Page 1

1 2

Indicadores de  maus-­‐tratos   observáveis  em  contexto  escolar   Laura  Santos    

2002

Professora do  Ensino  Básico  |  Mestre  em  Ensino  Especial   laura.santos.cnpcjr@gmail.com  

Introdução Foi   objectivo   deste   trabalho   disponibilizar   informação   de   suporte     à   actividade   dos   profissionais   do   Sistema   Educativo   na   identificação     das   situações   de   maus-   tratos,    através    de    indicadores    relacionados    com    as     crianças     e     indicadores     relacionados     com     os   seus   cuidadores.       No     decorrer     da     presente     compilação     procuramos     seleccionar     os     indicadores     passíveis     de     serem     observados     (com     maior     ou     menor     dificuldade)     em     especial     por     professores     e     auxiliares     de     acção     educativa,        na    escola,    mas    também    no    decurso    do     seu     relacionamento     com     as     famílias     e     com     a     comunidade.         Não     incluímos     indicadores     apenas     passíveis    de    ser    observados    a  nível  de  outras  áreas  de   especialidade  como  a  saúde  ou  a  psicologia.           Da    análise    feita    aos    indicadores    comuns    aos    vários     tipos     de     maus-tratos     parece-nos       importante     realçar     o     facto     de     existirem     diversos     Indicadores     Comportamentais     observáveis     na     criança     que     são     indicadores     dos     4     tipos     de     situações:     Negligência,     Abuso    Emocional,    Abuso    Físico    e        Abuso    Sexual    .    A    

explicação   poderá     estar     no     facto     de     os     comportamentos     reflectirem   as   vivências   mais   perturbantes     das   crianças   vitimas,   independentemente   do   tipo     de   situação   vivida,   embora   haja   de   facto   comportamentos   característicos   de  cada  um  dos  tipos  de  abuso.          

     

 

 


1 2

Tipos de  maus-­‐tratos     As   situações     de         maus-tratos     podem     ser     agrupadas     em    abuso    físico,    abuso    emocional,    abuso    sexual    e     negligência.     Esta     classificação,     não     sendo     unanimemente    aceite    é    a    mais    utilizada  no  âmbito   científico.      

Negligência

Abuso Físico  

Maus-­‐tratos

As primeiras,   abuso   físico,   abuso   emocional,   abuso   sexual,    implicam  uma  acção  dirigida  à    criança    e    que     a     atinge     na     sua     integridade     física     o     psicológica,     enquanto        a    última,    negligência,  é  uma  situação  de   omissão,  falta  de  cuidados  ou  de  atenção.        

Abuso Emocional  

Abuso Sexual  

Está   subjacente     a     qualquer     avaliação     a     consideração     da     idade     da     criança     e     do     seu     estado     situação     de     maus-tratos.     De     facto,     os     de   desenvolvimento,   sem   a   qual   alguns   indicadores   indicadores    deverão    ser    considerados    mais    como     peças     de     um     “puzzle”     que     quando     construído     perdem  validade.       permite     apenas     afirmar   que   há   razões   para   Atendendo   ao   conjunto   de   todos   os   indicadores   acreditar  que  uma  dada  criança    foi    ou  está  ser  mal   conhecidos,   que   tentaremos   descrever,   é     necessário     tratada.    O    quadro    seguinte    resume    os    tipos    de     reforçar     que     a     observação     de     um     indicador     não     indicadores     que     podem     ser     observados     e     que     significa    necessariamente    que    exista    de    facto    uma     constituem  indicadores  de  situações  de  risco.        

Os seguintes  indicadores  comportamentais  são   comuns  às  situações  de  Negligência,  Abuso   Emocional,  Abuso  Físico  e  Abuso  Sexual:     2    

O próprio   relato   da   situação   quando   é   feito   pela  própria  criança     Os  comportamentos  anti-­‐sociais     Os  hábitos  estranhos     O  Isolamento,    

Os comportamentos   auto-­‐destructivos   ou  auto-­‐punitivos     O   envolvimento   em   actos   de   delinquência  como  roubo  ou  vandalismo   O   comportamento   adaptativo   extremo-­‐   Passividade  ou  agressividade    


Os indicadores  de  situação  de  mau-­‐tratos     Criança   Os    indicadores    observáveis    na    criança    poderão    ser     físicos     ou     comportamentais     .     Os     indicadores     físicos    sendo    observáveis    necessitam,    no    entanto,     de    exames    radiológicos    ou    laboratoriais    quando    se     pretende    conhecer    a    verdadeira    extensão            dos     maus-­‐tratos.     Estes     indicadores     deverão     ser     considerados     à     luz     do     desenvolvimento     da     criança,    da    sua    história    clínica  e  da  capacidade  da   “Duis  ultrices,  lacus  id  bibendum   própria   criança   para   causar   acidentalmente   esses   pharetra,  purus  metus  posuere  orci,   ferimentos.       orci  nunc  eu  nisi.   non  nonummy   Maecenas  magna.”  

Os   indicadores     comportamentais     não     são      -­‐  Ipsum   naturalmente     palpáveis     e     a     sua     percepção     depende     do     conhecimento     do     leque     de     comportamentos     esperados     para     cada     uma     dos     estados     de     desenvolvimento     das     crianças.     Um     comportamento     que     não     se     enquadre     nesse     conjunto     pode     ser     uma     pista     para     a     identificação     de     uma     situação     de     risco.     No     entanto     é     necessário     referir     que     a     maior     parte     dos     comportamentos     indicadores     de     negligência     são,     por   exemplo   comuns   às   situação   de   abuso   físico.        

Cuidador ou  família     Sabe-se     hoje     que     os     maus     tratos     contra     crianças    e    jovens    estão    presentes    na    sociedade     sem     distinção     de         raças,     credos,     nacionalidades,    níveis    educacionais    ou    estratos     sociais.     Os     cuidadores         cujas     capacidades     parentais     estão     diminuídas,     ainda     que     revelem     algumas     atitudes     de     carinho     para     com     as     crianças    à    sua    guarda    em    público,    revelam    por     vezes     em     simultâneo         comportamentos     e     atitudes     que     constituem     indicadores     de     que     essas     crianças       vivenciam   situações   de   perigo.       Os   indicadores     comportamentais   dos   cuidadores   e   das   famílias   são   o   resultado   de   muitas     observações   e   não   são   exaustivos.     O     historial     da     família    pode    constituir-se    como    factor    de    risco     de    qualquer    tipo    de    maus    tratos.                

Os   indicadores     comportamentais     são     aqueles     que     os     professores     poderão     observar,     até       melhor     que     quaisquer     outros     profissionais,     dado     que     podem     estar     em     contacto     com     a     criança   na   Escola   por   longos   períodos   de   tempo   .     Os   indicadores   físicos   observáveis   na   criança   são,   na   maior   parte   dos   casos,   específicos   de     cada   tipo   de   maus-­‐tratos.      

3


Negligência   Falta     de     satisfação     das     necessidades     básicas     da     criança,         como     comida,     vestuário,     abrigo,     cuidados     médicos,    educação    e    vigilância,     sentimento     de     segurança     ou     ainda     expô-la     a     quaisquer   perigos.   Os     indicadores     de     negligência    são    na    maior    parte     crónicos.     É     necessário     avaliar     se     os     indicadores   que   nos   parecem   negligência   são   ou   não   expressões     das   diferenças   culturais  ou    de  outros  estilos  de   vida  

 

As acções  de  Negligência  podem  incluir  :   • • • • •

Não providenciar   para   a   criança   habitação   e   vestuário   adequado  à  estação  do  ano.       Deixar  a  criança  só  por  longos  períodos  de  tempo.       Não   providenciar   apoio   médico   quando   a   criança   está   doente   ou  se  fere.       Colocar  a  criança  numa  situação  de  perigo  físico.       Não  acompanhar  a  educação  da  criança  na  escola      

Indicadores observáveis  na  criança   Físicos  

 

     


Comportamentais  

       

 

Indicadores observáveis  no   cuidador    

5


Abuso Físico     Entendem-­‐se   por   Abuso   Físico:     acções   extremas,   contínuas   e   intencionais   realizadas   para     magoar     a     criança5,         a     maior    parte    das    vezes    como    castigo6,     ou    ainda    permissão    /aceitação      para   que  outros  as  pratiquem  .       O     abuso     físico     deixa     quase     sempre     marcas     e     é,         na     maior     parte     dos     casos,     indicado     por     ferimentos     não   explicáveis  por    motivos  casuais  ,  em  que   explicações  dos  cuidadores  ou  da    criança   não  se  adequam  aos  factos.  É  preciso  um   certo   grau   de   força   para   causar   a   si   próprio    um    ferimento    e    dessa    forma         todos     os     ferimentos     deverão     ser     observados    à    luz    do    conhecimento  da   crianças  nomeadamente  da  sua  idade  e   fase  de  desenvolvimento.         Por    outro    lado,    há    zonas    do    corpo     onde     é     maior         a     probabilidade     de     ocorrência     de     ferimentos     casuais     do     que     outras.     Dessa     forma,     todos     os     ferimentos     fora     dessas     zonas     deverão   ser  questionados.    É    conhecido    o    facto     de    que    muitos    cuidadores    que    abusam     fisicamente         infligem     ferimentos   em   zonas   do   corpo   que   são   facilmente   cobertas  pelas  roupas.       Os     indicadores     físicos     são     frequentemente     episódicos         e     aparecem    mais    frequentemente    depois   de   fins   de   semana,   férias   ou   outras   ausências   mais   prolongadas.       Os   abusos   quando   continuados   revestem-­‐se   cada   vez  de  maior  violência  pelo  é  frequente     aparecerem   ferimentos   em   vários     estados  de  cicatrização.    O    abusador    é     muitas    vezes    o    cuidador        ou    outro     membro    da    família    e    muitas    vezes    do     sexo  masculino.     6      

As acções  de  Abuso  Físico  podem  incluir  :   Bater,    atirar,    pontapear,    chocar,    morder,    queimar,    abanar,     prender,    queimar,    atirar    objectos,  manter  debaixo  de  água,  não   dar  alimentos.   Também  se  incluem  neste  tipo:     • •

“Bulling” –  Acções    de  violência  entre  pares   “Shaken   baby   syndrome”.     Descrito   como   o   acto   de   abuso   físico   geralmente   praticado     pelos   pais,   de   abanar   o   bebé   violentamente  por  um  período  de  5-­‐20  segundos.   Síndroma     de     Munchausen     por     procuração     actualmente     também    designado    Condição    Pediátrica  Induzida,    em  que  o   cuidador,  especialmente  a  mãe,  chama  a  atenção  provocando     doenças     na     criança     ou     provocando     a     aparência     dessas     doenças.    As    acções    deste    cuidador    passam    por    medicar     sem     receita         médica     geralmente     com     muito     tipo     de     medicamentos,     levar     a     criança     a     muitos     serviços     médicos     diferentes     e     com     muita     frequência,     sem     que     os     médicos     sejam     capazes     de     identificar     uma     causa     dos     sintomas     apresentados     por     esta.     Geralmente     os     sintomas     na     criança     (quando     os     há)     desaparecem     depois     de     uma     separação    mais  ou  menos  prolongada  da  mãe.            

Indicadores observáveis  na  criança   Físicos    


Comportamentais  

7


Indicadores observáveis  no   cuidador  

8  


1 2

Abuso Emocional     As  acções  de  Abuso  Emocional  podem  incluir  :   Define-se     como     a     falta     sistemática    de    apoio    e    afecto    ou     o     uso     de     expressões     verbais,     atitudes     e     comportamentos     que     afectam         a         auto-estima     e     consequentemente     o     normal     desenvolvimento  da  personalidade       da  criança  .                      

Aterrorizar    ,  culpar    ,  insultar,  rebaixar,  humilhar,  rejeitar,isolar,   ridicularizar,  export,  manipular,    corromper               Também  se  incluem  neste  tipo:     •

os  comentários    racistas    ou    de    índole    sexual,    

exigir    demasiado  das  capacidades  da  criança.    

atitudes de  castigo  excessivo  ou  cruel  

Os  maus    tratos    emocionais    raramente    se    manifestam    de    uma     forma    física    mas    sim    sob    a    forma  de  indicadores   comportamentais.  

Indicadores observáveis  na  criança   Físicos   1. Paragem   de   crescimento   de   causa   não   orgânica       2. Distúrbios  do  sono       3. Alergias  severas  ou  asma.       4. Úlceras.       5. Problemas  circulatórios       6. Problemas   gastrointestinais   incluindo     diarreias  crónicas         7. Recusa  em  urinar.       8. Forma  ananisante  dos  membros  e  do  tronco       9. Atrasos  motores    

Comportamentais  

10. Baixa auto-­‐estima   11. Dificuldade   em   estabelecer   relacionamentos   positivos   12. Distúrbios   alimentares   como   bulimia   ou   obesidade  especialmente  na  adolescência.   13. Encomprese  ou  diurese     14. Distúrbios  da  fala   15. Distúrbios  do  sono.   16. Apatia.   17. Atitudes   de   desconfiança   sistemática,   ou   dificuldade  em    confiar  nos  outros.   18. Relata  situações  de  suicídio   19. Tenta  o    suicídio.   20. Afasta-­‐se  dos  outros   21. Tem  Comportamentos  antissociais   22. Demonstra  ansiedades  e  medos   23. Tem  pouca  vontade  de  brincar   24. Relata  maus  tratos  emocionais   25. Tem   reacções   de   histeria,   obsessão   ou   9  


4 6 3 5

comportamentos compulsivos   26. Abusa  de  substâncias    tóxicas   27. Tem  hábitos  desadequados  à  idade  com  chupar,   morder,  ou  balançar-­‐se.   28. Comportamentos  de  autodestruição  ou  punição   29. Apresenta     um         comportamento     adaptativo     extremo:    extrema    compreensão    e    passividade     ou    por    outro    lado  comportamento  agressivo  e   exigente.   30. O  seu  comportamento  é  excessivamente  infantil   para  a  idade  ou  excessivamente  adulto.   31. Mudança     repentina     e     drástica     no     aproveitamento     escolar,     no     comportamento     emocional    ou    no    seu    funcionamento  geral.   32. Predisposição  para  acidentes.  

33. Comportamentos de   apatia   e   de   falta   de   energia.     34. Comportamentos  sexuais  precoces.   35. Engana  e  rouba.   36. Mente,   não   para   se   proteger   mas     em   situações   em   que   nada   lhe   aconteceria   se   dissesse  a  verdade.   37. Procura  aceitação  afecto  fora  de  casa.   38. Falta   de   sentido   de   curiosidade   e   vontade   de   explorar  o  mundo.   39. Ataques  de  cólera   40. Comportamentos  bizarros.   41. Comportamentos   dominadores,   agressivos   ou   desafiantes   42. Controlador  dos  outros  mas  revelando  falta  de   auto-­‐controle    

     

 

 

 

 

Indicadores observáveis  no  cuidador     43. Rejeita  a  criança  expressamente   44. Está   psicologicamente   indisponível   para   a   criança.     45. Mostra  pouca  afeição    pela  criança   46. Tem   expectativas   irrealistas   sobre   a   criança   ao   ralhar  e  gritar  demasiado.   47. Usa   ameaças   excessivas   por   vezes   ameaçando     bater-­‐lhe  fortemente    ou  até  matá-­‐la.   48. Ameaça  matar  o  seu  animal  de  estimação.   49. Ensina  comportamentos  socialmente  desviantes     50. Expõe  a  criança  a  más  influências.   10    

51. Assusta a   criança   verbalmente   criando   um   clima  de  medo.   52. Isola   sistematicamente   a   criança   do   contacto  social   53. Desvaloriza   sistematicamente   a   criança   na   sua  presença  e  na  sua  ausência.   54. Usa   de   castigos   exagerados   atendendo   à   falha  da  criança.                  


Abuso Sexual     As  acções  de  Abuso  Sexual  podem  incluir  :   Define-se     como     a     utilização     da     criança    menor    de    idade,    para    a     satisfação     sexual     de     um     adulto     ou    de    outra    criança    em    posição     de    poder,    ou    ainda    a    permissão     para     que     outra     pessoa   o   faça.     Um     caso     particular     de     abuso     sexual    é    o    Incesto.    Identifica-se     como     uma     forma     de     abuso     sexual   que   ocorre   entre   membros   da   mesma   família.     O     abuso     sexual     é     facilitado     pela     posição     de    poder    do    abusador.    A    vitima     é     coagida     a     tomar     parte     em     actividades     sexuais     através     de     atitudes     que     tanto     podem     ser     subtis,     de     manipulação   emocional,   de   ameaça   ou   mesmo   de   violência.     Na   maior   parte   dos   casos   o   abusador   é   uma   pessoa   conhecida  da  criança.            

 

• • • • • • • • • •

O abuso  sexual  nunca  é    da  responsabilidade  da  criança  e  é  a  forma   de  abuso    mais  difícil    de  compreender  pela  sociedade.       Poucas   crianças   verbalizam   um   abuso   sexual,   mas   se   o   fazem   raramente   mentem.       Por   outro   lado,   em   muitos  casos,   não  existem   sinais  físicos  de  abuso  sexual,  apenas  cerca    de    40    %    dos    casos.     Os     melhores     indicadores     de     abuso     sexual     são     comportamentais     e     na     maior   parte   dos   casos   estão   associadas   a   mudanças   bruscas   de  comportamento.      Cada    um    dos    indicadores    seguintes,    sendo     indicadores    de    “stress”    na    criança,        não    significam    que    tenha     tido     realmente     lugar     o     abuso     sexual,     no     entanto     poderão     constituir       peças   de   um   conjunto   que   permitem   identificar   mais   tarde  uma  situação  de  abuso.       A     gravidade   das   consequências   do   abuso   sexual   varia   de   acordo   com  as    circunstâncias  e  de  acordo  com  os  seguintes  factores.   • • • •

   

Mostrar material  pornográfico  ou  permitir  que  a  criança  os   veja       Mostrar  os  órgãos  sexuais       Solicitar  à  criança  que  toque  nos  órgãos  sexuais  de  alguém       Solicitar  ou  forçar  a  criança  a  despir-­‐se       Persuadir  a  criança  a  mostrar  os  seus  órgãos  sexuais       Tocar  os  órgãos  sexuais  da  criança.       Contar  à  criança  situações  pornográficas.       Filmar   ou   fotografar   a   criança   em   posições   ou   contextos   pornográficos       Ter  relações  sexuais  com  a  criança       Forçar  a  criança  a  ter  relações  sexuais.          

A identidade  do  abusador  e  a  sua  relação  com  a  criança       grau  de  medo  ou  vergonha  invocado  pelo  abusador  perante   a  criança.       grau  de  força  e  violência  da  actividade  sexual  exercida.       número   de   vezes   que   o   abuso   ocorre   sendo   certo   que   um   só   episódio  é    mais  fácil  de  integrar  pela  criança.   O   abuso   ser   verbalizado   pela   criança   ou   ser   observado   por   outros.      

11


1 2 3

Indicadores observáveis  na  criança  

23. Desenha figuras   humanas   com   os   órgãos   genitais.       24. Apresenta   distúrbios   do   sono   incluindo   Físicos pesadelos.         25. Toma  banhos  muito  frequentes.       26. Tem   comportamentos   obsessivos   por   exemplo   de  lavagem  das  mãos.       1. Dificuldade  em  andar  ou  em  se  sentar       27. Expressa   medo   repentino   de   um   local   2. Dores  a  urinar  ou  a  evacuar.       específico  ou  de  uma  pessoa  em  especial.       3. Infecções  urinárias  recorrentes.       28. Relata   ter   vivenciado   uma     situação   de   abuso   4. Apresenta   os   genitais   ou   o   recto   em   ferida   ou   sexual.       inchados       29. É  cruel  para  com  animais.       5. Hemorragia  rectal  ou  genital       30. Relaciona-­‐se  mal  com  os  pares         6. Manchas  de  sangue  na  roupa  interior.       31. Isola-­‐se.         7. Evidências   de   sémen   na   cara   ou   na   face   da   32. Auto  agride-­‐se       criança.       33. Está  sistematicamente    deprimida       8. Apresenta  pus  estranho  no  recto  ou  na  uretra       34. Usa   muitas   camadas   de   roupa   9. Dores  ou  prurido  na  região  genital  ou  anal.       independentemente   d a   e stação   d o   a no.       10. Cantos  da  boca  em  ferida       35. Evita  constantemente  a  casa  de  banho.       11. Evidências  de  sémen  nas  mãos  ou  na  face.       36. Apresenta   mudança   repentina   de   12. Baixo  tonos  do  esfíncter  anal       comportamentos   e   p ersonalidade.       13. Uma  gravidez  com  menos  de  16  anos.       37. Apresenta  mudança  repentina  de  apetite.       14. Sofre  de  uma  doença  sexualmente  transmissível       38. Diurese  nocturna  após  logo  período  de  controle       15. Súbita  alteração  do  peso.     39. Dorme  vestido  e  não  veste  o  pijama.       40. Falta  de  auto-­‐controle  emocional,  histeria.       41. Faz  queixas  de  saúde  que  se  verifica  não  terem   Comportamentais fundamento.       42. Está  demasiado  preocupado  pelos  irmãos.         43. Apresenta  comportamentos  de  auto-­‐mutilação       44. Apresenta  distúrbios  alimentares       16. Verbaliza  ainda  que  subtilmente  o  abuso  de  que  é   45. Tenta  o  suicídio  ou  verbaliza  ideias  de  suicídio.       vitima.       46. Manifesta   muito   pouca   vontade   de   realizar   17. Tem   conhecimento   ou   interesse   invulgar   pelos   actividades  físicas.       actos  sexuais       47. Não  quer  despir-­‐se  em  frente  aos  outros.       18. Usa   uma   linguagem     sobre   a   sexualidade   48. Pratica   actos   de   delinquência   como   roubar   ou   desapropriada  para  a  idade.       outros  comportamentos  de  risco.       19. Apresenta     um     comportamento     sedutor     para     49. É   demasiado   condescendente   ou   com     os     pares     e     para     com     adultos     extremamente  dócil.       desapropriado  para  a  idade.       50. O  seu  comportamento  é  fantasioso  e  infantil       20. Comportamento     sexual     bizarro,     sofisticado     ou     51. É  pouco    assíduo  e  pouco  pontual  na  escola.       raro     para     o     seu     nível     de     desenvolvimento.           52. Regride  na  sua  evolução.           53. Assume    o    papel    de    um    adulto    ou    por    outro     21. Apresenta   comportamentos   sexuais     explícitos   e   lado     assume     de     repente         um     agressivos         comportamento  demasiado  infantil       22. Pratica    excessivamente  a  masturbação        

12  


1 2

 

Indicadores observáveis  no  cuidador  

permite o  acesso  fácil  às  mesmas.       64.   Encoraja   ou   permite   à   criança   a   vivência   de   situações  de  prostituição.       65.  É  passivo  fora  de  casa.       66.   A   família   está   isolada   da   comunidade   e   dos   sistemas  de  apoio.       67.   A   vivência   de   casa   engloba   demasiadas   pessoas  exteriores  à  família.       68.   Têm   uma   perspectiva   invertida   do   papel   da   criança  na  família      -  troca  de  papéis.       69.  Existem  outros  tipos  de  violência  na  família       70.   Falta   ao   trabalho   com   frequência   com   a   desculpa  de  sofrer  de  doença  crónica.       71.  Sofre  de  depressão         72.  É  separado  ou  está  em  processo  de  divórcio.            

54.Tem um   historial   de   abuso   físico   ou   sexual   na   infância.      55.  Abusa  do  álcool  ou  de  drogas.       56.  Tem  uma  baixa  auto-estima.       57.  É  demasiado  cioso  da  privacidade  da  família.       58.   Exerce   uma   paternidade   demasiado   dominante   e   demasiado  protectora  e  restritiva.       59.  Manipula  psicologicamente  a  criança.       60.   Não   permite   o   envolvimento   da   criança   em   actividades  extra-escolares         61.  Não  permite  a  frequência  por  parte  da  criança  em   programas   de   apoio   psicológico   ou     outros   de   prevenção  de  abusos       62.Não     permite     o     envolvimento     da     criança     em     actividades    adaptadas    ao    seu    desenvolvimento   como  namorar       63.   Encoraja   a   criança   ao   uso   de   substâncias   ou  

Sites consultados  na  INTERNET  Período  de  1  de   Julho  a  15  de  Setembro  2002   http://www.infoline-­‐la.org/childabu.html  

http://www.infoline-­‐la.org/childabu.html

http://www.swim-­‐ulster.com/SI/asa-­‐guide.html

http://kidshealth.org/parent/emotions/feelings/signs_child_abuse_p3.html    

http://www.fortunecity.com/meltingpot/macau/1192/id48.htm

http://www.infoline-­‐la.org/childabu.html  

http://kidshealth.org/parent/emotions/feelings/signs_child_abuse_p3.html

http://kidshealth.org/parent/emotions/feelings/signs_child_abuse_p3.html  

http://kidshealth.org/parent/emotions/feelings/signs_child_abuse_p3.html

http://www.fortunecity.com/meltingpot/macau/1192/id48.htm

http://www.fortunecity.com/meltingpot/macau/1192/id48.htm

http://www.swim-­‐ulster.com/SI/asa-­‐guide.htm  

http://www.swim-­‐ulster.com/SI/asa-­‐guide.htm

http://www.ncac-­‐hsv.org/indicate.html  

http://kidshealth.org/parent/emotions/feelings/signs_child_abuse_p3.html  

 

http://www.infoline-­‐la.org/childabu.html

13

Indicadores de maus-tratos observáveis no contexto escolar  

atualizado em 2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you