Issuu on Google+

Eleger um Presidente da República é um acto de responsabilidade. Ser eleito Presidente da República incondicional em favor de um povo.

pressupõe

uma

entrega

Candidato-me para continuar a servir Cabo Verde. Cabo Verde precisa de um Presidente que represente o Povo, sem estar comprometido com o poder executivo nem refém de interesses económicos. Serei um Presidente:     

JUNTO DAS PESSOAS ATENTO AO PAÍS REAL COMPROMETIDO COM AS CAUSAS DA NAÇÃO PARA A JUVENTUDE CABO-VERDIANA PARA A ESTABILIDADE INSTITUCIONAL

1


UM PRESIDENTE JUNTO DAS PESSOAS O maior compromisso que um homem pode ter é com a verdade. E a verdade só tem valor se estiver ao serviço de todos os que nas ilhas e na diáspora, com sofrimento, amor, trabalho e energia constroem a nação cabo-verdiana. Escutar anseios, entender angústias, ajudar a concretizar sonhos, ultrapassando dificuldades que sempre surgem são compromissos que assumo como Presidente. O Presidente é o árbitro e este não pode ser tutelado pelo partido que governa, sob pena de não ser independente. A minha especial preocupação vai ser a de proteger os mais fracos, aqueles que o poder executivo não ouve, como os jovens, as mulheres e os trabalhadores. Como Presidente dedicarei o meu tempo a ouvir organizações de cidadãos, visitar bairros, povoados, locais de trabalho colaborando com os municípios, pois são eles quem mais próximo está dos cidadãos.

UM PRESIDENTE ATENTO AO PAÍS REAL O Presidente deve dizer a verdade. As famílias mais pobres já sentem o endurecer da vida. E quando um Governo congela salários, aumenta preços dos bens essenciais, não toma medidas para combater o desemprego, nomeadamente entre os jovens, não assegura o fornecimento regular de água e energia a todo o país, nem, tão pouco, garante a segurança dos cidadãos, cabe ao Presidente agir no âmbito dos seus poderes constitucionais. O Presidente é a voz dos mais fracos e só o pode ser se não estiver comprometido com o partido do Governo.

2


UM PRESIDENTE COMPROMETIDO COM AS CAUSAS DA NAÇÃO Um Presidente tem que ter história, um Presidente tem que ser respeitado no país mas também tem que ser reconhecido e respeitado no exterior Lutei pela Independência, pela Democracia e pela Liberdade e a visão global que tenho de Cabo Verde permite-me acreditar num país livre, solidário e sustentavelmente desenvolvido. Um país em que o mérito seja o principal critério de ascensão profissional e em que a igualdade de oportunidades assente num sistema de ensino que nos orgulhe e numa formação profissional de qualidade. Independentemente das origens sociais ou domiciliações geográficas, somos todos cabo-verdianos, qualquer que seja o nosso partido político. O Estado tem que servir as famílias e as empresas. Estes devem ser o motor do desenvolvimento, assente na cultura que tanto nos orgulha, na décima primeira ilha que é a diáspora e na juventude que soubermos educar. Serei um Presidente da República atento, exigente e colaborante com todos os órgãos de soberania. Vigiarei a qualidade do nosso sistema judicial e zelarei pelo respeito constitucional da actuação do Governo.

UM PRESIDENTE PARA A JUVENTUDE CABO-VERDIANA Não posso esquecer a juventude. Metade da população cabo-verdiana tem menos de 22 anos de idade, um terço tem menos de 15 anos e dois terços dos cidadãos menos de trinta anos. O mundo está à distância de um clique. Os avanços tecnológicos permitem que os nossos jovens tenham acesso a toda e qualquer 3


informação, conhecendo o que de melhor e pior há no mundo. Serei um Presidente atento, preocupado com a educação e a formação, com a habitação e o emprego, com a segurança e igualdade de oportunidades mas serei, sobretudo, um defensor dos mais elevados valores morais. Vida humana, tolerância, paz social, honestidade, liberdade, aceitação e respeito pela diferença devem reger a nossa vida. Bater-me-ei por esses valores e sei que os jovens do meu país estarão com um Presidente que pugna pela verdade.

UM PRESIDENTE PARA A ESTABILIDADE INSTITUCIONAL A constituição é o meu “caderno de encargos”. Não apenas porque a ajudar a criar, mas porque serei o seu principal guardião e porque toda a vida assim a entendi. A estabilidade institucional é o meu objectivo, mas estarei sempre atento a excessos governativos ou partidários que tendam a manipular as regras e favorecer alguns em desfavor do povo cabo-verdiano em geral. A Presidência da República não pode ser uma extensão do Governo ou do partido do Governo. Cooperarei com o Governo, mas farei sentir a minha voz sempre que se mostrar necessário.

Conto convosco, contem comigo.

JORGE CARLOS DE ALMEIDA FONSECA

4


Pacto com a Nação: Jorge Carlos Fonseca