Page 1

AER Esc

evista Dezembro 11 esende

A revista AEResende deseja a toda a Comunidade Educativa um FELIZ NATAL!!!


Dezembro de 2011

Dezembro de 2011

Visita de estudo `as Termas de S. Pedro do Sul

EDITORIAL

E

m primeiro lugar, em meu nome e em nome da Comissão Administrativa Provisória, quero saudar toda a Comunidade Educativa, que constitui este novo Agrupamento. Com a agregação do Agrupamento Vertical de Escolas de Resende e da Escola Secundária Dom Egas Moniz foi criada uma nova unidade orgânica, o Agrupamento de Escolas de Resende. Esta nova realidade, no âmbito da educação no nosso concelho, foi o culminar de duas linhas de força que, desde há alguns anos a esta parte, se começaram a desenhar. A primeira, definida há cerca de uma dezena de anos a nível central, com a instituição dos Agrupamentos de escolas, que prosseguia um objetivo fundamental que passava pela sequencialidade e a articulação entre os vários ciclos do ensino básico e também com a educação pré escolar. Nos objetivos previstos também se referia o isolamento existente nas antigas escolas e a melhoria da capacidade pedagógica. Não podemos esquecer que a rentabilização de recursos já era um fator importante a ter em conta. A segunda linha de força, articulada com a primeira, mas definida a nível local, foi a implementação da requalificação do parque escolar que, numa primeira fase, teve como consequência a construção dos centros escolares que vieram substituir as antigas escolas EB1 e os Jardins de Infância. A autarquia de Resende foi pioneira em aproveitar esta oportunidade e se a entrada em funcionamento desses centros escolares provocou o encerramento de várias escolas e jardins de infância, com a perda desses equipamentos por várias das freguesias do concelho, por outro lado os nossos alunos tiveram enormes ganhos em termos de qualidade de instalações, de melhoria das suas condições de aprendizagem e de um ambiente propício a uma socialização que, em escolas com número reduzido de alunos – chegamos a ter escolas com um aluno – era impossível acontecer. Se analisarmos os efeitos dessas transformações a nível do concelho verificamos que houve uma melhoria substancial no sucesso escolar dos nossos alunos nos 1.º e 2.º ciclos e um aumento da frequência das crianças do ensino pré-escolar que, neste momento, tem uma cobertura próxima dos cem por cento. Na Escola Secundária também têm existido ganhos significativos a nível de resultados internos e na diminuição da fuga à escolaridade obrigatória. Estes resultados resultam de uma oferta educativa mais adequada às caraterísticas dos alunos e ao esforço efetuado, através da implementação de projetos em que o apoio aos alunos

com mais dificuldades é uma realidade que todos os dias acontece na escola. Acreditamos que a existência deste novo Agrupamento irá aumentar as condições para que os nossos alunos melhorem os seus resultados, tendo em conta que, para além das escolas requalificadas que irão oferecer excelentes condições de aprendizagem aos nossos alunos e de trabalho ao pessoal docente e não docente, permitindo que seja efetuado um trabalho de articulação entre todos os níveis de ensino com os consequentes ganhos de “produtividade pedagógica”. Estamos no início mas já existe alguma experiência nesse domínio que queremos aprofundar e alargar a todos os níveis e graus de ensino. Será nesse campo que ganharemos a batalha contra o insucesso, a indisciplina e a exclusão. Mas em resultado da criação do Agrupamento de Escolas de Resende está a fazer-se uma reorganização das formas e dos meios de comunicação com a Comunidade Escolar. É nesse contexto que surge esta Revista do Agrupamento de Escolas de Resende, que procura ser um veículo de comunicação, não de sentido único, mas através da publicação de opiniões, comentários, notícias, trabalhos, etc, não só dos elementos que estudam ou trabalham nas escolas, mas de toda a Comunidade, de modo a partilharmos ideias, trocarmos experiências, mostrarmos que somos uma Comunidade Educativa que se bate todos os dias pelo melhor para os seus alunos. O aparecimento desta revista não significa a extinção dos jornais “O Dom Egas” e o “Pátio dos Estudantes”, que durante tantos anos tiveram um papel da maior relevância na divulgação do que melhor se fazia nas nossas escolas. Saberemos encontrar uma forma de continuarem a cumprir esse papel. Hoje sai o primeiro número da revista e com ele a natural curiosidade de a folhearmos e de nos revermos no seu conteúdo. Procurando desde já cobrir a diversidade das realidades educativas do nosso Agrupamento, será normal existirem ainda algumas lacunas que não tiram qualquer brilho à qualidade do trabalho já apresentado pela respetiva equipa. Quero, por último, dirigir uma palavra muito especial de reconhecimento a toda essa equipa que tem a responsabilidade de elaborar esta revista pelo seu empenho e desejar-lhes as maiores felicidades neste trabalho tão importante junto da Comunidade Educativa.

Ficha Técnica

O Presidente da Comissão Administrativa Provisória, Manuel Luís da Silva Pereira Tuna

FICHA TÉCNICA: Propriedade: Agrupamento de Escolas de Resende | Direção: Clube do Jornal Escolar | Elaboração/Clube do Jornal: Paulo Sequeira, Fernando Vieira e Sérgio Matos | Colaboradores: Comunidade Escolar | Tiragem: 1500 exemplares | Distribuição: Gratuita | Impressão: Escola Secundária Dom Egas Moniz – Resende CONTATOS: Escola Secundária Dom Egas Moniz | Lugar do Paço | 4660-223 Resende | Telef.: 254 870 160 | Fax: 254 870 169 | Email: esegasmoniz@mail.telepac.pt | Agrupamento Vertical de Escolas de Resende | Rua da Escola Preparatória | 4660-204 Resende | Email: direccao.aver@gmail.com 02

evista AEResende

N

o dia 30 de novembro, os alunos do Curso Profissional de Técnico de Termalismo, participaram numa Visita de Estudo às Termas de S. Pedro do Sul. Estas englobam 2 balneários: o Dom Afonso Henriques e a Rainha Dona Amélia. As Termas de S. Pedro do Sul assumem um lugar de destaque no setor termal. O Balneário Dom Afonso Henriques é um complexo moderno, cuja dimensão o coloca como o maior de Portugal. Recorre às mais modernas técnicas de tratamentos. Os visitantes procuram-no para a realização de tratamentos às vias respiratórias. A história perde-se no tempo, mas para sua melhor compreensão aconselhase a visita ao Núcleo Museológico do Balneário Rainha Dona Amélia. A visita foi guiada e teve início com a visualização da nascente das Termas. A água que daí brota é rica em enxofre e jorra a uma temperatura de 68,7°C. Posteriormente é necessário que a água

seja arrefecida até 35º / 37°C para ser utilizada nos tratamentos termais. As principais afeções a serem tratadas nestas Termas são do foro respiratório, reumatológico e fisioterápico. Da nascente, passámos ao Núcleo Museológico constituído por imensas peças em cobre, nomeadamente: torneiras, pulverizadores, banheiras, duches, jatos de cachão, marquesas próprias que eram utilizadas para irrigações vaginais. A guia informou que foram estas Termas que trataram o primeiro rei e a

última rainha de Portugal. O Balneário Rainha D.ª Amélia data de 1884, porém só foi inaugurado 10 anos mais tarde pela Rainha D.ª Amélia. Relativamente ao Balneário D. Afonso Henriques, é um Balneário com capacidade para 40000 pessoas. O setor zero incide na vertente de tratamentos coletivos, nomeadamente: piscina termal, emanatório coletivo, bertholaix, vapor parcial aos membros, vapor parcial à coluna, duche Vichy e duche de jato. Os setores 1 e 2 incidem em tratamentos individuais com balneoterapia para homens e mulheres, respetivamente. A fisioterapia está no setor 1 e o termalismo júnior no setor 2. Esta visita foi de grande importância para os alunos, uma vez que puderam alargar os seus conhecimentos para além da sala de aula e observar equipamentos que poderão no futuro manipular, se enveredarem por trabalhar neste setor. As professoras, Célia Sequeira e Raquel Azevedo

Curso Profissional de Técnico de Termalismo

Iniciação à Expressão Dramática

E

stá a decorrer na nossa escola, entre os dias 24 de outubro e 12 de dezembro, uma formação de Iniciação à Expressão Dramática, destinada aos alunos dos cursos profissionais com a área de Expressões. O formador é o ator e encenador Paulo Duarte, do Teatro do Montemuro. As seis sessões, de três horas cada, realizam-se entre as 17 e as 20 horas. O espaço físico utilizado – apesar do frio que se vai fazendo – tem sido o átrio do pavilhão das aulas, mas uma sessão vai realizar-se no Espaço do Montemuro, a “sede” daquela companhia de teatro. Os alunos inscreveram-se em regime de voluntariado e, além deles, estão também a frequentar a ação cinco professores com trabalhos relacionados com esta área. As sessões de trabalho estão a ser bastante intensas e frutíferas, tendo vindo a observar-se grandes progressos na maioria dos formandos. Além da competência e simpatia do formador e do empenho de todos, a boa disposição tem vindo a ser a nota dominante. Também não era de esperar outra coisa de uma formação deste género. Após um intenso dia de trabalho, todos chegamos a casa tarde, cansados, mas com um estado de espírito com que devíamos andar sempre. O professor, Francisco Magalhães

Uma fonte de oportunidades!

O

Curso Profissional de Técnico de Termalismo poderá oferecer-te várias oportunidades. Aprende a fazer massagens e outros tratamentos para melhorar a condição de vida das pessoas. Quando acabares o curso, irás receber um diploma que te dará diversas oportunidades de emprego. Aproveita, inscreve-te já ! evista AEResende

15


Dezembro de 2011

Pelos alunos do Curso Profissional de Turismo Ambiental e Rural

Dezembro de 2011

Turismo em ambiente rural

Índice

Nas Conferências do Douro Sul... 02

N

o dia 18 de Novembro, nós, alunos do Curso Profissional de Turismo Ambiental e Rural, da turma C do 11.º ano, saímos da escola pelas 08:40h em direção a Lamego, para marcarmos a nossa presença nas Conferência do Douro Sul, realizadas no Teatro Ribeiro Conceição. As conferências, organizadas pela Associação de Municípios do Vale do Douro Sul (AMVDS), presidida por António Borges (Presidente da Câmara Municipal de Resende), e da BeiraDouro - Associação de Desenvolvimento do Vale do Douro, tiveram por objetivo promover a reflexão, a nível regional, sobre os desafios que o mundo rural enfrenta, com particular realce na região do Douro. No evento, os dez Presidentes de Câmara da região do Douro Sul juntaram-se a António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, a Manuel Carvalho, da direção do Jornal Público, e a Carlos Duarte, Gestor do Programa Operacional Regional do Norte (ON2) para debater a reforma do Estado e a Economia. Fomos acompanhados pelos professores Paulo de Carvalho (Turismo e Técnicas de Gestão) e Susan Fartaj (Técnicas de Acolhimento e Animação). O almoço foi oferecido pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Douro, em Lamego. Esta participação foi importante pois ajudou-nos a entender melhor as condições financeiras que o nosso País e região atravessam e, também, perceber como poderemos, no futuro, inserir-nos no mercado de trabalho como Técnicos de Turismo.

O

s Técnicos de Turismo Ambiental e Rural, da Turma C do 11.º ano, festejaram, no passado dia 11 de novembro, o Dia de S. Martinho, com um Magusto. A iniciativa, devido às condições climatéricas adversas, com chuva, realizou-se no espaço desportivo (campo de futebol), cedido pela Junta de Freguesia de Felgueiras. Na ocasião, realizámos atividades de animação em grupo, distintas das programadas: jogo do adivinha quem é “o assassino”; jogo do “apanha a bola ou estás fora”; matraquilhos; cartas e um jogo de futebol no campo quando a chuva parou por breves instantes... O almoço foi organizado pelos alunos e professores e, no fim, como é habitual nesta época, assou-se as deliciosas castanhas. Este magusto integrou-se nas disciplinas de Técnicas de Acolhimento e Animação, com a Professora Susan Fartaj, e Turismo e Técnicas de Gestão, a cargo do Professor Paulo de Carvalho. Como convidada, tivemos a Professora Nina Horakova, que participou nas atividades realizadas.

M

T

ambém no dia 29 de novembro, a turma C do 11.º ano, do Curso Profissional de Turismo Ambiental e Rural, partiu da Escola Secundária Dom Egas Moniz, às 8:35h, a caminho da cidade do Porto, para participar num Seminário sobre “Desafios no Turismo de Saúde e Bem-Estar”, realizado na Escola Profissional Vértice. No colóquio falou-se sobre turismo termal, turismo de saúde e bem-estar e do potencial turístico e termal da Região Norte de Portugal. Saímos da conferência às 13:00h e almoçamos no centro comercial GaiaShopping. No fim do almoço dirigimo-nos ao hotel The Yeatman, em Vila Nova de Gaia, onde assistimos a outra conferência sobre a “Importância da Animação Turística para os Territórios a Norte”. Saímos da unidade hoteleira às 17:30h e chegámos à Escola Secundária, às 19:00H.

14

evista AEResende

Editorial Por Pe. Joaquim Correia Duarte

Visita ao Porto

Nas Conferências do Porto...

A «minha» escola... uma escola renovada

ais uma viagem foi efetuada cheia de divertimentos e conhecimentos, no passado dia 25 de novembro, à Fundação de Serralves, na cidade do Porto. Pela manhã, tivemos oportunidade de apreciar quadros de pintores de vários países do mundo e visitar os lindíssimos jardins da Fundação. Depois do almoço, visitámos a Casa da Música, também na cidade do Porto, que nos foi dada a conhecer por um arquiteto. Ficámos impressionados com o interior de uma das mais estranhas mas mais importantes “casas” do mundo. Por fim, e porque já estávamos um pouco atrasados, regressámos em direção à escola depois de um dia em que aprendemos imenso, com tudo o que nos foi dito neste mundo de conhecimentos.

03

A «minha» escola...

04

EB2 inaugurada

05

Entrevista a Nina Horakova

06

Planeamento e sexualidade

07

Encontro do Projeto PYSA

08

Visita ao Teatro de Montemuro

09

Escola Secundária em obras

10

XXX Olímpiadas de Matemática

11

Comemoração do S. Martinho

12

S. Martinho no CESMM

13

Objetos tradicionais da região

14

Turismo Ambiental e Rural

15

Visita de estudo às Termas

Capa: Fotos das atividades no AEResende

N

o passado dia 1 5 d e Setembro, o dia escolhido para dar início às atividades letivas em todas as escolas públicas do concelho, agora unidas num só Agrupamento, tive a honra de assistir à cerimónia oficial de abertura das aulas e de inauguração das obras de remodelação do edifício da EB2. Foi um dia lindo. Foi uma manhã feliz. Para além do sol, que nesse dia banhava os campos, beijava as flores, dourava as casas e alegrava as almas, havia ainda o chilrear dos pássaros, o balouçar das árvores, o rumor da multidão, os abraços dos amigos, a tagarelice das crianças, a preocupação dos pais, a excitação dos alunos e a curiosidade dos que vinham pela primeira vez. Os discursos que se seguiram, tanto o do senhor Diretor do Agrupamento como o do senhor Presidente da Câmara, emoldurados na palraria incontrolável das crianças, contaram histórias felizes, explicaram dificuldades abatidas e problemas superados e incentivaram toda a escola para a labuta, para o empenho e para o sucesso. Para além da abertura das aulas, inaugurava-se uma escola renovada e fresca, melhorada por dentro e ataviada por fora. O edifício e toda a sua envolvência sempre foram muito cuidados por quem dirigiu a escola nos seus trinta e cinco anos de vida e de serviço: pátios, parques, jardins e salas de aula, sempre estiveram limpos e cuidados. Os conselhos diretivos, os senhores professores e os senhores funcionários em serviço, sempre amaram muito a escola. Sempre a consideraram como casa sua. Sempre acarinharam os alunos que por ela foram passando. Trabalhar na escola sempre foi um gosto e um prazer. “Eu que o diga”. Apesar de tudo, a escola precisava de obras de fundo para se tornar mais moderna, mais alegre, mais acolhedora e mais aberta aos novos tempos. Foi o que aconteceu. Estão de parabéns os promotores das obras, nomeadamente a direção da escola e a autarquia. Porque também amo muito a escola, senti-me muito feliz. Que todos os que nela estudam e trabalham sejam como eu muito felizes e obtenham o êxito que desejam e que todos esperamos deles. evista AEResende

03


Dezembro de 2011

Dezembro de 2011

~ Eb2 inaugurada após obras de requalificaçao

Somos professores na nossa sala de aula

T

udo começou como uma brincadeira. Queríamos fazer de professores. A nossa professora deu-nos a oportunidade com uma condição: “trazer conhecimentos novos à

A

Escola do 2.º Ciclo do Ensino Básico de Resende foi inaugurada no dia 15 de Setembro, após um investimento de 600 mil euros em obras de remodelação e modernização. A cerimónia, que contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Resende, António Borges, e do Presidente da Comissão Administrativa Provisória do Agrupamento de Escolas de Resende, Manuel Luís Tuna, marcou a abertura do novo ano letivo no concelho. A EB2 é frequentada por 312 alunos, tem 18 salas de aula, uma sala de apoio a alunos com multideficiência, biblioteca, cozinha, refeitório, auditório, balneários e pavilhão desportivo. As obras de remodelação contemplaram a pintura, o arranjo dos telhados, rede elétrica, novos pavimentos, melhores

acessibilidades, casas de banho, substituição do mobiliário das salas de aula e uma nova cozinha com melhores condições de trabalho. "Uma sociedade que não investe na educação é uma sociedade que terá problemas sérios no futuro e que jamais conseguirá responder às ambições e aos anseios da população”, afirmou, durante a cerimónia, o autarca António Borges. “Nós continuaremos o caminho da melhoria da qualidade de ensino e da qualidade de funcionamento das nossas escolas, porque só com uma escola capaz teremos condições para enfrentar o futuro desta nossa terra que é Resende”, concluiu. “Estamos aqui para festejar a requalificação desta escola, que, ao fim de quase 35 anos de existência, está cada vez mais acolhedora, cada vez mais confortável, melhor equipada e modernizada para

enfrentar a nobre tarefa que tem de desempenhar”, referiu o Presidente da Comissão Administrativa Provisória do Agrupamento de Escolas de Resende. O dirigente educativo agradeceu, também, ao Presidente da Câmara Municipal, “o apoio nas obras realizadas, pelas oportunidades desta realização e pela importância que atribui à educação”. Recorde-se que as obras realizadas integram o programa de modernização das escolas dos ensinos secundário e básico promovido pelo Ministério da Educação, a cargo da Parque E s c o l a r, q u e c o n g r e g a a requalificação da Escola Secundária Dom Egas Moniz, cujas obras ainda se encontram a decorrer, num pacote orçado em 12,8 milhões de euros, o maior investimento público alguma vez realizado no concelho.

turma”. O entusiasmo começou a crescer. Em casa, os nossos familiares ajudaram-nos na preparação das aulas. Os assuntos apresentados têm de estar de acordo com os conteúdos tratados na área de Estudo do Meio. Aparecem aulas fantásticas, enriquecidas com materiais para apresentação das mesmas. No rosto da nossa professora, vemos o quanto nos admira. Também ela aprende coisas novas connosco. É uma experiência muito enriquecedora para nós, pois não só desenvolvemos a nossa capacidade de pesquisa, nomeadamente na

~ Objetos tradicionais da regiao

utilização dos conhecimentos adquiridos nas aulas de TIC, como também envolvemos a nossa família na preparação das nossas tarefas. Turma R5 – 3.º ano / CER

Visita ao Museu do Douro

N

o passado dia 11 de novembro, no âmbito da disciplina de Animação Sociocultural, os alunos 12.º ano do Curso Profissional Técnico de Animação Sociocultural realizaram uma exposição subordinada ao tema “Objetos Tradicionais da Região”. A atividade integrada no módulo 10, “Práticas de Animação Sociocultural – Avaliação”. Depois do diagnóstico temático e das questões relativas à organização geral da atividade, cada aluno recolheu nas respetivas aldeias, os objetos considerados típicos, seguindo-se a elaboração dos materiais de avaliação – inquéritos e posteriormente a montagem da exposição, que decorreu no átrio do pavilhão de aulas. O dia correu muito bem, sendo de salientar o empenho e a dedicação dos alunos da turma, em todas as fases da atividade, especialmente no acompanhamento das visitas às turmas, selecionadas para participarem. Um grande bem haja a todos os envolvidos nesta atividade! A professora, Catarina Rebelo

O

s alunos do 10.º ano do Curso Profissional de Animação Sociocultural, no âmbito da disciplina de Animação Sociocultural, realizaram uma visita de estudo ao Museu do Douro, no dia 25 de novembro, para executarem uma Formação sobre “Expressão Corporal – Mapas”. Na sala do serviço educativo, com o rio Douro como fundo, a formação decorreu com entusiasmo. Os alunos executaram vários exercícios, divertiram-se e sobretudo aprenderam alguns dos meios e formas de atuação na área da Animação Sociocultural, que, certamente, lhes serão úteis no futuro. O nosso muito obrigado à equipa do Museu do Douro que nos acolheu muito bem e nos proporcionou verdadeiros momentos de aprendizagem. A professora, Catarina Rebelo

04

evista AEResende

evista AEResende

13


Dezembro de 2011

Festejos do Dia de S. Martinho no CESMM

A

equipa de professores das Atividades Lúdico-Expressivas (ALE) e as senhoras educadoras do Centro Escolar de S. Martinho de Mouros (CESMM), a partir da ideia destas, com a preciosa colaboração dos alunos do 1.º CEB, mobilizaram-se, no sentido de dramatizarem a Lenda de S. Martinho, no auditório da Escola, no passado dia 11, dia do santo padroeiro da freguesia. Esta foi uma forma encontrada para comemorar o Dia de S. Martinho e reforçar o conhecimento da lenda do nosso santo protetor, por parte de todos os alunos do CESMM. Constituíram objetivos primordiais: preservar a tradição, favorecer a reflexão sobre o ato de bondade praticado por este Santo e promover uma Escola aberta à comunidade. Da parte da manhã, todos os alunos, professores e funcionários puderam desfrutar do reviver da lenda. Os alunos adoraram ver os professores e alguns dos seus colegas representarem para eles. Os seus olhares expectantes não deixaram quaisquer dúvidas. A entoação de algumas canções alusivas ao dia, que haviam sido trabalhadas durante as aulas de ALE e no ensino pré-escolar, contribuiu, igualmente, para a manifestação do contentamento sentido. Da parte da tarde, o CESMM foi brindado

com a simpática presença de cerca de 150 pais e avós que, em parceria com o CLDS de Resende, fizeram o favor de passarem o seu tempo num feliz momento de convívio, na escola dos seus filhos ou netos. A peça de teatro da manhã voltou a ser apresentada a estes ilustres convidados, a qual foi muito bem recebida e aplaudida por todos.

No final da mesma, os prezados convidados tiveram a oportunidade de visitar os diferentes espaços escolares, onde os seus filhos ou netos passam os dias letivos. Foi notória a alegria dos alunos, ao verem os familiares na SUA ESCOLA, a partilharem o mesmo espaço. Como manda a tradição, realizou-se o magusto, no recreio, onde todos, de forma aprazível, se deliciaram com as saborosas castanhas assadas, num ambiente fraterno e de alegria. Foi um dia muito bem passado, que se traduziu num salutar convívio entre alunos, pais, avós, professores e funcionários, constitundo um feliz exemplo do que os alunos aprendem na nova área, que este ano foi implementada no seu currículo, ALE, que abrangeu a expressão plástica (construção dos cenários e dos adereços), expressão musical (aprendizagem e entoação de canções alusivas ao dia), para além da expressão dramática (representação e assistência da peça de teatro). As senhoras educadoras e os professores de ALE agradecem a colaboração preciosa de todos os que contribuíram para que este dia fosse um sucesso, desejando que, futuramente, outros eventos do género possam florescer. A professora, Fátima Silva

Clube do Desporto Escolar

O

Clube do Desporto Escolar 2011/2012 do Agrupamento de Escolas de Resende tem cerca de 200 participantes nas várias modalidades desportivas (natação, voleibol, andebol, futsal, ténis de mesa e desporto adaptado). Neste início do ano realizámos a formação de árbitros e promovemos

os torneios de abertura entre a Escola Secundária Dom Egas Moniz e a EB2 de Resende. O Coordenador do Desporto Escolar, Alfredo Ferreira

Dezembro de 2011

Nina Horakova, assistente Comenius, em entrevista

N

ina Horakova é a assistente Comenius da República Checa que chegou à Escola Secundária Dom Egas Moniz, no início de novembro, para enriquecer os seus conhecimentos de línguas estrangeiras, melhorar as suas competências pedagógicas, reforçar a qualidade e a dimensão europeia do ensino e criar laços para futuros projetos/mobilidades. É professora de Inglês e é diretora internacional de campos de férias. Nesta entrevista à revista AEResende, Nina Horakova revela algumas curiosidades…

~ «Os Portugueses sao um povo muito simpático, alegre, aberto e com sentido de humor...» AEResende (AER): Como surgiu a sua vinda para Portugal? Nina Horakova (NH): Eu tenho muitos amigos portugueses, gosto do clima e nunca estive em Portugal. Quero também colher informações sobre a cultura portuguesa. AER: O que está a achar da experiência nesta escola? NH: Todas as pessoas me têm acolhido com grande simpatia. Gosto muito da relação que os professores mantêm com os alunos. Já estive em escolas dos EUA, Itália Alemanha e do meu país e em nenhuma delas vi tal proximidade. AER: Que diferenças constata entre o ensino na República Checa e em Portugal? NH: As turmas têm menos alunos no meu país, sobretudo nas aulas de línguas, ao passo que em Portugal não há uma distribuição dos alunos pelo seu nível de línguas tão evidente. AER: O que espera da sua experiência nesta escola? NH: Eu espero conhecer a cultura portuguesa e alargar a minha experiência como professora. Tentarei também motivar os alunos para aprenderem línguas, viajarem para outros países e conhecerem novas pessoas. É também um dos meus objetivos conseguir parcerias de trabalho no futuro com esta escola. AER: Que diferenças e semelhanças constata a nível social e económico entre Portugal e a República Checa?

12

evista AEResende

NH: Eu julgo que não há muitas diferenças... AER: Atendendo à sua experiência de viajar pelo mundo, que conselhos/dicas pode dar aos alunos desta escola que pretendam continuar os estudos ou trabalhar no estrangeiro? NH: Em primeiro lugar, eles devem dirigir-se a mim e perguntar-me o que pretendem; seguidamente, eu darlhes-ei informações acerca de como procederem para estudarem em escolas secundárias ou universidades de outros países. Informá-los-ei também de como poderão passar quatro semanas das férias de verão no estrangeiro sem gastarem muito dinheiro e com possibilidades de conhecerem pessoas de diferentes países. Eu aconselho os alunos a frequentarem universidades estrangeiras através do programa Erasmus, que lhes permitirá desenvolver os seus conhecimentos linguísticos e culturais. AER: Que opinião tem dos Portugueses? NH: Os Portugueses são um povo muito simpático, alegre, aberto e com muito sentido de humor. AER: O que pensa ser o seu futuro após a passagem por Portugal? NH: Eu gostaria de trabalhar numa escola com professores e alunos oriundos de diferentes culturas. Também gostaria de continuar a viajar e a aprender com os outros. O professor, Dionísio Ferreira evista AEResende

05


Dezembro de 2011

Planeamento e sexualidade em debate

N

o dia 21 de Setembro, os alunos do 11.º C, 11.º D e 12.º D assistiram à conferência sobre “Planeamento Familiar / Educação Sexual, o que tem faltado?”, colóquio organizado pelo Município de Resende, no âmbito do Projecto de Educação Sexual na Turma. Do programa constou uma

intervenção do Dr. Miguel Ricou, sobre “A sexualidade: novas fronteiras ou crise de valores?”, que referiu ser necessário ter uma mente aberta para se falar de sexualidade. “A sexualidade influencia pensamentos e a saúde mental. A sexualidade tem vindo ao longo dos tempos a ser alvo de juízos vários, mas sempre rodeada de interdições e falsos conceitos”, referiu. “A perspetivação da sexualidade mudou aquando da emergência da contraceção química. Com o aparecimento da pílula, a gravidez passa a depender da mulher. A pílula apareceu nos anos 60 e as pessoas ainda têm medo de falar de sexualidade. Os falsos conceitos ainda existem”, explicou. Seguiu-se um debate em que as pessoas puderam interagir com o palestrante explicitando as suas dúvidas e manifestando opiniões.

Descobre a palavra mistério ^ que inicia o ano escolar É o mes Setembro saí de casa. Encontrei amigos. Todos contentes estavam. Escola bonita esperava–me. Muito grande e cheia. Boa para eu crescer. Reencontrei as crianças todas com: Olhos para ver e aprender.

~

Élton (CER – R6)

Quadra de outubro Em outubro comemorámos O dia da alimentação. Recordámos a toda a gente Como fazer uma boa refeição. CER – R6 06

evista AEResende

Coordenador Comenius em Inglaterra

O

Coordenador do Projeto Comenius, professor Dionísio Ferreira, esteve em formação linguística e pedagógica na cidade de Bournemouth, Inglaterra, de 5 a 16 de setembro. O curso, intitulado “Curso Bicomponente de Formação em Serviço “, iniciou-se com uma semana de preparação linguística e cultural. Durante essa semana, cujos trabalhos decorreram entre as 9.00 e as 16 horas de segunda a sexta-feira (perfazendo 21 horas de formação), foram fornecidos aos formandos noções de Inglês Geral, com sessões interativas de prática da língua e tutoriais envolvendo apoio linguístico e cultural. A metodologia de preparação linguística assentou, também, em trabalhos de casa e estudo privado. Na segunda semana, o docente acompanhou professores de uma escola secundária local na sua prática letiva, tendo tido, assim, oportunidade de observar aulas de diferentes disciplinas e contactar de perto com a realidade escolar britânica. A presença no curso só foi possível graças à subvenção financeira recebida no âmbito do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida. O conteúdo desta notícia compromete apenas o seu autor, não sendo a Agência Nacional e a Comissão Europeia responsáveis pela utilização que possa ser feita das informações nela contidas.

Dezembro de 2011

Agrupamento comemorou o S. Martinho

N

o dia 9 de Novembro, realizou-se na EB2 o Magusto do Agrupamento de Escolas de Resende. Foi um momento de convívio e boa

disposição, onde todos conversaram e saborearam as deliciosas castanhas ainda quentinhas. No final, houve um bailarico, comemorando-se o S. Martinho com muita animação.

Palavra puxa palavra As castanhas No magusto comemos castanhas Castanhas assadas Assadas ou cozidas quentinhas Quentinhas são boas Boas são também cruas Cruas gostamos de as trincar Trincar este belo fruto Fruto que vem no outono. Turma – R1 (C.E.R.)

S. Martinho na EB2 Acróstico Maravilhoso é este santo, que Andava num cavalo de cor castanha. Roubar, ele não fazia isso! Tinha uma capa vermelha! Ia para a guerra... Não deixou o mendigo passar frio. História verdadeira ou falsa?! O Sol ficou brilhante! Andreia Filipa (CER – R6)

Lenda de S. Martinho em símbolos Trabalho realizado pela UAEM

O magusto dos PIEF No dia 11 de novembro, os alunos do 8.º E, 8.º D e 9.º E dirigiram-se ao anfiteatro da Escola Preparatória, acompanhados pela T.I.L., Patrícia Pinto, e pela professora Anabela Ribeiro, para assistir a uma peça de teatro, “A Lenda de S. Martinho”, ensaiada pelo professor Francisco Magalhães. Em seguida, realizou-se um magusto com as castanhas que os alunos trouxeram e que as cozinheiras assaram. O dia estava de chuva mas com tanta animação estavam todos “quentinhos” por dentro e ninguém se esqueceu da mensagem do S. Martinho: “no teatro da vida o importante é ajudar!”. evista AEResende

11


Dezembro de 2011

Dezembro de 2011

XXX Olímpiadas Portuguesas de Matemática

N

o passado dia 9 de Novembro, mais de 80 alunos realizaram a 1.ª eliminatória das Olimpíadas Portuguesas de Matemática, na Escola Secundária Dom Egas Moniz. Esta competição anual, organizada pela Sociedade Portuguesa de Matemática, é um concurso de problemas de matemática, dirigido a estudantes desde o 1.º ciclo ao ensino secundário, que visa incentivar e desenvolver o gosto pela Matemática. Os problemas propostos neste concurso fazem, sobretudo, apelo à qualidade do raciocínio, à criatividade e à imaginação dos estudantes. O desenvolvimento mental inerente à idade dos participantes e a própria maturidade matemática que decorre do aprofundamento das

matérias escolares faz com que seja necessária a separação dos participantes, na realização da prova, em três níveis: Categoria Júnior, Categoria A e Categoria B. A Categoria Júnior, destinada a alunos que frequentam o 6.º ou o 7.º ano de escolaridade contou, este ano, com a presença de 16 alunos. Na Categoria A, para alunos que frequentam o 8.º

Secundária em Copenhaga

D

^ Secundária em conferencia na Irlanda

E

ntre os dias 7 e 11 de Novembro, o professor Dionísio Ferreira deslocou-se à cidade de Dundalke, Irlanda, para participar na “10 th Asia-Europe Classroom Conference (AEC-NET)”. A Conferência acolheu 88 professores oriundos do continentes europeu e asiático envolvidos em projetos patrocinados pela “Asia-Europe Foundation” (ASEF), tendo a Escola Secundária Egas Moniz sido representada pelo professor dinamizador do projeto “Magic Flight to Benevento”, um voo mágico em que alunos da Índia, Portugal (atual 12.º D), Suécia, Polónia, Turquia, Índia, Alemanha e Israel “voaram”

10

evista AEResende

ou o 9.º anos de escolaridade, participaram 52 alunos e na Categoria B, destinada a alunos de qualquer ano de escolaridade do ensino secundário, apenas 15 alunos. Aos alunos presentes, o grupo de matemática lembra Fenelon: “Felizes aqueles que se divertem com problemas que educam a alma e elevam o espírito”.

(virtualmente) sobre Benevento, cidade italiana que foi outrora a casa das bruxas. Este projeto visou criar um ambiente de aprendizagem colaborativa, através do qual os estudantes puderam comunicar livremente e trocar informações sobre si e sobre os países onde viviam. Os mais importantes produtos finais foram a elaboração do sítio do projeto, a criação de um fórum social e a realização de um vídeo sobre Benevento, cujo roteiro foi desenvolvido pelas escolas participantes. De 32 candidaturas ao galardões “Award gold” e “Award Merit”, a comissão de avaliação AEC-NET selecionou seis finalistas, entre os quais figurou o projeto “Magic Flight to Benevento”, que obteve o “Merit Award”, uma comparticipação de 500 euros para o desenvolvimento de novas iniciativas. O prémio foi entregue à coordenadora do projeto pelo ministro irlandês da Educação e por Pat Cox, antigo presidente do Parlamento Europeu. O evento destinou-se também à organização de sessões de trabalho conducentes ao desenvolvimento de propostas de projetos AEC para 2011/2012 e à realização de visitas de caráter cultural a alguns estabelecimentos de ensino.

Poema Os passarinhos quando nascem Dão abraços e beijinhos Assim fazem os namorados Quando estão sozinhos. Subi por um girassol E desci por um diamante Sem dar conta fui Parar aos braços de um estudante. Ó lua da meia noite Alumia cá para baixo Que perdi o meu amor E às escuras não o acho. Azeitona miudinha Apanhada uma a uma Os rapazes de agora Já não valem nenhuma. Azeitona miudinha Apanhada para o lagar Os rapazes de hoje Já não sabem amar. Telma Almeida, 8.º B

e 3 a 7 de Outubro, um grupo de professores e alunos da Escola Secundária Dom Egas Moniz, de Resende, participaram no 3.º Encontro do Projeto PYSA, realizado na cidade de Copenhaga, na Dinamarca, no âmbito do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida, da Agência Nacional PROALV. Este projeto da União Europeia, de parcerias Multilaterais Comenius foi financiado pela referida Agência com o montante de 22 mil euros. Do grupo que viajou até à Dinamarca fizeram parte os professores António Miranda de Carvalho, Dionísio Ferreira e Sérgio Sousa, acompanhados por cinco alunos. O primeiro dia foi ocupado com a longa viagem até Copenhaga e com a acomodação da comitiva num albergue. O segundo dia iniciou-se com uma caminhada de 35 minutos do albergue até à escola anfitriã. Seguiram-se as boas vindas por parte do Diretor dinamarquês às delegações dos oito países visitantes

(Áustria, Espanha, Itália, Roménia, Bulgária, Grécia, Portugal e Turquia) e a apresentação de uma dança por parte de um grupo de alunos da escola local. A interação entre as representações dos vários países continuou aquando do almoço, que se realizou ao ar livre, no recinto escolar. Da parte de tarde, realizou-se um “tour” a pé pelas principais ruas de Copenhaga. Foi então possível observar, entre outros pontos turísticos da cidade, o Amalienborg Palace, onde reside a Rainha; o Christiansborg Palace, que abriga o Parlamento dinamarquês, o Supremo Tribunal e o Ministério de Estado; o Rosenborg Castle, que hoje é um museu, exibindo 400 anos de história real; por fim, a Pequena Sereia, uma estátua encantadora que proporciona um contraste suave com a monumental Opera House. No final do dia, houve ainda tempo para as delegações realizarem um cruzeiro pelos canais da cidade. O terceiro dia foi dedicado às apresentações de trabalhos por parte das delegações da Itália e da

Bulgária. Durante a manhã, determinaram-se também as datas do 4.º meeting, que irá ocorrer na Áustria em Abril de 2012. A parte de tarde foi dedicada à realização de atividades físicas ao ar livre e em recinto fechado, tendo a organização local optado por inserir as várias comitivas em dois grandes grupos, o masculino e o feminino. À noite, os professores de todas as delegações realizaram um jantar convívio, o mesmo acontecendo num outro local com os alunos. No quarto dia, logo ao início da manhã, os professores organizadores da escola anfitriã dividiram as delegações em vários grupos e encaminharam-nos para a observação de aulas de diferentes disciplinas. De seguida, ocorreram as apresentações de trabalhos de Portugal e de Espanha. A apresentação da escola portuguesa, subordinada ao tema “Canoagem”, foi realizada pelo aluno Manuel Veloso. Esta apresentação foi considerada excelente por parte das delegações presentes. Da parte de tarde, foram realizadas atividades de “bodystorming” por parte dos alunos de todas as delegações, orientados por uma professora dinamarquesa. À noite, foi realizado um “barbecue” para professores e alunos na cantina da escola. As várias delegações foram ainda brindadas com uma atuação de música pop/ rock de uma banda de alunos da escola anfitriã. O último dia foi dedicado à longa viagem de regresso a casa. Nota: O conteúdo desta notícia compromete apenas o seu autor, não sendo a Agência Nacional e a Comissão Europeia responsáveis pela utilização que possa ser feita das informações nela contidas. Professor Dionísio Ferreira

Turismo Ambiental e Rural em Aregos

O

s alunos do Curso Profissional de Técnico de Turismo Ambiental e Rural, turma C do 11.º ano, deslocaram-se, no dia 25 de Outubro, às Caldas de Aregos onde foram recebidos, no Hotel Douro Park, pela responsável pela animação dos grupos dos Programas de Termalismo Sénior – INATEL. A Técnica explicou todas a componentes desta actividade, desde a sua organização, regras, formação de monitores, acompanhamento feito ao monitor do grupo (e a sua intervenção junto deste) e manteve um diálogo

~

aberto com os alunos sobre a relação do animador com o grupo e aspectos a considerar. Em seguida, os alunos participaram na atividade programada (caminhada por Aregos), contribuindo para o seu enriquecimento, mantendo uma excelente relação inter-activa com o grupo que acompanhavam. Esta iniciativa contribuiu para o conhecimento das diferentes modalidades no exercício das atividades de Animador Turístico, do mercado de trabalho, do perfil e da preparação necessária para ser um bom profissional.

evista AEResende

07


Dezembro de 2011

Dezembro de 2011

Visita ao Teatro de Montemuro

Escola Secundária celebrou aniversário

Por Ana Andrade, n.º 1, 11.º B

R

ealizámos esta visita de estudo no âmbito da disciplina de Expressão Dramática, com o professor Francisco Magalhães, no dia 19 do mês de Outubro, com saída às 8h30m da Escola Secundária Dom Egas Moniz, em direção ao Teatro do Montemuro. Participaram os alunos do 10.º B, 11.º B e 12.º C, acompanhados pelos professores Francisco, Érica e Sérgio. Chegámos à aldeia de Campo Benfeito e dirigimo-nos ao recinto do teatro. Entretanto, entramos para ver a peça que tinha como nome “Remendos” e que conta a vida de Inês, uma jovem irreverente, cheia de vida e energia, a jovem mais bonita da aldeia. O rapaz mais abastado das redondezas estava apaixonado por ela, mas quem ela amava realmente era outro. É obrigada a aceitar o casamento arranjado pelos pais. Manipulada e presa por aqueles que a rodeiam, ela consegue erguer a sua cabeça, mas não esquece as suas humildes raízes

e luta para que a sua filha venha a ter uma vida diferente, livre das regras da família. A vida de Inês está sempre sob o olhar atento de uma comunidade que julga as suas presas ao seu limite, empurrando-as para o abismo. A música e as emoções levam-na a uma viagem comovente e divertida, mas emocionalmente dolorosa; transporta-nos para a mente c o n t u r b a d a d e u m a m u l h e r, apresentada dentro e fora de uma realidade bamboleante, entre o real e surreal. Acabada a peça, atacámos os farnéis e, claro, fomos almoçar. Depois do almoço, voltámos ao

Dia da Alimentação (16 de Outubro) Roemos fruta Ou legumes Da quinta Ali ao lado Dália é a dona Os meninos São Amigos do: Leite Iogurte Manteiga Ervilhas Nabos Tomates Ovos Saudáveis para todos. Samuel Lourenço, 2.º ano, Apoio Domiciliário

08

evista AEResende

recinto do teatro, onde se realizou um workshop de expressão dramática, através de um jogo de imitação. De seguida, todo o grupo foi dividido em 6, sendo cada um orientado por um dos atores da companhia. O que nos foi proposto foi encenar uma cena não explícita da peça que tínhamos visto de manhã. Após o ensaio foi a vez de apresentarmos o nosso trabalho publicamente. Depois, voltámos aos autocarros e à nossa escola. O melhor desta atividade foi, de facto, a peça de teatro que vimos e o workshop, nomeadamente, o jogo de imitação. O pior desta visita foi o facto de ter acabado rápido, pois, se tivesse havido mais tempo, teríamos feito mais atividades. Achei a peça surpreendente e emocionante. Com esta visita de estudo adquiri conhecimentos que me serão úteis no meu futuro, como a capacidade de representar em diversas situações que me vão aparecer no futuro, quer no trabalho, quer noutro meio.

A

Escola Secundária celebrou, em outubro, o seu 24.º aniversário. Brevemente estará renovada e com ótimas instalações. As obras já estão em fase adiantada e o novo edifício já se destaca de forma imponente no espaço escolar. Por isso, esta jovem

aniversariante esteve, uma vez mais, de parabéns! De seguida, como registo para a intemporalidade, aqui ficam algumas imagens que nos transmitem uma imagem real do decurso das obras de modernização da Escola Secundária Dom Egas Moniz – Resende.

Visitas guiadas `a BEgas

T

endo em conta que no dia 24 de Outubro foi o dia Internacional das Bibliotecas Escolares, a BEgas, ao longo dessa semana, teve muitos visitantes e contou com atividades diversificadas, nomeadamente visitas guiadas para os novos alunos, no âmbito da formação do utilizador e a realização de um bibliopaper. Foram entregues aos alunos guiões do utilizador da BE. Estiveram lá os alunos das turmas A, B, C, D e E do 7.º ano, que deixaram mensagens muito bonitas e criativas sobre a BE. A equipa da BE considerou a seguinte mensagem, elaborada pelos alunos do 7.º A, como a mais criativa e original: “A Biblioteca Escolar é um espaço onde se pode viajar através da magia dos livros. É mágica, fantástica e maravilhosa! A Biblioteca é como um país de mil maravilhas”. A mensagem elaborada pelos alunos do 7.º B foi considerada a segunda melhor: “A Biblioteca Escolar é um sítio para ler e estudar, para a frequentar, pouco podemos falar!” Na ocasião, foram, também, elaborados cartazes afixados na BE. Estão de parabéns todos os participantes!

Comemoração do Dia Mundial da Diabetes

N

o dia 14 de Novembro, os alunos do 12.º D expuseram um cartaz ilustrado no expositor que se encontra no átrio do pavilhão de aulas. Em causa estava a comemoração do Dia Mundial da Diabetes. No cartaz, os alunos apresentaram o conceito de diabetes, os principais sinais e sintomas da doença, como se realiza o seu diagnóstico, os comportamentos

~

de risco, as principais formas de prevenção, os tipos de tratamentos e as termas que tratam esta doença. No placard estavam apensos folhetos informativos. Esta foi uma forma de sensibilizar a Comunidade Escolar para os sinais de alerta da diabetes que atinge qualquer pessoa, independentemente da idade ou género, sendo necessário apostar na prevenção. evista AEResende

09

Revista AEResende Dezembro 2011  

Revista do grupamento de Escolas de Resende Dezembro 2011

Advertisement