Page 1

PASCOAL NEWS Escola Pascoal Ramos – Cuiabá – MT | Ano V – Número 02 – Maio/Junho de 2014

A Escola Pascoal Ramos participa do projeto: “Inventar com a Diferença”

Foto: Danielle Bertolini

Nesta edição, você encontrará:

Foto tirada no primeiro dia de encontro, com professores e alunos integrantes do projeto.

Durante o primeiro semestre deste ano, alunos da Escola Estadual Pascoal Ramos participaram do projeto: “Inventar com a Diferença”, promovido pela Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria do Audiovisual e Ministério da Cultura do Governo Federal. A realização da ação ficou por conta da Universidade Federal Fluminense (UFF). A ação foi mediada pela cineasta Danielle Bertolini, diretora do documentário: “Aguas encantadas do pantanal”, entre outros trabalhos. Os alunos participantes do projeto são todos da 3ª fase do Ensino Fundamental da escola: Vivian Cristiny de Carvalho (3ª fase G); Nathalia Lima Dantas (3ª fase G); Maxsuel Deluqui da Silva Fonseca (3ª fase D); Lucas Rodrigues Narcizo (3ª fase B); Vitória Beatriz Cebalho (3ª fase G); Stefany Cardoso 3ª fase G); Fernanda Medeiros Nunes (3ª fase G); Maria Eduarda Fernandes dos Santos Basso (3ª Fase F); Larissa Rafaela da Silva Pereira (3ª fase F) e Felipe Monteiro da Silva (3ª fase G). A professora de Ciências Maraísa Gabriela Soares e o professor João Paulo Meira Marinho foram os responsáveis pelos encontros na escola.

 Editorial – p. 02  Projeto Pluralidade Cultural (Ensino Médio Inovador) – p. 02  Festa junina das regiões brasileiras – p. 03  Passatempo – p. 03  Projeto: “Leitura para além dos muros da escola” – p. 04  Curiosidades: A química do futebol – p. 06  Curiosidades: A ciência do amor – p. 06  Um olhar sobre a copa – p. 07  Projeto Cinema – p. 07  Qual profissão seguir – p. 08

Autopsicografia O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que leem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração. Fernando Pessoa

Durante os trabalhos do projeto, os alunos aprenderam a analisar criticamente uma fotografia, observando elementos de composição (texturas, linhas e curvas, cores, perspectivas, escalas de planos, ponto de vista, dentro e fora de quadro, entre outros). Nos encontros, também foi discutido sobre as origens do cinema e acerca dos primeiros filmes realizados pelos irmãos Lumière. Cada participante produziu e filmou seu próprio minuto lumière. Aprendemos também sobre análise de planos (plano geral, plano conjunto, plano americano, plano médio, primeiro plano, close ou plano detalhe), movimento de câmeras (Panorâmica, Tilt,Travelling, Câmera na mão), posicionamento de câmera (Plongée, Contra plongée, 90º graus, Câmera no chão). Ademais, a realização dessas atividades favoreceu o processo criativo dos participantes e contribui para a valorização de suas ideias. Sendo assim, ao final foi produzido um filme-carta, sobre o cotidiano dos alunos envolvidos no projeto, sendo que este filme será trocado com outra escola participante. Além disso, esse trabalho também será apresentado em uma mostra de filmes que será realizado na Universidade Federal de Mato Grosso. Mais informações confira em nosso blog: http://pascoalnews.blogspot.com.br/ O sábio é aquele que não se entristece com as coisas que não tem, mas rejubila-se com as que têm (Epiteto).


02

Jornal Escolar: Pascoal News

EDITORIAL

PROGRAMA: ENSINO MÉDIO INOVADOR

Em 1950, o Brasil foi palco da Copa, um dos eventos mais aclamado do mundo e, como agora, sofria um grande atraso em vários aspectos em relação aos outros países que já o tinham recebido.

PROJETO PLURALIDADE CULTURAL

Hoje, 64 anos depois, percebemos que uma grande parcela da população brasileira se vê satisfeita e lisonjeada com a realização dessa competição internacional em seu país. Esse acontecimento, por sua vez, nos deixa vários questionamentos: será que a Copa do Mundo é para todos? A parcela da população, que é favorável ao mundial, está correta em acreditar nesse torneio? Será que um governo tem autoridade de se mostrar como “país do futebol” para o mundo, enquanto trata com descaso seus cidadãos? Esses e outros questionamentos serão respondidos nessa edição pelo prof. Ferreira (Filosofia), enquanto cita os erros cometidos por um cidadão comum e faz crítica às políticas públicas e àquilo que passa despercebido pela população, no que se refere ao grandioso evento. Abordaremos temas próprios dos meses de maio e junho, como: o contexto histórico e cultural das festas juninas; a ligação entre uma família através de um único hormônio (dias das mães); os sintomas de uma paixão comprovados pela Química (dia dos namorados) e o dia do trabalhador. Trataremos também de projetos realizados dentro da escola. O primeiro é o projeto de leitura realizado pela prof. Rute (Língua Portuguesa), intitulado “Leitura para além dos muros da escola”. Trata-se de relatos das experiências de leitura dos alunos do 3° ano do Ensino Médio Inovador. O segundo é o projeto de cinema, realizado pela prof. Anne (Língua Portuguesa) com os discentes do 9° ano, do “A” ao “C”. Esses alunos viveram a experiência de fabricar elementos que são usados em um filme, além de produzir um curta-metragem. Vale lembrar o trabalho realizado pela professora Maraísa, sobre sexualidade, que também estará presente nesta edição.

Em nossa escola, sempre comungamos a ideia de que a questão da pluralidade cultural é um assunto que deve fazer parte dos programas curriculares das diversas disciplinas. Mas ainda entendemos que a temática precisa ser constantemente enfocada, não só nas atividades de sala de aula, mas nos eventos que costumam ocorrer dentro e fora da escola. Desse modo, pretendemos desenvolver estudos sobre a participação dos negros na História do Brasil e a respeito das comunidades tradicionais (comunidades remanescentes de quilombos), buscando, através deste projeto, desenvolver novos valores e atitudes em nossos alunos. Destarte, desenvolvemos atividades que possibilitam debates e reflexões, utilizando a Copa do Mundo como pano de fundo para trabalharmos a Pluralidade Cultural. Nesse sentido, o esporte faz a sociedade e, portanto, está permeado por suas contradições. Neste sentido, podemos citar os últimos acontecimentos de preconceito racial nos campos de futebol. A proximidade com a Copa do Mundo, que acontecerá no Brasil, possibilitam um momento privilegiado para debatermos a trajetória complexa e ambígua da história do futebol e do racismo em nosso país. Assim, as atividades desenvolvidas no 1º semestre envolvem estudos dirigidos, festival de cinema e um torneio interclasse.

Agradecemos aos alunos e professores que contribuíram para a realização dessa edição do Pascoal News e convidamos, novamente, àqueles que, porventura, tiverem interesse em ajudar nesse grande meio de comunicação. Igor Matos – 3º ano “C”, com apoio do Professor: Jefferson Araújo – (Matemática)

Estudo dirigido com o texto: “Uma Paixão de todas as cores” (Denaldo Alchorne de Souza) – 1º ano B

EXPEDIENTE - Jornal Escolar Pascoal News Escola Estadual Pascoal Ramos Coordenação / Diagramação: João Paulo Meira Marinho Revisão: Rute Almeida & Anne Cristine Impressão: Gráfica Defanti Uma iniciativa: Anne Cristine (Língua Portuguesa); Catiex Rodrigues de Souza (Química); Carla Regina Silva (Língua Portuguesa); Fabiula Torres (Química); Jefferson Araújo Alves (Matemática); João Paulo Meira Marinho (Geografia); José Bernardino (Geografia); Rute Almeida (Língua Portuguesa); Maraísa Gabriela Soares (Ciências); Marize Benedita da Silva (História); alunos do Ensino Fundamental e Médio e Direção da E. E. Pascoal Ramos. _________________________ O conteúdo deste jornal é responsabilidade exclusiva das pessoas que constam neste expediente e dos que assinam os textos publicados.

Festival de Cinema: Exibição do documentário “Copa do Mundo 1994” – 1º ano’s

Professores envolvidos no Projeto: Antônio João, Alfredo, Eliane, Eraci, Fabiula, Genival, João Paulo, Jucinei, Luciede, Marcos Alexandre, Maria Lecy e Marilene. Apoio: Equipe Gestora e demais professores da unidade escolar. Torneio Interclasse – Pascoal na Copa

Veja mais fotos no blog do jornal http://pascoalnews.blogspot.com.br


Jornal Escolar: Pascoal News

FESTA JUNINA NAS REGIÕES BRASILEIRAS Festas juninas, em Mato Grosso, atraem milhares de turistas. Chegou uma das épocas mais saborosas e divertidas no Brasil: a das festas juninas e julinas! Em vários municípios de Mato Grosso, estas festas são uma atração turística a parte. Além do aspecto cultural, as festas típicas entram no calendário oficial das cidades e fomentam a economia local. Em vários locais, milhares de pessoas se programam para dançar a tradicional quadrilha, experimentar os sabores dos derivados do milho, canjica, do pé-demoleque e de outras comidas típicas mato-grossenses. Realizadas em todas as regiões do país, as festas juninas representam uma das manifestações culturais mais expressivas da população brasileira. História – Na época da colonização do Brasil, após o ano de 1500, os portugueses introduziram em nosso país muitas características da cultura europeia como as festas juninas. Mas o surgimento dessas festas foi no período pré-gregoriano, como uma festa pagã em comemoração à grande fertilidade da terra, às boas colheitas, na época em que denominaram de solstício de verão.

Festas juninas na região Nordeste

03

Festas juninas na região Sudeste Junho é o mês de São João, Santo Antônio e São Pedro. Por isso, as festas que acontecem em todo o mês de junho são chamadas de "Festa Joanina", especialmente em homenagem a São João. Da região Sudeste vem o caipira com chapéu de palha, calça remendada, camisa xadrez e dente cariado, personagem nascido nas comemorações pelo interior de São Paulo e de Minas Gerais. As festas, nessa região, costumam ser muito animadas e além da fogueira e da quadrilha, existe a tradicional queima de fogos de artifício, como bombinhas e rojões, para espantar o mauolhado. Além disso, também não pode faltar o pau-desebo, uma competição em que os participantes devem escalá-lo até o topo, onde ficam prendas ou dinheiro.

Festas juninas na região Sul As pessoas tem o costume de se vestir a caráter, ou seja, mulher: vestido junino, tranças, chapéus caipiras, meia calça, sapatilha, bolinhas na bochecha. Homem: calça jeans com retalhos de tecidos, chapéu caipira, algo como botina, barba feita com lápis de olho. As comidas típicas são: paçocas, pinhão, ponche, sagu, milho verde, cachorro quente, pasteis, cocadas, bolos e bebidas diversas. Professor: José Bernardino (Geografia)

PASSATEMPO

Para o povo do Nordeste, o dia de São João é uma data tão alegre quanto o Carnaval. As festas começam bem antes do dia do santo. O São João no Nordeste tem a ver com boa colheita: quem plantou e viu a terra retribuir, agradece ao santo, sempre com muita festa, danças e comidas típicas do sertão. Os festejos juninos arrastam multidões em várias cidades nordestinas, famosos por promoverem grandes arraias e impulsionarem o turismo na baixa estação. No agreste paraibano, Campina Grande se destaca com o “Maior São João do Mundo“, atraindo, cada ano, milhares de turistas que não se contentam apenas em assistir e entram na dança. Nomes conhecidos, como Dominguinhos, Fagner e Elba Ramalho, estão sempre entre as atrações. Em Pernambuco, o centro da festança é Caruaru, capital do forró. No Parque do Povo, as atrações não são apenas cantores e bandas. Na cidade, os tradicionais bacamarteiros lembram a vitória na Guerra no Paraguai. Chuva de Bala No Rio Grande no Norte, em Mossoró, o São João é festejado com shows, apresentações de quadrilhas e teatro ao ar livre, com o espetáculo Chuva de Bala. A encenação reproduz o dia em que Lampião tentou invadir a cidade e foi enxotado pelo povo. Em Barbalha, no Cariri, quem recebe as homenagens é Santo Antônio, o casamenteiro. Na tradicional Festa do Pau da Bandeira, milhares de fiéis e visitantes acompanham a remoção do tronco de uma aroeira de 23 metros pelas ruas da cidade. O pau servirá de mastro para a bandeira em homenagem ao santo. Lascas do tronco são disputadas por muitas mulheres na esperança de conseguir um casamento.

Charadas 1 - Um pato vai subindo uma ladeira e põe um ovo. O ovo desce ou sobe? 2 - Um gato come um rato em um minuto. Cem gatos comem cem ratos em quantos minutos?


04 ----

Jornal Escolar: Pascoal News

Projeto: “Leitura para além dos muros da escola” Os relatos a seguir se referem ao Projeto intitulado: Leitura para além dos muros da escola, em que os alunos são motivados a ler, no intuito de exercitar a mente e de despertar o interesse pela leitura.

Eu li o livro “A batalha do apocalipse”, do autor Eduardo Spohr. Gostei bastante da narrativa, em geral de tudo mesmo, dos personagens, da trama, do decorrer da história, entre outros. O que mais me chamou a atenção foi o título, pois me interesso por estes assuntos, e foi, basicamente, isso que motivou minha leitura. Surpreendi-me com o livro, pois conheci várias expressões e termos novos. O autor foi muito criativo, inventando inúmeras palavras, porém, que se encaixaram completamente com o contexto. Foi a primeira vez que encontrei esta forma de se expressar e de pensar, em uma obra literária. Ao escrever o livro, o autor foi original e autêntico. A história da narrativa se passa entre o céu, a terra, o inferno e várias outras dimensões, com personagens fictícios e reais. Um personagem da obra que gostei foi Ablon: “o anjo renegado”. Ele queria ajudar as pessoas, já que o Arcanjo Miguel, um tirano, as maltratavam. Eu demorei, em média, um mês para ler todo o livro, porque prestei atenção na leitura e não pulei nenhuma parte. Eu aconselho sua leitura a qualquer um, porque vale a pena. Neste ano, só li um livro, mas pretendo ler muitos outros, uma vez que a leitura nos ajuda seja na escrita ou na percepção do mundo. Aluno: Roger Gabriel, 3º ano A - Professora Rute Almeida

O livro que li se chama: “Elite da Tropa”, do autor Luiz Eduardo Soares. Eu gostei muito dessa obra, porque possui um enredo muito bom. Nele, o autor não “mede as palavras”. Ele fala a verdade “nua e crua” sobre o Rio de Janeiro e sobre o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE). Eu, particularmente, não tenho nada para reclamar desse livro. Não achei nada cansativo, já que ele prende a atenção dos leitores. Essa narrativa fala muito do BOPE, que é formado por policiais incorruptíveis, ou seja, eles são “os caras”. Para entrar no Batalhão, os candidatos passam por um treinamento muito rigoroso. Eu indico essa obra para todas aquelas pessoas que gostam de operações policiais e que gostam da extrema realidade sobre o assunto. Aluno: Fernando Luís de Lima, 3ºano D - Professora Rute Almeida


Jornal Escolar: Pascoal News

05

Li o livro “A culpa é das estrelas”, escrito pelo autor Jonh Green. Gostei da lição de vida que ele expôs na obra, na linda história, que foi inspirada na jovem Ester Earl. Chamou-me a atenção o fato de como uma pessoa pode mudar a sua vida. Interessei-me em ler a narrativa por ver trechos dela em redes sociais. Achei interessante cada parte desse livro. Eu não mudaria nenhum detalhe. Demorei um mês para lê-lo. Não achei nada cansativo. Esta obra conta a história de Hazel, que era portadora de câncer e tinha sua vida como derrotada. Então, Augustus apareceu e deu a ela uma vida nova. Interessante esse personagem, que mesmo com seus problemas, ajudou Hazel a encarar suas barreiras, dando-lhe novos sentidos para viver. Espantei-me com o final da história, em que um dos personagens principais morre. Mesmo assim, não pulei nenhum trecho. Foi maravilhoso quando Augustus encontrou Hazel, fazendo-a ver a vida de outra maneira. A viagem que eles fizeram a Amsterdã foi surpreendente. O livro foi bem explicado, a cada página apresentada, uma combinação perfeita. Eu estava muito ansiosa para lê-lo, pois ouvia muitos comentários em relação ao mesmo. Enfim, era tudo o que eu esperava. Nunca li histórias como essa. Este ano li apenas este livro e pretendo ler mais obras de Jonh. Recomendo a todos essa leitura, pois ensina a reconhecermos as coisas boas da vida e a darmos valor ao verdadeiro sentido da existência. Aluna: Renata Moraes, 3º ano B - Professora Rute Almeida

“Leonardo e a invenção mortal” é o nome do livro que eu li. Simplesmente, gostei de tudo. A primeiro momento é muito interessante a capa e por isso o escolhi para ler. A narrativa se refere a um rapaz, Leonardo, que descobre uma máquina e tenta desvendar para que serve e no meio de tudo isso, salva uma moça que estava em cativeiro. O que mais me chamou a atenção, nessa obra, foi a coragem desse jovem em enfrentar vários inimigos, para ajudar a tal escrava inocente. Mas como sugestão gostaria que no fim da história, esse personagem a namorasse. Em momento algum, achei o livro cansativo. Uma parte maravilhosa foi no término em que Leonardo ganhou a jovem prisioneira de presente e a libertou. A primeira vez que vi o livro já imaginava que seria bem legal. Nunca havia lido uma obra como esta. Eu a indicaria para meus amigos, por ser muito interessante. Eu li apenas um livro, este ano. Mas pretendo ler mais uns quatro, que seja sobre vampiros, porque gosto desse tipo de leitura. Aluna: Gislaine A. Mello, 3º ano C - Professora Rute Almeida

Outros alunos (as)... Outras leituras... Outras experiências... Kattlly – Livro: Querido Jonh, de Nichels Sparks 3º A Janaina Aparecida – Livro: O código da Vinci, de Dan Birown Carolina – Livro: Quem é você Alasca?, de Jonh Green Francielly – Livro: Como conquistar as pessoas, de Allan e Barbara Pease Dayane – Livro: No presente, de Marcio El Jaick Indyamara – Livro: O amor é para os fortes, de Marcelo Cezar Ana Paula – Livro: Teorema Katherine, de Jonh Green

Evellyn – Livro: A 1ª vez que vi meu pai, de Márcia Leite Herli – Livro: O código da Vinci, de Dan Birown Letícia – Livro: O filho de netuno, de Rick Riordan Tátila – Livro: A viuvinha, de José de Alencar Maurício – Livro: A sabedoria nossa de cada dia, de Augusto Cury Agnaldo – Livro: Viagem ao centro da terra, de Júlio Verne Rodrigo – Livro: O lado bom da vida, de Mattew Quick Erick – Livro: Ilha do medo, de Dennis Lehane Daiane Coenga – Livro: O diário de Anne Frank, de Anne Frank

3º B

Cássio – Livro: 12 horas de terror, de Marco Lucchesi 3º Garyanny – Livro: Nem eu nem outro, de Suzana Montoro Stéfany – Livro: O pescador de latinhas, de Carlos Herculano Kellen – Livro: O mundo de Sofia, de Jostein Gaarder Andréia – Livro: A ordem e o progresso, de Gilberto Freyre Igor – Livro: Canção Nova, uma obra de Deus, de Monsenhor Jonas Andreza – Livro: Você é livre, de Dominique Torres Leonardo – Livro: Dom do crime, de Marco Lucchesi Thais Fernanda – Livro: De volta a Cabana, de Baxter Kruger

3º D Rebeca – Livro: As crônicas marcianas, de Ray Bradbury Mariane Simone – Livro: A marca de uma lágrima, de Pedro Bandeira Luana – Livro: Rute, a decisão acertada, de R.R Soares Aline Biachin – Livro: A hora da estrela, de Clarice Lispector Mariane Souza – Livro: Duplo terror, de Heloisa Seixas Thomy – Livro: Elite da tropa, de Luiz Eduardo Carla – Livro: Momento espírita, de autores diversos Antônio – Livro: Conto de terror, de Edgar Allan Poe Wellen – Livro: Diário de uma paixão, de Nicholas Sparks

3º E

C

Greendha – Livro: Papisa Joana, de Donna Woolfolk Cross Patrick – Livro: A criação das criaturas, de Dionísio Jacob Daniel e Emmily: Romeu e Julieta, de William Shakespeare Maike – Livro: Nunca desista de seus sonhos, de Augusto Cury Eder – Livro: A grande esperança, de Ellen White Franciléia – Livro: O destino do Tigre, de Colleen Houk Débora – Livro: História dos Valdenses, de J. A Wylie Mariana Teles – Livro: Do coração de Telma, de Luis Dill Maurício – Livro: Escuro, claro, de Luiz Augusto Fischer


06

Jornal Escolar: Pascoal News

CURIOSIDADES Como os cientistas já esperavam, a taxa de ocitosina das mães estava alta. O que surpreendeu foi o nível do hormônio dos pais que, em geral, acompanhava o das mães. O que mais me chamou a atenção foi que os níveis de ocitosina da mãe e do pai parecem estar relacionados. Química do futebol A química e o futebol são duas coisas que andam juntas. No gramado podem estar os fertilizantes agrícolas que jogam em conjunto com os herbicidas para manter verde; a bola suporta tantos chutes: o poli(cloreto de vinila) que substitui o couro de animais. A química também está na torcida, pintando os rostos com tintas especiais; as cornetas de polietileno e o nitrato de potássio nos fogos de artifício. Ela também é uma das responsáveis pelas descargas de emoção para o coração e as artérias é a Dopamina, um neurotransmissor que é responsável pela alegria e da felicidade liberado pelo organismo.

Algumas mães que sofriam de depressão pós-parto tinham baixos níveis de ocitosina, e o mesmo acontecia com os pais. Fiquei pensando em como a Biologia e a Química está em todos os momentos da vida, influencia nossos comportamentos, até o modo como cuidamos de nossos filhos, e nem nos damos conta. Não é fantástico pensar que uma família esteja ligada por um hormônio? (Débora Maciel – 3ºano E)

(aluna: Franciléia de Amorim 3ºano E) O amor é pura química

Hormônio que cria relação de mãe com filho gera elo de pai A ocitosina é uma substância fundamental para mães, além de promover as contrações na hora do parto e estimular a amamentação, é responsável por criar o forte laço entre mulheres e seus bebes e, por isso, é conhecido também como hormônio do amor. O que os cientistas estão descobrindo agora é que a ocitosina também é importante para que os pais criem uma boa relação com os filhos.

O amor tem alguma relação com a química? Seus sintomas envolve substâncias químicas? Acredita-se que as mãos suadas, coração acelerado, respiração pesada, olhar perdido sintomas evidentes do amor, caudados por substâncias químicas produzidas no corpo de uma pessoa que esta apaixonada. As substâncias que produz essas sensações provocadas pelo amor são a dopamina, que produz a sensação de felicidade, a adrenalina, que causa a aceleração do coração e excitação, e a noradrenalina, responsável pelo desejo sexual. Com o passar do tempo essas sensações vão diminuindo pelo fato do organismo se acostumar com a convivência do outro corpo e com isso precisa cada vez mais de doses maiores dessas substancias químicas. Para que a relação calma,

com a convivência do outro corpo e com isso precisa cada vez mais de doses maiores dessas substancias químicas. Para que a relação calma, duradoura e segura aconteça o corpo produz os hormônios ocitosina e vasopresina. Os sintomas do amor de fato são muitos mais que características de um sentimento, são substâncias químicas produzidas por um corpo que da essa sensação de atração por outro corpo. (aluna: Nádia A. S. Figueiredo – 3º ano E). Orientação dos Professores: Catiex Rodrigues de Souza (química) e Carla Regina P. Silva (língua portuguesa)

A Ciência do amor

É bem agradável seguir o coração, a verdade é que a ciência tem explicações menos poéticas para as demandas românticas. O amor pode até ser sentido no coração, mas não culpe o cupido: ele é resultado de complexas reações químicas que ocorrem no cérebro. De acordo com a Biologia Evolutiva, casais criam vínculos com finalidade de propagar a espécie. Para evitar gasto de energia e tempo utilizados no processo da corte, fomos selecionados para dedicar atenção a apenas uma pessoa, para criar descendentes. Estão envolvidos basicamente três neurotransmissores: norepinefrina, dopamina e serotonina todos ligados à área de prazer do cérebro. Para compreender como funciona, tudo começa na união do casal, há um aumento na liberação dos hormônios dopamina e norepirefrina, causadores das sensações mais comuns na paixão: alegria, insônia, frio na barriga e pensamentos na amada. Esse hormônio está associado com a memorização dos estímulos (o que explica a pessoa amada ser única). A baixa produção de serotonina está relacionada a pensamentos compulsivos da pessoa amada. Existem outros hormônios atuantes, a oxitocina é um hormônio responsável pelos vínculos, sentimentos de confiança em outras pessoas e a vasopressina, hormônio ligado ao sentimento de fidelidade e comportamento monogâmico em animais. Afinal, é possível definir o amor? Há cientistas que acreditam na lógica, mas como explicar se somos apenas um emaranhado de neurotransmissores e hormônios? (Fonte: Superinteressante / revista Veja. Organização - Aluna: Nathália Lima – 3ª fase G. Orientação: Prof. Maraísa G. Soares – ciências)


07

Jornal Escolar: Pascoal News

UM OLHAR SOBRE A COPA E quanto à barriga, à casa própria, o salário que é o mínimo dos mínimos!!! A população o que consegue ver senão isso: a beleza natural de um espetáculo pirotecnicamente armado com direito a "musiquinhas de cá e de lá" e sorrisinhos protagonizados por atrizes e atores muito bem pagos com recursos públicos... nem se dá conta que a dureza da realidade continua se manifestando na comida que não enche barriga, da água insuficiente e péssima qualidade - entre outras coisas... Terminou a copa ou que ganhe ou perca, o que resta? Uma pista imutável: o pobre continuará pobre, já o rico. Pode acrescentar mais riqueza ao patrimônio recolhendo dos seus investimentos em publicidade, comércio, serviços... Por outro lado, da sua condição o pobre financeiramente se aventura como uma hiena que avança sobre as sobras (deixadas por outros seres de grande porte) e ainda ri da situação claro que quero o meu Brasil Campeão... Quem sabe numa próxima. No entanto, ser ou não vitorioso em campo, nada mudará em saúde, quem dorme no chão no hospital continuara, com certeza não é mesmo?...sem remédio pra uma dor também, não é mesmo caro leitor? Isso mudara alguma coisa? O Brasileiro nato tem em sua constituição de pessoa o ser hospitaleiro, mas também ser mal tratado também, sem transporte, comida, remédio, roupa, entre outras coisas mais. Tudo vai continuar independente de copa do mundo . O dinheiro está nos bolsos, dos grandes políticos... Quem ai não se lembra do episódio dos dólares na cueca? Esse Brasil precisa de homens de Deus que ganhe almas - afirmam alguns! Pois eles podem "anunciar" a vinda de Jesus - o mesias e, assim, preparar o povo para ir morar no Céu... e desprender-se das coisas terrestres... humm cadê heim? Conhecemos algumas realidades nesta Terra, que faz e continua do mesmo jeito, anunciando a mensagem que comodamente atende aos interesses de grupos políticos elitizados. Há ainda muito a se dizer e pensar... por hora perguntemos: EM TEMPOS DE PAZ OS FILHOS ENTERRAM OS PAIS. EM TEMPOS DE GUERRA SÃO OS PAIS QUE ENTERRAM OS FILHOS. Segundo estimativas do próprio governo via pesquisas encomendadas a FGV, por ano, ocorrem no Brasil, 50.000 homicídios. Isso equivale a 137 homicídios por dia. A chance de se morrer assassinado no Brasil é 4 vezes maior que no resto do mundo. O Brasil responde por 11% de todos homicídios do mundo embora corresponda 2,8% da população mundial. E o pessoal preocupado com a vértebra do Neymar, com a Copa das Copas. Um belo anestésico pra esse país boçal. Estamos na merda e merecemos estar? Vale lembrar que não sou contrário as atenções ao "camisa dez da seleção", no entanto, contrário ao impacto em torno do espetáculo futebolístico... como se não houvesse questões sérias... quem ai não se lembra do irmão do cantor sertanejo que teve uma orelha decepada durante um sequestro? Parece que temas e questões sociais se manifestam como "dignas de atenção" quando envolvem figuras notórias... Mas isso são apenas impressões. As nossas impressões: as minhas e as daqueles que compartilham das mesmas na totalidade ou ao menos em parte... Espero noutra oportunidade abordar outros temas também relevantes. Professor Ferreira, (graduado em Filosofia pela UCDB-MS, 1998)

PROJETO CINEMA O projeto “Cinema” desenvolvido diretamente com as 3º fases A,B,C,D e E, foi constituído através da disciplina de Língua Portuguesa e História, obtendo como ponto de partida o conteúdo roteiro de cinema.

Entretanto o projeto obteve uma emocionante culminância, 60 alunos, estiveram no dia 11-06-2014, no cine do shopping Três Américas, para assistir produções modernas, para que pudessem fazer comparações com as outras produções assistidas. Foram divididos em duas turmas, 49 alunos assistiram “A culpa é das estrelas” e 11 alunos “X-Men”.

Desenvolver um roteiro de cinema é pensar num texto ficcional (ideia original ou de qualquer texto a ser adaptado), que já não é literatura, mas por outro lado, ainda não é filme, mas já é, contudo cinema!

Dessa forma o projeto apresentou algumas etapas como: explanação oral sobre roteiro e conversa informal, assistir o filme “Central do Brasil”, para realização das atividades do paradidático sobre o mesmo, sorteio e divisão dos grupos em sala, escolha do gênero do filme (escrito pelos alunos). À partir desses momentos iniciaram os encontros em sala, para a escrita de três roteiros de filme, que foram apresentados de diferentes técnicas. As apresentações realizadas foram demonstradas por vídeos, encenações e escrita. Logo após estes trabalhos os alunos assistiram na sala de vídeo um outro filme (O menino do Pijama Listrado), sendo nesse momento estrangeiro, pois o primeiro havia sido brasileiro, no qual observaram as cenas e escreveram uma adaptação de um novo roteiro.

Posso relatar que essa tarde foi muito produtiva, calorosa e surpreendente, pois estes alunos merecem todo o reconhecimento pela organização e comportamento, no qual permaneceram neste dia. Aos que participaram de alguma forma e estiveram presentes (pais, alunos, professores, direção e coordenação), obrigada pelo reconhecimento e confiança no projeto. Professora: Anne Cristine (Língua Portuguesa)

Veja outras fotos deste projeto, diretamente no blog do jornal: http://pascoalnews.blogspot.com


08

Jornal Escolar: Pascoal News

Qual profissão seguir? 1º. Técnicos especializados. É no campo técnico que os empregadores mais enfrentam dificuldade para encontrar profissionais. E a escassez permeia todas as áreas técnicas, de automação a edificações, de eletrônica a alimentos e bebidas. 2º. Trabalhadores de ofício manual. Entram nessa categoria trabalhadores com uma habilidade específica especializados em um ofício, como costureiras, passadeiras, sapateiros, eletricistas, pintores, e pedreiros. A escassez no Brasil segue uma tendência global, já que na média mundial a falta de profissionais nessa área é a primeira do ranking. 3º. Engenheiros. Uma pesquisa da consultoria PageGroup ilustra bem essa escassez. De mil oportunidades de emprego analisadas, 38% eram na área de engenharia. Boom na economia, a descoberta do pré-sal e megaeventos esportivos vêm alavancando o setor. 4º. Motoristas. Faltam profissionais voltados para o setor de transporte de cargas, ou seja, motoristas de pesados. De acordo com a ManpowerGroup, isso se deve a mudanças no setor, como o fato de as transportadoras exigirem experiência e capacidade de conduzir caminhões cada vez mais modernos, com tecnologia avançada. Dados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) afirmam que o número de veículos de carga registados junto ao órgão é 2,5 vezes maior que o de profissionais inscritos. 5º Operadores de produção. O problema é semelhante ao caso dos profissionais de ofício manual, mas estes funcionários têm atuação mais técnica e trabalham na indústria. De acordo com especialistas, o crescimento da procura não acompanhou o ritmo de formação destes trabalhadores. 6º e 7º Profissionais de finanças e Representantes de vendas Consultores da área de recursos humanos afirmam que empregadores têm sofrido uma dificuldade crescente para encontrar profissionais que atendam ao novo perfil da profissão. De acordo com os especialistas, quem vende hoje precisa ter um conhecimento mais aprofundado, com mais habilidades na área de finanças e sistemas de comunicação em outros países, além de capacidade de pensar em soluções e gerir equipes. 8º Profissionais de TI. A escassez diz respeito a área de tecnologia em geral, seja dentro de empresas do setor ou em companhias que nada têm a ver com tecnologia especificamente. A procura em TI explodiu tanto em empresas de desenvolvimento de software como em bancos e companhias de telefonia celular, por exemplo, onde se cuida de gestão dos computadores e áreas de sistemas internos. 9º Operários não especializados. Os especialistas avaliam que faltam profissionais em diversos setores da indústria brasileira e dizem que a escassez foi gerada pelo aumento da procura, que tem sido enorme nos últimos anos. São inúmeras obras por todas grandes capitais e, como os prazos são escassos, não há tempo útil para se dar oportunidade a quem não tem experiência, de acordo com a ManpowerGroup. Há também carreiras mais atraentes, e a possibilidade de cursos técnicos acaba por afetar a quantidade necessária de trabalhadores no setor.

10º Mecânico. A profissão vive um cenário que se mistura com a situação do setor de ofícios manuais e a de motoristas, com profissionais com uma habilidade específica, mas que precisa de se atualizar. PROGRAMA JOVEM APRENDIZ Ser um Jovem Aprendiz é aprimorar-se constantemente. São jovens e adolescentes que almejam desenvolvimento e crescimento profissional, dentro de uma área de atuação específica,

valorizam a educação e, principalmente, desejam realizar sonhos. É a descoberta de oportunidades e a possibilidade de inserção no mundo do trabalho. SALÁRIO DOS APRENDIZES EM 2014 Contrato de 20 horas semanais R$339,96 Contrato de 22 horas semanais R$373,95 Contrato de 23 horas semanais R$390,95 Contrato de 25 horas semanais R$424,95 Contrato de 30 horas semanais R$509,94

FAIXA SALÁRIAL DE AGUMAS PROFISSÕES Profissão

Salário inicial

Salário no ápice

Administrador

R$ 1.850,00

até 30 vezes esse valor

Agrônomo

R$ 2.210,00

R$ 15 mil ou mais

Analista de Sistemas

até R$ 2.000,00

R$ 20 mil ou mais

Comércio exterior

até R$ 2.500,00

até 100 vezes esse valor

Engenheiro Civil Engenheiro de alimentos Relações internacionais

R$ 2.210,00

R$ 20 mil

R$ 2.210,00

R$ 6 mil

Farmacêutico

até R$ 2.500,00

Tecnólogo em Geoprocessamento

R$ 2.500,00

Enfermeiro

até R$ 2.500,00

R$ 2.000,00

R$ 20 mil R$ 30 mil ou mais R$ 10 mil ou mais R$ 10 mil

Professora: Anne Cristine (Língua Portuguesa) e Marize Benedita da Silva (História)

Interessante, não? Para conhecer mais sobre profissões; confira postagem que complementa este assunto em nosso blog: http://pascoalnews.blogspot.com.br/

PASCOAL NEWS - 2ª Edição - 2014  

Nesta segunda edição, nosso jornal irá propor algumas reflexões sobre a copa do mundo; os projetos realizados na esola; as festividades juni...