Issuu on Google+

A4

SALVADOR QUINTA-FEIRA 12/1/2012

SALVADOR REGIÃO METROPOLITANA

Editor-coordenador Cláudio Bandeira

BONFIM Veja o que abre e fecha no percurso do cortejo da Lavagem www.atarde.com.br

salvador@grupoatarde.com.br

Plano antidrogas terá R$ 42 milhões para prevenção e tratamento

SAÚDE Nova unidade em Monte Serrat, parte de plano antidrogas, será a primeira na Bahia nesta especialização

Sede do Couto Maia será hospital para tratar dependentes

JULIANA BRITO

Wagner, ao lado de Solla, assina o plano Viver sem Drogas Raul Spinassé / Ag. A TARDE

DAVI LEMOS

O secretário estadual da Saúde, Jorge Solla, anunciou ontem que a atual sede do Hospital Couto Maia, referência no Estado em tratamento de doenças infectocontagiosas, em Monte Serrat, será transformada no primeiro hospital da Bahia especializado integralmente na atenção à dependência química. O anúncio foi feito no dia em que o governo estadual lançou o plano Viver sem Drogas, no Centro de Convenções (ver texto nesta página). Solla salientou que as dependências do Couto Maia comportarão espaços para lazer e convivência e para a desintoxicação dos dependentes de drogas e álcool. “Não serão necessárias grandes reformas físicas, pois o tratamento nestes casos é clínico”, disse. Um novo Couto Maia – ainda não há definição sobre a manutenção do nome – deverá funcionar a partir de 2014 na mesma área em que hoje está o Hospital Especializado Dom Rodrigo de Menezes, antigo leprosário (em Cajazeiras II), referência em dermatologia. Solla apontou que o prédio atual no Monte Serrat, com 158 anos, não se adequa mais às exigência de uma unidade especializada em infectologia. “Precisamos ampliar número de UTIs, por equipamentos de imagem como tomógrafos, ampliar área para cirurgias, uma série de reformas estruturais que não podem ser feitas naquele local”, ressaltou. Para a construção do novo hospital de referência em infectologia, está previsto o investimento de R$ 23 milhões. “Mesmo com a realização de melhorias na estrutura física, chegamos à conclusão de que o mais adequado seria a construção de uma nova unidade”, apontou o secretário. Na época em que foi construído, diz, os parâmetros para a construção de uma uni-

Atual sede do Couto Maia será requalificada para receber unidade hospitalar de atenção a dependentes químicos

“Vários planos morrem depois da apresentação. Será esse mais um?” ANTÔNIO NERY FILHO, dir. do Cetad

“[o novo Couto Maia] é notícia benéfica para a saúde pública e a infectologia” CARLOS BRITES, infectologista

dade de infectologia era haver espaços ventilados e iluminados. Hoje, exigem-se ambientes climatizados e com equipamentos modernos. A escolha do local foi defendida pelo secretário da Saúde por estar localizada em região para onde vem crescendo a capital. “Fica próximo ao Hospital do Subúrbio. De um lado da BR-324 teremos o Couto Maia, do outro, o Hospital do Subúrbio”. Solla entende que não haverá rejeição à instalação da unidade em Cajazeiras, já que as pessoas sabem hoje que há métodos para evitar contágios. O professor de infectologia da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Carlos Brites, considerou o anúncio do novo Couto Maia um avanço para a infectologia no Estado.

“Lamentavelmente, o Couto Maia vinha sofrendo de carência de infraestrutura, por ser um prédio tão antigo. Por estar fora do eixo central da cidade, será uma dificuldade no princípio, mas creio que é notícia benéfica para a saúde pública e para a infectologia”, considerou Carlos Brites. O novo hospital deve contar com 50% a mais de leitos que o antigo prédio – hoje são pouco mais de 100 leitos.

Outras intervenções

A Secretaria Estadual da Saúde anunciou ainda que dois hospitais especializados em atendimento psiquiátrico no interior do Estado – o Lopes Rodrigues, em Feira de Santana, e o Afrânio Peixoto, em Vitória da Conquista – também serão voltados para o

atendimento de dependentes químicos. No primeiro, são dois mil leitos; no segundo, 200 leitos. A construção do novo Couto Maia faz parte de um pacote de obras que deve ser concluído até 2014. O maior montante será para a ampliação do Hospital Geral do Estado (HGE), cujos R$ 60 milhões em recursos foram garantidos por emenda apoiada pela bancada federal baiana. Além dos recursos para o novo Couto Maia e para o HGE, haverá outros R$ 42 milhões para obras de ampliação e reforma no Hospital Roberto Santos, que inclui construção de unidade de pronto atendimento (UPA), no Hospital Ernesto Simões Filho e no Hospital São Jorge. Fernando Amorim / Ag. A TARDE

SOLIDARIEDADE

Socorro a animal ferido na Av. ACM vira transtorno

O governo do Estado lançou na manhã de ontem, no Centro de Convenções da Bahia, o plano de enfrentamento ao uso de crack e outras drogas, Viver Sem Drogas. Baseado nos estudos da câmara técnica de enfrentamento ao crack e outras drogas, o projeto é coordenado pela Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, em parceria com secretarias do Estado e órgãos do poder público. Vão ser investidos R$ 42 milhões garantidos pelo Plano Plurianual (PPA), que serão utilizados em 14 projetos. O dinheiro será aplicado em ações como a ampliaçãodos Centros de Atenção Psicossocial - Álcool e Drogas (Caps AD), que passarão de 16 para 24 unidades com funcionamento 24 horas. De acordo com o secretário de Justiça, Almiro Sena, ainda não foram definidos os locais de instalação de todos os Caps, mas será dada prioridade aos municípios integrantes do Pacto Pela Vida. O plano é dividido em quatro eixos: a ampliação e preparação da rede SUS; preparação e integração das redes de assistência social, ensino público estadual, segurança pública e justiça; prevenção e reinserção social de usuários; e a criação de um sistema integrado de acolhimento, tratamento e reinserção social de usuários, complementar ao SUS e ao Suas, em parceria com a sociedade civil. Durante o seu discurso, o governador Jacques Wagner ressaltou a importância da multidisciplinaridade como estratégia antidrogas. “Vamos trabalhar em várias frentes, buscando o ideal, embora não tenhamos as condições ideais de orçamento”, disse.

Foco nas pessoas

O médico e diretor-geral do Centro Regional de Referência Sobre Drogas (Cetad), Antônio Nery Filho, acredita que um plano de atenção às pessoas excluídas seria uma estratégia mais eficaz. “Essa é uma direção antiga e fracassada. Esses planos são elaborados fora do real”, analisa. Nery é cético em relação à aplicação do plano. “Vários planos morrem depois da sua apresentação. Será esse mais um?”, questiona.

HEPATITE B

Ministério da Saúde amplia a faixa etária para vacinação

MAÍRA AZEVEDO

O que deveria ser um ato de caridade, se transformou em um grande transtorno para o publicitário Bruno Queiroz. Ao retornar para casa, na madrugada de ontem, Bruno foi surpreendido com a presença de uma égua e de seu filhote no meio da Avenida ACM, proximo ao Parque da Cidade. “Quase acontecia um acidente. Tomei um susto. Foi quando identifiquei que o potro estava machucado”, conta o publicitário. Sem saber para onde encaminhar o animal ferido, decidiu levar para a sua própria casa. “Se deixasse abandonado morreria ou causaria outro acidente”, contou o publicitário. Na manhã seguinte, Bruno ligou para a Associação Brasileira de Animais seção Bahia e não foi atendido. No site da associação, havia a informação de que não estão recebendo animais e orientam

Tanto o Centro de Controle de Zoonoses quanto a Transalvador informaram não poder acolher o animal ligar para o telefone 156 para buscar auxílio.

Jogo de empurra

Ao entrar em contato com o Centro de Controle de Zoonoses de Salvador foi informado pela veterinária Ana Galvão que o centro não tinha medicamentos para atender o animal e nem carro para

DA REDAÇÃO

Sem encontrar ajuda dos poderes públicos, o publicitário pagou tratamento do potro

fazer o transporte. Como alternativa, ela pediu que ligasse para a Transalvador e solicitasse a retirada do potro. Foi informado pela superintendência de que o carro para esse serviço, estava quebrado. A equipe de A TARDE entrou em contato com a assessoria da Transalvador, que

afirmou que o caminhão-gaiola, veículo que transporta animais, está funcionando normalmente, mas só faz o serviço até as 16h e se o animal estiver em via pública.

Zoonose

Já a assessoria do Centro de Zoonoses confirmou que o ór-

gão encontra-se sem aparalhagem clínica para atender animais. Bruno assumiu a responsabilidade e levou o filhote para a Escola de Veterinária da Ufba. Pagou a consulta no valor de R$ 30 e comprou os medicamentos. O potro segue internado e não tem destino certo para seguir.

A faixa etária para vacinação contra a hepatite B foi ampliada pelo Ministério da Saúde (MS). No ano passado, a idade-limite para vacinação passou de 19 para 24 anos. Em 2012, o público-alvo está ampliado para pessoas de até 29 anos. A medida já vale a partir deste mês. Em 2011, o MS ampliou em 163% o quantitativo de vacinas compradas para a hepatite B – 83,2 milhões. O SUS oferece a vacina para hepatite B para grupos mais vulneráveis, independentemente de faixa etária, como gestantes, manicures, pedicures, podólogos, caminhoneiros, bombeiros, policiais e rodoviários, doadores de sangue e coletores de lixo. A vacina previne hepatite B, possibilitando eliminá-la como problema de saúde pública.


Plano antidrogasterá R$ 42 milhões para prevençãoe tratamento