Page 1

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS Laerte Teixeira da Costa


Copyright © 2010 by Laerte Teixeira da Costa Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. Nenhuma parte deste livro pode ser utilizada, reproduzida ou armazenada em qualquer forma ou meio, seja mecânico ou eletrônico, fotocópia, gravação etc. sem a permissão por escrito da editora. Revisão: Flávia Beatriz Werneck Capa: Eloisa de Moura Alves Editoração eletrônica: Eloisa de Moura Alves

DIRETOR EXECUTIVO: Cassio Loretti Werneck EDITORES: Benicio Viero Schmidt Arno Vogel

ELIODORA CONSELHO EDITORIAL Santiago Alvarez (Argentina) Gil Vicente Gama Antonio E. Guerreiro de Faria Jr. Luiz Carlos de Lima Silveira Ivan Quagio Mary Allegretti Bila Sorj Lia Zanotta Machado Tarso Mazzotti

Romance

Luiz Loureiro Ivald Granato José Ibrahim Geniberto Paiva Campos Abílio Baeta Neves Marco da Silva Mello Luiz Roberto Curi Lacir Jorge Soares Hermes Zaneti

Ficha catalográfica elaborada pela Bibliotecária Maria Solange de Oliveira Pereira Fierro – CRB: 3217/8ª T266p Teixeira, Laerte Pequenas memórias pessoais. / Laerte Teixeira. Brasília: Verbena Editora, 2010.

EUGÊNIO GIOVENARDI

376p.

1. Literatura brasileira 2. Autobiografia 3. Sindicalismo 4. Política 5. Rio Preto 5. Memórias I. Titulo.

CDD869.909

Brasília Direitos desta edição reservados para Verbena Editora Ltda. SRTVN 701, Ed. Brasília Radio Center - Sala 3030 CEP: 70719-900 - Brasília DF www.editorafrancis.com.br

2010


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS

HELIODORA Romance

Laerte Teixeira da Costa EUGÊNIO GIOVENARDI

Brasília

2010


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

4

Su m á r io PREFÁCIO

......................................................................................

10

m á rio soler

A PRESENTAÇÃO .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 2 pequ enas memóri as pessoa is

ESCLARECIMENTOS .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 4 A BREV IATUR AS FA MÍLIA

........................................................................

16

.........................................................................................

19 19 21 26 28 32 36 39 45 47 48 50 51 52 54 55 57 59

DOMINGUES DO AMARAL .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . TEI X EIRA DA COSTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . AN TÔNIO DOMINGUES DO AMARAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OLÍ V IA DOMINGUES DO AMARAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SEBAST I ÃO TEI X EIRA DA COSTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . JOÃO MARILH ANO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . REGINA CÉLIA MARILH ANO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OS FILHOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IRM ÃOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CUNH A DOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CÓRREGO FERREIRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ÊTA GEN TE BOA! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . NOMES ESTRANHOS EM FAMÍLIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O NOME SERÁ JAIR! PON TO FINAL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OS MENINOS E OS V ELHOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V IA JAR COM A FAMÍLIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . TERMINANDO PELOS DEFEITOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

TR A BA LHO E FORM AÇÃO

..................................................

AGÊNCIA FORD .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ANOS DUROS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ATENÇÃO E MEMÓRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CARREIRAS E OPÇÕES PESSOAIS .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . COMMÉRCIO E INDÚSTRIA .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CON TA BILIDA DE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CURSO DE A DMISSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . DOM HELDER CÂ MARA .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . FACULDA DE DE MEDICINA E HOSPITAL DE BASE .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

61 61 64 65 67 69 71 73 74 76


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

5

FILHOS DA TRANSIÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . FORJANDO O CARÁTER .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . FORMAÇÃO LIBERAL .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . GERAÇÃO SENAC .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IMPREV ISTO, A LEI QUE REGE A V IDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IN TERNET . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MAGISTÉRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MATARAZZO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MU TAN TE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OS AMIGOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . PROFESSORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

78 80 82 84 86 89 91 92 94 95 98

DA INFÂ NCIA À M ATURIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 0 0 1945 .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A INFÂ NCIA DE ON TEM E DE HOJE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A PEDRA DA .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A VOZ DO EST U DAN TE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . AS PIPAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . AS TRÊS MARIAS .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . BRINCA DEIRAS DE CRIANÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CARNAVAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . FU TEBOL: TORCEDOR, J UIZ E TREINA DOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . FU TEBOL E SONHOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . GOLS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IGREJA DA V ILA MACENO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . LÁGRIMAS DIFÍCEIS E RARAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MEDO .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MENINAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MENOS PAI, MENOS! .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O LAT IFÚ NDIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O TAPA E O SOCO .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OS PASSARINHOS E A PRESERVAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . PEQUENAS DELINQÜ ÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SUPERST IÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . TRA BALHO INFAN T IL .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

NO MUNDO DAS COMUNICAÇÕES

.............................

GEN TE BOA NAS COMUNICAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A TRÓICA: PRATA, FURLA E REY . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . AMAURY JR. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . AN TôNIO HIGA .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CECÍLIA DEMIAN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

10 0 102 103 104 10 6 107 10 8 109 111 112 114 115 117 120 121 123 126 127 129 131 132 134 136 136 137 14 0 142 14 3


6

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

CESAR MUANIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CIDA CARAN W EST IN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . EDSON BA FFI .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . HITLER FET T .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . J. H AW ILA .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . JOSÉ LUIS REY . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . K LAW PRET T Y .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . LELÉ ARAN TES .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MARCELO GONÇALV ES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MÁRIO NOV ELINO SOLER .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MILTON RODRIGUES .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . NENÊ HOMSI .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . NORBERTO BUZZINI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OSCAR ROBERTO GODÓI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . PAULO BECK NET TER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . PAULO SERRA MART INS .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ROBERTO LOFRANO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ROBERTO TOLEDO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RU Y SAMPAIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SORAYA PERICOCO .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . WALDNER LUI .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . WALTER DO VALLE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . W ILSON GUILHERME . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

PA RCEIROS

.................................................................................

AMIGOS E CONHECIDOS (DOS BONS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ACHILES A BELAIRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ALCINDO RODRIGUES (Nino) .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . AMAURI MASCARO NASCIMEN TO .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CARLOS ROBERTO FERREIRA DA SILVA (CarlinhoS Telefone) .. . CARLOS TEBAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . DANIEL DE FREITAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . DIOLANDI BOLÇONE .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . DOMINGO MARCOLINO BRAILE .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . DULCÍDIO V ELANI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Edson migu el josé a bu fa res (t u rcão) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . JOSÉ APARECIDO TORRES .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . JOSÉ PASCHOAL COSTAN T INI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . JOSÉ ROSSI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . LUCIANA MARCELA DA SILVA BARROSO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . LUIZ CARLOS RINALDI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

14 4 145 145 14 6 147 147 14 9 150 151 152 155 155 156 157 158 159 160 161 163 164 165 166 166 169 169 170 172 173 174 17 7 178 179 181 183 184 186 188 188 189 191

Fotos .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 9 3


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

MARIANO COSSI .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MARTA APARECIDA RIBEIRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MILTON H AGE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MOACIR RODRIGUES MARQUES .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . NA DIM CURY . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OSMAR MARQUES DOS SAN TOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OSVALDO GRACIANI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . PAULO AN TÔNIO V ICEN T IM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . PAULO NIMER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RACHEL LUIZA BARBOUR SCOT T . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SÉRGIO “MOSQUITO” SANCHEZ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ULISSES JAMIL CURY FILHO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VALDIR TONET T I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . WALDEMAR V ERDI J Ú NIOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . WALTER MENDES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A POLÍTICA

...............................................................................

AT I V IDA DES POLÍTICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . COMPORTAMENTO DECEN TE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OPORT UNIDA DES PERDIDAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . PREFEITOS .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SEMAE - MATANDO UM LEÃO POR DIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V EREA DORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ALCIDES ZANIRATO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ALMIR PAZZIANOT TO PIN TO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ALOYSIO NUNES FERREIRA FILHO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ALU YZIO DE MENDONÇA COSTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CLÓV IS CH AV ES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . DURED FAUAZ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . FUA DE ELIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . H U BERT ELOY RICH ARD PON TES (Beleloy ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . JOSÉ RAY MUNDO V ENEZIANO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . LUIZ FERNANDO SPINOLA MICUCI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . NELSON DE CARVALHO SEI X AS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OCTACÍLIO ALV ES DE ALMEIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RODRIGO GARCIA .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . W ILSON ROMANO CALIL .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

SINDICA LISMO

.......................................................................

SINDICALISMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . COMERCIÁRIOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . LUIZ CARLOS MOT TA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RICARDO PATA H .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

7

209 209 211 211 213 213 215 216 218 219 221 222 223 225 226 230 230 237 239 241 24 4 250 255 256 258 262 263 264 265 267 268 269 270 272 2 74 276 278 278 280 281 284


8

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

IPROS – INST IT U TO DE PROMOÇÃO SOCIAL .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CEN TRAL AU TÔNOMA DE TRA BALH A DORES (CAT) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CEN TRAL LAT INO AMERICANA DE TRA BALH A DORES (Cl at) . . . CONFEDERAÇÃO MUNDIAL DO TRA BALHO (CMT) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CONSELHO DE TRA BALH A DORES DO CONE SUL (CTCS) . . . . . . . . . . . . . CONFEDERAÇÃO SINDICAL INTERNACIONAL E CONFEDERAÇÃO

285 287 289 291 293

SINDICAL DAS AMÉRICAS (CSI E CSA) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SINDICATO DOS CON TA BILISTAS .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SINDINORTE: 21 ANOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . UNI ÃO GERAL DE TRA BALH A DORES ( UGT) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . BOAS V IAGENS E BONS AMIGOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ARGEN T INA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . COLÔMBIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ESPANH A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ANNICK DE RU Y V ER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . AN TÔNIO CARLOS DOS REIS (Sa lim) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ARNALDO DE SOUZA BENEDET T I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . CÉLIA GIACOMELLI FERREIRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . DAV ID ZAIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . EDUARDO GARCÍ A MOURE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ELÁ DIO ARROYO MART INS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ELIMAR DAMIN CAVALET TO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . EMILIO MÁSPERO .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ENILSON SIMÕES DE MOURA (A lem ão) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ERIBELTO MANOEL REINO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ERNEST ROEMERS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . FRANCISCO CANINDÉ PEGA DO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ISA BELLE HOFFERLIN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . JOSÉ MOACY R MALV INO PEREIRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . LUIS EDUARDO GAU TÉRIO GALLO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . LUIS ENRIQUE MARIUS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . MARISA CHIRENO (M a ritza) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ORILDES MARIA LOT T ICI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ROBÉRIO CA FFAGNI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ROBERTO SAN T IAGO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RODOLFO ROMERO GARCETE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RU Y BRITO DE OLI V EIRA PEDROZA .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V ÉRONIQUE ROUSSEAU .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . V ICTOR BÁEZ MOSQUEIRA .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

294 297 299 301 303 305 308 310 312 313 314 316 316 317 319 320 322 324 325 328 329 330 331 332 334 335 335 336 337 338 339 342 343

CONSIDER AÇÕES FINA IS

.................................................

344

RESUMO PESSOAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 4 4 UM POUCO DE T U DO E DE TODOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 4 8


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

POSFÁCIO

...................................................................................

Inca nsáv el e persisten te!

.....................................................

9

350 350

AGR ADECIMENTOS .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 5 2 V ISITE MEU SITE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 5 4 RECA DO FINAL

.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Índice onom ástico

........................................................

354 356


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

10

PREFÁCIO

O ditado popular de que “santo de casa não faz milagre” cabe na medida exata para Laerte Teixeira da Costa, professor, contabilista, líder sindical. Natural da pequena Vila Costa, ali perto de Neves Paulista, fez carreira profissional em São José do Rio Preto. Desde cedo, tomou gosto pela política. Foi líder estudantil, vereador, presidente da Câmara Municipal, secretário municipal de Planejamento e dirigente do PMDB regional na década de 80. Depois, ganhou o mundo como sindicalista, mas não garantiu reconhecimento em seu próprio quintal. Num congresso de sindicalistas em 2001, na Universidade dos Trabalhadores da América Latina, nos arredores de Caracas, pude medir pela primeira vez o prestígio internacional de Laerte. No encontro, discutiam-se textos e propostas do rio-pretense, reverenciado por representantes de vários países. Prestigiado lá fora, esquecido na cidade que escolheu para viver. Raramente se publica em Rio Preto alguma notícia de suas andanças mundiais, das participações em congressos e eleições para cargos de destaque em entidades que representam milhões de trabalhadores na América Latina e na Europa. Amigo comum, o jornalista Roberto Toledo é um dos poucos a noticiar Laerte. E não perde a piada, referindo-se ao sindicalista-viajante como “Marco Polo”.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

11

gora mesmo, Laerte integra a UGT, eleito vice-presidente. Poucos A por aqui sabem que a entidade representa cinco milhões de trabalhadores e tem assento em importantes foros mundiais de debate, como o Fórum Social Mundial e reuniões do Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional. Ele também integra o CDES, órgão consultivo do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Está ainda no Conselho Nacional do Serviço Social da Indústria. Há tempos Laerte pretendia colocar no papel um pouco de suas impressões sobre a vida e os amigos, a trajetória de superação pessoal, após a perda precoce e trágica do pai, e o dissabor de ver seu nome lançado à arena dos leões no vale-tudo da campanha eleitoral de 2004, quando dirigia o Semae. O livro traz relatos de momentos alegres, das amizades solidificadas ao longo da vida, da convivência com familiares, em artigos curtos e fluentes. Laerte escreve muito bem. O estilo alterna humor, ironia, saudosismo. Inquieto, reescreveu dezenas de vezes cada tópico. Acrescentou e suprimiu textos. Deletou capítulos inteiros. Teimou com amigos, revisores e editores. A primeira versão a que tive acesso daria um livro de 600 páginas. Aí, vieram os cortes inevitáveis ... Esse é o estilo do Laerte, sempre a perseguir o perfeccionismo. Acredita que amanhã pode contar a mesma história de um jeito diferente, sempre pondo a alma em cada palavra. Este livro por certo não encerrará as incursões literárias do autor. Sem dúvida, ele acaba de tomar gosto pela coisa. Uma boa leitura.

Mario Soler


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

12

A PRESEN TAÇÃO

Nestas Pequenas Memórias, fui rigorosamente honesto, incluindo, em poucas linhas, alguns rasgos de imodéstia, o que não é habitual em nossa cultura e muito pouco bem-visto. Estou preparado para as críticas. Como não serão lidas por muitas pessoas, e os que lerem serão amigos ou parentes, gozarei de certa imunidade. Por isso, exagerei na sinceridade. Essa sinceridade, em raros momentos, poderá doer. Se desagradar ou agradar, a este ou àquele, dependendo das circunstâncias, peço a tolerância de ambos. Os julgamentos que faço são todos pessoais, íntimos, representando aquilo que penso ou o que o fato significou quando ocorreu. Em geral, o passar do tempo não mudou minha percepção. Podem haver erros, especialmente de nomes e datas. É compreensível em minha idade ou pela distância dos acontecimentos. Todos esses eventuais erros são involuntários. Procurei ser o mais transparente possível. A verdade foi minha única preocupação. Em casos raríssimos, omiti o nome do personagem, sempre quando a referência não seria positiva. Há uma exceção. Dedico estas pequenas memórias aos meus filhos. Minha infância foi tão diferente da deles que pode ser interessante fazerem comparações. Regina, além de companheira, revisou e corrigiu. Por essas e outras gentilezas, ao longo de mais de 30 anos, merece a menção que está no lugar adequado. Há outros colaboradores, devidamente registrados.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

13

Minha mãe e meus irmãos, em certas passagens, são apenas personagens destas pequenas memórias. Não havia como poupá-los. Eles são parte de mim. Que saibam da grande afeição que tenho por eles. Minha mãe, antes de qualquer julgamento, foi uma mulher valente cujos filhos foram encaminhados na vida por sua luta e tenacidade. Viúva muito jovem, sacrificou-se inteiramente pelos filhos. Devemos-lhe a parte boa de nosso caráter. Os amigos, muitos, estão ausentes. Alguns, presentes, foram ou são importantes. O julgamento é inteiramente meu. Subjetivo. Há omissões, perdoáveis e imperdoáveis. Quando me propus a esta tarefa não tinha consciência do enorme desafio que é escrever sobre si mesmo e sobre outros. Há também lembranças e homenagens, todas singelas, sem preocupações biográficas. Há certa solidão quando se olha o passado, de modo especial, foi esta parte que procurei recordar. Um passado que, olhado em retrospectiva, descobri não ter sido tão duro nem tão longo quanto acreditava.

São José do Rio Preto, final de 2008 e parte de 2009.

Laerte Teixeira da Costa


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

14

ESCL A RECIMEN TOS

O NOME DO LIVRO: O primeiro nome escolhido foi “Pequenas memórias”. Ao ler o livro “A viagem do elefante”, de José Saramago, notei que ele é, justamente, autor de um livro com o mesmo título. Pensei, portanto, em modificar o nome, escolhido antes de conhecer todo o elenco das obras do escritor português. José Luis Rey me ajudou a mantê-lo. Apenas acrescentei o adjetivo “pessoais”, pequeno e imperceptível, de modo a diferenciar do grande escritor português, o primeiro de nossa língua a obter um Prêmio Nobel de Literatura, nem de longe plagiado. É impossível imitar Saramago. Também mantive o nome por comodidade. Imagine mexer em tudo para adaptar o texto a um novo título. Desnecessário para uma peça modesta, sem objetivos comerciais. O CORTE NO TEMPO: Terminei de escrever todos os textos em 30 de setembro de 2009. Depois, detive-me no trabalho de revisão e cortes, muitos cortes. Há mais de 50 artigos sobre pessoas e instituições não aproveitados. A primeira versão, como disse Mario Soler, tinha cerca de 600 páginas. Logo, quando escrevo “neste ano”, refiro-me a 2009. A longa distância entre o término do livro e sua publicação (mais de um ano), decorreu de fatores diversos. Tempo, dinheiro e uma obstinada busca pela exatidão (Mirna que o diga). Tenho mania de perfeição. Como todos, nunca a alcanço.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

15

nfim, apesar de bastante atrasado, o texto está à disposição de todos os E interessados. Serão poucos, mas bem-vindos. AGRADECIMENTO ESPECIAL: O atraso na publicação só não foi maior graças ao presidente da UGT, Ricardo Patah. A ele e seus companheiros da Operativa da UGT, grupo do qual faço parte – Antonio Carlos dos Reis (Salim), Antonio Maria Thaumaturgo Cortizo, Arnaldo de Souza Benedetti, David Zaia, Eleuza de Cassia Bufelli Macari, Enilson Simões de Moura (Alemão), Francisco Canindé Pegado do Nascimento, Francisco Pereira de Souza Filho (Chiquinho), José Moacyr Malvino Pereira, José Roberto Santiago Gomes, Josineide Camargo de Souza, Lourenço Ferreira do Prado, Marcos Afonso de Oliveira, Mônica da Costa Mata Roma, Otton da Costa Mata Roma e Valdir Vicente de Barros – os meus sinceros e reiterados agradecimentos por tornarem possível o sonho desse caipira de São José do Rio Preto. ABREVIATURAS: Trabalhando e convivendo com as mais variadas organizações, entidades não governamentais ou sindicais, a referência a elas se tornou freqüente. Repetições foram inevitáveis. Quem é do ramo, as conhece. Quem não é, e se interessar, vai ter o trabalho de recorrer ao índice. Ele está em ordem alfabética. Em alguns casos, mantive o nome por extenso da organização ou entidade.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

16

A BREV I AT UR AS

A s m a is u t i l iz adas: • •

• • • • • • • • •

ACIRP – Associação Comercial e Empresarial de São José do Rio Preto; AFL-CIO – Federação Americana do Trabalho (a sigla se originou da fusão de duas organizações: American Federacion Labor e Congress Industrial Organizations); AGÊNCIA FORD – antiga revenda de veículos Ford, cuja razão social era Germano Sestini S/A – Comércio, Indústria e Importação; APAE – Associação Pais e Amigos dos Excepcionais; ASSESCRIP – Associação das Empresas Contábeis de São José do Rio Preto; ASSOCIND – Associação das Entidades Industriais, Comerciais e Contábeis de São José do Rio Preto; BM ou BIRD – Banco Mundial/Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento; CAT – Central Autônoma de Trabalhadores; CCOO – Comissões Obreiras da Espanha; CDES – Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República; CES – Central Européia de Sindicatos;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

17

CGTB – Central Geral dos Trabalhadores do Brasil; CGT – Confederação Geral dos Trabalhadores; CLAT – Central Latino Americana de Trabalhadores; CMT – Confederação Mundial do Trabalho; CNPL – Confederação Nacional das Profissões Liberais; CNV – Central de Trabalhadores Cristãos da Holanda; CIOSL – Confederação Internacional das Organizações Sindicais Livres; COMIND – Nova denominação do Banco do Commércio e Indústria de São Paulo, extinto; CPUSTAL – Congresso Permanente Unitário Sindical de Trabalhadores da América Latina; CRC – Conselho Regional de Contabilidade; CSA – Confederação Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras das Américas; CSC – Central Sindical Cristã da Bélgica; CSI – Confederação Sindical Internacional; CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil; CTCS – Conselho de Trabalhadores do Cone Sul; CUT – Central Única dos Trabalhadores; CUT-A – Central Única dos Trabalhadores – Autêntica do Paraguai; FARC – Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia; FMI – Fundo Monetário Internacional; FPH – Fundação Promoção Humana da Argentina; FS – Força Sindical; FSM – Federação Sindical Mundial; HB-FARME – Hospital de Base-Faculdade Regional de Medicina; ILACDE – Instituto Latino Americano de Cooperação e Desenvolvimento (Venezuela); INCASUR – Instituto de Capacitação do Sul (Argentina); INES – Instituto de Estudos Sociais da Colômbia; IPROS – Instituto de Promoção Social; JUCESP – Junta Comercial do Estado de São Paulo; KAS – Fundação Konrad Adenauer (Alemanha); MATARAZZO – Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo; MERCOSUL – Mercado Comum do Sul; MTE – Ministério do Trabalho e Emprego;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

18

• • • • • • • • • • • •

• • • • • • •

NCST – Nova Central Sindical de Trabalhadores; OEA – Organização dos Estados Americanos; OIT – Organização Internacional do Trabalho; OMC – Organização Mundial do Comércio; ORIT – Organização Regional Interamericana de Trabalhadores; PRODEI – Programa de Desenvolvimento Industrial de São José do Rio Preto; SEC – Sindicato de Empregados no Comércio (vários); SDS – Social Democracia Sindical; SEMAE – Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto de São José do Rio Preto; SENAC – Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial; SERT – Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho; SESCON – Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas do Estado de São Paulo; SINCOMÉRCIO – Sindicato do Comércio Varejista de São José do Rio Preto; SINDICONT – Sindicato dos Contabilistas de São José do Rio Preto e Região; SINDINORTE – Sindicato dos Trabalhadores do Norte do Estado de São Paulo nas Indústrias do Vestuário; UGT – União Geral dos Trabalhadores; UGT-Espanha – União Geral dos Trabalhadores da Espanha; USO – União Sindical Obreira da Espanha; UTAL – Universidade dos Trabalhadores da América Latina (Venezuela).


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

19

FA M Í L I A

DOMI NGU ES DO A M A R A L Meus bisavós maternos, Ângelo e Maria, vieram para o Estado de São Paulo no início do século passado. Sabe-se que ele nasceu na última década do século XIX. Moravam em Macaúbas, na Bahia, não eram pobres, mas os dois, por desavença com o pai Manoel (meu trisavô), vieram com uma mão na frente e outra atrás, como se costuma dizer. Manoel nunca visitava os filhos, mas foi à casa de Ângelo, depois de casado, para dar-lhe uma sova de palmatória. Depois disso, Ângelo, de cama pela surra, falou à mulher: “Maria, quando eu sarar, vou-me embora pra São Paulo”. A mulher relutou, mas acompanhou o marido. O casal tinha quatro filhos. Todo castigo tem explicação. No caso da surra, parece que se originou de fuxico da própria esposa, que reclamou ao sogro as escapadelas do marido. Pelo sim, pelo não, registra-se o fato, que veio a ser recorrente ao longo de gerações. Os Domingues do Amaral sempre gostaram de um rabo de saia. Ângelo, homem de brio e de palavra, arriou seu cavalo e rumou para São Paulo. Quando o dinheiro encurtava, parava nas fazendas para trabalhar, arrumar algum trocado e seguir viagem. Veio a pé. Ele puxando pelo cavalo,


20

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

com dois filhos de cada lado, acomodados na bruaca. Aventura que, segundo os parentes, levou mais de ano. O casal saiu da Bahia com os filhos Amélia, João, Genésio e Antônio, que veio a ser o meu avô materno. Depois, nasceram mais cinco: Euclides, José, Joaquim, Ana e Felix. Ana morreu precocemente. A primeira cidade onde Ângelo parou foi Monte Alto. Depois Tabapuã. Por fim, comprou fazenda em Fartura, entre José Bonifácio e Nova Itapirema. Morreu no córrego do Lageado. Fiquei impressionado com a história desse bisavô. Homem que se revolta contra o pai. Deixa a fazenda de gado, boa herança e ruma para São Paulo com mulher e filhos. Plantava cana e fazia rapadura, numa época em que o açúcar era escasso. Com isso, arrumou dinheiro para comprar terra bruta e construir o seu próprio negócio. Todos os seus filhos, meus tios-avôs e meu avô, posicionaram-se bem na vida. Compraram terra, derrubaram matas, plantaram café e criaram gado. Um deles se tornou muito rico. João Domingues do Amaral conseguiu ter fazenda de três mil alqueires na beira do rio Tietê e a Fazenda Gameleira, também grande, em Três Lagoas, no Mato Grosso. Dessas coincidências da vida, no mês de agosto de 2009, descobrimos que Marco Aurélio, filho de minha irmã Ivete, namora Natália, neta de Josefina, filha de João Domingues do Amaral, que mora em Batatais (SP). Ela tem apelido comum a muitas de nossas primas: Nenê. Quando Nenê visitou minha irmã, tive oportunidade de conversar com ela por telefone e confirmei: ela é uma legítima Domingues do Amaral. Esse pioneirismo do bisavô Ângelo foi passado para alguns de seus filhos, os quais não permaneceram na região e afundaram sertão abaixo. Joaquim e Genésio foram para o Mato Grosso. Zequinha para Cardoso, aqui perto, onde morreu. Os filhos de tio Joaquim continuaram desbravando novas terras. Jaime está em Colíder (MT), Lazinho em Paranaíba (MS) e Sebastião em Campo Grande (MT). O próprio Joãozinho, filho de Euclides, que me conta a história, teve as suas aventuras e fixou-se por um tempo em Mirassol D’Oeste (MT). Hoje mora em parte da antiga fazenda do tio Euclides, acompanhado da mulher Angelina e de duas filhas, Toninha e Conceição, nas mesmas terras do município de José Bonifácio, bem ao lado da pequena propriedade que foi de meus pais e onde nasci. Visitar aquela área, olhar a paisagem que se perde no horizonte, parar para ver as águas barrentas do córrego Ferreira, é como regar o cordão umbilical.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

21

T EI X EIR A DA COSTA Difícil achar o fio da meada da família Teixeira da Costa. Sabe-se pelas informações referentes ao meu pai (Sebastião), que ela veio de Minas Gerais, da região da Serra da Bocaina, de uma pequena vila chamada Passa Vinte, que não aparece em todos os mapas que consultei. Recolhendo informações, acabei sabendo que José Teixeira da Costa é filho de Ana e Francisco e teve os irmãos Geraldo, Maria, Ovídia, Olívia, Joaquim e José. Gabriela, sua prima e esposa, tinha os irmãos Juvenal, Cotinha, Ana, Adolfo, José e Antônio. Ambos tiveram dez filhos (Marieta, Sebastião, Osvaldo, Antonieta, Oliveira, Júlio - este morreu com três anos -, Izolina, Santo, Jacira e Nelson). Esses dados esparsos, imprecisos, atestam que a família trabalhava com alambique em Minas Gerais. Ana, mãe de José e nossa bisavó, tornou-se uma lenda porque, morando a cinco quilômetros da cidade, à beira de um local chamado Brejo Largo, determinou-se a fazer uma ponte para facilitar a visita dos filhos. Durante dois anos, sobre a cabeça, sozinha, carregava pedras e paus que dispunha ordenadamente sobre o local escolhido. O caminho passou a ser usado por todos e levou o seu nome. Os tios, irmãos de Gabriela, ficaram mais conhecidos porque também emigraram para a região. Cotinha, Adolfo e José para a região de São José do Rio Preto. Antônio para a região de Araçatuba e Juvenal, dono de circo, alma nômade, dizem que morreu em Fernandópolis. Conheci bem José Costa quando viemos para Rio Preto. Antes, meu pai lhe fazia habituais visitas. Ele tinha o costume, que alguns herdaram, de dar dinheiro para os sobrinhos. Meu pai saiu da roça e trabalhou com seu tio Juvenal, o empresário circense. Quando fui candidato a deputado federal, visitei a sede da fazenda de Antônio Costa em Turiúba e conheci a sua esposa Deolinda, já falecida. Neusa, sua filha, casada com o consagrado advogado Amauri Mascaro Nascimento, quando solteira, visitou meu pai em Mirassol e, ainda hoje, mantenho contato com ela e o marido. Também conheço a irreverente Quinha e seu marido Aloisio Reis, este amigo de juventude do ex-prefeito, José Ferreira Liberato Caboclo. Ambos nos deram a alegria de estarem presentes no casamento de meu filho Marcelo com Germana Zanetti. Como verificado, ao escrever sobre meu pai, descobri pequenas coisas do povoado. Ali, entre Vila Leuza e Vila Costa (Miraluz) onde José Teixeira da Costa, meu avô, comprou um pedaço de mato, ele informava a todos


22

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

que seu nome era José Félix. Meu pai, nascido no Estado de Minas Gerais, ficou conhecido por Tião Félix. Tentei descobrir a razão do Félix, mas não fui bem-sucedido. Em função desse estranho Félix, durante algum tempo, se acreditou que meu avô tivesse feito alguma bobagem, prejudicado alguém ou brigado. Mas não. Ao buscar informações, fiquei sabendo que meu pai voltou à terra natal e que, depois, meu avô foi lá visitar os parentes, acompanhado do tio Oliveiro, à época ainda criança. Oliveiro encontra-se vivo e forte, com 80 anos, e conta que visitou os tios em companhia do pai. Lembra-se do tio Geraldo. Consta que meu avô fez outras visitas àquela região de Minas Gerais. Tenho vontade de ir lá. Como meu pai contava que veio de Minas com quatro anos, a conta fica fácil. Sabe-se que meus avós chegaram à região no início da década de 20 (1922). Foi no período em que se desbravava o sertão paulista. Informa-se que ninguém trabalhava tanto como ele, sempre à frente no eito que lhe cabia, seja capinando, roçando ou colhendo. O primo de minha mãe, Joãozinho Domingues, chegou a vê-lo trabalhar. Verdadeiro trator. De sol a sol, derrubou a mata, plantou café, criou gado e, diferente dos demais vizinhos, também trabalhava com mel de abelha e fumo, que preparava desde o plantio ao fabrico em forma de corda, o famoso fumo de corda que existe até hoje. Trabalho artesanal. Habilidade que só ele tinha e lhe proporcionou renda extra, importante para a consolidação de seu patrimônio. No início, pequeno pedaço de terra, mas com o seu trabalho, aliado à sua capacidade de fazer economia, com o tempo, foi comprando outras propriedades vizinhas, constituindo boa fazenda. Fazia tudo sozinho, incluindo a construção das casas, sempre baixas e precárias. Só mais tarde, com fazenda grande, se deu ao luxo de contratar pessoas ou buscar outros parentes para ajudar na mão de obra. A forma antiga de contrato de trabalho incorporava meeiros e gente que trabalhava por porcentagem. Bom sistema. Bonito de ver as longas filas de casas, formando colônias, onde moravam os trabalhadores, praticantes de uma solidariedade e uma educação que não existem mais. Tempo em que as pessoas, ao cumprimentarem as outras, tiravam o chapéu e faziam reverência. Tempo também do fio de bigode, em que a palavra empenhada valia mais do que qualquer documento. Meu avô emprestava dinheiro aos vizinhos. Mas não admitia a quebra de contrato ou de palavra. Ao contratar um pessoal para roçar o pasto, não quis pagar a conta porque, segundo ele, não roçaram na altura combinada. O resultado da desavença foi receber um tiro de garrucha à queima roupa que, felizmente, não o acertou. Diziam que ele tinha o “corpo fe-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

23

chado”, carregava minúsculo patuá, onde colocava a sua oração. Não era homem de ir à igreja. A vingança coube ao meu pai e, pequeno ainda, na área rural, só ouvia os ruídos do caso. Via a minha mãe chorar e, não sei quantos dias depois, meu pai voltou com revólver na cinta, desconfiado e olhando sério para todos os lados. Sebastião impunha respeito. Não sei porque e não conheci os desdobramentos da história, mas a informação que tenho é a de que as vítimas sequer deram queixa na polícia. Poderiam ter dado queixa e aberto inquérito. Mas naquele tempo, as famílias eram misturadas, uns compadres de outros. Normalmente, havia graus de aproximação entre membros de famílias diferentes. O caso foi feio. Meu pai, de posse da carabina de meu avô, a pobre vítima encostada na enxada perto de um pé de café. Felizmente, o tiro passou raspando a orelha e não foi fatal. Sorte porque meu pai (eu vi) era capaz de acertar um passarinho com um tiro de revólver. Exímio atirador. Ainda na roça, certamente com o dinheiro de meu avô, meu pai comprou um automóvel Ford, daqueles antigos, acho que 1946. Lembro-me, sem situar o ano, de duas viagens: a Bilac, onde morava o meu tio Osvaldo, passando pelo rio Tietê; e outra, Tupi Paulista, mas aí, creio, já morávamos em Mirassol, porque se tratava de batizar minha irmã Ivete. O carro serviu para que meu pai iniciasse o seu trabalho como chofer de praça em Mirassol. Conta-se em família que meu avô colocou limite em seu trabalho e, a partir dos 50 anos de idade, planejou deixar a roça e mudar-se para a cidade. Na arquitetura desses planos estava meu pai e meu avô, os dois se entendiam perfeitamente. Primeiro, meu pai mudou-se para Mirassol e, um ano depois, foi a vez de meu avô. A primeira casa em que moramos, na rua São Bento, foi adquirida por meu avô. Para lá ele se mudou, enquanto nós fomos para a casinha da rua Padre Ernesto, perto do cemitério. Tenho muitas recordações daquela casa. Parênteses para dizer que enxergo essa afinidade entre meu pai e meu avô nas relações entre o meu irmão Norival e o seu filho Renato. Renato também é dado aos negócios, tem ambição, quer ser empreendedor e começa a utilizar o dinheiro do pai. Tomara que ele tenha sucesso, multiplique o capital e resolva a sua vida. Toda a família está torcendo (alguns rezando) para que Renato seja bem-sucedido. Enquanto vivíamos na rua Padre Ernesto, meu pai construía a sua própria casa na rua Benjamim Constant. Usufruiu pouco da nova residência, pois


24

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

morreu logo depois de nela haver se instalado. Pai e avô se tornaram sócios no negócio de carros. Meu avô emprestava o dinheiro para as compras e dividiam o lucro depois das vendas. Estavam indo bem. A morte de Sebastião cortou todas as possibilidades, incluindo as nossas perspectivas futuras. Dali em diante, a barra pesou. Os Teixeira da Costa, como a maioria dos imigrantes da região, iguais aos ancestrais de minha mãe, foram agricultores que, no início do século 20, apostaram suas fichas no sertão paulista. Os que trabalharam duro, como meus avós paternos e maternos (e muitos dos tios-avôs), venceram e construíram bons patrimônios, em geral grandes fazendas. Alguns, realmente, se tornaram ricos. Alguns primos estão desaparecidos, não há contato. Quando fiz a festa da família em minha chácara, apareceram vários deles (por exemplo, o pessoal do tio Osvaldo, hoje morando em Araçatuba e alguns filhos de Antônio Costa, de Turiuba), mas nem todos. Alguns dos filhos de José Costa já morreram, mas, de vez em quando, encontro o Adauto em Rio Preto. Os netos do tio Juvenal, alguns talvez em Fernandópolis, nunca deram as caras. Os filhos e netos da tia Cotinha também não vemos mais e sei que o sapateiro Roque morreu. Meu pai tinha o costume de visitar seu primo Roque em Vila Costa. Sei que meu pai visitava outros parentes em São Paulo, mas não temos referência. Toninho Costa, hoje com fazenda em Turiuba, me deu um susto na primeira vez em que o vi. É parecidíssimo com meu pai. Os filhos dos tios Santo, Oliveira e tia Antonieta estão próximos e sempre nos vemos. Renato, filho do tio Santo, foi político em Neves Paulista. Não dá para citar a todos. O muxiba de meu avô tem histórias hilariantes, como aquela em que levou os filhos homens mais velhos para visitar a “zona” de Nipoã. História não confirmada por alguns, mas alardeada por outros. Segundo um dos tios: “– bem provável que seja verdade”. De outra feita, num dos casamentos das filhas, vendo um monte de gente chegar ao sítio, colocou vários cachos de banana para as visitas comerem. Andava descalço pela propriedade, assobiava baixinho e falava pouco, mas era tido como homem inteligente e realizador. Homem de opinião, contam que, ainda em Minas Gerais, nos tempos de alambique, ele tomou um porre, subiu nos tocos e começou a cantar. Passou grande vergonha e nunca mais tomou qualquer bebida alcoólica. Também possuía manias. Contaram-me que não viajava com as filhas, pois “filha mulher não pode pousar em hotel”. Certa vez, conversando com ele, perguntando-lhe sobre suas anotações, ele me disse: “Ah, não presto mais pra nada”. Referia-se à sua


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

25

memória, naturalmente falhando em função da idade. Quando minha avó Gabriela morreu, ao sair o caixão (tempos de velório na própria casa), ele afirmou: “Me espere. Logo vou minha velha”. Em Mirassol, na casa da rua São Bento, havia grande parreira e no tempo da colheita das uvas, meu pai me encarregava de levar uma cesta cheia para os meus avós, que ainda moravam na roça. Ia de ônibus, mas no trechinho entre a estrada e a casa de meu avô eu penava com o peso da cesta. Aproveitava e passava lá alguns dias. Com tanto mel, a gente literalmente se lambuzava. Lembro-me também dos pés de lima, fruta muito doce. Dali prá frente, todas as limas que chupei pareceram amargas. De seus nove filhos, José e Gabriela tiveram quase 40 netos, mas, creio, não conheceram todos. Meu tio Oliveiro já tem bisneto. Tenho um montão de primos e convivi com alguns de minha idade. Todos os meus tios nasceram naquela fazenda da estrada entre Vila Costa e Vila Leuza, no município de José Bonifácio (menos os dois que vieram de Minas). Trabalharam na roça, com as exceções de Nelson, o caçula que aproveitou melhor a vida, e meu pai que saiu de casa cedo. Com o êxodo rural, foram para a cidade. Não ao mesmo tempo e nem para a mesma cidade. Mais ou menos o que aconteceu com a maior parte da população rural brasileira da época. Quando criança, ganhei de minha avó materna uma novilha. Meu pai deixou-a nos pastos de meu avô paterno e, depois de alguns anos, cheguei a ter quase 20 cabeças, as quais foram vendidas e o dinheiro utilizado na construção da casa da rua Benjamin Constant, em Mirassol. Brinco com meus irmãos, dizendo que tenho parte maior na casa. Uma de minhas tias me disse que o pai José não ligava para as filhas. Contou-me que, quando nascia mulher, ele nem sequer entrava no quarto para ver a nova filha. Sempre pensei que esse fosse um costume de italianos, nem de longe presente em minha família. Mas procede porque, apesar de cobrar, ele vendeu pedaços de terra de sua fazenda somente para os filhos homens e minha tia Antonieta, quando teve problemas com o marido, recorreu ao sogro. Ao buscar informações, descobri coisas interessantes. Por exemplo, não sabia que meu tio Oliveiro pintava. Ao estar em sua sala e vendo um grande e bonito quadro, pensei que era obra de algum filho ou neto. Foi grande a minha surpresa quando tia Ana disse que se tratava de obra do próprio marido. Ele também chegou a fazer sapatos, tendo obtido algumas fôrmas de seu primo Roque. Estimulei-o a continuar pintando, afinal é um dos poucos artistas da família. Está encarregado de pintar um quadro para mim.


26

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Um dos ramos da família (entre os filhos de José e Gabriela) possui um defeito congênito no coração. Embora simples, necessita ser resolvido com cirurgia. Esse problema afetou poucas pessoas. Não há registros de outras deficiências em termos de saúde física ou mental. Os loucos, são loucos normais. A referência, em todas as latitudes, era de que se tratava de gente inteligente e preparada, mas “muito braba”. Esses retalhos desordenados de informações, espalhadas entre diversos parentes, reunidas por mim, formam o perfil dos Teixeira da Costa, emigrantes mineiros. Os mineiros, nos primeiros tempos de colonização paulista e paranaense, foram onipresentes, assim como os nordestinos, de onde surgiu o braço familiar de minha mãe. Há explicações razoáveis. As populações mineiras de certas regiões foram atraídas na época do ciclo do ouro e, aqueles que conseguiram propriedades, foram permanecendo, mas não havia oportunidades para todos e o jeito foi emigrar. Já no caso dos nordestinos, as secas são cíclicas e causam a maioria das transferências de pessoas para o Sudeste. Mas não foi esse o caso dos Domingues do Amaral. Os Teixeira da Costa e os Domingues do Amaral formaram duas famílias distintas – Sebastião/Olívia e Cecílio/Antonieta –, descendo da primeira. Quanto aos meus avós paternos, por serem primos, deram continuidade aos seus antecessores dos contrafortes da Serra da Bocaina, em Minas Gerais. Com enorme número de filhos, há descendentes espalhados por todos os lados. Gente de fibra, valente e indômita. Onde quer que estejam, a eles estas descuidadas linhas.

A N TÔN IO DOMI NGU ES DO A M A R A L Contei a história de meu bisavô Ângelo e nela pouco falei de seu filho Antônio, meu avô materno. Nascido na Bahia, transportado numa bruaca, ainda pequeno, no lombo de um cavalo, veio da Bahia para São Paulo. Meus bisavós viajaram a pé, percorrendo o trecho em mais de ano. História quase lendária. Casou-se em Tabapuã com Marciana Leôncia de Jesus, minha madrinha, mulher extraordinária. Não conheci meu avô, morto quando minha mãe


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

27

Olívia tinha oito anos de idade. Morreu novo, assassinado em Nipõa. Foi amarrado numa cadeira e recebeu um tiro de Batista Amaro, filho de Vicente Amaro. Cito os nomes para que notem mais adiante as ironias da vida. Antes, preciso dizer que meu avô foi negociante de gado e possuiu fazenda em Matão, no município de José Bonifácio. Teve nove filhos, uma menina morta ainda na infância. Naquele tempo levava boiada para Barretos e negociou com Tamanduá (Sebastião Tavares da Silva), muito conhecido em São José do Rio Preto. Segundo os parentes, não fosse sua morte precoce, teria expandido os seus negócios. Meu avô foi morto por desavença de seu afilhado Miguel com os Amaro, em contrato de serviço rural. Miguel, agredido pelos Amaro, levou meu avô a tirar satisfações. Homem de posses, respeitado, nunca pensou que os Amaro chegariam a fazer o que fizeram. Naquele tempo, crimes aconteciam por pouca coisa. Deveria ser cuidadoso e se fazer acompanhar. No dia de sua morte, Antônio havia visitado seu compadre Balduíno, doente. Ao voltar para casa, encontrou-se com um de seus vizinhos, que lhe perguntou sobre Balduíno. Respondeu: “A meu ver, ele não passa desta noite, mas eu posso morrer primeiro do que ele”. Morreu mesmo, às seis horas da tarde. Balduíno morreu à noite. Além de meu avô, os Amaro também mataram seu afilhado Miguel com um tiro nas costas. Os Amaro são gente conhecida. Entre seus descendentes está o Comandante Rolim, fundador da TAM, a quem prestei homenagem quando vereador da Câmara Municipal de Rio Preto. Não sei o grau de parentesco de Rolim com Batista Amaro e nem quero saber. Que ambos descansem em paz. Só soube das coincidências relacionadas com os Amaro, quando, dias após a morte do Comandante Rolim, escrevi artigo sobre ele no jornal Diário da Região. Uma de minhas tias estranhou o fato de eu escrever tão bem sobre o parente do assassino de meu avô. E eu lá sabia!? Rolim, importante empreendedor, me ajudou muito na última campanha que fiz como candidato a vereador. Não considero esses fatos passados. Os descendentes nada têm a ver com as atitudes dos ascendentes. Falamos de acontecimentos do início do século passado, pelos quais, Batista Amaro pagou. Foi preso em Santa Mariana (RS) e condenado a trinta anos de prisão, não pela morte de meu avô, mas pela morte de Miguel.


28

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Naquele tempo era comum resolver as pendências sem recorrer à Justiça. As desavenças, às vezes, se resolviam na bala. Conta-se que meu tio-avô José, irmão de minha avó Marciana, simplesmente por ter sido advertido, matou o delegado da cidade num bar em Nipoã. Valentão, andava armado, sobrou para o delegado. Todas as famílias têm as suas boas e más histórias. Meu avô está enterrado em Nipoã. Quando criança, visitava o seu túmulo junto com meus pais. Nipoã, uma das cidades mais velhas da região, guarda muitas histórias, incluindo um tiroteio entre vereadores dentro da Câmara Municipal. Deve haver outras histórias desse tempo de jagunços e vendetas. Assunto para Lelé Arantes. O inusitado nesta história do meu avô é como situar minha mãe no interior desses acontecimentos. Menina, oito anos de idade, jamais poderia supor que passaria novamente por situação semelhante. Pois bem, passou: em dezembro de 1958, seu marido (meu pai), Sebastião Teixeira da Costa, foi assassinado em Mirassol. Deve ser raro ter pai e marido (ou mesmo avô e pai) assassinados. Carregamos esses fatos e não gosto de falar ou de escrever sobre eles. Mas, estas pequenas memórias não poderiam ocultar acontecimentos assim. É importante que meus filhos e sobrinhos saibam dessas histórias. Não há como fugir de nossas origens.

OL Í V I A DOMI NGU ES DO A M A R A L Minha mãe, Olívia, completou neste ano (2009) o seu 83º aniversário. Sua vida não foi nada fácil. Pode-se dizer que hoje, salvo as questões de saúde, naturais em sua idade, há maior tranqüilidade. Nasceu e viveu na roça até os 26. Aprendeu a ler e a fazer contas em aulas rurais, ministradas por um prático. Depois de anos morando em Mirassol, em 1958 ficou viúva e, em 1959, veio para São José do Rio Preto. Praticamente analfabeta, mas com memória fantástica e raro senso de oportunidade e visão, encaminhou os cinco filhos, ajudando-os como pôde. Sempre trabalhando. Foi doméstica, lavadeira, faxineira, manicure e comerciante de roupas, pela ordem. Evolução permanente.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

29

Se alguém lhe dissesse que uma mulher teve seu pai e marido, em datas diferentes, assassinados em crimes sem qualquer correspondência, certamente, você duvidaria. Pois essa mulher é minha mãe, Olívia Domingues do Amaral. Depois do casamento em 12 de junho de 1943, saiu o Amaral e entrou o Costa de meu pai. Quando o seu pai, Antônio Domingues do Amaral, foi morto em Nipoã, ela era menina. Quase 25 anos depois, em Mirassol, seu marido, Sebastião Teixeira da Costa, teve o mesmo destino. Nestas pequenas memórias você encontrará os textos sobre a vida de cada uma dessas pessoas. Sua mãe (minha avó materna), Marciana Leôncia de Jesus, casou-se novamente com um jovem 20 anos mais novo (Orlando Zeferino). Olívia e suas irmãs e irmãos foram criados na mesma propriedade, localizada no Bairro Matão, município de José Bonifácio. Fazenda grande, dividida entre os filhos, resultou em pequeno pedaço de terra para cada um. Os casamentos daquela época, acredito, eram arranjados. O arranjo deve ter se dado por iniciativa de meu pai, Sebastião Teixeira da Costa. Ele era conhecido como Tião Félix, filho de José Félix (José Teixeira da Costa), também fazendeiro nas proximidades. Essa confusão de Félix (apelido) e Teixeira da Costa (nome de família) nunca foi desenredada. No pequeno sítio de minha mãe, na parte alta, havia uma romântica casinha com alpendre. Dava para avistá-la da estrada. Foi ali que nasci, em 1945. Olívia e seu marido, Sebastião, não tinham experiência com crianças. Fui cobaia. Sofri de raquitismo. Não fosse a ajuda de minha avó materna e de uma quase parenta (Umbelina Calixto) que me amamentou, teria cruzado o umbral dos mortos há décadas. Com os outros filhos, esses contratempos não aconteceram. Meus pais aprenderam. Olívia foi esposa de um homem difícil: agricultor, artista de circo, toureiro, valentão, galanteador, jogador de bilhar e hábil negociador. Sempre sério e honesto. Sebastião, além de tudo isso, tinha o porte-galã de Rodolfo Valentino. Eram recorrentes as brigas por ciúmes. Dessas brigas, involuntariamente, causei uma. Certa vez, vendo o seu carro passar, notei uma mulher sentada no banco da frente. Criança, uns oito anos, sem pensar, ao voltar para casa, disse: “Vi o pai hoje na rua. Estava com uma mulher”. O pau quebrou. Nunca me arrependi tanto e jamais de minha boca voltou a sair qualquer coisa neste sentido.


30

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Outra vez, não sei a razão, na madrugada, minha mãe me acordou e saímos à noite para procurá-lo. O marido nada avisara e não voltara para o jantar. Não me lembro do resultado dessa incursão intempestiva. Lembro-me apenas das ruas desertas e dos cães ladrando. Daí, concluo que dona Olívia também não era fácil. Duas personalidades fortes. Eu, no meio, sempre levando a pior. A morte de meu pai foi um divisor de águas em nossas vidas. Tudo mudou. Para a minha mãe, muito mais. Éramos crianças e, portanto, adaptáveis. No caso de minha mãe, não. A situação se complicou. Sem aposentadoria, sem profissão, apenas uma senhora do lar cuidando de seus filhos, uma casa para morar (até hoje a temos em Mirassol) e o velho sítio. Começava um período duríssimo. Sua decisão foi rápida. Mudar-se para um centro maior. São José do Rio Preto, cidade próxima e grande, foi a escolhida. Aqui moravam alguns parentes, entre os quais, o seu irmão mais velho, Ângelo Domingues do Amaral, e sua mãe Marciana, minha madrinha, uma das primeiras moradoras da Vila Ipiranga. Senti muito a mudança. Todos fomos trabalhar. Do maior ao menor. Até a Ivete, menininha, fazia serviço doméstico para as vizinhas. Norival, o que mais sofreu, praticamente cresceu sozinho, criado pelas irmãs. Não havia creches e pré-escolas. Quem o vê cercado de amigos no Automóvel Clube, falante e espirituoso, não sabe que ele é um sobrevivente raçudo. Minha mãe fez de tudo um pouco. Lavou roupas para fora. Trabalhou como faxineira. Aprendeu manicure e, neste ofício, conheceu as mulheres que me ajudaram a conquistar o emprego nas Indústrias Matarazzo e, até antes de se aposentar, vendeu roupas. Sozinha, viajava para São Paulo para comprar. Mais ou menos o que fazem hoje as sacoleiras da rua 25 de Março. Naquele tempo, a rua de compras era a Zé Paulino. Durante bom tempo, tudo o que ganhávamos ia para o caixa-geral, administrado pelas mãos de ferro de minha mãe. Nada escapava ao seu olhar atento. Ela conferia os valores inscritos no envelope de pagamento que eu recebia nas Indústrias Matarazzo, época já melhorzinha para todos. Acho que fazia igual com minhas irmãs e irmãos. Lembro-me das calças velhas de meu pai, reformadas e adaptadas ao meu tamanho. Na Escola Senac estava obrigado a vestir uniforme, felizmente. Não sei como minhas irmãs se viravam em termos de roupas. Mulheres têm maiores necessidades nessa área. Minha mãe usou luto por mais de ano. Em função dessas dificuldades, facilitamos muito a vida de nossos filhos. Alguns têm mania de usar grifes caras.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

31

Nossas três primeiras casas em Rio Preto, sempre pagando aluguel, foram um desastre: três cômodos. Eu dormia na cozinha, meus irmãos na sala e as três mulheres, no quarto. Por um tempo, até ele se instalar, um primo, João Batista Machado, veio morar conosco. Não sei como isso foi possível. O relato desses fatos aos meus filhos e sobrinhos soa inverossímil. Essa molecada não sabe o que passamos. Enquanto isso, todos se curvavam à Lei Olívia: “Nesta casa, é proibido não estudar”. À noite, a escola era o destino de todos. Minha mãe fez questão cerrada sobre o estudo dos filhos. Comparecia aos colégios. Atendia às reclamações dos diretores. Alguns, às vezes, repetiam o ano, mas a Lei continuava em vigor. Ninguém saía da escola. Ela mesma se matriculou no Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização) para aperfeiçoar a sua leitura. Lê ainda hoje, de cabo a rabo, o Diário da Região. Discute problemas e mantém a sua autoridade. A Lei Olívia é, para nós, irrevogável e aplicável às gerações seguintes. Atualmente, todos os netos de Olívia Domingues Costa, obedientes à Lei que, em família, leva o seu nome, têm cursos superiores ou estão terminando suas graduações. A mais nova, Rafaela, filha do Norival, acabou de entrar na UEL (Universidade Estadual de Londrina) para cursar direito. Há engenheiro (Marcelo), arquiteto (Otto), publicitária (Marcela), médico (Alex), designer digital (Marco Aurélio), economista (Lívia) e advogados (Renato concluindo e Rafaela começando). Olívia mostra-se orgulhosa desses seus netos maravilhosos. O velho sítio foi vendido e em seu lugar minha mãe comprou a casa em que mora na Vila Anchieta. A casa de Mirassol está alugada e rende-lhe um dinheirinho por mês. Meu irmão, Jair, está aposentado, assim como minha mãe. Ela sempre fez questão da aposentadoria. Sabia o que tinha sofrido porque meu pai, turrão, se recusara a pagar o Iapetec (Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Trabalhadores em Transportes e Cargas). Haveria muito mais a contar. Em algum ponto dessas pequenas memórias afirmei que apanhei muito e que muitas surras foram injustas. Recebi uma educação rígida, com um amor diferente, fisicamente distante, mas responsável e perto do coração. Não somos perfeitos e, sinceramente, com exceção dos castigos físicos, estive muito próximo de ser tão exigente quanto meus pais foram comigo. Tenho certeza de que, em diversos momentos, também fui injusto com os meus filhos. Fomos criados da forma tradicional, à antiga. Nossos pais herdaram a praticidade das decisões dos desbravadores. Gente com têmpera de aço, preparada para enfrentar as matas do sertão paulista, onde não cabia o pieguismo


32

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

e impunha-se a valentia. Gente, na maioria, com herança da educação forjada no século 19, nascida no início do século 20. Nossos filhos e netos serão homens do século 21. Não há como conciliar essa enorme distância entre as gerações. Contei a verdade. A minha verdade. Minha mãe merece de seus filhos e netos o respeito e a admiração. Ninguém (que eu conheça) passou por tudo o que ela passou. Perdeu o pai e o marido em circunstâncias dramáticas. Perdeu uma filha quando esta nasceu e quase perdeu dois de seus filhos. Jair salvou-se milagrosamente da pancada na cabeça e eu escapei por pouco de um assalto em São Paulo. Quando o ladrão encostou a arma sobre a minha cabeça e armou o gatilho, pensei em sua sina. Não era o dia. Mas esse temor sempre tive. Somos produtos de nossas próprias circunstâncias. Quero que São José do Rio Preto saiba quem é minha mãe. Quando me candidatei a vereador, ela andou de casa em casa na Vila Anchieta. Os seus pedidos de votos e os seus argumentos eram insuperáveis. Acho que na primeira eleição ela teve mais votos do que eu. Há alguns anos ela foi atropelada por uma moto. Ficou meses de cama e recusou-se a processar a causadora do acidente. Somos assim. Herdamos dela esse lado humano e solidário.

SEBA ST I ÃO T EI X EIR A DA COSTA Sebastião Teixeira da Costa, meu pai, nasceu na cidade de Passa Vinte, no Estado de Minas Gerais, em 1º de setembro de 1918. Passa Vinte é uma cidadezinha próxima da fronteira com o Estado do Rio de Janeiro, com longa história e famosa praga. A praga foi rogada por um padre e dizem que praga de padre pega. O padre, em 1880, levou uma surra de relho (chicote de couro torcido). Foi muito maltratado. Abandonou a cidade dizendo: “Não levarei deste lugar nem a lama nem o pó dos meus sapatos”. A cidade, desde então, não progrediu e lá nada dá certo. Não sei se foi isso que fez com que meus avós, José e Gabriela, emigrassem. Chegando às margens do córrego Ferreira, até os nomes trocaram: eram conhecidos por Félix. Meu pai, Tião Félix. Minha mãe só ficou sabendo que seu noivo, Tião Félix, chamava-se Sebastião Teixeira da Costa no dia de seu casamento, 12 de junho de 1943. Este é um segredo bem guardado. Perguntei aos conhecidos, gente mais velha da família, ninguém soube me explicar a razão do Félix.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

33

Meu pai veio de Minas Gerais com quatro anos de idade. Consta que muito pequeno resolveu sair de casa. Tomou a estrada. Um conhecido o viu, perguntou o que fazia tão longe de casa, recebendo como resposta um inexplicável: “– Estou indo embora”. O homem o colocou sobre a garupa do cavalo e o levou de volta. Meu avô, impassível, nem deu bola. “A vida ensina”, teria dito. Não demorou a repetir o gesto, saindo de casa e indo morar com o tio Juvenal Costa, outra figuraça da família, dono de circo. Lá, Sebastião aprendeu a fazer mágicas e outros números circenses. Divertia os parentes com suas raríssimas apresentações. Também aprendeu o ofício de toureiro, chegando a montar touradas na região. Não se sabem as razões de haver parado com essa vida nômade para dedicar-se à agricultura, no sítio de 10 alqueires, herdados por sua jovem esposa Olívia. Uma pessoa com esse perfil, jamais se adaptaria a uma vida pacata, trabalhando duro na roça. Voltar a ser lavrador? Pouco provável que desse certo. Menos de 10 anos depois de casado mudou-se para Mirassol onde colocou um carro na praça (hoje, motorista de táxi) e começou a negociar com veículos. Seus colegas diziam que, não fosse a sua morte precoce, provavelmente teria ficado rico. Naquele tempo existiam poucos negociantes de veículos. Sebastião foi um valentão na acepção da palavra. Daqueles que não levavam desaforo para casa. Pouca coisa se sabe dessa sua característica. Lembro-me, ainda bem pequeno, no sítio, que ele havia atirado em um vizinho em virtude de desavenças por contrato de empreita rural com meu avô. Meu próprio avô, seu pai, deu a arma para ele atirar no desafeto. Pode? Sei ainda de atritos políticos com os jagunços de Adhemar de Barros em Mirassol. Pouca coisa chegava ao filho mais velho, ainda criança. Mas havia boatos de desavenças com parentes, de brigas com irmãos, de discussões acaloradas em bares e de enfrentamentos com estranhos. Sebastião metia medo. Quando ocorreu, não havia explicações para a sua morte. Três pessoas o contrataram para levá-los de automóvel até Jaci, perto de Mirassol. No meio do caminho, ele recebeu um tiro pelas costas, provavelmente do passageiro que estava atrás no Ford 1948. A bala atravessou a nuca, rasgou a veia arterial e saiu pela boca. Tiro fatal. O tipo de crime e suas características eram inusitados no interior do Estado de São Paulo. Um dos jornais de maior circulação, o Diário de São


34

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Paulo (dos Diários Associados) noticiou em primeira página: “Comprou a morte por 200 cruzeiros”, seguindo-se a reportagem. A morte de meu pai continua um mistério. Estávamos em dezembro de 1958. Todas as possibilidades de investigações foram seguidas. Meu avô disponibilizou dois carros para a polícia procurar os assassinos. Aqueles tempos eram diferentes dos atuais. Meses depois, meu avô recolheu os carros de volta, em péssimas condições. Quando ocorreu o crime, como o carro quebrou (a Perícia mostrou a possibilidade de meu pai ter acelerado o carro contra o barranco, o que avariou a barra de direção), uma eficiente busca pelas redondezas, cafezais e pequenas cidades, poderia ter resultado na captura dos assassinos. O delegado de Mirassol, naquela noite jogando cartas no Clube Municipal, teria dito: “Esperem até a partida acabar”. Só foi cuidar do assunto no outro dia, sabe lá a que horas. Um relapso. Quase 50 anos depois, outro delegado, também originário de Mirassol, cometeu grave injustiça contra outro Teixeira da Costa. Assunto para o futuro. No caso de meu pai, várias pistas foram seguidas, investigações envolvendo as suas desavenças passadas, incluindo o famoso tiro no cafezal vizinho à fazenda de meu avô. Um estranho apareceu em casa dizendo saber quem matou o meu pai e propondo-se a fazer o mesmo tipo de serviço contra os matadores. Chamei a polícia. Ele foi preso, suicidando-se na cadeia pública de Mirassol. Um primo de minha mãe, o mesmo que levou o estranho em casa, tinha mania de bravatear que fora o causador da morte de meu pai. Além de primo de minha mãe, era cunhado de meu pai e, portanto, meu tio. Anos depois, essas informações me foram passadas por minha tia, mas não acreditei. Quando pesquisava sobre a família, uma prima confirmou que esse tio realmente afirmava ter arranjado a morte de meu pai. Penso que foi bravata porque ele tinha suas diferenças com meu pai e atritos com minha tia, sua esposa. Enfim, até hoje não sabemos quem assassinou meu pai e qual foi o verdadeiro motivo. Pelo que se nota desses registros esparsos, embora decente e trabalhador, meu pai tinha perfil impreciso. Viveu intensamente cada minuto de sua vida. Homem bonito e saudável, forte como um touro, aqui não estão suas histórias de alcova, alardeadas por parentes e amigos. Enquanto eu ainda era filho único, até os quatro anos e meio de idade, dizem que ele se dedicava a mim, soltando papagaios e me levando a


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

35

alguns lugares. Recordo-me de um vizinho de sítio que possuía rádio à bateria. Meu pai e minha mãe ouviam juntos os programas do Tonico e Tinoco. Adormecia em seu colo. No primeiro ano escolar, uns meninos tentaram me amedrontar e ele, sabendo, saiu atrás deles. Nunca mais tive problemas na escola. Já grandinho, trabalhando no escritório, fui com ele para vender uma camionete em Cosmorama. Fiquei observando o negócio. Naquele tempo era possível a cessão de cheques para terceiros, um documento confiável dependendo de quem o assinasse. Notei que a cessão foi feita no verso de uma folha e a assinatura do devedor à frente de outra. Alertei meu pai. Ele ficou todo entusiasmado com o fato. Homem rigoroso, exigente, não sabia o que era elogio. Eu, infelizmente, herdei muito dessas características. No dia 8 de setembro, aniversário de Mirassol, me metia nas provas de corrida para pedestres, antiga tradição da cidade. Ele não aceitava derrotas. Quando eu corria bem, muitas vezes o surpreendi se gabando do filho. Homem querido pelos colegas e pelos parentes. Com aqueles que se dava bem, apresentava-se sempre solidário e amigo. Pau para toda a obra. Faz mais de 50 anos que Sebastião Teixeira da Costa (Tião Félix) se foi. Sua morte causou tremendas transformações em nossas vidas. Até hoje respingam as suas heranças, desde as genéticas até a falta de pagamento de aposentadoria. Minha mãe teve de aposentar-se por si mesma, legalizando-se como costureira. Uma única vez fui ao cinema com meu pai, no Cine São Pedro em Mirassol. Era um filme sobre touradas, a história de um menino e seu touro. No final do filme, o menino entra na arena e salva o valente animal. Mexicano? Espanhol? Talvez. Minha memória não ajuda muito neste momento. Como teria sido o meu relacionamento com Sebastião, caso ele não tivesse sido morto? Muitas vezes me faço essa pergunta. Sinceramente, não sei, mas não teria sido tranqüilo, tal o seu nível de insatisfação e exigência. Quando ele morreu, eu tinha 13 anos e estava começando a entender as coisas. Não tive amizade com ele, tinha medo e também apanhei dele, normalmente por deduragem de minha mãe. Apaixonante em sua curta biografia são suas atividades e o fato de não ter aceitado o seu destino de rurícola. Recusou-se a ser um homem grudado na enxada. Tentou sair cedo de casa, nem noção tinha de seu gesto. Inconformismo nato, intenso, evidente.


36

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Esse caráter altivo, quase arrogante, pode ter lhe roubado a vida. De lavrador a homem de circo, de sitiante a negociante de carros. Homem que andava armado e carregava uma faca para descascar laranjas. No dia em que o mataram não tinha sequer um canivete. Inexplicável. Não sei se fui melhor pai para os meus filhos. Tenho recebido críticas pela falta de tato, pela ausência de elogios na hora certa e por desmesuradas exigências. Marcelo e Alex, também Regina em certa medida, sofrem por essa busca de perfeição, que, a rigor, não tenho em mim mesmo. Hoje, estou mais consciente dessas limitações. Uma vida não se vive novamente, nem há como apagar os atos do passado. Assim foi com meu pai, assim é comigo. Nesses novos tempos, de DNAs e outras bossas científicas, de novos e espetaculares avanços neurológicos, as explicações abundam e as culpas se diluem no amplo espectro da natureza humana. Talvez, nem me desculpar possa. Meu pai não teve tempo.

JOÃO M A RI L H A NO Há poucas informações sobre o meu sogro, João Marilhano. Seus irmãos estão todos mortos. Sabia-se que eram descendentes de napolitanos. Ao menos a mãe do seu João, Rosa Carbone, com certeza, era de Nápoles. Isso leva a crer que o pai, José Marigliano, também seria daquela região do sul da Itália. Primeiro, veio Rosa para o Brasil, acompanhada de dois filhos lá nascidos. Os demais nasceram por aqui e são sete (Concheta, Miguel, Chico, Ângelo, Maria, João e Lúcia). João nasceu no Brasil em 30 de maio de 1909. A data de nascimento de João, aliada ao fato de que ele é o caçula dos homens, permite acreditar que seus pais, José e Rosa, vieram da Itália no final do século XIX. Provavelmente, braços italianos para a cultura do café. Ganharam dinheiro, adquiriram terras próprias. Rosa tinha o velho costume de guardar dinheiro no colchão, que foi para o fogo quando atacado por percevejos. O dinheiro queimou junto. A família diz que era uma boa grana. Nascido em Monte Alto, João veio com a família para a região de José Bonifácio (Ubarana). Sendo assim, fico tentado a imaginar que a família da Regina foi contemporânea dos Domingues do Amaral, família de minha mãe, cuja trajetória tem quase a mesma geografia.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

37

Em 1934, João casou-se com Eufrazina Alves de Lima, cuja família era de Caculé, na Bahia, região muito próxima de Macaúbas, de onde vieram os Domingues do Amaral. Então, é quase certo que as famílias Marilhano, Alves de Lima e Domingues do Amaral tiveram contato. João Marilhano foi um comerciante nato. Capaz de enxergar oportunidades. Teve linha de ônibus e farmácia em Ubarana. Mudou-se para São José do Rio Preto, cidade que progredia, abrindo um mercadinho na Vila Imperial. Aqui, criou dois estabelecimentos famosos. Primeiro, o Café Bom Gosto. Depois, a Salada Paulista. Ambos na rua Bernardino de Campos. Ainda abriu o Príncipe Lanches, entregando-o aos cuidados de seus cunhados Agostinho e Alcides. Convivi pouco com o “seu João”, como era conhecido. Trabalhei na Farmácia Santa Clara, defronte sua casa na Vila Maceno, e, mais tarde, quando bancário, fui funcionário do Banco Commércio e Indústria, ao lado da Salada Paulista. Nesses locais, o conheci. Jamais poderia pensar que um dia viria a ser o marido de sua filha Regina. Do casal João/Eufrazinha nasceram quatro filhas: Eny, Ney, Regina e Sueli, sendo as duas últimas gêmeas. Eny é falecida. São oito netos: Cássio, Flávio, Luciane, Daniela, Fernanda, Alex, Matheus (falecido) e Daniel. Já há bisnetos: João Henrique, João Vitor, Gabriel, Igor, João Otávio, Marcus Vinícius. André e Júlia. Grande e feliz família. De vez em quando, juntamo-nos para um churrasco. Característica interessante da família é o amor pela música. João Marilhano era saxofonista e todas as suas filhas aprenderam algum instrumento musical. Ney, na adolescência e juventude, foi cantora de rádio e convidada a trabalhar como crooner de famosa orquestra. Aqueles eram outros tempos e, naturalmente, foi impedida pelo pai de seguir carreira artística. Matheus, um de seus netos, falecido em desastre de automóvel, tinha excepcional talento musical. Seu irmão gêmeo, Daniel, trabalha no ramo e é igualmente talentoso. Em casa, Alex, encaminhado para a arte, mostrou falta de aptidão e interesse. Sua energia está direcionada à profissão, assim como todos os demais primos e primas. Convivi com o senhor João já avançado na idade e ouvi poucas histórias, fatos de sua vida e de seus parentes mais antigos. Contou-me sobre a aventura de ter assistido à final da Copa do Mundo, no Maracanã, em 1950. Frustrou-se pela derrota do Brasil. Em compensação, a partir de 1958, a seleção lhe deu muitas alegrias e a Salada Paulista deve ter sido palco de inúmeras comemorações.


38

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Segundo Ney, uma de suas filhas, João era um incorrigível gozador. Época de telefones mudos, João tinha o hábito de informar que o fio estava entupido e pedia para o usuário assoprar o bocal. Em outra brincadeira, embrulhava restos de bacalhau, acondicionando-os em folha de jornal. A parte do “bacalhau” era um simples e improvisado pedaço de madeira. Deixava aparecendo, sob a mesa do restaurante, como chamariz, um restinho do rabo do bacalhau. Ficava só observando os ladrões de ocasião. Divertia-se com isso. Os dois sócios principais da Salada Paulista foram João Marilhano e Benedicto Mulatti, que chamou o sobrinho alfaiate, Arnaldo Dutra Mulatti, para trabalhar em seu lugar, enquanto cumpria obrigações em sua barbearia, exatamente ao lado da Salada. Arnaldo prestava serviços de alfaiate nos fundos da barbearia. João Marilhano, o único do ramo, foi sócio majoritário até deixar a empresa. O nome do estabelecimento foi inspirado num grande e tradicional restaurante de São Paulo, localizado na avenida Ipiranga, defronte à Praça da República, que existe até hoje. A escolha do nome tem duas versões. Em família, consta o fato de João Marilhano ter ido para São Paulo e feito refeições na Salada Paulista, de onde lhe veio a inspiração para a denominação do bar. Arnaldo, ao contar sobre o estabelecimento, disse que ele sugeriu o nome por ter trabalhado em São Paulo e conhecer a casa, o que tem certa lógica. Não há nenhum interesse em dirimir a dúvida, pois na visão da família esse fato é desprezível, sem importância, e, se João estivesse vivo, por seu caráter e índole, ele jamais contrariaria o sócio. Nem é intenção da família desmentir alguém e acreditam as filhas que a idéia foi compartilhada por um par de amigos. O talento para oportunidades e negócios, suas iniciativas anteriores, outros estabelecimentos criados na mesma região da cidade, a propriedade de 50% do prédio no qual estava instalado o bar, o depoimento de seus cunhados e filhas, tudo me dá a certeza de que o idealizador da Salada Paulista tenha sido de fato João Marilhano. Políticos o procuravam. Um dos mais assíduos em seu bar foi Cunha Bueno, deputado paulista de grande prestígio no passado. Cunha Bueno foi dos primeiros políticos brasileiros a praticar um marketing profissional ao cumprimentar as pessoas em seus aniversários, novidade nas distantes décadas de 50 e 60. Hoje, todos os políticos fazem isso.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

39

No momento em que escrevia este texto, uma pessoa do ramo teatral me ligou. Estava interessada em prestar homenagem ao senhor João Marilhano. Quis saber a razão e a explicação me surpreendeu: a Salada Paulista, depois do Movimento Militar de Março de 1964, nas madrugadas, foi refúgio para artistas que vinham para Rio Preto se apresentar. A família declinou da homenagem. João Marilhano morreu em 1983. Entre as mais distintas lembranças estão os depoimentos dos parentes e amigos. Ele foi realmente um homem bom. Empreendedor, só afastou-se dos negócios por motivos de saúde, problemas que o levaram à morte. Ocasionalmente, encontro pessoas que conviveram com meu sogro e, quando sabem que sou seu genro, produzem rasgados elogios à sua pessoa. João teria completado um século em maio deste ano. Viveu o suficiente para conhecer os netos. Suas sementes de vida se espalham por meio de suas filhas, netos e bisnetos. Os seus contemporâneos testemunham afeição, carinho e respeito. João Marilhano é unanimidade na família. Exemplo de amigo, de pai e de avô. João nunca deixou de prestar assistência às filhas. Elas o idolatram.

R EGI NA CÉL I A M A RI L H A NO Quando comecei a escrever estas pequenas memórias, achei que seria bom exercício, simples e fácil. À medida que elegia os temas e escolhia as pessoas, claro, chegaria o momento de escrever sobre a Regina. Dentro de mim o temor cresceu e não encontrava inspiração. Regina, junto com meus pais, irmãos e pouquíssimos amigos, é a pessoa com mais créditos perante a minha contabilidade pessoal. Conheci Regina no Palestra Esporte Clube. Antes, quando adolescente, trabalhei na Farmácia Santa Clara, em frente à sua casa, na rua Bernardino de Campos, nº 2213, mas não me lembro dela. Conhecia seu pai, João Marilhano, comerciante, fundador do bar Salada Paulista. No Palestra, fazíamos parte do Racha da Brahma, estávamos juntos todos os sábados. Num memorável carnaval, Regina rompeu com seu namorado e me interessei por ela. No baile de formatura do Peludo (Wellington Calux), dançamos e conversamos longamente. Cleide, a esposa do Peludo, fez o papel de Santo Antônio, ajeitando tudo, incluindo a mesa nº 89, no salão do Automóvel Clube.


40

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Com 33 anos, sem convicção para novamente relacionar-me de forma séria, iniciamos um flerte. Regina, cuidadosa, demorou a conceder o sim. Criada no regime antigo, filha de italiano conservador, achava difícil recomeçar a namorar; tão pouco tempo havia decorrido do relacionamento anterior. Corria o ano de 1978. Insisti, convenci e rapidamente nos decidimos casar. Casamos no ano seguinte (1979), no dia de São Pedro, na Igreja Ortodoxa de São José do Rio Preto. Os amigos se surpreenderam. Em primeiro lugar, por causa de minha implicância sistemática com o casamento, fruto da experiência anterior. Em segundo lugar, pela rapidez do namoro e casamento. Em terceiro lugar, por minha repentina alegria e contentamento. Regina mudou a vida deste habitual mal-humorado. Não dei tempo para ela pensar. Poderia desistir. Regina teve a vida comum das moças das décadas de 60 e 70, período de transição, em que os pais não permitiam liberdades, mas todos sentiam as mudanças que estavam ocorrendo no mundo. Se Willian Shakespeare tivesse vivido a década de 60, certamente repetiria a famosa frase “Ser ou não ser”. Nós não fomos. Permanecemos atados a um passado decadente. Só assistimos à evolução. Regina trabalhava na CPFL. À noite, lecionava na Escola Técnica de Comércio São Luis. Nos primeiros meses nos encontrávamos pouco. Só nos finais de semana, para ir ao cinema ou ao clube. Gostávamos desses programas comportados. Até hoje não sei o que passou pela cabeça do seu João Marilhano, pai de Regina. Nunca fez qualquer restrição ao namoro. Sabia que eu havia sido casado, desquitado e finalmente divorciado. Regina, uma de suas quatro filhas, a última solteira, bela moça, com bom emprego e boa educação, poderia ter arrumado melhor partido. Não foi Pascal quem disse que o coração tem razões que a razão desconhece? Posteriormente, o seu João me afirmou ser ela uma filha especial, inteligente, em quem ele confiava plenamente. Parênteses para dizer que a família Marilhano, Marigliano no original italiano, é unida e, falecidos os meus sogros, João e Eufrazina, ainda hoje ela segue os mesmos hábitos. As irmãs se reúnem aos sábados e todos os anos trocamos presentes na ceia de Natal. Os netos, nossos filhos, estão adultos. Alguns estão casados e também com filhos. Continuam as tradições dessa maravilhosa família de italianos napolitanos, já na quarta geração. Enfim, acertamos os ponteiros. Eu, até então com vidinha regular, trabalhava como contador da Fresa. Ocupava o cargo de vereador, mas a política


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

41

não era a parte mais importante. Casamos e fizemos pequena recepção na Casa do Advogado, destinada aos familiares e amigos. Regina estava lindíssima e eu já mostrando os sinais que iriam se consolidar nos anos vindouros. Engordei muito depois de casado. Hoje, luto com a balança e quase sempre perco. Moramos inicialmente numa casa da rua Marcolino Barreto, na Vila Anchieta. Gostava daquela casa, a nossa primeira. Depois de alguns anos, por intermédio do Toninho Figueiredo, compramos casa no Jardim Bordon, financiada pelo Ipesp (Instituto de Previdência do Estado de São Paulo), onde ainda moramos. Dureza pagá-la mês a mês. O Plano Cruzado nos salvou. Com a edição do plano, congelamento, tablita e outras complicações, conseguimos quitar a casa. Alex nasceu na casa da rua Marcolino Barreto. O dia do casamento foi cansativo. Programamos longa viagem pelo sul do Brasil e, na noite de 29 de junho, só conseguimos ir até Lins, onde dormimos. Depois seguimos para Curitiba, Lages, Porto Alegre, Bento Gonçalves, Gramado, Torres e Camboriú, entre outras cidades menores. Levei um susto em Canela, quando Regina desapareceu no bosque. Não a encontrava e fiquei preocupado. Depois de algum tempo reapareceu. Coitada, naquele momento descobriu com quem estava casada. Visivelmente nervoso, em plena viagem de núpcias, recriminei-a. Só um bugre Teixeira da Costa para fazer isso. Alex é o único filho do nosso casamento. Regina ajudou a cuidar do Marcelo desde, mais ou menos, oito anos de idade. Mulher abnegada, até o nascimento do Alex dedicou-lhe total atenção. Marcelo a convidou para dançar a valsa de sua formatura de engenheiro. Sem dúvida, grande homenagem. Ambos são nossos filhos. Alex formou-se médico em 2004 e fez duas residências, na Clínica Braile e no IMC (Instituo de Moléstias Cardiovasculares). Espero que se dê bem como Marcelo, hoje definitivamente estabelecido como engenheiro em São José do Rio Preto. Marcelo, formado em 1995, trabalha na mesma empresa onde começou o estágio. Os filhos vão bem, graças a Deus. Não é pouco. Com as dificuldades da vida moderna, fragilização dos costumes e apelos de toda a natureza, é uma dádiva saber que há um mínimo de ordem e autocontrole com aqueles que estão à volta. Regina é também responsável por isso. Minha vida mudou muito depois que me casei. Com menos de 10 anos de casado, com atividades múltiplas, comecei a viajar, inicialmente pouco,


42

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

mas hoje, exageradamente. Regina agüentou o tranco. Cuidou da casa, dos filhos, trabalhou, lecionou e teve tempo para o marido. Tentei voltar, permanecer perto da família, ficar mais em Rio Preto. Aceitei novos desafios. Não deram certo. Não por mim, mas por circunstâncias alheias à minha vontade. Trabalhei bem e seriamente, mas nem sempre somos donos de nosso destino. De vez em quando, Regina me acompanha nas viagens e para isso utilizamos milhagens acumuladas. Ela conhece praticamente toda a Europa, boa parte da América e só não esteve na África e na Ásia. Temos planos de assistir a próxima Copa do Mundo na África do Sul. Talvez não seja possível porque a CSI poderá marcar o seu congresso para junho de 2010, em Vancouver, no Canadá. No tempo de adolescente, Regina foi nadadora da equipe do professor Décio Monzani Lang, no Palestra Esporte Clube. Tem uma caixinha cheia de medalhas. Para poder competir fora, o professor Décio tinha de fazer longas visitas ao seu João. Jogou vôlei, mas teve de parar por problemas na coluna. Cursou a antiga Fafi (hoje Unesp), fez curso de pós graduação na FGV (Fundação Getúlio Vargas) e registrou-se como jornalista. Ajuda-me na elaboração do boletim eletrônico UGTpress e durante anos foi redatora da Revista Autonomia, atividades desconhecidas dos rio-pretenses. Trabalhou certo tempo para o deputado estadual Rodrigo Garcia. Durante alguns anos, Regina lecionou Português nas Faculdades de Economia e Administração Dom Pedro II, onde eu também lecionava. Suas aulas, apreciadas pelos alunos, consistiam em programas modernos, como oratória e retórica e exames de textos de Propaganda e Marketing. Fez sucesso como professora, mas não manteve a atividade por excesso de serviço. Incentivei a continuidade das aulas porque percebi que o seu método poderia render uma tese ou um livro, tão moderno era. Em vão, rendeu-se às tarefas principais. A CPFL exigia todo o seu tempo. Foi promovida a gerente em Mirassol. Em 1996, depois de fundada a CAT, Emílio Máspero pediu-me para ir à Europa divulgar a nova central brasileira e convidou Regina para me acompanhar. Regina saiu de férias e trabalhou como secretária. A viagem, a primeira dela ao velho continente, foi encantadora. Ficamos quase um mês viajando por Bélgica, Holanda, Alemanha, França, Itália e Espanha. No congresso de fundação da CSI, fomos à Áustria. Éramos cinco


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

43

rio-pretenses (Elimar, Ana Luisa, Regina, sua irmã gêmea Sueli e eu). Enquanto eu e o Elimar trabalhávamos no congresso, as mulheres saíam para passear. Conheceram Budapeste e Praga, além de Viena, cidade absolutamente imperdível. Depois de Viena e outras capitais do Leste Europeu, pelas facilidades oferecidas pela Ibéria, passamos uns dias na Espanha e conhecemos Segóvia, onde há um enorme aqueduto, construído pelos romanos. Elimar e Ana ainda conheceram Toledo. Temos histórias engraçadas dessas viagens. Sou péssimo em termos de direção e já me perdi várias vezes. Alex tem um senso de direção especial. É capaz, para nosso desespero, de andar sozinho em cidades desconhecidas. Em Amsterdã e Londres Alex saiu sozinho pela noite. Marcelo, em sua luade-mel, alugou um carro com GPS e dirigiu por toda a Europa. Gosto mais de lugares históricos, Regina tem paciência para compras. Cada idade e cada sexo com as suas preferências. Tenho vontade de levar Regina para a China e os colegas chineses já nos convidaram. A CAT foi a primeira central brasileira a ter convênio com uma entidade de sindicatos do interior da China: a Federação dos Trabalhadores da Província de Guangdong (o velho Cantão chinês). O convênio com os chineses foi assumido pela UGT e todos os anos, alternadamente, um grupo de sindicalistas chineses visita o Brasil e um grupo de sindicalistas brasileiros visita a China. O problema da Regina será com a comida. Ela tem dificuldades para comer comidas diferentes. Viver a dois em quatro paredes não é fácil. É preciso ter tolerância. Viver a três, recebendo um filho de outro casamento, mais difícil ainda. Quando você tem o próprio filho, aumenta a responsabilidade. Regina passou por isso e segue firme, contente, protagonizando a vida, trabalhando e ajudando. Quando Alex foi estudar fora, Regina sofreu bastante e, por vezes, a via chorando pelos cantos da casa. Alex foi e voltou e está saindo de novo, longe mais uma vez de Regina. Ela tem maior sensibilidade a essas situações. “Os filhos não são nossos filhos ...”. Sei que ela, com a flexibilidade que a aposentadoria oferece, poderá visitá-lo freqüentemente e ajudá-lo nos primeiros tempos de sua independência profissional e financeira. Alex já não é mais o menino que pensamos que é. Para nós, os filhos nunca crescem. Estamos envelhecendo juntos, como deve ser com os casais que se amam. Assim é a vida.


44

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

egina apareceu num momento especial. Tendo passado por diversas R fases, infância boa e adolescência sofrida, coisas feitas e desfeitas, o mundo mudando em velocidade espantosa, também eu precisava mudar. Friedrich Nietzsche (1844-1900), filósofo alemão, disse que “o homem que muda muito é volúvel, mas o que não muda nunca é burro”. Mudei. Nos 30 anos de casados, vivemos muitos bons e poucos maus momentos. Tivemos nosso filho. Trabalhamos em grandes empresas. Cursamos excelentes escolas. Fizemos as nossas pós-graduações e incontáveis cursos. Somos essencialmente diferentes. Assim são os casais. Não há a uniformidade desejada pelos conselheiros matrimoniais. Respeitamos-nos em nossas diferenças, como previmos em nosso convite de casamento, que reproduzo: Não gostamos da solidão. Às vezes nos incomodamos com longos silêncios. Temos personalidades diferentes. Nem sempre gostamos das mesmas coisas. Respeitamos, porém, nossas limitações e sabemos que um pode completar o outro e que, juntos, poderemos realizar uma vida feliz. Por isso, casaremos no próximo dia 29 de junho de 1979, às 10h30, no Cartório do 3º Sub-Distrito da Vila Maceno. Regina Célia Marilhano e Laerte Teixeira da Costa O convite foi novidade. Um dos pastores da Igreja Presbiteriana Independente fez vários sermões baseado nele. Algumas pessoas o repetiram em seus próprios convites de casamento. O jornal Diário da Região o publicou, em 9 de junho, classificando-o como sui generis. Ficamos contentes, pois quando o redigimos queríamos, sinceramente, espelhar a nossa condição de noivos conscientes e maduros. O convite foi além de nosso dia de casamento. Em alguma página dessas pequenas memórias, você vai encontrar que sou homem de palavra. É verdade. Fiz a promessa de não me casar novamente e Regina foi responsável pela primeira e única vez que quebrei uma promessa. Bendita seja!


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

45

OS F I L HOS “Os filhos não são nossos filhos, são filhos do mundo”, escreveu Gibran Kahlil Gibran em sua obra “O Profeta”. Os filhos não nos pertencem. Pertencem a si mesmos. Não há como moldá-los, nem tampouco mudar sua natureza. Podemos apenas oferecer-lhes estudo, bom ambiente e exemplos. Não é possível alterar a índole de ninguém. O papel da hereditariedade, a loteria genética, é imprevisível. Sobre filhos, tive que tomar a decisão mais difícil de minha vida. No primeiro casamento, inviabilizada a relação, havia que assumir ou não as responsabilidades pelas conseqüências de um reatamento sem perspectivas. Pensei muito e, diante das circunstâncias que se apresentaram naquele momento, dei-me uma chance de ser bom. Não me arrependi. Marcelo Teixeira da Costa nasceu em Curitiba, para onde me mudei para assumir a contabilidade da empresa Adubos Boutin Ltda. No plano profissional, a experiência foi das melhores. Aprendi muito e voltei mais preparado. Os sócios da empresa, Ivo Boutin e Bruno Anderman, ensinaram-me bastante. Acabei me tornando o terceiro homem da empresa. Decidido a voltar para São José do Rio Preto, fiquei sabendo que o plano deles era incluir-me como sócio. Os alemães do Brasil tinham o costume de convidar as pessoas que julgavam talentosas para a sociedade. Trabalhei com Ivo e Bruno uns quatro anos, a parte final como representante comercial da empresa no norte do Paraná. Marcelo tinha quase três anos quando tive uma conversa definitiva com sua mãe. “Alguém deve levá-lo para Rio Preto, para que seja criado perto dos avós maternos e da avó paterna. Aqui, sozinho, com qualquer um de nós dois, será problemático”. Claro, não fomos tão civilizados, mas resolvemos. Fiz outra mudança e tive outro recomeço. Aqui, em Rio Preto, houve coisas boas e ruins. Entre as ruins, perder a posse do Marcelo na Justiça. Quando você cria, sozinho, uma criança, há muito apego. No entanto, no caso, o destino conspirou a meu favor e anos depois, definitivamente, Marcelo passou a morar comigo e com a Regina. Louvo a paciência da Regina. Ela foi uma mulher notável, valente e solidária. Supriu as necessidades de Marcelo. Alex Teixeira da Costa, meu filho com Regina, não teve a turbulência e os desencontros de que Marcelo foi vítima. Sua vida, calma e organizada, recebeu, durante todos esses anos, o amor ilimitado de sua mãe. Regina revelou-se perfeita. Fazia de tudo, desde ajudar nos deveres escolares até suprir-lhe as necessidades


46

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

materiais. Não tive nenhum problema. Foi outra vida. Marcelo formou-se em engenharia civil em Rio Preto. Alex concluiu medicina em Presidente Prudente. Os padrinhos de Marcelo são João Gubolin e Hermínia Molaz, os de Alex são Norival Teixeira da Costa e Daniela Leitão Pinotti. Todos eles presentes e acompanhando os afilhados. Fizemos boas escolhas. Os padrinhos de Marcelo tiveram mais trabalho em função das necessidades de menino dividido, decorrência dos desentendimentos entre adultos. Neste sentido, toda a família e padrinhos se desdobraram. Contudo, ninguém deu maior assistência do que Orasília Teixeira Mendes e Maria Molaz Gubolin, duas mulheres extraordinárias. Os dois meninos são diferentes. Marcelo puxou ao seu bisavô materno, Manoel Hernandez, um espanhol disciplinado, econômico e trabalhador. Alex puxou mais a mim com sua improvisação e enorme capacidade de adaptação às situações. Os dois meninos se entendem maravilhosamente. Marcelo casou-se com Germana Zanetti. Germana trouxe junto o filho João Pedro, um menino encantador. Alex, solteiro, no início deste ano assumiu sua primeira responsabilidade profissional e está trabalhando numa clínica em Campo Grande (MS). Marcelo está mais adiantado em seus negócios de engenharia, enquanto Alex está começando. Os dois têm capacidade para vencer. Estou despreocupado. Sempre fui um pai muito exigente. Queria que meus filhos fossem o que não fui: perfeitos, bons alunos, trabalhadores infatigáveis, homens brilhantes. Descobri que estava errado e eles são o que são. Escolheram os seus próprios caminhos, têm seus próprios objetivos. Hoje, talvez tarde, sou consciente de todas essas verdades, mas não me arrependo. Minhas exigências serviram como contraponto ao mundo que está aí fora. A vida é perigosa. Os apelos da modernidade são muitos, nem todos bons. Há descaminhos. Devemos dar graças a Deus por nossos filhos ficarem próximos, concluírem os seus cursos, aprenderem suas profissões e estarem trabalhando e construindo o futuro. Eles estão tecendo o fio da própria vida. Nossa função é só observar e aplaudir. Em tempo: Terminado este texto, logo depois recebemos a notícia da gravidez de Germana. Marcelo e Germana terão uma filha, a nascer entre abril e maio de 2010. Ficamos eufóricos.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

47

IRM ÃOS Os irmãos são uma grande riqueza. Atualmente, diminuiu-se drasticamente o número de filhos e as famílias são menores. Antigamente, os casais tinham muitos filhos. Nossos avós e tios são exemplos dessa tendência no passado recente. Quanto mais braços no lar, mais possibilidade de sobrevivência e acumulação. Hoje, diferentemente, com mais pessoas numa casa, há sempre o risco de ter algum desempregado. Em casa, meus pais tiveram cinco filhos (o sexto filho, uma menina, não sobreviveu). Sou o primogênito e depois de mim vieram Orasília, Jair, Ivete e Norival. Todos ficaram órfãos de pai muito cedo. Norival com um ano e poucos meses. Imagine a situação de minha mãe, viúva com cinco filhos, sem aposentadoria do marido. A morte de meu pai ocorreu em 1958, em Mirassol. Em l959, viemos para São José do Rio Preto e começamos a trabalhar em todos os serviços possíveis. Minha mãe sempre fez questão que estudássemos. Lá em casa, a maioria fez curso superior e dois deles pararam no curso médio, mas concluíram outros cursos importantes para as suas respectivas profissões. Todos venceram. Embora eu e meus irmãos tenhamos nascido na mesma cama, os nascimentos foram registrados em cidades diferentes. Certamente, onde meu pai tinha assuntos ou negócios a resolver. Pela ordem, eu fui registrado em José Bonifácio, Orasília em Nipoã, Jair em Neves Paulista e Ivete e Norival em Mirassol. Os dois últimos realmente nasceram em Mirassol. Sou uma pessoa preocupada com a situação da família. Não demonstro, mas me causam dor as dificuldades vividas por cada um. Não vou enumerar os poucos obstáculos pessoais. Bastam as histórias de meu avô materno e de meu pai, ambas terminadas de maneira violenta. Apertos e situações incômodas sempre existem. Se pudesse, ajudaria a todos igualmente. A recíproca é verdadeira. Felizmente, hoje, estamos todos muito bem. Começo a perceber que tenho mais falado das dificuldades do que das alegrias e essas, sinceramente, foram maiores. Eu e meus irmãos (à exceção do Jair porque não se casou) temos filhos maravilhosos. Eles nos dão muitas alegrias e começam a encaminhar-se na vida. Todos estudaram e estão bem, alguns ainda estão por concluir seus cursos, casos de Renato e de Rafaela, os mais novos.


48

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Essa meninada que surgiu a partir dos anos 70 e 80, já está trabalhando, vencendo na vida. Marcelo, o mais velho, está casado. Quando Ângelo veio da Bahia e José de Minas Gerais, o sonho de cada um era de vencer em terras estranhas, conquistarem um lugar ao sol. Não estão aí para ver o rosto bonito desses jovens talentosos, seus descendentes, mas, onde quer que estejam, que saibam do valor das novas gerações. Enfim, meus irmãos são meus irmãos. Somos mais ou menos aquilo que diz um preceito árabe: “Eu brigo com meus irmãos. Eu e meus irmãos brigamos com nossos primos. Eu, meus irmãos e meus primos, brigamos com os outros”. Assim, são as famílias numerosas. Seus membros podem brigar entre si, é comum, mas se unem contra as adversidades e os adversários. Somos solidários entre nós e formamos um grupo indissolúvel.

CU N H A DOS Tenho, como todos, cunhados e cunhadas. Os cunhados, Léo e Toninho, são os casados com as minhas irmãs Orasília e Ivete. As cunhadas, Ney e Sueli, são as irmãs de Regina. Eliana é casada com meu irmão Norival. Convivemos bem. São boas pessoas e, ao contrário da crença popular, não causam problemas. Eny, irmã da Regina, faleceu. No caso dos cunhados, costumo brincar com as minhas irmãs que, se não tivesse terminado o meu primeiro casamento, elas não teriam se casado. Na verdade, antes de conhecê-las, eles primeiramente conheceram a mim em circunstâncias muito especiais. Depois, surgiu o namoro entre eles. No caso do Léo (Leopoldino Mendes Neto), a amizade começou numa batida de carro. Saindo do candomblé, comemos pizza na San Remo e tomamos vinho, nada exagerado. Desci a rua Bernardino de Campos com o velho Maverick e, não sei como, acertei o fusquinha amarelo estacionado em frente ao Hotel São Paulo. Castigo de tanto debochar e rir no saravá. Ir à umbanda em Neves Paulista foi idéia da Avelina (ver o artigo “As três Marias”). Acordei o Léo e no dia seguinte fomos à Oficina do Gilberto Gubolin para consertar o carro. Sábado, impossível o veículo ser reparado no mesmo dia. Notando que se tratava de boa pessoa, levei o Léo para casa e saímos no fim de semana. Apresentei-o às amigas e aos familiares. Cultivamos boa amizade. Quando ele estava em São José do Rio Preto, o folgado não ficava mais no hotel. O pernambucano tornou-se grande companheiro.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

49

esumindo a história, Léo casou-se com Orasília. O mais difícil do casaR mento foi o padre Chico, da Igreja da Redentora, pronunciar os nomes dos noivos. Não havia meio dele falar corretamente Leopoldino e Orasília. O que saiu foi algo mais ou menos impronunciável, para divertimento de todos que estavam na igreja. Casaram-se em 10 de fevereiro de 1979. Léo reside em Rio Preto e trabalha no negócio de autopeças. Conheci Toninho (Antonio Carlos Damaceno) porque ele era amigo do Zé Bagunça (José Carlos Vieira Bulho), que veio a se casar com Avelina. Também passou a freqüentar minha casa e, com o tempo, começou a namorar a Ivete, casando-se em 2 de julho de 1977. As funções profissionais de Toninho o levaram a residir em várias cidades brasileiras e em outros países. Atualmente, mora em Campinas, cuidando dos negócios de importante empresa chinesa. Formal, é considerado o nobre da família. Léo e Orasília têm duas filhas, Marcela e Lívia. Toninho e Ivete têm dois filhos, Otto e Marco Aurélio. Norival e Eliana têm um filho e uma filha, Renato e Rafaela. Sueli, a irmã gêmea de Regina, então casada com Adalberto Haikel, teve três filhos: Fernanda, Daniel e Matheus (falecido). Ney, viúva de Osmyr Leitão, tem duas filhas, Luciane e Daniela. Eny e Ataliba Fabri, ambos falecidos, tiveram os filhos Cássio e Flávio. Dessa turma, há casados com filhos, os bisnetos de João Marilhano. Registro os cunhados (e compadres) João e Maria Gubolin, além da Irmã Hermínia Molaz, a religiosa que faz todas as orações da família. Estamos com crédito junto aos céus. João e Maria têm três filhos, João Júnior, Sandro e Leandro, todos casados e com filhos. Hermínia mora em São João da Boa Vista. João e os filhos em Rio Preto. Concunhado é palavra difícil. Nem me atrevi a colocá-la no título. São três e, no caso, estão em minoria. O Ataliba foi grande figura, divertido, irreverente. Marido da Eny (falecido). Osmyr importante funcionário do IBC (Instituto Brasileiro do Café), o tio Mim dos meninos, também falecido, foi o marido de Ney. Raramente vejo o Adalberto, mas tenho por ele especial afeição. Acho-o bom pai. Ele e Sueli, mulher guerreira, perderam Matheus, jovem, músico talentoso, cheio de vida, num acidente de carro. Pura fatalidade. Essas pessoas são agregados familiares. Não são escolhidas. Em geral, há falta de cerimônia ao se tratar desses parentes. Não vejo assim. Para mim, ao longo da vida, esses amigos e amigas foram fonte de alegria e tranqüilidade. Tranqüilidade porque a gente sempre pode contar com eles, desde olhar os filhos para se ir ao cinema ou ter um ombro para se chorar. Ah, um dinheirinho emprestado? Se for possível...


50

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

CÓRR EG O F ERR EIR A Contei sobre o rio que corria nos fundos do sítio de meus pais. Piscoso, afluente do São José dos Dourados, chamado Ferreira, dividia várias propriedades e vários municípios, todos em nossa região. Quando pequeno, vi o Ferreira bufando depois das chuvas e me pareceu enorme. Hoje, os rios brasileiros não são os mesmos. Sempre tive aquele rio como caudaloso, cheio de peixes, mas sei da degradação dos últimos 50 anos. Ouvia histórias das pescarias de meu tio Euclides, homem de várias maleitas. Lembro-me bem dele. Esses pioneiros casaram os filhos e viram os netos nascer. Nas fazendas, havia fileiras de casas onde moravam meeiros e parceiros (colônias), comunidades cujos membros se tornavam compadres um dos outros. Havia respeito e cooperação. Quando matavam um animal, tinham o costume de dividir a carne. O Estatuto da Terra e a legislação trabalhista destruíram esse hábito herdado dos portugueses. O nosso pequeno sítio fazia divisa com a fazenda do tio Euclides, área de terra que, depois de sua morte, dividida entre os herdeiros, resultou em pequenas glebas. Duas famílias ainda mantêm os seus quinhões. A maioria vendeu suas heranças e se transformou em cidadãos urbanos. O parcelamento das propriedades da região aconteceu repetidamente e as áreas de terra dos meus avós, paterno e materno, tiveram o mesmo destino. Famílias com muitos herdeiros, as divisões produziram minifúndios, não mantidos pelos beneficiários. Em alguns casos, as áreas eram vendidas como um todo para um único comprador. No século passado, após a década de 50, houve aceleração do êxodo rural. Assisti um a um de meus parentes fazer suas mudanças. A industrialização brasileira do pós-guerra acomodava a todos. Meu primo Wilson saiu de Vila Costa (Miraluz). Mudou-se para São Paulo. Empregou-se na primeira entrevista e aposentou-se na mesma empresa. Caso raro. Nós (minha família), saímos do velho sítio em 1952 e nos radicamos em Mirassol. Nunca me esqueci daquela região e o córrego Ferreira continua em minhas lembranças. Quando criança, aguardava com ansiedade as férias escolares para passá-las na roça, nas casas de meus tios Francisco, Oscar ou Antonieta, locais preferidos pela quantidade de primos.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

51

Antonieta, irmã de meu pai, é mãe de Wilson e de uma fila de filhos e filhas, todos vencedores, alguns já avôs. Neste caso, seus filhos são meus primos tanto por parte de pai, como de mãe. O pai, Cecílio, filho do tio Euclides, é falecido. Todos nascidos nas margens do córrego Ferreira, ali nas divisas de José Bonifácio, Neves Paulista e Nipoã. Alguns, depois de aposentados, voltaram ao regato original. Dois desses primos fizeram o caminho de volta e estão morando na Vila Costa. Tia Antonieta também. Outros primos não voltaram, mas compraram casas e chácaras na região, onde passam temporadas. Cridinho, que herdou o nome do velho Euclides, vem todos os anos. A família Domingues do Amaral (baiana), da qual minha mãe é descendente, tem duas tendências distintas. Um dos veios segue a tradição da migração e afundou sertão afora. O outro é apegado às suas raízes. Pertenço a esse segundo grupo, mas há gente do primeiro grupo quase na divisa do Pará. São autênticos bandeirantes. Os pais de meu pai (que tinha quatro anos), vieram de Minas Gerais, da região da serra da Bocaina. Alguns tios nasceram em sua fazenda de Vila Leuza e a maioria deles está por perto. Cinco já morreram, incluindo meu pai. As duas famílias deram filhos e netos trabalhadores. Há exceções para confirmar a regra. Já estamos na quarta geração e esses meninos mais novos não entendem a nossa afeição pela terra de seus avôs. Não sabem que o Ferreira é o nosso Jordão.

ÊTA GEN T E BOA! Quando você nasce, passa a pertencer a duas famílias, a do pai e a da mãe. No passado, essa situação ficava mais visível. O conceito de família era amplo. Aprendi a considerar primos aqueles de todos os graus. Tinha o hábito de pedir a bênção de avós, tios e padrinhos. Essas famílias são diferentes entre si. Cada uma com as suas características. Apesar dessas diferenças, as famílias têm unidade. Podem ser consideradas entidades, cada qual com a sua cultura. Vim de duas famílias distintas, relativamente diversas uma da outra. Há outras famílias em sua vida: a do cônjuge e a sua própria, aquela que você constrói. Modernamente, essas novas famílias podem ser múltiplas.


52

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

As pessoas se casam mais de uma vez. Conviver com isso, embora não seja fácil, está se tornando normal. Como nasci na roça, rodeado de parentes e com costumes mais ou menos uniformes, é possível traçar o perfil dos ascendentes, correndo o risco de fazê-lo de forma inconveniente ou imperfeita. Posso ser mal interpretado. Espero ser perdoado pelas indiscrições. Na verdade, reparando bem, os perfis anotados existem nas duas famílias. Defeitos e virtudes não são exclusividades de uma ou de outra. Apenas certas características são predominantes num ou noutro grupo. Se não predominam, pelo menos alguns de seus membros mais proeminentes as possuem. Todos estão dentro do padrão de normalidade, felizmente. Com as cautelas iniciais e coragem, sou capaz de arriscar palpites. Temos um ramo que gosta de conversar. Falam pelos cotovelos. Não posso criticar muito esse atributo, também cometi erros semelhantes, embora a idade seja boa conselheira. Com o passar dos anos, todos ficamos mais comedidos. As pessoas da família de minha mãe são muito solidárias. Prestam favores, preocupam-se com os demais parentes e são generosas com os amigos. Chegam a se sacrificar pelos outros. Os Domingues do Amaral são muito companheiros. Em relação a alguns membros da família de meu pai, há o costume da reclusão e do silêncio. Não fazem visitas. Não querem saber da vida dos parentes e jamais pedem favores. Ali, os grupos são mais fechados. Na terceira geração, entre os primos, há maior integração. Os Teixeira da Costa têm acendrado senso de honestidade e morrem sobre a palavra empenhada. Ambas as famílias têm características comuns. Foram desbravadores, enfrentaram o sertão e construíram grandes fazendas. São trabalhadores infatigáveis, mas há exceções. Tem quem gosta de cachaça, tem padre e teve até gente de circo. No fundo, somos mais iguais do que imaginamos, assim como o resto da humanidade. NOM ES EST R A N HOS EM FA M Í L I A Nomes estranhos e histórias engraçadas não faltam em minha família. A começar pelo nome de minha irmã, Orasília. Pior, existe uma prima com o mesmo nome. Deduzo que era um nome apreciado entre meus ascendentes. Esses nomes estranhos, penso, aconteceram numa época de pouca comunicação, em que os exemplos se encontravam próximos ou refletiam ho-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

53

menagens a pessoas e parentes. Não vejo outra explicação para nomes como Dorvina ou Orocil. A primeira uma tia e o segundo um primo. Reyzinho (José Luis Rey), famoso por suas crônicas bem escritas, reproduziu a história do nome de meu irmão Jair em sua coluna (veja o artigo “O nome será Jair: ponto final”). Reyzinho, se me procurar, terá assunto por bom tempo. A prima Atedides tem esse nome porque o cartorário não entendeu bem a pronúncia de meu tio Ângelo “Atenides”. Daria na mesma. Nomes como Ermezinda, Marciana, Filomena, Izolina, Izolino e outros são comuns na família. Há outros menos votados como Ozanir e Sebastiana. Minha prima Maria Sebastiana tem horror de seu nome. É conhecida pelo apelido de Tininha. Orasília ganha de todos. É impagável. Havia um primo do qual eu gostava muito e que morreu precocemente. Seu nome, Teotônio, à época, achava estranho. A saga do senador Teotônio Vilela fez o nome conhecido no Brasil. Quando pequeno, via como esquisito o nome Gabriela (avó paterna), mas Jorge Amado, com o seu livro “Gabriela, cravo e canela” tornou-o bastante popular. O nome replicou Brasil afora. Minha falecida sogra chamava-se Eufrazina e, creio, o nome, estranho como os de minha família, foi uma das importantes influências para a concretização do casamento com Regina, que continua rainha. Quando nasceu nosso filho, eu queria dar-lhe nome brasileiro e achava Raoni um nome típico. Regina foi contra e disse que havia uma relação de nomes para eu escolher. Disse: “Coloque o primeiro da lista”. E, como estava em ordem alfabética, seu nome é Alex. Deve haver outros nomes incomuns na minha família. Não me dei ao trabalho de pesquisar. Só citei aqueles que vieram à memória. Um dos primos, conhecido por Gué, nunca soube o seu nome. O Fiico, soube há pouco tempo, chama-se Antônio. O Neguinho é José e herdou o nome do avô José Batista. Minha mãe tem nome bonito (Olívia), cuja origem está relacionada à oliveira, a árvore consagrada aos deuses. Ivete, minha outra irmã, recebeu seu nome em homenagem a Ivete Vargas, filha de Getúlio Vargas. O outro irmão (somos cinco) chama-se Norival e é conhecido por Nori. Ele ganhou alguns apelidos no futebol. Detesta todos. Chamá-lo por um desses apelidos é querer briga. O meu nome, Laerte, talvez devesse ser Laertes. Segundo li, trata-se de nome grego, utilizado por Homero na Ilíada (Laertes, pai de Ulisses). Tenho um primo chamado Laércio, que sempre obteve a atenção preferencial das meninas por sua beleza. O pessoal tem nome feio, mas é bonito. Desculpem a propaganda e a imodéstia, mas basta ver os meus filhos para se comprovar isso.


54

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

O NOM E SERÁ JA IR! PON TO F I NA L Jair é o homem mais inteligente da família. Falante, como a maioria dos filhos de Olívia Domingues do Amaral e Sebastião Teixeira da Costa, casal formado em fazendas localizadas entre Vila Costa (Miraluz) e Vila Leuza. Velha estradinha rural de muitas histórias. Quando Jair nasceu, sua vida estava destinada a alguns desencontros. Jair é o que chamamos de predestinado. O nome escolhido para o terceiro filho do casal, depois das escolhas de Laerte e Orasília, seria Jair, talvez, por influência do grande jogador de futebol Jair da Rosa Pinto (1921/2005). Sebastião, o pai, antes de chegar ao cartório de Neves Paulista, passou pela casa dos pais, meus avós. Gabriela, sua mãe, censurou-o: “Você a qualquer hora será castigado. Só coloca nomes pagãos nos filhos”. Agricultor temente a Deus, meu pai mudou o nome. Trocou Jair pelo seu próprio. Nasceu, em 21 de agosto de 1951, Sebastião Teixeira Filho. Não adiantou colocar o nome do santo das flechadas. Continuou sendo Jair para a mãe Olívia, para os irmãos e para todos até hoje. Capricho de esposa enganada. Mas, como diz Paulo Roberto do Nascimento “o que é uma flechada a mais para São Sebastião”. Norival só veio saber que seu irmão se chamava Sebastião quando telefonou para as Casas Brasileiras, onde trabalhava e alguém lhe respondeu: “Aqui não tem nenhum Jair”. Minha mãe o socorreu: “Chame por Tiãozinho”. Desde menino, Jair foi uma pessoa inconformada. Os brinquedos ganhos nunca eram de seu agrado, para falar o mínimo. A revolta contra a vida pobre de São José do Rio Preto o levou, o único com essa coragem, a sair de casa e fixar-se em São Paulo, onde trabalhou em vários escritórios. O último emprego foi na Gelre, companhia de serviços terceirizados. Estava indo bem, mas lhe faltou sorte. Em São Paulo, Jair namorava Ivani, com quem, parece, realmente teve um caso de amor. Desastradamente, se desentendeu com o padrasto de Ivani e foi covardemente agredido. Com um caibro de madeira, desses utilizados em construção, à traição, Jair recebeu forte pancada na cabeça. O golpe lhe custou uma das vistas e alguns outros problemas. Voltou para casa.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

55

Recuperado, durante algum tempo, procurou por Ivani. Chegou a ir à Porta da Esperança, um dos quadros do Programa Silvio Santos. Em vão, Ivani certamente reconstruiu a sua vida. Jair integrou-se à comunidade da Congregação Cristã do Brasil e vive, com minha mãe, numa casinha modesta da Vila Anchieta. Está feliz. Quando foi para São Paulo, Jair era como os velhos aventureiros das famílias Domingues do Amaral e Teixeira da Costa. Fez o caminho inverso. Enquanto os parentes penetraram o sertão bruto, ele buscou a capital, pretendendo ali fazer a América. Lia muito e se preparava para vestibulares. Não acredito em destino, no entanto, Jair tem uma história digna das tramas de Edgar Alan Poe, cheia de enigmas e surpresas. Felizmente, o final dessa saga é bastante bom. O filho retorna à casa e se torna companhia para a mãe. Há vários anos vivem no mesmo lugar. Que continue assim!

OS M EN I NOS E OS V EL HOS Os velhos de minha família não foram cultuados. Poucas exceções se registram. A causa disso foi a diáspora rural, a partir dos anos 50. A maioria migrou para as cidades. Nem sempre as mesmas. Isso dificultou o contato permanente. Aqueles que permaneceram em suas propriedades, como foi o caso do tio Euclides, puderam ser reverenciados por filhos e netos. Meu pai morreu cedo. Os avós paternos (José e Gabriela) continuaram a viver em Mirassol, onde morreram e foram enterrados. José decidiu parar de trabalhar com 50 anos de idade, quando se mudou para a cidade. Não conheci o avô materno, chamado Antônio. Como meu pai, morreu assassinado, em virtude de desavenças locais, pequenas, que jamais justificariam um crime, ainda mais nos dias de hoje. Diferente da morte de meu pai, supostamente decorrente de roubo. Conheci bem a avó materna, cujo nome, para nós crianças, soava estranhíssimo: Marciana. Algumas primas, em sua homenagem, receberam o seu nome. Não sei se gostaram. O nome era adequado porque a minha avó era uma pessoa de outro mundo. Estava adiantada para a época.


56

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Marciana ficou viúva relativamente jovem e casou-se novamente com um homem 20 anos mais novo. Essas atrizes de hoje estão atrasadas em relação à minha avó. Seu segundo marido, Orlando, viveu com ela até a sua morte e pouco depois também se foi, provavelmente de solidão. Mulher especial: benzia, fazia remédios caseiros e cozinhou até depois dos 80 anos. Aliás, ninguém sabia ao certo a sua idade. Há contemporâneos que afirmaram ser ela muito mais velha do que seu registro de nascimento. Foi daquelas que se casaram cedo, costume comum no final do século 19 e começo do século 20. As filhas não herdaram os seus conhecimentos e alguns de seus filhos voltaram a viver com ela, depois de seus casamentos desfeitos. A vida de minha avó mereceria um romance. Marciana deixou muitas histórias. Algumas são inverossímeis. Ela própria era contadora de casos. Imagem que não perco de vista é a do tio Euclides, já velho sentado em sua cadeira de palha, colocada no alpendre da sede da fazenda. Imagino que ele permanecia ali olhando para as plantações, pensando nas décadas de trabalho árduo, desde a derrubada do mato até a construção da casa. Se dependesse dele, jamais deixaria aquele alpendre. Nós, meninos, não conversávamos com os velhos. Guardava-se distância, sinal mais de respeito do que de admiração. Eles não se importavam com as crianças, feitas para obedecer e trabalhar. Quanto maior a família, maior o número de braços. O casamento para os jovens significava a obtenção da carta de alforria. Tive a oportunidade de conviver com os avós paternos. José e Gabriela eram primos. Ele assoviava baixinho e, às vezes, me lembro dele através de meu filho caçula. Tiveram dez filhos, todos saudáveis. Alguns estão por aí, gordos e fortes. Um dos tios, com mais de 80 anos, trabalhou até recentemente como motorista de táxi. Esse tio taxista, Oliveiro (conhecido por Oliveira), ganhou festa de aniversário aos 80 anos de idade, comemorado no mês de setembro de 2009. Estive lá com minha esposa e minha mãe. Agradável conviver com tios, primos e seus filhos. Lembramo-nos de boas histórias e demos muitas risadas. Isso deveria ser feito com maior freqüência. O avô José falava pouco. Só o necessário. Não era de jogar conversa fora. Contaram-me uma estranha história: um fazendeiro vizinho mandou o filho buscar certa soma de dinheiro emprestado (tempo do fio do bigode). O rapaz fez o pedido, meu avô pediu para ele se sentar e ficou ali parado ao seu lado por


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

57

várias horas. Mudo. Sem responder. Ao cair da tarde, entregou o dinheiro, sem dizer palavra. Seus netos, pelo menos os filhos de minha mãe, não seguiram o exemplo e há os que falam pelos cotovelos. Saíram à minha mãe, Olívia, capaz de falar dez minutos ao telefone, mesmo quando é engano. Quando ligo para ela e para a minha irmã e ambos os telefones estão ocupados, desisto. Serão várias horas de espera. Enfim, conhecemos poucos os nossos velhos. Como já estou fazendo parte do time da terceira idade, espero melhor sorte e ter com quem conversar mais tarde. Mesmo que fique gagá, quero que tenham paciência de me ouvir ou que me contem histórias, incluindo as mentirosas.

V I A JA R COM A FA M Í L I A Gosto de viajar com a família. Gostava mais quando os meninos eram pequenos. Hoje, eles têm os seus próprios interesses e não viajam com os pais, considerados velhos. Mas, ocasionalmente, podemos nos impor por circunstâncias e eles nos acompanham, sobretudo quando a viagem é para fora do país. Fomos todos juntos ao Chile, ao Uruguai e à Europa, aos Estados Unidos e outros países. No Chile e no Uruguai, através de amigos sindicalistas, alugamos carros velhos e saímos por lugares desconhecidos. No Chile, fomos por estradas batidas, ladeando os Andes. Gastamos uma nota para comer e chamamos de “almoço do fim do mundo”. Na véspera de viajar ao Uruguai, houve a desvalorização do Real. FHC, depois das eleições, decretou que o Real seria uma moeda flutuante e ele flutuou para baixo, chegando próximo de quatro reais por dólar. Viajamos com o coração na mão. Sem saber quanto poderíamos gastar. FHC estragou nossa viagem. Ninguém queria receber reais e no aeroporto não havia parâmetro para comprar dólares. A solução foi pagar com cartão de crédito e gastar os poucos dólares de nossa economia familiar. Tenho por hábito guardar os dólares que sobram das diárias e fazer pequeno pecúlio para os futuros passeios com a família. Essa poupança e mais a coleção de milhas junto às companhias aéreas já nos proporcionaram momentos muito felizes. Nas primeiras viagens que fiz como sindicalista ou palestrante, tinha o costume de, ao visitar um país, conhecer seus principais pontos turísticos.


58

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Na primeira vez que visitei a Colômbia, assisti a uma tourada. Na última vez, Júlio Roberto Gómez, presidente da CGT, me levou à Catedral do Sal. O país é lindo, povo maravilhoso e gentil, além de possuir uma das cidades mais bonitas da América, Cartagena, onde vivia Gabriel García Márquez. Gosto de levar a família por onde viajei a serviço. Em 1988, pela primeira vez, estive nos Estados Unidos, onde fiz curso no instituto da AFL-CIO, conhecendo Washington, Nova York e Miami. No ano seguinte, em julho, levei a família e fizemos o mesmo roteiro: excursão da Vídeotur. Viajamos em companhia de boas famílias rio-pretenses. Naquela viagem aconteceu o improvável: encontramos com Ivani Figueiredo, esposa do então prefeito Toninho Figueiredo, e suas filhas numa das esquinas de Nova York. Em Genebra, na Suíça, conheci cliente do oftalmologista José Pardo Filho. Na Inglaterra, entregamos encomenda a uma amiga de meu filho, cuja família mora em Mirassol, marcando encontro numa das praças de Londres. Há rio-pretenses com bons investimentos em Portugal. No confuso aeroporto de Roma, Pio, o amigo que nos esperava, quase desistiu. Falei a ele: “Agora entendo porque São Paulo é aquela confusão”. Ele riu muito. Volto à família. Viajei com Regina para vários países e nunca vi ninguém com tanta paciência para fazer compras. Olha com atenção os produtos. Demora no exame das mercadorias e só depois, se lhe interessar, compra. Em geral, as mercadorias são mais caras do que no Brasil, exceto produtos de marca. Certa vez, chegamos aos Estados Unidos no dia seguinte ao Dia de Ação de Graças, a famosa “Black Friday”, com espetaculares liquidações. Alex se esbaldou. Marcelo é o econômico da família. Para gastar algum dinheiro demora muito. Em compensação, Alex é louco por roupas de grife. Pena que não tenha dinheiro suficiente. Mas, com o pouco que ganha, se ajeita. Regina gasta, mas passa o ano inteiro guardando. Surpreendo-me com as suas economias. Eu sempre fui pródigo. Mas nunca gasto para mim. Sempre para os de casa. Como família de classe média até que nos superamos. Mas, não há como viajar sem planejamento e recursos. As viagens ao exterior são caras e, numa delas, tivemos de ficar 10 meses pagando o cartão de crédito. Aprendemos a lição e não permitimos mais surpresas desagradáveis. Se há possibilidades, viajamos. Se não, permanecemos em casa, sempre o local mais agradável de todos. Viajar é bom, mas voltar é melhor ainda.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

59

T ERMI NA N DO PELOS DEF EI TOS Cada família tem um defeito congênito. Aquela avaria genética que nasce com os indivíduos afins. Nós, os lá de casa, temos uma compulsão incontrolável e inexplicável à afronta gratuita. Não é um defeito físico. É uma inclinação para a crítica e para o confronto. Na maioria das vezes, nem é intencional, mas essa tendência provoca danos irremediáveis. Não sei de que lado vem, mas desconfio que de ambos. Talvez, heranças atávicas, perdidas nos contrafortes da Serra da Bocaina (MG) ou no Polígono das Secas (BA). Sei que é presente em quase todos. Eu, especialmente, sofro muito com isso. Aprendi a controlar, mas nem sempre. Escorregões inevitáveis acontecem. Falam que até sangue de índio há em nossos genes. Se lerem o artigo “O tapa e o soco”, logo notarão essas “disposições homicidas”. Olhando para trás, percebe-se que já existia a capacidade de se impacientar e fazer manifestações de súbito, impensadas. Certa vez, um tio atirou no irmão escondido debaixo da mesa. Outro, tio-avô, matou o delegado de Nipoã e meu pai resolveu vingar-se de desafetos de meu avô. Há notícias de inimizades históricas entre parentes. Não se sabe o mecanismo que dispara isso. A bebida alcoólica agrava o problema, mas não explica. Acontece também com outros, a maioria, que são sóbrios. Nem sempre são coisas graves. Pequenas falas, gestos desnecessários, piadas inconvenientes, indiscrições. Tudo isso faz parte desse arsenal de maldades típicas. Tendência comum entre humanos. O pior é quando acontece com pessoas muito próximas, filhos, irmãos, primos ou parentes em geral. Nessas famílias, a tendência é ser exigente em relação aos próximos e tolerante em relação aos estranhos. Um contra-senso. Nas atividades diárias, é menos comum, mas também ocorre. Nas atividades esportivas, nem se fale. Meu pai não tolerava derrotas. Quando eu me atrevia no pedestrianismo de Mirassol, nas comemorações do aniversário da cidade, se não estivesse entre os cinco primeiros, a bronca era despropositada. Exigir mais dos filhos parece ser recorrente entre nós. Admiro pais que sempre têm um elogio pronto para o filho. Aprendi com Regina a respeitar mais as pessoas e, em relação aos filhos, repetindo, eles ficaram longe dos castigos físicos. Nossos exemplos pregressos não foram os melhores. Hoje, sei que só o elogio constrói. A deseducação não leva a lugar algum.


60

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

No período da ditadura, ao ser inquirido por um famoso delegado local (já falecido), fui grosseiro e ele quase me prendeu por desacato. Fui salvo por José Mário Soares de Carvalho, então estudante de direito e estagiário de um bom escritório de advocacia. Melhorei muito nas últimas décadas, certamente, em função da idade, mas estou ainda sujeito às derrapadas. No futebol, tenho um irmão crítico e impaciente. Ele também tem a tendência de rompantes intempestivos. Uma das irmãs era da pá virada, mas descobriu-se um tumor que pressionava partes do cérebro. Operada, tornou-se uma pessoa mais calma. Em tom de pilhéria, digo que todos em casa deveriam fazer esse tipo de cirurgia. Somos, contudo, normais em nossos exageros. Em família, por se conhecer a tendência, acertam-se os ponteiros. Com estranhos fica mais difícil. Na infância, as explicações são mais simples e nossas mães têm esclarecimentos engenhosos. Aprendi que havia dois anjinhos: um, do bem e outro, do mal, postados atrás das crianças, um de cada lado. O anjinho bom sempre aconselhava o comportamento adequado, conciliador, educado. Mas, o anjinho mau incitava à desforra, à crítica e ao destempero verbal ou físico. Desconfio que meu anjinho bom saia constantemente de férias. Briguei muito na escola. Mas olho! Cuidado! Isso raramente acontece. Não é repetitivo. Numa vida inteira, posso contar meus escorregões nos dedos das maõs. Só que, quando acontece, sai debaixo. O estrago é grande e normalmente irrecuperável. No meu caso, já aconteceu na política, no sindicalismo e em família. Depois da trapalhada, desculpas não resolvem. Sobra apenas a ressaca moral. Depois da ressaca moral, vem um longo período de cuidado e prudência. Ficamos longo tempo bem-comportados. Quando se esquece, estamos relaxados, volta a acontecer. Boa técnica é contar até dez ou fazer uma rápida oração antes de falar, especialmente, quando se é ofendido. Às vezes, até dessas precauções nos esquecemos. As explicações servem para desculpas antecipadas ou correção de velhas ofensas. Depois disso, espero que todas as gerações da minha família sejam desculpadas (se não todos, pelo menos eu) pelos numerosos insultos e ultrajes. Podem crer que aprendemos. Nossos filhos são melhores e os nossos netos serão melhores ainda. Tenham, pois, paciência.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

61

T R A BA L HO E FORM AÇÃO

AGÊNCI A FOR D Bati à porta da revendedora de veículos da marca Ford para disputar o cargo de contador. Na época, a empresa denominava-se Germano Sestini S/A, Comércio, Indústria e Importação. João Sestini, o diretor superintendente, me entrevistou. João foi o primeiro a utilizar a expressão “São José do Rio Preto, a capital da região dos grandes lagos”. Pedir emprego lá foi iniciativa minha. Num sábado, trabalhando de manhã no Banco, li o jornal “A Notícia” e vi o anúncio da empresa recrutando contador. Aldo Fernandes, que ocupava o posto, aprovado no concurso do Banco do Brasil, queria sair rapidamente. Nem se preocupou se eu estava realmente preparado para o cargo. Sorte minha! Tremendo salto qualitativo. Depois de trabalhar nas Indústrias Matarazzo e no Banco Comind, passei a ser o contador de uma das maiores empresas de São José do Rio Preto, que não se resumia à revenda de veículos. Incluía condomínios, hotéis e fazendas. Comecei a ganhar mais, o dobro do que ganhava no Banco. A vida melhorou e o trabalho me colocava em contato com a elite rio-pretense. Na Associação dos Contabilistas convivi com Eurípedes Faria, Artur Nonato, Antonio Damas e muitos outros colegas de profissão, nomes que só ouvia na escola. Passaram a me ver como um dos mais promissores profissionais do ramo.


62

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Podendo pagar a escola, ingressei na Faculdade de Ciências Econômicas Dom Pedro II e concluí o curso em 1971. Deixei a Agência Ford. Assumi a contabilidade e, depois, a gerência de negócios da empresa Adubos Boutin Ltda., indústria de fertilizantes sediada em Curitiba. Outro grande salto profissional. Apesar das vantagens, trabalho não faltava na Agência Ford. À época da apresentação das declarações de Imposto de Renda, geralmente, preenchia os formulários de todos, funcionários e patrões, incluindo filhos, noras e genros do velho Germano Sestini. Primeiramente, à mão, depois, à máquina de escrever. Não havia computador. Não reclamava. Ganhava bem e aprendi bastante. Devo muito a eles. Tinha um probleminha. Como trabalhava muito e estudava à noite, às vezes, chegava atrasado de manhã. O lema do velho, “o bom funcionário não chega na hora. Chega antes”, não estava funcionando comigo. Ele permanecia à frente da loja, em posição de sentido, vendo a chegada de seus funcionários e possuía como cão de guarda o sobrinho, pronto para exercer a autoridade como gerente. José Sestini era implacável. Certo dia, ao chegar atrasado, Zezinho me perguntou o porquê do atraso. Cansado de dizer que havia dormido um pouco mais porque ficara estudando até tarde da noite, disse que tinha ido à farmácia. Não é que o danado ligou para a farmácia, descobriu a mentira e me deu uma longa aula de moral. Daquele dia em diante, procuro não mentir e não mentir, por incrível que pareça, às vezes, traz problemas. Vá entender! Trabalhei na Agência Ford com excelentes pessoas e mantive amizade com todos. Ajudaram bastante quando me candidatei a vereador. Não tive maiores atritos com o gerente, mas me sentia perseguido por ele. Quando ele saiu da empresa, desculpou-se pelo episódio da farmácia. Rimos do acontecido e tudo ficou bem. Zezinho foi para São Paulo, talvez cansado de trabalhar para a família e não ter perspectivas. Continuou no mesmo ramo. Aposentou-se e voltou para Rio Preto. São José do Rio Preto não tinha o tamanho de hoje e muitos jovens saíam daqui para tentar a sorte em São Paulo. Claudete Aparecida Priotto, uma das funcionárias, mudou-se para São Paulo, casou-se e é mãe da consagrada atriz Ana Paula Arósio. Osmar Marques dos Santos entrou menino e tornou-se empresário. José Merlini chegou a diretor do Banco do Brasil no Rio de Janeiro. Walter Mendes e Cezar Malavazzi, como muitos outros, venceram por aqui mesmo.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

63

Antônio Conte, proprietário da Churrascaria Gaúcha, que ficava defronte à Agência Ford, por comodidade, utilizava-se de meus serviços. Por isso, quando almoçava na Gaúcha, ele dificilmente cobrava. Outro que almoçava lá, todos os sábados, por conta da casa, era Carlito (Carlos da Silva Morgado), o chefe da oficina. A antiga Churrascaria Gaúcha ainda está lá, muito bem dirigida pelo comerciante Adalberto Affini. Nunca deixei de freqüentá-la. De vez em quando, vou lá com a turma (Leão, Galo, Mosquito, Soler, Paulo Cesar, Zé Figueira, Sandro, Norival e outros). Regina me acompanha quase sempre e dá broncas quando gasto muito. O Artur, proprietário da Skol, começou no bar da “esquina da Ford”. Manoel Antunes trabalhava ao lado, nos Correios. O Palace Hotel, instalado nos andares superiores do prédio da Agência Ford, ainda está funcionando. Havia outro hotel, na esquina da Prudente de Morais com a XV de Novembro. O senhor Luis Conte tinha o Hotel São Luis, na rua Voluntários de São Paulo, que servia boas feijoadas. Aquele quarteirão cheio de construções velhas deveria ter sido desapropriado para ser terminal de ônibus. Fiz essa sugestão a vários prefeitos. Hoje, não é mais possível nem aconselhável. Congestionaria ainda mais o centro. De vez em quando, o senhor Germano permitia que fizéssemos piquenique em sua fazenda à beira do rio Turvo. Com a pressão dos filhos e genros, o patrimônio começou a ser desfeito, pulverizado entre as gerações que se sucederam, dividindo-se muito, como é normal em famílias numerosas. Nestas pequenas memórias há um texto que fala dos filhos de Mariano Cossi, um de nossos colegas da Agência Ford. Mariano trabalhava muito, dirigia o guincho (naquele tempo serviço pesadíssimo, que exigia muito fisicamente), além de não ter horário. Estradas de terra. Na época das chuvas tudo se complicava. Mariano era dos poucos funcionários que tinha amizade pessoal com Germano Sestini. Viajavam juntos. A Agência Ford foi uma escola e marcou por muitos anos a vida da cidade. Os Sestini foram pioneiros e hoje a família já está na quarta geração. Alguns continuam pessoas proeminentes do universo social rio-pretense. Quando os vejo ou leio sobre eles, me sinto revigorado.


64

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

A NOS DUROS Lembro-me que, com oito ou nove anos, trabalhava numa fábrica de balaios para mudas de café. Feitos com bambu, embora simples e fácil, o trabalho castigava as mãos das crianças, que, junto com os adultos, dividiam o espaço da fábrica. Ganhava-se por produção. A casa em que morávamos, na rua São Bento, em Mirassol - naquela época a última rua da região norte da cidade -, tinha um grande quintal com árvores frutíferas. Meu segundo trabalho foi vender tangerinas. Só me recordo do peso da cesta. Não creio que tenha sido bom vendedor. Naquele tempo, toda casa tinha quintal com frutas. Tive, como todas as crianças pobres da década de 50, uma caixa de engraxar sapatos. Fazia bom dinheiro na época da tradicional festa de São Pedro. Os engraxates ainda existem em muitas cidades brasileiras. No Peru, os lustradores têm até sindicato. Já estava ficando grandinho quando fui informado pelo meu pai que passaria a trabalhar na loja de móveis Casa Verde. Fiquei lá menos de seis meses e nunca recebi salário. Aprendiz, como se dizia. Só me lembro do velho, avô dos bem-sucedidos netos, os Dalul, porque ele não me deixava sentar e me obrigava a ficar espanando os móveis. Encontro freqüentemente o Luis Henrique Dalul na sauna do Automóvel Clube e damos boas risadas quando ele diz: “Além de ter emprego, você ainda queria ganhar e sentar?”. Em frente à Casa Verde, estava o Escritório Mercúrio de Contabilidade e eu invejava aquelas pessoas que trabalhavam sentadas atrás de uma mesa. Pedi emprego e o proprietário Sneyder Acácio Muradi, hoje, delegado aposentado, me contratou por 200 cruzeiros mensais. Nem sei o quanto representava aquela fortuna. Nunca mais saí detrás de uma mesa. Em 1958, meu pai foi morto. A partir do início de 1959, passei a morar em São José do Rio Preto e a luta continuou, pior ainda. Meu pai não pagava aposentadoria e deixou minha mãe viúva, sem qualquer renda. Antes do primeiro emprego decente, trabalhei na Farmácia Santa Clara e em outro escritório de contabilidade. Sempre explorado. O caso da farmácia foi triste e estou pagando até hoje. De bicicleta, buscava remédios na Distribuidora Baruel (Hitler Fett trabalhava lá como balconista). Sofri um acidente e quebrei os dentes superiores da frente. O dono da farmácia (seu Chiquinho) foi à minha casa e envenenou a minha mãe. Disse que fui o causador do acidente por pegar rabeira de caminhão.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

65

Uma grande e adulta mentira, daquelas que só os crápulas sabem contar. Não estava registrado. Não ganhava sequer o salário de menor. Não tive os dentes consertados e quase apanhei em casa. Os dentes foram se deteriorando com o tempo e, depois de duas próteses, me preparo para alguns caros implantes. O mentiroso dono da farmácia vendeu-a. Mudou-se para Campinas. Está morto e enterrado, como todos nós estaremos um dia. A morte nivela a todos. Em 1960, com mais de 15 anos, graças a um misto de competência e caridade, fui contratado pelas Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo e passei não só a fazer um trabalho decente, como a ganhar um salário digno. Não sei se ainda vivem. Perdi o contato, mas, mesmo tarde, os meus agradecimentos aos senhores Alaor Machado e Domingos Tortorello, gerente e chefe de escritório da unidade de Rio Preto. Eles permitiram àquele mirrado jovem, parcialmente desdentado, conquistar um lugar ao sol. Daí em diante, tive bons empregos: bancário e contador. Ao entrar de vez na política e no sindicalismo, foi difícil conciliar as atividades profissionais com as novas funções, decorrentes todas de eleições regulares. Feito um balanço honesto, venci nas duas atividades, semelhantes entre si. Mas, antes dessas facilidades, tive anos duros, duríssimos.

AT ENÇ ÃO E M EMÓRI A Não entendo como funciono em termos de memória e atenção. Nunca fui bom nisso. Tenho, desde sempre, dificuldades insuperáveis para guardar nomes. Apesar disso, fui razoável aluno de História e Geografia. Cheguei a pensar em fazer o curso de História, talvez pela grande admiração que tive por Roberto Choeiri, professor da matéria. Na infância, recebi muitos croques e reguadas, tanto de pais como de professores. A maioria dos castigos foi por divagar e não prestar atenção na conversa ou na aula. Agora, mais informado, sei que é traço pessoal, do qual tenho pouca ou nenhuma culpa. Todavia, continua a acontecer. O que aprendi foi disfarçar melhor. Quando um assunto não interessa ou é insuficiente para me prender a atenção, viajo mentalmente olhando para o nada ou para um ponto fixo, que sequer vejo. O Toninho (Antonio Pedro Sebastiano), amigo do Racha da Brahma (Palestra Esporte Clube), divertia-se chamando a atenção dos


66

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

demais: “Agora, ele está no Afeganistão”. Acontece sempre e em certas ocasiões com interlocutores importantes, como certa vez com José Sarney, no Senado Federal. Péssimo aluno de matemática, nunca me interessei por algum tipo de ofício, como mecânica ou marcenaria. Nem mesmo como hobby. Sem explicação lógica, minha profissão principal é técnica: contador. Por décadas, exerci essa profissão. Faz bom tempo que não trabalho como contador. Para lecionar, sempre me utilizei de uma ajuda-memória. Levava o material, naquele tempo, datilografado ou mimeografado, distribuía aos alunos e tinha pronta uma ficha contendo as anotações básicas sobre a matéria. Com a fichinha, esgotava o assunto, sempre agregando conhecimentos e curiosidades a respeito. Como leio muito, isso se torna fácil e atualmente faço o mesmo em palestras. Algo me intriga. Quando vou para um seminário, encontro ou discussão, escuto as falas e participo dos debates, parece que tudo o que li ou aprendi a respeito do assunto me volta à memória, como mágica. Entro no clima, discuto com propriedade e, às vezes, chego a ser eficiente. Claro, não acontece com freqüência, mas me defendo bem. Quando jovem ia muito ao cinema, hábito que eu e a Regina mantemos até hoje. Tinha o costume de, ao voltar para casa e me deitar, rememorar a fita toda, passando-a do começo ao fim em minha mente. Assim, adormecia. Atualmente, quando assisto a filmes antigos, ao rever as cenas, informo aos presentes: “Agora ele vai falar isso...”. Não sei como a mente aciona esse mecanismo. Disseram-me que tenho um pouco de memória fotográfica. De fato, as imagens sempre facilitam as minhas lembranças. Estou na sexta década da vida e pelo que leio e ouço, os problemas de memória vão piorar. Aprendi a controlar a atenção e não faço muito esforço para me focar em alguma coisa. Treino muito a técnica oriental da meditação e julgo-a muito difícil. Já não guardo bem o que leio e, como digo em tom de brincadeira: “estou na fase em que, chegando o jantar, já me esqueci do que comi no almoço“. Os estudiosos do cérebro, os neurocientistas, dizem que é necessário treinar a memória, recomendando a velha e boa palavra cruzada. Leituras e jogos, como o xadrez, são úteis. Há novos remédios e as receitas alternativas são muito populares, como é o caso do ginko-biloba, uma planta originária da China e sagrada para os budistas, conhecida há 2800 anos. Como piada, lembram-me da existência de um famoso médico alemão, Alois Alzheimer


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

67

(1864/1915), descobridor da doença que leva o seu nome e que se caracteriza, num certo estágio, pela perda total da memória. Continuarei lendo bastante, utilizando agendas e lembretes, importunando as secretárias, várias e em diversos lugares, perturbando a minha esposa, capaz de repetir várias vezes, desde a hora do dia até coisas importantes como os aniversários de parentes próximos. Sem essas pessoas e os inúmeros meios para lembrar-me das coisas, não sei o que seria da minha vida.

C A RR EIR A S E OPÇÕES PESSOA IS s vezes, me pergunto se estaria melhor ou pior, segundo as opções À que fiz em termos de carreira ou profissão. Se você ler todos os meus artigos, vai ver que nem todos os caminhos que segui foram escolhidos. A maioria, provavelmente, foi fruto do acaso ou não previstos. A política e o sindicalismo são duas atividades que anulam perspectivas em outros setores. Absorvem demais. Conversando com Fábio Renato Amaro da Silva, comentei o assunto e, com surpresa, ouvi: “Laerte, penso nisso todos os dias”. Fábio começou no sindicalismo e na política bastante jovem. Quando se elegeu vereador, despontou como promessa política. Naquele tempo, já militava no Sindicato dos Comerciários. Fábio mergulhou de cabeça nesse tipo de atividade. Acabou por ser orientador trabalhista da Secretaria Estadual do Trabalho e, a partir dali, vinculou-se à lida diária do universo sindical, sempre tentando voltar às atividades políticas. Uma coisa atrapalhava a outra. Fábio poderia ter sido, se não optasse pelo serviço público ou por ajudar seus amigos na área sindical, um dos mais brilhantes advogados do país (que ele é, sem exercer). Dei o exemplo do Fábio por ele estar próximo e ser mais conhecido, mas há outros inúmeros casos de pessoas que foram para o sindicalismo ou para a política e, não fossem essas opções, teriam desenvolvido outras carreiras, praticado outros negócios, percorrido outras veredas e, capacitados como são, certamente teriam sucesso em qualquer atividade. Vi somente um caso de sindicalista que, olhando a sua volta, rebelou-se: “Isso não é para mim”. Conversando com Daniel de Freitas sobre isso, ele afirmou que as pessoas de talento são vitoriosas em qualquer atividade. Lembrou-se dos


68

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

exemplos da gloriosa Geração Senac (leia texto sobre) e citou o nome de vários companheiros bem-sucedidos nas mais diversas atividades. Ele mesmo é exemplo de homem bem-sucedido. Em geral, o político não sai da vida pública a não ser que seja despachado pelo povo, perdendo eleições. Fica ali amarrado. Tanto o sindicalismo quanto a política, para pessoas honestas como o Fábio e outros, não oferecem nenhuma oportunidade de ganhar dinheiro. Vive-se de salários que, mesmo sendo bons, não permitem mais do que uma vidinha de classe média. É o caso de muitos. A maioria ganha pouco. Particularmente, nunca tive predileção por concursos públicos. Sempre achei que o serviço público embota a inteligência da pessoa e não lhe permite espaço para o desenvolvimento da criatividade. Mas, olhando para trás, vejo que, em boa parte da vida, o que fiz foi exatamente trabalhar no serviço público. Vinte anos como vereador, trinta anos lecionando, cinco anos na Sert (Secretaria de Estado de Relações do Trabalho), quase dois anos na Secretaria Municipal de Planejamento e mais dois anos no Semae (Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto). Sindicalismo, com ou sem cargo, pratico desde 1965. Não se podem somar os anos. Existem atividades concomitantes. Minha primeira profissão foi contador. Quando saí, por problemas pessoais (tive que voltar para São José do Rio Preto) da empresa de Curitiba (Adubos Boutin Ltda.), tive bons motivos para acreditar que cometi um erro. Deixar de acionar a Fresa, já que tinha estabilidade provisória por ser dirigente sindical, e optar pela carreira política, talvez tenha sido outro erro. Não ir para o secretariado do primeiro governo de Manoel Antunes, preferindo ser presidente da Câmara, certamente foi um gigantesco erro. Erro maior pode ter sido indicar pessoas para aquela administração. Conheci colegas vereadores que, privados do mandato, perderam o rumo. Muitos deles permaneciam à porta dos gabinetes, mendigando emprego. Por isso, tomei a decisão em 1996 de não disputar a reeleição e optei por exercer o mandato de presidente da CAT. Foi uma decisão acertada. Erro foi voltar anos mais tarde à atividade política. O que poderia ter sido um salto para a Prefeitura foi um pulo no escuro. Aceitei, sem saber, trabalhar em companhia de gente pouco escrupulosa. Perdi muito. Em determinado momento até a minha credibilidade esteve em jogo. O homem tem dois patrimônios inalienáveis: seu caráter e o seu conhecimento. São coisas que jamais lhe podem ser tiradas. O caráter é a marca


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

69

da pessoa, sua maior grife, e o conhecimento é o atributo, a bagagem do homem. Lutei muito para recuperar a minha imagem e acho que consegui. Sou respeitado. Trabalho com afinco e perseverança para obter e ampliar conhecimentos e, acredito, sou preparado. Entendo que uma pessoa preparada pode se sair bem em qualquer papel. Hoje, quem fez vários cursos, leu muito e possui amplos conhecimentos multidisciplinares tem mais possibilidade de vencer onde escolher atuar. No meu caso, contabilidade, vendas, magistério, sindicalismo, política ou marketing. Contudo, estou no ocaso dessas atividades todas. A aposentadoria me espera logo ali. Talvez, no momento em que lançar essas pequenas memórias.

COMM ÉRCIO E I N DÚST RI A Quando comecei a trabalhar no banco que veio a se chamar Comind, pensei que iria ter uma jornada de trabalho diária de seis horas. Logo aprendi que não poderia deixar de comparecer pela manhã à agência. Simplesmente não daria conta do serviço. Descobri que jornada limitada não existia. Pura falácia. Ninguém explicava, mas aquela agência bancária da rua Bernardino de Campos, em São José do Rio Preto, tinha o maior movimento e foi uma das maiores daquele banco no país. Hoje, sei. Ali, trabalhava, provavelmente, a melhor equipe que se pôde reunir na cidade, em termos de dedicação e competência. Vários de seus funcionários foram promovidos, ocuparam cargos em outros bancos e alguns se transformaram em grandes empresários. Muitos daqueles abnegados funcionários foram para o Banco do Brasil e para o Banespa, como os meus amigos Diolandi Bolçone e José Roberto Arroyo. Quando um banco concorrente inaugurava uma agência na praça, a primeira providência era contratar funcionários do Banco do Commércio e Indústria, assim mesmo, com dois emes. Os gerentes dali se agigantavam, substituíam os funcionários perdidos e a agência seguia sendo a mais movimentada da cidade. Verdadeiro fenômeno. Lembro-me de muitos e competentes nomes e citarei como primeiro José Vitta Medina, por seu amor à cidade, sua inserção comunitária e por muitas injustiças que sofreu, pelas mãos dos homens e do destino, sem perder a fleuma e a alegria. Veio de Garça e daqui não saiu mais. Medina é o


70

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

meu bancário modelo. De vez em quando, nos encontramos e trocamos boas idéias. Essa geração de funcionários do Comind foi tão unida que ainda hoje promove reuniões festivas. Não compareci a nenhuma delas, mas espero estar presente na próxima. Será bom rever os amigos que lá fiz. Alguns deles, como Marinês, encontro habitualmente no Mercado Municipal. Valdemar Brentam, vejo ocasionalmente na Churrascaria Gaúcha, local de muitos almoços entre os funcionários. Não permaneci muito tempo nos quadros funcionais do Comind. Pedi demissão para trabalhar na Agência Ford, propriedade do senhor Germano Sestini, e assumi, definitivamente, a carreira de contador. Vivi décadas dos rendimentos proporcionados pela profissão. Tanto o Banco como a Ford me proporcionaram saltos na qualidade de vida. A decisão de trabalhar como contador e os bons salários pagos a esses profissionais no passado, me levaram a não prestar concursos públicos. Houve uma exceção. Prestei concurso para o Tribunal de Contas da União e não fui aprovado. Havia poucas vagas e muitos boatos, nos quais não acreditei. Devo ter ido mal mesmo. O Comind e outros bancos quebraram ou sofreram intervenções. A política governamental sempre favoreceu as fusões. Mais recentemente, foi o período das privatizações. Há modismos também em administração. Temos muitos bancos estrangeiros atuando no Brasil. Os bancos têm lucros exagerados, mas continuam pagando mal seus funcionários. O governo protege os banqueiros e todos os que representam o poder econômico. Lei universal e imutável. Normalmente, os bancos têm políticas de substituição permanente de pessoal. Em função disso, você vê só gente jovem e bonita trabalhando nas agências bancárias. Parece que essa política vem se modificando ligeiramente, mas nada autoriza confiar permanentemente em suas políticas de relações de trabalho. A agiotagem se institucionalizou e há outras formas de praticá-la. No Brasil moderno (e no resto do mundo), os banqueiros têm muito poder e, embora representando o gênesis do capitalismo, adoram socializar os seus prejuízos. Enquanto escrevo este texto (final de 2008), os bancos do mundo todo estão buscando ajuda governamental para se afastarem da crise, fomentada pela ganância desenfreada e por um cassino global, ancorado em negócios inviáveis, como foi o caso das hipotecas do setor imobiliário americano. Terminou, como em 1929, a fase da exuberância irracional. Voltará um dia, porque o homem não aprende e porque, tudo indica, essas situações são cíclicas.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

71

Naquele tempo, meados da década de 60, a eficiente agência da rua Bernardino de Campos pagava uns jurinhos para os recursos parados em contas correntes. Ainda se acreditava na honestidade das pessoas e saldo médio era uma teoria distante. Muitas vezes, depois que saí do banco, fui lá e consegui alguns empréstimos para custear as minhas extravagâncias. Nunca negaram e nunca deixei de pagar. Houve modificação das condições de trabalho nas agências bancárias: total informatização e agilidade, cobrança de taxas e vendas de produtos sofisticados. Os gerentes de hoje são meros vendedores desses produtos. Os chamados gerentes de contas são chatíssimos. Fazem visitas e insistem na venda de seguros, cartões de crédito, sistemas de previdência privada e outros penduricalhos. Haja paciência. As visitas dos gerentes do passado normalmente se destinavam a abertura de contas e ao fortalecimento das relações com os clientes. Receber a visita de um gerente de banco era importante. Significava que você estava entre as pessoas com potencial financeiro ou empresarial. Nas agências, o ambiente era despojado e simpático. Não creio que venhamos ter mais agências bancárias como aquela do Comind. Pena.

CON TA BI L I DA DE Sempre tive uma ligação estreita com a profissão de contador, seja trabalhando, lecionando ou participando dos movimentos da categoria. Comecei com 11 anos de idade, aprendiz em escritório de contabilidade e todas as minhas funções posteriores, à exceção das atividades políticas e sindicais, estiveram vinculadas, direta ou indiretamente, à contabilidade. Foram muitos anos vivendo do exercício da profissão. Como contabilista, trabalhei primeiro na Agência Ford, depois na empresa paranaense Adubos Boutin Ltda. (Curitiba), no complexo Hospital de Base/Faculdade de Medicina e na casa comercial Elétrica Casa Branca Ltda. Outras empresas figuraram na minha pasta, como consultor independente e de várias organizações ao mesmo tempo. Sempre permaneci bom tempo em cada empresa e de todas, menos a HB/FARME, pedi demissão. No caso da HB/FARME, a história está contada em canto próprio nestas pequenas memórias. Depois que assumi pela primeira


72

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

vez, em 1983, a presidência da Câmara Municipal, tornou-se difícil a dedicação integral à profissão. Concluí o curso técnico de contabilidade, em 1965, na Escola Senac de São José do Rio Preto. Excelente escola. Inovou com seu escritório modelo. O professor de contabilidade, Antonio Brás Vernucci, rigoroso e competente, empenhava-se no ensino da matéria, considerada por alguns alunos como árida e difícil. Grande mestre. Acrescente-se que, a partir de 1969, comecei a lecionar contabilidade, inicialmente no Colégio São Luis (Grupo Fadir) e depois nas Faculdades Dom Pedro II (economia, administração e engenharia). Essas atividades me permitiam estar em dia com os progressos da profissão e em contato com os colegas e futuros profissionais. Ajudaram também nas atividades políticas. Trabalhando na Agência Ford, comecei a freqüentar a Associação dos Contabilistas de São José do Rio Preto. Depois, fiz parte de sua diretoria, mas somente em 1986, com a ajuda de Aloysio Nunes Ferreira Filho, conseguimos transformá-la em sindicato. Almir Pazzianotto Pinto assinou a Carta Sindical. Felizmente, há grande unidade entre os contabilistas, o que possibilita a convivência de várias entidades congraçadas (Sindicont, Assescrip, Sescon, CRC, Acirp e Sincomércio). Esse arranjo possibilitou a instalação na cidade da Jucesp, algo que facilitou o trabalho dos contabilistas, antes obrigados a despachar os seus documentos na capital. Na administração do Luis Carlos Augusto, o Sindicont terminou de construir sua sede, contando com a colaboração de todos. No mesmo terreno estão o Sindicont, a Assescrip e a Jucesp. Todas essas facilidades e cooperação dos colegas contabilistas, bastante visível a todos, colocam o contador como um dos grupos mais bem organizados da cidade. Isso começou com Moacir Rodrigues Marques e continua com outros colegas. Quatro entidades (Sindicont, Assescrip, Acirp e Sincomércio) fundaram a Associação das Entidades Industriais, Comerciais e Contábeis de São José do Rio Preto (Assosind), responsável pela administração daquele espaço físico. Exemplo que tem sido exportado para outras cidades brasileiras. Há planos de continuar as construções. O terreno permite. Dentre as idéias, está a de construir uma quadra poliesportiva. Hoje, já é possível realizar reuniões, cursos, palestras e recepções. Creio que esse modelo de agrupamento de entidades afins é um bom modelo e deveria ser seguido por outros grupos locais.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

73

CURSO DE A DMISSÃO Fui um aluno com enorme déficit de atenção, até hoje, em reuniões importantes, eu me pego em viagens mentais. Às vezes, isso ocorre em conversas e não sei o que o meu interlocutor falou. Problema que venho combatendo desde sempre. Em geral, quem tem déficit de atenção, tem também péssima memória. É o meu caso. Atualmente, com mais de 60 anos, não conheço direito os mecanismos de minhas lembranças. Sei que ela melhora com imagens e, avivada por fatos e circunstâncias, às vezes, chega a ser eficiente. Acostumei-me a anotar tudo. Muitas vezes marco compromissos na agenda e me esqueço de olhar a agenda. Então, para aumentar a eficiência, chego cedo ao trabalho e anoto tudo o que devo fazer naquele dia. Funciona razoavelmente. Quando falo em público, tenho uma ajuda-memória com um roteiro a seguir. Quando menino, não me preocupava com essas coisas. Matriculado no curso de admissão para poder fazer os exames para a primeira série ginasial (5ª série), de vez em quando faltava do curso, ministrado pelo professor José Cavariani. A turminha nadava na represa da fazenda do político Anísio Moreira, pai do conhecido Anisinho, casado com Maria Ondina. Mais tarde, conheci Anisinho Moreira, proprietário da Labormédica, grande empresa de São José do Rio Preto, sacrificada pela concorrência e pelos meios de comunicação. Não fomos contemporâneos na infância. Ele é mais novo. Seu pai morreu num acidente de avião, do qual se salvou Tarley Rossi Vilela, negociante de gado. Havia vestibular para entrar no curso ginasial. A escola pública foi excelente. Depois, o ensino foi democratizado, embora tenha piorado bastante. Os cursinhos preparatórios para os vestibulares se inspiraram nos velhos cursos de admissão ao ginásio. São, hoje, um grande negócio. Numa linda manhã de sol, depois das aulas do curso primário (4º ano), decidi acompanhar alguns colegas e buscar mangas. Subi na mangueira, amarrei na cintura a camisa branquinha e coloquei ali as frutas apanhadas. Manchei toda a camisa e teria de usá-la à tarde para ir ao curso de admissão. Além de apanhar (isso era freqüente), minha mãe me fez ir para o curso com uma camiseta daquelas de alças (regata). Suprema vergonha. Ao chegar à escola, na casa do próprio professor, aula já começada, visivelmente constrangido, fui salvo pelo experiente Cavariani. Notando meu embaraço e certamente sabendo das coisas, elogiou-me dizendo que, com aquele calor,


74

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

a camiseta era adequada e excelente idéia. Livrou-me da gozação dos colegas. Onde quer que esteja, obrigado professor.

DOM H EL DER C Â M A R A Nos meus tempos de conscientização política, começando a luta sindical e a militância estudantil, cultivava alguns ídolos. Dom Helder Câmara era um desses ícones da juventude católica, onde eu também perfilava. Sua vida é uma saga. De menino criado nas ruas de Fortaleza, quase chegou a Prêmio Nobel da Paz. O fato de seu nome ser preterido teve motivações políticas. O governo brasileiro, auxiliado por alguns jornais e muitos jornalistas, entre eles Nelson Rodrigues, David Nasser e Amaral Neto, procurou denegrir a sua imagem e enxovalhar o seu nome. Havia até intelectuais trabalhando contra o Arcebispo de Olinda e Recife, podendo ser citados Gilberto Freire e Gustavo Corção. Vários políticos, em geral nomeados pelo governo militar, engrossavam o caldo de críticas. O governador do Estado de São Paulo, Abreu Sodré, era um deles. Mesmo assim, seria difícil influenciar o trabalho da comissão norueguesa, encarregada da escolha. O embaixador Souza-Gomes teve o auxílio de empresários noruegueses, todos amedrontados. Para eles, com o Prêmio Nobel, dom Helder poderia articular sua candidatura à Presidência da República e, eleito, poderia implantar um governo socialista. Ele era chamado de “bispo vermelho”. Segundo Nelson Piletti e Walter Praxedes, autores do livro “Dom Helder Câmara, o profeta da paz” (Editora Contexto), as denúncias internas, aliadas ao trabalho da Embaixada Brasileira em Oslo e às precauções dos empresários noruegueses, foram suficientes para que a comissão decidisse, em duas ocasiões, por três votos a dois, contra dom Helder Câmara. O Brasil, que não tem um único Prêmio Nobel, ficou mais uma vez de fora. Há um fato importante, vinculado às lides sindicais, que vale a pena ser ressaltado: Emílio Máspero, secretário-geral da Clat, colheu, em toda a América Latina, milhões de assinaturas em apoio à candidatura de dom Helder ao Prêmio Nobel da Paz. A própria Clat, em seu ideário, assumia muito das teorias de dom Helder, sobretudo na condenação das ditaduras de direita e de esquerda. Nossa juventude foi aquela que aclamou João Goulart, o Jango, no comício da Central do Brasil em favor das reformas de base, logo se engajando


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

75

na luta contra a ditadura. O bispo dom Helder foi o primeiro, em nível internacional, a denunciar o exercício de torturas no Brasil, em memorável conferência realizada em Paris, no dia 26 de maio de 1970. Na época, os dois brasileiros mais conhecidos no mundo eram Pelé e dom Helder. Pelé nunca falou nada contra os militares. Sua biografia ficou devendo no campo político e familiar. Dom Helder tem uma vida de visível evolução. De integralista na juventude (isso também pesou contra ele) a reformista do Concílio Vaticano II, sua trajetória é praticamente a de um santo. Recebeu 32 títulos de Doutor Honoris Causa, 30 títulos de Cidadão Honorário, de cidades brasileiras e estrangeiras, 57 distinções e prêmios de organizações internacionais, além de ter obras traduzidas para diversas línguas. Essas informações foram colhidas no livro de Piletti e Praxedes. Mais interessantes são as 52 obras falando sobre dom Helder. Seus atritos com os militares foram constantes. Chegaram a escrever que havia um plano para matá-lo. Só não foi preso ou morto porque tinha fortes apoios internacionais e amigos na política, entre os quais, o presidente Castelo Branco, cearense igual a ele. No entanto, o presidente faleceu antes que aguçassem as perseguições contra dom Helder. Na Igreja tinha protetores, embora tivesse também detratores. Com sua luta, ajudou a salvar muitos brasileiros dos calabouços. Perdeu pessoas amigas e isso o magoou profundamente. Homem extremamente disciplinado, nos primeiros tempos de padre, com pouco mais de 20 anos, levantava cedo para as suas vigílias e orações. Na medida em que foi ficando mais velho, mais cedo levantava e, nos últimos anos de vida, colocava o despertador para acordá-lo às duas horas da manhã. Sendo prestigiado fora do país, tendo amigos no Vaticano, incluindo Paulo VI, não chegou a cardeal. No Vaticano, estavam amigos e outros que não compreendiam a excessiva visibilidade de dom Helder. Viajou o mundo fazendo conferências e dando entrevistas. Tornou-se tão popular como madre Teresa de Calcutá. Como não recebeu o Prêmio Nobel da Paz, muitos países, universidades e instituições públicas e privadas passaram a lhe conceder inúmeros prêmios, todos alusivos à paz. No Brasil, os prêmios e a concessão de títulos de Doutor Honoris Causa só ocorreram depois de iniciada a abertura política, na década de 80. O primeiro título de Doutor Honoris Causa foi dado em 1982 a dom Helder. Dom Helder nasceu em Fortaleza no dia 7 de fevereiro de 1909, sendo o 11º filho do casal João Eduardo Torres Câmara Filho e Adelaide Rodrigues Pessoa: ele guarda-livros e ela professora. Antes de nascer Helder, o casal já havia perdido vários filhos, a maioria em função do crupe (inflamação e inchaço


76

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

das vias respiratórias superiores, em geral, de origem viral). Predestinado, optou por ser padre, tornando-se um dos ícones da Igreja Católica no século 20. Foi o bispo mais popular do mundo em sua época, responsável pela organização da CNBB e da Celam. Debilitado e sem saúde, morreu com 90 anos, em 27 de agosto de 1999. Sua última viagem internacional ocorreu em fevereiro de 1994 para participar de cerimônia na Unesco. Há muita coisa inédita, da autoria de dom Helder Câmara, aguardando publicação. Muitos jovens, a exemplo de meus filhos, não conheceram dom Helder Câmara nem foram testemunhas de sua coragem. Sem medo de errar, afirmo que ele foi um dos únicos religiosos brasileiros a merecer o tratamento de santo (há dois canonizados: frei Galvão e madre Paulina). Já em vida, por sua trajetória, seu sacrifício e sua coerência mereceu o respeito de todos os católicos deste País. A minha geração cultuou dom Helder.

FACU L DA DE DE M EDICI NA E HOSPI TA L DE BA SE Quem me chamou para trabalhar na Fresa foi Dixmer Valline, que fora meu professor na Faculdade de Ciências Econômicas. Um grande pepino. Ali, estava instalado um caldeirão de boatos e se exigia um pulso forte na contabilidade, além de sua total reorganização. Escolheram-me para a difícil tarefa, coisa que se repetiu em outras instituições. Sou especialista em descascar abacaxis. Com o auxílio do professor Leonel Alvarenga Campos Filho, implantei lá um sistema misto, tendente à contabilidade pública, dando transparência à movimentação financeira. Não era esse o problema. A luta interna existente referia-se ao exercício do poder. A Fresa detinha o controle e o poder. A Fresa era odiada por alunos, professores e médicos. Os funcionários eram pressionados por todos os lados. Os alunos pagavam uma nota preta de mensalidade e praticamente financiavam o funcionamento da Farme. O HB era deficitário, especialmente porque, não totalmente terminado, exigia muitos investimentos. Tenho enorme respeito por todos os que foram presidentes da Fresa. Abnegados, trabalharam de graça, sacrificando importantes atividades particulares, estão esquecidos. Homens que construíram praticamente tudo o que


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

77

lá está. Mas, os professores conseguiram nova organização. Substituíram a Fresa pela Funfarme e experimentaram uma espécie de autonomia universitária. O jeitinho brasileiro permitiu que passassem por cima da vontade de parte dos instituidores. O rearranjo deu certo e a Farme/HB forma um complexo de ensino e assistência médica dos melhores do Brasil. É um Hospital de ponta, repleto de equipamentos e sempre ajudado pelo governo de São Paulo e prefeituras municipais da região. A faculdade foi estadualizada pelo Governador Fleury (Luis Antônio Fleury Filho). A cidade se transformou num centro de referência médica. As organizações vão bem e não há mais os atritos do passado. Poucos sabem, mas o Hospital de Base é propriedade da Santa Casa de Misericórdia de São José do Rio Preto. Como a Santa Casa perdeu o prazo para reivindicar os seus direitos, somente em 2030 poderá fazê-lo novamente. Esse é um caso pouco explicado e pouco divulgado. Um palpite: como normalmente a Santa Casa passa por dificuldades, não seria o caso de um acordo que juntasse as duas entidades, Funfarme e Irmandade? Que tal uma banana para os grupos médicos? Quando Nadim Cury assumiu a Irmandade, levou o caso para a Justiça. Parênteses para dizer que o modelo de organização criado para trazer o ensino médico para a cidade foi de autoria do professor Daud Jorge Simão. Ele juntou as mantenedoras de escolas superiores, prefeituras e hospitais, criando uma fundação, a Fresa, da qual essas entidades se tornaram instituidoras. Evitou oposições políticas e de organizações assemelhadas. Trabalho gigantesco que necessita do reconhecimento da instituição, totalmente irreverente em relação à sua própria história. Quando a Funfarme começou a trabalhar, a Farme teve como primeiro diretor o professor Dioclécio Campos Júnior, atual presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria. Ele iniciou uma caça às bruxas. Como havia pendência no Ministério da Educação na área de prestação de contas, Dioclécio encarregou-me de resolvê-la, pois só eu tinha experiência no assunto. Fiz várias viagens à Brasília, compilei os dados, escrevi relatórios, resolvendo tudo depois de muito trabalho. Dioclécio era uma pessoa estranha. Gostava de despedir as pessoas nos dias de seus aniversários. A mim, mesmo depois de resolver um de seus maiores problemas, ele dispensou na véspera do Natal de 1980. Meu filho nasceu no dia 3 de janeiro seguinte. Já que eu era estável por ser dirigente


78

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

sindical, poderia ter entrado na Justiça para ser reincorporado. Acho que ele esperava por isso, mas dei por encerrado o meu trabalho por lá. Dali para frente, passei a outras atividades, lecionando e prestando serviços de assessoria independente, concomitantemente às funções políticas, nas quais me envolvia cada vez mais. Em 1983, eleito presidente da Câmara Municipal, passei, por lei, a ser um dos curadores da Funfarme e quis ser o seu presidente. Bobagem. Alguns professores, com medo de minha presença na direção da Funfarme, mobilizaram os alunos sob a alegação de que eu ressuscitaria a Fresa. Estavam enganados. Nem era possível legalmente. Mas, eu já tinha os votos necessários, via influência do prefeito Manoel Antunes, também um dos votantes. Sofremos muito na noite da eleição. Passamos por um corredor polonês, formado pelos estudantes. Fizemos acordo e elegemos um tertius: Jorge Khauan. Depois, eu os enfrentei novamente numa votação para passar o Pronto Socorro central para Farme. Foi uma noite memorável e de novo fomos muito pressionados. Sofri até ameaças de agressão. Hoje, aqueles alunos são médicos bem-sucedidos, alguns ainda na cidade, todos meus amigos e, quando nos encontramos, rimos bastante daqueles episódios. Conceitos e posições mudam com o tempo. A Fresa cumpriu o seu papel, inicialmente, removendo todos os obstáculos para a implantação da Faculdade Regional de Medicina. A Funfarme foi uma segunda etapa e, por enquanto, segue vitoriosa. Deve existir sim, autonomia universitária, mas as questões financeiras necessitam transparência. Não é fácil esse equilíbrio, mas ele é imprescindível para o bom funcionamento das instituições.

F I L HOS DA T R A NSIÇ ÃO Uma das coisas que considero mais importantes de minha vida foi ter nascido na roça. Meus pais possuíam uma pequena propriedade rural, contendo pasto, quatro mil pés de café e um pedacinho de mato. Arnold J. Toynbee, historiador inglês (1889/1975), dizia que só com muita sorte o homem do terceiro milênio nasceria no campo. A partir dos anos 30, o Brasil fez a inversão espacial de sua população.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

79

Hoje, são menos numerosos os nascimentos no campo. A vida se tornou irremediavelmente urbana e as crianças nascem e vivem nas cidades. Por seu lado, as cidades cresceram e ficaram perigosas. As crianças perderam muito com isso. Ganharam talvez com as inovações tecnológicas, mas há quem duvide disso. Desde a década de 50, as mulheres conquistaram maiores e melhores espaços de participação na vida social, econômica e cultural. Passaram a trabalhar e a figura da mulher do lar está desaparecendo, sendo substituída pelas creches e serviços profissionais. Ambos, mulher e homem, são provedores. Se as cidades ficaram perigosas e os pais estão trabalhando, as crianças necessitam de novos espaços para se desenvolver. O Brasil não criou com eficiência esses espaços e as soluções são paliativas. O escândalo da morte de uma criança em creche de São Paulo diz tudo. Nós, os nascidos até a metade do século passado, fomos mais felizes. A violência, o crescimento desordenado das cidades, o recrudescimento do narcotráfico, a expansão do mercado de drogas e as mais dramáticas formas de exploração das crianças são fatos mais marcantes nas últimas quatro décadas. O favelamento, as paupérrimas periferias, os guetos e a segregação cada vez mais evidente dos pobres produziram sociedades separadas. De um lado os que podem e, do outro, os que precisam. No meio, uma impiedosa máquina publicitária, anunciando o inalcançável. Crianças que são bombardeadas diária e incessantemente, durante seus preciosos anos de formação, por propagandas bem elaboradas, criativas e caras, mostrando produtos que se tornam objeto de desejo, tornam-se ávidas consumidoras. Beber e fumar, consumir e gastar estão associados ao bem-estar e à saúde. O problema surge quando não há possibilidades objetivas e legais para consumir. Faltam recursos, limitados pelas necessidades primárias, pela pobreza, pelo desemprego, por baixos salários e por outros motivos, como doença na família. A concepção moderna é que cidadão é aquele que consome e não o que vota. Votar já não basta. A solução, como sempre, está na educação. Não na educação que temos, planejada pelas elites, eternizando diferenças e reproduzindo o modelo que exclui e discrimina as pessoas. Educação implica em oportunidades, ascensão social e no exercício de uma verdadeira cidadania. Por isso, afirmo que fomos mais felizes. Crescemos entre final dos anos 40 e toda a década de 50. Época infinitamente mais simples, comedida.


80

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Nem televisão havia. Nestas pequenas memórias, voltar a esse passado descomplicado, embora duro, será constante. Tenham, pois, paciência. Talvez, a característica importante desse período seja a transição. Somos filhos da transição e nossos filhos são filhos de um novo tempo, tempo da revolução tecnológica, da microeletrônica, da internet e de tantas outras novidades que nos atrapalham e a eles encantam. Não vivemos o passado, cujo corte é a Segunda Grande Guerra. Vivemos a transição. Não vamos viver o futuro. Vamos vê-lo passar. Alguns já sem forças para intervir ou usufruir. A juventude e a velhice se prolongam, mas estão dissociadas. O hiato entre as gerações se alarga. Esses textos todos, em muitos momentos, serão desconhecidos e quase ininteligíveis para os meus filhos e sobrinhos, aos quais dedico a maior parte dessas reflexões. Espero que eles despendam esforços para compreender as diferenças entre o passado, a transição e o presente. Saber que passamos. Eles são a síntese desse processo evolutivo. Como diz a propaganda que insiste em ensinar a beber, que aproveitem do novo tempo com moderação.

FOR JA N DO O C A RÁT ER Em Mirassol, no Escritório Mercúrio aprendi muito e, por ter boa letra, fui designado para escriturar livros fiscais. Grande responsabilidade para o ainda menino Laerte. Os escritórios de contabilidade são uma escola à parte e se aprende um pouco de tudo. Quando algum pai me procura sem saber o que fazer com o filho, aconselho: “Coloque num escritório de contabilidade”. Na primeira semana de trabalho, pediram-me que levasse um pacote pesado ao Escritório Gomyde. Lá chegando, mandaram-me de volta com o mesmo pacote. Nem me lembro qual a desculpa dada pelo pessoal do Gomyde. Depois, ao abrir o pacote, enfrentando a gozação de todos, vi o monte de tijolos. Chorei de raiva. Não sei se o episódio dos tijolos serviu para alguma coisa. Talvez, para alertar contra a crença no ser humano, que sabe ser cruel quando quer. Mas não me emendei, continuo acreditando nas pessoas. Crença que já me causou sérios prejuízos, mas não cabem todos nestas pequenas memórias. Mudei para São José do Rio Preto. Porém, no início, voltava à Mirassol nos fins-de-semana para rever os amigos ou simplesmente permanecer no jardim


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

81

da praça à noite, pensando sobre os difíceis caminhos da vida. Fácil porque tinha onde ficar e comer. Permanecia na casa de meus avós, José e Gabriela. Com o tempo, a pressão das aulas e a falta de recursos acostumei-me com Rio Preto. Não foi difícil, porque a cidade oferecia, inegavelmente, melhores condições. Os adolescentes se adaptam facilmente. Demorou. Contudo, conquistei novos amigos. Os primos ajudaram muito. O começo na nova cidade, do princípio ao fim do dia, era procurar emprego. Voltei a engraxar. Já garotão, sentia vergonha. Quando via alguém conhecido, dava no pé. Não queria que os colegas de escola me vissem naquela situação. Pura bobagem. Rapidamente, arrumei trabalho. Hoje, esses cuidados todos me parecem tolos. Ninguém condena alguém por trabalhar. Somente os ignorantes ou idiotas e, infelizmente, eles existem aos montes. Também não há razão para sentir vergonha, qualquer que seja o ofício. As convenções sociais colocam rótulos e descrevem comportamentos incompatíveis com a dignidade. O trabalho deve ser enaltecido em qualquer circunstância. Seja pela influência americana por meio dos filmes, nos quais o trabalho é valorizado, seja porque houve o crescimento do setor de serviços e não podemos mais nos dar ao luxo de escolher emprego, seja enfim pela democratização dos recursos humanos, todo trabalho é considerado útil. Isso melhorou e ninguém se importa se o jovem é empregado da rede de lanchonetes, funcionário público ou operário industrial. O importante é que trabalhe e ganhe honestamente o seu dinheiro. A pobreza foi outra circunstância que não me afetou. Creio que tive uma vida pobre e sofrida por quase 10 anos. Não seria o homem que sou se não passasse por essas dificuldades todas. Embora não seja assim com todos, comigo foi sempre fonte de permanentes lições. Olhando bem, em retrospectiva, o que são menos de 10 anos para uma vida que já ultrapassa os 60? Conheço meninos que não permitem a presença de amigos em casa porque têm receio de mostrar a residência ou o bairro onde moram. Em geral, são os filhos de pais pobres que, com muito esforço, os colocaram em colégios particulares. Transformaram-se em burguesinhos e têm vergonha dos pais. Já vi filhos descendo do carro a uma quadra da escola. O motivo é não deixar que os colegas vejam o carro velho do pai. No meu tempo, ía e voltava a pé e, nos primeiros anos, alguns mais pobres andavam descalços. Essa molecada, minoria felizmente, está equivocada. Certamente, são esses meninos que envergonham os pais e não o contrário.


82

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Todavia, o apelo ao consumo, as exigências da vida moderna e a propaganda criam necessidades que atingem a todos, principalmente os jovens mal formados, não ensinados com amor e carinho a enfrentarem as dificuldades do dia-a-dia. A vida pode ser perigosa, injusta, mas a ninguém é dado o direito de condenar os pais por serem pobres. Tampouco ninguém deve se envergonhar do próprio trabalho. Os percalços da vida, suas vicissitudes e os obstáculos momentâneos são comuns e ajudam a forjar o caráter do homem que seremos no futuro.

FORM AÇ ÃO L I BER A L O fato de haver concluído o curso técnico de contabilidade foi conseqüência direta de haver sido aprendiz em escritório de contabilidade. Caminho fácil e barato. Ciências econômicas, o primeiro curso superior, demandou uma auto-escolha, fortemente influenciada por três fatores: 1) a formação contábil; 2) a existência de faculdade local e noturna; e 3) o menor preço cobrado pela anuidade. O curso de Direito na Fadir representou nova opção, consciente, para buscar outra profissão, complementar às atividades exercidas nos campos de assessoria e consultoria. Ser advogado ajudaria muito nas duas funções, próximas entre si. Também estaria mais bem preparado para outros empregos. Perdi a conta dos cursos de extensão universitária que fiz em todas as áreas do conhecimento a que estava vinculado. O primeiro e importante curso que fiz foi na Ford do Brasil, na época ainda Ford Motor Company, sobre os sistemas contábeis, com ênfase na estandardização das próprias necessidades das revendedoras autorizadas. Aprendi a lidar com o senso prático dos americanos. Quando assumi uma cadeira na Câmara Municipal, em São José do Rio Preto, no início do mandato, procurei fazer todos os cursos do Cepam. Alguns colegas vereadores diziam que seria pura perda de tempo, mas essa sempre foi a minha forma de trabalhar. Estar à frente na formação e conhecimento. Saber mais. Igualmente procedi em relação aos cursos da área sindical, desde o primeiro, em 1965. Nos últimos quarenta e poucos anos, talvez, tenha feito cerca de uma centena desses cursos. Alguns, no Exterior e de média duração. Nesse setor, sou aquilo que pode ser chamado de especialista. A minha forma de participação nesses cursos, seminários, encontros e congressos resumia-se à participação esforçada e séria. Enquanto alguns brasi-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

83

leiros promoviam passeios, bebiam à noite, acordavam tarde e chegavam atrasados, mantinha-me em atitude sóbria, chegando primeiro e saindo por último. Processo infalível, em geral a escolha se repetia para outros eventos, principalmente, aqueles do exterior. Com esse procedimento, cresci individual e comparativamente em todos os ramos onde atuei: contabilidade, sindicalismo e magistério. No magistério, a soma de informações que possuía servia de apoio às aulas, com boa animação e participação dos alunos. Ser abordado após as aulas ou receber visitas de alunos no escritório, tornou-se comum. Com exceção da política, onde o conhecimento e o preparo contam menos e, às vezes, atrapalham, porque você tem a concorrência de pessoas iletradas ou invejosas, com competição direta por cargos e postos, nos demais ramos somar conhecimentos é essencial. Em política, os concorrentes não têm qualquer remorso em denegrir companheiros ou promover intrigas. Quanto mais preparado, mais visado. Experimentei desse fel. Costumo dizer que, em Rio Preto, morre mais gente de inveja do que de infarto. Procuro repassar esse comportamento aos filhos e àqueles que ocasionalmente me ouvem (políticos e sindicalistas). Tive poucas amostras de seguimento dos ensinamentos que ministrei, mas essas poucas amostras foram extremamente gratificantes. Como professor, em dia de provas, tinha o costume de exigir dos alunos estarem de posse de um jornal de grande circulação. Pedia para comprarem a edição de domingo, mais gorda e informativa, tirando dali duas ou três perguntas e permitindo a consulta. A tarefa, embora fácil, assustava alguns alunos que, às vezes, erravam. O objetivo foi ensinar a ler e interpretar notas econômicas ou administrativas. Não foram poucas as vezes que, depois de anos, encontrava alunos que me diziam estar acostumados a comprar e ler o jornal de domingo. Algo simples que ensina mais do que várias aulas sobre determinado assunto. O autodidatismo tem valor inestimável e deveria ser estimulado desde o curso primário. A escola precisa ensinar os alunos a aprender por si mesmos. Não fiz nenhum mestrado ou doutorado. Não era moda e nem havia muitas opções. Apenas pós-graduação em Administração Pública. Gostaria de ter feito jornalismo e isso foi possível numa época, mas estava muito envolvido com política. Pela prática, a lei me faculta o direito de solicitar o registro no Ministério do Trabalho e um dia farei isso.


84

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Por enquanto, de novo, estou muito envolvido com sindicalismo. A vida segue, mas estou indo para o ocaso da existência e lá, tempo em que todos enterram as suas glórias e decepções, terei o consolo destas pequenas memórias, mero exercício de reflexão e saudade. Bastar-me-ão.

GER AÇ ÃO SENAC Há boa quantidade de jovens formada na década de 60. Em todas as latitudes, nota-se a presença deles nos negócios, nos serviços públicos, no magistério, nas profissões liberais e nas artes. Em geral, são pessoas entre 50 e 70 anos de idade, em plena energia e capacidade. Todos começaram a trabalhar muito cedo e alguns já se aposentaram. Embora isso seja comum e recorrente, próprio da demografia, há um grupo em São José do Rio Preto que superou todas as expectativas: a geração formada pela Escola Senac. Essa escola iniciou suas atividades no fim dos anos 50, utilizando o velho prédio da Escola Estadual Cardeal Leme, que se localizava onde é do Fórum da Comarca. A demolição daquele imóvel foi um dos inúmeros crimes já perpetrados contra o patrimônio histórico da cidade. A escola tinha dois espaços: na rua Tiradentes, para cursos rápidos, no qual cursei datilografia, e no Cardeal Leme, onde funcionava o ginásio comercial. Destinado aos alunos pobres e comerciários, a Escola Senac não era apreciada pela maioria dos alunos que cursavam outros estabelecimentos. Naquela época, o ensino público começava a ser democratizado. Tudo mudou na década seguinte. Apesar da pouca visibilidade, a Escola Senac, beneficiada com recursos compulsórios, recolhidos por meio de contribuições patronais sobre a folha de pagamento, tinha condições de oferecer mais que as escolas públicas ou particulares. Quando passou para sua sede própria, em 1960, na rua Jorge Tibiriçá, próximo ao prédio da Prefeitura, esses recursos foram colocados à disposição dos alunos. A qualidade do prédio impressionou a população. Por exemplo, nenhuma escola tinha um sistema de comunicação diretoria-classe. O diretor Edenir Machado utilizou-o para nos informar sobre o desastre do rio Turvo, onde morreram 59 estudantes. Tinha também orientadora pedagógica (Irma Cury, já falecida) em tempo integral, luxo que só a Escola Senac possuía. Desde dentista, quadra poliesportiva e espaço para ati-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

85

vidades extracurriculares até banheiros decentes. Tudo existia com eficiência e limpeza. O Senac brilhava de novo. O quadro de professores era excelente. Alguns se encontram distinguidos nestas pequenas memórias. As aulas de contabilidade eram reforçadas pela existência do escritório modelo, o único num raio de centenas de quilômetros. Até a salinha do Glera, o grêmio dos alunos, estava bem equipada. Verdadeiro luxo. Nesse ambiente, alunos sem recursos, comerciários e alguns remanescentes das escolas públicas podiam estudar com tranqüilidade à noite. No meu caso, já contei, andava mais de 10 quilômetros por dia, mas comparecia às aulas das 19h30 às 22h30, todos os dias, de segunda a sexta-feira. Com todos os obstáculos, ainda conseguia aprender. Tenho comigo que o ambiente escolar, a qualidade didática e as atividades gerais da escola condicionam o estudante. Ele retribui na exata medida do que recebe. Quando a Escola Senac passou a dar condições de aprendizado aos meninos trabalhadores, aqueles que não tinham condições de freqüentar a escola diurna; os resultados apareceram. Dali, saíram grandes nomes da vida social, política e econômica da cidade. Quando vejo hoje os problemas da escola pública, sinto que ela não oferece nada a seus alunos. Primeiro, completei o ginásio comercial (hoje, da 5ª à 8ª série) e, em seguida, fiz o curso técnico de contabilidade (equivalente ao colegial). Passei lá sete anos, conquistei grandes amigos e devo muito àqueles abnegados professores. Difícil reunir novamente equipe docente daquele valor. Todos nós alunos fomos beneficiados por essa concomitância de fatores: boas condições físicas, boa assistência aos alunos e excelentes aulas. Ostentávamos os nossos uniformes com orgulho. A Escola Senac começou a aparecer para a cidade. Fazia promoções. Beto (Eribelto Manoel Reino) caprichava na fanfarra. Turcão (Edson Miguel José Abufares) marcava os gols no futsal e Odair Ferrante fechava a defesa. Robertinho Leão arrasava no futebol de campo. Bastava uma cadeira para o João Albano fazer um discurso contra o aumento de preço nas entradas dos cinemas. Até o Soneira (Antonio Carlos Marucci) aprendeu a jogar basquete. Ninguém se esquece das pernas da Marli Greco, baliza da fanfarra. Havia olimpíadas entre as escolas Senac do Estado de São Paulo e Rio Preto ganhou várias. Vibrávamos. Participamos dos concursos de redação e ganhei alguns. Num deles, o Rotary Club me deu excepcional visibilidade. Até hoje me lembro da pri-


86

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

meira frase do texto: “Navios chegaram com aventureiros dentro” e seguia a história alegórica sobre o descobrimento do Brasil. Época de nacionalismo, exacerbado pelas forças militares, minha redação atravessou as fronteiras do Estado de São Paulo. O Senac evoluiu. Mudou várias vezes sua política educacional. Naquela época, acabou com o curso técnico de contabilidade e de nada adiantaram os nossos protestos. Essa política (ainda hoje) vinha pronta de Brasília. O Sistema S, como é conhecido, envolvendo todas as instituições assemelhadas, está consolidado. Atualmente sou membro do Conselho Nacional do Sesi. Num determinado momento da história de Rio Preto, o presidente da Câmara Municipal, vários secretários municipais, três vereadores e muitos outros ocupantes de cargos em organizações sindicais e comunitárias pertenciam à “geração senaqueana” dos anos 60. Ainda hoje, muitos deles estão por aí dando as cartas. Quando passo defronte ao edifício da Escola Senac, não deixo de pensar naqueles que considero meus anos dourados. Quando encontro com amigos daquele tempo, sinto-me fortalecido. Gostaria de citar os nomes dos meus colegas de classe, das meninas que embalaram os nossos sonhos juvenis, dos professores que fecundaram nossas mentes e daqueles que disputaram as eleições do Glera, como se elas fossem as últimas batalhas de suas vidas. Se não estão no texto, estão em meu coração e no coração de todos daquela extraordinária geração.

IM PR EV ISTO, A L EI QU E R EGE A V I DA Cursava o ginasial, tinha aulas de academia com o professor Salles (Francisco Salles Oeterer) e, numa das ocasiões, discutimos sobre uma grande personalidade brasileira: Tristão de Athayde (Alceu de Amoroso Lima). Procurei me preparar melhor. Descobri entrevista dele de página inteira no Estadão. Recortei e li várias vezes. Busquei dados biográficos. Fui para o debate. Foi a primeira vez que me deparei com o valor do imprevisto e de suas conseqüências. Tristão de Athayde falava de sua influência na história, nos episódios importantes dos países. Nunca me esqueci, porque concordei em gênero, número e grau.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

87

ais tarde, lendo o livro “Momento Supremo”, de Stephan Zweig, M novamente constatei o valor dessas circunstâncias fortuitas e seus impactos nos acontecimentos. Comecei a observar atentamente as coisas e cheguei à conclusão que sim. O imprevisto havia determinado boa parte dos rumos de minha vida. Nasci na roça e não fosse o inconformismo de meu pai, talvez não mudasse para a cidade. Com minha preguiça para trabalhos braçais, não sei o que seria de mim se tivesse de sobreviver no campo. Morreria de fome. Depois, em Mirassol, o emprego na Casa Verde defronte ao Escritório Mercúrio, onde mais tarde fui trabalhar. Como bom indolente, herança do raquitismo (outro imprevisto), queria trabalhar sentado. Em 1958, a vida seguia normal, tudo indicava que eu faria os cursos legais e ingressaria numa faculdade. Era o desejo de meu pai. Ele queria que eu fosse engenheiro ou médico. Nem pensei nisso, mas os seus netos são. Marcelo é engenheiro e Alex, médico. Aconteceu que, numa noite calorenta de dezembro, ele foi contratado para levar três pessoas à Jaci, uma cidadezinha perto de Mirassol. No caminho, essas pessoas o mataram. Trágico imprevisto. O curso de sindicalismo em São Paulo, em 1965, foi totalmente inesperado. Não havia condições objetivas de fazê-lo. No entanto, fui para a capital e o concluí. Voltei e terminei o curso técnico de contabilidade. Um dia, estava lendo o jornal A Notícia, dentro do banheiro do Banco, quando vi o anúncio recrutando contador na Agência Ford. Fui lá me candidatar e saí empregado. Quase hilariante, mas suficiente para importantes e imprevistas mudanças. No meu primeiro relacionamento sério, muitas coisas são devidas ao acaso, às circunstâncias relacionadas com uma vida pobre, difícil e quase sem perspectivas. Nesse período, inclui-se uma passagem por Curitiba, importante na minha formação profissional. A separação, as dificuldades na posse do filho Marcelo, a volta para São José do Rio Preto e a amizade com José Valdecir de Carvalho. Um desencadear de imprevistos, que determinaram novos e bons rumos. “O futuro a Deus pertence”, informa o historiador e escreve o poeta. A Escola Senac, as Indústrias Matarazzo, o Banco Comind, a disputa do cargo de vereador, o surgimento de Regina (ah, como ela foi fundamental), o fato de não ter prestado concursos públicos, o convite para assumir a diretoria do Ipros e a morte de Eribelto Manoel Reino (Beto) são


88

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

fatos que não podem ser catalogados como planejados. Especialmente, a morte do Beto foi um duro golpe para nós da área sindical, quando eu ainda começava. Todos os fatos tiveram grande influência no meu destino pessoal. Na família, também existiram imprevistos com os seus desdobramentos. Em relação à minha cunhada Sueli, como classificar a morte prematura de seu jovem filho Matheus? O acidente que tirou a vida de Marcelo, filho de meu primo Antônio (Fiico)? A morte por afogamento de Wesley, filho de Romualdo Melzi, casado com Maria José, prima de Regina? O acidente que matou a filha de minha prima Nena (Gentil Costa), de Nipoã, algo que a afetou profunda e definitivamente? As mortes por assassinatos de meu avô materno e de meu pai e seus reflexos sobre todos de casa? As mortes prematuras de meus cunhados Osmyr e da Eny? Todos esses episódios tiveram seus efeitos nas vidas das pessoas próximas, afetando-as de maneira diferente, conforme a natureza de cada uma delas. Sem o “Caso Semae”, provavelmente eu estaria deixando a autarquia somente no ano passado, em 2008. Talvez, tivesse me metido em outra aventura política. Teria sido bom? Os acontecimentos fizeram-me afundar nas atividades sindicais. Continuei na CAT. Participei da fusão CIosl/CMT. Promovi a fusão da CAT com CGT e SDS. Ajudei a fundar a UGT. Protagonizei ativamente na fusão continental da Clat com a Orit e dela saí secretário de Políticas Sociais da CSA. Viajo por toda a América. Ganho bem e estou feliz. Há males que vêm para bem, já diziam os antigos. Na Europa, quando tomo um bom vinho debaixo de uma parreira, à beira de uma estrada, observando a paisagem, às vezes, lembro-me de meus detratores. De pessoas que, involuntariamente, me prejudicaram. Devo mil vezes perdoá-los. Esses fatos constroem uma história. Imprevistos que tecem a tapeçaria de uma vida. O aparecimento de Germana Zanetti na vida do Marcelo. O convite para o Alex ir trabalhar em Campo Grande. Também com os filhos, os imprevistos começam a moldar as suas vidas. Que falar da vida de minha mãe? Olhe o texto sobre Olívia Domingues do Amaral e verifique o quanto e profundamente os imprevistos afetaram sua vida, tornando-a lendária. Apesar de tudo isso, tenho formação racional. Acho que as coisas podem ser planejadas. Pondero em favor do imprevisto, mas acredito que o preparo e a formação são essenciais para que ele não seja devastador, impedindo novas e importantes realizações, dificultando o enfrentamento da vida.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

89

Jamais se abater. Jamais se dobrar. Quem busca educação e cultura, moldando a sua competência, não há dúvida, tem meios de superar as armadilhas do imprevisto.

I N T ER N ET Sou talvez o brasileiro que mais resistiu à internet. Ainda possuo uma máquina de escrever IBM, das “modernas”, com memória e correção automática. Tenho a impressão de que penso melhor na danada da máquina de escrever. Reflexo dos longos anos trabalhando em escritórios e fazendo tudo nela. Quando conto aos amigos que trabalhei em banco e, a cada cheque de outra praça, precisava preencher um formulário em três vias, utilizando papel carbono e depois datilografando todos os dados do documento, as pessoas mais novas ficam impressionadas. Mas quem, como eu, trabalhou em escritório desde o final da década de 50, sabe que isso foi rotina. Só recentemente, a partir da década de 80, é que estamos nos beneficiando dessas fantásticas invenções do século 20. Praticamente, todos os equipamentos como computador, fax, celular, micro-ondas, TV em cores, controle remoto, portão eletrônico e toda essa parafernália sem fim, foram criados durante a segunda metade do século 20. No campo da medicina, apareceram novos remédios, próteses e o impensável: alguém correndo nas Olimpíadas sem as pernas. Nesses 50 anos se progrediu mais do que em milênios de história. Foi impossível continuar resistindo ao computador nesta primeira década do terceiro milênio. As obrigações funcionais, viagens e necessidade de tomar decisões de qualquer parte do mundo, me obrigaram a utilizá-lo. Ganhei um laptop Dell do companheiro João Aparecido Lima, presidente da Fetivesp. Ele ficou cansado de me ver em reuniões com um bloco de papel e uma caneta Bic. Obrigado, João! Desde que assumi a Secretaria de Políticas Sociais da CSA, em março de 2008, tornou-se impossível trabalhar sem o computador. Há uma enormidade de correspondências, consultas, eventos espalhados por toda a América, três assessoras (Leandra Perpétuo, Isamar Escalona e Lyvia Rodrigues) encarregadas de temas como direitos humanos, economia informal e trabalho infantil. Conexões permanentes com a OIT, CSI, UGT e outras 60 entidades do universo social, sindical e político, em 29 países.


90

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Porém, continuo resistindo e não quero ser escravo do computador. Vejo colegas passarem horas e horas debruçados nessas maquininhas. Procuro estabelecer horários, nem sempre fixos, para olhar os e-mails e respondê-los. Sou econômico nas palavras e me pauto pelo essencial. Só quando se trata de análises ou estudos, aventuro-me a comentários mais longos. Descobri que há muita porcaria na rede e tem uns desocupados que enchem o seu computador de bobagens. Nas organizações sindicais, não governamentais e sociais, há um vício grave: a militância por internet. O sujeito senta-se à frente do computador e dispara protestos, reclamações e denúncias. Rapidamente, esses documentos inundam os sítios das autoridades, parlamentares, ministros, presidentes, reis e rainhas. Não deixa de ser interessante e, às vezes, não há outro caminho. Pode até funcionar. Gradativamente, os movimentos de massas vão perdendo força. Lembro-me dos primeiros anos de sindicalismo, quando era possível organizar grandes manifestações em poucas horas. Hoje, ao promover uma marcha para Brasília, começamos a organizá-la meses antes. O movimento das Diretas Já, uma das últimas manifestações populares do Brasil, não contou com a contribuição da internet. Foi um movimento construído pela ação das lideranças. Franco Montoro chamou a todos nós no Palácio dos Bandeirantes. Minha última grande conquista no computador foi começar a escrever no sistema Word, guardar os textos em pastas eletrônicas e ir corrigindo quando há tempo para isso, em geral nas primeiras horas da manhã ou nas últimas da noite. O tempo intermédio é destinado ao trabalho e, felizmente, a maior parte ainda sem o computador. Meus filhos continuam me vendo como um analfabeto digital. Mas, já evoluí. Hoje estou usando um HP que tem até caneta digital (que não uso). Imagino o trabalho que deu escrever sobre história, ter que anotar tudo no papel e depois organizar o texto final. Por exemplo, obras atuais como os livros de Geoffrey Blainey (Uma breve história do mundo e Uma breve história do século XX – Editora Fundamento), devem ter sido compiladas com maior facilidade, em função de consultas on-line em grandes bibliotecas ou mesmo a visão e reprodução de minuciosos mapas. Escritores do passado permaneciam anos pesquisando em bibliotecas. Não há dúvida que houve avanço. Pretendo parar nos correios eletrônicos e no sistema Word, não tenho mais paciência para outras aventuras nesta impressionante máquina. Mesmo nesses dois sistemazinhos simples, por vezes tropeço e não sei desatar o nó que dou em mim mesmo. Sinal dos tempos, de uma mente que não tem a mesma agilidade do passado. Só está um pouco mais culta e mais informada. Isso basta.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

91

M AGIST ÉRIO Quando terminei o curso técnico de contabilidade, vários de meus colegas foram convidados para entrarem no magistério, começando por dar aulas na Escola Senac, onde concluíram seus cursos. Octacílio Alves de Almeida, o diretor, programou essa política que deu oportunidade a alguns promissores ex-alunos. Desses ex-alunos, os que melhor desempenharam a função impondo-se como professores, entre outros, foram Eribelto Manoel Reino (já falecido) e Odair Ferrante. Posteriormente, mais à frente, apareceram outros, como foi o caso de Orlando Bolçone. Não fui chamado pelo professor Octacílio, mas, em 1969, me convidaram para lecionar como substituto na Escola Técnica de Comércio São Luis (atual Grupo Fadir). Comecei a dar aulas, inicialmente nas áreas que mais conhecia, todas ligadas à contabilidade. A primeira matéria que lecionei foi Análise de Balanços. Creio ter sido bem sucedido porque, em 1971, convidaram-me para ser o paraninfo da turma de formandos. Quando o professor Octacílio soube do meu desempenho, chamou-me para uma conversa e fez o convite que deixara de fazer antes. Recusei-me a ser professor na Escola Senac por dois motivos: estava de mudança para Curitiba e, em função dos compromissos assumidos com dona Ivete Atique, não queria deixar o São Luis. Manter a porta aberta seria importante. Ivete Atique foi uma mulher notável e sempre tive grande admiração por ela. Muito do crescimento do Grupo Fadir se deve a ela, à sua obstinada presença nos gabinetes civis, políticos e militares de Brasília. Pessoa incansável, perfeita especialista em relações públicas. Quando faleceu, recebeu inúmeras homenagens. Quando voltei de Curitiba para São José do Rio Preto, em meados da década de 70, prestei exames vestibulares e entrei no curso de direito, ministrado pela Fadir, concluindo-o em 1979. Fiz Direito porque queria ter nova profissão. Profissão que exerci poucas vezes. Aguardo a aposentadoria para me dedicar mais às ciências jurídicas. Talvez como advogado gratuito de pessoas pobres. Depois de começar a trabalhar na Fresa, como contador da Faculdade Regional de Medicina e do Hospital de Base, voltei a lecionar. Primeiro como substituto do professor Leonel de Alvarenga Campos Filho nas Faculdades Dom Pedro II (Economia, Administração e Engenharia). Dei aulas de economia, contabilidade e marketing. Tive rápida passagem como professor da Escola Adventista, no bairro São Pedro, onde me senti muito bem, recompensado pelo ambiente e pela


92

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

solidariedade entre colegas. Em todos os lugares, sempre fui muito bem tratado, mas ali, entre os adventistas, havia um clima especial que me fazia feliz. Ao todo, lecionei cerca de 30 anos. Isso me ajudou bastante. Para dar aulas, você precisa estudar e se preparar. Aprendi a falar melhor, ser mais objetivo nas explicações e a ouvir. Sempre apresentei dificuldades na capacidade de ouvir e sou muito criticado por isso, especialmente, em família. Um dia, descobri que estava praticamente pagando para lecionar, gastando combustível, manutenção do veículo, tendo agenda rígida e atingindo faixas de renda que aumentavam significativamente a alíquota de imposto a pagar. Fazendo bem as contas, o que recebia não compensava. Solicitei licença e depois demissão. Cumpri bem o papel de professor. As inúmeras turmas que me chamaram para paraninfo, patrono, padrinho de missa ou prestaram simples homenagens atestaram a minha vocação. Orgulho-me desse tempo e tenho saudade do magistério, sobretudo do magistério universitário. Os baixos salários e as dificuldades para se aperfeiçoar e treinar na tarefa de lecionar faz do professor refém das mazelas deste país. A nação que não valoriza seus professores está fadada a ser uma nação atrasada.

M ATA R A ZZO Comecei a trabalhar nas Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo em agosto de 1960, com 15 anos e poucos meses de idade. Embora com boa prática em escritórios de contabilidade (onde aprendi muito), ótima letra e rápida datilografia, era muito novo para as funções que desempenharia. Um dos inspetores da empresa objetou neste sentido. Fui protegido. Minha mãe trabalhava para algumas senhoras. Entre elas a esposa do chefe de escritório de São José do Rio Preto. Como fui o melhor nos testes, as resistências foram removidas e comecei a trabalhar. Por isso, já escrevi que lá fui admitido através de um misto de sorte, proteção e competência. A vida em casa melhorou. A minha, no entanto, continuou na mesma: trabalhar e estudar. Morava na Vila Anchieta, ia e voltava à cidade seis vezes ao dia, percorrendo mais de 10 quilômetros. Não é à toa que, com um metro e oitenta centímetros, pesava 60 quilos. Recebia o pagamento e entregava fechado o envelope com o dinheiro para a minha mãe.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

93

as Indústrias Matarazzo, onde é hoje um supermercado e foi antes a N Cafealta, havia uma brigada própria para a proteção contra incêndios. Necessária porque, além dos produtos comercializados, abrigava um descaroçador de algodão e os fardos ficavam expostos. Todo cuidado era pouco. Para ter uma ajuda a mais no salário mensal, eu me inscrevi para a brigada. Os chefes permitiram, mesmo sendo menor de idade. Plantões eram exigidos e correspondiam a 36 horas ininterruptas. Não havia trabalho a ser feito, mas precisava ficar acordado e picar o cartão de ponto a cada meia hora. Um inferno para o jovem dorminhoco que eu era. Levava livros para ler e andava pelo perímetro da ronda. Os relógios de ponto ficavam fixos em diversos locais. Na madrugada, sucumbia ao sono e o ponto, às vezes, registrava ausências prolongadas. Na segunda-feira, recebia as advertências. Como os plantões ocorriam a cada cinco ou seis semanas, até o próximo, estava tudo esquecido. Fui me habituando àquela tortura, mas não havia plantão que eu não dormisse. Devo muito à paciência dos chefes, tolerantes por saberem que eu precisava daquela ajuda extra. Trabalhei em várias seções. Na última, controlando o estoque. Um dia, o inspetor chegou, pegou todas as fichas e foi conferir o saldo das mercadorias. O estoque dificilmente conferia na parte dos alimentos. Na falta de outra evidência, a culpa recaiu sobre o estoquista, que certamente cometera erros na baixa das mercadorias. Fui sacrificado e não seria a primeira e nem a última vez na vida. Contudo, não fiquei um dia parado. Logo comecei a trabalhar no Banco Commércio e Indústria, ganhando mais. O próprio gerente das Indústrias Matarazzo ajudou na conquista do novo emprego, conversando com o senhor Orlando Marino. Só anos mais tarde, soube que os alimentos faltantes haviam sido doados a um centro espírita. O gerente ficou com complexo de culpa e me ajudou a arrumar outro bom emprego. Dessa época de bombeiro, havia outra exigência: os treinamentos. De vez em quando, subia e descia escadas carregando mangueiras, testava hidrantes e recarregava extintores. Aprendi alguma coisa, mas nunca usei e nem espero usar. Quando me candidatei pela primeira vez a vereador, coloquei no currículo “bombeiro nas Indústrias Matarazzo”. Pouca gente entendeu. Esse período juvenil, dos 15 aos 18 anos de idade, foi consumido trabalhando durante o dia e estudando à noite. Meus filhos tiveram melhor sorte e o filho caçula reclamava quando precisava voltar a pé da escola. Fazendo tudo isso, saía aos sábados e, às vezes, jogava futebol aos domingos. O que poderia


94

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

fazer mais? Ah, li muito e ouvi rádio. Não havia TV. Gostava do que tinha e não cultivei nenhuma revolta.

MU TA N T E Ainda falando sobre escola, sempre fui péssimo aluno de matemática. Aliás, de todas as ciências exatas. Acho que a repetição de ano escolar por deficiência específica é um grande erro. Você pode ser ruim em certa matéria e ótimo em outra. Descobrir o talento dos alunos é também tarefa da escola. Nosso país não aprendeu a encontrar talentos. Só no futebol. Falando a verdade, nunca tive talento algum. Entre as minhas maiores dificuldades estava a matemática. Na terceira série (7ª. série), quando tive a dona Yolanda Ferrari Vargas como professora, fui bem, inclusive escolhido para participar de uma olimpíada de matemática. O professor de matemática é importantíssimo. Quando terminei o curso técnico de contabilidade, o ingresso nas faculdades comportava exames escritos e orais. A Faculdade Dom Pedro II tinha uma fera como professor de matemática, Aldo Bernardinelli. Ele próprio mantinha o cursinho para ingresso. Desnecessário dizer que ele me reprovou. Felizmente, logo foi substituído. Os estudantes pobres só podiam freqüentar as escolas superiores noturnas. Nem sempre podiam pagar. Entrei na Faculdade de Ciências Econômicas (Face) em 1968, depois de estar trabalhando com a família Sestini e ganhando mais. Havia taxa para não raspar a cabeça, mas todos permitiam raspar. Era chique entrar numa faculdade. Na Escola Senac fiz parte do grêmio estudantil (Glera) e na Face participei do diretório acadêmico (Dacva). Como presidente do Dacva, promovi uma tenaz luta pelo reconhecimento da Face e, na metade do último ano (1971), saí de São José do Rio Preto por um período. A duras penas, terminei a Faculdade. Voltei para a cidade e no ano seguinte (1976) ingressei na Fadir, onde fiz o curso de Direito. Ali, não me dediquei à vida acadêmica porque durante o curso, no primeiro ano e por pura sorte, fui eleito vereador. A vida mudou completamente, mais uma vez.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

95

Se fosse para definir-me diante de tantas mudanças na vida, o vai e vem do destino, posso dizer que sou um “animal mutante”. O que mudava sempre era o sentido das coisas, as formas de sustentar a vida. Alguns câmbios foram impostos pelas adversidades. Outros, capricho das circunstâncias. Poucas, decorrentes de escolhas próprias. O sindicalismo é história à parte. Ele sempre me namorou e se interpôs em meu caminho. Muitas vezes e de diversas formas. Vou me aposentar exercendo atividades sindicais. Subi todos os degraus da carreira sindical do país. Nada me é estranho nessa atividade. Se fosse escolher, gostaria de encerrar meu ciclo de funções dentro da administração pública, mas faltou sorte (ou competência). Apesar de haver sido sempre um correto agente público, não há lógica nesse ramo. Inteligência e capacidade não contam ou contam pouco. Para simplificar, há certa irracionalidade no setor público e isso atrapalha a sua inserção e o seu progresso. O magistério foi das atividades mais gratificantes que desenvolvi, mas a maioria dos professores das escolas particulares não sobrevive lecionando. No entanto, gostaria de continuar dando aulas, tendo contato com os alunos, tentando inspirá-los em suas carreiras. Frustro-me diante dessa impossibilidade. Gostava muito de lecionar. Se sou “mutante”, não devo somente ao destino, devo também às circunstâncias, às limitações, minhas e do Brasil. Jamais tive a oportunidade de desenvolver carreira própria, construída em universidade. Está tarde para perseguir outros objetivos ou para mudar novamente o rumo da vida. Sou o que sou e não estou arrependido. Dentro do meu mundo particular, até que fui bastante longe. Estou satisfeito.

OS A MIG OS Os melhores amigos são os da infância, dos bancos escolares, da juventude e do serviço militar. Depois desse período, que abrange do nascimento à adolescência, os encontramos nos locais de trabalho, nos clubes e grupos organizados da sociedade. Como minha família, ocasionalmente, se mudava, os amiguinhos dessa época foram apagados da memória. Eles também foram atingidos pelo êxodo rural, acelerado a partir da segunda metade do século passado.


96

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Em Mirassol, para onde mudamos pela primeira vez, morei em três casas diferentes. Os amigos com os quais brinquei, cacei e joguei futebol, em geral, eram vizinhos. Como foram poucos os anos que lá vivi, eles também não permaneceram. Raramente, vejo um deles e quando vejo constato que foi colega da escola primária. A parte vivida em Mirassol, até a morte de meu pai, considero importante. Dos sete aos 13 anos de idade, conquistei alguns caros amigos, porém eles se perderam. A memória ajuda pouco, mas, quando não convivemos com a pessoa, a tendência é esquecê-la, a não ser por fatos específicos e significativos. Desde que cheguei a São José do Rio preto (1959), os amigos que fiz foram alunos da Escola Senac, onde cursei o ginásio comercial (hoje, da 5ª à 8ª série) e o curso técnico de contabilidade (igual ao colegial). Mantenho contato e converso regularmente com muitos deles. Alguns serão encontrados ao longo destas pequenas memórias. Da mesma forma, ocorre com os colegas dos cursos superiores, que em certas ocasiões, encontro em agendas de trabalho. As pessoas que atingem o bacharelado assumem novas responsabilidades profissionais e dão outro rumo a suas vidas. Em passado recente, isso foi bem mais visível. Quando adulto, as principais amizades são construídas no local de trabalho. Do tempo da Agência Ford, mantenho vários amigos, incluindo Walter Mendes, o mais solidário, aquele que nunca falha e está sempre presente, principalmente, nas horas amargas. Um homem raro. O meu primeiro bom emprego foi nas Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo. Ali, conquistei grandes amigos, alguns dos quais as responsabilidades os levaram para outras cidades, como é o caso de José Mário Soares de Carvalho e de Alcindo Rodrigues (Nino). De outros, lembro-me com carinho. Minhas amizades são sólidas e acredito que o meu jeito de ser favorece isso. Depois de décadas, encontrei os filhos de Mariano Cossi, já falecido, com quem trabalhei na Agência Ford. Os meninos não entendiam por que o pai os obrigava a votar num certo candidato a vereador. Era eu. Hoje, desfruto dessas amizades e posso dizer que os filhos do Mariano são amigos herdados. No Banco Commércio e Indústria também fiz grandes amigos. Um deles estudou comigo na Escola Senac e com ele aprendi muitas lições de humildade. Falo de Diolandi Bolçone, aposentado como alto funcionário do Banespa e aluno exemplar em todos os cursos que fez. Não fiz o serviço militar. Era arrimo de família. Meu peso também estava abaixo da tabela, bem diferente de hoje. Invejo aqueles que mantêm bons


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

97

amigos desse tempo. Recentemente, em Rio Preto, houve um encontro daqueles que serviram no Batalhão da Guarda Presidencial, meus contemporâneos. Os clubes ou grupos organizados da sociedade oferecem ambiente propício à conquista de novos amigos. Passei a ser associado do Palestra Esporte Clube no final da década de 60 e ali fiz outros amigos. Sindicatos, lojas maçônicas, clubes de serviço e igrejas são outros locais próprios para se cultivar amizades. No esporte, fazemos grandes amigos. Atualmente, estão muito difundidos os rachas de futebol, praticados por grupos de amigos. Procuro participar desses times, em que pesem as dificuldades impostas pelas constantes viagens. Como emérito perna-de-pau, os companheiros ficam felizes quando viajo. Compareço quando posso no Racha da Brahma, no Racha da Chácara do Ulyssinho Cury e no Racha Domingão do Automóvel Clube. Esses encontros são um divertimento à parte e alegram a vida. Há amigos que desaparecem e fazem falta. Eribelto Manoel Reino foi um deles. Valdir Pereira, filho do servente das Escolas Dom Pedro II, trabalhou comigo e morreu no desastre do rio Turvo. O Nino foi um dos quatro que se salvaram daquela tragédia. Nunca me esqueço quando um homenageado, já bem avançado na idade, fazendo seu discurso na Câmara Municipal, disse: “Vocês pensam que viver muito é uma vantagem, mas saibam que vi morrer a maioria de meus parentes e amigos”. Tristezas e alegrias são as medidas da vida. Há algo que, às vezes, incomoda certas pessoas. Na medida em que você sobe na hierarquia social, faz mais cursos, ocupa posições de destaque, alguns amigos se afastam naturalmente. Sempre cuidei para que isso não acontecesse e creio que fui bem-sucedido. Talvez, o fato de ser político por bom tempo tenha ajudado. Pesquisas modernas mostram que o convívio é importante para as pessoas e serve como terapia. Devem ser estimulados os grupos e as reuniões entre familiares. Está provado: quem tem muitos e bons relacionamentos vive mais. Bom motivo para se cultivar amizades. E, para não dizer que só falei dos amigos, é preciso explicar que essa questão comporta algumas verdades. Dou muito valor às amizades duradouras, aquelas que independem de encontros constantes e não se movem por interesses. Nas minhas atividades políticas e nos cargos que ocupei, tive a oportunidade de conhecer falsos amigos. Aqui, não é o caso de falar deles. Penso que as famílias deviam se esforçar para fazer dos parentes amigos. Fiz duas boas reuniões familiares, incluindo agregados e parentes distantes. Essas festas foram bem sucedidas e tive a alegria de assistir a en-


98

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

contros de parentes que sequer se conheciam. Entre lágrimas e risos, minha família ficou mais forte e mais próxima. Quando puder, farei novo encontro. Tenho comportamento solidário, gosto dos parentes e dos amigos. Procuro sempre fazer o bem para as pessoas, mesmo às estranhas. Ninguém vai encontrar um registro sequer, em qualquer atividade que desempenhei ou em qualquer ambiente que vivi, mostrando o contrário. Preservo as amizades e não sou preconceituoso. Mas, não se entusiasme. Tenho meus defeitos e, como disse Rubens Ricúpero, “esses a gente esconde”.

PROF ESSOR ES Nossos professores são pessoas importantes. A formação de um professor deveria demandar tempo e investimentos. Em geral, nossos professores não são bons e estão piorando ano a ano. Nós, que começamos ir à escola na década de 50 do século passado, pudemos assistir à degradação do ensino brasileiro. Todos se lembram do nome da primeira professora. Eu, infelizmente, não me lembro. Sempre tive dificuldades para guardar nomes. Mas, me recordo que a escolinha de Vila Costa (Miraluz, Distrito de Neves Paulista), de sala acanhada, que hoje abriga uma agência dos Correios, tinha alunos de várias séries, numa só classe. Penso nas dificuldades dessas antigas professoras, nas escolas rurais e no ermo sertão paulista, dando aulas a turmas heterogêneas e se esforçando para que todos aprendessem. Com seis meses de aula, minha família mudou-se para Mirassol e matricularam-me no Grupo Escolar Professor Edmur Neves. Entrei no segundo semestre, a nova professora fez um teste na frente de todos, mandando-me ler o que estava no quadro. Acho que me saí bem. Não fui bom aluno no segundo ano, quando faltei muito para nadar nos riachos próximos a Mirassol. Até o servente visitar a minha casa e avisar sobre minhas faltas. Ganhei uma surra e perdi o ano. Naquele tempo, havia repetência. Lembro-me de algumas professoras, Ivete e Jandira, mas não me perguntem a razão. No ginásio (da 5ª à 8ª série) e no curso técnico de contabilidade (correspondente ao colegial) me recordo melhor dos professores. Antonio Brás Vernucci, Roberto Choeiri, Octacílio Alves de Almeida, Edenir Machado,


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

99

Francisco Salles Oeterer e muitos outros. Há professores que se tornaram amigos, como nos casos de Daniel de Freitas e Alberto Tessarolo Filho. Alguns me ajudaram quando fui candidato a vereador. Eu ainda me lembro de professores da Faculdade de Ciências Econômicas e do curso de Direito. Mas, como as matérias mudavam ano a ano e os professores iam sendo substituídos, os alunos não tinham tempo para um relacionamento mais próximo. Acrescente-se a isso o fato de estudarmos à noite, curso corrido e suplementar ao trabalho do dia a dia, garantidor da sobrevivência. Depois, eu próprio passei a dar aulas. De vez em quando, um ex-aluno me procura para consultas. Raramente alguém me aborda na rua ou nos locais onde freqüento. Fora de São José do Rio Preto, interessante, é mais comum. Quando um ex-aluno me vê em aviões ou na Capital, sempre procura conversa, lembrando o ano em que estudou. Ser professor é uma grande responsabilidade. O estímulo do professor a qualquer aluno é fundamental. Do alto de minhas seis décadas de vida, hoje sei que só o elogio constrói. A crítica, qualquer crítica diminutiva, é corrosiva, apequena a alma e inibe o desenvolvimento do estudante. Hoje, quando vejo na televisão professoras sendo agredidas por alunos, escolas cercadas por arame farpado, pipoqueiros vendendo droga na porta das escolas, gangues fazendo e desfazendo, confesso que fico temeroso em relação ao futuro deste País. Entendo que somente valorizando o professor, tendo escolas em período integral, ensinando artes e ofícios é que poderemos construir uma verdadeira Nação.


100

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

DA I NFÂ NCI A À M AT URIDA DE

1945 Nasci em 1945. Talvez, o ano em que se deram os maiores acontecimentos do século 20. Ano terrível. Embora tenha três aniversários (nasci no sábado de aleluia, 3l de março, fui registrado em 25 de abril), comemoro, quando possível, no dia 25 de abril. Evito confusões. Só minha mãe se lembra do 31 de março. Em abril de 1945, os russos tomaram Viena e Berlim. No dia 22 de abril, é comemorado o Dia da Aviação de Caça do Brasil. Nesse mesmo dia, em 1945, o 1º Grupo da Aeronáutica (Senta Pua) fez 44 missões bem-sucedidas em território italiano, arrancando grandes elogios dos comandantes americanos. No próprio dia 25 de abril, às margens do rio Elba, os soldados americanos e soviéticos se encontraram. Neste mesmo ano, em 6 de agosto, lançou-se a bomba atômica em Hiroshima e, três dias depois, em Nagasaki. O Japão se rendeu em 15 de agosto. A bomba atômica marca definitivamente a superação de inocência da raça humana, ultrapassando o convencionalismo e situando-se na esfera do inimaginável. Nada foi mais abjeto. Quando estive na sede da ONU pela primeira vez, vi a imagem de uma santa que permaneceu intacta depois da explosão. Confesso que, como católico, aquela imagem me emocionou. Não me conformo com a existência


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

101

dos artefatos nucleares e acho que qualquer dia desses vai haver nova explosão, seja deliberada ou pelas falhas nas usinas nucleares que fornecem eletricidade. Ironicamente, quando assisto às discussões sobre meio ambiente, aquecimento global e a extinção das espécies, penso que não há necessidade de preocupação. O homem, na sua infinita capacidade de destruir, chegará primeiro, antes que o sol se ponha definitivamente, tornando-se uma pedra fria no universo. O homem acabará com a Terra. Também foi em 1945 que a América Latina obteve o seu primeiro Prêmio Nobel de Literatura por meio de Gabriela Mistral. Estive em sua casa no Chile e li seus versos pintados nas paredes. Pouca gente sabe que ela tinha um nome bem estranho: Lucila de Maria del Perpetuo Socorro Godoy Alcayaga. Ninguém lhe compraria um livro assinado com esse nome. Em 28 de abril, Benito Mussolini é executado. Em 30 de abril, Adolf Hitler, Eva Brauan e a cadela Blondi se foram. Ambos suicidaram-se. Também foi o ano de nascimento de Bob Marley, Edir Macedo e Elis Regina, nada relevante num ano mais marcado por mortes. No Brasil, 1945 foi também um ano importante. No governo, varrido pela nova onda democrática, Getúlio Vargas deixou o poder e entrou Eurico Gaspar Dutra. No ano seguinte, foi promulgada nova Constituição, democrática, que vigorou até 1964. Foi rasgada pelos militares. Informações curiosas existem aos montes na Internet sobre todos os anos. Há outros fatos importantes em 25 de abril, como a Revolução dos Cravos, em Portugal, ou a chegada de ingleses e franceses às praias da península de Gallipoli, fato que prolongou o término da Primeira Guerra Mundial. Milhares de soldados australianos e neozelandeses perderam a vida em Gallipoli, dando origem ao Anzac Day, feriado nos dois países, em 25 de abril. Em 1945, nasce a Guerra Fria que perdurou por décadas, até o final dos anos 80, quando é derrubado o Muro de Berlim. Todos somos um pouco filhos da Guerra Fria, marcando a preferência dos jovens pelos partidos políticos ou pelas formas de luta. Época de declarada intolerância. O meu século é o vigésimo da Era Cristã e entrei no século 21 por benevolência do destino. Permanecerei neste novo século enquanto for possível. Em 2001, quando começou o novo milênio, estava com 56 anos. Vou terminar esta década com 65 anos. Escrever memórias é sinal de velhice. Achar que o seu ano de nascimento é importante, reconhecida tolice. Atualmente, as pessoas vivem mais, mas é bom se precaver. Os filhos merecem memórias frescas, precisas. Afinal,


102

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

não são memórias de alguém célebre. Apenas lembranças sem mérito de pessoa comum. Servirão, se servirem, para os da família e aqueles que me conhecem. Um ou outro curioso? Talvez.

A I N FÂ NCI A DE ON T EM E DE HOJ E pesar da pobreza, tenho a sensação de que a infância na década de 50 A era infinitamente melhor do que a infância atual. Não me iludo. Todos, salvo em circunstâncias especiais, devem considerar suas meninices as mais felizes. Não havia computadores, máquinas fotográficas digitais ou brinquedos eletrônicos. Uma bolinha de borracha era o máximo e todos exibíamos os nossos estilingues com marcas em sua forquilha. Não há duplo sentido. Fui bom na arte de atirar pedras. A infância tinha também os seus modismos. Os tempos abrigavam bolinhas de gude, peões, pipas (que chamávamos de papagaio) e as brincadeiras como salva-pegas, rico-trico e batalhas selvagens com mamonas, pinhões e até pedras, nas mãos dos malvados valentões. Verdadeiras epopéias. É preciso reconhecer a crueldade das crianças. Apelidos jocosos, agressões gratuitas e segregações injustificadas fazem parte do repertório infantil. Não podia ser diferente, já que naqueles tempos (ainda hoje, em certos estratos) a agressão começava em casa e continuava na escola. A escola complementava a educação, premiando os bons (minoria) e castigando os ruins (maioria). Ser mandado à diretoria, guardar o canto da sala ou levar algumas reguadas era muito comum. Sempre no grupo intermediário, participei de tudo, incluindo raríssimos prêmios. No segundo ano do grupo escolar (segundo ano do primeiro grau), o servente da escola foi mandado à minha casa no horário escolar para saber sobre o meu paradeiro. Minha mãe informou que seu filho estava na escola. “Lá, ele não aparece há mais de 30 dias“, respondeu o servidor. Levei surras homéricas. Cinta, fio de ferro elétrico, croques e varas verdes foram os instrumentos de tortura. O pior é que nós, meninos, sentíamos que merecíamos esses castigos cruéis. Éramos terríveis, crença geral entre irmãos, pais, parentes e vizinhos. Condenados pela comunidade e psicologicamente culpados.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

103

embro-me de sovas com marcas, vergões espalhados pelo corpo L denunciando as peraltices. Como se dizia, praticava-se justiça contra os arteiros. Nós, indisciplinados, merecíamos. Fugíamos do trabalho doméstico e nos refugiávamos nos campos, matas e rios próximos, onde experimentávamos o inexprimível sentimento de liberdade. Nada é comparável à algazarra infantil na curva de um rio. Valeu à pena!

A PEDR A DA reio que esse fato aconteceu no em que o Brasil sagrou-se pela C primeira vez campeão mundial de futebol: 1958. Cursava a primeira série ginasial (5ª. série) e logo depois das aulas, no período noturno, um grupo de alunos invadia a Praça São Pedro, em Mirassol. Lá, na Praça, praticávamos nosso terceiro tempo. Depois de um dia de trabalho (no meu caso, aprendiz no Escritório do Sneyder) e da escola noturna (Ginásio São Paulo), simplesmente brincávamos. Nossa criatividade era ilimitada. Mirassol é uma cidade que se caracteriza por votar mal. Há décadas não tem um bom prefeito. O então prefeito, Mainha (José Maria de Campos Maia), revolucionou. Renovou o espaço central, reconstruindo as praças. Restos das obras públicas estavam por toda a parte e as pedras utilizadas para fazer o piso das praças (petit-pavê), ficaram disponíveis. Ninguém sabe quem ou de onde surgiu a pedra, mas ela caiu na cabeça do filho de nosso professor de latim (Fausto Tenfuss), um dos homens mais cultos que o País conheceu. Segundo o mirassolense Zeca Moreira, “até hoje, a revista A Verdade, da Maçonaria, publica seus artigos, tal o seu brilhantismo”. Tenfuss, o filho, era nosso colega de classe. Quando foi atingido, o sangue jorrou de sua testa e ficamos todos apavorados. Levamos o menino para a farmácia mais próxima. Acordamos o farmacêutico, certamente um prático, que improvisou o curativo. A cena e a rapidez com que agimos nunca foram esquecidas. Naquele dia, descobri uma de minhas características. Sou bom para trabalhar sob pressão. Em momentos de tensão, percebo que estou de posse


104

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

de todos os sentidos e exerço com precisão algumas qualidades de liderança. Isso se repetiu em outros momentos importantes. Não sei onde estão os Tenfuss. Sei que um deles é consagrado médico em Brasília (Iphis Tenfuss Campbell). Todos os amigos da primeira série ginasial desapareceram de minhas lembranças e, como já escrevi, alguns permaneceram por acontecimentos inusitados. Tenfuss foi um deles e a causa foi a pedrada. Não confio em minha memória. Descrevo o fato da maneira como ele está gravado em minha mente. Pedi a ajuda do Zeca Moreira para saber quais eram e como se escreviam os nomes. Ele acha que, provavelmente, o colega de escola a que me refiro seja o Athys, que reside em São José do Rio Preto. Tomara que seja e que ele possa ler e conferir essas maltraçadas.

A VOZ DO EST U DA N T E Homenagem a João Martin Esteves A Geração Senac da década de 60 (Escola Senac de São José do Rio Preto), estimulada por bons professores, produzia de tudo: coral, jogral, time de futebol e de basquete, participantes de olimpíadas escolares, de concursos de redação e oradores. Com exceção da parte esportiva, eu queria participar de tudo. Grilinhos falantes, pensávamos que éramos oradores. Pobres daqueles que nos ouviam. Falávamos até em festas de casamento. João Martin Esteves, colega de classe, também exibido, servia de contraponto na classe. Nas aulas de academia do professor Salles (Francisco Salles Oeterer), sempre estava do lado oposto ao nosso. Aluno brilhante, fora da classe grande companheiro. De vez em quando, ele aparecia com novidades e que novidades! Naqueles números de transformação de pessoa em monstro, com utilização de sombras, comuns na época, João conseguiu ser o locutor. O truque apresentava-se nas dependências da velha Galeria Bassitt. Depois, se meteu como voluntário de um curso de hipnotismo e nos levou lá. Fingíamos que estávamos hipnotizados por aqueles pobres alunos explorados. Das várias aventuras do João, uma deu certo. Ele arrumou um jeito de apresentarmos na Rádio Cultura um programa de rádio, pomposamente intitulado de “A Voz do Estudante”. Eu e ele apresentávamos o programa, com músicas, crônicas, poesias, notícias das escolas rio-pretenses e outras bobagens. Imitamos até o Júlio Lousada, dando conselhos às moças.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

105

Caio Plínio, diretor da Rádio Cultura, não nos pagava um tostão. Esse negócio de rádio, parece, nunca deu camisa para ninguém. Depois do aparecimento da televisão, piorou. Nosso programinha, aos domingos, era bem ouvido e nos tornamos conhecidos. Quando a gente se apresentava para as meninas, elas nos identificavam pelo programa. Vaidosos, gostávamos disso, embora eu fosse magro, dentes quebrados, feio de doer. Quando ganhei a bolsa de estudos da Aliança para o Progresso para estudar em São Paulo, deixei o programa por cerca de três meses e João continuou fazendo-o sozinho. Voltei e, para surpresa minha, as vinhetas só continham chamadas com o nome João Martin Esteves. Ele (ou a rádio) havia tirado o meu nome. Fiquei decepcionado, mas não estrilei. O rádio perdeu o profissional que nunca fui. João prestou concurso e trabalhou como fiscal do trabalho. Está aposentado e advogando. Certamente é bom advogado. Eu me baseio nas suas qualidades de aluno criativo e audacioso. Esses colegas todos do tempo da Escola Senac me ajudaram quando candidato a vereador. Concomitantemente a essas aventuras, participamos de vários concursos de redação. Fui primeiro colocado em um deles, promovido pelo Rotary Clube. Em outro, levei um baile do Minas Kuyumjian Neto. Irineu Navarro escrevia bem e também ganhou alguns desses concursos. Minas respondeu ao próprio talento e é autor de vários livros. Irineu, de acordo com a última informação que tive, morreu no Paraná. Tenho saudade desse tempo da Escola Senac. Era pobre, trabalhava muito, andava mais de dez quilômetros por dia, e ainda era capaz de participar dessas promoções escolares e de ler os livros emprestados pelo professor Salles. O professor ouvia o programa “A Voz do Estudante”, analisava as nossas falas, dava conselhos. Esse grande professor não tem idéia do quanto representou em nossas vidas. “A Voz do Estudante” não perdurou, mas foi uma inovação. Depois de nosso programa, entrava o João Albano com seus corrosivos comentários. Albano fazia o tipo “João sem medo” e criticava todo mundo. Tornou-se grande jornalista e escreveu para vários jornais brasileiros. Gostava dos estilos desses dois João. Eles foram fonte de aprendizado e companheirismo. PS: Este artigo já estava pronto no dia 9 de agosto de 2009, quando João Martin Esteves veio a falecer. Só fiquei sabendo disso uma semana depois, ao voltar de um evento na Cidade do Panamá. Mantive o artigo original em homenagem à sua família. Eles devem ter muito orgulho do João. Eu, particularmente, sempre fui seu admirador.


106

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

A S PI PA S Além de caçar passarinhos e jogar futebol, as pipas – denominadas papagaios – também eram uma das minhas alegrias. Normalmente, soltávamos no mês de agosto, quando havia mais vento. Fazíamos as nossas pipas com esmero para não ficarem pensas. Ficar pensa era pender para um dos lados. Não ter equilíbrio. Sem equilíbrio, a pipa dava piruetas em direção ao chão. Se Newton as conhecesse, não precisaria da maçã. Certa vez, soltei um papagaio quase perfeito e ele subiu às alturas. Quando a linha quebrou, foi levado pelo vento e se enroscou na antena da Rádio Difusora de Mirassol, no andar superior do prédio das Casas Pernambucanas. Permaneceu ali até à noite, mostrando-se exibido a todo o município. Antigamente, a importância de uma cidade se media pela presença das Casas Pernambucanas. Elas foram onipresentes no cenário brasileiro e sua publicidade, singela, se fazia nas porteiras dos caminhos rurais. Essas lojas existem até hoje. Não têm o mesmo vigor do passado. Outra organização importante que, praticamente, desapareceu foi o conjunto de Indústrias Matarazzo, onde trabalhei a partir de agosto de 1960, após completar 15 anos. Na época, era um emprego disputadíssimo. Ainda me lembro bem, de um dia em que eu, encostado no muro do velho cemitério de Mirassol, empinava, calmamente, meu papagaio. Um sujeito passou pela calçada e, sem mais nem menos, cortou a linha. Os dois se foram: o estranho e o papagaio. Fiquei pasmo e revoltado. Mas o que pode fazer uma criança contra a maldade dos adultos? Hoje, com o aumento da população e crescimento das cidades, os adultos não cortam mais as linhas das pipas, cortam e mutilam sonhos infantis. Muito pior. Todos os dias há notícias sobre o abandono de crianças, abusos e maus-tratos, sobre formas degradantes de trabalho infantil. Faltam escolas em tempo integral. Faltam cursos profissionalizantes para os jovens. Neste País, falta um pouco de tudo. A nossa infância, embora mais dura e sem os confortos e equipamentos da vida moderna, foi mais saudável e sem os flagelos da atualidade, principalmente a ausência de espaços de liberdade e criação. Não se fazem mais pipas. Quem pode compra pronta.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

107

A S T R ÊS M A RI A S Sou de um tempo incomum no que concerne à existência de boas amizades com o sexo oposto. Hoje, essas amizades são recebidas como normais. Entre os anos 60 e 70, vivemos o período de transição entre uma forte moralidade e o início da liberdade, com o advento da mini-saia. Em 197l, ao lecionar no Colégio São Luis, conheci Avelina Maria, aluna do terceiro técnico. Tivemos um flerte e conseguimos manter excelente amizade, que perdura até hoje. Avelina tinha outra amiga, Ana Maria, então funcionária pública e mulher que gostava de uma boa cerveja. A outra que andava com elas, a Aparecida Maria, cantava no coral do município. As três Marias cursaram direito na Fadir e foram inseparáveis. Quando voltei de Curitiba para São José do Rio Preto, Avelina Maria namorava firme o Zé Bagunça. Isso mesmo. Seu nome vinha junto com a sua maior qualidade. Gozador incorrigível, Zé se transformou em bom companheiro e, quando vinha namorar, alojava-se em casa. Seu nome de batismo: José Carlos Vieira Bulho. Chamaram-me para padrinho de casamento. Casamento reportado por Tavares de Miranda, na Folha de São Paulo. Zé já partiu, deixando Avelina com dois filhos. Ela mora em Garça, para onde se mudou depois do casamento. Um de seus filhos mora nos Estados Unidos, transferido por questões profissionais. Também apadrinhei o casamento de Ana, quando se casou com Alois. Viveu um tempo em Rio Preto, depois se mudou para outras cidades, conforme requisitavam as atividades do engenheiro Alois. Tiveram um casal de filhos, ambos casados e encaminhados na vida. Ana, corajosa, apostou na relação. Abandonou o cargo de funcionária pública. Não se arrependeu. A professora Cidinha vinha de uma experiência difícil, mas se encontrou com o juiz de direito Silvio Bednarski, com quem se relacionou por vários anos até a sua morte em 2002. Mulher inteligente e sensível, tem dois filhos. Vez ou outra, eu a vejo em sessões de cinema. Mantém-se a mesma. Os anos não lhe pesaram. Ambos somos leitores vorazes. A partir de Avelina, essas mulheres tiveram papel importante em minha vida. Sozinho, vindo de más experiências, elas foram anjos da guarda e, em certo momento da década de 70, freqüentávamos restaurantes, jogávamos baralho e íamos aos bailes. Estive em suas casas. Conheci seus amigos e seus parentes. Elas me adotaram. Foram de grande ajuda e fonte permanente de alegria. São amigas insubstituíveis.


108

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

na Maria tem uma irmã, Elizabete, que permanece em Rio Preto. A Bete casou-se com o dentista Sidnei Droveto, que se tornou grande amigo. Ao ser padrinho do casamento de Bete e Sidnei, julguei-me diplomado na função. Sidnei e Bete já casaram dois de seus filhos. Estamos ficando velhos. Depois, também me casei. Temos os nossos destinos e a esses destinos estamos ligados. Cuidamos das nossas famílias e de nossos filhos. Cidinha já cuida de seus netos. Não sei se Ana e Avelina têm netos. Não tenho, mas espero poder tê-los. Regina sonha com esse dia. A vida é muito simples e não adianta complicá-la. Consiste em seguir. Seguir sem atropelos e sem culpas.

BRI NC A DEIR A S DE CRI A NÇ A Boa parte da infância é consumida em brincadeiras. Na roça, os brinquedos eram simples: pequenas bolas de borracha, bonecas de pano, caminhõezinhos feitos de madeira, com rodas de carretéis de linha, uma pequena tábua sobre as rodinhas improvisadas. Quando vejo hoje os jogos eletrônicos e os sofisticados autoramas ou bonecas que falam e choram, todos esses brinquedos com controles remotos, fico maravilhado. Na longínqua década de 50, isso era impensável. Jamais se poderia imaginar que chegaríamos a esse nível de perfeição. Em casa não tínhamos animais domésticos, como cães e gatos. No campo os animais são criados com propósitos econômicos. Servem para a alimentação da família. Galinhas fornecem ovos. Porcos nos dão a carne e vacas produzem leite. A melhor comida da roça são os frangos, vermelhinhos em decorrência das generosas porções de colorau. Sou louco por eles. No sítio, vivíamos isolados. Nossa alegria estava na visita dos ou aos tios, quando então os primos se reuniam. Famílias numerosas, sempre havia algum da mesma idade. Meninas e meninos brincavam separados, raramente, misturados. Lembro-me pouco desse tempo. Após freqüentar a escola e, mais ainda, depois que passei a residir em Mirassol, recordo-me de momentos divertidos. Havia uma casa, próxima ao Mercado Municipal, na rua Benjamin Constant, ponto de encontro da molecada. O líder, filho do dono da casa, apelidado Ticão (Antonio Flávio de Carvalho), convidava todo mundo. Um de seus irmãos é o bom e querido professor Antonio Carlos de Carvalho, cujo apelido é Zuza. Eles têm mais três irmãos: Deco, Chinha e Noca. Dá para imaginar a alegria na casa dos Carvalho. As principais brincadeiras e jogos infantis denominavam-se rico-trico,


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

109

salva-pegas, béstia (não encontrei no dicionário – o certo deve ser bete -, mas assim pronunciávamos) e todas as formas possíveis de se utilizar uma bola. A bola é a companheira inseparável das crianças. Defronte à casa do Ticão morava o dentista Dioraci Veiga, um pai amoroso e moderno, tanto que sua filha Marisa jogava futebol com os meninos. Naquele tempo sequer se imaginava a possibilidade do futebol feminino como modalidade esportiva, atualmente das mais populares. Trindade, a esposa de Dioraci, continua lá. Marisa Veiga não foi minha contemporânea e a conheci melhor, já mulher feita, voltando da França, onde estudou com seu noivo Jorge, um hondurenho importante, que ocupou vários cargos em seu país, inclusive o de embaixador na ONU (Organização das Nações Unidas). Marisa vive na América Central com seu marido e filhos. Ao mudar para São José do Rio Preto, perdi contato com a maior parte dos amigos mirassolenses. Aqui cheguei com 13 anos, quase 14. Aí, foi só trabalhar. Não havia mais infância e a adolescência foi bastante dura. Perder o provedor da família é barra. Portanto, de acordo com as mudanças de ambiente, mudavam-se também os amigos e os interesses, conforme é próprio das idades. Com Marisa Veiga, mantenho eventuais contatos. Sou amigo de alguns de seus parentes e ela vem sempre ver a mãe e os irmãos em Mirassol. Como viajo muito, pude visitá-la nos Estados Unidos e em Honduras. Isso, contudo, é difícil acontecer. Em geral os amigos que se mudam desaparecem de nossas vidas. Fica só a saudade, que aperta conforme avançamos na idade.

C A R NAVA IS eu primeiro Carnaval foi em Mirassol. Criança ainda, meu pai não M foi sócio de clube algum. Entrei pela bondade desses velhos porteiros. Tenho a impressão que os antigos porteiros eram pessoas melhores, certamente porque não havia os perigos de hoje nem essa demografia superlativa. Nunca aprendi nada de música e estou acostumado a falar que se dependesse de cantar alguma coisa, morreria de fome. Sou péssimo para isso, mas as marchinhas de Carnaval são simples e, de tanto repeti-las nos bailes, as pessoas conseguem memorizá-las. Acho que consegui aprender partes de músicas como “A Jardineira” (Benedito Lacerda e Humberto Porto, de 1939) e outras boas canções do passado.


110

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

epois desses inocentes bailes infantis, os anos duros da adolescência D me impediram de curtir esses momentos. Sempre apreciei mais estar no campo, pescando ou caçando do que me esbaldando. Em geral, enquanto meus parentes ainda moravam na roça, eu passava o carnaval na casa deles. Apesar dessas limitações da juventude, na década de 70 houve um período em que vibrei com os grandes carnavais do Palestra Esporte Clube, na época da boa administração de Norberto Buzzini. Ele se esmerava. Tratava com profissionalismo o Carnaval e promovia grandes festas. Hoje, depois de várias más administrações, houve alguma decadência. Aqueles carnavais coincidiram com minha volta para a cidade, com a participação no Racha da Brahma e com minha eleição para vereador. Foi uma época feliz. Também participavam os meus cunhados, Léo e Toninho. Nem sei se já namoravam minhas irmãs. Regina entrou na minha vida no final da década de 70, mas sempre participou desses grandes carnavais. Na Terça-feira de Carnaval, a turma do Racha da Brahma tinha uma tradição muito apreciada pelos sócios do clube: organizava o Racha da Saia. Todos se vestiam de mulheres e jogavam uma partida de futebol. Jogo engraçadíssimo, com direito a palhaçadas. O velho campo do Palestra enchia de gente. Como vereador, minha função era apitar o jogo, mas os amigos insistiam para que eu fosse de terno, como habitualmente ia ao Legislativo. Aquele calorão, um monte de marmanjos vestido de mulher e eu, de paletó e gravata, suando em bicas. Incômodo, mas divertido. O jornal Diário da Região fez boas reportagens sobre o Racha da Saia. As namoradas maquiavam os jogadores, caprichando no visual. Muitos deles realmente ficavam parecendo mulheres elegantes. Casos do médico Luis Fernando Colturato e do arquiteto Zeka Meucci. Nando, num dos anos, arrasou de tenista e Lúcia se esmerava no visual do Zeka. Acho que os loirinhos sempre foram mais fáceis de maquiar. Para disfarçar a barba, Peludo (Wellington Calux) vestia-se de odalisca, dando um trabalhão para a Cleide. Gente impagável. Cada um teve o seu carnaval preferido. Os meus foram os dos anos 70. Época ainda inocente em que as transgressões, quando exageradas, se resumiam em cheirar lança-perfume, já proibido. Irmo Bassi Jr, hoje médico cardiologista, ficou apavorado quando Marisa, então sua namorada, desmaiou ao experimentar lança-perfume. Irmo foi um excelente goleiro. Esses carnavais foram muito divertidos, além de render algumas namoradas. Naquela época, o Palestra tinha um dos mais famosos carnavais do


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

111

interior. Buzzini viajava para evitar romarias em sua casa atrás de convites. O clube lotava. Todos os demais clubes (Monte Líbano e Automóvel) também possuíam excelentes carnavais. Hoje, parece, não há a mesma animação ou, mais provável, estou ficando velho.

F U T EBOL: TORCEDOR, J UIZ E T R EI NA DOR Minhas primeiras tentativas com a bola já foram contadas. Há mais. O futebol, desde o campinho mal feito no sítio em Vila Costa (Miraluz, distrito de Neves Paulista), é presença constante em minha vida, mesmo, como já confessei, tendo sido e reconhecido como perna-de-pau. Sei como me tornei corintiano. Estava em dúvida entre Palmeiras e Corinthians, influenciado pela maioria dos amigos palmeirenses. Mas, chegando 1954, o Timão, como, sem nenhuma justificativa, é conhecido, sagrou-se Campeão do Centenário. Foi a gota d’água. Em l958, meses antes de meu pai ser morto, o rádio foi ligado. Era uma manhã de sol, domingo, o Brasil jogaria contra a Suécia. Não sei, não houve oportunidade para uma conversa com meu pai, mas creio que ele tinha na alma a marca da derrota de 1950. O jogo começou e nós, meninos jogávamos na rua, afinal o entusiasmo exigia a prática. Ouço o grito de gol, provavelmente de um desses famosos locutores do passado e saí correndo, entrei na sala e perguntei: “Do Brasil?” Meu pai soltou os cachorros. Gol sueco. Ganhamos o jogo e o Brasil conquistou o seu primeiro título de campeão mundial de futebol. Temos cinco campeonatos e poderíamos ter mais, não fossem a política e a corrupção. Sim, elas estão em todos os lugares. No sindicalismo também. Perdemos quatro campeonatos mundiais incríveis – 1950, 1978, 1982 e 1986 – e, se forçarmos um pouco a memória, poderíamos encontrar outras copas nas quais o acaso foi determinante. A geração de jogadores brasileiros entre a década de 50 e o final da década de 80, impressionou pela quantidade de talentos individuais. Ainda continuamos produzindo bons jogadores. Craques em campo são poucos. Quem nasceu na primeira metade do século 20 e continua vivo não se conforma com a mediocridade atual. O campeonato brasileiro, às vezes, consegue ser pior do que o campeonato argentino


112

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

ou mexicano. Crianças talentosas são exportadas muito cedo. Do ponto de vista sindical, isso é puro trabalho infantil. Na Câmara Municipal de São José do Rio Preto, quando convivia com Vergílio Dalla Pria Neto, o eterno presidente do Rio Preto Esporte Clube, cheguei a pedir-lhe para treinar o time. Claro, ele nunca me levou a sério. Mas, como todo o brasileiro, sempre tive a impressão de que seria um bom treinador. Somos milhões de treinadores frustrados. Tive poucas oportunidades para ser treinador e uma delas surgiu no Palestra Esporte Clube, em campeonato interno. Faltou um dos titulares e coloquei em campo o Vatinho (Valter Encinas Gonzaga), que jogava bem. Ocorre que o titular chegou e cometi a besteira de, com poucos minutos, substituir o Valtinho. Nem precisa dizer o que ouvi. Porém, ganhamos o jogo. Também, no mesmo Palestra, tive boa experiência como juiz. Faltou quem apitasse e eu estava à mão, logo apitando o jogo em que um dos times era treinado pelo professor Roberto Choeiri, ídolo escolar. Em determinado momento, apitei um pênalti e o time do professor perdeu. Ele, cavalheiro como sempre, me cumprimentou dizendo que o pênalti realmente existira. Os jogadores, no entanto, reclamaram muito. Não dá mais para qualquer aventura nessa área. Nem mesmo como treinador, profissão que, acredito, está mais ligada à capacidade de motivar e disciplinar do que ao entendimento do jogo, que, embora necessário, talvez não seja tão determinante. Enfim, no futebol fui sempre um completo fracasso.

F U T EBOL E SON HOS Futebol é o esporte mais próximo dos meninos. Mais no passado do que no presente. Fácil de praticar, integra várias crianças ao mesmo tempo, regras conhecidas e qualquer pedaço de terra serve. A bola é um instrumento barato, pode ser feita de vários materiais, até com um velho pé-de-meia. O avanço da urbanização e a motorização do homem atrapalharam bastante. Em alguns estados brasileiros, só se joga futebol nas quadras escolares e nas escolinhas. Ficou mais difícil descobrir um craque. Não há mais sequer quintais. Construí o meu primeiro campinho. Onde nasci havia um pasto defronte a casa, com boas manchas de grama. Cortei os bambus, fiz as traves,


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

113

enterrando e amarrando como pode fazer uma criança com menos de sete anos de idade. Numa manhã chuvosa e cinzenta, como são os dias tristes, olhei desesperançado o meu pequeno campo. As vacas pastavam tranquilamente em meio aos gols caídos. Paisagem desoladora, espaço mais imaginário que demarcado. Gostei e fui apaixonado por futebol, mas atualmente sei que há vida em outros esportes. Até os 13 anos pratiquei regularmente futebol. Em Mirassol, onde morei por sete anos, até o início de 1959, gostava de disputar “campeonatos”. Em cada lugar essa brincadeira tem um nome: quatro jogadores, dois chutando e dois defendendo, depois revezando. Cheguei a bater bola com dois craques, Bazaninho e Perobinha, embora, creio, eles fossem mais velhos. Bazaninho jogou, entre outros clubes, no São Paulo e no América. Perobinha, dono de um chute potentíssimo, fez carreira no México. Os dois voltaram para Mirassol. Após a morte de meu pai, em São José do Rio Preto, joguei ocasionalmente. Times de classes escolares, das empresas em que trabalhei (Matarazzo, Comind e Ford) ou com os primos. Onde é hoje a Escola Bady Bassitt, na Vila Anchieta, havia um campinho, se não me engano, chamado Toqueiro. Naquele campinho irregular e improvisado, nasceu um craque, Roberto Leão, que começou no América e quebrou a perna treinando em Lins. Medicina atrasada, desleixo do clube e pobreza decretaram o fim do promissor atleta. Depois, ele prestou concurso no Banespa, onde fez excelente carreira. O futebol perdeu um craque, mas o banco ganhou um excelente funcionário. Certamente, os pernas-de-pau poderiam ter feito sucesso em outros esportes, mas naquele tempo não havia oportunidade. Outros esportes, com exceções, eram praticados pelas elites. O futebol sempre foi o esporte dos pobres. Em Mirassol, nas corridas (pedestrianismo) do aniversário da cidade, em 8 de setembro, me lembro de alguns pequenos prêmios. Depois, mais tarde, só em concursos de redação. Poucos em primeiro lugar. Continuo tentando escrever, embora saiba reconhecer as dificuldades e limitações desse ofício. Aventuro-me de vez em quando e escrevo artigos para o Diário da Região, publicados pela generosidade da família Buzzini. Sei que não serei um escritor, como passou por minha jovem cabeça. Essas pequenas memórias talvez sejam o mais longe que posso ir. Sonhos são sonhados até hoje, mas são outros sonhos.


114

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

G OLS Todo perna-de-pau quer marcar gols e no futebol escolhe a posição de centro-avante ou, como no tempo de menino, dependendo de sua tendência, destro ou canhoto, meia-direita ou meia-esquerda. Como tinha pé esquerdo só para andar, as únicas alternativas seriam lateral, meia ou centro-avante, jogando pelo lado direito. Nunca pensei em ser goleiro. Na infância, meu chute potente se destacava, mas era só isso. Treinava no infantil do Mirassol Futebol Clube e chegou um técnico novo. Colocou as crianças como fora orientado e, claro, eu estava no segundão. Ocorre que, de vez em quando, eu acertava; foi naquele dia. O novo técnico ficou entusiasmado e me escalou no domingo. Fui um desastre e voltei ao segundão. Quando vim morar em São José do Rio Preto, certa vez joguei pela segunda-série (6ª série) da Escola Senac. Trabalhando nas Indústrias Matarazzo, organizaram o time para disputar o varzeano, sendo, claro, reserva. No Banco Commércio e Indústria joguei com alguns cobras: Percinho e Sharif. Como o gerente queria um time puro, só do banco, acabei titular por falta de outras e melhores opções. Havia um disputadíssimo campeonato entre as agências bancárias. Na Agência Ford, melhorei um pouco quando passamos a jogar futebol de salão na quadra do Tiro de Guerra, que ainda existe. Nosso adversário preferido, a joalheria “A Mascote de Ouro”, do Natalino, estava sempre pronta para ganhar ou perder. Mas, como era um reclamão, os colegas Merlini e Walter organizaram um boicote aos jogos. Ou eu parava de reclamar com os amigos ou não haveria mais futebol. Tive de me enquadrar. Quando consegui ser sócio do Palestra Esporte Clube, me dediquei ao futebol de salão e tive fase regular. Nada maravilhoso. Dava para o gasto. Disputei alguns campeonatos internos e, por muitos anos, pertenci ao Racha da Brahma, existente ainda hoje e dos melhores da cidade. Gente boa, uma companheirada solidária. Lá, estão ainda o Odair Ferrante, o Chico Papa, o Vicente e tantos outros. O Sérgio Sanches (Mosquito) se meteu na política do clube e, como política só dá prejuízo, acabou abandonando o clube e o racha. Morando em Curitiba, não tive tempo para o futebol. Quando voltei para a cidade, recomecei, mas já passado nos anos e sem gás. Fiz parte de alguns rachinhas: da chácara do José Rossi, da chácara do Ulyssinho Cury e do Domingão do Automóvel Clube, todos tradicionais e em plena vigência. Na Farme/HB também batia uma bolinha com os amigos. Eventualmente, assisto ao Racha da Brahma e, faltando alguém, eles permitem a minha entrada.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

115

empre muito ruim, sou capaz de me lembrar dos poucos gols de minha S péssima carreira futebolística. Minha média como centro-avante anda por volta de dois gols por ano, um a cada seis meses. O único que jogou bem lá em casa foi meu irmão Norival, canhoto e bom chutador. Foi atleta do Rio Preto Esporte Clube e do time da cidade de Ipiguá. Na época de vereador, incentivei os jogos entre Câmaras Municipais e fizemos vários pela região. Não sei se isso se mantém, mas era uma boa maneira de estimular o relacionamento entre os políticos e entre as cidades. Algumas autoridades nos acompanhavam e o doutor Paulo Norberto Arruda de Paula fez excelente partida em Votuporanga. Essas partidas, sempre beneficentes, às vezes, eram assistidas por bom público. Em Rio Preto, uma única vez, houve um jogo entre vereadores e padres da Igreja Católica. Também beneficente, o velho Estádio Mário Alves Mendonça lotou de torcedores. Ninguém torceu pelos vereadores. Os padres foram unanimidade. Um tal de padre Joãozinho, do Colégio São José, deu um show de bola, nos deixando tontos. A galera vibrava com o padre. Enfim, nunca fui bom de bola e, contrariando a visível realidade, tenho insistido ao longo dos anos. Se tivesse me dedicado ao basquetebol ou qualquer outra modalidade, talvez, fosse melhor. A preferência, o gosto e a paixão me levaram para o futebol e o que consegui foi somente ser um perna-de-pau. Morrerei perna-de-pau, mas não consigo parar. Todos os domingos, para desespero dos amigos, chego cedo e dou o nome. Como o Zagallo, digo: “Vocês vão ter de me engolir”.

IGR EJA DA V I L A M ACENO Ao mudar-me para São José do Rio Preto, levado talvez por Valdir Tonetti, passei a freqüentar a Igreja Católica da Vila Maceno, consagrada a N. S. do Monte Serrat. Entrei para a Congregação Mariana dos Estudantes. Católico, com primeira comunhão feita na Igreja Matriz de São Pedro, em Mirassol, a Congregação constituía-se numa obrigação das manhãs de domingo. Depois da missa dos estudantes, às 10 horas, os congregados se encontravam na antiga igrejinha para a reunião. Ali, fiz novos amigos. Naquele tempo, não sei se ainda hoje, havia hierarquias: fita estreita e fita larga. Conquistar a fita larga significava estar adiantado em matéria religiosa. Esqueci a maior parte das orações exigidas.


116

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Lembro-me dos filhos do saudoso vereador, Francisco Antonio Tauyr, que se dizia vereador de Nossa Senhora. Obviamente, elegeu-se com o apoio dos católicos. Seus filhos, dois deles, foram meus contemporâneos. Éramos bons meninos e ajudávamos a Igreja no que fosse possível, da limpeza às procissões. As congregações marianas tinham diretorias. Quando fui admitido, o presidente era Edson Nogarotto. Edson formou-se professor e começou a lecionar. De vez em quando, eu o vejo caminhando pelas ruas da Vila Maceno, majoritariamente bairro de descendentes de italianos. Deve continuar sendo esforçado e disciplinado, como antes. A primeira Igreja da Maceno, construção minúscula, foi substituída por outra, maior, ao lado. A quadra é grande e abrigou a nova construção, com espaço reservado para o Salão Paroquial, que, anos mais tarde, ajudei a construir. A velha igrejinha continua lá e não sei se ainda é utilizada. Permanece como monumento histórico. Dos padres, me lembro de vários, principalmente de Jarbas Brandini Dutra. Tido como moderno, rezou missas para os motoqueiros até a sociedade se revoltar com a bagunça dos jovens na cidade. O titular atual da paróquia é o padre Antônio Valdecir Desidério. Padre Jarbas atua na Igreja da Redentora e não entendo porque ele não chegou a bispo. Certamente, porque moderno. Quando Jarbas completou 25 anos de vida sacerdotal, providenciei para ele uma homenagem na Câmara Municipal. Compareceu com toda a família, a maioria dos membros da comunidade e seus amigos. Bela solenidade. Todos os anos mando uma garrafa de vinho tinto seco para o Jarbas e ele retribui com uma de vinho de missa. Minha cunhada, Eny Marilhano Fabri, gostava desses vinhos, mas ela faleceu há alguns anos. Bebida, sempre há quem a tome. Não sei quanto tempo permaneci como congregado mariano, mas me lembro de haver utilizado esse fato como propaganda eleitoral. Na primeira vez que me candidatei, esbocei um pequeno currículo e coloquei nele que havia sido presidente da Congregação Mariana de Estudantes de Vila Maceno. Um de seus integrantes duvidou e buscou todas as atas, felizmente encontrando aquela que registrou essa participação comunitária, para mim importante. Como vereador, durante 20 anos, tive outras oportunidades de ajudar a comunidade e também o Centro Social da Vila Maceno, do qual vários amigos foram presidentes. Entre esses, que me lembre, o Moacir Rodrigues Marques, o Idacir Piovan e o Valdemar Menegaldo.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

117

O Centro Social da Maceno faz grande trabalho em favor dos pobres, ministrando cursos e dando assistência às famílias do bairro. A ligação entre a Igreja e o Centro Social é de cooperação mútua. As quermesses da Igreja Monte Serrat, normalmente no mês de agosto, são concorridas e todos vão lá para comprar alguma coisa, arrematar prendas, gastar um dinheirinho em favor das obras do padre de plantão. O Luiz Carlos Rinaldi, proprietário do Escritório Pedro Amaral, é um dos freqüentadores assíduos dessas quermesses e sua mulher, Elza Agrelli, ajuda bastante. No geral, os italianos colaboram tanto com a Igreja como com o Centro Social de Vila Maceno. Claro, não só os descendentes de italianos, como outros moradores do bairro. Trabalhei como locutor da quermesse, época em que os meninos ofereciam músicas para as meninas “com provas de muito amor”. Foi quando conheci Lucinda, também trabalhando na quermesse, que se tornou boa companhia. Casou-se com o amigo Assis de Mello e, depois de viúva, começou a trabalhar por conta própria, mantendo o sustento da família. Lucinda é lutadora. Regina lhe tem grande afeição. Havia grande amizade entre os membros das diversas congregações: solteiros, casados, estudantes e filhas de Maria. Aconteceram casamentos entre membros de uma congregação e outra. Dentre as igrejas de minha vida (há outras, poucas), a Igreja de Vila Maceno tem um lugar especial em meu coração. Quando ali entro, sinto-me orgulhoso de haver pertencido à comunidade e, em momentos específicos, ajudado suas obras materiais, como foi o caso da nova igreja e do salão paroquial. Igrejas são espaços de oração, mas também são locais onde pulsam a vida social e política da comunidade. Não há como fugir disso. Somos animais religiosos e políticos. Infelizmente, em algumas regiões do mundo, a religião tem servido às piores causas dos homens e não tem construído o mundo de paz e amor que todas advogam. Em nome das religiões, cometeram-se muitas injustiças. O progresso não tem sido suficiente para estancar essas atrocidades. Felizmente, esse não é ainda o caso brasileiro.

L ÁGRIM A S DI F ÍCEIS E R A R A S Nunca fui de chorar, de verter lágrimas facilmente. Foram tão poucas as vezes em que chorei na vida, que, talvez, possa contá-las nos dedos de uma só mão. Não é exagero. Quase todas as minhas lágrimas foram lágrimas inexplicáveis.


118

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

uando criança, como toda criança, chorei muito, principalmente ao Q apanhar. Não foram poucas as surras, como verão nestas pequenas memórias. Mas esses choros infantis não contam. O choro conta quando é doído, sofrido e você tem consciência dele. É preciso ter motivo para chorar. Dias seguintes após meu pai ser morto, continuei freqüentando o campo de futebol do Mirassol Futebol Clube e me culpava por gostar de ir lá, por não chorar, por não guardar o luto que minha mãe guardava. Ela ficou mais de ano usando preto. Naquela época, no fim dos anos 50, era costume. Hoje, parece, o luto saiu de moda. Trabalhando na Farmácia Santa Clara, fui buscar remédios na Distribuidora Baruel e encontrei alguém da cidade de Mirassol. O homem prontamente me reconheceu e falou para todos: “Esse menino é filho do chofer de praça de Mirassol que foi assassinado no Ponto Chic, ali perto de Jaci”. Caí no choro. No caso, a explicação está no dicionário: Emoção é uma reação intensa e breve do organismo a um lance inesperado, a qual se acompanha dum estado afetivo de conotação penosa ou agradável. Não é só isso. Pode ser também um estado de ânimo despertado por sentimentos estéticos ou religiosos. Definições do velho Aurélio. Minha mãe verteu muitas lágrimas na vida. Seus canais lacrimais certamente já secaram. Não herdei essa característica. Lembro-me de haver me emocionado na inauguração da Escola Municipal Laerte Teixeira da Costa, uma unidade do Jardim Bordon, existente mais pela bondade de Manoel Antunes do que por merecimento. Engasguei e Regina segurou a minha barra. Noutra ocasião, ao me dirigir à casa de minha irmã Ivete, em Campinas, e muito preocupado com a saúde dela por ser portadora do segundo tumor na região do cérebro, numa conversa com Regina sobre o assunto, de repente, comecei a chorar. Tive medo de perdê-la e foi uma das poucas vezes em que o choro se casou com a situação. Ao ler histórias tristes ou ao ver situações de pobreza, também sou tomado por emoções passageiras. Nunca choro convulsivo. Situações dramáticas, envolvendo terceiros, emocionam mais do que situações próprias. Chorar de raiva, sobretudo por sofrer injustiças, é mais comum e atinge a todos. Há ainda os choros invisíveis, quando a alma se contorce, mas não produz lágrimas. Recentemente, no México, ao falar no Cenpros, perante dirigentes de três centrais mexicanas e em companhia de Regina e Alex, eu me emocionei. Creio que foram as lembranças de José Merced Gonzáles em relação


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

119

ao bispo dom Helder Câmara e às dificuldades dos estudantes brasileiros na época da ditadura ou (quem sabe?) pela presença de minha esposa e do meu filho. Enfim, fiquei amarrado e pensei que a voz faltaria, mas acabei, com dificuldades, me controlando. Não sei explicar. Quando você está fora do Brasil, parece mais sensível às questões nacionais. Outras pequenas situações de emoção devem ter ocorrido, mas, por desimportantes que eram, deixei-as para trás. Acontece que estou ficando velho e os velhos são vulneráveis às emoções e às caras lembranças. Em muitas viagens, ao estar em lugares especiais, às vezes, eu me emociono. Foi uma dádiva poder conhecer vários países e vários monumentos, naturais ou construídos. Na primeira vez em Nova Iorque, ao estar diante da Estátua da Liberdade, eu me emocionei. Jamais pensei que algum dia pudesse vê-la. Regina emociona-se mais facilmente. Já a vi chorando ao visitar o túmulo de São Francisco de Assis ou assistindo a uma queima de fogos diante da Torre Eiffel, na comemoração dos nossos 25 anos de casados. Atenção jornalistas: a queima de fogos é promovida pela Prefeitura de Paris. As formaturas dos filhos Marcelo e Alex foram momentos de intensa emoção. Havia um sentimento de dever cumprido, poucas vezes experimentado. O casamento com Regina, na Igreja Ortodoxa da rua Marechal Deodoro, em São José do Rio Preto, foi um momento especial e fiquei paralisado. Ao falar pela primeira vez no Parlamento Europeu, tive de fazer exercícios antecipados. Na Câmara Municipal poucas vezes me emocionei. Beleloy (Hubert Eloy Richard Pontes) foi um dos vereadores que conseguiram tirar de mim algumas lágrimas. O delegado Genival Ribeiro dos Santos e alguns poucos jornalistas só me causaram raiva. Nem mesmo conseguiram que eu chorasse. Dois promotores me emocionaram profundamente: Carlos Gilberto Menezelo Romani e Sérgio Acayaba de Toledo. Eles são pessoas independentes e livres, não se movem ao sabor das influências. Enfrentam dificuldades e exercem de maneira honesta e destemida o ofício. Feliz do povo que tem um Ministério Público independente. Não posso, como Roberto Carlos, chegar ao exagero de cantar “emoções eu vivi”, mas do alto das minhas seis décadas de vida, olhando a planície, posso dizer que me emocionei algumas vezes. Poucas vezes. O suficiente para provar que meu coração não é uma pedra amorfa.


120

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

M EDO Crianças, às vezes, têm medo e os medos, na maioria dos casos, são incutidos pelos pais. Tenho exemplo pessoal. Experiência da primeira infância. Chamo de primeira, aquela que compreende o período do nascimento à matrícula escolar, seis ou sete anos de idade. Nasci numa casa grande (não sei se realmente é grande como registra a minha memória) e ela tem um pequeno jardim entre o alpendre e a cerca. Em frente, antes de um pedaço de mato e do cafezal, uma nesga de pasto. No pasto, bem próximo à casa, tinha um buraco mal tapado. Provavelmente, um poço desativado. Mãe e pai se preocupavam com o filho e recomendavam permanecer perto de casa e longe dos lugares perigosos, incluindo aquele buraco cheio de entulhos. As cobras, sem saber das recomendações, fizeram ali o seu ninho. Só agora, depois de velho, vim a saber que o medo de cobra é generalizado entre as pessoas. Naquele despertar para a vida, pensava que o medo era exclusivamente coisa minha. Pai e mãe autoritários tinham coragem, principalmente o pai. Menino medroso, as cobras me apavoravam. Parece que elas eram onipresentes e vi ou soube da morte de varias delas, todas pelas mãos do pai, um ser onipotente. Onipresença do perigo e onipotência do pai, como ensinam as religiões. As cobras não me atormentavam somente durante o dia. Elas apareciam nos sonhos, produzindo pesadelos. Acordava aos prantos e me lembro de meu pai ou de minha mãe à beira da cama. Devia ser grandinho, porque dormia isolado num quartinho pegado à cozinha, o que me faz supor que a casa não seria tão grande como nas minhas lembranças. O medo era grande. Confesso que tinha pavor de dormir. Além das cobras daquele buraco, havia os animais do mato próximo. Falava-se em onças, mas nunca vi e creio que não existiam ali. Quem contava essas histórias, a não ser os parentes mais próximos, aqueles mais presentes em sua vida? Enfim, tudo fazia parte do meu pequeno mundo de menino medroso, algo que, aliado ao autoritarismo doméstico, ajudava a formar o palerma que fui em boa parte da vida. O medo me acompanhou até muito tarde. Possivelmente até a adolescência. Recrudesceu depois da morte de meu pai. Eu e meus irmãos andávamos em bando pela casa. Tínhamos medo do escuro e de andar desacompanhados. Qualquer analista vai dizer que se trata de um quadro de trauma e desfilará um montão de explicações. Nunca precisamos.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

121

Depois da adolescência e juventude os medos foram desaparecendo. Aprendi que os fantasmas não existem e que o sobrenatural está na imaginação das pessoas. Comecei a desconfiar de tudo e a não acreditar em nada extraordinário ou irracional. Hoje, quando vejo alguma pessoa jurar que viu alguma coisa anormal, tendo a vê-la como fantasiosa ou charlatã. Essas situações nos marcam, nos fazem supersticiosos ou crentes, desgraças herdadas culturalmente dos pais, parentes e amigos. Nada, porém, é tão prejudicial e devastador quanto o medo. O medo condiciona e paralisa as pessoas. O melhor bem que podem fazer os psicólogos infantis é livrar as crianças do sentimento do medo. Talvez, as primeiras professoras também pudessem fazer isso.

M EN I NA S A infância e o início da adolescência é uma parte lúdica da vida. Esquecemo-nos das dificuldades e tudo parece perfeito. Não há crise que dure diante do vigor da juventude. Até hoje, procuram, sem encontrar, a fonte da eterna juventude. Conseguimos, por enquanto, apenas adiar a morte. Vivemos mais. A pobreza, as surras (levei muitas) e as brigas entre meninos, depois de certo tempo, entram para o arsenal de recordações. São caras lembranças. Algumas, pitorescas. Outras nem tanto. Mas todas presentes. Talvez, reflexo da violência doméstica, briguei muito na época da escola primária. Saía facilmente no tapa. Ao começar a trabalhar durante o dia e estudar à noite, meu interesse começou a trasladar dos passarinhos para as garotas. Flertes inocentes e inconseqüentes. A juventude dos anos 60 foi um período de transição entre o moralismo e a liberdade. O advento da mini-saia revoltou as beatas e os padres proibiam o uso nas igrejas. Para os meninos, foi o paraíso na Terra. Certa vez, uma loirinha atrevida, que se tornou moça muito conhecida em Mirassol, convidou-me para sentar com ela na matinê do Cine São Pedro. No domingo, percebi que pelo menos uns cinco meninos tinham recebido o mesmo convite. Ela, além de se divertir, sentou-se com suas amigas. Nunca esqueci a desfeita da malandrinha. Outra menina, certamente uma pobre trabalhadora, passava todos os dias à tarde defronte ao Escritório Mercúrio. Flertávamos e trocávamos bilhetinhos, mas não passou disso (nem poderia passar tal a nossa idade). Foi um divertimento para o pessoal do escritório. Todos participavam.


122

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Depois, maior, já em São José do Rio Preto, todos os anos voltava a Mirassol para a festa de São Pedro, o padroeiro da cidade. Saudosas festas. Hoje, não chegam perto das antigas, embora a cidade mantenha a tradição. Seus fogos continuam sendo o grande chamariz. Serve para arrumar namoradas e muitos casamentos tiveram ali o ponto de partida. Conheço boas histórias. Às vezes, nem sempre, caia um toró na noite de São Pedro e estragava tudo. Quando não chovia, fazia frio. Lembro de um dia desses, ao acarinhar a quase namorada, derrubei o seu chapeuzinho de pele, branquinho como a neve, sujando-o irremediavelmente. Ela ficou furiosa e o que parecia promissor terminou ali mesmo. Com o tempo, cerca de dois anos no máximo, fixei-me definitivamente em São José do Rio Preto, convivendo com os amigos de escola e flertando (pouco) com as meninas locais, até acontecer tudo o que acontece na vida de um jovem. A vida de antigamente foi bastante previsível. Falo da gloriosa década de 60. As paqueras e flertes da juventude ocorrem, na maior parte das vezes, na escola, entre os colegas de classe. Em Rio Preto, não pode ser esquecido o papel dos cinemas. Dois enormes (Ipiranga e Rio Preto), com mais de mil lugares cada um, serviam para o encontro de jovens. Aos sábados e domingos viviam lotados. Havia footing dentro e fora do cinema. Dentro, desfilavam os rapazes e fora as moças. Esse costume desapareceu, dando lugar aos clubes e às discotecas. Baladas e micaretas estão na moda. Nem pensávamos nisso. Não se pensa no que não existe. Uma vez, um de meus patrões me disse que não existia melhor negócio do que os cinemas, sempre estavam cheios. Hoje, não é mais assim. Temos tendência a valorizar as coisas que vivemos. É normal. O meu filho mais novo vive intensamente esses novos tempos, causando-me enormes preocupações. A vida moderna guarda maiores perigos. Nós estávamos restritos ao footing, aos cinemas e às igrejas. Só os ricos eram sócios dos clubes. A escola hoje é vista quase como castigo. Antigamente, com maior qualidade, a escola representava séria necessidade, às vezes, sonho. A escola é imprescindível, mas, no Brasil, precisa ser modernizada. A autoridade dos professores deve ser restabelecida. Há tanta coisa a ser feita pela escola brasileira. Enfim, a escola também é local de relacionamentos, de contatos, de conhecimento mútuo e (por que não?) lugar de namorar. Conheço muitos ca-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

123

sais que se conheceram nos bancos escolares. Outro local onde se iniciam bons relacionamentos é o ambiente de trabalho. Homens e mulheres se notam quando estão próximos. Os outros casos são exceções. Na escola, uma pessoa me marcou muito. Não fomos namorados. Fomos amigos e, quando ensaiamos namorar, o destino conspirou contra nós. Loira oxigenada, mas a loirice lhe ficava bem porque sempre foi clarinha e, mesmo com horas de sol, não havia jeito de amorenar. Namoradeira, esteve com vários amigos, mas acabou se casando com alguém de outro meio completamente diferente. Fez parte das exceções. O trabalho a levou para outras cidades e não sei por onde anda. Espero que em Rio Preto. Se ler estas pequenas memórias, vai se reconhecer. Dançando na antiga quadra descoberta da Escola Senac, ela me perguntou se gostava dela. Jovem atrevido, respondi: “Gostar a gente gosta de todo mundo”. Foi uma besteira homérica e me arrependi muito, até porque o coração quase saltava pela boca. Tivemos idas e vindas. Ambos passamos pelo desconforto da separação, mas mantivemos uma amizade sólida, saudável, que independe de proximidade. Enfim, amizade verdadeira, daquelas que se constroem na juventude. Nestas pequenas memórias quero registrar este relacionamento que me trouxe grandes alegrias. Outras moças e outros relacionamentos existiram. Alguns sérios e outros sem importância. A gente demora um pouco a encontrar o par certo e, às vezes, passa a vida inteira sem encontrá-lo. O amor existe para trazer alegria, felicidade e tranqüilidade. Fora disso não é amor. Só fui encontrar o verdadeiro par já trintão. Maduro. A mulher que encontrei valeu à pena. Está comigo até hoje e espero poder envelhecer com ela. Aliás, já passei dos 60, mas ela continua sendo moça. Regina tem sido o esteio de minha vida e, sem ela, não sei como teriam sido os últimos 30 anos. Se acabar, terei que plagiar Vinícius de Morais: “Foi eterno enquanto durou”.

M ENOS PA I, M ENOS! Atualmente, as reuniões familiares são mais alegres e civilizadas. Ocorrem com mais freqüência e as opções de comidas e bebidas são maiores. No Brasil, a tradição do churrasco no fim de semana superou a do macarrão, herdada dos italianos. Tudo é motivo para um bom churrasco.


124

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

As comidas sofisticadas são restritas às ocasiões especiais. O bacalhau, na quaresma. O peru, no Natal. Cozinhar é uma arte. Confesso que nunca aprendi a cozinhar e reputo uma das grandes falhas de minha formação. Famílias descendentes de outros povos mantêm as suas tradições. Sou meio bugre. Não fui bem alimentado na infância. Com raquitismo, estive à beira da morte. Fui levado para mamar no peito de uma quase parenta e, por vezes, permaneci dias a fio na casa de minha avó materna. Todos fizeram um esforço especial para me salvar. Guardo as conseqüências dessa época, mas deu resultado e, contrariando os prognósticos, continuo vivo. Quem me vê hoje com um peso de três dígitos nem suspeita que até os 18 anos pesava 60 quilos. Em mais de 40 anos, engordei o equivalente a meu próprio peso da juventude. Isso não deve ser saudável e luto permanentemente contra a balança. Contudo, é um traço da família de meu pai, ser magro até se casar e depois engordar muito. Normalmente, as pessoas engordam depois do casamento. A preocupação com o peso começou tarde. A profusão de informações existentes sobre obesidade, os tratamentos e as opções incríveis de alimentos, não permitem a ninguém a desculpa para continuar gordo. Na verdade, trata-se de negligência, facilitada pelos hábitos modernos. Sempre falo para os meus filhos: “‑ Não deixem aumentar o peso”. A pobreza condiciona a alimentação das pessoas em duas linhas: pela incapacidade de comprar e pela ignorância. Nem sempre é possível comprar carne e, em famílias modestas, a variedade de comida é pequena. Há que se ter criatividade e imaginação, mas a falta de informação em certos segmentos da sociedade pode criar dificuldades. Alimentar os filhos vincula-se à formação e ao aprendizado, muitas vezes passado de geração a geração. Dou muito valor quando vejo na TV a nutricionista do Sesi, oferecendo alternativas de alimentos baratos e ricos em proteínas, ensinando a cozinhá-los e mostrando quanto custa a receita. Poucos sabem que pesquisas do Sesi levaram à elaboração de hambúrgueres com pasta de caju. Antes, só se aproveitava o suco e as castanhas. Depois que comecei a trabalhar nas Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo, as coisas melhoraram ligeiramente em casa. Comprava goiabada a preço de custo, que vinha acondicionada em caixa de madeira, enorme, com 8 quilos do produto. Uma de minhas irmãs não suporta mais sobremesa de goiabada, talvez, por recordar desses tempos de vacas magras. No fim do mês, entregava à minha mãe o envelope com o dinheiro


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

125

do salário. Fundamental, nem se podia pensar em outro uso do dinheiro, totalmente destinado aos pagamentos: aluguel de uma casa de três cômodos na Vila Anchieta, contas de água e luz e caderneta relativa às compras mensais no empório da esquina. Os grandes supermercados e os cartões de crédito acabaram com esse costume da caderneta. Embora jovem comportado, era um tormento ficar desprovido dos recursos necessários à vida juvenil e negligenciar questões vitais como a reparação dos dentes, avariados em acidente. Não possuía as mesmas possibilidades de meus colegas de escola. Na época em que o cinema fazia a alegria dos jovens, por um período, só freqüentei o balcão do Cine Rio Preto. Era mais barato e um programa certo aos sábados. Voltávamos para casa depois da primeira sessão. Alguns amigos ficavam na cidade e eu e os outros subíamos a rua Bernardino de Campos. Naquele tempo, tudo se fazia caminhando e talvez por isso fosse tão magro. Tudo a pé porque nem os jovens ricos possuíam carro. O Valdir Tonetti foi presença constante nessas caminhadas e me pagou muitas sodinhas, em bar ali perto da Igreja da Vila Maceno. Na verdade tinha vergonha de, vez ou outra, algum amigo me pagar alguma coisa. Em função dessas dificuldades todas, apesar de ganhar mais do que a maioria dos meus colegas, na maior parte das vezes, escolhia caminhar sozinho. Ler foi um hábito que adquiri nesse período. Felizmente, aprendi a ler, recebendo livros emprestados da biblioteca do professor Salles (Francisco Salles Oeterer). Digo felizmente, porque havia outras opções mais perigosas. A opção mais comum só poderia incluí-la por prazer e em circunstâncias ocasionais: gostava de futebol. O fato de ser um imprestável “perna de pau”, não me ofereceu qualquer chance, nem mesmo no campeonato de várzea. Embora também jogando mal, fui melhor no futsal, mas isso só foi possível depois de associar-me ao Palestra Esporte Clube, já no final da década de 60. Essa vida difícil me levou a escolhas desastradas. Jovem preso às circunstâncias, arraigado à responsabilidade familiar, nem me passou pela cabeça vôos mais ousados. Não creio que tenha sido acomodação. A vida era assim e todos tinham um destino. O meu era o peso das heranças domésticas, agravado pelo desaparecimento do pai. Arrimo de família, o termo adequado para me definir. Hoje, sei que é uma característica minha: deixar a vida me levar, sujeitar-me à carga do destino. Os cursos que fiz, as profissões que exerci, a


126

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

política e o sindicalismo foram ditados, na maior parte, pelo acaso. Apenas fui capaz de sentir as oportunidades e apanhá-las no ar. Não desperdiçá-las. O desafio da mudança, aquilo que não fiz quando jovem, pratiquei na vida adulta. Hoje, sou mais ousado. Contudo, modéstia à parte, sou competente no que faço. Daí, o relativo sucesso que tive em todas essas áreas. Exceções ou momentos mais amargos sempre existem, mas foram tão poucos, inexpressivos, que já não contam mais. Meus filhos, cujas vidas foram diferentes e extremamente mais fáceis, nem suspeitam o que foi ser jovem no passado. Serão capazes de ler isso e dizer: “Menos pai, menos!’.

O L AT I F Ú N DIO Nasci na roça, filho de agricultores. Minha ligação com a terra é forte. Vendido o sítio de minha mãe, com parte dos recursos aplicado na compra de sua casa, ficamos sem uma referência rural. Os parentes todos foram se mudando para a cidade. Meu cunhado Leo (Leopoldino Mendes Neto) comprou uma chácara (que ele tem até hoje) ali nas Terras de São José, Distrito de Talhado, incentivando-me a fazer o mesmo. Fiquei animado e comprei duas pequenas chácaras de 5 mil metros quadrados cada uma, fazendo uma única propriedade de 10 mil metros quadrados. Esse é o meu latifúndio. Quando comprei, a propriedade não tinha quase nada, apenas uns pés de tangerina. Estávamos no início da década de 80, paguei em prestações. Quando me tornei presidente da Câmara Municipal, naquela época, o cargo possuía verba de representação de 10 salários mínimos, uma boa grana. Entre 1983 e 1984, com esse dinheiro, construí duas casinhas, um campo de futebol e plantei algumas árvores frutíferas. Já agora, no início do novo milênio, a casa principal, construída precariamente, necessitava de reformas. Regina gastou parte de sua indenização da CPFL e reformou a casa. Embora modesta, melhorou muito. Na época, a cidade mal chegava ao córrego Felicidade e a estradinha era de terra. Como presidente da Averp (Associação de Vereadores da Região de São José do Rio Preto), organizei um abaixo assinado, firmado por prefei-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

127

tos e vereadores da região, solicitando o asfaltamento da vicinal. O asfaltamento começou no governo Franco Montoro. Orestes Quércia terminou. Não se tratava de lutar por causa própria (claro, havia o meu interesse pessoal), mas também por duas entidades importantes: a AABB (Associação Atlética Banco do Brasil), que congrega funcionários do Banco do Brasil, e o Banespinha, clube dos empregados do Banespa, hoje Banco Santander. Falei com os dois presidentes e pressionamos o governo Consegui manter a avenida, do córrego Felicidade até a Rodovia BR153. Não se podem obstruir avenidas e os nossos prefeitos foram pródigos nisso. Temos várias avenidas sem continuidade, casos, por exemplo, da N. S. da Paz, da Fortunato E. Vetorazzo e de outras. Seria bom um dia perguntarmos aos nossos planejadores a razão dessas decisões. Enfim, a vicinal foi asfaltada. A inauguração foi feita pelo secretário dos Transportes e na época organizei uma corrida pedestre de Rio Preto até o Distrito. Pena que a corrida não se tornou tradição, mas ainda é tempo de organizá-las em datas comemorativas, demandando a ambos os distritos. São as pequenas tradições que fazem a história de uma cidade. Cada prefeito quer fazer algo seu. Muda o nome de tudo e não respeita as realizações anteriores. Assim, não há tradição. A cidade continua se expandindo e os loteamentos estão próximos do Loteamento Terras de São José, um dos poucos loteamentos de chácaras de recreio constituídos na forma da lei (lotes mínimos de 5 mil metros quadrados). Os loteamentos posteriores, quase todos clandestinos, ocuparam praticamente toda a área rural da cidade. Mais um tema a ser discutido com os nossos planejadores. Passei a chácara para o nome dos filhos, com reserva de usufruto, de forma que, enquanto viver, ela estará lá a minha disposição. Será sempre a preservação de minhas raízes campesinas. Valeu a pena o esforço para tê-la. Conservá-la não é barato, mas o prazer compensa o sacrifício.

O TA PA E O SOCO Poucas vezes na vida perdi o controle. Não falo simplesmente de haver ficado nervoso, tenso e esbravejar. Isso acontece com todos e estamos eventualmente sujeitos a essas demonstrações de insensatez. Falo de perder totalmente o


128

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

controle e partir para a agressão. A maior de todas as intolerâncias. Totalmente inaceitável. Condenável sob qualquer circunstância. Gesto imperdoável. Confesso envergonhado que passei por duas dessas situações. Uma ainda jovem, convivendo com amigos na Igreja da Vila Maceno (veja só!) e outra em reunião de sindicalistas do PMDB. Motivos diferentes. Um fútil e o outro sério, como justificam as idades em que aconteceram. A idade explica, mas não justifica. Num sábado do início dos anos 60, eu e um grupo de amigos estava jogando pingue-pongue no Salão Paroquial e me desentendi com um colega congregado mariano, e terminei por dar-lhe um tapa no rosto. Ele se portou de maneira superior. Olhou-me entre surpreso e revoltado. Mas não revidou. Nem reagiu. Ele era infinitamente melhor educado. Fui condenado por todos. Não sabia o que fazer, mas, intimado pelos colegas, pedi sinceras desculpas. Deixei de freqüentar a mesa de pingue-pongue e logo ela foi retirada de lá. Gostaria que o Laudelino, esse amigo agredido, soubesse que a culpa me acompanhou vida afora e até hoje serve de alerta em momentos difíceis. Reter a mão que um dia levantei impunemente não é mais possível. Aquele gesto não se apaga e é uma nódoa que carrego. Julgo-o indesculpável. Há coisas das quais nos arrependemos e essa é uma delas. Arrepender-se é pouco. Espero que essa confissão pública me ajude a superar ainda mais esse desonroso episódio. Em outra ocasião, mais de 20 anos depois, estava em reunião tensa dos sindicalistas do PMDB. Devíamos indicar um coordenador regional e, muito cuidadoso, avisei o secretário do Trabalho, Lincoln Magalhães, que faríamos novo encontro em São José do Rio Preto para escolher o sindicalista. Alguns não estavam presentes e seria importante ouvi-los. Resumindo, um dos sindicalistas do grupo esperou que saíssemos e foi até o Lincoln, dizendo-lhe: “A região de Rio Preto já escolheu o coordenador, é fulano de tal”. O próprio. Um colega de Araçatuba correu para me avisar e voltei para corrigir a mentira. Falei pro Lincoln na frente do dito cujo: “A região de Rio Preto não se reuniu e a informação que o senhor recebeu é falsa“. Prá quê? O sindicalista retrucou, fazendo uma acusação e proferindo um palavrão. Minha reação foi instantânea e impensada. Virando-me, desferi-lhe potente soco. Foi um Deus nos acuda. O sindicalista caiu sobre as carteiras escolares, sangrando pelo nariz. A turma do deixa-disso chegou e ele permaneceu atordoado num canto. Ainda lhe fiz ameaças, informando-o que, se ele desse queixa à polícia ou fizesse boletim de ocorrência, a situação ficaria pior.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

129

Só sei que nada mais ocorreu e na segunda feira fui convocado por Lincoln Magalhães para comparecer em seu gabinete em São Paulo. Naquela época ocupava o cargo de diretor-técnico da Sert (Secretaria de Emprego e Relações do Trabalho) em Rio Preto e pensei que seria dispensado. Fui preparado para o pior. Chegando à frente do secretário do Trabalho, ele me pediu para contar a história que, por certo, já conhecia. Terminei a pequena novela e esperei. Ele pensou um pouco e me respondeu: “Eu teria feito o mesmo“. Continuei na Sert até às eleições de 1988, quando Toninho Figueiredo me chamou para ser secretário municipal do Planejamento. Não me orgulho disso e me envergonho, sobretudo, daquele tapa que está doendo em meu próprio rosto. Nossas escolas são péssimas e elas não complementam a educação doméstica, em geral, pior, herdada e passada de geração a geração. Normalmente, reproduzimos a violência que temos em casa ou a que assistimos entre os mais velhos. O cinema, meio cultural muito difundido na minha geração, também reproduz violência. Se existiu algum aprendizado nisso, posso dizer que procurei ser melhor com os meus filhos. Não fui um pai perfeito e errei muito. Fui exigente e crítico demais. Contudo, os castigos físicos ficaram longe da minha casa.

OS PA SSA RI N HOS E A PR ESERVAÇ ÃO Caçar passarinhos foi o divertimento mais presente em uma fase de minha infância. Cheguei a matar vários deles num só dia. Mais tarde, já adulto, cacei com espingarda. Hoje, os tempos são outros e esses pecados são condenáveis pela letra da lei. Ainda bem, caçar se tornou politicamente incorreto. A gente nunca se lembra do primeiro estilingue, provavelmente, feito pelo próprio pai. Depois, você mesmo é o artesão, escolhendo cuidadosamente a forquilha, o couro para a malha e a borracha (as dos pneus de bicicletas eram as melhores). Eu fazia bons estilingues. Porém, ao contrário, a gente nunca se esquece do primeiro “assassinato”. Num cafezal de Mirassol, atingi mortalmente um indefeso tiziu, que cantava pulando sobre o galho seco. Ele foi ao chão e peguei-o entre ofegante e emocionado (eu, o pobre tiziu já era). Consegui a minha primeira marca na forquilha. Uma barbaridade. Crime inafiançável.


130

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Desnecessário se arrepender. Isso era comum, estimulado e fazia parte dos jogos infantis. A compensação talvez tenha sido a nossa geração assistir ao fim do costume e não ensinar aos filhos essas abomináveis práticas. Atualmente, há saudável preocupação preservacionista. Havia superstições. Não se podia matar andorinha ou joão-de-barro. Matar anu dava azar, sorte do Alcides Zanirato. Canários não se recomendavam. Podia-se caçá-los vivos, assim como os sabiás. Corujas amedrontavam as crianças. Pombas e rolinhas eram as vítimas preferidas porque “matar para comer, não é pecado”. Não era. Hoje, é. Pensava-se que as criações jamais acabariam. Há, contudo, um animal que obedeceu ao deus hebraico e “cresceu e multiplicou”. Devagarzinho, esse ser “inteligente” ocupou todos os espaços e foi destinando outros lugares para aquelas criações que mais o servia. O gado, por exemplo, foi uma espécie “beneficiada”. Com isso, a exploração econômica sobrepujou qualquer sensatez. Continuamos matando para comer. Há mortes permitidas e mortes não permitidas. Depende da serventia. Nas guerras, permitem-se as mortes dos semelhantes, aliás, a única espécie capaz disso. Mas, essa é outra história e outro assunto. O comércio de animais é uma atividade lucrativa nos estados brasileiros. Algumas espécies silvestres estão ameaçadas por conta disso. Peixes ornamentais de água doce estão desaparecendo, em função do comércio ou da poluição. A devastação florestal é outra inimiga da flora e da fauna. Progredimos muito na conservação ambiental, seja através da conscientização ou pela existência de novas tecnologias. Apesar disso, alguns setores de atividades continuam poluindo. Matar passarinho, felizmente, é atividade do passado. As crianças brasileiras não fazem mais isso. Devemos fazer, contudo, algumas exceções. Os pardais são insuportáveis e o Cacau (José Carlos Cacau Lopes, médico-sanitarista e ex-secretário da Saúde) alerta contra os pombos. Brincadeiras à parte, não tenho nenhum orgulho de meu passado de caçador de passarinhos. Sou, hoje, ferrenho preservacionista. Em minhas atividades sindicais, especialmente na CSA, há preocupação com o meio ambiente e estamos acompanhando todos os movimentos mundiais em direção ao salvamento do planeta. No final deste ano (2009), em Copenhague, na Dinamarca, haverá um encontro mundial para se discutir o Câmbio Climático. O Brasil tem posição


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

131

destacada nesse debate. O meu colega Rafael Freire, da CSA está encarregado de organizar a delegação sindical americana. A UGT estará presente e Ricardo Patah pretende realizar em 2010, no Brasil, um grande debate sindical sobre o tema.

PEQU ENA S DEL I NQÜ ÊNCI A S Confessei e me arrependo de haver sido caçador de passarinhos. Orgulhava-me de ser, entre a criançada da rua, um dos melhores no manuseio do estilingue. Disputávamos campeonatos, acertando latinhas, e cada vez mais nos aperfeiçoávamos. As maldades não paravam por aí. Colocar bombinhas e traques nos rabos dos pobres gatos era divertimento. Aprendemos com o açougueiro a amarrar um fio elétrico no osso para dar choque nos cachorros. Juro. Havia tantas situações para riso e a molecada se divertia a valer. Hoje, tudo isso é politicamente incorreto. A mais divertida de todas as nossas artes era limpar um mamão verde, transformá-lo, por meio de buracos, num rosto e colocar uma vela acesa para iluminar o seu interior. Depois, só colocá-lo sobre o muro do cemitério e observar o impressionante resultado. Morávamos ali no fim da rua Padre Ernesto, em Mirassol, bem próximo daquilo que os locutores chamam de Campo Santo. A turminha se reunia todos os dias. O cemitério é um lugar emblemático, bom para as férteis mentes infantis. A proximidade desmistifica e a caveira feita com mamão ia sendo aperfeiçoada através da repetição e da prática. Ficamos craques na tarefa. Os mais velhos, pais e vizinhos, olhavam com paciência, vez ou outra recriminando. Escondidos, acho que também riam. Interessante ver a reação das pessoas que vinham pela calçada. Quando notavam as luzinhas formando um rosto, iam mudando de calçada e apressando-se, correndo em certas ocasiões. Quando isso acontecia, transbordávamos de contentamento. Verdadeira farra. Os meninos mais velhos, jovens barbados, aos quais não podíamos acompanhar, tinham o hábito de roubar galinhas e fazerem galinhada aos sábados. Os nossos roubos eram mais modestos e não chegávamos a tanto. Roubar laranjas, goiabas, mangas e até melancias, estas entre as ruas dos cafezais, constituíam o nosso arsenal de delinqüências. Na verdade, não


132

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

eram roubos. Eram simples buscas, porque ninguém se importava com essas travessuras. Só nossos pais, se soubessem, nos castigariam sem dó nem piedade. Hoje, cada fruta tem o seu valor econômico. Perto de casa, havia uma fábrica de doce de leite (fabriqueta de fundo de quintal) e muitas vezes conseguíamos surrupiar algumas barras. Sofríamos uma penalidade do organismo, que reagia com ocasionais diarréias. Nada mais do que isso, apenas desconforto. Como o dono da fábrica jamais reclamou com os vizinhos, creio que ele sabia e compreendia. Essas traquinagens não duraram muito. O dever do trabalho chamava as crianças bem cedo. Depois dos nove ou dez anos, ninguém escapava desse destino. Sem esquecer que passávamos pelo catecismo, ficávamos conhecendo o alcance aterrorizante do pecado e éramos forçados a nos purificar. Durante a primeira confissão e comunhão, livrávamo-nos do pecado e a alma ficava limpa (bom esse sistema). Os pais incutiam nos filhos severas lições de honestidade e justiça e avançávamos pelo tempo como jovens corretos. Arrimo de família (assim eram chamados os órfãos mais velhos que ajudavam a cuidar da prole), essas noções de responsabilidade chegaram para mim antes dos 14 anos. O meu ritual de passagem, se é possível usar essa linguagem, foi a morte de meu pai e a mudança para São José do Rio Preto. Aqui, vivo e bem. Se houve momentos difíceis, eles foram compensados por infinitas horas, dias, meses e anos de alegria.

SU PERST IÇÕES O medo e a ignorância, aliados às heranças culturais da família e de pessoas próximas, acabam por incutir na criança muitas superstições. Elas vão sendo gradativamente assimiladas e quando você vê, está cheio de manias. Creio que isso também acontece em relação às crenças e às religiões, mas disso vou tratar quando abordar esses assuntos, mais à frente, talvez, em outro trabalho. Na origem etimológica da palavra “superstição”, estão muitos predicados do que realmente significa: fanatismo, receio vão e culto falso. Não tem fundamento científico e não se baseia em provas. Muitas pessoas mundo afora possuem inúmeras superstições. No início, quando começaram a me passar es-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

133

sas crendices, segui as instruções dos mais velhos ou daquilo que me falavam. Vou citar as mais comuns, algumas das quais me acompanharam por certo tempo: como não passar debaixo de escadas, nunca deixar os sapatos virados para baixo, quando a orelha está ardendo, há alguém falando mal de você, gato preto passando à sua frente dá azar, colocar a vassoura atrás da porta faz a visita ir embora, quebrar espelhos dá uma uruca danada, o número 13 dá azar (essa, o Zagallo – Mário Lobo Jorge Zagallo – ajudou a desmistificar) e outras. Há superstições criadas por você mesmo ou por sua família. Minha mãe falava que borboleta preta dentro de casa é morte na família e, quando meu pai morreu, por ser dezembro, um mês de forte verão, havia a tal borboleta. Claro, havia também borboletas negras em outras casas, nas quais as pessoas continuaram vivas. Crianças ficam com essas bobagens na cabeça. Essas crendices, extirpei-as gradativamente da minha vida. Na medida em que fiquei mais velho, me instruí melhor, ao passar a ler mais e, especialmente, notando que tudo isso não tinha sentido. Hoje, sou capaz de passar debaixo de escadas e de colocar o treze nas dezenas da mega-sena. Segundo as estatísticas, o número 13 é um dos que mais se repete nas loterias. Tenho mania de cruzar as mãos sobre a barriga e meu amigo Luiz Carlos Rinaldi (Escritório Pedro Amaral) me lembra de descruzá-las. Certamente, por trás disso, há alguma superstição. Certo dia, estava arrancando um fio de cabelo branco de dentro do nariz, quando Morato (José Netto Morato de Carvalho, chefe de gabinete do prefeito Manoel Antunes) me chamou a atenção, dizendo: “Não faça isto, dá câncer”. Tem de cortar com muito carinho, com tesoura limpa. Claro, é mais higiênico e assim deve ser feito, mas daí a dar câncer vai uma longa distância. Onde será que ele arrumou isso? Muitos políticos – Adhemar de Barros, um deles - utilizaram o trevo de quatro folhas (na verdade não são quatro folhas. É uma folha composta) em suas propagandas. Não é só azar o que conta. Há também muitas superstições para dar sorte. Técnicos de futebol que usam sempre a mesma camisa. Jogadores que entram com o pé direito no campo. Gente que não sai de casa sem antes bater na porta. É incrível o número de crendices particulares e praticadas abertamente. Isso vem de longe. Os celtas acreditavam que as árvores serviam de morada dos deuses e batiam na madeira para despertá-los. Gato preto foi associado ao demônio e na Idade Média se dizia que as bruxas se transformavam em gatos. Muitos dizem que não acreditam nessas coisas, mas têm lá suas superstições e praticam-nas secretamente. Freud (psicanalista Sigmund


134

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Freud) e Jung (psiquiatra Carl Jung), que estudaram muito esses assuntos, explicam: para eles, essas questões todas têm a ver com o emocional das pessoas e algumas são mais influenciáveis que outras. Fui dar uma olhadinha em textos sobre o assunto e verifiquei que ele é discutido desde o pensador Platão. Ele tinha uma teoria curiosa e dividia as coisas entre opinião e conhecimento. Opinião seria a consciência incerta, particular, inexata e sujeita à mudança. Conhecimento seria o certo, universal, exato e verdadeiro. No caso, as superstições estariam no rol das opiniões e a ciência no âmbito do conhecimento, então, em pólos opostos. Outros filósofos e pensadores se ocuparam do tema e daria para fazer um tratado sobre o assunto. Não é a minha intenção. Gostaria apenas de dizer que fui vítima das crendices dos adultos, responsáveis por incutir em mim um montão de bobagens, mentiras que não serviram para nada, a não ser me fazer ficar preocupado com coisa que não existia. Espero que os meus filhos não tenham aprendido dessas tolices.

T R A BA L HO I N FA N T I L Nasci e fui criado num tempo em que o trabalho, além de necessário, era sinônimo de educação. Em geral, meninos e meninas eram encaminhados para a vida por meio do trabalho. Sempre de acordo com a cultura do país ou da região. Meninas pobres começavam cedo e suas primeiras tarefas ocorriam dentro de casa. As famílias com muitos filhos faziam com que as meninas mais velhas cuidassem dos irmãos menores. Os filhos homens também estavam sujeitos a esses serviços. Antes de completar 10 anos, os meninos aprendiam algum ofício. Nos séculos passados havia o costume dos filhos herdarem ou seguirem a profissão dos pais. Hoje, uma pessoa sequer tem a mesma profissão durante toda a vida. Meu pai começou agricultor e morreu chofer de praça. O rol de injustiças das primeiras décadas da Revolução Industrial retrata famílias inteiras trabalhando 17 horas por dia, em troca de salários miseráveis. Isso deu origem aos sindicatos e os jovens trabalhadores ignoram essa história. Precisamos resgatar a memória desse período.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

135

Os novos tempos, a existência da OIT e as leis sociais inibem a existência do trabalho infantil. Daí, o IPEC, sigla em inglês para Programa Internacional de Erradicação do Trabalho Infantil, do qual o Brasil faz parte. Atualmente, o trabalho infantil não é mais educação, é exploração. No mundo, há muitas formas para exploração de crianças, desde aqueles trabalhos simples até a submissão sexual. Vez ou outra são pegos na rede internet os praticantes de pedofilia, uma das mais abjetas ações do homem. Crianças são também utilizadas pelo narcotráfico. Poucos desconfiam de um menino fazendo a entrega de papelotes de cocaína. Outros são controlados por adultos pedintes ou vendedores nos cruzamentos das grandes cidades. Muitos são abandonados à própria sorte. Há até pais que obrigam os filhos a trabalhos penosos, cujos sacrifícios podem levá-los à revolta e à inconformidade. As cadeias estão repletas de adultos que, quando crianças, sofreram maus-tratos. Isso sem falar de pais viciados, alcoólatras ou desajustados. Sou daqueles que entendem que o Brasil deve evoluir para a adoção de políticas públicas voltadas à proteção da infância. O batido “lugar de criança é na escola” continua válido, mas a escola deve ser boa e em tempo integral. Sobre a minha própria vida como trabalhador infantil, você vai encontrar um relato no artigo “Anos duros”. Desde criança, criança mesmo, passei a trabalhar. Primeiro como aprendiz e, depois, já grandinho, simplesmente explorado, sem registro em carteira. Vou me aposentar com 65 anos de idade, em 2010. Espero poder desfrutar desse direito, acalentado durante mais de 50 anos de trabalho contínuo.


136

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

NO MU NDO DAS COMU N ICAÇÕES

GEN T E BOA NA S COMU N IC AÇÕES Na comunicação rio-pretense há gente realmente boa trabalhando. Muitos jornais, de clubes, de bairros, de profissões e de negócios são editados mensalmente. Nos cruzamentos, nos clubes, nas empresas, em segmentos específicos da população, você encontra essas publicações sendo distribuídas. Não é só na mídia impressa que temos esses profissionais. Também na televisão e no rádio eles estão presentes. Na área da fotografia, São José do Rio Preto é pródiga em bons profissionais. A maioria descende da “escola Jaime Colagiovanni”, caso explícito de Edson Baffi. Alguns de nossos colunistas sociais possuem programas na televisão. Nenê Homsi, Cida Caran e Cesar Muanis estão sempre no vídeo, normalmente, no Canal 16, a TV comunitária da cidade. Por falar em colunas sociais, Rio Preto provavelmente é a cidade brasileira com o maior número desses profissionais. A cidade é uma verdadeira escola para a crônica social. Outros continuam nas tradicionais mídias impressas. Muitos já se foram e se dedicaram a outras atividades. Alguns estão homenageados com


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

137

artigos personalizados nestas pequenas memórias, mas a maioria está citada aleatoriamente, sem qualquer registro especial. É muita gente. Com alguns deles, acabei por ter relacionamentos mais estreitos. Há quem freqüenta os mesmos lugares, casos do Waldner Lui (Automóvel Clube), do Roberto Toledo (sauna e restaurantes) e do Mário Soler (trabalhamos juntos no Semae). Com um grupo pequeno não há encontros constantes. Não há necessidade. A amizade aflora firme. A maioria dos trabalhadores desses setores todos da área de comunicação são boas pessoas. Algumas são amigas. Outros são conhecidos próximos, cujos contatos profissionais se dão com respeito mútuo. Quero ressalvar o aspecto positivo dessas relações. Assim deve ser. Numa análise rápida, esses nichos especiais são caminhos naturais para aqueles jornalistas que querem se tornar independentes, trabalhar por conta própria ou mesmo, em poucos casos, reforçar o orçamento pessoal. Há vários exemplos em sindicatos, empresas comerciais ou ramos específicos de negócios. No campo imobiliário, por exemplo, essas iniciativas abundam. Não é fácil manter um jornal ou revista em circulação, com conteúdo e periodicidade. Depende de propaganda, do enorme trabalho de elaboração e distribuição, normalmente atividades desenvolvidas por uma só pessoa ou com um grupo reduzido de colaboradores. Quando o produto está pronto, o autor da façanha está exausto em função do enorme trabalho que teve. Alguns bons jornalistas já se estabilizaram nesse mercado alternativo. São os heróis visíveis dessas publicações. O The Journal, do Waldner Lui; a Revista Medical Press, de Klaw Pretty; a Revista Social Light, da Haydée Tebar; e tantas outras publicações que já fazem parte do cotidiano rio-pretense.

A T RÓIC A: PR ATA , F UR L A E R EY Quando me elegi vereador em São José do Rio Preto (SP), comecei a me relacionar com gente da imprensa. É preciso ter cuidado com esse pessoal. Em geral, mostram-se amigos. Mas, entre a profissão e você, optam pela primeira e você que se arranje, no que estão, profissionalmente, corretos. Apesar dessas advertências, devo dizer que, com exceção de um único episódio, tive bom relacionamento com os profissionais da imprensa.


138

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Gostava especialmente de três jornalistas: José Luis Rey (Reyzinho), Walter Prata e José Eduardo Furlanetto. Desses, apenas o Reyzinho segue em atividade, escrevendo excelentes crônicas no jornal Bom Dia. Ele trabalhou como redator do jornal Diário da Região e escreveu uma coluna de comentários políticos. Começou trabalhando na Rádio Independência, onde fazia a resenha esportiva dos domingos. Furlanetto aprendeu com José Barbar Cury, diretor do jornal Folha de Rio Preto. Com talento para escrever e analisar, sua coluna era bem lida, diria que acima da circulação do próprio jornal, de tiragem limitada. Furla, como o conhecemos, tem bom relacionamento com o ex-prefeito Adail Vetorazzo e ajudou-o a escrever um livro sobre a sua atuação política. Furlanetto deixou a imprensa e foi para São Paulo. Tem bem-sucedida banca advocatícia. Prata entrou menino no jornal A Notícia e lá aprendeu a escrever, passando por vários estágios no interior da redação. Começou com a família Gomes, fundadora do jornal. Depois de muito tempo, teve coluna própria. Com exceção de pequeno período, em que nos estranhamos, ele me ajudou muito propagando minhas idéias como vereador. Conhecendo minha inocência, defendeu-me bravamente no “caso Semae”. Está aposentado. José Luis Rey criou em sua coluna uma avaliação anual dos vereadores. Para isso, fez enquete entre os colegas da imprensa que cobriam a Câmara Municipal. Na primeira enquete escolheram-me como o melhor vereador da cidade. Utilizei a publicação para fazer propaganda e me reeleger na eleição seguinte. Caso você vacilasse Reyzinho não dormia no ponto: descia o pau. Implacável, mas justo. Certa vez, depois de mais ou menos um ano do primeiro governo municipal de Manoel Antunes, sentamo-nos à volta da mesa de um bar para conversar despreocupadamente e tomar cerveja. Começamos, de forma descontraída (para mim em off), a comentar sobre o desempenho dos secretários municipais, a maioria deles amigos pessoais. Dei opiniões, falei sobre a inexperiência de alguns e, em poucos casos, consideramos até mesmo eventuais substituições. Enorme desastre. Eles avaliaram o potencial da matéria e colocaram as observações nos jornais. Quase linchado pelos amigos secretários, jamais consegui desfazer ou consertar o estrago. Creio que isso teve influência até mesmo em episódios futuros. Há gente que oscila entre a inveja e a vingança. Em outra ocasião, eleito com mais de três mil votos, cerca de 4% do eleitorado, ganhei a disputa pela presidência da Câmara Municipal e,


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

139

convidado para um bate papo no Clube dos Repórteres Políticos, dirigido por Alberto Cecconi, dei longa entrevista no restaurante do Sesi. Depois de mais de duas horas de conversa, só publicaram dois minutos ou dois parágrafos. Esses dois minutos se referiram ao comentário que fiz sobre o meu querido e saudoso professor Roberto Choeiri, então secretário dos Negócios Jurídicos. Roberto acionou a Prefeitura Municipal, porque questionou os valores do IPTU sobre imóvel de sua propriedade. Disse que, como secretário, ainda mais dos Negócios Jurídicos, sua ação não cabia. Era pouco conveniente. Manoel Antunes, o prefeito, teve conhecimento antecipado de minha opinião. Os jornais de domingo estamparam a notícia em forma de denúncia. Arrasado, levei a gravação da entrevista ao professor. Quis que ele observasse o contexto das frases. Roberto Choeiri agiu como verdadeiro professor. Abraçou-me e conduziu-me a uma reunião dos secretários na Prefeitura Municipal. Nunca me esqueci desse seu gesto. Até hoje tenho dúvidas sobre a maximização daquela notícia sobre o restante da entrevista, com outras partes boas. Foi uma lição especial de como age a imprensa nesses momentos. Cheio de planos, eu tinha muitas expectativas quanto àquela entrevista. A notícia é eleita segundo a visão e sensibilidade de quem a redige ou, às vezes, do chefe de redação, normalmente atento a tais oportunidades. Não adianta falar muito ou pouco. Interessa o conteúdo da fala. Quanto mais polêmica melhor. Para o jornalista, o entrevistado nunca é inocente. Apesar desse episódio, vejo as antigas redações como puras, quase inocentes. Hoje, pela urgência dos fatos, a imprensa tornou-se descuidada e fria, cometendo sérios enganos. Muitas injustiças são cometidas. Prata, Furla e Reyzinho são meus amigos. Estão fora das redações. Eles me ensinaram muita coisa sobre a imprensa e seu funcionamento. Se não aprendi, limitação minha. Registro aqui os meus agradecimentos e a minha amizade. Registro também que é preferível a imprensa com os seus erros do que a falta de imprensa. No Brasil, já passamos por isso. Continuo obstinado defensor da liberdade de imprensa. Fiz outras amizades na imprensa local. Posteriormente, na imprensa estadual e nacional, em função de minha inserção sindical e política. Ocupo funções no Governo Lula (presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva) e fiz parte de diversas comissões de trabalho. Continuo dando palpites.


140

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

No exterior, às vezes chego a aeroportos e vejo a imprensa a minha espera. Tenho tomado mais cuidado, mas sempre sou ingênuo e crédulo em relação às pessoas. De vez em quando, entro numa fria. Mário Soler tem sido a minha fonte de consultas sobre esses assuntos de mídia. Naquele tempo, tudo era mais simples. Fazíamos jogos de futebol entre os vereadores e o pessoal da imprensa (Reyzinho foi bom goleiro). Jogávamos em campos de empresas. Tínhamos churrascos patrocinados e ninguém especulava a respeito. Congressos municipalistas eram coisa banal. Todos iam com despesas pagas. Hoje, nem pensar. Registre-se que a política também era mais crível e respeitada. Atualmente, todos desconfiam de todos. Em geral, são essas situações pequenas, miúdas, que vão para as páginas dos jornais. As grandes corrupções continuam trancadas entre os maiorais da política e os grandes empresários. Dessas ninguém sabe e quando se tem conhecimento, como em algumas situações nacionais, não há punição. Vários deputados envolvidos no “escândalo do Mensalão” e que renunciaram, voltaram eleitos pelo voto popular. Voto? Que voto é esse? Muitas vezes, discuti seriamente com Prata, Rey e Furla, achando que eles extrapolavam e me perseguiam, justamente por conhecê-los e tê-los como amigos. Quero pedir desculpas. Eu era feliz e não sabia.

A M AURY J R. Amaury de Assis Ferreira Júnior nasceu em Catanduva, em 1950. Estudou no Instituto Monsenhor Gonçalves, em São José do Rio Preto, onde seu pai foi dos mais importantes e respeitados professores. Seu pai recebeu inúmeras homenagens pelo desempenho profissional e tive oportunidade de assistir a uma delas no governo do professor Manoel Antunes. Cesar Muanis conta com orgulho que foi o homem que lançou Amaury Jr. na imprensa rio-pretense. Seja como for, Amaury ultrapassou todos os limites do município e se inseriu como grande comunicador na imprensa brasileira, escrevendo em revistas e jornais, animando programas de televisão e fazendo publicidade. Concluiu o curso superior na cidade, formando-se advogado pela Fadir. Quando nasceu a TV Rio Preto, canal 8, Amaury Júnior criou e apresentou


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

141

vários programas de auditório, promoveu gincanas que se tornaram muito populares. A consagrada apresentadora Ana Maria Braga foi sua assistente de palco e ele trabalhou também com Celina, sua esposa. Um de seus últimos projetos em Rio Preto foi o lançamento do jornal Dia e Noite, considerado por muitos o divisor de águas da imprensa local. A partir dele, reforçou-se a profissionalização do setor iniciada pelo jornal Diário da Região. Ele trouxe para a cidade jornalistas da envergadura de José Hamilton Ribeiro, um dos mais premiados da imprensa brasileira. O projeto original, audacioso, exigia grandes investimentos e infelizmente durou pouco. O jornal Dia e Noite foi o responsável pelo aparecimento de muitos bons profissionais, caso de José Batista Olivi e Mário Soler. Ambos passaram pela TV Globo. Olivi está no ramo de publicidade e Mário Soler continua na cidade como requisitado professor e assessor de comunicação. Na última vez que José Hamilton Ribeiro esteve na cidade, aludiu ao fato de ter descoberto esses jovens talentos. Com menos de 30 anos de idade, Amaury foi para São Paulo e se estabeleceu com sucesso, chegando a ter sua própria produtora e colunas assinadas em vários jornais e revistas. A marca Flash, objeto de disputa judicial, foi criada por ele. Trabalhou em quase todas as redes de televisão (Gazeta, Record, Bandeirantes e Rede TV). Na Bandeirantes, o Programa Amaury Júnior alcançou projeção nacional. Amaury introduziu no Brasil o estilo de fazer viagens internacionais e entrevistar celebridades. Com isso, deu um salto profissional, inovando em termos de publicidade nos negócios turísticos. Sua coluna social, hoje sofisticada e moderna, é reproduzida por vários jornais brasileiros, incluindo os jornais da Rede Bom Dia. É amigo de J. Hawila, que está se transformando num dos maiores empresários do Brasil no setor de comunicação. Conheci Amaury Júnior ainda em Rio Preto. Em certa ocasião, houve um rodízio de festas nas casas de algumas socialites rio-pretenses e eu, apesar de peixe menor, era normalmente convidado por Hilda Dalul, Maria Jacó e outras pessoas. Depois, já vereador, creio que nos falamos algumas vezes. Ele sequer se lembra de mim, mas sou daqueles rio-pretenses que se orgulham quando um conterrâneo é bem-sucedido. Amaury Júnior é um desses homens corajosos que foi atrás de seu sonho e o realizou.


142

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

A N TôN IO H IGA Quando comecei meu trabalho na Câmara Municipal, em 1977, entusiasmado, esforcei-me para ser um vereador sério e atuante. Creio que atingi o objetivo, mas meus trabalhos estavam sob a mira de Antônio Higa, o temido Ariel de Deus do jornal Diário da Região. Adail Vetorazzo penava nas mãos dele. Higa é o que chamamos operário da palavra (creio que a expressão foi utilizada pela primeira vez por Dinorath do Valle). Chegava cedo ao jornal e saía tarde. Produzia muito. Era comum escutar que de sua máquina de escrever saía fumaça. Em função de suas notas, por várias vezes acompanhei Norberto Buzzini, diretor do jornal, ao Fórum, para testemunhar em seu favor. Em geral, os processos eram movidos por Adail ou pelo professor Daud Jorge Simão, normalmente, requerendo a proteção da Lei de Imprensa, entulho autoritário removido recentemente. As pessoas ligadas ao governo militar sempre se valiam desse recurso. O jornal Diário da Região foi heróico em suportar a enorme pressão que vinha de todos os lados. Higa tinha especial ligação com o médico e ex-prefeito Wilson Romano Calil, a quem também defendi certa vez, em polêmica sobre haver deixado déficit ou superávit ao final de seu mandato como prefeito. O então vice-prefeito e coordenador do Planejamento, Roberto Lopes de Souza, levantou o déficit da administração anterior. Discussão acadêmica, meu depoimento foi técnico, como economista que sou, contrário à administração que entrava. O debate não foi longe. Depois, o jornalista Antônio Higa trabalhou décadas como correspondente do Estadão na região. Sempre comparecia à Câmara Municipal acompanhando os trabalhos legislativos. Influenciava os colegas mais novos. Não havia internet. Nem notebooks. As anotações, feitas à mão, serviam de base para a redação das matérias. Hoje, há maiores facilidades. Como repórter do Estadão, conseguiu um furo de reportagem ao descobrir que o sucessor de Ernesto Geisel seria o general João Batista de Oliveira Figueiredo. Sua história vai do rádio à mídia impressa. Seu trabalho na cidade começou na década de 60. Provavelmente, está aposentado. Recordo-me de certo episódio. Nesses dias especiais, em que os médicos fazem um mutirão nas praças públicas para medir a pressão arterial das pessoas, Higa teve um grande susto. Sua pressão estava 25 por qualquer coisa. Um desastre! Só ali ficou sabendo que possuía um problema e começou a se tratar.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

143

Higa foi um jornalista permanentemente atento. Trabalhador incansável. Há muito tempo não o vejo, mas quero que ele faça parte destas minhas lembranças. Ajudou-me a ser melhor.

CECÍ L I A DEMI A N Difícil classificá-la numa única palavra. Cecília é pessoa fantástica e já me deu inúmeras provas de amizade e carinho. Na verdade, não sei muito bem o que escrever sobre ela. Talvez seja aquilo que chamamos de “prata da casa”. Está no jornal Diário da Região há muito tempo e se tornou companheira indispensável da família Buzzini. Vence não só pelo talento, mas especialmente por sua solidariedade e disponibilidade. Recentemente, Cecília esteve na Itália, acompanhando dona Neuza Buzzini, co-proprietária do jornal Diário da Região. Visitou várias regiões, principalmente aquelas cidades consideradas santas. Fez ampla reportagem dessa aventura. Agradável lê-la. Cecília é uma grande escritora. Esmera-se no texto, como se ele fosse uma obra de arte. Depois de rumoroso caso, quando fui vítima de forte exposição negativa, Cecília me convidou para estar no seu aniversário, comemorado na sede do Grupo Diário, no Distrito Industrial. Ela e dona Neuza me trataram muito bem e fiquei feliz por saber que continuo gozando da mesma consideração entre eles. São esses pequenos gestos que confortam a alma. Cecília sofreu muito com a enfermidade de seu irmão Jorge, engenheiro brilhante que trabalhou na administração pública. Acompanhou sua luta, supriu suas necessidades e ficou perto dele até a morte. Católica como é, a viagem que fez para a Itália deve ter sido um bálsamo para suas dores. Cecília escreve aos domingos. É responsável pela página “Perfil”, a última do Caderno Cidades. Tive a alegria de ver lá reportada parte de minha vida política. Mais tarde, numa edição luxuosa, o jornal Diário da Região reuniu boa parte daqueles escritos num tomo histórico: “50 Anos de História de Nossa Gente”. Recebi dois volumes das mãos de Norberto Buzzini, um deles presenteado à minha mãe. Pouca gente sabe, mas Cecília é advogada formada pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Serviu a inúmeras causas. Participou da diretoria de várias entidades e já trabalhou muito na vida. Poderia estar aposentada,


144

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

mas continua no batente como repórter especial do jornal Diário da Região. Considero-a uma pessoa especial, amiga, companheira, ética e comprometida com as boas causas.

CESA R MUA N IS Cesar Muanis cumpriu boa idade em 2009, comemorando-a como se deve: cercado de amigos e familiares. Ele vem de uma família totalmente dedicada à comunicação. Seus irmãos são lendas vivas do tempo áureo do rádio de São José do Rio Preto. Consta que Adib Muanis bateu o recorde de horas contínuas no ar, no velório do prefeito Alberto Andaló. Cantor, boêmio, namorador, Cesar foi ídolo local. Junto com seu irmão apresentou, na velha rádio PRB-8, o Clube da Cirandinha, onde minhas cunhadas se apresentaram. Nem sei desde quando o conheço, mas me lembro dele em várias atividades, desde locutor de churrascaria até o atrevimento de cantar tango em Buenos Aires. Sua família, segundo José Luis Rey, foi extremamente importante para o rádio rio-pretense: Adib, Rubens e Cesar trabalharam na Rádio Independência à época em que a propriedade da emissora estava em mãos de Alberto Cecconi, Alexandre Ismael (Alexandre Macedo para quem o ouvia) e do próprio Rubens Muanis. Adib Muanis Júnior, filho do lendário Adib Muanis, está trabalhando para a retransmissora da TV Globo (TV Tem) e também militou na mídia impressa local, escrevendo bom tempo para o jornal Folha de Rio Preto. Julgo Adibinho um dos jornalistas mais éticos da imprensa local. Foi ele um dos que levantaram o caso da “palmeira centenária”, na verdade, um pé de tâmaras (tamareira). Explicando: a tamareira atrapalhava a expansão do estacionamento da Câmara Municipal. Pedi autorização à Polícia Florestal e a replantei na Praça Dom José Marcondes. Não adiantou. Fui muito criticado pela medida. Felizmente, choveu muito no período e a tamareira vicejou forte. Depois, reformaram a praça e ela foi para o chão. Ninguém falou nada. Cesar Muanis, parece, vai completar 60 anos de jornalismo em 2010 e certamente fará outra grande festa. Foi dos primeiros a se dedicar ao colunismo social e consta que Amauri Júnior começou com ele. Segundo ele mesmo,


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

145

a sua maior paixão é a filha Thalita. A família Muanis é cheia de pescadores e Cesar é um deles.

CI DA C A R A N W EST I N Sou, junto com Regina, admirador pessoal da colunista Cida Caran. Cida trabalhou em vários veículos rio-pretenses e atualmente faz, entre outras coisas, a página social do Rio Preto Automóvel Clube. Ela é sempre a mesma pessoa, escrevendo, entrevistando ou fazendo compras no Mercadão. A Cida é sempre a Cida. Minha sobrinha Fernanda Marilhano Haikel é exímia imitadora de Cida Caran, divertindo a família em ocasiões festivas e arrancando gargalhadas dos presentes. Estou cometendo uma indiscrição. Cida jamais soube disso. Mas, deve ficar alegre. Só é imitada aquela que tem valor e qualidades originais. É o seu caso. Muito se diz a respeito de homenagens, das influências necessárias para recebê-las ou estar numa solenidade dessas. Não com Cida Caran. Sou um dos homenageados de sua festa anual S’Poentes, quando chamou ninguém menos que Aloysio Nunes Ferreira Filho para entregarme o troféu. Na ocasião, não só me surpreendeu como praticou justiça. Fez a homenagem em função de minha vida sindical, a única que recebi até hoje em São José do Rio Preto. Não foi algo insólito. Antes, ela havia homenageado Paulo Fernandes Lucania. Em geral, os sindicalistas não são lembrados nesses eventos. A atitude de Cida Caran sempre foi abrangente e diferente, ao lembrar-se também das pessoas comuns.

EDSON BA F F I dson Baffi é cidadão da confraria da Vila Anchieta. Conheço-o E há muito tempo. Começou aprendendo seu ofício com Jaime Colagiovanni, com quem trabalhou por nove anos. Durante décadas prestou serviços à Câmara Municipal e, naquela época, distribuíamos vales para fotos, destinadas à inscrição eleitoral. Hoje, isso é crime.


146

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Quando o seu cunhado, Carlos Eduardo Feitosa, foi eleito vereador, pensei que iriam denunciar essa situação. Mas, em função da enorme amizade que desfruta com todos de seu meio, acho que sequer pensaram nisso (naquela época, pois hoje seria diferente). Edson não poderia ser castigado duplamente por ser cunhado de Feitosa (em certos momentos, perde-se o amigo, mas não se perde a piada). Atualmente, Edson Baffi é o profissional com o maior arquivo fotográfico de São José do Rio Preto. Creio que, nos últimos 30 anos, ele tem sido onipresente nas reportagens e nos serviços de fotografia. O arquivo de Jaime Colagiovanni deve ser também grande e importante, mas está de posse de sua esposa, dona Dea. Juntos, eles têm quase cem anos de trabalho cumulativo. Opino que as entidades de preservação da memória rio-pretense (Comdephact – Conselho Municipal de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Cultural e Turístico, Casa da Cultura e outros órgãos) deveriam se preocupar com a guarda dessas verdadeiras relíquias. Acervo de inestimável valor histórico deve ser adquirido pelo município. Edson Baffi tem consciência da importância de suas fotos e está disposto a cooperar com as entidades. Seria conveniente ouvi-lo sobre isso.

H I T L ER F ET T O primeiro contato que tive com Hitler Fett ocorreu quando eu trabalhava na Farmácia Santa Clara, na Vila Maceno. Buscava remédios na Baruel, à época grande distribuidora de medicamentos. Contei sobre o acidente que tive nessa atividade (leia “Anos Duros”). Hitler trabalhou na Baruel. Depois, já moço, ouvi Hitler Fett irradiando partidas de futebol. Não podia imaginar que aquele vendedor de remédios pudesse se transformar no grande radialista, vencendo numa área especialmente difícil. Hitler fez de tudo no rádio rio-pretense. Creio que normalmente o rádio, por ser atividade artística, necessita de talentos próprios, mas transmitir partidas de futebol deve ser dificílimo, tanto que alguns locutores se tornaram conhecidos e verdadeiros ídolos daqueles que acompanhavam as transmissões. Entre nós, Rubens Muanis, José de Alencar e Hitler Fett, cada um à sua época, também foram ídolos.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

147

J. H AW I L A Hoje, todos conhecem o mega-empresário J. Hawila. Recordo-me quando ele era repórter de campo da Rádio Independência e, depois, em São Paulo, trabalhando nas grandes emissoras. Inovou em sua área jornalística e cresceu na profissão. Descobriu um nicho empresarial ligado ao esporte e fundou a Traffic, empresa bem sucedida e com ramificações no Brasil e no exterior. Quando da CPI do Futebol, Hawila foi convocado a depor em Brasília. Não se recusou, não deu desculpas. Compareceu munido de documentos, incluindo os seus comprovantes de entrega da Declaração e os recibos de pagamentos do Imposto de Renda. Os deputados da CPI ficaram de queixo caído, alguns até envergonhados. Um deles disse que se todos os brasileiros pagassem os impostos tão corretamente quanto J. Hawila, certamente o Brasil não necessitaria de CPIs. Saiu enaltecido da reunião e nada lhe foi imputado. Só recebeu elogios. Fico espantado quando colegas da antiga profissão de jornalista de J. Hawila depreciam o seu trabalho, uma das coisas mais comuns no Brasil quando alguém faz sucesso. Gente frustrada, sem igual competência e talento, que, com um microfone na mão, é capaz de denegrir e ofender gratuitamente. Felizmente, Hawila jamais deu resposta aos seus detratores e seu crescimento pessoal e empresarial foi tão grande que, por si só, soterrou os mais furiosos e insistentes “colegas”. Todos estão calados por falta de assunto. São José do Rio Preto ganhou muito quando J. Hawila, ao diversificar os seus negócios, passou a investir aqui na área de comunicação e em empreendimentos imobiliários. Poucas cidades detêm, através de seus cidadãos, os principais veículos de comunicação. A cidade tem o privilégio de ver um rio-pretense como proprietário da repetidora da TV Globo (TV Tem) e do jornal Bom Dia. Sorte de São José do Rio Preto. JOSÉ LUIS R EY O Reyzinho, como é conhecido, naturalmente para não ser confundido com o pai, é um personagem vivo da história rio-pretense. Eu o ouvi através das resenhas esportivas da Rádio Independência e o conheci como repórter do Diário da Região. Também como locutor e entrevistador de um programa noticioso.


148

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Na primeira entrevista que fez comigo, assustou-me com a sua agilidade mental. Perguntas rápidas, profundas, traziam os sinais do grande jornalista que sempre foi e cujo aperfeiçoamento, com o passar dos anos, o transformou num dos ícones locais da profissão. Mário Soler já me havia dito que Reyzinho tem o melhor texto de São José do Rio Preto. O seu livro “Páginas Ímpares”, que acabo de ler, é a melhor coisa escrita na cidade desde muito tempo. Sua memória prodigiosa, junto a uma capacidade invejável para contar histórias, faz de suas crônicas algo delicioso, leve, comparável aos nossos velhos cronistas, aqueles do tempo de Rubem Braga. Também é um registro de fatos que, não fosse a sua pena, poderiam estar perdidos para sempre. Ao me deparar com os seus contos curtos, resisti à tentação de telefonar-lhe para dizer: “Pô, que frase mais linda!” ou “Que história bacana!”. Mas, hoje de manhã, não resisti. Precisando de uma informação (que ele tinha), aproveitei para elogiar o seu livro. Com modéstia, ele elegantemente desprezou o elogio. Talvez não saiba que nasci para criticar. Elogiar tão difícil me é. Não está entre os meus hábitos. Rey abriu sua própria empresa, inicialmente, com sócios. Como um de seus primeiros clientes, pagando uma merreca por mês, a “Página Ímpar” apenas me suportava. Ninguém gosta de um cliente que quer se intrometer em tudo. Não sei se tem ou quais são os seus atuais sócios, mas sua empresa cresceu no ramo publicitário e incorporou ações de marketing político. Ajudou a vencer algumas eleições. Valdomiro Lopes da Silva Júnior, o atual prefeito, aprendeu. Indiquei-lhe algumas pessoas em 2000, entre as quais o Reyzinho. Ele demorou para contatá-lo, perdendo-o para Edinho Araújo. Agora, em 2008, como uma de suas primeiras providências, contratou a “Página Ímpar”. Como não acompanhei as eleições, permanecendo a maior parte do tempo fora de Rio Preto, não sei qual foi o seu papel. Certamente, foi importante para a vitória de Valdomiro. Quando Rey era repórter do Diário da Região, tivemos altos e baixos. Ele é implacável e não mistura situações. O trabalho de reportagem é uma coisa e a amizade é outra (ver o artigo “A Tróica”). Mesmo no relacionamento entre colegas, seu senso de oportunidade jornalística prevalece. Conheci a primeira esposa do Rey, Luzia, falecida precocemente. Deixou-lhe uma filha, que deve estar moça. Faz muitos anos que não a vejo, acho que a última foi num churrasco na chácara de minha irmã.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

149

Lembro-me que meu irmão Jair, naquele dia sem desconfiômetro, bombardeou-o com perguntas sobre a sua recém falecida esposa. Estou tentando reunir as vacas sagradas do jornalismo rio-pretense, mas sempre estou viajando e dificilmente consigo colocar juntos o Soler, o Lofrano, o Lelé, o Adibinho, o China, o Miltinho, o Ruy, o Wilson e muitos outros. Nem me lembro de todos. Precisamos nos sentar ao lado de um barril de chope e colocar o conversa em dia. Rey não pode faltar. Deverei convidar também a Lucinha, a Cecília, a Mirna e a Marisa, mas essas meninas talvez fiquem ruborizadas. Pensando nas minhas relações com o pessoal da imprensa, noto que as amizades são do tempo em que exerci a vereança. Tenho pouca afinidade com a meninada nova que povoa as atuais redações, embora ela seja igualmente competente. Alguns deles ainda vão dar o que falar. São boas promessas. Estou me referindo mais à velha guarda e, na maioria, rio-pretenses, gente forjada nas redações, com cheiro de tinta. Desses, só o Soler, o Wilson e o Ruy são jornalistas formados em escolas de fora. Este artiguinho não está à altura do Rey, como, de resto, dos demais citados. No caso da imprensa, confesso minhas limitações. Não importa. Quero que saibam que tenho amigos na imprensa, que admiro a profissão de jornalista (que Regina exerce), que gosto daqueles que trabalham na área e que aqui, nestas pequenas memórias, o que estou fazendo é imitá-los.

K L AW PR ET T Y Há pessoas simples que fazem sucesso com um único meio de comunicação. Creio que este é o caso de Klaw Pretty, com a sua revista mensal, Medical Press. Nela, ele retrata todo o universo dos serviços médicos e ambulatoriais de São José do Rio Preto. Antes, encontrava muito com Klaw Pretty na Churrascaria Sal e Brasa ou no Rancho do Cupim, propriedade de nosso amigo comum José Bonacina. Ultimamente, em função das atividades na CSA, quem anda sumido sou eu. Continuo recebendo a sua revista e encaminhando-a mensalmente para Alex, meu filho, que trabalha em Campo Grande. A Revista Medical Press já tem onze anos e seu aniversário foi muito comemorado em 2009. Com o Buffet Manoel Carlos, conjuntos musicais e


150

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

presença maciça dos médicos e empresas alinhadas com o ramo profissional, Pretty fez uma festa de arromba. O seu contentamento era visível. A primeira experiência jornalística de Klaw Pretty foi no jornal A Notícia, onde ele escrevia sobre culinária. Fez isso de 1990 a 1996. Dizem que ele é um excelente cozinheiro. Na profissão de jornalista ajudou inúmeros colegas em projetos especiais.

L EL É A R A N T ES Lelé nasceu Antônio Arantes Neto. Tem meio século de vida e é da região. Como diria o Faustão, o filho do seu Olímpio com a dona Zilda está dando trabalho há bom tempo, desde a década de 80, quando começou no jornal Folha de Rio Preto. Passou por quase todos os veículos de comunicação da praça, mas, com seu gênio indômito, não cabe em nenhum deles. Sem medo de errar, Lelé Arantes é daqueles escritores forjados na lida diária das redações. Dormindo na oficina, cheirando a tinta, atrevido como poucos, conquistou lentamente seu lugar. Encontrou o seu nicho. É editor de livros, historiador e articulista. Sabe-se lá o que mais pode ser. Escreveu o “Dicionário rio-pretense”. Quem o vê todo lépido e agitado, falando pelos cotovelos, nem pode imaginar que, até quase os dez anos de idade, ainda não pronunciava direito as palavras, principalmente aquelas com “s”, “ch” “x” e “f”. Não se preocupem, Lelé não é parente do presidente Lula nem do Palocci (Antônio Palocci). Devagar, aprendeu a ler e a pronunciar corretamente as palavras. Leitor ávido, começou com as fotonovelas de sua mãe. Muito cedo, leu alguns monstros sagrados da literatura: Arthur Schopenhauer (1788/1860) e Ernest Hemingway (1899/1961). Segundo ele próprio conta, o primeiro foi com dificuldades e o segundo, com prazer. Daquela a esta parte, deve ter devorado outros livros e conhecido outros autores. É um canibal das letras. O menino que dormia nas oficinas da Folha de Rio Preto foi das primeiras pessoas a me dizer que ser vereador era pouco para mim. Claro, um exagero. Muitas vezes, me aconselhou desistir da vereança e assumir de vez o sindicalismo. Também foi dos poucos a comentar que a imprensa e, em conseqüência, a sociedade jamais reconheceriam em mim alguma liderança. Outro exagero. Não há o que reconhecer.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

151

Quando fiz a emenda que possibilitou a existência de loteamentos fechados na região das represas, talvez, tenha sido o único a comentar positivamente a respeito da iniciativa. Toda a imprensa criticou, mesmo vendo que o lado esquerdo estava todo comprometido e que, com novas regras e leis fiscalizadoras, haveria melhor conservação do outro lado. O tempo mostrou o acerto da medida. Muitas vezes, eu me encontrava com parte da imprensa na padaria Super Pão, a velha padaria da rua Coronel Spínola, ocasião em que Lelé aproveitava para cobrar a promessa de viagem à Venezuela, na sede da Utal. Promessa dupla, minha e do Eduardo Garcia Moure. Acho que ainda teremos oportunidade de quitar esse débito. Eduardo é presidente da Fundação Utal e eu sou um de seus diretores. No momento, os cursos lá estão escasseando em função da situação política do país. Estou escrevendo estas pequenas memórias também por insistência do Lelé. Há, porém, uma diferença. Lelé queria que eu escrevesse sobre os meus anos de exercício político e estas linhas se referem à parte pessoal, desvinculadas, tanto quanto possível, das atividades políticas. Pretendo escrever sobre política, mas em trabalho mais completo. À parte. Aqui, há um pouquinho de política, apenas naquilo que se mistura às lembranças ou problemas pessoais. Apenas um aperitivo. Lelé, contudo, está aqui. Ele se solidarizou comigo tantas vezes e em tantas situações. Comentou sobre colegas e, especialmente, fez grande esforço para que eu compreendesse alguns deles, mesmo em situações de visível má-fé. Profissional correto, alma boa, batalha pela conciliação e pelo perdão. Talvez um pouco mais à frente, Lelé! Quando alguns deles reconhecerem seus erros.

M A RCELO G ONÇ A LV ES Ainda menino, João Marcelo Fiorezzi Gonçalves começou a trabalhar no Sindicato dos Bancários de São José do Rio Preto. Eribelto Manoel Reino sempre se referia a isso. Dali passou para a Rádio Independência, onde progrediu e transmitiu um programa recordista de audiência. Essa popularidade o elegeu vereador, deputado estadual e secretário estadual de esportes. Também foi candidato a prefeito municipal. Tive o


152

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

prazer de ser seu colega no PMDB e na Câmara Municipal, onde Marcelo se destacou como o vereador mais procurado pela população. Sua sala estava sempre cheia. Não gostava de andar em companhia de Marcelo. Para ir da Câmara ao Mercado Municipal, a menos de cem metros, Marcelo parava ou era parado para conversar. Todos o interpelavam e demorávamos um tempão para chegar ao destino. O seu telefone na Câmara não parava. Era o mais acionado. Impressionante a sua popularidade, que se mantém inalterada. Posso afirmar, sem medo de errar, que Marcelo é amigo dos amigos. No dia do meu aniversário, sabendo que era praxe oferecer o aperitivo de domingo no racha do Clube de Campo do Automóvel Clube, época difícil pela enorme pressão que eu estava sofrendo, Marcelo compareceu e fez longo discurso, emocionando-me e à minha família. Somos todos gratos por seu gesto. Gesto bem diferente de um seu colega, também radialista (na época trabalhando em jornal local) que, no mesmo dia, foi lá para fotografar e anotar os gastos da festinha, habitual e normalmente barata. Com o tempo, contatos e procedimentos, acabamos por conhecer pessoas e ser protegido. Foi o caso naquele dia. O porteiro do clube não permitiu a entrada do atrevido repórter. Pena que o repórter não ouviu o que o porteiro me disse. Algo verdadeiramente inesquecível e impublicável. Marcelo me telefona em todo aniversário. Não esquece os velhos companheiros. Depois de tantos anos de política e exercendo vários cargos, Marcelo é um homem pobre, o que revela o seu caráter e a sua honestidade. Saúdo Marcelo, não só por sua luta e decência, mas especialmente por ser um verdadeiro amigo.

MÁRIO NOV EL I NO SOL ER Mário Soler é jornalista dos bons. Apareceu em São José do Rio Preto quando se iniciaram as edições do jornal Dia e Noite, criado por Amaury Júnior e outros investidores. O organizador e chefe de redação foi o consagrado jornalista José Hamilton Ribeiro. Zé Hamilton apostou no talento do jovem Soler. O Dia e Noite não teve vida longa (1976/1980). Investimentos desse


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

153

porte demoram a ter retorno. Mas, enquanto sobreviveu em mãos profissionais, foi bom jornal. Por aqui, passou João Batista Olivi, que se integrou à equipe da Rede Globo e hoje é um empresário da publicidade. Dinorath do Valle também escreveu nos jornais Dia e Noite e Diário da Região. Amaury Júnior venceu em todas as latitudes. Estiveram por lá outros nomes como Nelson Homem de Melo e Valter do Valle. Nesse momento, houve a profissionalização da imprensa rio-pretense. Também consegui emplacar alguns artigos. Em geral, quem os corrigia era o Zé Hamilton, mas ele nem se lembra mais disso. Minhas relações sempre foram mais estreitas com o jornal Diário da Região, especialmente pela admiração que tenho por Norberto Buzzini. Isso, contudo, não impediu que, eventualmente, fosse criticado pelo jornal. Norberto Buzzini, seguindo rígidos padrões de comportamento, não interfere na redação. Segundo seus amigos, às vezes, sofre com isso. Soler também passou por vários veículos de comunicação. Trabalhou na Rede Globo e no jornal Diário da Região. Fez mestrado na Universidade Estadual Paulista de Bauru e é um excelente professor de jornalismo, ajudou as novas gerações de profissionais. O jornalismo é uma profissão das mais escolhidas pelos jovens. Soler é uma referência para esses sonhadores. Um problema: os jovens aprendizes de hoje (estagiários) estão nas redações fazendo a maior parte dos trabalhos. Os salários, com exceção das estrelas e notáveis da profissão, são baixos. Falo não somente sobre a imprensa local, mas em todo o Brasil tem sido essa a reclamação. A Fenaj, ligada à Central Única dos Trabalhadores, tem denunciado com freqüência essa situação. Com mestrado em telejornalismo regional, Mário Soler tem sido requisitado para lecionar na quase totalidade das escolas de jornalismo da região. Naturalmente, falta-lhe tempo para atender a todas. Com sua liderança, conforme o previsível, foi solicitado a trabalhar numa das mais complexas repartições públicas da cidade, o Semae, autarquia fundada pelo prefeito Edinho Araújo e onde residiam os maiores desafios da administração. Lá, no Semae, quando enfrentei as críticas de parte da imprensa local, Soler fez de tudo para tentar passar aos jornalistas minha postura de honestidade e decência. Alguns deles, infelizmente, preferiram acreditar em informantes com passagem na polícia que ouvir a voz sensata de um de seus colegas. Não acreditaram no superintendente. Pessoa com mais de 40 anos de Rio Preto e nem em dois dos melhores engenheiros do Semae, Rosemiro de Jesus Rezende e Giovanni Rocha Martins, ambos também prejudicados.


154

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Só depois que dois promotores públicos (Carlos Gilberto Menezelo Romani e Sérgio Acayaba de Toledo), em feitos diferentes (CEI da Câmara Municipal e Inquérito Policial), baseados em documentos irrefutáveis, se recusaram a oferecer denúncia e arquivaram os processos, é que respiramos aliviados. Nunca sofri tanto na minha vida e sei que o Soler sofreu junto, porque conhecia o trabalho. Ficou especialmente angustiado com a situação dos trabalhadores do Semae, um grupo anônimo de pessoas que igualmente notava os graves erros de julgamento de parcela da imprensa local, o que acabou privilegiando exatamente aqueles que precisariam ser punidos. Alguns, mesmo dispensados, voltaram à autarquia. No Semae, acredito, fiz bom trabalho e consegui resolver todos os problemas daquela época. Paguei caro por isso. Tenho o orgulho de ver que a autarquia está entre as maiores organizações da cidade. Deixei o orçamento equilibrado e robusto. A administração conseguiu terminar a construção da Estação de Tratamento de Esgotos (ETA). O projeto da ETA foi concluído por mim depois de anos parados na Fipai (Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial). Deixei lá prontos outros projetos, alguns já executados. A história certamente registrará melhor este período conturbado da vida política local, mas esse é assunto para outras e mais detalhadas memórias. Voltamos a falar do Soler. Ele é um excelente pai de família, com ligação estreita com os seus familiares, a maioria de Ida Yolanda, uma vilinha perto de Nhandeara. Pessoa calma, onde milita como chefe de redação, sempre há um clima de cooperação, tranqüilidade e muita produção. Qualidade rara num meio como esse. Os jornalistas, como os políticos, são um poço de vaidade e se julgam as vestais do mundo. Soler foge a esse preceito. É humilde e incentiva muito os jovens aprendizes ou estudantes. Há ainda outro talento. Soler é um craque em marketing político e já cooperou em muitas campanhas políticas. Fizemos dupla numa campanha, mas não conseguimos impor nossas diretrizes e o candidato perdeu a eleição. Acho que eu e o Soler nos completamos nesse campo: eu por gostar de política e ele por gostar de jornalismo. Tomara que no futuro estejamos juntos em outras campanhas. Soler é casado com Lisa, também de Ida Yolanda. Venera a sua mulher e é amoroso com os seus filhos e neto. Luta bastante. Trabalha muito e é correto em tudo o que faz. Sua correção é exemplo para as novas gerações de jornalistas.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

155

Com essa menção, nessas modestas memórias, quero que ele saiba que sou seu devedor naquilo que tentou fazer por todos. Não vamos esquecer jamais de sua postura independente e corajosa.

MI LTON RODRIGU ES Milton Rodrigues é exemplo do jornalista formado na lida diária da redação. Começou a trabalhar cedo, como revisor, aos 20 anos de idade. Nascido em Tanabi, na região de São José do Rio Preto, é autor de vários trabalhos importantes, a maioria sobre esportes. Sua escola foi o Diário da Região. Seu primeiro livro, Avenida da Saudade, editado em 2004, focalizou o América Futebol Clube na Era Pelé. Depois, escreveu mais dois livros em parceria com Vinícius de Paula: Almanaque do Futebol Rio-Pretense: América 60 anos (2006) e Almanaque do Futebol Rio-Pretense: Todos os Derbys (2008). Milton também trabalhou em rádio, sempre na área esportiva. Sua coluna, normalmente bem lida, foi escrita por anos. Além da área de esportes, passou por outros cadernos e editorias, com o tempo se transformando numa espécie de “faz tudo”. Chegou a editor-chefe do Diário da Região. Carreira exitosa num dos mais importantes jornais do interior do Brasil. Conhecido por Miltinho, esse jovem se tornou imprescindível à memória do esporte rio-pretense. A cronologia mostra bom trabalho a cada dois anos. Lelé Arantes disse que Miltinho reúne em seu texto a paixão do torcedor, o coração do jogador e a razão do jornalista. A meu ver, afirmação definitiva. Não precisa ser dito mais nada.

N EN Ê HOMSI enê Homsi é o colunista social do Diário da Região. Não o vejo em N outro jornal. Não sei há quantos anos trabalha lá. Em que pesem a diversificação e modernização do jornal, ele segue firme, escrevendo a sua página e tendo os mesmos colaboradores. Caso raro de longa permanência num mesmo veículo. Quando presidente da Câmara Municipal, entre 1983 e 1984, sempre se faziam grandes festas de fim ano, reunindo vereadores, funcionários, prefeito,


156

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

ex-prefeitos e jornalistas que cobriam as atividades legislativas. Tempo que não existe mais, sabe-se lá por qual razão. Numa dessas festas contratei, por indicação do Waldner Lui, o Nenê para animá-la. Não conhecia as suas virtudes como cantor. O sucesso foi imenso. Nenê freqüentemente noticia a meu respeito, informando sobre novos cargos, novas viagens e aniversários dos membros da família. Nunca li em sua coluna uma nota negativa a respeito de quem quer que fosse. Sua página, limpa e propositiva, é uma das mais lidas do jornal Diário da Região. Nenê, todos os anos, consegue reunir centenas de pessoas em torno de algo simples, uma feijoada no mês de junho ou julho. A promoção de tão concorrida, tornou-se tradicional e vem gente de longe para, como ele mesmo diz, o grande evento culinário do ano.

NOR BERTO BUZZI N I Na área das comunicações, um dos primeiros a tratar profissionalmente o jornalismo impresso foi Norberto Buzzini. Até então, os jornais eram mais um hobby dos proprietários. Euphy Jalles tentou melhorar a qualidade jornalística, trazendo para São José do Rio Preto o profissional Antenor de Pousa Godinho. Após ser adquirido por Alberto Cecconi, Antônio Natalone, José Barbar Cury e Norberto Buzzini, o Diário da Região deu um salto de qualidade e aumentou a sua tiragem. Passou a ser administrado em tempo integral por seu diretor e sócio majoritário, o único dos quatro que tinha condições de investir na empresa, Buzzini modernizou o jornal. Dizem que o jornalismo é uma cachaça. Está no sangue das pessoas. Os grandes advogados do passado, em geral, tentaram as letras, a política e o jornalismo. Não sei se Norberto Buzzini tentou as letras, mas política sim. Foi um dos vereadores mais votados nas eleições de 1963 e o mais dinâmico presidente da Comissão Central de Esportes, impulsionando bastante a prática do esporte amador na cidade. Isso o credenciou para vôos mais altos. Na Câmara Municipal, foi substituído por seu irmão, Normando Buzzini. Norberto Buzzini poderia ter sido prefeito da cidade. Chegou a ser candidato uma vez, tendo como seu vice o professor Octacílio Alves de Almeida. As circunstâncias daquela eleição, aliadas à condição dominante dos


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

157

militares e do partido do governo, a Arena, inviabilizava qualquer vitória da oposição. Pena não ter chegado a prefeito. Norberto é um administrador nato. Obstinado e perfeccionista. No Palestra Esporte Clube fez uma das melhores administrações, além de transformar o Diário da Região num dos mais completos jornais do interior do Brasil. Hoje, são os seus filhos que dirigem a empresa, sob os seus olhares vigilantes. Tenho muita fé no jovem Fabiano Buzzini. Norberto deixou a política e se dedicou ao jornal. Se tivesse permanecido na atividade partidária, teria sido prefeito ou deputado. O MDB, com a decadência dos militares e da Arena, se transformou em força eleitoral. Certamente, teria sido o comandante da legenda oposicionista. Em função de sua história, Norberto Buzzini, naturalmente, seria o companheiro ideal de Octacílio Alves de Almeida, eleito várias vezes deputado federal. A história política da cidade seria outra. E não foi por falta de insistência. Octacílio o convidou inúmeras vezes para voltar à política. Quem ganhou com essa recusa foi sua família, o Diário da Região, seus negócios agropecuários, o Palestra Esporte Clube e inúmeras entidades filantrópicas.

OSC A R ROBERTO G ODÓI Hoje, todos conhecem o rio-pretense Oscar Roberto Godói, consagrado árbitro de futebol e comentarista de televisão. O que pouca gente sabe é que ele foi presidente da LRF (Liga Rio-pretense de Futebol), entre 1983 e 1984, praticamente sem qualquer apoio da comunidade ao seu trabalho. Foi árbitro da própria LRF por vários anos e, antes, atleta amador, tendo passado por diversos clubes locais. Chegou à presidência da LRF por meio de eleições. Sempre trabalhador e esforçado, nunca deixou de estudar, formando-se professor de educação física e jornalista. Ninguém tem sucesso sem trabalho e sem sacrifícios. Conhecia-o de vê-lo jogar e apitar, mas, em 1983, aquele jovem magro entrou na Sala da Presidência, da Câmara Municipal de São José do Rio Preto e me informou: “Não tenho como premiar os times do campeonato amador de futebol”. Como presidente da Câmara Municipal, tinha certo prestígio e procurei apoiá-lo.


158

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Arregacei as mangas. Calcei a cara e fui pedir ao comércio e à indústria locais para ajudar o Godói. Também a Câmara Municipal possuía maior liberdade financeira e podia adquirir troféus, desde que a LRF fosse reconhecida de utilidade pública e as promoções fossem do interesse da comunidade. Não havia as dificuldades de hoje. Bem, creio que ajudei na medida do possível. Oscar pôde realizar bons campeonatos, todos bem premiados e muito divulgados, especialmente, pelas emissoras de rádio. Foi, assim como Alcides Zanirato e Manoel Antunes, dos melhores presidentes que a LRF teve em sua história. Tempos que deixaram saudades por sua simplicidade e idealismo. Depois da LRF, Oscar aventurou-se em programas esportivos nas rádios e colunas nos jornais, veículos de comunicação da cidade, além de continuar apitando jogos de futebol. Transformou-se no melhor árbitro brasileiro e isso é confirmado pelos inúmeros prêmios que recebeu em sua longa carreira. Godói chegou a apitar a Copa Libertadores da América, as eliminatórias da Copa do Mundo e campeonatos em diversos estados brasileiros. Melhor árbitro dos campeonatos paulistas de 1992 e 1996, sua carreira é extremamente vitoriosa e isso o credenciou a ser um dos melhores comentaristas de arbitragem que a TV brasileira possui. Nunca esqueceu os apoios que recebeu na cidade, sejam meus ou de outros amigos. Recentemente, jantando em São Paulo na Churrascaria Villas, pudemos nos lembrar dos difíceis anos 80. Oscar, por sua carreira e conhecimento, deveria ter sido contratado pela Prefeitura Municipal para ocupar cargo de destaque na Secretaria Municipal dos Esportes e ajudar a cidade. Quem sabe no futuro. Sempre é tempo.

PAU LO BECK N ET T ER Nos últimos tempos apareceu novo personagem nas colunas sociais de São José do Rio Preto. Não o conheço, mas pondero que ele inovou em termos de abordagem e noticiário específico. Não sei se a ponto de revolucionar o setor. Mas, não há dúvida, estamos diante de importante inovação. Falo de Beck (Paulo Becknetter). Não sei como foi recebido pelos colegas. Essa circunstância de ser diferente, às vezes, incomoda. Mas, o que


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

159

fazer? A vida é, em certos momentos ou segmentos, pura competição. Ouvi Waldner Lui e Roberto Toledo, ambos a seu tempo inovadores, e eles concordam que Beck realmente apresentou algo original. Sua invenção, o Beckionário, é sensacional. Explicando as falas da moçada na noite, as gírias e os termos da moda, consegue a inacreditável façanha de se antecipar aos dicionários tradicionais, aqueles em que os filólogos trabalham por anos a fio. Claro, isso quando não força ou faz digressões divertidas. No sério, é imbatível. As colunas sociais normalmente têm linguajar próprio. Há muitos estrangeirismos. No passado era comum serem utilizadas expressões francesas. Hoje, inglesas. Mas, houve importantes progressos e inovações. Os blogs e a internet, praticamente usando língua própria, estão revolucionando o universo das comunicações. As colunas sociais prestam atualmente importantes serviços e informam bem. Beck foi à Câmara Municipal e fez comentários devastadores sobre a postura e a indumentária dos vereadores. Na sessão seguinte, notei que todos tinham se esmerado em suas roupinhas. Ri muito do episódio. Não posso falar nada sobre isso. Tive um paletó que permaneceu no prédio da Câmara Municipal, atrás da porta por vários anos, pronto para entrar em ação.

PAU LO SERR A M A RT I NS O Paulo é um veterano da imprensa rio-pretense, onde trabalhou por mais de meio século e fez grandes amigos. Se fosse para escolher uma palavra para caracterizá-lo diria que Paulinho é o “Senhor Humildade”. Realmente, nunca o vi, destratando ou sendo indelicado com as pessoas. A humildade é sua virtude principal. Ao perguntar ao Paulo sobre a sua maior emoção como profissional do Rádio, ele respondeu contando sobre a cobertura da inauguração de Brasília, em 1960. Ele e Adib Muanis cobriram o evento e a Rádio PRB-8 foi a única emissora do interior paulista a ter esse privilégio. Adib é unanimidade entre os profissionais do Rádio e merece boa biografia sobre seu trabalho. Paulo começou a trabalhar na Rádio PRB-8 em 1951. Quando este pequeno trabalho for publicado, ele estará com 76 anos e provavelmente


160

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

será bisavô. É casado com Elizabeth Silva, com quem teve os filhos Vinícius, Vânia e Wladimir. Eles o presentearam com os netos Ana Carolina, Marcus Vinícius, Vitor e Renato. Apegado e dedicado à família, Paulo tem nela a sua fortaleza. Nestas pequenas memórias estão nomes de pessoas do rádio, dos jornais e da televisão. Paulo Serra Martins trabalhou em todos esses meios de mídia e quase com certeza em todos os veículos. Posso enumerar de memória: PRB-8, Rádio Anchieta, Rádio Independência, TV Rio Preto Canal 8, Correio da Araraquarense, “A Notícia”, Folha de Rio Preto e Diário da Região. Constam passagens suas em São Paulo (TV Paulista) e Catanduva (O Regional). Nas duas ocasiões, não suportou permanecer longe da cidade. Paulista de Limeira, adotou São José do Rio Preto como a metrópole (como ele se referia à cidade nas transmissões de rádio) do coração. Concluí os meus trabalhos de vereador em 1996 e Paulo ocupava o cargo de assessor de imprensa da Câmara Municipal. O responsável por sua contratação foi o vereador Dourival Lemes dos Santos. Depois, como presidente do PMDB, ajudei politicamente José Raymundo Veneziano a ser o novo presidente. Paulo continuou assessor. Paulinho aposentou-se em agosto de 1998, mas continuou prestando serviços aos veículos de mídia da cidade. Se você quiser alguma informação sobre a história da imprensa local ou sobre acontecimentos da vida da cidade, basta procurar Paulo Serra Martins. Ele sabe tudo.

ROBERTO LOF R A NO Roberto Lofrano é pessoa de minha amizade pessoal. Como Leão e Galo, é amigo herdado. Isso se deve ao fato de ter conhecido seu pai, Egydio Lofrano, desde os tempos da Rádio Difusora de Mirassol. Egydio era cliente de meu pai e, quando este morreu, nossa família recebeu dele sensível homenagem. Soube que o Roberto foi contratado neste ano (2009) pela Câmara Municipal de São José do Rio Preto. Trabalhou com Manoel Antunes e, infelizmente, também saiu injustamente da administração de Edinho Araújo, fato que lhe causou enormes aborrecimentos. Edinho tem mais medo da imprensa do que do capeta. A imprensa existe.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

161

Lofrano é um sobrevivente. A Câmara ganhará muito com seu trabalho. Ele tem conseguido se impor pelo profissionalismo, pela capacidade e pelo senso ético. Pessoalmente, sou torcedor de sua carreira, tanto no jornalismo como na publicidade, atividade em que possui qualidades raras. Reconheço o seu talento e a sua dedicação e, de quebra, sou grato por sua permanente camaradagem.

ROBERTO TOL EDO Havia pedido ao amigo Roberto Toledo informações sobre o filme “Trama de Sangue”, no qual ele foi o ator principal. Dei muitas risadas só em saber que ele se ralou todo num acidente de filmagem, arrastado muitos metros por um cavalo assustado, também participante da trama, só que menos obediente. Foi o único que causou algum sangramento no mocinho, levado às pressas para o hospital. O filme tem figuras impagáveis: Antônio Carlos Bottas, Vicente Amêndola Neto e Arlindo Massi. Nem sei o que cada um fazia. Desisti do assunto por dois motivos: 1) o Reyzinho (José Luis Rey) já escreveu excelente crônica sobre o filme; e 2) fiquei sabendo que Fernando Marques resgatou a fita e vai apresentála no seu bom programa de televisão. Trabalho imprescindível faz esse menino. Desisti do filme, mas não desisti de escrever sobre o Toledo. Patrimônio de São José do Rio Preto, José Roberto Toledo é um artista completo. Militou por muito tempo no Grupo Teatral Rio-pretense, criação do insubstituível Nelson Castro (1923-1997). Há 40 anos consecutivos, mantém apreciado programa de variedades na Rádio Independência. Locutor e apresentador dos bons, Beto (assim conhecido pelos amigos) trabalhou na Rede Globo e simplesmente não quis seguir carreira na emissora. Continuou com sua intensa vida local, fiel ao seu programa no rádio, aos clubes e empresas da região, à família e aos amigos. Creio que a família, principalmente a sua mãe (Ione Maria de Toledo), o fez ponderar sobre transferir-se para um dos grandes centros brasileiros, Rio de Janeiro ou São Paulo. Poucas pessoas sabem que Roberto Toledo foi o cérebro das apresentações de São José do Rio Preto no programa “Cidade contra cidade”, muito famoso e que serviu para promover o médico Wilson Romano Calil como candidato a prefeito. Silvio Santos teve que recorrer a procedimentos heterodoxos para eliminar a cidade do programa. A participação de Rio Preto motivou e mobilizou toda a população. Uma epopéia.


162

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Certa vez, precisando de um apresentador competente, capaz de improvisadamente esgotar o assunto, convidei o Beto para ser o mestre de cerimônia do encerramento do 2º Congresso da CAT, no qual, favas contadas, eu seria reeleito presidente. Aluguei o último andar do Hotel Excelsior em São Paulo e coloquei-o para comandar o espetáculo, que reunia mais de mil pessoas. Foi um show. Roberto Toledo encantou a elite sindical brasileira e latino-americana. Lembro-me, para citar uma só das inúmeras reações, que João Domingos dos Santos, presidente da CSPB, convidou-o a se mudar para Brasília e apresentar o programa da Confederação, levado ao ar todas as semanas. Houve verdadeira catarse de elogios. Beto foi mais cumprimentado do que o presidente reeleito da CAT. Valeu à pena a escolha. Sua enorme popularidade o levou à Câmara Municipal, onde foi um dos mais atuantes vereadores de seu tempo. Também ali não quis permanecer. Na época em que Liberato Caboclo foi prefeito (1997/2000), Roberto Toledo foi empossado secretário municipal de Turismo, Cerimonial e Eventos, fazendo ali um trabalho de fôlego. Reflexo de sua presença na pasta foi a publicação do livro sobre cerimonial “Questão de Ordem”, a única obra de consulta sobre o tema, em termos de poder local. Muitas prefeituras seguem as normas contidas no livro de Toledo. Tempos depois (2000), Manoel Antunes aceitou-o como candidato a vice-prefeito em sua chapa. A escolha foi de Rodrigo Garcia e Gilberto Kassab, com os quais Beto se relaciona até hoje. Rodrigo e Gilberto formam competente dupla de políticos. Em todo esse tempo, medido em lustros, Toledo continuou trabalhando: rádio, televisão, apresentações, locuções, publicidade e propaganda. Teve tempo ainda para incorporar nova atividade, como professor universitário, transmitindo aos seus alunos sua longa experiência de homem das comunicações, um dos melhores da história da cidade. Roberto é um desses amigos conquistados que a gente sabe que será para a vida toda. Não me lembro se nossa amizade começou através da imprensa ou da política. Sei que permanece. Não sei o que teria sido de mim sem o Toledo e outros amigos da imprensa. Eles, em caso rumoroso, fizeram o “outro lado”, diante de um lado implacável e perseguidor. Como os verdes mares de José de Alencar, tudo serenou. Toledo tem dois filhos (Marcos Vinício e Leandro), netos e uma esposa (Valéria) extremamente dedicada. Ele se preocupa muito com a família e traba-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

163

lha exaustivamente para provê-la. Atende a todos, sou testemunha. Às vezes, em plena sauna do Rio Preto Automóvel Clube, ele é chamado ao telefone. Pode ser uma tarefa profissional, mas também pode ser algum fã pedindo conselhos. Infatigável, não sei como encontra tempo e paciência. Possuidor de vasta cultura, sua educação, no sentido da gentileza e atenção pessoal, é preciosa. Ouve tudo e a todos. Tem boa memória e primorosa articulação verbal, falando desembaraçadamente sobre qualquer tema. Surpreende os ouvintes, buscando os adjetivos e as palavras certas para a ocasião. É imbatível no improviso. Junto com outros amigos, José Roberto Toledo não poderia estar ausente dessas pequenas memórias pessoais. Particularmente, sou orgulhoso dessa e de outras boas amizades. Aliás, boas amizades não me faltam. Nessa quadra da vida, tendo passado por tantos cargos e funções, literalmente com alta quilometragem e horas de vôo, a gente descobre que sobram exatamente os amigos, aqueles que fizeram parte de seus momentos, bons ou ruins. Os verdadeiros amigos não fogem nos instantes difíceis. Beto é um desses.

RU Y SA M PA IO Ruy Sampaio, além de escrever bem, tem faro de repórter e sabe onde está a notícia. Quando trabalhava no jornal Diário da Região, sua coluna, das mais lidas, tinha a qualidade das melhores da grande imprensa nacional. Jamais inventou ou acobertou fatos, só publicando aquilo que estava amplamente confirmado. Penso que acontecia com todos os políticos, mas, no meu caso, posso testemunhar. Ruy sempre me encontrava para comentar ou confirmar fatos do cotidiano político. Atento, não esquecia datas e não abandonava assuntos, dava continuidade à notícia. Oportunista, Ruy não perdia a chance de publicar boas frases. Por várias vezes fui beneficiado e vítima dessa sua virtude. A intuição, importante instrumento de trabalho dos repórteres políticos, foi sempre uma das armas de Ruy Sampaio e não consta que tenha sido traído por seu feeling. Gostava de sua forma de trabalhar. Sua grande capacidade de discernimento estava em situar a notícia sem olhar a quem estava beneficiando ou prejudicando. Quando a verdade é


164

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

dita, ninguém fica contra a notícia ou contra o repórter. O repórter não pode temer a notícia. Quando ela é concreta, está confirmada e não representa especulação, mesmo que eventualmente possa beneficiar ou prejudicar este ou aquele, deve ser publicada sem restrição. Quando Edinho Araújo elegeu-se prefeito, convidou Ruy para a administração pública, nomeando-o secretário municipal de Cultura, onde revelou nova e rara capacidade, a de realizar vários eventos ao mesmo tempo. Quem trabalha em administração pública sabe o quanto isso é complicado. Zeca Moreira ficava exasperado para organizar a agenda de Edinho sem privilegiar o secretário de Cultura. Alguns bons repórteres ou jornalistas, caso de Roberto Lofrano, Mário Soler, Waldner Lui, José Luis Rey, Marcelo Gonçalves e Ruy Sampaio, que trabalharam dos dois lados do balcão, no jornal e na repartição, são mais preparados, com conhecimentos e experiência específica. São melhores no exercício do jornalismo diário porque têm a melhor prática e maior noção da notícia, qualidade que não está ao alcance da maioria e, especialmente, dos mais novos.

SOR AYA PERICOCO Conheci Soraya quando ela foi namorada de um velho amigo. Jovem e inteligente, sempre me impressionou por sua educação e modos gentis. Ainda hoje, quando a encontro, sempre tem boas palavras, qualquer que seja o nome citado. A simpatia em pessoa. Corajosa, foi capaz de escrever o livro “Os homens rio-pretenses do século” (também escreveu sobre as mulheres). Hoje, ao tentar escrever estas pequenas memórias, sinto dificuldades para escolher, incluir e excluir nomes. As páginas são limitadas. Imagine Soraya tendo que selecionar cem nomes, acrescentando a responsabilidade por se tratar do registro abrangente de 100 anos de história da cidade. Mas ela o fez e foi festejada pela realização. Utilizou-se de bom expediente e informou que praticamente houve “eleição” dos nomes, vez que seria impossível para alguém ter à mente os nomes das 100 pessoas mais destacadas do século. Teve razão e usou de perspicácia, evitando reclamações. Tudo saiu bem e o livro é fonte permanente de consulta.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

165

Jamais pensei que pudesse estar numa seleção dessas. Há muita subjetividade nessas escolhas. Estou retratado em artigo muito elogioso na página 70. Soraya considerou minha história sindical. Nessa categoria, realmente, estou entre aqueles que têm currículo mais extenso. Não sei se foi justa, mas me alegrou muito com a inclusão. Retribuo a Soraya com esta pequena menção, em livro infinitamente menos importante. São minhas lembranças e ela, por todos os gestos de amizade, merece estar aqui.

WA L DN ER LUI Waldner Lui, na minha avaliação (e de minha esposa Regina), escreve um dos melhores textos da vida social rio-pretense. A amizade que lhe devoto remonta à década de 70, à época em que voltei de Curitiba e assumi a contabilidade da Farme/HB (Faculdade Regional de Medicina e Hospital de Base). Este é o meu registro mental. Gentil e educado, Lui jamais deixou de noticiar as minhas atividades políticas, sindicais e pessoais, desde o casamento às inúmeras viagens. Foi sempre solidário. Em certo momento, para minha irritação, divertia-se escrevendo sobre o meu passaporte, comparando-o com situações do cotidiano, em geral ligadas ao excesso de uso e de viagens. Realmente viajei muito, conheço cerca de 40 países e estou no quinto passaporte. Não é para menos. São quase 30 anos de estrada. Lui é ciente de seu ofício e dá suas broncas, quando passa batido em alguma notícia. Como não tem papas na língua, todos têm medo de desagradá-lo. Pergunte aos dirigentes dos clubes locais. No primeiro governo de Manoel Antunes, redigi o projeto que criou o Protur - Programa de Desenvolvimento do Turismo. Manoel aceitou a idéia de colocar o Lui como presidente do Conselho Municipal do Turismo e, com isso, ele foi o primeiro jornalista a difundir a proposta do turismo organizado na cidade. Não foi a única contribuição de Waldner Lui à vida pública. Sempre envolvido nas promoções turísticas e culturais de São José do Rio Preto, anos mais tarde ocupou o cargo de titular da Secretaria Municipal de Cultura, no governo de Liberato Caboclo (ex-prefeito José Liberato Ferreira Caboclo), onde promoveu o Festival Internacional Paulo Moura, de grande repercussão nacional.


166

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Lui já trabalhou em vários veículos e edita o The Journal, noticiário semanal que inclui um pouco de tudo e é muito apreciado na cidade. O The Journal tem 16 anos e já ultrapassou 800 edições. Encontra tempo ainda para ser diretor do Rio Preto Automóvel Clube, onde desenvolve, segundo os seus próprios colegas de diretoria, excelente gestão social.

WA LT ER DO VA L L E oucos jornalistas rio-pretenses têm a história de Walter do Valle. P Passou por inúmeros veículos impressos e trabalhou em rádio e televisão. Com 71 anos de idade, pode contar muitos casos sobre os homens que fizeram a história da cidade e sabe muito a respeito dos próprios colegas. Trabalhou com a maioria deles. Coloco Walter aqui para homenagear a família Valle, possuidora de qualidades insuperáveis para as letras. Dinorath do Valle e Roberto do Valle são seus irmãos, ambos vitoriosos (Dinorath é falecida). Em algum lugar destas lembranças, fiz alusão a Minas Kumidjian Netto, filho da Dinorath, meu contemporâneo. Dinorath tem outra filha (Moema), artista plástica. Essas pessoas são autoras de livros, escrevem ou escreveram para jornais e revistas, trabalham na área de comunicação e, traços comuns, são extremamente competentes e talentosas. Valter, Roberto e Minas continuam trabalhando. Walter em Rio Preto, Roberto em Campinas e Minas em São Paulo. Na verdade, o que estou constatando e registrando é um DNA superior. Raríssimo encontrar num mesmo núcleo familiar tantas pessoas com essa admirável capacidade para escrever. Os Valle merecem ter compêndio próprio, contando a história da família e de seus trabalhos. Tarefa para Lelé Arantes.

W I LSON GUI L H ERM E Ao me tornar presidente da Câmara Municipal de São José do Rio Preto, pela primeira vez, procurei nomear o assessor de imprensa, um dos


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

167

poucos cargos de confiança que existiam naquela época. O cargo foi criado por sugestão minha, e eu não queria nomear um jornalista sem consultas. Tomei a decisão de consultar o Sindicato dos Jornalistas, cuja delegacia estava a cargo de Mário Soler. A indicação do Soler recaiu sobre o profissional Wilson Guilherme. Realmente uma figuraça: mordaz, revoltado, inconformado, mas competente e trabalhador. Não o conhecia, mas passou a ser meu amigo. Não interferia em seu trabalho. Com limitações de locomoção, Wilson impôs um ritmo frenético nas informações à imprensa. Foi, no exercício do cargo, um trabalhador compulsivo. Alguns jornalistas confiavam cegamente em seu trabalho, muitas vezes reproduzindo na íntegra os seus press-releases. A Câmara Municipal esteve como nunca nas páginas dos jornais. Beneficiei-me de seu trabalho, especialmente porque era um tempo de transformações e o regime militar estava em seus estertores. Aproveitamos bem essa oportunidade. Meu mandato como presidente da Câmara Municipal foi marcado por fatos relevantes da política nacional. Protagonizamos a Campanha das Diretas Já. Criamos um comitê pró-diretas, do qual fui o presidente. Fizemos várias vigílias cívicas. A Câmara se tornou a caixa de ressonância da sociedade rio-pretense. A agitação era permanente. Após a votação da Emenda Dante de Oliveira, fizemos o enterro simbólico de Adail Vetorazzo. Duas conseqüências diretas desse enterro: a) Adail nunca mais ganhou eleições em Rio Preto; e b) Toninho Figueiredo, candidato com limitações e poucas chances, chegou a prefeito da cidade. Pode-se dizer que Wilson Guilherme foi o jornalista das Diretas Já, tal o seu trabalho. Quase no final de meu mandato, reuni um grupo de artistas da cidade para pintar alguns painéis nas paredes da Câmara. Dinorath do Valle me ajudou, indicando os mais promissores jovens artistas. Entre eles, Daniel Firmino e Jocelino Soares. Ambos, depois, pintores consagrados. Eles devem muito ao esforço de divulgação de Wilson Guilherme, colocando o assunto em toda a imprensa brasileira, inclusive duas vezes no jornal noturno da TV Globo. Os painéis estão lá e pouca gente sabe que foi iniciativa minha. Não coloquei placa.


168

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Gostaria que Wilson continuasse assessor de imprensa da Câmara Municipal, mas o sucessor, Caio Cezar Urbinati, não permitiu. Wilson trabalhou em várias redações e hoje é assessor do deputado José Carlos Vaz de Lima. Faz anos que está trabalhando com o deputado Vaz de Lima e, suponho que ambos se entendam bem. Vaz percebeu e utiliza o potencial do Wilson. Nas eleições de 2000, Wilson aprendeu sobre marketing político com o marqueteiro Chico Santa Rita, que esteve aqui para fazer a campanha da Ivani Vaz de Lima. No segundo turno das eleições, comandou a campanha de Manoel Antunes e quase virou o jogo. Edinho foi eleito, mas Manoel chegou a assustar. Certa vez, Wilson conseguiu com seu cunhado que fôssemos (minha família quase inteira) passar férias na Lagoa de Araruama, no Estado do Rio de Janeiro. Chegamos lá, a casa cheia, desalojamos todos os seus parentes. Total e injustificável atrevimento. Todavia, muito bom. Conhecemos outra parte do litoral brasileiro. Só a cunhada do Wilson, irmã da Teresa, não deve ter gostado de voltar para a casa mais cedo. Por culpa de Wilson, cometemos enorme gafe. Wilson tem um filho, Murilo, do casamento com Teresa Talarico. Servidora pública, profissional da área de serviços sociais, ela continua trabalhando. Eu e Regina gostamos do casal. Encontro Wilson, às vezes, no Mercadão, na Pastelaria do Balsarini ou em eventos políticos. Ele possui um talento especial para frases corrosivas, mal humoradas e divertidas. Com certeza, terá uma boa frase para este artigo.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

169

PA RCEIROS

A MIG OS E CON H ECI DOS ( DOS BONS) Nestas minhas pequenas memórias cometi certamente algumas injustiças. Bons amigos e boas pessoas ficaram de fora. Além daqueles que estão fora, há outros que mereceriam página especial, tal a importância que tiveram. Para os que não estão, tenho algumas desculpas: falta de espaço (eliminei cerca de 50 textos), falta de anotações ou dados pessoais que justificassem um texto mais elaborado ou esquecimento mesmo. Que essas pessoas, antes de me perdoarem, lembrem-me de fatos ou circunstâncias que mereceriam destaque. Repeti exaustivamente ao


170

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

longo de vários textos a precariedade de minha memória e, portanto, de minhas recordações. Já li sobre especialistas que disseram ser a memória uma admirável traiçoeira. Procurei, juro, sanar tais deficiências, mas não há dúvidas que elas persistem. Nos casos em que me lembrei, mas não dispunha dos dados suficientes e não queria buscá-los em outras fontes (o Dicionário do Lelé Arantes ou o livro da Soraya Pericoco estão à mão), tento remediar por meio de relatos curtos e dispô-los em ordem alfabética. Escrevi o que me veio à mente, conforme a memória me trouxe. Separei pela origem: colegas sindicalistas, empresários e homens de negócios e pessoal da imprensa. Há, com referência à área política, uma lista enorme de ausências. Nesse campo, foram tantas as pessoas com as quais convivi, trabalhei, discuti, interagi, colaborei e até briguei. Só estão registradas algumas e não sei explicar a razão. No específico caso dos políticos, realmente procurei ser econômico e modesto. Prometo escrever sobre eles em algum momento. Mas houve dificuldades. Como classificar uma pessoa da estatura de Norberto Buzzini? Ele foi um político influente, jornalista e ainda atua como grande empresário. E Domingo Marcolino Braile? Pessoas como eles estão citadas em diversos textos e isso acontece pela relevância de suas vidas e de suas funções na sociedade rio-pretense. Não há como limitar essas repetições. Aproveito esse texto para justificar que os capítulos, no que concerne à inclusão de nomes próprios, estão imperfeitos. Normalmente, ordenei os nomes segundo o peso maior da atividade de cada um. Em outros casos, optei pela origem do conhecimento. Há pessoas que conheci na escola, no sindicalismo e na política. Como agir? Difícil. A colocação dos nomes em cada capítulo é, portanto, aleatória ou subjetiva. São pessoas que passaram por minha vida. Alguns me conhecem suficientemente. Outros apenas tiveram ligeiros contatos. Todas importantes. É uma longa trajetória. São muitos empregos, funções e cargos. Muita gente está aqui. Espero que seja o bastante.

ACH I L ES A BEL A IR A o começo deste ano, quando comemorava o casamento de seu filho, N encontrei um de meus ex-patrões, o professor Achilles F. C. Abelaira. Achiles foi


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

171

meu patrão duas vezes: nas Escolas Dom Pedro II, onde lecionei por três décadas, e na antiga Fresa, ex-mantenedora do Hospital de Base e da Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto. A cidade começava a ser um importante centro educacional. Achiles foi o presidente da Fresa no momento em que houve difícil e importante luta, envolvendo professores, médicos e alunos, todos trabalhando para mudar a forma de administração das duas entidades. Enfim, conseguiram tomar conta da Fresa, transformando-a em Funfarme, instituição que sobrevive até hoje e que concede maior grau de autonomia tanto à faculdade como ao hospital. As melhores lembranças sobre o Achiles referem-se aos bons tempos em que lecionei nas Escolas Dom Pedro II (administração, economia, engenharia), onde ele e o professor Jorge Khauan formavam inseparável, extraordinária e eficiente dupla de administradores do enorme patrimônio, físico e cultural, deixado pelos eminentes professores Jamil Khauan, Bento Abelaira e Alberto José Ismael, os fundadores do grupo. O conjunto de Escolas Dom Pedro II começou a funcionar em 1927 e tem mais de 80 anos. Mantém até hoje o curso técnico de contabilidade e durante muito tempo manteve os cursos do Ginásio Riopretano, numa época em que havia somente duas escolas particulares na cidade (a outra, existente até hoje, é o Colégio Santo André). As escolas superiores vieram na década de 60. Primeiro o curso de Ciências Econômicas. Depois, Administração de Empresas. Mais tarde Engenharia, Arquitetura e os cursos de pós-graduação. As Escolas Dom Pedro II sempre cobraram a anuidade mais barata da região. Havia fila de alunos à porta da diretoria, geralmente pedindo descontos em anuidades ou prazo para pagamento de mensalidades. Intermediei muitos desses pedidos e eles nunca saíam sem ser atendidos. Não tenho dúvidas de que ainda hoje são as escolas que mais concedem bolsas de estudo. Quando lá lecionava, muitas vezes, depois do final das aulas noturnas (às 22h30), saíamos (eu, o Achiles e o Jorge) para comer comida japonesa. Naquele tempo, não existiam os restaurantes sofisticados de hoje. Só modestos botecos de sashimi. Locais muito agradáveis. Ainda há alguns desses bares em funcionamento. Jorge Khaun prendia a atenção com suas saborosas histórias sobre a cidade e seus principais vultos históricos, com os quais ele conviveu na qualidade de repórter do jornal A Notícia e como servidor público, diretor da Câmara Municipal.


172

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Procurei estimular o professor Jorge Khauan a escrever suas memórias. Verdadeiro arquivo ambulante. Quando eu precisava fazer um discurso ou saber de algum fato relacionado com o passado de São José do Rio Preto, tinha a quem recorrer. Infelizmente, seu enorme arquivo pessoal (sua prodigiosa memória) foi com ele para o túmulo. Jorge Khauan ocupou a presidência do Texas (um time de futebol amador) até morrer, cerca de meio século. Faz muita falta o professor Jorge. Achiles e seus sócios, os descendentes dos professores Jamil Khaun, Bento Abelaira e José Alberto Ismael, continuam na lida. As Escolas Dom Pedro II foram responsáveis pela formação de milhares de jovens de toda a região. Muitos estão em importantes cargos da vida pública, econômica, social e empresarial do país. Minhas homenagens a todos daquele importante conglomerado de escolas rio-pretenses.

A LCI N DO RODRIGU ES ( N i no) Confesso ter resistido à tentação de telefonar pro Nino e lhe perguntar algumas coisas sobre a sua vida em São Paulo. Trabalhava para o Grupo Comolatti. Está aposentado. Casado com Soninha, nem sei quantos filhos tem. Trabalhamos juntos, lado a lado, por alguns anos nas Indústrias Matarazzo. O gerente, Alaor Machado, gostava de ouvi-lo declamar a poesia “O velho mestre”, algo que, com a repetição e insistentes pedidos, ele começou a detestar. Não sei se chegou a declamá-la alguma vez para os filhos. Fico imaginando a cena e seria bonito vê-lo rodeado de crianças, sentado ao lado de sua esposa, lembrando-se dos tempos de São José do Rio Preto. Sônia, descendente de italianos da Vila Maceno, foi excelente aluna e tinha à sua frente brilhante carreira. Preferiu se casar e ser professora. Nino sempre soube que Soninha seria a mulher de sua vida. Quando freqüentava o Palestra Esporte Clube, muito antes de conhecê-la, já comentava sobre ela. Foi realmente um caso de amor. Com a decadência das Indústrias Matarazzo, todos fomos obrigados a procurar novos empregos e Nino passou a trabalhar numa firma da rua Pedro Amaral, comprada depois pelo Grupo Comolatti. Logo, o velho, o principal sócio da empresa, intuiu a capacidade de Nino e convidou-o para trabalhar em São Paulo, na sede da organização.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

173

Pelo que sei, seu trabalho foi bem-sucedido. Passou a ser um dos homens de confiança do Grupo Comolatti. A empresa hoje está nas mãos dos herdeiros. Nino parou de trabalhar e mora em São Paulo. De vez em quando, vem a Rio Preto visitar os parentes. Num determinado momento, acontecimentos imprevistos e regidos pelo destino fizeram de Nino notícia. Ele foi um dos quatro sobreviventes do desastre do rio Turvo. Na noite daquela tragédia, a maior da história da cidade, Edenir Machado, diretor do Senac, dispensou os alunos informando-os do acidente e dizendo: “Parece que há casos fatais”. Os boatos cresceram. Pensei em duas pessoas, Nino e Valdir. Valdir Pereira, filho do servente das Escolas Dom Pedro II, tinha trabalhado comigo no Escritório de Contabilidade de André Laforga. Fiquei apreensivo e busquei notícias. Só no dia seguinte, houve mais esclarecimentos. Morreram 59 estudantes. Valdir estava entre os mortos. Nino sempre evitou conversar sobre o desastre e há alguns anos, o jornal Diário da Região, de São José do Rio Preto, fez uma reportagem e o entrevistou. Foi econômico nas palavras. Eu e o Nino gostávamos de conversar e passávamos horas discutindo os mais diversos assuntos. Tínhamos inegável afinidade intelectual. Não tenho mais contato com ele. Tivemos vidas completamente diferentes. Em termos, afinal somos trabalhadores e fizemos nossas vidas trabalhando para terceiros. Tive um pouco mais de visibilidade, em função da vida política e sindical. Visibilidade da qual Nino sempre fugiu. Tenho saudade de nossos bate-papos. Nino é um filósofo nato e aprendi muito com ele.

A M AURI M A SC A RO NA SCIM EN TO O consagrado professor da USP e PUC-SP é autor de inúmeros trabalhos no campo do direito e relações do trabalho. Seus livros estão traduzidos para outros países e, entre nós, sindicalistas, ele é unanimidade. Aluno do ICT (Instituto Cultural do Trabalho) no longínquo ano de 1965, tive o prazer de conhecê-lo e de ser seu aluno. Muito mais tarde, soube que é casado com uma prima de meu pai, Neusa Costa. Seu currículo ocupa várias páginas na internet e não pretendo reproduzi-lo. Este texto é simples homenagem de admirador.


174

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

J ovem e estudante, Amauri foi repórter esportivo. Conheceu bem o então prefeito Alberto Andaló, com quem ocasionalmente almoçava em São Paulo. Num de nossos encontros esporádicos, contou-me sobre esses almoços. Sabia de detalhes sobre o trabalho de Andaló. Reconheceu que o prefeito rio-pretense era, de fato, uma pessoa excepcional e talentosa. Estive na inauguração do Fórum Trabalhista de Araçatuba, que leva o seu nome. A Câmara Municipal de São José do Rio Preto aproveitou a ocasião para prestar-lhe homenagem, da qual fui o portador. Durante anos, por deferência, aceitou vários convites meus para proferir palestras em seminários da extinta Clat. Viajou para diversos países para atender à Clat. Também numa ocasião, em caso difícil, aceitou ser advogado de um parente nosso. Neste sentido, não só eu, como muitos da família, receberam demonstrações de carinho e amizade do professor Amauri. Ele é solidário com todos e seu escritório, no centro de São Paulo, está sempre lotado de clientes e amigos. Ali, a sua grande obra tem continuidade por meio de seus filhos e inúmeros alunos que seguem os seus passos. Por sua amizade com Ricardo Patah, aceitou também ser consultor da UGT, onde, às vezes, nos encontramos, como em Praia Grande, quando ele proferiu palestra na 1ª Plenária Nacional da UGT. O professor Amauri parecia ator global, tal o número de advogados que queriam tirar fotografias a seu lado. É um homem muito querido. No final deste ano (2009), ele receberá da Universidade de São Paulo o título de professor emérito, coroamento de grande e vitoriosa carreira, pontuada por inúmeros sucessos na advocacia, no magistério e como autor de vários livros e trabalhos acadêmicos. Nesse sentido, registra-se que ele já recebeu muitas homenagens no Brasil e no exterior.

C A R LOS ROBERTO F ERR EIR A DA SI LVA (C a r l i nhoS T elefone) Carlinhos Telefone é um homem que deu certo. Além de sua competência, por seu humor e seu atrevimento. Menino ainda, o pai insistia que ele estudasse durante o dia porque as escolas diurnas eram melhores do que as noturnas. Eram mesmo. Hoje, estão todas ruins. Freqüentou durante bom tempo o Colégio Estadual Alberto Andaló, onde foi colega de Regina, minha esposa. Contudo, Carlinhos queria estudar à noite.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

175

Colocado para trabalhar aos 14 anos de idade nas Lojas Peri, começou limpando vidros e foi galgando os postos de qualquer empresa comercial, até ser vendedor, que viria a se constituir na atividade mais importante de sua vida. Mas, como era bom de bola, começou a jogar no Rio Preto Esporte Clube. Logo, foi para São Paulo se fixar no Juventus. Conheci o Carlinhos jogando futebol no Palestra Esporte Clube e ele poderia ter sido profissional, não fosse a obrigatoriedade do serviço militar. Quando no Juventus, com 18 anos, voltou para São José do Rio Preto – ocasião em que seu colega de quarto, o centroavante Luis Cesar Menotti, deu-lhe de presente o livro “Confesso que vivi”, as memórias do Prêmio Nobel de Literatura, Pablo Neruda - e foi fazer o Tiro de Guerra. Menotti foi campeão mundial de futebol, como técnico da Seleção Argentina, em 1978. Deixou as lojas Peri porque foi contratado pelo Banco Novo Mundo, exatamente por ser bom de bola. Lá permaneceu até 1974. Rubinho (Rubens de Freitas Henrique), cliente do Novo Mundo, convidou-o para ser vendedor da Tortuga em Fernandópolis. Como Rubinho tinha bom nível de vida, Carlinhos, interessado em ganhar mais, se propôs examinar a proposta. A empresa (Tortuga Companhia Zootécnica Agrária) exigia testes de aptidão em São Paulo. O candidato Carlos Roberto Ferreira da Silva passou em todos os testes escritos, faltando-lhe somente a entrevista com o gerente, Álvaro Augusto, que de cara o desanimou, afirmando: “Bancário, cabeludo e jogador de futebol não tem experiência nem perfil para a função”. Carlinhos, cujo atrevimento é marca registrada, candidamente lhe disse: “No dia que o senhor se sentou nessa mesa, o senhor já sabia tudo o que sabe hoje?” Para a surpresa de Carlinhos, o homem levantou-se, respondendo: “O emprego é seu”. Como colegas de empresa, vieram a ser grandes amigos. Corria o ano de 1974. Para encurtar a história, Carlinhos trabalhou na Tortuga de 1974 a 2007: 33 anos. Subiu na hierarquia da empresa. De vendedor em Fernandópolis a diretor de marketing e comercial, quando se aposentou. Tornou-se amigo dos proprietários e especialmente de Cleuza Rezende Fabiani, a quem coloca como uma das cinco mulheres de sua vida (junto com a mãe, as duas avós e a esposa). Cleuza, quando assumiu a Tortuga, revolucionou a empresa, tornando-a uma das maiores do país em seu ramo. Carlinhos foi um de seus colaboradores diretos, trabalhando na matriz desde 1983. Ambos até hoje mantêm estreita amizade, visitando-se mutuamente. Cleuza já deixou a empresa em mãos do filho Max Fabiani. A Tortuga segue sendo uma empresa líder em suas atividades.


176

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Carlos Roberto Ferreira da Silva, filho de Wander e Adair, casou-se com Marilene Parro, filha de Osmar e Hilda, no dia 22 de janeiro de 1977, na capela da Chácara do Maquininha. Noticiando assim, parece nota de coluna social e não expressa a alegria de um casal formado por pessoas nascidas uma para outra. Tiveram dois filhos, Wander e Fernando. Lene, como é chamada, é amiga de Regina desde os gloriosos tempos da estatal CPFL. Depois de aposentada, junto com seu filho Wander e o colega José Wilson, fundaram a Magic Site, empresa do ramo de informática. Carlinhos comprou a parte de José Wilson e a empresa deverá ser transferida totalmente para o filho Wander, um craque em computação. O outro filho, Fernando, é advogado bem-sucedido em São Paulo. Na semana após o casamento, Carlinhos recebia todas as noites a visita do casal de amigos e compadres, Rupen e Fátima. Rupen Kuyumjian, dentista muito popular, faleceu recentemente, mas era impagável. Fazia as visitas de propósito e ficava até tarde, perturbando o casal. Recebeu o troco. Quando se casou com Fátima, Rupen procurou de todas as formas esconder dos amigos o local de sua lua de mel. Carlinhos descobriu e comprou com Marilene, às escondidas, o mesmo pacote de viagem. Os quatro visitaram Miami e a Disney. Carlinhos conta: “Rupen chorou muito e até hoje não sei se de alegria ou de tristeza”. Posso afirmar que foi de alegria. Há outra passagem hilariante envolvendo Pedro Benedito Batista, o lendário presidente do América Futebol Clube. Amigos desde jovens, se conheciam pelo codinome Gabiroba. Vendo Pedrinho no mesmo vôo, Carlinhos pediu, com uma desculpa qualquer, à aeromoça para solicitar a presença de Pedro Gabiroba. A aeromoça anunciou duas vezes: “Senhor Pedro Gabiroba, favor se apresentar a uma das comissárias de bordo”. Pedrinho calou-se, mas, depois de uns dez minutos, levantou-se e foi ao banheiro. Passando por Carlinhos, sem olhar, disparou: “Eu sabia que era você, seu FDP”. Quando Carlinhos atuava no Juventus, Pedrinho fazia curso para oficial na Escola Tobias de Aguiar e chegou a ser cavalariano, mas, depois de ter concluído o curso de direito, se dedicou a outras atividades. Ainda bem. Como alto funcionário da Tortuga, Carlinhos teve a oportunidade de conhecer quase 20 países. Sua paixão é a França e já há mais de uma década passa os seus aniversários em Paris, no restaurante “La Coupole”, local que foi freqüentado por Jean-Paul Sartre e Ernest Hemingway. Todos os anos, no dia 29 de abril, quando Carlos e Marilene chegam ao restaurante, os garçons


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

177

colocam um bolo na mesa e cantam o parabéns a você. Isso não é para qualquer mortal. Carlinhos Telefone (pouca gente sabe o seu nome completo) é pessoa conhecida e de muitos amigos. Na Copa do Mundo de 1998, realizada na França, ele não poderia estar ausente. Caminhando por uma das ruas, ouviu o grito “Carlinhos Telefone!”, quando notou a presença de vários rio-pretenses, entre os quais, o meu irmão Norival Teixeira da Costa, autor do berro. Motivo para grande festa. Só os brasileiros são assim tão animados no exterior. No próximo ano, antes de ir a Paris, Carlinhos passa por Istambul e, em 2011, quando completar 60 anos de idade, levará todos os seus filhos e noras para a festa de aniversário no “La Coupole”. Estamos nos inscrevendo na grande caravana de São José do Rio Preto que estará presente ao evento. Os sessenta anos de Carlinhos prometem ser uma festa de arromba. Não é de espantar. O homem é para cidade grande.

C A R LOS T EBA R Há pessoas que se destacam pela educação e permanente disposição para o atendimento e a cordialidade com amigos e parentes. Carlos Tebar e sua esposa Valdecir são assim. Abrem as portas de suas fazendas para os amigos. Com um grupo numeroso, estive lá pescando. Suas fazendas, amplas e bem cuidadas, ficam no Estado de Goiás, cortadas pelos rios Doce e Claro, e possuem enorme cachoeira (Cachoeira do Durango), onde, ao tentar arremessar a isca, quase caí dentro do rio com carretilha e tudo. Nisso (e também em muitas outras coisas), sou mais do que amador. Nesses momentos, você jamais vê o Tebar reclamando ou sendo descortês. Procura, como todo bom cozinheiro, saber o que você quer comer e, mãos à obra. Logo estão prontos o pirão e o peixe, preferência entre os pescadores. Tebar tem vários “clientes”, amigos e parentes, que freqüentam suas fazendas. Aviso: ele pode contar comigo no próximo ano. Quem o vê atualmente, com seus filhos e netos, bem de vida e feliz, não sabe o duro que Carlos Tebar deu, trabalhando como um louco pelas estradas brasileiras, varando madrugadas insones. Negociou com arroz e chegou a importá-lo do Vietnã. Em muitas ocasiões, viemos juntos nos vôos de São Paulo para São José do Rio Preto.


178

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Certa vez, ao depararmos com um problema no aeroporto local, ele pegou sua camioneta e me levou para São Paulo, a tempo de embarcar para a Venezuela, onde eu teria aulas a ministrar na universidade. Gesto incomum e raro. Mereceu o litro de uísque 12 anos que levei à sua casa num domingo de sol. Apaixonado por futebol, Tebar encontra tempo para comparecer às terças-feiras na Chácara do Ulysses Jamil Cury. Quando é o seu dia de cozinhar (a cada terça feira, um é responsável pela comida), o racha fica repleto. Não é vontade de jogar futebol. Simplesmente gostam muito da comida que o Carlos Tebar faz.

DA N I EL DE F R EI TA S Conheci Daniel de Freitas quando mocinho, lecionando na Escola Senac. Sempre magrinho, esforçado, já mostrava a sua obstinação e força de vontade, virtudes que fariam dele um dos maiores empresários de São José do Rio Preto. Apesar de grande empresário, acostumei-me a chamá-lo de professor e ele realmente foi bom mestre. Mestre que continua sendo junto aos familiares, funcionários e irmãos de sua comunidade religiosa. Seu pai foi um renomado presbítero da Igreja Presbiteriana Independente. Sempre que o vemos, Daniel se faz acompanhar de sua esposa Amelinha. Ela é presidente do Rotay Clube Centro. Ele se transformou num dos grandes vultos da história empresarial e, quando Manoel Antunes assumiu pela segunda vez a Prefeitura de São José do Rio Preto, indiquei-o à presidência do Prodei, onde, embora por pouco tempo, fez excelente trabalho. Daniel permaneceu décadas no Conselho do Prodei. Sempre às voltas com compromissos religiosos, comunitários e do Rotary Clube, Daniel tem carinho especial pelos jovens intercambiários. Tipo do homem ocupado, ele é daqueles que, quando você precisa de alguém para fazer alguma coisa, é o indicado. Tem enorme capacidade para lidar com muitas coisas ao mesmo tempo, sem negligenciar os negócios, que crescem aceleradamente. Foi presidente da Acirp e colaborou com outras inúmeras entidades, especialmente da área empresarial (Fiesp/Ciesp). Como presidente da Câmara Municipal, testemunhei Daniel reivindicando melhorias para o Distrito Industrial. Tanto na Câmara, como muito tempo depois, no Semae, pude ajudar aquela


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

179

parte da cidade. O Prodei foi iniciativa bem-sucedida do prefeito Adail Vetorazzo, no primeiro pedaço de área do IPA que se transferiu para o Município. Daniel também pertence ao time dos contabilistas, tendo sido diretor da Associação dos Contabilistas. Somos, desculpe a pretensão, colegas. Nós, da Geração Senac, gostamos dele e o admiramos pela constante humildade. Pessoa brilhante.

DIOL A N DI BOLÇON E Não me lembro direito do dia em que conheci Diolandi Bolçone. Foi meu colega de classe durante vários anos, quando estudamos na Escola Senac de São José do Rio Preto. Trabalhamos juntos, no Banco do Commércio e Indústria, a famosa agência da rua Bernardino de Campos. De resto, sempre soube, seríamos amigos a vida toda. Outras coincidências nos unem. Trabalhamos na rua Bernardino de Campos, Vila Maceno. Vizinhos, ele na pastelaria e eu, na farmácia. Casamos com moças que ali residiam. Ele ainda trabalhou na Salada Paulista, da qual meu sogro, João Marilhano, foi sócio fundador. Como a Salada Paulista ficava ao lado do Banco, o próximo emprego do Diolandi só poderia ser lá. Crescimento pessoal contínuo. Com o Diolandi, tenho aquela amizade que não depende de encontro constante. Aflora quando necessária. Realmente, nunca fomos de visitar um ao outro. Pouco conhecemos mutuamente sobre nossos filhos. Nossas mulheres se conhecem superficialmente e, em boa parte de nossas vidas, residimos em cidades diferentes. Uma única vez fui à sua casa, na avenida México. Orlando, seu irmão mais novo, era um menino magrinho, como eu. Hoje, somos bem robustos. Após ser aprovado em dois concursos (Banco do Brasil e Banespa), Diolandi foi morar em Jales. Inicialmente, numa república com amigos. Certa vez, me conseguiu uma entrevista com o proprietário da Agência Ford de Jales, que precisava de contador. Como trabalhava na Agência Ford de São José do Rio Preto, seria fácil conseguir o emprego. Creio que não deu certo por questões salariais. Casou-se com Odete e tiveram três filhos. Fez brilhante carreira no Banespa, aposentando-se em 1992. Voltou para Rio Preto. Logo depois, presidente


180

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

da Câmara Municipal pela segunda vez, vendo-o aposentado, quis que ele fosse trabalhar comigo, como assessor. Diolandi declinou do convite. Estava certo em não entrar nesse mundo sórdido. Ainda em Jales, ele instruiu competente processo para a contagem de tempo de serviço junto ao INPS e necessitava de alguns testemunhos. Declarei que o via trabalhando na pastelaria, pois quando voltávamos da escola, por várias vezes, notei que dormia no local de trabalho. Regina poderia ter testemunhado que ele trabalhou com o seu pai, mas não foi necessário. Diolandi guardava valiosa foto, tirada no balcão da pastelaria. Acho que a foto valeu mais do que os depoimentos. Na Escola Senac, fomos vizinhos de carteira. Sentávamos próximos um do outro e, de vez em quando, filava os seus conhecimentos. Dos melhores alunos da classe, Diolandi teve permanente comportamento exemplar. Nas aulas do professor Salles (Francisco Salles Oeterer), de língua portuguesa, participávamos do mesmo grupo nas “academias” (aulas sobre literatura e debates sobre os seus principais nomes). Lembro-me que a Escola Senac era apenas um ginásio comercial, ainda começando. Tempo de sadias rivalidades, a escola era considerada inferior pelos alunos do Santo André, do Instituto Monsenhor Gonçalves e do Ginásio Riopretano. Os anos vindouros demonstraram o contrário. A Escola Senac formou uma geração brilhante, a geração dos anos 60, alunos que ocuparam cargos na vida social, política e econômica da cidade. Muitos foram para outras cidades e cresceram profissionalmente. Diolandi foi um dos expoentes dessa geração. Seu irmão Orlando pertenceu a esse grupo e, em função de sua disciplina, quase chegou a prefeito. Talvez, possa ter nova chance. O professor Salles emprestava os livros de sua biblioteca para os seus alunos. Beneficiei-me desse valoroso gesto. Fico pensando se existem ainda hoje professores com a bondade e o talento dele. O professor Salles foi vereador e diretor da Divisão Regional Agrícola. Aposentou-se como engenheiro agrônomo e mudou-se para Piracicaba, onde reside sua filha. Diolandi foi visitá-lo, fazendo-lhe agradável surpresa. Passamos um carnaval juntos na fazenda do tio Euclides, na casa da tia Antonieta. Eu, ele e o Beto (José Roberto Arroyo) fomos de ônibus. Ninguém possuía carro. Naquela época, existia um cavalo chamado Zenabre, vitorioso nos torneios de turfe brasileiros. Então, apelidamos com esse nome um dos pobres animais que nos levaram à Vila Costa para tomar cerveja e comer


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

181

pão com mortadela. Voltando da Vila, em noite chuvosa, Beto literalmente caiu do cavalo. Naquela noite, só o cavalo não bebeu. Mas, o apelido pegou e o cavalo tornou-se Zenabre pelo resto da vida. Qualquer dia desses, convidarei o Diolandi para ir à Vila Costa (Miraluz, distrito de Neves Paulista) repetir a dose de cerveja e comer pão com mortadela. Ele verá que alguns dos meus primos, aqueles mesmos que o receberam, também se aposentaram e estão por lá, curtindo a vida. Será divertido.

DOMI NG O M A RCOL I NO BR A I L E Talvez, em função da política ou por ter trabalhado tanto tempo na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto e no Hospital de Base, acabei por conhecer muitos médicos, os quais se tornaram amigos ou, ao menos, pessoas de minha admiração. Esses profissionais são vistos como especiais pela maioria do povo. Profissão nobre, apesar da democratização imposta pelas inúmeras e novas faculdades. As primeiras referências que ouvi sobre o consagrado médico Domingo Marcolino Braile, na maioria, sempre foram elogiosas. Hoje, há unanimidade em torno de seu nome. Bem-sucedido, um dos maiores cardiologistas do país, professor de várias faculdades e palestrante em diversos pontos do planeta. Homem modesto, típico caboclo da região. Nas primeiras vezes que ouvi o seu nome, trabalhava no meio e comecei a entender aquilo que se denomina “grupo médico”. Nunca aceitei bem isso, mas, acredito, essa circunstância iguala a medicina às demais profissões, com as competitividades de sempre. Braile, como tem pouca paciência com a mediocridade, eventualmente tromba com ineptos. Nunca permanece em cima do muro. Inicialmente, alguns colegas não admitiam que ele ministrasse aulas em nossa faculdade, algo superado com o tempo. Era impossível ignorar o sucesso desse rio-pretense visionário. Tão visionário que, nas eleições de 2000, de cara, postou-se ao lado da candidatura de Edinho Araújo. Até então poucos tinham tido essa coragem. Políticos se recusavam a ser o candidato a vice na chapa dele. Quando Braile, por amizade, me comunicou sua decisão, incontinente lhe disse que a candidatura do Edinho não tinha futuro. Edinho foi eleito. Em outra ocasião, estive ao seu lado e até hoje lamento a falta de visão daqueles que trabalharam contra a idéia do Hospital do Coração. Havia verba


182

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

oficial. Bastava começar o projeto e ninguém teria peito de barrá-lo quando em franco desenvolvimento. A Prefeitura precisava assinar um termo, oferecer um terreno e se comprometer com pequenas coisas. Afinal, um projeto daquela natureza precisaria de contrapartes. Enfim, o projeto, em função de mera miopia, não foi em frente. Braile sequer estrilou. Está muito acima dessas mesquinharias. Sempre nos encontramos em aeroportos. Gosto de ouvi-lo. Fundou duas importantes clínicas e uma empresa de alta tecnologia na área de produtos médicos. É fazendeiro e aviador. Certa vez, conversando com Dráuzio Varella, seu contemporâneo e meu colega de CDES, ele me informou que, enquanto outros alunos gazeteavam, Braile permanecia nas oficinas da universidade, inventando coisas ou trabalhando com ferramentas. Não é à toa que se transformou num grande cirurgião, tem extrema habilidade manual e prodigiosa inteligência. Quando meu filho Alex terminou o curso de medicina, fez exames para ser residente na Clínica Braile. Ele ficou aprendendo lá por dois anos, trabalhando com a também talentosa Valéria Braile. Quando ele declina as suas residências (na Clínica Braile e no Instituto de Moléstias Cardiovasculares), as portas se abrem. Graças a isso, hoje está trabalhando numa grande clínica em Campo Grande (MS). O nome do doutor Braile ultrapassou as fronteiras nacionais. Pioneiro em sua área, foi um dos responsáveis pelo crescimento da medicina em São José do Rio Preto. Graças a ele e a outros abnegados e capazes colegas de profissão, a cidade é um centro médico de ponta. Está entre os dez mais desenvolvidos do Brasil. Somos aquilo que os americanos chamam de cluster, aglomerado de excelência em medicina. Enquanto escrevo estas linhas, leio no jornal Diário da Região, coluna do Nenê Homsi, que “o doutor Domingo Braile, na manhã do próximo sábado, vai proferir conferência sobre o tema “A medicina e a fé”. No mesmo local, aproveita para lançar o seu novo livro “Crônicas de um médico do sertão”. A capa do livro, informam, estampa uma tela do artista plástico Jocelino Soares, caipira como todos nós. O médico Braile escreve muito bem e suas crônicas estão entre as mais lidas do Diário da Região. Hoje, temos novo prefeito médico. Os médicos estão presentes quando se olha o passado político de São José do Rio Preto, podendo ser citados, entre outros, Cenobelino de Barros Serra, Lineu de Alcântara Gil, Lotf João Bassitt, Wilson Romano Calil e José Ferreira Liberato Caboclo. Valdomiro Lopes da Silva Júnior poderá ouvir a classe e procurar consolidar esse cluster. Não sei se é possível recuperar a idéia do Hospital do Coração, mas valeria a pena conversar com o doutor Braile a respeito do tema.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

183

DU LCÍ DIO V EL A N I Creio que conheci Dulcídio Velani por intermédio de meus primos Alcides e Ademir. Talvez, quando ele trabalhava na rua General Glicério, em São José do Rio Preto, ou, ainda, quando foi diretor do Sindicato dos Comerciários. Dulcídio é cidadão da Vila Anchieta até hoje. Somos uma confraria. Dulcídio, um exímio vendedor, teve muito sucesso onde trabalhou, especialmente na Eletrotécnica Nonaka Ltda, empresa de materiais elétricos, onde permaneceu por 14 anos. Só saiu para montar o seu próprio negócio. Em 1978, resolveu montar a Elétrica Casa Branca, convidando para isso alguns de seus amigos da Vila Anchieta: Luis Casado Antoniassi e Antônio Distasse. O primeiro dono da Tipografia São Luis e o segundo da Fábrica de Móveis Anchieta. Antes de decidir-se pela loja de material elétrico, Dulcídio teve uma importante passagem pelo sindicalismo, auxiliando nada menos do que a estrela do ramo em São José do Rio Preto, Paulo Fernandes Lucania. Foi diretor do Sindicato dos Comerciários por 13 anos, período que coincidiu com seu registro na Eletrotécnica Nonaka. Quando se tornou comerciante, associou-se ao Sindicato do Comércio Varejista, presidido pelo Eládio Arroyo Martins. Ali, não foi diretor, mas sempre cooperava quando solicitado. Mesmo depois de patrão, continuou colaborando com o Sindicato dos Comerciários. Tem alma de trabalhador. A Elétrica Casa Branca foi um sucesso empresarial. Quando fui demitido da Fresa, mantenedora do Hospital de Base e Faculdade Regional de Medicina, Dulcídio me convidou para ser o contador da Casa Branca. O seu convite caiu do céu. Meu filho Alex tinha acabado de nascer. Foi bom ter trabalhado na Elétrica Casa Branca. Não havia divisão entre empregados e patrões. Todos eram iguais e quem estabeleceu essa forma de trabalhar foi Dulcídio Velani. O tratamento para clientes era especial. A loja crescia a olhos vistos. Num determinado momento, a situação era tão boa que começaram a investir fora da empresa. Talvez, esse tenha sido o maior erro. Investir fora da empresa. Não é aconselhável promover a descapitalização. Compraram fazenda e depois desmancharam parte da sociedade. Outro fato: a bondade de Dulcídio. Ele era incapaz de agir contra os seus amigos que, às vezes, abusavam de sua boa vontade e de seu bom coração. Enfim, vários fatores ao mesmo tempo, todos independentes da vontade e da ação de


184

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Dulcídio, determinaram o fechamento da Elétrica Casa Branca. Embora já não estivesse mais lá, senti muito pelo encerramento de suas atividades. Dulcídio não se abalou. Continuou trabalhando. Aposentou-se. Vive com a sua esposa Vilma na mesma casa. Tem um filho, duas filhas e três netos. Todos os domingos ele reúne os seus parentes, na mesma velha Vila Anchieta. De vez em quando passo por lá para dividir com ele um bom copo de cerveja. É um homem feliz.

EDSON MIGUEL JOSÉ A BUFA RES (Turcão) Edson, como se diz, é do bem. Pessoa boa. Tive a oportunidade de conhecê-lo e de ser um dos que se favoreceu dessa bondade. Isso ocorreu em 1965, quando cursávamos juntos o terceiro técnico de contabilidade, na Escola Senac de São José do Rio Preto, o último ano do curso. Na Escola Senac, fizemos parte do Glera. Edson, presidente, eu secretário. Fizemos o sucessor, Odair Ferrante, e trabalhei como cabo eleitoral, indo de classe em classe recitar as suas qualidades, todas verdadeiras. Gostava daquilo. O embrião do político que seria alguns anos mais tarde. Estivemos juntos em vários anos escolares. Aquele seria o último. Edson foi eleito presidente da Comissão de Formatura (naquele tempo também o curso técnico de contabilidade fazia suas festas de formatura). Muito popular, astro do time de futebol de salão da escola, tinha um chute indefensável. No segundo semestre de 1965, trabalhando no Banco Commércio e Indústria, fui selecionado para uma bolsa de estudos da Aliança para o Progresso, um programa norte-americano, criado pelo presidente John F. Kennedy. A bolsa constava de um curso sobre sindicalismo, a ser ministrado em tempo integral, na Capital. Fiquei entusiasmado com a bolsa, mas não havia condições materiais de dizer sim. Teria de me afastar do banco por três meses, com perda total dos salários e ir para São Paulo, onde garantiam alimentação e hospedagem. O curso dava tudo, mas não pagava os salários. Em casa, o salário era vital para ajudar no sustento da família. Irresponsavelmente, conversei com o Edson e pedi a ele um empréstimo do saldo da conta bancária do projeto


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

185

da formatura, gordinha pelas contribuições dos alunos, rifas e bailes da classe. O bom Edson foi tão irresponsável quanto eu, confiando que aquele estudante pobre fosse capaz de pagar uma conta que correspondia a três meses de salário no Banco. Ele me deu o dinheiro e fui para São Paulo fazer o curso. Um curso extraordinário, com professores universitários da USP (Universidade de São Paulo) e alguns outros cobras. Lembro-me bem do jovem Amauri Mascaro do Nascimento e de outros brilhantes profissionais da área do direito trabalhista. Os alunos se esforçavam para que eu não perdesse o ano por faltas. Todos da classe - principalmente o Edson - argumentavam com os professores que eu estava em aula, só que em outro lugar. O resultado foi ótimo. Voltei e prestei os exames finais. Somente em algumas matérias tive de fazer o exame de segunda época, em função das faltas. Fui aprovado. Ao chegar de volta do curso, todo orgulhoso, claro, tinha de pagar a dívida e não sabia como. A classe já estava em polvorosa, sabendo do empréstimo do Edson, que, estranhamente, não se preocupava, mantendo-se em absoluta calma. No Banco, falei com o Valdemar Brentam e ele me emprestou o dinheiro para pagar a Comissão de Formatura. Paguei e todos ficaram aliviados. Entrei num ciclo, tomando emprestado de um e pagando outro. Demorei um bom tempo para me estabilizar financeiramente. Sabia onde moravam todos os emprestadores de dinheiro de Rio Preto. Não eram agiotas, eram pessoas que emprestavam pequenas quantias e quebravam o galho daqueles que estavam momentaneamente apertados. Creio que só me equilibrei mesmo depois de começar a trabalhar na Agência Ford, da família Sestini, quando passei a ganhar mais. Nunca me esqueci do gesto do Edson, o Turcão, hoje o bem-sucedido dono da loja Ideal Tecidos. Mais tarde, quando fui candidato a vereador, ele também ajudou a me eleger, pedindo votos para os amigos e até contribuindo materialmente. Edson casou-se com a Nevar, uma das secretárias da Escola Senac. Teve filhos e continua a sua vida de comerciante. Hoje tem também outros negócios. Nevar completou a bondade do Edson. Ambos são muito caridosos, ajudando nas campanhas de várias instituições filantrópicas. Aprendi que pagando corretamente as contas sempre se tem crédito. Comecei a confiar em minha cara de honesto, sempre conseguindo dinheiro emprestado quando necessitava. O Diolandi Bolçone afirmou um


186

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

dia: “Você passa credibilidade. Consegue o que quer facilmente”. Bem, não foi sempre assim, embora tenha me mantido absolutamente correto nos negócios. Na política, exatamente por ser honesto, cheguei a ser seriamente prejudicado. Às vezes, eu me encontro com o Edson na pastelaria dos Balsarini, um dos melhores pontos do Mercadão. Conversamos animadamente. Edson tem um problema no joelho, herdado dos tempos do futebol de salão e, de vez em quando, acho que dependendo do tempo, as dores voltam. Mas, ele segue firme, abraçado e cumprimentado por todos. Grande Turcão!

JOSÉ A PA R ECI DO TORR ES Há pessoas de quem a gente acaba gostando gratuitamente. Sem explicação. Cido Torres é um desses bons amigos que encontramos na estrada da vida. Gosto dele especialmente porque a sua vida guarda certa similaridade com a minha. Nasceu na roça e seu pai foi taxista. Como no tempo de meu pai, provavelmente seu pai era chofer de praça. Por ser um homem bom, acreditar nas pessoas, também já passou por grandes dificuldades. A maior delas, quando findou a administração Toninho Figueiredo. Ele havia feito uma grande quantidade de obras, confiando plenamente na administração e simplesmente não teve os seus créditos contabilizados. Precisou entrar na Justiça e não sei no que deu essa ação. Cido começou a trabalhar cedo, como balconista e, logo em seguida, foi copeiro no Hotel São Luis. Por último, nesses empregos da juventude, trabalhou na casa comercial Móveis Pupim, onde aprendeu os serviços de escritório. Entrou no ramo de construções em 1974 e descobriu a sua vocação. Até hoje, tem empresas do ramo. A última é a Construteto Serviços de Construção Ltda. Cido passou quase 20 anos aprendendo sobre o ramo. A primeira experiência foi na Teto, depois atuou na Transtel. No início dos anos 90, fundou a sua própria empresa, Construtora Perímetro Ltda. Com sua energia e capacidade de relações públicas, conquistou inúmeras obras junto às administrações municipais. Trabalhou na implantação dos loteamentos populares, construção de avenidas e embelezamento da cidade. O empresário José Aparecido Torres é infatigável. Seu relacionamento com os servidores públicos foi o melhor entre todas as construtoras. Nunca


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

187

se negou a ajudar nas campanhas filantrópicas ou de solidariedade. Até nas festinhas de aniversário ou de fim de ano, lá estava o Cido ajudando. Por isso, sempre foi muito querido e protegido. Essa constante generosidade, aliada à instabilidade das administrações públicas (os que trabalham para o governo sabem disso), levou-o várias vezes a enfrentar desafios, dificuldades, algumas insuperáveis em curto prazo. Nunca perdeu o sorriso e nunca deixou os amigos na mão. Sofreu injustiças por ser bom. Trabalhou vários anos para a Agroseta – Agropecuária Sebastião Tavares Ltda., especialmente na implantação dos loteamentos Figueira e Gaivota I. Isso lhe deu grande experiência em loteamentos horizontais, ao que se dedica no momento, trabalhando em cooperação com o Grupo Coplan, comandado pelo empresário Luiz Raimundo Neves, o homem que saiu de Potirendaba e ganhou o mundo, assim como a rainha do basquete Hortência. O engenheiro Alberto Galeazzi Júnior, seu sócio nos tempos da Perímetro, é testemunha do imenso pacote de bondades praticado por Cido Torres. Desde a ajuda extraordinária que sempre presta aos irmãos da Igreja Testemunhas de Jeová aos inúmeros “clientes” que lhe pedem favores, ele é onipresente. Galeazzi fala: “Ele só tem dois defeitos: é desorganizado e acredita em todo mundo”. Casado com Sônia Maria Rodrigues, tem três filhos: Evandro, Leandro e Danilo. Dois deles já estão casados. Evandro lhe deu a neta Yasmin. Hoje, todos trabalham na Construteto. A religião é um ponto forte da família Torres. Seus membros freqüentam regularmente a igreja e trabalham ativamente na comunidade religiosa. Uma família unida e exemplar. José Aparecido Torres está aqui nestas pequenas memórias pessoais como uma homenagem aos empresários que trabalham para o Poder Público, passando, às vezes, enormes dificuldades. Recebem suas contas com atraso e ficam sujeitos aos humores do prefeito de turno. Certa vez, José Paschoal Costantini, também empresário da construção, no tempo daquela inflação absurda, me disse: “Fiz as contas e percebo que tomei prejuízo”. Isso foi muito comum no passado e muitas empresas quebraram trabalhando para as prefeituras. Cido é um sobrevivente. Enfrentou as dificuldades e venceu. Junto com a sua esposa Sônia criou os filhos em ambiente sadio. Eles são o orgulho da família e a sua razão maior de viver. Talvez, pudesse estar rico como outros empresários do ramo. Não é o caso. Tem muitos créditos, tanto com o Poder Público como com as pessoas.


188

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

JOSÉ PA SCHOA L COSTA N T I N I Alguns empresários locais têm meu irrestrito respeito, seja pelo comportamento ético em seus negócios ou pela consideração que me deram no exercício de diversos cargos públicos. Recebi a solidariedade de uma porção deles. Sou-lhes agradecido. José Paschoal Costantini é uma dessas pessoas extraordinárias, irradiando simpatia e bom humor nas rodas das quais faz parte. Nas ocasiões em que me procurou, sempre o fez de forma correta, nunca se valendo de uma amizade que já vai longe. Pancho, como é carinhosamente chamado pelos amigos, é um empresário que, apesar de seus inúmeros interesses econômicos, sempre colocou a cidade em primeiro lugar. Por isso, várias vezes, foi preterido. Na escolha do terreno para a instalação da futura estação rodoviária, havia o compromisso de uma das administrações anteriores em construí-la num de seus loteamentos. O terreno chegou a ser reservado para esse fim. O compromisso não foi cumprido. Nas poucas vezes em que pude testemunhar, na implantação de seus empreendimentos, sua contrapartida em terrenos e benfeitorias sempre esteve acima das exigências legais. Ocupou inúmeros cargos na vida da cidade, desde presidente da Acirp até à presidência do Prodei. Sua conduta sempre foi louvável. Normalmente, conversamos animadamente em nossas regulares saunas, feitas no Rio Preto Automóvel Clube. Ali muitos vão procurá-lo, pedir conselhos sobre negócios e se orientar em relação aos locais da cidade onde haverá mais progresso ou crescimento. José Paschoal Costantini sabe tudo e a todos informa com atenção e arrebatamento. É um entusiasta de São José do Rio Preto.

JOSÉ ROSSI Há certos comerciantes que mantém o costume de trabalhar pessoalmente com os clientes. José Rossi, da Ótica Especialista, é um desses comerciantes tradicionais. Tem clientela assegurada e faz atendimento personalizado. Ao chegar, você primeiro vai tomar um café com ele, fala sobre futebol (ele foi um dos craques de nosso futebol amador) e depois pede o serviço ou faz a compra. Não se fala em preço.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

189

Quando vou ao oftalmologista (doutor Dival Buffulim), mando a receita com as armações velhas. Basta trocar as lentes e, às vezes, por velhas demais, o amigo José Rossi faz também as trocas da armação, sem qualquer consulta a este cliente. Nem fico sabendo. Ele tem um velho caderninho de anotações. É comum ver pessoas perguntando: “Zé, já paguei aqueles óculos que você me fez no ano passado?”. Zé Rossi tem sua paixão particular, a música brasileira. Sabe todas as canções e, às sextas feiras, ele sai com os amigos para a boemia. Boemia sadia. Em geral, cantar em rodas de amigos. Gosta muito do América Futebol Clube e seu filho Luis Fernando segue os seus passos no futebol amador. José Rossi é casado com Diná Agrelli. Sua solidariedade e constante preocupação com os familiares são comoventes. Um dos seus melhores amigos vem a ser justamente o concunhado Luiz Carlos Rinaldi. Ambos formam boa dupla. Boa gente!

LUCI A NA M A RCEL A DA SI LVA BA RROSO No final da década de 70, quando me casei com Regina, ficou claro, em função de nossas atividades (trabalhar durante o dia e lecionar à noite), que precisaríamos de alguém para cuidar da casa. Minhas tarefas sindicais e políticas exigem absoluto respeito à lei, além de salário compatível com a função. Manter a coerência sempre foi das minhas maiores preocupações. Essas pessoas, trabalhadores domésticos, precisam não só do cumprimento à lei, mas também de um tratamento digno, superior, capaz de fazê-las importantes no seio da família em que servem. São imprescindíveis e devem ser respeitadas em seus direitos fundamentais. Em geral, a legislação brasileira nunca foi justa com as empregadas domésticas, um emprego predominantemente feminino e extremamente desgastante. Na área rural, as meninas começam a trabalhar cedo nas tarefas domésticas. A OIT vem combatendo o trabalho infantil, mas esbarra em usos e costumes nacionais e na pobreza endêmica de algumas regiões, como ocorre em partes do Brasil e em toda a América Latina. São comuns abusos e injustiças. No ano que vem (2010), a OIT tratará disso em sua conferência anual. Sabedora de tudo isso, Regina, a quem competiu administrar a casa, procurou ser justa. Tivemos boas secretárias domésticas. Consideramos


190

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

secretárias porque, além do serviço propriamente dito, em casa há necessidade do uso de equipamentos, agendas e telefones, todos com registros eletrônicos de mensagens e códigos. Consideramos importante a pessoa possuir habilidade para compras e pagamento de contas. Temos pouco tempo e delegamos. Hoje, os filhos estão criados e um deles já se casou, mas houve um tempo em que os meninos eram pequenos e havia a necessidade de pessoas credenciadas para lidar com crianças. Felizmente, nunca tivemos problemas e as poucas pessoas que se incumbiram dessas tarefas foram perfeitas. Tivemos sorte. Faz mais de 12 anos que Luciana está conosco e não é mais uma secretária. Consideramos pessoa da família. Religiosa (Testemunha de Jeová), tem comportamento e caráter exemplares. Se você deixar uma moeda no canto da mesa, a moeda permanecerá por meses até que alguém lhe dê um fim. Luciana viu crescer e formar os nossos filhos e compreende-lhes as necessidades, deixando-os, às vezes, mal acostumados. Principalmente em relação ao mais novo tem um procedimento maternal. Regina deposita-lhe total confiança e ela é realmente merecedora de todos os elogios. Nossa colaboradora é a pessoa certa para descobrir as vontades dos membros da família. Devemos, contudo, prever a sua saída. Como pessoa talentosa e preparada, está procurando outras atividades. Vejo-a como possuidora de um motorzinho que nunca desliga. É incapaz de ficar parada. Ela e seu marido, Luis Carlos Barroso, estão progredindo. Construíram casa própria e compraram o primeiro carro. Ambos têm um filho talentoso, Luis Gustavo, com especial habilidade para desenhar. Esse menino vai longe e será o orgulho dos pais. Minha esposa Regina é muito cuidadosa e solidária. Às vezes, com a nossa ajuda, mas na maior parte das ocasiões sozinha, no final de semana, não deixa serviço pendente. Sempre organiza a casa de forma que a segunda-feira seja leve para a nossa amiga Luciana. Você notou como é a segunda-feira para as secretárias domésticas? Por isso, às sextas-feiras, é justo que saiam mais cedo. Ter uma pessoa disponível e de confiança é essencial nesta atribulada vida moderna. Nosso cotidiano não está nada fácil e há muita insegurança. Damos graças a Deus por ter sempre junto a nós boas pessoas. Luciana é a guardiã de nosso lar e com ela nos sentimos seguros e protegidos.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

191

LUIZ C A R LOS RI NA L DI Há certas pessoas que valem a pena conhecer. Luiz Carlos Rinaldi é uma dessas pessoas. Contador, dos mais queridos da praça, começou cedo a lidar com assuntos burocráticos e de escritório. Normalmente, essas pessoas são colocadas crianças nos escritórios de contabilidade. Foi o meu caso e é o caso do Carlão, como era chamado em seus tempos de bom futebol. O primeiro contato foi com minha irmã Orasília, amiga de Elza Agrelli, então namorada do Carlos. Essas meninas foram colegas de juventude. Estudaram juntas. Todas foram alunas dos Colégios Victor Brito Bastos e Alberto Andaló. Carlos se casou com Elza, com quem tem um filho e duas filhas. Já é avô. Elza, ajuda muito a comunidade da Igreja Nossa Senhora do Monte Serrat, da Vila Maceno. Luiz Carlos Rinaldi revelou-se exímio consultor de negócios. Tem habilidades peculiares nesta área e normalmente ajuda as pessoas que querem adquirir ou vender imóveis. Isso o faz um homem de confiança de seus clientes. Ele é proprietário do Escritório Pedro Amaral, que recebeu esse nome porque o estabelecimento se localizava em rua do mesmo nome. Posteriormente, Carlos o mudou para a sede própria, na rua Jorge Tibiriçá. Manteve o nome porque é marca conhecida em São José do Rio Preto. Seu escritório abarca uma carteira de centenas de clientes, de todas as áreas, empresários e particulares. Eu mesmo, quando comecei a viajar muito, entreguei-lhe todas as tarefas relacionadas com o IR (Imposto de Renda), no qual é especialista. No mês de abril, mês das entregas das declarações, não adianta procurá-lo. Ele está absorvido no seu ofício. Gente de outros estados vem fazer a declaração com ele. Carlos granjeou esta visibilidade e esse nome ao longo de mais de 40 anos de serviços prestados à comunidade empresarial rio-pretense. O escritório se expandiu e conta com quase 30 colaboradores. Alguns deles, pós-graduados em escolas superiores da região. Vai além das tarefas normais e hoje presta assessoria em planejamento tributário e estratégico, reengenharia empresarial, reorganização contábil e administração por objetivos. Na área contábil, Carlos participa das organizações congraçadas (Assescrip, Sindicont, Sescon e Assosind). É diretor da Assescrip. Por esse


192

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

trabalho em favor da classe, foi homenageado pelo Sindicont, presidido por Manoel Liebana Torres, que, nessas ocasiões, faz vibrantes discursos. Todos nós, seus colegas, estávamos lá para aplaudi-lo. Com tudo isso, Carlos encontra tempo para atividades em benefício da cidade. Exerce o cargo de conselheiro vitalício do América Futebol Clube. Normalmente, acompanha os jogos do time mesmo fora de Rio Preto. Deve estar triste pela queda do América à segunda divisão. Faz de tudo para que o time possa voltar à elite do campeonato estadual. Conselheiro do Palestra Esporte Clube e do Clube Monte Líbano, ajuda ainda em muitas iniciativas de caráter filantrópico. É fácil vê-lo nas quermesses da Igreja de Vila Maceno, acompanhado de seus familiares, principalmente, pelo cunhado José Rossi, com quem tem excelente afinidade. Em suas atitudes pessoais, Luiz Carlos Rinaldi é um homem ético, valorizando a amizade sincera e o dever cívico. Com seus funcionários, clientes e amigos sempre teve como meta poder oferecer mais do que um atendimento profissional. Sua ação engloba um compromisso integral, abrangente e ilibado, dentro de rígidos conceitos morais. Uma pessoa realmente extraordinária. Pessoalmente, valorizo muito a amizade do Carlos e de sua família, incluindo os Rossi e os Agrelli. São amigos solidários. Começou com a minha irmã e se expandiu para toda a nossa família. Estamos sempre próximos, participando de casamentos, aniversários e, às vezes, também de coisas mais tristes. É a vida. Nestas pequenas memórias fiz questão de incluir o Carlos, não só por seu merecimento pessoal, por seu valor como profissional ou por seu engajamento comunitário, mas, sobretudo, pelo ser humano que é. Está sempre pronto a ajudar ou a oferecer uma palavra amiga. Homens como ele são raros.


PEQUENAS MEMĂ“RIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Fotos

Laerte e Regina no dia do casamento em 29/06/1979

193


194

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Laerte e Regina completam 25 anos de casamento

Laerte no WTC (Torres Gêmeas), em 1988


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Avó Olivia e seus netos

Laerte em homenagem a sua mãe na Câmara Municipal

195


196

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Laerte em homenagem a Norberto Buzzini

Laerte e Regina na inauguração da Escola Municipal Laerte Teixeira da Costa


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Grupo de sindicalistas informam a Lula a criação da UGT, em 2007

Laerte na formatura do Curso de Direito, em 1979

197


198

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Os irmãos Alex e Marcelo, filhos de Laerte, em 2006

O filho Marcelo, a nora Germana, a cunhada Sueli e a esposa Regina

Laerte e Lane Kirkland, presidente da AFL-CIO, em manifestação em Washington (USA)


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Laerte inaugura os painéis da Câmara Municipal

Laerte, Michel Candessus (FMI) e Willy Thys (CMT), em reunião do FMI

Laerte e Fuade Elias em homenagem a Ulisses Guimarães

199


200

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Laerte, Franco Montoro e Roberto Lavagna em seminário na Argentina

Laerte com o Reitor da Universidade de Pequim, na China


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

201

Campanha Pró Tancredo Neves, Antonio Brito, Maria da Conceição Tavares e Laerte

rito, Maria Da Conceição Tavares e Laerte Laerte e Regina com o ator Antonio Pompêo, promovendo o filme Quilombo


202

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Laerte e Pepe Pinzón em Jornada de Solidariedade na Guatemala

Laerte, Aluyzio M. Costa, Marcio Moreira Alves e Marcelo Gonçalves: lançamento da biografia de Teotônio Vilela


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

João Marilhano e o deputado Cunha Bueno, na Salada Paulista

Laerte no discurso de posse como líder do MDB, em 1977

203


204

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Aluyzio M. Costa, Laerte, FHC e Maria J. Aziz: campanha para o Senado, em 1978

Laerte, orador da turma de formandos do curso médio, em 1965


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

205

Gabriel C. Cury, Oscar Dória, Lotf J. Bassitt, Ary Attab, Alberto Olivieri Filho, Eribelto M. Reino, Norberto Buzzini, Octacilio A. Almeida, Laerte e Fuade M. Pachá

Laerte, presidente da Câmara; Dalla Pria, deputado; Antunes, prefeito; Quércia, governador: duplicação da Via Washington Luís


206

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Laerte e a irmã Orasilia

Laerte e João Martin Esteves


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Sebastião Teixeira da Costa vestido de toureiro

Sebastião Teixeira da Costa (Meio), Laerte (E) e Tio Nelson (D)

207

Avó paterna Gabriela e alguns filhos

Vitória nas eleições municipais de 1982


208

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Caio Urbinati, senador Severo Gomes e Laerte

Natal da criança pobre na Vila Anchieta

Duplicação da continuação da Av. Danilo Galeazzi, 1982


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

209

M A RI A NO COSSI Leão e Galo são comerciantes. O primeiro atua na área de rolamentos e o segundo, na de móveis usados. Como você vai ler nas páginas deste livro, eles são “amigos herdados”. Na verdade, primeiramente conheci o pai, Mariano Cossi, meu colega da Agência Ford por muitos anos. Eles moravam numa casa que havia atrás do prédio da empresa. Sou mais velho e não os conheci quando crianças. Só vim a saber que eram filhos do Mariano muito mais tarde. Para quem não conhece, Leão é Claudenir Cossi e Galo é Claudecir Cossi. Há mais um irmão, o Cláudio Cossi, cujo apelido, desde os tempos de bom goleiro, é Gonha, diminutivo de cegonha. Pode? Os irmãos Cossi têm uma grande paixão, o Palmeiras, time de futebol paulistano, fundado por descendentes de italianos. Essa paixão também foi transmitida pelo pai, Mariano Cossi. Leão é sócio do Palmeiras e normalmente vai ao Parque Antártica assistir aos principais jogos. Já comprei ingressos para ele em São Paulo. No artigo sobre a Agência Ford, escrevo mais sobre o grande companheiro que foi Mariano Cossi, amigo de todos os funcionários e querido por clientes e fornecedores. Trabalhador exemplar, pai extremoso e esposo abnegado, Mariano foi uma inspiração para os filhos, razão do título deste artigo. É uma homenagem que faço.

M A RTA A PA R ECI DA RI BEIRO Quando deixei o PMDB em função dos atritos entre suas lideranças, Rachel (ver artigo sobre Rachel Luiza Barbour Scott) permaneceu no partido e, politicamente, não me acompanhou. Evidenciou-se certa incompatibilidade. Ela se retirou imediatamente, como fazem as pessoas que têm grandeza. Antes de sair, Rachel contratou Marta Aparecida Ribeiro. Conhecendo os meus hábitos e os meus defeitos, sua última tarefa foi executada com precisão cirúrgica. A então nova contratada está comigo até hoje, revelando-se tão eficiente quanto a quem substituiu. Rapidamente Marta aprendeu tudo, principalmente a lidar com as minhas ausências, que aumentaram muito nos últimos anos. Essas ausências exigem atenção aos compromissos e cuidados com a complicada agenda. De-


210

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

mandam decisões urgentes, por vezes sem a possibilidade de consultas prévias. Calma e talento são necessários. Inicialmente Marta mostrou-se uma pessoa fechada, arredia em certos momentos. Mas, estranhamente, como o vinho, ela melhora ano a ano. Essa característica não é defeito, é simples traço de personalidade. Desconfio que ela tornou-se uma pessoa mais alegre em função da maternidade. Sua filha Ana Beatriz transformou-a. A vida passou a ter sentido. Os retalhos de tempo passaram a ser ocupados pela criança, que se revela mais encantadora a cada dia. Marta acompanha a evolução e o crescimento dela, fortalecendo-se igualmente. Há certas coisas que modificam a vida de uma pessoa, mas nenhuma muda tanto a vida de uma mulher como a chegada de um filho. Há verdadeira metamorfose. Marta irradia felicidade em companhia de sua filha Ana Beatriz, que ela sabe ser um presente dos céus. Para quem, como eu, viaja muito, dorme num país e acorda em outro, confiança é a principal virtude de uma secretária. Com Marta, tenho total tranqüilidade. Não movimento muito dinheiro. Continuo um homem pobre. Contudo, é necessário pagar as contas em dia. Marta é excelente nisso. Tenho muitos cargos. Nunca me dediquei exclusivamente a uma coisa só. Meus arquivos exigem trabalho, dedicação e ordem. Muita ordem. Não sei como Marta faz para manter tudo certinho, desde os documentos pessoais até a farta correspondência das entidades, algumas nacionais e outras estrangeiras, com documentos em várias línguas. De quebra, recorta jornais, acompanha as notícias a meu respeito ou que envolvem o meu nome. Há muito trabalho. Tenho uma enormidade de pastas com recortes. Meu desejo é organizar melhor esses papéis. Selecionar as publicações mais importantes. Mas, o tempo passa e a gente acaba sempre deixando para depois. Marta, precavida, guarda tudo. Enfim, há muita coisa a falar sobre Marta e suas virtudes, cujos serviços ainda não terminaram. Espero continuar contando com ela enquanto for possível. Por enquanto, ela recebe este modesto reconhecimento, sabendo ser de todos lá em casa: Laerte, Regina, Marcelo e Alex.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

211

MI LTON H AGE Milton Hage já foi citado em um dos artigos destas pequenas memórias. Conheço-o há muito tempo. Entrou menino no Grupo Verdi e se transformou num dos mais dinâmicos administradores de empresas. Em todas as votações do Legislativo, onde havia interesse do Grupo, sempre votei favoravelmente em respeito às explicações do Milton. Certa vez, tendo um sobrinho extremamente preparado, que terminara o curso regular em tecnologia de processamento de dados, pedi ao Milton para verificar se havia vaga no Grupo. Milton, de forma polida, mas firme, informou que ele poderia fazer um teste geral, junto com outros candidatos. Meu sobrinho trabalhou anos lá e, depois, continuou trabalhando para a empresa prestando serviços terceirizados. Milton nunca falou sobre o assunto. Educadíssimo, atencioso e vencedor, Milton Hage é desses trabalhadores compulsivos. Sofreu com a grave enfermidade de parente próximo, mas, felizmente, ultrapassou o problema e continua o mesmo homem. Numa ocasião, ligeiramente preocupado pela situação de alguns jovens rio-pretenses, na casa de Eribelto Manoel Reino, articulou a solução do caso dos meninos e, como presidente da Câmara, pude ajudar. Estava solidário com outras pessoas, como de hábito. Conversamos em aviões, onde nos encontramos com freqüência. Ele está constantemente acompanhado de sua jovem companheira, atendendo aos imperativos de suas tarefas nas empresas do Grupo Verdi. A atualidade de seus conhecimentos, o seu interesse pela vida da cidade e a sua constante preocupação com o próximo, dão-me a certeza de que Milton Hage é daqueles homens absolutamente imprescindíveis.

MOACIR RODRIGU ES M A RQU ES Moacir Rodrigues Marques é daquelas pessoas onipresentes. Lutador incansável, estudioso, desenvolveu um sentido de pertença, de ser parte do todo social e político. Algo raríssimo entre nós. Sua presença é importante porque não se resume ao ato de simplesmente comparecer. Tem o senso da participação engajada, interessada.


212

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Quero dizer que Moacir não se contenta em ser católico. Necessita ser praticante e envolver-se com as coisas da sua Igreja. Não lhe basta ser contabilista. Ele se mistura aos pressupostos da categoria. Faz parte de suas instituições e colabora para o seu desenvolvimento. Não é um mero dono de escritório. É um gerente de sensibilidades, distribuindo favores e fazendo-se imprescindível no seu espaço. Moacir extrapola e preenche os vazios de seu derredor. Gosta de reuniões e tudo resolve junto com os colaboradores, de modo democrático e participativo. Essa sua forma de ser trouxe inegáveis benefícios às instituições, das quais, em certos momentos de sua vida, participou ou participa. Entre essas instituições está o Sindicont, o Sescon, a Assescrip, o Centro Social da Vila Maceno e a Amovima (Associação de Moradores da Vila Maceno). Nascido na roça (Fazenda da Nata, Severínia), casado, cinco filhos (Ivanise, Gisela, Paulo, Marcus e Moacir Jr.), nove netos, Moacir é o patriarca de uma família feliz. Quando se mudou para Rio Preto, inicialmente, trabalhou em serviços duros como servente de pedreiro, entregador e carregador. Vida difícil, típica dos jovens pobres da época. Como veio tarde da roça, seus estudos também se fizeram com maior idade e enormes dificuldades. Contudo, com esforço, formou-se técnico em contabilidade e advogado, profissões que exerce com grande dedicação. Seu escritório de contabilidade é dos mais modernos da cidade e sua banca de advogado está cheia de clientes que não podem pagar. Tem a filantropia em suas veias. Conheci o Moacir ainda na Vila Anchieta e me lembro do dia de seu casamento. Alguns anos depois, já trabalhando como contador da Agência Ford, fui nomeado liquidante da Cooperativa de Consumo dos Bancários, onde ele havia trabalhado como gerente. Ele ajudou muito em minha difícil tarefa: conciliar os interesses de velhos amigos diretores (entre eles, Eribelto Manoel Reino e Paulo Fernandes Lucania) e os credores da Cooperativa, principalmente o Banco Nacional de Crédito Cooperativo, já extinto. Felizmente, tudo terminou bem. Moacir foi responsável pela transformação da Associação dos Contabilistas em Sindicato dos Contabilistas. Colaborou com a fundação da Assescrip. Participa de inúmeras entidades sociais e associações de moradores. Encontra tempo para tudo, inclusive para ser o representante dos aposentados no Conselho Regional do INSS.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

213

Antes de concluir o seu mandato, o prefeito Edinho Araújo deu o nome de Moacir Rodrigues Marques à praça construída próxima ao Sindicato dos Contabilistas, o que agradou bastante os membros da categoria de Rio Preto e região. Creio que o Sindicont, a Assescrip e a Jucesp deveriam se responsabilizar pela conservação daquele espaço público. O companheiro e colega Moacir é daquelas pessoas insubstituíveis. Feliz da sociedade que possui pessoas com esse sentido de engajamento e cooperação desinteressada. A sociedade de Rio Preto tem em Moacir um dos seus maiores valores.

NA DIM CURY Quando ocupei a presidência do Sindinorte, estabeleci melhor contato e maior aproximação com os empresários, proprietários das indústrias de confecções, de calçados e material de segurança. Nadim Cury é um desses proprietários, com o qual fiz amizade. Ele e seu irmão Ricardo comandam a indústria de confecções Big-Tam. Ricardo foi meu aluno nas Escolas Dom Pedro II. Nadim, além de industrial, é ainda presidente do Clube Monte Líbano e administrador da Santa Casa de Misericórdia de São José do Rio Preto, entidade que, quando assumiu, estava insolvente e com sérios problemas. Normalmente, as Santas Casas têm enormes dificuldades. Nadim equilibrou o seu funcionamento. É um administrador capaz. Talvez, São José do Rio Preto merecesse como prefeito uma pessoa da têmpera de Nadim Cury: empresário, filantropo, presidente de entidade, raro empreendedor e, especialmente, honesto. Poucos possuem esse perfil. Não sei se algum partido local já o convidou para entrar na política. Minha experiência diz que está na hora de convidá-lo.

OSM A R M A RQU ES DOS SA N TOS Há certas pessoas que entram em sua vida e mudam o seu destino. Osmar Marques dos Santos, aquele jovem que se apresentou para os serviços externos da Agência Ford, talvez tenha sido uma dessas pessoas. Ágil, lépido,


214

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

fazendo com rapidez os serviços de rua, logo caiu no gosto do superintendente, João Sestini. Algum tempo depois, Osmar Santos, nós os chamávamos pelo nome do famoso locutor esportivo, acidentado num desastre perto de Lins, tomava conta do pedaço. Osmar trabalhava comigo – primeiro, serviços externos – mas logo, em função de sua dedicação, foi trazido para dentro do escritório. Não parou ali. Revelou-se um grande vendedor de carros. Fui para Curitiba e perdi contato com Osmar. Quando visitava a Agência Ford, notava que ele havia subido na escala hierárquica, cada vez mais próximo de João Sestini. Causava inveja em outros funcionários, mas fazia por merecer. Começou a ganhar dinheiro e a ser uma pessoa respeitada na cidade. Voltei para São José do Rio Preto. Ao voltar, mantive laços com o antigo empregador de Curitiba, vendendo os seus produtos no norte do Paraná. Uma grande geada impediu-me de continuar trabalhando com os produtos agrícolas. Arrumei emprego na Fresa, mantenedora da Faculdade Regional de Medicina e do Hospital de Base. Recomecei a trabalhar como contador. Estreitei a minha amizade com o Osmar e começamos a sair juntos pela noite rio-pretense. Eu, separado, e ele, solteiríssimo, em plena flor da idade. Fizemos uma boa dupla. Osmar era filiado do MDB, o antigo Manda Brasa, partido que começou a dar trabalho para a ditadura a partir de 1974. Convidaram o Osmar para sair candidato a vereador. O MDB laçava candidatos na rua e poucos queriam enfrentar o desafio. Uns, com medo dos militares. Outros, acreditando que somente a Arena faria vereadores. Osmar me indicou. Foi fácil porque conhecia o professor Octacílio Alves de Almeida, desde quando diretor do Senac. Examinei minhas possibilidades. As possibilidades eram quase nulas. Eribelto Manoel Reino e José Mário Soares de Carvalho eram candidatos e fariam campanha cerrada junto aos alunos e ex-alunos da Escola Senac. Na Fresa, onde trabalhava, havia outro vereador (Vergílio Dalla Pria Netto) e ele, claro, seria candidato à reeleição. Os contabilistas tinham como candidato Mário Andaló, irmão do saudoso prefeito Alberto Andaló. Nas Escolas Dom Pedro II, o presidente do Diretório Acadêmico também era candidato. Que poderia fazer eu naquelas eleições? A esperança venceu o realismo e saí candidato. Fui o último dos eleitos, o 17° entre 17, conforme já escrevi várias vezes. Eribelto, José Mário


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

215

e Vergílio foram igualmente eleitos. Não deu a lógica. O que fizemos todos para acontecer isso ainda está por ser descoberto. A verdade é que, contrariando todos os prognósticos, fui eleito e me meti na política. Osmar pode ser responsabilizado por isso. Osmar se dedicou a outros negócios. Saiu da Agência Ford e entrou no ramo imobiliário. Saiu do ramo imobiliário e aventurou-se na área de produtos agrícolas. Foi comerciante e vendeu de tudo um pouco. Aonde ia, vencia. Duas coisas foram fundamentais: talento e trabalho. Osmar sempre foi muito perseverante e nunca teve medo de enfrentar serviços. Só poderia ter se saído bem. Na última vez que vi Osmar, ele estava entregando os seus produtos no Mercado Municipal e me deu uma amostra de um tipo de molho de pimenta, desenvolvido por ele mesmo. Encontra sempre uma forma de produzir e vender, sendo dono de rara capacidade. Registro o seu nome nestas pequenas memórias para que ele saiba que teve parcela de influência no meu destino. Não sei se correspondi às suas expectativas. Ele, com certeza, correspondeu às minhas.

OSVA L DO GR ACI A N I liveiro Roma já faleceu. Homem educadíssimo, filantropo e uma O das mais extraordinárias pessoas que conheci. Com ele, começou a trabalhar, desde muito cedo, um menino, cujo apelido, ainda hoje lembrado por muitos, é Nenê. Falo de Osvaldo Graciani, empresário, dos mais dedicados presidente que a Acirp já teve. Graciani não só se tornou sócio da empresa como, de resto, foi o melhor aluno e amigo do saudoso Oliveiro Roma. Quando eleito vereador, quis conhecer o sistema rio-pretense de concessão dos serviços funerários. Ouvia falar muita coisa. Nem sempre favorável. Depois de 30 anos de observação, posso garantir que o sistema local é o melhor que existe, embora possa ficar ligeiramente mais caro do que em outras cidades. São José do Rio Preto não tem problema para enterrar os seus indigentes. Este serviço é feito pelas funerárias, naturalmente onerando os custos dos enterros normais. Contudo, a tranqüilidade existente pela realização desses serviços, de sobra, compensa os custos. Nunca lemos reportagens


216

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

sobre mortos guardados em geladeiras, aguardando enterro. Triste, mas verdadeiro. Há muitas funerárias em mãos dos municípios, caso, por exemplo, de São Paulo. São instituições caras, cabides de empregos e as populações terminam por pagar mais, só que indiretamente e sem notar. Quando se abre a concorrência e se permite a livre instalação de empresas, vira uma grande bagunça. Tive oportunidade, em episódio que não gosto de lembrar, de constatar essa situação, quando, junto com Caio Cezar Urbinati, fui buscar o corpo de Alfredo de Oliveira (e também da filha Maria Lúcia e seu namorado), irmão do então prefeito Toninho Figueiredo. Se não houvesse interferência do prefeito de Cubatão, não conseguiríamos liberar o corpo a tempo de embarcá-lo em avião, que esperava na base aérea de Vicente de Carvalho. Ocorrência lamentável verificar a disputa das funerárias, agindo como se o defunto fosse mera mercadoria. Penso que até que não deveria me referir a esses assuntos num texto que pretende ser uma homenagem ao empresário Osvaldo Graciani. Nenê é extremamente querido por seus amigos e companheiros. Ajuda muito a todos. É também um incentivador do esporte local. Nossa aproximação ocorreu depois que deixei a Câmara Municipal, quando ele ocupou a presidência da Acirp e por sua proximidade com o Sindicato dos Contabilistas. Ele, além de grande amigo, é também contabilista.

PAU LO A N TÔN IO V ICEN T IM Ao falar do serviço funerário, desculpem, mas me lembrei também do serviço de transporte coletivo. Ambos são concessões. Aqui temos uma boa empresa, ônibus limpos e, a meu ver, melhor serviço quando comparado ao de outras cidades. E olha que não viajei pouco. Há mais de meio século, as famílias Pavão e Vicentim são as proprietárias da Circular Santa Luzia Ltda. Conheci melhor o senhor Paulo no início da administração Manoel Antunes. Manoel, duro na queda, dificilmente concedia aumentos na tarifa, mesmo com custos comprovados e quando os aumentos eram reconhecidamente necessários.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

217

Época de inflação galopante, preços desordenados, cada fator de custo tinha determinado percentual de elevação. Não havia como não dar aumento. Manoel, porém, era implacável. Às vezes, fazia o empresário Paulo Vicentim ficar esperando, horas e horas no Gabinete. Igualmente obstinado, o senhor Paulo, com planilhas debaixo do braço, sentava-se no sofá e esperava. Uma vez, ele ficou das oito horas da manhã às oito horas da noite, só indo embora depois que o prefeito abandonou o prédio pelos fundos, sem atendê-lo. Observei os fatos e fiquei espantado. Acho que ninguém é obrigado a aumentar a tarifa de nada (e, às vezes, é preciso ser duro mesmo), mas isso não implica em deselegância, falta de respeito ou má educação. A empresa sempre foi sólida e suportou os primeiros seis anos de Manoel Antunes. Em seu segundo mandato, vivido e experiente, contando, nesse caso, com a ajuda de Roberto Lofrano e Orlando Bolçone, Manoel foi mais justo. A Circular Santa Luzia, por sua longevidade e bons serviços prestados, é quase patrimônio da cidade e, como tal, deve ser considerada. Contudo, as tarifas devem ser as mais baixas possíveis, especialmente porque quem anda de ônibus é o trabalhador pobre. Nos tempos de vereador, pouco me meti nessas discussões, assunto do Executivo, mas sempre fui muito exigente em termos de planilhas de custos. Elas devem ser sérias e críveis. Minha posição é a defesa da existência de um Conselho Municipal, com a presença de usuários, técnicos municipais e empresários. O Conselho deve ser a primeira instituição a ser ouvida nos casos de reajuste das tarifas e opinar com base nas planilhas de custos. Hoje, com moeda estável, é mais fácil. A empresa precisa ter tranqüilidade para trabalhar e a Prefeitura deve estar atenta ao equilíbrio e à necessária justiça dos valores cobrados. O filho do senhor Paulo, também Paulo, foi meu aluno nas Faculdades Dom Pedro II e, desde os bancos escolares, conversamos regularmente. Somos amigos. Esses serviços públicos sob regime de concessão são um tormento. A cada novo prefeito, novos hábitos, nova política tarifária e novo relacionamento institucional. Os vereadores, por seu lado, perturbam a empresa com os seus pedidos pessoais (noves fora a atuação parlamentar), mas a organização tem conseguido atender a todos. Isso, claro, aumenta o custo operacional.


218

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Quero apenas registrar o outro lado da questão. Normalmente, só enxergamos os defeitos e as mazelas do serviço público e ignoramos as dificuldades dos concessionários. Como me considero amigo do Paulo Antônio Vicentim, resolvi, por questão de amizade, lhe dar essa colher de chá. Mas, ele já é grandinho e sabe se virar sozinho.

PAU LO N IM ER em me lembro direito de como e quando conheci o advogado Paulo N Nimer. Lembro-me de haver votado nele quando companheiro de chapa de Lotf João Bassitt, em 1972, eleição perdida para Wilson Romano Calil. Poucas vezes o doutor Paulo se aventurou em política, mas, sempre convidado, permitiu-se ser o vice de seu amigo Lotf. Sua maior militância ocorreu nas eleições para a OAB local, estadual e nacional. Com sua capacidade de relacionamento e prestígio pessoal, foi o responsável pela vitória de vários companheiros. Todos os candidatos procuravam seu apoio. Ali, naquele campo, se ele arregaçar as mangas, sai de baixo. Eu mesmo, sempre votei na OAB, seguindo sua orientação. Vejo-o constantemente de braço dado com sua esposa, dona Urânia, andando pelo centro da cidade ou fazendo compras no Mercadão. Jamais ouvi de sua boca qualquer impropério. Sempre tem uma palavra amiga, de incentivo. Cavalheiro à antiga, educação esmerada, polido, cortês, Paulo Nimer é um homem exemplar, daqueles que não existem mais. Várias vezes, precisei dele, seja para um conselho relativo a minha atuação política, seja num problema jurídico-eleitoral ou, ainda, para ser meu advogado de defesa. Em todas essas hipóteses, nunca falou em preço. Nunca se permitiu cobrar honorários. Paulo Nimer é um criminalista famoso. Defendeu muitas pessoas. Enfrentou muitos júris populares e tem uma folha imensa de serviços prestados como advogado. Há casos famosos, como o do José Siriani, ex-prefeito de Tanabi, tão bem retratado no livro de José Luis Rey, “Páginas Ímpares”. São centenas de grandes embates. Ele está nos devendo um livro sobre a sua brilhante carreira. Minha intenção ao incluí-lo nestas pequenas memórias é saudar a velha e boa advocacia, aquela dos grandes oradores, do acadêmico que se


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

219

embrenhou pelo sertão, abrindo o seu escritoriozinho na cidade pequena e depois evoluindo para a cidade grande, onde se torna o principal nome de sua profissão. Este com certeza é o caso do doutor Paulo. Nas eleições de 1972, Paulo Nimer foi o único a permanecer na contagem de votos, até o final da apuração. Nessas ocasiões, são comuns a ofensa gratuita e despropositada e as gozações. A estatura moral de Paulo Nimer, aliada à postura robusta de um homem de bem, fizeram-no imune às provocações. O advogado Roney Gorayeb foi testemunha do fato. Formado pela Faculdade do Rio de Janeiro, o advogado Paulo Nimer logo veio para a região. Aqui, em São José do Rio Preto, faz parte da história da 22ª Subsecção da Ordem dos Advogados do Brasil, da qual foi presidente. Também teve cargo no governo Paulo Maluf (1978/1982), ocupando o Conselho Fiscal da CPFL, empresa onde Regina trabalhava. Teve rápida experiência como professor, mas os seus afazeres por todo o Brasil o impediam de cumprir agenda fixa. Na vida comunitária, participou de muitas atividades, incluindo cargos em clubes e associações. Entre suas virtudes, está a notável e permanente disposição para assistência aos jovens advogados. Não são poucos os que o procuram para aconselhamento e instrução técnica. Mesmo na rua, caminhando com sua esposa, nunca se recusa. É mestre em tempo integral. O doutor Paulo Nimer é o advogado que escolho para me defender. Não só porque é competente, mas porque, comigo, ele se mantém sempre solidário e disponível. Mostra-se aliado daqueles que ele vê como injustiçados ou perseguidos. Um grande homem.

R ACH EL LUIZ A BA R BOUR SCOT T Conheci Rachel Luiza Barbour Scott no início da década de 80, quando ela foi aprovada em concurso público para advogados, orientadores trabalhistas, da Sert. As informações sobre ela foram impecáveis. Antes, conhecia somente o seu marido e seu cunhado. Não havia vagas em São José do Rio Preto e ela optou pelo Posto de Atendimento do Trabalho de Santa Fé do Sul. Como diretor-técnico regional da Sert na 8ª Região Administrativa, nomeado por Franco Montoro, consegui ajudá-la. Seus interesses permaneciam na cidade.


220

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

achel fez enormes sacrifícios, indo duas vezes por semana para Santa R Fé do Sul e trabalhado os demais dias na direção regional da Sert, onde eu tinha competência e atribuição para requerer os seus serviços. Entendemo-nos muito bem. Ela sabia exatamente o seu papel. Naquele tempo, a Sert vivia um surto de moralidade, reação natural aos tempos dos governos nomeados pela ditadura militar, que estava em seus estertores. Portanto, não me era fácil resolver o problema da Rachel e de tantos outros na mesma situação. Tínhamos sobre nós os olhos da imprensa e da oposição, especialmente porque ficamos décadas a fio criticando o governo. Agora, éramos situação e, conseqüentemente, vidraça. Fui especialmente tolerante em alguns casos e rigoroso em outros, cujos abusos eram evidentes. Alguns funcionários chegaram a pedir demissão da Sert. Lembro-me da situação de Dured Fauaz, voltando e apresentando-se como médico da Sert, depois de haver sido secretário de Estado, o cargo mais importante da hierarquia funcional. Dured sempre cumpriu as suas obrigações e eu o respeitei como secretário. Nos demos bem. Com o tempo conseguimos resolver a situação da Rachel e ela foi designada definitivamente para Rio Preto, onde passou a trabalhar regularmente. Muitos orientadores trabalhistas, as instalações da Sert não comportavam todo mundo ao mesmo tempo. Implantamos um sistema de revezamento e plantões que deu certo. Rachel gostou muito das tarefas de orientadora e da vida sindical. Possui especial habilidade para organizar eventos, além de ser pessoa extremamente cuidadosa. Educada, competente, sempre foi muito querida por todos, sejam pessoas da área política ou sindical. Por vários anos, trabalhamos juntos e ela é admirada em casa por minha mulher e por meus filhos. Participou ativamente de nossas vidas. Um ligeiro distanciamento ocorreu quando cumpri a minha palavra. Explico: os interesses político-partidários de Manoel Antunes, Toninho Figueiredo e Edinho Araújo tomaram rumos diferentes e eles não se entendiam. Fiz um grande esforço para mantê-los unidos, pois sabia que a divisão seria desastrosa para o PMDB local, do qual era o presidente. Minha promessa resumiu-se em dizer que, se eles não permanecessem juntos, não acompanharia nenhum dos três. Sou um homem de palavra. Manoel foi para o PFL, Edinho Araújo para o PPS e Toninho Figueiredo ficou sozinho no PMDB. Procurado por Valdomiro Lopes, organizei o PSC e o apoiei para prefeito. Valdomiro perdeu as


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

221

eleições de 2000, passou a ser deputado estadual e oito anos depois venceu as eleições municipais. É o atual prefeito. Até hoje, Rachel continua no PMDB. Estou também no PSC, embora envergonhado pelo papel do partido nas eleições de 2008. A honra do nanico PSC foi salva por Renato Pupo Nogueira, que, mesmo não sendo eleito, ultrapassou os três mil votos. Outro que orgulha o PSC é o deputado Regis de Oliveira, presidente estadual. Preparo-me para deixar a vida partidária. A postura digna e a honestidade de Rachel sempre foram louvadas por todos. Ela continua sendo útil ao PMDB, que, sem ela, estaria manietado. Sou grato por sua extrema dedicação e quero neste momento, escrevendo sobre uma mesa de hotel em Tegucigalpa, capital de Honduras, dizer-lhe publicamente que eu e minha família somos muito felizes por tê-la como amiga. Por último, registro que provavelmente Rachel sofreu injustiças por ter se dedicado à causa sindicalista e política. Não são atividades fáceis e muitas vezes os compromissos nos afastam dos familiares, que sentem o peso de nossa ausência. Com Rachel, certamente, ocorreram fatos semelhantes, mas ela soube estar à altura dos desafios. Como mulher, Rachel soube oferecer uma amorosa assistência ao seu marido e criou filhos maravilhosos e vencedores. Esse talvez seja o maior dos seus troféus. Em meio às tormentas da vida política e sindical, conseguiu levar a nau de sua família a um porto seguro.

SÉRGIO “ MOSQUI TO” SA NCH EZ O Sérgio é um grande homem. Sua estatura não é das maiores, mas, como amigo, é insuperável. Coloco-o aqui como representante da turma do aperitivo de sábado, grupo que tem algumas afinidades. São pessoas que se reúnem por amizade, seja das esposas, dos rachas de futebol, de profissão ou de negócios. Sempre encontram motivos para a mesa de bar, normalmente, no Rio Preto Automóvel Clube. Nosso chefe e líder é o Leão (Claudenir Cossi), mas o grupo tem outros companheiros: Nori, PC, Lui, Moisés, Bêtega, Zelão e Zé, os mais habituais. Há outros que aparecem de vez em quando. Nori é o meu irmão Norival Teixeira da Costa. PC é Paulo César Lacerda. Lui é o consagrado jornalista Waldner Lui. Moisés tem sobrenome de desembargador (Ricardo Camargo).


222

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Bêtega, um dos últimos solteiros de nome impronunciável de Rio Preto (talvez por isso não se casou), é Roberto Varujan Jalikji. Zelão é o engenheiro José Eduardo Megid e Zé é José Carlos Figueira. Essa turma é bastante freqüente em rodas de boteco ou nos rachinhas de futebol. Como estão todos ficando velhos, os assuntos estão mudando: de futebol para mulheres, de mulheres para carros, de carros para comidas, de comidas para remédios. Alguns, como eu, começam a falar em vinhos, como se fôssemos velhos entendedores. Somos apenas exibidos bebedores. Serginho, o Mosquito, é goleiro e para paramentar-se como tal leva, no mínimo, uma boa hora. Jogou bem futebol de salão, época em que o conheci. Depois se meteu na política interna do Palestra Esporte Clube e ocupou o cargo de presidente do Conselho Deliberativo. Como política, seja em clubes ou em partidos, nunca dá lucro ou alegria, Mosquito deixou de freqüentar o Racha da Brahma. Faz falta. Pedi seu currículo e ele me mandou três folhas: fiquei sabendo que é conselheiro vitalício do América Futebol Clube e teve um monte de cargos em diversas entidades. Útil à comunidade. Como o objetivo era falar de todos, abandonei o currículo para escrever estas linhas. Só não posso me esquecer da Cristina, sua companheira. Ela proporcionou vida nova para o Mosquito, que anda felicíssimo.

U L ISSES JA MI L CURY F I L HO Quando estou em Rio Preto, às terças-feiras à noite, compareço regularmente à chácara de propriedade de Ulisses Jamil Cury Filho. Como seu falecido pai, Ulisses Jamil Cury, Ulissinho, como é conhecido, também é torcedor fanático do Rio Preto Esporte Clube. Ali na sua chácara, que fica em um loteamento de Mirassol, há companheiros únicos, todos circulando em torno de um racha de futebol. Os rachinhas de futebol mini-campo constituíram-se num hábito cultural dos brasileiros. Alguém precisará olhar esse fenômeno com mais atenção, pois, de norte a sul deste país, essa é uma prática de todos os dias. Aqui, em Rio Preto, se fôssemos contar os campinhos existentes nas chácaras de recreio, creio que chegaríamos a algumas centenas. O campo do Ulissinho é um deles e toda terça-feira tem churrasco, exceto quando o Carlos Tebar faz seu peixe e os árabes fazem comida típica.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

223

Ulissinho é bom de bola e a manutenção daquele espaço é puro diletantismo. No plano particular, Ulisses é empresário bem sucedido e ativo produtor rural. Dono do Rei dos Parafusos e de outras empresas. Incansável, trabalhador, companheiro e amigo. Passei a admirá-lo. Casado com Miriam, tem dois filhos, Ulisses Neto e Carolina. Eu o conheci melhor quando trabalhei no Semae. Ele cooperava desinteressadamente na realização anual da Exposição Agropecuária. O Semae sempre ajuda no necessário abastecimento de água da Exposição, local que, às vezes, chega a ter mais de 10 mil pessoas ao mesmo tempo. Ulissinho sempre estava atento a esses detalhes. Meu irmão Norival também joga lá e, quando treinava no Rio Preto, conheceu bem o pai do Ulissinho. Em casa, Norival foi o único que praticou bem o futebol, ainda surpreendendo com os seus bons chutes de esquerda. Intragável no interior das quatro linhas. Só o Ulissinho para suportá-lo. Na verdade, todos nós gostamos de comparecer ao rachinha de terça-feira, um dos espaços mais democráticos da cidade. Ali, tem um monte de bons amigos: juízes, promotores, comerciantes, corretores, médicos, servidores públicos e trabalhadores comuns. Melhor ainda que seja de propriedade de Ulissinho, que faz questão da organização primorosa dos rachas. Bagunçou, vai prá fora!

VA L DIR TON ET T I Conheci o Valdir Tonetti na Escola Senac, local onde fiz a maioria dos meus amigos. Valdir, bom aluno, tinha o estopim curto. Era esquentado e quando ficava nervoso se avermelhava todo. Certa vez, alguns colegas começaram a chamá-lo por um apelido característico. Não durou muito. Valdir partia para a ignorância. Valente, ninguém o enfrentava. Como eu morava na Vila Anchieta e ele na Vila Ipiranga, era comum virmos caminhando junto da escola e, às vezes, também do cinema, aos sábados. Devo-lhe algumas sodinhas. Ocasionalmente, íamos pescar no córrego da Fazenda Velha, conhecido como Felicidade. Naquele tempo, fazenda de gado. Hoje, a cidade ultrapassou os seus limites. Valdir trabalhava em escritório e foi excelente aluno. Formou-se no curso técnico de contabilidade e exerceu a profissão de contador, creio


224

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

que até hoje. Faz muito tempo que não falo com ele. Quando pedi demissão da Agência Ford, porque aceitei um convite para trabalhar em Curitiba, indiquei-o para o superintendente João Sestini. Ele trabalhou lá por vários anos. Antes, Valdir fora requisitado pelo professor de contabilidade do Senac, Antônio Braz Vernucci, para trabalhar numa das empresas de sua família, uma vidraçaria na rua General Glicério. O professor Braz convidou-o por ser um dos melhores alunos da classe e trabalhador como poucos. Na vidraçaria conheceu Glória, com quem veio a se casar, tendo uma filha maravilhosa, a qual recebeu o nome de Sílvia. Quando Silvinha estava para se casar, Valdir me procurou para conseguir um terreno popular, onde construiria a casa do futuro casal. Tive o prazer de lhe ser útil. Certamente, Valdir já é avô. Deve estar trabalhando muito, como antes, comportando-se com a tradicional seriedade. Valdir não descansa. Não sai do sério. Nunca vi um cara tão compenetrado, responsável e atento. Valdir foi criado por sua mãe, uma vigorosa italiana que trabalhava duro. Em boa parte da vida sem pai, foi o esteio da família. Freqüentei a sua casa, mais do que a de outros amigos, filando bons almoços. Creio que foi o Valdir quem me convidou para a Congregação Mariana dos Estudantes da Igreja de Vila Maceno, que freqüentamos juntos. Escola, igreja e cinema eram os ambientes dos jovens mais pobres. Na época, eu ganhava um salário maior do que a maioria dos colegas, mas tinha necessidades também maiores, uma casa com mais cinco pessoas (quatro irmãos menores e minha mãe viúva). Saia sempre sem dinheiro porque, como já afirmei em outra parte destas pequenas memórias, entregava o envelope do salário em casa, sem nele tocar. Valdir conhecia essa situação e se solidarizava comigo. Daí, a dívida das sodinhas. A esses amigos todos daquela época devo muitos favores, desde o refrigerante à grana emprestada (e paga). Valdir Tonetti foi colega de classe durante muitos anos, trabalhou na Agência Ford e exerceu a profissão de contador. Pensando bem, temos muitas afinidades, mas o que sobrou foi uma enorme e inquebrantável amizade, à qual dou muito valor.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

225

WA L DEM A R V ER DI J Ú N IOR Junto com Waldemar Verdi Júnior (Deco), fiz parte da primeira equipe do CDES (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social), órgão de assessoria do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Poucas cidades do Brasil, exceto as capitais mais importantes, tinham dois membros no CDES. São José do Rio Preto era uma delas. Nos debates e discussões do CDES pude melhor conhecer Deco, esse conterrâneo, herdeiro de um dos maiores impérios empresariais brasileiros, criado em solo local. O Grupo Verdi está hoje entre as organizações mais bem situadas no seu ramo de negócio. Waldemar Verdi, seu pai, começou com uma revendedora Mercedes Benz e criou grande conglomerado de empresas. Homem extremamente talentoso e visionário. Não conhecia a extraordinária competência de Deco Verdi. Em geral, os filhos de grandes empresários nem sempre saem aos pais. Deco, no caso, não só é exceção à regra, como se transformou num dos mais influentes empresários do país. Não raras vezes, observei o presidente Lula consultando-o sobre diversos assuntos. Completamente desapegado a cargos e pompas, privilegiando suas empresas, Deco declinou de continuar participando do CDES, cedendo o seu lugar a um colega de entidade. Passei a ser seu fã de carteirinha. Além de tudo isso, seu Grupo está entre aqueles que são considerados patrões modernos. Acreditam nos funcionários e fazem deles praticamente sócios do empreendimento. Tem o costume de mantê-los nas empresas, via investimento na capacitação e no treinamento. O índice de permanência no Grupo Verdi é dos mais altos do país. Deco tem profunda consciência de seu papel na sociedade. Com enorme capacidade para se relacionar, é conhecido além das fronteiras nacionais. Tem interesses no Mercosul, na América do Norte e na Europa. Sobretudo, Deco é daqueles líderes empresariais preocupados com as mazelas da Nação, procurando sempre ajudar com a sua inteligência. Aprendi muito no exercício de minhas funções no CDES e neste ano (2009), Lula me reconduziu ao posto. Com isso, ficarei do começo ao final de seus dois mandatos. Um dos ganhos é justamente conhecer melhor os grandes empresários brasileiros. Ali, estão dois terços do PIB (Produto Interno Bruto) nacional. Neste sentido, foi inestimável o companheirismo e a amizade de Deco Verdi.


226

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

WA LT ER M EN DES Walter Mendes é sem dúvida o meu melhor amigo. Conhecemo-nos desde a década de 60, nos tempos da velha Agência Ford. Ele começou como auxiliar de contabilidade e foi o caso do aluno que superou o mestre. Walter está hoje entre os melhores contadores do País. Ultrapassou as fronteiras de São José do Rio Preto. Como contador da Agência Ford, sempre tive enorme preocupação em me atualizar. Legislação e moeda instáveis exigiam do contabilista constante leitura. Fazia isso regularmente e despejava todo o serviço diário sobre os ombros do Walter, trabalhador atento, disciplinado e obstinado. Certo dia, fui surpreendido pelo pedido de demissão do auxiliar. Com um convite importante, Walter deu um salto de qualidade na profissão. Assumiu todo o controle financeiro e contábil da Cevirp, empresa de propriedade dos empresários Laureano Tebar e Antonio Del Campo. A Cevirp cresceu e deixou os sócios ricos. Até hoje, Walter cuida das declarações de Imposto de Renda desse pessoal. Quando ganhamos as eleições municipais de 1982, Walter trabalhou, mesmo antes da posse de Manoel Antunes, na equipe de transição, pela primeira vez existente graças ao conhecimento e modernidade do prefeito em exercício, Roberto Lopes de Souza, que substituíra Adail Vetorazzo. Depois da posse, em 1983, Walter foi nomeado secretário municipal de Finanças. Sou o responsável pela entrada dele e de mais duas pessoas no primeiro escalão daquela administração. Para o professor Manoel Antunes, o novo secretário era a pessoa perfeita: trabalhador honesto e humilde. Deram-se muito bem. Numa época de inflação galopante, um secretário especialista em administração e aplicações financeiras foi uma mão na roda. Walter multiplicou as possibilidades de investimento e, de quebra, orientava Orlando Bolçone, secretário do Planejamento e responsável pelo Programa das Cidades de Porte Médio. Walter, o que menos aparecia, era o que mais fazia. Orlando Bolçone foi salvo não só por Walter Mendes, mas também por um mandato de seis anos. Se tivessem um mandato normal de quatro anos, ele e Manoel Antunes não teriam a fama que tiveram. Os frutos do programa, bancado pelo Banco Mundial, a fundo perdido, só apareceram depois do quarto ano de governo. Toninho Figueiredo ficava exasperado pela calma e paciência da dupla Antunes/Bolçone,


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

227

nascidos um para o outro. Com a experiência, melhoraram bastante. A Secretaria Municipal de Finanças continuou nas mãos de Walter Mendes, mas o novo prefeito, Toninho Figueiredo, não quis Orlando Bolçone em sua equipe, apesar de meus esforços para mantê-lo secretário de Habitação, pasta nova, criada em 1989. Sorte do Bolçone, que voltou com Manoel em 1993. Este, por sua vez, descartou todos os que trabalharam com Toninho, incluindo Olegário Dantas, carioca e amigo dele desde os tempos dos Correios, a quem, por pressão dos amigos, jogou na Emer. Olegário se ressentiu disso, mas, talvez, houvesse motivos. Entre os que não deixaram o secretariado, a exceção foi Walter Mendes. Manoel não podia prescindir de sua ajuda e o nomeou secretário da Habitação, mas sua função mesmo foi trabalhar como orientador-geral da administração e resolver os casos mais difíceis. Sem ele ajudando, a administração e alguns de seus mais importantes auxiliares (e o próprio prefeito) teriam enormes dificuldades em superar alguns problemas. Walter era meticuloso, conhecia as leis e as normas do TC (Tribunal de Contas). Pessoa de permanente utilidade. No exame das contas do último ano da primeira administração de Manoel, o TC as rejeitou por problemas administrativos referentes a contratações em ano eleitoral (nada comprometedor). Os documentos foram enviados pelo TC ao então secretário municipal da Administração. Olegário Dantas os engavetou, embora houvesse prazo fatal para os competentes recursos. Manoel, de volta aos Correios, pediu ao Walter para elaborar a defesa. Ocorre que Olegário, não se sabe o motivo, não liberava a documentação indispensável aos recursos. Sem defesa, Manoel estaria inelegível. Walter empenhou-se tanto, que Olegário, no dia do vencimento do prazo, entregou-lhe os papéis e a defesa foi apresentada. Apesar de fazer o recurso às pressas, o TC aceitou as alegações de Walter. Com isso, Manoel pôde se candidatar em 1992 e voltar a ser o prefeito da cidade. Trabalho inestimável, desconhecido de todos. Ao se eleger, Manoel Antunes, assessorado por Orlando Bolçone, não reconduziu Walter à Secretaria Municipal de Finanças. Só para apimentar essas pequenas memórias, uma revelação: Bolçone levou Manoel Antunes para ver a nova casa de Walter no bairro Quinta das Paineiras, como se alguém com o trabalho e a competência de Walter não fosse capaz de construir a sua própria casa. Damos muitas risadas disso, dada a hilariante e inusitada situação. Conheço a história da construção daquela casa, tijolo por tijolo.


228

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Chamaram Walter à casa do prefeito eleito, onde estavam Manoel, Bolçone e Valdeir Junta, futuro ocupante da pasta, quando lhe informaram que não seria mais secretário de Finanças. A reação de Walter foi bastante objetiva: não estava interessado em permanecer no governo. Com insistência, Manoel conseguiu que ele permanecesse na pasta da Habitação, mas com o dever de auxiliar a administração. Novamente, sorte deles. No início da administração de Manoel Antunes, Valdeir informou que abriria um inquérito administrativo contra Walter Mendes visando apurar o sumiço de um computador da secretaria de Finanças. Felizmente, o computador foi encontrado no DAE (Departamento de Águas e Esgotos), evitando a injustiça arquitetada pela nova administração (Walter debita o fato à ação de Orlando Bolçone). Valdeir e Manoel seriam mais tarde salvos novamente por Walter. Na segunda administração de Manoel Antunes, embora Walter Mendes tenha permanecido todo o período, ele apresentou nada menos do que nove pedidos de demissão, aborrecido pelas constantes demonstrações de desapreço dos auxiliares da administração, beneficiados por seus serviços, mas invejosos de sua capacidade e conhecimento. Isso é recorrente no serviço público. Depois, mais à frente, José Ferreira Liberato Caboclo e seu secretário Paulo Nakaoski (China), denunciaram ao Ministério Público que a administração anterior (Manoel Antunes) privilegiou os proprietários da zona central em questões de IPTU. O processo ganhou dimensões e criou complicações de ordem criminal contra Manoel e Valdeir. Foram defendidos por um ex-secretário jurídico de Manoel, mas este não apresentou argumentos objetivos, situando a defesa em termos morais. Nada mais desastroso. Entre soluços e lamentos, Valdeir e Manoel se sentiram perdidos. A solução foi buscar novamente Walter Mendes para os argumentos objetivos e técnicos que pudessem salvá-los da denúncia. Walter, atendendo ao chamado do Promotor, passou toda tarde de uma sexta-feira para fazê-lo entender os mecanismos de lançamentos do IPTU da área central da cidade, informando que isso se baseara em leis municipais de 1976 e 1977, do tempo de Adail Vetorazzo (planta genérica com diferenças de valor venal, privilegiando a área central). Resultado: o Promotor procurou saber junto à Câmara Municipal se as leis procediam e estavam em vigor. As respostas positivas levaram ao arquivamento das denúncias. O arquivamento, submetido à Procuradoria Geral


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

229

do Estado, foi acolhido por onze votos a zero. Meses depois, Walter recebeu telefonema de Manoel, que leu o ofício do Ministério Público “informamos a V. Sa. que a denúncia do Processo (citaram o número) foi definitivamente arquivada, em razão do esclarecedor depoimento do senhor Walter Mendes”. Ambos, Valdeir e Manoel agradeceram de maneira emocionada. Menos mal. Walter manteve-se discreto, enquanto outros secretários aproveitaram para fazer o nome, apesar das incríveis limitações de alguns, que, devagarzinho, foram aparecendo. Sempre brinquei que um deles contrariava Abraham Lincoln, lendário presidente dos Estados Unidos, enganando a muitos durante muito tempo. A percepção popular é mais demorada, mas também dá as caras eventualmente. Hoje, com exceções, sabemos quem é quem na política rio-pretense. Em geral, nos círculos do poder ou entre o empresariado fornecedor da Prefeitura, se conhece perfeitamente o alcance de cada inteligência e de cada caráter. Walter se apresenta o mesmo desde o início. Excelente profissional e homem acima de qualquer suspeita, tanto que alargou a sua carteira de clientes a ponto de não poder mais ampliá-la. Ao longo desses anos todos, mantenho regular contato com Walter e podemos dizer, sem qualquer restrição, que somos amigos. Nos momentos difíceis, lá está o Walter mostrando-se solidário. Enquanto outros sequer são capazes de fazer uma ligação telefônica (nem mesmo respondem às nossas próprias chamadas), Walter visita, apóia e se coloca à disposição. É um homem raríssimo. São José do Rio Preto e alguns de seus políticos (e técnicos) devem muito a ele.


230

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

A POL Í T ICA

AT I V I DA DES POL Í T IC A S Nesses anos todos de atividade política, pude observar os momentos mais delicados da vida legislativa rio-pretense. Quando comecei, em 1977, sempre ouvia falar que havia isso e aquilo, mas, francamente, o Legislativo possuía membros comportados e sérios. Interesses são normais, mas não chegavam a ponto de prejudicar a população. Com o tempo, houve a clara constatação de que houve declínio na qualidade dos legisladores, em todos os níveis: local, estadual e nacional. Na primeira legislatura, apenas notei que os negócios imobiliários cresciam rapidamente. Diziam, sem provas ou testemunhas (os boatos são recorrentes no universo político), que foram pagas propinas a vereadores em projetos de extensão do perímetro urbano. Eribelto Manoel Reino brincava muito com isso e dizia que uma emenda de Toninho Figueiredo fizera o mapa de São José do Rio Preto ficar parecido com um chifre. Daquela a esta parte, o mapa mudou várias vezes. Fui o autor de lei, elogiadíssima, que impediu o crescimento do perímetro urbano por bom tempo. Manoel Antunes se valia da lei para não permitir novas expansões. Em determinados momentos, a cidade chegou a possuir mais


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

231

terrenos ociosos que ocupados. Sempre a favor de taxar violentamente os terrenos utilizados como moeda de valorização, os loteadores dificilmente contavam comigo. Normalmente criterioso nessas questões, meu trabalho foi fundamental para a implantação da tarifa progressiva de IPTU. A maioria dos prefeitos não tinha coragem de taxar os terrenos vazios. Alguns deles eram estreitamente ligados ao ramo (também vereadores). Hoje, a situação é outra. Há dependência em relação à expansão imobiliária. Muita gente trabalha no setor, bastante vigoroso, renovando-se pelo próprio dinamismo dos negócios. A estabilização no crescimento da cidade poderá trazer inúmeros problemas sociais. Estamos crescendo muito em função do processo migratório. A organização do crescimento é necessária. A emenda de minha autoria, aquela que permitiu loteamentos fechados na zona leste da cidade, revelo, foi redigida na Prefeitura Municipal à frente de duas autoridades importantes. Havia compromisso com a empresa que construiu a nova represa de incluir sua área no perímetro urbano. Como líder do prefeito na Câmara Municipal, coube-me apresentá-la. Protocolei a emenda sem qualquer receio ou preocupação. Jamais suspeitei que ela pudesse causar tanta polêmica. A emenda foi discutida por meses, até que seu veto fosse votado. Ela contrariava enormes interesses imobiliários em Rio Preto e, por incrível que pareça, o lobby para impedir a sua aprovação foi sustentado, em sua maior parte, pelos loteadores. Todos sabiam que naquele local nasceria uma nova frente de desenvolvimento e de negócios. Na época, o dono da Rádio Independência possuía áreas na zona sul, mas não creio que tenha interferido como muitos me falavam. Não há dúvida, todavia, de que os grandes proprietários de terra da então única área nobre estavam contra. Não sabiam que do outro lado da cidade também existiam proprietários e moradores interessados na aprovação da emenda. Donos de áreas rurais, chácaras de recreio, moradores dos jardins Fuscaldo, Yolanda, da Vila Toninho e de Engenheiro Schmidt telefonavam dando apoio. No dia da eleição seguinte, um radialista lembrou a população sobre a aprovação dos loteamentos próximos à represa, pedindo a todos para não votarem em mim. O conselho do radialista não funcionou e me reelegi com facilidade. Houve coragem da Câmara Municipal e, sigilosamente, empenho das autoridades do 4º andar da Prefeitura. A emenda foi aprovada. Hoje, olhando aquela margem do rio Preto, organizada e limpa, sinto orgulho em ter proporcionado o início dos empreendimentos imobiliários naquele local. A cidade cresceu. Ofereceu novos empregos e não há comparação, em termos urbanísticos, entre um


232

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

lado e outro. A Prefeitura não pode abandonar o rigor em relação ao desenvolvimento urbanístico daquela região. Parêntese para dizer que a minha emenda não permitia o comércio na região e havia compromisso dos loteadores em preservar os cursos dos rios, reflorestar as margens dos afluentes do rio Preto e tomar todas as precauções em relação à preservação ambiental. Os problemas mais graves estão nos loteamentos clandestinos e na falta de fiscalização das margens dos afluentes do rio Preto, principalmente do lado esquerdo (córrego dos Macacos e outros). Várias leis posteriores foram deformando o planejamento inicial. Mas, ainda há tempo de salvar o rio Preto e esse era o meu objetivo como superintendente do Semae Registro ainda que loteamentos como Jardim Soraya, Vila Toninho, Romano Calil, Estância Jockey Club e outros já existiam na margem esquerda do rio Preto. Depois, a própria Prefeitura Municipal fez ali loteamento popular e distrito industrial. Cedeu área ao Carrefour. Não reservou espaço para a rodoviária e permitiu outros loteamentos. Minha emenda organizou o outro lado. Hoje, muito melhor, mas ali já havia loteamentos de chácaras de recreio (Morada Campestre e outros). A vicinal para Engenheiro Schmidt, depois de asfaltada, foi tomada em suas margens sem qualquer recuo ou preocupação urbanística. Isso está acontecendo às margens de todas as vicinais. Um desastre! Interessante: apesar de ser oposição, creio que fui mais atendido no período de Adail Vetorazzo (1977/1982), do que nos governos posteriores. Adail aceitou minha sugestão de adquirir o acervo de filmes de Silvio Calabrezi (Cometa Filmes); de construir a Praça Irmã Isaltina Maria, na Vila Maceno; de implantar o Pronto Socorro da Vila Anchieta (projeto concluído por Roberto Lopes de Souza); de adquirir a área para implantar o bairro São Deocleciano; de perfurar o primeiro poço profundo, aquele do Palácio das Águas (trabalho de uma comissão de vereadores). Não é à toa que fui um dos vereadores mais votados em 1982. No primeiro período da gestão de Manoel Antunes, fui autor de duas idéias importantes. A primeira relacionada com a construção de um shopping na cidade. Coloquei o assunto no discurso de posse de Manoel e depois fiz parte de comissão para escolher a área, integrada também pelo secretário Orlando Bolçone. Havia três empresas interessadas e autorizamos as três tocarem os seus projetos. Só a família Jalles encarou o desafio. Na época, a imprensa fez uma brincadeira escrevendo que “Laerte, por ser o presidente da Comissão, terá o voto de minerva”, remetendo ao fato de


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

233

que a herdeira do império de Euphly Jalles era a sua esposa Minerva Jalles. Coisas da política. Fui o autor da idéia de provocar a construção do shopping, presidente da Comissão que designou as áreas escolhidas, presidente da sessão da Câmara Municipal que votou o Projeto de Lei e nem sequer me lembro de ter ido à inauguração do shopping ou conversado mais do que um minuto em toda a minha vida com a empresária Minerva Jalles. Não sei se ela me conhece. Nós a conhecemos porque ela é uma eminente representante do mundo dos negócios na cidade. Sei que à época ela tinha relações de amizade com Caio Cezar Urbinati, praticamente, o intermediário de seus interesses na Câmara Municipal. Ela foi corajosa e construiu um dos maiores centros de compra do Brasil. Em outra ocasião, a Swift decidiu vender a área onde estavam suas velhas construções industriais. Moacir Antunes, intermediário do negócio, pretendia construir ali prédios de apartamentos. Protocolei e aprovei em tempo recorde lei proibindo construções no local, praticamente, forçando a empresa a vender o imóvel para a Prefeitura. Manoel fechou o negócio rapidamente e a propriedade é hoje patrimônio do Município. Toninho Figueiredo, como prefeito, melhorou muito aquela área, mas ela ainda espera ocupação definitiva e nobre, capaz de integrá-la na paisagem cultural da cidade. No período anterior, apresentei ainda dois Projetos de Lei, que não foram aprovados. O primeiro deles, organizando bairros ou cidades satélites, de forma que o crescimento de Rio Preto fosse ordenado, ligando a área urbana da época com os novos e futuros bairros por largas avenidas. Em torno da área urbana haveria um cinturão verde. Talvez, hoje, bairros como o Solo Sagrado e outros pudessem estar mais bem interligados à velha malha viária. Impossível discutir a alternativa e, como sempre, os interesses imobiliários prevaleceram. Ninguém queria ver a sua área engessada pelo projeto de um louco visionário. Queria loteá-la. O projeto morreu no nascedouro e fui fragorosamente derrotado. Hoje, nem mesmo as avenidas existentes têm continuidade, um dos maiores crimes perpetrados contra o urbanismo rio-pretense. Tentei também criar a Aderp (Agência de Desenvolvimento de Rio Preto) com representantes de órgãos públicos e privados, vinculando toda a parte urbanística e de expansão da cidade a um órgão pensante e controlador. Naquele período, sequer se falava em agências de desenvolvimento (só nos Estados Unidos elas existiam) e dei um grande susto em todos: o projeto foi rejeitado quase à unanimidade, acho que só eu votei a favor de meu projeto. O próprio Executivo estava contra.


234

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Essas iniciativas de longo alcance ou de visão futurista não são fáceis de ser aprovadas pelos colegas. Também são difíceis de ser aceitas pelos prefeitos de turno, em geral eles querem tocar somente suas próprias iniciativas, aquelas que lhe dão visibilidade e projeção política. Nesse sentido, ninguém foi pior do que Manoel Antunes e Toninho Figueiredo, dois caipiras que tinham medo da própria sombra. Se você indicava uma providência ou dava uma idéia, eles só agiam quando você já havia esquecido ou desistido delas. No caso do shopping, exceção à regra, a idéia casou com a necessidade e recebeu pronto apoio da mídia, além do que estrategicamente apresentada pelo próprio prefeito. Mesmo nos casos em que aceitavam algumas boas idéias (havia também muita porcaria), os prefeitos não permitiam que as iniciativas fossem vinculadas ao trabalho legislativo do vereador. Só em casos raros, quando a idéia era utilizada como moeda de troca política. Dou um exemplo: certa vez sugeri ao Manoel “faça arcos e cubra as quadras do Centro Social e Esportivo da Represa”, dando detalhes. Muito tempo depois, vi lá a cobertura. Menos mal. O Júpiter Olímpico tornou-se área útil à comunidade e Manoel acertou em cobrir o local. Sobre nossa primeira conversa, nenhum pio. A mesma coisa aconteceu com a Cidade da Criança. Os secretários tinham ordens específicas para não atender os vereadores, só com o aval do prefeito. Muitas idéias foram trazidas da cidade de Curitiba, onde eu tinha residido por quase quatro anos. Antes da posse, ainda no fim do ano de 1982, conversei com Jaime Lerner e acertei para passarmos lá alguns dias. Fomos eu, o Manoel e o Toninho e pudemos ver a excelente administração que lá se fazia. Lerner transformou Curitiba numa das melhores cidades do Brasil. Trouxemos de lá até plantas de centros esportivos. Realmente, ir a Curitiba foi uma boa idéia e ajudou a abrir a mente daqueles dois caipiras. Utilizo a expressão “caipira” como algo positivo. Quando fui secretário municipal do Planejamento, acredito, fiz bom trabalho e Toninho Figueiredo, o prefeito, no final do primeiro ano de mandato já possuía todo um cronograma de realizações para cumprir até o fim de sua gestão. Envolvi todos os trabalhadores da Secretaria Municipal de Planejamento, inclusive os mais humildes. Contratei um professor do Ibilce para motivação e recolhimento das idéias de todos, algo inovador no ano de 1989. Era gratificante ouvir a zeladora dizer ”acho que dá para abrir uma avenida ali perto de casa”. Toninho participou de algumas reuniões e recebeu o calhamaço de idéias e sugestões. Conseguiu programar a maioria delas.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

235

A gestão de Toninho Figueiredo começou a ser vigiada tenazmente pelo promotor público José Pupo Nogueira de Paula. O promotor Pupo não lhe deu descanso. Interessante, em nenhum momento, o promotor Pupo me citou, nem mesmo me chamou para testemunhar, apesar de saber que eu fizera parte do início daquela administração. Ele conhecia o problema e sabia que na área burocrática ou oficial estava tudo certo. Começou a vasculhar todo o crescimento patrimonial do prefeito. Naquele período, fui presidente da Comissão de Licitações e por mim passaram três grandes concorrências - transporte coletivo, funerária e cemitério jardim. Tive extremo cuidado. Duas delas foram parar na Justiça, mas os descontentes, em geral vereadores interessados em não sei o quê, não lograram êxito. Estavam corretas. Enquanto fui presidente da Comissão de Licitações, Toninho não teve um único problema. Seus problemas ocorreram depois, com pessoas que não tinham coragem de lhe dizer não. Lembro-me de uma concorrência de máquinas em que ele cismou com determinada marca, mais cara. Enquanto os fornecedores não apresentaram atestados técnicos adequados e se comprometeram com outras obrigações (garantia, manutenção, etc.), não permiti a compra. Toninho disse “você atrapalha a administração”. Anos depois, confessou que se me tivesse ao seu lado e na Comissão, possivelmente não teria sofrido os problemas que sofreu. Recebi sua declaração como um elogio tardio. Procurei me afastar do Executivo e dei como desculpa a candidatura a deputado federal. Saí da administração, não voltando mais (Fabinho Marques dos Santos também saiu por esse motivo). Mantive a linha, a amizade com o prefeito, mas não quis estar vinculado a um período, no mínimo, conturbado. Toninho, muito corajoso, não dava bola para a obstinação do promotor Pupo, embora houvesse muita gente ao seu lado (eu, inclusive) aconselhando prudência. Pagou caro por sua ousadia. Em 1993, Manoel Antunes voltou à Prefeitura e eu, reeleito vereador, voltei à presidência da Câmara Municipal. Mesmo fora da administração, Toninho continuou respondendo a processos, os quais atingiram, depois de sua morte, os sucessores. Não sei como terminou isso, assunto passado e, a meu ver, sepultado junto com Toninho. Seus filhos não podem ser responsabilizados em questões polêmicas que, mesmos nós que estivemos trabalhando juntos, não sabemos a extensão dos fatos, marcados por um período de altas taxas de inflação e, portanto, de difícil verificação.


236

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Até então, a Câmara Municipal não possuía muitos cargos de confiança. A maioria dos interesses econômicos sempre se localizava no interior dos negócios imobiliários e não havia oportunidade para que os vereadores saíssem da linha. Essa questão de troca de cargos, assessorias e vantagens para eleger o presidente é coisa recente. Derrubaram uma lei minha que não permitia à Câmara Municipal ter mais do que três funcionários por vereador. Não sei quantos funcionários tem hoje, creio que acima de 100. Minha lei, limitando o total de funcionários pelo número de vereadores, teve repercussão nacional e foi chamada de “Lei Laerte Teixeira”. Por aqui, o esquecimento de sempre. Na sucessão de Manoel Antunes, em 1996, a última eleição em turno único, a mais fácil delas, Toninho Figueiredo insistiu em ser candidato contra todas as probabilidades de vitória. Falei com ele, pedi o seu apoio, disse que Manoel, embora preferindo Orlando Bolçone, não impediria a minha candidatura a prefeito. Toninho não concordou: “venço as eleições”, disse. Para não me vincular mais uma vez ao Toninho, aceitei ser vice de Orlando Bolçone, mas sabia que perderíamos a convenção. Do outro lado estavam os de sempre, alguns ainda continuam lá “ajudando” Marcelo Figueiredo. Liberato Caboclo ganhou a eleição. Naquele ano (1996), quando poderia ter dado um salto político, encerrei a minha carreira de vereador. Em 2000, novamente o Toninho, ainda sem qualquer possibilidade de eleição, insistiu em ser novamente candidato. Manoel Antunes foi para o PFL e Edinho Araújo, depois de ter transferido o seu domicílio eleitoral para Rio Preto, filiou-se no PPS. Para cumprir a palavra (havia dito que se os três não ficassem juntos, não apoiaria nenhum deles), montei o PSC na cidade e apoiei a candidatura de Valdomiro Lopes da Silva Júnior. Valdomiro foi bem até o início da campanha na televisão. Edinho, contra todas as probabilidades, venceu as eleições. Permaneci no PSC e nas últimas eleições parlamentares de 2006 apoiei dois candidatos: David Zaia para estadual e Régis de Oliveira para federal. Na última eleição para a prefeitura permaneci fora de jogo. Creio, teria sido útil na área de marketing político, assunto de meu interesse e que estudo com profundidade. Coordenei três importantes e vitoriosas campanhas: Antunes em 1982, Toninho em 1988 e Antunes novamente em 1992. Deveria ter tido um papel mais importante na campanha de Valdomiro em 2000, mas ele preferiu se associar, talvez corretamente, a marqueteiros profissionais. Acompanhei a evolução do marketing político: em 1976 participei de uma campanha pobre, quase maltrapilha; em 1982, tive participação decisiva na vitória de Manoel Antunes; em 1988, Toninho só ganhou de Adail em função de atos anteriores, incluindo o seu enterro porque se ausentou na votação da emenda das Diretas Já; a campanha de Toninho


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

237

foi nossa primeira experiência com televisão, uma loucura; na campanha de Antunes, em 1992, o governador Fleury ajudou muito, enviando-nos dois profissionais, um de marketing e outra de vídeo. Nessa campanha, percebi que precisava de um bom locutor para fazer par com Mona, a apresentadora enviada por Fleury. Escolhi Roberto Toledo, embora ele fosse candidato a vereador. Isso causou ciumeira na bancada de candidatos a vereador do PMDB. Insisti e a dupla foi um sucesso, afinadíssima. Aliás, o Toledo é um profissional extraordinário e só não saiu de Rio Preto para os grandes centros porque não quis. Depois disso, só voltei ao Executivo quando assumi o Semae, mas falo sobre este assunto em separado. Impossível resumi-lo num único parágrafo. Aqui, cabe dizer apenas que, com todo o alvoroço, em nenhum momento o Tribunal de Contas colocou dúvidas sobre as minhas contas, todas aprovadas unanimemente. Curiosamente, um de meus substitutos na autarquia teve que se defender de notificação para devolver dinheiro. Felizmente, ele não foi criticado pelo episódio. O interesse de parte da imprensa estava bem localizado e tinha endereço certo. Nestas pequenas memórias, a minha intenção, já reiterada, é no sentido de evitar a política como assunto predominante. Contudo, sei que alguns gostariam de ver alguma coisa escrita sobre o período em que fui parte dessas atividades no Município. Resolvi abordar alguns aspectos que julguei relevantes, sempre contornando as questões mais sensíveis, embora em certos casos seja impossível deixar de citar fatos importantes e certamente do desagrado de poucos. Pretendo ainda, se houver tempo e disposição, fazer um pequeno compêndio só sobre política. Por enquanto, é apenas um aperitivo.

COM PORTA M EN TO DECEN T E Certamente, o desejo de liberdade e independência levaram-me a um casamento precoce e desastrado. Claro que havia interesse e paixão, próprios da idade. Casei-me com menos de 23 anos. A vítima foi uma moça com menos idade ainda. Algo tão impulsivo e não planejado só poderia desmoronar. Entre amigos, costumo dizer que, do meu primeiro casamento, não sobrou nem a igreja. A velha Catedral de São José foi demolida na década de 70. Tenho poucas recordações desse período e não me arrependo quando, em certo dia, tomei uma decisão radical, muito diferente da minha acomo-


238

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

dação habitual da adolescência. Cumpri todas as obrigações pertinentes. Depois, fiz tudo o que me foi roubado na juventude. Festas, viagens, novos trabalhos e a aventura de filiar-me ao MDB e disputar uma cadeira na Câmara Municipal de São José do Rio Preto. Fui o último dos eleitos nas eleições de 1976 e permaneci no Legislativo de 1977 a 2006. Vinte anos, ocupando todos os cargos e sendo por duas vezes presidente. Nada mau para aquele desdentado, arrimo de família, dispensado do serviço militar. Devo muito à minha segunda mulher. Regina, moça bonita e instruída, apareceu na minha vida como um anjo, fazendo-me descumprir a palavra de jamais voltar a casar. Como sou homem de palavra, dou graças a Deus por essa insólita transgressão. A vida melhorou em sua companhia. Começamos numa casinha de aluguel na rua Marcolino Barreto e depois compramos uma casa semi-acabada no Jardim América, a qual terminamos e reformamos uma vez. Gosto muito dessa casa e desse lugar. Sou muito conservador, talvez, pelos anos de dificuldades na adolescência e juventude. Ter sua própria casa é ter um porto seguro. Como vereador, indiquei a muitas pessoas locais que se valorizariam por obras públicas, mas, pessoalmente, nunca me aproveitei disso. Tive boas oportunidades de negócios. Sempre fui rigorosamente honesto em tudo. Ninguém perde por ser manter correto ao longo da vida. Conheci muitos políticos que não perderam oportunidades que se apresentaram. Autor da lei que iniciou a moda dos loteamentos fechados na zona leste, do lado da represa, o primeiro Dhama nasceu de emenda legislativa minha. Por certo tempo, tive lá a oferta para a compra parcelada de um lote. Desisti da compra. Achei que não ficaria bem ter feito a lei e depois ir morar lá, além das dificuldades naturais para pagar o imóvel de luxo e ter que construir casa de alto padrão. Parentes e amigos dizem que sou tonto. Não me sinto assim. Embora tenha pequeno patrimônio, comparado com outras pessoas de minha geração ou de minha família, julgo-me rico. Tenho mais do que sonhei ter e sou feliz com o que tenho. A esta altura da vida, preciso conservar o que é meu. A maneira mais prática de vencer na vida, sempre digo aos filhos, é trabalhando. Jogo de vez em quando na loteria, mas não possuo a ilusão da excessiva materialidade. Estou bem. No período como vereador, vi muita coisa, mas enganam-se aqueles que acham fácil denunciar situações suspeitas, a não ser irresponsavelmente como fazem alguns. Faltam provas. A corrupção tem duas pontas: a do que


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

239

recebe e a do que paga. Sobretudo quem paga está cercado de proteção. Os suspeitos, mesmo inocentes, são condenados pela impiedade da mídia. Se não houver profunda e séria reforma política, dificilmente, haverá mudanças nos péssimos costumes políticos brasileiros. Hoje, a corrupção invadiu todos os poderes e calcula-se que, de cada três orçamentos, um se perde. O Brasil é um dos países mais corruptos do mundo. Minhas observações pessoais nessa área mostram que pioramos a cada eleição. Quem como eu não permite facilidades na administração pública, está fadado a ser expulso do serviço. Se você percebe a presença permanente, em vários governos, de um colaborador de confiança, pode crer que ele é um facilitador. Em Rio Preto, várias pessoas saíram do serviço público exatamente por não coonestar com práticas deletérias. Acredito que esse foi o motivo de ter deixado dois cargos, um por vontade própria e outro por vontade alheia. Mas, saí sempre limpo. Essa atitude (ser intermediário ou agenciador de facilidades) propicia vida longa no serviço público. Em troca, a vaidade de continuar em evidência, receber pequenos favores e razoável salário no fim do mês. A raça humana possui gente de todo o tipo, incluindo esses espertinhos. Alguns conseguem enganar a muitos durante muito tempo, contrariando as palavras de Abraham Lincoln, um dos presidentes dos Estados Unidos. OPORT U N I DA DES PER DI DA S Neste longo período como vereador e sindicalista, apareceram inúmeras oportunidades para exercer atividades mais rentáveis e estáveis. Em geral, decorrente de situações que surgem nas próprias repartições ou instituições públicas. A primeira vez em que estive confrontado com uma oportunidade real foi aqui mesmo em Rio Preto, na Câmara Municipal, quando exercia o meu primeiro mandato de vereador. Toninho Figueiredo era o presidente da Câmara e me chamou para uma conversa em sua sala. Como secretário da Casa, pensei se tratar de assunto interno. Comum o presidente me consultar em temas burocráticos. Mas, foi diferente. Alberto Targas Filho, então assessor legislativo, solicitara sua aposentadoria e Toninho me via como seu natural substituto. Targas fora vereador e conquistara o cargo ao abandonar a política.


240

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Toninho argumentou dizendo que eu tinha as credenciais: contador, advogado e economista, com boa prática em projetos de leis e outros documentos próprios da atividade legislativa. Para ele, eu me encaixava direitinho no perfil exigido para a função. Respondi que possuía os meus próprios sonhos políticos e não queria morrer em uma atividade burocrática. Contra argumentando, Toninho profetizou: “Vamos ganhar as eleições, Manoel será prefeito e depois eu o substituirei. Você nos acompanhará. Será secretário ou o que quiser. Enquanto isso, terá a Câmara como emprego fixo, estável”. A proposta era inegavelmente boa, mas no meu horizonte também estava a Prefeitura Municipal. Recusei. Tempos depois, surgiu vaga de juiz classista no Tribunal do Trabalho de Campinas (15ª Região) e eu poderia candidatar-me à vaga. Contudo, o tesoureiro do Ipros, meu companheiro Arnaldo de Souza Benedetti, estava na lista tríplice da Federação dos Bancários do Estado de São Paulo e me pediu apoio. Não me candidatei e passei a apoiá-lo. Nas nomeações de juiz classista, especialmente, de instância superior, como era o caso, havia uma corrida por apoios e cartas de recomendação. Pedi uma carta do Aloysio Nunes Ferreira Filho em favor da candidatura de Benedetti. Quis o destino que, quando o Ministro da Justiça examinou os currículos dos candidatos, Aloysio estava exercendo o cargo de governador, em substituição ocasional de Luis Antonio Fleury Filho. Benedetti foi nomeado. Não muito mais tarde, tive uma conversa especial com um político importante que me perguntou sobre o interesse de exercer um cargo funcional na área policial. Nem cogitei, em função de minha aversão pessoal em relação à carreira, embora respeitada e muito bem remunerada. Hoje, vejo pessoas que poderiam ter sido meus colegas em boa situação. Edinho Araújo, deputado federal e com créditos especiais junto a um dos novos governos estaduais, conseguiu para mim dois convites para cargos de confiança: ser secretário adjunto do Trabalho ou diretor da Caixa Econômica Estadual. Recusei os dois porque estava muito envolvido na presidência da CAT. Com referência às três oportunidades primeiras (assessor legislativo, juiz do trabalho e cargo na área policial), se tivesse exercido qualquer uma delas teria hoje boa aposentadoria e vida razoavelmente estável, se bem que assalariado como sou ainda. Minha aposentadoria será mesmo a do


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

241

INSS e bem abaixo do limite máximo, em função de haver pago muitos anos como professor e a contribuição ter sido pequena. Poucos amigos e familiares que conhecem essas histórias são unânimes em afirmar que não me aproveitei das chances oferecidas pela vida política e sindical. Alguns criticam abertamente. Talvez tenham razão, mas é tarde e não se chora sobre o leite derramado. O encerramento de minha carreira política não foi apoteótico, embora haja motivos de sobra para comemorar. Fui o tipo de político, cujo procedimento ético, rigorosamente correto, foi fatal à carreira. Hoje, para crescer no universo político, há que se recorrer a métodos heterodoxos ou ser um facilitador.

PR EF EI TOS Desde que me mudei para São José do Rio Preto, conheci vários prefeitos e trabalhei com alguns deles. Quando cheguei aqui, o prefeito Alberto Andaló estava consagrado. Morreu e deu lugar a Valdomiro Lopes da Silva, pai do atual prefeito. Valdomiro, logo no dia em que entrou na Prefeitura, mandou asfaltar a rua Bernardino de Campos, na parte da Vila Maceno, principal via de acesso ao bairro. Em seguida, Philadelpho Gouvêa Netto venceu as eleições e me lembro que no bairro em que morava, Vila Anchieta, ele teve a maioria dos votos. O sucessor de Philadelpho foi Lotf João Bassitt, um dos melhores prefeitos que a cidade já teve. Meio doido, autoritário, mas realizador. O Paço Municipal é obra dele. Adail Vetorazzo venceu uma eleição difícil. Nessa ocasião eu trabalhava na Agência Ford, e lá todos votaram a favor de Heitor Botura, que fora casado com Maristela Sestini, filha do proprietário Germano Sestini. Aquela eleição precisa ser melhor estudada, mas a maioria acha que Botura só perdeu porque, ao final da campanha, recebeu o apoio de Lotf, com quem brigava como cão e gato. Naquele tempo, isso contava. Mudei-me para Curitiba e não acompanhei a campanha de 1972. Achava que Lotf retornaria com facilidade. Cheguei para votar nele (como votei) e notei que a cidade estava impregnada por uma atmosfera em favor de Wilson Romano Calil, herói do programa Cidade Contra Cidade, de Silvio Santos. Adail apoiou Wilson e ele ganhou em todas as urnas.


242

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Wilson foi prefeito e rompeu com Adail. Nas eleições de 1976, participei diretamente como candidato a vereador. Éramos um bando de maltrapilhos, fazendo comícios em cima de um velho caminhãozinho de Mário Andaló. Na partilha dos candidatos, coube-me estar ao lado de Geraldo Mansur e Aloysio de Mendonça Costa. Aloysio é meu amigo até hoje e foi padrinho de meu casamento. Fui o único eleito daquela chapa. Octacílio perdeu a eleição de 1976 em função das sublegendas. Acompanhei o bom governo de Adail e sua principal obsessão foi criar o calçadão que hoje precisa de total reformulação. Conseguiu, junto com José Carlos de Lima Bueno, na época diretor do Erplan (Escritório Regional de Planejamento), emplacar um projeto no Banco Mundial. Com isso, propiciou a fama de seu sucessor, Manoel Antunes, eleito em 1982. Em 1983 e 1984, fui presidente da Câmara Municipal. Adail saiu antes, dando lugar a Roberto Lopes de Souza. Roberto, nos poucos meses à frente da Prefeitura Municipal, fez boa administração. O primeiro a permitir um processo de transição de uma administração para outra. Roberto é um grande injustiçado. Estava muito à frente dos demais, embora sendo apenas um bom técnico, sem veia política. Deputado federal, Adail não compareceu à votação da Emenda Dante de Oliveira, que introduziria eleições diretas para presidente. Fizemos o seu enterro, mas, mesmo assim, em função do tempo decorrido, quase ele ganha a eleição de Toninho Figueiredo, eleito, em 1988, por pouco mais de três mil votos. Se a eleição demorasse mais uma semana, perderíamos. Manoel ganhou novamente em 1992 e, em 1993 e 1994, voltei a ser presidente da Câmara Municipal, o que faz Manoel brincar: “Você só é presidente comigo prefeito”. Aí, aconteceu o imponderável: Manoel e Toninho se desentenderam. O divórcio foi fatal para ambos e a eleição de 1996 foi ganha por José Ferreira Liberato Caboclo. Assumi o sindicalismo e não voltei a ser candidato em 1996. Cumpri uma má promessa. Disse que não apoiaria nenhum dos três candidatos oriundos do PMDB, se eles não permanecessem juntos. Como Edinho, Manoel e Toninho se separaram, apoiei Valdomiro Lopes em 2000. Edinho Araújo, num dos mais raros golpes de sorte da história eleitoral de Rio Preto, foi eleito prefeito. Em 2004, em pleito de resultado contestado, Edinho foi o primeiro prefeito reeleito da cidade. Valdomiro, derrotado em 2000, impôs-se junto à cúpula do PSB e saiu candidato em 2008. Venceu as eleições, precisando de um improvável


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

243

segundo turno. Todos pensavam que ele poderia ter sido eleito no primeiro escrutínio. Neste ano, começou a sua administração. Como é obstinado e trabalhador, deverá ser bom prefeito. Desses prefeitos todos, só não conheci bem a Alberto Andaló e Philadelpho Gouvêa Netto. Embora não tenha trabalhado com Lotf, cheguei a conversar com ele e assisti a cerimônia de nominação do Paço Municipal, ao qual Adail, com grandeza, deu o seu nome. À época, o secretário dos Negócios Jurídicos era Paulo Norberto Arruda de Paula, autor do belo texto da placa que se encontra sobre as portas dos elevadores. Lotf sofreu um acidente e quebrou o osso que dá sustentação ao pescoço. Estava convalescendo, mas um de seus filhos, inadvertidamente, informou-o que no acidente havia morrido duas crianças. Ele ficou transtornado e disse que não queria viver mais, morrendo poucos dias depois. No começo deste ano, ouvi essa história de seu filho Jorge Bassitt. Poderia ter sido secretário do professor Manoel Antunes na sua primeira administração. Preferi ser presidente da Câmara Municipal e indicar alguns secretários. Foram meus indicados Walter Mendes, Roberto Choeiri e Orlando José Bolçone. Naturalmente, Manoel tratou de minimizar a minha participação nessas indicações. Não importa. Foi, talvez, o meu maior erro político ao longo desses anos todos. Deveria ter feito parte da administração. Como escrevi isso de memória, podem haver imprecisões. Porém nada suficiente para invalidar as informações, todas verdadeiras e como as vi no momento em que aconteceram ou como me contaram, como no caso da morte de Lotf. Desses homens todos, o que mais pagou pelos erros foi Manoel Antunes, que, sem os velhos companheiros, nunca mais foi o mesmo. Perdeu duas eleições seguidas e, ao filiar-se ao PSB, não garantiu a sua indicação para disputar, com excelentes chances, a terceira. Outro que pagou, mas por um erro menor, foi Adail Vetorazzo. Se, como Antônio Carlos Magalhães, rompesse com os militares e aderisse a Tancredo Neves, creio que teria chegado a senador da República. Chegou, contudo, a secretário municipal da Capital, o que não é pouca coisa. Continua firme. Escreveu um livro. Tem netos e é um homem bem sucedido. Nada lhe falta. A alguns faltou sorte. A outros competência. No meu caso, creio que as duas coisas e um terceiro elemento: dinheiro! Tenho como álibi o fato de


244

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

não ter permitido que fizessem de uma importante autarquia um balcão de negócios. Impedi que maus funcionários tomassem conta dela e o meu sacrifício serviu para saneá-la. De agora em diante será outra conversa e assunto para outras memórias. A vida segue e o mundo gira.

SEM A E - M ATA N DO UM L E ÃO POR DI A Edinho Araújo, no final do segundo ano de seu primeiro mandato como prefeito de São José do Rio Preto, me chamou para dirigir o Semae. Foi um enorme erro ter aceitado esse desafio. A autarquia estava em pedaços. Uma parte funcionava na Prefeitura e outra, precariamente, num prédio defronte ao Mercadão. O poço profundo do Jardim Urano estava entupido. Faltava água em um terço da cidade. Poucos eram os servidores qualificados. Não possuía sequer caixa próprio. O DAE havia sido terceirizado e a companhia abandonou o serviço. Tudo voltou para a Prefeitura e Edinho criou a autarquia. Na verdade, aquilo era um “saco de gatos”. Arregacei as mangas, recuperei o projeto da ETE parado na Fipai. Coloquei em funcionamento o poço do Jardim Urano, só Deus sabe como. Resolvi o problema de água da Boa Vista e de outros bairros. Encomendei projetos e comecei a interligação dos poços profundos de toda a cidade. Contratei projetos para novas caixas d’águas e para a reforma da ETA. Iniciei o reequipamento da autarquia. Consertei e adquiri novas bombas (a maioria estava em pedaços espalhados pelo chão). Instalei almoxarifado, aliás, um relaxo, já que não havia controle de nada. Implantei vários procedimentos administrativos (funcionários vendiam hidrômetros usados). Cheguei a buscar, à noite, caminhões da autarquia prestando serviço em fazendas. Criei controles de qualidade (da água e das máquinas). Impus rigoroso controle de vazamentos. Contratei cursos para o treinamento do pessoal. Trabalhava 14 horas por dia. Chegava às 6 horas da manhã na repartição e, às vezes, saía tarde da noite. Dediquei-me em ritmo alucinante, não dá para descrever tudo o que fiz. As pessoas não têm a mínima noção do que realizei. Contando apenas o caso da recuperação do poço do Jardim Urano, percebe-se o grau de dificuldade para colocar o Semae nos eixos. Havia suspeita de sabotagem. Fontes anônimas diziam que um funcionário jogara cimento dentro


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

245

do poço. Todas as tentativas de recuperação não conseguiam recolocá-lo em funcionamento. Já fora aconselhado a construir novo poço ao lado, até que apareceu um químico com poucas credenciais, tendo como única referência ter recuperado um dos poços da Cervejaria Kaiser. Todos os conselhos foram no sentido de evitar a sua contratação. Àquela altura, já havíamos gasto milhões de reais no poço. O engenheiro Poty Peloso Jorge havia saído da superintendência em função exatamente desses problemas. O cara olhou o poço e disse: “Sou capaz de desentupir, mas não mostro como e quero 60 mil reais”. No serviço público é impossível fazer uma coisa dessas. Há necessidade de licitação legal. Os serviços e as mercadorias precisam ser discriminados. Arriscando ser punido, disse: “Faça o serviço”. Abri licitação especial, sem obediência de prazos, baseada numa “grande especialização”. O cara era um louco. Deixava uma ou duas pessoas jogando não se sabe o quê dentro do poço e desaparecia. Não sabia o que ele fazia. Desesperava-me com as suas ausências prolongadas. Felizmente, ele se interessou por uma funcionária terceirizada do Semae que o segurava por aqui. Dias angustiantes se sucediam e, enfim, num sábado ensolarado veio a notícia. O poço estava desobstruído! Ninguém sabia o quê o tal químico jogara dentro do poço e essa era outra preocupação. Ao ser esgotado o poço, água e produtos químicos caíram no bueiro, correram para o córrego dos Macacos e, de repente, a água da represa começou a dar sinais de excesso de cloro. Suspendemos todo o tratamento e durante três dias, os índices apontavam grande concentração do produto químico na velha represa. Não dormia de medo pela, apesar de pequena, possibilidade de contaminação. Na nova represa havia normalidade. Enfim, com o escoamento da água, os índices voltaram ao normal e recomeçamos a fornecer água tratada à população, de qualidade e sem qualquer risco. Nem um peixe sequer morreu. O prefeito Edinho e Mário Soler, assessor de imprensa do Semae, não ficaram sabendo disso. Conseguimos manter o assunto em segredo. Imagine o alcance de uma notícia dessas na opinião pública. Seria desesperante e um prato cheio para a imprensa. Teriam me imolado antes. No Semae, de um dia para o outro, bombas quebravam sem motivo aparente. Cheguei a planejar um serviço de vigilância próprio, com câmaras instaladas em poços estratégicos. Roubos de fiação e de peças eram comuns. Havia tentativas de subtração de peças de manutenção no almoxarifado. Não havia confiança. Sabia-se de ameaças de sabotagem. Conhecia-se o alcance da com-


246

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

petição interna por postos, onde os malandros queriam estar instalados. Essa guerra no plano interno era levada para vereadores, para a imprensa e o objetivo era me desestabilizar, como fizeram anteriormente com o engenheiro Poty. Esperto, ele pulou do barco. Com todos esses riscos e trabalho, esbarrei na persistência desse grupo de maus servidores, que faziam de tudo para impedir o crescimento da autarquia. Ninguém queria o funcionamento do almoxarifado. Precisei cercá-lo com telas e colocar pessoa de fora para vigiá-lo. Denunciaram o pobre rapaz como inapto por não ser do quadro estável. Tínhamos de administrar e de cuidar para evitar a corrupção de funcionários na fiscalização de normas e procedimentos (não creio que tenha evitado totalmente). Ninguém imagina a luta. Tínhamos de matar um leão por dia. Não havia mês sem a instalação de uma investigação interna. Tudo isso se voltou contra mim depois. Esses servidores tiveram a cooperação de pessoas de fora da administração, de um vereador ávido por aparecer e de parte da imprensa. Quase conseguiram destruir tudo o que fizemos em praticamente dois anos. Tenho convicção de que no Semae fiz o melhor trabalho de minha vida. Venci o desafio, não venci a torpeza. Houve erros. O primeiro foi não ter feito concurso público para a contratação de novos funcionários. Trabalhei com cargos de confiança para enfrentar a máfia interna. Contei com a maioria dos bons funcionários e optei pela terceirização. Meu objetivo era entregar o máximo de serviços a terceiros, manter a autarquia enxuta, com um mínimo de servidores estáveis. Não permiti que pessoas de fora, do círculo de influência externa, mandassem no Semae. Não facilitei. Não permiti a manipulação de licitações e destruí todas as tentativas de cartas marcadas. Em certas administrações, isso é fatal. Edinho Araújo teve medo. Não quis enfrentar comigo essas aves de rapina do serviço público rio-pretense. Preferiu afastar-me. Com toda a visibilidade do caso, os substitutos enxergaram claramente o nó da questão e afastaram alguns dos meus detratores. Felizmente, com o tempo, se percebeu que alguns funcionários não falavam a verdade, que havia manipulação, cobiça por cargos e interesses escusos, até mesmo de empresas contrariadas em seus interesses comerciais. Enfim, depois de uma CEI e um inquérito policial, a Promotoria Pública pôs fim às duas iniciativas, ambas viciadas e corrompidas por fatores de natureza política. O “caso Semae” foi o principal assunto da campanha política de 2004 e Edinho quase perdeu as eleições em função dele. Até o núcleo externo, de muita


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

247

influência no início da administração, perdeu espaço no segundo mandato, embora tenha contribuído decisivamente para que Edinho virasse a eleição, no último momento francamente favorável ao professor Manoel Antunes. Esse núcleo externo sabe o que foi feito nos últimos três dias daquela campanha eleitoral. A vitória de Edinho foi contestada na Justiça. Só a Promotoria Pública entendeu o alcance de meu trabalho no Semae, pois, até o arquivamento dos processos, o já ex-vereador, um boboca que nunca mais se elegeu a nada, fazia campanha em cima das falsas denúncias. Alguns profissionais da imprensa insistiam em manter o assunto em pauta e certa autoridade gostava de ver o seu retrato nas páginas dos jornais. Todos os envolvidos no “caso Semae” perderam as eleições, no que ficou conhecido como a “maldição do Semae”. A autoridade (em outro caso) também teve os seus probleminhas e, mais tarde, um problemão. O paradoxo é que essa autoridade, tão beneficiada pela exposição midiática, está processando o jornal. Isso durou cerca de três anos e nesse tempo comi o pão que o diabo amassou. Bati à porta dos proprietários dos jornais. Clamei por Justiça. Queria que vissem que estava sendo destruído por pessoas e grupos, de dentro e de fora da administração. Escrevi cartas, artigos de jornal. Eu me debati como um pássaro preso numa arapuca. Acho que exagerei e certa vez Maria da Graça Freitas, companheira do Zé Figueira, me disse para esquecer, parar de escrever sobre o assunto. Todos haviam se esquecido, apenas eu, ao me debater, relembrava o fato. Talvez, Graça tivesse razão. Meu desespero me levava às ações precipitadas nem sempre racionais. Algumas pessoas (muito zelosas) mandaram páginas de jornais locais para sindicatos de São Paulo. Encontrei cartas anônimas com recortes em entidades estrangeiras. Tive de explicar o caso numa das reuniões da CAT, no Rio Grande do Sul. Aqui, abro parênteses para dizer que as lideranças sindicais foram generosas. Acreditaram em mim e continuei sendo eleito para outros cargos, ainda mais elevados. Essas zelosas pessoas daqui ficavam loucas de raiva com meu sucesso. Apesar de tudo que faziam, não conseguiam me destruir. Fui ficando mais confiante e mais forte. Nada mais me atingia. Quando os promotores deram um fim nos processos, foi uma catarse. Nem tudo foi desgraça. Houve solidariedade na família. Compreensão da mulher e filhos. Presença e conforto de alguns amigos. Os contabilistas e toda área sindical estiveram do meu lado. O vereador Zanirato e outros fizeram pronunciamentos em meu favor. Recebi o apoio de empresários que trabalhavam com o Semae e conheciam a minha lisura. Nunca fui destratado


248

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

na rua. Certo dia, Milton Hage, do grupo Rodobens, me vendo triste, disse: “Levante a cabeça. Todos nós sabemos o homem que você é”. Ele não sabe o bem que me fez. Alguns colunistas davam apoio. Cobriam minhas atividades sindicais. Noticiavam minhas vitórias. Mantinham-me sobre as ondas, em que pese o desprezo de parte da área política de alguns jornais. Com o apoio da família Buzzini e de alguns funcionários mais antigos, continuei, de vez em quando, publicando meus artigos. Notei que na área mais informada, na elite rio-pretense, as denúncias não tiveram grande efeito, embora não possa dizer o mesmo em relação ao povão, muito mais influenciável. Enfim, já que falamos em água, não me afogaram, mantive-me à tona, embora afundassem a minha carreira política. Esse talvez seja o único conforto desses zelosos profissionais. O “caso Semae” foi, no plano político, a coisa mais doída de minha vida. Ninguém imagina o que é ser acusado injustamente. Ninguém se interessa por seu destino. Você sente que uma vida inteira de honestidade está sendo destruída pela ignomínia de uns poucos. É como se um bloco de granito caísse em sua cabeça. Hoje, sou um homem mais forte e mais preparado. Contudo, será difícil pensar em outras atividades políticas. O Semae, praticamente, representou o fim desse caminho. Dentro da autarquia, a esmagadora maioria dos servidores sabia de minha inocência. Estiveram todos atentos e partilharam desse sofrimento. Alguns (lamento muito) também foram arrolados como cúmplices de acontecimentos dos quais sequer tinham conhecimento. A autoridade teve coragem para indiciá-los sem provas, dar entrevistas acusando a cada um, comparecendo pessoalmente em programas de rádio e televisão, sendo sensor e juiz dos fatos. Algo inusitado, despropositado e que depreciou a todos. Isso está contra e acima da lei. Não queria incluir esse texto aqui em minhas memórias, exercício de saudade e homenagem à família e aos amigos, mas já escrevi tanto sobre isso. Talvez, como diz a Graça, em casos como esse, o que abunda prejudica. Registro o fato para os meus parentes e amigos chegados, aqueles que foram solidários e me ajudaram. Estes, tenho certeza, merecem essas explicações e esses esclarecimentos. Aos demais, não adianta. Quem não quer acreditar ou continua contra você continuará sempre descrendo, jamais perdendo qualquer oportunidade para denegri-lo. Isso tem sido recorrente. Portanto, quando você explica, está explicando aos que não necessitam de explicação. Você se torna redundante.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

249

Talvez seja por isso que todos aqueles que sentiram a perversidade da mídia tiveram enormes dificuldades de retomarem às suas atividades. Há casos famosos, muitos, cujo desfecho, favorável às vítimas, não foi suficiente para reincluí-los em suas rotinas de trabalho. No meu caso, felizmente, embora não tenha retornado à política, cresci na hierarquia sindical. Sou alto dirigente da maior organização sindical das Américas e tenho escritório à disposição em quatro países. Pode parecer pouco, mas é o suficiente. Estou feliz. Neste parágrafo quero homenagear uma instituição: a Promotoria Pública. Em geral, os políticos têm horror de ouvir falar em promotores públicos, mas a Constituição de 1988 deu a eles o necessário poder. Em Rio Preto, em nenhum momento, esses guardiões da moralidade foram influenciados. Não entraram na torrente de maquinações e desprezaram as conclusões apressadas de muitos. Não foram pela aparência dos fatos. Concluíram baseados em documentos. Sequer se preocuparam com o testemunho de gente parcial, tendenciosa e interessada nos fatos. Não falo só por mim. Há também funcionários do Semae que foram atingidos. Eles precisavam, mais do que eu, de um atestado de boa conduta. Dizer que não houve injustiças no “caso Semae” seria ignorar fatos importantes. Lá, perderam o emprego pessoas honestas, trabalhadores infatigáveis. Lá voltaram pessoas que não deveriam ter voltado. Ficaram impunes alguns irresponsáveis, pessoas que sabotaram, destruíram documentos, que acusaram injustamente pessoas corretas. E lá permaneceram incógnitas pessoas que contribuíram com o lado ruim desse grande imbróglio. Não dá para voltar a falar disso. Quero, a partir desse texto e de outros textos destas pequenas memórias, sepultar esse assunto. Algo maior, talvez passe despercebido. As pessoas que ajudaram a aumentar o tamanho do caso; os vereadores da CEI que surfaram nas ondas do problema; os moralistas de ocasião que distribuíram as suas sentenças de vida ou de morte; os jornalistas que, mesmo diante de todas as evidências em contrário, insistiram numa linha de ilusão e de erro; os homens do núcleo externo da administração que agiram sem qualquer medida de bom senso; as autoridades que poderiam ter estancado o fluxo de maldades em seu início; um ou outro secretário municipal, cuja ação serviu para colocar lenha na fogueira; aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram para aumentar o elenco de injustiças, onde estão agora? Em alguns casos, a derrota eleitoral representou a voz do povo, enfastiado com o martelar das notícias. O castigo das urnas é bastante didático,


250

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

porém insuficiente. Mas, e aqueles que continuam em suas funções e que, por isso mesmo, podem repetir os seus desregramentos e as suas atitudes. Voltar a cometer injustiças, insistir no desvio de conduta ou continuar com perseguições? Nunca a justiça é completa e, neste caso, dentro e fora do Semae, sobram impunidades. Processá-los? Talvez eu seja a pessoa que mais possua documentos e motivos para isso e, de vez em quando, recebo a oferta de advogados interessados nesse tipo de ação. Tenho dúvidas sobre o acerto da medida e, graças a Deus, não sou um homem rancoroso. Estou sempre mais propenso a perdoar. Nesse tempo todo, só recebi um único pedido de desculpas pelos transtornos que sofri. O ex-vereador Claudinei Faustino, quase com lágrimas nos olhos, um dia me disse: “Desculpe, se lhe causei problemas”. Há outros que poderiam ter feito o mesmo, mas apenas mudam de calçada quando me vêem. Há até os caras de pau que agem como se nada tivesse acontecido e há, infelizmente, gente feliz com o meu calvário. O que fazer? Termino aqui. Tenho documentos e anotações suficientes para escrever um livro sobre esse famoso caso. Talvez, faça isso um dia. Por enquanto, me servem a absolvição e o nome limpo. Para quem, como eu, criado numa família onde a honestidade é a principal das virtudes, estar com a alma lavada já é suficiente. Como diz a música, sou um eterno aprendiz. Aprendi muito trabalhando no Semae. Aprendi muito depois que saí do Semae e aprendi muito, em todos esses momentos, sobre a natureza humana. A natureza humana é complexa e há homens cuja estatura não ultrapassa a soleira de uma porta.

V ER E A DOR ES Nunca tive como plano pessoal ser político. Em geral, os jovens de minha época preparavam-se para trabalhar e constituir família. Minhas possibilidades, creio, eram menores do que a maioria de meus amigos e colegas, decorrentes de uma situação ligeiramente mais difícil e agravada pela morte prematura de meu pai. Ao vir para Rio Preto, em 1959, o objetivo de minha mãe foi estar perto de minha avó, viver numa cidade com mais oportunidades e poder


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

251

educar os filhos. Ela teve pouca escola, ainda assim rural, com aulas ministradas por um prático, nem professor formado era. Contudo, teve muita fibra no encaminhamento dos filhos. Sempre trabalhei durante o dia e estudei à noite, às vezes com bolsas de estudos, algumas delas oferecidas por vereadores. É interessante esse fato: ter estudado em parte com bolsas da Câmara Municipal e depois ser membro da edilidade. Quando deixávamos a Escola Senac, após as aulas noturnas, subíamos a rua Jorge Tibiriçá e passávamos defronte a velha Câmara. Às vezes, parávamos para ver os debates dos vereadores. Tivemos o professor José Chalela como vereador e todos os alunos trabalharam para ele ser eleito. Antes, havia sido vereador o professor Francisco Salles Oeterer. Nenhum aluno da Escola Senac havia conseguido ser vereador e Eribelto se candidatou, mas não se elegeu na primeira vez. Contudo, em 1976, elegemos três ex-alunos da Escola Senac: Laerte Teixeira da Costa, Eribelto Manoel Reino (Beto) e José Mário Soares de Carvalho (Zé Mário), todos da Geração Senac dos anos 60. Para algo improvável, um feito e tanto. Natural que esses três vereadores fossem unidos. Na Câmara Municipal, as amizades não são sólidas. São meramente ocasionais. Mas alguns terminam por ser mais amigos do que outros. Na primeira legislatura (1977/1982), além do Beto e do Zé Mário, tive boas relações de amizade com vários deles. Hoje, todos os que deixaram a vida política são amigos. Depois que se pára de atuar, torna-se mais fácil a convivência. Daquela primeira turma, formou-se o embrião do grupo que venceria as eleições de 1982: Manoel Antunes, prefeito; Toninho Figueiredo, vice-prefeito; Laerte Teixeira da Costa, presidente da Câmara; Vergílio Dalla Pria Netto, deputado estadual; e Octacílio Alves de Almeida, reeleito deputado federal. Vergílio talvez tenha sido o político mais promissor da cidade e poderia ter ido muito mais longe, não fossem circunstâncias muito peculiares. Teve tudo à mão. Na segunda legislatura, quando presidente da Câmara, instalou-se no Legislativo uma competição feroz. A competição na área política é natural, mas creio, por intuição, que houve estímulo do prefeito e vice, ambos preocupados com as lideranças que surgiam. Abafar o surgimento de lideranças para se evitar concorrência sempre foi o objetivo daqueles que ocupam cargos mais elevados. Jogar um vereador contra o outro, fazia parte do jogo, algo comum.


252

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Talvez, por esses motivos, inicialmente, tenha sido difícil conviver com Caio Cezar Urbinati. Tinha boa amizade com Carlos Eduardo Feitosa, ajudei-o a se eleger em sua primeira eleição, mas depois, na Câmara, o convívio se tornou mais difícil. Isso era comum acontecer. Com outros, geralmente os adversários, aqueles em posições diferentes, o relacionamento sempre foi mais fácil. Não tenho queixas. Houve a ajuda e a compreensão da maioria dos colegas. Incidentes são previsíveis. Minha atuação, creio, era boa. Falava razoavelmente e estudava profundamente os assuntos. Não sei se era meu caso, mas vereador preparado sempre preocupa os mais ambiciosos. Em política, quanto mais insignificante você for, melhor. Quando Toninho Figueiredo ganhou as eleições, escolheu-me como secretário municipal do Planejamento, em substituição a Orlando Bolçone. Foi uma decisão do prefeito, nada tive a ver com ela. Mais um acidente de percurso. Em função de a administração Figueiredo estar sendo implacavelmente atacada por um dos promotores públicos, decidi voltar para a Câmara Municipal. Permaneci secretário apenas 16 meses, o suficiente para a equipe fazer todos os planos que foram rigorosamente seguidos por Toninho. Pouca gente sabe disso em Rio Preto. O Dimas Fernandes é testemunha. Até um novo cemitério ficou planejado, com terreno disponibilizado, aprovação nos órgãos ambientais. Esse projeto foi destruído pela administração posterior e o cemitério está fazendo falta. Há planejadores com muitas contas a ajustar com a História. Nas eleições de 1988, entrou um furacão na Câmara Municipal: Wayta Menezes Dalla Pria, esposa de Vergílio Dalla Pria Netto. Mulher atrevida e valente que, em época anterior, no bipartidarismo, em disputas aguçadas, talvez desse certo. Toninho passou apertado nas mãos dela. Difícil trabalhar com ela. Melhor agora que ambos estamos fora da política. Política é também o tipo de atividade para se fazer inimigos. Nessa época (1989/1990), Caio Cezar Urbinati queria porque queria ser secretário municipal e por certo tempo foi secretário municipal dos Esportes. Excelente secretário, tão bom que Toninho o fez voltar para a Câmara Municipal, oferecendo-lhe a presidência. Só por ser bom secretário é que ele foi duas vezes presidente da Câmara. Toninho não queria alguém muito eficiente (e que fosse político) perto dele. Caio é pessoa especial, sensível, com energia descomunal. Trabalha muito. Não tem horário. Produz bastante e bem, sendo útil a qualquer prefeito. Infelizmente, é vítima de suas próprias idiossincrasias. Continua bom amigo.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

253

Tentou voltar à Câmara Municipal. Não conseguiu. Voltar à Câmara é difícil e só conseguiram José Barbar Cury, Beleloy (Hubert Eloy Richard Pontes), Fuade Elias e José Raymundo Veneziano. Não me lembro de outros. Alcides Zanirato, no seu primeiro mandato, foi um rebelde sem causa. Depois, aprendeu e se transformou num dos melhores vereadores que a cidade já teve. Ficou por anos a fio como vereador e só saiu porque perdeu a eleição, quando candidato a vice-prefeito, companheiro de chapa de João Paulo Rillo. Foi também um dos melhores secretários de Esportes. Devo-lhe favores especiais. Amigo de todos, sempre ajudando, dentro e fora da Câmara Municipal, Roberto Toledo foi candidato a vice-prefeito de Manoel Antunes nas eleições de 2000. Recebi seu generoso apoio em importante caso, quando ele me defendeu forte e desinteressadamente. Sou-lhe especialmente agradecido e, de vez em quando, colocamos os assuntos em dia na sauna do Rio Preto Automóvel Clube. O atual prefeito, Valdomiro Lopes da Silva Júnior, muito ativo, tinha comportamento bastante individualista e voluntarioso. Foi sempre muito bom vereador. Eu o apoiei para prefeito nas eleições de 2000. Embora não tenha participado ativamente das últimas eleições, espero que ele possa fazer bom governo. Torcemos para isso. Experiência não lhe falta. Em que pese a perseguição implacável do promotor José Pupo Nogueira de Paula, não sabemos se merecida, Toninho Figueiredo foi bom prefeito. Suas realizações ficaram na história da cidade. Manoel Antunes também, mas, na primeira gestão, contou com os recursos do Programa das Cidades de Porte Médio (Banco Mundial) e foi beneficiado pelo mandato de seis anos, duas razões fundamentais para sua projeção. Adail Vetorazzo, por duas vezes prefeito e político eficiente, fez duas excelentes administrações. Foi tanto deputado estadual como federal. Só não foi mais longe em função de não comparecer para votar a emenda das “Diretas Já” (Emenda Dante de Oliveira). Depois disso, fizemos o seu enterro simbólico e ele nunca mais venceu eleições em Rio Preto. Sempre achei interessante a personalidade de Ernesto Alves Filho, vereador e vice-prefeito de Manoel Antunes (1993/1996). Ele promovia vigorosamente a si mesmo, brigava e certa vez, ao defender a candidatura de Toninho Figueiredo a deputado estadual, ultrapassou todos os limites. Dava socos na porta e gritava: “Vamos acabar com essa panelinha aí. Toninho é o candidato de Rio Preto”. Toninho conseguiu a legenda, mas não se elegeu.


254

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

José Raymundo Veneziano, candidato a vice-prefeito em 1988, não teve sorte. Foi vice de Adail na única eleição de prefeito que ele perdeu. Veneziano, médico, pessoa culta, tem imensos conhecimentos gerais e da profissão. Eu, ele e Manoel Antunes, às vezes, para divertimento de Toninho Figueiredo, desfilávamos nossos conhecimentos de literatura, citando autores e livros. Toninho era implacável: “Para que essas coisas? Vocês não sabem ganhar dinheiro”. Beleloy foi um vereador atípico, arrojado e corajoso. Autor de frases memoráveis, certa vez chamei-o de virulento e ele ficou ofendido. Somos excelentes amigos. Numa das sessões secretas da Câmara Municipal, ele quis, ao apagar das luzes da sessão, apresentar uma moção para concessão de honraria. Fui contra, mas os colegas permitiram. A moção me concedeu o título de Cidadão Honorário Rio-pretense (que ainda não recebi). Fiquei pasmo. Em outra ocasião, Beleloy se estranhou com um dos vereadores. Esse vereador andou falando bobagem e Beleloy não perdoou. Fez um requerimento de protesto e escreveu: “Passarinho que come pedra sabe o rabo que tem” (rabo é para amenizar). Sueli Maria Marilhano, redatora da Câmara Municipal, ao passar o requerimento para o impresso oficial, não sabia o que fazer. Depois de pensar e pesquisar, datilografou: “Passarinho que come pedra sabe a cloaca que tem”. Foi um divertimento. Política não tem lógica. Todos achavam que eu seria candidato a vice-prefeito do Manoel em 1992. Toninho impôs o Ernesto, sempre impedindo o meu crescimento. Nelson Aparecido Silva perdeu eleições para vereador e foi vice-prefeito de José Ferreira Liberato Caboclo (1997/2000). Maureen Leão de Almeida Cury foi vice de Edinho Araújo (2001/2004) e o PT lhe puxou o tapete. Por isso, Eliana Storino, nas eleições seguintes, chegou a vice-prefeita. Agora, Gaber Lopes, ex-secretário de Manoel Antunes, é o atual vice. Nenhuma dessas pessoas, à exceção do Ernesto, foram vereadores. Muitos vereadores continuam meus amigos. Há outros, ainda em atividade, que me procuram para textos, conselhos e conversas pessoais. Não citei a todos aqui porque estas pequenas memórias estão ficando longas demais. A eleição de vereador é a eleição mais difícil que existe. Se você souber que a pessoa é vereadora, respeite-a, pois não é fácil conseguir ser eleito.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

255

A LCI DES Z A N IR ATO Alcides Zanirato foi aluno das Faculdades Dom Pedro II quando me elegi vereador pela primeira vez. Lembro-me, à época, de haver conversado com ele sobre política nas escadarias da escola. Que me lembre, foi a primeira vez que houve uma conversa séria sobre o assunto. De 1976 até 2009, são mais de 30 anos e, somando as incontáveis vezes que o encontrei no futebol de salão do Palestra Esporte Clube, a conta vai longe. Grande amigo. Nem sempre foi assim. Depois que ele também passou a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal, havia natural competição entre todos. Poucos trabalham como Zanirato. Em qualquer ocupação, na política ou no esporte, ele dá o sangue. Como sempre, quem trabalha muito incomoda os outros. Ele se elegeu pela primeira vez em 1982 e atuou como vereador de 1983 a 2008, seis eleições consecutivas (uma como primeiro suplente). São 26 anos. Um dos mais longos exercícios de vereança da história da cidade só interrompidos quando foi escolhido secretário municipal dos Esportes (1993/1996 e 2005/2008). Deixou de ser vereador porque disputou o cargo de vice-prefeito na chapa de João Paulo Rillo nas últimas eleições municipais. Candidato a vereador, teria permanecido na Câmara. Zanirato foi o tipo de político que, granjeando experiência e aperfeiçoando a competência, tornou-se imprescindível às administrações municipais. Ocupou praticamente todas as comissões de trabalho do Legislativo e foi presidente entre 1999 e 2000. Certamente, é o homem que mais fez pelo esporte local. Sem sair do ramo, ocupa a presidência do América Futebol Clube e, por incrível que pareça, já ocupou também a presidência do Rio Preto Esporte Clube. Caso raro, já que se trata de times adversários. Foram inúmeros os seus projetos como vereador. Alguns de enorme alcance social. Nesse longo período como vereador, secretário municipal de esportes e ocupante de vários outros cargos na área política e esportiva de São José do Rio Preto, Zanirato se transformou numa referência. Quando na ativa, era consultado para tudo. Zanirato é casado com Clarice Fachini e tem dois filhos, José Luis e Clara Carolyne, ambos muito inteligentes e esforçados, verdadeiros sucessos no ambiente escolar, incluindo grande facilidade para línguas estrangeiras. As crianças têm dado muitas alegrias ao casal.


256

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Quando ocorreu o “caso Semae”, em meio à crucificação geral, Zanirato levantou a voz no Legislativo e, em alto e bom som, defendeu a mim e aos funcionários do Semae. Com sua experiência de muitos anos de estrada na política, sabia que havia jabuti subindo em árvores. Por sua maneira franca e corajosa, Zanirato tem desafetos na política e não é unanimidade. Suscita divergências e polêmicas. É de seu temperamento. Dou um exemplo: numa reunião com policiais, a autoridade pediu alto muro para proteção de uma das suas unidades. Zanirato simplesmente negou e perguntou: “Como fica a população que, afinal, vocês têm que proteger?”. Também não é de agradar ninguém e tampouco se esmera na educação. Não raras vezes saiu do sério com interlocutores obtusos. Claro, isso lhe trazia dissabores e causava irritação. Jesus Gregorim, quando seu assessor, ficava desesperado com esses rompantes e logo arrumava jeito de colocar panos quentes. Nós, como o conhecíamos, apenas ríamos. Como vereador e esportista, Alcides Zanirato é daquelas pessoas que sabem multiplicar o tempo. Nunca está parado. Essa grande energia lhe possibilitou organizar, fundar e dirigir uma quantidade enorme de entidades. Também estudou muito. É técnico em contabilidade, estudou matemática por certo tempo, Direito, Administração de empresa e até transações imobiliárias, o que lhe possibilitou ser corretor de imóveis. Pós-graduado em Administração Pública. Pisou no meu calo uma ou duas vezes, mas o que importa é o conjunto da obra. Zanirato mostrou-se amigo quando eu precisava de amigo. Creio que, na medida do possível, pude retribuir. Não o suficiente. Nesta época em que o nível da Câmara Municipal está a exigir assessorias competentes, Zanirato seria um excelente orientador legislativo. Jorge Menezes devia pensar seriamente no assunto.

A L MIR PA ZZI A NOT TO PI N TO Almir Pazzianotto Pinto é paulista de Capivari, cidade que ele gosta de citar em seus discursos. Eu o conheci nas lutas do velho MDB, depois PMDB. Como advogado, destacou-se como defensor de vários sindicatos de trabalhadores. Em 1974, elegeu-se deputado estadual pelo MDB, sendo reeleito em 1978 e 1982. Por seus conhecimentos em trabalhismo, Franco Montoro, então governador do Estado de São Paulo, convidou-o para ser secretário das Relações


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

257

do Trabalho, de onde saltou para o cargo de Ministro do Trabalho e daí para o Tribunal Superior do Trabalho. Essa carreira brilhante, começada na Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo, passando por outras importantes entidades e altos cargos políticos e administrativos, mostra seu raro sentido para oportunidades. No momento em que foi secretário das Relações do Trabalho, eclodiram inúmeras greves no setor canavieiro. Ele as enfrentou com determinação, logrando acordos considerados impossíveis. Tancredo Neves se impressionou com aquele jovem secretário e convidou-o para ser Ministro do Trabalho em seu futuro governo. Estávamos em plena redemocratização. O pessoal da Secretaria de Estado das Relações do Trabalho conviveu bem com Almir e seu competente secretário Plínio Gustavo Sartri, paulista de Sertãozinho. No dia da posse de Tancredo Neves, fomos todos para Brasília. O Brasil daria posse a um presidente civil e a um novo ministério. Almir Pazzianoto Pinto era uma das promessas da Nova República. Nossa frustração foi imensa. Na madrugada, no caminho para Brasília, fomos informados da internação de Tancredo Neves e da posse de José Sarney. Comparecemos à posse de Almir, mas o clima não era o mesmo. Almir, contudo, não decepcionou. Foi um ministro que atendeu as reivindicações dos trabalhadores, a começar pela liberação das cartas sindicais, antes um tormento para todos. Eu mesmo consegui a expedição de muitas cartas sindicais, intermediando em favor de muitos sindicatos de São José do Rio Preto e região. Almir permaneceu como Ministro do Trabalho de 15 de março de 1985 até o final de setembro de 1988, dias antes da promulgação da nova Constituição Nacional de 1988. Foram três anos e meio. José Sarney, um presidente que não deixou saudade, embora tenha levado a democratização adiante, nomeou-o ministro do Superior Tribunal do Trabalho, onde foi corregedor-geral, vice-presidente e presidente. Almir continua trabalhando em seu escritório e escrevendo artigos para jornais e revistas. É comum vê-lo na segunda página do Estadão. Como vereador e sindicalista, no governo do professor Manoel Antunes, oferecemos homenagem especial para Almir. Compareceram todos os presidentes de sindicatos da região, autoridades estaduais e federais e os antigos colegas da Sert. Creio que ele ficou satisfeito e, tenho certeza, foi um dos maiores reconhecimentos que ele recebeu no exercício do cargo.


258

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

A LOYSIO N U N ES F ERR EIR A F I L HO Quando vereador, na primeira legislatura (1976/1982), em São José do Rio Preto, arrumei encrenca com José Eduardo Rodrigues. Na verdade, a desavença inicial pertencia a Eribelto Manoel Reino, que, na casa de Octacílio Alves de Almeida, se atritou com ele. Engraçado, estávamos na sala de jantar e houve discussão à volta da mesa. Coisa de políticos novatos. A maioria não sabia sequer onde estava e o que fazia. Fui o mais calmo (veja só!) e saí da reunião como líder do MDB na Câmara Municipal. Não fizemos acordo e disputamos a eleição da Mesa da Câmara Municipal com meros seis votos. Uma besteira e tanto. Contrariamos a experiência de Octacílio Alves de Almeida, em função de nossas desavenças. Só serviu para dividir a bancada: três vereadores de um lado e três de outro. Todos perderam com essas discórdias internas e rompemos com o jovem José Eduardo, um político promissor. Com a anistia, Aloysio Nunes Ferreira Filho voltou ao Brasil e, sabendo que ele nutria a vontade de ser candidato a deputado, convidei-o para fazer palestra na Câmara Municipal. O ex-procurado pela Justiça Militar, de volta ao seio original, mostrando-se novamente à sociedade rio-pretense. Aloysio veio à Câmara e seu pai, homem simpático e hábil, conseguiu que boas figuras da sociedade estivessem presentes. Seu discurso foi antológico. Proporcionei o seu reencontro com o microfone, do qual ele não se separaria mais. Naquele dia, vi Aloysinho pela primeira vez. Antes, só nos cartazes da ditadura. Depois que deixei a presidência da Câmara Municipal (1983/1984), o Tribunal de Contas (TC) levantou pequeno problema legal em relação ao orçamento (transferências de verbas de uma rubrica para outra). Questão técnica, simples. Compreendendo a situação, Aloysio, já deputado estadual, solicitou audiência ao presidente do TC, à época, Orlando Zancaner. O problema da Câmara foi resolvido. A obsessão de Franco Montoro pela democracia obrigou o PMDB a promover eleição para o preenchimento de cargos partidários. Grande correria para obtenção de votos. Votei em Aloysio. Ocorre que trabalhava na Sert e Almir Pazzianotto Pinto teve muitos votos na região. Não convenci o Aloysio que, de fato, votei nele. Nem tentei. Nessas situações, as explicações abundam e não resolvem.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

259

Almir realmente usou a máquina da Sert e sei de cada um dos seus votos, de Ariranha a Santa Fé do Sul. O interessante é que Aloysio crê que alguns desses votos foram dele. Coisas da política. Aloysio, mesmo não acreditando que eu votara nele, jamais me cobrou a fatura. Político superior que sabe que “eleição e dor de barriga nunca dão uma vez só”. Aloysio cresceu na hierarquia peemedebista e ocupou, na Assembléia Legislativa, a liderança de dois governos (o de Montoro e o de Orestes Quércia). Como vice-governador de Luis Antônio Fleury Filho, comandou a Secretaria de Negócios Metropolitanos e, em 1993, ajudou-me a realizar o X Congresso da Clat, na Praia Grande, Litoral Paulista. Ele e Walter Barelli (então secretário estadual do Trabalho), com autorização do governador Fleury, foram fundamentais para a concretização da infra-estrutura do evento. Parêntese para dizer que Aloysio ocupou a liderança do governo Quércia em momento bastante expressivo, como o da redação e votação da nova Constituição do Estado de São Paulo. No dia da assinatura da nova Carta Paulista, no momento em que o nome de Aloysio foi chamado, todos os deputados de todos os partidos se levantaram e o aplaudiram de pé. Reconhecimento pelo grande trabalho que realizou. Ali ele consolidou a chance de ser o candidato a vice-governador. Já no Governo FHC, Aloysio voltou a me ajudar, influenciando na assinatura de um único convênio do Ipros com o Ministério do Trabalho. A CAT, sem os mesmos recursos de FS, CUT, CGT e SDS, não tinha condições de competir no difícil campo sindical. Em 2007, resolvemos juntar CAT, CGT e SDS, criando a UGT. Complexa e bem-sucedida obra de reengenharia sindical. Em 1990, depois das eleições, ele já eleito vice-governador, conversando no Pátio do Colégio, em São Paulo, expus-lhe a vontade de colaborar com o novo governo. Posteriormente, por influência de Edinho Araújo, fui convidado para dois importantes cargos (subsecretário do Trabalho e diretor da Caixa Econômica Estadual). Sempre errando em minhas opções pessoais, declinei de ambos os convites. Aloysio deve ter estranhado as minhas injustificáveis recusas. No campo do América Futebol Clube, em cerimônia da Prefeitura de São José do Rio Preto, interpelei Aloysio, já ministro, sobre o assassinato de um sindicalista da CAT em Sergipe. Ele exasperou-se. O caso ultrapassava as fronteiras nacionais e o meu desejo sincero era ajudar o governo a resolvê-lo. Gisele Sayeg, sua esposa, amenizou a mútua preocupação.


260

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

O caso andou e José Gregori, na ocasião ministro da Justiça, deu encaminhamento favorável às investigações, afinal descobrindo que o crime ocorrera a mando de um prefeito do nordeste. Poucas vezes, a Polícia Federal foi tão rápida e eficiente. Escrevi a Aloysio, agradecendo-lhe a interferência. A pergunta que se faz é: por que eu, sendo pouco polido, me dou bem com Aloysio, que também não é um exemplo de mestre em relações públicas? Minha explicação é simples. Dou mais valor à autenticidade, à capacidade parlamentar e às virtudes pessoais. Nesse campo, Aloysio é imbatível. Se dependesse de fazer favores, organizar clientela, Aloysio seria apenas bom político. Tem sorte, bons amigos e competência. Nasceu numa família de políticos. Seu pai foi deputado. Conviveu desde menino com essa atmosfera e isso ajuda muito. Além disso, é preparado, culto e, portanto, tem o perfil adequado para ser um político de envergadura. Não fosse tudo isso, com certeza não sobreviveria na elite da política brasileira. Aloysio é um cara excepcional. Certa vez, encontrei-o com Gisele num cinema de São Paulo e, estando com Regina, pensei em convidá-los para jantar ou tomar um vinho. Não foi possível. Tinha pressa. Nesses momentos, em geral, é muito educado e se coloca à disposição dos amigos. Clóvis Chaves, seu fiel escudeiro, quando necessário, faz o papel de bombeiro. Contudo, tendo em vista a excessiva exposição de Aloysio, praticamente não há problemas. Apesar do estopim ligeiramente curto, gosto do estilo dele. Não faz média e se impõe pelo conhecimento e pelo trabalho. Todo político sério compreende isso. Em que pese a convergência de legenda, Aloysio nunca confiou plenamente naquele time que emergiu das eleições quase gerais de 1982. Octacílio Alves de Almeida, Manoel Antunes, Vergílio Dalla Pria Neto, Antônio Figueiredo de Oliveira e Laerte Teixeira da Costa, para citar os políticos mais visíveis. Algumas vezes manifestou esse desconforto. Com o tempo e o dinamismo natural da política, o quadro mudou e desapareceu a desconfiança. Há alguma razão por parte de Aloysio porque nem Antunes e nem Figueiredo realmente tinham afinidade com ele e privilegiavam Dalla Pria. Eu os acompanhava. Algo que Aloysio não sabe: quando fomos inaugurar uma escola municipal, como secretário municipal de Planejamento, sugeri ao prefeito o nome da mãe de Aloysio, então recém-falecida. Figueiredo levou a idéia adiante. A partir dali, os dois passaram a ser mais amigos. A amizade se fortaleceu e perdurou até a morte de Figueiredo. Os pequenos desencontros com Aloysio foram superados. Só não o apoiei em eleições que também saí candidato, colono escalado pela direção lo-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

261

cal do PMDB. A região lutou bravamente pela dobradinha Fleury/Aloysio. Em 1998, minha família (irmão e irmã) em Campinas, deu o sangue a favor de Aloysio. Mas, nessa ocasião, Aloysio já envergava a estatura de político nacional, de bom trânsito, envolvido nas grandes questões republicanas. Tinha enorme séquito. Ajudei-o modestamente. Nem precisava. Em 2002, Aloysio recebeu pequena ajuda de Edinho Araújo. Por outros compromissos, devidamente informados a Clóvis Chaves, naquela eleição tive de ajudar a Gilberto Kassab e Rodrigo Garcia. Ano da maior vitória de Aloysio em sua carreira política, tanto em São José do Rio Preto quanto no resto do Estado de São Paulo. Teve votação consagradora. Na eleição seguinte, em 2006, ele não saiu candidato porque estava organizando a campanha de José Serra ao governo de São Paulo. Coloquei-me à sua disposição para trabalhar internamente no Comitê de José Serra em São Paulo, oferta desconsiderada certamente em função, naquele momento, de problemas locais. Trabalhei somente na campanha para a reeleição de Lula (Luiz Inácio Lula da Silva), na esfera sindical. Em janeiro deste ano, na filiação de Edinho Araújo ao PMDB, aventou-se a possibilidade de Aloysinho ser candidato a governador do Estado. Seria muito bom. Naturalmente, se acontecer, vamos todos trabalhar para ele. A saída de Edinho do PPS e seu engajamento a novo partido obedecem a um projeto político amplo, cuja lógica remete à aliança que se constrói para 2010. Em política não se reconquistam confianças. As alianças são construídas e só duram aquelas que realmente se assentam em bases sólidas. Nossas relações no velho MDB e em seu sucedâneo, o PMDB, com Aloysio, começaram frágeis e assim permaneceram. Perdi com isso. Minha lealdade a Manoel Antunes, Antônio Figueiredo de Oliveira e Vergílio Dalla Pria Netto foi correta em termos de caráter, mas sofrível em termos políticos. Não houve reciprocidade e, às vezes, tive interesses contrariados. Torço muito para que a carreira de Aloysio tenha outras vitórias. Ele se localizou no interior de um nicho político promissor. Se o governador José Serra vier a ser presidente da República, é mais do que provável que Aloysio o acompanhe ao Palácio do Planalto. Isso só não se dará se realmente ele for candidato a governador e vencer as eleições. Não acredito na última hipótese. José Serra precisa de alguém de confiança a seu lado. Certa vez, escrevi um artigo especulativo para a Folha de Rio Preto, no qual via Aloysio como futuro senador. Faz bom tempo que escrevi isso. Não se fala hoje sobre essa possibilidade, mas, na minha modestíssima opinião, seria


262

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

um cargo mais à feição de Aloysio. Ele tem um raro talento para se relacionar com o universo político e, num cargo desses, certamente seria líder do governo. Como amigo, sei que em 2010 vou trabalhar para Aloysio. Se Serra for eleito presidente e Aloysio governador, muitas pessoas da região serão convocadas para trabalhar no governo. Acho que, em qualquer circunstância, candidato ou não, Aloysio será imprescindível ao seu partido (PSDB). Fora, estarei aplaudindo. Embora goste muito de administração pública, estou escrevendo memórias, sinal de breve aposentadoria. Olhando para trás, posso afirmar que Aloysio Nunes Ferreira Filho, no século XX, foi o político de maior sucesso na cidade: deputado estadual, vice-governador, deputado federal, ministro de Estado e secretário de governo. Não tentou ser prefeito. Uma pena. Desejo que neste novo século ele possa se superar.

A LU YZIO DE M EN DONÇ A COSTA Quando trabalhei na Fresa, mantenedora do Hospital de Base (HB) e Faculdade Regional de Medicina (Farme), conheci Aluyzio de Mendonça Costa. Aluyzio formou-se na Faculdade do Rio de Janeiro em 1966. Veio para São José do Rio Preto em 1967 e entrou na Farme em 1968. Carreira meteórica em função de seu preparo e inteligência. Fez parte da comissão que elaborou o primeiro vestibular da Farme. Na cidade, montou o Laboratório de Histopatologia. Inaugurou os serviços de exames microscópicos de lesões orgânicas, que antes eram feitos na Capital. O laboratório completou 42 anos. Na Farme, é pessoa querida por colegas e alunos. Foi fácil ser seu amigo. Imediatamente nos demos bem. Aluyzio é cidadão honorário rio-pretense, em função de uma moção de minha autoria. Como fazia autópsias, muitas vezes, ficávamos conversando enquanto ele dissecava cadáveres. Falávamos de política. Aluyzio, como bom mineiro, é um observador sensível e sagaz. Em 1976, para colaborar com o MDB, aceitou ser o candidato a vice-prefeito de Geraldo Mansur. 20 anos depois, foi novamente candidato a vice, na chapa de Antônio Figueiredo de Oliveira. Nas duas vezes em que disputou como vice, os titulares da legenda perderam as eleições. Pena. Aluyzio poderia ter contribuído para o desenvolvimento da cidade. Sempre esteve muito à frente da maioria das cabeças do universo polí-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

263

tico local. Em uma ocasião, deixou o PMDB e foi para o PT. Voltou alguns anos mais tarde. Marcelo Figueiredo deveria colocá-lo a seu lado. Mineiro de Caratinga, Aluyzio é amigo de Ziraldo Alves Pinto. Nas eleições de 1976, Ziraldo autorizou o uso do Jeremias, seu personagem. Filho de doutor Mendonça, também médico, eternizado nos quadrinhos do Saci-Pererê. Cada vez que um bicho precisa de tratamento, chama-se o doutor Mendonça, homenagem de Ziraldo ao pai de Aluyzio. Manoel Antunes e Toninho Figueiredo freqüentavam a casa de Aluyzio, na Vila Redentora. Aluyzio recebia bem as pessoas, fazia churrascos e, junto com Letícia, preparava boas comidas. Normalmente, mesmo depois de ambos eleitos prefeito e vice, passavam por lá nos domingos pela manhã. Orestes Quércia quando vinha a Rio Preto também visitava regularmente a casa de Aluyzio. Quando da votação da emenda das Diretas Já, depois da ausência de Adail Vetorazzo, Aluyzio ajudou a organizar o enterro simbólico do ex-prefeito e então deputado federal. Com sua experiência de médico legista, contribuiu com uma hilariante “autópsia dos indiretistas”, o que lhe valeu um processo de Adail. Evidente que só ele poderia ter utilizado os termos técnicos que constavam da autópsia, mas, mesmo assim, o processo não deu em nada. Noutra ocasião, Aluyzio já havia criticado Adail. O prefeito mandou colocar tochas e soltar fogos para espantar as andorinhas que faziam da Praça Ruy Barbosa dormitório. A Revista Veja mandou para Rio Preto o repórter Hermano Henning e ele o entrevistou. Nunca teve medo de tomar posições. Muitas vezes, conversamos horas seguidas sobre situações de natureza política. Aluyzio, talentoso e perspicaz, oferece profundas análises sobre o panorama político local e regional. Deveria ser mais bem aproveitado para que pudesse contribuir com a cidade e seus políticos. Como sei dessas suas qualidades, sempre procuro beber dessa fonte de sabedoria.

CLÓV IS CH AV ES Quando o PMDB foi vitorioso nas eleições de 1982 e Aloysio Nunes Ferreira Filho se elegeu deputado estadual, começamos a conviver com Clóvis Chaves. Não o conhecíamos e ele apareceu por meio de Aloysio. Não sei a ligação anterior de ambos, provavelmente laços de amizade. Aloysio tem irrestrita confiança em Clóvis. Nos diversos cargos políticos


264

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

ou administrativos ocupados por Aloysio, Clóvis sempre esteve muito próximo. São quase 30 anos de cooperação. Essa constância constrói elos inquebrantáveis, em que os dois se conhecem e se relacionam perfeitamente. Gradativamente, à medida que Aloysio subia na hierarquia política, transformando-se num dos ícones do PSDB brasileiro, Clóvis Chaves, igualmente o acompanhava e se tornava cada vez mais imprescindível. Trata-se de aliança fundamental e estratégica entre duas pessoas inteligentes. Muita gente se surpreendeu quando, ao ser convidado para disputar a eleição de 2010 como candidato a deputado estadual, Clóvis teve de se afastar do PMDB para se filiar ao PSDB. Desde a década de 80, Clóvis manteve-se filiado ao PMDB, embora Aloysio houvesse deixado a legenda há tempos. A surpresa prosseguiu pela impressionante presença de vereadores, vice-prefeitos, prefeitos e dirigentes partidários ao ato de filiação. Absolutamente impossível chegar próximo de Clóvis. Convidado para o evento, desisti de cumprimentá-lo tal a o número de pessoas à sua volta. O fato confirmou seu prestígio pessoal, conquistado com trabalho sério e dedicado. Como dirigentes do PMDB (ele sempre era a voz de Aloysio no partido), eu e Clovis fomos testemunhas de muitos fatos históricos. Alguns deles ainda não devem ser revelados, sob pena de danificar biografias. Às vezes, nós nos damos o prazer de lembrar esses acontecimentos. Clóvis é um homem moderado e discreto. Ainda bem. Quando Aloysio deixou de disputar eleições, postando-se como o homem mais importante do grupo de José Serra, Clóvis passou a exercer diretamente alguns cargos de confiança política. Logo no primeiro deles, ocupando uma das subprefeituras de São Paulo, foi um sucesso. Isso o credenciou para disputar a eleição como candidato a deputado estadual pelo PSDB. Vai se eleger. Clóvis é também um raro amigo e está sempre ouvindo a demanda de todos. A capacidade de ouvir é virtude essencial do político. Nunca se escuta qualquer restrição ou crítica ao trabalho de Clóvis e, por isso, é certo que ele será um grande deputado estadual. Há poucos políticos na região com essa qualidade.

DUR ED FAUA Z Político e médico de muito sucesso em sua época, Dured Fauaz fundou clínica e foi presidente do AC (Rio Preto Automóvel Clube). Quando trabalhei


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

265

como diretor-técnico da Sert, ele, funcionário de carreira, voltou para o seu posto de médico do trabalho, depois de ter exercido o importante cargo de secretário de Estado da Promoção Social, nos governos Paulo Maluf e seu sucedâneo José Maria Marin. Nunca o tratei como funcionário e sempre o respeitei como secretário de Estado. Antes, Dured havia sido secretário da Saúde no governo do prefeito Adail Vetorazzo. Certa vez, interpelou-me duramente no Restaurante Ovelha Negra, defendendo Adail de meus ataques oposicionistas. Dured disse: “você contunde a administração”. Mas ficou nisso e mantivemos boa amizade. Ele, quando está de determinado lado, é engajado e obstinado defensor de seu grupo. Jamais se omite. Quando entrei como sócio do AC, ele fez questão de me apresentar e, naqueles tempos, de acordo com a tradição, quando um ex-presidente apresentava o candidato a sócio, não havia impedimento. A proposta estava aprovada. Hoje, todos os clubes passam por dificuldades e não sei mais qual o procedimento. Creio que, atualmente, não há maiores exigências. Dured tem muitos amigos. Especialmente, entre os colegas, autoridades e políticos da velha guarda. Seu irmão, Nuraldim Fauaz, também foi bom presidente do AC. Ambos vão bastante ao Clube e normalmente são festejados pelos associados. Quanto a Dured Fauaz é preciso reconhecer o seu grande trabalho em favor do município, seja trabalhando na Prefeitura ou no governo do Estado. Como médico, teve grande clientela e, no serviço público, foi um servidor exemplar.

F UA DE EL I A S Em 1982, quando terminaram as eleições, os candidatos estavam no Palestra Esporte Clube acompanhando a apuração dos votos. Primeira e única eleição de voto vinculado, votava-se de vereador a senador obrigatoriamente do mesmo partido. A perspectiva do PMDB seria a conquista do maior número de cadeiras na Câmara Municipal, o que aconteceu. Fizemos 11 vereadores em 17. Fuade Elias, desesperado e inseguro, não sabia se conseguiria estar entre os eleitos. Havia um bolo de candidatos com possibilidade. Estando entre os mais votados, acompanhava a votação de todos, anotando os números de cada um.


266

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Ele só contava os seus votos. Eu tinha melhor visão do conjunto e achava que Fuade seria eleito. Falei: “Despreocupe-se, você vai se eleger”. Ele ficou contente, embora continuasse inseguro. Respondeu que, se de fato fosse eleito, votaria em mim para presidente da Câmara Municipal. Foi o voto mais fácil de minha vida. Homem cumpridor da palavra, como convém a qualquer político. Se existe atividade em que a palavra é importante, essa atividade é a política. Nada pode ser escrito. Tudo deve ser cumprido à risca. Há exceções para confirmar a regra. Há exemplos famosos, como um com Tancredo Neves. Dois deputados não cumpriram a palavra, mas assim mesmo ele foi eleito para o cargo que almejava. Eleito e contrariando a sua bancada, Tancredo cumpriu o trato com os deputados faltosos. Essa fama ajudou-o a ser o fiador da transição democrática no Brasil. Pena que o destino interpôs-se em seu caminho. Alberto Targas Filho, vereador polêmico, só foi presidente da Câmara Municipal em função do voto de Fuade Elias, que, no final do ano, viajou para o Líbano e, ao voltar, a Cãmara estava em polvorosa. O prefeito Lotf João Bassitt havia mudado de opinião e apresentado outro candidato. Justificando sua fama e seus métodos, Lotf exigia o voto de Fuade ao novo candidato. Fuade cumpriu a palavra dada e votou em Targas, elegendo-o. Essa característica fez de Fuade intermediário de vários vereadores junto ao Executivo ou junto a empresários, cujas demandas implicavam em complicadas votações. Tipo diferente, não tinha medo de pedir para quem podia dar e com a outra mão praticamente entregava tudo aos pobres que o procuravam. Foi o único, no período em que exerci o cargo, vereador Robin Hood que conheci. Não era bobo nem ingênuo, mas fazia muita coisa pelos eleitores mais pobres. Sua sala permanecia lotada. As campanhas para vereador de Fuade Elias foram baseadas na assistência às pessoas para obtenção do título de eleitor. Ao Fórum, levava e buscava constantemente os seus “clientes”. O sistema de Fuade era infalível. Tirava o título, segurava o protocolo e às vésperas da eleição ia de casa em casa entregando os documentos. Entregava o título e falava: “Nesta seção, só vou ter o seu voto”. O beneficiado ficava com medo do voto não aparecer e Fuade, às vezes, sabia quantos votos ele teria em determinada urna. Nos últimos tempos, várias vezes foi candidato, mas não se elegeu. Fuade teve vários filhos, todos estabelecidos em Rio Preto. Viveu intensamente. Corajoso e destemido, enfrentava difíceis e complicadas situa-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

267

ções. Nunca se abatia. Passava entusiasmo e era um homem alegre. Fuade foi daquelas pessoas de que todos gostam. Toninho Figueiredo também era assim. Talvez, poucos compreendam, mas são as virtudes que permanecem e que valem. Precisam ser ressaltadas. Essas pessoas (e tantas outras) fizeram muito pela cidade e por sua população mais pobre. Nestas pequenas memórias muitas delas, não todas, estão citadas. Há muitas famílias beneficiadas pela ação de Fuade Elias. Muitos dos tijolos assentados nos loteamentos populares foram doações suas.

H U BERT ELOY RICH A R D PON T ES ( Beleloy ) Só mesmo buscando o testemunho dos céus para comprovar que solicitei exaustivamente o currículo do Beleloy. Se existe um ex-vereador sobre o qual eu gostaria de escrever mais e completamente, esse é Hubert Eloy Richard Pontes. Nomão de embaixador. Beleloy foi um dos melhores vereadores que a cidade já teve. Culto, honesto, trabalhador, irreverente e demolidor. Um Mike Tyson na política. Muito comum prejudicar as suas atividades de médico, onde ganhava o seu dinheiro, para dedicar-se aos mais humildes, sendo ao mesmo tempo médico e legislador. Numa das vezes em que fui eleito presidente da Câmara (1993), o voto de Beleloy foi decisivo. Já naquele tempo, a eleição se fazia no dia primeiro de janeiro. Como o ex-governador Luis Antônio Fleury Filho queria vir à posse de Manoel Antunes, prefeito eleito, a eleição da Câmara se atrasou uma barbaridade. Fiquei muito tenso. Estava enfrentando um dos pesos-pesados da política rio-pretense e sabia que qualquer vacilo seria fatal para minhas pretensões. Na noite anterior, no dia da ceia de Ano Novo, fiquei horas com Beleloy, até que ele se comprometesse com o voto. Como sempre, cumpriu a palavra, mas não sem antes fazer suas gozações particulares e aterrorizantes. Fui eleito e a votação, como prevista, foi difícil: onze votos a dez. Depois, (isso já está anotado no texto sobre os vereadores) sabendo que eu deixaria o cargo de vereador (não fui candidato), Beleloy foi autor de um Projeto de Decreto Legislativo, concedendo-me o título de Cidadão Honorário Rio-Pretense, honraria que ainda não recebi. Só receberei desde que seja das mãos de Beleloy. Espero que o atual presidente da Câmara Municipal, Jorge Menezes, autorize esse procedimento em 2010.


268

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Desconheço a quantidade de favores de Beleloy como médico. Os colegas vereadores, servidores públicos, pessoas da comunidade, todos, enfim, não respeitavam lugar e hora. Beleloy os atendia, sacrificando o almoço, o jantar e o sono. Não é à toa que neste ano de 2009 andou tendo problemas de saúde. Espero que ele se recupere bem para entregar-me o título de Cidadão Honorário. Beleloy é médico psiquiatra. Carioca do Rio de Janeiro, veio para cá criança, com seu pai, em 1954. Estimulei-o a candidatar-se ao Sindicato dos Médicos, onde é presidente há vários anos. Tem ampla dedicação às organizações sociais e hospitais psiquiátricos da região. Formado pela Famerp, recentemente classificada como a melhor do Brasil, Hubert foi professor assistente lá. Se existe alguém que faz falta à política e à Câmara Municipal, com certeza esse alguém é Hubert Eloy Richard Pontes.

JOSÉ R AY MU N DO V EN EZI A NO O médico José Raymundo Veneziano nasceu em Cedral. Formou-se em 1972, pela Universidade de Brasília. Em seguida, prestou o serviço militar na Marinha, onde permaneceu de 1973 a 1975. Saiu como Primeiro Tenente. Voltou para São José do Rio Preto e começou a clinicar em 1976. Em 1982, Veneziano concorreu a uma das vagas na Câmara Municipal e foi eleito vereador. Ficou fora da Câmara de 1989 a 1992 porque se candidatou a vice-prefeito, companheiro de chapa de Adail Vetorazzo em sua única derrota para prefeito, ocorrida em 1988. Voltou a ser vereador em 1993. No período entre 1993 e 1996, Veneziano ocupou a secretaria dos Serviços Gerais, convidado pelo prefeito Manoel Antunes. Por muito tempo foi presidente do PFL. Tentou vaga como parlamentar e, embora tenha sido bem votado, não logrou se eleger. Nesse período, as eleições já tinham forte influência do poder econômico. Entre 1997 e 1998, no período do prefeito José Ferreira Liberato Caboclo, Veneziano assumiu a presidência da Câmara Municipal. Foi um dos grandes presidentes que a nossa Câmara teve. Extremamente econômico, o seu mandato presidencial foi de multa calma e nenhum escândalo.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

269

Caso raro na história local. Veneziano tem uma vasta clientela e, graças a ela, é que, praticamente sem campanha, ganhou três eleições para vereador. Como dermatologista atende a vários convênios e é uns dos médicos do Hospital Santa Helena. Conhece como poucos a sua especialidade. Freqüentador do Mercado Municipal, onde vai tomar cafezinho e comer pastel, ali ele atende a todos. Há filas para “consultas”. Perguntei-lhe: “Você não fica aborrecido por essas constantes interrupções em seu café?” Ele respondeu: “Vou ficar aborrecido ou preocupado no dia em que não me procurarem mais”. Tenho boas e inúmeras histórias com o vereador Veneziano, desde a presença em congressos municipalistas até as conversas com Manoel Antunes e Toninho Figueiredo. Eu, Manoel e Veneziano tínhamos o costume de falar sobre literatura, assunto que Toninho abominava. Veneziano foi casado com Sueli Gama, com quem teve dois filhos (Samuel e Carlos), também médicos bem-sucedidos. Os quatro, segundo consta, foram excelentes alunos. Regina, colega de Sueli no secundário, afirma que ela foi a melhor aluna da classe. Os fatos se confirmam pelo sucesso que todos têm em suas profissões.

LUIZ F ER NA N DO SPI NOL A MICUCI Conheci o médico oftalmologista Luiz Fernando Spínola Micuci militando no PMDB, antes MDB. Micuci foi fundador e presidente do Sindicato dos Médicos; delegado do CRM (Conselho Regional de Medicina), presidente do Departamento de Oftalmologia da Sociedade de Medicina e Cirurgia; e coordenador da Campanha Nacional de Prevenção da Cegueira e Reabilitação. Só para ficar nas funções de maior relevância. Sua formação inclui curso pela Universidade Federal Fluminense, especialização na PUC, do Rio de Janeiro, na Associação Médica Brasileira e no Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Com desenvolvida consciência social, é diretor do Comitê de Solidariedade Contra a Fome em Fronteira, Minas Gerais, onde possui propriedades. Os dois parágrafos anteriores são para mostrar que Micuci teve formação esmerada e carreira vitoriosa, o que pouca gente sabe. Essa modéstia


270

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

extrema, fez com que ele, à época em que o PMDB mandou na cidade de São José do Rio Preto (de 1982 a 1996), não ocupasse um único cargo na área da saúde, sempre apoiando e trabalhando por colegas. Salvou os nossos prefeitos (Manoel Antunes e Toninho Figueiredo) de inúmeras dificuldades. Considero Micuci um dos grandes companheiros que tive no PMDB. Ele sempre me apoiou e, à época em que era presidente do Sindicato dos Médicos, também participou ao meu lado das atividades sindicais. Sua presença em cursos da Utal foi típica de seu caráter. Com preparo muito acima dos demais, era capaz de comportar-se com simplicidade e de se fazer imprescindível aos colegas. Nunca se exibia ou se mostrava superior. Humilde a toda prova. Na fundação do Sindicato dos Médicos foi obstinado. Recebendo a ajuda do pessoal da Secretaria do Trabalho local e de Plínio Sartri, conhecido companheiro de Sertãozinho e pessoa de confiança de Almir Pazzianotto Pinto, obteve a almejada Carta Sindical. O Sindicato dos Médicos era filiado à CAT. Hoje, o presidente é Hubert Eloy Richard Pontes. Amigo solidário, Micuci é o último solteiro de São José do Rio Preto. Não por falta de pretendentes, mas porque, desconfio, é muito chegado à independência pessoal e, talvez até a um pouco de solidão, embora seja pessoa cercada de amigos, alguns com dias específicos para almoços e jantares. De vez em quando, estando em Rio Preto, filo o jantar das quartas-feiras, onde comparecem ele, Juraci de Oliveira, Marcelo Figueiredo de Oliveira, Dourival Lemes dos Santos e outros velhos peemedebistas. Quando ele pertenceu ao CRM, viajávamos constantemente para São Paulo e colocávamos em dia todos os assuntos. A esgarçadura do PMDB local, motivada pela persistência de objetivos pessoais intransigentes, fez com que velhos companheiros se situassem em legendas diferentes. Cada um foi para determinado canto. Micuci permaneceu na legenda, ao lado de Toninho Figueiredo.

N ELSON DE C A RVA L HO SEI X A S Nelson Seixas foi o vereador mais votado da história de São José do Rio Preto. Nas eleições de 1972 teve 4.593 votos. Algo impressionante. Quase 20% dos votos válidos. Pode-se dizer que, de cada seis eleitores rio-pretenses, um votou nele. Ninguém o igualou na história, embora quantitativamente já tenham superado a sua votação. Foi presidente da Câmara (1973-1974) e renunciou ao mandato por motivos profissionais.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

271

Sua votação se explica por ter sido um dos fundadores da Apae (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais) e seu presidente por vários anos. Fora da política, em 1983, foi convidado por Manoel Antunes para ser o secretário de Saúde do município. Isso possibilitou sua candidatura a deputado federal em 1986, quando foi eleito e se tornou o único rio-pretense constituinte de 1988. Sua vitória correspondeu à derrota de Octacílio Alves de Almeida. Na época, a votação local era determinante. Antunes, com sua escolha, permitiu a reinserção de Seixas no universo político. Octacílio reclamou muito. O currículo do médico Nelson Seixas é invejável. Esteve sempre vinculado ao trabalho das Apaes. Foi integrante de vários conselhos, incluindo o Conselho Nacional de Saúde. Consta que é descendente da família de João Bernardino de Seixas Ribeiro, fundador de São José do Rio Preto. Conheci Nelson Seixas quando trabalhava para a família Sestini, contador da Agência Ford local. Posteriormente, por várias vezes, estivemos juntos em projetos de interesse municipal e, na primeira vez que fui presidente da Câmara (1983-1984), pela natureza de nossos cargos, havia natural relacionamento. Como redator de algumas funções das secretarias, incluí o saneamento básico e a questão da água no âmbito da saúde. Na prática não funcionou. O DAE era um departamento ligado diretamente ao prefeito municipal, embora na lei pertencesse à área da saúde. Com o tempo, modificaram essas disposições legais. Com aproximadamente 80 anos, Nelson Seixas é uma das bandeiras vivas da cidade. Trabalhou em muitas coisas. Foi professor, diretor de quase todos os clubes locais e, em 1975, criou a primeira Apae rural do Brasil. Em 1976, com sua expressiva votação, ajudou a eleger Adail Vetorazzo. Na época existiam as sublegendas, casuísmo criado pelos militares para acomodar todos os políticos que estavam na Arena. O jornalista Ruy Sampaio, quando era secretário de Cultura, criou o Prêmio Estímulo, um projeto de fomento à produção cultural de São José do Rio Preto. Levou ao prefeito Edinho Araújo a idéia de homenageá-lo. Mais tarde, o Estímulo Nelson Seixas transformou-se em Programa Municipal de Fomento à Produção Cultural. Foi também membro do Conselho Consultivo do Semae, quando novamente tive o prazer de conviver com ele, que sempre encontra tempo para Rio Preto. Como estou escrevendo estas linhas realmente de memória, resisto buscar na internet mais dados sobre o doutor Nelson. Só busquei a sua votação de


272

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

1972 (impossível lembrar-me disso) e ano em que fundou a Apae rural. Sei que há muito mais e que sua enorme biografia não se resume a esses poucos dados. Que me perdoe. Vou me manter fiel ao projeto destas memórias.

OCTACÍ L IO A LV ES DE A L M EI DA Conheci Octacílio quando ele começou lecionar geografia na Escola Senac, de São José do Rio Preto. Aposentou-se como professor estadual, ocupando todos os cargos da antiga carreira, inclusive, chegando a chefe do Magistério Primário do Estado de São Paulo, cargo que não existe mais. A seguir foi para o Senac, onde logo foi contratado como diretor. Como professor de geografia, na 2ª ou 3ª série do ginásio comercial (correspondente à 6ª e 7ª séries de hoje), suas aulas eram muito animadas, em geral complementadas com experiências pessoais de suas viagens pelo Brasil. Os alunos o respeitavam. No tempo de escola, não tivemos relacionamento próximo. Em determinado ano, trabalhamos muito para organizar o festival folclórico, realizado na quadra da escola, numa noite fria de junho. Eu e meus companheiros de colégio fomos ao comércio pedir troféus. Conseguimos. Porém, quando chegou o dia do festival, o diretor apareceu para entregá-los. Hoje, entendo melhor isso. Houve liberdade para os alunos criarem e, depois, como diretor, ele representou a escola. Na época, jovens contestadores, ficamos “pê da vida”. Coube a mim a parte mal educada. Octacílio, sábio, apenas sorriu. Turcão (Edson Miguel José Abufares) convenceu-nos e, enfim, nos comportamos. Foi uma grande festa. Olímpia não possuía ainda o extraordinário festival que a cidade faz todos os anos. Mais tarde, Octacílio, em gesto digno dos maiores elogios, selecionou alguns alunos para dar aulas na Escola Senac. Não estava entre os escolhidos. Fui lecionar uns dois anos depois, na Escola Técnica de Comércio São Luis, do grupo Fadir. Entre os professores lançados por Octacílio, estão Eribelto Manoel Reino, Odair Ferrante e outros. Tendo feito algum sucesso como professor, Octacílio depois me convidou para lecionar no Senac e, na época, não pude aceitar. Em 1974, estava ainda em Curitiba, Octacílio saiu candidato a deputado federal pelo antigo MDB, lançado por Orestes Quércia, organizador do partido no Estado de São Paulo. De repente, o partido recebeu uma enchente


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

273

de votos. Quércia foi eleito senador e Octacílio passou a ocupar uma cadeira na Câmara Federal, transformando-se num político importante em Rio Preto. Antes disso, Octacílio havia tido uma experiência como vereador de Ribeirão Preto e, em l968, foi candidato a vice-prefeito de São José do Rio Preto na chapa de Norberto Buzzini. No início, esta dobradinha saiu com boas possibilidades, mas circunstâncias diversas inviabilizaram a vitória, incluindo o massacrante domínio da Arena, em época ainda próxima dos acontecimentos de março de 1964. Em 1976, o nome de Octacílio se viabilizou para prefeito de São José do Rio Preto e ele saiu candidato, sendo o mais votado. Perdeu as eleições em função das sublegendas, artifício criado pelos militares e que permitia aos dois partidos (Arena e MDB) lançarem três candidatos cada. A excelente votação de Nelson de Carvalho Seixas, suficiente para suplantar Geraldo Mansur e Fuad Pachá, deu a vitória a outro professor, o experiente Adail Vetorazzo, pela segunda vez prefeito. As eleições de 1976, como novidade, apresentaram os nomes de cinco jovens vereadores: Eduardo Nicolau, Eribelto Manoel Reino, José Mário Soares de Carvalho, José Eduardo Rodrigues e Laerte Teixeira da Costa. Apenas Normando Buzzini, veterano, foi reeleito. Verdadeira revolução na Câmara Municipal, antes praticamente só ocupada por medalhões da política local. Os tempos começavam a mudar. José Eduardo Rodrigues fez dobradinha com Octacílio em 1978. A escolha de José Eduardo Rodrigues não foi pacífica. Eribelto Manoel Reino, José Mário Soares de Carvalho e eu ficamos contra. Nosso candidato era o Eribelto, cuja amizade com Octacílio remontava aos tempos da Escola Senac. José Eduardo foi, na verdade, mais competente. Elegeu-se deputado, o mais novo de todos, com boas perspectivas. A cisão na bancada seria decisiva para o seu futuro e só ele tem condições de avaliar se para melhor ou pior. Foi candidato a prefeito, derrotado em 1982, mas conquistou a simpatia de Franco Montoro. Montoro gostava de políticos novos e jovens. Conforme o previsível, Octacílio reelegeu-se deputado federal em 1978 e nós, os ex-alunos do Senac, trabalhamos para ele. O MDB se consolidava como alternativa e os militares começaram a fazer leis e decretos casuísticos, procurando inviabilizar o crescimento da oposição. O professor Octacílio, deputado respeitado, pertencia ao grupo dos moderados, sempre ouvido por Tancredo Neves e outras estrelas do cenário político nacional. Ajudou a transformar o MDB em PMDB.


274

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Enfim, em 1982, houve eleições quase gerais, de vereador a senador, passando pela importante e primeira eleição direta para governador. A única eleição de voto vinculado: você votava só em candidatos do mesmo partido. O PMDB fez a maioria dos vereadores e deputados. Franco Montoro elegeu-se governador de São Paulo com Orestes Quércia de vice. Octacílio recebeu votação consagradora em Rio Preto. Manoel Antunes, como novo prefeito, convidou Nelson de Carvalho Seixas para ser o secretário da Saúde, justamente o homem que inviabilizara a vitória de Octacílio em 1976. Ele protestou em vão. Seixas foi candidato a deputado federal em 1986, prejudicando enormemente Octacílio. Coisas da política e dos políticos. Nelson Seixas foi eleito. Os governadores do PMDB, a partir de Orestes Quércia, aproveitaram o talento de Octacílio em repartições importantes como o Cepam e Prodesp. O professor, apesar de seu prestígio pessoal e de ser utilizado em cargos importantes, ressentiu-se muito do fato de não ter sido reeleito deputado federal em 1986. Nas eleições seguintes, ocupei o seu lugar como candidato e numa das eleições ele procurou me ajudar, mesmo sabendo que não tinha qualquer chance. Manoel e Toninho nunca moveram uma palha. Saí endividado de todas essas eleições Morreu o velho professor. A esposa e os filhos, alguns na cidade, pouco se interessaram por política. Apenas o Pedrinho (Pedro Henrique Alves de Almeida) foi dirigente partidário e fez parte da equipe inicial de Edinho Araújo. Todos são formados, pessoas talentosas como o pai. Quando penso no professor Octacílio, penso em quanto a política é injusta e irracional. Octacílio poderia ter sido prefeito de São José do Rio Preto e acho que perdemos por não tê-lo como prefeito. Era considerado bom administrador desde os tempos de funcionário graduado da Secretaria Estadual de Educação. Os homens, com suas virtudes e seus defeitos, fazem a história.

RODRIG O GA RCI A Rodrigo Garcia é um jovem vencedor. Cedo, se elegeu deputado estadual e na Alesp fez carreira vitoriosa, chegando à Presidência da Casa. Formou dupla com Gilberto Kassab e ambos conseguiram imprimir um marketing político diferente e inovador.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

275

Depois das eleições municipais de 2000, fiz-lhe uma visita no Palácio 9 de Julho e surgiu a idéia de trabalharmos juntos. Inicialmente, aventou-se a hipótese de eu ir trabalhar na Alesp, mas meus compromissos sindicais e a presidência da CAT não permitiam dedicação exclusiva, exigida por Rodrigo. Indiquei-lhe minha esposa Regina, recém aposentada da CPFL. Regina é formada em Letras, tem pós-graduação em Administração de Empresas pela FGV e registro de Jornalista. Rodrigo e Kassab precisavam de uma pessoa com esse perfil e foi fácil o acerto. Ela foi bastante útil em 2002. Com isso, indiretamente, e com o conhecimento de Rodrigo, conseguimos uma forma de pagar a mensalidade escolar de meu filho, naquela ocasião, cursando medicina em Presidente Prudente. Não podemos nos esquecer do que representou este trabalho e do grande favor que devemos a Rodrigo. Foi fundamental para a formação do Alex. Regina trabalhou em tempo integral e eu pude ajudar a ambos (Rodrigo e Gilberto) nas eleições de 2002. Depois, talvez em função dos acontecimentos locais, tivemos que afastar Regina do emprego, prejuízo desconhecido dos rio-pretenses. Contudo, apesar desse e de outros prejuízos indiretos, somos gratos ao Rodrigo e ele terá sempre o reconhecimento de todos lá de casa. Gilberto Kassab fez uma aliança com José Serra, elegendo-se vice-prefeito de São Paulo. Serra candidatou-se a governador e Kassab assumiu a Prefeitura. Impressionou o país quando se reelegeu prefeito em 2008, ultrapassando Marta Suplicy e Geraldo Alckmin. Faz muito boa administração na cidade de São Paulo. Como prefeito da maior cidade da América do Sul, Gilberto Kassab pode se dar ao luxo de poder disputar com chances qualquer eleição no Brasil. Realmente, a projeção que São Paulo oferece lhe permite ousados vôos eleitorais. Como fiel parceiro, estará ao lado de José Serra. Em casos como esse, de aliança estratégica, é recomendável a permanência do entendimento. Fará o que for acordado com José Serra. Rodrigo é hoje secretário de Modernização, Gestão e Desburocratização da Prefeitura de São Paulo. Talvez não possa editar mais o eficiente marketing eleitoral que iniciou com Gilberto Kassab, em função dele haver alcançado outros patamares políticos. A forte e precoce experiência acumulada por Rodrigo Garcia, os cargos que ocupou em sua curta carreira, as eleições que venceu, sua impressionante disposição para o trabalho (era difícil acompanhá-lo nas caminhadas pelos corredores da Alesp), permitem acrescentar que ele tem ainda inesgotável potencial político-eleitoral. Vai longe.


276

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Em São José do Rio Preto, Gilberto e Rodrigo, ajudaram Manoel Antunes em duas candidaturas a prefeito (2000 e 2004). Particularmente, acho que Manoel errou ao deixar o PFL (atual Democratas), mas essa é outra história. Acho que Rodrigo poderia ter sido candidato a prefeito e só não disputou a eleição porque empenhou sua palavra em relação ao candidato Valdomiro. Valdomiro se elegeu.

W I LSON ROM A NO C A L I L Wilson é bom médico. Isso é pouco para descrevê-lo. Aluno brilhante na Escola de Medicina do Rio de Janeiro, orador da turma de formandos, voltou para São José do Rio Preto e foi trabalhar junto com o médico Gumercindo Sanchez, comunista de carteirinha. Minha mãe prestou serviços para os dois médicos. Como vereador, tive oportunidade de ser útil ao médico Gumercindo Sanchez. Precisando se aposentar, articulei votação na Câmara Municipal para o reconhecimento de seu tempo de serviço na Prefeitura. Longa história, decorrente de atritos que teve com um ex-prefeito. De novo, assunto para o Lelé Arantes. Fomos crescendo, arrumando nossos empregos e, com o tempo, todos em casa se ocuparam de outros serviços. O último trabalho de minha mãe, antes de se aposentar, foi ser vendedora de roupas. O médico Wilson Romano Calil cresceu na profissão e tornou-se indispensável à Santa Casa de Misericórdia. Minha família sempre acompanhou com interesse a evolução do doutor Wilson Romano Calil. Em 1971, aceitei a oferta para assumir a contabilidade de grande indústria paranaense de fertilizantes. Fiquei em Curitiba cerca de quatro anos e gostei muito da cidade. Mantive em Rio Preto o meu domicílio eleitoral e, em 1972, voltei para votar. Fora da atmosfera eleitoral, logo notei que a cidade estava toda voltada para a candidatura de Wilson Romano Calil, que tinha o apoio de Adail Vetorazzo, então prefeito. Wilson venceu. Concorreu decisivamente para a vitória de Wilson a sua performance no programa de Silvio Santos “Cidade contra cidade”. Roberto Toledo talvez seja a maior memória desses lendários programas, em que, para tirar São José do Rio Preto do páreo, só mesmo uma embrulhada. Depois da embrulhada, coube a Wilson fazer a defesa da cidade e ele o fez com brilhantismo.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

277

a eleição seguinte, em 1976, saí candidato a vereador, elegendo-me N pelo então MDB. O prefeito eleito foi Adail Vetorazzo, que voltou à Prefeitura Municipal, tendo como vice-prefeito Roberto Lopes de Souza. Roberto e eu prestávamos serviços à Fresa. Logo no início da administração, houve polêmica sobre déficit ou superávit, envolvendo a administração anterior. Roberto dizia que Wilson deixara um déficit financeiro. O jornalista Antonio Higa estava entrevistando Wilson em sua casa da avenida Bady Bassitt e, convidado, compareci ao encontro e dei um depoimento técnico em favor de Wilson, contrário à posição de Roberto Lopes de Souza. Naquele momento, embora nunca tenha sido radical, fiz a opção em termos de situação ou oposição ao novo governo municipal. Wilson continua clinicando. Formou-se advogado, escreveu livros, faz comentários para a televisão. Continua ativo na comunidade. A cidade lhe deve muito. Sua administração foi visionária. Quando Alex, meu filho e neto de João Marilhano, de quem Wilson e seu pai foram grandes amigos, se formou, recebemos dele um lindo telegrama. Este documento faz parte de nossas recordações.


278

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

SI NDICA L ISMO

SI N DIC A L ISMO Entrar para o sindicalismo foi imprevisível. No ano de 1965, um grupo de sindicalistas de São Paulo veio para o interior para ministrar cursos de pequena duração. Bancário, o sindicato local foi até as agências para recrutar participantes. Indicado pelos colegas do Comind, fiz parte do grupo. Freqüentei o cursinho, realizado no Sindicato dos Condutores de Veículos e, em decorrência de destaque pessoal, fui escolhido para fazer outro curso, de longa duração, na Capital. Contei no texto sobre o Turcão (Edson Miguel José Abufares), o malabarismo que fiz para freqüentar o curso em São Paulo. Cursando o terceiro técnico de contabilidade e trabalhando no banco, seria praticamente impossível aceitar o convite para um curso intensivo de três meses. Viajei para São Paulo, morando três meses no Hotel Central, em plena avenida São João, freqüentando o curso cheio de professores de alto nível, catedráticos da USP e de outras boas faculdades paulistanas. Gostava de estudar e fiquei fascinado. Ao voltar de São Paulo, com dificuldade, terminei o curso técnico de Contabilidade. No ano seguinte mudei de emprego. Contratado como contador pela Agência Ford e, sendo comerciário, Paulo Fernandes Lucania, me convidou


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

279

para fazer parte da nova diretoria do Sindicato dos Comerciários. Ainda na década de 60, fui eleito suplente de diretoria e este foi o meu primeiro cargo sindical. Em Curitiba fui militante do Sindicato dos Químicos. Organização apática, sem empolgação. Não me interessei. Anos depois, voltava a São José do Rio Preto e me reintegrei à Associação Profissional dos Contabilistas, que deu origem ao Sindicont. Ao entrar para a política como candidato a vereador em 1976, tive importante apoio dos contabilistas e de meus alunos das Escolas Dom Pedro II. Fui eleito. Aí, a política se misturou com o sindicalismo. Voltei a me interessar ativamente pelo assunto quando assumi a diretoria-técnica da Sert, da antiga 8ª Região Administrativa. Como meta de trabalho, optei por promover a fundação de novas associações e sindicatos. Paulo Fernandes Lucania, Fábio Renato Amaro da Silva e Rachel Luiza Barbour Scott me ajudaram. Mais tarde, para conseguir as cartas sindicais, fomos beneficiados pela presença de Almir Pazzianotto Pinto no Ministério do Trabalho. Fundamos vários sindicatos (Médicos. Alimentação, Vigilantes, Metalúrgicos, Práticos de Farmácia, Vestuário e outros). A história do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário, hoje, Sindinorte, está nestas pequenas memórias. Ao assumir a presidência do Sindinorte, entrei de vez no sindicalismo e subi todos os degraus da hierarquia sindical brasileira e internacional. Entrar, em seqüência, no Ipros, na CAT e na UGT, foi conseqüência do trabalho desenvolvido na área e da ajuda de bons amigos. Contei com o apoio dos filiados da CAT e de Arnaldo de Souza Benedetti, com quem fiz uma dupla imbatível em termos político-sindicais. Assumimos todos os cargos disponíveis na área internacional da CSI, CSA, CTCS e OIT. Aceitei, gradativamente, os desafios da área sindical. O sindicalismo me proporcionou alargar conhecimentos, visitar países, estar em reuniões do Parlamento Europeu, FMI, BM, OEA, OMC, ser observador internacional de eleições (Paraguai e Nicarágua) e ocupar cargos, no Brasil e no exterior. Entre eles ser membro do CDES, do Conselho Nacional do Sesi e de outras instituições. Durante muitos anos, ocupei diversos conselhos, como o da Utal, do Ilacde, da FPH, da KAS e da FSI, da CMT e da CSI, as três últimas com sede na Bélgica. O povo de São José do Rio Preto desconhece essas atividades. Ocasionalmente, alguns cronistas sociais divulgam esses fatos, mais pela amizade que mantenho com todos, especialmente com Roberto Toledo, Waldner Lui e


280

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Nenê Homsi. Conto também com a boa vontade do Fabiano Buzzini, da Cecília Damian e do Marival Corrêa. Em geral, no universo sindical, por meio de publicações próprias, essas notícias são conhecidas. Hoje, está na moda dizer que determinado produto precisa agregar valor. Com as pessoas também. Não há dúvida que o sindicalismo, da forma como pratiquei, realmente ajudou acumular conhecimentos. Se posso me dar ao luxo de escrever essas páginas, com certeza, devo muito às atividades das últimas décadas, proporcionadas pelas atividades sindicais. Aprendi muito e estou agradecido por isso.

COM ERCIÁRIOS Dirigente comerciário foi meu primeiro cargo sindical oficial. Tenho, portanto, ligação especial com a categoria dos comerciários, onde fiz grandes amigos. Paulo Fernandes Lucania foi o primeiro deles e acompanhei a sua carreira até a morte, em 2007. Lucania foi dirigente do Sindicato de São José do Rio Preto, juiz classista e presidente da Fecomerciários. Ajudei bastante o Paulo em sua caminhada até a Federação. Como tinha ligação com a Clat consegui que participasse de um seminário no exterior, ocasião em que ele estreitou seus laços com a Fetralcos, cujo secretário-geral era Eduardo Garcia Moure. A Fetralcos apoiou técnica e financeiramente a trajetória de Paulo, incluindo a hospedagem de seus eleitores em hotel de São Paulo. Eleição dificílima. Todo cuidado e providências foram tomados, tanto que sua vitória se deu por um voto. Em eleição histórica, derrotou Antônio Pereira Magaldi. A substituição de Paulo no SEC coube a Marcos Antônio Pereira, que ingressou no sindicato em meados da década de 70. Quando Paulo assumiu a Fecomerciários, em 30 de abril de 1990, Pereira assumiu o Sindicato aqui em Rio Preto. Sua carreira foi pontuada de conquistas para a categoria e de amplo sucesso pessoal. Pereira chegou a tesoureiro da Federação, eleito junto com o novo presidente Luiz Carlos Motta. Num determinado momento da vida dos comerciários, houve a necessidade de se optar pela modernidade. A pressão para o trabalho noturno e aos domingos sempre foi muito grande. Como isso se tornou comum na maioria dos países, também no Brasil começou a ser implantado. Recordo-me que,


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

281

quando vereador, em Rio Preto, ainda consegui impedir a primeira tentativa de o shopping center local abrir aos domingos. Depois, foi impossível segurar, até pela necessidade de empregos e exigência dos consumidores. Na verdade, não há problema em se trabalhar aos domingos e feriados, desde que a jornada de trabalho seja respeitada e que haja folga correspondente em outros dias da semana. O problema é que, na maioria das cidades do interior, isso não acontece e muitos comerciários trabalham além da jornada, sem ganhar horas extraordinárias. A desculpa, no caso, é que grande parte do pessoal trabalha em regime de comissão sobre as vendas. A luta de Ricardo Patah e Luiz Carlos Motta tem sido permanente. Sou testemunha de que eles procuram evitar os abusos dos maus patrões, daqueles comerciantes que não têm a necessária visão: trabalhador satisfeito e respeitado é trabalhador que produz mais. Felizmente, no Brasil, os excessos diminuíram e há bom diálogo entre sindicatos de empregados e sindicatos patronais. Pereira, como era conhecido, faleceu depois de eu ter iniciado estas linhas sobre os comerciários. Como Lucania, ex-presidente do mesmo Sindicato, morreu cedo, com 55 anos de idade. Nada mostrava um desfecho dessa natureza, rapaz forte e atleta, participante de campeonatos de futebol e desportista. Mas, como diz o ditado popular, para morrer, basta estar vivo. Líder dos comerciários na cidade, depois da morte de Paulo Fernandes Lucania, Pereira cresceu na hierarquia da Fecomerciários, onde Motta o escolheu para ser o primeiro tesoureiro. Em Rio Preto, ficou conhecido pelos empresários como hábil negociador, nunca se recusando a conversar sobre o horário e os dias de funcionamento do comércio. Sua principal vitória foi ter conseguido trocar dias importantes de vendas por dias de descanso em datas estratégicas, como o Carnaval e o 1º de Maio. Essa iniciativa foi aprovada pela maioria. Pereira, com isso, consolidou a sua liderança e passou a ser respeitado pelos patrões. Deixou uma obra inacabada.

LUIZ C A R LOS MOT TA Motta é a mais nova liderança da categoria comerciária, substituindo Paulo Fernandes Lucania na Federação dos Comerciários do Estado de São


282

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Paulo. Ganhar a confiança de Lucania não foi nada fácil. Quem, como eu, conheceu mais de perto o sindicalista, sabe o que isso significa. Paulo, ao se aproximar das pessoas, cercava-se de todos os cuidados. Luiz Carlos Motta é paulista de Ribeirão Preto e fez 50 anos em 2009. Mudou-se para Tupã (SP) com 10 anos de idade, quando seu pai, também comerciário, assumiu a gerência da Loja Coteninga. Mottinha, assim conhecido para se diferenciar de seu pai, tinha pendores futebolísticos e foi bom jogador de futebol de salão. Até hoje, diverte-se com os amigos batendo uma bolinha nos finais de semana. O rigor do pai e a pressão da família fizeram Mottinha trabalhar cedo. Como muitos jovens daquela época, trabalhava durante o dia e estudava à noite. Formou-se técnico em contabilidade, economia e administração de empresas. Encontrou tempo para licenciar-se em matemática e exercer o magistério superior. Carreira bem parecida com a minha e a do companheiro Gallo (Luis Eduardo Gautério), ex-presidente da CNPL. Somos todos formados em escolas noturnas. Trabalhando no comércio e lecionando à noite, Motta tornou-se sócio do SEC-Tupã, ocupando primeiramente um cargo no Conselho Fiscal e, em seqüência, passando a ser vice-presidente, delegado à Fecomerciários e tesoureiro. Como delegado à Fecomerciários, conheceu Paulo Lucania e, desde 1989, passou a ser um dos suplentes da diretoria. Bastou 10 anos para chegar à vice-presidência da Fecomerciários. Motta surpreendeu os seus companheiros pela dedicação. Atento, camarada e preocupado com as possibilidades da Federação em nível nacional e internacional, logo se interessou pelas entidades das quais ela participava: FS, UNI, Orit e Ciosl. Com todas as credenciais culturais e forte militância, Motta passou também a ocupar outros cargos: na CNTC; no Secretariado Profissional do Comércio, Serviços e Similares; na FS, onde desenvolveu vários projetos e expandiu a ação da central em diversos países; no congresso de unidade entre Ciosl e CMT, foi eleito membro do Conselho Geral da CSI. Em 2006, Luiz Carlos Motta foi nomeado Delegado Nacional dos Trabalhadores do Brasil na Conferência da OIT, cumprindo destacado papel em Genebra. Em abril de 2007, com a morte de Lucania, Motta assumiu temporariamente a presidência da Federação dos Comerciários do Estado de São Paulo. Um ano e meio depois, houve a eleição definitiva e os companheiros de


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

283

Motta, nada menos do que 65 sindicatos, elegeram-no com 100% dos sufrágios. Tomou posse em março de 2009 para um mandato de cinco anos. Por força da política de subsedes, implementada à época de Lucania, Motta teve que se mudar para São José do Rio Preto com sua esposa e filhos. Casado com Elaine Arseli Calvo Motta, tem dois filhos (Matheus e Tassius), ambos adolescentes. Ao assumir a Fecomerciários, voltou a centralizar as atividades em São Paulo e adquiriu novo prédio, onde pretende inaugurar moderna sede, compatível com o crescimento da entidade. Quando estas pequenas memórias forem editadas, Motta já estará na nova sede da entidade que preside. A categoria comerciária do Estado de São Paulo abrange cerca de um milhão e meio de trabalhadores, dos quais quase 500 mil estão na capital. O SEC-SP, presidido por Ricardo Patah, é o maior sindicato filiado da Fecomerciários. Há enormes desafios para as lideranças comerciárias: garantia do cumprimento da convenção coletiva de trabalho, garantia do emprego ante os riscos da automação e comércio eletrônico, fiscalização contra a exploração da mão de obra na área informal e, apesar da liberação na maioria das cidades do comércio aos domingos, os líderes trabalham pela regulamentação da profissão e do trabalho aos domingos. Sem regras, há abusos. As lutas declaradas e em pleno andamento estão destinadas a impedir a flexibilização das leis trabalhistas, a buscar a redução da jornada de trabalho e a conseguir a participação dos trabalhadores nos lucros e resultados das empresas. Agenda moderna, capaz de mobilizar a categoria e, ao lado da capacitação dos profissionais da área, aumentar o índice de sindicalização. Os comerciários investem na área de comunicação. Motta modernizou e ampliou a Revista Fecomerciários, aumentou a sua tiragem e está gradativamente fortalecendo as ações em comunicação comunitária, via rádio, televisão e internet. Também está aumentado e democratizando o uso da Colônia de Férias da Praia Grande, uma das maiores do Brasil. Incentiva o aprofundamento do diálogo com a federação patronal e continua o projeto de financiamento de casas próprias ao trabalhador comerciário. São inúmeras as iniciativas da Fecomerciários sob a presidência de Luiz Carlos Motta.


284

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

RIC A R DO PATA H Ricardo Patah é presidente do maior sindicato da categoria na América Latina, o Sindicato dos Comerciários de São Paulo (SEC-SP), cuja base abriga meio milhão de trabalhadores. Patah está atento às mudanças que ocorrem na vida dos trabalhadores. Isso o levou à presidência de uma das mais importantes centrais sindicais do Brasil e das Américas, a UGT. No SEC-SP, Ricardo Patah está desde 1991. Ocupou vários cargos na diretoria e assumiu a presidência em 2003. Começou a trabalhar cedo no Bazar 13 e hoje é funcionário licenciado do Grupo Pão de Açúcar. Em 2007, a convite de três presidentes de outras centrais de trabalhadores (CAT, CGT e SDS), passou a comandar a terceira maior entidade sindical do país, fruto de raro processo de unidade. Patah representou um grupo de entidades independentes (leia mais no texto sobre a UGT). Patah, ao assumir a presidência do SEC-SP, provocou verdadeira revolução. Investiu nas áreas de saúde, educação, moradia, esporte, cultura e lazer. Reformou a sede do Sindicato, transformando-a num dos mais inteligentes e eficientes prédios do Vale do Anhangabaú. E provocou a participação colegiada de toda a diretoria, integrando todos os membros em torno dos objetivos, estudados e planejados. Parece que a Prefeitura Municipal vai fazer modificações no Vale de Anhangabaú e Patah deverá encontrar nova sede, mas esse é o tipo de desafio que ele gosta e os comerciários podem estar tranqüilos, pois, com certeza, a futura sede será melhor ainda. Por enquanto, Ricardo Patah acumula as duas presidências (SEC-SP e UGT), outro enorme desafio para esse jovem sindicalista. Na UGT imprime uma administração igualmente moderna, incorporando idéias de cidadania, ética e inovação, agregando cada vez mais ao movimento sindical os excluídos do mercado de trabalho. Isso é muito útil ao trabalho na CSA, onde a secretaria de Políticas Sociais tem a responsabilidade de cuidar dos setores informais. No CDES, órgão de assessoria do presidente Lula, Ricardo Patah é membro ativo e neste ano (2009) participou das reuniões do CES da Europa, realizadas em Bruxelas, onde se destacou. Em outubro assumiu como membro do Conselho Geral da Confederação Sindical Internacional, substituindo a Arnaldo de Souza Benedetti, que abriu mão do cargo em seu favor. Como relações públicas, Ricardo Patah é imbatível. Tem no sangue a capacidade de se relacionar e sempre encontra uma palavra amiga e incentiva-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

285

dora, de forma que sua equipe de trabalho bate recordes de eficiência. Tem uma família unida. É casado com Cláudia e tem cinco filhos (Tiago, Felipe, Camila, Diego e Júlia). Vejo-o atendê-los ao telefone, esboçando um largo sorriso e falando: “Diga, amado filho”. Seu bom humor é contagiante. A formação escolar de Ricardo Patah inclui o curso médio no famoso Colégio Dante Alighieri e duas formações superiores (administração de empresas e direito), além de vários cursos de extensão universitária e sindical, no Brasil e no exterior. Na luta sindical, Patah lança mão dos inúmeros conhecimentos que tem sobre comércio, vendas e relações públicas, mantendo postura agressiva e dinâmica em seus atos e ações. Costuma ser muito eficiente. Comecei a trabalhar com Ricardo Patah a partir de julho de 2007. Como presidente, foi capaz de cumprir todos os compromissos com os expresidentes das centrais extintas e que deram origem à UGT. Comigo tem sido especialmente gentil e companheiro, assim como todos do comando operativo da Central. A UGT tem vida longa e as perspectivas são de enorme crescimento no futuro. Quanto ao SEC-SP, com futura nova sede e outras iniciativas na maior cidade brasileira, esperam-se dias ainda melhores. Ali, há uma equipe enorme de diretores e funcionários, mais de 500 pessoas, que procuram atender as necessidades da categoria. Não tenho dúvidas que os comerciários do Estado de São Paulo, com Ricardo Patah e Luiz Carlos Motta, estarão sempre muito bem representados.

I PROS – I NST I T U TO DE PROMOÇ ÃO SOCI A L O Ipros foi fundado em 1981. O Brasil vivia o momento da abertura política. O governo militar dava sinais de exaustão. Ruy Brito de Oliveira Pedroza, junto com outros companheiros, todos sindicalistas sob a influência da poderosa Clat, deu início às atividades do Ipros. Um estrangeiro, que não fez parte da primeira diretoria do Ipros, procurou Ruy Brito, delegando-lhe a tarefa de constituir no Brasil uma entidade regular, de forma que a atuação sindical se baseasse formalmente em dispositivo legal, mesmo não sindical. Este homem, José Merced Gonzalez, encontra-se ainda em atividade no México, dirigindo o Cenpros. Gonzalez, à época da fundação do Ipros, era membro dos comitês executivos da CMT e da Clat.


286

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

A Clat, antes impedida pelos militares, voltava a atuar no Brasil. Ruy Brito fora presidente da Contec e, posteriormente, também fez parte dos comitês executivos da CMT e Clat. Formou-se um tripé, interligado por laços de afinidade ideológica: CMT, Clat e Ipros. O Ipros não teve vida política, embora em seu início, por circunstâncias inerentes ao quadro político-sindical, tenha exercido essa função. Entre 1984 e 1986, foi substituído nas tarefas políticas pela CAT-Coordenação que existiu até 1995. A partir da fundação da CAT, o Ipros passou a ser um organismo técnico, elaborador de projetos, realizador de eventos e promotor de cursos de formação sindical. Assim permanece. Ruy Brito foi presidente do Ipros desde sua fundação até 1994, quando havia outro projeto em andamento, a transformação da CAT-Coordenação em CAT-Central, que ocorreu em 8 de dezembro de 1995 e no qual tive participação decisiva. O Ipros passou a ser a organização não-governamental da Central Autônoma de Trabalhadores. Cheguei ao Ipros nos anos 80 do século passado, chamado pelo companheiro e amigo Eribelto Manoel Reino. Eribelto, vice-presidente, precisava de um dirigente com conhecimentos de contabilidade e com capacidade para colocar ordem na tesouraria. Havia muitos projetos em moeda estrangeira, financiados pelas organizações de solidariedade internacional e ele necessitava de uma pessoa de confiança. Com nova eleição, passei a ser o diretor-tesoureiro do Ipros. O falecimento de Eribelto, em 1987, deixou um vazio. Como conhecia os seus projetos, dei andamento a todos, quase sem nenhuma oposição interna, apenas divergências pontuais, rapidamente superadas. Ruy Brito, embora discordasse levemente da criação de nova central de trabalhadores no Brasil, não obstruiu o projeto, firmemente financiado pela Clat. Com grandeza e discernimento, Ruy Brito deixou a presidência do Ipros em 1994 e eu o substituí. Aí, acelerei o projeto da central, outra boa história. O Ipros continuou com os seus convênios e acumulava experiências. Poucas entidades filantrópicas organizadas em seus moldes tiveram essa longevidade, completando 28 anos em agosto de 2009. O Ipros evoluiu. Caracterizado como organização não-governamental e filantrópica, o Ipros, além de suas atividades normais, faz cursos de qualificação e requalificação profissional. Presta serviços ao universo sindical brasileiro, especialmente para a UGT. Hoje, o Ipros é presidido pelo bancário Arnaldo de Souza Benedetti.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

287

Mantenho vínculos com o Ipros porque sou o presidente de seu Conselho Deliberativo. Ele vai continuar como instituto de formação e o presidente da UGT, Ricardo Patah, se comprometeu com isso. Presidi o Ipros por exatos 13 anos, o que não é pouco. Coincidentemente Ruy Brito também o presidiu por 13 anos. Tenho certeza de que Arnaldo de Souza Benedetti poderá ter a mesma longevidade e o mesmo sucesso. O ano de fundação do Ipros é emblemático para o sindicalismo brasileiro. Foi o ano do Conclat e Ruy Brito teve grandes méritos em sua realização. No Conclat estiveram presentes praticamente todos os fundadores do Ipros e todos os sindicalistas que simpatizavam com a causa da Clat e da CMT no Brasil. José Merced Gonzáles, o mexicano infatigável, estava lá. O papel de José Merced Gonzáles é importante. Há pouco tempo fiquei sabendo desses detalhes. Talvez tarde, porque muito já foi escrito sobre o Ipros, sem registro desse fato. Fico satisfeito porque estas pequenas memórias resgatam esse papel e recolocam a história do Ipros dentro de seus verdadeiros parâmetros.

CEN T R A L AU TÔNOM A DE T R A BA L H A DOR ES (C AT ) A CAT-Central substituiu a CAT-Coordenadora. Houve procedimento lento, iniciado com a fundação do Ipros, em 1981. A Central nasceu em 8 de dezembro de 1995, no Centro de Convenções de Brasília, em congresso com cerca de 1000 delegados, representando 711 organizações fundadoras. Nasceu forte. Fundador, primeiro e único presidente, estive à frente da CAT até 2007, quando, fruto de raro processo de unidade, fusionamos a entidade com duas outras centrais: CGT e SDS. Organizações independentes, lideradas por Ricardo Patah, fizeram parte do projeto. A UGT é um projeto bem-sucedido, mas desfazer-nos da CAT, organização que vimos nascer, foi difícil para todos. No entanto, prevaleceu a necessidade de uma organização forte e representativa. A UGT tem possibilidades de crescimento. A iniciativa foi correta. A CAT teve longo período de maturação que envolveu várias situações: os sindicatos que tinham afinidade ideológica com a vertente sindical internacional CLAT/CMT; os sindicalistas brasileiros que participaram dos seminários de formação na Utal, realizados todos os anos entre o final da década de 80 e


288

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

o ano de 1995 (em torno de 400 pessoas); as organizações sindicais independentes, até a época maioria no universo sindical brasileiro; os bancários que, liderados por Ruy Brito de Oliveira Pedroza e Arnaldo de Souza Benedetti, se alinharam à idéia de formação da nova central; e, finalmente, o apoio da própria Clat, incluindo significativos recursos financeiros. Com relação à Clat, deve ser registrada a presença no Brasil de um bom organizador e grande sindicalista. Constantemente entre nós, impulsionando e incentivando, estava Eduardo Garcia Moure, um cubano-venezuelano que fazia parte da diretoria da Clat. Garcia viajou por todo o Brasil, promovendo a nova central e eu fiquei entusiasmado com o projeto. Praticamente larguei tudo e entrei firme na concretização do sonho de organizar a nova central de trabalhadores. Eleito presidente, deixei o cargo de vereador em São José do Rio Preto. Eribelto Manoel Reino não estava mais entre nós. Ruy Brito, pouco convencido sobre a criação da CAT, defendia a unidade. Inicialmente, a Coordenação, por sua orientação, fazia parte como tendência tanto no interior da CGT como no interior da CUT, embora fossem poucos os simpatizantes da CUT no projeto. A criação da CAT cristalizou essa dubiedade e cada uma das organizações participantes teve que optar. A maioria permaneceu na CAT e tivemos algumas adesões importantes de independentes, como foi o caso da CSPB - Confederação dos Servidores Públicos do Brasil. Fundada a CAT, Emílio Máspero, secretário-geral da Clat, ficou eufórico e promoveu na Europa a divulgação da nova central de trabalhadores, convidando-me para visitar alguns países. Permaneci lá quase 30 dias explicando aos sindicalistas europeus os objetivos da CAT, dando a sua dimensão e perspectivas futuras. Isso ajudou e logo assinamos importante convênio com a KAS, da Alemanha e, outro, posteriormente, com a União Européia. Emílio Máspero faleceu em 31 de maio de 2000 e a Utal recebeu o seu nome. Homenagem justa para o homem que construiu um império sindical, que aplicou religiosamente os recursos e deixou um patrimônio avaliado em mais de 20 milhões de dólares. A CAT teve a honra de pertencer a essa vertente sindical (CMT/ Clat), que não existe mais. Na onda dos processos de unidades, a CMT se uniu a Ciosl, formando a CSI. A Clat se uniu à Orit, formando a CSA. Não há no mundo nenhum grupo sindical maior do que a vertente CSI/CSA.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

289

Com a UGT sendo filiada das duas organizações - CSI/CSA -, ocupamos muitos cargos. Arnaldo de Souza Benedetti se elegeu membro do Conselho de Administração da OIT. Estou no secretariado da CSA e outros companheiros em cargos da UGT. A unidade foi boa para todos, embora a CAT tenha deixado saudade.

CEN T R A L L AT I NO A M ERIC A NA DE T R A BA L H A DOR ES (Clat ) Nem me lembro direito da primeira vez que visitei as instalações da Clat na Venezuela. Sei que foi no final da década de 80, quando comecei a tomar conhecimento e a aprender sobre sindicalismo internacional. Os dirigentes da Clat depositaram confiança em meu trabalho sindical. Eles estavam interessados em ter no país boa representação sindical. Em 1995, conseguimos atingir o objetivo ao fundar a CAT. Conheci algumas pessoas fundamentais, líderes sindicais, a maioria perseguida em seus países de origem e trabalhando como membros da direção da Clat. Alguns deles: Emílio Máspero, argentino; Eduardo Garcia Moure, cubano; Luis Henrique Marius, uruguaio; Rodolfo Romero, paraguaio. Essa equipe coesa, sob o comando de Emílio, fazia o trabalho da Clat que consistia num esforço de organização e formação de lideranças sindicais na América Latina. A Clat começou como organização confessional, denominada Clasc, fundada no Chile, em 1954. Só em 1964, no terceiro congresso, é que passou a ser Clat. Teve a mesma origem da CMT e os mesmos propósitos. Houve importante diferença conceitual entre Clat e Orit. Enquanto uma era latinoamericanista, a outra era interamericanista. Isso não impediu que viessem a se unir em março de 2008, em congresso na cidade do Panamá. A fusão deu origem à CSA, a maior central de trabalhadores do continente. Perdi a conta das vezes que visitei a Venezuela. Na prática, a Clat mantinha a Utal, da qual sou membro da direção. Embora a Clat tenha desaparecido, a Utal mantém inalteradas suas atividades. Possui sede enorme e auto-suficiência financeira. Entre o final da década de 80 e o ano de 1995, quase 20 anos, enviamos várias turmas de sindicalistas brasileiros para fazer cursos na Utal e, a cada


290

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

turma, eu comparecia para dar aulas. Em geral, abordava os ciclos econômicos brasileiros, a história sindical e focava a necessidade de organização de nova vertente sindical no Brasil, nosso objetivo principal. Centenas de brasileiros estiveram na Utal e eles foram importantes para a fundação da CAT. A Clat funcionou por mais de 50 anos, antes de se fusionar com a Orit. Emílio Máspero aproveitou-se bem das incertezas da Guerra Fria. Estabeleceu uma organização sólida e de muitos tentáculos: organizações sindicais nacionais, institutos sub-regionais, setoriais latino-americanas, comissões de jovens e mulheres trabalhadoras. Fundou um instituto para cuidar de tudo isso, o Ilacde, operando como uma espécie de mantenedor da Utal. A Central trabalhou como matriz para as diversas organizações nacionais da América Latina e do Caribe. Elaborava projetos, arranjava recursos e provia as necessidades das entidades a ela filiadas. Com isso, conseguiu que muitas dessas organizações tivessem sede própria, principalmente os institutos sub-regionais, alguns com imóveis altamente valorizados, como é o caso do Icaes da Costa Rica. Se a alguém deve ser creditada a visão de fazer investimentos na aquisição de imóveis e que resultaram em boas aplicações, esse alguém é Emílio Máspero. Um metalúrgico argentino, vigoroso e autodidata, que deixou além das obras físicas, inúmeros estudos e pesquisas sobre relações do trabalho e problemas sociais. Seu legado é imenso e está sendo sistematizado pela Utal, devendo ser colocado à disposição das novas gerações de líderes sindicais. Particularmente, aproveitei muito dos ensinamentos de Emílio Máspero e de seus colegas de diretoria da Clat. Participei de inúmeros encontros, seminários e cursos na Venezuela e em outros países. Representei a Clat em diversos eventos, incluindo seminários no FMI, BM e OMC e participei de comissões específicas. Fiz parte de um grupo que visitou a China, a convite do governo chinês, uma das melhores viagens que fiz na vida. Também integrei grupos de observadores internacionais, seja em eleições ou conflitos entre entidades e governos. Experiência rica e abundante de detalhes culturais e profissionais. Valeu a pena estar na Clat. Alguns daqueles dirigentes do passado ainda estão lá ajudando nas atividades da Utal, caso de Eduardo Garcia Moure e Acácia Máspero, viúva de Emílio Máspero, espécie de tesoureira e guardiã da memória do marido. Mulher extraordinária! Como continuo dirigente da Utal e do Ilacde, ocasionalmente, posso vê-los, conversar e matar saudade. Gente boa! A Clat foi extinta em março de 2008, quando se fusionou com a Orit.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

291

Participei desse importante congresso. A entidade que surgiu dessa fusão, a CSA, tem sede em São Paulo, onde estou trabalhando atualmente, responsável por assuntos como trabalho infantil, economia informal, direitos humanos e outros.

CON FEDER AÇÃO MU N DI A L DO T R A BA L HO (CM T ) Quando convidado por Eribelto Manoel Reino para integrar o Ipros, encontrei Ruy Brito de Oliveira Pedroza. Ambos foram muito importantes em minha formação sindical. Não conhecia nada de sindicalismo internacional e simplesmente ignorava as siglas e funções das entidades de trabalhadores, incluindo as brasileiras. Rapidamente aprendendo, procurei entender o que representavam as duas organizações da corrente mais antiga do sindicalismo no mundo: CMT e Clat. Relativamente jovem, com cerca de 40 anos na época, representei no Brasil a possibilidade de renovação dos quadros sindicais dessa vertente, fundada como Cisc, no começo do século 20. O comunismo, depois da Primeira Grande Guerra Mundial, representou nova esperança para o mundo do trabalho. As reações no Ocidente e nas igrejas foram imediatas. O Ocidente tinha medo do comunismo por ser inimigo natural do capitalismo. As igrejas cristãs se sentiam ameaçadas por um sistema materialista, defensor da idéia de religião como “ópio do povo”. A Cisc representou em parte essa reação. Seus primeiros pressupostos inspiraram-se na Encíclica Rerum Novarum. Somente em 1968, no Congresso de Luxemburgo, a Cisc se transformou em CMT, deixando para trás o caráter confessional, tornando-se pluralista. O mundo começava a mudar, embora houvesse o recrudescimento da Guerra Fria. Decorrente da Guerra Fria apareceram duas novas centrais mundiais de trabalhadores, a Ciosl e a FSM. A primeira era tida como socialdemocrata e a segunda, reconhecida como comunista. Essas rotulações, às vezes, ainda utilizadas, são imprecisas e não revelam a natureza dessas entidades. No sindicalismo moderno, embora persistam, não cabem os sentidos partidário, ideológico e confessional. As organizações são pluralistas e é comum ver cristãos convivendo com comunistas, quando não, cristãos que são comunistas. Uma salada que trouxe muitos pro-


292

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

blemas para o mundo, produzindo ditaduras, guerrilhas e conflitos diversos. Não tenho interesse no momento em alargar considerações sobre esses fatos. Na primeira viagem à Europa, acompanhando dirigentes da Clat, visitei a CMT e algumas de suas organizações filiadas, especialmente, a CSC-Belga e CNV-Holanda, centrais que praticamente sustentavam o funcionamento da CMT. Tenho a camisa da seleção de futebol belga, presenteada por Willy Pereinz, então presidente da CSC, da Bélgica. Naquela viagem aprendi bastante e voltei com muitas idéias para o fortalecimento da luta sindical. Participei de cinco congressos da CMT, o primeiro em Caracas (Venezuela), em 1989, onde conheci Lech Walesa e, o último, em Houfalize, na Bélgica, que decidiu pela fusão com a Ciosl. Entre o primeiro e o último, Port Louis (Ilhas Maurício-África), Bangkok (Tailândia) e Bucareste (Romênia). Em Port Louis, ajudei Ruy Brito a permanecer no Conselho Confederal da CMT, cargo que ocupei posteriormente. A fusão da Ciosl com a CMT começou com a determinação de dois homens: Luc Corteebeck e Emílio Gabaglio. Luc, ao assumir a presidência da CSC da Bélgica, com o seu pragmatismo flamengo, logo notou que a entidade financiava a maior parte do funcionamento da CMT e tratou de estancar a sangria de recursos. Compreensivelmente autoritário em certos momentos, impôs com mão de ferro a unidade. A unidade foi boa para todos. Ninguém, a não ser por saudosismo ou dependência financeira, está sentindo a falta da CMT e da Ciosl. A nova organização que delas emergiu, a CSI, é a maior organização sindical de todos os tempos, presente em 180 países e com aproximadamente 400 organizações filiadas. Representa, quase monoliticamente, os trabalhadores do mundo. Seu secretário-geral é o inglês Guy Ryder. Mantenho ainda hoje relações de amizade com dois ex-secretários gerais da CMT: o argentino Carlos Custer e o belga Willy Thys. Custer é servidor público e Thys é ferroviário. Ambos estão aposentados. Custer assessora Victor de Genaro, o presidente da CTA-Argentina e a Thys coube concluir o processo de fusão com a Ciosl, recebendo por isso várias homenagens. Luc Corteebeck continua presidente da CSC da Bélgica. Teve coragem, foi firme e determinou o rumo dos acontecimentos. A unidade entre as duas grandes centrais mundiais é útil para o enfrentamento das questões que emergem do mundo globalizado. Hoje, nossa função é continuar fortalecendo a ação sindical por meio da CSI e de sua filial continental, a CSA.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

293

CONSEL HO DE T R A BA L H A DOR ES DO CON E SU L (CTCS) Quando fui eleito para a presidência do CTCS, em 1998, pensei que permaneceria no cargo apenas os dois anos de mandato. O CTCS é uma instância sindical que reúne as centrais de trabalhadores de seis países (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai). Ocorre que me elegi sucessivamente para a presidência do CTCS e só saí agora, em 2009, porque renunciei ao cargo. O CTCS sempre foi uma instância minoritária, agrupando centrais e grupos ligados à extinta Clat. Sua concorrente e que agora deverá ser única na região é a Coordenadora de Centrais Sindicais do Cone Sul (CCSCS), que agrupa, depois das fusões, todas as centrais da região. A renúncia foi necessária porque a eleição para o novo secretariado da CSA praticamente inviabilizou a acumulação dos cargos. O CTCS, como disse, é instância regional, enquanto a CSA é uma central continental, que abarca do Alasca à Terra do Fogo, incluindo organizações ligadas ao CTCS e à CCSCS. Provoquei a renovação dos cargos do CTCS. Aprendi bastante ao exercer a presidência do CTCS e até me diverti com as rivalidades regionais, aquelas diferenças inexplicáveis que os seres humanos criam ao atravessar um rio, transpor uma montanha ou ultrapassar um risco no mapa. Considero milagre o feito dos portugueses de manter a unidade lingüística e territorial do Brasil. Várias vezes me reuni com presidentes, ministros e autoridades do Mercosul. Desenvolvi especial preferência pelos modelos de integração regional e acho que é o destino da América do Sul. O Brasil é promotor e incentivador da Unasul, cuja consolidação não será rápida pela miopia dos Chefes de Estado de vários países da área. Certa vez, ao mudar a presidência pró-tempore do Mercosul, houve concorrida Cúpula de Presidentes em Assunção (Paraguai). Com o prestígio da CNT do Paraguai, conseguimos audiência e fomos recebidos pelos chefes de Estado. Entramos todos na sala, eu à frente. Imediatamente, Hugo Chávez levantou-se e veio ao meu encontro, braços abertos, como se me conhecesse há anos. Lula, ao ver minha surpresa, caiu na risada. Enfim, minha renúncia à presidência do CTCS provocou nova eleição. Trabalhei nos bastidores para o amigo e companheiro Cícero Pereira da Silva, eleito em 3 de julho de 2009. Tenho afeição e confio nesse jovem sindicalista


294

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

gaúcho, pertencente aos quadros da União Geral de Trabalhadores do Brasil. Cícero vai longe. Na noite de 2 de junho, véspera de minha substituição, a CNT promoveu concorrida reunião em sua sede de Assunção, convidando companheiros de diversos países. Prestaram-me comovida homenagem e ouvi muitos discursos laudatórios, felizmente alguns objetivos e sinceros, que me permitiram a avaliação ponderada de longo mandato sindical internacional. A luta sindical tende a ser inglória. As ondas neoliberais, as pressões contra as liberdades sindicais, as flexibilizações legislativas, as inovações tecnológicas e metodológicas, o desemprego, tudo leva ao enfraquecimento dos sindicatos e à fuga dos associados. O sindicalismo é uma instituição que sobrevive em meio a grandes desafios.

CON F EDER AÇ ÃO SI N DIC A L I N T ER NACIONA L E CON F EDER AÇ ÃO SI N DIC A L DA S A M ÉRIC A S (CSI E CSA) Quando comecei a me inteirar das nuances do sindicalismo internacional, tive o primeiro contato com gente da extinta Clat, em meados da década de 80 do século passado. Conhecendo a Clat, conheci a CMT, ambas formavam o braço mais antigo do sindicalismo internacional. Cresci na hierarquia sindical e fiz parte tanto do comitê da Clat, quanto da CMT. No sindicalismo internacional havia duas outras correntes – Ciosl e FSM – e suas correspondentes no continente americano: a Orit e o Cpustal, a primeira ligada à Ciosl e a segunda ligada à FSM, porém pouco ativa. Existiam rotulações. A corrente CMT/Clat sempre foi identificada como cristã; a Ciosl/Orit, como social-democrata; e FSM/Cpustal, como comunista. Até 2006, essa salada incompreensível aceitava sindicalistas de todos os credos, tendências e ideologias. Por isso, as rotulações são consideradas simples incorreções decorrentes de hábitos, de má-fé ou, no mínimo, de imperfeições semânticas. Como diz Rafael Freire: “Heranças da Guerra Fria”. O desejo de unidade, expresso pelas duas tendências majoritárias (Ciosl/Orit e CMT/Clat), não evoluiu até princípio deste século. Sempre


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

295

existiram tentativas para se unificar as centrais mundiais e continentais. Normalmente, o desejo esbarrava em circunstâncias pessoais, injustificadas concorrências, desunião de lideranças, partidarismo político e questões internacionais, incluindo interesses financeiros. No princípio desta década, ao mudar a presidência da CSC belga, apareceu um líder determinado, Luc Corteebeck. Pragmático e bom administrador. Ele notou que a CSC praticamente financiava o funcionamento da CMT. Tratou de mudar o panorama e aproveitou a acalentada perspectiva de unidade, dando como motivos a globalização da economia, o fortalecimento das multinacionais e a decadência do papel dos sindicatos no mundo. Estava conceitualmente certo. Luc Corteebeck e a CSC não deixaram de apoiar as ações internacionais, tanto que muitas entidades da África, Ásia e América Latina continuam recebendo ajudas solidárias do governo e das entidades belgas. Com o desaparecimento dos custos de funcionamento da CMT, foi possível aumentar a ajuda belga em muitas regiões do globo. Luc segue à frente dessas iniciativas. O aliado de Luc, homem que também se esforçou para consolidar a idéia de unidade, Emílio Gabaglio, italiano, na ocasião secretário-geral da CES, impulsionou no seu círculo de influência a idéia. Os dois principais líderes deram forma e conteúdo à unidade, tornando-a célere. Luc foi implacável quando necessário, não deixando que forças retrógradas se interpusessem no projeto de fusão entre Ciosl e CMT. Realizaram-se reuniões espetaculares, em Casablanca (Marrocos) e Genebra (Suíça). Reuniões estratégicas. Estive presente em ambas. Muitos se revoltaram com a pressa e total pragmatismo do processo, mas não houve recuos. O cronograma foi cumprido à risca. Não acompanhei o processo do lado da Ciosl/Orit, mas não houve grandes diferenças. Reuniões e decisões se multiplicaram rapidamente. Enfim, havia necessidade de congressos homologatórios. As duas entidades realizaram os respectivos encontros. A Ciosl no Japão e a CMT na Bélgica. Aprovaram por unanimidade a fusão, cujos trâmites finais se deram no congresso especial de fundação da CSI, realizado em Viena, Áustria, em novembro de 2006, no qual compareceram mais de 300 entidades, representando 200 milhões de trabalhadores de cerca de 200 países. Algo extraordinário. Mudou o mapa sindical do mundo. A fusão da Ciosl e CMT, mais a adesão de importantes entidades independentes, considerado todo o período de maturação do processo, não foi uma equação fácil. Foi a união das duas maiores centrais mundiais de trabalhadores, uma com 86 anos de existência (CMT) e a outra com 57 (Ciosl). O congresso de


296

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Viena decidiu também pelo destino das organizações regionais. Nas Américas Orit e Clat iniciaram o processo de aproximação. Desse projeto de unidade continental, participei mais ativamente. Não só das reuniões preliminares, como também dos congressos de extinção das duas entidades da região (Orit e Clat). Longas e duras discussões, a escolha do Secretariado e a composição do Conselho Executivo da CSA demandaram muitos meses de preparação. Em cada organização original, lutas exaustivas. Pode-se dizer que todos aqueles que ocupam cargos, no Secretariado ou no Conselho Executivo, são os heróis de longa e extenuante jornada. O congresso de criação da CSA, realizado na Cidade do Panamá, em março de 2008, elegeu Linda Chaves Thompson, da AFL-CIO dos Estados Unidos, como presidenta e Victor Báez Mosqueira, da CUT-A do Paraguai, antes já secretário-geral da Orit, mantido no cargo, comandando a CSA. O Secretariado é composto por 6 membros e dele também fazem parte: Júlio Roberto Gomez, Rafael Freire, Amanda Vilattoro e Laerte Teixeira da Costa. Estranhamente, os dois secretários-gerais que mais tempo comandaram a Orit e a Clat, Luis Anderson e Emílio Máspero, não viveram para ver a união das duas entidades. Morreram antes. Ambos foram muito homenageados no congresso do Panamá e estavam lá suas esposas para testemunhar o ponto de convergência da história sindical, para o qual os seus maridos contribuíram. A história não terminou. Tem continuidade. Orit e Clat cumpriram o papel que delas foi exigido, especialmente numa época difícil, depois da 2ª Guerra Mundial, com as contradições da Guerra Fria. A CSA nasce numa época diferente, quando o mundo globalizado, de intensa interdependência, mostra que nada se faz impunemente num país sem que haja reflexo em outro. Somos reféns de um novo tempo, de uma nova realidade, numa região onde os trabalhadores são explorados, onde há injustificável pobreza e onde as injustiças grassam. Crianças trabalhando e sem escola, trabalho escravo no centro de São Paulo, contratos injustos na cidade do México, assassinatos de sindicalistas em grande parte da América Latina, mulheres violentadas, jovens sem emprego e todo um elenco de situações desesperadoras indicam que a CSA terá muito trabalho.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

297

SI N DIC ATO DOS CON TA BI L ISTA S A Carta Sindical, que autorizava o funcionamento do Sindicont, foi assinada por Almir Pazzianoto Pinto em 16 de setembro de 1986. Moacir Rodrigues Marques, entre outros, foi um dos grandes lutadores pela conquista do documento. Na verdade, poucos contabilistas se interessaram em transformar a velha associação em sindicato. Moacir retomou o processo e, com a ajuda de Aloysio Nunes Ferreira Filho, conseguiu concluí-lo. Na primeira reunião realizada na sala do representante do CRC, Marino Ovídio de Melo, (quem conta é o próprio Moacir), só compareceram ele e o Marino. Depois, na segunda reunião, os dois e mais Belmiro Perissoto. Alguns diziam para Moacir desistir, argumentando sobre a suposta desunião da classe. Moacir esforçou-se. Mobilizou. Utilizou os meios de comunicação. Insistiu. As reuniões foram crescendo. Oito, 12 contabilistas. Nesse período, eu freqüentava pouco as reuniões da associação, só indo mais a miúdo quando se instalou na rua Rubião Júnior, no edifício Andaló, onde ficava o escritório do Mário Andaló, também ex-presidente e diretor da Associação. Quando trabalhei na Agência Ford, os contadores que se reuniam eram os medalhões da profissão: Antonio Damas, Artur Nonato, Eurípedes Faria e outros. Na década seguinte, quando trabalhava na Fresa, havia uma nova geração de profissionais. Dificilmente, contadores de empresa. Eram na maioria donos de escritório de contabilidade. A cidade cresceu e aumentou bem o número de profissionais contábeis. Nessa época, com mais tempo e mais entusiasmo, fundei o Jornal do Contabilista e organizei alguns campeonatos de futebol de salão entre os escritórios. Campeonatos animadíssimos, com bons times. Com o tempo, a Associação foi crescendo, realizando os seus jantares anuais, distribuindo prêmios, engrossando as fileiras de profissionais. Os brindes sorteados no Dia do Contabilista, 25 de abril, eram coletados junto aos escritórios. Os escritórios, por sua vez, buscavam brindes junto aos seus clientes. Por vários anos, décadas mesmo, fui o responsável pelo sorteio dos brindes. Dificilmente, faltava ao jantar, realizado do dia do meu aniversário. Anos mais tarde, modificou-se a data da comemoração porque os contadores tinham a responsabilidade da entrega das declarações de renda de seus clientes, normalmente, marcada para o fim de abril. Interessante, o Moacir teve que fazer dois processos. O primeiro foi nulo. A Associação simplesmente não existia. Cassada pelo Ministério do Trabalho por-


298

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

que não cumprira com as suas obrigações anuais. Depois de fundado o Sindicont, várias pessoas sucederam-se na presidência. Em certa ocasião, por falta de interessados e recursos, praticamente forcei o meu amigo Walter Mendes a aceitar a presidência e abriguei o sindicato na sede do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias do Vestuário de Rio Preto (hoje Sindinorte). Foi bom porque um grupo liderado por Salvador dos Santos assumiu o Sindicont, promovendo nova onda de entusiasmo. No início, Salvador me criticava duramente, mas com o tempo compreendeu que fizéramos aquilo para que o Sindicato não morresse. Walter Mendes foi o herói de uma época em que os contabilistas sequer se reuniam. Assumi a maior parte das tarefas de representação externa. Ao conhecer muitos contabilistas de outras cidades e comparecer às reuniões do Grupo do Interior (os contabilistas do Estado de São Paulo dividem-se em grupos), consegui sair candidato a deputado federal com o apoio dos contabilistas. Pensei que isso fosse suficiente para a eleição e gastei uma nota em correspondência. Não deu certo. Depois do Salvador dos Santos, Sérgio Volett assumiu a presidência do Sindicato. A seguir, veio Luis Carlos Augusto, um administrador ágil e, como se diz atualmente, totalmente ligado na tomada. Luis Carlos permaneceu presidente por cinco anos, de 1999 a 2003, até terminar definitivamente a construção da sede social, em terreno doado pela Prefeitura Municipal. Fui o intermediário da doação do terreno e, voltando a propriedade ao domínio da Prefeitura, por descumprimento de prazo, Alcides Zaniratto conseguiu a prorrogação. O segundo prazo foi cumprido à risca por Luis Carlos. Incansável, ele fazia feijoadas, vendia rifas e pedia doações. Trabalho notável. Por isso, alguns colegas batizaram a nova sede com o seu nome. O prédio foi inaugurado em outubro de 2003. Um arranjo especial permitiu que fosse instalada no local a Jucesp. Esse arranjo consistiu na constituição da Assosind, cujos associados são a Acirp, o Sindicont, o Sincomércio e a Assescrip. Em função do amplo sucesso, o modelo de associação de entidades de classe tem sido exportado para outras cidades. Devo muito aos meus colegas contabilistas. Moacir também foi homenageado pelo prefeito Edinho (ver artigo sobre ele). A união da categoria é um exemplo e existem vários responsáveis por isso. Contribuí modestamente.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

299

SI N DI NORT E: 21 A NOS A Associação Profissional dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário de São José do Rio Preto nasceu junto com outras associações e sindicatos da cidade, no período em que ocupei o cargo de diretor-técnico da Sert. Fiz lá grande trabalho de incentivo à criação de associações e sindicatos. Pouca gente sabe, mas até então não havia na cidade o Sindicato dos Metalúrgicos, o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação, o Sindicato dos Vigilantes, o Sindicato dos Práticos de Farmácia, o Sindicato dos Médicos e outras organizações da área. Recebi a ajuda fundamental de Fábio Renato Amaro da Silva e Rachel Luiza Barbour Scott. Depois, com a Constituição de 1988, que alargou as possibilidades de registro de sindicatos, inclusive dispensando a exigência da associação profissional, foi mais fácil criar essas entidades. Antes, havia enorme burocracia do Ministério do Trabalho para o reconhecimento dos sindicatos. Tive sorte que o primeiro ministro do Trabalho a ser empossado depois da implosão do Colégio Eleitoral, escolhido por Tancredo Neves e mantido por José Sarney, tenha sido o advogado trabalhista e ex-deputado Almir Pazzianotto Pinto. Quando trabalhei na Secretaria do Trabalho, ele era o secretário e nos demos muito bem. Trabalhava como contador e assessor de várias empresas. Tinha vários registros em carteira, incluindo as áreas metalúrgicas, comercial e do vestuário. Contudo, não pensava em ocupar cargos sindicais. Já era vereador e meu foco fixava-se totalmente na área política. Apenas ajudava na organização das entidades e pensava em obter ganhos políticos dessas iniciativas. Ao criar a Associação Profissional dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário, inicialmente, o nome cotado para ser presidente do futuro sindicato era Nelson Eugênio Pinto, pessoa com muita experiência em sindicalismo, porém pouco relacionada. A escolha acabou recaindo no jovem Adilson Fernandes de Almeida. Adilson foi bem até sair a Carta Sindical, assinada por Almir Pazzianotto Pinto em 14 de julho de 1988. Depois, desistiu. Optou por sua carreira profissional. Criado o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário de São José do Rio Preto, a desistência de Adilson surpreendeu a todos na Assembléia Geral. Como Nelson Eugênio Pinto tornou-se politicamente inviável, a Assembléia, na maioria mulheres, escolheu-me para ser o presidente, já que eu havia conseguido tudo com o Almir (além de ser sócio porque exercia o cargo de assessor contábil de uma indústria de confecções).


300

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

té então, minha experiência sindical se limitava a ter sido suplente A do Sindicato dos Comerciários, numa das gestões de Paulo Fernandes Lucania. Também era diretor da Associação dos Contabilistas, contato que mantenho até hoje por razões sentimentais e de amizade com o pessoal. Havia ainda exercido a militância em várias organizações. Bem, com certa relutância, mas entusiasmado, assumi o Sindicato do Vestuário, como ficou inicialmente conhecido. O sindicato não tinha nada, nem uma cadeira. Com o tempo, recrutei outras pessoas para ajudar. É o caso de Audinael Vicente Neves, indicado por Fábio Renato Amaro da Silva, o único com experiência anterior, adquirida no Sindicato dos Comerciários. Mais tarde, entrou Iraci Castelão, hoje a diretora responsável pelas homologações das rescisões contratuais. Essas duas pessoas foram fundamentais para o trabalho do Sindicato. Elimar Damin Cavalleto entrou menino, evoluiu e se transformou no advogado do Sindicato (veja texto sobre ele). Em 1992 fizemos árduo trabalho realizando assembléias em várias cidades e promovendo a extensão de base do Sindicato. Para se ter uma idéia da demora desse processo, basta dizer que ele foi concluído somente em 2007, quinze anos depois. Osvaldo Bargas, ex-membro do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e da CUT, assumiu a Secretaria Nacional do Trabalho e nos ajudou. Ainda assim, quem assinou a carta de extensão de base foi Luiz Antonio Medeiros, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e ex-deputado federal. Com a extensão de base, resolvemos pendência existente com o sindicato da região de Araçatuba, também pretendente a algumas das cidades da região. Fizemos acordo. A divisão foi o rio Tietê. Do lado de cá, tudo nosso e, do lado de lá, tudo deles. Resolvemos ainda situações com o sindicato de Ribeirão Preto e Matão. Sempre procurei acordos e nunca a confrontação. João Aparecido Lima, presidente da Fetivesp, sempre nos ajudou. Junto com o processo de extensão de base, mudamos a razão social para Sindinorte: Sindicato dos Trabalhadores do Norte do Estado de São Paulo nas Indústrias do Vestuário. Resumindo, os associados se acostumaram com a sigla Sindinorte. O Sindinorte tem um dos melhores acordos do interior do Estado de São Paulo. É dos sindicatos mais respeitados do Brasil e, por minha presença nos fóruns internacionais, tem projeção externa. Poucos sindicatos do interior do Brasil têm essa projeção. Nossa cesta básica é das melhores da região e foi instituída em 1994. Justiça seja feita. As negociações do Sindinorte (com o habitual


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

301

apoio da Fetivesp) com o Sindivest, o sindicato patronal, presidido por Célia Jacomelli Ferreira, foram pacíficas e com a cooperação de ambos os lados. Acredito muito no diálogo social, no intercâmbio entre patrões e empregados e procuro conversar antes de fiscalizar. Essa postura criou um palco de credibilidade, do qual se vale a categoria para realizar seus acordos. Já quis sair da presidência do Sindinorte e tenho os substitutos desejáveis, todos formados ali mesmo no interior da entidade. No entanto, conversações internas, impuseram-me, por enquanto, a continuidade como presidente. Há grande união entre os diretores do Sindinorte. Orgulho-me deles todos. Estou prestes a me aposentar e completo o meu período de tempo em 2010. Pretendo continuar colaborando, mas creio, está na hora de passar o bastão. Certamente, se a categoria desejar, o meu próximo mandato será o último. Às vezes, reluto em sair, não só por gostar do sindicalismo, como também porque o Sindinorte me oferece a base para estar nas organizações de grau superior. Graças ao Sindinorte, hoje ocupo vários cargos. Na área industrial, ressalto o fato de ser membro do Conselho Nacional do Sesi. Ocupei todos os postos da hierarquia sindical no Brasil e no exterior. Não há mais para onde ir e estou satisfeito com o que consegui. Se na área política houve interrupção do trabalho, embora também tenha ido longe, no sindicalismo completei o ciclo. Resta-me escrever sobre essas experiências todas. Por enquanto, são apenas memórias.

U N I ÃO GER A L DE T R A BA L H A DOR ES ( UGT ) A UGT é atualmente a terceira maior central sindical brasileira. Ela nasceu do primeiro e único esforço de unidade sindical no Brasil, realizado, antes de tudo, por três pessoas, então presidentes da CAT, CGT e SDS. No decorrer do processo, juntaram-se alguns sindicatos independentes, liderados por Ricardo Patah. Incluo-me como presidente da CAT, juntamente com Antonio Carlos dos Reis (Salim) e Enilson Simões de Moura (Alemão), respectivamente presidentes da CGT e SDS. Fomos a mola propulsora do projeto que


302

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

cristalizou a vontade das organizações que compareceram ao congresso de fundação, realizado em São Paulo, no mês de julho de 2007. Cerca de 2.500 delegados, representantes de mais de 1 mil organizações sindicais, sociais e associativas estiveram presentes. Unidade é uma palavra mágica em todas as organizações sindicais, sociais e partidos políticos. A unidade é objetivo de toda entidade conseqüente e essa conversa entre os sindicalistas começou muito antes. A primeira reunião foi na sede da Federação dos Comerciários, organizada por Paulo Fernandes Lucania e a ela compareceram Laerte, Alemão, Salim, Antonio Netto, além do Lucania. Ninguém, com duas honrosas exceções, quis abrir mão da presidência e o projeto gorou. Depois, na cabeça de três deles, o projeto permaneceu em ebulição. Com a tentativa do governo Lula de legalizar as centrais, mais o exemplo de unidade que veio de fora (união entre Ciosl e CMT), foi possível voltar a falar do assunto. No caso, a conversa era entre Laerte, Salim e Alemão, francamente mais favoráveis e tolerantes em relação a uma provável fusão. Houve entusiasmo em todas as vertentes sindicais brasileiras e algumas ficaram de fora por puro conservadorismo e falta de coragem. As três centrais levaram o projeto adiante e praticamente ficou acertado que o presidente seria Salim, mas houve a adesão de um forte grupo de sindicatos independentes e os três presidentes chegaram à conclusão de que o melhor seria uma renovação dos quadros dirigentes. O comando da nova central foi entregue pelos três a Ricardo Patah, presidente do maior sindicato dentre os futuros filiados. Salim, além de coordenar os vice-presidentes, é vice-prefeito de Carapicuíba, eleito em 2008. Muito foi feito nos bastidores, incluindo a forma de três pessoas para cada cargo, todos em forma de secretarias, sem distinção hierárquica, a não ser nos casos principais, como presidente e tesoureiro. Criou-se um colégio de vice-presidentes, incluindo ali os ex-presidentes, os presidentes de confederações e os deputados (Roberto Santiago e David Zaia). O colégio de vices condicionou, nos primeiros meses, a política da nova central. Mais tarde, com recursos recebidos da Contribuição Sindical, estabeleceu-se um grupo maior de pessoas para resolver as pendências mais urgentes. Há ainda muito entusiasmo, especialmente por parte do presidente Ricardo Patah, mas, como em toda organização envolta em muita expectativa, podem ocorrer deserções e decepções pontuais. Estamos todos atentos para evitar essas situações.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

303

O projeto é sólido, sem possibilidades de retorno. Jamais se reorganizarão as centrais que deram origem à UGT, mas a central deve estar atenta a alguns pressupostos básicos, entre eles a contaminação partidária, o apego financeiro e a desorganização administrativa. Para esses três fatores, não deve haver permissividade e a vigilância de certos líderes será fundamental para a preservação do plano original. Certas presenças na diretoria são fundamentais para manter um espírito coeso e sem dispersão. São muitos os nomes com credenciais para ajudar a preservar a unidade estabelecida, sobretudo a presença dos três ex-presidentes, avalistas dessa transição de três culturas diferentes para uma nova cultura. Novo paradigma sindical como gosta de lembrar o presidente Ricardo Patah. O exemplo brasileiro foi alardeado mundo afora pela CSI. Depois da criação da CSA, a unidade brasileira é saudada como um novo caminho de superação para as divergências de caráter nacional. Apesar do exemplo da UGT, depois dessa união houve o aparecimento no Brasil de outras vertentes sindicais. Precisamos continuar lutando para prosseguir em busca de maior unidade. A UGT, por si só, é um exemplo, mas não é uma solução. Conseguiu unir parte, mas não o todo. A desunião é prova relevante de que o sindicalismo brasileiro ainda não atingiu a sua completa maturidade. Se depender da UGT, tudo será feito para tentar ampliar o processo de unidade entre as centrais de trabalhadores do Brasil.

BOA S V I AGENS E BONS A MIG OS Em função de minhas atividades sindicais, viajei muito e conheço quatro continentes: África, América, Ásia e Europa. Não conheço todos os países, mas uma porção deles. Claro, em continentes como África e Ásia, minhas viagens foram poucas e mais espaçadas. No entanto, conheço quase toda a América e boa parte da Europa Ocidental. Na Europa do leste somente alguns países. Meus amigos normalmente ficam fascinados. Creio que é uma característica do homem gostar de viajar, conhecer outros lugares e culturas. Roberto Toledo escreve que sou o Marco Polo rio-pretense, em função exatamente dessas inúmeras viagens. Ao todo devo conhecer quase 40 países.


304

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Há países em que só descemos do avião e passamos algumas horas, suficientes para dar uma volta próxima ao aeroporto, ver o centro da cidade e voltar para continuar a viagem. Neste caso, tenho que considerar pouquíssimos locais: as Ilhas Seychelles (famosa pela viagem do presidente Collor), Singapura e outros. Não posso falar que conheço esses lugares e não os incluo em minha conta. Em compensação, há outros em que a visão geral ultrapassa a simples presença na capital ou cidade grande. Casos de Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Colômbia, Panamá, México, Estados Unidos, Guatemala, Venezuela. Bélgica, Holanda, Espanha, Itália, Nicarágua e outros. Conheço bem algumas capitais, como Paris e a capital alemã da Guerra Fria, Bonn. Os países que mais visitei foram Venezuela e Argentina, por questões óbvias: na Venezuela, estava sediada Clat e ainda ali permanece a Utal; na Argentina fiz parte da direção da Fundação Promoção Humana e ocupei a presidência do CTCS. A ilha de Fidel Castro é dos poucos países do Continente que não conheço. Desde a década de 80, faço parte e simpatizo com a causa dos trabalhadores cubanos organizados no exílio. Foram pessoas que lutaram ao lado de Fidel e depois, não concordando com o rumo político que ele deu ao governo, saíram do país, expulsas, condenadas ou fugidas. Alguns pagaram com a vida. Isabel Tejera foi presa e permaneceu doze anos no cárcere. Hoje, vive em Miami. Eduardo Garcia Moure foi condenado à morte e se salvou fugindo e conseguindo asilo na Venezuela. O que poderiam fazer esses pobres trabalhadores para ameaçar o regime cubano? Conheço muitos deles. Minha família me acompanhou em certas viagens. A coleção de milhas viajadas facilita levar a esposa e, raramente, esposa e filhos. Com milhas, Regina viajou a Buenos Aires, Bruxelas, Amsterdã, Paris, Madri, Roma e Londres. Fomos todos aos Estados Unidos, Inglaterra, Chile e México. Foi possível presentear Marcelo e Germana com uma viagem a Paris, quando se casaram. Marcelo, agora próximo dos 40 anos, casado e com várias responsabilidades em sua profissão, viajará menos. Alex, solteiro e mais jovem aproveitará mais. Sempre que posso, ajudo a todos. Regina me acompanha quando possível, não é fácil subir e descer escadas de avião sempre sozinho. Momentos inesquecíveis acontecem. Minha primeira viagem à China correspondeu a todas as expectativas. Voltei com um sentimento de ter visto algo diferente, muito diferente de meu país. Isso aconteceu também em Jacarta, na Indonésia, mas com menos intensidade. Ilhas Maurício, na África, foi igualmente especial, muito parecida com a nossa Bahia.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

305

Essas viagens todas foram feitas com recursos, na maior parte, de fundações européias. A extinta CAT pagou algumas despesas com congressos eleitorais. As extintas Clat e CMT pagaram várias vezes, assim como o Instituto de Capacitação do Sul (Incasur, Argentina) e a Utal. Em viagens pelo Brasil, foram suficientes os projetos mantidos pela CAT com organizações de solidariedade. Muita gente pensa, em funções dessas viagens, que tenho dinheiro. Sempre vivi de salário e nem sempre esses salários foram altos. Sou homem de poucas posses e penso que, se tivesse me dedicado a um negócio qualquer, estaria, em termos materiais, melhor de vida. No entanto, sob o ponto de vista cultural nada substitui a vida que tive nos últimos 20 anos. Na sauna do Automóvel Clube, numa ocasião, o senhor Tarraf (Zaia, já falecido) assistindo à gozação dos amigos, os quais reverberavam brincadeira do Waldner Lui (sobre alguém estar mais gasto do que o meu passaporte), me chamou de lado e disse mais ou menos o seguinte: “sabe, Laerte, esse pessoal que te goza são todos invejosos. Aqui dentro há um montão de gente que tem mais dinheiro do que você, mas são uns mãos de vaca, sentam-se em cima da grana e ficam fazendo fofocas”. O Zaia soube viver. Essas brincadeiras são ocasionais. Em geral, as pessoas respeitam as atividades alheias, mas, nunca se esqueça, são os amigos que falam verdades em forma de brincadeiras. Perdem tempo, nunca reajo às provocações. Pouquíssimos jornalistas tiveram reservas em relação às minhas viagens. A maioria procura saber para onde vou e, normalmente, divulgam notas positivas nos jornais em que trabalham. Sem ser professoral, é preciso dizer aos que estão trabalhando sério que há boas possibilidades de viagens. Sei, por exemplo, que Mário Soler, José Luis Rey, Adib Muanis Jr., Lelé Arantes e outros já viajaram para cursos e visitas culturais a outras cidades ou países. Para viajar sem custos é preciso ser esforçado, ter competência e sorte. Tive sorte e fui razoavelmente esforçado.

A RGEN T I NA Visitei muitos países. Quase toda a América, boa parte da Europa, alguns países da África e da Ásia. Diversos deles, pela necessidade ou proximidade, visitei mais. Obviamente, países da América do Sul, especificamente do Cone Sul. É o caso da Argentina, do Chile, do Paraguai e do Uruguai.


306

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

A razão dessas constantes viagens à região foi o fato de ter sido, durante muito tempo, presidente do CTCS, cuja sede está em Buenos Aires. Gosto desses países. Em todos tenho amigos, mas confesso, sou apaixonado pela Argentina. Gosto também de outros países. O Brasil está em primeiro lugar. A Argentina sofreu muito em função de sua ditadura militar, de frustrados planos econômicos e por ter sido vítima de uma política desastrada do Fundo Monetário Internacional. Igualzinho ao Brasil. E, de resto, a Argentina sofre nas mãos de políticos corruptos e incompetentes. Não são necessárias outras comparações. O ânimo do argentino é trágico como o tango. Suas memórias recentes estão ligadas a personagens polêmicos: Carlos Gardel, Juan Domingo Perón, Maria Eva Duarte de Perón (Evita), Diego Armando Maradona e outros vultos, populares ou históricos. Não vou me dar ao trabalho de enumerá-los. São todos conhecidos dos brasileiros. As imprensas argentina e brasileira são responsáveis por essa enorme e absurda rivalidade entre os dois povos. A culpa cabe ao futebol, paixão em todos os lados da Bacia do Prata. O sindicalista Arnaldo de Souza Benedetti, por exemplo, carrega com ele vários exemplares do filme “Pelé Eterno” e, a cada vez que um argentino diz que Maradona é melhor do que Pelé, ele saca o filme, como se fosse uma arma, presenteando o interlocutor. Esse hábito do Benedetti é um divertimento. Quando comecei a viajar para a Argentina e a conhecer os seus principais sindicalistas (o sindicalismo lá é uma força), aprendi uma coisa: nunca falar mal de Perón, Evita ou Maradona. Maradona ainda passa, mas Evita e Perón dão briga na certa. Os trabalhadores argentinos morrem de amor por eles. Quando começou a ser exibido o musical de Madonna sobre Evita, os argentinos ficaram em pé de guerra. Havia sugestões, apenas sugestões, sobre a vida pregressa de Evita, mas foi o suficiente para longos debates e protestos. Evita realmente foi uma mulher extraordinária e Perón não foi ditador, como pensa a maioria dos brasileiros. A esposa do dirigente sindical Carlos Gaitán, Margarita Llambías, doutora em Ciências Sociais, autora de vários livros e especialista em História Argentina, me ensinou muito sobre esse assunto. Sou sempre torcedor da Seleção Argentina, menos quando joga com o Brasil. Quando há jogo entre Brasil e Argentina, telefono para Ramón Ermácora, diretor do Incasur, e fazemos a nossa tradicional aposta: uma velha e boa garrafa de vinho. Contudo, sem o Brasil na parada, sou Argentina desde criancinha. Ultimamente, tenho ganhado mais garrafas de vinho do que Ramonzito,


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

307

sempre um bom Malbec. A uva Malbec encontrou na Argentina o seu habitat. Acho que o Brasil não forçou o jogo contra a Argentina em 1978 e que, naquela Copa, o jogo Argentina e Peru foi, como diria o Boris Casoy, “uma vergonha”. Igualmente, não gosto daquela história da água oferecida pelos jogadores argentinos aos jogadores brasileiros (consta que nela continham calmantes), na Copa da Itália, em 1994. Realmente, naquele jogo, o Brasil perdeu gols incríveis. Terminado o primeiro tempo, o locutor da TV Argentina disse: “Melhor não voltarmos para o segundo tempo”. Voltaram e ganharam o jogo por um a zero. Os corinthianos gostam do Boca Juniors desde as memoráveis partidas desse fantástico time argentino com o Palmeiras pela Taça Libertadores da América. Visitei o Estádio da Bombonera e assisti, no prédio ao lado, a um show de tango, na famosa casa “Boca Tango”. Não sou fanático a ponto de torcer contra times brasileiros, mas muitos corinthianos praticam esse costume perverso, assim como o amigo Cícero Pereira da Silva, colorado roxo e que torce contra o Grêmio. As relações de Brasil e Argentina melhoraram muito depois da Guerra das Malvinas e do Mercosul. Gosto de uma expressão, não sei o autor, mas ela diz muito sobre os dois países: “Brasil e Argentina estão condenados a ser vizinhos”. Com vizinhos, boa política é conviver bem. Convivo muito bem com os amigos argentinos. Emílio Máspero, que foi secretário-geral da Clat, era argentino. Carlos Custer, ex-secretário geral da CMT, é argentino e foi embaixador do país no Vaticano. Certa vez, arrumou-me um hotelzinho romântico na Praça da Catalunha, em Barcelona, onde eu e Regina passamos dias maravilhosos. O argentino trata bem o brasileiro e, a meu ver, só o portenho é um pouco soberbo. Mais ou menos como os pernambucanos que pensam que os rios Beberibe e Capibaribe formam o Oceano Atlântico. Quando comecei a freqüentar o Incasur, na época instituto de formação da Clat, conheci um excelente professor, Gallo Pochelu, infelizmente precocemente falecido. Hoje, estão lá os meus amigos Enrique Sosa, Ramon Ermacora, Victor Huerta, Carlos Gaitan e outros. Alfredo di Pacci faleceu recentemente e Kati Parra mudou-se para o Paraguai. A Argentina mudou muito desde então. Não havia mendigos nem sujeira nas ruas. Os desastrados planos econômicos aumentaram a pobreza e a marginalidade. Contudo, o país continua viável e, junto com o Brasil, se ambos tiverem juízo, serão grandes.


308

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Como a situação brasileira melhorou nos últimos 10 anos, há muito turismo em direção à Argentina e também em sentido contrário. Normalmente, os brasileiros voltam de lá com boa impressão do país e dos argentinos. Enfim, apesar das duas imprensas esportivas (lá, o jornal Olé exagera), há muito mais entendimento entre brasileiros e argentinos. Se depender de mim, essa harmonia melhorará ainda mais.

COLÔM BI A Homenagem a Júlio Roberto Gómez Desde a primeira vez que pisei o solo da Colômbia, fiquei maravilhado. Somos muito influenciados pelas notícias negativas, jornais falando todos os dias sobre assassinatos, seqüestros e guerrilha. As Farc, grupo guerrilheiro que subsiste, foram criadas na década de 60 com objetivos políticos, desvirtuando-se no decorrer do tempo. O país é lindo, com enorme diversidade geográfica e populacional. É banhado por dois oceanos (Atlântico e Pacífico) e faz fronteira com o Brasil em sua parte Leste. Tem divisas ainda com Venezuela, Peru, Equador e Panamá, sabendo-se que, à época da independência, a intenção era ter um só país que abarcasse Peru, Venezuela e Panamá. Peru e Venezuela se separaram cedo, mas o Panamá teve sua independência no começo do século passado, com a ajuda dos Estados Unidos e da França, ambos interessados na construção do Canal do Panamá. Simon Bolívar é um de seus heróis e o nome é derivado de Cristovão Colombo. Com mais de um milhão e cem mil quilômetros quadrados, a Colômbia não é um país pequeno. É o 25º do mundo em área. Sua história é semelhante à da maioria dos países da América Hispânica. Começou a ser colonizada no século XVI. Tem população originária de índios, negros e europeus. Possuiu importantes civilizações pré-colombianas. Encontraram-se registros de culturas avançadas há cerca de mil anos antes de Cristo e vestígios arqueológicos de humanos com 20 mil anos também antes de Cristo. Na Colômbia descobriram a cerâmica mais antiga da América. A Colômbia é o segundo país mais populoso da América do Sul, depois do Brasil. Só a capital, Santa Fé de Bogotá, tem mais de sete milhões de habitantes. No total, são quase 50 milhões de pessoas. Conheci Bogotá ao visitar o


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

309

Ines (Instituto Nacional de Estudos Sociais), organismo de formação mantido pela CGT, presidida pelo grande amigo e companheiro Júlio Roberto Gómez. Quando comecei a trabalhar com a Clat, em meados da década de 70, conheci o jovem Júlio. Assisti sua ascensão como sindicalista. Fusionou duas importantes centrais nacionais. Tornou-se presidente da Clat. Trabalhou pela fusão da Clat com a Orit. Sua liderança o levou a ser o primeiro presidente adjunto da nova CSA. É ainda membro do Conselho de Administração da OIT e presidente do Ilace. Foi meu colega na extinta CMT e hoje é um dos diretores da CSI, onde também estive. Carreira meteórica e vitoriosa. Certo dia, conversando com o vereador Antônio Carlos Parise, que regularmente visita o país, concluímos que a Colômbia e os colombianos são vítimas de preconceito, decorrente da permanente exposição negativa a que estão sujeitos. Nos últimos anos, melhorou bastante com o presidente Álvaro Uribe e o enfraquecimento das Farc. O país está sendo descoberto pelos estrangeiros e expande os seus negócios. Minha percepção é que a Colômbia vai superar os seus problemas e inserir-se vigorosamente na integração regional, tendo como aliados os Estados Unidos e o Brasil. Neste ano (2009), estive em Bogotá proferindo palestra sobre as relações de trabalho e, desde o nome do seminário, fiquei impressionado: “Colombia Responsable”, um evento que pensa o país e perscruta os caminhos de seu desenvolvimento. Ao sentir a responsabilidade das lideranças, sindicais, empresariais e políticas, participando e opinando, pensei: “Esse país ainda surpreenderá o mundo”. Para aqueles que não conhecem a economia da Colômbia, basta dizer que ela é exportadora de petróleo, tem um dos melhores cafés do mundo (ao menos o melhor em marketing), indústria emergente e empresários agressivos. O país investe em escolas tecnológicas, formando nesse campo quase 300 mil jovens por ano. Começa a crescer no ranking de competitividade. O turismo aumenta a olhos vistos e Cartagena das Índias é uma das cidades mais belas do mundo (estive lá duas vezes). Brincando com eles, digo “mais bela depois do Rio de Janeiro e Florianópolis”. Falando com uma ex-ministra e ouvindo reclamações sobre as dificuldades da Nação, argumentei que, na segunda metade do século 20, das seis economias mais influentes do planeta, três eram de países que haviam perdido a Segunda Guerra Mundial, que o crescimento e a superação estão na raiz das dificuldades e que os problemas colombianos iriam deixar o país mais forte. Ela


310

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

se encantou com o raciocínio e, sem necessidade, me pediu autorização para utilizá-lo em suas próprias palestras. Países com enormes riquezas e iguais facilidades têm tendência ao desperdício, à desorganização e à corrupção. Conheço um país assim. As dificuldades não só moldam uma nação, como moldam um caráter. Sempre dou muito valor às pessoas que, com dificuldades, conseguiram vencer e se direcionar corretamente na vida. Quando aparece alguém com tais características procurando emprego, se depender de mim, esse alguém estará imediatamente empregado. Com um país as coisas são mais complicadas.

ESPA N H A Conheci a Espanha em 1996. Estava com Regina e visitamos três cidades: Barcelona, Logronho e Madri. Viajamos pelo país de trem e de ônibus, o que permitiu melhor observação da paisagem e das terras espanholas. A Espanha é diferente de tudo o que há na Europa, a começar pelo clima mediterrâneo. Quando chegamos a Logronho, havia grande festa. O time da cidade, com vários brasileiros, todos desconhecidos, ascendera à primeira  divisão do futebol espanhol. Anos depois, caiu novamente para a segunda divisão. Fui recebido pelo prefeito da cidade e, ainda vereador, propus um convênio “cidades irmãs” com São José do Rio Preto, mas não houve interesse das duas partes. Lá, por possuir convênio semelhante com uma cidade da Argentina e, aqui, pela inapetência de sempre. Júlio Salazar, hoje secretário-geral da USO, nos levou para conhecer vários lugares da capital da Rioja, entre os quais, uma bodega (fábrica de vinhos). Eu e Regina ganhamos duas garrafas de vinho cada um. Não dei muita atenção ao vinho e, ao sair, o gerente da bodega alertou: “Cuidado, esse vinho no mercado custa 200 dólares a garrafa”. Respondi: “Meu Deus, vou precisar fazer um seguro do vinho”. Com muita coisa para carregar, bebemos por lá mesmo. De fato, era muito bom. Em Madri, Manoel Zaguirre (Manolo), o líder da USO, apresentou-nos à verdadeira paella valenciana, ao mesmo tempo em que nos brindava com sua vasta cultura e seu humor refinado. Em congressos, Manolo é um analista profundo e um crítico impiedoso. Ai daquele que se interpuser em seu caminho. É dono de invejável oratória.  


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

311

Naquele tempo, ainda existia a Vasp e ela fazia o trecho Barcelona/São Paulo. Viajamos na ponte aérea Madri-Barcelona, onde permanecemos mais alguns dias, antes de voltar para o Brasil. A cidade da Catalunha nos maravilhou com sua arquitetura, seus monumentos e sua vida inquieta. Comíamos num simpático restaurante mexicano, localizado na agitada La Rambla. Já estive outras vezes em Madri. Conheci outras cidades e nunca mais voltei a Barcelona. Talvez por isso, ela continue especial em minhas lembranças. A Espanha, com sua diversidade e seu clima, é um dos países mais visitados do mundo. Só o turismo gera 13% de seu Produto Interno Bruto. O Brasil, de uns anos para cá, aproximou-se muito da Espanha. Sobretudo, depois da onda de privatizações, várias empresas espanholas passaram a atuar por aqui. Entre as mais conhecidas estão Santander, Telefónica e Repsol. Quando da expulsão de brasileiros no aeroporto de Madri, tentaram fazer por aqui um boicote às empresas. Felizmente, tudo se resolveu. Em certo momento, uma companheira da CAT, Dionnes Sangalli, na época presidenta do Semirgs, de viagem à Espanha, foi acometida de grave enfermidade. Foi internada num hospital do interior. Manolo Zaguirre mobilizou o Sindicato das Enfermeiras e prestou inestimável assistência à Dionnes. Por isso e também por suas qualidades de sindicalista, a CAT promoveu grande festa em Porto Alegre para homenageá-lo. A solenidade, por ocasião do Fórum Social Mundial, foi realizada na sede do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário, presidido por Almir D’Ávila, um gaúcho muito divertido e especial. Manolo sempre está entre os amigos do Cone Sul. Naquele tempo, o contato se dava apenas com as organizações e pessoal da CMT. Agora, por força da fusão com a Ciosl e surgimento da CSI, as relações se expandiram para as demais centrais sindicais da Espanha: União Geral de Trabalhadores (UGT) e Comissões Obreiras (CCOO), que são majoritárias. Mais ainda. Depois das fusões das organizações continentais, afiliadas da CMT e Ciols, foi fundada a CSA. Com isso, aumentou muito a convivência com os espanhóis das três centrais e, na CSA, em função de convênios préexistentes com a Orit, há sempre trabalho com a UGT e CCOO. Fiz novos e bons amigos. Em 2006, por ocasião do congresso da CSI, ao comprarmos passagens pela Ibéria, fizemos escala em Madri. A Espanha é realmente imperdível. Depois, em 2009, participei do Congresso da UGT e pude sentir sua força entre os


312

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

trabalhadores da Espanha. É uma organização com mais de 100 anos. Este novo contato permitiu-me conhecer melhor o sindicalismo espanhol. A Espanha entrou na minha vida muito cedo. O meu primeiro casamento foi realizado com uma descendente de espanhóis, pertencente à família Molaz & Hernandez. Desse casamento nasceu o filho Marcelo. Os pais de meus sogros eram de Salamanca (Molaz) e Jaén (Hernandez). Anos depois, caí nas mãos de uma napolitana. O meu destino estava no Mediterrâneo. Enfim, gosto da Espanha e tenho vários motivos. Visitei o país. Conheço o seu povo. Fiz bons amigos e degustei seu vinho. Prazeres inesquecíveis. Como atualmente mantenho estreitas relações com as centrais de trabalhadores da Espanha, creio que poderei estar por lá outras vezes e, como sempre, será com grande contentamento.

A N N ICK DE RU Y V ER Não se assustem com o nome, incomum em nosso português. Annick, uma belga desinibida e completamente solta, é praticamente brasileira em seu jeito alegre, menos no olhar profundamente azul. Esteve várias vezes no Brasil, acompanhando delegações belgas ou trabalhando em projetos das extintas CAT e Clat. Annick, ainda jovem, é especializada em educação e trabalha no Departamento Internacional da CSC, da Bélgica, hoje sob o comando de Véronique Rousseau. Tem como função acompanhar a área de formação nos setores profissionais e nas regiões, seguindo o funcionamento do sindicalismo em vários países. A CSC–Bélgica oferece ajuda solidária a várias organizações da América Latina, incluindo a extinta CAT e atual UGT. Seu presidente, Luc Corteebeck, ao propor o encerramento das atividades da CMT, comprometeu-se (e está cumprindo) a continuar ajudando o sindicalismo dos países em desenvolvimento. Annick é uma das operadoras regionais da CSC. Vivendo no Haiti de 1995 a 1997, Annick teve a oportunidade de conhecer a dramática realidade de uma das regiões mais pobres de nosso continente. A experiência serviu para que ela se dedicasse totalmente ao trabalho social, fazendo disso seu apostolado. É difícil escrever sobre Annick (tanto quanto foi difícil escrever


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

313

sobre Véronique Rousseau e Isabelle Hofferlin). Quando pedi a ela alguma coisa sobre sua vida, recebi poucas e modestas linhas. Tenho visto Annick regularmente. A última vez foi no FSM de Belém, Pará, onde fizemos excelente reunião. É uma mulher amada pelos sindicalistas brasileiros. Espero encontrar Annick e todos esses animados companheiros sindicalistas belgas, no próximo FSM. É gente que aprendi a admirar e a respeitar pelo trabalho que realizam. Se não no FSM, em minha próxima visita à Bruxelas, quando, invariavelmente, eles me levam para tomar vinho na Grand Place. Lugar maravilhoso!

A N TÔN IO C A R LOS DOS R EIS (Sal i m ) Conhecido por Salim, Antonio Carlos dos Reis é um paulista da região de São José do Rio Preto (nascido em Álvares Florence). Trabalhador forte, dono de invejável porte físico, é bom não negligenciar sua inteligência. Esse trabalhador da Eletropaulo, chegou a presidente do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo, presidente da Federaluz, diretor internacional da CNTI, presidente do Comitê Sindical dos Países de Língua Portuguesa, presidente da CGT e coordenador do Conselho de Vice-Presidentes da UGT. Particularmente, devo especial favor ao Salim. Ele convidou Regina, minha esposa, para ser membro da diretoria da Federaluz, já que ela havia sido escolhida diretora do Sindiluz. Com isso, à época da privatização da CPFL, Regina pôde permanecer mais tempo na empresa, fundamental para a sua aposentadoria. Somos gratos a ele e ao Pedrinho (Pedro Rogério Nogueira), presidente do Sindiluz. Nas últimas eleições municipais, Salim foi eleito vice-prefeito de Carapicuíba (SP). Só ele seria capaz de articular uma coligação entre o PFL e o PT, união no mínimo extravagante. Pretende ser candidato a deputado federal em 2010. Desde os tempos da extinta CGT, uma das entidades que deu origem à UGT, Salim se esmera em todo 1º de Maio, Dia do Trabalho, levando para Carapicuíba parte das comemorações, nas quais se incluem apresentações de artistas, shows musicais e presença de políticos notáveis da região. É o dia de seu mais importante discurso. Carapicuíba está desenhada na alma de Antônio Carlos dos Reis.


314

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Tenho especial afinidade com Salim. Somos amigos e atuamos afinados no interior da UGT. Ele, Antonio Maria Thaumaturgo Cortizzo, Francisco Canindé Pegado, Lourenço Ferreira do Prado e Valdir Vicente, entre outros, formavam a espinha dorsal da CGT. Estamos todos na UGT.

A R NA L DO DE SOUZ A BEN EDET T I Quando passei a ser diretor do Ipros, no final da década de 80, minhas relações pessoais incluíam poucos bancários de fora de São José do Rio Preto. Conhecia Eribelto Manoel Reino (Beto) que me introduziu nesse universo maior de lideranças bancárias. Entre elas Ruy Brito de Oliveira Pedroza, Lourenço Ferreira do Prado e David Zaia. Depois, fiz outros amigos na categoria, como são os casos de Sidnei Corral e Reginaldo Breda. Dentre esses amigos, um deles se destacou e com ele tive grandes afinidades, principalmente por ser pessoa séria, responsável e homem de palavra. No sindicalismo, como na política, nem sempre os amigos são verdadeiros. Nesse caso, eu e Benedetti cultivamos uma amizade construída no cotidiano das tarefas sindicais que se tornou sólida e verdadeira. Arnaldo de Souza Benedetti é o seu nome completo. Quando o Beto morreu, tivemos que reformular a diretoria do Ipros e da CAT. Deixei a tesouraria, permaneci vice-presidente por pequeno período e depois assumi as presidências das duas instituições (Ipros e CAT). Benedetti foi escolhido tesoureiro e começamos a trabalhar juntos. Em instituições como essas, a confiança é a base das relações, especialmente, porque viajamos muito e, em certas ocasiões, precisamos assinar documentos em branco, o que incluiu cheques. Diretor da Federação dos Bancários, Benedetti ocupa também a presidência do Sindicato dos Bancários de Ribeirão Preto. É casado com Vera e tem três filhos, para os quais faz tudo. Trabalhar com ele foi plena garantia de bons e corretos serviços. Nunca tive qualquer problema com a movimentação de recursos das instituições, com orçamentos anuais de mais de R$ 1 milhão. Nas duas organizações, admitimos o funcionamento absoluto do Conselho Fiscal e implantamos auditoria externa. Certa vez, apoiei Benedetti para ocupar o cargo de juiz do trabalho no Tribunal Regional do Trabalho de Campinas. As nomeações dependiam de


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

315

várias autoridades federais, de apoios locais e de sorte. Estávamos com sorte. Falei com Aloysio Nunes Ferreira Filho e ele me deu uma carta de apoio. No momento da escolha, quis o destino que Aloysio assumisse temporariamente o Governo do Estado de São Paulo. Com o apoio do governador, foi fácil a nomeação. Na eleição imediata, Benedetti conseguiu centenas de votos para o Aloysio em Ribeirão Preto. O Aloysio talvez nem saiba disso, mas seu assessor, Clóvis Chaves, deve se lembrar. Benedetti é leal nesses assuntos. Quando assume compromissos, cumpre-os à risca. Em todos os processos de fusão (CIOSL/CMT, CAT/CGT/SDS e ORIT/CLAT), fizemos uma parceria imbatível e, em termos de política sindical conseguimos nossos objetivos que sempre foram além dos cargos, situando-se no âmago do processo. Não adianta fazer um processo de unidade débil, que não se sustenta no tempo. Benedetti acompanha atentamente a evolução da CSI, UGT e CSA, organizações resultantes daquelas fusões. Na Federação dos Bancários, Benedetti é vice-presidente e foi eleito recentemente membro do Conselho de Administração da OIT. Na UGT é o titular da Secretaria de Relações Internacionais. Como não pude continuar presidente do Ipros, em função de minhas novas atividades na CSA, Benedetti aceitou incumbir-se do cargo. Então, ocupa quatro funções importantíssimas e as desempenha com habilidade e competência. Como presidente do PPS de Ribeirão Preto, fez parte do arco de aliança que deu a vitória à prefeita Dárcy da Silva Vera. Viajamos muitas vezes juntos, principalmente em compromissos da OIT e da CSI. Vera e Regina se relacionam bem. Benedetti foi dessas amizades que, feitas no exercício profissional, deu certo. Em geral, as amizades feitas no ambiente de trabalho só duram enquanto permanece o vínculo profissional. A única restrição que faço a ele é o fato de ser hipocondríaco. Ele procura doenças e, às vezes, acha. Com isso, já se livrou de duas fatais. Em minha opinião, a melhor qualidade de Benedetti é sua solidariedade para com os amigos. Está sempre ajudando alguém. Assisti cenas de tolerância explícita com amigos, aos quais ajudou mesmo quando eu tinha dúvidas sobre o acerto da medida. Certa vez, emprestou recursos a um colega, sabendo que jamais receberia o empréstimo de volta. Espero que seus amigos, aqueles que, eventualmente, lerem essas linhas, não se aproveitem disso.


316

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

CÉL I A GI ACOM EL L I F ERR EIR A Nos últimos anos, tive o prazer de conhecer uma mulher extraordinária: Célia Giacomelli Ferreira. Substituiu o senhor Jorge Mortati na presidência do Sindicato do Vestuário de São José do Rio Preto e Região, a organização patronal dos industriais do ramo das confecções, calçados e material de segurança. Ao assumir o Sindivest, Célia imprimiu nova e dinâmica administração, surpreendendo os colegas diretores e as maiores empresas do ramo. Levou os empresários a exporem suas mercadorias em feiras do Exterior e compareceu a reuniões do Ministério da Indústria e Comércio, reivindicando proteção para a indústria nacional. Especialmente no campo do aperfeiçoamento técnico e profissional, Célia não deu sossego ao presidente da Fiesp, Paulo Skaff, a quem interpelou para dotar o Senai como um local de cursos profissionalizantes para o setor. Conseguiu. Poucos empresários têm o seu sentido prático e a sua consciência social. Todos os anos, nós nos reunimos para discutir a convenção coletiva do setor e, normalmente, não temos problemas. Ambos os lados são responsáveis, trabalhando no limite das possibilidades e respeitando-se mutuamente. O Sindivest sabe que pode contar com um sindicato de trabalhadores disposto a dialogar. O Sindinorte, sabedor das dificuldades que, às vezes, atinge os industriais, está sempre disposto a convergir interesses e criar alternativas de entendimento. Essa situação de ajuste, exemplo para as demais entidades sindicais do Estado de São Paulo, só é possível quando há responsabilidade dos dois lado e confiança dos associados. Célia tem total apoio de seus colegas industriais.

DAV I D Z A I A avid Zaia, campineiro, membro do Conselho Deliberativo do GuaD rani, deputado estadual pelo PPS, é presidente da Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb). Foi ali que o conheci em companhia do saudoso Eribelto Manoel Reino. A história partidária e sindical de David Zaia, por si só, daria um livro. Sempre se dedicou ao trabalho em favor das organizações sociais, políticas e


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

317

sindicais. Amigo e parceiro de Roberto Freire, lutou bravamente contra a ditadura militar. É funcionário de carreira da Caixa Econômica do Estado de São Paulo, onde ocupou o cargo de representante dos empregados no Conselho de Direção. Nas últimas eleições parlamentares, pude modestamente contribuir para a sua vitória. A eleição de David Zaia é decorrente de seu prestígio junto à categoria. Todos os sindicatos filiados à Feeb trabalharam e seus dirigentes foram para as ruas, entregando santinhos de casa em casa, num trabalho notável. Falo isso porque vi o esforço dos seus colegas de São José do Rio Preto. Por suas ligações com a categoria bancária, David está freqüentemente em Rio Preto. Quando Edinho Araújo ocupava o cargo de prefeito e estava filiado ao PPS, ele sempre requisitava sua presença, em geral, para ajudar a descascar os abacaxis do partido. David é presidente estadual da legenda. Um dos parceiros constantes de Zaia é o bancário Arnaldo de Souza Benedetti. Juntos, durante bastante tempo, formamos o trio responsável pela administração do Instituto de Promoção Social. David foi vice-presidente até se eleger deputado. Benedetti também pertence aos quadros do PPS e ambos têm completa afinidade política e ideológica. Zaia faz por merecer. É grande companheiro de todos nós.

EDUA R DO GA RCÍ A MOUR E Quando conheci Eduardo, logo fiquei impressionado com a sua capacidade de análise. A aguda percepção que tem dos fenômenos sociais e econômicos ajudou a Clat e suas organizações filiadas na elaboração de documentos de estudos. Coincidentemente, quando assumi parte da administração do Ipros, Garcia incumbiu-se de promover a Clat no Brasil, estimulando o surgimento de um grupo sindical a ela filiado. A CAT era apenas uma coordenadora de entidades sociais e sindicais. Estávamos em meados da década de 80. Eduardo García Moure é cubano. Sua militância social começou na JOC (Juventude Operária Católica), cujo lema “ver, julgar e atuar” deve ter marcado profundamente o adolescente de 14 anos, morador da Havana Velha. Trabalhando no comércio, em 1952, ajudou a fundar o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio de Havana, justamente o ano em que Fulgêncio Batista assumiu o poder em Cuba.


318

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Na primeira hora, Eduardo alinhou-se na luta contra o golpe de Estado e ditadura de Batista, incorporando-se ao “Movimento Operário 26 de Julho” e à FON (Frente Operária Nacional). Ajudou a organizar inúmeras greves e, depois da greve fracassada de 1957, passou à clandestinidade. Em 1959, fez parte do Comitê Unitário da FON e foi um dos organizadores da histórica greve de oito dias, um dos atos que tornou possível a chegada ao poder do Movimento Revolucionário 26 de Julho. Nesse movimento vitorioso, estava Fidel Castro. Até aí, história conhecida e registrada. Eduardo, um dos heróis da Revolução Cubana, unificou os comerciários, elegendo-se secretário-geral do Sindicato e vice-presidente da Federação Nacional de Comerciários de Cuba. Apoiou as leis revolucionárias e, junto com Camilo Cienfuegos, organizou as milícias operárias, transformadas por Fidel Castro em milícias territoriais, vinculadas ao Exército Nacional. Neste momento, começaram suas divergências com o Comandante. Fidel Castro declarou-se marxista-leninista. Eliminou a autonomia sindical e converteu os sindicatos em apêndice do Estado, via vinculação ao sistema de partido único (Partido Comunista). Eduardo García Moure opôs-se a todas essas diretrizes que considerava totalitárias e contrárias ao espírito revolucionário. Levou sua oposição para as ruas. Ao tomar parte do “Movimento Revolucionário do Povo”, com o lema “Pátria e Liberdade”, Eduardo foi perseguido. Julgado à revelia por tribunais castristas, foi condenado à morte. De novo na clandestinidade, conseguiu asilo nas embaixadas do México e da Venezuela, transferindo-se para este país, onde continuou a sua luta. Fundou o “Solidariedad de Trabajadores Cubanos”, filiando-o à Clat. Em 1966, no 5º. Congresso da Clat, realizado no Panamá, foi eleito secretário-executivo para o Caribe Espanhol. Em 1971, passou a ser o secretáriogeral adjunto da Clat, trabalhando ao lado de Emílio Máspero, do qual viria a ser grande amigo e companheiro. Com o falecimento de Emílio, em 2001, Eduardo assumiu a secretaria-geral da Clat, permanecendo no cargo até a extinção da organização, em 2008, quando houve a fusão com a Orit e criação da CSA. Em 1978, Fidel Castro instituiu o “diálogo entre o governo e a comunidade cubana no exterior” e convidou Eduardo para participar. Esse “diálogo” existiu por cinco anos e, durante esse tempo, Eduardo, junto com outros companheiros, negociou a libertação de mais de três mil cidadãos cubanos presos, dos quais 1030 emigraram com suas famílias para a Venezuela. A Clat conseguiu o apoio do presidente venezuelano, Luis Herrera Campins.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

319

De novo, em 1985, o governo cubano proibiu a entrada de Eduardo García Moure no país. Exilado e proscrito. Eduardo é autor de vários trabalhos. Promovi a tradução e edição de seu livro “Cuba: um projeto para a Nação”, distribuindo-o no Brasil para as lideranças sindicais. Suas outras publicações abordam temas como poder social, sindicalismo latino-americano e dívida externa. Há diversas publicações sobre Cuba, incluindo a revista “Desafíos”, já há 12 anos em circulação. O líder Eduardo García Moure tem forte consciência social e toda a sua vida está dedicada ao trabalho sindical. Nem mesmo as atribulações cubanas (motivadas pelos desvios da Revolução Cubana) ou o seu exílio na Venezuela, tiraram-no de sua rota. Ele tem mais de 60 anos de luta e participação sindical. Ainda hoje atende a pedidos para palestras sobre diversos temas em sindicatos, universidades e países. Sua história e seu emocionante amor por Cuba o mantém em permanente militância patriótica. Tem idéias próprias para o desenvolvimento social, político e econômico de Cuba. Sua visão inclui a democratização e a escolha de caminhos pela própria população cubana residente em Cuba, sem interferências externas. Luta, tenazmente, contra o bloqueio norte-americano. Os heróis cubanos e inspiradores de García são José Martí, Camilo Cienfuegos e Heriberto Fernandez. Por mais de 20 anos tenho convivido com Eduardo, a quem considero amigo e professor. Ele ajudou muito na fundação da CAT brasileira e realizou, com minha cooperação, dois congressos da Clat no Brasil (1993 e 2004). Entre 1993 e 2008, participamos juntos do Comitê Executivo da Clat. Temos muitas histórias em comum.

EL Á DIO A RROYO M A RT I NS Sempre tive relacionamento bastante próximo e conheço há décadas o empresário Eládio Arroyo Martins. Há muitos anos, ele ocupa a presidência do Sindicomércio, para o qual construiu uma sede própria como poucas do Brasil. Realmente, a sede do Sindicomércio é excepcionalmente boa e Eládio a coloca à disposição da comunidade. Eu mesmo já a utilizei para reuniões e seminários. Eládio foi o principal responsável por trazer para São José do Rio Preto as belas e luxuosas instalações do Sesc, imponente centro de serviços e lazer na confluência das avenidas Francisco Chagas de Oliveira e José Munia.


320

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Ajudou muito sua amizade com Abram Sjazman. Lembro-me que Eládio jamais faltava às reuniões em favor da comunidade. Durante os 20 anos em que fui vereador, sua presença era recorrente e útil. Nunca se recusava a participar das comissões de trabalho e tampouco se furtava a ajudar em qualquer projeto de interesse público. Posso dizer, sem medo de errar, que Eládio Arroyo Martins foi um dos comerciantes que mais participaram das iniciativas de caráter social, político e administrativo da cidade. Sua disposição para contribuir com as causas da comunidade é exemplar.

EL IM A R DA MI N C AVA L ET TO Sempre tive bom relacionamento com Lúcia de Fátima Damin. Durante décadas, foi secretária de Paulo Fernandes Lucania. Inicialmente, no Sindicato dos Comerciários de São José do Rio Preto e, posteriormente, na Federação dos Comerciários do Estado de São Paulo. Pessoa competente e da confiança de Paulo, falecido em 2007. Lúcia é tia de Elimar. Lúcia falou comigo sobre o sobrinho, jovenzinho, próximo dos 17 anos, que precisava trabalhar. Para o Sindinorte que iniciava suas atividades com poucos recursos, era quase um luxo ter um office-boy. Contratamos aquele jovem franzino, tímido e silencioso. Começou a trabalhar, fazendo o serviço de rua e ajudando em tudo o que sindicato necessitava. Humilde, nunca deixou de enfrentar qualquer serviço. Passei a gostar do menino e ele foi gradativamente se impondo. Corria o ano de 1989 e Elimar trabalhava de dia e estudava à noite. Fazia-me lembrar de minha difícil juventude. Aí, cismou de estudar direito. Fez exames vestibulares na Fadir e foi aprovado. Ganhava pouco e tornou-se impossível pagar a faculdade. Imaginamos e colocamos em andamento uma fórmula cooperativa. Ele pagava uma parte. O Sindicato, a outra. Sem falar que eu perturbava o diretor, Halim Atique Júnior para lhe conceder bolsa de estudos ou dar desconto na mensalidade. Halim, mesmo em parte, sempre atendeu aos pedidos e, no último ano, a Fadir concedeu meia bolsa. O importante é salientar que Elimar, com sacrifícios, pagou a maior parte das despesas do curso. São atitudes como essa que moldam o caráter de um homem.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

321

Incentivei Elimar a fazer outros cursos e ele é hoje pós-graduado pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) em Direito Civil e Direito Constitucional. Passou a cuidar dos assuntos legais do Sindinorte e ajuda todos os sindicatos que o procuram. Também trabalha como meu aliado nas questões jurídicas, assessorando-me em todas as áreas de sua especialidade. Como estou nas diretorias de várias entidades, Elimar sempre se interessou pelas atividades políticas e sociais, acompanhando-me quando necessário e fazendo parte das mesmas organizações. Foi membro de instituição importante na área dos direitos humanos, a Cladhelt, sediada na Venezuela. Atualmente, é secretário do Conselho Deliberativo do Ipros, secretário nacional da Juventude da UGT e membro do Comitê de Juventude da CSA, onde desenvolve intenso trabalho, tendo visitado vários países em missões de trabalho. Os países visitados por Elimar foram, pela ordem, Áustria, Alemanha, Panamá, Colômbia, Argentina e China. Nesses países atendeu aos interesses da CSI, OEA, OIT e, no caso da China, fazendo parte de uma delegação da UGT à Província de Guangdong, em convênio de intercâmbio com os sindicalistas chineses. Os trabalhos de Elimar têm também relação com a comunidade em que vive. É diretor do Instituto Rio-Pretense dos Cegos Trabalhadores e ocupou diversos cargos na maçonaria (Loja Filho de Osires nº 30). Colaborou com o América Futebol Clube e faz parte de inúmeras campanhas e promoções na área filantrópica. Elimar é casado com Ana Luísa. É pai de filhos gêmeos (Leonardo e Guilherme), que completaram dois anos de vida em dezembro de 2009. Seus filhos são sua fonte de alegria. Contam com a providencial ajuda das avós, Ana Aparecida e Élias, ambas muito corujas. Trata-se família unida e solidária, prevendo-se bom futuro para os meninos. Nos vinte anos de história de Elimar no Sindinorte, não há mais traços daquele menino franzino. Sua evolução como homem, cidadão e profissional foi visível e impressionante. Jovem, não vai parar por aí. É razoável supor que ele terá novos desafios pela frente. Os diretores do Sindinorte queriam que ele fosse candidato a vereador, mas, em função das circunstâncias (principalmente o nascimento dos gêmeos), preferiu esperar. Quando for candidato, terá o nosso total apoio.


322

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

EMI L IO MÁ SPERO Emilio nasceu Emílio Enrique Máspero Auguadra. Argentino de Rosário, viveu de 1927 a 2001. Durante 36 anos foi secretário-geral da Clat, um feito notável para um ex-militante da JOC. Começou em 1955, quando fundou a Ação Sindical Argentina. Conheci Emílio quando trabalhei no Ipros com Eribelto Manoel Reino e Ruy Brito de Oliveira Pedroza. Fiquei extremamente impressionado com seu vigor físico e seu talento de orador. Lépido e incansável, orador à antiga, fazia longos e vibrantes discursos. Enérgico, as pessoas à sua volta devotavam-lhe respeito e alguns tinham medo. Implacável nas negociações de convênios e ajudas solidárias para a Clat, não alimentava qualquer receio de colocar assuntos desagradáveis como se referir aos anos de colonialismo europeu e a necessidade de se resgatar a dívida histórica com os povos da região. Constrangia, com sua franqueza, as entidades internacionais. Comigo, Emilio sempre foi companheiro e considero fundamental sua ajuda para a fundação da CAT. Eduardo García Moure agia no Brasil, relatando-lhe tudo o que ocorria. Apostaram neste caipira do interior, colocando-lhe à mão mais de um milhão de dólares em poucos anos. Rigorosas prestações de contas e uma organização primorosa de contador ajudaram. O impressionante em Emilio Máspero foi sua percepção das vantagens da Guerra Fria, ao situar-se no meio do espectro político. A Clat não se misturava à revolução castrista e ao imperialismo americano, linguagens comuns da época e hoje ultrapassadas. Sua atuação política se dava em favor dos pobres, no âmbito da distribuição da renda e da riqueza, mas com bandeiras comuns a todos, como a questão da dívida externa, da reforma agrária e o combate às ditaduras latino-americanas. Quando do golpe militar brasileiro, Emilio foi o primeiro líder internacional a denunciar o que ele chamou de “ditadura de segurança nacional”. Alertou que o processo brasileiro poderia contaminar a região e isso realmente aconteceu. Em decorrência de seus inflamados discursos, a Clat foi impedida de atuar no Brasil, só voltando no período de abertura, depois do Conclat. No comando da Clat, ajudou a organizar na Bélgica manifestação contra a ditadura brasileira. Protesto diferente. As lideranças locais coletaram sangue de gado nos frigoríficos e jogavam por onde passavam as autoridades do governo brasileiro, mostrando que o regime era de perseguição e de morte


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

323

àqueles que lutavam pelo retorno da democracia. Nenhuma notícia sobre isso saiu na imprensa brasileira, totalmente censurada na época. Na década de 70, a Clat liderou campanha para colher assinaturas em favor da concessão do Prêmio Nobel da Paz ao Arcebispo de Olinda e Recife, dom Helder Câmara. Trabalho de fôlego, Emílio conseguiu milhões de assinaturas (há registros que contam quatro milhões de firmas). Nestas pequenas memórias, há artigo sobre dom Helder, um de meus ídolos da juventude. Emilio foi também o primeiro sindicalista a sentir e entender o fenômeno do neoliberalismo e a denunciar seus efeitos sobre as frágeis economias do terceiro mundo. Começou a falar insistentemente sobre o tema, quando ainda ninguém ousava discuti-lo. Influenciou políticos e universidades. Vivemos nesse período, entre o final da década de 70 e as décadas de 80 e 90, intenso debate. O mundo se globalizava. As inovações tecnológicas estavam presentes e os sindicalistas ficaram surpresos com as novidades, muitos deles sem saber o que fazer. Emílio sabia e orientava. Publicou vários estudos e análises a respeito das transformações do final do século 20. Foi quem mais compreendeu o fenômeno neoliberal. Sua obra intelectual é extensa e importante. Depois de sua morte, foi criada em março de 2002, a FEMPF, cuja dimensão alcança toda a América Latina. A fundação busca continuar, aprofundar e projetar o pensamento de Emilio, muito atual e útil ao movimento de trabalhadores. Duas vezes estive na contramão da vontade de Emilio Máspero. A primeira no congresso da CMT em 1993, realizado em Port Louis (Ilhas Maurício, África), quando tracei uma estratégia para reeleger Ruy Brito para o Comitê Confederal. A outra, no congresso da Clat de 1998, realizado na cidade do México, quando os brasileiros apoiaram Maritza Chireno para a diretoria, uma luta da CAT – Rio Grande do Sul, nossa maior base. Na primeira vez, venci. Na segunda, perdi. Emílio nunca me censurou e continuei a ser tratado com deferência. Ele reconhecia o valor dos adversários e sabia como se instalava o processo de lealdade entre as pessoas. Quando fui para o congresso da CMT, em Bangkok (Tailândia), no ano de 1997, estranhamente ele não compareceu, informando aos amigos que “tudo estava previsto, menos o que iria acontecer”. Eram os sinais de sua doença, guardada a sete chaves até o congresso da Clat, um ano depois no México, quando impediu qualquer renovação dos quadros diretivos, num raro processo de lealdade àqueles que o serviram durante anos. Faleceu em 3l de maio de 2001.


324

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Sei pouco sobre a vida pessoal de Emilio. Apenas que ele se casou com Acacia María Fernández Victorio e que teve filhas e netos como qualquer trabalhador. Convivo com Acácia e algumas vezes estive com sua filha Marcela, que herdou a natureza sindicalista do pai e é dirigente sindical na Venezuela. Acacia vive pela memória de Emilio e, através dela, Emilio vive.

EN I LSON SIMÕES DE MOUR A (A lem ão) O apelido Alemão certamente vem de sua aparência. Não bastasse ser branquelo, Alemão é vermelho mesmo, como sua alma. Este brasileiro extraordinário, Enilson Simões de Moura, nascido em Minas Gerais, desde cedo se interessou pela política e fez parte do Polop (Política Operária), uma das matrizes do movimento revolucionário brasileiro. A primeira vez que o vi foi em uma reunião da Câmara Municipal de São José do Rio Preto. Creio que em encontro da Central Geral dos Trabalhadores, a primeira. Com enorme disposição para o trabalho, multiplica-se e está em todas as regiões do País. Conhece o Brasil como poucos. Pioneiro das lutas do ABC paulista, aliou-se às outras lideranças e ajudou a desenvolver as articulações sindicais e as famosas greves da região. Este trabalho, em plena ditadura militar, fez com que fosse condenado a mais de três anos de prisão, enquadrado na Lei de Segurança Nacional. Companheiro e contemporâneo de Luiz Inácio Lula da Silva, nos anos 80, contribuiu para os debates que deram origem às primeiras centrais sindicais do país e ao Partido dos Trabalhadores. Foi um dos organizadores do Conclat. Na época da Constituinte, ocupava o cargo de secretário da CGT. Alemão desenvolveu intenso trabalho sindical, inclusive iniciando os contatos com os sindicalistas do Leste Europeu. Mais à frente, deixou o ABC e criou o Sindbast , onde atualmente é o presidente. Ajudou a fundar a FS e, mais tarde, à frente de uma corrente dissidente, fundou a SDS, que se tornou uma das principais vertentes do sindicalismo brasileiro. Sempre inconformado com os rumos do sindicalismo e suas constantes divisões, entrou e ajudou a organizar novo movimento de unidade sindical. Esse movimento vitorioso incluiu a CAT, a CGT a SDS e um grupo de sindicatos independentes. Na verdade, quatro lideranças: Enilson Simões de Moura (Alemão), Antônio Carlos dos Reis (Salim), Ricardo Patah e Laerte Teixeira da Costa.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

325

Alemão tem visão de futuro. No movimento de unidade, junto comigo e Salim, propusemos a renovação da presidência, entregando-a ao jovem sindicalista Ricardo Patah. Estamos todos entusiasmados com o processo de criação da União Geral dos Trabalhadores, atualmente a entidade que mais cresce no cenário sindical brasileiro. Alemão tem muito a ver com isso.

ERI BELTO M A NOEL R EI NO Eribelto faz falta. Onde estava, chamava a todos para perto, monopolizando as atenções. Militante, em todas as causas e em todas as iniciativas, tornou-se imprescindível. Grande gozador, se divertia contando histórias engraçadas sobre os amigos. Não poupava ninguém. Todos os anos havia cursos no IAL (Instituto Americano de Lins). Num desses, um de nossos colegas comeu demais certa comida, lambuzando-a de azeite de oliva. Rapidamente, teve que ir ao banheiro e também lá se lambuzou. O coitado, a duras penas, precisou pedir ajuda e, para azar dele, só o Eribelto estava à mão. Eribelto, claro, ajudou-o, mas contou o episódio para todo mundo. Sobre o fato, gostava de dizer que o IAL chamou duas empresas, uma limpadora e uma construtora, perguntando qual saia mais barato: reconstruir ou limpar o banheiro? O pior é que ele não cansava de repetir a história. Todos os amigos e colegas da indigitada vítima do infortúnio ficaram sabendo do caso. Eribelto assim também agia com os bancários. Contava como foi a negociação e dava detalhes de como chegara a tal percentual de aumento. No ano em que conseguiu o anuênio, uma gratificação por ano de serviço trabalhado, no meio da discussão, ele afirmou que os bancários, com tantos anos de serviço, não ganhavam “x” (citou determinada importância) por mês de salário. O banqueiro disse: “Isso não é possível”. Eribelto tirou do bolso o próprio holerite e ganhou a causa. Como bancário, ocupou praticamente todos os postos da hierarquia sindical. Funcionário do Banco de Crédito Real de Minas Gerais, elegeu-se presidente do sindicato local e ocupou o cargo entre 1967 e 1982, ano em que foi para São Paulo assumir a presidência da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (1982/1987).


326

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Conheci o Eribelto quando me mudei para São José do Rio Preto e passei a estudar na Escola Senac. Depois, fomos colegas de profissão, trabalhando em bancos diferentes, mas colaborando com as atividades do Sindicato dos Bancários. Não raro, ele nos colocava em apuros. Certa vez, por causa dele, apanhei em São Paulo numa das memoráveis greves da década de 60. Já havia saído do banco, estava na Agência Ford e não tinha obrigação, mas o Beto insistiu e lá fui, em 1968, na rua XV de Novembro, tomar uma bordoada de cassetete. Ainda bem que a única da vida. Fiel ao seu estilo, ele contava o fato, rindo muito de mim e de outros que sofreram o mesmo castigo. As forças militares não deram trégua nas greves de 1968. O destino nos reservou vários encontros. Um deles, na Câmara Municipal, onde fomos vereadores de 1977 a 1982. Em 1982, ele disputou o cargo de vice-prefeito na chapa de Wilson Romano Calil, uma boa dobradinha, inviabilizada por acidentes de campanha. Antes de optar por Wilson, estávamos todos comprometidos com a candidatura de Manoel Antunes. Chegou um dia na Câmara (eu era secretário da Casa) e me disse que mudaria de lado, diante da oferta do cargo de vice. Ele tinha três importantes votos como líder da bancada do PMDB e isso favorecia a candidatura de Wilson. Pediu minha concordância, o único que ele consultou. Na ocasião lhe respondi: “Um amigo não julga. Um amigo compreende”. Ele foi para a chapa de Wilson e eu me mantive como candidato a vereador na chapa de Antunes. Mesmo perdendo a eleição, tanto Manoel quanto Toninho Figueiredo dedicaram-lhe especial atenção, convidando-o para ser o secretário municipal de Esportes. Ele indicou o Rui Guimarães (Bolinha). Meses depois, Almir Pazzianotto Pinto o convidou para ser o diretor-técnico da Sert, cargo que aceitou desde que eu fosse o chefe do Posto de Atendimento. Dois anos depois, não conseguindo compatibilizar o cargo de presidente da Federação com o de diretor-técnico da Sert, saiu e me colocou em seu lugar. Venina Pinheiro, esposa do grande advogado Waldemar Alves dos Santos, me substituiu no Posto de Atendimento. Tempos depois, de novo, ouço outro chamado do Beto, convidando-me para assumir a tesouraria do Ipros, onde ele era vice-presidente e Ruy Brito de Oliveira Pedroza, presidente. Isso mudou completamente a minha vida. Eribelto estava sendo preparado para ocupar a vaga de Ruy Brito e deslanchar o projeto de uma nova central de trabalhadores no Brasil. Infelizmente, a doença o debilitou e ele veio a falecer em maio de 1987.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

327

Em 1995, a CAT foi criada. Acabei substituindo tanto Eribelto quanto Ruy Brito e ocupando vários cargos sindicais no Brasil e no Exterior. Nada modificaria a minha trajetória porque, certamente, eu iría onde Eribelto fosse. Substituindo-o, passei a trabalhar com Arnaldo de Souza Benedetti, presidente do Sindicato dos Bancários, de Ribeirão Preto, que se tornou igualmente amigo. Não seriam possíveis para uma só pessoa todos os encargos do ambicioso projeto. Nos tempos da Escola Senac, Eribelto, ao mesmo tempo, era presidente do Glera, regente da fanfarra e diretor de teatro. Encontrava ainda tempo para ajudar o Santa Cruz, um time de futebol amador. Amigo e companheiro de pescaria do Turcão (Edson Miguel José Abufares), quase todos os anos pescavam na Ilha do Bananal. Eribelto começou a lecionar na própria Escola Senac, passando depois por várias outras escolas (Philadelpho Gouveia Neto, Alberto Andaló, etc.). Também lecionou naqueles cursos para professores do IAL, em Lins, local cheio de histórias para alguns rio-pretenses. Entre eles, Robério Caffagni, Odair Ferrante, José Mário Soares de Carvalho, Orlando Bolçone e outros. A morte de Eribelto foi uma fatalidade. Ele foi fazer uma pescaria e quando fazia a limpeza do rancho, caiu sobre suas costas um saco de BHC, poderoso inseticida. Sem saber, continuou trabalhando e, talvez, tenha permanecido o dia todo com o resíduo do veneno, que, sistêmico, penetrou a pele e se instalou sob a gordura, provocando imunodeficiência. Quando estava se tratando, perguntei sobre o caso ao meu cunhado, Antônio Carlos Damaceno, especialista e técnico em pesquisa agrícola, funcionário de multinacional do ramo. A resposta foi a pior possível: “Não tenha esperança”. Quando Eribelto morreu, em São Paulo, seu corpo foi trazido para Rio Preto e velado na Câmara Municipal. Avesso a esses momentos, obriguei-me, pela primeira vez e única, em tristes circunstâncias, a fazer o discurso de despedida. Anos depois, o deputado Sylvio Benito Martini propôs o nome de Eribelto Manoel Reino ao Aeroporto Internacional de Rio Preto, sendo o projeto aprovado na Assembléia Legislativa. Em certa ocasião, reclamei ao Comandante Rolim Adolfo Amaro, então presidente da TAM, sobre a ausência do nome de Eribelto toda vez que os comissários de bordo avisavam sobre o pouso em Rio Preto. Prometeu-me sanar a falha e, de vez em quando, ouço alguma aeromoça falar: “Dentro de


328

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

instantes, estaremos aterrissando no Aeroporto Eribelto Manoel Reino, em São José do Rio Preto”. Marlene de Andrade foi namorada de Eribelto desde os tempos da Escola Senac. Casaram-se e tiveram dois filhos (Eribelto e Cláudio). Marlene mantém-se fiel à memória de Eribelto. Dedica-se a entidades filantrópicas e é muito religiosa. Admiro-a pela coragem que sempre demonstrou em episódios difíceis e, especialmente, durante toda a doença do Beto. Sua dedicação foi heróica.

ER N EST ROEM ERS Conheci Ernest na primeira viagem à Holanda, no início da década de 90. Depois voltei lá com a Regina, em 1996, quando ele nos levou para conhecer vários lugares, como a exposição anual de flores (Tulipan). Fantástica e extasiante. Em muitas ocasiões, ele demonstrou sua hospitalidade e companheirismo. No Brasil, Ernest esteve poucas vezes. Responsabilizou-se pelo escritório da Clat, na Holanda, e ajudou a fundar a Clatnederland, organização não-governamental que elaborava projetos e conseguia recursos para a Clat/ Venezuela. Numa de suas inúmeras viagens à América Latina, Ernest assistiu a um recital de música folclórica no Teatro Nacional da Costa Rica e conheceu Sofia. Trocaram correspondência eletrônica e ele passou a ir todos os anos, no período de férias, à San José, a capital. Os laços se estreitaram entre os dois. Sofia, uma costa-riquenha divorciada, com dois filhos maiores, um de 25 anos e outra de 19 anos, com excelente prática em assuntos jurídicos e assessoria de empresas, demorou muito a lhe dar o sim definitivo. Ficavam longe um do outro por muito tempo, mas, chegou o momento da decisão e eles decidiram, como pessoas maduras, pelo casamento. O primeiro problema foi escolher o local onde morar. Ernest, com sua ironia habitual, disse que foram analisadas todas as possibilidades “Costa Rica, Holanda, Espanha, Pólo Sul ou Pólo Norte“. Por fim, o bom senso prevaleceu. Sua companheira não poderia ficar distante dos filhos. O país escolhido foi mesmo a Costa Rica.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

329

Casaram-se de papel passado em dezembro de 2007. Ernest disse que a mão da noiva sempre se pede aos pais, mas que, no caso, ele teve de pedir aos filhos. Claro, filhos mais velhos têm cuidado com os passos da mãe, especialmente quando esses passos envolvem a vida amorosa. O casal de filhos deu o esperado sim. Agora, Ernest diz que inverteu a situação. Passará férias na Holanda. Está trabalhando meio período no Icaes, montou um escritório para dar assistência às entidades sociais da Costa Rica e criou, junto com a sua esposa, uma organização não-governamental para ajudar adolescentes com problemas. No fim de 2008, a ONG dirigida por Ernest fez ceias para 700 jovens que não tinham a oportunidade de comemorar o Natal. Os recursos foram conseguidos junto às fundações, empresas e cidadãos holandeses. O prestígio de Ernest, trabalhando muitas décadas na área, oferece total confiança aos investidores sociais da Holanda. Há situações hilariantes. Holandês, impregnado pela cultura calvinista, Ernest tem seus hábitos e costumes. O desprezo pelo horário na América Latina é famoso. Comentou que chegou marcar para sair com a família às 9 horas, o que aconteceu somente cinco horas depois, às 2 da tarde. Dá boas gargalhadas em função da total mudança de hábito, mas está feliz. Ernest passou de solteiro solitário a avô. Seu enteado mais velho tem um filho e todos os domingos ele junta a família para uma parrillada. Conversei muito com ele na última viagem que fiz à Costa Rica. Perdi um cicerone na Holanda e ganhei outro na América Central. Combinei com ele, qualquer dos próximos anos, irei passar as férias na Costa Rica.

F R A NCISCO C A N I N DÉ PEGA DO Francisco Canindé Pegado é o que chamamos de operário da organização sindical. Tem extremo zelo e cuidado com a parte burocrática e organizativa das entidades das quais participa e, por isso, cresceu na hierarquia sindical, mesmo começando a atuar num centro intermediário, a capital do Rio Grande do Norte, Natal, onde foi presidente do Sindicato dos Telefônicos. Com seu trabalho, conseguiu ser eleito vice-presidente da CGT e substituiu Antônio Rogério Magri, quando este foi convidado por Fernando Collor de Mello para ser o Ministro do Trabalho. Permaneceu presidente da CGT até


330

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

1996, quando, por deliberação pessoal, passou o cargo ao novo presidente do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo, Enir Severino da Silva, preferindo ocupar a secretaria geral, mais compatível com o seu perfil de organizador. Novamente, o destino interpôs em seu caminho e Enir veio a falecer em 2002. Pegado poderia, se quisesse, assumir novamente a presidência da CGT, mas prevaleceu seu espírito de solidariedade e construção coletiva. O cargo permaneceu em mãos do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo e a presidência da CGT passou a ser ocupada por Antonio Carlos dos Reis (Salim). Pegado seguiu secretário geral e ambos são muito amigos. Ali, na secretaria geral da CGT fez grande trabalho, chegando a ser o primeiro brasileiro a ocupar o cargo de conselheiro-executivo mundial da Ciosl e membro do IPCTT (Secretariado Internacional do Pessoal em Correios, Telégrafos e Telefones). Pegado teve participação importante no processo que uniu três centrais de trabalhadores do Brasil (CAT, CGT e SDS), formando uma das maiores organizações do país, a UGT. Como também sou um pouco organizador, vez ou outra, no processo de união, trombava com Pegado, mas nada importante. Em geral, resolvíamos nossas divergências na própria mesa de trabalho, como convém aos civilizados. Somos grandes amigos e sou seu admirador.

ISA BEL L E HOF F ER L I N Quando passei a freqüentar a sede da Clat, em San Antônio de Los Altos, Estado de Miranda, na Venezuela, conheci uma jovenzinha magra e loiríssima, pensei tratar-se de estrangeira. A belga Isabelle Hofferlin trabalhava com Luis Enrique Marius e, além de seu trabalho normal, secretariava a Cladhelt. Fiquei espantado com o resultado de seu trabalho na Cladhelt. Todos os anos, publicava-se um robusto relatório de todas as agressões aos direitos humanos da região. Impresso, o relatório, distribuído às organizações sindicais e sociais, tanto da América Latina como da Europa, bem como às organizações internacionais de defesa dos direitos humanos, recebia boa atenção. A repercussão era enorme. A formação universitária de Isabelle inclui os cursos de tradutora (Universidade de Mons, Bélgica), ciências do desenvolvimento (Universidade de Louvan La Neuve, Bélgica) e direito internacional do trabalho (Universi-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

331

dade Central da Venezuela). No primeiro FSM, tive que proferir palestra sobre “Poder local” e a PUC designou alunos para a tradução. Alunos sem experiência resultaram em momentâneas dificuldades, mas fui salvo por Isabelle, que fez, pela primeira vez, a tradução do português para o francês e o inglês, simultaneamente. Algo extraordinário. Isabelle casou-se com um venezuelano e voltou a trabalhar na sede da CMT, em Bruxelas, na Bélgica. Ali, ajudou a promover a Social Alert, também atuando na área dos direitos humanos e liberdade dos trabalhadores, que existe até hoje no âmbito da CSI, organização que substituiu as duas centrais mundiais, CMT e Ciosl. Com a fusão e aproveitamento do pessoal mais preparado, Isabelle foi designada para trabalhar internamente na CSI, onde é responsável pelos contatos com América Latina e África. Ali podemos contar todos com a sua costumeira eficiência. Por força de minhas atividades na CSA, estamos continuamente nos falando. É bom poder contar com ela.

JOSÉ MOAC Y R M A LV I NO PER EIR A Ao falar sobre Roberto Santiago, deputado federal pelo PV, não poderia me esquecer de nosso amigo e companheiro, José Moacyr Malvino Pereira. Moacyr substituiu Roberto na presidência do Siemaco em 1992 e na Confederação Nacional dos Trabalhadores em Empresas Prestadoras de Serviços a Terceiros em 2007. É daqueles grandes líderes nacionais, cumpridor da palavra e trabalhador infatigável. Quando fundamos a UGT, em 2007, Moacyr foi indicado primeiro tesoureiro da entidade. A razão da escolha, entre outras coisas, reside no fato de ser pessoa organizada e honesta. Quando você menos espera, ele coloca o plano orçamentário da UGT a sua frente, pede opinião e leva à discussão de todos. O grupo de administradores da UGT (Patah, Pegado, Chiquinho e Moacyr) representa um caso raro de afinidade e trabalho coordenado. No sindicalismo (aliás, em tudo) é essencial que as pessoas que trabalham juntas tenham o sentimento da solidariedade e o compromisso da lealdade. Sem essas características, há perigo de distanciamento e desarmonia. Evitar isso é tarefa do líder. No caso de Moacyr Pereira e Roberto Santiago, essa


332

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

proximidade é visível. Felizmente na UGT, desde os primeiros tempos, o sentimento de unidade é a razão maior do projeto. Embora o conhecesse, nunca havia trabalhado diretamente com o Moacyr. Nesses quase três anos de UGT pude constatar o seu grau de responsabilidade e companheirismo, o que faz dele um colega indispensável.

LUIS EDUA R DO GAU T ÉRIO GA L LO Gallo teve problemas quando estudante. Somos de uma geração que entrou na adolescência em plena década de 60. A juventude ocorreu toda sob a tutela do regime militar. Nosso sonho era a redemocratização do Brasil, o que só conseguimos plenamente com a entrada em vigor da Constituição de 1988. Aí, já éramos quarentões. Luis Eduardo Gautério Gallo nasceu em Pelotas, no Rio Grande do Sul, onde foi membro do Grêmio Estudantil e secretário da Uges (União Gaúcha dos Estudantes Secundaristas), liquidada pelos militares. Sempre líder de turma, sua formatura ocorreu dias depois da edição do Ato Institucional nº. 5. Como orador da turma, fez um discurso crítico que lhe causou muitos problemas. Formado farmacêutico-bioquímico, especializou-se em várias áreas (criminalística, laboratório e imunohematologia). Em seu exercício profissional, sempre se interessou pelas entidades de classe. Em 1975, ocupou o cargo de tesoureiro de três entidades ao mesmo tempo: Associação dos Farmacêuticos, Associação de Criminalística e Conselho Regional de Farmácia do Estado do Rio Grande do Sul. Ninguém consegue um feito desses sem ser uma pessoa competente e honesta. Sua carreira no sindicalismo foi meteórica. Ocupou a presidência do Sindicato Estadual e da Federação Nacional dos Farmacêuticos, ocasião em que foi chamado para integrar os quadros da CNPL. Permaneceu na CNPL por longos 18 anos. Também passou pelo Conselho Federal de Farmácia. Na CNPL, havia completo domínio dos contabilistas e Gallo foi o primeiro líder a romper essa hegemonia, graças ao apoio de Zoilo de Souza Assis, contabilista e então presidente da entidade. Como presidente da CNPL, Gallo foi responsável pela expansão da entidade fora do Brasil. Ele levou a CNPL para a UMPL, para a Clat e para


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

333

a CMT. Conhecemo-nos melhor em 1995, no congresso de fundação da CAT, em Brasília, quando fui eleito presidente e ele, inicialmente, secretário-geral e, depois, diretor de organização nacional. Desde dezembro de 1995, estamos trabalhando juntos. As filiações da CNPL à Clat e CMT foram conseqüências da entrada da CNPL na CAT. Em 2006, Gallo conseguiu algo extraordinário. A CNPL foi aceita como filiada da CSI e, em decorrência, em 2008, ela integrou o quadro de filiadas da CSA, a única confederação profissional a obter esse reconhecimento. Gallo é auditor tanto da CSI como da CSA. Auditor é o nome que os europeus dão àquele, que no Brasil, de maneira semelhante, ocupa cargo como membro do Conselho Fiscal. Antes, em 2004, no congresso da Clat, realizado em Brasília, Gallo foi eleito, com o apoio da CAT, tesoureiro da Clat, fato que o levou a residir, até 2008, em San Antonio de Los Altos, Estado de Miranda, na Venezuela, onde se encontra a sede da Utal. A Clat foi extinta junto com a Orit quando da criação da CSA. Embora extintas a Clat e a CMT, Gallo segue atuando como auditor das entidades substitutas. Assim, eu, ele e Benedetti seguimos trabalhando juntos. Ao conversar com Gallo sobre sua vida, me dei conta da semelhança entre nossas atividades estudantis e sindicais. Ambos fomos diretores de grêmios estudantis, de diretórios acadêmicos, de instituições juvenis, de sindicatos de base e exercemos o magistério universitário. Depois, ambos assumimos mais responsabilidades em organizações sindicais de terceiro grau. Seu sucesso é incomparável. Saindo lá de Pelotas, conquistou o mundo, chegando a presidente da UMPL e membro de várias organizações internacionais. Há, no entanto, diferenças. Gallo já se aposentou. Comprou uma casa à beira da praia em Natal, no Rio Grande do Norte, para onde se mudou com Nádia, sua esposa. Pai de quatro filhos e seis netos, a maioria perto dele, tem rara qualidade: uma capacidade de relacionamento insuperável. Deveria ter sido diplomata. Mesmo que seu interlocutor se altere, ele segue impassível e educado. Aprendi muito com ele. Viajamos várias vezes juntos. Participamos de reuniões e congressos. Em nosso ramo (em outros também), o sucesso é causa de ciúmes e inveja. Gallo lida bem com isso. Ignora críticas à sua volta e busca calmamente os seus objetivos. Homem já injustiçado, está acima da média das lideranças sindicais e políticas. Nunca se recusa cooperar com os amigos e está sempre pronto a ajudar.


334

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

LUIS EN RIQU E M A RIUS A primeira aula que ouvi de Quique Marius, se não me falha a memória, foi na Argentina e ele me deixou bastante impressionado. A partir dali, tive outras oportunidades de sentir e testemunhar a sua eficiência como líder da Clat. Organizadíssimo, junto com Isabelle Hofferlin, cuidava também da Cladhelt. Esteve várias vezes no Brasil, em reuniões importantes, com governos e, especialmente, com a diplomacia brasileira, discutindo questões sobre o Mercosul e sobre outros processos de integração na América Latina e Caribe. Especialista na área, pôde contribuir para a difusão das idéias de integração, constante do ideário da Clat. Registro a sua ajuda, em trabalho conjunto com Eduardo García Moure e Rodolfo Romero, na criação da CAT. Fui beneficiado por sua militância e constante presença no Brasil, onde, com o seu habitual talento, encantava as platéias sindicalistas. Marius, em entrevista à TV holandesa, perguntado sobre a situação dos trabalhadores da América Latina, lascou: “Nossos trabalhadores estão piores do que as vacas holandesas. Aqui vocês colocam ar condicionado nos estábulos, música para acalmá-las e fornecer mais leite”. Os jornais estamparam em manchete a sua frase, repetida anos depois por Nelson Mandela, com maior repercussão ainda. Quando Emilio Máspero morreu, Marius quis ocupar seu lugar na Secretaria-Geral da Clat. Seu desejo, além de nos colocar em lados opostos, fez com que ele se afastasse do movimento sindical, dedicando-se a uma fundação cristã. Católico militante, amigo da alta hierarquia da Igreja, certa vez intermediou uma visita minha e da Regina ao Vaticano. Tudo correu bem e sou agradecido. Ao lembrar-me dele nestas pequenas memórias, quero reconhecer o seu valor e a sua capacidade de trabalho. Ele faz falta às organizações que lá permaneceram: Utal e Ilacde. Sua liderança e, sobretudo, sua capacidade de organização seriam essenciais àquelas entidades.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

335

M A RISA CH IR ENO ( Ma r i tz a) Os sindicalistas gaúchos da extinta CAT têm boa história para contar sobre Marisa Chireno. Conhecida como Maritza, nasceu na República Dominicana, reside na Venezuela e foi descoberta por Eduardo García Moure, que a fez secretária-geral da Federação Latino Americana em Comércio e Serviços. Os gaúchos tiveram o atrevimento de desafiar a tradicional diretoria da Clat, dirigida com mãos de ferro por Emilio Máspero, e lançar Maritza como candidata ao bureau, a primeira mulher a chegar a tanto. Corria o ano de 1998 e estávamos na Cidade do México, em pleno XI Congresso da Clat. Perdemos e hoje sabemos a razão da derrota. Emilio Máspero, ninguém sabia, já sofria de doença terminal e foi leal aos velhos companheiros, aqueles que durante anos o haviam apoiado e ajudado na condução da Clat (García, Marius e Romero). Compreensível. O episódio mostrou a grandeza de Emilio, mas foi fatal à Maritza e ao projeto dos comerciários gaúchos. Há males que vem para bem, diz o ditado. Maritza voltou à Venezuela, continuou se dedicando à Fetralcos e foi convidada a entrar na CGT-Venezuela. Hoje, é secretária-geral daquela central de trabalhadores e uma pedra no sapato de Hugo Chávez, presidente que desmontou a velha estrutura sindical do país. Maritza se tornou conhecida no Brasil em função de seu trabalho sindical à frente da Fetralcos, setorial da Clat. É comum estarmos juntos com as lideranças de comerciários da América Latina e ouvirmos as melhores referências sobre Maritza Chireno. Rubens Romano, importante liderança brasileira e ex-presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, abriu as portas de sua categoria para o trabalho da Fetralcos no Brasil. Rubens e Maritza são grandes amigos.

ORI L DES M A RI A LOT T ICI Nestas memórias, gostaria de poder incluir todos os meus companheiros sindicalistas, especialmente, aqueles que me ajudaram nos projetos em que estive envolvido. Claro, são muitos e não é possível. Incluo alguns e não há critério para isso. Só ouvi o coração. Orildes Maria Lottici, uma gauchinha atrevida e lutadora, ajudou muito no projeto de construção da CAT e, por meio dela, estou homenageando todas as mulheres da extinta Central Autônoma de Trabalhadores e da nova e vibrante UGT.


336

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Presidente do SEC-BG, no Estado do Rio Grande do Sul, Orildes começou como suplente de diretoria em 1987 e tornou-se presidente em 1995. Um de seus companheiros de jornada e de diretoria é Sérgio Ribeiro Neves. Sérgio foi diretor da Fetralcos e presidente da CAT-Rio Grande do Sul, sempre apoiado por Orildes. Ambos formam dupla insuperável em termos político-sindicais. São imbatíveis em assembléias. O SEC-BG, sob o comando de Orildes, resolveu ajudar os desempregados catadores de lixo e incentivou a fundação da Associação de Catadores de Bento Gonçalves, monitorando-a de 2003 a 2009. A associação tornou-se exemplo e foi visitada por sindicalistas da Europa, ganhando projeção internacional. As organizações sindicais possuem mulheres lutadoras, trabalhando em meio à discriminação e à incompreensão, ganhando menos, tendo duplas ou triplas jornadas de trabalho. Graças a elas, hoje as mulheres estão alcançando postos de comando no universo sindical e político. Conheci muitas dessas mulheres e Orildes Maria Lottici é exemplo a ser destacado. Orildes continua na luta, ajudou a fundar a UGT, onde, em função de seu trabalho social em Bento Gonçalves, foi escolhida titular da Secretaria da Criança e do Adolescente. A ela e aos gaúchos, os meus agradecimentos pelo apoio na luta sindical.

ROBÉRIO C A F FAGN I Robério Caffagni é amigo dos trabalhadores, sem perder de vista que há um desequilíbrio entre o capital e o trabalho. Sua presença na Sub-Delegacia do Trabalho em São José do Rio Preto, já há décadas, atesta a veracidade dessa afirmação. Ele está sempre disposto a atender, verificar e atuar no estrito limite de suas funções, sendo justo e imparcial com todos. Caffagni começou como bancário e se tornou vice-presidente do Sindicato dos Bancários de Rio Preto. Desde 1985, é o subdelegado do Trabalho, nomeado primeiramente por Almir Pazzianotto Pinto, por indicação de Eribelto Manoel Reino, quando ele era presidente da Federação dos Bancários do Estado de São Paulo e Mato Grosso. Não saiu mais, em que pese a alta rotatividade de delegados do Trabalho no Estado de São Paulo. Prestou concurso, trabalhou como fiscal do trabalho e só posteriormente passou a ser o sub-delegado. Caffagni talvez seja o subdelegado com mais tempo na função em todo o Brasil, nada menos do que 24 anos. Em 2010,


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

337

no dia 22 de agosto, completará 25 anos de subdelegado e merecerá grande festa, patrocinada pelos sindicatos patronais e de trabalhadores da região. Está lançada a idéia. Hoje, o seu cargo tem um nome mais pomposo “Gerente Regional do Trabalho e Emprego”. Além de amigo do saudoso Eribelto, com quem tinha especial afinidade, Caffagni tem muitos outros amigos no sindicalismo e fora dele, na região e fora dela. Seu prestígio na capital e com os demais colegas do Ministério do Trabalho é enorme. Casado com Vilma, tem três filhos (Adriano, Carla e Patrícia). De vez em quando, eu os encontro fazendo compras no Mercadão. Minha ligação com Robério Caffagni já vem de longe. Em todas as eleições do Sindinorte e assim com quase todos os sindicatos, Caffagni apura os votos, preside as eleições e ajuda a lavrar a ata. Isso dá muita credibilidade às eleições sindicais, sendo garantia de um trabalho ético e confiável. Não houve contestação em nenhuma eleição fiscalizada por ele. Até mesmo nas eleições do América Futebol Clube, atuou sem problemas. Ao lado de todas essas atividades, ele encontra tempo para lecionar. É um dos remanescentes alunos do IAL (Instituto Americano de Lins), colega de muitos rio-pretenses e testemunha de muitas histórias engraçadas, principalmente aquelas que eram contadas por Eribelto. Caffagni lecionou na Escola Senac e no Colégio Alberto Andaló, onde é muito querido pelos alunos. Não tenho essa autorização, mas em nome dos sindicatos locais de trabalhadores faço um agradecimento público ao trabalho honesto e dedicado de Robério Caffagni à frente da Sub-Delegacia do Trabalho de São José do Rio Preto. No ano próximo, em 22 de agosto, estaremos todos reunidos para festejar essa importante data.

ROBERTO SA N T I AG O O atual deputado pelo Partido Verde, Roberto Santiago, que vem se revelando uma nova liderança nacional, foi presença assídua em São José do Rio Preto nos anos 80, quando ocupei o cargo de diretor-técnico da Sert. Veio pelas mãos de Fábio Renato Amaro da Silva e ajudou bastante em minha política de criação de novos sindicatos de trabalhadores. Na época, Roberto era presidente do Siemaco. Ocupou-se da tarefa de organizar entidades assemelhadas em outros estados e fundou a confederação


338

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

nacional da categoria. Responsável pela enorme transformação, crescimento e atuação política desse segmento de trabalhadores, hoje, dos mais importantes na área de serviços terceirizados do setor público. Nas eleições de 2006, se candidatou a deputado federal e foi eleito. Sua mulher, Fabiane Cabral Santiago, foi eleita prefeita de Piracaia em 2008. Roberto também ocupou a presidência da Fundacentro (Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho) e a superintendência do INSS em São Paulo. Homem experiente em administração pública e sindical. Está crescendo também como político. Roberto deverá ser candidato à reeleição com excelentes chances e receberá o apoio de sua categoria, de muitos prefeitos do Estado de São Paulo e de boa parte da UGT, da qual é um dos vice-presidentes nacionais. No âmbito da Câmara Federal é relator de vários e importantes projetos, destacando-se por sua capacidade de articulação e liderança. A prática sindical faz muito bem aos parlamentares.

RODOL FO ROM ERO GA RCET E O paraguaio Rodolfo Romero (RoRo) saiu de seu país perseguido pela ditadura de Alfredo Stroessner, que permaneceu no poder de 1954 a 1988. Como foi uma ditadura longa, Romero acabou por se estabelecer definitivamente na Venezuela, exercendo vários cargos na Clat. Sua vocação, contudo, é ser formador. Embora não possa deixar a Venezuela, em função de sua família (mulher, filhos, noras, genros e netos) estar plenamente adaptada, Rodolfo não se furta a estar constantemente no Paraguai, onde é pessoa respeitada e festejada por sua longa resistência à ditadura Stroessner. Está sempre auxiliando a CNT. No período de campanha do atual presidente Fernando Lugo, foi militante de sua candidatura, apoiando ainda outros candidatos ao Parlamento, oriundos na sua maioria das organizações sindicais. RoRo é homem imprescindível ao seu país, especialmente, nesta fase inédita de governo popular. Para as diversas turmas de brasileiros que foram estudar na Venezuela, em cursos de formação sindical da Utal, Rodolfo se tornou ídolo e referên-


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

339

cia. Normalmente, é convidado para palestrar no Brasil e neste ano de 2009 esteve em Brasília, a convite de João Domingos Gomes dos Santos, presidente da Confederação de Servidores Públicos do Brasil. Militante em tempo integral, nunca se recusa a participar de eventos. Rodolfo Romero é autor de vários livros sobre os mais diversos temas. Seus cadernos e apontamentos de estudos, por método e didática, organização temática e profundos conhecimentos, são excelentes guias para aulas e aperfeiçoamento sindical. O movimento sindical não pode prescindir da experiência e da inteligência do companheiro Rodolfo Romero. Tive a satisfação de estar com ele, em 2009, em Assunção, quando lançava mais um de seus livros “América Latina y Caribe, llegó tu hora” (Editora Litocolor), em cuja dedicatória está escrito “A quienes creen que ‘otro mundo es posible’ y que trabajan y luchan por la unidad-integración y desarrollo de Latinoamericaribe”.

RU Y BRI TO DE OL I V EIR A PEDROZ A Ruy Brito é um dos tipos mais interessantes que conheci. Já o conhecia como importante líder dos bancários em função das visitas a São José do Rio Preto, feitas a convite de Eribelto Manoel Reino, quando presidente do Sindicato dos Bancários. O conhecimento mais próximo ocorreu no Ipros. Em sua presidência ocupei a tesouraria. Dividi com ele um quarto na rua Castro Alves, no velho casarão da Federação dos Bancários, derrubado para dar lugar a um prédio de apartamentos. Se você conhece alguém realmente autodidata, esse alguém é Ruy Brito. Tem capacidade rara para aprender e analisar. Suas análises de caráter político-sindical são primorosas. Lê muito. Coleciona artigos de jornal e escreve bem. Quando notei isso, estimulei-o a escrever sobre alguns temas. Assim surgiram os CADERNOS IPROS e Ruy foi autor de dois trabalhos: sobre liberalismo e sobre previdência social. Pediu-me para escrever a introdução de ambos. Quando comecei no Ipros e na CAT, então Coordenação Autônoma de Trabalhadores, pouco sabia de sindicalismo, em que pese já possuir


340

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

alguns cursos e ter lido alguns livros sobre o assunto. Na verdade, aprendi mesmo foi com Ruy Brito, muito paciente como professor, se dando ao trabalho de longas conversas. Na CMT e na Clat, Ruy Brito ocupou dois importantes cargos: membro do Comitê Confederal e membro do Comitê Executivo. A última eleição para o Comitê da CMT foi dificílima. Emilio Máspero apoiava outro candidato e, numa manobra (lancei um candidato a mais), ganhamos mesmo sem atingir a metade dos votos. Os votos da situação se dividiram. Ruy voltou eufórico, alardeando a minha capacidade estratégica. Tivemos sorte. Acompanhei-o em diversos encontros internacionais observando-o atentamente. Fazia tudo o que estava ao meu alcance para facilitar sua atuação e posso dizer que, nos primeiros tempos, trabalhei quase como seu secretário. Minha presença no Ipros e na CAT se dava por meio do cargo de tesoureiro, o que não era pouca coisa, tendo em vista o volume de recursos que movimentávamos. Contudo, para aprender, me dispus a acompanhá-lo sempre que possível. Obstinado, perseverante e atento, Ruy é polivalente, falando sobre vários temas e arrancando aplausos de todas as platéias. Ainda hoje (está com quase 80 anos), é requisitado por nossas entidades para fazer conferências e palestras. Todos os anos comparece ao congresso da Fasderbra, convidado por Nilton Borges dos Santos. Escrever e falar sobre vários temas econômicos, sociais e sindicais, é decorrência de seus vários anos como líder sindical, ex-presidente da Contec, funcionário do Banco do Brasil, ex-deputado federal e ex-membro do Conselho de Administração da OIT. Como líder sindical, Ruy foi impedido de se recandidatar a presidente da Contec, numa espécie de cassação branca. Os militares o obrigaram a aceitar sua transferência no Banco do Brasil de São Paulo para Curitiba. Quando se estabeleceu em Curitiba, sem poder fazer nada, foi como estar em prisão domiciliar. Nesse período, conheceu Ellen, sua esposa. Um amigo, conhecedor de sua personalidade indômita, alertou Ellen: “Olha, conheço o Ruy, ele está quieto por aqui porque impossibilitado de atuar, mas saiba que algum dia a democracia voltará e será impossível segurá-lo”. Dito e feito. Em 1981, um enviado da CMT/CLAT o procurou (o mexicano José Merced Gonzáles) para fundar o Ipros e tudo recomeçou.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

341

A vida é feita de fases e de imprevistos. Ruy é amazonense. Passou em concurso do Banco do Brasil. Viveu em várias cidades. Entrou no sindicalismo. Foi presidente da Contec. Sofreu uma cassação branca. Foi para Curitiba. Casou-se com Ellen, com quem tem três filhas. Elegeu-se deputado federal. Voltou às organizações sociais e ainda continua fazendo palestras Brasil afora. Sua vida certamente daria um grande romance ou uma boa biografia. Gostaria de escrevê-la. Minhas primeiras divergências com Ruy, sempre no campo conceitual, aconteceram quando quisemos transformar a CAT-Coordenação em CAT-Central. Ruy não estava convencido de que seria conveniente organizar mais uma central de trabalhadores no Brasil e seus argumentos eram bons. Para ele, nada substitui a unidade. Mas as centrais brasileiras existentes estavam se filiando às entidades internacionais e o braço CMT/CLAT ficaria sem representação no Brasil. Tocamos o projeto e Ruy não interferiu. Coloquei-o como presidente de honra da CAT-Central e membro do Conselho Deliberativo do Ipros. Na verdade, ele não queria nada e sempre insistiu nisso. Depois, eu o substituí pela companheira Thelina Macedo dos Santos, da Federação de Trabalhadores Cristãos do Rio de Janeiro, mas ele não gostou da forma que o fiz. Talvez tenha tido razão. Fui pouco cuidadoso. Afastou-se das atividades da CAT e do Ipros, mantendo-se como palestrante em seminários e congressos. Se hoje estou ocupando a vice-presidência da UGT e fui eleito como secretário de Políticas Sociais da CSA, posso dizer que tudo começou com Eribelto e Ruy Brito. A Ruy Brito coube me ensinar os primeiros passos no sindicalismo internacional. Tive outros importantes professores. Alguns citados nessas memórias. Que Ruy saiba que sou agradecido e, como ele mesmo diz, lembrando Santo Ambrósio, o agradecimento é o primeiro dever do homem.


342

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

V ÉRON IQU E ROUSSE AU Em minhas andanças como sindicalista, não foram poucos os amigos e as amigas que fiz ao longo da estrada. Deixo claro que os sindicalistas e aqueles que trabalham em organizações não governamentais são, por natureza, pessoas mais abertas e solidárias, talvez pelas funções que exercem, em geral destinadas ao crescimento social de grupos e indivíduos. Logo à primeira visita que fiz à Bélgica, conheci Véronique Rousseau, cujo trabalho, à época, vinculava-se aos assuntos da América Latina. Com enorme facilidade para línguas, Véronique é perfeita em vários idiomas. Ao viajar com um grupo de sindicalistas belgas para o Brasil, na última reunião de avaliação no Rio de Janeiro, Véronique já estava se arranjando bem com o português. Fiquei impressionado. Foi a única que conseguiu falar a palavra aposentadoria. Aliás, ela é lingüista de formação. Sempre trabalhando na área social, inicialmente, com a JOC – Internacional no âmbito da União Européia. Depois, entrou para o movimento sindical e foi trabalhar na CSC da Bélgica, onde desenvolveu longa e vigorosa carreira. Hoje, está no Departamento Internacional e é pessoa da confiança de Luc Corteebeck, o presidente da CSC. Meus contatos com Véronique se deram, primeiramente, em virtude de ser o presidente da CAT e do Ipros. Posteriormente, porque participamos de reuniões conjuntas na sede da Clat e Ilacde, ambas as organizações venezuelanas. Em 1996, quando estive com Regina na Bélgica, ela foi extremamente valiosa e gentil, proporcionando-nos inesquecível viagem a Brugges. Consideramos Véronique Rousseau uma cidadã latino-americana. Sua lista de amigos no continente é extensa. Nós todos que, eventualmente e em algum momento, trabalhamos com ela, somos especialmente gratos por sua militância, capacidade e inteligência. Estive em sua casa na Bélgica e conheço o seu marido Roberto, que tem como hobby escalar montanhas. Ambos têm a linda filha Rosalie.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

343

V ICTOR BÁ EZ MOSQU EIR A sse paraguaio, tataraneto de um militar brasileiro, jovem ainda, ocuE pou inúmeros cargos sindicais, começando por ações de base em Assunção. A cidade e o país não devem ser esquecidos. Ali, a luta é dura e desigual. Lutando em meio a empresários reacionários, classe política conservadora e governo autoritário, Victor chegou a secretário-geral da CSA, a maior organização sindical do continente. Conhecia-o pouco, de reuniões ocasionais, mas, a partir de 2006, nossos destinos de líderes sindicais se cruzaram. Inicialmente, em pólos opostos. Victor veio da Orit e eu da Clat, organizações que competiram por mais de 50 anos e se uniram em 2008, criando a CSA. A partir de abril de 2008, apresentei-me para trabalhar como seu colega de secretariado na direção da CSA. Ambos, juntos a Rafael Freire e Amanda Vilattoro, formamos o grupo de dirigentes executivos, sobre cujos ombros pesa a responsabilidade de consolidar uma organização heterogênea, politicamente diversa e sindicalmente una. O pluralismo foi a grande conquista do século XX, onde contrários, gente de diversas ideologias, partidos e crenças, sentam-se à mesma mesa e se unem na defesa dos trabalhadores. Temas como melhoria das condições de vida, aumento da proteção social, garantia da presença do Estado na economia e tantos outros são discutidos nos fóruns adequados. Protestos e manifestações são organizados. As atividades são intensas. Somos um bando de sonhadores e estamos fazendo de nossos sonhos o objetivo de nossas vidas. O ritmo de trabalho de Victor Báez Mosqueira é impressionante. Victor é daqueles que viajam constantemente, atendendo a pedidos e convites das organizações filiadas, do Canadá ao Chile. Com oratória brilhante e amplo conhecimento, suas palestras são muito requisitadas. Seja como máximo executivo da CSA ou como companheiro de viagem, Victor é fonte de inspiração e exemplo. Tenho aprendido muito com ele nesses dois últimos anos. Nossos mandatos vão até 2012, mas espero que ele possa continuar à frente da CSA, onde o seu trabalho é imprescindível.


344

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

CONSIDER AÇÕES F I NA IS

R ESUMO PESSOA L Nestas pequenas memórias pessoais, fiz um resumo de mim mesmo. Ofereci minhas origens. Declinei minhas preferências. Apresentei poucos parentes. Lembrei-me de alguns amigos. Falei de poucas viagens e países. Abordei diversos assuntos. Evitei falar muito sobre pormenores de sindicalismo e política, embora tenha dado algumas pistas, somente naquilo que se mesclavam às boas lembranças pessoais. Há poucas exceções à essa regra, mas procurei falar sobre as organizações das quais participei. Não foram poucas. Acabei por falar demais de algumas coisas. O “Caso Semae”, enroscado em minhas entranhas, na maior parte, foi suprimido. Injustiças não se esquecem. Quero que me perdoem pelos exageros. Sobre esses temas, tenho a intenção de voltar mais tarde. Pretendo ainda, se Deus me der forças suficientes e se o tempo e a inteligência permitirem, escrever mais profundamente sobre a política e sobre o sindicalismo. Há muitas repetições, não as evitei por motivo simples: às vezes, o fato teve repercussão, influenciou várias pessoas e afetou diferentemente os membros da família. Então, repeti-lo, foi a melhor forma de dar-lhe a dimensão


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

345

verdadeira e ideal. Nas áreas política e sindical, embora assuntos concretos, as repetições ocorreram em relação ao nome das entidades. Para os não habituados, parecerá estranho. Enfim, esta coletânea está inacabada e, portanto, imperfeita. Escrevi aproximadamente 250 textos e selecionei os mais pertinentes. Os desaproveitados ficarão arquivados para próximas oportunidades. Não poderia fazer um livro de artigos extremamente cansativo e desinteressante. Já será desinteressante para a maioria das pessoas. Minha intenção foi escrever para a minha família. Resgatar a história dos antepassados e ascendentes, contando um pouco de minha própria história. Insignificante, mas minha. Incluí textos sobre várias pessoas da cidade. Gente da imprensa, empresários, sindicalistas e amigos. São, em geral, textos curtos, referentes às pessoas que, eventualmente, tiveram algum contato comigo. Não houve pesquisa. Simples lembrança de fatos ou homenagens que faço, utilizei sempre a memória. Nesses casos, pode haver falhas ou decepções. Às vezes, escrevi pouco sobre pessoas com vasta folha de serviços prestados à cidade. A referência considerou apenas os momentos interface. Aproveitei pouco daquilo que já havia escrito para jornais (cerca de 300 textos). Na maioria, o que está aqui é inédito. Evitei criticar, embora, vez ou outra, tenha escapado uma ponta de mágoa ou me permitido alguma referência inadequada. Poucos precisam saber que agiram errado ou que se enganaram e que, do alto de suas funções ou autoridade, necessitam tomar o elixir da humildade e saber que, do outro lado, tem gente. Como o eventual leitor viu nestas páginas, minha vida, durante certo período, não foi fácil. Escrever sobre isso me possibilitou melhor observação dos fatos e, no balanço, percebi que exagerava certas situações. Reitero: o que são menos de dez anos para uma vida sexagenária? Descobri que sou feliz e, talvez, esse seja o maior benefício deste livro. Serviu como terapia. Outro objetivo, não sei se o alcancei, foi mostrar os caminhos de minha formação e de meu pensamento. Nem mesmo a gente tem consciência de como é forjada nossa personalidade. Como são construídos os nossos conceitos. Como chegamos à determinada interpretação da realidade. A neurociência está engatinhando. A auto-análise e o autocontrole são privilégios de poucos. Sobram as explicações de praxe: influência da hereditariedade e do meio ambiente. Elas estão aí. Não sei se se casam. Os labirintos da


346

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

alma são insondáveis. Não há como conciliar a individualidade com as demais personalidades que o rodeiam. Isso aprendi. Mãe, mulher, filhos, irmãos e sobrinhos, as pessoas mais importantes, são diferentes entre si. Este exercício de escrever sobre todos serviu para melhor conhecê-los. Especialmente, para ver o quanto errei. Não se tratam de erros dramáticos ou propositais. São erros humanos, próprios de quem ama. Nada que possa ter causado um desvio irrecuperável. Somos todos normais, felizmente. Quando pedi para a jornalista Mirna Soares fazer a primeira revisão, ao acertarmos o trabalho, ela me falou por telefone: “Você escreve como fala”. O que ela não sabe é o esforço que faço para ser assim. Se existir aqui, do ponto de vista gramatical ou lingüístico, algum erro, fui eu quem insistiu nele. Há palavras, pouquíssimas, que não se encontram nos dicionários. Entreguei a revisão final para Regina, minha esposa. Há anos, ela vem fazendo a revisão de meus artigos. Não seria justo deixá-la folgada nesse processo. Com ela, sempre é mais difícil o entendimento. Sua obstinação é antológica. Algo natural entre casais ou entre pessoas próximas. Pedi também para ela escrever o posfácio, embora isso esteja démodé, verão que ela é do ramo. A redação do prefácio ficou a cargo de um dos grandes jornalistas de Rio Preto, Mario Novelino Soler, espanholzinho de Ida Yolanda. Trabalhou em vários veículos e segurou por anos o rojão da autarquia mais falada da história da cidade. O Semae que não é um caso. É uma conjuntura estonteante da vida rio-pretense. Só ele para destrinchá-la. Não sei se alguns dos mais notáveis membros da minha família vão gostar. Uns, pela constante presença. Outros, por solene ausência. Em nenhuma dessas situações há algo propositado. Escrevi como foi desenrolando o novelo da minha memória, reiteradamente tida como imperfeita. Na medida em que me lembrava dos fatos, colocava-os sobre o papel. Deve haver muita coisa esquecida. Seria bom se me lembrassem. Há desproporções. Acredito que tenha escrito ou citado mais a respeito de um ou outro parente ou amigo. Natural porque alguns realmente estão mais próximos. Meu pai foi morto há mais de 50 anos. Meio século. Depois disso, os contatos com os parentes do lado paterno tornaram-se mais escassos, embora não ausentes. Procurei corrigir isso na medida do possível. Todos são importantes. Busquei o equilíbrio. Não sei se consegui. Dividi em capítulos sem a preocupação de quantos seriam. Procurei agrupar os assuntos afins, mas isso tornou-se tarefa árdua. Todos os assuntos se inter-relacionam. Assim mesmo, insisti em agrupá-los, mas sei que a divisão não


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

347

ficou perfeita. Que fazer? Tentei facilitar. No entanto, quando os temas envolvem política ou sindicalismo, mesmo minoritários, a divisão, em parte, procede. Quanto aos artigos sobre pessoas, que, como já afirmei, consistem em homenagem pessoal, coloquei-os em ordem alfabética. Procurei respeitar a origem do contato interface, mas, como já disse, há pessoas que atuaram comigo em vários campos. Há ausências, todas injustificadas. Espero corrigir isso em outra ocasião. Essas pessoas todas tiveram a sua importância em determinados momentos. Algumas, não têm um artigo personalizado. Estão citadas nos diversos textos ou em tópicos curtos. Sou grato a todas elas. O índice onomástico indica onde estão. Aprendi outra coisa: cada vez que abria o computador e lia um dos artigos, inevitavelmente fazia modificações. Mirna teve o trabalho multiplicado. Uma, duas, dez vezes seguidas, sempre eu alterava ou acrescentava palavras. Um inferno. Chegou o momento do basta (30/9/2009). Enviei para Mirna (de novo), para o Soler (prefácio) e para a Regina (última revisão e posfácio). Finalmente, para a Editora Francis/Verbena. Será que com os grandes escritores acontece a mesma coisa? Com os insignificantes está provado que sim. Mas uma coisa é certa: aprende-se muito. Reproduzi fotos. As fotos devem ilustrar o que escrevi, sem ser uma amostragem ostensiva. Escolhê-las foi difícil. Algumas desapareceram e outras não serviram. Há poucas fotos dos ascendentes e antepassados. Entendi que deveria ser bastante prudente e parcimonioso com elas. Fiz o possível para não ser exibicionista. Tampouco modesto ao extremo. Gostaria de ter editado o livro por aqui, especialmente com o meu amigo Lelé Arantes. Não foi possível por uma série de razões. A mais significativa delas, a questão econômica. Em São Paulo, tive apoio de meus colegas sindicalistas, principalmente da direção da UGT. Espero que Lelé compreenda. Vale a pena registrar a ajuda que tive de alguns amigos e parentes. Seria impossível abordar alguns temas sem a ajuda deles. Conversar com irmãos, primos e tios sobre nossa gente foi um prazer. Gostei tanto que acho que deveríamos fazer uns saraus só para isso. Poucas informações foram descartadas. Todas elas porque não havia mais de uma confirmação. A verdade, repito, foi a maior preocupação. Quando comecei, queria terminar logo. Agora que termino, sinto certo vazio. O exercício me despertou. Talvez, como a minha aposentadoria está próxima, possa me dedicar mais a escrever. Não porque saiba, mas porque gosto. Fim.


348

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

UM POUCO DE T U DO E DE TODOS uando comecei a escrever esses artigos, não imaginava a dimensão Q do trabalho. Fui redigindo sem preocupação com a ordem. São artigos simples, despretensiosos. Em certos casos, verdadeiramente pobres. Sem valor literário. Pouca informação, sem preocupação biográfica, ignorando a maior parte da vida das pessoas. Quando dei por terminada a tarefa, em setembro de 2009, encontrava-me com pessoas e, ao vê-las, lamentava: “Deveriam estar no livro”. Nem seria possível incluir todos. Cumpri à risca o que foi programado e não escrevi novos artigos. Só voltei ao computador para corrigir, esclarecer, explicar e cortar. Eliminei quase todos os artigos sobre países e viagens. Nem mesmo modifiquei menções sobre as pessoas que faleceram no decorrer do trabalho. Enxuguei o máximo e depurei o que julguei dispensável ou inconveniente. Prometo, nos próximos anos, escrever nova série. Artigos sobre outras pessoas. Foi imperdoável não ter sequer citado alguns amigos, vereadores, secretários municipais, professores e empresários. Pessoas que me ajudaram. Foram solidárias. Acompanharam com tristeza os poucos momentos difíceis e exultaram com os eventuais sucessos. Gente que torce por mim. Sem citar demasiados exemplos, lembro-me de Nelson Sansão e Yolanda Bassitt. Eles e outros tantos outros, foram generosos comigo em campanhas políticas e trabalhos comunitários. A cidade deve muito a essas pessoas. Não estão aqui os colegas de escola. Dos tempos da Escola Senac faltam muitos. Vão reclamar. A maioria de meus velhos colegas de diretorias (grêmio estudantil, diretório acadêmico, centros social e cultural, associações, sindicatos, federações, confederações e centrais) não está presente. Aproveitei pouco, quase nada, do que já havia escrito e publicado. Especialmente, lamento não ter incluído um artigo sobre a Labormédica e Anisinho Moreira. Dos artigos publicados, foi o que me proporcionou maior retorno ou referência. Anisinho é um vencedor. Não me referi às dezenas de cooperadores do “Natal da Criança Pobre da Vila Anchieta”. Empresas e pessoas que doaram presentes. Voluntários que trabalharam. Familiares que ajudaram na organização. Foram muitos anos distribuindo milhares de brinquedos. Até que naquele local (Cruzeiro), não


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

349

se justificou mais a ação. Os bolsões de pobreza deslocaram-se para outros bairros. A Vila Anchieta progrediu. A maioria dos contabilistas está ausente. Caberia um livro só para eles. Os contabilistas, alunos e colegas foram responsáveis por memoráveis e vitoriosas campanhas (políticas, filantrópicas e cívicas). Pessoas comuns e cabos eleitorais estão fora. Está ausente gente que sentiu frio, tomou chuva ou ficou sem comer para conseguir votos para este sonhador. Algumas delas, confesso envergonhado, estão fora de minha memória. Não vale pedir desculpas. Só cabe a promessa de fazer mais à frente. Voltarei com um pouco mais de tudo e de todos.


350

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

POSFÁCIO

Incansável e persistente! e tivesse que escolher adjetivos que definissem Laerte, certamente, S dentre outros, seriam esses. Durante o processo de escrever o livro, vi o inquieto Laerte de sempre agigantar-se. Nervoso por não achar a melhor palavra, inconformado por não dominar o computador, saudoso da velha máquina de escrever que ainda mantém em sua sala. E os nomes das pessoas sobre as quais queria escrever? Brotavam aos montes. Anotava fatos em guardanapos nos restaurantes, via algum conhecido ao longe e já dizia que faltava incluir o fulano de tal. Foi difícil convencê-lo que seria preciso criar outros livros para contemplar a todos. Mas, ele não desistiu. O livro está aí! Ao colecionar informações, pude constatar sua emoção em muitos episódios. O depoimento de uma de suas tias sobre as dificuldades para alimentar os muitos filhos deixados pelo marido que perdeu-se no mundo, talvez tenha sido um dos que mais o fizeram pensar sobre a história sofrida de sua família.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

351

esses mais de 30 anos que vivemos juntos, sempre escutei dele que N queria escrever um livro ou condensar seus artigos publicados. Quando completou 50 anos de idade, Laerte escreveu um artigo com o título “Meio Século”, onde contava sua vida. O jornal Diário da Região, de São José do Rio Preto, publicou em 07/05/95. Mas, o livro não vingou. Então, no Natal de 1995, quando ele completou essa idade, resolvi tomar providências para que isso se concretizasse. Escolhi alguns artigos feitos entre 1977 a 1995, e fiz o livro. Afinal, o título já existia, era só dar de presente de Natal. Assim o fiz. Lembro-me dele, sob a luz frágil do quintal da casa de meus pais, naquela madrugada de 25 de dezembro, com o livro nas mãos, saboreando e relembrando aqueles escritos que tinham quase 20 anos. Também me recordo que a dedicatória terminava assim: Continue o trabalho. Mas, isso não aconteceu. A vida levou-o para outros afazeres, plagas internacionais, novas experiências. Laerte é um incansável trabalhador. Finalmente, 10 anos depois, ele achou que a hora havia chegado. O trabalho foi árduo, porém, saboroso. Discutimos, lado a lado, as minúcias dessa difícil língua portuguesa. Ufa! Enfim, terminou. Interpreto seus escritos como um exercício de bom saudosismo e uma maneira de homenagear aqueles que fizeram parte de sua vida. Os textos são simples, mas verdadeiros. Em um deles, Laerte escreve: “Nada é comparável à algazarra infantil na curva de um rio. Valeu a pena”. Sim, é verdade, viver vale a pena. Existe doçura em recordar. Penso que, o futuro nos encontrará lá na nossa chácara, em Terras de São José, naquela mesa debaixo das árvores, discutindo sobre a vida que vivemos, planejando novos escritos. Juntos.

Regina Celia Marilhano Teixeira da Costa


352

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

AGR A DECIMEN TOS

Há tantos agradecimentos a fazer: parentes, amigos, pessoas que me informaram sobre datas e acontecimentos distantes, avivando a memória e corrigindo versões de fatos. Se persistirem os erros, a responsabilidade é minha. Procurei evitá-los ao máximo, mas alguns, inesperados, são previsíveis. No que concerne à ortografia e gramática, embora tenha recebido a inestimável ajuda de Mirna de Lima Soares, jornalista experiente e excelente revisora, confesso que resisti em utilizar as novas normas, preferindo o velho hábito. Mirna não tem nenhuma responsabilidade pelos eventuais erros ou pelo emprego de termos estranhos. Aprendi muito com a Mirna. Então, convém agradecê-la, especialmente por sua incrível paciência. Ela deve ter visto o mesmo texto várias vezes, tal o número de correções que eu fazia. Por isso, pedi à Regina para dar também uma olhada, já que, mesmo depois de acabado o trabalho de Mirna, fiz outras modificações. Na edição, sei que deram outra olhada. Depois de impresso, certamente, vou me arrepender de alguma coisa. Ao passar o texto para Mário Soler escrever o prefácio, ele anotou situações que mereceriam maior cuidado. Acautelei-me e fiz um esforço para melhorar o texto, lapidá-lo e torná-lo mais inteligível. Realmente, pela


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

353

pressa e impaciência, estava negligenciando os manuais de redação. Não creio que tenha melhorado muito, mas agradeço o Soler. Aproveitei para cortar. Cortar sem dó nem piedade. Questões pessoais, fatos de minha atuação política e sindical, sempre que possível, foram suprimidos. Sobrou o inevitável. Atendi aos conselhos de Arlete Salvador, Dad Squarisi e Raimundo Carrero, autores de livros que li sobre a arte de escrever. Agradeço também à minha esposa Regina, não só pela olhada derradeira, mas especialmente porque, ao escrever, perturbava-a com perguntas. Minha obstinação fez com que ela sacrificasse sábados e domingos. Paciente, ensinou-me a não ligar para os grifos do computador, mostrando que a máquina, às vezes, é burra. Marta Aparecida Ribeiro, infatigável, repetidamente imprimia os textos. Não perdi ainda o hábito de ler no papel. Sérgio Henrique Garutti e Juliana Priscila da Silva me ajudaram na utilização desta maquininha infernal, o computador, desatando os nós que eu dava em mim mesmo. Sou o que a meninada chama de analfabeto digital. A todos eles, os meus agradecimentos. O meu colega (no Sindinorte, na UGT, na CSA e na OAB) Elimar Damin Cavaletto teve a função de verificar se os textos estavam regularmente suportáveis do ponto de vista legal. Não quero problemas e já tenho censores de sobra. Esgotou-se a reserva de tolerância que tenho para conflitos. Espero que ninguém se sinta diretamente prejudicado pelo que escrevi. Aos diretores do Sindinorte, da UGT e da CSA, quero agradecer pela compreensão que tiveram em minhas viagens mentais, em certas ocasiões até atrapalhando reuniões e não contribuindo como deveria na discussão de temas relevantes. Aprendi que, para escrever talvez sejam necessários recolhimento, afastamento das tarefas diárias e absoluta concentração. Por último, no momento de editar, fui socorrido pelo companheiro Nolasco (Carlos Roberto Nolasco Ferreira), da UGT. Devo a ele os trâmites juntos às editoras (Francis e Verbena). Na primeira reunião, em Brasília, conheci os professores Benício Viero Schmidt, Fabiano Cardoso e Cassio L. Werneck. Empatia imediata. Eles me ofereceram todo o suporte necessário. Sou agradecido a todos que ajudaram. São tantos e não há como nominá-los. A maioria, quando foi possível, está citada nos próprios textos. Laerte Teixeira da Costa


354

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

V ISI TE MEU SI TE

R EC A DO F I NA L Você chegou até aqui? Parabéns. Não deve ter sido fácil. Convenhamos: faltou poesia. Realista, explicadinho e, na medida do possível, coloquial. Não é que não goste. Confesso-lhe que não sei escrever de outra forma. Poesia, li muito quando jovem. Tentei algumas crônicas, coloquei pitadas de humor e palavrinhas estranhas, mas não ficou bom. Não sou do ramo. Descobri que sou melhor relatando fatos reais. Discorrendo sobre aquilo que vejo. Escavando os porões da memória. Para certos assuntos, talvez seja necessária certa dose de nostalgia. Em outros, com certeza, um pouco de tristeza. Acho que houve, em certos trechos, alegria. No geral, a memória visual: simples guardar o que se vê. Por exemplo, para escrever neste momento, com o livro praticamente acabado, ajudou muito ter ido ao dentista, sofrido uma barbaridade e, sem controlar o inegável mal-estar, sentar-me à frente do computador. Não estava previsto e, claro, ninguém gosta disso. Não pense que para escrever é preciso sofrer. Não, mas, quando se trata de despedidas, é bom estar sóbrio, comedido. Despedidas são tristes.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

355

Despeço-me, mas penso em voltar outras vezes, escrever sobre outros temas. Esmerilhar os assuntos que mais domino ou nos quais tive participação decisiva. Creio que poderia escrever mais sobre política e sobre sindicalismo. Ao conversar com Walter Mendes sobre meus textos, pedindo confirmação de alguns fatos, notei que temos lembranças de acontecimentos relevantes da história local. Talvez, venhamos a produzir alguma coisa a duas mãos. O texto sobre Walter Mendes é o único que ultrapassa as minhas próprias observações. Inclui revelações do próprio homenageado. Minha amizade com Walter, muito acima de todas as outras no universo político, comporta esse único deslize. Sei que ali três pessoas ficarão contrariadas. O que fazer? Nada substitui a verdade. Você, se realmente leu com atenção e interesse, é hoje uma pessoa que me conhece bastante. Não se alegre. Não representa vantagem alguma. Quando a gente abre as janelas da alma, permite a intromissão alheia. Não pode reclamar dos juízos de valor. Está aí algo que eu sinceramente gostaria que você fizesse: dar a sua opinião. Existirão comentários e, guardadas as distâncias impostas pelos meios de comunicação, publicamente serão poucos. Resta-me esperar as críticas daqueles que leram. Que tal conversar comigo sobre o livro? Falar, interpretar, analisar, apreciar, examinar, sugerir e julgar: fatos, assuntos, textos ou mesmo uma simples linha. Prometo que, da minha parte, não haverá qualquer reação desfavorável. Vou ficar imensamente lisonjeado e agradecido. Afinal, você leu e comentou. Essa liberalidade é possível porque se trata de um trabalho intimista. Memórias não são confiáveis, principalmente, quando escritas pelo próprio personagem. Com rigor, procurei ser verdadeiro. Isso permite a observação isenta de terceiros. Considero positivo receber comentários, especialmente corretivos, das pessoas citadas, de quem vivenciou fatos e dos parentes. Então, abri o site abaixo, permitindo o acesso, à leitura e suas observações. Se preferir discrição, utilize o e-mail ou o velho e eficiente Correio. Reitero os meus agradecimentos. Abraços de Laerte Teixeira da Costa. Site: <www.laerteteixeiradacosta.com.br>; e-mail: <laerte@teixeiradacosta.com.br>.


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

356

Í ndice onom ást ico

Abraham Lincoln - p.229; p.239;

Adolfo - p.21;

Abram Sjazman - p.320; Abreu Sodré - p.74;

Adubos Boutin Ltda - p.45; p.62; p.68; p.71;

Adalberto Haikel - p.49;

Alberto Cecconi - p.139; p.144; p.156;

Acacia María Fernández Victorio - p.324; Afeganistão - p.66; África - p.42; p.292; p.295; p.303-6; p.323; Acácia Máspero - p.290; p.331; Achiles Abelaira - p.6; p.170; Alaor Machado - p.65; p.172; Adail Vetorazzo - p.138; p.142; p.167; Alberto Andaló, Prefeito - p.144; p.174; p.179; p.226; p.228; p.232; p.241; p.243; p.214; p.241; p.243; p.253; p.263; p.265; p.268; p.271; p.273; Alberto Andaló (Colégio Estadual) p.276; p.277; p.174; p.191; p.327; p.337; Adalberto Affini - p.63; Adhemar de Barros - p.33; p.133; Adib Muanis - p.144; p.159; Adib Muanis Júnior - p.144; p.305; Adilson Fernandes de Almeida - p.299; Adolf Hitler - p.101;

Alberto Galeazzi Júnior - p.187; Alberto José Ismael - p.171; Alberto Targas Filho - p.239; p.266; Alcides Zanirato - p.158; p.253-6; Alcindo Rodrigues (Nino) - p.96; p.172; Aldo Bernardinelli - p.94;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Aldo Fernandes - p. 61; Alemanha - p.17; p.42; p.288; p.321; Alex Teixeira da Costa - p.31; p.36-7; p.41; p.43; p.45-6; p.53; p.58; p.87-8; p.119; p.149; p.182-3; p.198; p.210; p.275; p.277; p.304; Alexandre Ismael (Alexandre Macedo) p.144; Alfredo di Pacci - p.307; Almanaque do Futebol Rio-Pretense: América 60 anos - p.155;

América Futebol Clube - p.113; p.155; p.176; p.189; p.192; p.222; p.255; p.259; p.321; p.337; América Latina - p.10; p.17-8; p. 74; p. 101; p.189; p.284; p.289-90; p.295-6; p.312; p.323; p.328-31; p.334-5; p.339; p.342; América do Norte - p.225; América do Sul - p.275; p.293; p.305; p.308; América Central - p.109; p.329;

Almanaque do Futebol Rio-Pretense: Todos os Derbys - p.155;

América Hispânica - p.308;

Almir D’Ávila - p.311;

Ana - p.20-1; p.25; p.43; p.107-8;

Almir Pazzianotto Pinto - p.72; p.256; p.258; p.270; p.279; p.299; p.326; p.336;

Ana Maria Braga - p.141;

Alois Alzheimer - p.66;

André Laforga - p.173;

Aloisio Reis - p.21; Aloysio Nunes Ferreira Filho - p.72; p.145; p.240; p.258; p.262-3; p.297; p.315; Aluyzio de Mendonça Costa - p.262; Álvares Florence/SP - p.313; Álvaro Augusto - p.175; Álvaro Uribe - p.309; Amanda Vilattoro - p.296; p.343; Amaral Neto - p.74; Amauri Mascaro (do) Nascimento p.172; p.185; Amaury Jr. (Amaury de Assis Ferreira Júnior) - p.140; Amélia - p.20; América(s) - p.17; p.42; p.55; p.58; p.88-9; p.249; p.284; p.294; p.296; p.303; p.305; p.308;

357

Amsterdã, HOL - p.43; p.304;

Ana Paula Arósio - p.62; Angelina - p.20; Ângelo (Domingues do Amaral) - p.1920; p.26; p.30; p.36; p.48; p.53; Anísio Moreira - p.73; Annick de Ruyver - p.8; p.312-3; Antonieta - p.21; p.24-6; p.50-1; p.180; Antônio - p.20-1; p.26-7; p.55; Antônio (Fiico) - p.53; p.88; Antônio Arantes Neto - p.150; Antonio Brás Venucci - p.72; p.99; p.224; Antonio Brito - p.201; Antônio Carlos Bottas - p.161; Antonio Carlos Damaceno - p. 49; p.327; Antonio Carlos de Carvalho (Zuza) p.108; Antonio Carlos dos Reis (Salim) - p.8; p.15; p.301; p.313; p.324; p.330; Antônio Carlos Magalhães - p.243;


358

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Antonio Carlos Marucci (Soneira) - p.85;

Arthur Schopenhauer - p.150;

Antônio Carlos Parise - p.309;

Artur Nonato - p.61; p.297;

Antônio Conte - p.63;

Ásia - p.42; p.295; p.303; p.305;

Antônio da Costa - p.24;

Assis de Mello - p.117;

Antonio Damas - p.61; p.297;

Assunção, PAR - p.293-4; p.339; p.343;

Antonio Del Campo - p.226;

Ataliba Fabri - p.49;

Antônio Distasse - p.183;

Atedides - p.53;

Antonio Domingues do Amaral - p.4; p.29;

Avelina - p.48-9;

Antonio Flávio de Carvalho (Ticão) p.108;

Bady Bassitt (Escola) - p.113;

Antônio Figueiredo de Oliveira - p.260-2; Antonio Higa - p.5; p.142; p.277; Antonio Maria Thaumaturgo Cortizo p. 15; p.313; Antônio Natalone - p.156; Antonio Netto - p.302; Antônio Palocci - p.150; Antonio Pedro Sebastiano - p.65; Antonio Pompêo - p.201; Antônio Pereira Magaldi - p.280; Antônio Rogério Magri - p.329; Antônio Valdecir Desidério, Pe. - p.116; Araçatuba/SP - p.21; p.24; p.128; p.174; p.300;

Bady Bassitt (Avenida) - p. 277; Francisco Chagas de Oliveira (Avenida) - p.319; México (Avenida) - p.179; Bairro São Deocleciano - p.232; Banco Comind - p.61; p.69-71; p.87; p.113; p.278; Banco do Brasil - p.61-2; p.69; p.127; p.179; p.340-1; Banco Mundial - p.11; p.16; p.226; p.242; p.253; Bangkok, THAI - p.292; p.323; Banespa - p.69; p.98; p.113; p.127; p.179; Barcelona, ESP - p.307; p.310-1; Batatais/SP - p.20;

Argentina - p.8; p.17; p.175; p.200; p.292-3; p.304-7; p.310; p.321-2; p.334;

Bauru/SP - p.153;

Ariranha/SP - p.259;

Belém/PA - p.313;

Arlete Salvador - p.353;

Bélgica - p.17; p.42; p.279; p.292; p.295; p.304; p.312; p.322; p.330-1; p.342;

Arlindo Massi - p.161;

Bazaninho - p.113;

Arnaldo de Souza Benedetti - p.8; p.15; p.240; p.279; p.284; p.286-9; p.306; p.314; p.317; p.327;

Belmiro Perissoto - p.297;

Arnold J. Toynbee - p.78;

Bento Abelaira - p.171-2;

Benício Viero Schmidt - p.353; Benito Mussolini - p.101;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Bento Gonçalves/RS - p.41; p.336; Berlim, ALE - p.100-1; Bilac/SP - p.23; Bob Marley - p.101; Boca Juniors - p.307; Bolívia - p.293; p.304; Bonn, ALE - p.304; Boris Casoy - p.307; Brasil - p.17; p.36-7; p.41; p.43; p.45; p.53; p.55; p.58; p.61-2; p.69-70; p.74-5; p.77-9; p.82; p.86; p.90-1; p.95; p.100-1; p.103-4; p.111; p.119; p.122-3; p.127; p.130-1; p.135; p.139; p.141; p.147; p.153; p.155; p.157; p.159; p.162; p.174; p.179; p.182; p.189; p.219; p.225; p.233-4; p.239; p.257-8; p.266; p.268-9; p.271-2; p.275; p.279-91; p.293-4; p.300-1; p.303; p.3059; p.311-2; p.317; p.319; p.322; p. 324; p.327-8; p.330; p.332-6; p.339-42; p. 353; Brasília/DF - p.77; p.86; p.90-1; p.104; p.147; p.159; p.162; p.257; p.268; p.287; p.332-3; p.339; p.353; Brejo Largo - p.21; Brugges, BEL - p.342;

359

Campo Grande/MT - p.20; p.46; p.88; p.149; p.182; Canal do Panamá - p.308; Capivari/SP - p.256; Caracas, VEN - p.10; p.292; Carapicuíba/SP - p.302; p.313; Cardoso/SP - p.20; Carl Jung - p.134; Carlos Custer - p.292; p.307; Carlos da Silva Morgado (Carlito) - p.63; Carlos Eduardo Feitosa - p.146; p.252; Carlos Gaitán - p.306-7; Carlos Gardel - p.306; Carlos Gilberto Menezelo Romani p.119; p.154; Carlos Roberto Ferreira da Silva (Carlinhos Telefone) - p.6; p.175-6; Carlos Roberto Nolasco Ferreira - p.353; Carlos Tebar - p.6; p.177-8; p.222; Cartagena, COL - p.58; p.309; Casa Verde (loja de móveis) - p.64; p.87;

Casablanca, MAR - p.295; Bruxelas, BEL - p.284; p.304; p.313; p.331; Casas Brasileiras - p.54; Bucareste, ROM - p.292; Cássio - p.37; p.49; Buenos Aires, ARG - p.144; p.304; p.306; Buffet Manoel Carlos - p.150; Caio Cezar Urbinati - p.168; p.216; p.233; p.252; Caio Plínio - p.105; Camilo Cienfuegos - p.318-9; Campinas/SP - p.49; p.65; p.118; p.166; p.240; p.261; p.314;

Cassio L. Werneck - p.353; Catanduva/SP - p.140; p.160; Catedral de São José - p.237; Catedral do Sal - p.58; CDES - p.11; p.16; p.182; p.225; p.279; p.284; Cecília Demian - p.5; p.143; Cecílio - p.26; p.51; Célia Giacomelli Ferreira - p.8; p.316;


360

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Célia Jacomelli Ferreira - p.301; Cenobelino de Barros Serra - p.182;

Colômbia - p.8; p.17; p.58; p.304; p.308-9; p.321;

Central do Brasil - p.75;

Conceição - p.20;

Central Latino Americana de Trabalhadores (Clat) - p.8; p.17; p.287; p.289; p.312; p.315; p.340-1;

Congregação Cristã do Brasil - p.55; Conselho Nacional do Serviço Social da Indústria - p.11;

Centro Social da Vila Maceno - p.116; p.212;

Copa Libertadores da América - p.158;

Cesar Muanis - p.6; p.136; p.140; p.144;

Corinthians - p.111;

Cezar Malavazzi - p.62; Chico Papa - p.114; Chico Santa Rita - p.168; Chile - p.57; p.101; p.289; p.293; p.304-5; p.343; China - p.43; p.67; p.149; p.200; p.228; p.290; p.304; p.321; Cícero Pereira da Silva - p.293; p.307; Cida Caran Westin - p.6; p.136; p.145; Cidade da Criança - p.234; Cidade do Panamá - p.105; p.296; Cine São Pedro - p.35; p.121; Clarice Fachini - p.255; Claudecir Cossi (Galo) - p.209; Claudenir Cossi (Leão) - p.209; Claudete Aparecida Priotto - p.62; Claudinei Faustino - p.250; Cláudio Cossi (Gonha) - p.209; Cleuza Rezende Fabiani - p.175; Clóvis Chaves - p.7; p.260-1; p.263; p.315; Clube dos Repórteres Políticos - p.139; Colégio São José - p.115; Colégio São Luis - p.72; p.107; Colíder/MT - p.20; Collor - p.304; p.329;

Copenhague, DIN - p.130; Córrego dos Macacos - p.232; p.245; Córrego Ferreira - p.4; p.50; Correio da Araraquarense - p.160; Correios - p.63; p.98; p.227; p.330; Costa Rica - p.290; p.328-9; Cotinha - p.21; p.24; Cridinho - p.51; Cuba - p.317-9; Cubatão/SP - p.216; Curitiba - p.62; Dad Squarisi - p.353; Daniel - p.37; Daniel de Freitas - p.6; p.67; p.99; p.178; Daniel Firmino - p.167; Daniela - p.37; p.49; Daniela Leitão Pinotti - p.46; Dárcy da Silva Vera - p.315; Daud Jorge Simão - p.77; p.142; David Nasser - p.74; David Zaia - p.8; p.15; p.236; p.302; p.314; p.316-7; Deolinda - p.21;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Diário da Região - p.27; p.31; p.44; p.110; p.113; p.138; p.141-4; p.148; p.153; p.155-7; p.160; p.163; p.173; p.182; p.351; Dicionário rio-pretense - p.150; Diego Armando Maradona - p.306; Dimas Fernandes - p.252; Diná Agrelli - p.189; Dinamarca - p.130; Dinorath do Valle - p.142; p.153; p.166-7; Dioclécio Campos Júnior - p.77; Diolandi Bolçone - p.6; p.69; p.96; p.179; p.185; Dionnes Sangalli - p.311; Dioraci Veiga - p.109; Diretas Já - p.90; p.167; p.236; p.253; p.263; Distribuidora Baruel - p.64; p.118; Dival Buffulim - p.189; Dixmer Valline - p. 76; Dom Helder Câmara - p. 4; p.74; Domingo Marcolino Braile - p.6; p.170; p.181; Domingos Tortorello - p.65; Domingues do Amaral - p.4; p.19-20; p.26; p.29-30; p.36-7; p.51-2; p.54-5; p.88; Dorvina - p.53; Dourival Lemes dos Santos - p.160; p.270; Dráuzio Varella - p.182; Dulcídio Velani - p.6; p.183;

361

Edinho Araújo - p.148; p.153; p.160; p.164; p.181; p.213; p.220; p.236; p.240; p.242; p.244; p.246; p.254; p.259; p.261; p.271; p.274; p.317; Edir Macedo - p.101; Editora Contexto - p.74; Edson Baffi - p.6; p.136; p.145-6; Edson Miguel José Abufares (Turcão) p.6; p.85; p.272; p.278; p.327; Edson Nogarotto - p.116; Eduardo Garcia Moure - p.8; p.151; p.280; p.288-90; p.304; p.317-9; p.322; p.334-5; Eduardo Nicolau - p.273; Eládio Arroyo Martins - p.8; p.183; p.319-20; Elaine Arseli Calvo Motta - p.283; Eleuza de Cassia Bufelli Macari - p.15; Eliana - p.48-9; Eliana Storino - p.254; Elimar Damin Cavaletto - p.8; p.353; Elis Regina - p.101; Elizabeth Silva - p.160; Elza Agrelli - p.117; p.191; Emenda Dante de Oliveira - p.167; p.242; p.253; Emílio Gabaglio - p.292; p.295; Emílio Máspero - p.8; p.42; p.74; p.28890; p.296; p.307; p.318; p.322-3; p.334-5; p.340;

Dured Fauaz - p.7; p.220; p.265;

Engenheiro Schimidt (Localidade) p.231;

Edenir Machado - p.84; p.99; p.173;

Enilson Simões de Moura (Alemão) - p.8; p.15; p.301; p.324;

Edgar Alan Poe - p.55;

Enir Severino da Silva - p.330;


362

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Enrique Sosa - p.307; Eny - p.37; p.48-9; p.88; Eny Marilhano Fabri - p.116; Eribelto Manoel Reino (Beto) - p.8; p.85; p.87; p.91; p.97; p.151; p.205; p.211-2; p.214; p.230; p.251; p.258; p.272-3; p.286; p.288; p.291; p.314; p.316; p.322; p.325-8; p.336-7; p.339; p.341; Ermezinda - p.53; Ernest Hemingway - p.150; p.176; Ernest Roemers - p.8; p.328; Ernesto Alves Filho - p.253; Ernesto Geisel - p.142; Escola Estadual Cardeal Leme - p.84; Escola Municipal Laerte Teixeira da Costa - p.118; p.196; Escola SENAC - p.30; p.72; p.84-7; p.91; Escritório Mercúrio de Contabilidade p.64; Escritório Pedro Amaral - p.117; p.133; p.191;

Europa - p.10; p.42-3; p.88; p.225; p.284; p.288; p.292; p.303; p.305; p.310; p.330; p.336; Eva Brauan - p.101; Fabiane Cabral Santiago - p.338; Fabiano Buzzini - p.157; p.280; Fabinho Marques dos Santos - p.235; Fábio Renato Amaro da Silva - p.67; p. 279; p.299-300; p.337; Faculdade de Ciências Econômicas Dom Pedro II - p.62; Faculdade de Direito do Largo São Francisco - p.143; Fadir (Grupo) - p.72; p.82; p.91; p.94; p.107; p.140; p.272; p.320; Farmácia Santa Clara - p.37; p.39; p.118; p.146; Fartura - p.20; Fausto Tenfuss - p.103; Fazenda Gameleira - p.20;

Espanha - p.8; p.16; p.18; p.42; p.304; p.310-2; p.328;

Felix - p.20;

Estádio Mário Alves Mendonça - p.115;

Fernanda Marilhano Haikel - p.145;

Estado de São Paulo (Estadão) - p.33-4;

Fernando Henrique Cardoso (FHC) p.57; p.204; p.259;

Estados Unidos - p.57-8; p.85; p.107; p.109; p.229; p.233; p.239; p.296; p.304; p.308-9; Estância Jockey Club - p.232; Euclides - p.20; p.50-1; p.55-6; p.180; Eufrazina - p.36; p.40; p.53; Euphy Jalles - p.156; Eurico Gaspar Dutra - p.101; Eurípedes Faria - p.61; p.297;

Fernanda - p.37; p.49;

Fernando Lugo - p.338; Fernando Marques - p.161; Fernandópolis, SP - p.21; p.24; p. 175; Fidel Castro - p.304; p.318; Filomena - p.53; Flávio - p.37; p.49; Fleury (Luiz Antonio Fleury Filho) p.77; p.237; p.240; p.259; p.261; p.267; Florianópolis/SC - p.309;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Folha de Rio Preto - p.138; p.144; p.150; p.160; p.261;

Galeria Bassit - p.104;

Folha de São Paulo - p.107;

Gallo Pochelu - p.307;

Ford (Agência Ford) - p.4; p.16; p.23; p.33; p.61-3; p.70-2; p.82; p.87; p.96; p.113-4; p.179; p.185; p.209; p.212-5; p.224; p.226; p.241; p.271; p.278; p.297;

Gallipoli - p.101; Garça/SP - p.69; p.107; Gelre - p.54; Genebra, SUI - p.58; p.282; p.295;

Fortaleza, CE - p.74-5; p.160;

Genésio - p.20;

Fórum Social Mundial - p.11; p.311;

Genival Ribeiro dos Santos - p.119;

França - p.42; p.109; p.176; p.230; p.247; p.256; p.302; p.308;

Geoffrey Blainey - p.90;

Francisco - p.50;

Geraldo Alckmin - p.275;

Francisco Antonio Tauyr - p.115; Francisco Canindé Pegado - p.8; p.15; p.314; p.329; Francisco Matarazzo (Indústrias Reunidas) - p.17; p.65; p.92; p.96; p.124; Francisco Pereira de Souza Filho (Chiquinho) - p.15; Francisco Salles Oeterer - p. 86; p.99; p.104; p.125; p.180; p.251;

Geraldo - p.21-2; Geraldo Mansur - p.242; p.262; p.273; Germana Zanetti - p.21; p.46; p.88; Germano Sestini S/A - p.16; p.61-3; p.70; p.241; Getúlio Vargas - p.53; p.101; Gilberto Freire - p.74; Gilberto Gubolin - p.48; Gilberto Kassab - p.162; p.261; p.274-5;

Franco Montoro - p.90; p.127; p.200; p.219; p.256; p.258; p.273-4;

Giovanni Rocha Martins - p.153;

Fronteira/MG - p.269;

Goiás - p.177;

Fuad Pachá - p.273; Fuade Elias - p.7; p.199; p.253; p.265-7; Fundação Getúlio Vargas - p.42; Fulgêncio Batista - p.317; Gaber Lopes - p.254; Gabriel García Márquez - p.58; Gabriela - p.21; p.25-6; p.32; p.53-6; p.81; p.207; Gabriela Mistral - p.101; Gabriela, cravo e canela - p.53;

363

Gisele Sayeg - p. 259; Grupo Comolatti - p.172-3; Grupo Teatral Rio-pretense - p.161; Guangdong, CHI - p.43; p.321; Gué - p.53; Gumercindo Sanchez - p.276; Gustavo Corção - p.74; Guy Ryder - p.292; Haiti - p.312; Haydée Tebar - p.137; Heitor Botura - p.241;


364

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Hermano Henning - p. 263; Hermínia Molaz - p.46; p.49; Hilda Dalul - p.141; Hiroshima, JAP - p.100; Hitler Fett - p.6; p.64; p.146; Holanda - p.17; p.292; p.304; p.328-9; Homero - p.53; Honduras - p.109; p.221; Hortência - p.187; Hotel São Luis - p.63; p.186; Hotel São Paulo - p.48; Houfalize, BEL - p.292; Hubert Eloy Richard Pontes (Beleloy) p.7; p.119; p.253; p.267-8; p.270;

Isabelle Hofferlin - p.8; p.313; p.330-1; p.334; Isamar Escalona - p.89; Istambul, TUR - p.177; Itália - p.36; p.42; p.143; p.304; p.307; Ivani Figueiredo - p.58; Ivete - p.20; p.23; p.30; p.47-9; p.53; p.118; Ivete Atique (dona) - p.91; p.98; Ivete Vargas - p.53; Izolino - p.53; Izolina - p.21; p.53; J. Hawila - p.6; p.141; p.147; Jacarta, INDO - p.304;

Hugo Chávez - p.293; p.335;

Jaci/SP - p.33; p.87;

Ida Yolanda - p.154; p.346;

Jaén, ESP - p.312;

Idacir Piovan - p.116;

Jaime - p.20;

Igreja Presbiteriana Independente - p.44; p.178;

Jaime Colagiovanni - p.136; p.145-6;

Ilíada - p.53;

Jair da Rosa Pinto - p.54;

Inglaterra - p.58; p.304; Instituto Monsenhor Gonçalves - p.140; p.180; Ione Maria de Toledo - p.161; Iphis Tenfuss Campbell - p.104; Ipiguá/SP - p.115; Ipiranga - p.30; p.38; p.122; p.223; Iraci Castelão - p.300; Irineu Navarro - p.105; Irma Cury - p.84; Irmo Bassi Jr. - p.110; Isabel Tejera - p.304;

Jacira - p.21;

Jaime Lerner - p.234; Jales/SP - p.179-80; Jamil Khauan - p.171; João Goulart - p.74; Jardim América - p.238; Jardim Soraya - p.232; Jardim Urano - p.244; Jean-Paul Sartre - p.176; Jesus Gregorim - p.256; João - p.20; João Albano - p.85; p.105; João Aparecido Lima - p.300; João Batista Machado - p.31;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

João Batista de Oliveira Figueiredo p.142

José Carlos Cacau Lopes - p.130;

João Batista Olivi - p.153;

José Carlos Figueira - p.222;

João Bernardino de Seixas Ribeiro p.271; João Domingos Gomes dos Santos p.339; João Domingues do Amaral - p.20-2; João Gubolin - p.46; p.49; João Júnior - p.49; João Marilhano - p.4; p.36-40; p.42; p.49; p.179; p.203; p.277; João Martin Esteves - p.104; p.105; p.206; João Paulo Rillo - p.253; p.255; João Sestini - p.214; p.224; Joaquim - p.20-1; Jocelino Soares - p.167; p.182; John F. Kennedy - p.184; Jorge Amado - p.53; Jorge Khauan - p.78; p.171-2; Jorge Mortati - p.316; Jornal A Notícia - p.87; p.138; p.150; p.171; Jornal Bom Dia - p.138; p.147; Jornal Dia e Noite - p.141; p.152; Jornal Olé - p.308; José - p.55-6; p.81; José (Neguinho) - p.53; José Alberto Ismael - p.172; José Aparecido Torres - p.6; p.186-7; José Barbar Cury - p.138; p.156; José Batista Olivi - p.141; José Bonacina - p.149; José Bonifácio/SP - p.51;

365

José Carlos de Lima Bueno - p.242; José Carlos Vaz de Lima - p.168; José Carlos Vieira Bulho (Zé Bagunça) p.49; p.107; José Cavariani - p.73; José Chalela - p.251; José de Alencar - p.146; p.162; José Eduardo Furlanetto - p.138; José Eduardo Megid - p.222; José Teixeira da Costa (José Félix) - p.21; p.22; p.29; José Ferreira Liberato Caboclo - p.21; p. 182; p.228; p.242; p.254; p.268; José Gregori - p.260; José Hamilton Ribeiro - p.141; p.152; José Liberato Ferreira Caboclo - p.165; José Luis Rey (Reyzinho) - p.53; p.138; p.144; p.147; p.161; p.164; José Maria de Campos Maia (Mainha) p.103; José Maria Marin - p.265; José Mário Soares de Carvalho - p.60; p.96; José Martí - p.319; José Merced Gonzalez - p.118; José Merlini - p.62; José Moacyr Malvino Pereira - p.8; p.15; p.331; José Munia - p.319; José Netto Morato de Carvalho - p.133; José Pardo Filho - p.58; José Paschoal Costantini - p.6; p.187-8;


366

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

José Pupo Nogueira de Paula - p.235;

Leandra Perpétuo - p.89;

José Raymundo Veneziano - p.160;

Laudelino - p.128;

José Roberto Arroyo - p.69; p.180;

Laureano Tebar - p.226;

José Robeto Toledo - p.161; p.163;

Lazinho - p.20;

José Rossi - p.114;

Leandro - p.49; p.162; p.187;

José Saramago - p.14;

Lech Walesa - p.292;

José Sarney - p.66;

Lelé Arantes (Antônio Arantes Neto) - p.6; p.28; p.150; p.155; p.166; p.170; p.276; p.305; p.347;

José Serra - p.261; p.264; p.275; José Sestini - p.62; José Siriani - p.218; José Valdecir de Carvalho - p.87;

Léo (Leopoldino Mendes Neto) - p.48; p.126;

José Vitta Medina - p.69;

Leonel Alvarenga Campos Filho - p.76;

José Wilson - p.176;

Lincoln Magalhães - p.128-9;

Josefina - p.20;

Lineu de Alcântara Gil - p.182;

Josineide Camargo de Souza - p.15;

Lins/SP - p.41; p.113; p.214; p.325; p.327;

Juan Domingo Perón - p.306;

Lívia - p.31; p.49;

Juliana Priscila da Silva - p.353;

Logronho, ESP - p.310;

Júlio - p.21;

Lojas Peri - p.175;

Júlio Lousada - p. 104;

Londres, ING - p.43; p.58; p.304;

Júlio Roberto Gómez - p.58; p.296; p.308-9;

Lotf João Bassitt - p.182; p.218; p.241; p.266;

Júlio Salazar - p.310;

Lourenço Ferreira do Prado - p.15; p.314;

Júpiter Olímpico - p.234;

Luc Corteebeck - p.292; p.295; p.312; p.342;

Juraci de Oliveira - p.270; Juvenal - p.21; p.24; p.33; Juventus - p.175-6; Kati Parra - p.307;

Luciana Marcela da Silva Barroso - p.6; p.189; Luciane - p.37; p.49; Luis Anderson - p.296;

Klaw Pretty - p.6; p.137; p.149-50;

Luis Carlos Augusto - p.298;

Laércio - p.53;

Luis Casado Antoniassi - p.183;

Lageado, córrego do - p.20;

Luis Cesar Menotti - p.175;

Lagoa de Araruama/RJ - p.168;

Luis Eduardo Gautério Gallo - p.8; p.332;

Luis Carlos Barroso - p.190;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Luis Enrique Marius - p.330; p.334; Luis Fernando Colturato - p.110; Luis Henrique Dalul - p.64; Luis Herrera Campins - p.318; Luiz Antônio Fleury Filho - p.77; p.240; p.259; p.267; Luiz Antonio Medeiros - p.300; Luis Carlos Augusto - p.72; Luiz Carlos Motta - p.7; p.280-3; p.285; Luiz Carlos Rinaldi - p.6; p.117; p.133; p.189; p.191-2;

Marcelo Figueiredo de Oliveira - p.236; p.263; p.270; Marcelo Gonçalves (João Marcelo Fiorezzi Gonçalves) - p.6; p.151-2; p.164; p.202; Marciana - p.26; p.28-30; p.53; p.55-6; Marco Aurélio - p.20; p.31; p.49; Marcos Afonso de Oliveira - p.15; Marcos Antônio Pereira - p.280; Margarita Llambías - p.306; Maria - p.19; p.21; p.36;

Luiz Fernando Spinola Micuci - p.7; p.269;

Maria da Graça Freitas - p.247;

Luiz Inácio Lula da Silva - p.11; p.139; p.150; p.197; p.225; p.261; p.284; p.293; p.302; p.324;

Maria Eva Duarte de Perón (Evita) p.306; Maria Jacó - p.141;

Luiz Raimundo Neves - p.187;

Maria Ondina - p.73;

Lyvia Rodrigues - p.89;

Maria Sebastiana (Tininha) - p.53;

Macaúbas/BA - p.19; p.37; Madre Teresa de Calcutá - p.75; Madri, ESP - p.26; p.304; p.310-1; Magic Site - p.176; Manoel Antunes - p.63; p.68; p.78; p.118; p.133; p.138-40; p.158; p.160; p.162; p.165; p.168; p.178; p.216-7; p.220; p.226-30; p.232-6; p.240; p.242-3; p.247; p.251; p.253-4; p.257; p.260-1; p.263; p.267-71; p.274; p.276; p.326; Manoel Liebana Torres - p.192; Manoel Zaguirre - p.310; Manolo Zaguirre - p.311; Marcela - p.31; p.49; p.324; Marcelo - p.21; p.31; p.36; p.41; p.43; p.45-6; p.48; p.58; p.87-8; p.119; p.198; p.210; p.304; p.312;

367

Maria Molaz Gubolin - p.46; p.49; Mariano Cossi - p.6; p.63; p.96; p.209; Marieta - p.21; Marilene Parro - p.176; Marinês - p.70; Marino Ovídio de Melo - p.297; Mário Andaló - p.214; p.242; p.297; Mário Novelino Soler - p.6;p.152; p.346; Marisa Chireno (Maritza) - p.8; p.334-5; Maristela Sestini - p.241; Marival Corrêa - p.280; Marli Greco - p.85; Marta Aparecida Ribeiro - p.6 ; p.209; p.353; Marta Suplicy - p.275; Matão/SP - p.27; p.300; Matheus - p.37; p.49; p.88; p.283;


368

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Medical Press - p.153; p.149;

Nelson de Carvalho Seixas - p.7; p.270; p.273-4;

México, Cidade do México - p.113; p.118; p.285; p.296; p.304; p.318; p.323; p.335;

Nelson Eugênio Pinto - p.299; Nelson Homem de Melo - p.153;

Miami, EUA - p.58; p.176; p.304;

Nelson Mandela - p.334;

Milton Hage - p.7; p.211; p.248;

Nelson Piletti - p.74;

Milton Rodrigues - p.6; p.155;

Nelson Rodrigues - p.74;

Minas Gerais - p.21-2; p.24; p.26; p.32-3; p.48; p.51; p.269; p.324-5;

Nelson Sansão - p.348;

Minas Kumidjian Netto - p.166; Minerva Jalles - p.233;

Nenê Homsi - p.6; p.136; p.155; p.182; p.280;

Mirassol D’Oeste/MT - p.20;

Neusa - p.21;

Mirassol Futebol Clube - p.114; p.118;

Neusa Costa - p.173;

Mirassol - p.20-1; p.23; p.25; p.28-31; p.33-5; p.42; p.47; p.50; p.55; p.58-9; p.64; p.80; p.87; p.96; p.98; p.103; p.106; p.1089; p.113-5; p.118; p.121-2; p.129; p.131; p.160; p.222;

Neuza Buzzini - p.143;

Max Fabiani - p.175;

Mirna de Lima Soares - p. 352; Moacir Rodrigues Marques - p.7; p.72; p.116; p.211; p.213; p.297; Moisés Ricardo Camargo - p.221; Momento Supremo - p.87; Mônica da Costa Mata Roma - p.15; Monte Alto - p.20; p.36; Morada Campestre - p.232; Movimento Operário 26 de Julho - p.318; Nadim Cury - p.7; p.213; Nagasaki, JAP - p.100; Natal/RN - p.329; p.333; Natália - p.20; Nelson - p.21; p.25; p.207; Nelson Castro - p.161;

Nenê - p.20;

Neves Paulista - p.10; p.24; p.47-8; p.51; p.54; p.98; p.111; p.181; Ney - p.37-8; p.48-9; Nicarágua - p.279; p.304; Nilton Borges dos Santos - p.340; Nipoã - p.24; p.27-9; p.47; p.51; p.59; p.88; Norberto Buzzini - p.6; p.110; p.142-3; p.153; p.156-7; p.170; p.196; p.205; p.273; Norival - p.23; p.30-1; p.46-9; p.53-4; p.63; p.115; p.177; p.221; p.223; Normando Buzzini - p.156; p.273; Nova Itapirema - p.20; Nova York, EUA - p.58; Nuraldim Fauaz - p.265; Octacílio Alves de Almeida - p.7; p.91; p.99; p.156-7; p.214; p.251; p.258; p.260; p.271-2; Odair Ferrante - p.46; p.91; p.114; p.184; p.272; p.327;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

369

Olegário Dantas - p.227;

Páginas Ímpares - p.148; p.218;

Olinda/PE - p.74; p.323;

Palace Hotel - p.63;

Oliveira/Oliveiro - p.56;

Palácio dos Bandeirantes - p.90;

Oliveiro Roma - p.215; Olívia Domingues do Amaral - p.4; p.289; p.54; p.88;

Palestra Esporte Clube - p.39; p.42; p.65; p.97; p.110; p.112; p.114; p.125; p.157; p.172; p.175; p.192; p.222; p.255; p.265;

Orasília - p.46-9; p.52-4; p.56; p.191; p.206;

Palmeiras - p.111; p.209; p.307; Pará - p.51; p.313;

Orestes Quércia - p.127; p.259; p.263; p.272; p.274;

Paraguai - p.17; p.279; p.293; p.296; p.304-5; p.307; p.338;

Orildes Maria Lottici - p.8; p.335-6;

Paraná - p.45; p.105; p.214;

Orlando Marino - p.93;

Paranaíba/MS - p.20;

Orlando Zancaner - p.258;

Paris, FRA - p.75; p.119; p.176-7; p.304;

Orocil - p.53;

Passa Vinte/MG - p.21; p.32;

Oscar Roberto Godói - p.6; p.157;

Pastelaria do Balsarini - p.168;

Oslo, NOR - p.74;

Limeira/SP - p.160;

Osmar Marques dos Santos - p.7; p.62; p.213;

Paulo Antonio Vicentim - p.7; p.218;

Osmyr Leitão - p.49;

Paulo César Lacerda - p.221;

Osvaldo - p.21; p.23-4;

Paulo Becknetter - p.6; p.158;

Osvaldo Bargas - p.300;

Paulo Fernandes Lucania - p. 145; p.183; p.212; p.278-81; p.300; p.302; p.320;

Osvaldo Graciani - p.7; p.215-6;

Paulo Maluf - p.219; p.265;

Octacílio Alves de Almeida - p.7; p.91; p.99; p.156-7; p.214; p.251; p.258; p.260; p.271-2; p.274;

Paulo Nakaoski - p.228;

Otto - p.31; p.49; Otton da Costa Mata Roma - p.15; Ovídia - p.21; Ozanir - p.53; Pablo Neruda - p.175; Padre Chico - p.49; Padre Jarbas Brandini Dutra - p.116; Padre Joãozinho - p.115;

Paulo Nimer - p.7; p.218-9; Paulo Norberto Arruda de Paula - p.115; p.243; Paulo Roberto do Nascimento - p.54; Paulo Serra Martins - p.6; p.160; Paulo Skaff - p.316; Paulo VI - p.75; Pedro Benedito Batista - p.176; Pedro Henrique Alves de Almeida p.274; Pedro Rogério Nogueira - p.313;


370

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Pelé - p.75; p.155; p.306; Pelotas/RS - p.332-3; Perobinha - p.113; Peru - p.64; p.307-8; Philadelpho Gouvêa - p.241; p.243; Pio - p.58; Piracaia/SP - p.338; Platão - p.134; PMDB - p.10; p.128; p.152; p.160; p.209; p.220-1; p.237; p.242; p.256; p.258; p.261; p.263-5; p.269-70; p.273-4; p.326;

Rachel Luiza Barbour Scott - p.7; p.209; p.219; p.279; p.299; Rádio Independência - p.138; p.144; p.147; p.151; p.160-1; p.231; Rafael Freire - p.130; p.294; p.296; p.343; Rafaela - p.31; p.47; p.49; Raimundo Carrero - p.353; Ramon Ermacora - p.306-7; Rancho do Cupim - p.149; Recife/PE - p.74; p.323; Rede TV - p.141;

Poty Peloso Jorge - p.245;

Regina (Regina Célia Teixeira da Costa) - p.4; p.9; p.12; p.36-7; p.39-45; p.48-9; p.53; p.58-9; p.63; p.66; p.87-8; p.101; p.108; p.110; p.117-9; p.123; p.126; p.145; p.149; p.165; p.168; p.174; p.176; p.180; p.189-90; p.193-4; p.196; p.198; p.201; p.210; p.219; p.238; p.260; p.269; p.275; p.304; p.307; p.310; p.313-5; p.328; p.334; p.342; p.346-7; p.351-3;

Praça Dom José Marcondes - p.144;

Reginaldo Breda - p.314;

Praça Irmã Isaltina Maria - p. 232;

Régis de Oliveira - p.221; p.236;

Praça Ruy Barbosa - p.263; Praia Grande/SP - p.174; p.259; p.283;

Renato - p.23-4; p.31; p.47; p.49; p.67; p.160; p.221; p.279; p.299-300; p.337;

Prêmio Nobel - p.14; p.74-5; p.101; p.175; p.323;

Renato Pupo Nogueira - p.221; República Dominicana - p.335;

Presidente Prudente/SP - p.46; p.275;

Revista A Verdade - p.103;

PUC-SP - p.173;

Revista Social Light - p.137;

Polígono das Secas - p.59; Port Louis, Ilhas Mauricio - p.292; p.323; Porta da Esperança - p.55; Porto Alegre/RS - p.41; p.311; Portugal - p.58; p.101; Potirendaba/SP - p.187;

Questão de Ordem - p.162;

Revolução dos Cravos - p.101;

Quinha - p.21;

Ricardo Patah - p.7; p.15; p.131; p.174; p.281; p.283-5; p.287; p.301-3; p.324;

Racha da Brahma - p.39; p.65; p.97; p.110; p.114; p.222;

Rio de Janeiro/RJ - p.32; p.62; p.161; p.168; p.219; p.262; p.268-9; p.276; p.309; p.341-2;

Racha da Saia - p.110;

Rio Elba - p.100;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Rio Grande do Sul - p.247; p.323; p.332; p.335-6;

Rubem Braga - p.148;

Rio Preto Esporte Clube - p.112; p.115; p.175; p.222; p.255;

Rubens Muanis - p.144; p.146;

Robério Caffagni - p.8; p.327; p.336-7; Roberto Carlos - p.119; Roberto Choeiri - p.65; p.99; p.112; p.139; p.243; Roberto Freire - p.317; Roberto Leão - p.113; Roberto Lofrano - p.6; p.160; p.164; p.217; Roberto Lopes de Souza - p.142; p.226; p.232; p.242; p.277; Roberto Santiago - p.8; p.15; p.302; p.331; p.337; Roberto Toledo - p.6; p.10; p.137; p.159; p.161-3; p.237; p.253; p.276; p.279; p.303; Roberto Varujan Jalikji - p.222;

371

Rubens de Freitas Henrique - p.175; Rubens Ricúpero - p.98; Rui Guimarães (Bolinha) - p.326; Rupen Kuyumjian - p.176; Ruy Brito de Oliveira Pedroza - p.8; p.285; p.288; p.291; p.314; p.322; p.326; p.339; Ruy Sampaio - p.6; p.163-4; p.271; Saci-Pererê - p.263; Salamanca, ESP - p.312; Salvador dos Santos - p.298; San Antonio de Los Altos, VEN - p.330; p.333; San Remo - p.48; Sandro - p.49; p.63;

Rodolfo Romero Garcete - p.8; p.338;

Santa Fé de Bogotá - p.308;

Rodrigo Garcia - p.7; p.42; p.162; p.261; p.274-5;

Santa Fé do Sul/SP - p.219-20; p.259; Santo - p.21; p.24;

Rolim Adolfo Amaro, Cmte. - p.327;

São João da Boa Vista - p.49;

Roma, ITA - p.58; p.215; p.304;

São José do Rio Preto - p.10; p.13; p.15; p.16; p.18; p.21; p.27-8; p.30; p.32; p.37; p.40-1; p.45; p.47-8; p.54; p.61-63; p.64; p.68-9; p.72-3; p.77; p.80; p.82; p.84; p.87; p.91-2; p.94; p.99; p.104; p.107; p.109; p.112-6; p.119; p.122; p.126; p.128; p.132; p.136-7; p.140; p.144-9; p.151-2; p.155-8; p.160-1; p.165; p.167; p.171-5; p.177-9; p.181-4; p.188; p.191; p.213-5; p219; p.225-6; p.229-30; p.238; p.241; p.244; p.255; p.257-9; p.261-2; p.268; p.2704; p.276; p.279-80; p.283; p.288; p.299; p.310; p.313-4; p.316-7; p.319-20; p.324; p.326; p.328; p.336-9; p.351;

Romano Calil - p.7; p.142; p.161; p.182; p.218; p.232; p.241; p.276; p.326; Romualdo Melzi - p.88; Roney Gorayeb - p.219; Roque - p.24-5; Rosário, ARG - p.322; Rosemiro de Jesus Rezende - p.153; Rotary Club - p.85; Rua Prudente de Morais - p.63; Rua Voluntários de São Paulo - p.63; Rua XV de Novembro - p.63;


372

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Sebastiana (Tininha) - p.53; Sebastião Teixeira da Costa (Tião Félix) p.22; p.28; p.29; p.32; p. 35; p.54; p.207;

Tancredo Neves - p.201; p.243; p.257; p.266; p.273; p.299; Tarley Rossi Vilela - p.73;

Senta Pua - p.100;

Teotônio Vilela - p.53; p.202;

Sérgio “Mosquito” Sanchez - p.63; p.114; p.222;

Teresa Talarico - p.168;

Sérgio Acayaba de Toledo - p.119; p.154;

The Journal - p.137; p.166;

Sérgio Henrique Garutti - p.353; Sérgio Ribeiro Neves - p.336; Sérgio Volett - p.298; Serra da Bocaina - p.21; p.25; p.59; Sidnei Corral - p.314; Sidnei Droveto - p.108; Sigmund Freud - p.134; Silvio Bednarski - p.107; Silvio Calabrezi - p.232; Silvio Santos p.55; p.161; p.242; p.276; Simon Bolívar p.308; Sneyder Acácio Muradi - p.64; Solo Sagrado (bairro) - p.233; Sônia Maria Rodrigues - p.187; Soraya Pericoco - p.170; Souza-Gomes (embaixador) - p.74; Stephan Zweig - p.87; Suécia - p.111; Sueli Gama - p.269; Sueli Maria Marilhano - p.254; Sylvio Benito Martini - p.327; Tabapuã - p.20; p.26; Talhado/SP - p.126; Tanabi/SP - p.155; p.218;

Terras de São José, SP - p.126-7; p.351; Thelina Macedo dos Santos - p.341; Tietê - p.20; p.23; p.300; Toninha - p.20; Toninho (Antonio Carlos Damaceno) p.49; p.327; Toninho Figueiredo - p.41; p.58; p.129; p.167; p.186; p.216; p.220; p.226-7; p.230; p.223-6; p.239; p.242; p.251-4; p.263; p.267; p. 269-70; p.326; p Torre Eiffel - p.119; Trama de Sangue (filme) - p.161; Três Lagoas/MT - p.20; Tristão de Athayde - p.86; Tupã/SP - p.282; Tupi Paulista - p.23; Turiúba/SP - p.21; p.24; Bandeirantes (TV) - p.141; Gazeta (TV) - p.141; TV Globo - p.167; p.141; p.144; p.147; Record (TV) - p.141; TV Rio Preto - p.140; p.160; Ulisses Guimarães - p.199; Ulisses Jamil Cury Filho - p.222-3 União Européia - p.288; p.342;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Universidade dos Trabalhadores da América Latina - p.10; p.18; Universidade Estadual Paulista - p.153; p.321; Uruguai - p.57; p.293; p.304-5; USP - p. 173; p.185; p.278; Valdemar Brentam - p.70; p.185; Valdemar Menegaldo - p.116; Valdir Pereira - p.97; p.173; Valdir Tonetti - p.115; p.125; p.223-4; Valdir Vicente - p.314; Valdir Vicente de Barros - p.15; Valdomiro Lopes - p.220; p.241-2; Valdomiro Lopes da Silva Júnior - p.148; p.182; p.236; Vale do Anhangabaú - p.284; Valter do Valle - p.153; Valter Encinas Gonzaga (Valtinho) p.112; Vaticano - p.75; p.307; p.334; Venezuela - p.17-8; p.151; p.178; p.28990; p.292; p.304; p.308; p.318-9; p.321; p.324; p.328; p.330-1; p.333; p.335; p.338; Venina Pinheiro - p.326; Vergílio Dalla Pria Neto - p.112; p.260; Veronique Rousseau - p.312-3; p.342; Vicente Amêndola Neto - p.161; Victor Báez Mosqueira - p.296; p.343; Victor de Genaro - p.292; Victor Huerta - p.307; Vídeotur - p.58; Viena, AUS - p.43; p.100; p.295-6; Vietnã - p.177;

373

Vila Anchieta - p.31-2; p.41; p.55; p.92; p.113; p.125; p.145; p.183-4; p.208; p.212; p.223; p.232; p.241; 348-9; Vila Costa (Miraluz) -p.10; p.21; p.24-5; p.50-1; p.54; p.98; p.111; p.120; p.181; Vila Leuza - p.21; p.25; p.51; p.54; Vila Maceno - p.37; p.44; p.115-7; p.125; p.128; p.146; p.172; p.179; p.191-2; p.212; p.224; p.232; p.241; Vila Toninho - p.231; p.232; Vinícius - p.37; p.137; p.160; Vinícius de Moraes - p.123; Vinícius de Paula - p.155; Waldemar Alves dos Santos - p.326; Waldemar Verdi - p.225; Waldemar Verdi Júnior - p.225; Waldner Lui - p.137; p.156; p.159; p.1645; p.221; p.279; p.305; Walter do Valle - p.166; Walter Mendes - p.62; p.96; p.226-9; p.243; p.298; p.355; Walter Prata - p.138; Walter Praxedes - p.74; Washington, EUA p.58; p.198; Wayta Menezes Dalla Pria - p.252; Wellington Calux (Peludo) - p.39; p.110; Willy Thys - p.199; p.292; Wilson Guilherme - p.167; Wilson Romano Calil - p.142; p.161; p.182; p.218; p.241; p.276; p.326; Yolanda (Localidade) - p.231; Yolanda Bassitt - p.348; Yolanda Ferrari Vargas - p.94;


374

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

Zagallo (Mário Lobo Jorge Zagallo) -p.133; p.155; Zanirato (vereador) - p.130; p.158; p.247; p.253; p.255-6; Zé Bagunça (José Carlos Vieira Bulho) p49; p.107; Zé Figueira - p.63; p.247; Zeca Moreira - p.103; p. 104; p.164; Zeka Meucci - p.110; Zequinha - p.20; Ziraldo Alves Pinto - p.263; Zoilo de Souza Assis - p.332 SIGLAS

CDES – Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República - p.11; p.16; p.182; p.225; p.279; p.284; CES – Central Europeia de Sindicatos p.16; p.284; p.295; CGTB – Central Geral dos Trabalhadores do Brasil - p.17; CGT – Confederação Geral dos Trabalhadores - p.17; p.58; p.88; p.259; p.284; p.287-8; p.301; p.309; p.313-5; p.324; p.329-30; p.335; CLAT – Central Latino Americana de Trabalhadores - p.17; p.287; p.312; p.315; p.340;

AFL-CIO – Federação Americana do Trabalho - p.16; p.58;

CMT – Confederação Mundial do Trabalho - p.17; p.88; p.199; p.279; p.282; p.285-9; p.291-2; p.294-5; p.302; p.305; p.307; p.309; p.311-2; p. 315; p.323; p.331-3; p.340-1;

APAE – Associação Pais e Amigos dos Excepcionais - p.16;

CNPL – Confederação Nacional das Profissões Liberais - p.17; p.282; p.332-3;

ASSESCRIP – Associação das Empresas Contábeis de São José do Rio Preto p.16;

CNV – Central de Trabalhadores Cristãos da Holanda - p.17; p.292;

ACIRP – Associação Comercial e Empresarial de São José do Rio Preto - p.16;

ASSOCIND – Associação das Entidades Industriais, Comerciais e Contábeis de São José do Rio Preto - p.16; BIRD (Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento) - p.16; CAT – Central Autônoma de Trabalhadores - p.7; p.16; p.42-3; p.68; p.88; p.162; p.240; p.247; p.259; p.270; p.275; p.279; p.284; p.287; p.286-90; p.301; p.305; p.311-2; p.314-5; p.317; p.319; p.322-4; p.327; p.330; p.332-6; p.339-42; CCOO – Comissões Obreiras da Espanha - p.16; p.311;

CIOSL – Confederação Internacional das Organizações Sindicais Livres - p.17; p.315; COMIND – Nova denominação do Banco do Commércio e Indústria de São Paulo - p.17; CPUSTAL – Congresso Permanente Unitário Sindical de Trabalhadores da América Latina - p.17; CRC – Conselho Regional de Contabilidade - p.17; p.72; p.297;


PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

CSA – Confederação Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras das Américas - p.17; p.88-9; p.130; p.149; p.279; p.284; p.288-9; p.291-4; p.296; p.303; p.309; p.311; p.315; p.318; p.321; p.333; p.341; p.343; p.353; CSC – Central Sindical Cristã da Bélgica - p.17; p.292-3; p.295; p.312; p.342; CSI – Confederação Sindical Internacional - p.17; p.42-3; p.89; p.279; p.282; p.288-9; p.292; p.294-5; p.303; p.309; p.311; p.315; p.321; p.331; p.333; CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - p.17; CTCS – Conselho de Trabalhadores do Cone Sul - p.17; p.279; p.293; p.304; p.306; CUT – Central Única dos Trabalhadores - p.17; p.259; p.288; p.296; p.300 CUT-A – Central Única dos Trabalhadores – Autêntica do Paraguai - p.17; p.296; FARC – Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia - p.17; FMI – Fundo Monetário Internacional p.17; p.199; p.279; p.290; FPH – Fundação Promoção Humana da Argentina - p.17; p.279; FS – Força Sindical - p.17; p.259; p.282; p.324; FSM – Federação Sindical Mundial p.17; p.291; p.294; p.313; p.331; HB-FARME – Hospital de Base-Faculdade Regional de Medicina - p.17;

375

INES – Instituto de Estudos Sociais da Colômbia - p.17; IPROS – Instituto de Promoção Social p.17; p.285; p.339; JUCESP – Junta Comercial do Estado de São Paulo - p.17; KAS – Fundação Konrad Adenauer p.17; p.279; p.288; MATARAZZO – Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo - p.17; p.30; p.61; p.65; p.87; p.92-3; p.96; p.106; p.113-4; p.124; p.172; MERCOSUL – Mercado Comum do Sul - p.17; p.225; p.293; p.307 MTE – Ministério do Trabalho e Emprego - p.17; NCST – Nova Central Sindical de Trabalhadores - p.18; OEA – Organização dos Estados Americanos - p.18; p.279; p.321; OIT – Organização Internacional do Trabalho - p.18; p.89; p.134; p.189; p.273; p.282; p.289; OMC – Organização Mundial do Comércio - p.18; p.279; p. 290; ONU - Organização das Nações Unidas p.100; p.109; ORIT – Organização Regional Interamericana de Trabalhadores - p.18; p.315; PRODEI – Programa de Desenvolvimento Industrial de São José do Rio Preto - p.18; SEC – Sindicato de Empregados no Comércio - p.18; p.280; p.282-5; p.335;

ILACDE – Instituto Latino Americano de SDS – Social Democracia Sindical - p.18; Cooperação e Desenvolvimento - p.17; p.88; p.259; p.284; p.287; p.301; p.315; INCASUR – Instituto de Capacitação do p.324; p.330; Sul - p.17;


376

PEQUENAS MEMÓRIAS PESSOAIS / Laerte Teixeira da Costa

SEMAE – Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto de São José do Rio Preto - p.18; p.244; p. SENAC – Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - p.18; p.84;

SINDINORTE – Sindicato dos Trabalhadores do Norte do Estado de São Paulo nas Indústrias do Vestuário - p.8; p.18; p.212-3; p.216; p.279; p.298-9; p.300-1; p.316; p.320-1; p.337; p.353;

SERT – Secretaria do Emprego e Relações UGT – União Geral dos Trabalhadores - p.8; p.11; p.15; p.18; p.43; p.88; p.89; do Trabalho - p.18; p.131; p.174; p.197; p.259; p.279; p.284-9; SESCON – Sindicato das Empresas de p.301; p.303; p.311-5; p.321; p.330; p.332; Serviços Contábeis e das Empresas de p.335-6; p.338; p.341; p.347; p.353; Assessoramento, Perícias, Informações e UGT-Espanha – União Geral dos TrabaPesquisas do Estado de São Paulo - p.18; lhadores da Espanha - p.18; p.72; p.191; p.212; p.297; USO – União Sindical Obreira da EspaSINCOMÉRCIO – Sindicato do Comérnha - p.18; p.310; cio Varejista de São José do Rio Preto p.18; p.72; p.298;

SINDICONT – Sindicato dos Contabilistas de São José do Rio Preto e Região - p.18; p.72; p.191-2; p. 212-3; p.273; p.297-8;

UTAL – Universidade dos Trabalhadores da América Latina (Venezuela) - p.18; p.151; p.270; p.279; p.287; p.288; p.289; p.290; p.304; p.304; p.333; p.335; p.338;

Pequenas Memorias Pessoais  

O livro contém lembranças de seus tempos de vereador em São José do Rio Preto e parte de sua vida sindical, iniciada com um curso despretens...