Page 1

nº 27 / maio 2013

Órgão Oficial || Juventude Popular de Gondomar || jpgondomar.com

alternativa

SOCIALISMO

DEIXA SEMPRE A CONTA PARA OUTROS PAGAREM ……………………………………….………. A CONTA TEM UM NOME:

AUST€RIDAD€ A PESADA  HERANÇA  

Luís Pedro  Mateus  

Tem-­‐se   conseguido   passar   com   algum   sucesso   a   ideia   de   que  uma  polí4ca  de  austeridade  é  má  e  que  a  alterna4va   à   mesma   deverá   ser   a   aposta   numa   polí4ca   de   crescimento.   A  ideia  é,  por  si  só,  bastante  simplista  e,  talvez  por  isso   mesmo,   tão   apela4va   como   solução   que   poderia   resolver,   de   uma   assentada,   os   problemas   que   o   país   e   a   europa   atravessam.   Uma   mudança   de   polí4ca   assenta   em  propostas  concretas  que  possam  ser  sustentadas  por   factos,   e   não   pela   mera   enunciação   de   vontade   de   mudar.   Um   claro   exemplo   disto   mesmo   veio   de   França   onde   se   conseguiu   montar   uma   campanha   bipolarizada   de   austeridade   vs   crescimento.   Os   socialistas,   defensores   da   agenda   do   crescimento,   que   nunca   conseguiram   especificar   ao   certo   como   iriam   colocar   a   França  a  crescer,  chegados  ao  poder,  não  só  falharam  a   promessa  do  crescimento,  como  insis4ram  precisamente   no  remédio  da  austeridade.   Percebe-­‐se,   portanto,   que   a   realidade   é   bem   mais   categórica  do  que  o  mero  plano  das  vontades  e  desejos   mal  sustentados.   A   austeridade   trata-­‐se,   tão   somente,   de   equilibrar   as   contas.  É  um  conceito  que  qualquer  pessoa  habituada  a   gerir   o   seu   dinheiro   consegue   compreender.   Ninguém   -­‐     seja   um   indivíduo,   uma   família,   uma   empresa,   uma   Câmara   ou   uma   Nação   –   consegue   gastar   eternamente   mais  do  que  recebe.  Um  momento  chega  em  que  quem  

empresta bate   o   pé.   Um   momento   chega   em   que   é   necessário   prestar   contas.   Um   momento   chega   em   que   convém   mudar   de   vida.   Foi   precisamente   a   essa   conclusão   que,   colec4vamente,   o   país   pareceu   ter   chegado   aquando   das   úl4mas   eleições.   Os   par4dos   que   se   coligaram   para   governar   colocaram   a   tónica   na   necessidade   de   cortar   abruptamente   na   despesa   do   Estado,   na   urgência   de   baixar   o   défice   (que   é   a   dívida   de   amanhã)   e   de   não   sobrecarregar   a   economia   com   mais   impostos   que   sufocam   o   consumo,   o   inves4mento   e   o   crescimento  económico.     Sensivelmente   dois   anos   passados   desde   a   tomada   de   posse   do   actual   Governo,   parece   claro   que   o   ataque   implacável   às   despesas   intermédias   do   Estado   tardou   a   chegar   e   que   a   opção   recorrente   do   Ministro   das   F i n a n ç a s   e m   s u b i r   i m p o s t o s   o u   t a x a r   extraordinariamente   subsídios,   apesar   de   ter   acalmado   rela4vamente   os   mercados,   terá   feito   ultrapassar   o   limite  que  a  economia  portuguesa  conseguiria  suportar,   precipitando   não   só   uma   quebra   abrupta   de   receitas   fiscais  como  uma  recessão.   A   realidade   é   dura   e   extremamente   complexa   para   ser   explanada  em  meia  dúzia  de  linhas  ou  uns  segundos  de   “sound-­‐byte”.   Pensar   em   sair   do   regime   de   “protectorado”   da   troika   e   em   crescer   implica,   nos   dias   de  hoje,  pensar  na  União  Europeia  e  na  moeda  única.  E   esta   é   uma   reflexão   que   tem   pecado   por   escassa   nos   par4dos   do   arco   governa4vo.   Não   há   soluções   fáceis   e   os   “cantos   de   sereia”   são   especialmente   di\ceis   de   evitar.   Compete-­‐nos,   como   geração,   ques4onar   me4culosamente.  O  Futuro  a  nós  pertence.  n    


UMA CANDIDATA  CREDÍVEL  PARA  GONDOMAR  

Foi   apresentada   publicamente   no   passado   dia   4   de   Maio   a   candidatura   da   Drª   Maria   João   Marinho,   independente   apoiada  pelo  PSD  e  pelo  CDS,  à  Câmara  Municipal  de  Gondomar.   Para  além  de  apresentar  um  currículo  académico  e  profissional  imaculado  e  brilhante,  a  Drª  Maria  João  Marinho  afigura-­‐ se  como  uma  pessoa  com  especial  ap4dão  e  experiência  no  contacto  com  a  população  e  os  seus  problemas.  A  vontade   inabalável   de   servir   a   sua   terra   com   transparência,   seriedade   e   competência   é   imediatamente   percepavel   e   contagiante.   Por   isso   mesmo   se   explica   a   enorme   adesão   de   jovens   e   de   população   normalmente   “desalinhada”   da   polí4ca   à   sua   candidatura.  Este  4po  de  sinais  são  sempre  uma  lufada  de  ar  fresco  na  polí4ca.   A  polí4ca  não  se  quer  monocromá4ca,  batalha  repe44va  dos  mesmos  contra  os  mesmos  e  pra4camente  indiferente  à   generalidade   dos   eleitores   que   não   se   consideram   especialmente   afectos   a   um   par4do.   A   polí4ca   quer-­‐se   aberta   à   cidadania,  quer-­‐se  mo4vadora  e  aglomeradora  de  gentes  em  projectos  de  futuro.     Desde   o   arranque   da   candidatura   que   a   Drª   Maria   João   Marinho   tem   centrado   as   suas   preocupações   principalmente   em   duas  vertentes:  a  social  e  a  económica.     Do  ponto  de  vista  da  intervenção  social,  defende  que  a  autarquia  tem  de  ter  um  papel  social  verdadeiro  com  uma  noção   da   realidade   do   cidadão,   sendo   que   lhe   compete   impedir   que   existam   crianças   que   vão   para   a   escola   sem   comer,   combater  o  isolamento  social  dos  idosos  e  assegurar  às  famílias  as  condições  necessárias  para  a  educação  dos  filhos.     Do  ponto  de  vista  da  economia  local,  promete  implementar  modelos  de  gestão  actuais  e  sem  vícios,  simplificar  processos   para   atrair   inves4mento   para   Gondomar   e   promover   uma   resposta   em   rede   por   parte   dos   diversos   intervenientes   presentes,  de  forma  a  que  as  valências  de  cada  um  sejam  melhor  aproveitadas  e  canalizadas  em  prol  do  cidadão.  n    

TMN ESCOLHE   SÍMBOLO   DE   GONDOMAR    

A TMN   escolheu   o   coração   de     filigrana,   da   autoria   de   um   ourives  de  Gondomar,       para   associar   a   empresa   ao   prémio   de   “Marca   de   Confiança”.   Segundo   a   empresa,   a   escolha   foi   propositada   devido   ao   coração   de   filigrana   estar   associado   a   um   produto   de   qualidade   indisputável.   Trata-­‐se,   por   isso,   de   mais   um   reconhecimento   público   da  qualidade  da  ourivesaria  gondomarense.  A  Juventude   Popular   de   Gondomar   enaltece-­‐a   e   espera   que   seja   vista   como   potencial   polo   fixador   de   jovens   qualificados   no   concelho  que  importa  apoiar  e  desenvolver.  n    

ESCASSEZ DE   BENS   BÁSICOS   NA  VENEZUELA     Após  a  corrida  desenfreada  ao  papel  higiénico,  desta  vez   chegam   noacias   da   acrescida   dificuldade   em   produzir   vinho,   sendo   que   a   Igreja   Católica   já   divulgou   apenas   ter   stock   de   vinho   de   missa   para   mais   dois   meses.   Uma   economia   altamente   centralizada   e   planeada   pelo   Estado,   segundo   os   pressupostos   socialistas   do   chavismo,   a   Venezuela   acusa   finalmente   uma   ruptura   resultante   do   desgaste   económico   a   que   tem   estado   sujeita  nos  úl4mos  tempos,  onde  a  inflação  galopou  para   30%.   O   preço   da   nacionalização   da   economia,   que   sempre   resultou   em   catástrofes,   con4nua   a   ser   ignorado   pelo  socialismo  sul-­‐americano.  n    

alternativa JP - Maio 2013  

Edição de Maio 2013 do alternativa