Issuu on Google+

Jan 2012| Ouse Brasil A


2 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


Ele rompeu as barreiras e entrou no Vale do Silício”

o pessoal da Monashees. Quando fechei com eles, tinha 20 anos, não sabia contratar, nem emitir nota fiscal. Sabia apenas programar. Eu era um programador querendo fazer algo que achava interessante, mas não tinha noção de que ia virar uma empresa, que atingiria 65 milhões de pessoas com 3 bilhões de anúncios por mês. Como eu não tinha visão de negócio, eles me apresentaram a Marcos Tanaka, hoje presidente-executivo da empresa. Ele fazia consultoria estratégica para marcas como Itaú e Coca-Cola. Larguei a universidade e o emprego e fui para São Paulo. Morei na casa de uma amiga durante três meses. Fiquei num albergue por um ano. Lá dividi um quarto por seis meses com quatro pessoas; depois aluguei um só para mim. Morando em um albergue, quarto mofado, a cama horrível, comendo Miojo quatro vezes por semana, era isso que eu queria mudar. Coisa que eu nunca pensei quando estava no Gama. Só em 2011 fui morar sozinho. Sozinho, não, porque acabei de casar. Inicialmente, achei que a boo-box anunciaria produto, não marcas. Nossa ideia era trabalhar com e-commerce, com venda direta de produtos. Mas as agências de publicidade se mostraram mais Marcos Gomes, dono da boo-box, agência de publicidade na internet, no prédio da empresa, em São Paulo as agências de publicidade se mostraram mais interessantes. E favorecia a audiência, por causa do Marco Gomes, 25, saiu do Gama, umas das mais conteúdo que eles produzem. violentas cidades-satélite de Brasília, para entrar Achei que fecharíamos os primeiros contratos em na UnB e chefiar uma equipe de 15 pessoas em três meses e ter receitas sólidas. Mas demoramos uma agência de publicidade. Abandonou tudo 18 meses. para abrir a própria empresa aos 20 anos. Hoje, a Crescemos a ponto de nos tornarmos lucrativos Eles são difíceis de agradar. boo-box atinge 80% dos internautas brasileiros e, em 2010. Tanto que a Intel Capital nos escolheu no ano passado, expandiu suas operações para o Dificilmente falam de ideias para fazer investimento. Foram US$ 77 milhões restante da América Latina. divididos entre 18 empresas; a boo-box foi a única de fora do Vale do Silício. “Eu sabia que estava num lugar perigoso, e coisas brasileira. Já não somos uma “startup” [empresa ruins aconteciam. Era ruim meu pai usar cocaína, Publicaram uma reportagem iniciante]. Temos conselho administrativo. Acabaera ruim meu primo ser apedrejado. Mas, quando mos de criar o Grupo 42, com a Popego, para, da em janeiro de 2007. É um você é criança, cara, é mais fácil ser feliz. Argentina, atuarmos na América Latina inteira. Nunca senti que precisava superar o Gama. Em carimbo do mercado dizendo Ser empreendedor é um estilo de vida. Não tem 2003, entrei na UnB aos 17 anos para fazer comessa de desligar o computador na sexta e só ligar putação. No fim do primeiro ano, fui contratado que o na segunda. por uma agência de publicidade. Virei muitas No nosso caso, toda mídia é concorrente. Mas noites, até que em dois anos já era líder de uma ninguém com um produto semelhante. Coopeequipe de 15 programadores. Só saí da agência ramos muito com quem seria concorrente nosso. para abrir minha empresa. O Google ora é nosso concorrente, ora nosso Eu percebi que a minha geração estava em amparceiro. Essa concepção antiga de competição bientes até então inexplorados pela publicidade, não funciona bem na internet.” voltada aos portais de notícia. Minha geração não Quem faz isso acontecer acessava os portais. A gente entrava nos blogs de amigos para ver vídeos, nos fóruns para conversar sobre jogos. Acessava as redes sociais, o Orkut e o Twitter. Em 2006, criei um modelo de publicidade contextual que considera o conteúdo publicado na internet para exibir publicidade específica para a audiência dele. Na época, era um mercado dominado pelo Google, faturando US$ 1 bilhão sozinho. Passei quatro madrugadas dormindo uma, duas horas, porque tinha que acordar às 8h para trabalhar. O projeto chamou a atenção do maior site de tecnologia do mundo, o TechCrunch. Eles são difíceis de agradar. Dificilmente falam de ideias de fora do Vale do Silício. Publicaram uma reportagem em janeiro de 2007. É um carimbo do mercado dizendo que o negócio é interessante. Recebi contato de muito investidor querendo ser parceiro de negócio. Quem mais me agradou foi

negócio é interessante.”

4 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


“É absolutamente absoluto o absolutismo da Absolut Vodka no mercado. Este destilado sueco é muito mais que uma bebida alcóolica: é um case de sucesso! Quem nunca parou na prateleira dos destilados no supermercado para apenas apreciar aquele visual divino destas garrafas, as quais parecem implorar pra você: “compre-me, compre-me, eu sou gostosa e te levarei ao delírio”. É amigo, isso não é por acaso! Fabricada desde 1879, a Absolut Vodka mantém até hoje o desenho único de suas garrafas, que são inspiradas nos frascos medicinais do século XVIII, mudando apenas o impresso contido nela. Há algum tempo a marca vem investindo pesado em publicidade e no design de suas garrafas, com o intuito de agregar valores muito além dos alcoólicos, mas sim de requinte e sofisticação. Não é atoa que o produto é caro e você só o vê em eventos luxuosos ou com valor altíssimo em boates e danceterias. É por esse motivo que aqui separei algumas edições especiais da Absolut . E você vai se surpreender! “

6 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


Pé na estrada Não importa aonde você vá, nós damos o mapa para você chegar ao seu destino com o astral lá em cima.

5. Siga a luz

2. Valorize os detalhes Pequenas atitudes podem salvar sua vida. Quem avisa amigo é… • Apoio de cabeça: “O topo desse acessório precisa estar na mesma altura das suas orelhas, e a distância entre ele e seu crânio tem de ser de, no máximo, 10 centímetros”, afirma Anne McCartt, vice-presidente sênior de pesquisas do Instituto de Seguros para a Segurança em Autoestradas (EUA). • Volante: não se sente muito próximo a ele. Do contrário, poderá se chocar contra a direção antes mesmo de o cinto e o airbag exercerem sua função. “Mas não fique tão longe a ponto de ter de estender totalmente os braços”, diz Stefan Duma, diretor do Centro de Lesões Biomecânicas da Universidade Tecnológica da Virgínia (EUA). • Pneus: se eles estiverem carecas, você vai aumentar em até 25% a distância percorrida durante a frenagem. Verifique também a pressão neles. • Celular: usar fones de ouvido para falar é tão perigoso quanto segurar o aparelho. “Conversas ao celular podem distrair o cérebro e prejudicar sua visão”, explica Arthur Kramer, da Universidade de Illinois.Digitar um número em um telefone triplica os riscos de acidente. E escrever mensagens de texto enquanto dirige aumenta o perigo em 23 vezes.

3. Fique alerta

1. Seja sereno Esqueça a fúria. Dirija tranquilão. • Firme um acordo com sua mulher: o objetivo é estipular que ela pode, sim, fazer comentários negativos sobre sua postura como motorista. “Desfrute do benefício de ter a seu lado um observador do seu comportamento”, orienta o psicólogo Leon James, professor da Universidade do Havaí (EUA). • Dê o exemplo: “Você é o modelo masculino mais próximo para a construção da identidade do seu filho. Você vai inspirá-lo a seguir sua atitude ao volante”, diz a psicóloga Maria Helena Hoffmann, autora do livro Comportamento Humano no Trânsito (Editora Casa do Psicólogo, 413 págs.). • Pratique sua auto-observação: tenha um gravador à mão quando estiver dirigindo para relatar em tempo real o que você está pensando, sentindo e fazendo. • Coloque-se no lugar do outro: “Seja tolerante com os outros motoristas pelo menos na metade da medida que você é consigo próprio”, aconselha Iara Thielen, coordenadora do Núcleo de Psicologia do Trânsito da Universidade Federal do Paraná (UFPR). “Não reaja, por exemplo, a uma fechada. Lembre-se de que, quando você é quem faz isso, é sempre ‘sem querer’.”

8 Ouse Brasil | Jan 2012

Não bata as pestanas (nem as botas) na direção. O que funciona • Tirar um cochilo: deu sono? Pare num lugar seguro e tire uma soneca de 15 minutos. • Tomar um cafezinho: pesquisadores britânicos constataram que motoristas sonolentos sentem menos sono depois de consumir 200 miligramas de cafeína. • Dar uma caminhada: segundo estudo do exército norte-americano, pilotos em estado de sonolência que fizeram atividades físicas por dez minutos conseguiram ficar alertas na meia hora seguinte. • “Abaixar” o ar: de acordo com pesquisadores suecos, temperaturas frias perturbam as ondas alfa do cérebro, associadas à sonolência. • Manter os olhos em movimento: deixar o olhar fixo em rodovias longas por mais de cinco minutos cansa o córtex visual do cérebro. Verifique os retrovisores e os indicadores do painel a cada três ou quatro minutos para manter cérebro e visão afiados. • Fazer paradas estratégicas: mesmo que seus olhos e sua bexiga não precisem, dê uma parada a cada três horas.

…E se livre de encrencas maiores Freios falhando • Pare – se puder. Pise no freio, reduza a marcha, use o freio de mão, ponha o pé no asfalto, à la Flintstones, faça o que puder. Depois chame um guincho. Sinal genérico • Pode ser apenas uma tampa de combustível solta. Continue dirigindo, mas não pense em grandes viagens. Passe na oficina. Defeito no sistema ABS • Tente se lembrar de como se para um carro com freios convencionais, pois é só o que você tem agora. Bateria arriando • Ela será sacrificada. Em breve, tudo ficará escuro. Você tem cabos por aí para fazer uma chupeta? Motor fervendo • Pare o carro em ponto morto. Ou desligue tudo. Coloque água, se necessário, e siga até um posto. Pressão do óleo baixa • Desligue o motor e verifique a vareta de óleo. Se a luz continuar acesa, chame um mecânico.

6. Vença crises Diante de emergências, às vezes você precisa contrariar seus instintos. O carro sai da pista • O instinto: voltar logo. • O certo: tirar o pé do acelerador. “Alinhe o carro com cuidado e procure obstáculos à frente para parar”, diz Paul Gerrard, diretor de treinamento global do Audi Driving Experience, na Califórnia (EUA). “Se tentar voltar imediatamente, você tende a virar excessivamente o volante, cruzar a pista e perder o controle.” O pneu estoura • O instinto: frear. • O certo: não frear. “Segure com firmeza o volante e vire-o cuidadosamente no sentido contrário do movimento causado pelo estouro”, ensina Debbie Prudhomme, fundadora da escola de direção Training Wheels (EUA). O próprio peso do carro vai prover a desaceleração. Quando você sentir que o controla, acione os freios levemente. Um cachorro entra na pista • O instinto: desviar. • O certo: atingi-lo. “Se você desviar, pode colidir de frente com um carro ou uma árvore”, alerta Jeff Payne, fundador da escola de pilotagem Driver’s Edge. Nesse caso, melhor preservar a vida humana. Você vai bater no carro da frente • O instinto: pisar fundo nos freios. • O certo: pisar mais fundo ainda. Estatísticas mostram que, nessa situação, a maioria dos motoristas usa apenas metade do poder de frenagem do veículo.

Dê o exemplo: “Você é o modelo masculino mais próximo para a construção da identidade do seu filho. Você vai inspirá-lo a seguir sua atitude ao volante”,

O que não funciona • Abrir a janela: submetidos a testes, motoristas ingleses que estavam com sono não despertaram depois de receber rajadas de ar fresco no rosto. • Conversar: pesquisadores da Universidade de Miami (EUA) descobriram que motoristas tagarelas gastam um tempo 16% maior para pisar no freio numa situação de emergência. • Ouvir um som: segundo o Journal Sleep (EUA), escutar rádio não é capaz de energizar motoristas sonolentos. • Receber sexo oral: espanta o sono, mas pode provocar um acidente. E sujar o banco. 4. Preserve seu corpo Evite problemas que detonam sua carcaça. • Esvazie os bolsos: sentar sobre a carteira desalinha o quadril e sobrecarrega a região lombar. • Use um apoio e incline o banco: uma almofada no assento vai ajudá-lo a manter a curvatura natural das costas. Além disso, sugere Alan Hedge, professor de ergonomia da Universidade Cornell (EUA), “incline um pouco o banco para reduzir a pressão sobre a coluna”. • Ajuste os espelhos corretamente: Tom e Ray Magliozzi, apresentadores de um programa sobre carros na rádio americana NPR, ensinam a seguir. Regule o retrovisor interno como você sempre faz. Em seguida, coloque seus dedos indicadores na parte superior do espelho e pressione-o levemente para a frente. Você terá de se sentar com uma postura mais ereta para se ajustar à posição do retrovisor. • Incline a cabeça contra a janela do motorista. Ajuste o espelho esquerdo de modo que você consiga ver o canto de trás do carro. Faça o mesmo do lado direito. • Feche ou abra a janela totalmente: ficando um pouco aberta, a janela projetará uma brisa diretamente no seu pescoço, fazendo os músculos se contraírem e provocando um desconforto. • Deixe os polegares no aro do volante: deixá-los soltos nas hastes da direção pode causar dores e problemas nos tendões da mão. • Estique-se: segure-se num poste com as mãos na altura da cintura e permaneça a uma distância de meio metro dele. Abaixe-se colocando sua cabeça entre os braços para alongar a região dorsal. “Fique na posição por 20 segundos”, ensina Frank Fischetti, personal trainer na área de automobilismo. Em seguida, de pé, estenda uma perna para trás do corpo ao mesmo tempo que você desloca o tronco para a frente. Tente tocar com as mãos a ponta do pé no chão. Execute o movimento 20 vezes para cada lado para soltar os tendões das pernas e da região lombar.

Jan 2012| Ouse Brasil A


10 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


O poder da sensualidade na renda!

Descobrimos a identidade secreta do item fashion mais hot do momento. Invista no suspense da renda para sugerir sem mostrar. De dia, você esconde a transparência com uma segunda pele ou sobreposição. E, à noite, revela (quase) todos os seus segredos com looks de deixar qualquer 007 seguindo seus passos. Cuidado! Alguém pode estar espiando você agora!

12 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


Encha sua carteira! Aprenda a administrar seu dinheiro. O assunto parece chato? Ele é. Mas só até você se aposentar com uma bolada no banco. A partir daí é só diversão... “Quem cuida bem sempre tem.” Essa máxima deve ser levada ao pé da letra quando se trata de dinheiro – independentemente da quantia em questão. A razão é simples. As mesmas regras que funcionam para fechar negócios bilionários podem ajudar você a construir uma aposentadoria bem confortável. Quem tem dinheiro no banco, em ações ou debaixo do colchão tem porque adotou algumas regras. E essas regras podem definir a diferença entre viver em uma cobertura ou em um abrigo. Em um mundo perfeito, esses hábitos devem ser adotados aos 20 anos de idade e mantidos até o fim da vida – quando, espera-se, você estiver rico. A boa notícia é que, mesmo começando na casa dos 30 ou 40, você também pode se aposentar com estilo. O único ponto é que você terá de seguir as regras com um pouco mais de vigor. Nas páginas a seguir, você descobre alguns princípios financeiros importantes – e decisivos. Faça deles um hábito e descanse sabendo que seu dinheiro não irá acabar antes de você. Enquete MH* 76% dos leitores acham que Não têm o salário que merecem 51% dos nossos leitores gastam mais do que ganham 68% dos leitores não conseguem poupar dinheiro todo mês 57% dos nossos leitores barganham o preço antes de fechar um negócio * Pesquisa realizada com 981 leitores no site da MH entre os dias 4 e 25 de abril Ganhe o que você merece Você quer um bom salário e pode até merecê-lo. Siga estas regras e ele será seu...

Para iniciantes, insista em uma vida decente. Primeiro, defina o que é decente. Uma renda bacana para alguém que mora no interior de Goiás decerto não tem o mesmo poder em São Paulo. Na vida real, “decente” é uma soma que paga a hipoteca ou o aluguel de uma casa, a gasolina de um carro que não seja uma lata velha, refeições na rua e ocasionalmente umas férias. Ah, sim, esse valor ainda inclui 10%, que serão guardados para a aposentadoria, a universidade dos filhos ou uma eventual emergência. Lembre-se: ao conseguir uma vida decente, ganhar mais dinheiro não irá deixá-lo mais feliz. Mas ganhar menos irá deixá-lo muito infeliz.

Estimule a competição por você. Se você está no mesmo emprego há tempos, há grandes chances de estar com o salário defasado. Com a crise financeira de 2009, o cenário ficou bem cruel para quem esperava receber um aumento. E quem exatamente foi promovido? O cara que abandonou o barco. Uma outra empresa reconheceu seu valor. Mas veja: essa tática funciona melhor se sua última avaliação de desempenho tiver sido brilhante e se mudar de emprego for algo que você esteja disposto a fazer.

Estimule a competição por você.

Você ganha um salário adequado ao que você vale para a empresa? Se estiver recebendo menos, você está perdendo dinheiro todos os dias em que não pede aumento. Se recebe mais, você está pronto para ser demitido e, portanto, deve atualizar seus conhecimentos profissionais ou melhorar a produtividade. Uma boa maneira para se situar é pesquisar no concorrente o que uma pessoa com suas aptidões receberia.

Se você está no mesmo emprego há tempos, há grandes chances de estar com o salário defasado. Com a crise financeira de 2009, o cenário ficou bem cruel para quem esperava receber um aumento. E quem exatamente foi promovido? O cara que abandonou o barco. Uma outra empresa reconheceu seu valor. Mas veja: essa tática funciona melhor se sua última avaliação de desempenho tiver sido brilhante e se mudar de

Quando uma oportunidade parecer bacana, pegue-a. Pesquisadores da Universidade Columbia e da Faculdade Swarthmore, ambas nos Estados Unidos, avaliaram um grupo de formandos e descobriram que aqueles que procuravam por uma colocação perfeita geralmente encontravam salários 20% mais altos.

Algumas dívidas são necessárias. Elas colocam um teto sobre sua cabeça, rodas sob seus pés e um diploma na sua parede. Mas o buraco entre a dívida boa e a ruim é grande o suficiente para passar sua nova geladeira – porque você precisará de uma nova se a velha parar de funcionar. Neste caso, use as economias de emergência para comprá-la e alimente o cofre na sequência. Uma dívida aqui seria ruim.

Porém, eles não gostavam dos empregos.

Esse resultado faz sentido: se você procurar pela melhor oportunidade do mundo, a que conseguir nunca estará à altura. Já os alunos que não foram tão exigentes ficaram felizes com suas colocações. A mesma coisa se aplica a uma compra. Passe dias procurando a melhor TV e você ficará em dúvida sobre sua escolha. Mas se encontrar, em poucas horas, uma adequada às suas necessidades e que tenha um preço decente, você irá amá-la. Planejamento é a alma do negócio Uma casa, uma casa melhor, os filhos, a educação dos filhos, o casamento dos filhos, seus dias de descanso, o legado que você deixa… Enfim, a vida é cara. Veja como bancá-la.

Você controla quanto e quando poupa. Vamos supor que você invista 250 reais por mês a partir dos 25 anos, a 6% de juros ao ano. Aos 60, você terá acumulado quase 360 mil reais. Agora, suponha que você espere até os 35, mas que economize 20% a mais (300 reais por mês) e receba 50% a mais de juros (9%). Você terá cerca de 340 mil reais. A lição: maximize as economias agora mesmo!

Esperar pelo amanhã não traz muita alegria. É por isso que a maioria das pessoas tem dificuldade em economizar. Tudo fica mais fácil quando você define uma meta, como a casa na praia que vai curtir em breve.

Pense no futuro distante. Se você deseja curtir a terceira idade sem se preocupar com cheque especial, juros de cartão de crédito ou contas atrasadas, contar só com a Previdência Social talvez não seja a melhor ideia. Para garantir um futuro mais confortável, o ideal é planejar a aposentadoria privada desde cedo, aos 20 ou 30 anos de idade. Porém, nunca é tarde para começar. E, sempre que tiver um aumento salarial, reajuste o valor da sua contribuição. Teoricamente, ao ganhar mais sua reserva para o futuro pode ser maior.

Estabeleça um parâmetro que consiga manter. Outra razão pela qual as pessoas não conseguem economizar: elas criam metas ambiciosas demais. Não tenha o objetivo de economizar 5 mil reais por ano. Cem reais por semana bastam. E o resultado é igual.

emprego for algo que você esteja disposto a fazer.

Saiba quanto vale o seu tempo.

Pague suas economias primeiro.

Procurar o melhor preço é uma estratégia inteligente. Mas nem sempre deve ser levada ao pé da letra. Veja, se para chegar ao supermercado mais barato você passa uma hora no trânsito, essa economia não é uma recompensa certeira. Avalie quanto tempo tem disponível e quanto vai poupar na empreitada. Comprar ao lado de casa pode ser mais econômico. Gaste menos do que ganha A ressaca de fechar a conta no negativo é terrível. Viva sem essa dor de cabeça:

Use a frase: “Esse é o melhor valor?”.

14 Ouse Brasil | Jan 2012

Dívida boa pode.

É mais fácil economizar quando há um objetivo.

Saiba seu verdadeiro valor.

Você está ao telefone com a empresa de TV a cabo ou no mecânico para trocar o óleo. Não bata o martelo até perguntar: “Esse é o melhor valor?”. Assim você deixa claro que sabe que existe uma flexibilidade na negociação e está disposto a fazer um acordo.

Ao procurar emprego, saiba a hora de parar.

Ao receber, economize de cara de 10% a 15% de seu salário bruto. Se não conseguir guardar tanto, faça da economia um hábito mesmo com centavos. Ao ver a grana se acumulando, você ficará animado para economizar ainda mais.

Dinheiro vivo é a melhor coisa. Você gasta mais quando paga com cartão de crédito do que com cartão de débito, mais com cartão de débito do que com dinheiro e mais ainda quando usa notas pequenas. Por quê? É psicologicamente mais difícil abrir mão de valores grandes. Portanto, coloque umas notas de 100 reais no bolso e esqueça o assunto.

Toda dívida é cara. Quando você contrai uma dívida, mesmo sem juros, você compromete sua renda futura. O que você poderia ter feito com aqueles 500 reais mensais que gastou no carro? Em um mês, não muito. Mas e em 60 meses?

Compre com lista. Antes de assinar o cheque por algo que não está na lista, pergunte-se: Por que está fazendo isso? Está de mau humor? Brigou com a namorada? Entender a motivação pode ajudá-lo a desistir da compra. Invista o que não gastar Parabéns! Você tem um bom salário e sabe cuidar do seu dinheiro. Agora é sua vez de ter um retorno

Faça um portfólio sem riscos. Se você decidiu fazer um investimento, a primeira regra é diversificar e tentar obter uma receita de fontes variadas para não correr o risco de ver seu patrimônio entrar pelo ralo. Ou seja, não coloque todos os ovos na mesma cesta. A segunda regra é sempre administrar seus recursos. Isso significa que uma decisão tomada no ano passado não necessariamente vale para hoje ou para o ano que vem. Avalie periodicamente seus investimentos.

Pense no futuro distante.

Se você deseja curtir a terceira idade sem se preocupar com cheque especial, juros de cartão de crédito ou contas atrasadas, contar só com a Previdência Social talvez não seja a melhor ideia. Para garantir um futuro mais confortável, o ideal é planejar a aposentadoria privada desde cedo, aos 20 ou 30 anos de idade. Porém, nunca é tarde para começar. E, sempre que tiver um aumento salarial, reajuste o valor da sua contribuição. Teoricamente, ao ganhar mais sua reserva para o futuro pode ser maior.

Perceba que você não sabe investir.

É biologia. Uma parte do nosso cérebro teme perder dinheiro mais do que gosta de ganhá-lo. Por isso, você tende a fazer investimentos conservadores e se manter neles. O resultado disso pode ser uma perda de dinheiro intermitente. A solução? Estude o que pode aumentar sua rentabilidade sempre. Agora ainda não é a hora de descansar.

Não há ajuda financeira para a aposentadoria.

Em condições ideais, seu salário financiaria sua aposentaria e a universidade dos seus filhos. Porém, a maioria dos salários dos pais não cobre tanto. Ajude seus filhos o máximo que puder, mas não em detrimento de sua própria aposentadoria. Ao contrário, você acabará morando com eles. Proteja-se das catástrofes Elas estão por toda parte. Então, não seja pego de surpresa

Se nãopuder bancar a substiyição de um bem, faça um seguro!

Da mesma forma, se há pessoas dependendo de sua renda – e elas não terão como substituí-la quando você morrer -, compre um seguro vitalício. Já os solteiros sem filhos geralmente não precisam de seguro de vida. Seu coração vai parar ou o tumor vai crescer! Pense na última pessoa que você conhece que morreu de câncer ou ataque cardíaco. Não é difícil chegar a um exemplo, certo? E a cada ano haverá mais e mais vítimas. É por isso que ter um plano de saúde é tão fundamental. Para não pagar mensalidades extorsivas, faça o seu o quanto antes. Com a idade, as tarifas sobem assustadoramente.

Você morrerá, mas seu dinehiro não!

Em nome de quem o ama, deixe sua vida em ordem antes de morrer. A legislação no Brasil define como será a distribuição de seu patrimônio após sua morte. Caso queira fazer algo diferente, deixe um testamento.

Jan 2012| Ouse Brasil A


16 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


“Cerveja dos Simpsons faz sucesso em SP; produção deve dobrar...” A procura foi grande e a cerveja Duff --preferida de Homer Simpson-- deve chegar a cerca de 50 bares paulistanos até o fim de janeiro (hoje em dia são 35 locais, aproximadamente, que vendem a bebida). Desde o lançamento, em novembro, já foram vendidas em torno de 40 mil garrafas (de 355 ml cada). “Como lançamos [o produto] no verão, a fábrica está saturada. Mas compramos novas máquinas e vamos crescer a produção”, conta Conrado Kaczynski, sócio da Duff Brasil. De acordo com o empresário, a intenção é dobrar a produção da cerveja, que atualmente é de mil caixas por mês. “A gente pretende acabar o próximo ano vendendo em mais de 150 pontos.”

A Duff existia apenas no “Simpsons” até 2007, quando passou a ser produzida e vendida na Europa. Segundo Kaczynski, a Duff se diferencia das cervejas mais populares. “As cervejas ‘de massa’ costumam ter mais ingredientes misturados, para ficarem mais baratas, fracas, leves. A Duff não é dessa forma. Foi elaborada para ser uma cerveja mais de degustação, mais premium”, destaca o sócio. Os estabelecimentos podem ficar alguns dias sem a cerveja Duff, já que a produção e o abastecimento dos bares acontece semanalmente. Veja relação de bares abastecidos com a Duff no site oficial.

18 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


20 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


Adão, Eva e Ricardo Na busca pelo Adão e pela Eva do mundo real, a ciência já descobriu quando eles viveram e chegou a uma conclusão surpreendente: fomos concebidos em uma relação nada convencional O casal-maior da Bíblia existiu, mas não do jeito

que você imagina. Eva, cientificamente falando, é a ancestral comum entre todos os Homo sapiens vivos agora. Todos nós temos uma única tatata(...) tataravó. Essa é a Eva da vida real, uma mulher que viveu há 200 mil anos. Adão? Bom, a ciência sabe que todos os sapiens machos que existem hoje têm um ancestral comum - é o Adão da ciência. E ele nasceu mais de 100 mil anos depois. Adão e Eva, portanto, não se conheceram. E essa história fica mais louca ainda: existe um terceiro elemento aí, que não é nem a mulher que deu origem a nós nem o patriarca de todos os machos modernos. É um amante, digamos assim. Porque hoje a ciência já sabe que a maior parte da humanidade tem outro ancestral comum: o neandertal. Você conhece: a espécie prima da nossa, só que 200 mil anos mais antiga, e que acabou extinta dezenas de milhares de anos antes de o homem ocupar a Mesopotâmia - o lugar que a Bíblia chamaria de Jardim do Éden, a morada do Adão e da Eva tradicionais... Mas só agora a ciência começa a desvendar a realidade sobre a nossa origem. E encontrou uma suruba genética ali. Vamos apresentar duas pessoas intrigantes: o Adão do cromossomo Y e a Eva mitocondrial. A existência desses dois só pôde ser revelada, nos últimos anos, graças a duas particularidades da reprodução humana. Nosso material genético é composto de 46 cromossomos, dos quais 23 vêm do pai e outros 23 vêm da mãe. Só que dois desses cromossomos são os que definem o sexo e são diferentes entre homem e mulher. Quando o sujeito é macho, tem um na versão Y e outro na versão X. Quando é fêmea, tem dois X

22 Ouse Brasil | Jan 2012

O resultado disso é que, nos homens, como os cromossomos sexuais não formam par idêntico (XY), a maior parte do material do Y nunca se mistura ao do X, diferentemente do que acontecem com os outros pares de cromossomos antes de passar à próxima geração. Na prática, isso significa que o Y é transmitido intocado de pai para filho. Ao longo das gerações, claro, algumas mudanças ocorrem nele por causa de mutações. E aí está a chave para a descoberta do Adão do cromossomo Y. Ao comparar as sequências de letrinhas inscritas no Y de diversos homens vivos hoje e sabendo em que ritmo essas mutações se acumulam no DNA ao longo do tempo, é possível estabelecer quando viveu o homem que seria ancestral direto de todos os que existem agora. Não é uma conta exata, evidentemente. Mas, ao que parece, esse sujeito viveu na África entre 90 mil e 60 mil anos atrás. Sua época coincide mais ou menos com o momento em que os primeiros humanos modernos conseguiram sair da África e iniciaram a colonização do globo e também com o surgimento dos comportamentos culturalmente sofisticados típicos de gente como a gente. estão em toda a humanidade hoje. Ah, claro: tem o amante aí. Pecado original A prova da traição está nos genes: Até 4% do DNA de brancos, asiáticos e indígenas é neandertal. Só as pessoas 100% negras são 100% Homo sapiens. O neandertal Ricardo

Quando o homem moderno surgiu na África, os neandertais dominavam a Europa e boa parte do Oriente Médio. Para deixar o continente de origem, os sapiens teriam de passar por eles. Especula-se que tenham tentado diversas vezes antes de obter sucesso, em algum ponto entre 100 mil e 50 mil anos atrás. Dá para imaginar que não tenham sido encontros pacíficos. A maior evidência disso é que, cerca de 30 mil anos atrás, os últimos neandertais sumiram da face da Terra e foram extintos. Mas foram mesmo? Um incrível feito científico foi concluído por um grupo alemão comandado por Svante Pääbo, do Instituto Max Planck para Antropologia Evolutiva. Coletando amostras de DNA em sítios arqueológicos, o grupo anunciou em 2010 ter sequenciado o genoma do neandertal. E a maior surpresa foi constatar que a maioria da humanidade viva hoje tem um pouquinho de neandertal. A comparação entre o genoma deles e o dos sapiens mostra que houve cruzamento entre as espécies. E ele se deu bem na época em que os humanos modernos resolveram sair da África. Como sabemos disso? Ocorre que todo mundo nascido hoje em todos os continentes tem um porcentual significativo de DNA neandertal - salvo os africanos. “Os neandertais não estão totalmente extintos. Eles continuam vivendo dentro de alguns de nós”, disse Pääbo à época do anúncio do genoma. Ou seja: se a sua família é 100% africana, como eram o Adão e a Eva da ciência, você não tem genes de neandertal. Mas, se você tem ancestrais europeus, asiáticos ou indígenas, pode ter uma certeza: seu DNA tem um pouco desse hominídeo. Não tem jeito.

Da mesma forma que alguns genes neandertais sobrevivem, é possível que alguns costumes tenham sido transmitidos deles para seus conquistadores sapiens. Os detalhes, é claro, estão perdidos para sempre - também não dá para saber se o mais comum era um neandertal macho transar com uma sapiens fêmea ou o contrário. Mas a antropologia já evoluiu o suficiente para encontrar algumas pistas de como viviam esses caras. O que os cienistas fazem é observar os costumes de agrupamentos humanos isolados que até hoje preservam os modelos sociais mais simples que existem. São os caçadores-coletores, povos nômades que mantêm Minha pequena Eva E quanto à Eva da ciência? Dá para concluir quem foi ela com base no chamado DNA mitocondrial. As mitocôndrias são organelas celulares que produzem energia no interior das nossas células. Elas têm seu próprio conjunto de genes, o que faz cientistas suporem que sejam antigas bactérias que foram absorvidas pelas nossas células em uma época remota, quando as únicas formas de vida na terra eram microrganismos. Mas o importante para nós aqui é que as mitocôndrias que habitam seu corpo hoje são descendentes diretas das mitocôndrias que havia no óvulo da sua mãe antes mesmo de ser fecundado. Os espermatozoides do seu pai também tinham suas mitocôndrias, mas elas são perdidas quando ele adentra o óvulo. O resultado é que seu DNA nuclear (presente no núcleo das suas células) veio metade do seu pai e metade da sua mãe, mas o DNA das suas mitocôndrias só veio da sua mãe. Fazendo a mesma análise que se aplica ao cromossomo Y, dá para descobrir, pela taxa de mutações, quem foi a dona das mitocôndrias que servem como ancestrais comuns para as que estão em circulação nos nossos corpos hoje. E aí terminam as semelhanças entre a mitologia religiosa de Adão e Eva com a versão científica da história, pois, pelos cálculos dos cientistas, a Eva mitocondrial nem chegou a conhecer o Adão do cromossomo Y. Datar DNA mitocondrial não é a coisa mais simples do mundo. Mas um novo estudo estatístico, divulgado no ano passado, parece ter chegado à melhor estimativa possível da época em que viveu a Eva mitocondrial. E ela coincide com os mais antigos vestígios de Homo sapiens, de 200 mil anos atrás. Uma coisa relevante, e que dá credibilidade ao resultado, é que os cientistas usaram dez modelos diferentes para calcular a idade com base nas mutações do DNA mitocondrial, e todas apontaram mais ou menos na mesma direção. “A estimativa foi muito similar em todos os casos, o que torna nosso resultado mais robusto”, diz Mark Kimmel, professor de estatística da Universidade Rice, nos Estados Unidos, e autor do estudo, publicado na revista científica Theoretical Population Biology. Ei. Espera aí. Então Adão viveu há 60 mil anos e Eva, há 200 mil? Como é que pode ser verdade uma coisa dessas? O fato é que o Adão e a Eva da ciência não foram os primeiros em nada. Havia outros homens e mulheres vivendo na época deles, claro. A única coisa que os pesquisadores demonstram é que todos os homens vivos hoje são descendentes diretos daquele sujeito, e todos os humanos, independentemente do sexo, têm Eva como sua ancestral comum. Mas você pode ser ancestral do Adão e de uma mulher qualquer que copulou com ele há 60 mil anos. Ou pode ser da

Eva e de um sapiens ordinário, cujos genes não sua população sempre em pequeno número (em razão da disponibilidade de alimento). Tudo indica que Adão, Eva e seus namorados viviam como eles. Mas descobrir que eles que passavam a existência em grupos pequenos, de mais ou menos indivíduos, estabelecidos basicamente em torno de relações familiares e de parentesco próximo, e que praticavam o nomadismo não é realmente saber muito sobre eles. Só que de acordo com o antropólogo americano Donald Brown, da Universidade da Califórnia, dá para concluir muito mais do que isso. Brown compilou outras características básicas que são comuns a todas as sociedades humanas. E concluiu que as primeiras tribos de todos os tempos provavelmente viviam dessa forma. De que forma? Primeiro, de forma machista. Os equivalentes científicos de Adão e Eva, segundo Brown, viviam em sociedades dominadas pelos Adões, com as Evas em posição submissa - basicamente porque toda cultura primitiva (e mesmo as nem tão primitivas) funciona assim até hoje. O casamento, entendido como o direito de acesso a uma mulher para fins reprodutivos, já existiria entre os membros das primeiras sociedades. E o comércio era limitado a trocas de bens e serviços. Há um senso de justiça e de punição, que vai do ostracismo à execução, para agressões como estupro, violência e assassinato. E a cultura também inclui noções do sobrenatural e de magia, que muitas vezes se misturam à medicina e a esforços para controlar o tempo. Outra coisa curiosa é que a moda já estava na moda na época de Adão. A turma já se preocupava com a estética e produzia adereços e roupas, além de zelar por penteados diferentes. E, claro, eram exímios produtores de ferramentas básicas e armas como lanças e machados - no tempo de Eva não era bem assim: há 200 mil anos as ferramentas eram toscas, e ainda levaria mais de 100 mil anos até inventarem os primeiros adereços. Outra teoria é que o povo de Adão falava a lendária “língua-mãe”, um idioma que teria dado origem a todos os outros conforme esses grupos foram se multiplicando e se espalhando pelo globo. Os linguistas estão tão acostumados quanto os biólogos a fazer árvores evolutivas de seus objetos de estudo. Intuitivamente, dá para perceber que muitos idiomas são aparentados com outros (basta ver a semelhança entre português e espanhol). Os especialistas pegam isso e vão bem mais longe: reconstroem a genealogia completa das línguas. No topo, dizem eles, deve haver uma só linguagem, e ela deve ter sido falada pelos primeiros humanos. O idioma de Adão Independentemente da época em que surgiu, a primeira língua nasceu mesmo na África. Ou pelo menos é o que sugere uma nova análise feita por Quentin Atkinson, psicólogo da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia. Ele usou uma técnica inédita para identificar a idade das línguas: o número de fonemas presentes em cada uma delas.

Ele partiu do princípio de que, quanto mais fonemas tem um idioma, mais antigo ele é - os sons iriam se acumulando na língua ao longo dos milênios. Curiosamente, no mundo todo, os que têm mais dessas unidades sonoras básicas estão no sul da África, o continente onde a Eva mitocondrial e o Adão do cromossomo Y viveram e morreram. Bom, se é claro que os idiomas atuais do sul da África são os mais antigos, também é fato que eles provavelmente guardam pouca semelhança com a “língua-mãe” - caso realmente tenha havido uma. Se meia dúzia de séculos já muda bem uma língua (o português arcaico das cantigas de amigo está de prova, “minha senhor”), imagine quase 2 mil séculos. Mas dá para conluir algo. Com toda a probabilidade, a língua-mãe devia ter sons como cliques (aqueles que saem quando produzimos estalos na boca), usados hoje em pouquíssimos idiomas presentes entre tribos isoladas africanas, notadamente os !Kung (a exclamação se lê como um clique) e os Hadzabe. As línguas desses povos têm pouco em comum, exceto os cliques, mas uma análise de seu DNA mitocondrial mostra que eles pertencem a duas das linhagens mais antigas da humanidade. São parentes mais próximos de Eva. Então provavelmente ela falava dando estalinhos com a boca. Além disso, os linguistas já perceberam que é raro uma língua ganhar cliques conforme evolui. Então, a preservação dos cliques nas tribos africanas só pode ser um traço da língua-mãe. Mas será mesmo? A verdade é que o desejo de conhecer nossas origens ainda vai além do que a ciência pode explicar. Mas já avançamos um bocado, e um quadro mais límpido começa a se cristalizar. Límpido, mas com detalhes picantes. Árvore da criação Suas células revelam a época em que o Adão e a Eva da vida real existiram Mitocôndria Existe um retrato da Eva da vida real dentro de você: a mitocôndria, uma bactéria que vive nas nossas células. A sua, seja você homem ou mulher, é clone daquela que viveu dentro da primeira mulher. Eva A mulher que é ancestral comum de todos os humanos viveu há 200 mil anos - bem a época em que o Homo sapiens surgiu, como evolução de um hominídeo mais primimitivo, o Homo heiderbergensis, que também é pai do neandertal. Adão O ancestral comum de todos os homens de hoje viveu bem depois de Eva, entre 90 mil e 60 mil anos atrás. Antes dele houve outros Adões, outros ancestrais comuns. Mas este cara tomou o posto de pai da humanidade. Cromossomo Y As pistas sobre a origem de Adão estão no cromossomo Y, que é passado intacto de pai para filho (e que as mulheres não possuem). O Y do Adão científico está hoje em todos os homens do mundo.

Jan 2012| Ouse Brasil A


24 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


10 dicas para combater o desânimo… no dia-a-dia, na dieta, no sexo!

No dia-a-dia “A b a 1 – Prepare lista de tarefas. Uma boa tática para aliviar a sensação de socaxi possui brecarga é relacionar metas a cumprir, segundo a contriptofano, composultora americana de gerenciamento Ann McGee-Coonente que favorece o per. “Uma lista de tarefas torna tangível o intangível”, diz. Ela bom humor por ser presugere que você faça duas listas, uma para o dia e outra para a semana, seguindo a regra “o pior vem primeiro”. Selecione os itens mais chatos e executecursor de serotonina”, -os antes. Mergulhe fundo, como numa piscina fria, e tire os problemas da frente. explica Maristela. 2 – Cole no cara engraçado do escritório. Sabe aquele colega que adora fazer graça e conta as melhores piadas? Faça dele seu companheiro das manhãs de segunda. Interagir com pessoas divertidas e extrovertidas ajuda a aliviar o desânimo. 3 – Tome um suco (cai bem no meio daquela tarde em que bate a preguiça) Suco Salada de Fruta Ingredientes: 2 fatias grossas (3 cm de espessura) de abacaxi; 3 talos de 8 cm (de No treino comprimento) de brócolis sem flor; 4 folhas de hortelã; 1 copo (200 ml) de água. 4 – Inscreva-se numa prova Receita: descasque os talos de brócolis até que reste apenas o miolo deles. Junte-os aos “É uma maneira de estabelecer um outros ingredientes no liquidificador e bata por 3 minutos. Coe e sirva com gelo. objetivo e inspirá-lo a treinar ainda mais”, exSabor: o gosto de brócolis é imperceptível ao paladar e você ingere as vantagens do plica Roberto Reis Calabrese, coordenador de muscuvegetal. A gente garante: nós, da equipe MH, bolamos e (a)provamos a receita! lação da academia Competition, de São Paulo. Adote a meta Benefício: os brócolis, principalmente os talos deles, são grande fonde participar de uma prova de corrida curta e cobre-se melhorar te de sulforafano, substância capaz de conter a proliferação seu condicionamento, o tempo ou outra marca. Peça ajuda a seu méde células cancerígenas e o crescimento de tumores dico ou instrutor para descobrir qual o nível de evento que você está apto em geral, revelou uma pesquisa da Univera participar. Ninguém quer que você sofra uma lesão e saia da pista na maca! sidade de Illinois (EUA). .. 5 – Arranje companhia Malhe com colegas que cobrem uma justificativa caso você não apareça na academia. “Mas não deposite no outro a responsabilidade por você. Se ele desistir ou mudar de horário, você corre o risco de desanimar também”, diz Mauro Caudaci, coordenador de musculação da Fórmula Academia, de São Paulo. Escolha alguém com quem não 7 tenha muita intimidade: amigos próximos e familiares nem sempre são as melho– Entre na rede res escolhas. “Pessoas muito íntimas tendem a ser condescendentes com seus dias Faça parte de uma comunidade virtual de preguiça”, alerta Jacqueline Wagner, treinadora baseada em Nova York (EUA). voltada ao esporte, à perda de peso ou ao condi6 – Pense na gordura cionamento físico. Você poderá trocar ideias com outros Seu corpo acumula e queima gordura ao mesmo tempo, mas o armazenainternautas, receber dicas, saber as novidades e até participar mento acontece muito mais rapidamente do que a eliminação. “O pende encontros esportivos. A maioria das academias tem suas comunisamento de que você engorda mais rápido que emagrece poderá dades em sites de relacionamento. Descubra se a sua também dispõe de deixá-lo mais alerta em relação a seu corpo. Você vai ficar mais uma. Caso contrário, inaugure uma e seja o moderador da nova comunidade. consciente das desvantagens causadas pelo exagero na aliNa dieta mentação e pela falta de atividade física regular”, afir8–Diminua o diâmetro do prato Você não apenas se serve de menos comida. Os ma o treinador americano Alwyn Cosgrove. pesquisadores de Cornell também descobriram que, quanto maior o tamanho do prato onde os salgadinhos estão expostos, maior a tentação que exercem. Na saúde 9 – Vá ao médico de uma vez Existem dois bons motivos para motivá-lo a procurar um clínico-geral. Primeiro: não há nada de errado com você. Portanto, pare de ser covarde. Mas se você se sente bem, por que deveria ir ao médico? Porque ele vai Não se esqueça! avaliar sua pressão sanguínea, o nível de colesterol, fazer um eletrocardiograma e, dependendo de sua idade e histórico familiar, pedir alguns exames Faça elogios impublicáveis preventivos. Segundo: se tudo estiver bem, você vai ser liberado para enquanto ela se veste… Quem voltar lá só daqui a cinco anos (se estiver na faixa dos 20), três sabe ela muda de idéia e tira (se estiver na casa dos 30) ou dois (se já for quarentão). a roupa? Uma vantagem extra é conhecer o médico e ter alguém de confiança a quem recorrer numa emergência.

No sexo

10 – Passe mais tempo ao lado dela Planeje um jantar romântico com o mesmo cuidado que você dedica aos relatórios e compromissos de trabalho. “Um erro clássico dos homens superocupados é aplicar todo seu senso de organização na carreira e descuidar da agenda pessoal”, salienta Julie Morgenstern, especialista americana em gerenciamento de tempo. Pode parecer que uma coisa não tem a ver com a outra, mas a excelência de sua performance no trabalho depende em grande parte do modo como recarrega as energias em casa. Colocar sua companheira no topo da lista de prioridades até faz bem para a saúde: estudos mostram que os momentos de intimidade vividos ao lado de sua esposa ou namorada aliviam o estresse e baixam a pressão sanguínea. Encaixe na rotina diária um tempinho para compartilhar com ela alguma atividade – mesmo que seja uma caminhada pelo bairro logo cedo. “Se tiver que passar uma segunda à noite numa reunião até altas horas, você sentirá menos culpa”, conclui Julie.

26 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


E se todo mundo trabalhasse em casa?

Mais de 10 milhões de brasileiros já sabem como é trabalhar em casa. Trabalhadores formais ou informais, empregados ou autônomos, em tempo integral ou parcial, eles aproveitam as vantagens de não pegar trânsito, não precisar escolher uma boa roupa para impressionar chefia e clientes, mas também convivem com as desvantagens de não socializar com colegas ou ter alguém do lado para pedir uma opinião. Se todos passassem a trabalhar em casa, não seria apenas a rotina dos profissionais e das empresas que mudaria. A relação das pessoas com a cidade, o ar que respiramos e a economia do país seriam atingidos.

A palavra escritório vem do latim. Significa um “lugar para escrever” e remete ao quarto usado pelos monges copistas da Idade Média para redigir seus pergaminhos. A palavra office (em inglês) deriva do latim officium, nome dado à sala do palácio onde ficavam manuscritos manuseados pelos escribas. A Revolução Industrial, no século 18, consolidou a ideia de escritório como “o lugar ideal para arquivar documentos importantes”. Hoje, com tantos recursos à disposição, esse “lugar ideal” pode funcionar no aconchego do lar ou em locais públicos. Muitas empresas - inclusive multinacionais como Cisco, IBM e Ernst & Young, já adotaram o modelo. Mais importante do que “onde trabalha” é “quanto produz”. E uma pesquisa da consultoria SonicWALL descobriu que 76% dos empregados e 61% dos chefes acreditam que a produtividade em casa é maior do que a no escritório. Mas não é todo mundo que vê vantagem em se isolar para trabalhar. Depois do boom do home office, trabalhadores móveis cansados de ficar de pijama passaram a ocupar locais públicos que oferecem acesso à internet. A prática de compartilhar esses espaços ganhou o nome de coworking e virou tendência em grandes centros urbanos. Novos modelos de escritórios recebem “cotrabalhadores” que dividem custos de internet, telefone, aluguel etc. Vizinhança S.A. Uma nova cidade e novas relações. Sem limites entre casa e escritório, você também saberia mais sobre a vida profissional dos seus vizinhos IMÓVEIS MAIS BARATOS Os grandes centros empresariais, onde estão os escritórios, virariam condomínios residenciais. Além disso, os trabalhadores não precisariam mais morar nas áreas urbanas. Aumentaria a oferta de imóveis e o preço cairia até 60% - o valor do metro quadrado no Centro do Rio de Janeiro despencaria de R$ 6 mil para R$ 2400, por exemplo. PIB MAIOR Segundo estudo realizado pelo Ibope a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI), 32% dos moradores de cidades com mais de 100

28 Ouse Brasil | Jan 2012

100 mil habitantes gastam mais de uma hora por dia para chegar ao trabalho. Em casa, essas pessoas poderiam produzir mais. A economia brasileira ganharia, por ano, cerca de R$ 183 bilhões, o equivalente a 4,9% do PIB no ano passado. Com mais dinheiro circulando, surgiriam novos nichos de mercado. AR MAIS LIMPO Menos pessoas nas ruas usariam menos veículos, consumindo menos combustível e poluindo menos. Com o movimento parecido com o dos fins de semana, o índice de monóxido de carbono em São Paulo cairia de 1,9 ppm (parte por milhão) para 1,2 ppm - menos 37%. Os casos de doenças cardiovasculares e respiratórias tenderiam a cair nessa proporção. FIM DAS MEGALÓPOLES Sem tanta gente precisando se deslocar para longe, as cidades não precisariam ser tão grandes. Os bairros seriam mais autossuficientes e as empresas de transporte reduziriam suas frotas. Só de ônibus, 16 mil deixariam de circular no Rio e em São Paulo. O movimento de segunda a sábado seria como o de domingos e feriados. Tarifas aumentariam para compensar a queda na demanda, mas o conforto também. NOVA VIDA SOCIAL Sem o ambiente das empresas para trocar ideias e conhecer mais pessoas - mesmo que essa não seja a preocupação inicial, cerca de 15% dos casais se formaram no trabalho -, aumentaria a procura por modalidades de cursos livres, por exemplo. No Senac SP, o número de inscrições aumenta ano a ano. Em 2009 e 2010, foram 169424 e 179 177 respectivamente. Até outubro de 2011, já foram contabilizadas 189857. Fontes: Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Rio de Janeiro (Creci-RJ), Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (Ebape/FGV), Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), Imóveis Comerciais Buildings, Ministério da Educação (MEC), Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades (Sobratt) e SPTrans.

“É importante saber avaliar por que, dentro da lista de pessoas elegíveis ao trabalho em casa, algumas não conseguem se adaptar, enquanto que outras produzem até mais”, diz a gerente.

Empresas que levam a sério essa alternativa!

Pesquisa, treinamento de gestores e conversas periódicas foram algumas soluções adotadas pela empresa antes de adotar o modelo de home office.

São Paulo - Duas horas. Esse era o tempo médio gasto por cada funcionário da Kimberly-Clark para ir e voltar da sede da companhia, localizada na zona sul da capital paulista. O dado foi levantado em uma pesquisa com os empregados, há um ano. E, ao invés de engavetar a informação, a fabricante resolveu investir em um modelo de home office e enviar boa parte da turma para trabalhar em casa. A proposta é que 300 das 400 pessoas que trabalham hoje na parte administrativa da empresa trabalhem uma vez por semana fora do escritório e, com isso, tenham mais tempo para suas famílias e hobbies e também para... produzir mais. Isso sem contar os 400 profissionais da área comercial, que também já trabalham mais fora que dentro da companhia. “Ainda não conseguimos mensurar o retorno da iniciativa no desempenho desses funcionários elegíveis ao home office, mas acreditamos que o potencial seja enorme”, afirma Flávia Caroni, gerente de remuneração e benefícios da Kimberly-Clark no Brasil. O projeto piloto de home office acontecerá de janeiro a junho deste ano. Antes de tomar a decisão, que passou a vigorar em novembro, a companhia tomou uma série de cuidados, baseados em quaro pilares. Saiba mais sobre cada um deles. Pesquisa interna Há um ano, a empresa fez uma pesquisa com todos os funcionários da sede da empresa, na Vila Olímpia, para ver quanto tempo eles levavam para ir e voltar de suas casas ao trabalho, quanto gastavam com o trajeto e quantos quilômetros percorriam. Composta de dez perguntas, a enquete ainda incluía questões sobre como os profissionais achavam que a empresa poderia contribuir para a qualidade de vida de todos e também como os gestores avaliavam o desempenho de cada empregado. No final, chegaram, resumidamente, ao seguinte resultado: os funcionários gastavam, em média, duas horas para ir e voltar no trajeto trabalho-casa. E os gestores acreditavam sim que o desempenho deles poderia ser melhor se esse tempo fosse mais curto. Treinamento dos gestores Em maio, a empresa passou, então, a estudar como colocar a opção de home office em prática na companhia. Foi definido que o projeto piloto aconteceria por seis meses na sede e, a partir dai, ficou claro que tudo só funcionaria bem com uma postura adequada dos gestores. “Era preciso que eles incorporassem o projeto, soubessem valorizar a iniciativa para, assim, saberem como lidar com esse processo também novo para seus pares”, afirma Flávia. Para isso, foi dado um treinamento com os 15 diretores e 68 gerentes da companhia – todos elegíveis ao home office. O objetivo foi dar a eles conhecimentos sobre a prática, seus benefícios e ferramentas para saberem avaliar seus subordinados durante o projeto piloto.

Jan 2012| Ouse Brasil A


Mostre que está louco por ela

Se ela não chegar lá… relaxe! Acredite, fazer a garota chegar ao orgasmo na primeira vez não é tão importante como parece. Dê atenção a mais pontos e, mesmo se ela não chegar lá, saia bem na foto!

Você pode até achar que a sua ereção é o suficiente para mostrar que está com tesão. Bem, na verdade a gente sabe que isso acontece até quando você está dormindo. Então, sim, a gente precisa ter a certeza de que você está fissurado. Que sua boca saliva como se você tivesse vendo uma cerveja gelada no meio do deserto. “A mulher que se sente desejada também fica mais segura, mais confiante, mais à vontade e com isso o tesão dela será certamente maior”, diz a psicóloga Lana Harari, de São Paulo. Como você faz isso? Beije com vontade mesmo, abrace com força, pegue com atitude. Faça de um jeito que ela realmente se sinta a última latinha de cerveja da face da Terra.

Seja gentil Beijar com vontade ou pegar com atitude não quer dizer que você deva deixá-la com o corpo dolorido e roxo. Na verdade, a gente odeia ter que passar uma semana vestindo calças compridas e gola rulê sob 32 graus (pelo menos quem não curte um sadomaso). Você pode e deve ter uma bela pegada, mas de um jeito gentil e delicado. “Uma coisa é firmeza, a outra é brutalidade. Se a mulher se sentir desrespeitada, não valorizada, ficará insegura para ir adiante. Menos ainda para ter um orgasmo”, diz Carlos E. Carrion.

Esteja presente com as palavras Os mamilos ficam rijos, a pele mais quente, o corpo se contrai, a pulsação acelera e a respiração fica mais ofegante. Os olhos brilham, ela morde os lábios, geme. Você sente seu pênis sendo sugado pela vagina dela e a musculatura toda do corpo fica tensa. Até que ela desmorona feliz a seu lado ou sobre você ou na sua frente. Com uma variação aqui, outra ali, gemidos mais ou menos contidos, alguns gritinhos talvez, você sabe que essa é uma descrição pra lá de simplificada de um orgasmo feminino. E é isso que você espera ver sempre que leva uma garota para a cama – desde a primeira vez. Mas, acredite, para a maioria não é exatamente isso que importa quando vocês chegam às vias de fato. “A mulher se preocupa com mil outras coisas na primeira vez. O orgasmo dela não é prioridade, porque ela tem que lidar com várias inseguranças”, diz Carla Cecarello, sexóloga e coordenadora do Projeto Ambsex (Ambulatório de Sexualidade), de São Paulo. Segundo pesquisa MH*, realizada com 421 mulheres no site da revista NOVA sobre o tema, o número de mulheres que gozam no primeiro encontro é muito baixo, 10%. “Essas o fazem muito mais pelos seus méritos do que pelos méritos do parceiro”, diz o psiquiatra e terapeuta sexual Carlos Eduardo Carrion, da Associação Brasileira de Estudos sobre a Impotência e consultor da Men’s Health. Bem, a boa notícia é que você não terá que se esfolar literalmente para fazer essa garota gozar de

30 Ouse Brasil | Jan 2012

primeira. Mas isso não significa que não precisa nem tentar. A gente gosta, agradece e fica muito bem impressionada quando acontece. O que você vai aprender ou constatar aqui é que no meio do caminho tem algumas pedras e a gente vai ajudá-lo a pular os obstáculos. Afinal, o que as mulheres querem na primeira vez?

Elogie o tempo todo Não é à toa que a maioria das mulheres prefere a penumbra. Bem, algumas, se pudessem, só transariam na mais profunda escuridão. Pavor de que você veja a celulite, o peitinho meio caído ou uma gordurinha fora do lugar. E não tem exceção. Para você, a única preocupação é que o seu amigão aí esteja a postos e bata continência quando você precisar dele. A gente tem medo de que um fio de cabelo esteja fora do lugar e que você perceba. “A mulher sabe que a questão estética é importante para o homem e, claro, quer agradar. O que é muito simples, só é preciso elogiar”, diz Carla Cecarello. Mas seja autêntico. Se vocês chegaram à cama, devem ter ao menos passado algum tempo ou algumas horas juntos. O discurso “você é linda, você é gostosa” sempre vale, mas se você gostou de algo a mais nela é aí que vai ganhar pontos. O sorriso, o andar, o olhar, a voz. Qualquer coisa que mostre que você prestou atenção.

Unanimidade entre as mulheres. Ninguém gosta do modelo de homem que entra mudo e sai calado. E isso vale antes, durante e depois do sexo. “O silêncio prejudica e distorce a comunicação. Cada um interpreta como quer, se a mulher tem baixa autoestima, poderá imaginar que não está agradando”, analisa Lana Harari. No antes, a conversa tem que ser sedutora e envolvente. No durante, você tem que sinalizar que está gostando. Não tem segredo, diga como ela mexe gostoso, fale do cheiro, que ela o deixa doido de tesão… No depois… custa conversar um pouco com a moça antes de capotar?

Mostre a que veio Dizer que gozar nessa primeira vez não é tão importante não significa que não queremos gozar. Mas você sabe que o orgasmo é só o final do jogo, a bola na caçapa, balançando a rede do gol. Então, amigo, mãos, língua, tudo à obra. Coloque esse corpinho que você rala na academia para trabalhar. “A primeira impressão é sempre a que fica. Não gozar passa a ser secundário nessa primeira vez se todo o restante for bom”, diz Lana Harari. O ‘restante’ inclui uma bela surra de língua, beijos intermináveis, penetração com ritmo que pode ter diversas velocidades (do devagar quase parando ao frenético) e alguma (pouca) variação de posição – menos a do pêndulo do Kama Sutra.

Do que elas têm medo?

De a performance não ser boa Você tem certeza absoluta de que sabe onde é o clitóris? Então, da mesma forma que você tem as suas dúvidas e inseguranças, nós também temos as nossas. Que podem ir de como e que intensidade a gente deve fazer o sexo oral, se essa ou aquela posição agrada. “A mulher também se cobra. É o preço da igualdade sexual. Ela sabe que tem hoje tanta responsabilidade quanto o homem de que a relação seja satisfatória e muitas não estão preparadas para isso”, diz Lana Harari.

De você não gostar do corpo dela Não é só o fato de estar magra ou gorda, com ou sem celulite. A maior das encucações das mulheres tem a ver com o formato e o cheiro da própria vagina. Vai dizer que nunca pegou uma que insistiu em pular no chuveiro antes de cair na sua cama? Se você perceber que a moça está envergonhada ou preocupada fale reto e direto que o gosto e o cheiro dela lá naquele lugar estão deixando você ainda mais com tesão. Ela vai gostar de saber.

De ser julgada Lá se vão décadas de revolução sexual e a gente ainda vai para a cama pensando o que diabos você vai pensar no dia seguinte. Pior, o que você já está pensando durante o sexo. Acredite, é um inferno, ainda mais se gostamos de você. Ficamos entre a cruz e a caldeirinha sem saber o que fazer. “A mulher tem medo de se soltar demais, de se mostrar muito bem resolvida. Mas também não quer parecer sem experiência e não agradar”, diz Carla Cecarello. “Achar esse equilíbrio é difícil, porque os homens julgam mesmo. É uma mudança que está acontecendo e as novas gerações já não têm essa mentalidade arcaica de pensar que a mulher que serve para transar não serve para namorar. Mas ainda acontece e as mulheres sofrem com isso.”

De demorar a gozar Com muita ou com pouca experiência você já deve ter percebido que as mulheres em geral levam mais tempo para gozar. Multiplique isso por 10 se for a primeira vez com um novo parceiro. O que você não sabia é que justamente porque demoram mais é que ficam encanadas de estar dando muito “trabalho”. E muitas acabam fingindo. “Ela fica com medo de decepcionar o parceiro. Se você insiste muito, ela se vê na obrigação de chegar lá e, claro, não vai conseguir relaxar e curtir o suficiente para que realmente aconteça”, diz Lana Harari.

Quer mesmo que ela goze? Então, não se assuste se ela der uma mãozinha. Na verdade, agradeça. A chance de ela fingir vai cair pela metade. Lembre-se de que menos de 30% das mulheres conseguem gozar só com penetração. O restante precisa de estímulo, muito estímulo no clitóris para chegar lá. E você não tem realmente o

E você não tem realmente obrigação de saber que intensidade e que ritmo aquela garota que está na sua cama precisa. Se ela tiver a iniciativa de se masturbar enquanto você a penetra, sorria e bata palmas. Claro, se ofereça para fazer o servicinho. E, então, pergunte se está gostoso e como ela prefere. Se ela disser não, não insista. A não ser que queira correr o risco de ver a moça encarnar a flanelinha: “Mais para a direita, mais para a esquerda, para cima, para baixo, mais rápido, mais devagar…” Parou por quê? Se você não quer que ela empaque, evite…

Ter pressa Lembra que as mulheres demoram mais para chegar lá? Então, segure a onda. Ainda mais se na última vez que saiu com uma garota o Ronaldo ainda era magro. Ou se você está espumando de tesão. Prolongue as preliminares. Faça tudo, de A a Z, menos o P de penetração.

Fazer acrobacia Isso já foi falado 298 vezes, mas vocês não aprendem: não precisa mostrar o repertório todo logo de cara. Na primeira vez, tudo o que uma garota quer é ver se encaixa gostoso, se vocês acertam o ritmo. Dito isso, se você der conta do papai e mamãe gostoso, ela vai delirar. Mais: como o orgasmo leva mais tempo para chegar, a gente precisa curtir mais cada posição para evoluir e chegar lá. Cada vez que você muda de posição, voltamos à estaca zero.

Não prestar atenção O lance do papai e mamãe tem outra explicação. A gente quer olhar para você e ter certeza de que você está ali presente e curtindo. Coisas simples como fazer carinho no rosto dela, continuar a beijar enquanto a penetra são bons sinalizadores de que ela é importante.

Soltar umas baixarias... Dar uns tapas Ouça, na primeira vez não vale chamar de vadia, vagabunda. A não ser que ela peça. Muitas mulheres gostam, mas não de cara. Ela vai ficar na dúvida se você está só querendo esquentar a transa ou se a está julgando. Vocês vão para a cama pela primeira vez e você acha que pode ir enfiando a mão na moça? A não ser que queira deixar a fofa meio apavorada, com medo de que você seja um tarado, pervertido, controle os ânimos. Tem gente que gosta, mas espere para saber direito. Forçar sexo oral Você pode até pedir, se ela não tomar a iniciativa. Mas uma vez só. Deixe que ela se sinta à vontade. Porque geralmente é só isso que ela precisa. Aquele mito de que mulher não gosta de fazer sexo oral é… só mito. Se ela gostar de você, do seu cheiro, do seu gosto, e estiver relaxada, ela vai fazer de joelhos.

Jan 2012| Ouse Brasil A


32 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


Mulher ao espelho Hoje que seja esta ou aquela, pouco me importa. Quero apenas parecer bela, pois, seja qual for, estou morta. Já fui loura, já fui morena, já fui Margarida e Beatriz. Já fui Maria e Madalena. Só não pude ser como quis. Que mal faz, esta cor fingida do meu cabelo, e do meu rosto, se tudo é tinta: o mundo, a vida, o contentamento, o desgosto? Por fora, serei como queira a moda, que me vai matando. Que me levem pele e caveira ao nada, não me importa quando. Mas quem viu, tão dilacerados, olhos, braços e sonhos seus e morreu pelos seus pecados, falará com Deus. Falará, coberta de luzes, do alto penteado ao rubro artelho. Porque uns expiram sobre cruzes, outros, buscando-se no espelho. Cecília Meireles

34 Ouse Brasil | Jan 2012

Jan 2012| Ouse Brasil A


36 Ouse Brasil | Jan 2012


Revista Ouse