Page 1

REVISTA

Sindloc sp Ano XVII – Edição 152 - dezembro 2013

2014

à vista! Ao som de Beatles, o Sindloc-SP reúne principais referências do setor e comanda grande despedida de 2013

Saiba qual foi o balanço do ano na visão de 15 presidentes sindicais do segmento Identificação de condutores infratores com carros alugados será automática

Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Automotores do Estado de São Paulo


Job: 20645-002 -- Empresa: Neogama -- Arquivo: 20645-002-Renault-Varejo-AnRv-Sindloc-210x280_pag001.pdf


EDITORIAL

Remando contra a maré, mas sempre remando “Economistas elevam previsão de crescimento”, “Analistas projetam crescimento do PIB menor em 2014”, “UE reduz previsão de crescimento do Brasil em 2013”, “OCDE mantém previsão de alta de 2,5% do PIB em 2013”. Todas essas notícias estampam uma única página de pesquisa na internet e seriam motivo suficiente para uma grande dor de cabeça. Pontos de interrogação à parte, seguimos navegando neste mar revolto chamado Brasil. O país encerra mais um ciclo sob o signo da dúvida, apontando para um ano-novo de retração e obstáculos. Mas agora é hora de colocarmos um pedaço de otimismo nesse campo nebuloso. Se no decorrer de todo este ano lutamos por condições mais justas para o setor, batalharemos ainda mais em 2014. E, se buscamos trazer novos ensinamentos aos associados, vamos aprender ainda mais. É o que fizemos nestes primeiros 12 meses da Revista Sindloc-SP. Combatemos as mazelas e os improvisos dos governos, da inspeção veicular e do IPTU abusivo à gangorra do IPI. Colocamos em pauta oportunidades para as locadoras, no mercado de eventos e no leilão de usados com baixa rápida do gravame. Assimilamos dicas sobre leasing, gestão e motivação. Discutimos o que o mundo experimenta, o que os líderes setoriais pensam e o que a indústria automobilística projeta. E ouvimos exemplos inspiradores de persistência e superação. Oscar Schmidt nos fez entender que vitória significa não deixar nada por fazer. Amyr Klink lembrou que toda embarcação deve estar preparada para as tempestades. David Portes provou que pouco pode ser muito se abusarmos da criatividade e não desistirmos nunca. E o povo foi às ruas para revelar sua voz ativa e a capacidade de exigir mudanças. Ano ruim? Retraído? Sim, mas, acima de tudo, um ano em que não nos cansamos de aprender. Um 2013 que estimulou a procura por novos caminhos e horizontes mais promissores, nos tornando mais inovadores. E que termina cercado de esperança após a prisão dos mensaleiros, mostrando que a sanha pelo poder tem seu preço, e muito alto. Ao mesmo tempo, o governo sinaliza um pacto com o Congresso para impedir novos gastos sem previsão orçamentária. Para isso não se tornar mera cortina, estaremos por perto, em benefício do setor e em prol do Brasil. Esse tem de ser o espírito a nos mover em 2014. O ano de Carnaval, Copa e eleições, para muitos sinônimo de pura estagnação, pode ser o momento certo para adotar o lema da mudança. Após a euforia do IPI reduzido, o setor automotivo vive um momento real, em que todas as pontas percebem a importância de unir forças e inteligência. Que o Ano-Novo faça dessa parceria uma constância. Juntos, somos muitos. Eternos aprendizes e eternos batalhadores. Aos associados e parceiros, um 2014 repleto de renovações! De frotas, de conhecimentos e de esperanças! Alberto de Camargo Vidigal Presidente do Sindloc-SP

EXPEDIENTE A Revista Sindloc SP é uma publicação do Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Automotores do Estado de São Paulo, distribuída gratuitamente a empresas do setor, indústria automobilística, indústria do turismo, executivos financeiros e jornalistas.

Presidente: Alberto de Camargo Vidigal Vice-Presidente: Eladio Paniagua Junior Diretor Financeiro: Luiz Carlos de Carvalho Pinto Lang Diretor Secretário: Paulo Miguel Jr. Consultor de Gestão: Luiz Antonio Cabral Conselho Fiscal: Eliane Baida, Paulo Gaba Jr. e Paulo Hermas Bonilha Junior Produção Editorial: Scritta – www.scritta.com.br Coordenação: Leandro Luize Redação: Dalton L. C. de Almeida, Katia Simões, Rejane Tamoto e Santiago Oliver Revisão: Leandro Luize, Júlio Yamamoto e Maria Inês Arbex

Diagramação: Eco Soluções em Conteúdo www.ecoeditorial.com.br Jornalista Responsável: Paulo Piratininga - MTPS 17.095 piratininga@scritta.com.br Impressão: Gráfica Revelação Tiragem: 5 mil exemplares Circulação: distribuição eletrônica para 7 mil leitores cadastrados Endereço: Praça Ramos de Azevedo, 209 – cj. 22 e 23 Telefone: (11) 3123-3131 E-mail: secretaria@sindlocsp.com.br É permitida a reprodução total ou parcial das reportagens, desde que citada a fonte.

revista sindloc

3


sumário

08 RELACIONAMENTO Sindloc-SP organiza grande festa, ao som dos Beatles, com empresários da locação, patrocinadores e fornecedores. Veja os melhores momentos.

12 RETROSPECTIVA A voz dos líderes: 15 presidentes de Sindlocs de todo o país dão seu parecer sobre o que foi o ano de 2013 para a locação brasileira.

16 LÍDER SETORIAL Nem ritmo anêmico da economia segura Minas Gerais, em entrevista Luis Porto, vice-presidente do Sindloc-MG, apresenta esse panorama.

22 ARTIGO Não deixe para depois! Especialista sugere o fim de ano como o momento ideal para o planejamento tributário.

18

4

GESTÃO A hora de reforçar sua equipe e contratar colaboradores é agora! Mas é preciso saber quais são os desafios para ser bem sucedido nessa missão.

revista sindloc

20

MUNDO Smartphones são peças cruciais na dinâmica moderna de trabalho. Conheça os aplicativos indispensáveis para tirar o melhor proveito da tecnologia.


informações úteis

RANKING

IPVA 1

Conheça os carros mais difíceis de furtar

Governo paulista protesta dívidas Em um movimento inédito no país, o governo paulista fechou o cerco contra os inadimplentes do IPVA, com base em lei federal publicada em dezembro de 2012 e que prevê o protesto de dívidas ativas de tributos. A ordem agora é protestar em massa nos cartórios e os primeiros serão os devedores do imposto, identificados como os menos reticentes em acertar sua situação quando pressionados. Atenção é primordial, já que pessoas físicas ou jurídicas protestadas ficam sem crédito no mercado, não podem abrir contas em banco e perdem o direito de receber subsídios estatais. A meta da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) é inscrever na dívida ativa o tributo atrasado no mesmo ano em que ele deveria ser pago, o que aumenta a chance de recuperação, hoje, em média de 15,19%. Entre dezembro do ano passado e outubro de 2013, mais de R$ 130 milhões em dívidas já foram acionadas. O ICMS também não ficará de fora. Em um primeiro momento, as ações serão de combate às fraudes de omissão de faturamento de pequenas e microempresas, ampliação de auditorias e fiscalização de 100% das companhias de grande porte. Os protestos ficarão para uma segunda oportunidade.

Posição

Pontuação

Modelo

1

“4,5 estrelas”

GM Cruze

2

“3,5 estrelas”

Ford Ka

3

3 estrelas

Honda Civic

3

3 estrelas

GM Cobalt

3

3 estrelas

Honda FIT

4

“2,5 estrelas”

GM Cruze

4

“2,5 estrelas”

Volkswagen Cross Fox

4

“2,5 estrelas”

Ford Fiesta

4

“2,5 estrelas”

Ford Fiesta Sedã

4

“2,5 estrelas”

Nissan March

4

“2,5 estrelas”

Renault Sandero

4

“2,5 estrelas”

Renault Sandero Stepway

IPVA 2 Mas ficará mais barato em 2014 O próximo ano contará com uma queda média de 5,43% no IPVA para os automóveis, segundo a Secretaria da Fazenda de São Paulo. Uma ótima notícia para as locadoras. Com uma frota de aproximadamente 22 milhões de veículos, o estado conta com 16,6 milhões sujeitos ao tributo e apenas 5 milhões isentos por terem mais de 20 anos de fabricação, além de 210 mil isentos, imunes ou dispensados de pagamento. A perspectiva da Fazenda é arrecadar R$ 13,1 bilhões em 2014.

Coleção/Thinkstockphotos

O Centro de Experimentação e Segurança Viária (CESVI) divulgou um ranking dos carros mais difíceis de serem furtados, considerados apenas os equipamentos de série dos modelos, ou seja, descartando eventuais acessórios que podem ser instalados pelos proprietários. Entre os elementos analisados figuraram tipos de chaves, como a de segredo interno, as com travas nas pontas, as de segredo externo e as de formato circular. Vidros laminados laterais, famosos por aumentar de quatro para 32 segundos o tempo para um malfeitor acessar o interior do veículo, também fizeram a diferença no levantamento. Foi levada em conta ainda a localização da bateria, geralmente acessada pelos malandros para desligar o alarme por corte de energia. Veja um panorama do ranking.

Confira o calendário de pagamento: PLACA FINAL

1ª PARCELA OU COTA 2ª PARCELA OU COTA ÚNICA C/ DESCONTO ÚNICA S/ DESCONTO

3ª PARCELA

1

13/01/2014

13/02/2014

13/03/2014

2

14/01/2014

14/02/2014

14/03/2014

3

15/01/2014

15/02/2014

15/03/2014

4

16/01/2014

16/02/2014

16/03/2014

5

17/01/2014

17/02/2014

17/03/2014

6

20/01/2014

20/02/2014

20/03/2014

7

21/01/2014

21/02/2014

21/032014

8

22/01/2014

22/02/2014

22/03/2014

9

23/01/2014

23/02/2014

23/03/2014

0

24/01/2014

24/02/2014

24/03/2014

revista sindloc

5


coluna TRABALHISTA

Os efeitos da suspensão ou perda da CNH no contrato de trabalho do empregado Muitas empresas enfrentam problemas em razão de multas sofridas pelos empregados motoristas. Além das multas, a gravidade das infrações poderá levar à suspensão ou perda da CNH, impedindo o motorista de dirigir e, assim, cumprir as obrigações de seu contrato de trabalho. As locadoras poderão descontar o valor das multas do empregado motorista quando ele estiver utilizando veículo da empresa, desde que preenchidos os requisitos previstos no art. 462 da CLT e precedidos dos procedimentos delimitados em Convenção Coletiva de Trabalho, tais quais: (a) O empregado deverá ser notificado com antecedência suficiente que lhe permita apresentar defesa junto ao órgão próprio, caso assim o deseje. (b) O empregado que cometer a infração deve assinar o documento de indicação de condutor infrator, que por sua vez deverá ser remetido pela empresa à autoridade de trânsito, acompanhado dos documentos pessoais deste empregado, para os efeitos legais previstos no Código de Trânsito Brasileiro. A responsabilidade do empregado não se configura apenas quando ele comete infração dirigindo o veículo da empresa, mas também quando conduz veículo particular, fora do horário laboral. Independentemente de efetuar ou não os descontos das multas sofridas pelo trabalhador, a empresa poderá aplicar punições disciplinares, como advertências verbais e escritas, suspensões e até a dispensa por justa causa, a depender da gravidade. Isso porque o empregado correu o risco de ter a habilitação suspensa, o que impossibilitaria o exercício de sua profissão. Nesses casos, a perda da condição de trabalhar se dá por culpa única e exclusiva do empregado. E não havendo outro posto de trabalho para realocá-lo enquanto estiver sem a carteira de habilitação, não é lícito atribuir ao empregador o ônus de lhe pagar salários durante o período. Existem alguns procedimentos que a empresa poderá adotar nesses casos, que, entre outros, destacamos: (i) Ocorrendo a suspensão da carteira de habilitação, a empresa poderá aplicar ao empregado uma suspensão disciplinar no limite máximo de 30 dias, conforme art. 474 da Consolidação das Leis do Trabalho. No período em que o trabalhador estiver suspenso de suas atividades, as

cláusulas contratuais não se aplicam. O seu salário, o empregado não prestará serviços e o prazo de afastamento não será computado como tempo de serviço, ficando o empregador desobrigado de realizar recolhimentos legais. Entretanto, na hipótese de a empresa conceder assistência médico-hospitalar ou odontológica, é recomendável a manutenção desse benefício. (ii) Independentemente da suspensão da CNH, a empresa poderá considerar extremamente grave uma determinada infração cometida pelo empregado, e considerar que este descumpriu a sua obrigação contratual,

“O empregado é responsável pelas

ações que o colocam em risco de ter

sua CNH suspensa ou perdida tanto no

horário de trabalho quanto no de folga”

6

revista sindloc

de modo a demiti-lo por justa causa (art. 482 “e” da CLT), desde que observados alguns parâmetros de cabimento dessa modalidade de dispensa: (a) a avaliação da gravidade dos fatos; (b) o imediatismo entre a suspensão e a demissão; (c) o conhecimento das infrações e/ou punições anteriores caracterizando perdão tácito. Tais argumentos não esgotam a análise do caso. E, na hipótese de uma reclamação trabalhista discutindo a decisão da empresa, caberá ao Judiciário analisar.

Vera Lúcia dos Santos Menezes Advogada trabalhista


TRÂNSITO

Locação de limusines e modelos clássicos Aquela imagem glamourosa de uma celebridade desembarcando de uma limusine defronte a um prestigiado evento povoa o imaginário de muita gente e até pouco tempo atrás representava uma cena só vista na televisão. De olho nesse público, algumas empresas especializadas passaram a realizar a transformação de veículos modernos já consagrados em sua versão original em limusines. Apesar das dimensões expressivas, sua capacidade (motorista e passageiros) não deve ultrapassar nove ocupantes, mantendo a classificação do automóvel na categoria B de habilitação. Com um ocupante a mais, o veículo já seria considerado um micro-ônibus, na categoria D. Em outro segmento, temos os veículos utilizados no caminho do matrimônio, que vão desde as modernas limusines citadas anteriormente até os clássicos automóveis de um passado recente ou longínquo, que conferem um momento mágico ao ritual de casamento. Os carros fabricados há mais de 30 anos poderão estar registrados como coleção, identificados pela famosa placa preta. E, diante da possibilidade de importação de modelos com mais de 30 anos, veículos adquiridos recentemente no exterior com condições excepcionais de conservação e valores acessíveis passaram a circular em nossas ruas. Nesse casos, podemos identificar algumas situações comuns, tais como a de o motorista ser o próprio dono do carro (no caso dos clássicos) ou pessoa de sua mais absoluta confiança, não só pelos cuidados paternos em relação ao veículo, mas também pelas peculiaridades de condução e manobras de um automóvel com dimensões consideráveis. Fizemos essa série de considerações preliminares porque tradicionalmente esse mercado se qualifica como locação, quando as características relatadas nos remetem a uma contratação de transporte. É como se um táxi tivesse sido contratado para realizar certo deslocamento – com destino e até horário dessa prestação, diferentemente da locação de veículo –, para o qual é assumida a posse do veículo, que ficaria à plena disposição do locatário para ser conduzido por motorista autorizado, que

não o próprio locatário. Ao se caracterizar transporte remunerado, o prestador precisa se sujeitar a regras do poder concedente aplicáveis a táxis e fretamentos, e o veículo tem de ser registrado na categoria aluguel (placa vermelha).

“As glamourosas limusines para

locação demandam uma série de cuidados em prol da segurança

e legalidade na prestação deste serviço de luxo” As situações abordadas parecem estar em uma espécie de limbo, até protegidas pela tradição e pelos costumes, como é o caso do casamento. Por isso, sentimos a necessidade de um esclarecimento profundo em relação ao setor de locações, que muitas vezes sofre com o rigor da fiscalização, especialmente em aeroportos, onde os transportadores irregulares (piratas) agem captando clientela. E são as locadoras que acabam sendo acusadas de vilãs da história.

Marcelo José Araújo é advogado, professor de direito de trânsito, presidente da Comissão de Trânsito, Transporte e Mobilidade da OAB-PR e assessor do Sindloc/SP.

revista sindloc

7


Fotos: Gustavo De Gaspari

RELACIONAMENTO

Fim de ano ao som dos Beatles Para finalizar um 2013 de desafios, avanços e muitas conquistas, o Sindloc-SP organizou uma grande comemoração de fim de ano, com um rico jantar e uma apresentação inesquecível ao som de Beatles. Um ambiente propício a um intenso relacionamento entre os principais executivos e lideranças das empresas, bem como fornecedores do setor da locação de automóveis do Estado de São Paulo. Na ocasião estiveram presentes nomes importantes do setor, destaque especial para os representantes dos parceiros que há muito tempo já acompanham o Sindloc-SP, entre os quais Fiat, Volkswagen, Renault, Segplus e Itaú, além dos novos apoiadores Ford, General Motors (GM) e Toyota. Música e boa mesa O grupo Beatles 4Ever – reconhecido internacionalmente como uma das melhores bandas cover do icônico grupo inglês – fez jus a sua fama e animou a festa com uma seleção de primeira categoria. O repertório incluiu os mais badalados clássicos, como Hey Jude, She Loves You e All we need is Love. Executadas com perfeição, as canções animaram dos mais jovens aos mais experientes. Outro ponto alto ficou para a saborosa mesa de jantar. Somada ao ambiente re-

8

revista sindloc

quintado e de bom gosto da Fecomercio, onde foi realizado o evento, agradou a todos e gerou grande quantidade de elogios. Salão de Automóveis A festa representou uma oportunidade rara de se ter grande parte do empresariado do setor reunido em um único local, ainda mais em São Paulo, o estado com maior volume de negócios de locação de automóveis do país. Mais do que isso, o evento possibilitou às principais montadoras do país exibir seus lançamentos e os modelos mais utilizados pelas locadoras. Discurso Alberto Camargo Vidigal, presidente do Sindloc-SP, agradeceu a presença de todos, o apoio dos parceiros da entidade durante o ano e aproveitou para apresentar os reforços à diretoria atual, reconduzida para mais um mandato à frente da entidade, após referendo que confirmou o interesse dos associados na continuidade da atual gestão. O resultado de um processo eleitoral gestado com total transparência e atenção às regras eleitorais. Veja nos flashes a seguir imagens dos melhores momentos deste grande encontro. E que venha 2014, com ainda mais integração e bons negócios!


Diretoria Sindloc-SP com Paulo Bonilha Jr, Luiz Carlos Lang, Eládio Paniágua Jr., Alberto Vidigal, Luiz Cabral, Paulo Gaba Jr. e Paulo Miguel Jr.

Denilson Canteiro e Monica Canteiro (Premier Way), Liane e Vanderlei Chu (Banco Safra)

Grupo Beatles 4Ever

Fernando Micheli, Maria Micheli, Alessandra Marques, Laura Muzeti, Jeronimo Muzetti e Pedro Muzeti (Panorama Barretos)

Alberto Vidigal, Michelli Negri (Ford) e Luiz Cabral

Sentados: Davilson Brunelle e Devincer Miguel (Volkswagen). Em pé: Paulo Uzeda e Alexandre Sampaio (Uzeda)

Douglas Torelli, Marcos Severino, Fernando Piñeiro (GM) Fábio Nabhan (Metrosul) revista sindloc

9


RELACIONAMENTO

Adrian Bouquetti e Alexandre Oliveira (Renault), Alberto Vidigal e Paulo Figueiredo (Renault)

Luciana Vidigal, Alberto Vidigal e Anna Helena Vidigal

Cristina Bourg e João Bourg (Presidente ABLA Nacional)

Luiz Cabral, Fernando Piñeiro e Douglas Torelli (GM), e Alberto Vidigal

Ana Cláudia e Renata Perroni (executiva Rent a Car)

Luiz Cabral, Pamela Grazioli (Fiat) e Alberto Vidigal

10

revista sindloc

Paulo Uzeda (Uzeda), Paulo Figueiredo, Alexandre Oliveira e Sergio Navarro (Renault)


Simone e Paulo Soubhia (Pmsal), com Paulo Miguel Jr

Vivian Brandão, Daniela Lapenna e Eliane Lapenna (Certezzax Car), Rita Bittencourt e José Mario (JM & Marina) e Osvaldo Tonani (Credicitrus)

Davilson Brunelle e Devincer Miguel (Volkswagen), Alberto Vidigal e Luiz Cabral

Marcelo Almeida, Luiz Gustavo Maia e Mário Vitor Torre (Infosistemas)

Eládio Paniagua Jr., Reinaldo Carvalho e Maria Regina Carvalho (Grupo Comeri)

Panorama do evento revista sindloc

11


RETROSPECTIVA

Um ano para refletir O que 2013 significou para a locação de automóveis no Brasil? Para responder a essa pergunta, decidimos ouvir a opinião dos presidentes dos Sindlocs de 15 estados brasileiros. Eles, por serem lideranças representativas em suas regiões de atuação e por estarem intimamente ligados ao dia a dia empresarial desta atividade, podem nos passar uma visão realista e abrangente sobre o tema. Essa avaliação produziu um interessante panorama geral de como se comportou o setor de locação em todo o Brasil. “Apesar da diversidade dos comentários, na maioria das opiniões, a queda nos investimentos de infraestrutura e a desaceleração da economia compuseram o pano de fundo da nossa atividade em 2013. Mesmo inferior às expectativas, o ano deixou como saldo a ampliação da consolidação do setor e um comportamento equilibrado quanto aos volumes de frotas e dos negócios, com a promessa de que 2014,

capitaneado pela Copa do Mundo e pelas eleições, deverá gerar uma movimentação maior e mais rentável”, constata o presidente do Sindloc-SP, Alberto de Camargo Vidigal. Para Vidigal, as impressões dos empresários revelam uma situação comum a todos os estados, além de convergirem para a realidade vivida em São Paulo. “O que acontece na maior economia do país se reflete também no volume de negócios de locação de nosso estado, o que, por sua vez, exerce grande influência sobre as médias do desempenho brasileiro”, ressalta. O mercado paulista apresentou crescimento da ordem de 10%, e, a despeito das oscilações, o dirigente acredita que essa deverá ser a média de expansão do setor em território nacional.

Confira as avaliações e convidamos você a fazer também sua reflexão. ALAGOAS - Lusirlei Albertini “Em Alagoas, o setor permaneceu estável, não cresceu frente a 2012 por fatores como o corte de investimentos nas obras do PAC e a economia estadual parada. Na esfera privada, as usinas também não tiveram o desempenho esperado, com redução na produção e no preço final do açúcar e do álcool. O único segmento com desempenho o esperado foi o de turismo, que representa 25% do negócio de locação. Contudo, 2014 tende a ser melhor por causa da Copa do Mundo.” BAHIA - Jeferson Tararam “O setor não cresceu o esperado, mas a Bahia tem a comemorar em 2013 a redução do IPVA, que caiu de 2,5% para 1%. Importante pilar de expansão do setor de locação, o turismo no estado vem enfrentando anos de depreciação. São oito anos de total descaso. O que tem garantido os trabalhos é a locação de frotas, embora o setor público venha registrando altos índices de inadimplência.” CEARÁ - Aleksander Rangel “Aqui no Ceará, as empresas de locação viveram um ano difícil. As expectativas depositadas na Copa das Confederações não se concretizaram. Paralelamente, no auge da temporada de férias, as manifestações populares ganharam força, prejudicando o turismo. Assim, o setor não cresceu mais do que 10% ou 15%. Esperamos que 2014, com a Copa do Mundo, o cenário seja diferente.”

DISTRITO FEDERAL - Artur César Silva “Para as empresas de locação do Distrito Federal, 2013 foi excelente, com média de crescimento entre 30% e 35%. O número de empresas saltou de 113 para 214, e a demanda aumentou, já que boa parte dos nossos contratos são públicos. Para 2014, as expectativas são ainda melhores, pois a capital ferve em ano de eleição.” ESPÍRITO SANTO - Marcio Gonçalves “O ano de 2013 foi de ajustes e pouco crescimento no Espírito Santo. Tanto o turismo quanto o aluguel de frotas para empresas permaneceram equilibrados, em razão dos baixos índices de expansão da economia estadual. Com relação a 2014, não cultivamos ainda grandes expectativas.”

12

revista sindloc


GOIÁS -Adriano Donzelli “Foi um ano complicado, que exigiu inteligência e jogo de cintura para sobreviver. Projetos engavetados, contratos renegociados e muitos investimentos adiados, o que nos leva a crer que o ano-novo será melhor. Algumas empresas cresceram, outras reduziram as frotas, mas também algumas novas chegaram ao mercado. No fim das contas, o desempenho permaneceu igual ao de 2012.” MINAS GERAIS - Leonardo Soares “Foi um período de mudanças e sinalizações para o futuro, maior profissionalização, dificuldades com a desmobilização e aumento da nossa importância como clientes da indústria automotiva. Além disso, são grandes as expectativas com a Copa do Mundo e uma maior disseminação da cultura da locação. Por fim, é crucial que o bom trabalho feito pelo Sindloc-SP junto a seus associados seja considerado referência e se repita por todo o país.” PARÁ - Ricardo Braz “O ano de 2013 apresentou crescimento no âmbito da locação, mas acabou não sendo tão representativo devido aos custos e às dificuldades encontradas nos processos de desmobilização de frota. Esse aspecto, inclusive, será um dos focos de atuação de nossa entidade no próximo ano. O objetivo será encontrar os melhores modelos e estratégias para superar esse desafio.” PARANÁ - Flávio Kanaan Nabhan “A atividade de locação está atrelada, em grande parte, ao desempenho do poder público, que em 2013 deixou muito a desejar. Outro fato que também contribuiu para a baixa movimentação do nosso setor foi a grande quantidade de carros usados que chegou ao mercado. Não vivemos um ano positivo, mas também não podemos considerá-lo negativo. Foi um período para acertar as contas e pôr a casa em ordem.” PERNAMBUCO - Nildo Pedrosa “O ano foi muito bom para nossa região, que experimentou um crescimento promissor. Tivemos como aspecto negativo a restrição da oferta de crédito, que, mesmo em expansão, ainda não chegou a 50% do índice registrado antes da redução da atividade econômica. Apesar do cenário, conseguimos acumular expansão de 20%, conforme nossa expectativa.” RIO DE JANEIRO - Fernando Lopes Machado “Durante o ano, no setor de turismo tivemos um crescimento de 20%, na comparação com o ano anterior. Já no que se refere à locação no setor de frotas, o aumento foi de 70%, por causa das obras que estão sendo realizadas para a Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas, em 2016. A demanda já está estabilizada e, a partir do início do próximo ano, deve começar a cair.” RIO GRANDE DO NORTE- Hélio Barros “O mercado local tem evoluído de forma constante. Os governos estadual e municipal estão preferindo contratar a locação a manter frota própria, e só para a segurança pública foram contratados mais de 1.500 veículos em 2013. Grandes projetos de mineração e construção civil, além do poder público, também alavancaram o setor. Em comparação com a Europa e os Estados Unidos, o Brasil precisa evoluir e mudar paradigmas, como a cultura da propriedade do veículo, mas esse panorama já está mudando.” RIO GRANDE DO SUL - Félix Peter “Não foi um ano excepcional, mas também não podemos considerá-lo 100% negativo. O que garantiu o desempenho das operações foram os eventos ligados ao agronegócio e o turismo na região de Gramado, especialmente positivos neste ano de 2013. O próximo ano não deverá decepcionar. Ano de eleição costuma ser de otimismo para o setor e ainda há a Copa do Mundo, com grande fluxo de turistas.” SANTA CATARINA - Ricardo Zamuner “Vivemos um 2012 bem difícil, o que fez de 2013 um período marcado por um movimento de recuperação dos negócios. Tanto o segmento de turismo, com novos investimentos governamentais na região, como a locação de frotas para o mercado corporativo colaboraram para esta mudança, que tende a ser ainda mais positiva no novo ano” revista sindloc

13


Coleção/Thinkstockphotos

LEGISLAÇÃO

Condutor infrator na mira das autoridades Impunidade é um mal brasileiro que permeia diversas esferas e que, agora, está ainda mais distante do cenário cotidiano da locação automotiva. O motivo é a nova Resolução 461/13, recentemente publicada pelo Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), fruto de um grande e insistente esforço conjunto de múltiplas lideranças setoriais. Com ela, a partir de 1º de maio de 2014, um prazo extenso pensado para permitir a adaptação das empresas às novas regras, a indicação dos condutores de veículos locados por multas advindas de suas infrações será automática. Com a normativa, é estabelecida a criação do Registro Nacional de Posse e Uso Temporário de Veículo (RENAPTV), um cadastro único pelo qual as empresas de

14

revista sindloc

locação de todo o país informarão uma série de dados no instante em que fecharem um novo contrato. A saber: dados sobre o automóvel, o condutor, o contrato celebrado, a natureza, o número, as datas, os horários de início e término da relação de prestação de serviços, entre outros. O sistema, que irá interligar todas as companhias do segmento com os Detrans, permitirá ao estado identificar de imediato o motorista no comando de um carro alugado flagrado em infração. É o fim de uma dolorosa dor de cabeça no relacionamento com o cliente: a responsabilidade de informá-los de suas multas e pontos recebidos. Com o processo automatizado, os avisos serão enviados diretamente pelo órgão de trânsito.

Às companhias do setor, caberá apenas a tarefa de informar seu público sobre o novo cenário, conscientizando os condutores, e reforçar a importância de uma utilização adequada de automóveis locados. “Um setor unido em todas as esferas é o maior responsável por esse histórico avanço obtido com a resolução do Contran. Estamos avançando um passo na direção de um uso mais responsável dos carros alugados e do fim da impunidade no trânsito”, destaca Alberto Vidigal, presidente do Sindloc-SP. Por fim, vale destacar que o sindicato ficará atento aos detalhes da implementação do novo procedimento e informará as locadoras assim que for oportuno.


você mais feliz na

Não PRecISA tRocAR UM De 50.000 kM PoR DoIS De 25.000 kM. FAçA A RevISão PRoGRAMADA FIAt.

Rede de ConCessionáRias

Na Revisão Programada, seu Fiat de 15, 30 ou 45 mil quilômetros fica como novo. E, o melhor de tudo, você sabe antes quanto vai pagar para não tomar susto no caixa.

Revisão Programada Fiat. km

15.000

30.000

45.000

Novo Palio, Palio Fire, Mille e Novo Uno (1.0 e 1.4 Flex)

4x R$ 43,00 sem juros ou R$ 172,00 à vista

4x R$ 129,00 sem juros ou R$ 516,00 à vista

4x R$ 116,00 sem juros ou R$ 464,00 à vista

Punto, Grand Siena e Idea (1.4 Flex)

4x R$ 43,00 sem juros ou R$ 172,00 à vista

4x R$ 129,00 sem juros ou R$ 516,00 à vista

4x R$ 116,00 sem juros ou R$ 464,00 à vista

Punto, Grand Siena e Idea (1.6 e 1.8 E.torQ)

4x R$ 62,00 sem juros ou R$ 248,00 à vista

4x R$ 136,00 sem juros ou R$ 544,00 à vista

4x R$ 141,00 sem juros ou R$ 564,00 à vista

Palio Weekend, Palio Adventure e Strada

4x R$ 62,00 sem juros ou R$ 248,00 à vista

4x R$ 136,00 sem juros ou R$ 544,00 à vista

4x R$ 141,00 sem juros ou R$ 564,00 à vista

Fiat 500

4x R$ 53,00 sem juros ou R$ 212,00 à vista

4x R$ 159,00 sem juros ou R$ 636,00 à vista

4x R$ 139,00 sem juros ou R$ 556,00 à vista

Bravo, Linea e Doblò

4x R$ 62,00 sem juros ou R$ 248,00 à vista

4x R$ 136,00 sem juros ou R$ 544,00 à vista

4x R$ 141,00 sem juros ou R$ 564,00 à vista

Modelo

(1.8 E.torQ)

(1.4 EVO)

(1.8 E.torQ)

Leo Burnett Tailor Made

Segurança, tranquilidade e preços mais baixos na hora da revisão.

ZONA NORTE: Amazonas Norte 2711-6000 • Amazonas Pirituba 2193-9000 • Paulitália Casa Verde 3217-6777 • Sinal Jaçanã 2248-8000 • Sinal Norte 2224-2450 • Ventuno Freguesia 3934-4000 – ZONA SUL: Amazonas Interlagos 2888-3000 • Amazonas Ipiranga 2144-3058 • Auguri Sena Madureira 5576-2000 • Itavema Itaim 3054-3000 • Sinal Miguel Stéfano 5067-9000 • Sinal Morumbi 3748-8888 • Sinal Santo Amaro 5683-9400 • Ventuno Morumbi 3746-2600 • Ventuno Nações Unidas 5541-2600 • Ventuno Vergueiro 5089-3000 – ZONA LESTE: Amazonas Leste 3456-1000 • Amazonas Mooca 2799-6000 • Destaque Itaim Paulista 2571-8770 • Geniali Vila Prudente 2344-6600 • Itavema São Mateus 2010-2300 • Paulitália Leste 2100-6777 • Paulitália Tatuapé 2942-6777 • Ponto Pires do Rio 2044-7000 • Ponto São Miguel 2030-7700 • Ventuno Aricanduva 2723-3000 – ZONA OESTE: Amazonas Butantã 3767-2600 • Amazonas Sumaré 3674-1000 • Ventuno Ceasa 3646-4300 – CENTRO: Auguri Augusta 5627-0027 • Itavema Barra Funda 3618-2000 – ABCD: Itavema Santo André 4979-2000 • Paulitália Mauá 4512-6777 • Seu São Caetano do Sul 3381-1000 • Sinal Diadema 4072-6000 • Sinal Rudge Ramos SBC 4362-7000 • Sinal S. B. do Campo 4336-8000 • Solo Santo André 3319-1000 – GRANDE SÃO PAULO: Auguri Osasco 3318-8888 • Destaque Arujá 4654-7000 • Destaque Mogi 4795-7700 • Destaque Poá 4634-6500 • Destaque Suzano 4745-3770 • Etrusca Cotia 4615-6666 • Itavema Guarulhos 2468-5888 • Ponto Guarulhos 3130-7777 • Sinal Alphaville 4689-9444 • Sinal Raposo 4617-6777 – Guarujá: Geniali (13) 3389-3000 – Itanhaém: Salomão (13) 3426-5000 • Peruíbe: Salomão (13) 3456-2000 – Praia Grande: Geniali (13) 3499-1200 – Santos: Atri (13) 3519 4000 • Geniali (13) 3226-4000 – São Vicente: Atri (13) 3579-1000 – Registro: Disvep (13) 3828-5000

Respeite os limites de velocidade. Os itens previstos na Revisão Programada Fiat são aqueles informados no manual de uso e manutenção do veículo, de acordo com a quilometragem indicada na data da realização dos serviços. A mão de obra dos serviços já está inclusa no preço sugerido. O óleo incluso é o Selènia, conforme indicação do manual. Sugerimos orçar os serviços com antecedência na concessionária de sua preferência. Itens de desgaste natural não estão inclusos no plano de revisão, devendo ser orçados separadamente, assim como aqueles itens não contemplados na Revisão Programada Fiat. Condições e valores válidos até 31 de dezembro de 2013 inclusive. Consulte sempre o manual de uso e manutenção do veículo. Para mais informações, acesse o site www.fiat.com.br ou fale com nossa CENTRAL DE RELACIONAMENTO: 0800 707 1000.


LÍDER SETORIAL

Crescimento contra a maré e boas perspectivas mineiras para 2014 Economia nacional lenta não é obstáculo ao avanço do segmento em Minas e à expansão da cultura de carros locados pelo país “As locadoras possuem apenas 250 mil automóveis voltados para frotistas, o que corresponde a menos de 5% de toda a frota passível de terceirização nas empresas e governos por todo o Brasil” (Luiz Porto, empresário)

Um PIB que não decola e uma inflação que foge do centro da meta como o diabo da cruz. O ano de 2013 foi de dificuldades para as locadoras de veículos. Ainda assim, nem tudo são espinhos. Para Luiz Porto, o segmento, especialmente em Minas Gerais, é um exemplo de crescimento contra a corrente e com boas perspectivas de futuro, mesmo frente a uma economia anêmica. Para o empresário, há um tremendo potencial a ser explorado no mercado e que vem sendo impulsionado pelo gradual aumento da cultura da locação nas empresas. “O cenário nacional aponta que as locadoras detêm aproximadamente 490 mil carros, sendo 250 mil voltados para terceirização, o que, por sua vez, corresponde a menos de 5% da frota passível de terceirização no país. É muito espaço para crescer!”, explica Porto, que leva em conta uma alta de quase 10% no volume de automóveis sob gestão dos milhares de empreendedores brasileiros no segmento. Sempre em frente Na opinião do executivo, o mercado mineiro registrou evolução em relação a 2012. “Como alguns setores da economia recebem investimentos, isso ajuda a impulsionar nosso mercado com o aumento da demanda, que se dá de forma sustentável. Fora isso, a terceirização de frota não depende muito do comportamento do PIB, pois mesmo em tempos mais fracos, tem

16

revista sindloc

ficado claro entre os empresários as vantagens de se ter uma frota terceirizada, com economia de custos e redução dos processos administrativos”, avalia. Ainda assim, para ele, 2013 foi um ano de grandes desafios, com um crescimento econômico abaixo das expectativas. “Tivemos pressões grandes principalmente nos custos de juros e administrativos, fruto de uma inflação mais forte”, destaca. Com a demanda plenamente atendida por empresas com expertise, Minas apresenta bons índices de qualidade na prestação de serviços, mas sem deixar de buscar a especialização permanente. “As empresas precisam manter vigorosos investimentos em tecnologia e capacitação dos seus funcionários”, observa. O Estado e o futuro Já a relação com os diferentes níveis estatais de administração apresenta claras diferenças. “Na esfera estadual, estabelecemos nos últimos anos uma relação cordial e respeitosa. E arrisco dizer que temos o apoio do governo nas dificuldades enfrentadas pelo nosso setor. Já no âmbito federal, não vejo o mesmo cenário: as constantes mudanças ou possíveis alterações nas regras nos deixam indecisos em alguns momentos. Isso, para qualquer setor, dificulta a previsão de estabilidade para investimentos de longo prazo”, expõe. Mais um claro exemplo da insegurança que o empreendedor brasileiro tem de enfrentar diariamente no correr de suas atividades. Felizmente, seja para o mercado mineiro, seja para o nacional como um todo, as perspectivas futuras são positivas. “Em 2014, estima-se que as locadoras impulsionem o volume de veículos comprados entre 10% a 25% na comparação com 2013. Grande parte dessa expectativa está associada à Copa do Mundo”, projeta. Dona de uma economia dinâmica, Minas Gerais é um bom termômetro do futuro da locação no país, que pode ser ainda mais promissor sem as amarras do governo.


GestÃo

2014 já começou para quem quer contratar colaboradores ou formar equipes com a meta de reforçar o movimento esperado para as férias e a Copa do Mundo. Se a falta de mão de obra especializada costuma ser um problema aos empresários de todos os setores, as locadoras de automóveis não ficam atrás. Encontrar bons profissionais disponíveis no fim de ano é ainda mais difícil por causa das contratações temporárias, mas esse cenário tende a se repetir às vésperas do Mundial de futebol no Brasil. “Sugiro que as locadoras se antecipem e montem seus quadros até fevereiro. Além de selecionar profissionais, será preciso treiná-los para que conheçam bem os produtos da empresa e qualificá-los para o período de maior demanda. É preciso estratégia”, afirma Sandra Fiorentini, consultora jurídica do Sebrae-SP. Para o movimento da Copa do Mundo, ela sugere que as empresas comecem a buscar profissionais qualificados, que falem mais de um idioma e tenham um padrão de atendimento internacional e diferenciado. Segundo a consultora, a saída para o empresário, em um cenário de escassez de mão de obra qualificada, é treinar e capacitar funcionários competentes na própria empresa. E isso também leva tempo, o que requer um planejamento desde já. Outro aspecto importante é a retenção de talentos. Sandra lembra que não é somente um alto salário que atrai mão de obra especializada, mas também os benefícios que a empresa oferece. “Hoje, a pequena e a média empresa devem ter um plano de cargos e salários, no qual o funcionário possa ascender na companhia por meio de avaliações de desempenho. É importante fazer isso para justificar à pessoa por que não mudou e demonstrar suas chances reais de crescimento”, pontua. Uma das recomendações é a substituição da cesta básica pelo cartão-alimentação. “O funcionário nem sempre valoriza a cesta física em razão da falta de variedade, sem contar o fato de que mais pessoas da mesma família também podem recebê-la. Com o cartão, ele

18

revista sindloc

Coleção/Thinkstockphotos

Antes de contratar, planeje

ganha liberdade para comprar o que quiser”, explica. A remuneração variável pode ser outro caminho, baseada em metas claras a ser cumpridas. “Quem tiver mais pontuação, com base em quesitos como assiduidade e índice de vendas, ganharia um curso de especialização ou um plano de saúde, alternativa comumente negligenciada pelos empresários”, exemplifica. A consultora reitera que outra variável nesta fórmula é a idade dos funcionários. “Uma empresa com muitos jovens tende a conviver com maior rotatividade, porque esse perfil de funcionário é imediatista. Se em um ano não houver mudança e melhora no cargo, ele troca

de emprego. Às vezes, é o caso de a empresa avaliar e buscar um perfil de profissional mais maduro e que está fora do mercado. A rotatividade pode ser muito ruim para a atividade do empresário”, completa.

Sandra Fiorentini, Sebrae

Jornada curta pode ser solução Sandra Fiorentini avalia que é preciso que o pequeno e o médio locadores de veículos coloquem no planejamento suas reais necessidades quando o assunto é contratação de funcionários. “Ele precisa conhecer a sazonalidade do negócio e elencar os meses de maior procura, ou mesmo os dias da semana e horários.” A especialista do Sebrae-SP observa que, sabendo disso, o empresário pode recrutar funcionários para uma carga horária menor, evitando a ociosidade. “Digamos que uma locadora necessite de 15 pessoas, mas, em um determinado

período de pico, que pode ser nos fins de semana ou em um momento do dia, precise dobrar o número de atendentes. O empresário pode fazer um contrato de trabalho com tempo parcial, com registro em carteira e trabalho por até 25 horas semanais”, diz. Essa modalidade é diferente do trabalho temporário por se tratar de um contrato legal e alternativo, feito diretamente pelo empregador. “Mas, para dar certo, o empresário deve conhecer bem sua atividade e os períodos nos quais precisará de mais funcionários”, pondera.


3 MESES GRÁTIS Assistência 24 horas ofertada exclusivamente pelo SINDLOC SP


MUNDO

Aplicativos que são uma mão na roda O uso de celulares já invadiu a vida de muita gente e há alguns anos é um gadget tecnológico considerado essencial. Inicialmente úteis na esfera pessoal e profissional, eles evoluíram e agora possuem sofisticados sistemas operacionais capazes de oferecer aplicativos ideais para facilitar, dinamizar e favorecer a produtividade no dia a dia de trabalho. Segundo dados da consultoria Morgan Stanley, o país já ocupa a quarta posição mundial quando o assunto é número de smartphones. Os aparelhos, geralmente de tela sensível ao toque, estão atualmente divididos, principalmente, em três grandes sistemas operacionais: iOS, Android e Windows Phone. Esses são os sucessores diretos dos multimedia phones – equipamentos que faziam ligação, enviavam mensagens de texto e, ainda, permitiam a leitura de arquivos multimídia de imagem, som e vídeo – e dos featured phones – aparelhos que servem apenas para telefonar e enviar SMS. Atrás somente de China, Estados Unidos e Japão, que contam com mais de 70 milhões de aparelhos inteligentes, o Brasil tem três desses equipamentos para cada dez brasileiros e uma infi-

nidade de aplicativos. Entre eles, há o KingsOffice, que permite a edição e leitura de arquivos Word, Excel e PowerPoint, ideal para lidar com documentos do dia a dia sem estar preso a um notebook ou desktop. O CamCard, por sua vez, fotografa cartões de visita e, automaticamente, transcreve, organiza e classifica dados como telefone, nome, empresa, site e e-mail. Seu acesso é rápido e fácil, inclusive com opção de busca e espaço para observações, o que elimina a confusão de papéis e o risco de perder aquele cartão crucial. Ainda existem aplicativos como o Evernote, para facilitar a gestão de anotações e a transmissão de notas para uma equipe; o Waze, que ajuda a driblar atrasos e congestionamentos no trânsito; o Endomondo, para monitorar e organizar atividades físicas; e o Skype, para ligações via internet ou videoconferências. São alguns APPs essenciais aos executivos do setor de locação, que não devem perder tempo e precisam aproveitar cada instante de seu dia para garantir a melhor gestão de seu negócio.

Conheça nove aplicativos essenciais para um smartphone executivo:

Aplicativo S. O.

Descrição CamCard (várias versões) -Lê cartões de visita e salva e organiza automaticamente dados como telefone, e-mail, site, nomes etc. Sincroniza seus cartões entre smartphones, tablets e computadores. Permite adição de informações. A versão free tem algumas limitações. Usado por mais de 30 milhões de profissionais em todo o mundo. Discos virtuais - DropBox, Box, Google Drive e SkyDrive são famosos discos virtuais gratuitos . Os dois últimos, do Google e da Microsoft, oferecem também integração com os aplicativos office das empresas. Ideais para salvar arquivos diversos e seus backups, também permitem o compartilhamento via link por e-mail, SMS etc. Doc Scanner - Permite digitalizar documentos para PDF e JPEG. Permite ajustes no scan, exporta arquivos para e-mails, mensagens e serviços como Evernote, Google Drive entre outros. O Windows Phone oferece o HD Scanner (pago) com as mesmas funções. Endomondo - Exercícios físicos são fundamentais para uma saúde equilibrada e maior produtividade. O app ajuda com a organização de treinos em academias, caminhadas e qualquer atividade baseada em distância. Com gadgets compatíveis é possível controlar a frequência cardíaca. Além de sincronizar a lista de exercícios com diversas plataformas na internet. Saúde, também, é uma questão que merece a melhor gestão. Evernote - Ajuda na organização de informações, em salvar ideias e melhorar a produtividade, com notas, captura de fotos, listas de pendências e lembretes de voz. Deixa tudo pesquisável e sincronizado com outros aparelhos. Em companhia do Evernote Business, compartilha notas e blocos de notas entre profissionais e permite troca de arquivos. Envia notas por e-mail, Twitter e Facebook. KingsOffice - Permite a exibição, edição e produção de documentos em Word, Excel, PowerPoint, TXT e PDF. Suporta discos virtuais como Google Drive, DropBoc Box.net etc. É desnecessário no Windows Phone, que já vem com a suíte Oficce.

Waze Social GPS Maps & Traficc- GPS com informações ao vivo fornecidas por outros usuários sobre trânsito, acidentes, perigos, vias bloqueadas etc. Tem navegação completa por voz, aprende destinos frequentes e traz confortos como integração com outras redes sociais e alteração automática de rotas em caso de mudança nas condições das vias. World Mate - Aplicativo ideal para o gerenciamento de viagens profissionais, com mais de 10 milhões de usuários em todo o mundo, permite planejar e organizar a compra de passagens, aluguel de quartos de hotel, carros etc. Gera alertas de voos em tempo real, além de outros serviços. Efetuada a instalação, o usuário ganha 3 meses de serviços Gold Premium gratuitos para experimentar o aplicativo.

20

revista sindloc

Coleção/Thinkstockphotos

Skype - Um dos mais populares aplicativos para chat, ligações via internet e videoconferências, permite a ligação para qualquer outro celular ou computador com Skype para chamadas de voz ou vídeo e para telefones fixos de todo o mundo, mediante compra de créditos. É o substituto do antigo MSN Messenger. Já vem integrado no S.O. dos aparelhos com Windows Phone 8 em diante.


ARTIGO

Já é hora de definir o planejamento tributário para 2014 As empresas têm, até o fim de janeiro, a missão de definir o regime tributário que será usado em 2014. Como a legislação não permite mudança de sistemática no mesmo exercício, a opção por uma das modalidades de tributação será definitiva para todo o período. Ou seja, uma decisão equivocada terá efeito por todo o ano. O empreendedor deverá escolher um regime entre três opções. Lucro Real por estimativa No Lucro Real anual por estimativa, podem-se recolher os tributos mensalmente com base no faturamento e em um percentual de lucro estipulado pelo governo federal. A empresa poderá suspender ou reduzir o pagamento do imposto devido em cada mês, desde que demonstre, por meio de balanços ou balancetes mensais, que o valor acumulado já pago é superior ao do imposto devido. O tributo é calculado a partir do Lucro Real do período.

“Como a legislação não permite mudança de sistemática no mesmo exercício, a opção por uma das modalidades de tributação será definitiva para todo o período. Ou seja, uma decisão equivocada terá efeito por todo o ano”

Lucro Real trimestral Outra possibilidade é o Lucro Real trimestral, em que o cálculo do IRPJ e da CSLL tem como base o balanço da empresa. Neste caso, parte do lucro obtido em um trimestre não pode aparecer no trimestre seguinte, para compensar eventuais prejuízos fiscais. Já o prejuízo de um trimestre só pode ser deduzido em outro trimestre em até 30%. Esta pode ser uma boa alternativa para empresas muito sujeitas à sazonalidade, que tenham picos de faturamento. Lucro Presumido A terceira opção é pagar o IRPJ e a CSLL pelo Lucro Presumido, também trimestralmente. Neste regime, entretanto, os tributos incidem sobre as receitas com base em percentual definido em lei, o que explica a definição de presumido. Há alguns tipos de receita que entram direto no resultado tributável, como as receitas financeiras e os ganhos de capital. Nem todas as companhias podem optar pelo Lucro Presumido, o que exige a verificação do objeto social e do

22

revista sindloc

faturamento. No entanto, esse modelo é mais benéfico para empresas com margens de lucratividade superiores às definidas pelo governo (presumida). A tributação com base no Lucro Presumido pode também trazer vantagem na apuração do PIS e COFINS, pois para essa modalidade as alíquotas não se enquadram no sistema de não cumulatividade e não foram majoradas pelo governo. Ou seja, continuam a valer as contribuições do regime anterior – de 0,65% da receita bruta para o PIS e 3% para a COFINS.

Cabe ressaltar que esta não cumulatividade permite efetuar créditos dessas contribuições sobre determinados custos e despesas. Isto, em certos casos, faz com que a alíquota efetiva das contribuições passe a ser similar àquelas apuradas pelo Lucro Presumido ou até menores. Como se pode observar, existem muitas diferenças em cada um dos regimes tributários descritos e cabe à empresa analisar e efetuar a melhor escolha para o exercício de 2014. Um bom planejamento tributário pode evitar o pagamento de impostos indevidos. Mais do que isso: se colocarem no papel a soma entre alta carga tributária e margens de lucro cada vez menores, os empresários brasileiros verão que esta decisão é fundamental para dar sobrevida a seus negócios. José Santiago da Luz Contador e consultor tributário


DM9

A frota que está na sua cabeça o Itaú ajuda a colocar na rua. O Itaú oferece um canal exclusivo com equipe especializada, estrutura diferenciada e as melhores condições de financiamento para venda direta. Vá até uma concessionária e fale com um de nossos operadores de Venda Direta. Se preferir, ligue para (11) 3389-6589 ou mande um e-mail para vendadireta@itau-unibanco.com.br

O financiamento está sujeito a análise de crédito. Para informações, dúvidas, reclamações ou cancelamentos, utilize o SAC Itaú Veículos: 0800 722 5803/SAC deficiente auditivo e de fala: 0800 722 1722. Se desejar a reavaliação da solução apresentada, após utilizar a Central de Atendimento Itaú Veículos, o site ou o SAC, você poderá contar ainda com a Ouvidoria Corporativa Itaú: 0800 570 0011 (em dias úteis, das 9h às 18h) ou Caixa Postal 67.600, CEP 03162-971.

Itaú. Feito para você. revista sindloc

23


Leo Burnett Tailor Made

Imagens meramente ilustrativas, com alguns itens opcionais. Rubik’s Cube ®

Respeite os limites de velocidade.

-

DIREÇÃO HI

DRÁULICA

-

excele nte relaca - - o custo-benefi cio -otimo valor de revend a Baixo custo de manut encao

-

fiat.vc/uno SAC 0800 707 1000

24

AR-CONDICI

ONADO

HSD - AIR BAG DUPLO E FREIOS ABS DE SÉRIE

RODAS DEconcessionárias. LIGA LEVE 15 HSD - AIR BAG DUPLO Procure o departamento de Vendas Diretas nas ” E FRE

revista sindloc

IOS ABS DE SÉRIE

Sindloc ed152  

Revista mensal do Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Automotores do Estado de São Paulo (Sindloc-SP)

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you