Page 1

GUIA

CRIATIVO E PRÁTICO

PARA A PRODUÇÃO CASEIRA DE LIVROS

INDEPENDENTES Júlia Filgueiras G. Dutra


GUIA CRIATIVO E PRÁTICO PARA A PRODUÇÃO CASEIRA DE L I V R O S INDEPENDENTES Júlia Filgueiras Galvão Dutra


© 2014 Penguin Título original Guia Criativo e Prático Para a Produção Caseira de Livros Independentes Conselho editorial (Design) DANIELA LUZ E SÉRGIO LUCIANO Preparação JÚLIA FILGUEIRAS GALVÃO DUTRA Design da capa JÚLIA FILGUEIRAS GALVÃO DUTRA Imagens FONTES DIVERSAS Nesta edição respeitou-se o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa Dados Internacionais de Catalogação de Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dutra, Júlia [1991-] Guia Criativo e Prático Para a Produção Caseira de Livros Independentes Belo Horizonte, 2014 ISBN 978-85-8050-004-2 1. Introdução 2. Impressão 3. Encadernação 12-12095 Júlia Filgueiras Galvão Dutra Rua Dona Cecília, 275/404 - Serra 30220-070 Belo Horizonte, MG Tel. [55 31] 3284-4200

Este livro foi projetado por Júlia Filgueiras Galvão Dutra para um trabalho da disciplina Prática Projetual III, ministrada pelos professores Daniela Luz de Oliveira e Sérgio Luciano da Silva, na Universidade do Estado de Minas Gerais. Sua impressão foi feita na gráfica Astergraf, em Belo Horizonte. A fonte do texto é Avenir, projetada por Adrian Frutiger. Os títulos foram compostos pela fonte Canter, projetada por Christopher J. Lee. O papel é o Color Plus Alaska 120g/m².


Dedico este livro a todos aqueles que possuem em si o desejo de fazer sua vida com as pr贸prias m茫os.


INDEPENDENTE, adj. livre, aut么nomo. in.de.pen.den.te


NOTA DA AUTORA Este livro é para todos aqueles que amam livros, como eu. Para todos aqueles que acreditam que o livro tem um poder inominável de mudar uma vida e, por isso, tem um caráter mágico. Pensando assim, decidi mostrar que é possível criar mágica com as próprias mãos, sem depender do voraz mundo editorial. Se você tem vontade, mas não tem dinheiro, aqui é seu lugar. Se você tem dinheiro, mas tem vontade de ser diferente, criativo, único e colocar seu suor em sua publicação, aqui também é seu lugar. Se você está aí, sentado lendo essas palavras, você encontrou o guia que vai te auxiliar a produzir o que bem entender. A intenção aqui é abrir o máximo de portas, janelas, caminhos, espaços para que você tenha a oportunidade de se renovar, conhecendo novas (ou não) técnicas e aprendendo a colocá-las em prática. Bem vindo(a) ao mundo do faça você mesmo, se você é novo. Alô colega do DIY, se você já adora colocar a mão na massa. Bem vindo(a) ao meu guia inicial para a produção caseira de um livro independente. Lembre-se sempre: criar não tem limites.


ÍNDICE INTRODUÇÃO 10 exemplos de inspiração 12 para começar 17 PARTE 2 - ENCADERNAÇÃO materiais gerais 23 tipos de encadernação 24 dobra sanfona 26 caderno único 30 vários cadernos 34 japonesa 40 PARTE 3- IMPRESSÃO martelando plantas 47 escrevendo com lã 50 xilogravura 53 colagem 57 impressão doméstica 61 escrita à mão, desenho, pintura 62 máquina de escrever 65 Bibliografia

66


INTRODUÇÃO A SÉRIE HARRY POTTER

A MAIS RECENE COMÉDIA ROMÂNTICA DE SUCESSO NOS CINEMAS

LIVROS PUBLICADOS PELAS GRANDES EDITORAS

Talvez você queira registrar a vida de seu avô com seleções de suas memórias. Você pode precisar fazer um catálogo em cores para um evento. Talvez um edifício maravilhoso, antigo, próximo de onde você mora esteja prestes a ser demolido e um livro sobre a história do local possa ajudar a salvá-lo. Se você trabalha com crianças, um livro com poesias feitas por elas pode ser um grande estímulo para seu aprendizado. Se você tem algum conteúdo que deseja compartilhar e quer dar a ele um formato original e organizado, este guia o ajudará nesse projeto. O aparecimento de publicações independentes faz parte do que o escritor Chris Anderson chamou de “a cauda longa”. De acordo com Anderson, a era das mídias de massa está chegando ao fim. Agora vivemos em um mundo que tem espaço para uma variedade enorme de conteúdo para uma diversidade infinita de pessoas. O pico atenuado, mas delgado do gráfico de Anderson representa os bestsellers – “sucessos” que costumavam ditar o mercado. A parte longa e estreita representa os produtos de nicho que vendem muito menos cópias, individualmente, do que qualquer bestseller, mas conjuntamente, representam uma parcela cada vez mais ampla do mercado. A cauda longa é composta por blogs, música e vídeos independentes, zines, livros e romances de tiragens baixas e inúmeras outras iniciativas de pequena escala, orientadas para nichos.

O FILME B CULT QUE VOCÊ ALUGOU NA LOCADORA O ZINE LITERÁRIO DO SEU COLEGA DE FACULDADE

10

ESTE LIVRO


A cauda longa é alimentada pela democratização de ferramentas de produção (como softwares para blogs, câmeras digitais e Photoshop) e o aparecimento de formas de distribuição baseadas na Web (como Netflix, Amazon, Ebay, Etsy, Youtube, Google). A cauda longa – e a demanda por seus produtos – é praticamente infinita. Em um ranking de arquivos de mp3, ao longo da cauda, passamos das 100 mil musicas mais baixadas, para algo em torno de 500 mil e sempre haverá outras músicas que serão baixadas em algum lugar, por alguém. A vitalidade de uma cauda longa prova que os seres humanos têm realmente sede de algo diferente de Paulo Coelho e Dan Brown. O mundo editorial está se transformando devido a novas atitudes sociais sobre como produzir e compartilhar conteúdo. Um número cada vez maior de pessoas não se vê só como consumidor de mídia, mas também como produtor. Qualquer um que tenha um grande interesse por um assunto – seja tipografia ou colecionar selos – acaba construindo um conjunto de conhecimentos adquiridos da experiência direta e também de cursos, clubes, livros e recursos online e, frequentemente, o amador apaixonado quer compartilhar esse conhecimento com os outros, contribuindo para um banco de dados de informação coletiva. Uma maneira de realizar isso é fazer seu próprio livro, prática que está se tornando cada vez mais fácil.

O FUNK TAILANDÊS QUE VOCÊ BAIXOU SEU LIVRO?

11


INSPIRAÇÃO

12


13


14


15


PARA COMEÇAR Quando queremos fazer um livro, ou qualquer outra coisa, precisamos começar por algum lugar. Esta sessão te ajudará a entender um pouco melhor o funcionamento de fatores envolvendo a produção de um livro (ou revista, zine, álbum...)

17


Quando você pega um livro e o lê, raramente pensa em quem fez o design dele. No entanto, todo livro é feito por pessoas criativas que se detiveram em cada aspecto de sua feitura, desde o tamanho das páginas até o design da capa à forma de encadernação e o papel. Embora a folha de rosto de um livro em geral use uma tipografia pesada e imagens para chamar a atenção, as páginas internas frequentemente são delicadas e discretas, para facilitar o processo de leitura. O design do livro é uma arte. Qualquer pessoa que tente fazê-lo, até mesmo um livro simples, descobrirá rapidamente como essa arte pode ser difícil. Se você for novato em design gráfico, faça suas primeiras tentativas do modo mais simples possível e examine atentamente outros livros, para ter inspiração. Há uma longa tradição na produção editorial e ao projetar seu livro observando os que já foram produzidos, é mais provável que você crie um volume que pareça clássico, profissional e atraente aos leitores.

18


planejamento de um livro Quando decide-se produzir um livro, um importante passo é planejar-se. Como dito acima, a produção de uma publicação demanda muito trabalho e atenção, por isso, é imprescindível. A seguir estão algumas dicas para ajudar no seu planejamento:

Qual é seu orçamento? Qual formato você utilizará? Quais técnicas você utilizará? Quais materiais e ferramentas serão necessesários? Você possui esses materiais? Onde você os comprará? (faça uma lista para te ajudar!) Você produzirá suas próprias imagens ou coletará? Você já tem essas imagens? Qual será a tiragem? Você distribuirá (venda, troca, doação) seu livro para alguém ou algum lugar? Onde? Qual será o preço?

19


ENCADERNAÇÃO

1


2


MATERIAIS GERAIS cola

linha encerada agulha estilete

vincador

sovela

clipe

rĂŠgua tesoura

23


TIPOS DE ENCADERNAÇÃO capa dura com cola

costura manual espiral

grampo lateral

costura japonesa

24


fita garra plรกstica

grampo canoa parafuso

25


DOBRA SANFONA Esse tipo de acabamento é muito utilizado para livros de anotações, catálogos de exposições ou álbums de fotografia. Essa técnica é fácil devido à sua dobra e métodos de construção simples.

MATERIAIS fita dupla face

selecionando o papel Escolha um papel com gramatura média para esse projeto (120 a 180 g). Se o papel for pesado demais, a dobra não ficará boa

26


Corte uma folha de papel em cinco tiras iguais. Neste exemplo as tiras medem 15x55cm. Selecione uma das tiras para ser a capa. Corte 1cm para que a tira da capa fique com 15x54cm.

Meça, marque e faça dois conjuntos de vincos de duas linhas com 13,25cm de distância (quatro linhas no total), a começar das duas pontas externas da capa. Faça o vinco no verso do papel utilizando o vincador. Você deve ter uma lombada de 1cm no centro.

Fome a capa. Dobre cada ponta para o centro mais próximo. Lembre-se de usar um papel de gramatura mais alta para a capa para dar firmeza ao seu livro.

27


Forme as páginas. Com as tiras remanescentes, corte utilizando uma tesoura 1cm da dimensão do comprimento para criar quatro tiras de aprox. 15x54cm.

Dobre as páginas ao meio de acordo com o desenho ao lado. Faça uma marca no centro de cada dobra. Dobre, então faça o vinco com um vincador.

Mantendo o papel dobrado, leve uma das pontas até a dobra, fazendo um vinco no meio, para criar uma dobra francesa. Cada folha dobrada agora terá 15x13,25cm de tamanho.

28


Vire o papel e peque a outra ponta e leva até a borda, criando uma dobra francesa. Dobre as demais páginas da mesma maneira da foto.

Corte dois pedaços de fita dupla face ligeiramente mais curtos que a altura de seu livro. Remova a parte de trás de um pedaço da fita e centralizea para que a metade dela cole na borda da capa e a outra metade permaneça disponível e aderente. Junte a folha com dobra francesa alinhando-a à capa e pressionando para baixo, sobre a metade disponível da fita

Continue a colar e juntar as páginas até que você chegue na última. Pressione a última página à borda de trás da capa da mesma maneira que você fez com a primeira página.

29


CADERNO ÚNICO A costura desse tipo de publicação é a mais simples e a técnica de encadernação mais versátil. Utiliza-se três furos para ligar o caderno à capa. Para livreos maiores, talvez sejam necessários cinco furos para se obter maior estabilidade.

MATERIAIS

selecionando o papel Prefira um papel não muito pesado para as páginas (120 a 180g) e um cartão mais pesado para a capa (200g para cima).

30


Montando a capa. Corte uma folha de capa do tamanho adequado e marque o meio. A capa pode ter 3mm a mais que as páginas internas, você decide. Dobre com cuidado para formar a capa.

Dobre as folhas internas para formar os cadernos e coloque-as dentro da capa. Fure o centro da lombada, passando por todas as páginas de uma só vez. Usando a sovela, faça dois furos com igual distância a partir do centro (fazendo três furos). Dependendo do tamanho da publicação, furos adicionais podem ser adicionados.

Corte um pedaço de linha três vezes a altura do livro. Passe a linha na agulha e comece a costurar a partir do furo central para fora, envolvendo todas as folhas e a capa. Deixe um pedaço da linha longo o suficiente para amarração na etapa final.

31


Do furo central, passe a agulha para fora e a reintroduza no furo de cima de fora para dentro, de novo, envolvendo todas as folhas e a capa.

Do furo de cima, passe a agulha direto para o furo debaixo de dentro para fora, pulando o furo do meio.

Do furo debaixo, passe a agulha de fora para dentro no furo do meio, tomando cuidado para nĂŁo enroscar a agulha e a linha com a linha que jĂĄ estĂĄ costurada.

32


Puxe para apertar Depois de passar pelo furo do meio (de fora para dentro), tire a agulha e puxe levemente as duas pontas soltas. Amarre-as dando um nó.

Corte o excesso de linha, deixando o suficiente para mais um nó. Lembrese: para o nó não aparecer na lombada do livro, comece a costurála pelo lado interno das folhas para fora, incluindo a capa, conforme o descrito no item 2 da página anterior.

33


VÁRIOS CADERNOS Para publicações com vários cadernos, cada um deles é costurado diretamente na lombada da capa. Portanto, quanto mais cadernos, mais larga a lombada será.

caneta

MATERIAIS

selecionando o papel Prefira um papel não muito pesado para as páginas (120 a 180g) e um cartão mais pesado para a capa (200g para cima).

34


Para criar a capa, reúna os cadernos dobrados para determinar a espessura da lombada. A espessura dos três cadernos reunidos corresponderá à espessura da lombada. Estabelecida a espessura faça uma leve marcação no interior da capa (duas linhas em paralelo) determinando a área de localização da lombada; faça um vinco sobre essas linhas e dobre a capa utilizando a área do vinco.

Faca um molde da lombada. Criar molde ajuda a acertar as posições dos furos que serão feitos na lombada. Uma vez planejado o molde, essas medidas devem ser transferidas para a lombada real. Para fazer um molde, corte um pedaço de papel que seja exatamente do tamanho da lombada acabada, como mostrado na foto.

Marque o molde. Marque três linhas horizontais na posição que você deseja que os furos apareçam na lombada. Evite fazer furos demais e muito próximos, pois isso enfraquece a lombada, reduzindo sua resistência, o que faz com que o livro fique mais frágil.

35


Faça os furos. Uma vez que há três cadernos neste projeto, divida a largura do molde em quatro partes iguais. Faça linhas verticais em cada quarto, ao longo do molde. Os furos serão feitos onde a primeira e a terceira linha vertical se cruzam com as linhas horizontais.

Complete o molde. Os cadernos de fora serão cosurados com a costura tradicional de três furos. As páginas internas serão costuradas apenas com dois furos; marque esses pontos um em cima e outro logo embaixo do ponto do meio.

Posicione o molde sobre a parte externa da capa e, usando uma agulha e uma sovela, faça os furos marcados através do seu molde.

36


Vire a capa de modo que a parte interna fique visível e alinhe cada caderno com os furos correspondentes da lombada. Marque os furos da lombada sobre a linha de dobra central de cada caderno e faça os furos.

Junte o caderno dentro da capa e alinhe os furos. Coloque linha na agulha e comece a costurar da parte interna das páginas e da capa para fora do livro, começando do furo do meio. Deixe um pedaço de linha suficiente para amarração nas etapas finais.

Nesse passo, do meio para cima, passe a agulha pelo furo de cima, de fora para dentro, puxando a linha pela capa e páginas. Não tem mistério, é só seguir a foto .

37


Do furo de cima, passe a agulha pelo debaixo no sentido de dentro para fora do livro, pulando o furo do meio.

Do furo debaixo, passe a agulha de volta pleo furo do meio de fora para dentro, sem deixar sua agulha e linha enroscarem na linha existente.

Depois de passar pelo furo do meio, tire a agulha e puxe levemente as duas pontas soltas da linha. Amarre-as dando um nó em torno do ponto do meio e corte o excesso de linha, deixando suficiente para repetir a operação, se necessário.

38


Segundo caderno (do meio). Esse caderno utiliza apenas dois furos em sua costura. Comece passando a agulha com linha pelo furo de cima, começando da dobra central do caderno para fora icluindo a sua capa.

Passe a agulha pelo furo debaixo para fora da capa para a dobra central do caderno. Quando finalizado, amarre como mostrado no passo 12.

O Ăşltimo caderno ee costurado da mesma forma que o primeiro. Repita as etapas 8 a 12 para acabar a montagem do livro.

39


JAPONESA Esse tipo de encadernação desenvolveuse originalmente na Ásia. Ele lhe permite juntar folhas sem dobra com agulha e linha. Às vezes a encadernação japonesa é usada com dobrasv francesas, mas folhas não dobradas são muito comuns.

MATERIAIS

selecionando o papel Para um livro em brochura, cartão de capa deve ser mais pesado que o usado no miolo. A capa dura, por sua vez, é montada com papelão revestido com tecido ou papelão decorativo.

40


Para as capas, corte dois pedaços de papelão que sejam da mesma altura do bloco do miolo e 0,3cm mais estreitas que a largura dele. Para a lombada, corte uma tira de papelão que tenha a altura e a espessura do bloco do miolo.

Cole a sua lombada no meio do revestimento da capa. Deixe um vão entre ela e as duas placas de papelão em torno de 0,5cm (para a formação de calha de manuseio).

Crie cantos. Corte os quatro cantos do revestimento (que pode ser tecido, papel ou qualquer material da sua escolha) de capa, cerca de 0,3cm de distância da quinta placa de papelão.

41


Dobre as bordas. Aplique na superfície das placas de papelão e cole o revestimento de capa. Após a colagem das placas, aplique cola nas sobras laterais do revestimento (processo conhecido como debrum) e dobre-a sobre a superfície das placas de papelão.

Depois de esperar para que a cola esteja seca, faça a colagem do revestimento interno. Esse revestimento deve deixar a tira de lombada livre. Coloque algumas folhas de papel ou placas de papelão dentro da capa para manter a altura da lombada. Espere secar.

Reúna as folhas do miolo e os elementos de capa. Verifique se as folhas do miolo e capa estão alinhadas. Use uma folha extra de cartão para proteger as capas das marcas do clipe.

42


Faça os furos usando uma sovela. Os furos devem ser espaçados igualmente e seguir a linha da lombada. Marque os pontos a serem furados antes de iniciar o processo.

Costure como demonstrado nas ilustrações aqui ao lado e abaixo. Depois de costurar confira se a linha está bem esticada. Amarre as pontas da linha e dê um nó.

43


24


IMPRESSテグ 1


2


MARTELANDO PLANTAS Esse é um processo extremamente simples, mas que tem um resultado visualmente complexo. Aqui apredenremos como trazer todas as belas cores que encontramos em flores e folhas para uma página de papel como num passe de mágica.

MATERIAIS papel toalha

pinça

martelo

tesoura

flores & folhas

papel poroso

Comece dando um passeio pelo jardim ou pela rua para achar folhas e flores para trabalhar. Elas devem ter cores vibrantes e não ser nem muito suculentas, nem muito secas. É possível que erros aconteçam durante o processo, por isso pegue o máximo possível de plantas.

47


O primeiro passo ao trabalhar com as plantas é retirar qualquer pedaço indesejado como caule, restos de terra, folhas quebradas, amaçadas e etc. Posicione a flor ou folha sobre o papel na posição desejada. Para essa etapa é recomentado que se use uma pinça para que a planta não sofra nenhum dano.

Coloque algumas camadas (de 2 a 4) de papel toalha sobre a planta. O papel toalha funciona melhor para essa etapa, pois ajuda a absorver os líquidos indesejados das folhas.

48

Comece com batidas leves com o lado chato do martelo, isso fará com que as plantas se mantenham no lugar. Continue martelando, tentando atingir todas as áreas da planta para que a transferência seja completa. Ir de baixo para cima e cima para baixo, num padrão constante pode ajudar para que nenhuma parte fique sem bater (se quiser, pode desenhar setas sobre o papel toalha para nortear).


Puxe o papel toalha e cheque seu progresso. Se perceber algum pedaço que não está completo, coloque o papel de volta e continue martelando.

Retire a folha para revelar a impressão embaixo. Cada folha terá um resultado diferente e interessante. Se quiser manter as cores das plantas por mais tempo, pode ser interessante utilizar um spray fixador sobre sua impressão.

49


ESCREVENDO COM LÃ Usando itens encontrados em casa, retirados por exemplo do cesto de reciclagem, essa caneta modificada te permite desenhar com lã em uma superfície coberta com velcro. Quando estiver pronto para desenhar algo novo é só puxar a lã e voilá. É uma ótima forma alternativa de impressão, pois lida com materiais simples, mas que permitem um resultado extremamente único, com traços que saem do básico tinta-papel, lápis-papel, caneta-papel.

MATERIAIS

FITA CREPE

VELCRO

copinho de iogurte

PEDAÇO DE ARAME GROSSO

caneta

50

papelão

rolha


Primeiro, desenhe margens na base de papelão (para aqueles que não sabem como fazer uma margem perfeita com facilidade: é só medir distâncias iguais partindo da borda do papel e marcar e desenhar um retângulo passando por cada uma dessas marcas). Cole o velcro dentro das margens.

O próximo passo é fazer o acabamento com fita de forma a deixar o velcro bem preso à base. É opcional fazer um acabamento na fita para deixá-la mais interessante

Agora é hora de usar a furadeira, que talvez seja a parte mais complicada do projeto. Usando uma broca um fio de cabelo mais grossa que seu arame, faça dois furos no copinho de iogurte, um de cada lado. Depois, faça um furo que atravesse a rolha. Troque a broca para uma que seja um pouco mais fina que sua caneta. Faça um furo no centro da parte de baixo do copinho de iogurte. 51


Passe o tubo da caneta pelo furo e através dele, a lã, fazendo um belo nó na ponta para que a mesma não escape ao utilizá-la para desenhar.

Nesse passo, amarre e enrole a outra ponta da lã na rolha. Segure a rolha com a lã dentro do potinho de iogurte de forma que todos os furos estejam alinhados. Passe o arame por cada um dos furos até atravessar para o outro lado. Sua caneta de lã está pronta!

Aperte a caneta sobre a superfície e comece a desenhar. A lã grudará no velcro possibilitando a criação de linhas. Quando acabar de desenhar, corte com uma tesoura a sobra.

52


XILOGRAVURA A xilogravura é um processo antigo, de provavel oriem chinesa onde se utiliza madeira como matriz e possibilita a reprodução da imagem gravada sobre papel ou outro suporte adequado. É um processo muito parecido com um carimbo. É uma técnica que permite a criação de imagens muito bonitas onde a madeira de suporte é parte fundamental no resultado final. Para quem procura fazer um livro com as próprias mãos, a xilo é uma ótima saída, pois dá a possibilidade de reimprimir uma mesma imagem várias vezes, o que é aglo difícil de ser feito entre as outras técnicas aqui apresentadas.

TINTA PARA XILO

MATERIAIS

PAPEL

goivas MADEIRA espátula

Lápis

polidor curvado

rolo de borracha

53


Desenhe sua imagem em um pedaço de papel com um lápis comum. Se não quiser desenhar, imprimir uma imagem do computador também é uma boa solução. O desenho deve ser dividido entre partes a serem impressas (que não serão retiradas com as goivas e devem ficar em preto) e partes a serem cavadas (que devem ficar em branco).

Vire seu papel com o desenho de frente para a madeira que irá utilizar. Pegue seu polidor curvado e passe com força sobre o papel para que o lápis seja transferido para a madeira.

Levante o papel e veja se o desenho foi transferido com sucesso. Se não, repita o processo. Se necessário (é recomendado), passe o lápis sobre o desenho para reforçar os traços. Sua madeira está preparada para ser cavada e virar uma bela xilogravura.

54


Comece a cavar a madeira. Lembrando que, as partes brancas do desenho são as que devem sair, o que fará com que as partes pretas sejam impressas no papel.

Aplique uma linha de tinta sobre uma superfície (de preferência de vidro). Com a espátula, espalhe e misture a tinta várias vezes até que ela fique lisa e suave (é fácil ver a diferença pela foto ao lado).

Espalhe a tinta sobre uma superfície para que ela cubra todo o rolinho igualmente. Observe a quantidade ideal de tinta pelos sons emitidos ao passar o rolo: deve-se ouvir um leve assobio. Se o som for como velcro, remova um pouco da tinta com a espátula e repita o processo.

55


Role o rolinho sobre sua chapa de madeira finalizada(que chamamos de matriz) movendo-o em todas as direções para que a tinta cubra toda a superfície. Quando necessário, recarregue seu rolinho com mais tinta repetindo o passo anterior.

Assim que cobrir toda a superfície com a tinta, coloque o papel sobre a área de impressão. Aperte o papel para que ele grude bem na tinta.

Deixe secar e pronto! Agora sua xilogravura está terminada. Repita o processo usando desenhos, cores e madeiras diferentes. O resultado é sempre novo e único. A xilogravura é um processo em que a impressão pode ser feita quantas vezes quiser utilizando a mesma matriz, é só repetir alguns dos passos acima.

56


COLAGEM Colagem é um proceso largamente utilizado para a criação de imagens. Desde crianças na escola até designers famosos (como Eduardo Recife, David Carson) a utilizam em suportes diferentes e para diferentes propósitos. A colagem se trata do reaproveitamento de imagens já impressas e, por isso, é uma técnica que cai muito bem para aqueles que procuram produzir sua própria publicação em casa. Você pode utilizar jornais, revistas, fotos antigas e etc para criar sua colagem, o importante é misturar materiais para deixar o resultado final interessante.

MATERIAIS

revistas cola

fotos

tesoura jornais O processo é muito simples: recorte as imagens selecionadas. Cole-as sobre um papel utilizando a cola no arranjo à sua escolha (estude bem a posição das imagens antes de colar, planeje sua colagem para que ela se torne interessante e complexa).

57


58


59


PARA VOCÊ COMEÇAR, AÍ VÃO ALGUMAS IMAGENS:

60


IMPRESSÃO DOMÉSTICA Imprimir seu livro em uma impressora doméstica pode ser uma boa opção. Existem diversos tipos de impressoras por aí e, se você já tem uma, fica fácil produzir sua publicação digitalmente e imprimir sem sair de casa. Essas impressoras caseiras têm algumas limitações, como o tamanho do papel, por exemplo: nem sempre é possível imprimir tamanhos além de A4. Imprimir muitas páginas pode ter um custo altíssimo, especialmente se envolver imagens grandes e coloridas. Uma boa opção para usar essas impressoras é imprimir partes e usá-las em colagens ou imprimir somente o texto.

Impressora a jato de tinta Aparelho mais barato Pode apresentar maior qualidade de cores Cartucho mais barato, mas com menos rendimento Menor velocidade de impressão Impressora a laser Aparelho mais caro Impressão mais resistente, dificilmente fica manchada ou desbota Toner mais caro, mas com maior rendimento Maior velocidade de impressão

61


ESCRITA À MÃO, DESENHO, PINTURA Desenhar, escrever, pintar e tudo aquilo que envolve criar do zero utilizando qualquer forma de tinta, grafite, cor, também é uma incrível ferramenta para enriquecer uma publicação independente. Existe uma infinidade de materiais e técnicas que podem ser utilizados para tal propósito, o que faz com que a gama de possibilidades seja também infinita. Caneta, pincel, lápis de cor, nanquim, grafite, qualquer instrumento ou técnica que quiser usar para criar imagens do zero é muito bem vinda. Mesmo que você não tenha um traço realista, ou acha que sua letra não é tão bonita, o restultado pode ficar incrível: usar as próprías mãos faz com que seu trabalho fique não somente único, mas 100% seu. Misturar técnicas e materiais também é muito interessante. Enfim, seja criativo, seja você mesmo e sinta-se livre para criar o que bem entender!

62


63


COPIE ESSA BICILETA DA MELHOR FORMA QUE CONSEGUIR

64


MÁQUINA DE ESCREVER Fato é: se você se considera um apaixonado por técnicas alternativas de impressão nos dias de hoje, você com certeza possui morando no seu quarto ou sala uma bela e antiga máquina de escrever. Para quem se interessa em impressões não regulares, onde nem sempre uma letra sai exatamente como a outra, máquinas de escrever são uma incrível ferramenta. Dependendo da força com que se tecla, ou da quantidade de tinta que a máquina possui, da qualidade das letras de metal, o papel, tudo influi para que o texto digitado tenha uma belíssima irregularidade.

65


Para quem não sabe como funciona, o processo é simples: cada letra do teclado da máquina está conectado a uma letrinha de metal, que se move para trás quando você tecla. Entre essa letrinha de metal e o papel, existe uma fita com tinta. Quando a letra bate na fita, a tinta que lá está depositada, é transferida para o papel. É importante observar se a fita está bem provida de tinta. Se não, é só trocar e continuar escrevendo. A falta de tinta em alguns pedaços pode dar um efeito interessante também.

abcdefghijklmnopqrstuvwxyz

65


BIBLIOGRAFIA LUPTON, E. A produção de um livro independente. Um guia para autores artistas e designers. São Paulo: Rosari, 2011. 176 p. Imagens: A life sustained Build make craft bake 2 modern Malin Koort My Chicago Botanic Garden Freutcake Pablo Tellechea Craftstylish Tuts+ Pinterest Google

66


24


Este guia tem como intenção auxiliar qualquer tipo de pessoa a produzir livros/revistas/zines de forma caseira e indepentente. Técnicas diferentes e inesperadas irão te dar a oportunidade de abrir a cabeça e mexer o corpo para trazer vida àquele belo projeto editorial caseiro.

Guia Criativo e Prático para a Produção Caseira de Livros Independetes  

Projeto editorial criado para a disciplina Prática Projetual III da Escola de Design UEMG no ano de 2014. O conteúdo foi coletado e organi...

Guia Criativo e Prático para a Produção Caseira de Livros Independetes  

Projeto editorial criado para a disciplina Prática Projetual III da Escola de Design UEMG no ano de 2014. O conteúdo foi coletado e organi...

Advertisement