Page 1

JMM


ÍNDICE CURRICULUM VITAE VILA RESIDENCIAL PROJETO ARQUITETÔNICO I- 2015.1

LAR DE IDOSOS ATELIÊR INTEGRADO I- 2016.1

ESCOLA MUNICIPAL PROJETO ARQUITETÔNICO III- 2016.2

JUBARI - EDIFÍCIO COMERCIAL PROJETO ARQUITETÔNICO VI- 2017.1

BANHEIRO COLETIVO E CAFETERIA PROJETO DE INTERIORES - 2017.2

DESENHOS ARTÍSTICOS DESENHO DE OBSERVAÇÃO I – 2014.1 PERSPECTIVA – 2015.1 DESENHO DE OBSERVAÇÃO II – 2015.2 DESENHO ARTÍSTICO/AQUARELA – 2017.1


JMM JULIA MARIA B MAIA Brasileira - 21/10/1995 Rua Escultor Sérgio Camargo 123, Apt 101 bloco 1 – Jacarepaguá –Rio de Janeiro +55(21)972119331 juliamariabarbosa@gmail.com https://www.linkedin.com/in/julia-maria-barbosa-maia-64903714a


FORMAÇÃO ACADÊMICA 2010 - 2013 2014 - Jan/2020 Urbanismo

Colégio Cruzeiro Centro Universidade Federal do Rio de Janeiro - Faculdade de Arquitetura e

FORMAÇÃO COMPLEMENTAR

2012 Intercâmbio de línguas em Tübingen, Alemanha – 60dias 2016 Oficina de desenho de Imersão em Paraty – 120h 2017 Curso Desenho Digital – In Lumini CG – 40h 2017 Monitoria Estruturas de Concreto Armado I 2017 Pesquisa voluntária: O tecido urbano sob pressão do BRT no subúrbio do Rio de Janeiro - infraestrutura de transporte, espaço público e privado 2018 Bolsista pesquisa: Conectividade das estruturas de mobilidade urbana nas favelas da zona sul do Rio de Janeiro 2018 RIO-METRÓPOLE: atividade de extensão RUA-UFRJ 2018 Expofuga - Exposição de Perspectiva

IDIOMAS Inglês fluente Alemão básico

Formação Cultura Inglesa Exame de proficiência DSD - B1

HABILIDADES

SketchUp AutoCAD Adobe Photoshop CC CorelDRAW Graphics Suite Adobe Illustrator CC Archicad ArcGIS Pacote Office

ÁREAS DE INTERESSE

Arquitetura e urbanismo Planejamento urbano Representação Gráfica Mobilidade urbana


REFERÊNCIAS PROJETUAIS: Retiradas

do livro "Vilas Cariocas:

Estudo de caso", de Alfredo Luz

CONDOMÍNIO DOS COQUEIROS-Barra da Tijuca

BAIRRO SAAVEDRA-Flamengo

VILA CASTELINHO-Grajaú

VILA RESIDENCIAL PROJETO ARQUITETÔNICO I - 2015.1 TAXA DE OCUPAÇÃO: 965m²

TAXA DE CIRCULAÇÃO: 707,42m²

ÁREA LIVRE/VERDE: 2127,58m²

IDEIAS INICIAIS DE IMPLANTAÇÃO: VILA INTEGRADA AO ENTORNO - Elemento integrador: praça, usada tanto pelos moraores da vila quanto pelos do entorno - Utilizar do formato irregular do terreno para criar áreas de transição entre o mais público e o mais privado Casas de um quarto com um pavimento Mais estreito, mais privado

CASO 1: TIPOLOGIA 1

Mais amplo, mais público

Apesar de menor, ser toda no térreo lhe possibilita uma vantagem sobre as outras

Casas de 2 e 3 quartos com 2 pavimentos

CASO 2: TIPOLOGIA 2 E 3

Zona de estacionamento concentrada

Problemas:

Solução:

-Longe do agrupamento de casas de 2 e 3 quartos, poluição para as casas de 1 quarto

Estacionamento opcional atrás de cada casa junto ao jardim, podendo reverter à mais área de jardim.

-Caráter de estacionamento público, usando área útil da vila

Criação de uma nova área comum verde, mais privada que a praça


:

LEGENDA PISO:

ÁREA INTERMEDIÁRIA

RUA DAS PAPOULAS

Concreto (IMPERMEÁVEL) Concregrama (PERMEÁVEL)

LOTE

SO VENTO PREDOMINANTE

Argila porosa (PERMEÁVEL) Deck de madeira (PERMEÁVEL) VEGETAÇÃO:

Grama Cerca viva

OBS.:

Espaço do jardim reversível à vaga

BRISA DIURNA

BRISA NOTURNA

*Shed direcionado para o aproveitamento dos ventos e da iluminação natural que vem do sul, com pouca incidência solar

(Piso original = grama)

LOCALIZAÇÃO: Rua das papoulas - Cidade Universitária, Rio de Janeiro PROPOSTA: Construção de uma vila residêncial para moradores da Cidade Universitária. O programa inclui 15 unidades habitacionais geminadas com três diferentes dimensões. Projeto arquitetônico e paisagístico Projeto individual

PERSPECTIVA GERAL

PISTA DE SKATE

ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE PARQUINHO

VISTA AA

VISTA BB

IMPLANTAÇÃO


LAR DE IDOSOS ATELIÊR INTEGRADO I- 2016.1


RUA MORAES E VALE

LOCALIZAÇÃO: Rua da lapa, 89 - Centro, Rio de Janeiro PROPOSTA: Construção de um lar de idosos em um contexto urbano movimentado. Projeto arquitetônico, paisagístico, estrutural e de instalações prediais. Projeto individual

Delimitar subárea com pequena mureta vegetal, proporcionando mais privacidade

RUA DA LAPA

Plano vertical marcando o desenho de piso e diferenciando área pública de uma área eclusiva dos idosos. Possui diferentes alturas e pemeabilidade visual para possibilitar comunicação quando convém.

Paginação de piso adentra o térreo do edifício, interligando área pública com interior do prédio privado e indica o eixo de circulação dentro do edifício

TÉRREO E PLANO DE MASSAS

O projeto do lar de idosos tem como foco trabalhar as diversas possibilidades de integração: no meio visual, espacial e social. A intenção é aproveitar o máximo dos potenciais existentes do local. Para isso o edifício foi implantado com uma área livre maior voltada para a Rua Moraes e Vale, proporcionando um ambiente mais tranquilo, resguardado do barulho e da dinâmica da Rua da Lapa. Em contrapartida, o mesmo movimento da Rua da Lapa é valorizado para induzir o público para o interior do terreno por meio de um térreo com a presença de comércio. A atração do público é valorizada no projeto para um uso misto do espaço, de modo que se assemelha às características de galerias comerciais.


FACHADA 1: RUA DA LAPA

Segundo Herman Hertzberguer em Lições de Arquitetura: “O conceito de galeria contém o princípio de um novo sistema de acesso no qual a fronteira entre público e privado é deslocado e, portanto, parcialmente abolida (...) O espaço interior setorna mais acessível,equanto o tecido das ruas se torna mais unido”. Dessa forma, o espaço ganha uma noção deintegração que é reforçada por esse conceitoao integrar não somente as ruas, mas também o espaço da rua com oterreno, criando áreas de uso público em um interior privado.

FACHADA 2: RUA MORAES E VALE

Como a implantação se congurou para aproveitar as características já presentes no local, o eixo longitudinal sobressalente foi utilizado para compor um grande bloco onde se localizam a maior parte dos quartos, criando assim uma circulação principal interna. Esse eixo é rompido por um volume perpendicular, formando um pórtico na Rua da Lapa que atrai o público para o interior do terreno e ao mesmo tempo preserva o eixo de quartos do movimento da Rua da Lapa. Por último, é adicionado um bloco menor que possui o comércio em seu térreo para convidar o pedestre para o interior do terreno e se comunicar com o entorno de sobrados.


Jardim vertical com duas alturas diferentes: para uma pessoa em pé e para cadeirante, evitando que idoso tenham que se abaixar para trabalhar na terra

CORTE AA

A relação com os sobrados remete também à ideia de integração. Esse vínculo ocorre tanto na forma estreita e longitudinal do edifício como na sua setorização, de forma que o setor público-comercial se encontra no térreo e o privado-residencial nos pavimentos superiores. Já os compartimentos comunitários se posicionam adjacentes aos públicos para criar um ambiente de comunicação entre residentes e exterior, ao mesmo tempo em que estão protegidos debaixo dos pilotis. O setor dos serviços, devido sua necessidade de servir às necessidades dos residentes, se encontram entre os usos comunitários e residenciais e estão interligados por uma mesma circulação vertical, como forma de facilitar esse acesso.

CORTE BB

CORTE CC

Na fachada mais extensa cobogós de cerâmica reforçam a modulação existente. Os cobogós são utilizados como forma de regularizar a luminos dade por ser a fachada norte e providenciar uma privacidade maior para as varandas dos quartos. Uma comparação pode ser feita com o Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes, mais conhecido como Pedregulho, de Affonso Eduardo Reidy, que demonstra a utilização do fechamento com cobogó para criar um jogo de luzes.


ESCOLA MUNICIPAL PROJETO ARQUITETÔNICO III - 2016.2


LOCALIZAÇÃO: Rua Conde de Bonfim - Tijuca, Rio de Janeiro PROPOSTA: Construção de uma escola pública municipal de Ensino Fundamental I para crianças das comunidades ao redor do terreno. Projeto arquitetônico e paisagístico Projeto em dupla

FAVELA CASABLANCA

ÃO

L

SO

IR DE ME

MA R

A RU

ON AF

A

S PÁ SA

TA

HOSPITAL SÃO FRANCISCO NA PROVÍNCIA DE DEUS

IGREJA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

RU

RU

S RO

A SC CA DA

DA

A RU

L OE

ID EN V A

OS

AN AM RU

AC AN Ã

. TV

AS RU

E GU MI

A

IN UL A P

O

E GU NO

A

JO

CE

NA LI

F

S DE N NA ER

IRA

FAVELA FORMIGA

O projeto da Escola Municipal surge do conceito da escola como um lar. O lar não necessariamente está associado à casa, que pode ser somente o lugar pelo qual se vive. Lar possui um sentido de um lugar acolhedor, familiar, confortável, de aprendizado, de conforto e prazer. Com essa intenção de projetar um espaço que proporcione felicidade e boas lembranças às crianças que utilizarão esse espaço, foram usadas três características que resumem o que um lar significa para nortear o projeto: aprendizado, identificação e acolhimento. APRENDIZADO: A vida é um caminho a se percorrer, um caminho difícil, porém com a preparação certa, a busca pela felicidade pode ser mais simples e mais prazerosa. Assim, a implantação surgiu inicialmente de forma a criar um eixo de acesso pela escola, que devido a declividade do terreno, foi necessário a criação de platôs para os diferentes blocos. IDENTIFICAÇÃO: O reconhecimento das suas origens é um passo importante para a formação da identidade como indivíduo. Com isso, houve uma preocupação não apenas de projetar uma construção que conversasse com seu entorno imediato, mas também que fizesse uma releitura das favelas que circundam a área da escola, levando em conta que a escola servirá para nutrir uma demanda dessas comunidades. ACOLHIMENTO: Toda a sociedade é responsável pelo amparo das crianças, tanto físico quanto emocional. Deste modo, as salas voltadas para o interior do terreno, rodeado por vegetação, traz uma maior intimidade e proteção para os alunos. Quando as aberturas das salas ocorrem todas para o mesmo centro, a arquitetura convida para a socialização.


Outros espaços de convívio são gerados a partir de ligações dos blocos fragmentados, que também atuam para poder acessar toda a escola com proteção solar e da chuva. Um pátio coberto com pé direito duplo acolhe o contingente de alunos na hora da entrada e saída. O acesso principal dos pavimentos ocorre pela rampa presente nesse pátio na entrada do colégio, por ela todos os caminhos são possíveis: acesso aos pavimentos superiores do primeiro bloco e ao bloco das salas, que são divididas por platôs que se conectam por rampas intermediárias. Alguns blocos das salas também possuem pavimentos superiores, que também são acessados pela rampa principal, e são conectadas por uma passarela em comum. Ao final da passarela, encontra-se o acesso para a complexo da quadra poliesportiva, e uma rampa exclusiva para o acesso as salas multiuso, isoladas no terceiro andar do último bloco de salas.

FACHADA 1

FACHADA 2

FACHADA 3


Estão presentes nos blocos das salas de aula e são voltadas uma para outra, dando de para uma vasta área livre na qual os parquinhos estão localizados.

As salas recebem uma pintura em pelo menos e uma de suas quatro paredes , sendo elas entre amarelo, verde, rosa e azul, cores encontradas da fachada e por toda a escola, estando dos brises, nas carteiras, nas mesas.

As sacadas servem tanto de passagem como para uma socialização, espaço também de interação das crianças.

Uso de uma vedação que permite uma permeabilidade dos ventos, que proporciona essa dinâmica do cheio e vazio na quadra.

A região na qual o projeto da escola está situada apresenta um relevo assentuado, e para isso as rampas são fundamentais nessa escola: interligam os blocos de salas, o principal e o de serviço. Assim o projeto possibita o acesso a qualquer pessoa, incluindo as que tem uma necessidade específica

FACHADA 4

FACHADA 5


CORTE AA

CORTE BB


CORTE CC

CORTE DD EVOLUÇÃO IMPLANTAÇÃO:


JUBARI PROJETO ARQUITETÔNICO VI - 2017.1

Em um terreno rodeado por uma área que recebeu muitos investimentos nos últimos anos, com uma vida noturna expressiva, mas pouco usufruída pelos pedestres de dia e sem muitos espaços de lazer, o JUBARI quebra os parâmetros dos edifícios do entorno e conecta as três ruas do seu perímetro. O retrofit ocorreu a partir de interferências apenas nas áreas do centro do edifício e das circulações verticais, possibilitando assim um ambiente de trabalho dinâmico com um pátio central, mantendo os aspectos da sua fachada antiga. Ele se configura em dois volumes, sendo um existente e outro criado para acomodar espaços de co-working, que com sua fachada que hora é uma continuação da antiga, e hora contrasta com a sua permeabilidade visual com o intuito sugerir um novo ritmo e uso para a calçada.

Espaço co-working: abertos e em salas privadas


LOCALIZAÇÃO: Esquina Av. Venezuela, Av. Barão de Tefé e Rua Coelho Castro- Saúde, Rio de Janeiro PROPOSTA: Retrofit do antigo edifício do IAPETEC para construir um edifício comercial com salas comerciais, espaço de co-working e sede de uma empresa. Projeto arquitetônico e paisagístico Projeto em dupla

Entendemos que a região necessitava de um espaço de convívio e que a calçada tinha que desempenhar seu papel como os olhos da rua, levando em consideração as três condições para a segurança de Jane Jacobs. Ela propõe, então, três condições para que haja pessoas suficientemente nas ruas de forma que elas exerçam a vigilância natural sobre os espaços públicos e, com isso, diminuam a violência: “Deve ser nítida a separação entre o espaço público e o espaço privado; Devem existir os olhos da rua; A calçada deve ter usuários transitando ininterruptamente.” Para isso, o projeto possui o térreo permeável e com lojas abertas, tanto para a rua quanto para a praça que há no edifício. Assim como comentado por Jane Jacobs, usamos a calçada e as ruas para integrar e criar áreas de convivência, ocupando toda essa região e não criando empenas e obstáculos para os pedestres.

EMPRESA CO-WORKING SALAS COMERCIAIS

PLANTA TÉRREO

Patio térreo para convívio da vizinhança e dos utilizadores do edifício


FACHADA NORTE - AVENIDA VENEZUELA

PLANTA 1째 PAVIMENTO

PLANTA 2째 PAVIMENTO

PLANTA 3째 PAVIMENTO

PLANTA 4째 PAVIMENTO


FACHADA OESTE - AVENIDA BARÃO DE TEFÉ

FACHADA SUL - RUA COELHO CASTRO

PLANTA 5°/6°/7° PAVIMENTO

PLANTA COBERTURA

CORTE AA

CORTE BB


BANHEIRO COLETIVO PROJETO DE INTERIORES - 2017.2


PROJETO DE INTERIORES - 2017.2

CAFETERIA


DESENHO DE OBSERVAÇÃO I – 2014.1

DESENHO DE OBSERVAÇÃO II – 2015.2

PERSPECTIVA – 2015.1 DESENHO ARTÍSTICO – 2017.1

DESENHOS ARTÍSTICOS

Portfólio - Julia Maria Maia - FAU UFRJ  
Portfólio - Julia Maria Maia - FAU UFRJ  
Advertisement