Page 1

www.laertdossantos.com.br

Paulo Freire

Assim, como na capa desta publicação a linha branca existente entre os lápis faz analogia ao processo de ensino- aprendizagem simbolizando uma direção, movimento, continuidade, atualização do conhecimento, ou seja, a educação como um todo, nosso objetivo maior é que as reflexões trazidas e as diretrizes estabelecidas sirvam como ponto de partida para o aprofundamento de estudos e, especialmente, como auxílio na execução cotidiana de ações realmente comprometidas com o processo educacional, buscando garantir a igualdade de acesso e permanência para todos os alunos desse município.

Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

‘‘A teoria sem a prática vira 'verbalismo', assim como a prática sem teoria, vira ativismo. No entanto, quando se une a prática com a teoria tem-se a práxis, a ação criadora e modificadora da realidade. Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.’’

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATIS

Secretaria Municipal de Educação

Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Quatis, 2012.

Secretaria Municipal de Educação

Quatis, 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATIS


Prefeitura Municipal de Quatis

Secretaria Municipal de Educação

Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

2012


Prefeitura Municipal de Quatis

José Laerte D’Elias

Prefeito Municipal de Quatis

Hélio Ricardo Pereira Batista Vice-Prefeito

Aldjane Prata

IDEALIZADORES / ORGANIZADORES Departamento Pedagógico

Jaquelina Modesto da Costa dos Reis Diretora

Secretária Municipal de Educação de janeiro de 2009 à julho de 2012

Márcia Carrara Vieira

Patrícia Bombetti Fonseca

Simone Silva Lima

Coordenadora da Educação Inclusiva

Secretária Municipal de Educação de agosto à dezembro de 2012

Coordenadora de Orientação Educacional

Jaquelina Modesto da Costa dos Reis

Coordenadora de Educação Infantil

Diretora Departamento Pedagógico

Jane da Silva Fernandes Batista Andreza Ribeiro Pontes

Raquel Costa Pagliares Coordenadora Nuclesq

Coordenadora do Ciclo Básico de Alfabetização e EJA (alfabetização)

Luciane Martins Porto Figueira

Maria Aparecida Costa Carmel

Diretora Departamento Administrativo

Maria Aparecida Correa Ferreira

Diretora Departamento Técnico de Ensino

Coordenadora de 3ª série / 4º ano e 4ª série / 5º ano do Ensino Fundamental e EJA

Graziela Cristina Barbosa Alves

Márcio Nunes de Souza

Coordenadora de 5ª série/6º ano à 8ª série /9º ano do Ensino Fundamental e EJA

Patrícia Bombetti Fonseca

COLABORADORES

Coordenador de Projetos Especiais Coordenadora de Projetos Especiais

Paula Silva Duarte

Diretora Departamento Nutrição

Secretaria Municipal de Educação Praça Getulio Vargas, n° 6 - Centro Tel.: 3353.6036 www.quatis.rj.gov.br

Ficha Catalográfica Bibliotecária: Gabriela Leite Ferreira - CRB 7/RJ - 5521 Q22d

Quatis (RJ). Prefeitura. Secretaria Municipal de Educação Diretrizes curriculares para educação infantil à 8ª série / 9º ano do ensino fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos / Prefeitura Municipal de Quatis. – Quatis: Secretaria Municipal de Educação, 2012. 256 p. 1. Educação infantil. 2. Educação de Jovens e Adultos (EJA). I. Título. CDD: 372.981

Ana Cristina de Souza Ana Lúcia de Oliveira Carlos Roberto Cardoso Rodrigues Édina Maria da Silva Edson Henrique da Silva Hélio Ricardo Pereira Batista José Luís Sauka Márcio Nunes de Souza Maria Helena de Oliveira Carvalho Maria Teresa Eglér Mantoan Mievysky Ruiz Perez Noêmia Maria Barbosa Patrícia Ribeiro do Nascimento Robson Justo de Oliveira Terezinha Cipriano Fernandes Vicente de Paula Costa

laertdossantos.com.br Capa e Editoração

Gráfica Ano Bom

Impressão e acabamento


SUMÁRIO

Agradecimentos ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7 AOS EDUCADORES ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������9 APRESENTAÇÃO ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������11 INTRODUÇÃO �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������13 PARTE I �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������15 1.  História do Município de Quatis ������������������������������������������������������������������������������������������������������������15 1.1. Limites �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������15 1.2.  Distrito de Ribeirão de São Joaquim ���������������������������������������������������������������������������������������������17 1.3.  Comunidade Quilombola de Santana ��������������������������������������������������������������������������������������������18 1.4.  Distrito de Falcão ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������19 1.5.  Hino do Município de Quatis ��������������������������������������������������������������������������������������������������������20 1.6.  Alguns pontos turísticos �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������21 1.6.1.  Museu Municipal Estação da Memória �����������������������������������������������������������������������������21 1.6.2.  Museu da Roça ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������21 1.6.3.  Praça dos Expedicionários ������������������������������������������������������������������������������������������������21 1.6.4.  Ponte Pênsil �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������21 1.6.5. Casario �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������21 1.6.6. Cachoeira ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������21 1.6.6.1  Cachoeira da Paca ����������������������������������������������������������������������������������������������21 PARTE Ii ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������23 1. Desenvolvimento �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������23 2.  Pesquisa Estratificada por Amostragem �������������������������������������������������������������������������������������������������24 2.1.  Professores e Responsáveis �����������������������������������������������������������������������������������������������������������25 2.2.  Alunos EJA ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������26 2.3.  Alunos - 1º e 2º Segmentos ������������������������������������������������������������������������������������������������������������26 2.4.  Equipe Técnica ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������27 3.  Estrutura do Sistema Municipal de Ensino de Quatis ���������������������������������������������������������������������������27 4.  Proposta Pedagógica ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������29 4.1.  Educação Infantil ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������29 4.1.1.  Metas da Educação Infantil �����������������������������������������������������������������������������������������������30 4.1.2.  Orientações Metodológicas �����������������������������������������������������������������������������������������������30 4.2. Alfabetização ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������31 4.2.1.  Metas da Alfabetização �����������������������������������������������������������������������������������������������������31 4.2.2.  Orientações Metodológicas �����������������������������������������������������������������������������������������������32 4.3.  3ª Série/4º Ano e 4ª Série/5º Ano do Ensino Fundamental ������������������������������������������������������������36 4.3.1.  Metas da 3ª série/4ºano a 4ª Série/5ºAno ��������������������������������������������������������������������������37 4.3.2.  Orientações Metodológicas �����������������������������������������������������������������������������������������������37 4.4.  5ª série/6º ano a 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental ���������������������������������������������������������������38 4.4.1. Meta �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������39 4.4.2.  Orientação Metodológica  �������������������������������������������������������������������������������������������������39


4.5.  Educação de Jovens e Adultos (EJA) ��������������������������������������������������������������������������������������������40 4.5.1.  Metas da Educação de Jovens e Adultos ���������������������������������������������������������������������������40 4.5.2.  Orientações Metodológicas �����������������������������������������������������������������������������������������������40 5.  Prática Educativa �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������41 5.1.  Na Educação Infantil à 4ª série/5º Ano do Ensino Fundamental ���������������������������������������������������41 5.1.1.  Na Educação Infantil e Alfabetização �������������������������������������������������������������������������������43 5.1.2.  De 3ª série/4º ano e 4ª Série/5º Ano do Ensino Fundamental �������������������������������������������44 5.1.3. Rotina ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������44 5.2.  5ª série/6º ano do Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos �������������������������������������45 6.  Perfil do docente atuante ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������46 7.  Áreas do Conhecimento �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������47 7.1.  Língua Portuguesa �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������47 7.2. Matemática ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������48 7.3.  Geografia ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������50 7.4. História ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������51 7.5. Ciências �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������52 7.6. Arte ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������53 7.7.  Filosofia �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������54 7.8. Sociologia ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������54 7.9. Inglês ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������55 7.10.  Educação Física ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������55 8.  Eixos Temáticos �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������56 8.1.  Base Nacional Comum ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������56 8.1.1. RECNEI ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������57 8.1.2.  PCNS – Parâmetros Curriculares Nacionais ���������������������������������������������������������������������59 8.1.3.  Os Temas Transversais ������������������������������������������������������������������������������������������������������59 8.2.  Cidade Educadora ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������60 8.3.  Quatro Pilares da Educação �����������������������������������������������������������������������������������������������������������61 9.  Educação Quilombola ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������62 10.  Educação do Campo ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������64 11.  Educação Especial �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������66 11.1.  Caracterização da clientela ����������������������������������������������������������������������������������������������������������68 11.2.  Adequação Curricular ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������68 11.3. Avaliação ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������69 11.4.  NUCLESQ – Núcleo de Educação Especial de Quatis ���������������������������������������������������������������69 11.4.1.  Histórico da Educação Especial no município de Quatis ������������������������������������������������69 11.4.2.  Justificativa ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������71 11.4.3. Objetivos ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������71 11.4.3.1  Objetivo Geral do Núcleo ���������������������������������������������������������������������������������71 11.4.3.2  Objetivos Específicos ���������������������������������������������������������������������������������������71 11.4.4.  Público Alvo ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������72 11.4.5. Organograma �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������72 11.4.6. Fluxograma ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������72 11.4.7.  O Atendimento Educacional Especializado (AEE) ���������������������������������������������������������73 11.4.8.  A Equipe Multiprofissional  ���������������������������������������������������������������������������������������������73 11.4.9. Funcionamento ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������73 12.  Educação Patrimonial ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������73 12.1.  Patrimônio Institucional: Os bens imóveis ����������������������������������������������������������������������������������75


12.2.  Patrimônio Histórico Cultural: As criações como a literatura, a música e a dança; e os bens móveis (obras de arte e artesanato). ���������������������������������������������������������������������������������������������������������75 12.3.  Patrimônio Ecológico Ambiental: As paisagens e as áreas de produção ecológica, da fauna e da flora. ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������75 12.4.  Patrimônio Familiar: As expressões e o modo de viver, como a linguagem e os costumes, os saberes etc. ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������76 13.  Projetos Especiais ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������77 PARTE Iii ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������79 1.  Princípios Políticos, Filosóficos e metodológicos ���������������������������������������������������������������������������������79 1.1.  Visão de Mundo �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������79 1.2.  A escola que temos x a escola que queremos ��������������������������������������������������������������������������������79 1.3.  Concepção de currículo �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������81 PARTE Iv ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������83 1.  Avaliação e Recuperação �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������83 PARTE v ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������89 1.  Organização curricular (objetivos e conteúdos) ������������������������������������������������������������������������������������89 1.1.  Educação Infantil ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������90 1.2.  Ensino Fundamental ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������98 1.3.  Educação de Jovens e Adultos �����������������������������������������������������������������������������������������������������149 PARTE vI ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������193 1.  Material para apoio: �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������193 1.1.  Teoria do desenvolvimento de Jean Piaget ����������������������������������������������������������������������������������193 1.2.  Teoria do desenvolvimento de Henry Wallon ������������������������������������������������������������������������������194 1.3.  Teoria do desenvolvimento de Lev S. Vygotsky ��������������������������������������������������������������������������195 1.4.  Construtivismo: Mitos e Verdades �����������������������������������������������������������������������������������������������197 1.5.  Crianças de 0 a 3 Anos ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������199 1.6.  Formação pessoal e social �����������������������������������������������������������������������������������������������������������199 1.6.1.  Identidade e Autonomia ��������������������������������������������������������������������������������������������������199 1.6.2.  Conhecimento de mundo �������������������������������������������������������������������������������������������������201 1.6.3. Movimento ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������201 1.6.4.  Eixos Norteadores e Blocos de Conteúdos ���������������������������������������������������������������������201 1.6.5. Expressividade ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������201 1.6.6.  Equilíbrio e Coordenação ������������������������������������������������������������������������������������������������202 1.6.7.  Artes Visuais ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������202 1.6.8.  A Criança e as Artes Visuais ��������������������������������������������������������������������������������������������202 1.6.9. Música �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������203 1.6.10.  A Criança e a Música �����������������������������������������������������������������������������������������������������203 1.6.11.  Linguagem Oral e Escrita ����������������������������������������������������������������������������������������������204 1.6.12. Linguagem ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������204 1.6.13.  A criança e a linguagem ������������������������������������������������������������������������������������������������205 1.6.14.  Natureza e Sociedade ����������������������������������������������������������������������������������������������������206


1.6.15.  A Criança, a Natureza e a Sociedade �����������������������������������������������������������������������������206 1.6.16.  Pensamento Lógico-Matemático �����������������������������������������������������������������������������������207 1.6.17.  A Criança e a Matemática ����������������������������������������������������������������������������������������������208 1.6.18.  Trabalho pedagógico �����������������������������������������������������������������������������������������������������208 1.6.19. Adaptação ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������208 1.6.20. Estimulação �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������209 1.6.21.  Planejamento anual  ������������������������������������������������������������������������������������������������������209 1.6.22.  Rotina na Creche �����������������������������������������������������������������������������������������������������������210 1.6.23.  Pedagogia de Projetos ���������������������������������������������������������������������������������������������������210 1.6.24.  Brincadeira é coisa séria ������������������������������������������������������������������������������������������������212 1.6.25.  Ética, valores e atitudes �������������������������������������������������������������������������������������������������213 1.6.26. Avaliação �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������214 2.  O que é um Projeto? ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������215 3.  Papel do professor na construção do conhecimento ����������������������������������������������������������������������������216 4.  Trabalho por Projeto ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������217 5.  Trabalho diversificado: Procedimento que atende às diferenças individuais dos alunos ��������������������218 5.1.  Por que trabalho diversificado?  ��������������������������������������������������������������������������������������������������219 5.2.  Organizando a sala de aula ����������������������������������������������������������������������������������������������������������220 5.3.  Planejando atividades ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������221 5.4. Conclusão ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������221 6.  Grafismo Infantil ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������222 6.1.  Fases do desenho segundo Piaget ������������������������������������������������������������������������������������������������222 7.  A Arte de desenhar na Infância ������������������������������������������������������������������������������������������������������������223 7.1.  Porque letra de fôrma e não cursiva? �������������������������������������������������������������������������������������������224 8.  A Psicogênese da Língua Escrita ���������������������������������������������������������������������������������������������������������225 8.1.  Hipótese Silábica (Dividida em Silábico sem valor sonoro e Silábico com valor sonoro) ���������226 8.2. Silábico-Alfabético ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������227 8.3. Alfabético �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������228 9.  A Língua em todas as Disciplinas ��������������������������������������������������������������������������������������������������������229 9.1.  Importância do planejamento ������������������������������������������������������������������������������������������������������230 9.2.  O planejamento deve ser flexível �������������������������������������������������������������������������������������������������231 10.  Avaliação por Competências e Habilidades. ��������������������������������������������������������������������������������������233 11.  Avaliar com Eficácia e Eficiência ������������������������������������������������������������������������������������������������������237 11.1.  Prova: um momento privilegiado de estudo ������������������������������������������������������������������������������239 11.2.  Eficácia e eficiência na avaliação da aprendizagem ������������������������������������������������������������������239 11.3.  Algumas características das provas na linha tradicional ������������������������������������������������������������240 11.4.  O que é Portfólio? ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������241 11.4.1.  Reflexão sobre o Portfólio: ��������������������������������������������������������������������������������������������242 11.5.  Utilização do Portfólio na Educação Infantil �����������������������������������������������������������������������������244 11.6.  Orientação para a construção do Portfólio ���������������������������������������������������������������������������������246 11.7.  Outras orientações quanto à construção do Portfólio: ���������������������������������������������������������������246 11.8.  O que não deve conter no Portfólio �������������������������������������������������������������������������������������������247 12.  Ensinando a turma toda - as diferenças na escola. �����������������������������������������������������������������������������248 12.1.  Recriar o modelo educativo. ������������������������������������������������������������������������������������������������������248 12.2.  Ensinar a turma toda sem exclusões ������������������������������������������������������������������������������������������248 Referências bibliográficas ����������������������������������������������������������������������������������������������������������251


AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus por ter proporcionado a força que uniu esta equipe na execução desta tarefa. A toda equipe técnica-pedagógica, todos os diretores e todos os professores das Unidades Escolares do Município de Quatis pela participação na discussão e elaboração desta proposta. Em especial aos professores que realizaram a análise crítica da parte específica relacionada à sua área de atuação. Aos funcionários da rede municipal de ensino que direta ou indiretamente auxiliaram neste processo de construção.


AOS EDUCADORES “Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens, além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e Maximo Campos Leyta

isso é tudo.” (H. Hesse, 1877 – 1962, Alemanha)

Este não foi um trabalho fácil, mas podemos dizer como foi gratificante participar de forma direta de todas as etapas do seu desenvolvimento. Aqui podemos saciar o desejo de um sonho realizado. Nas reuniões Pedagógicas com a equipe técnica pedagógica desta rede, podíamos perceber, de forma clara, a dicotomia entre os segmentos de ensino e a insatisfação revelada pelo grupo. Percebíamos o desconforto de participar e ser conivente com algo que não acreditávamos. Algumas vezes, surgia além da pauta a necessidade de se discutir a prática pedagógica desta Rede. A integração entre os segmentos, a necessidade de romper com algumas práticas instaladas que já não atendiam mais as necessidades do aluno atual. Foi possível contar com profissionais que abraçaram a causa sem medir esforços e contribuíram na construção de uma proposta que atendesse as necessidades específicas desta rede de Ensino. Alguns atuaram de forma direta e outros de forma indireta, porém todos participaram, integrando as Unidades Escolares e os segmentos por elas atendidos. Sabemos que ainda não é o ideal, mas temos a certeza que é a semente que será plenamente cultivada. Para nós foi além de um desejo, mas também foi a vontade urgente de toda equipe em construir, dentro das nossas limitações, um trabalho que contribua com o processo educacional, exigido por todos os segmentos e esferas, e principalmente aos nossos colegas profissionais que militam na tarefa do magistério. No desejo de servir ao processo, consciente das falhas e abertas às possíveis críticas, acreditamos nas possibilidades, potencialidades e comprometimento da equipe para encaminhar satisfatoriamente esta proposta, burilá-la no que couber, para que um dia ela se torne ideal para cada comunidade escolar deste município. Não podemos deixar de registrar aqui algumas palavras de fé, esperança e amor. Agradecendo a Deus pela sua presença, nos dando força e discernimento para efetivarmos o nosso trabalho, buscando um ideal educativo. Crendo que todos os profissionais envolvidos no processo educativo percebem a dimensão de sua responsabilidade. Crendo na necessidade de nos deixar envolver por tal sentimento, renegando a vaidade, as questões pessoais, e de mãos dadas em busca do mesmo objetivo. Assim, temos o poder de modificar, transformar a sociedade. Estes são sentimentos que concretizam o processo educativo e mediante a tantas dificuldades que permeiam este trabalho, necessitamos acreditar que a solução está nas mãos de quem tem o comprometimento, o respeito pelo ser humano e a responsabilidade de quem escolheu ser um Educador.

Departamento Pedagógico


APRESENTAÇÃO A Prefeitura Municipal de Quatis, através da Secretaria Municipal de Educação, confirmando seu compromisso com a qualidade da educação oferecida em nosso município, vem com grande satisfação entregar aos educadores as Diretrizes Curriculares do Município de Quatis. Ao realizarmos o diagnóstico junto às Unidades Escolares da situação em que se encontrava o processo educativo no Município de Quatis, observamos naquele momento, a necessidade da revisão das propostas de Educação Infantil e Ciclo Básico de Alfabetização e da construção de uma proposta curricular que direcionasse os trabalhos a serem desenvolvidos do 4º ano/3ª série ao 9º ano/8ª série e EJA. Atualmente, o eixo central da Educação Básica, como política educacional, incluindo a Educação Infantil que tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até os 5 anos de idade em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social é a articulação entre ciência, conhecimento, cultura e trabalho, uma vez que tem por finalidade “a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental de forma a possibilitar a continuidade de estudos, a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando, seu aprimoramento como pessoa humana e compreensão dos fundamentos científicos tecnológicos dos processos produtivos” (Lei de Diretrizes e Bases LDB 9394/06). Sobre a busca da qualidade do ensino publico Libâneo, Olívia e Mirza afirmam que:

“Em todas as reformas educativas, a partir da década de 80, a questão da qualidade aparece como tema. (...) a educação de qualidade é aquela mediante a qual a escola promove, para todos, o domínio dos conhecimentos e o desenvolvimento de capacidades cognitivas e afetivas indispensáveis ao atendimento de necessidades individuais e sociais dos alunos, bem como a inserção no mundo e a constituição da cidadania também como poder de participação, tendo em vista a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.” (2006 ,p. 117-118)

Para Sacristán (1998), o currículo corresponde a “uma prática, expressão da função socializadora e cultural que determinada instituição tem, que reagrupar em torno dele uma série de subsistemas ou práticas diversas, entre as quais se encontra a prática pedagógica desenvolvida em instituições escolares que comumente chamamos de ensino”. Projetar um novo currículo, no contexto do Ensino Fundamental de nove anos, significa falar de crianças em processos das diferentes linguagens, não apenas da escrita e da fala, precisa-se considerar as particularidades e as formas de comunicação, características do desenvolvimento infantil, expressas na fala egocêntrica, no faz de conta, entre outras, e presente no processo de formação de conceitos, que se inicia no pensamento sincrético na infância e se estende até o domínio dos conceitos científicos na adolescência. Significa ainda, falar na construção da identidade que se constitui no exercício da compreensão sobre os sentimentos, nas diversas formas de expressões da ideia, na interação com o grupo, na internalização de regras e valores no âmbito das relações sociais e na prática do diálogo entre as diferenças, pois é na relação entre os indivíduos, mediados pela cultura, que se constitui a identidade de cada sujeito. Fundamentado, nas necessidades sociais e educacionais, este documento busca mudanças e a construção de um espaço educacional que promova a formação crítica-reflexiva de cada individuo, da Educação Infantil ao 9º ano/8ª série do Ensino Fundamental e modalidade de EJA.


INTRODUÇÃO As Diretrizes Curriculares do Município de Quatis teve seu processo de construção iniciado pela equipe do departamento pedagógico da Secretaria Municipal de Educação, estendendo-se a todas as Unidades Escolares, as quais participaram, sem medir esforços, com estudos sistematizados com professores e equipe técnica e administrativa, visando construir coletivamente uma proposta que contemple aos questionamentos, quanto ao conteúdo e a sua aplicabilidade, aos projetos adequados às necessidades da Rede Municipal de Ensino, ou em particular a sala de aula. Vale ressaltar, que em muitos momentos, se discutiu, exaustivamente, práticas pedagógicas, na busca constante de atender aos questionamentos, como: O que fazer? Como fazer? E muito foi construído, com formação continuada, palestras, jornadas pedagógicas, encontros com as equipes pedagógicas das Unidades Escolares, discutindo, estudando e construindo. Grande parte dos docentes e pedagogos tiveram a oportunidade de ouvir, discutir e opinar, participando ativamente das reflexões como: Projetos de trabalho, Relatório de observações, práticas pedagógicas. Sobre a inclusão de deficiente, focando as deficiências mental, visual e auditiva. Em 2010 reiniciamos os trabalhos para construção de uma Diretriz Curricular que contemplasse todos os segmentos e projetos da Rede de Ensino, estabelecendo um cronograma de atividades e encontros a serem realizados nas Unidades Escolares e Departamento Pedagógico. Com estudos dos PCN`s, Recnei, Celso Vasconcelos, Vasco Moretto, Paulo Freire, José Carlos Libânio, Moacir Gadotti, Fátima Almeida, José Pacheco entre outros que contribuíram como base para mudanças de concepções de todos envolvidos neste trabalho. O primeiro passo então, após estudo, foi construir os objetivos e elencar os conteúdos que atendessem às necessidades específicas desta Rede de Ensino. Os encontros dos professores da Educação Infantil à 4ª série/5º ano, com especialistas nas disciplinas de Geografia, História, Ciências, Língua Portuguesa, Matemática, Educação Física, Filosofia e Arte, aconteceram de forma dialógica, oportunizando aos professores opinarem, relatarem suas experiências, refletirem sobre as suas necessidades da construção de uma Diretriz Curricular, voltada para a leitura e interpretação, escrita e a resolução de problemas, envolvendo as operações básicas, conscientes da necessidade da contextualização dos conteúdos, fazendo-se necessária a transposição dos mesmos para a realidade dos alunos de forma significativa e acessível. Com base nas reflexões, todos os profissionais da educação envolvidos tiveram a oportunidade de participar diretamente desta construção. Este trabalho procurou levar em conta alguns fatores básicos, como conhecer a comunidade escolar, através da pesquisa, em todos os segmentos e modalidade de ensino (alunos, responsáveis e profissionais da educação), atingindo 100% deste público nas Unidades Escolares menores e 30% nas maiores. As vozes desses sujeitos nos revelam a finalidade da escola e o que esperam dela. Procurou também oferecer aos docentes um referencial construído paulatinamente em consonância com esta comunidade, baseado nos princípios de uma educação que leva à formação do sujeito crítico e criativo. Neste contexto, este trabalho propicia a “desconstrução” de alguns conceitos e a “construção” de um novo caminhar, norteado por uma proposta construída com muita dedicação e participação de toda comunidade da Rede Municipal de Educação do Município de Quatis.


PARTE I 1.  História do Município de Quatis O Município de Quatis localiza-se na Região das Agulhas Negras. Sua beleza, seu clima, sua água, o traçado de ruas e praças, seu casario, a tradição hospitaleira de seu povo fazem dele um lugar especial. Os acessos ao município podem ser feitos via BR-116. Em relação ao Rio de Janeiro a distancia e de 150 km e de São Paulo, 290 km.

1.1.  Limites Ao norte, o município de Passa Vinte (MG) Ao nordeste, o município de Valença (RJ) A leste, e ao sul, o município de Barra Mansa (RJ) A oeste, o município de Resende (RJ) A sudoeste, o município de Porto Real (RJ)


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

O município de Quatis foi primitivamente habitado pelos índios Puris. Esta região demorou muito a ser desbravada devido a Serra do Mar e a reação dos índios. Somente em 1724, iniciou-se a escalada por ordem do Governador Luis Vahia Monteiro, com a finalidade de abrir um caminho mais curto para São Paulo, sem os inconvenientes da travessia marítima até Parati. Passou a ser trajeto natural de bandeirantes e tropeiros que ligavam Minas Gerais ao litoral, que aqui paravam por causa da boa água da área hoje conhecida como Biquinha. A ocupação definitiva se fez a partir de Resende, quando Simão da Cunha Gago, descobriu em 1744 uma extensa clareira na Mata Atlântica, de aproximadamente 40 quilômetros, entre Quatis e Itatiaia. Com a fundação do povoado de Nossa Senhora da Conceição do Campo Alegre da Paraíba Nova, mais tarde passou a chamar-se Resende. Os primeiros moradores dedicaram-se à criação de gado, plantação de cana de açúcar e produção de anil. Com o declínio do ouro em Minas Gerais, no final do século XVIII, os primeiros mineiros passaram a vir para cá, com seus escravos e o dinheiro conseguido com a mineração, a fim de plantar café. Várias sesmarias passaram a ser concedidas por boa parte do Vale do Paraíba fluminense, em virtude deste produto ter se espalhado por todo o vale, tendo Resende como centro irradiador. Na primeira metade do século XIX já encontramos notícias de várias fazendas em Quatis e uma capela do outro lado da linha férrea, dedicada a Santo Antônio. Em 5 de março de 1832, Faustino Pinheiro de Araújo e sua esposa, Gertrudes Maria de Jesus, fazendeiros de Guaratinguetá, doaram terras que possuíam na encruzilhada dos quatis para a construção de uma capela em homenagem a Nossa Senhora do Rosário, além de casas de comércio e residência. Por causa da grande quantidade destes animais, aqui existentes, o povoado passou a se chamar Nossa Senhora do Rosário da Encruzilhada dos Quatis, mais tarde abreviado para Quatis. No mesmo ano, Barra Mansa separou-se de Resende. Quatis continuou com aquele município até 1848, quando foi desmembrado e anexado a Barra Mansa. Quando esta foi elevada à cidade em 1857, Quatis passou a ser seu 5° distrito, situação em que permaneceu até 9 de janeiro de 1991, quando foi criado o novo município pela Lei n° 1787. Esta região continuou a produzir café por todo o século XIX. A partir de 1870, começaram os primeiros sinais de decadência deste produto. Mesmo assim ele foi produzido até o final da década de 1920. Com a construção da estação ferroviária em Quatis, em 15 de maio de 1897, e a conclusão da Estrada de Ferro Oeste de Minas, em 1915, nova leva de mineiros, criadores de gado, vindos da região do Rio Grande (Andrelândia, Lavras, Aiuruoca, Liberdade, São Vicente) e outros pontos de Minas Gerais, vieram para toda a região sul fluminense, onde adquiriram as fazendas de café já em decadência, implantando assim um novo tipo de economia, a pecuária leiteira. Até por volta de 1930, gado e café conviveram nestas fazendas, quando este foi definitivamente suplantado pela produção do leite. Com o crescimento desta nova atividade econômica, criou-se, em 17 de novembro de 1941, a Cooperativa Agropecuária de Quatis Ltda. A partir de 1916, com a nova chegada de mineiros, muitas coisas se modificaram no distrito: foram substituídas as casas de adobe por tijolos e a barca “Mirandópolis” que fazia a ligação até Floriano cessou suas atividades, sendo então construída a ponte metálica que liga o município a Porto Real. O distrito teve, na segunda metade do século XX, um curto período de apogeu com a produção de frango, hoje não mais existente. Na década de 1970, o distrito de Quatis aumentou consideravelmente sua população, devido à construção da Ferrovia do Aço, surgindo vários novos bairros, como: Mirandópolis, Jardim Independência, Bondarovski e Jardim Pollastri.

16


PARTE I

Social e politicamente, Quatis sempre se destacou dentro do município de Barra Mansa. Ainda no século XIX, por obra de Luis da Rocha Miranda (Comendador Miranda, mais tarde Barão de Bananal) primeiro proprietário da Fazenda Santana da Cachoeira e da fazenda Moquém, foi construído o primeiro teatro do município, o Teatro São Luis. Muitos fazendeiros do município-sede possuíam casas aqui. E nossos políticos sempre se destacaram no município, sendo os primeiros prefeitos eleitos de Barra Mansa os quatienses Coronel Alfredo Dias de Oliveira (2 de agosto e 1922 a 12 de junho de 1924), Wanderlino Teixeira Leite (1924 a 1927) e Oscar Teixeira de Mendonça (1927 a 1929). Aliás, foi no período de governo de Wanderlino Teixeira Leite (1925) que se instalou aqui a luz elétrica, tendo então transformado o teatro em cinema com o nome de Cine Teatro São Luís, mais tarde, Cine Quatis. A partir da década de 1960, algumas tentativas pró-emancipação foram realizadas, visando à autonomia do distrito. Em 25 de novembro de 1990, através de um plebiscito, o povo quatiense decidiu pela separação do município-sede e constituiu um novo município. Após a emancipação, o novo município foi administrado pelo Conselho Popular de Quatis (CPQ) presidido por Irmã Elizabeth Alves, enquanto não se fazia eleição para prefeito. Coube a este Conselho fazer a ligação entre as necessidades da nossa população e o prefeito de Barra Mansa, até que o Tribunal Regional Eleitoral marcou a primeira eleição para a prefeitura em 3 de outubro de 1992, sendo então eleito José Laerte D’Elias para o período 1993/l996. Com a eleição do primeiro prefeito em 1992, foi eleita também a primeira Câmara de vereadores . Com o início da administração própria, houve a municipalização da educação e da saúde. Embora com pouca arrecadação, o município tem conseguido manter os serviços essenciais para a população e investido em algumas obras de vulto, com a parceria dos Governos Federal e Estadual. Entre estas obras destacamos: a retificação do Ribeirão dos Quatis, a construção da represa e captação da água do Córrego dos Lima, a pavimentação da estrada RJ 159, a infra-estrutura e a pavimentação das vias públicas, a construção de Estação de Tratamento de Esgoto na sede e nos distritos. O Município de Quatis, desde a sua emancipação, passou a abranger a seguinte divisão político-administrativa: 1° distrito – Sede 2° distrito – Ribeirão de São Joaquim 3° distrito – Falcão Atualmente, Quatis possui uma população de 12.831 habitantes, sua economia gira em torno da agropecuária e do comércio.

1.2.  Distrito de Ribeirão de São Joaquim Sobre a origem do povoado de São Joaquim, há uma lenda, segundo a qual três irmãos, Diogo Álvares Pereira, Boaventura Álvares Pereira e Joaquim Álvares Pereira, reunidos, marcaram a hora da saída de casa, e convencionaram que onde se encontrassem, ao meio-dia, seria estabelecida a sede da freguesia, e assim o fizeram, iniciando a capela do Patriarca São Joaquim. Historicamente, o distrito deve sua origem a Joaquim José Pereira de Carvalho e sua mulher, Umbelina de Mendonça, que, em 10 de janeiro de 1827, doaram ao Patriarca São Joaquim uma área de terras destinada à construção de uma capela em honra ao referido santo e distribuição àquelas pessoas que nela desejassem levantar suas casas de moradia e de comércio.

17


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Primitivamente, pertencente a Valença passou para Barra Mansa em 1844, em decorrência da mesma Lei Provincial que também anexou Quatis a este município. Enquanto afluíam tropas de Minas Gerais e de algumas povoações vizinhas, que ali deixavam as cargas, em troca de sal – quando não prosseguiam até os portos do mar – a povoação progrediu vertiginosamente, a ponto de se transformar em uma das mais importantes praças comerciais do município de Barra Mansa, em fins do século XIX. O apogeu do povoado foi provocado pela cafeicultura, que para ali atraiu grandes fazendeiros e senhores de escravos. Diz-se mesmo que a ostentação da população era tão intensa, que o povoado teve, no século XIX e no início do século XX até um cassino, onde as riquezas eram ampliadas, ou diluíam-se, rapidamente, nas mesas de jogo. Com a crise que se seguiu à libertação dos escravos, o povoado iniciou sua decadência econômica e social, agravada, ainda mais, com a construção, no final do século XIX, de um trecho da Ferrovia Oeste de Minas, cujo traçado cortava as terras da freguesia de Nossa Senhora do Rosário da Encruzilhada dos Quatis e não as terras do Patriarca São Joaquim. Este último empreendimento muito concorreu para o soerguimento de Quatis, atraindo população de diversas regiões vizinhas, mas, infelizmente, provocou o declínio daquele distrito, em cujo casario, ainda hoje, podemos encontrar vestígios da sociedade que imperava nos tempos áureos do café. As velhas fazendas de café, falidas ou abandonadas, foram adquiridas pelos migrantes mineiros, procedentes do sul das Gerais e transformadas em importantes centros pecuaristas, principal fonte econômica do distrito.

1.3.  Comunidade Quilombola de Santana A comunidade de Santana, localizada no Distrito de Ribeirão de São Joaquim, e faz parte da Fazenda Santana, primitivamente chamada Fazenda Retiro. Em 1986, liderada pelas irmãs Elizabete e Terezinha, com apoio da Prefeitura Municipal, nesta época de Barra Mansa, construiu uma escola, que funcionava inicialmente na Igreja local, ou seja, Igreja de Santana para atender ás crianças residentes nesta localidade. Por conta desse movimento hoje a Escola é símbolo de união e referência. Em 03 de junho de 1993, a Escola Municipal de Santana é oficialmente instituída pelo Ato de Criação: Decreto nº 18 da Prefeitura Municipal de Quatis, atendendo aos alunos/as do 1º segmento. Em dezembro de 2010, a Comunidade de Santana recebe por meio do Decreto de 15 de dezembro a titulação de “Território Quilombola de Santana”, entendendo atendendo ao preceito da constituição: “Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os respectivos títulos”. (art. 68 do ADCT – CF/1988)

18

Muito já se foi discutido em relação ao conceito de quilombo, assim, adotamos o conceito apresentado por Frederik Barth... “Consistem em grupos que desenvolveram práticas de resistência na manutenção e reprodução de seus modos de vida característicos, num determinado lugar”. Nesse sentido, sua identidade se define “por uma referência histórica comum, construída a partir de vivências e valores compartilhados” constituindose como grupos étnicos, um tipo de organização social, onde o estabelecimento de fronteiras sociais pode ter uma contrapartida territorial. (Fredrik Barth, 2000)


PARTE I

Dessa forma, o Ministério da Educação vem se organizando para instituir as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. “A Educação Escolar Quilombola é desenvolvida em unidades educacionais inscritas em suas terras e cultura, requerendo pedagogia própria em respeito à especificidade étnico-cultural de cada comunidade e formação específica de seu quadro docente, observados os princípios constitucionais, a base nacional comum e os princípios que orientam a Educação Básica brasileira. Na estruturação e no funcionamento das escolas quilombolas, deve ser reconhecida e valorizada sua diversidade cultural”. (p. 42) Por identidade étnica entende-se: “A identidade étnica de um grupo é a base para sua forma de organização, de sua relação com os demais grupos e de sua ação política. A maneira pela qual os grupos sociais definem a própria identidade é resultado de uma confluência de fatores, escolhidos por eles mesmos: de uma ancestralidade comum, formas de organização política e social, a elementos lingüísticos e religiosos”. Hoje, busca-se a construção desta identidade Quilombola nos aspectos legais e pedagógicos em prol de uma educação pela diversidade de qualidade.

1.4.  Distrito de Falcão As terras do atual distrito de Falcão, a 18 km da sede do município de Quatis, apesar de conhecidas desde a segunda metade do século XVIII, só foram desbravadas nos primeiros anos do século XIX. Pertenceram, primitivamente, ao município de Resende, passando, mais tarde, a integrar o distrito de São Joaquim. Deve-se sua existência à passagem por suas terras da famosa “estrada de Passa Vinte”, que fazia a comunicação de Barra Mansa com o sul de Minas Gerais. No ponto em que esta estrada, depois de concluída, se entroncava com os caminhos procedentes das freguesias de Resende e de São Joaquim, foram levantadas, em 1865, as primeiras edificações, impostas pelas necessidades do comércio com as tropas e viajantes que por elas transitavam, dando assim origem ao povoado. A iniciativa de Francisco de Souza e Almeida, doando, em 1877, um alqueire de terras a Nossa Senhora da Conceição Aparecida, para a construção de uma capela e distribuição entre aqueles que desejassem edificar as suas moradias, foi um dos fatores que mais concorreu para o seu rápido desenvolvimento. O certo é que Coronel Felicíssimo do Rego Barros, nascido na Província do Rio de Janeiro em 1846, foi um dos fundadores da Freguesia de Falcão. Por sua iniciativa foram construídos o cemitério público local e a capela de São Sebastião. Felicíssimo e Carlota Augusta Machado se casaram em 1871 e moraram em Falcão até 1885, onde ele era lavrador e exerceu cargos públicos de destaque, como: Juiz de Paz, subdelegado, agente de correio. Felicíssimo do Rego Barros era filho de Felicíssimo José Braga e Balbina Zeferina de São José, ambos professores primários em Falcão. A presença continuada de tropeiros e viajantes das mais longínquas paragens no povoado e a sua distância da sede do município (na época, Barra Mansa) levou os seus moradores a pleitear, ali, a criação de um distrito policial. Tal pretensão somente foi atendida em 30 de outubro de 1885, quando, por deliberação, o Governo da Província criou o distrito policial, com terras desmembradas da freguesia de São Joaquim. Outra deliberação provincial, de 29 de março de 1889, criou em seu território um distrito de paz. Contudo, implantada a República, quando da realização da primeira divisão administrativa do Estado do Rio de Janeiro, o distrito de Falcão foi suprimido pelos decretos 1 e 1-A, respectivamente, de 8 de maio e de 3 de junho de 1892, voltando as suas terras a integrarem o distrito de São Joaquim.

19


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Somente em 1919, por força da Lei de 20 de novembro, o distrito foi restabelecido, passando a figurar em todas as divisões administrativas e territoriais do Estado que, então, se lhes seguiram, como distrito componente do município de Barra Mansa. Foi a conclusão de um trecho da Ferrovia Oeste de Minas, em 1915, que estendia a linha tronco, de Barra Mansa até Ribeirão Vermelho (MG), que permitiu o soerguimento do distrito, depois da crise que se seguiu com o término da escravidão negreira. As velhas fazendas de café, quase abandonadas, foram adquiridas por migrantes mineiros, procedentes de municípios vizinhos, e transformadas em importantes centros agro-pastoris, fonte em que se apóia a riqueza do importante distrito de Quatis nos dias atuais.

1.5.  Hino do Município de Quatis Letra: Adelaide da Cunha Franco Música: Antônio Quintilhant e Nestor Silva

Quatis! Quatis! Quem chega aqui sem querer Do coração vai sofrer, Não quer voltar Na alegria de viver E se bebe água da fonte, ai, ai, ai Fica preso até morrer. Sou quatiense Meu amor Quatis encerra E a mim ninguém convence Que haja outro igual na terra Nossa Senhora Lá da Igreja do Rosário, Penso nela toda hora, Vou cumprindo meu fadário. Quatis! Quatis! Sou mesmo bamba Pra marcar o meu compasso E Quatis inteiro samba Sapateia o seu pedaço.

Mas toda gente vai cantar Só por castigo Para a festa, lentamente, terminar Junto comigo,

20

Quatis! Quatis!


PARTE I

1.6.  Alguns pontos turísticos 1.6.1.  Museu Municipal Estação da Memória A história desse meu lugar - Criado por decreto em fevereiro de 2008 e projeto vencedor de concurso do IPHAN no mesmo ano. Suas instalações definitivas serão na Estação Ferroviária de Quatis, atualmente em reforma. Provisoriamente ele funciona em quiosque na Praça Dr. Teixeira Brandão no Centro.

1.6.2.  Museu da Roça Existe como resultado de gincana da I Festança Rural da Feira da Roça, que aconteceu em julho de 1988. Parte integrante da Feira da Roça. Rua Carlos Haassis, 59 – Centro.

1.6.3.  Praça dos Expedicionários No centro da Praça dos Expedicionários encontra-se um monumento em homenagem aos pracinhas: Eugênio Ferreira de Carvalho, Antônio Lobo Neto e Mewton Sapede. Filhos da terra, a partir de 1944 integraram a FEB – Força Expedicionária Brasileira. A FEB era uma divisão de infantaria reforçada colocada à disposição do Alto Comando Aliado, na Europa, na luta contra o nazi-facismo, em terras da Itália, durante a Segunda Guerra Mundial (1939 / 1945).

1.6.4.  Ponte Pênsil Construída no século XIX, pelo Professor Pessoa de Barros para ligar sua chácara à localidade. Tombada pelo patrimônio histórico é até hoje bastante utilizada pelos moradores da cidade e um atrativo turístico para quem nos visita. Localizada atrás da Biquinha no Centro.

1.6.5.  Casario O conjunto mais importante encontra-se no distrito de Ribeirão de São Joaquim. São casarões em estilo colonial, possibilitando ao visitante um recuo no tempo, isto é, ao Brasil do século XVIII. Como chegar: pela estrada Quatis / São Joaquim, sem asfalto, cerca de 17 km da sede. No centro histórico do distrito sede também podemos identificar casas ainda de pau a pique. Locais: Rua Faustino Pinheiro e Av. N. Sra. do Rosário.

1.6.6.  Cachoeira 1.6.6.1  Cachoeira da Paca Situada no rio de mesmo nome no distrito de Falcão. Fica próxima da APA da Mantiqueira. Como chegar: pela RJ 159. Distância da sede: cerca de 18 km de Quatis em estrada asfaltada.

21


PARTE Ii 1.  Desenvolvimento O campo de estudo relacionado ao currículo sempre mereceu destaque para os que desejam compreender o processo educativo escolar, porém, como escrevem Moreira e Silva, (...) foi somente no final do séc. XIX e no início deste, que vários educadores, nos Estados Unidos, começaram a tratar mais sistematicamente de problemas e questões curriculares, dando início a uma série de estudos e iniciativas que, em curto espaço de tempo, configuram o surgimento de um novo campo. (1997, p.9). O currículo desempenha papel fundamental, a despeito de geralmente, ser visto dentro de uma perspectiva mais tradicional, como sendo, basicamente, o planejamento de ensino, representando o “alicerce do ensino”. Tem como finalidade subsidiar o professor na sua prática cotidiana na sala de aula, servindo de parâmetro para as suas diversas atividades, e, dessa maneira, deve despertar nos alunos o interesse pela disciplina, por meio da escolha de uma metodologia adequada com técnicas e atividades que atinjam os objetivos estabelecidos. Tendo em vista todas as modificações significativas, ocorridas a partir de 1970 na área curricular – que refletiram diretamente na prática pedagógica, concordamos com a necessidade de avaliações e adaptações à nova realidade de mundo e de sala de aula. Para Perrenoud, não são os saberes em si, mas a experiência e a construção das competências resultantes que determinam a formação do aluno. O autor afirma que não existe uma “definição clara e partilhada das competências” (1999, p.19), e que a sua designa “uma capacidade de mobilizar diversos recursos cognitivos para enfrentar um tipo de situação” (2000, p.15), que compreendam os aspectos de mobilizar, integrar e orquestrar estes recursos, pertinentes a situações complexas, sendo que as competências profissionais constroem-se tanto durante os processos de formação como “ao sabor da navegação diária de um professor, de uma situação de trabalho à outra” (Ibid.) A noção de competência, fortemente presente nos PCN´s, segue a tendência atual em orientar os currículos baseados na construção de competências desde a escola fundamental, e adquire um caráter primordial. Segundo Moreira (1997), planos e propostas (currículo formal), prática efetiva escolar (currículo real), e regras e normas não explicitadas, que governam as relações que estabelecem nas salas de aula (currículo oculto). Nesta perspectiva, ocorreu a seleção dos conteúdos, métodos, meios e avaliação. Para viabilizar o alcance desta proposta, foram realizadas as seguintes atividades: • Leitura e atualização das propostas de Educação Infantil e Ciclo Básico de Alfabetização; • Discussão e elaboração dos questionários; • Pesquisa e análise documental; • Pesquisa de campo por amostragem – Questionário para as unidades Escolares (responsáveis, alunos, professores, funcionários e equipe técnica-pedagógica); • Elaboração de um diagnóstico educacional, utilizando o questionário; • Momentos de estudo/reflexão do material de apoio – enviado pela SME a todas as Unidades Escolares; • Palestras/Capacitações; • Construção do elenco de objetivos e conteúdos pelas Unidades Escolares.


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Como coloca Sacristán (1998), a mudança e a melhora da qualidade do ensino colocar-se-ão (...) não apenas no terreno mais comum de pôr em dia os conhecimentos que o currículo compreende (...), mas como instrumento para indicar na regularização da ação, transformar a prática dos professores, liberar as margens da atuação profissional (p.53). A aplicabilidade das Diretrizes Curriculares necessita da ruptura com velhos paradigmas e que a prática pedagógica seja planejada, onde os profissionais sejam capazes de ver, entender e lidar com as crianças, jovens e adultos, não apenas como estudantes, mas principalmente como seres humanos em processo de desenvolvimento.

2.  Pesquisa Estratificada por Amostragem A pesquisa estratificada, realizada por amostragem junto as Unidades Escolares do Município de Quatis, através de questionário objetivo com cinco alternativas para resposta e uma em aberto, caso existisse uma opção desejada em colocar que não estivesse sendo contemplada, teve como base quatro perguntas fundamentais: • O que se espera da escola? • Para que serve a escola? • Porque necessitamos da escola? • Como alcançar o que desejamos? Os questionários foram respondidos por pais/responsáveis, alunos, professores, equipe técnica/diretiva e funcionários das Unidades Escolares. A sistematização dos dados obtidos nos mostrou caminhos possíveis de serem seguidos, que possam, de fato, redimensionar o processo educacional. A primeira questão apresentada no questionário: “O que se espera da Escola?” possuía como opções de respostas: Espaço de formação social; Espaço de transmissão de conhecimento – formação acadêmica; Formação para o trabalho; Formação plena, local de transformação; Complementação da educação familiar. Após computação dos dados obtidos, considera-se para análise o maior número de alternativa marcada, sendo: • 100% da equipe técnica respondeu: Formação plena, local de transformação; 57% dos responsáveis responderam Complementação de educação familiar e 30% dos docentes, 21% dos alunos de 1º segmento, 75% dos alunos de 2º segmento e 66% dos alunos da Educação de Jovens e Adultos, responderam: “Espaço de transmissão de conhecimento”. A segunda questão: “Para que serve a escola?” as opções de resposta eram: Crescimento pessoal; Prosseguimento dos estudos; Formação para o trabalho; Formação de competências, princípios e valores; Transformação da sociedade. Tivemos como resposta em maioria: • 90% da equipe técnica, 57% dos responsáveis, 38% dos professores, 25% dos alunos de 2º segmento e 22% dos alunos da Educação de Jovens e Adultos responderam que a escola serve para Formação de competência, princípios e valores; • 18% dos alunos de 1º segmento responderam que a escola serve como local de formação para o trabalho. A terceira questão “Por que necessitamos da escola?” Transformação do saber para o bem comum; Acesso ao mercado de trabalho; Participação na sociedade; Cidadão consciente e agente transformador; Complementação da educação familiar.

24


PARTE II

64% dos responsáveis, 42% dos professores, 100% da equipe técnica e 20% dos alunos de 1º segmento acreditam que necessita da escola como espaço de formação de cidadão consciente e agente transformador. 93% dos alunos de 2º segmento e 23% dos alunos da Educação de Jovens e Adultos acreditam necessitarem da escola para acesso ao mercado de trabalho. Na quarta questão que traz “Como alcançar o que desejamos?”, temos como opções de resposta: Envolvimento e comprometimento de todos – integração escola/comunidade; Domínio de conhecimentos, ação e pesquisa; Aulas dinâmicas, atividades diversificadas; Aluno centro do processo; Formação continuada dos profissionais. 100% da equipe técnica, 54% dos professores e 65% dos responsáveis acreditam no Envolvimento e comprometimento de todos; 40% dos alunos do 1º segmento e 22% dos alunos da Educação de Jovens e Adultos acreditam que a saída é o aluno sendo o centro do processo; 73% dos alunos do 2º segmento opinaram que o Domínio de conhecimentos, ação e pesquisa é a solução para alcançar o que desejamos. Neste contexto, disponibiliza-se para a Secretaria Municipal de Educação do Município de Quatis, dados de grande importância, que auxiliaram no processo de construção da Diretriz Curricular do Ensino Fundamental e da modalidade de EJA – Educação de Jovens e Adultos. Elaborado com base numa fundamentação legal e viabilizada pela participação da comunidade escolar.

2.1.  Professores e Responsáveis 1. O que se espera da Escola?

3. Por que necessitamos da Escola?

2. Para que serve a Escola?

4. Como alcançar o que desejamos?

25


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

2.2.  Alunos EJA 1. O que se espera da Escola?

3. Por que necessitamos da Escola?

2. Para que serve a Escola?

4. Como alcançar o que desejamos?

2.3.  Alunos - 1º e 2º Segmentos

26

1. O que se espera da Escola?

3. Por que necessitamos da Escola?

2. Para que serve a Escola?

4. Como alcançar o que desejamos?


PARTE II

2.4.  Equipe Técnica 1. O que se espera da Escola?

3. Por que necessitamos da Escola?

2. Para que serve a Escola?

4. Como alcançar o que desejamos?

3.  Estrutura do Sistema Municipal de Ensino de Quatis Compreendendo o Sistema Municipal de Educação como um espaço constituído por vários setores entrelaçados, podemos destacar as dimensões: Pedagógica, Social, Cultural, Administrativa e a Política das relações de poder e do processo decisório. Para assegurar a organização do sistema como um todo, tornam-se necessárias ações que efetivarão um permanente movimento de associação e influências mútuas. Dentre as ações, podemos citar a Lei Municipal nº496/2005 que, seguindo as orientações emanadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) nº 9394/96 e a um conjunto de deliberações do Conselho Municipal de Educação, estabelecem as normas gerais do Sistema de Ensino das Unidades Escolares da SME e de outras providências. O Sistema Municipal de Ensino do Município de Quatis atende aos seguintes segmentos/modalidades: • Educação Infantil para crianças de 0 a 5 anos de idade, oferecida em creches em tempo integral/ parcial para crianças até 3 anos e em Pré-escolas para crianças de 4 a 5 anos de idade; • Ciclo Básico de Alfabetização compreendendo os três primeiros anos do Ensino Fundamental, atendendo crianças de 6 a 8 anos; • Seriação contemplando da 3ª série/4º Ano à 8ª série/9-º Ano; • Educação de Jovens e Adultos organizada em: −− Ciclo I e Ciclo II (1º Segmento do Ensino Fundamental);

27


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

−− V Fase à VIII Fase (2º Segmento do Ensino Fundamental); −− Ensino Médio (Fase I, II e III); −− 5ª Série/6º Ano à 8ª Série/9º (Módulos); −− 5ª Série/6º Ano à 8ª Série/9º e Ensino Médio (Ciclo); A estrutura atual da Secretaria Municipal de Educação é constituída por: • Duas (02) creches municipais, funcionando em tempo integral e atendendo crianças de 0 a 3 anos; • Onze (11) escolas municipais. Assim denominadas: Creche Municipal Conceição Aparecida Vieira Pena Atendimento: Educação Infantil Total de alunos: Aproximadamente 60 alunos Centro Municipal de Educação Infantil Professora Adriana Maria de Souza Cruz Atendimento: Educação Infantil Total de alunos: Aproximadamente 200 alunos CIEP 492 Municipalizado Marciana Machado D’Elias Atendimento: Educação Infantil à 6ª série/7º ano do Ensino Fundamental Total de alunos: Aproximadamente 800 alunos Escola Municipal Anésia Alves de Oliveira Atendimento: Educação Infantil à 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental e EJA Total de alunos: 80 alunos Escola Municipal Benta Pereira Atendimento: Educação Infantil à 4ª série/5º ano do Ensino Fundamental Total de alunos: 40 alunos Escola Municipal Carlos Campos de Faria Atendimento: Educação Infantil à 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental e EJA Total de alunos: Aproximadamente 150 alunos Escola Municipal Edméa Dulce de Barros Franco Atendimento: Educação Infantil e Ciclo Básico de Alfabetização Total de alunos: Aproximadamente 150 alunos Escola Municipal Henry Nestlé Atendimento: Ciclo Básico de Alfabetização à 4ª série/5º ano do Ensino Fundamental Total de alunos: Aproximadamente 200 alunos Escola Municipal Julieta Pereira Sampaio Atendimento: Educação Infantil à 4ª série/5º ano do Ensino Fundamental Total de alunos: Aproximadamente 300 alunos

28


PARTE II

Escola Municipal Maria Helena Rafael de Elias Atendimento: 5ª série/6º ano à 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental Total de alunos: Aproximadamente 300 alunos Escola Municipal de Santana Atendimento: Educação Infantil à 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental e EJA Total de alunos: Aproximadamente 50 alunos Escola Municipal Victória Maria Prazeres e Valeriano Atendimento: Educação Infantil Total de alunos: Aproximadamente 100 alunos Escola Municipal Pessoa de Barros Atendimento: Ciclo Básico de Alfabetização ao Ensino Médio da Educação de Jovens e Adultos Total de alunos. Aproximadamente 400 alunos

4.  Proposta Pedagógica 4.1.  Educação Infantil Para pensar em Educação Infantil e em uma proposta pedagógica para esse segmento de ensino, faz-se necessário refletir sobre os conceitos de criança. Percebe-se a evolução deste conceito de infância que reflete também a evolução de uma visão histórica. Hoje já se sabe que não há como definir criança, sem considerar sua realidade social, o meio onde está inserida e sua atuação nesse lugar. Sabe-se que o meio e as experiências vividas são fundamentais, para a construção do conhecimento e os resultados dessa interação fundamentarão a construção do jovem/ adulto futuro. É importante saber que a infância é um processo histórico e não natural. A história é elaborada por nós e objeto de contínua construção. A legislação atual e as referências teóricas mais recentes são sinalizadores do momento histórico da Educação Infantil no nosso país, na medida em que estabelecem diretrizes legais e teóricas para ações educativas. A Constituição Federal (CF) de 1988 destaca que a Educação é direito de todos e coloca a Educação Infantil como dever do Estado. Nesse momento, a Educação Infantil passa a ser um direito da criança. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), lei 8069/90, regulamenta o artigo 227 da Constituição Federal, dá a criança direitos, reconhecendo suas peculiaridades de desenvolvimento. Constrói-se aí o conceito de criança cidadã. O ECA assegura o direito ao afeto, a brincar, de querer e não querer, de conhecer, de sonhar e opinar. Na Política Nacional de Educação Infantil, norteado pela Constituição Federal e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, o MEC divulga princípios para a Educação Infantil (Parecer 022/98). Esse documento faz também referência a duas funções complementares e indissociáveis: cuidar e educar. E complementa a idéia do respeito à individualidade e ao ritmo próprio. Nesse documento, o MEC ainda estabelece os objetivos de expandir a oferta de vagas para a criança de 0 a 5 anos, fortalecer a concepção de Educação Infantil e melhorar a qualidade do atendimento em creches e pré-escolas.

29


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), nº 9394/96, dá aos municípios a incumbência de oferecer a Educação Infantil em creches e pré-escolas. Inclui a Educação Infantil na Educação Básica, define como finalidade desse segmento o desenvolvimento integral da criança até os 05 anos de idade em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social. Divide a Educação Infantil em creches (para crianças de 0 a 3 anos) e pré-escola (para crianças de 4 e 5 anos) e diz que a avaliação deve ser feita mediante acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem objetivo de promoção, mesmo para acesso ao Ensino Fundamental. As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil que estão contidas no parecer 022/98, considera a criança como sujeito de direitos e alvo de políticas públicas e deixa claro que as diretrizes curriculares nacionais devem nortear propostas curriculares e projetos pedagógicos. O RECNEI (Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil) vem dar continuidade a essa política e traça parâmetros curriculares nacionais com o objetivo de auxiliar na realização do trabalho educativo diário junto às crianças pequenas.

“Considerando a fase transitória pela qual passam as creches e pré-escolas na busca por uma ação integrada que incorpore às atividades educativas os cuidados essenciais das crianças e sua brincadeiras, o Referencial pretende apontar metas de qualidade que contribuam para que as crianças tenham um desenvolvimento integral de suas identidades, capazes de crescerem como cidadãos cujos direitos à infância são reconhecidos. Visa, também, contribuir para que possa realizar, nas instituições, o objetivo socializador dessa etapa educacional, em ambientes que propiciem o acesso e a ampliação, pelas crianças, dos conhecimentos da realidade social e cultural.” (RECNEI. vol.1, p.7)

As Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil contidas na Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009, considera a criança como sujeito de direitos e alvo de políticas públicas e deixa claro que as diretrizes curriculares nacionais devem nortear propostas curriculares e projetos pedagógicos, cujos eixos norteadores devem ser as interações e brincadeiras.

4.1.1.  Metas da Educação Infantil A Educação Infantil na Rede Municipal de Quatis tem como meta a formação da cidadania, através das funções indissociáveis de cuidar e educar. Para tanto precisa contemplar a construção da autonomia, a cooperação, a criticidade, a criatividade e a responsabilidade. Para garantir o desenvolvimento infantil deve ainda considerar os conhecimentos e valores culturais que as crianças trazem para o convívio escolar por serem parte de uma realidade social da qual sofrem influência e influenciam.

4.1.2.  Orientações Metodológicas A proposta de organização curricular está pautada nas orientações trazidas pelo Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil e, por isso, define que a Educação Infantil priorize os processos de Formação Pessoal e Social e Conhecimento do Mundo.

30

No âmbito da Formação Pessoal e Social, serão contemplados os objetivos relacionados à identidade e autonomia, e no âmbito do Conhecimento de Mundo, serão contemplados os objetivos relacionados a movimento, música, artes visuais, linguagem oral e escrita, natureza e sociedade e matemática.


PARTE II

Os eixos, objetivos e conteúdos do RECNEI, nortearão nossa ação pedagógica de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: • Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações; • Descobrir e conhecer progressivamente seu próprio corpo, suas potencialidades e seus limites, desenvolvendo e valorizando hábitos de cuidado com a própria saúde e bem-estar; • Estabelecer vínculos afetivos e de troca com adultos e crianças, fortalecendo sua auto-estima e ampliando gradativamente suas possibilidades de comunicação e interação social; • Estabelecer e ampliar cada vez mais as relações sociais, aprendendo aos poucos a articular seus interesses e pontos de vista com os demais, respeitando a diversidade e desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração; • Observar e explorar o ambiente com atitude de curiosidade, percebendo-se cada vez mais como integrante, agente transformador do meio ambiente e valorizando atitudes que contribuam para sua conservação; • Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; • Utilizar as diferentes linguagens (corporal, musical, plástica, oral, e escrita), ajustadas às diferentes intenções e situações de comunicação, de forma a compreender e ser compreendido, expressar suas idéias, sentimentos, necessidades e desejos e avançar no seu processo de construção de significados, enriquecendo cada vez mais sua capacidade expressiva; • Conhecer algumas manifestações culturais, demonstrando atitudes de interesse, respeito e participação frente a elas e valorizando a diversidade.

4.2.  Alfabetização A proposta pedagógica do Ciclo Básico de Alfabetização para as escolas da Rede Municipal de Ensino nasceu de um período de pesquisa e reflexão e objetiva nortear a ação docente na alfabetização que, sabemos, vai além da aplicação de um método. Foram realizados vários estudos entre a equipe pedagógica e o grupo de professores, nesses momentos foi sendo percebida a necessidade de avançar ainda mais no trabalho da alfabetização dos alunos e alunas da Rede Municipal de Ensino. Acreditamos que a escrita é construída pelo sujeito que aprende, através da formulação de várias hipóteses sobre os códigos, a construção do conhecimento se dá na interação da criança com o mundo letrado, que a desafia a pensar e estruturar formas de se fazer entender e de entendê-lo. É importante lembrar que a alfabetização de um indivíduo promove sua socialização, já que possibilita o estabelecimento de novos tipos de trocas simbólicas com outros indivíduos, acesso a bens culturais e a facilidades oferecidas pelas instituições sociais. A alfabetização é um fator propulsor do exercício consciente da cidadania e do desenvolvimento da sociedade como um todo.

4.2.1.  Metas da Alfabetização Garantir, através da prática pedagógica da escola, que ao final do 3º ano/2ª série do Ensino Fundamental, com 08 anos de idade, os alunos tenham o domínio total da leitura, da escrita, da interpretação e de raciocínio lógico.

31


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Propiciar ao educando uma alfabetização que vá além da decifração de códigos garantindo seu pleno desenvolvimento, promovendo sua socialização e possibilitando o estabelecimento de novos tipos de trocas simbólicas com outros indivíduos, acesso a bens culturais e o exercício consciente da cidadania.

4.2.2.  Orientações Metodológicas “ALFABETIZAÇÃO: ação de ensinar/aprender a ler e a escrever. LETRAMENTO: estado ou condição de quem não apenas sabe ler e escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais que usam a escrita.” Magda Soares.

Segundo Aurélio (2001, p.30) Alfabetizar significa “ensinar a ler escrever”. Neste sentido a alfabetização resume-se ao estudo e ensino dos aspectos gráficos da escrita e da decodificação de palavras. Durante séculos acreditou-se que o dever da escola era apenas o de transmissão de conteúdos, conceitos, fórmulas e técnicas. Ao receber a alunos na primeira série os professores tinham a função de ensinar o traçado das letras e os mecanismos de decodificação e repetição de sílabas e palavras. Desta maneira, os alunos aprendiam a memorizar sílabas e palavras e, ao final do ano, eram capazes de decodificar frases e textos mesmo que não compreendessem o que estavam “lendo”. Alfabetizar significava ensinar a “tecnologia da escrita”, isto é, decodificar sinais gráficos transformando-os em sons e codificar transformando os sons da fala em sinais. Durante anos a alfabetização fora sinônimo de sofrimento e nada tinha a ver com o prazer de descobrir novas palavras, novas leituras. Em seu livro Infância, Graciliano Ramos (1953), nutre recordações sofridas a respeito deste processo. O autor diz lembrar-se dos gritos do pai que vinham seguidos de ameaças e pancadas de vara, de suas mãos suadas e trêmulas segurando a cartilha. Graciliano ainda lembra-se do terror maior ao ser obrigado a aprender diversas formas de grafar uma mesma letra. “Jogaram-me simultaneamente maldades grandes e pequenas, impressas e manuscritas. Um inferno...” (Ramos, 1953, p.102) Acreditava-se que a criança era uma folha em branco, um recinto vazio esperando para ser preenchido por letras e palavras. A função da escola nada tinha a ver com cidadania. Ler e escrever eram, simples e puramente, o objetivo. Tal pensamento a respeito da alfabetização deixou grandes marcas no cenário sócio-educacional do Brasil uma vez que, durante muito tempo, a escola formou sujeitos capazes de decifrar textos, porém incapazes de inferir sobre eles, de entendê-los, de analisá-los, de criticar, de julgar e de argumentar sobre os textos lidos. Atualmente no campo da educação e da neurociência são grandes e várias as discussões a respeito de temas como: desenvolvimento infantil, formas de aprender e ensinar, processos pelos quais as crianças aprendem, processos de aquisição e desenvolvimento da leitura e da escrita, porém, na realidade das salas de aula, poucos são os avanços reais palpáveis. A LDB, Lei 9.394/96, em seu Art.2º estabelece que:

“A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.” (Lei de Diretrizes e Bases da Educação)

32


PARTE II

Conforme a legislação supracitada o ensino oferecido nas escolas tem por finalidade desenvolver todas as capacidades e potencialidade do sujeito e prepará-lo para a vida em sociedade e sua formação enquanto cidadão. Para a efetivação do que prevê a legislação as práticas de alfabetização precisam mudar, precisam adotar um caráter mais dinâmico e dialógico. Faz-se necessário entender que o ato de ensinar tem muito a ver com cidadania, com o uso social que o indivíduo fará dela. As Instituições de Ensino têm como finalidade mediar os conhecimentos prévios dos alunos fazendo com que estes ampliem seus conhecimentos, desenvolvam suas habilidades e competências. Através do processo educativo o aluno amplia e troca conhecimentos, procedimentos e atitudes engrandecendo-se enquanto cidadão e ser humano. Cabe, portanto, ao educador conhecer as potencialidades dos educandos, para que possa, de fato, efetivar um trabalho pedagógico eficaz. Há de se entender então que o ato de ensinar/alfabetizar não se resume à simples transferência de conhecimentos e conteúdos. A alfabetização abre as portas da cidadania, com o uso social que o indivíduo fará dela. Por meio da educação o indivíduo amplia e troca conhecimentos, procedimentos e atitudes que o engrandecem enquanto cidadão, enquanto ser humano. A partir dos estudos sobre a psicogênese da língua escrita, realizados por Emília Ferreiro e na Teberosky, o conceito de alfabetização foi-se ampliando e passou também a abranger a forma como a criança constrói suas hipóteses sobre o funcionamento da escrita. Através de suas pesquisas tais educadoras mostraram que as crianças aprendem de maneira e em tempo singular, formulando suas hipóteses, resolvendo problemas e elaborando conceitos. Além disso, foi possível perceber que as crianças já carregam muitos conhecimentos antes mesmo de ingressar na escola e que estas utilizam seus conhecimentos para a resolução de problemas do cotidiano e para a efetivação de sua comunicação e interação com o mundo e com outros indivíduos. Tais descobertas e mudanças geraram- e geram - grandes discussões em busca de uma melhoria na qualidade do ensino oferecido nas classes de alfabetização. Tais discussões objetivam uma mudança de paradigma e uma nova visão a respeito dos alunos que ingressam no 1º Ano do ensino Fundamental. Se, outrora, a criança era vista como uma “folha em branco” esperando para ser preenchida por conceitos hoje, espera-se que professores e as equipes gestoras compreendam a criança como um sujeito em pleno desenvolvimento e que, portanto, já adquiriu inúmeros conhecimentos antes mesmo de ingressar na vida escolar. Desde o nascimento a criança depara-se com o mundo das letras, palavras e textos. Ao seu redor encontram-se rótulos, embalagens, listas, cartazes, anúncios na TV, outdoors, caixas de medicamento, panfletos e demais materiais impressos ou não. Mesmo sem saber ler e escrever a criança compreende que tais símbolos representam informações e têm algum sentido. Com o passar do tempo foi sendo percebida a exigência da formação de indivíduos capazes de apropriarse da leitura e da escrita fazendo efetivo uso desses recursos em sua vida em sociedade. No fim da década de 80 começou a ganhar força a proposta que consiste em fazer uso das habilidades de ler e escrever em práticas sociais respondendo às exigências da sociedade. Tal exigência deu força à proposta do letramento. Segundo Soares ... O letramento é muito mais que a alfabetização... É um estado, uma condição: o estado ou condição de quem interage com diferentes portadores de leitura e de escrita, com diferentes gêneros e tipos de leitura e de escrita, com as diferentes funções que a leitura e a escrita desempenham na nossa vida. Enfim: letramento é o estado ou condição de quem se envolve nas numerosas e variadas práticas sociais de leitura e de escrita. (SOARES, 2006, p. 44).

33


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Importante ressaltar que uma ação não exclui a outra, ou seja, o trabalho com a construção da escrita não deverá anular a importância do contato com os mecanismos técnicos da escrita. Devemos alfabetizar letrando, que seria ensinar a leitura e a escrita de forma contextualizada, promovendo contato com as práticas sociais que envolvem esses atos. Ao trabalhar o letramento propiciamos à criança o contato com vários gêneros e suportes textuais de circulação social. Desta maneira a criança se alfabetiza em contato com textos que ela utiliza ou utilizará para compreender, fazer e agir em sociedade. Para tanto a exclusividade que se dá aos contos será deixada de lado e o professor lançará mão da exploração, leitura e produção de receitas, artigos, crônicas, poesias, notícias, bilhetes, convites e outros textos que fazem parte da leitura e escrita em sociedade. O indivíduo letrado não domina apenas a decifração do código, não apenas sabe ler e escrever, mas sabe usar de maneira competente e freqüente a leitura e a escrita. Paulo Freire afirma que “na verdade, o domínio sobre os signos linguísticos escritos, mesmo pela criança que se alfabetiza, pressupõe uma experiência social que o precede – a da ‘leitura’ do mundo” o que denomina-se letramento. (Freire, 1984) A respeito do Alfabetizar Letrando Magda Soares alerta:

“Alfabetize letrando sem descuidar da especificidade do processo de alfabetização, especificidade é ensinar a criança e ela aprender. O aluno precisa entender a tecnologia da alfabetização. Há convenções que precisam ser ensinadas e aprendidas, trata-se de um sistema de convenções com bastante complexidade. O estudante (além de decodificar letras e palavras) precisa aprender toda uma tecnologia muito complicada: como segurar o lápis, escrever de cima pra baixo e da esquerda para a direita; escrever numa linha horizontal, sem subir ou descer. São convenções que os adultos letrados acham óbvias, mas que são difíceis para as crianças. E no caso dos professores dos ciclos mais avançados do ensino fundamental, é importante cuidar do letramento em cada área específica.” (SOARES, 2003).

Quando não dissociados, alfabetização e letramento promovem a socialização do indivíduo uma vez que, possibilitam o estabelecimento de novos tipos de trocas simbólicas e proporcionam o exercício consciente da cidadania. Nosso caminho deverá ser a busca da apropriação do sistema alfabético-ortográfico, conciliando alfabetização e letramento, fazendo uso da prática construtivista. Pensemos aqui o construtivismo como forma de conceber o conhecimento. Concepção que se dá através de uma elaboração de hipóteses. É a produção do saber pelo aluno, com intervenções conscientes da importância de respeitar o limite e o potencial da criança. As propostas pautadas no construtivismo propõem um olhar que contemple a aprendizagem significativa. Essa linha de ação pedagógica, tira o foco do método e direciona atenção ao processo de aprendizagem da criança que se alfabetiza, rejeitando práticas que contemplem a transmissão de conceitos. Sob a ótica Construtivista os educandos são protagonistas do seu conhecimento, da sua aprendizagem. Os conteúdos não são segmentados e vazios, não se parte do menor para o maior, do mais simples para o mais complexo. A aprendizagem é vista em sua totalidade. Não existe hora certa ou errada para se aprender o que deseja e necessita. O sujeito faz parte de uma construção que não se dá sozinha e no vazio, mas a partir de situações nas quais ele possa agir sobre o objeto de seu conhecimento, pensar sobre ele, formular suas hipóteses e sua forma de aprender, tudo isso, é claro recebendo ajuda, sendo desafiado a refletir, interagindo com outras pessoas que serão seus colegas, sua família e, sem dúvida, o professor.

34

Ao contrário do que se pensa, a figura do professor é fundamental na teoria Construtivista. O que ocorre não é a eliminação do papel do professor, porém uma ressignificação de seu papel, uma nova postura por parte destes profissionais.


PARTE II

Através destas abordagens de ensinar e aprender o professor alfabetizador necessita ter uma atitude investigativa, conhecimento intelectual, senso crítico, sensibilidade às mudanças do mundo combinada com iniciativa para torná-las significativas aos olhos dos alunos e flexibilidade para aceitar a si mesmo em processo de mudança contínua. Ele precisa dar mais de si e precisa estar o tempo todo se renovando, para sustentar uma relação com os alunos que não se baseia na autoridade, mas na qualidade. A partir dessa nova forma de pensar e fazer Alfabetização esse processo não se resume apenas na aquisição das habilidades mecânicas (codificação e decodificação) do ato de ler, mas na capacidade de interpretar, compreender, criticar, ressignificar e produzir conhecimento. Todas essas capacidades, citadas anteriormente, só serão concretizadas se os alunos tiverem acesso a todos os tipos de portadores de textos. O aluno precisa encontrar os usos sociais da leitura e da escrita. A alfabetização envolve também o desenvolvimento de novas formas de compreensão e uso da linguagem de uma maneira geral. Para tanto, devemos observar: o contato irrestrito com textos escritos, a formulação de hipóteses, o prazer no ato de escrever, as práticas sociais de leitura (observando os aspectos lingüísticos e fonológicos da alfabetização), a observância aos aspectos psicomotores, as relações entre consoantes e vogais, estratégias sistemáticas de intervenção, avaliação diagnóstica e contínua e auto-avaliação, acesso ao ambiente alfabetizador para que no contato constante com a escrita (registro de rotinas, uso de etiquetas, etc.) a criança perceba para que serve a escrita, a consciência fonológica, entre outros. Ainda privilegiando a construção do conhecimento, propusemos a o trabalho com projetos por acreditarmos que os projetos de trabalho possibilitam unidade na ação pedagógica. Isso pode garantir a contextualização do ensino, a familiarização do aluno com a cultura escrita e uma prática interdisciplinar. Envolvendo e possibilitando o ensino da Matemática, da história, da Geografia e de Ciências, também com abordagem construtivista. Para a efetivação da metodologia construtivista que é base fundamental de nossa proposta, além dos aspectos supracitados, não se deve abrir mão de: • Rotina; • Cantos do saber; • Atividades de música e psicomotricidade; • Avaliação diagnóstica; • Registro do nível de escrita mensal; • Intervenções no diversificado de acordo com os resultados da avaliação diagnóstica e da análise do nível de escrita; • Atividade diversificada todos os dias; • Contextualização da sistematização da escrita e questões gramaticais; • Leitura de histórias e textos variados com reconto, comentários, reescrita, escrita de novos textos; • Exploração da função e características do texto; • Interpretação oral e/ou escrita de informações explícitas e implícitas no texto; • Produções coletivas de frases, lista de palavras, textos... ; • Músicas e jogos cantados; • Atividades de consciência fonológica; • Momentos de oralidade; • Brincadeiras e jogos que trabalhem o corpo (coordenação ampla e fina);

35


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

• Trabalho com todo o alfabeto (grafemas e fonemas); • Trabalho com escrita espontânea; • Escrita dirigida: com observação e “correção/revisão” realizada com o próprio aluno através da comparação e da leitura; • Jogos (grupais, de tabuleiro, em duplas, individuais, cantados...); • Jogos específicos de Alfabetização; • Exploração de material concreto para atividades de Matemática; • Projeto; • Relatório; • Portfólio. Ressaltamos ainda que devemos evitar a polarização entre caminhos exclusivos como: alfabetização ou letramento, construção da escrita (aspectos psicológicos) ou sistematização da escrita, etc. Por isso, a prática pedagógica deverá ser bem planejada, pensada em consonância com a prática construtivista visando a efetivação de uma alfabetização mais humana, contextualizada e eficaz.

4.3.  3ª Série/4º Ano e 4ª Série/5º Ano do Ensino Fundamental Estamos vivendo tempos de mudanças radicais, velozes e significativas, cujos efeitos se fazem sentir em todos os aspectos da vida humana. E, como não poderia deixar de ser, seus efeitos se fazem sentir na educação. Para acompanhar seu tempo e ter uma educação de qualidade, faz-se necessário rever a prática docente. A educação também precisa viver uma revolução capaz de promover uma aprendizagem condizente com a explosão em tecnologia, em informações em conhecimento e em comunicação. Portanto, ao final de 2009, a equipe do departamento pedagógico realizou um diagnóstico junto aos docentes do primeiro segmento do Ensino Fundamental desta Rede de Ensino, sendo apontados como os maiores entraves as dificuldades relacionadas à leitura, interpretação, escrita e resolução de problemas, envolvendo as operações básicas, como também as questões disciplinares, ressaltando a falta de interesse dos alunos, somada as necessidades de integração da escola com a família, justificando a necessidade urgente de melhorar o desempenho dos alunos, traçar ações preventivas, visando diminuir o índice de repetência. Oferecendo uma educação em que o aluno possa participar do planejamento, envolvendo a família e oportunizando o desenvolvimento da independência e da autonomia. Com base nos resultados acima citados, iniciamos uma reflexão sobre a metodologia aplicada nas turmas de 2ª série/ 3º ano a 4ª série/5º ano do Ensino Fundamental, junto à equipe técnica pedagógica. Entendendo que tal metodologia já não atende às necessidades para o desenvolvimento dos alunos. Pautado no seminário de Educação que acabara de acontecer em Passa Vinte, no qual professores e professoras, oriundos deste município, participaram em um número significativo das palestras, cujos temas, em sua maioria, focaram a prática pedagógica docente, fomos levados a refletir sobre as necessidades urgentes de termos uma proposta que atenda às necessidades dos alunos. Ainda em 2009, definimos que traríamos a metodologia da Educação infantil e Ciclo Básico de Alfabetização, para as séries/anos. Desta forma, entendemos que o primeiro segmento do Ensino Fundamental estaria também contemplado com a Proposta Pedagógica que visa a resgatar o interesse e o incentivo a pesquisas.

36


PARTE II

Portanto, completar o ciclo de alfabetização implica em considerar ultrapassando o seu momento inicial da alfabetização, tendo compreendido que a escrita é um sistema de representação e aprendido a sua lógica. Uma vez adquirido esse conhecimento, a criança já é capaz de ler com compreensão e expressar através de textos, que apesar de escritos de forma alfabética, transmitem seu pensamento. Ou seja, ela já adquiriu o domínio da escrita e desenvolveu sua capacidade de ler. A partir da 3ª série/4º ano, o processo de alfabetização avança no sentido da aquisição de escrita ortográfica e do aprimoramento do processo com a compreensão das regras normativas desse sistema, resultante da prática de ler e escrever em situações de uso social. Neste sentido, num processo de continuidade, propõe-se uma ampliação e aprofundamento da aprendizagem adquirida até antão caminhando em direção à formação de sujeitos leitores e escritores. Esse processo deve acontecer de forma contínua e gradativa, buscando elementos que possam enriquecer, elevando o nível cultural dos educando, oferecendo a eles a acessibilidade aos diferentes textos, contendo informações significativas e de interesse dos mesmos. Para tanto, a pratica escolar e conseqüentemente, a prática docente, deverá criar condições necessárias e suficientes para que essa aprendizagem ocorra da melhor forma possível. O educando, neste processo, já se encontra com outro potencial, pois seu momento histórico social, seu grupo e ele próprio, enquanto sujeito, está em constante processo de transformação e formação. Nesta perspectiva, o trabalho desenvolvido neste segmento ajudará o educando a compreender, sistematizar e utilizar a escrita como recursos de coesão e coerência do texto, sem perder, neste processo, sua criatividade e espontaneidade de expressão. Sendo assim, esse aluno que já carrega em seu discurso regras básicas e usualmente aceitas pelo grupo social do qual faz parte, vai gradativamente percebendo que algumas dessas regras junto a outras estão organizadas num contexto maior que sustenta um discurso mais formal e normativo.

4.3.1.  Metas da 3ª série/4ºano a 4ª Série/5ºAno As séries/anos finais do primeiro segmento do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Quatis traz também como meta a formação da cidadania. Para tanto, precisa contemplar a construção crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos, tomar decisões coletivas, como também desenvolver o conhecimento ajustado de si mesmo e o sentimento de confiança em suas capacidades afetiva, física, ética e cognitiva. Saber e utilizar diferente linguagem verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal, como meio para produzir, expressar e comunicar suas idéias, utilizando diferentes fontes de informação e recurso tecnológicos para adquirir e construir conhecimento.

4.3.2.  Orientações Metodológicas Numa concepção de Educação que tem como finalidade a formação integral do ser humano, o conhecimento não pode ser visto de forma fragmentada. É necessário que se busque refletir sobre o conhecimento como um todo e promover meios de acesso do educando à forma como eles circulam no meio social. Para atender às necessidades dos alunos que queremos formar, preparados para os desafios da vida atual, criativos,

37


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

conscientes, independentes e autônomos, optamos por uma nova proposta metodológica, fundamentada em estudos e pesquisas realizadas junto à comunidade escolar que a apontaram como a mais adequada. Portanto, o Projeto de Trabalho passa a fazer parte da pratica pedagógica nos anos finais do 1º segmento do Ensino Fundamental. Oferecendo ao educando situações reais e concretas, contextualizadas que interessem de fato aos alunos. Compreender a situação problema é o objetivo do projeto. As ações e os conhecimentos necessários para a compreensão são discutidos e planejados entre o professor e o educando. Todos têm tarefas e responsabilidades. A aprendizagem se dá durante o processo e não envolve apenas conteúdos, pois os mesmos passam a ser significativos de forma contextualizada e acessíveis. O Projeto de trabalho oportuniza o aluno aprender a fazer planejamentos com propósitos de transformar uma idéia em realidade. Analisar dados, considerar situações e tomar decisões. Aprendendo a conviver, a negociar, a se posicionar, buscar e selecionar informações e realizar os devidos registros. Oferecer também aos alunos a oportunidade de integração e trocas entre eles nos momentos do trabalho com as Atividades Diversificadas de Livre Escolha. O desenvolvimento da construção da independência e autonomia nas suas escolhas, ao realizarem as atividades propostas. Oferecer aos alunos a oportunidade de orientações nos pequenos grupos, atendendo às necessidades individuais, de acordo com as peculiaridades e respeitando o ritmo do desenvolvimento de cada educando. Como também, os momentos de oralidade nas rodas de conversas se fazem necessários para o desenvolvimento da autonomia, oferecendo segurança aos alunos ao posicionar mediante aos assuntos abordados em sala, dando-lhes a oportunidade de opinar, de dar sugestões para as atividades relacionadas aos projetos, contribuindo com o planejamento e também refletir sobre o momento de avaliação ao final de cada aula ou atividades executadas, de acordo com a necessidade do momento. Com a organização do Portfólio, os alunos fazem a análise do seu próprio desenvolvimento, possibilitando uma reflexão crítica de suas atividades, sendo “seduzido” a aprimorar suas produções e buscar alternativas para suas próprias dificuldades.

4.4.  5ª série/6º ano a 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental De acordo com a LDB 9394/96, onde podemos destacar o Artigo 1º “A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais.”, ressaltando assim a suma importância que a educação tem na formação de um indivíduo. Nesse segmento de ensino, os alunos precisam ser oportunizados a desenvolver habilidades como: • Questionar a realidade, formulando problemas e tratando de resolvê-los, utilizando para isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos e verificando sua adequação; • Desenvolver o conhecimento ajustado de si mesmo e o sentimento de confiança em suas capacidades afetiva, física, cognitiva, ética, estética, de inter-relação pessoal e de inserção social, para agir com perseverança na busca de conhecimento e no exercício da cidadania; • Utilizar as diferentes linguagens – verbal, musical, matemática, gráfica, plástica e corporal – como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação;

38

• Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas;


PARTE II

• Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação, baseada em diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia, ou outras características individuais e sociais; • Saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos.

4.4.1.  Meta As séries finais do Ensino Fundamental visam ao preparo para o exercício da cidadania, bem como para o mercado de trabalho e estudos posteriores, como relata na LDB 9394/96 em seu Artigo 1º - § 2º “A educação escolar deverá vincular-se ao mundo de trabalho e à prática social.” Precisa questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolvê-los, utilizando para isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos e verificando sua adequação.

4.4.2.  Orientação Metodológica Partir de uma prática de ensino que contemple o indivíduo como um todo, com competências e habilidades, é necessário e emergencial. Por isso destacamos a aprendizagem significativa como foco para esse e para qualquer segmento de ensino, onde uma aprendizagem significativa está relacionada à possibilidade de os alunos aprenderem por múltiplos caminhos e formas de inteligência, permitindo-lhes usar diversos meios e modos de exprimir seus conhecimentos. Para ser significativa, precisa estar atrelada ao indivíduo como um todo, buscando seu conhecimento prévio e valorizando suas experiências. Nessa perspectiva também ressaltamos a necessidade da interdisciplinaridade e da transversalidade. A interdisciplinaridade corresponde a necessidade de se superar a visão fragmentadora da produção de conhecimento entre as disciplinas, como também de articular e produzir coerência entre os múltiplos fragmentos que estão postos no acervo de conhecimentos da humanidade. A transversalidade pressupõe um tratamento integrado das áreas e um compromisso com as relações interpessoais no âmbito da escola, pois os valores que se quer transmitir, os experimentados na vivência escolar e a coerência entre eles, devem ser claros para desenvolver a capacidade dos alunos de intervir na realidade e transformá-la, tendo essa capacidade relação direta com o conhecimento acumulado pela humanidade. Na transversalidade, os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental preveem seis Temas Transversais a serem trabalhados durante todo o processo de ensino / aprendizagem: Ética, Meio Ambiente, Saúde, Trabalho e Consumo, Orientação Sexual e Pluralidade Cultural. A transversalidade e a interdisciplinaridade são modos de se trabalhar o conhecimento que buscam uma reintegração de aspectos que ficaram isolados uns dos outros pelo tratamento disciplinar. Com isso, busca-se conseguir uma visão mais ampla e adequada da realidade, que tantas vezes aparece fragmentada pelos meios de que dispomos para conhecê-la e não porque o seja em si mesma, como diz Paulo Freire:

39


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

“Quer dizer, mais do que um ser no mundo, o ser humano se tornou uma Presença no mundo, com o mundo e com os outros. Presença que, reconhecendo a outra presença como um “não eu” se reconhece como “si própria”. Presença que se pensa a si mesma, que se sabe presença, que intervém, que transforma, que fala do que faz, mas também do que sonha, que constata, compara, avalia, valora, que decide, que rompe. E é no domínio da decisão, da avaliação, da liberdade, da ruptura, da opção, que se instaura a necessidade da ética e se impõe a responsabilidade.” (1996, p.18)

4.5.  Educação de Jovens e Adultos (EJA) A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é uma modalidade de ensino regulamentada pelo artigo nº 37 da Lei de Diretrizes e Bases da educação e abrange as etapas do Ensino Fundamental e Médio. A história da EJA no Brasil está ligada à história da educação popular em geral, sendo considerada como parte integrante da problemática mais ampla da educação, uma vez que atende a jovens e adultos que não completaram os estudos, ou não tiveram acesso à educação em idade regular, na maioria das vezes por fatores de ordem social, como a necessidade de trabalho e participação na renda familiar, desde a infância, drogas, gravidez na adolescência e fracasso escolar. Desta forma, a educação de jovens e adultos deve ser pensada como um modelo pedagógico próprio, com o objetivo de criar situações de ensino-aprendizagem adequadas às necessidades educacionais de jovens e adultos, englobando as três funções: a reparadora, a equalizadora e a permanente, citadas no Parecer 11/00 da CEB/CNE. Segundo o Parecer, a função reparadora significa a entrada no circuito dos direitos civis pela restauração de um direito negado: o direito a uma escola de qualidade e o reconhecimento de igualdade de todo e qualquer ser humano. A função equalizadora dará cobertura a trabalhadores e a tantos outros segmentos da sociedade, possibilitando–lhes a reentrada no sistema educacional. Finalmente, a educação de jovens e adultos deve ser vista como uma promessa de qualificação de vida para todos, propiciando a atualização de conhecimentos por toda a vida. Isto é, a função permanente da Educação de Jovens e Adultos.

4.5.1.  Metas da Educação de Jovens e Adultos Garantir a oferta e permanência de todos os alunos, a partir dos 15 anos de idade, que não concluíram o Ensino Fundamental, ou Médio e também àqueles que não tiveram acesso à educação, oferecendo-lhes um ensino de qualidade com práticas pedagógicas diferenciadas, visando a combater o analfabetismo e a evasão escolar. Garantir ao aluno o acesso ao conhecimento de forma organizada, sistemática e intencional, propiciando sua inserção no mundo do trabalho e a efetivação de sua cidadania com autonomia e dignidade

4.5.2.  Orientações Metodológicas

40

Visando à transformação necessária, com o objetivo de cumprir de maneira satisfatória suas funções, a Educação de Jovens e Adultos necessita de mudanças significativas. De acordo com os Parâmetros Curriculares


PARTE II

Nacionais para a concretização de uma prática administrativa e pedagógica, verdadeiramente voltada para o cidadão, é necessário que o processo de ensino-aprendizagem, na Educação de Jovens e Adultos seja coerente com: • Os Princípios Éticos de Autonomia, Responsabilidade, Solidariedade e Respeito ao bem comum; • Os Princípios Políticos dos Direitos e Deveres de Cidadania, do exercício da Criticidade e do respeito à Ordem Democrática; • Os Princípios Estéticos de Sensibilidade, da Criatividade e da diversidade de Manifestações Artísticas e Culturais. Pensando em tais princípios e nos ideais de cidadania, surge a necessidade de formular uma proposta de EJA que propicie ao educando a autonomia intelectual, para que este aprenda e continue aprendendo no decorrer de sua vivência em sociedade. Uma proposta capaz de desenvolver o pensamento crítico de maneira a levar o educando a refletir e agir sobre a realidade social, política e cultural. A prática pedagógica na EJA deve estar voltada para o desenvolvimento e domínio de competências e habilidade necessárias para o exercício da cidadania e para o mundo do trabalho. Portanto, a teoria deve estar atrelada à prática, propiciando condições de reflexão/ação e construção do conhecimento prático. Cabe lembrar que não há construção de conhecimento prático se este não estiver fundamentado no princípio pedagógico da interdisciplinaridade, uma vez que tal princípio pressupõe que todo conhecimento mantém um diálogo permanente com outros conhecimentos e que o aluno deverá ter desenvolvida sua capacidade de perceber essa relação entre os vários conhecimentos, entendendo as disciplinas como partes das áreas de conhecimentos que se relacionam entre si, propiciando uma compreensão mais ampla da realidade.

5.  Prática Educativa 5.1.  Na Educação Infantil à 4ª série/5º Ano do Ensino Fundamental As funções do educador, em todos os níveis de ensino, vêm passando por profundas reformulações. Há necessidade de formação contínua e abrangente. O educador precisa ter competência polivalente, refletir frequentemente com seus pares, dialogar com as famílias e a comunidade, debater e trocar experiências, buscar as informações necessárias para o seu trabalho, fazer com que seja parte de sua rotina a observação, o registro, o planejamento e a avaliação. As atividades e rotinas têm a finalidade de atender às necessidades de cada série e são momentos indispensáveis para a qualidade do trabalho educativo. O trabalho pedagógico visa o desenvolvimento e a autonomia dos alunos, para tanto a ação educativa deve viabilizar vivências diárias, através de um ambiente favorável às atividades que contribuam para que se sintam seguros dentro do tempo e espaço. A rotina oportuniza a organização de pensamento em função do planejamento das atividades e de diversos objetivos que são trabalhados, no entanto as atividades não podem ser mecanicamente realizadas, devem ser suplementadas com diferentes músicas, debates, leituras, conversas, técnicas de ensino e posturas didáticas. A música deve fazer parte de vários momentos da escola, seja na entrada, durante o banho, na recreação, na aprendizagem sistemática da leitura e escrita, dos conteúdos, entre outros que julgarem necessário, já que a música é uma forma de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos. É uma das formas mais

41


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

importantes da expressão humana, o que por si só, já justifica sua presença no contexto escolar, mas além disso, a música motiva, alegra, acalma, estimula e ajuda a atingir muitos objetivos das diferentes modalidades de ensino. A estimulação é um caminho que leva à aprendizagem e ao desenvolvimento global do educando, pois temos por finalidade desenvolver a criança, físico, sensorial e mentalmente, preparando-o para o aprendizado escolar em todo o decorrer de sua vida. Com a estimulação, procuramos despertar a curiosidade, o interesse pelas descobertas do mundo, estimulando a iniciativa e autonomia do educando pela busca do conhecimento, através da pesquisa e outros recursos. Estimular, numa conceituação mais simples, significa criar condições facilitadoras para o desenvolvimento integral do indivíduo. A estimulação requer uma comunicação constante, atenta e afetiva, seja com o bebê, ou com o educando de qualquer idade, ao longo do seu desenvolvimento; requer um ambiente rico em estímulos perceptivos, que ofereça contato com cores, sons, texturas variadas, textos, histórias, músicas e materiais que propiciem o desenvolvimento das habilidades, de acordo com a necessidade de cada indivíduo. O que será proposto deve ser através de atividades que proporcionem prazer aos alunos e estímulos às diferentes áreas: visual, auditiva, olfativa, gustativa, tátil, motora, cognitiva, linguagem e interação social. O brincar é essencial para a criança de qualquer idade, já que a estimula a exteriorizar o seu mundo interior. Através dos brinquedos e da imaginação, a criança vai da realidade ao faz-de-conta e vice-versa. Para tanto é preciso espaço físico adequado, tempo disponível e os brinquedos sejam imaginados ou concretos. O importante é o ato de brincar. Por isso, a necessidade de definir um tempo durante a rotina para esse fim, com momento da brincadeira livre e dirigida, mais especificamente para as turmas de Educação Infantil e CBA. Outra forma do educando exteriorizar seus sentimentos e desenvolver seus sentidos é através da arte, das técnicas utilizadas durante as aulas. Durante atividades artísticas, cada educando desenvolve auto-estima e autonomia, sentimento de empatia, capacidade de simbolizar, analisar, avaliar e fazer julgamentos e um pensamento mais flexível; também desenvolvem o senso estético e as habilidades específicas da área artística, torna-se capaz de expressar melhores idéias e sentimentos, passa a compreender as relações entre partes e todo e a entender que as artes são uma forma diferente de conhecer e interpretar o mundo. Além disso, as artes fazem parte da cultura da humanidade. Devemos oferecer conhecimentos culturais aos alunos de todas as idades. Na Educação Infantil é o início desse trabalho com artes e deve continuar ao longo dos anos escolares, nos quais poderemos perceber a evolução da percepção da arte simultaneamente ao desenvolvimento cognitivo e emocional dos nossos alunos. Nesse contexto, a hora da novidade, roda de conversa, ou da história são essenciais para o desenvolvimento da linguagem oral e estímulo a aprendizagem da linguagem escrita, desde a mais tenra idade, são momentos que devem ser planejados e orientados de forma que os alunos consigam se expressar de maneira confortável e participar de diversas maneiras, ouvindo, dramatizando, compartilhando com a professora ou monitora, analisando a escrita, letras, formatos, mensagem do texto, ou seja, realmente aprendendo valores e conceitos durante a hora da novidade e da história. O trabalho com a leitura e a escrita é indispensável em todos os segmentos, onde se trabalha o alfabeto, consciência fonológica, interpretação de diversos gêneros e outras atividades lúdicas que oportunizam o trabalho com o letramento e as funções sociais da leitura e da escrita.

42

Na matemática e em ciências devem ser trabalhados inúmeros conceitos a partir de músicas, jogos, brincadeiras, bem contextualizadas nos projetos trabalhados durante o ano. Onde a exploração de uma variedade


PARTE II

de idéias matemáticas relativas a números, medidas, geometria e noções estatísticas, de forma que o educando desenvolva o prazer, a curiosidade e conhecimentos matemáticos. Para isso, as atividades propostas devem fazer parte do contexto do mundo real, das experiências vividas pelos alunos, sem, no entanto, esquecer que a escola deve fazer o aluno ir além do que parece saber, deve tentar compreender como ele pensa e fazer as interferências no sentido de levar cada aluno a ampliar progressivamente seus conceitos matemáticos. Mas, para atingir esse propósito é necessário um trabalho bem elaborado que oportunize o uso das habilidades lógico-matemática. A ciência natural (E.I.: Natureza, Ens. Fundamental e EJA: Ciências) e social (E.I.: Sociedade, Ens. Fundamental e EJA: Estudos Sociais – Geografia e História) área que despertam grande interesse. Por ser de natureza investigativa, observável e experimentável desenvolvem habilidades que nos auxiliam a compreender e transformar o ambiente no qual estamos inseridos. Através dos projetos didáticos e do trabalho diversificado, bem planejado e realizado diariamente nas salas de aula, atingimos de forma interdisciplinar os objetivos específicos de cada série, além disso, tal metodologia atende nossa clientela e suas diversidades, priorizando a interação dos alunos na construção do próprio conhecimento ao respeitar e acompanhar as fases de seu desenvolvimento, como defende os estudos de Vygotsky e Piaget. A demanda apresentada pelas crianças do mundo atual não deixa espaço para acomodação e resistência ao novo. Dessa forma, o educador precisa ainda:

5.1.1.  Na Educação Infantil e Alfabetização • Disponibilizar diariamente materiais de leitura nas salas de aula. Ex: livros diversificados, revistas, gibis, suplementos infantis de jornais, cartelas com nome dos alunos, letras móveis, jogos com letras e palavras, produções dos próprios alunos, dicionários, entre outros; • Ler histórias para as crianças frequentemente, sempre comentando, recontando e escrevendo as histórias, inventando novas histórias a partir das histórias lidas, fazendo relação com outros textos conhecidos; • Promover diariamente atividades para a aprendizagem progressiva do funcionamento da escrita; • Elaborar atividades com as quais o educando possa conhecer e exercitar os diferentes usos da leitura e da escrita no dia-a-dia; • Desenvolver atividades que auxiliarão os alunos na compreensão de textos lidos. • Valorizar os textos elaborados pelos alunos; • Apresentar todo o alfabeto desde a Educação Infantil; • Realizar trabalho diversificado; • Utilizar jogos (inclusive alfabeto móvel) nas suas intervenções; • Montar banco de palavras para cada grafema (tesouro da turma), garantindo o trabalho com cada um dos fonemas durante o Ciclo Básico de Alfabetização; • Trabalhar a palavra como um todo e não somente a letra (ou sílaba) com a qual começa, ou termina; • Realizar atividades de escrita espontânea; • Na Educação Infantil a letra utilizada é a bastão/caixa alta e no Ciclo Básico de Alfabetização a letra script. No entanto, os alunos deverão ter contato com cartazes e textos impressos de propaganda, rótulos entre outros materiais com os outros tipos de letras. A passagem da letra script para a cursiva acontecerá no início do 3º ano/ 2ª série;

43


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

• Analisar a escrita construída pela criança, identificando sua hipótese sobre a escrita; • Contemplar no trabalho com projetos, as abordagens de todas as áreas. (Língua portuguesa, Matemática, Ciências, História e Geografia); • Contextualizar as questões gramaticais; • Utilizar textos variados.

5.1.2.  De 3ª série/4º ano e 4ª Série/5º Ano do Ensino Fundamental Devido às necessidades diagnosticadas na Rede de Ensino deste município, se faz necessário que o professor ofereça atividades que contemplem: • Leitura diária dos diversos gêneros textuais; • A qualidade da produção textual; • Produção de textos, utilizando estratégias de escrita: planejar o texto, redigir rascunhos, revisar e cuidar da apresentação; • Produção de textos, considerando o destinatário, a sua finalidade e as características do gênero; • Divisão do texto em frases por meio de recursos do sistema de pontuação: maiúsculo inicial e ponto final (exclamação, interrogação e reticência); e reunião das frases em parágrafos; • Organização das ideias, de acordo com as características textuais de cada gênero; • Utilização de recursos coesivos oferecidos pelo sistema de pontuação e pela introdução de conectivos mais adequados a linguagem escrita, expressões que marcam a temporalidade e casualidade; • Utilização da escrita como recurso de estudo: tomar nota a partir de exposição oral; compor textos coerentes a partir de trechos oriundos de diferentes fontes e fazer resumos; • Controle da legibilidade do escrito; • Utilização do dicionário e de outras fontes escritas para resolver dúvidas ortográficas; • Análise, interpretação, resolução e formulação de situações-problemas, compreendendo os significados das operações básicas; • Construção dos fatos básicos das operações, a partir de situações-problemas, para a constituição de um repertório a ser utilizado no cálculo; • Localização de pessoas, ou objetos no espaço, com base em diferentes pontos de referência e algumas indicações de posição.

5.1.3.  Rotina As atividades de rotina são aquelas que devem ser realizadas diariamente, oportunizando aos educandos o desenvolvimento e a manutenção de hábitos indispensáveis à preservação da saúde física e mental como, por exemplo, a organização, a higiene, a brincadeira, o tempo e os espaços adequados, as atitudes, as atividades do dia. É importante que o professor inicie sua aula combinando, esquematizando e registrando a agenda do dia para que os educandos tomem consciência de forma participativa dos momentos e espaços que irão compartilhar durante o período de aula.

44

No cotidiano escolar, a rotina proporciona ao educando sentimentos de segurança, confiança, senso de organização e faz com que ele possa prever o que acontecerá durante seu dia, eliminando sua ansiedade e


PARTE II

situando-o nesse universo com segurança e autonomia. Tempo e espaço ficam mais claros e melhor elaborados. Sabemos que a desorganização causa estresse não só no adulto, mas também na criança. Portanto uma rotina pré-estabelecida, que não seja inflexível, rígida, mas que seja dinâmica, combinada e organizada é uma ferramenta riquíssima para o professor. A)  Educação Infantil • Primeira Rodinha: chamadinha, calendário, registro do tempo, hora da novidade, planejamento das atividades do dia, registro em blocão, confecção de cartazes, quadro de programação...; • Trabalho diversificado (mesinhas: jogos, artes, escrita, cantos: matemática, ciências, boneca...); • Segunda Rodinha: Hora da leitura (histórias, poesias, fábulas, rótulos, entre outros gêneros textuais); • Atividade livre e dirigida (fora da sala de aula); • Terceira rodinha: avaliação da aula e planejamento para o dia seguinte. B)  Ciclo Básico de Alfabetização • Primeira Rodinha: chamadinha, calendário, registro do tempo, hora da novidade, planejamento das atividades do dia, registro em blocão, confecção de cartazes, quadro de programação...; • Trabalho diversificado (mesinhas: jogos, artes, atividades de leitura e escrita, cantos: matemática, ciências, brincadeiras...); • Hora da leitura (histórias, poesias, fábulas, rótulos, entre outros gêneros textuais); • Atividades específicas (Português, Matemática, Ciências, Estudos Sociais); • Atividade livre e dirigida (fora da sala de aula); • Terceira rodinha: avaliação da aula e planejamento para o dia seguinte. C)  3ª série e 5º ano/4ª série do Ensino Fundamental • Primeira Roda de conversas: planejamento das atividades (agenda do dia), conversas e debates iniciais, preenchimento do quadro de programação, referente ao projeto; • Trabalho diversificado com atividades variadas nos cantos (Canto da Matemática, Canto da Ciência e Canto da Leitura) e mesas de atividades, (Recorte e colagem, Técnicas artísticas, Jogo, Escrita e Produção, mesa de atividades específicas de cada disciplina), com atividades em que os alunos possam realizar com independência e uma das mesas com atividades especificas, onde a professora/professor faz as intervenções necessárias, atendendo as especificidade dos alunos em pequeno grupo ou individual; • Segunda roda: hora da leitura (histórias, poesias, fábulas, rótulos entre outros gêneros textuais); • Atividades específicas (Português, Matemática, Ciências, Estudos Sociais); • Terceira Roda: Avaliação da aula e planejamento das atividades para a aula do dia seguinte. OBS: reservar um momento de recreação dirigida, fora da sala de aula pelo menos uma vez por semana.

5.2.  5ª série/6º ano do Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos A prática pedagógica deverá estar voltada para uma aprendizagem significativa, aprendizagem esta que valorize o aluno, seu conhecimento e sua identidade cultural.

45


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Para uma aprendizagem significativa, é preciso que a construção do conhecimento aconteça através da interdisciplinaridade e da transversalidade. A transversalidade e a interdisciplinaridade são modos de trabalhar o conhecimento que buscam reintegração de procedimentos acadêmicos, que ficaram isolados uns dos outros pelo método disciplinar. Necessário se torna uma visão mais adequada e abrangente da realidade, que muitas vezes nos apresenta de maneira fragmentada. Através dessa ênfase poderemos intervir na realidade para transformá-la. Quando nos referimos aos temas transversais nos colocamos como um eixo unificador da ação educativa, em torno do qual organizam-se as disciplinas. A abordagem dos temas transversais deve se orientar pelos processos de vivência da sociedade, pelas comunidades, alunos e educadores em seu dia-a-dia. Os objetivos e conteúdos dos temas transversais devem estar inseridos em diferentes cenários de cada uma das disciplinas. Considera-se a transversalidade como o modo apropriado para a ação pedagógica destes temas. A transversalidade só tem significado dentro de uma compreensão interdisciplinar do conhecimento, sendo uma proposta didática que possibilita o tratamento de conteúdos de forma integrada em todas as áreas do conhecimento. A transversalidade e interdisciplinaridade têm como eixo educativo a proposta de uma educação comprometida com a cidadania, conforme defendem os Parâmetros Curriculares. Os temas transversais são campos férteis para a interdisciplinaridade e transdisciplinaridade em concordância com as áreas do conhecimento, pois ao usar a criatividade de maneira a preservar os conteúdos programáticos vinculam-se aos contextos, que podem ter evidência prática na vida real, social e comunitária do aluno. Convém ressaltar que a ética e a cidadania são temas que devem ser inseridos em todas as disciplinas, de maneira interdisciplinar e transdisciplinar contribuindo para a qualidade da construção de saberes e valores cognitivos, afetivos e sociais. Dentro dessa prática educativa/significativa ressaltamos também a importância da “avaliação”, onde precisamos avaliar nosso aluno como “um todo”, pois a avaliação da aprendizagem é parte integrante do Sistema de Ensino, não sendo resultado, de um ato, mas de processo continuo e se caracteriza em reunir evidências completas: habilidades, realidades e problemas do educando, por meio de situações informais, procurando entrosar os objetivos pretendidos. No conjunto do rendimento deverá ser considerado o perfil do educando, produto de uma análise conceitual geral que levará em conta: os conhecimentos feitos através de provas, testes, exercícios, trabalhos de pesquisas e atividades de caráter individual ou de grupo. A equipe pedagógica precisa acompanhar esses instrumentos de avaliação, para que os mesmos oportunizem os alunos, sendo instrumentos de formação e não de exclusão.

6.  Perfil do docente atuante Entenda-se por profissional da Educação, não somente o docente, mas todo profissional responsável pela Educação direta dos educandos com formação especializada, ou não. Há necessidade de uma formação continua e abrangente. O profissional da Educação deve ter clareza das teorias que embasam a sua prática para que suas ações não sejam contraditórias. A intenção de cada ação desse profissional deve estar compreendida, pois os alunos merecem ser alvo de uma ação educativa em que esteja claro o objetivo que se quer alcançar e a serviço de que ideologia se trabalha.

46


PARTE II

Para tanto, o educador necessita: • Ter competência polivalente; • Refletir freqüentemente sobre a sua prática; • Debater e trocar experiências com seus colegas; • Dialogar com as famílias e com a comunidade; • Buscar as informações necessárias para o seu trabalho; • Fazer com que seja parte de sua rotina: a observação, o registro, o planejamento e a avaliação; • Ser curioso e investigador.

7.  Áreas do Conhecimento 7.1.  Língua Portuguesa A língua portuguesa é a 5ª língua mais falada no mundo e a 3ª mais falada no mundo ocidental. Tem sua origem em Portugal, por isso o nome “português” dado ao idioma. São oito os países lusófonos (língua oficial): Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Timor-Leste, Cabo Verde. Possui estatuto oficial na União Européia, no MERCOSUL, na Organização dos Estados Americano, na União Africana, na Comunidade de Países de Língua Portuguesa e na Associação dos Comitês Olímpicos de Língua Oficial Portuguesa. No Brasil, para chegar ao estágio que conhecemos atualmente, nossa língua sofreu evolução histórica. E há, reconhecidamente, dois padrões: o português europeu e o português brasileiro. A língua é um patrimônio imaterial do povo. Elemento fundamental e fundador da cultura brasileira. O povo é o “dono” da língua e seu agente modificador. Historicamente, o ensino da nossa língua materna tem sido marcado pela idéia de “correção”, priorizando o ensino das regras gramaticais (da Língua Portuguesa européia), desconsiderando as variações lingüísticas relacionadas à situação comunicativa, ou o perfil sociocultural dos alunos, desprezando o fato de todos, ao ingressarem na escola, serem usuários do idioma em situações cotidianas e familiares. Sabendo que o aluno já traz para sala de aula um repertório lingüístico que lhe permite participar do convívio social, cabe ao professor de língua materna propor atividades contextualizadas que mobilizem o aluno a participar ativa e criticamente de interlocução, leitura, produção escrita e análise da língua. Portanto, a disciplina de Língua portuguesa (brasileira) tem por objetivo desenvolver as competências necessárias a uma interação autônoma e ativa nas situações de interlocução, leitura e produção de textos, Seu Ensino Fundamenta-se na concepção de linguagem como fruto de interação entre sujeitos, “processo em que os interlecutores vão construindo sentidos e significados ao longo de suas trocas linguísticas orais, ou escritas”.

Prof.ª Terezinha Cipriano Fernandes, Especialista em lingüística aplicada à Língua Materna. Professora efetiva no município desde 1996.

47


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

7.2.  Matemática “A matemática apresenta invenções tão sutis que poderão servir não só para satisfazer os curiosos como, também para auxiliar as artes e poupar trabalho aos homens.” Descartes

Em uma sociedade complexa em que vivemos, a matemática passa a ser, não apenas uma ciência, mas também uma habilidade necessária à sobrevivência. Para exercer a cidadania homens e mulheres necessitam de requisitos como saber calcular, medir, racionar, argumentar, tratar informações estatisticamente etc. Aprender a matemática é um direito básico de toda sociedade. Apesar da matemática possuir uma relação natural entre as pessoas, as coisas e os fatos, sua forma de ensinar ainda está muito distante do contexto de nossos educandos. Com a chegada dos PCN’s, esta ciência passou a viver um momento de transição, mas ainda há uma grande resistência em mudar o paradigma. As novidades chegam, contagiando a todos, mas, por um curto espaço de tempo, as chamas do novo logo se apagam, ficando apenas algumas centelhas isoladas. Portanto volta-se sempre para a prática mais freqüente do ensino da matemática, que tem sido aquele pautado em regras, memorizações, estratégias para resolver problemas, ou centrado em conteúdos pouco significativos para os alunos. No que o professor apresenta oralmente, partindo de definições, exemplos, demonstrações de propriedades, seguidos de exercícios de fixação, pressupondo que o aluno aprende pela reprodução. Esta prática de ensino tem se mostrado ineficaz, pois a reprodução correta pode ser apenas uma simples indicação de que o aluno aprendeu a reproduzir alguns procedimentos mecânicos, porém não aprendeu o conteúdo, não sabendo utilizá-lo em outros contextos. Acreditamos que, o que contribui muito com a permanência desta forma de ensino, é o fato da pedagogia, por muito tempo, ter focado o processo de ensino no professor, supondo que estaria valorizando o conhecimento. O ensino então ganhou autonomia em relação à aprendizagem, criou seus próprios métodos e o processo de aprendizagem ficou relegado ao segundo plano. Havia um homem Que aprendeu a matar dragões e deu tudo que se possuía Para aperfeiçoar na arte. Depois de três anos Ele se achava perfeitamente preparado, mas Que frustração, não encontrou oportunidade para praticar sua habilidade Como resultado ele resolveu ensinar como matar dragões. (René Thom)

A matemática deve se tornar uma disciplina útil e apreciada na escola. Mas, para que isso aconteça, fazse necessário que o ensino desta disciplina seja integrado à realidade do educando, possibilitando discussões e análise de problemas sociais, buscando possíveis soluções, tornando a matemática dinâmica, criativa e crítica. Fazer da matemática uma disciplina ativa, recuperar o lúdico e o prazer em aprendê-la, explorando a tecnologia do mundo atual, possibilitando o surgimento de uma matemática viva, de uma ciência capaz de transformar o ser e o mundo que rodeia. A atividade matemática deve propiciar a integração de forma equilibrada contemplando situações relevantes como:

48

• Desenvolver as capacidades intelectuais, propiciando a estruturação do pensamento em seu papel formativo;


PARTE II

• Cumprir seu papel funcional, com aplicações no contexto cotidiano da vida do educando e a resolução de problemas em qualquer área de conhecimento.

Diante de muitos questionamentos, observa-se em muitos professores uma tendência de defesa explícita do ensino tradicional. Algumas mudanças surgiram, trazendo novos tipos de escolas como a Progressista, Construtivista, Escola Nova e etc. Novas escolas surgiram, porém a metodologia continua baseada em aulas expositivas, métodos tradicionais, mantendo um baixo nível de interação entre educador e educando, sujeito e objetos, conhecimento e realidade. Como diz Celso Vasconcelos:

“A sala de aula é o centro da educação escolar, pois a formação básica do educando se dá neste espaço de interação entre os sujeitos e os mediadores pela realidade.” (1995:12)

Aprender, através de um sistema de reprodução, é um processo ineficaz, além de contribuir com o descontentamento do educando que já não aceita mais o dogmatismo, como também o professor que já não tem argumentos convincentes para os questionamentos dos alunos que vem aumentando a cada ano. Segundo o matemático e educador Nilson José Machado, alguns matemáticos procuram, intencionalmente, manter-se à distância de figuras geométricas, ou objetos empíricos, mantendo a dicotomia entre as duas relações, ignorando que o conhecimento científico se dá através de acúmulo de observações, experimentações e interpretações das etapas analíticas. Através das instâncias empíricas é que se chega à realidade. É natural ter o conhecimento empírico como ponto de partida para as teorias. A relação dicotômica que permeia a matemática e a realidade é coerente à sua forma de ensinar. Em qualquer aprendizagem, a aquisição de novos conhecimentos deve-se considerar os conhecimentos prévios do aluno. É primordial partir dos conceitos decorrentes de suas vivências, suas interações sociais e suas experiências pessoais, que podem enriquecer a abordagem escolar, formulando questionamentos, confrontando, possibilidades, propondo alternativas a serem consideradas. Os alunos devem ter oportunidades de contar suas histórias, expor conhecimentos informais que tem sobre os assuntos abordados, suas necessidades cotidianas, suas expectativas em relação à escola e a aprendizagem em matemática. Faz-se necessário buscar formas didáticas metodológicas na organização de um currículo que vise ao envolvimento do aluno no processo ensino/aprendizagem, propiciando a transposição do conteúdo formal para o contexto do aluno e vice versa.

“É importante destacar que a Matemática deverá ser vista pelo aluno como um conhecimento que pode favorecer o desenvolvimento do seu raciocínio, de sua sensibilidade expressiva, de sua sensibilidade estética e de sua imaginação.” (PCNs, 1997).

As idéias básicas contidas nos Parâmetros Curriculares Nacionais em matemática refletem muito mais do que uma mera mudança de conteúdos, uma mudança de filosofia de aprendizagem, como não poderia deixar de ser. Apontam para a necessidade de mudanças urgentes, não só no que ensinar, mas principalmente no como ensinar e avaliar e no como organizar as situações de ensino e aprendizagem.

49


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Portanto, a escolha pedagógica dos objetivos e conteúdos, da didática e a forma de avaliação estão intimamente ligadas à concepção do docente sobre a matemática. Além de deter um amplo conhecimento referente aos conceitos desta ciência, ainda se faz necessário identificar as suas principais características e a sua aplicabilidade. Só assim poderá desempenhar o seu papel de mediador. Entendendo a matemática dinâmica sempre aberta à incorporação de novos conhecimentos e não como um saber pautado em regras infalíveis e mutáveis. Cabe ao professor, além de deter os conhecimentos necessários para isso, compreender os obstáculos envolvidos no processo de construção de conceitos e procedimentos, além de outros aspectos relativos à aprendizagem dos alunos. De acordo com os PCN’s, as finalidades do ensino da Matemática indicam como objetivos do ensino fundamental levar o aluno a: • Identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e transformar o mundo à sua volta e perceber o caráter de jogo intelectual, característico da matemática, como aspecto que estimula o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver problemas; • Fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitativos do ponto de vista do conhecimento e estabelecer o maior número possível de relações entre eles, utilizando, para isso, o conhecimento matemático (aritmético, geométrico, métrico, algébrico, estatístico, combinatório, probabilístico); • Selecionar, organizar e produzir informações relevantes, para interpretá-las criticamente; • Resolver situações-problemas, sabendo validar estratégias e resultados, desenvolvendo formas de raciocínio e processos, como dedução, indução, intuição, analogia, estimativa e utilizando conceitos e procedimentos matemáticos, bem como instrumentos tecnológicos disponíveis; • Comunicar-se matematicamente, ou seja, descrever, representar e apresentar resultados com precisão e argumentar sobre suas conjunturas, fazendo uso da linguagem oral e estabelecendo relações entre elas e diferentes representações matemáticas; • Estabelecer conexões entre temas matemáticos de diferentes campos e entre esses temas e conhecimentos de outras áreas curriculares; • Sentir-se seguro da própria capacidade de construir conhecimentos matemáticos desenvolvendo a auto-estima e perseverança na busca de soluções; • Interagir com seus pares de forma cooperativa, trabalhando coletivamente na busca de soluções para problemas propostos, identificando aspectos consensuais, ou não na discussão de um assunto, respeitando o modo de pensar dos colegas e aprendendo com eles. Maria Aparecida Costa Carmel Pedagoga e Especialista em matemática. Orientadora Pedagógica efetiva no município desde 2004.

7.3.  Geografia O papel da Geografia na escola é criar um espaço de discussão entre alunos e professores, que pode passar de local ao global; motivando a compreensão do mundo para obter informações a seu respeito; conhecer o espaço produzido pelo ser humano e a relação da sociedade com a natureza; e fornecer aos alunos condições para sua formação para a cidadania. Segundo os PCN’s: “Adquirir conhecimentos básicos de Geografia é algo muito importante para a vida em sociedade, em particular para o desempenho das funções de cidadania: cada cidadão, ao conhecer as características sociais, culturais e naturais do lugar onde vive, bem como as de outros lugares, pode comparar,

50


PARTE II

explicar, compreender e especializar as múltiplas relações que diferentes sociedades em épocas variadas estabeleceram e estabelecem com a natureza na construção de seu espaço geográfico. Assim, percebemos que o diálogo aproxima a geografia com outras áreas de conhecimento, criando possibilidade de conhecimento onde seja possível desenvolver habilidades (ler e interpretar mapas, gráficos e tabelas), para compreender as interações entre a sociedade e a natureza ocorridas no mundo com vistas a uma atuação cidadã.

Maria Helena de Oliveira Carvalho Graduada em Geografia. Professora efetiva no município desde 1999.

7.4.  História O trabalho com os conteúdos de História que perfazem o Ensino Fundamental desde as séries iniciais até a 8ª série lida com conhecimentos de extrema sofisticação e erudição que devem ser desenvolvido com alunos em pleno desenvolvimento e maturação da estrutura neurológica e cognitiva. Somado a isto, é preciso também pensar na melhor forma de operacionalizar estes conteúdos com alunos que muitas vezes apresentam um legado cultural diferente da concepção formal de cultura presente nos livros didáticos. As operações mentais próprias desta disciplina exigem o domínio das relações de causa e efeito, noções temporais, capacidade de análise e síntese, capacidade de memória, criticidade, que pressupõe uma competência de abstração que muitos dos alunos do Ensino Fundamental ainda não dominam. Pensemos estas questões recorrendo à ideia presente na concepção de alfabetização entendida aqui como qualquer processo inicial de construção de um conhecimento. O trabalho de História nas séries iniciais do ensino fundamental e se estendendo até o final deste seguimento, deve estar ancorado neste conceito e o professor deve nortear seu fazer pedagógico sabendo que vai auxiliar seus alunos nas primeiras incursões no território das experiências de civilização da humanidade. Nesta perspectiva, tudo deve partir da experiência dos alunos, por isto falamos tanto de uma História que não fica refém do passado, desvinculada do presente, desconectada do tempo real do aluno, mas de uma História que se reconstrói cotidianamente dentro das salas de aula fazendo do aluno seu co-autor. A partir das suas vivencias no núcleo familiar, no seu bairro, na própria escola, estes alunos vão construir as primeiras noções e conceitos de ética, valores, cultura e etc. Das experiências do seu cotidiano vão depreender as primeiras noções de socialização, cidadania, responsabilidades, regras e limites como elementos presentes nas relações sociais. Ao professor cabe fazer esta relação fundamental entre a vivência do aluno e os conteúdos de História. Isto posto podemos agora partir para outras reflexões importantes sobre o ensino de História. Duas idéias que considero de fundamental importância para nos orientar no trabalho didático com esta disciplina: O problema da revalorização do ensino de História e o papel do professor como mediador entre o patrimônio cultural da humanidade e a cultura do educando. Em primeiro lugar devemos examinar o problema da revalorização do conteúdo de História. A análise da história desta disciplina no Brasil nos revela um problema constante de abordagem. Devido ao seu caráter de teor profundamente social, esta disciplina se presta muito facilmente a discursos partidários e classistas ganhando contornos panfletários se esvaziando do seu aspecto de formação crítica do aluno. No afã de possibilitar uma experiência de construção de uma consciência critica do aluno, muitos professores assumem um discurso e uma prática que não respeita a necessidade do próprio aluno ser agente desta construção. Da colônia ao Brasil atual, em vários episódios, a utilização ideológica dos conteúdos históricos foi a abordagem predominante. Como herança recente da ditadura militar e reforçado atualmente pela predominância da vi-

51


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

são neoliberal, a História viveu paulatinamente um processo de desvalorização. Paira em certos círculos de professores e estudantes de História uma visão um tanto cética com relação a este conhecimento. Discute-se o seu valor e seu potencial transformador. Tudo isto torna importante o resgate do respeito ao ensino de História. O mundo hoje exige que as reflexões de cunho humanista ampliem cada vez mais seu espaço nas escolas e em outros fóruns onde os caminhos da civilização humana estejam em pauta. Tomar para si esta tarefa exige do professor compreender-se antes de qualquer coisa, como cidadão consciente da importância social do exercício do magistério. A partir desta reflexão fazemos a ponte para a segunda: o papel do professor como mediador da relação que o aluno precisa estabelecer entre o patrimônio cultural da humanidade e sua cultura. Como mediador, o professor tem que se sentir sujeito da história tanto quanto ele espera que seus alunos se sintam. Para tal, este educador precisa estar atento ao mundo em que vive. Dedicar-se as experiências culturais e políticas do seu tempo, da sua sociedade é para o professor que leciona História uma exigência que vai refletir no seu desempenho de forma objetiva: a riqueza ou miséria das experiências em sala de aula vão refletir sempre as experiências do professor que conduz o processo didático. Finalmente, o professor ao lidar com os conhecimentos da ciência histórica deverá ter em mente aquilo que a meu ver é essencial na abordagem desta disciplina: o interesse do educando por este conhecimento passa pela descoberta dele como ser histórico. O sentimento de pertença deste aluno em relação ao planeta tanto quanto em relação a sua localidade é o que o faz desejar este conhecimento e daí se desdobra uma série de compreensões e desejos que serão determinantes na relação deste aluno com a sua história local e universal. Só desejamos conhecer aquilo que nos desperta sentimentos.

Márcio Nunes de Souza, Especialista em docência do Ensino Superior Professor efetivo do município desde 1996.

7.5.  Ciências Mostrar a Ciência como um conhecimento que colabora para a compreensão do mundo e suas transformações, para reconhecer o homem como parte do universo e como indivíduo, é a meta que se propõe para a área no ensino fundamental. A apropriação de seus conceitos e procedimentos pode contribuir para o questionamento do que se vê e ouve, para a ampliação das explicações acerca dos fenômenos da natureza, para a compreensão e valorização dos modos de intervir na natureza e de utilizar seus recursos, para a compreensão dos recursos tecnológicos que realizam essas mediações, para a reflexão sobre questões éticas implícitas nas relações entre Ciência, Sociedade e Tecnologia. Apesar da maioria da população fazer uso e conviver com incontáveis produtos científicos e tecnológicos, os indivíduos pouco refletem sobre os processos envolvidos na sua criação, produção e distribuição, tornando-se assim indivíduos que, pela falta de informação não exercem opções autônomas, subordinando-se às regras do mercado e dos meios de comunicação, o que impede o exercício da cidadania crítica e consciente. O aprendizado de Ciências é proposto de forma a propiciar aos alunos o desenvolvimento de uma compreensão de mundo que lhes dê condições de continuamente colher e processar informações, desenvolver sua comunicação, avaliar situações, tomar decisões, ter atuação positiva e crítica em seu meio social.

52

Para isso, o desenvolvimento de atitudes e valores é tão essencial quanto o aprendizado de conceitos e de procedimentos. Nesse sentido, é responsabilidade da escola e do professor promoverem o questionamento, o debate, a investigação, visando ao entendimento da Ciência como construção histórica e como saber prático, superando as limitações do ensino passivo, fundado na memorização de definições e de classificações sem qualquer sentido para o aluno.


PARTE II

O ensino de Ciências também é um espaço privilegiado em que as diferentes explicações sobre o mundo, os fenômenos da natureza e as transformações produzidas pelo homem podem ser expostos e comparados. É espaço de expressão das explicações espontâneas dos alunos e daquelas oriundas de vários sistemas explicativos. Contrapor e avaliar diferentes explicações favorece o desenvolvimento de postura reflexiva, crítica, questionadora e investigativa, de não-aceitação a priori de ideias e informações. Possibilita a percepção dos limites de cada modelo explicativo, inclusive dos modelos científicos, colaborando para a construção da autonomia de pensamento e ação.

7.6.  Arte Arte (do latim ars, O Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, segunda edição), em duas de suas definições da palavra arte assim se expressa: “atividade que supõe a criação de sensações ou de estados de espírito, de caráter estético, carregados de vivência pessoal e profunda, podendo suscitar em outrem o desejo de prolongamento ou renovação”...; “a capacidade criadora do artista de expressar ou transmitir tais sensações ou sentimentos....” A arte é uma das manifestações que acompanha o homem desde a antiguidade mais remota. Na Grécia Arcaica, antes do surgimento da filosofia e de outros modos de conhecimento, a arte já era parte fundamental na educação. No modelo de educação que os gregos da antiguidade praticavam, pode-se reconhecer a importância das três dimensões humanas no processo de formação dos homens, sendo elas: a dimensão epistêmica (conhecimento), dimensão ética (moral) e a dimensão estética (beleza e arte). Bem como no período do classicismo moderno dos séculos XVII e XVIII de nossa era, buscando indicar de que modo as rupturas mais profundas ocorridas nesse momento da Revolução Industrial influenciam de modo definitivo na arte. A Arte tem como meta contribuir na reconstituição do homem em suas três dimensões; ética, estética e epistêmica, dando ao ser humano um sentido mais pleno em sua existência. A arte representou, no principio das civilizações, mais precisamente com os gregos no Período Arcaico, a essência de uma virtude. O homem é o único ente, entre os demais entes, que se propõe a questão do ser. E é na arte que ele responde, na sua forma primeira, a essa questão. A arte, então, manifesta o espírito de liberdade e de criação fundamental do ser do homem. Ela é primeira em relação à verdade. Significa que a verdade já sempre se antecipa na arte. Mais radicalmente ainda, a dimensão epistêmica é segunda em relação à dimensão estética no ser do homem. Educar o homem apenas na dimensão epistêmica é torná-lo cego e surdo aos apelos mais fundamentais do ser. Com isso tem-se uma dimensão ética completamente falseada, pois baseada numa ilusão racionalista da verdade.A Arte é apresentada como área de conhecimento que requer espaço e constância, como todas as áreas do currículo escolar. O aluno aprende com mais sentido para si mesmo, quando estabelece relações entre seus trabalhos artísticos individuais, em grupos, e a produção social de arte, assimilando e percebendo correlações entre o que faz na escola e o que é e foi realizado pelos artistas na sociedade no âmbito local, regional, nacional e internacional. Aprender Arte envolve, além do desenvolvimento das atividades artísticas e estéticas, apreciar arte e situar a produção social da arte de todas as épocas nas diversas culturas. Noêmia Maria Barbosa Especialista em Arte. Professora efetiva do município desde 2007.

53


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

7.7.  Filosofia A proposta pedagógica de Filosofia contribui para a formação de um cidadão consciente e crítico no seu contexto histórico-social, por intermédio da apropriação de um conhecimento global. Nesse sentido, usando a análise, a Filosofia procura aguçar e desenvolver no educando a capacidade de perceber a lógica e a ética das relações humanas e destas com a natureza. Sem dúvida, nós seres humanos, por um motivo ou por outro, independentemente da idade, do sexo ou do lugar onde nascemos, já nos pegamos perguntando: por que a vida é assim? Por que uns nascem tão ricos e outros tão pobres? Por que existem as guerras? Afinal, uma máquina pode pensar? Será que o nosso destino depende realmente da sorte? Por que nascemos em determinados lugares ou em certas famílias? De fato, esses não são pensamentos originais ou raros. Ao contrário, muito mais do que imaginamos, pessoas comuns, de todas as idades, inclusive crianças, mais cedo ou mais tarde, de uma maneira ou de outra, por esse ou por aquele motivo, fazem a si mesmas algumas dessas perguntas. Geralmente, quando nos sentimos incomodados, inquietos, indecisos, preocupados com nosso futuro, sozinhos ou mesmos nos sentindo impotentes diante de alguma situação, nos colocamos a pensar e a questionar nossas concepções sobre a vida, sobre a morte, sobre os sentidos de nossas existências, sobre a natureza etc. Alguns arriscam até a “filosofar”, isto é, arriscam a buscar e a correlacionar ideias que possam de alguma forma responder aos anseios e angústias provocados pelo “não saber”, pela fragilidade de nossas certezas e, principalmente, pelas limitações do conhecimento humano. Vale ressaltar que é justamente esse “não-saber”, essa inquietude, esse incômodo que pode nos levar a busca pelo saber, isto é, pela busca da sabedoria. De origem grega, a palavra Filosofia é composta de filo (philia, amizade) e por Sofia (sophia, sabedoria) e, por definição, designa a afinidade e a amizade pela sabedoria. A primeira experiência com o “ato de filosofar” de que temos conhecimento deu-se na Grécia Antiga. Com o nascimento da polis, as cidades-estados gregas passam a expandir poder político, econômico e cultural para outras civilizações, o que permitiu o desenvolvimento de aspectos importantes da cultura, das formas de governo, da participação popular, influenciando o desenvolvimento intelectual e permitindo que surgissem os problemas reais sobre a existência do cosmo (os gregos chamavam o mundo de cosmos, que significa ordem, beleza, harmonia em oposição ao caos, a desordem de quando ainda não havia sido criado o mundo. É aí que aparece a figura do filósofo, ou seja, um “amante da sabedoria”, alguém cujo objetivo é chegar à sabedoria. É por isso que o pesquisador Jean-Pierre Vernant afirmou que a “Filosofia é filha da cidade”.

José Luiz Sauka Especialista em América globalização e espaço Nacional. Professor efetivo do município desde 2009.

7.8.  Sociologia “A Sociologia possui uma vocação que poucas disciplinas possuem na área das Ciências Humanas, que é promover condições para que o educando problematize sua vida em comunidade, ou seja, sua existência real em um mundo real; questionando e ‘relativizando’ a aparente ‘verdade’ dos valores e das representações, sejam elas políticas, morais, religiosas e culturais. Comparando realidades distantes e culturalmente diferentes, exercitando um olhar distanciado e qualificado em relação ao senso comum e percebendo os fenômenos sociais, como resultado de ações, atitudes e crenças, como um problema sociológico ao qual pode dar sentido, o educando realiza um exercício intelectual que pode eventualmente produzir o desejo de intervir no mundo, em sua comunidade. Essa é a tarefa da Sociologia.” (Professora Adriana Arezzo)

54

Nascido dez anos depois da Revolução Francesa, Augusto Comte (1798=1857) é tradicionalmente considerado o pai da Sociologia. Foi ele quem pela primeira vez usou esta palavra, em 1839, em seu Curso de Filosofia Positiva.


PARTE II

Comte afirmava que a sociedade deveria ser considerada como um organismo vivo, cujas partes desempenham funções específicas que contribuem para manter o equilíbrio do todo. Ele atribuía particular importância à noção de consenso, ou seja, às ideias e crenças comuns, partilhadas por todas as pessoas de determinada sociedade, que seriam as responsáveis por manter a ordem na sociedade. Com seu ‘método positivo’ de conhecimento, Comte procurou formular as leis gerais que regem a sociedade. Mas foi com Émile Durkhein (1858=1917) que a Sociologia passou a ser considerada ‘ciência’. Durkhein formulou os primeiros conceitos da nova ciência e demonstrou que os fatos sociais têm características próprias, devendo por isso ser estudados por meio de métodos diferentes dos empregados pelas outras ciências. (Pérsio Santos de Oliveira. Introdução à Sociologia)

José Luiz Sauka Especialista em América globalização e espaço Nacional. Professor efetivo do município desde 2009.

7.9.  Inglês A aprendizagem de Língua Estrangeira é uma possibilidade de aumentar a percepção do aluno como ser humano e como cidadão. Por isso, ela vai centrar-se no engajamento discursivo do aluno, ou seja, em sua capacidade de se engajar e engajar outros no discurso, de modo a poder agir no mundo social. Para que isso seja possível é fundamental que o ensino de Língua Estrangeira seja balizado pela função social desse conhecimento na sociedade brasileira. Tal função está relacionada, principalmente, ao uso que se faz da Língua Estrangeira via leitura, embora se possam também considerar outras habilidades comunicativas, em função da especificidade de algumas línguas estrangeiras e das condições existentes no contexto escolar. Os conteúdos de Língua Estrangeira se articulam com os temas transversais, pela possibilidade que a aprendizagem de línguas traz para a compreensão das várias maneiras de se viver a experiência humana. Por ser o Inglês a língua mais falada no mundo e devido à globalização, poderá o educando mediante o aprendizado da Língua Estrangeira, interagir com outras culturas e contextualizar o que aprendeu através das mídias com os quais convive. O ensino de Língua Estrangeira Moderna viabiliza ao aluno a conexão do Inglês com filmes, músicas, roupas e termos presentes na informática e em celulares. Assim, deverá a língua propiciar este contato natural do educando com o mundo moderno, descortinando e desmistificando seus possíveis entraves e dificuldades em relacionar-se com outra língua de forma descontraída.

Robson Justo de Oliveira Graduado em Letras Professor efetivo do município desde 1996.

7.10.  Educação Física A Educação Física tem uma história de pelo menos um século e meio no mundo ocidental moderno, possui uma tradição e um saber-fazer e tem buscado a formulação de um recorte epistemológico próprio. Assim, a área de Educação Física hoje contempla múltiplos conhecimentos produzidos e usufruídos pela sociedade a respeito do corpo e do movimento. Entre eles, se consideram fundamentais as atividades culturais

55


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

de movimento com finalidades de lazer, expressão de sentimentos, afetos e emoções, e com possibilidades de promoção, recuperação e manutenção da saúde. Trata-se, então, de localizar em cada uma dessas manifestações (jogo, esporte, dança, ginástica e luta) seus benefícios fisiológicos e psicológicos e suas possibilidades de utilização como instrumentos de comunicação, expressão, lazer e cultura, e formular a partir daí as propostas para a Educação Física escolar. A prática da Educação Física na escola poderá favorecer a autonomia dos alunos para monitorar as próprias atividades, regulando o esforço, traçando metas, conhecendo as potencialidades e limitações e sabendo distinguir situações de trabalho corporal que podem ser prejudiciais. A Educação Física escolar pode sistematizar situações de ensino e aprendizagem que garantam aos alunos o acesso a conhecimentos práticos e conceituais. A Educação Física escolar deve dar oportunidades a todos os alunos para que desenvolvam suas potencialidades, de forma democrática e não seletiva, visando ao seu aprimoramento como seres humanos. Nesse sentido, cabe assinalar que os alunos portadores de deficiências físicas não podem ser privados das aulas de Educação Física. É tarefa da Educação Física escolar, portanto, garantir o acesso dos alunos às práticas da cultura corporal, contribuir para a construção de um estilo pessoal de exercê-las e oferecer instrumentos para que sejam capazes de apreciá-las criticamente.

8.  Eixos Temáticos

8.1.  Base Nacional Comum Conforme a LDB 9394/96 o currículo será composto de uma Base Nacional Comum e de uma parte diversificada.

56


PARTE II

A resolução nº 04 de 13 de julho de 2010, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Básica, em seu artigo 14, estabelece que a base nacional comum na Educação Básica constitui-se de conhecimentos, saberes e valores produzidos culturalmente, expressos nas políticas e gerados nas instituições produtoras do conhecimento cientifico e tecnológico; no mundo do trabalho; no desenvolvimento das linguagens; nas atividades desportivas e corporais; na produção artística; nas formas diversas de exercício da cidadania e nos movimentos sociais. Integram a base nacional comum: Língua Portuguesa; Matemática; O conhecimento do mundo físico, natural, da realidade social e política, especialmente do Brasil, incluindo-se o estudo da História e das Culturas Afro-Brasileira e Indígena; a Arte, em suas deferentes formas de expressão, incluindo-se a música; a Educação Física; o Ensino Religioso. A parte diversificada vem enriquecer e complementar a base nacional comum, prevendo o estudo das características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da comunidade escolar. Em Educação Infantil, além da parte diversificada, os componentes curriculares serão os definidos pelo Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil (RECNEI) que fazem parte dos eixos: Identidade e Autonomia, Movimento, Música, Artes Visuais, Linguagem Oral e Escrita, Natureza e Sociedade, Matemática.

8.1.1.  RECNEI Distribuído em 1998, pelo Governo Federal, o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - RECNEI é composto de três livros. Constitui-se de um conjunto de referências e orientações pedagógicas que visam a contribuir com a implementação de práticas educativas de qualidade que possam promover e ampliar as condições necessárias, para o exercício da cidadania das crianças brasileiras. Os conteúdos são apresentados nos diversos eixos de trabalho, organizados por blocos. Essa organização visa contemplar as dimensões essenciais de cada eixo e situar os diferentes conteúdos dentro de um contexto organizador que explicita suas especificidades relativas ao âmbito de experiência de Conhecimento de Mundo, que contém seis documentos referentes aos eixos de trabalho, orientados para a construção de diferentes linguagens pelas crianças e para as relações que estabelecem com os objetos de conhecimento: Movimento, Música, Artes Visuais, Linguagem Oral e Escrita, Natureza e Sociedade e Matemática. A organização do Referencial possui um caráter instrumental e didático, devendo os professores ter consciência, em sua prática educativa, que a construção de conhecimento se processa de maneira integrada e global e que as inter-relações entre os diferentes eixos sugeridos a serem trabalhados com as crianças. Nessa perspectiva, o Referencial é um guia de orientações que deverá servir de base para discussões entre profissionais de um mesmo sistema de ensino, ou no interior da instituição, na elaboração de projetos educativos, singulares e diversos.

−− CAMPO: Identidade, Autonomia e Sociedade O campo identidade, autonomia e sociedade abrangem a diversidade cultural e étnica da sociedade brasileira. A criança ao ingressar na Educação Infantil, traz em sua bagagem características próprias, segundo o seu contexto social, em vista da possibilidade de conviverem com outras crianças e com adultos de origem e hábitos culturais diversos, de aprender novas brincadeiras e de adquirir conhecimentos que sejam distantes de sua realidade.

57


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Objetivo Geral: Reconhecer-se como sujeito de interações sociais que estabelece relações intra e interpessoais para apropriar-se do mundo.

−− CAMPO: Corpo e Movimento O movimento é uma linguagem de importante dimensão do desenvolvimento e da cultura humana. As crianças se movimentam desde quando nascem, adquirindo progressivamente maior controle sobre seu próprio corpo e se apropriando cada vez mais das possibilidades de interação com o mundo. O que permite agirem sobre o meio físico e atuarem sobre o ambiente humano. Desde o berço, as crianças devem ser estimuladas a se movimentar, mas, não com movimentos vazios sem objetivos, e sim movimentos que envolvem a interação corporal e social. O trabalho com movimento contempla a multiplicidade das funções e manifestações do ato motor, propiciando um amplo desenvolvimento de aspectos específicos da motricidade das crianças, abrangendo uma reflexão a cerca das posturas corporais implicadas nas atividades cotidianas, bem como atividades voltadas para ampliação da cultura corporal de cada criança. Objetivo Geral: Adquirir conhecimento e o domínio sobre o próprio corpo, a expressão corporal criativa e as possibilidades de interação com o mundo.

−− CAMPO: Linguagem Artística A arte está presente no cotidiano da vida infantil. As crianças têm suas próprias impressões, ideias e interpretações sobre a sua produção e o fazer artístico. Tais construções são elaboradas a partir de suas experiências ao longo da vida, que envolvem a relação com a produção de arte, com o mundo dos objetos e com seus próprios fazeres. O fazer artístico deve iniciar-se no momento em que a criança já tem condições motoras para seu manuseio, introduzindo gradativamente os diversos materiais artísticos. O trabalho com a música deve considerar, portanto, que é um meio de expressão e forma de conhecimento acessível aos bebês e crianças, inclusive as crianças com deficiência. A linguagem musical é um excelente meio para o desenvolvimento da expressão, do equilíbrio, da autoestima e autoconhecimento, além de poderoso meio de integração social. Objetivo Geral: Propiciar a recreação do cotidiano e o desenvolvimento das percepções, da sensibilidade e da criatividade, através do uso das diferentes linguagens artísticas.

−− CAMPO: Linguagem Oral e Escrita O trabalho com a linguagem se constitui um dos eixos básicos na educação infantil, dada sua importância para a formação do sujeito, para a interação com as outras pessoas, na orientação das ações das crianças, na construção de muitos conhecimentos e no desenvolvimento do pensamento. Por meio de um trabalho oral, nas instituições de educação infantil, como a roda de conversas, onde o professor questiona o grupo ou o individuo, oferecendo a oportunidade à criança de argumentar, expressar sua opinião, contribuindo com o desenvolvimento da sua autonomia e da oralidade. Objetivo Geral: Promover experiências que favoreçam a comunicação de diferentes formas, proporcionando a inserção da criança na vida social.

58


PARTE II

−− CAMPO: Natureza e Sociedade O conhecimento sobre como a natureza se comporta e a vida se processa contribui para o aluno se posicionar com fundamentos acerca de questões bastantes polêmicas e orientar suas ações de forma mais consciente. Essa aprendizagem não ocorre num determinado ano programado, por isso, os conteúdos precisam ser trabalhados sempre, buscando rever os conhecimentos adquiridos e aprofundá-los, respeitando o nível de desenvolvimento intelectual do aluno, de maneira que ele possa operar com tais conteúdos e avançar em seus conhecimentos. Objetivo Geral: Explorar o ambiente, para que possa se relacionar com pessoas, estabelecer contato com pequenos animais, com plantas e com objetos diversos, manifestando curiosidade e interesse.

−− CAMPO: Matemática As ações exercidas no contexto escolar contribuem para a estruturação e organização do pensamento e das idéias, para a criação de caminhos e domínio das experiências vividas pela criança. O desenvolvimento desse trabalho na Educação Infantil atende as necessidades próprias e sociais da criança, que constrói conhecimento de forma de elevar o domínio do pensamento e a instrumentalizar-se na linguagem matemática, contribuindo para a inserção num mundo de grandes exigências, em que certas habilidades se fazem necessárias. Objetivo Geral: Compreender e utilizar a linguagem matemática para resolver situações-problema da vida cotidiana.

8.1.2.  PCNS – Parâmetros Curriculares Nacionais Os Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNS é um documento oficial, elaborado pelo Ministério da Educação, que traz metas, princípios e objetivos para Educação Básica. Foi elaborado para orientar na organização dos currículos escolares e na prática dos professores. Levando em conta as diferenças étnicas e culturas brasileiras, tornando-se assim, adaptável a qualquer realidade escolar. Um instrumento a ser utilizado pelo professor como norteador na organização de suas ações pedagógicas.

A orientação proposta nos PCN’s reconhece a importância da participação construtiva do aluno e, ao mesmo tempo, da intervenção do professor para a aprendizagem de conteúdos específicos que favoreçam o desenvolvimento das capacidades necessárias à formação do indivíduo. Ao contrário de uma concepção de ensino e aprendizagem como um processo que se desenvolve por etapas, em que a cada uma delas o conhecimento é acabado, o que se propõe é uma visão de complexidade e da provisoriedade do conhecimento. De um lado, porque o objeto do conhecimento é complexo de fato e reduzi-lo seria falsificá-lo; de outro, porque o processo cognitivo não acontece por justaposição, senão por reorganização do conhecimento. É também provisório, uma vez que não é possível chegar de imediato ao conhecimento correto, mas somente por aproximações sucessivas que permitem sua reconstrução. (Introdução aos PCN’s, 1997, p.44)

8.1.3.  Os Temas Transversais Os Temas Transversais surge da necessidade de trabalhar de maneira interdisciplinar questões sociais consideradas relevantes, problemáticas que a sociedade contemporânea vem enfrentando, questões sociais atu-

59


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

ais e urgentes, consideradas de abrangência nacional e até mesmo de caráter universal. Segundo tais critérios foram selecionados: Ética, Meio Ambiente, Saúde, Pluralidade Cultural, Orientação Sexual. Atribui-se o nome de transversal no intuito que se pudesse garantir que os temas não fossem contemplados por apenas uma área do conhecimento, ou que constituíssem novas áreas. Todas as áreas consideradas “convencionais” são responsabilizadas pelo acolhimento das questões trazidas pelos temas transversais. Os conteúdos e objetivos das disciplinas devem visar aos temas considerados “da convivência social”. Deste modo, é muito salientado no documento de Apresentação dos Temas Transversais que estes devem ocupar o mesmo lugar de importância que as áreas dos PCN’s.

8.2.  Cidade Educadora Cidade Educadora trata-se de uma ideia força, da proposta de um governo que trás em si um desejo de educar além da educação formal oferecida nos bancos escolares. O projeto Cidade Educadora que foi implantado em 1990 na cidade de Barcelona, já está presente em mais em 445 cidades distribuídas em 35 países. No Brasil são 14 cidades. O principal objetivo do projeto é levar todo cidadão a compreender que o espaço público também lhe pertence, e que sendo assim, cada cidadão é responsável por ele, seja como agente educador ou como educando. Cabendo a cada um a preservação e conservação.

A questão da cidade educadora deve ser entendida como uma gestão diferenciada de cidade, em que se garante aos seus habitantes, ao longo da vida e “em condições de liberdade e igualdade, os meios e oportunidades de formação, entretenimento e desenvolvimento pessoal” (Carta das Cidades Educadoras).

A ideia força de Cidade Educadora proposta como eixo para construção das Diretrizes Curriculares deste município, possui como objetivo de trabalho promover articulações necessárias que visem construir alternativas que ponham a educação básica a serviço do desenvolvimento democrático de uma Cidade Educadora, educando para família, educando para cultura, educando para o ambiente, educando para diversidade. Com base na ideia de uma Cidade Educadora e fundamentada nos princípios básicos da Educação Nacional ações são necessárias para que alcancemos nosso objetivo final. A sensibilidade de cada profissional que lida com a educação em cada fase de desenvolvimento de nossos alunos, para assim juntos proporcionarmos um ambiente cada vez mais humano, resgatando valores e virtudes necessários à construção de uma cidade educadora.

60

A Cidade Educadora nos encoraja a indagar, por exemplo, como os profissionais e agentes da saúde, médicos e enfermeiros podem incorporar uma intencionalidade educativa que evite - a partir da transmissão clara e efetiva da informação -, que uma mãe tenha que levar o seu filho ao hospital interminavelmente porque não sabe como agir para que o filho não adoeça. Como profissionais da comunicação, publicitários, jornalistas, podem usar seus conhecimentos e canais para transmitir informações sobre a cidade e sobre o mundo com qualidade, buscando contribuir para a mobilização e formação cidadã dos cidadãos. Como um policial pode assumir uma atitude de orientação e suporte à população, contribuindo para relações mais horizontais e humanas, ao invés de ter uma ação reduzida à repressão calcada no valor do poder, da verticalidade e da violência. Como os motoristas em geral, de ônibus, táxis e particulares, podem respeitar os pedestres e os usuários, conduzindo com segurança, colaborando com informações e ideias sobre a qualificação das vias, preservando vidas. Como as mães, pais, filhos e avós podem se envolver com ações nas suas comunidades, seja promovendo encontros, discussões sobre os desafios locais ou simplesmente respeitando os espaços públicos e os seus concidadãos, preservando as condições de liberdade e igualdade de todos. Como os empresários podem atuar de forma responsável social e ambientalmente, inserindo a dimensão educativa em suas atuações.


PARTE II

Como o poder público se compromete de fato com a população, privilegiando uma comunicação efetiva e interlocução clara, em que as pessoas saibam com quem falar e onde obter informações, onde a participação e o ético equilíbrio entre direitos e deveres prevaleçam. Consideramos importante que todos tenham a real dimensão do que isso significa, pois sem assumirmos compromissos com estes princípios, teremos certamente dificuldades em mudar concepções que remetem para uma nova postura em relação à Diretriz Curricular.

8.3.  Quatro Pilares da Educação Ao longo do tempo, a sociedade vem passando por transformações, sejam elas no campo tecnológico ou humano. A construção do conhecimento passa a sofrer diretamente influência de um novo modo de ver, viver e ser. A Educação, como responsável por apresentar o conhecimento deste mundo mutável e viabilizar a interação constante do indivíduo com o ambiente que o cerca, funciona como uma bússola, auxiliando a encontrar caminhos para a compreensão da realidade complexa em que se vive e intervenção para a sua mudança e melhoria. Para isso é necessária uma nova maneira de pensar em Educação e em processo ensino-aprendizagem, pois estas não se dão apenas em determinada fase da vida. Elas são contínuas, são construídas através das vivências ao longo de toda a vida, onde seja oportunizada a exploração, o aprofundamento e o enriquecimento dos conhecimentos que foram adquiridos em cada etapa. Os quatro pilares da Educação, conceitos estabelecidos por Jacques Delors na Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI, através do relatório para a UNESCO, viabilizam uma estrutura de construção de conhecimento e aprendizagem ao longo da vida que compreende a formação do indivíduo de forma global com uma visão holística de educação. Onde o foco deixa de ser apenas no aprender a conhecer e passa também a valorizar o aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser.

−− Aprender a conhecer Esta aprendizagem refere-se a aquisição do conhecimento como meio para que o homem possa compreender o mundo em que vive. Para isso são necessários processos cognitivos como raciocínio lógico, compreensão, dedução e memória. O aprender a conhecer oportuniza ao indivíduo autonomia na busca do conhecimento, conhecimento este que poderá ser o já construído socialmente, ou até mesmo um novo conhecimento, pois este poderá utilizar sua intuição, ou até mesmo métodos científicos para encontrar respostas e conclusões para suas indagações e curiosidades.

−− Aprender a fazer Consiste em relacionar a aprendizagem de bases teóricas, adquiridas com o aprender a conhecer, com a prática no cotidiano desses conhecimentos. Por isso, aprender a fazer está intrinsecamente interligado com o aprender a conhecer. Pode-se visualizar com mais clareza esta prática na formação profissional, onde é preciso, além de reter e transmitir informações interpretá-las, aplicá-las e até mesmo modificá-las, se necessário.

61


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

−− Aprender a viver juntos Diante da realidade conflituosa das relações interpessoais que encontramos hoje na sociedade, esta aprendizagem é a mais desafiadora para o ambiente educacional, pois está relacionada com a consolidação de atitudes e valores necessários para o bem comum de todos, respeitando a diversidade da espécie humana e de suas diferentes culturas, maneiras de viver e/ou compreender o mundo. Para isso faz-se necessária uma educação reflexiva e dialógica.

−− Aprender a ser Essa aprendizagem se refere à formação de indivíduos autônomos e críticos, capazes de realizar seu próprio julgamento de Valores com discernimento e responsabilidade, mediante as situações problemas em sua vida.

9.  Educação Quilombola A história do negro no Brasil está ligada à própria identidade do país que carrega em sua origem forte ligação com a cultura negra africana, uma vez que foi berço escravocrata de povos vindouros de diversas e diferentes regiões desse vasto continente. Povos que trilharam neste país uma história de sofrimento e luta, de opressão e resistência. Atualmente a luta não é pelo fim da escravidão, mas pelo fim de uma cultura de inferioridade e de discriminação, pela valorização e resgate da cultura e da religião de um povo que contribuiu no passado para o acúmulo da riqueza nacional e para o crescimento econômico do país e que hoje contribui para a identidade do Brasil. Para a efetivação da cidadania da população afro-descendente faz-se necessário desmitificar a imagem do negro, sempre ligada à pobreza, escravidão, repressão e selvageria. Faz-se necessário um olhar sobre o negro sem o vínculo da escravidão, um cidadão dotado de crenças, cultura, valores e direitos, cujo povo lutou bravamente resistindo à opressão e à escravidão. Em meio a este cenário de luta e resistência surgem os quilombos que, no Brasil Colônia, eram comunidades formadas por negros que fugiam do regime de escravidão ao qual eram submetidos nas fazendas. Tais quilombos eram organizados em meio a matas fechadas, ou em morros, geralmente locais de difícil acesso. Nestas comunidades os negros dedicavam-se à agricultura de subsistência e, algumas vezes, ao comércio; eram livres para manifestar sua cultura e religião. Muitos quilombos permaneceram ativos mesmo após a abolição e deram origem às atuais comunidades quilombolas as quais é preciso situar na atualidade uma vez que não pertencem somente ao passado de escravidão e não permaneceram isoladas no tempo e espaço. Tais comunidades mantêm-se vivas e atuantes e continuam na luta pela efetivação de seus direitos e pela propriedade de sua terra. Nesse contexto surge a Educação Escolar Quilombola que a partir de 2012 através das deliberações da CONAE – Conferência Nacional de Educação, e em atendimento ao Parecer CNE/CEB 17/2010 e à Resolução CNE/CEB 04/2010 passa a ser uma modalidade de Ensino da Educação Básica. A resolução nº 4, de 13 de julho de 2010 define as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. O artigo 41 deste documento define a Educação Escolar Quilombola como a que:

62


PARTE II

... é desenvolvida em unidades inscritas em suas terras e cultura requerendo pedagogia própria em respeito à especificidade étnico-cultural de cada comunidade e formação específica de seu quadro docente, observados os princípios constitucionais, a base nacional comum e os princípios que orientam e Educação Básica Brasileira. (CNE/CEB 04/2010)

Tais documentos dão força e reconhecimento à Educação Escolar Quilombola e à questão do negro no Brasil. No entanto, outros documentos anteriores aos supracitados já tratavam de tal questão. A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 215, prevê que “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.” O parágrafo 1º da mesma legislação complementa ainda que “O Estado protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional.” Também a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira (LDB 9394/96), em seu artigo 26, alterado por meio da Lei nº 10.639/2003, do parecer CNE/CP 03/2004 e da Resolução CNE/CP 01/2004, tornam obrigatório o Ensino de História e Cultura Africana e Afro-Brasileira. Ainda os Parâmetros Curriculares Nacionais inserem a Pluralidade Cultural como Tema Transversal. As legislações que tratam da questão do Negro, da Cultura Africana e Afro-brasileira e da Educação Escolar Quilombola atuam de maneira a tentar romper as barreiras da discriminação e desvalorização desta parcela da sociedade, além de orientar as equipes das escolas e demais instituições. Através das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola, os Sistemas de Ensino, as Universidades e as Escolas de Educação Básica são orientadas a

Desenvolver propostas pedagógicas em sintonia com a dinâmica local, regional e nacional da questão quilombola no Brasil. Ao dialogar com a legislação educacional geral e produzir uma normatização específica para as realidades quilombolas, o CNE orienta estados e municípios na construção das próprias diretrizes curriculares em consonância com a nacional e que atendam à vivência, à cultura, às tradições, à inserção no mundo do trabalho próprio dos quilombolas da atualidade, os quais se encontram representados nas diferentes regiões do país. (Texto de referência para a elaboração das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola, 2011)

O processo pedagógico nas escolas quilombolas passa por processos específicos e diferenciados, uma vez que tais escolas encontram-se num cenário pedagógico vinculado a um movimento de luta, seja pela reparação, pela valorização, ou pelo respeito. Para que a Educação Quilombola seja efetivada de fato e realize seu papel fundamental, as instituições necessitam discutir e construir o seu Projeto Político Pedagógico, uma vez que tal documento caracteriza-se com um “... meio de viabilizar a escola democrática e autônoma para todos, com qualidade social.” É neste documento que as escolas poderão conhecer sua comunidade, sua realidade. No PPP tais escolas e comunidades ganham voz e vez a partir do momento em que traçam metas e desenvolvem propostas para a efetivação de seus objetivos. Tanto o PPP quanto as Propostas Pedagógicas das escolas quilombolas deverão ser pensados em todas as etapas e níveis de educação oferecidos por tais escolas. Os conteúdos das escolas quilombolas deverão seguir, no geral, a Base Nacional Comum, no entanto, as especificidades de tais comunidades devem estar pressentes no PPP, na Proposta Curricular, nos planos de curso e, principalmente na vivência do dia-a-dia.

63


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Questões como a diversidade étnico-cultural, a história do negro, a raiz africana, a história e a cultura quilombola, o movimento quilombola, as tradições, a terra, o mundo do trabalho dentre outros temas ligados a esta temática devem estar presentes nos conteúdos das escolas situadas em comunidades quilombolas. Deverão ser enfatizados e trabalhados a fundo as questões sobre o racismo, as lutas por terras e a memória à oralidade. O currículo, os tempos e os espaços escolares também deverão ser flexíveis e repensados de maneira a atender as especificidades de cada comunidade. Além disso:

... a educação escolar quilombola deverá ir mais além; ao dialogar e incorporar os conhecimentos da realidade local dos quilombolas em diálogo com o global, o currículo terá como eixo principal: o trabalho, a cultura, a oralidade, a memória, as lutas pela terra e pelo território e pelo desenvolvimento sustentável dessas comunidades. Significa que a orientação de todas as disciplinas que deverão dialogar transdiciplinarmente entre si deverá ser a vivência sócio-histórica dos conhecimentos e aprendizagens construídos no “fazer quilombola”. (Texto de referência para a elaboração das Diretrizes Curri-

culares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola, 2011).

Há de se lembrar ainda que a Educação Escolar Quilombola deve seguir os princípios constitucionais da gestão democrática, portanto esta deve ser realizada em parceria com as comunidades escolar e local, através do diálogo entre gestores, coordenadores e o movimento quilombola, uma vez que uma educação que prima pela igualdade e pelo respeito não deve basear-se nos princípios de autoritarismo e centralização. Desta forma, a educação não deve priorizar conteúdos e disciplinas. Não deve ser rígida e inflexível e nem deve calar a voz rouca destas comunidades há tanto caladas. A educação deve estar a favor da cidadania, da promoção pessoal e social. Nas comunidades quilombolas, assim como para todos, a educação tem um papel fundamental. Nestas comunidades a educação torna-se ferramenta primeira na formação de cidadãos que saibam lutar pelos seus direitos, valorizar sua cultura, respeitar a diversidade e tornar-se um indivíduo capaz, consciente e justo.

10.  Educação do Campo Com o ápice do êxodo rural no século XX, a população do campo diminuiu de forma drástica a população existente na zona rural. Entre muitos motivos desta migração, está a fuga da miséria, a busca por empregos e novas oportunidades de sucesso profissional e a busca por um ensino de qualidade. Com a diminuição da população rural e o crescimento das grandes cidades, as atenções voltaram-se para o meio urbano, no qual atualmente estão os maiores investimentos nos mais variados setores. Se nas grandes cidades, apesar de toda a atenção, investimentos e criação de políticas públicas, a educação sempre apresentou diversas mazelas como evasão, baixa qualidade, repetência, entre outros; no campo, esses problemas se tornam muito maiores. Historicamente, a população do campo foi excluída pela elite da sociedade. Para esta elite, a população do campo não necessitava de escolarização, uma vez que, para desenvolver o trabalho agrícola, tal população não necessitava aprender a ler e escrever. Além do mais, manter a população alheia à educação garantiria a mão-deobra barata e deixava distante a probabilidade destes trabalhadores se organizarem para requerer seus direitos.

64

A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 206, prevê que o ensino será ministrado com base no princípio de igualdade de condições para o acesso e permanência na escola. Diante de tal artigo e dos fatos históricos que apresentam uma realidade de séculos de exclusão, surgem, a partir de 2003, discussões e medi-


PARTE II

das que lançam mão de políticas compensatórias e programas emergenciais visando a amenizar. Neste cenário, surge a necessidade da elaboração de uma política educacional que reconheça e valorize a diversidade da realidade do campo. A Resolução nº 2, de 28 de abril de 2008, que estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo em seu artigo 1º define como educação do campo:

A Educação do Campo compreende a Educação Básica em suas etapas de Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação Profissional Técnica de nível médio integrada com o Ensino Médio e destina-se ao atendimento às populações rurais em suas mais variadas formas de produção da vida... (MEC, 2008)

O Decreto nº 7.352, de 4 de novembro de 2010 entende por população e escola do campo:

I - populações do campo: os agricultores familiares, os extrativistas, os pescadores artesanais, os ribeirinhos, os assentados e acampados da reforma agrária, os trabalhadores assalariados rurais, os quilombolas, os caiçaras, os povos da floresta, os caboclos e outros que produzam suas condições materiais de existência a partir do trabalho no meio rural; e II - escola do campo: aquela situada em área rural, conforme definida pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, ou aquela situada em área urbana, desde que atenda predominantemente a populações do campo. 

Para a efetivação da educação do campo, esta deve prever o respeito à diversidade do campo, referente aos aspectos sociais, culturais, ambientais, políticos e econômicos. Além disso, as escolas devem atentar-se à formulação do Projeto Político Pedagógico como ferramenta de investigação social, levando professores e equipe gestora a conhecer a realidade da escola e a buscar maneiras de agir sobre esta, preservando e valorizando os bens culturais, direcionando o ensino para as práticas sociais emancipatórias e articulando-o com o mundo do trabalho. Ainda segundo o decreto são princípios da educação do campo:

IV - valorização da identidade da escola do campo por meio de projetos pedagógicos com conteúdos curriculares e metodologias adequadas às reais necessidades dos alunos do campo, bem como flexibilidade na organização escolar, incluindo adequação do calendário escolar às fases do ciclo agrícola e às condições climáticas; e V - controle social da qualidade da educação escolar, mediante a efetiva participação da comunidade e dos movimentos sociais do campo.

O Artigo 23 § 2° da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional trata da questão referente ao tempo, uma das peculiaridades de algumas escolas do campo e que deve ser levada em conta na formulação da Proposta Pedagógica e do Calendário anual para estas escolas. Segundo este artigo, nas escolas rurais... “o calendário escolar deverá adequar-se às peculiaridades locais, inclusive climáticas e econômicas, a critério do respectivo sistema de ensino, sem com isso reduzir o numero de horas letivas...”. Desta maneira a escola deverá adequar o calendário

65


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

de acordo com as atividades, fenômenos e eventos que interferem diretamente na vida escolar dos alunos como é o caso de períodos de plantio, colheita e longos períodos de chuva que impossibilitam o acesso às escolas. A LDB, em seu artigo 28, trata ainda da questão das especificidades das escolas rurais, garantindo a não exclusão dos alunos nela matriculados e garantindo, ainda, a valorização da cultura e das práticas locais. A LDB então prevê que “Na oferta de educação básica para a população rural, os sistemas de ensino promoverão as adaptações necessárias à sua adequação, às peculiaridades da vida rural e de cada região, especialmente: I. Conteúdos curriculares e metodologias apropriadas às reais necessidades e interesses dos alunos da zona rural; II. Organização escolar própria, incluindo adequação do calendário escolar às fases do ciclo agrícola e às condições climáticas; III. Adequação à natureza do trabalho na zona rural.

Apesar das inúmeras legislações que prevêem a garantia do acesso e permanência dos alunos na escola e a busca da melhoria na qualidade de ensino ainda são muitos os desafios que permeiam a educação do campo, uma vez que esta apresenta caráter reparador de um fato histórico que marcou profundamente essa parcela da população através da exclusão e da discriminação. A escola do campo tem o papel fundamental de formação de cidadania. De garantir aos cidadãos do campo este direito a eles negado durante séculos. A educação oferecida nestas escolas deve assumir para si a promoção de discussões e ações que poderão contribuir com a mudança de paradigma, contribuindo com as lutas por melhorias na educação e na vida no campo, inserindo estes alunos e suas famílias na realidade social e trabalhista do mundo dentro e fora do campo.

11.  Educação Especial Por muito tempo, a Educação Especial organizou seus serviços de forma substitutiva ao ensino comum, ou seja, atuou como sistema paralelo de ensino. No final da década de 80, surge o movimento de inclusão, tendo como base o principio de igualdade de oportunidades nos sistemas sociais, incluindo a instituição escolar. Esse movimento mundial tem como preceitos o direito de todos os alunos frequentarem a escola regular e a valorização da diversidade, de forma que as diferenças passem a ser parte do Projeto Político Pedagógico da instituição e todas as formas de construção de aprendizagem sejam consideradas no espaço escolar. A Constituição Federal, 1988 que assegura o princípio de igualdade, garantindo, em seu artigo 206 inciso I, que “o ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: igualdade de condições para o acesso e permanência na escola.” Em 1989 a Lei Nº 7.853/89 define como crime recusar, suspender, adiar, cancelar, ou extinguir a matrícula de um estudante por causa de sua deficiência, em qualquer curso, ou nível de ensino, seja ele público, ou privado. A pena para o infrator pode variar de um a quatro anos de prisão, mais multa. Um ano após, em 1990, o Estatuto da criança e do adolescente (ECA) - Art. 54 - garante o direito à igualdade de condições para o acesso e a permanência na escola, sendo o Ensino Fundamental obrigatório e gratuito (também aos que não tiveram acesso na idade própria); progressiva extensão da obrigatoriedade e gratuidade ao ensino médio; e Atendimento Educacional Especializado, preferencialmente na rede regular.

66


PARTE II

Ainda em 1990, a Declaração Mundial de Educação para Todos e em 1994 a Declaração de Salamanca passam a influenciar a formulação das políticas públicas da Educação Inclusiva. Em 1996 a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LBD), no artigo 59, preconiza que os sistemas de ensino devem assegurar aos alunos currículo, métodos, recursos e organização específicos para atender às suas necessidades, assegura a terminalidade específica àqueles que não atingiram o nível exigido para conclusão do Ensino Fundamental, em virtude de suas deficiências; e assegura a aceleração de estudos aos superdotados para conclusão do programa escolar. Também define, dentre as normas para organização da Educação Básica, a “possibilidade de avanço nos cursos e nas séries mediante verificação do aprendizado” (art. 24, Inciso V) e “... oportunidades educacionais apropriadas, consideradas as características do alunado, seus interesses, condições de vida e de trabalho, mediantes cursos e exames” (art.37). O Decreto nº 3.298, que regulamenta a Lei nº 7.853/89, ao dispor sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, define a educação especial como uma modalidade transversal a todos os níveis e modalidades de ensino, enfatizando a atuação complementar da Educação Especial ao ensino regular. A convenção de Guatemala (1999), promulgada no Brasil pelo Decreto nº 3.956/2001, afirma que as pessoas com deficiência têm os mesmos direitos humanos e liberdades fundamentais que as demais pessoas, definindo como discriminação com base na deficiência toda diferenciação, ou exclusão que possa impedir, ou anular o exercício dos direitos humanos e de suas liberdades fundamentais. Em 2003, é implantado pelo MEC o Programa de Educação Inclusiva: Direito a diversidade, com vistas a apoiar a transformação dos sistemas de ensino em sistemas educacionais inclusivos, promovendo um amplo processo de formação de gestores e educadores nos municípios brasileiros para a garantia do direito de acesso de todos à escolarização, à oferta do atendimento educacional especializado e à garantia de acessibilidade. A Política Nacional de Educação na perspectiva da Educação Inclusiva define a educação especial da seguinte forma: “A educação especial é uma modalidade de ensino que perpassa todos os níveis, etapas e modalidades, realiza o atendimento educacional especializado, disponibiliza os recursos e serviços e orienta quanto a sua utilização no processo de ensino e aprendizagem comum do ensino regular.” A Educação Especial que perpassa todos os níveis de ensino e é uma modalidade de Ensino, no município de Quatis é atendida pela Coordenação de Educação Inclusiva - SME. As escolas deverão assegurar a matricula de todo e qualquer aluno, organizando-se para o atendimento aos educandos com deficiência. Dentro dessa perspectiva, a Secretaria Municipal de Educação, visando integrar o aluno com deficiência nas escolas do ensino regular, trabalha em parceria, auxiliando os profissionais das escolas, tendo como objetivo da Educação Inclusiva no município, garantir a qualidade de ensino educacional, respeitando e valorizando a diversidade, eliminando barreiras que impedem o acesso ao conhecimento, promovendo a construção de estratégias pedagógicas de superação de todas as formas de discriminação e preconceito, uma vez que para os alunos com deficiência, a falta de acessibilidade se traduz em perda de oportunidades. O município conta com o Núcleo de Educação Especial de Quatis (NUCLESQ) situado na Rua Genésio Leite nº 235, Bairro Nossa Senhora do Rosário, na entrada do Prédio do CIEP 492 Municipalizado Marciana Machado de D’Elias.

67


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Serviço oferecido pela secretaria de educação, além dos estabelecidos pelo NUCLESQ: • Trabalho de Auxiliares para os alunos com deficiência, quando necessário nos seguintes casos: Deficiência física; Deficiência intelectual, sensorial, transtorno global do desenvolvimento, se não foi possível fazer a redução da turma.

Alguns alunos com deficiência não demandam dos referidos cuidados. Critérios utilizados para a definição de auxiliar e redução: a posse do laudo médico, a possibilidade de espaço em cada escola para viabilizar a redução, visita da coordenação de Educação Inclusiva, professor (a) itinerante e apreciação do Departamento Pedagógico/ Coordenação de Educação Inclusiva e estudo do caso, realizado com a equipe do Núcleo de Educação Especial (NUCLESQ).

11.1.  Caracterização da clientela Consideram-se alunos com deficiência, conforme resolução nº 4, de 2 outubro de 2009: I. Alunos com deficiência: aqueles que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, intelectual, mental, ou sensorial. II. Alunos com transtornos globais do desenvolvimento: aqueles que apresentam um quadro de alterações no desenvolvimento neuropsicomotor, comprometimento nas relações sociais, na comunicação, ou estereotipias motoras. Incluem-se nessa definição alunos com autismo clássico, síndrome de Asperger, síndrome de Rett, transtorno desintegrativo da infância (psicoses) e transtornos invasivos sem outra especificação. III. Alunos com altas habilidades/superdotação: aqueles que apresentam um potencial elevado e grande envolvimento com as áreas do conhecimento humano, isoladas ou combinadas: intelectual, liderança, psicomotora, artes e criatividade.

11.2.  Adequação Curricular São modificações ocorridas no currículo, pelo professor, de forma a permitir e promover a participação produtiva dos alunos com deficiência no processo de ensino e aprendizagem. As adequações curriculares devem ser destinadas aos alunos com deficiência que necessitem de estratégias por apresentarem dificuldade significativa de aprendizagem. Sua implementação deve: • Ser precedidas de uma criteriosa avaliação do aluno, considerando sua competência acadêmica; • Fundamentar-se na análise do contexto escolar e familiar do aluno, para a busca de identificação dos elementos adaptativos necessários para o desenvolvimento do aluno; • Contar com a participação de uma equipe de apoio multiprofissional no processo de estudo de cada caso, análise e tomada de decisão; • Ser registradas documentalmente, integrando o acervo de informações sobre o aluno;

68


PARTE II

É necessário enfatizar que no estudo de caso, poderá suprimir conteúdos, eliminar disciplinas, ou áreas curriculares complexas, desde que sejam realmente necessárias.

11.3.  Avaliação A avaliação, para os alunos com deficiência, deve seguir os mesmos preceitos do Regimento Escolar Único, devendo: • Flexibilizar o tipo de instrumento e seus respectivos valores. • Elaboração de um relatório descritivo para complementar, explicar e justificar a nota final. Esse relatório deve trazer informações sobre as adaptações que se fizeram necessárias e foram previstas na adequação curricular. A avaliação deverá se dinâmica, contínua, mapeando o processo de aprendizagem dos alunos em seus avanços, retrocessos, dificuldades e progressos, sendo importantes registros diários, portfólios e demais arquivos de atividades do aluno. A avaliação dos alunos com deficiência deve variar, segundo suas características e a modalidade de atendimento escolar oferecida, respeitadas as especialidades de cada caso, no que tange às necessidades de recursos e equipamentos especializados para a avaliação do desempenho. Os deficientes físicos, visuais e auditivos estarão sujeitos aos mesmos critérios de avaliação, adotados para os demais alunos, mas com utilização de formas alternativas de comunicação para cegos e surdos e adaptação de materiais didáticos e espaço físico para os deficientes físicos. A estrutura frasal dos deficientes auditivos não deve interferir na avaliação do conteúdo de suas mensagens escritas, bem como a grafia das palavras para os que possuem visão subnormal. Os alunos com deficiência intelectual e os que apresentarem condutas típicas serão avaliados em função de seus níveis de desenvolvimento geral e pessoal, considerados os conteúdos curriculares e os níveis de competência social por eles alcançados. Os alunos com deficiência evidenciam diferentes comportamentos e, por isso, é necessário que observemos cada um deles. Devendo ser avaliados, de formas diferentes, pelos diferentes avanços que apresentaram. Por exemplo, uma criança que não escreve em função de uma deficiência intelectual, poderá expressar-se por meio de desenhos ou mesmo da fala. Deve ser considerado no boletim, dentro da escala proposta, uma nota que represente seus avanços. Os alunos com deficiência fazem todas as atividades propostas ao restante da turma - com as devidas adaptações - e são avaliados de acordo com as próprias possibilidades.

11.4.  NUCLESQ – Núcleo de Educação Especial de Quatis 11.4.1.  Histórico da Educação Especial no município de Quatis O município de Quatis iniciou o atendimento educacional às pessoas com deficiência com a APAE – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais em janeiro de 1993. O Colégio Estadual Américo Pimenta, ainda no início da década de 90 tinha uma sala de recursos, mas não para atendimento específico para alunos e alunas com deficiência. Com a emancipação do município esta

69


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

sala passou a funcionar na Escola Municipal Anexa ao CEAP, sob responsabilidade do município, porém ligada pedagogicamente a Secretaria de Estado de Educação. Em 1999 a sala de recursos passou a funcionar no CIEP 492 Municipalizado Marciana Machado D`Elias, em dois turnos, atendendo crianças de todas as escolas da Rede Municipal. Em 2001, foi aberta mais uma sala de recurso que foi instalada na Casa da Criança e também funcionava em dois turnos. Como foi mantido o funcionamento da sala do CIEP 492, caracterizou-se nesse momento uma significativa ampliação no atendimento. Posteriormente, a sala que até então funcionava na Casa da Criança foi transferida também para o CIEP 492, que ficou com duas salas concentrando o atendimento em SR para crianças de todas as escolas municipais. Em 2003, a prefeitura municipal cria, através do decreto 1548/03 o Núcleo de Educação Especial de Quatis (NUCLESQ) para coordenar todas as ações relacionadas a Educação Especial. No ano de 2005 foi criada uma sala de recursos na Escola Estadual Municipalizada de Falcão, funcionando com uma professora em horário móvel, onde eram atendidos os alunos com deficiência e dificuldades de aprendizagem da escola de Falcão e da Escola Benta Pereira. Em 2008 o município de Quatis em parceria com a Secretaria de Educação Especial do MEC, ofereceu um curso de especialização para o Atendimento Educacional Especializado, com duração de seis meses, para todas as professoras que atuavam nas Salas de Recursos. A partir do início de 2009, após a publicação da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, da Resolução CNE/CEB nº 04 de 2009 que Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial; e do Decreto nº 6571/08 que dispõe sobre o Atendimento Educacional Especializado, as Salas de Recursos Multifuncionais passam a ter como público alvo os alunos e alunas com deficiência, altas habilidades/superdotação, transtornos globais do desenvolvimento e transtornos funcionais específicos. Ainda no ano de 2009, foi criada no Departamento Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação a Coordenação de Educação Inclusiva objetivando garantir a qualidade de Ensino Educacional dos alunos com deficiência, respeitando e valorizando a diversidade e considerando que a falta de acessibilidade se traduz em perda de oportunidades. Nesse mesmo momento é indicada também a Coordenação do Núcleo de Educação Especial de Quatis, que passa a atuar em colaboração com a Coordenação de Educação Inclusiva e junto os profissionais do Núcleo de Educação Especial com o intuito de concretizar as determinações do decreto 1548/2003 que criou o NUCLESQ. Com a evolução do movimento pró-inclusão de alunos com deficiência e com o lançamento, pelo MEC, da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva em 2008, foi-se observando significativo aumento do público da Educação Especial nas Escolas Municipais levando a SME do município de Quatis a ampliar novamente o número de alunos atendidos em salas de recursos, fazendo funcionar provisoriamente uma sala de recursos na Escola Pessoa de Barros, que atendia alunos da própria escola e alunos da Escola Municipal Maria Helena Rafael de Elias.

70

Seguindo o movimento de avanço da Educação Especial e acompanhando a evolução no número de matrículas de alunos e alunas com deficiência na Rede Municipal, foram ainda implantadas uma nova sala de recursos na escola Municipal Professora Julieta Pereira Sampaio e Escola Municipal Henry Nestlé em 2010, e uma outra sala na Escola Maria Helena Rafael de Elias, em 2011. Esta sala acolheu também os alunos da Escola Pessoa de Barros, garantindo então condições para que todos fossem atendidos no turno inverso ao horário de aula na classe comum.


PARTE II

No ano de 2010, iniciou-se o trabalho de itinerância onde uma professora do AEE visita as escolas observando os alunos do Atendimento Educacional Especializado incluídos nas escolas regulares e dá orientações aos profissionais da escola para apoiar o processo inclusivo. No dia 15 de julho de 2011 é publicado o decreto municipal 2240, que reestrutura o Núcleo de Educação Especial de Quatis. Na mesma data é inaugurada a sede do NUCLESQ nas dependências do CIEP 492, com uma sala de coordenação e uma sala de atendimento, onde atuam uma professora de AEE itinerante, uma fonoaudióloga e uma psicóloga. A fisioterapeuta do Núcleo inicia sua atuação em março de 2011 utilizando a sala de fisioterapia da APAE, reafirmando uma importante parceria entre esta instituição e a Prefeitura Municipal de Quatis. Hoje, a Rede municipal conta com 05 salas de recursos multifuncionais para o Atendimento Educacional Especializado em funcionamento nas escolas: • CIEP 492 Municipalizado Marciana Machado D’Elias; • Escola Municipal Professora Julieta Pereira Sampaio; • Escola Municipal Henry Nestlé; • Escola Maria Helena Rafael de Elias; • Escola Municipal Carlos Campos de Faria.

11.4.2.  Justificativa Em cumprimento ao decreto municipal nº 1.548/2003 que determina a criação do “Núcleo de Educação Especial de Quatis – NUCLESQ”, e ao decreto municipal 2240/11 que reestrutura o Núcleo e ainda em atendimento ao art. 205 e 206 da Constituição Federal de 1988 que prevêem respectivamente a educação como direito de todos e como um dos princípios para o ensino a “igualdade de condições de acesso e permanência na escola” faz-se necessário o Núcleo de Educação Especial para oferecer apoio à inclusão das pessoas com deficiência, altas habilidades/superdotação e Transtornos Globais do Desenvolvimento na Rede Municipal de Ensino, dar orientações ao Sistema de Ensino para garantir acesso ao ensino regular, com participação, aprendizagem e continuidade nos níveis da educação Básica, a transversalidade da modalidade de Educação Especial desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, o Atendimento Educacional Especializado e o atendimento multidisciplinar, pois toda escola reconhecida pelos órgãos oficiais como tal, deve atender aos princípios constitucionais, não podendo excluir nenhuma pessoa em razão de sua origem, raça, sexo, cor, idade, deficiência ou ausência dela.

11.4.3.  Objetivos 11.4.3.1  Objetivo Geral do Núcleo Trabalhar pela inclusão de alunos e alunas com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e superdotação/altas habilidades, objetivando acesso, permanência e sucesso escolar, oferecendo suporte às escolas através do Atendimento Educacional Especializado (AEE), do serviço de itinerância e da equipe multiprofissional do Núcleo.

11.4.3.2  Objetivos Específicos • Coordenar as ações pedagógicas das Salas de Recursos Multifuncionais no Atendimento Educacional Especializado;

71


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

• Acompanhar o serviço itinerante por tratar-se de uma forma de oferecer o Atendimento Educacional Especializado; • Oferecer e coordenar o atendimento clínico multiprofissional como forma de dar suporte ao processo de inclusão (atendimentos de fisioterapia, fonoaudiologia, psicologia, psicopedagogia e terapia educacional); • Organiza a oferta de atividades extracurriculares para enriquecimento de experiência de vida e socialização; • Articular-se com o Departamento Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação; • Articular-se, sempre que necessário, com a Secretaria Municipal de Saúde.

11.4.4.  Público Alvo • Alunos com deficiência, altas habilidades/superdotação ou transtornos globais do desenvolvimento.

11.4.5.  Organograma

11.4.6.  Fluxograma

72


PARTE II

11.4.7.  O Atendimento Educacional Especializado (AEE) As definições sobre o Atendimento Educacional Especializado foram estabelecidas pela resolução nº 05/2009 do Conselho Nacional de Educação. Destaca-se: O AEE será realizado, prioritariamente, na sala de recursos multifuncionais da própria escola ou em outra escola de ensino regular quando na escola onde a criança está matriculada não houver sala de recursos multifuncionais, podendo ser realizado, também, em centro de Atendimento Educacional Especializado da rede pública. O atendimento deverá acontecer sempre no turno inverso da escolarização, não sendo substitutivo às classes comuns. No município e Quatis o AEE está disponibilizado nas escolas municipais Professor Carlos Campos Farias, Maria Helena Rafael de Elias, Professora Julieta Pereira Sampaio, Henry Nestlé e CIEP 492 Municipalizado Marciana Machado de D’Elias e no NUCLESQ (para alunos das creches ou de escolas que ainda não têm uma sala de recursos multifuncionais nem contam com vaga em escola na mesma comunidade). O AEE também será oferecido de forma itinerante sempre que a criança estiver matriculada em escola rural sem condições de ser transportada para salas de recursos multifuncionais ou em caso de atendimento hospitalar/domiciliar.

11.4.8.  A Equipe Multiprofissional A equipe multiprofissional deverá atender as necessidades específicas de cada aluno(a), oferecendo subsídios/suporte acerca dos saberes pertinentes a cada área, objetivando melhor desenvolvimento, aprendizagem e socialização, respeitando as necessidades e potencialidades de cada um. O tipo e o número de atendimentos serão definidos considerando as especificidades de cada caso. Essa equipe está composta por fonoaudióloga, psicóloga, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta e psicopedagogo.

11.4.9.  Funcionamento A equipe de profissionais do NUCLESQ realizará reuniões semanais para planejamento, formação continuada e estudo de caso. Além das reuniões semanais e dos atendimentos oferecidos aos alunos(as), cada profissional da equipe pode ainda ser solicitado pela coordenação para realizar reunião de pais, atuar em grupos de apoio aos responsáveis, atuar em oficinas ocupacionais ou qualquer outra atividade realizada no Núcleo de Educação Especial.

12.  Educação Patrimonial A necessidade de trabalhar o Patrimônio Cultural nas escolas fortalece a relação das pessoas com suas heranças culturais, estabelecendo um melhor relacionamento destas com estes bens, percebendo sua responsabilidade pela valorização e preservação do Patrimônio, fortalecendo a vivência real com a cidadania, num processo de inclusão social.

73


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

No Brasil, o órgão governamental que cuida do Patrimônio é o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, nascido como secretaria durante o governo Vargas – SPHAN. Este órgão vem atuando no sentido de concretizar esse processo de resgate pela sociedade de seu Patrimônio Cultural e acredita que pelo processo educacional estas práticas se efetivarão. Para tanto, preparou um Guia Básico de Educação Patrimonial, contendo propostas para o desenvolvimento de ações que auxiliem e contribuam para o (re) conhecimento das pessoas no referente às questões do Patrimônio Cultural. Neste sentido, no presente Projeto, pretende-se discutir o conceito de Educação Patrimonial e fornecer subsídios para a implementação de ações de reconhecimento do Patrimônio Cultural no município de Quatis, Estado do Rio de Janeiro, cidade rica em construções históricas e manifestações culturais que vêm se perdendo através dos tempos. A metodologia de Educação Patrimonial pode ser aplicada em vários âmbitos, mas neste projeto o destaque dar-se-á nas escolas, já que este tema tem como característica o enfoque interdisciplinar, além de destacar a importância da inserção deste nos currículos escolares como tema transversal. A Educação Patrimonial nada mais é do que uma proposta interdisciplinar de ensino, voltada para questões atinentes ao patrimônio cultural. Compreende desde a inclusão, nos currículos escolares de todos os níveis de ensino, de temáticas, ou de conteúdos programáticos que versem sobre conhecimento e a conservação do patrimônio histórico, até a realização de cursos de aperfeiçoamento e extensão para os educadores, a fim de lhes propiciar informações acerca do acervo cultural, de forma a habilitá-los a despertar, nos educandos, o senso de preservação da memória histórica do município de Quatis. Entretanto o trabalho com o Patrimônio Cultural e Histórico é mais facilmente compreendido no âmbito das áreas/disciplinas que mais comumente abordam o tema, como a História e Geografia. Trabalhar o Patrimônio, por meio de outras áreas/disciplinas, nem sempre é imediatamente percebido, pelos professores das demais disciplinas do currículo escolar (HORTA, 2005, p. 3). Outra dificuldade encontrada freqüentemente pelos professores é a de pensar interdisciplinarmente, porque toda a sua aprendizagem realizou-se dentro de um currículo compartimentado. Eles não se sentem aptos a desenvolver projetos temáticos, que pressupõem intenso trabalho coletivo e podem implicar a perda da predominância de tarefas e avaliações individualizadas (OLIVEIRA, et al, 2003, p. 105). Além disso, os currículos escolares são comumente sobrecarregados, com disciplinas que competem entre si por limitação do tempo em sala de aula e pelas normas oficiais estabelecidas. Desta forma, O Projeto Educação Patrimonial em seus eixos: Patrimônio Familiar, Patrimônio Histórico Cultural, Patrimônio Ecológico Ambiental e Patrimônio Institucional, podem ser usados como motivador para qualquer área do currículo, ou para reunir áreas aparentemente distantes no processo ensino/aprendizagem. Os objetos patrimoniais, os monumentos, sítios e centros históricos, ou o Patrimônio imaterial e natural, são um recurso educacional importante, pois permitem a ultrapassagem dos limites de cada área/disciplina, e o aprendizado de habilidades e temas que serão importantes para a vida dos alunos.

−− Objetivo Geral Fortalecer o senso de pertencimento, o respeito ao patrimônio cultural e a compreensão da identidade coletiva.

−− Objetivos específicos • Refletir sobre Educação Patrimonial e a construção da cidadania, considerando o patrimônio cultural local; • Trabalhar conceitos que auxiliem os educandos a caracterizar, proteger e valorizar o patrimônio cultural;

74


PARTE II

• Possibilitar a troca de conhecimentos e experiências para a proteção e valorização dos bens culturais; • Reconhecer o patrimônio como valorização da identidade e da reserva de bens para todos; • Resgatar a história; • Promover a reflexão sobre a importância de uma relação ética e moral do cidadão com seu patrimônio cultural; • Trabalhar os conceitos de cultura e de patrimônio material e imaterial.

−− Desenvolvimento Educação Patrimonial, conforme tem sido entendida por pesquisadores e estudiosos, constitui um processo permanente de trabalho educativo, centrado no patrimônio cultural, constituído por bens materiais e imateriais, identificados como:

12.1.  Patrimônio Institucional: Os bens imóveis Toda e qualquer instituição possui uma história, costume, filosofia, tradição e propósitos, o que a torna um patrimônio da comunidade em que está inserida. Diante disto, há necessidade de oportunizar conhecimento de algumas instituições e resgatar os valores que esses patrimônios representam para todos. Tem como objetivo principal conhecer e valorizar as instituições do município de Quatis, reconhecendo sua importância.

12.2.  Patrimônio Histórico Cultural: As criações como a literatura, a música e a dança; e os bens móveis (obras de arte e artesanato). O patrimônio é nossa herança do passado, com a que vivemos hoje e que passaremos às gerações futuras. O patrimônio histórico-cultural, por seu valor próprio, deve ser considerado de interesse relevante para a permanência e a identidade da cultura de um povo. Assim, despertar no aluno o interesse para a valorização da sua história e da história da sua comunidade visa: salvaguardar e proteger os bens, de forma que cheguem devidamente preservados às próximas gerações. Tem como objetivo conhecer os monumentos tombados no município de Quatis, entendendo assim todo processo de tombamento nos municípios em geral, principalmente os motivos que o desencadeia e a finalidade a que se propõe, reconhecendo a importância de preservar a memória e a história de um povo. Locais dotados de expressivos valores para a história, a arqueologia, a paleontologia e a ciência em geral, como mercados, feiras, santuários, praças;

12.3.  Patrimônio Ecológico Ambiental: As paisagens e as áreas de produção ecológica, da fauna e da flora. Faz-se necessário mostrar aos alunos as principais diferenças entre ambientes equilibrados e locais degradados, principalmente pela má utilização que o homem tem feito ao longo dos anos, dos recursos naturais. Uma vez que, se o planeta continuar sofrendo as agressões de hoje, no futuro, quando os alunos forem adultos terão menos recursos para sua sobrevivência. Assim, desenvolver nos alunos atitudes ambientalmente corretas

75


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

não diz respeito apenas a apontar o que está errado, mas promover mobilizações individuais e coletivas, buscando soluções para os problemas identificados. Tem como objetivo construir um conjunto de noções claras e organizadas sobre a importância e preservação do meio ambiente, proporcionando ao educando uma visão dos problemas ecológicos que afetam o nosso município.

12.4.  Patrimônio Familiar: As expressões e o modo de viver, como a linguagem e os costumes, os saberes etc. Todos nós carregamos nossa história, que é única, intransferível. Essa história está vinculada à família que é uma bem individual. Por isso, há necessidade de resgatar os valores familiares, sua história e evolução durante a vida. Tem como objetivo resgatar o valor da família para o crescimento individual do ser humano na sua formação moral, ética e afetiva.

O trabalho de Educação Patrimonial nas escolas possibilita a valorização de nossa cultura em sua rica diversidade e o reforço de auto-estima de indivíduos e comunidades. É o processo pelo qual a pessoa aprende a reconhecer a diversidade cultural existente na sociedade e a valorizar, preservar e difundir manifestações culturais, aprendendo, também, a produzi-las. Busca levar crianças, jovens e adultos à construção ativa de conhecimento crítico e de apropriação consciente e de conseqüente valorização de sua herança cultural, o que possibilita o fortalecimento da identidade e da cidadania; favorece a leitura de mundo, a compreensão do universo sociocultural e a trajetória histórico-temporal da qual o homem é o principal agente e participante. O trabalho desenvolvido de forma interdisciplinar pode ser realizado para todas as idades. Utiliza tanto objetos oriundos do universo pessoal e familiar dos alunos, como os bens patrimoniais da própria escola; locais como museus, arquivos, bibliotecas, monumentos e centros históricos, sítios arqueológicos e naturais; elementos da natureza, como rios, serras, espécimes da flora e da fauna; manifestações do patrimônio imaterial, como saberes, celebrações, formas de expressão, práticas coletivas; ou qualquer outra expressão resultante da relação do homem com o seu meio.

−− Perspectiva interdisciplinar Educação Patrimonial constitui-se num campo de trabalho amplo e integrado com diversas disciplinas. Segundo Horta (2005), os objetos patrimoniais, monumentos, sítios e centros históricos, ou o patrimônio imaterial e natural são um recurso educacional muito importante, pois permitem a ultrapassagem dos limites de cada área-disciplina, não somente de História e o aprendizado de habilidades e temas que serão importantes para a vida dos alunos.

76

Desta forma, através deste trabalho, é indispensável integrarmos a disciplina de Geografia e Ciências na leitura do espaço urbano e rural, através do estudo do meio, para observarmos e analisarmos as transformações no espaço vivido e, segundo Kaercher (2007), priorizar o entorno, a paisagem, poder fornecer elementos que estimulem a memória e a capacidade de observação, pois a geografia precisa também do imaginário para criar e manter a idéia de pertencimento. Bos (1998) destaca ainda que os espaços e a paisagem são fundamentais para o seguimento das tradições e da memória coletiva, sendo o desenraizamento um fator desagregador da memória, provocando a espoliação da lembrança. Dessa forma, o estudo geográfico da cidade, além de sua descrição, visa muito mais à sua compreensão e transformação, pois o espaço cotidianamente vivido é repleto de


PARTE II

problematizações, desafios e de possíveis soluções nas quais o aluno pode interagir, exercitando concretamente sua cidadania. A utilização da fotografia e do cinema como uma das linguagens da disciplina de Artes, serão ferramentas indispensáveis, não só no trabalho de resgate e coleta do patrimônio cultural selecionado pelos alunos como também na análise dos dados e conceitos aprendidos durante a atividade realizada. A exploração de um documento escrito, monumento, sítio histórico, ou qualquer outro objeto cultural específico, oferece inúmeras oportunidades para o desenvolvimento de habilidades de cálculo e medição, nas disciplinas de Matemática e Geometria, como por exemplo, formas dos objetos, simetria, datação, análise de plantas baixas, comparação de sistemas de medição do passado e do presente, estabelecimento de medidas de limites e extensão de áreas etc. Os estudos de cultura popular, erudita e de massa, na disciplina de Sociologia e filosofia permitirão ao aluno a compreensão de conceitos indispensáveis para a análise dos objetos culturais e das percepções por ele sentidas. Ainda, poderá levar o aluno ao aprimoramento das capacidades lingüísticas na disciplina de Língua Portuguesa e Literatura, por meio da análise de diversos documentos, de entrevistas realizadas no bairro e na comunidade, e pela produção do conhecimento histórico, provenientes da argumentação, explicação e problematização. O trabalho de Educação Patrimonial também poderá ser abordado no ensino de Língua Estrangeira, no sentido de que essa disciplina abre um espaço de uma rica reflexão entre a diversidade cultural global, principalmente num momento histórico, onde as relações internacionais ocorrem numa velocidade cibernética. Enfim, o Projeto de Educação Patrimonial abrange todos os níveis de ensino, sugerindo ações e planejamentos específicos de acordo com a série em questão, levando o aluno a perceber seu entorno e a respeitar sua cidade. O trabalho será desenvolvido nas turmas de Alfabetização a 8ª série do Ensino Fundamental e E.J.A. contemplando todos os eixos. As Unidades Escolares trabalharão os eixos dentro dos trimestres do ano letivo de 2012, com o propósito de apresentar o seu trabalho no aniversário da cidade, em novembro do mesmo ano e lançar o Projeto que será incluído na proposta pedagógica das unidades escolares no ano de 2013, na 2ª série/3º ano, a qual se destina a estudar o município e se efetivará através do envio para o Conselho Municipal de Educação.

13.  Projetos Especiais A Secretaria Municipal de Educação, por meio da Coordenação de Projetos Especiais, visa à articulação e fortalecimento do sistema de ensino, bem como das ações educativas não formais de amplitude que se estende para além do território da escola, favorecendo o desenvolvimento integral de ser humano, possibilitando a construção da consciência crítica, incentivando práticas cidadãs como uso da liberdade de expressão, a busca da garantia de direitos, a qualidade da participação social e política do indivíduo, primando pelo cumprimento do Art. 32 LDB 9394/96 que visa ao desenvolvimento da capacidade de aprender, a aquisição de habilidades e a formação de atitudes e valores. Os programas e projetos especiais são ações que devem ser desenvolvidas de maneira transversal, formativa e complementar às políticas educacionais do Sistema Municipal de Ensino. Para este intento, ações que se seguem, devem ser prioridade: 1. Estudar os Princípios das Cidades Educadoras, conscientes de que, conforme Gadotti 2004, p.12, o grande desafio do século XXI é investir na educação, no desenvolvimento de cada pessoa, de modo que esta seja cada vez mais capaz de expressar, afirmar e potencializar suas capacidades e de se sentir, ao mesmo tempo, membro de uma sociedade capaz de diálogo, de fazer frente à injustiça e de ser solidária;

77


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

2. Analisar experiências de Cidades Educadoras como instrumento propulsor, para ajustar o impulso educativo da cidade, já perceptível em diversas iniciativas locais, procedendo, via Secretaria Municipal de Educação, o registro de todas as modalidades de educação formal, informal e as diversas manifestações culturais, fontes de informação e vias de descobertas da realidade, que se produzem na cidade; 3. Promover e fortalecer a construção de vínculos e canais de comunicação entre as Secretarias Municipais, clareando o papel e responsabilidades de cada parceiro no Programa Cidade Educadora, buscando a consolidação de relações autônomas para a sustentabilidade no município; 4. Acompanhar e implementar os Projetos existentes na Secretaria Municipal de Educação: Xadrez nas Escolas, Entalhadores, Saúde Bucal, Informática Educativa, P.E.A., Bienal de Literatura e Artes, Jornada Pedagógica, Percussão-Aprendizes da Música, Auto Estima; 5. Elaboração, execução e acompanhamento de novos projetos; 6. Atuar no gerenciamento de ações pontuais da Secretaria Municipal de Educação.

78


PARTE Iii 1.  Princípios Políticos, Filosóficos e metodológicos 1.1.  Visão de Mundo A sociedade encontra-se em tempos de consideráveis transformações, em um ritmo acelerado, que vem permeando os aspectos tecnológicos, sociais, ambientais e familiares. As inovações tecnológicas trouxeram consigo a globalização, estreitando a comunicação entre diferentes povos e culturas, propiciando a solidificação do capitalismo que ganha ainda mais espaço para sua expansão. O capitalismo traz em seu bojo a valorização do ter sobre o ser. Estimulando cada vez mais o consumismo desenfreado e desnecessário, gerando desigualdades sociais, a desvalorização humana e da vida no planeta como um todo, ocasionando sérios problemas ambientais e sociais. Refletir sobre educação, neste contexto, significa projetar uma educação inovadora, não de suas teorias, mas de sua prática. As teorias já apontam a grande necessidade de mudança nas práticas tradicionais e mantenedoras de valores impostos por classes dominantes, na sociedade capitalista. A prática educacional é que deve trabalhar para transformar a sociedade, fazendo uma reflexão de valores existentes na cultura atual, buscando uma nova dimensão de vida onde a justiça e a igualdade sejam os pilares norteadores e os direitos de todos sejam respeitados, colaborando para que busquem a felicidade e a realização pessoal. Busca-se um espaço social, onde os indivíduos sejam capazes de interagir positivamente uns com os outros, colaborando para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária, não somente para pequenos grupos, mas para todos.

1.2.  A escola que temos x a escola que queremos “Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas. Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o vôo. Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em vôo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer, porque o vôo já nasce dentro dos pássaros. O vôo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.” Rubem Alves

Quando analisamos a realidade de nossas escolas, observamos quantos caminhos ainda precisamos trilhar para a efetivação de uma educação de qualidade que esteja a serviço de uma verdadeira formação para a vida em sociedade, para a cidadania.


No cenário atual, prevalece a dicotomia entre teoria e prática e a escola permanece distante da realidade, havendo ainda uma ruptura entre a vida do educando na escola e a vida fora dela. Observando as mudanças sociais, percebemos que não há mais lugar para professores detentores do saber, para gestões autoritárias e para alunos permissivos e passivos. A sociedade muda e tal sociedade transformada vem para dentro dos muros da escola que não devem ser fechados às mudanças, mas que devem fazer parte desta mudança.

O artigo sexto da Constituição Brasileira, de 1988, garante a Educação como direito de todo cidadão e têm por finalidade o pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho, conforme disposto no Artigo 205 da Carta Magna. Portanto o papel da escola não deve jamais ser apenas o de transmissão de conteúdos e saberes que muitas vezes nada têm a ver com a prática efetiva da cidadania e com o preparo do educando para a vida em sociedade. Pensar na escola que queremos exige pensar sobre novas formas, tempos e espaços de ensinar e aprender. Exige reflexão e diálogo sobre a função da escola sobre o papel do professor. Pensar em uma escola que promova transformação e mudança significa romper com paradigmas tradicionais e mecanicistas, mantenedores de conhecimentos culturalmente valorizados, mas sem significado na vida e no cotidiano do homem. Por sua vez, a práxis educacional deve propor metodologias que proporcionem ao indivíduo a construção do seu próprio conhecimento, oportunizando-lhe experiências em que possa ampliar sua percepção de mundo e agir positivamente neste. Sendo a escola um espaço de produção de cultura e re-significação da prática das pessoas na sociedade conforme suas vivencias e conhecimentos adquiridos. A escola ideal passa a ter um papel primordial na formação do indivíduo como agente de transformação da sociedade, oferecendo aos educandos uma formação integral que os possibilitem exercer sua cidadania de forma crítica, reflexiva e autônoma. Nesta nova perspectiva, os sujeitos do processo ensino-aprendizagem, educando e educador, assumem um novo posicionamento diante do objeto de estudo. O educando passa a ser agente ativo onde é estimulado a analisar, experimentar e realizar suas observações. O educador assume uma postura de orientador e mediador que auxilia e interfere nesta problematização da realidade, favorecendo aquisição de um novo conhecimento. Educador e educando interagem simultaneamente e intencionalmente para a construção do saber. Um educador consciente de que a educação é uma troca constante, que a aprendizagem é permanente, que cada educando tem um potencial a ser descoberto. Para alcançar o ideal de escola que queremos, temos que repensar velhas práticas e buscar novas estratégias. Em tal escola a gestão não é centralizadora, mas está com todos e a favor de todos. Em tal escola a educação está a serviço dos alunos, garantindo seu pleno desenvolvimento, levando em conta suas diversas e variadas aptidões. Tal escola está de mãos dadas com a família, com a equipe e com a comunidade. O trabalho pedagógico de uma escola realmente cidadã possibilitará a formação de pessoas mais críticas, capazes de transformar a realidade em que vivem.


PARTE III

1.3.  Concepção de currículo Em registros do século XVII, encontram-se menções ao termo currículo. Em tais registros, o currículo aparece ligado a um projeto de controle do ensino e da aprendizagem. Na atualidade, o currículo tem sido alvo de grandes discussões em várias instâncias educacionais e aparece desde reuniões para a elaboração de políticas públicas em educação, até as reuniões semanais internas das escolas. No âmbito escolar o currículo é assunto permanente. Ao matricular seus filhos em determinada escola os pais se interessam em saber o currículo ao qual os filhos serão submetidos. Ao ingressar como docentes e pedagogos, os profissionais da educação preocupam-se em apropriar-se do currículo como maneira de ensinar melhor. No entanto, esta concepção de currículo, o caracteriza como mero elenco de conteúdos que serão trabalhados em determinada série, ano, ou ciclo com a pura finalidade de transmissão de conceitos. Tal concepção, reduz o currículo ao programa anual de ensino não diferindo muito dos registros encontrados no século XVII, e distorcendo sua real finalidade. Faz-se, importante entender, o currículo como instrumento norteador e de suporte ao trabalho docente, com vistas à formação plena do educando e não somente à sua preparação para o ingresso no mundo do trabalho. Para Arroyo faz-se “urgente recuperar o conhecimento como núcleo fundante do currículo e o direito ao conhecimento como ponto de partida para indagar os currículos” (ARROYO, 2007, p. 26). Dentro da real perspectiva de organização do currículo, professores e alunos assumem novos papéis, apropriando-se e construindo conhecimentos que estejam à serviço da interpretação e ação sobre a realidade. O currículo então passa a ser ‘vivo” e a assumir significado científico e social. Arroyo (2007, p. 44) afirma que:

Desvendar às crianças e aos adolescentes que as ciências estão prenhes de valores e de culturas é uma função dos currículos. Aproximando-nos dos conteúdos das ciências com essa visão e aproximando os educandos dessas linguagens científicas e revelando-lhes que estão carregadas de valores de mundo e de visões de ser humano, estaremos construindo um currículo a serviço do seu direito a uma formação mais plena.

Tal formação plena só será alcançada com sérias discussões sobre que ensinar e para que ensinar, sobre o que, quando e como avaliar. Tais questionamentos nos levam a refletir sobre a funcionalidade dos conteúdos para que estes não sejam elencados e forma aleatória. Faz-se necessário pensar em conteúdos, estratégias e avaliações que realmente contribuam para a formação do educando. Há muito percebemos o elenco, planejamento e aplicação de conteúdos que não apresentam real utilidade. Para alguns, um currículo forte com conteúdos difíceis e exigentes promovem uma boa educação. Começam então a surgir problemas de indisciplina, evasão, desânimo, repetência. Sobre tais fatos nos remetemos à Rubem Alves:

O que os burocratas pressupõem sem pensar é que os alunos ganham uma boa educação se aprendem os conteúdos dos programas oficiais. E para se testar a qualidade da educação se criam mecanismos, provas, avaliações, acrescidos dos novos exames elaborados pelo Ministério da Educação. Mas será mesmo? Será que a aprendizagem dos programas oficiais se identifica com o ideal de uma boa educação? Você sabe o que é “dígrafo“? E os usos da partícula “se“? E o nome das enzimas que entram na digestão? E o sujeito da frase “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heróico o brado retumbante“? Qual a utilidade da palavra “mesóclise“? Pobres professoras, também engaioladas... São obrigadas a ensinar o que os programas mandam, sabendo que é inútil. Isso é hábito velho das escolas.

81


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

(...) O sujeito da educação é o corpo porque é nele que está a vida. É o corpo que quer aprender para poder viver. É ele que dá as ordens. A inteligência é um instrumento do corpo cuja função é ajudá-lo a viver. (Rubem Alves, 2001)

O questionamento “Será que a aprendizagem dos programas oficiais se identifica com o ideal de uma boa educação?” nos leva a refletir sobre os conteúdos, sobre a maneira de ensinar em nossas escolas. E nos remete ainda, a um questionamento maior: O que é uma boa educação? O que é uma educação de qualidade? Na Constituição Federal de 1988, em seu artigo 205 “A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Segundo o dicionário Aurélio a educação é o “processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social”. Podemos definir ainda a educação como um processo que orienta e conduz o indivíduo a novas descobertas e fim de tomar suas próprias decisões, dentro das suas capacidades. Baseando-se em alguns conceitos de educação podemos concluir que uma educação de qualidade é aquela que contribui para o pleno desenvolvimento do indivíduo jamais contribuindo para que determinado aspecto prevaleça sobre o outro. Uma boa educação contribui para o desenvolvimento do sujeito levando em conta os aspectos físicos, intelectuais, morais, individuais e sociais, ou seja, uma boa educação vai além da transmissão de fórmulas, conceitos e conteúdos. É ainda importante lembrar que o currículo deve ser construído a partir do Projeto Político Pedagógico da escola para que ele esteja à serviço das metas que a escola deseja alcançar. O currículo deve fazer o elo entre teoria e prática, planejamento e ação buscando a concretização de uma educação de qualidade para todos. Se o currículo estiver de acordo com o PPP da escola e se este for dinâmico tal parceria permite o ajuste do fazer pedagógico às necessidades dos alunos. O currículo tem que ser entendido como a cultura real que surge de uma série de processos, mais que como um objeto delimitado e estático que se pode planejar e depois implantar; aquilo que é, na realidade, a cultura nas salas de aula, fica configurado em uma série de processos; as decisões prévias acerca do que se vai fazer no ensino, as tarefas acadêmicas reais que são desenvolvidas, a forma como a vida interna das salas de aula e os conteúdos de ensino se vinculam com o mundo exterior, as relações grupais, o uso e o aproveitamento de materiais, as práticas de avaliação etc. (Sacristán, J.G. 1995, p. 86-87). O currículo de uma escola determina o tipo de aluno que ela deseja formar, portanto faz-se necessária e efetivação de um currículo flexível, adequado à realidade e às necessidades dos alunos e que esteja de acordo com a formação para a vida em sociedade. Desta forma a educação oferecida nas escolas deve estar além de um documento no qual estão listados os conteúdos, deve estar além de um planejamento anual. A educação deve estar além da formação de mão-de-obra para o mercado de trabalho. A formação que a escola deve privilegiar é a formação humana, a formação baseada no verdadeiro conhecimento, na criação e na criatividade.

82


PARTE Iv 1.  Avaliação e Recuperação A maneira como uma escola avalia é reflexo da educação que ela valoriza. (Moura, 2005)

O termo ‘avaliar’ tem sido constantemente associado a expressões como: fazer prova, fazer exame, atribuir notas, repetir, ou passar de ano. Esta associação, tão freqüente em nossa escola, é resultante de uma concepção pedagógica arcaica, porém tradicionalmente dominante. Nela a educação é concebida como mera transmissão e memorização de informações prontas. Nos primórdios da educação brasileira, a avaliação era sinônimo de exame e caminhava junto com uma especial atenção ao medo imprimido por essas ferramentas avaliativas que tinham como objetivo manter a atenção dos alunos e formar a personalidade dos educandos (aculturação) por meio do controle assim como afirma Luckesi (1994 p. 21-22) “… Historicamente falando, a avaliação foi uma atividade, inicialmente trazida para a educação por um desejo de controle pelo exame que existe desde o século XVI”. Ao iniciar estes estudos a respeito do processo histórico da avaliação no Brasil, é necessário mergulhar no passado colonial, uma vez que a avaliação vista como testes e provas é uma herança trazida pelos jesuítas. Para os Jesuítas avaliar por meio de testes e provas era uma maneira de orientar as práticas escolares, procurando combater práticas heréticas e, sobretudo o protestantismo. A educação passou a ser uma valiosa ferramenta de controle social e cultural. Através da educação, os Jesuítas transmitiam aos povos nativos os valores cultuados pela sociedade européia e pelo Clero. A finalidade da pedagogia Jesuítica era a de um ensino voltado para a aculturação e conversão dos ignorantes (sobretudo os nativos) para a formação de uma hegemonia católica e ‘civilizada’. A educação jesuítica partia da transmissão de uma educação homogênea (mesma língua, mesma crença, mesma visão de mundo…). Os jesuítas tinham toda uma atenção especial com os exames.

Eram solenes essas ocasiões, seja pela constituição das bancas examinadoras e procedimentos de exames, seja pela comunicação pública dos resultados, seja pela emulação ou pelo vitupério daí decorrente. (LUCKESI, 1995, p. 22).

Luckesi (1995, p. 22) ainda nos fala sobre outra pedagogia vigente nos séculos XVI e XVII, a Pedagogia Comeniana representada pela figura do protestante Comênio. Comênio acreditava que os educandos eram estimulados aos estudos por meio de testes e exames. Para ele o medo imprimido pelos exames resultava no interesse pelos estudos e mantinham a atenção dos mesmos nas atividades escolares. Devido à exarcebada preocupação com os resultados, os educandos se dedicavam a todas as atividades escolares e ao estudo diário. A educação então não era vista como importante por si só, não como uma ferramenta de construção de valores e conhecimento e, sim, como um somatório de pontos e notas. Toda uma vida escolar era representada


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

por números e resultados quantitativos. Os alunos eram conduzidos a estudar, pensar e agir em função de uma nota e não pela obtenção do saber. Com o surgimento da burguesia, a Pedagogia tradicional despontou e enraizou-se para aperfeiçoar seus mecanismos de controle um processo de seletividade escolar e de formação das personalidades dos educandos. Ainda hoje a avaliação é sinônimo de seleção e controle e a sociedade burguesa caracteriza-se pela exclusão e marginalização dos indivíduos que compõem a grande parcela da sociedade. Nesse modelo de sociedade… “As provas e exames são realizados conforme o interesse do professor, ou do sistema de ensino.” (LUCKESI, 1995, p. 23). Dando um salto cronológico parte-se para a década de 60, época na qual teorias norte-americanas sobre avaliação tiveram grande influência no Brasil e repercutem até hoje. Um dos estudiosos que tiveram as ideias difundidas em nosso país foi Ralfh Tyler. Tyler (REVISTA NOVA ESCOLA, p. 26-33, 2003). Propunha a “avaliação por objetivos”. De acordo com esse modelo, o processo resume-se a verificar mudanças comportamentais dos alunos. Atualmente, podem-se observar vestígios dessa influência na prática dos professores em traçar objetivos e verificá-los por meio de testes e provas. Em 1967, Michael Scriven (p. 26-33, 2003) lançou ideias sobre a necessidade de desenvolver uma avaliação formativa como complemento da somativa. Suas ideias tiveram grande impacto no Brasil na década seguinte. Começou-se então a compreender que a avaliação não deve ter como função determinar a aprovação ou reprovação. Ela deve estar entrelaçada no processo de ensino aprendizagem e deve ocorrer de maneira a favorecer que esse processo seja eficaz e eficiente. No cenário atual, a avaliação tem sido alvo de grandes pesquisas e debates educacionais, sociológicos e políticos. A busca de ferramentas para uma aprendizagem significativa e de qualidade tem tornado a avaliação da aprendizagem um tema muito freqüente. Novos conceitos foram construídos, novas práticas foram desenvolvidas, no entanto, a palavra “avaliação” ainda está muito ligada à idéia de prova. Prova aquela que define o sucesso, ou o fracasso escolar dos alunos.

Além de vivermos ainda sob a hegemonia da pedagogia tradicional (os Jesuítas chegaram ao Brasil, em 1549, com nosso ilustre Primeiro Governador Geral Tomé de Souza), estamos mergulhados nos processos econômicos, sociais e políticos da sociedade burguesa, no seio da qual a pedagogia tradicional emergiu e se cristalizou, traduzindo o seu espírito. (LUCKESI, 1995, p. 22).

Se no século XVI, os Jesuítas utilizavam a avaliação como meio de aculturação e controle, hoje “… a sociedade, por intermédio do sistema de ensino e dos professores, desenvolve formas de ser da personalidade dos educandos que se conformam aos seus ditames” (LUCKESI, 1995 p.25). Conclui-se, então, que o sistema de ensino vigente apenas reproduz um modelo de sociedade. A avaliação irá selecionar o mau aluno e o bom aluno, apresentando uma característica de hierarquização, exclusão, seleção, rotulação, verificação e alienação. Segundo Enguita (1989), “... as práticas avaliativas passam a ser um espaço social que antecipa as relações sociais da sociedade.” Há necessidade de se pensar nas práticas de avaliação da aprendizagem que vêm sendo desenvolvida nas nossas instituições de ensino para que estas não nos remetam a uma posição de poucos avanços. A avaliação necessita ser utilizada como elemento que auxilie no processo ensino aprendizagem. Urge a necessidade de uma avaliação que vá além de notas lançadas no diário.

84


PARTE IV

Dá certo relatar a aprendizagem de um aluno por meio de números? Eles são subjetivos e genéricos e não refletem com precisão muitas situações de aprendizagem que ficam claras em pareceres. Considero a avaliação o acompanhamento do processo de construção do conhecimento. E as médias não permitem isso. (HOFFMANN, 2003, p. 30).

Outro ponto a ser levado em consideração é o de que a avaliação é, muitas vezes, utilizada como ‘disciplinamento social dos alunos’. Dentro dessa perspectiva, a avaliação é usada como ameaça para que os alunos aprendam, tornem-se disciplinados diante do medo. Diante de tantos problemas gerados pelo uso inadequado da função da avaliação e do uso abusivo de práticas de disciplinamento e memorização de conteúdos, faz-se extremamente fundamental e necessário ampliar e aprofundar os estudos e debates relacionados a esse tema. É preciso decidir o que avaliar, para que avaliar e como avaliar e, sobretudo, é preciso esclarecer o que é a avaliação e ter em mente alguns conceitos sobre a mesma. Em suma, a avaliação contemplada nos Parâmetros Curriculares Nacionais é compreendida como:

Conjunto de ações cujo objetivo é o ajuste na orientação da intervenção pedagógica para que o aluno aprenda da melhor forma; conjunto de ações que busca obter informações sobre o que foi aprendido e como; elemento de reflexão contínua para o professor sobre sua prática educativa; (…) ação que ocorre durante todo o processo de ensino aprendizagem e não apenas em momentos específicos caracterizados como fechamento de grandes etapas de trabalho. (PCN, 1997, p. 56).

Analisando o que dizem os Parâmetros Curriculares Nacionais, podemos concluir que a avaliação não implica em avaliar somente o aluno, mas também o ensino oferecido, bem como uma auto-avaliação por parte do professor. Para Celso Vasconcellos, o conceito de avaliação é o seguinte:

…Avaliação é um processo abrangente da existência humana, que implica uma reflexão crítica sobre a prática, no sentido de captar seus avanços, suas resistências, suas dificuldades e possibilitar uma tomada de decisão sobre o que fazer para superar os obstáculos… (VASCONCELLOS, 1994, p. 42).

Sendo assim a avaliação vai muito além do conceito de medir, testar, por em prova. É um momento de reflexão, no qual o professor deverá observar os pontos negativos e positivos de sua prática. Nesse momento, ele deverá levantar questões que o ajudem na tomada de decisões: O que foi proveitoso e precisa continuar? O que surtiu resultados, mas precisa melhorar? O que precisa ser radicalmente mudado? Partindo desse conceito de avaliação, esta deve ocorrer durante todo o processo de ensino aprendizagem e não somente em um momento isolado, chamado ‘prova’. Outros conceitos que caracterizam a avaliação como um momento de diagnóstico e reflexão são dados por Melchior:

A avaliação é um instrumento que serve para o professor ajustar sua atuação no processo de ensino e aprendizagem, reforçando os conteúdos que ainda não são de domínio dos alunos e realizando as adaptações curriculares necessárias. Através dos processos avaliativos o professor tem a oportunidade de conhecer como se realiza a aprendizagem. (MELCHIOR, 1998, p. 43).

85


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Analisando o conceito de Melchior (1998, p. 43), observamos que a avaliação é um processo que engloba uma auto-avaliação por parte do professor. Este a utilizará como ferramenta de adequação da sua prática. Através dessa auto-análise, o professor é capaz de minimizar os erros, reproduzir os acertos e fazer as devidas adaptações que contribuirão para a aprendizagem de seus alunos. Dessa forma, avaliação estaria intrinsecamente ligada ao processo de ensino-aprendizagem. Ela deixaria de ser um momento de teste e estaria entrelaçada aos conteúdos e ao dia-a-dia da sala de aula, uma vez que o professor avaliaria sua própria prática, reforçaria os conteúdos que ainda não tivessem sido assimilados por todos e adequaria sua prática docente, buscando compreender a fundo o processo de aprendizagem. Essa seria então uma avaliação significativa, esclarecedora e de caráter diagnóstico, um termômetro como nos diz Sant’Anna:

A avaliação escolar é o termômetro que permite avaliar o estado em que se encontram os elementos envolvidos no contexto. Ela tem um papel altamente significativo na educação, tanto que nos arriscamos a dizer que a avaliação é alma do processo educacional. (...) (SANT’ANNA, 1995, p. 7).

Em seu livro, “Avaliação da aprendizagem escolar” (1995), Luckesi resume bem a avaliação enquanto um auxílio na tomada de decisões para melhorias e mudanças na prática educativa, caracterizando a avaliação como “… Um julgamento de valor sobre dados relevantes da realidade, tendo em vista uma tomada de decisão (LUCKESI, 1995, p. 33). Segundo a definição de Luckesi (1995, p. 33), a avaliação deve partir de dados reais, ligados à realidade do objeto da avaliação. Ao avaliar, o professor deve utilizar-se da observação e esta deve trazer consigo um diagnóstico que contribua para a melhoria da prática docente e, conseqüentemente, uma melhoria para a aprendizagem. Desse modo, a avaliação deve ocorrer contínua e sistematicamente por meio da interpretação qualitativa do conhecimento construído pelo aluno. A tomada de decisão é uma tomada de posição, isto é, um estar a favor ou contra aquilo que foi julgado, sendo que isto implica em três possibilidades: continuar na situação, introduzir modificações, ou suprimir a situação, ou o objeto. Na avaliação da aprendizagem, refere-se à decisão do que decide-se o que fazer com o aluno, quando a sua aprendizagem se manifesta satisfatória ou insatisfatória. Hoffmann (1994, p. 58) entende avaliação como uma ação provocativa do professor, desafiando o aluno a refletir sobre as experiências vividas, a formular e reformular hipóteses, direcionando para um saber enriquecido. Para Mere Abramowicz (REVISTA NOVA ESCOLA, 2001, p. 23-25), a avaliação é “um processo dialógico, interativo, que visa a fazer do indivíduo um ser melhor, mais crítico, mais criativo, mais autônomo, mais participativo (…) que leve a uma ação transformadora…” Analisando os conceitos citados anteriormente, observa-se uma mudança de pensamento, no que diz respeito à função da avaliação e ao seu significado. Partindo desses novos conceitos, o professor deve avaliar os dados resultantes para tomar suas decisões. A avaliação funcionaria como uma reorientação, um norteamento. Porém, as práticas tradicionais de avaliação encontram-se enraizadas em nosso sistema educacional. Faz-se preciso buscar um caminho para transformar nosso modelo avaliativo que utilize, além de testes e provas, outros meios eficazes de avaliar e analisar o processo de ensino aprendizagem e que não submetam esse processo a uma mera verificação de notas. Aliás, esse é um fato no qual devemos depositar nossa atenção: avaliar não é somente verificar, medir, testar.

86


PARTE IV

A diferença fundamental entre verificação e avaliação, é que a primeira é um ato estático e a segunda é um processo dinâmico e re-encaminha a ação. A verificação preocupa-se unicamente com a atribuição de notas e médias e dá à avaliação um caráter meramente quantitativo. Nesse sentido, sobre verificação e avaliação, nos diz Vasconcellos:

Há que se distinguir, inicialmente, ‘Avaliação e Nota’. Avaliação é um processo abrangente da existência humana, que implica uma reflexão crítica sobre a prática, no sentido de captar seus avanços, suas resistências, suas dificuldades e possibilitar uma tomada de decisão sobre o que fazer para superar os obstáculos. A nota, seja na forma de número, conceito ou menção, é uma exigência formal do sistema educacional. Podemos imaginar um dia em que não haja mais nota na escola – ou qualquer tipo de reprovação -, mas certamente haverá necessidade de continuar existindo avaliação, para poder se acompanhar o desenvolvimento dos educandos e ajudá-los em suas eventuais dificuldades. (VASCONCELLOS, 1994, p. 42).

Faz-se necessário a procura de um ideal de avaliação, de um modelo correto de avaliar. Procura-se uma avaliação que descentralize o poder das mãos do professor e que não seja sinônimo de medo, controle e punição. A ação docente consiste no acompanhamento da criança em seu desenvolvimento, com respeito à sua individualidade e suas conquistas, que são gradativas. Na Educação Infantil, a avaliação deve ser entendida como um conjunto de ações que auxiliam o professor a refletir sobre as condições de aprendizagem oferecidas às crianças e ajustar sua prática às reais necessidades dos alunos. Sua função é acompanhar, orientar, regular e redirecionar esse processo como um todo, tendo como principal objetivo a melhoria da qualidade do ensino. Essa prática deve estar norteada por instrumentos como a observação das crianças em sua exploração permanente do mundo, da aproximação com a realidade sociocultural dessas crianças, e dos registros dos aspectos relevantes que auxiliarão o professor na sua função de mediar a aprendizagem do aluno. O portfólio individual e o relatório descritivo são instrumentos a serem utilizados na Educação Infantil e nos dois primeiros anos do Ciclo Básico de Alfabetização, que nos permitem acompanhar o progresso de cada aluno e o trabalho realizado no decorrer dos dias letivos, sem objetivo de promoção. O acompanhamento das vivências e das produções das crianças deverá compor um relatório de modo que o educador possa ter uma visão integral dos alunos ao mesmo tempo em que revelam suas particularidades do caminhar percorrido pela criança durante todo o processo de ensino aprendizagem. Portanto, a avaliação será sistematizada em relatório trimestral e individual na Educação Infantil e nos três anos do Ciclo de Alfabetização, sendo que no ciclo deverá incluir-se ainda o planejamento de atividades para avaliar o nível de escrita e leitura dos alunos de maneira a acompanhar e intervir com atividades pertinentes e necessárias a cada nível. De acordo com Jussara Hoffmann, podemos apontar os seguintes pressupostos básicos no delineamento de uma proposta de avaliação mediadora. • “Uma proposta pedagógica que vise levar em conta a diversidade de interesses e possibilidades de exploração do mundo pela criança, respeitando sua própria identidade sociocultural, e proporcionando-lhe um ambiente interativo, rico em materiais e situações a serem experienciadas;

87


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

• Um professor curioso e investigador do mundo da criança, agindo como mediador de suas conquistas, no sentido de apoiá-la, acompanhá-la e favorecer-lhe novos desafios; • Um processo avaliativo permanente de observação, registro e reflexão acerca da ação e do pensamento das crianças, de suas diferenças culturais e de desenvolvimento, embasador do repensar do educador sobre o seu fazer pedagógico.”

A partir da 3ª série/4º ano do Ensino Fundamental e também nas classes da EJA, o professor deve valerse de outros instrumentos para avaliar o processo de aprendizagem dos alunos, não deixando de levar em conta a observação diária, os registros para possíveis intervenções e o acompanhamento sistemático durante as aulas. A avaliação possui uma dimensão formadora muito importante, pois significa uma imprescindível fonte de informação para formular práticas pedagógicas, pois os registros feitos, ao longo do processo, auxiliam a compreensão do desempenho da aprendizagem de cada aluno. A Avaliação deverá ter um caráter formativo e contínuo. Esta deverá ter função diagnóstica, processual, descritiva onde os aspectos qualitativos prevalecem sobre os quantitativos. Dessa forma poderar-se-á indicar as estruturas já construídas pelo aluno, suas dificuldades, as intervenções necessárias e os avanços conquistados. A prática avaliativa deverá objetivar o diagnóstico e o monitoramento, cuidando ainda de utilizar-se de instrumentos que resultem em diagnósticos individuais, que servem como referências na elaboração do plano de ação que visa à superação das dificuldades individuas e/ou coletivas. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional prevê ainda, para os casos de baixo rendimento, a obrigatoriedade de estudos de recuperação que devem acontecer paralelamente aos dias letivos. A recuperação, assim como a avaliação, não deve acontecer em um momento formal isolado, uma vez que, se o aluno não atingiu os objetivos propostos, ele deve receber atenção especial por parte do professor, com o uso de novas ferramentas e metodologias de estudo. É através do contato diário, da observação e das intervenções específicas em aula, que o aluno irá efetivar sua aprendizagem atingindo os objetivos que outrora não conseguiu alcançar. O momento da “prova de recuperação” será apenas um registro formal do conhecimento alcançado pelo aluno, apenas um instrumento pelo qual o professor poderá analisar o progresso do aluno, através de questões desafiadoras e relevantes e que não exijam a memorização estéril e sem significado.

88


PARTE v 1.  Organização curricular (objetivos e conteúdos) O currículo, assumido como referência dos princípios educacionais garantidos à educação, assegurados na resolução nº 4 de 13 de julho de 2010, configura-se como conjunto de valores e práticas que proporcionam a produção, a socialização de significados no espaço social e contribuem intensamente para a construção de identidades socioculturais dos educandos. Os componentes curriculares obrigatórios do Ensino Fundamental e para Educação de Jovens e Adultos serão assim organizados na Rede Municipal de Educação de Quatis: 1. Língua Portuguesa; 2. Redação – a partir da 5ª série/6º ano Ensino Fundamental; 3. Língua Estrangeira – a partir da 5ª série/6º ano Ensino Fundamental; 4. Arte; 5. Educação Física; 6. Matemática; 7. Desenho geométrico - partir da 5ª série/6º ano Ensino Fundamental; 8. Ciências; 9. História; 10. Geografia; 11. Filosofia - para as turmas de EJA do 2º segmento do Ensino Fundamental; 12. Sociologia – para as turmas de Ensino Médio EJA. De acordo com a resolução nº 7 de 14 de dezembro de 2010, art. 15: §3º A história e as culturas indígena e afro-brasileira, presentes, obrigatoriamente, nos conteúdos desenvolvidos no âmbito de todo currículo escolar e, em especial, no ensino de Arte, Literatura e História do Brasil, assim como a História da África, deverão assegurar o conhecimento e o reconhecimento desses povos para a constituição da nação (conforme art. 26 LDB 9394/96, alterado pela lei nº 11.645/2008). §4º A música constitui conteúdo obrigatório, mas não exclusivo, do componente curricular Arte, o qual compreende também as artes visuais, o teatro e a dança, conforme o § 6º do art. 26 da Lei nº 9394/96. Art. 16 Os componentes curriculares e as áreas de conhecimento devem articular em seus conteúdos, a partir das possibilidades abertas pelos seus referenciais, a abordagem de temas abrangentes e contemporâneos que afetam a vida humana em escala global, regional e local, bem como na esfera individual. Temas como saúde, sexualidade e gênero, vida familiar e social, assim como os direitos das crianças e adolescentes, de acordo com ECA (Lei nº 8.069/90), preservação do meio ambiente, nos termos da política nacional de educação ambiental (Lei nº 9.795/99), educação para o consumo, educação fiscal, trabalho, ciência e tecnologia, e diversidade cultural devem permear o desenvolvimento dos conteúdos da base nacional comum e da parte diversificada do currículo.


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

1.1.  Educação Infantil Âmbito: Formação Pessoal e Social Eixo: Identidade e Autonomia Objetivos

Conteúdos

-- Ter uma imagem positiva de si, ampliando sua autoconfiança, identificando cada vez mais suas limitações e possibilidades, e agindo de acordo com eles;

-- Expressão, manifestação e controle progressivo de suas necessidades, desejos e sentimentos em situações cotidianas.

-- Identificar e enfrentar situações de conflitos, utilizando seus recursos pessoais, respeitando as outras crianças e adultos e exigindo reciprocidade; -- Valorizar ações de cooperação e solidariedade, desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração e compartilhando suas vivências; -- Brincar; -- Adotar hábitos de autocuidado, valorizando as atitudes relacionadas com a higiene, alimentação, conforto, segurança, proteção do corpo e cuidados com a aparência; -- Identificar e compreender a sua pertinência aos diversos grupos dos quais participam, respeitando suas regras básicas de convívio e a diversidade que os compõe.

-- Iniciativa para resolver pequenos problemas do cotidiano, pedindo ajuda se necessário. -- Identificação progressiva de algumas singularidades próprias e das pessoas com as quais convive no seu cotidiano em situações de interação. -- Participação em situações de brincadeira nas quais as crianças escolham os parceiros, os objetos, os temas, o espaço e as personagens. -- Participação de meninos e meninas igualmente em brincadeiras de futebol, casinha, pular corda etc. -- Valorização do diálogo como uma forma de lidar com os conflitos. -- Participação na realização de pequenas tarefas do cotidiano que envolvam ações de cooperação, solidariedade e ajuda na relação com os outros. -- Respeito às características pessoais relacionadas ao gênero, etnia, peso, estatura. -- Valorização da limpeza e aparência pessoal. -- Respeito e valorização da cultura de seu grupo de origem e de outros grupos. -- Conhecimento, respeito e utilização de algumas regras elementares de convívio social. -- Participação em situações que envolvam a combinação de algumas regras de convivência em grupo e aquelas referentes ao uso dos materiais e do espaço, quando isso for pertinente. -- Valorização dos cuidados com os materiais de uso individual e coletivo. -- Procedimentos relacionados à alimentação e à higiene das mãos, cuidado e limpeza pessoal das várias partes do corpo. -- Utilização adequada dos sanitários. -- Identificação de situações de risco no seu ambiente mais próximo. -- Procedimentos básicos de prevenção a acidentes e autocuidado.

Âmbito: Conhecimento de Mundo Eixo: Movimento Crianças de 0 a 3 anos Objetivos

Conteúdos

-- Familiarizar-se com a imagem do próprio corpo.

Expressividade

-- Explorar as possibilidades de gestos e ritmos corporais para expressarem-se nas brincadeiras e nas demais situações de interação.

-- Expressão de sensações e ritmos corporais por meio de gestos, posturas e da e da linguagem oral.

-- Deslocar-se com destreza progressiva no espaço ao andar, correr, pular etc, desenvolvendo atitude de confiança nas próprias capacidades motoras. -- Explorar e utilizar os movimentos de preensão, encaixe, lançamento etc. para uso de objetos diversos.

-- Reconhecimento progressivo de segmentos e elementos do próprio corpo por meio da exploração, das brincadeiras, do uso do espelho e da interação com os outros.

Equilíbrio e Coordenação -- Exploração de diferentes posturas corporais, como sentar-se em diferentes inclinações, deitar-se em diferentes posições, ficar ereto apoiado na planta dos pés com e sem ajuda etc. -- Ampliação progressiva da destreza para deslocar-se no espaço por meio da possibilidade constante de arrastar-se, engatinhar, rolar, andar, correr, saltar etc. -- Aperfeiçoamento dos gestos relacionados com a preensão, o encaixe, o traçado no desenho, o lançamento etc. por meio da experimentação e utilização de suas habilidades manuais em diversas situações cotidianas.

90


PARTE V

Eixo: Música Crianças de 0 a 3 anos Objetivos -- Ouvir, perceber e discriminar eventos sonoros diversos, fontes sonoras e produções musicais -- Brincar com a música, imitar, inventar e reproduzir criações musicais.

Conteúdos O fazer musical -- Exploração, expressão e produção do silêncio e de sons com a voz, o corpo, o entorno e materiais sonoros diversos. -- Interpretação de músicas e canções diversas. -- Participação em brincadeiras e jogos cantados e rítmicos.

Apreciação musical -- Escuta de obras musicais variadas -- Participação em situações que integrem músicas, canções e movimentos corporais.

Eixo: Artes Visuais Crianças de 0 a 3 anos Objetivos -- Ampliar o conhecimento de mundo que possuem, manipulando diferentes objetos e materiais, explorando suas características, propriedades e possibilidades de manuseio e entrando em contato com formas diversas de expressão artística. -- Utilizar diversos materiais gráficos e plásticos sobre diferentes superfícies para ampliar suas possibilidades de expressão e comunicação.

Conteúdos O fazer artístico -- Exploração e manipulação de materiais como lápis e pincéis de diferentes texturas e espessuras, brochas, carvão, carimbo etc, de meios como tinta, água, areia, terra, argila etc. e de variados suportes gráficos, como jornal, papelão, parede, chão, caixas, madeiras etc. -- Exploração e reconhecimento de diferentes movimentos gestuais, visando a produção de marcas gráficas. -- Cuidado com o próprio corpo e dos colegas no contato com os suportes e materiais de artes. -- Cuidado com os materiais e com os trabalhos e objetos produzidos individualmente ou em grupo.

Apreciação em artes visuais -- Observação e identificação de imagens diversas.

Eixo: Linguagem oral e escrita Crianças de 0 a 3 anos Objetivos -- Participar de variadas situações de comunicação oral, para interagir e expressar desejos, necessidades e sentimentos por meio da linguagem oral, contando suas vivências. -- Interessar-se pela leitura de histórias. -- Familiarizar-se aos poucos com a escrita por meio da participação em situações nas quais ela se faz necessária e do contato cotidiano com livros, revistas, histórias em quadrinhos etc.

Conteúdos Linguagem oral -- Uso da linguagem oral para conversar, comunicar-se, relatar suas vivências e expressar desejos, vontades, necessidades e sentimentos, nas diversas situações de interação presentes no cotidiano. -- Participação em situações de leitura de diferentes gêneros feita pelos adultos, como contos, poemas, parlendas, trava-línguas etc. -- Participação em situações cotidianas nas quais se faz necessário o uso da leitura e da escrita. -- Observação e manuseio de materiais impressos, como livros, revistas, histórias em quadrinhas etc.

Eixo: Natureza e Sociedade

91


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Crianças de 0 a 3 anos Objetivos

Conteúdos

-- Explorar o ambiente, para que possa se relacionar com pessoas, estabelecer contato com pequenos animais, com plantas e com objetos diversos, manifestando curiosidade e interesse.

-- Participação em atividades que envolvam histórias, brincadeiras, jogos e canções que digam respeito às tradições culturais de sua comunidade e de outros grupos. -- Exploração de diferentes objetos, de suas propriedades e de relações simples de causa e efeito. -- Contato com pequenos animais e plantas. -- Conhecimento do próprio corpo por meio do uso e da exploração de suas habilidades físicas, motoras e perceptivas.

Eixo: Matemática Crianças de 0 a 3 anos Objetivos

Conteúdos

-- Estabelecer aproximações a algumas noções matemáticas presentes no seu cotidiano, como contagem, relações espaciais etc.

-- Utilização da contagem oral, de noções de quantidade, de tempo e de espaço em jogos, brincadeiras e músicas junto com o professor e nos diversos contextos nos quais as crianças reconheçam essa utilização como necessária. -- Manipulação e exploração de objetos e brinquedos, em situações organizadas de forma a existirem quantidades individuais suficientes para que cada criança possa descobrir as características e propriedades principais e suas possibilidades associativas: empilhar, rolar, transvasar, encaixar etc.

Âmbito: Formação Pessoal e Social Eixo: Identidade e Autonomia Objetivos

Conteúdos

-- Ter uma imagem positiva de si, ampliando sua autoconfiança, identificando cada vez mais suas limitações e possibilidades, e agindo de acordo com eles;

-- Expressão, manifestação e controle progressivo de suas necessidades, desejos e sentimentos em situações cotidianas.

-- Identificar e enfrentar situações de conflitos, utilizando seus recursos pessoais, respeitando as outras crianças e adultos e exigindo reciprocidade; -- Valorizar ações de cooperação e solidariedade, desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração e compartilhando suas vivências; -- Brincar; -- Adotar hábitos de autocuidado, valorizando as atitudes relacionadas com a higiene, alimentação, conforto, segurança, proteção do corpo e cuidados com a aparência; -- Identificar e compreender a sua pertinência aos diversos grupos dos quais participam, respeitando suas regras básicas de convívio e a diversidade que os compõe.

-- Iniciativa para resolver pequenos problemas do cotidiano, pedindo ajuda se necessário. -- Identificação progressiva de algumas singularidades próprias e das pessoas com as quais convive no seu cotidiano em situações de interação. -- Participação em situações de brincadeira nas quais as crianças escolham os parceiros, os objetos, os temas, o espaço e as personagens. -- Participação de meninos e meninas igualmente em brincadeiras de futebol, casinha, pular corda etc. -- Valorização do diálogo como uma forma de lidar com os conflitos. -- Participação na realização de pequenas tarefas do cotidiano que envolvam ações de cooperação, solidariedade e ajuda na relação com os outros. -- Respeito às características pessoais relacionadas ao gênero, etnia, peso, estatura -- Valorização da limpeza e aparência pessoal. -- Respeito e valorização da cultura de seu grupo de origem e de outros grupos. -- Conhecimento, respeito e utilização de algumas regras elementares de convívio social. -- Participação em situações que envolvam a combinação de algumas regras de convivência em grupo e aquelas referentes ao uso dos materiais e do espaço, quando isso for pertinente. -- Valorização dos cuidados com os materiais de uso individual e coletivo. -- Procedimentos relacionados à alimentação e à higiene das mãos, cuidado e limpeza pessoal das várias partes do corpo. -- Utilização adequada dos sanitários. -- Identificação de situações de risco no seu ambiente mais próximo. -- Procedimentos básicos de prevenção a acidentes e auto cuidado.

92


PARTE V

Âmbito: Conhecimento de Mundo Eixo: Movimento Crianças de 4 a 5 anos Objetivos -- Ampliar as possibilidades expressivas do próprio movimento, utilizando gestos diversos e o ritmo corporal nas suas brincadeiras, danças, jogos e demais situações de interações. -- Explorar diferentes qualidades e dinâmicas do movimento, como força, velocidade, resistência e flexibilidade, conhecendo gradativamente os limites e as potencialidades de seu corpo. -- Controlar gradualmente o próprio movimento, aperfeiçoando seus recursos de deslocamento e ajustando suas habilidades motoras para utilização em jogos, brincadeiras, danças e demais situações. -- Utilizar os movimentos de preensão, encaixe, lançamento etc., para ampliar suas possibilidades de manuseio dos diferentes materiais e objetos. -- Apropriar-se progressivamente da imagem global de seu corpo, conhecendo e identificando seus segmentos e elementos e desenvolvendo cada vez mais uma atitude de interesse e cuidado com o próprio corpo.

Conteúdos Expressividade -- Utilização expressiva intencional do movimento nas situações cotidianas e em suas brincadeiras. -- Percepção de estruturas rítmicas para expressar-se corporalmente por meio da dança, brincadeira e de outros movimentos. -- Valorização e ampliação das possibilidades estéticas do movimento pelo conhecimento e utilização de diferentes modalidades de dança. -- Percepção das sensações, limites, potencialidades, sinais vitais e integridade do próprio corpo.

Equilíbrio e coordenação -- Participação em brincadeiras e jogos que envolvam correr, subir, descer, escorregar, pendurar-se, movimentar-se, dançar etc. para ampliar gradualmente o conhecimento e controle sobre o corpo e o movimento. -- Utilização dos recursos de deslocamento e das habilidades de força, velocidade, resistência e flexibilidade nos jogos e brincadeiras dos quais participa. -- Valorização de suas conquistas corporais. -- Manipulação de materiais, objetos e brinquedos diversos para aperfeiçoamento de suas habilidades manuais.

Eixo: Música Crianças de 4 a 5 anos Objetivos -- Explorar e identificar elementos da música para se expressar, interagir com os outros e ampliar seu conhecimento de mundo; -- Perceber e expressar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio de improvisações, composições e interpretações musicais.

Conteúdos O fazer musical -- Reconhecimento e utilização expressiva, em contextos musicais das diferentes características geradas pelo silêncio e pelos sons: altura (graves ou agudos), duração (curtos ou longos), intensidade (fracos ou fortes) e timbre (característica que distingue e “personaliza” cada som). -- Reconhecimento e utilização das variações de velocidade e densidade na organização e realização de algumas produções musicais. -- Participação em jogos e brincadeiras que envolvam a dança e/ ou a improvisação musical. -- Repertório de canções para desenvolver memória musical.

Apreciação musical -- Escuta de obras musicais de diversos gêneros, estilos, épocas e culturas, da produção musical brasileira e de outros povos e países. -- Reconhecimento de elementos musicais básicos: frases, partes, elementos que se repetem etc. (a forma) -- Informações sobre as obras ouvidas e sobre seus compositores para iniciar seus conhecimentos sobre a produção musical.

93


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Eixo: Artes Visuais Crianças de 4 a 5 anos Objetivos -- Interessar-se pelas próprias produções, pelas de outras crianças e pelas diversas obras artísticas (regionais, nacionais ou internacionais) com as quais entrem em contato, ampliando seu conhecimento do mundo e da cultura; -- Produzir trabalhos de arte, utilizando a linguagem do desenho, da pintura, da modelagem, da colagem, da construção, desenvolvendo o gosto, o cuidado e o respeito pelo processo de produção e criação.

Conteúdos O fazer artístico -- Criação de desenhos, pinturas, colagens, modelagens a partir de seu próprio repertório e da utilização dos elementos da linguagem das Artes Visuais: ponto, linha, forma, cor, volume, espaço, textura etc. -- Exploração e utilização de alguns procedimentos necessários para desenhar, pintar, modelar etc. -- Exploração e aprofundamento das possibilidades oferecidas pelos diversos materiais, instrumentos e suportes necessários para o fazer artístico. -- Exploração dos espaços bidimensionais e tridimensionais na realização de seus projetos artísticos. -- Organização e cuidado com os materiais no espaço físico da sala. -- Respeito e cuidados com os objetos produzidos individualmente e em grupo. -- Valorização de suas próprias produções, das de outras crianças e da produção de arte geral.

Apreciação em artes visuais -- Conhecimento da diversidade de produções artísticas, como desenhos pinturas, esculturas, construções, fotografias, colagens, ilustrações, cinema etc. -- Apreciação das produções e das dos outros, por meio da observação e leitura de alguns dos elementos da linguagem plástica. -- Observação dos elementos constituintes da linguagem visual: ponto, linha, forma, cor, volume, contrastes, luz, texturas. -- Leitura de obras de arte a partir da observação, narração, descrição e interpretação de imagens e objetos. -- Apreciação das Artes Visuais e estabelecimento de correlação com as experiências pessoais.

94


PARTE V

Eixo: Linguagem oral e escrita Crianças de 4 a 5 anos Objetivos -- Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer vários gêneros orais e escritos e participando de diversas situações de intercâmbio social nas quais possa contar suas vivências, ouvir as de outras pessoas, elaborar e responder perguntas. -- Familiarizar-se com a escrita por meio do manuseio de livros, revistas e outros portadores de textos e da vivência de diversas situações nas quais seu uso se faça necessário; -- Escutar textos lidos, apreciando a leitura feita pelo professor;

Conteúdos Falar e escutar -- Uso da linguagem oral para conversar, brincar, comunicar e expressar desejos, necessidades, opiniões, idéias, preferências e sentimentos e relatar suas vivências nas diversas situações de interação presentes no cotidiano. -- Elaboração de perguntas e respostas de acordo com os diversos contextos de que participa. -- Participação em situações que envolvem a necessidade de explicar e argumentar suas idéias e pontos de vista. -- Relato de experiências vividas e narração de fatos em seqüência temporal e causal. -- Reconto de histórias conhecidas com aproximação às características da história original no que se refere à descrição de personagens, cenários e objetos, com ou sem a ajuda do professor. -- Conhecimento e reprodução oral de jogos verbais, como trava-línguas, parlendas, advinhas, quadrinhas, poemas e canções.

Práticas de leitura

-- Interessar-se por escrever palavras e textos ainda que não de forma convencional;

-- Participação nas situações em que os adultos lêem textos de diferentes gêneros, como contos, poemas, notícias de jornal, informativos parlendas, trava-línguas etc.

-- Reconhecer seu nome escrito, sabendo identificá-lo nas diversas situações do cotidiano;

-- Reconhecimento do próprio nome dentro do conjunto de nomes do grupo nas situações em que isso se fizer necessário.

-- Escolher os livros para ler e apreciar.

-- Participação em situações que as crianças leiam, ainda que não façam de maneira convencional.

-- Observação e manuseio de materiais impressos, como livros, revistas, histórias em quadrinhos etc., previamente apresentados ao grupo. -- Valorização da leitura como fonte de prazer e entretenimento.

Práticas de escrita -- Participação em situações cotidianas nas quais se faz necessário o uso da escrita. -- Escrita do próprio nome em situações em que isso é necessário. -- Produção de textos individuais e/ou coletivos ditados oralmente ao professor para diversos fins. -- Prática de escrita de próprio punho, utilizando o conhecimento de que dispõe, no momento, sobre o sistema de escrita em língua materna. -- Respeito pela produção própria e alheia.

95


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Eixo: Natureza e Sociedade Crianças de 4 a 5 anos Objetivos -- Interessar-se e demonstrar curiosidade pelo mundo social e natural, formulando perguntas, imaginando soluções para compreendê-lo, manifestando opiniões próprias sobre os acontecimentos, buscando informações e confrontando idéias; -- Estabelecer algumas relações entre o modo de vida característico de seu grupo social e de outros grupos; -- Estabelecer algumas relações entre o meio ambiente e as formas de vida que ali se estabelecem, valorizando sua importância para a preservação das espécies e para a qualidade da vida humana.

Conteúdos Organização dos grupos e seu modo de ser, viver e trabalhar -- Participação em atividades que envolvam histórias, brincadeiras, jogos e canções que digam respeito às tradições culturais de sua comunidade e de outras; -- Conhecimento de modos de ser, viver e trabalhar de alguns grupos sociais do presente e do passado; -- Identificando de alguns papéis sociais existentes em seus grupos de convívio, dentro e fora da instituição; -- Valorização do patrimônio cultural do seu grupo social e interesse por conhecer diferentes formas de expressão cultural.

Os lugares e suas paisagens -- Observação da paisagem local (rios, vegetação, construções, florestas, campos, dunas, açudes, mar montanhas etc.); -- Utilização, com ajuda dos adultos, de fotos, relatos e outros registros para a observação de mudanças ocorridas nas paisagens ao longo do tempo. -- Valorização de atitudes de manutenção e preservação dos espaços coletivos e do meio ambiente.

Objetos e processos de transformação -- Participação em atividades que envolvam processos de confecção de objetos. -- Reconhecimento de algumas características de objetos produzidos em diferentes épocas e por diferentes grupos sociais; -- Conhecimento de algumas propriedades dos objetos: refletir, ampliar ou inverter as imagens, produzir, transmitir ou ampliar sons, propriedades ferromagnéticas etc.; -- Cuidados no uso dos objetos do cotidiano, relacionados à segurança e prevenção de acidentes, e à sua conservação.

Os seres vivos -- Estabelecimento de algumas relações entre diferentes espécies de seres vivos, suas características e suas necessidades vitais; -- Conhecimento dos cuidados básicos de pequenos animais e vegetais por meio da sua criação e cultivo; -- Conhecimento de algumas espécies da fauna e da flora brasileira e mundial; -- Percepção dos cuidados necessários à preservação da vida e do ambiente; -- Valorização da vida nas situações que impliquem cuidados prestados a animais e plantas; -- Percepção dos cuidados com o corpo, a prevenção de acidentes e à saúde de forma geral; -- Valorização de atitudes relacionadas à saúde e ao bem-estar individual e coletivo.

Os fenômenos da natureza -- Estabelecimento de relação entre os fenômenos da natureza de diferentes regiões (relevo, rios, chuva, secas etc.) e as formas de vida dos grupos sociais que ali vivem. -- Participação em diferentes atividades envolvendo a observação e a pesquisa sobre a ação de luz, calor, som, força e movimento.

96


PARTE V

Eixo: Matemática Crianças de 4 a 5 anos Objetivos -- Reconhecer e valorizar os números, as operações numéricas, as contagens orais e as noções espaciais como ferramenta necessárias no seu cotidiano. -- Comunicar idéias matemáticas, hipóteses, processos utilizados e resultados encontrados em situaçõesproblema relativas a quantidades, espaço físico e medida, utilizando a linguagem oral e a linguagem matemática; -- Ter confiança em suas próprias estratégias e na sua capacidade para lidar com situações matemáticas novas, utilizando seus conhecimentos prévios.

Conteúdos Números e sistema de numeração -- Utilização da contagem oral nas brincadeiras e em situações nas quais as crianças reconheçam sua necessidade. -- Utilização de noções simples de cálculo mental como ferramenta para resolver problemas; -- Comunicação de quantidades utilizando a linguagem oral, a notação numérica e/ou registros não convencionais; -- Identificação da posição de um objeto ou número numa série, explicitando a noção de sucessor e antecessor. -- Identificação de números nos diferentes contextos em que se encontram. -- Comparação de escritas numéricas, identificando algumas regularidades.

Grandezas e medidas -- Exploração de diferentes procedimentos para comparar grandezas; -- Introdução às noções de medida de comprimento, peso, volume e tempo, pela utilização de unidades convencionais e não convencionais; -- Marcação do tempo por meio de calendários; -- Experiências com dinheiro em brincadeiras ou em situações de interesse das crianças.

Espaço e forma -- Explicitação e/ou representação da posição de pessoas e objetos, utilizando vocabulário pertinente nos jogos, nas brincadeiras e nas diversas situações nas quais as crianças considerarem necessário essa ação; -- Exploração e identificação de propriedades geométricas de objetos e figuras, como formas, tipos de contornos, bidimensionalidade, tridimensionais, faces planas, lados retos etc. -- Representações bidimensionais e tridimensionais de objetos. -- Identificação de pontos de referência para situar-se e deslocar-se no espaço. --

Descrição e representação de pequenos percursos e trajetos, observando pontos de referência.

97


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

1.2.  Ensino Fundamental Língua Portuguesa - 1º Ano Linguagem oral Objetivos

Conteúdos

Linguagem Oral

Linguagem Oral

1.  Participar das interações cotidianas em sala de aula:

-- Uso da linguagem oral para conversar argumentar e explicar pontos de vistas, relatar desejos, necessidades, fatos e opiniões.

-- escutando com atenção e compreensão; -- respondendo às questões propostas pelo (a) professor (a); -- expondo opiniões nos debates com os colegas e com o (a) professor (a). 2.  Relatar experiências vividas e narrar fatos em seqüência temporal e causal. 3.  Recontar histórias conhecidas com aproximação às características da história original, no que se refere à descrição de personagens, cenários e objetos, com ajuda do professor. 4.  Conhecer e reproduzir oralmente jogos verbais como travalínguas, parlendas, adivinhas, quadrinhos, poemas e canções. 5.  Adequar a fala em situações formais.

Compreensão e valorização da cultura escrita 6.  Conhecer, utilizar e valorizar os modos de produção e de circulação da escrita na sociedade. 7.  Conhecer os usos e as funções sociais da escrita 8.  Conhecer, utilizar e valorizar instrumentos de escrita pertencentes ao cotidiano escolar, tais como: livros de história, caderno, papel ofício, lápis, borracha, entre outros. 9.  Desenvolver habilidades específicas para escrever realizando atividades motoras que envolvem o uso do material escolar. 10.  Compreender a orientação e o alinhamento da escrita. 11.  Compreender a função de segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frase.

98

-- Participação em situações de oralidade nas quais os alunos tenham que narrar fatos e experiências com seqüência temporal. -- Compreensão e interpretação de informações e textos lidos pelo professor. -- Reconto de histórias conhecidas com aproximação às características da história original no que se refere à descrição de personagens, cenários e objetos, com ou sem a ajuda do professor. -- Participação em conversas, debates e em outras situações que desenvolvam a escuta atenta, a compreensão, a organização, clareza e objetividade na fala. -- Participação em situações e atividades que explorem as variedades lingüísticas e desenvolvam o respeito pelas diversas formas de expressão oral.

Compreensão e valorização da cultura escrita -- Compreensão da função social da escrita. -- Participação em situações nas quais os alunos utilizem e valorizem os modos de produção e circulação da escrita. (variedades de suportes textuais) -- Compreensão das funções e características dos gêneros textuais. -- Leitura e produção de textos de diversos gêneros textuais. -- Participação em situações de escrita nas quais os alunos percebam e compreendam os aspectos gráficos da escrita tais como: orientação e alinhamento da escrita, função e segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frase.


PARTE V

Linguagem escrita Objetivos

Conteúdos

Práticas de leitura

Práticas de leitura

12.  Desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura.

-- Realização de leituras para identificação do assunto do texto.

13.  Decodificar palavras, identificando as relações entre fonemas (sons) e grafemas (letras).

-- Valorização da leitura como fonte de prazer, conhecimento e entretenimento.

14.  Saber ler reconhecendo globalmente as palavras, reconhecendo instantaneamente cada parte da palavra e tendo assim acesso imediato a seu significado.

-- Participação em situações nas quais os adultos lêem textos de diferentes gêneros e identifiquem suas características e funções.

15.  Ler com clareza textos formados a partir do repertório trabalhado. 16.  Ler com entonação respeitando a pontuação, garantindo a fluência. 17.  Compreender textos: -- identificando finalidades e funções da leitura -- antecipando conteúdos em função do suporte e gênero -- levantando e confirmando hipóteses. -- fazendo inferências -- construindo compreensão global do texto -- avaliando o texto afetivamente

-- Participação em situações e realização de atividades nas quais os alunos percebam porque e para que se lê. -- Realização de atividades coletivas e/ou individuais para exploração global das palavras (número de letras, número se sílabas, som das letras, exploração da letra inicial e final, exploração de todas as sílabas que compõem as palavras.) -- Observação, manuseio, exploração das funções e características e trabalho constante com materiais impressos como livros, revistas, histórias em quadrinhos, livros de receitas etc. -- Participação em situações e atividades nas quais os alunos identifiquem as relações entre grafemas (letras) e fonemas (sons). Atividades de consciência fonológica para reconhecimento dos sons das letras.

Práticas de produção de texto

-- Interpretação oral e/ou escrita com a finalidade de localizar informações explícitas e implícitas em um texto.

18.  Interessar-se por escrever palavras e textos ainda que não de forma convencional.

-- Participação em situações nas quais os alunos leiam, ainda que não façam de maneira convencional.

19.  Compreender diferenças entre a escrita alfabética e outras formas gráficas.

Práticas de produção de texto

20.  Reconhecer unidades fonoaudiológicas como sílabas, rimas, terminações de palavras, etc. 21.  Conhecer o alfabeto, sabendo que as letras, mesmo com diferenças gráficas, têm valores funcionais fixados previamente. 22.  Compreender a natureza alfabética do sistema de escrita. 23.  Dominar regularidades ortográficas. 24.  Dominar irregularidades ortográficas. 25.  Escrever, utilizando o traçado correto das letras. 26.  Utilizar adequadamente em suas produções: -- flexão de gênero; -- flexão do número; -- flexão de grau; -- letras maiúsculas e minúsculas; -- acentuação; -- pontuação.

Análise e reflexão sobre a língua 27.  Compreender os vários sentidos que determinada palavra pode ter em diferentes situações. 28.  Ler e compreender palavras. 29.  Ler e compreender frases. 30.  Compreender globalmente um texto lido pelo professor, identificando o assunto principal. 31.  Atribuir significado a diferentes textos

-- Participação em situações de escrita espontânea de palavras, frases e textos. -- Realização de atividades nas quais os alunos diferenciam letras de números e outros sinais gráficos. -- Participação em situações e atividades para discriminação sonora para perceber o som das letras e sílabas. (Consciência fonológica) -- Trabalho com rimas e terminações de palavras. -- Trabalho com todo o alfabeto (letras e sons) -- Realização de atividades de leitura e escrita individual e/ou coletiva nas quais os alunos compreendam e dominem as regularidades e irregularidades ortográficas. -- Participação em situações práticas, dinâmicas e prazerosas para aquisição do traçado correto das letras. -- Realização de produções de frases e textos individuais e/ou coletivos com a finalidade de apropriar-se, de maneira contextualizada, da utilização correta da pontuação, acentuação e da articulação do gênero, número e grau do substantivo.

Análise e reflexão sobre a língua -- Participação em momentos de leitura nos quais os alunos tenham que realizar a interpretação oral identificando o assunto abordado no texto lido entre outras características. -- Leitura e compreensão individual e/ou coletiva de palavras e frases. -- Realização de atividades de leitura e escrita nas quais os alunos percebam que uma mesma palavra pode ter sentidos diferentes de acordo com o contexto na qual aparece. -- Realização de atividades para identificação das funções e significados de diferentes textos.

99


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Matemática - 1º Ano Números Naturais e Sistema de Numeração decimal Objetivos

Conteúdos

1.  Utilizar o cálculo mental como ferramenta para resolver problemas.

-- Participação em situações, jogos e brincadeiras que envolvam a resolução de questões matemáticas através do cálculo mental.

2.  Comunicar quantidades, utilizando a linguagem oral, a notação numérica e/ou registros não convencionais.

-- Utilização da contagem oral e de noções de quantidade através de jogos, brincadeiras, músicas e em atividades com o professor e colegas.

3.  Identificar números em diferentes contextos. 4.  Ler números familiares ou freqüentes. 5.  Escrever números familiares ou freqüentes. 6.  Comparar e ordenar números familiares ou freqüentes. 7.  Utilizar estratégias pessoais para resolver problemas que envolvam adição. 8.  Utilizar estratégias pessoais para resolver problemas que envolvam subtração. 9.  Utilizar estratégias pessoais para resolver problemas que envolvam multiplicação. 10.  Utilizar estratégias pessoais para resolver problemas que envolvam divisão.

-- Uso do registro escrito ou do registro não convencional de quantidades em atividades práticas e/ou escritas. -- Identificação da posição de um número numa série explicitando a noção de sucessor e antecessor através de brincadeiras, atividades práticas e contextualizadas. -- Identificação de números nos diferentes contextos em que se encontram (número como medida, como código, como quantidade: número nas receitas culinárias, nos instrumentos de medida, em roupas e sapatos, em placas, em encartes etc.) -- Escrita de numerais para registrar quantidades, medidas e códigos. -- Participação em atividades práticas e concretas nas quais os alunos utilizem suas estratégias e conhecimentos na formulação de hipóteses para a resolução de problemas que envolvam adição, subtração, multiplicação e divisão. -- Atividades de resolução convencional (uso do algoritmo) da adição e subtração através de situações problemas e atividades contextualizadas.

Grandezas e Medidas Objetivos

Conteúdos

11.  Comparar grandezas, utilizando diferentes procedimentos e estratégias pessoais.

-- Exploração lúdica e práticas de diferentes procedimentos para comparar grandezas e medidas.

12.  Iniciar o uso de instrumentos de medida.

-- Utilização, em situações práticas e contextualizadas, das noções de medida de comprimento, peso, volume e tempo pela utilização de unidades convencionais e não convencionais (quilo, metro, centímetro, litro, passo, palmo, dias, semanas, meses, anos etc.)

13.  Construir noções de medida de comprimento, peso, volume e tempo, utilizando unidades convencionais e não convencionais. 14.  Manusear dinheiro calculando valores com utilização de registros ou mentalmente. 15.  Usar o calendário.

-- Utilização de instrumentos de medidas: régua, trena, fita métrica, balança, copo medidor etc. -- Marcação do tempo por meio de calendários. -- Experiências com dinheiro em brincadeiras e situações práticas.

Espaço e Forma Objetivos

Conteúdos

16.  Representar posição de objetos e pessoas no espaço

-- Explicitação e/ou representação da posição de pessoas e objetos através de jogos, brincadeiras e maquetes.

17.  Explorar propriedades geométricas de objetos e figuras. 18.  Montar e desmontar embalagens tridimensionais.

-- Exploração e identificação de propriedades geométricas de objetos e figuras como formas, tipos de contorno, números de faces e lados, bidimensionalidade e tridimensionalidade utilizando jogos e materiais concretos.

19.  Identificar e representar semelhanças e diferenças entre formas geométricas.

-- Identificação de pontos de referência para situar-se e deslocar-se no espaço.

-- Montagem e planificação de embalagens tridimensionais. -- Descrição e representação de pequenos percursos e trajetos observando pontos de referência. -- Identificação de pessoas, lugares e objetos na malha quadriculada.

100


PARTE V

Tratamento da Informação Objetivos

Conteúdos

20.  Ler e interpretar informações contidas em imagens.

-- Identificação e interpretação de quantidades, valores, datas, horários e demais informações contidas em imagens, cartazes, folders, rótulos, gráficos etc.

21.  Coletar e organizar informações. 22.  Explorar a função do número na organização de informações (telefones, placas de carros, registros de identidade, tamanho de roupas e sapatos, etc.). 23.  Começar a usar e a fazer listas e tabelas simples.

-- Participação em situações de coleta de informações e registro (pesquisas de campo, entrevistas e registro de quantidades utilizando anotações, tabelas ou gráficos). -- Identificação e exploração das diversas funções do número: números como medida, código, quantidade através da utilização de lista telefônica, placas de carro e casa, registro de identidade, tamanhos de roupa, sapatos, receitas culinárias etc. -- Utilização, interpretação e produção de tabelas simples: dupla entrada.

Ciências - 1º Ano Ciências Naturais Objetivos

Conteúdos

1.  Estabelecer relações entre o meio ambiente e as formas de vida que ali se estabelecem.

-- Identificação dos seres vivos de acordo com suas espécies, características, habitat, necessidades vitais etc.

2.  Valorizar o meio ambiente para a preservação das espécies e para a qualidade da vida humana.

-- Conhecimento de algumas espécies da fauna e flora brasileira e mundial.

3.  Valorizar atitudes e comportamentos favoráveis à saúde, em relação à alimentação e à higiene pessoal, desenvolvendo a responsabilidade no cuidado com o próprio corpo e com os espaços que habita. 4.  Identificar as partes do corpo humano e suas funções.

-- Percepção e exploração dos cuidados necessários à preservação da vida e do ambiente. -- Valorização de animas e plantas para o bem estar da natureza e do homem. -- Utilização de plantas medicinais na cultura local. -- Valorização e cuidados com os recursos naturais (água, ar e solo) -- Percepção e exploração dos prejuízos causados pela poluição -- Percepção e valorização de atitudes de cuidado com o corpo e prevenção de doenças e acidentes. -- Valorização de atitudes relacionadas à saúde e ao bem estar tais como alimentação saudável, cuidados com o local no qual se vive, higiene e prática de exercícios. -- Percepção e exploração da organização do esquema corporal, das partes que compõem o corpo e suas funções com foco na realização de atividades práticas

101


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Estudos Sociais - 1º Ano História Objetivos

Conteúdos

1.  Estabelecer algumas relações entre o modo de vida característico de seu grupo social e de outros grupos.

-- Percepção, exploração e valorização das características e do modo de viver do grupo social no qual está inserido.

2.  Comparar acontecimentos, tendo como referência anterioridade, posteridade e simultaneidade.

-- Percepção, exploração e valorização das características e do modo de vida dos diferentes grupos sociais.

3.  Reconhecer algumas semelhanças e diferenças no modo de viver dos indivíduos e dos grupos sociais que pertencem ao seu próprio tempo e espaço. 4.  Identificar direitos e deveres pessoais e coletivos. 5.  Estabelecer relação entre o presente e o passado. 6.  Identificar alguns documentos históricos e fontes de informação discernindo algumas de suas funções.

-- Exploração e valorização da cultura local

-- Identificação de aspectos e características comuns entre a cultura local e a cultura de outros grupos sociais. -- Identificação e exploração das funções dos documentos históricos e fontes de informação. -- Exploração de documentos e fontes históricas diversas com a finalidade de comparar o presente e o passado (paisagem, vestimentas, costumes, linguagem etc.) -- Participação em pesquisas e discussões sobre o patrimônio e cultura local. -- Ordenação cronológica dos acontecimentos (anterioridade, posterioridade e simultaneidade dos acontecimentos). -- Estudo e exploração dos direitos individuais e coletivos. -- Estudo e exploração do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Geografia Objetivos

Conteúdos

7.  Interessar-se pelo mundo social e natural, formulando perguntas, manifestando opiniões próprias sobre os acontecimentos.

-- Identificação da paisagem natural local.

8.  Comparar a presença da natureza, da paisagem onde vive com as manifestações da natureza de outros lugares. 9.  Reconhecer semelhanças e diferenças nos modos que diferentes grupos sociais se apropriam da natureza e a transformam. 10.  Utilizar a observação e a descrição na leitura direta e indireta da paisagem, sobretudo por meio de ilustrações e da linguagem oral. 11.  Reconhecer a importância de uma atitude responsável de cuidado com o meio em que vive evitando o desperdício e percebendo os cuidados que deve ter.

102

-- Identificação e comparação das paisagens urbanas e rurais locais. -- Comparação entre a paisagem local e as paisagens de outros lugares. -- Identificação das transformações/modificações da paisagem local sejam elas realizadas pela natureza ou pelo homem. -- Identificação e comparação entre as transformações naturais e as transformações causadas pelos grupos sociais. -- Valorização, cuidado e preservação do ambiente no qual se vive.


PARTE V

Língua Portuguesa - 2º Ano Linguagem oral Objetivos

Conteúdos

Linguagem Oral

Linguagem Oral

1.  Participar das interações cotidianas em sala de aula

-- Uso da linguagem oral para conversar argumentar e explicar pontos de vista, relatar desejos, necessidades, fatos e opiniões.

-- escutando com atenção e compreensão -- respondendo às questões propostas pela professora -- expondo opiniões nos debates com colegas e com a professora 2.  Relatar experiências vividas e narrar fatos em seqüência temporal e causal. 3.  Recontar histórias conhecidas com aproximação às características da história original, no que se refere à descrição de personagens, cenários e objetos, sem ajuda do professor. 4.  Conhecer e reproduzir oralmente jogos verbais como trava-línguas, parlendas, adivinhas, quadrinhas, poemas e canções.

-- Participação em situações de oralidade nas quais os alunos tenham que narrar fatos e experiências com seqüência temporal. -- Compreensão e interpretação de informações e textos lidos pelo professor. -- Reconto de histórias conhecidas com aproximação às características da história original no que se refere à descrição de personagens, cenários e objetos, com ou sem a ajuda do professor. -- Participação em situações de rodas de conversas, debates, socialização de pesquisas e demais situações que desenvolvam a escuta atenta, a compreensão, a organização, a clareza e objetividade na fala. -- Participação em situações e atividades que explorem as variedades lingüísticas e desenvolvam o respeito pelas diversas formas de expressão oral. -- Trabalho com as variedades lingüísticas regionais e nacionais.

5.  Adequar a fala em diferentes situações, buscando empregar variedade lingüística. 6.  Respeitar a diversidade das formas de expressão oral manifestada pelos colegas, professores, funcionários da escola e pessoas da comunidade extra-escolar. 7.  Realizar, com pertinência, tarefas cujo desenvolvimento dependa de escuta atenta e compreensão.

Linguagem escrita Objetivos

Conteúdos

8.  Conhecer, utilizar e valorizar os modos de produção e de circulação da escrita na sociedade. 9.  Conhecer os usos e funções sociais da escrita. 10.  Interessar-se por escrever palavras e textos.

-- Compreensão da função social da escrita -- Participação em situações nas quais os alunos utilizem e valorizem os modos de produção e circulação da escrita. (diversos suportes textuais) -- Compreensão das funções e características dos gêneros textuais.

103


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

11.  Compreender diferenças entre a escrita alfabética e outras formas gráficas. 12.  Dominar convenções gráficas: -- compreender a orientação e o alinhamento da escrita da língua portuguesa -- compreender a função de segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frase. 13.  Reconhecer o alfabeto. -- compreender a categorização gráfica funcional das letras. -- reconhecer e utilizar diferentes tipos de letras (de fôrma, scripit e cursiva) 14.  Compreender a natureza alfabética do sistema de escrita. 15.  Dominar as relações entre grafemas e fonemas: -- dominar regularidades ortográficas -- dominar irregularidades ortográficas 16.  Utilizar a escrita alfabética para produzir textos coesos, coerentes e com seqüência lógica, aumentando gradativamente o seu repertório. 17.  Redigir textos considerando o leitor e o objeto da mensagem, preocupando-se com o gênero e o suporte que melhor atendem a intenção comunicativa. 18.  Escrever, utilizando o traçado correto das letras que estiverem sendo trabalhadas. 19.  Utilizar dicionários para solucionar dúvidas ortográficas. 20.  Redigir textos com organização estética, atentando para o espaçamento entre palavras e parágrafos. 21.  Utilizar adequadamente em suas produções: -- flexão de gênero -- flexão do número -- flexão de grau -- letras maiúsculas e minúsculas -- acentuação -- pontuação -- separação de sílabas 22.  Revisar e reelaborar a própria escrita.

Análise e reflexão sobre a língua 23.  Desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura. 24.  Reconhecer unidades fonoaudiológicas como sílabas, rimas, terminações de palavras, etc. 25.  Compreender os vários sentidos que determinada palavra pode ter em diferentes situações. 26.  Desenvolver capacidades de decifração: -- saber decodificar palavras -- saber ler reconhecendo globalmente as palavras 27.  Ler e compreender frases. 28.  Antecipar conteúdos de textos a serem lidos em função do seu suporte, seu gênero e sua contextualização. 29.  Levantar e confirmar hipóteses relativas ao conteúdo do texto que está sendo lido. 30.  Justificar sua interpretação, argumentando.

104

-- Leitura, interpretação e produção de textos de diversos gêneros textuais identificando suas características e funções. -- Participação em situações de escrita nas quais os alunos percebam e compreendam os aspectos gráficos da escrita tais como: orientação e alinhamento da escrita, função e segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frase. -- Reconhecimento e utilização do alfabeto. -- Compreensão da ordem alfabética. -- Participação em situações de compreensão e utilização dos diferentes tipos de letras. -- Participação em situações para exploração do alfabeto e para compreensão da natureza alfabética do sistema de escrita. -- Produção (coletiva e individual) de textos com coesão e coerência. -- Produção (coletiva e individual) de textos de gêneros variados. -- Participação em situações e atividades para compreensão da função e uso dos diferentes gêneros textuais. -- Utilização dos diversos gêneros textuais de acordo com a intenção comunicativa. -- Participação em atividades práticas e significativas para apropriação do traçado correto das letras. -- Utilização do dicionário como ferramenta de revisão da escrita, fonte de pesquisa e solução de dúvidas. -- Participação em atividades de produção e revisão textual com a finalidade de perceber e utilizar o parágrafo, o espaçamento entre palavras, as flexões de Gênero/número/grau, letras maiúsculas (início de frase e nomes próprios), letras minúsculas, acentuação, pontuação (final, exclamação, interrogação, vírgula). -- Participação em atividades individuais e/ou coletivas para revisão e reelaboração da escrita.

Análise e reflexão sobre a língua -- Realização de leituras individuais e/ou coletivas para identificação do assunto do texto. -- Participação em momentos de leitura diária pelo professor e pelo aluno para desenvolver o hábito da leitura como fonte de aprendizado e prazer. -- Participação e realização de atividades nas quais os alunos percebem por que e para que se lê. -- Realização de atividades para exploração global das palavras (número de letras, letra inicial e final, número de sílabas que compõem as palavras, exploração de todas as sílabas que compõem as palavras. -- Utilização de brincadeiras e jogos que desenvolvam a leitura de palavras, frases e textos. -- Participação em momentos de leitura nos quais os alunos tenham que realizar a interpretação oral identificando o assunto abordado no texto lido. -- Leitura e compreensão individual de palavras, frases e textos. -- Realização de atividades nas quais os alunos percebam que uma mesma palavra pode ter sentidos diferentes de acordo com o contexto na qual aparece. -- Realização de atividades de leitura e produção para identificação das funções e significados de diferentes textos. -- Realização de atividades para percepção dos sons das letras e sílabas. -- Realização de atividades com rimas. -- Realização de leitura e interpretação de informações explícitas e implícitas em um texto (individual e/ou coletiva).


PARTE V

31.  Buscar pistas textuais, intertextuais e contextuais para ler nas entrelinhas, fazendo inferências, ampliando a compreensão. 32.  Construir compreensão global do texto lido, unificando e inter-relacionando informações explícitas e implícitas. 33.  Avaliar ética e afetivamente o texto, fazendo extrapolações.

-- Participação em situações e atividades nas quais os alunos levantem hipóteses sobre o conteúdo do texto que está sendo lido, façam inferências e justifiquem sua interpretação através da argumentação. -- Realização de atividades individuais e/ou coletivas que desenvolvam a entonação e clareza na leitura -- Compreensão e domínio das relações entre grafemas (letras) e fonemas (sons): atividades de consciência fonológica.

34.  Ler com clareza e entonação, respeitando a pontuação e garantindo a fluência.

Matemática - 2º Ano Números Naturais e Sistema de Numeração Decimal Objetivos

Conteúdos

1.  Utilizar o cálculo mental como ferramenta para resolver problemas.

-- Participação em situações, jogos e brincadeiras que envolvam a resolução de questões matemáticas através do cálculo mental.

2.  Comunicar quantidades, utilizando a linguagem oral, a notação numérica e registros não convencionais.

-- Utilização da contagem oral e de noções de quantidade através de jogos, brincadeiras, músicas e em atividades com o professor e colegas.

3.  Identificar números em diferentes contextos. 4.  Ler números familiares ou freqüentes. 5.  Escrever números familiares ou freqüentes. 6.  Comparar e ordenar números familiares ou freqüentes. 7.  Efetuar adição por meio de estratégias pessoais e convencionais. 8.  Efetuar subtração por meio de estratégias pessoais e convencionais. 9.  Empregar os termos unidade, dezena e centena para identificar os agrupamentos. 10.  Resolver situações problemas associadas à adição. 11.  Resolver situações problemas associadas à subtração. 12.  Resolver situações problemas associadas à adição com reagrupamento. 13.  Resolver situações problemas associadas à subtração com reserva/recursos. 14.  Aplicar a noção de multiplicação em situações concretas.

-- Uso do registro escrito ou do registro não convencional de quantidades em atividades práticas e/ou escritas. -- Identificação da posição de um número numa série explicitando a noção de sucessor e antecessor através de atividades práticas e contextualizadas. -- Identificação de números nos diferentes contextos em que se encontram através de atividades práticas, lúdicas, contextualizadas e com relação às práticas e utilização no dia-a-dia. -- Escrita de numerais, de forma contextualizada, para registrar quantidades e códigos. -- Participação em atividades nas quais os alunos utilizem suas estratégias e conhecimentos na formulação de hipóteses para a resolução de problemas que envolvam adição, subtração, multiplicação e divisão. -- Realização de atividades nas quais os alunos utilizem o algoritmo convencional para resolver problemas que envolvam adição e subtração. -- Realização de atividades nas quais os alunos utilizem o algoritmo convencional para resolver problemas que envolvam adição com reagrupamento e subtração com reserva/recursos. -- Realização de atividades práticas e concretas que envolvam multiplicação. -- Realização de atividades práticas e concretas que envolvam divisão. -- Uso de linhas do tempo e retas numeradas para organizar fatos cronologicamente.

15.  Aplicar a noção de divisão em situações concretas. 16.  Ordenar, cronologicamente, fatos significativos pessoais e coletivos.

105


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Grandezas e Medidas Objetivos

Conteúdos

17.  Comparar grandezas, utilizando diferentes procedimentos (estratégias pessoais e instruções de medida conhecidas).

-- Exploração de diferentes procedimentos e instrumentos para comparar grandezas e medidas (balança, copo medidor, jarras, copos, barbantes, fita métrica, metros, trenas, réguas, relógio, etc.)

18.  Construir noções de medida de comprimento, peso, capacidade e tempo, utilizando unidades padronizadas e não padronizadas.

-- Utilização, em situações práticas e contextualizadas, das noções de medida de comprimento, peso, volume e tempo pela utilização de unidades convencionais e não convencionais (quilo, metro, centímetro, litro, passo, palmo, horas, minutos, dias, semanas, meses, anos etc.)

19.  Manusear dinheiro calculando valores com utilização de registros ou mentalmente.

-- Marcação do tempo por meio de calendários e relógios.

20.  Identificar as unidades de tempo – dia, semana, mês, bimestre, semestre, ano, etc.

-- Experiências com dinheiro em brincadeiras e situações práticas.

21.  Ler as horas adequadamente, sendo hora inteira e meia hora.

-- Compreensão da função e organização do calendário.

-- Resolução de situações problemas utilizando cédulas e moedas.

22.  Demonstrar organização temporal fazendo uso do calendário

Espaço e forma Objetivos

Conteúdos

23.  Representar posição de objetos e pessoas no espaço, a partir de maquetes, esboços, croquis e itinerários.

-- Explicitação e/ou representação da posição de pessoas e objetos através de jogos, brincadeiras e maquetes.

24.  Explorar propriedades geométricas de objetos e figuras.

-- Construção de maquetes para representação de espaços.

25.  Dimensionar espaços, percebendo relações de tamanho e forma. 26.  Construir e representar formas geométricas. (planos e sólidos)

-- Construção, produção e interpretação de esboços, croquis e itinerários. -- Exploração e identificação de propriedades geométricas de objetos e figuras como formas, tipos de contorno, números de faces e lados, bidimensionalidade e tridimensionalidade. -- Representação de figuras planas e sólidos geométricos através de desenhos e malha quadriculada. -- Montagem e planificação de sólidos geométricos. -- Manuseio, planificação e montagem de embalagens. -- Identificação de pontos de referência para situar-se e deslocar-se no espaço. -- Descrição e representação de pequenos percursos e trajetos observando pontos de referência. -- Identificação de pessoas, lugares e objetos na malha quadriculada.

Tratamento da Informação Objetivos

Conteúdos

27.  Ler e interpretar informações contidas em imagens.

-- Identificação e interpretação de quantidades, valores, datas, horários e demais informações contidas em imagens, cartazes, folders, rótulos, gráficos etc.

28.  Coletar e organizar informações. 29.  Explorar a função do número na organização de informações (telefones, placas de carros, registro de identidade, tamanho de roupa e de sapatos, etc.). 30.  Elaborar e interpretar listas, tabelas e gráficos.

-- Participação em situações de interpretação e coleta de informações e registro (pesquisas de campo, entrevistas e registro de quantidades utilizando anotações, tabelas ou gráficos). -- Identificação e exploração das diversas funções do número: números como medida, código, quantidade através da utilização de lista telefônica, placas de carro e casa, registro de identidade, tamanhos de roupa, sapatos, receitas culinárias etc. -- Utilização, interpretação e produção de tabelas de dupla e tripla entrada, listas e gráficos.

106


PARTE V

Ciências - 2º Ano Ciências Naturais Objetivos

Conteúdos

1.  Estabelecer relações entre o meio ambiente e as formas de vida que ali se estabelecem.

-- Identificação dos seres vivos de acordo com suas espécies, características, habitat, necessidades vitais etc.

2.  Valorizar o meio ambiente para a preservação das espécies e para a qualidade da vida humana.

-- Desenvolvimento de atividades de pesquisa, debate, coleta de dados para conhecimento de algumas espécies da fauna e flora brasileira e mundial.

3.  Valorizar atitudes e comportamentos favoráveis à saúde, em relação à alimentação e à higiene pessoal, desenvolvendo a responsabilidade no cuidado com o próprio corpo e com os espaços que habita.

-- Percepção e exploração dos cuidados necessários à preservação da vida e do ambiente.

4.  Identificar as partes do corpo humano e suas funções.

-- Desenvolvimento de atividades de pesquisa, debate, coleta de dados para valorização de animas e plantas para o bem estar da natureza e do homem. -- Atividades para conhecimento e estudo sobre utilização de plantas medicinais na cultura local. -- Valorização e cuidados com os recursos naturais (água, ar e solo) -- Percepção e exploração dos prejuízos causados pela poluição -- Percepção estudo e exploração dos cuidados com o corpo, a prevenção de doenças e acidentes. -- Valorização de atitudes relacionadas à saúde e ao bem estar tais como alimentação saudável, cuidados com o local no qual se vive higiene e prática de exercício. -- Percepção e exploração da organização do esquema corporal, das partes que compõem o corpo e suas funções com foco na realização de atividades ráticas.

Estudos Sociais - 2º Ano História Objetivos

Conteúdos

1.  Estabelecer relações entre o modo de vida característico de seu grupo social e de outros grupos.

-- Percepção, exploração e valorização das características e do modo de viver do grupo social no qual está inserido.

2.  Comparar acontecimentos, tendo como referência anterioridade, posterioridade e simultaneidade.

-- Exploração e valorização da cultura local

3.  Reconhecer algumas semelhanças e diferenças no modo de viver dos indivíduos e dos grupos sociais que pertencem ao seu próprio tempo e ao seu espaço. 4.  Identificar direitos e deveres pessoais 5.  Identificar direitos e deveres coletivos. 6.  Estabelecer relação entre o presente e o passado. 7.  Identificar alguns documentos históricos e fontes de informação discernindo algumas de suas funções.

-- Percepção, exploração e valorização das características e do modo de vida dos diferentes grupos sociais. -- Identificação de aspectos e características comuns entre a cultura local e a cultura de outros grupos sociais. -- Identificação e exploração das funções dos documentos históricos e fontes de informação. -- Exploração de documentos e fontes históricas diversas com a finalidade de coletar dados para comparar o presente e o passado (paisagem, vestimentas, costumes, linguagem etc.) -- Ordenação cronológica dos acontecimentos (anterioridade, posterioridade e simultaneidade dos acontecimentos). -- Estudo e exploração dos direitos individuais e coletivos. -- Estudo e exploração do Estatuto da Criança e do Adolescente.

107


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Estudos Sociais - 2º Ano Geografia Objetivos

Conteúdos

1.  Interessar-se pelo mundo social e natural

-- Identificação e exploração da paisagem natural local.

2.  Comparar a presença da natureza, da paisagem local onde vive, com as manifestações da natureza de outros lugares.

-- Formulação de perguntas e manifestação de opinião à respeito de acontecimentos locais e regionais.

3.  Reconhecer semelhanças e diferenças nos modos que diferentes grupos sociais se apropriam da natureza e a transformam.

-- Comparação entre a paisagem local e as paisagens de outros lugares.

4.  Utilizar a observação e a descrição na leitura direta e indireta da paisagem, sobretudo por meio de ilustração e da linguagem oral. 5.  Reconhecer a importância de uma atitude responsável de cuidado com o meio em que vive, evitando o desperdício e percebendo os cuidados que deve ter.

108

-- Identificação e comparação das paisagens urbanas e rurais locais. -- Identificação das transformações da natureza e da paisagem local. -- Identificação e comparação entre as transformações naturais e as transformações causadas pelos grupos sociais. -- Valorização, cuidado e preservação do ambiente no qual se vive.


PARTE V

LÍNGUA PORTUGUESA Língua Portuguesa - 2ª série/3º ano do Ensino Fundamental OBJETIVO GERAL: Conhecer e utilizar as diferentes linguagens e suas potencialidades como instrumentos para expressão de um sujeito histórico, inserido em uma coletividade em constante transformação, compreendendo a complexidade das dinâmicas que envolvem o processo sócio comunicativo, valorizando e respeitando a pluralidade das manifestações culturais.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Expressar-se oralmente, argumentar e debater com os colegas e professor, expondo opiniões com confiança e organização do pensamento. Considerando as opiniões alheias e respeitando os diferentes modos de falar. -- Ler os diferentes gêneros textuais e compreender as mensagens dos textos de que é destinatário direto ou indireto. Saber atribuir significado, identificando elementos possivelmente relevantes segundo os propósitos e intenção do autor. -- Produzir diferentes tipos de textos coesos e coerentes, considerando o leitor e o objeto da mensagem, começando a identificar o gênero e o suporte que melhor atendem à intenção comunicativa. -- Explorar as possibilidades e recursos da linguagem que se usa para escrever, a partir da observação e análise de textos especialmente bem escritos. -- Revisar seus próprios textos a partir de uma primeira versão, com ajuda do professor, e redigir as versões necessárias até considerá-lo suficientemente bem escrito para o momento. -- Analisar as regularidades da escrita como: ›› Ortografia; ›› concordância verbal e nominal e outros aspectos se mostrem necessários a partir das dificuldades de redação; ›› relação entre acentuação e tonicidade. -- Interagir com materiais e procedimentos variados em Artes, como: Artes visuais, dança, músicas, dramatizações experimentando-os de modo a utilizá-los nos trabalhos pessoais;

Oralidade -- Comunicação oral (falar, ouvir, compreender, interpretar) -- Argumentação e contra argumentação -- Formulação de perguntas e respostas. -- Planejamento da fala. -- Significados (coletivos e sentidos individuais de palavras e expressões)

Leitura -- Função social dos textos -- Leitura de imagem -- Relação fonema/grafema -- Compreensão e interpretação (diferentes textos: fábulas, bilhete, carta, convite, lendas, parlendas, adivinhas, trava-lingua, provérbios, cantigas de roda, receita, manual de instrução, textos informativos, noticias, email) -- Temporalidade (ontem, hoje, amanha, antes, depois) -- Antecipação e inferência -- Informações relevantes do texto. -- Apreciação de textos literários.

Língua Portuguesa - 3ª série/4º ano do Ensino Fundamental OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Utilizar a linguagem oral com eficácia, sabendo adequá-la as intenções educativas e situações comunicativas que requerem conversar num grupo, expressar sentimentos e opiniões, defender pontos de vista, relatar acontecimentos, expor sobre temas estudados. -- Ler os diferentes gêneros textuais e compreender as mensagens dos textos de que é destinatário direto ou indireto. Saber atribuir significado, identificando elementos possivelmente relevantes segundo os propósitos e intenção do autor. -- Produzir textos escritos coesos e coerentes, dentro dos gêneros previstos para serie, ajustados a objetivos e leitores determinados.

Oralidade -- Comunicação oral (falar, ouvir, compreender, interpretar) -- Argumentação e contra argumentação -- Formulação de perguntas e respostas. -- Planejamento da fala.

--Significados (coletivos e sentidos individuais de palavras e expressões)

109


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

-- Revisar seus próprios textos a partir de uma primeira versão, com ajuda do professor, e redigir as versões necessárias até considerá-lo suficientemente bem escrito para o momento.

Leitura

-- Analisar as regularidades da escrita como:

-- Relação fonema/grafema

›› ortografia; ›› concordância verbal e nominal e outros aspectos se mostrem necessários a partir das dificuldades de redação; ›› relação entre acentuação e tonicidade.

-- Função social dos textos -- Leitura de imagem -- Compreensão e interpretação (diferentes textos: fábulas, bilhete, carta, convite, lendas, parlendas, adivinhas, trava-lingua, provérbios, cantigas de roda, receita, manual de instrução, textos informativos, noticias, email) -- Temporalidade (ontem, hoje, amanha, antes, depois) -- Antecipação e inferência -- Informações relevantes do texto. -- Apreciação de textos literários.

Produção de textos -- Função social da escrita. -- Relação som e escrita. -- Sistema alfabético. -- Ordem alfabética. -- Segmentação do texto (frase/palavras) -- Direção da escrita (esquerda para direta- de cima para baixo) -- Produção textual (coletivo e individual): sequência de quadros, ordenação de parágrafos, textos a partir de roteiro, reconto de histórias ouvidas, carta, bilhete, biografia, texto a partir de um tema, cartaz, diálogo, tiras). -- Gramática contextualizada: substantivos próprios, comuns, coletivo, artigo. Flexão de número, gênero e grau, adjetivos, pronomes pessoais, verbo, pontuação e acentuação. -- Revisão do texto. -- Sistema ortográfico. -- Música, Dramatização e Arte.

Língua Portuguesa - 4ª série/5º ano do Ensino Fundamental OBJETIVO GERAL: Conhecer e utilizar as diferentes linguagens e suas potencialidades como instrumentos para expressão de um sujeito histórico, inserido em uma coletividade em constante transformação, compreendendo a complexidade das dinâmicas que envolvem o processo sócio comunicativo, valorizando e respeitando a pluralidade das manifestações culturais.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Expressar-se oralmente, argumentar e debater com os colegas e professor, expondo opiniões com confiança e organização do pensamento. Considerando as opiniões alheias e respeitando os diferentes modos de falar.

Oralidade:

-- Ler os diferentes gêneros textuais e compreender as mensagens dos textos de que é destinatário direto ou indireto. Saber atribuir significado, identificando elementos possivelmente relevantes segundo os propósitos e intenção do autor.

-- Formulação de perguntas e respostas.

-- Produzir diferentes tipos de textos escritos coesos e coerentes, considerando o leitor e o objeto da mensagem, considerando a necessidade das várias versões que a produção do texto escrito.

110

-- Comunicação oral (falar, ouvir, compreender, interpretar). -- Argumentação e contra argumentação. -- Planejamento da fala. -- Significados (coletivos e sentidos individuais de palavras e expressões).

Leitura: -- Função social dos textos -- Leitura de imagem -- Relação fonema/grafema -- Temporalidade (ontem, hoje, amanha, antes, depois)


PARTE V

Explorar as possibilidades e recursos da linguagem que se usa para escrever, a partir da observação e análise de textos especialmente bem escritos.

-- Compreensão e interpretação (fábulas, poesia, bilhete, carta, convite, lendas, HQ, bula, parlenda, receita, adivinha, e-mail, blog, diário, notícia, jornal, crônica, carta, trava língua, humor, charge, piada).

Revisar seus próprios textos a partir de uma primeira versão, com ajuda do professor, e redigir as versões necessárias até considerá-lo suficientemente bem escrito para o momento.

-- Antecipação e inferência

Produzir textos escritos coesos e coerentes, dentro dos gêneros previstos para a série, ajustados a objetivos e leitores determinados; Revisar seus próprios textos a partir de uma primeira versão, com ajuda do professor e redigir as verões necessárias até considerá-lo suficientemente bem escrito para o momento. Interagir com materiais e procedimentos variados em Artes, como: Artes visuais, dança, músicas, dramatizações experimentando-os de modo utilizá-los nos trabalhos pessoais;

-- Informações relevantes do texto. -- Apreciação de textos literários: Cantigas de roda, manual de instrução, textos informativos, notícias.

Produção de textos: -- Função social da escrita. -- Relação som e escrita. -- Sistema alfabético. -- Ordem alfabética. -- Segmentação do texto (frase/palavras) -- Direção da escrita (esquerda para direta- de cima para baixo). -- Produção textual (coletiva e individual): -- Narração: elementos/personagens – características físicas e psicológicas/situação inicial, conflito, clímax, desfecho); Descrição: comportamento do observador; Texto dissertativo: estrutura, opinião, fundamentação, coerência e coesão/título) -- Gramática contextualizada: substantivos próprios, comuns, coletivo, artigo. Flexão de número, gênero e grau, adjetivos, pronomes pessoais, verbo, pontuação e acentuação. -- Revisão do texto. -- Sistema ortográfico. -- Música, Dramatização e Arte

MATEMÁTICA Matemática - 2ª série/3º ano do Ensino Fundamental OBJETIVO GERAL: Identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e transformar o mundo à sua volta, estimulando o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver situações problemas, sabendo validar estratégias e resultados, desenvolvendo formas de raciocínio e processos, como dedução, indução, intuição, analogia, estimativa, e utilizando conceitos e procedimentos matemáticos, bem como instrumentos tecnológicos disponíveis.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

Números e operações

-- Construir o significado do número natural a partir de seus diferentes usos no contexto social. -- Interpretar e produzir escritas numéricas, levantando hipóteses sobre elas com base na observação de regularidades, utilizando-se da linguagem oral, de registros informais e da linguagem matemática. -- Identificar a dezena como agrupamento de dez elementos e como base do nosso sistema de numeração. -- Conceituar e identificar as operações com números naturais (adição, subtração, multiplicação e divisão). -- Usar os algoritmos da adição, subtração. Divisão na multiplicação, percebendo-os como elementos facilitadores do cálculo e como linguagem universal, bem como a utilização dos sinais convencionais (+ - x :).

-- Conceito de número; -- Reconhecimento; -- Contagem, pareamento, estimativa e correspondência de agrupamentos; -- Regularidades na série numérica para nomear, ler e escrever números menos freqüentes; -- Localização na reta numérica de números naturais; -- Organização de agrupamentos para facilitar a contagem e a compreensão entre grandes coleções; -- Leitura, escrita, comparação e ordenação do sistema de numeração decimal (base e valor decimal): unidade, dezena e centena; -- Adição: fatos básicos/idéias: juntar e acrescentar: algoritmo, cálculo mental. Nomes dos termos. -- Subtração: fatos básicos/idéias: retirar, comparar, completar: algoritmo e cálculo mental. Nomes dos termos.

111


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Espaço e forma Grandezas e Medidas Tratamento de Informações

-- Resolver situações-problema e construir, a partir delas, os significados das operações fundamentais, buscando reconhecer que uma mesma operação está relacionada a problemas diferentes e um mesmo problema, pode ser resolvido pelo uso de diferentes operações. -- Localizar e movimentar pessoas ou objetos no espaço, com base em diferentes pontos de referência e algumas indicações de posições. -- Interpretar e representar posição e deslocamento no espaço, a partir da confecção de maquetes, esboços, croquis plantas e itinerários. -- Observar formas geométricas presentes em elementos naturais e nos objetos criados pelo homem e suas características: arredondadas ou não, simétricas ou não, etc.

-- Multiplicação: *fatos básicos/idéias (1 a 10) e: aditiva, algoritmo e cálculo mental. Obs: sugestão até o 6. -- Divisão: *fatos básicos (1 a 10) e ideias: repartir algoritmo e cálculo mental. -- Resolução de problemas: utilização de estratégias diferenciadas. -- Localização no espaço com base em diferentes pontos de referência e indicações de posições. -- Movimentação no espaço (pontos de referência, indicações de posições (malha quadriculada). -- Descrição e trajetos. -- Sólidos Geométricos: montagem, planificação das figuras, características. -- Medidas de comprimento, capacidade e massa.

-- Manusear, observar e planificar sólidos geométricos utilizados no cotidiano, identificando as faces de um sólido como superfícies planas.

-- Comparação entre grandezas (utilização de instrumentos).

-- Reconhecer grandezas mensuráveis, como comprimento, massa, capacidade e elaborar estratégias pessoais de medida.

-- Medidas de tempo: utilização do calendário (identificação de unidades do tempo: relação entre as unidades), leitura de horas (analógico e digital).

-- Formar o conceito de medida de tempo, estabelecendo noções de duração e sequência temporal (hora, dia, semana e mês). -- Construir as noções de periodicidade (antes, durante e depois). -- Identificar as diferentes cédulas e moedas de nosso sistema monetário, utilizando vocabulário específico.

-- Unidades do cotidiano (m, cm-l, ml-kg, g)

-- Sistema Monetário: cédulas e moedas: possíveis trocas. ›› Leitura e interpretação de dados e informações. ›› Coleta e organização de informações. ›› Listas, tabelas simples, de dupla entrada e gráficos de barra.

-- Identificar o uso de tabelas e gráficos para facilitar a leitura e interpretação de informações e construir formas pessoais de registro para comunicar informações coletadas.

Matemática 3ª série/4º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e transformar o mundo à sua volta, estimulando o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver situações problemas, sabendo validar estratégias e resultados, desenvolvendo formas de raciocínio e processos, como dedução, indução, intuição, analogia, estimativa, e utilizando conceitos e procedimentos matemáticos, bem como instrumentos tecnológicos disponíveis.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

Números e operações

-- Perceber a reversibilidade das operações (adição/subtração, multiplicação/divisão);

-- Resolução de problemas: utilização de estratégias diferenciadas.

-- Deslocamento no espaço a partir de confecção de maquetes, esboços, croquis, plantas e itinerários;

-- Expressão numérica;

-- Manusear, observar e planificar sólidos geométricos utilizados no cotidiano, identificando faces, vértices e arestas de um sólido como superfícies;

-- Descrição, interpretação e representação da posição no espaço de diferentes pontos de vista;

Espaço e forma Grandezas e medidas Tratamento de informações

-- Identificar e trocar o eixo de simetria em formas geométricas planas e em figuras do cotidiano; -- Identificar e realização ampliações, reduções e deformações em figuras desenhadas sobre malhas quadriculadas;

112

-- Estratégias de verificação e controle de resultados (uso da calculadora).

-- Utilização de malhas quadriculadas para representação da posição no plano; -- Descrição, interpretação e representação da movimentação no espaço e construção de itinerários; -- Representação do espaço por meio de maquetes; -- Sólidos geométricos: -- Semelhanças e diferenças; -- Elementos: faces, arestas e vértices.


PARTE V

-- Utilizar as artes plásticas para estudar as formas geométricas, os mosaicos, assimetrias etc. desenvolvendo a criticidade, a sensibilidade, a intuição, percepção geométrica e pensamento espacial. -- Empregar as unidades de medida, percebendo em situações concretas, a necessidade de utilizar alguns múltiplos e submúltiplos destas unidades; -- Formar o conceito de medida de tempo estabelecendo noções de duração e sequência temporal: bimestre, trimestre, semestre, ano, década, século e milênio; -- Ampliar os procedimentos de cálculo mental, escrito, exato e aproximado utilizando cédulas e moedas; -- Calcular perímetro de figuras desenhadas em malhas quadriculadas;

-- Composição e decomposição. -- Simetria; -- Ampliação e redução de figuras planas pelo uso de malhas; -- Percepção de elementos geométricos na natureza e nas criações artísticas. -- Comparação entre grandezas mensuráveis no contexto diário: comprimento, massa, capacidade, superfície, etc.; -- Utilização de unidades usuais de medida como: m/ cm/km, kg/g/mg, l/ml; -- Procedimentos e instrumentos de medidas de tempo e realização de conversões simples; -- Utilização do sistema monetário em situaçõesproblema; -- Perímetro de figuras;

-- Coletar, organizar e descrever dados e informações;

-- Coleta, organização e descrição de dados (listas/ tabelas/diagramas/ gráficos) e construção dessas representações;

-- Ler e interpretar dados e informações, construindo gráficos e tabelas.

-- Produção de textos escritos a partir da interpretação de gráficos e tabelas.

Matemática - 4ª série/5º ano do Ensino Fundamental OBJETIVO GERAL: Identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e transformar o mundo à sua volta, estimulando o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver situações problemas, sabendo validar estratégias e resultados, desenvolvendo formas de raciocínio e processos, como dedução, indução, intuição, analogia, estimativa, e utilizando conceitos e procedimentos matemáticos, bem como instrumentos tecnológicos disponíveis.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

Números e operações

-- Reconhecer números no contexto diário, identificando aqueles que envolvem contagem, medidas e códigos;

-- Conceito de número;

-- Ampliar o significado do número natural pelo uso em situações-problema e pelo reconhecimento de relações e regularidades;

-- Número racional;

Espaço e Forma

-- Construir o significado do número racional e suas representações (fracionária e decimal) a partir dos seus diferentes usos no contexto social; -- Identificar e representar frações; -- Utilizar a representação gráfica das frações estabelecendo relações de equivalência; -- Ler, representar e ordenar os números racionais. -- Resolver problemas consolidando alguns significados das operações fundamentais e construindo novos, em situações que envolvam números naturais; -- Ampliar os procedimentos de cálculo: mental, escrito, exato e aproximado, estabelecendo estratégias de verificação e controle de resultados (calculadora); -- Explorar alguns dos diferentes significados das frações em situações-problema: parte e todo, quociente e razão; -- Resolver situações-problema envolvendo operações com números racionais na forma decimal, por meio de estratégias pessoais e pelo uso de técnicas operatórias convencionais;

-- Número natural: sistema de numeração decimal (até a classe dos milhões); -- Frações: leitura, representação e equivalência. -- Decimais: leitura, representação e ordenação na reta numérica. -- Operações com números naturais: adição, subtração, multiplicação e divisão por dois algarismos -- Resolução de problemas; -- Expressões numéricas; -- Cálculo mental, estimativa e arredondamento; -- Uso da calculadora; -- Significados da fração; -- Operações com decimais; -- Porcentagem: uso no cotidiano e cálculo. -- Localização, movimentação e posição; -- Trajetos: distância e tempo; -- Vistas de um objeto; -- Segmento de reta, reta e semi-reta; -- Noção de ângulos; -- Composição e decomposição de figuras planas; -- Percepção de elementos geométricos na natureza e nas criações artísticas.

113


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

-- Reconhecer o uso da porcentagem no contexto diário, resolvendo problemas que envolvam cálculos simples. -- Descrever, interpretar e representar a localização e movimentação de pessoas ou objetos no espaço, usando terminologia própria e a construção de itinerários; -- Comparar diferentes trajetos, explorando as noções de distância e tempo de percurso; -- Reconhecer vistas de objetos: frontal, lateral e superior; -- Identificar segmento de reta, retas e semiretas; -- Associar giros com ângulos e identificá-los como polígonos; -- Associar giros com ângulos e identificá-los como polígonos; -- Identificar semelhanças e diferenças entre polígonos, usando critérios como: número de lados, número de ângulos. Eixos de simetria, etc.; -- Utilizar as artes plásticas para estudar as formas geométricas, os mosaicos, as simetrias etc., desenvolvendo a criatividade, a sensibilidade, a intuição, a percepção geométrica e o pensamento espacial.

114


PARTE V

GEOGRAFIA Geografia: 2ª série/3º ano do Ensino Fundamental OBJETIVO GERAL: Promover o contato do educando com os conteúdos de Geografia, organizados a partir de uma abordagem “alfabetizadora,” de aprofundamento gradativo conforme ano/série e maturidade das turmas, contemplando a leitura e escrita, possibilitando a entenderem que o espaço geográfico é produção social e histórica.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECIFICOS

CONTEÚDOS

Localização

-- Explorar através de desenhos a representação cartográfica intuitiva.

-- Mapa intuitivo

-- Explorar através de imagens, desenhos e audiovisuais o conceito de ponto de referência.

-- Ponto de vista

-- Identificar e representar pontos de referência.

-- Pontos de referências -- Pontos cardeais

-- Reconhecer vários pontos de vista na representação e leitura de paisagens. -- Reconhecer, representar e utilizar os pontos cardeais Iniciação à cartografia

Território e territorialidade: espaço real e utopia

-- Medir e comparar distâncias.

-- Noções de distância

-- Medir e comparar tempos de locomoção.

-- Relação tempo e espaço

-- Elaborara plantas (escala intuitiva)

-- Representação do espaço

-- Representar bairros e o município (escala intuitiva)

-- Escala intuitiva

-- Construir legenda

-- Representação cartográfica dos lugares do local onde moro

-- Legenda

-- Identificar os vínculos afetivos do aluno com a localidade

-- Relações afetivas do homem com o espaço.

-- identificar os elementos que determinam o sentimento de pertencimento do indivíduo no espaço.

-- Criatividade e construção do espaço

-- Noção de pertencimento.

-- Elaborar e representar uma localidade ideal, utópica como exercício de criatividade e capacidade de projeção. Paisagem em transformação

Organização, preservação e degradação do espaço

-- Reconhecer o trabalho como processo de transformação do espaço

-- O trabalho como instrumento de transformação do espaço.

-- Reconhecer as mudanças das paisagens: o novo e o antigo na paisagem.

-- O novo e o velho na paisagem.

-- Identificar os problemas presentes na paisagem.

-- A ação humana na paisagem: organização, preservação e degradação.

-- Identificar os variados modos de vida dos grupos sociais e a produção do espaço decorrente desses modos de vida.

-- Modos de vida e produção do espaço.

Geografia: 3ª série/4º ano do Ensino Fundamental OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECIFICOS

CONTEÚDOS

Conhecendo nosso estado

-- Reconhecer e fazer a leitura dos diversos tipos de mapas.

-- Mapas de clima, relevo, vegetação e político.

-- Elaborar os conceitos de mapa do clima, relevo, vegetação e político. -- Representar e ler diversos tipos de mapa do estado do Rio de Janeiro.

-- Conceito de mapa de clima, relevo, vegetação e político -- Representações cartográficas do estado do Rio de janeiro (clima, relevo, vegetação e político).

115


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Aprofundando o conhecimento cartográfico

-- Familiarizar com as legendas cartográficas através de atlas e livros -- Elaborar legendas para vários tipos de mapas.

-- Legendas cartográficas. -- Pontos cardeais.

-- Empregar a técnica dos pontos cardeais. Atividades econômicas do campo e da cidade

-- Identificar as principais atividades econômicas desenvolvidas no nosso estado, no campo e nas áreas urbanas. -- Relacionar infra- estrutura (transporte e comunicação) com atividades econômicas no nosso município. -- Analisar a presença e o acesso aos meios de transportes no campo e na cidade no nosso estado com foco em nosso município.

-- As atividades econômicas do nosso estado no campo e na cidade. -- Infraestrutura presente no campo e na cidade: transporte e comunicação. -- Produção de riqueza e desigualdade social. -- Trabalho, formação de mão-de-obra e desemprego: desafios do nosso tempo.

-- Analisar a presença e o acesso aos meios de comunicação no campo e na cidade no nosso estado com foco em nosso município. -- Analisar a relação existente entre a produção de riqueza e a desigualdade social. -- Analisar a relação entre trabalho, formação de mão-de-obra e desemprego no nosso estado com foco em nosso município. A modernização das paisagens: a vida na cidade e no campo.

-- Analisar causas e conseqüências dos principais deslocamentos humanos (migrações) no estado do Rio de Janeiro. -- Identificar e analisar os grandes problemas urbanos do Estado do Rio de janeiro. -- Analisar as finalidades e a distribuição da produção agrícola. -- Analisar o impacto das novas técnicas de cultivo na economia e na sociedade com ênfase nas comunidades rurais. -- Identificar os problemas ambientais presentes nas áreas rurais, analisando suas causas e conseqüências.

-- Os deslocamentos humanos (migrações) para as grandes cidades do nosso estado, -- O s grandes problemas urbanos Estado do Rio de Janeiro. -- Produção agrícola: finalidades e distribuição. -- Técnicas tradicionais de cultivo e as novas tecnologias: melhoria da produção, preservação, desemprego. -- ANoções de sustentabilidade: degradação e preservação no campo e na cidade.

Geografia: 4ª série/5º ano do Ensino Fundamental OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECIFICOS

CONTEÚDOS

A construção do território brasileiro

-- Elaborar o conceito de território a partir da compreensão da evolução histórica do conceito.

-- O conceito de território e sua evolução histórica.

-- Compreender o processo de divisão política dos territórios.

-- Divisão política do território brasileiro – foco no estado do Rio de Janeiro e no município.

-- Identificar e analisar a evolução da divisão política do território brasileiro com foco no Estado do Rio de Janeiro e no município de Quatis. -- Compreender a organização política do Estado brasileiro: instâncias, atribuições e divisão do poder. -- Analisar a distribuição demográfica do Brasil com foco no estado do Rio de janeiro.

116

-- A divisão política dos territórios.

-- Organização do poder político no Brasil: funcionamento do Estado. -- Distribuição demográfica no Brasil: foco no estado do Rio de Janeiro.


PARTE V

Diversidade cultural e climática do território brasileiro

-- identificar e analisar a diversidade cultural presente no território brasileiro.

-- A diversidade cultural presente no território brasileiro.

-- Compreender a miscigenação como produto do processo histórico e produtor de riqueza cultural do país.

-- A miscigenação como característica da população brasileira.

-- Identificar a diversidade climática do território do Brasil produtora variedade de paisagens. -- Analisar a organização do turismo no Brasil. -- Conhecer a produção artística nacional e sua distribuição territorial. Os problemas sócio-culturais

-- Analisar o problema da violência e do uso de drogas buscando compreender suas causas e conseqüências. -- Compreender a importância do consumo consciente como ação cidadã.

-- Distribuição climática do Brasil: diversidade da paisagem. -- A organização do turismo no Brasil. -- Produção artística no Brasil.

-- O problema da violência e do uso de drogas. -- Consumo consciente (cultura de dominação). -- Responsabilidade social (direitos e deveres). -- Organizações do município.

-- Compreender a importância das ações pautadas na responsabilidade social para a construção de uma sociedade cidadã. -- Conhecer as organizações e que atuam na sociedade do seu município.

ESTUDOS SOCIAIS: HISTÓRIA Estudos Sociais: História - 2ª série/3º ano do Ensino Fundamental Objetivo geral: Promover o contato do educando com conceitos básicos de história e geografia, a partir de uma abordagem “alfabetizadora”, de aprofundamento gradativo conforme ano/série e maturidade das turmas levando educando a posicionar-se de uma maneira crítica e construtiva diante das transformações sociais, políticas, econômicas, tecnológicas e espaciais; valorizando a diversidade cultural, a produção científica, as ações individuais e coletivas; visando uma sociedade ambientalmente sustentável, com respeito às diferenças, onde o educando se sinta primordial na construção de sua cidadania.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

Brasileiros: construção de uma identidade.

-- Desenvolver no aluno sua identidade, valorizando os saberes que os mesmo já possuem ressaltando as diferenças sociais já existentes.

-- Eu e o outro (história de minha gente).

-- Identificar e valorizar elementos da cultura local material e imaterial como dados da identidade social.

-- A história da minha família. -- A história da minha escola. -- A história do meu bairro. -- A história do município.

-- Fazer com que o educando conheça bem sua localidade, valorizando seu modo de vida Identificar e respeitar as diferentes matrizes étnicas presentes na formação do município. -- Conhecer a história do município em que vive.

117


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Estudos Sociais: História - 3ª série/4º ano do Ensino Fundamental OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

Brasileiros: Valorização e conhecimento do seu Estado como um todo.

-- Reconhecer os elementos e identificar os fatos formadores do Estado do Rio de Janeiro.

-- Estado do Rio de Janeiro:

-- Compreender o papel político e econômico do Estado do Rio de Janeiro nos ciclos do ouro e do café. -- Estabelecer um paralelo entre o Estado do Rio de Janeiro antes e após a Corte.

›› Dos povos da terra aos 1º habitantes. ›› Os portugueses chegam a Baía de Guanabara. ›› A França Antártica. ›› O Rio de Janeiro após a fundação. ›› Novas riquezas e novos e novos caminhos.

-- Conhecer analisar o papel do negro na sociedade do Estado do Rio de Janeiro.

›› A corte no Rio de Janeiro.

-- Identificar os fatos políticos relevantes, na história do Rio de Janeiro do fim do Império a ditadura militar.

›› De capital do Império a República.

-- Identificar a diversidade que compõe o Estado do Rio de Janeiro buscando suas origens históricas. -- Interpretar de forma crítica a historia do nosso estado.

›› O Rio de Janeiro africano. ›› O Rio de Janeiro na era Vargas. ›› O Rio de Janeiro na era JK. ›› Guanabara um Estado Capital. ›› O Rio de Janeiro na ditadura militar. ›› O Rio de Janeiro hoje.

Estudos Sociais: História - 4ª série/5º ano do Ensino Fundamental OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

Brasil: Consensos e conflitos na construção de uma nação.

-- Reconhecer os elementos formadores da identidade do povo brasileiro.

-- A identidade do povo brasileiro (as matrizes africanas, européia e indígena).

-- Identificar e analisar os fatores que constituíram o ciclo do ouro no Brasil.

-- Colonização brasileira: O negro, o açúcar e o Pacto colonial.

-- Identificar os fatores que contribuíram para a ruptura política entre Brasil e Portugal e suas consequências.

-- As Minas Gerais e o ciclo do ouro.

-- Identificar e analisar os fatores que constituíram o ciclo do café no Brasil. -- Relacionar as causas e consequências do movimento abolicionista no Brasil. -- Analisar a transição do Império a Republica. -- Identificar e interpretar os fatos marcantes na Republica brasileira. -- Analisar criticamente a organização política do Brasil.

118

-- Os brasileiros buscam a independência. -- Monarquia, café e escravidão. -- Movimento abolicionista. -- A transição do Império para a República. -- A República no Brasil. -- A organização política do Brasil nos dias de hoje.


PARTE V

CIÊNCIAS Ciências - 2ª série/3º ano do Ensino Fundamental Objetivo geral: Compreender a natureza como um todo dinâmico sendo o ser humano parte integrante e agente de transformações do mundo em que vive, adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à sua saúde e a saúde coletiva.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

Meio Ambiente e Corpo Humano

-- Iniciar a construção do conceito de ambiente que inclua a própria criança;

Ambientes dos Seres vivos.

-- Identificar a Terra como um grande ambiente formado de diversos ambientes;

-- Animais vertebrados -- Animais invertebrados

-- Constatar a diversidade dos ambientes: suas semelhanças e diferenças;

Os alimentos

-- Reconhecer a interferência do ser humano em diversos ambientes;

-- Conservação dos alimentos.

-- Reconhecer e conscientizar-se a cerca das transformações produzidas pelos seres vivos; -- Reconhecer as partes externas do corpo humano; -- Desenvolver algumas ideias sobre o corpo humano como um todo integrado e dinamicamente articulado.

-- Alimentação saudável. -- Alimentos industrializados.

O Universo -- Seu Planeta. -- Importância da água. -- Importância do solo. -- Importância do ar. -- O sol no nosso dia-a-dia. -- Corpo humano: Esquema corporal

Ciências - 3ª série/4º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Compreender a natureza como um todo dinâmico sendo o ser humano parte integrante e agente de transformações do mundo em que vive, adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à sua saúde e a saúde coletiva.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

Ambiente e Seres vivos

-- Identificar as diferentes classes de animais;

Cadeias Alimentares.

-- Reconhecer a cadeia alimentar como processo para a sobrevivência;

-- Animais carnívoros.

-- Identificar os diversos animais ameaçados de extinção;

-- Animais onívoros.

-- Conhecer e identificar ações realizadas que levem a reconhecer a importância da água e do solo bem como seus cuidados; -- Responsabilizar-se no cuidado com o lixo produzido; -- Aplicar seus conhecimentos sobre as relações água-solo-seres vivos na identificação de algumas conseqüências das intervenções humanas no ambiente construído;

--Praticar atitudes favoráveis à preservação do ambiente e a diminuição da produção de lixo;

-- Animais herbívoros. -- Importância da cadeia alimentar.

Ecologia -- Animais em extinção. -- Reprodução e desenvolvimento dos animais e vegetais. -- Cuidado com a água. -- Tratamento e distribuição da água. -- Poluição da água. -- Cuidado com o solo. -- Poluição do solo. -- Lixo e reciclagem.

119


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Ciências - 4ª série/5º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Compreender a natureza como um todo dinâmico sendo o ser humano parte integrante e agente de transformações do mundo em que vive, adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à sua saúde e a saúde coletiva.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

Meio ambiente e o Corpo Humano

--Observar e identificar algumas características no corpo humano e alguns comportamentos nas diferentes fases da vida, das crianças e dos adultos, aproximando-se da noção de ciclo de vida no ser humano. --Diagnosticar as mudanças climáticas e reconhecer os problemas ambientais provocados por elas; --Propor soluções para os problemas reais ocorridos na natureza;

Meio Ambiente -- Lixo. -- Desmatamento. -- Poluição. -- Efeito Estufa. -- Mudanças Climáticas.

Corpo Humano -- As partes do Corpo Humano.

EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO INFANTIL À 4ª SÉRIE/5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO INFANTIL À 4ª SÉRIE/5ºANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Objetivo Geral: Educação física escolar inclusiva. Desenvolvimento dos domínios psicomotor, cognitivo e afetivo-social.

Utilizar os jogos olímpicos e para-olímpicos. Para gerar conhecimento sobre as modalidades do evento e a participação ativa dos alunos na organização e prática de atividades adaptadas, as respectivas faixas etárias. Corpo e movimento Atividades rítmicas e expressivas Cidadania

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Consciência Corporal, desenvolvimento das capacidades físicas

-- Desenvolver: força, coordenação motora fina e global, orientação espacial e temporal, destreza, equilíbrio, lateralidade, lutas.

-- Pequenos jogos, recreativos e lúdicos, cooperativos, individuais.

-- Cultura nacional, popular e folclore -- Socialização, ética, cooperação, direitos e deveres -- Semana Educação Infantil (gincana); -- Jogos Estudantis Quatis

120

-- Desenvolvimento do ritmo, capacidade expressiva e conhecer, valorizar a cultura local e de outras sociedades além da realização de trabalhos artísticos -- Ecologia, bullying, diferenças raciais, higiene física, mental e social, qualidade de vida e jogos esportivos.

-- Expressão Corporal -- Jogos Olímpicos e para-olímpicos -- Participação e criação de brincadeiras cantadas, participação de atividades rítmicas e expressivas. -- Reconhecimento de algumas das alterações provocadas pelo esforço físico tais como: excesso de excitação, cansaço, elevação de batimentos cárdicos mediante a percepção do próprio corpo. Preservação ambiental. Respeito ao próximo. Combate a obesidade.


PARTE V

LÍNGUA PORTUGUESA Língua Portuguesa - 5ª série/6º ano Ensino Fundamental Objetivo Geral: Levar o aluno a ser capaz de se expressar através dos diversos tipos de linguagens, utilizando as diferentes linguagens – verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal – como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Reconhecer a construção do enunciado a partir de unidades distintas.

-- Leitura e interpretação de textos

-- Identificar diferentes recursos expressivos de caráter sintático.

-- Acentuação gráfica

-- Língua Escrita

-- Relacionar o texto verbal com o não verbal, valendo-se dos desenhos como apoio para a compreensão do texto. -- Reconhecer o verbo como marca da sequência narrativa e a diferença de sentido entre os verbos nos tempos Pretérito Perfeito e Imperfeito na construção da narrativa. -- Relacionar o verbo com seu referente, observando concordância entre eles. -- Identificar e empregar os recursos gráficos usados para marcar o diálogo. -- Identificar a função do substantivo na nomeação de personagens e lugares e o valor expressivo do adjetivo em descrições de cenários e caracterizações de personagens. -- Reconhecer a relação entre o sujeito e o verbo, e os tipos de sujeito. -- Relacionar o uso da linguagem figurada no texto literário com a linguagem cotidiana. -- Reconhecer recorrências sonoras: rimas e ritmo.

-- Tonicidade -- Sinais de pontuação -- Numeral (uso e emprego) -- Pronomes: ›› Pessoais ›› Possessivo ›› Demonstrativo ›› Indefinido ›› Tratamento -- Flexão verbal do Pretérito Perfeito e Imperfeito do indicativo -- Flexão verbal do infinitivo e seus derivados -- Substantivo: ›› Flexões de gênero, número e grau -- Adjetivo: ›› Flexões de gênero e número -- Concordância nominal -- Sinais de pontuação -- Substantivos: ›› Primitivo e Derivado ›› Concreto e Abstrato ›› Coletivos -- Artigo definido e indefinido -- Sujeito ›› Classificação

121


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Redação - 5ª série/6º ano Ensino Fundamental Objetivo Geral: Expandir o uso da linguagem em instâncias privadas e utilizá-la em instâncias públicas, sabendo assumir a palavra e produzir textos – tanto orais como escritos – coerentes, coesos, adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem e aos assuntos tratados.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Identificar advérbios como indicadores de circunstâncias.

-- Narração

-- Língua Escrita

-- Perceber os mecanismos de construção da linguagem figurada.

-- Notícia

-- Utilizar verbos de procedimento (verbos do fazer), no imperativo de acordo com o padrão coloquial e no Infinitivo.

-- Propaganda

-- Identificar o tema, as ideias centrais, as informações implícitas, a funcionalidade e finalidade do texto.

-- Regras de jogo

-- Inferir o significado de uma palavra ou expressão a partir do contexto. -- Estabelecer relações de causa/consequência entre partes e elementos do texto. -- Estabelecer relações entre as informações verbais e os recursos gráficos (tabelas, gráficos, ilustrações).

-- Carta -- Bilhete -- Agenda -- Contos de Fadas -- Fábulas

-- Selecionar e empregar palavras adequadas em função do tipo de produção, da finalidade social do texto e do nível de formalidade desejado.

-- Lendas

-- Usar tempos verbais para marcar as relações de temporalidade.

-- História em Quadrinhos

-- Explicitar oralmente expectativas quanto à forma e conteúdo do texto, em função das características do gênero.

-- Poema

-- Identificar diferentes recursos na utilização dos quadrinhos: criação de legendas ou diálogos, transformação em narrativa verbal ou vice-versa e análise das características dos personagens. -- Elaborar tiras a partir de ditos Populares. -- Reproduzir ideias do texto utilizando os recursos do humor e do eufemismo. -- Criar texto com rimas e em prosa paráfrase. -- Participar de debates expressando opiniões e ouvindo as ideias contrárias às suas. -- Elaborar sínteses das ideias centrais do texto. -- Debater temas polêmicos com os colegas, posicionando-se criticamente.

122

-- Receita

-- Tirinhas

-- Canção


PARTE V

Língua Portuguesa - 6ª série/7º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Levar o aluno a ser capaz de se expressar através dos diversos tipos de linguagens, utilizando as diferentes linguagens – verbal matemática, gráfica, plástica e corporal – como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação. Objeto de estudo

-- Língua Oral -- Língua Escrita

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Conhecer aspectos relevantes da gramática normativa necessários à produção de textos da norma culta. -- Perceber a relação entre o substantivo e o adjetivo, reconhecendo o adjetivo e a locução adjetiva como elementos modificadores/ determinantes do substantivo. -- Reconhecer famílias de palavras (derivação). -- Estabelecer relação entre nome e pronome, identificando a relação anafórica dos pronomes na estruturação do texto (coesão/coerência). -- Identificar efeitos de sentido criados pela pontuação, pelos diferentes recursos expressivos e pelas recorrências sonoras. -- Identificar o tema e as informações contidas no texto. -- Reconhecer características típicas de uma narrativa ficcional e as marcas decorrentes de ideologias do agente de produção, estabelecendo relações entre o mundo ficcional e o real. -- Utilizar verbos de procedimento (verbos do fazer), no imperativo de acordo com o padrão coloquial e no infinitivo. -- Reconhecer e usar letras maiúsculas no início de frases, de nomes próprios e de títulos. -- Perceber a importância da imagem na construção do sentido do texto, identificando o efeito de recursos gráficos e recursos expressivos. -- Identificar a relação entre os tempos Presente e Futuro. -- Reconhecer os sujeitos simples e composto. -- Usar os casos simples de concordância verbal. -- Distinguir os verbos significativos dos de ligação. -- Reconhecer características da língua coloquial, observando o registro gráfico e as variações de pronúncia. -- Distinguir prosa e verso. -- Identificar diferentes recursos expressivos de caráter lexical. -- Transpor a palavra em uso para a forma dicionarizada (sinônimos). -- Escrever narrativa, transpondo a linguagem oral (entrevista) para o registro escrito (texto de memórias literárias). -- Uso adequado de tempos verbais e indicadores de espaço para situar o leitor em uma época passada. -- Utilizar verbos de procedimento (verbos do fazer), no imperativo de acordo com o padrão coloquial e no infinitivo. -- Observar as situações de uso de palavras em negrito, uso de aspas e parênteses, e a recorrência de acento gráfico nas palavras proparoxítonas. -- Relacionar a linguagem verbal à não-verbal. -- Identificar as relações pragmáticas entre texto e contexto e as expressões de apelo ao interlocutor. -- Extrair informações não explicitadas, apoiando-se em deduções. -- Estabelecer relação de causa e consequência entre partes e elementos do texto. -- Identificar semelhanças e diferenças entre as personagens. -- Identificar a relação entre os tempos Presente e Futuro. -- Identificar o ponto de vista e as diferenças de sentido, consequentes do lugar social do enunciador. -- Identificar os interlocutores no interior do texto. -- Distinguir marcas visuais na construção de personagens. -- Inferir o significado de uma palavra ou expressão a partir do contexto. -- Utilizar o dicionário para identificar as situações que exigem seu uso. -- Leitura de Textos de memórias literárias. -- Identificar informações contidas no texto, distinguindo ideias principais de secundárias e articulando informações textuais e conhecimentos prévios. -- Relacionar e identificar, na análise e compreensão do texto, informações verbais com outros textos e com informações de outros recursos suplementares (ilustrações, fotos, gráficos, tabelas, mapas etc.). -- Reconhecer as características dos gêneros textuais, suas finalidades e funcionalidades. -- Reconhecer o caráter conciso da linguagem publicitária. -- Desenvolver capacidade crítica frente à linguagem da mídia.

-- Sujeito simples e composto -- Concordância verbal e nominal -- Sujeito e predicado -- Predicado nominal e verbal -- Sinônimos -- Verbos (emprego) ›› Auxiliares ›› Irregulares

123


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Redação - 6ª série/7º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Expandir o uso da linguagem em instâncias privadas e utilizá-la em instâncias públicas, sabendo assumir a palavra e produzir textos – tanto orais como escritos – coerentes, coesos, adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem e aos assuntos tratados. Objeto de Estudo

-- Língua Oral -- Língua Escrita

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Selecionar e empregar palavras adequadas em função do tipo de produção, da finalidade social do texto e do nível de formalidade desejado.

-- Contos de Fadas

-- Comentar o desfecho, o ensinamento ou a moral da história, posicionando-se favorável ou contrariamente, relacionando-a a provérbios e ditos populares.

-- Narrativa

-- Criar paráfrase escrita, adequando a situação narrativa aos dias atuais. -- Descrever verbalmente ou fazer desenhos para personagens ou cenários de ilustrações. -- Criar fábula com mesmo tópico central. -- Trocar impressões com outros leitores a respeito do texto lido. -- Produzir crônicas, tiras, quadrinhos e textos em versos. -- Criar e traduzir novos traços identificadores das personagens por meio da linguagem verbal e de recursos visuais. -- Reescrever textos e modificar trechos (linguagens conotativa e denotativa). -- Produzir texto poético a partir da audição e seleção de melodia. -- Elaborar glossários, sintetizar informações e redigir textos de humor (paródia), expressando-os na sua própria linguagem, com o auxílio do uso de dicionários e enciclopédias. -- Planejamento, realização de entrevista. -- Redigir, comentar, selecionar e reescrever a ideia principal de uma notícia. -- Participar de debate dirigido sobre o assunto noticiado, registrando as diferentes opiniões. -- Participar da elaboração de textos publicitários que anunciem os eventos da comunidade, de material de divulgação para campanhas e de um jornal mural na sala com notícias. -- Registrar acordos de convivência social e regras de gincana ou torneio esportivo. -- Produzir convites e/ou cartões, cartas e bilhetes, utilizando fórmulas adequadas a textos de correspondência. -- Organizar a agenda escolar. -- Elaborar uma síntese das ideias centrais do texto. -- Debater um tema polêmico com os colegas, posicionando-se criticamente. -- Defender ou refutar, oralmente, um determinado ponto de vista.

124

-- Fábulas e Lenda -- Tira -- História em Quadrinhos -- Poema -- Descrição -- Canção -- Verbete -- Memória -- Notícia -- Propaganda -- Regras -- Carta -- Bilhete -- Agenda


PARTE V

Língua Portuguesa – 7ª série/8º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Levar o aluno a ser capaz de se expressar através dos diversos tipos de linguagens, utilizando as diferentes linguagens – verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal – como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação. Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Conhecer aspectos relevantes da gramática normativa necessários à produção de textos da norma culta.

-- Leitura e interpretação de textos

-- Organizar grupos de palavras com base na observação do campo semântico.

-- Locuções adjetivas

-- Língua Escrita

-- Observar regularidades de ordem fonológica. -- Identificar o tema e as ideias principais do texto. -- Analisar a titulação do texto como uma pista para a decodificação da mensagem. -- Reconhecer aspectos da narrativa: personagens, enredo, tempo, espaço e seus aspectos ficcionais e não ficcionais. -- Observar o encadeamento lógico do texto.

-- Adjetivo -- Orações adjetivas -- Advérbios -- Expressões adverbiais -- Orações adverbiais -- Conectivos -- Sujeito e Predicado -- Aposto e vocativo

-- Identificar conjunções coordenativas e subordinativas.

-- Verbos irregulares

-- Avaliar a propriedade de incorporação de dados da realidade na construção do universo ficcional.

-- Concordância verbal e nominal -- Conjunções coordenativas

-- Observar os aspectos característicos de um conto, crônica ou romance.

-- Período composto por coordenação

-- Identificar a estrutura do enunciado.

-- Conjunções subordinativas.

-- Identificar aposto e vocativo. -- Expandir o enunciado com elementos caracterizadores do substantivo (adjetivos, locuções adjetivas e orações adjetivas) e com elementos circunstanciais (advérbios, expressões adverbiais e orações adverbiais), usando, quando necessário, conectivos.

-- Classificação das orações coordenadas -- Período composto por subordinação (noções gerais).

-- Observar a concordância entre sujeito e verbo e a transitividade de nomes e verbos. -- Substituir os complementos de nomes e de verbos por outros similares. -- Identificar os elementos responsáveis pela coesão textual. -- Diferenciar o discurso direto do indireto. -- Identificar a temática do texto, as informações, sua finalidade, e a funcionalidade do gênero. -- Estabelecer relações entre os aspectos formais: verso, estrofe, exploração gráfica de espaços. -- Identificar o efeito de sentido gerado pela repetição de sons e palavras e o sentido de palavras e/ou expressões a partir do contexto. -- Reconhecer os recursos expressivos sonoros ligados à musicalidade. -- Observar a importância do título como incentivo à leitura. -- Identificar o efeito de recursos gráficos. -- Estabelecer as relações de causa e consequência. -- Identificar os recursos próprios da entrevista face a face. -- Valorizar as diferentes opiniões e informações veiculadas nos textos. -- Inferir uma informação implícita em texto verbal /não-verbal.

125


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

-- Relacionar o texto lido com outros textos, envolvendo, ou não, a mesma temática. -- Organizar grupos de palavras com base na observação do campo semântico. -- Observar regularidades de ordem fonológica. -- Reconhecer a estruturação do poema em estrofe. -- Perceber e valorizar a ocorrência de variação na língua devido a fatores geográficos e históricos, reconhecendo, em textos, características regionais. -- Selecionar registros conforme a situação interlocutiva seja mais formal ou informal. -- Reconhecer o valor semântico dos conectivos analisados nos textos. -- Identificar a função dos conectores em textos publicitários e notícias. -- Perceber os mecanismos de construção da linguagem figurada. -- Reconhecer a língua como meio para estabelecimento e legitimação de acordos e condutas sociais. -- Identificar a finalidade e a funcionalidade dos gêneros. -- Reconhecer a estruturação do texto em partes distintas. -- Reconhecer os passos necessários para realizar uma ação. -- Relacionar linguagem verbal à não verbal. -- Identificar os interlocutores no interior do texto, percebendo nos diálogos, a importância de considerar a palavra do outro. -- Distinguir marcas visuais na construção das personagens. -- Identificar os efeitos de sentido criados pela pontuação, o sentido de palavras e/ou expressões a partir do contexto e as informações implícitas no texto. -- Identificar os efeitos de ironia e/ou humor nas charges. -- Empregar mecanismos discursivos para a manutenção da continuidade de instruções. -- Reconhecer características da língua coloquial, observando o registro gráfico de variações de pronúncia. -- Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto. -- Reconhecer recursos que exploram a ironia e o humor em textos. -- Compreender o sentido das palavras e ampliar o vocabulário ativo, por meio da relação entre os diferentes usos da língua. -- Identificar o tema, as ideias centrais e secundárias, as informações implícitas, a funcionalidade e a finalidade do texto. -- Inferir o significado de uma palavra ou expressão a partir do contexto. -- Analisar as fontes de informação para avaliar a confiabilidade do texto. -- Estabelecer relações de causa/ consequência entre partes e elementos do texto e entre as informações verbais e os recursos gráficos (tabelas, gráficos, ilustrações). -- Selecionar e empregar palavras adequadas em função do tipo de produção, da finalidade social do texto e do nível de formalidade desejado. -- Identificar as marcas linguísticas de impessoalidade e de expressão de opinião.

126


PARTE V

Redação – 7ª série/8º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Expandir o uso da linguagem em instâncias privadas e utilizá-la em instâncias públicas, sabendo assumir a palavra e produzir textos – tanto orais como escritos – coerentes, coesos, adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem e aos assuntos tratados.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Elaborar um novo final para o texto. -- Tecer um comentário oral sobre a história lida. -- Preencher fichas com apreciações sobre o texto. -- Produzir um conto e uma crônica individualmente e/ou em equipe. -- Reescrever o conto mudando o foco narrativo. -- Recortar trechos de crônicas de diferentes autores e montar, a partir deles, um texto. -- Representar, em forma de esquetes, alguns episódios narrados no texto. -- Promover debates sobre preferências musicais; duelos verbais, semelhantes aos dos repentistas; paródias e jograis. -- Modificar o gênero: usar a temática para criar uma crônica, um conto ou uma HQ. -- Ilustrar um poema. -- Resumir notícias, produzir textos jornalísticos e elaborar roteiros para realização de entrevistas. -- Reescrever parágrafos transformando, reagrupando e estabelecendo conexões entre os enunciados do texto, com coesão e coerência. -- Transformar textos publicitários: contraponto à intenção original. -- Analisar e criar manuais de diferentes tipos. -- Elaborar um estatuto do Grêmio estudantil. -- Criar novos traços identificadores das personagens através de recursos visuais, traduzindo essas características para a linguagem verbal. -- Criar tiras e quadrinhos a partir da narrativa em prosa. -- Produzir novos textos verbais para charges, tiras e HQ. -- Produzir um texto a partir da coletânea de textos selecionados -- Elaborar uma síntese das ideias centrais do texto. -- Debater um tema polêmico com os colegas, posicionando-se criticamente.

-- Conto

-- Língua Escrita

-- Crônica -- Romance -- Poema -- Cordel -- Canção -- Notícia -- Entrevista -- Propaganda -- Regras -- Texto Normativo -- Tira -- História em quadrinhos

--Charge

Língua Portuguesa – 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Levar o aluno a ser capaz de se expressar através dos diversos tipos de linguagens, utilizando as diferentes linguagens – verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal – como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Conhecer aspectos relevantes da gramática normativa necessários à produção de textos da norma culta. -- Utilizar pistas do texto para fazer antecipações e inferências do conteúdo. -- Distinguir fato e opinião. -- Reconhecer a pontuação como recurso funcional e expressivo. -- Estabelecer relações temáticas entre dois textos de diferentes épocas. -- Interpretar texto com auxílio de material gráfico diverso. -- Relacionar a temática da charge aos conhecimentos prévios de mundo. -- Reconhecer em um texto estereótipos e clichês sociais. -- Reconhecer e usar a paragrafação e a pontuação adequadamente. -- Observar nexos lógicos, empregando adequadamente os tempos e modos verbais. -- Distinguir variações nas formas de introduzir as falas dos personagens. -- Reconhecer o discurso direto como meio de presentificar/atualizar as falas de personagens.

-- Leitura e interpretação de texto

-- Língua Escrita

-- Pontuação -- Tempos e modos verbais -- Conjunções coordenativas -- Concordância verbal e nominal -- Regência verbal e nominal -- Figuras de linguagem

127


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

-- Identificar o ponto de vista do narrador evidenciado na seleção dos verbos. -- Reconhecer as marcas de variedades linguísticas. -- Distinguir variações nas formas de introduzir as falas dos personagens. -- Reconhecer o discurso direto como meio de presentificar/atualizar as falas de personagens. -- Identificar o ponto de vista do narrador evidenciado na seleção dos verbos. -- Reconhecer as marcas de variedades linguísticas. -- Substituir, incluir e retirar conjunções coordenativas sem alterar o sentido das sequências. -- Ampliar frases, utilizando classes gramaticais preestabelecidas e observando a concordância verbal e nominal. -- Identificar diferentes recursos expressivos de caráter sintático ou semântico pragmático. -- Reconhecer efeitos de sentido produzidos por recorrências sonoras, observando relações entre as linguagens: ritmo da melodia, forma e significado da letra. -- Inferir o significado de uma palavra ou expressão a partir do contexto. -- Perceber o uso de linguagem conotativa, atribuindo-lhe sentido. -- Identificar tema e tese. -- Perceber diferenças entre pontos de vista relacionados ao mesmo fato -- Inferir o significado de palavras com base em sua estrutura morfológica. -- Relacionar, na análise e compreensão do texto, informações verbais às não verbais, percebendo a importância da imagem na construção do sentido do texto. -- Reconhecer o caráter conciso da linguagem publicitária. -- Desenvolver autonomia frente à linguagem da mídia, posicionando-se criticamente. -- Distinguir características específicas de textos literários. -- Reconhecer estrofe e parágrafo. -- Reconhecer e empregar a acentuação gráfica nas palavras paroxítonas e o uso das conjunções coordenativas e dos advérbios nos textos. -- Legitimar e refletir sobre manifestações culturais da tradição popular e da erudita. -- Identificar relações semânticas estabelecidas por meio da coordenação. -- Utilizar modalizadores discursivos, tais como: geralmente, muitas vezes, etc. -- Desenvolver autonomia frente à linguagem da mídia, posicionando-se criticamente. -- Distinguir características específicas de textos literários. -- Reconhecer estrofe e parágrafo. -- Reconhecer e empregar a acentuação gráfica nas palavras paroxítonas e o uso das conjunções coordenativas e dos advérbios nos textos. -- Legitimar e refletir sobre manifestações culturais da tradição popular e da erudita. -- Identificar relações semânticas estabelecidas por meio da coordenação. -- Reconhecer a diferença de significado na escolha do sujeito como agente ou paciente. -- Identificar a estrutura interna da palavra (flexão e derivação). -- Reconhecer o valor interativo dos verbos no imperativo. -- Reconhecer marcas linguísticas que evidenciam a adequação da linguagem à situação comunicativa. -- Identificar a funcionalidade e a finalidade dos gêneros textuais. -- Identificar o tema do texto. -- Identificar o papel argumentativo das conjunções causais, consecutivas e condicionais. -- Utilizar modalizadores discursivos, tais como: geralmente, muitas vezes, etc. -- Utilizar organizadores discursivos. -- Apropriar-se de verbos de opinião. -- Analisar as fontes de informação para avaliar a confiabilidade do texto. -- Estabelecer relações de causa/ consequência entre partes e elementos do texto e entre as informações verbais e os recursos gráficos (tabelas, gráficos, ilustrações).

128

-- Estrutura e formação das palavras -- Paronímia e homonímia -- Denotação e conotação -- Período composto por subordinação -- Orações subordinadas: ›› Substantivas ›› Adverbiais -- Orações adjetivas -- Orações adverbiais -- Acentuação gráfica -- Estrofe e parágrafo -- Advérbio -- Verbos no imperativo -- Regência verbal e nominal -- Verbos anômalos, defectivos e abundantes -- Conjunções causais, consecutivas e condicionais.


PARTE V

Redação – 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Expandir o uso da linguagem em instâncias privadas e utilizá-la em instâncias públicas, sabendo assumir a palavra e produzir textos – tanto orais como escritos – coerentes, coesos, adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem e aos assuntos tratados. Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Distinguir texto ficcional e não ficcional.

-- Conto

-- Língua Escrita

-- Identificar foco narrativo, espaço, tempo, personagens, conflito e desfecho.

-- Crônica

-- Planejar e produzir um texto, rascunhando a definição do tema, do foco narrativo, da época, do cenário, dos personagens, do conflito que os faz agir e do desenlace, respeitando a sequência temporal e observando a relação causal.

-- Romance

-- Usar o discurso direto. -- Demonstrar atitude crítica diante do próprio texto para aprimorá-lo. -- Criar novos traços identificadores das personagens através de recursos visuais, traduzindo-os para a linguagem verbal. -- Criar tiras e quadrinhos a partir da narrativa em prosa e produzir texto verbal a partir de uma charge. -- Comparar e promover debates sobre diferentes estilos musicais. -- Produzir paródias, jograis, ilustrações e novos textos a partir de versos de canções ou poemas selecionados.

-- Tira -- História em Quadrinhos -- Charge -- Poema -- Canção -- Notícia -- Entrevista -- Propaganda -- Carta Formal

-- Modificar o gênero: usar a temática para criar uma crônica, um conto ou História em Quadrinho.

-- Texto Oficial

-- Discutir, sintetizar e reescrever notícias.

-- Artigo de Opinião

-- Planejar e registrar entrevistas orientadas.

-- Texto de Divulgação Científica, Textos Didáticos

-- Elaborar textos publicitários e material de divulgação. -- Redigir texto para interlocutor predeterminado, carta formal ou comercial, respeitando os padrões de forma e diagramação e critérios de redação.

-- Carta de Leitor

-- Apresentar uma opinião, utilizando estratégias argumentativas (um ou mais argumentos de apoio). -- Elaborar um jornal escolar, explorando, inclusive, recursos da linguagem digital. -- Elaborar uma síntese das ideias centrais do texto. -- Produzir fichamentos, esquemas, quadros que reproduzam as informações principais do texto. -- Debater o tema com os colegas, posicionando-se criticamente. -- Produzir texto sobre o tema da leitura, a partir de pesquisa em outras fontes. -- Reconhecer as características de textos opinativos (tese, argumento, contra-argumento, refutação). -- Comparar as diferenças de uma mesma informação, divulgada por fontes diversas e as posições defendidas em textos distintos. -- Identificar o tema, as ideias centrais e secundárias, as informações implícitas, a funcionalidade e a finalidade do texto. -- Identificar palavras adequadas em função do tipo de produção, da finalidade social do texto e do nível de formalidade desejado. -- Estabelecer relações lógico-discursivas marcadas por conectores.

129


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

MATEMÁTICA Matemática – 5ª série/6º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Desenvolver estratégias, enfrentar desafios, comprovar e justificar resultados estimulando a criatividade, o desenvolvimento do raciocínio lógico, a iniciativa pessoal e o trabalho coletivo.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Calcular as quatro operações com números naturais;

-- Conjunto;

-- Resolver problemas com as quatro operações (adição, subtração, multiplicação e divisão);

-- Quatro operações com números naturais;

-- Saber as regras que permitem verificar se um número natural é divisível (2,3, 5, 10).

-- Múltiplos e divisores;

-- Conceituar número primo e número composto. Decompor um número natural em fatores primos. -- Determinar o MMC e o MDC usando a decomposição em fatores primos. -- Efetuar as quatro operações com fração. -- Resolver problemas que envolvam as quatro operações com frações.

-- Resolução de problemas; -- Divisibilidade por: 2, 3, 5 e 10; -- Números primos; -- Decomposição em fatores primos; -- MMC e MDC; -- Conjunto dos números racionais (Q) (números fracionários); -- Ideia de porcentagem;

-- Identificar a porcentagem como uma fração de denominador 100.

-- 4 operações com números fracionários;

-- Resolver problemas simples que envolvam porcentagem.

-- Conjunto dos números racionais (Q) (números decimais);

-- Efetuar as quatro operações com números decimais.

-- Porcentagem;

-- Identificar e resolver problemas do cotidiano envolvendo o cálculo de porcentagens.

-- 4 operações com números decimais;

-- Resolver problemas simples que envolvem o cálculo de porcentagens.

-- Resolução de problemas;

-- Resolução de problemas.

Matemática – 6ª série/7º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Desenvolver estratégias, enfrentar desafios, comprovar e justificar resultados estimulando a criatividade, o desenvolvimento do raciocínio lógico, a iniciativa pessoal e o trabalho coletivo.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Representar números inteiros na reta numérica.

-- Conjunto Z;

-- Reconhecer o conjunto Z.

-- Reta numérica;

-- Efetuar cálculos evolvendo as quatro operações em Z.

-- Quatro operações;

-- Determinar potência de um número inteiro.

-- Resolução de Problemas;

-- Efetuar cálculos envolvendo as quatro operações com frações e números decimais.

-- Potenciação;

-- Calcular potências de bases racionais.

-- Quatro operações (frações e números decimais);

-- Identificar equações. -- Identificar o elemento desconhecido de uma equação como a incógnita.

-- Potenciação;

-- Identificar o 1º e 2º membro de uma equação.

-- Equação de 1º grau;

-- Determinar o conjunto solução de uma equação. -- Interpretar e resolver problemas. -- Identificar a razão de dois números racionais a e b (b#0). -- Identificar os termos de uma razão. -- Representar e calcular razões. -- Identificar proporção como a igualdade de duas razões. -- Identificar os meios e extremos de uma proporção. -- Aplicar a propriedade fundamental das proporções.

130

-- Conjunto Q;

-- Resolução de problemas; -- Razão; -- Proporção; -- Porcentagem (resolução de problemas)


PARTE V

Matemática – 7ª série/8º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Desenvolver estratégias, enfrentar desafios, comprovar e justificar resultados estimulando a criatividade, o desenvolvimento do raciocínio lógico, a iniciativa pessoal e o trabalho coletivo.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Aplicar as propriedades das potências, potências de números inteiros, potências com expoentes inteiro negativo.

-- Conjunto R;

-- Reconhecer uma expressão algébrica como sendo aquela que contém letras e números, ou apenas letras, número e termo.

-- Expressões;

-- Calcular o valor algébrico de uma expressão algébrica. -- Reconhecer um monômio e um polinômio. -- Identificar o coeficiente e a parte literal de um monômio. -- Determinar o grau de um polinômio. -- Efetuar as quatro operações com polinômios. -- Desenvolver o quadrado da soma, o quadrado da diferença, o produto da soma pela diferença de dois termos. -- Determinar a soma fatorada de um polinômio. -- Resolver uma equação do 1º grau com uma incógnita.

-- Potenciação (valor algébrico); -- Monômios. -- Polinômios; -- Operação com Polinômios; -- Produtos notáveis; -- Fatoração; -- Equação do 1º grau; -- Inequação do 1º grau; -- Sistema de Equação do 1º grau; -- Resolução de problemas;

-- Traduzir situações por meio de equações. -- Resolver problemas que envolvem equações do 1º grau. -- Resolver uma inequação do 1º grau. -- Resolver um sistema de equações do 1º grau utilizando o método mais adequado. -- Resolver problemas que envolvem sistemas de equações.

Matemática – 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Desenvolver estratégias, enfrentar desafios, comprovar e justificar resultados estimulando a criatividade, o desenvolvimento do raciocínio lógico, a iniciativa pessoal e o trabalho coletivo.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Aplicar as propriedades da potenciação.

-- Potenciação;

-- Determinar a raiz enésima de um número real.

-- Notação científica;

-- Aplicar as propriedades da radiciação.

-- Radiciação;

-- Utilizar a notação científica para abreviar a escrita de números muito grandes ou muito pequenos.

-- Equação do 2º grau;

-- Reconhecer uma equação do 2º grau com uma incógnita.

-- Sistemas de equações do 2º grau;

-- Identificar os coeficientes de uma equação do 2º grau. -- Determinar o conjunto solução de uma equação do 2º grau aplicando a fórmula resolutiva. -- Resolver problemas utilizando equações do 2º grau. -- Reconhecer um sistema de equação do 2º grau.

-- Problemas com equação do 2º grau; -- Razão e proporção; -- Resolução de problemas; -- Função de 1º e 2º grau; -- Análise de gráficos e tabelas;

-- Resolver um sistema simples de equações de 2º grau. -- Reconhecer razões entre grandezas de mesma espécie. -- Resolver problemas aplicando a propriedade fundamental das proporções. -- Resolver problemas que envolvam porcentagem. -- Reconhecer funções de 1º e 2º grau -- Representar graficamente, no plano cartesiano, a função quadrática -- Construir tabelas -- Identificar gráficos e tabelas.

131


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

GEOMETRIA Geometria - 5ª série/6º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Levar o aluno a valorizar e apreciar o desenho geométrico como linguagem gráfica e instrumento para compreender o mundo que nos cerca contribuindo para o desenvolvimento intelectual do aluno.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Espaço e forma

-- Estabelecer relações entre figuras espaciais e suas representações planas, desenvolvendo a observação das figuras sob diferentes pontos de vista.

-- Apresentação das figuras sólidas ou formas espaciais;

-- Estabelecer relações entre figuras espaciais e suas representações planas, desenvolvendo a observação das figuras sob diferentes pontos de vista.

-- Elementos de um bloco retangular;

-- Determinar perímetro de uma figura plana. -- Resolver problemas que envolvam perímetro. -- Reconhecer diferença entre perímetro e área. -- Associar um número que expressa a medida dessa superfície e que se denomina área. -- Determinar a área de figuras retangulares por contagem. -- Calcular a área do quadrado, retângulo e do triângulo. -- Reconhecer figuras simétricas. -- Reconhecer as unidades padronizadas para medir massas. -- Transformar uma unidade de massa em outra unidade de acordo com as relações existentes entre as diversas unidades no sistema decimal. -- Reconhecer formas e meios para medir comprimentos. -- Reconhecer que é importante escolher uma unidade de referencia adequada. -- Reconhecer o metro como unidade de comprimento padrão. -- Conhecer os múltiplos e submúltiplos do metro. -- Resolver problemas que envolvam medir comprimentos. -- Identificar o metro quadrado como uma região de 1m de lado. -- Conhecer as unidades padronizadas para medir superfícies. -- Transformar uma unidade de medida de superfície em outra unidade, aplicando a relação existente entre as diversas unidades. -- Conhecer as medidas de superfície, quando se trata de sítios e fazendas. -- Estabelecer as relações existentes entre diversas unidades de medidas de volume. -- Reconhecer a necessidade de escolher adequadamente a unidade padronizada para o cálculo de volumes de um sólido. -- Transformar uma unidade de medida de volume em outra unidade, aplicando as relações existentes entre as diversas unidades no sistema decimal.

132

-- Prismas retangulares ou blocos; -- As três dimensões do bloco retangular: cubos, outros primas, pirâmide; -- Formas espaciais redondas; -- Esferas, cilindros e cones; -- As formas planas: ›› Contornos de formas planas; ›› Contornos importantes: quadrados, retângulos, triângulos, circunferência. -- Perímetro; -- Área de uma região: quadrada, retangular e triangular. -- Simetria. -- Unidade de medida de massa - Problemas; -- Unidade de medida de comprimento e superfície – problemas; -- Unidades de medida de volume – Problemas e conversão.


PARTE V

Geometria - 6ª série/7º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Levar o aluno a valorizar e apreciar o desenho geométrico como linguagem gráfica e instrumento para compreender o mundo que nos cerca contribuindo para o desenvolvimento intelectual do aluno.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Espaço forma

-- Conceituar, identificar, classificar e construir ângulos.

-- Ângulos;

-- Transformar medidas de ângulos.

-- Opostos pelo vértice;

-- Reconhecer submúltiplos dos ângulos.

-- Conceitos, classificação e construção;

-- Resolver problemas sobre medidas de ângulos.

-- Operações.

-- Diferenciar horas de ângulos.

-- Polígonos: Conceito, Classificação;

-- Resolver problemas com tempo e ângulos.

-- Elementos

-- Definir ângulos complementares e suplementares.

-- Triângulos: conceito, classificação e construção.

-- Conceituar polígono. -- Construir polígonos e figuras estreladas. -- Diferenciar polígonos dos não polígonos. -- Separar polígonos convexos dos não convexos. -- Classificar polígonos. -- Reconhecer e utilizar fórmulas para cálculo da área das figuras planas. -- Conceituar, classificar e construir triângulo de acordo com as medidas dos seus lados e ângulos. -- Reconhecer, classificar e construir quadriláteros. -- Perceber diferenças entre quadrilátero e quadrados. -- Calcular área dos polígonos convexos. -- Resolver problemas.

-- Quadrilátero: conceito, classificação, elementos e construção. -- Unidade de Medidas: ›› Superfície, Volume, Ângulo, temperatura, Velocidade, Problemas, Conversões de unidades. ›› Razão, escala, proporção – números proporcionais. ›› Regra de três simples. ›› Porcentagem. ›› Juros. ›› Problemas.

-- Calcular o volume de um paralelepípedo retângulo e de um cubo por meio de uma fórmula. -- Reconhecer que é possível medir a quantidade de liquido existente no interior de um recipiente usando uma unidade de referência. -- Reconhecer que entre o litro e o dm³ existe a relação 1 dm³ 1 litro.

133


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Geometria - 7ª série/8º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Levar o aluno a valorizar e apreciar o desenho geométrico como linguagem gráfica e instrumento para compreender o mundo que nos cerca contribuindo para o desenvolvimento intelectual do aluno.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Espaço e forma

-- Reconhecer os vértices e os lados de um ângulo.

-- Opostos pelo vértice.

-- Distinguir as regiões estabelecidas por um ângulo.

-- Complementares.

-- Reconhecer uma região angular.

-- Suplementares.

-- Reconhecer ângulos complementares e suplementares.

-- Consecutivos.

-- -Reconhecer ângulos consecutivos, adjacentes e o.p.v.

-- Adjacentes.

-- Distinguir uma reta transversal. -- Reconhecer ângulos correspondentes, alternos internos e externos e colaterais internos e externos, determinados por uma transversal. -- Relacionar os ângulos determinados por duas retas e uma transversal, conforme as posições, bem como a relação entre as medidas de tais ângulos.

-- Espaço e forma

-- Plano cartesiano. -- Polígonos. -- Soma dos ângulos internos. -- Cálculo do número de diagonais. -- Quadriláteros: elementos, propriedades.

-- Resolver situações problemas de localização e deslocamento do ponto no espaço.

-- Quadriláteros e polígonos.

-- Ângulos.

-- Triângulo:

-- Reconhecer e traçar as diagonais de um polígono.

›› Pontos notáveis

-- Determinar a soma das medidas dos ângulos internos de qualquer polígono convexo.

›› Classificação quanto aos lados e quanto aos ângulos.

-- Determinar o número de diagonais de um polígono. -- Reconhecer, em uma figura qualquer, os vários tipos de quadriláteros. -- Conhecer tipos especiais de quadriláteros. -- Estabelecer a relação entre as medidas dos ângulos da base de um trapézio isósceles e dos ângulos não retos de um trapézio retângulo. -- Reconhecer e localizar os pontos notáveis de um triângulo. -- Classificar os triângulos conforme as medidas dos lados. -- Classificar os triângulos conforme as medidas dos ângulos internos. -- Conceituar circunferência. -- Estabelecer a relação entre as medidas do raio e do diâmetro de uma circunferência. -- Estabelecer a relação entre a medida de um ângulo e as medidas dos arcos determinados na circunferência pelos lados do ângulo. -- Resolver situações problemas de localização e deslocamento do ponto no espaço.

134

-- Formados por duas paralelas cortadas por uma transversal.

-- Circunferência ›› Conceito ›› Ângulo central e inscrito na circunferência ›› Plano Cartesiano


PARTE V

Geometria - 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Levar o aluno a valorizar e apreciar o desenho geométrico como linguagem gráfica e instrumento para compreender o mundo que nos cerca contribuindo para o desenvolvimento intelectual do aluno.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Espaço e forma

-- Compreender o teorema de Tales.

-- Segmentos proporcionais.

-- Rever o conceito de razão e proporção.

-- Aplicação do Teorema de tales

-- Aplicar conhecimentos em proporção para calcular medidas dos seguimentos.

-- Razão e proporção:

-- Produzir e analisar transformações, ampliações e reduções de figuras geométricas planas, identificando seus elementos variantes e invariantes, desenvolvendo conceito de congruência, semelhança, diferença e equivalência. -- Rever o conceito de triângulo retângulo. -- Compreender o teorema de Pitágoras. -- Aplicar o teorema de Pitágoras para resolver problemas. -- Rever o conceito de trigonometria. -- Compreender as projeções no triângulo retângulo. -- Aplicar conhecimentos para resolver problemas. -- Diferenciar círculo e circunferência. -- Estabelecer relações entre circunferências e círculos.

›› Razão entre segmentos proporcionais ›› Proporcionalidade e escala ›› Feixe de retas paralelas -- Figuras semelhantes: ›› Semelhanças de polígonos ›› Propriedade fundamental da semelhança de triângulos ›› Casos da semelhança de triângulos ›› Aplicação dos casos de semelhanças de triângulos. ›› Relações métricas no triângulo retângulo. -- Elementos de um triângulo retângulo. ›› Demonstração do teorema de Pitágoras ›› Aplicação do Teorema de Pitágoras. -- Razões trigonométricas ›› Seno ›› Cosseno ›› Tangente -- Círculo e circunferência ›› Propriedades ›› Relações métricas

135


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

GEOGRAFIA Geografia - 5ª série/6º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Levar o aluno a: construir os conceitos de ciência e encarar a geografia como tal; entender o ponto de partida da localização e saber se orientar no tempo e espaço: saber orientar-se por meio de mapas; identificar as diferentes formas de presença de água na Terra e explicar como a sociedade moderna se apropria da natureza.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- A geografia e a compreensão do mundo.

-- Compreender a função e importância da Geografia no mundo atual e em cotidiano, assim como seu objeto de estudo. -- Relacionar a existência dos movimentos terrestre e às suas conseqüências para o planeta. -- Identificar os elementos de um mapa e reconhecer a importância das regras cartográficas. -- Identificar as formas de relevo presentes no Brasil e reconhecer aquelas que fazem parte do cotidiano dos habitantes da cidade. -- Reconhecer a importância dos recursos hídricos no nosso dia-a-dia e para a manutenção da vida no planeta. -- Compreender as diferenças entre elementos do tempo e do clima e as influências de cada um no cotidiano. -- Descrever as diferenças entre os espaços urbano e rural, bem como a interdependência entre eles. -- Identificar as diferentes atividades humanas, tendo em vista os setores da economia. -- Identificar as características do espaço agrário tradicional e moderno. -- Explicar o fenômeno da urbanização em escala mundial.

-- Paisagem, espaço e lugar. -- O trabalho e a transformação da natureza. -- Os continentes. -- As ilhas. -- Os oceanos e mares. -- A água nos continentes. -- Orientação. -- As principais formas de relevo. -- Formação e transformação do relevo. -- O relevo brasileiro. -- Bacias hidrográficas do Brasil. -- Climas da Terra. -- As paisagens vegetais. -- As vegetação brasileira e local. -- Paisagens rurais. -- Paisagens urbanas. -- Problemas ambientais rurais e urbanos. -- Recursos naturais. -- Extrativismo. -- Agricultura. -- Pecuária da produção manual às máquinas. -- Tipos de indústria. -- Tipos de comércio. -- A expansão do setor de serviços.

-- Os continentes, as ilhas e a água nos continentes. -- Interpretação de mapas. -- Relevo e hidrografia. -- Os climas do Brasil e local. -- O campo e a cidade. -- Atividades econômicas. -- Atividades econômicas. -- Indústria. -- Comércio. -- Prestação de serviços.

Geografia - 6ª série/7º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Conhecer a organização do espaço geográfico e o funcionamento da natureza em suas múltiplas relações, de modo a compreender o papel da sociedade em sua construção e na produção do território, da paisagem do lugar.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Formação e localização do território brasileiro.

-- Localizar os estados brasileiros e a cidade de Quatis.

-- Brasil população.

-- Compreender o processo de formação da população brasileira.

-- Brasil: População -- Quantos somos -- Diversidade -- Movimentos migratórios -- População e trabalho -- Urbanização. -- Rede Urbana. -- Uso e concentração da terra. -- Diferentes tipos de regionalização: IBGE, Complexos regionais, Milton Santos. -- Aspectos físicos de ocupação do espaço geográfico. -- Sub-regiões nordestinas. -- Aspectos físicos de ocupação do espaço geográfico. -- Organização do espaço e economia. -- Aspectos físicos. -- Cerrado e o Pantanal. -- Expansão e povoamento. -- Crescimento econômico.

-- Brasil: Campo e cidade. -- Regionalização do território brasileiro. -- Região Norte e Nordeste. -- Região Sudeste e Sul. -- Região Centro-Oeste.

-- Diferenciar características entre o espaço rural e urbano. -- Analisar e comparar critérios de regionalização. -- Localizar as regiões Norte e Nordeste. -- Compreender as características físicas e econômicas da região Norte e Nordeste. -- Localizar as regiões Sudeste e Sul. -- Compreender as características físicas e econômicas da região Sudeste e Sul. -- Localizar a região Centro-Oeste. -- Compreender as características físicas e econômicas da região Centro-Oeste.

136


PARTE V

Geografia - 7ª série/8º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Compreender que as melhorias nas condições de vida, os direitos políticos, os avanços técnicos e tecnológicos e as transformações socioculturais são conquistas decorrentes de conflitos e acordos, que ainda não são usufruídas por todos os seres humanos e, dentro de suas possibilidades, empenhar-se em democratizá-las.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Geografia e a Regionalização do Espaço.

-- Analisar e comparar os critérios de regionalização.

-- O mundo dividido: países capitalistas e socialistas.

-- A economia global.

-- Conceituar globalização.

-- O continente Americano.

-- Caracterizar os principais blocos econômicos.

-- Países do Norte e países do Sul.

-- A população e a Economia da América. -- América do Norte. -- América Central, Andina e Guiana. -- A América Platina.

-- Localizar e compreender a América Latina a partir das características de seus países.

-- Regionalização pelo nível de desenvolvimento. -- Regionalização de acordo com o IDH. -- A economia mundial atual. -- As transnacionais. -- Os financiadores da economia mundial.

-- Analisar os fatos históricos comuns entre os países.

-- Os blocos econômicos.

-- Descrever as relações atuais de dependência.

-- A formação histórica do continente americano.

-- Analisar as características populacionais.

-- Clima e vegetação da América.

-- Compreender as relações de dependência entre México e Estados Unidos. -- Apontar as características gerais em comum entre os países da América Central. -- Apontar as características sociais dos países Andinos.

-- Localização e regionalização da América. -- Relevo e hidrografia da América. -- A população da América. -- Atividades do setor primário na América. -- O desenvolvimento do setor secundário. -- O crescimento do setor terciário. -- Estados Unidos: território e população.

-- Descrever os aspectos gerais em comum entre os países da América do Sul.

-- Estados Unidos: potência econômica e militar.

-- Analisar as características naturais.

-- México: entre os países ricos e os países pobres.

-- Canadá: o maior país da América. -- América Central: continental e insular. -- Guiana, Suriname e Guiana Francesa. -- América Andina: Chile, Bolívia e Peru. -- América Andina: Venezuela, Equador e Colômbia. -- América Platina: aspectos gerais. ›› O Paraguai. ›› O Uruguai. ›› A Argentina.

137


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Geografia - 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Analisar as mudanças nas estruturas das nações e as ações dos estados nações, diante das novas realidades, que ocasionam rearranjos sociais e políticos.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Aspectos naturais e sócioeconômico da Europa.

-- Localizar os países europeus.

-- Cartografia européia.

-- Ásia

-- Conhecer os principais tipos de clima e relevo europeu.

-- População européia.

-- Rússia, Japão e Tigres Asiáticos.

-- Compreender a formação da população européia e seu quadro social e econômico.

-- Socialismo na Europa Oriental.

-- China e Índia

-- Diferenciar características entre as economias do leste e do oeste europeu.

-- -África. -- Oceania e regiões polares.

-- Compreender os aspectos físicos, socioeconômicos e religiosos do continente asiático. -- Entender os aspectos físicos, socioeconômicos e religiosos da Rússia, Japão, Tigres Asiáticos, China e Índia. -- Compreender as características físicas e econômicas da África. -- Refletir sobre a regionalização, os problemas de fronteiras e socioeconômicos da África. -- Conhecer as diferentes paisagens naturais da Oceania, sua população e economia. -- Identificar os países mais desenvolvidos da Oceania. -- Compreender a importância das regiões polares.

-- Quadro econômico europeu. -- União européia e Comunidade dos Estados Unidos Independentes. -- Aspectos socioeconômicos e políticos. -- Cartografia asiática. -- População. -- Economia asiática. -- Civilizações e religiões asiáticas -- Estudos da nação: ›› Rússia. ›› Japão e Tigres Asiáticos. ›› China e Índia. -- Quadro natural e regionalização da África. -- A economia africana -- As fronteiras da África. -- Fome, doenças e conflitos na África. -- Composição do continente da Oceania. -- Formação territorial e modelo econômico da Austrália e Nova Zelândia. -- As regiões Ártica e Antártica: Os extremos da Terra. -- Atividade científica nas regiões polares.

138


PARTE V

CIÊNCIAS Ciências - 5ª série/6º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Valorizar a vida em todas as suas formas e manifestações, compreendendo que o ser humano é parte integrante da natureza e pode transformar o meio em que vive.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Ambiente

-- Reconhecer os componentes e a organização de um ecossistema.

-- Ecologia

-- Saúde

-- Identificar as relações alimentares e as posições tráficas numa cadeia alimentar. -- Compreender as relações ecológicas entre os seres vivos. -- Compreender a estrutura interna e externa do Planeta. -- Compreender as constantes transformações da superfície do Planeta.

›› O Planeta por dentro e pro fora. ›› Estrutura da Terra -- Rochas -- Água -- Ar -- Universo

-- Conhecer a formação do solo e seus tipos. -- Valorizar a importância do solo e promover atitudes que valorizem sua preservação. -- Identificar os tipos de doenças transmitidas pelo solo contaminado. -- Perceber a importância das diferentes formas de reaproveitamento do lixo. -- Identificar os diferentes tipos de rochas e sua formação. -- Identificar os estados físicos da água e sua importância. -- Compreender o ciclo da água no planeta. -- Identificar as características da água potável. -- Identificar os tipos de doenças transmitidas pela água em forma de preservação. -- Compreender a atmosfera e suas camadas. -- Conhecer a composição do ar e propriedades. -- Identificar os tipos de doenças transmitidas pelo ar. -- Compreender os fenômenos atmosféricos. -- Conhecer os elementos que compõem o Universo. -- Conhecer as principais características do sistema solar. -- Compreender os movimentos da Terra. -- Identificar as fases da lua e as estações do ano.

139


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Ciências - 6ª série/7º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: O aluno deverá compreender a importância de atitudes individuais e coletivas para a preservação e uso racional dos recursos do planeta.

140

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Seres Vivos

-- Reconhecer a célula, como elemento fundamental dos seres vivos. -- Reconhecer que os seres vivos apresentam: ciclo vital, nutrição, respiração, reprodução, evolução e sensibilidade. -- Conhecer as teorias sobre a origem da vida. -- Classificar os (animais e vegetais), conforme as diferenças e semelhanças que possuem. -- Identificar a estrutura e reprodução dos vírus. -- Reconhecer as doenças caudas por vírus. -- Reconhecer as formas das bactérias. -- Identificar as doenças causadas por bactérias. -- Identificar os tipos de protozoários. -- Reconhecer as doenças causadas por protozoários. -- Identificar os vários tipos de fungos. -- Enumerar as várias funções dos fungos no ambiente. -- Reconhecer as doenças causadas por fungos. -- Definir invertebrados. -- Identificar os diferentes grupos de invertebrados. -- Conhecer as medidas profiláticas contra as infestações dos platelmintos e nematelmintos. -- Definir vertebrados e suas características. -- Distinguir peixes ósseos e cartilaginosos. -- Enumerar as características dos peixes. -- Identificar os processos de respiração e reprodução dos peixes. -- Identificar os diferentes tipos de anfíbios. -- Enumerar às várias fases do processo de metamorfose. -- Identificar os tipos de respiração e reprodução dos anfíbios. -- Identificar os vários tipos de réptil. -- Reconhecer as características dos répteis. -- Conhecer a evolução dos répteis. -- Identificar as diferentes espécies de aves. -- Identificar as características das aves. -- Reconhecer os processos de respiração, circulação, excreção e reprodução das aves. -- Enumerar as características dos mamíferos. -- Identificar os processos de nutrição, respiração, circulação, excreção e reprodução dos mamíferos. -- Reconhecer as ordens dos mamíferos. -- Conhecer os tipos de algas. -- Identificar as características e reprodução das briófitas e pteridófitas. -- Identificar as principais características das gimnospermas e angiospermas. -- Identificar os diversos tipos de raiz, caule e folhas. -- Reconhecer as funções da raiz, caule e folhas. -- Identificar as características das flores, frutos e sementes. -- Identificar a flor como órgão de reprodução dos vegetais. -- Reconhecer as funções das flores, frutos e sementes. -- Identificar os diferentes tipos de flores, frutos e sementes.

-- A organização dos seres vivos. -- Em busca de matéria e energia, os seres se reproduzem e evoluem. -- A origem da vida. -- Evolução. -- Classificando os seres vivos. -- Os vírus e a saúde do corpo. -- As bactérias. -- Protozoários. -- Fungos -- Invertebrados -- Vertebrados (peixes) -- Vertebrados (anfíbios) -- Vertebrados (Aves) -- Vertebrados (mamíferos) -- Plantas -- Algas verdes, pardas e vermelhas -- Briófitas e Pteridófitas -- Gimnospermas -- Angiosperma -- Raiz, caule e folhas. -- Flores, frutos e sementes.


PARTE V

Ciências - 7ª série/8º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Conhecer os sistemas que formam o corpo humano bem como o funcionamento, a importância destes e suas doenças. Além disso, levar o aluno a compreender as formas de prevenção às doenças.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Corpo Humano e Saúde

-- Entender a organização do corpo humano.

-- Citologia

-- Conhecer a célula que forma o ser humano e suas estruturas.

-- Histologia.

-- Conhecer os diferentes tipos de tecidos e a função destes.

-- Sistema Digestório.

-- Entender a função dos alimentos e dos nutrientes. -- Conhecer o sistema digestório bem como, as doenças que podem afetá-lo. -- Conhecer o sistema respiratório bem como, as doenças que podem afetá-lo.

-- Nutrição. -- Sistema respiratório. -- Sistema Circulatório. -- Sistema Urinário. -- Sistema Locomotor. -- Os Sentidos.

-- Conhecer o sistema circulatório bem como, as doenças que podem afetá-lo.

-- Sistema Nervoso.

-- Conhecer o sistema urinário bem como, as doenças que podem afetá-lo.

-- Sistema Reprodutor.

-- Conhecer o sistema esquelético e o muscular bem como, as doenças que podem afetá-lo.

-- Sistema Endócrino. -- Hereditariedade.

-- Compreender a relação entre os órgãos dos sentidos e a sobrevivência. -- Entender o papel do sistema nervoso, sua organização e seu funcionamento. -- Conhecer a função do sistema endócrino na coordenação do corpo. -- Distinguir o sistema genital masculino do feminino. -- Entender a função e o funcionamento dos sistemas de reprodução humana. -- Conhecer as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) -- Conhecer os métodos anticoncepcionais e a importância destes na prevenção a gravidez e as DSTs. -- Compreender a hereditariedade.

Ciências - 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Entender o conhecimento científico e tecnológico atual como resultado do trabalho e das descobertas realizadas por muitas gerações.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Química e Física

-- Diferenciar os campos de atuação da Física e da Química.

-- Matéria e energia

-- Identificar as transformações da matéria.

-- Propriedades específicas da matéria.

-- Definir substância, corpo e objeto. -- Conhecer os diferentes estados físicos da matéria. -- Descrever os tipos de propriedades específicas da matéria. -- Conhecer a teoria sobre o átomo. -- Identificar as estruturas que formam o átomo e suas respectivas cargas elétricas. -- Diferencias número de massa e número atômico. -- Identificar as camadas eletrônicas e seus respectivos elétrons. -- Definir elemento químico.

-- Propriedades gerais. -- O Átomo. -- Os elementos climáticos. -- Organizando os elementos: classificação periódica. -- Ligação Química. -- Substâncias e as indústrias. -- Funções químicas: ácidos, bases, sais e óxidos. -- Reações químicas. -- O movimento com velocidade constante. -- O movimento com a aceleração.

141


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

-- Reconhecer as origens dos elementos químicos. -- Identificar os elementos químicos com auxílio do seu símbolo. -- Identificar o que é um elemento isótopo. -- Conhecer os diferentes tipos de grupos e períodos da tabela periódica. -- Identificar elementos através de seu símbolo. -- Identificar os tipos de elemento que formam a matéria. -- Compreender porque ocorrem as ligações químicas. -- Reconhecer os tipos de ligações químicas. -- Compreender a importância das ligações químicas na existência das diversas substâncias que fazem parte do ambiente. -- Definir o que é uma substância. -- Distinguir as substâncias puras simples das substâncias compostas. -- Identificar os tipos de misturas homogêneas e heterogêneas. -- Reconhecer os principais processos de separação de misturas. -- Compreender a importância sobre substâncias e misturas para as indústrias em geral. -- Conceituar função química. -- Saber identificar ácidos, bases, sais e óxidos através da nomenclatura. -- Compreender a importância dos ácidos, sais, óxidos e bases em alguns setores industriais. -- Conceituar reação química. -- Balancear uma equação química. -- Diferenciar os tipos de reação química. -- Enunciar as leis de Lavoisier e Proust. -- Conhecer a importância das reações químicas em setores industriais. -- Compreender que a condição de movimento ou de repouso de um corpo deve ser aplicada sempre em relação a um referencial. -- Perceber que a velocidade é medida da rapidez com que um corpo muda de posição. -- Resolver problemas que envolva a compreensão dos conceitos fundamentais ao estudo da velocidade média. -- Conceituar aceleração. -- Conhecer o valor da aceleração da gravidade. -- Resolver problemas que evoluam os conceitos da aceleração. -- Calcular a resultante de um sistema de forças envolvendo os conceitos fundamentais. -- Resolver problemas que evoluam os conceitos de força. -- Conhecer as leis de Newton e sua importância. -- Resolver problemas que evoluam a compreensão das três leis de Newton. -- Compreender a lei da Gravidade Universal. -- Resolver problemas que evoluam peso, massa e gravidade. -- Resolver problemas aplicando os conceitos de trabalho, energia e potência. -- Conhecer os diferentes tipos de energia e suas aplicações no cotidiano. -- Compreender e explicar a redução do esforço em utilizar máquinas simples para realizar um trabalho.

142

-- Leis de Newton. -- Atração gravitacional. -- Trabalho e Energia – Potência. -- Máquinas.


PARTE V

EDUCAÇÃO FÍSICA Educação Física - 5ª série/6º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: “Conhecer e utilizar as diferentes linguagens e suas potencialidades como instrumentos para expressão de um sujeito histórico. Inserido em uma coletividade em constante transformação, compreendendo a complexidade das dinâmicas que envolvem sociocomunicativo, valorizando e respeitando a pluralidade das manifestações culturais.”

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Corpo e Movimento

-- Possibilitar que cada aluno conheça seus limites e as possibilidades do corpo para promoção da saúde.

-- Avaliação da composição corporal com teste simples.

-- Perceber o próprio corpo e buscar posturas e movimentos não prejudiciais nas situações do cotidiano.

-- Introdução básica do funcionamento do próprio corpo e suas relações com o exercício.

-- Analisar alguns movimentos e posturas do cotidiano a partir de elementos socioculturais e biomecânicos. -- Organizar jogos, brincadeiras e outras atividades corporais, valorizando-as como recurso para usufruto do tempo disponível. -- Participar em atividades competitivas, cooperativas, respeitando as regras e não discriminando os colegas, suportando pequenas frustrações, evitando atitudes violentas.

-- Jogos recreativos, mistos com criação de regras pelos próprios alunos. -- Jogos competitivos, cooperativos e recreativos. -- Gincanas, jogos interclasse, eventos culturais e esportivos.

-- Apreciar esportes e lutas considerando alguns aspectos técnicos, táticos e estéticos.

-- Eventos esportivos

-- Participar da execução de danças e coreografias simples pertencente nas manifestações culturais regionais.

-- Fundamentos e história da capoeira

-- Apreciar a capoeira como esporte nacional baseado na lei 10.639/03. -- Desenvolver atitudes de respeito mútuo, dignidade e solidariedade em situações lúdicas e esportivas, buscando solucionar os conflitos de forma não violenta. -- Conhecer, valorizar e desfrutar das diferentes pluralidades de manifestações da cultura corporal do Brasil. -- Executar os deslocamentos básicos. -- Conduzir a bola driblando naturalmente. -- Executar os passes parados e em movimento.

-- Show de talentos -- Conteúdo da mídia para discutir valores como: ética, justiça, solidariedade, respeito. -- Folclore -- Handebol: ›› Deslocamento ›› Drible ›› Passe ›› Arremesse -- Futsal:

-- Executar com certa precisão os arremessos parados e em movimento.

›› Domínio

-- Participar de jogos, observando as instruções dadas e assimilando as noções técnico-táticas.

›› Controle

-- Jogos adaptados de combinação dos fundamentos. -- Movimentar-se natural e coordenadamente em diferentes ritmos com e sem bola driblando ou não. -- Executar passes e arremessos com naturalidade. -- Executar fundamentos básicos com naturalidade. -- Participar de pequenos jogos visando integração com o grupo.

›› Passe ›› Posição ›› Chute -- Atletismo: ›› Salto em distância ›› Salto triplo ›› Corrida de velocidade.

-- Executar os movimentos básicos dos saltos em distância e triplo. -- Praticar as corridas de resistência e de outras distâncias, conhecendo a diferença entre elas.

143


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Educação Física - 6ª série/7º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: “Conhecer e utilizar as diferentes linguagens e suas potencialidades como instrumentos para expressão de um sujeito histórico. Inserido em uma coletividade em constante transformação, compreendendo a complexidade das dinâmicas que envolvem sociocomunicativo, valorizando e respeitando a pluralidade das manifestações culturais.”.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Corpo e Movimento

-- Possibilitar que cada aluno conheça seus limites e as possibilidades do corpo para promoção da saúde.

-- Avaliação da composição corporal com teste simples.

-- Perceber o próprio corpo e buscar posturas e movimentos não prejudiciais nas situações do cotidiano.

-- Introdução básica do funcionamento do próprio corpo e suas relações com o exercício.

-- Analisar alguns movimentos e posturas do cotidiano a partir de elementos socioculturais e biomecânicos. -- Organizar jogos, brincadeiras e outras atividades corporais, valorizando-as como recurso para usufruto do tempo disponível. -- Participar em atividades competitivas, cooperativas, respeitando as regras e não discriminando os colegas, suportando pequenas frustrações, evitando atitudes violentas. -- Apreciar esportes e lutas considerando alguns aspectos técnicos, táticos e estéticos. -- Participar da execução de danças e coreografias simples pertencente nas manifestações culturais regionais. -- Apreciar a capoeira como esporte nacional baseado na lei 10.639/03. -- Desenvolver atitudes de respeito mútuo, dignidade e solidariedade em situações lúdicas e esportivas, buscando solucionar os conflitos de forma não violenta. -- Conhecer, valorizar e desfrutar das diferentes pluralidades de manifestações da cultura corporal do Brasil. -- Executar os deslocamentos básicos. -- Conduzir a bola driblando naturalmente. -- Executar os passes parados e em movimento. -- Executar com certa precisão os arremessos parados e em movimento. -- Participar de jogos, observando as instruções dadas e assimilando as noções técnico-táticas. -- Jogos adaptados de combinação dos fundamentos.

-- Jogos competitivos, cooperativos e recreativos. -- Gincanas, jogos interclasse, eventos culturais e esportivos. -- Eventos esportivos -- Show de talentos -- Fundamentos e história da capoeira -- Conteúdo da mídia para discutir valores como: ética, justiça, solidariedade, respeito. -- Folclore -- Handebol: ›› Deslocamento ›› Drible ›› Passe ›› Arremesse -- Futsal: ›› Domínio ›› Passe ›› Controle ›› Posição ›› Chute ›› Ataque / Defesa -- Atletismo:

-- Movimentar-se natural e coordenadamente em diferentes ritmos com e sem bola driblando ou não.

›› Salto em distância

-- Executar passes e arremessos com naturalidade.

›› Corrida de velocidade

-- Executar fundamentos básicos com naturalidade.

›› Salto triplo -- Voleibol:

-- Participar de pequenos jogos visando integração com o grupo.

›› Passe

-- Executar os movimentos básicos dos saltos em distância e triplo.

›› Manchete

-- Praticar as corridas de resistência e de outras distâncias, conhecendo a diferença entre elas.

144

-- Jogos recreativos, mistos com criação de regras pelos próprios alunos.

›› Toque ›› Saque


PARTE V

Educação Física - 7ª série/8º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: “Conhecer e utilizar as diferentes linguagens e suas potencialidades como instrumentos para expressão de um sujeito histórico. Inserido em uma coletividade em constante transformação, compreendendo a complexidade das dinâmicas que envolvem sociocomunicativo, valorizando e respeitando a pluralidade das manifestações culturais.”.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Corpo e movimento

-- Possibilitar que cada aluno conheça seus limites e as possibilidades do corpo para promoção da saúde.

-- Avaliação da composição corporal com teste simples.

-- Perceber o próprio corpo e buscar posturas e movimentos não prejudiciais nas situações do cotidiano.

-- Introdução básica do funcionamento do próprio corpo e suas relações com o exercício.

-- Analisar alguns movimentos e posturas do cotidiano a partir de elementos socioculturais e biomecânicos. -- Organizar jogos, brincadeiras e outras atividades corporais, valorizando-as como recurso para usufruto do tempo disponível. -- Participar em atividades competitivas, cooperativas, respeitando as regras e não discriminando os colegas, suportando pequenas frustrações, evitando atitudes violentas. -- Apreciar esportes e lutas considerando alguns aspectos técnicos, táticos e estéticos. -- Participar da execução de danças e coreografias simples pertencente nas manifestações culturais regionais. -- Apreciar a capoeira como esporte nacional baseado na lei 10.639/03. -- Desenvolver atitudes de respeito mútuo, dignidade e solidariedade em situações lúdicas e esportivas, buscando solucionar os conflitos de forma não violenta. -- Conhecer, valorizar e desfrutar das diferentes pluralidades de manifestações da cultura corporal do Brasil. -- Executar os deslocamentos básicos. -- Conduzir a bola driblando naturalmente. -- Executar os passes parados e em movimento. -- Executar com certa precisão os arremessos parados e em movimento. -- Participar de jogos, observando as instruções dadas e assimilando as noções técnico-táticas. -- Jogos adaptados de combinação dos fundamentos. -- Movimentar-se natural e coordenadamente em diferentes ritmos com e sem bola driblando ou não. -- Executar passes e arremessos com naturalidade. -- Executar fundamentos básicos com naturalidade.

-- Jogos recreativos, mistos com criação de regras pelos próprios alunos. -- Jogos competitivos, cooperativos e recreativos. -- Gincanas, jogos interclasse, eventos culturais e esportivos. -- Eventos esportivos -- Show de talentos -- Fundamentos e história da capoeira -- Conteúdo da mídia para discutir valores como: ética, justiça, solidariedade, respeito. -- Folclore -- Handebol: ›› Arremesse ›› Defesa ›› Ataque -- Futsal: ›› Drible ›› Finta ›› Jogadas ›› Sistemas de jogo -- Atletismo: ›› Arremesso ›› Salto ›› Corrida de velocidade -- Voleibol: ›› Levantamento ›› Defesa ›› Manchete

-- Participar de pequenos jogos visando integração com o grupo.

-- Basquetebol:

-- Executar os movimentos básicos dos saltos em distância e triplo.

›› Bandeja

-- Praticar as corridas de resistência e de outras distâncias, conhecendo a diferença entre elas.

›› Drible ›› Rebote ›› Contra ataque

145


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Educação Física - 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: “Conhecer e utilizar as diferentes linguagens e suas potencialidades como instrumentos para expressão de um sujeito histórico. Inserido em uma coletividade em constante transformação, compreendendo a complexidade das dinâmicas que envolvem sociocomunicativo, valorizando e respeitando a pluralidade das manifestações culturais.”.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Corpo e Movimento

-- Possibilitar que cada aluno conheça seus limites e as possibilidades do corpo para promoção da saúde.

-- Avaliação da composição corporal com teste simples.

-- Perceber o próprio corpo e buscar posturas e movimentos não prejudiciais nas situações do cotidiano.

-- Introdução básica do funcionamento do próprio corpo e suas relações com o exercício.

-- Analisar alguns movimentos e posturas do cotidiano a partir de elementos socioculturais e biomecânicos. -- Organizar jogos, brincadeiras e outras atividades corporais, valorizando-as como recurso para usufruto do tempo disponível. -- Participar em atividades competitivas, cooperativas, respeitando as regras e não discriminando os colegas, suportando pequenas frustrações, evitando atitudes violentas. -- Apreciar esportes e lutas considerando alguns aspectos técnicos, táticos e estéticos. -- Participar da execução de danças e coreografias simples pertencente nas manifestações culturais regionais. -- Apreciar a capoeira como esporte nacional baseado na lei 10.639/03. -- Desenvolver atitudes de respeito mútuo, dignidade e solidariedade em situações lúdicas e esportivas, buscando solucionar os conflitos de forma não violenta. -- Conhecer, valorizar e desfrutar das diferentes pluralidades de manifestações da cultura corporal do Brasil. -- Executar os deslocamentos básicos. -- Conduzir a bola driblando naturalmente. -- Executar os passes parados e em movimento. -- Executar com certa precisão os arremessos parados e em movimento. -- Participar de jogos, observando as instruções dadas e assimilando as noções técnico-táticas. -- Jogos adaptados de combinação dos fundamentos. -- Movimentar-se natural e coordenadamente em diferentes ritmos com e sem bola driblando ou não.

-- Jogos competitivos, cooperativos e recreativos. -- Gincanas, jogos interclasse, eventos culturais e esportivos. -- Eventos esportivos -- Show de talentos -- Fundamentos e história da capoeira -- Conteúdo da mídia para discutir valores como: ética, justiça, solidariedade, respeito. -- Folclore -- Handebol: ›› Arremesse ›› Defesa ›› Ataque -- Futsal: ›› Drible ›› Finta ›› Jogadas ›› Sistemas de jogo -- Atletismo: ›› Arremesso ›› Salto ›› Corrida de velocidade -- Vôlei:

-- Executar passes e arremessos com naturalidade.

›› Revisão geral

-- Executar fundamentos básicos com naturalidade.

›› Regras oficiais

-- Participar de pequenos jogos visando integração com o grupo.

146

-- Jogos recreativos, mistos com criação de regras pelos próprios alunos.

›› Torneios -- Basquete:

-- Executar os movimentos básicos dos saltos em distância e triplo.

›› Revisão

-- Praticar as corridas de resistência e de outras distâncias, conhecendo a diferença entre elas.

›› Primeiros socorros

›› Passes: Ombro / Acima da cabeça


PARTE V

ARTE Arte - 5ª série/6º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Identificar e descobrir as diferenças estéticas e culturais nas obras de arte.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Características gerais do Impressionismo

-- Identificar as obras do artista Geoges Seurat e a técnica do pontilhismo.

-- Arte do Impressionismo

-- Elementos visuais

-- Desenvolver a técnica do pontilhismo através de materiais diversos.

-- Características gerais da Arte Pré-histórica -- Teria das cores

-- Reconhecer as obras dos artistas Wassily Kandinsky e presença das linhas em suas obras.

-- Características gerais de Arte Neoclássica

-- Identificar a arte pré-histórica. -- Reconhecer vários tipos de cores.

-- Teoria de Simetria e

-- Identificar a arte Neoclássica e as formas simétricas da arquitetura desse período.

-- Assimetria -- Características gerais de Arte da Antiguidade. -- Pintura, arquitetura e escultura da arte

-- Desenvolver técnicas de desenhos simétricos e assimétricos. -- Identificar a arquitetura e pintura egípcias (pirâmides) e esculturas Grega e Romana.

›› Ponto Arte abstrata ›› Linhas -- Arte da Pré-História ›› Cores ›› Primária, Secundária e Terciária monocromia -- Arte Neoclássica, Simétrica e Assimétrica -- Arte na Antiguidade ›› Egito ›› Grécia ›› Roma

-- Identificar as características das obras de arte desse período.

Arte – 6ª série/7º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Reconhecer e identificar as diversas manifestações artísticas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Características gerais de Arte – Grafite

-- Identificar as manifestações artísticas urbanas, em especial o grafite.

-- Grafite ›› Composição com letras e números

›› Tipos de Letras

-- Identificar a técnica de pintura em grande escala.

›› Características gerais de Arte Medieval

-- Reconhecer escritores brasileiros que constroem Histórias em Quadrinho.

›› Criação de vários tipos de mosaico e vitral

-- Identificar a Arte Medieval e sua contribuição para a Europa.

›› Características gerais da Arte do Renascimento

-- Conhecer e reconhecer vários tipos de arquitetura e pintura medieval.

-- Arte do Renascimento

›› Tipos de desenho em perspectiva

-- Identificar a arte Renascentista e os fatores históricos e sociais desencadeou a decadência de arte medieval e as obras renascentistas com perspectiva

-- Arte Barroca

›› Manifestações cas

folclóri-

›› Características gerais da arte Barroca ›› Tipos de desenho em Luz e Sombra ›› Manifestações de arte Afro-brasileira.

-- Desenvolver técnicas de perspectiva LH (Linha Horizonte e Ponto de Fuga) -- Identificar as características das obras de arte desse período e a luz e sombra na dramaticidade barroca.

›› História em Quadrinho -- Arte Medieval ›› Bizantina ›› Gótica ›› Romântica ›› Perspectiva ›› Folclore ›› Luz e sombra ›› Barroco no Brasil ›› Cultura Afro-brasileira

-- Identificar a arquitetura e Barroca brasileira e as obras de Aleijadinho e do artista Rubem Valentim e sua contribuição para arte brasileira.

147


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Arte – 7ª série/8º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Conhecer as diversas manifestações artísticas, políticas e sociais do século XX.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Características gerais da OP

-- Identificar as obras do artista Victor Vasarely e outros. Identificar as características do movimento OP ART no que se refere à geometria, cor, movimento, ilusão de ótica, etc.

-- OP ART

-- ART -- Visão Óptica -- Características Gerais do Fouvismo -- Desenho dentro da policromia -- Características Gerais do Modernismo no Brasil -- Manifestações Culturais, -- Sociais, Artísticas e Políticas da época.

-- Identificar várias obras dos artistas do movimento do Fouvismo. -- Identificar as características gerais do Modernismo no Brasil.

›› Releitura -- FOUVISMO ›› Policromia ›› Artista Matisse -- MODERNISMO NO BRASIL ›› Artistas do Modernismo

-- Entender a proposta da “quebra” das tradições da Arte Acadêmica.

Arte – 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental Objetivo Geral: Identificar nas entrelinhas as diversas imagens nas propagandas e nas obras de arte no decorrer do século XX.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Identificar as imagens

-- Identificar nas entrelinhas os filmes, imagens, propagandas através de signos e símbolos do nosso cotidiano.

-- SEMIÓTICA DA IMAGEM

-- Características gerais de Arte Cubista -- Pintura cubista sintética e analítica -- Características gerais da -- Arte do Dadaísmo e -- Surrealismo -- Pintura e escultura Dadaísta e Surrealismo arte em período de Guerras. -- Características gerais da Arte do Futurismo e Pop Art -- Manifestação da política e da massa popular na arte.

148

›› Filmes propaganda, músicas e imagens ›› Propaganda, Slogan e Marketing

-- Criar propagandas produzindo seus slogan e marketing.

-- CUBISMO

-- Identificar a temática desse período e os artistas que contribuíram com esse movimento.

-- DADAÍSMO E SURREALISMO

-- Reconhecer as diferenças entre cubismo analítico e sintético.

-- FUTURISMO E POP ART

-- Identificar a temática desse período e os artistas que contribuíram com esses movimentos. -- Identificar as obras dos artistas desse movimento. -- Reconhecer as características das obras de arte desse período e o processo da industrialização e a massificação da arte.

›› Releituras ›› Releituras ›› Releituras.


PARTE V

1.3.  Educação de Jovens e Adultos PORTUGUÊS - CICLO I OBJETIVO GERAL: Propiciar formação integral (conceitual e humanista) a partir dos diversos conteúdos e de discussões, proporcionando aos alunos sua inserção no mundo letrado facilitando assim sua vida em sociedade, respeitando a temporalidade de cada indivíduo.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Linguagem Oral

-- Utilizar a linguagem oral com eficácia, sabendo adequá-la a intenções e situações comunicativas que requeiram conversar num grupo, expressar sentimentos e opiniões, defender pontos de vista, relatar acontecimentos, expor sobre temas estudados.

-- Oralidade

-- Descrever e interpretar imagens visuais. -- Identificar as semelhanças e diferenças sonoras entre as palavras. -- Utilizar diversos tipos de linguagem oral: diálogo, comentários, relatos e fatos do cotidiano, ampliando a capacidade comunicativa e a formação de conceitos (o ouvir e o falar).

›› Interpretação oral de textos imagéticos e escritos. ›› Planejamento da fala ›› Comunicação oral (falar, ouvir, entender e interpretar.) ›› Uso da linguagem oral para conversar argumentar e explicar pontos de vistas, relatar desejos, necessidades, fatos e opiniões. ›› Participação em situações de oralidade nas quais os alunos tenham que narrar fatos e experiências com seqüência temporal. ›› Compreensão e interpretação de informações e textos lidos pelo professor. ›› Reconto de histórias conhecidas com aproximação às características da história original no que se refere à descrição de personagens, cenários e objetos, com ou sem a ajuda do professor. ›› Participação em conversas, debates e em outras situações que desenvolvam a escuta atenta, a compreensão, a organização, clareza e objetividade na fala. ›› Participação em situações e atividades que explorem as variedades lingüísticas e desenvolvam o respeito pelas diversas formas de expressão oral.

-- Linguagem Escrita

-- Identificar as letras do alfabeto associando-as aos nomes dos colegas da turma, animais, rótulos e embalagens. -- Identificar o próprio nome, o nome do colega e do Professor. -- Desenvolver habilidades específicas para escrever realizando atividades motoras que envolvem o uso do material escolar. -- Compreender a orientação e o alinhamento da escrita -- Escrever frases e textos utilizando palavras do vocabulário construído em sala. -- Construir individualmente textos verbais e não verbais dos diversos gêneros. -- Produzir textos com organização e sequência lógica -- Compreender a função de segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frase.

-- Reconhecimento do alfabeto nos diferentes tipos de letras -- Desenvolvimento Da habilidade motora para escrever -- Utilização do traçado correto das letras -- Uso da letra maiúscula e minúscula -- Produção de frases com organização, sentido e criatividade utilizando a pontuação final correta. -- Produção de textos de diferentes tipos levando em consideração o destinatário, finalidade e características do texto. -- Compreensão da função social da escrita. -- Participação em situações nas quais os alunos utilizem e valorizem os modos de produção e circulação da escrita. (variedades de suportes textuais) -- Compreensão das funções e características dos gêneros textuais.

149


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

-- Escrever palavras, frases e textos na hipótese alfabética.

-- Leitura e produção de textos de diversos gêneros textuais.

-- Participar, coletivamente das produções de textos verbais e não verbais dos diversos gêneros.

-- Participação em situações de escrita nas quais os alunos percebam e compreendam os aspectos gráficos da escrita tais como: orientação e alinhamento da escrita, função e segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frase.

-- Utilizar ilustrações próprias para associar a forma escrita / figura. -- Escrever palavras para responder adivinhas e cruzadinhas.

-- Leitura e escrita

-- Realizar operações sintáticas oralmente e por escrito para modificar, substituir, ampliar e expandir elementos da frase. -- Alterar as sílabas e perceber as diferenças de sons, grafias e significados. -- Conhecer, utilizar e valorizar os modos de produção e de circulação da escrita na sociedade. -- Conhecer os usos e as funções sociais da escrita -- Conhecer, utilizar e valorizar instrumentos de escrita pertencentes ao cotidiano escolar, tais como: livros de história, caderno, papel ofício, lápis, borracha, entre outros. -- Leitura e interpretação

-- Ler e interpretar oralmente e através de desenhos diversos tipos de textos e símbolos. -- Identificar os personagens no texto: suas características, falas e ações, o tempo e lugar onde ocorreu o fato.

-- Desenvolvimento da habilidade leitora com diferentes objetivos: entretenimento, busca de informação, aviso, consulta, argumentação etc. -- -Identificação e caracterização de personagens, tempos e lugares.

-- Desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura.

-- Realização de leituras para identificação do assunto do texto.

-- Decodificar palavras, identificando as relações entre fonemas (sons) e grafemas (letras).

-- -Valorização da leitura como fonte de prazer, conhecimento e entretenimento.

-- Saber ler reconhecendo globalmente as palavras, reconhecendo instantaneamente cada parte da palavra e tendo assim acesso imediato a seu significado. -- Ler com clareza textos formados a partir do repertório trabalhado. -- Ler com entonação respeitando a pontuação, garantindo a fluência. -- Compreender textos: ›› Identificando finalidades e funções da leitura ›› Antecipando conteúdos em função do suporte e gênero ›› Levantando e confirmando hipóteses. ›› Fazendo inferências ›› Construindo compreensão global do texto ›› Avaliando o texto afetivamente

-- Participação em situações nas quais os adultos lêem textos de diferentes gêneros e identifiquem suas características e funções. -- Participação em situações e realização de atividades nas quais os alunos percebam porque e para que se lê. -- Realização de atividades coletivas e/ou individuais para exploração global das palavras (número de letras, número se sílabas, som das letras, exploração da letra inicial e final, exploração de todas as sílabas que compõem as palavras.) -- Observação, manuseio, exploração das funções e características, interpretação e trabalho constante com materiais impressos como livros, revistas, histórias em quadrinhos, livros de receitas, cartazes, panfletos, dicionários, índices, rótulos, etc. -- Participação em situações e atividades nas quais os alunos identifiquem as relações entre grafemas (letras) e fonemas (sons). Atividades de consciência fonológica para reconhecimento dos sons das letras. -- Interpretação oral e/ou escrita com a finalidade de localizar informações explícitas e implícitas em textos de diversos gêneros. -- Participação em situações nas quais os alunos leiam, ainda que não façam de maneira convencional.

150


PARTE V

PORTUGUÊS - CICLO II OBJETIVO GERAL: Propiciar formação integral (conceitual e humanista) a partir dos diversos conteúdos e de discussões, proporcionando aos alunos sua inserção no mundo letrado facilitando assim sua vida em sociedade, respeitando a temporalidade de cada indivíduo.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Linguagem Oral

-- Utilizar a linguagem oral com eficácia, sabendo adequá-la a intenções e situações comunicativas que requeiram conversar num grupo, expressar sentimentos e opiniões, defender pontos de vista, relatar acontecimentos, expor sobre temas estudados.

-- Oralidade

-- Descrever e interpretar imagens visuais. -- Identificar as semelhanças e diferenças sonoras entre as palavras. -- Utilizar diversos tipos de linguagem oral: diálogo, comentários, relatos e fatos do cotidiano, ampliando a capacidade comunicativa e a formação de conceitos (o ouvir e o falar).

-- Interpretação oral de textos imagéticos e escritos. -- Planejamento da fala -- Comunicação oral (falar, ouvir, entender e interpretar.) -- Uso da linguagem oral para conversar argumentar e explicar pontos de vistas, relatar desejos, necessidades, fatos e opiniões. -- Participação em situações de oralidade nas quais os alunos tenham que narrar fatos e experiências com seqüência temporal. -- Compreensão e interpretação de informações e textos lidos pelo professor. -- Reconto de histórias conhecidas com aproximação às características da história original no que se refere à descrição de personagens, cenários e objetos, com ou sem a ajuda do professor. -- Participação em conversas, debates e em outras situações que desenvolvam a escuta atenta, a compreensão, a organização, clareza e objetividade na fala. -- Participação em situações e atividades que explorem as variedades lingüísticas e desenvolvam o respeito pelas diversas formas de expressão oral.

-- Linguagem Escrita

-- Empregar as letras maiúsculas em substantivos próprios e início de textos e as minúsculas em substantivos comuns. -- Construir individualmente textos verbais e não verbais dos diversos gêneros. -- Produzir textos com organização e sequência lógica -- Compreender a função da pontuação e acentuação. -- Escrever frases e textos na hipótese ortográfica -- Participar, coletivamente das produções de textos verbais e não verbais dos diversos gêneros. -- Utilizar ilustrações próprias para associar a forma escrita / figura. -- Escrever palavras para responder adivinhas e cruzadinhas. -- Realizar operações sintáticas oralmente e por escrito para modificar, substituir, ampliar e expandir elementos da frase. -- Alterar as sílabas e perceber as diferenças de sons, grafias e significados.

-- Uso da letra maiúscula e minúscula nos diversos contextos. -- Produção de frases com organização, sentido e criatividade utilizando a pontuação e acentuação correta. -- Produção de textos de diferentes tipos levando em consideração o destinatário, finalidade e características do texto. -- Compreensão da função social da escrita. -- Participação em situações nas quais os alunos utilizem e valorizem os modos de produção e circulação da escrita. (variedades de suportes textuais) -- Compreensão das funções e características dos gêneros textuais. -- Leitura e produção de textos de diversos gêneros textuais. -- Participação em situações de escrita nas quais os alunos percebam e compreendam os aspectos gráficos da escrita tais como: orientação e alinhamento da escrita, função e segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frase.

-- Conhecer, utilizar e valorizar os modos de produção e de circulação da escrita na sociedade.

151


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

-- Conhecer os usos e as funções sociais da escrita -- Utilizar a ordem alfabética para organizar diversas informações. -- Identificar em diversos contextos palavras formadas pela união de duas ou mais vogais e pela união de duas consoantes.

-- Realização de produções de frases e textos individuais e/ou coletivos com a finalidade de apropriar-se da gramática de maneira contextualizada, utilizando corretamente a pontuação, acentuação e articulação do gênero, número e grau do substantivo, os verbos, pronomes etc.

-- Utilizar adequadamente em suas produções: ›› flexão de gênero; ›› flexão do número; ›› flexão de grau; ›› letras maiúsculas e minúsculas; ›› acentuação; ›› pontuação. ›› Concordâncias verbal e nominal. -- Leitura e interpretação

-- Ler e interpretar oralmente e através de desenhos diversos tipos de textos e símbolos. -- Compreender textos: ›› identificando finalidades e funções da leitura; ›› antecipando conteúdos em função do suporte e gênero; ›› levantando e confirmando hipóteses; ›› fazendo inferências; ›› construindo compreensão global do texto; ›› avaliando o texto afetivamente. -- Identificar os personagens no texto: suas características, falas e ações, o tempo e lugar onde ocorreu o fato. -- Ler com entonação, clareza, respeitando a pontuação e garantindo a fluência -- Desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura.

152

-- Desenvolvimento da habilidade leitora com diferentes objetivos: entretenimento, busca de informação, aviso, consulta, argumentação etc. -- Observação, manuseio, exploração das funções e características, interpretação e trabalho constante com materiais impressos como livros, revistas, histórias em quadrinhos, livros de receitas, cartazes, panfletos, dicionários, índices, rótulos, blogs, e-mails etc. -- Identificação e caracterização de personagens, tempos e lugares. -- Realização de leituras para identificação do assunto do texto. -- Valorização da leitura como fonte de prazer, conhecimento e entretenimento. -- Participação em situações e realização de atividades nas quais os alunos percebam porque e para que se lê. -- Interpretação oral e/ou escrita com a finalidade de localizar informações explícitas e implícitas em textos de diversos gêneros.


PARTE V

MATEMÁTICA - CICLO I e CICLO II Objetivo Geral: Identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e transformar o mundo a sua volta, percebendo os conteúdos matemáticos como parte do dia-a-dia e estimulando seu próprio interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento de capacidades para resolver situações problemas reais em situações cotidianas nas quais sejam necessários o uso de estratégias e o desenvolvimento de formas de raciocínio.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números naturais

-- Utilizar o cálculo mental como ferramenta para resolver problemas.

-- Participação em situações, jogos e brincadeiras que envolvam a resolução de questões matemáticas através do cálculo mental.

-- Comunicar quantidades, utilizando a linguagem oral, a notação numérica e/ou registros não convencionais. -- Identificar, ler, escrever, comparar e ordenar números em diferentes contextos. -- Números familiares ou freqüentes. -- Utilizar estratégias pessoais para resolver problemas que envolvam adição subtração, multiplicação e divisão. -- Utilizar o algoritmo para realizar operações de adição e subtração. -- Realizar operações que envolvam multiplicação e divisão com o uso de material concreto.

-- Utilização da contagem oral e de noções de quantidade através de jogos, brincadeiras, músicas e em atividades com o professor e colegas. -- Uso do registro escrito ou do registro não convencional de quantidades em atividades práticas e/ou escritas. -- Identificação da posição de um número numa série explicitando a noção de sucessor e antecessor através de brincadeiras, atividades práticas e contextualizadas. -- Identificação de números nos diferentes contextos em que se encontram (número como medida, como código, como quantidade: número nas receitas culinárias, nos instrumentos de medida, em roupas e sapatos, em placas, em encartes etc.) -- Escrita de numerais para registrar quantidades, medidas e códigos. -- Participação em atividades práticas e concretas nas quais os alunos utilizem suas estratégias e conhecimentos na formulação de hipóteses para a resolução de problemas que envolvam adição, subtração, multiplicação e divisão. -- Atividades de resolução convencional (uso do algoritmo) da adição e subtração através de situações problemas e atividades contextualizadas.

-- Grandezas e Medidas

-- Comparar grandezas, utilizando diferentes procedimentos e estratégias pessoais. -- Iniciar o uso de instrumentos de medida. -- Construir noções de medida de comprimento, peso, volume e tempo, utilizando unidades convencionais e não convencionais. -- Manusear dinheiro calculando valores com utilização de registros ou mentalmente. -- Usar o calendário.

--Exploração lúdica e práticas de diferentes procedimentos para comparar grandezas e medidas. --Utilização, em situações práticas e contextualizadas, das noções de medida de comprimento, peso, volume e tempo pela utilização de unidades convencionais e não convencionais (quilo, metro, centímetro, litro, passo, palmo, dias, semanas, meses, anos etc.) --Utilização de instrumentos de medidas: régua, trena, fita métrica, balança, copo medidor etc. --Marcação do tempo por meio de calendários. --Experiências com dinheiro em brincadeiras e situações práticas.

153


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

-- Geometria/Espaço e Forma

-- Representar posição de objetos e pessoas no espaço -- Explorar propriedades geométricas de objetos e figuras. -- Montar e desmontar embalagens tridimensionais. -- Identificar e representar semelhanças e diferenças entre formas geométricas. -- Explorar propriedades geométricas de objetos e figuras. -- Montar e desmontar embalagens tridimensionais. -- Identificar e representar semelhanças e diferenças entre formas geométricas. -- Compreender o espaço com suas dimensões e formas de constituição contribuindo para a aprendizagem de números e medidas, estimulando a percepção de semelhanças e diferenças. -- Compreender que o espaço é constituído de três dimensões: comprimento, largura e altura.

-- Explicitação e/ou representação da posição de pessoas e objetos através de jogos, brincadeiras e maquetes. -- Exploração e identificação de propriedades geométricas de objetos e figuras como formas, tipos de contorno, números de faces e lados, bidimensionalidade e tridimensionalidade utilizando jogos e materiais concretos. -- Montagem e planificação de embalagens tridimensionais. -- Identificação de pontos de referência para situar-se e deslocar-se no espaço. -- Descrição e representação de pequenos percursos e trajetos observando pontos de referência. -- Identificação de pessoas, lugares e objetos na malha quadriculada. -- Identificação de pontos de referência para situar-se e deslocar-se no espaço. -- Descrição e representação de pequenos percursos e trajetos observando pontos de referência. -- Identificação de pessoas, lugares e objetos na malha quadriculada

-- Tratamento da informação

-- Utilizar gráficos e dados estatísticos como auxílio na compreensão de informações coletadas. -- Ler e interpretar informações contidas em imagens. -- Coletar e organizar informações. -- Explorar a função do número na organização de informações (telefones, placas de carros, registros de identidade, tamanho de roupas e sapatos, etc.). -- Começar a usar e a fazer listas e tabelas simples.

-- Gráficos -- Dados estatísticos -- Tabelas -- Identificação e interpretação de quantidades, valores, datas, horários e demais informações contidas em imagens, cartazes, folders, rótulos, gráficos etc. -- Participação em situações de coleta de informações e registro (pesquisas de campo, entrevistas e registro de quantidades utilizando anotações, tabelas ou gráficos) -- Identificação e exploração das diversas funções do número: números como medida, código, quantidade através da utilização de lista telefônica, placas de carro e casa, registro de identidade, tamanhos de roupa, sapatos, receitas culinárias etc. -- Utilização, interpretação e produção de tabelas simples: dupla entrada

154


PARTE V

Matemática Ciclo II OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Sistema de numeração Decimal

-- Construir o significado do número natural a partir de seus diferentes usos do contexto social, explorando situações problemas que envolvam contagens, medidas e códigos numéricos

-- Leitura e escrita de numerais -- Ordem crescente e decrescente -- Antecessor e sucessor -- Seqüência numérica -- Ordens e classes -- Composição e decomposição do número

-- Grandezas e medidas

-- Construir o significado das medidas, a partir de situações problemas que expressem seu uso no contexto social e em outras áreas do conhecimento e possibilitem a comparação de grandezas da mesma natureza. -- Relacionar a passagem do tempo aos dias da semana, meses do ano e às horas.

-- Sistema Monetário

-- Resolver Situações Problemas envolvendo sistema monetário -- Vivenciar situações de compra e venda, identificando produtos e preços, lucro e prejuízos

-- Geometria

-- Perceber semelhanças e diferenças entre objetos no espaço

-- Cálculo aplicado

-- Utilizar porcentagem no cotidiano para cálculos diversos: juros de lojas, crediário, poupança.

-- Estatística

-- Ler e interpretar fatos e idéias do mundo expressas em tabelas, se familiarizando com a linguagem dos gráficos. -- Produzir textos escritos a partir da interpretação de gráficos e tabelas.

-- Tratamento da informação

-- Utilizar gráficos e dados estatísticos como auxílio na compreensão de informações coletadas.

-- Medida de Capacidade e massa -- Medida de Tempo: Calendário e Relógio

-- Problematizações -- Cédulas e Moedas -- Espaço e formas: linhas, figuras geométricas, sólidos geométricos. -- Porcentagem

-- Linguagem de gráficos e tabelas. -- Gráficos -- Dados estatísticos -- Tabelas

155


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

ESTUDOS SOCIAIS - CICLO I e CICLO II OBJETIVO GERAL: Propiciar ao educando o contato com questões sociais, políticas e culturais levando-o ao desenvolvimento de seu senso crítico e às reflexões sobre sua realidade percebendo-se como agente integrante, transformador e atuante nas diversas esferas da sociedade na qual está inserido.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Grupo Social (Ciclo I e Ciclo II)

-- Identificar-se como ser integrante dos grupos sociais nos quais convive, percebendo suas regras e normas de conduta e convivência.

-- Convivência com o outro;

-- Reconhecer a importância da formação pessoal e profissional para a inserção no mercado de trabalho, para a melhoria de remuneração, para a busca dos direitos e a satisfação pessoal;

-- Formação pessoal e profissional;

-- Trabalho (Ciclo I)

-- Diferentes grupos: Família, Escola, Igreja, Ambiente de trabalho, Comunidade etc. -- O mercado de trabalho; -- Remuneração; -- Direitos trabalhistas e Previdência; -- Trabalho formal e informal; -- Os avanços tecnológicos no mercado de trabalho; -- Direito ao trabalho.

-- Trabalho (Ciclo II)

-- Compreender as relações sociais e de trabalho na sociedade capitalista;

-- Formação pessoal e profissional;

-- Avaliar algumas causas do desemprego e suas eventuais repercussões;

-- Remuneração;

-- Examinar aspectos de leis trabalhistas como resultados de lutas e conquista dos trabalhadores; -- Conhecer e citar recursos de proteção aos trabalhadores, capazes de prevenir doenças e acidentes de trabalho;

-- Município de Quatis (Ciclo I)

-- Direitos trabalhistas e Previdência; -- Trabalho formal e informal; -- Os avanços tecnológicos no mercado de trabalho; -- Direito ao trabalho;

-- Analisar dados sobre a remuneração do trabalho de diferentes grupos sociais.

-- Capitalismo.

-- Interpretar dados, fatos e situações relacionados à origem do Município de Quatis;

-- Origem;

-- Localizar os limites do Município interpretando aspectos cartográficos;

-- Vegetação;

-- Reconhecer aspectos referentes à vegetação, ao clima e à hidrografia do Município de Quatis; -- Perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente em que vive. -- Etnia e raça (Ciclo II)

-- O mercado de trabalho; desemprego;

-- Localização; Leitura cartográfica; -- Clima; -- Hidrografia; -- Aspecto histórico-cultural; -- Aspecto político, econômico e social;

-- Analisar situações de preconceito e discriminação no Brasil;

-- Preconceito e discriminação;

-- Examinar as condições de vida e trabalho da população negra no Brasil;

-- Direito à igualdade.

-- População negra no Brasil;

-- Compreender e utilizar as noções de igualdade étnico-racial e ação afirmativa para analisar as lutas contra o preconceito e a discriminação étnico-racial. -- Espaços públicos e privados (Ciclo II)

-- Cultura.

-- Reconhecer a importância dos espaços públicos para as interações sociais;

-- Repartições públicas e suas normas de conduta;

-- Identificar as normas e as regras exigidas em cada tipo de espaço.

-- Locais privados e suas normas de conduta;

-- Conhecer os modos de vida de diferentes grupos, suas manifestações culturais, econômicas, políticas e sociais reconhecendo semelhanças e diferenças entre eles;

-- Grupos sociais e suas manifestações culturais e sociais.

-- Valorizar o patrimônio sócio-cultural e respeitar a diversidade social, considerando critérios éticos.

156


PARTE V

CIÊNCIAS - CICLO I e CICLO II OBJETIVO GERAL: Compreender a natureza como um todo dinâmico sendo o ser humano parte integrante e agente de transformações do mundo em que vive, adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida, agindo com responsabilidade em relação à sua saúde e a saúde coletiva e percebendo-se enquanto sujeito ativo na busca de soluções para os problemas de meio-ambiente e desenvolvimento.

OBJETO DE ESTUDO

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Hábitos de higiene

-- Adquirir bons hábitos de higiene.

-- Higiene corporal; -- Higiene oral; -- Higiene doméstica;

-- Saúde

-- Enumerar formas e hábitos para obtermos saúde mental – lazer, boa leitura etc.

-- Saúde física e mental;

-- Reconhecer a importância dos exercícios físicos para a saúde;

-- Medidas de prevenção de doenças;

-- Reconhecer os alimentos como fonte de energia para a saúde e manutenção da vida; -- Enumerar medidas que devemos tomar para prevenirmos doenças; -- Indicar medidas e normas de segurança para evitar acidentes na vida cotidiana. -- Saneamento básico

-- Reconhecer a importância do tratamento da água como forma de prevenção de doenças, na cidade, nos bairros e nas residências. -- Identificar cuidados que devemos ter com o lixo para evitar doenças; -- Identificar critérios para a coleta seletiva do lixo, reconhecendo materiais que podem ser reciclados. -- Reconhecer a importância do tratamento, do controle e do destino do esgoto e do lixo.

-- Alimentação saudável;

-- Hábitos saudáveis; -- Prevenção de acidentes;

-- Tratamento da água; -- Lixo (doenças causadas, destino, cuidados com os tipos de lixo, vantagens da reciclagem) -- Tratamento de esgoto;

-- Conhecer as vantagens da reciclagem. -- Meio ambiente

-- Identificar as causas que provocam desequilíbrio ecológico (Poluição, queimadas, desmatamentos);

-- Equilíbrio e desequilíbrio ecológico;

-- Enumerar as conseqüências do desmatamento e queimadas feitas pelo homem;

-- Biodiversidade.

-- Valorizar a vida em sua diversidade e a preservação dos ambientes. -- Sustentabilidade

-- Reconhecer a importância do uso dos recursos naturais tendo em vista a preservação ambiental.

-- Consumo consciente; -- Recursos naturais renováveis; -- Políticas públicas.

157


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Língua Portuguesa - Fase V – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Produzir, ler e interpretar textos verbais, não verbais, coesos e coerentes, utilizando recursos linguísticos (expressivos, gramaticais e ortográficos) tendo em vista situações do cotidiano, bem como ampliar a expressão da linguagem oral mediante a utilização de recursos expressivos e gramaticais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Identificar encontros consonantais, encontros vocálicos e dígrafos, bem como diferenciá-los.

-- Tipos de frases. (revisão)

-- Língua Escrita

-- Identificar o processo e os elementos da comunicação. -- Desenvolver atividades escrita: Bilhete. -- Trabalhar os valores da linguagem coloquial e formal, identificando regionalismos e assimilando noções temporais dos verbos de 1ª, 2ª e 3ª conjugações.

-- Elementos da comunicação. (revisão) -- Fonemas, letras e palavras. (revisão) -- Dígrafos, encontros consonantais e vocálicos. (revisão)

-- Identificar substantivos, classificando-os quanto ao gênero, número e grau.

-- Tonicidade e acentuação gráfica. (revisão)

-- Utilizar e empregar os pronomes pessoais, de tratamento, possessivos, demonstrativos e indefinidos.

-- Flexão verbal do presente do indicativo e seus derivados. (revisão)

-- Identificar adjetivos e locuções adjetivas.

-- Pronomes.

-- Reconhecer, utilizar e escrever os números naturais.

-- Substantivos (indefinição).

-- Reconhecer regras de acentuação gráfica e aplicá-las.

-- Pronomes, (pessoais retos e oblíquos).

-- Utilizar a linguagem escrita e falada para estruturar e identificar. -- Reconhecer e qualificar os advérbios. -- Classificar os adjuntos adverbiais

-- Adjetivo e locução adjetiva, (primitivo e derivado). -- Advérbios. -- Aposto e vocativo. Obs: Ortografia, Acentuação, Denotação e Conotação em todas as fases.

Língua Portuguesa - Fase VI – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Produzir, ler e interpretar textos verbais, não verbais, coesos e coerentes, utilizando recursos linguísticos (expressivos, gramaticais e ortográficos) tendo em vista situações do cotidiano, bem como ampliar a expressão da linguagem oral mediante a utilização de recursos expressivos e gramaticais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Construir e diferenciar estruturas frasais.

-- Frase, oração e período. (verbal)

-- Língua Escrita

-- Identificar o sujeito e o predicado de uma oração, identificando-os.

-- Sujeito e predicado. (classificação)

-- Fazer a análise sintática de toda oração.

-- Imperativos e formas nominais empregadas na frase.

-- Conhecer e utilizar as preposições, conhecendo seu valor. -- Classificar os adjuntos adverbiais. -- Classificar os verbos de uso comum, quanto à predicação, em transitivos diretos e indiretos.

158

-- Adjunto verbal e adnominal.

-- Verbos auxiliares. (ser, estar, haver e ter) -- Transitividade verbal.

-- Identificar o objeto direto e indireto na linguagem falada e escrita.

-- Complementos verbais. (objetos)

-- Reconhecer e utilizar os verbos auxiliares.

-- Preposição.


PARTE V

Língua Portuguesa - Fase VII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Produzir, ler e interpretar textos verbais, não verbais, coesos e coerentes, utilizando recursos linguísticos (expressivos, gramaticais e ortográficos) tendo em vista situações do cotidiano, bem como ampliar a expressão da linguagem oral mediante a utilização de recursos expressivos e gramaticais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Reconhecer através das conjunções coordenativas, as ideias de conclusão, adição, adversidade e alternância.

-- Pronomes adjetivos e substantivos.

-- Desenvolver habilidades de elaborar um texto com concordância adequada.

-- Voz ativa e passiva.

-- Reconhecer valores semânticos dos verbos de acordo com a regência, observando o uso das preposições.

-- Período composto por coordenação, (conjunções coord.).

-- Língua Escrita

-- Ser capaz de empregar outras palavras que mantenham o sentido do texto. -- Reconhecer os valores semânticos das classes gramaticais. -- Identificar palavras que se encontram no sentido real ou não.

-- Frase, oração e período. (revisão)

-- Antônimos e sinônimos. -- Concordância verbal e nominal. -- Regência verbal e nominal.

-- Desenvolver a habilidade de usar a linguagem oral e escrita com concordância adequada. -- Identificar e classificar as vozes verbais. -- Reconhecer os pronomes adjetivos e substantivos.

Língua Portuguesa - Fase VIII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Produzir, ler e interpretar textos verbais, não verbais, coesos e coerentes, utilizando recursos linguísticos (expressivos, gramaticais e ortográficos) tendo em vista situações do cotidiano, bem como ampliar a expressão da linguagem oral mediante a utilização de recursos expressivos e gramaticais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Conhecer aspectos relevantes da gramática normativa necessários à produção de textos da norma culta.

-- Leitura e interpretação de texto

-- Língua Escrita

-- Identificar orações subordinadas adjetivas. -- Reconhecer a derivação e a composição como principais processos formadores de palavras. -- Conhecer e identificar os valores semânticos dos pronomes relativos, ampliando pensamentos da frase. -- Sistematizar o emprego dos modos verbais. -- Identificar palavras que encontram no sentido real ou não. -- Estimular a capacidade de criação. -- Refletir sobre a importância da comunicação, aperfeiçoandose para a competição no mercado de trabalho.

-- Estrutura e processo de formação de palavras -- Denotação e conotação -- Sílaba tônica e átona: classificação -- Homônimos e parônimos -- Figuras de linguagem -- Verbo ›› modo indicativo – flexão de número, pessoa e tempo ›› modo imperativo -- Período composto por coordenação (revisão) e subordinação -- Orações Subordinadas Adjetivas -- Pronomes Relativos

159


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Língua Portuguesa – Fase I – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Garantir ao aluno o uso ético e estético da linguagem verbal; fazer compreender que pela e na linguagem é possível transformar o social, o cultural, o pessoal; produzir textos de gêneros diversos, estruturando-os de maneira a assegurar coerência e coesão textuais, aplicando normas e propriedades gramaticais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Reconhecer as marcas de variedades linguísticas expressas no texto.

-- Linguagem, língua e fala

-- Língua Escrita

-- Reconhecer os elementos da comunicação. -- Analisar, reconhecer as funções da linguagem para que possa produzir bons textos. -- Construir e diferenciar estruturas frasais. -- Identificar palavras que se encontram no sentido real ou não. -- Reconhecer as conjunções coordenativas. -- Identificar os períodos compostos por coordenação e subordinação. -- Lidar adequadamente, com mecanismos de coesão e coerência no processamento do texto. -- Identificar os advérbios e adjetivos em frases. -- Conhecer orações adverbiais e adjetivas. -- Utilizar a linguagem escrita e falada para estruturar e identificar o aposto e o vocativo. -- Identificar os recursos expressivos do texto (polissemia, ortoépia, prosódia). -- Identificar e produzir textos descritivos. -- Pontuar corretamente frases e orações. -- Reconhecer os valores semânticos dos verbos de acordo com a regência. -- Utilizar a crase corretamente. -- Identificar e compreender a estrutura e o processo de formação das palavras. -- Desenvolver a habilidade de usar a linguagem oral e escrita com concordância. -- Utilizar corretamente a colocação pronominal oralmente e na escrita.

160

-- Leitura e interpretação de Textos -- Variação linguística -- Linguagem formal e informal -- Elementos da comunicação -- Denotação e conotação -- Função da linguagem -- Frase, oração e período (revisão) -- Período composto por coordenação e subordinação. -- Conjunções coordenativas. (revisão) -- Oração coordenada Sindética e Assindética -- Coesão e coerência


PARTE V

Língua Portuguesa - Fase II – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Garantir ao aluno o uso ético e estético da linguagem verbal; fazer compreender que pela e na linguagem é possível transformar o social, o cultural, o pessoal; produzir textos de gêneros diversos, estruturando-os de maneira a assegurar coerência e coesão textuais, aplicando normas e propriedades gramaticais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Reconhecer as marcas de variedades linguísticas expressas no texto.

-- Frase, oração e período. (revisão)

-- Reconhecer os elementos da comunicação.

-- Oração subordinada adverbial.

-- Língua Escrita

-- Analisar, reconhecer as funções da linguagem para que possa produzir bons textos. -- Construir e diferenciar estruturas frasais. -- Identificar palavras que se encontram no sentido real ou não. -- Reconhecer as conjunções coordenativas. -- Identificar os períodos compostos por coordenação e subordinação. -- Lidar adequadamente, com mecanismos de coesão e coerência no processamento do texto. -- Utilizar a linguagem escrita e falada para estruturar e identificar o aposto e o vocativo.

-- Advérbio. (revisão) -- Adjetivo. (revisão) -- Oração subordinada adjetiva. -- Analise sintática. (revisão) -- Oração subordinada substantiva. -- Dificuldades da língua. (polissemia, ortoepia e prosódia) -- Significação de palavras. (homônimos e parônimos) -- Interpretação e produção de texto descrito.

-- Conhecer orações adverbiais e adjetivas. -- Identificar e compreender a estrutura e o processo de formação das palavras. -- Identificar os recursos expressivos do texto (polissemia, ortoepia, prosódia). -- Identificar e produzir textos descritivos. -- Pontuar corretamente frases e orações. -- Reconhecer os valores semânticos dos verbos de acordo com a regência. -- Utilizar a crase corretamente. -- Identificar os advérbios e adjetivos em frases. -- Desenvolver a habilidade de usar a linguagem oral e escrita com concordância. -- Utilizar corretamente a colocação pronominal oralmente e na escrita.

161


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Língua Portuguesa - Fase III – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Garantir ao aluno o uso ético e estético da linguagem verbal; fazer compreender que pela e na linguagem é possível transformar o social, o cultural, o pessoal; produzir textos de gêneros diversos, estruturando-os de maneira a assegurar coerência e coesão textuais, aplicando normas e propriedades gramaticais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Reconhecer as marcas de variedades linguísticas expressas no texto.

-- Pontuação

-- Reconhecer os elementos da comunicação.

-- Relações de homonímia, paronímia, sinonímia, antonímia, polissemia.

-- Língua Escrita

-- Analisar, reconhecer as funções da linguagem para que possa produzir bons textos. -- Conhecer as relações semânticas das palavras nos contextos, observando as relações de homonímia, paronímia, sinonímia, antonímia e polissemia. -- Construir e diferenciar estruturas frasais. -- Identificar palavras que se encontram no sentido real ou não. -- Lidar adequadamente, com mecanismos de coesão e coerência no processamento do texto. -- Identificar os períodos compostos por coordenação e subordinação. -- Reconhecer as conjunções coordenativas. -- Utilizar a linguagem escrita e falada para estruturar e identificar o aposto e o vocativo. -- Conhecer orações adverbiais e adjetivas. -- Identificar e compreender a estrutura e o processo de formação das palavras.

-- Estrutura e formação das palavras

-- Concordância Nominal e Verbal -- Regência Verbal e Nominal -- Crase -- Termos acessórios de oração (aposto e vocativo) -- Orações coordenadas -- Orações subordinadas -- Conjunções coordenativas -- Oração adverbial -- Oração adjetiva -- Colocação pronominal -- Interpretação e produção de texto dissertativo

-- Identificar os recursos expressivos do texto (polissemia, ortoepia, prosódia). -- Identificar e produzir textos descritivos. -- Pontuar corretamente frases e orações. -- Reconhecer os valores semânticos dos -- verbos de acordo com a regência. -- Utilizar a crase corretamente. -- Identificar os advérbios e adjetivos em frases. -- Desenvolver a habilidade de usar a linguagem oral e escrita com concordância. -- Utilizar corretamente a colocação pronominal oralmente e na escrita.

Redação - Fase V – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Desenvolver nos alunos a capacidade de expressar criativamente e criticamente suas percepções, vivências e opiniões nas formas oral e escrita.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Produção de textos

-- Reconhecer os elementos da comunicação.

-- Cartas, bilhetes e e-mail

-- Gêneros textuais

-- Relacionar o texto verbal e não verbal.

-- Carta de leitor

-- Reconhecer a fórmula específica dos gêneros textuais cartas e bilhetes e seus elementos.

-- Histórias em quadrinhos

-- Descrever os tipos de discurso: direto e indireto.

-- Relato pessoal

-- Discurso direto e indireto -- Convite -- Linguagem verbal e não verbal -- Linguagem mista

162


PARTE V

Redação - Fase VI – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Desenvolver nos alunos a capacidade de expressar criativamente e criticamente suas percepções, vivências e opiniões nas formas oral e escrita.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Produção de textos

-- Reconhecer pista para identificar a tipologia textual Narração.

-- Narração: Elementos da narrativa

-- Gêneros textuais

-- Identificar o tema do texto.

-- Campanha publicitária

-- Reconhecer os elementos da narrativa: personagens, narrador, enredo, tempo e espaço.

-- Fábula

-- Identificar as características das personagens.

-- Lenda

-- Reconhecer pista para identificar a tipologia textual – Descrição.

-- Conto -- Descrição

Redação - Fase VII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Desenvolver nos alunos a capacidade de expressar criativamente e criticamente suas percepções, vivências e opiniões nas formas oral e escrita.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Produção de textos

-- Identificar informações no texto.

-- Coesão e coerência

-- Gêneros textuais

-- Identificar o tema do texto.

-- Notícia

-- Distinguir texto de opinião.

-- Entrevista

-- Diferenciar ações relatadas e comentários (do narrador, do personagem).

-- Reportagem

-- Coesão e coerência.

-- Texto de opinião

-- Identificar a diferença entre notícia e reportagem. -- Conhecer informações contidas no texto (notícia), distinguindo ideias principais de secundárias. -- Articular informações e conhecimentos prévios.

Redação - Fase VIII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Desenvolver nos alunos a capacidade de expressar criativamente e criticamente suas percepções, vivências e opiniões nas formas oral e escrita.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Produção de textos

-- Distinguir texto ficcional e não ficcional.

-- Crônica

-- Gêneros textuais

-- Reconhecer os elementos da narrativa: personagens, enredo, tempo, espaço, desfecho, etc.

-- Conto

-- Identificar foco narrativo (ponto de vista do narrador).

-- Foco narrativo

-- Analisar a titulação do conto como pista para decodificação da mensagem. -- Identificar as ideias principais do texto.

-- Poema – metrificação, rimas -- Elementos da narrativa -- Discurso direto e indireto

-- Identificar o tema do texto. -- Utilizar pistas do texto para fazer antecipações e inferências do conteúdo. -- Observar relações entre linguagem, ritmo da melodia forma, etc.

163


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Literatura – Fase I – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Proporcionar o contato do aluno com a leitura efetiva de obras literárias como forma de incentivar e estimular o gosto pela leitura, auxiliando os estudantes a atribuir sentidos as obras lidas, instrumentalizando-os para outras leituras.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Tendências Literárias

-- Relacionar os modos de organização da linguagem na literatura às escolhas do autor, à tradição literária e também ao texto social de cada época.

-- Conceito

-- Identificar características do teatro de catequese. -- Reconhecer a tríade teatral: ‘‘Eu observador, Eu em situação, e o Não-Eu, isto é, o Outro”.

-- Texto literário e não literário -- Gêneros literários -- Literatura informativa -- Literatura jesuítica -- Barroco: Momento histórico / características e autores -- Arcadismo: características e autores: Tomás Antônio Gonzaga, Cláudio Manuel da Costa, Basílio da Gama, Santa Rita.

Literatura – Fase II – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Proporcionar o contato do aluno com a leitura efetiva de obras literárias como forma de incentivar e estimular o gosto pela leitura, auxiliando os estudantes a atribuir sentidos as obras lidas, instrumentalizando-os para outras leituras.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Tendências Literárias

-- Relacionar os modos de organização da linguagem na literatura às escolhas do autor, à tradição literária e também ao contexto social de cada época.

-- Romantismo – momento histórico/ características e autores

-- Contrapor linguagem culta em estilo metamofórico e poético; e linguagem culta direta. -- Reconhecer a valorização da imagem visual nos textos literários da época, assim como a idealização como marca desse cenário.

-- Gerações do Romantismo/ autores -- Realismo / Naturalismo -- Parnasianismo -- Simbolismo

-- Identificar figuras de linguagem associadas à estética literária. -- -Reconhecer a estrutura de soneto e diferenciá-lo das formas poéticas não fixas.

Literatura – Fase III – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Proporcionar o contato do aluno com a leitura efetiva de obras literárias como forma de incentivar e estimular o gosto pela leitura, auxiliando os estudantes a atribuir sentidos as obras lidas, instrumentalizando-os para outras leituras.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Tendências Literárias

-- Relacionar os modos de organização da linguagem na literatura às escolhas do autor, à tradição literária e também ao contexto social de cada época.

-- Modernismo na Europa (introdução – momento histórico)

-- Reconhecer o neologismo como recurso expressivo presente nos textos propostos.

-- Modernismo no Brasil

-- Identificar o caráter de transgressão / manutenção presente na literatura modernista. -- Relacionar questionamentos da renovação das formas poéticas ao contexto social.

164

-- Pré- Modernismo


PARTE V

Matemática - Fase V – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Construir e expressar linguagem matemática, operando com dados quantitativos e qualitativos, interpretando e resolvendo operações matemáticas através de procedimentos de cálculos e do estudo das propriedades operacionais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Trabalhar a representação dos números racionais na reta numérica.

-- Aprofundamento do estudo de frações.

-- Compreender o conceito de porcentagem como uma divisão, uma potência de 10, através de frações com denominadores decimais.

-- As frações e a porcentagem

-- Fazer cálculos com frações de denominadores diferentes, através da resolução de problemas. -- Resolver problemas com o conjunto de números inteiros.

-- Números negativos, adição, subtração, multiplicação, divisão, expressões numéricas.

-- Compreender a noção de variável e incógnita.

-- Equações.

-- Resolver problemas que envolvam porcentagem.

-- Razão e Proporção Regra de três Simples.

-- Tratamento da Informação

-- Operações de frações com denominadores diferentes.

Matemática - Fase VI – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Construir e expressar linguagem matemática, operando com dados quantitativos e qualitativos, interpretando e resolvendo operações matemáticas através de procedimentos de cálculos e do estudo das propriedades operacionais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Trabalhar a representação dos números racionais na reta numérica.

-- Aprofundamento do estudo de frações.

-- Compreender o conceito de porcentagem como uma divisão, uma potência de 10, através de frações com denominadores decimais.

-- As frações e a porcentagem

-- Fazer cálculos com frações de denominadores diferentes, através da resolução de problemas. -- Resolver problemas com o conjunto de números inteiros.

-- Números negativos, adição, subtração, multiplicação, divisão, expressões numéricas.

-- -Compreender a noção de variável e incógnita.

-- Equações.

-- Resolver problemas que envolvam porcentagem.

-- - Razão e Proporção Regra de três Simples.

-- Tratamento da Informação

-- Operações de frações com denominadores diferentes.

Matemática - Fase VII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Construir e expressar linguagem matemática, operando com dados quantitativos e qualitativos, interpretando e resolvendo operações matemáticas através de procedimentos de cálculos e do estudo das propriedades operacionais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Identificar expressões algébricas e calcular o valor numérico das expressões.

-- Adição, subtração, multiplicação, divisão e potenciação com monômios e polinômios.

-- Tratamento da Informação

-- Fatorar uma expressão algébrica, relacionando-a com os produtos notáveis. -- Resolver problemas significativos com equações e sistemas de equações do 1º grau. -- Representar graficamente no plano cartesiano equações e sistemas de equações do 1º grau. -- Resolver problemas que envolvam o cálculo de Médias Aritméticas simples e ponderada.

-- Fatoração -- Equações impossíveis e equações indeterminadas, sistemas de equações do 1° grau em duas variáveis, inequações em uma variável real. -- Produto cartesiano. -- Introdução ao estudo da Estatística (Média Aritmética, Média Ponderada e Moda).

165


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Matemática - Fase VIII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Construir e expressar linguagem matemática, operando com dados quantitativos e qualitativos, interpretando e resolvendo operações matemáticas através de procedimentos de cálculos e do estudo das propriedades operacionais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Desenvolver e aplicar o conceito de potência.

-- Tratamento da Informação

-- Compreender as equações quadráticas.

-- Operações com potências, propriedades das potências.

-- Identificar situações-problema que possam ser resolvidas pelas equações quadráticas.

-- Equações completa, incompleta, fracionária, literal, biquadrada e irracional.

-- Utilizar a fórmula de Bhaskara na solução de equações quadráticas.

-- Problemas envolvendo equação do 2° grau. -- O processo algébrico de Bhaskara

-- Reconhecer os diversos tipos de funções.

-- Noção de função

-- Construir o gráfico de uma função quadrática.

-- Gráfico de uma função

-- Entender os conceitos estatísticos de população e amostra.

-- Dados estatísticos, população e amostra.

Matemática – Fase I – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Estruturar o pensamento e o raciocínio dedutivo, construindo conceitos matemáticos, lendo, interpretando e utilizando representações matemáticas gráficas e utilizando adequadamente as diversas linguagens da disciplina.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Compreender o conceito de função através da dependência entre variáveis.

-- Conceito de função, sistema de coordenadas variáveis e padrão.

-- Identificar os diferentes tipos de funções.

-- Representação de pares ordenados no plano cartesiano.

-- Tratamento da Informação -- Espaço e Forma

-- Construir gráficos de funções utilizando as tabelas de pares ordenados. -- Interpretar tabelas e construir gráficos estatísticos. -- Determinar o conjunto solução da inequação -- Verificar a condição de existência da inequação. -- Resolver problemas que envolvam inequações.

-- Construção de gráficos de funções, utilizando tabelas de pares ordenados. -- O que é estatística, conceitos preliminares, tabelas e gráficos. -- Operações com inequações -- Estudo do sinal -- Condição de existência -- Inequação produto -- Inequação quociente

Matemática – Fase II – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Estruturar o pensamento e o raciocínio dedutivo, construindo conceitos matemáticos, lendo, interpretando e utilizando representações matemáticas gráficas e utilizando adequadamente as diversas linguagens da disciplina.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Identificar uma sequência numérica

-- Sequência ou sucessão

-- Tratamento da Informação

-- Determinar a lei de formação da sequência

-- Progressão Aritmética

-- Espaço e Forma

-- Resolver problemas que envolvam PA e PG

-- Soma dos termos da PA

-- Utilizar as razões trigonométricas para calcular os valores de seno, cosseno e tangente dos ângulos notáveis.

-- Progressão Geométrica

-- Resolver problemas do cotidiano através das razões trigonométricas.

-- Trigonometria no triângulo retângulo; ângulos notáveis; estudo do seno, cosseno, tangente; teorema do seno e do cosseno.

-- Resolver problemas cotidianos que envolvam cálculos de porcentagem, juros simples e compostos. -- Saber solucionar problemas de probabilidade que envolvam situações do cotidiano. -- Compreender o conceito de experimento aleatório. -- Organizar o espaço amostral

166

-- Soma dos n termos de uma PG finita e infinita

-- Porcentagem, juros simples e compostos. -- Introdução -- Experimento aleatório -- Espaço amostral -- Probabilidade da união de eventos -- Probabilidade condicional


PARTE V

Matemática - Fase III – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Estruturar o pensamento e o raciocínio dedutivo, construindo conceitos matemáticos, lendo, interpretando e utilizando representações matemáticas gráficas e utilizando adequadamente as diversas linguagens da disciplina.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Definir e apontar objetivos da probabilidade;

-- Tratamento da Informação

-- Calcular probabilidade no espaço amostral finito, condicional e independente;

-- Teoria das probabilidades, tipos de eventos, probabilidade de um evento, probabilidade da união de dois eventos.

-- Utilizar esquemas gráficos. (tipo árvore das possibilidades).

-- Formas da equação da reta, distância entre ponto e reta

-- Calcular distância entre ponto e reta; -- Compreender as equações da circunferência e da parábola.

Desenho Geométrico - Fase V – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Construir e reconstruir conceitos geométricos desenvolvendo o raciocínio lógico, a organização e a criatividade.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Reconhecer e identificar ponto, reta, e plano.

-- Noção intuitiva, figuras geométricas

-- Espaço e Forma

-- Identificar ângulos de 90º, 180º e 360º, usando o transferidor.

-- Operações com ângulos

-- Identificar e efetuar operações com um polígono. -- Utilizar os conhecimentos sobre perímetro e área no seu dia-a-dia.

-- Ângulo de um polígono, soma dos ângulos internos de um polígono -- Perímetro e área de polígonos -- Unidades de área

Desenho Geométrico - Fase VI – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Construir e reconstruir conceitos geométricos desenvolvendo o raciocínio lógico, a organização e a criatividade.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Reconhecer e identificar as diversas formas geométricas.

-- Ângulos, polígonos, classificação das formas geométricas.

-- Compreender e aplicar as fórmulas para resolução de cálculos evolvendo área e volume das figuras geométricas.

-- Área das figuras geométricas, volume das figuras geométricas.

-- Espaço e Forma

Desenho Geométrico - Fase VII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Construir e reconstruir conceitos geométricos desenvolvendo o raciocínio lógico, a organização e a criatividade.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Compreender e aplicar conceitos de área e perímetro de figuras planas, resolvendo problemas significativos.

-- Cálculo de área e Perímetro de Figuras planas

-- Espaço e Forma

-- Compreender a diferença entre círculo e circunferência e o número Pi.

-- Estudo da Circunferência -- Medidas de Volume, Capacidade e Massa

-- Resolver problemas de cálculos de volumes do cubo e paralelepípedos. -- Compreender e aplicar conceitos de área e perímetro de figuras planas, resolvendo problemas significativos. -- Compreender a diferença entre círculo e circunferência e o número Pi. -- Resolver problemas de cálculos de volumes do cubo e paralelepípedos.

167


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Desenho Geométrico - Fase VIII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Construir e reconstruir conceitos geométricos desenvolvendo o raciocínio lógico, a organização e a criatividade.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Números e Operações

-- Compreender e identificar a semelhança de triângulos.

-- Congruência e semelhança, propriedades, teorema fundamental da semelhança de triângulos.

-- Espaço e Forma

-- Reconhecer quando quatro segmentos são proporcionais. -- Utilizar os Teoremas de Tales e de Pitágoras para resolver problemas cotidianos.

-- Feixes de retas cortadas por uma transversal. -- Teorema de Tales, aplicação do Teorema de Tales, Teorema de Tales nos triângulos. -- Teorema de Pitágoras, aplicação do Teorema de Pitágoras

Ciências - Fase V – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Desenvolver competências que permitam ao aluno compreender o mundo e atuar como indivíduo e como cidadão, utilizando conhecimentos de natureza científica e tecnológica, bem como as consequências na relação homem e natureza.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Ambiente

-- Discutir sobre controle biológico, transformações ambientais e seres ameaçados de extinção.

-- Condições para a sobrevivência dos seres vivos

-- Entender a importância dos decompositores para o fluxo de matéria nos ecossistemas.

-- Ecossistema e habitat

-- Discutir cadeias, teias alimentares e outras relações ecológicas.

-- Alterações do ambiente

-- Ser Humano -- Saúde -- Recursos Tecnológicos -- Condições para a sobrevivência dos seres vivos

-- Debater sobre os fatores que interferem no equilíbrio das populações, bem como os desequilíbrios ambientais causados pelo homem. -- Reconhecer os recursos naturais. -- Discutir sobre a importância da reciclagem. -- Entender os diferentes tipos de solo e suas características. -- Debater os métodos de conservação do solo. -- Discutir o papel do homem na degradação e agressão ao solo, e suas consequências para o ambiente: desmatamento, queimadas, erosão, contaminação, poluição e etc. -- Descrever alternativas naturais e tecnológicas para a preservação do solo. -- Identificar a água como um recurso indispensável à vida. -- Entender as características físico-químicas da água, seu ciclo global e seu ciclo provocado pela energia solar. -- Discutir a importância sócio-ambiental das bacias hidrográficas. -- Analisar a trajetória da água e a interferência humana. -- Contribuir para eliminar o desperdício de água na comunidade. -- Entender que a água não potável é veículo de microorganismos que causam doenças. -- Compreender as camadas da atmosfera, analisando suas transformações. -- Entender as propriedades do ar e sua relação com a vida. -- Discutir os efeitos da poluição do ar, efeito estufa, chuva ácida, aquecimento global e suas conseqüências. -- Debater sobre a qualidade do ar e seus efeitos na saúde.

168

-- Cadeia alimentar e fotossíntese -- Recursos naturais -- Reciclagem -- A constituição da Terra -- A importância do solo -- Os tipos de solo -- Fatores que prejudicam o solo – Erosão -- A poluição do solo -- As características da água -- Os estados físicos da água -- O ciclo da água na natureza -- A importância da água -- A água e a saúde -- ETA e ETE -- As camadas da atmosfera -- A composição do ar -- Os ventos -- A previsão do tempo -- Poluição do ar. O ar e a saúde


PARTE V

Ciências - Fase VI – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Desenvolver competências que permitam ao aluno compreender o mundo e atuar como indivíduo e como cidadão, utilizando conhecimentos de natureza científica e tecnológica, bem como as consequências na relação homem e natureza.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Ambiente

-- Discutir o desenvolvimento da vida e a expansão pelos ecossistemas aquáticos e a conquista do ambiente terrestre. -- Compreender a seleção natural através de evidências adaptativas e das relações entre o sucesso reprodutivo de uma espécie e sua adaptação no ambiente. -- Analisar de forma comparativa as características dos principais grupos de seres vivos ressaltando a noção de interação e integração entre sistemas e órgãos e o meio ambiente. -- Entender a sistemática e a classificação como tentativas de ordenar a diversidade. -- Relacionar as características dos seres vivos, classificando em reinos e principais características taxonômicas. -- Debater as diversidades biológicas, apontando para a evolução, organização e adaptações. -- Descrever as principais características, aspectos econômicos e patologias dos principais grupos: Monera, Protista, Fungi, Vegetal e Animal.

-- Origem e evolução dos seres vivos -- Os fósseis -- Relação entre os seres vivos -- A classificação dos seres vivos -- Reino Monera: ›› As doenças causadas por bactérias -- Reino Protista: ›› As doenças causadas por protozoários -- Reino Fungi: ›› As doenças causadas por fungos -- Reino Plantae: ›› A classificação dos vegetais ›› A raiz ›› O caule ›› A folha ›› A flor ›› O fruto ›› A semente -- Reino Animália: ›› Animais invertebrados ›› Animais vertebrados

-- Ser Humano -- Saúde -- Recursos Tecnológicos

Ciências - Fase VII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Desenvolver competências que permitam ao aluno compreender o mundo e atuar como indivíduo e como cidadão, utilizando conhecimentos de natureza científica e tecnológica, bem como as consequências na relação homem e natureza.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Ambiente

-- Analisar a organização celular. -- Compreender por analogia a evolução da célula no organismo. -- Analisar a organização celular. -- Compreender por analogia a evolução da célula no organismo. -- Compreender a reprodução como característica principal para a vida, manutenção e evolução da espécie. -- Comparar os processos assexuais e sexuais. -- Discutir a respeito dos órgãos reprodutores, vida, saúde e doenças sexualmente transmissíveis. -- Entender os métodos anticoncepcionais. -- Compreender o sistema nervoso, suas estruturas e mecanismos. -- Discutir a respeito do estresse e a ação exercida pelo álcool e pelas drogas no sistema nervoso. -- Compreender o sistema endócrino, discutindo o papel dos diversos órgãos e estruturas. -- Discutir a respeito da produção de insulina e o diabetes. -- Compreender o sistema ósseo e as articulações, bem como o sistema muscular. -- Analisar a excreção e o sistema excretor, discutindo o papel do suor e dos diversos órgãos e estruturas para o equilíbrio químico do corpo e seu papel na vida do homem. -- Compreender o sistema sensorial e o papel dos órgãos dos sentidos.

-- A célula humana

-- Ser Humano -- Saúde -- Recursos Tecnológicos

-- Organelas celulares -- Organização celular -- Sistema reprodutor masculino e feminino -- Gravidez -- DST – Doenças sexualmente transmissíveis e anticoncepcionais -- A transmissão de impulsos nervosos -- O estresse -- A ação das drogas e do álcool no sistema nervoso -- Influencia no nosso dia-a-dia -- A insulina e o diabetes -- Os ossos -- Os músculos -- Problemas do esqueleto -- O rim artificial -- Problemas da fala, audição, visão, olfato e do paladar -- A importância dos sentidos na nossa vida

169


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Ciências - Fase VIII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Desenvolver competências que permitam ao aluno compreender o mundo e atuar como indivíduo e como cidadão, utilizando conhecimentos de natureza científica e tecnológica, bem como as consequências na relação homem e natureza.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Ambiente

-- Conceituar matéria e energia. -- Definir corpo, massa e volume. -- Identificar os átomos e moléculas. -- Identificar os diferentes estados físicos da matéria. -- Identificar os fatores que influem na mudança de estado da matéria. -- Identificar as mudanças de estado da matéria. -- Identificar a menor estrutura que compõem um ser vivo. -- Resolver a distribuição eletrônica. -- Descrever a estrutura atômica da matéria. -- Identificar os elementos químicos com auxílio de seu símbolo. -- Identificar a importância dos elementos químicos na nossa vida. -- Definir movimento e referencial. -- Definir movimento e velocidade. -- Utilizar a linguagem matemática para descrever o movimento. -- Resolver problemas que envolvam a compreensão dos conceitos fundamentais ao estudo do movimento. -- Compreender o som, sua emissão e propagação através do meio material, assim como a percepção auditiva; medidas de intensidade , e poluição sonora. -- Entender a luz, sua propagação, suas fontes, a luz e a visão. -- Compreender o calor, as trocas de energia, mudanças de estado da matéria, temperatura e pressão. -- Compreender o Sol como fonte primária de energia, e entender o fluxo e a pirâmide de energia dos seres vivos.

-- Matéria e energia.

-- Ser Humano -- Saúde -- Recursos Tecnológicos

-- Corpo, massa e volume. -- Átomos e moléculas. -- Estados físicos da matéria. -- As mudanças de estado físico da matéria. -- Estrutura do átomo. -- Distribuição eletrônica. -- Os elementos químicos: ›› Símbolos ›› Nomes ›› Utilização dos elementos no nosso dia-a-dia ›› Movimento e referencial ›› Movimento e velocidade ›› Movimento retilíneo uniforme -- O Som -- A Luz

Biologia - Fase I – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Reconhecer a importância do estudo da biologia como forma de compreender melhor o mundo que nos cerca, valorizando a aplicação do método científico no estudo dos fenômenos biológicos e reconhecendo a relevância dos conhecimentos relativos às ciências biológicas nos avanços biotecnológicos.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Introdução ao Estudo da Biologia

-- Identificar e explicar as principais características dos seres vivos. -- Identificar diferentes níveis hierárquicos de organização do mundo vivo. -- Identificar a célula como uma unidade biológica -- Reconhecer os vários tipos de células de acordo com seu tempo de vida. -- Reconhecer e compreender os principais aspectos da importância da água para a vida. -- Identificar os principais sais minerais que participam da composição elementar da célula e dos líquidos orgânicos, descrevendo suas funções e sua importância para a vida. -- Reconhecer os carboidratos quanto às suas características químicas principais e suas funções gerais nos seres vivos. -- Conhecer os lipídios quanto às suas características químicas principais e suas funções gerais nos seres vivos. -- Conhecer as proteínas quanto às suas características – químicas principais e suas funções gerais nos seres vivos. -- Reconhecer o papel de um grupo especial de proteínas – as enzimas – como catalisadores biológicos. -- Conhecer os ácidos nucléicos quanto às suas características químicas principais e suas funções gerais nos seres vivos. -- Definir e classificar as vitaminas, explicando sua importância biológica.

-- As características gerais dos seres vivos

-- Componentes Inorgânicos da célula -- Componentes da célula

170

Orgânicos

-- Níveis de organização dos seres vivos -- Constituição celular -- Tempo de vida das células -- Água -- Sais minerais -- Carboidratos -- Lipídios -- Proteínas -- Enzimas -- Ácidos nucléicos -- Vitaminas


PARTE V

Biologia - Fase II – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Reconhecer a importância do estudo da biologia como forma de compreender melhor o mundo que nos cerca, valorizando a aplicação do método científico no estudo dos fenômenos biológicos e reconhecendo a relevância dos conhecimentos relativos às ciências biológicas nos avanços biotecnológicos.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Fisiologia Animal – Digestão

-- Relacionar nutrição e digestão, ressaltando a diferença básica entre esses termos.

-- Os diferentes tipos de digestão

-- Diferenciar os tipos de digestão entre os seres vivos.

-- Obesidade

-- Fisiologia da Respiração -- Fisiologia da Circulação

-- Conhecer a anatomia do trato gastrointestinal humano e compreender o papel de cada um de seus órgãos. -- Conhecer e justificar os fundamentos de uma dieta balanceada, necessária à manutenção de uma boa saúde. -- Relacionar a respiração ao nível de célula com a respiração ao nível de organismo. -- Diferenciar os tipos de respiração entre os seres vivos.

-- Organização do sistema digestório -- Os diferentes tipos de respiração -- Organização do sistema respiratório -- Problemas respiratórios -- Pequena e grande circulação -- O sangue

-- Conhecer os componentes básicos do sistema respiratório humano e compreender o papel dos músculos do tórax e do diafragma na ventilação pulmonar. -- Estar informando sobre os principais cuidados com o sistema respiratório, de modo a manter o bom funcionamento desse sistema corporal e da saúde. -- Diferenciar os tipos de circulação entre os seres vivos. -- Conhecer os componentes básicos do sistema cardiovascular humano. -- Reconhecer o papel do sistema imunitário na defesa contra agentes estranhos e potencialmente perigosos ao organismo humano.

Biologia - Fase III – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Reconhecer a importância do estudo da biologia como forma de compreender melhor o mundo que nos cerca, valorizando a aplicação do método científico no estudo dos fenômenos biológicos e reconhecendo a relevância dos conhecimentos relativos às ciências biológicas nos avanços biotecnológicos.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Meio ambiente

-- Reconhecer a importância da descoberta do DNA para a nossa vida.

-- Descoberta do DNA

-- Identificar os cromossomos como as estruturas responsáveis pelo material hereditário das células.

-- Projeto Genoma Humano

-- Genética

-- Reconhecer as bases nitrogenadas formadoras dos genes. -- Reconhecer a importância do projeto genoma humano. -- Analisar alguns aspectos das teorias que eram aceitas na época. -- Reconhecer os princípios dos estudos de Mendel. -- Identificar os principais termos usados no estudo da genética. -- Analisar, a partir de resultados de cruzamento, os princípios básicos que regem a transmissão de características hereditárias condicionadas por um par de genes alelos. -- Identificar os símbolos e significados dos heredogramas para resolver alguns problemas. -- Resolver problemas com princípios da codominância gênica.

-- Os Cromossomos -- Histórico da genética: ›› Teoria da Pré-formação ›› Teoria da Pangênese ›› Teoria da Epigênese -- Estudos dos fatores ou início do estudo de Mendel -- Terminologia genética -- A primeira Lei de Mendel -- Heredograma -- Codominância gênica -- A segunda Lei de Mendel

-- Resolver problemas com os princípios da Segunda Lei de Mendel.

-- O impacto humano sobre o meio ambiente

-- Avaliar impactos em ambientes naturais decorrentes de atividades sociais ou econômicas, considerando interesses contraditórios.

-- O impacto humano sobre as águas

-- O impacto humano sobre a atmosfera -- O impacto humano sobre o solo

171


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Química - Fase I - Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Compreender as transformações químicas que ocorrem no mundo físico de forma abrangente e integrada, utilizando-se corretamente dos códigos e símbolos próprios da química.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Introdução à química Inorgânica

-- Conceituar matéria e energia. -- Definir substância, corpo e objeto. -- Reconhecer os fenômenos dos elementos químicos. -- Identificar a importância da química no nosso dia-a-dia. -- Relacionar os principais aditivos químicos e suas consequências. -- Identificar a importância do desenvolvimento histórico da química. -- Identificar as grandes descobertas na história da química. -- Descrever a estrutura atômica da matéria. -- Identificar as partes de um átomo. -- Compreender a distribuição eletrônica de um átomo. -- Definir elementos químicos. -- Identificar os elementos químicos com auxílio de seu símbolo. -- Relacionar número atômico e número de massa. -- Reconhecer os procedimentos de identificação dos átomos. -- Reconhecer a existência de variações: -- Átomos de um mesmo elemento químico com números de massa diferentes; -- Átomos de diferentes elementos químicos com o mesmo número de massa. -- Átomos de diferentes elementos com o mesmo número de nêutrons. -- -Identificar a estrutura do diagrama de Pauling. -- Compreender o mecanismo de distribuição dos elétrons no diagrama de Pauling.

-- Transformações químicas e físicas da matéria.

-- História da química -- O átomo -- Identificação do átomo -- Configuração eletrônica

-- A química e sua importância -- Os aditivos químicos -- Pré-história ›› Idade antiga ›› Idade média ›› Idade moderna ›› Idade contemporânea -- Distribuição eletrônica -- Os elementos químicos -- Os principais elementos químicos -- Número atômico -- Número de massa -- Notação do átomo -- Isoátomos

--Diagrama de Linus Pauling

Química - Fase II- Ensino Médio/ EJA Objetivo Geral: Compreender as transformações químicas que ocorrem no mundo físico de forma abrangente e integrada, utilizando-se corretamente dos códigos e símbolos próprios da química.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Estrutura atômica moderna

-- Identificar os números quânticos existentes. -- Identificar o nível de energia dos elétrons. -- Identificar o valor do subnível do elétron. -- Identificar a orientação espacial de um elétron. -- Identificar os campos eletromagnéticos, provocados pelo movimento de rotação do elétron dentro do orbital. -- Fazer um relato histórico da classificação dos elementos químicos. -- Aprender a consultar uma tabela periódica. -- Identificar todos os dados fornecidos por cada quadro da tabela periódica. -- Comparar as propriedades dos elementos através de sua localização na tabela periódica. -- Compreender porque ocorrem as ligações químicas. -- Definir valência. -- Reconhecer os tipos de ligações químicas. -- Representação da fórmula de Lewis. -- Representação da fórmula plana. -- Reconhecer as fórmulas das substâncias. -- Diferenciar fórmulas moleculares de iônicas. -- Escrever fórmulas químicas.

-- Número quântico principal (n)

-- Tabela periódica -- Ligações químicas

172

-- Número quântico secundário (L) -- Número quântico magnético (m) -- Número quântico spin (s) -- Classificação dos elementos químicos. -- Tabela periódica. -- Ligação iônica ou eletrovalente. -- Ligação molecular ou covalente. -- As fórmulas químicas: ›› Fórmula molecular ›› Fórmula iônica


PARTE V

Química - Fase III- Ensino Médio/ EJA Objetivo Geral: Compreender as transformações químicas que ocorrem no mundo físico de forma abrangente e integrada, utilizando-se corretamente dos códigos e símbolos próprios da química.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Funções químicas

-- Conhecer as funções das substâncias inorgânicas.

-- Ácidos.

-- Reações químicas

-- Identificar um ácido.

-- Bases ou Hidróxidos.

-- Balanceamento

-- Reconhecer a nomenclatura de ácido.

-- Sais.

-- Química orgânica

-- Identificar um hidróxido.

-- Óxidos.

-- Reconhecer a nomenclatura de um hidróxido.

-- Reações de síntese ou de adição.

-- Identificar um sal.

-- Reação de decomposição ou de análise.

-- Reconhecer a nomenclatura dos sais. -- Identificar um óxido. -- Reconhecer a nomenclatura dos óxidos. -- Identificar os tipos de reações químicas. -- Reconhecer a influência de certos fatores nas reações químicas. -- Definir reações químicas. -- Reconhecer as três partes de uma equação química. -- Balancear equações químicas. -- Identificar as principais funções orgânicas. -- Identificar o estudo do carbono. -- Relacionar os três tipos de ligações entre os carbonos. -- Identificar as principais funções orgânicas.

-- Reação de deslocamento ou de simples troca. -- Reação de dupla troca ou dupla substituição. -- Balanceamento de equações químicas -- O estudo do carbono; -- Tipos de ligações do carbono; -- Hidrocarbonetos: -- Haletos orgânicos; -- Álcoois; -- Fenóis; -- Aldeídos; -- Cetonas; -- -Carboxilácidos. -- Aminas.

Física - Fase I- Ensino Médio/ EJA Objetivo Geral: Compreender as transformações físicas que ocorrem no mundo físico de forma abrangente e integrada, utilizando-se corretamente dos códigos e símbolos próprios da física.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Cinemática

-- Estabelecer a noção de velocidade e aceleração

-- Velocidade -- Equação horária do movimento uniforme -- Aceleração escalar -- Equação do movimento uniforme variado

Física - Fase II- Ensino Médio/ EJA Objetivo Geral: Compreender as transformações físicas que ocorrem no mundo físico de forma abrangente e integrada, utilizando-se corretamente dos códigos e símbolos próprios da física.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Vetores

-- Compreender como funcionam as três leis de Newton

-- Vetores

-- Leis de Newton

-- Lei da Inércia (1ª Lei de Newton) -- Segunda Lei de Newton -- Terceira Lei de Newton

173


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Física - Fase III- Ensino Médio/ EJA Objetivo Geral: Compreender as transformações físicas que ocorrem no mundo físico de forma abrangente e integrada, utilizando-se corretamente dos códigos e símbolos próprios da física.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Eletrostática

-- Estabelecer a ideia do processo de força e campo magnético

-- Força eletrostática -- Campo elétrico -- Potencial elétrico -- Corrente elétrica

Geografia - Fase V- Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Possibilitar aos alunos, a compreensão de sua posição no conjunto das relações da sociedade com a natureza e como e porque suas ações, individuais ou coletivas, em relação aos valores humanos ou à natureza, têm consequências tanto para si como para a sociedade.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Interação Homem/ Espaço

-- Conceituar os temas geográficos iniciais, ser capaz de entender o que a disciplina Geografia aborda.

-- Conceito de Geografia

-- Reconhecer o lugar onde vive e sua região.

-- Paisagem, Lugar, Espaço Geográfico.

-- Identificar e interpretar mapas.

-- Leitura e interpretação de mapas

-- Entender os aspectos sociais, culturais, econômicos do campo e da cidade.

-- Espaço Urbano e Espaço Rural.

Geografia - Fase VI- Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Possibilitar aos alunos, a compreensão de sua posição no conjunto das relações da sociedade com a natureza e como e porque suas ações, individuais ou coletivas, em relação aos valores humanos ou à natureza, têm consequências tanto para si como para a sociedade.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Interação Homem/ Espaço

-- Compreender a problemática da distribuição do povo brasileiro.

-- Contextualização do Brasil:

-- Ampliar os conhecimentos existentes a partir dos indicadores sociais

-- Localização e regionalização brasileira; Formação do povo brasileiro.

-- Discutir a migração interna brasileira de forma contextualizada e crítica

-- Dinâmica Populacional Brasileira; Indicadores Sociais.

-- Construir os aspectos e processos urbanos

-- Migrações Internas. -- Processo de Urbanização.

Geografia - Fase VII- Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Possibilitar aos alunos, a compreensão de sua posição no conjunto das relações da sociedade com a natureza e como e porque suas ações, individuais ou coletivas, em relação aos valores humanos ou à natureza, têm consequências tanto para si como para a sociedade.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Interação Homem/ Espaço

-- Compreender os conceitos de regionalização sob os aspectos socioeconômicos e ambientais.

-- Regionalização Mundial.

-- Orientar-se no continente americano segundo aspectos históricos, físicos e políticos.

-- Localização e Regionalização;

-- Continente Americano: -- Divisão Histórica cultural e Política; -- Aspectos físicos, relevo, hidrografia, clima e vegetação.

174


PARTE V

Geografia - Fase VIII- Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Possibilitar aos alunos, a compreensão de sua posição no conjunto das relações da sociedade com a natureza e como e porque suas ações, individuais ou coletivas, em relação aos valores humanos ou à natureza, têm consequências tanto para si como para a sociedade.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Interação Homem/ Espaço

-- Analisar os efeitos e relações dos temas geográficos. -- Compreender os efeitos e consequência da globalização no cotidiano e para o Meio Ambiente. -- Reconhecer os aspectos físicos no mundo e distribuição continental. -- Compreender os conceitos de regionalização sob os aspectos socioeconômicos e ambientais. -- Orientar-se no continente americano segundo aspectos históricos, físicos e políticos.

-- Conceitos Geográficos: -- Estado, Nação, Território, Global, Local. -- Globalização e meio Ambiente. -- Mundo (Europa, Ásia, Oceania, África): -- Localização e regionalização; -- Aspectos Físicos: Relevo, Hidrografia, Clima e Vegetação.

Geografia - Fase I- Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Compreender a geografia como estudo das relações entre o processo histórico, que regula a formação das sociedades humanas e o funcionamento da natureza, através da leitura, do espaço geográfico e da paisagem, percebendo o espaço enquanto uma totalidade no qual se passam todas as relações cotidianas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Interação Homem/ Espaço

-- Relacionar meridianos, longitude, fuso horários, desenvolvendo habilidade de calcular a hora em qualquer lugar do planeta. -- Identificar os tipos de projeções cartográficas. -- Identificar os agentes internos e externos modificadores do relevo. -- Compreender a formação planalto, planície e depressão. -- Compreender a problemática da distribuição da água. -- Caracterizar as bacias hidrográficas e conhecer suas potencialidades e desafios. -- Compreender as consequências dos fenômenos climáticos para a população. -- Estabelecer relações entre dinâmica climática e formações vegetais.

-- Meridianos -- Longitude -- Fusos horários -- Projeções cartográficas -- Planalto -- Planície -- Depressão -- Bacias hidrográficas -- Fenômenos climáticos

Geografia - Fase II- Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Compreender a geografia como estudo das relações entre o processo histórico, que regula a formação das sociedades humanas e o funcionamento da natureza, através da leitura, do espaço geográfico e da paisagem, percebendo o espaço enquanto uma totalidade no qual se passam todas as relações cotidianas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Interação Homem/ Espaço

-- Conhecer as bases políticas e econômicas do capitalismo. -- Distinguir o desenvolvimento das forças de produção em cada etapa do capitalismo. -- Analisar a política da Guerra Fria e situar o Brasil no contexto da Guerra Fria. -- Discutir os acontecimentos e processos que puseram fim a ordem bipolar. -- Compreender o quadro geopolítico mundial com base na multipolaridade do poder econômico. -- Compreender as bases da globalização econômica e suas implicações para as economias mundiais. -- Conhecer alguns blocos econômicos e as suas origens históricas. -- Entender o DIT e posicionar-se em relação à situação a pobreza mundial. -- Distinguir os tipos de indústrias. -- Compreender as mudanças nas sociedades promovidas pela industrialização. -- Conhecer a historicidade da indústria brasileira.

-- Cenário geopolítico mundial do bipolar ao multipolar. -- Organizações políticas internacionais. -- Divisão internacional do trabalho / pobreza -- Tipos de indústrias. -- A industrialização do mundo. -- A industrialização brasileira.

175


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Geografia - Fase III - Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Compreender a geografia como estudo das relações entre o processo histórico, que regula a formação das sociedades humanas e o funcionamento da natureza, através da leitura, do espaço geográfico e da paisagem, percebendo o espaço enquanto uma totalidade no qual se passam todas as relações cotidianas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Interação Homem/ Espaço

-- Identificar aspectos considerados responsáveis pelos processos de migração, emigração e imigração.

-- Brasil: produção desigual do espaço e políticas territorial.

-- Comparar a distribuição da população no território brasileiro e os diferentes movimentos.

-- Transformações recentes no campo e relações de trabalho.

-- Compreender as disparidades entre grandes e pequenos agricultores, a questão dos trabalhadores rurais.

-- Hierarquia urbana e metropolização.

-- Conceituar Rede e Hierarquia Urbana.

-- Dinâmica Populacional – PEA, Pirâmide Etária, Condições de vida e trabalho.

-- Analisar as principais metrópoles nacionais. -- Analisar a população a partir da PEA, I. F. e T. I. -- Reconhecer a diferença entre homens e mulheres no mercado de trabalho.

História - Fase V - Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Possibilitar aos alunos a ampliação da compreensão de sua realidade, comparando-a e relacionando-a com outras realidades históricas, situando-as nas diversas temporalidades, refletindo sobre possibilidades e ou necessidades de mudança.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- A construção do Sujeito Histórico:

-- Compreender-se como cidadão e agente da história;

-- Introdução à História:

›› Identidade(s) e Cultura(s)

-- Reconhecer o espaço geográfico brasileiro e os primeiros habitantes nas terras brasileiras; -- Identificar as formas de administração política, econômica e social do Brasil, compreendendo os conflitos da época.

›› O que é historia? ›› A história enquanto ciência; ›› Fatos e fontes históricas. -- O Brasil na História: ›› Brasil pré-Cabralino; ›› Povos e habitantes do território brasileiro; ›› A questão indígena; ›› Formação do reino de Portugal; ›› Navegações Portuguesas. -- Período pré Colonial: ›› Fatores de abandono; ›› As expedições exploradoras, guarda costa e colonizadoras; ›› O sistema administrativo (capitanias hereditárias e governo geral). -- Economia e Política: ›› A sociedade açucareira; ›› Expansão territorial; ›› Invasões estrangeiras; ›› Revoltas e rebeliões nativas; ›› Administração Pombalina.

176


PARTE V

História - Fase VI - Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Possibilitar aos alunos a ampliação da compreensão de sua realidade, comparando-a e relacionando-a com outras realidades históricas, situando-as nas diversas temporalidades, refletindo sobre possibilidades e ou necessidades de mudança.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- A construção do Sujeito Histórico:

-- Compreender as fases da independência do Brasil e seus movimentos.

-- O processo de Independência do Brasil:

-- Identidade (s) e Cultura (s)

-- Identificar as formas de escravidão adotadas e o processo de abolição da escravatura.

›› Movimentos pró-independência; ›› A chegada da família Real; ›› 1º Império; ›› Período Regencial; ›› As revoltas regenciais; ›› 2º Império. -- A Questão Escravista no Brasil: ›› Escravidão indígena; ›› Escravidão africana; ›› Abolição.

História - Fase VII - Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Possibilitar aos alunos a ampliação da compreensão de sua realidade, comparando-a e relacionando-a com outras realidades históricas, situando-as nas diversas temporalidades, refletindo sobre possibilidades e ou necessidades de mudança.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- A construção do Sujeito Histórico:

-- Identificar as primeiras comunidades.

-- História Geral:

-- Identificar as primeiras civilizações.

›› Pré-História;

›› Identidade(s) e Cultura(s)

›› Teorias do surgimento humano; ›› Divisão da pré-história (paleolítico, neolítico e idade dos metais); -- Civilizações Ocidentais e Orientais: ›› Mesopotâmia; ›› Egito; ›› Assírios; ›› Caldeus; ›› Persas e Fenícios; ›› Grécia; ›› Hebreus; ›› Roma.

História - Fase VIII - Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Possibilitar aos alunos a ampliação da compreensão de sua realidade, comparando-a e relacionando-a com outras realidades históricas, situando-as nas diversas temporalidades, refletindo sobre possibilidades e ou necessidades de mudança.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- A construção do Sujeito Histórico:

-- Identificar o avanço das tecnologias.

-- A Revolução Industrial

-- Identidade (s) e Cultura (s)

-- Identificar os conflitos entre as grandes nações.

-- A unificação Alemã e Italiana

-- Compreender a crise econômica, política e social.

-- A Primeira Guerra Mundial

-- Identificar as crises geradas pela 1ª Guerra Mundial.

-- O Período entre Guerras:

-- Reconhecer as nacionalidades.

-- Identificar a rivalidade entre o socialismo e o capitalismo.

›› Imperialismo e Neocolonialismo

›› Crise de 1929; ›› Nazismo e Fascismo; ›› Revolução Russa. -- A Segunda Guerra Mundial -- A guerra Fria.

177


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

História - Fase I - Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Propiciar a configuração da identidade do indivíduo nas suas relações pessoais com o grupo de convívio, suas afetividades, sua participação no coletivo e suas atitudes de compromisso com classes, grupos sociais, culturais, valores e com gerações do passado e futuro.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- A construção do Sujeito Histórico:

-- Compreender a formação da sociedade romana no período imperial.

-- Revisão – Queda do Império romano

-- Identificar o processo capitalista da Europa.

-- Feudalismo

›› Identidade(s) e Cultura(s)

-- Absolutismo -- Mercantilismo -- Iluminismo -- Reforma Protestante e ContraReforma -- Renascimento

História - Fase II - Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Propiciar a configuração da identidade do indivíduo nas suas relações pessoais com o grupo de convívio, suas afetividades, sua participação no coletivo e suas atitudes de compromisso com classes, grupos sociais, culturais, valores e com gerações do passado e futuro.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- A construção do Sujeito Histórico:

-- Identificar o processo de independência no continente americano.

-- O Continente Americano

›› Identidade(s) e Cultura(s)

-- Reconhecer a influência da revolução francesa no processo de independência dos países americanos.

-- Independência da América Espanhola

-- Independência dos EUA -- Revolução Cubana -- A revolução Francesa e sua influência no processo de independência dos países americanos.

História - Fase III - Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Propiciar a configuração da identidade do indivíduo nas suas relações pessoais com o grupo de convívio, suas afetividades, sua participação no coletivo e suas atitudes de compromisso com classes, grupos sociais, culturais, valores e com gerações do passado e futuro.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- A construção do Sujeito Histórico:

-- Compreender os diversos eventos ocorridos entre os anos de 1889 e 1894.

›› Identidade(s) e Cultura(s)

-- Identificar as principais consequências da Política do Café com Leite.

-- O Brasil Republicano: ›› República da Espada; ›› Política do Café com leite -- Estado Novo: ›› Governo Vargas; ›› Era do Rádio; ›› Direitos Trabalhistas. -- Período Militar: ›› Golpe de 1964; ›› Anos de Chumbo; ›› AI 5; ›› Presidentes Militares; ›› Reabertura Política. -- Brasil Atual: ›› Governo Collor; ›› Governo Itamar; ›› Governo FHC; ›› Governo Lula; ›› Governo Dilma.

-- Identificar os fatos relacionados a este Regime Político. -- Compreender o Golpe do Estado de 1937 e a consolidação do Governo Vargas. -- Conhecer o período de sucesso das emissoras de rádio no Brasil. -- Identificar os direitos trabalhistas conquistados no período do estado novo. -- Conhecer o período da história política brasileira iniciada com o golpe militar e os seus desdobramentos. -- Compreender os diversos governos e suas influências no cenário político brasileiro.

178


PARTE V

Língua Estrangeira Moderna / Inglês - Fase V - Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Ler e compreender textos e frases simples na língua inglesa, em todos os níveis (léxico, semântico e cultural).

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Ampliar o campo semântico.

-- Língua Escrita

-- Integrar a habilidade de leitura e escrita.

-- Introdução. (conhecimento do mundo) -- Vocabulary. (profissões, cores, objetos, etc.) -- Greetings. -- Verb to be. -- Verb to be (affirmative, negative and interrogative forms) -- Numbers. -- Personal pronouns. -- Interrogative words. -- There is and there are. -- Textual interpretation.

-- Praticar e consolidar números. -- Explorar a lateralidade e comandos através da oralidade. -- Praticar o vocabulário, acuidade auditiva e a atenção.

Língua Estrangeira Moderna / Inglês - Fase VI - Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Ler e compreender textos e frases simples na língua inglesa, em todos os níveis (léxico, semântico e cultural).

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Ampliar o campo semântico.

-- Língua Escrita

-- Integrar a habilidade de leitura e escrita.

-- Verb to be. (revisão) -- Simple present. -- Verb to have. -- Prepositions. (in, on and at) -- Count nouns and conuntless -- Object pronouns. -- Textual interpretation. -- Vocabulary.

-- Identificar e praticar a escrita em língua inglesa. -- Explorar a lateralidade e comandos através da oralidade. -- Fixar o vocabulário, praticar acuidade auditiva e a atenção. -- Estimular a organização de palavras e texto trabalhando a grafia e estrutura de frases.

Língua Estrangeira Moderna / Inglês - Fase VII - Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Ler e compreender textos e frases simples na língua inglesa, em todos os níveis (léxico, semântico e cultural).

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Ampliar o campo semântico. -- Integrar a habilidade de leitura e escrita. -- Identificar e praticar a escrita em língua inglesa. -- Explorar a lateralidade e comandos através da oralidade. -- Fixar o vocabulário, praticar acuidade auditiva e a atenção. -- Estimular a organização de palavras e texto trabalhando a grafia e estrutura de frases. -- Classificar o vocabulário estudado. -- Identificar os tempos verbais estudados.

-- Regular verbs.

-- Língua Escrita

-- Verb can. -- Present continuous. -- Adverbs of frequency. -- Plural nouns. -- Textual interpretation. -- Vocabulary.

Língua Estrangeira Moderna / Inglês - Fase VIII - Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Ler e compreender textos e frases simples na língua inglesa, em todos os níveis (léxico, semântico e cultural).

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Ampliar o campo semântico. -- Integrar a habilidade de leitura e escrita. -- Identificar e praticar a escrita em língua inglesa. -- Explorar a lateralidade e comandos através da oralidade. -- Fixar o vocabulário, praticar acuidade auditiva e a atenção. -- Utilizar adjetivos no grau comparativo e superlativo. -- Empregar perguntas de interrogação no final de frases. -- Estimular a organização de palavras e texto trabalhando a grafia e estrutura de frases. -- Classificar o vocabulário estudado. -- Identificar os tempos verbais estudados.

-- Regular verbs. -- Verb can. -- Present continuous. -- Adverbs of frequency. -- Plural nouns. -- Adjetives: comparative of equality superiority e inferiority/ superlative -- Question tags -- Textual interpretation. -- Vocabulary.

-- Língua Escrita

179


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Língua Estrangeira Moderna / Inglês - Fase I - Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Conhecer e usar a língua inglesa como instrumento de acesso à informação lendo e compreendendo diferentes tipologias textuais e utilizando os mecanismos de coerência e coesão na produção oral e escrita.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Ampliar o campo semântico.

-- Regular Verb.

-- Língua Escrita

-- Integrar a habilidade de leitura e escrita.

-- Verb can.

-- Praticar a escrita em língua inglesa.

-- Present continuous.

-- Explorar a lateralidade e comandos através da oralidade.

-- Adverbs of frequency.

-- Fixar o vocabulário, praticar acuidade auditiva e a atenção.

-- Plural nouns.

-- Estimular a organização de palavras e texto trabalhando a grafia e estrutura de frases.

-- Textual interpretation.

-- Classificar o vocabulário estudado.

-- Reading (suggestion): legends, privacy social networking, animals and different habitats.

-- Identificar os tempos verbais estudados. -- Retomar um tópico previamente visto. (revisão)

-- Vocabulary.

Língua Estrangeira Moderna / Inglês - Fase II - Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Conhecer e usar a língua inglesa como instrumento de acesso à informação lendo e compreendendo diferentes tipologias textuais e utilizando os mecanismos de coerência e coesão na produção oral e escrita.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Ampliar o campo semântico.

-- Would like.

-- Língua Escrita

-- Integrar a habilidade de leitura e escrita.

-- Present perfect (Just, since, for)

-- Praticar a escrita em língua inglesa.

-- Present perfect X simple present

-- Explorar a lateralidade e comandos através da oralidade.

-- Must e have to

-- Fixar o vocabulário, praticar acuidade auditiva e a atenção.

-- Reading (suggestion): health problems, methods and sporting events, music lyrics, tourism.

-- Estimular a organização de palavras e texto trabalhando a grafia e estrutura de frases. -- Classificar o vocabulário estudado. -- Identificar os tempos verbais estudados. -- Retomar um tópico previamente visto. (revisão)

Língua Estrangeira Moderna / Inglês - Fase III - Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Conhecer e usar a língua inglesa como instrumento de acesso à informação lendo e compreendendo diferentes tipologias textuais e utilizando os mecanismos de coerência e coesão na produção oral e escrita.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Língua Oral

-- Ampliar o campo semântico.

-- First and second conditionals.

-- Língua Escrita

-- Integrar a habilidade de leitura e escrita.

-- Tag questions.

-- Praticar a escrita em língua inglesa.

-- Passive voice.

-- Explorar a lateralidade e comandos através da oralidade.

-- Reported speech.

-- Fixar o vocabulário, praticar acuidade auditiva e a atenção.

-- Reading (suggestion): globalization, physical and emotional problems, characteristics of different regions of brazil.

-- Estimular a organização de palavras e texto trabalhando a grafia e estrutura de frases. -- Classificar o vocabulário estudado. -- Identificar os tempos verbais estudados. -- Retomar um tópico previamente visto. (revisão) -- Elencar o vocabulário a partir de leitura sugerida.

180


PARTE V

ARTE Arte - Fase V – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Expressar e saber comunicar-se em arte, interagindo com materiais, instrumentos e procedimentos variados, edificando uma relação de autoconfiança com a produção artística pessoal e identificando a arte como fato histórico contextualizado nas diversas culturas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Efeitos

-- Identificar e utilizar diferentes técnicas que envolvem o uso do lápis de cor.

-- O uso do lápis de cor

-- Reconhecer o pontilhismo.

-- INTENSIDADE – fraco, médio, forte, esfumado.

-- Intensidade -- Direção -- Ponto -- A linha -- Cores -- Técnicas de arte

-- Identificar e aplicar as diferentes técnicas que envolvem o uso do ponto. -- Diferenciar os tipos de linhas. -- Empregar e criar elementos a partir da linha. -- Aprimorar seu domínio artístico, tanto no fazer quanto ao fruir da obra. -- Reconhecer e aplicar as cores. -- Utilizar a linguagem plástica como produção do próprio potencial criativo. -- Diferenciar e utilizar diversas técnicas de arte, através da experimentação.

-- EFEITOS – Luz, sombra e esfumado. -- DIREÇÃO – circular, vertical, horizontal e inclinado -- Os diferentes efeitos que podem ser conseguidos com lápis de cor. -- Variação de intensidade e direção no uso do lápis de cor. -- Elementos da Linguagem Visual: ›› O Ponto (Pontilhismo) ›› Impressionismo: Monet, André Derain; George - Seraut, Edgard Degas. ›› Definição de ponto. ›› Utilização do ponto para obtenção de diferentes efeitos: sombreamento, delineamento e contorno. ›› Etapas que facilitam a utilização da técnica do pontilhismo. ›› A linha ›› Hans Hartung, Cícero Dias, Sarro, Ziraldo. ›› Definição de linha quanto ao traçado e a forma. ›› Definição de linha reta e segmento. ›› Linhas, perpendiculares, paralelas, quebradas, convergentes e divergentes. ›› Desenhos com figuras geométricas. ›› Cor -- Fauvismo: Henri Matisse, Marcelo Martins, Pablo Picasso, Cícero Dias, Lizar, Fernand Léger. -- A produção artística visual por meio de pintura, desenho, explorando suas qualidades expressivas e construtivas. -- Elementos da Linguagem Visual: ›› Assimetria / Simetria ›› Alfredo Volpi, Cleber Machado, Francisco Brennand, Antonio Francisco Lisboa (Aleijadinho). ›› Observação, análise dos elementos da linguagem visual e suas articulações nas imagens produzidas.

181


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Arte - Fase VI – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Expressar e saber comunicar-se em arte, interagindo com materiais, instrumentos e procedimentos variados, edificando uma relação de autoconfiança com a produção artística pessoal e identificando a arte como fato histórico contextualizado nas diversas culturas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Imagens

-- Reconhecimento da diversidade de sentidos -- nas imagens produzidas. -- Reconhecer as diferentes modalidades de desenho. -- Criar e aplicar as diferentes modalidades de desenho. -- Expressar ideias, emoções, sensações por meio de poéticas pessoais, desenvolvendo trabalhos individuais e grupais. -- Observar e conhecer obras de artes visuais de um Movimento Artístico baseada na cor e forma. -- Apreciar e construir formas através do abstracionismo geométrico, através de fenômenos ópticos. -- Aprender a utilizar instrumentos que facilitam o traçado de imagens produzidas e suas articulações visuais. -- Reconhecer as diferentes modalidades de desenho. -- Criar e aplicar as modalidades de desenho, através da produção e análise dos trabalhos de Arte. -- Conhecer e relacionar imagens artísticas e estéticas, criadas em diferente tempo e espaço.

-- Império Romano/Bizantino. -- Mosaico: Antonio Gaudi. -- Representação e comunicação das formas visuais, aprimorando o domínio dessa ação. -- Ilustração do texto: Definição. -- Utilizar a diversidade de sentimentos nas imagens produzidas (apreciação de imagens). -- Op Art -- Fê, Carlos Drummond Andrade, Denise Nascimento. -- Grafite: “O pai do Grafite” Alex Vellauri. -- Definição de grafite -- Diferença entre grafite e pixação. -- Molde positivo e negativo. -- Produção de efeitos diferentes a partir da movimentação do molde: dilatação, translação e rotação. -- O Renascimento: ›› Figura humana. ›› Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rafael, Camille Claudel, Almeida Júnior, Salvador Dalí, August Renoir. ›› A importância da proporção do corpo na criação do desenho. ›› A arte e as proporções do corpo humano. ›› Criação de figura com movimento, considerando as articulações.

-- Desenhos -- Movimento artístico -- Grafite -- Estética

Arte - Fase VII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Expressar e saber comunicar-se em arte, interagindo com materiais, instrumentos e procedimentos variados, edificando uma relação de autoconfiança com a produção artística pessoal e identificando a arte como fato histórico contextualizado nas diversas culturas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Obra e contexto

-- Reflexão sobre a ação da sociedade em que os produtores de arte concretizam em diferentes épocas culturais, situando conexões entre vida, obra e contexto.

-- Caricatura, cartum e charge: -- Valber Benevides, Jal, Dil Ma´rcio, Adolar, Millôr Fernades, Ziraldo, Ique, Miguel Paiva, Luiz Fernando Veríssimo. -- Definição de caricatura. -- Dicas para criação de caricaturas. -- Definição de cartum e charge. -- Reflexão sobre a arte visual do cartum em sua diversidade e presença na comunidade e no cotidiano dos alunos. -- Escultura: Francisco Brennand, Ricardo Costa, Victor Brecheret, Rodan, Meily Fontes, Michelangelo, Antonio Francisco Lisboa, Edgar Degas e Magritte. -- Modelagem e artesanato. -- A modelagem associada à escultura. -- A técnica de talha direta e sua aplicação na escultura. -- Design e publicidade -- Humberto Campana, Fernando Campana, Verdini Veja (1998). -- Os diferentes empregos da palavra design. -- Design industrial -- Design gráfico; presença do designe em rótulos, logotipos e sinalizações de ruas. -- Logotipo/ Logomarca -- Definição: é fixar a marca na mente do consumidor. -- A importância da cor na elaboração de logotipo.

-- Escultura -- Design -- Logotipo -- Logomarca

-- Perceber a escultura. -- Reconhecer e aplicar elementos e formas visuais na configuração do meio ambiente construído. -- Produzir obras figurativas ou abstratas, tridimensionalmente manuseando materiais diversos. -- Produzir arte em espaços diversos por meio do design observando as etapas e a criação do design e da publicidade. -- Identificar logotipos. -- Criar e projetar logotipos, através de experimentações e comunicações próprias.

182


PARTE V

Arte - Fase VIII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Contribuir para o fortalecimento da experiência sensível e inventiva dos estudantes e para o exercício da cidadania e da ética construtora de identidades artísticas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Afrescos

-- Observar o desenvolvimento histórico desta técnica utilizada no Séc. XIV a título de enriquecimento curricular.

-- O uso da cor nos “Afrescos”, como e quando esta técnica foi utilizada e seus desdobramentos.

-- Conhecer e utilizar de materiais diversos, suportes, instrumentos, procedimentos e técnicas nos trabalhos pessoais, explorando e pesquisando suas qualidades expressivas e construtivas.

-- Giotto, Masaccio, Rafael Piero Della Francesca, Miguel Ângelo.

-- Tinta à óleo -- Pintura aquarelada

-- Observar as nuances das cores e o fazer artístico que precisam ser precisos e rápidos, para se alcançar resultados surpreendentes e espontâneos. -- Observar a diferença da aquarela, vendo que a tinta guache, seca mais demoradamente. A tinta guache é opaca enquanto a tinta acrílica seca mais rápido e possui brilho. -- Realizar um estudo da composição da tinta guache: Goma Arábica, Glicerina e Xarope. -- Expressar-se com livre produção e fruição, tendo assim maiores possibilidades cromática e uso de suportes como interlocutor (prática) da pintura.

-- Quando os pigmentos penetram no revestimento da parede ou mural vão secando aos poucos e sendo incorporados ao discurso da obra. -- Uso da tinta a óleo – Van Eyck, Dürer e Grünewald, Antonello da Messina. -- Técnica mais difundida durante muitos séculos para reproduzir ou representar pessoas, paisagens, animais etc. -- Uso da Aquarela -- John White Sir Relreght, Alexander Cozens, John Constable. -- Técnica utilizada desde a Idade Média. Contextualização histórica e repensar o fazer daquela época para esta.

Arte - Fase I – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Contribuir para o fortalecimento da experiência sensível e inventiva dos estudantes e para o exercício da cidadania e da ética construtora de identidades artísticas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Impressionismo

-- Expressar-se através da observância de obras de arte, sensações de novas descobertas desenvolvendo poéticas pessoais.

-- Impressionismo

-- Levar o aluno a novas formas de aprendizagem.

-- Estudo da luz na natureza, pesquisa sobre a fruição e poética de cada artista e suas investigações sobre a pintura Impressionista.

-- O Pós-Impressionismo -- Expressionismo -- Surrealismo

-- Conhecer as características das Artes Visuais (no Movimento Pós-Impressionista). -- Descobrir e experimentar possibilidades dessa linguagem artística. -- Conduzir o aluno por meio da leitura das obras e suas manifestações artísticas desenvolvidas. -- Apreciar as cores como forma de expressão do homem. -- Possibilitar o acesso do aluno às diferentes linguagens e ao conhecimento artístico deste período da Arte.

-- Releitura: Cézanne, Pissaro, Monet, Renoir, Degas.

-- O Pós-Impressionismo. -- Pablo Picasso, George Braque, Gauguin, Cézanne, Seraut, Toulousse Lautrec. -- Releitura. -- Século XIX na Europa: ›› As inovações na Arte e na pintura. ›› Paisagens (um novo tema para a pintura). -- O Expressionismo: Fauvismo; Cubismo; Abstracionismo; Dadaísmo e Surrealismo. -- Pintura metafísica: ›› Op Art; Pop Arte. ›› Expressam de um modo ou de outro, a perplexidade do homem contemporâneo: Léger, Henri Matisse, Edvard Munch, André Deranin, Braque, Picasso, Mondrian, Kandinsky

183


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Arte - Fase II – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Contribuir para o fortalecimento da experiência sensível e inventiva dos estudantes e para o exercício da cidadania e da ética construtora de identidades artísticas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Saber artístico em diferentes períodos

-- Possibilitar o acesso do aluno às linguagens e ao conhecimento artístico de diferente período da História da Arte. -- Introduzir o conceito de Arte Contemporânea, informação sobre a arte, reconhecendo e compreendendo a variedade dos produtos artísticos e concepções estéticas presentes nas histórias das diferentes culturas e culturas e etnias. -- Conhecer as características do Séc. XX. -- Contextualizar o conceito de arte com o fazer artístico. -- Analisar e explorar elementos específicos da linguagem visual. -- Introduzir o aluno no estudo de formas abstratas ou figurativas. -- Realizar e experienciar o fazer artístico a partir da fruição e observação. -- Fazer comparação entre obra e a função expressiva das superfícies. -- Levar o aluno a ter sensações variadas que o levem a pensar, comparar e explorar a diferença entre apropriação e releitura. -- Observar o contraste da arquitetura e a inovação da arte Noveau que vem romper com a industrialização, trazendo consigo a exploração de traços obtidos na natureza. -- Mostrar o aluno a definição de arquitetura, materiais e inovações deste século.

-- Leitura de Imagem -- Arte Contemporânea: ›› Século XX e além ›› Hard Edge, Albers, Noland, Kelly, Frank Stella. ›› Art Pop ›› Andy Warhol, Lichnstein. ›› Com a banalização da arte, os artistas passam a investigar e a ironizar as produções em massa. -- Séc. XX e além -- Releitura de Esculturas ›› Rodin, Constantin Brancusi, Hans Arp – Henri Moore. ›› As tendências da escultura moderna. ›› Observar as características da escultura moderna, observar também a pesquisa de novos materiais, do espaço, da transparência, da abstração, do movimento, da luz e da cor. -- O Século XX e além -- Releitura de Arquiteturas: Art Noveau. ›› Gustav Klimt, Rennie Mackintosh, Alphonse Mucha, René Lalique, Antoni Gaudi e Louis Comfort Tiffany, ›› A tendência do movimento Art Noveau.

-- Formas abstratas e figurativas -- A Arquitetura

Arte - Fase III – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Contribuir para o fortalecimento da experiência sensível e inventiva dos estudantes e para o exercício da cidadania e da ética construtora de identidades artísticas.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Períodos da história da arte

-- Possibilitar o acesso do aluno às linguagens e ao conhecimento artístico de diferentes períodos da História da Arte.

-- Século XX no Brasil -- Movimento Modernista: ›› Tarcila do Amaral, Candido Portinari, Anita Malfati, Lasar Segal, Di Cavalcanti, Vicente do Rego Monteiro. -- O nascimento de uma arte nova e a Semana de XX. -- Escultura brasileira: ›› Rodin, Victor Brecheret. -- Gravura: Goeldi -- Artistas e Movimentos após a Semana de Arte Moderna. ›› Cândido Portinari e Cícero Dias. -- Momento histórico e o marco vivido na sociedade brasileira e a importância deste movimento e seus reflexos nos dias de hoje. -- Abstracionismo: Geométrico e Informal. -- Piet Mondrian -- Wassily Kandinsky. -- O Abstracionismo expressivo

-- Movimentos artísticos -- Abstracionismo

-- Conhecer as características das artes visuais na cultura brasileira em sua diversidade. -- Relacionar as artes plásticas com as artes gráficas e, dando subsídios para que o aluno possa pensar em arte como forma de comunicação. -- Reconhecer os movimentos artísticos. -- Identificar e criar elementos a partir da “Semana de Arte Moderna” (artistas e movimentos). -- Levar o aprendiz a focar-se na racionalização que depende da análise intelectual, trazendo das descobertas formais do Movimento Abstracionista. -- Levar o aluno a experimentar, investigar, utilizar e capacitar-se para a escolha de suportes, técnicas e materiais diversos para realizar trabalhos individuais e de grupo.

184


PARTE V

Educação Física - Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: Conhecer e utilizar as diferentes linguagens e suas potencialidades como instrumentos para expressão de um sujeito histórico. Inserido em uma coletividade em constante transformação, compreendendo a complexidade das dinâmicas que envolvem sociocomunicativo, valorizando e respeitando a pluralidade das manifestações culturais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Atividade física como forma de prevenção de doenças

-- Relacionar lutas e qualidade de vida.

-- Histórico das lutas

-- Atividade física na 3ª idade

-- Relacionar atividade física e o uso de drogas.

-- Tipos e princípios das lutas

-- Identificar os benefícios da atividade física para a 3ª idade.

-- Violência e defesa pessoal

-- Identificar meios de prevenir doenças nesta faixa de idade.

-- Álcool

-- A inclusão social na 3ª idade -- Valores sociais na 3ª idade -- Influência da mídia na atividade física -- Alimentação e atividade física -- Lazer

-- Relacionar as principais doenças que ocorrem na 3ª idade e aprender como prevenir-se. -- Levantar as necessidades para a inclusão social na 3ª idade. -- Identificar os principais valores sociais importantes para a 3ª idade e os meios de desenvolvê-los.

-- Anabolizantes -- Fumo -- Outras drogas -- Benefícios da atividade física -- Prevenção para as doenças mais comuns que ocorrem na 3ª idade -- Principais doenças que ocorrem na 3ª idade:

-- Identificar as influências da mídia na atividade Física.

›› Artrite

-- Relacionar alimentação e atividade física, estabelecendo suas consequências.

›› Osteoporose

-- Identificar a importância do lazer na vida das pessoas.

›› Artrose -- A inclusão social na 3ª idade -- Ética -- Competição -- Cooperação -- Discriminação -- Racismo -- Gênero -- Homossexualidade -- Respeito -- Regras -- Regulamentos -- Arbitragem -- Violência -- Torcidas organizadas -- Tipos de mídia -- A influência da mídia na atividade física (esporte, dança, jogo, luta, ginástica) -- O corpo real x corpo ideal -- Desnutrição x nutrição -- Distúrbios alimentares (anorexia, bulimia, etc,) -- Estilo de vida: sedentário x ativo -- Suplemento alimentar -- Obesidade -- Causas -- Tipos -- Benefícios da atividade física -- Espaços destinados ao lazer -- A nossa cidade e os espaços destinados ao lazer -- Atividade física e lazer -- Lazer e qualidade de vida

185


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Educação Física – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Conhecer e utilizar as diferentes linguagens e suas potencialidades como instrumentos para expressão de um sujeito histórico. Inserido em uma coletividade em constante transformação, compreendendo a complexidade das dinâmicas que envolvem sociocomunicativo, valorizando e respeitando a pluralidade das manifestações culturais.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Qualidade de vida

-- Identificar as condições para que as pessoas possam ter qualidade de vida.

-- Conceito de saúde

-- Identificar a importância do esporte para a qualidade de vida.

-- Atitudes de risco

-- Esporte e qualidade de vida -- Atividade física como forma de prevenção de doenças.

-- Identificar a atividade física como forma de prevenção de doenças.

-- Estilo de vida -- Stress -- Esporte enquanto atividade física -- Esporte enquanto lazer -- Esporte enquanto trabalho -- Esporte de rendimento ›› Princípios do esporte de rendimento -- Record: o limite do ser humano -- Esporte e saúde ›› Sobrecarga -- Hipertensão: ›› Definição ›› Tipos -- Hipertensão ›› Definição ›› Tipos ›› Causas ›› Benefícios da atividade física -- Diabetes ›› Definição ›› Tipos ›› Causas ›› Benefícios da atividade física -- Problemas posturais: ›› Cifose ›› Lordose ›› Escoliose ›› Causas ›› Benefícios da atividade física -- Lutas e qualidade de vida ›› Histórico das lutas ›› Tipos de lutas / princípios das lutas ›› Violência ou defesa pessoal? -- Atividades físicas e o uso de drogas ›› Anabolizantes ›› Álcool ›› Fumo ›› Outras drogas

186


PARTE V

Filosofia - Fase V – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: O ensino da Filosofia visa contribuir para a formação de um cidadão consciente e crítico no seu contexto históricosocial, pela apropriação de um conhecimento mais global, produzido nas atividades práticas dos homens, aguçando a capacidade de percepção lógica que norteia as relações dos seres humanos com outros seres humanos e com a natureza, levando o cidadão à reflexão permanente do seu próprio existir.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Homem e a Existência humana

-- Conceituar Filosofia.

-- O que é Filosofia?

-- Compreender que todo cidadão possui direitos e deveres.

-- Quem sou?

-- Analisar de forma crítica a realidade do indivíduo num mundo marcado pelo ter em detrimento do ser. -- Redescobrir o valor da vida contrariando o projeto de “morte” proposto pela realidade de hoje.

-- Expectativas quanto ao meu existir. ›› objetivos de vida ›› objetivos para a vida. -- Sou cidadão; sujeito de direitos e deveres -- Declaração universal dos direitos do homem -- Direitos e deveres no contexto constitucional -- Valores/atitudes -- Atualidades

Filosofia - Fase VI – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: O ensino da Filosofia visa contribuir para a formação de um cidadão consciente e crítico no seu contexto históricosocial, pela apropriação de um conhecimento mais global, produzido nas atividades práticas dos homens, aguçando a capacidade de percepção lógica que norteia as relações dos seres humanos com outros seres humanos e com a natureza, levando o cidadão à reflexão permanente do seu próprio existir.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- O Homem e o Mundo

-- Desenvolver no educando a concepção de que nascemos para sermos felizes.

-- A realidade que nos cerca

-- Mostrar que na busca pela felicidade vários fatores tentam nos impedir em atingir esta meta.

-- Como ter e viver com dignidade

-- A Filosofia como um dos caminhos na busca pela felicidade. -- Mostrar que vale a pena lutar pela dignidade da “vida”.

-- Atitudes que confirmam o meu ser cidadão -- Que impede o meu viver com dignidade em meio à sociedade existente: ›› violência ›› corrupção ›› preconceito (racial, social, econômico, sexual...) -- Atualidades -- Como a filosofia perpassa os conceitos e realidades propostas -- Atualidades

187


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Filosofia - Fase VII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: O ensino da Filosofia visa contribuir para a formação de um cidadão consciente e crítico no seu contexto históricosocial, pela apropriação de um conhecimento mais global, produzido nas atividades práticas dos homens, aguçando a capacidade de percepção lógica que norteia as relações dos seres humanos com outros seres humanos e com a natureza, levando o cidadão à reflexão permanente do seu próprio existir.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- O Homem e o Mundo

-- Desmistificar o fato de que o acesso a Filosofia se dá somente para pessoas especialmente intelectualizadas.

-- Afinal o que é filosofia? ›› etimologia da palavra filosofia ›› definição da palavra ›› local e nascimento/século ›› a grande pergunta feita pela filosofia: “qual é a origem de tudo o que nos cerca? ›› respostas dadas pelos pré-socráticos -- Mito ›› as origens do pensamento filosófico/ científico: do mundo dos deuses ao mundo dos homens -- Os Sofistas -- Sócrates ›› ‘sei que nada sei’ ›› um corrompedor da juventude -- Personagens que mudaram o contexto histórico com idéias e atitudes: ›› Gandhi ›› Martin Luther king ›› Jesus ›› Tereza de Calcutá ›› Doroty Stang ›› Herbert de Souza -- Atualidades

-- Reconhecer a importância e a possibilidade do exercício do pensamento filosófico como direito de todos e para todos. -- Resgatar a importância do exercício do pensamento. -- Conhecer as origens do pensamento na Grécia antiga. -- Saber caracterizar o contexto sócio-político do surgimento da sofística. -- Compreender a importância de Sócrates como marco inaugural para as discussões filosóficas.

Filosofia - Fase VIII – Ensino Fundamental / EJA Objetivo Geral: O ensino da Filosofia visa contribuir para a formação de um cidadão consciente e crítico no seu contexto históricosocial, pela apropriação de um conhecimento mais global, produzido nas atividades práticas dos homens, aguçando a capacidade de percepção lógica que norteia as relações dos seres humanos com outros seres humanos e com a natureza, levando o cidadão à reflexão permanente do seu próprio existir.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- O Homem e as ideias

-- Entender a relação entre o pensamento de Platão e seu mestre Sócrates e o que representa a obra de Platão para uma reflexão crítica sobre a decadência da democracia ateniense.

-- Platão

-- Entender a importância da teoria platônica como um dos pilares mais fortes do pensamento ocidental. -- Compreender o impacto do realismo aristotélico no pensamento ocidental. -- Conhecer as origens da filosofia medieval.

›› mundo das ideias=não vemos o real/perfeito... vemos reflexos/imperfeito deste mundo das ideias ›› o ‘mito da caverna’=das sombras da ignorância às luzes da verdade. ›› o que é a verdade? -- Aristóteles ›› nascemos para a felicidade ›› o que é a felicidade? ›a› lógica: as regras do bom uso do raciocínio -- Idade Média -- A igreja católica -- Visões imperantes: ›› geocentrismo

188

››teocentrismo


PARTE V

Filosofia – Fase I – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: O ensino da Filosofia visa contribuir para a formação de um cidadão consciente e crítico no seu contexto históricosocial, pela apropriação de um conhecimento mais global, produzido nas atividades práticas dos homens, aguçando a capacidade de percepção lógica que norteia as relações dos seres humanos com outros seres humanos e com a natureza, levando o cidadão à reflexão permanente do seu próprio existir.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- O Homem e o Pensamento Filosófico

-- Resgatar a importância do exercício do pensamento através do pensamento filosófico.

-- O que é filosofia?

-- Compreender a ruptura entre o pensamento míticoreligioso e o pensamento filosófico-científico.

-- As origens do pensamento filosófico-científico: do mundo dos deuses ao mundo dos homens.

-- Compreender o sentido e a importância da contribuição dos filósofos pré-socráticos para a formação e desenvolvimento do que entendemos como tradição filosófica.

-- Os pré-socráticos: a preocupação com o cosmos e com a natureza.

-- Saber definir as artes do discurso.

-- A filosofia socrática: “conhece-te a ti mesmo” e “dei que nada sei”

-- A importância de Sócrates como marco divisor da filosofia. -- Entender a relação entre Platão e o mestre Sócrates. -- Compreender o impacto do pensamento de Aristóteles no pensamento ocidental. -- Caracterizar e entender a importância do helenismo na cultura ocidental

-- Os sofistas: o homem como a medida de todas as coisas.

-- Platão: o nascimento da razão ocidental. -- Aristóteles: uma crítica ao mestre e seus antecessores -- O helenismo: o encontro da cultura grecoromana com a cultura judaico-cristã. -- Atualidade

Filosofia – Fase II – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: O ensino da Filosofia visa contribuir para a formação de um cidadão consciente e crítico no seu contexto históricosocial, pela apropriação de um conhecimento mais global, produzido nas atividades práticas dos homens, aguçando a capacidade de percepção lógica que norteia as relações dos seres humanos com outros seres humanos e com a natureza, levando o cidadão à reflexão permanente do seu próprio existir.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- O Homem e o Pensamento Filosófico

-- Conhecer cronológica e historicamente o processo de formação do mundo ocidental.

-- Do mundo medieval à ciência moderna.

-- Compreender a importância do cristianismo na formação da cultura e ciência ocidental. -- Caracterizar a escolástica.

-- As origens da filosofia cristã: a fé que mudou o mundo -- A fé com razão

-- Compreender o significado da ideia de modernidade.

-- Atalhos tomados na busca pelo conhecimento

-- Saber como ocorreu a crítica à autoridade da igreja e a valorização da fé como experiência individual.

-- Novos caminhos para o conhecimento: a ideia de modernidade -- O humanismo renascentista e a reforma protestante -- A revolução científica

189


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Filosofia – Fase III – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: O ensino da Filosofia visa contribuir para a formação de um cidadão consciente e crítico no seu contexto históricosocial, pela apropriação de um conhecimento mais global, produzido nas atividades práticas dos homens, aguçando a capacidade de percepção lógica que norteia as relações dos seres humanos com outros seres humanos e com a natureza, levando o cidadão à reflexão permanente do seu próprio existir.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- O Homem e o Pensamento Filosófico

-- Desenvolver no educando, noções críticas perante a sociedade.

-- Século XIX: avanços técnicos, individualismo e conflitos sociais -- Progresso e desumanização -- Capital e trabalho -- Século XX: era de incertezas -- Existencialismo: aventura e drama da existência -- Ética -- Política -- Pensadores em destaque: ›› Kierkegaaard ›› Karl marx ›› Nietzsche ›› Sartre ›› Foucault

-- Criar novos mecanismos de análise da sociedade na qual estamos inseridos. -- Acreditar que um novo modo de vida é possível -- Não ter medo da utopia, porém ligado ao topós (chão que pisamos). -- Sermos felizes, como bem sonhou Aristóteles.

Sociologia – Fase I – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Despertar nos educandos a “percepção sociológica”, visando desenvolver neles um raciocínio e uma abordagem específica no entendimento da realidade social.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Homem e Sociedade

-- Entender a relação do indivíduo e a sociedade, a partir da influência da ação individual sobre os processos sociais e, inversamente, dos processos sociais sobre a ação individual.

-- Somos todos seres sociais -- Como nos tornamos humanos? -- A sociedade como objeto de estudo -- A sociedade como problema -- Pensar um mundo novo -- O papel da socialização -- Contatos sociais: onde começa a interação -- O ser humano em condições de isolamento -- Sem comunicação não há sociedade -- Interação e interatividade -- Relação sociedade / educação -- Atualidades

-- Caracterizar a importância do processo de interação social. -- Identificar a importância da educação numa sociedade. -- Estabelecer como ocorre o processo educativo nas diferentes instituições que a promovem.

Sociologia – Fase II – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Despertar nos educandos a “percepção sociológica”, visando desenvolver neles um raciocínio e uma abordagem específica no entendimento da realidade social.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Homem e Sociedade

-- Contextualizar historicamente a construção dos direitos.

-- Como funciona a sociedade -- Relações sociais -- Processos sociais -- Conflito -- Uma luta por direitos -- Competição e conflito -- Organização social e cidadania -- Viver em comunidade -- Que herança deixaremos -- Direitos humanos e cidadania -- Igualdade e equidade -- Atualidades

-- Entender a construção do conceito moderno de cidadania. -- Discutir que mundo deixaremos para os nossos descendentes. -- Compreender que “cidadão” é um indivíduo que tem consciência dos seus direitos e deveres. -- Analisar os conflitos existentes entre os diversos grupos sociais que compõe a sociedade organizada em classes sociais.

190


PARTE V

Sociologia – Fase III – Ensino Médio / EJA Objetivo Geral: Despertar nos educandos a “percepção sociológica”, visando desenvolver neles um raciocínio e uma abordagem específica no entendimento da realidade social.

Objeto de Estudo

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

CONTEÚDOS

-- Homem e Sociedade

-- Identificar o trabalho como processo de transformação da natureza e do ser humano.

-- Trabalho e sociedade

-- Entender as mudanças atuais na organização da produção e do trabalho e as novas exigências do mercado.

-- Valor de qualificação

-- Refletir sobre o custo social do processo de globalização.

-- O trabalho humano -- De que modo a sociedade transforma -- O modo capitalista de produção -- Processo histórico

-- Estabelecer as características do subdesenvolvimento, seus indicadores e sua origem.

-- Cultura

-- Verificar a situação do Brasil em relação ao desenvolvimento e ao subdesenvolvimento.

-- Atualidades

-- Subdesenvolvimento e desenvolvimento

191


PARTE vI 1.  Material para apoio: 1.1.  Teoria do desenvolvimento de Jean Piaget Formado em Biologia, Piaget especializou-se nos estudos do conhecimento humano, concluindo que, assim como os organismos vivos podem adaptar-se geneticamente a um novo meio, existe também uma relação evolutiva entre o sujeito e o seu meio, ou seja, a criança reconstrói suas ações e idéias quando se relaciona com novas experiências ambientais. Para ele, a criança constrói sua realidade como um ser humano singular, situação em que o cognitivo está em supremacia em relação ao social e o afetivo. Na perspectiva construtivista de Piaget, o começo do conhecimento é a ação do sujeito sobre o objeto, ou seja, o conhecimento humano se constrói na interação homem-meio, sujeito-objeto. Conhecer consiste em operar sobre o real e transformá-lo a fim de compreendê-lo, é algo que se dá a partir da ação do sujeito sobre o objeto de conhecimento. As formas de conhecer são construídas nas trocas com os objetos, tendo uma melhor organização em momentos sucessivos de adaptação ao objeto. A adaptação ocorre através da organização, sendo que o organismo discrimina entre estímulos e sensações, selecionando aqueles que irá organizar em alguma forma de estrutura. A adaptação possui dois mecanismos opostos, mas complementares, que garantem o processo de desenvolvimento: a assimilação e a acomodação. Segundo Piaget, o conhecimento é a equilibração/ reequilibração entre assimilação e acomodação, ou seja, entre os indivíduos e os objetos do mundo. A assimilação é a incorporação dos dados da realidade nos esquemas disponíveis no sujeito, é o processo pelo qual as idéias, pessoas, costumes são incorporadas à atividade do sujeito. A criança aprende a língua e assimila tudo o que ouve, transformando isso em conhecimento seu. A acomodação é a modificação dos esquemas para assimilar os elementos novos, ou seja, a criança que ouve e começa a balbuciar em resposta à conversa ao seu redor gradualmente acomoda os sons que emite àqueles que ouvem, passando a falar de forma compreensível. Segundo FARIA (1998), os esquemas são uma necessidade interna do indivíduo. Os esquemas afetivos levam à construção do caráter, são modos de sentir que se adquire juntamente às ações exercidas pelo sujeito sobre pessoas ou objetos. Os esquemas cognitivos conduzem à formação da inteligência, tendo a necessidade de serem repetidos (a criança pega várias vezes o mesmo objeto). Outra propriedade do esquema é a ampliação do campo de aplicação, também chamada de assimilação generalizadora (a criança não pega apenas um objeto, pega outros que estão por perto). Através da discriminação progressiva dos objetos, da capacidade chamada de assimilação recognitiva ou reconhecedora, a criança identifica os objetos que pode ou não pegar, que podem ou não dar algum prazer à ela. FARIA (op.cit.) salienta que os fatores responsáveis pelo desenvolvimento, segundo Piaget, são: maturação; experiência física e lógico-matemática; transmissão ou experiência social; equilibração; motivação; interesses e valores; valores e sentimentos. A aprendizagem é sempre provocada por situações externas ao sujeito, supondo a atuação do sujeito sobre o meio, mediante experiências. A aprendizagem será a aquisição que ocorre em função da experiência e que terá caráter imediato. Ela poderá ser: experiência física - comporta ações diferentes em função dos objetos e consiste no desenvolvimento de ações sobre esses objetos para descobrir as propriedades que são abstraídas deles próprios; é o produto das ações do sujeito sobre o objeto; e experiência lógico-matemática – o sujeito age sobre os objetos de modo a descobrir propriedades e relações que são abstraídas de suas próprias ações, ou seja, resulta da coordenação das ações que o sujeito exerce sobre


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

os objetos e da tomada de consciência dessa coordenação. Essas duas experiências estão inter-relacionadas, uma é condição para o surgimento da outra. Para que ocorra uma adaptação ao seu ambiente, o indivíduo deverá equilibrar uma descoberta, uma ação com outras ações. A base do processo de equilibração está na assimilação e na acomodação, isto é, promove a reversibilidade do pensamento, é um processo ativo de auto-regulação. Piaget afirma que, para a criança adquirir pensamento e linguagem, deve passar por várias fases de desenvolvimento psicológico, partindo do individual para o social. Segundo ele, o falante passa por pensamento autístico, fala egocêntrica para atingir o pensamento lógico, sendo o egocentrismo o elo de ligação das operações lógicas da criança. No processo de egocentrismo, a criança vê o mundo a partir da perspectiva pessoal, assimilando tudo para si e ao seu próprio ponto de vista, estando o pensamento e a linguagem centrados na criança. Para Piaget, o desenvolvimento mental dá-se espontaneamente a partir de suas potencialidades e da sua interação com o meio. O processo de desenvolvimento mental é lento, ocorrendo por meio de graduações sucessivas através de estágios: período da inteligência sensório-motora; período da inteligência pré-operatória; período da inteligência operatório-concreta; e período da inteligência operatório-formal.

1.2.  Teoria do desenvolvimento de Henry Wallon A criança, para Wallon, é essencialmente emocional e gradualmente vai constituindo-se em um ser sócio-cognitivo. O autor estudou a criança contextualizada, como uma realidade viva e total no conjunto de seus comportamentos, suas condições de existência. Segundo GALVÃO (2000), Wallon argumenta que as trocas relacionais da criança com os outros são fundamentais para o desenvolvimento da pessoa. As crianças nascem imersas em um mundo cultural e simbólico, no qual ficarão envolvidas em um “sincretismo subjetivo”, por pelo menos três anos. Durante esse período, de completa indiferenciação entre a criança e o ambiente humano, sua compreensão das coisas dependerá dos outros, que darão às suas ações e movimentos formato e expressão. Antes do surgimento da linguagem falada, as crianças comunicam-se e constituem-se como sujeitos com significado, através da ação e interpretação do meio entre humanos, construindo suas próprias emoções, que é seu primeiro sistema de comunicação expressiva. Estes processos comunicativo-expressivos acontecem em trocas sociais como a imitação. Imitando, a criança desdobra, lentamente, a nova capacidade que está a construir (pela participação do outro ela se diferenciará dos outros) formando sua subjetividade. Pela imitação, a criança expressa seus desejos de participar e se diferenciar dos outros constituindo-se em sujeito próprio. Wallon propõe estágios de desenvolvimento, assim como Piaget, porém, ele não é adepto da idéia de que a criança cresce de maneira linear. O desenvolvimento humano tem momentos de crise, isto é, uma criança ou um adulto não são capazes de se desenvolver sem conflitos. A criança se desenvolve com seus conflitos internos e, para ele, cada estágio estabelece uma forma específica de interação com o outro, é um desenvolvimento conflituoso. No início do desenvolvimento existe uma preponderância do biológico e após o social adquire maior força. Assim como Vygotsky, Wallon acredita que o social é imprescindível. A cultura e a linguagem fornecem ao pensamento os elementos para evoluir, sofisticar. A parte cognitiva social é muito flexível, não existindo linearidade no desenvolvimento, sendo este descontínuo e, por isso, sofrem crises, rupturas, conflitos, retrocessos, como um movimento que tende ao crescimento.

194

De acordo com GALVÃO (op.cit.), no primeiro ano de vida, a criança interage com o meio regida pela afetividade, isto é, o estágio impulsivo-emocional, definido pela simbiose afetiva da criança em seu meio


PARTE VI

social. A criança começa a negociar, com seu mundo sócio-afetivo, os significados próprios, via expressões tônicas. As emoções intermediam sua relação com o mundo. Do estágio sensório-motor ao projetivo (1 a 3 anos), predominam as atividades de investigação, exploração e conhecimento do mundo social e físico. No estágio sensório-motor, permanece a subordinação a um sincretismo subjetivo (a lógica da criança ainda não está presente). Neste estágio predominam as relações cognitivas da criança com o meio. Wallon identifica o sincretismo como sendo a principal característica do pensamento infantil. Os fenômenos típicos do pensamento sincrético são: fabulação, contradição, tautologia e elisão. Na gênese da representação, que emerge da imitação motora-gestual ou motricidade emocional, as ações da criança não mais precisarão ter origem na ação do outro, ela vai “desprender-se” do outro, podendo voltar-se para a imitação de cenas e acontecimentos, tornando-se habilitada à representação da realidade. Este salto qualitativo da passagem do ato imitativo concreto e a representação é chamado de simulacro. No simulacro, que é a imitação em ato, forma-se uma ponte entre formas concretas de significar e representar e níveis semióticos de representação. Essa é a forma pela qual a criança se desloca da inteligência prática ou das situações para a inteligência verbal ou representativa. Dos 3 aos 6 anos, no estágio personalístico, aparece a imitação inteligente, a qual constrói os significados diferenciados que a criança dá para a própria ação. Nessa fase, a criança está voltada novamente para si própria. Para isso, a criança coloca-se em oposição ao outro num mecanismo de diferenciar-se. A criança, mediada pela fala e pelo domínio do “meu/minha”, faz com que as idéias atinjam o sentimento de propriedade das coisas. A tarefa central é o processo de formação da personalidade. Aos 6 anos a criança passa ao estágio categorial trazendo avanços na inteligência. No estágio da adolescência, a criança volta-se a questões pessoais, morais, predominando a afetividade. Ainda conforme GALVÃO, é nesse estágio que se intensifica a realização das diferenciações necessárias à redução do sincretismo do pensamento. Esta redução do sincretismo e o estabelecimento da função categorial dependem do meio cultural no qual está inserida a criança.

1.3.  Teoria do desenvolvimento de Lev S. Vygotsky Para Vygotsky, a criança nasce inserida num meio social, que é a família, e é nela que estabelece as primeiras relações com a linguagem na interação com os outros. Nas interações cotidianas, a mediação (necessária intervenção de outro entre duas coisas para que uma relação se estabeleça) com o adulto acontece espontaneamente no processo de utilização da linguagem, no contexto das situações imediatas. Essa teoria apóia-se na concepção de um sujeito interativo que elabora seus conhecimentos sobre os objetos, em um processo mediado pelo outro. O conhecimento tem gênese nas relações sociais, sendo produzido na intersubjetividade e marcado por condições culturais, sociais e históricas. Segundo Vygotsky, o homem se produz na e pela linguagem, isto é, é na interação com outros sujeitos que formas de pensar são construídas por meio da apropriação do saber da comunidade em que está inserido o sujeito. A relação entre homem e mundo é uma relação mediada, na qual, entre o homem e o mundo existem elementos que auxiliam a atividade humana. Estes elementos de mediação são os signos e os instrumentos. O trabalho humano, que une a natureza ao homem e cria, então, a cultura e a história do homem, desenvolve a atividade coletiva, as relações sociais e a utilização de instrumentos. Os instrumentos são utilizados pelo trabalhador, ampliando as possibilidades de transformar a natureza, sendo assim, um objeto social. Os signos também auxiliam nas ações concretas e nos processos psicológicos, assim como os instrumentos. A capacidade humana para a linguagem faz com que as crianças providenciem instrumentos que auxiliem na solução de tarefas difíceis, planejem uma solução para um problema e controlem seu comportamento. Signos e palavras são para as crianças um meio de contato social com outras pessoas. Para Vygotsky, signos são

195


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

meios que auxiliam/facilitam uma função psicológica superior (atenção voluntária, memória lógica, formação de conceitos, etc.), sendo capazes de transformar o funcionamento mental. Desta maneira, as formas de mediação permitem ao sujeito realizar operações cada vez mais complexas sobre os objetos. Segundo Vygotsky, ocorrem duas mudanças qualitativas no uso dos signos: o processo de internalização e a utilização de sistemas simbólicos. A internalização é relacionada ao recurso da repetição onde a criança apropria-se da fala do outro, tornando-a sua. Os sistemas simbólicos organizam os signos em estruturas, estas são complexas e articuladas. Essas duas mudanças são essenciais e evidenciam o quanto são importantes as relações sociais entre os sujeitos na construção de processos psicológicos e no desenvolvimento dos processos mentais superiores. Os signos internalizados são compartilhados pelo grupo social, permitindo o aprimoramento da interação social e a comunicação entre os sujeitos. As funções psicológicas superiores aparecem, no desenvolvimento da criança, duas vezes: primeiro, no nível social (entre pessoas, no nível interpsicológico) e, depois, no nível individual (no interior da criança, no nível intrapsicológico). Sendo assim, o desenvolvimento caminha do nível social para o individual. Como visto, exige-se a utilização de instrumentos para transformar a natureza e, da mesma forma, exige-se o planejamento, a ação coletiva, a comunicação social. Pensamento e linguagem associam-se devido à necessidade de intercâmbio durante a realização do trabalho. Porém, antes dessa associação, a criança tem a capacidade de resolver problemas práticos (inteligência prática), de fazer uso de determinados instrumentos para alcançar determinados objetivos. Vygotsky chama isto de fase pré-verbal do desenvolvimento do pensamento e uma fase pré-intelectual no desenvolvimento da linguagem. Por volta dos 2 anos de idade, a fala da criança torna-se intelectual, generalizante, com função simbólica, e o pensamento torna-se verbal, sempre mediado por significados fornecidos pela linguagem. Esse impulso é dado pela inserção da criança no meio cultural, ou seja, na interação com adultos mais capazes da cultura que já dispõe da linguagem estruturada. Vygotsky destaca a importância da cultura; para ele, o grupo cultural fornece ao indivíduo um ambiente estruturado onde os elementos são carregados de significado cultural. Os significados das palavras fornecem a mediação simbólica entre o indivíduo e o mundo, ou seja, como diz VYGOTSKY (1987), é no significado da palavra que a fala e o pensamento se unem em pensamento verbal. Para ele, o pensamento e a linguagem iniciam-se pela fala social, passando pela fala egocêntrica, atingindo a fala interior que é pensamento reflexivo. A fala egocêntrica emerge quando a criança transfere formas sociais e cooperativas de comportamento para a esfera das funções psíquicas interiores e pessoais. No início do desenvolvimento, a fala do outro dirige a ação e a atenção da criança. Esta vai usando a fala de forma a afetar a ação do outro. Durante esse processo, ao mesmo tempo em que a criança passa a entender a fala do outro e a usar essa fala para regulação do outro, ela começa a falar para si mesma. A fala para si mesma assume a função auto-reguladora e, assim, a criança tornase capaz de atuar sobre suas próprias ações por meio da fala. Para Vygotsky, o surgimento da fala egocêntrica indica a trajetória da criança: o pensamento vai dos processos socializados para os processos internos. A fala interior, ou discurso interior, é a forma de linguagem interna, que é dirigida ao sujeito e não a um interlocutor externo. Esta fala interior se desenvolve mediante um lento acúmulo de mudanças estruturais, fazendo com que as estruturas de fala que a criança já domina, tornem-se estruturas básicas de seu próprio pensamento. A fala interior não tem a finalidade de comunicação com outros, portanto, constitui-se como uma espécie de “dialeto pessoal”, sendo fragmentada, abreviada.

196

A relação entre pensamento e palavra acontece em forma de processo, constituindo-se em um movimento contínuo de vaivém do pensamento para a palavra e vice-versa. Esse processo passa por transformações que, em si mesmas, podem ser consideradas um desenvolvimento no sentido funcional. VYGOTSKY (op.cit.) diz que o pensamento nasce através das palavras. É apenas pela relação da criança com a fala do outro em


PARTE VI

situações de interlocução, que a criança se apropria das palavras, que, no início, são sempre palavras do outro. Por isso, é fundamental que as práticas pedagógicas trabalhem no sentido de esclarecer a importância da fala no processo de interação com o outro. Segundo VYGOTSKY (1989), a aprendizagem tem um papel fundamental para o desenvolvimento do saber, do conhecimento. Todo e qualquer processo de aprendizagem é ensino-aprendizagem, incluindo aquele que aprende, aquele que ensina e a relação entre eles. Ele explica esta conexão entre desenvolvimento e aprendizagem através da zona de desenvolvimento proximal (distância entre os níveis de desenvolvimento potencial e nível de desenvolvimento real), um “espaço dinâmico” entre os problemas que uma criança pode resolver sozinha (nível de desenvolvimento real) e os que deverá resolver com a ajuda de outro sujeito mais capaz no momento, para em seguida, chegar a dominá-los por si mesma (nível de desenvolvimento potencial).

www.ufsm.br/lec

1.4.  Construtivismo: Mitos e Verdades O construtivismo é um método de Ensino. Mito: O construtivismo não é um método de ensino. É uma linha pedagógica que propõe que o aluno participe ativamente da construção do seu próprio conhecimento No Construtivismo o aluno aprende sozinho. Mito: O professor reformula o seu papel. Ele deixa de ser o detentor de todo o conhecimento para construir e dialogar com o aluno. Ajuda na formulação de hipóteses, estimula o pensar e o agi. O professor precisa conhecer as necessidades e interesses dos seus alunos e intervir de forma que se desenvolva individualmente e em seu grupo. Em momento algum esse aluno fica solto ou sozinho para aprender. O Construtivismo não aceita o ensino da tabuada. Mito: A tabuada é sim utilizada na escola construtivista, mas como ajuda para o desenvolvimento do cálculo mental. Só deve ser usada depois que o aluno compreender o significado das operações, principalmente a multiplicação. O professor construtivista não corrige os erros dos alunos. Mito: O professor construtivista corrige os erros dos alunos, mas encara esse erro como o caminho para a construção do conhecimento. A correção na escola construtivista é cuidadosa, pois é uma aliada do professor e do aluno para que se torne uma situação de aprendizagem. A correção acontece unto com o aluno ou com um grupo de alunos. O aluno é levado a observar suas produções, a trocar com os colegas, consultar o dicionário, uma lista de palavras etc. para perceber o que “errou” e, portanto, reformular ou acrescentar sua resposta. Em uma escola construtivista os alunos não são reprovados. Mito: O aluno pode sim ser reprovado, quando o aluno se encontra em tal atraso em relação ao resto da turma, que fazê-lo passar de ano seria lançá-lo numa situação muito desagradável. De qualquer modo, tenta-se evitar que a criança viva a reprovação como um atestado de sua incapacidade ou como castigo. O construtivismo condena a rigidez nos procedimentos de ensino, as avaliações padronizadas e a utilização de material didático demasiadamente estranho ao universo pessoal do aluno. Verdade: O construtivismo lida com a contextualização, com a construção do conhecimento, com o pressuposto de que o aluno já domina muitos conceitos e habilidades antes mesmo de chegar à escola. Desta forma seus conhecimentos devem ser valorizados e suas habilidades utilizadas. Todo material produzido deve estar a favor da produção de conhecimento para a utilização deste na vida em sociedade.

197


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

As crianças em uma escola construtivista são mais indisciplinadas porque não têm regras. Mito: No construtivismo as crianças vivenciam a democracia, pois as regras são estabelecidas através de conversas e acordos entre os professores e alunos. Os alunos são acostumados a ouvir, respeitar os direitos e deveres de todos e entendê-los, pois reconhecem a importância destes para o bom andamento da convivência O construtivismo se aplica somente à Alfabetização e Educação Infantil. Mito: Não. Ainda se encontra muito vinculado à alfabetização, porque foi por essa área que começou a ser desenvolvido, a partir da base teórica proporcionada por Emilia Ferreiro. Contudo, práticas construtivistas, devidamente adaptadas, já estão bastante difundidas até a quarta série do primeiro grau. A partir da quinta série, porém, quando cada disciplina passa a ser ministrada por um professor especializado, tais práticas são menos utilizadas, até pela relativa escassez ainda registrada de pesquisas teóricas equivalentes às de Emilia. O construtivismo faz restrições à “prontidão” na Alfabetização e Educação Infantil. Verdade: Com base nas teorias de Piaget e Emilia Ferreiro, os construtivistas consideram inútil a prontidão, ou seja, o treinamento motor que habitualmente se aplica às crianças como preparação do aprendizado da escrita. Para eles, aprender a ler e escrever é algo mais amplo e complexo do que adquirir destreza com o lápis. O aluno formado pelo construtivismo fica bom de raciocínio, com mais senso crítico, porém mais fraco de conhecimentos. Mito. Os construtivistas insistem em que, embora o construtivismo enfatize o processo de aprendizagem, este não ocorre desligado do conteúdo: simplesmente não há como formar um indivíduo crítico no vazio. Portanto, a aquisição de informações é fundamental. O construtivismo requer mais atenção individual ao aluno do que outras linhas de ensino. Sim, mas não com a obsessão que às vezes se imagina. Se o construtivismo admite que cada aluno tem o seu processo particular de aprendizagem, a professora deve conhecê-lo, acompanhá-lo e fazer as intervenções adequadas. Mas isso não quer dizer centralização total, ao contrário. O construtivismo valoriza muito o intercâmbio entre os alunos e o trabalho de grupo, em que a professora tem uma presença motivadora e menos impositiva. A alfabetização construtivista rejeita o uso das cartilhas. Verdade: Primeiro, porque a cartilha prevê etapas rígidas de aprendizagem, coisa que o construtivismo descarta. Segundo: porque os construtivistas acham que a linguagem geralmente usada nas cartilhas (“Bá-bé-bi”. “Ivo viu a uva” etc.) é padronizada, artificial, distante do mundo conhecido pela criança. O Construtivismo tem restrição ao ensino de regras gramaticais. Verdade: O construtivismo contesta que o ensino da gramática seja o meio para se levar o aluno a entender e dominar o processo de escrever corretamente. Isso se adquire praticando a escrita, mesmo com erros gramaticais. À medida que o aluno vai dominando a escrita é que se passa a ensinar-lhe a gramática. As regras identificam certas regularidades da língua, mas para entendê-las é preciso tê-las percebido na prática. Um aluno formado no construtivismo demora mais para aprender e ler e escrever Mito: O construtivismo não dá exagerada importância a prazos rígidos. Na alfabetização construtivista, estimase que um aluno do meio rural, que nunca viu nada escrito, precisa de dois a três anos para chegar a ler e escrever com eficiência. Já no meio urbano, um aluno de 7 anos, que convive intensamente com a escrita, leva algo em tomo de um ano e meio. Comparativamente, no ensino convencional, a maioria das crianças é capaz de soletrar e formar palavras em um ano - o que os construtivistas, contudo, não consideram alfabetização.

198

A sala de aula numa escola construtivista é mais barulhenta e agitada do que na tradicional. Verdade em termos. O que ocorre é que as crianças não são passivas, mas sim estimuladas a participar. Prefira dizer que a sala é mais viva!


PARTE VI

No ensino construtivista os conteúdos não são sistematizados Um mito muito comum quando se pensa o ensino da matemática no ensino construtiva é de que os conteúdos não são “fixados”. Se considerarmos que fixar é repetir o mesmo exercício muitas vezes, da mesma maneira e desde o início da aprendizagem, poderíamos dizer que não trabalhamos com exercícios de fixação. Os conteúdos são conversados, pesquisados, discutidos e utilizados.

http://www.thaifeijo.com.br/tag/piaget Último acesso em 10/10/2012

1.5.  Crianças de 0 a 3 Anos A Educação Infantil de 0 a 3 anos, ao longo das três últimas décadas, estabeleceu um desenvolvimento elevado nos fazeres pedagógicos e tendências educacionais devido à conjunção de três fatores: • Um intenso aumento da demanda; • A intensificação de conhecimentos sobre o desenvolvimento em educação infantil; • Ao desenvolvimento de políticas públicas na área.

Por causa desses avanços ocorridos nos últimos anos e do alto grau de criação existente em sua prática, a educação de crianças de 0 a 3 anos exige um profissional dinâmico, polivalente, com formação específica e atualizada. Esse profissional deve ser capaz de construir uma relação que transmita segurança para a criança, valorizando seu potencial. Precisa ser sincero, autêntico, respeitando suas opiniões, tornando-se um parceiro dessa criança na busca do conhecimento de um mundo repleto de descobertas e interações. O profissionalismo docente e suas exigências se aplicam a todos os educadores, tanto da Educação Infantil quanto dos demais. Porém, no caso da Educação Infantil, as competências que definem a atuação desse profissional possuem perfis próprios. O peso do componente das relações é muito forte. A relação e o estabelecimento de vínculo constituem, provavelmente, o recurso fundamental no trabalho com crianças pequenas. Por isso, a importância de um profissional comprometido e identificado com o trabalho de Educação Infantil.

1.6.  Formação pessoal e social 1.6.1.  Identidade e Autonomia O ingresso da criança pequena na instituição de ensino (escola/creche) amplia e alarga o seu universo inicial, uma vez que o contato com outras crianças e com adultos de origens e hábitos culturais diversos proporciona chances de aprender novas brincadeiras e de adquirir conhecimentos sobre diferentes realidades. A maneira como cada um se vê depende também do modo como é visto pelos outros. Os traços particulares de cada criança, o jeito de cada uma e como isso é recebido pelo professor e pelo grupo em que se insere, têm grande impacto na formação de sua personalidade e de sua auto-estima, já que sua identidade está em construção.

199


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

As crianças vão, gradativamente, acionando seus próprios recursos, percebendo-se e percebendo os outros como diferentes, o que representa uma condição essencial para o desenvolvimento de sua autonomia. A construção da identidade e da autonomia é para a criança o grande salto para a independência, sendo a autonomia definida como a capacidade de se conduzir e tomar decisões por si própria, levando em conta regras, valores, a sua perspectiva pessoal, bem como a do outro. Conceber uma educação em direção à autonomia significa considerar as crianças como seres com vontade própria, capazes e competentes para construir conhecimentos e, dentro de suas possibilidades, interferir no meio em que vivem. Exercitando o autogoverno em questões situadas no plano das ações concretas, poderão gradualmente fazê-lo no plano das idéias e dos valores. Processos como fusão e diferenciação, construção de vínculos e expressão da sexualidade são considerados como experiências essenciais ao processo de construção da identidade e da autonomia. O processo de fusão e diferenciação caracteriza-se pelo fato de que as crianças, ao nascerem, não diferenciam o seu próprio corpo e os limites de seus desejos. Podem ficar frustradas quando a mãe ou o adulto que delas cuidam não agem conforme seus desejos. As experiências de frustrações são bons momentos para favorecer a diferenciação entre o eu e o outro e, quando inseridas num clima de afeto e atenção, contribuem muito para o desenvolvimento pessoal da criança. É por meio dos primeiros cuidados que a criança percebe seu próprio corpo como separado do corpo do outro, organiza suas emoções e amplia seus conhecimentos sobre o mundo; daí, a importância do conhecimento do desenvolvimento infantil por profissionais que atendem a crianças dessa faixa etária. Para se desenvolver a criança precisa aprender com os outros por meio dos vínculos que estabelece. Se as aprendizagens acontecem na interação com as outras pessoas, sejam adultos ou crianças, essas aprendizagens também dependem dos recursos de cada criança. Dentre esses recursos destacam-se a imitação, o faz-deconta, a oposição, a linguagem e a apropriação da imagem corporal. Na imitação, a criança desenvolve a capacidade de observar, aprender com os outros e identificar-se com eles, ser aceita e diferenciar-se. É entendida como um mecanismo de reconstrução interna e não meramente uma cópia ou repetição mecânica. As crianças começam observando e imitando as pessoas e coisas existentes a sua volta, principalmente as pessoas de seu círculo afetivo. A observação auxilia a criança na fase de construção do processo de diferenciação dos outros e, conseqüentemente, na sua identidade. Brincar é uma das atividades de fundamental importância no desenvolvimento da identidade e da autonomia. Nas brincadeiras, a criança, interagindo com o outro, desenvolve sua imaginação, sua capacidade de representação, atenção, imitação, memória etc. Na brincadeira do faz-de-conta a criança assume papéis, troca experiências, entende e se faz entender, brinca com o imaginário: às vezes é mãe, pai, médico, bombeiro etc. A fantasia e a imaginação são elementos fundamentais para que ela aprenda mais sobre a relação entre as pessoas, sobre o eu e sobre o outro. A oposição é outro recurso fundamental no processo de construção do sujeito. Opor-se, significa, em certo sentido, diferenciar-se do outro, afirmar o seu ponto de vista, os seus desejos e objetivos. O uso e a ampliação gradativa da linguagem é outro fator muito importante na aquisição da identidade e da autonomia visto que, ao mesmo tempo em que enriquece e amplia as possibilidades de comunicação e expressão em sua forma mais ampla, a linguagem representa também um potente veículo de socialização.

200


PARTE VI

A linguagem corporal é outro veículo importante no desenvolvimento global da criança. Por meio de explorações, do contato físico com outras pessoas, das observações que faz do mundo, a criança constrói sua aprendizagem.

1.6.2.  Conhecimento de mundo O âmbito de experiência Conhecimento de Mundo é constituído pelos eixos de trabalho: Movimento, Artes Visuais, Música, Linguagem Oral e Escrita, Natureza e Sociedade e Pensamento Lógico-Matemático.

1.6.3.  Movimento As crianças se movimentam desde a vida intra-uterina, exploram o ambiente e adquirem, cada vez mais, o domínio de seu próprio mundo. Elas vão gradativamente aumentando as possibilidades de amplitude de seu corpo em interação com o mundo a sua volta. O movimento humano é muito mais que deslocamento do corpo no espaço. Constitui-se em uma linguagem que permite à criança crescer nessa interação - meio físico e social - ao brincar, jogar e dançar; enfim, criando e imitando ritmos, a criança está se apoderando da cultura corporal da sociedade que se encontra inserida. A criança se expressa e se comunica com o mundo, primeiramente, por meio do seu próprio corpo. É por meio da imitação, da mímica, da interação e expressão do seu corpo em movimento que ela interage com o outro. Para a motricidade da criança, a aquisição da capacidade de andar representa uma grande conquista; o andar propicia grande independência, pois ela passa a explorar e a pesquisar o mundo a sua volta com mais liberdade e amplitude. As brincadeiras que se encontram presentes no universo infantil e que variam de uma cultura para outra apresentam-se como oportunidades privilegiadas para desenvolver habilidades no plano motor como pular amarelinha, soltar pipa, jogar bola, atirar com estilingue etc.

1.6.4.  Eixos Norteadores e Blocos de Conteúdos Os conteúdos estão organizados em dois blocos. O primeiro refere-se às possibilidades expressivas do movimento e o segundo ao seu caráter instrumental.

1.6.5.  Expressividade Reconhecimento progressivo de segmentos e elementos do próprio corpo por meio da exploração, das brincadeiras, do uso do espelho e da interação com os outros. Expressão de sensações e ritmos corporais por meio de gestos, posturas e linguagem oral.

201


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

1.6.6.  Equilíbrio e Coordenação A escola deve proporcionar à criança oportunidades para desenvolver, de forma global e harmoniosa, a coordenação de seus movimentos e o seu equilíbrio, privilegiando as brincadeiras desta faixa etária. Exploração de diferentes posturas corporais, como sentar-se em diferentes inclinações, deitar-se em diferentes posições, ficar ereto apoiado na planta dos pés com e sem ajuda etc. Ampliação progressiva da destreza para deslocar-se no espaço por meio da possibilidade constante de arrastar-se, engatinhar, rolar, andar, correr, soltar etc. Aperfeiçoamento dos gestos relacionados com a preensão, o encaixe, o traçado no desenho, o lançamento etc., por meio da experimentação e utilização de suas habilidades manuais em diversas situações cotidianas.

1.6.7.  Artes Visuais As Artes Visuais são linguagens que expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, cor, luz, sendo, portanto, uma das maneiras mais importantes de se expressar e se comunicar, o que, por si só, justifica sua presença no contexto da educação e de modo especial na Educação Infantil. As Artes Visuais são a expressão natural da criança; antes, porém, ela metaboliza suas experiências e desenvolve sua visão de mundo por meio do cotidiano e do contexto sociocultural no qual se encontra inserida. As crianças têm suas próprias impressões, idéias e interpretações de arte e do fazer artístico, que desde cedo sofrem influências da cultura. Mesmo assim, é possível identificar espontaneidade e autonomia na exploração e no fazer artístico das crianças, pois, seus trabalhos revelam o local e a época histórica em que vivem, suas oportunidades de aprendizagem, suas idéias ou representações sobre o trabalho artístico que realizam e a produção de arte à qual têm acesso, assim como seu potencial para refletir sobre ela. As Artes Visuais devem ser concebidas como uma linguagem que tem características próprias no âmbito prático e reflexivo cuja aprendizagem se dá através dos seguintes aspectos: • Fazer artístico; • Apreciação; • Reflexão. Antes de saber representar graficamente o mundo visual, a criança necessita associar, identificar e reconhecer diferentes objetos e funções. Para isso, ela precisa vivenciar, apreciar e aprender ludicamente o que a arte lhe proporciona em termos de desenvolvimento global.

1.6.8.  A Criança e as Artes Visuais Na Educação Infantil, o trabalho com Artes Visuais deve acontecer respeitando o nível de desenvolvimento, a faixa etária e as peculiaridades de cada criança para que ocorra o desenvolvimento de suas capacidades criativas.

202


PARTE VI

Várias modalidades artísticas são trabalhadas na Educação Infantil, mas o desenho se destaca por ter uma importância no fazer artístico e na construção de outras linguagens visuais. A fase dos rabiscos e garatujas já se inicia ao final do primeiro ano de vida da criança; a repetição e exploração desses movimentos vão proporcionando a construção do conhecimento de si próprio, do mundo e das ações gráficas. O desenho da criança evolui e passa das garatujas para formas mais ordenadas, surgindo os primeiros símbolos. Nas atividades com desenhos ou criações artísticas as crianças brincam, surgindo o “faz-de-conta” e verbalizam a respeito de suas criações. Oferecer ao trabalho com Artes Visuais uma conotação decorativa, utilizá-lo como passatempo ou reforço de aprendizagem, são algumas das práticas correntes que devem ser evitadas. As Artes Visuais devem visar a um trabalho que cumpra o seu papel de auxiliar no desenvolvimento pleno das capacidades criadoras da criança.

1.6.9.  Música É a linguagem que se traduz em formas sonoras de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio da organização e do relacionamento expressivo entre o som e o silêncio. A música é uma combinação de sons e está presente em todas as culturas. A sua utilização na Educação Infantil propõe uma íntima vinculação entre sensações, prazer e ritmo. A criança que está em processo de desenvolvimento a traduz como forma de comunicação oral e expressão corporal para interagir com o mundo. Por meio da música são expressos todos os ritmos existentes na vida em geral. Mesmo nos seres inanimados como os do reino mineral há um ritmo nos seus movimentos quando são atingidos externamente. A musicalidade está no movimento do mar, do vento, das pedras, do pulsar do coração. Não há como conceber a existência da criança sem a música em suas diversas maneiras de acontecer.

1.6.10.  A Criança e a Música Entendendo a música como meio de expressão e uma forma de conhecimento acessível às crianças de 0 a 3 anos, ela não pode ser vista como um produto pronto e acabado que serve para ser reproduzido, mas sim como uma linguagem cujo conhecimento se constrói e que abre espaço para atividades de criação, percepção, apreciação e reflexão. Para as crianças de 0 a 3 anos, o ambiente sonoro, em diferentes e variadas situações, inicia um processo de musicalidade de forma intuitiva. É necessário que o adulto cante melodias curtas, cantigas de ninar, que ofereça brincadeiras cantadas, com rimas, parlendas etc., pois as crianças, nesta fase, possuem um verdadeiro fascínio por tais atividades e sons. Os bebês estimulados por estes jogos tentam imitar e responder, desenvolvendo, assim, um vínculo com o adulto e com a música, sendo estes momentos significativos no desenvolvimento afetivo e cognitivo.

203


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Proporcionar a escuta de diferentes sons ambientais ou de brinquedos sonoros é uma fonte de observação e descoberta do bebê. O que caracteriza a produção musical das crianças nesse estágio é a exploração do som e de suas qualidades, que são a altura, duração, intensidade e o timbre. Nessa faixa etária a criança não deve ser treinada para a leitura e escrita musical na instituição de Educação Infantil. O mais importante é que ela possa ouvir, cantar e tocar muito, criando formas de notações musicais com a orientação dos professores.

1.6.11.  Linguagem Oral e Escrita Desde o nascimento, o bebê está imerso num mundo de sons que lhe chegam em forma de vozes humanas e ruídos do ambiente, sendo estimulado e organizado em relação a si mesmo e ao mundo com o qual está interagindo. Por meio das diversas utilizações da fala dos adultos é que as crianças vão construindo o sentido, percebendo a necessidade da fala, desejando ser falantes e necessitando se expressarem por intermédio da fala (até então se expressavam por meio de gestos e choros para demonstrar as suas necessidades). Como a gestualidade tem a ver com o corpo todo, a fala tem a ver mais especificamente com a boca. Com isso, a boca tem um papel fundamental na vida da criança até os 2 anos aproximadamente. Damos conta que a construção da oralidade pela criança passa pela conquista da fala, mas não se reduz a ela; e que a sua evolução oral vai do balbucio à articulação correta das palavras, de frases completas. É fundamental que o adulto estimule a fala e valorize suas diferentes produções orais. Na Educação Infantil, o trabalho com a linguagem constitui-se em um dos seus eixos básicos, devido à importância da apropriação da língua com seus significados culturais para a interação social, a construção de conhecimentos e o desenvolvimento das estruturas de pensamento. A ampliação das capacidades de comunicação e expressão e o acesso ao mundo letrado se dão por meio do desenvolvimento gradativo das quatro competências lingüísticas básicas: falar, escutar, ler e escrever. O aprendizado da linguagem oral ocorre dentro de um contexto, por meio do diálogo, nas situações que tenham significado para a criança. Dar oportunidade à criança de relatar experiências, fatos, contar uma história, transmitir um recado, explicar uma brincadeira propiciará o desenvolvimento de sua linguagem de forma significativa.

1.6.12.  Linguagem A linguagem, seja oral ou escrita, constitui-se num dos elementos que mais possibilita à criança sua inserção e participação nas práticas sociais. Por meio da interação entre adulto e criança, a linguagem vai sendo construída e evoluindo gradativamente dentro de uma estrutura lingüística.

204


PARTE VI

A emissão dos primeiros sinais comunicativos da criança ocorre por meio do choro, sorriso e gestos, sendo que desta forma ela estabelece uma interação com o adulto e o mundo. O recém-nascido desenvolve sua capacidade de comunicação que antecede o desenvolvimento da linguagem. A linguagem infantil vai evoluindo de um sistema de formas muito rudimentares e concretas, para formas mais complexas e abstratas. A criança se expressa por meio de vocábulos que se iniciam com o balbucios que passam por emissão de certos sons como: “aaa...”, “eee...”, que são fases distintas até chegar à articulação correta das palavras no processo do desenvolvimento da linguagem oral. A aprendizagem da fala pelas crianças não se dá de forma desvinculada das suas sensações e desejos, pois a competência lingüística abrange as capacidades de entender como de ser entendida, antes de expressarse oralmente.

1.6.13.  A criança e a linguagem A necessidade de se comunicar do bebê inicia-se muito cedo. Ele se esforça para expressar seus desejos, suas necessidades, por meio do choro, que é diferente de quando é por fome, por dor, por desconforto, ou por sono. Para cada necessidade ele exprime um som diferente; por intermédio também de gestos, sinais, linguagem corporal etc., os bebês vão estabelecendo suas vocalizações e tentativas de comunicação. Aos poucos eles vão se apropriando da fala do adulto que, ao se comunicar com os bebês, utiliza desde uma linguagem breve, simples e repetitiva até frases mais complexas. É nessa interação que o bebê constrói sua linguagem. A partir do primeiro ano de vida a criança já tenta entender os significados dos sons que ouve e procura utilizá-los para se fazer entender. A partir daí vão testando suas hipóteses e associando outros dados para a elaboração da sua linguagem. Nas brincadeiras de faz-de-conta, de falar no telefone, nas músicas, parlendas, rimas, jogos verbais, nas situações cotidianas, no diálogo com outras crianças e com os adultos, as crianças vão experimentando suas descobertas e enriquecendo-as para estabelecer sua comunicação, para serem ouvidas, compreendidas e obterem respostas. Sua participação em atos de linguagem propiciará a construção da linguagem oral, num processo de aproximações sucessivas com a fala do outro. A ampliação dessas capacidades dar-se-á gradativamente por meio de sua participação nas conversas cotidianas, em brincadeiras, escuta e canto de música, escrita de leitura de textos e histórias. A partir de 2 ou 3 anos de idade a criança pode começar sua reflexão sobre o mundo da escrita. Surgem as perguntas: O que está escrito aqui? Lê uma história prá mim? É a percepção de que a escrita está representando alguma coisa. Deve-se então propiciar à criança um contato rico com materiais escritos, livros, revistas, jornais, propagandas, gibis e rótulos. Elas vão, a partir daí, elaborando hipóteses sobre os processos de leitura e escrita que variam dentro da mesma faixa etária, dependendo do grau de experiência que cada uma tem com a linguagem escrita. Quando o educador prepara um convite para reunião de pais, escreve uma carta, lê uma notícia de interesse das crianças, lê um bilhete deixado por outro professor está integrando atividades de exploração dos recursos da leitura e escrita e proporcionando às crianças um ambiente alfabetizador, que é ainda mais importante para as crianças provenientes de comunidades onde tiveram pouca oportunidade de presenciar atos de leitura e escrita.

205


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

1.6.14.  Natureza e Sociedade As crianças, desde muito pequenas, aprendem sobre o mundo por meio de sua interação com o meio natural e social em que vivem. O trabalho a ser realizado dentro do eixo denominado Natureza e Sociedade deve reunir de forma integrada temas relacionados aos mundos social e natural vivenciados pelas crianças; porém, faz-se necessário respeitar as especificidades das fontes, abordagens e enfoques advindos dos diferentes campos das Ciências Humanas e Naturais. Isso, devido ao fato de que muitas vezes os temas abordados não ganham profundidade e tampouco a importância necessária, o que prejudica a construção de conhecimentos sobre a diversidade de realidades sociais, culturais, geográficas e históricas, além de difundir estereótipos culturais. É necessário que as crianças tenham contato com diferentes elementos, fenômenos e acontecimentos do mundo, que sejam incentivadas por questões significativas para observá-los e explicá-los e que tenham acesso a modos diferentes de compreendê-los e representá-los. O trabalho a ser realizado com os conhecimentos derivados das Ciências Naturais e Humanas deve ser voltado para a ampliação das experiências das crianças e para a construção de conhecimentos diversificados sobre o meio social e natural no qual estão inseridas. Alguns conhecimentos sociais e culturais são difundidos por povos de diversos lugares e de épocas variadas, presente e passado, apresentando diferentes respostas para as perguntas sobre o mundo social e natural. Os mitos e as lendas, por exemplo, são uma das muitas formas de explicar os fenômenos da sociedade e da natureza, que permitem identificar semelhanças e diferenças entre conhecimentos construídos por diversos povos e culturas; outro bom exemplo é a música popular, que através do tempo, conta a história de um povo. O conhecimento científico socialmente construído e acumulado historicamente se difere das outras formas de explicação e representação do mundo, visto que apresenta um modo particular de produção de conhecimento de muita importância para o mundo atual, pois as descobertas científicas marcam a relação entre o homem e o mundo. A experimentação e a interação da criança ao meio físico e social irão lhe permitir formular novas hipóteses, criar e recriar conceitos significativos. Enfim, o trabalho a ser realizado dentro desse eixo deve proporcionar às crianças experiências que possibilitem uma aproximação do conhecimento das diversas formas de representação e explicação do mundo social e natural para que assim possam estabelecer as diferenças existentes entre mitos, lendas, explicações provenientes do “senso comum” e conhecimentos científicos.

1.6.15.  A Criança, a Natureza e a Sociedade Desde pequenas, as crianças já começam a explorar o seu espaço, reconhecer vozes de pessoas, vislumbrar possibilidades de descobertas e perceber os fenômenos naturais com curiosidade e dinamismo. Neste início de vida, a criança tem uma necessidade natural de conhecer, descobrir e construir hipóteses novas, arriscando respostas e explicações para os fenômenos apresentados no seu cotidiano.

206

O contato com o mundo permite à criança construir conhecimentos práticos à sua volta, relacionados à sua capacidade de perceber a existência de objetos, seres, formas, cores, som, odores, de movimentar-se nos espaços e manipular objetos, descobrir o seu próprio corpo, experimentando expressar e comunicar seus desejos e emoções sobre o seu mundo.


PARTE VI

Observando-se com bastante atenção os bebês, veremos que suas ações, como olhar de onde está vindo o som ou algo que se movimenta quando tenta pegar, empurrar, virar a cabeça e outras atitudes desse tipo, têm por objetivo explorar a realidade que os cerca para melhor conhecê-la. Pode-se afirmar que as crianças são pesquisadoras em potencial, pois estão atentas a tudo que está à sua volta e, por meio do contato com seu próprio corpo, com as coisas do seu ambiente, com outras crianças e adultos, vão desenvolvendo sua capacidade afetiva, sua auto-estima, sua sensibilidade, o raciocínio, a linguagem e o pensamento. Os educadores que têm a responsabilidade de cuidar/educar crianças nessa faixa etária desempenham um papel fundamental no processo de desenvolvimento infantil, servindo de intérpretes entre a criança e o mundo ao seu redor. Para que as crianças compreendam o meio em que vivem e as normas da cultura na qual estão inseridas, os adultos devem nomear objetos, organizar situações, expressando sentimentos etc. Nesse processo de desenvolvimento é fundamental que a criança seja aceita e se sinta querida e respeitada pelo adulto, atentando-se para a construção da sua auto-estima. O respeito vai além do aspecto emocional; passa também pelo cognitivo, pois é preciso respeitar a espontaneidade da criança e sua lógica de interpretação própria, as hipóteses que elabora e a forma como resolve conflitos de seu cotidiano. O educador deve ter claro que esses domínios e conhecimentos não se consolidam nessa etapa, mas que são construídos à medida que as crianças desenvolvem atitudes de curiosidade, de refutação e de reformulação de explicações para a diversidade de fenômenos e acontecimentos do mundo social e natural.

1.6.16.  Pensamento Lógico-Matemático O pensamento lógico-matemático está presente na vida da criança desde seu nascimento. As crianças participam de uma série de situações envolvendo números, relações entre quantidade, noções sobre espaço etc. As atividades desenvolvidas na Educação Infantil devem abordar o pensamento lógico-matemático, não se limitando apenas em preparar o aluno para o aprendizado de Matemática no ensino fundamental. A vivência e a manipulação de material concreto, bem como a estruturação do pensamento lógico, devem superar a preparação e o simples treino para os conhecimentos futuros. A integração desse processo possibilitará às crianças modificarem seus conhecimentos prévios, matizálos, ampliá-los ou diferenciá-los. Nessa atividade, as crianças podem estabelecer relações entre novos conteúdos e os conhecimentos prévios, usando para isso os recursos de que dispõem. Essas interações promovem avanços naquilo que a criança é capaz de realizar com a ajuda dos outros, no seu desenvolvimento potencial. A instituição de Educação Infantil pode ajudar as crianças a organizarem melhor as suas informações e estratégias, bem como proporcionar-lhes condições para aquisição de novos conhecimentos matemáticos. O pensamento lógico-matemático é um dos atributos do desenvolvimento cognitivo de cada pessoa. Pode ser construído por meio de objetos externos instigantes, com os quais as crianças possam interagir, construir, manipular e pensar. As construções internas não são espontâneas, mas provocadas; não são inatas e sim

207


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

desenvolvidas por princípios, os quais, por sua vez, são resultantes de classificações, seriações e ordenações do sujeito. Portanto, o trabalho com a Matemática pode contribuir para a formação de cidadãos autônomos capazes de pensar por conta própria, sabendo resolver quaisquer problemas, sejam eles de ordem numérica ou não.

1.6.17.  A Criança e a Matemática Por meio da interação das relações que a criança estabelece com o meio são construídas as noções matemáticas. Nesta faixa etária - de zero a 3 anos - a criança passa por um intenso processo de mudança e estabelece diversos tipos de relações com o conhecimento lógico-matemático, como: comparações, representações mentais, expressão de quantidade, deslocamento no espaço etc. Quando as crianças respondem a pergunta “quantos?” ou “quando?” mesmo que a resposta seja aleatória, elas estão fazendo uso do conhecimento lógico-matemático, revelando algum discernimento sobre o sentido de quantidade e tempo. Conforme desenvolvem-se, vão conquistando maior autonomia e estabelecendo relações mais elaboradas com as noções matemáticas. Os conceitos matemáticos não são a finalidade do trabalho com este grupo de crianças. A ação do educador deve ter um caráter múltiplo, levando as crianças a se interessarem e estabelecerem relações sobre várias áreas. São muitas as formas de se trabalhar esses conceitos, que devem estar sempre inseridos e integrados no cotidiano das crianças.

1.6.18.  Trabalho pedagógico A atenção pedagógica dispensada às crianças de zero a três anos, hoje atendidas em creches e distribuídas em berçário e maternal, é de certa forma a mesma dispensada à criança em idade pré-escolar. A grande diferença é o grau de complexidade e a maneira de se conduzir o trato didático, que deve ser buscado e ampliado à medida que a criança cresce e se desenvolve. É importante que, por meio da interação harmoniosa com o adulto, com seus pares e com o ambiente, priorize-se a construção da autonomia, o desenvolvimento do pensamento lógico-matemático, o desenvolvimento das diferentes linguagens, a interação com o meio social e cultural etc. Toda proposta de trabalho destinada tanto para o berçário quanto para o maternal deve levar em consideração a fragilidade e a particularidade de seres ao mesmo tempo tão pequenos e tão ávidos de conhecimentos e descobertas. Daí a importância do estabelecimento de vínculos afetivos adulto/criança e criança/criança, do brincar livremente e com segurança, para a estruturação de uma personalidade sadia e feliz. Os objetivos traçados para o berçário e maternal partem do princípio de que a criança é um sujeito ativo na construção do seu conhecimento, na estruturação de sua inteligência, que aprende por meio de suas experiências, ações e reflexões, na interação com o adulto, com outras crianças e o ambiente, devendo ser respeitado como cidadão que tem o direito de viver o seu próprio tempo.

1.6.19.  Adaptação Os momentos iniciais na creche exigem sempre um esforço de adaptação da criança, da família e daqueles que assumem seus cuidados.

208


PARTE VI

A época de adaptação é muito especial. Todos desejam que ela caminhe da melhor forma. Mas, para cada criança e cada família, esse processo ocorre de uma maneira ligeiramente diferente e, em parte, imprevisível. Esse período de adaptação pode ser cuidadosamente planejado para promover a confiança e o conhecimento mútuos, favorecendo o estabelecimento de vínculos afetivos entre as crianças, as famílias e os educadores. Dá-se, assim, oportunidade para a criança ter experiências sociais diferentes da experiência familiar, fazendo contatos com outras crianças em um ambiente estimulante, seguro e acolhedor. Vale lembrar que o fato de ter uma pessoa familiar junto à criança, na creche, nesse período inicial, possibilita à família conhecer melhor o local e o educador com quem a criança vai ficar. Geralmente, isso faz com que todos adquiram maior segurança. Essa fase inicial, em que criança, família e educador estão se conhecendo, pode durar dias, meses, ou melhor, eles sempre estarão se conhecendo. Por isso se diz que a adaptação, de certa forma, nunca termina. Digamos que há uma fase em que o desafio é maior. É importante, nessa fase, que todos, pais e educadores, compreendam e respeitem o momento da criança de conhecer o novo ambiente e de estabelecer novas relações. Se esse período de adaptação for bem conduzido, possibilitará que pais e educadores, por meio de sua convivência, estabeleçam uma relação produtiva, de confiança e respeito mútuo.

1.6.20.  Estimulação Os bebês aprendem a conhecer o mundo e se desenvolvem na interação que estabelecem com o meio. Por isso, a relação entre a criança e o adulto de que dela cuida deve ser rica em estímulos para que esse desenvolvimento ocorra de forma eficiente. A lida cotidiana com esses bebês deve ocorrer em um ambiente acolhedor e estimulante. É importante que os procedimentos iniciados junto à criança (rolamentos, trabalhos com as articulações, toques das extremidades etc.) sejam finalizados, mesmo sem a sua colaboração. O melhor executar as atividades por poucos minutos e várias vezes ao dia para que sejam respeitados seus momentos de concentração, que nesta faixa etária são muito curtos. Não esquecer que é normal que o bebê leve à boca todo objeto que consegue segurar. É seu jeito de conhecer as coisas; cabe ao educador tomar cuidados com objetos muito pequenos, sujos e cortantes.

1.6.21.  Planejamento anual A importância de um planejamento anual flexível, que contemple o desenvolvimento dessa clientela, justifica-se pela importância da ação educativa que se deseja desenvolver. Além de flexível, deve ser adequado à realidade local, às possibilidades da instituição, ao momento histórico e à dinâmica das relações ali estabelecidas. Para que contemple todas essas dimensões e se adapte aos eixos norteadores propostos no referencial curricular, é preciso que se deixe de lado a listagem de conteúdos fragmentados e sem significado. É preciso que se contemple a pluralidade de espaços e tempos socioculturais do qual participam os alunos e professores.

209


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

É possível determinar e quantificar atividades para crianças pequenas, de maneira que estas crianças possam crescer em ambiente estimulador, seguro, educativo e muito feliz, onde o lúdico e o prazeroso sejam determinantes no fazer pedagógico. Planejar pressupõe conhecimentos anteriores, principalmente planejar atividades para crianças tão pequenas e que passam até duas mil horas dentro da creche. É preciso que se planeje pensando “para” e “com” essas crianças, suas competências e suas diferentes necessidades conforme a faixa etária. Apesar de o planejamento anual ser feito para cada faixa etária, cada professor o fará para a sua turma, com características próprias. Ressalte-se que atividades e rotinas, onde os diferentes grupos se encontrem em atividades interessantes e variadas, no decorrer do ano, propiciarão melhor crescimento cognitivo e emocional das crianças, pela interação entre as diferentes idades. Esse trabalho precisa estar sempre sendo avaliado, pois a cada ano vêm outras crianças com novos hábitos e costumes, exigindo que práticas e posturas sejam revistas.

1.6.22.  Rotina na Creche Por meio da organização das atividades no tempo estabelece-se o que se chama de rotina, a qual possibilita ao educador uma direção para o trabalho que se propõe a fazer e às crianças segurança e compreensão de que estamos em um mundo organizado e que as coisas ocorrem em uma determinada ordem de sucessão: antes, durante e depois. Essa seqüência de acontecimentos é de grande ajuda para a organização de todo o trabalho na creche, incluindo questões como a limpeza dos ambientes, preparo dos alimentos, organização do espaço para repousar, brincar, trabalhar com tinta etc. A rotina, no entanto, não deve ter uma estrutura rígida; ela deve ser flexível, abrindo espaço para modificações de acordo com o planejamento pedagógico. Por exemplo, se acontece uma festa, os horários de alimentação podem ser alterados; se acontece uma visita na escola, pode-se alterar alguma etapa na rotina. A construção da rotina deve ser feita pela escola levando-se em conta os seguintes aspectos: • O cotidiano na creche está impregnado de vínculos e afetos nas atividades como comer, dormir, trocar fraldas, dar banhos etc.; • O educador deve diversificar ao máximo o lugar das atividades, oportunizando passeios, excursões, entrevistas que proporcionem maior interação e diferentes leituras do mundo; • As propostas devem ser desafiadoras, significativas e prazerosas, possibilitando novas descobertas; • A diferenciação das realidades e a disponibilidade de materiais e espaços.

1.6.23.  Pedagogia de Projetos “Projetos de trabalho” é a denominação de uma prática educacional que está sendo associada a algumas propostas de reformas na escola brasileira. Tais reformas pretendem favorecer mudanças nas concepções e no modo de atuar dos professores. Os projetos aparecem como veículo para melhorar o ensino e como distintivo de uma escola que opta pela atualização de seus conteúdos e pela adequação às necessidades dos alunos e dos diversos setores da sociedade.

210


PARTE VI

A finalidade é “recriar” o papel da escola, levando-se em conta as mudanças sociais e culturais que acontecem em cada época. Nos últimos vinte anos, o que mais tem se evidenciado são as transformações no universo da socialização, sobretudo fora da escola, dos alunos que seguem a educação obrigatória e que afetam não só o que “têm que saber” para compreender o mundo, mas também o que têm de saber para compreender a si mesmos. O interesse por temas que ultrapassam âmbitos disciplinares (a exploração espacial, os dinossauros, ecologia, os efeitos do El Niño etc.), sua relação natural com as novas tecnologias (desde os jogos de vídeo à Internet) e outras transformações, mostram a ampliação da bagagem informativa e o substancial aumento do repertório cultural por parte das crianças. A investigação na ação é uma estratégia que permite melhorar o conhecimento das situações-problema e introduzir decisões para as mudanças da prática. Trata-se de um olhar que, acima das modas e releituras, está presente na maneira de encarar algumas das situações produzidas na escola. De acordo com Kincheloe (1993), “o melhor caminho para ensinar alguém a pensar é mediante a investigação, observando o contexto social de que procedem aos estudantes e as vias que podem tomar na busca de significados” para interpretar e compreender a realidade. Transformar em conhecimentos públicos essa indagação, quer dizer, compartilhá-la com outros membros do conjunto da escola e da comunidade – mediante murais, painéis, conferências, debates, intercâmbios e/ou publicações – pode configurar um primeiro eixo inspirador dos projetos. O trabalho com projetos vislumbra um aprender diferente; ele propicia a noção de educação para a compreensão (Elliot, 1985). Essa educação organiza-se a partir de dois eixos que se relacionam: aquilo que os alunos aprendem e a vinculação que esse processo de aprendizagem e a experiência da escola têm com suas vidas. A proposta que inspira o trabalho com projetos favorece a criação de estratégias de organização dos conhecimentos escolares, a qual objetiva a compreensão das estruturas internas de um conteúdo que intencionalmente se quer ensinar às crianças. O trabalho com projetos é amplo e norteia todo o âmbito da Educação Infantil. É por meio dele que se pode ensinar melhor, pois a criança aprende de forma significativa e contextualizada. O conhecimento é visto sob uma perspectiva construtivista, onde procura-se estudar e pesquisar com as crianças, de forma lúdica e prazerosa, respeitando as características internas das áreas de conhecimento envolvidas no trabalho. “A atuação do professor, além de levar em conta os conhecimentos prévios do aluno, deve propor desafios que questionem tais conhecimentos, onde a criança possa confrontar suas hipóteses espontâneas com hipóteses e conceitos científicos, de maneira a apropriar-se gradativamente destes.” (Adriana Klisys) Ao planejar a realização de um projeto o professor deve ter claro qual o objetivo a ser alcançado, ou seja, o que quer realmente que as crianças aprendam. Para tanto, será necessário um planejamento prévio, que embase a sua prática educativa, bem como pesquisas sobre o assunto. É necessário que o professor esteja atento, pois, um projeto, além de ter o propósito de ensinar, precisa ter um sentido imediato para a criança e seu objetivo compartilhado com os alunos. Um projeto pode ter média ou longa duração, conforme o seu objetivo, o desenrolar das várias etapas, o desejo e o interesse das crianças pelo assunto estudado etc. Suas diferentes etapas devem ser planejadas e

211


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

negociadas com os alunos, de modo que os mesmos tenham clareza de qual será o percurso para chegar-se ao produto final e sintam-se motivados a participar intensamente do trabalho. É fundamental que o professor faça, inicialmente, o levantamento dos conhecimentos prévios das crianças sobre o assunto a ser estudado e, posteriormente, a socialização dos mesmos, prosseguindo com o levantamento dos anseios e questionamentos dos alunos, suas dúvidas etc. “O registro dos conhecimentos que vão sendo construídos pelas crianças deve permear todo o trabalho, podendo incluir relatos escritos, fitas gravadas, fotos, produção das crianças, desenhos etc. “(RECNEI, Vol. I, pág. 58) O que se pretende com o trabalho pedagógico, na perspectiva dos projetos de trabalho, é construir mentes mais ágeis, que executem com facilidade articulações entre todas as áreas do conhecimento tendo assim, uma compreensão significativa de seu universo.

1.6.24.  Brincadeira é coisa séria A função do brincar na infância é tão importante e indispensável quanto comer, dormir, falar etc. É por meio dessa atividade que a criança alimenta seu sistema emocional, psíquico e cognitivo. Ela elabora e reelabora toda sua existência por meio da linguagem do brincar, do lúdico e das interações com seus pares. A brincadeira permeia a própria existência humana, porém, durante os seis primeiros anos, a criança utiliza-se dessa linguagem para se expressar e para compreender o mundo e as pessoas. Ela desenvolve, gradativamente, competências para compreender e/ou atuar sobre o mundo. O brincar é para a criança uma possibilidade de se ter um espaço onde a ação ali praticada é de seu domínio, isto é, ela é seu próprio guia, ela age em função de sua própria iniciativa. Esse é sem dúvida um elemento importante: a criança toma a decisão para si - vai ou não brincar; isto lhe dá a chance de experimentar sua autonomia perante o mundo. Forma de comunicação integrada, a brincadeira marcada pelo faz-de-conta e pela magia é uma atividade que contribui para uma passagem harmoniosa da criança pelo mundo das atividades reais da vida cotidiana, com outros significados. Ao brincar a criança entra definitivamente no mundo das aprendizagens concretas. Ela elabora hipóteses e as coloca em prática, constrói objetos, monta e desmonta “geringonças”, enfim, ela manipula todas as possibilidades dos objetos de seu universo de acesso. No faz-de-conta ela realmente tem a chance de construir sua própria realidade, ela utiliza-se de elementos concretos, da sua realidade cotidiana e lhes atribui outro sentido. Na esfera do faz de conta, uma pedra vira um chocolate, a boneca vira um nenê de verdade, com o qual se conversa. A criança sabe que não é um nenê de verdade, mas faz-de-conta.

212

Segundo Gardner (1993) tratar um objeto como se fosse um outro (jogo simbólico) é uma forma de “metarrepresentação”, já que a criança conhece o objeto, mas atribui-lhe outras propriedades para obter os efeitos desejados; pode pensar mais além do mundo da experiência direta, sendo capaz de imaginar, ao mesmo tempo em que põem em prova seus conhecimentos.


PARTE VI

“O brinquedo é realmente o caminho pelo qual as crianças compreendem o mundo em que vivem e que serão chamadas a mudar.” (Gorki) É aí que se estabelece a forma de comunicação que pressupõe um aprendizado, que permite entender diferentes tipos de comunicação - reais, realistas ou fantasiosas - em um mundo de invenção e de imaginação. Ao mesmo tempo em que o brincar permite que a criança construa e domine cada vez melhor sua comunicação, faz com que ela entre em um mundo de comunicações complexas, que mais tarde serão utilizadas na educação formal. Brincando a criança toma decisões, desenvolve sua capacidade de liderança e trabalha de forma lúdica seus conflitos. Ela decide se está na hora do nenê/boneca dormir, acordar, comer etc. No jogo da brincadeira a criança toma suas próprias decisões, Na Educação Infantil a criança se percebe como sujeito de direitos e de deveres; ele está num grupo, tem que conviver e negociar com ele o tempo todo e as brincadeiras e as interações, dirigidas ou não, se misturam num eterno novo fazer todos os dias. É importante que o adulto saiba e compreenda que a criança tem necessidade de brincar, de jogar por jogar, pelo simples prazer, não por obrigação, com hora marcada ou para conseguir objetivos alheios. É essa liberdade, essa ausência de exigências externas que faz com que se aflore e estimule a iniciativa, a criatividade e a invenção. A brincadeira e/ou o jogo proporciona benefícios indiscutíveis no desenvolvimento e no crescimento da criança. Por seu intermédio, ela explora o meio, as pessoas e os objetos que a rodeiam, aprende a coordenar variáveis para conseguir um objetivo, aprende e aproxima os objetivos com intenções diversas e com fantasia. Segundo Vygotsky, o jogo cria uma zona de desenvolvimento própria na criança, de maneira que, durante o período em que joga ela está sempre além da sua idade real. O jogo constitui-se, assim, uma fonte muito importante de desenvolvimento. O brincar proporciona esse desenvolvimento, por se tratar de uma atividade que possibilita espaço para ensaiar, provar, explorar, experimentar e, ao final, interagir com as pessoas e com os objetos que estão ao seu redor. Os jogos vão se estruturando conforme o estágio evolutivo da criança. No começo, predominam os jogos sensório-motores, de caráter manipulativo e exploratório; com o passar do tempo, mudam-se os jogos, seus objetivos e seus fins (jogo de construção, de simulação e de ficção). Mais adiante ainda, a criança será capaz de participar de jogos que envolvem regras, onde poderão coordenar suas próprias ações com a dos companheiros de jogo (jogos esportivos, de cooperação, de competição etc.). Os jogos sociais favorecem e incrementam novos repertórios, novas aprendizagens. Assim a criança passa pela infância, chega à vida adulta, dando e imprimindo sua própria marca e significado à vida.

1.6.25.  Ética, valores e atitudes A criança, ser social, está em constante relação com o mundo e nele ela nasce, cresce, descobre, aprende, ensina, recria, convive e multiplica.

213


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Nestes primeiros anos de vida os sentimentos e a personalidade assentam suas bases e se solidificam. A escola tem então o importante papel de inserir a criança em um contexto de mundo que é diversificado em valores, culturas, religiões e idéias; o desafio é oferecer condições para que a criança aprenda a conviver com sua própria cultura, valorizando e respeitando as demais, bem como desenvolvendo sua consciência crítica acerca da formação da cidadania, da dignidade, moralidade, formação de hábitos, de valores e atitudes. De forma transversal e interdisciplinar, partindo sempre da realidade concreta da criança, questões como valores, atitudes, ética, religião devem ser abordadas com naturalidade. Por meio do diálogo, do jogo, da brincadeira, do canto vão se estabelecendo as relações de amizade, respeito ao próximo, limites, solidariedade, democracia, cidadania, participação etc. É nesta fase da Educação Infantil, das primeiras relações escolares, que ocorrem a socialização, o encantamento, a admiração e o desabrochar da espiritualidade. Por meio da reflexão, da investigação e da experimentação a criança descobre o caminho para conviver na liberdade, com autonomia e responsabilidade. Na Educação Infantil, para que se desenvolvam esses princípios, existem vários momentos que podem ser explorados e trabalhados tais como: • higiene pessoal : conhecimento e valorização de seu corpo, auto-estima; • brincadeiras e jogos coletivos ou individuais (respeito ao outro, conhecimento de limites e regras, socialização, diversidade cultural etc.; • hora do lanche: fraternidade, agradecimento pelos alimentos, pela vida, repartir, ser solidário etc.; • observação dos fenômenos naturais: a beleza de um dia de sol, o aconchego, a vida que traz a chuva etc.; • passeios para observar a natureza e a paisagens, beleza da criança, proteção e preservação da natureza e da vida etc. • eventos festivos e comemorações: integração das famílias, valorização da comunidade e sua cultura etc. Deseja-se salientar que até mesmo com pouca idade, as crianças podem aprender questões morais, tais como respeito pela propriedade, orientações para não machucar os outros e para ajudar vítimas de agressão. O objetivo é que as crianças se tornem envolvidas com questões morais de suas classes. Deseja-se que elas reconheçam a injustiça quando a vêem, que prefiram o justo ao injusto e se sintam compelidos a falar contra a injustiça. O êxito neste trabalho será medido por aquilo que trará de contribuição às pessoas em suas convicções e posturas frente à vida; no entender-se como ser humano, não aceitar os outros como semelhantes e parceiros de vida, na construção da justiça, da solidariedade e de cidadania.

1.6.26.  Avaliação A Lei de Diretrizes e Bases da Educação, sancionada em dezembro de 1996, estabelece, na Seção II, referente à Educação Infantil, artigo 31, que: “... a avaliação far-se-á mediante o acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao ensino fundamental”.

214


PARTE VI

Podem-se utilizar métodos diferentes, pelos quais se registram observações feitas. Porém, a escrita é, certamente, o mais comum e o mais acessível. O registro, as observações e as impressões diárias em muito contribuirão para o planejamento educativo. Avaliar a criança pequena requer, do educador que a conduzirá pela vida escolar, conhecimento prévio sobre seu desenvolvimento e características singulares. É preciso saber como ela assimila os novos conhecimentos, como responde aos estímulos e como acontece o processo maturacional e social dessa criança. Ao observar a aquisição e a construção do conhecimento nas diversas áreas, analisando a dinâmica biopsicossocial da infância, percebe-se que a criança possui uma articulação mental, cognitiva e afetiva única. É essa articulação, juntamente com as interações sociais – realizadas principalmente na creche – transformadas em conhecimentos, que serão alvo de observação e análise. Por meio de observações e registros diários é que o educador elaborará avaliações significativas e contextualizadas, que poderão contribuir qualitativamente para o processo de aprendizagem de alunos e professores. Nesse contexto de avaliação formativa deve-se atentar para o fato de que essa criança está em processo de intenso aprender e interagir. Portanto, não se devem fazer registros que venham denegrir ou rotular essa criança, sob pena de prejudicar sua vida escolar futura. “Quando o educador relata por escrito, tem a oportunidade de distanciar-se de si mesmo para fazer uma análise mais profunda de todas as variáveis que permeiam uma situação” (J.Hoffman). Assim, esse educador pode fazer uma análise crítica do seu trabalho didáticopedagógico e, conseqüentemente, uma auto-avaliação coletiva na creche, a fim de redimensionar e redirecionar práticas pedagógicas. Na construção de conhecimentos significativos, cada criança tem seu tempo e faz sua própria leitura dos objetos. Portanto, há que se atentar para o fato de que objetivos e avanços no processo de aprendizagem acontecem e se manifestam em diferentes tempos e formas distintas para cada criança. Aquisição de conhecimentos não acontece de forma linear; a análise deve ser individual e gradativa. Os pais, como partícipes desse processo, têm o direito e o dever de acompanhar todo o desenvolvimento da aprendizagem de seus filhos, como os avanços, as conquistas ou eventuais dificuldades, a fim de compreender todo o processo educativo, seus objetivos e as ações desenvolvidas pela creche.

2.  O que é um Projeto? Um projeto é, em verdade, uma pesquisa ou investigação, mas desenvolvida em profundidade sobre um tema ou tópico que se acredita interessante conhecer. Essa pesquisa ou investigação deve ser desenvolvida por um grupo pequeno de alunos, a classe inteira e em algumas circunstâncias excepcionais pode ser e desenvolvida por apenas por um aluno como também por mais de uma classe ou um grupo de alunos de diferentes classes. A essência e chave do sucesso de um projeto é que representa um esforço investigativo, deliberadamente voltado a encontrar respostas convincentes para questões sobre o tema levantado pelos alunos, professores, ou professores e alunos juntos e, eventualmente, funcionários da escola, pais e pessoas da comunidade escolhidas por amostragem. Os objetivos de um projeto não se esgotam apenas em busca de respostas corretas e abrangentes, mas principalmente em aprender de maneira significativa o tópico estudado. Em algumas outras escolas do mundo, os projetos substituem as disciplinas convencionais de um curso, uma vez que, está presente de forma interdisciplinar no tópico escolhido. Por exemplo: Um projeto que apresente como eixo temático “A Terra”, ou mesmo “AS

215


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Plantas”, “As Estações do Ano” ou outros mais gerais envolve naturalmente a Geografia, a História, seguramente as Ciências (na análise dos elementos constituintes do planeta como o solo, o ar, a água e a biosfera), mas também a Língua Pátria, sua síntese em uma língua estrangeira, a Matemática (no estudo da esfera e nos cálculos e outras operações que envolvem as formas geométricas presentes no planeta) e em diversas outras áreas de estudo. A forma mais convencional, entretanto, de se estudar Projeto é considerá-los como um complemento aos elementos sistemáticos de uma ou de algumas disciplinas. Não deve ser apresentado aos alunos como evento excepcional desenvolvido nesta ou naquela ocasião, mas como um componente que integra uma linha de estudo que está claramente definida no Planejamento Pedagógico das Escolas usados para explorar conceitos e conteúdos. Os projetos se prestam também a programas de serviços comunitários, campanhas de solidariedade, defesas de metas ecológicas, viagens da escola, experiências de laboratório e uma infinidade de outras atividades extracurriculares.

ANTUNES, Celso, um método para o Ensino Fundamental: O Projeto. Petrópolis: Vozes, 2002

3.  Papel do professor na construção do conhecimento O educador, na nova postura, compreende que não é ele que “deposita” o conhecimento na cabeça do educando. Por outro lado, sabe também que não é deixando o educando sozinho que o conhecimento “brotará de forma espontânea. Quem constrói é o sujeito, mas a partir da relação social, mediada pela realidade. Podemos sintetizar, então, o papel do professor na construção do conhecimento em três vetores: provocar, dispor, interagir. • Provocar: Colocar o pensamento do educando em movimento, na direção do objeto de estudo; pôr os “neurônios” para funcionar; desequilibrar: desafios, perturbações, dilemas, disrupções criativas; favorecer o pensar dos alunos sobre a questão. Propor ações de conhecimento; provocar situações em que os interesses possam emergir e o aluno possa atuar. Fator “entrópico” (agitação do sistema). • Dispor objetos/elementos/situações: dar condições para que o educando tenha acesso a elementos novos, para possibilitar a elaboração de respostas aos problemas suscitados, superar a contradição entre sua representação mental e a realidade. Dar indicações, oferecer subsídios, dispor de elementos para “combustível” (“arte do professor: elementos adequados, no momento adequado, do jeito adequado). Propiciar a oportunidade de ação. Propor ações que favoreçam a elaboração significativa do conhecimento (vínculo com necessidade do aluno). • Interagir com a representação do sujeito: Solicitar expressão, acompanhar percurso de construção. Se a capacidade analítica do educando não for muito longe, o professor pode entrar, estabelecendo novas contradições entre a representação sincrética e os elementos do objeto não captados pelo sujeito. Desta forma, o aluno terá condições de “triturar”, trabalhar, processar as informações e aproveitá-las. Ajudar a chegar à elaboração da síntese. No cotidiano da sala de aula, esta postura metodológica poderá ser articulada com estratégias que tenham coerência com princípio metodológico, como por exemplo: problematização, pesquisa, oficinas, trabalho de grupo, exposição dialogada, seminário, projeto, experimentação, debate, jogos educativos, dramatizações, produções coletiva, estudo do meio, etc.

216


PARTE VI

4.  Trabalho por Projeto A perspectiva de trabalho por projeto nos parece ser atualmente uma das mais indicadas para a renovação metodológica, tendo em vista a possibilidade concreta de superar uma série de problemas da prática tradicional, como a passividade do aluno, o distanciamento entre o objeto de conhecimento e os interesses dos educandos, a desarticulação do ensino com a realidade, o não desenvolvimento da iniciativa e da autonomia dos alunos, etc. A estrutura básica do trabalho por projeto pode ser assim compreendida: definição do(s) tema(s)-problema, constituição dos grupos de trabalhos, planejamento do trabalho, trabalho de campo, pesquisa e teorização, produção de registros, apresentação, globalização e avaliação. No processo de aprendizagem por pesquisa ou descoberta, o sujeito tem oportunidade de ir construindo as relações desde as mais elementares, pois, se não constrói a relação mais elementar, não consegue ir adiante e chegar ao conhecimento mais elaborado, à descoberta. Este caminho obriga a que necessariamente construa a relação anterior para avançar. No caso de exposição do professor, isto pode não acontecer, especialmente, se o professor não propiciar espaço-físico e psicológico- para o educando se debruçar sobre o objeto e solicitar, freqüente e insistentemente, o retorno, a exposição dos alunos. Dependendo da realidade de trabalho, haverá maior ou menor grau de liberdade na escolha dos objetos de pesquisa pelos alunos; poderemos ter exigências (de ordem pedagógica, profissional ou social) de tratamento de determinados conteúdos num determinado momento da formação dos alunos. Na Educação Infantil ou nas séries iniciais, por exemplo, o leque de possibilidades é praticamente infinito, uma vez que estão em pauta o desenvolvimento de conceitos, procedimentos e atitudes dos mais fundamentais, que podem ser trabalhados a partir de um amplo espectro de objetos. Além disto, estão em questão também as condições de trabalho: enquanto nas séries iniciais, de um modo geral, o professor tem muito tempo de contato com alunos, nas mais avançadas este tempo é bastante reduzido, sendo que grande maioria das instituições o professor é aulista (contratado só para dar aula, sem tempo de dedicação), não tendo condições de flexibilizar seu trabalho com alunos. É por isto que quando se fala da perspectiva de projeto, é preciso pensar nas condições objetivas para sua concretização. Todavia, nas séries maiores ou no ensino superior existem também possibilidades de se trabalhar por projeto, mesmo que num espectro mais restrito (ex.: opção por parte dos alunos de temáticas de investigação escolhidas a partir de um determinado conjunto apresentado pelo professor como sendo necessário para aquela etapa de estudo). Esta prática, por certo, demanda maior competência pedagógica dos professores. Nesta linha de trabalho, a exposição magistral, com certeza, deixa de ser o centro de referência, que se desloca para a atividade de pesquisa dos alunos; porém, a exposição não deixa de existir: na introdução, a exposição do professor é de maior importância para favorecer a mobilização dos alunos para a temática da pesquisa; será através da energia que o professor põe na exposição das idéias que os alunos poderão aquilatar a relevância do assunto, sua densidade; igualmente, é necessária a exposição no final do(s) projeto(s), visando a sistematização, a articulação com temas já estudados, bem como para suprir lacunas ou mesmo eventuais equívocos cometidos pelo alunos. Não podemos tratar o educando como se já fosse “pesquisador sênior” (alguém que é capaz de se colocar um problema, organizar a pesquisa, investigar, organizar os dados, analisar os resultados, concluir, expor, etc.; este é o horizonte; no entanto, neste momento histórico, o discente está em formação, precisando, pois de contar com a mediação qualificada e oportuna do professor. O que estamos querendo dizer é que o trabalho por projeto não deve significar uma demissão do professor; sentimos como muitos alunos, até na pós-graduação, tem uma certa resistência à proposta de seminários, em função da experiência negativa que tiveram: o docente simplesmente distribuía os temas, os alunos apresentavam (quase que representavam, visto que em alguns casos, até as perguntas eram negociadas com os colegas, a fim de não errarem e com isto perdem nota...), o professor só assistia e pronto... Que o mesmo não ocorra com os projetos.

217


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Uma diferença importante da Metodologia Dialética, que é o nosso referencial, em relação à Escola Nova é que enquanto esta colocava a descoberta como fator decisivo para o conhecimento significativo, enfatizando, pois, a experiência, a dimensão cognitiva do aluno, a dialética entende que a significação passa não apenas pelo envolvimento cognitivo do aluno, mas também por suas relações de existência, ou seja, trabalha num nível de maior abrangência em relação ao sujeito, valorizando, evidentemente, o “conflito (sócio) cognitivo”, mas indo além dele, compreendendo-o numa visão de totalidade, onde na verdade o conflito não é só sócio-cognitivo (no sentido lógico, de diferentes hipóteses em confronto), é existencial, é uma contradição que coloca para o sujeito superar a partir de suas necessidades reais).

VASCONCELLOS, Celso. Coordenação do Trabalho Pedagógico. Pág. 160, 161, 162.

5.  Trabalho diversificado: Procedimento que atende às diferenças individuais dos alunos Maria Cristina Etto Maria Regina Peres

Nos últimos anos, tem-se observado um interesse crescente pela busca de propostas alternativas para o cotidiano do processo educativo. As propostas desenvolvidas em sala de aula, geralmente, apresentam-se embasadas em pressupostos teóricos que valorizam o conhecimento como algo pessoal, inacabado, passível de transformação, que pode ser construído especialmente através da interação do indivíduo com o meio físico e social. Nessa perspectiva, o processo ensino-aprendizagem é considerado um ato intencional significativo no qual o indivíduo adquire informações através da problematização, do levantamento de hipóteses, da compreensão, do contato com a realidade, com o meio ambiente, com outras pessoas, enfim, com as interações que realiza. Dentre os teóricos interacionistas que defendem essas ideias, destacamos L. S. Vygotsky pela sua relevante contribuição sobre o desenvolvimento e a aprendizagem. Segundo esse autor, o nível de desenvolvimento real representa o estado alcançado pela evolução das funções já amadurecidas pelo indivíduo, fruto do processo de desenvolvimento já atingido. O grande desafio está no nível de desenvolvimento potencial, que representa o que o indivíduo poderá alcançar em matéria de aprendizagem com o auxílio do professor, dos colegas de classe ou através de outras interações. A distância entre o nível real e o nível potencial é representada pela zona de desenvolvimento proximal, que se constitui em um nível intermediário ideal para a atualização do professor. Assim, o professor não poderá ter uma postura autoritária, impondo, entre outras coisas, um conhecimento pronto, acabado, inquestionável, sem significado para o aluno, nem ser omisso, caindo em um espontaneísmo pedagógico em que tudo é permitido incontestavelmente. O professor assume a postura de mediador, proporcionando diferentes alternativas para a construção do conhecimento, como, por exemplo, através de atividades diversificadas e contextualizadas, uma vez que nelas se consideram o desenvolvimento pessoal e a realidade do aluno, respeitando-se assim sua natureza, levando-o a refletir e a problematizar os temas de ensino.

218

O aluno é considerado um ser histórico e social que interage com o meio físico e com o patrimônio sócio-histórico, como a linguagem, os valores, as normas, entre outros, através da convivência com diversos indivíduos, num processo pessoal de experiência mental e reflexiva sobre esses mesmos patrimônios, revendo-os e reconstituindo-os, visando a incorporá-los aos conhecimentos já adquiridos. Dessa forma, a escola deverá levar em conta a curiosidade e os interesses dos alunos e respeitar o seu conhecimento inicial, proporcionando, ao mesmo tempo, a ampliação deste último através da reflexão, da problematização, do confronto com o conhecimento científico. A construção desses conhecimentos pode, portanto, ocorrer através da


PARTE VI

mediação com o próprio objeto do saber, como livros, revistas, meios de comunicação de massa, jogos, colegas de classe, professores... Assim, a sala de aula constitui-se em espaço privilegiado de interações onde se reproduzem as relações sociais, onde o aluno essencialmente interage com o objeto de conhecimento, juntamente com o professor e os colegas de classe. Por tudo isso, torna-se fundamental refletirmos sobre como temos utilizado o ambiente escolar, incluindo a sala de aula, no seu contexto físico e social.

5.1.  Por que trabalho diversificado? Primeiro, porque os alunos apresentam interesses e motivações variados e, depois, porque cada um tem um ritmo próprio de desenvolvimento que deve ser considerado e respeitado. Trabalho diversificado é aquele em que o professor subdivide a turma em grupos que desenvolverão, ao mesmo tempo, atividades diferentes, dirigidas ou não pelo educador. Por exemplo, enquanto um grupo recebe orientação direta do professor, os outros trabalharão independentemente, em atividades como leitura silenciosa, redação, exercícios escritos, atividades artísticas, jogos didáticos, etc. O trabalho diversificado em sala de aula apresenta-se em nossas escolas como um procedimento capaz de atender às diferenças individuais dos alunos, em seus vários aspectos. Justifica-se, principalmente, pelo fato de os alunos encontrarem-se em pontos diferentes quanto ao nível de desenvolvimento físico e mental, ao ritmo de aprendizagem, aos interesses, às aptidões e às experiências vividas. Os objetivos do trabalho diversificado são: a)  Propiciar a cada aluno orientação para evitar ou corrigir falhas, superar deficiências e atender ao ritmo individual de aprendizagem. É muito difícil, em classes numerosas, o professor atender a todos os seus alunos; portanto, se trabalhar com pequenos grupos, poderá conhecer e atender melhor os indivíduos de acordo com as peculiaridades de cada um. b)  Oportunizar o maior número de participação direta de cada aluno nas atividades propostas. A participação do aluno nessas atividades é essencial para o seu processo de aprendizagem. É importante que ele se perceba como integrante do grupo, interagindo em todas as experiências de aprendizagem. Ao propor o trabalho diversificado, o professor deve considerar que a sua turma é, antes de tudo, um grupo social e, como tal, deve realizar atividades coletivas. Deve, também, ter em mente a organização de atividades em três níveis: no coletivo (com a turma toda), em pequenos grupos e individualmente. As atividades podem se diversificar em diferentes situações educacionais. Como exemplo, destacamos aquelas em que existam: • Diferenças acentuadas nos interesses dos alunos em certas atividades. • Alunos com deficiências determinantes. • Materiais didáticos em número insuficiente. • Materiais com pouca visibilidade à distância.

219


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

• Alunos com dificuldades de ajustamento. Para propor um trabalho diversificado em sala de aula, o professor deve estar consciente de que os alunos terão que ser preparados para trabalhar de forma independente. Sugerimos que, num trabalho independente, os alunos devem: • Observar os momentos de escutar o outro. • Cuidar do tom de voz para não atrapalhar os demais grupos. • Refletir e compreender as orientações orais e escritas. • Realizar a atividade proposta até o fim sem a interferência direta do professor. • Avaliar a atividade realizada com a intervenção do professor e dos colegas. • Ter cuidado na movimentação dentro da sala de aula. • Realizar o trabalho com independência, persistência, organização e responsabilidade. • Buscar constantemente as diversas fontes de informação. Podemos desenvolver essas sugestões utilizando cartazes, fichas de leitura, fichas de avaliação, etc.

5.2.  Organizando a sala de aula A organização da sala de aula para um trabalho diversificado não deve ser fixa, e sim determinada pelos objetivos a serem trabalhados em cada atividade, pelas próprias condições físicas do prédio e pelo número de alunos existentes em cada classe. Marcozzi e outros autores sugerem formas de organização da sala de aula que prioritariamente devem atender aos objetivos do trabalho pedagógico, lembrando que sempre se parte de uma arrumação básica, pois permite uma movimentação rápida de alunos e mobiliário. Na organização da sala de aula para o trabalho diversificado, devem ser consideradas as questões a seguir: • Como organizar a sala de aula de forma a permitir que o trabalho diversificado ocorra com maior facilidade, tornando-o parte do cotidiano da escola? • Como estão distribuídas as mesas, visando a atender melhor ao trabalho diversificado dos grupos? • Os alunos têm acesso ao material de que necessitam? • Para agilizar parte do trabalho diversificado, a sala foi dividida em cantinhos da leitura, do jogo, da matemática, das atividades manuais? Os cantinhos devem ser construídos pouco a pouco, atendendo às expectativas e às necessidades dos indivíduos. Eles devem se apresentar organizados previamente. Nesses cantinhos, devem aparecer os materiais sugeridos a seguir: • Cantinho da leitura: livros atraentes com novidades constantes, jornais, revistas, livros criados pelos alunos. • Cantinho do jogo: quebra-cabeça, jogos de encaixe ou construção, dominó, entre outros. • Cantinho da matemática: blocos lógicos, sólidos geométricos, material dourado, ábaco. • Cantinho de atividades manuais: papel jornal, lápis de cera, lápis de cor, massa de modelagem, argila, tesoura, papéis coloridos, pincéis, tintas, material para recorte e colagem, material de sucata.

220


PARTE VI

Outros cantinhos poderão ser construídos de acordo com a realidade e a necessidade dos alunos. A organização dos grupos para o trabalho diversificado deve atender a alguns critérios, tais como: • O número de grupos e a quantidade de elementos não são fixos e devem atender aos objetivos do trabalho. • O número de grupos a serem formados dependerá da habilidade do professor em conduzi-los. Sugerimos que: • Ao se iniciar um trabalho diversificado numa classe, que ela seja dividida em dois grupos — um dirigido pelo professor e outro que trabalhará independentemente. Isso facilitará, inicialmente, a movimentação da turma e dará maior segurança aos alunos e ao professor num trabalho novo. • Ao organizar os grupos, os alunos não apresentem grandes diferenças, quer para aprender um conteúdo novo, quer para corrigir e superar deficiências. • A introdução do trabalho diversificado seja gradativa, pois, quando se diversificam muitas atividades no mesmo dia, podem ocorrer dificuldades na movimentação dos alunos na sala, gerando uma queda no rendimento do trabalho.

5.3.  Planejando atividades Para planejar um trabalho diversificado, é preciso: • Prever o tempo que se gastará com o grupo dirigido para se organizar a atividade independente. • Organizar a atividade independente de acordo com as necessidades e possibilidades do grupo, com orientações claras, para que os alunos atuem interessados e motivados e não precisem recorrer constantemente ao professor. • Arrumar a sala de aula com a previsão da disposição de carteiras, cantinhos, flanelógrafo, quadro de pregas, de modo a facilitar a movimentação dos alunos, evitando que um grupo perturbe o outro. • Iniciar o trabalho fazendo uma assembleia que servirá para integrar os alunos e professores para que, juntos, tomem decisões sobre o encaminhamento das atividades a serem desenvolvidas. • Preparar os alunos para as modalidades de trabalho independente (orientação, hábitos de estudo e organização) e de trabalho de grupo (indivíduos que trabalham em conjunto para solução de problemas em que cada um é responsável pelo trabalho de todos). • Distribuir os alunos pelos grupos, definindo quem vai fazer trabalho dirigido e quem vai fazer trabalho independente. • Corrigir os trabalhos e avaliar os resultados obtidos. Destacamos que o trabalho independente deve ser avaliado para que os alunos não se desmotivem ao realizá-lo e possam superar suas possíveis falhas.

5.4.  Conclusão O trabalho diversificado em sala de aula constitui-se em uma alternativa capaz de atender às diferenças individuais, envolvendo os alunos em diversas atividades, criando um ambiente de trabalho amistoso e atraente, onde todos tenham a oportunidade de trabalhar a cooperação, o respeito e a convivência em grupo, e entendendo que, apesar das diferenças pessoais, existem interesses, objetivos maiores, que são comuns para serem conquistados.

221


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

6.  Grafismo Infantil Heloise Martins

Para Piaget a criança desenha menos o que vê e mais o que sabe. Ao desenhar ela elabora conceitualmente objetos e eventos. Daí a importância de se estudar o processo de construção do desenho junto ao enunciado verbal que nos é dado pelo indivíduo. O desenho é precedido pela garatuja, fase inicial do grafismo. Semelhantemente ao brincar, se caracteriza inicialmente pelo exercício da ação. O desenho passa a ser conceituado como tal a partir do reconhecimento pela criança de um objeto no traçado que realizou. Nessa fase inicial, predomina no desenho a assimilação, isto é, o objeto é modificado em função da significação que lhe é atribuída, de forma semelhante ao que ocorre com o brinquedo simbólico.

6.1.  Fases do desenho segundo Piaget Garatuja: na fase sensório-motora (0 a 2 anos) e parte da pré-operacional (2 a 7 anos). A criança demonstra extremo prazer e a figura humana é inexistente. A cor tem um papel secundário, aparecendo o interesse pelo contraste. Pode ser dividida em: Desordenada: movimentos amplos e desordenados. Ainda é um exercício. Não há preocupação com a preservação dos traços, sendo cobertos com novos rabiscos várias vezes. Ordenada: movimentos longitudinais e circulares; coordenação viso-motora. Figura humana de forma imaginária, exploração do traçado; interesse pelas formas. Nessa fase a criança diz o que vai desenhar, mas não existe relação fixa entre o objeto e sua representação. Por isso ela pode dizer que uma linha é uma árvore, e antes de terminar o desenho, dizer que é um cachorro correndo. Pré-Esquematismo: fase pré-operatória, descoberta da relação entre desenho, pensamento e realidade. Os elementos são dispersos e não relacionados entre si. O uso das cores não tem relação com a realidade, depende do interesse emocional. Esquematismo: fase das operações concretas (7 a 10 anos). Esquemas representativos, começa a construir formas diferenciadas para cada categoria de objeto, por exemplo, descobre que pode fazer um pássaro com a letra “V”. Uso da linha de base e descoberta da relação cor objeto. Já tem um conceito definido quanto à figura humana, porém aparecem desvios do esquema como: exagero, negligência, omissão ou mudança de símbolo. Aparecem fenômenos como a transparência e o rebatimento. Realismo: final das operações concretas. Consciência maior do sexo e autocrítica pronunciada. No espaço é descoberto o plano e a superposição. Abandona a linha de base. As formas geométricas aparecem. Maior rigidez e formalismo. Acentuação das roupas diferenciando os sexos. Pseudo Naturalismo: fase das operações abstratas (10 anos em diante). É o fim da arte como atividade espontânea. Inicia a investigação de sua própria personalidade. Características: realismo, objetividade, profun-

222


PARTE VI

didade, espaço subjetivo, uso consciente da cor. Na figura humana as características sexuais são exageradas, presença das articulações e proporções.

7.  A Arte de desenhar na Infância Por Kiara Elaine Santos da Silva, Ida Janete Rodrigues e Thiago de Almeida

Se, antigamente, o desenho não tinha qualquer relevância, ou seja, era visto como uma linguagem num sentido mais restrito, atualmente, por meio de pesquisas na área, percebe-se que buscar entender o grafismo infantil é uma forma de entender a própria criança e o seu emocional. Ao analisar o grafismo infantil, o profissional da área passa a compreender melhor a criança, sua vida, seu grupo social e, principalmente, seu emocional. Portanto, ao refletir sobre a importância do desenho, o seu desenvolvimento e a sua interpretação, cabe pensar que a criança é um ser completo e ao tomar posse do papel, ela nos mostra sua realidade e o produto dessa realidade que está repleto de sentimentos. O termo ‘desenho’ é a “representação de formas sobre uma superfície, por meio de linhas, pontos e manchas, com objetivo lúdico, artístico, científico, ou técnico. A arte e a técnica de representar, com lápis, pincel, etc., um tema real ou imaginário, expressando a forma”. Assim, o desenho, primeira manifestação da escrita humana, continua sendo a primeira forma de expressão usada pela criança. Por séculos, a criança era vista como uma miniatura do adulto e sua expressão gráfica nunca havia sido valorizada, pois era considerada imperfeita, e inferior a dos adultos. Mas Rousseau (1712-1778) veio dissipar essa ideia, pois considerava a infância uma etapa distinta e importante do desenvolvimento em direção à idade adulta. Segundo Rousseau: “A criança é uma criança, não um adulto”. Desta maneira, surge uma nova visão do desenvolvimento da criança, que passa a poder demonstrar seu prazer e interesse em desenhar e expressar o que sente até mesmo que inconscientemente. Seus feitos ganham vivacidade por representar também o que ela conhece em relação ao mundo. Por meio do desenho livre a criança desenvolve noções de espaço, tempo, quantidade, sequência, apropriando-se do próprio conhecimento, que é construído respeitando seu ritmo. Tendo essa concepção de respeito ao ritmo individual de cada criança que as escolas e creches estão sendo alicerces para estimulá-las no desenhar, pois os profissionais acreditam que essa atividade artística é parte importante tanto para o desenvolvimento infantil, como para o conhecimento dos alunos.

223


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

A criança toma posse do conhecimento mediante a sua representação. Seja, no início, por meio de rabiscos até um esquema corporal mais elaborado, cada desenho da criança reflete um estágio de desenvolvimento. E se o desenho revela um estágio do desenvolvimento da criança, o mesmo pode ser dito em relação ao progresso do desenho propriamente dito, pois mediante o crescimento dela, o seu desenho também evolui a olhos vistos. Se, a princípio, a criança apenas experimenta muito mais do que expressa (por volta dos 18 aos 24 meses), o mesmo não acontece à medida que cresce; pois o desenho ganha outro aspecto, ou seja, o de não só representar o que para ela significa o real, ao mesmo tempo em que se transforma em um jogo. O desenho representa, em parte, a mente consciente da criança, mas também é uma forma interessante de fazer uma conexão com o inconsciente. Portanto essa manifestação da criança está repleta de simbolismo e mensagens. Ao pensar na questão do modelo, percebe-se que a criança ao desenhar, na realidade, está expondo o seu “mundo real” para os demais, como ela o vê e sente. O desenho manifesta o desejo da representação, mas também, antes de tudo, é medo, é opressão, é alegria, é curiosidade, é afirmação, é negação. Ao desenhar, a criança passa por um intenso processo vivencial e existencial.

7.1.  Porque letra de fôrma e não cursiva? É importante entender porque a criança aprende primeiramente a letra de fôrma e não a cursiva e não simplesmente ensinar só porque a maioria faz assim e dá certo! Realmente, dá certo, mas há uma explicação do motivo pelo qual essa maneira é a melhor! A criança está desenvolvendo a motricidade na fase da alfabetização e a letra do tipo bastão é mais fácil para se adequar neste momento. Os rabiscos começam a se endireitar e formar letras. As letras de fôrma são ideais para esta fase, pois os caracteres são individuais e podem ser escritos um após o outro. Os traços são resumidos a pauzinhos aglomerados uns nos outros. Já as letras cursivas exigem uma agilidade maior, uma vez que, além de outras finalidades, são utilizadas para tornar o registro mais rápido. O traçado simples das letras de fôrma dão maior liberdade no ato da escrita, ao contrário das “letras de mão” que precisam de uma organização maior. O ato de ligar uma letra a outra também dificulta o processo, pois anula a ação de tirar o lápis do papel e investir as forças na próxima letra, o que ordena um esforço motor maior. Além disso, antes mesmo de serem alfabetizadas, as crianças já possuem contato com as letras de imprensa em jornais, na televisão, em livros, gibis. Elas não conseguem ler, mas fica na memória visual das mesmas. Logo, a percepção da letra de fôrma é mais rápida e fácil do que da letra cursiva. No entanto, é importante trabalhar com esta última, assim que o infante se habituar à primeira. Não há problemas se as duas formas coexistirem por um tempo, porque independente da letra o que deve sempre estar em foco é a escrita. Pois mais importante do que a letra que a criança escolhe, é a compreensão da escrita como um ato de comunicação.

http://educador.brasilescola.com/orientacoes/letra-forma-x-letra-cursiva.htm Último acesso em 02/10/2012

224


PARTE VI

8.  A Psicogênese da Língua Escrita As pesquisas de Emília Ferreiro e Ana Teberosky apontaram um novo caminho a ser trilhado no que diz respeito á alfabetização. Através dos estudos da Psicogênese da Língua Escrita percebeu-se que as particularidades do processo de construção da escrita são próprias de cada indivíduo, ou seja, a alfabetização deixa de ser um processo coletivo no qual todos têm que aprender da mesma forma e nos mesmos tempos e espaços e passa a ser um processo natural e individual. Desta forma não existem alunos mais ou menos inteligentes apenas alunos com diferentes temos, ritmos de aprendizagem. Além disso, as pesquisas de Ferreiro e Teberosky mostraram que os alunos já adquirem conhecimentos sobre a leitura e a escrita antes mesmo de chegar à escola. Para as autoras a criança apropria-se da língua falada e escrita através da interação com o mundo, através de estímulos do dia-a-dia. No livro “A psicogênese da Língua Escrita” Emília mostrou que o conhecimento construído pelas crianças acontece através de sequências de hipóteses que elas constroem e interpretam sobre a escrita. Desta forma a criança passa por algumas fases até que esteja totalmente alfabetizada. Tais hipóteses/fases são apresentadas como sendo: 1) Hipótese Pré-Silábica Características: • Escrever e desenhar tem o mesmo significado; • Não relaciona a escrita com a fala; • Não diferencia letras de números; • Reproduz traços típicos da escrita de forma desordenada; • Acredita que coisas grandes têm um nome grande e coisas pequenas têm nome um nome pequeno (realismo nominal); • Usa as letras do nome para escrever tudo; • Não aceita que seja possível escrever e ler com menos de três letras; • Leitura global: Lê a palavra como um todo. Conflitos vividos pela criança nesta etapa: • Que sinais eu uso para escrever palavras? • Conhecer o significado dos sinais escritos. Avanços: • Diferenciar o desenho da escrita; • Perceber as letras e seus sons; • Identificar e escrever o próprio nome; • Identificar o nome dos colegas; • Perceber que usamos letras em diferentes posições.

225


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Atividades favoráveis: • Desenhar e escrever o que desenhou; • Usar, reconhecer e ler o nome em situações significativas: chamada, marcar atividades, objetos, utilizá-lo em jogos, bilhetes, etc.; • Ter contato com diferentes portadores de textos; • Frequentar a biblioteca, banca de jornais, etc.; • Conversar sobre a função da escrita; • Utilizar letras móveis para pesquisar nomes, reproduzir o próprio nome ou dos amigos; • Bingo de letras; • Produção oral de histórias; • Escrita espontânea; • Textos coletivos tendo o professor como escriba; • Aumentar o repertório de letras; • Leitura dos nomes das crianças da classe, quando isto for significativo; • Comparar e relacionar palavras; • Produzir textos de forma não convencional; • Identificar personagens conhecidos a partir de seus nomes, ou escrever seus nomes de acordo com sua possibilidade; • Recitar textos memorizados: parlendas, poemas, músicas, etc.; • Atividades em que seja preciso reconhecer e completar a letra inicial e a letra final; • Escrita de listas em que isto tenha significado: listar o que usamos na hora do lanche, o que tem numa festa de aniversário, etc.

8.1.  Hipótese Silábica (Dividida em Silábico sem valor sonoro e Silábico com valor sonoro) Características: Silábico sem valor sonoro: • Para cada fonema, usa uma letra (ou símbolos) para representá-lo sem fazer associação do som (Ex: Abacaxi: R-P-E-S) Silábico com valor sonoro: • Para cada fonema, usa uma letra para representá-lo fazendo associação do som (Ex: Abacaxi: A-A-K-I) Silábico sem valor sonoro/ Silábico com valor sonoro: • Pode usar muitas letras para escrever e ao fazer a leitura, apontar uma letra para cada fonema; Ao escrever frases, pode usar uma letra para cada palavra.

226


PARTE VI

Conflitos vividos pela criança: • A escrita está vinculada à pronúncia das partes da palavra? • Como ajustar a escrita à fala? • Qual a quantidade mínima de letras necessárias para se escrever? Avanços: • Atribuir valor sonoro às letras; • Aceitar que não é preciso muitas letras para se escrever, apenas o necessário para representar a fala; Atividades favoráveis: • Todas as atividades do nível anterior; • Comparar e relacionar escritas de palavras diversas; • Escrever pequenos textos memorizados (parlendas, poemas, músicas, trava-línguas...); • Completar palavras com letras para evidenciar seu som: camelo = c__m__l__ ou __a__e__o. • Relacionar personagens a partir do nome escrito; • Relacionar figura às palavras, através do reconhecimento da letra inicial; • Ter contato com a escrita convencional em atividades significativas: reconhecer letras em um pequeno texto conhecido; • Leitura de textos conhecidos; • Relacionar textos memorizados com sua grafia; • Cruzadinha; • Caça-palavras; • Completar lacunas em textos e palavras; • Construir um dicionário ilustrado, desde que o tema seja significativo; • Evidenciar rimas entre as palavras; • Usar o alfabeto móvel para escritas significativas; • Jogos variados para associar o desenho e seu nome; • Colocar letras em ordem alfabética; • Contar a quantidade de palavras de uma frase.

8.2.  Silábico-Alfabético Características: • Compreende que a escrita representa os sons da fala; • Percebe a necessidade de mais de uma letra para a maioria das sílabas; • Reconhece o som das letras; • Pode dar ênfase à escrita do som só das vogais ou só das consoantes bola= AO ou BL; • Atribui o valor do fonema em algumas letras: cabelo= kblo.

227


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Conflitos vividos pela criança nesta etapa: • Como fazer a escrita dela ser lida por outras pessoas? • Como separar as palavras na escrita se isto não acontece na fala? • Como adequar a escrita à quantidade mínima de caracteres? Avanços: • Usar mais de uma letra para representar o fonema quando necessário; • Atribuir o valor sonoro das letras. Atividades favoráveis: • As mesmas do nível anterior; • Separar as palavras de um texto memorizado; • Generalizar os conhecimentos para escrever palavras que não conhece: associar o GA do nome de GABRIELA para escrever garota, gaveta...; • Ditado de palavras conhecidas; • Produzir pequenos textos; • Reescrever histórias.

8.3.  Alfabético Características: • Compreende a função social da escrita: comunicação; • Conhece o valor sonoro de todas ou quase todas as letras; • Apresenta estabilidade na escrita das palavras; • Compreende que cada letra corresponde aos menores valores sonoros da sílaba • Procura adequar a escrita à fala; • Faz leitura com ou sem imagem; • Inicia preocupação com as questões ortográficas; • Separa as palavras quando escreve frases; • Produz textos de forma convencional. Conflitos vividos pela criança nesta etapa: • Por que escrevemos de uma forma e falamos de outra? • Como distinguir letras, sílabas e frases? • Como aprender as convenções da língua escrita?

228


PARTE VI

Avanços:

• Preocupação com as questões ortográficas e textuais (parágrafo e pontuação); • Usar a letra cursiva.

Atividades favoráveis: • Todas as anteriores; • Leituras diversas; • Escrita de listas de palavras que apresentem as mesmas regularidades ortográficas em momentos em que isto seja significativo; • Atividades a partir de um texto: leitura, localização de palavras ou frases, ordenar o texto; Jogos diversos com bingo de letras e palavras, forca...

Fonte: Grupo Sugestões de Atividades

9.  A Língua em todas as Disciplinas Por serem essenciais na formação escolar, a leitura e a escrita merecem atenção específica dos professores das diversas áreas Texto Luis Carlos de Menezes Revista escola: abril de 2009

Desde que nascemos, aprendemos a interpretar gestos, olhares, palavras e imagens. Esse processo é potencializado pela escola, por meio da leitura e da escrita, o que nos dá acesso a grande parte da cultura humana. Isso envolve todas as áreas, pois, mais do que reproduzir o som das palavras, trata-se de compreendê-las - e quem sabe relacionar termos como paráfrase, latifúndio, colonialismo e transgênico aos seus significados faz uso de um letramento obtido em aulas de Língua Portuguesa, Geografia, História e Ciências, respectivamente. A chamada alfabetização científico-tecnológica mostra essa preocupação no ensino de Ciências. Falta muito, porém, para que as linguagens sejam objetivos da instrução e não só pré-requisitos exclusivos das aulas de Língua Portuguesa e Matemática, como apontamos nesta coluna (edição 215, de setembro de 2008). A competência de ler e escrever, aliás, se desenvolve com a de “leitura do mundo” no sentido usado por Paulo Freire - e todo educador deve fazer isso sozinho e em associação com seus colegas. Cada estudante que, numa aula de Geografia, examina um mapa ou guia de ruas, assinala locais por onde passa e comenta em texto experiências ali vividas, além de aprender a se situar, faz um exercício expressivo e pessoal da escrita. Isso também pode ser um trabalho coletivo, como a maquete que vi numa cidadezinha mostrando a escola, o estádio, o hospital, a praça e a prefeitura. Estavam ali representados também o rio, com os pontos onde transborda e em que ocorre o despejo irregular de lixo. Cartazes ao lado comentavam o surgi-

229


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

mento da cidade, a vida econômica e os problemas ambientais, com linguagem aprendida em aulas de Arte, Ciências, Geografia, História e Língua Portuguesa. Mas, essa prática só muda as estatísticas de alfabetização quando faz parte da rotina escolar. Há uma queixa frequente de que por lerem mal os alunos têm dificuldade com certos conteúdos. Diante dela, a escola deve trocar o círculo vicioso - em que o despreparo na língua dificulta a aprendizagem de outras matérias e perpetua o despreparo - por um círculo virtuoso - em que a leitura e a escrita melhorem em todas as áreas e ajudem na aprendizagem de qualquer conteúdo. De certa forma, todos os professores devem dar continuidade ao processo de alfabetização, em que os pequenos leem e escrevem sobre suas relações pessoais ou sociais e sobre as coisas da natureza, entre outros temas. Para cumprir esse objetivo, é igualmente importante lançar mão de vários meios e atender aos interesses de crianças e jovens, muitas vezes relacionados às novas tecnologias. Buscas pelo conteúdo de enciclopédias ou por letras de música podem ser feitas pela internet. Nada impede que, além de escreverem agendas e diários e publicarem notas nos murais da escola, eles enviem torpedos por celular, conversem em chats ou enviem mensagens por e-mail. Se houver equipamentos suficientes, os alunos podem registrar e editar seus textos em computadores. Se não, pode-se realizar atividades em grupo na própria escola ou em equipamentos públicos. A crescente importância desses meios é mais um estímulo para o domínio da escrita, até porque os CDs, DVDs e Pendrives logo farão - se já não fazem - parte da vida escolar tanto quanto livros e cadernos. Com esses e outros meios, aprende-se a ler e escrever todo o tempo e em qualquer disciplina, e é ainda melhor quando a coordenação pedagógica orientar a equipe nesse sentido. O ideal é que todos sejam preparados para ações conjuntas, mas já faz uma enorme diferença se, antes de cada aula, os docentes souberem quais linguagens desenvolverão com os alunos e como vão estimulá-los a ler os textos e a escrever o que aprenderam, as dúvidas que restaram e seus pontos de vista sobre aspectos polêmicos.

9.1.  Importância do planejamento Para realizar um bom planejamento que atenda as necessidades específicas da Unidade Escolar, é necessário realizar ações para diagnosticar a situação tanto da Instituição como também dos alunos. Existem três dimensões básicas que precisam ser consideradas no planejamento: a realidade, a finalidade e o plano de ação. O plano de ação pode ser fruto da tensão entre a realidade e a finalidade ou o desejo da equipe. Em alguns casos, se você começa o ano fazendo uma avaliação do ano anterior, o grupo pode ficar desanimado - afinal, a realidade, infelizmente, de maneira geral, é muito complicada, cheia de contradições. Às vezes, começar resgatando os sonhos, as utopias, dependendo do grupo, pode ser mais proveitoso. O importante é que não se percam essas três dimensões e, portanto, em algum momento, a avaliação, que é o instrumento que aponta de fato qual é a realidade do trabalho, vai aparecer, começando o planejamento por ela ou não. Porém, não é impossível realizar um processo de Ensino Aprendizagem sem planejar, porque o planejamento é algo inerente ao ser humano. Então, sempre temos algum plano, mesmo que não esteja sistematizado por escrito. Agora, quando falamos em processo de ensino e aprendizagem, estamos falando de algo muito sério, que precisa ser planejado, com qualidade e intencionalidade. Planejar é antecipar ações para atingir certos objetivos, que vêm de necessidades criadas por uma determinada realidade, e, sobretudo, agir de acordo com essas idéias antecipadas.

230

Historicamente, o planejamento foi criado como um instrumento de controle, porém, a em algumas escolas e redes ele ainda é um instrumento burocrático e autoritário. Em um sistema autoritário, o planejamento é uma arma que se volta contra o professor porque o que ele disser - ou alguém disser por ele - que vai ser feito tem que ser cumprido. Caso contrário, ele foi incompetente. E, nem sempre, conseguimos fazer o que planejamos. Por diversas razões, inclusive por falha nossa, mas não unicamente por isso. No entanto, o movimento da


PARTE VI

sociedade e o processo de redemocratização têm favorecido o conceito de planejamento como real instrumento de trabalho e não como uma ferramenta de controle dos professores. É importante que os encontros pedagógicos aconteçam periodicamente e de preferência uma vez por semana. É necessário que esses momentos direcionados aos encontros com os docentes, sejam bem organizados, evitando que sejam pouco produtivos. O coordenador pedagógico é o responsável por esse processo. É preciso prever momentos específicos para cada tipo de assunto e ser firme na coordenação. Às vezes, há uma tentação muito grande em ficar gastando tempo do planejamento com problemas menores, administrativos ou burocráticos. Então, é muito importante planejar o planejamento, reservando momentos específicos para cada assunto, e ser rigoroso no cumprimento dessa organização. Ele precisa ser um coordenador pedagógico forte, mas onde buscar apoio para se fortalecer? Em alguns casos, há o apoio da direção, mas é muito importante que ele faça parte de um grupo com outros profissionais no mesmo cargo para trocar experiências e sentir que não está sozinho nessa. O coordenador pedagógico pode montar reuniões por área, ou por nível ou gerais, conforme as necessidades. Esse momento de encontro é imprescindível para planejar um trabalho de qualidade com coerência entre os professores, além de ser um momento de socialização. Existem professores que descobrem coisas excelentes que vão morrer com ele porque não foram sistematizadas nem ele compartilhou aquelas descobertas. E, na hora do planejamento, há a possibilidade de reservar um momento para isso. Porém, nesse processo de planejar as ações de ensino e aprendizagem, existem alguns fatores a serem considerados, como o projeto político, a proposta curricular e a especificidade do aluno. Um dos momentos mais relevantes do planejamento se dá nas primeiras aulas. Principalmente das séries iniciais. Existem estudos que mostram que a boa relação professor/aluno pode ser decidida nessas aulas. Há pesquisas que vão além e apontam os primeiros instantes da primeira aula como determinantes do sucesso da atividade docente. Então, se o professor tem de preparar bem todas as aulas, as primeiras precisam de mais cuidado. E não é só determinar os conteúdos a serem abordados, os objetivos a atingir e a metodologia mais adequada. É, sobretudo, se preparar, tornar-se disponível para aqueles alunos, acreditando na possibilidade do ensino e da aprendizagem, estando inteiramente presente naquela sala de aula, naquele momento. Como também, esse momento professor e alunos têm a oportunidade de elaborar os combinados, estabelecerem regras de convivência, enfatizando os direitos e deveres das partes envolvidas.

9.2.  O planejamento deve ser flexível Por mais bem fundamentado que seja o planejamento escolar, o professor precisa ter consciência de que alguns imprevistos podem surgir ao longo do período, e esses sinais não devem ser ignorados. É importante que haja uma avaliação constante do processo de ensino, com o educador sempre alerta para diagnosticar obstáculos encontrados e medir o ritmo de avanço das atividades sobre os temas programados. Os assuntos trazidos no dia-a-dia pelos alunos, como notícias da televisão ou dilemas pessoais e familiares, também precisam ter um tempo reservado para serem debatidos - se possível relacionando-os aos conteúdos curriculares, mas logicamente sem forçar conexões distantes. O cuidado de monitorar as aulas e o desenvolvimento dos estudantes periodicamente é determinante para perceber a necessidade de pequenos ajustes, pausas, acelerações, mudanças de rota ou mesmo a retomada de algumas informações que não foram aprendidas de forma consistente pela turma. “É uma questão de bom senso. É comum que o planejamento inicial é feito sem que o docente conheça seus alunos. É com a interação e com o próprio tato que o educador vai perceber o que vai manter ou não”, explica Benigna Freitas, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Brasília (UnB). As avaliações são as principais ferramentas para acompanhar o desenvolvimento dos alunos com foco nos objetivos traçados. Após avaliação, observações ou até mesmo cada aula, o professor pode criar o hábito de fazer anotações sobre o andamento das rotinas, comparando o que foi inicialmente previsto e o que realmente

231


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

aconteceu. Aqui, podem entrar observações a respeito de grupos mais avançados e até sobre conteúdos que pareciam totalmente dominados. É inclusive um momento em que fica claro ao docente se suas explicações surtiram efeito ou não ajudaram no entendimento dos conceitos trabalhados. “Ao escrever, você cria uma distância do que foi feito, o que ajuda na reflexão sobre os procedimentos utilizados”, explica Neide Noffs, professora de Didática e Metodologia do Ensino da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). “É com essa prática que o profissional consegue ter noção dos limites da flexibilidade do planejamento. Ele deve se perguntar se sua explicação surtiu efeito e os objetivos foram alcançados. Se não foram, cabe cogitar alguma alteração de rota”, argumenta. A especialista cita o francês Yves Chevallard para embasar seu entendimento de que as mudanças de percurso são bem-vindas. “Um conteúdo de saber que tenha sido definido como saber a ensinar sofre, a partir de então, um conjunto de transformações adaptativas que irão torná-lo apto a ocupar um lugar entre os objetos de ensino. O ‘trabalho’ que faz de um objeto de saber a ensinar um objeto de ensino é chamado de transposição didática”, escreveu o educador. Neide acredita que conhecer a realidade dos alunos é um fator fundamental nessa transformação do saber. “O conhecimento científico, por exemplo, não deve ser repetido em classe exatamente do jeito como está nos livros. As informações precisam ser trabalhadas e preparadas para serem repassadas aos estudantes. E é elementar entender quem são esses estudantes. Por isso, enquanto se aprendem quem são eles e o que sabem, podem ocorrer desvios de rota”. Outros fatores, menos ligados ao nível de conhecimento dos alunos, também podem influenciar a rotina desenhada. A previsão inicial de que as atividades devem ter continuidade com tarefas como a lição de casa pode não ser concretizada. “Por motivos variados, acontece de algumas crianças não conseguirem fazer essa extensão dos estudos, o que as deixaria desamparadas no trabalho com um conteúdo que demanda teoricamente um complemento do estudo fora da escola”, diz a professora da PUC-SP. Acontecimentos cotidianos relatados na mídia ou mesmo eventos marcantes na comunidade igualmente podem - e devem - ser relacionados aos conteúdos curriculares, o que muitas vezes pede uma interrupção no combinado. “Há uma falta de tempo para o educador se planejar. E os sistemas escolares burocratizam o ensino. Fica a impressão de que com um roteiro rígido e rotineiro se erra menos. O problema é que muitas vezes o aprendizado passa a ser significativo exatamente quando você faz uma pausa para contextualizar certo tema, fugindo do script”, diz Newton Bryan, professor de Planejamento e Gestão Educacional da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Segundo ele, no entanto, devem ser tomados cuidados na hora de incluir novos assuntos na pauta. “Ignorar não é o caso. São muitos games, vídeos e seriados que podem servir de inspiração. Mas é preciso ter uma boa formação para dar guinadas consideráveis. Um docente que não tem total habilidade com a geografia poderia ser um fracasso tentando relacionar os conteúdos da disciplina com a catástrofe causada pelas chuvas em Santa Catarina”, pondera o especialista. Benigna também foca nesse ponto. “A escola precisa saber o que é fundamental para ser trabalhado e o que é secundário. Não está certo deixar tudo de lado para discutir determinado assunto sem nenhuma programação nem vínculo com o currículo. O peso de cada coisa precisa ser medido pelo educador sem exageros”, avalia a professora da UnB. É preciso equilíbrio para percorrer o ano letivo sabendo mesclar as atividades essenciais com eventuais mudanças de percurso que se fizerem necessárias, rumo ao objetivo final. O mais importante é saber (re) planejar sempre, estabelecer prioridades e, principalmente, nunca deixar de levar em conta as características e necessidades de aprendizagem dos estudantes. Para tanto... • Considere sempre o que os alunos aprenderam até o momento, a série em que estão e a relevância do conteúdo.

232

• Avalie com que frequência o assunto estudado aparecerá novamente nos anos seguintes. Se não existe uma previsão de retomada do conteúdo no futuro, talvez não seja a hora de desviar de foco.


PARTE VI

• Pergunte a si mesmo: “Quem eu estou ensinando?” Defina aonde quer chegar, o que a turma realmente precisa e o que é possível fazer • Escute com atenção os questionamentos que surgirem

Por que ser flexível • O professor que não faz um planejamento maleável corre o risco de não alcançar seus objetivos • Os alunos são a referência para a elaboração de um plano. É preciso acompanhar o desenvolvimento deles • O plano é uma previsão, sujeita a erros. Por tanto a importância e a necessidade de mudar.

10.  Avaliação por Competências e Habilidades. A constatação de que uma avaliação totalmente tradicional é um entrave na busca pela qualidade do ensino e contribui para uma educação ineficaz aponta a necessidade de mudança no que tange a avaliação da aprendizagem. No entanto, conforme afirma Perrenoud (1999, p. 173) “mudar a avaliação significa provavelmente mudar a escola” A acertada afirmação de Perrenoud leva à reflexão de que:

…a avaliação tradicional baseada em exames e provas, exteriores ao processo de ensino, na qual se insere a prática das reprovações anuais, está articulada com o próprio método de ensino antieducativo de nossas escolas. (PARO, 2001, p. 47).

Método esse baseado na transmissão e imposição de conteúdos bem como na passividade dos alunos. Conclui-se então que mudar a avaliação implica em mudar a escola, mudar suas regras, sua rotina, seus “tabus” e, sobretudo, implica em mudar seus dois principais elementos: professor e educando. Dentro da “nova escola” ambos terão novos e reformulados papéis, novos olhares e novas ações. Uma proposta que vem contrapor a pedagogia tradicional por notas, exames e provas é a que busca uma avaliação por competências e habilidades. Esse modelo de avaliação busca o real sucesso do processo de ensino aprendizagem. Para Moretto (2006, p.16-17) considera-se um ensino com sucesso quando o professor estabelece claramente seus objetivos ao preparar suas aulas, analisando os conteúdos a serem propostos e trabalhados com os educandos, verificando se são relevantes para seus contextos. Uma avaliação por competências e habilidades busca a eficácia no processo educativo e também se preocupa se o aluno consegue estabelecer as relações existentes entre o conteúdo escolar e as necessidades e situações do dia-a-dia. Por estar focada na aprendizagem real a avaliação por habilidades e competências leva em conta o contexto sócio-cultural dos alunos bem como os conhecimentos previamente adquiridos por estes. A avaliação por competências e habilidades busca a efetivação de uma aprendizagem significativa com conteúdos dos quis os alunos se valerão para solucionar problemas e situações do cotidiano. Neste cenário o

233


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

aluno abandona o seu papel de ouvinte passivo para assumir o papel de um ser que aprende significativamente o que para Moretto:

É dar sentido à linguagem usada, é estabelecer relações entre vários elementos de um universo simbólico, é relacionar o conhecimento elaborado com os fatos do dia-a-dia, vividos pelo sujeito da aprendizagem ou por outros sujeitos. (MORETTO, 2006, p.17).

Desta forma a aprendizagem significativa é aquela que transcende as paredes da escola, os cadernos e livros. A aprendizagem é significativa quando o educando é capaz de relacionar e aplicar no seu contexto social, na sua vida, os conteúdos propostos. Faz-se necessário esclarecer que a avaliação por competências e habilidades não vem contrapor-se aos outros tipos de avaliação. Uma vez que:

Não é acabando com a prova escrita ou oral que melhoraremos o processo de avaliação da aprendizagem, mas ressignificando o instrumento e elaborando-o dentro de uma nova perspectiva pedagógica. (MORETTO, 2006, p. 9).

No entanto, para que o processo de ensino- aprendizagem tenha sucesso e eficácia é necessário ressignificar a avaliação analisando de forma crítica qual a sua verdadeira função. O que deve ser proposta é a transformação da avaliação em mais um momento de aprendizagem, de troca, de formulação de hipóteses, de construção do conhecimento descaracterizando-a como um momento de teste, de rotulação. As grandes e atuais discussões a respeito do processo avaliativo buscam um novo rumo, um novo caminho para que a avaliação deixe de ter um caráter estritamente classificatório e seletivo. Para Moretto:

O primeiro passo para a transformação é dar ao processo de avaliação um novo sentido, isto é, transformála em oportunidade para o aluno ler, refletir, relacionar, operar mentalmente e demonstrar que tem recursos para abordar situações complexas. (MORETTO, 2006, p, 11).

Analisando a fala de Moretto percebe-se que o paradigma de avaliação proposto em nada se assemelha ao modelo de avaliativo vigente nas escolas, modelo este que privilegia uma minoria, exclui, rotula, quantifica, abusa da memorização e exige a reprodução de conceitos vazios e ultrapassados. Dentro desse processo o educando é um mero receptor e repetidor. A ele não cabe questionar, pensar, formular hipóteses… Antes de aprofundar os estudos a respeito da avaliação por competências e habilidades é necessário analisar o conceito de competência e habilidade. No campo educativo a competência refere-se à capacidade de utilização dos recursos cognitivos na solução de uma situação complexa, ou seja, o aluno utiliza os conteúdos que aprendeu como ferramentas na solução de situações e questões do seu dia-a-dia.

234


PARTE VI

Dessa maneira conclui-se que o ensino por competências preocupa-se, ao contrário do que se pensa, com os conteúdos trabalhados em sala de aula, no entanto, a preocupação maior gira na questão da relevância desses conteúdos. Para o ensino por competências os conteúdos devem ir além da repetição e transmissão de conceitos a serem copiados no caderno. Eles devem desafiar o aluno, levá-lo a apensar, raciocinar, produzir o seu conhecimento. O conceito de habilidade está ligado ao ‘saber fazer’. Ser habilidoso é saber fazer algo muito bem. Se o intuito da avaliação por competências é auxiliar na construção de educandos competentes há de se convir então que habilidade e competência devem ser duas características presentes nos educadores uma vez que estes têm um papel fundamental na construção do conhecimento em sala de aula. A habilidade, bem como a competência, são fatores fundamentais ao professor que deseja auxiliar na formação de sujeitos igualmente competentes e habilidosos. Sendo assim, a mudança do paradigma avaliativo necessita grandemente do auxílio do professor, uma vez que, avaliar por competências e habilidades vai exigir mais observação, mais esforço e mais comprometimento com todos os alunos. Uma avaliação por competências e habilidades não ocorre listando perguntas, pedindo exercícios mecânicos e a memorização de conceito s e fórmulas. Esse tipo de avaliação ocorre ainda no planejamento dos conteúdos a serem abordados para que estes ganhem significado. Nenhum conteúdo é abandonado, porém são repensados com vistas ao que pretendemos que se faça com eles e através deles. Dentro desta perspectiva o professor necessita pensar os porquês e para quês de cada atividade para que esta tenha real valor ao aluno e para que este possa desenvolver competências através dos conteúdos e utilizálas de forma eficaz. Nesse tipo de avaliação o professor deixa de ser um “dador de aulas” e passa a ser um mediador, um construtor o que implica em uma maior participação do aluno alcançando a verdadeira construção do conhecimento. Quando a postura do professor passa a ser a de um construtor, um mediador, ele acaba por fazer que seus alunos ampliem seus conhecimentos através de desafios, de formulação de hipóteses, de intenso raciocínio individual e coletivo. Percebendo a importância e a profundidade dos conteúdos o aluno passa a pensar sobre eles e a usá-los no dia-a-dia. Observa-se, desta maneira, que para que haja uma mudança no processo educacional e, consequentemente, no processo de avaliação, o professor deve assumir um papel de facilitador, mediador e, sobretudo, deve saber o quê e para quê ensinar. O educador teve ter em mente que “o esforço de quem ensina é fazer com que as crianças desenvolvam a capacidade de atribuir significado ao que estão fazendo” (MORETTO, 2006, p.15). Para realizarmos o desejo de formar educandos competentes para a vida em sociedade e para o mundo do trabalho necessitamos de professores competentes. Professores que sejam capazes de estimular seus alunos a aperfeiçoarem e desenvolverem novas competências. E essa competência vai muito além de ministrar aulas, aplicar e corrigir exercícios e provas. Para Moretto:

235


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

O professor competente precisa, em primeiro lugar, conhecer bem os conteúdos pertinentes à sua disciplina. Em seguida, ele precisa ter habilidades necessárias para organizar o contexto da aprendizagem, escolhendo estratégias de ensino adequadas. Na escolha dessas estratégias ele precisa levar em conta os valores culturais de seu grupo de alunos e dirigir-se a eles com uma linguagem clara, precisa e contextualizada. (MORETTO, 2006, p.26).

Conclui-se, portanto, que o professor competente é sabedor e conhecedor dos conteúdos e objetivos pertinentes à sua disciplina e, sobretudo, é capaz de identificar os assuntos relevantes tendo como pressuposto o contexto e a necessidades dos alunos sabendo, ainda, contextualizar sua disciplina com outras trabalhando a interdisciplinaridade. O professor competente também necessita ter habilidade no que faz. Partindo do pressuposto de que a habilidade é o saber fazer, no caso do professor, essa habilidade está instrinsicamente ligada ao saber administrar sua aula. Outra característica inerente a um professor competente é o uso pertinente da linguagem. Para Moretto (2006, p.30) “conhecer e dominar a linguagem são recursos que caracterizam o professor competente no ensinar”. Quando professor domina e linguagem adequando-a as diversas situações ele age como facilitador propiciando que os alunos percebam os sentidos das palavras de acordo com o contexto. O professor competente não age com soberba utilizando vocabulário estranho ao aluno apenas por vaidade e para mostrar-se superior, porém permite que o este entre em contato com novos vocabulários e novas linguagens construindo uma relação significativa com os alunos. No entanto, há de se convir que o caminho a ser trilhado em busca de novos paradigmas avaliativos é longo e árduo. Não são raros sistemas, escolas e professores que utilizam a avaliação como forma de controle, de ameaça, de disciplinamento, de punição, assim como não são raros professores que fazem questão de tornar sua disciplina e seus conteúdos difíceis e complicados ocupando uma posição de donos do saber, donos de sua aula sem se preocuparem que a formação e promoção de seus alunos. Para Moretto o professor que ensina para competências reage de uma forma totalmente diferente. Para o autor um professor que ensina e avalia para e por competências:

não faz segredo dos objetivos de suas questões, pois está convencido que ensina para que o aluno aprenda e a avaliação nada mais é do que um momento especial deste processo de aprendizagem. Para isso elabora situações que levem o aluno a manifestar suas competências, como faz um profissional, isto é, dando oportunidade para consultas ou mesmo fazendo provas em duplas, a fim de que a interação com o outro facilite a aprendizagem. Aos poucos, os alunos passam a perceber novos valores culturais, encarando as provas como momentos privilegiados de estudo e não como acerto de contas. (MORETTO, 2006, p.26).

Analisando a afirmativa de Moretto, obeserva-se que o professor competente necessita valer-se da avaliação como um processo natural, um momento que não deve ou necessita ser isolado de todo o contexto educador, mas que pode acontecer durante o dia-a-dia em um debate, em momentos de atividades individuais ou coletivas, durante um jogo, uma apresentação de trabalho, enfim, durante todos os momentos da aprendizagem. Faz-se necessário que o aluno entenda a prova como mais um momento de aprendizagem e não como um pesadelo, um momento de provação, um acerto de contas e o professor tem papel fundamental nessa

236


PARTE VI

mudança de visão, uma vez que, o educando reagirá a esses momentos de acordo com a maneira como ela é entendida e utilizada pelo professor. Há de se levar em conta também que um professor competente não avalia seus alunos somente por meio de prova ou de um somatório de notas. A avaliação, como já foi citado anteriormente, deve ocorrer durante todo o processo de ensino aprendizagem. Ao contrário do que se pensa não são somente em relação aos conteúdos que os alunos devem ser avaliados. Em uma sala de aula há muito o que avaliar. Um professor atento aos progressos e dificuldades dos alunos é capaz de avaliar a oralidade, as necessidades, a motricidade, a reação dos alunos diante das diversas situações, a afetividade, as inclinações e interesses dos alunos, seus conhecimentos de mundo. Elementos estes que não podem ser avaliados em um único momento chamado “prova”. A esse respeito Moretto diz que:

O que o professor pode avaliar pelas provas é a performance do aluno, obtendo assim um indicador de sua competência. No entanto, uma performance aquém do esperado não significa, necessariamente, falta de competência. Por esse motivo um professor competente não avalia seus alunos por uma prova. Da mesma forma não parece admissível um professor reprovar um aluno por alguns décimos nas notas. (MORETTO, 2006, p. 28).

O professor competente deve utilizar-se de diversos instrumentos para avaliar seus alunos bem como para mediar suas aulas. Deve escolher os objetivos, habilidades e competências que deseja avaliar elencando estratégias avaliativas pertinentes a cada momento e a cada necessidade. Reflitamos, porém que, como sujeito fundamental no cenário da avaliação da aprendizagem o professor é um objeto que faz parte da mudança, no entanto, toda a mudança que deve ocorrer no paradigma avaliativo dos sistemas, redes e escolas não pode e não deve ser de única e total responsabilidade do professor. Para mudar o processo avaliativo são necessários muitos estudos e primeiramente uma mudança de visão, de objetivos, de conceito e entendimento sobre a avaliação que deve partir, primeiramente de uma mudança no sistema educacional. Para que o sistema mude, é preciso que este reformule seus programas, libere disciplinas e chame os profissionais da educação para a efetivação de uma pedagogia diferenciada na qual todos são responsáveis pela formação de indivíduos capazes de utilizar na vida em sociedade, no mundo do trabalho, na vida em família as habilidades e competências desenvolvidas e trabalhadas nas escolas. Para mudar a avaliação brasileira, precisa-se mudar a intencionalidade da educação. Precisa-se reformular a idéia de cidadão que a escola deseja formar.

11.  Avaliar com Eficácia e Eficiência Vasco Pedro Moretto

Avaliar a aprendizagem tem sido um tema angustiante para professores e estressante para os alunos. Nas conversas com professores, orientadores e diretores, o assunto avaliação é sempre lembrado com um suspiro de desânimo e uma frase eloqüente: “Esse é problema! Aí está o nó”.

237


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Muito se tem escrito e falado sobre a avaliação da aprendizagem. As dúvidas continuam, os pontos de vista se multiplicam e se diversificam. O sistema escolar gira em torno desse processo e tanto professores como alunos se organizam em função dele. Por isso a verdade apresentada é: professores e pesquisadores precisam estudar mais, debater com profundidade e conceituar com segurança o papel da avaliação no processo da aprendizagem. A avaliação da aprendizagem é angustiante para muitos professores por não saber como transformá-la num processo que não seja uma mera cobrança de conteúdos aprendidos “de cor”, de forma mecânica e sem muito significado para o aluno. Angústia por ter que usar um instrumento tão valioso no processo educativo, como recurso de repressão, como meio de garantir que uma aula seja levada a termo com certo grau de interesse. Sentenças como: “anotem, pois, vai cair na prova”,” prestem atenção nesse assunto porque na semana que vem tem prova”, “se não ficarem calados vou fazer uma prova surpresa”, já que vocês não param de falar, considero a matéria dada e vai cair na prova”, e outras que se equivalem, são indicadores da maneira repressiva que tem sido utilizada a avaliação de aprendizagem. Se para o professor esse processo gera ansiedade, podemos imaginar o que representa para os alunos “Hora do acerto de contas”, “A hora da verdade”, “A hora de dizer ao professor o que ele quer que eu saiba”, “A hora da tortura”, são alguns dentre as muitas representações em voga entre os alunos. Enquanto não há prova “marcada” muitos alunos encontram um álibi para não estudar. E se por acaso o professor anunciar que a matéria dada não irá cair na prova, então para que estudar? Perguntarão os alunos. Para grande parte dos pais, a prova também não cumpre seu real papel. Se a nota foi razoável ou ótima, os pais dão-se por satisfeitos, pois pressupõem que a nota traduz a aprendizagem correspondente, o que nem sempre é verdade. E os alunos sabem disso. Se a nota foi de aprovação, o aluno a apresenta como um troféu pelo qual “deve receber a recompensa”: saídas autorizadas aumento de mesadas, passeios extras, etc. Lembrar que o dever foi cumprido... Ah! Isso nem vem ao caso. Diante de tal diagnóstico, a avaliação precisa ser analisada sob novos parâmetros e tem de assumir outro papel no processo da intervenção pedagógica, em conseqüência da redefinição dos processos de ensino e de aprendizagem. A avaliação é parte integrante do ensino e da aprendizagem. O ensinar, um dia, já foi concebido como o transmitir conhecimentos prontos e acabados, conjunto de verdades a serem recebidas pelo aluno, gravadas e devolvidas na hora da prova. Nessa visão de ensino, o aprender tem sido visto como gravar informações transcritas para um caderno (cultura cadernal) para devolvê-las da forma mais fiel possível ao professor na hora da prova. (...) Expressões como “o que será que o professor quer com esta questão? “Professor a questão sete não estava no caderno de ninguém, o senhor tem que anular”, “professora dá para explicar o que a senhora quer com a questão 3?, “professor, eu decorei todo o questionário que o senhor deu e na prova o senhor perguntou tudo diferente!” são indicadores de que a preocupação dos alunos é satisfazer os professores, é tentar responder para, com isso, obter nota. Nesta visão, que classificamos de tradicional, por ainda ser, a nosso ver, a que domina o processo de ensino nos dias de hoje, a avaliação de aprendizagem é encarada como um processo de “toma lá da cá’, em que o aluno deve devolver ao professor o que dele recebeu e de preferência exatamente como recebeu, o que Paulo Freire chamou “educação bancária”. Nesse caso não cabe criatividade, nem interpretação. A relação professor aluno vista dessa forma é identificada como uma forma de dominação, de autoritarismo do professor e de submissão do aluno, sendo por isso uma relação perniciosa na formação para a cidadania.

238

A perspectiva construtivista sociointeracionista propõe uma nova relação entre o professor, o aluno e o conhecimento. Ela parte do princípio que o aluno não é um simples acumulador de informações, ou seja, um mero receptor-repetidor: Ele é o construtor do próprio conhecimento. Essa construção se dá com a medição do


PARTE VI

professor, numa ação do aluno que estabelece a relação entre suas concepções prévias e o objeto de conhecimento proposto pela escola. Assim, fica claro que a construção do conhecimento é um processo interior do sujeito da aprendizagem, estimulado por condições exteriores criadas pelo professor. Por isso dizemos que cabe a este papel de catalisador do processo da aprendizagem. Catalisar/mediar/facilitar são palavras que indicam o novo papel do docente no processo de interação com o aluno, como vimos em capítulos anteriores.

11.1.  Prova: um momento privilegiado de estudo Avaliar a aprendizagem tem um sentido amplo. A avaliação é feita de formas diversas, com instrumentos variados, sendo o mais comum deles, em nossa cultura, a prova escrita. Por esse motivo, em lugar de apresentarmos os malefícios da prova e levarmos a bandeira de uma avaliação sem provas, procuramos seguir o princípio: Se tivermos que elaborar provas que sejam bem feitas, e atingindo seu real objetivo, que é verificar se houve aprendizagem significativa de conteúdos relevantes. É preciso ressaltar, no entanto, que a avaliação da aprendizagem precisa ser coerente com a forma de ensinar. Se a abordagem no ensino foi dentro dos princípios da construção do conhecimento, a avaliação da aprendizagem seguirá a mesma orientação. Nessa linha de pensamento, propomos alguns princípios que sustentam nossa concepção de avaliação da aprendizagem: • A aprendizagem é um processo interior ao aluno, ao qual temos acesso por meio de indicadores externos. • Os indicadores (palavras, gestos, figuras, textos) são interpretados pelo professor e nem sempre a interpretação corresponde fielmente ao que o aluno pensa. • O conhecimento é um conjunto de relações estabelecidas entre os componentes de um universo simbólico. • O conhecimento é construído significativamente, é estável e estruturado. • O conhecimento adquirido mecanicamente é instável e isolado. • A avaliação da aprendizagem é um momento privilegiado de estudo e não um acerto de contas. Para melhor compreender o processo da avaliação analisamos, ao longo de uma década, mais de seis mil provas aplicadas em escolas de quase todos os estados do Brasil. Dividimos os resultados de nosso estudo em dois blocos. O primeiro voltado para o que chamamos de características das provas na perspectiva para a primeira da qual somos fruto. Queremos dizer, apenas, que muito do que se fazia na escola há algum tempo não cabe mais no contexto atual da educação e do mundo profissional. (...)

11.2.  Eficácia e eficiência na avaliação da aprendizagem No contexto deste trabalho, a avaliação é eficaz quando o objetivo proposto pelo professor foi alcançado. Por exemplo, se o professor colocou como objetivo verificar se os alunos sabem todos os afluentes de Rio Amazonas, e todos obtêm 10 (dez) na prova, podemos dizer que a avaliação foi eficaz. A eficiência está relacionada ao objetivo e ao processo desenvolvido para alcançá-lo. Diremos que a avaliação é eficiente quando o objetivo proposto é relevante e o processo para alcançá-lo é racional, econômico e útil. Portanto, para que a avaliação seja eficiente, é preciso que seja também eficaz. Da mesma forma, a avaliação pode ser eficaz sem ser eficiente. Isso ocorre, por exemplo, quando um professor organiza as condições para que seus alunos aprendam de cor todos seus alunos tirem nota 10 (dez) na prova elaborada sobre o assunto. Pode se afirmar que a avaliação foi eficaz, pois ela atingiu o objetivo proposto. No entanto, a eficiên-

239


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

cia foi pouca, pois este conhecimento possivelmente não é relevante no contexto dos alunos e o processo de aprendizagem não foi racional, pois aprenderam “de cor” e de forma isolada. Compete ao professor organizar de forma eficiente o processo da avaliação da aprendizagem.

11.3.  Algumas características das provas na linha tradicional A)  Exposição exagerada da memorização A memorização certamente tem seu lugar no processo da aprendizagem, desde que seja uma memorização acompanhada da compreensão do significado do objetivo do conhecimento. O que a escola tradicional explorou com mais ênfase foi a memorização em busca do acúmulo de informações. (...).

Exemplos: 1º - (Prova de Ciência – 6ª série) Relacione os nomes das aranhas venenosas: Aranha marrom ( ) Latrodectes Armadeira ( ) Lycosa Tarântula ( ) Loxóceles Viúva negra ( ) Ortognata Caranguejeira ( )Phoneutria 2º - (Prova de História – 8ª série) Complete as lacunas: a) As cidades fenícias eram chefiadas por um ................................ que governava com apoio de ........................................ como os ............................................, os .................................................. e os membros do .................................................. b) A principal atividade dos fenícios era o.................................................. Em função disso desenvolveram as técnicas de ............................................... a longa distância, tornando-se os maiores .............................................. da Antiguidade.

Questões desse tipo apelam para a memorização pouco significativa, sem uma análise ou explicação. Podemos imaginar o que isso possa representar para um aluno do Ensino Fundamental. B)  Falta de parâmetro para correção Esta é uma característica encontrada em muitas provas e que deixa o aluno “nas mãos do professor”. Com a falta de definição de critérios para a correção, vale o que o professor queria o que o aluno tivesse respondido. (os enunciados das questões devem ser claros, bem definidos). Exemplos: Como é a organização das abelhas numa colméia? Respostas dos alunos: “É jóia!”; “É espetacular!”; “É incrível!”; “É maravilhosa!”. São respostas possíveis segundo a pergunta. Qual seria, neste caso, o parâmetro utilizado pelo professor na correção? O que dirá o professor? Certamente sua reação será: “O aluno assistiu a minha aula e deve responder da forma que foi dado”. É sobre isso que queremos chamar sua atenção. Esta afirmação, embora com fundamento é indicadora da visão tradicional na informações (leia-se informações e não conhecimentos) aos alunos (receptores -repetidores) e estes a copiaram em seus cadernos (cultura cadernal) e na prova devolvem o que receberam (como bem lembra a Pedagogia Bancária de Paulo Freire!)

240


PARTE VI

C)  Utilização da palavra de comando sem precisão de sentido no contexto Toda pergunta busca uma resposta. A clareza e precisão da segunda dependerão muito da estrutura da primeira. Há palavras de comando usadas com muita freqüência na elaboração de questões de prova que não tem sentido preciso no contexto. Destaquemos algumas delas: comente, discorra, como, dê sua opinião, conceitue você, como você justifica, o que você sabe sobre, quais, caracterize, identifique as principais características. Não estamos afirmando que as palavras não podem ser utilizadas. O que dissemos é que elas precisam ter sentido no contexto em que são usadas permitindo a parametrização correta da questão. Para melhor compreensão das três grandes características das provas ditas tradicionais, apresentaremos algumas questões com análise de seus enunciados. Repare bem que intencionalmente usaremos respostas “extremas”, que poderão parecer absurdas, dentro do “contrato pedagógico do contexto da sala de aula”. Fizemos esta opção esperando que eles sirvam de exemplos de “como não se deve elaborar uma prova”.

Questão Como é a organização das abelhas numa colméia? Respostas “É jóia!”; “É maravilhosa!”; “É fantástica!”; “É incrível!”; “É estupenda!”; “É muito boa!”. Comentário Pelo comando da questão – Como – todas as respostas estão corretas. Sabe-se que certamente não era isso que o professor queria, pois ele pensa na explicação dada em aula e tem certeza que o aluno “sabe o que ele quer como resposta”, e é isso que ele irá exigir na correção. Outra forma de perguntar Vimos em nossas aulas de ciências, como é maravilhosa a organização das abelhas numa colméia, pois cada grupo de elementos da colméia tem uma função específica, para que o todo funcione em harmonia. Partindo desta idéia:

a)  Descreva a função de ao menos quatro grupos de elementos da colméia; b)  Apresente por escrito um paralelo entre o funcionamento da colméia e o de nossa escola, no tocante ao cumprimento das funções de cada um. Comentários Nesta forma de elaboração, não se deixou de questionar sobre a colméia e seu funcionamento. Introduziu-se o tema transversal da cidadania, que é uma recomendação dos Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNs.

11.4.  O que é Portfólio? É uma técnica inovadora de avaliar o progresso do educando através de um conjunto de procedimentos conflitos, é instrumento de estimulação do pensamento reflexivo. pode-se dizer que é uma avaliação contínua mais autêntica, objetiva e compreensiva, pemitindo acompanhar todos os processos de aprendizagem. Resumindo: PORTFÓLIO não é um depósito de trabalhos “organizados”, e dialogando com os educandos. Ao elaborarmos um Portfólio, assumimos então uma estratégia conjunta de reflexão, ação e avaliação.

241


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

O portfólio como instrumento de avaliação: A nossa cultura escolar, ao longo deste século, construiu fortes representações a respeito da avaliação padronização, mediação, comparação, seleção, mérito - que habitam ainda hoje o imaginário da sociedade em geral. Estas ideias influenciam as práticas escolares e são entraves difíceis de serem vencidos. Ainda hoje, pais, professores, gestores e escolas de Ensino Fundamental esperam que todas os educandos tenham alcançado a base alfabética por volta dos 6 anos. Embora divergente das normas da política nacional, esta e outras exigências da comunidade escolar acabam por pressionar a manutenção de uma prática avaliativa padronizadora e excludente. Temos em mente padrões universais de desenvolvimento, aprendizado e comportamento infantil. Na verdade é dessa forma que construímos o nosso olhar sobre nossos alunos e alunas. Isto nos leva a uma inevitável classificação das crianças. É muito comum, por exemplo, que se espere que todas as crianças estejam andando com 1 ano, que estejam desenhando a figura humana aos 4 anos, ou que todos adorem brincadeiras movimentadas. Se isso não acontece, rapidamente pensamos que estas crianças estão fora da normalidade. A solução encontrada é encaminhá-las para atendimento de especialistas como psicólogos, fonoaudiólogos entre outros. Avaliamos nossas crianças, quase sempre, levando em consideração aquilo que elas não dão conta de fazer, segundo nossas expectativas. Raramente mudamos o olhar para compreender a história de cada uma delas, suas possibilidades, o tanto que já cresceram e o que ainda podem crescer. Tem-se, por outro lado, no próprio espaço da escola um campo fértil para a realização de mudanças criativas. A avaliação deve ao mesmo tempo servir para acompanhar a trajetória da criança; orientar os pais quanto a possíveis caminhos a serem trilhados na educação de seu filho e, sobretudo, auxiliar a professora a refletir sobre sua prática. No entanto, para que estas metas se tornem realidade, tem sido necessário um trabalho de construção coletiva, que ultrapassa os muros da sala de aula e envolve a todos, escola e família. Sabemos que esta construção é interminável. Estamos constantemente nos avaliando, aprendendo e mudando aquilo que precisa ser mudado. A construção do Portfólio é fruto da busca por uma forma de acompanhamento mais eficiente.

11.4.1.  Reflexão sobre o Portfólio: Este instrumento pode ser entendido, inicialmente, apenas como uma coleção de trabalhos, textos, desenhos, produções, que são recolhidos pelos professores e alunos, ao longo do processo. Ele deve, no entanto, significar muito mais que isso; podem revelar esforço, progresso, conquistas de diferentes etapas de trabalho ou de investimento pessoal e profissional. O Portfólio está para além de um mero arquivo de registros, pois exige reflexão crítica, planejamento, desenvolvimento das ações, análise do caminho percorrido, chegando à reflexão, à avaliação final, demonstrada pelo que foi realizado. Sempre se ouviu falar de Portfólios como processo de registro de documentos ou trabalhos realizados por diferentes pessoas no mundo das artes, das letras, da administração, da educação, por exemplo. Por décadas professores, dentistas, fotógrafos, modelos, artistas plásticos, entre outros profissionais elaboraram Portfólio de seus trabalhos a fim de mostrarem as suas competências de forma consistente e eficaz.

242


PARTE VI

Na educação, passou-se a falar em Portfólio na década de 1980, como contribuição para o aprofundamento reflexivo das concepções de avaliação. A elaboração dos Portfólios, nas práticas educativas, emerge de novas abordagens no campo da educação e da psicologia, que dão ênfase às aprendizagens significativas, ao comportamento ativo do aluno no processo de apreender e às aprendizagens significativas, ao comportamento ativo do aluno no processo de apreender e à necessidade de aproximar as práticas avaliativas das experiências proporcionadas aos discentes. Rovira (2000) considera o Portfólio uma forma de organizar as atividades realizadas pelos estudantes, a qual demonstra tanto o processo de aprendizagem como os resultados obtidos, a serem avaliados conjuntamente pelo professor e pelo próprio aluno. O Portfólio não é apenas uma forma de organizar os materiais, mas equivale aos processos que são utilizados, às realizações e aos resultados de desenvolvimento das competências que vão evoluindo, à medida que os alunos comprometem-se, crescem cognitivamente e auto-regulam a aprendizagens. Ele possibilita que a avaliação seja algo pertinente ao trabalho, esteja sempre co-relacionada com aquilo que está sendo planejado e desenvolvido. É importante que o professor não ignore o aluno e sua apreciação sobre o assunto, proporcionando-lhe e estimulando auto-avaliar-se, julgar, pensar, refletir, defender-se e argumentar sobre o que realizou. Este instrumento é considerado uma coleção organizada de trabalhos que permitem a auto-reflexão e ajudam a compreender o que está sendo feito. Essa forma sistemática de colecionar, selecionar, refletir sobre o que é feito torna o Portfólio um instrumento dinâmico e significativo de avaliação das aprendizagens realizadas. Ele também é referência, é uma estratégia que permite organizar a avaliação formativa de acordo com as idéias e os princípios estabelecidos na proposta pedagógica. Os diferentes resultados obtidos através do Portfólio permitem mostrar pensamentos, interesses, esforços e objetivos de diferentes propostas pedagógicas e as conquistas de cada aluno individualmente. Ele é um registro do processo de aprendizagem do aluno e de como ocorreu esta aprendizagem; de como cada um pensa, analisa, avalia, sintetiza, produz, cria, interage cognitiva, emocional e socialmente (GRACE,1992). O portfólio torna-se a evidência tangível dos processos, dos resultados, das realizações, das competências que vão evoluindo, à medida que o indivíduo desenvolve-se e cresce. Na questão reflexiva, a linguagem toma destaque, porque a criança deve ser desafiada a expressar-se oralmente sobre seu trabalho e, ao fazer suas análises, interioriza a verdadeira natureza da reflexão, fornecendo melhor estrutura para aprimorar suas ações. Na creche, onde a linguagem está em franco desenvolvimento, o professor terá a função de escriba, e na maioria das vezes, registra ações que demonstrem competências e habilidades desenvolvidas pelas crianças através de registros sistemáticos, fotografias, entrevistas etc. Na pré-escola, as crianças entre os 3 e 5 anos desenvolvem competências de execução que lhes permitem planejar tarefas (quadro de programação) para atingir objetivos estabelecidos e são facilmente estimuladas a olhar o futuro, pensando em como podem fazer determinadas atividades, o que implica pensar sobre o quê e como fazer. Este processo passa a ser determinante para a construção da autonomia, considerada, nos dias atuais, uma das dificuldades enfrentadas na educação infantil. O Portfólio passa a ser um instrumento em que o próprio aluno consegue responder questões da realidade contextual, além de perceber seus avanços e suas dificuldades, agindo sobre elas, impulsionando pelas intervenções feitas pelo professor.

243


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Na educação infantil, testemunharem, argumentarem sobre determinado conhecimento, que registrados de uma forma mais sistemática, mostrará um processo de continuidade na construção das aprendizagens. O hábito de refletir sistematicamente leve a criança a pensar sobre suas experiências diárias, que, somadas a seus conhecimentos prévios e aos estímulos oportunizados pelo educador, a tornam mais ativa, participativa e auto-reflexiva em suas aprendizagens.

11.5.  Utilização do Portfólio na Educação Infantil A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica e nela a criança precisa ter a oportunidade de desenvolver suas habilidades e competências em condições educativas apropriadas, favorecedoras do desenvolvimento de suas capacidades e potencialidades. Os pilares da Educação Infantil: cuidar, brincar e educar – indicam a necessidade de acompanhar e estimular o desenvolvimento integral da criança. Os Portfólios são utilizados para registro das etapas de trabalho desenvolvidas pelas crianças nos diferentes projetos, com o objetivo de acompanhar o avanço de suas aprendizagens. Estes instrumentos devem ser construídos com atividades que tenham significado para a vida dos alunos, procurando trabalhar seus interesses e atendendo, na medida do possível, suas expectativas, pois assim esta forma de trabalho terá resultados positivos para o professor e o aluno. Os registros são feitos de diversos modos: por escrito, desenhos, pinturas, colagens fotografias, anotações de quando, por que e o que significou para determinada criança o momento registrado. O Portfólio permite analisar se e como a criança envolve-se nas tarefas de trabalho. Para isso, é preciso que a professora registre a memória da criança, as experiências realizadas, na sala de aula, no pátio, na família, no trabalho com os pais ou em passeios. A participação da família é fundamental, cabe a ela auxiliar na análise do progresso do filho, fazendo registros e os encaminhando à escola. Esses registros incluem fatos, idéias, descobertas, livros lidos, filmes e passeios. A família ainda responde a instrumentos, questionários enviados para casa sobre o que está sendo trabalhado em sala de aula e coopera, enviando à escola materiais para serem utilizados nos projetos, pois as atividades são realizadas com materiais concretos. Tudo que o professor colhe da criança, fruto da participação familiar, pode entrar no Portfólio, através de registro de fala da criança. Os pais são importantíssimos nesse processo, porque ao “olhar fotografias” faz com que as crianças pensem sobre suas próprias realizações; na sala de aula, a professora pode aproveitar o fato registrado em fotografias para que cada um explique aos demais colegas sua experiência, registrando e/ou pedindo para a criança desenhar. Ao iniciar cada projeto, os alunos fazem consultas prévias, em jornais, revistas, livros, sobre o que será trabalhado, as quais, posteriormente, serão anotadas no Portfólio: “em situações como essas, os Portfólios tomaram-se pontos de referencia para as crianças e para as famílias, sendo portadores de informações para o desenvolvimento e fontes de inspiração e de confiança para os aprendizes” (GRACE & SHORES, 2001). Este processo de montagem estimula a reflexão, a interpretação e a compreensão ao acompanhamento das aprendizagens das crianças, ao mesmo tempo em que contribui para a reorientação e a qualificação da prática pedagógica, permitindo ao professor construir um entendimento não só daquilo que as crianças entendem, fazem e sabem, mas também do caminho que as leva a construir o conhecimento, bem como o envolvimento da família no programa de Educação Infantil.

244

Percebe-se que os registros, inicialmente, dependendo da idade da criança, podem ser feitos de várias formas em anotações diversas. É preciso incentivar formas alternativas de registro sobre o que está sendo feito ou pesquisado. Gravar, desenhar, ler livros, olhar gravuras, pesquisar determinados assuntos são alternativas para estimular a aprendizagem. Essas notas ou registros são indícios para as necessidades de certos alunos


PARTE VI

e a evidência de seu processo nos diferentes domínios do desenvolvimento. A criança, à medida que cresce, familiariza-se com esta forma de trabalho e vai gradativamente, aperfeiçoando seus registros, e, quando menos se percebe, ela codifica suas idéias de acordo com suas possibilidades (desenha, pinta, escreve, enumera). Em algumas situações, os registros são feitos coletivamente, em outras individualmente, respeitando as diferenças e as propostas de trabalho. Cada Portfólio é único e pessoal. Algumas crianças conseguem completar todo o trabalho planejado, pois estão sempre presentes em aula, retomando várias vezes cada uma das atividades vividas, fazendo e refazendo suas análises. Alguns Portfólios, no entanto, ficam incompletos, pois há alunos que frequentemente faltam às aulas, o que dificulta muito seu acompanhamento. Através dessa estratégia de trabalho, busca-se incluir todas as crianças (re) organizando as atividades propostas, adequando os materiais as necessidades de cada um, mas sempre acreditando que todos conseguem fazer. A construção de Portfólios contribui não apenas para o avanço das aprendizagens no desenvolvimento infantil, mas também para a prática docente e para o investimento na qualidade dos projetos de trabalho. Pelo Portfólio, é possível conhecer como cada aluno percorre seu processo de aprendizagem. A utilização do Portfólio é ainda bastante na prática educativa da Educação Infantil, porque há muitos professores que consideram como mero instrumento de avaliação e não de acompanhamento das aprendizagens construídas. Para utilizá-lo é necessário conhecimento e organização do mesmo para que ele possa ser útil, do contrário será apenas uma pasta, uma coletânea de trabalhos sem utilidade, o que passa a ser motivo de contestação. É preciso: organização, criatividade, pesquisa, conhecimento do que se quer desenvolver e ter uma proposta objetiva e clara. A partir do estudo realizado sobre a utilização do Portfólio em sala de aula na educação infantil, constatou-se que ele influencia de forma significativa os seguintes pontos: a)  Prática pedagógica – comprovou-se melhorias das competências organizacionais do professor nos processos de ensino e de aprendizagem na gestão da sala de aula. Essas passaram a ser mais interrelacionadas, com abordagem mais centrada em uma proposta que envolve o aluno, tornando o sujeito do próprio processo; b)  Planejamento das atividades – compreendeu-se que os professores implementam atividades de aprendizagem, cooperativas e significativas que possibilitam maior participação, planejamento e reflexão em parceria: alunos e professores; c)  Processo de avaliação – constatou-se que a diferença é que o processo de reflexão traz implícito o processo de avaliação, porque ele estimula a auto-organização e, portanto, a auto-reflexão, além de despertar a cognição e a motivação na realização das tarefas; d)  Desenvolvimento do aluno – observou-se que os discentes passam a ser considerados sujeitos ativos do processo; assumem a participação e a reflexão das propostas de trabalho e das conquistas realizadas com mais individualidade e autonomia, o que oportuniza a aprendizagens significativas. Eles também sistematizam, com mais segurança os trabalhos escolares; e)  Envolvimento dos pais – leva a maior envolvimento com a proposta da escola; os pais estimulam os filhos a realizarem tarefas e a participarem dos projetos. A organização dos Portfólios, por ser um processo lento e exigir muita dedicação para produzir, organizar e compilar todo material pode gerar receios e dúvidas. Para que ele torne-se um instrumento eficaz na

245


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

aprendizagem infantil, é imprescindível que cada aluno tenha um contínuo feedback de seu trabalho, afim de que o esforço do aprender não resulte em mera compilação de trabalhos.

11.6.  Orientação para a construção do Portfólio Sob a orientação da Supervisão Escolar, podemos anexar os relatórios de avaliação (originais) do 1º e 2º trimestre ao Portfólio da criança, para ir para casa ao final do ano. Já o relatório do 3º trimestre (compilação dos dois primeiros, incluídos os avanços da criança no 3º trimestre) ficará arquivado na escola como documento final de avaliação e sua cópia, enviada as unidades escolares para as quais as crianças forem transferidas. Além dos relatórios, o Portfólio contará com: • Folha para identificação da criança. • Listagem nominal dos alunos. • Coletânea de atividades que apresentam as evidências da aprendizagem do aluno: −− Registros de indicações da construção de conhecimento do aluno ao longo do desenvolvimento dos projetos. −− Registros das pesquisas realizadas pelo aluno. −− Amostras de trabalhos: trabalhos artísticos, ditados das crianças, amostras de escritos etc. −− Registros de memória. −− Trabalhos com observações do professor. −− Síntese do que aprenderam nos projetos (O que aprendemos?). −− Registro de idéias, análises e conclusões da criança. −− Anotações do pensamento da criança sobre o que tem aprendido. −− Registro de atividades do dia-a-dia que demonstrem o desenvolvimento do aluno: comentários sobre histórias, eventos que participa, pessoas que entrevista, experiências que realiza etc. −− Trabalhos selecionados pelo próprio aluno (significativos para ele). • Inserir trabalhos significativos realizados nas aulas de informática. • Identificação da Equipe Escolar.

11.7.  Outras orientações quanto à construção do Portfólio: • Registrar a fala espontânea, as novidades, as conclusões, os comentários acerca de fatos, aprendizagens ou acontecimentos significativos da criança, em folha anexa ao desenho • Registrar parte do quadro de cognição, onde houver contribuição da criança • Registrar conclusões das descobertas na aula de informática • Registrar a contribuição da criança no quadro de cognição nº6 (o que ela aprendeu ao longo daquele projeto) • Registrar as histórias contadas pela criança • Colocar o nome completo da criança na identificação do Portfólio • Colocar data em todos os trabalhos

246

• Evitar deveres estéreis e não reflexivos


PARTE VI

• Evitar exercícios repetitivos que não contribuem para a construção da noção de número • Registrar o pensamento lógico da criança ao concluir uma seriação, classificação, ordenação, etc. com desenho anexado • Deixar que a própria criança recorte suas figuras para realização das atividades propostas • Evitar dividir o Portfólio por trimestre, uma vez que trabalhamos por projetos • No Portfólio só entram tarefas realizadas na presença do professor que constatou tal construção, portanto, tarefas realizadas em casa não entram no Portfólio • Ao introduzir registros dos blocões no Portfólio, deve-se retirar apenas a fala da criança pertencente àquele Portfólio, evitando-se assim comparações • Registros de pesquisas realizadas pelos responsáveis não entram no Portfólio • Ao anexar as pesquisas (de conteúdo) trazidas de casa pela criança, deve-se registrar o que a criança apreendeu do assunto • Atentar para registros com letra adequada, (letra bastão) • Os registros de erros fonéticos não deverão entrar nas atividades do Portfólio.

Considerando que a formação escolar necessita ser repensada e refletida, pelo fato de os valores sociais e os saberes disciplinares estarem mudando, a educação atual necessita respeitar as inteligências múltiplas dos seus educandos. Assim, para ser coerente com essa visão, uma modalidade de aprendizagem e avaliação, advinda do campo da arte: o Portfólio desponta como proposta promissora. O seu uso em educação constitui uma estratégia que procura atender à necessidade de aprofundar o conhecimento sobre a relação ensino-aprendizagem, assegurando aos alunos e professores uma compreensão maior do que foi ensinado e, desse modo, índices mais elevados de qualidade.

11.8.  O que não deve conter no Portfólio • Nome incompleto da criança; • Trabalhos sem data; • Registro dentro do trabalho da criança; • Exercícios estéreis e não reflexivos; • Registro gráfico repetitivo dos números; • Conceitos distorcidos: esfera / círculo; • Registro do termo “tia”; • Figuras recortadas pelo professor; • Divisão por bimestre; • Trabalhos feitos em casa; • Registros coletivos; • Registro feito pelos pais; • Pesquisa de letra; • Registro de letra inadequada; • Registro de erro fonético: “tá.

247


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

12.  Ensinando a turma toda - as diferenças na escola. Maria Teresa Eglér Mantoan Universidade Estadual de Campinas - Unicamp Faculdade de Educação - Departamento de Metodologia de Ensino Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diversidade – LEPED/Unicamp

12.1.  Recriar o modelo educativo. Superar o sistema tradicional de ensinar e de aprender é um propósito que temos de efetivar urgentemente, nas salas de aula. Recriar o modelo educativo refere-se primeiramente ao que ensinamos aos alunos e a como os ensinamos. Recriar esse modelo tem a ver com o que entendemos como qualidade de ensino. Há tempos que qualidade de ensino significa alunos com cabeças cheias de datas, fórmulas, conceitos, todos justapostos, lineares, fragmentados, enfim, o reinado das disciplinas estáticas e com muito, muito conteúdo. Escolas consideradas de qualidade ainda são as que centram a aprendizagem no conteúdo e que avaliam os alunos, quantificando respostas padrão Seus métodos e práticas preconizam a exposição oral, a repetição, a memorização, os treinamentos, o livresco, a negação do valor do erro. São aquelas escolas que estão sempre preparando o aluno para o futuro: seja este a próxima série a ser cursada, o nível de escolaridade posterior, o exame vestibular! Pensamos que uma escola se distingue por um ensino de qualidade, capaz de formar dentro dos padrões requeridos por uma sociedade mais evoluída e humanitária, quando promove a interatividade entre os alunos, entre as disciplinas curriculares, entre a escola e seu entorno, entre as famílias e o projeto escolar. Em suas práticas e métodos predominam as co-autorias de saber, a experimentação, a cooperação, protagonizadas por alunos e professores, pais e comunidade. Nessas escolas o que conta é o que os alunos são capazes de aprender hoje e o que podemos lhes oferecer para que se desenvolvam em um ambiente rico e verdadeiramente estimulador de suas potencialidades. Em uma palavra, uma escola de qualidade é um espaço educativo de construção de personalidades humanas, autônomas, críticas, uma instituição em que todas as crianças aprendem a ser pessoas. Nesses ambientes educativos ensinam-se os alunos a valorizar a diferença, pela convivência com seus pares, pelo exemplo dos professores, pelo ensino ministrado nas salas de aula, pelo clima sócio-afetivo das relações estabelecidas em toda a comunidade escolar - sem tensões competitivas, solidário, participativo, colaborativo. Escolas assim definidas são contextos educacionais capazes de ensinar todos, numa mesma turma.

12.2.  Ensinar a turma toda sem exclusões Para ensinar a turma toda, parte-se da ideia de que as crianças sempre sabem alguma coisa, de que todo educando pode aprender, mas a seu modo e a seu ritmo e de que o professor não deve desistir, mas nutrir uma elevada expectativa em relação à capacidade de seus alunos conseguirem vencer os obstáculos escolares, apoiando-os na remoção das barreiras os impedem de aprender. Entende-se que o sucesso da aprendizagem tem muito a ver com a exploração dos talentos de cada um e que a aprendizagem centrada nas possibilidades e não nas dificuldades dos alunos é uma abordagem efetiva. Em outras palavras, a proposta de se ensinar a turma toda, independentemente das diferenças de cada um dos alunos, implica a passagem de um ensino transmissivo para uma pedagogia ativa, dialógica, interativa, conexional, que se contrapõe a toda e qualquer visão individualizada, hierárquica do saber.

248


PARTE VI

Para se ensinar a turma toda temos de propor atividades abertas, diversificadas, isto é, atividades que possam ser abordadas por diferentes níveis de compreensão e de desempenho dos alunos e em que não se destaquem os que sabem mais ou os que sabem menos, pois tudo o que essas atividades propõem pode ser disposto, segundo as possibilidades e interesses dos alunos que optaram por desenvolvê-las. Debates, pesquisas, registros escritos, falados, observação; vivências são processos pedagógicos indicados para realizar essas atividades, além, evidentemente, dos conteúdos das disciplinas, que vão sendo chamados espontaneamente a esclarecer os assuntos em estudo. A avaliação do desenvolvimento dos alunos também muda, por coerência com a prática referida anteriormente. Trata-se de uma análise do percurso de cada estudante, do ponto de vista da evolução de suas competências ao resolver problemas de toda ordem e de seus progressos na organização do trabalho escolar; no tratamento das informações e na participação na vida social da escola. Criar contextos educacionais capazes de ensinar a todos os alunos demanda uma reorganização do trabalho escolar. Tais contextos diferem radicalmente do que é proposto pedagogicamente para atender às especificidades dos educandos que não conseguem acompanhar seus colegas de turma, por problemas de toda ordem - da deficiência intelectual a outras dificuldades de ordem relacional, motivacional, cultural. Sugerem-se nestes casos as adaptações de currículos, a facilitação das atividades escolares, além dos programas para reforçar as aprendizagens ou mesmo acelerá-las, em casos de maior defasagem idade/séries escolares. A possibilidade de se ensinar a turma toda, sem discriminações e sem adaptações pré definidas de métodos e práticas especializadas de ensino advém, portanto, de uma reestruturação do projeto pedagógico-escolar como um todo e das reformulações que esse novo projeto exige da prática de ensino, para que esta se ajuste a novos parâmetros de ação educativa. Enquanto os professores, persistirem em: - propor trabalhos coletivos, que nada mais são do que atividades individuais feitas ao mesmo tempo pela turma - ensinar com ênfase nos conteúdos programáticos da série; - adotar o livro didático, como ferramenta exclusiva de orientação dos programas de ensino; - servir-se da folha mimeografada ou xerocada para que todos os alunos a preencham ao mesmo tempo, respondendo às mesmas perguntas, com as mesmas respostas; - propor projetos de trabalho totalmente desvinculados das experiências e do interesse dos alunos, que só servem para demonstrar uma falsa adesão do professor às inovações; - organizar de modo fragmentado o emprego do tempo do dia letivo para apresentar o conteúdo estanque desta ou daquela disciplina e outros expedientes de rotina das salas de aula. - considerar a prova final, como decisiva na avaliação do rendimento escolar do aluno, não teremos condições de ensinar a turma toda, reconhecendo as diferenças na escola. Estas práticas pedagógicas configuram um ensino para alguns alunos. E para alguns, em alguns momentos, algumas disciplinas, atividades e situações de sala de aula. A exclusão então se manifesta amplamente, atingindo a todos os alunos, em um ou em outro momento do dia escolar, porque sempre existem os que não aceitam deliberadamente uma proposta de trabalho escolar descontextualizada, sem sentido e atrativos intelectuais, porque não desafia, não atende a motivações pessoais. Essas atividades servem para gerar indisciplina, competição, discriminação, preconceitos e para categorizar os bons e os maus alunos, por critérios infundados e irresponsáveis. O professor que ensina a turma toda compartilha com seus alunos a autoria dos conhecimentos produzidos em uma aula; trata-se de um profissional que reúne humildade com empenho e competência para ensinar, pois o falar e o ditar não são mais os seus recursos didático-pedagógicos básicos. O ensino expositivo não cabe nas salas de aula em que todos interagem e participam ativamente da construção de ideias, conceitos, sentimentos, valores.

249


Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/ 9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Um ponto crucial do ensinar a turma toda é reconhecer o outro em sua inteligência e valorizá-lo, de acordo com seus saberes e com a sua identidade sócio-cultural. Sem estabelecer uma referência, mas investindo nas diferenças e na riqueza de um ambiente que confronta significados, desejos, experiências, o professor deve garantir a liberdade e a diversidade das opiniões dos alunos e nesse sentido ele é obrigado a abandonar crenças e comportamentos que negam ao aluno a possibilidade de aprender a partir do que sabe e chegar até onde é capaz de progredir. O nosso desafio como educadores é reunir alunos de diferentes níveis, diante de uma situação de ensino, em grupos desiguais, pois assim é que se passa na vida e é assim que a escola deve ensinar a ter sucesso na vida. Temos pois de desconfiar das pedagogias que implementam dispositivos e que se nutrem de bons propósitos de ensinar, de preparar para a vida, mas que favorecem ativamente os desfavorecidos. Ser competente na escola e na vida depende de tempo, e esse tempo é contado desde cedo, quando, nas salas de aula, construímos conhecimento e aprendemos a mobilizá-lo em situações as mais diferentes, que exigem transposições entre o que é aprendido e o que precisa ser resolvido com sucesso e na desigualdade dos níveis, nas diferenças de opiniões, de enfoques, de humores, de sentimentos. Essa transposição e a construção de competências, entendida como nos define Perrenoud (1999): uma capacidade de agir eficazmente em um determinado tipo de situação, apoiada em conhecimentos, mas sem limitar-se a eles (p.7) tem seu cenário ideal na escola que repete a vida, tal como ela é. Talvez seja este o nosso maior mote: fazer da escola um lugar em que cada um vai para aprender coisas úteis , para enfrentar e viver a vida como um ser livre, criativo e justo. Fazer da escola o local do encontro com o outro, que é sempre e necessariamente diferente.

250


Referências bibliográficas ALMEIDA, Antônio Figueira de – Barra Mansa 1764 – 1984. Memória Comemorativa do 1° Centenário. Câmara Municipal de Barra Mansa. 1994. ALVES, Perpetua do Socorro Alves. Nossa Senhora do Rosário dos Quatis e sua Gente. Monografia de especialização em pesquisa histórica. Faculdade Salesiana de Lorena (SP). 1974. ALVES, Rubem. Disponível em http://www.rubemalves.com.br/gaiolaseasas.htm. ANTUNES, Celso. Um método para o ensino fundamental: o projeto. 2. Ed. Petrópolis: Vozes, 2002. ARROYO, Miguel G. Currículo, Território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. ______. Indagações sobre currículo: educandos e educadores: seus direitos e o currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. ATHAYDE, J. B. de – Barra Mansa e seus administradores. Juiz de Fora. Oficinas Gráficas da Sociedade propagadora ESDEUA, 1971. BARROS, Hyeróclio Virgílio de Carvalho – História e histórias de Quatis. Rio de Janeiro. Editoração Editora Ltda. 2003. BRASIL, Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 17/2010, aprovado em 8 de dezembro de 2010 - Normas de funcionamento das unidades de Educação Infantil ligadas à Administração Pública Federal direta, suas autarquias e fundações. ______. Conselho Nacional de Educação, resolução Nº 1, de 17 de junho 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. ______. Constituição (1988). Texto Constitucional de 5 de outubro de 1988. ______. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. UNESCO, Jomtiem/Tailândia, 1990. ______. Decreto 7352 de 04 de novembro de 2010. ______. Deliberação CEE Nº 5/00 de 27 de outubro de 1999. Estabelece normas para a educação de alunos que apresentam necessidades especiais na educação básica no sistema estadual de ensino de São Paulo. São Paulo, SP, 2009. ______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. ______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei 9394/96, de 20 de dezembro de 1996.

251


______. Lei n.º10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9394/96, de 20 de novembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” e dá outras providências. ______. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2008. ______. Ministério da Educação. Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade. Brasília: MEC/SEESP, 2003. ______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Lei Nº 7.853, de 24 de outubro de 1989. Brasília, DF, 1989. ______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Decreto Nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Brasília, DF, 1999. ______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Marcos Políticos legais da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2010. ______. Parâmetros Curriculares Nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. ______. Resolução CEB nº 11 de 10.05.2000 - Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação de Jovens e Adultos. ______. Resolução nº 02 de 28 de abril de 2008. Brasília: Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica. ______. Resolução nº 04, de 13 de julho de 2010. Brasília: Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica. ______. Resolução nº 7, de 14 de dezembro de 2010. Brasília: Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica. ______. Texto-referência para a elaboração das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola, Brasília: MEC, 2011. CANAL DO EDUCADOR. www.educador.brasilescola.com.br. CANTINHO DAS EDUCADORAS. Disponível em www.cantinhodaseducadoras.blogspot.com Carta das Cidades Educadoras. Proposta Definitiva, novembro de 2004. COLL, César. Psicologia e currículo. São Paulo: Ática, 2007. Comissão Pró-Memória – O resgate de nossa História. Prefeitura Municipal de Quatis- RJ- 2000. CORSINO, Patricia. Educação Infantil – Cotidiano e Políticas. Autores Associados LTDA. 2009 D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação Matemática da Teoria à Prática. Campinas/SP: Papirus, 1997

252


DECLARAÇÃO da Guatemala. Convenção interamericana para eliminação de todas as formas de discriminação contra as pessoas portadoras de deficiência. Guatemala, 1999. DECLARAÇÂO de Salamanca. Sobre os princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Espanha: Salamanca, 1994. FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Educação Pré-escolar e cultura. Para uma Pedagogia da Educação Infantil. Campinas: UNICAMP, 1999. FARIA, Yara Prado de. Por Que Trabalho Diversificado? Revista Criança, Minas Gerais, nº 20, jan. 1989. Ferreira, Aurélio B. de Hollanda. NOVO Dicionário da Língua Portuguesa. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 4. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. ______. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1978. HERNANDEZ, Fernando e VENTURA, Montserrat. A organização do Currículo por projetos de trabalhos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. HOFFMANN, Jussara. Avaliação na pré-escola. Um olhar sensível e reflexivo sobre a criança. 11. ed. São Paulo: Mediação, 2003. KAMII, Constance. A Criança e o Número. São Paulo: Papirus, 1990. LEITE, Helena Fabiano Teixeira e ALVES, Perpetua do Socorro - Minha terra, minha gente - Município de Quatis - Niterói. Imprensa Oficial. 1998. Livro de Tombo n° 1- Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário - Quatis - RJ. Livro de Tombo s/n°- 1834 até 1897- Igreja de Ribeirão de São Joaquim - Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Quatis - RJ. LUKESI, C. Cipriano. Avaliação da aprendizagem escolar. Cortez Editora, 2002. MACHADO, Nilson José. Matemática e Língua Materna. São Paulo: Cortez, 1993. MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Ensinando a turma toda - as diferenças na escola. Universidade Estadual de Campinas - Unicamp. Faculdade de Educação - Departamento de Metodologia de Ensino Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diversidade - LEPED/Unicamp. São Paulo. SP. MARCOZZI, Alayde Madeira; DORNELLES, Leny Werneck; REGO, Marion Villas Boas Sá. Ensinando à Criança: um Guia para o Professor. 3. Ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1976. MIORIM, Maria Ângela. Introdução a História da Matemática. São Paulo: Ática, 2001. MOREIRA, Antônio Flávio B. (Org.). Currículo: Questões Atuais. Campinas: Papirus, 1997. MOREIRA, Antonio Flávio e SILVA, Tomaz Tadeu. (Orgs). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1997.

253


MORETTO, Vasco Pedro. Planejamento a Educação para o Desenvolvimento de Competência. Editora Vozes. ______. Prova – Um Momento Privilegiado de Estudo – não um acerto de contas. DP&A Editora LTDA. 2003. PACHECO. Cecília Maria Lúcio. Inclusão – do que estamos falando... Diagnóstico do município de Quatis. RJ. Quatis. Rio de Janeiro. RJ. 2011. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física - V. 7 / Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. – 3. Ed. Brasília: A Secretaria, 2001. PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola; trad. Bruno Charles Magne. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999. PERRENOUD, Philippe. Oficio de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto: Porto Editora, 1995. RAMOS, Graciliano. Infância (Ramos, 1953, p.102). Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil / Ministério da Educação. Brasília: MEC / SEF, 2001. 3v. Regimento Escolar Único das Unidades Escolares da Rede Municipal de Quatis. 28.02.2002. Revista do professor. Ano XIII, nº 50, abr. a jun., Porto Alegre: CPOEC 1997. p. 26–27. ROCHA, Alexandre Mendes de - Os Puris. O Café no Vale do Paraíba. E chegou o leite com os mineiros. Monografias. Resende. Colégio Pedro Braile Neto. 1983. ROMAN, Eurilda Dias e STEYER Vivian Editem (org). A criança de 0 a 6 anos e a Educação Infantil: um retrato multifacetado. Canoas: Ed. ULBRA, 2001. SACRISTÁN Gimeno e GOMEZ, A I Perez. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. ______. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Arte Médicas, 1998. ______. Currículo e diversidade cultural. In: SILVA, T. T. e MOREIRA, A.F. (orgs.) Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 1995. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998. SMOLKA, A. L. B. A Prática Discursiva na Sala de Aula: uma Perspectiva Teórica e um Esboço de Análise. Cadernos Cedes, São Paulo, nº 24, 1991. SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006, p. 44. ______. Português, uma prática para letramento Manual do professor. 2002, p.5.

254

TORRES, Maria Antônia Alves de Abreu e outros. História da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Quatis. Sesquicentenário. Barra Mansa. Gráfica e Editora Ano Bom. 2003.


TORRES, Carlos Alberto. A política da Educação Não-formal na América Latina. VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Avaliação Concepção Dialética – Libertadora do Processo de Avaliação Escolar. Libertad – Centro de Pesquisa. 2006. ______. Avaliação da aprendizagem: Práticas de Mudanças- Por uma Práxis Transformadora. Libertad – Centro de Pesquisa. 2005. VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Coordenação do Trabalho Pedagógica. Libertad – Centro de Pesquisa. 2004 VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987. WHATELY, Maria Celina – O Café em Resende no século XIX. . Rio de Janeiro. Editora José Olympio. 1987. ZVEIBIL, Vera Helena Bressan – Machado Retrato de Família. São Paulo. V. H. B. Zveibil, 2000.

______. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999. ______. Novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora, 1999. Cartas a Guiné-Bissau: Registros de uma experiência em processo. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 4a. Ed., 1984. SOARES, Magda. 2003. In http://www.verzeri.org.br/artigos/003.pdf. Último acesso em 25/09/2012. ______. Pedagogia da Esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. Kramer, Sonia (org.). Com a pré-escola nas mãos. Uma alternativa curricular para a Educação Infantil. 14. Ed. São Paulo: Ática, 2003. ______. A Política do pré-escolar no Brasil. A arte do disfarce. 3ª ed. Rio de Janeiro: Dois Pontos, 1987.

255


www.laertdossantos.com.br

Paulo Freire

Assim, como na capa desta publicação a linha branca existente entre os lápis faz analogia ao processo de ensino- aprendizagem simbolizando uma direção, movimento, continuidade, atualização do conhecimento, ou seja, a educação como um todo, nosso objetivo maior é que as reflexões trazidas e as diretrizes estabelecidas sirvam como ponto de partida para o aprofundamento de estudos e, especialmente, como auxílio na execução cotidiana de ações realmente comprometidas com o processo educacional, buscando garantir a igualdade de acesso e permanência para todos os alunos desse município.

Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

‘‘A teoria sem a prática vira 'verbalismo', assim como a prática sem teoria, vira ativismo. No entanto, quando se une a prática com a teoria tem-se a práxis, a ação criadora e modificadora da realidade. Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.’’

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATIS

Secretaria Municipal de Educação

Diretrizes Curriculares para Educação Infantil à 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental e EJA – Educação de Jovens e Adultos

Quatis, 2012.

Secretaria Municipal de Educação

Quatis, 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATIS

Diretrizes Curriculares para Educação - Quatis, RJ  

Livro editado para a Secretaria de Educação do município de Quatis.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you