Page 1

CENTRO

DE

EQUOTERAPIA PARQUE

E

LAZER

JÓQUEI RIBEIRÃO

KAROLINE ZAGATTO ALVES 2017


EQUOTERAPIA, PARQUE E LAZER JÓQUEI RIBEIRÃO CENTRO DE

KAROLINE ZAGATTO ALVES Orientadora: Prof.: FABIANA MORI CENTRO UNIVERSITÁRIO RIBEIRÃO PRETO MOURA LACERDA . . 2017


EQUOTERAPIA, PARQUE E LAZER JÓQUEI RIBEIRÃO CENTRO DE

KAROLINE ZAGATTO ALVES Orientadora: Prof.: Fabiana Mori Trabalho final de curso apresentado ao Centro Universitário Moura Lacerda para cumprimento das exigências para a obtenção do título de bacharel em Arquitetura e Urbanismo.


AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por estar sempre ao meu lado, me dando forças para continuar, apesar de todos os problemas que minha família vem enfrentando, sempre me ajudando e colocando as melhores pessoas para que eu possa superar as dificuldades e batalhar pelos meus sonhos. Agradeço aos meus pais Ilson e Ana, a minha irmã Ingrid e ao meu noivo Filipe pela paciência, companheirismo, carinho e por sempre estarem me dando todo o apoio necessário, em todos os momentos. Eu amo vocês. Não poderia deixar de agradecer a minha orientadora e professora Fabiana Mori, por toda a sua atenção, e sua dedicação em me ajudar a desenvolver este trabalho, que acreditou em minha proposta e me guiou das melhores formas possíveis para que pudesse ser desenvolvido. Agradeço também aos demais professores da Instituição Moura Lacerda que contribuíram muito para minha formação.


DEDICATÓRIA Dedico este trabalho ao meu pai Ilson Rogerio Alves que sempre sonhou em me ver formada como Arquiteta e Urbanista, que sempre batalhou de todas as formas possíveis para me dar todo o apoio necessário para que eu e minha irmã pudéssemos ter uma formação, e que apesar de todas as dificuldades nunca deixou faltar nada para mim ou minha irmã. A minha mãe Ana Célia Zagatto Alves, que sempre esteve ao meu lado em todos os momentos me ajudando a nunca desistir dos meus sonhos.


RESUMO O trabalho desenvolvido associa arquitetura a causa sociocultural, concebendo espaços para a prática de atividade fisioterápica utilizando o cavalo como principal agente. A proposta também abrange áreas para o lazer acessível à população através de um parque que receberá seus visitantes de forma aconchegante.


ABSTRACT

The documents work associates architecture with the sociocultural cause, designing spaces for the practice of physiotherapeutic activity using the horse as the main agent. The proposal also covers areas for leisure accessible to the population through a park that will receive its visitors in a cozy way.


II. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

19

14

SUMÁRIO 13

APRESENTAÇÃO

I. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I.1 - O QUE É A EQUOTERAPIA E COMO ELA AGE NO TRATAMENTO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA I.2 - A FUNÇÃO SOCIAL DA ARQUITETURA I.2.2 – FINANCIADORES DO PROJETO TRATAMENTO DE FORMA PÚBLICA


24

VI. REFÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

37

IV. PROPOSTAS IV.1 - PROGRAMA DE NECESSIDADES IV.2 - ELEVAÇÕES E PERSPECTIVAS IV. 3 - MEMORIAL IV.4 - IMPLANTAÇÃO IV.5 - PLANTAS TÉRREO IV.6 - CORTE AA IV.7 - CORTE BB IV.8 - FACHADAS IV.9 - DETALHES CONSTRUTIVOS

34

III. LEVANTAMENTOS III.1 – ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO – O LUGAR III.1.2 LEGISLAÇÃO III.2 – TOPOGRAFIA III.3 – VEGETAÇÃO III.4 USO DO SOLO III.5 – FIGURA FUNDO E GABARITO III.6 – EQUIPAMENTOS URBANOS III.7 – HIERARQUIA VIÁRIA


encontra em um estado de abandono, carrega em sua estrutura um grande passado equestre, que graças ao projeto do Centro de Equoterapia, Parque e Lazer, poderá assim dar a relevância que o local merece. Quando a arquitetura é relacionada e pensada em conjunto com o bem-estar, proporciona uma qualidade de vida. Broom e Molento (1986, não paginado) definem que “Bem-estar de um indivíduo é seu estado em relação as tentativas de se adaptar a um ambiente”. Eles ainda defendem que o termo bem-estar pode ser usado por humanos e por animais, sendo que o bem-estar animal, refere-se as condições de alojamento, integração social, entre outros. Sendo assim, fica claro que os espaços influenciam diretamente nas condições de vida, podendo ser de forma positiva, ou negativa. O objetivo geral do projeto é criar um espaço capacitado para a prática da equoterapia, que se relacione com o restante das propostas do projeto de forma harmônica, trazendo para a Zona Norte de Ribeirão Preto, um ambiente que além de atender aos pacientes da equoterapia, possa suprir as necessidades socioculturais desta área carente de equipamentos destinados para a cultura e lazer. Os objetivos específicos são: • Realizar um projeto arquitetônico para a prática da equoterapia adaptando-o as técnicas de estrutura e construção em relação às referências projetuais escolhidas; • Projetar um ambiente funcional, que atenda de forma positiva a todo o programa de necessidades desenvolvido;

APRESENTAÇÃO

Este trabalho de finalização de curso (TFC) tem como objetivo projetar um equipamento público para tratamentos terapêuticos que utilizam o cavalo como principal ferramenta. O projeto contará também como diretriz projetual, um parque, cujo objetivo é proporcionar um espaço público com áreas verdes para o uso social-coletivo da população, possuindo quadras poliesportivas, áreas para leitura, lanchonete, áreas de convivência, pistas de skates, entre outros, promovendo então um ambiente sociocultural para a região Norte da cidade a ser implantada. A ideia do projeto surgiu devido à grande admiração pelos animais, em especial os cavalos, e por observações empíricas, visto que em Ribeirão Preto, não encontramos nenhum lugar que possibilite a prática da equoterapia de forma pública para a população. A escolha do local se deu pela sua história, o antigo Jóquei Clube de Ribeirão Preto, que hoje se


FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

1.1 - O QUE É A EQUOTERAPIA E COMO ELA AGE NO TRATAMENTO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Segundo estudos, o cavalo existe a cerca de 55 milhões de anos, e à milhares de anos o homem utiliza o cavalo para a realizações de várias tarefas que envolvem o esporte, a agricultura, o transporte, e até mesmo a guerra. O Brasil possui a segunda maior população de cavalos do mundo, estimada em 6,2 milhões de cavalos, perdendo apenas para a China que possui 10,2 milhões. De acordo com a CNA (Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária), a região Sudoeste do Brasil é quem possui a maior concentração de animais, liderando o ranking com 26,6%. Há indícios que o cavalo vem sendo utilizado como método terapêutico e agente curativo, desde a Grécia antiga, por Hipócrates, o pai da Medicina, que já aconselhava a equitação como tratamento de diversas patologias e cuidados com a saúde de forma geral.

Porem esse método terapêutico chegou ao Brasil em 1971, trazido pela Dra. Gabriele Brigitte Walter. Em 1989, foi criada a ANDEBRASIL (Associação Nacional de Equoterapia), e a partir daí, tivemos um grande impulso na criação de centro de equoterapia no país, que atualmente conta com mais de 320 unidades. A palavra equoterapia foi criada pela ANDE-BRASIL, que caracteriza qualquer prática de atividades equestres e técnicas de equitação para obter resultados positivos no tratamento de pessoas portadoras de deficiência e/ ou necessidades especiais. Segundo a ANDE-BRASIL, a Equoterapia é um método terapêutico, que vem proporcionando novos caminhos e descobertas em relação à formas de terapia, propiciando o desenvolvimento biopsicossocial do paciente, utilizando o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas da saúde, educação e equitação, e dentre essas várias patologias que podem ser tratadas por meio da equoterapia, o meio que vem ganhando mais resultados é na área psicomotora, onde por meio do trabalho de uma equipe, o contato com o animal e a interação do meio físico e social, promove os ganhos a nível físico e psíquico. A equoterapia é um método terapêutico pouco com

conhecido resultados

relação

ao

Fonte:http://www. c o r r e i o d o p o v o . com.br/Noticias/ Rural/2014/12/544417/ E q u o t e r a p i a inclusao-a-cavalo

pela muito

tratamento

população,

porém

satisfatório de

pacientes

em com

Fonte: https:// ericasitta.wordpress. com/2016/09/09/ equoterapia-e-afonoaudiologia/

dificuldades

psicomotoras.

Ela

emprega

o cavalo como agente promotor de ganhos a nível físico e psíquico. Este tipo de atividade exige a participação do corpo inteiro,

contribuindo,

desenvolvimento relaxamento, corpo motora

e

da

assim, força

conscientização

aperfeiçoamento e

do

equilíbrio.

da

para

o

muscular, do

próprio

coordenação

(ANDE,

p.

1)

A palavra equoterapia foi criada pela Associação Nacional de Equoterapia (ANDEBRASIL) em 1989, este é o órgão responsável pela equoterapia no Brasil, que caracteriza todas as atividades equestres com a finalidade de reabilitação, educação ou reeducação. Segundo a Associação Nacional de Equoterapia, a equoterapia começou a ser conhecida e valorizada no Brasil, a partir de 1989, em atividades equestres realizadas na Granja do Torto, em Brasília, atual sede da ANDE – BRASIL. Estimase que atualmente, cerca de mais de 30 países utilizam este método como terapia. A equoterapia foi reconhecida como


método terapêutico e educacional pelo Conselho Federal de Medicina, em 1997; pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – COFFITO, em 27 de Março de 2008; e também foi reconhecida pela Secretaria de Educação do Distrito Federal – SEDF. É denominado praticante o paciente que utiliza a equoterapia como tratamento terapêutico. Cada praticante possui um tipo de necessidade para ser alcançada com o

se basear em fundamentos técnico-científico, portanto para que o paciente passe a ter um tratamento equoterápico, precisa ser avaliado por um médico, psicólogo e um fisioterapeuta. A equipe interdisciplinar de equoterapia pode ser formada por profissionais das áreas da saúde, educação e da equitação. Existe também a necessidade de se ter um médico responsável dando respaldo à equipe indicando ou contraindicando o tratamento.

tratamento, por isso é montado um treino específico para cada praticante para conseguir atender aos objetivos do tratamento. Segundo a ANDE, a prática da equoterapia é indicada para paciente com os seguintes quadros clínico:

Não são apenas os praticantes que passam por avaliações antes de iniciar o tratamento, mas também os cavalos, pois não existe uma raça específica para esse tipo de tratamento, o importante é que o cavalo possua os três andamentos regulares: passo, trote e galope, sendo que o passo é o mais importante para a equoterapia. Ao passo o cavalo realiza um movimento tridimensional exatamente idêntico ao andar do ser humano. E por ter exatamente esse tipo de movimento, só ele é capaz de proporcionar uma reabilitação das pessoas com necessidades especiais. Esse movimento (passo) é caracterizado por movimentos para cima e para baixo no plano vertical; para a direita e para a esquerda no plano horizontal, segundo o eixo transversal do cavalo e para frente e para trás segundo o seu eixo longitudinal.

• Tratamento de doenças genéticas, neurológicas, musculares, ortopédicas e clínico metabólicas; • Sequelas de traumas ou cirurgias; • Distúrbios psicológicos e comportamentais e doenças mentais; • Distúrbios de aprendizagem e linguagem; Além disso, a equoterapia pode propiciar para os praticantes: • Melhora na postura e equilíbrio; • Melhora na coordenação motora; • Evolução no alongamento e flexibilidade muscular; • Melhora na respiração e circulação; • Controle da salivação; • Conquista, ou reconquista da autoestima;

Todo o tipo de atividade equoterápica deve

alternada (plano horizontal/eixo transversal), e uma força sobre o plano póstero-anterior (plano horizontal/ eixo longitudinal)”. (LERMONTOV, 2004: 61). Além desse movimento, o próprio praticante realiza um movimento que acontece pela torção da bacia de oito graus para cada lado, a cada passo do cavalo. A equoterapia, na prática para a parte motora funciona assim: ao passo do cavalo acaba provocando um certo desequilíbrio no praticante, forçando-o a procurar o seu ponto de equilíbrio. Provoca também uma constante contração e relaxamento simultânea nos músculos, levando ao fortalecimento dos mesmo. Ao longo de todo o processo

“...o praticante sofre três forças distintas sobre o cavalo: uma força de cima para baixo (plano vertical),

uma

força

lateral

Fonte: https:// biblioufcspa. blogspot.com. br/2010/?m=0

15


também transmite impulsos ritmados para os músculos das pernas e do tronco. Mesmo quando o cavalo realiza outros movimento como virar a cabeça para um lado ou para o outro, alongar o pescoço e até quando para, provoca no praticante uma readequação muscular para conseguir se equilibrar. Conforme os profissionais que acompanham todo o processo, mudam o praticante de posição sobre o cavalo, é possível trabalhar diferentes

Por isso é tão vantajoso a utilização do cavalo em métodos terapêuticos, pois para aqueles pacientes que são incapazes de gerar os movimentos por si só, o cavalo gera os movimentos e os transmite para o paciente. Além desses benefícios físicos, a equoterapia também traz inúmeros benefícios relacionados ao desenvolvimento da autoconfiança, concentração, segurança e bem-estar mental, especialmente porque o

o acompanhamento médico do praticante; uma equipe para serviços auxiliares; e por último mas tão importante quanto os demais, os cavalos que serão selecionados e treinados para atender as necessidades dos pacientes. Contudo, podemos ver o quanto a equoterapia é eficaz nos tratamentos psicomotores e o quanto ela é mais vantajosa em relação aos métodos convencionais realizados em salas de consultórios ou hospitais. Pois além de

grupos musculares atingindo até músculos profundos que normalmente não é possível de se atingir em terapias convencionais. Durante o processo da montaria, os profissionais sugerem que o praticante faça alguns exercícios específicos, tais como: • Mudanças de ritmo e direção do cavalo; • Alternância de posicionamento; • Aceleração ou desaceleração do passo; • Transição de posição ainda com o cavalo em movimento; • Rotação do tronco; • Fechar os olhos; • Utilizar ou não os estribos; • Posicionamento dos pés sobre o cavalo.

ser um método terapêutico, o paciente não se sente exaustivo em ter sempre que realizar os mesmo movimentos em todas as sessões de terapia, e tendo os resultados esperados tão tardio, pois como podemos observar, a prática da equoterapia traz os resultados de uma forma mais rápida e prazerosa para o praticante. Cada exercício praticado durante a sessão de equoterapia acaba se tornando uma experiência de ação e emoção ao praticante.

Grande parte dos exercícios propostos em salas de hospitais ou qualquer ambiente fechado, na reabilitação de pacientes com dificuldades psicomotoras, podem ser realizados na equoterapia atingindo os mesmos objetivos, porem com um tempo muito mais curto comparado ao tratamento em ambiente fechado

cavalo funciona como um ponto de sedução em relação ao praticante, devido a imponência e poder provido pelo mesmo. O cavalo é um animal com um porte magnífico, e conquistar sua confiança, domá-lo, montá-lo e direcioná-lo, é uma experiência prazerosa capaz de transformar algumas pessoas. O cavalo, portanto, com a sua forma de andar, ao passo e através de movimentos sequenciados, proporciona, em quem está montado, sensações por todo o corpo, podendo ocasionar uma total imersão num mundo de magia, de momentos prazerosos, capaz de conquistar a autoestima e de poder transformar pessoas portadoras de necessidades especiais em verdadeiros super-heróis que lutam para conquistar seu espaço no mundo. Mas para que haja um centro de reabilitação com equoterapia, além de dispor de uma ambiente totalmente equipado, é preciso ter uma equipe mínima de funcionários, sendo estes: psicólogo; fisioterapeuta; um profissional de equitação; ter médicos

e com a qualidade e o bem estar do paciente.

responsáveis pela avaliação inicial e para https://arquiteturaequestre. com.br/arquiteturaequestreequoterapiateoria-e-prazer.html.jpg


Portanto o praticante emite respostas adaptativas ao meio ambiente e aos movimentos do cavalo, podendo resultar em facilitação do processo de desenvolvimento psicomotor e melhor adequação da função. São esses aspectos peculiares desse ambiente especializado da equoterapia que o fazem diferente dos demais.

I.2 - FUNÇÃO SOCIAL DA ARQUITETURA

social quando sua prática gerar resultados que contribuam para a construção do bem comum. O arquiteto carrega consigo a responsabilidade técnica de cumprir com sua função social, sendo assim, qualquer tipo de projeto executado por um arquiteto, deve estar apto a receber e atender a toda a população de forma acessível, garantindo o bem-estar de todos e atendendo as necessidades prevista no projeto.

I.2.2 – FINANCIADORES DO PROJETO – A função social do arquiteto é atender as necessidades e demandas da sociedade. Isso é um compromisso técnico que o arquiteto assumi quando recebe seu certificado em bacharel da universidade em que cursou. Quando um arquiteto é contratado para um projeto que terá ligação direta com o público, a primeira coisa com que devese preocupar é com atender as demandas da sociedade. Tornar o equipamento projetado acessível para todas as pessoas é um dever técnico que o arquiteto se responsabiliza. Segundo Paulo Mendes da Rocha a arquitetura, modificadora do espaço e da paisagem, deve atender social e esteticamente as necessidades humanas. Portanto, a função social consiste na prevalência do interesse público em relação ao interesse privado na prática de uma atividade. A arte, a ciência ou a arquitetura estarão cumprindo sua função

TRATAMENTO DE FORMA PÚBLICA

É muito importante poder trazer essa proposta de um atendimento de forma pública para a cidade de Ribeirão Preto, nessa questão de tratamentos psicomotores, pois até o momento, o único espaço que proporciona esse tipo de tratamento na cidade é o “Equocenter – Centro de Equoterapia do Centro Hípico Guega”, que está localizado na zona sul de Ribeirão Preto. O Centro Hípico Guega proporciona o atendimento de forma particular, portanto, ter um espaço que viabiliza esse atendimento público seria de alto interesse, já que grande parte da população não possui condições financeiras para poder manter um tipo de tratamento desses. A proposta do projeto Centro de Equoterapia, Parque e Lazer Jóquei Ribeirão,

vai além de um espeço para à pratica da equoterapia. O projeto também estará voltado para uma função mais social, suprindo a carência da área onde será implantado, pois os bairros que ali circundam essa área, como o Jardim Jóquei Clube, e o Jardim Aeroporto, são extremamente desprovidos de quaisquer estrutura voltada para o lazer e cultura. Não somente essa região, mas também a cidade toda, que não possui muitos equipamentos públicos para uso voltado a cultura e lazer. Desse modo, um projeto que contará com um parque, quadra poliesportiva, um espaço para à pratica da leitura, áreas de convivência, playground, entre outros, será de grande relevância para a cidade. Tendo em vista que o Centro de Equoterapia, Parque e Lazer Jóquei Ribeirão necessita de um órgão financiador para poder viabilizar o projeto, através de algumas pesquisa, foi possível verificar que o Ministério da Cultura, através de uma ação prioritária do Programa Cultura Viva, chamado O Ponto de Cultura, firmaram convênio com a Prefeitura Municipal para ampliar e impulsionar ações culturais na cidade. A Prefeitura Municipal recebeu um investimento de R$ 2 milhões ao longo desses três últimos anos, para instituições públicas e privadas, sem fins lucrativos, que realize ações culturais e que contribuam com a inclusão social e construção da cidadania. Caso seja necessário mais algum apoio de outro órgão, temos a possibilidade de

17


contar com a ajuda do PRONAC (Programa Nacional de Apoio à Cultura), ou do ProAC (Programa de Ação Cultural). O PRONAC foi desenvolvido para facilitar à população o acesso as fontes culturais, difundir a cultura e artística regional, preservar o patrimônio histórico brasileiro e desenvolver consciência e respeito à cultura de outros povos e/ou nações. Sendo que os mecanismo de apoio do

os empresários escolhem dentre os projetos previamente autorizados, quais aqueles em que desejam destinar seus recursos provenientes de impostos devidos por suas empresas. Com uma proposta voltada tanto para a parte da equoterapia, para a reabilitação de pessoas com deficiência motora, quanto a segunda parte do projeto que terá função sociocultural para a área que é muito carente de qualquer tipo de ação cultural,

PRONAC vem do Incentivo Fiscal, do Fundo Nacional da Cultura (FNC) e dos Fundos de Investimento Cultural e Artístico. O FNC é um fundo público de natureza contábil, cujo objetivo é captar e destinar recursos para projetos culturais compatíveis com o PRONAC. Podem propor projetos para receber recursos do FNC as pessoas físicas e jurídicas, com ou sem fins lucrativos, assim como entidades administrativas e órgãos públicos federais, estaduais e municipais. O ProAC trata-se de um Programa do Governo do Estado de São Paulo, cujo objetivo é disponibilizar recursos financeiros públicos para atender demandas da sociedade civil na produção artístico cultural. A verba utilizada pelo ProAC vem por dois meios, o 1° é pelo ProAC- Editais, quando a Secretaria da Cultura disponibiliza parte de seu orçamento próprio para implementação de projetos que muitas vezes não teriam participação no mercado cultural; ou então temos o 2° meio que é o ProAC- ICMS, utilizam-se de

desse modo, qualquer um desses projetos criados pelo Ministério da Cultura, poderá ser um meio para o financiamento do projeto.

recursos públicos (renúncia fiscal do ICMS),


Haras Manoel Leão – Ribeirão Preto O Haras Manoel Leão está localizado na rodovia Cândido Portinari – km 327, sua estrutura vai muito além de locação de baias para cavalos e aulas de hipismo, o local possui pistas cobertas e ao ar livre para competições que são realizadas ao longo do ano, o local também dispõe de uma estrutura voltada para o lazer, com restaurantes, fazendinha e passeios à cavalo. O Haras Manoel Leão oferece sessões de equoterapia para as crianças das instituições ‘Cantinho do Céu’ e das ‘APAE’ de Ribeirão Preto e Brodowski. O local utilizado para a prática da equoterapia é a pista principal que é coberta por uma estrutura metálica, sendo que o fechamento utilizado foi a telha sanduíche, intercalada com telhas translúcida para deixar o ambiente mais claro. Possui uma dimensão aproximada de 40 metros de comprimento por 20 de largura. O Haras Manoel Leão adaptou o local para esse tipo de tratamento, pois está pista foi projetada primeiramente para a realizações de provas hípicas, portanto seu piso não possui nenhum revestimento, sendo chão batido com uma areia fina por cima para reduzir o impacto

para as patas dos cavalos. Apresenta um pé direito de um pouco mais de 6 metros. O local não possui nenhum tipo de sala de apoio para os profissionais, para os pacientes ou até mesmo para seus acompanhantes.

REFERÊNCIAS PROJETUAIS

II. 1 - ESTUDO DE CASO

Fontes: https://www. harasmanoelleao. com.br/equoterapia. h t m l . j p g

19


II. 1.2 - HARAS POLANA MAURO MUNHOZ

Centro hípico, Campos do Jordão-SP

Fonte:

Fonte:

ArcoWeb

O Haras Polana foi projetado pelo arquiteto Mauro Munhoz, e está localizado entre os municípios de Campos do Jordão e São Bento do Sapucaí. Este haras está destinado a criação de cavalos das raças Árabes, Anglo-árabes e Brasileiros. Tanto o arquiteto como o próprio cliente alimentavam expectativas sobre o desenho, partilhando do desejo de “quebrar paradigmas” das tipologias tradicionais desse tipo de construção. As baias são um dos pontos inovadores desse projeto, pois seu fechamento de alvenaria é de apenas 1,4 metros; isso se

ArcoWeb

dá pelo fato que o arquiteto, baseia-se na constatação de que o cavalo, um animal de planícies, cuja “única arma é correr”, sente-se melhor quando tem um plano de visão mais amplo. Acima dessa medida, uma divisão com barras de aço corten faz as vezes de muxarabi sem impedir a transparência. Outro ponto incomum nas baias são as portas de correr, que dão a ideia de que estão “flutuando” apoiadas somente na alvenaria, em vez de abrir para fora. As alvenarias, por sua vez, possuem cantos arredondados para não machucar os animais. As cores utilizadas nas baias também foram pensadas para que tivesse uma tonalidade próxima à terra e revestimento sem brilho, para que não espantasse os cavalos. O piso, por exemplo, também recebeu uma atenção especial nesse projeto, pois possui uma composição de borracha na circulação coberta, para que os cascos dos

Fonte:

ArcoWeb

animais não sofram demasiado atrito. Já no picadeiro, ele possui sofisticada formação, resultante da consultoria do especialista francês Francis Clemont: uma camada de brita e solo-cimento, que forma a base para impermeabilização, e depois uma de poliéster, betonita e areia, que confere elasticidade para absorção de impactos. As instalações também são sofisticadas, pois dentro desse “forro” de madeira temos borrifadores que estão ocultos e tem a função de espirrar água com citronela, para assim abaixar a temperatura do local e afastar os insetos. Também sobre o forro, temos uma rede técnica, que funciona como shaft horizontal. Do ponto de vista espacial, a cocheira do centro  hípico é composta por quatro pavilhões que conformam um pátio central


em forma de trapézio. Devido à acidentada gleba, a implantação e o formato da edificação, derivam das linhas de curvas de nível, com a intenção de criar a maior área plana possível. Em um corte transversaL em qualquer um dos pavilhões, revela parte da adequação espacial do projeto: acima da divisão entre baias, há uma cobertura em duas águas. Com o deslocamento entre elas cria-se, através de pequeno shed, uma saída de ar quente. Por outro lado, obtém-se uma solução interessante, na qual a água de dentro mantém a continuidade entre as quatro faces, por meio de águasfurtadas, enquanto as de fora tornam-se, formalmente, independentes. Isso aponta também a setorização induzida pelas formas: na água de fora, ficam as baias; na de dentro, a circulação coberta contínua, com balanço de 4,5 metros. A inclinação geral do telhado permite que as calhas captadoras das águas pluviais que estejam paralelas à estrutura. Enfim, o espaço revela a integração e o entendimento do  universo equino  em contraposição à adequação ao lote acidentado. Uma arquitetura para cavalos, feita com  técnica e sensibilidade. Com base nesse estudo do projeto Haras Polana, foi possível identificar as características arquitetônicas mais relevantes que pretendo levar como diretrizes para o projeto que são: a altura da alvenaria das baias, para que o cavalo permaneça confortável sem que tenham a sensação de Fonte:

ArcoWeb

Fonte:

ArcoWeb

estarem presos, devido ao campo de visão maior que terão; as cores terrosas e os revestimentos sem brilho e o uso da madeira, para que os cavalos se sintam visualmente confortáveis; os borrifadores de água com citronela fixado nos forros, que permitem uma temperatura mais baixa e afastam os insetos que incomodam o cavalo; e o deslocamento do telhado de duas águas, que é o ápice do projeto, pois esse deslocamento forma um pequeno shed, permitindo que o ar quente saía das baias para manter uma temperatura agradável para os cavalos considerando que o clima em Ribeirão Preto é tropical.

21


II. 1.2 - HARAS CUADRA SAN CRISTÓBAL - MÉXICO - LUIS BARRAGAN

fluidez espacial, pátios internos e muros. A utilização da água é uma característica em suas obras e é influência da arquitetura colonial mexicana. Porém, um aspecto muito interessante é que Barragan não projeta meros poços, aquedutos de fazendas ou conventos, mas sim esculturas independentes da água, esculturas que podem manter seu atrativo visual e espacial. Os estábulos estão implantados à cerca de 80 metros da fonte na Quadra San Cristóbal, que foi projetada em 1969, mas através do tratamento similar dos elementos e da relação programática, estes formam-se um só projeto, com esse jogo de tons rosados, que, paradoxalmente ressalta a geometria abstrata dos muros e a aparência da água. “Como em várias de suas outras obras, os espaços criados por Luis Barragán parecem atemporais, em repouso. Esta obra cria um espaço exterior mais recluso, é um lugar de encontro, mas criado para a reflexão solitária e sempre aberto ao céu. A forma de habitar o espaço é definida por esse modo íntimo.” (HOLANDA, 2017)

F o n t e s : http://www. archdaily. c o m . b r / br/01-68137/ classicos-daarquiteturaquadra-sancristobal-efonte-dosamantes-luisb a r r a g a n

O arquiteto Luis Barragan revolucionou a arquitetura moderna em seu país com o uso de cores vibrantes e oriundas na arquitetura vernacular no México. Suas obras caracterizam-se pela volumetria pura,

sem

nenhuma

decoração,

mas

com

A Fonte dos Amantes é um dos espaços de uso público do conjunto construído; ela é parte de uma intervenção maior, associada ao projeto para a Quadra San Cristóbal (estábulos) e a Casa Egerstrom, pensadas Fontes:

http://www.archdaily.com.br/br/01-

68137/classicos-da-arquitetura-quadra-sancristobal-e-fonte-dos-amantes-luis-barragan


por Barragán para uma comunidade de cavaleiros. Ela foi projetada especificamente para servir como bebedouro para os animais. “A profundidade do reservatório foi calculada para que quando o cavalo entre, a água chegue à sua barriga”, explicava Barragán. “O jogo compositivo entre muros cegos e perfurados gera uma experiência, e está é acentuado pelo som da água em movimento, o solo sem pavimentos e os cheiros da vegetação, também escolhida pelo arquiteto. Todo o conjunto mostra-se, então, com um caráter fortemente expressivo. Como uma ação em cena que espera a entrada do jóquei, a abstração dos elementos contrasta com suas fortes cores, e a espessura dos muros dá profundidade às aberturas e pórticos, que mencionam os jardins vizinhos e fazem aparecer o céu.” ( HOLANDA, 2017)

diretriz projetual, pois o ambiente possui um conceito aberto, já que não utiliza muros para separar o ambiente da casa com as baias do cavalo, apenas o formato e o uso da piscina para os cavalos são suficientes para delimitar áreas públicas e privadas; outro ponto interessante desse projeto é a piscina que é utilizada pelos cavalos para refrescarem-se após o seu treinamento para abaixar sua temperatura e banhar o animal. a fonte é utilizada como divisão entre a área privada da casa e do haras

entrada d o s jóqueis

O jóquei e seus cavalos entram por um acesso lateral marcado pelo grande muro rosa, em seguida desce até o tanque sobre o cavalo, que logo está imerso na água. Toda esta situação produzida é acompanhada pelo som da água, que cai como uma cascata do aqueduto, perfeitamente apoiada sobre outro muro. A disposição dos ambientes e a organização do programa desse projeto, é uma característica que desejo levar como

uso

público

entrada principal do haras

Fontes: http:// www.archdaily. com.br/br/0168137/classicosda-arquiteturaquadra-sancristobal-ef o n t e - d o s amantes-luisb a r r a g a n

23


LEVANTAMENTOS

III. 1 - ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DO PROJETO

F o n t e : Google Earth

Sendo a equoterapia um método mais novo e não tão conhecido por todos, a intenção é poder trazer esse tipo de tratamento para a cidade de Ribeirão Preto, podendo atender tanto os moradores de Ribeirão Preto, quanto das cidades mais próximas da região, considerando que o local escolhido possui

um acesso rápido pela Rodovia Anhanguera, e Avenida Thomaz Alberto Watherly. A área escolhida para implantação do Centro de Equoterapia de Ribeirão Preto, está localizada no Bairro Jóquei Clube, próxima a faculdade Centro Universitário Moura Lacerda, e próximo ao Aeroporto Leite Lopes. O terreno é grande, amplo, sem muitos desníveis. A área total é de mais de 348 mil m²; porém apenas uma parte do terreno é utilizado com aluguel de baias. Essa área utilizada possui cerca de 38 mil m².

Possui fácil acesso, tanto com meios de transporte particular, pois está localizada ao lado da Rodovia Anhanguera, como também por meios de transporte público, possuindo seis linhas de ônibus circulando pela região, sendo estas Noturno Nordeste / Jd. Aeroporto / Jd. Salgado Filho I / Ribeirão Verde / Ribeirão Verde II / Aeroporto Leite Lopes. Além desses fatores positivos, a área apresenta uma certa importância histórica na cidade, por ter sido o primeiro Jóquei Clube de Ribeirão Preto. Segundo informações do ATHIS (Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social), esta área é um local muito carente e se encontra em uma situação muito precária, principalmente em relação ao assentamento humano, sendo que alguns pontos próximos deste local encontramos algumas favelas como a João Pessoa e Nazaré Paulista. irregulares de Ribeirão Preto. O mapa a seguir foi retirado de um estudo feito pela prefeitura da cidade e deixa evidente a quantidade de núcleos de favelas da zona norte com o restante da cidade. A área total do lote é de um pouco mais que 348.701 m², o Jóquei Clube foi inaugurado em Ribeirão Preto, pelos empresários que pertenciam ao também Jóquei Clube de São Paulo, que tiveram o intuito de trazer um esporte mais sofisticado para à cidade, um local que além de ser utilizado para os jóqueis praticarem suas corridas ou hipismo também possuía um local para recreação pós-prática.


Assentamentos próximos

da

Mapa localizando irregulares de

Imagens Entrada acesso as

todas

visita

irregulares região:

os Ribeirão

assentamentos Preto

da

área:

princial baias dos

que dá cavalos:

Fontes:

Arquivo

pessoal,

2017

Fontes: Arquivo pessoal, 2017

Fonte:

Arquivo

pessoal,

2017

Foto tirada de cima da arquibancada, que hoje se encontra totalmente abandonada. Sua estrutura em aço da cobertura continua em boas condições, porém não possui mais nenhum material para cobri-lá. Por ser um local mais alto, é possível visualizar

boa

Fonte: Arquivo pessoal, 2017

parte

de

todo

o

terreno

As baias possuem uma arquitetura muito marcante. Suas coberturas de telhas romanas possuem duas águas, e um shed que permite a ventilação do interior. O pé direito do edifício é de aproximadamente 6,5 metros. O interior das baias possui o acabamento em concreto aparente, sendo que os exteriores das baias apresentam o acabamento em pintura, com duas cores, o verde floresta e o amarelo claro, dando personalidade ao edifício. Sua estrutura se encontra em perfeito estado, apesar de ser perceptível a ação do tempo.

25


cavalos que alugavam as baias para hospedar seus animais, foram se desinstalando do local, ou se desfazendo dos animais, o que ocasionou um aumento das dívidas financeiras, já que o local era mantido por títulos e alugueis de baias. Hoje o local ainda funciona, porem se encontra em um estado crítico em relação a sua infraestrutura. Devido a algumas inadimplências com órgãos como Daerp, parte dessa área total do lote foi leiloada, e comprada pelo Aeroporto Leite Lopes. O aeroporto lutou por anos na justiça para conseguir o direito de construir sua expansão da pista neste local, e a área comprada pelo mesmo vária em torno de 53mil m². Seu anteprojeto divulgado nos mostra as mudanças que serão necessárias para o local,

Fontes: Arquivo pessoal, 2017

Porém, aos poucos isso foi se acabando, não se sabe ao certo os motivos pelo qual não houve uma manutenção do local para que ele continuasse ativo, acreditasse apenas que

muitos

dos

donos

de

Fonte: Geralo

Blog Gerold.


III. 1.2 - LEGISLAÇÃO

MACROZONEAMENTO E LEGISLAÇÃO COMAR

como a mudança do fluxo da Avenida Thomaz Alberto Whately, que seria interligada com a Avenida Oreste Lopes de Camargo. Proposta de expansão do aeroporto: O local escolhido se encontra na ZONA ZUR – Zona de urbanização restrita, que significa:

O nível da pista do aeroporto de Ribeirão Preto se encontra na cota 550 m, a partir da cota 590 m, o projeto deve pedir autorização do COMAR. Se o desnível do terreno for para baixo, o terreno escolhido está abaixo do nível da pista do aeroporto.

III - ZUR - Zona de Urbanização Restrita: composta principalmente por áreas frágeis e vulneráveis à ocupação intensa, correspondente à área de afloramento ou recarga das Formações Botucatu - Pirambóia (Aqüífero Guarani) conforme especificado no Plano Diretor e no Código do Meio Ambiente, onde são permitidas baixas densidades demográficas, incluindo grande parte da Zona Leste e parte da Zona Norte do Município (Site da Prefeitura de Ribeirão Preto – Mapas de macrozoneamento). Devido à proximidade com o aeroporto da cidade, Leite Lopes, a área também está sob legislação do COMAR (Comando Aéreo Regional da Aeronáutica) - Decretos Federais de n.º 83.399/79 e n.º 89.431/84, e por isso deve obedecer a algumas restrições de edificação. Empreendimentos a serem construídos na área de aproximação/ decolagem, tem que ter seus projetos submetidos ao COMAR, para não afetar nas manobras das aeronaves e na operação dos equipamentos de auxílio à navegação.

27


III. 2 - TOPOGRAFIA

A plana

topografia e com um

do local é leve declive.


III. 3 - VEGETAÇÃO

Imagens árvores

de algumas encontradas no

das local:

S I B I P I R U N A S :

O mapa nos mostra as árvores existentes no local. A área projetual escolhida tem seu terreno permeável por quase toda a sua extensão (em exceção para o local das baias dos cavalos).

Fontes:

Arquivo

pessoal,

2017

S I B I P I R U N A :

Fontes:

A

R

Arquivo

O

E

I

R

pessoal,

A

J

A

T

O

B

Á

:

2017

:

F o n t e s : A r q u i v o pessoal, 2017

29


III. 4 - USO DO SOLO

Ao analisarmos o mapa de uso do solo, podemos perceber que a área é predominantemente ocupada por habitações, sendo que a maioria situada ao lado do aeroporto Leite Lopes são moradias irregulares e de baixa renda. A maior parte encontrada dos setores de comércio, serviço e indústrias estão localizados mais próximo ao Aeroporto Leite Lopes. O projeto tem como objetivo, além de proporcionar a prática da equoterapia de forma pública, também contará com projetos voltados à cultura e lazer, facilitando o acesso à meios sociais e culturais para esta população mais carente.


III. 5 - FIGURA - FUNDO / GABARITO

A área de estudo possui alguns pontos bem adensados, principalmente por moradias irregulares próximas da linha ferroviária e próxima ao aeroporto.

Por ser próximo do aeroporto, as edificações existentes apresentam o gabarito baixo (em até 1 pavimento) devido a zona de segurança, o que favorece a ventilação natural do local, já que os ventos predominantes (Sudeste / Noroeste) podem circular sem nenhuma barreira ao longo do seu percurso.

31


III. 6 - EQUIPAMENTOS / MÓBILIÁRIO URBANO

A área projetual é carente de equipamentos urbanos, pois como podemos observar, os únicos equipamentos próximos do lote são, uma creche, uma escola de educação pré-escolar e um equipamentos de grande escala que é o aeroporto. O local também é carente de móbiliários, sendo que o único encontrado no entorno foram pontos de ônibus


III. 7 - HIERARQUIA VIÁRIA

33


PROPOSTAS

IV. PROPOSTAS

F

l

u

x

o

g

r

a

m

a

:

IV. 1 - PROGRAMA DE NECESSIDADES A partir destas informações, foi possível desenvolver um esquema de áreas para cada setor do programa de necessidades. Área total do terreno à ser utilizada é de 270 mil m², sendo que:

se

A escolha da deu pelo seu

área de intervenção passado equestre. A

intenção do projeto é poder estabelecer seu devido valor histórico, restaurando a arquitetura existente, e agregando um novo projeto para área para poder suprir as demais necessidades do local. O projeto contará como a revitalização das baias existentes, sendo que as baias localizadas na parte norte do terreno manterão seu uso privado, sendo utilizadas apenas por meio de aluguel, as demais baias encontradas na parte sul do terreno, serão designadas para os cavalos que serão utilizados na prática da equoterapia. Um novo edifício será projetado, utilizando elementos arquitetônicos como o concreto, metal e vidro. A proposta para o projeto é que o edifício projetado tenha uma interfênrencia de modo sútil na paisagem, para que tenha uma integração com a paisagem, transmitindo uma sensação de levesa, garantindo assim a valorização da arquitetura existente.


IV. 2 - PERSPECTIVAS

35


37


MEMORIAL

Com um total de 348 milm² , o terreno do Centro de Equoterapia Parque e Lazer Jóquei Ribeirão está localizado no Jardim Jóquei Clube, entre as avenidas Thomaz Alberto Whately e Orestes Lopes de Camargo. O terreno tem suas caracteristicas plana, sem muitos desniveis, e é privilegiado por uma extensa área verde, e com uma ótima ventilação e insolação. O projeto abriga diversos setores

baias, tambem de aproximadamente 13 m². Está previsto uma revitaliação para essas baias existentes, onde será mantido sua configuaração atual e substituindo apenas os itens quem mais sofreram com a ação do tempo. Sua estrutura original se encontra em perfeito estado, sendo necessário reparos apenas na pintura externa, que será mantido suas cores originais, sendo amarelo claro e verde floresta, e nas portas de madeira

que será utilizado para o sistema de irrigação das áreas verdes e do feno. Pensando na sustentabilidade e na diminuição de gastos, o projeto conta também com sistema de placas de energia solar, que também se encontram localizados na cobertura do edificío. Tendo como premissas a acessibilidade para qualquer indivíduo, o edifício foi projetado em um único nível de piso, que se

para atividades específicas, tendo seu principal foco a prática da equoterapia. Tendo como diretriz projetual, um parque, que está localizado na parte Oeste do terreno, será possível atender a necessidade de um equipamento de lazer para a Zona Norte de Ribeirão Preto, contando com extensas áreas verdes, quadras poliesportivas, pista de skate, ciclofaixa, passeios para pedestres e áreas de convivênica. A distribuição do projeto foi feita à partir dos levantamentos e estudos do terreno e de seu entorno. Na parte Leste do terreno está localizado o projeto do Centro de Equoterapia, onde estão as baias para os cavalos. Existem dois pavilhões de baias o da parte de cima, voltado para fachada norte, será destinado ao uso privado, sendo utilizadas apenas por meio de aluguel, são no total 75 baias de aproximadamente 13 m² cada; as de baixo, voltado para a fachada sul, será destinado para uso dos cavalos

das baias, que serão mantidas com as mesmas características, mudando apenas seu sistema de abertura, de porta convencional, para porta de correr, para facilitar o manuseio. Além desses reparos, será implantado um novo sistemade borrifamento de água com citronela dentro das baias, para garantir uma temperatura mais baixa em dias quentes, e também para afastar os insetos que tanto incomodam os cavalos. A separação entre o parque e o centro de Equoterapia, se dá por um cinturão verde, de árvores e vegetação, que envolve toda a circunferência do parque. Esse cinturão verde separa de modo visual o que é o parque e o que é o Centro de Equoterapia, pois a passagem acaba sendo livre para aqueles que quiserem conhecer os locais. Mais de 11 mil m² serão utilizados para o plantio de feno, podendo assim diminuir os gastos com a alimentação dos animais, já que cada cavalo come em média de 3 kg de feno por dia. O edifício projetado, terá um sistema

inicia desde o local de embarque e desembarque para veículos, até a pista para prática da equoterapia. O acabamento escolhido para esse piso foi o cimento queimado, devido seu baixo custa e facil aplicação. Para o projeto foi sugerido o uso de lajes mistas , que consiste na fôrma permanente nervurada de aço como suporte para o concreto antes da cura e da atuação das cargas de utilização. Após a cura do concreto, os dois materiais, a fôrma de aço e o concreto, solidarizam-se estruturalmente, formando o sistema misto. Após isso será apoiada sobre as vigas de aço , que descarregaram seus esforços sobre os pilares também de aço. O acabamento de todas as paredes do edifício também será no concreto queimado, sendo que os elementos de acabamentos utilizados em todo o projeto são o concreto aparente, vidro e objetos metálicos, que foram pensados para que obtivessem uma interferências de modo sutil na paisagem, garantindo assim uma integração

utilizados na equoterapia, no total de 45

de coleta de água da chuva em sua cobertura,

com

o

externo,

e

também

a

valorização


da arquitetura existente das baias. O desenho de folhas de portas pensadas para esse edifício funcionaram como um emento único, que vai desde o nível do piso, até quase encostar em sua laje, sendo de madeira, para contrastar com os elemento de metais e de concreto utilizados no projeto, mas sem causar uma interferência de modo que chame mais atenção que qualquer outro elemento. Também funcionam como o

com capacidade para 32 veículos. De acordo com as leis de trãnsito, todo o entorno do lote também garanti vagas para estacionamento , caso seja necessário. Complementando-o, um extensa área verde de grama, voltado para o lazer contemplativo dos usuários, para que estes possam permanecer em um local que proporcione tranquilidade e relaxamento. O edifício possue uma lanchonete/

sistema de correr, o que garante além da facilidade para abrir, proporciona uma aparência diferente em cada momento para a fachada do edificío, já que essas folhas podem correr por toda a extensão da parede. As aberturas desse edifício foram pensadas para que seja como uma rasgo em toda a extremidade final das paredes , 1 metro abaixo do pé direito, de modo que as paredes funcionem apenas como vedações dos ambientes , já que toda a estrutura do edifício possue uma estrutura independente, permitindo com que os fechamentos tenham caracteristicas de uma planta livre. Somente a abertura da lanchonete/ café, e da recepção que ocupam quase toda a extensão da parede, para poder proporcionar a sensação ao usuário de integração com a paisagem. O acesso para o Centro de Equoterapia permaneceu no mesmo local, voltado para a Avenida Carlos Drumond de Andrade, logo após avançar pela sua entrada principal, nas laterias se encontra o estacionamento,

café , uma grande área de convívio, sala para atendimento veterinário para os cavalos, sala para o fisioterapeuta, sala de atendimento psicológico, administração, recepção, sala para funcionários, depósito, um módulo de banheiro para os usuários, e outro para funcionários, todos pensados para que haja harmonia com o espaço. Com relação a vegetação, todas as arvóres existentes serão mantidas, sendo elas da especié Sibipiruna, Aroeira e Jatobá, e as demias árores que serão plantadas, serão todas de clima tropical e nacionais, para se adequarem perfeitamente ao clima de Ribeirão Preto. Para as forrações serão usadas a grama Esmeralda e a grama Amendoim. Os muros de alvenaria existentes serão substituidos por um muro de vegetação, a Murta, pois é uma espécie que cresce e se torna uma cerca viva, trazendo segurança e limitando o espaço sem precisar usar alvenaria ou grades. Destas forma, tanto os usários de dentro do Centro de Equoterapia, quanto

que

do parque, quanto os que estão fora do lote,

possui

aproximadamente

124

m²,

tem um campo de visão maior, tendo a sensação de integração com o ambiente inserido.

39


O edifício projetado, terá um sistema de coleta de água da chuva em sua cobertura, essa água coletada será tratada através de um filtro que remove os detritos, e posteriormente será levada pra o reservátorio inferior, que está enterrado. O sistema recebe somente águas pluviais incidentes na cobertura. A primeira água é descartada, e as demais passam pelos condutores e são direcionadas para o reservátorio. As águas coletadas serão utilizadas somente para irrigação do feno e da vegetação.

SISTEMA CONSTRUTIVO

SISTEMA DE ENERGIA SOLAR

O sistema construtivo de laje escolhi para o projeto foi o sistema de lajes mistas. Esse sistema consiste na utilização de fôrma permanente nervurada de aço como suporte para o concreto antes da cura e da atuação das cargas de utilização. Após

Será implantado na cobertura do edifício dois sistemas de energia fotovoltáica, um para o funcionamento das bombas de irrigação , e outro para a iluminação do Centro de Equoterapia. Para o sistema fotovolteico de uso

a cura do concreto, os dois materiais, a fôrma de aço e o concreto, A fôrma de aço substitui então a armadura positiva da laje, solidarizam-se estruturalmente, formando o sistema misto. Após isso será apoiada sobre as vigas de aço , que descarregaram seus esforços sobre os pilares também de aço.

para bombeamento ou irrigação, será utilizado dois paines que funcionam quando a luz do sol atinge o painel solar e ele gera energia elétrica em corrente contínua para alimentar a bomba. Ou seja, quando tem pouco sol a vazão da bomba é menor. Para o sistema fotovolteico de iluminaçao será instalado 4 paineis. Os componentes necessários para a implantação desse sistema são: 1. disposição de módulos fotovoltáicos, 2. PV módulo combiner, 3. controlador de carga/ regulador de tensão, 4. DC TO AC inverter 5. banco de armazenamento de baterias.

Imagem que mostra o tipo laje utilizada no projeto.

Sistema reservatório

DETALHES CONSTRUTIVOS

SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA

Imagem que mostra o tipo de sistema de energia solar.

de um subterranio

41


BIBLIOGRAFICAS:

ARQUITETURA E AÇO: Instalações comerciais. (São Paulo): Roma, 10 jun. 2007. Disponível em: <https:// www.passeidireto.com/arquivo/10839370/revistaaa_10_ instalacoescomerciais/1>. Acesso em: 20 mar. 2017. RESSOCIALIZAÇÃO (Doutorado) -

YAMADA, Gabriela; TURTELLI, Camila. Favela cresce em Ribeirão e põe ampliação de aeroporto novamente em xeque. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com. br/cotidiano/ribeiraopreto/2014/12/1559461-favela-

Arquitetura e Urbanismo, Centro Moura Lacerda, Ribeirão Preto, 2016

cresce-em-ribeirao-e-poe-ampliacao-de-aeroportonovamente-em-xeque.shtml>. Acesso em:01 mai. 2017.

SUZETE. EQUOTERAPIA. Disponível em: < h t t p : / / w w w. s a u d e i n t e g r a l . c o m / a r t i g o s / equoterapia.html>. Acesso em: 13 abril 2017.

SILVEIRA, Michele Marinho da; WIBELINGER, Lia Mara. A EQUOTERAPIA COMO TRATAMENTO TERAPÊUTICO NA ESCOLIOSE E NA CIFOSE. Disponível em: <http://www.novafisio.com.br/aequoterapia-como-tratamento-terapeutico-naescoliose-e-na-cifose/>. Acesso em: 19 abril, 2017.

PULCCINI, ANIMAL.

Marcela. COMPLEXO DE 2016. 60 f. Tese

Curso de Universitário

SANTOS. A EQUOTERAPIA NO BRASIL. Disponível em: <http://associacaoequoterapia.com.br/historiada-equoterapia/>. Acesso em: 25 mar. 2017. LIMA, Carine Pereira. CENTRO HÍPICO.  2013. 65 f. Tese (Doutorado) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário Moura Lacerda, Ribeirão Preto, 2013.

BRITTO, Fernanda. Casa projetada por Luis Barragán está à venda. Disponível em: <http://www. archdaily.com.br/br/01-89864/casa-projetada-por-luisbarragan-esta-a-venda>. Acesso em: 19 abril 2017.

GERALDI, Guilherme. Aeroporto de Ribeirão Preto tem projeto de ampliação aprovado pelo governo. Disponível em: <http://guilhermegerold. b l o g s p o t . c o m . b r / 2 0 1 4 / 11 / a e r o p o r t o - d e - r i b e i r a o preto-tem-projeto.html>. Acesso em: 01 mai. 2017.

HOLANDA, Mariana de. Clássicos da Arquitetura: Quadra San Cristóbal e Fonte dos Amantes / Luis Barragán. Disponível em: <http://www.archdaily.com.br/br/01-68137/ classicos-da-arquitetura-quadra-san-cristobal-e-fontedos-amantes-luis-barragan>. Acesso em: 13 abril 2017.

LIMA, Mauricio. Parque das Águas deve ser aprovado neste mês: Projeto de Rosa Grena Kliass

SERAPIÃO, Fernando. Mauro Munhoz Arquitetos Associados: Centro hípico, Campos do Jordão-

e do escritório Barbieri & Gorski prevê a construção

SP:

TÉCNICA

E

SENSIBILIDADE

EM

HARAS

NA SERRA PAULISTA. Disponível em: <https:// arcoweb.com.br/projetodesign/arquitetura/ mauro-munhoz-arquitetos-associados-centrohipico-19-09-2005>. Acesso em: 13 abril 2017. CALLIARI, Mauro. O Parque da Juventude O poder da ressignificação. Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/ read/projetos/14.162/5213?page=3>. Acesso em: 11 maio 2017.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

REFERÊNCIAS

dos equipamentos em palafitas, para que as cheias do rio Madeira não inviabilizem o acesso dos visitantes. Disponível em: <http://piniweb.pini.com.br/construcao/ arquitetura/parque-das-aguas-deve-ser-aprovadoeste-mes-209118-1.aspx>. Acesso em: 01 mai. 2017.


43


B

N

AVENIDA CARLOS DRUMOND DE ANDRADE

+3.0

AVENIDA THOMAZ ALBERTO WHATELY

A

3.00

+

+2.0

0.0

+1.0

+

0.0

+0.0

+

AVENIDA ORESTES LOPES DE CAMARGO IMPLANTAÇÃO ESCALA 1:1000 B

A


PIQUETE

BAIAS PARA CAVALOS COM LOCAÇÃO DE COCHEIRA

5,9

2,25

8,75

DEPÓSITO LANCHONETE / CAFÉ

COZINHA LANCHONETE / CAFÉ 1,7

4

3,2

4,17

RESERVÁTORIO SUBTERRANIO DE ÁGUA DA CHUVA

8,78

3,85

7,01

LANCHONETE / CAFÉ

9,6

27

6,5

7,65

8,15

7

3,35

7,7

WC FEMININO

SALA PSICOLOGA

SALA VETERINÁRIO

SALA FISIOTERAPEUTA

4

0,9

1,8

WC MASCULINO

3,85

1,55

ADMINISTRAÇÃO

4,9

1,8

RECEPÇÃO

5,8

+

SALA FUNCIONÁRIOS

7,04 1,5

1,7

2,75

1,55

7,35

3,45

DEPÓSITO EQUOTERAPIA VESTIÁRIO/ WC MASC FUNCIONÁRIOS

20

VESTIÁRIO / WC FEM FUNCIONÁRIOS

10

ESPELHO D'AGUA / ESPAÇO PARA BANHO DOS CAVALOS

FONTE

PISTA PARA PRÁTICA DA EQUOTERAPIA

BAIAS PARA CAVALOS DE USO DA EQUOTERAPIA

0.20


5,9

2,25

8,75

DEPÓSITO LANCHONETE / CAFÉ

COZINHA LANCHONETE / CAFÉ 1,7

4

3,2

4,17

RESERVÁTORIO SUBTERRANIO DE ÁGUA DA CHUVA

8,78

3,85

7,01

LANCHONETE / CAFÉ

9,6

27

6,5

7,65

SALA PSICOLOGA

1,8

SALA VETERINÁRIO

SALA FISIOTERAPEUTA

4

0,9

8,15

7

3,35

7,7

WC FEMININO

WC MASCULINO

3,85

1,55

ADMINISTRAÇÃO

4,9

1,8

5,8

RECEPÇÃO

SALA FUNCIONÁRIOS

1,7

1,55

1,5

2,75

7,35

7,04 3,45

DEPÓSITO EQUOTERAPIA VESTIÁRIO/ WC MASC FUNCIONÁRIOS VESTIÁRIO / WC FEM FUNCIONÁRIOS


4

7,01

27

3,2

BAIAS PARA CAVALOS DE USO DA EQUOTERAPIA


CAIXA D'AGUA

+0.20 0.00

0.00

CORTE AA ESCALA 1:500 CAIXA D'AGUA

+0.30 +0.20 0.00

CORTE BB ESCALA 1:500


4,5

CAIXA D'AGUA

+0.20 0.00

0.00

CAIXA D'AGUA

+0.30 +0.20 0.00


FACHADA LESTE ESCALA 1:500

FACHADA OESTE ESCALA 1:500

FACHADA SUL ESCALA 1:500

FACHADA NORTE ESCALA 1: 500


TFG CENTRO DE EQUOTERAPIA PARQUE E LAZER JÓQUEI RIBEIRÃO  
TFG CENTRO DE EQUOTERAPIA PARQUE E LAZER JÓQUEI RIBEIRÃO  
Advertisement