana. Inferno, ele mesmo tentou ligar, durante um mês. Ele não estava acostumado a ser rejeitado, e ela tinha ferido seu orgulho mais do que ele jamais iria admitir. Ele também tinha decidido que, depois de cinco meses, sua raiva teria esfriado. Ele não podia afastar sua mente dela e, finalmente, decidiu que tinha que vê-la novamente. Ela só tinha que superar o fato de que ele era o dono do resort. Se ela descobrisse que ele era, na verdade, proprietário de muitos resorts, provavelmente enlouqueceria com ele. Trinity percebeu que ele não ia sair até que tivesse suas respostas, então ela relutantemente decidiu que podia acabar com isso de uma vez por todas. "Eu estou grávida de cinco meses", disse ela, com a cabeça erguida. Drew soprou seu hálito como se estivesse surpreso por ela lhe dizer a verdade. "O bebê é meu, então", afirmou ele. Não foi uma pergunta. E ela não podia dizer como ele se sentia sobre sua criança nascer em poucos meses. "Isso não importa, Drew. Tivemos uma semana juntos, e não deu certo. Eu não espero nada de você, então você está livre para sair. Eu sei como você gosta de seus papéis assinados, porém, e por isso, se você puder fazer seu advogado vir à minha loja, eu vou assinar o que você precisar para ser liberado da responsabilidade", disse ela, de repente muito exausta para suportar mais discussão. Ela caminhou até o sofá e sentou-se antes de seus joelhos cederem. "Trinity, você precisa descobrir algumas coisas, então eu vou te deixar. Ligue se precisar de mim, e eu vou estar aqui dentro de alguns minutos", disse Damien, encarando Drew. Ele saiu do apartamento, deixando-a sozinha com o homem que mudou sua vida para sempre. Damien não queria ir embora, mas não seria justo para ela tê-lo ficando


e lidando com seus problemas. Ela viu quando ele saiu pela porta e soltou um suspiro enquanto esperava Drew dizer o que precisava. Drew começou a andar no pequeno apartamento. Ele estava tão furioso. Não havia nenhuma maneira que ele pudesse se sentar. Finalmente ele se virou para ela, quando sentiu que tinha suas emoções mais sob controle. Ele não podia acreditar que ela iria manter algo tão importante como a criação de seu bebê dele. "Você ia me contar sobre o bebê?", Perguntou ele. Essa era a primeira coisa para a qual ele queria uma resposta. Ele teve o mau pressentimento que a resposta seria não. "Sim, eventualmente,", disse ela. Ela não via como isso importava quando eles não eram um casal. Ela teria pensado que ele iria se alegrar por ela não estar pedindo-lhe qualquer coisa. A maioria dos homens não corre em outra direção quando as mulheres mencionam uma criança? "Quem era aquele cara que estava com você?", Perguntou Drew. Ele estava com raiva sobre muitas coisas, mas o cara falando sobre obter um anel estava no topo da lista. Ela estava grávida dele, e nenhum outro homem tinha o direito de tomar o seu lugar. Ele teria estado lá muito mais cedo se ela tivesse apenas sido honesta. "Este é Damien, e nós decidimos nos casar", ela disse em um tom monótono, como se estivesse discutindo ir ao supermercado, ou o tempo. Ela não parecia uma noiva. "Há quanto tempo você esteve vendo-o?", Perguntou Drew entre dentes. O pensamento dela com outro homem lhe causou dor física, especialmente considerando que ela estava carregando seu filho em seu ventre. Eles eram sua família, e não de algum outro homem. "Ele é meu melhor amigo", disse ela, antes de realmente pensar sobre sua resposta. Ela estava tão acostumada a Damien e ela como amigos que pensar neles romanticamente era quase impossível. Ela pensou, mais tarde, que talvez devesse ter soado mais como se eles fossem um casal romântico. "Por que você vai se casar com ele?", Drew perguntou a ela com calma, e porque ela ainda não estava pensando corretamente, respondeu-lhe honestamente.


"Ele quer me ajudar a cuidar do bebê", disse ela simplesmente. Se ela tivesse olhado para cima e visto seu rosto, teria percebido seu erro em ser honesta. "Você quer outro homem para criar o meu filho?", Perguntou a ela. Ela finalmente percebeu que havia algo errado, pelo tom de sua voz. Ela olhou para o rosto dele, e o que viu a deixou sem fôlego. Ela podia entender agora porque ele era o homem de negócios que era. Ele poderia fazer todos os homens tremerem em seus pés com o olhar de pura fúria em seus olhos. Ela olhou para ele com os olhos arregalados enquanto se perguntava o que dizer. "Olha, nós dois sabemos que a semana que tivemos foi um erro. Eu não vou punir minha filha tentando fingir o contrário", ela finalmente disse. "Diga ao seu amigo que o casamento está fora, porque o verdadeiro pai vai fazer a coisa certa", ele zombou para ela. "Não seja ridículo, Drew", ela retrucou. "Eu sou o único ser ridículo? Você estava tentando evitar que meu filho me tivesse. Se eu não tivesse aparecido aqui, você nunca teria me contado", disse ele, incrédulo. "Eu estou exausta, e estou farta desta conversa", disse ela enquanto se levantava. "Por favor, tranque a porta quando sair," ela terminou e saiu da sala. E então subiu na cama e deixou o esgotamento levá-la embora.


Drew ficou espantado quando Trinity foi embora. Ele não estava acostumado a ser desafiado por ninguém, e certamente não estava acostumado a ser dispensado, justo como ela tinha acabado de fazer. Ele ouviu o clique da porta de seu quarto antes de pensar em ir atrás dela. Ele pensou em quebrar a porta e exigir terminar a conversa, mas ela parecia exausta e ele tinha certeza de que isso não era bom para o seu filho ou filha. Ele olhou ao redor do minúsculo apartamento. Não havia nenhum quarto para um bebê. Diabos, ele mal conseguia se mover mais do que um par de pés de parede a parede. Ele não achava que era possível, mas seu apartamento era ainda menor do que a casa em que ele tinha crescido. Ele tinha sido incrivelmente pobre quando criança, mas sua família tinha tomado conta dele. Ele ainda era próximo de seus dois primos – eles eram mais como irmãos. E ele mal podia esperar para dizer-lhes que ia ser pai. Ele caiu no sofá da sala de Trinity uma vez que suas pernas não queriam mais apoiá-lo. E quanto mais ele se sentou lá, mais consciente de que teria um filho daqui a quatro curtos meses. Ele não estava pronto para isso, mas, novamente, quem estava sempre pronto? Ele gostaria de ter mais tempo para se preparar, entretanto. Ele notou uma imagem estranha na mesa de café, e estendeu a mão para pegá-la. Ele então percebeu que era uma foto de sua criança. Era possível ver a forma completa da cabeça e do corpo. Tinha alguns números estranhos sobre a imagem, que ele não entendia. Ele olhou fixamente para a figura por quem sabe quanto tempo, pensando que seu filho já tinha seu nariz. Então ele olhou para baixo novamente, e viu mais alguns papéis. Uma informação era sobre um ultra-som tridimensional, que ele estava assumindo que era o retrato em sua mão. O outro papel dizia que seu


filho ia ser uma menina. Sua respiração saiu correndo quando ele percebeu que ia ter uma filha. Ele sentiu seu sorriso se espalhar quando olhou para primeira foto de sua filha. Ele podia imaginá-la em seus braços enquanto a estivesse mimando-a. Seu primo Derek, que era mais um irmão, e a esposa dele, Jasmine, tinham tido uma bebê há alguns meses, e ela era a coisinha mais fofa que ele já tinha visto em sua vida. Ele caiu de cabeça no amor com ela. Se ele se sentia assim em relação a sua sobrinha, ele não podia sequer imaginar como se sentiria sobre sua própria filha. Ele decidiu que precisava dar uma caminhada. Estava muito enrolado em andar no seu minúsculo apartamento. Ele trancou a porta e desceu a escada. Quando andou para fora, porem, viu Damien encostado a uma parede. Ele nunca foi de fugir de um confronto, e então se aproximou do homem que estava tentando tomar o seu lugar. Os dois machos alfa olharam um para o outro. Drew tinha que respeitar o cara estava de pé por ser amigo, mas ele estava mexendo com sua mulher e sua filha. "Eu vou casar com ela," Drew finalmente falou, com voz calma e mortal. "Acho bom", disse Damien com um sorriso arrogante. Drew relaxou quando percebeu que o cara não estava indo para tentar lutar por ela. "Por que você ainda está pendurado em volta, então?", Perguntou Drew. "Eu queria ter certeza de Trinity ia ficar bem. Ela tem sido minha melhor amiga durante muitos anos, e nós sempre cuidamos um do outro, que é por isso que eu me ofereci para casar com ela. Eu não quero que ela esteja sozinha", respondeu o homem simplesmente. "Eu posso entender isso. Eu teria feito a mesma coisa," Drew respondeu. "Só sei que se você machucá-la, terá que responder a mim", disse Damien, enquanto se elevava à sua altura máxima. Ambos os homens eram aproximadamente do mesmo tamanho, e era óbvio Damien iria tentar defender a honra de Trinity.


"Vamos pegar uma bebida", disse Drew. Ele queria saber mais sobre Damien, assim como queria saber o que Trinity tinha feito nos últimos cinco meses. "Eu poderia ter uma cerveja," Damien respondeu, e os homens caminharam pela rua juntos. "Como ela está?" Drew perguntou quando eles se sentaram em um bar pouco lotado. "Ela está triste desde que voltou das férias. Eu sabia que algo estava acontecendo, mas no começo eu apenas assumi que ela estivesse chateada sobre seu rompimento com o ex-namorado. Logo ficou óbvio que havia algo mais acontecendo. Ela não me contou sobre a gravidez até que já não podia escondê-la. Ela nunca manteve alguma coisa de mim, então eu estava ainda mais preocupado. Ela também não quis falar sobre você. O que diabos você fez com ela?" Damien finalmente acabou, olhando para Drew com desconfiança. Drew suspirou e decidiu que poderia muito bem contar toda a história para o melhor amigo dela. Ele imaginou que o cara podia ser seu aliado em toda essa bagunça. Quando terminou, Damien sentou-se com um leve sorriso. "Você realmente soube como marca-la," Damien finalmente conseguiu dizer. "Sim, obrigado por isso," Drew atirou sarcasticamente. Os homens estavam descontraídos uma vez que tinham uma melhor compreensão um do outro. "Apenas apontando o que vejo", disse Damien. Damien ficou surpreso ao descobrir que realmente gostava do homem. Ele tinha sido muito estúpido tentando esconder as coisas de Trinity, mas Damien podia entender por que ele o tinha feito. Ele mesmo era incrivelmente rico, e nas muitas vezes em que as pessoas descobriam quem ele era, só tendiam a mudar a forma como agiam em torno dele. Ele queria a mesma coisa que Drew, que era ser amado por quem ele era e não pelo que tinha. Os dois homens conversaram por um tempo, e depois seguiram caminhos separados. Drew saltou em seu veículo sem ter idéia para onde estava indo, até que parou na frente da casa de seu primo. Ele precisava falar com alguém que entenderia-o.


Ele digitou o código no portão e dirigiu até a longa entrada de automóveis. Quando a casa enorme apareceu, ele sentiu um pouco da tensão deixar seu corpo. A casa pode ser uma extremamente grande mansão, mas também era bastante acolhedora e cheia de amor. Ele caminhou pelas portas da frente, sem se preocupar em bater, e seguiu os sons de risos. Ele podia dizer que estavam todos na piscina. Bom, ele poderia ter um mergulho. Ele atravessou as portas do pátio e viu Jacob em uma guerra de espirra com Derek. Jacob foi o primeiro a avistá-lo. "Tio Drew," Jacob gritou e pulou da piscina, lhe dando um abraço muito molhado. Ele amou cada segundo. "Como você está, Squirt?", Perguntou a seu sobrinho. "Estou bem. Estava abatendo totalmente o pai", disse ele com entusiasmo. "Hey, eu estava me aproximando", disse Derek enquanto se aproximava de seu filho e apertava a mão de Drew. "Você está de volta a cidade cedo", ele terminou, enrugando suas sobrancelhas. Os primos se conheciam bem, e Derek poderia dizer que algo estava errado. "Hey amigo, você pode deixar sua mãe saber que Drew está aqui, e ver se ela pode nos fazer alguma coisa para comer?" Derek perguntou a Jacob. Ele concordou com entusiasmo e correu de volta para a casa para procurar sua mãe. "O que está acontecendo, Drew? Parece como se o seu mundo virou de cabeça para baixo?", Perguntou. "Eu vou ser pai", Drew deixou escapar. Ele não tinha necessidade de facilitar as coisas com seu primo. Era melhor acabar logo com isso botando tudo para fora. "Isso é ótimo Drew, eu estou realmente feliz por você. Mas por que você está tão estressado? Ser pai é a melhor coisa que já aconteceu para mim", disse Derek. Derek tinha encontrado a paternidade apenas cerca de um ano e meio atrás. Jasmine tinha sido sua namorada de infância, e circunstâncias lhes tinham mantidos separados até recentemente. Uma vez que a tinha reencontrado, Derek também descobriu que tinha um


filho de nove anos, e prometeu não perder mais tempo com ele. Ele também percebeu que ainda amava a mãe de Jacob, com quem tinha se casado, e agora eles tinham uma filha linda adicionada à família. Drew não ficaria surpreso se eles tivessem mais um par de crianças, também porque eles realmente amavam tanto serem pais. "Eu ainda estou em choque. Você se lembra da garota que eu lhe disse que conheci há cerca de cinco meses no meu resort? Bem, eu decidi visitá-la hoje, e encontrei-a extremamente grávida. Ela não ia me contar, e estava pensando em se casar com seu melhor amigo. Eu quero estrangulá-la tão mal quanto quero tomá-la em meus braços", disse Drew quando soltou um suspiro frustrado. "Eu entendo," Derek disse quando soltou uma risada. Ele tinha lidado com todo tipo de emoção quando ele e Jasmine tinham encontrado um ao outro novamente. "Basta ter cuidado sobre como proceder, primo, porque você não quer assustá-la. Esse é o seu bebê, e você tem sorte de tê-la encontrado tão cedo. Basta pensar que em quatro meses você estará vendo o seu filho ou filha vir a este mundo", Derek lembrou. "É uma menina. Eu estou tendo uma filha," Drew disse com emoção real. "Isso é tão grande", disse Drew. Então Jasmine atravessou Drew pegou imediatamente em tomar sua sobrinha. Ela era tão suficiente de que afagar com ela.

Derek, e deu um tapa nas costas de as portas com Britney em seus braços. seus próprios braços para fora para pequena e preciosa e não conseguia o

"O que é tão grande?" Jasmine perguntou quando ela entregou o bebê. Drew imediatamente começou a soprar bolhas em sua barriguinha, fazendo-a rir em sua voz pequena do bebê. "Eu vou ser pai", disse Drew quando olhou para Jasmine. Ela era uma mulher incrível, e ele estava feliz que ela e Derek se encontraram novamente. Inferno, ele não tinha pensado que era possível encontrar uma mulher tão grande como ela - até que conheceu Trinity. "Isso é tão legal, Drew", disse ela, enquanto jogava os braços ao redor dele e beijava-o na face. "Por que eu ainda não conheci essa mulher?", Ela perguntou-lhe em seguida, parecendo um pouco magoada.


Ele explicou a história para ela e ela pareceu um pouco apaziguada, mas não completamente. "Eu insisto em conhecê-la imediatamente", disse Jasmine, com sua teimosia típica. Drew percebeu que era bom tê-la ao seu lado. Ele deu-lhe o endereço da loja de flores de Trinity, então. E sabia que Jasmine estaria lá na primeira hora da manhã. "Vocês, rapazes, assistam as crianças, enquanto eu vou fazer um jantar de comemoração", disse Jasmine enquanto se virava em direção à cozinha. Drew começou a salivar - Jasmine era uma cozinheira fenomenal. Ele se sentou em uma das cadeiras, abraçando sua sobrinha perto de seu peito. Ela deixou escapar um pequeno bocejo e fechou os olhos. Ele continuou a esfregar ao longo de sua minúscula forma e sorriu quando ela soltou um suspiro suave. Ele não podia acreditar que em apenas poucos meses estaria segurando sua própria menina. Ele nunca pensou que gostaria de ser pai, mas saber que estava prestes a ter um filho fazia as coisas mudaram completamente. Ele mal podia esperar. Ele observou enquanto Derek e Jacob brincavam em volta da piscina e, em seguida, seu estômago roncou com os cheiros que começaram a sair da cozinha. Ele sabia que tinha tomado a decisão certa vindo à Derek e Jasmine. E finalmente começou a relaxar para, em seguida, começar a fazer planos para conquistar Trinity. Ele era um homem de negócios - não perdia a cabeça sobre qualquer situação. "O jantar estará pronto em dez minutos," Jasmine chamou do outro quarto. Os meninos não tiveram que ser chamados duas vezes. Jacob e Derek sairam da piscina se dirigiram para o vestiário, e voltaram em poucos minutos. Os três entraram na cozinha. "Deixe-me levá-la de você, para que você possa comer", disse Jasmine enquanto estendia os braços para pegar a bebê. Ele estava relutante em entrega-la. "Você pode segurá-la novamente após o jantar. Além disso, ela está dormindo, e vou apenas deita-la, de qualquer maneira", disse Jasmine com uma risada enquanto pegava a bebê. Seus braços de repente se sentiram tão vazios. "Eu adoro quando ela está dormindo toda fofinha", disse ele com um sorriso. "Nada como uma bela garota deitada em meu peito", acrescentou com um meneio de suas sobrancelhas. Jasmine deu um


tapa no braço dele e, em seguida, caminhou até o copa, para colocar Britney em seu berço portátil. Eles comeram uma incrivelmente grande refeição, e Drew decidiu pernoitar. Não tinha nenhum desejo de ficar no hotel que normalmente se hospedava quando estava na cidade. Na verdade, uma vez que seu primo havia comprado a casa, ele normalmente se hospedava lá quando estava na cidade. Ele estava lá por apenas alguns dias em um momento, antes que saísse novamente, querendo construir outro resort, ou fazer um check-out em um dos muitos já acabados. Ele sabia que podia diminuir o ritmo e ficar mais em casa, mas estava tão acostumado a correr o tempo todo. Ele pensou que talvez fosse hora de começar a planejar seu próprio lugar, agora que tinha uma criança em quem pensar. Ele procuraria algo perto de seu primo, porque gostaria que seus filhos crescessem juntos, o que era mais importante para ele do que qualquer outra coisa. Derek, Ryan e Drew haviam crescido juntos, também, criando um vínculo sólido de proximidade como nenhum outro. Ele sabia que seus filhos se sentiriam da mesma maneira. Ele sentou-se na sala com uma bebida enquanto esperava Derek e Jasmine colocarem as crianças na cama. Derek se juntou a ele após um uns minutos, e os dois homens sentaram-se por um tempo, relaxando e falando de negócios, entre outras coisas. "O que você vai fazer a seguir?" Derek finalmente perguntou. "Eu vou me casar com ela, apesar de ter que convencê-la disso primeiro - o que pode ser um pouco difícil, já que ela mal fala comigo", disse Drew, mais do que um pouco frustrado. "Sim, eu certamente já estive na mesma situação", disse Derek com compreensão. "Eu deveria ter dito a verdade de quem eu era desde o princípio, mas foi tão bom ter uma mulher só por mim, pensando que eu era apenas um trabalhador do resort," Drew disse a seu primo. Ambos entendiam como ele se sentia, considerando de onde eles vieram. Eles tinham sido tão pobres quando criança, e tantas pessoas tinham empinado seus narizes para eles. Agora que eles eram ricos, era o oposto


que sempre acontecia, e muitas pessoas queriam estar com eles apenas para se beneficiarem. "Às vezes o dinheiro é uma maldição", disse Drew, frustrado. "Isso tudo vai dar certo. Vocês obviamente têm uma conexão, e agora terão esta criança juntos. Sei que você vai ser capaz de resolver as coisas", disse Derek. Drew fez seu caminho para o apartamento acima da garagem, e ficou deitado na cama durante horas. Sua mente não iria desligar e permitir-lhe dormir. Finalmente, por volta da primeira luz da manhã, ele finalmente caiu em um sono agitado. Ele estava ansioso para ver Trinity novamente, e só queria que a noite terminasse.


Trinity saiu de seu apartamento e desceu as escadas. Ela estava exausta. Ela passou a noite inteira pensando em Drew e no que ia acontecer a seguir. Ela ainda estava além de irritada com o homem. Ele mentiu para ela, porque tinha medo que ela fosse processar seu precioso Resort! Ainda assim, mesmo que ele estivesse se preocupado com o resort, não precisava ter jogado a coisa toda de sedução. Foi um insulto, ela pensou. Ela estava grata que ele não estivesse na casa dela na parte da manhã, porque poderia ter jogado uma caneca nele. Imaginou que ele tinha recuperado seus sentidos, e fugido. Ela desceu para a rua, e o homem que não tinha sido capaz de tirar de seus pensamentos estava bem ali, encostado num veículo caro e com o típico sorriso arrogante no rosto. Ela estudou o homem em seu terno Armani personalizado feito sob medida, e não pode acreditar que já pensou que ele fosse apenas um trabalhador do resort. Ela devia ter estado realmente abalada com a traição de seu ex-namorado. Ele exalava poder masculino cru, das pontas de seus mocassins de mil dólares até a ponta de seus cabelos habilmente cortados. O homem irradiava charme e poder, e ela sabia que precisava colocar um muro entre eles, ou poderia facilmente cair sob seu feitiço mais uma vez. Ela o ignorou e começou a andar pela rua. Ela estava esperando que se fingisse que ele não estava lá, ele iria entender a dica e desaparecer. Mas não teve tanta sorte, porem. Ele rapidamente a alcançou, e não parecia muito feliz em ser ignorado. "Você sabe que nós precisamos ter uma conversa", disse Drew para ela. Ela continuou andando, optando por não reconhecer sua presença. Sabia que estava sendo infantil, mas não se importava. Era sua prerrogativa se quisesse agir dessa forma.


Drew seguiu ao lado dela, tendo de controlar seu temperamento. Ela estava ficando muito confortável ignorando-o, o que o deixava irritado. Ele queria empurrá-la contra a parede e lembrá-la quem ele era. Ela não tinha ignorado-o quando suas mãos tinham passeado por todo seu corpo – pelo contrario, ela tinha gritado seu nome e implorado por mais. "Eu não estou indo embora, e quanto mais você fingir que eu não estou aqui, mais tempo vou continuar me arrastando atrás de você", disse ele com os dentes cerrados. Trinity não queria de modo algum ter um confronto com o homem nas ruas tão perto de sua loja. Ela continuou andando e, uma vez que ela alcançou sua loja, abriu a porta e entrou com ele colado em seus calcanhares. Assim que eles passaram pelas portas, porem, ele parecia ter tido o suficiente, e agarrou seu braço e girou em torno dela. O olhar de fúria no rosto dele parou seu protesto. Ela tinha visto muitas faces do homem, mas nunca tinha visto fúria em suas feições. "Estou tentando falar com você", ele rosnou para ela. Ela tentou puxar o braço, mas logo percebeu que era inútil. Ela não entendia como ele podia agarra-la com tanta força sem machucá-la. Ela realmente não gostava da maneira como seu corpo respondeu ao menor toque. Pelo visto ela estava longe de terminar com o homem que quase a destruiu. "Eu não vejo o que temos de falar, Drew. Você estava preocupado com o seu resort, e por isso me namorou. Eu estava me sentindo impulsiva pela primeira e única vez na minha vida, eu fui um corpo disposto que praticamente pulou em sua cama. Não estou justificando tudo isso, porque aconteceu de cometermos um erro ao não usar qualquer proteção. Mas minha filha não está à venda, e nem eu estou", ela retrucou, perdendo seu próprio temperamento. "Eu nunca tentei te comprar, e se você acha que eu ficaria de bom grado longe do meu filho, está redondamente enganada", ele virou-se para ela. Como ela poderia saber o que ele iria ou não fazer? Ela só passou uma semana com o homem. Tinha sido a semana mais memorável de sua vida, porém, o que a assustava. Ela teve um mau pressentimento de que não seria fácil esquecê-lo. Já tinham se passado cinco meses, e ela ainda tinha sonhos eróticos com ele.


"Este é o meu filho, e eu não cometo erros a esse respeito", ela estalou de volta. Não podia acreditar que esta era a pessoa na qual ela estava se tornando. Normalmente ela estaria tremendo em suas botas ao ver a expressão no rosto dele. Ela sempre tinha sido a primeira a recuar, e era por causa disso que sempre tinha sido tão fácil para as pessoas pisarem nela. Mas agora ela descobriu que a gravidez aguçava seus instintos protetores. "Nós vamos nos casar", ele exigiu dela. Ela olhou para ele como se tivesse perdido o juízo. De nenhuma maneira ela se casaria com ele. Ele era tudo o que ela prometeu ficar longe em um homem. Se ela um dia se casasse, seria com alguém como Damien, gentil e compreensivo. Não se casaria com alguém que abertamente enganou-a, e certamente não se casaria só porque ficou grávida. "Você precisa entender isso muito rapidamente, Sr. Titan", disse ela com sarcasmo, "Eu não vou me casar com você, nunca," ela terminou, e puxou seu braço novamente. Ele não estava machucando-a de qualquer maneira, mas o aperto era firme, e ele não parecia estar com pressa para deixá-la ir. "Você não me chamou de senhor Titan quando estava gritando meu nome na cama", ele disse a ela, ficando mais ofendido pelo uso de seu nome formal do que por qualquer de suas outras palavras. Ela estreitou os olhos ainda mais para ele. Ela não precisa ser lembrada de como tinha se comportado nessa ilha. Devia ter algo na água, porque ela tinha feito coisas lá que nunca sequer tinha pensado em fazer no mundo real. "Eu não sabia quem você era," ela disse a ele. "Você certamente é a mulher mais frustrante com a qual eu já tive que lidar," ele quase gritou com ela. "Então pare de lidar comigo e vá embora", ela gritou de volta. Eles olharam um para o outro, nenhum deles disposto a recuar. Ambos estavam respirando com dificuldade e em silêncio. Então Drew puxou-a de repente contra ele, e esmagou seus lábios nos dela. Ela estava chocada demais para reagir, e apenas ficou ali como uma boneca de pano enquanto a língua dele esfregou sobre os lábios dela, procurando uma maneira de entrar.


Quando se recuperou do seu choque, ela empurrou contra ele por cerca de três segundos antes que o calor começasse a se reunir em seu estômago e coxas. Ela não tinha sido beijada assim por cinco meses, e seus hormônios estavam em todo o lugar com a gravidez. Sua raiva rapidamente se alterou para uma paixão devoradora quando os lábios dele continuaram o acidente vascular cerebral, enquanto ele simultaneamente esfregava as mãos para cima e para baixo em suas costas. Seu próprio temperamento pareceu evaporar enquanto ele continuava a acariciar seu corpo e boca. Ela engasgou quando uma corrente de eletricidade deu um tiro para baixo em seu núcleo, fazendo os joelhos fraquejarem. E um suspiro era tudo que ele precisava para deslizar sua língua para dentro. Ele emaranhou a língua com a dela, e o fogo foi construído até um inferno dentro dela. Ela já não estava tentando afastá-lo – estava agarrando-o para mais perto dela. Ela esqueceu sobre a luta, sobre sua raiva ou mesmo de quem ela era quando ele aprofundou o beijo. Suas mãos se moveram para baixo, para agarrar seu traseiro, e ele puxou-a contra sua ereção muito óbvia. Seu estômago estava saliente pela gravidez, mas não o suficiente para impedi-la de sentir sua ereção impressionante pressionando contra ela. Em poucos minutos ela já o queria. Ele apoiou-se contra ela e a levantou contra ele, para que pudesse deslizar entre suas pernas. Ele nunca quebrou o contato com os lábios. Ela nunca tinha sido tão devorada em sua vida, e não tinha qualquer desejo de que isso acabasse. Havia realmente uma linha muito fina entre raiva e paixão, e ela a tinha cruzado sem qualquer pensamento. Ele abriu as pernas dela, pressionando-se contra ela enquanto continuava com o beijo. Suas mãos circularam ao redor de seu pescoço enquanto seus dedos mergulharam em seu cabelo espesso. Ela puxou os fios, puxando-o para mais perto dela. Ele rosnou em sua garganta enquanto alegremente atendia seu pedido tácito. No fundo de sua mente havia uma voz gritando para ela parar, mas ela não queria ouvir. Ela queria se manter sentindo o delicioso prazer que ele estava trazendo ao corpo necessitado dela. Ele deslizou a mão sob a blusa dela, correndo os dedos sobre seu estômago inchado e seus seios doloridos. Ela gemeu em necessidade enquanto sua mão esfregava sobre os mamilos, cutucando através de


seu sutiã fino. Ele testou seu peso e gemeu novamente quando sentiu seu tamanho aumentado derramando-se na palma de sua mão. Ele beliscou seus mamilos e ela quase gozou ali mesmo, no balcão. Ela tinha sido sensível a ele antes, mas aquilo não era nada em comparação com o que estava sentindo agora. Ele moveu as mãos para baixo, em direção a sua saia, e começou a empurrá-la para fora do caminho. Ambos haviam esquecido que estavam em um lugar público, onde qualquer pessoa podia entrar. Eles apenas tinham a necessidade de aliviar a intensa pressão em seus corpos. Ela precisava disso - merecia - o que poderia mais uma vez ferir? O telefone tocou de repente, trazendo Trinity de volta à realidade. Ele não parava de tocar, e de repente ela se afastou, percebendo onde estava e o que estava fazendo. Ela engasgou em choque quando olhou nos olhos cheios de desejo de Drew. Suas mãos ainda estavam segurando-a perto e ele estava inclinando a cabeça para beijá-la novamente. O telefone não tinha feito nada para amortecer o desejo dele, e ele estava pronto para continuar de onde tinham parado antes da interrupção. Sem perceber o que estava fazendo, a mão dela se aproximou e lhe deu um tapa forte no rosto. O som ecoou pela pequena loja, e Trinity continuou sentada ali, atordoada com o que tinha acabado de fazer. Ela estava chocada demais para dizer qualquer coisa, então apenas olhou para ele de boca aberta. A bofetada parecia clarear a cabeça dele, porque ele deu um passo para trás quando olhou para ela com raiva. Ele não podia acreditar que ela tinha batido nele de novo, e que ele tinha realmente permitido. Se qualquer outra mulher tivesse feito uma coisa dessas com ele, ele teria ido embora sem olhar para trás, mas não conseguia ficar longe dela. Ele pode ter merecido no resort, mas não desta vez - ela tinha estado tão com fome por ele como ele estava por ela. "Você conseguiu tudo isso fora?", Perguntou a ela em uma voz calma e mortal, que era muito mais assustadora do que se ele estivesse gritando. Ela tinha sua mão sobre a boca, em choque. Realmente não teve a intenção de bater nele. Ela não podia culpá-lo pelos beijos apaixonados, já que não tinha feito nada para detê-lo até que o telefone tocou. Ela


ainda estava furiosa com ele, mas ela tinha estado tão animada quanto ele. "Eu... eu não queria fazer isso", ela finalmente conseguiu gaguejar. Ele esfregou seu rosto e ergueu as sobrancelhas para ela. "Eu com certeza sinto como você quisesse fazê-lo, e que colocou todo o seu peso para isso", disse ele com um sorriso. Ele estava recuperando a compostura, e mais uma vez agindo como o único no controle. Ela estreitou os olhos quando ele mencionou seu peso crescente. Ela então colocou a mão protetoramente sobre seu estômago, lembrando-lhes tanto que ela carregava uma criança lá dentro. "Eu vou estar de volta. Esta discussão não é mais benéfica por agora", ele disse a ela, no que parecia mais uma ameaça do que qualquer outra coisa, e pisou fora da porta. Drew caminhou pela rua, sentindo-se mais frustrado do que nunca em sua vida. Era mais do que óbvio que ele ainda a queria com uma necessidade assustadora em sua intensidade, mas precisava colocar isso de lado por agora. Ela estava grávida, e isso significava que precisava se casar com ele. Ele teria estado muito mais feliz no momento se pudesse simplesmente arrastá-la até o altar e fazê-la se casar com ele. Seria muito mais fácil do que jogar esses jogos estúpidos. Ele não era um homem acostumado a ouvir não, e descobriu que não gostava de negativas. Não esperava ela fosse cair em seus braços à primeira vista, mas certamente não esperava que ela ainda estivesse cheia de hostilidade. Ele estragou tudo com uma pequena mentira, e ela só tinha que superar isso. Ele imaginou que ela fosse como as outras mulheres, embora, e que teria um preço. Ele faria dela uma mulher confortável e, por sua vez, iria começar a estar lá para criar sua filha. Ele não podia sequer pensar em cogitar outro homem para criar sua filha, e ainda se chamado de pai. Ele era o pai do bebê, e nenhum outro homem poderia desempenhar esse papel. Ele parou em um pub local e pediu um bourbon duplo. Nunca tinha bebido tão cedo de manhã, mas a menos que quisesse andar pelas ruas com uma excitação óbvia e vapor saindo de suas orelhas, ele


precisava de algo para acalmar seu desejo e seu temperamento. Ele teve de sorrir com a rapidez com que sua raiva tinha se transformado em paixão ardente. Ele nunca em sua vida experimentou tanto desejo por uma mulher. Ele geralmente esquecia da mulher logo que saia pela porta. Ele gostava de mulheres, amava suas curvas suaves e seus cabelo e sorrisos. Ele adorava tudo isso, mas nunca tinha ficado pendurado em apenas uma. Nem achava que fosse possível para ele querer uma mulher mais do que qualquer outra coisa. Inferno, ele jogaria fora milhões de dólares por mais uma noite com Trinity. Ele sinalizou para o garçom e ordenou mais uma bebida. Tinha a sensação de que esse ia ser um dia muito longo, e já estava se preparando para a segunda rodada com Trinity. Ele tinha que sorrir pela coragem dela, embora, porque tinha a sensação de que estar casado com ela nunca ia ficar chato. Drew chegou na loja dela no final da tarde, e estava muito orgulhoso de si mesmo por ter agido tão calmamente. Ele entrou pelas portas. Ela olhou para cima para ver quem era, e apenas voltou para o que estava fazendo como se ele não estivesse lá. Ele estava ficando muito cansado dela fingir que ele era inexistente. Ele andou até a estação de trabalho dela e ficou ali, tocandoa. Ele sabia que ela não podia ignorá-lo se ele estivesse a tocando. Ele não se importaria de terminar o que tinham começado mais cedo, de qualquer maneira. "Você já ouviu falar de dar às pessoas o seu espaço?", Ela finalmente estalou para ele. Ele sorriu quando ouviu a tensão na voz dela. Sua presença a afetava muito mais do que ela queria deixar transparecer. "Mas, querida, nós devemos definitivamente nos acostumar a tocar, já que vamos nos casar", ele disse logo atrás. "Eu não vou me casar com você", disse ela lentamente, como se estivesse falando com uma criança. "Bem, então os vizinhos vão falar sobre você ser minha amante", ele disse a ela. "E nossa filha vai ser menosprezada, porque sua mãe é amante de seu pai", acrescentou ele, como se não estivesse preocupado.


Ela estava tão frustrada com o homem que teve que desistir do buquê em que estava trabalhando, porque ela estava destruindo as flores caras. Ela começou a colocar as coisas para fora e olhou para o relógio. Ainda tinham algumas horas para passar antes que ela pudesse fechar a loja. Ela realmente queria sumir pelas portas, mas isso não lhe faria qualquer bem, já que ele provavelmente iria segui-la. "Eu não vou viver com você, por isso não haverá qualquer problema", ela finalmente se acalmou o suficiente para responder. Ele ainda soltou entre dentes cerrados. "Eu vou ser um pai em tempo integral para a minha filha, por isso vamos estar juntos, de uma forma ou de outra", ele a ameaçou. Ela ergueu as mãos e pisou para o banheiro. Ficou lá por um tempo, tentando descobrir o que ia fazer sobre o homem. Quando ela saiu, ele estava no balcão com uma mulher que segurava seu maior bouquet sobre o balcão. Ela estava flertando abertamente com ele, e Trinity ficou surpresa ao sentir a pontada de ciúme em seu intestino. Ela disse a si mesma que não queria estar com ele, e que não se importava se ele flertasse com outras mulheres, mas quando a cliente soltou uma risadinha e bateu as pestanas, ela teve que lutar para não agarra-la pelos cabelos. "Foi muito bom conhecer você, e espero que você tenha um tempo maravilhoso com sua mãe," ele disse com um sorriso coquete. A mulher realmente corou antes de finalmente virar-se para sair. Trinity ficou lá de boca aberta quando ele se virou. "Eu costumava trabalhar em uma loja de hardware local quando era adolescente e, felizmente, o seu registro é semelhante, então eu cuidei da venda", ele disse a ela quando ele lhe entregou o recibo. Ela olhou para baixo e arregalou os olhos quando viu o valor. "Eu não tinha certeza de quanto você estava cobrando pelo buquê, por isso tomei como base alguns que já comprei antes. Espero que o valor esteja correto", completou. "Não, você realmente cobrou o dobro do que eu teria normalmente vendido", disse ela. Ela ficou chocada pela mulher pagar tanto. Trinity estava pensando que precisava contratar um cara atraente para trabalhar em sua loja - talvez então suas vendas fossem aumentar. "Sério? Você está cobrando muito pouco por seus arranjos, então," ele disse a ela.


"Eu não preciso do seu conselho de negócios, Drew", ela retrucou. Ela sabia que ele estava provavelmente certo, mas estava preocupada de perder o negócio se cobrasse muito, e preferiria ter um monte de clientes que estavam pagando menos do que correr o risco. Isso significava que ela tinha que trabalhar mais horas e muito mais duro, mas era melhor que não ter qualquer trabalho. "Ok. Então, eu espero que você tenha voltado a seus sentidos até agora. Eu posso arranjar um casamento dentro de um par de dias", disse ele em tom de conversa. Ela não podia acreditar que ele estava tão confiante para sentir que podia criticá-la e falar sobre se casar com ela na mesma frase. Ele realmente precisava de alguém para derruba-lo de seu pedestal. E estava mais do que disposta a ser a única a fazê-lo. "Ok, eu vou lhe dizer isto pela última vez, e espero que você ouça neste momento. Eu não vou me casar com você. O que aconteceu na ilha foi um erro que nunca deveria ter ocorrido. E eu não vou repetir esse erro tornando-me sua esposa. Depois que o bebê nascer, vamos falar sobre a visitação, mas agora ela está no meu estômago e por isso você pode seguir em frente e me deixar em paz pelos próximos quatro meses," ela disse, caminhando em direção as portas dianteiras. Ela abriu a porta e olhou para ele com expectativa. Ele olhou para ela com os olhos apertados, tentando decidir o que fazer. Ele estava realmente considerando essa ideia de tiro, casamento e arma. Isso só estava se tornando mais e mais atraente. Ele finalmente caminhou até a porta e apertou seu corpo para cima e perto do dela. Ele estava feliz quando ela não se afastou - apenas olhou para ele em vez disso. Sua paixão transformou-o. Ele sorriu para ela e beijou-a, antes que ela soubesse o que estava acontecendo. Foi um beijo curto, só para mostrar a ela que ele estava longe de desistir. "Eu tenho algumas coisas para fazer hoje, mas vou voltar", ele prometeu. Ela ficou lá e assistiu-o andar pela rua com uma mistura de alívio e tristeza enquanto o observava ir embora. Ela estava determinada a proteger-se, mas o homem estava tão confiante e tinha tanto sex appeal que era difícil para ela se lembrar quem era quando ele estava por perto. Ela fechou a porta e voltou a trabalhar em alguns ramos. Ela tinha um casamento chegando, e seria um monte de trabalho ainda até ter todos os arranjos prontos. Pelo menos não era época de baile, ela pensou


com alívio. O dinheiro sempre era bom, mas suas mãos ficavam destruídas até o final.

Drew caminhou pela rua e entrou no carro. Sua abordagem enérgica obviamente não estava funcionando, então ele ia ter que experimentar algo novo. Seu pai sempre gostou de dizer que se pega mais moscas com mel do que com vinagre, e talvez por isso ele precisava mudar seus métodos para tentar pegá-la. Claro, ele realmente não entendia que tudo isso queria dizes, já que não sabia por que alguém iria querer pegar moscas. Entretanto, ele dirigiu para o hotel e forjou um novo plano de ataque.


Trinity ficou pronta para o novo dia, não querendo sair de seu pequeno apartamento, porem. Ela sabia que era muito provável que Drew estaria lá fora, e ela não sabia quanto tempo seria capaz de resistir ao seu charme. Era mais fácil para ela quando ele estava sendo exigente e arrogante - mas quando ele ligava o sex appeal, ela era um caso perdido. Ela estava esperando que ele tomaria a dica e iria desaparecer por um tempo, para que ela não tivesse que lutar contra ele - e contra ela mesma também. O bebê chutou com força suas costelas, como se não gostasse dessa idéia. Ela esfregou sua barriga e sussurrou suavemente para sua filha. Ela estava sempre faminta de manhã, mas não tinha energia para fazer muito, então pegou um muffin e se serviu de um copo grande de leite, e ficou pronta para o seu dia. Ela estaria sozinha na loja durante todo o dia, e notou que isso que estava começando a incomodá-la. Ela precisava contratar um casal de funcionários, mas não queria pagar por ajuda até que fosse absolutamente necessário. Ela estava pensando que seria uma boa idéia ter um funcionário, para que ela pudesse pelo menos estar em torno de outra pessoa. Mesmo que fosse o seu sonho possuir seu próprio lugar, ela estava achando solitário. Ela caminhou os poucos quarteirões até sua loja, olhando ao redor em toda parte e ficando um pouco desapontada por não ver Drew. Ela fez uma careta para si mesma por esse pensamento. Ela não queria que ele ficasse ao redor, e precisava sempre se lembrar disso. Ela culpou seus hormônios por seu desapontamento, já que eles estavam enlouquecendo. Ela virou a chave na fechadura e virou o sinal de aberto na porta. Ela sempre teve tanto orgulho ao andar pelas portas da frente, porque era tudo dela. Ela havia trabalhado duro para tornar seu sonho realidade, e tinha um monte de orgulho de sua pequena, mas linda, loja. Seu toque estava presente em cada polegada da sala.


Ela guardou sua bolsa e deu um passo para a estação floral, para começar a fazer alguns boquets para a caminhada dos clientes. Ela tinha alguns pedidos que precisavam ser entregues, mas para além disso, seria um dia lento. A campainha da porta tocou um pouco depois, e ela olhou para cima para ver Drew caminhando para dentro, parecendo muito bom tão cedo de manhã. Ela deveria saber que ele não ia esperar muito tempo antes de persegui-la novamente. Ela ficou surpresa, porém, pela aceleração instantânea de seu coração. "Bom dia, como você está hoje?", Perguntou a ela, como se fossem estranhos. Ela olhou para ele com desconfiança, imaginando o que ele estava fazendo. "Estou bem, e você?", Perguntou ela. "Eu estou maravilhoso. Estou precisando de vários buquês", ele respondeu antes de estender a mão. "Meu nome é Andrew Titan, mas meus amigos me chamam de Drew. Eu possuo vários resorts, e estou precisando de uma nova florista", disse ele, com uma cara completamente composta. "O que você está fazendo, Drew?", Perguntou ela, cansada demais para os jogos. "Eu decidi que precisamos começar de novo a partir do zero, então aqui estou eu, sendo completamente honesto", disse a ela, com um brilho nos olhos. Ela achou que era realmente difícil resistir ao homem quando ele estava agindo de forma tão encantadora. Ela decidiu jogar junto, no momento. "É bom conhecer você, Drew. Eu adoraria ajudá-lo com alguns arranjos", disse ela, aceitando sua mão ainda estendida. Ela não estava preparada para o fogo que tomou seu braço ao toque simples. Ela tentou se afastar, mas ele a segurou com força. O homem devia vir uma etiqueta de aviso. Ele era muito perigoso para a libido feminina. "O prazer é todo meu", disse ele, com a voz mais sexy que ela já tinha ouvido. "Que tipo de arranjos você precisa?", Ela perguntou, finalmente conseguindo soltar a mão. Ela teve que resistir ao impulso de esfregá-la contra sua perna.


"Vou deixar isso para você. Tenho três arranjos que preciso que sejam enviados a potenciais investidores, e quero enviar um particularmente enorme para a esposa do meu primo. Ela deu à luz há um tempo, e eu apenas percebi que nunca enviei flores. Aquela garota é a coisa mais fofa, e merece o maior arranjo que você puder, eventualmente, fazer", disse ele. Trinity ficou surpresa com seu pedido. Ele tinha ido os olhos todos suaves falando sobre o bebê. Ela nunca o tinha tomado como o tipo de cara que ama bebês - talvez ela realmente não o conhecesse tão bem, ela concedeu. Ele caminhou de volta até ela, e começaram a selecionar diferentes flores. Drew seguiu em torno dela, levantando os baldes para transportálos para sua estação de trabalho. Ela tentou espantá-lo, mas ele estava determinado, então ela apenas concordou. "Eu estive levantando esses baldes muito bem sozinha," ela disse a ele, com um pouco de exasperação. "Você precisa cuidar de si mesma", disse ele, incisivamente olhando para seu estômago. Ela descobriu que era mais fácil deixá-lo ajudar do que continuar a discutir com o homem. "Há quanto tempo você tem este lugar?", Perguntou ele. "Eu abri um par de anos atrás. Sempre foi meu sonho. Eu gostaria de expandir um dia, e ter uma loja maior, com artigos de presente e plantas vivas também", disse ela. "Você faz bem?", Ele perguntou. "Estou fazendo muito melhor do que pensei que faria. Com o bebê vindo, porém, vou ter que contratar alguma ajuda, o que vai cortar lucros", explicou ela. "Eu sei que é realmente difícil para as pequenas empresas terem sucesso", disse ele. "Eu estou indo melhor do que alguns", disse ela. Ela tendia a olhar para os aspectos positivos das coisas, cultivando pensamentos positivos, se possível. "Seu trabalho é lindo. Você tem um dom real", ele disse a ela, enquanto ela trabalhava nos buquês. Eles ficaram impressionantes. Ela


tinha um olho real para as flores, e usou apenas a quantidade certa de ornamentos. Ele ficou completamente impressionado. "Obrigada, eu realmente gosto de fazer isso", disse ela. Ela amava o elogio de quando alguém apreciava seu trabalho. Eles continuaram a conversar facilmente enquanto ela terminava seus pedidos. Alguns clientes vieram e se foram enquanto ele se sentou em um banquinho e continuou a esperar por ela. Ela estava gostando da companhia dele muito mais do que deveria. Sabia que deveria ter lhe pedido para sair, mas era bom tê-lo lá. O tempo estava passando rapidamente, e eles estavam se dando tão bem. Ela sabia que eles deveriam pelo menos ser amigos, por causa do bebê. Se ela conseguisse controlar a fome que sentia por ele cada vez que estava ao seu redor essa poderia ser uma possibilidade. "Eu preciso fechar um pouco, para fazer algumas entregas," ela finalmente disse a ele. Ela normalmente fazia suas entregas no final de seu turno, mas havia um funeral, e ela tinha que entregar alguns arranjos ali. "Por que eu não faço as entregas para você? Assim você pode manter a loja aberta", ele ofereceu. Ela tinha estado ocupada e certamente seria melhor deixar a loja aberta, mas não quer se sentir como se estivesse lhe devendo. Ele continuou: "Eu não me importo realmente, e tenho algumas paradas para fazer, de qualquer maneira", completou. "Se você realmente não se importa", ela finalmente cedeu. Ele obteve as informações dos endereços de entrega, carregou seus pedidos e decolou. Ela ficou um pouco triste ao vê-lo ir embora, mas rapidamente se recompôs, recusando-se a se apegar a ele. O telefone tocou em seguida e ela correu para atendê-lo, grata pela distração.

Drew estava desaparecido por algumas horas, mas a loja ficou muito ocupada, ocupando sua mente vaga. Até o momento que ele entrou pela porta segurando um saco que emanava deliciosos aromas,


ela sequer tinha percebido que estava morrendo de fome. Ele colocou o saco sobre o balcão e ela praticamente o rasgou aberto em sua intensidade para ver o que estava lá dentro. Ela tirou uma bandeja com seu prato de massa favorito, e podia até mesmo sentir a saliva engrossando em sua boca. Ela mergulhou no prato com verdadeiro nada para ele até que estava na metade do refeição. Quando finalmente olhou para cima, ela com um sorriso enorme no rosto. Ela ficou pelo seu próprio comportamento.

entusiasmo, e não disse caminho de terminar a ele estava olhando para um pouco envergonhada

"Desculpa. Às vezes eu fico tão ocupada que me esqueço de comer, e quando vejo comida novamente fico um pouco louca", disse ela com vergonha. "Você comeu como costumava fazer na ilha", disse ele quando seus olhos escureceram. Seu próprio corpo reagiu aos pensamentos do resort. Tinha sido um paraíso tropical, e ela não tinha pensado em nada além de prazer - prazer do sol, da água, da comida e, principalmente, o prazer de seu corpo quando ele a estava tocando. "Isso foi há milhões de anos atrás Drew, e eu estou de volta ao mundo real agora, e tenho responsabilidades do mundo real. Eu aprecio sua ajuda hoje, e o almoço, mas nós não somos nada um para o outro, e você precisa aceitar isso", disse Trinity. Ela estava tentando convencer a si mesma desse fato tanto quanto estava tentando convencê-lo. A expressão de Drew nunca mudou. Ele continuou a olhar para ela com desejo em seus olhos, o que estava fazendo coisas engraçadas para o seu estômago. Ela tentou se concentrar na comida, mas tinha perdido o apetite. Ela tentou comer um pouco mais, porem, mas finalmente desistiu e empurrou o prato de lado. Drew tomou-lhe a mão e esperou até que tivesse toda sua atenção. "Eu decidi que você vai ser minha esposa. Eu nunca me senti sobre uma mulher do jeito que sinto por você, e você está carregando minha filha. Nós vamos ficar juntos. Eu entendo que você está com medo. Também entendo que você está com raiva por eu ter enganado você, mas você vai aprender em breve que não pode viver sem mim", disse ele com total confiança. Ela ficou sem fôlego e sem palavras. Era quase impossível discutir com o homem, mas quando ela pensou sobre o que ele disse, seu


temperamento queimou. Como ele ousa exigir tais coisas dela? Ela não era uma colegial disponível para agradar-lhe. "Drew, às vezes na vida você simplesmente tem que aceitar quando não pode ter as coisas do seu jeito. Eu não sou uma posse que você pode optar por manter ou arrematar. E você pode ir embora agora", disse ela, com um pouco de veneno em seu tom. Drew apenas riu. E ela não podia acreditar que o homem realmente riu! "Você é tão perfeita para mim, Trinity. Preciso de pessoas em minha vida que não tenham medo de me dizer algumas verdades. Mas, mesmo assim, nós estaremos juntos", disse ele. "Eu tenho algumas coisas para fazer esta tarde, mas vou estar de volta antes de você fechar a loja", disse ele e, em seguida, quase como uma reflexão tardia, gentilmente a beijou antes de sair pela porta. Trinity ficou por vários minutos depois que ele saiu com a mão pressionada contra os lábios, que ainda formigavam do beijo dele. O homem tinha um jeito de afetá-la, ao contrário de qualquer um antes dele. Ela finalmente se sacudiu e voltou ao trabalho. Quando ele voltar, pensou, teria que ser firme e não deixá-lo afetar-lhe. Cerca de uma hora antes de fechar o sino na porta soou, deixando-a saber que alguém estava chegando. Ela olhou nervosamente e soltou um suspiro de alívio, seguido por uma pontada de decepção, quando uma mulher entrou, ao invés de Drew. A mulher parecia estar em torno de sua idade, e estava carregando a mais adorável garotinha. Apenas a visão do bebê fez seu coração saltar uma batida. Ela não podia esperar para segurar sua própria filha nos braços. "Olá, como você está esta tarde?" Trinity perguntou a mulher. "Eu estou bem, e como você está?", A mulher respondeu. "Estou feliz que está na hora de fechar em breve e, fora isso, estou maravilhosa", disse Trinity. "Meu nome é Jasmine, e esta pequena é Britney," disse a mulher, estendendo a mão livre. "É muito bom conhecer você, Jasmine. Meu nome é Trinity, como posso ajudá-la?", Perguntou ela. Ela adorava clientes como Jasmine, que


eram felizes e amigáveis. Ela também adorava conhecer seus clientes, porque se eles voltassem ela saberia exatamente do que eles gostavam, e poderia certificar-se de fazer um excelente trabalho. "Eu queria conhecê-la. Sou casada com Derek, que é primo de Drew. Eu o chamo de meu irmão-de-lei, porque eles são mais como irmãos", disse Jasmine. "Oh... bem... hmm..." Trinity gaguejou, sem saber o que dizer. "Eu sei que não deveria ter apenas invadido seu local, mas quando Drew nos disse que ia ser pai, eu tinha que conhecer a mulher que finalmente chegou até dele," ela disse com humor em seu tom. "Nós não estamos juntos embora..." Trinity tentou dizer antes de ser interrompida novamente. "Você está carregando uma criança Titan, então vocês estão muito juntos, acredite em mim. Você pode tentar lutar contra isso, mas esses caras realmente se preocupam com a família. Meu marido e eu tivemos um começo muito difícil, mas eu o amo muito e sou muito grata por ele ter lutado por mim, porque agora temos Britney e Jacob, e eu sou repugnantemente feliz o tempo todo", disse Jasmine. A bebê estava se contorcendo em seus braços, e Trinity queria tanto abraça-a. Mas nem sequer conhecia essa mulher - não poderia simplesmente pedir a ela que entregasse sua filha. Jasmine viu o olhar de desejo no rosto de Trinity, porem, e entregou Britney a ela. "Ela é tão preciosa," Trinity disse para ela. "Ela é bastante surpreendente, e incrivelmente mimada", disse Jasmine com carinho. "Por que você não se senta aqui comigo, para então podermos conversar?", Disse Trinity quando se mudou para a namoradeira que tinha trazido para a loja quando descobriu sobre o bebê. Ela sabia que ela iria querer um lugar confortável para descansar. "Isso soa perfeito. Agora, diga-me tudo sobre como você e Drew se conheceram e, por favor, não deixe de fora quaisquer detalhes suculentos", disse Jasmine. Trinity podia sentir o calor inundar seu rosto enquanto pensava sobre esses tais detalhes. Ela não sabia bem


porque, mas gostou de Jasmine instantaneamente. Ela era tão amigável, como não poderia? Trinity encontrou-se se abrindo e contando a ela tudo sobre seu tempo na ilha e, em seguida, sobre os últimos dias. Jasmine ouviu atentamente o tempo todo, balançando a cabeça em compreensão. "Sério, eu sei que ele se comportou como um idiota completo, mas ele é um cara fantástico, e se lhe der uma chance vai perceber isso", disse Jasmine. "Tenho certeza que ele é ótimo, mas jurei ficar longe de todos os homens de negócios. Eu não tive boas experiências com eles. Não vou afastar a bebê dele, mas simplesmente não consigo entrar em um relacionamento com o homem", disse Trinity, esperando sinceramente que Jasmine fosse entender. "Tenho certeza que tudo vai dar certo", disse Jasmine. O sino tocou novamente, e o homem em questão entrou. Não demorou muito para ele achar as duas mulheres. "Veja se não é a minha menina bonita", disse Drew quando se aproximou. Trinity estava começando a corar e, em seguida, ele tirou o bebê dos braços dela, que imediatamente começou a rir. Trinity se sentiu um pouco envergonhada por achar que o comentário tinha sido para ela, e esperava que ele não tivesse notado. "Titio sentiu sua falta, preciosa", ele afagou Britney e continuou a falar com ela. Ela olhou para ele como se pudesse entender tudo o que ele estava dizendo, e então estendeu sua mão pequena para acariciar o rosto dele. Trinity ficou impressionada com a forma como ele lidou com o bebê. Se ele fosse metade disso carinhoso com sua própria filha, ela sempre saberia que seu pai a amava. "Você tem um monte para compensar Drew," disse Jasmine quando olhou para ele. "O quê?", Disse ele, olhando de uma para a outra. Ambas olharam para ele como se fosse burro, e então ele deu de ombros e continuou a conversar com sua sobrinha, que o adorava. "Pelo menos você não olha para o titio dessa maneira," ele disse a ela. "Eu não posso acreditar no quão idiota você foi no resort. Sério, você bateu na cabeça dela e, em seguida, teve a ousadia de mentir. Não admira que ela está lhe dando um tempo tão difícil", continuou Jasmine.


"Foi muito bom conhecer você, Trinity. Por favor, venha almoçar comigo no seu próximo dia de folga. Eu quero te conhecer mais, e realmente quero que as crianças cresçam juntas", disse ela. "Eu acho que isso soa maravilhoso. Vou estar de folga no domingo e segunda-feira, se qualquer um desses dias estiver ok para você?", respondeu Trinity. "Domingo vai funcionar perfeitamente. Venha qualquer hora depois das dez. Aqui está o meu endereço e número de telefone. Eu mal posso esperar para ver você", ela terminou, pegando o bebê e saindo. Trinity olhou para o relógio e ficou aliviada que já era hora de fechar. "Posso te levar para jantar, por favor?" Drew perguntou a ela. Ela sabia que provavelmente devia dizer não, porque o convite soava bom demais para terminar bem. Ela também descobriu que realmente queria passar mais tempo com ele, o que era assustador. Ela estava tentando forças as palavras a saírem de sua boca para responder a ele, e ficou um pouco surpresa com sua própria resposta. "Isso soa muito bem", respondeu ela. Eles então caminharam para fora da loja, e ele imediatamente agarrou a mão dela. Ela lutou por um momento para se afastar, mas ele estava segurando-a realmente firme, então ela desistiu. Era muito mais fácil deixar de lado as batalhas menores - então ela teria energia para os argumentos maiores.


Domingo chegou rapidamente, e Trinity descobriu que estava realmente animada para ver Jasmine novamente. Ela sempre teve dificuldade em fazer amigos, porque estava sempre tão ocupada o tempo todo, e por ser extremamente tímida. Ela também sempre foi muito prática. Enquanto outras crianças estavam fora festejando, ela tinha sido o única a estudar. Tudo tinha valido a pena, embora, porque agora ela era dona de sua própria loja, e estava a caminho de realizar seus outros objetivos. Ela estava prestes a sair quando houve uma batida na porta. Ela sabia quem era antes mesmo de abrir. "Bom dia", disse Drew, e ela pode sentir o cheiro quente de muffins flutuando através do saco que ele estava segurando. Ele sentia uma necessidade compulsiva de alimenta-la o tempo todo. "Eu posso cuidar de mim mesma, sabe?", Ela disse a ele, embora tenha agarrado a embalagem e começado a comer a deliciosa guloseima. Ela não sabia onde ele comprava esses doces, mas eles eram uma degustação celestial, e ela logo se viu no meio do caminho de um segundo. "Eu sei que você é mais do que capaz de cuidar de si mesma, mas gosto de te alimentar e verificar. Nunca fui pai antes, e sinto a necessidade de garantir que minha filha tenha tudo que precisa", explicou. Trinity revirou os olhos, mas lhe permitiu andar com ela enquanto descia as escadas. "Eu estou visitando Derek hoje, então podemos ir juntos", disse Drew enquanto a conduzia em direção ao seu carro. Ela decidiu aceitar a carona - pelo menos ela não teria que lutar para caber atrás do volante, o que estava se tornando mais difícil a cada dia. Eles foram para a casa de Derek e Jasmine conversando um pouco. Mas quando fizeram o caminho através do portão e começaram a


subir a calçada, Trinity ficou silenciosamente impressionada. E quando a casa ficou à vista, ela simplesmente suspirou em voz alta. "Esta é a casa deles?", Perguntou ela com espanto. Parecia mais como um resort do que com a casa de alguém. Seus olhos foram atraídos para a enorme porta da frente, e para as paredes, que pareciam infindáveis. Ela não sabia como eles conseguiam encontrar o caminho para as diferentes áreas da casa sem um mapa. "Eu sei que é muito grande. Eu falei com Derek sobre exagero quando a vi pela primeira vez, mas Jasmine tornou-a muito caseira", ele disse a ela. Ela não via como seria possível fazer tal mansão parecer caseira - era simplesmente demasiadamente grande. Ele estacionou perto das portas da frente, e eles saíram do veículo. A porta se abriu e rapidamente um menino saiu correndo. "Tio Drew, você está aqui", disse ele enquanto se lançava nos braços de Drew. Ele certamente tinha jeito com crianças. "Hey amigo, acho que vou desafiá-lo para um pouco de basquete na água", disse ele. "De jeito nenhum, eu tenho praticado. Você vai perder", o menino disse a ele. Trinity sorriu quando os dois se balançaram pra frente e para trás. "Jacob, esta simpática garota é Trinity. Trinity, este jovem rapaz aqui é meu sobrinho, Jacob," Ele os apresentou. "É bom conhecê-la", disse o rapaz educadamente. "É bom conhecê-lo também", disse Trinity. Ele era adorável e muito bem educado. "Mamãe está animada para ver você. Siga-me, ela está na cozinha", disse Jacob antes de correr à frente deles para dentro da casa. Trinity não conseguia parar de olhar em todos os lugares. A casa era enorme e bonita, mas Drew estava certo sobre parecer caseira. Jasmine tinha feito um grande trabalho em fazer o lugar confortável. "Vocês hegaram. Estou tão feliz", disse Jasmine quando eles entraram na cozinha. Ela deu um abraço em Drew e surpreendeu Trinity jogando os braços em volta dela também. Ela se afastou com uma risadinha. "Eu me lembro daqueles dias em que minha barriga me precedia em uma sala," ela terminou com uma risada.


Trinity não pode deixar de rir junto com ela. "Eu sei, acho que crescendo o dobro todas as noites", disse Trinity. "Vocês meninos, vão jogar, e nos deixem falar mal de vocês por um tempo", disse Jasmine. Os meninos obedeceram e as deixaram juntas. Os cheiros vindos da cozinha eram surpreendentes e, de repente, o estômago de Trinity soltou um rugido alto. Jasmine riu novamente. Trinity não podia acreditar que ainda estava com fome depois de comer aqueles doces maravilhosos, mas parecia que não conseguia obter comida o suficiente. Ela esperava não ganhar uma centena de peso extra durante a gravidez. "Me lembro disso tão bem. Sente-se e me deixe te servir um lanche enquanto tudo acaba de ficar pronto", disse Jasmine. "Eu posso esperar. Não quero ser um incômodo", disse Trinity. "Oh, pare de ser tão submissa. Você tem que aprender a se defender por si mesma, ou esses caras Titan vão andar em cima de você", disse Jasmine. "Você está certa, eu adoraria fazer um lanche", disse Trinity, com suas bochechas ficando um pouco rosadas. "Isso é um começo. Agora sente-se aqui", disse Jasmine com um sorriso. Trinity sentou e comeu cada bocado de comida que Jasmine colocou diante dela. Foi incrível. "Você seriamente deveria abrir um café," Trinity disse a ela. "Sua comida é boa demais para ser desperdiçada." "Eu tenho dito a mesma coisa para estes homens bonitos, mas não quero perder meu amor por cozinhar. E, se eu tivesse que ficar numa cozinha por longas horas, o que é absolutamente necessário para ter sucesso, eu não iria apreciar", disse Jasmine a ela. "Você sabe, eu sempre quis abrir uma loja de flores e presentes, com um pequeno café adjunto. Pensei que seria ótimo ter uma seção de livros que pessoas poderiam comprar, e um lugar onde elas pudessem entrar e comer, e ler, com flores e presentes também disponíveis. Se você realmente cogitar a ideia de abrir um café algum dia, então eu espero que você venha falar comigo," Trinity disse timidamente.


"Sério, isso é algo que eu consideraria. Me deixe terminar o nosso almoço, e então podemos fazer alguma pesquisa", disse Jasmine com entusiasmo. "Eu quis dizer no futuro, em algum momento", disse Trinity, um pouco chocada com o entusiasmo dela. "Não há tempo melhor que o presente," Jasmine respondeu. As mulheres continuaram a conversar enquanto Jasmine terminava o almoço. Como se os homens tivessem desenvolvido radares que mostravam quando a refeição estava pronta, todos se sentaram em volta da mesa quando tudo estava servido, apreciando a boa comida e a conversa ainda melhor. Trinity ficou mais relaxada do que tinha estado em um tempo muito longo. "Agora, vocês meninos estão de plantão para a limpeza. Trinity e eu estamos indo para a biblioteca, para fazer alguma pesquisa", disse Jasmine misteriosamente, e as duas mulheres decolaram de lá. Drew olhou para Derek com uma pergunta em seus olhos, ao que Derek apenas balançou a cabeça como se não entendesse as mulheres mais do que Drew. As duas senhoras entraram na biblioteca e Trinity engasgou quando olhou em volta. Era um belo quarto, com livros do chão ao teto. Ela caminhou ao longo das prateleiras, percebendo que havia um pouco de tudo. Qualquer leitor ficaria feliz em entrar neste quarto. "É muito grande, não é? Eu ainda tenho um longo caminho a percorrer antes que essas prateleiras estejam cheias, mas fica um pouco melhor a cada semana. Esta biblioteca é o que me fez escolher esse lugar", disse Jasmine com entusiasmo. Ela ficou satisfeita ao ver Trinity amando o lugar. "Isto é incrível. Acho que nunca mais quero sair desta sala," Trinity finalmente disse. "Eu me sinto da mesma forma. Leve o seu tempo olhando ao redor. Eu vou saltar sobre o computador e iniciar a pesquisa", disse Jasmine enquanto se sentava confortavelmente no sofá e abria um laptop. Ela chamou Trinity depois de um tempo para mostrar um edifício à venda. Parecia absolutamente perfeito para o que elas queriam, mas o preço era muito extravagante.


"Não acho que posso me dar a esse luxo", disse ela, se sentindo mal por isso. "Não vamos nos preocupar com o preço agora. Eu sei como isso soa, mas vamos apenas dar uma olhada amanhã, e ver o que achamos", Jasmine defendeu. "Tudo bem, não faz mal pelo menos olhar", ela concordou. As duas mulheres fizeram seus planos então. Trinity não sabia exatamente para quem Jasmine ligou, mas o agente ficou mais do que feliz em mostrar o lugar quando elas estivessem prontas. Trinity se ofereceu para irem agora mesmo, mas Jasmine disse que preferia esperar até o dia seguinte. O resto da tarde voou muito rapidamente, e Trinity não queria sair. Ela estava curtindo seu tempo com Jasmine - já havia uma forte amizade se formando. Quando chegou a hora de ir embora, porem, as duas mulheres se abraçaram antes de Drew levá-la de volta para o seu carro. Ela acenou e se sentou sonolenta no confortável assento do carro. Os próximos dias passaram voando para Trinity. Drew estava lá a cada momento do dia e, quanto mais tempo ela passava ao redor dele, mais difícil ficava manter distância. Ele estava lá para ajudar no trabalho. Ele estava constantemente trazendo comida deliciosa. Ele a tocava a cada chance que tinha. Com ele de volta à sua vida, seu corpo também tinha despertado, mais do que nunca antes. Ele a tocava casualmente tantas vezes que ela estava perto de gritar. Ela precisava de muito mais dele do que apenas uma escovada rápida de seus dedos, embora soubesse que não devia seguir esse caminho. Quanto mais tempo ela passava com ele, porem, mais difícil era lembrar do propósito de seus limites. O homem era tão incrivelmente atraente! E o que obviamente tornava tudo pior era que ela se lembrava da sensação das mãos dele tocando todo seu corpo. Ela estava sexualmente frustrada e completamente insatisfeita. E estava incrivelmente mal humorada. Ele era perfeito demais! Ela também tinha ido e visitado o edifício com Jasmine, e se apaixonou pelo lugar. Era tão perfeito. Havia um amplo espaço para tudo, e não seria muito difícil para remodelar como elas queriam. Jasmine estava pesquisando outras coisas e iria voltar para ela em breve com alguns números. Trinity sabia que Jasmine poderia se dar ao luxo de pagar a compra inteira, mas ela queria que essa fosse uma parceira igual. Ela


faria o que pudesse para que isso acontecesse. Ela atualmente estava alugando seu prédio e pagando um valor muito alto, por isso, assumir uma parceria e ter uma hipoteca em vez de um pagamento de aluguel, podia realmente salvar o seu dinheiro. Ela também seria capaz de fazer mais se tivesse mais mercadorias. Mas ela não tinha tido retorno de Jasmine ainda, então estava ficando preocupada que ela possivelmente tivesse mudado de idéia, decidindo que era muito arriscado. Ela não podia acreditar o quão chateada isso a fazia sentir. Ela tinha sido aquela apreensiva sobresaltar para um investimento tão grande mas, agora que ela realmente pensou sobre isso, queria dar esse passo mais do que tudo. Seria tão bom ter um parceiro de negócios, alguém para compartilhar seus sucessos e para ter em torno, para poder falar. Ela sacudiu seu humor e voltou ao trabalho. "Olá linda, como está se sentindo hoje?" Drew perguntou quando andou por suas portas poucos minutos depois que ela abriu. Seu rosto se dividiu em um sorriso ao vê-lo, antes que pudesse se conter. "Você não tem um negócio para fazer funcionar?", Perguntou a ele, tentando parecer severa, mas falhando miseravelmente. "O bom de ser o chefe é que posso sair quando quiser", ele respondeu com um sorriso perverso. Ele, então, se aproximou dela e beijou seus lábios. Ele estava fazendo isso com muita frequência também. Ela desistiu de dizer não. Quem ela enganando, de qualquer maneira? Ela ansiava por seu toque. "Eu tenho uma consulta médica hoje. Você gostaria de vir junto?", Ela perguntou timidamente. "Eu adoraria", respondeu ele com verdadeiro entusiasmo. "Eu vou fechar mais cedo hoje, por isso, se você quiser ir comigo, tem que estar de volta aqui em torno das duas, então nós podemos ir juntos," ela ofereceu. "Não tenho nada acontecendo hoje, então só vou ficar aqui com você", disse ele. E então sentou em seu sofá e tirou seu laptop, o que era um hábito normal para ele agora. "Se você insiste", ela respondeu, e começou a trabalhar em seus arranjos. Quanto mais a gravidez avançava, mais difícil era para ela ficar sentada por longos períodos de tempo sem as costas doerem. Dessa


forma, após cerca de uma hora de trabalho ela estava caminhando ao redor e esfregando a parte inferior das costas, sem nem sequer pensar nisso. Ela sentiu os braços de Drew envolverem-se em torno dela, para logo em seguida ser puxada para o sofá. Ele a sentou e começou a darlhe uma massagem nas costas. Ela teve que lutar para não gemer em voz alta pelo puro prazer que ele estava criando. "Eu deveria estar trabalhando", ela tentou protestar, sem por muito esforço por trás das palavras, porem. "Você precisa cuidar melhor de si mesma. É óbvio que está com dor", ele rebateu, e continuou com a massagem nas costas. Ela se inclinou para frente, para que ele pudesse chegar mais baixo, e parou de protestar. Ela não sabia quanto tempo tinha passado mas, quando a campainha da porta tocou, ela sentiu vontade de rosnar para a pessoa que se atreveu a interromper. A pessoa escolheu um par de arranjos pré-feitos e logo estava saindo. A porta tocou de novo, e uma menina entrou. "Posso ajudar?" Trinity perguntou a ela. "Eu me formei na escola floral e gostaria de me candidatar a um emprego", disse a menina timidamente. Trinity falou com ela por alguns minutos e gostou dela instantaneamente. Ela estava ansiosa e animada. Trinity mostrou algumas de suas técnicas para a moça, que tinha realmente um bom olho para cores e pegou os projetos rapidamente. "Eu estava pensando em esperar mais um mês antes de contratar, mas você veio em um momento muito bom, porque minhas costas estão doendo mais do que o habitual," Trinity disse a ela. Ela contratou a menina no local, e ela ia começar no dia seguinte. "Muito obrigada", ela respondeu com entusiasmo, correndo para fora da porta. "Estou feliz que você decidiu contratar um empregado," Drew disse a ela. Ela voltou ao trabalho depois disso, e logo era hora de sair para o consultório médico. Drew a levou até seu carro e ela subiu no interior luxuoso. Era muito bom ser cuidada, e ela estava lutando contra o desejo de se deixar ir completamente e se apoiar nele. Eles foram para o consultório, e após um momento eles já estavam sendo levados para uma sala privada.


O médico veio e Drew se apresentou. "Aposto que você está animado para ouvir os batimentos cardíacos", disse o médico para ele. "Eu estou", confirmou Drew. Ela foi colocada deitada, e logo o som dos batimentos cardíacos da criança encheu a sala. Drew tinha tal olhar de admiração sobre ele que fazia seus olhos saltarem. "Nós podemos fazer essa coisa de quadro?", Perguntou ao médico. "Ela teve uma ultra sonografia um par de meses atrás, e realizou todo o check-up. É um procedimento muito caro quando não é necessário", explicou o médico. "Eu não me importo com o quanto custa, e realmente quero tê-lo feito", disse Drew. O médico os mandou para uma sala diferente, então. "Drew, eu não posso me dar ao luxo de ter outro desses feito," Trinity tentou explicar a ele. "Eu estou cuidando de todas as despesas do bebê", Drew disse a ela em um tom de voz que disse que a questão não era motivo de debate. Ela não tinha seguro e vinha lutando para pagar a coisa toda, mas não apreciava ter o controle de sua gravidez tomado de suas mãos. "Você não precisa cuidar de tudo, mas se quiser outro ultra-som, então pode cuidar disso", ela finalmente admitiu. "Eu estou de muito bom humor para discutir, por isso vamos deixar essa conversa para outra hora", ele finalmente disse. Ela estava sobre a mesa e apenas olhou para ele por um momento. Logo em seguida outra médica entrou no quarto, e começou a esfregar gel frio em seu estômago. "Você já viu um dos nossos ultra-sons tridimensionais antes?", Ela perguntou a ambos. "Eu fiz um alguns meses atrás", disse Trinity. "Eu vi a imagem, mas não estava aqui quando foi feito", disse Drew, enquanto olhava para a tela. De repente, a cabeça de sua filha estava lá na frente dele. Ela estava se movendo ao redor e ele poder ver seu perfil e, em seguida, a parte de trás de sua cabeça. Ela era a coisa mais linda que ele já tinha visto em sua vida. Ele poderia olhar para esse monitor o dia inteiro, e nunca se cansar.


Ele também não podia acreditar no quanto esse exame mostrou de sua filha. Era como se ele estivesse olhando através de uma tigela de vidro ou algo assim. Foi incrível. Ele queria chegar e correr os dedos ao longo de suas maçãs do rosto delicadas. "Sua filha é saudável e ativa. Você quer levar para casa mais algumas fotos?", Perguntou a mulher. "Sim, por favor", respondeu Drew com entusiasmo antes que Trinity tivesse a chance de falar. "Parece que seu marido está animado para ser pai. Este deve ser o seu primeiro filho", disse a mulher com um sorriso. "Eu não posso acreditar que ela estará aqui em poucos meses", disse Drew. Trinity ficou em silêncio. Ela não ia se incomodar em tentar corrigir a mulher, e estava achando muito cativante o quão animado Drew estava. Ela imprimiu algumas fotos e enviou os dois de volta ao escritório do médico. Ele chegou rapidamente. Trinity adivinhou era útil ter Drew como acompanhante, porque ela nunca tinha tido tal serviço rápido. "O bebê é saudável e tudo está bem com ela, mas você não está tão bem. Sua pressão arterial é alta demais para o meu gosto, e a coloca em risco de contrair toxemia (doença hipertensiva específica da gravidez). Eu preciso colocar você em repouso por pelo menos duas semanas, e então poderemos reavaliar seu quadro. Você também precisa comer mais, porque agora está alimentando o bebê também, não mais só si mesma. Você está abaixo do peso que eu gostaria", ele disse a ela. "Eu não posso parar de trabalhar", ela tentou argumentar com o médico. "Se você não seguir o meu conselho, estará arriscando a si mesma, e seu bebê. Você poderia entrar em trabalho de parto prematuro, e as chances de sobrevivência não são boas neste momento da sua gravidez", disse ele severamente. "Ela estará em completo repouso médico", disse Drew, e olhou para ela. Ela não estava feliz com ele ou com o médico naquele ponto, mas não deixaria seu próprio temperamento prejudicar sua filha. Ela só teria que fechar a loja por um tempo, embora não pudesse imaginar o que ia fazer com sua renda.


Eles saíram do escritório do médico e Drew a levou para um restaurante, onde ela pegou sua comida. Ela estava muito estressada para comer muito, porem. "O médico disse que você precisava de mais calorias. Por favor, coma, pelo bebê", suplicou ele. Ela se forçou a comer mais, embora fosse difícil empurrar a comida para baixo em sua garganta. "Eu vou ter que fechar a loja, e isso por si só me estressa," ela finalmente disse. "O estresse não é bom para sua condição. Você precisa me deixar ajudar", ele disse a ela. "Eu sei Drew, mas não preciso de sua ajuda", disse ela. "Você obviamente precisa da minha ajuda. Vou chamar uma agência de trabalho temporário e conseguir alguém para trabalhar na loja, e você também tem a nova funcionária que acabou de contratar. Eu vou pagar seus salários. Você não pode ficar estressada e preocupada com a forma de pagá-los. Eu também vou ficar com você por agora, para ter certeza que vai cuidar melhor de si mesma", disse ele. Ela continuou a tentar discutir com ele, mas podia muito bem estar falado com uma parede de tijolos pelo tanto que ele estava escutando. Ele a levou do restaurante, fez alguns telefonemas e a levou para casa. Drew Quando entraram em seu apartamento minúsculo ele decidiu que ia começar realmente à procurar um novo lugar. Não podia suportar ficar no apartamento claustrofóbico por muito mais tempo. Sua filha precisava de mais espaço, de qualquer maneira, de preferência com um quintal real. Enquanto Trinity tirava uma soneca ele procurou na web por algumas casas. Descobriu um par de lugares em potencial, e que não estavam longe de seu primo. Ele fez algumas ligações para que pudesse visitá-los à noite, depois de verificar Trinity. Ele se apaixonou instantaneamente por uma das casas. Ela estava vazia atualmente, já que os proprietários anteriores a tinham perdido. Era do banco estatal agora, o que tornou as coisas muito mais fáceis


para ele. Ela era enorme - não tão grande como a de Derek, mas bastante perto. Tinha cerca de dez acres de propriedade, e uma piscina. Havia até mesmo uma quadra de tênis. Ele sabia Trinity que iria adorar. Ele fez uma oferta em dinheiro pelo lugar, e usou suas conexões para empurrar as coisas. Depois disso ele voltou para a casinha de Trinity, se sentindo muito bem consigo mesmo. Ele havia roubado suas chaves quando saiu, e as levado com ele. Agora que estava de volta, ele olhou para ela no quarto e sentiu o corpo apertado. Ela deve ter ficado muito quente, porque tinha chutado as cobertas e estava deitada ali em sua parte superior do top pequeno e shorts curtos. Ela parecia inacreditável, e levou tudo o que ele tinha para não se juntar a ela na cama e tirar essas peças de roupa dela. Suas curvas tinham crescido, e ele queria desesperadamente testa-las em suas mãos. Ele a queria tanto que não achava que poderia aguentar muito mais tempo. Ele gemeu baixo em sua garganta e se dirigiu para o pequeno banheiro, tomando um banho de água fria e bem gelada. Não o ajudou muito. Drew tentou trabalhar em sua pequena cozinha, mas não conseguia se concentrar. Ele não tinha dormido bem desde o dia que descobriu que ela estava grávida, e agora seus olhos estavam ameaçando fechar espontaneamente. Ele olhou para o sofá, mas logo desistiu da ideia. Ele foi de volta para o quarto e, quando verificou que ela ainda estava dormindo, decidiu mandar as consequências para o inferno, e deitou ao lado dela. Trinity se aconchegou imediatamente ao lado dele depois que ele se deitou. Ela podia estar lutando contra sua atração por ele, mas em seu sono, seu corpo claramente procurava por ele. Ele a envolveu nos braços e caiu em sua primeira noite de sono tranquila em muito tempo.


Trinity acordou e tentou se esticar, mas algo estava bloqueando-a, no entanto. Sua cama não era contra a parede para que ela não conseguisse se mexer, então tinha que descobrir por que não podia mover seus braços. Ela abriu os olhos e percebeu que estava pressionada firmemente contra Drew. Seus pensamentos iniciais foram para agarrá-lo e, finalmente, aliviar a crescente pressão que vinha crescendo em seu corpo. Mas então ela começou a entrar em pânico quando pensou em dar esse passo novamente. Ela tentou mover um dos braços sem acordá-lo, mas seus braços em volta dela podiam muito bem ser grilhões de ferro. Ele não estava se mexendo. "Mmm," ele murmurou, e suas mãos começaram a se mover sobre o corpo dela. Ela chupou uma respiração quando ele esfregou as mãos pelas costas e sobre ela por trás. Ela tentou se arquear para ele, mas seu estômago estava no caminho. A pressão estava construindo em seu núcleo, e ela estava esquecendo suas razões para não fazer amor com o homem. Ele continuou a acariciar para cima e para baixo suas costas e, em seguida, suas mãos começaram a se mover ao longo de seus lados. Nesse ponto ela já estava segurando a respiração, esperando por ele chegar a seus seios doloridos. Ela começou a se mexer e podia dizer exatamente o momento em que ele acordou totalmente, pela urgência em seu toque. "Nós não devemos fazer isso", ela tentou uma vez. "Nós definitivamente devemos fazer isso. Por favor, Trinity, eu preciso de você", ele implorou. Ela não podia dizer não a ele. Ela o queria tão mal que apenas sua voz cheia de tal necessidade a fez se sentir sexy pela primeira vez em muito tempo.


Ele a empurrou de costas e continuou acariciando seu corpo, para cima e para baixo. Ele puxou sua camisa e soltou um suspiro de prazer quando viu seus seios maiores. Eles haviam crescido a um tamanho grande nos meses que tinham se passado, e pela reação que ele teve ela podia dizer que ele ficou satisfeito com a mudança. Ele abaixou a cabeça e começou a beijar seu pescoço, sugando a carne sensível. Ele se mudou para os seios doloridos e continuou os amassando, em seguida, seguindo atrás com sua língua. Ele estava circulando em torno de seus picos incrivelmente sensíveis enquanto ela arqueava as costas, tentando fazê-lo levá-los mais profundamente em sua boca. Ele finalmente deu a ela o que ela queria, e lambeu as esferas escuras. Ele chupou o primeiro em sua boca, em seguida, deu a mesma atenção para o outro. Ela podia sentir a pressão crescendo dentro dela, conforme sua boca e mãos jogavam com seu corpo. Ela estava muito mais sensível do que tinha sido antes, e ele rapidamente a enviou ao longo da borda. Ele continuou a brincar com seus mamilos sensíveis enquanto suas mãos estavam vagando pelo seu corpo. Ele reverentemente esfregou as mãos sobre o monte de seu estômago, fazendo-a tremer por todo o corpo. Então, sua mão deslizou entre as coxas, as empurrando. Ele estendeu a mão e sacudiu os dedos sobre sua carne sensível, e ela gritou quando o orgasmo abalou seu corpo. Ele continuou a acariciar sua carne quando trouxe os lábios de volta até sua garganta. Ele finalmente a beijou, com tanta ternura que ela pode sentir lágrimas enchendo seus olhos. Ele acariciou a boca dela com a língua quente, e antes mesmo do último de seus tremeres recuar, ela já podia sentir seu corpo construindo para mais. Ela o queria tanto; precisava dele para enchê-la. Ele continuou a acariciar sua boca e ela simplesmente não conseguia parar os tremores que continuavam a balançar suas entranhas. Em todos os lugares que ele a tocou o fogo atravessou seu sangue. Foi a experiência mais erótica de sua vida. Logo em seguida ele mergulhou seus dedos dentro dela, e ela empurrou seus quadris para fora da cama, de tanto prazer. Ela gemeu quando as sensações foram lavadas através dela uma e outra vez. "Por favor, Drew, eu preciso de você", ela gritou.


Ele se virou para o lado dela e deitou atrás dela, ainda acariciando seu corpo. Ela podia sentir sua ereção pressionando contra o seu traseiro, e nunca tinha sentido essa dor de antecipação. Ela empurrou contra ele, precisando dele para se enterrar nela. Ele beijou ao longo de seu pescoço enquanto massageava seus seios. Em seguida, finalmente começou a empurrar para dentro de seu calor. Ele estava esticando suas dobras polegada por polegada, e ela podia sentir seu corpo começando a se desfazer no puro prazer de sentilo dentro dela novamente. Ele continuou a lamber seu pescoço e esfregar seus seios enquanto começava a se mover dentro e fora de seu núcleo. Ela começou a tremer quando todas as sensações começaram a envia-la novamente sobre a borda. Ele moveu uma de suas mãos para baixo, para seu quadril, e começou a bombear dentro e fora de seu interior mais rápido. Ela não pode lidar com mais, e foi enviada rapidamente sobre o penhasco, em uma lavagem de êxtase total. Ela agarrou sua mão com força enquanto seu corpo se agarrava ao redor de seu eixo grosso. Ele soltou um gemido quando afundou profundamente dentro dela, e ela pode senti-lo esvaziar-se dentro de seu útero. Eles ficaram ali pressionados firmemente juntos por um tempo, ambos acalmar suas respirações fora de controle. Ele esfregou-a gentilmente do pescoço até os quadris, e todo o caminho de volta. Toda vez que suas mãos passaram sobre sua carne sensível ela gemeu de prazer. "Agora, essa é a maneira correta de acordar", ele sussurrou em seu ouvido, o que enviou um arrepio por sua espinha. Ela não podia acreditar no quão sensível estava a cada movimento dele. "Isso não deveria ter acontecido, porém," ela tentou ser razoável. Ele capotou em torno dela de costas e olhou em seus olhos. "Você está carregando meu filho, e nós dois queremos um ao outro, então o que há de errado com o que acabamos de fazer?", Ele questionou-a. "Eu apenas não estou pronta para pular de volta nessa coisa com você", disse ela.


"É tarde demais para isso", disse ele, antes de beija-la em silêncio mais uma vez. E de mostrar por que eles não deveriam ter arrependimentos durante a próxima hora. No momento em que conseguiu se arrastar para fora da cama, Trinity estava se sentindo relaxada e mais amada do que nunca. Ela estava elegendo o dia de hoje para se sentir bem, com zero de culpa. Amanhã ela se preocuparia com as consequências. Drew pulou no chuveiro depois que eles tomaram café da manhã juntos. Trinity sabia que deveria estar em repouso na cama, mas queria ir verificar sua loja, e verificar se a pessoa que tinha contratado estava trabalhando e se estava tudo bem. Ela decidiu fugir antes que ele terminasse o banho. Ela se vestiu rapidamente e saiu do apartamento tão silenciosamente quanto pôde. Nem podia acreditar no quanto se sentia culpada quando desceu as escadas e começou a descer a rua. Ele não a possuía; ela poderia sair para uma caminhada, se quisesse. Ela estava a alguns metros de sua loja quando alguém veio por trás dela e colocou algo em suas costas. Ela tentou se mover para fora do caminho, pensando que fosse alguém que não tinha prestado atenção para onde estava indo. "Me de sua bolsa e você não vai se machucar", uma voz de homem zombou em seu ouvido. Ela ficou chocada e sem palavras quando terror tomou conta dela. Ela estava chocada demais até para fazer o que o homem ordenou. "Vamos, agora", ele gritou quando ela agarrou com força para o lado dela. Ela tinha o hábito de envolver a alça em torno de seu braço, para que não deixasse a bolsa cair. Mas era muito difícil se curvar agora. Ele agarrou a alça e puxou sua bolsa, e ela automaticamente puxou para trás. "Você está louca senhora, me dá a bolsa agora", disse o homem com os olhos esbugalhados enquanto empunhava uma faca. Ela começou a tremer toda, mas não podia fazer seu braço soltar a bolsa. Ele apontou a faca para ela, e ela sentiu uma picada no braço. Em seguida, ele a empurrou com força, e ela tropeçou para trás, aterrissando sobre seu traseiro.


Dor subiu por espinha pelo impacto, e seu braço estava latejando. Ele saiu correndo, e seu único pensamento foi que ainda tinha sua bolsa. Ela então olhou para seu braço e viu o sangue escorrendo. A visão a fez suar frio.

"Trinity, fale comigo! Você está bem? Por favor, fique bem, tente manter-se acordada", ela ouviu Drew gritar com ela através de um banho de escuridão. "Por favor, baby, abra os olhos. A ambulância deve estar chegando agora. Por favor, acorda, você tem que me dizer onde dói", ele continuou a gritar com voz em pânico. Ela não conseguia entender por que ele estava gritando. Ela estava apenas tentando dormir "Estou cansada", ela finalmente conseguiu murmurar, e sentiu as mãos dele vaguearem por todo seu corpo. Ela tentou se afastar, porque só queria dormir. Ele passou o braço e sentiu um tiro de dor para baixo, despertando-a. Seus olhos se abriram para olhar nos olhos aterrorizados dele, e toda a coisa voltou para ela. "Ouch", ela finalmente conseguiu passar por sua garganta apertada. "Eles estarão aqui em mais alguns segundos, você ouve as sirenes?", Ele disse a ela enquanto continuava correndo as mãos para cima e para baixo de seu corpo. "Ele tentou pegar minha bolsa. Eu tentei soltá-la, mas minha mão não obedecia meu cérebro", ela tentou explicar a ele. "Eu deveria ter estado com você e o bebê. Eu sinto muito. Se alguma coisa acontecer com você ou nossa filha eu nunca vou me perdoar", ele cuspiu enquanto esfregava o rosto e cabeça. "Me diz onde dói", suplicou ele. "Meu braço e costas doem" ela disse a ele com uma careta. "Ele cortou seu braço, e alguém disse que o viu empurrar você. Será que o seu estômago dói?", Perguntou a ela, com medo da resposta.


"Eu não sei Drew, minhas costas doem muito, e eu não posso dizer se meu estômago dói também", disse ela quando lágrimas começaram a escorrer pelo seu rosto. "Meu bebê", ela gritou enquanto suas mãos tateavam seu estômago. A ambulância parou e os paramédicos correram para fora. Eles perguntaram algumas coisas e colocaram um colar cervical sobre ela, antes de levanta-la para a maca. Drew não deixou seu lado em nenhum momento. Ele andou ao lado dela na ambulância, sussurrando garantias e segurando sua mão. Eles correram para a sala de emergência e um médico veio imediatamente. Eles a ligaram a todos os tipos de monitores, e logo ela pôde ouvir o som dos batimentos cardíacos de seu bebê. Tanto ela quanto Drew soltaram um suspiro de alívio ao ouvir o som forte. "O bebê não parece estar em qualquer perigo imediato, mas sua pressão arterial está colada no teto. Você deveria estar em repouso segundo essas notas que estou lendo, e não tinha que fazer nada na rua", o médico repreendeu. "Eu sinto muito, era apenas uma pequena caminhada", ela tentou explicar, mas estava sentindo um monte de sua própria culpa, e faria o que o médico pedisse a ela de agora em diante. "Nós vamos costurar seu braço e você vai ficar durante a noite, para que possamos acompanhar você e a criança. Se conseguirmos que sua pressão arterial baixe, então você poderá ser liberada amanhã, mas só se prometer ficar em repouso absoluto. Isso significa você ir de sua cama para o sofá, e de volta para a cama. Você não deve fazer caminhadas, e não poderá trabalhar. Você estará apenas descansando", o médico disse a ela severamente. "Eu entendo", disse ela, com muito medo de discutir com qualquer outra coisa que o homem dissesse. Ele cutucou e cutucou-a antes dela finalmente ser transferida para um quarto. Ela deu um suspiro de alívio quando os comprimidos que ele lhe deu começaram a fazer efeito, e então ela caiu num sono bem aventurado, ainda que sem entender como o dia podia ter começado tão bem, e terminado tão mal. Drew tinha ligado para sua família, e sabia que eles estariam lá à qualquer momento. Seus primos iam largar tudo o que estavam fazendo para estar ali apoiando-o. Família era prioridade para todos eles, e Trinity era sua futura esposa, mãe de seu filho, e estava deitada em uma


cama de hospital. Eles teriam ficado irritados com ele se ele não os tivesse chamado, na verdade. No segundo em que ela concebeu seu bebê ela tinha se tornado uma parte do apertado círculo familiar, querendo ou não. Ele também recebeu um telefonema enquanto estava andando pelos corredores. O banco aceitou sua oferta! Ele chamou mais algumas conexões para acelerar o processo. Queria se mudar dentro de um par de semanas, no máximo, para um lugar onde fosse capaz de cuidar dela muito melhor. Por fim, ele ligou para sua agência de trabalho temporário habitual, que já tinha começado a realizar entrevistas para uma equipe para a casa. Ele queria as coisas prontas para logo que tivesse as chaves. Continuando a andar pelos corredores, ele logo viu Derek e Ryan se aproximando. Eles o avistaram imediatamente e andaram em sua direção. Ele explicou tudo que aconteceu para eles, e eles o convenceram a sair um pouco para um café muito necessário. Jasmine estava bem atrás deles, e prometeu ficar com Trinity, no caso dela acordar. Ela tinha lágrimas de preocupação em seus olhos. Drew a puxou para perto em um abraço de gratidão por ela ter se casado com seu primo - ela foi uma bênção para sua família. Ela o enxotou embora quando se soltaram, e entrou para se sentar à cabeceira de Trinity. "Como diabos uma coisa dessas foi acontecer em plena luz do dia?", Disse Ryan, quando bateu sua caneca sobre a mesa. "Eu não gosto desse bairro. É a parte mais antiga da cidade, e as empresas têm que ter grades nas janelas à noite. Isso devia ser o primeiro indício de que ela não deveria estar andando naquela rua sozinha. Eu quero que ela saia de lá o quanto antes," Drew disse com veemência. "Eu concordo com você, Drew, mas tenha cuidado. Ela é teimosa, e você não vai querer que ela fique lá só porque você está dizendo para ela sair ", Derek tentou argumentar com seu primo. "Ela está com ordens restritas do médico para permanecer em repouso absoluto, então não tem nenhum inferno de escolha além de me obedecer por um tempo", disse Drew com satisfação. Ele sabia muito bem quão obstinada a mulher podia ser. Mas também sabia o quanto ela já amava sua filha, e que faria qualquer coisa para mantê-la segura.


"Bem, eu tenho algumas boas notícias para você", começou Derek. "Jasmine e Trinity estavam falando sobre abrir um negócio em conjunto, e elas encontraram um espaço incrível para isso. Nós o compramos ontem. Não é muito longe de onde estamos vivendo, e é numa área muito mais segura. Jasmine estava realmente vindo hoje para dizer a Trinity que conseguiu o lugar, e que elas poderiam seguir em frente com os planos agora", ele terminou. "Isso é ótimo, Derek, e eu vou me sentir muito melhor se ela não estiver vivendo ou trabalhando onde esta atualmente. E dessa forma elas terão uma à outra como companhia, também. Não gosto de Trinity trabalhando sozinha, e não me importo com o quão grande o bairro é", disse Drew. "Eu concordo com você plenamente. Vou falar com Jasmine sobre ter alguma ajuda extra, também. Ela planeja manter o bebê com ela, e vai precisar de mais pessoas para fazer as coisas funcionarem desse modo. Inferno, dinheiro não é problema, de qualquer maneira, mas sua segurança é", disse Derek. "Homem, estou feliz por eu não ter ninguém como vocês, porque tudo isso soa nada divertido", disse Ryan. Ambos, Derek e Drew, se viraram para encara-lo. "Seu tempo está chegando", Derek finalmente disse. Ryan apenas balançou a cabeça, com uma expressão de terror no rosto. Ele não estava pronto para ir por esse caminho ainda. "Não tão cedo", disse ele. Os três relaxaram, já que não havia um plano claro de ação imediato. Todos se sentiam melhores quando estavam planejando ou realizando algo. Nenhum deles gostava de se sentir impotente e, se alguém que amavam tinha um problema, eles sentiam esse problema como deles para resolver. Drew não estava ansioso para a conversa que teria com Trinity mais tarde, porem, novamente, ele era o homem de negócios que era justamente porque nunca recuava. Ele poderia lidar com qualquer situação, incluindo uma mulher muito irritada. Com esse pensamento ele sorriu em antecipação. Jasmine estava sentada ao lado da cama de Trinity, ansiosamente esperando-a acordar. Ela queria compartilhar suas notícias com ela mas,


mais importante, ela queria ouvir dela que estava bem. Se alguma coisa tivesse acontecido com aquela criança, isso teria destruído Trinity. Jasmine podia não conhecer a mulher há muito tempo, mas era mãe também, e sabia quão ligada era possível tornar-se com um filho, mesmo um que não tinha nascido ainda. "Ela ainda está dormindo?" Perguntou um homem quando entrou no quarto. Jasmine olhou para a linda criatura quando ele entrou e se sentou ao lado da cama de Trinity, ostentando uma expressão preocupada. "Ela não se mexeu, ainda. Sou Jasmine", disse ela, oferecendo a mão. "Eu sou Damien Whitfield, melhor amigo de Trinity. Drew ligou e me contou o que aconteceu", disse ele, sacudindo a mão dele e, logo em seguida, retornando à cabeceira da Trinity. Jasmine ficou aliviada ao ouvir que ele era um amigo; caso contrário, poderia ter havido uma briga no quarto do hospital. Drew era um pouco territorial, especialmente com Trinity carregando seu filho. Trinity começou a se mexer e finalmente abriu os olhos. Ela olhou em volta e viu Jasmine e Damien, e seu rosto se iluminou com um sorriso. Foi bom para ela ver seus amigos. "Como você está se sentindo?", Perguntaram ao mesmo tempo, o que fez Trinity sorrir. "Eu já tive dias melhores", ela tentou brincar, mas sua voz saiu muito rachada. Ela estremeceu com o som de sua própria voz enfraquecida. "Eu sinto muito sobre o que aconteceu," Jasmine disse a ela, com lágrimas nos olhos. Damien ficou lá, esfregando sua mão e lhe dando tempo para reunir um pouco de força. "Foi tudo culpa minha; Eu não deveria ter estado lá, em primeiro lugar. O médico me disse para ficar na cama, mas eu estava determinada a verificar minha loja", disse Trinity. "Trinity, você está sempre colocando muita pressão sobre si mesma. Não comece a jogar o jogo da culpa agora, isso só vai lhe causar mais stress. Eu tinha que vir e verificar a você por mim mesmo, mas agora tenho que voltar para os escritórios. Prometa-me que vai ligar assim que se sentir melhor", disse Damien.


"Eu prometo. Eu te amo", disse ela. Ele se abaixou e beijou a testa dela rapidamente antes de partir. Trinity estava grata por ele vir. Ele estava sempre tão ocupado com seu negócio que ela não chegava a vê-lo o suficiente, especialmente estando ela própria grávida e cansada o tempo todo. "Estou feliz que você trouxe a loja, porque tenho uma grande notícia para compartilhar com você", disse Jasmine, puxando sua atenção para longe da porta por onde Damien tinha apenas passado. "Eu fui checar o lugar de que falamos, e havia outra pessoa que tinha feito uma oferta por ele. Eu não queria perde-lo, de modo que Derek fez-lhes uma oferta que não poderiam recusar, e eles aceitaram. A loja é nossa. Eu sei que deveria ter esperado por você, mas nós podíamos ter perdido o negocio, e eu realmente quero trabalhar com você", concluiu Jasmine. "Isso é tão grande Jasmine, mas eu ainda não descobri se posso pagar", disse Trinity com algum pesar. Ela realmente queria compartilhar um espaço com Jasmine, mas se recusava a aceitar qualquer caridade. Ela não me sentiria bem com isso. "Não se preocupe com nada disso agora. Nós vamos trabalhar com isso. O ponto é que temos o espaço, e podemos passar o dia escolhendo o que reformar, de modo que Ryan possa começar a remodelação imediatamente," Jasmine disse a ela. Ela estava tão animada sobre isso que Trinity não podia evitar ficar igualmente envolvida. Jasmine tinha trazido um pouco de papel e as duas mulheres passaram a hora seguinte planejando como queriam que a loja ficasse. Ambas estavam rindo como crianças enquanto colocavam suas idéias no papel. Trinity podia imaginar o produto acabado em sua mente, e era espetacular. Ela mal podia esperar pelo dia da abertura. Pelo menos isso lhe daria algo para fazer enquanto estava presa em repouso na cama. Ela não era uma pessoa que podia ficar parada por muito tempo, e sabia que a inquietação ia ser difícil. Mas faria isso pelo bebê. Os homens voltaram, e as meninas continuaram com seus planos em silêncio. Elas estavam alheios a qualquer coisa além de sua futura loja. Os homens sentaram em volta delas fazendo beicinho quando foram completamente ignorados.


"Acho que já temos tudo planejado. O que você acha?", Perguntou Trinity quando elas olharam para o que estavam fazendo. "Eu acho que esta perfeito," Jasmine concordou. As duas mulheres se abraçaram novamente. "Aqui está, Ryan, o lugar é todo seu, para torna-lo perfeito para nós", disse ela. "Isso é uma ordem exigente," Ryan respondeu. "Temos total confiança em você", disse Jasmine com um sorriso. "Vou tentar merecê-la", respondeu Ryan. Jasmine sabia que ele estava apenas sendo modesto. O homem era um gênio com qualquer tipo de material de construção. Ele se especializou em remodelação de locais históricos, e seu trabalho era muito requisitado. Ele tinha trabalhos ilimitados alinhados, mas deixaria tudo de lado para trabalhar para elas. Ela o amava demais por isso. "Você sabe que é o melhor", disse Jasmine quando o beijou na bochecha. "Se eu continuar recebendo recompensas como essa, estarei sempre à suas ordens", disse ele com um sorriso maligno. Ele então se virou para Trinity e balançou as sobrancelhas. Ela riu e mexeu os dedos, pedindo para que ele se aproximasse. Ele se inclinou e ela o beijou no rosto. "Ok, isso já é o suficiente," Drew rosnou quando olhou para seu primo. "Ei, eu sou irresistível", disse Ryan com um encolher de ombros. Ambas as mulheres riram dos primos, e Ryan apenas continuou a rir com elas. Não havia nada melhor do que irritar seus primos. Ele sabia que os dois homens estariam lá ajudando-o a deixar o lugar pronto, simplesmente porque suas mulheres queriam algo e isso significava que eles iriam tê-lo imediatamente. "Ok, todos para fora agora. Trinity precisa descansar um pouco," Drew disse a sua família. Estava ficando tarde e ela estava parecendo muito cansada. Ele também não ia ter qualquer dificuldade para dormir, mesmo no sofá hospitalar desconfortável. Os membros da família abraçaram Trinity e lhe desejaram melhoras, e então se foram. Seu jantar foi trazido e ela comeu tudo, mesmo fazendo caretas para os sabores pobres. Depois que ela terminou


não conseguiu manter os olhos abertos por muito mais tempo, e logo adormeceu. Drew se encolheu no sofá, mesmo que ela tivesse afirmado que ficaria bem sozinha se ele quisesse sair. Ele ia dormir muito melhor lá, onde sabia que podia disponível no caso dela precisar dele.


"Ok, Mathews, vou liberar você hoje, mas só se você prometer que não vai ficar sozinha e que vai ficar em casa", disse o médico para ela no dia seguinte. "Eu prometo", disse ela. Ela realmente queria sair do hospital. Estava disposta a prometer qualquer coisa para sair de lá. "Eu vou estar com ela o tempo todo, e vou me certificar de que ela não faça nada para prejudicar a si mesma ou a nossa filha", disse Drew. "Ok, então Sr. Titan, eu vou deixa-la sob seus cuidados", o médico lhe disse, como se ela fosse uma criança que não sabia como se comportar. Ela olhou para eles novamente antes de assinar os documentos de liberação. Trinity não perdeu tempo, se preparando rapidamente e se dirigindo para as portas da frente. Ela não estava feliz em ter que ser empurrada para fora em uma cadeira de rodas. Tinha certeza que o período de repouso ia ser ainda pior do que imaginava. Drew os levou para o apartamento dela e a seguiu até as escadas. Ele tentou carregá-la, mas ela bateu o pé. Não era uma inválida que não podia andar. Ele cedeu quando ela concordou em caminhar muito lentamente. Ela rangeu os dentes, mas subiu lentamente as escadas. Quando Drew olhou ao redor do pequeno quarto ficou muito grato em saber que o novo local estaria pronto em breve. Eles estariam em prisão domiciliar pelos próximos dias, e ele ficaria louco se tivesse que ficar no pequeno espaço por muito tempo. Ele descobriu-se bastante simpático com os presos depois disso. "Sente-se, e eu vou pegar algo para você comer", disse ele. Pela primeira vez ela realmente o ouviu, sem discutir. Ele sentiu que esse era um bom começo. Rapidamente fez um sanduíche e um pouco de sopa, e sentou-se com ela no sofá enquanto ela comia. "Isso é bom, obrigada", ela disse a ele. Ela estava morrendo de fome depois de dias comendo apenas a comida horrível do hospital.


"Eu preciso falar com você sobre algumas coisas", ele começou. Ela olhou para ele com curiosidade. Ele sabia que a conversa ia ser uma batalha, e não queria levantar a pressão arterial dela mais do que o necessário. "Vá em frente e cuspa", disse ela com um sorriso encorajador. "Eu comprei uma casa nova. É muito perto de Derek e Jasmine", ele começou. "Isso é ótimo, você deve estar animado. Você realmente não tem que ficar aqui e tomar conta de mim se quiser se instalar", ela disse a ele. "Eu comprei o lugar para nós", disse ele, olhando nos olhos dela. Suas faces coraram e seus olhos se arregalaram em choque. Ele tinha que se lembrar de manter a calma, de modo a não aumentar sua pressão arterial. Ele teria que ser firme, mas poderia manter seu temperamento sob controle. "Eu... você... não somos um casal", ela cuspiu nele. "Trinity, somos um casal. Somos sexualmente compatíveis, gostamos de estar juntos e ainda por cima estamos tendo uma criança. Vamos nos casar, e eu não estou disposto a lhe dar mais tempo para se acostumar com isso. Você está sob ordens médicas para não ficar sozinha, e deve permanecer em repouso completo. Este lugar é pequeno demais para duas pessoas ficarem confortavelmente, por isso faz todo sentido você morar comigo agora", ele disse a ela. "Eu estou bem em meu próprio lugar," ela disse a ele enquanto cruzava os braços sobre o peito. Drew soltou um suspiro de frustração. Sabia que isso ia ser difícil, mas ainda o frustrava. "Olha, eu não quero ser um idiota, Trinity, mas você não está segura aqui, o que significa que minha filha também não está. Você é tão egoísta a ponto de pôr em perigo a nossa filha por causa de seu orgulho?", Perguntou ele. Ele a viu chupar uma respiração em estado de choque. Quis levar as palavras de volta assim que as disse, mas ainda precisava convencê-la a se mudar, e não conseguia pensar em outra maneira menos direta. Embora realmente não quisesse ir por esse caminho. "Eu amo minha filha, Drew," ela finalmente disse a ele.


"Eu sei que ama, Trinity, e isso foi uma coisa mesquinha para dizer, eu sinto muito. Como você se sente sobre um compromisso, porem? Você terá que ficar em repouso por um tempo, provavelmente durante o resto de sua gravidez", disse ele. Ela lhe deu a cortesia de pelo menos ouvir. "Fique comigo até depois do bebê nascer, para que eu possa ajudar a cuidar de você. Se nós não conseguirmos resolver as coisas até então, poderemos reavaliar nossa situação. Você sabe que este apartamento é pequeno demais para um bebê, de qualquer maneira", tentou argumentar com ela. Ela realmente não conseguiu encontrar nada de errado com o que ele estava sugerindo. Ela já estava muito ligada ao homem, e seria muito difícil manter distância se eles estivessem vivendo juntos, mas ele estava tentando ser um bom pai. E isso era mais importante do que qualquer outra coisa. Ela ainda não tinha certeza, no entanto. "Eu não acho que estou pronta para isso, Drew", disse ela, embora estivesse começando a repensar. Drew podia ver que ela estava lutando contra si mesma, tanto quanto lutava contra ele, o que lhe deu confiança. Ele sentou com um sorriso de satisfação. "Eu não posso ficar neste lugar, iria me enlouquecer. Então você pode se mudar para a grande casa comigo, onde você vai ser atendida e completamente mimada, ou eu vou sair e você vai ter que voltar para o hospital, porque o médico disse que não era para você ficar sozinha", ele disse a ela com muita confiança. Ela olhou para ele por alguns minutos, tentando fingir coragem, mas sabia que ele estava bem ciente do quanto ela odiava aquele hospital. Ele estava chantageando-a, pura e simplesmente. Ela preferiria estar em qualquer lugar que não fosse o quarto estéril do hospital. Ela estava considerando isso, porém, apenas para que ele não pudesse ter tudo a sua maneira mas, em seguida, ela só estaria punindo a si mesma se voltasse para o hospital, o que não faria nenhum dos dois vencedores. "Tudo bem, Drew, eu vou morar com você, mas quando estiver melhor falaremos sobre isso de novo", ela disse a ele com relutância. Ele jogou os braços ao redor dela com emoção e pegou o laptop, para que ela pudesse ver a casa que ele tinha escolhido. Ela estava definitivamente impressionada. A casa era bonita e maior do que qualquer coisa que ela


estava acostumada. Seria difícil sair uma vez que ela vivesse nela. Ela tentaria não se afeiçoar, porem. As semanas se passaram muito lentamente no apartamento apertado. Trinity estava realmente animada para sair de lá, porque o espaço era pequeno demais para ela e Drew. Ele estava em toda parte e, quanto mais ele estava ao seu redor, mais difícil era de lembrar as razões pelas quais não podia se envolver com ele. Ela também estava incrivelmente nervosa, uma vez que não tinha permissão para sair. Ele prometeu a ela que ia preparar uma sala de estar externa no novo local, para que ela pudesse obter algum ar fresco. Ela se sentou no sofá enquanto ele embalava todos os seus pertences. Ela se sentiu um pouco auto consciente quando ele passou por tudo que possuía, mas ele encarou a tarefa como ela tinha certeza que encarava seus negócios. Ele foi metódico quando arrumou suas coisas, rotulando cada caixa antes de passar para a próxima. "Estou realmente feliz por estar terminando, porque tenho que confessar que ficar preso neste armário de apartamento está começando a me deixar louco", disse ele, quando terminou outra caixa. "Você pode sair à hora que quiser", ela retrucou, um pouco irritada consigo mesma. "Eu estou lidando com isso, e é apenas por mais um dia", disse ele, optando por ignorar a má atitude dela. "Eu liguei para o Exército da Salvação e eles vão estar aqui no início da manhã, para pegar o mobiliário que não estamos mantendo", completou. "Eu acho que o mobiliário está perfeitamente bom; não vejo por que não podemos usá-lo", ela virou para ele. Seus pés estavam inchados, mais uma vez, o lugar não tinha ar-condicionado, e ela estava pronta para morder a cabeça de alguém. Pobre Drew: era a única pessoa ao redor. "Eu não estou tentando me livrar do seu mobiliário, Trinity, e você sabe disso, mas vamos lá, algumas dessas peças têm fita adesiva para mantê-los juntos," ele disse a ela, com muito mais paciência do que ela merecia. Ela não ia lutar muito duro com ele sobre o assunto, até porque tinha comprado os móveis de segunda mão a um preço excelente, e tinha certeza que poderia ganhar bastante agora na revenda. Mas também não


gostava dele desprezando suas coisas. Era simplesmente uma questão de orgulho. "Você sabe que eu não vou ser uma mulher sustentada, não é? Só porque nós teremos um filho juntos não significa que você vai tomar conta da minha vida", ela retrucou. Ele sorriu para ela. A verdade é que ele achava seu mau humor divertido. Ele também amava como ela era independente e que não tivesse medo de falar umas verdades para ele. Havia muitas pessoas com medo de falar honestamente com ele. Ele não estaria se apaixonando por ela se ela fosse igual às outras pessoas em sua vida. "Eu nunca pensei em você como uma mulher sustentada", ele finalmente conseguiu dizer sem rir. Ela ainda podia ver o sorriso em seus olhos, porem, e olhou ainda mais fixamente para ele. Ele se virou e começou a trabalhar em outra caixa. Ele a ouviu resmungar alguma coisa, mas optou por ignorar. Ela estava tentando comprar uma briga com ele por dois dias e, em vez disso irritá-lo, era incrivelmente divertido. Ele sabia que ambos se sentiriam melhores quando fossem para o novo lugar e tivessem um pouco mais de espaço. Ele também sabia que seria útil ter Jasmine visitando-a, para que as mulheres pudessem fazer a coisa de conversa de garota que ele simplesmente não entendia. "Eu acho que é hora de começar a arrumar suas roupas", disse ele. Ele estava francamente ansioso por isso. As bochechas dela ficaram rosa com o pensamento dele passar por sua roupa íntima. "Eu posso fazer isso eu mesma", ela resmungou. "O médico disse repouso absoluto, então você pode, no máximo, deitar na cama e me dirigir", disse ele, com um sorriso malicioso e um abanar de sobrancelhas. Isso fez com que ela ficasse ainda mais vermelha. "Você pode me ajudar com o meu armário, mas eu vou cuidar da cômoda," ela finalmente disse, dando-lhe um olhar. Não havia nenhuma maneira que ela o deixaria embalar sua gaveta de calcinhas. Parecia que ele ia discutir um pouco mais, mas finalmente pareceu perceber que ela não iria recuar. Ele deu de ombros então, e eles se dirigiram para o quarto. Ela deitou na cama e seus olhos começaram a ficar pesados logo em seguida, e em pouco tempo ela adormeceu enquanto ele se movia silenciosamente ao redor da sala. Drew a cobriu com o cobertor dobrado


ao pé da cama e gentilmente a beijou na testa, saindo em seguida, para deixa-la descansar. A empresa de mudança, por sua vez, estava chegando pela parte da manhã, e a maioria da casa já estava embalada. Por isso Drew foi para a cidade por um tempo. Ele tinha que sair do apartamento. Ele chamou os primos e os três se reuniram em sua loja de móveis favorita. Ele até descobriu que estava se divertindo enquanto eles escolhiam o mobiliário para a casa nova. Ele normalmente deixou decoradores profissionais se responsabilizarem pelos resorts, raramente escolhendo suas próprias peças, mas queria mobiliar sua casa ele mesmo. Ele pegou alguns catálogos também, então Trinity poderia escolher as cortinas e outros materiais decorativos. Ele estava focado principalmente na obtenção de móveis para que eles tivessem um lugar para comer e sentar, por exemplo. Eles entraram na seção infantil e ele olhou ao redor para toda a mobília do bebê, completamente perdido. Não tinha ideia do que comprar para sua filha. Derek pegou o telefone e ligou para Jasmine quando percebeu sua confusão. Ela correu até lá em seguida, mais do que feliz em ajudar. Dentro de uma hora após sua chegada eles tinham um berçário totalmente abastecido. Ele olhou para o berço, imaginando sua pequena filha dormindo nele, e teve que lutar contra as emoções. Ele não podia acreditar que ia ser pai em um curto espaço de tempo. Estava acontecendo tudo tão rápido. O médico não achava que Trinity completaria o total de quarenta semanas. Ele esperava que a gestação durasse, pelo menos, trinta e seis semanas, embora. Ele parou por alguns anexos e voltou para o apartamento. Trinity estava apenas começando a acordar quando ele entrou pela porta. Ela saiu para a sala de estar meio grogue e esfregando os olhos. "Algo cheira celestial", disse ela, quando seu estômago roncou com prazer. Drew riu enquanto suas bochechas ficavam rosa. Ele amava quão fácil ela era de ler. "Eu não posso esperar para esta criança nascer, para que eu possa voltar a comer como um ser humano normal. Estou com fome o tempo todo", disse ela um pouco timidamente. Ela pode ter ficado um pouco constrangida, mas ainda pegou um rolo de ovo e começou a comer avidamente.


"De acordo com o médico, você não está comendo o suficiente", disse ele, enquanto fazia pilhas de alimentos em seu prato. Ela balançou a cabeça para ele e começou a comer do prato que ele serviu. Ela não entendia como não estava recebendo comida suficiente quando parecia que estava comendo o tempo todo. O bebê estava tomando todo o espaço em seu estômago, porém, então talvez fosse esse o motivo pelo qual ela não podia colocar tanta comida lá dentro. Quando ela tinha terminado cerca de um quarto do que estava servido do prato ela o empurrou para longe, fazendo com que Drew olhasse para ela com desaprovação em seus olhos. Ele empurrou o prato de volta para ela, o que ela decidiu simplesmente ignorar. Ela não podia se forçar a comer e, além disso, sabia que estaria com fome novamente em cerca de uma hora. Drew rastejou na cama com ela naquela noite, como tendia a fazer a cada noite, e ela caiu rapidamente em um sono repousante. Ele não tinha tentado fazer amor com ela novamente, mas tinha se convencido que o sofá era pequeno demais para ele para dormir. Ela se sentiu mal por ele, já que ele estava colocando sua vida em espera para cuidar dela. Além disso, ela dormia melhor com ele segurando-a. Era ótimo estar em seus braços, e ele era ótimo suporte para as costas. Ambos acordaram tarde na manhã seguinte, e tiveram que correr ao redor antes que os carregadores aparecessem. Ela cuidou dos itens de última hora que precisavam ser embalados, e ainda queria fazer uma pesquisa final de seus armários e gavetas, para se certificar que não estava deixando nada para trás. Ela ainda estava terminando quando o Exército da Salvação chegou para buscar sua mobília. Sinceramente, ela estava um pouco triste ao ver seus itens serem levados embora. Os homens agradeceram a doação. O apartamento parecia muito vazio quando não sobrou nada exceto um monte de caixas. A empresa de mudança chegou poucos minutos depois dos outros homens, e os carregadores deixaram seu apartamento vazio dentro de uma hora. Drew enviou os homens à frente, já que já tinha contratado alguns membros do pessoal que poderiam recebê-los na nova casa. Ela olhou em torno do apartamento vazio, se certificando de que não tinha esquecido nada. Ele estava completamente vazio. Houve uma batida na porta em seguida, e um casal de mulheres entrou carregando material de limpeza. Ela mantinha o lugar impecável, mas uma limpeza final tinha que ser feita. Drew não a queria em torno de produtos


químicos e tinha insistido em contratar uma empresa para fazer a limpeza por ela. Ela não tinha discutido com ele, e ficou até mesma aliviada ao ter alguém para fazer o trabalho duro. Ela entregou as chaves para o gerente quando estava tudo dito e feito, e saiu do lugar que tinha chamado de casa nos últimos pares de anos. Drew a ajudou delicadamente a embarcar em seu carro, e então eles foram para a casa nova. Ela só tinha visto fotos on-line, e estava ansiosa para vê-la pessoalmente, embora as imagens fossem certamente impressionantes. Eles entraram no portão trancado e dirigiram até a calçada. A van de mudança estava estacionada na garagem, e havia outra van de uma empresa de mobiliário também. Ele disse a ela que tinha comprado a mobília. Ele também trouxe um monte de catálogos e pediu que ela decorasse a casa. Ela tinha estado muito cansada na noite anterior para folheá-los, mas teve que admitir que estava ansiosa para começar agora. Ela nunca teve dinheiro para decorar sua casa do jeito que queria. E ela achou que, mesmo que não fosse ficar ali por muito tempo, esse seria seu presente para ele, decorar o lugar lindamente. Ela sabia que tinha um grande olho, que foi o motivo pelo qual tinha escolhido ser uma florista. Era uma forma de arte criar um buquê para alguém que estava tendo um dia especial. Trinity estava com os olhos arregalados enquanto caminhava através das portas da frente. O lugar era enorme e deslumbrante. Era mais como um de seus resorts do que uma casa. Ela vagou de quarto em quarto, arfando de prazer. Havia até mesmo uma biblioteca, semelhante a da casa de Jasmine. Drew disse que esse não era tão grande quanto o lugar de Derek, mas ela estava pensando que ele estava errado. Ela não entendia por que alguém precisava de tanto espaço. Ela andou através das portas francesas e ficou encantada ao descobrir uma cozinha ao ar livre. Ela sempre quis ter uma dessas. Ela podia imaginar sua filha brincando na piscina enquanto ela grelhava o jantar e, em seguida, eles poderiam comer sob as estrelas. Tudo foi perfeito em muitas maneiras. Não seria fácil voltar a viver em um apartamento depois de residir nesta casa.


Os carregadores continuaram descarregando o mobiliário, e ela ficou impressionada com tudo que ele escolheu. Ele tinha bom gosto, e ela não podia imaginar ter escolhido qualquer coisa diferente. "Eu quero lhe mostrar uma coisa. Mas, lembre-se que se não gostar de nada disso nós podemos simplesmente devolver tudo e conseguir o que você quiser. Eu só quis ajudar, já que você está em repouso na cama", ele disse a ela quando eles lentamente fizeram seu caminho até a bela escadaria. Ele abriu a porta, e ela imediatamente sentiu algumas lágrimas caírem quando entrou na sala. Esse quarto estava totalmente abastecido com a mobília do bebê. Drew tinha pensado em tudo. Ela caminhou até a exuberante cama de dossel e olhou para dentro, animada para o dia em que sua filha iria lançar sua pequena cabeça lá dentro. "Eu não escolhi qualquer das roupas de cama ou qualquer dessas coisas porque Jasmine disse que você iria querer escolher seu próprio tema, mas ela disse que você poderia gostar desta madeira de cerejeira", disse ele, apreensivo. Ele não podia dizer por suas lágrimas se ela tinha gostado ou odiado. Então ele apenas ficou lá, esperando o veredicto. Ela caminhou até ele e o envolveu em seus braços, tanto quanto sua grande barriga permitia. "Obrigada, Drew, é tudo perfeito", ela disse com uma fungada. Quanto mais dessas coisas ele fazia, mais ela percebeu o quão difícil ia ser deixa-lo. Havia uma linda mesa de troca e uma cômoda, e o quarto tinha até um closet! Ela não entendia a necessidade de um closet em um quarto do bebê, mas tinha certeza de que ele gostaria de encher as prateleiras. Ele definitivamente ia ser o tipo de cara para estragar sua filha. Mesmo quando eles não estivessem mais juntos, ele certamente ia mimar e amar sua filha. Trinity sentiu muita dor no pensamento deles não estarem mais juntos, então decidiu não pensar nisso. Havia uma cadeira de balanço incrivelmente convidativa não muito longe do berço. Ela se aproximou e sentou, suspirando quando afundou profundamente no estofamente macio. A cadeira era luxuosa e deslizou suave e silenciosamente para trás. Ela podia sentir o peso dos olhos de Drew enquanto se balançava levemente e registrava os detalhes do quarto.


Ele apertou um botão e um banquinho apareceu, para amortecer seus pés inchados e inclinar ligeiramente suas costas. Ela podia se sentir caindo no sono, mas decidiu não lutar contra isso. Ela estava cansada do dia agitado, e tinha a sensação de que ia dormir muitas vezes na cadeira maravilhosa. Drew assistiu Trinity quando ela fechou os olhos e caiu no sono. Ela era tão incrivelmente bela que era difícil para ele tirar os olhos dela. Ele sabia que ainda tinham um caminho a percorrer, mas também sabia que não podia desistir dela. Eles eram uma família, e ele faria qualquer coisa para os manter juntos. Ela tinha começado a perceber o quão importante era para ele que eles ficassem juntos. Ele comprou a casa e, com ela decorando e se estabelecendo, ele sabia que ela não iria querer sair. Era muito difícil para ele não exigir que ela se dobrasse a sua vontade, mas ele descobriu rapidamente que esse tipo de atitude não funcionava tão bem com ela. Algum nível leve de coação tinha funcionado muito melhor para ele do que a força. Ele tinha acabado de fazer a vida muito atraente para ela querer sair. Ele sabia que seu maior obstáculo era convencê-la de que ele não era nada como os outros homens de negócios que ela tinha namorado no passado. Ele mentiu para ela no começo, sim, mas ela tinha que entender o porquê. Talvez ela fosse confiar mais nele quando percebesse que ele tinha colocado a casa no nome dela, e que não queria nada dela além de seu amor. Ele colocou um cobertor em volta dela, feliz que ela estava descansando, e voltou a descer as escadas para arrumar as coisas. Seus primos estariam ali a qualquer momento para ajudá-lo. Ele tinha muito o que fazer se queria a casa arrumada ao invés de cheia de caixas. Quanto mais cedo ela visse como a casa ficaria arrumada, melhor seria para ele.


"Este lugar é bonito, Trinity", disse Jasmine com entusiasmo enquanto caminhavam pela porta da frente juntas. "Estou à espera de sua chamada para preencher essa biblioteca", acrescentou. "É muito grande, mas isso é apenas temporário, então eu não quero acrescentar muito neste momento", disse Trinity com alguma cautela. Jasmine preferiu ignorar o comentário. "Eu adoraria passar por esses catálogos com você, se você precisar de alguma ajuda. Mas precisamos ficar escondidas em cima do sofá antes que seu diretor ache que você está em seus pés", disse ela com uma risada. Trinity sabia que ela estava brincando, mas a verdade era que não tinha errado por muito. Drew parecia ter um radar para encontra-la quando se levantava por mais de alguns segundos. Ela estava pensando que ficar presa nesta cama iria elevar sua pressão arterial muito mais do que se ela desse um simples passeio ao redor. "Eu realmente aprecio isso. É tudo um pouco esmagador, mas desde que eu realmente não posso ir a qualquer lugar, ou fazer qualquer coisa física por agora, é uma espécie de alivio ter algo para fazer," Trinity disse a ela. Então as duas mulheres se sentaram e logo tinha acumulado o cartão de crédito com compras. Trinity não teria comprado nem metade dos itens, mas Jasmine insistiu. Além disso, ela estava irritada com Drew, por ser tão cão de guarda, e estava esperando irritá-lo um pouco com os gastos, mesmo que fossem para sua própria casa. "Esses meninos têm muito dinheiro, e ele precisa ser gasto", disse Jasmine com uma risada. Trinity teve a sensação de que ele não iria nem perceber a mordida que havia feito à sua conta bancária. Ela, porem, teve o prazer de sua pequena birra. Mas ela estava realmente gostando de escolher as coisas do bebê, e mal podia esperar para os itens serem entregues. Ia ser tão emocionante ver o berçário depois de pronto.


O cozinheiro trouxe o almoço por volta do meio dia, e elas comeram enquanto olhavam os muitos catálogos. Uma vez que elas tinham terminado com os itens de decoração, Jasmine tirou uma bolsa com um monte de outros catálogos. "Ryan está a meio caminho de terminar com o trabalho de remodelação em nossa loja, então agora vem à parte divertida. Nós já podemos começar a encomendar alguns suprimentos. Acho que trouxe tudo que você precisa para arrumar seu departamento floral. Esta empresa vai entregar todas as prateleiras, e montá-las. É um espaço maior do que o que você tem hoje, assim você terá mais área de visualização. Eu também encontrei esta grande empresa para artigos de presente. Sei que a minha porção é suposto para ser o café, mas eu adoraria ajudar com a seção de presentes também. Eu amo esse tipo de coisa", disse Jasmine, com entusiasmo. "Eu sempre quis ter uma loja maior, mas estou no escuro com o que precisa ser feito, por isso estou mais do que feliz que você quer ser uma parte dela", disse Trinity. As duas mulheres olharam as revistas e foram ficando mais e mais animadas conforme foram decidindo tudo. Drew e Derek vieram um par de vezes e, em seguida, decidiam as deixar de novo, em vez de ficar instigados a olhar para a infinidade de itens que as mulheres pensavam que eram tão maravilhosos. Eles estavam acostumados a lidar com fusões e edifícios - sempre deixaram a parte de decorar para outras pessoas. Eles só concordaram com as mulheres que os itens eram de morrer, e escaparam rapidamente dali. Jasmine estava certa sobre ele não se preocupar com os itens adquiridos, no entanto. Ele não tinha sequer piscado quando ela tinha lhe mostrado o enorme pedido. Ela não conseguia parar de pensar o que poderia fazer para ficar sob sua pele. Uma vez que as mulheres tinham terminado a compra de metade dos itens nos catálogos, já estava ficando tarde. Trinity estava um pouco preocupada como os custos, que continuavam indo para cima e para cima, mas Jasmine tranquilizou sua preocupação dizendo que tudo era fenomenal e que elas venderiam tudo rapidamente, e por isso precisavam fazer ainda mais encomendas. Trinity estava pensando que poderia ser realmente bem sucedida com esta loja. Ela ficou além de animada.


No momento em que o bebê chegasse tudo estaria pronto, e ela seria capaz de apreciar o trabalho em sua loja. A grande coisa sobre ser uma empresária era que ela podia levar a filha para trabalhar com ela porque não havia nenhuma maneira que ela queria um estranho para criar sua filha enquanto ela trabalhava o dia todo. As duas meninas, a dela e a de Jasmine, seriam muito próximas crescendo juntas. Ela estava agradecida que elas teriam umas a outra para conviver. Ryan até mesmo projetou a construção de uma área de recreação, o que beneficiaria suas filhas, e os filhos de seus clientes também. Era algo que ela não teria sequer pensado. No momento em que terminou o jantar, ela estava exausta e pronta para ir para a cama. Jasmine lhe deu um grande abraço e saiu com Derek, e então ela ficou sozinha com Drew pela primeira vez naquele dia. Ela começou a ficar um pouco nervosa enquanto pensava sobre a noite em frente. Eles nunca haviam discutido arranjos de dormir. Ele a levou até as escadas e abriu as portas para o quarto principal, e ela ficou muito impressionada. Os meninos tinham estado ocupados enquanto ela e Jasmine tinham ficado descansando ao redor e gastando dinheiro. "Wow, Drew, este quarto é realmente espetacular", ela disse a ele enquanto olhava em volta. Ela entrou no enorme closet e notou que estava cheio de roupas, tanto dela quanto dele. "Eu não acho que é uma boa ideia nós compartilharmos um quarto," ela finalmente disse. Ele passou os braços em volta dela e olhou em seus olhos. "Eu sei que as coisas não têm sido perfeitas e que eu tenho meio que intimidado você para esta situação, mas temos dormido na mesma cama nos últimos dias, e foi muito agradável. Não vou pressioná-la para o sexo antes que esteja pronta, mas não estou cedendo sobre a situação de dormir", disse ele. Ele disse as palavras com aço em sua voz, mas suas mãos eram gentis, enrolando-se em seu corpo. Ela não gostava que lhe dissessem o que fazer, e estava tentada a chutar a canela dele e ir encontrar outro quarto para dormir, apenas para contrariá-lo. Como se ele pudesse ler sua mente, ele sorriu para ela. "Eu sabia que você ia tentar lutar comigo sobre isso, e essa é a razão pela qual não há outras camas na casa", disse ele, um pouco presunçoso. Ela olhou um pouco mais para ele. Havia alguns sofás confortáveis em que ela poderia dormir.


"Oh, vamos lá, não é tão ruim dormir comigo", disse ele com um suspiro de frustração. "Tudo bem, eu vou dormir aqui esta noite, porque estou exausta, mas não estou me aconchegando em você", disse ela. Ela sabia que soava como uma criança mal-humorada, mas era frustrante quando ele sempre parecia conseguir as coisas como queria. Ele deu de ombros, e começou a tirar suas roupas. Trinity não podia respirar quando ele estava diante dela vestindo nada alem de sua cueca. O homem era tão incrivelmente sexy parado ali de pé diante dela, com o peito e abs de Adonis. Conforme seu olhar continuou a baixar por seu corpo, sua respiração foi sugada quando ela viu o local de sua excitação muito óbvia esticando a frente de sua boxer. Quando seus olhos voltaram para o rosto dele, ele sorriu maliciosamente para ela. "Tudo que você tem que fazer é pedir, e nós dois poderíamos ir dormir saciados esta noite", ele sugeriu. Ela estava muito tentada a pegar sua oferta, mas estava lutando consigo mesma sobre o que fazer. Ela realmente o queria, e só olhar para o seu belo corpo tinha enviado seu pulso em disparada, fazendo calor fluir para o seu núcleo. Ela não entendia como ele podia possivelmente querê-la, com seu estômago tão inchado, mas ele obviamente não estava desligado por seu corpo sempre em expansão. Ele decidiu não força-la a nada, mas não estava acima de seduzir sua mulher. Ele podia ver o desejo em seu rosto, que era algo que ele não podia resistir. Ele chegou mais perto e trouxe seus lábios até os dela em um beijo carinhoso. A única parte em contato de seus corpos eram seus lábios, mas ela podia se sentir balançando na direção dele. Sua mente obstinada podia estar dizendo não, mas seu corpo alerta sabia exatamente o que queria. Ela não pôde resistir quando ele a acariciou com tanta delicadeza. Ele correu sua língua ao longo de seus lábios e suavemente beliscou sua boca. Ela gemeu pelo puro prazer de suas carícias, abrindo a boca para ele deslizar para dentro. Ele acariciou sua boca, fazendo-a tremer com a necessidade. Sua língua imitava o que ele gostaria de fazer com seu corpo enquanto ele deslizava para dentro e para fora de sua boca, acariciando seus lábios.


Suas mãos finalmente correram até seus lados e deslizaram sob sua camisa, acariciando a barriga arredondada até finalmente alcançar seus seios doloridos. Os mamilos já estavam no auge, antecipando seu toque. Quando ele finalmente passou as palmas das mãos sobre os botões apertados seu corpo inteiro estremeceu de prazer. Ele quebrou o beijo por tempo suficiente para puxar lentamente a camisa sobre a cabeça, e então juntou seus lábios novamente. Ele estava se movendo lentamente, e ela sabia que podia parar a sedução a qualquer momento. O conhecimento deste poder quase a levou de joelhos. Ele ainda estava forçando sua vida amorosa até ela, mas estava seduzindo-a lentamente. Ela achava que nem um terremoto poderia impedi-la de chegar até ele agora. Ela precisava dele, e não havia nada de errado com isso. Ela precisava ser amada de uma maneira que só ele podia fazer. Sua respiração encurtou quando o beijo se aprofundou. Quando seu corpo respondeu a suas carícias ele sabia que ela não iria nega-lo, e seu corpo tremeu de necessidade. Ele tinha que possua-la, ou não iria sobreviver à noite. Ele mudou suas carícias de lentas para urgentes, enchendo as mãos que vagavam sobre o corpo dela. Seus joelhos estavam começando a ficar instáveis e ela tinha medo que fosse afundar no chão a qualquer momento. Drew podia sentir seu corpo perdendo as forças, e então a pegou nos braços e gentilmente colocou-a na cama, sem nunca quebrar o beijo. Ela suspirou de prazer quando suas mãos correram para baixo de seu corpo. Ele puxou suas calças e tocou onde ela mais precisava dele. "Diga que me quer e que não haverá arrependimentos", ele exigiu dela. Ela não queria dizer essas palavras, porem. Era demais para dar. Quando ela não respondeu, ele se afastou de seu calor dolorido para olhar para o rosto dela. Ela gritou de desagrado. Ele esfregou suas coxas e circulou seu núcleo, fazendo-a gemer. "Diga-me que você quer que eu te toque, Trinity", ele rosnou enquanto continuava a toca-la em todos os lugares, menos no ponto que ela mais queria. "Por favor, Drew, eu preciso de você", ela finalmente suspirou.


Ele empurrou as pernas dela e ela de bom grado as abriu para ele, gritando de prazer quando ele finalmente inseriu os dedos em seu calor molhado. Ele passou a língua para baixo na coluna de sua garganta e ela arqueou a cabeça para trás, para dar-lhe acesso mais fácil. Ele beijou seu caminho para os seios dela e chupou os picos em sua boca, fazendoa gritar. Ela não podia permanecer imóvel enquanto ele acariciava seu corpo necessitado. Ele beijou seu caminho até seu estômago, e ela tremeu com necessidade quando sua pele se arrepiou em antecipação por sua próxima carícia. Ele conhecia seu corpo melhor do que ela e, todos os lugares em que ele a tocou, ateou fogo em sua essência. Ele abriu suas pernas ainda mais e beijou o interior de suas coxas. Ela arqueou em prazer quando ele passou a língua ao longo do interior de suas pernas. Ele se aproximou de seu núcleo e ela tremeu. Ele finalmente deu a ela o que ela precisava, e beijou sua carne sensível da forma mais íntima que um homem é capaz. Seu corpo empurrou para fora da cama enquanto sua língua acariciava sua carne quente. "Por favor, Drew, eu preciso de você", ela gritou para ele. Ele continuou a acariciá-la com a língua, fazendo-a gritar. Quando ele finalmente chupou seu mamilo inchado em sua boca, ela passou por cima da borda com intenso prazer. Ele continuou a acariciar sua carne, fazendo-a ter espasmos por todo corpo. Quando sua agitação finalmente começou a recuar ele virou seu corpo, beijando seu caminho até seu quadril e lateral. Ele chupou em seu pescoço, e o calor começou a construir mais uma vez. Ele levou as mãos em torno de seus seios muito mais sensíveis e os esfregou enquanto beliscava os mamilos entre os dedos. Ele trouxe a outra mão para baixo e esfregou o cerne sensível entre as pernas dela enquanto empurrava sua ereção até sua abertura. Ela empurrou de volta contra ele, precisando dele para enchê-la. Toda vez que ela estava com ele sua necessidade só ficava maior. "Sem arrependimentos," ele exigiu dela. A cabeça de seu pênis foi empurrada contra sua abertura, e ela estava empurrando de volta contra ele, precisando que ele entrasse nela. Ele ainda resistiu, à espera de sua resposta. Ela sabia que se não prometesse o que ele queria, ele ia se afastar dela, os deixando com dor e insatisfeitos. Seu coração aqueceu


sabendo que ele se importava o suficiente com ela para não querer que ela tivesse maus sentimentos deles fazer amor. "Sem arrependimentos," ela finalmente respondeu, sem fôlego. E então ele empurrou dentro dela com um impulso rápido, o que fez todo o ar sair de seus pulmões. Como ela poderia ter algum arrependimento quando se sentia tão cheia? Ela queria ficar assim para sempre. Já nem podia imaginar sua vida sem ele, e sabia que estava em apuros por isso. Mas enquanto ele se movia dentro de seu corpo ela não conseguia pensar em mais nada. Ele se sentia tão bem dentro dela que ficava difícil até para ela respirar. Ele não continuou com seus movimentos lentos por muito mais tempo – pelo contrario, ele agarrou seus quadris para que pudesse empurrar dentro e fora de sua abertura apertada rapidamente. Ele a segurou firmemente em suas mãos e empurrou mais rápido dentro e fora, fazendo-a gritar de prazer. Ela apertou ao redor dele quando o orgasmo sacudiu através dela mais uma vez, ainda mais poderoso do que o último. Ele gritou enquanto seu próprio corpo pulsava dentro dela. Ela podia sentir o bombeamento de sua libertação, o que intensificou seu próprio prazer. No momento em que se estendeu adiante, que pareceu uma eternidade uma vez que ambos tentaram obter sua respiração sob controle. Ele finalmente saiu de seu corpo e a virou. "Eu sinto muito, Trinity. Isso foi muito duro. Eu perdi todo o senso de controle com você", disse ele enquanto a esfregava gentilmente. "Você está bem?", Perguntou a ela, com preocupação real irradiando de sua expressão. "Mmm," foi tudo que ela conseguiu responder. Ela estava mais do que bem - estava completamente satisfeita. Não podia sequer manter os olhos abertos enquanto o prazer continuava lavando através dela. Ela adormeceu com as mãos dele ainda tremulando sobre suas curvas. Drew a puxou contra ele e a segurou firmemente em seus braços. Ele não podia acreditar no quão sortudo era por tê-la encontrado. Ela era bonita, apaixonada e tão inteligente. Ele esfregou as mãos sobre o monte de seu estômago e ficou cheio de admiração quando sua filha empurrou contra ele. Ele estava esfregando o local quando ela chutou, e seu rosto se abriu com orgulho. Sua filha devia estar inquieta, porque apenas continuou chutando sua mão.


Ele ficou mais uma vez cheio de alegria pura quando pensou que logo seria capaz de segurá-la em seus braços. Ele sabia que ela não estava pronta para vir ao mundo ainda, mas ele mal podia esperar.

Trinity não conseguia ficar confortável no dia seguinte. Ela estava sentada na sala de estar, vendo um filme, mas se sentia inquieta. Suas costas estavam doloridas por toda a manhã, e pareciam estar ficando piores. Ela achou que era apenas dor normal de gravidez, e não queria alarmar Drew. Mas conforme o dia passava, parecia estar piorando. Ela imaginou que seria um bom momento para tomar um banho quente. Ela levantou lentamente do sofá. Quando finalmente chegou a seus pés, uma cãibra rasgou sua cintura, fazendo dobrar de dor, bem quando Drew entrou na sala. "O que há de errado?", Ele perguntou em pânico quando se aproximou e colocou os braços ao redor dela. "Eu não sei, mas tenho certeza que não é nada", ela ofegava por causa da dor. "Não se parece como nada. Nós estamos indo para o hospital agora", afirmou ele enquanto a pegava no colo, como se ela não pesasse nada. Ela tentou protestar, mas ele não estava escutando. Ele gentilmente colocou-a no carro, e quebrou todos os limites de velocidade na pressa de levá-la ao hospital. Ele parou na frente da sala de emergência e correu para dentro. Ele disse ao médico que ela estava tendo um pouco de dor e eles correram de volta para a sala, onde ela foi ligada a um monte de máquinas, mais uma vez. Seu estômago continuou com a contração à cada poucos minutos, e ela estava começando a se preocupar que estivesse entrando em trabalho de parto mais cedo. Era muito cedo. O bebê não estava pronto para vir ainda.


O médico olhou para seus gráficos e ouviu o bebê, com uma expressão preocupada no rosto. "Você está entrando em trabalho de parto precoce, mas não entre em pânico. Você chegou aqui cedo o suficiente, então devemos ser capazes de impedir", disse o médico a ela. Ela sinceramente não conseguia entender como ele pensaria que ela não entraria em pânico ao ouvir suas palavras. Ela olhou para Drew, que estava tentando não parecer preocupado, embora estivesse falhando miseravelmente. Ele caminhou pelo quarto enquanto o médico colocava uma I.V. em seu braço e outros administravam uma droga para tentar parar o trabalho de parto. "Isso deve parar o trabalho, mas, se por algum motivo a sua menina decidir fazer sua entrada no mundo mais cedo, as chances são boas. Ela está com um pouco mais de dois quilos agora," o médico tranquilizou-os. "O que eu fiz de errado?" Trinity perguntou com medo real. "Você não fez nada errado. Às vezes nossos corpos simplesmente não percebem que não é hora do bebê nascer", disse o médico, tentando tranquilizá-la. Ela se deitou quase completamente imóvel durante as próximas horas, não querendo fazer algo errado e acabar instigando o progresso do trabalho. Finalmente a droga parecia estar funcionando, porque as contrações pararam. Ela caiu em um sono profundo enquanto continuava deitada na cama do hospital. Drew ficou ao seu lado o tempo todo. Ele estava tão preocupado quanto ela, se não mais. Ele estava frustrado que não havia mais nada que ele pudesse fazer para ajudá-la, e ao bebê. Ele suposto ele ser seu protetor, mas não podia fazer nada parar sua dor agora. Ele também estava se sentindo extremamente culpado. Ele sabia que tinha sido muito rude com ela. Ele questionou o médico sobre isso, mas ele o tranquilizou dizendo que sua vida sexual não tinha culpa - e ele não acreditou. Ele nunca se perdoaria se algo acontecesse com sua filha ou Trinity. Trinity alternou entre consciência e inconsciência enquanto o médico continuava a acompanhá-la. Jasmine apareceu e ficou ao lado da cama também, junto com Drew. Ele estava grato por tê-la em sua vida. Trinity se tornou rapidamente uma das melhores amigas dela, e ela não podia imaginar perdê-la.


Jasmine e Drew consolaram um ao outro, e Trinity, cada vez que ela acordava. Todos eles fizeram orações pedindo que o bebê ficasse no conforto do ventre materno por tanto tempo quanto possível. O médico disse que cada dia extra daria ao bebê mais força, aumentando suas chances de sobrevivência. O médico a levou a uma sala privada, e queria mantê-la no hospital pelo restante de sua gravidez, para se certificar de que ela estava segura. As contrações pararam, mas seu corpo estava cerca de quatro centímetros dilatado, e ele estava muito preocupado que tivesse conseguido adiar o parto por um curto período de tempo. "Eu estou esperando conseguir adiar o parto por pelo menos mais uma semana. Você não vai completar as 40 semanas, mas cada dia que formos capazes de manter o bebê seguro dentro de você é mais um dia que ela está estará ficando mais forte e ganhando peso", ele disse a ela. Após seu terceiro dia no quarto do hospital, Trinity estava pronta para sair, mas sabia que não era seguro para sua filha. Ela sentia falta de sua casa, e ficou surpreendida quando percebeu que já pensava na mansão como sua casa. O médico disse que o corpo dela estava num estado muito frágil, e estava preocupado que se ela saísse acabasse entrando imediatamente em trabalho de parto. Ele queria manter o bebê em seu ventre pelo maior tempo possível, bem como queria mantê-la conectada, para que tanto ela quanto o bebê pudessem ser monitorados o tempo todo. "Então, por favor, me diga por que eu só estou vendo você no hospital, agora?" Damien perguntou quando entrou em seu quarto, segurando um vaso gigante de flores, balões e, mais importante, uma enorme caixa de chocolates. "Oh, Damien, você será meu herói se entregar a caixa imediatamente", disse ela, com uma lágrima em seu olho. Ele nem sequer se preocupou em provocá-la com os chocolates - simplesmente entregou-os. "Como você está se sentindo? Você está indo para assar nossa menina bonita por um pouco mais de tempo?", Ele perguntou com um sorriso maroto. "Eu estou tentando mantê-la tanto tempo quanto possível," Trinity disse a ele enquanto esfregava seu grande estômago.


"Me desculpe por não ter ido visitá-la em seu novo lugar. Eu tive que deixar o país por um tempo. Este novo negócio está chutando a minha bunda", ele disse a ela. "Eu realmente senti sua falta. Eu tenho Jasmine, mas você é meu melhor amigo para sempre", disse ela, tendo um momento difícil para não chorar. "Ei, você sabe que eu nunca vou embora. E eu prometo, quando este negócio terminar, eu vou compensar e até mesmo trocar algumas fraldas", prometeu. "Vou cobrar isso de você", disse ela com um sorriso. Ela mordeu seu primeiro chocolate e gemeu, fazendo com que as sobrancelhas dele subissem. "É muito bom", ela acrescentou com uma risadinha. Ele foi capaz de ficar com ela por um longo tempo, para que pudessem atualizar um ao outro sobre suas vidas, mas ela chorou um pouco mais quando ele saiu pela porta. Em sua quinta noite no hospital Drew puxou sua cadeira perto da cama dela. Ele agarrou a mão dela e respirou fundo. Ela sabia que ele estava tentando falar com ela sobre algo importante e, por isso, esperou que ele falasse o que precisava. "Trinity, eu sei que você não tem certeza sobre nós como um casal, mas você sabe que eu me importo com você, certo?", Ele finalmente perguntou a ela. "Eu acho que você se preocupa comigo porque ama a nossa filha", ela respondeu honestamente. "Eu amo a nossa filha, mais do que você jamais poderia imaginar, mas Trinity, eu me preocupo com você. Quando estamos juntos tudo é sempre muito bom. Acho que poderíamos ser realmente felizes juntos à longo prazo, se você apenas nos der uma chance real", ele insistiu com ela. Ela estava se sentindo mais aberta quando se preocupava com a filha. "Você é um bom homem, Drew, eu vou admitir isso", ela disse a ele quando apertou sua mão. "Por favor, me deixe fazer a coisa certa pela minha filha, antes que ela nasça?", Perguntou a ela. Ela não entendia o que mais ele poderia fazer que ainda não tivesse feito. Ele virou seu mundo de cabeça para baixo para cuidar dela, comprou uma nova casa, teve tempo de folga do


trabalho. Ela olhou para ele com curiosidade. Ele enfiou a mão no bolso e tirou uma pequena caixa, e seus olhos se arregalaram quando ela percebeu do que ele estava falando. Ela automaticamente começou a sacudir a cabeça, mas ele a deteve. "Por favor, case comigo, assim você e minha filha poderão ter o meu nome. Me deixe ser seu marido, e pai dela. Se você realmente não puder suportar isso, então pode se divorciar de mim depois, mas por favor, não tenha a nossa filha sem ser minha esposa. Pensei que teríamos mais tempo para descobrir isso tudo, mas ela pode nascer a qualquer dia agora, e eu preciso que você seja minha esposa quando isso acontecer", ele disse tudo isso com tanta paixão que ela não sabia como poderia dizer não. Ela ainda estava insegura sobre tudo entre eles, mas ele tinha sido muito bom para ela, e este era um jeito que ela realmente poderia pagar de volta. Isso era algo que ela poderia fazer para ele, e para sua filha. Ela sabia que ele não era nada como seu ex-namorado, então não tinha nada a temer nesse quesito. Ela finalmente acenou com a cabeça em concordância. O rosto de Drew se dividiu com um sorriso brilhante quando ele gentilmente a puxou em seus braços e a abraçou. "Muito obrigado", ele sussurrou em seu ouvido, e ela sentiu uma lágrima escapar de seu olho pela gratidão em sua voz. As coisas aconteceram muito mais rapidamente do que ela poderia ter imaginado depois disso. Poucas horas depois, Derek, Jasmine e Ryan apareceram, com um Pastor à reboque. Jasmine tinha um buquê de flores que lhe entregou, e uma tiara, que colocou em sua cabeça. Trinity se sentia muito boba, considerando que não tinha permissão para sair da cama e que estava usando um vestido do hospital, mas não disse nada. "Nós vamos fazer isso de novo do jeito certo mais tarde, mas por agora, isso é o melhor que podemos fazer em tão pouco tempo", disse Jasmine. "Muito obrigada. Você realmente não tem que fazer coisa alguma", disse Trinity conscientemente. Ela sabia que precisava de um banho, mas não tinha permissão para um chuveiro, apenas banhos de esponja. Ela não se sentia exatamente como uma noiva. Isso lhe doeu o coração um pouco, então ela empurrou o pensamento para fora de sua mente.


A cerimônia levou cerca de 15 minutos apenas. Ryan saiu pela porta e voltou com um belo bolo e alguns cidra espumante quando os votos foram trocados. Ela ficou um pouco engasgada quando Drew a alimentou com um pedaço do bolo antes de se inclinar para beijar seus lábios. Ele parecia tão feliz que ela sabia que tinha feito a escolha certa. "Eu sei que isto não é um casamento tradicional, por qualquer meio, mas nada disso importa. O que importa é que vocês dois se amam e vão ter esta linda menina em breve. Haverá tempo de sobra depois, para fazer as coisas da maneira certa. Que você tenha muitos dias românticos, e noites muito mais apaixonadas", disse Ryan, quando ergueu o copo num brinde. Trinity podia sentir o rubor corar as bochechas com suas palavras. Pode não ter sido o seu casamento dos sonhos, mas foi perfeito, no entanto. Ela olhou para Drew e percebeu que ela estava de cabeça para baixo, completamente e totalmente amando o homem. Ela não sabia em que ponto ela deixou cair as paredes em torno de seu coração, mas sabia que a porta estava aberta e, se ele decidisse lhe abandonar, ela ficaria além de devastada. Ela não podia determinar qual foi o momento exato em que se apaixonou – provavelmente tenham sido os vários momentos menores ao longo dos últimos meses. O homem era simplesmente muito difícil de resistir, e agora ela estava casada com ele. E seu mundo tinha virado de cabeça para baixo.


Trinity mal chegou a trinta e seis semanas de gravidez. Ela estava tendo contrações durante toda a manhã, e nada do que o médico fez pode impedir o parto. Ela rezou para que tivesse mantido sua filha dentro dela por tempo suficiente para que ela nascesse saudável e ficasse bem. Na parte da tarde sua bolsa estourou, e nada agora poderia impedir o nascimento. Ela esperou que conseguissem prolongar tudo, mesmo por um dia ou dois a mais. Ela lidaria com a dor para dar a seu bebê mais tempo dentro de seu ventre, são e salvo. "Trinity, as coisas estão caminhando muito rapidamente, e é preciso movê-la para a sala de parto. Sua filha está ansiosa para conhecer seus pais, e não vai esperar por muito mais tempo", o médico disse a ela. Eles a levaram pelo corredor, e Drew nunca deixou o seu lado, pelo que ela era incrivelmente grata. Ela nunca precisou de ninguém como precisava dele naquele momento. Ela estava apavorada, e não iria se sentir melhor até que o médico dissesse que o bebê ficaria bem. "Tudo parece bom, Trinity. Seu batimento cardíaco é forte, e ela ganhou um bom peso nesta última semana e meia. Eu sei que não parece muito tempo, mas para um bebê, pode fazer toda a diferença", o médico continuou a tranquilizá-la. Ela chorou lágrimas aterrorizadas quando eles a mudaram para uma nova sala e começaram a lhe preparar para o nascimento. "Vai ficar tudo bem, com você e com a bebê. Eu sei," Drew disse a ela enquanto segurava sua mão. Ele era sólido como uma rocha, e a confiança em sua expressão era encorajadora. "É muito cedo", gritou ela, impotente. "Você já fez tudo o que poderia fazer, e eu sei que ela será forte, assim como sua mãe", ele a tranquilizou, abaixando-se para beijá-la suavemente. Ela respirou fundo e se preparou para a difícil tarefa de empurrar.


A equipe do hospital posicionou suas pernas abertas e verificou sua dilatação. "Você está pronta agora. Da próxima vez que você sentir uma contração, eu quero que você use toda a sua força e empurre", explicou o médico. Ela não teve que esperar muito tempo antes que a dor viesse rasgando através de seu corpo. Ela nunca tinha sentido nada parecido. Era como se suas entranhas fossem viradas do avesso, e ela sentia que ia explodir. Suor irrompeu sobre sua testa, e ela gritou enquanto empurrava com toda sua força. "Isso é realmente bom, Trinity, eu já posso ver a cabeça. Acho que ela vai sair com apenas alguns empurrões. Eu sei que é difícil, mas você precisa relaxar e empurrar exatamente da mesma forma quando sua próxima contração chegar", disse o médico. A próxima contração veio antes que ela estivesse pronta, mas ela fez o que o medico disse, agarrando a mão de Drew firmemente na dela enquanto empurrava com tudo que tinha. "Muito bom, ela está chegando. Precisamos tirar a cabeça para fora, de modo que assim que a próxima contração chegar, empurre com tudo que você tem", o médico disse a ela. Ela queria bater na cabeça dele. Era realmente fácil para ele dizer para ela dar tudo o que tinha quando não era ele que estava tentando fazer uma criança passar através de uma pequena abertura. Drew esfregou um pano sobre sua testa suada, e então a próxima contração bateu com a força de um furacão. Ela não entendia como não foi rasgada ao meio pela dor horrível. Ela gritou quando empurrou tão duro quanto podia. Ela não sentiu nada alem de dor e queimação quando a cabeça do bebê saiu. O médico estava fazendo alguma coisa e, em seguida, a próxima contração bateu ainda mais duro. Ela empurrou de novo, sem nenhuma palavra de apoio de ninguém, e sentiu ainda mais ardência. Ela pensou que poderia morrer ali mesmo na mesa, antes mesmo de ver a filha. As contrações continuaram com força, e ela mal teve tempo para recuperar o fôlego antes que o desejo intenso de empurrar batesse novamente nela. Ela fez isso mais algumas vezes e sentiu extremo alívio quando sua filha passou por seu corpo. Ela olhou para cima para ver o médico enfiar algo em sua boca e, em seguida, o som mais incrível do mundo a cercou - o gemido irritado


de intenso descontentamento de sua filha por ser levada de sua casa quente de oito meses. A enfermeira rapidamente a envolveu em um cobertor e a deitou no peito de Trinity. Em seguida ela estava olhando nos olhos azuis de seu bebê. Ela era a coisa mais bonita que já tinha visto em sua vida. Ela estava tentando abrir os olhos, mas as luzes estavam muito brilhantes, permitindo que ela abrisse apenas pequenas fendas. Ela estava chorando na voz mais patética que Trinity já tinha ouvido, e então ela chorou junto. Ela estava tão pequena deitada em seu peito que Trinity não compreendia como era possível que ela pudesse estar saudável, embora ela estivesse rosadinha e bonita sob a pasta viscosa em seu corpo. Trinity olhou para Drew e ficou surpresa ao ver uma lágrima deslizar para baixo sua bochecha quando ele tocou sua filha pela primeira vez. Seu coração inchou ainda mais pelo homem, ao sentir o amor que ele demonstrava por sua menina. "Precisamos levá-la até nos certificarmos de que ela está bem. Vamos trazê-la de volta imediatamente assim que todos os seus sinais vitais forem checados," a enfermeira disse gentilmente antes de pegar o bebê. Caíram lágrimas dos olhos de Trinity pela sensação de vazio ao não ter sua filha nos braços. "Ela parece saudável Trinity, e forte. Você fez um trabalho muito bom", Drew a tranquilizou, quando mais uma vez se inclinou para lhe beijar suavemente. "Espero que sim", disse ela, sem tirar os olhos de sua filha, impotente sob as luzes de aquecimento. As enfermeiras não pareciam estar em pânico quando verificaram os sinais vitais de sua filha, o que foi reconfortante. O médico deu a ela algum tipo de anestesia quando a limpou. Ela percebeu que devia estar parecendo muito assustadora, mas Drew estava olhando para ela como se fosse a coisa mais linda que ele já tinha visto. Ele a encheu de calor, o que ela precisava, já que não conseguia parar de tremer agora que as coisas estavam por toda parte. Os enfermeiros a limparam e transferiram para uma cama nova e limpa, o que lhe causou mais dor por um momento. Os cobertores


aquecidos sob ela e em cima dela fizeram a dor valer a pena, porem, porque ela estava finalmente começando a se aquecer. "Parece que você a manteve em seu interior seguro por tempo suficiente, porque ela é saudável. Seus pulmões estão totalmente desenvolvidos e ela não vai precisar de oxigênio. Ela esta um pouco abaixo do peso, porem, então vamos querer mantê-la aqui até que ela esteja com pouco mais de dois quilos. Mas fora isso você tem uma bonita menina saudável", finalmente lhe disse o médico. Trinity foi preenchida com alívio por suas palavras. Seu bebê ia ficar bem. Ela teria ficado na cama pelo próximo mês se pudesse ter lhe dado mais tempo, mas ela ainda ia ficar bem. "Posso abraçar ela de novo?" Trinity perguntou. "Claro que pode", disse a enfermeira, quando ela a trouxe e colocou de volta nos braços da Trinity. Ela agora estava embrulhada em um cobertor quente, e mãe e filha olharam uma para a outra com fascínio. "Como você está indo, Princesa?", Ela disse enquanto esfregava a cabecinha de sua filha. A bebê olhou de volta para Trinity com aqueles belos olhos azuis que todos os recém-nascidos tinham. Ela piscou algumas vezes e Trinity não pôde acreditar que estava realmente a segurando em seus braços. "Você quer segurar sua filha?", Ela finalmente perguntou a Drew. "Eu tenho medo de quebrá-la. Nunca peguei um bebezinho assim", ele admitiu com uma expressão preocupada entre as sobrancelhas. "Você vai ser perfeito para ela," Trinity disse a ele com confiança. Ele se inclinou e gentilmente a pegou, embalando-a contra o peito. A visão completa do amor esmagador em seu rosto fez mais lágrimas caírem pelo rosto de Trinity. Era mais do que óbvio que ele adorava sua filha, e ela sabia que tinha feito a coisa certa ao se casar com ele, para que eles pudessem estar todos juntos. Mesmo que ele nunca a amasse, ele sempre ia amar sua menina pequena, e isso significava mais do que qualquer outra coisa. "Ela não pesa nada. É como eu estivesse segurando nada além de um cobertor", disse Drew com admiração quando a segurou perto de seu peito. Ele não podia acreditar no quão incrivelmente bonita era sua bebê.


Ela era tão pequena, mas tão perfeitamente formada. Ele nunca em sua vida amou algo tanto quanto amava sua filha. O sentimento era esmagador em sua intensidade. Ele amava sua família, e ele amava Trinity, apesar de ser difícil para ela aceitar, mas o amor por sua filha era diferente de tudo que ele já tinha experimentado. Enquanto segurava sua filha e olhava para sua esposa, tudo parecia tão perfeito. Ele sabia que não podia viver sem elas. Ele lutaria até os confins da terra por elas. Agora ele podia entender o que seu primo Derek tinha sentido, e sentia um pouco de culpa solidaria pelo quanto ele tinha perdido de tempo, o pobre homem. Ele tinha todo o dinheiro do mundo, mas nunca se sentiu verdadeiramente rico até este momento, com sua filha recém nascida em seus braços e sua esposa olhando para ele com amor em seus belos olhos. "É hora de colocá-la de volta em seu próprio quarto", a enfermeira disse. Drew colocou o bebê de volta em seus braços. Ela de bom grado a abraçou, e não tirou os olhos do bebê por todo o caminho. Ela não teria notado se o prédio estivesse caindo ao seu redor, de tão fascinada pelas pequenas características de sua filha que estava. Eles entraram no quarto e a enfermeira a ajudou a sentar na cama e, em seguida, trouxe uma bandeja de comida. Ela percebeu que estava morrendo de fome pela primeira vez em mais de uma semana. Drew pegou o bebê de volta em seus braços e se sentou na cadeira ao lado da cama enquanto ela comia. "Você vai amamentar, ou devo fazer uma mamadeira para ela?", Perguntou a enfermeira. "Eu vou amamentar," Trinity disse a ela. Ela sabia que era uma coisa natural, mas ainda assim corou, uma vez que Drew estava sentado lá no quarto com ela. Ela nunca tinha discutido nada disso com ele, e não sabia como ele se sentia sobre isso. Ela só sabia que era importante para o bebê obter toda a ajuda que podia, especialmente quando nasceu mais cedo e pesando tão pouco. "Depois que você terminar com a sua refeição, devemos tentar fazê-la mamar. Ela não vai estar muito interessada num primeiro momento, mas em breve vai gostar bastante", a enfermeira disse. "Tudo bem", respondeu timidamente Trinity. Ela estava um pouco nervosa por estar falando sobre uma coisa tão pessoal com um estranho,


mas contente de ter alguma ajuda quando realmente não sabia o que estava fazendo. Ela terminou sua refeição, e a enfermeira a ajudou com o processo de amamentação. Não foi uma tarefa fácil, mas Trinity tinha toda a paciência do mundo para sua filha. Depois que algum tempo passou, a bebezinha finalmente conseguiu se agarrar e obter um pouco de leite. Trinity ficou além de orgulhosa de sua menina. Drew saiu da sala, para lhe dar um pouco de privacidade e deixar sua família saber que seu bebê nasceu. Eles estavam todos na sala de espera, muito provavelmente andando para lá e para cá. Ele a deixou saber que daria a ela cerca de uma hora antes de trazer todos para conhecer o mais novo membro da família. Eles chegaram logo depois que ela terminou de amamenta, e ninguém conseguia o suficiente da bebê, comentando sobre como ela era bonita. "Oh meu Deus, ela faz Britney parecer tão grande, agora", disse Jasmine, quando aconchegou o bebê perto dela. "Eu quero ter mais destes, Derek", disse ela, com um sorriso de saudade. "Você pode ter quantos desejar", ele disse a sua esposa, e a beijou. "Podemos começar hoje à noite, na verdade," ele acrescentou com um olhar de cobiça em seus olhos. Jasmine riu e passou o bebê para Ryan. Ele gentilmente a embalou nos braços, com um olhar de reverência completa em seu rosto. "Ela é tão pequena," ele sussurrou. Ela parecia ainda menor contra ele. Uma de suas mãos era do comprimento de seu corpo. "Eu tenho medo de quebrá-la", concluiu nervosamente enquanto olhava para Drew em pânico. "Não olhe para mim, eu tenho medo de quebrá-la também", disse ele com admiração. "Vocês não fariam nada que pudesse prejudica-la, nem em um milhão de anos", disse Trinity aos homens. Eles logo a entregaram de volta a Trinity, e ela avidamente tomou sua filha nos braços. Não tinha sido muito tempo, mas ela já sentia falta de seu perfume doce. "Qual é seu nome?", Perguntou finalmente Derek. Ela e Drew se entreolharam. Eles realmente não tinham discutido nomes e, em toda a emoção desde o nascimento, nenhum deles tinha


pensado nisso. Ela não tinha a menor ideia do como queria chamar sua menina. "Eu tenho uma tia favorita chamada Stephanie. Eu sempre gostei desse nome", Drew sugeriu a ela. Ela tentou o nome, e ele parecia se ajustar. "Ok, então seu nome é Stephanie," ela concordou com ele, o que lhe rendeu um de seus sorrisos de parar o coração. "Olá, Stephanie Titan, bem vinda à família", disse Ryan enquanto passava a mão contra a cabeça macia. Trinity realmente gostou do som disso. Sua linda menina, Stephanie Titan, tinha chegado a este mundo sã e salva, e saudável. Ela começou a bocejar, e a família se despediu para que ela pudesse descansar um pouco. Drew cuidadosamente pegou Stephanie e a deitou no berço ao lado da cama. Se ela fizer uma espreitadela então Trinity iria acordar e ser capaz de cuidar dela. Ela adormeceu antes do último membro da família sair da sala. Drew olhou para sua linda esposa e bebê dormindo, e sentiu um amor tão avassalador por elas que não entendia como seu coração não estourou. Ele sabia que eles tinham um caminho difícil pela frente, mas no momento as coisas estavam mais do que perfeitas para sequer imaginar que algo de ruim pudesse acontecer. Drew trabalhou sua magia típica, porque o bebê foi mantido no hospital por quatro dias enquanto ganhava peso e eles puderam ficar lá com ela o tempo todo. Normalmente a mãe era liberada depois de dois dias se estivesse saudável e pronta, como Trinity estava, mas ela não podia deixar seu bebê recém nascido lá sozinho. Drew teve a certeza que ela ficasse como um paciente por mais tempo, porem, de modo que ela ainda pudesse ter a cama confortável e a sala privada. Ela não se importava como ele fez isso. Ela só se importava que pudesse manter Stephanie com ela, porque não estava disposta a gastar nem um minuto longe de sua filha, e muito menos a noite toda. Quando o médico finalmente lhes deu o ok para trazê-la para casa, Trinity estava mais do que pronta para sair do hospital. Ela queria sua própria cama, e tinha uma rotina diária para começar com sua filha em casa.


Trinity olhou para sua filha e sorriu. Ela não podia acreditar que ela já tinha um mês de idade. O tempo estava voando rápido demais, e ela não queria nada mais do que parar os relógios. Ela e Drew tinham chegado a uma trégua, mesmo porque ambos estavam hipnotizados com a sua menina. Ele havia ficado em casa por duas semanas depois que ela chegou em casa do hospital mas, em seguida, um de seus resorts estava tendo alguns problemas, e ele teve que decolar. Ela não podia acreditar no quanto sentia falta dele. Ele a colocou com um sistema de vídeo conferência, porque disse que não poderia suportar não ver sua filha em uma base diária. Ele havia criado uma câmara privada que pairava sobre seu berço, para que ele pudesse logar em seu computador e assistir sua pequena menina dormir. Trinity estava oprimida com o quanto ele a amava. Claro que quando ela olhava para seu bebê era impossível para ela imaginar que alguém não a amasse como um louco. Ela era a coisinha mais linda e maravilhosa que qualquer um poderia imaginar. Trinity também era muito grata por ter Jasmine, especialmente quando Drew saiu por um longo período de tempo. A casa era tão grande que ela ficou realmente solitária sozinha. Jasmine tinha vindo muitas vezes para lhe fazer companhia. Ela disse que se sentia sozinha também, com Derek e Jacob trabalhando e na escola. Ambas as mulheres estavam extremamente animadas para a nova loja abrir, também. Hoje foi o último dia para obter os toques finais feitos. Na manhã seguinte seria a grande inauguração. Eles tinham contratado alguns funcionários, e Jasmine tinha uma babá que estaria na loja para ajudar com os dois bebês. Tudo parecia muito irreal para ser verdade.


Ela estava muito desgastada da gravidez, e foi difícil fechar sua loja velha, e agridoce vê-la vazia depois que foi esvaziada para garantir que tudo foi feito corretamente. Ela estava se mudando para um lugar melhor e não era como se fosse o fim - mas ela ainda estava triste. Ela tinha sido grata por ter Jasmine com ela quando fez a caminhada final. Drew contratou uma equipe para a casa, para que ela nunca ficasse verdadeiramente sozinha, mas não era a mesma coisa que ter seu marido lá, ou seu melhor amigo. Ela estava ficando muito perto de Maria, sua cozinheira, porem. Ela estava próxima à idade que sua mãe teria, e era cheia de vida e riso. A mulher era uma cozinheira fenomenal também. Mesmo Jasmine gostava da comida, e ela era definitivamente uma crítica. Trinity ouviu a risada de Jasmine cerca de dois segundos antes de entrar na sala. "Eu amo esse vestido. Ela parece tão adorável hoje. Eu não posso acreditar o quanto ela continua crescendo", disse Jasmine quando puxou Stephanie em seus braços. O bebê riu para ela, o que fez Jasmine rir mais. "É realmente impressionante a rapidez com que eles crescem," Trinity disse em reverência. "Onde está Britney?", Ela perguntou. "Eu a deixei em casa com a babá, porque nós vamos estar colocando a mercadoria final para fora, e eu pensei que seria mais fácil assim. Ela está andando por toda parte agora," ela disse enquanto se aninhava ao bebê. "Eu amo ver Stephanie ficando maior, mas sou grata que ela não pode engatinhar ainda. Seria muito mais difícil manter um olho nela enquanto estamos lá", disse ela. "Ryan tem presépios e balanços de todos os tipos criados para nós. Acho que as meninas vão ficar bem, mas os nossos primeiros dias vão ser agitados, e por isso vou deixar Britney em casa, embora isso possa me matar um pouco. Se ela ainda estivesse mamando eu não poderia fazer isso", disse ela. "Sim, definitivamente amamentar pode ser uma bênção e uma maldição", disse Trinity. Ela era a fonte de alimento para sua filha, e


desde que ela ainda era tão pequena, ela mamava com muito mais frequência. "Eu estou tentando desesperadamente lutar contra essas baby blues agora. Britney tem quase um ano de idade agora, e segurar Stephanie todo o tempo está fazendo meu ventre saltar. É claro que Derek está pronto a qualquer momento que eu quiser ter outro filho, mas eu quero esperar pelo menos mais seis meses antes de começar a tentar. É claro que eu nunca me canso de praticar", disse ela com um sorriso enorme. Trinity ficou um pouco ciumenta de sua amiga. Drew ainda não tinha tocado nela desde aquela semana antes do bebê nascer. Ele se culpava por mandá-la em trabalho de parto precoce - o que era ridículo – então ela achava que era mais uma desculpa. Ela ainda tinha o peso do bebê para perder, e estava sempre tão desgastada que tinha certeza de que não estava parecendo o seu melhor. Ela percebeu que ele não estava nem mesmo a beijando, porque ela parecia um naufrágio o tempo todo. Seria bom se ele se sentisse por ela da mesma maneira que Derek se sentia sobre Jasmine. Ela teve de empurrar esses pensamentos de lado, porem, porque eles não faziam bem. O importante era que eles estavam fazendo as coisas funcionarem, e assim sua filha poderia ter segurança e amor, o que era muito mais importante do que suas próprias necessidades. "Você está pronta para sair?" Jasmine perguntou a ela. "Sim, eu quero ir antes que eu perca muito o calor. Eu estou receosa que vou gastar muito tempo na sala celestial que Ryan nos construíu", disse ela com uma risada. "Eu estava tão animada para ver isso. Ele pensou em tudo. O homem é um gênio absoluto," Jasmine concordou. As duas mulheres subiram no carro de Jasmine, e ela dirigiu a curta distância para sua loja. Trinity ainda sentia admiração quando elas estacionaram perto das portas da frente. Era bonito, por dentro e por fora, devido às habilidades de construção criativas de Ryan. Ele estava fazendo uma pintura final no exterior do edifício quando elas saíram do veículo. Ele largou o que estava fazendo logo que viu as senhoras. "Vocês estão chegando um pouco tarde", disse ele enquanto abria a porta de


trás e tirava o assento de carro de Stephanie. Ela felizmente estava dormindo, então Trinity poderia ajudar a fazer as coisas da loja. "É tão difícil de sair quando você está lidando com bebês. Eles precisam ser trocados e alimentados e, em seguida, quando você acha que está pronto para ir, eles cospem em cima de você, e você tem que começar tudo de novo", disse Jasmine com carinho. Ela adorava ser mãe. "Eu não sei nada sobre isso", disse Ryan. Suas palavras podem ter dito que ele estava aliviado, mas a maneira como ele adorava suas sobrinhas e sobrinho contradiziam suas palavras. Naquele momento ele estava cuidadosamente levando Stephanie para dentro, olhando para ela como se ela fosse a maior coisa no universo. As duas mulheres se olharam nos olhos. "Sim, Ryan, você é um solteirão convicto, com certeza", disse Jasmine com um brilho nos olhos. "Você quer que eu tire ela do assento e coloque no berço?", Ele perguntou a Trinity. "Não, ela está confortável aí. Apenas desfaça as travas e dobre seu cobertor em torno dela. Eu já troquei-a e a alimentei, então ela deve dormir por algumas horas", respondeu a ele. Ele parecia desapontado com isso. Ela teria que ficar de olho nele, para se certificar de que ele não fosse acordá-la de propósito, só para levá-la ao redor. Ela tinha notado todos os homens fazendo isso. "Não se atreva a acordá-la, Ryan", acrescentou. "Eu não vou", disse ele com um leve beicinho. Como ela poderia não amar esses caras masculinos e fortes quando eles simplesmente adoravam sua filha? Ela lhe deu um abraço, e então vagou ao redor do prédio. Ryan realmente tinha feito um trabalho incrível. O espaço era enorme, com prateleiras de exposição personalizadas. Seus coolers foram enquadrados em madeira, e havia tanta cor, onde quer que ela olhasse. Ela andou até a área de jogo e sorriu. Era seguro e completamente fechado, assim as meninas não seriam capazes de fugir. Ela andou atrás dos contadores personalizados e ainda foi surpreendida com a quantidade de espaço. Ela tinha uma enorme


estação de trabalho para fazer qualquer tipo de bouquet que quisesse. E Ryan não só tinha acrescentado um grande banheiro à área como também tinha criado uma sala de descanso. Havia um sofá macio – onde ela tinha a sensação de que dormiria muitos cochilos - dois berços e uma cadeira de balanço de luxo. Ela e Jasmine nunca iam precisar deixar seus negócios. Ele já estava abastecido com suprimentos completos para que elas não tivessem que levar bolsas de fraldas ou trapos com elas. Tudo estava lá, e fácil de usar. Ele até fez um pequeno recanto para uma máquina de lavar e secar roupa empilhável, para limpar suas roupas ali mesmo na loja. Para um solteirão convicto, ele com certeza era inteligente quando previa as necessidades das novas mães. Relutantemente ela andou da sala de descanso para o lado de Jasmine da loja. Ela tinha o que se podia imaginar como a cozinha mais perfeita. A fachada combinava com a de Trinity, exceto que a dela ela era mais longa e tinha algumas frases anexadas na frente. E lá já haviam várias caixas de vidro colocadas, apenas esperando por suas guloseimas para preenchê-las. A cozinha tinha aparelhos top de linha, e muito espaço para várias pessoas se moverem. Ela tinha um menu muito limitado ainda, e estava servindo apenas café da manhã e almoço, mas Trinity tinha a sensação de que ela ia estar sempre cheia, dia e noite, porque a comida era excelente. "No que você está trabalhando?" Trinity perguntou quando entrou na cozinha. "Eu estou começando a preparar a sopa do dia para amanhã. É muito melhor se passar uma noite na geladeira para marinar antes de ser cozida. Estou fazendo alguns potes, porque acho que vamos estar mais ocupadas do que o normal amanhã. Vai abrandar depois do nosso fim de semana de abertura passar", disse ela. Havia um par de pessoas ocupadas, trabalhando em coisas diferentes para o dia seguinte, mas Jasmine era muito exigente e algumas coisas tiveram que esperar até a manhã seguinte. Ela tinha pão crescendo, o que estaria pronto para os fornos de manhã, e mais doces do que Trinity poderia imaginar.


"Eu tenho que sair daqui e montar ventiladores para soprar o cheiro longe de mim, porque nunca vou perder este peso com você cozinhando essa comida surpreendente", disse ela e, em seguida, praticamente correu da cozinha. A risada de Jasmine a seguiu por toda a loja. Ela logo ficou ocupada arrumando o último de seus artigos de presente nas prateleiras e, com a ajuda de seus dois funcionários, começou a fazer vários buquês. Ela queria as prateleiras cheias de tudo que se possa imaginar, desde vasos de rosas individuais até enormes cestas. Ela seria incrivelmente feliz se vendesse pelo menos a metade do que estava na vitrine. Seria o seu maior dia de sempre. Ela estava terminando uma cesta quando o monitor sinalizou que Stephanie estava acordando. Ela foi pega-la, mas Ryan a venceu. Ele estava puxando-a para fora do assento e falando com voz de bebê falar com ela. Ela soprou bolhas para ele quando olhou para seu tio com seus grandes olhos azuis. Ele a levou em torno por um tempo, até que ela decidiu que era hora de comer e ele teve que relutantemente entregá-la. Trinity estava mais do que feliz por levá-la de volta para a sala de descanso e ter algum tempo a sós com a filha. Ela sentou na cadeira de balanço e apreciou os sons de seus barulhos famintos quando ela engoliu seu leite como se fosse a última refeição que ela obteria. Sua filha tinha gostado de comer desde o primeiro dia, o que foi uma coisa boa para ela ganhar peso. Trinity esfregou a cabeça de Stephanie enquanto cantava baixinho para ela. Ela podia sentir os olhos ficando pesados quando terminou de alimentá-la e a levantou em seu ombro para arrotar. Ela não podia esperar até que estivesse de volta para ser cheia de energia novamente, porque não tinha passado um dia desde o nascimento sem tirar um cochilo. As duas mulheres ficaram finalmente satisfeitas com como tudo ficou perfeito para o dia seguinte, e saíram da loja. Ambas estavam cansadas, mas tinham um grande senso de orgulho pelo que tinham conseguido. A loja parecia espetacular, e elas sabiam que seria um sucesso. Os homens tinham pendurado sinais enormes sobre a Grande Abertura, e ela notou vários carros dirigindo lentamente para ver do que o novo negócio se tratava.


Quando Trinity colocou Stephanie para dormir e deslizou em sua enorme cama sozinha, ela teve que conter as lágrimas, porem. Ela realmente queria que Drew estivesse lá com ela para a grande inauguração. Ela sabia que seu pequeno negócio não era nada em comparação com os bilhões de dólares que ele possuía em resorts, mas era especial para ela. Ela sabia que ele tinha que estar longe, mas ainda estava triste. Ela adormeceu com uma lágrima em seu rosto.

"Vocês têm feito um excelente trabalho no sentido de conseguir isso esclarecido a tempo. Eu não vou estar disponível para voltar aqui por pelo menos um mês, então qualquer coisa que você precisar terá que passar pelo escritório em casa", disse Drew aos homens que o cercavam. Ele havia estado preso na pequena ilha ao largo da costa da Espanha durante duas semanas, e tinha que sair dentro da próxima hora para não perder a grande inauguração da loja de sua esposa. Ela não tinha pedido a ele para voltar, mas ele sabia que isso significava muito para ela, e não teria se importado se isso acabasse por lhe custar o negócio, ele estava saindo de uma forma ou de outra naquele dia. Ele apertou as mãos dos homens e saiu pela porta. O motorista estava esperando, e o jato estava pronto. Ele mal conseguia conter a emoção quando embarcou no jato. Ele nunca tinha tido tanta urgência para voltar para casa antes. Tinha sentido falta do seu bebê mais do que qualquer coisa que poderia ter imaginado. Ele também tinha sentido falta de sua esposa. Ele precisava dizer o quão importante ela era para ele, e precisava que ela finalmente aceitasse que eles iam ficar juntos para sempre. Se as duas últimas semanas fossem qualquer indicação, ele sabia que não poderia viver sua vida sem suas duas meninas. Elas se tornaram uma grande parte de todo o seu ser, e o pensamento de ficar a qualquer distância delas o rasgava em pedaços. Ele tinha começar a realizar entrevistas para escolher um novo executivo que faria a maior parte das viagens, porque ele estava feito. Estava


animado também, porque o homem que ele contratou para fazer o trabalho o tinha acompanhado nesta viagem, e foi perfeito. Drew sabia que seria capaz de descansar sabendo que o homem não era apenas competente, mas ansioso e faminto também. Ele não achava que seria capaz de dormir, mas antes que percebesse o capitão estava falando pelo interfone que eles estavam se preparando para o pouso. Ele olhou para fora da janela enquanto o sol nascia no céu e mal pôde esperar para puxar tanto Trinity quanto Stephanie para perto dele. O bebê tinha apenas um mês de idade, mas ele mal podia esperar para assistir Trinity ficar grande com seu segundo filho. Ele tinha se tornado como Derek, e podia facilmente imaginar sua casa com dez crianças correndo ao redor. Quanto mais, melhor, pensou. Ele decidiu que seria melhor esperar um pouco antes de sugerir isso a Trinity, porem. Ela ainda estava bem cansada depois de dar à luz Stephanie. O carro o pegou no aeroporto e ele foi logo em direção à loja. A inauguração ia começar em uma hora, e ele tinha cerca de quarenta minutos até chegar lá. Ele disse ao motorista que ele receberia um bônus de quinhentos dólares se conseguisse fazer o percurso em trinta. O homem bateu o gás e Drew sorriu, porque o dinheiro sempre falava mais alto. Eles entraram no parque de estacionamento, e Drew estava emocionado ao ver a fila fora da porta. Ele podia imaginar as mulheres transbordando de emoção ao verem a multidão ansiosa. Ele deslizou em torno do prédio e entrou pela entrada de funcionários, imediatamente começando a procurar sua esposa. Ele a viu no balcão olhando para alguns papéis, e seu coração se encheu. Ele tinha caído tão mal. Ele se esgueirou atrás dela e a envolveu em seus braços. Ela endureceu por um minuto, até que se virou e viu que era ele. Seu rosto se dividiu em um sorriso enorme. Eles olharam um para o outro por alguns momentos, e depois Drew inclinou a cabeça para beijá-la nos lábios. Ele tinha sentido muita falta dela e, quando aprofundou o beijo, seu corpo rugiu totalmente vivo. Ele sabia que era cedo demais para eles fazerem amor, mas seu corpo não estava escutando nada disso. Era uma coisa boa que havia um monte de pessoas ao redor, ou ele poderia ter feito algo estúpido.


"Eu senti muita falte de você e de Stephanie nestas duas últimas semanas. Finalmente consegui contratar um empregado confiável, por isso não terei que viajar tanto quanto costumava fazer. E, quando excepcionalmente eu tiver que sair, vou levar você e Stephanie comigo, porque não posso suportar estar longe de vocês por tanto tempo", ele finalmente disse a ela quando conseguiu se afastar um pouco. "Eu também senti sua falta", ela admitiu para ele em voz baixa. Ela tinha os braços em torno de sua cintura, e não podia se afastar dele. Era tão bom estar de volta em seus braços. "Vou levá-la para um jantar comemorativo especial hoje à noite," ele disse a ela, trazendo seus lábios de volta para os dela. Nenhum deles pode falar por alguns minutos. "Isso soa perfeito," ela finalmente respondeu. Eles foram, então, interrompidos por um dos funcionários, que os avisou que as portas seriam abertas em um momento. Drew relutantemente a deixou ir, e foi encontrar sua filha. Ela estava apenas começando a se mexer em seu berço e, quando ele se inclinou para puxá-la em seus braços, seus olhos se abriram e ele teve que lutar com suas emoções. Ela ainda era tão pequena, mas era tão bonita, e ele tinha sentido tanta falta de seu cheiro suave. Ele a abraçou perto de seu peito e simplesmente respirou o perfume dela em seus pulmões. Ele não ficaria longe dela por tanto tempo novamente. Ele saiu para a loja e encontrou seus primos. Os três homens estavam lá quando a corrida de pessoas veio à tona através das portas, e estavam cheios de orgulho de Jasmine e Trinity. As mulheres estavam radiantes enquanto atendiam as pessoas para venda após a venda.

Trinity manteve-se olhando para cima, sobrecarregada com a visão de seu marido bonito afagando delicadamente Stephanie perto de seu peito. Ela estaria agitada pelas próximas horas, e ela descobriu que não queria nada mais do que fugir e simplesmente segurar sua filha.


Ela tinha realizado seu sonho. Sempre quis uma loja, e estava orgulhosa que ela estivesse tendo tal dia de abertura bem sucedida, mas finalmente percebeu que a vontade de estar com seu marido e filha superava sua necessidade de sucesso. Ela tinha um pessoal competente, e seria mais do que feliz em estar lá apenas em tempo parcial. Jasmine disse que ela estaria trabalhando horas mínimas também, já que não podia suportar ficar longe de sua família por longos períodos de tempo. Trinity percebeu que não havia nada de errado em depender de seu marido. Mesmo que o homem nunca a amasse como ela o amava, ela ficaria feliz em ter simplesmente uma família unida. "Eu gostaria de pedir cada buquê na loja", disse Damien enquanto se aproximava e lhe dava um beijo na bochecha. "Você disse que não seria capaz de vir hoje", disse Trinity, com um enorme sorriso dividindo seu rosto. Seu dia estava oficialmente perfeito, com todas as pessoas que amava estando lá com ela. "Eu joguei os negócios para fora da janela. Hoje é sobre a minha melhor amiga e sobrinha bonita," Damien disse. Ela rapidamente deu a volta no balcão e jogou os braços ao redor dele. "Ei, eu acho que há buracos sendo queimados nas minhas costas", disse ele com uma risada. Em seguida, ele a abraçou de volta, deixando uma risadinha escapar. Ela olhou para Drew, que parecia estar resmungando um pouco com seus primos. Ela gostou do pensamento de ele estar um pouco ciumento. Foi bom para ela. "Desculpe senhora, você pode me ajudar?", Uma mulher os interrompeu. "Eu sinto muito, Damien, mas parece que estou sendo chamada," ela disse a ele. Ela lhe deu mais um abraço e voltou ao trabalho. Ele caminhou até as portas e ela teve um vislumbre de Drew pegando seu braço. Ouch, ela pensou, mas Damien apenas riu, e os homens continuaram conversando por um tempo antes de Damien deslizar para fora. Ela se afastou algumas vezes para alimentar sua isso ela trabalhou ininterruptamente durante todo o dia. eles foram capazes de sair ela estava bastante morta em a levou para casa em vez de sair para um restaurante

filha, mas fora Pelo tempo que seus pés. Drew e, em seguida,


massageou seus pés enquanto ela alimentava Stephanie. Ela reorganizou Stephanie em seu colo quando ela terminou de mamar, e apreciou a sensação das mãos de Drew sobre ela. Eles colocaram o bebê na cama pouco depois, e ele a puxou para o seu quarto e se deitou. Seu corpo ainda não estava pronto para fazer amor, o que a matou, porque ela queria que eles pudessem compartilhar sexo de novo. Ela estava incrivelmente auto consciente, apesar de seu corpo. Ele começou a esfregar as costas e os lados dela, e ela se afastou. "Eu quero te tocar. Sei que você ainda não esta pronta para fazer amor, mas isso não significa que eu não posso te beijar e desfrutar de suas belas curvas", ele disse a ela antes de beijá-la e a deixar sem fôlego. "Eu não estou muito bonita agora, Drew. Ainda tenho esse peso extra do bebê, e eu nunca durmo o suficiente. Eu sei que pareço uma bagunça", disse ela para ele, e podia sentir o rubor em suas faces. Ele puxou o queixo dela para cima, para que pudesse olhar em seus olhos. "Você é a mulher mais impressionante que eu já vi na minha vida. Seu corpo é perfeito, e eu não me importo com quanto sono você perde, você ainda está linda. Nunca tente se esconder de mim, porque eu amo cada polegada quadrada de você", ele disse a ela com paixão. Ele agarrou a mão dela e apertou contra sua ereção muito óbvia, e seus olhos se arregalaram. "Você não me tocou desde que o bebê nasceu, e eu pensei que você estava com um pouco de repulsa por mim", ela admitiu. "Sinto muito que você pensou isso, amor. Eu nunca poderia sentir repulsa por você. Eu estava me sentindo com tanta culpa sobre a nossa a noite antes de ir para o hospital. Você me faz ficar tão louco, e eu fui tão rude com você, e simplesmente não confiava em mim", ele disse a ela. "Drew, você nunca me machucou. Você me agrada de maneiras que eu nunca soube que fossem possíveis antes de te conhecer. Você me deu tanto, e eu não posso mais imaginar minha vida sem você nela. Eu sei que fui teimosa, mas realmente amo você, e quero que nosso casamento seja real", ela disse a ele. Ela estava com medo que ele não fosse capaz de dar-lhe o seu amor, mas não conseguia mais segurar as palavras.


"Eu estou tão feliz de ouvir você dizer isso. Eu te amei por tanto tempo. Nunca percebi que minha vida era vazia até que você entrou nela e, em seguida, desapareceu. Eu senti sua falta a partir do momento que você deixou nosso paraíso particular, e fiquei muito feliz de encontrá-la grávida do meu filho. Eu sei que cometi um monte de erros, mas amar você foi a melhor coisa que eu já fiz", ele disse a ela. Ele então a puxou perto dele, para que pudesse devorar sua boca. Nenhum dos dois conseguia respirar no momento em que ele se afastou dela. Ele então explorou sua garganta e se mudou para baixo, para as encostas de seus seios. Ela estava doendo por toda parte, e gritou de frustração por não poderem fazer amor. Ela podia não ser capaz de fazer amor com o marido por enquanto, mas certamente poderia se certificar de que ele fosse satisfeito. Ela o empurrou e, lentamente, desbotou sua camisa enquanto corria a língua sobre seu peito musculoso. Um leve brilho de suor estava surgindo em sua pele bronzeada. "Baby, eu não posso ter muito mais", disse ele com os dentes cerrados enquanto tentava puxá-la de volta para ele. Ela afastou as mãos dele de cima dela quando alcançou seu estômago e suavemente beliscou a pele. Ele prendeu a respiração ao puro prazer que ela estava lhe dando. "Você não tem que fazer isso", ele rosnou quando percebeu suas intenções. Ela não disse nada quando lentamente desabotoou suas calças e puxou seus boxers para baixo de suas pernas. Seu comprimento magnífico saltou para fora, mostrando como ele estava excitado. Ela se encheu de orgulho por ser capaz de deixá-lo assim. Ela beijou seu caminho de volta até as pernas dele, e se sentiu fortalecida pelo tremor de seu corpo. Ele estava respirando pesadamente agora, e sua cabeça estava jogada para trás enquanto ele gemia de prazer por seu toque. Ela alcançou o topo de suas coxas, e seu corpo estremeceu quando sua mão roçou a cabeça umedecida. Ela enfiou a língua para fora e lambeu toda a ponta da cabeça de seu pênis, e ele gritou. Ela nunca em sua vida tinha se sentido tão sexy ou poderosa na cama. Sentiu uma sensação de euforia, e ela nunca teria


feito isso por qualquer outro homem. Ela gentilmente acariciou seu pênis suave como a seda em sua mão, amando a força endurecida de sua carne. Ela esfregou a mão para cima e para baixo enquanto o agarrava com força. Ela, então, baixou a cabeça e o tomou em sua boca. Quando sua língua estalou em torno de seu eixo e sua mão continuou a trabalhar sua magia, ele gemeu uma e outra vez. Ela foi incentivada por seus sons de prazer e apertou sua boca ainda mais em volta dele, e começou a chupa-lo mais profundamente dentro de sua boca úmida. Ele agarrou sua cabeça, segurando-a firmemente contra ele enquanto ela continuava a lhe dar prazer. Seu corpo começou a ficar tenso, e ele puxou a cabeça dela para longe. "Eu não vou conseguir segurar", ele resmungou para ela. Ela sorriu para ele e passou a língua do outro lado de sua ponta enquanto continuava a acariciá-lo rapidamente com a mão. Ela se afastou quando ele gritou sua liberação. Ela olhou com fascínio quando ele transbordou em sua mão. Era a coisa mais sexy que ela já tinha visto em sua vida. Seu corpo foi empurrando por prazer quando ela usou sua própria libertação para suavizar a mão mais fácil para cima e para baixo do seu eixo ainda tremendo. Ela continuou a esfregar até que a última gota de seu orgasmo derramou dele. Ela, então, não pôde resistir, e sacudiu a língua uma última vez sobre sua bela cabeça. Ele convulsionou com o toque suave, e ela sorriu com poder feminino puro. Ela beijou lentamente o caminho de volta por seu abs impressionante, até que finalmente colou seus lábios nos dele. Ele a beijou suavemente, seu corpo saciado do presente que ela tinha lhe dado. Ele levou a mão até o lado de fora de sua calcinha de seda, e esfregou. Ele sabia que não poderia fazer amor com ela, mas certamente poderia dar-lhe prazer, desde que fosse muito cuidadoso. Ela começou a se contorcer sob seu toque. "Eu não posso fazer isso", ela começou a dizer. Mas, quando ele deslizou sua calcinha fora e tocou seo cerne inchado, seu protesto parou em um suspiro de prazer. "Eu não vou te machucar, mas preciso te tocar", disse ele em sua boca. Ela gemeu sua aceitação. Ele continuou a beijá-la, aumentando o prazer de seu corpo enquanto gentilmente brincava com o dedo sobre sua área mais sensível.


Ela queria muito mais, queria desesperadamente que ele conectasse seus corpos juntos, e quase a matou que não podiam. Seu estômago estava tremendo em puro prazer enquanto ele continuava a esfregar o dedo na parte externa de sua abertura, batendo no ponto mais sensível. Ela empurrou-se em surpresa quando um orgasmo intenso abalou seu corpo. Ele diminuiu o atrito enquanto ela continuava a ter espasmos de puro prazer. Ele suavizou o beijo, e a ajudou a acalmar-se. Ela finalmente desmoronou contra seu peito em pura satisfação. Ambos ficaram ali juntos, se sentindo muito bem por conseguirem satisfazer um ao outro e expressar seu amor transbordante. Ele a puxou contra ele e esfregou sua cabeça quando ela a deitou em seu peito. Ela adormeceu com o som de seu coração batendo, e não conhecia nada que pudesse ser tão grande quanto esse momento. Ela tinha uma filha maravilhosa da qual não podia viver sem, e um marido incrível que tinha a certeza de manter juntos.


Trinity não podia acreditar que sua filha já ia fazer um ano de idade. O ano tinha passado voando, e ela estava mais feliz do que jamais poderia ter imaginado. Drew tinha alguma grande surpresa planejada para ela, e ela estava tonta como uma menina de escola tentando imaginar o que poderia ser. Ele já havia dado a ela tudo que ela podia imaginar, e não conseguia pensar em nada que ele pudesse fazer por ela que estaria no topo do ano passado. Ela tinha sua própria surpresa para ele também, prem. Ela esfregou sua barriga em antecipação - tinha acabado de descobrir que estava grávida novamente. Ela sabia que era cedo demais, mas estava cheia de emoção que ia ter outro filho. Ela amava tanto Stephanie, e Drew iria ficar de ponta cabeça quando descobrisse. Ela simplesmente sabia que ele ia amar a notícia. Ela tinha ficado um pouco triste quando Stephanie continuou crescendo, e gostaria de dar-lhe um irmão. Ela ficaria feliz em ter tantos filhos quanto a casa pudesse abrigar. Ela adorava estar grávida, e adorava ter seu bebê em seus braços. Ela e Drew estavam constantemente cuidando de Stephanie, e ela era uma garotinha muito mimada – e muito bem amada. Quando seus pais não estavam abraçando-a um de seus tios certamente estaria lá para substituí-los. Ela tinha notado uma ligeira alteração em Ryan ultimamente, e estava preocupada com ele. Ele parecia mais estressado do que o normal, e ela se perguntou se talvez houvesse uma mulher fazendo aqueles círculos escuros aparecerem sob seus olhos. Ela e Jasmine estavam determinadas a descobrir do que se tratava. Ele recentemente comprou uma casa perto deles, e ambas estavam pensando que ele estava se preparando para se estabelecer. Elas certamente teriam que descobrir isso.


Jasmine entrou no quarto com um sorriso enorme no rosto. "Você está pronta para ir?", Perguntou Jasmine. "Você tem que me dizer o que está acontecendo. É o código de melhor amiga", disse Trinity. Jasmine tinha estado tão misteriosa quanto Drew, e Trinity estava ficando um pouco louca. "Me desculpe, eu não posso contar. Mas deixe-me dizer que estou pouco ciumenta. Você tem um homem que te ama muito. Se eu não tivesse o meu próprio marido incrível não estaria tão feliz por você", Jasmine brincou com ela. "Eu só quero que você saiba que a próxima vez que você estiver ficando louca de ansiedade, eu vou apenas sentar e sorrir", disse Trinity, com uma carranca falsa. Ambas as mulheres sabiam que sua amizade era sólida. Trinity seguiu Jasmine para fora da casa e deixou levá-la embora. Ela ainda não tinha ideia de onde estavam indo, ou o que ia acontecer. Elas dirigiram para fora da cidade e pararam em uma sala de recreação. Trinity não tinha ideia do que possivelmente poderia estar acontecendo, mas ela parou de tentar descobrir e apenas entrou com Jasmine. Quando ela entrou, olhou em volta em confusão e, em seguida, olhou para o rosto de Jasmine, que estava sorrindo para ela. "O que é tudo isso?" Trinity engasgou. "Drew prometeu dar-lhe um casamento de verdade, então ele planejou tudo. Eu não posso acreditar que você não adivinhou tudo ou sequer suspeitou quando eu estava questionando tanto sobre o seu vestido perfeito, ou em que tipo de lugar você gostaria de se casar e, em seguida, a prova do vestido... foi inestimável. Alguém já lhe disse o quão crédula você é?" Jasmine disse com uma risada. "Eu não tinha idéia," Trinity disse a ela com admiração. Ela olhou ao redor da sala. Havia pessoas em toda parte. Ela foi levada às pressas para um espelho enorme onde um casal começou a arrumar seu cabelo e duas outras pessoas começaram a trabalhar em suas unhas das mãos e dos pés. Dentro de um par de horas Trinity tinha sido transformada, e olhou no espelho para seu cabelo lindo. Havia diamantes gotejando em meio aos fios, e ela estava com um pouco de medo que eles pudessem ser reais. Ela decidiu que não ia pensar nisso, porque iria deixá-la paranoica.


Jasmine deslizou atrás dela e colocou uma tiara - a mesma que usara no hospital - em sua cabeça, e foi perfeito. Ela teria ficado desapontada por não ter aquele pedaço de seu primeiro casamento. Elas caminharam ao longo de um quarto de vestir e Trinity sentiu as lágrimas caírem enquanto olhava para o vestido lindo pendurado lá. Era perfeito em todos os sentidos. Jasmine e Drew tinham feito um trabalho incrível para se certificar que seu vestido fosse tudo o que ela poderia possivelmente querer, e muito mais. Jasmine ajudou Trinity a entrar no vestido luxuoso, e quando as camadas de seda flutuaram sobre seu corpo e Jasmine as apertou, Trinity realmente se sentiu como uma princesa. Ela calçou os saltos requintados e se olhou no espelho, mal sendo capaz de reconhecer a si mesma. Jasmine entrou em seu próprio vestido bonito, e Trinity mal podia esperar para chegar a Drew. Ela sabia que ele ia estar tão incrivelmente bonito. As mulheres chegaram aos degraus e Trinity engasgou com o belo carro esperando por elas. Era um Jaguar conversível, e havia arcos sobre ele. O motorista estava vestindo um smoking e chapéu alto. Ela deu uma risadinha pelo romance de tudo. As duas mulheres foram colocadas dentro do veículo, e então o motorista fez o seu caminho lentamente pela estrada. Não demorou muito antes deles pararem em uma igreja isolada e linda. Parecia fora do lugar no meio do nada, e Trinity se perguntou como ele tinha encontrado-a. "Eu espero que você não se importe, mas aqui é onde eu me casei. Derek tinha arrumado tudo para mim, e eu pensei que você iria amá-la, também. É um ótimo lugar, e vai dar-lhe boa sorte", disse Jasmine. "É perfeito, Jasmine, e exatamente o que eu teria escolhido", disse ela, realmente se esforçando para não deixar as lágrimas começarem a fluir novamente. O motorista deu a volta e as ajudou a sair do veículo, e Trinity não conseguia obter o suficiente de seus arredores. Havia um grande tapete vermelho levando todo o caminho até o altar e sobre as escadas. Havia também enormes arranjos diferenciados descendo os degraus, e curvas que iam ao longo do corrimão. Era incrível, e ela estava completamente maravilhada.


O pequeno Jacob saiu do edifício, parecendo muito afável em seu próprio pequeno smoking. Ele tinha crescido tanto no ano passado, e agora era cerca de uma polegada mais alto do que ela. Ela amava o doce sobrinho. "Oi, tia Trinity. Você parece bem", ele disse, se curvando para ela como um perfeito cavalheiro. "Eu ficaria muito orgulhoso se puder levála até o altar para o tio Drew," ele terminou. Ela podia sentir as lágrimas começam a se reunir em seus olhos novamente. Como um perfeito cavalheiro ele tirou um lenço do bolso e entregou-o a ela. Ela enxugou os olhos e sorriu para Derek, que tinha saído pela porta da frente. Ele colocou a mão de Jasmine através de seu braço, e ficou à frente da igreja esperou por Trinity ficar pronta. Ela acenou para eles e a música começou enquanto eles fizeram seu caminho para frente. Trinity tomou uma respiração profunda e lentamente os seguiu. Ela estava muito grata por ter Jacob andando com ela. Ele ia ser um destruidor de corações ele mesmo quando ficasse mais velho, certamente seguindo os passos de seu pai e tios. Passo a Passo. Ela sorriu para ele, uma vez que passou pela porta. Ela olhou para frente e todos os pensamentos foram de sua mente quando ela viu de Drew. Ele estava tão deslumbrante em seu smoking, com seu pai e primo pé ao lado dele. Jasmine e Derek estavam do outro lado, e a família era uma visão tão deslumbrante que ela sentiu como se não pudesse respirar. Ela não podia acreditar como tinha sorte de tê-lo, e a sua família, como parte de sua própria vida. Tudo parecia muito mais real com ela recebendo este casamento de sonho, também. Seus olhos estavam presos aos dele quando ela fez seu caminho pelo corredor. Jacob fez um grande trabalho quando colocou sua mão na de Drew. Ela mal podia respirar, de tão Hipnotizada que estava pela sensualidade de seu marido. O pregador falou palavras que ela repetiu quando deveria, mas ela não tinha ideia de como conseguiu, porque estava quase desmaiando de felicidade. Logo o pregador os declarou casados novamente, e Drew logo a estava puxando em seus braços. Ele a beijou com tanta paixão e saudade que parecia que eles realmente estavam se casando pela primeira vez.


Derek limpou a garganta e Drew relutantemente se afastou dela. Ela corou quando a multidão irrompeu em aplausos ao belo casal. Drew deslizou o braço no dela e caminhou com ela pelo tapete vermelho. Ele a puxou para fora da porta e a levou ao redor da parte de trás da igreja. A cena era de tirar o fôlego. Ele tinha enormes tendas armadas, e havia música tocando. Ele puxou-a direto para a pista de dança e a tomou em seus braços. "Você está tão impressionante", ele sussurrou em seu ouvido, fazendo um arrepio de desejo correr para baixo em sua coluna vertebral. Ela o amava muito e não podia acreditar que já tinha lutado contra sua atração por ele. Ele trouxe seus lábios de volta aos dela, e seu estômago tremeu de desejo. Ela não podia imaginar-se ficando cansada de seu corpo pressionado firmemente ao dela. Ele girou em torno dela na pista de dança, e ela notou que outros casais se juntavam a eles. Ela olhou para Jasmine, que estava enrolada nos braços de Derek. Os dois pareciam recém-casados enquanto Derek estava girando em torno dela. Ela soltou uma risadinha de satisfação por algo que ele disse, e depois corou vermelha e olhou em volta. Os olhos das duas mulheres se encontraram e elas compartilharam um momento de puro deleite. "É hora de cortar o bolo", disse alguém, e Drew levou para uma mesa que tinha um enorme bolo de quatro níveis com uma cascata descendo em suas camadas. Ele cortou um pedaço e gentilmente a alimentou, mesmo que a multidão estivesse pedindo que eles ficassem um pouco mais. Ele tomou o pequeno pedaço de bolo de seus dedos delicados e então chupou o dedo em sua boca para lamber o glacê. Ela sentiu a atração de seus lábios profundos dentro de seu estômago, e um arrepio de desejo correu por ela. Ela observou os olhos de Drew estreitos na paixão, e não queria nada alem de se trancar em um quarto, sozinha com ele. Ela não se importava onde estava - ela queria seu marido muito mal. Ele começou a se afastar, quando Ryan agarrou seu braço. "Não tão rápido Romeo, é hora de seus brindes", disse ele com um sorriso. Drew rosnou para ele, mas Ryan apenas riu e pegou os braços de Trinity. Ela olhou para trás, com saudade, para o marido. Ryan e Derek disseram seus brindes, que trouxeram mais lágrimas para seus olhos. Desde de Drew não foi capaz de parar, ele a puxou de volta para a pista de dança e continuou com as preliminares.


Logo Jasmine se aproximou dela e a puxou para se mudar. As duas mulheres fizeram um rápido trabalho de trocar de roupa, e Trinity ficou encantado com o vestido de verão curto que Jasmine escolheu. Sentia-se delicada e bonita, e estava grata porque em poucos meses seu corpo iria mudar mais uma vez. "Estou grávida de novo", ela finalmente explodiu, deixando de ser capaz de conter o segredo. Jasmine guinchou com prazer antes de lançar os braços ao redor de sua melhor amiga. "Oh meu Deus, isso é tão grande, porque eu descobri que também estou. Nós vamos fazer isso juntas", disse ela. Trinity soltou seu próprio guincho quando as duas mulheres se abraçaram. A única coisa mais perfeita em seu dia especial, alem de ter de Drew como seu marido, era estar passando por sua segunda gravidez com Jasmine. "Eu não disse a Drew ainda, então você não pode dizer nada", disse Trinity. "Eu não disse a Derek ainda, por isso, seria melhor fazermos isso hoje à noite, porque você sabe que não vamos ser capazes de conter a nós mesmas muito tempo", disse Jasmine. As meninas riram de novo, porque sabiam que era verdade. Elas saíram da sala, mas nenhuma delas percebeu os olhares nos rostos de seus maridos. Os homens estavam tão encantados com suas esposas que eram simplesmente de tirar o fôlego. "Eu nunca pensei que pudesse ser tão feliz", disse Drew enquanto observava as duas mulheres caminharem. "Confie em mim primo, eu sei o que você quer dizer", disse Derek. Ele tinha seus próprios planos para sua bela esposa naquela noite. Os homens se separaram quando levaram suas mulheres em seus braços. Drew se dirigiu para o carro que estava aguardando na frente. Os convidados jogaram arroz enquanto eles correram para dentro do veículo. Trinity estava rindo quando eles sentavam no banco de trás e imediatamente se abraçavam. "Eu tenho uma surpresa final para você," Drew disse a ela entre beijos. "Eu não posso imaginar qualquer outra coisa," ela engasgou.


"Nós estamos saindo para uma lua de mel de três dias. Eu queria que fosse mais tempo, mas sei que nenhum de nós conseguiria ficar longe de Stephanie muito tempo", ele disse a ela. "Você me conhece tão bem", disse ela enquanto continuava a beijálo. Ela queria o deixar nu ali mesmo, mas estava bem consciente de que não estavam sozinhos. "Eu espero que não seja muito longe," ela terminou, o que o levou a rosnar ainda mais. "Você está me matando, mulher," ele disse quando passou a mão sobre sua coxa. Ela teria que dizer que ele era o único fazendo a tortura. Eles chegaram a seu jato e rapidamente entraram. Ele não quis sentar nos bancos - não queria nada mais do que levá-la para o quarto e mostrar a ela o quanto ela significava para ele. "Eu tenho algo para lhe dizer", disse ela, à medida que colocava o cinto de segurança para a decolagem. "E o que é?", Perguntou. Sua mão estava esfregando para cima e para baixo de sua coxa, subindo mais a cada passagem que fazia. "Nós vamos ter outro bebê", ela deixou escapar. Sua mão parou quando ele olhou para ela. "Sério?", Perguntou ele enquanto seus olhos se arregalaram. Ela assentiu com a cabeça e, de repente, ele estava soltando-a de seu cinto de segurança e se ajoelhando na frente dela. Sua cabeça deitou contra seu estômago ainda plano, e ela sentiu uma lágrima deslizar de seu olho. Ele estava segurando com força contra ela, e ela não podia acreditar no homem incrível que ele era. "Você precisa me afivelar de volta, nós estamos nos movendo", disse a ele. Ele relutantemente voltou para seu assento e se sentou assim que o jato começou a levantar no ar. Ele não conseguia manter as mãos longe dela, no entanto. No segundo que os pilotos disseram que eles podiam remover os cintos de segurança Drew tirou o dele fora e a puxou de seu assento. Levantou-a em seus braços e a levou para o quarto grande. Ele gentilmente a deitou na cama e levantou a camisa para longe de sua barriga, para que pudesse acariciar seu estômago. "Eu não posso acreditar que vou chegar a ver você crescer desde o início. Eu odeio o quanto perdi com Stephanie", disse ele. Ela se sentiu tão culpada por ter


tomado esse tempo dele, e estava tão feliz que poderia compensá-lo neste momento. "Eu sinto muito, Drew", disse ela, verdadeiramente querendo dizer o que disse. "Você não tem nada que se desculpar. Eu posso admitir que estava com mentalidade estreita, e você tinha todo o direito de não confiar em mim", ele disse a ela. "Eu simplesmente odeio quanto tempo nós perdemos", disse ela. "Eu também, amor. Mas, o que importa agora é que nós temos o para sempre, começando agora", disse ele com toda sinceridade. Eles começaram a se beijar de novo, e todos os pensamentos foram apagados de suas mentes quando a paixão rapidamente assumiu. Não importava quantas vezes ela fizesse amor com ele, era mais emocionante a cada vez. Eles caíram num sono exausto depois, e não acordaram até que o piloto disse que era hora de por o cinto de segurança de novo. Trinity sentou em seu assento e suspirou de prazer quando percebeu para onde estavam indo. O jato virou em um grande círculo e pousou numa pequena faixa sem espaço extra para pousar. "Eu não posso acreditar que você nos trouxe de volta aqui. Você é um romântico, Sr. Titan", disse ela com prazer. "Eu vou me certificar de voltarmos juntos desta vez", disse ele com um sorriso. Eles rapidamente seguiram para o resort, até a suíte onde sua história tinha começado. Mas, desta vez, a historia acabaria com um muito grande ‘e eles viveram felizes para sempre’. Fim

Profile for Leia

The Tycoon's Vacation - Melody Anne  

Serie Baby For The Billionaire - Livro 2

The Tycoon's Vacation - Melody Anne  

Serie Baby For The Billionaire - Livro 2

Advertisement