Page 1

Inscrito no ICS com o nº 101 550 ISSN 2182-1542

ABRIL 2013

ANO XLII N.º 438

MENSAL - 0,50

Tiragem: 100 Redacção:

Rua Principal, 312

2380 – 325 Espinheiro Redatora Principal: Fátima Carloto

MENSÁRIO REGIONALISTA Fundado em 1972

ISSN 2182-1542

Fundador: João David Lourenço Proprietário: Junta de Freguesia de Espinheiro Director: Luís Saca

Agradecimento Público

39º Aniversário do 25 de Abril Um pouco por todo o país se comemorou a Revolução dos Cravos, que se deu com a implantação do regime democrático após um longo período de um regime ditatorial do Estado Novo, vigente desde 1933. Continua na página 3

A Junta de Freguesia de Espinheiro agradece ao Senhor Norberto Correia, residente em Canal - Abrã, a oferta feita a esta instituição de uma máquina de escrever Olympia para equipar a secretaria da Junta de Freguesia. O Presidente da Junta de Freguesia, Arménio Almeirão



Corrida João Lourenço 15 JUNHO A Casa do Povo de Espinheiro vai realizar no próximo dia 15 de Junho a II edição da Corrida João Lourenço, contando para o efeito com a colaboração do Atlético Clube Recreativo Espinheirense, Coro da Associação Musical e Tradições do Espinheiro e da GAFE grupo de Amigos do Futebol do Espinheiro  7 Anos de Eterna Saudade …………… Pg 7 XVI BTT CICLORORISMO RURAL …………….. Pg 13

 Alguns destaques que pode ler neste número….           

Crónica de António Alves – Prisioneiro P. 2 Foral de Alcanede e Pernes – 500 anos em Exposição na Torre do Tombo ……… P.4 Recordando A. com Albertino H Barata P. 5 Espaço dos Poetas – Lembrança …….. P. 7 Tempo de Poesia ………………………….. P. 8 Olhares de Saudade, de João Furtado e Arlete Piedade …………………………… P. 9 CBESE – Saúde Sénior ………….. P. 10 e 11 Cartão Sénior CM Santarém ………… P. 11 GNR – Prevenção de Furto de Metais Não Preciosos ……………………… …….. P. 12 Apresentação C. do CBESE e BTT…. P. 13 A Voz Desportiva ……………Última Página


2

________

A VOZ DO ESPINHEIRO

______ ABRIL 13

Crónica do Mês ______________________ Por António Alves

A morte de um prisioneiro Já vos falei noutra crónica sobre o senhor Vitorino de Araújo, um idoso, com 90 anos de idade, que viveu no Bairro Alto, em Lisboa, que tinha um pai alcoólico, que foi militar na Ilha Terceira, nos Açores, onde meu pai também foi militar, que agrediu um oficial, em Cascais , que esteve preso em Elvas, em Monsanto e na Ribeira Grande, na ilha de S. Miguel, nos Açores, que não queria nada com as coisas de Deus e que se converteu à Fé Bahá’i quando tinha 27 anos. Morreu ontem (7 Março), vítima de ataque cerebral, num hospital do sul da cidade. Tinha-o visitado no domingo, 24 de fevereiro, pela manhã, ao Lar, onde ele morava e ele disse a uma das empregadas que precisava de ver um médico. Da parte da tarde já não se encontrava no Lar. Informaram-me depois que ele se encontrava no hospital e que tinha sofrido um ataque de trombose. Visitei-o no sábado passado, no hospital. Não falou, não me conheceu, não abriu os olhos. Foi a última vez que o vi com vida. O senhor Vitorino de Araújo era uma pessoa extraordinariamente boa e religiosa. A sua infância e juventude foi extremamente difícil. Quando criança dormia nos vãos de escadas, nos edifícios do Cais do Sodré, onde moravam prostitutas. Ajudava os comerciantes no Mercado da Ribeira, que lha davam sempre alguma coisa para comer, frequentava o Cinema Loreto, ao Camões, onde aprendeu inglês a ver filmes de cowboys americanos. Quando rapaz fugiu à tropa e passou muito na prisão.

A sua vida mudou quando conheceu o professor Martin Wheeler, que leccionava no instituto Britânico, no Príncipe Real. Converteu-se à Comunidade Bahá’i quando conheceu duas americanas pioneiras que precisaram de traduzir os seus livros de inglês para português. Conheceu depois a sua primeira mulher. Uma holandesa, numa conferência Bahá’i, aqui em Haia, cujo tio era nazi e que combateu ao lado dos alemães, durante a segunda Guerra Mundial. Viveu com ela 5 anos, em Queluz e 3 meses em Haia. Aqui colocaram-lhe as malas à porta, a ex-mulher e o tio, e ele foi para um bar, para o centro da cidade, beber cerveja, onde conheceu a sua segunda mulher, que teve pena dele e o levou para casa. Da primeira mulher teve uma filha, que morreu toxicodependente, dez anos atrás, com 45 anos de idade. Esta é a dramática história do senhor Vitorino de Araújo, que morreu ontem, que eu admito como um pai, com quem convivi quase todos os dias, no Lar onde estava “prisioneiro” e que não aguentou o Inverno, que este ano foi frio de mais para ele. A sua segunda esposa, Loes Lennen, lá continua no Lar, com a sua doença de Alzheimer e desta vez não o pode socorrer, como o fez da primeira vez que o conheceu. Uma vida difícil a do senhor Vitorino de Araújo a quem a Holanda rejeitou o casamento com Loes Lennen, por ainda se encontrar casado com a primeira mulher. Vitorino de Araújo podia ter tido uma vida de rico, pois quando era solteiro conheceu uma inglesa de 70 anos, em Cascais e porque perdeu o último comboio, para regressar a Lisboa, com ela foi dormir e ela foi viver para a Villa Grimaldi, no Mónaco. Continua na página 6


ABRIL 13 __________

A VOZ DO ESPINHEIRO ___________ 3

Revolução dos Cravos Quando sair este jornal, já passou o dia 25 de Abril, dia de libertação duma ditadura de décadas. Mesmo assim, não podemos deixar de lembrar esta data, como um marco muito importante da nossa história. A vida mudou, muito especialmente na Educação, que é a base do desenvolvimento de um Povo que preza a Liberdade e a Igualdade. Mª Fernanda Barata Leiria, 23 / 04 / 2013

  39º Aniversário do 25 de Abril Programa de Comemorações em Alcanena As cerimónias oficiais de comemoração do 39º aniversário do 25 de Abril tiveram início pelas 9:30h, nos Paços do Concelho, com o Içar Solene da Bandeira, seguindo-se, às 10:00h, a Sessão Solene Pública Comemorativa, no Salão Nobre da Câmara Municipal onde estiva como principais oradores Fernanda Asseiceira, Presidente da Câmara, Silvestre Pereira, Presidente da Assembleia Municipal de Alcanena e representantes de vários

grupos políticos pertencentes a esta Assembleia Municipal. Sem esquecer o trufo que foi a Revolução dos Cravos, o principal assunto em foco foi a difícil situação económico-social em que se encontra o nosso País. À tarde houve várias actividades lúdicas e desportivas no Jardim da República canalizado para os mais jovens e também se sucederam actividades desportivas no Pavilhão desportivo em Alcanena. O programa encerrou no dia 27 de Abril no Auditório do Cine-Teatro São Pedro com o espetáculo “Braguêsas, Beiroas e Outras Amantes…” de FERNANDO TORDO. 

SOCIEDADE FILARMÓNICA ALCANEDENSE Comemora 115º Aniversário 27, 28 Abril e 1 de Maio No fim-de-semana 27 e 28 de Abril a Sociedade Filarmónica Alcanedense comemorou o seu 115º Aniversário. O programa dos festejos de aniversário culminou no dia 1 de Maio com dois concertos, um pela Banda da Lapa, outro pela Banda aniversariante. Com um vasto número de actuações ao longo destes 115 anos, a Sociedade Filarmónica Alcanedense é uma Banda de grande prestígio e orgulho a nível do distrito de Santarém.

Parabéns e Felicidades.

Fátima Carloto


4

__________ A VOZ DO ESPINHEIRO ________ ABRIL 13

EXPOSIÇÃO Foral Novo: Registos que contam Histórias Com foral das Vilas de Alcanede e Pernes O Foral de Alcanede e Pernes foi concedido por D. Manuel I em 1514

Esteve patente ao público entre 30 de Janeiro e 30 de Abril, uma exposição designada FORAL NOVO na Torre do Tombo em Lisboa, a fim de assinalar a passagem dos quinhentos anos sobre a reforma dos forais com exposição de alguns dos documentos do Arquivo Nacional da Torre do Tombo e da Fundação Casa de Bragança, que contam histórias da História desse empreendimento de fôlego conduzido por D. Manuel I entre 1495 e 1520. Quando o território português começou a expandir-se, ainda no tempo do nosso primeiro rei, D. Afonso Henriques, houve a necessidade de destacar algumas localidades a quem era atribuído foral. Ou seja, estas localidades passavam a ser uma espécie de capital – o termo correcto é 'sede' – de um território à sua volta, a que se chamava concelho ou município. Os moradores destes territórios chamam-se munícipes. A necessidade de criar os Forais… Quando o território português começou a expandir-se, ainda no tempo do nosso primeiro rei, D. Afonso Henriques, houve a necessidade de destacar algumas localidades a quem era atribuído foral. Ou seja, estas localidades passavam a ser uma espécie de capital – o termo correcto é 'sede' – de um território à sua volta, a que se chamava concelho ou município. Os moradores destes territórios chamam-se munícipes.

«O documento que autorizava uma localidade a tornar-se concelho chamava-se "Carta de Foral". Nesta carta, definia-se também a dimensão e os privilégios desse território.»

O que é um Foral: «Carta de Foral era um documento que os reis passavam a determinadas localidades que, desta forma, podiam gerir – em nome do rei – e através de representantes, um território (definido na carta). A estes territórios chamam-se concelhos e/ou municípios.» Os forais foram atribuídos entre o século XII e o século XVI.  

PASSEIO ORGANIZADO PELA SOCIEDADE MUSICAL E RECREATIVA DO XARTINHO No passado dia 20 de Abril de 2013, direção, elementos, familiares e amigos foram convidados a um passeio convívio a Lisboa com destino a visitar a Exposição Foral Novo: Registos que contam Histórias que esteve patente ao público de 30 de Janeiro a 30 de Abril. Além da visita à exposição, houve tempo livre para visitar Belém, degustar os famosos Pasteis de Belém, visitar o Centro Cultural de Belém assistindo a um concerto de música no Palco da Praça CCB e podendo visitar entre outras a Exposição de Joe Berardo, intitulada Museu Coleção Berardo (1960- 2010)

Mosteiro dos Jerónimos Lisboa

No regresso a casa havia um ar de satisfação pelo excelente convívio proporcionado entre músicos, familiares e amigos da Banda neste passeio. Fátima Carloto


ABRIL 13_________ A VOZ DO ESPINHEIRO

Recordando e aprendendo com: Albertino Henriques Barata A Marquesa da Alorna A Quarta Marquesa da Alorna, Dona Leonor de Almeida Portugal, também condensa de Oignhausen e de Assumar, nasceu em Lisboa em 31 de Outubro de 1750 e faleceu em 11 de Outubro de 1839 na mesma cidade. Descendia do ilustre Vice-Rei da Índia, D. Francisco de Almeida pela linha paterna e da família dos Távoas, pela linha materna. O triste destino dos Távoras tocou D. Leonor que passou os melhores anos da sua juventude encerrada no Convento das Chagas. A marquesa da Alorna, pela sua rara inteligência e Cultura, foi uma das mais notáveis figuras do seu tempo. Dedicou-se totalmente à Poesia, à Filosofia, à Matemática, à Física, à Pintura, a várias Línguas, entre elas o Latim e o Grego. Leu e estudou as obras de Horácio, de Voltaire e de Rousseau, na ânsia de saber sempre mais, de todas as áreas do conhecimento. Francisco Manuel do Nascimento deu o nome poético de “Alcipe” à Marquesa da Alorna e esta deu ao primeiro, o nome de “Filinto”. Esta era uma “moda” da época. D. Leonor casou com o Conde Austríaco Orignhausen, que viera para Portugal com o Conde de Lipe, tendo sido madrinha do seu casamento a Rainha Dona Maria I.

________

5

O Conde foi nomeado Embaixador de Portugal em Viena e nessa mesma altura, o casal fixou residência nesta cidade. O Imperador D. José II admirou a Marquesa pela sua vastíssima Cultura e deulhe oportunidade para conviver com grandes Poetas e Filósofos. Enquanto esteve em viana, esta notável Portuguesa pintou o famoso e conhecido quadro “Solidão”. Depois de viúva, viveu em Inglaterra e seguidamente, fixou-se em Lisboa, onde os seus salões eram frequentados pelas pessoas mais cultas da sua época, como o Duque de Lafões e o Abade José Correia da Serra, intelectuais de grande saber e prestígio. Tendo cultivado o Soneto com rara beleza, houve quem a comparasse ao Poeta Bocage e até mesmo, ao “Príncipe dos Poetas Portugueses”, Luís de Camões. Continuarei a escrever sobre notáveis Mulheres Portuguesas, que tanto contribuíram para a elevação da nossa Cultura. Mª Fernanda Barata Leiria, 23 /04 / 2013 


6

________

A VOZ DO ESPINHEIRO

Crónica do Mês Por António Alves

A morte de um prisioneiro Continuação da página 2 Mas aquela vida de rico não o seduziu e há mais de 50 anos que ele vivia na Holanda. Não teve filhos desta segunda mulher. Era uma pessoa extremamente boa, escreveu muitos poemas, em inglês, alguns publicados em revistas americanas e chegou a corresponder-se com o líder da Comunidade Bahá’i, Shogui Effendi, enviando cartas para Israel, onde ele morava. Que Deus lhe dê o descanso merecido e a liberdade que não teve neste mundo, o melhor local do Paraíso, bem diferente do inferno por que passou nesta peregrinação pela terra.

Adeus, amigo Foste pra mim um pai Que perdi há trinta anos A vida toda se vai, Neste vale de desenganos. Foste sempre um amigo, Pouco tempo convivemos Foste sempre meu abrigo, O mundo não conhecemos. Que repouses lá no Céu Mais bem perto do Senhor O meu coração é teu. Todo cheio de amor Que ali não serás réu Deste inferno sem pudor.

Haia, 8 de Março 2013 António Alves

______ ABRIL 13

Maia * México, antigamente Península do Iucatão Um povo inteligente Pirâmides em construção. Na SIC ela profetiza E mente vezes demais Mas a Maia é juíza, Advogada de animais. Eu não sei quem é a Maia, Sei que vem do Canadá Quando ela veste de saia E não faz cara de má Minha alma até desmaia E faz-me rezar a Alá. António Alves *Poema do número anterior  

EXPOSIÇÃO “JORGE AMADO”

Biblioteca Municipal de Alcanena de 6 de maio a 10 de Junho.

Vai estar patente ao público de 6 de Maio a 10 de Junho de 2013 na Biblioteca Municipal Dr. Carlos Nunes Ferreira em Alcanena, uma Exposição biobibliográfica sobre Jorge Amado, um dos mais famosos e traduzidos escritores brasileiros de todos os tempos, cuja obra literária conheceu inúmeras adaptações para cinema, teatro e televisão.


ABRIL 13

__________ A VOZ DO ESPINHEIRO ________

João Davide Lourenço Fundador, director e

Proprietário de “A Voz do Espinheiro” 7 anos de eterna Saudade

29 Abril 2006-2013 No dia 29 de Abril assinalou-se mais um aniversário da morte de João Davide Lourenço, fundador, director e proprietário de “A VOZ DO ESPINHEIRO” Grande dinamizador cultural tradicional da nossa aldeia, fazendo parte da Equipa de Jogo do Pau e Rancho Folclórico da Casa do Povo do Espinheiro; organizador dos eventos Tasquinhas, Feiras de Artesanato e Provas de Doces e Licores. Várias vezes foi Juiz dos festejos anuais e pertenceu a várias Comissões de Festas, vibrando com o Dia das Pingas, dia 27 de Dezembro. Fundador da Associação Musical e Tradições de Espinheiro, onde houve uma escola de música a funcionar nas instalações da Escola Primária e um Coro que ainda hoje canta o seu reportório de músicas tradicionais, muitas delas fruto de recolhas suas. Todo o espólio do seu Museu Etnográfico foi doado para a construção do actual Museu Rural e Etnográfico do Espinheiro, que pertence à Junta de Freguesia. Este Homem simples alegre e dinâmico foi também um grande colaborador do Carnaval. Foi presidente vários mandatos do Centro de Bem-Estar Social de Espinheiro e

7

juntou esforços e amigos pegando na Bandeira das Festas para tentar uma verba para a construção de um Lar na nossa freguesia. É uma história que pode ser repetida mas nunca é demais lembrar quem tudo deu pelo Espinheiro e pelas suas gentes. Um grande bem-haja senhor João Davide Lourenço e que esteja na paz do Senhor Jesus Cristo. Fátima Carloto 

Espaço para os Poetas Lembrança

Maria Amélia Martinho, dotada de uma alma sensível, faleceu no dia 27 de Abril e foi sepultada no dia 28 de Abril no cemitério do Espinheiro, a sua terra-natal, que tanto amava. Dando largas à sua criatividade, escrevia poesia que enviava às amigas de sempre. Aqui fica registada uma quadra dedicada a sua mãe. “Sem ti a vida não vai ter sentido, Vou pensar em ti, a toda a hora. Sem ti serei a mulher mais pobre do Mundo Sem ti, o meu coração eternamente chora.”

Mª Fernanda Barata Leiria, 24 / 04 /2013


8

________ A VOZ DO ESPINHEIRO

________

Tempo de Poesia

Liberdade

ABRIL 13

O Cuco canta cu cu

Liberdade rima com dignidade Independência com coerência! Temos pois, a responsabilidade Do povo lutar com consciência!

De manhã ao levantar Fui pôr o nariz à rua Depressa o fui recolher Que o inverno continua.

Liberdade que soubemos conquistar Para deixar como herança aos filhos Que não conseguem na vida assentar, Sem emprego e direitos! Só sarilhos….

Meados de Abril devia Na serra o cuco cantar Porque chove noite e dia O cuco está-se a afastar.

Os capitães de Abril, com galhardia Ao marcharem unidos, sobre Lisboa Conquistaram um futuro sem tirania Não queriam um país sem rumo, á-toa!

Se víssemos o sol sorrir De certo que íamos ouvir Ouvia eu e ouvias tu

Então vamos de novo, dar as mãos E conquistar a justiça e igualdade Porque somos portugueses, irmãos Temos honra, coragem e dignidade

O cuco na serra a cantar Eu ponho-me a escutar Quando ele canta cu cu! Abílio Da Ressurreição Aires

Arlete Piedade  SINCERIDADE O termo sinceridade Só tem o seu resultado Agindo com a verdade Sem mais olhar ao passado Usar de sinceridade É para a vida um valor Que nos traz felicidade E dá mais força ao amor O termo sinceridade Não deve morrer à míngua Devemos ter a verdade Sempre na ponta da língua. Carlos Amoroso

   Primavera

Cantam os pássaros Voam de um lado para o outro Como eu voo no sonho Sou como a andorinha Que chega na primavera ... que estação tão bela Unidos os nossos corações Passeando á beira rio Abraçados e felizes Parecemos uns petizes Seremos eternamente crianças Clara Luz


ABRIL 13 _________ A VOZ DO ESPINHEIRO _________

Olhares de Saudade

João Furtado e Arlete Piedade

9

 Tem participado com contos, poemas e crónicas no Jornal RAIZONLINE, onde é Assessor para África.  É membro da U.L.L.A. – Associação Lusófona das Letras e das Artes, SOCA – Sociedade Caboverdeana de Autores, Movimento Poetas dEl Mundo-Embaixador para Cabo Verde e do CEN “Cá Estamos Nós “. Foi agraciado com o título Embaixador da Paz pelo Cercle Universel dês Ambassadeurs de la Paix-France & Suisse.

Arlete Piedade «Um homem e uma mulher juntaram-se para escrever um livro. Parece banal a afirmação, mas deixará de sê-lo quando se acrescentarem alguns detalhes u tanto insólitos: eles não se conhecem, têm origens e percursos diferentes: ela é portuguesa e ele cabo-verdiano da diáspora santomense. Como foi então possível tal junção de esforços? A única explicação possível é o facto de ambos, JOÃO e ARLETE, terem tido o mesmo sonho, de construir um romance misto e mestiço o que não é absolutamente a mesma coisa. O romance aí está e deram-lhe o apropriado nome de “OLHARES DE SAUDADE”…»

BIOGRAFIA DOS AUTORES

João Furtado  Nasceu: 29 Novembro 1958 na Ilha do Príncipe, S. Tomé e Príncipe  Residência – Praia, Cabo Verde  Filho de pai Cabo-Verdiano e mãe Guineense. Nasceu e cresceu na comunidade emigrante Cabo-Verdiana. Também tem a confessar que sempre se sentiu um estrangeiro na sua terra onde nasceu.  Tem várias formações profissionais de Meteorologia e de Companhia aérea, sendo estas, formações comerciais.  Escreve como passatempo e quando sente vontade, afirma não ser poeta nem escritor.  Já participou com poemas no jornal “Cabo Verde connections”. Também participou no Liberal online e a Semana Online, entretanto com contos, poemas e crónicas.

 Nasceu em Canal – Abrã – Santarém (Portugal) com formação na área comercial, poetisa, escritora, jornalista, radialista e divulgadora cultural.  Foi uma das fundadoras da U.L.L.A. – União Lusófona das Letras e das Artes da qual foi Secretária Geral, ocupando actualmente o cargo de Vice-Presidente desta associação cultural, que foi constituída legalmente por escritura pública em Junho de 2007.  Ocupa também os cargos de Consul de Poetas del Mundo em Santarém e Chanceler para o Ribatejo do Movimento Cultural Internacional A PLEIÂDE. É Autora Virtual do Recanto das Letras, Membro Efectivo da AVSPE – Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores, Participante do site Varanda das Estrelícias, dos Confrades da Poesia, Horizontes da Poesia, Portal Abrali e de vários sites de literatura e poesia de amigos. Recentemente começou também a publicar no site de literatura brasileira, W2H e no Jornal Liberal no Brasil.  Participou nas Antologias Dois Povos Um Destino, Convergentes, Poetas de Santarém, Antologias da U.L.L.A.: Antologia de Natal, Antologia dos pais; Antologia do Amor, Antologia do Silêncio, II Antologia dos Horizontes da Poesia, E-Book III Antologia dos Confrades da Poesia, Brasil e Portugal-Elos Poéticos, entre outras.  Livros próprios: Sonetos de Fada das Letras e Príncipe de Ofício. E-Book Sonhos e emoções, Olhares de Saudade, romance sobre emigração em parceria com o escritor cabo-verdiano João Furtado – Embaixador de Poetas del Mundo em Cabo Verde e Na Ilha do Sal, romance poético sobre turismo e emigração em parceria com o mesmo autor (em laboração). (Texto elaborado por Fátima Carloto)


10

________ A VOZ DO ESPINHEIRO _______

ABRIL 13

Malnutrição na terceira idade Um terço dos idosos portugueses apresenta um diagnóstico de malnutrição. A perda de apetite e do paladar, a incapacidade na preparação de refeições, a dificuldade de ingestão de alimentos e o envelhecimento natural do aparelho digestivo problemas dentários e cognitivos, são alguns dos fatores que podem contribuir para essa situação, caraterizada pela carência de nutrientes adequados. Como consequência, os problemas de saúde mais comuns em idosos, relacionados com uma alimentação pouco variada e equilibrada, são a magreza e a desnutrição e doenças como a diabetes, as doenças do coração, a arteriosclerose e doenças osteoarticulares, como a osteoporose. O desenvolvimento de certas doenças pode, inclusive, muitas vezes, colocar o doente em risco de vida. A malnutrição afeta, também, por exemplo, as funções cognitivas. O idoso malnutrido poderá ser incapaz de responder a questões simples sobre si próprio, revelando défice de memória e sintomas de irritabilidade. Os idosos portugueses alimentam-se bem? Estudos revelam que os idosos portugueses fazem em média apenas quatro refeições por dia e que o número de refeições tende a diminuir à medida que envelhecem. A redução do número de refeições diárias, aliado à falta de apetite e à recomendação de dietas restritivas e desnecessárias baseadas na crença de que o idoso deve comer menos, faz com que não seja possível alcançar as suas necessidades nutricionais diárias apenas com a alimentação corrente. Este facto é comprovado pelos dados estatísticos que sugerem que mais de metade dos idosos portugueses realiza uma dieta desequilibrada. As principais falhas relacionam-se com o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e alimentos açucarados, e ao consumo pouco frequente de fruta e produtos hortícolas. O perfil de alimentação dos idosos portugueses pode ser descrito pelo baixo consumo de alimentos essenciais a uma dieta variada, como o peixe, leite e derivados, fruta e vegetais, associado ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas e alimentos açucarados. A ausência da refeição do pequeno-almoço, fundamental para repor os níveis de energia após o jejum noturno, é também frequente na população idosa. A este perfil alimentar alia-se a ausência de exercício físico diário adaptado à capacidade individual do idoso, essencial para a melhoria da função muscular e autonomia funcional e para a diminuição do risco de quedas. Como é que um idoso se deveria alimentar de forma correta? As necessidades nutricionais diárias do idoso são similares à de um adulto saudável, pelo que a alimentação no envelhecimento deve ser igualmente equilibrada e variada, de acordo com as recomendações da roda dos alimentos. Comer de tudo, variar, exercício físico e beber água diariamente, são alguns dos princípios fundamentais da alimentação no envelhecimento. Igualmente importante é não ficar mais do que duas a três horas sem comer, ao longo do dia, e não exceder as oito horas de jejum noturno. Continua na página seguinte


ABRIL 13 _____________ A VOZ DO ESPINHEIRO _______ 11 Lançamento de um Cartão Sénior

A cerimónia de lançamento do Cartão Sénior Municipal de Santarém (CSMS) teve lugar no dia 19 de Abril, pelas 11h30 no Salão Nobre dos Paços do Concelho. Esta é uma iniciativa do Município que permite aos nossos Séniores, a partir dos 60 anos, obter uma série de descontos e vantagens, tão importantes nestes tempos de muitas dificuldades. Assinaram connosco este protocolo mais de 30 empresas e entidades das mais diversas áreas, desde farmácias, óticas, prestadores de serviços e cuidados de saúde, padarias, talhos ou hipermercados. Assim Ricardo Gonçalves, Presidente da Câmara Municipal de Santarém deixou os agradecimentos a todas as empresas e entidades que se disponibilizaram para acolher este projeto com tão grande significado para os Séniores!



Continuação da página 10 Quais os fatores que podem contribuir para situações de malnutrição no idoso? A malnutrição afeta principalmente a população idosa, uma vez que as alterações associadas ao processo de envelhecimento tornam o idoso mais suscetível ao desenvolvimento de desequilíbrios nutricionais. Estima-se que um em cada três idosos se encontre em risco nutricional. As causas da malnutrição são diversas, relacionando-se principalmente com fatores psicosociais, como a solidão e o isolamento, depressão e pobreza, com fatores fisiológicos, como as alterações naturais do envelhecimento do trato gastrointestinal, alteração do paladar e olfato e

falta de dentição e com fatores clínicos, como a polimedicação e a presença de doenças crónicas. A presença de doença é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de malnutrição no idoso. A malnutrição associada à doença é um estado de insuficiente ingestão alimentar que resulta na perda de peso rápida e que poderá estar associada a um pior resultado no desenvolvimento da doença ou no seu tratamento. Mais ainda, interfere na capacidade funcional, o que pode conduzir ao aumento da morbilidade e mortalidade, tendo como consequência o aumento dos custos de saúde. A toma de suplementos alimentares pode suprir as carências de uma alimentação errada ou deficitária ou nem por isso? Os suplementos alimentares constituem fontes concentradas de determinados nutrientes e destinam-se a ser tomados em quantidades reduzidas, devido aos efeitos adversos da sua ingestão em excesso. Da rotulagem deve constar a indicação que não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado, já que não constituem fontes nutricionais completas, contendo apenas vitaminas, minerais, fibras e/ou extratos de ervas, entre outros. Por outro lado, os suplementos nutricionais destinam-se a uma alimentação especial com fins medicinais específicos, com o objetivo de satisfazer as necessidades nutricionais de quem não as consegue alcançar apenas com a alimentação habitual, quer seja como fonte alimentar única ou como suplemento das refeições diárias. Estes devem ser consumidos sob supervisão médica e constituem, habitualmente, fontes nutricionais completas, contendo energia, proteínas, glícidos, lípidos, vitaminas e minerais. Os suplementos nutricionais são, desta forma, os indicados para quando o idoso não come o suficiente, seja porque apresenta malnutrição associada ou não a doença, por falta de apetite ou impossibilidade de ingerir os alimentos por via oral. Elisabete Vieira – Diretora Técnica do CBESE “Não há velhice, quando há juventude na alma.”


12

_______

A VOZ DO ESPINHEIRO _______ ABRIL 13

Guarda Nacional Republicana Uma Força Humana, Próxima e de Confiança

PREVENÇÃO DO FURTO DE METAIS NÃO PRECIOSOS Conselhos aos Agricultores O valor dos metais não preciosos tem aumentado muito nos últimos anos, aumentando a sua procura no mercado. O furto de metais não preciosos e os danos causados nas instalações pode significar a diferença entre um ano produtivo e um ano de elevados prejuízos. O que fazer? Por vezes é necessário deixar o equipamento no campo durante a noite. Se for possível, estacione as máquinas e coloque as condutas de irrigação e demais equipamento fora da visibilidade das vias públicas, atrás de árvores ou colinas. A proximidade das estradas aumenta a probabilidade de furtos ou danos. Se for possível, coloque o equipamento e os seus componentes de forma a poderem ser vigiados de um local habitado.

CONSELHOS  

    

Nunca deixe as chaves dentro das viaturas agrícolas; Feche sempre à chave todas as portas das viaturas agrícolas. Se não tiverem portas, os volantes podem ser bloqueados com uma corrente; Guarde em local fechado as alfaias agrícolas que não sejam utilizadas; Guarde os equipamentos de irrigação portáteis que não sejam utilizados; Coloque as bombas de rega em estruturas de alvenaria com porta reforçada; Não abandone no campo sem vigilância um equipamento agrícola quando ocorrer uma avaria; Seja o mais imprevisível possível! Altere as suas rotinas diárias mudando os horários de verificação dos equipamentos agrícolas; Conheça e referencie onde se encontram todos os equipamentos agrícolas na sua herdade;

Use correntes e cadeados para amarrar os equipamentos a uma árvore, ou a um objecto firmemente fixado;  Armazene toda a maquinaria agrícola de grande porte num barracão protegido;  Em alternativa ao barracão, armazene a maquinaria que não está a ser utilizada num recinto vedado e próximo de local habitado;  Assegure-se que toda a sua maquinaria, motores e ferramentas possuem uma marca de identificação e mantenha um inventário com a discrição, o número de série, o número do chassis, e o modelo de todas as suas viaturas e máquinas;  Tire fotografias de todas as viaturas, maquinaria, motores e ferramentas e guardeas em local seguro juntamente com o inventário;  Guarde sempre as ferramentas e as respectivas caixas. ATENÇÃO: A maior parte dos furtos são facilitados pela desatenção e descuido da própria vítima.

Tenha presente: A ocasião faz o ladrão. Através destes conselhos a Guarda Nacional Republicana diz-lhe como agir corretamente e ajuda-o a tomar algumas medidas simples e adequadas para diminuir o risco de assaltos. NÃO ESPERE: É preferível proteger-se do roubo que deixar-se roubar.

Os seus pertences são parte da sua vida Para comunicar um crime em curso ou qualquer actividade suspeita, marque imediatamente o número de telefone do Posto da GNR mais perto da sua residência, para o 112 ou para o Centro de Comendo e Controlo Operacional (CCCO) da GNR através do telefone 213 217 070 Permaneça em linha e siga as instruções.


ABRIL 13 ________ A VOZ DO ESPINHEIRO

Centro de Bem-Estar Social Contas de 2012

_________ 13

XVI BTT CICLORORISMO RURAL 26 Maio

ESPINHEIRO

No passado dia 21 de Abril realizou-se no Centro Bem-Estar Social de Espinheiro uma sessão ordinária de Assembleia Geral de Sócios para apreciação e aprovação das contas relativas ao exercício de 2012. Num ano em que as actividades de exploração decorreram com normalidade, face ao previsto, à que destacar um aumento substancial das receitas provenientes da Câmara Municipal de Alcanena para as refeições das crianças do Jardim e 1º ciclo do Espinheiro (o CEBS recebeu 9.000,00 euros quando tinha previsto receber 5.420,30 euros), assim como de um acréscimo de 5.766,64 euros no lado das despesas, relativos à pintura do edifício e manutenção dos estores e rampa de acesso. Verificou-se, portanto, que da actividade gerada pelo Centro em 2012 resultou um saldo positivo de 329,80 euros, valor que, sob proposta da direcção, transitou para a conta de resultados transitados. O orçamento foi aprovado por unanimidade dos sócios presentes.

Luís Saca

Vai realizar-se no próximo dia 26 de Maio 2013, em Espinheiro o XVI BTT CICLORORISMO RURAL. Esta prova como sempre, Percurso BTT e Caminhada Pedestre.

inclui

São provas saudáveis que a todos convido a fazer e a juntarem-se ao grupo quer de Bicicleta quer Pedestre. É de salientar que nos últimos anos mais pessoas se têm vindo a juntar para a caminhada pedestre, que proporciona um excelente convívio que dura cerca de 3 horas numa aventura em comunhão com a natureza. Caro leitor e assinante, caso ainda não tenha programa para este dia, faça a sua inscrição (no dia) no caso de também querer usufruir de pequeno-almoço e almoço e juntese ao grupo nesta aventura que jamais se irá arrepender.

Fátima Carloto


14

________ A VOZ DO ESPINHEIRO

NECROLOGIA

__________ ABRIL 13

Lembrar a Senhora Dona Lucília Rodrigues Leal

11 Abril ESPINHEIRO

  Francisca Genoveva da Martinha Faleceu no passado dia 11 de Abril, Francisca Genoveva da Martinha natural de Espinheiro com 91 anos de idade. Viúva de Júlio Vitorino Brites. Mãe de Júlia Maria Martinha Brites Louro. Avó de Edite Louro e Carla Louro. O seu funeral realizou-se no dia seguinte para o cemitério de Espinheiro, onde seus familiares e amigos a acompanharam à sua última morada. O Jornal “A Voz do Espinheiro envia sentidas condolências.               ESPINHEIRO

15 ABRIL

Dometilda dos Anjos Pinote Faleceu no dia 15 de Abril de 2013, Dometilda dos Anjos Pinote com 87 anos de idade. Viúva de Manuel Júnior da Ribeira. Mãe de Amélia da Conceição Louro da Ribeira e de João Manuel Louro da Ribeira. O seu funeral realizou-se no dia 16 de Abril para o cemitério do Espinheiro. À família enlutada, o Jornal “A voz do Espinheiro” endereça sentidas condolências.

Esta senhora, natural de Espinheira, freguesia de Alcanede, foi uma leitora e colaboradora de “A Voz do Espinheiro”, no tempo do seu inesquecível Director, Senhor João Davide Lourenço. Sua filha, senhora Dona maria Lucília Rodrigues Leal (a minha amiga Mimi) quis homenagear a sua mãe e, ao mesmo tempo agradecer a amizade que a população da Espinheira lhe dedica. A homenagem a sua Mãe concretizou-se com a dádiva da sua casa da Espinheira, à Capela de Nossa senhora dos Prazeres, dádiva que foi recebida com grande alegria e reconhecimento por todas as pessoas da localidade no dia da sua festa anual. Mª Fernanda Barata Leiria, 23 /04 / 2013

“A oração é a mão do teu coração, fortemente presa ao coração de Deus” Lucília Leal


ABRIL 13

_______

A VOZ DO ESPINHEIRO

_______

15

PASSATEMPOS E DIVERSÕES QUEBRA-CABEÇAS

Culinária Pudim de Café Ingredientes: 1 lata de leite condensado A mesma medida de café bem forte 3 ovos Grãos de café para decorar

Procure em todos os sentidos, excepto nas diagonais, 25 Personagens indicadas na lista abaixo. ALEX CAVEIRINHA CHICO VIANA CLOTILDE DANILO DAYSE DORA

DUDU EPILOGO EVA HANNAH HENRIQUE JOSEPHINE

LETICIA LIZETE MADALENA NORONH OLEGÁRIO ORESTES

RITINHA SAUL SILVIA VADO YOSCHUA ZAZÁ

Neste mês os dias aumentam: em Lisboa 1h.09m; no Porto 1h.15m EFEMÉRIDE DO MÊS: Abril, ora chora ora ri. 4º MÊS

ABRIL

30 DIAS

ASTROLOGIA Os homens verdadeiros e apaixonados pela vida, amigos sempre fiéis e lutadores atentos pela dignidade humana. As mulheres fiéis amantes e companheiras dedicadas. Incensos – Lavanda; Pedra – Rubi; Metal – Ferro; Cor – Vermelha.

Caramelo; 2 chávenas de açúcar; 1 chávena de água. Preparação: Bata todos os ingredientes do pudim no liquidificador por dois minutos. Caramelize uma forma metálica para pudim (com buraco no meio) com o açúcar e a água. Despeje a mistura do pudim na forma caramelizada e leve a cozer em banho-maria por 45 minutos em forno a 180ºC. Deixe esfriar, desenforme, decore com grãos de café e sirva. Acompanha muito bem um



expresso curto.

Ria… se quiser!  Duas freiras estavam viajando quando a gasolina acabou e o carro parou na estrada. Para sorte delas, havia um posto de gasolina bem pertinho e elas foram até lá buscar um pouco de gasolina. As freiras explicaram o problema e pediram um balde com gasolina para botar no carro ali perto etc. e tal. O dono do posto foi procurar um balde e não encontrou nem balde, nem lata, nem nada. Só havia mesmo um penico velho. — Se as senhoras não se incomodarem, eu boto a gasolina nesse penico. Ele não tá vazando e garanto que vai dar pro carro chegar até aqui no posto. As freiras concordaram e levaram o penico com a gasolina. Quando elas estavam despejando a gasolina do penico no tanque do carro, foi passando um sujeito. Ele parou, ficou observando a cena, matutando, coçou na cabeça e exclamou: — Já vi gente com muita fé, mas assim tanta nunca tinha visto!




A VOZ Do ESPINHEIRO JOGOS DE VETERANOS G.A.F.E. Por Manuel José CAMPO DE JOGOS ALFEIZEIRÃO Veteranos Concha Azul 3 ; G A F ESPINHEIRO 2 (São Martinho do Porto) 16ª JORNADA 06-04-2013 ARBITROS: João Pireta ; Tico; Couto VETERANOS CONCHA AZUL alinharam com: Marco; Nuno; Diogo; Cordeiro (CAP); João Ramos; José Manuel; José; Xana; Roca; Fábio; José Carlos. SUPLENTES: Aníbal; João Moca; Carlão; David; Ricardo; Tiago; João Paulo; Casimiro TREINADOR: Xana GOLOS: 44min. José Carlos; 87min. Xana; 92 min. Rui Louro (PB) A G A F ESPINHEIRO alinhou com: Nuno; Henrique; Adelino; Jorge Busso (CAP) ; José Maria; José Moço; Cabé; Valter; Edgar Alves; Marco Aurélio; Carlos Alberto. SUPLENTES: João Grilate; Leonel Paulo; Montez; Sérgio Ferreira; Paulo Santos; Manuel José; Brites; Rui Louro; Edgar Nobre; Artur Ramalheira. TREINADOR: Aurélio GOLOS: 3min. José Maria; 22min. Edgar Alves. Todos os suplentes participaram no jogo. Jogo bem disputado por ambas as equipas com boas jogadas a criar várias oportunidades de golo que deram origem a 5 golos. No final do jogo realizou-se um excelente convívio entre as equipas no Restaurante O Cortiço em Tornada. 

Campeonato Distrital de Provas Combinadas Fátima - 27 e 28 de Abril de 2013 Decorreu no fim-de-semana de 27 e 28 de Abril 2013, em Fátima o Campeonato de Provas Combinadas onde esteve também representada a

Casa do Povo de Alcanena Secção de Atletismo com provas masculinas e femininas. Pódio do Heptatlo Feminino 1ª Ana Oliveira GAFátima 2ª Daniela Pinote CPAlcanena 3ª Zenaide Alves

Nota: Daniela Pinote que conseguiu o brilhante 2º lugar é uma jovem natural de Espinheiro. Para todas e em especial para a Daniela Parabéns e muitas Felicidades. Fátima Carloto



10º Troféu Yamaha - Alcanede 28 de Abril 2013 Organização: Bombeiros Voluntários de Alcanede

No dia 28 de Abril decorreu junto às instalações dos Bombeiros Voluntários de Alcanede o 10º Troféu Yamaha. Emanuel Oliveira natural de Espinheiro acabou a 2ª prova do troféu Yamaha em 5º lugar na Classe Oficiais. A organização deste evento esteve a cargo dos Bombeiros desta mesma vila.

Fátima Carloto

A Voz do Espinheiro - Edição de Abril de 2013  

A Voz do Espinheiro - Edição de Abril de 2013

Advertisement