Issuu on Google+

Discipulado Cristão Dr Berndt D. Wolter

Introdução Creio na Bíblia! Tomo o seu conteúdo, analiso, comparo com outras de suas partes, confio naquilo que Deus quer dizer e decido com honestidade viver aquilo que o Espírito Santo me orientar fazer. Creio inquestionavelmente no poder das palavras escritas sobre Jesus e sei que são reais e verdadeiras: “Mas, a todos quantos o receberam, aos que creem no Seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” Jo. 1:12-13.

Da mesma maneira as palavras reveladas por meio do apóstolo também são reais: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.” Gl. 2:20.


2 Creio no desafio que Jesus fez para aqueles que querem segui-Lo de verdade: “E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim.” Mt. 10:38.

Conhecendo o elevado propósito que Jesus sonhou para aqueles que nEle cressem, creio também no efeito final daquilo que o Salvador providenciou por meio de Sua obra redentora: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.” Jo. 10:10.

Perguntas que devem estar martelando na mente do leitor: Por que o cristianismo aqui e ali parece falhar nesta capacidade de transformar vidas? Por que milhares de membros de igreja parecem nunca experimentar uma vida abundante? Por que ocorre que membros de igreja que são considerados fiéis, não são capazes de viver como o Mestre Jesus? O que acontece que somos mais influenciados pela cultura que nos rodeia do que pelos princípios bíblicos? Por que adequamos a nossa vida cristã a uma versão “socialmente aceitável”? Por que não ousamos viver o cristianismo nos termos em que a Bíblia o propõe? Por que acontece que toda vez que alguém quer viver o cristianismo em sua plenitude ele desvia por caminhos do fanatismo ao invés do caminho do serviço ao próximo e do amor expresso em bons relacionamentos? Por que... O cristianismo não Um exemplo muito infeliz: se exterioriza em Deixe-me exemplificar: ao redor de 12% da população de acusações e Ruanda na África central eram condenação brutais. adventistas. Festejava-se, 3 TS, 48. juntamente com outras denominações cristãs talvez o maior sucesso missionário de toda a história humana. Um país inteiro evangelizado em praticamente três décadas. O modelo e as ações empreendidas foram estudados por missiólogos do mundo inteiro, procurando achar os padrões que levaram a um sucesso tão completo como esse. De repente, na década de 90 um conflito étnico toma proporções horrendas envolvendo todo país. Aqueles que haviam aprendido a amar Jesus e decidiram pelo batismo seguir o Mestre, trocam os valores do Mestre pela fúria dos rancores tribais. A maioria hutu, em sua maioria cristã, quer resolver os problemas econômicos e sociais, numa simplificação ignorante colocando os Tutsis como a raiz de todos os males. Um confronto sangrento começa... não há números exatos, mas no fim dos conflitos, entre 1 e 2 milhões de pessoas foram mortas numa matança impiedosa. Membros da mesma igreja, que adoravam ao mesmo Jesus, se voltam uns contra os outros e os valores do evangelho e as palavras do Salvador não os puderam conter. Meu Deus, o que aconteceu ali? Será que a libertação prometida pelo Redentor (cf. Jo. 8:32) perdeu o poder? A cultura local subjugou o poder de Deus? Eu me nego a crer assim!!! Me nego a unir a minha voz à de alguns missiólogos que afirmam que a cultura tem maior poder do que o evangelho!!! O que este episódio sórdido quer dizer? Que mensagem ele nos deixa? É assim mesmo? Religião conforme com o mundo e seus valores e não com a palavra de Deus?


Outro exemplo sórdido: O exemplo da guerra civil americana no século XIX. A guerra da Secessão ocorreu entre 1861 e 1865 nos Estados Unidos e confrontou os estados confederados do sul latifundiários, aristocratas e defensores da escravatura e os estados do norte, industrializados e onde a escravidão era fortemente questionada. Dois grupos de cristãos “os do norte” contra “os do sul” levantam armas uns contra os outros. O pior foi despertado dentro do coração dos cristãos de ambos os lados, e não conseguiram mais viver como o Mestre havia ordenado... Os princípios do evangelho como o amor ao próximo, a humildade, a mansidão, oferecer outro lado, não tiveram efeito sobre as decisões feitas então. Nem o apelo do apóstolo Paulo para o momento quando há confronto entre irmãos: “O só existir entre vós demandas já é completa derrota para vós outros. Por que não sofreis antes a injustiça? Por que não sofreis antes o dano?” 1 Co. 6:7

Nem o mandamento “não matarás”, a lei de Deus (cf. Ex. 20) em toda sua força, foi eficaz para conter a fúria do confronto bélico de então. Os valores do evangelho não foram consultados para a tomada de decisões e o resultado sangrento deu glória unicamente ao inimigo: ao redor de um milhão de americanos foram mortos dos dois lados. Ninguém ganhou, só o diabo!!! Irmãos de fé colocaram de lado o alto chamado de ‘em tudo dar glórias a Deus’, deixaram também de cooperar com Deus no conflito entre o bem e o mal. “Pois a vossa obediência é conhecida por todos; por isso me alegro a vosso respeito; e quero que sejais sábios para o bem e símplices para o mal. E o Deus da paz, em breve, esmagará debaixo de vossos pés a Satanás. A Graça de nosso Senhor Jesus seja convosco.” 1 Co. 16:7

Um exemplo que atinge a mim e a você: Os exemplos que vimos até aqui parecem estar longe em espaço e tempo. Esse terceiro exemplo chega muito mais perto de mim e de você. Aqui descrevo o que se mescla em sua e em minha vida a cada dia, aqui no Brasil, com a mesma eficácia satânica que os exemplos anteriores. Uma verdade: o centro de nossa vida é Jesus e precisamos prestar atenção para não nos tornarmos religiosos na prática diária . Os ensinos Adventistas Quando estudo as Escrituras, fico penetram mais fundo e em muito mais áreas da vida do alarmada por causa do Israel de que os ensinos de qualquer Deus nestes últimos dias. ... outra religião sobre a face da terra – cristã ou não-cristã. Receio que estejam adormecidos, Não teria dificuldades de afirmar que os ensinos e tão conformados com o mundo adventistas tocam todas as que seria difícil discernir entre o áreas da vida do ser humano, com detalhes específicos para que serve a Deus e o que O não o nosso tempo – o tempo do serve. Está aumentando a fim. Mas cada área distância entre Cristo e Seu povo, destinada para a bênção do e diminuindo entre eles e o ser humano tem uma versão filosófica sutil que tenta mundo. Os sinais distintivos entre competir com os preceitos de Deus para este tempo. o professo povo de Cristo e o mundo quase que desapareceram. Como o Israel de outrora, seguem as abominações das nações que os cercam. 1 Test., 277.


4 Tabela 1 Quando o converso não permite o trabalho do Espírito Santo – quer por distração, desinteresse, fraqueza, por ignorância ou por falta do foco correto – Deus e o nosso relacionamento com Ele é tirado da cena de nossa vida e os conceitos e filosofias que nos cercam tomam espaço onde Deus gostaria de estar. Em outras palavras: não existe espaço vazio! Se não preenchemos o espaço com Deus – Seus conceitos, práticas e as atitudes de coração por Ele desejadas, Satanás ocupará este espaço com aquilo que a nossa cultura nos oferece. Como o quadro acima mostra, o cristianismo bíblico (que é o cristianismo desejado por Deus para este tempo do fim) é atropelado pelas filosofias que o envolvem descaracterizando-o quase que completamente. Os preceitos bíblicos poluídos pelas filosofias do mundo são vividos pela igreja por meio de um acordo mudo, marcado fortemente pelas ênfases sócio econômicas e culturais que marcam aquela sociedade. Ninguém ousa repreender o irmão, pois todos estão imersos na mesma situação cultural e os olhos não estão abertos para o desvio que se infiltra. Por que Deus precisaria investir tanto no Em outras palavras a comunidade de fé acaba entendendo os cristianismo do tempo preceitos bíblicos por meio das lentes de sua cultura, formando do fim, se Ele não uma tradição que concorda com elementos que a Palavra achasse que seria basicamente condena. necessário nos Um exemplo clássico, o último do quadro acima: Se distinguirmos alguém nos bate em uma face, a significativa e Bíblia nos diz que devemos marcadamente do oferecer a outra (cf. Mt. 5:39). Nossa cultura instrui que devemos mundo e das outras bater de volta. Temos racionalizações como: “eu não sou capacho religiões? de ninguém” ou “comigo é assim, Meu apelo não é para o bateu levou” ou “sou ser humano e tenho fraquezas” ou ainda fanatismo, mas para a “não levo desaforo para casa”. Desta maneira, influenciados dedicação ao serviço em pelas orientações da cultura amor e bom que nos cerca, decidimos suavemente contra o estilo de vida relacionamento e proposto pela Bíblia e encontramos apoio e compreensão em qualquer pessoa de nossa cultura, por que todos pensam assim. Outro exemplo: não é compreensível devolver o mal e a intriga que alguém cometeu contra um cristão? Nossa resposta é rápida: “ninguém é de ferro” ou “se deixar, fulano nunca aprende” ou “eu tenho que por um fim nisso”. A Bíblia diz que devemos amar nossos inimigos e orar por eles (cf. Mt. 5:44) e devolver o mal com o bem (cf. Rm 12:19-21), se necessário devemos suportar o prejuízo (cf. 1 Co. 6:7). O abandono suave e imperceptível dos princípios bíblicos vai corroendo a base da espiritualidade e uma desconfiança de si mesmo se introduz na fé. Esse espírito de desconfiança vai se instalando de maneira suave e imperceptível na coletividade da comunidade de fé. Todos percebem que algo não está bem, mas ninguém sabe exatamente o que está acontecendo.


Sistemas eclesiásticos inteiros começam a organizar-se em sua prática ao redor de valores que não procedem da Palavra. As filosofias e máximas do mundo as enredaram em enganos sutis, mas planejados. Há necessidade de trabalho A maior e mais urgente de planejado e intencional para todas as nossas uma volta à Palavra. Orientar os crentes em Jesus que o céu necessidades é um ainda não é aqui e que ainda estamos instalados em meio ao reavivamento da conflito entre o bem e o mal é a verdadeira piedade entre necessidade máxima. nós. Buscá-lo deve ser Orientá-los sobre a natureza do cristianismo do tempo do nosso primeiro trabalho. fim, que não é qualquer tipo de ação religiosa que caracteriza esse RH, 22/03/1887 cristianismo. Esse trabalho está acontecendo em parte do púlpito, mas até ali existe algo corroendo a eficácia. Pressupor que esse processo de aprofundamento espiritual acontece apenas coletivamente, em um grande rebanho, é simplificar demasiadamente as coisas e é subestimar as artimanhas do inimigo no conflito entre o bem e o mal. Deixe-me dar um exemplo: Em uma das igrejas que liderei surgiu uma crise. A igreja, por falta de comprometimento dos membros estava capengando tanto espiritual com institucionalmente. Nada funcionava mais. Tive que confrontá-la. Depois de um dolorido confronto, a igreja se reestruturou e irmãos se comprometeram de novo. Comecei uma rodada de visitas espirituais e acabei percebendo que boa parte dos irmãos ali sequer sabia o que era ser um adventista do sétimo dia. Dei estudos bíblicos doutrinário para irmãos e irmãs que estavam 20 anos na igreja. A reação de uma irmã está muito viva em minha mente. Ela disse: “é isso que é ser adventista? Por que ninguém fala mais sobre isso na igreja?” Indignado, peguei meu laptop e mostrei todos os sermões que eu havia pregado nos últimos dois anos. Mais uma surpresa dessa irmã: “o que está acontecendo que não prestamos atenção naquilo que é dito nos sermões?” Parece que o trabalho como o temos feito não está surtindo o efeito como outrora surtia. Há diversas causa para isso, mas a principal é a pulverização da sociedade e consequentemente da comunidade de fé. As pessoas estão muito mais tempo expostas a mundos tão distintos, que a exposição rápida e fortuita de três horas de culto no sábado de manhã, é como uma gota d’água no oceano. Erosão espiritual Da mesma maneira que o solo sofre erosão quando água passa muitas vezes no mesmo lugar, abrindo valetas enormes, levando consigo a terra fértil, ocorre também a erosão espiritual. Quem passa frequentemente pelo local de uma erosão, nem percebe como de maneira quase imperceptível, o solo vai sendo levado e a fertilidade vai diminuindo pouco a pouco até se tornar deserto. No extremo oriente havia mais de 6.500 espécies diferentes de arroz adaptadas às diferentes realidades climáticas e de solo. Com o “melhoramento genético” as grandes empresas substituíram essas milhares de espécies por 5 ou 6 muito mais produtivas. Ocorreu o que se chama de erosão genética. Perdeu-se toda uma variedade genética que a natureza havia fornecido. A perda foi quase que imperceptível, mas agora os


6 agricultores lembram que o avô ou bisavô plantava essa e aquela espécie e estão tentando recuperar. Erosão, perda de variedade, de fertilidade, destruição daquilo que Deus fez... Há um trabalho enorme para recuperar o que se perdeu, mas todos os que estão se empenhando tem tido a paga justa de sua busca. Fico abismado como poucos sabem o que é espiritualidade e como ela se desenvolve em nós. Por falta de o assunto ser trazido ao debate, muitos há que enveredam por três dos seguintes caminhos: 1. O caminho da “nova espiritualidade” que é promovida pelo movimento espiritualista da Nova Era, espiritualidade emocional, supersticiosa e vazia. 2. O caminho do desleixo espiritual, fazendo do cristianismo um evento semanal quando muito, espiritualidade egoísta e sem comprometimento. 3. O caminho do fanatismo ou extremismo que é altamente comprometido (por isso impressiona), mas utiliza ferramentas de manipulação, tirando textos fora do contexto forçando a consciência de outros. Como é a espiritualidade Adventista, para os cristãos que aguardam o breve retorno de Jesus? Espiritualidade não é aquela piedade moralista que se concentra em aparências exteriores e farsas socialmente impenetráveis. Também não é aquela superdependência egoísta que exige que Deus faça tudo por nós. Não é a superstição que espera vibrações sobrenaturais de Deus invadindo coisas e pessoas ao nosso comando. Também não é intelectualismo bíblico, ou religião de cabeça e assentimento mental. Espiritualidade também não é algo que temos ou não temos, é algo que desenvolvemos. Crescemos nos mais diversos aspectos da espiritualidade. Espiritualidade Adventista é o relacionamento honesto e sincero com o Senhor Jesus que influencia os relacionamentos consigo mesmo e com o próximo (cf. Mc. 12:30-31). Crescendo nesse relacionamento virá inevitavelmente a entrega completa e experiências mais profundas com Deus como Ele prometeu (cf. Jr. 29:13) e o comprometimento necessário para permanecer nessa experiência. Outro ponto inevitável, no entanto também crescente é a obediência. Não há espiritualidade biblicamente sustentável se não houver a requisitada obediência. É verdade que no início sabemos obedecer menos e com a experiência aprendemos a obedecer melhor, sem perdermos a nossa personalidade e a nossa vontade. Obediência é a submissão de uma vontade forte e sadia do ser humano à vontade de Deus. O chamado para a guarda dos mandamentos recebeu um sabor legalista e os que não os guardam, recebem repreensões sempre com sabor moralista. Tanto um quanto o outro nunca funcionaram para a construção de uma espiritualidade sadia. Como podemos falar da Lei de Deus sem ser moralistas ou legalistas? Amar com Jesus amou é parte dessa espiritualidade que o crente precisa manter em constante crescimento (cf. Jo. 13:34-35). Sabemos amar pouco no início de nossa experiência cristã. Deus vai nos guiando por experiências e se admitirmos o trabalho de Deus em nosso coração Ele desenvolve a nossa capacidade de amar. O mesmo acontece com a fé, a esperança, a humildade, a mansidão, o domínio próprio, a capacidade de ser pacificados e de viver misericórdia, etc.


Em suma a espiritualidade como expressa na Bíblia para o tempo do fim, é a santificação (cf. Rm. 6:22; 2 Ts. 2:13), se a qual ninguém verá a Deus (cf. Hb. 12:14). É o desenvolvimento daquelas características invisíveis em nós (cf. 2Co. 4:18; Mt. 5:1-12; Gl. 5:20-22), nos tornando mais semelhantes a Jesus. Foco desfocado: Se uma máquina fotográfica está com o foco no objeto certo, a foto vai sair com a nitidez planejada. Na tentativa de defender aquilo que é sagrado nos empenhemos em exaltar o periférico sobre Jesus, de sobrepor o essencial ao derivado.

Figura 1

Quantas vezes vi pessoas se digladiando sobre se pode isso ou aquilo, tentando amarrar o grau de espiritualidade a coisas exteriores, visíveis. Acontece mesmo com cristãos honestos e comprometidos. Trocam o foco da ênfase e vivem uma religião distorcida, que além de não fazer bem para ele mesmo, afasta outros de experimentarem um relacionamento comprometido com o Deus vivo. Cristianismo à milanesa: parece uma coisa por fora e outra por dentro.

Capítulo 1 O Plano de Deus Jesus criou a igreja para ser um Ele a projetou para ser um

A igreja é o instrumento apontado por Deus para a salvação dos homens. Foi organizada para servir, e sua missão é levar o evangelho ao

movimento não um monumento! movimento multiplicador em dois


8 sentidos: a) em poder espiritual no coração que traduzisse a pessoa de Deus em e através de nós (cf. 1 Co. 2:2-5; 2 Co. 3:2-3) e b) em número de pessoas com esse poder espiritual e presença geográfica da igreja de Deus (cf. At. 2:47; 6:1; . Crescimento e expansão são elementos indispensáveis para a lógica que Deus deseja. O Crescimento tanto interno quanto externo esperado por Deus, sempre foi muito maior do que aquilo que o ser humano conseguiu entender e praticar. Nas palavras de Albert Barlett: "o maior defeito da raça humana é nossa inabilidade de compreender a função exponencial." Dwight Nelson1 usa uma ilustração interessante para expressar o crescimento exponencial. Vou adaptá-la à realidade brasileira. Imagine um estádio de futebol que não deixe vazar água de seu interior. Imagine também que eu tivesse uma água mágica com a propriedade de dobrar o seu volume a cada minuto. Continue imaginando eu soltando uma gota desta água mágica no centro deste estádio. Em um minuto seriam duas gotas, em mais um minuto seriam quatro e em três minutos já seriam oito gotas e assim por diante 16, 32, 64, 128... Quanto tempo seria necessário para encher um estádio como o Maracanã 2 com 1.545.767m3 de volume interno? Em 41 minutos teríamos um nível de 2,26 metros de água sobre o campo. 93% do estádio todo ainda estaria vazio. Quanto tempo será ainda necessário para encher o restante do estádio? Com mais quase quatro minutos o estádio todo estaria cheio. Em quase quatro minutos, os faltantes 93% se encheriam! Impressionante, não é? Aqui está o poder do raciocínio exponencial, quanto maior a quantidade existente, mais rápido será o seu crescimento! Veja um gráfico desta realidade: Figura 2

Assim funciona boa parte da natureza, como por exemplo: a multiplicação de células depois da fecundação de um óvulo, a reprodução em cada espécie, se não houvesse morte, o crescimento da população ocorreria de maneira exponencial, o espalhamento de uma doença numa determinada área, se não for controlada, etc. A destruição da natureza que estamos promovendo por nossa falta de consciência ecológica também ocorre de maneira exponencial... Os resultados já estão sendo colhidos...


Este é o crescimento que Deus gostaria que tivéssemos: crescimento exponencial! Um seguidor de Cristo tornando-se poderoso nEle e ganhando outro; estes dois crescendo no poder do Espírito e ganhando outros dois, os quatro resultantes ganhando mais quatro... ANO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Tabela 2

N° membros 1 2 4 8 16 32 64 128 256 512

ANO 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

N° membros 1.024 2.048 4.096 8.192 16.384 32.768 65.536 131.072 262.144 524.288

ANO 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

N° membros 1.048.576 2.097.152 4.194.304 8.388.608 16.777.216 33.554.432 67.108.864 134.217.728 268.435.456 536.870.912

Aqui vai um desabafo de um coração desejoso de ir ao lar eterno e vai direcionado a cada membro da igreja de Deus, inclusive é um alerta a mim mesmo enquanto escrevo estas linhas: Não poderíamos crescer como Jesus o planejou? Somos um movimento profético, não Não é o discípulo somos? Não é esta característica principal do Adventismo? Nossa existência como igreja mais do que o foi profetizada. Não surgimos por outro seu mestre; mas motivo a não ser pela vontade todo o que for de Deus para esta época. bem instruído Fomos escolhidos para uma época especial para pregar uma será como o seu mensagem especial. Não que sejamos mestre. Lc. 6:40 melhores do outros cristãos, mas temos um trabalho especial a fazer. Se não fizermos este trabalho, não estamos sendo fiel ao chamado que Deus nos fez! Entendemos ainda que há pressa para a pregação do evangelho? Entendemos que estamos no tempo do fim? Nosso Mestre, chamado de “Aquele que testifica estas coisas” em Apocalipse 22:20, diz: “certamente cedo venho!” e a resposta de João foi “amém, vem Senhor Jesus!” O próprio Diabo sabe que tem pouco tempo: “o Diabo... sabe que pouco tempo lhe resta.” (cf. Ap. 12:12). Fomos chamados como movimento Adventista para restaurar as verdades da revelação e ao mesmo tempo restaurar o senso de urgência perdido ao longo do cristianismo. Precisamos entender o plano de Deus, a maneira como Ele quer crescimento e os meios que Ele providenciou para que este crescimento Quando Cristo disse aos ocorresse. Precisamos nos organizar, no formato que for discípulos: Ide em Meu nome ajuntar na igreja a necessário para cumprir com este plano de Deus. todos quantos crerem, deixou claro perante eles a necessidade de manterem simplicidade. Quanto menor a ostentação e exibicionismo, maior seria sua influência para o bem.

Igreja Primitiva Dizem os historiadores que antes do final do primeiro século de nossa era, já existiam ao redor de 1.000.000 de cristãos.3 Isto é, em 69 anos a igreja chegou a este número fantástico. Por que? Pois os recém conversos eram chamados a conhecer a esse Jesus e ser diferentes do mundo. O poder que


10 vinha de uma vida entregue, capitulada aos pés de Cristo, gerava esse crescimento exponencial. Dentro do plano de crescimento geométrico ou exponencial proposto e iniciado por Jesus, a igreja primitiva estava dobrando o número de membros em média a cada 3 a 5 anos, sem levar em consideração o enorme número de mortes pelas perseguições no primeiro século e pela baixa expectativa de vida de então. No quadro abaixo apenas uma imaginação matemática de um possível crescimento a partir de 12 discípulos depois da cruz (ano 31 AD) até o final do primeiro século seguindo o raciocínio de crescimento exponencial para 3,5 anos. ANO 31 35 39 43 47 51 55

N° membros 12 24 48 96 192 384 768

ANO 59 64 68 72 76 80 84

N° membros 1.536 3.072 6.144 12.288 24.576 49.152 98.304

ANO 88 92 96 100

N° membros 196.608 393.216 786.432 1.572.864

Tabela 3

É claro que eles viviam o que o Mestre lhes ensinara e assim tornaram-se muito eficazes na proclamação das boas novas. Só no Pentecostes a igreja pulou de 12 para 3012 discípulos. Depois houve outras muitas conversões pelo trabalho da igreja de Jerusalém. Se a igreja de Jerusalém tivesse estabelecido diversos ministérios, e tivesse saído do conforto da realidade que conheciam, a igreja teria crescido muito mais ainda. Quando Paulo iniciou o seu ministério independente da igreja de Jerusalém, num chamado feito direto de Deus a ele, a mesma igreja crescia entre os gentios enquanto a igreja em Jerusalém crescia entre os judeus. Paulo pregava o evangelho e preparava os novos conversos para que amadurecessem na fé e continuassem a proclamação no lugar onde estavam. O cerco de Jerusalém e a sua dissolução pouco antes do ano 70 levou os cristãos definitivamente a se inserirem no trabalho para o mundo e o Evangelho passou a ser proclamado mais intensivamente ainda. Estamos brincando com números aqui, apenas para firmar o raciocínio de crescimento exponencial. É claro que o crescimento não ocorreu como nos quadros aqui apresentados. Vem uma pergunta a nós: Como nós crescemos como movimento adventista no passado? Podemos repetir ou restaurar tal crescimento? Igreja Adventista Pioneira: O movimento Millerita, do qual a igreja adventista acabou se desenvolvendo, tinha ao redor de 100.000 seguidores nos 13-14 anos antes do grande desapontamento.4 Este movimento extrapolou em muito o crescimento exponencial. Eles dobravam em média o número de adeptos a cada 7 a 8 meses!!! Se o movimento Millerita tivesse seguido o padrão de crescimento exponencial que estamos estudando aqui, eles teriam atingido o número de 100.000 apenas 4 anos mais tarde.


Eles tiveram crescimento mais do que exponencial, eles precisaram de menos do que um ano para dobrar o número de membros. Abaixo, outro exercício sugestivo para entendermos o raciocínio exponencial. 5 Neste quadro representamos como poderia ser o desenvolvimento, se tivesse havido crescimento exponencial. ANO 1831 1832 1833 1834 1835

N° membros 1 2 4 8 16

ANO 1836 1837 1838 1839 1840

N° membros 32 64 128 256 512

ANO 1841 1842 1843 1844

N° membros 1.024 2.048 4.096 8.192

Tabela 4

Imagine cada discípulo de Cristo comprometido, treinado e realizado em satisfazer o sonho de Deus: fazer discípulos. Qual seria o resultado? Crescimento exponencial! Especialistas em crescimento de igreja, depois de estudar centenas de igrejas, em circunstâncias das mais variadas apresentam a seguinte avaliação do crescimento de uma igreja no quadro abaixo. Taxas de Crescimento Decenal – TCD TCD

Avaliação e observação

25%

- Pobre. Crescimento líquido anual ao redor de 2,5%, o que é quase um decreto de morte para a igreja. Para algumas igrejas pode ser apenas uma questão de tempo para a morte.

50%

- Regular. Crescimento que apenas mantém a igreja no nível da sobrevivência – 5% ao ano. Neste nível a igreja ainda pode ser recuperada e pode voltar a crescer saudável.

100%

- Bom. Crescimento bom da igreja. Ela dobra o número efetivo de seus membros a cada 10 anos com uma TCA de 8 a 12% ao ano.

200%

- Muito bom. Aqui entramos num patamar de crescimento surpreendente. Geralmente ocorre em igrejas menores e recém fundadas. A igreja tem que se preparar para o grande número de novos conversos, para que sejam alimentados, treinados e assim se unam à pregação do evangelho.

300%

- Excelente. Dobrar o número de membros a cada 3 a 3,5 anos é um feito almejável. Estruturas de integração precisam ser criadas para que não haja abandono da fé. Todos os membros, principalmente os mais maduros, precisam se envolver em ministérios que apoiem e instruam os novos conversos, auxiliem no ministério evangelístico e pastoral.

500%

- Fora do comum. Aqui seria dobrar o número de membros em 2 anos. Ocorre muito em plantios de novas igrejas quando feito de maneira correta. Também precisa de estruturas eficazes para o funcionamento da igreja voltado para um crescimento

Crescimento entre muito bom e possível fora do comum é o que menos um crescimento que vigoroso, saudável e urgente.

Deus requer que todos sejam obreiros em Sua vinha. Vós deveis lançar-vos à obra de que fostes incumbidos, e fazê-la fielmente. Bible Echo, 10/06/1901.

excelente, e é claro, se estou propondo aqui. Pelo expresse um cristianismo


12 Também estou propondo que se não estamos experimentando um cristianismo vigoroso, traduzido em crescimento saudável tanto espiritual como numérico, precisamos ajustar a nossa maneira de ser igreja de volta à forma mais adventista possível e abandonar qualquer elemento que roube este vigor. A principal característica da conversão de uma pessoa não Se cada um de vós fosse um missionário vivo, a é apreciar a salvação de tal maneira que fique desejosa de mensagem para este tempo pessoa? Imagine se isto repartir o que ganhou com outra seria rapidamente acontecesse de fato: pessoas sendo ganhas para o reino de Deus, proclamada em todos os depois do batismo sendo conduzidas para a maturidade países, a cada povo, e espiritual e serviço vigoroso e finalmente cada pessoa ganha nação, e língua. 3 TS, 71. se dedicasse a ganhar outras... Isto traria o desejado crescimento exponencial e cumpriríamos o desejo do coração de Deus. Mas que crescimento estamos de fato experimentando? É o crescimento espiritual e numérico que precisaríamos para terminarmos a pregação do evangelho em nossa geração? É o crescimento de uma árvore frondosa cheia de frutos? Você sabe quanto a sua igreja cresce de fato? Faça os cálculos e descubra quão eficaz está a sua igreja no crescimento.

Capítulo 2 Bonsai ou Árvore Frondosa? Independentemente do tamanho da igreja e dos métodos que ela use, inúmeras oportunidades para o seu crescimento estão diante dela sem serem notadas. Especialistas, consultores de crescimento de igreja dizem em uma voz, que nunca viram uma igreja na qual as oportunidades para crescimento (tanto espiritual como numérico) não tenham sido maiores do que a vontade da igreja em vivê-las.6 Uma igreja é como um gramado recém-plantado. Se alguém fica em pé sobre as sementes, os brotos de grama não têm chance. Dê-lhes água, luz e nutrientes e eles crescerão naturalmente. Dê-lhes o ambiente que precisam e se desenvolverão abundantemente. Deus quer agir em Sua igreja de tal maneira que nem as portas do inferno conseguirão prevalecer contra ela (cf. Mt. 16:18)! Para isto crescimento é necessário (espiritual e


numérico). Não há cristão comprometido que não entenda que a expansão do reino de Deus aqui na terra por meio de Sua igreja é imprescindível. Mas algumas perguntas surgem neste cenário: “Será que estamos tão acostumados a trabalhar com bonsais que perdemos de vista um crescimento contínuo e sem podas?” 7 Será que sempre que crescemos, temos que esbarrar nos limites que a institucionalização nos impõe? Será que nós, líderes de igrejas, estamos sendo como uma dinastia de jardineiros orientais que se especializaram em podar, tosar e cortar raízes e ramos de nossas igrejas de tal maneira que as árvores a nós confiadas cresçam apenas até onde podemos entender o crescimento? Será que na ânsia de fazer crescer a igreja como instituição, ela está se tornando um instrumento de poda, que exclua o indivíduo, seu chamado pessoal, sua paixão, seu sacrifício do processo? Será que o valor e a necessidade de envolver o indivíduo tornouse apenas um pensamento desejável? Será que crescimento organizacional pode tornar-se tão importante que as pessoas que podem produzi-lo podem ficar no meio do caminho? Provavelmente o problema da igreja local não é aquele irmão que se opõe ao crescimento, nem de uma disputa de opiniões ou ainda de diferenças entre irmãos na compreensão da teologia, mas a carência de uma visão adquirida pela igreja e um plano passível de ser executado. Se este crescimento não está acontecendo nem o foco no desenvolvimento do indivíduo, Se os cristãos agissem de precisamos de uma visão e um plano para alcançá-la que supere os obstáculos do ministério. comum acordo, Deus nos livre de na igreja avançando como um só local nós mesmos, com as nossas tradições e medos estejamos homem, sob a direção de sendo o principal obstáculo um único Poder, para a para que o crescimento da igreja venha vigoroso. Permita Deus realização de um só que a igreja possa ser igreja por objetivo, eles abalariam o causa do envolvimento e treinamento de membros leigos. Abençoe Deus que sejamos mundo. 9 Test, 221. igreja, por ser ali que eu descubro quem é Deus, quem sou eu e como posso usar aquilo que sou para a exaltação de Deus. Deus nos guarde de nos acostumarmos com bonsais de tal maneira que nem queiramos mais ver uma árvore grande e frondosa em toda sua pujança. O processo de discipulado ordenado por Jesus, praticado e exemplificado em Seu ministério nos dá o modelo como podemos deixar os bonsais e avançarmos para o crescimento e expansão que o Seu coração deseja há muito. A Realidade da Igreja Hoje Num documento contundente apresentado em outubro de 2010, a liderança da Igreja Adventista mundial reunida declarou: “A taxa de crescimento da Igreja simplesmente não está acompanhando o crescimento da população mundial. Uma avaliação honesta de nosso impacto evangelístico atual no mundo leva à conclusão de que, a não ser que haja uma mudança dramática, não concluiremos a comissão celestial nesta geração. A despeito de nossos melhores esforços, todos os nossos planos, estratégias e recursos são incapazes de concluir a missão dada por Deus para Sua glória na Terra.”8

Uma confissão honesta foi feita pelos líderes, que pela fragilidade humana nem sempre o foco esteve concentrado nessa dimensão de crescimento espiritual e numérico desejado por Deus.


14 Como Alberto Timm explica, esses conceitos são “amplos, multifacetados e com muitos desdobramentos.”9 Como apelo final o documento exalta 4 elementos: 1. Reavivamento 2. Reforma 3. Evangelismo 4. Discipulado Abaixo daremos uma conceituação básica por parte da revelação, o que não exclui estudo mais avançado:

Reavivamento:

“Arrependei-vos, arrependei-vos, era a mensagem proclamada por João Batista no deserto. A mensagem de Cristo para o povo era: "Se vos não arrependerdes, todos de igual modo perecereis." Lucas 13:5. E aos apóstolos foi ordenado pregar em toda parte que os homens deveriam arrepender-se. O Senhor quer que Seus servos hoje em dia preguem a antiga doutrina evangélica: tristeza pelo pecado, arrependimento e confissão. ... Deve-se trabalhar em prol do pecador, perseverante, fervorosa e sabiamente, até que veja que é um transgressor da lei de Deus, e manifeste arrependimento para com Deus e fé em nosso Senhor Jesus Cristo.” Manuscrito 111. Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e a mais urgente de todas as nossas necessidades. Importa haver diligente esforço para obter a bênção do Senhor, não porque Deus não esteja disposto a outorgá-la, mas porque nos encontramos carecidos de preparo para recebê-la. Nosso Pai celeste está mais disposto a dar Seu Espírito Santo àqueles que Lho peçam, do que pais terrenos o estão a dar boas dádivas a seus filhos. Cumpre-nos, porém, mediante confissão, humilhação, arrependimento e fervorosa oração, cumprir as condições estipuladas por Deus em Sua promessa para conceder-nos Sua bênção. Só podemos esperar um reavivamento em resposta à oração. 1 ME, 121. Digo-vos que deve haver entre nós um reavivamento completo. Tem de haver um ministério convertido. Precisa haver confissões, arrependimento e conversões. Muitos que estão pregando a Palavra necessitam da graça transformadora de Cristo no coração. Não devem permitir que coisa alguma os impeça de fazerem uma obra cabal e esmerada antes que seja para sempre demasiado tarde. Carta 51, 1886. Satanás sabe disto, e antes que o alto clamor da terceira mensagem angélica seja ouvido, ele suscitará um despertamento nessas corporações religiosas, a fim de que os que rejeitaram a verdade pensem que Deus está com eles. PE, 261. Antes de os juízos finais de Deus caírem sobre a Terra, haverá, entre o povo do Senhor, tal avivamento da primitiva piedade como não fora testemunhado desde os tempos apostólicos. O inimigo das almas deseja estorvar esta obra; e antes que chegue o tempo para tal movimento, esforçar-se-á para impedi-la, introduzindo uma contrafação. Nas igrejas que puder colocar sob seu poder sedutor, fará parecer que a bênção especial de Deus foi derramada; manifestar-se-á o que será considerado como grande interesse religioso. GC, 464-465.

Reforma: Precisa haver um reavivamento e uma reforma, sob a ministração do Espírito Santo. Reavivamento e reforma são duas coisas diversas. Reavivamento significa renovamento da vida espiritual, um avivamento das faculdades da mente e do coração, uma ressurreição da morte espiritual. Reforma significa uma reorganização, uma mudança nas ideias e teorias, hábitos e práticas. A reforma não


trará o bom fruto da justiça a menos que seja ligada com o reavivamento do Espírito. Reavivamento e reforma devem efetuar a obra que lhes é designada, e no realizá-la, precisam fundir-se. 1 ME, 128. Agora e daqui por diante até ao fim do tempo, deve o povo de Deus ser mais fervoroso, mais desperto, não confiando em sua própria sabedoria, mas na sabedoria de seu Líder. Devem pôr de parte dias de jejum e oração. Pode não ser requerida a completa abstinência de alimento, mas devem comer moderadamente, do alimento mais simples. CSRA, 188-189. Acautelar-se Contra Questões Secundárias Deus não esqueceu o Seu povo, escolhendo um homem isolado aqui e outro ali, como os únicos dignos de que lhes confie a verdade. Não dá a um homem luz contrária à estabelecida fé do corpo de crentes. Em toda reforma, surgiram homens pretendendo isso. ... Ninguém confie em si mesmo, como se Deus lhe houvesse conferido luz especial acima de seus irmãos. 2 TS, 103-104. O Senhor pede o renovamento do positivo testemunho apresentado em anos passados. Ele pede uma reforma da vida espiritual. As energias espirituais do Seu povo têm por muito tempo estado entorpecidas, mas há de haver um ressurgimento da morte aparente. Pela oração e confissão do pecado, precisamos preparar o caminho do Rei. 3 TS, 274-275.

O Sonho de Deus Um reavivamento seguido de reforma tal que o poder da igreja primitiva seja restabelecido, esse é o mais alto sonho de Deus para os cristãos em nosso tempo e para a finalização da pregação do Evangelho Eterno em nossa geração. O tempo é curto. Em toda Todavia isso apenas pode acontecer por meio do parte há necessidade de evangelismo e do discipulado. obreiros para Cristo. Deveria Por quê? Pois no haver cem trabalhadores desenvolvimento espiritual de uma pessoa, há certo diligentes e fiéis nos campos com a prática de um patamar que pode ser alcançado missionários nacionais e cristianismo mais meditativo (assistir aos cultos, ler a estrangeiros onde agora há só Bíblia e orar). Quando, no entanto, o crente quer ter um. Os caminhos e atalhos uma experiência mais profunda ainda não foram trabalhados. com Deus, ele precisa Urgentes incentivos devem descobrir seu(s) dom(ns), se lançar no desconhecido, se ser apresentados aos que dispor a servir e correr os riscos de levar uma pessoa para deviam estar agora Cristo pela senda do evangelismo e discipulado. Ele precisa empenhados em trabalho sair de sua área de conforto e partir para o desconhecido. A área de conforto pertence a nós. Quando nos detemos ali, nós estamos no controle. Ali nós mandamos e definimos o que, quando e como queremos a nossa vida. Quando saímos da área de conforto e avançamos para a área do desconhecido, Ele passa a ter o direito de mandar, definir o que, quando e como Ele quer que vivamos a ajamos. Essa é a maneira mais efetiva de passarmos o controle e guia de nossa vida para as mãos de Deus. O crente entra na área do desconhecido quando ele sai para o campo missionário, para qualquer uma das quatro dimensões da missão que o Espírito o chamar (cf. At. 1:8). Pode ser chamado para: • A dimensão Jerusalém – área perto de onde você vive; • A dimensão Judéia – sua região mais ampla; • A dimensão Samaria – o continente onde você vive;


16 •

A dimensão Confins da Terra – campo missionário mundial. "Manhã após manhã, ao É quando nos dispomos a ampliar a experiência com Deus, se ajoelharem os arautos do evangelho servindo conforme o nosso dom e o chamado que o Espírito nos perante o Senhor, fizer (cf. Is. 6:8) é que em oração e fortalecimento na Palavra renovando-Lhe seus crescemos para patamares nunca sonhados pelo cristão votos de consagração, passivo. A promessa de Jesus começa a se realizar na vida Ele lhes concederá a do discípulo: “eu vim pra que tenham vida e tenham vida presença de Seu Espírito, com Seu poder em abundância!” (cf. Jo. 10:10). vivificante e E isso apenas pode acontecer se esse cristão que quer uma santificador. Ao saírem experiência mais profunda for conduzido a ela por meio do para seus deveres discipulado. Ele precisa entender o chamado de Deus, precisa diários, têm eles a treinamento prévio para o trabalho, precisa de estrutura certeza de que a invisível atuação do espiritual para enfrentar as lutas, oposições e sofrimentos Espírito Santo os ligados a uma vida mais eficaz para Deus. É claro que ele pode aprender isso sozinho, mas o plano de Deus é que um cristão mais experiente ensine, compartilhe, seja ponto de referência para os momentos difíceis. Queremos deixar claro que não estamos propondo que a ação deve tomar o lugar da meditação. Pelo contrário, sem o primeiro, o segundo não passa de ativismo vazio. Resultado que Deus quer nos dar: Será que Deus quer nos dar os magros resultados espirituais e numérico que temos conseguido com todo esforço humano e institucional? E quando falo isso, estou me referindo à igreja aqui no Brasil onde temos experimentado crescimento significativo, não às áreas estagnadas da igreja ao redor do mundo. Quando falo isso estou comparando com o avanço exponencial que Deus planejou e espera de Sua igreja. Creio honestamente que Deus quer dar para cada crente e em consequência para a igreja as mais profundas experiências que nos encham do poder do Espírito. O que poderia resultar dali? Qual seria o resultado se cada crente desse foco principal ao relacionamento íntimo com Deus e colocasse a Deus em primeiro lugar em sua vida, como diz o mandamento (cf. Ex. 20:3)? O que seria se cada crente vivesse no dia a dia a coragem de negar-se a si mesmo, de tomar a Sua cruz e servir como e quando o Espírito o guiasse a fazê-lo? Que resultados surgiriam como dádiva de Deus? Uma explosão de poder espiritual na igreja? Dobrar o número de discípulos a cada 3 anos? Será que estou falando de utopia? Só porque não vimos isso acontecer recentemente? E se ousássemos crer? E se a obra de Deus se tornasse de novo a prioridade principal da vida de cada membro – como deveria ser entre os adventistas... E se experimentássemos andar pela fé e ousássemos fazermos o que Jesus nos pediu? Será que Deus está Apenas pelo fato de não retendo alguma coisa que termos visto este fenômeno recentemente, não quer dizer que é direito nosso? O amor ele seja impossível de que Deus derrama em ocorrer. Basicamente depende apenas de nós, não é? nosso coração não é É difícil? OK. Vamos dar dois anos para que cada membro suficiente? Deus está amadurecesse na fé e ganhasse outra pessoa para Cristo, retendo poder? Nossa levando-a ao amadurecimento na geração não é a correta? fé. Ou mais, como alguns Temos que esperar mais para a descida do Espírito


querem 3,5 anos, o mesmo tempo que Jesus levou para recrutar, treinar e enviar os Seus discípulos. Neste ritmo de 3,5 anos para cada discípulo fazer outro discípulo, alcançaríamos a população mundial muito antes do que o calculado acima! Na verdade estaríamos nos colocando a disposição do Espírito Santo para a Chuva Serôdia. piihj O que estamos fazendo? Já estamos na 5ª ou 6ª geração de Adventistas e ainda não fomos para o lar prometido... Será que a promessa e profecia de Jesus erraram quando Ele disse: “E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.”? Mt. 24:14. É claro que a volta de Jesus não depende exclusivamente de nós, senão a eternidade nunca iniciaria... É um trabalho conjunto da humanidade com a divindade, são esforços em que cada um faz a sua parte. Mas Deus também não fará sozinho. Ele decidiu envolver o ser humano. Quando nos dispusermos a fazer tudo que está ao nosso alcance, Deus fará tudo o que está fora de nosso alcance! É claro que Deus é soberano e Ele age onde e como quiser em Sua infinita sabedoria. Podemos ver aqui e ali a Sua ação sem usar o ser humano, quando guia indivíduos ou grupos inteiros para a salvação por Sua direta intervenção. Mas isto é exceção! Deus escolheu nos envolver nesta obra, pois sabia como faria bem ao nosso próprio crescimento como discípulos de Cristo, ajudar na salvação de outras pessoas. Distraídos? Por nossa vez, temos nos distraído com muitas coisas, algumas coisas muito santas e outras até mundanas. O diabo tem feito o seu trabalho nos mantendo ocupados com muita coisa, e com muita coisa boa. Onde está aquele foco que o povo de Deus deveria ter no tempo do fim, às portas do início da eternidade? Onde está aquela visão clara do breve resgate do povo de Deus das garras inimigas...? As profecias bíblicas têm sido claras: o fim se aproxima (cf. Dn. 2, 7, 8 e 9; Ap. 2 e 3; Ap. 6 e 8:1; Ap. 12:12; Ap. 14:6-12; 22:20; etc.). Jesus vai voltar e nos levar para o lar eterno com Ele, e isto ocorrerá muito em breve! Você ainda crê que uma igreja poderosa e servidora e a consequente breve volta de Jesus é o maior desejo do coração de Deus? Você ainda crê que Jesus quer nos levar para casa e terminar logo com este conflito? Se você crê nisto com todas as fibras de seu ser, isto traz implicações para a sua vida! Implicações práticas que não podemos desconsiderar. No passado já tivemos que fazer mudanças drásticas em nossa vida de igreja, mudanças estas que envolveram confrontos e lutas que se estendem até hoje.


18

Capítulo 3 Nossa Maior Necessidade: Reavivamento e Reforma Em 1888 em Minneápolis estávamos precisando de uma reforma teológica na igreja, para que o reavivamento e reforma na vida de cada crente pudesse ocorrer. A nossa compreensão de Deus e a abordagem da pregação eram inadequados para os elevados planos que Deus tinha para este movimento. Havia problemas e Deus não abandonaria o movimento de Seu coração.10 Ele providenciou a compreensão necessária, desatando assim as cadeias que naquele então nos seguravam em padrões de crescimento muito aquém daquilo que Deus desejava. Veja os gráficos que mostram o desatar dos nós em 1888. Veja como a igreja reagiu em seu ânimo Figura 2 para multiplicar igrejas. Ciente do pouco tempo que resta, não há dúvida que Deus precisava intervir ali onde era necessário naquele momento da história do conflito entre o bem e o mal. Será que há para o nosso tempo, algo que nos torne mais eficazes? Será que não estamos precisando de uma nova intervenção de Deus na igreja como a de 1888? Ou será que estamos

Figura43 Figura


fadados a ir diminuindo de relevância no mundo completamente desajudados? Será que precisamos de outra reforma teológica? Não creio que uma reforma teológica seria necessária e nem relevante neste momento da história. Creio que nossa teologia está adequada e representa bem a verdade presente, sendo, é claro, bem-vinda toda nova luz ou compreensão dela que ainda nos falte. Ajustes de nossa compreensão teológica para o nosso tempo, como já o temos feito regularmente através das publicações oficiais da igreja, trazem pequenos picos de ânimo localizado, mas não uma reforma vasta e profunda que redunde em um crescimento vigoroso. Sobre o povo de Deus tem Sim precisamos ler e estudar o que já temos, pois ainda hoje brilhado luz acumulada, o povo de Deus perece por falta de conhecimento (cf. Os. 4:6). mas muitos têm Mais do que em qualquer negligenciado seguir a luz época precisamos de uma reforma missiológica! Precisamos por essa razão se acham parar de negligenciar as num estado de grande verdades que já temos. Precisamos debilidade espiritual.... Não trabalhar melhor, não necessariamente mais; trabalhar de maneira mais instruída, mais é por falta de conhecimento que o povo ousada e corajosa, mais de Deus está perecendo coordenada e menos agora. SC, 39. negligente. Precisamos de iniciativas mais espontâneas, onde permitimos a direção do Espírito Santo na vida de cada crente. Precisamos de mais espaço para que obreiros e membros leigos possam usar a sua criatividade santificada. Precisamos valorizar as iniciativas onde o Espírito as façam surgir. Precisamos sim recrutar e capacitar aqueles que se sentem chamados pelo Espírito. O controle sobre cada Figura 5 Um reavivamento da verdadeira iniciativa tem nos dado piedade entre nós, eis a maior e segurança e percepção daquilo que está acontecendo em a mais urgente de todas as cada área da obra, mas tem matado iniciativas e a nossas necessidades. Buscá-lo, deve ser a nossa primeira criatividade espontânea do indivíduo.11 ocupação. Importa haver Temos uma profunda necessidade de liderança diligente esforço para obter a visionária que estabeleça visões bênção do Senhor , não porque claras e saiba como liderar o povo para experiências de sucesso. Precisamos Deus não esteja disposto a trabalhar com liberdade mais ampla na utilização de outorgá-la, mas porque nos encontramos carecidos de métodos, conforme se mostram necessários em cada situação preparo para recebê-la... específica. Precisamos trabalhar mais como igreja instruída e Compete-nos, porém, mediante unida: leigos e pastores. confissão, humilhação, De nada adianta enfatizarmos mais a verdade, arrependimento e fervorosa desenvolver sistemas que a expressem em maiores oração, cumprir as condições estipuladas por Deus em Sua minúcias, se não estivermos dispostos a viver e proclamar o que já temos. Isto não é promessa para conceder-nos Sua Adventista do Sétimo Dia bênção. 1 ME, 121. (ASD)! A igreja medieval se perdeu nos excessos da teologização. Estruturas teóricas foram desenvolvidas como um fim em si mesmo. Estes


20 excessos e ênfases desmedidamente fora do foco da Grande Comissão levaram a desvios na conduta da igreja, que absorta em debates teológicos na idade média, deixou de evangelizar os povos que estavam prontos: o oriente médio, o norte da África e o restante do continente negro. Ficaram ali onde já havia cristãos, preferiram o conforto do conhecido do que o desafio da obediência. Ao darem ênfase exagerada em uma área, negligenciaram a outra e deixaram um vazio que foi preenchido com o islamismo... Para resolver as consequências da negligência anterior, a igreja medieval decidiu atacar o islamismo com armas, causando feridas e valas quase que intransponíveis até hoje. Sempre que negligenciamos a clara ordem de Deus trazemos consequências que ficam cada vez mais complexas de serem solucionadas. Não estou aqui propondo o extremo contrário. Não estou propondo suprimir a verdade para ressaltar a proclamação. Este erro nos levaria a sucatear nossa igreja e a convidar toda espécie de desvio teológico e dissidências. Não há sabedoria em destruir uma coisa ao exaltar a outra, a não ser que seja necessário como em 1888. A falta de conhecimento da obra libertadora mais ampla de Jesus nos impedia a avançar naquele tempo. O legalismo nos amarrava e limitava a nossa relevância no mundo e eficácia no trabalho de expandir o reino de Deus. Precisávamos de uma guinada na compreensão e exercício de nossa identidade. A verdadeira educação é Hoje precisamos mais da verdade um preparo missionário. bíblica, sólida, e vigorosa do que em qualquer tempo antes. Não podemos diluir, nem adocicar Todo filho e filha de Deus é chamado a ser a mensagem que nos foi confiada, sob pena de sermos missionário; somos encontrados infiéis diante de Deus. chamados ao serviço de O legado que nos foi deixado, precisa ser conhecido e Deus e de nossos apresentado ao mundo. Não precisamos da teologia da semelhantes; e prosperidade, não precisamos de habilitar-nos para essa abordagens políticas, festivas, mais fanáticas, mais obra deve ser o objetivo emocionais ou mais de nossa educação. humanistas. Precisamos da clara mensagem bíblica, mensagem profética, mensagem salvífica de um Salvador que pagou o preço para que estejamos livres e que vai em breve nos buscar. Creio, no entanto, que está na época de darmos a ênfase correta, de desafiarmos aqueles que se chamam de adventistas para que assumam aquilo que é característico de um adventista. Veja no quadro abaixo a proposta Adventista (ASD) equilibrada. Adventista não é apenas aquele que tem a verdade, mas aquele que a proclama. Concordar com a verdade ainda está longe de viver a verdade. Mero assentimento mental à verdade está muito longe do ideal de Deus para o povo do tempo do fim. De qualquer maneira “ter” a verdade é algo tão relativo... Mesmo que alguém pudesse manter todos os elementos da verdade em sua mente, ela ainda não seria verdade se não fosse vivida. Mas mesmo que a verdade fosse vivida, ela ainda não seria verdade enquanto não fosse proclamada e encontrasse outros corações.


Figura 6 Exaltação do conhecimento da verdade em detrimento de sua proclamação. Não é adventismo por mais verdade que seja o conteúdo. Figura 7 Exaltação da proclamação em detrimento da busca do conhecimento da verdade. Não é adventismo, pois proclamar sem conhecimento não é a nossa missão. Figura 8 Equilíbrio sadio entre a busca do conhecimento da verdade e a sua proclamação. Este é o Adventismo desejado por Deus no tempo do fim. Para isto fomos chamados.

As duas primeiras figuras acima mostram o potencial desequilíbrio entre “ter” a verdade e proclamá-la e vice e versa. Neste momento que vivemos na história da igreja a figura dois acima descreve melhor a realidade da igreja do que a primeira figura. 12 A Mensagem Adventista do Sétimo Dia é aquele, que como descrito em Apocalipse 14:6-12 tem o Evangelho Eterno e o proclama em todos os detalhes e desafios que lhe são exigidos por Deus neste texto. 1. O Evangelho Eterno, precisa ser primeiro entendido em seus fundamentos para depois sair e pregá-lo. Aqui dois extremos podem amarrar o discípulo de Cristo e torná-lo impossibilitado para a pregação do evangelho. a) Há pessoas perfeccionistas que querem primeiro estar completamente prontas e ter uma compreensão completa de todos os detalhes da Bíblia, para apenas então iniciar a pregar. Há pessoas esperando a vida inteira e não se acham preparadas. b) Pessoas que saem pregar o evangelho sem Ano após ano foi feito o mesmo preparo algum. São uma lástima as meias verdades e reconhecimento, mas os princípios as inverdades que pregam servindo em alguns casos de que exaltam um povo não foram desvio para pessoas em busca sincera da verdade. inseridos na obra. Deus lhes deu clara luz quanto ao que deviam Há um processo de aprendizado insubstituível que ocorre com aquele que vai fazer, e quanto ao que não deviam ensinar o evangelho eterno fazer, mas afastaram-se dessa luz, e para alguém. Ao ensinar o constitui uma maravilha para mim professor aprende. 2. O Evangelho Eterno, em toda a sua que nos encontremos em tanta extensão, proclamado com prosperidade como é o caso hoje sensibilidade e ao mesmo em dia. É em virtude da grande tempo vigor para as pessoas de nossa época de uma misericórdia de nosso Deus, não por causa de nossa justiça, e para que o Seu nome não seja desonrado no mundo. ... ERP, 233


22 maneira que consigam recebê-la: a) Um convite a adorar a Deus numa época bem específica em que Deus está em pleno julgamento final e fazê-lo como é solicitado; b) Um aviso com duplo sentido: não há mais confusão, a verdade desmascarou e destronou a confusão – não precisamos mais necessariamente estar confusos pois há verdade abundante para todos e subentendido está que não devemos mais estar em confusão, devemos aproveitar a oportunidade criada por Deus. c) Uma advertência contundente complementando a segunda mensagem que descreve todas as conseqüências para aqueles que não o quiserem. Nós Adventistas não somos especiais por que somos mais salvos, por que somos melhores que os outros cristãos, somos sim especiais, por que fomos chamados para pregar uma mensagem especial, num tempo especial. Não é de qualquer maneira que levaremos a mensagem de Deus para este tempo. Palavras transportam ideias e como as falamos, Os que apresentam a impressões. Palavras positivas, verdade não devem entrar afirmativas, motivadoras e em qualquer controvérsia. com o amor que vem de restauradoras, faladas carregadas Devem pregar o evangelho necessita. Deus, são as que o povo quer e com tamanha fé e com Como Paulo disse: “A minha linguagem e a minha tanto fervor que o pregação não consistiram em interesse seja despertado. palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração Pelas palavras que falam, do Espírito de poder; para que a vossa fé não se apoiasse na as orações que fazem, a sabedoria dos homens, mas influência que exercem, no poder de Deus.” 1 Co 2:4-5 devem semear sementes Com este pensamento não deve surgir a idéia que produzirão fruto para predominante de hoje, que a glória de Deus. Não deve devemos dar uma diluição aguada da mensagem bíblica. Não! Não! E não! A mensagem haver vacilação. A trombeta tem que dar o não deve ser diluída, nem adoçada, nem resumida. Pelo contrário, neste tempo do fim a mensagem precisa ser vigorosa, clara, persuasiva, envolvente e precisamos dar a mensagem completa. Uma boa parte das pessoas vai rápido para o “OU”. Há uma tendência no mundo cristão de pregar OU com vigor OU com amor. OU se deixa clara a mensagem OU se utiliza a sensibilidade para com as percepções espirituais de outros. Precisamos entrar na era do “E”. Pregar com vigor E intensidade E amor E sensibilidade E sabedoria E restaurando E libertando E com emoção E com razão... Precisamos pregar lei E graça, regra sobre regra E amor, doutrina E Jesus, prática de vida cristã E profecia Esta era do “E” exige mais preparo da mensagem bem como percepção e empatia para com aquele que receberá a mensagem, sem jamais esquecer a profunda ligação que o discípulo precisa ter com o Mestre e Deus da mensagem. A atitude E requer um cristianismo mais vigoroso, um comprometimento maior com a Palavra e uma experiência mais viva com Deus. O discípulo precisa descobrir como Deus quer usar a sua vida única de maneira única. Nesta maneira de ser discípulo, o estudo para fortalecimento da vida espiritual é imprescindível, mas não apenas este estudo, mas também de como apresentar a mensagem. Resumindo esta parte, nós apenas vamos dar aquilo que temos. Se nosso coração está sintonizado em primeiro lugar com Deus e com o seu amor e em segundo com os seres


humanos que receberão a mensagem, a maneira de apresentar o mesmo conteúdo será adaptada à necessidade e realidade dos ouvintes. Para proclamarmos esta mensagem especial, temos que nos soltar das amarras de uma institucionalização excessiva e restaurar a responsabilidade de cada discípulo. Precisamos voltar para um cristianismo típico de um movimento leigo... Precisamos de um exército de discípulos de Jesus, fazendo o que Jesus fazia: mais discípulos.

A Ordem de Jesus Este assunto só pode ser tratado de maneira adequada se ancorada na compreensão de Deus. Não temos outra fonte melhor de revelação confiável do que a Bíblia. Construiremos o prédio de nossas idéias sobre o alicerce seguro desta revelação sobre natural. Um trabalho detalhado no embasamento bíblico foi feito por Rafael Luiz Monteiro em 2004.13 Usaremos basicamente as compreensões ali trabalhadas. Aqui analisaremos apenas a enunciação da grande comissão como apresentada em Mateus 28:18-20, pensamentos estes imprescindíveis para a compreensão do raciocínio aqui desenvolvido. A ordem de nosso Senhor Jesus é contundente: “indo, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado...” (cf. Mt. 28:1820). O verbo traduzido por ‘ide’ em nossas versões em português, no original grego é poreutentes e ele está no particípio, aoristo, passivo depoente, nominativo.14 É a mesma forma que estão os verbos ‘batizando’ e ‘ensinando’. O único verbo que está no imperativo, aoristo, ativo é ‘fazei discípulos’ – mateteusate.15 Em outras palavras a única ordem do mandado evangélico de Jesus é “fazei Figura 9 discípulos.” Na verdade todos os verbos desta ordem nas versões da Bíblia em português deveriam estar no gerúndio a não ser o “fazei discípulos.” No original grego, apenas um verbo está no imperativo. Uma tradução mais acurada do texto seria: “indo, ensinando, batizando, fazei discípulos!” A idéia aqui é ao ir ensinando, batizando, indo pela vida com as pessoas, o cristão é chamado a fazer outros discípulos. Há uma ordem: um cristão discípulo de Jesus deve fazer outro discípulo para Jesus. Não há verdadeiro discípulo em pleno conhecimento da verdade que não faça outro discípulo, pois caso assim fosse, não seria obediente à última. Aqueles que estão mais avançados no conhecimento do Senhor devem ajudar aqueles que estão mais novos na fé a encontrarem plena realização, sentido de vida em Jesus Cristo e gosto pelo serviço a Deus e ao próximo. Não há obra que seja mais importante do que esta para a igreja. Nada que a igreja faça deve perder de vista o foco de fazer discípulos.


24 Jesus não tinha Plano “B” Como Jesus poderia impactar o mundo em tão pouco tempo? Como poderia implantar este crescimento exponencial? Ele escolheu uma maneira e colocou todos os seus esforços nesta uma maneira que deveria levar à expansão exponencial de seu reino aqui na terra: Ele escolheu discípulos. Doze improváveis homens o acompanharam durante três anos e meio, sendo educados, inspirados e treinados pelo Mestre dos mestres. Que risco Ele correu! E se este bando de incultos homens, infantes na fé não tivessem feito o trabalho? O plano de salvação estaria fadado a ser esquecido depois da Cruz... Por que Jesus não investiu em outros métodos paralelos por segurança? Por que Ele não tinha plano “A” e plano “B”? Por que se arriscou desta maneira? Na verdade não havia plano “B”. O único plano de multiplicação Jesus deixou bem claro: “indo, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado...” (cf. Mt. 28:18-20). Os discípulos não deveriam se dispersar em muitos outros métodos e abordagens de expansão do Reino, mas deveriam se concentrar naquilo que o Mestre escolheu como sendo o melhor e único plano, primeiro em Jerusalém, depois na Judéia, na Samaria e até os confins da terra. Na verdade o discipulado não é um método apenas, é o fim de todos os métodos, é a ordem última de Jesus, é o objetivo que todos os métodos e atividades que fazemos dentro e fora da igreja deveriam alcançar. Cristianismo sem discipulado: Em algum momento da história o cristianismo se despediu do discipulado, dado como mandamento por Jesus. Em poucas oportunidades ao longo da história um ou outro movimento no cristianismo, se reconectou com o desejo do Mestre e é impressionante: cada vez que algum movimento cristão se dedicou a fazer discípulos, sendo assim obediente ao mandado do Mestre, o Reino de Deus foi expandido de maneira vigorosa. Ao contrário quando estas iniciativas iam sendo institucionalizadas, elas iam perdendo seu vigor novamente, pois iam caindo de volta no trilho medieval. Um exemplo típico foi o movimento metodista. Ele começou como uma tentativa de reavivar a religião na Igreja da Inglaterra. Os jovens John e Charles Wesley se organizavam em grupos na universidade de Oxford no século XVIII. Os grupos eram pequenos o suficiente para que o processo de discipulado ocorresse, e ali oravam, estudavam a Bíblia e tinham que prestar contas de seu desenvolvimento espiritual. Cada discípulo era convidado, naquela época, como era costume, quase que compelido a encontrar-se consigo mesmo e com o Mestre. A vida de cada integrante ia se tornando mais eficaz no cumprimento do propósito de Deus. Como resultado final destas descobertas e da experiência de uma vida abundante (cf. Jo. 10:10) o serviço e a multiplicação era quase inevitável. Pouco a pouco ao ir enfrentando a oposição, ao lutar para não se perder aquilo que se havia conquistado, estes grupos iam se institucionalizando. Neste processo de proteger aquilo que foi tão importante enquanto espontâneo e genuíno, os valores iniciais foram sendo perdidos. Os aspectos de genuinidade e autenticidade sofreram erosão e o processo todo foi sendo engessado em um formato que apenas aqueles que já participam concordavam em aceitar. Na tentativa de proteger e controlar, para não ser descaracterizado pela


espontaneidade e iniciativa de cada grupo, o processo de discipulado dos Wesleys foi igualmente descaracterizado pela institucionalização. Igrejas foram sendo formadas e o processo de discipulado tão desejado por Deus e ordenado por Jesus, caiu no mesmo formato romano. O processo de discipulado que em um momento estava aberto para receber aqueles que buscavam a Deus e fazia todo esforço para ser relevante para o desenvolvimento destes sedentos, torna-se, num próximo momento um “comum acordo” entre aqueles que mantêm o processo, e o processo se torna apenas relevante para aqueles que já o receberam em outra época. Na tentativa de atingir o máximo de pessoas com o processo, agora já em fase de institucionalização, aquilo que era interativo e espontâneo, procura se organizar para tingir muitas pessoas em salas grandes, em ambientes formais, com preleções para aglomerações enormes. O foco do processo em calendários e programas toma conta e de novo um movimento cai no trilho do sistema eclesiástico medieval. Hoje, ao lado da Abadia de Westminster existe a Methodist Hall, que é tão ineficaz para fazer o processo de crescimento espiritual na vida do individuo como o era a igreja mãe. Como pudemos como cristianismo em algum momento conceber a idéia de uma religião sem discipulado? Como pudemos deixar isto acontecer? Como não prestamos atenção quando milímetro a milímetro fomos sendo atraídos de volta para um sistema que não funciona e nem agrada a Deus? Como pudemos nos afastar da clara ordem de Jesus? Como pudemos instituir uma religião que adora e serve a Deus de uma maneira que não inclui a Sua clara ordem: “fazei discípulos!” Como conseguimos escolher ser fiéis a uma parte da revelação enquanto deixamos a ordem de Jesus desvanecer aos poucos? Como permitimos institucionalizar o cristianismo em tal grau que não seja mais relevante nem para a sociedade e nem para o indivíduo? Formatos de adoração, métodos de trabalho diversos A luz que então me foi dada e iniciativas de serviço a Deus e ao era que este povo devia estar próximo que não cumprem a ordem dada pelo Mestre não podem agradar o Seu num nível mais elevado do coração. Religião ritualista, amante que qualquer outro povo da tradição, que explora a superstição, religião que ressalta o sobre a face de toda a Terra, uso de Deus e de Suas bênçãos como fim em si mesmas, que deviam ser um povo leal, que enfatiza os típicos medos um povo que representasse humanos levando as pessoas a uma dependência mórbida devidamente a verdade. O da igreja, é sempre religião pagã. poder santificador da verdade, Religião que não consegue fazer a leitura da época em que revelado em sua vida, devia está e não elabora o distingui-los do mundo. evangelho para ser relevante para as pessoas desta época, se Deviam permanecer em torna religião irrelevante. dignidade moral, tendo tão O afastamento da prática íntima ligação com o Céu, que do discipulado que o cristianismo sofreu em massa iniciou com Constantino, o Senhor Deus de Israel imperador romano. Ele tirou o pudesse dar-lhes um lugar na cristianismo do esconderijo e Terra. ERP. 233 da ilegalidade para fazer dele a religião oficial do império Romano. Construiu templos frondosos, investiu os pastores de poder e riqueza, garantiu-lhes destaque social e influência secular. Comprou o direito de, como imperador, elaborar uma religião que tinha a sua cara. Entre as diversas barbáries sincretistas instituídas por Constantino, uma delas foi


26 organizar o cristianismo num formato pagão. Culto, organização, sacerdócio, estrutura doutrinária, finanças, direito religioso, tudo recebeu um toque do império romano pagão. Os séculos se passaram e aqueles elementos pagãos incorporados ao cristianismo foram confirmados e desenvolvidos teologicamente por meio da igreja medieval. Por amor ao poder e dinheiro a igreja tornou-se um império muito menos comprometido com os ensinamentos e jeito de ser bíblicos do que com a manutenção de uma máquina de poder secular. Tudo o que fazia e ensinava, a maneira como se estruturava tinha como objetivo principal fortalecer e desenvolver este poderio secular. O aplauso dos poderes seculares existentes corrompeu a igreja, tirou-a do foco de se submeter ao poder divino e transformoua no principal poder de então. A organização se tornou um fim em si mesmo e desviou-se de atender ao mandado de Jesus. Poder e domínio tornaram se o intuito primordial enquanto o amor e o serviço foram destronados. Durante um longo período da idade das trevas, o processo libertador “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará!” foi interrompido (cf. Jo. 8:32). Este processo que atrai as pessoas a Deus por meio da revelação que Ele mesmo faz de Si, tornando o discípulo cada vez mais semelhante ao seu Mestre, foi substituído pelo ensino de superstições, que ao contrário de produzirem libertação, geravam dependência mórbida do sistema igreja. Até hoje há revolta nos países europeus pelos excessos cometidos naquele então, revolta essa que foi chamada de pós-cristianismo. 16 Até hoje, cada pessoa que clama falar de Deus, tem que se desculpar pelos excessos que a igreja cometeu em nome de Deus. Explicar que Deus e o próprio cristianismo não é aquilo que os homens fizeram dele é a tarefa mais difícil do evangelista naquela área. Movimentos de reforma e de protesto motivados pelos excessos praticados pela igreja surgiram com heroísmo e bravura na idade média. Alguns dos líderes destes movimentos foram mortos e outros perseguidos, alguns por assuntos fundamentais como, por exemplo, Martinho Lutero com a justificação pela fé e o princípio “sola scriptura” outros por assuntos mais periféricos. Todos eles tinham uma obra a fazer que na verdade nenhum deles conseguiu levar a cabo completamente: precisavam romper dramática e completamente com o modelo de ser igreja da idade média – uma igreja sem discipulado. Tentativas e experiências foram feitas para formar uma igreja mais eficaz para a expansão do reino de Deus, mas nunca o discipulado como Jesus ordenou tornou-se o “modus vivendi” da igreja como um todo. O melhor que uma ou outra igreja conseguiu foi romper com itens teológicodoutrinários. Algumas igrejas romperam mais, pois queriam se distanciar dos abusos e distorções da idade média, outras romperam menos com os ensinos da igreja romana. O protestantismo se concentrou basicamente no debate teológico e na ruptura com as propostas teológicas sincréticas do romanismo. Neste ponto a igreja adventista foi a que mais se distanciou da estrutura de ensinos romana. Neste ponto é a igreja que mais representa, até hoje, a proposta inicial do protestantismo. A maioria das igrejas protestantes, hoje chamadas de evangélicas, no entanto, não conseguiu romper com o modelo medieval de fato, nem na teologia mista de cristianismo e paganismo, nem na prática diária da igreja local. Em maior ou menor grau, todas igrejas estruturaram as suas atividades e formato de culto como a igreja pré protestante.


As igrejas não conseguiram se organizar, na prática, de tal maneira que ao longo do tempo, mantivessem as características de um movimento leigo que tem o foco no desenvolvimento do crente até “a medida da estatura de Cristo” (cf. Ef. 4:10-16). Parece que o “protesto” contra a estrutura medieval nunca se ergueu a tal ponto de as igrejas voltarem às raízes daquilo que Cristo ordenou: “fazei discípulos!” Algumas igrejas conseguiram em seus inícios estabelecer um modelo muito mais próximo daquilo que Jesus exigiu. Mas ao crescer em número de adeptos, ao se internacionalizar, sempre se uniam à igreja aqueles que queriam a familiaridade de um modelo de igreja já conhecido, mais próximo daquilo que estavam acostumados e caía-se de volta no trilho e estilo medieval. Estes movimentos expressaram preocupação e cuidado para que os ensinos bíblicos não fossem contaminados, mas nunca expressaram preocupação com o formato de funcionamento de uma igreja. Uma fresta foi deixada aberta, e aquilo que mais se queria evitar mais acabou entrando sorrateiramente – a ineficácia e irrelevância da igreja local de se conectar com a sociedade ao seu redor e ser relevante na proclamação do evangelho, em seu tempo e espaço. Em suma, não há contradição maior do que cristianismo sem discipulado. Seria a mesma coisa que dizer “cair para cima” ou que a “água não é molhada”. Estamos no momento, no último momento da história deste mundo e nos é oferecida a última oportunidade para fazermos a diferença neste mundo. Jesus está esperando para poder voltar e o mundo precisa ouvir a verdade, verdade para o nosso tempo, verdade proclamada com vigor, genuinidade e espontaneidade. Para que isto ocorra, precisamos de discípulos, não membros de igreja... Discípulos treinados, comprometidos em fazer outros discípulos para o Mestre Jesus! A Obediência ao mandado de Jesus e o consequente comprometimento leigo com o mesmo mandado trará para a igreja a saúde espiritual de cada indivíduo, a saúde espiritual coletiva, bem como o crescimento numérico tão longamente esperado. Discipulado O que então é discipulado? É simplesmente o processo em que um cristão mais maduro e comprometido toma uma pessoa em alguma fase de seu desenvolvimento espiritual e a conduz para a próxima. Por exemplo, um cristão experiente acompanha uma pessoa que não conhece Jesus e a conduz através das primeiras descobertas de Deus, pelo lançamento do fundamento de sua fé, pelo batismo, pelos primeiros exageros e decepções que experimenta, até ajudá-la a descobrir seus dons e como utilizá-los num ministério de serviço para o avanço e a expansão do reino de Deus. Isto não acontece quando a igreja cultiva a mentalidade de Definição de membro. O desenvolvimento do membro não acontece, e o insanidade: fazer as foco vai se tornando o bem estar do membro ao invés do coisas sempre da mesma maneira e avançamento do Reino de Deus. esperar resultados Veja algumas diferenças entre um membro de igreja e um discípulo de Cristo:


28 Membro

Discípulo

Espera pães e peixes

Vai pescar

Sua luta: crescer

Sua luta: reproduzir

Espera acontecer

Faz acontecer

Espera ser servido

Ousa servir

Gosta de afago pastoral

Gosta de treinamento pastoral

Entrega parte de seus rendimentos

Entrega a vida e o que Deus pedir

Quer se sentir bem

Quer fazer outros sentirem o poder

Tende a cair na rotina

Vive uma vida de aventura espiritual

Espera que lhe dêem uma tarefa

Busca tarefas e faz acontecer

Murmura e reclama

Obedece, se necessário se sacrifica

Versículo preferido: Mt. 11:28

Versículo preferido: Mt. 11:29

É condicionado pelas circunstâncias

É condicionado pela própria decisão

Reclama que ninguém o visita

Se dispõe a visitar os que precisam

Está disposto a somar

Está disposto a multiplicar

Visão: Os membros do século 21 estão transtornados pelo mundo

Visão: Os discípulos do século 21 transtornarão o mundo

É forte como soldado na trincheira

É forte como soldado invasor

Cuida das estacas de sua tenda

Amplia a área de sua tenda

Estabelece hábitos

Rompe moldes

Sonha e exige uma igreja ideal

Faz o seu melhor pela igreja real

Meta: ganhar o Céu

Meta: ganhar outros para o Céu

Quando maduro, se torna discípulo

Quando maduro, vive seu ministério

Assiste à pregação do Evangelho

Prega e faz discípulos para Jesus

Gosta de campanhas

Vive em campanhas

Espera um reavivamento

É parte do reavivamento

Espera que a vida o trate bem

Está preparado para a cruz

Palavra preferida: "Tomara!"

Expressão preferida: "Eis-me aqui!"

É valioso

É indispensável

Discipulado não é uma ação espasmódica de um momento ou período reduzido, não é algo que se possa fazer sem envolvimento completo da vida, e não é algo que acontece por si mesmo ou por acaso. Intencionalidade é necessária, comprometimento e envolvimento imprescindíveis. O discipulado não pode ter a sua ênfase primeira na igreja e suas necessidades institucionais de crescimento. Se o olhar se voltar para os números e relatórios da organização chamada igreja, o processo de discipulado torna-se simultaneamente o processo de institucionalização assassino da espontaneidade e genuinidade discutidas anteriormente. Se isto ocorre, o discípulo não sente que o interesse está centralizado em seu desenvolvimento e no desejo de vê-lo incorporado na igreja e no reino de Deus, ele se sente usado, como ele se sente usado em qualquer outra organização interesseira que ele conheça. O discipulado não pode ser apenas um programa oferecido pela igreja. No entanto pode ser um programa na igreja local, se esta resistir à tentação de friamente institucionalizar


o processo e mantiver o frescor dos relacionamentos espontâneos – um discípulo mais experiente auxiliando no crescimento de um discípulo mais novo na fé. O discipulado precisa ser um processo de crescimento. O discípulo passa por algumas fases no processo de descoberta de Deus pela Palavra e pela prática: encontro com Deus, fortalecimento do relacionamento, batismo, crescimento em Cristo, comprometimento com Deus e Sua causa, treinamento para melhor servir segundo seus dons, aprofundamento no conhecimento de Deus e do serviço, serviço experimental e prático e exercício de seu ministério pessoal. Enquanto o discípulo aprende por meio de um processo, o discipulador se dedica a esta pessoa como se fosse um filho, conduzindo-o por um processo de amizade e alvos claros para a maturação em Cristo. O alvo e medida da maturidade traduzida em bom relacionamento com Deus, consigo mesmo e com o próximo e serviço desinteressado. Discipulado é o processo de instruir, inspirar, capacitar, equipar e treinar pessoas no caminho da Deus deu a cada um salvação em Jesus. Este de Seus processo atinge os dois lados, o discípulo e o discipulador. mensageiros uma Ambos entram em um processo que acelera o seu obra individual. desenvolvimento, do discípulo em sua perspectiva e necessidade de DTN, 275 crescimento, bem como do discipulador que no momento em que se encontra em seu desenvolvimento precisa desta experiência para que se aproxime desta medida da estatura de Cristo. Em todas as dimensões da vida é o mesmo: há momentos em que alguém cuida de nós; num próximo momento passamos cuidar de nós mesmos e num momento posterior passarmos a cuidar de nós e de outros. Parece que a vida nos ensina para cada vez mais servirmos e cuidarmos de outros – é o mesmo com o discipulado. O discipulado atinge sempre os dois lados envolvidos no processo – discípulo e discipulador, assim como os pais aprendem muito ao ensinarem os filhos. O discipulado verdadeiro mantém o mesmo frescor e espontaneidade de um relacionamento pai e filho. Este relacionamento manifesta interesse genuíno no desenvolvimento para a salvação. Não há desnível no relacionamento – do tipo “eu sei e você não sabe,” e não há glórias humanas nem aplauso, pois quem aplaudiria um relacionamento por ser genuíno? O aplauso vem depois quando o pai olha para trás e vê os resultados de seu empenho e sacrifício. O filho olha para trás e vê duas coisas: gratidão por que alguém o acompanhou em sua jornada, guiando os passos trôpegos até que conseguisse andar por si e vê um modelo digno a ser seguido naquele que o guiou. Qualquer organização que lide com seres humanos e que queira fazê-lo com excelência, ordem e decência (cf. 1 Co. 14:40) precisa criar estímulo, espaço e estrutura para que sejam as pessoas a ela ligadas sejam treinadas, capacitadas e motivadas, principalmente quando esta é a missão principal desta organização. No caso da organização chamada igreja, a igreja precisa entender a sua natureza primeira: igreja são as pessoas que a compõe e não uma instituição como pessoa jurídica. Compreendendo esta natureza, a igreja deve criar espaço, estímulos e estrutura para que aqueles que a compõe sejam discipuladores e discípulos. O presente livro pretende principalmente instrumentalizar os líderes da igreja capacitando-os para tanto organizar a igreja para um discipulado eficaz, bem como para


30 tornar os membros mais maduros em líderes servidores, capacitadores, em suma discipuladores. Qualquer conceito de discipulado precisa sempre ser analisado à luz da compreensão da Revelação de Deus e da natureza do ser humano e da igreja. Sem entender estas dimensões corremos o risco O que vai despertar o povo do de tratar do assunto com superficialidade. Podermos tempo do fim para a pregação do evangelho? A chuva serôdia? extremo de tratar a igreja cair na tentação de ir do O derramamento final do Santo seus membros como meros como uma empresa e os Espírito de Deus? Não! Este funcionários ou ao outro extremo de nos vermos será dado apenas àqueles que apenas como uma fraternidade informal e sem desde agora organizam a vida organização unificada para o avanço. conforme a Palavra. O que

A

Natureza Ser

do

Ser

humano

despertará a igreja é a obediência à Palavra hoje. Há pessoas que acham que tem que sentir a necessidade para então obedecer. Obediência verdadeira é quando o crente se nega a si mesmo, toma a sua cruz e segue o Mestre, sabendo que caso contrário não será

Humano completo, integral

O que é Ser Humano? Qual a sua natureza? É adequado discipular ou treinar uma pessoa? Será que o desenvolvimento de pessoas faz parte da missão da igreja? Aqui não podemos entrar em todas as dimensões do ser humano. Durante toda história filósofos, psicólogos, antropólogos, sociólogos, etc. têm tentado defini-lo e há conhecimento vasto à disposição, que não queremos abordar aqui. Por isso abordaremos apenas alguns pontos que contribuirão para a compreensão melhor do assunto aqui tratado. O ser humano é uma obra de arte dinâmica e em constante movimento. Deus criou o ser humano e o fez como um ser em constante desenvolvimento e transformação. Certo filósofo grego disse: “não é possível uma pessoa tomar banho duas vezes em um rio! Primeiro, por que a água do rio não será mais a mesma e segundo, por que o ser humano não será mais o mesmo.” Uma compreensão de um ser humano estático, mecânico procede de outras fileiras filosóficas. A idéia de que o ser humano é o que é, como se algo determinasse que assim ele é, sem possibilidades de mudar, não pertence à compreensão bíblico cristã do ser humano. Um raciocínio fatalista e determinista se instalou na igreja: “aquela pessoa tem fé, eu não tenho!” Como se estivesse predestinado de maneira imutável o fato de uma pessoa ter fé e outra não, uma ter coragem e outra ser medrosa, uma pessoa ser amorosa e a outra não e ponto final. Como se não houvesse um processo de crescimento que Deus está procedendo na vida de cada um que se entrega a Ele...


Não é assim e não pode ser assim. Cada pessoa deve se desenvolver e se tornar aquilo que Deus a está chamando para ser. Veja os textos bíblicos que falam sobre crescimento: II Pedro 3:17-18 “Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que pelo engano dos homens perversos sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza; antes crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” E este: I Pedro 2:1-3 “Deixando, pois, toda a malícia, todo o engano, e fingimentos, e invejas, e toda a maledicência, desejai como meninos recém-nascidos, o puro leite espiritual, a fim de por ele crescerdes para a salvação, se é que já provastes que o Senhor é bom; sempre devemos, irmãos, dar graças a Deus por vós, como é justo, porque a vossa fé cresce muitíssimo e o amor de cada um de vós transborda de uns para com os outros. O próprio incentivo da Bíblia para a santificação é um Meu Pai é o Lavrador. incentivo para o crescimento constante que cada ser Toda a vara em Mim, que humano deve empreender em sua vida. Veja a ênfase de Hebreus 12:14 “Segui a paz com não dá fruto, a tira. João todos, e a santificação, sem a 15:1 e 2. Conquanto o qual ninguém verá o Senhor...” O ser humano foi feito para se enxerto esteja desenvolver e crescer em tudo aquilo que ele puder e for externamente unido à videira, pode não haver chamado e guiado por Deus para crescer. nenhuma ligação vital. Se o ser humano pode e deve crescer, se ele foi criado Então não haverá para se desenvolver constantemente, como Deus crescimento ou fertilidade. mesmo ordenou: “crescei e multiplicai...!” (cf. Gn. 1:22), Assim pode haver uma qualquer manifestação contrária não faz parte do plano de aparente conexão com Cristo, sem uma real união Deus. com Ele pela fé. Uma Crescimento espiritual real, se expressa em frutos profissão de religião visíveis: em sabedoria de vida, em relacionamentos introduz os homens na equilibrados, em serviço de amor igreja, mas o caráter e a a Deus e ao próximo. Como são estes frutos de uma vida em conduta mostram se eles franco crescimento? Como posso produzi-los? Posso ver se se acham em ligação com minha vida é eficaz por meio Cristo. Se não dão frutos, dos frutos que ela produz? são falsas varas. Sua separação de Cristo envolve uma ruína tão completa como a que é representada pela vara seca. ― Se alguém não estiver em Mim, disse

Os Frutos “Permanecei em mim e eu permanecerei em vós.” Jo. 15:4. Não podemos dar frutos por nós mesmos. A não ser que estejamos ligados à videira, não haverá a seiva vivificante para que o ramo dê frutos. Jesus insiste que o ramo, uma vez inserido na videira “dá muito fruto” Jo. 15:5. Não há um “se” na construção da frase. A conclusão é simples: se você como ramo está inserido na videira, você dará muito fruto. Se você não der fruto, é por que você como ramo não está inserido na videira. A afirmação é clara: “sem Mim, nada podeis fazer!” Para Jesus não existe membro de igreja inativo, existe discípulo ou não discípulo, ramo inserido na videira ou ramo seco que será queimado (cf. Mt. 12:30). Não sei se outros vêem o dar frutos e o conseqüente crescimento com a mesma seriedade como é vista aqui. É este um assunto de salvação? Podemos ser salvos apenas se dermos frutos? Sim e não! Como causa da salvação não! Como diagnóstico de que está conectado à videira e conseqüentemente salvo, sim! Explico!


32 Jesus elabora um axioma teológico aqui. Não se trata de salvação pelas obras, mas os frutos como um diagnóstico se o ramo está ou não inserido na videira, como diagnóstico da existência da salvação. Estamos falando dos frutos de uma vida, não como a causa da salvação, mas como diagnóstico da solda do ramo com a videira. Os frutos são a evidência de que o enxerto pegou. É assunto de salvação? Claro!!! O O segredo do êxito está crescimento qualitativo na união do poder divino única condição e como (salvação em Jesus Cristo) como a com o esforço humano. Como poderíamos diagnóstico da própria salvação. diagnosticar a salvação? Existe um redentômetro? Medimos a salvação apenas num caráter reto? E se este caráter reto for estático e não apresentar a dinâmica da salvação, o movimento da santificação? E se este caráter não se importar em passar a sua salvação para outros corações? Um caráter não é reto, por mais moral que ele seja, por mais correto que seja se ele não se importar com outras pessoas para que recebam o mesmo Salvador que lhe transformou este caráter em um caráter reto. Que frutos são estes que daremos, uma vez inseridos na videira? Um enxerto da vide, uma vez inserido na base da videira, produz uvas pois ambos, a base e o enxerto são da mesma natureza. Um enxerto de maçã vai inevitavelmente produzir maçãs. Um enxerto de um pecador em busca contínua de crescimento na salvação (cf. Fp. 2:12), inserido sobre a base que é seu Mestre e doador da salvação: Jesus, precisa produzir frutos desta mesma natureza. Este enxerto vai produzir os frutos que Jesus produziu: mais pecadores em busca contínua de crescimento na salvação, inseridos na base que é Jesus, doador desta salvação. O Crescimento de qualidade salvífica, precisa trazer consigo o crescimento de quantidade salvífica. Que perigos estão correndo aqueles que não dão ‘muito fruto’? Estão na igreja e o diagnóstico divino é: “vocês não estão inseridos na videira e serão juntados e lançados no fogo!” Isto não é julgamento humano, é declaração divina! Avaliando por este critério, quantos dos professos cristãos serão juntados e lançados no fogo? Você percebe que Deus está interessado em sua inserção na videira, Ele se alegra com os frutos como resultado de uma vara sorvendo a seiva divina uma vez inserida na base. Deus está altamente interessado na qualidade de vida cristã de uma pessoa, mas está igualmente interessado na quantidade de pessoas com qualidade de vida cristã. Apocalipse 14:6, a primeira das três mensagens angélicas apresenta o evangelho eterno, deve ser pregado “aos que habitam sobre a terra, e a toda nação, e tribo, e língua e povo.” Não se trata aqui de quantidade? Mas a qualidade não deve ser negligenciada: o Evangelho Eterno deve ser pregado – que no resultado final deve trazer qualidade no caráter daqueles que o aceitam. Cada pessoa foi criada por Deus para que voltasse às Suas mãos de amor. Todos que alguma vez pisaram sobre a face desta Terra, foram predestinados para passar a vida eterna com o Pai. O Pai não economizou esforços para que Seus filhos encontrassem o caminho da reconciliação. Se fosse possível Deus gostaria de ter todos juntos com Ele durante a eternidade. Se apenas Seus filhos entendessem este plano... A igreja é o instrumento que Deus utilizou e está utilizando para cumprir a Sua vontade. Qual é a Sua vontade? “...não é da vontade de vosso Pai que está nos céus, que


venha a perecer um só destes pequeninos.” Mt. 18:14. Em outras palavras é vontade de Deus que todos os Seus pequeninos se salvem! Quero ir mais além. Como Adventistas temos exaltado os mandamentos de Deus e o Sábado, e fazemos bem pois é a Palavra revelada de Deus. Mas é tão vontade de Deus em Sua Palavra revelada que todos quantos queiram sejam salvos. É também tão vontade de Deus em Sua Palavra revelada que preguemos e levemos a Sua igreja a crescer em número e em santidade. Mateus 7:21 nos diz que “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.” Como ousamos escolher satisfazer a vontade de Deus em um aspecto e o negligenciamos em outro? Como podemos decidir guardar os Dez Mandamentos e negligenciar o mandamento de ser e fazer discípulos?

Em João 15 Jesus aborda a maneira como os muitos frutos virão. A condição para crescimento quantitativo é o qualitativo e em outros trechos descobriremos como o quantitativo coopera com o qualitativo. Fred H. Smith afirma que não há crescimento de igreja que excluam o crescimento qualitativo ou o quantitativo.17 Quando a Bíblia fala de crescimento de igreja ela contempla ambos os aspectos do crescimento. A Natureza da Igreja O que é a igreja? Qual a sua natureza? É adequado fazer treinamento na igreja? Será que o treinamento de membros faz parte da missão da igreja? A seguir um breve estudo sobre a natureza da igreja e as implicações que isto tem sobre o treinamento. Igreja na Bíblia O termo igreja não aparece no Antigo Testamento (AT) na Bíblia em Português. 18 No Novo Testamento (NT) a palavra utilizada no grego para Igreja é ekklesia que vem da preposição ek = ‘para fora de’ e Kaleo = ‘chamar’.19 Chamar para fora seria o melhor sentido para a palavra igreja, sentido este que daria muito material para estudo, por exemplo: a igreja não foi chamada para ficar ocupada consigo mesma, mas para sair e executar fora dela a missão que é o motivo de sua existência ou ainda a igreja foi enviada para chamar um povo para fora de algum lugar ou atividade. O termo geral ekklesia significa ‘chamar pessoas para um lugar público’ é traduzido como igreja, reunião de crentes como em I Co 1:2; 12:28; II Co 1:1; Gl 1:2; I Ts 1:1, bem como era para uma assembléia comum como em At 19:32, 39 e 41. A Septuaginta usa a palavra ekklesia como tradução do termo hebraico qâhâl tendo significado de congregação, assembléia ou outro corpo organizado. No NT é principalmente utilizado por Paulo.


34 Igreja: um Corpo Vivo A igreja é considerada um órgão vivo, como um corpo. Não estamos falando aqui do templo de adoração, estamos falando da soma e união de irmãos numa cidade, estado, país, e no mundo. Esta coletividade forma um organismo espiritual complexo que a Bíblia chama de igreja. Este organismo, em sua natureza humana pode adoecer e morrer. Pode ser curado e levado à plena saúde20 quando há vontade coletiva. Estes irmãos em tempo de bonança estarão se reunindo em templos e casas de oração de diferentes estilos e construções e estarão se organizando em estruturas institucionais para melhor organizar-se para o cumprimento da missão a ela confiada. Esta mesma igreja, pode em tempos de perseguição existir de maneira diferente. Pode se reunir na casa de alguém, debaixo de uma árvore, nos bosques ou nas montanhas. Este corpo vivo, do qual Cristo é a cabeça, tem uma natureza divino-humana. Explico: a) Natureza divina: Aquilo que Deus faz é perfeito. Tudo o que é bom e perfeito vem de Deus Tg. 1:17. As iniciativas e ações para a salvação vêm todas de Deus. A segurança que vem de Sua imutabilidade (Ml. 3:6), a força que vem de Sua Palavra (Jo. 8:32) e do poder do Amor (Ct. 8:6), que é a maior tradução da pessoa de Deus (I Jo. 4:7-8) e mais dezenas de coisas que sabemos e outras centenas e milhares de coisas que não sabemos sobre bondade e grandiosidade de Deus. b) Natureza humana: é aquilo de imperfeito, limitado e finito que fazemos e às vezes precisamos fazer para ter um mínimo sentido de ordem. Criamos estruturas e leis para não sucumbirmos ao caos que é tão típico onde há muita gente reunida e cada um tem os mesmos direitos. A igreja não é invenção de homens, tanto que a Bíblia a Nós seres humanos não temos chama de igreja de Deus (I Ti. 3:15). A Bíblia insiste muita noção como ser plenamente que não deixemos episunagǒgĕ (congregar-se, justos e ao mesmo tempo juntar-se) – note que o termo vem de sinagoga: o plenamente cheios de amor. Em nossa experiência ou tendemos chamado é para que não deixemos de “sinagogar” ou para um lado ou para outro. Em de “igrejar”. Deus a plenitude de ambos chega Por que a igreja é tão importante? Por que simplesmente não ceder ao apelo de alguns adesivos de carros: “Jesus sim, igreja não!”? Qual o plano de Deus com a igreja que é tão importante para nós? Por que temos necessidade e dever de nos congregar? Qual é a função da igreja? O pano de fundo para a compreensão de todas as doutrinas, inclusive a da igreja, é o Grande Conflito entre o bem e o mal. Estudaremos a natureza e função da igreja num escopo que leve em consideração o conflito cósmico entre Jesus e Satanás. No contexto do tempo do fim, e da última pregação do evangelho eterno Ap. 14:7 diz que “é chegada a hora do Seu juízo...” O que é aqui? Deus julga ou está sendo julgado? Será que a idéia do julgamento de Deus é estranha à Bíblia? Quem seria capaz de julgar a Deus? Rm. 3:4 – tirado de Sl. 51:4 nos afirma que vai haver um julgamento Deus está sendo julgado em Seu julgamento. O Juízo pré-advento está em pleno andamento no santuário celestial desde 1844. Os mundos não caídos, os anjos caídos e não caídos, bem como todo o nosso mundo, querem ver se em Deus se encontram ambos: amor e justiça.


Para cada pessoa em julgamento, Deus está sendo a Sua mais pura essência (Ele não consegue deixar de ser amor), exercido em forma de graça e misericórdia para com a situação que envolve aquela existência. Ao mesmo tempo e na mesma Pessoa divina, a justiça se cumpre de maneira plena e perfeita (Sl. 89:14; 97:2). Como os anjos caídos e não caídos estão julgando a Deus? Como podem eles conferir que Deus é o que Ele mesmo sempre afirmou de Si mesmo? Qual é o elemento aferidor? Deus está altamente A vida de Jesus Cristo! interessado em filhos e 1) A Cruz sucedida da ressurreição! filhas que mostrem quem Ele é em e 2) A vida dos seguidores de Cristo! através de suas vidas. responsabilidade da igreja Em Ef. 3:8-12 é mostrada toda diante dos poderes do bem e do mal. Em Rm. 16:19-20 diz qual vai ser a conseqüência de não fazermos a vontade de Deus. Em Mt. 7:21-23 Jesus declara toda a conseqüência de carregar o nome de Cristão sem Em uma família você pode ver viver o poder de Jesus II Tm. 3:5. No pastorado o melhor como são tanto marido como que vão fazer é “se introduzir pelas casas, levando cativas mulher, pelo grau de confiança mulheres néscias, carregadas de pecados, levadas de que existe entre os membros várias concupiscências, sempre aprendendo, mas nunca desta família. Na mesma proporção de nossa confiança em conseguindo chegar ao pleno conhecimento da verdade...” Deus, o Seu caráter é II Tm. 3:6-7. demonstrado diante dos poderes Como Jesus pode esmagar da luz e das trevas. “Sem fé Satanás debaixo de nossos “Cada igreja deve ser uma escola pés? Como Ele pode reivindicar o seu caráter? Mt. prática para obreiros cristãos.” 5:16 “...deixem vossa luz brilhar...” Para que? “...para Seus membros devem aprender como dar estudos bíblicos, como que vejam...” dirigir e dar aulas na escola No final, quando estivermos nos 1000 anos, sabatina, bem como ajudar ao nenhum dos fiéis súditos vai pobre e cuidar do enfermo e como ficar com dúvidas sobre o caráter de Deus. Todos vão entender que na vida de trabalhar em prol dos cada ser humano desde o início deste mundo todas as inconversos.” Deveria haver escolas de saúde chances foram oferecidas, e que cada um teve (higiene), escolas de culinária e oportunidades diversas para escolher ao lado de Deus aulas nos diversos ramos da obra (mesmo entre as nações pagãs). Com este entendimento de igreja, inserida no meio de um conflito, tendo que cumprir um papel elevado, precisamos levar a igreja a viver uma vida em constante santificação no ser e no fazer. Santificação no Ser e no Fazer A Igreja Adventista do Sétimo Dia escolheu em algum momento perseguir modelos de piedade e santificação estabelecidos anteriormente em outros movimentos religiosos na história. Esta piedade vem em grande parte do pietismo da Alemanha central, transportada e vivida em diferentes cores e matizes (sem perder o cerne) e através do puritanismo que se instalou na América do Norte.


36 Nossos pioneiros viviam imersos neste ambiente e carregaram esta maneira de viver a santificação para todos os cantos da terra. As orientações do Espírito da Revelação mostraram um equilíbrio entre a santificação do ser e do fazer, na verdade, ali nem era feito esta divisão que ora apresento. Não há crítica naquilo que os nossos pioneiros fizeram, apenas naquilo que deixaram de enfatizar e a maneira como enfatizaram. Com o evangelho adventista tendo sido trazido por alemães vindos em grande parte da geografia do pietismo alemão, e por americanos “Cristo quer que seus ministros vindos da nova Inglaterra onde o puritanismo sejam educadores da igreja no tomou forma americana, marcaram o Adventismo trabalho evangelístico. Eles devem brasileiro com sua influência. ensinar o povo como procurar e Por isso procuramos resgatar aqui as salvar o perdido. “Mas é este o trabalho que estão duas formas de piedade, ou seja, de expressão prática fazendo? Que pena! Quantos estão de nossa religião. se empenhando em acender uma a. Santificação no ser: se refere a uma reforma faísca de vida em igrejas que estão à no caráter que se manifesta em estilo de vida. beira da morte! 1) nos hábitos devocionais e relacionamento “Quantas igrejas mais se parecem com Deus – de onde vem a força para as demais coisas. 2) reforma nos relacionamentos – um cristão tem que ser um especialista em bom relacionamento. 3) reforma nos desejos do coração que se mostram no exterior por meio da simplicidade, humildade e serviço (vestuário, adereços e enfeites, alimentação, aparência pessoal, moral). b. Santificação no fazer: pouco enfatizado por palavra e exemplo na instrução pré-batismal, de novos conversos e mesmo na vida diária da igreja. Refere-se à reforma nas disposições básicas do coração que levam à ação por Jesus Cristo. 1) abandono do medo. 2) aquisição da audácia e intrepidez típica da igreja primitiva. 3) coragem que sonha e empreende coisas para o Reino de Deus, que só pode proceder de uma vontade santificada. 4) Confiança em Deus de tal maneira que o justo viverá A pregação está pela fé, agindo por Deus e pelo Seu reino e deixando que Deus supra para uma fé sadia (cf. Rm. 10:17) as nossas necessidade (Mt. 6:32; 1 Pe. 5:7). assim como o Segundo Tiago 2:26, a fé sem obras é morta. Na vida de Jesus treinamento está vimos o exemplo de uma fé viva, marcada pelo serviço desinteressado a outros e a Deus. Precisamos alinhar a santificação no ser como no fazer para que a fé seja viva e completa. Jesus se refere à fé completa, expressa em serviço e bom relacionamento, como Ele a praticou quando Ele pergunta: “Contudo quando vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?” (cf. Lc. 18:8). A Jornada Espiritual de cada Cristão Não há como entendermos santificação, desenvolvimento da vida cristã e o que o discipulado tem a ver com isto, se não entendermos o conceito da jornada espiritual que todos estamos vivendo. Cada cristão está em alguma fase de desenvolvimento. O jovem recém vindo do mundo, precisa entender o evangelho em sua profundidade. O ancião que lidera a igreja precisa entender a falibilidade humana e tratar as falhas das pessoas com misericórdia e


correção em amor. A mulher de um marido descrente tem que aprender como suportar as contradições de sua situação e mesmo assim ser fiel. Como tudo na vida, também o desenvolvimento de um cristão se dá em fases. Uma sucessão de eventos e influências marca a vida como um todo. 21 Abaixo comparamos as fases sucessivas da vida com as fases que Clinton estabelece no desenvolvimento de um líder. Figura 6

Clinton estudou a vida de 70 líderes e que fases estes líderes passaram. Ele descobriu as seis fases acima. Entender a seqüência destas fases e submeter-se com atitude positiva e consciente à direção de Deus permite com que este processo seja o mais eficaz possível e seus efeitos os mais duradouros e profundos na vida do cristão. As fases vão se sucedendo na vida das pessoas e elas precisam ser guiadas de uma fase para a próxima. Quando negligenciamos certas lições de uma fase, passamos para a outra, mas ficamos devendo estas lições. Não se pode fazer lição 5 e 6 sem ter feito 1, 2, 3 e 4. Quando insistimos em não cedermos aos apelos do Espírito para cumprirmos com as lições de cada fase, enfrentamos crises desnecessárias e retardamos a passagem para a próxima fase. Fases do Desenvolvimento da Espiritualidade M. Scott Peck afirma que as pessoas se movem por quatro fases em sua jornada espiritual. Ele afirma: “Assim como existem fases discerníveis no desenvolvimento físico e psicológico do ser humano assim também há fases no crescimento espiritual.” 22 Como base para o raciocínio a seguir as fases são: Anomia, legalista, decepção e maturidade. 1) Anomia: fase em que a pessoa não quer saber de Deus ou tem uma percepção vaga ou modística de Deus e da religião. O centro de sua vida continua sendo o EU. Qualquer coisa que possa cooperar para a satisfação deste EU, pode ser aceita, mas não toca e nem transforma o EU. Ao andar sem a Luz em sua vida (cf. Sl. 119:105) tropeça na vida machucando a si mesmo e a outros. A culpa e o pecado vão se acumulando prejudicando o bom funcionamento das engrenagens da vida e dos relacionamentos. Certo


38 cansaço vai se acumulando pelo caos que vai se estabelecendo pelo rastro de feridas deixadas atrás de si. Aqui pode começar uma transição. O pecador percebe que tem algo de errado, mas não sabe o que Desde o princípio tem é, e na maioria dos casos nem quer sido plano de Deus que saber. Até que Deus, por meio através de Sua igreja daquela constante e persistente ação misteriosa que obra em seja refletida para o nosso ser alcança o coração e fornece uma perspectiva. Em mundo Sua plenitude e um momento quase como de parto, em um choque entre o suficiência. Aos desespero e a esperança, Deus se revela e aquilo que antes não membros da igreja, a fazia sentido agora se torna o mais quem Ele chamou das profundo desejo do coração. trevas para Sua A boa semente caiu em solo bom. maravilhosa luz, 2) Fase Legalista: A pessoa se rende a Deus e compete manifestar Sua inicia sua jornada com Deus, num relacionamento pessoal, bem glória. A igreja é a como com Sua igreja – instrumento depositária das riquezas utilizado para desenvolver os cristãos em sua caminhada espiritual. A pessoa reconhece pelo estudo da Bíblia que foi criada por Deus e apenas funciona bem se submeter-se às leis para as quais foi criada. O cansaço de uma vida sem a ordem de Deus havia se manifestado com tamanha fúria e intensidade que o descanso em Deus parece o início da própria eternidade e do céu. As leis e mandamentos do Senhor são inscritas em seu coração e passam a ser o seu prazer. Este contraste gritante tende a conduzir o converso por expectativas irreais a respeito da natureza da igreja e do poder do pecado sobre o ser humano. Quando bem preparados entendem a luta entre a natureza espiritual e a natureza carnal em seu coração, mas tende a ficar num nível teórico. A percepção da realidade cristã se dá apenas por meio da experiência guiada e calibrada pela Palavra. Aqui inicia uma nova transição. 3) Fase da Decepção: Ao passar o tempo e experiências vão sendo feitas novas percepções entram em vigor. Irmãos são observados e depois das primeiras experiências com Deus, uma pergunta começa a dirigir a vida do crente: “como é a vida de um cristão que vive há muito tempo com Deus?” ou outra: “deixa eu ver o efeito de viver a vida cristã na vida de alguém que anda com Cristo há mais tempo... Será que eu quero isto para minha vida?” A decepção está aguardando. A trombada entre expectativas elevadas e a dura realidade da falibilidade humana é inevitável. Não poucas vezes esta experiência capota a fé de novos crentes. Pouco a pouco vai observando os defeitos dos irmãos, de líderes, da igreja e se a pessoa tem uma visão um pouco mais ampla vê os defeitos da organização como um todo. Como se isto não bastasse, se o crente for honesto consigo mesmo e não deixar se ofuscar pelo perfeccionismo, vê suas próprias lutas e derrotas, e o castelo de sonhos cai. A ilusão dá lugar ao real, a expectativa dá lugar ao fatual. Nesta fase o crente se torna ácido, os seus olhos parece que se abrem para o defeito. Alguns passam a não enxergar mais nada a não ser os defeitos. Não demora muito a atitude de impotência para mudar o sistema, bem como a crítica se instalam minando as forças espirituais que sustentavam a vida. As disciplinas espirituais são negligenciadas. É nesta fase que alguns querem controlar e supervisionar para terem a percepção que as coisas não estão fora de rumo – como se o seu rumo fosse melhor do que o rumo que


outros dão... Outros desistem de lutar nesta fase, quando percebem as sucessivas derrotas que sofrem. Há uma tendência de se estagnar nesta fase que é cognominada de fase da areia movediça. Muitos que caem nesta fase perdem o vigor espiritual e se permanecem na igreja, ficam ali como membros e desistem de progredir em seu discipulado. Por ser uma fase na qual o crente não é cooperativo com a igreja, tende a se tornar desagradável e acontece com pessoas que já estão um bom tempo na igreja muitos negligenciam e ou descriminam, deixando-o marginalizado. O tecido social da igreja não está preparado para pessoas assim e muitas vezes este tecido é preparado para não aceitar a influência “deste tipo de gente”. A situação piora por que o próprio crente que passa por esta fase e a torna visível para outros (não esquecendo que todos passam por esta fase e nem todos a tornam visível) se tornam céticos e cínicos e têm dificuldades de aceitar ajuda. Num pragmatismo doentio que se implantou em meio ao cristianismo “você é ou não é” algo, ninguém permite o desenvolvimento de um processo. Tanto por parte da igreja como por parte do crente que passa por esta fase há desconfianças. “A igreja não muda” diz o crente decepcionado. “Ninguém consegue mudar alguém!” diz a igreja. É mandatória nesta fase a atenção pastoral, aproximação pessoal, baixar armas dos dois lados e trazer o indivíduo para dentro da rede de afeto e atenção da igreja novamente, explicando-lhe a fase pela qual está passando e que há possibilidades e necessidade de crescimento. É necessário ajuda para entrar na próxima fase de transição. 4) Fase da Maturidade: Aqui o crente já passou pelas fases mais difíceis e começa a desfrutar com equilíbrio e grandeza a sua vida com Deus. Nesta fase o cristão sabe que as coisas não são perfeitas, também não tenta usar a lei como ferramenta para arrumar o que está errado, não precisa mais criticar, pois percebe a falibilidade de tudo inclusive de si mesmo, aprende a se importar com as pessoas e com Deus em sua vida. É a fase do serviço maduro. O crente sabe servir e entende que faz bem para as três partes: Deus, a si mesmo e ao próximo (cf. artigos complementares: Relacionamentos Marcados pelo Amor). É a fase na qual conhece os seus dons e sabe utilizá-los. Suporta a falibilidade humana em suas diversas manifestações (incluindo a crítica daqueles a quem está ajudando). Não é que este crente não se fira ou reaja fortemente aos abusos que sofre ao tentar servir, pelo contrário, sabe se impor e colocar limites mesmo estando ferido. Ele aprende a ver a imagem maior. Com os olhos fixos no grande conflito entre o bem e o mal e a volta de Jesus tem motivos e motivação suficientes para seguir avante em seu serviço a Deus e ao próximo. Não precisa de reconhecimento e muito menos aplauso. Sabe lidar com a crítica e com o elogio sem perder a sua comunhão íntima com Deus e com a sua igreja. De forma nenhuma esta fase deve ser confundida com a fase de um “super-cristão”, pois ainda e sempre está sujeito à queda e ao retrocesso Fenômeno Cíclico


40 Parece que na experiência cristã não existe a linha de chegada. Aquele que está em pé, cuide para que não caia, como diz Paulo (cf. 1 Co. 10:12). O processo de santificação antes parece nos levar em forma espiral por estas fases de maneira circunstancial (cf. figura abaixo). Aqueles que são mais proativos, estarão menos sujeitos aos solavancos e guinadas na sucessão destas fases em repetição helicoidal.

Os altos e baixos não perdoam ninguém. As recaídas naqueles pontos que já vencemos em Cristo parece ser nosso quinhão. Quando pensamos que estamos intocáveis pelas fases já vencidas, Deus providencia experiências por meio das quais temos que renovadamente aprender a lidar com estas “fases já vencidas”. Parece que todos temos que chegar à conclusão à qual Paulo foi conduzido em sua experiência: “a minha graça te basta, por que o poder se aperfeiçoa na fraqueza!” (cf. 2 Co. 12:9). Há cristãos que desanimam com a constante luta que não quer cessar. Novamente evoco Paulo: “estou plenamente certo, de que Aquele que em vós começou a boa obra há de concluí-la até o dia de Cristo Jesus...” (cf. Fl. 1:6). Não ouse desistir jamais, pois quando nosso Senhor chegar haveremos de ouvir as palavras: “servo bom e fiel...” (cf. Mt.25:21) e haveremos de falar como Paulo: “combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé...” (cf. 2 Ti. 4:7). Avanço ou retrocesso Segundo estimativa de Jon Dybdall23 entre 35 e 40% dos membros da IASD estão estagnados na fase 2 e outros 40% na fase 3. Apenas uns 20 a 25% conseguem alcançar a fase de maturidade. Segundo esta estimativa, boa É necessário pôr-se em parte da igreja estacionou em alguma fase do desenvolvimento. É íntimo contato com o como se alguém estacionasse na adolescência, como diz a povo mediante esforço psicologia: fixação na pessoal. Se se adolescência ou fixação na fase oral... empregasse menos Como podemos avançar para a última pregação vigorosa do tempo a pregar evangelho com esta bagagem? Como sermões, e mais fosse acelerar o passo desta dedicado a serviço pessoal, maiores seriam os resultados que se veriam. CBV, 143.


enorme embarcação chamada igreja, quando aproximadamente 80% da tripulação está doente e incapacitada de trabalhar?

Um ministério como o de Jesus seria necessário. Ele gastou mais tempo curando do que pregando e muito mais tempo ainda discipulando. Vinte e quatro horas por dia ele investiu nos seus discípulos. Ele lhes ensinava os detalhes de seguir-Lhes os passos, capacitando-os para fazerem a parte do trabalho que lhes coubesse e delegassem outra parte para outros discípulos que eles iam fazendo ao longo da jornada, que eles por sua vez capacitariam. Pessoas são chamadas para serem cristãs e em seu processo de desenvolvimento, não sabem exatamente como ser cristãs no começo ou o que fazer para que o desenvolvimento espiritual e pessoal ocorra de maneira mais efetiva. A maioria não sabe como alcançar aquela vida que Jesus prometeu em João 10:10, “eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância!” Do outro lado, cristãos mais maduros são chamados para desenvolverem aquilo que já têm. Cristãos que conhecem Jesus a mais tempo são chamados a ajudarem aqueles que estão dando os seus primeiros passos na fé. Não há bom momento para este chamado de Deus. Ele nunca vem em hora conveniente – pois nós estamos sempre ocupados com outras coisas. Ninguém de fato está preparado – então a desculpa: “eu não estou preparado!” não adianta para Deus, pois Ele nos chama quando Ele acha que devemos dar passos adiante. Quando um cristão que já está na igreja há algum tempo se nega a atender ao pedido de Deus de servir de mentor/ discipulador na vida de outro cristão, todo um processo pára e a obra de Deus fica prejudicada. Avançar em confiança ao chamado de Deus, é o que precisamos fazer. E ao sentir no meio da jornada que não temos provisão suficiente, começamos a ler e estudar, a orar mais e nos aconselhar com os mais experientes. Deus nos vai guiando e capacitando naquilo que falta ao longo do caminho. Gosto de comparar este assunto quando inserido dentro do conflito entre o bem e o mal da seguinte maneira: Vejo como que se Deus e o diabo estivessem em uma disputa e quando o diabo precisa de ajuda de seus aliados humanos, ele os envolve com as suas


42 seduções e eles lhe obedecem, quando ele quer atacar ou destruir. Quando chega a vez de Deus fazer os seus movimentos e Ele precisa contar com os Seus aliados, eles de repente têm outros planos. “eu não quero, já fiz outros planos!” Dizem. Ou “eu não posso agora, não é conveniente neste momento, mais tarde quem sabe!” E Deus fica abandonado tendo que resolver situações complicadíssimas que Ele havia decidido nos envolver. As Duas Dimensões da Missão A igreja tem uma missão corporativa a cumprir. O Reino de Deus precisa ser divulgado e estabelecido pelo mundo afora. Há uma ordem dada por Jesus que precisa ser cumprida por cada pessoa, bem como por Sua igreja aqui na Terra: “Indo, fazei discípulos, batizando-os e ensinando-os todas as coisas que vos tenho ensinado.” Mt. 28:19-20.

Figura

Estamos falando de duas dimensões específicas aqui: 1) a dimensão pessoal que se refere à realização pessoal do Cristão como tal, bem como o seu desenvolvimento; e 2) a dimensão corporativa que se refere à função profética e proclamadora de cristãos em coletividade, aquilo que chamamos como igreja. Partimos do pressuposto de que tanto o indivíduo como a igreja como um todo precisam ser capacitados e treinados. A igreja por se tratar de um corpo vivo sujeito a constantes mudanças em um mundo ao seu redor que muda e precisa ser abordado em sua dinâmica. O indivíduo por se realizar mais e experimentar o Evangelho e o próprio Salvador com maior intensidade e profundidade quando está treinado e capacitado nas diversas áreas que envolvem a fé Cristã. Ao irmos ensinando, batizando, indo pela vida com as pessoas, o cristão é chamado a fazer outros discípulos. Aqueles que estão mais avançados no conhecimento do Senhor devem ajudar aqueles que estão mais novos na fé a encontrarem plena realização, sentido de vida em Jesus Cristo e gosto pelo serviço a Deus e ao próximo. Não há obra que seja mais importante do que esta para a igreja. Nada que a igreja faça deve perder de vista o foco de fazer discípulos. Buscar os descrentes ensinar-lhes os fundamentos do evangelho e por meio da liderança espiritual, que se expressa por meio do pastoreio, treinamento e envolvimento prático, o discípulo recém-batizado precisa seguir aos próximos patamares do desenvolvimento espiritual. Aqui serão apresentadas cinco fases do discipulado como o entendemos. Durante este discipulado ocorre o avanço da pessoa desde seu estado de separação de Deus, até à


maturidade em Jesus Cristo quando o crente vive o seu ministério e lidera outras pessoas para exercerem o seu ministério. Figura /?????

A igreja precisa ser organizada para conduzir as pessoas por estas cinco fases (cf. fig. 04). O ambiente precisa estar propício para que todos (ou pelo menos a maioria) queiram e possam progredir para os próximos passos. Fase

Input

Resultado

Quando

Observação A pessoa no mundo, encontra Jesus e inicia a jornada c/ Cristo, p/meio do estudo da Bíblia. A pessoa é conduzida ao batismo.

Mundo

Estudo bíblico

Entusiasmo por Cristo e batismo

-

Batismo

Pastoreio, amizade e ensino

Crescimento em Cristo e amor pela igreja

No 1° ano de igreja

A pessoa batizada enfrenta as lutas relativas à sua decisão, preci-sa de apoio pastoral/material. De-ve aprofundar seu conhecimento de Deus.

Membro integrado

Treinamento e capacitação

Sentido e propósito de vida em Cristo

No 1° ano de igreja

Integrado na igreja o discípulo precisa descobrir p/quê Deus o criou, o propósito de sua vida. Aqui cabe o teste de dons e capacitação.

Membro capacitado

Envolvimento prático serviço

Serviço como estilo de vida em Cristo

No 1° ano de igreja

Capacitado nas atividades de seu dom, o discípulo aprende a servir onde chamado, apesar de concentrar-se em seu(s) dom(ns).

Maturidade em Cristo

Depois do 1° ano

Conhece o propósito de Deus para sua vida. Como ministro ele não é in-falível. Serve com alegria suportando as pressões/ oposições ligadas ao ministério sem perder o ânimo ou a fé.

Ministro

Liderança em um ministério

Tabela 1

Aqui uma série de perguntas emerge que precisam ser respondidas com honestidade, para que a igreja local possa ser o mais eficaz possível. A igreja tem uma estratégia que leva as pessoas que vão se unindo a ela de um ponto ao outro em seu desenvolvimento espiritual? As estruturas que temos hoje conduzem para este desenvolvimento espiritual fase a fase? Todos os membros da igreja conhecem o processo de discipulado? Os membros sabem que depois do batismo existem outras fases a percorrer? O ambiente da igreja está propício para a busca do crescimento? O ministério na igreja local (pastor, anciãos, os diversos departamentos) está mais voltado para um ministério de expansão ou de manutenção? Alguns Efeitos do Discipulado sobre o Discipulador e o Discípulo


44 Fase

Discipulador

Discípulo

Empatia Estrutura da Igreja Local: Estruturar a igreja local de tal maneira que ela esteja saudável e que o ambiente que ela ofereça seja propício para o desenvolvimento dos discípulos de Jesus é a tarefa principal da igreja e do líder espiritual. Descobrir os caminhos que cada igreja local quer, gosta e precisa percorrer é tarefa do líder. O líder espiritual precisa elaborar um plano estratégico, para que todos os esforços de sua igreja conduzam para este alvo e a ela tenha um crescimento sustentável e equilibrado. Este plano não pode ser copiado de outra igreja ou imposto por força de autoridade sobre qualquer igreja. Precisa ser original e precisa ser discutido com a participação voluntária de todos os interessados e participantes.24 Líderes de igreja carecem às vezes de instrumentos de discussão. Quando há necessidade de implementar mudanças na igreja local, muitas vezes ficamos desajudados e confusos com as críticas e forças contrárias. Uma ferramenta muito útil é o ciclo de discussão apreciativa 4D.

O ciclo “4D” é a maneira adequada de discutir os assuntos em um ambiente de voluntários como a igreja. Este ciclo desperta a disposição dos voluntários, gera apropriação da visão, atrai recursos como consequência da apropriação e mantém um clima de camaradagem e apoio mútuo. Lembre-se que como igreja precisamos avançar em unidade (cf. Jo. 17:22-23). Descoberta: é a fase em que o grupo define o estado atual de maneira apreciativa. Devaneio: esta fase poderia ser chamada de Sonho. É quando o grupo imagina hipóteses. Desígnio: Aqui o grupo define como

Figura 3

O discipulado precisa ser incorporado na igreja por meio de discussões positivas envolvendo cada membro da igreja ou distrito produzindo uma visão comum. Aqui não valem as receitas, que tanto usamos em nosso meio. Qualquer experiência que se transporte de 1 para 1 de uma igreja para


outra será muito limitado em seu alcance. Os membros precisam apropriar-se deste plano e incorporá-lo em suas mentes e corações. Os elementos necessários para que tal plano seja bem sucedido e as pessoas sejam conduzidas de fato pelas alamedas do discipulado em crescimento são: Clareza, movimento, alinhamento e foco.25 1) Clareza: é a habilidade do processo ser comunicado e entendido por todas as pessoas, quer sejam membros antigos ou recém batizados. 2) Movimento: é a seqüência de passos ou fases pelas quais as pessoas serão movidas para áreas de comprometimento mais profundas (cf. fig. 2). 3) Alinhamento: é a organização e arranjo dos departamentos, ministérios e líderes ao redor do mesmo processo de desenvolvimento no discipulado (veja a necessidade do ciclo de discussões 4D). 4) Foco: é o compromisso de abandonar tudo que não coopere com o processo de fazer discípulos e de conduzi-los pelas sendas do crescimento em Cristo. Isto pode desafogar algumas atividades na igreja, que têm se multiplicado, causando algumas vezes confusão, frustração e descontentamento. Todos os membros de sua igreja conhecem o seu plano de discipulado? O ambiente de sua igreja está propício para a busca do crescimento pessoal e corporativo? O que você pode fazer para tornar a sua igreja aberta para o crescimento em Cristo? Uma estratégia, com respeito à vocação da igreja local, para que esta se torne relevante, precisa ser construída com entendimento e envolvimento de todos. Crie um plano de discipulado que sejam orientados por estes 4 elementos. Comprometimento pessoal com a IASD: A igreja local não pode falhar em oferecer um modelo simples de discipulado, com fases claras e orientando todos os departamentos e ministérios da igreja para auxiliarem com um bom desempenho deste ciclo na vida de cada discípulo. Mas como toda iniciativa requer um bom diagnóstico da realidade, como discutimos acima, um bom ciclo de discussão e uma boa ação, o líder precisa conduzir a igreja a uma boa reação. Criar um ambiente saudável, cooperativo e de relacionamentos abertos, propicia uma boa resposta da igreja, quando ela é envolvida num projeto. O líder espiritual precisa desfrutar de uma boa reputação26 na igreja, de tal maneira que a igreja se sinta atraída pelo plano. A seqüência ao lado (cf. figura 4) mostra como o desenvolvimento espiritual da igreja pode ocorrer com maior eficácia possível. O diagnóstico foi feito de maneira adequada, as ações empreendidas para fazer Figura 4 frente ao diagnóstico são as mais apropriadas e a resposta dos envolvidos é a melhor.


46 Pode, no entanto haver interrupção em qualquer ponto deste círculo. O Líder prefere crer que não seja nem no diagnóstico, nem na ação empreendida. Ele tende a achar problemas na reação dos envolvidos. Acha-se facilmente expressões como “falta de comprometimento”, “falta de envolvimento”, “falta de motivação”. Creio particularmente na idéia de Wilkinson: 27 “se o aluno não aprendeu é por que de fato o professor não ensinou.” – se a igreja não seguiu (não cresceu, não alcançou as suas visões, não desenvolveu um ciclo claro de discipulado, etc.) o líder de fato não liderou. O que pode impedir então que pessoas sejam envolvidas no trabalho na causa de Deus? O que poderia parecer uma boa ação que recebe uma má reação da igreja? Individualidade O pós-modernismo é criticado por alguns de seus aspectos, mas um acréscimo que ele trouxe foi uma percepção mais detalhada do indivíduo. Ao tentarmos envolver pessoas no trabalho do Senhor, precisamos lembrar de que iremos trabalhar em grupos menores com tarefas mais específicas. Precisamos entender o que envolve e motiva as pessoas. Uma maneira certa de errar é tentar envolver a igreja como um todo. As pessoas são diferentes e têm propensões diferentes, têm personalidades e dons diferentes e são motivadas e envolvidas de maneira diferente. Alguns dos pontos que veremos a seguir são: 1) a motivação e como pessoas são motivadas, 2) a variedade de personalidades e como cada uma é motivada e 3) os diversos dons e o seu envolvimento.

Motivação e Comprometimento 1. A teoria de discussões positivas “4D”, de planos e estratégias, tudo parece muito bom e fácil no papel. Na prática o clamor dos líderes é sempre o mesmo: “como motivar a igreja?”; “como 5 dicas para crescer em arrancar a igreja da letargia do sabatismo?”28; comprometimento: “como envolver a igreja em algo 1. Deixe bem claro para si que ela mesma ficará contente e agradecida mesmo com o que você está depois de ter sido se comprometendo para envolvida?” cada dia. Este material tem como objetivo 2. Faça um calendário de proporcionar instrumentos que visam facilitar a prática da compromissos diário. liderança e do envolvimento da igreja para sua maior 3. Aceite o fato de que eficácia, a realização de seus membros e aparecerão percalços entre glorificação de Deus. Portanto a teoria é aqui você e seus compromissos e apresentada para que tenha efeito prático, por mais que lide com eles. 4. Alegre-se e seja grato a o estudante terá que experimentar na prática os Deus quando cumprir com conceitos aqui propostos, para adequá-los à seus compromissos. realidade que irá enfrentar. 5. Seja honesto com os seus limites e peça ajuda quando


Comprometimento e integridade Você sabia que temos a tendência de quebrar menos os compromissos que fazemos com outros do que aqueles que fazemos conosco mesmos? Parece uma verdade desconfortável, mas parece que é assim que funcionamos. Cremos que é mais fino colocarmos os outros na frente, pois caso contrário poderíamos ser vistos como egoístas ou desagradáveis. É um processo psicológico que se dá como resultado de nossa cultura e tem como efeito colateral o fato de que não achamos ser tão importante nos comprometermos e mantermos os nossos compromissos pessoais. Pode haver certa má compreensão da afirmação de Jesus: “...amarás ao teu próximo como a ti mesmo...” (cf. Mc. 12:31). O padrão proposto por Jesus é que você precisa aprender a amar-se primeiro que então você estará apto amar o seu próximo. Mas é compreensível que nos comprometemos mais com outros que conosco mesmos, pois a resposta e o controle estão fora de nós e podem ser mais facilmente medidos e principalmente recebemos um feedback mais pronto. Imagine a pessoa que se compromete a fazer coisas e sempre falha, logo será deixado de lado. Como não gostamos desta rejeição social, a maioria das pessoas se esmera em cumprir com os compromissos assumidos. Compromissos que fazemos conosco mesmos, por - Há pessoas que mesmo outro lado, têm apenas a consciência própria como tribunal de quando se comprometem e contas. Facilmente entramos no vício da procrastinação que assumem funções e tarefas mina rapidamente a inteireza (integridade) de nosso não as cumprem. caráter. Comprometimento e - Há pessoas que nunca se integridade estão intimamente ligados. comprometem e sempre fogem à responsabilidade de um compromisso.

Integridade O que é integridade? Como desenvolvê-la? Ser íntegro é ser inteiro. É poder confiar em si mesmo e saber que a sua própria palavra vai ser cumprida. É aprender a não ser Como crescer em integridade: apenas em parte. Comece a observar-se e Integridade se refere tanto ao aspecto de inteireza, de comparar com Jesus. Medite ser completo em suas capacidades, funções e nEle. Reconheça onde você como comumente usado o termo: está. Ore por forças para a luta. inteireza moral. Comece fazendo promessas Trataremos o termo integridade como o pequenas a você mesmo e elemento de convívio próprio sadio, que na falta cumpri-las. Cumpra cada coisa provoca uma ruptura interior, e a pessoa passa a ser uma que você promete. Vá coisa e fazer outra, ter uma coisa e viver acima daquilo crescendo até você assumir que tem, viver como se fosse promessas maiores. Ore para o outra pessoa e Senhor sintonizar o seu interior comportar-se como tal. Esta é a especialidade de atores. Dependendo do momento, com caras e gestos se fazem passar por algo que nem de longe são... Vivem um papel com uma condição financeira que na realidade não têm. Não é assim com cristãos e especialmente líderes espirituais. Se Deus precisasse de atores para atuar em Sua obra, Ele os teria chamado para a liderança espiritual. Querer ser o que outros são, ter o que os outros têm, invejar, tentar ser o que não se é, é falta de integridade. O que você é e o que você finge ser repartem seu caráter ao meio.


48 O que você e fato tem e o que insistentemente deseja ter, faz você viver e existir num patamar fora de sua real realidade e rasga o seu ser ao meio, deixando brechas que são exploradas pelo inimigo produzindo resultados visíveis em pessoas sem integridade. Há pessoas que não conseguem viver pacificamente com a sua própria realidade e querem viver a de outrem. Vivem angustiadas entre aquilo que gostariam de ser/ter/fazer e aquilo que a sua realidade lhes oferece de fato. Quando falo de integridade, falo de uma vida que é o que é. Sem fissuras, sem pretensões, sem fingimentos, sem ilusões, sem desilusões, sem máscaras. Sintomas de integridade: Quando você decide fazer algo, você o faz. Quando percebe que está além daquilo que pode/consegue fazer ou ser ou ter, você não promete, mas se empenha a crescer para alcançar o patamar que lhe foi exigido. Se prometer, paga o preço e alcança aquilo por meios lícitos e honrosos. Sintomas da falta de integridade: constante atraso, desculpas, promessas não cumpridas, desânimo, mentira... No fim, vida dupla e hipocrisia. Jesus não pode fazer nada para resolver o problema da hipocrisia. É só você que tem que abandonar (cf. Sl. 32:1-2 – dolo em Hebraico: remiyah = falta de integridade, falsidade). Esta maneira que a nossa cultura nos impele a ser de colocar os outros primeiro de maneira inconsciente, não é, para muitos nada mais e nada menos do que uma tática de retardo, de auto-sabotagem, quando queremos validar a falta de integridade por uma polidez inconsciente.

Comprometimento Organizacional Esse é um conceito que descreve o vínculo organizacional do indivíduo com uma instituição. O vínculo pode ser estabelecido de várias formas. De acordo com Dela Coleta(2003) o comprometimento pode ser descrito como o envolvimento com a organização que incita a realizar um esforço considerável em prol da empresa, sendo este afetado pela natureza do vínculo. De acordo com Bastos (1993) o vinculo organizacional (Comprometimento) pode ter 5 abordagens encontradas normalmente na Bibliografia: 1. Afetivo, também chamado atidudinal: o indivíduo se identifica com a organização e com os objetivos dela e deseja manter-se como membro, de modo a facilitar a consecução desses objetivos. O comprometimento afetivo é aquele associado à idéia de lealdade, desejo de contribuir, sentimento de orgulho em permanecer na organização. 2. Calculativo ou instrumental: comprometimento como função das recompensas e dos custos pessoais, vinculados à condição de ser ou não membro da organização. O comprometimento seria fruto de um mecanismo psicossocial de trocas e de expectativas entre o indivíduo e a organização, em aspectos como salário, status e liberdade. 3. Sociológico: relação de autoridade e de subordinação. O comprometimento do trabalhador se expressa no interesse em permanecer no atual emprego porque percebe a legitimidade da relação autoridade/subordinação. Desta forma, os indivíduos levam para o trabalho tanto uma orientação para seus papéis de


subordinados, quanto um conjunto de normas que envolvem os modos corretos de dominação. 4. Normativo: internalização de pressões normativas de comportamento. 5. Comportamental: manutenção de determinadas condutas e de coerência entre seu comportamento e as suas atitudes. O comprometimento “pode ser equiparado com sentimentos de auto-responsabilidade por um determinado ato, especialmente se eles são percebidos como livremente escolhidos, públicos e irrevogáveis”. Desta forma, as pessoas tornam-se comprometidas a partir de suas próprias ações, formando um círculo de auto-reforçamento no qual cada comportamento gera novas atitudes que levam a comportamentos futuros, em uma tentativa de manter a consistência. Mulller e Cols (2005) estudaram o comprometimento organizacional em supermercados tentando descrever a correlação entre Comprometimento Organizacional e o atingimento dos objetivos da empresa. De acordo com Pinto Jr (2001),dentre os preditores de Desempenho as caracteristicas do vinculo do individuo com a organização é um dos mais fortes. Sendo assim, Comprometimento Organizacional é um dos preditores importantes de desempenho organizacional. As características de personalidade não tem grande significado no desempenho quando comparado com suporte material, suporte do chefe e Compromentimento. Motivação pelos olhos da ciência Destacaremos alguns capítulos do livro de Edward Deci, Por que fazemos o que fazemos29 um dos autores de maior destaque nesta área, mas que não dispensa outros artigos científicos e livros publicados.30 Algumas perguntas precisam ser respondidas: é possível motivar alguém? É função de o líder motivar a igreja para uma determinada tarefa, atividade ou para uma visão? Quanto uma pessoa, por mais competente que seja, pode motivar outra pessoa que não quer ser motivada? Que materiais ou instrumentos podem ser utilizados para uma motivação nãomanipuladora e não-controladora? Qual a diferença entre motivação intrínseca e extrínseca? Motivação é o mesmo que condicionamento? O que motivação tem a ver com treinamento e membros de igreja e com o ciclo de discipulado?

Motivação Intrínseca e Extrínseca:

Obstáculos e soluções: Há alguns obstáculos típicos para a motivação da maioria das pessoas: 1) falta de capacidade de fazer o que se está pedindo. Solução? “TEM”: Treinamento, ensino, mentoreamento. 2) falta de coragem de tentar. Aqui tem algum medo que precisa ser trabalhado. Medo de errar (sentimentos perfeccionistas). Solução: Se levamos em consideração 1 João 4:18,


50 que “no amor não há medo”, pessoas que têm medo precisam aprender a amar e ser amadas. São pessoas que pensam (motivadas por sua experiência passada) que se não fizerem tudo certo, correm o risco de serem rejeitadas. 3) falta de liberdade. Solução? Quando as pessoas não se dispõe a se envolver em uma atividade proposta por este motivo, é necessário diminuir o grau de controle e fiscalização. Dar espaço e condições para as pessoas desenvolverem atividades com sua iniciativa e criatividade apoiando e orientando suas iniciativas, é a melhor saída. Às vezes estruturas têm que ser mudadas e líderes controladores têm que mudar de atitude ou às vezes o líder tem que ser mudado por inibir a iniciativa e motivação de uma igreja inteira. 4) falta de entender o projeto ou atividade. Solução: esclarecimento detalhado do projeto ou atividade. Esclarecimento da distribuição das funções e como cada função vai colaborar com o todo. Esclarecimento do cronograma de trabalho, datas limites, etc.. 5) falta de confiança. Pode ocorrer de haver um clima de desconfiança ou de inveja. Solução: confiança gera confiança. Trabalhar com pessoas desconfiadas de outros ou de si mesmas precisa de um líder que mostre confiança. 6) falta de criatividade. Geralmente ligado a ambientes controladores que prescrevem todos os detalhes do processo. Solução: diminuir o controle, aumentar a liberdade de ação, trabalhar com alvos finais deixando o caminho para alcançá-los para cada um com sua criatividade. Necessidades pessoais e motivação Abraham Maslow (1909 – 1970). Os degraus da pirâmide Maslow são: Necessidades fisiológicas: As necessidades fisiológicas são satisfeitas mediante comida, bebidas, sonho, refúgio, ar fresco, uma temperatura apropriada, etc… Se todas as necessidades humanas deixam de ser satisfeitas então as necessidades fisiológicas se transformam na prioridade mais alta. Se oferecerem a um humano soluções para duas necessidades como a necessidade de amor e o fome, é mais provável que o humano escolha primeiro a segunda necessidade, (a de fome). Como resultado, todos os outros desejos e capacidades passam a um plano secundário. Necessidades de segurança: Quando as necessidades fisiológicas são satisfeitas então o ser humano se volta para as necessidades de segurança. A segurança se transforma no objetivo de principal prioridade sobre outros. Uma sociedade tende a proporcionar esta segurança a seus membros. Exemplos recentes dessa perda de segurança incluem a Somália e o Afeganistão. Às vezes, a necessidade de segurança ultrapassa a necessidade de satisfação fácil das necessidades fisiológicas, como passou, por exemplo, os residentes de Kosovo, que escolheram deixar uma área insegura para buscar uma área segura, contando com o risco de ter maiores dificuldades para obter comida. Em caso de perigo agudo a segurança passa a frente das necessidades fisiológicas.

Necessidades de amor, Necessidades sociais:


Devemos ressaltar que não é possível fazer equivaler o sexo com o amor. Mesmo que o amor pode se expressar como parte sexualmente, a sexualidade pode em momentos ser considerada só na sua base fisiológica. Ver livro sobre motivação do Altair

Necessidades de estima, Necessidade de Ego: Isto se refere à valorização de um mesmo outorgado por outras pessoas. Necessidades do ser, Necessidades de Auto-estima é a necessidade instintiva de um ser humano de fazer o máximo que pode dar de si, suas habilidades únicas. Maslow o descreve desta forma: “Um músico deve fazer música, um pintor, pintar, um poeta, escrever, se quer estar em paz consigo mesmo. Um homem (ou mulher) deve ser o que pode chegar a ser. Enquanto as anteriores necessidades podem ser completamente satisfeitas, esta necessidade é uma força impelente contínua. Motivação: Maslow nos oferece vários códigos no âmbito da motivação. Se quisermos motivar às pessoas que temos a nosso ao redor devemos buscar que necessidades têm satisfeitas e tentar facilitar a consecução do degrau superior imediatamente. Outro elemento que pode influenciar na motivação que uma pessoa tem está ligado à sua personalidade e temperamento.


1 Sermão “Temple 1” pregado em 28 de Agosto de 2009 pertencente à série de sermões intitulada “The Temple” iniciada nesta data. 2 Estamos considerando 20.000 gotas por litro de água. O Maracanã tem forma oval sendo que a medida do eixo maior é de 317 metros e a do menor 279m e sua altura no ponto mais alto é de 32m. 3 Barrett, David V. World Christian Encyclopedia. 1982. P ???? 4 Ver citação com Jean Zukowski. http://answers.google.com/answers/threadview?id=320929 http://www.paradisecafediscussions.net/printthread.php?tid=1925 http://en.wikipedia.org/wiki/Adventism

5 Nenhuma destas tabelas corresponde com a realidade do que aconteceu. O Crescimento se dá menos ordenado do que o ritmo descrito uniforme descrito nestas tabelas. Aliás o crescimento de igreja não se submete a nenhum padrão pré estabelecido, como diz o apóstolo Paulo em I Co. 3:7 e 8: “Eu plantei; Apolo regou; mas Deus deu o crescimento. De modo que, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento.” 6 George, Carl F. How to Break Growth Barriers. Grand Rapids, MI: Baker Books House, 1993, p.18. 7 George, Carl F. How to Break Growth Barriers. Grand Rapids, MI: Baker Books House, 1993, p.18. 8 Apelo Urgente por Reavivamento e reforma, discipulado e evangelismo http://reavivamentoereforma.com/apelo-urgente-por-reavivamento-reforma-discipulado-e-evangelismo/

veja:

9 Veja: http://reavivamentoereforma.com/o-que-e-reavivamento-e-reforma-espirituais-pastor-alberto-r-timm/ 10 White, Ellen G. Atos dos apóstolos. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2002, p. 12.

11 Deci, Edward. Por que fazemos o que fazemos. ???????? 12 Estamos generalizando uma informação que é pertinente a regiões tanto na área da igreja mundial como na área de nosso país e nossa divisão. Conforme a secularização e a pós modernização da sociedade vai avançando em certa região, conforme o conforto produzido pela prosperidade vai avançando, menor vai se tornando o zelo missionário nesta região. 13 Monteiro, Rafael Luiz. Discipulado: Caminho de renovação e Crescimento para a Igreja . Engenheiro Coelho, SP: UNASPRESS, 2004, p.11-127.

14 Friberg, Barbara e Friberg, Timothy. Novo Testamento Grego Analítico. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1987, p.105.

15 Rienecker, Fritz e Rogers, Cleon. Chave Lingüistica do Novo Testamento Grego. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1985, p.65.

16 Pós-cristianismo é a disposição geral de uma nação ou população que incomodada com a corrupção, abuso de poder, hipocrisia e falta daquilo que basicamente o cristianismo se propôs a propagar, se volta contra o cristianismo, considerando-o como origem de todos os males. A nação começa a combater o cristianismo por não entender que há algum benefício nele. Como Jesus falou: “Se a luz que há em ti são trevas, quão grandes trevas serão.” (cf. Mt. 6:23). 17 Smith, Fred H. La Dinámica del Iglecrecimiento. Miami FL: Editorial Caribe, 1993, p.22. 18 http://www.theopedia.com/Ecclesiology. Pesquisado em 10 de Fevereiro de 2008. 19 Ibid.


20 Schwarz, Christian. Desenvolvimento Natural da Igreja . Curitiba – PR: Editora Evangélica Esperança, 1996, p. 25. 21 Clinton, J. Robert. The Making of a Leader. Colorado Springs, CO: Navpress, 1988, p. 44. 22 Peck, M. Scott. The Different Drum: Community making and Peace . New York: Touchstone Editions, 1987, p. 187. 23 Dybdall, Jon. Spiritual Formation. Anotações de sala de aulas no programa de D.Min. da Andrews para pastores da Divisão Trans-Européia no Newbold College em Julho de 2002.

24 Malphurs,

. Strategic Planning.

25 Rainer, Thom S. & Geiger, Eric. Simple Church. Nashville, TN: B&H Publishing Group, 2006, p.68. 26 O termo reputação não está sendo aplicado exclusivamente com o sentido moral com que geralmente o termo está sitiado nos meios “igrejeiros”. O termo aqui é usado mais no sentido de ter ascendência sobre a igreja. A igreja respeita e admira o seu líder, por que ele a conquistou. Se o líder está “queimado” na igreja, dificilmente vai conseguir uma boa reação, mesmo frente a um bom diagnóstico e boa ação proposta. 27 Wilkinson

28 Sabatismo esta sendo utilizado aqui como a prática de ir apenas aos Sábados à igreja, sem comprometimento com a causa Adventista que é ver o breve retorno de Jesus Cristo.

29 Deci, Edward L. Por que fazemos o que fazemos. São Paulo: Editora Negócios, 1998.

30 BERGAMINI C. W. Motivação. São Paulo, Atlas, 2ª ed.,1989. CASTRO,A .P. de. Automotivação: como despertar esta energia e transmiti-la às pessoas. São Paulo, Campus, 4ª Reimpressão,1996. CHIAVENATO,I. Gestão de Pessoas. Rio de Janeiro, Campus,1999. HERING S. de Q. Motivação dos quadros operacionais para a qualidade sob o enfoque daliderança situacional. Dissertação de Mestrado de, Engenharia de Produção- PPGEP, UFSC, 1996. KONDO Y. Motivação Humana: um fator chave para o gerenciamento. São Paulo 3ª ed., Gente,1991.

LOPES J. D. P. Os estilos gerenciais e suas implicações na motivação dos funcionários: um estudo de caso. Dissertação de mestrado, Engenharia de Produção- PPGEP, UFSC, 1999, Florianópolis/SC. MAHER, J. R. e PEIRSOL D. T. Coletânea de pesquisadores sobre Motivação., da IBM World Trade Corporation, da Divisão de Registro de Informações da IBM,EUA, Teorias de Motivação. São Paulo, Fundação Cenafor, 1988. MASLOW A . H. Maslow no Gerenciamento. Rio de Janeiro, Qualitymark, 2000.


Berndt D. Wolter - Discipulado Cristão