Issuu on Google+

peruíbe

www.redebrasilatual.com.br

Jornal Regional de Peruíbe

jornal brasil atual

jorbrasilatual

nº 19

saúde

Distrib

Gratuuiição ta

Setembro de 2013

coluna

já é realidade Programa Mais Médicos começa a ser implantado em regiões pobres do país

saúde Peruíbe é contemplada com emenda de R$ 90 mil

Pág. 2

cidadania

povo indígena Após ocupacões, Sesai afirma que vai melhorar atendimento à saúde

Pág. 6

esporte Propinoduto tucano

siemens denuncia cartel em licitações Multinacional confessa conluio entre empresas nas obras dos trens e Metrô no Estado de São Paulo

Jogos Regionais

Pág. 4-5

Pág. 7

Atletas e paratletas conquistam 20 medalhas na competição


Peruíbe

2 política

Trocando em miúdos

Por Janaina Correa

PT Peruíbe

Dois nomes foram substituídos no Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores: Leonildo Spinhoza é o novo secretário de Formação Política no lugar de José Carlos de Castro; e José Alves entrou na Secretaria de Finanças em substituição a Helena Tamanini. O mandato desta gestão expira em 20 de fevereiro de 2014, mas haverá eleições internas em novembro.

Direito do consumidor

editorial A revista IstoÉ publicou, ao final de julho, uma reportagem que evidencia o superfaturamento nas licitações das obras e serviços do Metrô e da CPTM, desde o ano de 1997, quando o falecido Mário Covas governava o Estado de São Paulo, até 2008, na gestão de José Serra (passando ainda pelo primeiro mandato do atual governador, Geraldo Alckmin). Um escândalo tucano que a mídia tradicional teima em não divulgar. Pelo contrário. Até o fechamento desta edição, o PIG (Partido da Imprensa Golpista) se mantém blindando os envolvidos e tergiversa ao suscitar falsos debates em torno dos órgãos de apuração do caso, como o Cade. É preciso uma investigação idônea e punição aos culpados, corruptos e corruptores, que podem ter subtraído um mínimo de R$ 50 milhões dos cofres públicos paulistas. Por outro lado, o programa Mais Médicos, do governo federal, é um alento em meio aos escândalos de corrupção. Este é um passo significativo para o aprimoramento do SUS, independentemente das críticas infundadas de uma elite reacionária, apoiada no conservadorismo das associações da categoria médica, que tenta boicotar a vinda de médicos estrangeiros para trabalharem na atenção básica de saúde nos rincões do país (onde seus filhos não querem ir). Que essa política de saúde continue se expandindo e os filhos dos trabalhadores possam ocupar cada vez mais as cadeiras de medicina nas universidades e alterar esse paradigma elitista que algumas profissões teimam em carregar consigo. Boa leitura!

O programa Em Defesa do Consumidor, da TV Litoral (canal 12, da SAT TV a cabo), é um excelente instrumento de utilidade pública. O apresentador Tamer Junior sai às ruas e orienta a população e seus telespectadores sobre as relações de consumo a partir do Código de Defesa do Consumidor. O programa vai ao ar às quintas-feiras, às 19h30.

Saúde

O vereador Ricardo Correa (PT), a assessoria do deputado estadual Luiz Claudio Marcolino (PT) e a prefeita Ana Preto (PTB) estiveram no Palácio dos Bandeirantes, para realizar a assinatura de convênios com o governo do Estado de São Paulo. Correa e Ana Preto receberam a emenda proposta pelo deputado Marcolino, no valor de R$ 90 mil reais, para investimentos na área da saúde, que deverá ser utilizada para aquisição de uma ambulância.

Positivo

Em julho, devido ao Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais (28), o Ministério da Saúde, com os estados e municípios, ofereceu testes para as hepatites B e C, e vacinas para a hepatite B, em postos de saúde de toda a rede pública.

Negativo

Em julho, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) autorizou o aumento das taxas nos pedágios por eixo suspenso dos caminhões. Os caminhoneiros não gostaram e fizeram protesto na entrada do Porto de Santos. A nova tarifa estabelece a cobrança de R$ 21,20 por eixo.

jornal on-line Leia on-line todas as edições do jornal Brasil Atual. Clique www.redebrasilatual.com. br/jornais e escolha a cidade. Críticas e sugestões jornalba@redebrasilatual.com.br ou jornalbrasilatual@gmail.com facebook jornal brasil atual twitter @jorbrasilatual

Expediente Rede Brasil Atual – Peruíbe Editora Gráfica Atitude Ltda. – Diretor de redação Paulo Salvador Edição Enio Lourenço Redação Lauany Rosa Revisão Malu Simões Diagramação Leandro Siman Foto Capa Agencia Brasil Telefone (11) 3295-2820 Contato Publicitário Guiomar Batista Telefone (13) 3458-5503 E-mail brasilatualperuibe@hotmail.com Tiragem 6 mil exemplares Distribuição Gratuita


Peruíbe

3

saúde

Mais Médicos seleciona 1.618 na primeira etapa Após as Jornadas de Junho, em que manifestantes reivindicaram melhorias nos sistemas de transporte, educação e saúde, a presidenta Dilma Rousseff (PT) anunciou a criação do programa Mais Médicos, que amplia a contratação de médicos, com enfoque na atenção básica de saúde e urgência e emergência nas regiões mais pobres do país – como municípios do interior e periferias das metrópoles. A primeira etapa de seleção do programa encerrou-se no dia 13 de agosto, com 1.618 profissionais selecionados, sendo 358 estrangeiros. O número representa 10,5%, dos 15.460 médicos requisitados por 3.511 cidades de todo o país. Em São Paulo, 134 profissionais confirmaram a par-

Agencia Brasil

Em São Paulo, apenas 30 municípios receberam inscrições

ticipação no Mais Médicos, sendo 55 médicos brasileiros e 79 formados em outros países – essa procura representa apenas 6% da demanda do Estado. Para o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o aumento no número de municípios contemplados nesse primeiro momento chama a atenção pelo deslocamento de profissionais para o interior e regiões de

UBS Segundo o Ministério da Saúde, as Unidades Básicas de Saúde (UBS) são responsáveis pelo atendimento de 6,5 milhões de usuários do SUS. O Mais Médicos pretende enviar profissionais às UBS, principalmente nas cidades do interior, onde os

fronteira do país, vagas que passarão a ser ocupadas com a entrada dos médicos estrangeiros. Contudo, ele afirma que “o ministério continuará estimulando a ida de médicos brasileiros para regiões carentes”. Os selecionados no programa devem chegar aos municípios entre setembro e outubro. Porém, as opiniões se dividem. De um lado, governo federal,

Por Lauany Rosa

prefeitos e secretários municipais de Saúde, Conselho Nacional de Saúde (CNS) e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) defendem o projeto como uma solução para aprimorar o Sistema Único de Saúde (SUS). Do outro lado, as associações da categoria médica, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Força Sindical criticam a oportunidade de trabalho oferecida aos profissionais estrangeiros. Segundo um estudo do Instituto de Pesquisa Aplicada (Ipea), de 2011, a falta de médicos é um dos maiores problemas da saúde no Brasil. Pacientes sem atendimento, unidades sobrecarregadas, longas filas de espera e até óbitos nos corredores são as consequên-

cias desse déficit. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil tem em média 1,8 médicos para cada mil habitantes – número inferior a países como Venezuela (1,9), México (2,4), Argentina (3,2) e Cuba (6). Os profissionais selecionados no Mais Médicos receberão uma bolsa mensal de R$ 10 mil, mais os auxíliosmoradia e alimentação. O programa tem duração de três anos, com possibilidade de prorrogação. A segunda etapa de seleção começou no dia 19 de agosto. Os médicos brasileiros têm prioridade no preenchimento dos postos de trabalho. As vagas remanescentes serão oferecidas a brasileiros graduados no exterior e, em seguida, aos estrangeiros.

Peruíbe segue sem inscrições hospitais muitas vezes estão a muitos quilômetros das residências da população. “Quanto mais médicos trabalharem na atenção básica, melhor para o país. É nessa área de atendimento que se resolvem cerca de 80% dos problemas de saúde”, destacou Padilha.

O Mais Médicos é uma alternativa para o sistema de saúde precário de Peruíbe. “Precisamos urgentemente de médicos para atender a população”, disse o secretário de Saúde Nelson Gonçalves. A cidade está na lista prioritária do programa e so-

licitou seis clínicos gerais, mas nenhum a escolheu. “Demos preferência aos clínicos, pois eles conseguem atender qualquer emergência. Depois, quando essas vagas forem preenchidas, poderemos tentar contratar especialistas”, afirmou Nelson. “Os médicos dizem que pre-

ferem trabalhar próximo aos grandes centros. Como Peruíbe está próxima ao Vale do Ribeira, eles se recusam a vir para cá”, conta a funcionária pública Thais de Giachini. A cidade ainda pode ser beneficiada nas próximas etapas do programa.

As 701 cidades que não receberam inscrições (como Peruíbe) serão beneficiadas até o final do ano por algum dos 4.000 médicos cubanos. A medida anunciada pelo Ministério da Saúde, no dia 21 de agosto, faz parte de um acordo com a Opas, que intermediará

a negociação com o governo de Cuba. Segundo o ministro Alexandre Padilha, a pasta vai investir R$ 511 milhões, até 2014, na vinda dos profissionais, que não terão de passar pela Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de

Educação Superior (Revalida), pois trabalharão com registro provisório, para atuar na atenção básica de saúde. O ministro ressaltou que os profissionais cubanos possuem especialização em medicina familiar e comunitária, e 84% têm mais de 16 anos de experiência na medicina.

enio lourenço

Médicos cubanos atenderão cidades não selecionadas


Peruíbe

4 Propinoduto tucano

Superfaturamento em serviço ferroviário de São Paulo Revista IstoÉ divulgou esquema de multinacionais no Metrô e na CPTM com alto escalão do PSDB Na edição 2279, de julho de 2013, a revista IstoÉ publicou a reportagem O esquema que saiu dos trilhos, que aponta fraudes nos processos licitatórios na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e na Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), desde o governo Mario Covas, em 1997, passando pelo primeiro mandato do governador Geraldo Alckmin (PSDB), até o do ex-governador José Serra (PSDB), em 2008. Segundo a publicação, um

divulgação

cartel formado pelas empresas multinacionais Siemens, Alstom, Bombardier, CAF, TTrans e Mitsui manteve um esquema de desvios de recursos públicos e pagamento de propina a políticos tucanos e membros do alto escalão do governo e empresas públicas de São Paulo, em troca de favorecimento nas licitações de aquisição e manutenção de trens, construção de linhas, entre outros serviços ferroviários. A informação surgiu a partir de um acordo de leniência

assinado pela Siemens com o Conselho de Defesa Econômica (Cade), órgão federal ligado ao Ministério da Justiça, pelo qual a multinacional alemã e seus executivos podem se beneficiar de imunidade civil e criminal, dada a violação das leis brasileiras antitrustes no período em que participou do esquema com as outras empresas. Ainda de acordo com a IstoÉ, o superfaturamento das licitações causou um rombo de pelo menos R$ 50 milhões aos cofres públicos do Estado de São Paulo.

O subsecretário da Casa Civil do governo do Estado de São Paulo, Edson Aparecido, negou que o governo tinha conhecimento do cartel em licitações do Metrô e da CPTM e acusou o Cade de ser instrumentalizado pelo governo do Partido dos Trabalhadores (PT). “O que estamos vendo é um desvirtuamento de um órgão de Estado que deveria garantir a livre concorrência, mas se tornou um instrumento de polícia política.” Em nota, o Cade afirmou que “repudia qualquer acu-

Lalo de Almeida/Folhapress

Tucanos negam e acusam Cade de “polícia política”

sação de instrumentalização política das investigações” conduzidas pela autarquia. O órgão apura denúncia de formação de cartel entre empresas vencedoras de licitações

para operar contratos de linhas de trens e metrôs “no Brasil”. Ainda segundo o conselho, “o inquérito administrativo que apura o caso é sigiloso” e “somente tiveram acesso ao

acordo de leniência e aos documentos que o acompanham as partes investigadas e os órgãos que assinaram o acordo: o Cade, o Ministério Público do Estado de São Paulo e o Ministério Público Federal”. O ex-governador José Serra, em entrevista a Rádio Gaúcha, foi questionado sobre o escândalo do “propinoduto” tucano e negou envolvimento no esquema. “Tudo que eu quero é saber quais eram os entendimentos desses cartéis e que eles devolvam o dinheiro. Isso não é uma coisa com o governo. Em nenhum momento, nem no [gover-

no] Covas, nem no Alckmin, nem no meu foi dada qualquer autorização para que os fornecedores se entendessem a respeito de preço”, afirmou. Para Serra, o Cade é  “um organismo de Brasília, que é do governo do PT” e “não apresentou os documentos, vazou por baixo”. “Você não tem condição de controlar o que as empresas que participam numa concorrência conversam entre si. Se o Cade descobriu, está ótimo, foi uma lesão ao Estado e vão pedir o dinheiro de volta. Só isso”, resumiu.


Peruíbe

5

importantes do Estado. Desde 2008, viemos fazendo denúncia de irregularidades em contratos e não foram apuradas pelo MP-SP ou pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE)”, disse o líder da bancada petista na Assembleia Legislativa. Segundo o deputado, a

ação do MP-SP é lenta. “Há letargia do Ministério Público em não fazer a investigação como deveria. Ainda não entendemos o porquê da demora na investigação dos casos.” Marcolino ressalta que a bancada do PT tentou instalar por três vezes Comissões Par-

divulgação

Financiamento de campanha

O analista político e membro da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) Paulo Vannuchi, em seu comentário à Rádio Brasil Atual, aventou a possibilidade de o escândalo do propinoduto tucano, denunciado pela multinacional

Siemens ao Cade, estar por trás do financiamento das campanhas eleitorais do PSDB. “É provavelmente o fio da meada para explicar todo o sistema de financiamento de campanha das forças tucanas, porque todo mundo sabe no Brasil que enquanto não for aprovado o financiamento público de campanha, os par-

tidos recorrem a esquemas deste tipo, o das campanhas bilionárias.” Vannuchi sugeriu a reforma política como o caminho para resolver esse tipo de problema, que ele considera estrutural. “Todos os líderes partidários sabem que as campanhas são financiadas por esquemas como esse. Então tem que parar com esse cinismo, esse espetáculo que o ministro Joaquim Barbosa e o Supremo Tribunal Federal promoveram, como se houvesse apenas uma única força política no Brasil que praticasse irregularidades, “caixa 2”, quando todos estão cansadíssimos de saber que o fenômeno é generalizado. Precisa de uma medida estrutural que mude as regras.

lamentares de Inquérito (CPIs) na Assembleia Legislativa. “Nunca conseguimos instalar uma CPI, porque a base do governo e os partidos aliados se recusaram a apoiar a sua criação.” No entanto, para ele, o momento é favorável. “Com a denúncia da prática de cartel, agora será inadmissível que a bancada do governo na Assembleia não assine pela CPI. Quando a empresa vai a público e fala que manipulou contratos de licitação do governo do Estado, é necessário trazer a público que houve desvio de dinheiro.” Em julho, o também deputado estadual João Paulo Rillo (PT) protocolou pedido

de apuração de denúncias de desvios de recursos públicos do Metrô e da CPTM ao procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo, Márcio Fernando Elias Rosa. “Espero que depois de tanto debate sobre a necessidade da liberdade de investigação do Ministério Público e de se garantirem suas funções, elas sejam aplicadas neste caso também” – disse em referência ao debate sobre a Proposta de Emenda Constitucional 37, que limitava o poder de investigação do Ministério Público e foi engavetada pela Câmara dos Deputados também no mês passado.

Licitação fracassada

divulgação

Em entrevista à Rádio Brasil Atual, o deputado estadual Luiz Cláudio Marcolino (PT) afirmou que o Ministério Público Estadual (MP-SP) demora a agir no caso das manipulações dos contratos de licitação na compra de equipamentos ferroviários pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e pela Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô). “A impressão é que foi montada uma estrutura de corrupção entre a empresa Siemens e a Alstom, que é outra empresa que opera no Metrô e na CPTM, inclusive com repasses a executivos

divulgação

Deputado cobra agilidade nas investigações do MP

No dia 30 de julho, fracassou a licitação para a construção da Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo. O prazo venceu e não houve proposta de nenhuma empresa. O ramal ligará o bairro da Brasilândia, na zona norte da capital, à estação São Joaquim, no Centro. A Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional divulgou nota segundo a qual “o governo do Estado de São Paulo, por meio do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas

(PPP), informa que devido à ausência de propostas na concorrência da Linha 6-Laranja do Metrô existe a necessidade de esclarecer vários pontos do edital que não foram totalmente compreendidos”. A Linha 6-Laranja do Metrô é a primeira do sistema que será totalmente construída e operada pelo setor privado. O governo de Geraldo Alckmin (PSDB) esclarece que vai “analisar e aperfeiçoar os principais aspectos do projeto, para que um novo edital possa ser publicado ainda este mês”.


Peruíbe

6 cidadania

Indígenas conseguem melhorias na saúde das aldeias

Segundo os caciques, o sistema de saúde indígena sofreu alterações drásticas desde que

a Sesai se tornou responsável pelo Subsistema de Atenção à Saúde Indígena. Inicialmente,

Funai

No dia 15 de julho, aproximadamente 60 índios ocuparam de forma pacífica o Polo Base da Sesai, no Centro de Peruíbe. Cartazes e faixas foram colados na entrada da instituição. Os funcionários e prestadores de serviço que trabalhavam na unidade permaneceram com os índios por 12 horas. “Não usamos de violência em momento algum. Eles puderam sair para almoçar, depois retornaram para trabalhar. Nosso problema não era com os trabalhadores, queríamos apenas a reunião com os responsáveis da Sesai”, explicou Awa Tenondeguá. A Sesai, por sua vez, recusou-se a receber a pauta de reivindicações dos manifestantes. Durante os nove dias de ocupação, os índios foram hostilizados por alguns moradores da vizinhança, que arrancaram seus cartazes e cuspiram em sua direção. “Alguém rou-

A ausência da Sesai na reunião causou revolta nos caciques e demais índios que resolveram, novamente com cerca de 60 pessoas, ocupar a sede da Funai, em Itanhaém – responsável pela aldeias do litoral sul do

lauany rosa

A ocupação

bou o carro do meu primo. Ele estacionou aqui na rua, para ver como estava a situação no Polo Base, mas quando voltou o carro tinha sumido”, desabafou um integrante da aldeia Piaçaguera, ao contar que o automóvel era o único da aldeia e servia para levar os doentes e idosos ao hospital. No dia 19 de julho, a Funai agendou uma reunião entre os caciques das sete aldeias, promotores da Justiça Federal e diretores da Sesai. Porém, o órgão responsável pela saúde indígena não apareceu.

a organização que cuidava da saúde dos índios era a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), mas há dois anos a Sesai está à frente. “Desde que eles assumiram essa responsabilidade, o descaso começou. Os médicos pararam de ir semanalmente à aldeia, não tem mais carro para levar as crianças e idosos ao hospital e não ajudam com a alimentação de quem vai fazer exames na cidade”, relatou o cacique Awa, da aldeia Renascer.

“Estávamos perdendo todos os direitos que os caciques anteriores conquistaram com muita luta, então percebemos que estava na hora de voltar a lutar”, explica Awa Tenondeguá, cacique da aldeia Piaçanguera. Ele afirmou que os caciques das sete aldeias tentavam uma reunião com os responsáveis da Sesai há mais de dois meses, mas como não obtinham respostas, decidiram pela ocupação.

Estado –, entre os dias 22 e 24 de julho. Porém, dessa vez os funcionários não foram liberados até o agendamento de uma nova reunião com a entidade Para o coordenador regional da Funai do litoral sudeste, Amaury Vieira, o movimento é

“extremamente legítimo”, porém houve excessos. “A vinda deles era necessária, pois precisavam ser ouvidos. Mas os meios utilizados, principalmente a feitura de reféns, foi desnecessária, uma vez que a Funai só queria ajudar.”

do litoral sul até o dia 30 de agosto e a deslocar uma equipe especializada em saneamento básico para verificar a situação em cada região no prazo de 30 dias. O órgão também informou que vai implantar, reformar e ampliar as Unidades de Saúde Indígena entre os anos de 2014 e 2015 e deslocar uma unidade

odontológica para o Polo Base de Peruíbe em até dois meses. A Sesai também irá informar trimestralmente aos caciques e ao MPF o andamento de cada ação. “Resta apenas rezar e esperar”, afirma o cacique Awa Tenondeguá, pois as datas previstas para a realização das mudanças podem ser prorrogadas desde que a Sesai apresente as justificativas ao MPF. Apesar da inércia momentânea, os caciques estão em constante reunião e planejam atitudes a serem tomadas caso não haja mudanças. Até o fechamento desta edição nenhuma mudança concreta havia ocorrido.

Resultado No dia 26 de julho, no Ministério Público Federal (MPF) de Santos, ocorreu uma reunião entre os sete caciques, o coordenador regional da Funai litoral sudeste, Amaury Vieira, e os representantes da Sesai litoral sul: o coordenador do distrito especial de saúde indígena Paulo Camargo, o secretário substituto Fernando Rocha, a chefe de Gabinete Verbena Gonçalves e a advogada Karina Silva. O encontro foi presidido pelo Procurador da República Felipe Namba. A Sesai se comprometeu a disponibilizar um veículo para atender os indígenas das aldeias

reprodução/tv tribuna

As aldeias Bananal, Renascer, Renascer-Ubatuba, Tabaçu, Tangará, Piaçanguera e Itaóca (do litoral sul e Ubatuba) uniram-se para reivindicar melhorias no sistema de saúde indígena. A falta de atendimento médico, remédios e saneamento básico levou cerca de 60 índios a ocupar o Polo Base da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) de Peruíbe e a Fundação Nacional do Índio (Funai) de Itanhaém no mês de julho.

reprodução/tv tribuna

Sesai se compromete a ampliar e reformar unidades da saúde indígena e disponibilizar veículo


Peruíbe

7

Mídia

Projeto de Lei debate comercial em TVs comunitárias O deputado federal Ricardo Berzoini (PT) criou um Projeto de Lei (PL) que possibilita às emissoras de televisão comunitária veicularem publicidade e propagandas comerciais em um período de até três minutos para cada hora de programação. Segundo o parlamentar, esta seria uma forma de angariar receita para os meios de comunicação que não possuem fins econômicos. O PL está em debate na Comissão de Ciência e Tecnologia, mas ainda deve passar pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania,

enio lourenço

Caso seja aprovado na Câmara dos Deputados, TV Vale das Artes poderá ser beneficiada

apenas apoio cultural de pontos comerciais e instituições que estejam no raio de um quilômetro de sua antena. Esta modalidade permite a veiculação do nome, endereço físico ou

para então ser levado ao plenário da Câmara dos Deputados, onde será votado. Atualmente, por lei, as emissoras de TV comunitária têm autorização para receber

eletrônico e telefone do patrocinador, que fornece uma ajuda de custo ao canal de TV. Caso aprovado, o Projeto de Lei do deputado Berzoini permitirá às emissoras comunitárias manterem os apoios culturais, além das inserções publicitárias com anúncios de produtos, bens e serviços mais detalhados, aos moldes das TVs comerciais. Para o diretor-executivo da TV Vale das Artes, Cristen Charles, o projeto amplia as possibilidades das TVs comunitárias. “O aumento de verba proporciona investimentos na produção de conteúdo, compra

e manutenção de equipamentos. Isso reflete diretamente na programação, que passa a ter mais qualidade”. De acordo com Berzoini, a TV comunitária é uma “guardiã da história contemporânea”. Por isso, o parlamentar petista considera importante pressionar os demais deputados, para que este projeto seja aprovado. “Permitir a publicidade comercial nas TVs comunitárias é fazer justiça aos que lutam com dificuldade para uma verdadeira democratização social no Brasil”, ressalta o deputado.

esporte

Peruíbe conquista 20 medalhas nos Jogos Regionais

Pedro Precioso

Desempenho dos paratletas é responsável por maior parte dos pódios Com uma delegação de 230 pessoas (entre atletas, comissão técnica e funcionários), Peruíbe participou da 57ª edição dos Jogos Regionais, em Barueri (região metropolitana de São Paulo), durante o mês de julho, que reuniu delegações de 30 cidades. Os atletas e paratletas peruibenses competiram em 15 modalidades e conquistaram 20 medalhas no judô, capoeira, voleibol, atletismo, damas e ciclismo. Nas competições indivi-

duais, a cidade ganhou quatro medalhas de ouro no judô – nas categorias superligeiro feminino, meio-pesado masculino e duas na categoria pesado masculino. As quatro medalhas de prata saíram para o ciclismo individual masculino, capoeira categoria pesado feminino e duas no judô – meio-pesado feminino e leve masculino. E uma medalha de bronze no judô na categoria pesado feminino. Nas competições por equipe, vieram três medalhas de

anuncie Aqui!

E-mail:

Telefone: (11) 3295–2820 jornalba@redebrasilatual.com.br | jornalbrasilatual@gmail.com

jornal brasil atual

jorbrasilatual

prata: uma no ciclismo masculino e as outras no judô masculino e feminino. E outras duas de bronze no voleibol masculino e na equipe mista de damas. Já a atuação dos paratletas trouxe a maior parte das medalhas para a cidade. Foram seis medalhas de ouro no atletismo para pessoas com deficiência física – sendo três no arremesso de disco, duas no lançamento de dardo e uma por arremesso de peso.


PeruĂ­be

8 foto síntese – monumento aos pescadores

Palavras Cruzadas diretas PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br A rocha formada pelo Etna, na ItĂĄlia

PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

Relativo Ă  verdade religiosa

Š Revistas COQUETEL 2013

Eça de Atração Famosa praia de NiQueirós Em com- tradicional terói (RJ) Colocada panhia de da escola Não, em no mesmo Conversa de samba inglês fiada nível

Ficar Ă  espera de quem nĂŁo vem

Reno

Desfeito em pequenas tiras

 (?) Lago, ator e    Preencha os espaços vazios com algarismos de 1 a 9. compositor Preencha os espaços vazios com algarismos de 1 a 9. brasileiro Os algarismos não podem se repetir nas linhas P verticais e Os algarismos não  podem se repetir nas linhas verticais e nem nos quadrados horizontais, menores (3x3). horizontais, nem nos quadrados menores (3x3). O   A mais Fazer baixa casregistro         ta hindu por escrito Caminha  Situa-se       acima do    cóccix (Anat.)              BANCO    Solução ão  iç ed edição  especial especial  quad  rinhos   quadrinhos clássicos icos Grátis! anos 40 e 50   clás ss 50 ano 40 e livro 2  nas bancas livro 2 s ria ra e liv nas bancass     www.coquetel.com.br

Causa aflição

Vitamina (?) e cama: conselho ao gripado

Causa aflição Vitamina (?) e cama: conselho ao gripado

3/dad — get — not. 5/mårio. 6/caulim — icaraí. 8/teologal. 9/osso sacro.



C O M

N O T

I C A R A I

E

D F

V

N S

I R I A D O

L C A E O L R M A O D C A M A S O B F A A I R A N A S

C

A

T

O

R

O

DO I

A

R

GE L

P O

U I

N O T

I G U A L A D A

A D U I C A R A I

A L A R M A D O S



                                       





        

               

               

                               

Solução

P

A U T O R D E O S M A I A S

Solução

V

L E R O

U I

A L A R M A D O S

O

               

     

          

      



                                

Solução

F

C A

A D U L A

R I O

e livraria

R

Um lindo quebra-cabeça

Solução DO

               

GrĂĄtis!

       

Um lindo quebra-cabeç a

5

D

3/dad — get — not. 5/mårio. 6/caulim — icaraí. 8/teologal. 9/osso sacro.

5

Local de prĂĄtica do “raftingâ€?

I G U A L A D A

Fazer registro por escrito

Local de prĂĄtica do “raftingâ€?

A nova forma do ĂĄlcool caseiro

E

A nova forma do Š Revistas COQUETEL ålcool caseiro

O

“(?) Back�, sucesso dos Beatles

P O

www.coquetel.com.br

“(?) Back�, sucesso dos Beatles

P

T

A mais baixa casta hindu Caminha Situa-se acima do cĂłccix (Anat.)

Poeira

GE

(?) Lago, ator e compositor Š Revistas COQUETEL brasileiro

BANCO

Papai, em inglĂŞs

Que contĂŠm as cores do arco-Ă­ris

Poeira

O

Ampère (símbolo) Bajulador; puxa-saco

Papai, em inglĂŞs

M O F A R

   

Que contĂŠm as cores do arco-Ă­ris

P

www.coquetel.com.br

C



Desfeito em pequenas tiras

Ampère (símbolo) Bajulador; puxa-saco

A

Rondônia (sigla) Ficar à espera de O queŠ Revistas COQUETEL quem não estå em vem excesso

nentes da porcelana

Afluente suíço do Reno

A L A D A S B A I A N A S

Preencha os espaços vazios com algarismos de 1 a 9. Os algarismos não podem se repetir nas linhas verticais e Ato solene Um dos Afluente da colaçãosudoku compohorizontais, nem nos quadrados menores (3x3). suíço do de grau

Um dos componentes da porcelana

I R I A D O

Relativo Ă  verdade religiosa

Ato solene da colação de grau Rondônia (sigla) O que estå em excesso

N S

lauany rosa

Sobressaltados; assustados

A U T O R D E O S M A I A S

A rocha formada pelo Etna, na ItĂĄlia

Sobressaltados; assustados

O

www.coquetel.com.br

Š Revistas COQUETEL 2013

Eça de Atração Famosa praia de NiQueirós Em com- tradicional terói (RJ) Colocada Conversa panhia de da escola Não, em no mesmo inglês de samba fiada nível


Jornal brasil atual peruibe 19