Issuu on Google+


Naquela altura o saber da medicina ainda era fundamentado pelos conhecimentos de Aristóteles, Ptolomeu e Galeno. Mas, a partir do século XV, a mente estava aberta à crítica dos antigos conhecimentos de forma a poder analisá-los e comprová-los com experiências científicas.


Figura 1 - Figuras importantes na medicina da antiguidade: Arist贸teles, Ptolomeu e Galeno


A partir de 1400, a experiência, a razão e a observação era o mais importante para provar se algum conhecimento estava certo ou errado, assim sendo alguns dos antigos conhecimentos foram aprovados e outros reprovados. Experiência  Experimentar algo por meio de um ensaio químico ou pela observação da Natureza. Observação  Observação dos resultados de uma experiencia para que mais tarde, aliando-se a observação à razão, se possa tirar conclusões. Razão  Interpretar os factos com alguma racionalidade. As viagens dos descobrimentos foram úteis para que o conhecimento da geografia e outras matérias fossem desenvolvidas.


Figura 2  Duarte Pacheco Pereira e D. João de Castro – Geógrafos


Figura 3  Garcia de Orta – Botânico e Pedro Nunes – Matemático


No início do século XVI, para indicar a posição da terra os grandes sábios defendiam a Teoria geocêntrica. A teoria geocêntrica indicava que a terra estava posicionada no centro do Universo e todos os planetas, estrelas, cometas e satélites giravam a sua volta.

Figura 4  Significado da palavra Geocêntrico


Figura 5 - Arist贸teles (384-322 a.C) Ptolomeu (85-165 a.C)


Em 1543, século XVI, Copérnico (astrónomo e matemático polaco) expôs um novo modelo, o modelo heliocêntrico que defendia o Sol como estrela fixa na qual todos os planetas incluindo a terra giravam à sua volta, incluindo a terra.

Figura 6  Significado da palavra Heliocêntrico


Figura 7  Nicolau Copérnico, Tycho Brahe, Giordano Bruno e Johannes Kepler


Antes do renascimento os conhecimentos nesta área eram bastante pouco desenvolvidos. Nessas épocas havia tratamentos de doenças dolorosos em que muitas vezes os tratamentos eram mais dolorosos que a própria dor da doença.

O tratamento para hemorróidas, na idade média, era queima-las com ferro quente


Dwale era um anestésico que podia ser fatal. De facto fazia “adormecer” o paciente mas era tão forte que quando se ingeria o paciente parava de respirar e muita das vezes podia ser fatal. Era uma mistura de sumo de alho, sumo de cicuta, ópio, vinagre e vinho.

Quando se tratava uma catarata, a seringa era utilizada para a extracção de catarata por sucção. Uma metálica seringa era inserida através da parte branca do olho e logo depois era extraída a catarata através de sucção


A partir do renascimento a anatomia e a medicina evoluíram com estudos à base de dissecação de cadáveres, amputações, desenvolvimento de membros artificiais e adopção de curativos à base de plantas medicinais e substâncias naturais. Todos estes tratamentos na época renascentista permitiram um melhor conhecimento da anatomia humana e de alguns processos que regulam o funcionamento do corpo humano.


Leonardo da Vinci foi um importante humanista do renascimento, ele era dotado de conhecimentos em quase todas as áreas do saber, como a anatomia, as artes, a engenharia, a matemática etc. Contribui para a Medicina através dos seus esboços realistas do Corpo Humano e que para tal calcula-se que tenha dissecado 6 corpos.

Figura 8 - Leonardo Da Vinci e um dos seus trabalhos


André Vesálio foi um anatomista importantíssimo no Renascimento. A base do seu trabalho foi a dissecação de animais e humanos tendo a partir destas publicado 7 livros divididos em matérias (ossos, músculos, sistema circulatório, sistema nervoso, abdómen, coração e pulmões e cérebro.)

Figura 9 - André Vesálio e um dos seus trabalhos


Nasceu neste período uma nova mentalidade, a mentalidade renascentista onde a mente da população estava aberta a novos conceitos, novas ideias em todos os campos do saber.


O renascimento foi uma época bastante positiva na História da Humanidade que começou no século XV e XVI, mais precisamente na Europa. Quando a humanidade começou a admirar os sábios da antiguidade e desenvolveu o seu sentido crítico. Assim sendo a ciência também se desenvolveu através dos grandes humanistas que mostrava interesse em todas as áreas do saber. Numa próxima análise um dos temas que poderiam ser analisados são as principais diferenças entre os cuidados de saúde actuais e os cuidados de saúde renascentistas, poderia ser também analisado a diferença entre a relação da ciência com a sociedade actualmente e na época renascentista.


http://zitosloko.blogspot.com/2009/06/10-inacreditaveis-tratamentos-medicos.html

http://evolucaomedicina.blogspot.com/2010/03/medicina-no-renascimento.html

http://evolucaomed.blogspot.com/2009/11/remedios-de-tempos-antigos-n1.html


Externato Marista de Lisboa André Pinto Nº4/3176, Matilde Boavida Nº12/4504, Luísa Galinha Nº17/4461, João Pedro Silva Nº15/4454.

8ºD

Disciplina de História/Área de Projecto Ano Lectivo 2010/2011


Trabalho Historia