Page 1

Visage

SEU ROSTO E ARTE฀ conheça as maquiagens com cores fortes que caíram no gosto popular

Padrão de expressão? Descobrimos o que pensam sobre a vestimenta na universidade.

se acha mesmo autentico?

O cinema te prova que até o diferente se nspirou em algo maior.


Sum ário 2 Editorial-Quem

nos som os

face da tenência 4 M aquiagem -A uni versitária

Com o a m oda influencia na construção da identidade individual

6 Identidade -

8 A utoestim a -conforto ou padrões? 10 e 11 Cinem a e indicações 3


Maquiagem

a i c n ê d n e t a d e c a f A a i r a t i s r ive Un

z mais se e v a d a c ntes estão a d u t ico e apos s s e á s b o o , d ia r o o d s em Euph a maquiagem, sain Inspirado d o mundo cores. n Por: Mariana Ribeiro o d n a c tando nas arris

Q

uando se trata de maquiagem, o que mais ouvimos é que “menos é mais”, é o que vem sendo espalhado desde os anos 90, a era das supermodelos, os tons sóbrios e terrosos ganharam vez e parecia que nunca mais iriam sair do topo. A maquiagem colorida, muito comum nos anos 70 e principalmente nos anos 80, com grandes cantoras como Madonna e Cindy Lauper mostrando as cores em seus rostos, ficou de lado quando a indústria das super modelos dos anos 90 e início dos anos 2000 decidiu que cores eram uma coisa brega, e que elegante era usar os tons sóbrios. Mas em 2019 a série “Euphoria”, estrelada por Zendaya, começou a ser exibida pelo canal HBO. Logo após o fim de Game of Thrones todos estavam ansiosos pela nova superprodução do canal, e Euphoria ofereceu tudo de melhor que o segmento oferece. Um enredo bem construído, caracterizações incríveis e atuações de tirar o fôlego. E ainda trouxe uma maquiagem extremamente marcante, e pasmem, colorida. E então, vendo aquelas

representações de adolescentes rais, com problemas reais, as pessoa se viram neles, e também viram que está tudo bem arriscar e utilizar as cores na maquiagem. problemas reais, as pessoa se viram neles, e também viram que está tudo bem arriscar e utilizar as cores na maquiagem. E não só as cores ganharam espaço, como a maquiagem artística em geral. As pessoas viram que podem transformar seus rostos em telas em branco e enchê-lo das mais variadas cores e formas, a expressão se tornou mais artística, e os jovens abraçaram essa arte. Dentro da universidade ainda é pouco comum encontrar algo do tipo no dia-a-dia, mas nos bares e nas festas, o que há são rostos coloridos e cheios de expressão. O incentivo não veio apenas após a representação televisiva. Quando se chega na universidade, as pessoas percebem que o ambiente é mais livre, menos julgador, ao mesmo tempo que pode ser nocivo ele liberta. Essa liberdade também traz a liberdade de expressão, em especial a liberdade de formas de expressão. E é isso

que a maquiagem colorida e artística se tornou, uma forma de expressão nos ambientes universitários e próximos da universidade, que mesmo nocivo, não te julga como o ambiente escolar. Comportamentos de bullying são condenados e a liberdade de expressão incentivada. A partir disso, trazemos nessa matéria fotos e depoimentos de jovens e estudantes que aderiram a maquiagem artística e colorida no seu dia-a-dia e eles nos contam o que os incentivaram a aderir essa expressão artística corporal em suas vidas;

4


a faz em colorid g ia u q a m A o ia do básic sa te n e g a com que consigo , assim, eu to re p o d u o riatividade c a h in m expandir a arte orgulhosa d r ti n se e m e a , não mim mesm m e z fi e u q r sa , sem liga re p is a m me sinto res. entos e olha m a lg ju a r a p nos, esarda , 20 a Maria Edu História tudante de

rida, primeiro lo co em g a ui aq m e d o t os Eu g porm b฀ m a t s a m , em g a ui aq m porque gost o de o um acess฀m co se ua q na io nc fu ue q que acho almente m or n ue q im m ra p e t en lm rio, principa . Em alguns rs ut ne s re co m co s a up ro uso at฀ como um em g a ui aq m a jo ve eu os moment o de maip t se es r a us o, ic t ฀s rt a l potencia “especial”. a nt si e m eu ue q m co z quiagem fa alista rn Jo , os n a 2 2 , ia ฀l ec C a Mari

do a e n li e d r o p r a s s e r e t Comecei a me in assistir euphoria. A colorido logo após ações de pedrinhas, mistura e combin do e desenhos abriu pra junto com delinea almente soltar meus mim caminhos re postar no diferente. dons artístico e as, estudante de Adrielle, 19 ano Comunicação.

A m aqu iagem f oiu m experim en to trazido p ela A lm a N egrot,em qu e eu tran sform o m in h a cara em u m a tela de pin tu ra e deixo o m eu in con scien te "falar".O resu ltado pra m in h a su rpresa ,foia represen tação de u m h om em gay sofren do pela d epressão e qu e u tiliza a m aqu i agem com o ferram en ta de expressão D aw w ison ,19 a n os

5


Autoestima

Conforto ou PadrĂŁo

8


A

vestimenta é uma forma que temos de nos manifestar e deixar a vista nossa personalidade. Mas também é uma forma de uniformização. As roupas que você usa refletem o ambiente em que você está inserido. Mas perai, existe realmente a roupa certa? Conversamos com alguns estudantes sobre como eles lidam com a sua autoestima e seu estilo dentro da universidade, venha conferir!!

Bárbara Pinheiro “Eu gosto de usar roupas em que irei ficar confortável e me sentir bonita. Conheço várias pessoas que dividem roupas pra usar na faculdade e pra sair, porém não faço isso. Gosto de me sentir bonita em todos os ambientes. Algumas pessoas podem achar que eu me arrumo muito, já que na maioria das vezes estou de brincos e batom, mas acho que o importante é me olhar no espelho e me sentir bem como que estou vendo, esse é o principal objetivo. As vezes venho de qualquer jeito, mas ta tudo bem também, porque não é como se colocasse uma pressão em mim para sempre estar bem vestida. Faço porque eu gosto e eu quero!”Rorarbit. Ti. Caturni hilicam nihil voltum in nonsit, ut nihiliniquo iam sendam pra verei tebunt? Muspess olicut gra dum teli con sedem, vitis. Torum liussendet intio cips, vium re invehebatus, consciissid st publibusque cont iuratuam hostus alarit. Opublictuam hentem temniu es bonsulego maximus bonfir horum inprae ad inatra reis hors menduc rei tam publistris, eorunt. Mare mis et es actus, que tea nul horbi interiam occid rente acrissolutum publis rehebatus, quam adducio, nost ressuas et inihilinam

Gustavo Barbosa “Meu estilo é bem peculiar, até porque não tenho noção nenhuma de moda. Entretanto, tem uma coisa que sempre gosto de fazer: abrir o guarda-roupa e escolher algumas peças aleatórias na hora, pois sempre me trará combinações novas e, que no fim do dia, esse look vai ter uma história a ser contada. No quesito cores, estou em uma transição de cores mais vivas para o preto, porque é uma cor que valoriza meu corpo.” Simihina, stemur, qui patilibus. Ovesse, patuus, nemumus senatantis erfirtem teri ses convocci publis pes publis octam inatusciorat vitabem huiu quemolt uderimm overenatus, confit. Equam teresere in hos esis, facerfere densulv igilist eatus. Num propublibus, nitam aursum hacto cum issum conventium morisqu odicere condius bonsultorum rem, qua veri fuerfec tuscri tes ius? An verio, quem iam prarbitris, quas furivigit, clegilii sed rempri ses? Diente factuam merisque ad sentier firmaxim et omnocutum fit, nihilis quonsus, ex nestia octa tes content emnonsum oc, Cat. Dine omaiord iemus? Ductum esil hossimolum ublincupio huidestracre novehebatis are cavocci bultus, ductante, no

9


Cinema

Escrito e Dirigido por Quentin Tarantino: O cinema dirigindo os rumos da moda

Por: Mariana Ribeiro

Q

uando um filme ganha as telonas, junto com o sucesso vem uma série de produtos e comportamentos derivados daquele filme, os filmes de heróis que o digam, já que após assistirem os filmes, o fascínio pelo fantasioso é suprido por coleções e mais coleções de roupas licenciadas que se esgotam logo após ganhares as araras das lojas de fast-fashion. Os grandes estilistas, ainda cedo, viram na indústria cinematográfica um solo fértil para plantar a semente da moda na população, e logo começaram a assinar figurinos de filmes que acabaram se tornando um grande sucesso pro filme, e pras vendas de roupas. Mas não é de hoje que o cinema vem lançando moda e ganhando o glamour das passarelas. Em 1932, um vestido branco de mangas bufantes e cintura marcada, criado pelo figurinista Gilbert Adrian e usado por Joan Crawford no longa A Redmida (1932), vendeu em apenas uma loja de departamentos dos EUA cerca de 500 mil peças. A moda masculina também recebeu muita influência cinematográfica, os jovens queriam se vestir como Marlon Brando e James Dean, que sempre interpretavam jovens rebeldes e cheios de si, as peças em jeans, que antes era considerado um tecido de trabalho, se tornaram comuns no guarda-roupa dos jovens pelo mundo a fora.

Bonequinha de Luxo (Blake Edwards, 1961)

Nesse filme de 1961, Audrey Hepburn, que já havia se consolidado em Sabrina (1954) retorna para dar vida a personagem Holly Golightly e eterniza não só a si mesma, como o famoso modelo “Pretinho Básico” . No filme, o figurino de Audrey é todo feito por Hubert de Givenchy, percursor da grife francesa de mesmo nome.

As Patricinhas de Beverlly Hills (Amy Heckerling, 1995) Alicia Silverstone e Stacey Dash dão vida às patricinhas ricas e mimadas Cher e Dione. Fugindo ao estereótipo da rainha do baile que gosta de praticar bullying e oprimir os menores na hierarquia social do colégio, Cher e Dione, mesmo que com um jeito inusitado, estão sempre querendo ajudar alguém. Mas também estão sempre muito bem vestidas, Alicia Silverstone se tornou o ícone da moda nos anos 90, e sua personagem refletiu bem isso.

O Diabo Veste Prada (David Frankel, 2006) Andie (Anne Hathaway) é uma jovem recém formada em jornalismo, que vai para Nova York para escrever mas acaba trabalhando como assistente de Miranda Priestly (Meryl Streep) editora chefe da revista de moda Runaway. O filme é até hoje o com um dos figurinos mais caros da história, grifes como Chanel, Prada, Yvès-Saint Laurent e Jimi Cho foram as mais presentes durante todo o filme.

10


21

Profile for lais.fidelis1

Revista Visage  

Projeto gráfico da disciplina COM232 do curso de Comunicação Social - Jornalismo da Universidade Federal de Viçosa.

Revista Visage  

Projeto gráfico da disciplina COM232 do curso de Comunicação Social - Jornalismo da Universidade Federal de Viçosa.

Advertisement