Issuu on Google+


RESUMO O projeto em questão tem como objetivo desenvolver uma coleção de pôsteres promocionais que representem visualmente a história do futebol em Belo Horizonte, de maneira que articule dados históricos e iconográficos em um formato de composição gráfica autoral. Com referência em técnicas de construção de imagens ligadas à colagem digital, usadas por diversos artistas gráficos contemporâneos, pretende-se conferir a esse suporte - o pôster promocional de futebol - uma linguagem gráfica mais jovem e atual. Tal coleção será usada como material gráfico promocional da Federação Mineira de Esportes, a fim de propagar o conhecimento da história e cultura desse esporte no estado de Minas Gerais.

Palavras-chave: Pôster, Promocionais, Futebol, Belo Horizonte, Federação Mineira de Esporte, colagem digital.


introdução Em seus primórdios, em Belo Horizonte, o futebol despontou como um esporte seletivo. As primeiras partidas disputadas no Parque Municipal, lugar frequentado pelas elites locais, já demonstravam o caráter restritivo da sua prática. Havia poucas opções de lazer na pacata cidade com pouco mais de 13 mil habitantes. Mas não demorou muito para ele se popularizar e passar a atrair novos adeptos. Logo, o esporte se transformou em um emergente fenômeno social que contribuiu para a construção de identidades coletivas e para integração social da cidade. Ao pensarmos em futebol parece que há nele um apelo popular que remota sua origem. O que se vê, é que ele chega como prática elitista, executado e apreciado, apenas pela branca burguesia mineira. Com o sucesso do esporte nessas camadas sociais a demanda pela prática do futebol acaba por criar mais vagas nos clubes que se multiplicavam pela capital. Assim, além dos filhos universitários dos donos de fábricas, geralmente sócios desses clubes, começam a entrar em campo, primeiro mestres e em seguida operários dessas fábricas. A apreciação do esporte se espalha, então, pelas camadas populares, principalmente entre os membros do recém-constituído proletariado. O que nos interessa nesse brevíssimo histórico do futebol em Belo Horizonte é compreender o momento em que o futebol deixa de ser apenas um esporte, tornando-se uma paixão do belo-


horizontino que ultrapassa os limites do campo, invadindo as mais diversas áreas, capaz até mesmo de influenciar a formação cultural de toda população. Suas particularidades, delimitações e forma de expressão cultural mostram sua importância no desenvolvimento cultural e social da capital mineira. Aliados ao populismo do futebol existem inúmeras informações visuais que complementam seu sentido. Essas contam com cores, grafismos, símbolos, imagens e fotografias que indicam uma forma de entender os acontecimentos dessa prática na nossa cidade. Tais informações visuais serão a base para a construção das coleções de pôsteres que contaram a história do futebol na cidade, abordando seus mais tradicionais clubes: Clube Atlético Mineiro, América Futebol Clube e Cruzeiro Esporte Clube. A partir de um estudo do sentido originário do pôster, entende-se necessário recuperá-lo como forma privilegiada da percepção visual coletiva. Ao longo de sua história, cada vez mais esse suporte se vê dirigido ao design corporativo, à venda de mercadorias e ao fomento do consumo, restrito a regras e normas. No entanto, o sentido originário do pôster moderno é o de ser uma peça gráfica para além do mundo das mercadorias, voltada para o desenvolvimento do homem, de sua percepção visual do mundo. O sentido do pôster se torna mais intenso quando vinculado a temas sociais e políticos, como o futebol por exemplo.


De acordo com Wilke: ” o pôster é um produto técnico-científico e como obra dialoga com a história e com a cultura em que vive, uma peça gráfica datada portadora e anunciadora de um valor expressivo (significativo), projetada no seu ambiente histórico, vinculada a um tempo e sociedade. Desta forma os pôsteres refletem as tendências no design gráfico, acusam as revoluções na linguagem que se sucedem e espelham os contextos em que foram produzidos, fornecendo um panorama das atividades econômicas, sociais e políticas.” (WILKE, 2007 p. 02)

Já a colagem digital, técnica de composição de imagens adotado na elaboração dos pôsteres, permite a junção de diferentes elementos visuais e subseqüente transformação dos resultados de modo que falem sobre o tema com um novo vocabulário, fora dos padrões convencionais.


PROBLEMA Desenvolvimento de um conjunto de pôsteres promocionais que representem os fatos, momentos, lugares, personagens e acontecimentos de grande relevância no futebol em Belo Horizonte, abordando seus times mais tradicionais: Clube Atlético Mineiro, América Futebol Clube e Cruzeiro Esporte Clube, organizados em três coleções temáticas: * Coleção ”O Jogo da Bola”: apresenta os primeiros anos do futebol na cidade e os principais acontecimentos do esporte. * Coleção ”Domingo é Dia de Clássico”: exploram os grandes jogos entre os maiores times da cidade, além da construção do símbolo do futebol na cidade, o Estádio Governador Magalhães Pinto, o popular Mineirão. * Coleção ”Ídolos Eternos”: seleciona os jogadores que fizeram história em seus respectivos times e personalidades que integram a história do futebol da capital.


OBJETIVOS *Apresentar uma visão particular da história do futebol em Belo Horizonte, traduzindo imageticamente fatos e dados representativos da história do esporte na capital mineira, num formato sintético, como é o pôster, porém com grande apelo emocional e estético. *Divulgar a rica história do futebol em Belo Horizonte, focando nos momentos mais marcantes, através de fatos e acontecimentos especiais para esse esporte na cidade; *Apresentar a história de forma equiparada para os três clubes que o projeto aborda, com uma visão geral dos acontecimentos, deixando de lado as tradicionais rivalidades esportivas; *Promover a Federação Mineira de Futebol, entidade que organiza e responde pelos mais importantes eventos futebolísticos do estado; *Promover o conhecimento da história e cultura desse esporte no estado de Minas Gerais e em Belo Horizonte, uma das cidades sedes da Copa do Mundo de 2014. *Abordar o tema com uma linguagem gráfica mais jovem e atual, através da técnica colagem digital, cujo conceito é associado com os princípios do modernismo, que envolve muito mais do que a idéia de colar fragmentos, mas sim, reuni-los na criação de um novo todo.


JUSTIFICATIVA O futebol mineiro possui um vasto material a ser pesquisado e categorizado. São referências de cores, formas, grafismos e símbolos usados pelos clubes para formação de sua identidade. Além de registros fotográficos históricos de 100 anos de futebol. Esse material é rico e será a base para a produção dos pôsteres. Há uma limitadíssima bibliografia sobre a história do futebol mineiro. Sobre os poucos volumes que abordam o tema é necessário dizer, antes de tudo, que não são textos construídos segundo os rigores do trabalho acadêmico. Ao contrário, são relatos que, embora baseados em um elogiável trabalho de pesquisa, transitam do registro jornalístico ao libelo apaixonado, já que, no espírito das obras, seus autores não escondem sua condição de torcedores fiéis dos clubes sobre os quais escreveram. Esse projeto se torna relevante, a partir do princípio que visa contar a história do futebol mineiro de forma imparcial. Belo Horizonte será uma das sedes da Copa do Mundo de Futebol em 2014, logo receberá turistas de todo planeta. Resgatar e divulgar a história do nosso futebol, nesse momento especial para cidade, é uma importante oportunidade de demonstração do nosso envolvimento com esse esporte e de sua expressividade cultural nessa cidade.


O tema até então só vem sendo abordado em livros. A idealização de pôsteres com essa temática é relevante como uma forma de comunicação mais expressiva, dinâmica e eficiente, por seu grande apelo visual, o que permite que esses sejam distribuídos e expostos nos mais variados locais, para fins de divulgação da tradição futebolística em Minas Gerais. O pôster já é uma peça gráfica recorrente no universo do futebol. Todos os clubes, não só os mineiros, lançam anualmente seus pôsteres oficiais com fotos mostrando a formação de seu time de jogadores. Logo, já existe uma familiaridade do público com esse objeto gráfico e um presumível interesse em colecionálo e em colocá-los em exposição.


DESENVOLVIMENTO Nos primeiros anos do século passado, Belo Horizonte era uma cidade com o traçado claro: a Avenida do Contorno delimitava o espaço nobre, moderno, limpo e urbano destinado às classes altas. A área periférica abrigava as classes mais baixas. Nessa época, o futebol chegou ao Brasil como um esporte de elite. Os clubes refletiam a hierarquia social e só aceitavam como sócios os membros da alta classe. Havia pouca opção de lazer para os mais pobres. Por essa época, o futebol começava a se popularizar no Brasil, introduzido por Charles Miller em São Paulo. Em 1904, chegou à cidade o estudante carioca Vitor Serpa, que aprendera a jogar futebol na Suíça. Em 10 de junho de 1904, Serpa e dezenas de companheiros fundaram o Sport Club Foot-ball, primeira agremiação de futebol criada em Belo Horizonte. O Clube era formado por membros da elite da capital: estudantes, funcionários públicos e comerciantes. O campo foi construído na Rua Sapucaí e, no dia três de outubro, foi realizada a primeira partida de futebol na capital, entre dois times do próprio Clube: o de Vitor Serpa e o do presidente da associação, Oscar Americano. A primeira experiência do futebol em Belo Horizonte foi intensa, porém fugaz. Em princípios de 1905, a cidade tinha sete associações de futebol. Apesar de tantos clubes, os jogos foram rareando e o interesse foi diminuindo. O máximo que se organizava


eram “peladas” esporádicas. Nos encontros no Parque Municipal, os estudantes se reuniam para os passeios de domingo ou para as corridas de bicicletas. O futebol ficou, durante algum tempo, relegado em segundo plano. Já em março de 1908, um grupo de estudantes se reunia como de costume, no Parque Municipal. Liderados por Margival Mendes Leal e Mário Toledo, estavam decididos a fundar um novo clube de futebol em Belo Horizonte. Em 25 de março, um grupo de rapazes mataram aula para fundar um novo time, nascia o Athlético Mineiro Futebol Clube. Na década de 1910, Belo Horizonte tinha uma população crescendo ininterruptamente. Graças à fundação do Athlético, o futebol na cidade ganhou um novo ímpeto. Nessa nova ”onda” futebolística, surgiriam outros dois importantes clubes: o Yale Athlético Clube, e o América Futebol Clube. O futebol se enraizava, definitivamente, na capital. Enfrentando tantas dificuldades em uma cidade tão carente de recursos, o futebol começava a tomar gosto não só da elite, mas da população em geral. Os jogos atraiam um crescente interesse e o Athlético já contava com uma grande torcida por motivos óbvios: dos três times da capital, o Atlético era o único clube que não impunha restrições à entrada de jogadores ou sócios. A discriminação existente nos outros clubes iria perdurar nos anos vinte e trinta. Só em 1927, o Palestra Itália permitiria o ingresso de não italianos em seus quadros como sócios ou como jogadores. O Athlético ofereceu à população mais pobre de Belo Horizonte uma oportunidade de inserção no lazer da capital. Já em


1927, o jornal Vida Sportiva tecia esse comentário nada lisonjeiro sobre a popularização do futebol: ”O futebol revestiu-se, nos seus começos, de um cachet de fina elegância e alta distinção. Distinção do ‘referee’ (árbitro) e distinção de linguagem do cronista. Tratava-se, não há dúvida, de uma diversão de elites. Depois, dizem que o futebol evoluiu... Generalizou-se, democratizou-se, banalizou-se. E perdeu, no mesmo passo, o primitivo cunho de elegância. Enfim, evoluiu e continua a evoluir... Para o “Bambam-bam”. (Jornal Vida Sportiva, de 19/11/1927)

Era um caminho sem volta. Isso porque o futebol passou a fazer parte do gosto popular e o povo já se identificava com ele.


CONSIDERAÇÕES FINAIS O projeto permitiu explorar o universo do futebol, representando assim parte da história desse esporte popular através do design promocional. Partiu-se da intenção de determinar na história do futebol mineiro seus acontecimentos mais relevantes, e junto a isso, apresentar sua variedade iconográfica. Através de leituras, pesquisas e orientações, definir conceitos e buscar um modo representativo de trabalhar esse conteúdo como um produto de design que possa, ao mesmo tempo entreter, informar e produzir conhecimento, foi o maior objetivo. O pôster como suporte gráfico escolhido, trabalhado em coleções temáticas, oferece uma boa apresentação do material pesquisado, com síntese e impacto, onde imagens, grafismos e textos provocam e instigam, construindo gradativamente um entendimento dos elementos usados e sua relação com a história e representação do futebol no nosso Estado.


BIBLIOGRAFIA AGOSTINO, Gilberto. Vencer ou morrer. Futebol, geopolítica e identidade nacional. Rio de Janeiro: Mauad, 2002. América Futebol Clube. História. Disponível http://www.americamineiro.com.br Acessado em 01, 02 e 03 de agosto de 2010. ÁVILA, Fausto de. Cruzeiro! Cruzeiro! Querido! A história do Time do Meu Coração. Belo Horizonte: 2008. 20 p. - Editora Leitura. BARRETO, Plínio. Futebol no Embalo da Nostalgia. Belo Horizonte: 1978 Edit. Santa Edwiges, 202p. BARRETO, Plínio e BARRETO, Luiz Otávio Trópia . De Palestra a Cruzeiro - Uma Trajetória de Glórias. Belo Horizonte: 2000 M & B Acessoria de Imprensa, 200 p. Clube Atlético Mineiro. História. Disponível http://www.atletico.com.br Acessado em 01, 02 e 03 de agosto de 2010. Cruzeiro Esporte Clube. História. Disponível http://www.cruzeiro.com.br Acessado em 02 e 03 de agosto de 2010. DA MATTA, Roberto. Universo do futebol. Rio de Janeiro: Pinakotheke,1982. DAMO, Arlei Sander. Futebol e estética. São Paulo em Perspectiva: 15(3) 2001. FILHO, Mário. O Negro no Futebol Brasileiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2003 GALUPPO, Ricardo. Raça e Amor - A Saga do Clube Atlético Mineiro Vista da Arquibancada. BDA, 2003. Coleção Camisa 13. 173 p. GAMA, Dirceu Ribeiro Nogueira. O Futebol e suas dimensões simbólicas: uma


interpretação filosófica. [Editorial]. Revista Digital. Buenos Aires: Ano 15, 147, Ago.,2010. GUEDES, Simoni. O Brasil no campo de futebol: ensaios antropológicos sobre os significados do futebol brasileiro. Niterói: EDUFF, 1998 História do futebol mineiro. Disponível http://www.futebolamadordeminas.com/ historiafutebolmg.htm . Acessado em 02 de agosto de 2010. HOLLIS, Richard. Design Gráfico: uma história concisa. São Paulo: 2000. Editora Martins Fontes. JESUS, Gilmar Mascarenhas. Futebol, globalização e identidade local no Brasil. [Editorial]. Revista Digital. Buenos Aires: Ano 8, nº 57, Fev.,2003. MATTOS, Amir. O Time do Meu Coração (Cruzeiro Esporte Clube). Belo Horizonte: Editora Leitura, 2008. 96 p. RIBEIRO, Henrique. Almanaque do Cruzeiro. Belo Horizonte: 2007. 560 p. RIBEIRO, Raphael Rajão. A Bola em meio a ruas alinhadas e a uma poeira infernal: os primeiros anos de futebol em Belo Horizonte (1904-1921). Belo Horizonte: UFMG, 2007. 180p. Dissertação – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007. SANTANA, Jorge. Páginas Heróicas: Onde a Imagem do Cruzeiro Resplandece. São Paulo: DBA Artes Gráficas, 2003. 200 p. SÉRIE L! Grandes Clubes 2005. Cruzeiro, O Orgulho de Minas Gerais. Areté Editorial S.A. ISSN 1676-1537. (2005) 90 p. VIEIRA, Fernando Antônio Freire. Memórias em preto e branco: 1948-1954. Belo Horizonte: FUMARC, 1999. 161 p. ZILLER, Adelchi Leonello. Enciclopédia Atlético de Todos os Tempos: a vida, as lutas, as glórias do Clube Atlético Mineiro, o campeoníssimo das Gerais. Belo Horizonte. 2 ed. 1997.



O Jogo da Bola