__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

karina sĂŠrgio gomes

walter zanini lotear o museu

celacc/eca-usp 2013


Karina Sérgio Gomes

Walter Zanini lotear o museu

Trabalho de conclusão do curso de especialização em Gestão de Projetos Culturais e Organização de Eventos, CELACC sob orientação da Profa. Cláudia Fazzolari

CELACC/ECA-USP 2013


Resumo: Este artigo pretende discutir a vitalidade de ações curatoriais de Walter Zanini (1925-2013) à frente do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP). O recorte escolhido para exemplificar seu modelo de gestão foi a sexta edição da Jovem Arte Contemporânea, de 1972, em que a participação direta dos artistas se tornou decisiva para um modelo de curadoria negociado. A exposição mudou radicalmente o perfil do museu, transformado-o em um espaço de debates de ideias. Palavras-chave: Walter Zanini, MAC-USP, Gestão, Jovem Arte Contemporânea, Curadoria. Resúmen El propósito de este artículo es discutir la vitalidad de las acciones de curaduría de Walter Zanini (1925-2013) frente al Museo de Arte Contemporáneo de la Universidad de São Paulo (MAC-USP). Elegimos la sexta edición del Jovem Arte Contemporânea, de 1972 para ejemplificar el modelo de gestión de Zanini pues fue cuando la participación directa de los artistas se convirtió en decisiva. La exposición ha cambiado radicalmente el perfil del museo, transformándolo en un espacio de intercambio de ideas. Palabras clave: Walter Zanini, MAC-USP, Gestión, Joven Arte Contemporánea, Curaduría Abstract:


Karina Sérgio Gomes

Walter Zanini lotear o museu

Trabalho de conclusão do curso de especialização em Gestão de Projetos Culturais e Organização de Eventos, CELACC sob orientação da Profa Cláudia Fazzolari

CELACC/ECA-USP 2013 Resumo: Este artigo pretende discutir a vitalidade de ações curatoriais de Walter Zanini (1925-2013) à frente do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP). O recorte escolhido para exemplificar seu modelo de gestão foi a sexta edição da Jovem Arte Contemporânea, de 1972, em que a participação direta dos artistas se tornou decisiva para um modelo de curadoria negociado. A


Sumário Introdução........................... 6 1. Walter Zanini: perfil de ação transformadora para a cena brasileira.8

1.1. Walter Zanini: demarcando territórios.............12

2. O museu loteado...................18

2.1 Jovem Arte Contemporânea JAC...24

3. Lotes de tamanhos variados........30

3.1 Os debates e uma lição de criação ...........................24

4. Dinâmica do trabalho de campo: entrevistas .........................48 5. Considerações finais...............42 Referências .........................59


Introdução Era final de janeiro de 1963 quando Francisco Antônio Paulo Matarazzo Sobrinho, mais conhecido como Ciccillo Matarazzo (1898–1977), decretou o fim do Museu de Arte Moderna de São Paulo em uma assembleia polêmica. Desde a criação, em 1951, da Bienal do Museu de Arte Moderna (hoje Bienal Internacional de Arte de São Paulo), o MAM-SP funcionava à sombra da grande mostra. No ano anterior, em 1962, Ciccillo já demonstrava maior interesse na grande mostra quando decidiu separá-la da instituição, criando a Fundação Bienal. Isso foi uma pista de que a estrutura administrativa do museu não estava tão sólida. Depois de desavenças com colaboradores do MAM-SP, o empresário decidiu extingui-lo, doando todo o acervo à Universidade de São Paulo. Conforme a crônica, “É uma pena. E o curioso, no caso, é que o museu morre, de certa forma, por excesso de vitalidade, dado que, em última análise, a causa mortis deriva dele próprio, é uma criação de suas entranhas, a mais importante de suas realizações – a Bienal de São Paulo. A criatura tornou-se maior que o criador e, rompendo o cordão umbilical que os ligava, consigo levou toda a seiva de vida de sua matriz.” (MARTINS, 2009, p. 359)


Esse é o relato do crítico de arte Luís Martins, que fazia parte do conselho deliberativo do Museu, na crônica “Crise no MAM”, de 16 de fevereiro de 1963. Martins não foi a essa assembleia em que se decretou o fim da instituição, apesar de ter sido convocado, porque já sabia que nada ali seria discutido e, sim, apenas comunicado. Todo o acervo do museu e a coleção particular do empresário italiano foram doados à Universidade de São Paulo, formando, assim, o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC–USP). Como a USP não tinha um local para servir de sede à nova instituição, Ciccillo ainda cedeu um espaço, no último andar do prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera, para que as obras fossem preservadas. A área acabou servindo também como sede provisória de 1963 até 1978, e até hoje funciona como anexo da sede atual – que passou a ocupar, em 2013, o espaço do antigo edifício do Departamento de Trânsito (DETRAN), no Ibirapuera. Diante do quadro institucional, brevemente apresentado, e como contribuição à revisão crítica de aspectos de uma decisão administrativa, este trabalho visa ampliar o espaço de reflexões lançadas sobre a gestão do pesquisador e crítico de arte Walter Zanini em suas linhas de ação curatorial à frente do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo como potente articulador de um amplo debate político.


1. Walter Zanini: perfil de ação


transformadora para a cena brasileira


“U

m jovem recém-chegado da Europa, onde permaneceu anos em bolsa de estudos”, foi assim, sem citar o nome, que o crítico de arte Paolo Maranca se referiu ao novo diretor do recém fundado Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. A citação aparece no artigo “A dança do MAM”, publicado no Correio Paulistano, de 15 de maio de 1963. O “jovem” mencionado era Walter Zanini, que completaria 38 anos, no dia 21 do mês corrente. Zanini havia retornado a São Paulo, sua cidade natal, no ano anterior, depois de seis anos dedicados aos estudos de História da Arte na Europa. Nessa época, concluiu seu doutorado na Universidade de Paris, que teve como resultado a tese La peinture à Ferrare et ses rapports avec les écoles contemporaines dans la seconde moitié du XV e siècle (1961). Realizou também cursos na Itália, na Universidade de Roma e no Instituto Nacional de Arqueologia e História da Arte, e na Inglaterra, no Instituto Courtauld da Universidade de Londres. A dedicação aos estudos de arte era tanta que, muitas vezes, ele deixava de comprar o que comer para adquirir livros. Seu interesse em estudar a área com mais afinco vinha de sua atuação como “jornalista de arte”, conforme entrevista concedida ao curador Hans Ulrich Obrist (2010, p. 59): “Como jornalista de arte, pude manter contato com artistas daqui antes de viajar, e da Europa também. Eles contribuíram para me direcionar para esses objetivos”. Zanini graduou-se em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo e em Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero em 1951. No entanto, não foram encontrados registros da sua atuação como possível jornalista de economia ou crítico de arte antes dessa temporada na Europa. Assim que retornou, sua primeira ocupação foi como professor na Universidade de São Paulo. Em uma sala apertada no Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH – USP), o professor Walter Zanini ministrava o curso de História da Arte, então uma disciplina optativa. Quando a Universidade de São Paulo foi fundada, em 1934,

11


com a incorporação de antigas faculdades e com a integração de diversas novas áreas científicas e culturais, as artes plásticas, embora cogitadas, acabaram por ficar à espera. Na década de 1960, devido a demandas crescentes de alunos interessados por aquela disciplina optativa, o Departamento de História implantou o curso de Pós-Graduação em História da Arte, o primeiro da área no país. A sólida formação em História da Arte fez do professor “um dos primeiros profissionais a exibir semelhante perfil no Brasil”, de acordo com a pesquisadora e historiadora da arte Annateresa Fabris (2009, p. 2), o que o tornava não apenas apto para ministrar a disciplina, como também para organizar o rico acervo que a Universidade tinha recebido das mãos de Ciccillo. A convite do reitor da USP, Antônio Barros Ulhôa Cintra, Zanini começou a organizar o acervo doado. E como já estava envolvido com a catalogação das obras, acabaria sendo convidado para assumir a direção do museu também.

1.1 Walter Zanini: demarcando territórios A gestão de Zanini estava fincada em duas sólidas bases: o estudo crítico do legado moderno e a promoção das novas vertentes. O próprio espaço do museu estava dividido dessa forma: 2/3 para o acervo, sendo uma parte para esculturas e pinturas e outra parte para desenhos e gravuras; e 1/3 para exposições temporárias, onde, geralmente, aconteciam as mostras de artistas que estavam começando a carreira, como as mostras Jovem Desenho Nacional, Jovem Gravura Nacional (1963-1966) e, sobretudo, Jovem Arte Contemporânea (1967-1974) – como veremos no capítulo a seguinte. No espaço dedicado ao acervo, Walter Zanini organizaria marcantes retrospectivas de artistas modernos brasileiros, como Antônio Gomide (1968), Tarsila do Amaral (1969, com cura-

12


doria de Aracy Amaral), Vicente do Rego Monteiro (1971), Ernesto De Fiori (1975) e de seu tio Mário Zanini (1976). Trabalhar com jovens artistas e organizar mostras sobre o movimento modernista no Brasil estavam entre as atividades favoritas do diretor. Outra preocupação sua era fazer o rico acervo do MAC “circular”, formando um público interessado em arte fora da capital. Por isso, uma de suas primeiras ações ao assumir a direção do museu foi adquirir, junto à Universidade, um automóvel utilitário, de modelo Kombi. Uma das funções do carro era servir de transporte de obras para exposições fora da capital, formando o MAC-Circulante, desde 1963, ano de fundação do Museu. Iniciativa que, de acordo com o próprio Zanini, não era inovadora. “O museu circulante já existia na Rússia desde 1917. E também não era novo por aqui, o MAM já organizava exposições circulantes com o seu acervo.” (Entrevista concedida à autora em 19 de setembro de 2009). A ideia inicial se chamava “Trem da arte” e seria realizada em parceria com a Companhia Paulista de Estradas de Ferro. “O projeto previa a transformação de vagões de carga em salas de exposição itinerantes a fim de divulgar o acervo de obras sobre papel no interior paulista” (FABRIS, op. cit). A parceria com a Companhia não deu certo, mas isso não impediu Zanini de concretizar sua intenção. As obras eram transportadas de trem, caminhão e mesmo na própria Kombi, como lembrou Hironie Ciaferes, que era uma espécie de faz-tudo da instituição. “Saíamos de São Paulo com a Kombi abarrotada de obras de arte, parecendo um pau-de-rara. Viajávamos para vários lugares do interior do estado e do país.” (Entrevista concedida à autora 19 de abril de 2009). Uma das edições mais marcantes foi “50 obras do acervo”, realizada em 1966, que contava com trabalho de artistas como Max Ernst, Chagall, Léger, Tarsila do Amaral e Volpi. Cerca de 15 mil pessoas visitaram a mostra apenas no Museu de Arte da Prefeitura de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Além de tornar

13


Profile for Karina Sérgio Gomes

Zanini -- Lotear o Museu  

Este artigo pretende discutir a vitalidade de ações curatoriais de Walter Zanini (1925-2013) à frente do Museu de Arte Contemporânea da Univ...

Zanini -- Lotear o Museu  

Este artigo pretende discutir a vitalidade de ações curatoriais de Walter Zanini (1925-2013) à frente do Museu de Arte Contemporânea da Univ...

Advertisement