Page 1

DIDÁTICA E METODOLOGIA DO ENSINO DE COMPUTAÇÃO


CURSOS DE GRADUAÇÃO – EAD Didática e Metodologia do Ensino de Computação – Prof.ª Dra. Ana Paula do Carmo Marcheti Ferraz e Prof.ª Ms. Pricila Bertanha

Meu nome é Ana Paula do Carmo Marcheti Ferraz. Sou doutora e mestre em Engenharia de Produção pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC-USP), bacharel em Ciências da Computação pela Unesp de Bauru-SP; especialização em Gestão de Negócios, Psicoeducação e Administração de Empresas. Durante o ano de 2005/2006, trabalhei e estudei na Universidade Simon Fraser, Vancouver, Canadá nos seguintes departamentos: SAGE – simulação e jogos para aprendizagem e Distance Education. Participei de projetos de implantação de cursos in company de empresas Canadenses e Norte Americanas pela SFU. Desde o ano de 1996, estou diretamente envolvida com iniciativas da modalidade a distância no mercado corporativo e acadêmico na área de implantação e coordenação de curso, credenciamento institucional, autoria de material instrucional e tutoria. Possuo larga experiência docente e em cargos de direção institucional e acadêmica. Experiência como consultora, avaliadora e coordenadora de cursos e instituições na modalidade presencial e a distância, além de iniciativas desta natureza no mercado corporativo.

Meu nome é Pricila Bertanha. Sou da cidade de Cordeirópolis – SP. Resido em Batatais – SP há 12 anos. Fiz magistério em escola pública, Licenciatura em Pedagogia (Unesp); Mestrado em Educação Especial  (UFSCar); Especialização  em Gestão e Liderança Universitária (IGLU – Instituto de Gestão e Liderança Universitária). Sou doutoranda em Educação Escolar (UNESP – Araraquara – 2012–2016). Iniciei na carreira docente no ano de 1993. Lecionei em escolas estaduais e municipais até 1996 (Educação Infantil, primeira fase do Ensino Fundamental e Educação Especial). A partir de 2000, comecei a dar aulas no Ensino Superior no Claretiano – Batatais). Ministrei aulas de Didática nos cursos de Licenciatura em Pedagogia, Letras, Matemática e Biologia. Fui coordenadora do curso de Pósgraduação em Educação Especial (2002–2003), do curso de Complementação Pedagógica presencial (2002–2004)  e do curso de Licenciatura  em Pedagogia Presencial  (2002 até julho/2007).  Ministrei tutoria de Didática Geral nas Licenciaturas em História, Artes, Filosofia, em 2010. Desde 2006, sou Coordenadora Geral de Ensino do Claretiano e, atualmente, sou professora no Programa Nacional de Formação de Professores (Parfor) – Licenciatura em Pedagogia. Agradeço por poder fazer parte de sua formação.


Prof.ª Drª Ana Paula do Carmo Marcheti Ferraz Prof.ª Ms. Pricila Bertanha

DIDÁTICA E METODOLOGIA DO ENSINO DE COMPUTAÇÃO Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)


© Ação Educacional Claretiana, 2013 – Batatais (SP) Trabalho realizado pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais (SP) Cursos: Graduação Disciplina: Didática e Metodologia do Ensino de Computação Versão: fev./2013 Reitor: Prof. Dr. Pe. Sérgio Ibanor Piva Vice-Reitor: Prof. Ms. Pe. José Paulo Gatti Pró-Reitor Administrativo: Pe. Luiz Claudemir Botteon Pró-Reitor de Extensão e Ação Comunitária: Prof. Ms. Pe. José Paulo Gatti Pró-Reitor Acadêmico: Prof. Ms. Luís Cláudio de Almeida Coordenador Geral de EaD: Prof. Ms. Artieres Estevão Romeiro Coordenador de Material Didático Mediacional: J. Alves

Corpo Técnico Editorial do Material Didático Mediacional Preparação Aline de Fátima Guedes Camila Maria Nardi Matos Carolina de Andrade Baviera Cátia Aparecida Ribeiro Dandara Louise Vieira Matavelli Elaine Aparecida de Lima Moraes Josiane Marchiori Martins Lidiane Maria Magalini Luciana A. Mani Adami Luciana dos Santos Sançana de Melo Luis Henrique de Souza Patrícia Alves Veronez Montera Rita Cristina Bartolomeu Rosemeire Cristina Astolphi Buzzelli Simone Rodrigues de Oliveira Viviane Fernanda Zanotin

Revisão Felipe Aleixo Rodrigo Ferreira Daverni Talita Cristina Bartolomeu Vanessa Vergani Machado Projeto gráfico, diagramação e capa Eduardo de Oliveira Azevedo Joice Cristina Micai Lúcia Maria de Sousa Ferrão Luis Antônio Guimarães Toloi Raphael Fantacini de Oliveira Tamires Botta Murakami de Souza Wagner Segato dos Santos

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, a transmissão total ou parcial por qualquer forma e/ou qualquer meio (eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia, gravação e distribuição na web), ou o arquivamento em qualquer sistema de banco de dados sem a permissão por escrito do autor e da Ação Educacional Claretiana.

Centro Universitário Claretiano Rua Dom Bosco, 466 - Bairro: Castelo – Batatais SP – CEP 14.300-000 cead@claretiano.edu.br Fone: (16) 3660-1777 – Fax: (16) 3660-1780 – 0800 941 0006 www.claretiano.edu.br


SUMÁRIO PLANO DE ENSINO/GUIA DE ESTUDOS 1 2 3 4 5 6 7 8

APRESENTAÇÃO ..............................................................................................................................................................7 DADOS GERAIS DA DISCIPLINA......................................................................................................................................9 ORIENTAÇÕES PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA...........................................................................................................10 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM...................................................................................................................................31 CONSIDERAÇÕES GERAIS...............................................................................................................................................32 BIBLIOGRAFIA BÁSICA ...................................................................................................................................................32 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR...................................................................................................................................32 E-REFERÊNCIAS . .............................................................................................................................................................33


Plano de Ensino(PE)/ Guia de Estudos(GE)

PE/GE

1. APRESENTAÇÃO Seja bem-vindo! Você iniciará o estudo de Didática e Metodologia do Ensino de Computação uma das disciplinas que compõem os cursos de Graduação, na modalidade EaD, cuja finalidade é contribuir para a formação de um professor consciente dos desafios que vai enfrentar e das possibilidades de contribuir para uma aprendizagem significativa e transformadora junto a seus alunos. Para efeitos didáticos, a disciplina Didática e Metodologia do Ensino de Computação está dividida em cinco Ciclos de Aprendizagem e terá os seguintes Cadernos de Referência de Conteúdos (CRC) como materiais de estudo: • BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2010. • DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. • RIVAS, Noeli Prestes Padilha; CONTE, Karina de Melo. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2013. (Apenas a unidade 5). Esclarecemos desde já a você, caro aluno, que a Didática e a Metodologia são áreas distintas, embora articuladas. A Didática visa ser um campo de estudos e pesquisas voltado para a tarefa de fundamentar o processo ensino-aprendizagem como uma prática social, o que impõe, a essa área de conhecimento, o papel de refletir a partir das características dessa prática diante das novas demandas que mundo atual apresenta. [...] a principal tarefa da Didática, para fundamentar o sucesso do processo de ensinar e aprender, será a de, ao tomar o ensino como prática social, buscar compreendê-lo em todas as suas determinações; olhar-se assim inserido nessa prática; e ir dialogando com esse processo na busca de articulações e possibilidades que a prática evidencia. [...] Também ser mediadora na construção da identidade profissional do professor (PIMENTA; FRANCO, 2012, p. 9 e 86).


8

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

Assim, a Didática, como área de conhecimento da Pedagogia, constitui-se a partir de um campo teórico-prático que pode ajudar o futuro professor a compreender a complexidade do cotidiano docente e, principalmente, refletir a respeito da sua prática e subsidiar a reconstrução desta. A maneira como você vai ensinar, organizar a sua aula e interagir com os alunos e com o conhecimento, bem como a concepção que tem ou terá com relação ao significado social de sua profissão como professor devem ser objetos permanentes de reflexão durante esta disciplina. Quanto à Metodologia de Ensino, segundo Vasconcellos (2010), esta se refere à condução do processo didático, às experiências de ensino-aprendizagem e a como será trabalhado cada conteúdo. O aspecto metodológico é muito importante, pois é a criação das condições adequadas para o trabalho educativo, superando a improvisação […]. […] O questionamento que deve acompanhar o professor na elaboração da proposta metodológica é o seguinte: o que preciso fazer para que os alunos aprendam efetivamente este conteúdo? [...] Que ação estou propiciando ao aluno? (tipo/grau de atividade e de significação)? (VASCONCELLOS, 2010, p. 147).

Ainda segundo Vasconcellos (2010, p. 150): [...] a metodologia é considerada a explicitação dos procedimentos de ensino, técnicas, estratégias a serem utilizadas no desenvolvimento de determinado assunto; é o caminho concreto a ser trilhado. Pode indicar tanto as atividades previstas para o professor, quanto as esperadas dos alunos.

É a partir da concepção de como a Didática é entendida, da relação entre Didática, Metodologia do Ensino e conhecimento específico que o professor vai encaminhar sua prática pedagógica. Não estamos falando de qualquer metodologia, mas de uma metodologia que torne os conhecimentos históricos, culturais e sociais ensináveis e, consequentemente, apreendidos. De acordo com Beth (1997 apud GIMENO SACRISTÁN, 2000, p. 223): [...] a relação entre conteúdo e forma de tratá-lo não é senão a consequência de dois raciocínios. É difícil em termos gerais admitir a independência dos processos de aprendizagem e de pensamento quanto aos conteúdos, pois, em cada área cultural, manejam-se processos de pensamento diferenciados em alguma medida. Enquanto os conteúdos variam, existem processos diferenciados de raciocinar, de descrever, de indagar, de buscar evidência, de justificá-lo.

Assim, não se explica da mesma forma, por exemplo, a causa ou a descrição em História e a causa e a descrição em Ciências Naturais; e, dessa singularidade do conhecimento, numa e noutra área, derivam formas didáticas distintas; por isso, um ensino ativo em História requer procedimentos ou tarefas diferenciadas em relação a uma classe de Ciências da Natureza. Poderíamos dizer algo parecido da Literatura, das matemáticas ou dos estudos que se referem aos problemas sociais cotidianos. As áreas ou disciplinas não variam apenas porque tratam de objetos distintos, mas, também, pelas atividades mais apropriadas para tratá-los. Por isso, o conteúdo, o processo de aprendizagem ou o pensamento estimulado em torno de certos conteúdos e a tarefa que o possibilita têm relação. Para Vasconcellos (2010, p. 150), deve-se considerar: [...] a especificidade do objeto de conhecimento em questão; dependendo do objeto, pode-se demandar um tipo de ação, que seja mais apropriada para o estabelecimento de relações entre o sujeito e ele (objeto). Os tipos de atividades que podem ser desenvolvidas dependem, por exemplo, se a aula é de Arte, Ciências ou Biologia, Computação, Filosofia, Geografia, Língua Portuguesa, Química, História ou Matemática, em função do tema específico, pode caber uma ou outra atividade (uma ida ao laboratório, uma pesquisa teórica, um debate, uma observação direta da realidade, a projeção de um filme).

Ao tratar em sua temática de conceitos fundamentais ao trabalho docente, a disciplina Didática e Metodologia do Ensino de Computação terá como propósito fortalecer intelectualmente seus horizontes de conhecimento, a respeito da prática pedagógica no contexto da Educação Básica. Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

9

2. DADOS GERAIS DA DISCIPLINA Ementa Didática: visão histórica, conceituação e objeto de estudo. O processo de ensino-aprendizagem nas diferentes tendências pedagógicas/abordagens de ensino. Políticas educacionais, planos educacionais, planejamento de métodos de ensino. Teorias da aprendizagem: processos, fatores e produtos. Planejamento escolar: conceituação, importância, tipos de planejamento, planos de ensino de aula. Objetivos, conteúdos e estratégias de ensino. Avaliação escolar: conceituação, importância, avaliação da aprendizagem, tipos e instrumentos avaliativos. Conteúdos Taxonomia de Bloom e Gagné. Estratégia de Ensino: aula expositiva, seminário, projeto, tutoria, estudo de caso, ferramentas de autoria e oratória. Avaliação na perspectiva de aprendizagem colaborativa e individual. Desenvolvimento de rubricas em atividades de avaliação. Formação de professores: identidade e contextos de trabalho. Objetivo geral Com o estudo da disciplina Didática e Metodologia do Ensino de Computação, na modalidade EaD do Claretiano, dado o Sistema Gerenciador de Aprendizagem e suas ferramentas, temos o objetivo de contribuir para a sua formação mediante a reflexão, a análise e a compreensão do campo em que articulam Didática e Metodologia do Ensino de Computação, da formação do professor e suas relações com os saberes relacionados ao ensino, no contexto histórico e social, além de elucidar a função social da escola e o trabalho do professor nos diferentes contextos, exigências e desafios do mundo atual, proporcionado a reflexão sobre as teorias a respeito da educação, do ensino e de como ambos se revelam na escola, nas interações entre docentes e alunos e nas suas relações com a aprendizagem, contemplando tanto a materialidade das classes em seu aspecto espacial quanto a sequência temporal do processo. Com esse intuito, os alunos contarão com recursos técnico-pedagógicos facilitadores de aprendizagem, como Material Didático Mediacional, bibliotecas físicas e virtuais, ambiente virtual, bem como acompanhamento do professor responsável, do tutor a distância e do tutor presencial, complementado por debates no Fórum. Ao final desta disciplina, de acordo com a proposta orientada pelo professor responsável e pelo tutor a distância, terão condições de interagir com argumentos contundentes e, posteriormente, fundamentar criticamente sua prática educacional/profissional. Para esse fim, levarão em consideração as ideias debatidas na Sala de Aula Virtual, por meio de suas ferramentas, bem como o que produziram durante o estudo. Objetivos específicos • Analisar e contextualizar a trajetória histórica da Didática como campo de estudos e pesquisas. • Reconhecer o papel da Didática no processo de ensino e aprendizagem. • Identificar a Didática como campo de conhecimento. • Compreender a relação da escola com o avanço da tecnologia. • Conhecer algumas das principais políticas educacionais vigentes, no Brasil, relacionadas à tecnologia. • Conhecer as diferentes tendências pedagógicas e abordagens de ensino.


10

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

• Reconhecer as principais características de cada uma das tendências e abordagens apresentadas e a atuação do professor. • Entender o planejamento como uma ação pedagógica essencial ao processo de ensino, superando sua concepção mecânica e burocrática no contexto do trabalho docente. • Ser capaz de organizar a prática pedagógica, tendo em vista diferentes objetivos. • Conhecer o procedimento de seleção e organização de conteúdos, de modo a saber converter na prática pedagógica o conhecimento científico em conhecimento curricular, considerando contextos socioculturais e as capacidades cognitivas e afetivas dos alunos. • Entender a estratégia de ensino como meio facilitador da aprendizagem e transposição do conteúdo. • Conhecer e entender a importância dos "Quatro Pilares da Educação". • Compreender a relação e os fatores que influenciam na aprendizagem, no contexto da tecnologia da computação/informática. • Conhecer algumas das principais taxonomias e instrumentos de aprendizagem definidas a partir do avanço da tecnologia.

• Conhecer a importância da avaliação como parte integrante de todo o processo de ensino e aprendizagem, reconhecendo-a como elemento essencial para a prática docente. • Reconhecer as diferentes definições de avaliação da aprendizagem escolar. • Compreender os diferentes tipos de avaliação e suas características, bem como os diferentes tipos de instrumentos avaliativos e seu ajustamento ao objetivo de ensino. • Entender e analisar a ação e postura do professor-reflexivo-investigador, numa perspectiva humanista, com sólida formação na área, seus fundamentos e concepções didático-pedagógicas, capaz de se adaptar à diversidade e à práxis pedagógica de forma crítica, criativa e autônoma.

3. ORIENTAÇÕES PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA Os cinco Ciclos de Aprendizagem desta disciplina, cada qual correspondendo a um grupo de conteúdos apresentados na ementa, incluem momentos de aprendizagem a distância e de encontros presenciais. IMPORTANTE: ATIVIDADE DE PRÁTICA Na primeira semana de estudo desta disciplina, pergunte a seu tutor a distância se você terá de desenvolver a atividade de Prática. A Prática é um componente obrigatório dos cursos de licenciatura (Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002). Assim, um grupo de disciplinas de seu curso contemplará esse tipo de atividade. Como a atividade de Prática envolverá entrevista ou aplicação de questionário e posterior análise, sugerimos que você comece a realizá-la logo no início desta disciplina, entrando em contato com os sujeitos da pesquisa para poder desenvolvê-la com tranquilidade. A análise poderá ser realizada a partir da 11ª semana, pois assim você já terá estudado as referências que o ajudarão no tratamento dos dados coletados. Portanto, não deixe para fazer a atividade de prática apenas na 13ª semana, pois a entrevista/ aplicação de questionário demandam bastante tempo para preparação, coleta de dados e retorno dos participantes da pesquisa. Mesmo que a disciplina não tenha horas de Prática, essa atividade deverá ser realizada e postada no Portfólio da disciplina, embora não sejam contadas horas. Ela será considerada uma avaliação continuada.

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

11

Encontros presenciais Os encontros presenciais são momentos importantes para o contato com seus colegas de curso e tutores presenciais, com a finalidade de promover interação, propiciar momentos de atividades práticas e de avaliação. Fique atento às datas de encontros presenciais, confira o calendário de seu curso e anote. Lembre-se de que as datas são sujeitas a alterações. Por isso, é importante que você sempre consulte o calendário antes de ir ao polo. Basta acessar o link: <www.claretiano.edu.br/calendarios>. –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

Ciclos de Aprendizagem a Distância

–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

Os Ciclos de Aprendizagem serão organizados semanalmente para que você possa alcançar uma aprendizagem que lhe permita o aprofundamento dos conteúdos expostos nesta disciplina.

1º CICLO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA Conteúdos Didática: visão histórica, conceituação e objeto de estudo. O processo de ensino-aprendizagem nas diferentes tendências pedagógicas/abordagens de ensino. Políticas educacionais, planos educacionais, planejamento de métodos de ensino. Teorias da aprendizagem: processos, fatores e produtos. 1ª semana Problematização O que é Didática? Qual o objeto de estudo da Didática? Como a Didática pode contribuir para o trabalho pedagógico do professor da área de Computação? Como a Didática foi se constituindo na história da educação e da docência na área de Computação? Orientações gerais Nesta 1ª semana, propomos que você acesse a Sala de Aula Virtual (SAV), leia as orientações de seu tutor a distância, verifique o cronograma e os materiais postados no Material de Apoio, faça a leitura atenta do Guia Acadêmico do curso, deste Plano de Ensino/Guia de Estudos, para, em seguida, realizar a leitura dos materiais indicados. O que preciso estudar? Didática: visão histórica, conceituação e objeto de estudo (Trajetória Histórica da Didática e Contextualizando o papel da Didática no processo de ensino e aprendizagem). Para estudar os conteúdos da primeira semana, você deverá acessar no Material de Apoio: • BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2005. Unidade 1 – Didática: visão histórica, conceituação e objeto de estudo (Introdução. Origem da Didática).


12

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

O que preciso fazer? Antes de começar o estudo do tema "Didática: visão histórica, conceituação e objeto de estudo", sugerimos que você escreva ou digite a sua ideia sobre Didática (uma definição pessoal). Não procure nada em livros por enquanto, tendo em vista que essa resposta deve ser bem pessoal. Assim, escreva o que for possível nesse momento. Guarde o que você escreveu para utilizar na primeira tarefa da disciplina, que deverá ser realizada na 4ª semana. Além disso, leia e estude os conteúdos propostos. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800. 2ª semana Problematização Como a Didática foi/é concebida no contexto das diferentes tendências pedagógicas e abordagens de ensino? A concepção que tenho de Didática refletirá na minha atuação docente? Orientações gerais Nesta 2ª semana, propomos que você reflita sobre as questões da problematização, pesquise sobre o tema e faça a leitura atenta dos materiais indicados. É neste momento que vamos estudar especificamente as tendências pedagógicas e as abordagens de ensino. É importante você observar que os materiais a serem estudados nesta semana não estão disponibilizados no Material de apoio. O material Desenvolvimento Histórico da Didática e Tendências Pedagógicas (Quadro 1 – Tendências pedagógicas e concepções de Didática) está disponível neste Plano de Ensino/Guia de Estudos (a seguir). Já as Abordagens de Ensino, baseadas no texto de Santos (2005), podem ser acessadas por meio do link apresentado na sequência, que direciona a um site de domínio público. Após a leitura e estudo da Introdução e do Quadro 1 (Desenvolvimento Histórico da Didática e Tendências Pedagógicas), você vai estudar "O processo de ensino-aprendizagem nas diferentes tendências/abordagens pedagógicas (Abordagem Tradicional; Abordagem comportamentalista; Abordagem humanista; Abordagem cognitivista; Abordagem sociocultural)”. O que preciso estudar? • Desenvolvimento Histórico da Didática e Tendências Pedagógicas (Introdução e Quadro 1 – Tendências Pedagógicas e Concepções de Didática). Disponível neste Plano de Ensino/Guia de Estudos (a seguir). • SANTOS, R. V. Abordagens do processo de ensino e Aprendizagem. Revista Integração, São Paulo: Centro de Pesquisa da Universidade São Judas Tadeu, ano 11, jan./mar., n. 40, 2005, p. 19-31. Disponível em: <ftp://ftp.usjt.br/pub/revint/19_40.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2012. Para que você fique contextualizado e entenda bem o que propomos nesta semana, é preciso que entenda que o processo de ensino e aprendizagem tem sido estudado sob diferentes enfoques. Nesse sentido, de acordo com Santos (2005, p. 19-20): As diferentes correntes teóricas procuram compreender o fenômeno educativo através de diferentes enfoques, muitos deles relacionados com o momento histórico de sua criação e do desenvolvimento da sociedade na qual estavam inseridas. Dos diversos autores que analisam e comparam as abordagens do processo de ensinar e aprender, destacam-se os trabalhos de Bordenave (1984); Libâneo (1982), Saviani (1984) e Mizukami (1986), que classificam e agrupam as correntes teóricas, segundo critérios diferentes. Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

13

Especificamente nesta disciplina, vamos estudar as correntes pedagógicas a partir das ideias de: • Libâneo (1994), que explica as tendências, a partir das finalidades da escola (Introdução e Quadro 1) . • Mizukami (1986), que explica as abordagens a partir das teorias do conhecimento (de como se dá o conhecimento), ora a partir do sujeito, ora do objeto, ora da interação sujeito-objeto – texto de SANTOS (2005, p. 19-31) – Estudo das Abordagens de Ensino. Vale dizer que, no momento do estudo de Santos (2005), você terá acesso à classificação de correntes teóricas (especificamente na página 20), que apresentam diferentes nomenclaturas segundo as ideias de seus autores. Então, inicie o seu estudo desta semana com o que apresentamos a seguir:Vamos entender o que significa estudar o desenvolvimento da Didática no contexto das tendências pedagógicas. Desenvolvimento histórico da Didática e tendências pedagógicas––––––––––––––––––––

Vamos entender o que significa estudar o desenvolvimento da Didática no contexto das tendências pedagógicas. Inicialmente, retomaremos o significado de Didática. A palavra “didática” vem do grego “didaktiké”, que significa a “arte de ensinar/instruir”. Hoje, podemos entender a Didática como um dos ramos da Pedagogia, que tem como objetivo estudar o processo de ensinar. Segundo Lopes (1995), a Didática procura trabalhar no sentido de ir além dos métodos e técnicas, tentando associar e entender as relações escola-sociedade, teoria-prática, conteúdo-forma, técnico-político, ensino-pesquisa, professor-aluno. Assim, a Didática atual visa ao processo de politização do professor, ou seja, uma Didática que visa a mudanças no modo de pensar e agir do professor, para a busca de um ensino democrático. Por tendências pedagógicas, podemos entender como a educação escolar foi entendida, encarada e realizada em cada época. Segundo Damis (1995, p. 13-14): [...] a educação escolar percorreu um longo caminho do ponto de vista de sua teoria e de sua prática. Vivenciada através de uma prática social específica – a pedagógica – esta educação organizou o processo de ensinar – aprender através da relação professor– aluno e sistematizou um conteúdo e uma forma de ensinar (transmitir–assimilar) o saber erudito produzido pela humanidade. Este conteúdo e esta forma geraram diferentes teorias e diferentes práticas pedagógicas que, ao enfatizarem ora quem ensina, ora quem aprende, ora os meios, e os recursos utilizados, sintetizaram diferentes momentos da produção da sobrevivência humana. Esta variedade de teorias e práticas pedagógicas não foi criada por acaso. Do ponto de vista da produção e da sobrevivência humana, é através das instituições sociais que determinada relação social de produção é concretizada. Assim, veremos cada uma dessas tendências, seus significados e como a Didática foi ou é encarada em cada uma delas no Quadro 1.


14

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

Quadro 1 Tendências pedagógicas e concepções de Didática. TENDÊNCIA

SIGNIFICADO

PERÍODO

Caracteriza as concepções de educação onde prevalece a ação de agentes externos na formação do aluno, a transmissão do saber constituído na tradição e nas grandes verdades acumuladas pela humanidade e uma concepção de ensino como impressão de imagens propiciadas ora pela palavra do professor, ora pela observação sensorial. Pedagogia Tradicional

É uma tendência que foi conservada ao longo da história educacional.

COMO A DIDÁTICA FOI/É ENTENDIDA

Disciplina normativa, com um conjunto de princípios e regras que regulam o ensino. Meio principal de transmissão do conhecimento é a exposição oral. Os alunos fazem exercícios repetitivos. No Brasil, percebe-se a partir da vinda dos jesuítas.

Nessa tendência, a escola tende a igualar o processo de inculcação de valores e práticas para fortalecer os laços sociais, promover a coesão social, incrementar a divisão do trabalho social, conformar os indivíduos aos padrões da estrutura social.

O aluno é o recebedor da matéria. O professor tende a encaixar os alunos num modelo ideal de homem. O material concreto é mostrado, mas o aluno não lida mentalmente com ele, não repensa, não reelabora seu próprio pensamento. Memorização.

As ações de ensino estão centradas na exposição do conhecimento pelo professor. Entre as características desse movimento, destacam-se: •

Pedagogia Renovada

a valorização da criança, dotada de liberdade, iniciativa e interesses próprios, sujeito de sua aprendizagem;

tratamento científico do processo educacional, considerando as etapas sucessivas do desenvolvimento biológico e psicológico, respeitando as capacidades e aptidões individuais;

individualização do ensino conforme os ritmos próprios de aprendizagem.

Essa tendência assume um princípio norteador de valorização do indivíduo como ser livre, ativo e social. O centro da atividade escolar não é o professor nem os conteúdos disciplinares, mas sim o aluno, como ser ativo e curioso. O mais importante não é o ensino, mas o processo de aprendizagem. "Trata-se de ‘aprender a aprender’, ou seja, é mais importante o processo de aquisição do saber do que o saber propriamente dito” (LUCKESI, 1994, p. 58).

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO

É entendida como "direção da aprendizagem", considerando o aluno como sujeito da aprendizagem. O que o professor tem de fazer é colocar o aluno em condições propícias para que (partindo de suas necessidades e particularidades) possa buscar por si mesmo conhecimentos e experiências.

A partir do final do século 19.

O professor incentiva, orienta, organiza as situações de aprendizagem, adequandoas às capacidades e características individuais dos alunos. Dá importância aos métodos e técnicas como o trabalho em grupo, atividades cooperativas, estudo individual, pesquisas, projetos, experimentações. O professor ajuda o aluno a aprender. O centro da atividade escolar não é o professor nem a matéria, é o aluno ativo e investigador.


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

TENDÊNCIA

Pedagogia Tecnicista

SIGNIFICADO

PERÍODO

Acabou sendo imposta às escolas brasileiras pelos organismos oficiais ao longo Desenvolveu-se no Brasil a de boa parte das duas últimas partir da década de 1950, décadas, por ser compatível fortalecendo-se nos anos 1960. com a orientação econômica, política e ideológica do regime militar então vigente.

15

COMO A DIDÁTICA FOI/É ENTENDIDA A didática instrumental está interessada na racionalização do ensino, no uso de meios e técnicas mais eficazes. O arranjo mais simplificado dessa sequência resultou na fórmula: objetivos, conteúdos, estratégias e avaliação. O professor é o administrador e executor do planejamento, o meio de previsão das ações a serem executadas e dos meios necessários para se atingir os objetivos. A maioria dos livros didáticos utilizados nas escolas é elaborada com base na tecnologia da instrução. Não há uma Didática explícita.

No início dos anos 1960, surgiram os movimentos de educação de adultos, que geraram ideias pedagógicas e práticas educacionais de educação popular, configurando a tendência que veio a ser denominada Tendência Libertadora.

Pedagogia Libertadora

A Pedagogia Libertadora tem sido empregada com muito êxito em vários setores dos movimentos sociais, como sindicatos, associações de Início dos anos 1960. bairro, comunidades religiosas. Por isso, é muito utilizado com adultos que vivenciam uma prática política e onde o debate sobre a problemática econômica, social e política pode ser aprofundado com a orientação de intelectuais comprometidos com os interesses populares. Em relação à escola fundamental, não foi organizada uma orientação pedagógico-didática.

O professor se põe diante de uma classe com a tarefa de orientar a aprendizagem dos alunos. A atividade escolar é centrada na discussão de temas sociais e políticos. O ensino está centrado na realidade social, em que o professor e os alunos analisam problemas e realidades do meio socioeconômico e cultural, da comunidade local, com seus recursos e necessidades, tendo em vista a ação coletiva frente a esses problemas e realidades. Nesse processo em que se realiza a discussão, os relatos de experiências vividas, a pesquisa participante, o trabalho em grupo, vão surgindo temas geradores que podem vir a ser sistematizados para efeito e consolidação de conhecimentos. É uma didática que busca desenvolver o processo educativo no interior dos grupos sociais e, por isso, o professor é o coordenador ou animador das atividades que se organizam sempre pela ação conjunta dele e dos alunos.


16

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

TENDÊNCIA

SIGNIFICADO

PERÍODO

Para essa tendência, o que importa é que os conhecimentos sistematizados sejam confrontados com as experiências socioculturais e a vida concreta dos alunos, como meio de aprendizagem e Pedagogia Crítico-Social dos melhor solidez na assimilação A partir das décadas de 1970 dos conteúdos. Conteúdos e 1980. O ensino significa a tarefa de proporcionar aos alunos o desenvolvimento de suas capacidades e habilidades intelectuais, mediante a transmissão e assimilação ativa dos conhecimentos.

COMO A DIDÁTICA FOI/É ENTENDIDA O objeto de estudo é o processo de ensino nas suas relações com a aprendizagem. A didática tem como objetivo a direção do processo de ensinar, tendo em vista finalidades sociopolíticas e pedagógicas e as condições e meios formativos. É uma didática que reflete e busca alternativas para as dificuldades educacionais.

Fonte: Libâneo (1994, p. 57-71).

–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

Depois de realizada a leitura dos conteúdos anteriores, acesse o link disponível em: <ftp:// ftp.usjt.br/pub/revint/19_40.pdf> e estude o texto de Santos (2005). Após esses estudos, veja quais tendências e abordagens, em ambos os textos, pertencem à mesma corrente: Tendências e abordagens que apresentam a mesma direção teórica, mas com nomenclaturas diferentes Pedagogia Tradicional (LIBÂNEO, 1994) e Abordagem Tradicional (MIZUKAMI, 1986) Pedagogia Tecnicista (LIBÂNEO, 1994) e Abordagem comportamentalista (MIZUKAMI, 1986) Pedagogia Renovada (LIBÂNEO, 1994); Abordagem humanista (MIZUKAMI, 1986); e Abordagem cognitivista (MIZUKAMI, 1986) Pedagogia Libertadora (LIBÂNEO, 1994) e Abordagem Sociocultural (MIZUKAMI, 1986) Pedagogia Crítico-social dos Conteúdos (LIBÂNEO, 1994)

O que preciso fazer? Ler e estudar os conteúdos propostos. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800. 3ª semana Problematização Qual a visão geral abordada no tema "Didática e Metodologia do Ensino de Computação”? Considerando as reformas educacionais dos últimos anos, como a tecnologia está inserida nesse processo histórico? Orientações gerais Nesta 3ª semana, propomos que você reflita sobre as questões da problematização, pesquise sobre o tema e faça a leitura atenta dos materiais indicados. O que preciso estudar? DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. Introdução ao Caderno de Referência de Conteúdo, Abordagem Geral da Disciplina, Glossário de Conceitos, Esquema dos Conceitos-chave e Unidade 1 – Nova visão da Educação (confira no Material de Apoio). Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

17

O que preciso fazer? Nesta semana, solicitamos que você leia atentamente os conteúdos propostos e inicie o processo de integração dos conhecimentos de Didática Geral e Metodologia do Ensino de Computação. As leituras sugeridas nesta semana, assim como nas semanas anteriores, são importantes para sua formação.

2º CICLO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA Conteúdos Planejamento escolar: conceituação, importância, tipos de planejamento, planos de ensino de aula. Objetivos, conteúdos e estratégias de ensino. Avaliação escolar: conceituação, importância, avaliação da aprendizagem, tipos e instrumentos avaliativos. 4ª semana Antes de iniciar os estudos dos conteúdos do 2º Ciclo, você deverá realizar a primeira tarefa da disciplina. Problematização Qual a sua visão/conceituação de Didática? A visão apresentada por você vai ao encontro de qual abordagem pedagógica? Como os conceitos/concepções de Didática e Metodologia do Ensino de Computação interferem na prática docente? Orientações gerais Nesta 4ª semana, propomos que você retome as leituras realizadas nas semanas anteriores (1ª a 3ª semanas) e desenvolva a interatividade indicada no Tópico O que preciso fazer?. O que preciso estudar? • BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2005. Unidade 1 – Didática: visão histórica, conceituação e objeto de estudo (Introdução. Origem da Didática). • Desenvolvimento Histórico da Didática e Tendências Pedagógicas (Introdução e Quadro 1 – Tendências pedagógicas e concepções de Didática). Disponível neste Plano de Ensino. • SANTOS, R. V. Abordagens do processo de ensino e aprendizagem. Revista Integração, São Paulo, Centro de Pesquisa da Universidade São Judas Tadeu, ano 11, jan./mar., n. 40, 2005, p. 19-31. Disponível em: <ftp://ftp.usjt.br/pub/revint/19_40.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2012. O que preciso fazer? Interatividade no Fórum Objetivos • Compreender o conceito de Didática nas diferentes tendências pedagógicas e relacioná-lo à trajetória de ensino de Computação.


18

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

• Refletir sobre a relação entre as concepções de Didática e Metodologia do Ensino de Computação e a prática pedagógica do professor. Descrição da interatividade Retome sua conceituação de Didática e, com base nas leituras realizadas até o momento, responda às questões a seguir: 1) A visão de Didática apresentada por você (no início da disciplina) vai ao encontro de qual tipo de Abordagem de Ensino? Para responder a essa questão, tenha como referência Santos (2005. Disponível em: <ftp://ftp.usjt.br/pub/revint/19_40.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2012.). a) Abordagem Tradicional. b) Abordagem Comportamentalista. c) Abordagem Humanista. d) Abordagem Cognitivista. e) Abordagem Sociocultural. Apresente duas justificativas para responder a essa questão. 2) Escolha a resposta de um dos seus amigos e faça a mesma análise solicitada na Questão 1. 3) Considerando a conceituação de Didática nas diferentes tendências pedagógicas, analise a trajetória do ensino de gramática e identifique qual tipo de Abordagem Didática o influenciou. Em seguida, explique como os conceitos de Didática interferem na prática docente. Poste sua resposta no Fórum, seguindo estes passos: • 1º parágrafo: digitação da sua conceituação pessoal de Didática. • 2º parágrafo: resposta da Questão 1. • 3º parágrafo: resposta da Questão 2 (coloque o nome do amigo cuja resposta foi escolhida por você para ser analisada). • 4º parágrafo: resposta da Questão 3. Pontuação A interatividade vale de 0 a 0,5. Critérios de avaliação Na avaliação desta interatividade, serão utilizados os seguintes critérios: • Utilização da norma padrão Língua Portuguesa e das normas da ABNT. • Coerência, concisão e coesão. • Compreensão dos textos estudados. • Capacidade de análise do conteúdo e síntese de ideias. • Articulação entre a concepção pessoal de Didática e as tendências pedagógicas.

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

19

5ª Semana Problematização O que é planejamento de ensino? O Projeto Político Pedagógico interfere na atividade de planejamento de ensino, na elaboração do plano de ensino e plano de aula? Como articular Projeto Político Pedagógico, Planejamento, Plano de Ensino e Plano de Aula? Planejamento de Ensino, Plano de Ensino e Plano de aula são sinônimos? Como organizar a prática pedagógica, tendo em vista diferentes objetivos? Como selecionar e organizar os conteúdos como meio para o desenvolvimento dos alunos? A estratégia de ensino deverá ser facilitadora da aprendizagem e transposição do conteúdo? Orientações gerais Nesta 5ª semana, propomos que você reflita sobre as questões da problematização, faça a leitura atenta e estude os materiais indicados. O que preciso estudar? Planejamento escolar: conceituação, importância, tipos de planejamento, planos de ensino de aula. Objetivos, conteúdos e estratégias de ensino. Projeto político-pedagógico. Plano de ensino. A aula como um projeto colaborativo de ação. Objetivos da educação escolar – para que ensinar e aprender? Conteúdos – o que ensinar e aprender? Métodos – como e com o que ensinar e aprender? Estratégias de ensino. Avaliação – o que foi ensinado e aprendido efetivamente? Projetos de trabalho: como organizá-los? Para estudar os conteúdos desta semana, você deverá acessar no material de apoio: • BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2005. Unidade 2 – Planejamento Escolar: conceituação, importância e elaboração. • BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2005. Unidade 3 – Objetivos de Ensino. • BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2005. Unidade 4 – Conteúdos de Ensino. Para facilitar o seu estudo, sugerimos que leia os textos na sequência em que os apresentamos. O texto a seguir corresponde ao estudo das Estratégias de Ensino e está disponível no link indicado, pois se refere a uma obra de domínio público. Vale dizer que, embora as estratégias descritas estejam no texto do contexto da Educação Superior, elas também podem ser utilizadas na Educação Básica. • ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; PESSATE, Leonir. Estratégias de Ensinagem. In: ______. Processos de Ensinagem na Universidade. Joinvile: UNIVILLE. Capítulo 3. Disponível em: <http://www.slideshare.net/familiaestagio/estratgias-de-ensinagem-lea-anastasiou>. Acesso em: 18 dez. 2012. Além dos textos anteriores, você também tem de estudar o seguinte: • DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 3 – Planejando os Métodos de Ensino e Definindo Conteúdos. (confira no Material de Apoio).


20

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

O que preciso fazer? Ler e estudar os conteúdos propostos. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800. 6ª Semana Problematização Qual o impacto que a avaliação tem na nossa vida? Qual a minha concepção de avaliação? Como o professor pode desenvolver uma avaliação que auxilie na construção da aprendizagem dos alunos? Tipos e instrumentos avaliativos são sinônimos? Como articular os tipos de avaliação e os instrumentos avaliativos no contexto da prática pedagógica? Orientações gerais Nesta 6ª semana, propomos que você reflita sobre as questões da problematização, faça a leitura atenta e estude os materiais indicados. O que preciso estudar? Avaliação escolar: conceituação, importância, avaliação da aprendizagem, tipos e instrumentos avaliativos. Para que avaliar? A avaliação como mediação da aprendizagem. Tipos de avaliação. Instrumentos e registros da avaliação. Desafios da mudança da avaliação. Para estudar os conteúdos desta semana, você deverá acessar no Material de Apoio: • BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2005. Unidade 5 – Avaliação do Rendimento Escolar. • DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 4 – Teorias de Aprendizagem. (confira no Material de Apoio). O que preciso fazer? Ler e estudar os conteúdos propostos. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800. 7ª semana Problematização O que significa taxonomia? Quais as principais características da Taxonomia dos objetivos educacionais propostos por Bloom? Quais as principais características da Taxonomia de aprendizagem propostos por Gagné? Orientações gerais Nesta 7ª semana, propomos que você reflita sobre as questões da problematização, faça a leitura atenta, estude os materiais indicados e realize a atividade proposta no Tópico O que preciso fazer?.

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

21

O que preciso estudar? DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 5 – Taxonomia dos Objetivos e Instrumentos de Aprendizagem. (confira no Material de Apoio). O que preciso fazer? Ler e estudar os conteúdos propostos, realizar a atividade e envie suas respostas no Portfólio. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800. Atividade no Portfólio Objetivo • Entender a relação das taxonomias apresentadas e o processo de desenvolvimento cognitivo relacionado ao conteúdo de Didática Geral e Metodologia do Ensino de Computação. Descrição da atividade Na Unidade 5 do material de Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação, estudamos a Taxonomia de Bloom e os instrumentos de Gagné. Nas unidades anteriores, vimos questões relacionadas ao Plano de Ensino. Considerando todos os conteúdos estudados, realize a atividade proposta. Para desenvolver esta atividade você, escolha uma disciplina qualquer e realize quatro etapas: 1) Definir o objetivo geral da disciplina. 2) Definir os objetivos específicos e instrucionais dela, utilizando-se da taxonomia de Bloom. Caso seja possível, na disciplina/conteúdo escolhido, definir os objetivos nos três domínios (cognitivos, afetivo e psicomotor). 3) Formule duas perguntas do nível de compreensão da taxonomia de Bloom para o objetivo construído no Item 2 a fim de orientar o processo de avaliação da aquisição cognitiva do conhecimento. 4) Formule duas perguntas do nível de aplicação da taxonomia de Bloom para o objetivo construído no Item 2 a fim de orientar o processo de avaliação da aquisição cognitiva do conhecimento. Pontuação A atividade vale de 0 a 0,5. Critérios de avaliação Na avaliação desta atividade, serão utilizados como critérios: • utilização da norma padrão da Língua Portuguesa e das normas da ABNT; • coerência, concisão e coesão; • compreensão dos textos estudados; • capacidade de análise do conteúdo e síntese de ideias; • articulação entre o tema e as considerações apresentadas; • postagem da atividade no prazo previsto;


22

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

• uso de exemplos pessoais e profissionais (quando possíveis) que demonstrem o entendimento dos assuntos e a articulação com a prática (conteúdo, organização – compreensão); • linguagem clara, concisa e de fácil entendimento. Terminologia apropriada, organização lógica demonstrando total compreensão do conteúdo (conteúdo, organização, estilo e foco).

3º CICLO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA Conteúdos Taxonomia de Bloom e de Gagné. Estratégias de Ensino: aula expositiva, seminário, projeto, tutoria, estudo de caso, ferramentas de autoria e oratória. Avaliação na perspectiva de aprendizagem colaborativa e individual. Desenvolvimento de rubricas em atividades de avaliação. 8ª semana Problematização Quais são, no contexto da Unidade 6 do material de Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação, as estratégias de ensino possíveis de serem utilizadas no ensino de computação? Qual a vantagem em se utilizar o ciclo de aprendizagem por projetos? Como os recursos audiovisuais podem ajudar no processo de aprendizagem? Orientações gerais Nesta 8ª semana, propomos que você reflita sobre as questões da problematização, faça a leitura atenta e estude os materiais. O que preciso estudar? DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 6 – Estratégias de Ensino (confira no Material de Apoio). O que preciso fazer? Ler e estudar os conteúdos propostos. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800. 9ª semana Problematização O que é rubrica? Qual a diferença entre avaliação somativa e a formativa? Quando usar uma avaliação formativa e/ou somativa? Orientações gerais Nesta 9ª semana, propomos que você reflita sobre as questões da problematização, faça a leitura atenta e estude os materiais.

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

23

O que preciso estudar? DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 7 – Definição de Estratégia de Avaliação e Criação de Atividades. (confira no Material de Apoio). O que preciso fazer? Ler e estudar os conteúdos propostos. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800. 10ª semana Problematização Como organizar e propor uma aula que contemple o ensinar, o aprender, o pesquisar e o avaliar? Como organizar e propor uma aula que envolva as formas de relação entre professores e alunos, que contextualize os aspectos social e educativo, as necessidades cognitivas, afetivas, psicomotoras e socioculturais dos educandos? Como organizar e propor uma aula que tenha como premissa o desenvolvimento da autonomia, de criatividade, de criticidade, de ética, de solidariedade e colaboração dos nossos alunos? Por que é que faremos o que faremos na sala de aula? Orientações gerais Nesta 10ª semana você deverá realizar as leituras propostas e desenvolver a interatividade descrita no item O que preciso fazer?. Você deverá postar seu Plano de Aula no Fórum, para que todos os colegas de turma possam ter acesso aos planos elaborados. Assim, teremos um acervo de sugestões que poderá apoiar seu trabalho como professor. Após encaminhar seu Plano de Aula, escolha um plano postado por um colega de turma, faça a leitura e analise se a metodologia proposta contribuirá para tornar o conteúdo ensinável e a aprendizagem dos alunos significativa. Lembre-se de que o Plano de Aula deverá ter os 11 itens indicados no a seguir e no máximo, três laudas (fonte tamanho 12, espaçamento simples, qualquer tipo de letra). O que preciso estudar? Para a elaboração do Plano de Aula, você poderá retomar as leituras referentes ao Planejamento de Ensino, Objetivos, Conteúdos, Estratégias de Ensino e Avaliação. Sugerimos que retome as seguintes leituras: • BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2005. Unidades 2, 3, 4 e 5. • ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; PESSATE, Leonir. Estratégias de Ensinagem. In: ______. Processos de Ensinagem na Universidade. Joinvile: UNIVILLE. Capítulo 3. Disponível em: <http://www.slideshare.net/familiaestagio/estratgias-de-ensinagem-lea-anastasiou>. Acesso em: 18 dez. 2012. • DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. Unidades 4 e 5. (confira no Material de Apoio).


24

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

O que preciso fazer? Interatividade no Fórum Objetivos • Entender o planejamento como uma ação pedagógica essencial ao processo de ensino, superando sua concepção mecânica e burocrática no contexto do trabalho docente, formalizando-o no plano de ensino e especificamente, no caso desta atividade, no plano de aula. • Ser capaz de organizar a prática pedagógica, tendo em vista diferentes objetivos. • Conhecer o procedimento de seleção e organização de conteúdos, de modo a saber converter na prática pedagógica o conhecimento científico em conhecimento curricular, considerando contextos socioculturais e as capacidades cognitivas e afetivas dos alunos. • Entender a estratégia de ensino como meio facilitador da aprendizagem e transposição do conteúdo. • Compreender os diferentes tipos de avaliação e suas características, bem como os diferentes tipos de instrumentos avaliativos e seu ajustamento ao objetivo de ensino. Descrição da Interatividade Realize a tarefa a seguir com base nos conteúdos estudados (Planejamento de Ensino, Plano de Aula, Objetivos, Conteúdos, Estratégias de Ensino e Avaliação da Aprendizagem). Considere a seguinte situação: você foi convidado para ministrar aulas na Educação Básica na Escola “Sabiá”. Para que você seja contratado, a direção e a coordenação da escola solicitaram um Plano de Aula/Sequência Didática para a etapa de ensino e ano ou série em que você vai atuar. Atendendo à solicitação da direção da escola, elabore um Plano de Aula que contenha: 1) Título da aula (dê um nome para a aula). 2) Tempo necessário (quantas aulas ou horas serão necessárias para o desenvolvimento da proposta). 3) Etapa de ensino a) ( ) Segunda fase do Ensino Fundamental. b) ( ) Ensino Médio. 4) Ano ou série da etapa de ensino. 5) Objetivos da aula: para que ensinar e aprender? Os objetivos devem ser elaborados visando ao desenvolvimento de capacidades nos alunos ao longo ou após a aula. Tais capacidades devem ser relacionadas ao pensar, ao sentir e ao agir. (Elaborar dois ou três objetivos apenas). ATENÇÃO!––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

Você encontra alguns modelos de Plano de Aula para ajudá-lo na elaboração dos objetivos no site disponível em: • <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/espacoDaAula.html>. Acesso em: 4 dez. 2012.

É importante lembrar que esses materiais que estão on-line são apenas um apoio para que você realize esta interatividade; portanto, você não os deverá copiar para entregar ao seu tutor. A aula poderá ser preparada para turmas da segunda fase do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano) ou do Ensino Médio. Sugerimos os seguintes sites para ajudá-lo na elaboração: • BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Disponível em: <http://portal.mec.gov. br/index.php?option=com_content&view=article&id=12624%3Aensino-fundamental&Itemid=859>. Acesso em: 4 dez. 2012. • BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index. php?option=com_content&view=article&id=12583%3Aensino-medio&Itemid=859>. Acesso em: 4 dez. 2012.

––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

25

6) Conteúdo: o que ensinar e aprender? Os conteúdos são os saberes a serem trabalhados; devem ser vistos como meio para que os alunos desenvolvam as capacidades que lhes permitam produzir e usufruir dos bens culturais, sociais e econômicos (BRASIL, 1997). Deve-se sempre articular os conteúdos com os objetivos. Aqui, você pode escolher qualquer conteúdo da área de Computação que são trabalhados ou no segundo ciclo do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano) ou no Ensino Médio). 7) Estratégias de ensino ou procedimentos didáticos: como a aula será desenvolvida e como os conteúdos serão trabalhados para que os alunos possam compreendê-los. Para ajudá-lo na elaboração dos procedimentos didáticos, ou estratégias de ensino, você poderá consultar os sites que já foram indicados anteriormente. 8) Recursos/materiais: com o que ensinar e aprender? Exemplos: giz, lousa, papel, cola, tesoura, vídeo, data show, laboratórios, quadras, passeio etc. 9) Referências: quais livros, revistas, vídeos e sites você utilizou para elaborar a aula? 10) Sugestão de trabalho interdisciplinar: mostrar como a aula pode ter o apoio ou apoiar outras disciplinas. 11) Avaliação: qual o tipo de avaliação que será utilizada? E o instrumento? Qualquer dúvida que você tiver quanto à elaboração do plano de aula, entre em contato com o seu tutor a distância via Lista, na Sala de Aula Virtual. Vale dizer que esse Plano de Aula não pode ser copiado da internet. Você tem de elaborar o seu próprio plano, já se imaginando na condição de professor. O plágio (cópia) anula a sua participação. Não se esqueça de fazer um comentário sobre o plano de aula de algum de seus colegas, analisando-o. Pontuação A atividade vale de 0 a 0,75. Critérios de avaliação Na avaliação desta atividade serão utilizados como critérios: • utilização da norma padrão Língua Portuguesa e das normas da ABNT; • articular os objetivos, conteúdos e estratégias, sugeridos no plano de aula; • organizar um plano de aula contendo os 11 itens indicados para sua elaboração. 11ª semana Problematização Qual o objeto de estudo da Didática? Qual o objeto de estudo da Metodologia de Ensino? A partir do que foi estudado, sei identificar uma abordagem de ensino em uma prática pedagógica docente? O que é objetivo e conteúdo de ensino? A estratégia de ensino deve ser adequada ao conteúdo trabalhado? A boa avaliação é aquela que se preocupa apenas com o aluno? Como escolher entre avaliação formativa e somativa? Quando, no contexto abordado, podemos optar pela utilização da rubrica? Orientações gerais Nesta 11ª semana, você deverá responder às Questões on-line, um instrumento avaliativo, com perguntas objetivas, que compõe a avaliação formativa (continuada). Tem como objetivo contribuir para que você expresse suas aprendizagens em relação aos conteúdos trabalhados até o momento. tica.

Ao final do período de uma semana, você terá acesso às respostas e à correção automá-


26

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

O que preciso estudar? Retome as leituras do que foi estudado até o momento. O que preciso fazer? Responder às Questões on-line, disponibilizadas na Sala de Aula Virtual, no prazo de uma semana. Pontuação As Questões on-line valem de 0 a 0,25.

4º CICLO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA Conteúdos Formação de Professores: identidade e contextos de trabalho. O professor-pesquisador. 12ª semana Problematização O que é ser professor? O que identifica um professor? A formação do professor no decorrer da história da educação brasileira interfere nos aspectos do ser professor hoje, sua valorização e identidade? Qual a relação da didática e metodologia de ensino com a formação de um professor profissional, reflexivo e intelectual? Quais os saberes necessários à formação docente? Como vão sendo adquiridos e aprimorados esses saberes no decorrer na formação inicial e continuada do professor? A formação do professor interfere na aprendizagem do aluno? Como? Orientações gerais Nesta 12ª semana, propomos que você reflita sobre as questões da problematização, pesquise sobre o tema e faça a leitura atenta dos materiais indicados. O que preciso estudar? Formação de professores: identidade e contextos de trabalho (situando o problema da formação de professores. A formação inicial e continuada do professor: aproximações com o campo do currículo). Esse conteúdo é encontrado no seguinte material: • RIVAS, Noeli Prestes Padilha; CONTE, Karina de Melo. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 5 – Formação de Professores: Identidade e Contextos de Trabalho. O que preciso fazer? Ler e estudar os conteúdos propostos. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800.

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

27

13ª semana Problematização Qual a percepção que o professor da rede pública e privada de ensino tem acerca do papel do educador, do papel do aluno, do planejamento e do sistema educacional? A pesquisa feita com professores contribuirá para a minha atuação e reflexão quanto à prática pedagógica? Orientações gerais A prática é um componente obrigatório dos cursos de licenciaturas (Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002). Atenção––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

Se esta disciplina contemplar horas de prática, a atividade a seguir deverá ser postada no Portfólio do ícone de Prática e também será considerada uma avaliação continuada. Se a disciplina não tiver horas de prática, a atividade deverá ser postada no Portfólio da disciplina e não contará horas. Será considerada uma avaliação continuada.

–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

O que preciso estudar? RIVAS, Noeli Prestes Padilha; CONTE, Karina de Melo. Didática Geral. Batatais. Claretiano, 2013. Unidade 5 – Formação de Professores: Identidade e Contextos de Trabalho. (confira no Material de Apoio). O que preciso fazer? Realize a prática proposta a seguir, postando-a na ferramenta Prática/Portfólio. Projeto de Prática –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– Título do Projeto

Práticas pedagógicas do professor que atua na Educação Básica

Entrega do Projeto

13ª semana

Observação: esta prática foi elaborada pela Prof.ª Dra. Noeli Prestes Padilha Rivas e pela Prof.ª Ms. Karina de Melo Conte. 1. Descrição do Projeto Este trabalho de Prática faz parte dos componentes obrigatórios dos cursos de licenciatura, de acordo com a Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Tem como objetivo analisar, na perspectiva do professor, o papel do educador e do aluno, do processo de ensino e aprendizagem que esse profissional possui. Este trabalho, de cunho qualitativo, está planejado em duas etapas: a primeira etapa consiste em entrevistar ou aplicar um questionário a dois professores (um da rede pública e um da rede privada de ensino), que atuam na Educação Básica, analisando a concepção que eles possuem em relação às seguintes questões: papel do educador, o papel do aluno, o planejamento e o sistema educacional. A segunda etapa contempla a análise e a discussão de dados obtidos, bem como a redação e a conclusão do projeto final, mediante pesquisa bibliográfica de obras científicas que aprofundem o tema e do material estudado na disciplina. Esta análise levará o aluno a refletir a respeito da percepção que o professor possui de seu papel como educador, o papel de seu aluno e da escola na atualidade, de modo que este aluno possa compreender que essas percepções foram construídas ao longo da história e são determinantes na atuação do professor. Observar tais aspectos faz-se necessário uma vez que, nos conteúdos da disciplina Didática e Metodologia do Ensino de Computação, destaca-se a atuação do professor que não somente vai responder a uma necessidade social, política e econômica de educação, mas também contribuirá para a construção de sua identidade profissional e prática docente


28

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

2. Público-alvo Professores da rede pública e privada do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano) ou do Ensino Médio. 3. Objetivos • Investigar a percepção que os professores da rede pública e privada de ensino possuem acerca do papel do educador, o papel do aluno, o planejamento e o sistema educacional. • Sistematizar, analisar e refletir a respeito da concepção que os professores entrevistados ou questionados possuem a respeito dos temas tratados, tendo em vista a composição de um quadro de referência que explicite a práxis pedagógica. 4. Realização e postagem A Prática deverá ser realizada individualmente, o que não impede que os alunos se reúnam em grupo para discussão. Cabe observar que cada aluno deverá desenvolver e postar o seu próprio projeto na Sala de Aula Virtual (SAV), na ferramenta Prática (Portfólio). Observação: não será permitida a entrega de textos iguais. 5. Carga horária e atividades previstas Entre em contato com seu tutor para obter informações referentes à carga horária prevista para esta atividade de prática. Caso a disciplina não tenha horas de prática, desconsidere este tópico. Atividades Horas atribuídas (verificar com seu tutor a distância) Contato com as escolas/professores e entrevista ou aplicação do questionário Análise dos resultados Pesquisa e redação do texto Análise/conclusão Total de horas atribuídas 6. Metodologia 6.1. Procedimentos a) Escolha a escola, a etapa de ensino e ano (ou série) e identifique os professores para a realização da entrevista ou aplicação do questionário. Observação: devem ser escolhidos dois professores, um da rede pública e outro da rede privada de ensino, mas que atuem no mesmo nível e ano. b) Entre em contato com a direção da instituição pública e privada para solicitar a autorização (Veja Anexo 1 – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e Anexo 2 – Consentimento de Participação) para realizar a entrevista ou para a aplicação do questionário. Observação: tanto o professor regente quanto a direção da escola deverão assinar o termo de consentimento livre e esclarecido autorizando a realização da entrevista ou questionário e a utilização dos dados para o relatório. c) Entrevistar ou aplicar o questionário (Anexo 3 – Roteiro Estruturado) junto ao professor regente da sala de aula no caso do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano) ou Ensino Médio. d) Analisar os dados obtidos a partir das entrevistas ou do questionário. e) Redigir o relatório contemplando a sistematização e a análise. 6.2. Relatório e análise: A redação do relatório deve conter: • Introdução. • Desenvolvimento: análise das entrevistas ou questionários, utilizando as referências bibliográficas da disciplina. • Conclusão/considerações finais quanto aos dados coletados (resposta aos objetivos propostos). • Referências bibliográficas (todas as obras utilizadas na disciplina poderão ser utilizadas para fundamentar a análise do relatório apresentado). Observações: • Os roteiros de entrevista ou questionário e o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido deverão ser anexados no relatório final (escanear). • Formato do trabalho de Prática: de 3 a 5 páginas. Folha de rosto: (identificação do trabalho e do autor com nome, curso de origem e turma). Títulos: Times New Roman, 14 e negrito. Corpo do texto: Times New Roman, tamanho 12, espaçamento entre linhas de 1,5. 7. Avaliação e validação da prática A aprovação da atividade de Prática estará atrelada ao atendimento dos objetivos propostos no projeto. Também fará parte da avaliação continuada dessa disciplina (vale de 0 a 0,75). A não realização da Prática gerará dependência. –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

29

14ª semana Problematização Como as teorias de aprendizagem se relacionam às definições de objetivos e aos instrumentos de aprendizagem? Orientações gerais Nesta 14ª semana, propomos que você reflita sobre as questões da problematização, pesquise sobre o tema e faça a leitura atenta dos materiais indicados. O que preciso estudar? Nesta semana, solicitamos que refaça a leitura das duas unidades indicadas a seguir. Até agora, nossa leitura foi linear, unidade a unidade, mas chegamos a um ponto no qual é necessário percebermos como utilizar alguns dos conceitos apresentados. Por isso, nestas próximas duas semanas faremos esse tipo de ação. DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 4 – Teorias de Aprendizagem e Unidade 5 – Taxonomia dos objetivos e Instrumentos de aprendizagem (confira no Material de Apoio). O que preciso fazer? Reler as unidades sugeridas e analisar, por meio desta ação, a problematização sugerida. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800. 15ª semana Problematização Como relacionarmos o planejamento às teorias de aprendizagem e a definição dos objetivos instrucionais? Orientações gerais Nesta 15ª semana, propomos que você reflita sobre a questão da problematização, pesquise sobre o tema e faça a leitura atenta dos materiais indicados. O que preciso estudar? Nesta semana, solicitamos que refaça a leitura da unidade indicada a seguir. Até agora, nossa leitura foi linear, unidade a unidade, mas chegamos a um ponto no qual é necessário percebermos como alguns dos conceitos apresentados estão inter-relacionados. DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais. Claretiano, 2013. Unidade 3 – Planejando os Métodos de Ensino e Definindo conteúdos. (confira no Material de Apoio). O que preciso fazer? Reler a unidade sugerida e analisar, por meio dessa ação, como, ao planejarmos um conteúdo de ensino e aprendizagem, devemos relacioná-lo às teorias de aprendizagem e taxonomias apresentadas. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800.


30

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

16ª semana Problematização Por que é necessário realizarmos planejamento de unidades de ensino? Qual a vantagem de se utilizar uma taxonomia? Qual a importância dos "Quatro Pilares da Educação" para o ensino de Computação? Quais os fatores que influenciam a aprendizagem? O que é o produto de aprendizagem? Orientações gerais Nesta 16ª semana, você deverá responder às Questões on-line, um instrumento avaliativo, com perguntas objetivas, que compõe a avaliação formativa (continuada). Tem como objetivo contribuir para que você expresse suas aprendizagens em relação aos conteúdos trabalhados até o momento. tica.

Ao final do período de uma semana, você terá acesso às respostas e à correção automá-

O que preciso estudar? Retome as leituras do que foi estudado até o momento. O que preciso fazer? Responder às Questões on-line, disponibilizadas na Sala de Aula Virtual, no prazo de uma semana. Pontuação As Questões on-line valem de 0 a 0,25. 17ª semana Problematização Como a Taxonomia de Bloom proposta entre as décadas de 1950 e 1970 foi adequada a partir do uso das tecnologias no processo educacional? Orientações gerais Nesta 17ª semana, iniciaremos o estudo das Leituras Complementares. Para esta semana, não teremos atividade/interatividade na Sala de Aula Virtual, porém as leituras são muito importantes para sua formação. O que preciso estudar? FERRAZ, A. P. C. M; BELHOT, R. V. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Disponível: <http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X2010000200015&lang=pt>. Acesso em: 28 jan. 2013. O que preciso fazer? Ler e estudar os conteúdos propostos.

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

31

18ª semana Problematização Historicamente, por que há falta de interesse pela formação pedagógica? Como articular a formação específica do professor à formação pedagógica? A formação específica e a formação pedagógica do professor interferem na aprendizagem do aluno? Como? Orientações gerais Leia e estude o texto de Vasconcellos (2011), que traz a discussão a respeito da formação didática do professor, considerando seus desafios e perspectivas para o contexto da escola básica atual. O que preciso estudar? VASCONCELLOS, C. S. Formação didática do educador contemporâneo: desafios e perspectivas. In: Universidade Estadual Paulista. Prograd. Caderno de Formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011, p. 33-58, v. 9. Disponível em: <http:// www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/581/1/01d15t02.pdf>. Acesso em: 4 dez. 2012. O que preciso fazer? Ler e estudar o texto de apoio proposto. Caso tenha dúvidas, entre em contato com seu tutor a distância pela Lista ou pelo 0800. 19ª semana Correção de Provas Substitutivas 20ª semana Correção de Provas Complementares

4. AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Observe, a seguir, as informações referentes à avaliação. AVALIAÇÕES

VALOR TOTAL

Avaliação Formativa

5,0

Avaliação Somativa

5,0

TOTAL

10,0

FORMAS

VALOR PARCIAL

MODALIDADE

LOCAL

Atividades e Interatividades

3,0

a distância

Ambiente Virtual

Avaliação Intermediária

2,0

presencial

Polo

Prova Dissertativa

3,0

presencial

Polo

Avaliação Semestral Integrada

2,0

presencial

Polo

mínimo de 4 formas

7,0 pontos presencias e 3,0 pontos a distância 6,0 pontos – média para aprovação


32

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

5. CONSIDERAÇÕES GERAIS Esperamos que a disciplina Didática e Metodologia do Ensino de Computação tenha contribuído para que você, futuro docente, aproveite todas as potencialidades de seus alunos, respeitando, também, as suas necessidades, fazendo que eles olhem o mundo em todas as suas dimensões, sintam-se valorizados e enxerguem a autonomia do aprender a apreender. A tecnologia sempre esteve e sempre estará presente em todos os processos de ensino e aprendizagem, por isso é importante entendermos como estão relacionados ao processo de planejamento didático. Foi com esse intuito que abordamos estes conteúdos nesta disciplina, sendo assim, esperamos agora que você possa utilizá-los a fim de conseguir um processo cada vez mais produtivo de aprendizagem, seja como docentes ou discentes. Para finalizarmos o estudo da disciplina, deixamos a você uma reflexão:

Um olhar a respeito de nossos alunos–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

Vivia, lá no longe do sertão mineiro, um menino meio calado, muito triste, que buscava entender as coisas que não entendia: da sua cidade Mutum, da sua casa, da ausência – do pai e do irmão querido, o Dito. Chamava-se Miguilim, e arrastava na mesmice da tristeza seus oito anos. Até que um dia vêm vindo na estrada dois homens a cavalo. Um, todo de branco, pergunta o nome do menino. - Miguilim. Eu sou o irmão do Dito. - E o Dito é o dono destas terras? - Não. O Dito está em glória – Miguilim respondeu, os olhos apertados. O doutor quis falar com o pessoal da casa. Havia gente lá? Havia, sim: a mãe, o tio Terez... Já na sala, saboreando o café, o estranho torna a reparar em Miguilim. - Esse nosso rapazinho tem a vista curta – O doutor coloca seus óculos no rosto do menino. Miguilim nem podia acreditar!! Pela primeira vez via as coisas direitinho!!! “Tudo era uma claridade, tudo novo e lindo e diferente, as coisas, as árvores, as caras das pessoas”. E ele corre, e olha tudo, e fala sem parar, e olha de novo, agora descobrindo o mundo [...] (ROSA, 2001).

–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

6. BIBLIOGRAFIA BÁSICA NÓVOA, A. (Org). Profissão Professor. Ponto Editora, Portugal, 1991. PIMENTA, S. G.; FRANCO, M. A. R. S.; LIBÂNEO, J. C. Didática: embates contemporâneos. Editora Loyola, 2010. TAJRA, S. F. Informática na educação. 5. São Paulo: Erica, 2001.

7. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BARATO, J. N. Escritos sobre tecnologia educacional & educação profissional. São Paulo: Senac, 2002. 286 p. ISBN 85-7359-250-8. BORDENAVE, J. D. Estratégias de ensino-aprendizagem. 6. Petrópolis: Vozes, 1984. 312 p. CAMBI, F. Historia da Pedagogia. São Paulo: Editora Unesp, 1999 GAGNE, R. M.; Therezinha M. R. T. [Trad.]. Como se realiza a aprendizagem. Rio de Janeiro: Livros Técnicos, 1974. 270 p. MIZUKAMI, M.da G. N. Ensino: As abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986. MORAN, J. M., MASETTO, M. T. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 8. ed. Campinas: Papirus, 2004. ROSINI, A M. As novas tecnologias da informação e a educação a distância. São Paulo: Thomson Learning, 2007. VASCONCELLOS, C. S. Avaliação: concepção dialética-libertadora do processo de avaliação escolar. São Paulo: Libertad, 2005. ______. Planejamento: projeto de Ensino_Aprendizagem e Projeto Político Pedagógico – elementos para elaboração e realização. 14 ed. São Paulo: Libertad, 2005. VEIGA, I. P.A. (org). O Projeto Político Pedagógico da Escola: uma construção possível. Campinas, Papirus, 2000. ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

33

Referências pesquisadas ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate. Estratégias de Ensinagem. In: ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate. Processos de Ensinagem na Universidade. Joinvile: UNIVILLE. Catítulo 3. Disponível em: <http://www.slideshare.net/familiaestagio/estratgias-de-ensinagem-lea-anastasiou>. Acesso em: 18 dez. 2012. BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2010. BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho pleno. Resolução CNE/CP n.º 2, de 18 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília: CNE/CP, 2002. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf>. Acesso em: 05 dez. 2012. DAMIS, O. T. Didática: suas relações, seus pressupostos. In: LOPES, A. O. Repensando a Didática. Campinas: Papirus, 1995. GIMENO SACRISTÁN, J. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ARTMED, 2000. LOPES, A. O. Repensando a Didática. Campinas: Papirus, 1995. NÓVOA, A. Relação escola/sociedade: novas respostas para um velho problema. Disponível em: <http://www.acervodigital. unesp.br/bitstream/123456789/24/3/EdSoc_Rela%C3%A7%C3%A3o_escola_sociedade.pdf>. Acesso em: 27 ago. 2011. RIVAS, N. P. P.; CONTE, K. de M. Didática Geral. Batatais. Claretiano, 2013. ROSA, J. G. Campo geral (da obra Manuelzão e Miguilim). 11. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. SANTOS, R. V. dos. Abordagens do processo de ensino e Aprendizagem. Revista Integração. São Paulo: Centro de Pesquisa da Universidade São Judas Tadeu, Ano XI jan./fev./mar., nº 40, 2005, pp. 19-31. Disponível em:< ftp://ftp.usjt.br/pub/revint/19_40. pdf>. Acesso em: 10 dez. 2012. VASCONCELLOS, C. dos S. Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político pedagógico. São Paulo: Libertad Editora, 2010. ______. Formação didática do educador contemporâneo: desafios e perspectivas. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Prograd. Caderno de Formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011, p. 33-58, v. 9. Disponível em: http://www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/581/1/01d15t02.pdf. Acesso em: 04 dez. 2012. ZABALA, A. As seqüências didáticas e as seqüências de conteúdo. In: ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

8. E-REFERÊNCIAS Acervo Digital da UNESP. Disponível em: <http://www.acervodigital.unesp.br>. Acesso em: 4 dez. 2012. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Disponível em: <http://www.anped.org.br/>. Acesso em: 4 dez. 2012. Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação. Disponível em: <http://anfope.spaceblog.com.br/>. Acesso em: 4 dez. 2012. Conferência Nacional de Educação (Conae). Disponível em: <http://conae.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=a rticle&id=46&Itemid=57>. Acesso em: 4 dez. 2012. Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Disponível em: <http://www.capes.gov.br>. Acesso em: 04 dez. 2012. Educação Básica (SEB). Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=293&Item id=358>. Acesso em: 4 dez. 2012. Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade e Inclusão (Secadi). Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index. php?option=com_content&view=article&id=290&Itemid=816> Acesso em: 4 dez. 2012. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Disponível em: <http://portal.inep.gov.br>. Acesso em: 4 dez. 2012. Ministério da Educação. Disponível em: <http://www.mec.gov.br/>. Acesso em: 4 dez. 2012. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – Representação Brasil (UNESCO). Disponível em: <http:// www.unesco.org/new/pt/brasilia/ >. Acesso em: 4 dez. 2012. Portal Domínio Público. Disponível em:<http://www.dominiopublico.gov.br>. Acesso em: 4 dez. 2012. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Disponível em: <http://emaberto.inep.gov.br/index.php/RBEP/index>. Acesso em: 4 dez. 2012. Revista Cadernos de Pesquisa. Disponível em: < http://www.fcc.org.br/biblioteca/apresenta_cadernos.php?area=publicacoes>. Acesso em: 4 dez. 2012. Revista Educação e Pesquisa. Disponível em:<http://www.educacaoepesquisa.fe.usp.br/>. Acesso em: 4 dez. 2012. Revista Estudos em Avaliação Educacional. php?area=publicacoes>. Acesso em: 4 dez. 2012.

Disponível

em:

<http://www.fcc.org.br/biblioteca/apresenta_eae.

TVEscola. Disponível em: <http://tvescola.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=category&id=94&Item id=97>. Acesso em: 0 dez. 2012.


34

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

CICLOS DE APRENDIZAGEM

Ciclo de Aprendizagem 1

PERÍODO

CRONOGRAMA DA DISCIPLINA O QUE PRECISO ESTUDAR?

1ª semana 16/02 a 25/02/13

Didática: visão histórica, conceituação e objeto de estudo. O processo de ensino-aprendizagem nas diferentes abordagens 2ª semana 25/02 a de ensino/tendências 04/03/13 pedagógicas. Políticas educacionais, planos educacionais, planejamento de métodos de ensino. Teorias da aprendizagem: processos, fatores e produtos. 3ª semana 04/03 a 11/03/13

4ª semana 11/03 a 18/03/13

Ciclo de Aprendizagem 2 Planejamento escolar: 5ª semana 18/03 a conceituação, importância, 25/03/13 tipos de planejamento, planos de ensino de aula. Objetivos, conteúdos e estratégias de ensino. Avaliação escolar: conceituação, importância, avaliação da aprendizagem, tipos e instrumentos avaliativos.

6ª semana 25/03 a 01/04/13

7ª semana 01/04 a 08/04/13

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO

O QUE PRECISO FAZER? CPE Leitura do Plano de Ensino/Guia de Estudo e Cronograma BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2010. Unidade 1 – Didática: visão histórica, conceituação e objeto de estudo. CPE Desenvolvimento Histórico da Didática e Tendências Pedagógicas (pequena introdução e Quadro 1 – Tendências pedagógicas e concepções de Didática). Disponível neste Plano de Ensino/Guia de Estudo. SANTOS, R. V. Abordagens do processo de ensino e Aprendizagem. Revista Integração. São Paulo: Centro de Pesquisa da Universidade São Judas Tadeu, Ano XI jan./fev./mar., nº 40, 2005, pp. 19-31. Disponível em: <ftp://ftp.usjt.br/pub/revint/19_40.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2012. CPE DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Introdução ao Caderno de Referência de Conteúdo, Abordagem Geral da Disciplina, Glossário de Conceitos, Esquema dos Conceitos-chave e Unidade 1 – Nova visão da Educação. 0 – 0,5

1º encontro presencial (16, 23/02 ou 02/03) – atividade prática, exposição de conteúdos diversos

Interatividade no Fórum

CPE BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais: Claretiano, 2010. Unidade 2 – Planejamento Escolar: conceituação, importância e elaboração; Unidade 3 – Objetivos de Ensino e Unidade 4 – Conteúdos de Ensino. ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate. Estratégias de Ensinagem. In: ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate. Processos de Ensinagem na Universidade. Joinvile: UNIVILLE. Capítulo 3. Disponível em: <http:// www.slideshare.net/familiaestagio/estratgias-deensinagem-lea-anastasiou>. Acesso em: 18 dez. 2012. O texto corresponde ao estudo das Estratégias de Ensino e é uma obra de domínio público. Observação: embora as estratégias descritas estejam no texto do contexto da Educação Superior, podem ser utilizadas na Educação Básica. DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais. Claretiano, 2013. Unidade 3 – Planejando os Métodos de Ensino e Definindo Conteúdos. CPE BERTANHA, Pricila. Didática Geral. Batatais. Claretiano, 2010. Unidade 5 – Avaliação do Rendimento Escolar. DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais. Claretiano, 2013. Unidade 4 – Teorias de Aprendizagem. 0 – 0,5

ENCONTROS PRESENCIAIS E CONTEÚDOS

Atividade no Portfólio

2º encontro presencial (16, 23/03 ou 06/04) – atividades práticas ou avaliação intermediária do conteúdo do 1º ciclo


© Plano de Ensino(PE)/Guia de Estudos(GE)

CICLOS DE APRENDIZAGEM Ciclo de Aprendizagem 3 Taxonomia de Bloom e Gagné. Estratégia de Ensino: aula expositiva, seminário, projeto, tutoria, estudo de caso, ferramentas de autoria e oratória. Avaliação na perspectiva de aprendizagem colaborativa e individual. Desenvolvimento de rubricas em atividades de avaliação.

PERÍODO

CRONOGRAMA DA DISCIPLINA O QUE PRECISO ESTUDAR?

8ª semana 08/04 a 15/04/13

9ª semana 15/04 a 22/04/13 10ª semana 22/04 a 29/04/13 11ª semana 29/04 a 06/05/13 12ª semana 05/05 a 13/05/13 13ª semana 13/05 a 20/05/13

Ciclo de Aprendizagem 4 Formação de Professores: identidade e contextos de trabalho.

14ª semana 20/05 a 27/05/13

15ª semana 27/05 a 03/06/13 16ª semana 03/06 a 10/06/13

17ª semana 10/06 a 17/06/13 Ciclo de Aprendizagem 5 Formação de Professores: identidade e contextos de trabalho.

18ª semana 17/06 a 24/06/13

19ª semana 24/06 a 01/07/13 20ª semana 01/07 a 09/07/13

Legenda CPE

Compromisso Pessoal de Estudos Interatividade/Atividade Questões on-line

O QUE PRECISO FAZER? CPE DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais. Claretiano, 2013. Unidade 6 – Estratégias de Ensino. CPE DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais. Claretiano, 2013. Unidade 7 – Definição de Estratégias de Avaliação e Criação de Atividades. 0 – 0,75

Interatividade no Fórum

0 – 0,25

Questões on-line

CPE RIVAS, Noeli Prestes Padilha; CONTE, Karina de Melo Didática Geral. Unidade 5 – Formação de Professores: Identidade e Contextos de Trabalho. Batatais: Claretiano, 2013. Atividade/Prática no 0 – 0,75 Portfólio CPE Até agora nossa leitura foi linear, unidade a unidade, mas chegamos a um ponto no qual é necessário percebermos como utilizar alguns dos conceitos apresentados. Nesta semana, solicitamos que refaça a leitura de: DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 4 – Teorias de Aprendizagem e Unidade 5 – Taxonomia dos objetivos e instrumentos de aprendizagem. CPE DINIZ, Danielle Dornellas et al. Fundamentos e Métodos do Ensino de Computação. Batatais. Claretiano, 2013. Unidade 3 – Planejando os Métodos de Ensino e Definindo conteúdos. 0 – 0,25

35

ENCONTROS PRESENCIAIS E CONTEÚDOS

3º encontro presencial (13, 20 ou 27/04) – atividades práticas ou avaliação intermediária do conteúdo do 1º e 2º ciclos

4º encontro presencial (11, 18 ou 25/05) – Prova Dissertativa do conteúdo do 1º, 2º e 3º ciclos

Questões on-line

CPE – Leitura complementar FERRAZ, A. P. C. M.; BELHOT, R. V. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Disponível em: <http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104530X2010000200015&lang=pt>. Acesso em: 28 jan. 2013. CPE – Leituras complementares VASCONCELLOS, C. S. Formação didática do educador contemporâneo: desafios e perspectivas. In: Universidade Estadual Paulista. Prograd. Caderno de Formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011, p. 33-58, v. 9. Disponível em: <http://www.acervodigital.unesp.br/ bitstream/123456789/581/1/01d15t02.pdf>. Acesso em: 04 dez. 2012. Correção de provas substitutivas Correção de provas complementares

5º encontro presencial (8, 15 ou 22/06) – ASI do conteúdo do 1º, 2º, 3º e 4º ciclos


36

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

ANEXOS INTEGRANTES DO PROJETO DE PRÁTICA ANEXO 1

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

O (a) senhor (a) está sendo convidado(a) a participar, como voluntário(a), de um trabalho denominado "Práticas Pedagógicas do Professor que atua na Educação Básica”. Caso você concorde em participar, favor assinar ao final do documento. Sua participação não é obrigatória, e, a qualquer momento, você poderá desistir de participar e retirar seu consentimento. Sua recusa não trará nenhum prejuízo em sua relação com o aluno(a) pesquisador(a) ou com a instituição. Objetivos: Proporcionar ao aluno do curso de Licenciatura a reflexão a respeito do papel do educador e do aluno no processo de ensino e aprendizagem, de modo que este aluno, licenciando e futuro professor possa conhecer na perspectiva do professor que já atua no sistema de ensino, questões referentes à práxis educacional. Estas percepções construídas ao longo da história, além de responder a necessidades de cunho social, político e econômico da educação, auxiliam na construção da identidade docente, que ao mesmo tempo é pessoal e profissional. Procedimento do estudo: Este trabalho, de cunho qualitativo está planejado em duas etapas. 1ª etapa): Escolha do nível de ensino e ano que os professores entrevistados (ou questionados) lecionam e manter contato com a direção da instituição pública e privada para solicitar a autorização para realizar a entrevista. 2ª etapa): Corresponde ao procedimento da entrevista ou questionário com os(as) professores(as). Esta etapa tem o propósito de levantar as impressões que o professor regente possui com relação ao: papel do professor, do aluno, planejamento e os processos de ensino e aprendizagem. Observação: O(a) professor(a) poderá ser entrevistado(a), ou ainda, caso prefira o(a) professor(a) poderá responder as questões (questionário) na escola ou em casa e entregar ao aluno responsável por esta Prática. Riscos e desconfortos: Sua participação não acarretará em risco, desconforto e exposição, todas as informações são sigilosas e os nomes não serão explicitados nos projetos, preservando sua identidade. Confidencialidade da pesquisa: Todas as informações da entrevista são sigilosas, assegurando a privacidade dos sujeitos/participantes quanto aos dados confidenciais envolvidos neste trabalho, os dados terão finalidade no processo de ensino e aprendizagem do estudante do curso de licenciatura.

Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO


© Anexos

37

ANEXO 2

CONSENTIMENTO DE PARTICIPAÇÃO

Eu, __________________________________________________ (nome do professor regente), RG_____________________, declaro que li todas as informações contidas nesse documento, fui devidamente informado(a) por ________________________________________ (nome do estudante de licenciatura) dos procedimentos que serão utilizados, riscos, desconfortos e confidencialidade da pesquisa, concordando ainda em participar da pesquisa. Foi-me garantido que posso retirar o consentimento a qualquer momento, sem que isso leve a qualquer penalidade. Cidade, dia, mês e ano. _________________, ____/____ /2012

Assinatura do Professor Regente:__________________________________ Nome e Assinatura do Diretor da Escola: ______________________________________________________________ Centro Universitário Claretiano de Batatais Endereço: Rua: Dom Bosco, 466 CEP: 14300-000 Batatais – SP Contato: (16) 3660-17


38

© Didática e Metodologia do Ensino de Computação

ANEXO 3

CENTRO UNIVERSITÁRIO CLARETIANO Escola: ( )Pública

ROTEIRO DE ENTREVISTA OU QUESTIONÁRIO

( )Privada

Etapa: ( )Ensino Fundamental (6º. no 9º. Ano) ( )Ensino Médio Ano/Série em que atua:______________________________ Titulação: Magistério Graduação. Qual? _______________________________________________ Especialização. Qual? ____________________________________________ Pós-Graduação. Qual? ________________________________________ Anos de formado(a): _____________________________________________ Anos que atua em sala de aula: ____________________________________ 1.Qual é o papel do professor dentro da instituição escolar? 2.Qual é o papel do aluno? 3.Diante de tantas teorias e modelos pedagógicos há algum que você segue? Qual? 4.Em sua opinião, o contexto social, político e econômico interfere em sua prática? Justifique sua resposta? 5.Como o planejamento de ensino é desenvolvido em sua escola? 6. Quais elementos compõem seu plano de ensino e plano de aula? Quais as estratégias de ensino e os recursos mais utilizados por você em sala de aula? 7. Ao trabalhar um conteúdo em sala de aula, como é escolhida a estratégia de ensino? 8.Como a avaliação é realizada em sua escola? Você possui autonomia para fazer as modificações que você julgar necessário? 9.Sabe-se que muitos alunos chegam até em alguns anos com defasagens na aprendizagem. O que você faz para minimizar esta defasagem e para instrumentalizar este aluno com os conteúdos necessários para a série? 10. De acordo com sua vivencia em sala de aula, qual seria hoje o real papel da escola para a sociedade? Por quê? Claretiano -

REDE DE EDUCAÇÃO

Pege Didática  

Plano de ensino Didática

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you