Page 1

ANO V - Nº 031 - NOV2010 - R$ 8,90

Moda

Miss Mossoró Catharina Amorim por New Marluce Modas.

pág. 35

Ortodontia

Dr. Jean Carlo apresenta os microparafusos de titânio

pág. 58

InterView

WSC lança novo conceito imobiliário com Mont Blanc Residence

pág. 64

Celebração do amor

Elder Heronildes e Zélia Macedo Heronildes falam sobre o amor que os fortalece em cinquenta anos de casamento


42 Capa

Amor que vence o tempo

ÍNDICE

30 50 64 70 Mathws

Beleza masculina e moda contemporânea

Casamento Mont Blanc Viagem O “sim” de Lunara Gualberto e Fábio Moreira

Presença Cênica..............................14 Habitáculo ....................................... 18 Presença Office ................................. 22 Presença Feminina............................ 26 House Of Mathws.............................. 30 Fashionismo .................................... 32 Moda (Personalidade) ....................... 35 Moda Trend ...................................... 38 Caixa&Laço..................................... 40 InterView (Elder e Zélia Heronildes) ....... 42 UltraSociety (Giovana) ...................... 48

Um toque europeu no semiárido

As maravilhas de Braga

UltraSociety ( Fábio e Lunara) .............. 50 UltraSociety ( Rafaella Costa) .............. 52 Ultrasociety (Saldanha e Isabelle) ........ 54 Plural .............................................. 56 Presença Lounge ............................ 58 ConViver (Dr. Jean Carlo) .................... 60 InterView (WSC Empreendimentos) .... 64 Presença Tour ................................... 68 Diário de Bordo .................................. 70 Aluísio Barros ................................... 72


EDITORIAL EDITORA-CHEFE Marilene Paiva – (84) 9934.7393/ 9471.3102 marilene.paiva@gmail.com REVISÃO Nathan Figueiredo – (84) 9647.5277 | 8862.7687 nathan.sfigueiredo@gmail.com

Olá meus amores!

Nossa, todos nós, equipe PRESENÇA já estávamos com saudades

de vocês.

COLUNISTAS E COLABORADORES Aluísio Barros Ana Angélica Paiva Ana Luzia Borges Carlos Augusto Chico Windows Edielson Soares Eloá Figueiredo Fátima Carlos Georgiano Azevedo Ícaro Thiago Izaíra Thalita Jean Carlo Marilene Paiva Massai Construções Mathws Aires Maxwell Nunes Rafaella Costa Valéria Cristine EXECUTIVAS DE VENDAS Maria Luzia Diógenes – (84) 8899.6990 maria-luzia@hotmail.com Luciana Sivini – (84) 8729.7233 / 9411.5343 9903.4614 lusivini@hotmail.com Valéria Cristine – (84) 9903.4700 | 8832.0217 valeria.presenca@hotmail.com FOTÓGRAFOS COLABORADORES Eduardo Kenedy Raul Pereira Mathws Aires Projeto Gráfico - oKs Comunicação Criação e Finalização: Julio Cesar Maia Fone: (85) 8788.8878 I (84) 9655.2084 www.juliomaia.com juliocemaia@gmail.com

RESPONSABILIDADE

Os textos assinados ou afirmações contidas nesta revista são de responsabilidade de seus autores, não refletindo necessariamente a opinião política dos editores. É proibida a reprodução total ou parcial de textos ou imagens por qualquer meio sem autorização.

Acesse nosso site: www.marilenepaiva.com.br

Primeira revista do ano. A 32ª edição chega poderosa, partindo da

capa que é uma dádiva aos nossos olhos e alma: casal Elder Heronildes e Zélia Macedo, em entrevista concedida a jornalista Izaíra Thalita, que perfeitamente escreveu: ”todo um percurso de vidas juntos fazem de Elder e Zélia vitoriosos na convivência, na paciência e na renúncia em nome do bem-estar do outro, pois entenderam que conVIVER não é a arte de ser feliz o tempo todo, mas de ser feliz um pouco, todos os dias.”Lindo não? E falando em lindo, linda de viver está a Miss Mossoró, fotografada por Mathws Aires para o editorial de Marluce Bezerra.

Presença é isso. Um mix de opções. Viaje com Eloá Figueiredo no

Diário de Bordo para Braga. Divirta-se com Carlos Augusto Araújo e o seu vocabulário sempre plural de ideias. Moda?! Temos apenas os melhores, Fátima Carlos e Georgiano Azevedo. Confira, leia, jogue-se conosco nessa imensa alegria que é fazer parte de Presença.

Um mês de maio abençoado por Maria.

Até junho!

Marilene Paiva.


PresençaEmpresarial por Massai Construções e Incorporações

Massai contribui com evolução e modernidade de Mossoró Empresa é uma das responsáveis pela melhoria da qualidade das edificações na cidade com suas técnicas e práticas eficientes

O setor da construção civil tem

preendimentos, como a criação de

sido nos últimos anos um dos prin-

um parâmetro de qualidade para o

atenção que oferece aos clientes

cipais responsáveis pelo crescimen-

setor em Mossoró.

durante a construção, estendida ao

to econômico do país. Sua cadeia

“Oferecer qualidade de vida é

pós-entrega, o que lhe confere total

produtiva, diversificada e complexa,

nossa missão, por isso cada em-

credibilidade, mais uma das pilastras

além de ser grande geradora de em-

preendimento Massai tem seus parâ-

da marca.

prego e renda, cria condições ideais

metros norteados pela busca das

para o avanço tecnológico e a mo-

melhores condições ao dia a dia das

um produto com a qualidade Massai

dernização dos produtos disponibili-

famílias, seja em praticidade, segu-

é garantida pelas diferentes certifi-

zados para o mercado.

rança, seja em conforto”, resume o

cações conquistadas pela empresa:

diretor financeiro da empresa, Alli-

ISO 9001; credenciamento do IN-

son Dennis.

METRO; Selo Nível “A” do Programa

Em Mossoró, um exemplo de con-

strutora que rapidamente entendeu este novo momento, sendo consi-

A Massai se diferencia ainda na

Toda esta segurança em adquirir

Brasileiro de Qualidade e Produtivi-

A marca Massai inspira confiança ao negócio

derada empresa de ponta pela qualidade dos seus empreendimentos, é a Massai. Nascida em João Pessoa, capital paraibana, e com atuação também em Campina Grande, apor-

dade do Habitat (PBQP-H).

Um sistema de trabalho que tam-

bém é reconhecido por quem adquire um imóvel com a marca da empresa. Satisfação resumida nas palavras do

tou na capital do Oeste potiguar há

Segundo ele, o cuidado que a

empresário Elviro Rebouças: “A Mas-

oito anos apostando que o ritmo de

Massai tem com a qualidade está

sai tem tradição já em Mossoró. Ela

crescimento registrado pela cidade

presente em todo o processo produ-

tem cumprido não só os cronogra-

naquela época iria se consolidar.

tivo, desde os materiais escolhidos,

mas de entrega de suas obras como

Uma aposta bem-sucedida que tem

os ambientes que farão parte da vida

o nível de qualidade técnico e admi-

como resultado concreto não só o

de cada pessoa, até no próprio lay-

nistrativo, o que inspira confiança ao

lançamento de nove marcantes em-

out da edificação.

negócio”. Massai lançou nove empreendimentos em Mossoró, cinco deles já entregues.


www.marilenepaiva.com.br

Acesse nosso site e fique por dentro do que hĂĄ de melhor em MossorĂł.

VĂ­deos, fotos, festas, revistas e muito mais...

Bel Marques


PresençaCênica por Chico Windows

Flávia Maiara Atriz e Musicista

Ficha técnica:

Fotografia: George Vale Luz: Júnior Félix Cabelo e Maquiagem: Michelli Fábia Tratamento de Imagem: Romero Oliveira Agradecimentos: Cia. Pão Doce de Teatro e Teatro Municipal Dix-Huit Rosado

14

Revista Presença


Ter uma pele bem cuidada assim é mais fácil do que você imagina.

Líder Mundial

Conheça a Fotodepilação, método eficaz e indolor.

Ter uma pele bem cuidada assim em Fotodepilação é mais fácil do que você imagina.

60 60

LíderR$

Conheça a Fotodepilação, método eficaz e indolor.

Mundial em Fotodepilação

Centros em Espanha, Portugal, Brasil...

E, agora, também

por área por área

R$

avaliação grátis

unissex

avaliação grátis

unissex

Líder Mundial em Fotodepilação

na Inglaterra e Itália.

Centros em Espanha,

60

R$

unissex

Portugal, Brasil... E, agora, também na Inglaterra e Itália.

por área avaliação grátis

w w w. n a o m a i s p e l o . c o m . b r

Rua: João da Escóssia, 1005 | Nova Betânia | Mossoró-RN | Tel: 3314.1408 | 9947.4467 | 8896.1834


Fernando Pessoa

ORPHEU Tenho tanto sentimento Que é frequente persuadir-me De que sou sentimental, Mas reconheço, ao medir-me, Temos, todos que vivemos, Que tudo isso é pensamento, Uma vida que é vivida Que não senti afinal. E outra vida que é pensada, E a única vida que temos É essa que é dividida Entre a verdadeira e a errada.

Qual porém é a verdadeira E qual errada, ninguém Nos saberá explicar; E vivemos de maneira Que a vida que a gente tem É a que tem que pensar. Fernando Pessoa


Habitáculo por Ana Angélica Paiva

Alcançar um ar contemporâneo, ao mesmo tempo aconchegante e acolhedor.

Este intento foi o fio condutor de todo o processo projetual que resultou nesta casa, que priorizou, além da forma plástica, o conforto, sobretudo o térmico, por meio de estudos de implantação da casa no lote, do cuidadoso zoneamento dos cômodos, assim como das aberturas generosas posicionadas corretamente. A criteriosa utilização da iluminação externa, tendo o Parque Elétrico como parceiro na assessoria e fornecimento das luminárias, possibilitou a criação de uma diversidade de cenários e pontos de vista interessantes que convidam a momentos de convivência, lazer e descanso, demonstrando o papel fundamental da luminotécnica na valorização da arquitetura.

18 Revista Presença


Habitáculo por Ana Angélica Paiva O volume frontal em pedra, que se estende por toda a lateral da casa, é valorizado por pontos de luz no piso, gerando um interessante jogo de luz e sombra. Contrapondo-se a sua imponência, numa referência aos animados bate-papos de calçada, um bucólico canto com banco sob pergolado em madeira, que contará com uma vegetação que se entremeará por entre as pérgolas, garantindo um charme adicional.

Os acessos no interior da casa receberam uma atenção especial. Com passeios em pedra ladeados de verde, eles evidenciam o caminho do bem-estar. Na porta principal, a madeira, que também está presente no teto e na parede, garante o tom aconchegante. Os acessos laterais transformam o percurso até a área de lazer num convite ao relaxamento, tendo na piscina, com iluminação interna, seu ponto alto, estimulando momentos de descontração e lazer.

Ana Angélica Paiva Arquiteta e Urbanista (84) 9419 1980 angelpaiva_@hotmail.com Rua Coronel Gurgel, 267 - Centro - Fone: (84) 3316.6000 parque.eletrico@veloxmail.com.br

20 Revista Presença


OfficePresenรงa por Maxwell Nunes

22

Revista Presenรงa


PresençaFeminina por Ana Luiza Borges Soares Sabe viver: Eduardo Falcão Cantora: Roberta Sá Atriz: Glória Pires Ator: Tony Ramos Compositor: Chico Buarque de Holanda O filme é: A Vida é Bela, de Roberto Benigni Lugar: Amsterdã (Holanda) Bebida: Água! Estilo: “A moda sai de moda, o estilo jamais.” (Coco Chanel) Sempre: De bem com a vida! Nunca: Se deixar abater por qualquer problema Difícil: Ver a desigualdade da nossa sociedade Insuportável: Falsidade Do lado esquerdo: Meu namorado, Zélito Jr. Mal Necessário: Meu BlackBerry!

Foto: Eduardo Kenedy

Niver: 29/04 Profissão: Arquiteta e urbanista Uma qualidade: Compreensiva Um defeito: Consumista Inesquecível: Viagem a Europa em 2010 Especial: Minha avó torta, “Mãe tiinha” (Armanda Souza) Competente: Minha mãe Ana Borges Inteligente: Meu pai Luiz Soares Livro: O Caçador de Pipas, de Khaled Rosseini Lema: Carpe Diem! Uma Frase: “Quem tem Deus como império, no mundo não está sozinho” (Carlinhos Brown) Mania: Morder a bochecha Saudade: Veraneios de Tibau quando criança, com os primos reunidos Saúde: O bem maior de uma pessoa Dinheiro: Necessário

26 Revista Presença


Carmen Steffens West Shopping Mossoró / RN

BUENOS AIRES

JOHANNESBURGO

LOS ANGELES

MARBELLA

PARIS

PUNTA DEL ESTE

200 LOJAS - 16 PAÍSES

RIO DE JANEIRO

SÃO PAULO

TOKYO


House Of Mathws


Fashionismo por Fátima Carlos

Bem-vindos ao outono-inverno 2011 Pelo que conferi in loco, visitando a Galeria Daslu, e os showrooms instalados nos hotéis Tripp e Unique, entre diversos outros durante a última semana de moda da cidade de São Paulo, garanto que os fabricantes se esmeraram para oferecer ao cliente uma coleção enxuta e arrojada, remetendo à sobriedade e elegância dos anos 20, 30 e 50. Os criadores se inspiraram nessa época, fazendo com que ganhasse destaque o comprimento longo ou no meio da perna, o chamado midi, o que será evidenciado nas saias e vestidos, coqueluche da próxima estação. Tudo para ser usado a qualquer hora, de forma casual ou mais pontual. Hit dos anos 90, o estilo grunge continuará fazendo a cabeça de homens e mulheres na próxima temporada, refletindo-se nos xadrezes, coturnos e sobreposições. As meias 7/8 na altura dos joelhos, bolsas grandes e mochilas estilo pasta com um efeito mais desgastado, cintos superfinos, pulseiras bem coloridas, maxianéis são tendência em acessórios. Sem dúvida alguma, a estação que se aproxima será palco de uma imensa riqueza de detalhes, seja nos cortes e acabamentos trazidos pelas principais grifes do eixo Rio - São Paulo - Belo Horizonte, seja nas variadas texturas apresentadas pelos tecidos, com destaque para as organzas, rendas, jacquards, tafetás e tudo o que há de mais fino e nobre no ramo da tecelagem, a ser usado nesta estação. A conceituada grife mineira Bárbara Bela, criada em 1974, e que hoje possui 110 pontos de venda no Brasil, incluindo a Maison Fátima Carlos como representante exclusivo na cidade de Mossoró, e mais 20 pontos espalhados pelo exterior, expôs em seu showroom no Terraço Daslu o surpreendente tema “simplexidade”. Carregada de uma atmosfera reflexiva, a marca propõe uma reinvenção da construção fashionista, propondo a desconstrução das formas e nos levando a crer que nada é tão simples nem tão complicado assim. Peculiaridades da marca, como os vestidos de festa bordados artesanalmente com maestria, além da utilização da técnica de modelagem moulage, continuam como que impressas em seu DNA. Em formas simples, foram trabalhados recortes em patchwork de tecidos ultrassofisticados num mix de jacquard metalizado, bouclê, organza e renda. Em contrapartida, foram criados vestidos com lados assimétricos, sendo o mix de texturas o elemento central da trama. Ousando sempre, o truque é fazer com que o elemento surpresa componha a cena, protagonizando-a. Coloquemo-nos, então, diante do paradoxo sugerido. Ainda que não tentemos entendê-lo, a “simplexidade” pode ser a arte de simplificar o que é complexo e complicar o que é simples, da mesma forma com que trabalhamos a vida. Que assim façamos no outono-inverno 2011.

32

Revista Presença


Fátima Carlos é graduada em Geografia pela UERN. Começou a trabalhar com moda aos treze anos, por influência da mãe, que era costureira. Em 1990, decidiu, após viagens ao exterior, criar seu próprio ateliê, que hoje é referência local.

Fotos: Eduardo Kenedy

fatimacarlos_estilo@hotmail.com

Revista Presença

33


MOSSORÓ WEST SHOPPING | LJ 123 | 84 3422.7066


ModaTrend por Georgiano Azevedo

Temporada de Inverno

É até estranho falar na moda outono-inverno para nossa região, mas existem alguns looks desta temporada que se encaixam perfeitamente no nosso clima, e a mulherada pode sair por aí arrasando, sem sentir calor. E se a peça for mais “pesadinha”, aproveite quando for para algum lugar climatizado ou outra cidade!

Saia longa é hit! Essa é da Toli, usada com blusa Squadro e bolero Chicletes com Guaraná, by Maison Tráfego. O Trenchcoat não pode faltar no guarda-roupa feminino, como esse da Chicletes com Guaraná usado com cinto da mesma marca. E além dos coladinhos, as peças esvoaçantes sempre dão o toque de elegância. Aqui, blusa da Neon com legging e 2ª pele da Lucidez. Tudo Maison Tráfego.

38 Revista Presença


A cor camelo está com tudo, como mostra Lorrany no vestido coladinho todo petezado da Divina Pele para New Marluce Modas. O animal print aparece na saia com park transparente, ambos da Toli. E o estilo Lady Like é super chique. Esse é em veludo usado com cinto e bolero. Tudo Chicletes com Guaraná para Maison Tráfego.

Sócio da Tráfego Models, produtor de desfiles e colunista de moda. georgianoazevedo@uol.com.br

FICHA – TÉCNICA Fotos: Marcelo Bento Produção: Equipe Tráfego Models Assistente de produção: Vinicius Santos Hair & make up: João Henrique Carlos Modelos: Monique Escóssia, Fabianny Lima e Lorrany Paiva (Tráfego Models) Agradecimentos: Toli, New Marluce Modas, Maison Tráfego, Carmen Steffens e Hotel Thermas .• Todos os sapatos e botas usados são da Carmen Steffens.

Revista Presença

39


CAIXA&LAÇO por Valéria Cristine

Dia das Mães PARK CENTER

R$ 28, 50

4x Su blim eM od as

45,00 3x R$ das Mo Raquel

0 31,8ção $ R 5x Esta Alta

0 7,8 dos 3 R$ Calça 5x

ello an Piz

3x

R$ 3 3,00

Hen ry M oda s

4x

R$ 75,00 Fina Flor

Park Center | Rua Bezerra Mendes, 75 | Centro | Mossoró/RN 40 Revista Presença


The new fresh fragrance Mossor贸 West Shopping - Lj 73 - Fone: 84 3422.7202


InterView

por Izaíra Thalita

Amor que vale ouro Elder Heronildes e Zélia Macêdo Heronildes falam sobre o amor que os fortalece nestes cinquenta anos de casamento.

Quando vemos um casal que consegue passar vinte, trinta, quarenta, cinquenta anos juntos, é natural pensar que há um segredo para que se tenha ultrapassado as barreiras do tempo e chegado a esse ponto. Mas, ao observar a união de cinquenta anos de Elder Heronildes e Zélia Macêdo tem-se a plena certeza de que o motivo não é bem segredo e está claro: é um grande e verdadeiro amor. Tão forte e intenso capaz de sobreviver a todas as tempestades da vida, as adversidades que surgiram e capaz de construir alicerces familiares firmes, filhos orgulhosos de suas histórias e carregados de esperança. Todo um percurso de vidas juntos fazem de Elder e Zélia vitoriosos na convivência, na paciência e na renúncia em nome do bem-estar do outro, pois entenderam que ConVIVER não é a arte de ser feliz o tempo todo, mas de ser feliz um pouco, todos os dias. E como eles sabem se divertir juntos e tirar proveito dos bons momentos... Neste ano, o casal celebra um amor que pode ser comparado ao mais nobre dos metais: o ouro, que surge bruto e só depois de queimado, provado e modificado para dar forma a joias, é como as trajetórias do casamento. Esse valor também está representado nas alianças novas que o casal fez para celebrar “Bodas de Ouro”. É essa história de vida, de amor, que passam a relatar à PRESENÇA.

42

Revista Presença


entrevista PRESENÇA – Quando foi o momento em que surgiu o interesse de um pelo outro? ELDER – Bateu aquele interesse ainda na juventude, nos conhecíamos através de amigos da época em que a gente estudava e depois esse interesse se consolidou mais com a convivência nas lides estudantis. Ela, na Escola Normal; eu, na escola União Caixeiral. Os encontros surgiam com frequência por causa das amizades em comum, inclusive com o primo e outras pessoas da família. Mas, em namoro, teve início na noite de São João, em 1959, numa festa na Casa do Estudante, onde hoje funciona o Seminário. ZÉLIA – Ele sempre era muito envolvido em campanhas estudantis. Na época se candidatou a presidência do Centro Estudantal Mossorense e procurou “as Macêdo” - eu, Célia e Hélia, minhas irmãs - para votar com ele. A gente sempre acompanhava sua trajetória, de modo que havia um bemquerer entre nós, uma amizade, porque o mesmo era um rapaz de valor. Sentia que das três irmãs, ele se inclinava, em preferência, por mim, mas eu fazia de conta que não entendia. Como Elder falou, o namoro teve início na noite de São João. Naquela época, o namoro era muito diferente dos de hoje, era muito vigiado. Para onde a gente ia, tinha de ser acompanhado. Eu morava na Avenida Cunha da Mota, próxima aos Cine Pax, (Cine) Cid, (Cine) Caiçara, mas só poderíamos ver um filme se tivéssemos uma companhia. Os dois sozinhos não podia. Eu tinha 19 anos; Elder, 26. Mas não podia de jeito nenhum sairmos sozinhos. Se minha irmã fosse com o seu namorado, também não podia nos acompanhar. Tinha de ter uma pessoa que pudesse acompanhar os dois casais.

família toda é daqui, então não foi difícil ter esse bom relacionamento com a dela. O que havia eram cuidados naturais dos pais no tocante ao comportamento dos jovens, mas eu nunca notei nenhuma restrição à minha pessoa. Todos cuidavam bem de mim, inclusive os irmãos dela. ZÉLIA – Mas ele agradava papai. Sabia que o mesmo gostava de ler jornal e, aos domingos, levava O Mossoroense para o meu pai ler, mas a finalidade era me ver. É claro que todo mundo gosta de um agrado e meu pai gostava demais.

cuidado, porque tinha uma história de que eram valentes, mas não havia nada disso. Eu inclusive ainda me dou bem com todos. O compromisso era sério mesmo, mas a paixão por Zélia foi maior. Como é até hoje!

Nós começamos a namorar numa noite de São João e noivamos numa noite de Natal, seis meses depois. ELDER – Não esqueço o dia do pedido. Meu irmão (Francisco Heronildes da Silva, ou “Nias”) é que foi fazer o pedido ao pai dela, como pedia a tradição. Eu acompanhava. Tinha toda uma seriedade nesse momento, muita formalidade. Na ocasião, seu Macêdo disse que concedia, desde que fosse para casar logo. Fiquei preocupado, ressaltando que tinha os preparativos inerentes ao casamento. É bom salientar que seu Chico Macêdo já havia casado três vezes, o que significa dizer que a casa dele já estava praticamente pronta...

P – Como foi a aproximação com a família de Zélia, já que havia todo esse cuidado dos pais? ELDER – Realmente havia uma aproximação e apoio da família porque eu tinha uma boa relação com as pessoas de Mossoró, minha

P – Elder, é verdade que você era comprometido quando se interessou por Zélia? Como foi desfazer esse compromisso? ELDER – A família dela era de Caraúbas, uma família muito boa. Na época, as pessoas me mandavam ter

mento, preparei-me toda, sentei no carro para ser levada à Catedral de Santa Luzia, pensando que o mesmo já estava à minha espera. Noguchi Rosado, que era um dos padrinhos, ia até a igreja e voltava dizendo: “Nada de Elder.” Foi mais uma vez e nada. Eu pensava: “Mas, meu Deus, Elder é tão apaixonado por mim, será possível que vai me deixar esperando? Vai me abandonar nessa hora?” (risos). Mas, pouco tempo depois, ele chegou à Catedral e foi tudo maravilhoso. O casamento aconteceu no dia 25 de março de 1961, fizemos uma recepção em casa para os convidados. Usei um vestido lindo, de renda e tule, em tons azul, róseo e branco, confeccionado por Glaydes Ramalho, que hoje reside no Rio de Janeiro. Temos muitas fotos que foram registradas pelo fotógrafo Manuelito. Também lembro que foi um dia de muita chuva na cidade e que depois da recepção viajamos em lua de mel para Tibau.

P – O dia do casamento, que é um momento especial para a noiva. O que você lembra de mais marcante nesse dia? ZÉLIA – Os preparativos correram bem, mas Elder é sempre muito tranquilo, devagar, toma banho demoradamente e eu sou muito apressada. No dia do casa-

P – Teve algum casal que, ao longo desses cinquenta anos de casados, ainda estão presentes na vida de vocês, que aconselham uma palavra de apoio? ZÉLIA – Da época do casamento tínhamos, até bem pouco tempo, Canindé e Ivanilda, casal com presença marcante em nossa vida, nossos compadres, já que somos padrinhos de Vanusa, sua filha. Contudo, há três anos, perdemos Ivanilda, de quem temos muita saudade e falta... Na sequência da vida, podemos ainda relacionar Lobato e Francinete, nossos estimados compadres, já que somos padrinhos de Serjane, filha do casal. José Fonte e Salete, Edvaldo e Glória, João Escóssia e Ana, Dinis e Salizete. Compondo esse quadro de relacionamento, nos dias de hoje, lembramos dos jovens casais Afrânio e Cláudia, Nelsinho e Tereza, Narciso e Georgina. ELDER – Lembro sempre dos amigos dos quais sinto saudade, pois foram presenças gratificantes em minha vida, como Vingt Rosado, João Batista Cascudo Rodrigues, Vingt-un Rosado, Clovis Ciarlini, Dorian Jorge, Raimundo Soares, Jaime Hipólito, Pedro Batista, Berício Francisco de Oliveira, Airton (Meu Branco) Monte. P – Vocês foram morar no (bairro) Centro mesmo nos primeiros anos de casamento. Que momentos foram mais difíceis nesses primeiros anos? ZÉLIA – Tivemos de conviver com muitas enchentes. Com oito dias que estávamos em nossa casa, após a lua de mel, teve uma enchente muito grande, que nos obrigou fazer a mudança com água na cintura, à época morávamos no fim da Rua Almir de Almeida Castro e fomos para a primeira casa da mesma rua, onde moramos dez anos. Em seguida nos mudamos para a Travessa Alexandre Baraúna, hoje Travessa O Mossoroense, em frente à Igreja do Coração de Jesus, passamos dez anos. Aí chegou o sonho da casa própria, no bairro Nova Betania, onde estamos há trinta anos. Essas enchentes eram inconveniente demais,

Revista Presença

43


InterView por Izaíra Thalita motivo de preocupação, porque também já tínhamos filhos, e éramos obrigados a fazer batente para a água não entrar. ELDER – Temos até fotos dessa época da enchente do Rio Mossoró, porque entrava na cidade. Eu sou muito saudosista e sinto saudade até desses momentos difíceis que nós passamos, de quando havia as enchentes. Mas é claro que era um grande transtorno para todo mundo que morava no Centro. Tenho outras lembranças de momentos de dificuldades sérias, principalmente as geradas por conta das minhas posições políticas. Sempre fui uma pessoa muito atuante, idealista. Quando trabalhava no jornalismo, no rádio, participava ativamente das campanhas políticas, numa linha de esquerda. Com essas posições políticas porque, naquela época, eu não ficava “em cima do muro”, defendia, lutava abertamente e de forma contundente, gerando muito descontentamento, reações contrárias, também radicais. O governo que a gente combatia naquela época, anos 60, era muito arbitrário e consequentemente isso afetou minha família. P – Zélia, você se lembra desse período político? ZÉLIA – Lembro que foi um período muito conturbado e difícil, porque Elder cursava Direito em Natal e eu ficava em Mossoró, já estava grávida do segundo filho. Nessa época, foi fundamental o apoio da família e de alguns amigos como Cézar Leite, Mota Neto, através

de Andró Leite, Tarcísio Maia, entre outros que nos ajudaram de várias formas, porque Elder era mesmo um estudante de atuação política e sofria perseguição. Havia esse medo. P – Você acha que, como casal, esse momentos fortalecem a união? ZÉLIA – Cada momento nos fortaleceu mais. Hoje eu digo que a melhor época de nossas vidas é agora, já criamos nossos filhos, que estão formados, independentes, e podemos desfrutar de coisas e momentos que não podíamos no passado. Quando olho para trás, vejo o quanto somos felizes. A gente não tinha casa, moramos vinte anos em casa alugada e conquistamos nossa casa, que é pra mim um paraíso. Sem falar que, até hoje, meus filhos me dão orgulho e felicidade. George é Procurador Geral da União no Rio Grande do Norte e Disraeli é advogado, em pleno exercício de suas atividades bem relacionado em Natal. Então, com essa estabilidade, eu posso dizer que sou uma pessoa realizada. P – Os filhos levam muitas coisas dos seus pais, da educação que tiveram. O que vocês levaram da convivência com seus pais para a educação dos seus filhos? ZÉLIA – Muitas coisas, sempre fui muito presente na vida dos meus filhos. Acho que devo isso também à minha mãe, Maria Lopes de Macêdo, que, apesar de ser uma mulher calma, tranquila, era muito exigente com

a nossa educação. Acompanhava a nossa trajetória escolar, era muito presente. Eu fui assim também com George e Disraeli. Na escola, as professoras elogiavam e diziam que os outros pais deveriam nos ter como exemplo. Mas eles também tinham bom comportamento, os dois eram estudiosos e nunca nos deram trabalho. Quando foram estudar em Natal, sabiam que estudariam com muito sacrifício, porque na época eu não trabalhava ainda. Sempre foram conscientes. Seguiram seus objetivos profissionais, tinham controle dos gastos. Acho que pai e a mãe têm de ter participação efetiva na vida dos filhos e fico feliz, porque hoje vejo que eles são assim também como pais. ELDER – Eu tenho muita saudade dos meus pais, do temperamento, do jeito deles porque eles se completavam. Meus pais se dedicavam muito aos

filhos, tinham um amor muito grande e dentro das limitações e simplicidade conseguiram nos dar tudo o que era preciso para nossa formação. Minha mãe, Francisca Laura da Silva (Dona Tita), praticamente não sabia ler e escrever, no entanto tinha uma visão de família que impressionava. Era uma mulher muito religiosa, que andava com um rosário no bolso do vestido, devota, da congregação de Maria. Nascemos todos ali no bairro Doze Anos, e só depois meu pai, Francisco José da Silva (Velho Darico), fez uma casa onde hoje é a Rua Machado de Assis. Meus pais deixaram um exemplo de educação e de união familiar. Pela maneira carinhosa e dedicada com que cuidaram dos filhos, são exemplos para mim e para Zélia também. Meus irmãos, todos eles, sempre foram muito presentes em minha vida, em todos os momentos. Nias (Francisco Heronildes da Silva), por e-xemplo, tinha um comportamento paternal, de cuidar dos irmãos. Ficaram os e-xemplos que nós acabamos seguindo. Estando na militância política estudantil, os estudos foram postos de lado. Foi quando minha irmã Eudes me chamou com urgência à sua casa. Em lá chegando, mostrou-me o quarto, a rede, um birô, livros e cadernos, dizendo: “A mim, você não engana. Sei que foi reprovado, pois estive na escola e tenho em mãos todos os dados. Já falei com mãe, você ficará comigo”. Assim foi feito e, no ano seguinte, fui aprovado. Essa maneira dedicada de agir volta sempre à lembrança. Sinto-me até privilegiado, pois sempre recebi de meus irmãos e irmãs - Elpidio, Dita, Maria, Puca e Epitácio -, os que estão presentes e os que já se foram, o maior carinho, atenção e amizade. Com Dita e Elpidio, em momentos diferentes, passei algum tempo, deles recebendo amabilidade, dedicação, ajuda e amor. Sou eternamente grato. P – Hoje seus filhos lhes deram netos. Estão curtindo ser avós? ZÉLIA – Muito mesmo! Temos dois netos: Thales, de

44

Revista Presença


vinte e um anos, filho de George; e recentemente Valentino, que está com onze meses, filho de Disraeli e é uma gracinha, faz lembrar de quando eles tinham essa idade. A gente sente que é a nossa continuação, ficamos bobos e percebemos que nossa vida é muito mais alegre quando estamos com eles. Faço um destaque à nora Andréa (juíza), que é uma pessoa maravilhosa, e sua filha Raissa, uma neta do coração, nós a amamos muito; à mãe de Valentino, Maria José (enfermeira), muito dedicada a ele, com quem nós temos um excelente relacionamento. P – E depois de muitos anos, depois de criar os filhos, de ter uma certa estabilidade, vocês souberam recomeçar como casal. Como alimentam essa afeição, que é tão clara entre vocês, e quais são as coisas que alimentam essa relação tão duradoura? ZÉLIA – Primeiramente, o que nos alimenta é o amor que nos permite ter compreensão, renúncia, cumplicidade. Não vou dizer que, nestes anos de casada, só foram flores. Também teve espinhos e nós soubemos podar. Nós somos muito diferentes um do outro. Enquanto Elder é tranquilo, eu sou perfeccionista, apressada e isso até ajuda na relação. ELDER – Acho que essas diferenças entre nós tiram a monotonia da relação. Trilhando o mesmo caminho, num mesmo passo, acho que seria chato e talvez faltasse algo. Os naturais desencontros e diferenças de temperamento fazem com que haja uma compreensão maior, porque há um interesse interior de respeitar e entender a individualidade do outro. Cada um tem a sua individualidade como os dedos da mão, que são diferentes, têm movimentos diferentes e trabalham juntos, articulam-se juntos para fazer a unidade. Essas diferenças de temperamento e de comportamento são boas e a gente tem se esforçado. Eu sei que tenho pecado muito mais que ela nessa questão de compreender

as diferenças ao longo dos anos, mas eu também tive de aprender a conviver, de chegar a unidade pelas divergências. Sem isso, não haveria o complemento como casal, seríamos uma entidade inerte, pela falta de estímulo. P – Zélia, você falou em renúncia e já disse até que a mulher tem um papel fundamental na manutenção do casamento. Você acha que a mulher tem mais para si essa responsabilidade? ZÉLIA – Eu acho que a força maior em manter é mais da mulher que do homem, porque ela sabe entender melhor quando surge um problema, procura solucionar com compreensão e renuncia. Quando nos primeiros anos de casamento, Elder saía com os amigos e chegava tarde em casa. Eu achava aquilo ruim, mas superava e, no dia seguinte, a raiva passava. Hoje as mulheres são independentes, não tem essa de ficar em casa esperando. Há cinquenta anos, quando

nós casamos, não era assim. Sempre o homem era mais privilegiado em tudo e, de lá pra cá, a sociedade mudou. Elder vez por outra fazia suas traquinagens (risos), mas eu sempre fui uma pessoa compreensiva e soube conduzir o casamento. Claro que também houve brigas, mas Elder é aquela pessoa de não levar a briga adiante. Acho que a mulher tem que se impor com muito jeito e toda mulher sabe fazer isso muito bem. P – Elder, você acha que, com esse jeitinho de conduzir as coisas, Zélia con-

segue tudo o que quer de você? ELDER – Consegue! Ela sabe, como mulher inteligente que é, como eu gosto das coisas. E sabe também que sinto satisfação em poder fazer as coisas como ela gosta. Queria eu poder fazer sempre tudo o que ela gosta. É verdade que a compreensão é fundamental em qualquer relacionamento, principalmente num casamento. Quando o padre diz aquela frase, “O que Deus uniu o homem não separa”, é porque a igreja sabe que é difícil uma união onde junta duas pessoas de famílias diferentes, de temperamentos, situações sociais e educação diferentes e fazer com que dê certo até o fim das vidas destas pessoas é algo realmente divino. É preciso muito amor, renúncia e compreensão. Nós, graças a Deus, conseguimos e não somos santos, porque temos nossas dificuldades emocionais, os desejos e aspirações que às vezes não coincidem, mas fazer com que coexista tudo isso em dois corações é algo

importante demais. P – O que você mais admira em Zélia? ELDER – Admiro o conjunto, a beleza, a inteligência, a classe. A maneira de Zélia se conduzir em casa, fora de casa, na sociedade, no relacionamento e congraçamento com outras pessoas. Muitos vêem Zélia na society e sabe disso, me refiro ao comportamento de Zélia dentro dos trabalhos sociais que ela realiza na Maçonaria e nos Clubes de serviço como Lions... O bom e positivo é aliar, como faz, o papel de esposa e o trabalho na comunidade. Como gosto de ajudar, sou muito de prestar serviço às pessoas, de colaborar, me agrada a classe com que ela participa nessas ações. ZÉLIA – Eu e Elder gostamos das mesmas coisas. Ele é uma pessoa maravilhosa, me entende muito bem. Em tudo o que ele se envolve eu também me envolvo, sou sua colaboradora. No Lions Clube, na Maçonaria, nas Academias de Letras. Acredito que o nosso amor

Revista Presença

45


InterView por Izaíra Thalita

cresce quando realizamos tarefas juntos. P – Vocês são um casal alegre, que gosta de aproveitar os momentos festivos, gosta de dançar e viajar. De onde vem tanta vitalidade? ZÉLIA – Acho importante ter uma vida ativa independente da idade. Os médicos aconselham que, para manter a vitalidade, é preciso exercitar corpo e mente. E nós fazemos. Viajamos sozinhos, com os filhos, com o neto, com os amigos, vamos às festas, dançamos muito. Nossa rotina ê intensa, não ficamos parados. De quinze em quinze dias, temos reuniões de Lions, às quartafeira, na Loja Maçônica Sebastião Vasconcelos, da qual sou madrinha da Fraternidade Feminina; às quintafeira, reunião na Jerônimo Rosado e, às sextas-feiras, o convite de Zé Fontes para dar um giro pela noite; nos sábados, geralmente temos convites para casamentos, aniversários, lançamentos de livros. Recebemos muitos convites de Mossoró, de cidades vizinhas e até de ou-

46

Revista Presença

P – Um casamento que também tinha um amor muito presente era do de Vingt-un e dona América, e eles registraram suas histórias em forma de livro. Vocês não têm vontade de fazer algo assim? ELDER – Já pensei e tenho que amadurecer essa idéia. É interessante e importante colocar nossas memórias, experiências. Já tenho algo escrito, mas ainda solto e seria muito bom lembrar os nomes de pessoas queridas que passaram por nós. Já fiz isso em dois livros onde falei dos meus pais, irmãos, amigos, mas eles poderiam estar também num livro meu e de Zélia. Tenho essa vontade. Aliás, foi bom você citar Vingt-un Rosado, que é um homem que merece muitas homenagens e que Mossoró ainda não pagou a dívida que tem com Vingtun, diante do mecenas que foi para a cultura local, pela paixão que ele tinha pelos livros na criação da Coleção Mossoroense. No mesmo nível, com a mesma grandeza, coloco João Baptista Cascudo Rodrigues. Tudo que se fizer para homenagear esses dois ilustres mossoroenses é pouco. P – Como celebraram as bodas de ouro, dos 50 anos de casamento em março? ZÉLIA – Nós sonhamos com uma grande festa nas bodas de ouro, em reunir nossos familiares e amigos. Acontece que faleceram dois irmãos de Elder no final do ano e um está doente. Foi o motivo de não podermos comemorar. Todos os anos, na data de aniversário do casamento, nós vamos à missa na Catedral. Esse ano mandei fazer as alianças, com as datas das

bodas, com nossos nomes, para, após a missa, o padre dar a bênção a essas alianças. Mas, quando o padre Walter Collin soube, disse que não ia dar apenas a benção, mas fazer a renovação do casamento perante a comunidade presente. Padre Collin falou da importância da celebração da nossa união, que era raro completar cinquenta anos de casamento, abençoou as alianças, disse palavras muito bonitas acompanhadas por lindas canções do coral. E você acredita que eu me emocionei mais até do que no dia do meu casamento? Me emocionei porque foi muito bonito, colocamos a aliança, demos um beijo na boca! (Risos) Fiquei feliz! O amigo José Fontes ligou na brincadeira para saber como foi a lua de mel,

disse horrores. Foi muito bom. P – O que vocês gostariam de dizer um ao outro em celebração aos anos que ainda viverão juntos? ZÉLIA – (Emocionada.) Quero dizer que eu o amo muito, Elder, e vou te amar até os últimos momentos da minha vida. ELDER – A gente ouve falar em renovação do casamento e eu estou vivenciando esse momento de renovação das forças e dos elementos interiores que me levaram a me unir a você, Zélia. Eu sinto que há uma renovação do amor, da compreensão, da amizade de todos os sentimentos. Deus queira que a gente chegue aos cem anos. E ele há de querer! (risos).

REVIVAL: Zélia Macedo Heronildes

Pai – Francisco Bezerra de Macedo Mãe – Maria Lopes de Macedo Irmãos – Hélia Lopes Macêdo de Queiroz Pinto, Célia Lopes Macêdo Torquato de Holanda e Hélio Lopes Macedo. Formação – Direito pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Elder Heronildes

Pai – Francisco José da Silva – Velho Darico (in memoriam) Mãe – Francisca Laura da Silva- Dona Titã (in memoriam) Irmãos – Elpidio Heronildes da Silva, (in memoriam) Francisco Heronildes da Silva,(in memoriam) Epitácio Heronildes da Silva, (in memoriam) Edson Heronildes da Silva, Eudes Menezes da Silva (In memoriam) Maria Laura da Silva Moura (in memoriam) Enetildes (Dita) da Silva Mota. Formação – Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Filhos – George Macêdo Heronildes e Silva, Disraeli Macêdo Heronildes e Silva Netos – Thales Dourado Lemos Macêdo Heronildes e Valentino Nascimento Macêdo Heronildes

Fotos: Eduardo Kenedy

tros estados. Achamos que somos muito queridos. ELDER – Nós complementamos a nossa vida nos momentos de lazer, no encontro com os amigos, nos clubes de serviço. Nós saímos muito juntos, mais agora do que antes, e gosto da companhia de Zélia. Mesmo nas minhas atividades culturais, na Academia Mossoroense de Letras e Norterio-grandense de Letras, ela me acompanha.


Homenagem aos meus pais: “Eles dominaram a difícil habilidade (complementando-se reciprocamente) de nos dar, nas e para as fases adequadas, e em época na qual os conhecimentos a respeito da vida nem de longe equiparavam-se aos atuais, e nem se propagavam como hoje, a educação humanitária, de cujas raízes decorrem a convicção de propósitos, a força ao exercício desses propósitos, a coragem para enfrentar os reveses, e principalmente, repito, principalmente, o valor da honestidade; tudo achegado com amor e carinho.E mais: sem deixar, como todos sabem, de se congraçar com a sociedade e de servi-la. Papai e Mamãe, eu os amo. Que Deus os abençoe e os continue iluminando”. George Macedo Heronildes (que agora procura repassar esses valores para o nosso querido Thales, respectivamente, filho e neto, que também se incorpora a esta mensagem).

Sogrinhos Zélia e Elder As ciências exatas desconhecem as emoções. Daí sustentarem que dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço. Os cientistas dizem e pensam provar que cada corpo tem o seu espaço certo e definitivo. Essa verdade científica não resiste aos argumentos dos que conhecem Dona ZÉLIA e Sr. ELDER, meus sogrinhos, que, embora dois para os materialistas, são um para os românticos. Dona ZÉLIA e Sr. ELDER, ao longo de cinquenta anos de casamento, não formam um par, mas uma unidade. Essa unicidade não lhes retirou os traços marcantes de cada personalidade. Um não apagou o outro. Pelo contrário, aprenderam a brilhar juntos. Somam-se. Agregam-se. Sabem sorrir juntos. Sabem sofrer as mesmas dores. Deles nasce a lição de que as divergências podem amanhecer com as cores das convergências. Vê-los na maturidade é um privilégio.

Debate-se muito, há alguns bons anos, a evolução da humanidade sob o aspecto do conhecimento de si próprio como ser humano individual e, possivelmente, as relações físicas na diversidade, conhecemos, os estudiosos do tema por óbvio, o sequenciamento genético do ser humano, alguns pensam em utilizar genes das nomeadas células-tronco com o escopo de salvar, prolongar e/ou melhorar a qualidade da vida; algum eventual leitor poderá estar se perguntando: Afinal, qual a relação das bodas de minha cumadre e meu cumpadre, ou de meu irmão e minha irmã, ou de meu amigo e minha amiga, com essa conversa de gene? Tudo, responderíamos eu e Valentino, meu filho e meu, apenas para mim, Duque, por quem escrevo também, posto contar apenas dez meses e 14 dias; sejamos nós criacionistas ou evolucionistas, admitimos todos a transferência, integração, confluência, interpenetração de características genéticas entre homensa e mulheres desde

os primórdios adâmicos ou simiescos até o presente. Portanto, reiteramos eu e Valentino, tudo. Há 50 anos e 15 dias, Elder Heronildes da Silva e Zélia Macêdo Lopes efetivaram volitivamente um desejo acalentado mutuamente há alguns meses, esta a primeva confluência, se não ainda genética, espiritual, de relevância, em muitos aspectos, primordial; neste dia, ainda no cartório e na igreja, Zélia Macêdo Lopes recebeu gratamente em seu nome o acréscimo Heronildes da Silva, transferência de enorme significado jurídico-social; de então em diante, foi a constante permuta e congraçamento de ideais, interesses, humores, sabores, experiências, saberes, tolerância, desinteligências, desinteresses, mal-humores, dissabores, inexperiências, desconhecimentos, intolerâncias, aquela plêiade de fatores particulares e sociais, materiais e imateriais conformadores de uma relação conjugal. Três anos, nove meses e trinta dias, após um mês antes do espe-

Eles agem com simplicidade, sem palavras definitivas. Conhecem o momento certo da substituição do sim pelo não. Os meus sogrinhos amadurecem cheios da sabedoria que aflora de corações generosos. GEORGE e eu, filho e nora, somos devedores das lições que deles recebemos, ao mesmo tempo em que queremos ser credores, durante anos, dos gestos largos e das atitudes carinhosas de Dona ZÉLIA e Sr. ELDER, símbolos do nosso patrimônio afetivo e sentimental. Dona ZÉLIA e Sr. ELDER não completam cinquenta anos de casados como um simples fato cronológico. O tempo é parceiro deles. A data, em verdade, com o seu forte conteúdo romântico, simboliza a vitória de quem acredita, a exemplo do poeta “que é impossível ser feliz sozinho”. Que Deus os abençoe. Andréa Holanda Heronildes (nora)

rado, possivelmente em função da conturbada quadra vivida por nosso Brasil e, particularmente, pela família Elder, Zélia e George, graças à corajosa atuação de Elder em defesa de seus ideais, nasci, quando então Elder passa a ser painho e Zélia, mainha; de mim, nasceu Valentino, o segundo neto de painho e mainha e segundo exemplar visível, apreciável e humano daqueles aparentes devaneios com os quais nós, eu e Valentino, iniciamos esta homenagem; como olvidar ou desacreditar ser eu uma simbiose dos genes de painho e mainha, representado jurídico-socialmente por seus registros civil e batistério como o patronímico de Disraeli Macêdo Heronildes e Silva. É indubitável a influência incontrastável do meio, mas, neste momento, realçamos, eu e Valentino, desde o início a de algum modo imprópria afirmação de só agora estar havendo combinação de genes de distintos seres. Não quis escrever uma tradicional elegia a painho e mainha,

pois Mossoró, o Rio Grande do Norte, o Brasil e a Terra, dadas suas índoles de intensa vida social, os conhecem, talvez melhores, certamente por ângulos distintos, painha e mainha; suas qualidades são públicas, assim como seus defeitos, dos quais somos todos portadores. A nós, eu e Valentino, nos cabe agradecer a existência, o amor, o carinho, a solidariedade, a tolerância, a disciplina com quais fomos e continuamos a ser agraciados contínua e perenemente, alguns recebidos maioritariamente de painho, outros de mainha, mas a comunhão está acima. Beijamos painho e mainha e desejamos-lhes, a “coragem de serem pacientes e a paciência de serem corajosos”. E VIDA, MUITAVIDA.

Disrrli Macêdo Heronildes e Silva e Valentino Nascimento Macêdo Heronildes

Revista Presença

47


UltraSociety por Marilene Paiva

É Páscoa, é Festa!

Fotos: Marcelo Bento

Os papais Jonas Filho e Roberta Rosado reuniram familiares e amigos para celebrar o segundo aninho da princesa Giovana, no Fantastic Buffet. Em clima de Páscoa, Gigi brincou muito ao lado dos amiguinhos. Linda festa!

48

Revista Presença


anun�io ����� �re�en�

a


UltraSociety por Marilene Paiva

Chuva de arroz

Fotos: Pacífico Medeiros

Numa cerimônia de encher olhos e corações, os queridos Lunara Gualberto e Fábio Moreira disseram “sim” na noite de 17 de abril. Ela, herdeira do casal Pedro Gualberto Duarte e Margarida Gorette Costa; ele, filho de Flávio Fernandes Costa e Lenine Moreira da Costa. O casamento, cuidadosamente recepcionado por Josué Buffet, estava um verdadeiro encanto. “Amor é querer estar preso por vontade”, diz um célebre poema do nosso Camões. Assim seja. Sempre. Que Jesus abençoe a união de duas famílias tão iluminadas!

50

Revista Presença


UltraSociety por Marilene Paiva

Conceito de Felicidade

Rafaella Costa recebeu amigos na noite do dia 22 de março, para comemorar mais um ano de vida. Festa organizada e planejada pela Master Produções e Eventos, que ganhou ares de superprodução. Era uma terça-feira, mas os amigos da colunista compareceram em peso aos salões do Requinte Buffet, cenário mais que perfeito para uma festa fina. A animação contou com os hits do DJ Balinha e da banda Akarajazz, tendo a participação especial dos bacanas André Luís, Dayvid Almeida e Marcelo Noberto. As fotos são de Eduardo Kenedy e Célio Duarte.

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11

12

13

01. Nilda Costa e Rafaella. 02. Pe. Sátiro e Rafaella. 03. Disraeli Moura, Rafaella Costa, Ceição Davi e Antonio Pinheiro dos Santos. 04. Rafaella Costa e Marilene Paiva. 05 Walterlin Lopes, Rafaella Costa, Tica Soares, Wandilson Ramalho e Fausto Maia. 06. Jean Reis, Rafaella Costa e Detinha Reis. 07. Eronildo Pereira e Rafaella Costa. 08. Alexandre Diógenes e Rafaella Costa. 09. Mariana Rosado, Alexandre Oliveira, Rafaella Costa e Marcelo Noberto. 10. Marcos Pedrosa, Rafaella Costa, Gabi e Silvana Escóssia. 11. Nelson Chaves, Chrystian de Saboya, Iara Chaves e Rafaella Costa. 12 Zélia Macedo e Élder Heronildes, Rafaella Costa, Edvaldo Santos e Glorinha 13. DJ Balinha, Luindson Limas, Rafaella Costa, Lizana Lima e Paulo Vitor Maciel.

52 Revista Presença


UltraSociety por Marilene Paiva

A hora do Sim

Fotos: Eduardo kenedy

No dia 16 de abril, em cerimônia religiosa realizada na Capela de Mãe Rainha, abençoados pelo vigário geral Pe. Flávio Augusto Forte Melo uniram-se Saldanha e Isabelle. Recepcioaram familiares e convidados no Requinte Buffet, imagens de Eduardo Kenedy.

54 Revista Presença


Plural por Carlos Augusto

Meu filho, por favor, me empresta o carro! É comum em algumas famílias, no dia a dia, os filhos reclamarem da ausência dos pais, principalmente da falta deles nas suas atividades diárias,

nas comemorações na escola, nas celebrações das datas em casa, nos jogos de futebol, nas apresentações no teatro, nas idas ao cinema etc. Alguns sempre acham uma ou outra desculpa para não estar presente na vida do filho, e os filhos crescem com essa sensação de que seus pais nunca terão tempo para eles... Paciência. E não é que tem uma hora em que o feitiço vira contra o feiticeiro? Nestes meus vinte anos trabalhando com viagens de intercambio, percebi que, quando os filhos estão do lado de lá, bem distante desses mesmos pais, se sentindo completamente donos de seus atos, eles dão o troco, e também passam a não ter tempo para esses pais. Ligar para casa, para quê? É mico. Mesmo porque meu pai não vai ter tempo de me ouvir...

Business Aquela velha máxima de que “nada se cria, tudo se copia” parece estar sendo levada ao pé da letra por algumas empresas aqui em Mossoró, pelo que se percebe com facilidade. As inovações em algumas delas inexistem, elas bebem descaradamente na fonte das outras empresas concorrentes, copiando seus projetos, quando na maioria das vezes, ou em sua totalidade, terminam executando uma coisa grosseira, sem qualidade. Uma xerox mal tirada. Ora pois, se somos capacitados, por que não criarmos as nossas próprias alternativas, imprimindo nossa marca,nosso jeito de ser, de existir? Por que não mostramos ao mercado que caminhamos com os nossos pés e não copiamos o que o outro faz? Viver só de espionagem! Será que, estupidamente, imaginam que os clientes não percebem? Ninguém é doido, nem desavisado, nem muito menos desinformado. Fica muito na cara tudo isso. Tudo bem

Luto

Sabe aquele tempo que você ia para a locadora e descobria os filmes? Pois é, esse tempo chegou ao fim. Muitas locadoras estão dando adeus e levando com elas um período inesquecível. Mas o que causou esse apocalipse? A internet é maior culpada ou os costumes mudaram? Quais as novas mídias? Quais as novas forma para assistir filmes sem sair de casa. E mais: por que esses locais eram tão badalados? Como começou a decadência? Como os donos das lo-

56 Revista Presença

E o interessante é que, por aqui em casa, o desespero impera na casa desses intercambistas com aqueles mesmos pais ausentes, desta vez preocupados com a distancia, ausência e a frieza dos filhos que insistem em não dar notícias... É como se esses pais pagassem com a mesma moeda, e sutilmente seus filhos mostrassem a seguinte situação: “Agora, papai e mamãe, eu que não tenho tempo para vocês...” STOP IN THE NAME OF LOVE! Já é tempo para parar e analisar... Em 2011, srs. PAIS AUSENTES, fiquem mais perto de seus filhos, afinal familía só é familia de verdade quando tem convivência, quando todos participam. Arranjem nas suas complicadas agendas tempo para dar assistência a suas crias, para que depois sua vida não se complique. E lembre-se: os ex-

emplos vem de casa, bons ou ruins, pois os filhos copiam e reproduzem com fidelidade o comportamento dos seus pais. A velha pergunta “Onde foi que eu errei?” pode se tornar em “Será que em alguma coisa eu acertei?”. In time : guardado as devidas proporções, bom lembrar que toda regra tem exceção. Essas observações são de casos isolados, dentro de um universo de mais de 200 intercambistas que acompanhei de várias cidades do Brasil!

Os estúpidos que copiam as idéias alheias Honestidade já!

cadoras se viraram para não fecharem de imediato os seus estabelecimentos? O futuro é hoje, e as novas mídias chegaram. O que temos disponível para consumo de filmes? Você ainda aluga filmes em locadoras físicas? Se você não vai mais, quando você começou a deixar de ir? No seu bairro tem locadora? Mande seu comentário para colunaplural@ gmail.com e concorra a um DVDdisc . Aguardamos suas respostas.

que o que é bom é para ser copiado, mas não na sua totalidade. Isso é PLÁGIO! E ainda mentem quando divulgam como se fossem os pioneiros da idéia. CARA DE PAU! Ei, mentir é feio, e pecado (!). Isso caracteriza incompetência. Os institutos da “concorrência desleal” e do “parasitismo comercial” estão cada vez mais presentes no mercado e não cabe aqui a discussão se há ou não propriedade, mas, sim, a forma desleal de concorrência. As empresas devem ter ética profissional e deixar de se basearem nos trabalhos e idéias dos concorrentes. Um serviço sempre deve ser melhorado, há várias formas para o aperfeiçoamento. Todavia, os empresários, por vezes, carecem de idéias inovadoras e, ao invés de criar, limitam-se a copiar os concorrentes. Pois bem, para o empresário que não sabia, isso é crime. O importante é evoluir, fazer sempre o melhor e não copiar os serviços dos concorrentes.


Eu bebo sim, estou vivendo. Tem gente que não bebe e... E quem nunca provou um alcoozinho e viu que é legal estar em um estado supostamente mais leve... Sim, meus companheiros, é bom estar embriagado, porém, numa breve pesquisa feita entre as pessoas que já estavam alcoolizadas, foi perguntado: Por que as pessoas bebem? Algumas bem hostis responderam: “Porque quero”; outras disseram que a razão pela qual o fazem é para se divertir, lazer; e um pouco delas falaram que era para esquecer os problemas, mas em resumo quase todos foram unânimes: bebe-se para ter prazer. Mas por que beber é um prazer? Dentro de nosso organismo, o álcool possui um efeito sedativo que age diretamente no sistema nervoso autônomo (que controla funções

como a respiração, circulação do sangue, controle de temperatura, digestão e o equilíbrio das funções de todo o corpo), provocando relaxamento nos músculos. Por isso é que o bebum fala com dificuldade. O álcool também prejudica a capacidade de julgamento, ou seja, independente da pessoa ter bebido muito ou pouco, ela apresentará falhas em sua coordenação motora; contudo, ela terá a sensação de que nada lhe sai do controle, e é aí que está o risco. Entretanto, em pequenas doses, a influência da bebida alcoólica geralmente pode ser um pouco estimulante pelo fato desta relaxar a tensão diária e de fazer com que as pessoas se sintam mais abertas com os outros. Os especialistas se esforçam em

buscar a causa da questão e, dentre muitos outros fatores, destacam a gigantesca influência da propaganda bem produzida, veiculadas pela mídia, especialmente na televisão. As mensagens são um fortíssimo apelo para a ingestão da bebida, que ficam impregnadas no subconsciente de telespectador. Quem bebe, então, é uma “marionete”? Cabe a cada um julgar o seu status com relação ao alcoolismo. Mas... Vejo as pessoas bebendo porque querem criar um mundo em torno de si que seja inabalável, tornar-se um “Dante”, mas na verdade as condições psicológicas e motoras estão abaladas e sombrias. Não digo isso para assustar, mas beber pode até ser divertido,

Pós-graduado em Ciências Econômicas, franqueado do CCAA em Mossoró e Diretor da Cia do Intercâmbio Mossoró.

dar prazer ou até mesmo ocupar o tempo, te deixar mais espontâneo, etc., mas podemos encontrar prazer em outras atividades que são menos destrutivas para o organismo, como, por exemplo, ler um livro, conversar com alguém, ajudar um ente querido ou até mesmo quem não conhecemos, e mais um milhão de possibilidades que nós podemos escolher fazer acompanhados com os mesmos amigos que estariam estragando a vida bebendo. Enfim, brindemos! Pois que seja feita a vontade de nossa diversão! Eu bebo sim...

(Ajudaram na realização desta crônica: Revista Super interessante e Revista Saúde)

Coisas de São Paulo...

Cinema de primeira classe

Quando penso eu que nada mais me surpreenderia em São Paulo, eis que uma sala de cinema me deixa de queixo caído, literalmente. Aqui minhas observações:

Poltronas grandes de couro. Reclináveis, oferecem descanso para os pés. O apoio central para o braço também pode ser levantado. Se não fosse pela tela gigante e o filme passando, você acharia que esse lugar é a primeira classe de um avião. Mas, na verdade, estou falando sobre as salas 1 e 2 do Cinemark do Shopping Cidade Jardim, o shopping mais luxuoso e caro de São Paulo.

O ambiente é espaçoso. Enquanto as salas comuns possuem 630 assentos, estas duas premier têm apenas 224. E os detalhes não param por aí. Assistir a um filme lá não é um evento qualquer, portanto deve-se chegar com antecedência. Para esperar, um lounge exclusivo e chique reservado, projetado pelo arquiteto Arthur Casas. Mesmo para os clientes mais chiques, a pipoca ainda é campeã

no cinema. Mas até esse tira-gosto é diferente no Cidade Jardim. O pacote pequeno, que custa R$ 16,00, não é acompanhado com manteiga, e sim por azeites espanhóis “saborizados”. São quatro tipos, incluindo uma variedade trufada, que custa R$ 14,00. Valor dos Ingressos : R$ 50,00. Mas, pelo que percebi, quem vai ao shopping Cidade Jardim não se importa em pagar o dobro pelo atendi-

mento premier. Segundo me informei com o lanterninha, os espaços VIPs costumam registrar mais movimento que as salas normais, que possuem ingressos de R$ 20,00 a R$ 30,00. Nas noites de sábado, a lotação é garantida. Depois de tanta mordomia, quem vai se importar se o filme é ruim?

Revista Presença

57


PresençaLounge por Rafaella Costa

Colunista social do Gazeta do Oeste, e acadêmica de Pedagogia da UERN. rafaellarcosta@gmail.com

CARNAVAL DE EMOÇÕES

O empresário Márcio Oliveira tem um coração de ouro, um milhão de amigos e admiradores sem fim. No dia de seu aniversário, todos querem abraçá-lo, cumprimentálo, estar junto e brindar a vida. Este ano, o nat de Márcio aconteceu em meio aos festejos carnavalescos e ele, ao lado da esposa Roseane Maia, resolveu fazer uma folia de momo particular, no Rancho Mumbaça, que, diga-se de passagem, não é apenas um paraíso, mas um pedaço do céu aqui na Terra. Festa das boas, convidados mis, Buffet regional e música de qualidade, resulta sempre num evento maravilhoso. Festa para Márcio Oliveira, aqui recebendo o abraço do colunista Cesimar Oliveira e da esposa Roseane Maia. (FOTO: Célio Duarte)

GASTRONOMIA E LAZER

Um espaço que estava faltando em Mossoró, com estrutura diferenciada e opções de lazer para toda a família, cardápio diversificado e atendimento satisfatório agradam de forma geral. O Tenda Gastronomia e Lazer deu uma guinada nos últimos três meses quando apostou em um nome já reconhecido em nossa cidade para administrar o espaço: é o sempre gentil Doziteu Ozanan, conhecedor do bom gosto e dos pormenores da administração gastronômica. Sebastião Couto acertou em cheio na escolha. Sebastião Couto e sua Tenda, que é sucesso em toda Mossoró.

TEM TAPIOCA, CALDO, PETISCO...

... E um atendimento como poucos em Mossoró. Até a carta de bebidas é variadíssima. Assim é o novo espaço badaladíssimo da Praça da Convivência, denominado Tapiocaria, Caldos e Petiscos, pertencente ao gente fina Gonzaga Júnior, mais novo empreendedor do ramo de comidas e bebidas de nossa cidade. Gonzaga apostou no bom gosto, na percepção dos detalhes e na linha de mossoroenses apreciadores do que é bom, por isso tem seguido em frente e alcançado excelentes resultados. Somos clientes e indicamos!

FESTÃO DO RICARDÃO

Ricardo Jorge Alves de Figueiredo, filho de Geovan e Fátima, fez festa para brindar a vida. O dia escolhido foi 02 de abril, o local foi o Requinte Buffet e o planejamento, produção e organização ficaram a cargo da Master Produções e Eventos. A bela Renata Falcão soltou seu vozeirão no salão Diamante, seguida do DJ Filho, que botou todo mundo pra balançar o esqueleto no dancing. A composição de uma festa moderna, casual e bem chique fizeram a noite a cara do aniversariante. Anfitrião dos bons, Ricardo Figueiredo fez uma super festa, e entra para os anais dos grandes eventos de nossa sociedade.

58 Revista Presença

Ele reconhece o bom gosto dos mossoroenses e faz sucesso na Praça da Convivência, eis o querido Gonzaga Júnior.


ConViver por dr. Jean Carlo D. Fernandes

ANCORAGEM ABSOLUTA COM MICROPARAFUSO DE TITÂNIO: O FUTURO DA ORTODONTIA A demanda de pacientes adultos para correção de problemas ortodônticos vem aumentando a cada dia, e esses pacientes cobram cada vez mais por tratamentos ortodônticos eficientes e de qualidade. Entretanto, o nível de cooperação dos pacientes adultos deixam a desejar, pois os mesmos não estão dispostos a usar acessórios ortodônticos como elásticos, barras e aparelhos extrabucais. O uso destes se tornou restrito por reclamações de ordem estética, de alteração na voz, aumento de sintomatologia de dores decorrente de disfunções mastigatória, entre outras desculpas. Contudo, a obtenção da ancoragem absoluta por meio dos microparafusos ortodônticos vem sendo incorporada cada vez mais ao cotidiano do ortodontista, levando o nível de cooperação do paciente a patamares bastante diminutos. A instalação dos microparafusos de titânio pode ser feita por profissionais implantodontistas e também pelos ortodontistas, sendo de fácil instalação, resistente às forças ortodônticas, remoção simples e tamanho reduzido. Dentre as vantagens do uso de microparafusos de titânio, encontra-se a menor dependência da colaboração do paciente, levando a um menor tempo de tratamento ortodôntico, maior conforto para o paciente, estética mais favorável, simplificação da mecânica ortodôntica em casos complexos, uso de força imediatamente após a instalação e o baixo custo financeiro. Estes dispositivos têm sido empregados para fechamento de espaços anteriores, distalização de pré-molares, distalizar, mesializar e verticalizar molares, intruir incisivos, tracionamento de caninos entre outros movimentos. A utilização de microparafusos ortodônticos como recurso de ancoragem trouxe uma nova perspectiva no tratamento ortodôntico.

Tratamento com o uso de microparafuso ortodôntico. (mecânica de retração e intrusão de incisivos)

Dr Jean Carlo D. Fernandes é Cirurgião dentista, Especialização em Ortodontia, Pós-gradudo em Oclusão Pós-graduado em Prótese.

Início do tratamento

Microparafusos instalados

Tratamento concluído CASO 02: (Movimentação ortodôntica – mesialização de molar)

Após instalação de microparafuso

Após fechamento de espaço com o uso do microparafuso

Dr. JEAN CARLO D. FERNANDES | CLÍNICA CROM | Rua Dr. Almeida Castro, 210 | CENTRO | 84 3316.0808 60 Revista Presença


InterView por Ícaro Thiago | Elevare Comunicação

MONT BLANC RESIDENCE PROPORCIONA BELEZA, SEGURANÇA E QUALIDADE DE VIDA Residencial será erguido no bairro Nova Betânia e tem a garantia da WSC Empreendimentos e Construções O Mont Blanc Residence foi inspirado no mais alto monte europeu para trazer ao Nova Betânia beleza, alto-astral, liberdade e harmonia. O projeto valoriza o conforto e bem-estar, em apartamentos aconchegantes e bem planejados, com todas as varandas voltadas para o nascente, transformando o nascer do sol em um momento singular. São 44 unidades na melhor região da cidade e 04 tipos de apartamentos com 03 quartos, sendo 01 suíte e dependência de empregada. O projeto arquitetônico do Mont Blanc é assinado por Franzé Rodrigues. Ele afirma que o residencial é completo. “Desenvolvemos um projeto com 04 tipos de plantas, proporcionando ao morador várias opções de apartamentos”, comenta. As divisões internas possibilitam adaptações de acordo com a necessidade de cada família. A dependência de empregada pode ser transformada em closet ou escritório privativo ao quarto do casal. “Outra opção é transformar o terceiro quarto em sala de TV ou simplesmente integrá-lo ao tamanho da sala”, complementa. O lançamento do empreendimento aconteceu em abril, mas o sucesso do residencial e a procura surpreendeu o diretor-geral da WSC, Weber Siqueira. “O Mont Blanc é um residencial ímpar em nossa cidade. Um empreendimento que encanta pela sua imponência com seus 76m de altura. Para chegar ao projeto definitivo, tivemos que analisar várias outras ideias e decidimos apostar

64

Revista Presença

Piscina infantil

VIDA BOA É DO LADO DE CÁ.


entrevista

Vista Frontal – Fachada.

Engenheiro Civil Pedro Augusto, diretor técnico da WSC.

em um residencial moderno, bonito e inovador, trazendo o requinte europeu para Mossoró. E o melhor, com preços super acessíveis”, comenta. O diretor técnico da WSC Emprendimentos, Pedro Escóssia, revela que o Mont Blanc Residence proporciona a completa integração das áreas de convivência, diversão, lazer e atividades físicas. “São diferenciais que valorizam o melhor dos benefícios. O equilíbrio entre a liberdade e o respeito aos espaços bem divididos em grandes áreas, fundamental para viver em família”, comenta. O lobby de entrada, por exemplo, encanta pela elegância do seu pé direito duplo, com fachada em esquadrias de vidro proporcionando leveza e amplitude ao ambiente, com acesso para a lan house e praça de convívio interno. Pedro Escóssia afirma que o Mont Blanc quer fazer dos seus momentos os melhores. “O mezanino integra os espaços: fitness com vista panorâmica, gourmet, brinquedoteca, praça de convivência com fonte d’água. A localização e infraestrutura condominial propiciam uma vida feliz e sustentável, próximo a vários centros de compras, hospitais, rodovias de acesso a outras cidades, terminal rodoviário, aeroporto, praças, jardins e serviços diversificados”, finaliza.

Revista Presença

65


InterView por Ícaro Thiago | Elevare Comunicação

Piscina adulto com raia de 15 metros

DIFERENCIAIS DO EMPREENDIMENTO:

• • • • • • •

Lobby com Pé direito duplo encanta pela beleza e elegância.

• • • • • • • • • • • •

Estande de Vendas

STAND DE VENDAS FOI MONTADO COM MAQUETE FÍSICA PARA RECEBER FUTUROS MORADORES E INVESTIDORES Para proporcionar conforto e bem-estar aos seus clientes, a WSC Empreendimentos e Construções montou um stand de vendas no local do residencial, no cruzamento da Rua Antônio Vieira de Sá com a Pastor Ramiro, nº. 501, Nova Betânia. “Para este lançamento, decidimos investir na maquete física, pois o prédio é imponente, com uma beleza singular. Assim, os moradores têm uma noção real de todos os benefícios do Mont Blanc”, comenta Pedro Escóssia. Uma equipe de consultores está de plantão no stand de vendas, que funciona de segunda a sábado, das 8h às 18h, e aos domingos, das 9h às 13h. O telefone para contato e reservas é o 84 8802-0685. www.montblancwsc.com.br WStore: 84.3316-2412 Twitter: @wscnews_ Youtube: WSCNews

66

Revista Presença

02 Elevadores, sendo 01 social e 01 de serviço; Lobby, com pé direito duplo; Mezanino para área de Lazer; Lan house climatizada; Salão de festas, com copa de apoio; Bar de apoio ao lazer; Deck coberto, com churrasqueira e forno de Pizza; Deck coberto com bar; Espaço de lazer multiuso; 04 banheiros adaptados; Espaço de Jogos; Super deck descoberto com Gazebo teen; Piscina Adulto com raia de 15m, infantil e Deck Molhado; Salão fitness equipado, climatizado, com vista privilegiada; Playground, em área verde; Redário; Praça de convivência com fonte d’água; Espaço de apoio; Espaço Teen para Leitura;

APARTAMENTO TIPO: - 03 quartos (01 suíte); - 02 vagas de garagem cobertas; - Medição individualizada de água, gás e energia; - Dependência completa de empregada; - Banheiro social; - Estar / Jantar; - Área de serviço; - Varanda* *Opções de apartamentos com varanda gourmet do 19º ao 21º andar. *Opções de apartamentos com ampla varanda (terraço) no 1º andar.

COBERTURA DUPLEX:

Pavimento superior • 01 super suíte com closet e banheiro Sr. e Sra.; • Solário com jardim; • SPA com Hidromassagem; • 01 super sala de home-cinema, com varanda; Pavimento térreo • 01 suíte com um super espaço para guarda roupas e banheiro Sr. e Sra. • 01 quarto social; • Banheiro social; • 01 super sala de estar e jantar, com jardim artificial; • Varanda Gourmet com vista panorâmica; • Dependência completa de empregada (com opção de transformá-la em escritório); • Cozinha; • 03 vagas de garagem; • Medição individual de água, gás e energia; • Infraestrutura para ar condicionado tipo split.


PresençaTour por Edielson Soares

Empresário e Diretor do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes do Pólo Costa Branca, Mossoró e Pólo Serrano

SERRAS POTIGUARES JÁ SE DESTACAM COM A INTERIORIZAÇÃO DO TURISMO A interiorização do turismo já vem beneficiando as pequenas cidades do interior do estado. Exemplo disso é o que vem ocorrendo com as serras de Portalegre e Martins, dentre outras. Já há algum tempo que as serras potiguares vêm tendo destaque em decorrência do grande potencial turístico, com forte tendência para o ecoturismo e principalmente pelo fato de ser uma região onde o clima é frio aliado à tranquilidade. A paz e o sossego fazem a diferença, o que atraem turistas e visitantes. A criação do Plano Nacional de Municipalização do Turismo pelo Governo Federal, em 1987, também tem contribuído, e vem possibilitando o crescimento de atividades turísticas em diversas cidades do interior, e espera-se que com a implantação do Polo de Turismo Serrano, as atividades se desenvolvam mais rapidamente. Na última reunião do Polo Serrano, realizada em Pau dos Ferros, no mês de Setembro de 2010, dentro das pautas

68

Revista Presença

discutidas foi apresentado o Termo de Referência do Teleférico de Martins, onde foi mostrada a viabilização do projeto, que já está em andamento. Portanto, mais um incentivo para o crescimento do turismo na região. Algumas cidades, antes tidas como desconhecidas ou que apresentavam baixa viabilidade para o desenvolvimento do turismo, vêm conseguindo apresentar bons resultados. As ações dos governos federal, estaduais e municipais, devidamente engajados com o propósito, a interiorização do turismo, incentivado com eventos, no caso de Martins, Portalegre e Pau dos Ferros, com os festivais gastronômicos, podem e devem ser incentivado e direcionado às demais cidades do interior. Para isso, é preciso utilizar-se de instrumentos apropriados para esse alcance, como: facilidades de acesso, que no caso das serras potiguares, as estradas que dão acessos estão em boas condições; mais cuidados com a segurança, limpeza pública, sinaliza-

ção adequada e infraestrutura, sem deixar de contar com o apoio do poder público e do empresariado local. Com as ações do Polo Serrano, espera-se melhor divulgação desses destinos que pode ser aplicada por qualquer cidade ou região, independentemente de seu potencial, porque, aos poucos, os grandes centros urbanos vão se saturando, além dos fatores negativos com a violência, engarrafamento do transito, possibilitando o surgimento de novos mercados e interesses do turista em conhecer novos destinos. Em Martins, Portalegre e Pau dos Ferros, já se pode avaliar os resultados do turismo de eventos, como os festivais gastronômicos, que estão contribuindo de forma decisiva para o incremento de muitos ramos de atividade econômica. É importante observar que os impactos nas cidades sobre a renda e o emprego são altamente positivos, mostrando a abrangência e intensidade dos efeitos diretos e indiretos.


EXECUTIVA

MUITAS OPÇÕES PARA CURTIR E UM ÚNICO SENTIDO:

VIVER

PARQUE AQUÁTICO Águas termominerais - Pedalinho - Pesk Pag

GASTRONOMIA DIVERSIFICADA O melhor da cozinha nacional e internacional

ESTRUTURA MODERNA E FUNCIONAL Acomodações confortáveis - Espaço para eventos e negócios

ACADEMIA E CLUBE DE ESPORTES FAZENDINHA As crianças em contato com tudo que tem no campo

PROGRAMAÇÃO CULTURAL Teatro - Cinema - Folclore - Shows Humorísticos e Musicais

84 3422.1200 - www.hotelthermas.com.br


DiáriodeBordo por Eloá Figueiredo

Braga

Viajante de plantão e Marketing da Master Produções e Eventos eloa.figueiredo@gmail.com

“O berço português encanta seus visitantes com sua história, seus belos jardins e seus moradores” Desembarcamos no Porto e fomos recebidos pelos amigos Nato e Lela, com um a-braço de mais de quinze anos de saudade. Moradores de Braga, eles puderam nos mostrar o melhor dessa encantadora cidade, que é o berço de Portugal. O casal nos proporcionou uma maravilhosa estadia. Apesar do inverno rigoroso, aproveitamos muito dessa cidade com as melhores companhias lusitanas. Braga é uma cidade de aproximadamente 180 mil habitantes e fica no noroeste de Portugal. É uma das mais antigas cidades do mundo. Fundada pelos romanos, a cidade tem uma quantidade enorme de praças, parques e igrejas. É por isso conhecida por muitos como “Roma Portuguesa”. Também é conhecida por suas excelentes universidades e centro tecnológico. As igrejas são belíssimas, em sua maior parte segue o estilo barroco. Fiquei encantada ao conhecer o Santuário do Bom Jesus do Monte, que você pode inclusive subir de elevador (uma espécie de bondinho), ou optar por percorrer todo o belíssimo escadório dos cinco sentidos (com cinco lances de escadas) e conhecer as belíssimas fontes de cada um. Cada fonte representa um sentido: visão, audição, olfato, paladar e tato, nessa ordem. Há também o escadório das três virtudes: Fé, Esperança e Caridade, cada qual com sua fonte. Chegando ao topo da escadaria, após vencer os 581 degraus, pode-se admirar a majestosa igreja e, ao virar-se, contemplar a mais bela vista de Braga. Ufa! Visitamos também o Monte do Sameiro. Sua linda igreja de cúpula branca contrastava com um límpido céu azul. Seus

70

Revista Presença

jardins refletiam como esmeraldas, um verdadeiro espetáculo. Esse santuário mariano é o segundo mais visitado, apenas o Santuário de Fátima está a sua frente. No centro da cidade, próximo ao Palácio Episcopal, fica o Jardim de Santa Bárbara, um dos mais belos de Portugal. Repleto de flores e arbustos esculpidos data do Sec. XVII. Vale muito a pena visitá-lo.

A culinária bracarense tem como ingrediente principal o bacalhau, como em toda região do Minho, e pode ser preparado das mais diferentes maneiras, sempre deliciosas! Em nossa primeira noite, nossos anfitriões nos serviram um delicioso prato de frutos do mar. A cidade tem um grande comércio. Ás quintas, Braga tem um enorme mercado formado por bancas que vendem especiarias, roupas, objetos de decoração, enfim, de tudo um pouco. Partimos de Braga em um comboio que nos levou até Lisboa. Guardo com carinho lembranças dessa cidade tão delicada e bela, onde certamente pretendo voltar outras vezes. Dedico este Diário aos amigos Renato e Valéria, e aos seus queridos filhos Rodrigo, Ramon e a apaixonante Renatinha, em agradecimento aos prazerosos dias que nos proporcionaram.


EXECUTIVA

Um lugar para passar dias inesquecíveis. Mas você vai querer passar a vida inteira. Praias paradisíacas dunas, falésias cheias de grutas, fontes de água doce e areia monazítica. Bangalô com piscina privativa e espelho d’água tv, ar-condicionado, frigobar, telefone, banheira, sacadas com redes na varanda. Salas de vídeo e jogos Spa para massagem e relaxamento Bar e Restaurante Mirante, quiosques, cadeira à beira-mar

Icapuí/CE (a poucos quilômetros de Mossoró/RN) Reservas: 88 3432 4149 / 34324155 hotelcasadomar@bitwave.com.br www.hotelcasadomar.com.br


AluisioBarros por Aluisio Barros

Nine out of ten movie stars make me cry 1. Milton Hatoum no Cinema. A literatura do amazonense Milton Hatoum está em alta entre diretores e afins. O impagável Dois Irmãos está sendo adaptado por Luiz Fernando Carvalho (de Lavoura Arcaica), Relato de Um Certo Oriente será filmado por Marcelo Gomes (de Cinema, Aspirinas e Urubus) e Órfãos do Eldorado receberá adaptação de Guilherme Coelho (do documentário Fala Tu). 2. A propósito, Manaus, que sempre tem sido a cidade de encantadoras lembranças do autor, será trocada, no próximo romance, pela Paris dos anos 70 e 80. 3. Você ainda resiste a Milton Hatoum? Pois, pois, diria Elesbão. Sua obra já foi traduzida em 12 línguas e publicada em 14 países. Prêmios literários? Ganhou todos. É o que há, suspira Rachel, aluna de literatura comparada. 4. Canta, Maria Rita, Canta. Desnecessariamente, ela sempre evitou a todo custo qualquer comparação ou ser colocada à sombra da mãe. A questão é que amávamos demais Elis e tomar conhecimento que a menina Maria Rita – óculos fundos de garrafa, magricela – havia se tornado uma cantora... e ainda nos vinha com o tom de voz quase quase parecido... foi demais! Pois bem, fica o dito e o redito por não dito, mas canta, Maria, canta, como se fosse brincadeira de roda! 5. O Projeto Redescobrir Elis está sendo preparado a regua e compasso para acontecer em 2012, o ano em que se completam 30 anos da morte de Elis Regina: uma exposição itinerante e interativa, um site-espelho da obra, um livro, um documentário e cinco apresentações gratuitas de Maria Rita cantando o repertório da mãe em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Recife. Enfim, o testamento será aberto! Gracias a la vida! 6. Bruna Surfistinha… pode não ter sido o filme do ano, mas a interpretação de Debora Secco está irrepreensível. 7. Priscila - A Rainha do Deserto, musical de Stephen Elliot, em cartaz há mais de três anos na West End, em London, estreou na Broadway, em New York, no The Palace Theatre. Very chic. 8. Enquanto isso, no Teatro Alfa, em São Paulo, começou a temporada de Evita, o musical de Andrew Lloyd e Tim Rice que recolocou no imaginário popular a imagem da ex-primeira dama argentina, Eva Peron. Daniel Boaventura (dos musicais My Fair Lady e Chicago) no papel

72

Revista Presença

Professor universitário e poeta. alu_oliveira@uol.com.br

de Perón e Paula Capovilla, que já esteve em grandes muscais, como Cole Porter - Ele Nunca Disse que me Amava, viverá o papel de Eva Perón. A temporada vai ser curtíssima. Vale como programa para quem está solto em Sampa. 9. Assim Caminha a Humanidade. Viver... como Elizabeth Taylor: intensamente, e ser simplesmente Liz Taylor ao apagar das luzes do écran, mesmo com cinco indicações e dois Oscars. 10. Aqueles ojos... Desejada por todos os homens, no tempo em que os homens se enamoravam das estrelas do cinema, Elizabeth Taylor, em 66 filmes, foi desejada, amada e reverenciada como uma das mulheres mais bonitas de todos os tempos. Aqueles olhos de cor azulvioleta a competir – e sempre ganhar - com o brilho dos diamantes. Duas vezes Richard Burton, em seus oito casamentos, sete maridos! 11. A partir dos anos 80, logo após a morte de Rock Hudson, num tempo em que ninguém ousava ter o seu nome associado à doença, destaque-se o seu pioneirismo no desenvolvimento de ações filantrópicas, levantando fundos para as campanhas contra a AIDS. 12. Elizabeth Rosemond Taylor (1932-2011). I’m alive, Lassie! Nine out of tem movie stars make me cry.

Elizabeth Taylor - 1964


Revista Presença - Ed 32  

Melhor revista de Mossoró.

Revista Presença - Ed 32  

Melhor revista de Mossoró.

Advertisement