Page 1

Leandro Estevam

Portfolio 2019.2 .


Lugar é um centro de significados construído pela experiência - Relph, 1979.


Quanto custa o seu m²?*, 2011,

Menção Honrosa no Salão Regional de Artes Visuais Alagoinhas/BA Instalação / Assemblage e bloco de concreto (1 m²) *Projeto em parceria com Tiago Costa

A obra resulta de novas percepções a cerca da relação entre o homem e o espaço, adquiridas após o aluguel de um imóvel como moradia e atelier físico para o coletivo. Acompanhar diariamente uma construção de prédios vizinhos ao imóvel em questão nos atentou para o crescimento imobiliário e seu forte controle sobre a organização do espaço, sugerindo preços diversos para consumidores em diferentes escalas do poder aquisitivo. É no limiar entre os valores materiais e imateriais que a obra reside; no questionamento do que acolhe o homem contemporâneo dentro de uma sociedade fundamentalmente de consumo. Foi necessário calcular o valor físico do m² em material e mão-de-obra, no intuito de sintetizar todo o questionamento em um valor simbólico. Um m² representa o espaço mínimo confortável para um adulto permanecer em pé e girar em torno de si mesmo. A obra sugere que esta relação de espaço seja absorvida pelo espectador de forma direta. Uma assemblage na parede com relações de custos, contas e recibos, cria o canal de reflexão junto ao espectador e curiosamente só poderá ser apreciada com clareza caso o público interaja com a obra, adentrando o m². O espaço, mais que o resultado de uma atividade física é ao mesmo tempo ator e cenário do cotidiano. Amplia suas significações quando habitado.


Ensaiando o Sol, 2013-2014,

Prêmio da Fundação Cultural do Estado da Bahia no Salões de Artes Visuais - Camaçari/BA

Desenho/ 9 desenhos, molduras em madeira pintadas e latão


Série de retratos da minha cadela Frida, no seu hábito rotineiro de deitar-se ao sol ao longo do dia, num período que vai aproximadamente das 9h da manhã às 17h da tarde. Momentos em que o sol invade o quarto. Cada desenho está disposto na parede de maneira correspondente a posição do sol naquela faixa de horário, fazendo uma alusão ao movimento aparente do sol visto lateralmente.


SĂŠrie Vila, 2014

Aquarelas, Desenho, Infogravuras/ 0,21 X 0,29m


Areial de Cima/n°9, 2013, Infogravura 21 x 29,7cm


Siameses, 2013,

Exposição Atlas - Mostra de Gravuras, Ciranda Café, Salvador/BA Gravura/ Água Forte e Água Tinta 10 x 15cm


Coração Marítimo, 2013

Exposição Atlas - Mostra de Gravuras, Ciranda Café, Salvador/BA Gravura/ Água Forte e Água Tinta 15 x 20cm


S/tĂ­tulo, 2013

Monotipia 29 x 15cm


Vizinhar, 2014 Desenho/ 1,40m X 34,5m

“Vizinhar” é uma série de desenhos de observação feitos a partir das plantas que ficam no pátio central do Museu de Arte Moderna da Bahia, durante o período da 3° Bienal da Bahia. Assim como as casas e seus moradores, estas plantas tornam-se também “vizinhas” umas das outras na dentro do espaço museal, dando conta da passagem do tempo e das transformações ocorridas no espaço.Cada desenho que compõe a obra possui inscrita computadorizadamente na prancheta o número e o nome popular da planta, informados por Claudio, o jardineiro do museu.


detalhe da obra


Canteiro de Obras, 2015 Instalação/ Blocos estrututais e vegetação 1,20m X 0,75m


Mirim, série, 2014 Objeto/ blocos estruturais e vegetação (Dimensões variáveis)

detalhes da obra


Pé Direito, 2016

Objeto/ Bloco estrutural e arruda/ Dimensões variáveis


Passeio ao Passeio, 2016

Desenho/ Tríptico/ 1,45 X 0,50m

Série de desenhos que corresponde a quatro diferentes tipos de plantas encontradas no trajeto entre a rua Tuiutí e a Praça Dois de Julho. Cada uma delas encontra-se em um espaço público histórico para a cidade de Salvador: Largo dos Aflitos, Passeio Público e Praça Campo Grande. Cada cabide que sustenta os desenhos possui a localização geográfica (latitude/longitude)de onde as plantas se encontram, para que o espectador possa encontrá-las pela cidade.


Broto partĂ­cula prospera em sombra, 2016

Aquarela e Colagem/ Poliptico/ 80 X 130cm

detalhe da obra


Asterรณide Urbano, 2016

Desenho/32 X 32cm


Trajetório, 2016

Desenho/ Políptico


detalhes da obra detalhe da obra


Andamento, 2016 Site Specific

Andamento, consiste numa série de desenhos de observação das plantas que brotam pelas frestas da ladeira da Misericórdia, no Coaty, conjunto arquitetônico popular projetado pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi. A ação de “reposicionar” a vegetação, trazendo o que antes estava no ambiente externo para o ambiente interno, é um convite ao trânsito, a fazer um passeio pela ladeira afim de encontrar as plantas retratadas em seu habitat natural através de marcações feitas no chão que indicam o local onde as mesmas foram desenhadas. O espectador poderá perceber o quanto de fidelidade e imaginação há em cada desenho, evidenciando assim que o desenho “muito mais do que forma, é a maneira de ver a forma”. A cada semana novos “retratos infiéis” são presos à parede como um testemunho daquilo que, por ser orgânico está em constante transformação. Uma espécie de testamento, um memória do traço desses dias de vivência no Coaty. Ao mesmo tempo foram percebidas diversas alterações no espaço ocupado pelo artista, que tirou partido dos fenômenos naturais, se apropriando desde as goteiras da construção para uni-las aos restos dos apontamentos do lápis de cor, para criar “aquarelas êfemeras”, ou até mesmo da passagem da luz no pôr-do-sol para projetar a sombra da frase “o objeto do espaço é o tempo escrevendo-a literalmente a partir de um fenômeno natural.


Passatempo, 2017 Livro Objeto

7,4cm X 10,5cm (fechado)

Passatempo é um livro composto por um seleção de Advérbios de Tempo. É um livro "infinito" no sentido que pode ser apreciado de trás pra frente/ de frente pra trás ao passar as páginas.


Diário do Pó, 2015-2018

Fotografia / Livro de Artista

Ao tomarmos consciência do tempo por meio dos fenômenos naturais, das fases da lua, das mudanças da maré, nos situamos biologicamente no mundo. Ao percebermos o tempo de crescimento de uma planta ou de um animal, dimensionamos também o crescimento e o amadurecimento do nosso próprio corpo". - Lilia Moritz Schwarcs

Diário do Pó é uma série fotográfica produzida a partir do encontro entre diferentes elementos da paisagem natural, geralmente deslocados do seu lugar de origem. Folhas caídas das árvores, conchas afastadas da maré, penas encontradas no chão ao longo do meu deslocamento a pé por cidades do Estado da Bahia são a matéria prima para construção de um diário da visual. Colocar lado a lado, espécies naturais diversas visa ampliar a percepção para os mesmos, criar relações de tensão/ harmonia, se-


semelhança/diferença entre elementos múltiplos, mas que tem como ponto em comum aprisionar o momento daquilo que, por ser vivo, inevitavelmente se transforma no instante seguinte e é fruto de uma lugar, clima e momento específico. O procedimento de coleta e colecionismo se convertem em imagem, deixando rastros sensoriais de um momento e lugar precisos. Temperaturas, sons e cheiros são rememorados, assim como estados de sentimento como o prazer, a alegria ou a melancolia. Potencializar a relação de intimidade com os elementos da paisagem, e consequentemente com a natureza, é o norte do projeto Diário do Pó. O cotidiano contado através da observação da natureza.


(A)Mar(é),

2018

Poesial Visual e Instalação

Dimensões variáveis (A)mar(é). Poesia visual se transforma em instalação artística a partir da interação com o público visitante que é convidado a construir barcos através da dobradura do poema impresso numa folha de papel. Literatura e artes visuais se integram num processo experimental e lúdico em que a obra ganha novo olhar a partir do seu co-autor: o público.


S/ título, 2018

Folhas, ninho, pedras, paina

Esta obra surge a partir da ação de guardar dentro de um livro folhas de Polycias, mais conhecida como Árvore da Alegria. As folhas sobrepostas e prensadas vão unindo-se e numa espécie de metamorfose acontece a "gravação" de umas sobre as outras. Matéria efêmera que logo irá deixar de existir, mas sem não antes deixar marcas em quem estar por vir.


Pátria acaso de migração, 2018, Desenho / Aquarela sobre papel

Pátria acaso de migração versa sobre a idéia da construção/invenção de um Brasil tropical. A partir de três desenhos de diferentes espécies vegetais conhecidas no Brasil, mas que possuem origem estrangeiras, trazidas para o país em diferentes momentos da história: a Palmeira Leque (Livistona Chinesis) originária do Ásia, a Árvore do Viajante (Ravenala Madagascariensis), de origem africana, mais precisamente da região de Madagascar e a Bananeira (Musaceae) também trazida da Ásia. Busco traçar um paralelo entre esta vegetação e elementos usados na urbanização e costrução civil do país trazidos pelos colonizadores, como a pedra portuguesa, em confronto com elemento construtivo criado na nação, como o bloco cerâmico, mais conhecido como tijolo baiano, trazendo à tona as contradições desta invenção cultural.


Fluxo Migratรณrio, 2018

Aquarelas


FlorescĂŞncia, 2016-2018

Aquarelas


Série Mirim visita o ESPAC, 2018

Blocos estruturais / vegetação


Camadas concêntricas do espaço vivido, 2018

Objeto / Performance

Cada pessoa está rodeada por camadas concêntricas do espaço vivido, da sala para o lar, para a vizinhança, cidade, região e para nação. “Não pensar o lugar sem o mundo. O mundo é a natureza...A natureza é um dado permanente que que se modifica à medida que avançamos em seu conhecimento.”

- Milton Santos


Camadas concêntricas do espaço vivido, 2018

Objeto

Cada pessoa está rodeada por camadas concêntricas do espaço vivido, da sala para o lar, para a vizinhança, cidade, região e para nação. “Não pensar o lugar sem o mundo. O mundo é a natureza...A natureza é um dado permanente que que se modifica à medida que avançamos em seu conhecimento.”

-Milton Santos


InflorescĂŞncias, 2019

Desenho sobre papel, 21 x 29,7


Regido pelo Sol, 2019

Pintura, dimensĂľes variĂĄveis


InflorescĂŞncias, 2019

Desenho sobre papel, 21 x 29,7


Currículo EDUCAÇÃO

Curso de Gravura em Metal

Museu de Arte Moderna | Salvador - BA | 2012-2014

Aluno Especial da disciplina Seminário de Arte Contemporânea Mestrado em Artes Visuais da Escola de Belas Artes | UFBA | 2012

Aluno Especial da disciplina Arte Urbana

Mestrado em Artes Visuais da Escola de Belas Artes | UFBA | 2011

Licenciatura em Desenho e Plástica – Artes Visuais

Universidade Federal da Bahia | UFBA | Salvador – BA | 2005-2008

PRÊMIOS

2014 | Prêmio Fundação Cultural do Estado da Bahia pela série de desenhos Ensaiando o Sol | agosto | Camaçari/BA 2011 | Menção Honrosa pela instalação Quanto custa seu m2 ?, Salões de Artes Visuais da Bahia | dezembro | Alagoinhas/BA

2010 | Menção Especial pela instalação Possibilidade | agosto | Feira de

Santana/BA

PUBLICAÇÕES

Revista KAZA | maio de 2016 | Brasil Série Mirim sessão “Vitrine” Revista IdeaFixa | julho de 2012 | Brasil Série “Baixo Calão”

Revista Muito | janeiro de 2011 | Salvador /BA Série de ilustrações “Eles Verão” Revista Zupi | dezembro de 2009 | Brasil/ Austrália/ USA Ilustração “As Classificadas”


SALÕES EXIBIÇÕES FEIRAS

XXI Furia Del Libro | novembro de 2018 | Santiago - Chile Canteiro de Obras | Espacio de Arte Contemporanea (ESPAC) | novembro de 2018 | Cidade do México - México Incubadora de Publicações Gráficas | RV Cultura e Arte | novembro de 2018 | Salvador-BA Maré | Galería José Guilherme Merquior del Centro Cultural Brasil-México (Embajada de Brasil) | março de 2018 | Cidade do México - México Exposição LIVRO.SSA | Feira Literária Internacional do Pelourinho agosto de 2017 | Salvador-BA Paraguassu Feira de Impressos | Palácio da Aclamação junho de 2017 | Salvador-BA Feira Ladeira - Festival de Ilustração da Bahia | Palácio da Aclamação maio de 2017 | Salvador-BA Pedra Papel e Tesouro - Feira de Arte e Paisagismo fevereiro/março/abril e Julho de 2017 | Salvador-BA Paisagem Intermitente | Ocupação Coaty | setembro a novembro de 2016 | Salvador-BA Os Florescentes | Galeria ACBEU | maio de 2016 | Salvador-BA Perto de Lá | Exposição Coletiva no Museu de Arte da Bahia dezembro de 2015 | Salvador/BA 66° Salão de Abril | Centro Cultural Banco do Brasil abril de 2015 | Fortaleza-CE


SALÕES EXIBIÇÕES FEIRAS

Salão de Artes Visuais da Bahia no MAM dezembro de 2014 a fevereiro de 2015 | Salvador/BA Atlas | Mostra Coletiva de Gravuras (ano 2) dezembro de 2014 a março de 2015 | Salvador/BA Atlas | Mostra Coletiva de Gravuras dezembro de 2013 a fevereiro de 2014 | Salvador/BA Salões de Artes Visuais da Bahia agosto de 2014 | Camaçari/BA Serie de desenhos Ensaiando o Sol setembro de 2012 | Juazeiro/BA agosto de 2012 | Jequié/ BA | Instalação De Cor dezembro de 2011 | Alagoinhas/BA instalação Quanto custa seu m² ? agosto de 2010 | Feira de Santana/BA instalação Possibilidade IX e XI Bienal do Recôncavo novembro de 2012 | São Félix outubro de 2008 | São Félix Acción Arte Itinerante Latinoamerica | novembro de 2010 Exposição Itinerante pela América do Sul


Leandro Estevam

Salvador/ BA, 1985, vive e trabalha em Salvador

Desde 2008 desenvolve trabalhos autorais com participação em salões, feiras e exibições. Sua pesquisa atual tem como fio condutor a percepção do cotidiano através do diálogo com os elementos naturais e artificiais da paisagem. Através do desenho de observação e apropriação da vegetação local, constrói sua poética utilizando o poder da natureza enquanto imagem e linguagem.


Salvador/Bahia/Brasil Agosto de 2019 Inverno

Profile for Leandro Estevam

Portfolio Leandro Estevam_2019  

Portfolio Leandro Estevam_2019  

Advertisement