Page 1


A Casa Mal Assombrada Há muito tempo atrás, em uma casa mal assombrada, havia dois irmãos vampiros em busca de comida. Numa noite, eles saíram atrás de uma presa, pois estavam com muita fome, estava chovendo muito, fazia muito frio, estava de arrepiar. Eles viraram morcegos e começaram a voar pela floresta, não acharam comida. Quando voltaram para a casa mal assombrada, viram uma menina entrando na casa, ela estava toda molhada, queria se esconder da chuva. Os dois morcegos entraram voando, assustaram a menina, que achou um machado e matou os dois morcegos e foi embora correndo. Ate hoje ninguém voltou na casa. Autor: Pedro Eduardo Panis Ribeiro


A boneca que queria ser humana Em uma noite chuvosa com muitos relâmpagos e trovões, uma linda garotinha por nome de Denise, esperava ansiosa por seu presente de aniversário. Então chega seu pai com um grande embrulho, e para sua surpresa mandou fazer uma boneca igualzinha a ela. Logo chamou suas amigas com suas bonecas para um chá da tarde em sua casa, então uma de suas amigas diz: -Denise, sua boneca disse para a minha que não gosta de você. Denise muito furiosa manda todas as suas amigas embora. Anoitece e ela e sua boneca vão para o quarto se preparar para dormir. Durante a noite a boneca começa a agir, ela risca toda a parede do quarto e depois suja de tinta a mão de Denise. Ao amanhecer, a mãe de Denise fica muito brava e diz: - Denise, o que você fez! Queria que você fosse comportada como sua boneca. - Mamãe, eu não fiz isso, foi ela !!! A mãe de Denise havia dito tudo que a boneca precisava, ela gostaria que sua filha fosse como a boneca. Na noite, seguinte a maldição aconteceu. Denise acorda com fortes dores, e se depara com sua boneca em pé ao lado de sua cama. Assustada, ela tenta correr, porém cai no chão e ao olhar para seus pés percebe que eram de plástico e o da boneca era como de um humano, a mesma começa a gritar por sua mãe enquanto seu corpo se transformava, mas


antes que sua mĂŁe chegasse ao quarto Denise se transformou em boneca e a boneca em humana. A falsa Denise ocupa atĂŠ hoje o lugar da verdadeira Denise. Cuidado com sua boneca !!! Autor:Gustavo Henrique Bardelli dos Santos


A bruxa e os dois irmãos Certa noite, uma família inteira foi dormir e a mão foi cobrir seus filhos, dando um beijo neles e apagou a luz. O irmão mais novo Tico ficou acordado porque queria um doce, então Lico acordou e perguntou: - Tico, porque você esta acordado? Tico respondeu: - Quero comer doces, balas, pirulitos, chocolate mas não tenho. Me ajude Lico ! Lico disse: - Sem problemas, vamos lá! Então foram até a casa na esquina, a casa era muito velha, quase caindo de tão acabada, ao entrarem na casa por dentro ela tinha as paredes cobertas de marshmelow coloridos, muito linda, saia chocolate da torneira, o sofá era coberto de bala de goma, Tico ficou maravilhado com tantas delicias e não sabia por onde começar, ao contrário de Lico que tinha medo da bruxa acordar. Então a bruxa acordou, pegou sua vassoura e foi até a sala, chegou perto dos irmãos e prendeu eles em uma jaula, então Tico começou a chorar, estava com muito medo.


Mas Lico sabia o que fazer para derrotar a bruxa má, levou no bolso um boné que seu pai o deu de presente para ele e disse que o boné tinha poderes mágicos que iria ajuda-lo na hora do perigo. Então Lico colocou o boné na cabeça e a bruxa explodiu. Tico ficou muito feliz, eles abriram a jaula e saíram correndo para casa. Depois deste dia Tico nunca mais quis comer doces. Só comia quando a mãe comprava.

Autor: Guilherme de Araujo Muniz


A casa assombrada Era uma vez uma casa abandonada e ninguém tinha coragem de entrar. Certo dia, algumas crianças resolveram entrar lá e a noite. Quando ouviram um choro de uma criança, todos ficaram muito assustados, começaram a ouvir passos e vozes, de repente surgiu uma luz de vela, as coisas começaram a cair no chão e uma voz dizia: -Como se atrevem a entrar na minha casa? O que vocês fizeram? Vão pagar por isso. E todos saíram correndo, muito assustados e nunca mais voltaram, dizem que uma família morreu lá e suas almas estão presas para toda eternidade. Autor: Caio Rodrigues de Paulo


A casa mal assombrada Ana era a filha mais nova de dona Maria. Toda noite Ana gosta de brincar com suas bonecas antes de dormir. Uma noite, Ana foi brincar com suas bonecas, enquanto sua mãe foi buscar sua irmã na casa da tia porque já estava tarde. Foi quando ela ouviu barulhos estranhos pela casa. Ela ficou muito assustada, porque as luzes acendiam, objetos caiam e o cachorro não parava de latir. Ouvia vozes, risadas, passos pela casa parecia uma festa de fantasmas, até musica tinha. Ana ficou tão assustada, que se escondeu dentro do guarda roupa, tremia que nem uma gelatina e sua mãe nada de aparecer, o barulho chegava cada vez mais perto, foi quando ela ouviu o barulho de sua mãe que tinha chegado. A mãe falou: - Ana, cheguei ! Ana falou: - Que bom que vocês chegaram. Depois daquela noite, Ana nunca mais ficou sozinha em casa. Autora: Giovanna Boranga Cardoso


A casa mal assombrada

Um homem comprou uma casa, mas era mal assombrada. Quando o homem estava arrumando as coisas ele ouviu uma voz esquisita falando: - Você esta onde eu queria. Agora vou te devorar. O homem começou a ficar com medo e a voz falou de novo só que mais alto: - Você esta onde eu queria. Agora vou te devorar. O homem achou uma câmara secreta assustadora e um palquinho de teatro. Quando ele abriu as cortinas viu um fantasma que estava dormindo e estava sonhando e falando: - Você esta onde eu queria. Agora vou te devorar. O homem saiu da casa sem fazer barulho e comprou uma nova casa porque aquela já tinha dono. Autor: Carlos Eduardo Alves Durães


A casa mal assombrada Certo dia, uma mulher estava limpando a casa quando escutou um barulho. Vindo do quarto, mas seus filhos estavam na escola e seu marido estava trabalhando. Ela pensou: - Então não pode ser eles. Ela subiu a escada e quando ela pegou na maçaneta da porta do quarto alguém bateu na porta, quando ela abriu não era ninguém, todo dia acontecia isso, até que um dia ela ouviu o mesmo barulho e foi ver o que era, e bateram na porta de novo, ela não ligou e continuou subindo, quando ela abriu a porta ela viu algumas coisas voando e muitos barulhos mais não havia ninguém. Seu marido e seus filhos chegaram e ela explicou o que tinha acontecido, eles não acreditaram. Mas sua filha ficou em casa e aconteceu a mesma coisa. A filha falou que era verdade e o pai e o filho Ficaram assustados e todos saíram da casa e nunca mais voltaram. Autora: Julia Azevedo Vanderlei Bahia


A casa misteriosa Em uma casa havia um menino chamado Felipe. Ele estava em seu quarto, mas estava chovendo, de repente apagou

a luz e Felipe tinha um celular, tava

descarregado e ele tinha que carregar, ele lembrou que tinha acabado a luz.

Em

seguida ele viu um vulto e ele ficou suando frio. No dia seguinte, ele contou para os seus pais o medo que tinha passado e eles resolveram ir embora daquela casa e nunca mais voltaram. Autora: Ana JĂşlia da Costa Rezende


A floresta amaldiçoada Em uma cidade, havia quatro crianças que se chamavam LARA, CAROL, FELIPE E JOÃO. Eles eram irmãos e todo dia brincavam de peteca. Um dia eles foram brincar de peteca e LARA jogou muito forte e caiu na floresta que era amaldiçoada. JOÃO olhou pelo buraco, porque para entrar na floresta teriam que pular o muro e JOÃO viu que a peteca estava em uma árvore grande a horripilante, então ele jogou uma pedra que caiu na cabeça do monstro que se achava o dono da árvore. Quando eles foram dormir o monstro se soltou e foi para cidade e destruiu tudo e também se vingou de JOÃO, matando ele. Mas JOÃO toda noite fica perseguindo o mostro e protegendo a floresta. Os três irmãos foram para longe e nunca mais foram vistos e falados. Autora: Patrícia Lesley Alexandre Batista


A noite assobrada

Era uma noite, um menino chamado Leonardo estava indo para casa quando passou por uma casa abandonada. Leonardo começou a ficar com medo e começou a ouvir gritos altos, correu e não parou por nada naquela casa. Outro rapaz, chamado Mauricio, passou pela rua e ouviu os barulhos na casa também, entrou e nunca mais foi visto e a notícia de seu desaparecimento logo se espalhou e Leonardo ficou com medo. Ele não conseguiu dormir pensando no sumiço do rapaz e pegou a lanterna e foi até a casa mal assombrada, entrou e viu um rato faminto, gemendo, não tinha assombração nenhuma, mas sobre o moço que entrou na casa ninguém mais teve notícias. Autor: Leonardo Ferraz de Sousa


A noite do terror Certa vez, um homem chamado Ricardo, já bem velhinho, estava com sua família na festa de seu neto quando de repente chega um homem com o corpo coberto de fogo, aterrorizando todo mundo. O senhor Ricardo tomou um susto tão grande que acabou morrendo, ali na hora. Dizem que até hoje a alma do senhor Ricardo vive rondando por ali, que ele não se conforma com a morte e ninguém sabe quem era o homem coberto de fogo. Autora: Mariana Ferreira Brito


A noite dos monstros

Em uma noite de lua cheia, havia um menino em seu quarto que estava dormindo até que ele acordou e viu um vulto. Ele desceu a escada enquanto seus pais dormiam e quando chegou à cozinha viu uma mão passando pela janela. Só que o menino percebeu que aquela mão tinha garras e pelos e o menino saiu correndo para o quarto de seus pais e gritou: – Mãe, pai, tem um monstro lá fora! Os pais dele não acreditaram no menino. Ele foi para o seu quarto e começou a chorar até que ouviu uma voz chamando seu nome, falando para ele ir lá fora e ele foi e viu aquele vulto mais uma vez. O menino ficou muito assustado mais continuou, viu o mato se mexer e foi ver o que estava acontecendo. O vento bateu e as árvores começaram a se mexer e viu um vulto em forma de uma pessoa mas achou que era alguém lhe assustando, continuou, mas não se importou com isto foi andando mais para frente e viu aquele vulto, percebeu que estava perdido pela floresta e não soube voltar para casa. Passou dois dias e o menino ainda estava lá na floresta. Seus pais ficaram muito preocupados e chamaram a policia para acha-lo. Passou muitos dias, meses e anos, ele cresceu mais continuava lá. Seus pais não desistiram e ainda tinham esperança que seu filho voltasse para casa e em uma noite o


menino viu um lobisomem, uma mĂşmia e um fantasma. O menino adormeceu atĂŠ que um dia ele voltou para casa, contando tudo para seus pais. Autora: Emilly Costa Ferreira


A velha assombrada

Numa noite de lua cheia, João e Maria estavam dormindo. Maria ouviu um barulho e acordou, chamou João para ver e quando saíram eles viram uma velha que tinha saído do cemitério que tinha em frente a casa deles. A velha vestia um vestido branco, longos cabelos preto, muito assustador, ela andava na direção deles que começaram a gritar assustados. A velha parou atrás deles e fez a casa sumir, junto com João e Maria e ninguém soube oque aconteceu com eles. Depois de alguns dias, o vizinho encontrou os corpos de João e Maria e todos da cidade ficaram assustados, tentando descobrir quem era a velha do cemitério. Autor: Gabriel Robert Farias Gadelha


Eu sozinho na minha casa Em uma noite muito escura na minha casa, tinha acabado de passar da meia noite, eu não gostava de ficar acordado a essa hora da noite pois eu tinha muito medo de lobisomem e meus pais tinham saído de casa. Resolvi chamar meus amigos para assistir um filme e no meio do filme um dos meus amigos resolveu fazer pipoca. Depois de uma hora ficamos preocupados por ele não ter voltado então fomos atrás dele, e no caminho meu outro amigo também sumiu e só eu sobrei. Fiquei com muito medo e escutei um uivado de lobo no banheiro então resolvi investigar. Quando eu cheguei lá não tinha nada, ouvi pegadas atrás de mim, eu senti uma mão no meu ombro e logo desmaiei. Eu acordei no sofá, a casa ainda escura e vazia e fui novamente para o banheiro. Cheguei lá e vi um bicho escuro na banheira, eu me aproximei da criatura, ele se virou e era meus dois amigos, estavam escondidos atrás da porta e pularam nas minhas costas me dando um tremendo susto que me mijei todo. Eles começaram a rir da minha cara e no fim das contas era só uma pegadinha comigo. Autor: Richard da Silva


Medo de cemitério Havia uma cidade que tinha um cemitério na sua entrada. Todas as pessoas tinham que passar por ele para chegar a cidade. Algumas pessoas tinham medo e sentiam arrepios, chegavam a tremer pensando que apareceria um fantasma de alguma pessoa que estaria enterrada lá. Um rapaz que tinha muito medo de passar por dentro do cemitério estava sempre com alguém ao seu lado para não ficar sozinho, mas certa vez não tinha ninguém e já estava começando a anoitecer, chegou a porta do cemitério e parou, começou a suar frio e ficar tremulo, pois seu corpo se arrepiava só de pensar em passar lá. De repente apareceu uma pessoa vindo em sua direção, era um homem de terno branco que se aproximou e disse; -Vai passar? – E ele respondeu. -Sim! - E foram andando juntos. Já era noite e no meio do cemitério naquela escuridão o homem de terno branco perguntou. - Você está com medo? – e o menino respondeu. - Sim, não passo sozinho de jeito nenhum. E com uma voz sombria o homem de terno branco também respondeu ao rapaz. - Quando eu era vivo não passava sozinho também.


Na mesma hora o homem desapareceu e o rapaz apavorado desmaiou. Quando acordou jĂĄ estava na cidade e contou para todos oque aconteceu, porĂŠm ninguĂŠm acreditou. Autora: Maria Luiza Pereira Alves


O cachorro que virava monstro

Certa noite, quando o menino foi dormir, o cachorro do menino

se transformou

em um bicho. Parecia com um lobisomem, tinha os dentes muito afiados e os pelos dele pareciam com espinhos. O olho dele era vermelho e enorme. Quando o menino olhou para o

cachorro ele sentiu muito medo e o chamou pelo nome, mas o cachorro não

atendeu: - Salsicha! Salsicha! Salsicha! Sou eu, o seu dono, por favor, estou com medo de você. Por favor, volte ao normal. Você é meu melhor amigo. O cachorro virou para ele e latiu alto com o olhar muito assustador e ele novamente gritou o nome dele e ele correu para o mato e nunca mais o menino o viu. Até hoje o menino diz escutar o latido dele. Autor: Rogério Junior Oliveira Freire


O chapéu assombrado

Era uma vez uma loja de chapéus. Lá tinha um chapéu muito feio que tinha rasgos e era sujo. Tentaram limpar, mas a sujeira não saia. Então um menino comprou o chapéu e falou: - Vou levar este mamãe... A mamãe respondeu: - Filho, este chapéu esta sujo e rasgado, mas se você quiser leva-lo leve. - Tá bom mamãe. Vou levar este. - falou o menino. Naquela noite o menino acordou e de repente apareceu olhos no chapéu e uma boca imensa, o chapéu disse: - Menino, vou te contar uma coisa. - O que? - disse o menino. - Coloque-me na sua cabeça! Logo o menino obedeceu e o menino começou a gritar. A sua mãe desesperada tentava tirar o chapéu que estava preso na cabeça dele, o menino começou a virar um lobisomem, mas naquele momento a mãe conseguiu tirar o chapéu.


Naquela hora o menino voltou a ser o menino de sempre e o chapĂŠu nunca mais foi visto na cidade. Autora: LetĂ­cia Carvalho Rodrigues


O fantasma da escuridão Há muito tempo, uma família se mudou pra uma rua que parecia apavorante e tenebrosa. A família se mudou para a casa 301 e a casa era arrepiante, eles entraram na casa e ficaram com medo e foram ver os quartos e foram arruma-los e de repente ouviram barulhos. A família foi ver o que era e não viram nada e o pai disse: - Não se preocupe, deve ser um rato ou uma barata. Mas não era nem um rato e nem uma barata, era um fantasma, eles voltaram as suas atividades e o fantasma era negro. O fantasma apareceu pra família e eles se assustaram e saíram correndo. O fantasma correu atrás deles e ninguém sabe o que aconteceu com a família. Dizem que o fantasma ainda esta na casa 301 e ele espera que mais pessoas se mudem pra lá. Autor: Kalil de Almeida Vieira.


O fantasma Um dia, um fantasma assustou uma pessoa e encontrou uma fantasminha. Um esbarrou no outro e começaram a brigar e depois apareceu um zumbi e falou: - Parem com isso! Não aguento mais isso. Mas os fantasmas não pararam de brigar e o zumbi muito bravo gritou: -Para! Nesse momento, os fantasmas pararam de brigar e cada fantasma foi para um lado e ficaram de costa um para o outro, mas o fantasma deu o maior susto do mundo na fantasminha e ela o perseguiu para sempre. Autor: Murillo Guedes Silva


O menino desaparecido

Era uma vez um menino, ele morava perto de um cemitério. Quando ele e seu amigo estavam brincando de bola um deles deu um chute muito forte e a bola caiu no cemitério. O menino disse: - Ah, não! Minha bola caiu no cemitério. Quando ele foi pegar a bola, ele viu um fantasma e um vampiro que estavam em cima de um tumulo. Depois deste dia o menino nunca mais foi visto. Autor: Bhreno Ferreira Martins


O prédio do horror Em um dia chuvoso, varias pessoas iam trabalhar em prédios. Um dia, uma pessoa caiu do ultimo andar do prédio e morreu. Mês a mês caiam mais pessoas, e numa festa de final de ano apareceu uma pessoa com o rosto todo branco, parecendo um manequim com terno, tinha tentáculos, todos ficaram apavorados. E o monstro atacou. Algumas pessoas morreram, outros se trancaram na sala do chefe, que já havia falecido. Até hoje dizem que estão escondidos, pois nunca mais foram encontrados. Dizem também que aquele prédio é amaldiçoado. Autor: Nícolas Campos de Jesus


O zumbi Lívia morava no rio janeiro e com seu marido. Um dia, um zumbi bateu na sua porta e a matou com uma faca. Seu marido foi atrás junto com a polícia e não conseguiu alcançar o zumbi. No outro dia, o zumbi foi até a casa onde estava o marido e com uma faca, também mantou ele e até hoje ninguém sabe por que o zumbi matou este casal. Autor: Davi Freire de Jesus


Os túmulos da morte! Era uma vez dois irmãos que moravam em uma fazenda. Essas duas crianças não tinham pais, eles haviam morrido em um acidente de carro. Ao passar do tempo, as crianças cresceram e ficaram dois belos homens. Um dos irmãos falou para o outro: - Estamos aqui há tanto tempo, por tantos anos. - Mais é aqui onde moramos e não temos pra onde ir. – Disse o irmão mais novo. Então os dois fizeram um plano: ir para a casa da vovó mas para chegar tinham que atravessar o cemitério. Eles entraram e o irmão mais novo disse: - Achei uma flor. Será que posso pegar? - Sim, claro que pode. – Disse o irmão mais novo. E quando o irmão pegou a rosa alguma coisa o puxou para dentro do tumulo. O irmão tentou ajudar e foi arrastado também. E desde esta noite ninguém mais teve noticias dos dois irmãos, onde foram parar. Autor: Eloah Christine Apolonio Souza


AUTORES Ana Júlia da Costa Rezende Bhreno Ferreira Martins Caio Rodrigues de Paulo Davi Freire de Jesus Eloah Christine Apolonio Souza Gabriel Robert Farias Gadelha Giovanna Boranga Cardoso Guilherme de Araujo Muniz Gustavo Henrique Bardelli dos Santos Julia Azevedo Vanderlei Bahia Julio Cesar da Conceição Kalil de Almeida Vieira Leonardo Ferraz de Sousa Letícia Carvalho Rodrigues Maria Luiza Pereira Alves Mariana Ferreira Brito Murillo Guedes Silva Nícolas Campos de Jesus Patricia Lesley Alexandre Batista Pedro Eduardo Panis Ribeiro Richard da Silva Rogerio Junior Oliveira Freire Vitor de Lima


Revisão Professora Luciane Correia Braga Edição PAPP Márcia Regina Gotola Wandeur


Contos de assombração 3º ano D Professora Luciane Correia Braga  

Atividade realizada pelos alunos da EMEB Ari Lacerda Rodrigues, professora Luciane Correia Braga, PAPP Marcia Regina Gotola Wandeur.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you