Issuu on Google+

Editora Arima Ltda.


2013 Curitiba - PR Editora Arima Ltda.


Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível ISBN: 978-85-66853-00-1 Valter Ossamu Arima valter@onda.com.br Copyright© 2013 by Valter Ossamu Arima Nenhuma parte dessa publicação poderá ser reproduzida, guardada pelo sistema “retrieval” ou transmitida de qualquer modo ou por qualquer outro meio, seja este eletrônico, mecânico, de fotocópia, de gravação, ou outros, sem prévia autorização, por escrito, do Autor. Produção editorial / Design Júnior Bianchi Colaborador da revisão do texto em português Elio Novak

Impressão Gráfica Regente Ltda.


Valter Ossamu Arima Diplomado pela World Board of Lingual Orthodontics (WBLO-WSLO) Osaka-Japão; Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia Lingual (BBOL-ABOL); Pós-graduado em Ortodontia-Especialista (APCD/ UNESP-SJC-São Paulo); Presidente da Associação Brasileira de Ortodontia Lingual-ABOL (Gestão 2011-2012); Vice-presidente da Associação Brasileira de Ortodontia Lingual-ABOL (Gestão 2013-2014); Membro Efetivo da Associação Brasileira de Ortodontia Lingual-ABOL; Coordenador para Exames a Membro Efetivo-ABOL; Aprovado com casos clínicos pela World Society of Lingual Orthodontics (WSLO) tornando-se Active Member; Professor convidado a participar da Comissão Banca Avaliadora do Exame World Board of Lingual Orthodontics (WBLO) em Paris-França no V Congresso da World Society of Lingual Orthodontics (WSLO) - 2013; Professor da Associação Brasileira de Ortodontia Lingual-ABOL; Diretor do Laboratório de Ortodontia Lingual Arima; Atividades Clínicas em Ortodontia Lingual na cidade de Curitiba- Paraná, Brasil.


c o a u t o r e s


Dra. Neusa Emiko Arima

Coordenadora do Laboratório Ortodontia Lingual Arima

Dra. Letícia Yumi Arima

Supervisora do Laboratório Ortodontia Lingual Arima

Acadêmico V ítor Eidi Arima

Técnico do Laboratório Ortodontia Lingual Arima


s u m รก r i o


Capítulo 1: Introdução..................................................................................................................................................23 Capítulo 2: Documentação Ortodôntica e suas implicações clínicas...................................................... 27 2.1 Diagnóstico........................................................................................................................................28 2.2 Fotografias........................................................................................................................................28 2.2.1 Fotografias extra-bucais...................................................................................................29 2.2.2 Fotografias intra-bucais...................................................................................................30 2.3 Radiografias......................................................................................................................................31 2.3.1 Radiografia Panorâmica.....................................................................................................31 2.3.2 Radiografia em norma lateral..........................................................................................31 2.3.3 Radiografia da articulação-têmporo-mandibular (ATM).....................................32 2.3.4 Radiografia da mão e do punho.....................................................................................32 2.4 Avaliação cefalométrica..............................................................................................................33 2.4.1 Relação sagital esquelética.............................................................................................33 2.4.2 Relação vertical esquelética...........................................................................................33 2.4.3 Relação dento-basal..........................................................................................................33 2.4.4 Relação dental......................................................................................................................33 2.5 Modelos de gesso..........................................................................................................................33 2.6 As seis chaves de Andrews........................................................................................................35 2.7 O Plano de tratamento..................................................................................................................36 Capítulo 3: Confecção do Set-up............................................................................................................................39 3.1 Moldagem............................................................................................................................................ 41 3.2 Sistemas de encaixe...................................................................................................................... 41 3.3 Obtenção e recorte do modelo de trabalho.........................................................................42 3.4 Centralização dos modelos de gesso....................................................................................43 3.5 Confecção das bases em gesso comum..............................................................................43 3.6 Demarcação da linha mediana e outras referências.......................................................44 3.7 Montagem no articulador............................................................................................................45 3.8 Mensurações transversais.........................................................................................................46 3.9 Referenciador de incisivos......................................................................................................... 47 3.10 Determinação das demais medidas......................................................................................48 3.11 Modelos em articulador...............................................................................................................48 3.12 Início do set-up...............................................................................................................................50 3.12.1 Incisivos inferiores..............................................................................................................50 3.13 Fase intermediária do set-up....................................................................................................51 3.13.1 Set-up dos dentes............................................................................................................... 51 3.14 Fase final do set-up......................................................................................................................54


3.15 Sobreposição de modelos.........................................................................................................56 3.16 Enceramento final do set-up.................................................................................................... 57 3.17 Set-up nos casos de extrações de pré-molares...............................................................58 3.18 Set-up nos casos de extrações de incisivos inferiores.................................................59 Capítulo 4: Moldeiras de Transferência Arima - Procedimentos Laboratoriais....................................61 4.1 Introdução..........................................................................................................................................62 4.2 Técnica Laboratorial......................................................................................................................63 4.2.1 Material e método................................................................................................................63 4.2.2 Sequência laboratorial......................................................................................................63 4.2.2.1 Arcos ideais superior e inferior 4.2.2.2 O cursor metálico...............................................................................................66 4.2.2.3 A Moldeira de Transferência Arima Incisivos e caninos superiores....................................................................... 67 4.2.2.4 A Moldeira de Transferência Arima Pré-molares superiores....................................................................................69 4.2.2.5 A Moldeira de Transferência Arima Primeiros molares superiores........................................................................69 4.2.2.6 A Moldeira de Transferência Arima Segundos molares superiores....................................................................... 70 4.2.2.7 A Moldeira de Transferência Arima Fases de acabamento........................................................................................ 71 4.2.2.8 A Moldeira de Transferência Arima Prova nos modelos set-up e maloclusão.................................................... 72 4.2.2.9 A Moldeira de Transferência Arima Armazenamento das moldeiras......................................................................77 Capítulo 5: Casos clínicos e suas considerações............................................................................................ 79

5.1 Maloclusão de Classe I de Angle sem extração dentária................................................82 5.1.1 Caso clínico 1............................................................................................................................83 5.1.2 Caso clínico 2.......................................................................................................................100 5.1.3 Caso clínico 3........................................................................................................................ 116 5.1.4 Caso clínico 4....................................................................................................................... 130 5.1.5 Caso clínico 5....................................................................................................................... 146 5.1.6 Caso clínico 6....................................................................................................................... 164 5.1.7 Caso clínico 7........................................................................................................................ 179 5.1.8 Caso clínico 8....................................................................................................................... 195


5.1.9 Caso clínico 9....................................................................................................................... 210 5.1.10 Caso clínico 10................................................................................................................... 225 5.1.11 Caso clínico 11..................................................................................................................... 242 5.1.12 Caso clínico 12...................................................................................................................255

Capítulo 6:

6.1 Maloclusão de Classe I de Angle com extração dentária............................................. 269 6.1.1 Caso clínico 1......................................................................................................................... 271 6.1.2 Caso clínico 2......................................................................................................................299

Capítulo 7:

7.1 Maloclusão de Classe II de Angle sem extração dentária.............................................. 317 7.1.1 Caso clínico 1.......................................................................................................................... 319 7.1.2 Caso clínico 2.......................................................................................................................335 7.1.3 Caso clínico 3....................................................................................................................... 357 7.1.4 Caso clínico 4....................................................................................................................... 376

Capítulo 8:

8.1 Maloclusão de Classe II de Angle com extração dentária............................................393 8.1.1 Caso clínico 1........................................................................................................................395 8.1.2 Caso clínico 2........................................................................................................................ 411 8.1.3 Caso clínico 3......................................................................................................................430 8.1.4 Caso clínico 4......................................................................................................................446

Capítulo 9:

9.1 Maloclusão de Classe II, divisão 2 de Angle sem extração dentária......................... 461 9.1.1 Caso clínico 1........................................................................................................................463 9.1.2 Caso clínico 2......................................................................................................................486

Capítulo 10: 10.1 Maloclusão de Classe III de Angle sem extração dentária.......................................... 501 10.1.1 Caso clínico 1.......................................................................................................................503 10.1.2 Caso clínico 2.................................................................................................................... 522

Referências..................................................................................................................................... 541


23

Capítulo 1: introdução

capítulo

1

Introdução


26

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Introdução

No Continente Asiático, em meados da década de 70, mais especificamente no Japão, o Professor de Ortodontia Dr. Kinya Fujita da Universidade de Kanagawa desenvolveu braquetes linguais, já que muitos de seus pacientes praticavam artes marciais e machucavam muito a região interna dos lábios¹. O Dr. Fujita colou então os braquetes nas faces linguais dos dentes, evitando assim a traumatização da boca de seus pacientes. Nesta mesma época nos Estados Unidos, o Dr. Craven Kurz, Professor de Oclusão e Gnatologia da Universidade de UCLA-EUA, que tratava de celebridades, precisou criar um método mais discreto de aparelhagem no seu tratamento ortodôntico para uma de suas pacientes, que era “coelhinha” da revista Playboy. Mais tarde, revistas de pessoas famosas como a People Magazine já anunciavam várias celebridades americanas com aparelhos linguais, dentre muitas, modelos famosas que exigiam

não aparecer com sorriso metálico. Para solucionar o problema, o Dr. Kurz também teve a ideia de colar o braquete na face lingual do dente utilizando um aparelho praticamente “invisível”². Desde então através de avanços tecnológicos esta nova técnica foi se aprimorando em relação à forma e tamanho reduzido de seus braquetes, na tentativa de melhorar a sua adaptação. Foram sucessivas gerações destes materiais a fim de superar os problemas mecânicos e funcionais. Existem no mercado mundial braquetes dos mais variados em espessura e tamanho, proporcionando maior conforto ao paciente e condicionando a um tratamento mais eficaz, com trabalho visando excelência e tempo reduzido de tratamento³. No Brasil, a Associação Brasileira de Ortodontia Lingual (ABOL), foi fundada em 7 de abril de 2001 em Governador Valadares (MG) e um dos Membros


27

Capítulo 2: Documentação ortodôntica e suas implicações clínicas

capítulo

2

Documentação ortodôntica e suas implicações clínicas


30

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Documentação ortodôntica e suas implicações clínicas

2.1 Diagnóstico Existem inúmeras formas para se diagnosticar os problemas das maloclusões ortodônticas. O importante para o profissional é que faça seus procedimentos diagnósticos o mais completo possível para que possa avaliar deles as informações reais dos problemas de seus pacientes. Um diagnóstico completo e apropriado de um problema ortodôntico é fundamental para os procedimentos a serem implementados no seu tratamento e correção final. É importante identificar as variações do diagnóstico específico de um paciente porque nos permite modificar o tratamento de modo que seja mais efetiva e eficientemente realizado. Contudo, todas as condutas terapêuticas mais complexas e mais sofisticadas são de pequeno valor caso se baseiem num diagnóstico equivocado ou impróprio¹.

É fato pedirmos uma documentação inicial que contenha radiografias nítidas e sem distorções, medidas cefalométricas, modelos de gesso em máxima intercuspidação para avaliação das características da maloclusão do paciente e fotografias extra e intrabucais de boa qualidade. A partir destes documentos, anamnese e estudo prévio do diagnóstico, será desenvolvido um plano de tratamento individualizado.

2.2 Fotografias As fotografias digitais têm sido em geral utilizadas desde 1981². O poder das fotografias exerce uma visualização rica diminuindo-se as palavras e, através das ilustrações, expressando um determinado assunto. Elas oferecem inúmeras vantagens, dentre elas a armazenagem das fotos em CDs e computadores, não correndo o risco das fotos


39

Capítulo 3: Confecção do set-up

capítulo

3

Confecção do set-up


42

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Confecção do set-up

Um dos sucessos na terapia Ortodôntica Lingual se deve à confecção do set-up, pois nela confiamos a precisão de uma posterior colagem indireta de maior qualidade. Todos os dentes do modelo de trabalho podem e devem ser modificados nesta fase para alcançar uma oclusão ideal. Existem diversas maneiras de confeccioná-lo, neste capítulo será abordada uma das variadas técnicas já existentes com algumas alterações a fim de favorecer a sua confecção. Todas as fases necessárias para a finalização do set-up devem ser realizadas com o maior cuidado, desde a separação dos dentes até o posicionamento, pois cada passo é de extrema importância na confecção do trabalho. Apesar de a fase laboratorial ser um pouco demorada e trabalhosa, é recompensável no seu término.

O set-up deve ser elaborado de maneira que o resultado final alcance Seis chaves de oclusão de Andrews¹. Ao iniciar a sua confecção o profissional deve conhecer os princípios exclusivos fundamentais da oclusão, porém também incluir em sua meta as características que envolvem uma face harmoniosa e equilibrada. Embora esta fase laboratorial inclua muita prática técnica, o profissional necessita somar não apenas a oclusão ideal, mas a análise facial do paciente e estética. O conjunto de informações deve ser repassado ao técnico do laboratório, pois como este profissional está somente capacitado na parte técnica, o Ortodontista é o responsável pelo diagnóstico e planejamento sobre a conduta de todo o procedimento do set-up. As medidas cefalométricas devem contribuir diretamente no posicionamento dos dentes no set-up, principalmente os incisivos inferiores e superiores.


59

Capítulo 4: Moldeiras de Transferência Arima – Procedimentos laboratoriais

capítulo

4

Moldeiras de Transferência Arima Procedimentos Laboratoriais


62

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Moldeiras de Transferência Arima Procedimentos laboratoriais

O uso da colagem direta convencional no início da Técnica Lingual não obteve muito sucesso por várias razões. A morfologia lingual irregular dos dentes e a dificuldade de se obter o local apropriado para a colagem nas superfícies linguais dificultam a colocação correta dos braquetes. A dificuldade em se fazer os ajustes no arco lingual, para compensar os ligeiros defeitos na posição do braquete, torna a precisão do seu posicionamento falha. A chave para o sucesso do tratamento ortodôntico lingual é a precisão do posicionamento correto do braquete na face lingual. O Sistema Hiro¹ foi desenvolvido por Toshiaki Hiro no Japão. Nele os braquetes em conjunto com os arcos ideais são posicionados no modelo do set-up. As moldeiras individuais servem como um guia na colagem indireta para o correto posicionamento do braquete nos dentes do paciente. Contudo, de acordo com Akira Komori², do Japão, foi realizada uma técnica de transferência

direta sem o auxílio de moldeiras individuais e sim por meio de resinas estendidas nas bases dos pads, a qual possibilitou que os braquetes fossem posicionados sem o auxílio de moldeiras de transferência otimizando a colagem. A principal finalidade da colagem indireta na Ortodontia lingual é direcionar o posicionamento correto dos braquetes desde que tenham sido compensadas corretamente as irregularidades anatômicas da face lingual: altura, angulação, torque, “in” e “out” nas bases dos braquetes. A transferência deve ser a mais precisa possível para que não haja nenhum deslocamento e deformidade do material. A Moldeira de Transferência Arima³ foi idealizada e baseada nos princípios do Sistema Hiro. Na busca de promover uma precisão maior e agilidade da colagem indireta, um dos diferenciais desta técnica é que as Moldeiras de Transferência Arima são reaproveitáveis.


77

Capítulo 5: Casos clínicos e suas considerações

capítulo

5

Casos clínicos e suas considerações


82

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Classe I sem extração Os casos clínicos a serem abordados neste capítulo de Classe I de Angle sem extração dentária abrangerão diversos problemas encontrados neste tipo de maloclusão, como: Recuperar espaços na arcada dentária para dentes mal posicionados com mola de secção aberta e arco com dobra disto-canino maior, giro-versões, sobremordida, desvio de linha mediana, mordida cruzada posterior, utilização de dispositivo de ancoragem temporária (DAT). Tipos de braquetes na Ortodontia lingual. Mudança de braquetes durante o tratamento. Uso de elásticos intermaxilares interno e externo. Bandas metálicas pré-fabricadas. Levante de mordida Build up. Procedimentos clínicos de montagem indireta. Abordagem de fases laboratoriais – Set-up total e parcial.


81

Caso clínico 1

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Será enfatizada a correção dos apinhamentos, da rotação de pré-molares e da linha mediana.


Caso clínico 2

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será ilustrada a correção dos apinhamentos, da sobremordida, a recuperação de espaços e moldagem parcial para confecção de novas moldeiras individuais.


Caso clínico 3

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será abordada detalhadamente a correção da mordida cruzada posterior com o auxílio do aparelho Quadri-hélix em conjunto com Build-up.


Caso clínico 4

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será abordada a mesialização do segundo e terceiro molar na perda do primeiro molar permanente.


Caso clínico 5

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico serão enfocados os procedimentos clínicos da montagem indireta no paciente.


Caso clínico 6

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será enfocada a correção dos apinhamentos com mola de secção aberta de níquel-titânio.


177

Caso clínico 7

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será demonstrada a troca de braquetes da 7ª geração pelos do STb, ambos da ORMCO®, por motivos de dificuldades na adaptação e dicção da paciente.


193

Caso clínico 8

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será abordada a recuperação de espaço na região anterior com uso de fio de níquel-titânio.


Caso clínico 9

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será enfatizada também a recuperação de espaço na região anterior utilizando o fio de níquel-titânio em caso sem sobremordida acentuada.


225

Caso clínico 10

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será ilustrada a correção da mordida topo-a-topo com auxílio de elásticos intermaxilares.


Caso clínico 11

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será abordado um retratamento ortodôntico, motivo do qual a queixa do paciente era em relação a projeção dos incisivos inferiores.


255

Caso clínico 12

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico o tratamento foi iniciado com braquete 7a geração e finalizado com braquete STb.


269

Capítulo 6: Classe I com extração

capítulo

6

Classe I com extração


270

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Classe I com extração Os casos clínicos a serem abordados neste capítulo de Classe I de Angle com extração dentária abrangerão diversos problemas encontrados nesta maloclusão. Dispositivos de ancoragem temporária. Molas para retração. Provisório imediato em resina acrílica. Tipos de braquetes na Ortodontia lingual. Uso de elásticos intermaxilares interno. Bandas metálicas pré-fabricadas. Levante de mordida Build up. Procedimentos clínicos de montagem indireta. Abordagem de fases laboratoriais – Set-up total.


271

Capítulo 6: Classe I com extração

Caso clínico 1

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será ilustrada a correção da maloclusão de Classe I com extração dos quatro primeiros pré-molares, a confecção de pônticos estéticos em acrílico e bandas metálicas.


299

Capítulo 6: Classe I com extração

Caso clínico 2

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será abordada a maneira de corrigir uma maloclusão de Classe I com extração de quatro segundos pré-molares.


317

Capítulo 7: Classe II sem extração

capítulo

7

Classe II sem extração


318

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Classe II sem extração Os casos clínicos apresentados neste capítulo de Classe II de Angle sem envolvimento de extração dentária abrangerão diversos problemas encontrados nesta maloclusão. Recuperação de espaços com técnica mista. Uso de elásticos inter-maxilares interno e externo. Distalizador Pêndulo. Dispositivo de ancoragem temporária. Arco transpalatino. Arco com alça simples. Aparelho de Herbst. Botões estéticos.


319

Capítulo 7: Classe II sem extração

Caso clínico 1

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico abordará a conduta de se recuperar espaço na região posterior com fio segmentado pelo lado vestibular e o uso de elásticos inter-maxilares pela face lingual.


335

Capítulo 7: Classe II sem extração

Caso clínico 2

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico será explanada a correção da Classe II com auxílio do distalizador Pêndulo, barra transpalatina, dispositivos de ancoragem temporária (DAT) e arco com alça para fechamento de espaços.


357

Capítulo 7: Classe II sem extração

Caso clínico 3

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico apresentará a correção da Classe II com auxílio do aparelho Herbst.


376

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Caso clínico 4

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico apresentará a correção da Classe II com auxílio de um arco palatal associado a dispositivos de ancoragem temporária (DAT) e molas em níquel-titânio.


393

Capítulo 8: Classe II com extração

capítulo

8

Classe II com extração


394

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Classe II com extração Os casos clínicos ilustrados neste capítulo de Classe II de Angle com extração dentária abrangerão diversos problemas encontrados nesta maloclusão. Pônticos estéticos. Dispositivos de ancoragem temporária (DAT). Arco de retração em forma de T. Barra transpalatina. Build up. Elásticos intermaxilares. Set-up.


395

Capítulo 8: Classe II com extração

Caso clínico 1

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico explanará como proceder em extrações de pré-molares superiores e um incisivo central inferior por meio do uso de pônticos estéticos para camuflar os espaços provenientes da extração dentária. Também ilustrará o uso de molas NiTi com alças para retração e dispositivos de ancoragem temporária (DAT).


411

Capítulo 8: Classe II com extração

Caso clínico 2

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico abordará como proceder o fechamento de espaço em caso de agenesias de segundos pré-molares superiores por meio de uma mecânica de deslize com molas NiTi, alças e auxílio de dispositivos de ancoragem temporária (DAT).


430

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Caso clínico 3

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Neste caso clínico ilustraremos a correção de um caso anteriormente realizado com extração de 2 pré-molares superiores. Será explicada a estratégia do posicionamento dos elásticos inter-maxilares.


446

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Caso clínico 4

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico delineará como proceder em casos de extrações assimétricas de pré-molares através da utilização de dispositivos de ancoragem temporária e molas de níquel-titânio.


461

Capítulo 9: Classe II, divisão 2

capítulo

9

Classe II, divisão 2


462

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Classe II, divisão 2 Os casos clínicos ilustrados neste capítulo de Classe II de Angle incluem necessidade de cirurgia ortognática, presença de agenesia de incisivos e diversos problemas encontrados neste tipo de maloclusão. Arco para vestibularização dos incisivos superiores. Build-up. Procedimentos para cirurgia ortognática. Splintagem pela face vestibular somente com arco passivo e esporões sem braquetes. Alça simples para redução de espaços. Estética em dentes anteriores. Set-up.


463

Capítulo 9: Classe II, divisão 2

Caso clínico 1

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico explanará como proceder na correção de uma maloclusão de Classe II, divisão 2 com a realização de cirurgia ortognática.


486

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Caso clínico 2

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico abordará como proceder na correção de uma maloclusão de Classe II, divisão 2 com agenesia de incisivos laterais superiores.


501

Capítulo 10: Classe III, sem extração

capítulo

10

Classe III, sem extração


502

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Classe III, sem extração Os casos clínicos a serem abordados neste capítulo serão de Classe III de Angle sem extração dentária, com envolvimento de cirurgia ortognática e diversos outros problemas encontrados neste tipo de maloclusão. Quadri-hélix. Arco lingual. Elásticos intermaxilares. Procedimentos para cirurgia ortognática. Splintagem por vestibular somente com arco passivo e esporões sem braquetes.


503

Capítulo 10: Classe III, sem extração

Caso clínico 1

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico demonstrará como proceder na correção de uma maloclusão de Classe III com compensação dentária.


522

Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível

Caso clínico 2

Destaque dos principais mecanismos utilizados e itens a serem corrigidos

Este caso clínico apresentará a correção de uma maloclusão de Classe III esqueletal com auxílio da cirurgia ortognática.


Valter Ossamu Arima Diplomado pela World Board of Lingual Orthodontics (WBLO-WSLO) Osaka-Japão; Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia Lingual (BBOL-ABOL); Pós-graduado em Ortodontia-Especialista (APCD/UNESP-SJC-São Paulo); Presidente da Associação Brasileira de Ortodontia Lingual-ABOL (Gestão 2011-2012); Vice-presidente da Associação Brasileira de Ortodontia Lingual-ABOL (Gestão 2013-2014); Membro Efetivo da Associação Brasileira de Ortodontia Lingual-ABOL; Coordenador para Exames a Membro Efetivo-ABOL; Aprovado com casos clínicos pela World Society of Lingual Orthodontics (WSLO) tornando-se Active Member; Professor convidado a participar da Comissão - Banca Avaliadora do Exame World Board of Lingual Orthodontics (WBLO) em Paris-França no V Congresso da World Society of Lingual Orthodontics (WSLO) - 2013; Professor da Associação Brasileira de Ortodontia Lingual-ABOL; Diretor do Laboratório de Ortodontia Lingual Arima; Atividades Clínicas em Ortodontia Lingual na cidade de Curitiba- Paraná, Brasil.

O objetivo deste livro é expor a Ortodontia Lingual em uma linguagem mais simples possível e esperamos que seja compreendida facilmente pelos iniciantes à prática da Ortodontia Lingual, como também pelos profissionais com bagagem substancial em conhecimentos técnicos e científicos. Os mecanismos aplicados na Ortodontia Lingual têm como finalidade obter os mesmos resultados da Ortodontia Convencional, os quais são atingir a estética, função, equilíbrio de todo o sistema estomatognático. Como um profissional detalhista em executar as fases laboratoriais requeridas na montagem da aparelhagem lingual, não medi esforços em apresentar inúmeras fotos ilustrando as particularidades das condutas mais simples até as fases laboratoriais e clínicas mais complexas.

Editora Arima Ltda. Av. Presidente Kennedy, 246 (41) 3332-0501 - Rebouças - Curitiba - PR http://ortodontialingualarima.com.br - valter@onda.com.br


Ortodontia Lingual: tratamento invisível com resultado visível