Page 200

Ela virou-se de costas com as mãos na cabeça e o corpo meio curvado. Parecia lutar contra algo dentro dela mesma. Sua atitude era a de uma pessoa que, em meio ao terror, não sabe para onde ir. Após longos minutos de angústia para todos, ela parou e olhou para cima soltando um grito, não de dor, mas de desespero. Após isso, ela correu para dentro da gruta, sumindo na escuridão. Lá dentro, no mais fundo da gruta que ela pôde ir, a batalha contra a própria vontade continuava. — Por que isso? Eu já não fiz o bastante? – ela gritava, enquanto as imagens se formavam novamente em sua mente. Ela ajoelhou-se entorpecida pelo fluxo das imagens que via. Era como uma chuva de setas em seu cérebro. Eram imagens terríveis. Imagens que se cumpririam caso ela aceitasse o que estava escrito. As imagens continuaram e ela viu como seria o final definitivo. Aquilo lhe deu esperanças e ela pôde buscar forças para fazer o que era certo. Ela sentia o corpo desfalecer pelo choque da revelação. Quando percebeu estava deitada no chão. Uma certeza, no entanto, veio ao seu coração naquele momento. O triunfo final dependia de sua total obediência. Ainda faltava aceitar o que a Profecia exigia em voz alta e clara e, o mais difícil, ratificar sua decisão com um pingo de seu próprio sangue. Forçando-se a levantar, ela percebeu que não havia outro caminho a seguir. Não havia opções disponíveis para ela. Era aceitar e triunfar ou virar as costas e ver o mundo ser coberto eternamente pelas trevas. O fim de Hedhen. Ela jamais escolheria o segundo caminho, por mais difícil que o primeiro parecesse. Ela voltou até a plataforma e encontrou os amigos a olharem para ela em um desespero contido. Ela abaixou-se e apanhou a Profecia com a mão ainda trêmula e a ergueu para o alto. — Eu aceito o que está escrito na Profecia – ela falou alto. – Ela pede que a minha vida seja entregue para que a luz triunfe. Jael sentiu o coração se contrair no peito. — Não... – ela sussurrou. Hulda foi amparada por Nathan, que também parecia em choque com a revelação. — Eu decidi obedecer todos os passos que me são propostos, por mais difíceis que sejam e... – ela hesitou e fechou os olhos, em seguida respirou fundo e continuou: — também aceito os termos em que... Em que isso será feito... Assim diz a Herdeira. Essa é a minha decisão final e definitiva... A voz de Deborah chegou a falhar no final. Ela soltou o papel mais uma vez e puxou uma pequena adaga que estava presa a sua bota. Com ela, fez um corte na palma da mão e deixou o sangue pingar sobre a Profecia, no momento

Saga Os Tronos da Luz : A Profecia de Hedhen - Cristina Aguiar  
Saga Os Tronos da Luz : A Profecia de Hedhen - Cristina Aguiar  

A Profecia de Hedhen – Os Tronos eram forças que reinavam nos dias antigos com o título de “Luminares”, e através deles, a luz era derramada...

Advertisement