Page 3

A RTIGO

Potencial do gestor é determinante para a loja Foto: Ivana Debértollis

Você já parou para ouvir o que a sua loja está pedindo?

Há algumas décadas milito no fran-

chising. Durante esse tempo, aprendi uma máxima: “o potencial de uma loja é determinado pelo potencial do seu gestor”. Entretanto, quando um negócio não vai bem por má administração, o gestor tem a tendência de colocar a culpa no mundo. Vejam abaixo exemplos que acompanhei:

Loja 1

Uma loja localizada na Rua Augusta com a Alameda Santos foi inaugurada nos anos 90 faturando R$ 150 mil e, com o tempo, baixou para R$ 100 mil. O antigo gestor julgava sua administração perfeita e colocava a culpa pela queda do faturamento nos estabelecimentos vizinhos. A loja foi repassada e o novo gestor promoveu um verdadeiro banho de loja: fez uma grande faxina, renovou a equipe e implantou novos conceitos de atendimento. Em pouco tempo, o faturamento da loja passou para R$ 350 mil.

Loja 2

O antigo gestor da loja da Avenida Angélica reclamava da proximidade de um restaurante por quilo e dos poucos clientes que passavam pela rua. A loja foi repassada e, sob os mesmos fatores, a unidade alcançou constantes aumentos de faturamento. O que mudou? A gestão e um gestor presente e atuante. Quando visitei a unidade, ele interrompeu a conversa ao ver uma senhora entrar. Ele a chamou pelo nome e a levou até a mesa. Depois, confidenciou-me que ela ia todos os dias naquele horário tomar café.

João Penna, gerente geral do Fran’s Café

Loja 3

A loja da Bandeira Paulista, repassada pela segunda vez desde que estou na rede, mudou completamente. Apenas com o caixa mensal, os novos gestores fizeram uma reforma completa, incluindo a compra de equipamentos. Em poucos meses, eles também assumiram a loja do Shopping Maia, em Guarulhos. E, para que possamos entender o que é administrar uma loja e como a presença do gestor muda tudo, um dos sócios já alugou um apartamento ao lado do Shopping para ficar perto da operação.

racterística e é ela que deve ser explorada. A loja avisa, berra “quero vender” e o gestor não ouve. Temos o caso de uma loja com um movimento muito forte a tarde, período em que trabalha com o menor número de funcionários. Resultado? As pessoas se aglomeram com a demora do atendimento, se cansam, vão embora e o faturamento cai. Estamos tentando mudar esse quadro, mas dependemos da ação do gestor. Você já parou para ouvir o que a sua loja está pedindo?

São muitos os exemplos que podemos mencionar para demonstrar que “o potencial de uma loja é determinado pelo potencial do seu gestor”. A loja do Shopping D, por exemplo, foi repassada há pouco tempo e fez em abril o maior faturamento desde a inauguração. Cada loja tem a sua ca-

www.jornalfranscafe.com.br | 3

Jornal Fran's Café nº 4  

Jornal Fran's Café nº 4