Issuu on Google+

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - ARTIGO CIENTÍFICO-

Apresentação

A utilização deste manual deve ser feita pelos alunos ao final da Graduação e da Pós-Graduação da Faculdade Cesuca Inedi. Para alunos da graduação, há orientações para o TCCI (Projeto de Pesquisa) e TCCII (Artigo Científico, modalidade obrigatória a partir de 2014/1; equivalente ao Artigo de Conclusão das Especializações, do Pós Graduação). No entanto, esta leitura não isenta a leitura do regulamento próprio para o TCC. Por se tratar de um Manual não representa em sua estrutura a norma que se quer demonstrar. Escritos sob a orientação de um professor, os Artigos Científico apresentam, de modo sucinto, os resultados de uma pesquisa inédita, em uma das áreas do conhecimento, a partir de rigoroso método e podem ser submetidos a eventos científicos ou a periódicos da mesma natureza, corroborando com o entendimento de que o ensino superior é espaço de produção de conhecimento. Este Manual está dividido em duas partes: “Escrevendo o Texto” e “Formatando o Texto”. A primeira delas apresenta a estrutura básica do artigo, conforme consenso e orientação dos coordenadores de curso do Cesuca Faculdade Inedi, em consonância com as Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas para trabalhos acadêmicos. Até onde as normas especificam, seguem-se as recomendações. Detalhes não contemplados pela norma, são sugeridos conforme observação das práticas existentes e consenso entre coordenadores dos cursos. Não são obrigatórios, portanto, em trabalhos de outras instituições. Da mesma forma, a norma praticada por outras instituições, desde que não contemplada neste manual, não terão seu uso permitido. Bom Trabalho! Eliane Moura


Este documento baseia-se nas normas a seguir listadas, com as respectivas datas de atualização, o que pode causar alguma divergência com relação a manuais e monografias já existentes. É realizado acompanhamento periódico da publicação de novas versões junto a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), e sempre que verificadas alterações consistentes, este material é revisado e disponibilizado para consulta de professores e alunos.

a) NBR 6023: 2002 – Referências Bibliográficas b) NBR 6024: 2003 – Numeração Progressiva das Seções de um Documento Escrito c) NBR 6027: 2003 – Sumário d) NBR 6028: 2003 –Resumo e) NBR 10520: 2002 – Citações e Documentos f) NBR 14724: 2005 –Trabalhos Acadêmicos g) NBR 14724: 2011-Trabalhos Acadêmicos

PARTE I

ESCREVENDO O TEXTO... A primeira divisão de um trabalho científico consiste em três partes, nas quais seus elementos são agrupados da seguinte forma: Pré–Textuais, Textuais e Pós-Textuais. Dentre estes, há elementos obrigatórios e opcionais, detalhados na sequência.

1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

1.1 Capa Padrão - CESUCA (Obrigatório TCC I e II) A capa padrão encontra-se a venda na Central de Cópias da instituição. Deverá ser encadernada junto ao artigo. O espaço em branco para preenchimento de dados deverá conter: Título do Artigo, Autoria, Orientação e Data, conforme segue:


Título do Artigo Autoria Orientação Local e data

Figura 1: Capa Padrão Cesuca Fonte: Agência Smile.

Figura 1: Contracapa Padrão Cesuca Fonte: Agência Smile.

1.2 Capa (Obrigatório TCC I e II)

Apesar de conter uma capa padrão, que é institucional, o seu artigo ou o projeto precisam apresentar uma capa, como uma proteção externa ao trabalho. Nela são colocadas informações indispensáveis, de modo centralizado, segundo ABNT NBR 14724/2011, conforme segue;


Faculdade Inedi-Cesuca esuca Pedagogia, Licenciatura

Nome do autor Título: subtítulo (este último, se houver, separado por dois pontos)

Local Ano Figura 3: Capa Fonte: A autora

Logotipo da Instituição: Centralizado.

Nome da Instituição, seguido do nome do curso;

Nome do autor;

Título: subtítulo (este último, se houver, separado por dois pontos): pontos) Deverá ser claro e preciso. Se o trabalho for o TCC I,, o título deverá ser precedido da expressão “Projeto de pesquisa”.

Local:: Cidade da Instituição na qual o trabalho será apresentado.

Ano: Ano da entrega.

1.3 Folha de rosto (Obrigatória TCC I e II) A folha de rosto apresenta a descrição de elementos essenciais à identificação do trabalho,, bem como sua natureza. natureza Deverá conter:


Nome completo do Autor

Título: subtítulo (este último, se houver, separado por dois pontos): Deverá ser claro e preciso. Se o trabalho for o TCC I, o título deverá ser precedido da expressão “Projeto de pesquisa”.

Natureza do trabalho ( Trabalho de Conclusão de Curso, Dissertação ou tese); Grau pretendido; Nome da instituição à qual é submetido;

Nome do Orientador;

Local: Cidade da Instituição na qual o trabalho será apresentado.

Ano: Ano da entrega

Conforme segue:

BRUNO MATIAS PEREIRA

OS REFLEXOS DO ACORDO ECONÔMICO INTERNACIONAL PARA A AMÉRICA DO SUL Trabalho de Conclusão do Curso de Administração de Empresas, do Cesuca Faculdade Inedi, apresentado como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Administração de Empresas.

Para o caso de Projeto de Pesquisa, não se usa este texto.

Orientador (a): Prof. Me. João da Silva

Cachoeirinha 2014 Figura 4: Folha de Rosto Fonte: A autora

1.4 Resumo em língua vernácula1, palavras-chave (Obrigatório no TCC II) Os artigos apresentam, logo após o título, o resumo. Trata-se de um texto cuja formatação tem as seguintes características: Não há entrada de parágrafos (nem mesmo

1

Idioma local. Língua Portuguesa.


no início); o espaçamento entre as linhas é simples; o alinhamento é justificado e deve apresentar, no máximo, 500 palavras. No que diz respeito ao seu conteúdo, observa-se que é uma apresentação concisa dos aspectos mais importantes da pesquisa realizada. Deverá conter: contextualização temática; apresentação do problema de pesquisa e dos principais objetivos; metodologia utilizada e o(s) resultado(s) mais significativo(s). Quanto à redação, deverá ser realizada em terceira pessoa do singular, com verbo na voz ativa.

Ao final, em linha separada,

deverão constar as palavras-chave, ou seja, um conjunto de três a cinco palavras, separadas por ponto e vírgula, que melhor descrevam a temática abordada.

1.5 Abstract, Keywords (Obrigatório no TCC II) Abstract é o resumo em língua inglesa para fins de publicação. Elemento obrigatório. Keywords é a tradução para “palavras-chave”.

2 ELEMENTOS TEXTUAIS

2.1 INTRODUÇÃO (TCC I e II) - Mínimo 2 páginas A introdução é a parte inicial do texto, no entanto, não é a primeira a ser escrita, dada a natureza de suas partes. Deverá apresentar: a) Contextualização: É preciso contextualizar, ou seja, apresentar o tema no qual a pesquisa está pautada. b) Tema da pesquisa e sua relevância, bem como sua delimitação: Após a contextualização, ao apresentar o tema, é importante deixar clara a relevância da pesquisa dentro deste contexto. É preciso delimitar o tema, ou seja, pontuar qual aspecto do tema será abordado. c) Problema de pesquisa; objetivo geral e específicos: Qual a pergunta que norteou a pesquisa? Toda pesquisa advém de uma curiosidade em relação a algo. Esta parte da introdução apresenta com clareza o problema e os objetivos (geral e específicos), isto é, o que você pretende fazer ou alcançar. e) Justificativa da escolha do tema: É preciso convencer o leitor da importância em realizar a pesquisa. Assim, são necessários argumentos que justifiquem esta realização. f) Metodologia da pesquisa: Embora haja uma seção específica para apresentar a metodologia, é preciso tratá-lo aqui de modo sucinto.


g) Estrutura das demais seções do artigo (Apenas para o TCC II): Aqui é importante apresentar ao leitor, de modo resumido, as demais seções que o mesmo encontrará durante a leitura.

2.2 REVISÃO DA LITERATURA (TCC I) ou substituir por títulos que identifiquem os capítulos - Mínimo 5 páginas Toda pesquisa é essencial e primeiramente bibliográfica ou de revisão dos fundamentos teóricos. São eles que darão sustentação às análises feitas. Este é o momento no qual se realiza uma análise sobre o

que já foi escrito sobre o tema,

procurando mostrar pontos de vista convergentes e divergentes entre os principais autores. Os conteúdos revisados devem abranger tanto clássicos quanto publicações atuais que reflitam o tema escolhido. Além de livros, o referencial pode abranger artigos, relatórios científicos e trabalhos acadêmicos (TCCs, monografias, dissertações e teses), dentre outros.

2.3 MÉTODO (TCC I e II) - Mínimo 2 páginas

É importante que nesta seção o pesquisador mostre como será executada a pesquisa (para o caso do TCCI) ou como foi (para o caso do TCCII), ou seja, a metodologia. Além disso, deverá especificar o método utilizado para coletar e analisar dados sobre a realidade investigada. Esta seção fornece o detalhamento da pesquisa, para o caso de o leitor querer replicá-la. Além disso, esclarece os caminhos que foram percorridos para chegar aos objetivos propostos. Para tanto, é necessário definir:

a) classificação do método de pesquisa (quantitativo - levantamento, experimento, etc. ou qualitativo - estudo de caso, pesquisa-ação, etc.); b) população alvo ou plano de amostragem (quando aplicável); c) instrumentos de coleta de dados: Como serão recolhidos os dados: entrevista, observação, questionário? d) tabulação e análise de dados: a análise de dados deverá estar ancorada em um referencial teórico que justifique seu uso. Apenas se faz breve referência sobre a análise,


pois sua explicitação segue na próxima seção. Antes da análise, é necessário que os dados sejam tabulados e este procedimento precisa estar claro. Essa seção intitulada “Método”, poderá, também, por sua natureza, ser denominada “Metodologia”.

2.4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS (TCC II) - Mínimo 5 páginas Nesta parte, os dados levantados são descritos analiticamente, por meio de uma exposição sobre o que foi observado e desenvolvido na pesquisa. Importante observar que neste ponto do trabalho deverá ser muito claramente apresentada a relação entre os dados obtidos, o problema de pesquisa e o embasamento teórico apresentado na revisão de literatura. Os resultados podem estar divididos por tópicos com títulos logicamente formulados. Envolve, portanto: a) descrição dos dados coletados; b) a sua análise (identificação da problemática existente, a partir da análise dos dados coletados), podendo compreender comparação dos resultados com outros projetos ou situações, conter tabelas e gráficos ou ainda testes estatísticos; c) aplicação da técnica de análise definida no método; d) validação/comparação dos resultados da análise dos dados com os autores utilizados na revisão da literatura; e) Identificação das implicações dos resultados.

2.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS (TCC II) - Mínimo 1 página É a parte final do texto. Nela o pesquisador apresenta a síntese interpretativa. Deve conter: a) resumo dos resultados da pesquisa, ou seja, como o objetivo proposto foi atendido e como a pergunta foi respondida; b) identificação da contribuição do conhecimento obtido para a área em que se insere; c) apresentação de como o resultado da pesquisa poderá auxiliar a novas pesquisas; d) limitações do estudo; e) sugestão de novas investigações.


3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

3.1 REFERÊNCIAS (Obrigatório TCC I e TCC II) Nas referências, deverá estar contido o conjunto de elementos que permitem a identificação dos documentos utilizados e citados ao longo do texto. A NBR 6023 estabelece convenções para a apresentação destas referências, que poderão ser retomadas, na Parte II deste manual. É preciso observar: a) números de referências: no mínimo dez (10), sendo que no mínimo 3 autores diferentes; b) tipos de referências: devem contemplar pesquisa em livros, periódicos, internet (desde que com fundamentação científica) e outros; c) referências de autores internacionais são permitidas.

3.2 ANEXOS (Opcionais): Textos ou documentos não elaborados pelo aluno. 3.3 APÊNDICES (Opcionais): Textos ou documentos elaborados pelo aluno.

OBS.: O artigo deverá conter, no mínimo 18, páginas, a partir do resumo, incluindo as referências. A quantidade máxima será definida pelo coordenador de cada curso, através da Comissão Permanente de Avaliação.


PARTE II

FORMATANDO O TEXTO... As orientações que seguem dizem respeito à ABNT. As normas da APA e VANCOUVER, próprias de outras áreas do conhecimento, deverão ser consultadas em manual próprio.

4 FORMATAÇÃO BÁSICA

a) PAPEL: O papel deve ser branco ou reciclado (NBR 14724: 2011-Trabalhos Acadêmicos), tamanho A4, escrito no anverso (frente da folha); b) MARGENS: As margens devem ser configuradas nos seguintes padrões: superior e esquerda, 3cm; inferior e direita, 2cm, conforme ilustrado:

Figura 5 – Margens no Trabalho Científico. Fonte: A autora.

c) FONTE: O Cesuca Faculdade Inedi orienta e específica que os tipos de letra são a Times New Roman ou a Arial. Os textos devem ser impressos em tinta preta, e os recursos para destaque de palavras ou trechos são sublinhado

ou o

o

negrito. Sugere-se a utilização do itálico apenas para

palavras estrangeiras ou sem tradução, que não sejam do senso comum. IMPORTANTE: Não se aumenta a fonte para títulos - todo o trabalho deve


ser digitado em tamanho 12, exceto nos seguintes casos, nos quais deverá ser tamanho 10: •

citação direta longa – citações feitas tal qual é o texto consultado, cujo

tamanho seja superior a três linhas. •

notas de rodapé.

legendas de ilustrações e tabelas.

d) PAGINAÇÃO: A paginação deverá ter também o mesmo tipo de letra do texto e estar localizada no canto superior direito, em fonte 10.

Nas citações, deve-se observar o recuo de 4 cm e 1,5cm (para tabulação), sem aspas, pois o tamanho da fonte e o recuo já dão destaque suficiente.

Exemplo de citação de mais três linhas, com relação à fonte:

Segundo Saffioti,

[...] a maior dificuldade de aplicação da lei de 1827 residiu no provimento das cadeiras das escolas femininas. Não obstante sobressaírem às mulheres no ensino das prendas domésticas, as poucas que se apresentavam para reger uma classe dominavam tão mal aquilo que deveriam ensinar que não logravam êxito em transmitir seus exíguos conhecimentos. Se os próprios homens, aos quais o acesso à instrução era muito mais fácil, se revelavam incapazes de ministrar o ensino de primeiras letras, lastimável era o nível do ensino nas escolas femininas, cujas mestras estiveram sempre mais ou menos marginalizadas do saber. (SAFFIOTI, 1997,p.193)

5 PAGINAÇÃO

As folhas ou páginas pré-textuais devem ser contadas, mas não numeradas. Para trabalhos digitados somente no anverso, todas as folhas, a partir da folha de rosto, devem ser contadas sequencialmente, considerando somente o anverso. numeração deve figurar, a partir da primeira folha

A

da parte textual, em algarismos

arábicos, no canto superior direito da folha, a 2cm da borda superior, ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha.


Havendo apêndice ou anexo, as suas folhas ou páginas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar seguimento à do texto principal.

6 ESPAÇAMENTO

Todo texto deve ser digitado com espaçamento 1,5 entre as linhas, excetuando-se as citações de mais de três linhas, notas de rodapé, referências, legendas das ilustrações e

das

tabelas,

natureza

(tipo

do

trabalho, objetivo, nome da instituição a que é

submetido e área de concentração), que devem ser digitados em

espaço simples. As

referências, ao final do trabalho, devem ser separadas entre si por dois espaços simples em branco. Na folha de rosto, os dados como, Natureza do trabalho (Trabalho de Conclusão de Curso, Dissertação ou tese); Grau pretendido; Nome da instituição à qual é submetido; devem ser alinhados do meio da mancha gráfica para a margem direita. Títulos de seções e subseções são separados entre si e do texto por dois espaços simples entrelinhas. Não há espaçamento diferenciado entre parágrafos. Deve-se seguir o corpo do texto. Cabe lembrar que, para o artigo, as seções devem aparecer na sequência, sem mudança de página.

7 NÍVEIS DE TÍTULOS E NUMERAÇÃO PROGRESSIVA

O texto deve receber numeração progressiva,

dividindo-se

em

seções

e

subseções, regidas pela ABNT (2003a). Os números de cada subseção são separados apenas por ponto, e a numeração é separada do título da seção por um espaço de caractere. Não se recomenda o uso de seções além da terciária. Sugere-se então a utilização de alíneas, que são subdivisões menores, sem grande participação estrutural no trabalho. Quando se citam seções, não se pronuncia o ponto, e não devem apresentar tabulação.

Exemplo: 1 HISTÓRICO(primária, cita-se capítulo um) – Letra maiúscula e negrito.


1.1 A BIBLIOTECONOMIA COMO CIÊNCIA (secundária, cita-se seção um-um) – Letra maiúscula e negrito. 1.1.1 A Biblioteconomia nos Estados Unidos (terciária, cita-se seção um-um um) – Letra minúscula e negrito.

As alíneas devem iniciar por letras minúsculas, seguidas de parênteses e um espaço, e o texto de cada alínea termina em ponto e vírgula (exceto a última que encerra com ponto). Além disso, deverá haver entre elas uma linha em branco. Observe o exemplo abaixo:

A disposição gráfica das alíneas obedece as seguintes regras:

a) o trecho do texto anterior à alíneas termina por dois pontos; b) as alíneas têm suas entradas como se fossem parágrafos, em relação

à

margem, assim como suas linhas seguintes; c) o conteúdo da alínea inicia por letra minúscula e termina com ponto e vírgula, exceto a última que finda com ponto final.

Só receberão numeração progressiva os elementos textuais. Todos os restantes, exceto os que não têm indicativo numérico e nem título (folha de aprovação, dedicatória e epígrafe), devem ter seus títulos centralizados.

8 FIGURAS

As figuras compreendem quadros, mapas, desenhos, diagramas, lâminas, organogramas,

esquemas,

fluxogramas,

fotografias,

gráficos,

etc.

Quando

aparecerem figuras, deverão estar centralizadas e sem emolduração. No texto, sua identificação deve aparecer logo abaixo da ilustração, em fonte 10 e espaço simples, antecedida da palavra Figura e do seu número. Deve aparecer ainda, no mesmo lugar, a fonte (autor e data). :


Figura 7- Gráfico livros de matemática Fonte - www.brasilescola.com/matematica/graficos.htm

9 TABELAS No texto, devem constar o número e o título da tabela

(que

esclareça

seu

conteúdo), centralizados, em negrito, na parte superior. Já a fonte da tabela e alguma nota, se for o caso, deverão constar imediatamente abaixo. Conforme modelo que segue:


10 REFERÊNCIAS

Uma referência é o conjunto de elementos que permitem a identificação do documento citado, ou do qual se retirou a informação apresentada,

possibilitando

o

acesso ao documento original, conforme já foi citado neste manual. Cada referência possui elementos obrigatórios e opcionais, definidos conforme o suporte da informação (periódico, monografia, relatório, CD, página de internet, etc.). Pode aparecer em notas de rodapé, no final de cada capítulo ou em item separado no fim do trabalho. A última modalidade (ao final do trabalho), além de ser a mais utilizada, é a eleita para os trabalhos acadêmico-científicos do Cesuca Faculdade Inedi. Cabe lembrar que os recursos de destaque escolhidos (negrito, sublinhado ou itálico), devem ser os mesmos para todas as referências, assim como os elementos complementares. Entre uma linha e outra da mesma referência usa-se espaço simples, e entre uma referência e outra, 2 espaços simples (=1 duplo). Todas são alinhadas apenas à margem esquerda, inclusive a segunda linha de cada item, sem necessidade de tabulação maior do que a própria margem. Casos específicos requerem consulta à NBR 6023:2002, e casos omissos são definidos pelo Código de Catalogação Anglo-Americano, atualmente em segunda edição.

10.1 ONDE BUSCAR AS INFORMAÇÕES

Para materiais bibliográficos, devem-se procurar os dados na folha de rosto e verso, ou no final da obra. Em se tratando de periódicos, devem-se observar os dados do fascículo no expediente (normalmente no verso da primeira página, após o sumário ou na última página antes da contracapa) ou na própria capa do periódico, se lá estiverem. Para normas técnicas, o cabeçalho é a fonte principal. Em trabalhos científicos, folha de rosto e verso. Em jornais, a capa e a contracapa trazem os dados necessários. Listam-se a seguir os elementos essenciais à identificação de qualquer tipo de documento, e como devem ser apresentados. A ordem de apresentação básica para uma referência é:

a) Autor ...............................................................(Quem?) b) Título................................................................(O quê?) c) Edição


d) Local de publicação .........................................(Onde?) e) Editora f) Data de publicação da obra ............................(Quando?)

10.2 COMO APRESENTAR AS REFERÊNCIAS

O nome do autor é o primeiro item que caracteriza uma entrada (unidade documentária), é a pessoa física responsável pela criação artística ou intelectual de uma obra. Quando esta não é atribuída a um nome ou conjunto de nomes, deve-se usar o título da obra como entrada, no mesmo formato utilizado para autor (primeira palavra em caixa alta). Só se faz entrada para entidades quando está explícito que seu conteúdo é reflexo do pensamento da instituição, se é uma entidade governamental ou se é um evento.

Para efeitos de descrição, devem-se observar quantos são os autores. Sendo até três, todos devem ser discriminados. Para quatro ou mais, usa-se o nome do primeiro ou mais destacado, seguido da expressão latina et al. Caso haja destaque para outros tipos de responsabilidade que não a autoria (coordenação, compilação, organização), pode-se utilizar esse nome, desde que não haja referência a nenhum autor (que sempre precede as outras formas, até três).

Observações importantes:

a) quando houver designação de

parentesco

(Filho,

Neto,

Sobrinho...)

no

sobrenome, usa-se o sobrenome anterior ao parentesco como entrada. Exemplo: NUNES SOBRINHO, João Carlos. b) quando a nacionalidade do autor for espanhola ou de países cuja língua oficial seja o espanhol, deve-se usar como entrada os dois últimos sobrenomes, pois nestes, o primeiro sobrenome é do pai, e o segundo, da mãe. Exemplo: GARCÍA MÁRQUEZ, Gabriel;


c) quando a nacionalidade do autor for oriental ou de países onde o idioma oficial seja do tronco linguístico ideográfico/silábico, a ordem se mantém, pois o primeiro nome é o da família, e o segundo, o da pessoa. Exemplo: SUN, Tzu;

Para outras orientações, observe os exemplos no quadro que segue:

Livro

SOBRENOME, Nome. Título. Edição. Local: Editora, Ano. Exemplo: SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 22.ed. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

Artigo de Periódicos

AUTORIA DO ARTIGO (SOBRENOME, Nome). Título do Artigo. Título do Periódico, Local de Publicação, número do volume, número do fascículo, página inicial-final do artigo, data. Exemplo: WERNKE, R. Indicadores para gestão de contas a receber e a pagar. Revista do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 136, p. 18-37, abr. 2009.

Capítulo de Livro

AUTORIA DO CAPÍTULO (SOBRENOME, Nome). Título do Capítulo. In: AUTORIA DA OBRA. Título da Obra. Local: Editora, ano. Página inicial e final do capítulo. Exemplo: MENTZ, Almir. A Alfabetização na Educação de Jovens e Adultos; Da reflexão Sociolinguística para uma metodologia do Ensino da Língua Portuguesa. In: SCHEIBEL, Maria Fani; LEHENBAUER, Silvana. Reflexões sobre a Educação de Jovens e Adultos. Porto Alegre: Pallotti, 2006. P. 45-62.

Artigo de Jornais

AUTORIA DO ARTIGO(SOBRENOME, Nome) . Título do artigo. Título do Jornal, Local de publicação, data (dia, mês e ano), número ou título do caderno, seção, suplemento, página(s) do artigo referenciado, número de ordem da coluna. Exemplo: MOURA, Eliane. Educação de Jovens e Adultos: Uma reflexão sobre a evasão. Jornal Mundo Jovem, Porto Alegre, mai. 2012. p.7.

Textos on -line AUTORIA (SOBRENOME, Nome). Título. Ano do Texto. Disponível em: <endereço eletrônico> Acesso em: data (dia, mês, ano)


Exemplo: BIANCHI, Álvaro. Pequeno e despretensioso guia para a confecção de projetos de pesquisa. 2003. Disponível emwww.eneccapivari.br/npcc/images/modelo_projeto.pdf Acesso em 04/07/07. Monografias Dissertações Teses e outros trabalhos acadêmicos

AUTORIA (SOBRENOME, Nome) . Título. Ano da defesa. Categoria (TCC, dissertação, tese)- local da defesa.

Entrevistas

SILVA, Luiz Inácio da. Luiz Inácio Lula da Silva: depoimento [abr. 1991]. Entrevistadores: V. Tremel e M. Garcia. S. Paulo: SENAI-SP, 1991. Entrevista concedida ao Projeto Memória do SENAI-SP.

PCNs

BRASIL. Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: MEC, 2002.

Exemplo: MOURA, Eliane P. de. Leitura de Textos DC: O reconhecimento de estratégias do discurso da divulgação científica. 2008. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada)- UNISINOS-Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS.

DICAS DE COMO PROCEDER EM ALGUNS CASOS Com relação ao primeiro nome dos autores Com 2 ou 3 autores

Quando há mais de três autores

A referência aos primeiros nomes dos autores poderá ser escrito abreviado ou por extenso. Uma vez escolhido, deverá seguir uma uniformidade. Deverão ser colocados os nomes separados por ponto e vírgula (;). Exemplo: GUIMARÃES, Florianete; GUIMARÃES, Margaret. A gramática lê o texto. São Paulo: Moderna, 1997. Colocar o primeiro autor e acrescentar a expressão latina et al. Exemplo: GIERING, Maria Eduarda et al. Análise e produção de textos. 3. ed. São Leopoldo: Unisinos, 1993.

Quanto não se Utiliza-se a expressão latina sine loco, abreviada, entre tem o local de colchetes [S.l.] publicação Exemplo: OS GRANDES clássicos das poesias líricas. [S.l.]: Exlibris, 1981. Quando a cidade não aparece no documento, mas pode ser identificada, indica-se entre colchetes.


Quando não se tem a data de publicação

Exemplo: LAZZARINI NETO, Sylvio. Cria e recria. [São Paulo]: SDF Editores, 1994. Se nenhuma data de publicação, distribuição, impressão, etc, puder ser determinado, registra-se uma data aproximada entre colchetes. Exemplo: [1971 ou 1972] um ano ou outro 1981 ? data provável [1981] data certa, mas não indicada [entre 1906 e 1912] usar intervalos menores de 20 anos [197_ década certa / [197-?] década provável [18_ _ século certo / [18_ _ ? século provável

Quando há dois títulos do mesmo autor

Depois da primeira entrada, as demais são substituídas por um traço sublinear (equivalente a seis espaços) e ponto. Exemplo:

Quando o autor do capítulo é também autor da obra

CHARAUDEAU, Patrick. De La competência social de comunicacion a las competências discursivas. Revista latinoamericana de estúdios del discurso, Caracas, p. 722, 2001. ______. Linguagem e discurso: modos de organização. São Paulo: Contexto, 2008. Evita-se a repetição, substituindo-se o nome do autor por um traço sublinear (equivalente a seis espaços) e ponto. Exemplo:

ROJO, Rosane. Os PCNs, as práticas de linguagem (dentro e fora da sala de aula) e a formação de professores- Uma apresentação. In.: ______(org.). A Prática de Linguagem em Sala de Aula: Praticando os PCNs. São Paulo: EDUC, Campinas, SP: Mercado de Letras, 2000, p.9-14. Quando não Faz-se a entrada pelo título da obra, sendo a primeira palavra se tem o nome maiúscula. do autor Exemplo: OS GRANDES clássicos das poesias líricas. [S.l.]: Exlibris, 1981. Quando há mais de uma publicação do mesmo autor por ano

Quando o mesmo autor tiver mais de uma obra publicada no mesmo ano, usa-se a, b, c, etc. junto ao ano. Exemplo: CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de análise do discurso. São Paulo: Contexto,


2006a. ______. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006b. Quando há subtítulo

Separa-se do título por dois pontos e não se destaca. Exemplo: AUTHIER-REVUZ, Jaqueline. Palavras incertas: as não coincidências do dizer. Campinas: Unicamp, 1998.

Quando há mais de uma editora

Quando houver duas editoras, indica-se as duas, com seus respectivos locais (cidades). Se forem mais do que três, indica-se a primeira ou a que estiver em destaque. Exemplo: ROJO, Rosane. Os PCNs, as práticas de linguagem (dentro e fora da sala de aula) e a formação de professores- Uma apresentação. In.: ______(org.). A Prática de Linguagem em Sala de Aula: Praticando os PCNs. São Paulo: EDUC, Campinas, SP: Mercado de Letras, 2000, p.9-14.

Quando há indicação de edição ou revisão

O número é indicado em algarismos arábicos, seguido de ponto e da abreviatura da palavra edição na língua da publicação. Quando for a primeira edição, não se apresenta Exemplo: GIERING, Maria Eduarda et al. Análise e produção de textos. 3. ed. São Leopoldo: Unisinos, 1993. Indicam-se ainda, emendas e acréscimos à edição, de forma abreviada: ver. (revista), ampl. (ampliada), aum. (aumentada). Exemplo: FRANÇA, Júnia Lessa et al. Manual para normalização de publicações técnico científicas. 3. ed. ver. e aum. Belo Horizonte: Ed. Da UFMG, 1996.

Séries e coleções

Depois de todas as indicações sobre aspectos físicos, podem ser incluídas as informações sobre séries e coleções. Indicam-se, entre parênteses, os títulos das séries e coleções, separados, por vírgula, da enumeração, em algarismos arábicos, se houver. Exemplo: CARVALHO, Marlene. Guia prático do alfabetizador. São Paulo: Ática, 1994. (Princípios, 243)


11 CITAÇÕES DE AUTORES De acordo com a ABNT a citação serve para melhor fundamentar e complementar informação extraída de outra fonte. Isso valida o trabalho científico, pois comprova o compartilhamento de ideias com outros autores, ou o tratamento dispensado por eles a determinado tema. Dividem-se em citações diretas (transcrição literal das ideias do autor) e indiretas (quando apenasse baseia nas ideias do mesmo, de maneira resumida). Sempre que se for citar determinado autor ou fonte, deve-se mencionar seu sobrenome (para autor), instituição responsável (quando for o caso) ou o título da obra, conforme cada caso previsto pela ABNT (2002a), seguido da data da publicação e página onde se encontra a informação (indispensável para citações diretas). •

Se a citação for curta (até 3 linhas), deve vir entre aspas duplas, na mesma fonte do texto, respeitando os grifos originais. Em qualquer das situações de grifo (do autor do texto ou do citado), deve-se informar junto aos outros dados da citação, entre parênteses: “grifo nosso” ou “grifo do autor”. Aspas simples só são utilizadas para marcar aspas no texto original.

Caso a citação seja longa (4 linhas em diante), deve ser escrita em fonte menor do que o texto (fonte 10), com espaço simples entrelinhas e recuo a 4 cm da borda da página, sem aspas. Quando a citação for de um parágrafo inteiro, deve-se acrescentar ao recuo 1,5 cm para demarcá-lo.

Havendo mais do que um autor com o mesmo sobrenome, deve-se acrescentar à citação a inicial do prenome. Se mesmo assim houver coincidência, escreve-se por extenso.

Exemplo (SANTOS, S., 1987) (SANTOS, V., 1995) (SANTOS, Volnyr, 1995) (SANTOS, Victoria, 1992) •

Quando houver mais do que um documento do mesmo autor, do mesmo ano, deve-se acrescentar um a letra minúscula após a data e sem espaço,


seguindo a ordem alfabética e a lista de referências bibliográficas. Já temos exemplos neste manual, ver parágrafo abaixo: De acordo com a ABNT (2002b, p.3) “As citações indiretas

de

diversos

documentos de vários autores, mencionados simultaneamente, devem ser separados por ponto-e-vírgula, em ordem alfabética.” •

Dentre as várias expressões latinas existentes na norma, citamos apenas a referente à citação de citação. A expressão apud significa citado por, conforme, segundo fulano, e é usada quando não tivemos acesso à obra original do autor citado, apenas à sua citação em trabalhos de outros. Só se recomenda este recurso quando de citações diretas, ou para fontes realmente inacessíveis ao autor do trabalho.

citação longa:

A escolha do enfoque qualitativo se deu porque concebemos a pesquisa qualitativa na linha exposta por Franco (1986, p.36), como sendo: [...] assentada num modelo dialético de análise, procura identificar as múltiplas facetas de um objeto de pesquisa (seja a avaliação de um curso, a organização de uma escola, a repetência, a evasão, a profissionalização na adolescência, etc.) contrapondo os dados obtidos aos parâmetros mais amplos da sociedade abrangente e analisando-os à luz dos fatores sociais, econômicos, psicológicos, pedagógicos, etc. [...].(FRANCO,1986,p.39)

autor entidade: “Se a gente prende o dedo e uma unha inteira da mão arrancada, ela demora cerca de seis meses para voltar a crescer da raiz até aponta do dedo. No pé , esse crescimento demora de oito meses a um ano.”(SBPC, 2000, p. 56)

mais do que um autor (até três), comentários dentro da citação e nota explicativa do teor do grifo do texto: Terra e Nicola (1996, p. 44, grifo do autor) sustentam que “esses desvios [dos padrões da Gramática Normativa] enquanto reforço da mensagem têm função estilística, não constituindo erro; pelo contrário, constituem as figuras de linguagem.”


dois autores, dentro de parênteses, grifo do autor do trabalho e supressão ao texto original: “apesar dos avanços da telefonia que, via satélite, nos possibilita a comunicação em qualquer parte do mundo, a carta ainda é uma forma muito utilizada pelas pessoas [...]” (TERRA; NICOLA, 1996, p. 90, grifo nosso);

diversos

documentos

de

diversos

autores: Sabemos que vários autores

apontam as dificuldades das teorias clássicas da Administração, mas também salientam princípios aplicáveis aos dias de hoje (MONTANA; CHARNOV, 1998; BATEMAN; SNELL, 1998; AKTOUF, 1996). •

citação de citação (uso do apud): “Pois que o divã no consultório do analista de Bagé é forrado com pelego. Ele

recebe os pacientes de bombacha e pé no chão.” (VERISSIMO apud SANTOS, 1990, p. 117). Ou, ainda: Observamos em Lopes Neto (1965 apud SANTOS, 1990, p. 106) a referência a temas característicos do pampa gaúcho, bem com o a oralidade bastante acentuada: “Foi logo depois da guerra do Oribe. Havia como dez mil baguais entre éguas e potros orelhanos, cavalgada largada, reiúna e marcada, quer toda virou haragana, nos pajonais.”

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002. 24 p.

_______. NBR 6024: informação e documentação: numeração progressiva das seções de um documento escrito: apresentação. Rio de Janeiro, 2003. 3 p.


______. NBR 6027: informação e documentação: sumário: apresentação. Rio de Janeiro, 2003. 2 p.

______.NBR 6028: informação e documentação: resumo: apresentação. Rio de Janeiro, 2003. 2 p.

______. NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos:apresentação. Rio de Janeiro, 2002. 7 p.

______. NBR14724:informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2005. 9 p.

FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas Técnicas para o Trabalho Científico: explicitação das normas da ABNT. 12. ed. Porto Alegre: Dáctilo-Plus, 2003. 150p., il.

MATIAS-PEREIRA, José. Manual de metodologia da pesquisa Científica. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2012.



Manual