Issuu on Google+

Brasil

PRES­BI­TE­RIA­NO

Janeiro de 2007

Órgão Oficial da Igreja Presbiteriana do Brasil

Rede Presbiteriana de Comunicação

Ano 50 / Nº 628 - R$ 1,80 Divulgação

Fundação presbiteriana que ampara menores em situação de risco, no interior da Bahia, passa por grave situação financeira

Páginas 10 e 11

Novo presidente da JET alerta para queda de vocacionados

Presbítero publica artigos sobre a comunicação da IPB

Novo conselho editorial da Rede Presbiteriana

Páginas 14 e 15

Página 18

Página 20




Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

Opinião

Seu recado

Pinochet Alfredo Ferreira de Souza

R

ecentemente morreu o ex-ditador Augusto Pinochet, algoz implacável que governou com mão de ferro o Chile por 17 anos. Sua trajetória envolve a traição ao então presidente eleito democraticamente, Salvador Allende, por meio de um golpe violento ocorrido em setembro de 1973. Tal ato foi apoiado e patrocinado pelos Estados Unidos em sua campanha contra a influência socialista da extinta URSS. Sua atuação na economia, sob influência da Escola de Chicago, criou as bases para o desenvolvimento. Também promoveu uma reforma em 1975 que reestruturou a divisão político-administrativa do país. E em 1976, seguindo seu plano de desenvolvimento, uma Comissão de Estudos Constitucionais iniciou a criação da nova Constituição que foi aprovada em um plebiscito em 1980, concedendo a transição do seu governo ao presidente eleito Patricio Azocar em 1990. Por outro lado, as ações políticas deixaram um triste saldo. Cerca de três mil pessoas foram assassinadas e 28 mil torturadas brutalmente em nome do antiesquerdismo. Foi uma das ditaduras mais violentas

da América Latina, ao lado do Brasil e da Argentina. Como se não bastasse, descobriu-se o desvio de dinheiro para os EUA, fazendo de Pinochet um dos políticos mais corruptos da história do Chile. Ao final da sua trajetória, amargou vários processos iniciados pelo juiz espanhol Baltasar Garzón. Muitos aguardavam o seu julgamento, mas a morte o retirou deste processo, frustrando os que contavam com a sua condenação. Certamente há uma pluralidade de opiniões sobre esta página virada da história recente do Chile. E é neste contexto que quero deixar a minha opinião sobre o assunto: 1. A História mostra que a Direita não pecou menos que a Esquerda. Sou absolutamente contrário à doutrina marxista, todavia, sempre procuro ter o cuidado em não sacralizar esta ou aquela visão política. Não há uma tendência mais sagrada que a outra. A prova está aqui, um ditador de direita que cometeu todos os abusos pecaminosos relatados, pondo-o ao lado de seus colegas: Salazar, Franco, Médici ou ao de seus inimigos Stálin, Mao e Castro. Deste modo, o reino de Deus não pode ser confundido com uma expressão política, pois onde está o homem, aí está a depravação

humana. 2. As atrocidades devem ser rechaçadas. Como cristão, devo combater qualquer injustiça. É pela atitude profética que se denuncia tudo o que contraria a lei de Deus. Não posso me calar diante da política dos EUA para a América Latina na época da Guerra Fria. Nunca concordarei com a campanha sangrenta realizada pelo governo militar no Chile. Ao mesmo tempo, me entristeço pelo silêncio das igrejas que se calaram com relação a tudo isso. Por que morreram os profetas como João Batista? O exemplo desses irmãos da fé deve ser seguido por nós. A luta que nos pertence sempre deve alvejar a crueldade, a corrupção, a imoralidade, a atrocidade, a impunidade, a mentira etc. É o desejo inalienável de justiça. 3. Deus nunca deixou de ser soberano. Pinochet usufruiu o governo e este domínio foi dado por Deus, que é a fonte do poder. Em nenhum momento houve a perda do controle em todo o processo. Assim como Deus levantou a Babilônia para punir Israel, Deus também levantou Pinochet para punir atos contrários a sua santidade. A providência divina é uma realidade inquestionável nas Escrituras que nenhum humanismo teológico

(sic) pode desfigurar. Ao contemplarmos todo o conselho divino, veremos o Deus justo, santo, soberano e sábio, que a tudo controla e governa. Há muitas atitudes soberanas que não entendemos hoje, mas, na eternidade, o quebra-cabeça irá se formar para compreenderemos a forma sábia e justa com que o Senhor guiou a trajetória humana. 4. Todo cruel pagará pelos seus atos. Quando Deus levantou povos para punir Israel, não os deixou impunes porque ele não tenta a ninguém para pecar, mas julga todo o pecado. Certamente o caudilho em questão receberá a paga por seus pecados na eternidade. O Senhor é o justo juiz sobre toda a terra. Se muitos acham que Pinochet saiu ileso de um julgamento, saibam que um dia ele estará no centro de uma Divina Corte onde todas as suas atrocidades serão reveladas, julgadas e punidas pela mão forte do reto juiz. Creio que esta deve ser a visão que devemos ter sobre todos os déspotas que existiram e ainda existem. A visão bíblica e, conseqüentemente, social deve encontrar coerência naquilo que aprendemos sobre o Senhor. Alfredo Ferreira de Souza é pastor da Primeira IP de Roraima

EXPE­DIEN­TE Órgão Oficial da

Brasil PRES­BI­TE­RIA­NO

Uma publi­ca­ção da

Ano 50, nº 628 – Janeiro de 2007

www.ipb.org.br

Rua Maria Antônia, 249, 1º andar, CEP 01222-020, São Paulo – SP Telefone: 0(XX)11 3255 7269 E-mail: edi­torbp@rpc.ipb.org.br

Conselho Deliberativo: Gunnar Bedicks Júnior – presidente Jared Ferreira Toledo da Silva – secretário André Luis da Silva Mello – titular Darly Gomes Silveira Filho – titular Euclides de Oliveira – titular Johnderson Nogueira de Carvalho - titular Ricardo da Mota – titular

Rede Presbiteriana de Comunicação

Edição e chefia de reportagem: Letícia Ferreira DRT/PR: 4225/17/65. E-mail: editorbp@rpc.ipb.org.br

Textos: Caroline Santana - caroline@rpc.ipb.org.br e Letícia Ferreira - editorbp@rpc.ipb.org.br Diagramação: Aristides Neto Impressão: Folhagráfica

Secretaria de Atendimento ao Assinante: (19) 3741 3000 / 0800 119 105

Li as recentes reportagens sobre decisões do SC/IPB. Interessante o tratamento dado à Marcha para Jesus (BP outubro de 2006) e Maçonaria (BP setembro de 2006). Na reportagem sobre a primeira, é dito que uma igreja de Cabo Frio (RJ) participou da Marcha. Qual, se temos mais de uma no município? Há um equívoco enorme pelo desconhecimento da Marcha em Cabo Frio. Em momento algum, adulamos ou imitamos a marcha realizada em São Paulo. Até porque a fazemos desde 1991. No que tange aos meus amados irmãos maçons, o Espírito Santo deverá convencê-los. Mas com os meus irmãos neo-pentecostais e pentecostais, não posso andar junto, sob pena de sofrer sanções disciplinares - com citações da CI/IPB, sem grandes interpretações e considerações interpretativas. O período de "exceção", no Brasil, já passou, e parece-me que alguns não entenderam isto. Falamos do "triunfalismo" dos nossos irmãos em sua Teologia, mas muitos de nós nos ufanamos em nossa segregação e sectarismo denominacionalista - só nós somos os certos! Temos um artigo muito bom no site da IPB: Os cincos pecados que ameaçam os Calvinistas, do presb. Solano Portela. Seria de bom alvitre a sua leitura. Filadelfo Filho

Assinaturas Para qual­quer assun­to rela­cio­na­do a assi­na­tu­ras do BP, entre em con­ta­to com:

Luz para o Caminho 0(XX)19 3741 3000 0800 119 105 bra­sil­pres­bi­te­ria­no@lpc.org.br Rua Antônio Zingra nº 151, Jardim IV Centenário CEP 13070-192 - Campinas - SP


Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007



Consultório Bíblico

Urim e Tumim Odayr Olivetti

P

ergunta: “O que são ‘Urim e Tumim’? São úteis, são necessários atualmente?” Resposta:1.Significam “luz e perfeição”. 2. Na Antiga Dispensação, eram objetos afixados no “peitoral do juízo” (Êx 28.30; NVI: “peitoral das decisões”). Ajudavam o sacerdote a decidir questões difíceis. Por meio deles se consultava a vontade de Deus sobre questões judiciais e sobre causas de interesse público. As questões eram apresentadas em termos simples, com respostas simples. 3. Há um certo paralelo do Urim e do Tumim com o ato de lançar sortes – recurso mais amplo, do povo, não restrito aos sacerdotes (ver,

por exemplo, Pv 16.33; 18.18; Jn 1.7). 4. No Novo Testamento, vemos o uso do recurso de sorteio para definir a vontade de Deus sobre a decisão de quem seria o substituto de Judas no colégio apostólico (At 1.26). 5. Em geral não temos necessidade nem do Urim e do Tumim, nem de sorteios, para decisões. Oramos e seguimos o que nos manda a consciência, sempre esclarecida pela Escritura Sagrada. Às vezes nos vemos num impasse, e então propomos a Deus que nos ajude a decidir entre duas ou mais questões ou opções (como fez Gideão, de duas maneiras (Jz 6.17-22, 36-40). Fiz uso de recursos desse jaez em algumas ocasiões. Cito duas delas. Quando recebi carta da JMN (Junta

de Missões Nacionais) convidando-me para serviço missionário no Chile (em outubro de 1960), eu e minha esposa ficamos sem saber o que decidir. Era noite quando lemos a carta. Oramos e entregamos o assunto nas mãos de Deus. Esperamos a resposta rogando a Deus que a desse deste modo: a disposição com a qual eu me levantasse no dia seguinte seria interpretada como a vontade de Deus. Se me levantasse com pouco ou nenhum ânimo sobre a idéia de ir para o Chile, entenderíamos que a resposta era não; caso contrário, que era sim. E fomos dormir. No dia seguinte acordei e pulei da cama quase gritando: “Vamos para o Chile! Vamos para o Chile!” – E fomos. Damos graças a Deus pelas duras,

mas abençoadas experiências que lá tivemos durante cinco anos. Nos oito anos em que fui professor no Seminário Presbiteriano de Campinas (SP), sentia a pobreza da literatura evangélica no Brasil. Era franciscana! Pensei: escrever não posso, primeiro porque o tempo era escasso (dava aulas sobre muitas disciplinas); além disso, quanto tempo levaria para publicar os livros que produzisse? Notando que tinha facilidade para traduzir, orei a Deus mais ou menos nos seguintes termos: “Senhor, se for um ministério válido e que contará com a Tua bênção, abre-me a porta para a tradução de bons livros cristãos. Mas, Senhor, quero ter certeza da Tua aprovação. Se aprovas isto, rogo-te que eu seja pro-

curado para esse trabalho”. Eu não era conhecido como tradutor. Não muitos dias depois do início das minhas orações nesse sentido, fui procurado por um editor evangélico. Resultado, até a presente data traduzi, sob a graça de Deus, 107 livros desde 1974. Espero que a presente resposta ajude a consulente e outros leitores a atitudes humildes e confiantes em sua busca de respostas do nosso poderoso, sábio e misericordioso Deus. Toda busca deve sempre estar fundamentada na obediência à vigorosa exortação bíblica: “À Lei e ao Testemunho!” (Is 8.20). Odayr Olivetti é pastor presbiteriano, ex-professor de Teologia Sistemática do Seminário Presbiteriano de Campinas, escritor e tradutor. E-mail: odayrolivetti@uol.com.br

Consultório Constitucional

Eleição de oficiais Addy Félix de Carvalho

P

erguntas: 1) O conselho, ao convocar a assembléia para eleição de oficiais, pode estipular que só haverá um escrutínio? 2) Numa assembléia para eleger ministro, com dois candidatos, tendo 127 membros presentes num rol de 157, sendo o resultado 64 para um candidato e 57 para o outro, com 6 votos nulos e brancos, estaria eleito o mais votado?

Respostas: 1) O Art. 111 da CI-IPB dá ao conselho a prerrogativa de baixar instruções para o bom andamento do pleito, cujas instruções não devem ser ocasionais, ou seja, para cada eleição, mas permanentes, até mesmo para que a igreja adquira a cultura necessária sobre esse importante acontecimento. Nessas instruções, claras e bem divulgadas na igreja, deve constar, por exemplo a) que o pleito ocorrerá num único escrutínio; b) que,

com dois concorrentes para duas vagas, serão eleitos, ambos, se atingirem metade dos votos dos presentes mais um; c) que, se um dos dois não atingir esse percentual, estará eleito, apenas, um deles; d) que, no caso de quatro candidatos para duas vagas, serão eleitos os dois mais votados, qualquer que seja o número de votos alcançado. Acrescento que, se numa assembléia para eleger três presbíteros, o primeiro concorrente tiver 60

votos, o segundo 55, mas, em terceiro lugar, dois deles tiverem os mesmos votos, haverá necessidade de um novo escrutínio para desempatar, a menos que nas instruções conste que o eleito, em casos assim, será o mais idoso. No caso de empate entre o primeiro e o segundo colocado, ambos estarão eleitos, é claro, sem a necessidade de novo escrutínio entre eles. 2) Na mesma linha de raciocínio, o pastor eleito é

o mais votado entre dois ou três concorrentes, em qualquer quorum, em um único escrutínio. Finalmente, não encontro, em nossas assembléias, razão alguma para a eleição excluindo-se do quorum os votos nulos e brancos. Metade é sempre 50% dos membros presentes à assembléia. Addy Félix de Carvalho é pastor da IP de Petrópolis, RJ e autor do livro Interpretação e Comentários sobre a Constituição da Igreja. E-mail: addy1@uol.com.br




Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

História

A Confissão de Fé da Guanabara (1558) Alderi Souza de Matos

U

ma das mais antigas declarações da fé reformada foi escrita no Brasil, em meados do século 16. Seus autores foram huguenotes (calvinistas franceses) enviados pelo próprio reformador João Calvino e pela igreja reformada de Genebra, na Suíça. O contexto desse notável documento foi a França Antártica, uma colônia criada na baía de Guanabara, em novembro de 1555, pelo militar Nicolas Durand de Villegaignon. Desejoso de colonos com valores mais sólidos, o comandante escreveu a Genebra pedindo o envio de evangélicos. Em resposta, a igreja mandou um grupo de catorze pessoas, entre as quais dois pastores. O pequeno contingente desembarcou no Rio de Janeiro no dia 10 de

março de 1557, ocasião em que foi realizado o primeiro culto protestante no Brasil e nas Américas. No início, Villegaignon mostrou-se simpático aos recém-chegados. Todavia, logo começou a divergir dos reformados em relação a várias questões doutrinárias, em especial à singela celebração da Ceia do Senhor. No final de outubro, expulsou-os da pequena ilha para o continente. Impossibilitados de dar continuidade ao seu trabalho, no início de 1558, eles retornaram para a pátria. Todavia, diante das condições precárias da embarcação, cinco dos calvinistas decidiram voltar à terra firme. Acusados pelo comandante de serem traidores e espiões, eles foram presos e receberam um questionário sobre pontos teológicos, tendo poucas horas para respondê-lo.

A resposta, escrita com tinta de pau-brasil pelo leigo Jean de Bourdel, ficou conhecida como Confissão de Fé da Guanabara ou Confissão Fluminense. Os outros signatários foram Pierre Bourdon e Matthieu Verneuil. A confissão, escrita originalmente em latim, tem a forma de um credo, pois a maior parte dos parágrafos começa com a palavra “cremos”. Todavia, sua extensão e variedade de temas a coloca na categoria das confissões de fé, comuns na época da Reforma. A seção introdutória faz uma bela aplicação do texto de 1 Pedro 3.15. Os 17 parágrafos de diferentes tamanhos tratam de seis questões principais: (a) 1-4: a doutrina da Trindade e, em especial, a pessoa de Cristo, com as suas naturezas divina e humana; (b) 5-9: a doutrina dos sacramentos, sendo a Ceia tratada em quatro artigos e o batismo em

um; (c) 10: o livre arbítrio; (d) 11-12: a autoridade dos ministros para perdoar pecados e impor as mãos; (e) 13-15: divórcio, casamento dos religiosos e votos de castidade; (f) 16-17: intercessão dos santos e orações pelos mortos. O texto revela grande conhecimento da Bíblia, da teologia e da história da igreja por parte do autor. São feitas referências ao Concílio de Nicéia e seu credo, bem como a vários pais da igreja: Agostinho, Tertuliano, Ambrósio e Cipriano. O documento tem um forte teor bíblico e reformado, destacando pontos como a centralidade da Escritura, a natureza simbólica dos sacramentos, a supremacia de Cristo, a importância da fé e a eleição, entre outros. Sob alegação de heresia, na sexta-feira 9 de fevereiro de 1558, Villegaignon ordenou a execução de Bourdel, Bourdon

e Verneuil. André Lafon foi poupado por vacilar nas suas convicções e ser o único alfaiate da colônia. Jacques Le Balleur, que havia conseguido fugir, mais tarde foi encarcerado na Bahia e executado no Rio de Janeiro. A história dos mártires calvinistas, escrita por Jean de Léry, e o texto da confissão foram incluídos no livro História dos Mártires (1564), de Jean Crespin. Em 1917, sob o título A Tragédia da Guanabara, o presbítero Domingos Ribeiro publicou essa narrativa em português, junto com a tradução da confissão de fé feita por Erasmo Braga em 1907, a pedido do rev. Álvaro Reis. Essa obra está prestes a ser lançada em nova edição pela Editora Cultura Cristã. Alderi Souza de Matos é pastor presbiteriano e historiador oficial da IPB. E-mail: asdm@mackenzie.com.br

Publicação do Plano Missionário Cooperativo da IPB: projetos aprovados em 2006 PROJETO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22

Taguatinga Pires do Rio Campos Altos Contagem Itambacuri Juiz de Fora Cascavel Guarapuava Triunfo Barra/Recreio Cabo Frio Pau dos Ferros São Miguel Botucatu Videira Candido Mota Mairiporã Carapicuíba Cidade Kemel Guarulhos Monte Alto Taboao da Serra

ESTADO Distrito Federal Goiás Minas Gerais Minas Gerais Minas Gerais Minas Gerais Paraná Paraná Pernambuco Rio de Janeiro Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Norte São Paulo Santa Catarina São Paulo São Paulo São Paulo São Paulo São Paulo São Paulo São Paulo

PROPONENTE Presbitério Pioneiro de Brasília Presbitério Leste de Goiânia Presbitério Oeste de Minas Primeira Igreja Presb. Belo Horizonte Décima Oitava IP de Gov. Valadares 2a. IPB de Juiz de Fora Igreja Presbiteriana Central Presbitério de Iguaçu Presbitério Vale do Pajeú Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro Presbitério Cabo Frio (Aditivo) Igreja Presbiteriana de Carnaubal Igreja Presbiteriana de Carnaubal Igreja Presbiteriana Monte Siao Presbitério Oeste Catarinense Igreja Presbiteriana de Assis Igreja Presbiteriana Ebenezer Igreja Presbiteriana de Pinheiros Primeira Igreja Presb. Itaquaquecetuba Presbitério Metropolitano Igreja Presbiteriana de Jaboticabal Igreja Presbiteriana de Pinheiros

POPULAÇÃO 259.100 45.000 14.000 22.500 50.000 180.000 140.000 27.200 32000 121.000 50.000 29.200 64.556 550.000 25.000 50.000 221.176

TEMPO (ANOS) 3 3 3 4 5 4 4 4 4 4 2 3 3 5 5 4 3 3 5 43 4 3

VALOR PARA PMC R$ 66.000,00 R$ 45.000,00 R$ 32.970,00 R$ 84.001,34 R$ 44.759,46 R$ 53.414,93 R$ 39.339,89 R$ 105.000,00 R$ 36.120,00 R$ 123.728,68 R$ 10.080,00 R$ 48.643,20 R$ 40.003,20 R$ 64.676,19 R$ 53.549,46 R$ 56.894,46 R$ 66.000,00 R$ 29.028,00 R$ 32.459,46 R$ 63.775,68 R$ 48.741,60 R$ 48.000,00

VALOR PARA PROPONENTE R$ 268.752,00 R$ 83.250,00 R$ 49.455,00 R$ 156.002,50 R$ 104.438,74 R$ 99.199,15 R$ 73.059,79 R$ 231.000,00 R$ 67.080,00 R$ 776.116,28 R$ 23.520,00 R$ 72.964,80 R$ 60.004,80 R$ 120.112,93 R$ 124.948,46 R$ 132.753,74 R$ 378.000,00 R$ 43.542,00 R$ 75.738,46 R$ 95.663,52 R$ 120.794,40 R$ 108.000,00

TOTAL R$ 334.752,00 R$ 128.520,00 R$ 82.425,00 R$ 240.003,84 R$ 149.133,33 R$ 152.614,08 R$ 112.399,68 R$ 336.000,00 R$ 103.200,00 R$ 899.844,68 R$ 33.600,00 R$ 121.608,00 R$ 100.008,00 R$ 184.789,12 R$ 178.498,20 R$ 190.166,67 R$ 444.000,00 R$ 72.570,00 R$ 107.466,67 R$ 159.439,20 R$ 169.536,00 R$ 156.000,00


Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007






Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

Aconteceu Treinamento para líderes de Escola SAF em Belo Horizonte completa os louvores também conduzidos pelos adolescentes, com a participação das crianças. Dominical em Rondônia 23 anos Por Miriã Quintino No dia 2 de setembro, em Presidente Médice (RO), os líderes de Escola Bíblica Dominical das igrejas do Presbitério Vale do Rio Machado se reuniram com o propósito de buscar melhorias para as EBDs. Estiveram presentes 16 líderes, pastores, seminaristas, professores e superintendentes, que expuseram as dificuldades encontradas, as adaptações feitas e os acertos de cada igreja, como forma de mostrar a realidade de cada uma das igrejas do presbitério, que compreende as cidades de Ji-Paraná, Presidente Médice, Alvorada do Oeste, São Miguel do Guaporé, Seringueiras e Costa Marques. Após observar a necessidade de cada local e partindo do questionamento como tornar a EBD mais atrativa sem deixar de ser formativa, programou-se um treinamento para os líderes de Escola Dominical, com o tema Estruturando a Nossa Escola Bíblica, que aconteceu no dia 14 de outubro, em Presidente Médice, através de palestras e oficinas.

Por rev. Walas Vieira e Silva A SAF da IP no Bairro Independência, em Belo Horizonte (MG), do Presbitério Oeste de BH, foi organizada no dia 25 de setembro de 1983, quando ainda éramos congregação da Igreja do Vale do Jatobá em Belo Horizonte. A igreja foi organizada em 1994. Nos dias 1º e 2 de outubro, agradecemos a Deus pela passagem dos 23 anos da SAF. Diretoria atual: presidente Shirley Marins Rosa; vice-presidente Maria Aparecida Vaz; primeira secretária Maria Vieira Torres de Sousa e segunda secretária Eliana Esmelinda de Souza Paula. O conselheiro é presb. Elias Vieira Torres.

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Dia das crianças é comemorado pelo Presbitério de Americana (SP)

Rua da Alegria para as crianças de São Mateus (ES) Por rev. Cícero César Vieira da Silva A IP Manancial, em São Mateus (ES), realizou, no dia 9 de setembro, pelo segundo ano consecutivo, a Rua da Alegria, um formato de trabalho infantil que visa a divertir e educar por meio de princípios bíblicos. O evento, coordenado pela missionária Sueli Rosa da Silva, contou com o apoio de jovens de todo o Norte Capixaba (Federação de Jovens Presbiterianos do Presbitério Norte do Espírito Santo), tendo a participação de aproximadamente 800 crianças dos bairros circunvizinhos. A festa da criançada foi recheada de muita alegria, com palhaços, histórias, pula-pula, fantoches, lanches etc. Enquanto as crianças se divertiam, seus pais puderam ouvir uma palestra sobre vida familiar, ministrada pelo rev. Cícero César, pastor da igreja.

Ao término do evento era possível identificar a mudança de atitudes dos participantes em relação a um compromisso com Deus. De acordo com a diretora do departamento infantil da IPF, Gercilene Amâncio, o evento visa também a sensibilizar os pais para a importância do crescimento espiritual dos seus filhos e a estimulação para a socialização fora do ambiente familiar e da igreja.

Pequenos seguidores de Cristo Por Joseane Santos Entre os dias 12 e 14 de outubro, cerca de 50 crianças, com idade entre cinco e 11 anos, participaram do Acampakids – ministério criado para a edificação e evangelizador de crianças organizado pelo departamento infantil da IP do Farol, em Maceió. O acampamento foi uma surpresa especial para comemorar o Dia da Criança. A quarta edição do evento aconteceu em uma chácara, no bairro do Tabuleiro do Martins, e teve como tema central Siga o Mestre. A contar pelo entusiasmo e euforia da criançada, o Acampakids 2006 será lembrado por muito tempo. Paulo Victor gostou tanto da convivência com os educadores e colegas que sugeriu que a duração do evento fosse estendida por uma semana. A sugestão logo foi acatada pelo veterano Jhonatas Augusto, de nove anos: “Aqui tudo é bom: a palavra, o culto, as brincadeiras e a comida. Acho mesmo que deveria durar mais”, disse. A programação foi composta por dinâmicas, gincanas bíblicas, estudos bíblicos, louvor e adoração a Deus. A mensagem foi ministrada pelo adolescente Pedro Gabriel Laureano e

Por rev. Adauto Seno O Dia das Crianças foi marcado com muita festa em Sumaré (SP), por ocasião do trabalho das UCPs do PAMR (Presbitério de Americana - SP). A tarde foi animada com brincadeiras e outras atividades que divertiram as crianças. Foi um trabalho diversificado que contou com histórias bíblicas com apresentação de fantoches, o que chamou a atenção das crianças, e muita descontração no parquinho. A criança precisa ser acolhida, respeitada e amada pela igreja. Família, igreja e escola são instrumentos usados por Deus na formação do ser humano. Louvamos a Deus pela vida de todos os colaboradores que contribuíram na realização do evento. Pelas crianças, rogamos as mais ricas bênçãos de Deus e, aos pais, que eduquem os filhos nos caminhos do Senhor. Divulgação


Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007



Memória e saudade Rev. Aurino Cézar Lima Por presb. Flacílio A. Lima Divulgação

Nascido em Mundo Novo, na Bahia, o rev. Aurino Cézar Lima, falecido no dia 2 de dezembro, veio para Minas Gerais com 12 anos. Filho obediente e amado, decidiu estudar no Ibel (Instituto Bíblico Eduardo Lane), em Patrocínio (MG), em 1948. Lá conheceu sua amada Irene. Terminaram o curso juntos e marcaram o casamento para abril de 1950. Dessa união, vieram seis filhos e hoje são mais três noras, três genros, 17 netos e três bisnetos. Filhos espirituais, só Deus sabe quantos ele deixou. Foi pastor em Minas Gerais Perdões, Tapiraí, Bambuí, Prata, Centralina e Estrela do Sul - apenas para citar as cidades sede. Em Goiás – Jataí por mais de 20 anos e Rio Verde por dois anos. Em Mato Grosso – Alto Garças por dois anos. Seu ministério era 100% dedicado ao trabalho que o Senhor Jesus lhe incumbiu de realizar ao lado de sua esposa. Viveram juntos 55 anos. Ainda em Patrocínio, uma vez em que ele saía para um trabalho evangelizador, num rompante de coragem e amor, convidou Irene para ir com ele. Ela respondeu: “não vou, mas meu coração vai”, o que ficou gravado em sua mente. Ele nunca esteve doente ou deixou de fazer algum trabalho por estar indisposto. Não havia hora para ele trabalhar e nem serviço pesado demais. Quantas igrejas e casas ele ajudou a levantar, carregando areia, cimento, terra, tijolo, madeira. Acima disso tudo, ele foi usado por Deus para levantar vidas caídas, arrasadas, desiludidas, desamparadas, frustradas. Sua palavra sempre foi: Levante-se, firmese em Deus e siga seu caminho. Sempre alegre, conversador, amigo, líder, pastor e, mais que isso, servo de Deus. Sua humildade sempre me assustava, pois nunca o vi brigando por posses ou direitos seus. Uma vez o alertei sobre o futuro e ele me disse: “Nunca tive falta de nada, por que

me preocupar?” Demorei alguns anos para entender que ele confiava plenamente em Deus, seu Senhor e Salvador. Sua vida foi e será sempre um testemunho de obediência à palavra de Deus. Quando mamãe partiu, ele não foi, mas o seu coração foi com ela. Quando começou a “ficar” doente, entendemos que era a falta do “seu coração”. Não havia mais forças para ele continuar sozinho. Ele tentou, mas cremos que pediu ao Pai que lhe tirasse a dor da separação, recolhendo-o também. No dia 2 de dezembro, suas últimas palavras à filha Ireni, que acabara de ler o Salmo 8 na UTI do hospital e lhe dissera: “Pai, eu vou indo para casa”, foram: “Eu também já estou indo”. E temos certeza que ele foi e está agora em “sua casa” ouvindo: “Servo bom e fiel, foste fiel no pouco... entra no gozo do Senhor”. A saudade será sempre presente, mas na certeza de que estaremos juntos na Glória Eterna com o Pai celestial. A família agradece a IP Central de Jataí pelo carinho, amor, dedicação e respeito que sempre prestou ao papai e mamãe durante todos estes anos e pelo maravilhoso culto de ação de graças pela sua vida. Nossa gratidão eterna a todos.

Rev. Lázaro Lopes de Arruda Por Isabel Gardenal e rev. João Wesley Divulgação

“Sou como o pelicano no deserto, como a coruja das ruínas ... como o passarinho solitário nos telhados”. Com base no Salmo 102.6-7, o rev. Lázaro definia seu estado nos últimos meses. Ao entardecer do dia 3 de novembro, dormiu em Cristo o pastor Lázaro Lopes de Arruda, aos 87 anos. Foi amado pelas igrejas que serviu e por elas fez todo o possível. Viveu numa época de muita dedicação em que ser cristão exigia muito sacrifício. “Sou ministro por vocação”, declarava. Sua família cedo aprendeu a vê-

lo receber homenagens. A penúltima partiu da Igreja de Tatuí. Mesmo estando em tratamento médico, em Campinas (SP), soube da lembrança dos membros da igreja em reconhecimento ao seu trabalho. O prédio de Educação Cristã deveria receber o seu nome, ao que ele próprio sugeriu que fosse mantido “João Calvino”, pelo fato de ser ele mesmo o proponente daquele nome. Nossa família se sentia homenageada pela sua presença, seus conselhos e seu testemunho. Foi um orgulho ter um líder desta envergadura, par e passo com uma postura de servo. Deixa-nos como herança suas palavras, através de uma série de folhetos, cadernos de sermão, diários e agendas. Uma de suas derradeiras falas foi no batizado de uma das netas, em julho. Sua última homenagem por certo receberá no dia da ressurreição. O pelicano, a coruja e o passarinho podem até viver solitários, mas o rev. Lázaro Lopes de Arruda encontrou afinal o seu lar. Ele nasceu em Angatuba (SP) em 1919. A família era de trabalhadores rurais. O pai foi seu primeiro professor. A Bíblia chegou em sua casa através de um primo e do avô Francisco Leme. O rev. Waldemar Wey marcou profundamente sua vida cristã. Decidiu-se pela vida ministerial, indo estudar em Castro (PR), para depois ingressar no Seminário de Campinas. Casou-se com Irma Helena Gardenal e teve cinco filhos. Foi pastor das igrejas de Itapeva, Tietê, Tatuí, Campinas e Boituva. Fundou o Presbitério de Tatuí e o Sínodo de Sorocaba, além de organizar o Presbitério de Itapetininga. Foi pastor emérito das igrejas de Boituva e Tatuí. Recebeu da Prefeitura de Tatuí os títulos de Cidadão Tatuiano, Emérito e Amigo da Guarda Municipal. Liderou a Comissão Nacional de Estudos Ecumênicos. Por dez anos, manteve o programa diário O Som do Evangelho na Rádio Difusora de Tatuí. Escreveu para jornais e revistas. Foi um dos fundadores da Escola de Enfermagem de Tatuí. Atuou como reitor, deão e professor do seminário, tendo escrito os livros Anotações de História da Igreja, Cantos do Entardecer, Cantos do Alvorecer e Os Meus Dias. O último, A Escada de Jacó, não foi concluído.




Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

Missões nacionais

Missionários e profissionais se reúnem para evangelizar e ajudar

Igreja cumpre seu papel na sociedade Joseane Santos

O

s moradores da cidade de Maravilha, sertão de Alagoas, a cerca de 234 km da capital, receberam, nos dias 14 e 15 de outubro, a visita de uma caravana de missionários organizada pelo Presbitério de Alagoas. O objetivo principal da visita foi praticar e testemunhar o amor de Cristo através da doação ao próximo. Os 46 missioná-

além de doações de cestas de alimentos, kits de higiene, roupas, calçados e brinquedos. As ações se concentraram na Escola Sagrada Família e na Comunidade do Lixão, próximo à Lagoa do Pico. De acordo com a missionária Wytla Nogueira, que se dedica à comunidade há três anos, naquele local, 25 famílias sobrevivem com uma renda que varia entre 25 e 65 reais proveniente de um programa do governo

Maria Isabel Ferreira, de 42 anos, disse que foi bom receber a ajuda e que gostaria de contar com este trabalho sempre. “Essa turma veio para deixar o povo bonito, alegre e trazer a Palavra de Deus. Seria bom ter uma turma dessa aqui”. O casal Júlio e Rosângela Barbosa, que tem cinco filhos, viu na ação dos voluntários a oportunidade de consultar os filhos e dar um trato na aparência.

federal e do que conseguem retirar do lixo. Durante a permanência dos missionários na cidade, foram realizadas 110 consultas pediátricas, 117 testes de visão, aplicação de flúor em mais de 150 crianças e mais de duzentos cortes de cabelos. Os profissionais voluntários foram recebidos com alegria, chegando a causar emoção entre os assistidos.

Distribuição de alimentos

tas e os pacientes que apresentarem problemas serão levados para Maceió para exames mais detalhados e tratamento. Esta não é a primeira vez que a Igreja Presbiteriana realiza um trabalho dessa natureza. No ano passado, as cidades visitadas foram Santana do Ipanema e Delmiro Gouveia, onde o Presbitério de Alagoas mantém dois campos missionários. A expectativa dos organizadores é de que, em 2007, consigam mobilizar um maior número de pessoas, profissionais e empre-

Equipe de missionários e voluntários

rios se uniram aos membros da IP de Maravilha para comemorar os 70 anos de presbiterianismo na cidade e executar uma série de ações sociais em benefício das comunidades carentes. Diversos profissionais integraram a equipe para oferecer atendimento médico-odontológico, exames simples de visão, cortes de cabelo, recreação infantil,

Fotos: Divulgação

Segundo eles, é muito difícil conseguir uma consulta médica no posto de saúde e, devido a isso, a procura por atendimento só acontece em caso de muita necessidade. De acordo com um levantamento preliminar, as doenças mais comuns na região são de origens respiratórias, intestinais e de pele. Os testes de visão realizados serão analisados por oftalmologis-

Consulta médica

sas públicas e privadas para fazerem doações a exemplo do que aconteceu. O objetivo é expandir o número de cidades assistidas e realizar ações na periferia de Maceió. Na opinião do rev. Célio Miguel, da IP do Farol, em Maceió, é dever do cristão socorrer os necessitados e lhes apresentar as boas novas do evangelho de Cristo. “O que fazemos é pouco diante das necessidades, mas não devemos deixar de colocar em prática aquilo que defendemos e pregamos, que é o amor fraternal”.


Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007




0

Janeiro d e 2 007

Brasil PRES­BI­TE­RIA­NO

Brasil PRES­BI­TE­RIA­NO

Janeiro d e 2 0 0 7

1

Fotos: Divulgação

Ação Social

Fundação ampara menores em situação de risco no interior da Bahia

Instituição social presbiteriana passa por grave situação financeira Caroline Santana Pereira

E

m outubro de 1990, membros da IP Primeiro de Maio, em Senhor do Bonfim (BA), organizaram a Fundame (Fundação de Apoio à Criança e ao Adolescente), instituição não-governamental e sem fins lucrativos, que nasceu para atender às necessidades de menores carentes em estado de risco social. Segundo o presidente da fundação, Carlos de Carvalho Jr., ela oferece às crianças educação cristã, educação secular e promove o desenvolvimento físico, mental, social, cultural e moral, a fim de amenizar a dura realidade dos assistidos, propagar o evangelho e anunciar as boas-novas da salvação, prosseguindo no trabalho missionário da IPB. A grande maioria das 125 crianças e adolescentes matriculados na Fundame é pobre, proveniente de famílias carentes com renda mensal que não chega a um salário mínimo (R$350). Na fundação, os menores encontram orientação escolar, alimentação garantida, apoio espiritual, assistência médica e odontológica de qualidade e outras atividades esportivas, artísticas e de lazer que, infelizmente, não podem obter em outro lugar. CRISE Apesar da enorme importância dessa instituição para a vida dos assistidos, de seus mantenedores e para a missão assistencial e evangelizadora da IPB, nem tudo vai bem na associação. Há três anos, uma crise financeira está colocando em risco essa estrutura e deixa a fundação em estado de alerta, sem deixar de prestar seus serviços. “Com muita fé e dedicação, a Fundame cumpre seus objetivos sem perder suas qualidades”, afirma o presidente. Ele explica que a origem dessa crise se deve, basicamente, ao fim do convênio com a Compassion do Brasil, ONG que abastecia 40% da receita da Fundame. Tal verba garantia o pagamento de sete funcionários e supria as despesas com os encargos sociais. Contudo, ele res-

salta que a Compassion informou a suas instituições parceiras que encerraria os acordos de cooperação, com algumas exceções, pois a sede da ONG, localizada nos Estados Unidos, passou a exigir um maior acompanhamento das atividades de seus conveniados no Brasil. Tal monitoramento se tornou impraticável na Fundame devido à sua localização afastada dos grandes centros urbanos e das demais instituições atendidas pela Compassion. A partir de então, os investimentos foram direcionados para São Paulo e Rio de Janeiro. O rompimento causou grandes preocupações aos dirigentes que, apesar de procurarem outras fontes de recursos, não conseguiram controlar o desequilíbrio, compensando poucos déficits. Carlos Funcionários e crianças assistidas pela Fundame relata também que a diretoria estava muito preocupada com o impacto que certas demissões poderiam causar na vida dos funcionários e de suas famílias. Porém, as dispensas foram inevitáveis. IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO A liderança da Fundame entende que o trabalho desenvolvido pela fundação é um ministério concedido por Deus, para que vidas sejam alcançadas e abençoadas. “O que nos faz muito diferentes e importantes para aqueles que são atendidos é a motivação existente no que fazemos. Temos a consciência de nossa missão e, principalmente, por causa dEle, o nosso Senhor, queremos fazer sempre mais e melhor”, completa Carlos. De acordo com o relato do presidente, as pessoas, quando vão à Fundame, geralmente se apaixonam por ela, deviPalestra sobre família do ao que vêem e sentem naquele lugar. As crianças e adolescentes atendidos novas vagas para seus filhos. aparelhos. Tudo foi providenciado pela sentem a mesma coisa e o indicador de Alguns relatos podem exemplificar e Fundame. evasão escolar pode provar isso, afinal, demonstrar o quanto a Fundame tem se Outra pequena teve uma fratura na a ausência é quase inexistente. Em casos dedicado ao bem-estar das crianças e perna e passou mais de um mês no hospide faltas constantes, um funcionário da adolescentes. Sabe-se que é comum um tal esperando o devido tratamento. Após fundação vai até a casa do aluno para menor adoecer e ficar um tempo afasta- uma complicação, a Fundame procurou saber o que está acontecendo. Graças a do das atividades da escola. Carlos conta soluções para esse caso, afinal, a menina esse trabalho diferenciado, todos os anos que uma pequena menina, de apenas corria o risco de sofrer uma septicemia as vagas são completamente preenchidas quatro anos, precisou de um sério trata- - processo infeccioso generalizado em e os pais ficam, muitas vezes, esperando mento ortopédico que incluía exames e que germes são veiculados pelo sangue

Refeitório para alimentação dos alunos

Crianças em sala de aula

Palestra pastoral

e se multiplicam - ou ficar parcialmente paralisada. Após a atitude da direção, o Ministério Público e a Prefeitura da cidade tomaram as devidas providências. Hoje, a menina pode caminhar. Outra iniciativa da escola são as visitas às residências dos alunos. Quando a equipe da Fundame percebe a existência de algum problema em determinado lar, auxilia a família de todas as maneiras

possíveis, doando cestas básicas, fornecendo remédios e oferecendo aconselhamentos pastorais. “É comum a diretoria de uma instituição se preocupar com a vida espiritual de uma criança ou de um adolescente, bem como o de sua família, desejando que o Senhor tenha misericórdia de suas vidas e os alcance? Na Fundame, todos os dias a Palavra de Deus é pregada e também levada às

famílias dos alunos durante as visitas”, completa o presidente. DIFICULDADES Conforme exposto, hoje, o maior problema da fundação é a dívida acumulada nesses últimos três anos. Uma das conseqüências é o atraso de cinco meses na folha de pagamento dos funcionários e seus encargos trabalhistas. O valor de toda essa dívida está em, aproximadamente, R$40 mil. Desde que a Compassion anunciou o rompimento dos convênios, muitas medidas foram tomadas para resolver as pendências financeiras. Foram feitos vários contatos com a iniciativa privada, fundações, ONGs, embaixadas e pessoas físicas. A presidência da fundação tem plena consciência de que é normal que muitas pessoas tenham certo receio e desconfiança quando o assunto é doação de dinheiro. Tal comportamento é totalmente justificável, graças aos escândalos existentes nos dias atuais, até mesmo no meio evangélico. Vale ressaltar que o conselho da IP Primeiro de Maio, juntamente com o rev. Nelson da Silva, também está providenciando alternativas e mobilizando seus membros, sensibilizando-os e expondo o problema. Carlos relata que um determinado irmão já deu uma boa parcela de contribuição, ao contatar um ex-funcionário da ONU (Organização das Nações Unidas). As demais pessoas também contribuíram com suas ofertas. A última arrecadação foi feita no Dia de Ação de Graças.

Outra iniciativa válida é o apadrinhamento de crianças e adolescentes. A ONG Ágata Esmeralda se responsabilizou por 20 menores. Alguns dos representantes da organização, ao verificar o trabalho da Fundame, mostraram-se dispostos a conseguir novos auxiliares. Os funcionários da fundação, mesmo correndo o risco da temida demissão, não deixam de trabalhar pelo bem do grupo. Carlos destaca que a cozinheira, às vezes, precisava ser retirada da cozinha, porque, com muito amor, se dedicava além do seu expediente. Uma outra funcionária, da área contábil, percebendo as necessidades e dificuldades da Fundame, colocou-se à disposição para ser demitida e continuar a oferecer seus serviços de maneira voluntária por alguns meses. A fundação conta com a oração de todos os membros da IPB, para que o trabalho continue firme e que a situação possa ser superada em breve. “Deus, pela sua graça e para sua glória, tem nos capacitado a fazer bem feito o que Ele coloca em nossas mãos. Queremos que as pessoas vejam e sintam que Ele está nesse lugar e que somos importantes para a comunidade. Esperamos, através das atividades e serviços da Fundame transformar, de forma mais contundente, as vidas das pessoas”, finaliza o presidente. Informações sobre a fundação, embasamentos legais, relatório de atividades e campanhas de doação podem ser obtidas pelo telefone (74) 3541-2927 ou via email: fundamebonfim@yahoo.com.br.


12

Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

Aniversários

UPH de Vila Mariana (SP)

Experiência que rejuvenesce: rev. Enos Moura, 50 anos de trabalho na UMP

Um ano Por presb. Júlio Prates e Silva, secretário de Imprensa da CNHP

No dia 4 de novembro de 2005, após sermos abençoados com faustoso café da manhã organizado pelos homens da IP da Vila Mariana, em São Paulo, foi organizada a UPH da igreja. Fomos privilegiados com uma palestra do dr. Lisias Nogueira Castinho. Logo após, o rev. Rubens Tomas de Aquino, pastor da igreja, convidou aos homens presentes para nos unirmos na organização da UPH. Como anfitrião do evento, foi convidado o presb. Haroldo Peyneau, secretário geral do Trabalho Masculino da IPB. Após breve exortação sobre a importância das sociedades internas nas igrejas, mormente a UPH, como força de integração da IPB, foram distribuídas aos irmãos cartilhas explicativas dando início à eleição da primeira diretoria da UPH. Júlio Prates e Silva

Presb. Haroldo Peyneau e rev. Rubens Tomas de Aquino

SAF da IP de Patrocínio (MG) 80 anos Extraído da edição especial de aniversário

A SAF da IP de Patrocínio (MG) completou, no dia 10 de setembro de 2006, 80 anos de organização. São anos de trabalho e convivência com a obra do Senhor, na igreja e na região. Teve seu início no pastorado do rev. Jayme Woodson e a esposa dele, Jéssie G. Woodson, que trabalharam no Brasil, em Patrocínio e também no Ibel (Instituto Bíblico Eduardo Lane). O rev. Jayme faleceu em agosto de 1979, nos Estados Unidos, quan-

Por Bruno Estavarengo, presidente da UMP A.E.Carvalho (SP)

Pertencemos a uma sociedade que não valoriza a maturidade. Damos atenção somente àquilo que é novidade. Temos a falsa sensação de que o antigo não tem muito a acrescentar e atrapalha mais do que ajuda. Quem atua ou já atuou em atividades da Mocidade com o rev. Enos Moura, esse jovem de 62 anos, com certeza pensa diferente. Pois quem o conhece sabe que sua idade não pesa no vigor, no ânimo e no entusiasmo que tem pelo trabalho da UMP. Qualidades estas que ainda estão sendo colocadas em prática a pleno vapor, motivando, inspirando e influenciando outros jovens a terem as mesmas atitudes. Por este motivo, a Federação de UMPs do Presbitério Extremo Leste Paulistano, da qual o rev. Enos é secretário presbiterial há oito anos, resolveu organizar um Culto de Ação de Graça pelos seus 50 anos de trabalho na Mocidade na IP A.E.Carvalho, em São Paulo (SP). Sua história com a Mocidade começou aos 12 anos de idade, quando foi recebido na UMP da IP de Jaboatão (PE), onde seu pai era pastor. Desde então, já atuou em diferentes cargos, desde tesoureiro da UMP local até secretário geral da Mocidade. Organizou outras UMPs, federações e sinodais, esteve em todos os Estados do Brasil

do a SAF enviou uma carta de condolência à dona Jéssie, atualmente falecida. No dia 10 de setembro de 1926, com dedicação e amor à causa, 22 senhoras se dispuseram, se organizaram e, desde então, a sociedade não parou. Com lutas, mas alegria de se envolver de alguma maneira num trabalho variado, diversificado, atingindo e atendendo a várias áreas da igreja, com programações e atividades em prol do reino de Deus e do próximo. A SAF não sofreu interrupção no seu trabalho e completou seu octogésimo aniversário de abençoada existência, lutando valorosamente pela causa do evangelho em Patrocínio e conservando no coração de

(exceto no Amapá), e guarda com carinho extensa documentação de todo o trabalho. A noite de 7 de outubro foi uma grande festa. Compareceu à ocasião o presb. Isaías José de Lima que, sendo presidente da UMP Jaboatão, recebeu, em 7 de outubro de 1956, o jovem Enos Moura como sócio da UMP. O pregador foi rev. Lisânias Moura, irmão do rev. Enos, com participação também do reverendos Alceu Davi Cunha e Lindberg Moraes – representando o Instituto Presbiteriano Mackenzie, onde o reverendo Enos trabalha desde 1976. Na ocasião, o rev. Itamar Alves de Araújo, pastor da IP de AE Carvalho, fez um justo agradecimento à família do rev. Enos, que por muitas vezes teve que abrir mão da companhia do “paizão” para “emprestá-lo” aos demais jovens. Por isso, aqui também registramos nossos agradecimentos à Lucila, sua esposa, Enos Filho e Júnia Márcia, seus filhos, que têm cooperado sobremaneira com a UMP. A nossa oração é que Deus nos brinde com a sua maravilhosa graça e levante outros “Enos Mouras” para que o trabalho da UMP seja ainda mais forte nos próximos 50 anos.

cada uma das sócias, que tiveram e têm o privilégio de associar-se, a chama ardente do ideal de viver a vida cristã e servir com amor em cada área de sua organização. Essa SAF organizou-se com o nome de Sociedade de Senhoras. Em 1933, passou a chamar-se Sociedade Auxiliadora de Senhoras. Depois, em 1937, Sociedade Auxiliadora Feminina. Os trabalhos, desde o início, são bem estruturados e divididos por áreas, como Espiritualidade, Ação Social, Beneficência, Intelectual e até recreativo, com ampla e dinâmica realização para o crescimento e bem estar de cada sócia e dos que são atingidos dentro e fora da igreja.


Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

13

Aniversários

IP de Uberaba (MG)

Associação Assistencial Presbiteriana Bom Samaritano (SAEBS)

58 anos

50 anos

Por rev. Saulo Monteiro da Silva Divulgação

A IP de Uberaba (MG), Central, completou, no dia 9 de outubro, 58 anos de organização. Para comemorar esta data tão significativa, o preletor foi o rev. Adail Carvalho Sandoval, pastor da IP de Brasília (DF). O trabalho presbiteriano em Uberaba teve início no dia 5 de abril de 1933, com a chegada do irmão Willibald Bradbury e, desde aquela época, vem prosperando. Frente às grandes bênçãos que Deus tem concedido à igreja, destaca-se a organização das outras três igrejas presbiterianas em Uberaba, bem como a construção de um belo e confortável templo, de um amplo acampamento presbiteriano, a aquisição de duas residências pastorais e de dois terrenos no Bairro Pacaembu 2. Nestes 58 anos de organização, lembramos com gratidão a Deus a vida dos pastores e obreiros que serviram à igreja ao longo da sua história: reverendos Alva Hardie, Paulo Araújo, Paulo Villon, Joaquim Machado, Sebastião Tilman, Abílio Domingos Boaventura, Talfik Abílio Jorge, Antônio Francisco Maia, Evandro Honorato de Oliveira, Ezequiel Ozanam dos Santos, Paulo Fernando O. Pena, Paulo Edson Petreca, David Pereira, Natanael Miguel Sallune e os evangelistas Samuel Marcelino de Oliveira, Juscelino Marques dos Santos, Maria do Carmo Rodrigues e Elisabeth Maria Amaral. Os atuais pastores são os reverendos Saulo Monteiro da Silva Dárcio Lemos Vieira.

Extraído da Edição Especial de Aniversário

Tudo começou no templo da IP de Franca, que contava, desde o início, com a Sociedade Auxiliadora Feminina (SAF), a qual reunia as mulheres de espírito caridoso que cuidavam de trabalhos assistenciais na comunidade francana. Na época, os homens da igreja ainda não haviam se organizado de forma sistemática, participando esporadicamente dos projetos. Logo, a necessidade de ampliar as obras assistenciais e aprimorar o trabalho fez surgir a idéia de criar a União Presbiteriana de Homens (UPH). O trabalho evoluiu e, no dia 14 de outubro de 1956, no salão da IP Central, o grupo formou a SAEBS (Sociedade Assistencial Evangélica Bom Samaritano), com o objetivo de atender crianças carentes da cidade. O primeiro presidente eleito foi justamente o saudoso rev. Nicanor Xavier da Cunha, que enfatizava: “O trabalho não era somente O ano de 2006 foi muito frutífero, para honra e glória de Deus. Foram implantados os projetos de evangelização denominados Jerusalém 1, 2 e Judéia, em bairros da cidade, e o projeto Samaria, desenvolvido num município próximo. Em julho, a igreja promoveu 15 dias de Missões Urbanas, com evangelismo porta-a-porta em quatro bairros. Foram distribuídos quatro mil folhetos, Bíblias e Novos Testamentos. Deste trabalho resultou o cadastramento de 270 famílias que desejam saber mais de Jesus Cristo e aceitam outras visitas. Outras atividades também foram muito importantes para a vida da igreja, tais como as atividades missionárias realizadas durante todo o mês de agosto e a Segunda Conferência Missionária com o tema Ide:

de homens, mas sim de Deus”. Baseado no ideal cristão do rev. Nicanor, o objetivo sempre foi e continua sendo o de minorar o sofrimento dos menos favorecidos, exercitando assim, o Evangelho do amor de Cristo. Após todos esses anos de vida, que agora atinge meio século, uma certeza está muito clara: a de que este ideal surgido no longínquo ano de 1956 é realmente uma obra abençoada por Deus. Divulgação

uma ordem de Jesus, um projeto para sua vida, cujo preletor foi o rev. Lourival Luiz do Prado, secretário-executivo da JMN (Junta de Missões Nacionais). Nessa conferência foi ofertado o valor de R$5 mil, quantia que beneficiou a JMN, um pastor da APMT (Agência Presbiteriana Missões Transculturais) que trabalha na África do Sul e cinco campos missionários da JMN. A IP de Uberaba participou, no dia 8 de outubro, do Dia Mackenzie Voluntário, com o tema O Bem faz bem e faz diferença. Além disso, comemorou o Dia da Criança numa Escola Municipal do Bairro Beija-Flor 2, (dentro do projeto Jerusalém 2), oferecendo histórias, presentes e lanches para 212 crianças e pregação do evangelho para todos os que ali trabalham.


14

Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

Educação teológica

Junta de Educação Teológica irá trabalhar pela unidade no ensino aos futuros pastores

Diminui o número de candidatos aos seminários Letícia Ferreira

A

diminuição do número de candidatos aos cursos oferecidos pelos oito seminários da IPB e a unificação da grade curricular oferecida aos estudantes de teologia da denominação são as principais preocupações para a nova diretoria da JET (Junta de Educação Teológica), informa o novo presidente da junta, presb. Solano Portela. A nova diretoria tomou posse no dia 5 de agosto do ano passado e teve sua terceira reunião oficial no dia 1º de dezembro, quando recebeu de uma comissão especial a consolidação das ementas dos cursos dos seminários encaminhadas pelas Jurets (Juntas Regionais de Educação Teológica). “Temos visto uma diminuição no número de candidatos no vestibular unificado. Ainda não temos os números finais deste ano, do vestibular 2007, mas sabemos que foram menos candidatos que no ano passado”, informa o presidente. Ele se diz preocupado com a questão da vocação na IPB, não apenas com os números que mostram um decréscimo, mas com a aferição dessas vocações. Muitas vezes, o envio do candidato é apressado e crises ocorrem nos seminários porque uma aferição mais cuidadosa não aconteceu no início. Há que se falar e ensinar mais sobre a voca-

ção ao ministério pastoral, além de observar o mover do Espírito Santo nas pessoas nas igrejas locais e conselhos. “Que os conselhos das igrejas sejam receptivos, não fiquem passivos, mas estejam atentos a talentos e lideranças nas quais o Espírito Santo está trabalhando para auxiliálos a descobrir se há um chamado específico para o trabalho integral no serviço cristão”, reflete o presbítero. Ele cita exemplos bíblicos como Paulo e Barnabé, que foram identificados e enviados pela igreja para determinadas tarefas. E afirma que as lideranças da igreja precisam passar aos novos vocacionados uma visão do pastorado que não seja somente acadêmica, por mais que esta seja importante, mas a visão pastoral de paixão por evangelização, pela disseminação do evangelho. O presb. Solano acredita que os mentores, tutores e pastores das igrejas dos seminaristas devem lhes passar essa visão para que a educação teológica seja completa. QUEDA NAS VOCAÇÕES, MAS EXCESSO DE PASTORES A informação da aparente queda nas vocações ao ministério pastoral vem de encontro à atual inquietação que passa pelos arraiais da IPB quanto ao excesso de pastores sem campo e mesmo de seminários na denominação, assunto

presb. Solano, a IPB precisa dessa uniformidade: “ela é uma denominação com símbolos de fé que são bem claros. Temos que derivar nossos estudos sempre fazendo a harmonização com esses símbolos e verificando o que eles têm a dizer em cada área de estudo. Temos que levar à da JET explica que esses frente a educação teológiseminários nem sempre ca não de uma forma disforam plantados seguindo sociada, gerando crises de uma necessidade global da identidade até entre os pasigreja. Eles “aconteceram”, tores, mas reforçando que não foram fruto de um pla- somos uma denominação, nejamento maior. Alguns temos uma identidade que foram até recebidos pela IPB devemos assumir e fazer de outras denominações.“A valer para que possamos ação da JET neste sentido, nos expandir como denomiportanto, é supervisionar as nação e expandir o reino de instituições que aqui estão Deus sobre das premissas e verificar como podemos que acreditamos que proceotimizá-las e maximizá-las dem da Palavra dEle”. e trazê-las de uma forma INTELECTO E coesa para o fortalecimento ESPIRITUALIDADE da denominação”, consideOutra inquietação que se ra o presidente. tem ouvido não apenas na Uma dessas ações é a uni- IPB, mas em outras denoformização da educação minações evangélicas, é a teológica da IPB para que aparente tendência atual não haja disparidade entre dos pastores se dedicarem as instituições. O SC dele- cada vez mais aos estudos, gou à JET a elaboração das em pós-graduações. Alguns ementas de cada curso, tra- externam a preocupação de balho que foi feito e será que essa dedicação aconteça submetido à Comissão em detrimento da dedicação Executiva do SC em sua ao verdadeiro chamado do reunião em março. Para o cristão e do obreiro cristão:

“Que os conselhos das igrejas sejam receptivos, não fiquem passivos, mas estejam atentos a talentos e lideranças nas quais o Espírito Santo está trabalhando para auxiliá-los a descobrir se há um chamado específico para o trabalho integral no serviço cristão”. ao qual foi dedicada uma reportagem na edição de dezembro de 2006 do BP. Sobre o excesso de obreiros, o presb. Solano Portela acredita que se trata de má distribuição e um desejo intenso dos pastores, não somente recém-formados, de se localizarem nos grandes centros brasileiros, causando excesso de oferta em algumas regiões e necessidade em outras. Para ele, isso deve ser examinado com bastante profundidade porque as regiões que não têm pastores o suficiente, são, na maioria dos casos, as mais carentes e, muitas vezes, sem condições de sustento integral de um pastor. São presbitérios sacrificados com os encargos que já têm. Ele também acredita que uma das soluções para pastores sem campo seria, na hora em que a igreja leva o candidato à seminarista ao presbitério, que a igreja e o presbitério já analisem, se houver essa condição, o campo para o qual o vocacionado será enviado. Sobre o excesso de seminários, alguns nas mesmas regiões, o novo presidente

“Temos que levar à frente a educação teológica não de uma forma dissociada, gerando crises de identidade até entre os pastores, mas reforçando que somos uma denominação”


Brasil PRESBITERIANO

Presb. Solano Portela, novo presidente da JET

levar ao mundo a Palavra de Deus e fazer discípulos. O presb. Solano Portela assevera que é preciso ter sempre em mente que aprofundamento intelectual não é contrário à visão pastoral e à dedicação às tarefas do reino. O que não pode acontecer é a ênfase num lado às custas do outro “Se olharmos alguns exemplos do passado, veremos que eram profundos intelectualmente e, ao mesmo tempo, intensamente envolvidos com a obra do reino de Deus”. Para o novo presidente da JET, a educação teológica é um conjunto de aprofundamento acadêmico e prática pastoral e ele se preocupa quando o estudo é desprezado. Ele cita o teólogo do século passado, Benjamin Breckinridge Warfild, que dizia que há alguma coisa

muito errada com a vida espiritual do estudante de teologia que não se aplica na área acadêmica. A espiritualidade leva ao interesse acadêmico, leva a querer saber mais. No entanto, o presbítero alerta para que não se deve cair num intelectualismo estéril que se preocupa somente com as últimas novidades acadêmicas e literárias e esquece as raízes da igreja e da fé. “Não queremos trazer a academia secular para dentro do seminário, mas queremos, sim, construir uma visão correta do estudo das doutrinas de Deus, da vida da igreja, da cena contemporânea”, declara. Para o presb. Solano, há que se ter uma percepção muito aguçada para que os pastores sejam profetas relevantes à atualidade, que tenham uma

mensagem que é necessária. Parte dessa mensagem nunca muda: mostrar a pecaminosidade da natureza humana e a necessidade da salvação, mas a igreja precisa estar aguçada e ter as respostas bíblicas para as questões que vão mudando de acordo com a sociedade. SUSTENTABILIDADE Como um dos principais problemas enfrentados, hoje, pelos seminários da IPB, o presb. Solano Portela aponta a área financeira. A JET, como parte de suas atividades, está examinando os orçamentos dos seminários e os organizando para enviá-los à JPEF (Junta Patrimonial, Econômico e Financeira) da IPB. Ele conta que os seminários têm se queixado da baixa disponibilidade financeira, o que tem reflexo nas

Janeiro 2007 instalações, na biblioteca e em investimentos necessários. “Temos visitado alguns seminários e visto que estão sendo administrados com bastante boa vontade, mas que muitas vezes faltam recursos que seriam ideais para essas instalações”, informa. Segundo ele, cada seminário recebe uma verba da IPB, de acordo com suas necessidades orçamentárias que, junto com as mensalidades, formam sua fonte de renda. Alguns têm fontes adicionais, como propriedades alocadas ou, como o seminário de São Paulo (JMC), uma fundação específica para seu sustento. “A questão das mensalidades é sempre um pouco problemática porque são necessárias para a complementação do sustento dos seminários, uma responsabilidade que os presbitérios, na maioria dos casos, arcam ou deveriam arcar. Mas estes também têm suas dificuldades financeiras”, afirma o presidente. Para ele, isso é um retrato da situação econômica brasileira, o que reflete no nível de contribuição

15

JET e sua posterior nomeação como presidente da junta como uma grande responsabilidade. Ele conta que pensou que essa função estaria mais bem colocada nas mãos de alguém que tivesse participado da JET anterior, até para dar uma continuidade ao que vinha sendo visto e feito. No entanto, as pessoas que faziam parte da antiga diretoria da junta não quiseram essa incumbência e ele aceitou o desafio. Diz que tem contado com a gentil ajuda e assistência do presidente anterior da JET, rev. Wilson do Amaral Filho, que tem dado todo subsídio para que não aconteça nenhuma quebra de continuidade no trabalho e participou, parcialmente, como convidado, de duas reuniões da nova diretoria. O presb. Solano é membro da IP de Santo Amaro, em São Paulo, e atua como superintendente de Educação Básica do Instituto Presbiteriano Mackenzie. Faz ainda parte do núcleo de trabalho que está tratando do Sistema Mackenzie de Ensino, o desenvolvimento de um material didá-

“Temos visitado alguns seminários e visto que estão sendo administrados com bastante boa vontade, mas que muitas vezes faltam recursos que seriam ideais para essas instalações”. dos membros da denominação e termina refletindo em tudo o que a igreja faz. GRANDE RESPONSABILIDADE O presb. Solano diz que viu em sua indicação no SC-IPB para fazer parte da

tico construído em cima de uma cosmovisão cristã para que sejam utilizados primariamente pelo Mackenzie e, num estágio subseqüente, por mais escolas presbiterianas ou outras que assim desejarem.


16

Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

Missões Transculturais

O desafio missionário na Itália “São homens de todo corrompidos na mente, réprobos quanto a fé; eles, todavia, não irão avante: porque a sua insensatez será a todos evidente” (2 Tm 3.8b a 9a). Por rev. Humberto Oliveira

N

ão se pode mais dizer Senhor, Pai ou discípulo, na época da política de igualdade na Europa. Porque Deus é mãe e pai e seus seguidores eram também do sexo feminino e quem sabe se no Natal não foram também as pastoras. Assim, depois da tradução da Bíblia há 500 anos por Lutero, um grupo de teólogos europeus produziu um texto “à altura” da época atual, principalmente para leitura bíblica em casa. Dizem que mantiveram duas ênfases: fidelidade ao texto e igualdade cultural. Depois de cinco anos de trabalho, chega às livrarias a nova versão, ou melhor, interpretação pós-moderna, da Bíblia, que é chamada de Bíblia na língua correta, texto traduzido diretamente do grego e do hebraico, adaptada à linguagem e à cultura moderna, buscando eliminar qualquer discriminação contra mulheres, homossexuais e minorias que julgam ser marginalizadas. Esta idéia amadureceu no círculo da teologia feminista de liberação, sempre atentos ao diálogo inclusivo e um texto moderno, simples e cheio de palavras que chegam a ser cômicas. São efeitos estranhos e histori-

camente errados, dizem os jornalistas que vão à apresentação do texto. Utilizam-se palavras como a apóstola, a pastora e a tradução mais pesada: em lugar de utilizar “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”, agora o correto passou a ser “Em nome de

horizonte. Essa tradução contou com a colaboração gratuita de muitas pessoas que fizeram ofertas. Por respeito ao povo judeu, eles traduziram a palavra “Senhor” do Salmo 23 por Adonai. Tudo parece muito bonito, mas completamente errado. Assim, caminhamos na Europa de hoje distantes da verdade e, ao mesmo tempo, vendo o islamismo crescer de forma impressionante, chegando a ser a segunda força religiosa na Itália e em muitos países europeus.

de meses de batalha judicial. Fim dos tempos. TRABALHO MISSIONÁRIO Depois das férias de agosto, a vida voltou à normalidade. Contamos com a presença de muitos visitantes aos domingos e isso tem animado muito nosso espírito. Iniciei um grupo caseiro de estudos que tem caminhado bem. Nosso propósito é pregar a palavra e atrair amigos e vizinhos para ouvirem a Palavra do Senhor. Divulgação

Rev. Humberto e família

Deus, do pai, da mãe de todos e da santa força espiritual”. A carta de Paulo aos Romanos agora é destinada “às irmãs e aos irmãos de Roma”. Cada tradução é também uma interpretação, cada palavra abre um novo

Para completar, um pastor suíço de uma igreja reformada pregou um sermão sobre Sodoma e Gomorra e disse que Deus condena o homossexualismo. Ele foi preso e só saiu livre das acusações pela suprema corte depois

Seguimos em nossa luta com a língua italiana e já retomamos os estudos no ultimo nível para estudantes de italiano. Amados irmãos, pedimos suas orações para agradecer pelos nossos filhos, que

estão caminhado bem na escola e com a língua; pelo visto conseguido, depois de um período de muita luta e gastos; pela caminhada com alguns avanços na burocracia italiana; pelo registro da nossa associação e pela passagem de uma propriedade (alpina) para o nome da associação; pela fidelidade dos irmãos e igrejas que contribuem e apóiam a obra missionária. Precisamos de oração também pelos outros tantos obstáculos que teremos que superar para poder chegar à legalização plena do trabalho na Itália. Orem: por esse processo, pois a burocracia é muito grande; pelo nosso grupo, para que os irmãos perseverem, sejam verdadeiros discípulos e que possamos crescer; pelos vistos de minha esposa Brandali e de nossos filhos (provavelmente, iremos ao Brasil para solucionar essa questão); pela necessidade de um músico crente para louvarmos ao Senhor; pelas finanças, pois vivemos tempos de muita dificuldade, tanto ministerial como pessoal e por proteção espiritual, pois sabemos que a Europa hoje é um continente cada vez mais perdido e voltado a práticas hedonistas. Recentemente, adquirimos um domínio na Internet. Esperamos em breve poder utilizar mais esse recurso para anunciar o evangelho. Visite www.chiesapresbiteriana.it Que Deus nos dê sabedoria para superar cada obstáculo.


Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

17


18

Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

História e comunicação

Unesco e Universidade Metodista de São Paulo lançam livros sobre comunicação e religião

Presbítero publica artigos sobre história Divulgação

Letícia Ferreira

N

este ano, a Editora da Universidade Metodista de São Paulo deverá publicar dois livros referentes a comunicação e religião, Os Bandeirantes da Mídia, organizado pelo prof. Marques de Melo, e uma compilação do Eclesiocom 2006, o Primeiro Colóquio Brasileiro de Comunicação Eclesial que teve o tema Mídia e Religião na Sociedade do Espetáculo. Nos dois livros, deverá ser publicada a participação do presb. Gilson Alberto Novaes, diretor administrativo-financeiro do Instituto Presbiteriano Mackenzie e membro da IP de Americana (SP). Estudioso da história da comunicação da IPB, o

presb. Gilson foi convidado a ser um dos palestrantes do Eclesiocom que aconteceu em outubro do ano passado. Ele foi responsável pelo Painel 4: A Produção de conhecimentos sobre a comunicação religiosa nas igrejas e nas universidades. O presb. Gilson abriu o painel traçando um resumo da história da igreja presbiteriana e sua implantação no Brasil. Ele contou como a comunicação auxiliou o que chamou de “anúncio da fé com a ofensiva presbiteriana”, no lançamento do primeiro jornal evangélico no país. Passando pelas várias publicações da IPB, o painel chegou ao Brasil Presbiteriano como órgão oficial de comunicação da denominação e aos recen-

tes lançamentos dos sites e programas de TV. Falou ainda da evolução dos órgãos de comunicação da igreja começando, em 1991, com a Secretaria de Imprensa Regional, passando pelo Conselho de Comunicação e Marketing e, finalmente, à Rede Presbiteriana de Comunicação, em 2000, como autarquia da igreja. Destacou ainda a criação do Programa de Identidade Visual da IPB, em 1996. Estes também são, basicamente, os temas do artigo Anúncio da fé: a ofensiva presbiteriana, que foi escolhido para fazer parte do livro Os Bandeirantes da Mídia: “A Igreja Presbiteriana chegou ao Brasil em agosto de 1859 através de um jovem missionário norte-america-

Presb. Gilson Alberto Novaes, estudioso da história da comunicação da IPB

no chamado Ashbel Green Simonton. Após oito meses aqui, já estava dirigindo seu primeiro culto em português. Seu ministério foi curto - apenas oito anos, mas antes de três anos após aportar-se no

Rio de Janeiro, já havia fundado a primeira igreja naquele local, em 12 de janeiro de 1862. Cinco anos após sua chegada – em 5 de novembro de 1864, fundou o primeiro jornal evangélico no Brasil, o Imprensa Evangélica, demonstrando que uma igreja não pode existir sem ter seu veículo de comunicação.”, assim começa o artigo. Ele afirma ainda “(...) a Igreja Presbiteriana iniciou no Brasil sua caminhada na busca de consolidar-se como propagadora do Evangelho de Jesus Cristo, o que tem feito até hoje. Sempre teve nos meios de comunicação, um aliado forte”. E: “Nesses 146 anos de vida no Brasil, a Igreja Presbiteriana tem avançado em termos de mídia com relativo progresso”.

Convocação para a reunião da Comissão Executiva 2007 da Igreja Presbiteriana do Brasil Estimados irmãos, Por ordem do senhor Presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, Rev. Roberto Brasileiro Silva, convoco a sua Comissão Executiva para se reunir entre os dias 19 a 24 de março nas dependências da Igreja Presbiteriana Nacional de Brasília. As despesas de locomoção até Brasília serão cobertas da seguinte forma: até 500 km, via terrestre; acima desta distância, via aérea. Todas as passagens aéreas serão adquiridas através da Secretaria Executiva, pelo que solicitamos o contato pelos telefones (31) 3222-7121, com Yara ou Melise. Todos os documentos que subirão à consideração da CE/SC 2007, devem ser encaminhados dentro do prazo máximo de 30 dias a contar do início da reunião, ou seja, até o dia 17 de fevereiro de 2007, contado pelo carimbo postal. Rogando as mais ricas bênçãos sobre a vida dos queridos irmãos, registramos nosso apreço e consideração em Cristo. Seu irmão e conservo, Rev. Ludgero Bonilha Morais - Secretário Executivo do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil E-mail: rev.ludgero@terra.com.br www.executivaipb.com.br Telefones: (31) 3222-7121/3273-7044


* Preço válido até 31/01/2007. Frete não incluso.

Brasil PRESBITERIANO PRESBITERIANO Brasil

Janeiro 2007 2007 Janeiro

19 19

REV. ELISEU NARCISO

cantata da meditação Grandes composições do saudoso Rev. Eliseu Narciso, para louvar ao Senhor. Adquira este lançamento para o coro de sua igreja e proporcione belíssimos momentos de louvor e devoção. Caderno de Partituras + CD com playback

voz | piano | órgão | violino | instrumentos em dó apenas

R$ 20,00 + frete Faça o seu pedido ligando para (19) 3741.3003 ou acessando www.lpcpro.com.br


20

Brasil PRESBITERIANO

Janeiro 2007

Comunicação

Pastores devem reformular linha editorial da rede e auxiliar em sua produção

Novo conselho editorial na Rede Presbiteriana Letícia Ferreira

N

a constante busca por melhorar a produção nos meios de comunicação da IPB, o conselho deliberativo da Rede Presbiteriana de Comunicação nomeou o novo conselho editorial que começa a atuar a partir deste início de ano. Fazem parte dele sete pastores, os reverendos Juarez Marcondes Filho, pastor da IP Central de Curitiba; Marcos José de Almeida Lins, diretor presidente do Instituto Presbiteriano Mackenzie e presidente do Sínodo de Pernambuco; Romildo Lima de Freitas, pastor da IP do Centenário, em São Mateus (ES); Ronaldo de Paula Cavalcante, pastor presbiteriano e professor de Teologia; Silas Luiz de Souza, um dos pastores da IP de Americana (SP), professor de História e um dos coordenadores do Seminário Presbiteriano do Sul, em Campinas (SP); Valdeci da Silva Santos, pastor da Igreja Evangélica Suíça, em São Paulo, e professor do Centro Presbiteriano de Pósgraduação Andrew Jumper, e Walcyr José de Paiva Gonçalves, pastor presbiteriano no Rio de Janeiro. A primeira atribuição do conselho editorial será reformular a linha editorial da produção da Rede Presbiteriana de Comunicação, ou seja, jornal Brasil Presbiteriano, portal da IPB, site da Rede Presbiteriana de Comunicação e programas de TV. A nova linha será submetida à aprovação da Comissão Executiva do SC. APOIO E AUXÍLIO O conselho editorial foi

nomeado para, do ponto de vista teológico, doutrinário, normativo e tradicional da IPB, acompanhar, analisar, opinar e apoiar toda a produção da Rede Presbiteriana de Comunicação. Sugestões, críticas e opiniões sobre aspectos editoriais e técnicos também podem e devem ser enviadas aos responsáveis pela produção. As funções básicas do novo conselho serão receber informações sobre a programação

sobre um tema de escolha livre, buscando refletir a opinião da Rede Presbiteriana de Comunicação sobre o assunto; receber as pautas preparadas para o BP e analisar se estão corretas e sensatas do ponto de vista teológico e de acordo com as normas, doutrinas e tradições da IPB e para sugestões em relação ao formato editorial e, com a mesma finalidade, receber, analisar e opinar sobre os textos preparados para o jornal.

O rev. Silas Luiz sonha ver a Rede Presbiteriana de Comunicação realizando um trabalho mais dinâmico, mais próximo dos anseios dos membros da IPB, de tal forma que não apenas o jornal seja um instrumento de informação e edificação, mas também o portal da IPB e todos os outros veículos. Ele conta que ficou surpreso e também honrado ao ser informado ter sido designado para mais esta função dentro Divulgação

Novo conselho na primeira reunião: reverendos (E) Silas Luiz, Ronaldo, Valdeci, Juarez e Walcyr

da rede, analisá-las e comentá-las; receber artigos enviados para publicação no BP ou no portal da IPB, analisá-los e dar seu voto de publicação ou não; receber, dos responsáveis pela produção da rede, dúvidas de qualquer natureza, analisá-las e opinar sobre elas até que se chegue a um consenso escrever o editorial do jornal Brasil Presbiteriano, externando a opinião do autor

O rev. Valdeci da Silva Santos, escolhido como coordenador do conselho editorial, diz se sentir honrado pelo privilégio de poder servir à igreja em mais este órgão de tamanha relevância para a denominação. “Rogo ao Senhor sabedoria e graça no sentido de poder contribuir, de alguma forma, com o trabalho que até aqui tem sido realizado”, afirma.

da denominação. “O Senhor da igreja me deu a oportunidade de estudar e ser, além de pastor, professor, o que, nos últimos anos, tem servido no ensino teológico de nossa igreja. Certamente, por verem meu esforço naquilo que tenho feito, fui honrado com a participação no conselho editorial”, celebra. O rev. Silas diz ainda que espera contribuir para que

todos os meios de comunicação da IPB se desenvolvam dentro de uma linha editorial profissional, dinâmica, criativa, moderna, atendendo às necessidades do mundo contemporâneo, mas sem perder a essência do evangelho. Contribuir também é o desejo do rev. Walcyr, principalmente para que os veículos de comunicação da IPB atinjam um público cada vez maior e que esta igreja tenha papel fundamental na mudança não só do presbiteriano, mas da nação. “Como igreja séria que somos, precisamos dizer a que viemos e influenciar esse país com o evangelho genuíno do nosso Senhor e salvador Jesus. Vamos trabalhar muito porque o caminho é longo. Deus nos abençoe”. O conselho deliberativo da Rede Presbiteriana de Comunicação é formado, na presidência, pelo presb. Gunnar Bedicks Júnior, professor e coordenador do Laboratório de TV Digital do Mackenzie; na secretaria, pelo presb. Jared Ferreira de Toledo Silva, membro do conselho de curadores do Mackenzie, e pelos titulares rev. André Mello, pastor na IP do Rio de Janeiro; rev. Darly Gomes Silveira Filho, pastor da IP de Alegre (ES); presb. Euclides de Oliveira, publicitário, empresário de comunicação, especialista em marketing e comunicação, com atuação em merchandising (TV, Cinema, Rádio e Teatro), membro da IP de Curitiba; presb. Johnderson N. de Carvalho, de Nova Iguaçu (RJ), e rev. Ricardo Mota Leite, pastor da IP Central de Uberlândia (MG).


bp_janeiro2007