Page 1

Universidade Cat贸lica de Bras铆lia Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto de Paisagismo Professora: Iara Regina Aluna: Larissa Carneiro Leite

CADERNO DE PAISAGISMO


INTRODUÇÃO

O trabalho a seguir é um registro dos aprendizados adquiridos por meio das aulas, trabalhos, visitas de campo e atividades realizados na disciplina de Projeto de Paisagismo do 1º semestre de 2014 do Curso de Arquitetura e Urbanismo, complementado por meio de pesquisas, destacando-se os principais conteúdos estudados.

1


ÍNDICE

1. Resenha Morfologia Vegetal..............................................................................................3

2. Herbário..............................................................................................................................5 2.1. Gramíneas/Forragens..............................................................................................5 2.2. Arbustos...................................................................................................................6 2.3 Árvores.....................................................................................................................8 2.4 Palmáceas................................................................................................................9 2.5 Trepadeiras.............................................................................................................11

3. História dos Jardins.........................................................................................................13

4. Paisagistas.......................................................................................................................22 4.1. Paisagista Clássico – Frederick Law Olmsted........................................................22

4.2. Paisagista Contemporâneo – Rosa Kliass.............................................................26

5. Visitas................................................................................................................................30 5.1. Horto......................................................................................................................30 5.2. Brasília...................................................................................................................34

2


1.Morfologia

Vegetal

A introdução do livro Morfologia Vegetal, de Harri Lorenzi e Eduardo Gonçalves aborda os assuntos que serão tratados no livro: tópicos relacionados a formas, estruturas, classificação das espécies botânicas e o vocabulário específico utilizado nessa área. A origem de todas as plantas terrestres aconteceu em um ambiente aquático, e

quando algumas delas foram se adaptando ao ambiente terrestre, há pelo menos 400 milhões, começaram a surgir diferenças morfológicas e as várias espécies foram surgindo e evoluindo. As estruturas vegetativas das plantas vasculares incluem o estudo do sistema de caulinar, composto de caules e folhas, bem como o sistema radicular. As estruturas reprodutivas são mais variadas, e são normalmente específicos para um determinado grupo de plantas, como flores e sementes, esporos das piteridófitas, cápsulas das briófitas. O estudo detalhado das estruturas reprodutivas das plantas levou à descoberta da alternância de gerações encontrado em todas as plantas e maioria das algas. Embora todos os animais produzam todas as partes do corpo que possuam desde cedo em sua vida, as plantas produzem constantemente novos tecidos e estruturas ao longo da sua vida. Uma planta viva sempre tem tecidos embrionários. A forma como as novas estruturas amadurecem a partir de sua produção pode ser afetada pelo ponto da vida das

plantas em que elas começam a desenvolver, bem como pelo ambiente em que as estruturas estão expostas. Através da evolução das folhas e raízes o caule (axial) tomou uma posição central em relação aos outros órgãos, mantendo todo o sistema fotossintético e conectando-o as regiões absortivo- fixadoras (raízes). Com o surgimento das folhas do tipo megafilo, os caules se modificam para receber ramificações regulares ao longo de seu crescimento, permitindo assim o surgimento de uma das características diagnosticas do caule na maioria das plantas vasculares, que é a presença de nós e entrenós voltados entre si, formando unidades repetitivas. Os nós são as regiões de onde as folhas e as gemas axilares saem, e os entrenós são regiões caulinares afilas entre dois nós. Assim, existe uma classificação para tipos de crescimento das plantas como o monopodial e o simpodial. O monopodial é quando a planta tem apenas uma gema apical em atividade. Já quando as plantas tem um crescimento simpodial é quando possuem duas ou

3


mais gemas em atividade simultânea gerando caules ramificados. Suas atividades definem a arquitetura de uma planta. A fotossíntese é o principal processo autotrófico e é realizada pelas plantas e demais seres clorofilados. É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos orgânicos a partir da presença de luz, água e gás carbônico. Ela é fundamental para a manutenção de todas as formas de vida no planeta, pois todas precisam desta energia para sobreviver. Os

organismos clorofilados (plantas, algas e certas bactérias) captam a energia solar e a utilizam para a produção de elementos essenciais, portanto o sol é a fonte primária de energia. Os animais não fazem fotossíntese, mas obtém energia se alimentando de organismos produtores (fotossintetizantes) ou de consumidores primários.Tratando-se de sistema reprodutor, as novas plantas são obtidas pela divisão celular (mitose) através de vários órgãos vegetativos. As plantas propagadas vegetativamente são caracterizadas pelo alto grau de heterozigose. Quando propagadas por via sexual, sua descendência apresenta alta segregação. Um tipo de sistema reprodutor também é a apomixia, que é um tipo de reprodução assexuada que consiste na produção de sementes sem que antes ocorra fertilização, tendo como resultado sementes que são geneticamente idênticas à planta mãe.

4


2.Herbario 2.1. Gramíneas/Forragens 2.1.1. Coast-cross • Origem: Estados Unidos • Espécie: Cynodon dactylon. • Uso principal: Pastagem/ feno. • Reprodução : Sementes e mudas • Adaptação: Rústica • Produção: 8-12 tonelada/hectare/ano. • Clima: tropical e subtropical • Obs: É resistente ao frio e ao calor do nordeste brasileiro tolerando bem as geadas e a forte estiagens. 2.1.2.Palha-da-Guiné • Nome científico: Andropogon hirtus L. var. genuinus Hyparrhenia podotricha Andersson ex Romero Zarco . • Sub-espécie: hirta • Família: Poaceae • Ordem: Poales • Sub-classe: Commelinidae

• Classe: Magnoliopsida • Sub-divisão:

Magnoliophytina

(Angiospermae) • Divisão: Spermatophyta • Tipo Fisionómico: Hemicriptófito • Distribuição

Geral:

Nativo

Região

Mediterrânica, W e C Ásia, E e Sul da África. • Habitat/Ecologia: Terrenos incultos • Época Floração: Março - Novembro

5


2.1.3. Brachiarinha • Nome científico: Brachiária decumbens • Família: Gramínea • Ciclo vegetativo: Perene • Forma de crescimento: Decumbente • Altura: Até 1.00m

• Resistência a seca: Alta • Resistência ao frio: Média • Resistência a umidade: Baixa • Resistência a cigarrinha: Baixa • Indicação: Bovinos • Fertilidade do solo: Baixa/Média • Época do Plantio: Estação chuvosa • Tempo de formação: 90 a 120 dias • Altura do corte: 30cm/ retirar os animais 2.2. Arbustos 2.2.1. Arbusto Lilás • Nome Científico: Syringa vulgaris • Nomes Populares: Lilás, Lilás-comum • Família: Oleaceae • Categoria: Arbustos, Árvores, Árvores Ornamentais, Cercas Vivas • Clima: Continental, Mediterrâneo, Subtr opical, Temperado • Origem: Ásia, Europa • Altura: 2.4 a 3.0 metros, 3.0 a 3.6 metros, 3.6 a 4.7 metros, 4.7 a 6.0 metros

• Luminosidade: Sol Pleno • Ciclo de vida: Perene

6


2.2.2. Rosa do Japão • Nome Científico: Kerria japonica • Nomes

Populares:

Rosa-do-japão,

Roseira-do-japão, Kerria, Querria, Rosajaponesa • Família: Rosaceae

• Categoria: Arbustos, Cercas Vivas • Clima: Mediterrâneo, Subtropical,Tempe rado • Origem: Ásia, China, Japão • Altura: 1.2 a 1.8 metros • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno • Ciclo de Vida: Perene

2.2.3. Cica • Nome Científico: Cycas revoluta • Nomes Populares: Cica, Palmeira-sagu, Sagu • Família: Cicadaceae • Tipo: Arbusto • Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Bonsai,Plantas Esculturais • Clima: Equatorial, Oceânico, Subtropical , Tropical • Origem: Ásia, Indonésia, Japão • Altura: 3.0 a 3.6 metros

• Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno • Ciclo de Vida: Perene

7


2.3. Árvores 2.3.1. Mangueira • Nome científico: Mangifera indica l. • Família: Anarcadiaceae • Região Nativa: Ásia • Clima: Tropical e subtropical

• Altura: 5 a 30 metros • Forma: arredondada baixa a piramidal alta, variando de baixa e densa a ereta e aberta, e com folhas sempre verdes. • Tipo de solo: textura média, bem drenado, com profundidade de 2m permeáveis e pH de 5,5 a 6,5. • Resistência a seca: Alta • Resistência ao frio: Média 2.3.2. Pau-brasil • Nome Científico: Caesalpinia echinata • Nomes Populares: Pau-brasil, Arabutá, Brasileto, Ibirapiranga, Ibirapita, Ibirapitanga, Imirá-piranga, Muirapiranga, Orabutã, Pau- depernambuco, Pau-de-tinta, Paupernambuco, Pau-rosado, Pauvermelho, Sapão • Família: Fabaceae • Categoria: Árvores, Árvores Ornamentais, Bonsai

• Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical • Origem: América do Sul, Brasil Altura: acima de 12 metros • Luminosidade: Sol Pleno Ciclo de Vida: Peren

8


2.3.3. Flamboyant • Nome Científico: Delonix regia • Nomes Populares: Flamboyant, Acáciarubra,

Árvore-flamejante,

Flamboiant,

Flor-do-paraíso, Pau-rosa • Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical

• Origem: África, Madagascar • Altura: 6.0 a 9.0 metros, 9.0 a 12 metros • Luminosidade: Sol Pleno • Solo: fértil, com irrigações periódicas no primeiro ano. • Ciclo de Vida: Perene

2.4. Palmáceas

2.4.1. Palmeira Leque de Fiji • Nome Científico: Pritchardia pacifica • Família: Arecáceas • Categoria: Palmáceas • Clima: Tropical, Tropical de altitude, Tropical úmido.

• Ambiente: Pleno Sol. • Origem: Ilhas Fiji , Tonga • Altura: de 10 a 12 metros de altura • Fruto: esférico, pequeno, de coloração vermelha e depois preta, quando maduro.

9


2.4.2. Areca Bambu Nome Científico: Dypsis lutescens Nomes Populares: Palmeira-areca, Areca, Areca-bambu

Família: Arecaceae Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Palmeiras Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical Origem: África, Madagascar Altura: 3.0 a 3.6 metros, 3.6 a 4.7 metros, 4.7 a 6.0 metros, 6.0 a 9.0 metros Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno Ciclo de Vida: Perene

2.4.3. Palmeira Azul • Nome Científico: Bismarckia nobilis •

Sinonímia: Medemia nobilis

• Nomes Populares: Palmeira-azul, Palmeira-bismarckia, Palmeira- debismarck • Família: Arecaceae • Categoria: Palmeiras, Plantas Esculturais • Clima: Equatorial, Mediterrâneo,Subtropical, Tropical •

Origem: Madagascar

• Altura: acima de 12 metros • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno • Ciclo de Vida: Perene

10


2.5. Trepadeiras 2.5.1. Cipó-vermelho • Nome Científico: Pyrostegia venusta • Nomes

Populares:

Cipó-de-são-joão,

Cipó-vermelho, Flor-de-são-joão • Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical

• Origem: América do Sul, Brasil • Altura: 9.0 a 12 metros • Luminosidade: Sol Pleno • Ciclo de Vida: Perene

2.5.2. Amarelinha • Nome Científico: Thunbergia alata • Nomes Populares: Amarelinha, Bunda-demulata, Bunda-de-negro, Carólia, Cipóafricano, Cu-de-cachorro, Erva-cabrita, Erva-de-cabrita, Jasmim-da-itália, Jasmim-sombra, Maria-sem-vergonha, Olho-de- poeta, Olho-preto, Suzana-dosolhos-negros • Família: Acanthaceae • Categoria: Plantas Daninhas, Trepadeiras • Clima: Continental, Equatorial,

Mediterrâneo,Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical • Origem: África, África do Sul • Altura: 1.8 a 2.4 metros • Luminosidade: Sol Pleno • Ciclo de Vida: Anual, Perene

11


2.5.3. Ipoméia • Nome Científico: Ipomoea cairica •

Nomes

Populares:

Ipoméia,

Campainha,

Corda-de-viola,

Corriola,

Glória-da-manhã, Jetirana, Jitirana •

Família: Convolvulaceae

• Categoria:

Plantas

Daninhas,

Trepadeiras • Clima:

Equatorial,

Mediterrâneo,

Subtropical,Temperado, Tropical •

Origem: América do Sul, Brasil

• Altura: 2.4 a 3.0 metros • Luminosidade: Sol Pleno • Ciclo de Vida: Anual

2.5.4. Unha de Gato • Nome Científico: Ficus pumila • Nomes

Populares:

Unha-de-gato,

Herinha • Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical • Origem: Ásia, China, Japão, Vietnã • Altura: 9.0 a 12 metros • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno • Ciclo de Vida: Perene

12


3.História

dos jardins

Desde o tempo das cavernas, o homem primitivo usava elementos da natureza como gravetos, pedras para fazer armas, fogueiras e utensílios mas, observando os animais, viu que estes alimentavam-se de certos vegetais e, ao imitá-los, descobriram que certas plantas alimentavam, outras serviam para curar enfermidades e outras ainda, eram tóxicas provocando males. Mais tarde, observou que o caroço dos frutos que comiam, quando jogados fora, depois de certo tempo germinava criando espécies iguais as que eles usavam. Aí então, começaram a selecionar e cultivar plantas. Com isso, o homem vem através dos tempos, desde o surgimento dos jardins da antigüidade, tentando resgatar o contato com a natureza e seus elementos. As transformações ocorridas na sociedade que podem ser caracterizadas pelos estilos próprios de cada época e cultura. É fundamental estudar a história dos jardins, porque ele é o reflexo do relacionamento humano com a natureza. Os jardins vieram junto com a criação do mundo. O primeiro jardim a ser

apresentado ao homem foi o "Jardim do Paraíso", criado por Deus, e no qual Adão e Eva foram os primeiros habitantes. A composição de flores, folhas, vegetações e animais eram perfeitas neste jardim, onde se cultivava árvores de todas as espécies tanto para se contemplar, como para se alimentar. A ciência e a tecnologia aprimoraram-se com a evolução das civilizações e o paisagismo ocupou lugar de destaque nas atividades. Podemos observar o surgimento dessa prática através das civilizações antigas.

Mesopotâmia A história das civilizações relata que os assírios foram os mestres das técnicas de irrigação e drenagem, criando vários pomares e hortas formados pelos canais que se cruzavam, mas este trabalho foi abandonado em razão da invasão árabe. Os textos mais antigos relatam os jardins sagrados, onde os bosques eram plantados sobre os zigurates. Assim nasceu os Jardins Suspensos da Babilônia, obra marcante da jardinagem da época, que une arquitetura, espiritualidade e paisagismo, sendo até hoje uma das 7 maravilhas do mundo.

13


Tamareiras amenizavam o clima árido onde jasmim, rosas, tulipas e álamos cresciam banhados por sofisticado sistema

de irrigação, onde a crença vigente era que os jardins dependiam da vontade dos deuses.

Pérsia

Os persas construíram jardins de grande exuberância, com por árvores frutíferas e flores aromáticas, recriando uma imagem do universo, constituindo-se de bosques povoados por animais em liberdade, canteiros, canais e elementos monumentais, formando os jardins-paraísos que se encontravam próximos aos palácios do rei. O jardim persa cercado de altos muros feitos de tijolos, estritamente formal, as plantas utilizadas eram: plátanos, ciprestes, palmeiras, pinus, rosas, tulipas, narcisos, jacintos, jasmins, açucenas, etc. Por meio da introdução de espécies floríferas no jardim, um novo conceito na arte de construí-los foicriado, passando a vegetação a ser estimada pelo valor decorativo das flores, sempre perfumadas, do que pelo aspecto de utilidade que possuíam anteriormente. O jardim era dividido em quatro zonas por dois canais principais em formato de cruz e na intersecção deste se elevava uma construção que podia ser o pavilhão ou uma

fonte, representando as quatro moradas do universo, sim. Todo o conjunto possuía rosas e outras flores perfumadas, como complemento de poesia, de introspecção e de muita beleza.

14


Egito No

Egito

quando

a

prosperidade deu espaço para as artes da arquitetura

e

escultura,

também

o

paisagismo acompanhou o desenvolvimento. O jardim egípcio desenvolvido de acordo com a topografia do Rio Nilo era constituído de

grandes

acidentes

planos

naturais

horizontais, ou

sem

artificiais.

As

características dos monumentos egípcios com a rigidez retilínea e a geometria fizeram com que os jardins tivessem uma simetria rigorosa e fossem e afinados com

os quatro pontos cardeais. No Egito antigo, os jardins repetiam

as

linhas

retas

e

formas

geométricas em simetria do Oriente Médio. Situavam-se próximos a templos e residências, formados por palmeiras, sicômoros, figueiras e parreiras, tendo caráter mais prático que ornamental, tinham principalmente a função de refrescar, por conta do clima quente e árido. As plantas usadas eram, em sua maioria, úteis e frutíferas. Eram organizados em torno de uma ou mais piscinas. Elas serviam como viveiros de peixes, reservatórios de água e como fonte de ar fresco para a casa, que se situava nas proximidades. As plantas utilizadas eram: palmeiras, figueiras, videiras e plantas aquáticas. Osíris era o Deus da reverenciada vegetação.

Grécia Os gregos amavam a vida ao ar livre e mesmo tendo influências egípcias a topografia acidentada fez em seus jardins ambientes assimétricos, mais próximos do que encontramos na natureza. Os jardins gregos, apesar de fortemente influenciados pelos jardins egípcios, apresentaram diferenças notáveis em razão da topografia acidentada da região e o tipo de clima. Os jardins possuíam características próximas das naturais, fugindo da simetria dos

15


egípcios. Desenvolviam-se em recintos fechados, onde eram cultivadas plantas úteis, principalmente maçãs, pêras, figos, romãs, azeitonas, uva e até horta. Colunas e esculturas faziam uma transação harmoniosa entre ambientes internos e externos. Os jardins também ficaram marcados por possuir esculturas humanas e de animais mais próximas da realidade.

Seus jardins ocorriam em recintos fechados, onde cultivavam plantas aromáticas e medicinais. Foi a partir deles que surgiu a ideia dos pomares.

Roma Os jardins romanos são falhos quanto à originalidade. Como características de tais jardins, podese ressaltar a grandiosidade e a magnificência da composição, as perspectivas vastas, que empregaram como prioridade, a decoração pomposa, a valorização para fins exclusivamente recreativos. Eram principalmente santuários sociais, onde se desfrutava de proteção frente às moléstias do sol, vento, poeira e ruído das ruas. A sombra projetada pelas galerias com arcos reduzia necessidade de arvoredo. As plantas eram colocadas em maciços elevados e os pátios se ornamentavam com tanques para água, mesas de mármore e estátuas. Os jardins romanos eram regulares ordenado e simples, com pequenas hortas. Se desenvolviam em pequenos pátios e terraços com esculturas, fontes centrais, tanques,

piscinas e termas. Na parte externa, os jardins eram grandiosos, geralmente em terrenos de nível irregular, compostos por vegetação suntuosa. Eles completavam a casa romana com passeios e pórticos dispostos em todas as orientações

16


Jardins Medievais Na idade média os jardins deram lugar a igrejas rudes e pesadas. Tudo precisava ser funcional e alamedas em cruz ditavam a direção da religião dominante. Pomares em mosteiros e ervas em praças era comum. O estilo gótico retratava bem os jardins medievais. O estilo de jardim desenvolvido nesta época constitui da mistura desordenada e fragmentária dos

estilos

anteriores.

característico

era

composição.

A

a

O

que

estrutura

interseção

era crucial

ortogonal

bem da das

alamedas e caminhos, nos jardins construídos

nos pátios internos das grandes construções medievais, lembravam a cada momento o símbolo da religião dominante. Jardins Renascentistas A partir do século XVI, os jardins foram ganhando mais importância. Nessa fase adquiriram valor estético e utilitário, principalmente na Itália, França e Inglaterra, onde se transformaram em elementos fundamentais de composição da cidade renascentista e barroca. No Renascimento, ocorre redescoberta da natureza, levando à criação dos primeiros jardins botânicos de plantas exóticas. O Jardim Renascentista contava com uma simetria de arruamentos, talhe

geométrico de árvores alinhadas, jogos de água, canteiros geométricos de flores e dispunhase em terraços ligados por escadarias formando anfiteatros. Usavam-se materiais e elementos imutáveis, plantas de folha persistente, esculturas de santos ou divindades, escadarias e pérgolas em pedra, água parada ou em movimento provenientes de fontes, cascatas ou repuxos.

17


Jardins Barrocos

À semelhança do Jardim Renascentista, mas de uma forma mais exacerbada, o Jardim Barroco era construído para evidenciar o poder do Homem e era dotado de uma artificialidade extrema, funcionando o jardim como um palco. Através da ciência da óptica, dispunham-se as plantas de modo a dirigirem o olhar do espectador e criarem ilusões para as distâncias parecerem maiores ou menores. A topiária atinge, principalmente em França e com Versalhes, o auge com os elaborados e complexos desenhos de sebes e de árvores e arbustos, com a função de criar eixos e formas geométricas. As perspectivas alongam-se, rodeadas de fortes massas de arvoredo sob declive ou terreno plano, sem prejudicar os diferentes pontos de vista.

Itália

Os

Jardins

Italianos

foram

inspirados nos da Roma Antiga. Havia muito contraste entre as formas naturais e as criadas pelo homem. Possuíam flores como lírios, roseiras

e

compunham

craveiros. os

Jardins:

Outras

plantas

violetas,

túlipas,

gladíolos, mais tarde aparecem hortênsias e petúnias

e

posteriormente

magnólias,

gardénias e begónias. A topiária era de buxo e constituía o elemento mais trabalhado do jardim. Possuía ainda canteiros de azevinho e cipreste, limoeiro.

pinheiros,

oliveiras,

loureiros

e

18


India Na Índia, os jardins possuem traçado geométrico e simétrico, composto por canais, repuxos e canteiros de vegetação. Suas características

mais

marcantes

eram

a

modulação, a decoração profusa e a temática fantástica.

Os

jardins

da

Índia

tiveram

inspiração nos jardins persas com a paixão pelos jardins e o simbolismo, podendo ser vistos pelo uso constante de lagos em formas geométricas, fontes, percursos de água e plataformas de pedra. A Índia tem um clima tropical, o que influencia bastante no paisagismo, com variadas topografias incluindo picos de montanhas, grandes rochas, rios, e vastas florestas. O espaço ao ar livre é muito valorizado para o descanso, a meditação e a contemplação.

China Na China as atividades com jardinagem datam de 2.000 a.C, onde se encontram paisagens muito antigas

de

rara

beleza

e

flora

riquíssima.

Os parques das casas dos antigos imperadores valorizavam a vegetação existente, sendo a tarefa do jardineiro ordenar o que a natureza oferece. Acreditava-se que no norte da China havia um lugar para os imortais.Como o Imperador Wu não conseguiu encontrá-lo, decidiu então criá-lo na fantasia. Dessa maneira surgiu o jardim “lago-ilha”. O “Lago ilha” foi se multiplicando, se tornando conhecido pelo continente até chegar no Japão em 607dc.Trata-se de uns dos jardins mais alegres e de melhor traçado do mundo, com hortos de cerejeira, maciços imensos de azaleias e lírios, rochas cobertas por flores e pinus, traduzindo o amor dos japoneses pela natureza.

19


França

A princípio, o estilo francês se baseou nos jardins medievais, que utilizavam canteiros com flores e ervas medicinais, sendo que havia também a horta que lhes concedia o abastecimento. Mas, com o passar do tempo, novas ideias foram sendo introduzidas por arquitetos italianos que trabalhavam na corte francesa. Com isso, pode-se dizer que os jardins franceses tiveram características semelhantes aos jardins italianos.

As características desse estilo são a rígida distribuição axial, a simetria, a perspectiva, o uso de topiárias e a sensação de grandiosidade. As formas geométricas podiam ser percebidas tanto nos caminhos e passeios quanto na vegetação, admitindo-se poucos desníveis. Os principais jardins foram construídos pelo famoso arquiteto/paisagista, André Le Notrê. Sua obra mais marcante foi o jardim do Palácio de Versalhes. Jardim Inglês O Jardim Paisagista Inglês do século XVIII surge com um conceito diferente em

relação à Natureza, no qual o Homem não se impõe, mas se harmoniza e admira; são feitas relvadas e suaves modelações de terreno, permitindo a visão de belas perspectivas, tornando-se dinâmico o traçado do jardim, sempre procurando imitar a natureza: disposição orgânica de árvores e arbustos, caminhos sinuosos e água correndo naturalmente. Utilizavam-se inúmeras plantas ornamentais, vindas de grandes expedições, e variedades produzidas pelo Homem. Surgem os Jardins Paisagistas, que evocavam bosques e colinas de formas harmoniosas.

Com o Jardim Paisagista, as plantas deixam de possuir um

significado individual para possuir um significado coletivo.

20


Brasil Na primeira metade do século XVII, em Pernambuco, durante a invasão holandesa, por obra de Maurício de Nassau, da qual restou uma grande quantidade de laranjeiras, tangerinas e limoeiros plantados, foi a mais antiga manifestação do paisagismo no Brasil. A história documentada do paisagismo iniciou-se com a chegada de Dom João VI em 1807, que destinou ao Jardim Botânico a vocação de fomentar espécies vegetais para a produção de carvão, matéria-prima para a fabricação de pólvora. Em 1809, Dom João VI invadiu a Guiana Francesa, revidando a ocupação de Portugal pelos franceses. Como despojos dessa guerra, chegaram ao Brasil espécies frutíferas como: abacateiro, lichieiro, caramboleira, jamboeiro, jaqueira, tamarindeiro, nozmoscada, fruta-pão, dilênia e flor-de-abril.

Imigrantes portugueses, introduziram espécies exóticas e espécies nativas, como: Alamanda, amarílis, birí, begônias, primaveras e petúnias. O paisagismo ganhou forças com os preparativos para o casamento de D. Pedro I com a arquiduquesa da Áustria. Surgiram, desta forma, os trabalhos do alemão Ludwig Riedel, arquiteto paisagista que teve grande dificuldade para arborizar as ruas do Rio

de Janeiro, trabalho que ocupou o período de 1836 a 1860. Acreditava o povo que a sombra formada pelas árvores era responsável pela maleita, febre amarela, sarampo e até pelas sarnas dos escravos. Em 1858, D. Pedro I contratou o engenheiro agrônomo Glaziov que, pela primeira vez, usou árvores floríferas no paisagismo. O efeito urbanístico do Rio de Janeiro espalhou-se por outros estados porém, pela falta de técnicos especializados, nem sempre com um estilo coerente. Assim, até hoje sobrevivem alguns arbustos tosados de diversas formas.

21


4.Paisagistas 4.1. Paisagista Clássico – Frederick Law Olmsted

Frederick Law Olmsted é considerado o pai da arquitetura da paisagem norte americana e um dos 10 Grandes Nomes da História do Paisagismo, sendo apreciado por

ser um teórico urbano muito importante, senão um dos mais influentes, nos finais do Séc. XIX e início do Séc. XX. Nasceu em 1822 em Connecticut, e durante a sua vida teve vários profissões como marinheiro, escriturário, fazendeiro e etc. Se mudou para NY em 1848 e em 1857, mesmo não possuindo diploma em graduação, se tornou superintendente do Central Park, em seguida administrador e depois arquiteto chefe da construção, sendo considerado pela história o primeiro profissional que se dedicou à prática do desenho de paisagem. Em 1885, Olmsted criou, em parceria com os filhos, o que foi considerado a primeira firma de arquitetura paisagista a tempo inteiro. Em 1895, com 65 anos, forçado a abandonar o negócio por senilidade, deixou os seus filhos a continuar o seu legado. Morre em 1903, deixando um importante trabalho sobre arquitetura paisagista. Seu trabalho como paisagista começou em 1857 com o projeto do Central Park, em Nova York. Suas belas paisagens reúnem o Prospect Park, em Brooklyn, Esmeralda de Boston Colar, Biltmore Estate na Carolina do Norte, Mount Royal, em Montreal, os motivos do Capitólio dos EUA e da Casa Branca, Washington Park, Park Jackson e Exposição Universal de 1893- Chicago.

22


Liderou o “Park Moviment”, onde adotou de modo significativo a presença de parques nas cidades americanas. Para o arquiteto, o parque urbano representava ar puro, ou seja, os “pulmões” da cidade. Nesse contexto, os parques foram construídos para atender à necessidade de criação de espaços que se contrapunham as estruturas urbanas. O arquiteto-paisagista buscou melhorar a qualidade de vida da sociedade norteamericana defendendo a utilização econômica dos espaços livres, criando oportunidades de recreação e também de preservação dos recursos naturais, controle de enchentes, proteção os mananciais, utilização dos parques como locais de harmonia, onde se vai para escapar da

vida e repor a sanidade. Utilizou em seus projetos corredores inseridos na paisagem, geralmente baseados no saneamento das linhas de água e nas formas naturais do terreno, acompanhados por vegetação natural, ou dispondo de características mais naturalizadas do que o espaço envolvente, dispondo por vezes de acesso, a vistas cénicas ou históricas, sendo denominados “corredores verdes”.

4.1.2. O Central Park O Central Park em Nova York nasceu em 21 de Julho de 1853, quando o legislativo

estadual autorizou

a

cidade a

comprar mais de 323 ha de terra no centro de Manhattan. Foi projetado pelo mais famoso paisagista americano Frederick Olmsted e pelo

arquiteto

inglês

Calvert

Vaux,

que

se

associaram e venceram o concurso do projeto para o Central Park. A sua concepção central norteava-se em torno da ideia de igualdade

social. Para Olmsted, o espaço verde comum deve ser acessível a todos os cidadãos, independentemente da classe. Era uma ideia à parte e revolucionária, de ordem tal que o mandato de Olmsted como comissário do parque se transformou numa luta para o preservar.

23


O

projeto

de

Olmstead

e

Vaux

integra

elementos formais e pastorais através do parque e sua concepção segue o pinturesco, onde a cada momento se tem uma surpresa ao caminhar, pelo fato dos caminhos

serem curvos e a composição ter sido planejada para criar ambientes

variados,

oferecendo

aos

visitantes

desde

caminhos formais como The Mall e Literary Walk até os mais selvagens, como o Ramble (caminho campestre).

O parque possui muitos lagos artificiais, extensivas pistas para caminhada, trilhas para cavalos, dois ringues de patinação no gelo (um dos quais se transforma em piscina durante o verão), um zoológico, uma estufa, um santuário de vida selvagem, uma

grande área de bosques, um reservatório de água com 4 ha envolto em uma pista de corrida entre outras atrações. Além disso, há 7 grandes gramados, campos e áreas menores; 4.1.3. Prospect Park, Brooklyn Prospect Park é um parque público na cidade de New York City de Brooklyn. Foi projetado

por Olmsted e Calvert Vaux depois de terem completado o Central Park de Manhattan. O parque ocupa uma área de 585ha e possui diversas atrações. Olmstead dirigiu o projeto total

enquanto

Vaux

concentrou

suas atenções em pontes , edifícios e outras estruturas do parque.

24


Abaixo o mapa de Prospect Park, Brooklyn, emitido logo após a sua conclusão em 1867. Descreve o parque como um todo e inclui caminho , lagos, prédios, árvores, pedras e medidas de elevação. As ruas e avenidas que cercam o parque também são observadas. Este mapa revela o Prospect Park assim como concebido pelos arquitetos paisagistas, Vaux e Olmstead.

Frederick Olmstead

escreveu: “Cada

metro da superfície do parque, cada árvore e arbusto, assim como cada arco, estrada, e caminhar e foi colocado onde está por um propósito.”

25


4.2. Paisagista Contemporâneo – Rosa Grena Klias

Rosa Grena Kliass é paulista de São Roque, formada pela FAU-USP em 1955. Presidente da ABAP (Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas), e vice-presidente da Região Ocidental (Américas) da IFLA - Federação Internacional de Arquitetos Paisagistas,

Rosa

tem

inúmeros

projetos

premiados

de

arquitetura,

arquitetura

paisagística,

planejamento ambiental e desenho urbano, e é autora de vários trabalhos publicados no país e no exterior. Quando Rosa se formou, não havia um campo profissional esperando por ela do outro lado dos portões, mas sua turma foi a primeira a receber aulas de paisagismo na faculdade. Do professor Roberto Coelho Cardoso, recém-chegado da Califórnia, adquiriu a linguagem do desenho urbano. De Roberto Burle Marx, captou a intuição da arte. Então inventou. Fez jardins de residências, foi buscar o poder público e, a partir de 1966, trabalhou no desenho de parques e praças no que foi o primeiro plano paisagístico de São Paulo. Rosa sempre foi uma mulher que lutou muito para a valorização dos espaços urbanos e trabalhava para a valorização da mudança paisagística nos meios urbanos. Foi a primeira arquiteta paisagista a projetar os térreos dos edifícios após a liberação dos espaços para uso comum. Para Kliass, o paisagista é um criador de espaços. Assim como a arquitetura cria espaços construídos, o paisagismo cria os espaços em geral, que consistem na paisagem, em tudo aquilo que podemos ver, ofrecendo lugares saudáveis, locais agradáveis e trazendo bem-estar para as pessoas.

26


4.2.1 – Parque da Juventude, São Paulo. A intervenção de Rosa Kliass no Parque da Juventude abrangeu a porção central do solo, cuja topografia redesenhada oferece diferentes perspectivas de contemplação do verde e do skyline da cidade. O parque foi dividido em três partes: a Área Central, o Parque Esportivo e o Parque Insitucional. “Nossa proposta era criar um oásis urbano , onde os visitantes pudessem sentar à sombra das árvores para ler um livro ou descansar”, resume José Luiz Brenna, co-autor do paisagismo, sobre a Área Central do parque. Essa intenção justifica a

ausência de infra-estrutura para atividades físicas no local. Os únicos equipamentos existentes ali são os bancos de concreto com encosto de madeira e os cestos de lixo em aço inoxidável. No parque Esportivo, na porção sul do caminho central, foi criado um trajeto secundário, definido por linha sinuosa, onde estão implantadas áreas de estar e recreação infantil. Além dessas duas áreas, há o Parque Institucional, onde se encontram a biblioteca, ponto de acesso a internet e escolas técnicas.

O projeto paisagístico desenhou a alameda principal , margeada por pau-ferro,

que corta toda a extensão do parque. Ela é pavimentada com solo-cimento, que ajuda na absorção do calor, contribuindo para a formação de uma ilha de temperaturas mais amenas. Os demais passeios receberam cobertura com pedriscos.

27


Outro acréscimo do paisagismo são três escadas com estrutura de aço corten e degraus vazados de madeira. Elas dão acesso ao passadiço, de onde se tem interessantes pontos de vista do conjunto.

O contraste com o cenário preexistente foi feito com o plantio de 25 espécies de árvores, como pata-de-vaca, paineiras, jerivás e sibipirunas, organizadas em pequenos maciços. O complemento fica por conta de grandes áreas gramadas e canteiros com forrações de fácil manutenção, como vedélia, agapanto, neomárica e íris-da-praia. 4.2.2- Reforma Vale do Anhangabaú, SP

28


No

início

da

década de 1980 a prefeitura de São

Paulo

concurso

promoveu

público

para

um a

remodelação

do

Vale

Anhangabaú.

Os

arquitetos

Jorge

Wilheim,

Jamil

do

José

Kfouri e Rosa Grena Kliass foram os vencedores, propondo a criação de uma grande laje sobre as avenidas existentes no local em altura suficiente para ligar os dois lados do Vale, com o tráfego de automóveis abaixo e recriando a área verde entre os viadutos do Chá e Santa Ifigênia. É ele o que atualmente existe no local. O projeto paisagístico é composto por desenhos bastante geometrizados, tanto dos pisos quanto dos recantos. Destaca-se no projeto o uso misto de vegetação como elemento escultórico e compositivo nas áreas de grande circulação e tratamento de jardim nas áreas próximas aos edifícios.

29


5.Visitas 5.1. Horto No dia 19 de fevereiro de 2014, foi realizada uma visita ao horto botânico da Universidade Católica de Brasília, construído há 10 anos, com a presença do coordenador do horto, biólogo, ex-curador do instituto Inhotim e doutor em botânica, Eduardo Gonçalves.

Durante o percurso até o horto, a

professora Iara foi nos apresentando algumas das espécies vegetais encontradas na universidade, citadas abaixo. 5.1.1- Pata de Vaca (Bauhinia foticata) Arbusto ou árvore pequena, de até 9 m de altura. Tronco

tortuoso e ramos jovens com espinhos. Folhas compostas, com 2 folíolos germinados com forma que lembra o casco de boi. Inflorescência em cacho terminal, com flores grandes, longas, estreitas estriadas, rugosas e brancas. Fruto vagem alongada, pontiaguda, que se abre, liberando as sementes. É uma planta medicinal, muito utilizada para complementar o tratamento medicamentoso da diabetes. 5.1.2- Guapuruvu (Schizolobium parahyba) Árvore da família das fabáceas, notável pela sua velocidade de crescimento que pode atingir 3m por ano. Planta decídua, heliófita, pioneira e exclusiva da Mata Atlântica. De tronco elegante, majestoso, reto, alto e cilíndrico, casca quase lisa, de cor cinzenta muito característica. Flores grandes, vistosas, amarelas. 5.1.3- Bromélia (Bromeliacea) Caule reduzido, folhas longas, estreitas e curvas, dispostas em camadas circulares. Resistente e de fácil adaptação, graças ao seu sistema de absorção de água e nutrientes, que ocorre pelas folhas cobertas de escamas ou nas rosetas que armazenam água.

30


5.1.4- Boldo de jardim (Plectranthus barbatus) Arbusto originário da África. Atinge de 1 a 2 metros de altura, apresenta folhas aveludadas e produz flores azuladas. Indicado como analgésico, estimulante da digestão e combate azias. eu uso é eficaz no combate a males hepáticos. 5.1.5- Pata de elefante (Beaucarnea recurvata) É

um

tipo

de

planta

arbustiva,

possui

textura

semilenhosa e com um aspecto escultural. Quando se torna adulta pode chegar a medir em torno de 5 metros. Trata-se de um tronco ornamental que possui a base dilatada para poder fazer o armazenamento de água, característica desenvolvida para que ela pudesse sobreviver a grandes períodos de estiagem. 5.1.6- Cica (Cycas revoluta) O gênero cyca tem mais de 50 variedades. Pode desenvolver uma altura de 2,0 metros ou mais, mas seu crescimento é muito lento, cerca de 4 cm ao ano. O tronco lembra uma palmeira, lenhoso a semilenhoso, com ou sem ramificações. As folhas são dispostas em coroa, grandes e podem atingir de 1,20 a 1,50 de comprimento por 15 ou 20 cm de largura. Os folíolos

numerosos são finos e rígidos de ponta aguçada. 5.1.7- Ginkgo biloba (Ginkgo biloba L.)

Nativa da Coréia, China e Japão, a Ginkgo biloba é uma árvore que chega a 40m de altura e pode viver 4 mil anos”. Sua longevidade deve-se à grande capacidade de suportar insultos tóxicos e à resistência a infecções. Extratos de suas folhas encontram-se na farmacopéia chinesa antiga e atual para o tratamento de disfunções cardiopulmonares, bem como para promover a longevidade. São árvores caducas, isto é, que perdem todas as folhas no inverno. As folhas ficam amareladas no verão.

31


O horto da Universidade Católica de Brasília foi construído para o estudo de plantas para o curso de biotecnologia. No entanto, acabou virando quase um jardim botânico, servindo para vários outros cursos como Biologia, Química e Farmácia. Agora ele está sendo pensado e repensado no campo do Paisagismo. O conceito do horto hoje é a introdução de novas espécies, testes com as antigas e a introdução de uma nova maneira de trabalhar.

Segundo o biólogo Eduardo, o Paisagismo é uma arquitetura mais complexa, por lidar com seres vivos. As plantas são estruturas construtivas que não param de crescer e se transformar ao longo do tempo e a função do Paisagismo é direcionar essa força da maneira certa. O elemento construtivo tem que trabalhar a seu favor, adaptando a espécie as suas necessidades. Nenhuma planta nasceu doméstica, todas elas um dia foram espécies

selvagens, até um dia alguém resolver utilizá-la para ornamentação e assim elas foram se adaptando. Hoje em dia, por exemplo, utilizar-se de uma espécie que não precise ser irrigada, é muito importante para se evitar o desperdício de água. Essa é uma das obrigações do paisagista: entender as necessidades do cliente e oferecer a ele algo diferente. No horto encontramos algumas espécies vegetais incomuns, como a planta do cerrado mostrada na figura abaixo, de coloração esbranquiçada e que está sendo utilizada para testes.

32


O Eduardo nos apresentou a novas plantas que ainda são pouco utilizadas, como a Efedra, uma planta do sul do Brasil, que adquire o formato de bola e é uma opção mais econômica para ornamentação, por precisar ser podada apenas uma vez por ano. Além disso ela necessita de pouca água, porém é esquecida nos projetos paisagísticos. 5.1.8- Efedra (Ephedra sinica) Planta da família das Ephedraceae, usada na China há mais de 5000 anos para tratar problemas de asma

e infeções respiratórias. Cresce 30 a 50 cm em altura, tem caules longos e finos, e pequenas folhas reduzidas a escamas nas ligações. Propaga-se a partir da semente no outono, ou pela divisão das raízes na primavera ou no outono. Cresce sobretudo em áreas desérticas e requer solo seco. Encontramos no horto inúmeros tipos de espécies vegetais, inclusive plantas aquáticas, mostradas na figura abaixo. Entre elas, a que mais chamou atenção foi a Planta Mosaico. 5.1.9- Planta Mosaico (Ludwigia sedioides) Planta flutuante, em forma de mosaico e coloração que

pode variar entre vermelho e verde. Bastante utilizada em lagos para cobertura de superfície e eliminação de algas. Encontrada na Amazônia, dá graciosas flores amarelas com 5 cm de diâmetro, que produzem pequenos frutos com muitas sementes. A Planta Mosaico atinge o tamanho de 10 a mais de 50cm. Desenvolve-se livre ou enraizada ao solo e a pleno sol. A visita foi muito importante e esclarecedora para a matéria de Projeto de Paisagismo, sendo apresentadas aos alunos uma grande variedade de plantas que podem ser estudadas mais afundo. No horto há mais de 1.000 espécies, e conhecendo algumas delas a turma já pôde expandir seus horizontes para a elaboração de futuros projetos paisagísticos.

33


5.2. Brasília No dia 12 de março de 2014, foi realizada uma visita por Brasília, na quadra 201 sul, no Setor Bancário Sul, Eixo Monumental e Setor Militar Urbano com o intuito de conhecermos mais sobre o projeto paisagístico da cidade. As fotos abaixo mostram o cinturão verde de cada quadra, feito com espécies vegetais arbóreas de grande porte para dar a impressão de ser uma floresta contínua.

A quadra comercial (comércio local que faz parte da escala residencial), divide a escala gregária (plataforma rodoviária e setores de diversões, comerciais, bancários, hoteleiros, médico-hospitalares, de autarquias e de rádio e televisão Norte e Sul), da escala residencial (superquadras).

34


Em direção ao Setor Bancário Sul, notamos um espaço limite entre as escalas em que o arquiteto e o paisagista não trabalharam, mostrado nas imagens abaixo. Olhando pra ele não o reconhecemos como pertencente ao Plano Piloto, pode ser qualquer outro local.

Vegetação de forragem - gramas, cicas e gramíneas no jardim do Edifício Matriz da Caixa Econômica Federal:

35


Notamos no Setor

Bancário

uma

configuração espacial de defesa típica dos castelos medievais:

uma

única

entrada , rodeada por água

para

dificultar

o

acesso que se dá através da rampa, usando uma plataforma.

Existem passagens

subter-

râneas entre as escalas gregária e residencial, porém os pedestres não as utilizam, devido as péssimas condições em que se encontram .

A

escala

gregária é construída em locais

impermeáveis,

portanto

a

vegetação

existente são arbustos e gramíneas,

como

podemos notar no jardim do Banco Central.

36


A característica da escala gregária é ser extremamente edificada, e para realizar o conforto térmico não é necessário ser usada somente a vegetação, mas também a cobertura dos edifícios. No edifício do FNDE, encontramos um paisagismo que não conversa com a arquitetura do prédio: palmeiras que não tem a menor relação com o local, servindo apenas para marcar a sua entrada . Por serem elementos que indicam verticalidade, estão fora do contexto do edifício que tem a predominância de elementos horizontais. Deve-se tomar bastante cuidado com esse tipo de vegetação desassociada do edifício no paisagismo.

A figura abaixo mostra o jardim ornamental do edifício Banco do Brasil, sem nenhuma funcionalidade, em que não se foi pensado em assentos, ou proteção solar, tendo função meramente estética.

37


Na transição entre a escala

gregária

e

o

Eixo

Monumental, a diferença entre vegetação e área construída fica mais acentuada.

No Palácio do Itamaraty, encontramos um paisagismo feito com vegetação específica de locais úmidos, jardins aquáticos, um cenário de vegetação de vereda e do seu lado esquerdo uma vegetação símbolo do cerrado e da caatinga.

38


Uma das espécies vegetais que compõem o paisagismo do Itamaraty são a Espatódea e a Caliandra. 5.2.1-

Espatódea

(spathodea

campanulata ) Árvore exótica muito comum no paisagismo de espaços públicos no Brasil. De crescimento rápido, seu porte pode atingir 24 metros. As folhas são grandes, opostas e são compostas por numerosos folíolos

alongados

lanceolados.

As

e

oval-

flores

são

vermelho-alaranjadas. 5.2.2- Caliandra (Calliandra tweedii) Planta arbustiva, lenhosa e muito florífera. Apresenta caule ramificado e folhas compostas, bipinadas e opostas, com folíolo pequenos, de cor verde escura. As inflorescências são do tipo umbela, com flores pentâmeras e vermelhas. É

uma espécie muito ornamental, excelente para formar cercas vivas topiadas. Deve ser cultivada a pleno sol, em solo fértil, drenável, sem cuidados especiais pois é bastante rústica. Chegamos a Praça dos Três Podres, que é uma praça mineral e vegetal ao fundo, que é composto por vegetação do cerrado, formada por um amplo espaço aberto. A praça propriamente dita demonstra existência apenas do próprio revestimento do piso, sem vegetação, assumindo um aspecto “seco”, sinal da filiação estética a arquitetura européia.

39


O renque de palmeiras imperiais localizadas no canteiro lateral do espelho d’água no anexo do Congresso Nacional foi trazido por Juscelino Kubitschek do Rio de Janeiro e é um elemento que imprime verticalidade ao conjunto, O seu uso, sugerido por Le Corbusier, acaba por assumir um importante caráter simbólico. 5.2.2-

Palmeira

Imperial

(Roystonea

oleracea)

Palmeira originária das Antilhas, Colômbia e Venezuela, destaca-se entre as palmeiras mais imponentes, majestosas e notáveis. É uma palmeira de porte grande podendo chegar até 40 m de altura e o diâmetro da copa de 5m. É cultivada em pleno sol e requer lugares espaçosos. Folhas pinadas, arqueadas, de 2-4 m de

comprimento, dispostas na copa

de forma algo pendente, com pinas numerosas, estreitas,

inseridas

em

planos

diferentes

formando duas fileiras.

A praça tem monumentalidade por ter um só tipo de piso e pele.

40


Saindo do Eixo Monumental, fomos a Praça dos Cristais, projetada por Roberto Burle Marx, localizada no Setor Militar Urbano. É chamada assim por seu espelho d'água principal possuir uma magnífica construção de cristais em concreto, bem ao estilo de Oscar Niemeyer. Seu jardim é formado por formas geométricas e construído sob a forma de um triângulo.

41

Caderno pp  
Caderno pp  
Advertisement