Page 1


Editorial

N

Por Kelly Pinheiro

o início deste ano, houveram uma série de declarações pedindo à volta do Bagé Sob o Olhar da Moda para o calendário de eventos da cidade de Bagé. Ainda no ano de 2011, eu havia dito, que o Bagé Sob o Olhar da Moda I, não era um evento de mais de uma edição, pois ele contava uma história com início, meio e fim, ou seja, uma história que não podia ser contada novamente. Porém, a cada encontro meu, ou da diretoria do Conselho Bajeense da Mulher Empreendedora, com pessoas que haviam participado da primeira edição, aconteciam mais pedidos para um segundo, mais elogios, mais entusiasmo. Dessa forma, o COBAME, visando atender à vontade do público e participantes, me procurou mais uma vez para que de alguma forma eu encontrasse a solução para que o Bagé Sob o Olhar da Moda voltasse renovado e ainda mais interessante. Foi então, que no mês de abril, enquanto participava da equipe de figurino do filme “O Tempo e o Vento”, fui a uma festa no Atelier Coletivo. Em num momento, cansada, sentada em uma cadeira assistindo a festa rolar, ao som do DJ Murilo Dotto, comecei a observar todos que estavam a minha volta. Percebi as pessoas se divertindo demais, cada uma com seu modo de dançar, com seu modo de curtir, com seu modo de vestir. Cada uma somando os estilos que lhes faziam serem elas, da forma mais autêntica e original possível. Brilhou a ideia: Bagé Sob o Olhar da Moda – Estilos. Iniciou-se então todo o ciclo, agora já conhecido, de construção do projeto, busca de apoio, de parceiros e de pessoas que acreditassem em mais esta ideia. Noites em claro escrevendo programas para o Rota 20, espaço fundamental de divulgação do evento, que visou à aproximação do universo intocável da moda aos que simpatizam e querem compreender mais, sem barreiras. Dias e dias buscando referências para produzir o editorial fotográfico, com o objetivo de encontrar uma maneira que todos entendessem que a moda está em todo lugar, é acessível, é divertida e, sobretudo, imprescindível. Dessa vez, foram 15 produções, em parceria com lojas inspiradíssimas, equipes de cabelo e maquiagem maravilhosas e fotógrafos, que abraçaram minha imaginação e transformaram tudo em realidade. E ainda, mais um breve documento em vídeo, o qual pude interagir com outros profissionais da moda, pude aprender e registrar cada palavra para que todos vocês também consigam ampliar seus conhecimentos. Tudo isso e muito mais você poderá ter uma prova neste Caderno e, assistir na íntegra na noite de hoje, no Clube Comercial, às 20h. Agradeço profundamente ao COBAME, que mais uma vez confiou no meu trabalho me dando carta branca para por em prática tudo que formulei em pensamento, que com o respaldo desta, que é uma entidade de respeito e conteúdo, pude encontrar apoio dos mais dedicados profissionais desta cidade. Se houveram percalços? Houveram! Porém mínimos e determinantes para que passássemos a dar ainda mais valor à maioria dos profissionais, capaz, responsável e sensacional, com os quais tivemos o prazer de realizar cada etapa deste evento. No ano passado, já havia dito que toda grande ideia só se torna um grande feito se as pessoas ao redor acreditam e possibilitam o seu acontecimento, por isso me orgulho muito de iniciar a modificar de alguma forma, mesmo que sutilmente, a visão das pessoas quanto à importância da moda. O meu muito obrigado à Prefeitura, e a Secretaria Municipal de Atividades Urbanas, Secretaria Municipal de Cultura e a cada um, que de alguma forma, possibilitou com que hoje venha a acontecer, pela segunda vez, um dos mais importantes eventos de moda que Bagé já vivenciou. E ouso dizer, talvez o mais importante, pois, jamais antes, houve tanto dinamismo, integração, envolvimento e motivação em prol de uma única causa. Sejam bem-vindos ao universo Bagé Sob o Olhar da Moda II! Cada página foi construída para que vocês possam acompanhar tudo que foi produzido, todos que se envolveram e todos que estão juntos, em benefício da APAE.

Ficha Técnica Realização : COBAME Produção Geral: Kelly Pinheiro Comissão Organizadora: Presidente COBAME - Taís da R. Stefani Diretoras: Alaís Menezes Jardim Ana Lúcia D. de Souza Rose Pinheiro Ambientação: RM Arquitetura Decoração: Miriam Akagi Colaboração: Sposabella DJ: Rodrigo Sarasol Parceiros: Clube Comercial Jornal Minuano Madre Maria Rota 20 Stratégia- Agência de Comunicação e Marketing Apoio: Prefeitura Municipal de Bagé Secretaria Municipal de Cultura Secretaria Municipal de Atividades Urbanas Entidade Beneficiada: APAE Design gráfico e diagramação: Sueme Rodrigues Hösel

Equipe do Jornal Minuano responsável pelo caderno: Ion Cunha, Márcia Sousa, Mirian Cloque

Refereências da Pesquisa Pesquisa e Texto: Kelly Pinheiro Referências: A Moda do Século – BAUDOT, François; História da Indumentária – SILVA, Ursula; King Of Fashion, The Auto Bigraphy of Paul Poiret POIRET, Paul; Consumo Autoral – MORACE, Francesco O Império do Efêmero – LIPOVETSKY, Gilles


Apresentação

F

ale-se muito que a moda, pós anos 90, se tornou ditatorial, que embarcou em um ciclo vicioso de tendências, desfiles e consumo, deixando a liberdade encabulada de se expressar. No entanto, quando em outra época se pôde ser o que se quisera ser? Quando que se viu tanta oportunidade de construção da própria personalidade em vitrines infinitas e lojas multicoloridas? A verdade é que a ditadura da moda perdurou do seu início, até meados dos anos 80, quando a moda era atrelada a um único formato, classes sociais e tantas outras barreiras. As décadas ditaram “modas”, que de tão ditatoriais, se tornaram reconhecidas por características pontuais. Agora, tente descrever a moda dos últimos 10 anos em um look, ou em poucas palavras, ou em um símbolo... Impossível! Porém, não pensem que isso se constitui em uma crítica, muito pelo contrário. As décadas passadas, retratadas no Bagé Sob o Olhar da Moda I, foram determinantes para que hoje se pudesse viajar por entre os estilos. Estilos, esses, que se constituíram a partir destas referências trabalhadas ano a ano, pelo crescimento da indústria do vestuário. Engrenagens de uma moda, que é o retrato de uma sociedade em evolução, que se chocou com o super acesso à informação, mergulhou na globalização e encontrou nela a possibilidade de poder ser o que a mente, muitas vezes, não imaginou. Como na edição passada, cita-se Gilles Lipovetsky, filósofo e sociólogo, que há quatro décadas já ressaltava a importância sociológica e psicológica da moda. Em meio à aparente imagem vazia, a moda, é de suma importância para o reconhecimento antropológico das civilizações, pois descreve comportamento, alinhava personalidades e, além disso, permite, cada vez mais, a possibilidade do ser humano alcançar parte da utópica liberdade de expressão. Seguindo esta linha de pensamento, se constituiu o embasamento teórico para a construção deste projeto, quinze estilos que definem a personalidade de moda dos bajeenses, através de produções imersas em uma série de universos. Aqui, não se busca a generalização, pois ninguém é um estilo só! Nós somos uma junção de signos que representam diversos caminhos e nos levam a constituir parte do nosso interior em forma de vestuário. Lembrando que, neste evento, em alta está a arte e a ludicidade das caracterizações, das produções e do quão distante a imaginação pode nos levar. Não existe a pretensão de definir com exatidão o que se passa nas ruas de Bagé, até porque, levariam anos para aprofundar um estudo desta importância. Nós queremos lhes dar a oportunidade de ampliar os seus conhecimentos, sobre um assunto que talvez não esteja sobrevoando os seus pensamentos diários. Vivam este momento em que a moda é protagonista e dissolvam conceitos pré determinados de que ela é efemeridade e circunstância. Moda é arte, cultura, história, sociologia, antropologia, psicologia e muito, muito mais além do que pode parecer. Venha rever seus conceitos, hoje às 20h, no Clube Comercial! Para concluir, repete-se o que foi dito na primeira edição deste evento: “Quem repudia a frivolidade não deve temer o estudo da moda, deve sim tê-la como grande ponto histórico social; não deve trata-la como soma e sim como algarismo de uma multiplicação, que se ignorada e zerada torna toda história, também, nula”.


Parceiros

F

elizmente podemos contar , mais uma vez, com a parceria de quem acompanhou os primeiros esboços do Bagé Sob o Olhar da Moda I e, agora, continua acreditando na importância deste projeto pela segunda vez. Ter o respaldo destes parceiros ultrapassa as linhas deste caderno, nos dá certeza do caminho certo e de que acreditam nas realizações do COBAME na cidade de Bagé.

CLUBE COMERCIAL

No decorrer de sua história, o Clube Comercial proporcionou a seus associados inúmeras atividades sociais e eventos de grande pompa e beleza. Atualmente, com a modernidade e transformações sociais, o Clube se adequou aos novos tempos e mesmo inovando o Clube Comercial de Bagé conserva toda beleza de suas instalações proporcionando à comunidade bajeense um local privilegiado para a realização de grandes eventos.

JORNAL MINUANO

Fundado em abril de 1994, o Jornal MINUANO soma 18 anos de cobertura jornalística. Inicialmente circulando em períodos diferenciados, desde 1996 assumiu sua vocação de diário. Possui uma equipe de reportagem experiente e qualificada, o que traduz nos resultados que apontam o veículo como o meio impresso local mais lembrado da região, com 90% da preferência dos leitores de Bagé (pesquisa Instituto Methodus, 2011)

MADRE MARIA

MadreMaria, está localizada no centro histórico cultural da cidade de Bagé/RS, em torno da Praça da Catedral de São Sebastião, na Rua Barão do Amazonas 599. MadreMaria oferece ambiente confortável e descontraído, lugar perfeito para deixar o tempo passar jogando conversa fora com os amigos, e para seus eventos.

ROTA 20

O Rota 20 foi o primeiro programa do Canal 20 da NET Bagé e hoje é uma referência do bom trabalho da agência Stratégia. Está no seu 12º ano de produção ininterrupta ajudando a divulgar os melhores acontecimentos da cidade através de deliciosas reportagens. No Rota 20 tem desde a cobertura de eventos culturais a entrevistas, de culinária à decoração.

STRATÉGIA

A Stratégia Agência de Comunicação e Marketing foi constituída em 1994, dando seqüência ao trabalho desenvolvido desde 1981 pela JB Propaganda Ltda.Neste 16 anos de atividade a empresa vem prestando serviços para as principais empresas do mercado local e da região. E, ainda, o apoio da PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ, através da SECRETARIA MUNICIPAL DE ATIVIDADES URBANAS e da SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA, sem os quais não poderíamos comunicar a moda desta forma cultural e artística.


A

Andrógino

palavra “andrógino” vem da junção de duas palavras gregas: andros (masculino) e gimnos (feminino). Sendo assim, o estilo andrógino pode resultar tanto da mistura dessas duas características em um mesmo visual, quanto da aparência assexuada ou indefinida deste. A primeira aparição do estilo andrógino, na moda, foi a partir da estilista Coco Chanel, na década de 20. Ela propôs silhuetas tubulares, sem curvas e o famoso corte de cabelo “à la garçonne” às mulheres da época, sugerindo, claramente, uma igualdade entre os sexos. Era o principio de uma “revolta” feminina, onde tal qual os homens, as mulheres não precisassem ficar à mercê dos incômodos espartilhos para forçar curvas com o propósito de ficarem elegantes e femininas. Já na década de 70, este estilo, também teve a sua vez através do movimento hippie, quando as roupas eram usadas tanto por homens quanto por mulheres. Desde então, a igualdade dos sexos já não era um conceito restrito ao vestuário, mas a diversas esferas também no âmbito social. Na “Era de Aquário”, ser homem ou mulher não era relevante. Foi então, que outros diversos estilos se apropriaram desta característica, com maior propriedade, como o oitentista Glam. Desta vez, a androginia já podia ser percebida não em roupas de comum usabilidade, mas sim na utilização de peças de vestuário de ambos os sexos. O passar do tempo fez com que o estilo caminhasse silenciosamente para atingir o seu ápice: adeptos em todo o mundo, que aderem ao estilo, muitas vezes, sem nem mesmo se dar conta. Querem uma prova? A recente ascensão dos sapatos Oxford - calçado caracteristicamente masculino - ao guarda-roupa feminino, do chapéu panamá, dos paletós, dos suspensórios, das gravata, e no guarda-roupa masculino cores, brilhos e modelagens ajustadas migraram do feminino para rechear este estilo. Estilo Andrógino Loja: Essencial Roupas E Acessórios Foto: Cristiano Lameira Hair’n Make Up: Estética Hilda Pinheiro

Produção e texto: Kelly Pinheiro Modelo: Carolina Gehres Agradecimento especial: Vidraçaria São Pedro

Casual

O

segundo estilo que vamos lhes mostrar é mais um dos coringas da moda. Nasceu nos Estados Unidos, após a segunda guerra mundial, com a disseminação do ready-to-wear, também conhecido na Europa como prêt-à-porter. O “pronto para vestir” veio a construir o estilo Casual, que, por estar entre o esportivo e o formal, foi adotado por profissionais de várias áreas e se tornou a alternativa mais versátil de vestir em situações que permitem a informalidade. Há quem diga que este estilo está presente no guarda-roupa de todos nós, ou seja, sempre haverá um dia de que você será vítima do casualwear, seja pela escolha de uma camiseta, de um jeans ou de um tênis. Por esta característica, vem a ser o mais democrático dentre os estilos, tanto na composição, pela mistura de diversos outros estilos na sua estrutura, quanto nos estereótipos que venham a lhe usar. O casual traz peças bem similares às clássicas, entretanto trabalha com cores e silhuetas diferenciadas, apostando em recortes inovadores, estampas e aplicações de bordados que transformam a roupa em um signo de descontração e liberdade de expressão. Para quem curte este estilo, uma boa forma de encontrá-lo e acertar o seu “ritmo”, é mesclando peças clássicas/formais com peças esportivas/informais. Sendo assim, o estilo casual tem como regra a estrutura com simplicidade, conforto sem restrição de público e infinitas possibilidades de construção.

Estilo Casual Loja: ASM Foto: Leko Machado Hair’n Make Up: Estética Hilda Pinheiro

Produção e texto: Kelly Pinheiro Modelos: Álvaro Kaiser e Mauren Mendonça Piegas Agradecimento Especial: Supermercados Peruzzo


Clássico

E

m meio a tantas tendências, cores, e opções, no mundo fashion existe a segurança do estilo Clássico, que supera anos de moda e se mantém em alta. Um dos significados do adjetivo clássico, entre outros, fala de respeito à padrões, que obedece tradições e estilos valorizados pela sociedade e, por isso, reproduz e sustenta valores estéticos julgados como corretos e suscetíveis à imitações. Este estilo é assim percebido em diversos universos como na arte, na literatura, na ciência, comportamento e, obviamente, na moda. Assim, corresponde a uma esfera considerada impecável e, portanto, um padrão. Na moda, tal estilo, pode estar associado a ideias de ordem, formalidade, rigor, firmeza, equilíbrio, decoro, harmonia e a bom gosto. Além de integrar um grupo, muito pequeno, de estilos que são aceitos por uma significativa parcela social. A pessoa que tende a este estilo ou, até mesmo, busca referências dentro dele, até despropositadamente, acaba por adotar uma postura conservadora nas formas e cores. Assim, os adeptos, seja homem ou mulher, não levantam a bandeira dos modismos e buscam compor o seu guarda-roupa com peças de tecidos e cortes simples, cores neutras, acessórios discretos prezando pela boa qualidade e sobriedade com classe. Estilo Clássico Loja: Síntese Mix Matriz Foto: Iracema P. Isquierdo Hair’n Make Up: Chris Prattes

Produção e texto:Kelly Pinheiro Modelo: Thamires Sonaglio Agradecimento Especial: Maria do Carmo Kalil

E

Esporte

ste estilo surgiu no início do século XX, quando as ideias de liberdade trouxeram novos hábitos à sociedade, que buscava o sol e uma vida mais saudável, através do esporte. Anos depois, a década de 80 transformou este estilo em um ingrediente indispensável para moda e fez dele uma das opções mais ecléticas dos guarda-roupas. E agora, foi-se o tempo em que um tênis era apenas um tênis. Na última década, que acabamos de vivenciar, o estilo esporte deixou de aparecer somente nas quadras e ambientes esportivos, invadindo todas as situações do cotidiano de uma forma básica e, simultaneamente, fashion. Inovou levando a indústria da moda a utilizá-lo cada vez mais como mola propulsora para pesquisas de criação de tecnologia de ponta. Com isso, o esporte tornou-se uma poderosa ferramenta de vendas: tecidos, cada vez mais leves e confortáveis, calçados high tech, design avançado de roupas e acessórios. Assim, acabou adquirindo seu espaço nas passarelas das grandes semanas de moda, e sendo um dos estilos mais procurados em todos os territórios. Hoje as marcas esportivas buscam formar parcerias com estilistas e marcas renomadas, do universo fashion, para desenvolverem suas coleções. Quem veste este estilo, busca conforto, performance, tecnologia e agora, mais do que nunca, informação de moda. Seja esportista ou simpatizante, o detentor deste estilo, deixou de vestir uniformes para encontrar personalidade e conceito. Simpatizante? Sim! Vestir esporte não está necessariamente ligado à prática de alguma atividade específica, pois com a imensa variedade de artigos que oferece, está muito além de limitar seus usuários à praticantes ou não. O esporte é de todos e, como já sabemos, ele compõe um estilo de vida e/ou, simplesmente, um estilo da moda. Estilo Esporte Loja: Salim Kalil Foto: Jorge Goulart Hair’n Make Up: Chris Prattes

Produção e texto: Kelly Pinheiro Modelos: Bárbara Lignon Pichler e Serginho Pinheiro Rodrigues Agradecimento especial: Academia Stadium


Party

E

Estilo Party Loja: Nory Boutique Foto: Julio Pimentel Hair’n Make Up: Eliézer Hair e Jean Assis Produção e texto: Kelly Pinheiro Modelo: Mirela Pasini Agradecimento especial: Tango Bar

stá aí um estilo eclético, que passeia por todos os outros para compor a sua essência. O estilo Party ou festa, como quiserem, é um dos mais antigos dos guarda-roupas da humanidade, basta refletir que festa existe desde os primórdios da civilização. As festas iniciaram como rituais de passagem ou de datas em que os povos acreditavam acontecer situações místicas e/ou de comemoração, por algum motivo importante da ocasião e do período. Homens das cavernas, tribos, e todas as culturas universais celebram rituais, onde suas vestes são diferenciadas e, normalmente, possuem simbologias específicas e mais elaboradas que as do cotidiano. A sociedade contemporânea perpetuou muitos destes rituais do princípio da civilização, além de desenvolver novos motivos para celebração de festas e comemorações. Este estilo, portanto, caminha ao longo da evolução humana, desde que mundo é mundo, de acordo com as determinações de cada época e cultura, caracterizando a soma de diversos outros estilos e, cada vez mais, prezando pelo glamour, pela beleza e tantos outros valores estéticos defendidos pelas sociedades atuais. Quem visita este estilo, em meio à tantos outros, preza pela beleza, pelo realce da personalidade, pela oportunidade de se sobressair entre os demais. Brilhos, cores, saltos, maquiagens, cabelos, tudo é singular no sentido da individualidade. De alguma forma, a pessoa que se veste para uma festa ela consegue se distanciar da sua rotina existencial e busca atingir e transmitir um pouco mais da sua beleza exterior, um pouco mais da sua sensualidade e, por que não, uma mensagem da sua personalidade frente à descontração e interação social que as festas propiciam à sociedade.

Punk

N

a década de 70, a Inglaterra passou a sofrer várias transformações sociais, em função da grave crise econômica decorrente. Foi então, que em Birmingham, filhos de mineradores e operários marginalizados pela sociedade em que viviam pobres e desempregados, assumiram um modo agressivo de ser, de agir e de se vestir, contra a hipocrisia e contra os privilégios da burguesia. E surgiu o movimento punk! O desleixo no vestir, as roupas rasgadas e customizadas refletiam um protesto às indústrias londrinas, que na sua maioria eram do ramo da confecção. Desta maneira, por não se importarem com as “leis” sociais do vestir da época, acabaram por difundir um novo estilo. Estilo, esse, que como tantos outros na moda, fez o caminho inverso da pirâmide social, começando com operários e se difundindo até as classes mais abastadas, como um novo estilo de vida: música, atitude, roupas e um universo novo a se explorar. Essa contracultura foi um dos mais belos e consistentes protestos mundiais por parte dos jovens, difundido, principalmente, por bandas que adotaram ao estilo, como Sex Pistols, Ramones, Velvet Undergroung, Stooges e outras tantas. Além disso, foi responsável pelo surgimento de diversos novos estilos musicais como new wave, heavy metal e hard core. O termo moda, no entanto, não é bem aceito pela maioria dos punks e influenciados pela subcultura, pois é entendido estritamente como aceitação social, comércio e/ou mera aparência. Mesmo assim, a moda, junto à música, se tornou um dos aspectos culturais mais característicos e evidentes do punk. Meia arrastão, ou preta fio 40 rasgada, uma calça, bermuda puída, botas de coturno, cabelos com mechas bem colorias, moicano e penteados exóticos. Não existem restrições, você usa o que estiver afim! Estilo Punk Loja: Lumina Moda E Acessorios Foto: Francisco Assis Hair’n Make Up: Estética Fêmina

Produção e texto: Kelly Pinheiro Modelos: Marina Martins e Zilá Barbosa


E

Rocker

stilo polivalente, que passeia pelos guarda-roupas das mais variadas personalidades, começou a se desenvolver na década de 1950 e no final da década de 60 e começo de 70 surgiram outros subgêneros como o folk rock, heavy metal, hard rock. Se tornou muito mais que um gênero musical, veio a ser um estilo de vida influenciando na maneira de pensar, de agir e se vestir de uma grande parcela de pessoas, além de influenciar outros estilos, tanto musicais quanto da moda. Disseminou o jeans e a camiseta, de uma forma mais despojada e autoral, possibilitando a customização de acordo com a criatividade de quem quisesse. Adotou os darks, como uma das características principais, além do couro, das botas, das tachas e mais uma infinidade de signos imponentes. Há muito tempo, o rock era preto e metalizado, hoje ele caminha por diversas cores e trabalha com a junção de outros estilos e personalidades. Camisas brancas, sapatos clássicos pretos, gravatas pretas finas, tênis allstar, sapato oxford, saia de babados de tule, blusa rendada, jaqueta de couro, ankle boot com tachas, maquiagem forte, pulseiras pesadas, correntes, caveiras, anéis, cruzes, meias rasgadas, peças “podrinhas”, coletes. Mas se não tem tudo isso, couro, jeans, couro e jeans e está feita a produção rock!

Estilo Rocker Loja: Núria Roupas e Acessórios Foto: Francisco Bosco Hair’n Make Up: Chris Prattes

N

Produção e texto: Kelly Pinheiro Modelos: Silvana Nogueira e Quellem Potter Agradecimento Especial: Atelier Coletivo, Felipe Rosa, Taulni Rosa e Ivan Cesar Pinheiro

Romântico

a edição passada, do Bagé Sob o Olhar da Moda, tivemos a oportunidade de lhes contar o surgimento de um dos estilos que buscava a elevação dos sentimentos, embarcando num universo de escapismo e subjetividade. Foi a partir do ano de 1820 que o Romantismo se difundiu no mundo, nos meios da arte, literatura, pintura e moda, vindo a ser uma das escolas atemporais da nossa história. A moda romântica, para os homens, é proveniente do Dandismo, movimento que, na época, ultrapassou a condição de um simples modismo, e se tornou um estilo de vida, traduzido através da sobriedade, distinção, elegância e uma indispensável cartola. Entre as mulheres veio, a partir, de um resgate do período Medieval: tecidos listrados, florais sem restrições de cores, rendas, cintura definida com corpetes, saias com volume, mangas bufantes e decotes canoa. O romantismo também foi declarado nos acessórios como chapéus, colares, pulseiras, broches, laços, babados, fitas e flores. Qualquer semelhança com o romantismo contemporâneo é a total realidade! O estilo romântico fez suas características persistirem, ainda, no alto do século XXI e, também, em Bagé, onde são utilizadas como signos de referência deste para a construção de personalidades de moda. Uma vertente que superou o tempo, se modernizando e persistindo entre os mais apontados como referência, nos mais diversos grupos sociais.

Estilo Romântico Loja: Sposabella Foto: Stela Vaconcellos Hair’n Make Up: Estética Fêmina

Produção e texto: Kelly Pinheiro Modelos: Helena Mendonça, Júlia Benitez, Tiago Marin


Tracicional/Folk

E

Estilo Tradicional/Folk Loja: MG Foto: Brunna Ayres Hair’n Make Up: Chris Prattes Produção e texto: Kelly Pinheiro Modelos: Márcia Rodrigues Agradecimento Especial: Supermercados Peruzzo

Vanguarda

ste estilo teve nascimento entre os anos 60 e 70 mesclando características hippies e countrys na sua essência, além de referências indígenas, camponesas e ciganas. Seu nome, folk é proveniente da palavra folclore e, portanto, é composto por peças e acessórios regionais, que remetem a diversas etnias, valorizando culturas locais e produtos artesanais. Seus signos principais podem ser reconhecidos como franjas, couro, parkas, penas, botas cawboy, vestidos soltos e floridos e acessórios, como colares com madeiras, penas, entre outros. Hoje em dia já se percebe a leitura de diversas culturas se encaixando neste estilo, não estando mais preso àquelas que proporcionaram o seu surgimento. Um exemplo disso são as roupas e acessórios tradicionalistas gaúchos, que, também, são percebidos como um dos existentes na composição de looks deste estilo. Pela mistura de referências é considerado um dos estilos mais cool da nossa lista, combinando rusticidade com irreverência. O grande segredo é misturar várias culturas e conseguir montar um look contemporâneo e super na moda.

O

Estilo vanguarda, dentro do senso comum, entra para o time dos freak styles da nossa lista. Ah, você não sabe o que, diabos, é vanguarda? Vamos ao seu significado literal: a palavra vanguarda vem de “advanced guard”, e faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante uma batalha. Então, vanguarda é reconhecida como uma definição para aquilo que está á frente de alguma coisa, analogicamente, quem é apontado como estar á frente de seu tempo pode ser considerado um vanguardista. Foi a partir do século XVIII, que a expressão veio a ser altamente utilizada para a definição de movimentos artísticos e políticos, que se diziam à frente dos pensamentos da época. Portanto, também na moda, o estilo Vanguarda refere-se a tudo aquilo que está à frente do presente e, por isso, pode ser visto com ligeira estranhes pelos conservadores de cada período. No universo fashion pertencer à este estilo confere, à personalidade da pessoa, uma pitada de coragem e feeling para perceber ou criar uma tendência, além de ser reconhecido como um expert do ramo, pois de certa forma indica que ela alcançou o que poucos vieram a reparar e que, em algum tempo, pode se tornar um hit da moda. O estilo vanguarda é mutante, de tempos em tempos adota novos perfis, por isso apostar nele pode parecer solitário. Normalmente é adotado por pessoas de extrema autoconfiança e personalidade forte, que, com segurança, apresentam à maioria o que eles ainda não veem com tanta simpatia. Aos poucos, outros grupos passam a serem usuários e consumidores daquele produto de moda, que então massificado deixa de pertencer ao estilo vanguarda, vindo a pertencer ao estilo On Time (modinha), dando lugar a novas apostas destes caçadores de tendências adeptos dos lançamentos da vanguarda da moda.

Estilo Vanguarda Loja: Strelitza Foto: Diones Alves Hair’n Make Up: Estética Fêmina Produção e texto: Kelly Pinheiro Modelos: Anahy de Souza, Giovanna Dalé e Juliano Borges Agradecimento Especial: Engenho Ceolin


Gabriela Lugris (Estilista)

Camile Zurawski (Estilista) Formada em Design de Moda pela Universidade Metodista do IPA, desenvolveu marca de roupas, que leva seu próprio nome, sucesso de vendas na internet e em diversas lojas da grande Porto Alegre. Carolina Bortolini (Designer de Moda) Bacharel em Moda pela Universidade Feevale 2012. Cursou Diseño de Moda y Indumentaria na UADE em Buenos Aires, no ano de 2009 e, recentemente, completou a Qualificação em Gestão e Inovação pela Perestroika. Hoje trabalha como estilista responsável da linha jeans e trend da marca Tok.

Lina Luce (Produtora de Moda) Formada em Design de Moda pela Universidade Metodista do IPA, atua como produtora de moda, realizando trabalhos no Rio Grande do Sul, já tendo participado dos eventos mais importantes do estado como Donna Fashion Iguatemi.

Formada na primeira turma de Design de moda na UCPel, em 2009 e pós-graduada no SenacRS em Artes Visuais: Cultura e Criação. Atua, desde sua formação, como estilista na marca 3gurias e, desde 2008, como produtora de books, com o fotógrafo Juliano Kirinus.

Sabrina Borges (Designer de Jóias) Bacharel em Design de Moda, pelo Centro Universitário Metodista do IPA 2011. Cursou Joalheria e Design de Jóias na Escola Gaúcha de Joalheria e em maio de 2012 fez o curso de Experimentação em Materiais, na escola de joalheria contemporânea Alchimia, em Florença. Acaba de lançar sua primeira coleção de jóias com o título de “Cadeira”

Nicele Branda (Estilista) Graduada em Moda e estilo pela Universidade de Caxias do Sul, especialista em Moda, Consumo e Comunicação pela PUC e Moda e Inovação pelo Senac-RS. mestranda em Design pelo Centro Universitário UniRitter. Atua como docente na graduação em Design de Moda nas universidades IPA, Senac e UniRitter.

Caroline Zanini (Designer de Moda e Jornalista) Graduada em Design de Moda pelo Centro Universitário Metodista do IPA e graduanda em jornalismo na PUCRS. Estilista na Baduchi Confecções e, designer de moda e sócia da empresa de consultoria de moda Up-D.


Agradecimentos O Conselho Bageense da Mulher Empreendedora agradece a todos que colaboraram para a realização da segunda edição do Bagé Sob o Olhar da Moda: LOJAS Asm Essencial Exclusiva La Sarotti Lúmina Clothing Mania De Viver Mg Núria Roupas e Acessórios Nory Boutique Rosa Chiclete Salim Kalil Síntese Sposabella Strelitza Temppo

HAIR’N MAKE UP STYLISTS FOTÓGRAFOS

Chris Prattes

Alexandre Teixeira Bia Barcellos Brunna Ayres Cristiano Lameira Diones Alves Foto Everest (Por Ricardo Torman) Francisco Assis Francisco Bosco Gleider Ayres Iracema Isquierdo Jorge Goulart Júlio Pimentel Leko Machado Roberta Hecht Stela Vasconcellos

Eliézer Hair Éliézer Da Luz Jean Assis Estética Fêmina Tânia Camargo Tainá Brito Estética Hilda Pinheiro Ana Lúcia Valeria Erro Valone Sandra Vieira Hilda Pinheiro

LOCAÇÕES DO EDITORIAL FOTOGRÁFICO

COLABORADORES Ciclo Regert Casa De Cultura Pedro Wayne Gelsa Pacheco Imba – Instituto Municipal De Belas Artes Lenir Ótica Sposabella Stratégia Agência De Comunicação

Atelier Coletivo Bagé Tênis Clube Estância Vista Alegre Engenho Ceolin Engenho Coradini Mega Teen Rei Do Feno Residência Família Peruzzo Residência Maria Do Carmo Kalil Stadium Acadêmia De Musculação Supermercados Peruzzo Tango Bar Vidraçaria São Pedro

APOIO Secretaria Municipal de Atividades Urbanas Secretaria Municipal de Cultura Prefeitura Municipal de Bagé Rbs Tv Bagé Tterrasul

Caderno bagé sob o olhar da moda 2012 completo  

Caderno Oficial do evento Bagé Sob o Olhar da Moda 2012, evento que contou a evolução da moda e suas tribos/estilos. Com direção da designer...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you