Issuu on Google+

P O R T F Ó L I O J osé Rafae Capel

l ã o


INFORMAÇÃO PESSOAL NOME DATA DE NASCIMENTO NACIONALIDADE

José Rafael Garcia dos Santos Rosa Capelão 1 de Maio de 1989 Portuguesa

ENDEREÇO

Rua Paula Freitas, 45/1201 - Copacabana, Rio de Janeiro

TELEFONES

21 7979 4604 | +351 964277960

E-MAIL SITE

j.rafaelcapelao@hotmail.com | j.rafaelcapelao@gmail.com

http://cargocollective.com/jrc

FORMAÇÃO ACADÉMICA 2007 - 2012

Mestrado Integrado em Arquitectura - Instituto Superior Técnico, Lisboa

2010 - 2011

Intercâmbio - Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Daniel Gusmão Arquitetos Associados | GabiPro | Imobiliária Trancosense

SOFTWARE

AutoCAD 2D, 3D | Revit| ArchiCAD |Artlantis | SketchUp | V-Ray | Adobe Photoshop | Adobe InDesign | AutoLisp

IDIOMAS

Português (língua materna) | Inglês e Espanhol (nível avançado) | Francês (nível básico)


EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

01

TRANSFORMAÇÃO DA HOUSE VI, PETER EISENMAN | CORNWALL

02

RE-COMPOSIÇÃO URBANA DO ATERRO DA BOAVISTA | LISBOA

03

RESIDÊNCIA DE ESTUDANTES | LISBOA

04

HABITAÇÃO UNIFAMILIAR | HERDADE RONCÃO D’EL REI

05

REVITALIZAÇÃO DO CINE SANTA TERESA | RIO DE JANEIRO

06

REVITALIZAÇÃO DE EDIFÍCIO RESIDENCIAL | RIO DE JANEIRO

07

MIDIATECA DA LAPA | RIO DE JANEIRO

08

ESCOLA PRIMÁRIA DA LAPA | RIO DE JANEIRO

09

PROJECTO URBANO CARNIDE, AV. LUSÍADA, BENFICA | LISBOA

10

Daniel Gusmão Arquitetos Associados | GabiPro

Instituto Superior Técnico - 2008

Instituto Superior Técnico - 2009

Instituto Superior Técnico - 2009

Instituto Superior Técnico - 2010

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 2010

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 2010

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 2011

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 2011

Instituto Superior Técnico - 2012


01 Desde Março de 2013 até Abril de 2014 trabalhei como arquiteto no escritório Daniel Gusmão Arquitetos Associados nas áreas de: -Execução de projetos em AutoCAD 2D - Detalhamento - Modelação de 3D SketchUp e Revit - Renderização de imagens - Tratamento de imagens em Adobe Photoshop. - Montagem de apresentações em Adobe InDesign

Projetos: -Masterplan Praia Formosa - Porto Maravilha -Fachada de Hotel Praia Formosa(Porto Maravilha) -Fachada do Hotel da Mídia (Parque Olímpico) -Concurso Anexo do BNDES - Rio De Janeiro - Masterplan Niterói -Masterplan Pavuna - Concurso Parque del Río Medellín (Colômbia)

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Daniel Gusmão Arquitetos Associados


Masterplan Praia Formosa – Porto Maravilha


Masterplan Praia Formosa – Porto Maravilha


Masterplan Praia Formosa – Porto Maravilha


Fachada de Hotel Praia Formosa (Porto Maravilha)


Fachada de Hotel Praia Formosa (Porto Maravilha)


Fachada de Hotel Praia Formosa (Porto Maravilha)


Fachada de Hotel Praia Formosa (Porto Maravilha)


-Fachada do Hotel da Mídia (Parque Olímpico)


-Fachada do Hotel da Mídia (Parque Olímpico)


-Fachada do Hotel da Mídia (Parque Olímpico)


-Fachada do Hotel da Mídia (Parque Olímpico)


EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL GabiPro Durante o percurso académico surgiu o convite para colaborar com a empresa GabiPro. Nesta colaboração foi desenvolvido um projecto residencial na sua totalidade . Este resultou no desenho de oito moradias geminadas unifamiliares de luxo, situadas no mais recente plano urbano da cidade de Trancoso, Portugal.


Imagem Um - Oito Moradias, Trancoso


Imagem Dois - Oito Moradias, Trancoso


Imagem TrĂŞs - Oito Moradias, Trancoso


Imagem Quatro - Oito Moradias, Trancoso


02

Este exercício tem como objectivo desenhar uma extensão anexa e interligada à House VI do arquitecto Peter Eisenman. A ampliação tem que incluir uma biblioteca, um atelier de pintura, uma instalação sanitária e uma garagem para dois automóveis.

A House VI é uma casa pequena, mas muito complexa. A complexidade do volume surge a partir da intersecção de quatro planos iniciais que foram manipulados até surgirem os espaços finais. Estes quatro planos são também o ponto de partida para o desenho do meu projecto de ampliação. Os novos acessos para ligar a cave aos dois novos volumes surgem da extensão desses planos para o subsolo. A garagem surge como um volume paralelepipédico muito simples e quase todo ele inserido no subsolo. A entrada de luz para a garagem é feita através de uma fresta em vidro que atravessa todo o volume. O acesso ao exterior é feito directamente através de uma rampa. O outro volume onde se encontra a biblioteca, o atelier de pintura e a instalação sanitária surge voltado para Sul através de um grande vão. Este estabelece também uma forte relação com o exterior e com a natureza. No subsolo surge o atelier, a zona de arrumos e a instalação sanitária. A biblioteca desenvolve-se no piso térreo e no piso superior. A ligação entre os diferentes pisos é feita através de escadas encastradas na parede, pouco marcantes, garantindo a uniformidade total ao espaço.

TRANSFORMAÇÃO DA HOUSE VI, PETER EISENMAN | CORNWALL Instituto Superior Técnico - 2008


À Esquerda - Planta do Subsolo | À Direita - Maquetes


Em Baixo – Corte | Em Cima - Alçado Sul


Em Baixo - Corte | Em Cima - Corte


03

Neste exercício é apresentada uma proposta de transformação e recomposição urbana para o aterro da Boavista, tendo como base de projecto, a criação de vários edifícios de equipamento público.

A zona do aterro da Boavista é resultado de sucessivas alterações da linha de costa. Criado para cumprir funções industriais e portuárias, hoje em dia, o aterro não cumpre nenhuma delas. A falta de usos, a degradação dos edifícios e os espaços vazios são as principais razões para o seu isolamento. A via de circulação automóvel e a linha de comboio apresentam-se como duas barreiras entre esta zona e o rio. São identificados quatro eixos visuais que pretendem aproximar oito pontos marcantes das duas margens do rio e que têm influência no desenho de toda a proposta. O projecto surge com um desenho urbano que aproxima e faz uma ligação mais directa entre a cidade e o rio e propõe a construção de diversos edifícios de equipamento público: novas instalações para o IADE, blocos de escritórios, uma residência de estudantes, um centro de acolhimento aos sem-abrigo e zonas de comércio e restauração. É proposta também uma passagem aérea que faz a ligação da cidade com a zona ribeirinha. Junto ao rio, os barracões existentes são reutilizados para acolherem um centro cultural, um complexo desportivo, restaurantes e bares. É desenhada uma plataforma flutuante sobre o rio que funciona como um novo espaço público.

RE-COMPOSIÇÃO URBANA DO ATERRO DA BOAVISTA | LISBOA Instituto Superior Técnico - 2009


Residência de Estudantes

Escritórios

Maquete

Novas Instalações do IADE

Centro de Acolhimento aos Sem-Abrigo

Zona Comercial Escritórios

Zona Comercial

Escritórios

Passagem Aérea

Av. 24 de Julho e Linha de Comboio

Estacionamento

Complexo Desportivo

Centro Cultural Plataforma Flutuante


04

Este trabalho é uma resposta a um exercício que visa projetar um edifício de equipamento público a partir da solução urbana definida no projecto anterior. De todos os edifícios de equipamento público propostos, o seleccionado para ser desenvolvido nesta fase foi o edifício correspondente à residência de estudantes, que se encontra no extremo Este da proposta urbana.

A volumetria inicialmente proposta para o edifício escolhido não era a mais apropriada para uma residência de estudantes. Como tal, foi subtraído o volume correspondente ao eixo que atravessava o edifício, originando dois volumes separados. Esta separação em dois volumes permite criar duas zona distintas: uma zona pública (volume Este) e uma privada (volume Oeste). Os volumes estão interligados através de duas passagens aéreas. O volume Oeste é composto por dois pisos. No piso térreo encontra-se o hall de entrada, a recepção, uma sala de estar/lazer e uma sala de exposições. No primeiro piso é desenhada uma sala de estudo. Esta sala de estudo recebe luz através de frestas de vidro que rasgam a cobertura. É a partir do piso superior do volume Oeste que são feitos os acessos ao volume Este. O volume Este assenta sobre planos que se fixam no piso térreo, tornando este piso e o jardim que separa os dois volumes espaço público. Neste volume encontram-se os quartos dos estudantes (singulares e duplos) e o refeitório.

RESIDÊNCIA DE ESTUDANTES | LISBOA Instituto Superior Técnico - 2009


Em Baixo - Alçado Poente | Em Cima - Planta Piso Térreo


Em Baixo - Alรงado Norte | Em Cima - Planta Piso 1


Em Baixo - Alรงado Sul | Em Cima - Planta Cobertura


Em Baixo - Corte | Ao Centro - Corte | Em Cima - Alรงado Nascente


Placa de betão pré-moldado Placas rígidas de poliestireno extrudido Telas impermeabilizantes Betonilha de pendente Betão armado

Reboco pintado de branco Alvenaria de tijolo 15 cm Caixa de ar Espuma de isolamento acústico Lã acústica de fibra mineral Acabamento em gesso Placas rígidas de poliestireno extrudido Gesso cartonado Alvenaria de tijolo 11 cm

Rodapé de madeira embutido

Corte Construtivo

Pavimento de madeira flutuante Betonilha de enchimento

Placas de piso radiante Painel de betão pré-moldado


05

Este exercício tem como principal desafio a elaboração de um projecto de 48 moradias unifamiliares, inseridas na Herdade Roncão D’El Rei, Alentejo, nas margens da barragem do Alqueva. Cada moradia tem que ter uma área bruta de 175 m2 e dois quartos. As moradias são distribuídas em banda por quatro blocos distintos, dispostos no terreno de forma a minimizar o impacto na paisagem. Os blocos exploram diferentes vistas e orientações solares, tendo sempre como protagonista do projecto a barragem do Alqueva. A sua disposição permite que as moradias tenham total privacidade, não sendo possível através de nenhuma moradia observar o interior de outra. Todas as moradias se encaixam no terreno, passando a ser as coberturas uma continuação deste. O acesso pedonal ao seu interior é feito através de escadas que fazem a ligação entre o exterior e o pátio interior. O acesso automóvel é feito através de rampas que ligam o exterior às garagens no subsolo. As garagens têm acesso directo ao pátio. As moradias mantêm uma forte relação com a paisagem exterior através de grandes vãos que permitem uma abundante entrada de luz para o seu interior. Todas as moradias possuem uma zona exterior que se relaciona directamente com o terreno.

HABITAÇÃO UNIFAMILIAR | HERDADE RONCÃO D’EL REI Instituto Superior Técnico - 2010


Em Baixo - Maquete | Em Cima - Planta Piso TĂŠrreo


Em Baixo - Corte | Em Cima - Corte


06

Este projecto trata da revitalização de um edifício em Santa Teresa, que terá impacto em todo este bairro. O Cinema de Santa Teresa encontra-se num ponto central, o Largo do Machado. Este largo vive do turismo, do bondinho, dos restaurantes típicos e do comércio.

O actual edifício, para além de cinema no piso térreo é ocupado pelos escritórios da Administração Regional de Santa Teresa no primeiro piso. Os dois pisos não têm ligação entre si. O edifício está degradado e o seu interior está mal organizado. O projecto estabelece uma forte relação entre o edifício existente e o proposto. Toda a estrutura original, os ornamentos e a unidade estilística são restaurados, realçando a história do edifício. O interior do edifício e a cobertura são modificados e são propostas escadas que fazem a ligação entre os dois pisos. O novo contrasta com o existente com a utilização de diferentes materiais, formas puras e estilo contemporâneo. A proposta tem como objectivo criar um centro de exposições/museu que ofereça aos turistas acesso à história e cultura do bairro de Santa Teresa. Este centro de exposições é apoiado por um auditório que será utilizado não só pelos turistas, mas também pelos habitantes do bairro. O projecto aproveita a cobertura do edifício para criar um restaurante que estabelece uma forte relação visual com o bairro.

REVITALIZAÇÃO DO CINE SANTA TERESA | RIO DE JANEIRO Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 2010


Em Baixo - Planta Piso 1 | Em Cima - Planta Piso TĂŠrreo


Em Baixo - Corte | Em Cima - Planta Piso 2


Em Baixo - Alรงado Norte | Em Cima - Alรงado Nascente


07

A revitalização de um edifício residencial no centro do Rio de Janeiro é o grande objectivo deste projecto. A escolha incidiu sobre um grande volume de 20 pisos apelidado de “Favela Vertical”, edifício marcante no centro da cidade. O actual edifício encontra-se em muito mau estado de conservação e é composto por cerca de 220 apartamentos. O embasamento está destinado a comércio e encontrase praticamente abandonado. A proposta prevê a revitalização de todo o interior e exterior do edifício adaptando-o à nova realidade, sem alterar a sua estrutura original. Esta revitalização pretende melhorar de forma substancial a qualidade dos apartamentos e oferecer diversas tipologias de habitação. Os quadros de Piet Mondrian foram uma inspiração para desenhar a nova fachada. São criadas células ajardinadas que se multiplicam pelos diferentes pisos de uma forma aparentemente aleatória. O embasamento e o volume destinado à habitação ficam separados por um piso vazio de pilotis dando mais privacidade ao bloco de habitação. O embasamento é composto por 2 pisos. No piso térreo encontram-se as entradas para o bloco de habitação e para o comércio. No piso superior são propostas salas de reunião, ginásio e salas comuns a todos os habitantes.

Partindo da expressão “Living in favela is an art”, a intervenção pretende transformar a actual favela num edifício que transmite a importância da arte no quotidiano das pessoas.

REVITALIZAÇÃO DE EDIFÍCIO RESIDENCIAL | RIO DE JANEIRO Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 2010


Maquete


À Esquerda - Plantas Subsolo, Piso Térreo e Piso 1 | À Direita - Plantas Piso 2 e Pisos Superiores


Em Baixo - Cortes | Em Cima - Alรงados Sul e Nascente


08

Este projecto permite não só a criaçao de uma midiateca, mas também revitaliza uma área emblemática da cidade do Rio de Janeiro, a Lapa. Esta zona da cidade vive do comércio, do turismo, da cultura e da vida nocturna.

O projecto da midiateca propõe dois blocos separados por uma rua pedestre que liga a Rua do Lavradio à Rua dos Arcos, e uma nova praça adjacente a esta rua. Um dos blocos terá uma altura de 8 metros para dar continuidade à altura das fachadas da Rua do Lavradio e o outro uma altura de 16 metros para minimizar o impacto do edifício que se encontra junto ao terreno da midiateca. A ligação entre os dois blocos é feita através de um volume que cruza a rua pedestre no primeiro piso criando uma praça coberta no piso térreo. A entrada para a midiateca é feita pelo bloco Norte. No piso térreo deste bloco encontra-se uma sala infantil, a zona de jornais e revistas e uma área lounge. No primeiro piso encontra-se a zona multimédia, que faz a transição entre a área mais agitada e pública, do piso térreo, e a mais calma e privada, dos pisos superiores. No segundo e terceiro piso encontram-se as salas de leitura e de estudo. O betão armado é o material utilizado em todo o exterior da midiateca que contrasta com a leveza da estrutura metálica e do vidro propostos para as fachadas interiores.

MIDIATECA DA LAPA | RIO DE JANEIRO Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 2011


Em Baixo - Alçado Poente | Em Cima - Plantas Piso Térreo e Piso 1


Em Baixo - Alรงado Nascente | Em Cima - Plantas Piso 2 e Piso 3


Em Baixo - Corte | Ao Centro - Corte | Em Cima - Corte


09

Este trabalho surge no seguimento do exercício anterior e tem como objectivo projectar uma escola primária na Lapa. O terreno de implantação encontra-se entre as costas dos edifícios da Rua do Lavradio e a Rua dos Arcos e é adjacente ao terreno da midiateca.

Toda a proposta tem em atenção a forma como a escola se relaciona com a midiateca. O desenho da escola surge com uma forma radial que, para além de completar a rua pedestre criada no projecto da midiateca, dá também continuidade à Rua do Lavradio e abre este quarteirão para a cidade. A escola é composta por cinco blocos independentes de estrutura préfabricada cujo macro módulo tem 7.2x9.6m, partindo de um micro módulo de 0.6x0.6m. Cada um dos blocos possui uma actividade diferente: bloco administrativo, bloco educacional, bloco multiusos, refeitório e bloco desportivo. As ligações entre os blocos são feitas por um volume que se encontra a Sul do terreno. É neste volume que se encontram a rampa e as escadas que ligam os diversos pisos, bem como as instalações sanitárias. O projecto dá grande importância aos espaços de recreio para as crianças. Estes surgem nos intervalos dos blocos e atravessa-os em alguns pontos, criando espaços de recreio cobertos. A entrada principal da escola é feita através da praça que liga a escola, a midiateca e a Lapa.

ESCOLA PRIMÁRIA DA LAPA | RIO DE JANEIRO Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 2011


Em Baixo - Alçado Sudeste | Em Cima - Planta Piso Térreo


Em Baixo - Alรงado Poente | Em Cima - Planta Piso 1


Em Baixo - Corte | Em Cima – Planta Piso 2


Pormenor P1

Pormenor P2 Placas bentoníticas Betonilha Placas de polietileno extrudido Camada de forma Betão Placas de gesso Placa de revestimento Placas de polietileno extrudido Vidro com película vinílica Caixilharia da janela

Eixo de suporte dos brises Chapa de alumínio

P2 P1

Em Baixo - Corte | Em Cima – Pormenores Construtivos

Brises


Imagens Fotorealistas


10

O projecto consiste na elaboração de um plano de reestruturação urbana, que incide sobre a zona da coroa Norte-Poente de Lisboa. Este território foi alvo de grandes alterações nas últimas décadas, à medida que a cidade se expandia para Norte. Actualmente, trata-se de um território marcado por uma malha urbana heterogénea, fragmentada e dispersa. Esta zona da cidade tem um enorme potencial habitacional, cultural e económico, não conseguindo no entanto, tirar partido dessa diversidade devido à falta de estruturação urbana. Este projecto foi abordado a diferentes escalas e com diferentes graus de detalhe. Na primeira fase, foi feita uma análise intensiva da área, da qual resultaram estratégias de intervenção em todo o território. Esta escala de projecto urbano teve uma intervenção mais global, que pretende articular os diversos tecidos e os integra num sistema coerente. Na segunda fase foi abordada outra escala de projecto, com o objectivo de introduzir reflexões sobre a morfologia urbana, os sistemas de mobilidade, a estrutura ecológica, as tipologias de edificado e os espaços públicos. É proposto um novo desenho para o remate da Avenida Lusíada que cria diversas continuidades urbanas e do sistema ecológico. É proposta também a criação de uma nova estação de metro e apresentado o seu desenho. Este projecto tem como principal objectivo revitalizar todo o espaço público.

PROJECTO URBANO CARNIDE, AV.LUSÍADA, BENFICA | LISBOA Instituto Superior Técnico - 2012


Planta Geral


Espaço Público Parque da Granja Nova Praça Continuidade Urbana

Em Baixo – Corte AB | Em Cima – Planta Cota 78

Ligação Proposta


Estação de Metropolitano Ligação Metro-Praça Nova Praça Ligação aos Bairros

Em Baixo - Corte CD | Em Cima – Planta Cota 78

Parque da Granja



PORTFOLIO