Page 1

Streaming Sai de cena o download. Agora é só dar play

Gêneros musicais Com tanta coisa rolando, vale a pena se apegar a um estilo?

Entrevistas Conversamos com a galera do Paramore, P9 e com a Anitta

Nº139

SETEMBRO/2013


POR AQUI BASTIDORES O Bicho Papão anda passeando pelos corredores aqui da firma. Ele nos fez várias visitas este mês e também foi com o Kzuka nas escolas animar a galera e espalhar a campanha da educação do Grupo RBS. Amigão da galera, aí na foto ele tá lendo a revista de agosto e bem acompanhado pelas gurias do Kzuka (ô redação que tem mulher) e pelo Guto, queridão designer. O Franklin e o B.Rock perderam, playboys.

DIREÇÃO GERAL Ariane Roquete PRODUTO FêCris Vasconcellos PLANEJAMENTO E MARKETING Bárbara Zarpelon COMERCIAL EXECUTIVOS RS Ricardo Machado

EDITORIAL

OPEC Carla Rodrigues da Silva RIO GRANDE DO SUL: (51) 3218-7221 GRUPO RBS PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COMITÊ EDITORIAL

Nelson Pacheco Sirotsky DIRETORIA EXECUTIVA

PRESIDENTE EXECUTIVO Eduardo Sirotsky Melzer JORNAIS, RÁDIOS E DIGITAL Eduardo Magnus Smith TELEVISÃO Antônio Augusto Pinent Tigre

M-Ú-S-I-C-A Música é o meu assunto favorito do mundo. Não tem nada sobre o que eu goste mais de falar, escrever, discutir, brigar e reclamar que música. É um assunto democrático, vai. Entre quem morre de amores ou de ódio, cada música provoca uma reação diferente, depende de o que aquelas notas provocam no seu cérebro, se aquela batida te toca de alguma maneira (hips don’t lie, diria Shakira), se você tem alguma relação com o artista ou se aquilo te lembra um bom ou mau momento da vida.

A Renuska tava dizendo uma coisa esses dias com a qual eu concordo, apesar de não parecer. Ninguém é alguém pra julgar o que você gosta. Se é fã de Beatles como eu ou One Direction como ela, todo mundo se encontra em algum lugar (no nosso caso, é no trash anos 90 e no Dave Matthews Band). E, mesmo que não haja nenhum ponto de convergência, gostar ou não de uma música é algo tão subjetivo que depende até do momento – tipo, se colocar Anitta numa balada vou adorar, mas você não encontra isso no meu iPod – que eu me recuso a pensar que, ainda hoje, alguém acredite que isso é motivo pra desrespeitar outra pessoa.

FêCris Vasconcellos

MINHA MÚSICA FAVORITA NO MOMENTO É I Heard it Through the Grapevine Marvin Gaye

I’m Not Your Toy - La Roux

Radioactive (versão PTX e Lindsey Stirling)

FêCris Vasconcellos

Flávia Correa No media RSC

Carina Kern Designer

Time - Pink Floyd

Cajuina - Caetano Veloso

Babel - Mumford and Sons

GESTÃO E PESSOAS Deli Matsuo

Mélodi Ferrari Assist. Planejamento

Laura Hickmann Estagiária online

Debora Zilz Designer

ESTRATÉGIA E DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Luciana Antonini Ribeiro

As do kangoo não saem da mente

Get Lucky - Daft Punk

Home - Phillip Phillips

NEGÓCIOS DIGITAIS - E.BRICKS Fabio Bruggioni

Marina Ciconet Repórter

Franklin Peres Comunika

Gustavo Gonçalves Designer

Abertura dos Backyardigans

It’s time - Imagine Dragons

Shine on you crazy diamond - Pink Floyd

Gustavo B.Rock Repórter

Renuska Celidônio

Capu Comunicador

JORNALISMO Marcelo Rech JURÍDICO E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS Alexandre Kruel Jobim

Editora

fecris.vasconcellos@kzuka.com.br

FINANÇAS Claudio Toigo Filho

melodi.ferrari@kzuka.com.br

UNIDADE DE EDUCAÇÃO Mariano de Beer DIRETORA DE REDAÇÃO ZH E JORNAIS RS Marta Gleich

marina.ciconet@kzuka.com.br

KZUKA | setembro 2013

reportagem@kzuka.com.br

PRESIDENTE EMÉRITO

FUNDADOR

Jayme Sirotsky

Maurício Sirotsky Sobrinho (1925-1986)

KZUKA #139

Quer ler esta e todas as edições da Kzuka na internet?

flavia.correa@kzuka.com.br

laura.hickmann@kzuka.com.br

franklin.peres@kzuka.com.br

Repórter

reportagem@kzuka.com.br

carina.kern@kzuka.com.br

debora.zilz@kzuka.com.br

gustavo.goncalves@kzuka.com.br

capu@kzuka.com.br

PARTICIPE, SIGA, CURTA www.kzuka.com.br @kzuka

kzuka.com.br/revistars

FALE CONOSCO

escolas@kzuka.com.br

facebook.com/kzukaoficial @kzuka


13º Estudantil Paquetá Esportes adidas

Vitor Alves e Maurício Xavier curtindo o lounge da competição

POR AI

Fotos Ale Horn, especial

KZUKA OPINIÁO

QUERO SER RYAN GOSLING Texto: Fêcris Vasconcellos | Foto: Reprodução

DIVERTIDO E EMOCIONANTE Texto: Gustavo B. Rock | Foto: Divulgação

Bom é ver e compartilhar o resultado do Câncer Infantil Haircut Day aqui no Kzuka novamente. O evento, mais um plano do coletivo Smile Flame, apareceu em nossas páginas quando ainda estava tentando arrecadar a grana através de um site de financiamento coletivo. Conseguiram mais que o dobro do necessário e, no início de julho, realizaram uma festa muito especial para crianças e adolescentes que estão em tratamento de câncer. Assim como rolou com o projeto do Skate no Asilo (um campeonato que teve idosos como jurados das manobras), as imagens do pessoal usando perucas e se divertindo como se estivessem em um salão de cabeleireiros dentro do Hospital de Clínicas de Porto Alegre podem ser vistas em vídeo no facebook.com/smileflame. A gente acha que precisa muito pra fazer a diferença na vida de quem um Raítem Werlang e problemão tão grande na frente, mas não é assim. Atitudes que parecem pequePedro Johnson nas como ir lá brincar com as crianças que sofrem com o câncer, podem ajudar muito. Dizem os médicos que elas até respondem melhor a tratamentos. Então, procure fazer a sua parte, quando possível.

LADY GAGA VOLTA EM GRANDE ESTILO Texto: Renuska Celidonio Foto: Reprodução Youtube

MUMFORD & SONS CHEIOS DE HUMOR Texto: Renuska Celidonio | Foto: Reprodução

O grupo de folk Mumford & Sons lançou um novo clipe, da canção Hopeless Wanderer. Nele, a banda é vivida por quatro atores bem conhecidos da galera. Ed Helms (o Stu de Se Beber, Não Case), Jason Bateman (Arrested Development), Will Forte e Jason Sudeikis (Saturday Night Live) representam o Mumford em momentos engraçadíssimos, considerados bem clichês da cultura caipira. O vídeo tem de tudo: os caras tocando no meio do campo, eles bem emocionados num Gabriel Haas a galpão, dancinhas, lágrimas e até um eclinamorada Julia minha de romance. Mesmo que você não curta muito o som deles,Nascimento vai por mim: vale a pena conferir. Nem que seja só para dar umas boas risadas.

Depois de ficar quase dois anos sem lançar nenhum clipe, a cantora americana Lady Gaga divulgou o vídeo de Applause, single do seu próximo CD, ARTPOP. O clipe traz uma onda bem dark, com imagens obscuras e poucas cores. Como quase tudo o que Gaga apresenta, claro, o vídeo é um tanto quanto bizarro. Ela abusa das referências, virando até um cisne negro em um certo momento e encarnando uma versão do Chapeleiro Maluco, de Alice no País das Maravilhas. Applause foi lançada de forma grandiosa (claro, é a Gaga): o clipe passou em telões da Times Square, em Nova York, durante o programa de TV Good Morning America. Fãs lotaram a famosa rua, e receberam a cantora aos gritos. Pricila Braun, Tainá Rippel e Mariana de Bortoli

E se o mundo inteiro fosse um lugar onde todos tivessem a cara linda do Ryan Gosling? Imagina que maravilha sair na balada, passear por aí... É claro que eu tô brincando – quem aguentaria um lugar onde todo mundo é igual, coisa chata. Mas, tem um plugin pra Google Chrome chamado Hey Girl que transforma todas as imagens e gifs de qualquer site em Ryan Gosling. Sério, gente. É muita beleza nessa vida. Entra lá http://heygirl.io/ e instala. Aí, vai aparecer um coraçãozinho do lado da barra de navegação. É só escolher um site, clicar no coração e feito.

A NOVA OBRA DE NEIL GAIMAN Texto: Gustavo B.Rock | Foto: Reprodução

Não é o caso de dizer que o filme é melhor que o livro ou que o quadrinho. São diferentes maneiras de se contar uma história. Neil Gaiman sabe disso e passeia por todas. Ele é escritor de livros e quadrinhos, tendo algumas de suas obras transformadas em filmes e animações. Sandman, Belas Maldições, Deuses Americanos, Coraline e Stardust são alguns títulos que valem o investimento. O lançamento que está sendo preparado pelo escritor chama-se Wayward Manor e, ao contrário das obras anteriores, não poderá ser lido nem folheado: a nova história de Neil Gaiman é um game. O jogo traz as aventuras de um fantasma que precisa assustar outros personagens para fora de sua mansão e, com isso, garantir uma certa tranquilidade. Aos poucos, ele irá descobrindo fatos que podem revelar os mistérios sobre sua própria morte. O game tá sendo desenvolvido em partes e pelo sistema de crowdfunding. Quem quiser, pode adquirir camisetas e outros artigos que estão à venda no site whohauntsneil.com.


! e p i c i t r a P

. r a h n a g e d o p ê c o v e u q o Olhe DATA 17 de outubro HORA 13h30min LOCAL Grêmio Náutico União João Obino, 300


!

* L A R G TE IO N I A ITÁR S L BO IVERS grupo UN ara o edor

P

c ven

NA O IÇÃ R C S IN JÁ VOCÊHA GAN

ÕES Ç I R C INS RTAS ABE

*

SA L O B RIO A I E M RSITÁemais E os os dtes V I N U ara todrticipan P

pa

Você pode se inscrever no site do Kzuka, no site do Universitário ou no Grêmio Estudantil de sua escola.

Você pode se inscrever em grupo (até 8 pessoas) ou sozinho.

Na quinta à tarde, vai rolar um grande jogo de perguntas e de respostas. O grupo vai acertando e avançando no gigantesco tabuleiro virtual. Quem chegar primeiro...

Cada participante do grupo vencedor receberá uma bolsa integral em um dos cursos do Universitário*: Extensivo 2014 ou Semiextensivo 2014. Cada participante desses grupos será premiado com bolsa de 70% de desconto em um dos cursos do Universitário*: Extensivo 2014 ou Semiextensivo 2014. TODOS os participantes ganharão 50% de desconto em um dos cursos do Universitário*: Extensivo 2014 ou Semiextensivo 2014.

Inscrições até o dia 10 de outubro

REVISÃO

UFRGS 19 de novembro

Data do evento: 17 de outubro de 2013 Hora: 13h30min Local: Grêmio Náutico União Alto Petrópolis. João Obino, 300


O D A

KZUKA | setembro 2013

M

ACESSORIZE


KZUKA | setembro 2013

-SE

Em setembro o frio começa a dar uma trégua. Oremos! Por isso, convidamos as meninas que compõe o time do Catálogo de Brotos 2013 para fotografar um editorial de moda recheado de acessórios lindos, que vão aparecer nos pulsos de muita menina quando o calor voltar a reinar e a gente puder aposentar as mangas longas. O pulseirismo e os relógios coloridos já são tendência faz tempo. Vamos combinar? Tem estilo pra todos os gostos. Inspirese com as fotos dessas meninas lindas de morrer.


M O D A

#PULSEIRISMO

KZUKA | setembro 2013

Muito já falamos no A Cara da Marina sobre pulseirismo. Eu amo essa modinha e ela sempre bomba quando o calor começa a dar as caras. No inverno fica ruim de aderirm com mangas e mais mangas por cima dos acessórios, né? Mas o verão tá aí pra gente colocar os pulsos de fora e arrasar! Amo pulseiras de todo tipo, misturo vários estilos (jóias, bijuterias, riponguices compradas em viagens, de couro, de tecido, de prata...). Quanto mais, melhor. Os relógios coloridos também são lindos e a cara da estação que tá pra chegar. Tenho rosa, azul, dourado, branco, preto... Vou variando. Ah, e o relógio não precisa combinar com a roupa nem com as pulseiras, viu? Use como quiser. Estilo próprio é o que vale :)


KZUKA | setembro 2013

Quer Ler mAIS SoBre PuLSeIrISmo? ACeSSA o CANAL A CArA dA mArINA No kzuka.com.br

Fiotografia: Pix Fotomovimento Arte: Carina Kern Lojas participantes: Safira e Ice Watch Agradecimentos: Casa de Festas NTX e Catlรกlogo de Brotos

FICHA Tร‰CNICA


POP UP

DICA gira em torno da ostentação, onde os caras aparecem em uma mansão gigante, com direito aos clássicos carrões, champagnes, além de umas cobras dando uma banda em cima de montes de dólares. O clipe foi lançado no início do mês, mas, antes disso, já estava no topo da Billboard. Outra coisa rada é que primeiro ele foi divulgando nas redes sociais pra só depois de bombar por lá cair no YouTube. Essa tendência é ótima, já que dá moral pros fãs mostrando primeiro nas redes sociais o trampo completo, pra só depois abrir pra todo mundo. Então se quer curtir o som dessa parceria corre no facebook.com/jayz

Reproducao articmonkeys.com

ARTIC MONKEYS

DAVE GROHL Galera já tá detonando as unhas de tanto roer depois que o Dave Grohl apontou a possibilidade de um álbum novo do Foo Fighters. O mais irado é que o vocal da banda disse que mantém uma mania de sempre carregar consigo um gravador e, conforme a inspiração aparece, ele sai gravando letras e melodias. Agora ele afirmou em uma entrevista que esta tudo pronto nesse gravado, o esboço e as idéias de todas as músicas. O cara ainda disse que rebobinou, ouviu, ouviu de novo e chegou à conclusão de que foi muito fácil e de que já tem o disco 100% pensado, esperando só entrar pro estúdio. Não é à toa que Grohl é diferenciado e, mesmo estando no mainstream, é respeitado por todos que curtem rock e música boa. O ultimo álbum dos caras, Wasting Ligh, foi lançado em 2011 e o antigo batera do Nirvana afirma que esse que esta vindo vai ser gravado de uma maneira diferente. Da cabeça desse maluco pode sair de tudo, mas agora é esperar pra curtir a sonzeira de uma das bandas mais rock.

Arctic Monkeys vem chegando com álbum novo e, obviamente, pra já deixar os fãs se escabelando, deu um gostinho do que está por vir liberando a faixa Stop The World I Wanna Get Off Whith You. O mais irado é que os caras já revelaram ter grande influencia de rap e hip-hop no novo trampo, citando inclusive semelhança de alguns sons com o Dr. Dre. Meio complicado de imaginar, mas deixou todo mundo bem curioso. A previsão de lançamento do AM é na primeira quinzena de setembro, e o sucessor do Suck it And See, de 2011, será o quinto álbum de estúdio lançado pela banda. Outra música também vazou , mas, dessa vez, não com o som original. Em um vídeo de performance ao vivo durante um show em Zurique, na Suíça, Arabella traz guitarras pesadas e dá uma idéia dessa mistura. Reproducao Youtube

Falae, bandiloco, tudo na boa? Não, a gente não cansa de falar do Justin, já que o cara só faz coisa boa. Mas, quando ele se junta o monstro Jay Z – que, além de tudo, pega a Beyoncé – aí a combinação é gol certo. Depois de lançar o clipe/documentário com mais de 10 minutos da música Picasso Baby, onde quem é fã se esbalda com os bastidores das gravações, o rapper voltou com o vídeo do mais novo single Holy Grail, no qual. mais uma vez junta forças com o ex-N’Sync e se arrisca a samplear Nirvana, com Smells Like Teen Spirit. Dessa misturada, saiu uma mega obra. Claro que tudo que o Jay Z faz

Reproducao Youtube

DO CAPU


SOUND KZUKA

O álbum novo do Daft Punk tá uma pancada. Aqueles de dar o play e esquecer no repeat. Depois do sucesso absurdo de Get Lucky, agora a nova de trabalho dos franceses é a Lose Yourself to Dance, que tem os vocais do Pharrel Williams. Junto com a música, os caras lançaram um vídeo simples, o que deixou ainda mais irado o conceito do som. Nele, aparece a dupla de DJs tocando junto com o Pharrel, numa vibe meio anos 80. Na verdade, o clipe é uma espécie de teaser, já que tem apenas um minuto, enquanto o som tem mais de quatro, mas a idéia é exatamente essa, deixar o gostinho na galera. O que não se sabe é se vai rolar o clipe do som inteiro, já que foi feito exatamente a mesma coisa com Get Lucky e até hoje o vídeo oficial também é de apenas um minuto. Bom é que isso faz a galera correr atrás do resto do trabalho e acaba forçando os fãs a conhecerem todo o álbum. O álbum Random Access Memories foi o primeiro dos DJs ciborgues a alcançar o primeiro lugar na França, no Reino Unido e nos Estados Unidos ao mesmo tempo, então, se ainda não ouviu, passou da hora.

Reprodução

ElliE GoulDinG

EminEm E começam a aparecer mais trabalhos do Eminem. O cara ficou tempos sem lançar nada. Três anos atrás, apresentou o álbum Recovery, mas, depois disso, voltou a ficar quieto. Agora, finalmente, está de volta com a canção Berzerk. O som gira em torno da vontade do Eminem de voltar para as origens do hip hop básico, começando do zero. Mas, claro que ele não poderia largar uma arriada em alguém, como já é tradicional, e conseguiu encaixar uma menção a Klohe Kardashian, chamando a mina de feia. Essa música é o primeiro single do novo álbum, chamado MMLP2, que é uma continuação do clássico The Marshall Mathers LP, de 2000, que explodiu o cara com Stan e The Real Slim Shady. Já rola curtir também alguns teasers das outras músicas do álbum no canal do rapper no YouTube e vale a pena ficar de olho, já que a produção fica por conta de ninguém mais, ninguém menos, que o Dr. Dre. Quer curti o som do cara? Corre no iTunes que já tem coisa nova por lá.

Ellie Goulding tá emplacando um gol atrás do outro. A mina, depois do sucesso cantando I Need Your Love, de produção do DJ Calvin Harris (que também dá uns pegas nela), e também depois de emplacar a música Burn no topo das paradas britânicas, agora lançou um clipe irado do novo single Midas Touch com a colaboração do talentoso DJ Burns. Pra ter uma idéia do quanto ela bomba, todos os ingressos da tour em outubro no Reino Unido terminaram em tempo recorde, obrigando a agendar três shows extras. É muito irado quando artistas desenterram sons clássicos das antigas e dão uma boa repaginada. A cada trabalho novo da mina, ela mostra capacidade pra inovar. O som é um cover da banda Midnight Star, de 1986. E já que o papo é anos 80, ela parece ter feito uma ligação com o robô dourado do Star Wars, o C-3PO, já que, no clipe, todo o vídeo gira em torno de um boneco de lata dourado andando em direção a outro boneco apagado, enquanto rola uma química e eles vão se descobrindo (ui). Por sinal, Midas Touch é uma referencia ao mito do rei grego Midas, que transformava em ouro tudo que tocava. Queria eu ter esse dom...

KZUKA | setembro 2013

Daft Punk

Reprodução Youtube

Reprodução Youtube

por CAPU


C R

K

R

C

O

U

N

H

IS

GPS: UM CAMINHO PARA AJUDAR A SAÚDE PÚBLICA texto LAURA HICKMANN

fotos GABRIEL GONÇALVES

KZUKA | setembro 2013

Helena da Cruz, Henrique Fonteles, Juliana Brendler, Lidia Pereira e Kevin Heck estão no segundo ano do ensino médio no Colégio Santa Inês e participaram do projeto Junior Achievement, que há 19 anos proporciona uma experiência empresarial para quem ainda nem saiu da escola. Enquanto faziam parte de uma miniempresa, seguindo o tradicional projeto da Jr., uma nova oportunidade foi proposta a quem quisesse participar: o concurso Social Innovation Relay (SIR), promovido pela empresa em parceria com a HP. Os interessados deveriam desenvolver um projeto com o tema Inovação Social. Depois de levar a discussão para a casa, Helena, Henrique, Juliana, Lidia e Kevin aceitaram o desafio e se inscreveram com o nome de Hospitaleiros. – Escolhemos o tema da saúde pública do país por ela estar muito mal cuidada. O Brasil não investe o que deveria na organização desse sistema. Viemos com essa ideia para tentar melhorar de alguma maneira – conta Juliana Brendler, 16 anos. Juntos, os cinco alunos analisaram o cenário atual dos hospitais e focaram nas principais falhas, chegando nos objetivos de minimizar a superlotação nos hospitais públicos, as longas filas de espera e o mau aproveitamento e direcionamento dos pacientes aos locais de atendimento e médicos corretos. Na era da tecnologia, ela serviu como uma aliada: a ideia do grupo é de construir um software que consiga ligar as necessidades individuais dos pacientes com aquilo que cada um dos hospitais disponibiliza. – O aplicativo, chamado GPS, mostraria o tipo de médico indicado para o problema, os hospitais disponíveis, a documentação necessária para consultas e o número de vagas em cada um dos hospitais – conta Henrique Fonteles, 15 anos, que, apesar de pretender cursar Engenharia Química na faculdade, acredita que a experiência empreendedora pode ser útil em vários momentos da vida. O projeto ficou entre os 20 melhores do Brasil para depois ser novamente selecionado entre os 10 melhores e, finalmente, ganhar a medalha de bronze na etapa mundial do concurso. – Logo quando tivemos a ideia, percebemos que ela era muito boa. Por isso, investimos, acreditamos nela, fomos para ganhar – conta Juliana. E Henrique completa: – Se o regulamento do concurso permitir, vamos levar o projeto adiante através de parcerias com o governo ou instituições privadas. Queremos tornar o aplicativo realidade.


Informe comercial

S S I CO T DO A NÁ FA LIG

Loveandrock, Shutterstock

A CONQUISTA DO MUNDO, AO VIVO E EM CORES COM A SELEÇÃO CANARINHO IMPULSIONADA PELOS 90 MILHÕES EM AÇÃO, A TAÇA JULES RIMET CHEGA EM DEFINITIVO AO BRASIL – PELO MENOS ATÉ SER ROUBADA E DERRETIDA

Patrocínio:

alcançá-la logo adiante. O chute faz a bola caprichosamente ignorar a goleira por alguns centímetros, mas o lance ficou imortalizado entre os grandes momentos do esporte. Ainda bem que o gol não fez falta, pois o Brasil derrotou os vizinhos por 3 x 1, de virada. Na outra partida, entre os europeus, deu Itália. Estava armada a final que se repetiria em 1994, até mesmo no que diz respeito ao vencedor. Seria obra do destino, do acaso, ou um caso de superstição? Mário Jorge Lobo Zagallo era, até então, bicampeão mundial. Nesta Copa de 1970 foi o técnico do tri (substituindo João Saldanha alguns meses antes da competição), e 24 anos depois atuaria como auxiliar de Carlos Alberto Parreira na conquista do tetra. Brasil e Itália: 13 letras. Pelé abriu o placar de cabeça. A Itália deixou tudo igual ainda no primeiro tempo. A etapa final foi um show da seleção canarinho. Com gols de Gérson, Jairzinho e um pataço de Carlos Alberto Torres confirmaram a goleada e o tricampeonato brasileiro. A Taça Jules Rimet ficaria, em definitivo, no Brasil. Este era o prêmio da FIFA à seleção que, pela primeira vez, conquistasse três títulos mundiais. Ela media 30 centímetros e tinha 3,8 quilos de ouro puro. Durou até dezembro de 1983, quando foi roubada e derretida. Fatos, lendas e curiosidades – 1954: A Suíça abriu 3 a 0 sobre a Áustria pelas quartas de final, mas os austríacos se recuperaram e venceram por 7 a 5. Os 12 gols ainda são o recorde da competição. – 1954: O Grupo 4 contou com Suíça, Inglaterra, Itália e Bélgica, única ocasião em que um grupo da primeira fase teve somente seleções do mesmo continente. – Martín Vantolrá e seu filho, José, jogaram por diferentes países. O pai defendeu a Espanha em 34 e José atuou pelo México em 70.

Realização:

1970 Campeão: Brasil Vice-campeão: Itália Terceiro: Alemanha Ocidental Quarto: Uruguai

KZUKA | setembro 2013

A competição foi disputada no México (que seria sede novamente em 1986) e trouxe como inovações ao esporte o uso dos cartões amarelo e vermelho, e a possibilidade de cada equipe fazer duas substituições durante a partida. Além disso, esse foi o primeiro Mundial transmitida em cores para o mundo todo. Inglaterra e Brasil fizeram o grande jogo da primeira fase. Os inventores do futebol eram os atuais campeões (ganharam em casa em 1966) e tinham grandes jogadores, como o capitão Bobby Moore e o goleiro Gordon Banks. Foi dele a defesa mais famosa da história das Copas, ocorrida nesta partida: Pelé subiu para cabecear a bola, e colocou no canto direito inferior da goleira inglesa. Banks saltou para espalmar a bola por cima das traves, evitando o gol brasileiro. Mas não teve jeito de segurar o Brasil. No segundo tempo, Jairzinho fez o gol da vitória brasileira, após bela jogada de Tostão e passe milimétrico do Rei. O time britânico teve outra pedreira no caminho mais adiante, ao enfrentar nas quartas de final a Alemanha Ocidental – que encarava a partida como uma revanche da final de 1966, vencida pelos ingleses. No jogo da desforra, os alemães, enfim, levaram a melhor na prorrogação, com gol de Gerd Müller (que acabou como artilheiro da competição). Enquanto os alemães enfrentavam a Itália (que eliminou os mexicanos, donos da casa) em uma das semifinais, o Brasil tinha a Celeste Olímpica pela frente. O Uruguai vinha quietinho na dele durante toda competição, perdendo quando podia e ganhando com as calças na mão quando convinha. Na semifinal sul-americana, vimos o gol mais lindo que Pelé já fez, só que não. Lançado por Jairzinho, apenas com o goleiro uruguaio à frente, o Rei deixa a bola passar para


P -

A

E

R

R

A

P

TIVE QUE ESCOLHER MÚSICA texto GUSTAVO B. ROCK

foto GIULIANO CECATTO ,ESPECIAL

A CANTORA ANITTA BATEU UM PAPO COM A GENTE SOBRE FAMA E INSPIRAÇÕES. ELA É LINDA, DIVERTIDA E TEM UMA VIDA SUPER CORRIDA. A CANTORA ANITTA REALMENTE NÃO PARA. MAS, MESMO COM A AGENDA SUPER CHEIA, NÓS BATEMOS UM PAPO COM ELA QUANDO PASSOU POR POA Kzuka – Anitta, a primeira pergunta é: o que você acha de responder sempre às mesmas perguntas? Anitta – (risos) É uma loucura, meu amor! Kzk – Você tem o texto decorado? Anitta – Não, não tenho o texto decorado, mas acaba sendo a mesma resposta porque eu penso a mesma coisa, não vou trocar de ideia a cada 10 minutos. Kzk – Quando que você decidiu largar tudo e se dedicar à música? Anitta – Eu tive que fazer essa escolha, chegou um momento em que eu tive que largar tudo e escolher fazer música. Show das Poderosas, quando eu escrevi, eu imaginava que ia ser um sucesso muito grande. Ninguém acreditou junto comigo, mas depois todo mundo passou a acreditar. Kzk – Qual é a sensação de ouvir sua música em todo lugar que você vai? Anitta – É muito bom e gratificante ver que você conseguiu uma coisa assim, que todo mundo fala. É muito bom isso. Kzk – Nesse clipe novo você atua, interpreta uma personagem. Já pensou em atuar como atriz? Anitta – Já, fiz um ano de teatro, e quero continuar quando tiver tempo. Eu adoro atuar, acho muito legal. Kzk – A gente pode esperar mais clipes desse jeito? Anitta – Podem, com certeza. Tem vários roteiros que eu escrevi, e em que eu vou atuar. Kzk – No final do ano, tem especial do Roberto Carlos. Vai ter Anitta por lá também? Anitta – Não sei, tomara né? Já pensou se rola um convite? Kzk – Não teve convite ainda? Anitta – Não! Talvez ainda esteja cedo pra isso, tomara que esteja cedo. Seria um sonho, com certeza, ia ser muito importante pra mim. Kzk – Que figuras te inspiram na música? Anitta – Sempre fui muito eclética, eu escuto de tudo. Acho que existe música boa em todo lugar, de todos os ritmos.

KZUKA | setembro 2013

Kzk – Já te compararam com a Kelly Key. E aí? Anitta – Muitas vezes, por conta do discurso das músicas. Eu gosto, não me incomoda nem um pouco. Ela teve um momento muito importante na música brasileira, movimentou muita gente que seguia, curtia. É muito legal ser comparado assim. Estive com ela esses dias, ela é muito gente boa.


PR

texto GUSTAVO B. ROCK

E-

R PA

A

Ilustração GORBASH VARVARA, SHUTTERSTOCK

VESTIR-SE PARA IR A ALGUMAS CASAS NOTURNAS DE PORTO ALEGRE REQUER, ANTES DE QUALQUER COISA, DESCOBRIR QUAL O “DRESS CODE” EXIGIDO PELO ESTABELECIMENTO

Se tem algo que une o cidadão que tem uma audiência marcada com o Papa e a boazuda que vai requebrar ao som de Anitta é aquela famosa indagação de Noel Rosa: “com que roupa eu vou”? Apesar de opostas, as duas situações reservam seus protocolos, igualmente rígidos, conforme se pôde comprovar no mês passado, quando a cantora esteve em Porto Alegre. Assim como cobrir bem a pele em sinal de respeito, deixá-la o mais descoberta possível tem tanto a ver com a presença do Pontífice – ou de Anitta – quanto com o lugar onde o fortuito encontro acontece. Neste século, como em todos os outros, mais importante que ser é parecer. É nisso que miram as casas noturnas da Capital ao ter uma exigência de vestimentas tão rígida quanto a da comitiva papal. Em algumas delas, mulher só entra de saia ou vestido, e homem, de camisa de botão. – O objetivo de se ter um dress code é para que as próprias pessoas fiquem mais bonitas, e a festa, mais elegante – explica Danúbio Ricardo, proprietário do My Club, boate de alto padrão em Porto Alegre. Do ponto de vista da lei, não há nenhum impedimento em fazer esse tipo de exigência. O bom senso, segundo o advogado Eduardo Kucker Zaffari, deve imperar nesse momento. Desde que a informação das restrições seja amplamente divulgada e conste no convite, não há do que reclamar. A Provocateur, que recebeu a funkeira de Show Das Poderosas nesta última semana, tem política parecida, mas não impediu totalmente o acesso de quem escorregou no visual. Ambas as casas costumam informar os clientes

sobre sua exigência por redes sociais, site e materiais de divulgação. Quem vai deve saber onde está pisando – de salto alto ou sapato sem cadarço, claro. E se o cidadão, ainda assim, for pego de surpresa pela situação? A casa vai perder esse frequentador? – Compramos 20 camisas para clientes que chegavam de camiseta, emprestamos todas durante a festa, mas esquecemos de pegar de volta na saída – conta Ricardo, que teve que arcar com o prejuízo em certa ocasião. Para ir à festa, é preciso preparar o guarda-roupa Mesmo sem saber de nada, a estudante Débora Cezar, 21 anos, acertou o look para ver Anitta. – Normalmente me visto com jeans e tênis All Star, mas sempre procuro me adequar ao local, então vi no site algumas fotos para ter uma ideia melhor de que roupa usar – disse ela. Já o administrador de empresas Renato Serafini, 32 anos, poderia ter sido barrado na entrada. Ele usava uma camiseta escura, sem estampa, com gola aberta e um cordão para amarrar. Ou seja, nada que chamasse muita atenção, mas também sem formalidade. – Não sabia do dress code, fiquei sabendo ao entrar. Me disseram que o aviso estava no site, nas redes sociais, mas eu não vi. Acabaram abrindo uma exceção para que eu entrasse – explicou, aliviado. Imagine só, perder a mulherada adequadamente – mesmo que pouco – vestida, dançando e cantando, por causa de um descuido.

Se você decidir ir para a balada em uma das diversas casas de alto padrão de Porto Alegre que exigem “dress code”, esteja pronto para não passar vergonha.

ESPORTE FINO (PASSEIO)

- O mais informal

- O primeiro passo à formalidade

- Vestidos simples ou saias - Calças jeans com camiseta

- Calças mais bacanas e camisa social ou polo - Vestidos, terninhos ou tailleurs

SOCIAL (PASSEIO COMPLETO) - Vestidos que podem ser mais curtos, saias ou até uma calça de tecido nobre. Para os homens, é a hora de um terno com gravata

BLACK-TIE - Vestidos longos ou curtos, mas sofisticados. E um smoking para os homens

KZUKA | setembro 2013

ESPORTE


c o p

n

-

e

r

m

o

tA

m

t o OCK RST

KZUKA | setembro 2013

o text

O B. TAV GUS

K

ROC

LZ

A ZI

BOR

DE arte

foto

KK STO

TTE , ShU E T E


A invenção do walkmen, com fita cassete e fones de ouvido, mudou pra sempre o jeito como consumimos música. Fita cassete? Pois é, a ideia de sair pedalando ou caminhando por aí com direito a uma trilha sonora pessoal não é nova, mas vem se mostrando uma experiência cada vez mais completa graças ao constante investimento em novas tecnologias relacionadas ao assunto. Levantamento divulgado pela eMarketer revelou que um em cada cinco norte-americanos escuta música usando smartphone, o que equivale a 70 milhões de pessoas com esse hábito. Os dados levam em conta ouvintes de rádios online, downloads feitos diretamente no aparelho e usuários de serviços como Spotify, Rdio e Deezer. Certamente o número aumentaria

bastante se a pesquisa incluísse quem baixa música no computador e copia para o smartphone.

MUDANÇA DE HÁBITO

Unidos) é trabalhar em grandes parcerias para divulgar esse novo meio de consumir música de qualidade – fala, sobre seu produto, Mathieu Le Roux, presidente da Deezer na América Latina.

– O brasileiro ficou acostumado por dez anos com serviços de música ilegal como Napster, e as poucas opções legais que existiam eram difíceis de serem utilizadas e muito caras. Uma década é quase uma geração de pessoas que simplesmente não sabem o que é comprar música – explica o diretor da Rdio no Brasil, Bruno Vieira. A empresa está no país desde 2011 e aposta na mudança de hábito desses consumidores. O Brasil é um mercado especialmente estratégico para esse tipo de serviço e o setor começa a ganhar novos concorrentes, como o poderoso Spotify, que desembarca por aqui neste mês. – O potencial do país é inegável por dois fatores. O primeiro é que o brasileiro ama música e o segundo é o crescimento da base de usuários de celulares (já temos mais de um celular por habitante) – diz Bruno. Entre os que curtem música, a rotina do dia a dia é sempre encarada com algum som rolando nos fones de ouvido e uma das principais bases para isso é a popularização do smartphone. Com ele, somado à conexão 3G ou 4G, o usuário pode ter acesso ao acervo das empresas de streaming a qualquer hora e em qualquer lugar. São mais de 20 milhões de músicas no Rdio e 25 milhões no Deezer, por exemplo. – Atualmente, temos um total de 10 milhões de usuários ativos mensais e 4 milhões de pagantes. O principal plano da Deezer (que ainda não atua nos Estados

Segundo informações do mesmo estudo da eMarketer, o número de pessoas que ouvem músicas através de streaming dobrou em apenas um ano. No Brasil, as pessoas preferem acessar redes sociais, e-mail e ler notícias antes de ouvir música no celular. Pesquisa do Ibope Media mostra que, das mais de 50 milhões de pessoas com acesso a internet móvel, apenas 20 milhões realmente se conectam. Ou seja, o potencial tupiniquim é enorme e as empresas do setor sabem disso.

DIREITOS AUTORAIS Alguns serviços de streaming possuem opções gratuitas, que limitam o acesso, mas dão uma boa ideia do que é oferecido e de como funcionam seus sistemas. Como o Brasil ainda apresenta muita instabilidade nas conexões de internet – especialmente móvel –, Deezer e Rdio, entre outros, oferecem serviços para que os usuários possam ouvir uma seleção de músicas previamente disponibilizadas, sem a necessidade de estar online. O músico Spectrum.33 já faz parte do acervo de serviços de streaming através de uma dessas empresas que se encarregam até de fazer a parte burocrática para o artista. – A (empresa) ONERPM providenciou o registro individual de minhas músicas (ISRC) para fins de direitos autorais e obteve o UPC (Código de Barras),que é indispensável para a comercialização do produto. Nada me foi cobrado e já recebi os primeiros valores sobre download e streaming, dependendo das características de cada site – conta. Em contrapartida, artistas que já possuem alguma estrada têm reclamado dos baixos valores pagos pelo streaming de seus sons. Pelo mesmo motivo, grandes bandas (como Beatles, por

É PRA OUVIR E JOGAR O Fail Buster Yázigi é uma espécie de videokê em forma de jogo, mas o objetivo não é cantar afinado. A ideia é fazer com que a pronúncia das palavras (em inglês ou espanhol) das músicas seja feita da maneira mais correta possível. O aplicativo usa a tecnologia Web Speech API, desenvolvida pelo Google, que reconhece as palavras e compara a cantoria do usuário com a letra original. Inspirado também na lógica de outros jogos, a pontuação cresce ou diminui conforme os erros e acertos do “cantor”. E a parte mais bacana é o que acontece quando ele erra demais, o que não vamos contar aqui pra não estragar. O acesso acontece via navegador Google Chrome através do site www.failbusteryazigi.com.

exemplo) não liberam suas músicas para esses serviços. Para Spectrum.33, que já lançou dois discos de smooth jazz virtualmente, o sistema funciona bem, mas como a quantidade de música é cada vez maior, uma nova banda pode não ter um espaço decente para divulgar sua obra. Afinal, para ser visto, cada artista que surge está concorrendo com todos que já apareceram antes. QUEM VÊ TAMBÉM QUER SER OUVIDO Os próprios serviços de streaming têm interesse no assunto e agem para fazer com que essa visibilidade aumente. – Qualquer artista que tenha interesse pode entrar na Deezer. O diferencial é a escolha das novidades para promover novos sons. Para isso, temos equipes especializadas no mundo inteiro, que destacam e indicam o que vale a pena aparecer na homepage do serviço – explica Mathieu. A curadoria dos amigos e seguidores dos usuários de streaming também é relevante, o que faz com que as indicações de artistas e músicas novas dentro dos serviços tenham um papel primordial. – O Rdio é uma rede social de música, uma nova forma de descobrir sons através do que seus amigos estão ouvindo, compartilhando playlists. Dá até mesmo pra seguir artistas como Seu Jorge e saber o que ele está curtindo – diz Bruno. Alternativas para o que e como ouvir, são várias, mas uma ajudinha dos amigos (e do Kzuka) pode ser salvadora.

KZUKA | setembro 2013

O desinteresse pelo download de músicas já vem rolando desde a década passada, quando começaram a ganhar força os primeiros serviços de streaming. Agora é só dar o play.


K

M

U

A

Z

E

K

T

A texto e fotos MARINA CICONET

CONHEÇA O TRX RIP TRAINING, O NOVO TREINAMENTO FUNCIONAL QUE É NOVIDADE NO BRASIL E PROMETE BOMBAR Nunca foi tão bacana ser saudável. Nesta onda fitness que estamos vivendo, com blogueiras e perfis no Instagram de anônimos que viraram famosos do dia pra noite, novos tipos de exercícios físicos também apareceram no Brasil. É o caso do RIP Training, novidade por aqui e que em breve promete virar febre nas academias. A personal trainer Andressa Moraes, do Studio Metaforma, é quem nos apresentou essa nova modalidade. Pra testar, convidamos a Manuela Vilar, que sempre foi fissurada em exercícios e está sempre com tudo em cima. A Manu recém lançou o Instagram @manu_fit, onde dá dicas de fitness e alimentação pra seguidoras de todas as idades. O que todo mundo quer? Um corpo igual ao da Manu, é claro. Como a Manu é supertreinada e fã de todo tipo de modalidade esportiva, achamos que o RIP Training seria barbada pra ela. Que nada! O treinamento é explosão, combina exercícios com várias repetições e sem intervalos. Impossível não tomar um calor. – O que fez eu me apaixonar por este método, foi que ele impõe ao treino variáveis que fazem com que você precise vencer limites. Foco é fundamental, mas consciência física, controle do equipamento e disciplina também são essenciais – diz Andressa. O equipamento conta com uma barra de força e um cabo elástico de resistência, que permite treinamentos de alta velocidade e baixa carga ou com baixa velocidade e alta carga. – Como o RIP imita movimentos do dia a dia e obriga novos músculos a trabalharem, ele acaba sendo mais eficaz que treinamentos de força tradicionais. Com isso, construímos equilíbrio, coordenação, forca, agilidade, estabilidade, resistência e mobilidade total – explica Andressa. Mas e a Manu, o que achou do treino? – Amo TRX e uso muito o equiLEIA UMA pamento nos meus treinos. O RIP é COLUNA DO bem parecido, mas exige mais for@STUDIOMETAFORMA ça e coordenação, já que o elástico SOBRE RIP TRAINING está o tempo todo te puxando conE A ENTREVISTA tra a força. COMPLETA COM A @MANU_FIT NO CANAL A CARA DA MARINA NO KZUKA.COM.BR


r e d e s

Uma coisa é certa:

o fim do relacionamento não é o fim do relacionamento texto gustavo b.rock

arte carina kern

Ele fica com os discos. Ela fica com os livros. Ele fica com o sofá. Ela fica com as fotos do Instagram, mas precisa desmarcá-lo – e ai dele se der like. Ele fica com os amigos em comum do Facebook e ela pode até curtir as postagens, desde que ele ainda não tenha feito isso. Compartilhar alguma coisa marcando o outro, só se perguntar antes em inbox, por favor. O final de um namoro sempre foi e sempre vai ser um período complicado. A diferença é que agora essa sensação pode durar pra sempre – até que a internet, enfim, os separe. Ou não. Esse é o caso de João*, designer de 22 anos, que tenta manter a amizade após as separações, mas aprendeu na prática que isso nem sempre funciona. – A gente terminou há uns dois anos e até hoje eu não posso ficar online que ela já começa a falar que quer voltar a me ver, fica postando imagens na minha timeline, me marca em fotos – desabafa ele. Ultimamente a ex de João começou a buscar manter contato também do lado de fora das redes sociais, procurando se encontrar com ele ao vivo. – O pior pra mim é estar conversando com outra guria e ela vir me cobrar algo que não existe mais. Já deixei bem claro que somos apenas amigos, mas não adianta. Não posso postar nada na timeline de alguém que eu esteja interessado – reclama ele. João começou todos seus namoros via rede, alguns ainda no tempo do Orkut. Agora aprendeu que, também na intenet, eles custam bastante pra terminar. É mais fácil sarar a dor de cotovelo que apagar o histórico da timeline. Ah, o amor nos tempos do like.

KZUKA | setembro 2013

Os fantasmas dOs namOrOs passadOs Por algum motivo não deu certo, cada um foi pra um lado e a vida segue. Mas, quando parece que a fila andou, surge aquele comentário inoportuno do ex em uma foto sua com o atual namorado. até mesmo um simples curtir em uma postagem qualquer faz com que o fantasma da ex-namorada volte a assombrar o seu convívio. – as diferentes emoções envolvidas são consequên-cia direta das publicações nas redes sociais. tem pessoas que nem fazem ideia do ta-

manho do impacto que cada post seu tem na vida do outro – afirma a psicóloga caroline brandalise. segundo ela, as redes sociais são um espaço público e a ideia de virtualidade sugere que as coisas aconteçam em uma realidade paralela quando, na verdade, é um espaço onde as pessoas interagem mais de imediato, e tudo está sendo acompanhando em tempo real. – no inicio do meu novo namoro, ter o meu ex no Facebook foi um problemão. Meu atual namorado leu umas mensagens que o deixaram em dúvida se eu ainda sentia alguma coi-

sa pelo meu ex. Mas, depois conversamos e resolvemos tudo – diz Joana*, 19 anos, que tem a mania de dar sua senha nas redes sociais para seus namorados. isso que é confiança. existem casais que combinam de deletar ou bloquear os namorados anteriores, o que pode ser uma boa saída pra quem se considera um pouco mais ciumento. entre os que conseguem administrar bem esse tipo de sentimento, se pode chegar a um consenso que envolva continuar nos contatos do ex, mas sem nenhuma intervenção – como comentários, curtidas ou compartilhamentos, por exemplo.


encerrada a relação e, principalmente, como será o novo relacionamento no futuro. Muitas vezes, as pessoas evitam lugares como uma academia, um restaurante ou até mesmo uma praia pra não dar de cara com o ex-namorado, e o protocolo em redes sociais pode até seguir a mesma lógica. – Deletar do Facebook não faz com que a pessoa seja deletada dos grupos onde os dois tem contato. Dependendo da pessoa e do tipo de relação, vale a pena mexer nas configurações de privacidade da rede social para controlar o que se vê e para quem se pu-

Os fantasmas dOs namOrOs presentes

Os fantasmas dOs namOrOs futurOs

O status de relacionamento do Facebook é a nova aliança de compromisso. Se o namoro não está formalizado na rede social, ele não existe. Para a psicanalista Regina Navarro Lins, mais do que um aviso de que se está comprometido com alguém, isso acontece bastante para que a pessoa com quem você divide seu tempo não se sinta desprestigiada. Estamos todos presos às escolhas que fazemos. São experiências e aprendizados que levamos não apenas para a nossa vida particular, mas que hoje em dia acabam indo parar nas telas de pessoas que nunca ouvimos falar. – Quando a gente deixa tudo tão aberto, as pessoas se sentem íntimas e convidadas a opinar e participar. E às vezes tu não quer isso, só quer desabafar. Desde que brigamos, meu atual namorado posta textos enormes que são praticamente indiretas pra mim. Isso me irrita muito, afinal ninguém precisa saber o que acontece entre nós – desabafa Aline. Segundo a psicóloga Caroline Brandalise, essa exposição da vida pessoal de um casal pode levar a outros problemas conhecidos de quem lida com a (falta de) privacidade. – Acho que a maneira como o casal utiliza as redes sociais pode provocar desconforto, insegurança e ciúmes, e isso compromete a relação – diz a psicóloga, sugerindo que o casal converse sempre que encontrar, por exemplo, algo diferente escrito no perfil de um ou de outro em alguma rede social.

– Estamos no meio de um processo de mudança de mentalidade. Dá pra fazer previsões pelos sinais que temos hoje, como a diminuição dos preconceitos, de que vamos ter outra forma de encarar relacionamentos no futuro – diz Regina Navarro Lins. A perpetuação de relacionamentos após o fim de um período de intimidade é visto como algo positivo pela especialista. – Antigamente, o namoro acabava e você não via mais a pessoa com quem passou boa parte da sua vida. Mas o contato pode ser bom, ainda pode existir amizade, e a internet propicia bastante esse tipo de interação – diz. Qualquer afirmação sobre o futuro faz parte de um conjunto de possibilidades que podem ou não vir a se concretizar. Segundo Regina, a

!

blica – sugere a psicóloga. O namoro de Juliana*, 19 anos, terminou em outubro depois de dois anos. Como ambos moram na mesma cidade e têm muitos amigos em comum, acabam se encontrando com frequência. Além disso, ainda mantém contato direto através das redes sociais – o que pode ser um problema na hora de seguir em frente. – Tentei namorar há um mês, mas não deu certo, pois ainda existe sentimento do antigo relacionamento, e ter contato com o ex atrapalhou um pouco – admite ela.

tendência é que sejamos mais livres, mas sem um modelo predominante como o que temos hoje. – As pessoas ainda são regidas pelo amor romântico, que propõe a busca por alguém que te complete, mas isso parece estar saindo de cena. Se eu tivesse que dizer o que vai acontecer em algumas décadas, seria uma grande mudança na forma como as pessoas ficam e vivem juntas, que seria bem diferente do que é hoje – prevê Regina. Ela ainda acrescenta que quem quiser passar 30 anos ao lado da mesma pessoa vai fazer isso com a mesma naturalidade daquele que quiser ter três namorados ao mesmo tempo. – Na alegria ou na tristeza, as redes sociais fazem parte do enredo de muitas histórias de amor, de brigas e de relacionamentos – brinca a psicóloga Caroline Brandalise. O Facebook que vai ter que se atualizar pra acompanhar isso.

CinCO sinais de que vOCê anda bisbilhOtandO demais O ex tOdOs Os dias (nível baixo) Entrar no perfil de um ex uma vez na vida é ok. Mas entrar TODO DIA... Não é melhor se controlar um pouco e dedicar o tempo livre pra outras coisas? perfil da amiGa da irmà da nOva namOrada (nível médio) A coisa fica estranha quando você entra no perfil da prima da amiga da irmã da amiga do ex... e quando você esbarra no celular e curte a foto sem querer, então? raiva (nível alto) O lance complica quando você começa a sentir raiva do que vê. Se você abrir as fotos só pra se estressar, você está fazendo a coisa errada. Controle-se. sabe tudO (nível altíssimo) Se você sente necessidade de saber tudo sobre todos, talvez seja a hora de começar a se preocupar. Já pensou que chato se no meio de uma conversa você fala alguma coisa de quem você nem segue? periGO (níver super mega altíssimo) Uma hora o stalking passa dos limites. Imagina que bizarro se o ex descobre que você sabe absolutamente tudo sobre a vida dele? E como faz pra conseguir superar? Desapega!

KZUKA | setembro 2013

A publicitária Aline*, 25 anos, até que tentou continuar a amizade com o ex-namorado quando ele pediu pra sair da casa onde moravam. Mas apenas uma semana depois, o cara já estava em um novo relacionamento com uma colega de trabalho. – Quando ele colocou o status namorando, tive certeza de que eles já estavam juntos antes. Avisei que estava deletando ele de todas as redes que tínhamos contato. Atualmente não mantenho nenhuma amizade com ex. Nem online, nem offline – diz Aline. Claro que tudo depende de como foi


e r

is

t

v

n

-

tA

e

PARAMORE

ROCK DEMAIS PARA SER POP, POP DEMAIS PARA SER ROCK

KZUKA | setembro 2013

texto RENUSKA CELIDONIO

arte CARINA KERN

foto mIDIORAmA


SEGUINDO EM FRENTE

O último clipe, Anklebiters, feito inteiramente de animação, ilustra a música que fala exatamente sobre querer seguir em frente sem ligar para o que os outros pensam. E o Paramore vem fazendo exatamente isso: se desligando das aparências, de querer agradar a tudo e a todos, o grupo conseguiu superar as crises, passar por os altos e baixos e sair ileso, confirmando seu lugar no meio musical. Se antes havia o medo do fim e da reação do público sobre dois membros a menos, hoje, o grupo apenas olha para o futuro. “Passei por momentos difíceis duas vezes/ Saí insensível e cruel /E meus dois amigos sabem disso muito bem” O trecho, da canção Fast In My Car, que abre o último CD, é a prova disso: o Paramore não vai se deixar abalar.

VEjA COMO FOI O ShOw:

A noite de domingo, 4 de agosto, foi intensa para os fãs gaúchos da banda americana Paramore. O público, superansioso, já aguardava na fila há bastante tempo: alguns estavam acampados desde quinta-feira.

mo, contem 17 faixas que misturam basicamente tudo que o eles gostam de ouvir, com letras fortes sobre superação e vitória. – Foi uma linha estranha de atravessar. Teria sido ruim fazer um CD com músicas semelhantes às antigas, já que, claro, temos que evoluir. Mas agora somos pop demais para ser rock e rock demais para ser pop - disse o baixista Jeremy Davis, em entrevista ao Kzuka. Mas foi dessa forma que o Paramore descobriu que já tem personalidade o bastante para fazer um CD com o tipo de música que quiser. Canções como Ain’t It Fun, Anklenbiters e Interlude: Moving On deixam isto claro: o grupo cresceu e se encontrou. - Não tem muitos artistas fazendo este tipo de som, então alguma coisa acho que estamos fazendo certo - brinca Jeremy.

A INTERAÇÃO COM OS FÃS

Mesmo no meio da correria da vida de músico, que envolve lançamento de clipes, reuniões com gravadora, shows em diferentes países e até mesmo o planejamento de novas turnês, o trio é um dos grupos mais ativos na internet, sempre de olho no que os fãs postam a respeito deles pelas redes. Rola até uma espécie de expectativa de poder observar a reação do público quando alguma coisa nova vai ser anunciada. – Nós estamos todos no Twitter, no Instagram. Hoje em dia, é muito fácil seguir a vida de alguém online. Quando lançamos nosso último clipe, ficamos nervosos para ver o que iam falar – conta Jeremy, que completou, rindo – por sorte, todo mundo gostou e ninguém reclamou!

Já passava das 21h quando as luzes se apagaram e, no canto do palco, a vocalista Hayley Williams e o guitarrista Taylor York apareceram apenas com um violão, tocando Interlude: Moving On. Dali em diante, foi um sucesso

atrás do outro. Entre eles, estavam as canções do último CD e algumas músicas mais antigas. Com 19 canções, o Paramore fez uma apresentação muito bem ensaiada e mais madura do que nas outras vezes que havia tocado no Brasil.

KZUKA | setembro 2013

Com mais de 10 anos na estrada e quatro álbuns lançados, o Paramore voltou ao brasil Pela terCeira vez em agosto

Foi em 2009 que o então quinteto americano apresentou Brand New Eyes, o álbum que comprovou o sucesso incontestável do grupo e os levou a vender meio milhão de cópias. Mas o trabalho era recheado de letras um pouco doloridas e com um quê de coração partido por um motivo complicado: a vocalista Hayley e o guitarrista Josh Faro tinham uma relação difícil já que haviam protagonizado um fim conturbado de relacionamento. Foi no final de 2010 que o Paramore surpreendeu os fãs quando Josh e seu irmão, o baterista Zac Faro, anunciaram que abandonariam o barco. Na época, o futuro do Paramore virou um mistério. Mas não demorou muito para Hayley Williams, Jeremy Davis e Taylor York abraçarem a ideia de serem um trio e começarem a compor um novo CD. O último álbum, de título homôni-


R

S TA

O C TI Á M TO U M A E

O P

COSTA RICA A Costa Rica tem muitas praias de areia branca e mar azul. San José é a capital, mas não tem muitas atrações. A praia mais conhecida é a Tamarindo, que fica há três horas da DC. É um lugar jovem, ponto de encontro de americanos e uma das zonas mais ricas. A praia principal não é onde se encontram as melhores ondas: pra surfar, o legal é visitar Avallanas, Playa Negra ou fazer uma boat trip para Witch’s Rock ou Ollies Point. O melhor hotel, que tem um restaurante incrível, é o Tamarindo Diria. Mas, se a turma for grande, vale alugar uma casa. Geralmente elas são enormes, com serviço e um preço superacessível.

BUENOS AIRES Fique em Palermo Soho, perto dos jovens e descolados. Ali, estão lojas, restaurantes, bares e muita gente circulando. Em Palermo, vale parar para tomar chocolate quente no Bar 6, ou ir no bairro vizinho, o Palermo Hollywood, e almoçar no Olsen, um delicioso sanduíche com degustação de vodkas, ou jantar a melhor comida japonesa do Osaka. Não deixe de ir ao Puerto Madero, um bairros mais modernos e novos da capital. No porto, vale um almoço típico argentino no Cabana Lãs Lilas ou um happy hour no bar do Hotel Faena. Um passeio rápido pela clássica Recoleta sempre é bem-vindo, seguido por comprinhas em um dos shoppings mais requintados da cidade, o Pátio Bullrich.

BÚZIOS ITACARÉ

KZUKA | setembro 2013

Itacaré é uma das regiões mais lindas da Bahia, e fica há duas horas de Ilhéus (agende transfer ou alugue carro). A região central é a da Concha onde estão a maioria das pousadas. Itacaré possui em torno de 15 praias e alugar carro é essencial. A mais linda é a Jeribucaçu, que fica junto a uma fazenda particular e o acesso é por uma trilha de 30 minutos. A praia é um paraíso, vazia, linda, super astral, assim como a Engenhoca, mais roots. A Tiririca é um point de encontro de muitos jovens e surfistas (a praia com a melhor onda de Itacaré), tem cadeiras para alugar e um bar com música e drinks. Já a parada na Prainha é obrigatória, ranqueada uma das 10 praias mais bonitas do Brasil. Paradisíaca!

texto e fotos FERNANDA COSTA GAMA, ESPECIAL

Tivemos poucos feriadões este ano, mas no segundo semestre eles estão presentes! Setembro e novembro são meses que você pode aproveitar os days off extras pra fazer uma viagem mais legal ou emendar umas férias. Que tal? Destinos dentro e fora do Brasil não faltam. Por isso, o blog Spice Up The Road listou pra gente destinos que tem muita beleza e diversão para oferecer. Bóra viajar? PARA LER MAIS DICAS DESSES LUGARES ACESSE O CANAL A CARA DA MARINA NO KZUKA.COM.BR. QUER VER MAIS SOBRE VIAGENS? ACESSE SPICEUPTHEROAD.COM

Pra quem quer fugir do agito dos botecos e baladas cariocas, Búzios é uma ótima pedida. Tem mais de 20 praias lindas (algumas são uma piscina natural, e outras, perfeitas para surfistas). Geribá é uma das principais, com ótimas ondas e várias pousadas. Se hospede na Rua das Pedras, na Praia da Armação, onde a vida noturna acontece. A praia mais linda é a Ferradurinha, muito charmosa, não só por ser pequeninha e reservada, mas também por não ter muita estrutura. Outra praia legal é a de João Fernandes. As praias chamadas Azeda e Azedinha, também são ótimas. Opções de praias e lazer na região não faltam.

LOS CABOS – MÉXICO Los Cabos é um dos destinos favoritos dos californianos durante o Spring Break. Los Cabos é dividido em duas regiões, San Jose del Cabo (bem pequena) e Cabo San Lucas (mais turística). O legal é escolher um bom resort e curtir a estrutura. Conforto, boa comida, sol, praia e mar. Precisa mais? Os dois melhores hotéis de lá são o One & Only e o Las Ventanas al Paraíso. Mas você não precisa pagar caro para curtir Cabo San Lucas e ficar bem instalado. Milhares de opções estão disponíveis, um hotel mais lindo do que o outro, Google it!


c o p

tA

m

e

r

m

o

n

-

t o

O jeitO

certO

de Ouvir

música texto gustavo b.rock

foto ollyy, shutterstock

KZUKA | setembro 2013

R

ótulos ajudam a definir produtos, para diferenciar um sabonete de um iogurte. Na música, durante muito tempo, foi útil rotular artistas quando os estilos podiam ser facilmente separados uns dos outros nas mesmas prateleiras. Mas hoje, pra continuar no exemplo esdrúxulo, o sabonete tem cheiro de doce comestível, e o iogurte é vendido porque também promete fazer uma limpeza no seu corpo. Para quem consome música, o rótulo é algo cada vez mais desnecessário. Ao invés de explicar determinado tipo de som, contribui pra confundir ainda mais. – Estilo é tudo igual. Sertanejo, funk, qualquer gênero. Tu põe em qualquer ritmo, e as pessoas vão curtir. Até um tempo atrás, existia um idealismo, o fã da música. Hoje, é mais descartável, e o que atrai é se divertir. – diz o produtor

Carlos Eduardo Miranda. A própria atenção dos ouvintes não se prende mais a um tipo só de música. O estudante Lorenzo Flach Predebon Pereira, 19 anos, é um exemplo deste tipo de público. – A verdade é que, independentemente de estilo, eu gosto de música. Às vezes, em um período de meia hora, eu escuto um disco do Los Hermanos seguido de um do Daft Punk, por exemplo. E tem aquele papo de que existe hora pra tudo, inclusive pra determinados tipos de som. Como cantora, Brenda Scalco, 18 anos, diz que se identifica com alguns gêneros musicais como soul music e pop, mas, no final, o que vale é o que ela fez pra si. – Acho que foi construído a partir da minha personalidade, construído a partir do meio social, cultural e até econômico no qual eu estou inserida – afirma a garota.


coleção: ou você não possui, ou elA é que te possui Não são muitos, mas existem aqueles que são românticos e ainda curtem comprar discos, como Lorenzo. Mesmo tendo herdado os álbuns de seu avô (o pianista Geraldo Flach), o estudante, que pretende fazer faculdade – e viver – de música, nunca pensou em tratar isso como uma coleção. – Hoje em dia tenho recuperado esse hábito de comprar CDs mais para valorizar o artista e pra ter uma lembrança dos shows que vou. Quase todos os dias eu baixo discos novos de bandas que disponibilizam pra download gratuito, mas se é pra botar algum dinheiro nisso, prefiro ter o CD físico – diz ele. Apesar de ter álbuns que eram de sua mãe, Marjana Strapação, 16 anos, também não tem como hobby

a coleção desse material, e no dia a dia a estudante do Ensino Médio do La Salle Dores ouve as músicas que estão no seu HD ou via streaming na internet. – Até compro CDs, mas só dos artistas que eu mais ouço. E costumo ouvir discos inteiros – diz Marjana. Escutar um álbum inteiro é um hábito que também não atinge muita gente hoje em dia, sendo normalmente uma prática entre os mais fanáticos ou músicos, como é o caso de Erick Endres, guitarrista da banda Dis Mois. – Sempre escolho as músicas que quero ouvir. No celular ouço de modo aleatório as musicas separadamente, mas em casa gosto de colocar o disco inteiro – diz Erick.

Amigo que é Amigo curte e compArtilhA

O estudante do Ensino Médio do Rosário Erick Endres, 16 anos, confia a curadoria de seu gosto musical à mídia especializada, seguindo blogs que falam sobre o assunto pra conferir os últimos lançamentos e descobrir novidades. Mariana Bavaresco, 17 anos, aluna do colégio João Paulo I, também recorre a fontes conhecidas. – Eu vejo o top 100 da Billboard e sigo as atualizações do Vevo – conta ela, que pretende seguir carreira como cantora e compositora de música pop. Em meio à enxurrada de informações, quem não tem muito tempo disponível pra garimpar acaba ouvindo o que seus amigos e contatos nas redes sociais indicam. É o caso de Bruno: – Um amigo teu que te conhece vai lá e te mostra algo que sabe que tu vai gostar. A opinião de pessoas em quem se confia é hoje um porto seguro pra quem navega por aí sem bússola. Várias empresas entenderam isso e direcionam seus serviços de modo a criar uma rede de troca de informações cada vez mais íntima.

Miranda acredita que hoje a música já não tenha tanta importância na vida das pessoas. Antigamente, até tinha uma função social que, segundo ele, hoje é cumprida pela internet, pelo videogame, pela TV a cabo e por outros recursos. O entretenimento concorre consigo mesmo. Brenda concorda: – O mercado da música mudou, agora é tudo online. Não faz mais sentido comprar CDs, já que tu tem acesso aos cantores facilmente na rede. Esse setor do entretenimento ainda é atrativo. Só está saindo de cena o verbo “ter” e entrando

o “usar”. Ou, em termos musicais, é como trocar o download pelo play. O que parece ser um desapego das coisas materiais na verdade é uma busca pela praticidade. – Nada contra os vinilmaníacos ou cdmaníacos, mas ainda prefiro mp3. Ouço as músicas da minha biblioteca ou vídeos no YouTube e, sem exagero, só paro de ouvir quando tô dormindo – conta Bruno Peralta Cisco, 23 anos, que comprou um álbum físico pela última vez quando a internet ainda era discada, e o Faustão era obeso, segundo ele.

KZUKA | setembro 2013

tenho mAis convites prA joguinhos que discos e Amigos


u

o

o

h

h

n

n

so

te

m u

e

A mAmA tem um sonho realizá-lo é o sonho da renata Galvão e essa virou a nossa causa: o projeto vai ajudar a construir uma casa para a mama, na áfrica do sul. conheça essa linda história aqui texto marina ciconet

ILUStRAÇÕeS ZiZar, SHUtterStocK

Renata Galvão, 21 anos, que já trabalhou conosco aqui no Kzuka, se mandou pra África do Sul em busca dos seus próprios sonhos. Lá, conheceu a Mama, uma mulher que adotou 18 crianças. Ela acabou se envolvendo tanto com a realidade deles que o seu sonho se tornou coletivo. O grande desejo da Renata hoje é construir uma casa pra Mama, que vive em condições precárias em uma favela na Cidade do Cabo. A Rê colocou um vídeo no Facebook, montou uma vaquinha no site benfeitoria.com/casapramama e convocou a galera pra doar. A gente descobriu, se apaixonou pelo sonho dela e abraçou no “Eu Tenho um Sonho, Qual o Seu?”. Impossível não ficar encantada com essa família e com a iniciativa da Renata. Dá gosto de ver e participar de sonhos assim. E, por isso, estamos ajudando a tornar o dela realidade.

Veja os vídeos no kzuka.com.br Pra acompanhar: @kzuka @marinaciconet @renatafgalvao

Toda essa história, o vídeo da Renata e o link pra doar você encontra no canal A Cara da Marina, no kzuka.com.br. Mas dêem uma lida no que a Renata escreveu pra gente pra entenderem por que precisamos da ajuda de todos vocês: “Um lar eles já têm, agora só falta uma casa! Qaqambani Saftey Home é um orfanato localizado em Khayelitsha, Cidade do Cabo, na África do Sul. A Mama é uma senhora de 62 anos que dedica a vida para cuidar de crianças abandonadas e em situação de risco. A atual moradia do orfanato é precária, pois além de todos terem que dormir em somente um quarto, o material de zinco torna-se extremamente gelado no inverno e é suscetível a enchentes e alagamentos. Além disso, Mama costuma passar as noites em claro para ajudar as crianças que precisam usar os banheiros, pois estão localizados fora da casa. Por isso, queremos construir uma casa de concreto e com estrutura suficiente para abrigar 13 crianças, a Mama e o seu marido, o Tata. Para construir a casa, precisamos arrecadar pelo menos R$12.500. Podem ser feitas contribuições a partir de R$10 e o projeto só será realizado se o valor mínimo for atingido. Caso contrário, o valor é devolvido aos colaboradores. Eu acredito na Mama. Eu acredito em VOCÊS!” Quer doar? Maravilha! Acessa lá e ajuda a Mama com R$ 10, que, com certeza, não vão fazer falta pra você que nos lê, mas pra Mama faz uma baita diferença. Se ultrapassarmos a nossa meta, vamos poder mobiliar a casa e dar mais conforto ainda pra essa família que merece.

KZuKA | setembro 2013

Gostou dessa história? Curta no Facebook do Kzuka. Compartilhe a nossa ideia. Doe. Se envolva. Vamos ajudar, pessoal? #casapramama é muito amor! Já assistiram nas nossas redes o vídeo do Eu Tenho um Sonho com famosos e estudantes? Corram pra lá!. Vamos parar pra pensar nos nossos sonhos ou, quem sabe, sonhar juntos?


e r

KZUKA | setembro 2013

Giuliano Cecatto

-

tA

e

is

t

v

n

texto RENUSKA CELIDONIO

arte DEBORA ZILZ

eles são lindos, jovens, tAlentosos e sonhAm Alto. igor, michAel, jonAthAn e gUilherme são P9, boybAnd brAsileirA qUe, se você AindA não conhece, tem qUe conhecer. não fiqUe AchAndo qUe eles estão recém começAndo: os 4 gArotos cAriocAs têm cd lAnçAdo, já tiverAm músicA nA novelA dAs nove e dois

cliPes qUe bombAm demAis no yoUtUbe. A bAndA PAssoU Pelo KZUKA e nós não PodíAmos deixAr de bAter Um PAPo com eles. nA conversA, eles nos contArAm como lidAm com A rotinA, com As comPArAções com o one direction e dos PlAnos PArA o fUtUro.


Igor – Não tem como ser uma coisa que enche o saco, porque é uma boa comparação. Apesar de tudo, eles são a melhor boyband do mundo, então, ser comparado com uma coisa boa é uma coisa muito boa. É uma comparação muito saudável e a gente gosta, se sente honrado. Guilherme – Eu não acho eles melhores não, eles são a maior. Porque a melhor é a nossa! (risos) Pra mim, é! Aí depois, sim, vêm eles. Mas a gente supercurte essas comparações. KZK – Talvez role essa comparação por vocês serem divertidos, assim como o One Direction. Mas vocês têm um diferencial, de tocar mesmo, guitarra, violão... A música é uma coisa antiga na vida de vocês? Michael – Claro! Eu canto desde que comecei a falar. Meus pais sempre me incentivaram, ganhei meu primeiro violão com sete anos. Já tive banda, já toquei em barzinho, em um monte de lugar... tá no sangue. Jonathan – É, a música já vem nas nossas vidas desde cedo. A gente tem uma bagagem familiar muito grande, a mãe do Igor, por exemplo, é pianista, o pai do Michael toca violão, eu tinha um grupo na escola desde a 5º série... então, a música sempre foi presente. KZK – E sempre rolou esse sonho de ter uma banda? Guilherme – Todos nós sempre tivemos o sonho de trabalhar com música. E acabou que a banda surgir fez com que a gente trabalhasse com o que a gente mais gosta. KZK – E como a família de vocês lidou com o fato de vocês irem tentar a vida na música, numa banda? Guilherme – Eles ficaram apreensivos, né, não sabiam se a proposta era séria, eles não sabiam que ia dar certo. Mas depois que eles viram que era uma coisa correta, sim, e legal, eles super me apoiaram e apóiam até hoje. Igor – Minha mãe ficou muito apreensiva, até porque eu tive que parar minha vida toda por uma coisa que podia ser incerta. Mas mesmo quando seu sonho é incerto, você tem que ir. Jonathan – É aquele ditado: quem é aventureiro não merece castigo. KZK – Mas, além da família... e as namoradas? Foi complicado? Igor – Pra mim, não! (risos) Guilherme – Na verdade, quem namora na banda é o Michael e o Jonathan. Michael – É. Claro que rolou uma preocupação, que ainda rola todo o dia, com tantas viagens e tal. Mas a gente trabalha pra ficar bem. A distância também complica, mas se tem que dar certo, tem que dar certo. E é você que faz dar certo. Não é a sua profissão que vai fazer acabar. KZK – Vocês viajaram para os Estados Unidos para gravar o CD. Como foi essa experiência? Guilherme – Ah, foi inesquecível. Foi a melhor viagem da minha vida. Igor – Foi muito louco. Foi um mês intenso de música. Não era para conhecer ponto turístico

e passear. Era para conhecer os melhores estúdios da cidade, conhecer o melhor produtor dos Estados Unidos. Ver o melhor da música, aprender muito, ganhar muita cultura. Jonathan – A gente cresceu muito musicalmente. A nossa bagagem veio muito grande. E fomos produzidos pelo Venus Brown, o cara que produziu o Justin Timberlake, Black Eyed Peas, Will.i.am... então, a gente ta crescendo muito com essa ajuda. Guilherme – Foi irado. A gente foi pra lá e aprendeu mais da cultura deles. E a gente canta em inglês, né. Então foi legal, pois a gente absorveu melhor isso e apresentou melhor nosso trabalho. KZK – E vocês já falavam inglês quando a banda começou? Michael – Eu sim, sou neto de ingleses, minha irmã é australiana, então fui alfabetizado em português e inglês. O Igor é formado em inglês e o Jonathan e o Guilherme falavam o básico e trabalharam, estudaram muito, e hoje são fluentes.

O QUE CADA UM ESCUTA No P9, cada um tem um estilo diferente, e essa mistura acaba resultando no som da banda. Dá uma olhada no que tem no iPod de cada um dos meninos: MICHAEL The Maine, The Kooks, Two Door Cinema Club, MGMT, Arctic Monkeys, Justin Timberlake. JONATHAN Kendrick Lamar, Wiz Khalifa, Justin Bieber IGOR Red Hot Chilli Peppers, XX, Pink Floyd, Led Zeppelin, Cazuza. GUILHERME Elis Regina, Cazuza, Joss Stone, Justin Timberlake, Los Hermanos.

KZK – E como é ser uma banda brasileira que canta em inglês? Igor – É irado demais! Guilherme – É, e o legal é que a gente pode cantar tanto em inglês quanto em português. Eu sempre me imaginei cantando em inglês. Michael – Sim, eu também! Sempre pensei que ia fazer sucesso cantando em inglês, mas parecia impossível, já que sou daqui. KZK – E esse lance de surfar, andar de skate... vocês curtem muito isso, né? Igor – Nossa, sim. A gente adora. Eu tenho até uma cicatriz de uma vez que cai no longboard. Jonathan – A gente faz de tudo um pouco. Desde luta, skate, surf... Guilherme – Comigo é um pouco diferente. Eu não fazia nada disso antes de conhecer os meninos, mas aí como todos eles fazem, acabei entrando nessa também. Igor - Mas no nosso último clipe, Love You in Those Jeans, que a gente gravou em uma fábrica de chocolates abandonada, o Michael manda uma manobra irada. No primeiro clipe também tinha, mas ele estava de costas, aí muita gente duvidou que fosse ele. Mas nesse último a gente fez questão de gravar de frente! Foi uma questão de honra. (risos)

num hotel, jantando. Ninguém acreditou na hora. Quando a gente viu que era a nossa música mesmo... a gente pirou. Foi absurdo, não sei explicar o que a gente sentiu naquela hora. KZK – Vocês bombam muito na internet. Como é o contato com os fãs pelas redes sociais? Guilherme – Ah, é super tranqüilo. A gente procura estar sempre presente, responder, ficar próximo. Já que a distância não permite que a gente veja todos os fãs sempre, a internet ajuda bastante. Igor – Cara, a gente já se acostumou com isso. No início da banda eram poucos fãs, então a gente se sentia muito especial respondendo a todos. O número foi subindo, complicou um pouco, mas a gente não perdeu esse hábito. A gente ainda responde tweet, curte foto que a galera posta no Instagram, segue elas... KZK – E já rolou de alguma fã de fora vir falar com vocês?

KZK – E vocês já tiveram até música numa novela das nove, e isso logo no começo da carreira. Como vocês lidaram com isso?

Michael – Sim, nós temos fã clubes em doze países. Uma vez uma menina do Equador veio para o Brasil só pra ver a gente, ela ficou no nosso hotel em São Paulo só pra nos conhecer.

Igor – Nossa. Isso foi essencial para nossa carreira começar. A primeira referência que as pessoas têm da gente é a música My Favorite Girl, que tocava na novela.

Igor – A gente tem uns dois mil likes no nosso Facebook que vieram da Indonésia. É louco, é quase uma prova que já vai rolar lá fora.

Michael – Deu uma visibilidade muito grande pra gente.

KZK – Vocês já pensam em planos pro futuro da banda?

KZK – E como foi se ouvir na novela pela primeira vez? Foi emocionante?

Igor – O plano principal é fazer uma tour pelo Brasil. Crescer aqui dentro. Depois que a gente for amado em casa, a gente leva o Brasil lá pra fora.

Igor – É inexplicável. Você se ouvir já é estranho. Na novela, então, no horário nobre, é um sonho. Michael – E a gente não sabia que ia tocar! Foi de surpresa. Minha namorada e a mãe do Igor estavam assistindo, aí nos mandaram uma mensagem avisando. Mas a gente tava

Michael – Sim, crescer aqui dentro é o principal, depois, quem sabe, passar para América Latina... ganhar algum prêmio. Mas o maior plano é continuar fazendo música.

KZUKA | setembro 2013

KZUKA – Por vocês serem uma boyband, vocês são muito comparados com o One Direction. Isso não irrita, um pouco?


KZUKA.COM.BR

REPRODUÇÃO FACEBOOK

CTRL + Z NO NAMORO

/ SOUND KZUKA

POR ONDE ANDAM AS BOYBANDS ANTIGAS? / A CARA DA MARINA

REPRODUÇÃO GIPHY

CHURRAS + DIETA, PODE?

/ LIFESTYLE

Ficou solteiro há pouco tempo? Não se desespere. O fim de um relacionamento é sempre complicado, mas acredite: a maioria das pessoas passa sempre pelas mesmas cinco fases depois do fim. Fique tranqüilo, leia nossa lista e supere!

/ POP UP

GREGORIO – O FAZ TUDO

COBERTURA DO ESTUDANTIL

Gregório Duvivier é ator de cinema, teatro, internet, televisão... mas também é escritor e formado em Letras. Em um bate-papo bem descontraído, conversamos com ele sobre bom humor, drama, Porta dos Fundos, polêmica e, claro, débrito. Clébintom. Crébido. JOSIAAAS! ARIEL GIL

DAVID REIS, ESPECIAL

/ TEAM KZUKA

É daqueles que não abre mão de um churrasco de domingo, mas quer perder uns quilinhos que tanto incomodam? Mas será que churrasco e regime combinam? A nutri Dabi Penter te dá a resposta! Ela separou várias dicas legais para você aproveitar o churrasco sem comer demais. GIULIANO CECATTO, ESPECIAL

AS 5 FASES DA SOLTEIRICE

Já pensou se a gente pudesse dar um control + z nas coisas da vida? Uma dupla desenvolveu o Make Up Text, aplicativo que promete te ajudar caso você queira voltar atrás e implorar para seu ex te aceitar.

REPRODUÇÃO INSTAGRAM

5ive, Backstreet boys, ‘Nsync, Hanson, Twister... lembra deles? Pegamos as 5 boybands mais bombadas do finalzinho dos anos 90 e te mostramos por onde elas andam. Não vá pensando que todas acabaram. Tem boyband que segue até hoje, com música nova e até turnê mundial.

/ GEEK ME

REPRODUÇÃO MAKEUP TEXT

ALGUMAS DAS COISAS LEGAIS QUE VOCÊ VAI ENCONTRAR NO NOSSO SITE

/ PORTAS EM AUTOMÁTICO Praia, sol, mar, areia, muuuuita festa... e tudo isso em Porto Seguro! Fizemos a cobertura completa da galera que foi pra lá e curtiu demaaais as férias de inverno no calorão do Nordeste. Êêê, vida boa!

AH, PORTO SEGURO!

O 13º Estudantil Paquetá Esportes adidas já começou e tem uma galera mandando bem demais. Com muitas atrações dentro e fora das quadras, os atletas tão dando toda a garra possível no campeonato, que revela craques do esporte gaúcho ao longo dos anos. Leia no nosso site a cobertura completa da competição.


Porto Seguro com a Forma Turismo

POR AI

Foto David Reis, especial

Gian Lucca Chiodo e Mariana Barroco na praia de Taperapuan

Izabella Pohl e Vitorio Boettcher na White Party O beijinho de Maria Laura Villanova e Victoria Chikรก

KZUKA | setembro 2013

Antonella Diefenthader, Amanda Franceschi e Nicole Remus


Porto Seguro com a Forma Turismo Fotos Carol Branco, especial

POR AI

Marina Benites estava na pilhadeira na micareta do Axé Moi

Larissa Lahorgue e Valetina Marrone

Natália Moraes pegando um bronze

KZUKA | setembro 2013

Olha a água Fernanda Duarte...


Lan莽amento da Revista Kzuka de Agosto

POR AI

Fotos Giuliano Cecatto, especial

Ant么nio Ferlini e Nicolas Giacoboni de olho no Kzuka de Agosto

Fernanda Mincarone e Fernanda Corte

Andreas Eduardo

KZUKA | setembro 2013

Giovanna Canozzi degustando um sushi no Barko da Padre Chagas


POR AI

Eu tenho um sonho, qual ĂŠ o seu?

Gabriela Guelfand

KZUKA | setembro 2013

Bruna Houli

Fotos Giuliano Cecatto, especial

Igor Von Adamovich da banda P9 tambĂŠm tem um sonho

Mathias Rocha


Eventos

Carolina Inda curtindo a banda P9 e o Vitor Kley no encontro das catalogadas de 2013

Galerão no lançamento do curso “Nitro” da Perestroika

KZUKA | setembro 2013

Mariana Berao e Theodora Costa foram ver Percy Jackson na Sessão de Cinema Exclusiva do Kzuka

Fotos Giuliano Cecatto, especial

No Pré-Debut do Juvenil, Marina Vasconcellos e Pietra Pinzon

POR AI


POR AI

Colégios Fotos xxxxxxx, especial

Flávia Guazzelli e Caroline Chagas na Sexta Sem Pressão do Rosário

Na Feira do Livro do Monteiro Lobato, Bernardo Mendonça e Gabriel Borsatto

No Anchieta, Giovanna Beck


Recreio Kzuka com Vitor Kley Fotos Giuliano Cecatto, especial

POR AI

No São Pedro, Gabriel Tramasoli e Pedro Gomes

No João Paulo I Norte, a gata Júlia Cardones

KZUKA | setembro 2013

Karina Lopes e Juliana Herwig curtindo o Vitor Kley e o Nego da banda Nego Joe no Província

No Mãe de Deus, Gustavo Marocco, Arthur Meirelles e João Pedro Carbone


Vitor Alves e Maurício Xavier curtindo o lounge da competição

Fotos Ale Horn, especial

13º Estudantil Paquetá Esportes adidas

Raí Werlang e Pedro Johnson

Pricila Braun, Tainá Rippel e Mariana de Bortoli Gabriel Haas e a namorada Julia Nascimento

POR AI


Revista Kzuka Setembro de 2013  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you