Issuu on Google+

Universidade  de  Coimbra   Colégio  das  Artes   Mestrado  em  Estudos  Curatoriais             O  museu  que  queremos:  Projeto  para  revitalização  do  Museu  de  Arte  de   Brasília.               Disciplina:  Museologia  e  Conservação.   Orientadora:  Prof.  Dr.  Dalila  Rodrigues   Aluna:  Laurem  Crossetti           2013  


Índice                               1.  Introdução   2.  Sobre  o  MAB  –  Museu  de  Arte  de  Brasília   2.1  Breve  Histórico   2.2  Acervo   3.  Projeto  para  revitalização  do  MAB   3.1  Missão,  visão  e  valores   3.2    Áreas  de  atuação   3.3  Programação  anual   3.4  Aquisições  para  o  acervo   3.5  Recursos   4.  Conclusão   5.  Anexos  


Introdução                     “O  MAB  é  guardião  da  memória  de  Brasília”  1                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         O   presente   trabalho   pretende   refletir   sobre   o   extinto   Museu   de   Arte   de   Brasília  (MAB),  localizado  na  capital  federal  do  Brasil,  e  apresentar  ideias  iniciais  para   sua  possível  revitalização,  propondo  assim  a  criação  de  uma  programação  anual  e  de   um  sistema  de  aquisição  de  obras  visando  completar  o  acervo  já  existente.    

É   notável   que   a   capital   de   um   país   como   o   Brasil,   em   visível   crescimento  

econômico,   não   possua   sequer   um   único   aparato   cultural   completo   dedicado   às   artes   visuais   –   os   espaços   de   exposições   de   arte   não   possuem   coleção,   apenas   abrigam  mostras  temporárias  que  chegam  prontas  as  suas  dependências.     É  quase  inexistente,  numa  cidade  com  mais  de  dois  milhões  de  habitantes,  a   pesquisa   relacionada   à   conservação   de   obras   de   arte,   gestão   museológica   e   curadoria  de  exposições.  É  de  se  notar  que,  nos  últimos  anos,  foram  criados  cursos   superiores  de  Museologia  e  Crítica  e  História  da  Arte,  que  agora  acompanham  o  já   conhecido  curso  de  Artes  Visuais,  todos  abrigados  na  Universidade  de  Brasília.     Sendo  assim,  é  chegada  a  hora  de  repensarmos  a  atual  situação  cultural  da   cidade   e   definirmos   os   rumos   do   museu   que   queremos   ter.   Nas   próximas   páginas   pretendo  iniciar  uma  reflexão  sobre  minha  possível  contribuição  para  esse  cenário.                                                                                                                   1  Ana  Taveira,  ex-­‐diretora  do  Museu  de  Arte  de  Brasília.   2      Disponível  em:  <  http://www.aam-­‐us.org/docs/continuum/developing-­‐a-­‐mission-­‐


2.  Sobre  o  Museu  de  Arte  de  Brasília     2.1  Breve  Histórico       O   Museu   de   Arte   de   Brasília   (MAB)   foi   criado   em   1985   pelo   Governo   do   Distrito  Federal  por  iniciativa  da  Secretaria  de  Educação  e  Cultura,  que  já  reunia  em   suas  instalações  centenas  de  obras  significativas  de  arte  moderna  e  contemporânea.   O   museu   ocupou   por   muitos   anos   um   prédio   de   4.800   m2   situado   às   margens   do   Lago   Paranoá,   no   Setor   de   Hotéis   e   Turismo   Norte,   entre   a   Concha   Acústica   e   o   Palácio   da   Alvorada   (residência   oficial   dos   presidentes   da   República).          

  Localização  aproximada  do  MAB  sinalizada  em  vermelho.  


A   sua   localização   levanta   questões   importantes   para   refletirmos,   pois   ao   mesmo  tempo  em  que  é  privilegiada  é  também  marginal.  As  áreas  ao  redor  do  lago   são   muito   apreciadas   pelos   brasilienses   e   possuem   um   valor   imobiliário   extremamente   elevado   em   comparação   ao   do   restante   da   cidade   (que   inclusive   possui  um  dos  valores  por  metro  quadrado  mais  caros  do  país).  A  proximidade  com  o   Palácio   da   Alvorada   é   interessante,   já   que   esse   é   um   ponto   muito   visitado   pelos   turistas.     No   entanto,   essa   região   é   extremamente   distante   dos   espaços   de   grande   circulação  de  pessoas  e  não  é  atendida  pelo  sistema  de  transporte  público.  A  Concha   Acústica   é   frequentada   apenas   pontualmente,   por   decorrência   de   shows   e   outros   eventos   realizados   em   suas   dependências.   Apesar   do   grande   potencial   cultural,   a   região   encontra-­‐se   praticamente   inutilizada   pelos   moradores   da   cidade,   e   a   construção  de  hotéis  e  condomínios  de  luxo  domina  esse  setor.    

Prédio  onde  localizava-­‐se  o  MAB.  

O  edifício  que  abrigou  o  MAB,  datado  de  1960,  foi  projetado  por  arquitetos  


da   Novacap   (Companhia   Urbanizadora   da   Nova   Capital   do   Brasil)   e   construído   no   período   pioneiro   da   capital,   seguindo   os   padrões   da   arquitetura   moderna   com   sua   volumetria   e   predominância   de   vãos   livres.   O   prédio   abrigou   inicialmente   o   Clube   das   Forças   Armadas   e,   mais   tarde,   o   Casarão   do   Samba.   É   composto   de   três   pavimentos  que,  durante  o  funcionamento  do  museu,  abrigavam  as  seguintes  áreas:     -

Térreo:   jardins,   mostra   permanente   de   esculturas   do   acervo,   Galeria   Espaço   1   (mostras  temporárias)  e  cafeteria;  

-

Pavimento   superior:   mostra   permanente   de   esculturas,   pinturas,   gravuras,   desenhos,   fotografias,   instalações   e   objetos   do   acervo,   Galeria   Espaço   2   (mostras  temporárias)  e  sala  multiuso.  

-

Subsolo:  reserva  técnica.  

 

Por   motivos   como   falta   de   verba   e   total   descaso   do   governo   do   Distrito   Federal,   à   partir   dos   anos   2000   o   MAB   se   viu   diante   de   sérios   problemas   estruturais,   além   da   falta   de   condições   adequadas   de   conservação   e   manutenção   do   seu   acervo.   Foi   fechado   em   2007,   sem   nenhum   comunicado   oficial   por   parte   do   governo   e   sem   maiores  explicações  sobre  os  motivos  de  tal  ação.   Em   2006   foi   inaugurado   o   Museu   do   Complexo   Cultural   da   República,   que   passou  a  abrigar  o  acervo  do  MAB  e  a  realizar  algumas  exposições  temporárias  com   essas   obras.   Esse   museu   não   possui   acervo   próprio   e   suas   instalações   técnicas   são   problemáticas,  apesar  do  prédio  ser  novo  e  ter  sido  desenhado  com  esse  propósito.     Hoje   em   dia   voltou-­‐se   a   discutir   a   revitalização   do   MAB   e   a   retomada   de   sua   coleção.   Artistas,   professores   e   estudantes   da   Universidade   de   Brasília   (que   possui   cursos  de  graduação  e  mestrado  em  Artes  Visuais,  História  da  Arte  e  Museologia)  e   outros   profissionais   da   área,   como   ex-­‐diretores,   funcionários   de   outros   aparatos   culturais  e  etc,  vêm  se  reunindo  para  discutir  as  diretrizes  para  uma  possível  volta  do   MAB.    A  previsão  é  de  que  o  museu  volte  à  funcionar  em  2014,  mas  o  processo  ainda   está   em   estágio   embrionário   e   o   comprometimento   do   governo   ainda   não   está   confirmado.  

 


2.2.  Acervo      

Ainda  é  muito  difícil  encontrar  informações  sólidas  à  respeito  da  formação  do  

acervo   do   MAB.   Segundo   a   última   diretora   da   instituição,   Ana   Taveira,   a   coleção   foi   inicialmente   composta   por   doações   de   artistas   que   chegaram   à   Brasília   na   época   de   sua   construção,   nos   anos   1950   -­‐   essas   doações   eram   contrapartidas   ao   espaço   cedido   pela   Fundação   Cultural   para   a   realização   de   exposições.   Também   há   registros  de  obras  provenientes  de  prêmios  aquisitivos  de  salões  locais  e  nacionais.   A   coleção   é   composta   por   gravuras,   esculturas,   pinturas   e   objetos,   que   totalizam   1.370   peças   catalogadas.   Podemos   encontrar   ali   obras   de   nomes   conhecidos  da  arte  moderna  e  contemporânea  feita  no  Brasil  e  é  de  se  destacar  as   obras   em   papel,   que   representam   uma   parcela   importante   da   história   dessa   linguagem  realizada  no  país  à  partir  dos  anos  50.  

 

O   período   compreendido   como   arte   moderna   compõe-­‐se   da   produção  

artística   realizada   entre   os   anos   de   1917   a   1950,   e   é   representado   por   artistas   como:   Abraham   Palatnik,   Abelardo   Zaluar,   Aldemir   Martins,   Amilcar   de   Castro,   Arcangelo   Ianelli,   Arthur   Luiz   Piza,   Burle   Marx,   Clovis   Graciano,   Danilo   Di   Prete,   Darel   Valença,   Edith   Behring,   Emanoel   Araújo,   Fayga   Ostrower,   Fiaminghi,   Franz   Wiessman,  Hércules  Barsotti,  Iberê  Camargo,  Israel  Pedrosa,  Jacques  Douchez,  Liuba   Wolf,  Lívio  Abramo,  Lygia  Pape,  Lothar  Charoux,  Marcelo  Grassman,  Maria  Bonomi,   Mário  Cravo  Júnior,  Tomie  Ohtake,  Thomaz  Ianelli,  Ubi  Baca,  Vasco  Prado,  Yolanda   Mohalyi,  Wega  Ney  e  Wilma  Pasqualini.     Do  período  dos  anos  1980  até  hoje,  o  MAB  possui  em  seu  acervo  obras  de:   Alex   Fleming,   Ana   Maria   Tavares,   Angelo   Venosa,   Antônio   Poteiro,   Arthur   Omar,   Barrão,   Emmanuel   Nassar,   Elias   Murad,   Félix   Bressan,   Fernando   Lopes,   Gisela   Waetge,   Jadir   Freire,   Leda   Catunda,   Leonilson,   Maria   Tereza   Louro,   Mario   Cravo   Neto,  Mguel  Rio  Branco,  Mônica  Nador,  Mônica  Sartori,  Nelson  Félix,  Nuno  Ramos,   Odires   Mlazsho,   Paulo   Monteiro,   Rinaldo,   Rodrigo   Andrade,   Rosângela   Rennó,   Rubem  Grilo,  Selma  Calheira,  Sérgio  Romagnolo,  Shoko  Susuki,  Tunga,  entre  outros.              

Destaca-­‐se   também   a   arte   produzida   por   artistas   nascidos   ou   radicados   no  

Distrito   Federal,   como   Ana   Miguel,   Anselmo   Rodrigues,   Athos   Bulcão,   Carlos   Borges,  


Dalmácio   Longuinho,   Darlan   Rosa,   Delei,   Elder   Rocha   Filho,   Fernando   Carpaneda,   Francisco   Galeno,   Gladstone,   Glênio   Bianchetti,   Glênio   Lima,   Milan   Dusek,   Milton   Ribeiro,   Naura   Timm,   Nelson   Maravalhas,   Omar   Franco,   Orlando   Luiz   Costa,   Ralph   Ghere,   Rômulo   Andrade,   Rubem   Valentim,   Sérgio   Rizzo,   Sônia   Paiva,   Terezinha   Louzada,  Toninho  de  Sousa,  Wagner  Barja  e  outros.              

 

 

Apesar  do  trabalho  de  registro  feito  durante  a  direção  de  Ana  Taveira  não  é  

possível   obtermos   acesso   a   esse   material   ou   a   qualquer   tipo   de   catalogação   da   coleção.   Considero   a   falta   de   um   catálogo   apropriado   e   sua   divulgação   uma   das   maiores   perdas   para   o   patrimônio   cultural   da   cidade,   assim   como   para   história   da   arte  moderna  e  contemporânea  produzida  no  Brasil.    

 

 

 

À   partir   de   pesquisa   realizada   na   internet,   elaboramos   pequenas  

apresentações   de   artistas   que   compõem   a   coleção.   Convém   aqui   destacar   que   grande   parte   dos   nomes   presentes   no   acervo   possuem   pouca   ou   nenhuma   informação   disponibilizada   na   rede,   o   que   dificultou   imensamente   este   trabalho   e,   dessa   forma,   optamos   por   nos   ater   aos   artistas   mais   consagrados,   nacional   e   internacionalmente:   -

Abraham   Palatnik   (Natal,   RN.   1928-­‐)   Artista   cinético,   pintor,  desenhista.   Por   volta  de  1949,  inicia  estudos  no  campo  da  luz  e  do  movimento,  que  resultam  no   Aparelho   Cinecromático,   exposto   em   1951   na   1ª   Bienal   Internacional   de   São   Paulo,   onde   recebe   menção   honrosa   do   júri   internacional.   Em   1954   integra   o   Grupo  Frente.  O  rigor  matemático  é  uma  constante  em  sua  obra,  atuando  como   importante  recurso  de  ordenação  do  espaço.  É  considerado  internacionalmente   um  dos  pioneiros  da  arte  cinética.  

-

Ana   Maria   Tavares   (Belo   Horizonte,   MG.   1958-­‐)   Escultora   e   professora.   Inicia   sua  produção  em  meio  à  voga  da  pintura  no  início  dos  anos  1980,  com  telas  que   procuram  interagir  com  o  espaço  circundante,  dispostas  em  painéis  de  forma  a   criar   ambientes.   A   partir   de   1988   a   artista   busca   atribuir   uma   aparência   ainda   mais   industrial   aos   trabalhos:   algumas   esculturas   lembram   objetos   de   design,   como   móveis,   escadas,   chicotes   e  outros.   Na   década  de   1990   seus   trabalhos   são   predominantemente  instalações  e  obras  ambientais.  

-

Amílcar  de  Castro  (Paraisópolis,  MG.  1920-­‐2002)  Escultor,  gravador,  desenhista,  


diagramador,   cenógrafo   e   professor.   Sua   primeira   escultura   construtiva   foi   exposta  na  Bienal  Internacional  de  São  Paulo,  em  1953.  Num  percurso  de  cerca   de   cinco   décadas,   Amílcar   de   Castro   experimenta   infinitas   possibilidades   do   plano.  Resistente  ao  excesso  de  racionalismo,  suas  dobras  tornam  a  geometria   maleável  e  mais  humana.   -

Arcangelo  Ianelli  (São   Paulo,   SP.   1922-­‐2009)   Pintor,   escultor,   ilustrador   e  desenhista.   A   partir   da   década   de   1940   produz   cenas   cotidianas,   paisagens   urbanas  e  marinhas,  que  revelam  grande  síntese  formal  e  uma  gama  cromática   em   tons   rebaixados.   Por   volta   dos   anos   1960   volta-­‐se   ao   abstracionismo   informal  e  produz  telas  que  apresentam  densidade  matérica  e  cores  escuras.  Ao   fim   da   década   de   60   sua   obra   é   ao   mesmo   tempo   linear   e   pictórica,   onde   se   destaca   o   uso   de   grafismos.   Volta-­‐se   então   à   abstração   geométrica   e   emprega   principalmente   retângulos   e   quadrados,   que   se   apresentam   como   planos   superpostos  e  interpenetrados.    

-

 

 

 

Athos   Bulcão   (Rio   de   Janeiro,   RJ.   1918-­‐2008)   Pintor,   escultor   e   arquiteto.   Sua   obra,  inscrita  em  alguns  dos  principais  edifícios  modernos  brasileiros,  notabiliza-­‐ se   pelo   equilíbrio   encontrado   nas   relações   entre   arte   e   arquitetura.   Bulcão   trabalha  peculiaridades  oferecidas  pelo  espaço  projetado,  as  relações  deste  com   a  paisagem  e  com  a  natureza,  como  a  incidência  da  luminosidade  solar.  Em  seus   azulejos   destacam-­‐se   a   modulação   e   o   grafismo   habilmente   criados   com   base   nas   formas   geométricas.   Em   1993   é   criada   em   sua   homenagem   a   Fundação   Athos  Bulcão,  em  Brasília.  

-

Barrão   (Rio   de   Janeiro,   RJ.   1959-­‐)   Desenhista,   pintor,   escultor,   artista   multimídia.   Inicia   sua   carreira   artística   no   Grupo   Seis   Mãos   (1983-­‐1991),   com   Ricardo   Basbaum   e   Alexandre   Dacosta.   O   grupo   desenvolve   atividades   com   vídeo,  pinturas  ao  vivo,  shows  musicais  e  performances  e  promove  projetos  em   ruas,  praças  públicas,  faculdades  etc.  Cria,  em  parceria  com  o  artista  Luiz  Zerbini,   o  editor  de  vídeo  e  cinema  Sérgio  Mekler  e  o  produtor  musical  Chico  Neves,  o   grupo   Chelpa   Ferro,   em   1995,   que   trabalha   com   escultura,   instalações   tecnológicas  e  música  eletrônica.  

-

Burle  Marx  (São  Paulo,  SP.  1909-­‐1994)  Paisagista,  arquiteto,  desenhista,  pintor,   gravador,  litógrafo,  escultor,  tapeceiro,  ceramista,  designer  de  joias,  decorador.  


O  estudo  

da  

paisagem  

natural  

brasileira  

é  

um  

elemento  

fundamental  nos  projetos  de  Burle  Marx,  desde  o  início  da  carreira.  Destaca-­‐se   em  seus  projetos  a  preocupação  com  as  massas  de  cor,  obtidas  pela  disposição   de  arbustos  e  árvores  em  grupos  homogêneos,  de  acordo  com  seu  potencial  de   mudanças   cromáticas,   ao   longo   das   estações   do   ano.   Inspirando-­‐se   constantemente   em   formas   da   natureza,   suas   pinturas   e   desenhos   refletem   a   indissociável  experiência  de  paisagista  e  botânico.   -

Emanoel  Araújo  (Santo  Amaro  da  Purificação  ,  BA.  1940-­‐)   Escultor,   desenhista,   figurinista,   gravador,   cenógrafo,   pintor,   curador   e   museólogo.   Interessado   no   universo   da   arte   africana,   enfatiza   em   suas   gravuras,   relevos   e   esculturas   as   formas  geométricas  aliadas  a  contrastes  e  cores  fortes.  

-

Fayga   Ostrower   (Lodz,   Polônia   1920-­‐2001)   Gravadora,   pintora,   desenhista,   ilustradora,   ceramista,   escritora,   teórica   da   arte,   professora.  Em   suas   gravuras,   Fayga  Ostrower  apresenta  rigor  expressivo  e  um  uso  muito  impactante  da  cor,   que   cria   espacialidades   luminosas,   além   de   uma   técnica   apurada   e   um   questionamento  incessante  sobre  a  essência  mesma  da  criação  artística  -­‐  tema   abordado   frequentemente   em   seus   escritos.   É   precursora   da   abstração   na   técnica   da   gravura.   Tem   também   importante   atividade   como   educadora   e   escritora,  com  vários  livros  sobre  as  artes  plásticas.  

-

Franz  Weissman  (Knittelfeld,  Áustria.  1911-­‐2005)  Escultor,  desenhista,  pintor  e   professor.  Vem  para  o  Brasil  em  1921.  Integra  o  Grupo  Frente  em  1955  e  é  um   dos   fundadores   do   Grupo   Neoconcreto,   em   1959.   Ao   longo   do   tempo,   Franz   Weissmann   mantém-­‐se   fiel   ao   seu   processo   de   criação:   nunca   desenha   a   peça   a   ser   construída,   prefere   trabalhar   diretamente   no   material,   cortando   e   dobrando   com   as   mãos   seus   pequenos   modelos,   posteriormente   ampliados   numa   metalúrgica.  

-

Glênio   Bianchetti   (Bagé,   RS.   1928-­‐)   Gravador,   pintor,   ilustrador,   tapeceiro,   professor   e   desenhista.   Trabalha   principalmente   com   pintura   e,   no   campo   da   gravura,   com   litografia   e   gravura   em   metal.   Na   pintura,   os   temas   principais   de   Bianchetti   são   a   figura   humana,   a   natureza-­‐morta   e   a   paisagem.   Seus   quadros   revelam   a   admiração   pelo   cubismo   e   interesse   pela   abstração.   A   partir   da   década   de   1970   o   artista   utiliza   os   grafismos   ao   lado   das   manchas   de   cor,   em  


obras  de  cores  muito  contrastantes.   -

Iberê   Camargo   (Restinga   Seca,   RS.   1914-­‐1994)   Pintor,   gravador,   desenhista,  escritor   e   professor.   Embora   Iberê   tenha   estudado   com   figuras  

marcantes   representativas   de   variadas   correntes   estéticas   e   formas   de   vista,   não   se   pode   afirmar   que   tenha   se   filiado   a   alguma.   Suas   obras   estiveram   presentes,   e   sempre   reapresentadas,   em   grandes   exposições   pelo  mundo  inteiro,  como  na  Bienal  de  São  Paulo  e  na  Bienal  de  Veneza.   -

Leonilson   (Fortaleza,   CE.   1957-­‐1993)   Pintor,  desenhista,   escultor.   A   obra   de   Leonilson  é  predominantemente  autobiográfica  e  está  concentrada  nos  últimos   dez  anos  de  sua  vida.  Segundo  a  crítica  Lisette  Lagnado,  cada  peça  realizada  pelo   artista  é  construída  como  uma  carta  para  um  diário  íntimo.  Em  1989,  começa  a   fazer   uso   de   costuras   e   bordados,   que  passam   a   ser  recorrentes   em   sua   produção.   Em   1991,   descobre   ser   portador   do   vírus   da   Aids   e   a   condição   de   doente  repercute  de  forma  dominante  em  sua  obra.  

-

Lívio   Abramo   (Araraquara,   SP.   1903-­‐1992)   Gravador,   ilustrador,   desenhista.   A   produção   de   Lívio   Abramo   situa-­‐se   entre   a   figuração   e   a   abstração.   Seu   engajamento  ao  programa  modernista  gradualmente  é  alterado  pela  abertura  às   vertentes   não   figurativas   que   começam   a   chegar   ao   Brasil   após   a   Segunda   Guerra   Mundial.   O   artista   consegue   conciliar,   de   maneira   peculiar,   esses   dois   conceitos   opostos   e,   com   refinamento   técnico,   apresenta   em   seu   trabalho   soluções  formais  de  grande  interesse  estético.  

-

Luiz  Sacilotto  (Santo  André,  SP.  1924-­‐2003)  Pintor,  escultor  e  desenhista.  É  um   dos   fundadores   da   Associação   de   Artes   Visuais   Novas   Tendências,   em   1963.   Considerado   um   dos   importantes   artistas   da   arte   concreta   no   Brasil   e,   com   uma   pintura  que  explora  fenômenos  ópticos,  um  dos  precursores  da  op  art  no  país.  

-

Lygia   Pape   (Nova   Friburgo,   RJ.   1927-­‐2004)   Escultora,   gravadora   e  cineasta.   Aproxima-­‐se  do  concretismo  e,  em  1957,  depois  de  integrar-­‐se  ao  Grupo  Frente,   é   uma   das   signatárias   do   Manifesto   Neoconcreto.   No   fim   da   década   de   1950   inicia   a   trilogia   de   livros   de   artista   composta   por   Livro   da   Criação,   Livro   da   Arquitetura   e   Livro   do   Tempo.   Sua   obra   é   pautada   pela   liberdade   com   que   experimenta   e   manipula   as   diversas   linguagens   e   formatos   e   por   incorporar   o  


espectador  como  agente.   -

Maria   Bonomi   (Meina,   Itália,   1935-­‐)   Gravadora,   escultora,   pintora,   muralista,   curadora,   figurinista,   cenógrafa   e   professora.   Mora   em   São   Paulo   desde   1946.   A   artista   é   presença   importante   no   cenário   da   gravura   brasileira.   Vitalidade,   veemência,   paixão,   ousadia   formal   são   as   características   da   obra   gráfica   da   artista.  

-

Milton  Ribeiro  (Belém  do  Pará,  PA.  1922-­‐)  Pintor,  gravador,  professor.  Em  1943,   juntamente  com  Iberê  Camargo  e  Geza  Heller,  integra  o  Grupo  Guignard.  Sua  pintura  se  

destaca   pelo   bom   tratamento   da   matéria   sob   os   ângulos   do   linear   e   do   pictural.   No  desenho,  sua  obra  que  se  impõe  pela  disciplina  gráfica,  o  rigor  geométrico  e   a   escala   cromática,   na   qual   as   cores   sofrem   atenuações,   diminuindo   de   intensidade  no  desenvolvimento  das  gamas  tonais.   -

Rubem   Valentim   (Salvador,   BA.   1922-­‐1991)     Escultor,   pintor,   gravador   e   professor.   Tem   como   referência   o   universo   religioso,   principalmente   aquele   relacionado   ao   candomblé   ou   à   umbanda,   com   suas   ferramentas   de   culto,   estruturas   dos   altares   e   símbolos   dos   deuses.   Esses   signos   ou   emblemas   são   originalmente  geométricos.  

-

Tomie  Ohtake  (Kyoto,  Japão.  1913-­‐)  Pintora,  gravadora,  escultora.  Vem  para  o   Brasil   em   1936,   fixando-­‐se   em   São   Paulo.   Após   um   breve   período   de   arte   figurativa,   a   artista   define-­‐se   pelo   abstracionismo.   A   partir   dos   anos   1970,   trabalha  com  serigrafia,  litogravura  e  gravura  em  metal.  Surgem  em  suas  obras   as   formas   orgânicas   e   a   sugestão   de   paisagens.   Na   década   de   1980,   passa   a   utilizar   uma   gama   cromática   mais   intensa   e   contrastante.   Dedica-­‐se   também   à   escultura,  e  realiza  algumas  delas  para  espaços  públicos.  

         


3.  Projeto  de  revitalização  do  MAB     3.1  Missão,  visão  e  valores      

O  primeiro  passo  para  delinearmos  o  nosso  projeto  de  revitalização  do  MAB  

é   definirmos   sua   missão,   sua   visão   e   seus   valores.   Baseado   nos   modelos   apresentados   durante   a   disciplina   Museologia   e   Conservação   e   no   documento   disponibilizado   no   site   American   Alliance   of   Museums2,   mas   mantendo   sempre   o   foco  nas  condições  particulares  do  MAB,  elaboramos  as  seguintes  definições:   Missão:   Constitui   como   missão   do   MAB   colecionar,   preservar,   estudar,   exibir   e   estimular    o  conhecimento  do  patrimônio  artístico  à  sua  guarda,  especificamente  a   arte  moderna  e  contemporânea  produzida  no  Brasil.   Visão:    

O  MAB  almeja  destacar-­‐se  entre  os  principais  espaços  museológicos  do  país  e  

da   América   Latina,   além   de   intencionar   ser   referência   nos   campos   da   preservação     e   conservação  de  arte  moderna  e  contemporânea.  Nos  próximos  cinco  anos,  buscará   alcançar   os   padrões   praticados   por   instituições   tais   como   o   MAM-­‐RJ   (Museu   de   Arte   Moderna   do   Rio   de   Janeiro)   e   o   MALBA   (Museo   del   Arte   Latinoamericana   de   Buenos   Aires).   Valores:    

Excelência  em  serviço  público;  Desenvolvimento  do  profissionalismo  no  setor  

das  artes  e  da  cultura;  Inovação;  Compromisso  com  a  educação;  Criatividade.                                                                                                                     2    Disponível  em:  <  http://www.aam-­‐us.org/docs/continuum/developing-­‐a-­‐mission-­‐ statement-­‐final.pdf?sfvrsn=2  >.  Acesso  em:  05.06.2013.  


3.2  Áreas  de  atuação      

Foram  definidas  como  áreas  de  atuação  do  MAB:   -

Preservação  e  conservação  do  seu  acervo;  

-

Educação  estética  (a  partir  do  acesso  às  obras  de  arte);  

-

Formação  de  profissionais  nas  áreas  de  museologia  e  artes  visuais;  

-

Realização  de  atividades  de  cultura  e  lazer.    

3.3  Programação  anual      

O   programa   do   MAB   terá   quatro   pilares:   Acervo,   Pesquisa,   Educação   e   Lazer.  

Esses  termos  estão  interligados  mas  mantêm  cerca  autonomia,  isso  é,  desenvolvem   atividades  em  conjunto  ao  mesmo  tempo  em  que  possuem  aspectos  particulares  e   independentes.                  

  Gráfico  mostrando  os  principais  pilares  do  MAB  e  suas  inter-­‐relações.  

 


A  base  da  programação  será  o  seu  acervo.  Uma  exposição  de  longa  duração   ficará   em   cartaz   pelo   período   mínimo   de   três   anos.   As   obras   que   não   estiverem   nessa  seleção  irão  figurar  em  mostras  de  curta  duração  –  serão  organizadas  cerca  de   três  exposições  anuais  desse  tipo.    

Também   é   prevista   a   realização   de   exposições   temporárias   em   outros  

formatos,  que  serão  definidas  mediante  edital  para  ocupação  do  espaço  expositivo   escolhido   para   esse   fim.   Essa   escolha   visa   dinamizar   o   espaço   do   museu,   trazendo   para   dentro   dele   obras   das   mais   diversas   procedências,   além   de   promover   o   desenvolvimento  de  atividades  curatoriais  independentes  advindas  de  todo  país.    

As   atividades   educativas   constituirão   parte   importante   do   MAB,   visto   que  

esse  é  o  principal  elo  de  ligação  entre  o  museu  e  seus  visitantes.  O  serviço  educativo   contará   com   uma   equipe   de   coordenação   fixa   e   especializada,   que   treinará   os   educadores   para   realizarem   visitas   orientadas   e   oficinas   educativas.   O   grupo   de   educadores   é   dividido   em   funcionários   fixos   e   temporários   -­‐   essa   divisão,   ao   mesmo   tempo  que  permite  um  maior  envolvimento  com  a  instituição  e  com  a  profissão  em   si   para   os   educadores   fixos,   também   promove   oportunidades   para   estudantes   do   ensino  superior  entrarem  em  contato  com  esse  meio.    

O   serviço   educativo   atenderá   tanto   grupos   previamente   agendados   (como  

turmas  escolares,  grupos  séniores,  excursões  de  turismo)  como  também  o  chamado   público  espontâneo,  realizando  visitas  orientadas  a  cada  hora  durante  o  período  de   funcionamento  do  museu.      

No  aspecto  da  investigação,  o  MAB  investirá  em  parcerias  com  Universidade  

de   Brasília   para   desenvolver   seu   setor   de   restauro   e   conservação.   Os   alunos   dos   cursos   de   Museologia,   Artes   Visuais   e   História   da   Arte   terão   a   oportunidade   de   realizar  estágios  acadêmicos  nas  dependências  do  museu,  colaborando  com  projetos     como   a   catalogação   de   obras   do   acervo,   organização,   produção   e   montagem   de   exposições   e   aspectos   gerais   de   gestão   de   programação   e   eventos.   Dessa   forma,   o   MAB   será   a   única   instituição   cultural   da   cidade   a   propor   tais   oportunidades,   comprometendo-­‐se   assim   com   a   formação   de   profissionais   especializados   e   contribuindo  para  o  fortalecimento  do  aspecto  cultural  da  cidade.  


Para   além   dessas   principais   atividades   também   elaboramos   uma   lista   de  

ações  que  podem  ser  desenvolvidas  pelo  MAB,  voltadas  principalmente  para  atrair   visitantes   para   o   espaço,   buscando   transformar   o   museu   num   lugar   de   vivência   e   entretenimento.    São  essas  atividades:   -­‐   Sábado   de   sol:   ação   mensal   que   reúne   no   espaço   ao   ar   livre   do   museu   atrações   musicais  locais,  artesanato  urbano  e  atividades  teatrais.  Atividade  gratuita  e  aberta   ao  público.   -­‐     Feira   Gastronômica:   evento   semestral   que   conta   com   stands   de   diversos   restaurantes   convidados   da   cidade,   proporcionando   experiências   gastronômicas   a   preços  acessíveis.   -­‐   Cinema   à   céu   aberto:   criação   de   festivais   temáticos   mensais   onde   os   filmes   são   projetados  em  telas  ao  ar  livre,  inspirados  nos  antigos  cinemas  Drive-­‐in.   -­‐   Criação   de   diversos   grupos   de   estudos   gratuitos   mantidos   por   voluntários   interessados   em   discutir   assuntos   como   filosofia   contemporânea,   arquitetura,   cinema,   curadoria   de   arte   e   qualquer   outro   assunto   pertinente   de   interesse   do   público.   Esses   grupos   se   reunirão   semanalmente   nas   dependências   do   museu,   de   preferencia   em   sala   destinada   à   esse   uso,   durante   as   últimas   horas   de   funcionamento  do  espaço  (19  –  21  hrs).   -­‐  Palestras,  oficinas  e  workshops  relacionados  aos  assuntos  tocados  pelo  museu.     3.4  Aquisições  para  o  acervo    

A   aquisição   de   novas   obras   para   o   MAB   deverá   acontecer   de   forma   regular   e  

baseada   em   relações   consistente   com   as   obras   que   já   configuram   o   acervo.   Dessa   forma,   realizamos   uma   pequena   análise   das   obras   que   compõem   a   coleção   e   elaboramos   uma   lista   de   possíveis   aquisições,   que   pretendem   preencher   lacunas   e   dinamizar   o   acervo   em   relação   à   arte   contemporânea.   Algumas   imagens   dessas   obras  podem  ser  vistas  nos  anexos  deste  trabalho.  


No   que   se   refere   ao   período   de   arte   moderna,   listamos   as   seguintes   peças   (algumas  das  obras  foram  encontradas  em  sites  de  galerias  e  casas  de  leilão,  por  isso   apresentamos  o  valor  aproximado  de  compra):   -

Cildo   Meireles:  Sem  título,  série  Brasília,  1977.  Pastel  oleoso,  acrílica  e  lápis  cera   sobre  papel,  50  x  70  cm  (ver  Anexos,  fig.  05);  

-

Flávio   de   Carvalho:  Sem  título,  1956.  Acrílica,  guache  e  nanquim  sobre  papel.  60   x   91   cm.   Datado   e   assinado.   Valor   aproximado:   R$   20.000,00   (ver   Anexos,   fig.   06);  

-

Candido   Portinari:   Morro,   1957.   Grafite   sobre   papel,   42   x   50   cm.   Valor   aproximado:  R$  40.500,00;  

-

Gonçalo  Ivo:   Sem   título,   1986.   Óleo   sobre   tela,   20x20   cm.   Valor   aproximado:   R$   9.000,00  (ver  Anexos,  fig.  07);  

-

Manabu  Mabe:  Sem  título,  1972.  Óleo  sobre  tela,  51x59  cm.  Valor  aproximado:   R$  39.500,00  (ver  Anexos,  fig.  08);  

-

Mira  Schendel:  Trenzinho,  1965.  Papel  japonês  e  nylon,  dimensões  variáveis.    

-

Oswald   Goeldi:   Despedida,   1951.   Xilogravura,   6/12,   20x32,7   cm.   Valor   aproximado:  R$  28.000,00  (ver  Anexos,  fig.  09);  

-

Sérgio   Camargo:   Relief   No.   282,   1970.   Madeira   pintada,   67   x   57   cm.   Valor   aproximado:  R$  600.000,00;  

-

Sérgio   Camargo:  Sans  Titre.  1970.  Peças  de  madeira  pintadas  e  colocadas  uma   em   cima   das   outras,   20x17x17   cm;   19x16x13   cm;   14x15x10   cm.   Valor   aproximado:  R$  88.600,00  (ver  Anexos,  fig.  10);  

-

Waltércio  Caldas:  Fim  (múltiplos),  1975.  Colagem  sobre  papel,  48  x  66  cm.  Valor   aproximado:  R$  2.300,00.   A   lista   poderia   se   estender,   mas   destacamos   apenas   algumas   peças   que  

consideramos  de  grande  importância  para  um  acervo  de  arte  produzida  no  Brasil  no   século   XX.   No   que   diz   respeito   à   arte   contemporânea,   selecionamos   as   seguintes   obras:   -

Adriana  Varejão:  A  Chinesa,  1992.  Técnica  mista  sobre  tela,  120  x  100  cm.  Valor   aproximado:  R$  62.100,00;  


-

Adriana   Varejão:   Azulejaria   de   cozinha   com   peixes,   1995.   Técnica   mista,   140   x   160  cm.  Valor  aproximado:  293.000,00;  

-

Antônio  Dias:  Trama,  1996.  Xilogravura,  15/50,  56x82  cm  cada  [10  peças].  Valor   aproximado  R$  22.000,00;  

-

Arthur   Bispo   do   Rosário:   Vinte   e   Um   Veleiros,   sem   data.   Madeira,   plastic   e   tecido,  

90x60x36  

cm.  

Coleção  

Museu  

Bispo  

do  

Rosário  

Arte  

Contemporânea/Prefeitura  da  Cidade  do  Rio  de  Janeiro;   -

Cildo   Meireles:   Fio,   1990-­‐1995.   48   fardos   de   feno,   agulha   de   ouro   de   18   quilates,  100  metros  de  fio  de  ouro,  cerca  de  8m3;  

-

Iran  do  Espírito  Santo:   Still,   1987/97.   Objeto   em   madeira,   15x21,5x5,5   cm.   Data   e  assinado.  Valor  aproximado:  R$  8.000,00;  

-

Luiz   Sacilotto:   Sem   título,   2003.   Serigrafia,   71   x   71   cm.   Valor   aproximado:   R$   1.000,00;  

-

Lygia  Pape:  Sem  título,  1999.  Xilogravura  sobre  papel  de  arroz  japonês,  imagem:   32x32  cm,  papel:  47x37  cm.  Valor  aproximado:  R$  7.900,00;  

-

Tunga:   Sem   título.   Frio   de   bronze   e   latão,   64   x   23   cm.   Valor   aproximado:   R$   54,540,00.   O  acervo  do  MAB  tem  forte  ligação  com  trabalhos  em  papel  e  esculturas  e,  

por  isso,  decidimos  privilegiar  essas  linguagens.  Artistas  como  Oswald  Goeldi,  Flávio   de   Carvalho,   Portinari,   Waltércio   Caldas,   Antônio   Dias   e   Lygia   Pape   figuram   na   tentativa  de  ampliar  a  presença  do  papel,  seja  através  de  desenhos  ou  de  gravuras.   No   campo   da   escultura   e   suas   hibridizações   com   outras   linguagens,   apresentam-­‐se   obras   de   Tunga,   Ivan   do   Espírito   Santo,   Arthur   Bispo   do   Rosário,   Sérgio   Camargo   e   Adriana  Varejão.   Escolhemos  também  algumas  outras  obras  –  de  pintura  à  óleo,  por  exemplo   –   de   períodos   não   tão   conhecidos   dos   artistas,   de   forma   a   oferecer   ao   público   um   outro  ângulo  de  suas  produções  artísticas.  Além  disso  essas  obras  costumam  possuir   um   valor   bem   abaixo   do   mercado,   o   que   faz   com   que   o   orçamento   do   museu   não   fique   sobrecarregado.   Exemplo   disso   é   a   obra   de   Cildo   Meireles,   artista   conhecido   por  seus  objetos  e  instalações,  mas  que  aqui  é  representado  com  um  desenho  sobre   papel  produzido  na  época  em  que  ele  morava  na  cidade  de  Brasília.  


3.5  Recursos      

Seguindo   o   organograma   apresentado   em   sala   de   aula,   elaboramos   o  

seguinte  quadro  de  recursos  humanos  para  o  futuro  MAB:                   No   tocante   aos   recursos   financeiros,   o   orçamento   seria   definido   pelo   Governo   do   Distrito   Federal,   órgão   estadual   que   controla   Brasília.   Dessa   forma,   o   MAB   não   receberia   verbas   municipais   (pois   a   cidade   não   possui   prefeitura)   ou   federais   (pois   dessa   forma   o   museu   seria   controlado   pelo   governo   federal,   o   que   dificulta  qualquer  movimentação  financeira  ou  estratégica  por  parte  da  diretoria  do   MAB).   Seria   interessante   o   apoio   de   entidades   particulares,   em   forma   de   patrocínio   ou  mecenato,  para  complementar  a  verba  dada  pelo  governo.  O  mecenato  poderia   vir  de  grandes  empresas,  de  telefonia  ou  de  combustíveis,  e  apoios  seriam  firmados   com   empresas   locais   em   sistema   de   patrocínio,   com   lojas   de   material   de   construção   e  grandes  papelarias,  por  exemplo.        


4.  Conclusão                

Esse   projeto   pretende   servir   apenas   como   o   início   para   um   projeto   completo  

de  revitalização  do  MAB.  Por  mais  urgente  que  seja  a  criação  de  um  museu  de  arte   em   Brasília,   sabemos   que,   para   que   isso   aconteça,   é   necessário   um   grande   planejamento   em   conjunto,   reunindo   o   governo   distrital   e   profissionais   das   áreas   de   administração  museológica,  conservação  e  história  da  arte.    

Além  disso,  consideramos  necessário  haver  também  representação  popular,  

seja  através  de  representantes  destacados  para  tal  função  ou  por  meio  de  pesquisas   e  levantamento  com  a  população.  Uma  das  intenções  desse  trabalho  seria  elaborar   um  exemplo  de  questionário  e  enviá-­‐lo  à  pessoas  que  residam  em  Brasília,  como  por   exemplo  estudantes  e  professores  de  artes,  críticos,  curadores  e  antigos  funcionários   do   MAB.   Percebemos   porém   que   tal   pesquisa   demanda   mais   tempo   do   que   o   que   temos   para   este   trabalho   e,   por   agora,   somente   um   rascunho   do   questionário   foi   elaborado;  ele  encontra-­‐se  nos  anexos.    

A  partir  desse  trabalho  pretendemos  estender  e  aprofundar  a  pesquisa  nesse  

assunto  e  leva-­‐lo  à  Brasília,  nas  reuniões  sobre  a  revitalização  do  MAB,  com  o  intuito   de  colaborar  na  construção  do  museu  que  queremos  que  nossa  cidade  abrigue;  um   local  que  reflita  os  interesses  e  necessidades  locais  e  que  também  sirva  de  modelo   para  os  museus  de  outras  cidades  do  país.  


5.  Anexos  

Fig.  01:  Outra  vista  do  prédio  que  abrigava  o  Museu  de  Arte  de  Brasília.    

     

Fig.  02:  Exposição  realizada  nos  espaços  do  MAB.  


Fig.  03:  Vista  do  espaço  interno  do  museu.    

Fig.  04:  Mais  uma  imagem  do  espaço  expositivo  do  MAB.  


Fig.  05:  Cildo  Meireles.  Sem  título,  série  Brasília,  1977.      

  Fig.  06:  Flávio  de  Carvalho.  Sem  título,  1956.  Acrílica,  guache  e  nanquim  sobre  papel.  


Fig.  07:  Gonçalo  Ivo.  Sem  título,  1986.  Óleo  sobre  tela,  20x20  cm.    

  Fig.  08:  Manabu  Mabe.  Sem  título,  1972.  Óleo  sobre  tela,  51x59  cm.  


Fig.  09:  Oswald  Goeldi.  Despedida,  1951.  Xilogravura,  6/12,  20x32,7  cm.  

 

  Fig.  10:  Sérgio  Camargo.  Sans  Titre.  1970.  Peças  de  madeira  pintadas  e  colocadas  uma  em  cima  das   outras,  20x17x17  cm;  19x16x13  cm;  14x15x10  cm.  

 


Fig.  11:  Cildo  Meireles.  Fio,  1990-­‐1995.  48  fardos  de  feno,  agulha  de  ouro  de  18  quilates,  100   metros  de  fio  de  ouro,  cerca  de  8m3;                       Fig.  12:    Iran  do  Espírito  Santo.  Still,  1987/97.  Objeto  em  madeira,  15x21,5x5,5  cm.  


Fig.  13:  Lygia  Pape.  Sem  título,  1999.  Xilogravura  sobre  papel  de  arroz  japonês,  32x32  cm.    

                    Fig.  14:  Tunga.  Sem  título.  Frio  de  bronze  e  latão,  64  x  23  cm.  


Questionário  popular  para  revitalização  do  Museu  de  Arte  de  Brasília     1. Em  Brasília,  você  costuma  frequentar  quais  museus  e  espaços  culturais?       2. Quais   os   principais   motivos   dessas   visitas?   (Marque   SIM   ou   NÃO   em   cada   linha)      1  –  Conhecer  o  museu:     2  –  Rever  ou  complementar  uma  visita  anterior:     3  –  Pesquisar  /  estudar  algum  tema:       4  –  Interesse  pelos  assuntos  das  exposições:   5  –  Participar  de  atividades  específicas  (palestras,  cursos,  oficinas,  etc.):   6  –  Assistir  a  algum  espetáculo  (teatro,  concerto,  cinema,  vídeo,  etc):   7  –  Trazer  os  filhos:   8  –  Acompanhar  amigos/outras  pessoas:   9  –  Alargar  horizontes/conhecer  coisas  novas:   10  –  Divertir-­‐se:   11  –  Entrada  gratuita/baixo  valor  do  ingresso:   12  –  Outro  motivo.  Qual?     3. Na  sua  opinião,  que  fatores  dificultam  a  visita  a  museus  e  centros  culturais?   (Marque  SIM  ou  NÃO  em  cada  linha)     1  –    Custo  do  ingresso:   2  –  Outros  custos  de  uma  visita  (transporte,  alimentação,  etc):   3  –    Dificuldade  de  transporte/acesso:   4  –    Dificuldade  de  estacionamento:   5  –  Violência  urbana:   6  –  Falta  de  divulgação/informação  sobre  os  museus  e  suas  atividades:  


7  –  Dias  e  horários  de  funcionamento:   8  –    Outro  fator.  Qual?     4. Você   costuma   visitar   museus   e   contros   culturais   (Pode   marcar   mais   de   uma   opção):     1  –    Aos  sábados.   2  –  Aos  domingos.   3  –  Em  outros  dias  da  semana.   4  –  Nos  feriados.     5. Na   sua   opinião,   quais   devem   ser   as   prioridades   de   um   museu   de   arte   em   Brasília?  (Responda  com  números  de  0  a  5,  sendo  0:  nenhuma  prioridade  e   5:  prioridade  total)     1  –  Exibir  obras  de  arte  produzidas  no  Brasil:   2  –    Exibir  obras  de  arte  internacionais:   3  –  Abrigar  uma  coleção  de  obras  de  arte:   4  –  Realizar  pesquisas  e  divulgar  informações  sobre  as  obras  de  arte  que  possui  em   sua  coleção:   5  –    Proporcionar  atividades  como  palestras,  cursos  e  oficinas:          


O Museu que Queremos: Projeto de revitalização do Museu de Arte de Brasília