Page 327

Ele aproximou-se e pousou a mão no ombro dela. — Jael, ela só quer que você ponha isso para fora. Caso contrário, como suportará tudo o que está por vir? Subitamente, aquilo que não podia ser mais contido, explodiu. Jael colocou o rosto entre os joelhos e chorou o que tinha que chorar. Ela jogou sobre Nathan tudo o que estava sentindo, e também o que sentiu e o que passou em Babilos. O medo, a dor, a vergonha por ter sido açoitada como um animal. — A tortura tira a dignidade que existe dentro de você – ela sussurrou entre lágrimas. – E quando você pensa que acabou, vem a revelação de que foi usada em seu próprio corpo, a fim de prejudicar aqueles a quem ama. Ela enxugou o rosto com a manga da túnica. — Eu não queria despejar isso sobre Deborah. Não é algo que eu gostaria que ela soubesse. Não por mim, mas por ela. Uma coisa é se estar consciente de que vai ter que passar por algo assim, como ela parece estar, mas outra, bem diferente, é vivenciar aquilo. Eu não poderia contar pra ela. — Eu entendo você – Nathan falava a verdade. – Mas, agora que conseguiu chorar e soltar um pouco essa dor, volte. Ela precisa do seu apoio. Jael concordou. — Obrigada por me ouvir calado, Nathan. — Acho que lhe conheço um pouco, Jael. Ela sorriu e beijou a mão dele em agradecimento. Deborah estava sentada na sombra de uma árvore. De lá, ela observava a muralha da cidade e o movimento das amazonas sobre os muros de Salema. Maalá se aproximou trazendo alguém com ela. Deborah reconheceu o velho Silas e correu para abraçá-lo. O homem sorriu feliz ao reencontrá-la. — Minha caravana se atrasou este ano – ele explicou. – Fomos proibidos de entrar por causa do cerco. Fico feliz por isso ter acontecido. Se eu estivesse lá dentro, talvez não surgisse uma oportunidade de rever você. — Conte-me como tem andado sua vida, Silas. Acredito que tenha muitas histórias para me distrair. Deborah passou o dia na companhia de Silas. O velho amigo lhe fez esquecer os problemas com suas histórias de viajante. Quando ele voltou para sua caravana já estava anoitecendo. Ela encontrou Jael a sua espera na tenda e sorriu ao vê-la. — Senti sua falta, minha irmã. — Nathan me ajudou – ela sabia que Deborah entenderia. – Eu estou bem agora. Deborah decidiu que não pressionaria mais Jael com perguntas. Elas tinham tão pouco tempo. — Que tal um pouco de treino? – Jael convidou.

Saga Os Tronos da Luz : A Profecia de Hedhen - Cristina Aguiar  

A Profecia de Hedhen – Os Tronos eram forças que reinavam nos dias antigos com o título de “Luminares”, e através deles, a luz era derramada...