Page 1

1


Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico Curso de Arquitetura e Urbanismo Pesquisa e Metodologia do Trabalho Final de Graduação

Spa Autora: Karen P. da Silva Santos Orientadora: Arq. E Urb. Beatrice Peters Ardizzone

Pelotas, julho de 2012. 2


Agradecimentos Agradeço primeiramente a Deus por ter me dado forças

para

chegar

até

aqui.

Agradeço

principalmente a minha mãe, Nélida, por ter me ensinado a nunca desistir dos meus sonhos, que a pesar de toda luta esteve ao meu lado em todos os momentos da minha vida, sem o apoio, a força e todo ensinamento dessa guerreira eu não teria chegado até aqui. Agradeço todos àqueles que estão sempre ao meu lado, me dando força e animo para continuar, também agradeço aqueles que estão longe, mas que tenho certeza que torcem por mim em todos os momentos. Não poderia deixar de agradecer aos meus mestres, meus

amigos,

aqueles

que

estiveram

comigo

durante todo esse tempo de aprendizado, meu muito obrigado por todo ensinamento, por toda paciência e por todos os dias que juntos passamos, sou o resultado da confiança e da força de cada um de vocês.

Karen P. da Silva Santos

3


"O mais importante nĂŁo ĂŠ a arquitetura, mas a vida, os amigos e este mundo injusto que devemos modificar." "A vida pode mudar a arquitetura, no dia em que o mundo for mais justo, ela serĂĄ mais simples." Arquiteto Oscar Niemeyer.

4


Sumário Definições Spas- Termos ................................................................................................................ 7 Objetivo- Justificativa .................................................................................................................... 8 Caracterização da Clientela ....................................................................................................... 9 Introdução ao tema .................................................................................................................... 10 Conceitos ...................................................................................................................................... 11 Aspecto Histórico ......................................................................................................................... 13 Evolução ........................................................................................................................................ 14 No Brasil.......................................................................................................................................... 16 Classificação quanto a definição ............................................................................................ 17 Classificação quanto a especialidade.................................................................................... 19 Hoje ................................................................................................................................................ 23 Pelotas ........................................................................................................................................... 24 Conclusão quanto ao histórico ................................................................................................. 25 Análise Arquitetônica -1 .............................................................................................................. 26 Análise Arquitetônica -2 .............................................................................................................. 35 Sítio- Justificativa .......................................................................................................................... 42 Sítio-História do local.................................................................................................................... 43 Sítio- Localização ......................................................................................................................... 44 Sítio- Legislação ............................................................................................................................ 46 Entorno- Relação com a cidade .............................................................................................. 49 Entorno- Acessos .......................................................................................................................... 51

5


Sumário

Entorno- Acessos Gerais .............................................................................................................. 52 Entorno- Elementos e edifícios em destaque .......................................................................... 53 Entorno- localização das fotos .................................................................................................. 54 Entorno- Fotos do sítio.................................................................................................................. 55 Entorno- Fotos do Entorno .......................................................................................................... 57 Entorno- Clima, orientação solar e ventos .............................................................................. 59 Programa de necessidades ....................................................................................................... 62 Definições e Pré-dimensionamento .......................................................................................... 65 Funcionograma ............................................................................................................................ 78 Conceituação .............................................................................................................................. 79 Zoneamento ................................................................................................................................. 84 Anexo 1- Plano diretor de Pelotas ............................................................................................. 86 Anexo 2 – Código de Obras de Pelotas .................................................................................. 96 Referencias Bibliográficas......................................................................................................... 111

6


Definição Spa- Termos utilizados SPA- (do topônimo Spa, estância termal situada na província de Liége, na Bélgica) é atualmente a designação genérica para um resort, associado ou não a uma estância termal, e geralmente voltado a atividades de lazer saudáveis, em contato com a natureza, relacionadas ao turismo de saúde e bem-estar. [1] SPA- Locais onde pessoas se hospedam para fazer dietas e/ou

outros

tratamentos

de

saúde,

baseados

alimentação balanceada e atividades físicas.

em

[2]

SPA- Certo balneário da Bélgica. / Local de repouso e recuperação (balneário, dieta, atendimento médico etc.).

[3]

SPA Urbano- Desenvolvido no Brasil no começo dos anos 90, o conceito de spa urbano é o de oferecer tudo o que um spa regular tem sem precisar de internações. Mercado em alta, o setor de estética tem se mostrado uma boa aposta. Nos spas urbanos, por exemplo, além de relaxar, o paciente ainda conta com avançadas tecnologias para ficar mais bonito. De acordo com o criador do conceito spa urbano, Antônio de Oliveira Filho, o spa oferece um diagnóstico completo, prescrevendo desde dietas até tratamentos estéticos (agência sebrae de negócios, 2005).

[1] Wikipédia [2]

[4]

7


Objetivo- Justificativa

Vivemos em um mundo que nos condiciona a práticas nocivas à saúde. O capitalismo tem orientado as pessoas a uma busca compulsiva pelo lucro individual, fazendo com que sacrifiquem a saúde em prol de alcançar bens materiais e reconhecimento. O estresse, a má alimentação, a obesidade e osedentarismo são temas corriqueiros nos dias atuais, vem despertando aatenção não só dos profissionais da saúde, mas também das pessoas que jácomeçam a sentir os efeitos desse alienado estilo de vida. Com esse pensamento é proposto o desenvolvimento de um spa, um local que tenha como principal objetivo cuidar da saúde e mente, local onde as pessoas poderão relaxar, descansar, se exercitar e se alimentar de forma saudável. Saindo um pouco da vida rotineira e caindo num verdadeiro paraíso dentro da cidade, neste caso, dentro da praia, proporcionando aos usuários uma belíssima vista para um merecido descanso.

8


Caracterização da Clientela/Publico Alvo

Considerando a diversidade das atividades que serão oferecidos pelo Spa, o perfil dos frequentadores é variado, embora

haja

ainda

um

”pré-conceito”

de

algumas

atividades serem enxergadas como elitizadas. O objetivo é trazer as pessoas para o Spa, mostrar que todos podem e devem cuidar da saúde.

9


Introdução Para a maioria de nós, a experiência mais parecida com um spa tem um lugar na nossa própria banheira, com espuma, às vezes velas e, com sorte, paz e sossego. Embora os prazeres destas diversões de trinta ou quarenta minutos sejam bem reais, não são senão uma sombra da evasão total que se consegue com a visita a um spa. Esquecer o trânsito, as contas, o trabalho e todos os elementos cotidianos que caracterizam a vida no mundo real poderão demorar boas horas, massagens que fazem desaparecer as preocupações do dia-dia, deliciosa sessão de yoga, o simples prazer de molhar os dedos dos pés na piscina. [5] A busca

por

espaços

que

oferecem

tratamentos

voltados para o bem estar físico e mental vem crescendo consideravelmente. Essa proposta vem encontrar esse público, oferecendo uma variedade de serviços que visam mudança de hábitos alimentares, combate ao sedentarismo e a o stress, além dos tratamentos estéticos, isso tudo oferecido em um único espaço, onde a população e os turistas poderão relaxar, malhar, escolher entre inúmeros serviços especializados com um único proposito, o bem estar.[6] [5] Livro SPA (Alisson Arieff&Bryan Burkhart)[6] autor

10


Conceitos A concepção dos SPAs se tornou algo amplo, mas com um objetivo muito específico: o bem-estar do corpo, da mente e do espírito, obtido através de diferentes tipos de serviços e atividades realizadas em seu espaço. O ideal de saúde, prevenção, bem-estar e cuidados com o corpo permanecem,

o

que

se

expande

são

os

serviços

oferecidos para atingir este fim. Quando se trata das atividades desenvolvidas, os serviços dos SPAs podem oferecer tratamentos corporais de prevenção e cura, terapias de bem-estar, relaxamento e beleza, banhos e rituais

de

purificação

corporal

e

mental,

práticas

nutricionais e mais medicinais, atividades de meditação e yoga, exercícios como pilates e outros mais aeróbicos, consultas médicas em SPAs especializados, etc.

[7] http://www.abcspas.com.br/-pesquisado em24/04/2012

[7]

11


Conceitos

Saúde A definição de saúde possui implicações legais, sociais e econômicas dos estados de saúde e doença; sem dúvida, a definição mais difundida é a encontrada no preâmbulo da Constituição da Organização Mundial da Saúde: saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças.

Beleza A beleza é uma experiência, um processo cognitivo ou mental, ou ainda, espiritual, relacionada à percepção de elementos que agradam de forma singular aquele que a experimenta. Suas formas são inúmeras, e a ciência ainda tenta dar uma explicação para o processo.[7]

[7] http://www.abcspas.com.br/-pesquisado em24/04/2012

12


Aspecto histórico A palavra spa teve sua origem numa vila belga com o mesmo nome, também conhecida pelos seus banhos públicos relaxantes e renovadores. Existente desde o tempo dos romanos atingiu o seu auge no século XIV, sendo ainda hoje um destino muito procurado.

[3]

A

história do efeito benéfico de águas termais e o conceito SPA remontam à Grécia Antiga e à cultura romana. Quando os romanos conquistaram a Europa, trouxeram com eles os conhecimentos dos efeitos positivos das águas termais e procuraram-nas em todo o lado. Cidades com fontes quentes tornaram-se destinos populares. [8] O uso medicinal das termas popularizou-se no século XIX e início do século XX, com as idas às estâncias hidrominerais para usufruir das águas com propriedades medicinais. É também nessa altura que surgem alguns dos modernos tratamentos hidroterápicos. O termo spa popularizou-se no final do século XX, passando a significar um espaço onde se fazem tratamentos pela água, vapor ou infusões, normalmente complementados

com

massagens

e

tratamentos

médicos não invasivos (nutrição, podologia, etc.).[8] [8] Viver Spa- História do spa [9] SPA –Sanus Per Aquam- cuidados avançados para seu corpo

13


Evolução dos Spas A evolução da atual concepção de spas foi sendo cada vez mais desenvolvida conforme as integrações dos diferentes povos e culturas mundiais cresciam. Enquanto que a cultura européia desenvolvia com grande maestria as atividades ao redor das águas e saunas, os povos asiáticos sempre foram mais voltados para as terapias corporais quando o assunto é o cuidado com a saúde. Seja com a harmonia do corpo, mente e espírito da Medicina Ayurveda Indiana, com a Medicina Tradicional Chinesa, com o Shiatsu japonês ou com a massagem tailandesa, sempre o foco se dava com tratamentos corporais, que por vezes também combinavam banhos, atividades nutricionais, aeróbias e meditativas. Desta forma, o conceito e a filosofia de cada cultura foram se unindo em um só centro de bem-estar conforme essas sociedades se desenvolviam: os spas. Os SPAs modernos são muito mais um reflexo da combinação dos diversos serviços trazidos por cada uma das culturas mundiais, do que o desenvolvimento individualizado de cada uma delas. No processo de evolução dos SPAs, não podemos esquecer dos Estados Unidos, que foi onde mais rapidamente se desenvolveram estas atividades, espalhando e fomentando este crescimento no resto do mundo. [10] [10]ABC-Spas: A proliferação dos spas pelo mundo.

14


Evolução dos Spas O desenvolvimento da sociedade norte-americana foi exigindo uma adaptação dos SPAs para as necessidades e interesses da população regional. Com isto, além dos tratamentos terapêuticos com a água e as terapias corporais tradicionais, foram passando a existir outras atividades, como tratamentos nutricionais e de redução de peso, terapias de beleza, atividades mais aeróbicas etc.

Estas

atividades

acabaram

se

desenvolvendo

sobremaneira, de forma que grande parte da população passou a ter os SPAs como complemento de seu cotidiano. Desta forma, foi nos Estados Unidos que a indústria de spas apresentou o maior desenvolvimento, servindo atualmente de referência mundial nos padrões de

atendimento,

equipamentos,

inovações

arquitetura

e

tecnológicas design

e

e

serviços

em de

beleza.Atualmente, a indústria de SPAs está em forte crescimento. Os serviços oferecidos pelos SPAs estão em constante evolução, não se restringindo a técnicas clássicas ou serviços tradicionais. As inovações trazidas pelos SPAs são frequentes, de forma que os serviços oferecidos pelos mesmos não podem ser taxados ou prédefinidos permanentemente.[11] [11]ABC-Spas: A proliferação dos spas pelo mundo.

15


No Brasil A indústria nacional de spas é bastante recente quando comparada aos mercados internacionais. Apesar de os primeiros spas do Brasil terem surgido no início da década de 1.980, foi apenas nos últimos 10 anos que este mercado iniciou seu mais rápido desenvolvimento, decorrente principalmente das modificações culturais trazidas

pelo

avanço

da

medicina

preventiva

e

necessidades geradas pelo acelerado ritmo da vida moderna. Com tal progresso, diferentes formatos e especialidades de spas foram surgindo de forma a atender a demanda cultural de seus clientes, o que trouxe

aceleradas

modificações

na

indústria,

aproximando-a mais dos mercados internacionais mais desenvolvidos. Os primeiros spas que surgiram no mercado brasileiro foram

os

chamados

Spas

Destino,

ou

seja,

estabelecimentos com estrutura de hospedagem e alimentação

que

apresentam

foco

integral

na

promoção do bem-estar e qualidade de vida. [12] Desenvolvido no Brasil no começo dos anos 90, o conceito de spa urbano é o de oferecer tudo o que um spa regular tem sem precisar de internações.

[13]

[12] ABC-Spas: A recente evolução do mercado brasileiro de spas (artigos e dicas)[13] PDF- Respostas técnicas

16


Classificação quanto à destinação

O crescimento do número destes spas pelo Brasil ainda é acentuado, mas bem menor do que outros tipos de spas que surgiram em função da demanda cultural por serviços de spas nas mais variadas localizações. A ABCSpas[14] os classifica da seguinte forma:

Spas

Resort/Hotel:

Estabelecimento

independente

localizado dentro de estrutura fixa de Resorts ou Hotéis, que apresenta serviços de bem-estar e qualidade de vida, lazer e entretenimento. Day

Spas:

Estabelecimento

sem

estrutura

de

hospedagem localizada em áreas urbanas seja em estrutura própria, shopping centers, centros comerciais ou residenciais. [15]

[14] ABC-Spas: A recente evolução do mercado brasileiro de spas (artigos e dicas)[15] Associação Brasileira de clinicas e Spas.

17


Classificação quanto à destinação

Spas Passeio: Estabelecimento localizado dentro de estruturas voltadas para entretenimento ou transporte. Inclui estruturas fixas de entretenimento ou veículos de passeio como clubes de campo, golf, e praia, clubes de entretenimento, navios, aviões, trens.

Os três tipos de spas mencionados são reflexo direto da maior procura por serviços e atividades relacionadas ao bem-estar e qualidade de vida, independentemente do local onde a pessoa se encontra, esteja ela em sua região de trabalho, próximo a sua casa, em viagem turística, ou a trabalho. Tais classificações demonstram a variedade de localizações e amplitude do alcance dos serviços proporcionados por uma infraestrutura de spa. [16]

[16] Associação Brasileira de clinicas e Spas.

18


Classificação quanto à especialidade Spa Naturista- Estabelecimento voltado para as práticas baseadas na Naturopatia onde os recursos da natureza, ecologia,

as

explorados

terapias

ao

orientais

máximo,

visando

e

ocidentais prevenir,

são

manter,

promover e recuperar a saúde, o bem estar e a qualidade de vida. Os principais tratamentos oferecidos por essa modalidade de Spa são os tratamentos de Homeopatia,

Fitoterâpia,

promovendo

a

saúde

Acupuntura por

processos

entre

outros,

naturais

de

tratamento e alimentação.

Spa Médico-

Estabelecimento

que possua

objetivos

primários médicos ou clínicos visando a promoção da saúde humana e qualidade de vida, apresentando serviços completos na área da estética médica, terapias e tratamentos complementares com atividade física monitorada. Alguns tratamentos só são permitidos nessa modalidade de Spa, pois exigem supervisão médica, como aplicações baseadas em raio laser e injeções de Botox.[17]

[17] Associação Brasileira de clinicas e Spas.

19


Classificação quanto à especialidade Spa Holístico- Estabelecimento com foco na promoção da saúde humana através de tratamentos que visam o equilíbrio entre corpo, mente e espírito. A tradição dos tratamentos milenares são geralmente os atrativos dessa modalidade. Segundo Liguori (2005), o Spa Holístico é o lugar onde o indivíduo sente-se motivado a restaurar sua energia perdida pelo estresse do trabalho e da rotina, buscando

o

autodesenvolvimento

autoconhecimento através

das

e

atividades

o de

relaxamento, uso da medicina integral e da meditação.

Spa Esporte e Aventura- Estabelecimento com serviços voltados para o lazer e entretenimento, com programas de qualidade de vida realizados através de atividades físicas

e

de

exercícios

direcionados.

Geralmente

localizado em áreas camping, onde o bem estar é promovido pelo contato direto com a natureza na realização de atividades esportivas como: caminhada, arborismo, canoagem, mountainbike, natação, tirolesa, rapel entre outros.[18]

[18] Associação Brasileira de clinicas e Spas.

20


Classificação quanto à especialidade

Spa Nutricional- Estabelecimento com o objetivo de orientação nutricional ,desintoxicação e reeducação alimentar, com infra estrutura necessária à produção de alimentação dietética e balanceada. Combinado os serviços nutricionais, os Spas geralmente oferecem a seus clientes a atividades físicas orientadas e serviços terapêuticos visando a promoção da saúde humana.

Spa Estético- Estabelecimento geralmente de estrutura física

mais compacta, que limita seus serviços á

tratamentos estéticos faciais e corporais, o que não demanda áreas extensas como ocorre nas modalidades que aliam esses tratamentos a prática de exercícios físicos.Com filosofia de beleza aliado à saúde e bemestar, apresentam variedade de equipamentos e mãode-obra

especializada,

alguns

estabelecimentos

oferecem também salão de beleza e serviços de podologia, visando um tratamento completo aos seus clientes.[19]

[19] Associação Brasileira de clinicas e Spas.

21


Classificação quanto à especialidade

Spa Termal- Perpetuador dos tratamentos que deram origem ao Spa, esses estabelecimento proporcionam saúde e bem estar através da hidroterapia e banhos termais, apresentando infra-estrutua adequada para tais tratamentos

SpaWellness /Bem

Estar-

Estabelecimento

que

proporciona o bem-estar físico, mental e espiritual através de variados programas e serviços especializados, seja através de terapias corporais, banhos ou atividades físicas específicas.[20]

[20] Associação Brasileira de clinicas e Spas.

22


Hoje

“O crescente desenvolvimento de estudos científicos sobre os cuidados com a saúde prevenida e os benefícios de terapias corporais de bem-estar foi, e ainda é, forte tendência de exploração e crescimento de serviços relacionados a estes fins. Tal fato tem trazido importantes transformações ao mercado brasileiro de spas, o qual tem constantemente buscado se adaptar às demandas culturais e turísticas de cada região do país.”

[21]

[21] Palavras de Gustavo Albanesi-presidente da Associação Brasileira de Clínicas e Spas.

23


Pelotas Spa urbano é um tema que vem se adaptando a arquitetura, tanto no Brasil quanto em Pelotas, não encontramos projetos feitos dedicados aos Spas, o que acontece normalmente são casas, prédios, enfim, lugares que se adaptam para receber um Spa. A cidade de Pelotas parece não ter o habito de spa, talvez as pessoas imaginem spa para hospedagem, a cidade conta com um único spa, o Marine Spa Urbano, localizado na rua Dr. Amarante, 524 no centro da cidade, esse existente a mais de10 anos, conta com serviço personalizado de atendimento que concebe o cliente de forma global, trabalhando os aspectos físicos, emocionais, nutricionais e estéticos, objetivando assim, a reestruturação, o reequilíbrio e a reeducação alimentar, o spa dispõe de programas variados voltados para o emagrecimento, depressão e stress. A pessoa passa por uma entrevista inicial, com nutricionista, personal training, esteticista e outros profissionais que irão elaborar um programa personalizado, visando atender suas necessidades. Porem alguns outros “SPAS” localizado em Pelotas na verdade nada mais são que clinicas de estéticas ou academias que oferecem trabalho semelhante, mas não possuem uma estrutura específica de spa.

24


Conclusão quanto ao histórico

Mediante os sinais de prejuízo que os maus hábitos da vida

modernaacarretam,

a

atenção

da

sociedade

começa a se voltar para a recuperação deum estilo de vida saudável, e a busca por SPA e centros de bem-estar temcrescido consideravelmente. Com a existência de muitas classificações destinadas ao Spas, acaba se criando uma barreira econômica e social para a visão do publico em geral, embora saibamos que essa tradição de spa vem de muito longe, uma época em que as pessoas realmente se preocupavam com a saúde, bem estar, mente e espirito. O Spa proposta se encaixará quanto a classificação da especialidade em várias das opções apresentadas, e esse é o objetivo, um local com várias alternativas para todo o publico e todas as idades. Vivesse em um mundo de “corre-corre”, mas o ideal seria que não deixássemos de cuidar de nós, da nossa saúde, um corpo saudável, uma mente sã consegue alcançar todos os objetivos, sejam pessoais ou profissionais.

25


Análise arquitetônica Piscina Climatizada e Spa em Maiorca -Espanha Arquitetos:A2arquitectos Ano:2011 Área construída:690 m² Endereço:Crta. Manacor – Porto Cristo Km. 10, Porto Cristo Ilha de Maiorca Espanha Tipo de projeto:Hotéis Operação projetual:Ampliação Status:Construído Materialidade:Concreto e Vidro Estrutura:Concreto Localização:Crta. Manacor – Porto Cristo Km. 10, Porto Cristo, Ilha de Maiorca, Espanha Implantação no terreno:Isolado

[22] http://www.archdaily.com.br/projetos/tipo/hoteis

26


Análise arquitetônica Planta baixa Em Maiorca, no meio da vegetação mediterrânea, foi construído em 1967 um pequeno hotel que ao longo do tempo, mediante delicadas operações de melhoras e ampliações, foi se transformando num dos hotéis mais emblemáticos da região. A última destas interferências foi dotada dum caráter que vai além de um “resort”, baseando-se no desfrute da luz da ilha mediterrânea e da idílica relação com a natureza do território.

A intervenção focava na substituição da cobertura e fechamentos da piscina climatizada existente, aproveitando o vidro existente, e a criação dum spa adjacente que a serviria de apoio.

27


Análise arquitetônica Corte

Durante seu desenvolvimento, o projeto derivou dum desdobramento do programa, configurando-o como duas peças independentes, respondendo ao posicionamento de cada uma delas a uma intenção distinta segundo suas características. Por um lado, o volume principal da piscina, segue a diretriz que marcava o hotel.

28


Análise arquitetônica O spa, destinado ao tratamento da pele e relaxamento, se entende como um grande observatório para a natureza e para a paisagem que o rodeia, girando o volume para conseguir as melhores vistas do local no qual está inserido. O giro independente das formas, faz com que encontrem um ponto singular onde uma permanece frente à outra, se conectam e se comunicam, conjugadas através do lobby do hotel ligado ao volume principal.

Piscina

Sauna

Térmica Foi necessário rever a piscina preexistente que se situa anexa à fachada que se considerava traseira do hotel, e junto com as instalações se limitavam a um espaço de caráter claramente residual.

29


Análise arquitetônica O objetivo do projeto foi conseguir que as peças novas não fossem apenas peças secundárias, mas que servissem para enaltecer e priorizar a fachada mais ensolarada do hotel. Esta fachada hoje, sob seus pés, possui uma cobertura “pontilhada” de claraboias, que através de seu jogo, tornam esta fachada a principal do projeto.

Telhado da fachada principal com claraboias.

30


Análise arquitetônica No volume do spa, também é modelado o espaço com os filtros colocados nas claraboias, criando cascatas de luzes coloridas que deslizam pelos mesmos, assim o edifício participa deste tratamento, conjugando-o com a busca da prazerosa sensação que produz a natureza quando adentra no edifício e nos faz perder qualquer outra referência.

31


Análise arquitetônica

A vegetação é introduzida através de enormes aberturas numa fachada de vidro, e é o uso da madeira, como material vivo, o que enfatiza esta sensação desejada. Somente quando as propriedades desta não satisfazem os objetivos buscados, é utilizada uma cerâmica de cor e textura neutras que ficam secundários perante o protagonismo da luz, calor e água que vão ao seu encontro.

32


An谩lise arquitet么nica

33


Conclusão da 1ª análise

Essaprimeira análise chama bastante a atenção quanto sua inserção no meio ambiente, são ambientes voltados para a natureza, preocupados com a visualização dos clientes, inserindo o publico no meio em que está localizado. Quanto a forma é uma construção contemporânea que passa leveza apesar de ser feita em concreto. Adequouse bem a antiga construção, juntas pouco se percebe o que já existia. Os materiais utilizados foram o concreto e vidros, esses fazendo com que houvesse essa ligação do externo com

o

interno.

revestimento

A

usado

madeira na

e

parte

os

elementos

interna

de

trouxeram

aconchego para o espaço, assim como as claraboias que trazem a claridade, o sol para dentro das salas.

34


Análise arquitetônica Spa Hotel del Valle – Rinconada / EstudioLarraín Arquitetos:EstudioLarraín Ano:2011 Área construída:1422 m² Endereço:Autopista Los Libertadores s/n. Rinconada, San Felipe Chile Tipo de projeto:Hotéis Status:Construído Materialidade:Pedra e Madeira Estrutura:Concreto e Pedra Localização:Autopista Los Libertadores s/n. , Rinconada, San Felipe, Chile Implantação no terreno:Isolado

[23] http://www.archdaily.com.br/projetos/tipo/hoteis

35


Análise arquitetônica A arquitetura do edifício responde não somente a topografia, já que está em localizada em uma colina íngreme, mas também ao programa do edifício. Existem áreas mais públicas que são mais iluminadas e comunicadas com o entorno, e outras onde a tranquilidade e relaxamento são necessários, mais escuridão e privacidade.

36


Análise arquitetônica

O edifício é projetado em dois níveis deslocados entre si. O nível superior foi pensando como se desprendesse da dobra da colina, gerando um espaço intermediário, uma varanda que seestende até o exterior, sobre as colinas circundantes.

Neste nível

estão as piscinas, o ginásio e uma pequena cafeteria.

37


Análise arquitetônica Em contraste, o nível inferior, no qual estão as áreas de spa, o edifício é mais hermético, mais íntimo, é um espaço no “interior da colina” e da rocha. Neste lugar, se está em uma caverna, onde as vistas são controladas, são fragmentadas, predominam as sombras e o som da água que brota nas paredes.

38


Análise arquitetônica

Ao mesmo tempo estes espaços intermediários criam perspectivas distorcidas em todos os sentidos.O edifício está parte fora, parte dentro da colina. No nível superior existem dois pátios com formas que rompem com a geometria da planta, uma “tela” retangular onde se fortalece, ainda mais, a ideia de habitar um espaço entre as colinas e onde o céu é especialmente relevante.

39


An谩lise arquitet么nica Plantas

40


Conclusão da 2ª Análise

Essasegunda análise tem destaque para os desníveis a qual ela está inserida, os ambientes se encaixam em todos os níveis, aproveitando dessa forma todo o espaço existente. Por estar inserido no meio ambiente, torna o local ainda mais agradável, tem essa ligação com a natureza. Volumes distorcidos dão a sensação de o edifício estar tanto fora como dentro da colina, painéis de vidro também dão a ligação do interno com o externo, proporcionando total aproveitamento das visuais.

41


Sítio proposto- Justificativa

A escolha do sítio para a construção do Spa é pela caracterização do local, como já foi dito anteriormente, os Spas nasceram das antigas termas, Spa remete a água, relaxamento, lazer, e nada como a Praia para agregar um projeto desce porte. O sitio está situado na Av. Dr° Antônio Augusto Assumpção, principal avenida da praia do laranjal, ele tem vista para a Lagoa dos Patos, e situa-se próximo a uma Pousada bem conhecida dos Pelotenses, é um terreno com alguns declives que só tem a somar para o projeto. Como a proposta é construir o projeto de Spa urbano, esse vai estar bem localizado, próxima ao centro do laranjal, porem, devido o terreno ser bem

extenso

o

spa

se

localizará

em

uma

área

privilegiada, com arvores, declives e até mesmo um banhado.

42


Sítio proposto- História local: Laranjal A praia do Laranjal é uma praia situada a dez minutos do centro da cidade de Pelotas, no estado do Rio Grande do Sul.Com seus balneários Santo Antônio e Valverde, é banhada pela Lagoa dos Patos. O povoamento da cidade se originou em 1763, quando muitos habitantes da vila de Rio Grande, fugindo da invasão espanhola ocorrida na época, buscaram refúgio nas terras pertencentes a Thomaz Luiz Osório, que se localizavam as margens da Laguna dos Patos – hoje balneário do Laranjal. A praia está 10 km do centro, com seus vários balneários: Balneário Santo Antônio, dos Prazeres,

Valverde,

Novo

Valverde

e

Colônia

de

Pescadores Z-3. A extensão da orla é de aproximadamente 2 km, o que possibilita a prática de diversos esportes, aquáticos quanto praticados na areia e calçadão. O Laranjal também da o sustento de varias famílias com a pesca.[24]

[24] http://www.omelhordobairro.com.br/pelotas-laranjal/historia

43


Sítio proposto- Localização

Mapa do Estado do Rio Grande do Sul

Mapa do Rio Grande do Sul

Mapa do Brasil

Mapa de Pelotas [25] Mapas retirados do Google em 02/05/2012

44


Sítio proposto- Localização

Mapa da Praia do laranjal

Dados do terreno Cidade: Pelotas-Rio Grande do Sul Região administrativa: Laranjal Endereço: Praia do Laranjal- Av. Dr°. Antônio Augusto de Assumpção, entre a Rua Um e a Av. Alfredo Assumpção.

Localização do terreno

Dimensão Total: 32.099,33 m²

[26] Mapa da cidade de Pelotas e mapa de localização do sitio retirado do Google em 28/06/2012

45


Sítio proposto- Legislação O terreno se classifica do seguinte modo: incomodidade 11, Grau de impacto médio e porte excepcional. Código: 39.01.51- centros de emagrecimento, spa e congêneres. Segundo o Plano Diretor da cidade de Pelotas, em todo território da Região administrativa do laranjal será permitida a construção de até 7 metros de altura. Com exceção dos imóveis das Avenidas José Maria Fontoura, Rio Grande do Sul e Antônio Augusto Assumpção. E na Av. Adolfo Fetter entre a cidade de Braga e Cidade de Viseu, o que não se aplica ao terreno proposto (cap. IV, art. 169). Inscrito no art. 260 e 261, sobre terrenos nas áreas de interesse ambiental natural que, todo empreendimento a ser implantado no município, que não esteja previsto no regramento

do

deveráapresentar

licenciamento

laudo

hidrológico

ambiental, e

de cobertura

vegetal, a ser avaliado pelo órgão ambiental competente, quando

cabível.Todo

empreendimento

ou

estabelecimento com área superior a 2.500m² (dois mil e quinhentos metros quadrados), público ou privado, será responsável

pela

destinação

corretados

resíduos

produzidos em suas atividades, salvo o disposto em legislação pertinente. (anexo 1)

46


Sítio proposto- Legislação Na subsecção I, art. 51- Das áreas especiais de interesse ambiental Natural diz: Áreas

com

atributos

ambientalespecialmente relevo, solo,

especiais

quanto

a

de

valor

características

de

hidrologia, vegetação, fauna e ocupação

humana, protegidas por instrumentos legais ou não, nas quais

o

poder

público

poderá

estabelecer

normas

específicas de utilização para garantir sua preservação e conservação. Parágrafo único:Estas áreas apresentarão diferentes níveis de proteção, com restrição ou limitação ao uso do solo e preservação de seus recursos naturais, com usos proibidos oolimitados, manejo controlado preferencialmente

a

com áreas

pesquisa

destinadas

científica,

ao

lazer,recreação, eventos culturais, turismo e educação. Já no art. 145 diz: Nas AEIAN Particulares, mediante processo deautorização ambiental, será permitido o uso para cultura, esportes,

atividades de lazer,

turismo ecológico, hospedagem e

agropecuária, observando a proteção de matas, dunas, banhados

e

outros

atributos

naturais

de

relevante

importância ecológica. (Anexo 1) 47


Sítio proposto- Legislação Poderá haver parcelamento neste tipo de AEIAN, sob a forma de sítio de lazer, com lote mínimo de 1,00 ha (um hectare) de área, Taxa de Ocupação (TO) de 10% (dez por cento) e altura máxima de edificação em 7,00m (sete metros). Todo uso especial, distinto do permitido em AEIAN, dependerá de aprovação do PoderPúblico,

e

desde

que se preservem as características urbanístico-ambientais do local. Na avaliação deautorização descritas

no

caput

ambiental, nas

atividades

do artigo serão consideradas as

autorizações anteriores. (anexo1)

48


Estudo do Entorno - Relação com a cidade

Terreno para a proposta

Entrada da cidade pela Br 392

Terreno em relação a umas das entradas da cidade de Pelotas, Br 392, pelo Bairro Simões Lopes. O terreno está a 15,6 Km (29 min.) de uma das entradas da cidade.

[27] Todas as imagens retiradas do google mapas

49


Estudo do Entorno - Relação com a cidade

Av. Adolfo Fetter

Centro histórico de Pelotas (Praça Coronel Pedro Osório)

Terreno para a proposta

O terreno está a 12,4 Km (24 min) do centro histórico (Praça Coronel Pedro Osório) da cidade de Pelotas.

50


Estudo do Entorno - Acessos

Av. Adolfo Fetter

Av. José Maria Fontoura

Rua Novo Hamburgo

Rua Jaguarão

Rua Jaguarão

Terreno escolhido

51


Estudo do Entorno - Acessos Gerais Principais acessos a Praia do laranjal e ao terreno: 1°- Av. Adolfo Fetter e Av. José Maria Foutura (2,8 Km, 5 min) e o 2°- Av. Adolfo Fetter e Av. Rio Grande do Sul ( 3,2 Km. 6 min.)

2° 52


Estudo do Entorno - Elementos e edifícios de destaque O laranjal por si só já é uma praia em destaque na cidade de Pelotas, um local privilegiado que só os apreciadores sabem reconhecer esse local, porem, no entorno desse Sítio podemos notar algumas elementos e edifícios em destaque, temos pousadas, temos um parque de piscinas, e uma extensa mata nativa de conhecimento de poucos, além do shopping no centro do Balneário, local bem utilizado pela população, principalmente no verão, sem deixar de mostrar as belíssimas paisagens dessa localidade.

Uma das Pousadas

Shopping

Parque de piscinas

Paisagem 53


Estudo do Entorno- localização

54


Estudo do Entorno–Fotos do Sítio

1

2

3

4

55


Estudo do Entorno–Fotos do Sítio

5

7

6

8

56


Estudo do Entorno - Fotos Entorno

2

1

3

4

57


Estudo do Entorno - Fotos Entorno

5

7

6

8

58


Estudo do Entorno - Clima, orientação solar e ventos.

Clima: Subtropical, com inverno fresco e verão suave. A forte influência marítima, devida a proximidade com o Oceano Atlântico, se manifesta na temperatura amena

e na elevada umidade atmosférica

com

formação de nuvens e densos nevoeiros de maio a agosto. O mês mais quente é janeiro, com temperatura média de 23,3°C, e o mês mais frio é julho, com média de 12,2°C. O mês mais chuvoso é fevereiro, com 144mm de precipitação. A temperatura média anual é de 17,6°C e precipitação média anual é de 1200mm, com chuvas regularmente distribuídas durante todo o ano. A umidade relativa do ar é bastante elevada (com média anual de cerca de 85%). Há um dito popular de que Pelotas é a segunda cidade mais úmida do mundo, atrás apenas de Londres na Inglaterra. Os invernos são relativamente frios, com geadas frequentes e ocorrência de nevoeiros.[28]

[9] http://pt.wikipedia.org

59


Estudo do Entorno- Clima, orientação solar e ventos.

Temperatura: Média anual - 17,6ºC

Orientação do terreno: Frente para a lagoa SE- Sudeste e fundos NO- Noroeste

Média superior a 20ºC - 4 meses Média inferior a 20ºC - 8 meses Coordenadas: Latitude - 31º45’43’’ Longitude - 52º21’00’’ 60

Orientação: Frente do terreno Nordeste (NE)


Estudo do Entorno - Clima, orientação solar e ventos.

Ventos: O vento predominante em Pelotas, no verão e no inverno, é o NE, porém o vento mais forte e “castigante” é o SO, também chamado de Minuano.

61


Programa de Necessidades

1.

Portaria Guarita Banheiro

2.

Setor administrativo Recepção Sala Direção Sala reuniões Copa Sanitários

3.

Setor Funcional Depósito - Materiais de Limpeza Depósito - Equipamentos deJardinagem Lavanderia Estendal

4.

Setor Médico Sala de espera Consultório- Endocrinologista Consultório- Nutricionista Consultório- dermatologista Sala de avaliação física

62


Programa de Necessidades 5.

Setor de Estética Sala de espera Vestiário feminino estiário masculino Sanitários eFuncionários 4 salas de procedimento estético facial 4 salas de procedimento estético corporal Salão de beleza Depósito de material de limpeza

6.

Setor Hidroterapias Sala de espera Vestiário feminino com wc Vestiário masculino com wc Salas de hidromassagem Salas de tratamentos com argila e gesso Pista de caminhada aquática Sauna feminina Sauna masculina Ofurô Piscina aquecida Depósito de material de limpeza

63


Programa de Necessidades

8.

Lanchonete Refeitório Atendimento Sanitário Masculino Sanitário Feminino Depósito

9.

Estacionamento Vagas para carros Vagas para motos Bicicletário

10.

Setor infra-estrutura Gerador Medidores Transformador Gás Deposito de lixo

64


Definições e Pré-dimensionamento 1. Portaria Guarita Banheiro

1.1-

Características: Identificação e controle de entrada e saída de clientes, funcionários, mercadorias e fornecedores nas dependências do Spa, afim de proporcionar segurança ao local.

1.2-

Pré-dimensionamento:

Quadro 1- Pré-dimensionamento Portaria Ambiente

Sala de controle

Banheiro

Mobiliário/Equipamento

Mesa/cadeira/frigobar/

Pré-dimensionamento (m²/pessoa) 7m²

computador Cuba/vaso sanitário Total de áreas

2m² 9 m²

OBS: Mínimo exigido pelo código de obras de Pelotas, lei 5528 de 30 set. 2008. 65


2. Setor Administrativo Recepção Sala Direção Sala Reuniões Copa Sanitários

2.1- Características: Nesse local é que acontece as ações gerenciais do Spa, administração, coordenação e fiscalização das atividades desenvolvidas no complexo. No setor administrativo se localizará também a recepção, onde serão dadas as primeiras orientações aos clientes quanto ao Spa.

2.2-Pré-dimensionamento:

Quadro 2- Pré-dimensionamento Setor Administrativo Ambiente

Recepção Sala direção Sala de reuniões

Mobiliário/Equipamento

Pré-dimensionamento (m²/pessoa)

Mesa/cadeira/ poltronas

10m² (2 m² por pessoa)

Mesa/cadeiras/arquivos

14 m² (7m² por pessoas)

Mesa/ cadeiras

10 m² (1 m² por pessoa)

66


Copa Sanitários

Pia/bancada/geladeira

4 m² (1 m² por pessoa)

Cuba/vaso sanitário

8 m² (2m² por unidade)

Total de áreas

46 m²

OBS: Dos 4 sanitários que totalizam os 8 m² apresentados pelo quadro 2 está previsto 2 para uso do público, sendo 1 feminino e 1 masculino, e os outros 2 de uso privativo das salas do setor administrativo. 3. Setor Funcional Depósito - Materiais de Limpeza Depósito - Equipamentos de Jardinagem Lavanderia Estendal 3.1- Características: Além de funcionar como área de serviço e manutenção de equipamentos, nesse setor será feito o controle de entrada e saída de funcionários.

67


3.2-Pré-dimensionamento: Quadro 3- Pré-dimensionamento Setor Funcional Ambiente

Depósito- mat.

Mobiliário/Equipamento

Pré-dimensionamento (m²/pessoa)

Prateleiras/armários

7m²

Prateleiras

7m²

Prateleiras/armários

7m²

-

Área livre

Bancada/geladeira/pia

4 m² (1 m² por pessoa)

Cuba/vaso sanitário/

9m² (1.5 m² por trabalhador) + 2

chuveiro/armário

m² por sanitário = 11 m²

limpeza Depósito- equip. jardim Lavanderia Estendal Copa Wc./Vestiários

Total de áreas

36 m²

OBS: Os 11 m² de vestiários e W.C, metade é para feminino e metade masculino.

68


4. Setor Médico Sala de espera Consultório- Endocrinologista Consultório- Nutricionista Consultório- dermatologista Sala de avaliação física

4.1- Características: Os consultórios servirão de apoio para as atividades a serem desenvolvidas no spa, servirá para diagnosticar o estado físico dos clientes. 4.2-Pré-dimensionamento: Quadro 4- Pré-dimensionamento Setor Médico Ambiente

Sala de espera Consultório

Mobiliário/Equipamento

Pré-dimensionamento (m²/pessoa)

Mesa/cadeira/ poltronas

8m² (2 m² por pessoa)

Mesa/cadeiras/arquivos

10m² (5 m² por pessoa)

Mesa/ cadeiras

10m² (5 m² por pessoa)

Pia/bancada/geladeira

10m² (5 m² por pessoa)

Endocrinologista Consultório Nutricionista Consultório Dermatologista

69


Sala de avaliação

Mesa/cadeiras/computador

10m² (5 m² por pessoa)

Total de áreas

48 m²

5. Setor de Estética Sala de espera Vestiário feminino Vestiário masculino Sanitários eFuncionários 4 salas de procedimento estético facial 4 salas de procedimento estético corporal Salão de beleza Depósito de material de limpeza 5.1- Características: Nesse setor serão realizados os tratamentos de estética facial e corporal. Estima-se que sejam oferecidos alguns tipos de tratamentos de estética corporal incluindo massagem, e alguns tipos de tratamentos de estética facial.

5.2-Pré-dimensionamento: Quadro 5- Pré-dimensionamento Setor de Estética Ambiente Sala de espera

Mobiliário/Equipamento Cadeiras/revisteiro

Pré-dimensionamento (m²) 8m² (2 m² por pessoa) 70


Vestiário feminino Vestiário masculino Salas de procedimento

Armários/prateleiras

6m² (1.5 m² por pessoa)

Armários/prateleiras

6m² (1.5 m² por pessoa)

Mesa/cadeira/bancada

28m² (4 salas de 7 m²)

apoio

estético Facial Salas de procedimento

Mesa/cadeira/bancada apoio

estético corporal Salão de beleza

28m² (4 salas de 7 m²)

Mesas/ cadeiras/

50 m²(5m² por pessoas)

bancadas apoio/ lavatório/carinhos apoio/poltronas

Depósito

Armários/prateleiras

7m² 4 m² (2 unidades de 2 m²)

Sanitários Total de áreas

133 m²

OBS: A metragem para o salão é para que ele atenda não só os clientes do Spa, mas também a comunidade do laranjal e Pelotas. 6. Setor de Hidroterapias Sala de espera Vestiário feminino com wc Vestiário masculino com wc 71


Salas de hidromassagem Salas de tratamentos com argila e gesso Pista de caminhada aquática Sauna feminina Sauna masculina Ofurô Piscina térmica Depósito de material de limpeza 6.1- Características: Nesse centro estarão reunidos todos os tratamentos hidroterápicos que servirão de complemento para todas as outras atividades relaxantes.

6.2-Pré-dimensionamento: Quadro 6- Pré-dimensionamento Setor de Hidroterapias Ambiente

Sala de espera Vestiário feminino Vestiário masculino Salas de

Mobiliário/Equipamento

Pré-dimensionamento (m²)

Cadeiras/revisteiro

8m² (2 m² por pessoa)

Armários/prateleiras

9m² (1.5 m² por pessoa)

Armários/prateleiras

9m² (1.5 m² por pessoa)

Hidromassagem/cadeira/armário

28m² (4 salas de 7 m²)

hidromassagem 72


Salas de tratamento

Mesa/cadeira/bancada apoio

28m² (4 salas de 7 m²)

-

-

Armários/prateleiras

4m² (6 pessoas)

-

4m² (6 pessoas)

-

16m²( 4 salas de 4 m²)

-

315 m²

Armários/prateleiras

7m²

com argila e gesso Pista de caminhada aquática Sauna Feminina Sauna Masculina Sala para Ofurô Piscina térmica Depósito

Total de áreas

428 m²

7. Academia Sala de Espera Sala de musculação Sala ergométrica Sala de spinning Sala de ginástica Sala de pilates Sala de Yoga

73


7.1- Características: Destinado à prática de atividades física, neste local os clientes poderão desfrutar dos mais variados equipamentos e serviços de academia. Com o auxilio de profissionais, a rotina de exercícios será controlada e orientada de acordo com as necessidades e limites de cada um.

7.2-Pré-dimensionamento: Quadro 7- Pré-dimensionamento Academia Ambiente

Sala de espera Sala de musculação Sala Ergométrica Sala de Spinning Salas Ginastica Sala de Pilates Sala de Yoga

Mobiliário/Equipamento

Pré-dimensionamento (m²)

Sofá/Poltronas/revisteiro

8m² (2 m² por pessoa)

Aparelhos específicos

40 m² (1 m² por pessoas)

Aparelhos específicos

40m² (1 m² por pessoas)

Aparelhos específicos

20 m² (1 m² por pessoas)

Aparelhos específicos

20 m² (1 m² por pessoas)

Aparelhos específicos

20 m² (1 m² por pessoas)

Aparelhos específicos

20 m² (1 m² por pessoas)

Total de áreas

168 m²

74


8. Lanchonete Refeitório Atendimento Sanitário Masculino Sanitário Feminino Depósito 8.1- Características: Atendimento ao público externo e utilizadores dos serviços Spa. A lanchonete e terá acesso diretoavia externa para facilitar o atendimento daqueles que irão utiliza exclusivamente de seus serviços. 8.2-Pré-dimensionamento: Quadro 8- Pré-dimensionamento Lanchonete Ambiente Refeitório Atendimento

Sanitário masculino Sanitário feminino Depósito

Mobiliário/Equipamento

Pré-dimensionamento (m²)

Mesas e poltronas

20 m² (1 m² por pessoas)

Expositor, bancada de

10 m² (0,5m² por pessoas)

apoio, geladeira, freezer Cuba/vaso sanitário

2m²

Cuba/vaso sanitário

2m²

Armários/prateleiras

7m²

Total de áreas

41m² 75


9. Estacionamento Devido o código de obras de Pelotas não conter numero mínimo de vagas para spa, o número de vagas será proposto de acordo com a análise das necessidades de cada setor, conforme o quadro 9.

Quadro 9- Estimativa do n° de vagas Portaria Setor Administrativo Setor Funcional Setor Médico Setor de Estética Setor de Hidroterapias Academia Lanchonete Total de vagas

1 5 (1 vaga a cada 10 m²) 1 (1 vaga a cada 75 m²) 5 (1 vaga a cada 10 m²) 14 (1 vaga a cada 10 m²) 24 (1 vaga a cada 10 m²) 21 (1 vaga a cada 10 m²) 5 (1 vaga a cada 10 m²) 70 vagas

OBS: Esse total de vagas é somando numero de funcionários e clientes, conforme código de obras de Pelotas.

76


10. Setor Infraestrutura Gerador Medidores Transformador Gás Depósito de lixo 10.1- Características: Esse setor visa dar suporte para todo o local. 10.2-Pré-dimensionamento: Quadro 10- Pré-dimensionamento Setor Infraestrutura Ambiente

Mobiliário/Equipamento

Pré-dimensionamento (m²) 6 m²

Gerador

3 m²

Medidores

6m²

Transformador

10m²

Depósito de lixo

6m²

Gás Total

31m²

77


Funcionograma

78


Conceituação

Spa, trata-se de um lugar para todos reporem as energias, relaxar, descansar, respirar outros ares, cuidar da saúde e da mente, e essa proposta não seria diferente, o objetivo é construir um local para que as pessoas possam sair da rotina do dia-dia sem precisar passar a noite fora de casa. Esse projeto visa não só tratar da saúde das pessoas, mas ter cuidado também com o meio ambiente, que venha preservar o local que ele será inserido. O sítio escolhido encontra-se em uma área especial de interesse ambiental, e não seria diferente o cuidado com o meio ambiente, o local é lindíssimo, possui um banhado e muita vegetação nativa, um desnível deslumbrante para a contemplação da Lagoa dos Patos. Esse Spa contará com um leque de opções em diversos tratamentos: estético, médico, hidroterápico, relaxamentos, cuidados físicos e alimentação saudável. Tudo e um espaço contemplador, preocupado com o bem estar da população e com o meio ambiente.

79


Conceituação Por se tratar de um terreno em uma área de preservação, todo cuidado com a construção é necessário. Como qualquer outro projeto, o Spa deve seguir todas as normas e exigências para sua construção. Como a proposta é fazer uma construção sustentável, pensando no meio ambiente, não se pode deixar de falar na responsabilidade com o social, afinal de contas não se faz um projeto sem se preocupar com a sociedade, publico alvo, e pensando nisso é que o Spa seguirá todas as normas para a acessibilidade, visando atender também o publico portador de necessidades especiais e idosos.

Dessa

forma

todos

os

ambientes

serão

devidamente dimensionados e distribuídos com o melhor posicionamento

possível,

agregando

todo

dimensionamento, deixando dessa forma habilitado

para

atender

todas

as

pré-

o projeto

necessidades

solicitadas. Será pensando também uma forma de tornar o projeto economicamente viável, para que aja sim um projeto verdadeiramente sustentável, pensando nos principais itens: ecologicamente correto, economicamente viável e socialmente justo. 80


Conceituação Os ambientes serão projetados para trazer a seus usuários tranquilidade, relaxamento, e é através dos materiais, das cores, e das texturas que isso será transmitido, desde a chegada até mesmo na apreciação da lagoa, na área externa. O projeto visa construir ambientes contemporâneos, através de formas geométricas, volumes, com sensação de leveza e principalmente inserido no entorno, As técnicas construtivas são inúmeras quando se trata de sustentabilidade, e é seguindo esse conceito que o objetivo é que aja cuidada com a natureza, procurando ao máximo minimizar os impactos ambientais. Todos os materiais a serem utilizadas serão pensando no conforto acústico,

térmico

circulações

e lumínico

externas,

materiais

do

Spa, e

permeáveis

para e

as

com

durabilidade, para que não seja necessário trocas periodicamente, e sim manutenções. Quanto à funcionalidade a proposta é com que todos os setores tem alguma ligação com a parte administrativa, recepção, que será o local de contato inicial de todos, logo após passando para cada setor especificamente, havendo algumas ligação entre os demais setores. 81


Conceituação Alguns setores como a academia e a lanchonete será utilizada por qualquer pessoa, morador da praia ou não, não necessariamente pelos clientes do Spa, a ideia é trazer as pessoas para dentro do Spa, fazendo com que tomem consciência de que cuidar da saúde, do corpo é cuidar também da mente. Uma portaria será instalada logo na entrada principal que será localizada na Rua Jaguarão, essa escolha se deve porque na entrada pela Avenida que fica na orla da praia existe um banhado, que em época de cheias corre o risco de transbordar e impossibilitar o acesso, então nesse local será implantado uma

entrada

alternativa

ao

Spa,

somente

para

pedestres. As áreas verdes serão tratadas, a preocupação é mexer o mínimo nesses lugares para não descaracterizar o local, que serão utilizadas para descansos e até mesmo para a prática de alguns exercícios ao ar livre. Obedecendo a legislação municipal, o prédio não terá mais que sete metro de altura, porem pretende-se trabalhar com alguns volumes, a ideia é que se tenha um volume principal que agregue a recepção e o setor administrativo, e que o restantes venha em volumes menos “chamativos” e todos compartimentados. 82


Conceituação A ideia é fazer ambientes amplos e bem iluminados, com vistas privilegiadas, como a da lagoa, tornando o local sempre mais relaxante. A ligação do Spa com o terreno terá total conectividade, spa remete a água, e a praia do laranjal é local perfeito para esse projeto, dando total embasamento para a construção do mesmo. Sendo um terreno de grandes dimensões, ele dará total sensação de relaxamento aos usuários, sensação de estar longe de tudo e ele estará muito próxima do centro da praia e da cidade, dando aos usuários total tranquilidade.

83


Primeiro estudo de Zoneamento Acessos

Áreado Spa

Áreas verdes

Acesso Alternativo

Banhado existente Acesso estacionamento Acesso principal Portaria

Recepção/ setor adm. Estacionamento Setor Estético

Setor Funcional Lanchonete Setor Médico Setor Hidroterapia

Academia Circulação vertical

84


Anexos

85


Anexo 1-III Plano Diretor de Pelotas Tópicos mais importantes PLIVRO I - DOS PRINCÍPIOS E DAS DIRETRIZES GERAIS DA POLÍTICA DE ORDENAMENTO E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL MUNICIPAL Art. 6 - A política de ordenamento e desenvolvimento territorial do município deve se pautar pelos seguintes princípios: III - Desenvolvimento sustentável da cidade para os presentes e futuras gerações, utilizando adequadamente as potencialidades naturais, culturais, sociais e econômicas da região e do Município reconhecendo a multidimensionalidade deste processo. § 1º. Para cumprir a sua função social, a propriedade deve atender às seguintes exigências: I - Uso adequado à disponibilidade da infra-estrutura urbana e de equipamentos e serviços, atendendo aos parâmetros urbanísticos definidos pelo ordenamento territorial determinado em lei. VIII - Uso compatível com as condições de preservação da qualidade do ambiente natural e cultural. IX - Aproveitamento e utilização compatíveis com a segurança, a saúde e o sossego público. Art. 7 - A política de ordenamento e desenvolvimento territorial do município deve se pautar pelas seguintes diretrizes gerais: 86


XVIII - Preservar o meio ambiente, como forma universal de garantir a qualidade de vida, protegendo os ecossistemas e as paisagens naturais, como instrumentos de identidade e cidadania. LIVRO II - DO SISTEMA DE IDÉIAS E MODELO URBANO Art. 15 - O Plano Diretor de Pelotas se baseia no Sistema de Idéias que identifica potencialidades para o desenvolvimento adequado e sustentável da cidade, propondo um modelo urbano através dos seguintes conceitos: IV - A CIDADE DAS LAGOAS NO “CAMINHO DO GAÚCHO”: Valorização do Patrimônio Hídrico, aproveitando o posicionamento da cidade na Lagoa dos Patos, como importante centro de turismo náutico, e valorização da cultura gaúcha, integrando a organização

de

uma

rede

de

Centros

de

Tradições

Gaúchas

visando

o

desenvolvimento cultural e econômico da região. SUBSEÇÃO I – DAS ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE DO AMBIENTE NATURAL Art. 51 - Áreas com atributos especiais de valor ambiental, especialmente quanto a características de relevo, solo, hidrologia, vegetação, fauna e ocupação humana, protegidas por instrumentos legais ou não, nas quais o poder público poderá estabelecer normas específicas de utilização para garantir sua preservação e conservação. Parágrafo único: Estas áreas apresentarão diferentes níveis de proteção, com restrição ou limitação ao uso do solo e preservação de seus recursos naturais, com usos

proibidos

ou

limitados,

manejo

controlado

com

áreas

destinadas 87


preferencialmente a pesquisa científica, a lazer, recreação, eventos culturais, turismo e educação. Art. 52 - Constituem objetivos da proteção ao ambiente natural: I - Proteger os recursos naturais, buscando o controle e redução dos níveis de poluição e de degradação em quaisquer de suas formas; II - Estabelecer o zoneamento ambiental em escala compatível com as diretrizes para ocupação do solo; III - Proteger nascentes, cursos d’água, arroios e lagos buscando mecanismos de recuperação de áreas degradadas e estabelecendo o controle da poluição da água, do ar e do solo, definindo metas para a sua redução; IV - Ampliar o sistema de áreas verdes do município e incentivar a adoção de áreas verdes e arborização municipal, garantindo o tratamento adequado da vegetação, configurando-a como elemento integrador na composição da paisagem urbana; V - Criar meios de estímulo para incorporar as áreas verdes ocupadas por particulares ao sistema de adoção e manutenção e recuperação de áreas verdes do município, vinculando-as às ações da municipalidade destinadas a assegurar sua preservação e seu uso;

88


VI - Ordenar e controlar o uso e a ocupação do solo, através de regime urbanístico especial, visando a preservação da diversidade ambiental da paisagem da cidade, respeitando a manifestação cultural de sua população; VII - Regular e controlar o uso e a ocupação do solo, desenvolvendo projetos e ações preventivas, em relação ao saneamento ambiental, especialmente em áreas sujeitas à inundação, mananciais, áreas com alta declividade ou em solos com grande suscetibilidade a erosão. Art. 80 - São definidos como Áreas Especiais de Interesse Arqueológico (AEIARQ) os espaços em que forem identificados sítios arqueológicos, dado um perímetro definido por profissionais de arqueologia, conforme mapa nº M-04 anexo à presente lei. Parágrafo único: Poderão ser acrescidas ao levantamento das AEIARQ as áreas futuramente identificadas e registradas conforme laudo de órgão técnico autorizado e reconhecido pelo IPHAN. Art. 82 - Cabe ao órgão técnico autorizado e reconhecido pelo IPHAN, informar sítios arqueológicos identificados no Município de Pelotas, bem como ficar responsável do material arqueológico coletado. Art. 83 - Cabe à coletividade, e em especial aos órgãos municipais citados trabalhar em conjunto para fiscalização e preservação dos sítios arqueológicos.

89


Art. 84 - Deve ser destacada a necessidade de atividades de educação patrimonial visto que a comunidade deve ser responsável também pela preservação do patrimônio arqueológico. Art. 85 - Nas obras realizadas no município, em presença ou indício de artefatos arqueológicos, nos perímetros indicados como de potencial arqueológico no mapa M-04 anexo à presente lei, e conforme indicação do órgão da administração municipal responsável pela preservação do ambiente cultural, deverá constar laudo técnico de prospecção arqueológica. Art. 86 - Nas obras onde ocorra manejo do subsolo, com potencial de impacto, especialmente as de infra - estrutura, em presença ou indício de artefatos arqueológicos, deverá ser solicitado acompanhamento arqueológico aos órgãos técnicos autorizados e reconhecidos pelo IPHAN. CAPÍTULO III - PROJETOS ESPECIAIS Art. 119 - São Projetos Especiais que complementam o Sistema Temático do Modelo Espacial os seguintes: I - Projetos Eixo Sul – Norte e Leste-Oeste; II - Projeto Acesso Sul; III - Qualificação da Orla do Laranjal;

90


CAPÍTULO IV - REGIME URBANÍSTICO DA REGIÃO ADMINISTRATIVA DO LARANJAL E DA ÁREA RURURBANA Art. 169 - Em todo o território da Região Administrativa do Laranjal e do Rururbano será permitida a construção de até 7,00m (sete metros) de altura. Parágrafo único: O disposto neste artigo não se aplica aos imóveis localizados nos logradouros abaixo, para os quais o limite de altura é de 10,00m (dez metros): I - Nas avenidas José Maria da Fontoura, Rio Grande do Sul e Antônio Augusto Assumpção; II - No trecho da Av. Adolfo Fetter entre a Cidade de Braga e Cidade de Viseu. Art. 248 - Deverão ser objeto de Estudo de Impacto de Vizinhança, à exceção das atividades agrosilvopastoris em zona rural: XXII - As edificações não residenciais com área construída igual ou superior a 5.000m² (cinco mil metros quadrados); Art. 249 - O Estudo de Impacto de Vizinhança - EIV - será executado de forma a contemplar os efeitos positivos e negativos do empreendimento ou atividade quanto à qualidade de vida da população residente na área e em suas proximidades, incluindo a análise das seguintes questões: I - Descrição da área do empreendimento e abrangência da área de entorno afetado;

91


XXV - Pesquisa morfológica urbana do meio ambiente construído, definindo os usos e tipologias existentes e predominantes; XXVI - Análise dos serviços de abastecimento de telefonia, energia elétrica, água, o escoamento das águas pluviais, a coleta e o lançamento de efluentes sanitários, a permeabilidade do solo, e a geração de resíduos sólidos; XXVII - Análise da demanda dos equipamentos urbanos e comunitários, públicos e privados, no setor social, da educação e saúde; XXVIII - Considerações contemplando os efeitos positivos e negativos do empreendimento, incluindo, no mínimo: a) A análise dos impactos quanto ao adensamento populacional; d) Os equipamentos urbanos e comunitários; e) Uso e ocupação do solo; f) A valorização imobiliária; g) A geração de tráfego e a demanda por transporte público, sistemas de circulação incluindo tráfego gerado, acessibilidade, estacionamentos, carga e descarga, embarque e desembarque; h) A paisagem urbana, o patrimônio natural e cultural, e as áreas de interesse histórico, cultural, paisagístico e ambiental; i) A compatibilização do imóvel (no caso de reforma) com a atividade; 92


j) A compatibilização com os projetos urbanísticos para a área; k) A Ventilação e a Iluminação Naturais; l) Poluição sonora, atmosférica e hídrica; m)Vibração; n) Periculosidade; o) Geração de resíduos sólidos; p) Riscos ambientais; q) Impacto sócio-econômico na população residente ou atuante no entorno; r) Impactos gerados ao sossego público; s) Planos de expansão das edificações e atividades no local. § 37º. A análise do Estudo de Impacto de Vizinhança poderá, ainda, exigir alterações no projeto do empreendimento, como diminuição de área construída, reserva de áreas verdes ou de uso comunitário no interior do empreendimento, alterações que garantam para o território do empreendimento parte da sobrecarga viária, aumento no número de vagas de estacionamento, medidas de isolamento acústico, recuos ou alterações na fachada, normatização de área de publicidade do empreendimento, bem como a execução de melhorias, tais como: 93


XXIX - Ampliação das redes de infra-estrutura urbana; XXX - Área de terreno ou área edificada para instalação de equipamentos comunitários empercentual compatível com o necessário para o atendimento da demanda a ser gerada pelo empreendimento; XXXI - Ampliação e adequação do sistema viário, faixas de desaceleração, ponto de ônibus, faixa de pedestres, semaforização; XXXII - Proteção acústica, uso de filtros e outros procedimentos que minimizem incômodos da atividade; XXXIII - Manutenção de imóveis, fachadas ou outros elementos arquitetônicos ou naturais considerados de interesse paisagístico, histórico, artístico ou cultural, bem como recuperação ambiental da área; XXXIV - Cotas de emprego e cursos de capacitação profissional, entre outros; XXXV - Percentual de habitação de interesse social no empreendimento; XXXVI - Possibilidade de construção de equipamentos sociais em outras áreas da cidade; XXXVII - Manutenção de áreas verdes.

94


SEÇÃO I – ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE AMBIENTAL Art. 259 - As AEIA dividem-se, nos termos desta lei, em Áreas Especiais de Interesse do Ambiente Natural (AEIAN) e Áreas Especiais de Interesse do Ambiente Cultural (AEIAC). SUBSEÇÃO I – AMBIENTE NATURAL Art. 260 - Todo empreendimento a ser implantado no município, que não esteja previsto no regramento do licenciamentoambiental, hidrológico

e

deverá

apresentar

laudo

de cobertura vegetal, a ser avaliado pelo órgão ambiental

competente, quando cabível. Art. 261 - Todo empreendimento ou estabelecimento com área superior a 2.500m² (dois mil e quinhentos metros quadrados), público ou privado, será responsável pela destinação correta dos resíduos produzidosem

suas

atividades,

salvo

o

disposto em legislação pertinente.

95


Anexo 2-III Código de obras Tópicos mais importantes SEÇÃO II - DA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS Art. 1° - Todos os prédios que abriguem instalações comerciais, industriais, de diversões públicas, bem como edifícios residenciais com mais de uma economia e mais de um pavimento, excetuando-se as isenções previstas na legislação e nas Normas Técnicas, deverão possuir plano de prevenção e proteção contra incêndio, aprovado pelo órgão competente.

SEÇÃO III - DA ACESSIBILIDADE UNIVERSAL Art. 2° - A concepção e a implantação dos projetos arquitetônicos e urbanísticos, privados e públicos, bem como reformas, ampliações e adaptações de edificações, devem atender aos princípios do desenho universal, tendo como referências principais as normas técnicas da ABNT e demais legislações pertinentes, bem como as disposições da presente lei, no que couber. Art. 3° SEÇÃO IV - DA ALTURA DAS EDIFICAÇÕES Art. 4° - A altura das edificações, para efeito de cálculo de índices urbanísticos, quer as edificações estejam localizadas no alinhamento predial, quer recuadas, será tomada entre o nível do passeio junto ao meio-fio até o ponto máximo edificado na fachada, sendo tolerada variação de 5% (cinco por cento) na altura máxima e este adicional não será computado para cálculo da altura total da edificação, até o limite de 1,25 metros de desnível entre a soleira principal do prédio e o meio-fio. 96


Art. 5° - Serão permitidos elementos da construção, como reservatórios, casas de máquinas, sistemas de arrefecimento, que ultrapassem a altura máxima estabelecida, desde que implantados a uma distância nunca inferior a 1/3 (um terço) da dimensão longitudinal da edificação, medida a partir da face externa da fachada frontal ao logradouro, respeitando ainda, no fundo, distância mínima de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros) medidos sobre a dimensão longitudinal da edificação, a partir da face externa da fachada de fundos, e com área construída não superior a 30% (trinta por cento) da área construída do pavimento tipo. A altura final destes elementos,

contemplando

reservatórios,

casas

de

máquinas

e

sistemas

de

arrefecimento, não poderá exceder a 8,00m (oito metros) para edificações com quatro pavimentos ou mais, 5,50m (cinco metros e cinqüenta centímetros) para edificações de três pavimentos e 4,00m (quatro metros) para edificações com até dois pavimentos. § 1º.

A distância de 1/3 (um terço) da dimensão longitudinal da edificação é

aplicável a edificações com até quatro pavimentos; poderá ser reduzida para 1/4 (um quarto) quando a edificação for de cinco ou seis pavimentos, 1/5 (um quinto) para quando de oito a doze pavimentos, e no mínimo 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros) para edificações com altura acima de doze pavimentos. § 2º.

O pavimento de cobertura, se utilizado, será incluído no cálculo da altura

máxima da edificação. § 3º.

Será permitida, somente na Região Administrativa do Laranjal, a construção

de terraço coberto aberto que ultrapasse a altura máxima estabelecida para a região, desde que atenda ao disposto no caput deste artigo, além de respeitar 97


recuos laterais mínimos de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) de ambas as laterais da construção, não sendo permitido balanço. § 4º.

Será permitido que o pé-direito do pavimento térreo tenha uma altura

superior aos pavimentos tipo, e este adicional não será acrescido ao cálculo da altura permitida até o limite de 10% da altura máxima da edificação. Art. 10 - Quando da utilização de pavimento destinado à garagem com mais da metade da dimensão do pé-direito abaixo do nível do passeio, a altura remanescente não será acrescida ao cálculo da altura permitida da edificação. SEÇÃO II - DAS CONDIÇÕES A QUE DEVEM SATISFAZER OS COMPARTIMENTOS Art. 11 - Os compartimentos de permanência prolongada deverão ser iluminados e ventilados por áreas principais; os compartimentos de utilização transitória poderão ser ventilados e iluminados por áreas secundárias. Parágrafo único:

Os comedores, copas e cozinhas poderão ser iluminados e

ventilados através de áreas secundárias. Art. 12 - Os compartimentos de permanência prolongada, à exceção das cozinhas, deverão atender aos requisitos abaixo: I - Possuir área mínima tal que permita a inserção de um círculo, com diâmetro de 2,70m (dois metros e setenta centímetros); II - Havendo um dormitório que preencha a condição acima, a área mínima dos demais deverá ser tal, que permita a inserção de um círculo, com diâmetro de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros); III - Possuir pé direito mínimo de 2,40m (dois metros e quarenta centímetros). 98


§ 5º.

As cozinhas terão:

a) Pé direito mínimo de 2,40m (dois metros e quarentacentímetros); b) Área mínima de 5,00m² (cinco metros quadrados); c)

Forma tal que permita inscrição de um círculo de diâmetro mínimo de 1,50m (um

metro e cinqüenta centímetros); d) Pisos e paredes revestidos com material liso, lavável, impermeável e durável; Art. 13 - Os compartimentos de utilização transitória deverão atender o seguinte: I - Os sanitários e áreas de serviço terão: a) Pé direito mínimo de 2,20m (dois metros e vinte centímetros); b) Paredes internas divisórias com altura não excedente a 2,10m (dois metros e dez centímetros), quando num mesmo compartimento for instalado mais de um vaso sanitário; c)

Piso pavimentado com material liso, lavável, impermeável e durável;

d) Paredes revestidas com material liso, lavável, impermeável e resistente, até a altura mínima de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros); e)

Os sanitários poderão ter ventilação direta por processo natural ou mecânico,

por meio de dutos, ou ainda por poço de ventilação; f)

Dimensões tais que permitam ao(s) box, quando existir(em), a inserção de um

círculo com diâmetro de 0,80m (oitenta centímetros); disposição dos aparelhos que garantam uma circulação geral de acesso aos mesmos de largura não inferior a 0,60m (sessenta centímetros); 99


II - Os corredores e acessos terão: a) Pé direito mínimo de 2,20m (dois metros e vinte centímetros); b) Largura mínima de 0,90m (noventa centímetros); c)

Largura mínima de 1,20m (um metro vinte centímetros) quando comuns a mais

de uma economia; d) Largura mínima de 1,20m (um metro e vinte centímetros) quando constituírem entrada e circulação de edifícios residenciais; e)

Largura mínima de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) quando

constituírem entrada e circulação em edifícios comerciais ou habitações coletivas; f)

Quando com extensão maior que 15,00m (quinze metros), ventilação que

poderá ser por processo mecânico ou poço, para cada trecho de 15,00m (quinze metros) ou fração. III - Os halls de elevadores terão: a) Distância mínima entre a parede da porta do elevador e a parede fronteira de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros), em edifícios residenciais, e de 2,00m (dois) metros nos demais. b) Acesso às escadas. Parágrafo único:

Qualquer destes itens deverá estar sujeito ao disposto nas Normas

Técnicas da ABNT. SEÇÃO III - DA PLANTA LIVRE

100


Art. 14 - Entende-se por planta livre aquela que, por utilização de elementos divisórios pré-fabricados na subdivisão dos compartimentos, caracteriza-se pela independência entre estruturas e vedações, o que possibilita diversidade dos espaços internos e flexibilidade na sua articulação. Nestes casos, ficará a critério dos usuários a distribuição dos citados compartimentos, não se fazendo necessária a indicação prévia

da

posição

dos

elementos

das

isenções

divisórios

no

processo

de aprovação

e

licenciamento. Art. 15 - Excetuam-se

acima

descritas

os

compartimentos

que

demandam instalações Hidrossanitárias, além das circulações verticais (escadas, rampas, elevadores).

SEÇÃO VI - DOS VÃOS DE ILUMINAÇÃO E VENTILAÇÃO Art. 16 - Salvo os casos expressos, todo o compartimento terá aberturas para o exterior, satisfazendo as prescrições desta lei. Parágrafo único:

As aberturas deverão ser dotadas de dispositivos, que permitam a

renovação do ar, com pelo menos 50% (cinqüenta por cento) da área mínima exigida. Art. 17 - O total da superfície dos vãos das aberturas para o exterior, em cada compartimento, não poderá ser inferior a: IV - 1/6 (um sexto) da superfície do piso, tratando-se de compartimento de permanência prolongada; 101


V - 1/8 (um oitavo) da superfície do piso, tratando-se de compartimento de permanência transitória; VI - 1/12 (um doze) da superfície do piso, tratando-se de compartimento de utilização especial. Art. 18 - Quando a iluminação e/ou ventilação de um ou mais compartimentos forem feitas através de outro, o dimensionamento da abertura voltada para o exterior será proporcional ao somatório das áreas dos compartimentos. § 6º.

Estas relações serão se 1/5 (um quinto), 1/7 (um sétimo), 1/10 (um décimo),

respectivamente, quando os vãos das aberturas se localizarem sob qualquer tipo de cobertura, cuja proteção horizontal, medida perpendicular ao plano do vão, for superior a 1,20m (um metro e vinte centímetros). Essa profundidade será calculada separadamente em cada compartimento, ou seja, em cada pavimento. § 7º.

A área dos compartimentos cujos vãos se localizem à profundidade superior

a 1,20m (um metro e vinte centímetros) será somada à porção da área externa do vão, situada entre este e aquela profundidade. Art. 19 - O local das escadas será dotado de janelas em cada pavimento. § 8º.

Será permitida a ventilação de escadas, através de poços de ventilação, ou

por lajes rebaixadas, salvo restrições legais pertinentes à prevenção de incêndios. § 9º.

Será tolerada a ventilação das escadas, no pavimento térreo, através do

corredor de entrada. Art. 20 - Poderá ser dispensada a abertura de vãos para o exterior em compartimentos cuja utilização assim o exija, desde que: 102


VII - Sejam dotados de instalação de ar condicionado, cujo projeto completo será apresentado juntamente com o projeto arquitetônico; VIII - Tenham iluminação artificial conveniente; CAPÍTULO VI - DAS DISPOSIÇÕES ESPECIAIS APLICÁVEIS AOS DIVERSOS TIPOS DE EDIFICAÇÃO SEÇÃO I – DA LOTAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES Art. 21 - Considera-se lotação de uma edificação o número de usuários, calculado em função de sua área e utilização. Parágrafo único:

A lotação de uma edificação será o somatório das lotações dos

seus pavimentos ou compartimentos onde se desenvolverem diferentes atividades, calculada através da área útil efetivamente utilizada no pavimento para o desenvolvimento de determinada atividade, dividida pelo índice determinado na tabela “TABELA PARA CÁLCULO DE LOTAÇÃO” constante do Anexo 01. Parágrafo único: SEÇÃO II – DAS VAGAS PARA GUARDA DE VEÍCULOS Art. 22 - Todas as edificações previstas na presente lei deverão apresentar número de vagas para guarda de veículos, sob a forma de estacionamento coberto ou descoberto ou garagens, calculado de acordo com as proporções previstas na tabela “PADRÕES DE CÁLCULO DO NÚMERO DE VAGAS PARA GUARDA DE VEÍCULOS”, constante do Anexo 02. Parágrafo único:

Para edificações pré-existentes, a exigência de vagas para guarda

de veículos poderá ser analisada pela CTPD. 103


SEÇÃO VII - DOS HOTÉIS E CONGÊNERES Art. 23 - As edificações destinadas a hotéis e congêneres, além das disposições da presente lei que lhes forem aplicáveis, deverão ter: IX - Além dos compartimentos destinados a habitação (apartamentos ou quartos), mais as seguintes dependências: c)

Vestíbulo com local para instalação de portaria;

d) Sala de estar geral; e)

Entrada de serviço;

f)

Vagas de Guarda de Veículos calculadas segundo o Anexo 2.

X - Dois elevadores, no mínimo, quando com mais de três pavimentos; XI - Destinação de resíduos de acordo com o órgão ambiental competente; XII - Instalações Hidrosanitárias de acordo com as exigências do órgão responsável pelo serviço de abastecimento de água e tratamento de esgoto; XIII - Instalação preventiva contra incêndio de acordo com o que dispuser a ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas e a legislação municipal vigente. Art. 24 - As cozinhas, copas e despensas, quando houver, deverão ter suas paredes e piso revestidos com material liso, resistente, lavável e impermeável.

104


Art. 25 - As lavanderias, quando houver, deverão ter as paredes até a altura mínima de 2,00m (dois metros) e o piso revestido com o material liso, resistente, lavável e impermeável.

SEÇÃO XIII - DAS EDIFICAÇÕES DESTINADAS A LOCAIS DE REUNIÃO DE PÚBLICO Art. 26 - São considerados locais de reunião: XIV - Esportivos: os estádios, ginásios, quadras para esportes, salas de jogos, piscinas e congêneres; XV - Recreativos: as sedes sociais de clubes e associações, salões de bailes, restaurantes, bares e congêneres com música ao vivo, boates e discotecas, boliches, salas de jogos, parques de diversões, circos e congêneres, bares de funcionamento noturno; XVI - Culturais: os cinemas, teatros, auditórios, centros de convenções, museus, bibliotecas, salas públicas e congêneres; XVII - Religiosos: as igrejas, templos, salões de agremiações religiosas ou filosóficas e congêneres; XVIII - Comerciais: os espaços destinados a feiras, exposições e eventos similares. Art. 27 - Todo local de reunião deverá possibilitar o acesso universal, de acordo com a legislação municipal em vigor e as normas da ABNT. Art. 28 - Todo local de reunião deverá ter número de vagas para guarda de veículos calculado de acordo com o Anexo 2. 105


Art. 29 - As edificações destinadas a locais de reunião que abriguem cinemas, teatros, auditórios e templos religiosos, dotados de assentos fixos dispostos em filas deverão atender aos seguintes requisitos: XIX - Máximo de 16 (dezesseis) assentos na fila, quando tiverem corredores longitudinais em ambos os lados; XX - Máximo de 8 (oito) assentos na fila, quando tiverem corredor longitudinal em um único lado; XXI - Setorização através de corredores transversais que disporão de, no máximo, 14 (catorze) filas; XXII - Os corredores transversais e longitudinais terão larguras não inferiores a 1,20m (um metro e vinte centímetros) e 2,00m (dois metros), respectivamente. Art. 30 - Os cinemas, teatros, auditórios, centros de convenções, boates, discotecas e assemelhados deverão ser dotados de sistema de renovação mecânica de ar e de instalação de energia elétrica com iluminação de emergência, conforme legislação e normas técnicas de prevenção e combate à incêndios. Art. 31 - Deverão,

obrigatoriamente,

ser

dotados

de

tratamento

acústico,

independentemente da localização, boates, discotecas, clubes noturnos e sociais ou outros estabelecimentos de comércio, serviço ou institucional, de qualquer natureza, que apresentem música ao vivo, mecanizada ou qualquer tipo de poluição sonora. § 10º.

Os estabelecimentos já implantados terão o prazo de 03 (três) anos,

contados da data da publicação da presente lei, para adequar sua estrutura.

106


§ 11º.

Deverá ser providenciado tratamento acústico do edifício, apresentando

isolamento de modo que as medições com o estabelecimento em funcionamento, não ultrapassem o máximo de 5db (cinco decibéis) do ruído de fundo. § 12º.

A Prefeitura Municipal, através de seu órgão competente, expedirá o Alvará

de Funcionamento ou a Regularização dos já expedidos, após apresentação por parte do interessado junto à Secretaria competente, do Laudo Técnico elaborado por profissional habilitado, que comprove as reduções dos níveis de ruído previsto no § 2º deste artigo. Art. 32 - As edificações previstas nesta seção deverão ter vãos de iluminação e ventilação efetiva, cuja superfície não seja inferior a 1/10 (um décimo) da área do piso; Parágrafo único:

Quando não atendida a superfície mínima de ventilação, deverá

apresentar sistema de ventilação forçada, que garanta a renovação e a qualidade do ar. Art. 33 - As edificações constantes desta seção deverão ter instalações sanitárias para uso do público, para cada sexo, na seguinte proporção: g) Para o sexo masculino, 01 (um) conjunto de vaso sanitário e lavatório para cada 300 (trezentas) pessoas ou fração, e um mictório para cada 150 (cento e cinqüenta) pessoas ou fração,conforme tabela de cálculo de lotação do Anexo 01; h)

Para o sexo feminino, 01 (um) conjunto de vaso sanitário e lavatório para cada

200 (duzentas) pessoas ou fração, conforme tabela de cálculo de lotação do Anexo 01. 107


CAPÍTULO VII - DAS INSTALAÇÕES GERAIS SEÇÃO I - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS Art. 34 - Toda edificação deverá dispor de instalações sanitárias conforme o disposto na presente seção, em função de sua lotação e da atividade desenvolvida. Art. 35 - Os índices para a determinação do número de pessoas serão os mesmos adotados na “TABELA PARA CÁLCULO DE LOTAÇÃO”, constante no Anexo 01 desta lei, devendo ser descontadas da área bruta da edificação, para este fim, as áreas destinadas a garagens; Art. 36 - As edificações destinadas a uso residencial unifamiliar e multifamiliar deverão dispor de instalações sanitárias nas seguintes quantidades mínimas: XXIII - Casas e apartamentos: 01 (um) vaso sanitário, 01 (um) lavatório e 01 (um) chuveiro; XXIV - Áreas de uso comum de edificações multifamiliares com mais de 02 (duas) unidades autônomas: 01 (um) vaso sanitário, 01 (um) lavatório e 01 (um) chuveiro; Art. 37 - As demais edificações deverão dispor de instalações sanitárias nas seguintes quantidades mínimas: XXV - Áreas de uso comum de edificações comerciais e serviços com mais de 02 (duas) unidades autônomas: 01 (um) vaso sanitário, 01 (um) lavatório e 01 (um) chuveiro; XXVI - Locais de reunião: 01 (um) vaso sanitário e 01 (um) lavatório para cada 50 (cinquenta) pessoas; 108


XXVII - Outras destinações: 01 (um) vaso sanitário e 01 (um) lavatório para cada 20 (vinte) pessoas. § 13º.

Quando

o

número

de

pessoas

for

superior

a

20

(vinte),

haverá,

necessariamente, instalações sanitárias separadas por sexo. § 14º.

A distribuição das instalações sanitárias por sexo será decorrente da

atividade desenvolvida e do tipo de população predominante. § 15º.

Nos sanitários masculinos 50% (cinquenta por cento) dos vasos sanitários

poderão ser substituídos por mictórios. § 16º.

Quando, em função da atividade desenvolvida, for prevista a instalação de

chuveiros, estes serão calculados na proporção de 1 (um) para cada 20 (vinte) usuários. § 17º.

Serão

obrigatórias

instalações

sanitárias

com

características

de

acessibilidade universal, na forma e proporção previstas na ABNT – Associação brasileira de Normas Técnicas, legislação federal e demais legislações pertinentes, bem como as disposições da presente lei, no que couber.

SEÇÃO II - DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE GÁS Art. 38 - As edificações serão providas de instalações elétricas, executadas de acordo com as exigências das normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Art. 39 - As canalizações a gás serão executadas de acordo com o que dispuserem as normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas.

109


SEÇÃO IV - DAS INSTALAÇÕES DE PÁRA-RAIOS Art. 40 - Será obrigatória a instalação de para-raios nos edifícios em que se reúnam grande número de pessoas ou que contenham objetos de grande valor, como escolas, fábricas, hospitais, quartéis, cinemas e semelhantes. Também será obrigatória a instalação em fábricas ou depósitos de explosivos ou inflamáveis, em torres e chaminés elevadas, em construções isoladas e muito expostas, de acordo com as normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. SEÇÃO V - DAS INSTALAÇÕES TELEFÔNICAS Art. 41 - As edificações serão providas de instalações telefônicas, executadas de acordo com as exigências das normas da ABNT e do regulamento de Instalações Consumidoras da Concessionária de Telefonia.

110


Referencias Bibliográficas

Livro Spa- Allison Arief e Bryan Burkhart

http://www.abcspas.com.br/historia.asp

http://www.abcspas.com.br/artigos_detalhe.asp?id=23

http://pt.wikipedia.org

http://viverspa.com/artigos/historia-spa-milhares-anos-bem-estar

http://www.palmolivethermalspa.com.pt/products_spa_history.html

http://www.abcspas.com.br/historia.asp [1]

http://www.abcspas.com.br/artigos_detalhe.asp?id=23 [1]

http://sbrtv1.ibict.br/upload/sbrt-referencial4896.pdf

http://www.miravalresorts.com/activities/

http://www.ciclovivo.com.br/noticia.php/1995/spa_americano_tem_construc ao_sustentavel_e_proporciona_total_contato_com_a_natureza/

http://www.criaarquiteturasustentavel.com.br/lista-de-materiaisecologicos.html

http://pro.casa.abril.com.br/photo/lotus-spa-urbano-1/next?context=user

III Plano de Pelotas

Código de obras de Pelotas

111


112

Spa Native- Karen Santos- Arquitetura e Urbanismo- UCPEL- 2012/1  

Pesquisa e Metodologia do Trabalho Final de Graduação- UCPEL- TCCI

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you