Issuu on Google+

ciênciahoje ciência

PRÊMIOS NOBEL Os laureados de 2008 ILHA DO MARAJÓ Reflorestamento natural altera a paisagem HIDROLOGIA As diversas cores das águas naturais

REVISTA DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA DA SBPC

255

VOL. 43 DEZEMBRO 2008 R$ 9,95

NANOTECNOLOGIA

UMA REVOLUÇÃO NA SAÚDE


EM DIA ARQUITETURA Estudo analisa igrejas ucranianas construĂ­das hĂĄ mais de um sĂŠculo no Brasil

Arquitetos de fĂŠ

Igreja da Imaculada Conceição, em Antônio Olinto (PR)

å pouco mais de um sÊculo, imigrantes de vårias partes da Europa desembarcavam em terras paranaenses. Distantes de suas origens e incentivados por atraentes projetos do governo provincial, preparavam-se para colonizar uma região desconhecida. Alguns deles, italianos e principalmente alemães, instalaram-se em centros urbanos maiores. Mas outros se lançaram à sorte, aventurando-se por territórios atÊ então inexplorados, rumo às longínquas terras interioranas. Foi esse o destino dos ucranianos, que, sem alternativas melhores, ocuparam as regiþes mais inóspitas do estado, desbravando caminhos que à Êpoca não passavam de um remoto sertão sem fronteiras. A colonização ucraniana deixou suas mar-

5 6oCIĂŠNCIA HOJEoWPM oO Â’

cas, como o bordado em ponto de cruz e a fina pintura em casca de ovo (pessanka). Mas poucos poderiam imaginar que entre aqueles humildes camponeses de mĂŁos calejadas havia hĂĄbeis construtores de igrejas, que, com machados e ferramentas rudimentares, nos deixaram um legado cultural de inestimĂĄvel valor: as capelas ucranianas e sua inconfundĂ­vel arquitetura. As peculiaridades dessa arquitetura jamais foram estudadas. Mas recentemente o arquiteto Key Imaguire Junior, do Instituto Arquibrasil, de Curitiba, começou a investigĂĄ-las no âmbito do projeto ‘Arquitetura da imigração no ParanĂĄ: capelas ucranianas’, que prevĂŞ o levantamento sistemĂĄtico das construçþes deixadas pelos imigrantes ucranianos no estado. O trabalho, realizado com o apoio

de antropĂłlogos, historiadores e fotĂłgrafos, deverĂĄ render uma exposição itinerante de circulação nacional, um CD-Rom e um livro de autoria dos arquitetos FĂĄbio Batista, Sandra MagalhĂŁes e Marialba Imaguire. A iniciativa, financiada pela Petrobras, pretende alertar a sociedade para a importância desse patrimĂ´nio arquitetĂ´nico e destacar sua relevância cultural para o paĂ­s. “O estado de conservação da maioria dessas igrejas ĂŠ admirĂĄvelâ€?, diz Imaguire Junior. Um fato notĂĄvel, considerando-se que foram construĂ­das com tĂĄbuas de araucĂĄria (madeira de baixa densidade e bastante vulnerĂĄvel ao cupim). Segundo o coordenador do projeto, uma explicação para tamanha resistĂŞncia ao tempo ĂŠ que os construtores dominavam boas tĂŠcnicas de carpintaria. Mais do que apenas cortar as ĂĄrvores adequadamente, eles sabiam que parte do tronco utilizar.

FOTOS RAMON GUSSO

H


EM DIA “Hoje, porĂŠm, parte dessa tĂŠcnica construtiva se perdeuâ€?, lamenta o arquiteto FĂĄbio Batista. Prova disso, diz ele, ĂŠ a rĂŠplica da Igreja de SĂŁo Miguel Arcanjo, construĂ­da em 1998 pela prefeitura de Curitiba em um dos parques da capital paranaense. Em menos de 10 anos, a obra precisou ser restaurada, ao passo que a construção original, situada na cidade de Mallet, regiĂŁo sul do ParanĂĄ, perdurou por mais de um sĂŠculo em excelente estado de conservação.

Peculiaridades da arquitetura ucraniana As igrejas erigidas pelos ucranianos diferenciam-se das demais construçþes religiosas luso-brasileiras em muitos aspectos. Segundo Imaguire, dois deles merecem destaque: o desenho da planta e a presença de cúpulas. As plantas das igrejas ucranianas normalmente se baseiam no formato de uma cruz grega, embora encontremos tambÊm plantas retangulares e octogonais. Na arquitetura luso-brasileira, porÊm, prevalece a planta em cruz latina. Quanto às cúpulas, raramente as encontramos na arquitetura ocidental. Na tradição bizantina, entretanto – da qual a cultura ucraniana herdou alguns elementos –, a presença dessas estruturas Ê quase uma regra. Construídas normalmente em madeira, podem adquirir vårios formatos. Igrejas russas, por exemplo, caracterizamse por cúpulas lisas e arredondadas. Jå a arquitetura ucraniana opta por cúpulas facetadas, construídas sempre com oito lados. Outra diferença significativa entre as igrejas ucranianas e lusobrasileiras Ê a localização do campanårio (estrutura semelhante a uma torre onde ficam os sinos). Na tradição luso-brasileira, tais construçþes estão acopladas à estrutura principal da igreja; na tradição ucraniana, encontram-se separadas. Ainda hå outro traço distintivo entre esses dois estilos

BREVE HISTĂ“RICO DA IMIGRAĂ‡ĂƒO 'PJFNRVFBQSJNFJSBMFWBEFJNJHSBO UFTVDSBOJBOPTDIFHPVBP#SBTJM%JWJEJEPT FOUSF P D[BSJTNP EB 6DSÂşOJB 0SJFOUBM F P SFHJNFEFTFSWJEÂťPJNQPTUPQFMPTTFOIPSFT GFVEBJTEB6DSÂşOJB0DJEFOUBM OÂťPSFTUBWB PVUSBBMUFSOBUJWBTFOÂťPNJHSBSQBSBP/PWP .VOEP.BTPRVFQBSFDJBVNBTPMV¿PQBSB TFVTQSPCMFNBTMPHPTFSFWFMPVVNBHSBOEF JMVTÂťP -VEJCSJBEPT QFMB QSPQBHBOEB EBT BHĂ‚ODJBT JNJHSBUĂ‹SJBT  PT VDSBOJBOPT RVF BRVJDIFHBSBN BQĂ‹TWJBHFOTGFJUBTFNDPO EJÂżĂ?FTTVCVNBOBT OÂťPFODPOUSBSBNOBEB BMĂ NEFGBMTBTQSPNFTTBT"MHVOTEFTFN CBSDBSBNOP3JPEF+BOFJSP PVUSPTFN1B SBOBHVš 13  &N TFHVJEB GPSBN MFWBEPT QBSB$VSJUJCB POEFSFDFCFSBNEPHPWFSOP MPUFTEFUFSSBOPJOUFSJPSEPFTUBEP 1BSUJSBNFOUÂťPQBSBPTOPWPTEFTUJOPT  FNDBSBWBOBTEFDBSSPÂżBT BDBWBMPPVBQĂ  1SVEFOUĂ‹QPMJT  6OJÂťP EB7JUĂ‹SJB  (FOFSBM $BSOFJSP  $SV[ .BDIBEP  .BMMFU  1BVMB 'SFJUBT F 3JP "[VM TÂťP BMHVOT EPT MPDBJT POEFTFJOTUBMBSBN.BTBEFTJMVTÂťPBJOEB FTUBWBQPSWJS&ODPOUSBSBNBQFOBTNBUBT GFDIBEBT  BOJNBJT TFMWBHFOT  JOEĂ…HFOBT

de arquitetura: a presença de alpendre (pequena varanda situada na entrada principal das igrejas, onde se encontram os chamados limpa-pĂŠs). “Era uma necessidade dos camponeses devotos, pois nos limpa-pĂŠs eles tiravam o barro dos sapatos antes de entrar no templo sagradoâ€?, conta Batista. As igrejas construĂ­das pelos imigrantes no interior do ParanĂĄ em geral nĂŁo apresentam vitrais exuberantes, como os que observamos nas igrejas de tradição cristĂŁ no ocidente. De acordo com Imaguire, uma possĂ­vel explicação para isso ĂŠ que a fabricação desses ornamentos exige o emprego de tĂŠcnicas muito sofisticadas e materiais caros, nĂŁo condizentes com a realidade social daquelas pequenas comunidades que colonizaram o interior do estado (ver ‘Breve histĂłrico da imigração’).

UFSSJUPSJBMJTUBT F EPFOÂżBT USPQJDBJT & Kš FSBUBSEFEFNBJTQBSBWPMUBS &NNFJPBUBOUBTEJĂśDVMEBEFT QBTTB SBNBSFMFNCSBSBUFSSBOBUBMFBOVUSJSP TFOUJNFOUP EF SFMJHJPTJEBEF RVF TFNQSF PTDBSBDUFSJ[PV.BTBCBSSFJSBEPJEJPNB PTTFQBSBWBEPTQBESFTMPDBJT"BMUFSOBUJ WB GPJ FTDSFWFS QBSB B 6DSÂşOJB m&OWJFN OPTTBDFSEPUFTn0QFEJEPEFVSFTVMUBEP &N QBESFTVDSBOJBOPTEFTFNCBSDB SBNOP#SBTJMQBSBBQPJBSBRVFMBTDPNVOJ EBEFT BUĂ  FOUÂťP EFTBNQBSBEBT OB OPWB UFSSB"QBSUJSEFFOUÂťP BSFMJHJPTJEBEFGPJP HSBOEFFMFNFOUPEFVOJÂťPEFTTFTJNJHSBO UFT 1SPWB EJTTP Ă  B DJEBEF EF 1SVEFOUĂ‹ QPMJT OPJOUFSJPSEP1BSBOš$PNBQFOBT NJMIBCJUBOUFT BCSJHBOBEBNFOPTRVF JHSFKBTVDSBOJBOBT )PKFPTVDSBOJBOPTTÂťPPTFHVOEPNBJPS HSVQP Ă UOJDP EB QPQVMB¿P QBSBOBFOTF  TVQFSBEPBQFOBTQFMPTQPSUVHVFTFT7J WFNOP#SBTJMNBJTEFNJMEFTDFOEFO UFT EPTRVBJTFTUÂťPOPJOUFSJPSEP1B SBOšp B NBJPS DPNVOJEBEF VDSBOJBOB EP NVOEPGPSBEB6DSÂşOJB

Igreja de SĂŁo Miguel Arcanjo, em Mallet (PR)

EF [FNCSPEF  oCIĂŠNCIA HOJEo 5 7


EM DIA Vista interna da Igreja da Anunciação de Nossa Senhora, em Cândido de Abreu (PR)

Sincretismo arquitetĂ´nico As igrejas construĂ­das pelos ucranianos no ParanĂĄ sĂŁo, em alguns casos, muito diferentes das construĂ­das em sua terra natal. “Na Ucrânia, observamos uma tradiVista interna ção cristĂŁ de mais de mil anos, da cĂşpula tempo suficiente para o desenvolda igreja da vimento de uma arquitetura basTransfiguração tante avançadaâ€?, afirma Imaguire. de Cristo, em PrudentĂłpolis (PR) “LĂĄ, encontramos estruturas incrĂ­-

5 8oCIĂŠNCIA HOJEoWPM oO Â’

veis, feitas de troncos de ĂĄrvore com tĂŠcnicas muito elaboradas. Mas os ucranianos que aqui chegaram muitas vezes nĂŁo detinham esse conhecimento. Fizeram entĂŁo algo simplificado, com os recursos disponĂ­veis na regiĂŁo.â€? As prĂłprias cĂşpulas contĂŞm detalhes que ilustram a diferença entre as capelas do Brasil e da Ucrânia. Algumas delas, alĂŠm de possuir formatos inĂŠditos, sĂŁo revestidas de telhas, o que seria inconcebĂ­vel na Europa. AlĂŠm disso, certas igrejas daqui foram feitas com tĂĄbuas e ripas, em um sistema genuinamente brasileiro. Na opiniĂŁo de Marialba Imaguire, essas construçþes revelam acentuado sincretismo arquitetĂ´nico, que incorpora Ă s caracterĂ­sticas ucranianas alguns elementos regionais do sul do Brasil. “O que nĂŁo diminui a importância histĂłrica dessas obrasâ€?, ressalta a pesquisadora, “pois, embora tenham empregado tĂŠcnicas menos vir-

tuosas, os construtores dessas igrejas foram movidos pelo mesmo sentimento de devoção de seus conterrâneosâ€?. Segundo os pesquisadores, ĂŠ preciso desfazer a idĂŠia de que construçþes em madeira tĂŞm menos valor que as em alvenaria. Esse ĂŠ um dos objetivos do trabalho, e jĂĄ se observam resultados positivos. “As pessoas começam a entender que essas igrejas sĂŁo fruto de trabalho e dedicação de seus antepassados, que muitas vezes enfrentaram condiçþes bastante desfavorĂĄveis para construĂ­las. Na opiniĂŁo de Imaguire, nĂŁo devemos valorizar apenas as grandes igrejas, jĂĄ consagradas pela tradição histĂłrica. “Queremos mostrar que a histĂłria nĂŁo ĂŠ feita apenas por quem fez o melhor, mas tambĂŠm por quem fez o mais simples.â€? Henrique Kugler Especial para CiĂŞncia Hoje/PR


Arquitetos de fé