Issuu on Google+

Inovação: coisas que você ainda não leu

Nova Coleção

1


Olá! Aqui no LAB, acompanhamos as principais tendências discutidas no mundo e, a partir de nossas pesquisas, selecionamos temas que possam ajudar organizações como a sua - a enfrentar os desafios de hoje e amanhã. E inovação é um deles. Mais do que um assunto em alta, acreditamos tanto em inovação que ela faz parte da nossa proposta de valor. Por isso, queremos compartilhar alguns estudos neste primeiro número da nova coleção Pocket Learning. Neste Pocket, que vem agora em formato de bolso, apresentamos modelos que ajudam a entender como a inovação acontece, sua aplicação nos negócios e o perfil dos profissionais que fazem algo diferente a cada dia.

Divirta-se!


Contexto


No mundo atual, novas ideias tornaram-se recursos essenciais para transformar, aprimorar e evoluir a cadeia de valor de uma organização. Em busca de produtividade, diferenciação e crescimento, é na inovação que as empresas enxergam possibilidades e vantagem competitiva. Como as mudanças são muito rápidas, quem sai à frente está em vantagem. Esta busca é incessante nos dias de hoje. Nesse sentido, as organizações precisam ser flexíveis em certa medida, pois estratégias rígidas de longo prazo podem ficar desatualizadas perante a concorrência.

Por muito tempo, inovação foi associada somente ao desenvolvimento de novos produtos e tecnologias. Mas, esta é somente a ponta do iceberg. Hoje, este processo tem sido explorado para renovar serviços e até modelos de negócios. Da mesma maneira, profissionais inovadores não se limitam a engenheiros, cientistas e designers. Essa noção já está ultrapassada. As organizações agora esperam que todos os seus colaboradores sejam responsáveis pela inovação, cada um contribuindo naquilo que faz em seu dia a dia profissional.


Como a inovação

acontece Inovação não é algo aleatório, mas um processo disciplinado de experimentação que visa resultados específicos. Seu planejamento foca tanto em suposições quanto em dados. Na fase inicial, é preciso pensar de maneira divergente para gerar novas ideias. A criatividade é fundamental nesta etapa. Em seguida, o pensamento convergente é acionado para colocar hipóteses à prova, validar

o conceito e implementá-lo como solução para o problema original. É por isso que estudiosos como Teresa Amabile, uma das mais conceituadas especialistas no tema, defendem a criatividade como ponto de partida para a inovação, mas não sua única condição. Não bastam novas ideias, a inovação realmente acontece quando há aplicação prática e mudança.


“Criatividade é a produção de ideias novas e úteis em qualquer área de atuação (...) Inovação é a implementação de uma ideia dentro de uma organização com sucesso. Dessa forma, criatividade individual e do grupo são pontos de partida para a inovação; são condições necessárias, mas não suficientes. A inovação de sucesso depende também de outros fatores e pode se originar de ideias criativas geradas fora da organização (como tecnologia, por exemplo).” Fonte: “Creativity and Innovation in Organizations” – Teresa Amabile, 1996.


Caso prĂĄtico:

Efeito MĂŠdici, cupins e a arquitetura


A explosão de ideias inovadoras provocada pela associação é chamada por Frans Johansson de Efeito Médici, uma alusão à grande criatividade na Itália no século 15. Para ele, a capacidade de criar interseção entre culturas, domínios ou disciplinas variadas permite gerar novos conceitos. Indivíduos, equipes ou empresas atingem a interseção ao associar, de forma incomum, áreas do conhecimento completamente diferentes e que pensamos não estar relacionadas. O arquiteto Mick Pearce, por exemplo, projetou o sistema de ventilação do complexo comercial Eastgate Center, no Zimbábue, inspirando-se na refrigeração de um cupinzeiro, que

mantém a umidade e o calor regulados com precisão, pois cupins constroem novas saídas de ar e fecham as antigas constantemente. O ar que entra no edifício de Pearce é canalizado para os escritórios, como acontece nas câmaras e passagens do cupinzeiro, por um sistema natural que renova a temperatura conforme o ambiente externo. Este projeto contribuiu para uma economia de 3,5 milhões de dólares no empreendimento e inaugurou uma nova área no design arquitetônico: a que se inspira em processos da natureza. Fonte: “The Medici Effect” – Frans Johansson, 2004.


Inovação: Aberta ou Fechada? Escolher entre inovar dentro da empresa ou aceitar a participação externa para criar. Esta discussão tem sido levada em conta pelas organizações para escolher modelos mais vantajosos e resolver impasses como fazer parte de uma comunidade colaborativa ou permanecer competitivo no mercado. Nesse sentido, os princípios de inovação fechada ou aberta podem ajudar na escolha mais adequada para cada companhia, que deve colocar na balança sua estratégia e seu modelo de negócio.

Princípios da inovação


Fechada

Nem todos os melhores profissionais trabalham para nós. Devemos compartilhar conhecimento e experiência.

Os melhores profissionais trabalham para nós.

Pesquisas externas podem criar um valor significativo. As internas reivindicam uma parte deste valor.

Em pesquisa e desenvolvimento, nós mesmos devemos investir, descobrir, desenvolver e aplicar.

Uma pesquisa não precisa ser necessariamente nossa para tirarmos proveito dela.

Se fizermos uma descoberta, seremos os primeiros a colocar no mercado.

Construir um modelo de negócio melhor é mais vantajoso do que entrar primeiro no mercado.

Se formos os primeiros a comercializar uma inovação, seremos líderes no mercado.

Se extrairmos o melhor das ideias internas e externas, seremos líderes.

Se criarmos as melhores ideias na indústria, estaremos na liderança.

Devemos tirar proveito de como usam nossas pesquisas e comprar pesquisas dos outros quando nosso modelo de negócio progredir.

Devemos controlar nossa propriedade intelectual para que os concorrentes não possam lucrar à nossa custa.

Fonte: “The Era of Open Innovation”. MIT, 2003.

Aberta


12 As

dimensões da inovação nos negócios

Não importa quanto as organizações acreditam ser inovadoras, o cliente é o termômetro que indica se algo faz sentido, é relevante ou se interessa a ele. Uma empresa deve inovar de acordo com sua realidade e públicoalvo. A inovação nos negócios está presente no valor agregado do serviço, produto, tecnologia. Por isso, é preciso garantir eficiência em toda a cadeia de valor. Não basta oferecer um excelente produto se a distribuição for falha, por exemplo. Assim, a companhia deve levar em conta todas as dimensões do negócio que existem. Elas devem ser encaradas como oportunidades para inovar.


marca

plataforma

networking

soluções

presença

Fonte: “The 12 different ways for companies to innovate” - MIT, 2006.

oferta

consumidor

logística e suprimentos

experiência do cliente

organização

captura de valor

processo


Oferta

Plataforma

Soluções

Definição

Aquilo que a empresa oferece como produto e/ ou serviço

Métodos e tecnologias para ofertas derivadas de um mesmo componente

Ofertas integradas e customizadas para solucionar problemas dos clientes

Como Inovar

Desenvolvimento de mais e melhores soluções para seus clientes

Explorar versões ou variações de uma oferta para públicos diferentes

Ampliar a variedade e integração de produtos e serviços

Caso prático

Player iPod e seu serviço iTunes da Apple

Modelos diferentes de sedans da Nissan com o mesmo motor

GPS e softwares da Deere & Co. para gerenciamento agrícola via satélite para cultivo e colheitas


Experiência do cliente

Captação de valor

Indivíduos ou empresas que procuram soluções para suas necessidades

Tudo aquilo que ele vê, sente, ouve ou proporcione algum tipo de sensação ou sentimento enquanto interage com o produto ou serviço da empresa

Formas de pagamento ou fluxos de caixa

Explorar novos públicos e segmentos

Avaliar e repensar as interfaces com o cliente constantemente

Desenvolver novos sistemas que interajam com clientes e parceiros

Aparelhos de celular da Virgin com opções de entretenimento para clientes abaixo de 30 anos

Copos das bebidas da Starbucks personalizados com o nome do cliente, ambiente aconchegante para ser o lugar entre a casa e o trabalho.

Pesquisa de resultados paga do Google

Clientes


Processos

Organização

Logística e suprimentos

Definição

Configuração da operação interna do negócio

Forma de estruturação e atuação da empresa, seus colaboradores, parceiros etc.

Sequência de atividades para entrega e distribuição das ofertas

Como Inovar

Redesenhar processos, visando mais eficiência, rapidez e qualidade

Repensar o escopo das atividades, papéis e responsabilidades da empresa. Levar em conta diferentes unidades de negócio

Agilizar o fluxo de informação e mudar a estrutura para melhorar a colaboração das partes envolvidas

Caso prático

Implementação do Design for Six Sigma (DFSS) na GE

Unidade de negócio de luxo Nespresso da Nestlé visando os aficionados por café

Venda online dos computadores Dell com suporte por telefone e chat


Presença

Networking

Marca

Pontos de distribuição para o mercado e locais em que as ofertas podem ser compradas ou experimentadas pelos consumidores

Canais, meios e redes pelos quais a empresa, seus produtos e serviços estão conectados aos consumidores

Símbolos, palavras e significados comunicados pela empresa como valores e promessa ao seu público

Criar novos pontos de presença, explorando a criatividade

Criar e melhorar redes com ofertas integradas

Associar a marca a soluções criativas e novos domínios

As Casas Natura são ambientes de experimentação dos produtos entre consultoras e clientes

Serviço de monitoramento remoto da Elevadores Ótis

Marca Yahoo! como um estilo de vida


na empresa Gestão da inovação

No processo de inovação, é normal que as primeiras ideias não saiam como o esperado, sendo descartadas.

organizacional transparente e consistente, fica mais fácil de direcionar os esforços do trabalho.

O mais importante é assimilar as lições aprendidas para as próximas tentativas. Por isso, algumas condições se mostram fundamentais para a sustentabilidade da inovação.

Alinhamento: valores, processos,

São elas:

Preparo: colaboradores precisam

Cultura: é preciso estar claro para todos os colaboradores o que a empresa está fazendo e onde quer chegar. Ao criar uma cultura

sistemas e recursos devem estar em sintonia para sustentar a inovação na empresa. Uma só contradição pode abalar o ambiente de experimentação. de treinamento, teoria e técnica para desempenhar suas funções mirando na inovação. Recursos ultrapassados ou obsoletos não permitem dar um passo adiante.


10 Diversidade: inovação requer várias cabeças diferentes pensando juntas. Pontos de vista diferentes geram novas ideias. Vale a pena misturar colaboradores de unidades, funções e até localidades diferentes.

Interação: fóruns, plataformas e eventos criam oportunidades de troca, ajudando os profissionais a construir suas redes de conhecimento. Ócio: é preciso de tempo livre entre as tarefas para poder experimentar e desenvolver novas ideias.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

empresas inovadoras no

Brasil

Azul, por popularizar o transporte aéreo Ambev, pela inovação em gestão, tornando-se a maior cervejaria do mundo Petrobras, pelo investimento em exploração de petróleo na região do pré-sal Osklen, pela combinação de sustentabilidade e elegância da grife de roupa Embrapa, por se dedicar à pesquisa agropecuária em engenharia genética Gerdau, pela modernização e produção no mercado de aço Natura, pelo investimento em cosméticos sustentáveis com a flora brasileira Embraer, por adotar o modelo de terceirização da aviação Metalfrio, por pesquisar equipamentos de refrigeração para nicho comercial Solar Ear, por democratizar aparelhos de surdez com bateria a energia solar Fonte: “Brazil’s 10 Most Innovative Companies” - Fast Company, 2011.


Caso prático:

Nestlé e Starbucks


As companhias têm inovado particularmente em modelos de negócios, isto é, a lógica como criam, entregam e agregam valor. Inovar o modelo de negócio resulta em um tipo totalmente diferente de empresa, que tem foco não só na proposta de valor diferenciada para suas ofertas, mas também em recursos e processos. O caso prático de Nestlé e Starbucks demonstra a inovação em termos de produto e atendimento. Apostando no conforto, exclusividade e personalização, os dois modelos de negócio exploram a experiência do cliente. O caso serve de exemplo para o comportamento das marcas e a competitividade do mercado. O modelo de negócio da cafeteria norte-americana Starbucks é baseado na experiência de se tomar café. Inaugurada originalmente em 1971, a companhia pretendia trazer a tradição

das cafeterias italianas para os EUA e resto do mundo. A missão assumida pela companhia até hoje é de inspirar e estimular o espírito humano, comprometendo-se em oferecer produtos de alta qualidade, ótima música e ambiente aconchegante e descontraído. Um refúgio entre o trabalho e a casa. Para permanecer na concorrência do segmento de cafés, a Nestlé criou a divisão Nespresso com máquinas de luxo para utilizar em casa ou no trabalho, além de lojas com conceito boutique para vender as cápsulas com o pó de café compactado. A proposta da Nestlé para competir com a experiência da Starbucks é de oferecer soluções de café para os amantes incondicionais em um ambiente dedicado à arte do espresso, dando atenção aos menores detalhes.


Profissionais

inovadores no ambiente de trabalho


Os profissionais mais inovadores das organizações são aqueles que mais aprendem com as tentativas e erros. Eles assimilam verdadeiramente as lições aprendidas, seja em qual área da empresa estiver. Contudo, alguns perfis são mais propensos para a inovação. Eles possuem características de trabalho que criam vantagem no processo. O ideal é formar equipes multidisciplinares que unam tipos diferentes para que possam atuar de maneira complementar.

“O antropólogo” “O experimentador” “O polinizador” “O saltador” “O colaborador” “O diretor” “O arquiteto” “O cenógrafo” “O cuidador” “O contador de história”


“O cuidador”

“O experimentador”

Deixa as pessoas à vontade por seu tratamento atencioso

Desenha esboços e testa novos modelos

“O cenógrafo” Foca no espaço físico, tornando-o funcional e agradável

“O antropólogo” Pesquisa e observa culturas diferentes da sua para coletar referências

“O colaborador” Gera conexões para o grupo, estimulando a troca coletiva

“O arquiteto” Apresenta ideias e novas experiências, recorrendo aos sentidos

“O polinizador” Cruza ideias, questões, problemas, criando novos pensamentos

“O saltador” Supera obstáculos e barreiras, encarando-os como oportunidades


Planeja e organiza com visão de longo prazo, tomando à frente e inspirando liderança

Aprendizagem São profissionais observadores, “mão na massa” e exploradores

Organização “O contador de história” Narra fatos que tenham conexão emocional com as pessoas, criando significado (não diversão)

São profissionais que guiam e conectam pessoas, superando dificuldades

Construção São profissionais que constroem estruturas físicas, psicológicas, emocionais e linguísticas

Fonte: “The ten faces of innovation” – Tom Kelley e Jonathan Littman, 2005.

“O diretor”


Fuja dos

mitos

Esperar q ue ideia surja uma brilhante repentina O momen mente. to “Eureka ”p

mas sozin o ho não é su de acontecer, fici dias de ho je. Isso exp ente nos lic muitas co mpanhias, a por que que realiz apenas se am ssões de b rainstorm consegue ing, não m ir além . É mais pro contratar dutivo profission ais ta estabelece r um ambie lentosos e nte propíc para a exp io erimentaçã o, que crie cultura de uma aprendiza gem contí nua.

idades Depender de comun inovação. er ov online para prom ssas

no A internet ampliou compartilhar possibilidades para , fóruns ou rém Po s. õe informaç são apenas e lin comunidades on para a oio ap de tas en ferram ontece entre as ac e qu , aprendizagem nam bem para cio pessoas. Elas até fun da troca de rtir pa a ias ide s gerar nova o aprender cis pre é s conhecimento, ma ta, ramen que, por a pensar além da fer rar mudanças. As ge si só, é incapaz de isso. pessoas é que fazem


Fonte: "The 5 Myths of Innovation". MIT, 2011.

Oferecer r altas pa ecompensas ma ra ideias is A inovaç inovado ão está a r a s. ssociad intríns

a eca, isto é, o impu à motivação satisfaçã lso de o existen te indivídu dentro d o. O praz o er e estão no projeto e a recompensa m si. Dep desemp enh end é uma arm o motivado pela er de um bo adilha p ara as org nificação Esta é um anizaçõe a lógica recompe s. pensam nsatória ento prá do tico funciona bem para do século 20, qu e tarefas ro que não agregam tineiras valor ou interesse desperta do colab m orador.

s melhore r que as baixo. a it d e r c A s vêm de iniciativa ite que a alta

acred Há quem o está próxima o as nã a ç r nov n lidera lementa para imp abilidade bastante r isso, a respons po mais ideias e, pipelines s bem ada nos a é deposit erdade, iniciativ v a sforços e N . s s o o d ix ba ependem poio e d s a id d - suce a e do a aixo. para cim de baixo to de cima para b n e im lv o env


Na corrida pela

inovação Para uma organização se tornar cada vez mais inovadora é preciso, basicamente, duas coisas: cultura de aprendizagem contínua e liderança criativa consistente e inspiradora. Somente líderes preparados podem sustentar uma cultura organizacional voltada para inovação. E, com uma cultura de aprendizagem fortalecida, o processo de geração de novas ideias acontece mais naturalmente.


Por isso: •

Mantenha a organização estável e aberta a mudanças

Estimule as pessoas a pensar livremente a partir de direcionamentos claros

Equilibre a criatividade com a viabilidade dos projetos

Saiba dosar confiança, autonomia e controle

Alinhe o que já se faz em termos de inovação e onde se quer chegar

Faça gestão do conhecimento

Estabeleça indicadores de sucesso e recompensas para medir e gerenciar inovação numa cultura de aprendizagem

Prepare a liderança para fazer gestão de talentos voltada à inovação

Considere a possibilidade de mover profissionais com perfis específicos para projetos de outras áreas, temporária ou definitivamente

Lembre-se que o bom é inimigo do ótimo


Grandes ideias atraem os holofotes, mas não se pode desprezar a força da inovação diária, que é baseada no aperfeiçoamento contínuo. O verdadeiro poder da inovação se sustenta na abundância das pequenas ideias, mais diretas e aplicáveis.

Matthew E. May, autor do premiado livro “The Elegant Solution: Toyotas Formula for Mastering Innovation”


Bibliografia BIRKINSHAW, J.; BOUQUET, C.; BARSOUX, J. The 5 myths of Innovation. MIT, 2011. CHESBROUGH, H. The Era of Open Innovation. MIT, 2003. CHRISTENSEN, C. The innovator’s dilemma. Harper Paperbacks, 2003. MARKIDES, C.C. & OYON, D. What to do against disruptive business models. MIT, 2010. DAVILA, T.; EPSTEIN, M.; SHELTON, R. Making innovation work. Wharton School Publishing, 2005. GOVINDARAJAN, V. & TRIMBLE, C. The other side of innovation. Harvard Business School Press, 2010. KELLEY, T.; LITTMAN, J.; PETERS, T. The art of innovation. Crown Business, 2001. MURPHY, W.; ZHENG, K.; NELLER, M. Managing talent for innovation and the HR function of the future. Heidrick & Struggles, 2009. SCHLOCHAUER, C. Criatividade e seu impacto em instituições bancárias. PUC-SP, 2003.


Descubra conteúdos relevantes, com insights sobre as últimas tendências em desenvolvimento de pessoas. Você terá acesso a artigos, vídeos, entrevistas, apresentações, podcastings, reportagens, além de outras referências essenciais em educação e negócios. Atualize seu cadastro pelo site.

São Paulo 1 (11) 3040 4343 Av. Dr. Cardoso de Melo, 1450 Vila Olímpia - São Paulo - SP São Paulo 2 (11) 3704-4377 Av. Dr. Cardoso de Melo, 1491 Vila Olímpia - São Paulo - SP São Paulo 3 (11) 3045 4300 Rua Raja Gabaglia, 188 11o e 12o andares Vila Olímpia - São Paulo - SP Rio de Janeiro

ACESSE O SITE DO LAB SSJ

www.labssj.com.br

(21) 2553-6162 Praia de Botafogo, 228, sl. 908 Botafogo - Rio de Janeiro - RJ


Nova Coleção Pocket Learning 1 - Inovação