Page 1


JOÃO VITOR DE LIMA SANTANA

joao.vitor_78@hotmail.com

(11)3774-6300

São Paulo - SP

(11)96640-1068

Estagiar nas áreas de arquitetura, urbanismo, paisagismo e design para desenvolver prática na profissão e experimentar os diversos ramos de atividade do arquiteto urbanista.

Portfólio em alta definição: https://issuu.com/jovisantana/docs/portf__lio

FORMAÇÃO ACADÊMICA

CURSOS

2014–Presente: Graduação em Arquitetura e Urbanismo 9º semestre : Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Inglês...............................................................................AVANÇADO Espanhol.................................................................................BÁSICO

CURSOS 2010: Microsoft Office Specialist em Office Excel 2007 2018: CURA Curso de Representação Arquitetônica

HABILIDADES ADOBE Illustrator.....................................................................BÁSICO ADOBE Indesign.........................................................INTERMEDIÁRIO ADOBE Photoshop.........................................................AVANÇADO AUTODESK Autocad......................................................AVANÇADO AUTODESK Autocad Civil.......................................................BÁSICO AUTODESK Revit.............................................................AVANÇADO Pacote Office.................................................................AVANÇADO QGIS................................................................................AVANÇADO Sketchup........................................................................AVANÇADO VRAY...........................................................................INTERMEDIÁRIO 2

OBJETIVOS

EXPERIÊNCIA CROWDPLACES CONSULTORIA EM PROJETOS E GESTÃO DE ESPAÇOS PÚBLICOS LTDA. (pracas.com.br) Estagiário arquiteto | Abril/2018 à Julho/2018 • Responsável pelo projeto do Parque Jaú; • Reuniões com responsáveis pela adoção das praças; • Elaboração de plantas – mensuração e digitalização; • Mensuração quantitativa do uso de praças baseada em métodos do Ghel Institute; • Elaboração de maquetes eletrônicas • Produção de peças gráficas (plantas, renderizações, esquemas) • Contato com fornecedores e empreiteiras


PROJETOS SELECIONADOS

1. CASA DE CULTURA.................pp. 05

2. HABITAÇÃO.............................pp. 15

3. OBJETO INTERATIVO................pp. 29

4. IDENTIDADE VISUAL.................pp. 33

5. SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES pp. 37 3


4


01. CASA DE CULTURA

Disciplina

Arquitetura: Projeto 4 projeto individual

Professor orientador Proposta

Cesar Shundi A proposta dessa disciplina responde a uma necessidade do município de São Paulo de distribuir equipamentos de cultura pela cidade. O equipamento em questão é a “casa de cultura“, que seria unidade capilar de um sistema de equipamentos de cultura onde coletivos e indivíduos usariam para a produção de cultura (não apresentação ou exposição). Seu programa básico é dividido em quatro salões principais: 1. de apresentações: para ensaios de teatro, dança e etc; 2. de oficina: para a produção artesanal 3. de leitura: para a produção literária 4. de exposição: para a produção de exposições e instalações a serem exportados Os terrenos disponíveis para o projeto eram lotes de esquina localizados nos distritos prioritários para receberem equipamentos de cultura.

5


e

Radial Lest

Av. Paragu

assu Paulist

R. Maciel Monteiro

a

6

ARTUR ALVIM SĂƒO PAULO - SP


7


R. Maciel Monteiro

ta Alfa R. San

Av. Paraguassu Paul

ista

implantação térreo superior

0

5

10

20

30m

1 2

Dois térreos para maior integração com o entorno imediato; 8

1. edifício administrativo; 2. edifício dos salões;

Vazio de conexão entre os edifícios coberto por material translúcido;

Fechamento por brises pivotantes para controle da iluminação das atividades artísticas;

Estrutura leve metálica contraventada por um bloco de concreto;


9


APRESENTAÇÕES maior pé direito para performances

EXPOSIÇÕES

ESCRITA

OFICINA

Acesso para o térreo com possibilidade de carga e descarga de materiais e equipamentos pesados

10


mãos francesas para o balanço da cobertura

circulação avarandada - vitrine interna

jardim interno

conexão visual entre os térreos

corte esquemático sem escala

11


04 - salão apresentações

01 - térreo superior/salão oficina

03 - salão exposição

N 00 - térreo inferior 02 - salão de leitura/escrita 12


0

5

10

15

elevação leste

0

5

elevação sul

10

15

13


14


02. HABITAÇÃO

Disciplina Participantes

Professor orientador Proposta

Arquitetura: projeto 3 João Vitor de Lima Santana Júlia Lima Albuquerque Lilian Tiemi Higa

Helena Aparecida Ayoub Silva Projetar um edifício de uso misto em um dos lotes pré-determinados pelos professores.

15


pressupostos de projeto apoio norte O terreno escolhido se localiza no distrito da Freguesia do Ó e é lindeiro a uma via de caráter regional, o Apoio Norte, proposta pelo PIUACT (Projeto de Intervenção Urbana Arco Tietê) que será construída sobre a atual linha de transmissão. projeto adjacente O projeto deve considerar a intervenção da outra disciplina ministrada no mesmo período. Essa outra disciplina propõe a construção de um programa de transposição de desnível urbano entre a rua Antonieta Leitão e o Apoio Norte através de um conjunto de escadas, patamares e complexos construtivos.

16


projeto adjacente

0

localização

20

40

80

120m

17


18


edifício A

edifício B

O projeto busca promover a transição vertical junto com a intervenção adjacente, para fazê-lo de forma completa foram selecionados dois terrenos e construídos dois edifícios com os mesmos princípios

Ligação direta com as áreas lindeiras por meio dos patamares em comum

Com a ideia da fachada ativa o edifício foi dividido para comportar os usos de comércio, serviços e habitação, inclusive dividindo pavimentos

Embora estejam imbricados, os usos de habitação privada tem circulação vertical e horizontal próprias 19


cobertura 6º pav. 5º pav. 4º pav.

EDIFÍ

3º pav. 2º pav. 1º pav. térreo.

EDIFÍCIO B 20


cobertura 9º pav. 8º pav. 7º pav. 6º pav. 5º pav. 4º pav. 3º pav. 2º pav. 1º pav. térreo

ÍCIO A

0

elevação leste 5 10 15m

elevação sul 0 5 10

15m 21


edifĂ­cio A: 5Âş pavimento 0

22

5

10

15m


0

5

10

15m

23


edifĂ­cio A: 4Âş pavimento 0

24

5

10

15m


LOJA LOJA

LOJA

LOJA

LOJA

0

5

10

15m

25


LOJA

edifício B: 4º pavimento 0

26

5

10

15m

LOJA


0

5

10

15m

27


28


03. OBJETO INTERATIVO

Disciplina

Design do Objeto

Participantes

Amanda Fonseca Oliveira João Vitor de Lima Santana Maryana Lopes Timpani Taís Galvão Rosa

Professores orientadores

Giorgio Giorgi Junior Luís Antonio Jorge Myrna de Arruda Nascimento Tatiana Sakurai

Proposta

O exercício propõe a criação de um objeto a partir da análise de elementos da natureza. Num primeiro momento realiza-se uma análise individual de frutas, legumes, frutas vegetais ou mesmo de pequenos animais por meio de desenhos. Em seguida formam-se grupos de estudantes que realizaram análises de elementos com características semelhantes e, por fim, esses grupos devem sinte tizar as características de seus estudos em um objeto com modelo físico.

29


1. análise individual_pimenta

2. síntese do objeto

Os integrantes do grupo escolheram pimentas e quiabos, tendo como principal característica em comum sua seção transversal. Foi pensado então um conjunto de módulos pentagonais ocos - emulando a cavidade dos vegetais -que, ao se juntarem, formam essa seção transversal.

10cm

Alguns desenhos de estudo do material escolhido: pimenta

cm

10

As interfaces entre os módulos foram feitas com buracos pelos quais podem passar bolas de gude quando alinhados. Os módulos são presos por um ponto que permitem sua rotação para o alinhamento dos furos e peças de acrílico no topo e na base para poder enxergar as bolas dentro do objeto. 30


31


32


04. IDENTIDADE VISUAL

projeto individual O projeto foi escolhido como vencedor de um concurso interno da Bateria Brutalista (bateria universitária da FAUUSP) para a repaginação da identidade visual dos uniformes e instrumentos.

33


Foi pensado um padrão base para criar a identidade. Esse padrão foi um recorte do módulo gerador do logo da faculdade que está presente no logo da própria bateria

logo da faculdade

Artes feitas com o photoshop 3D 34

logo da bateria

módulo gerador

recorte do módulo para gerar a identidade


Atualização e aplicação das cores

aplicação nas camisetas

aplicação nos tambores

35


36


05. SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES

Disciplina

Planejamento da paisagem

Participantes

João Vitor de Lima Santana Anderson Stefano Pires Carolina Yamashita Laís T. Stanich Murilo Romeu

Professor orientador Proposta

Paulo Renato Mesquita Pellegrino Criar um plano da paisagem com ênfase na requalificação e construção do sistema de espaços livres de um setor da cidade de São Paulo. Fazer um plano de massas, que deverá manter as características físicas e funcionais do sistema proposto e levar em conta as demandas e potenciais existentes e sua articulação com as diretrizes de ocupação do solo, de conservação e preservação ambiental e as potencialidades presentes e futuras de uso dos espaços livres propostos.

37


Todos os mapas dessa apresentação são de própria autoria e feitos com o QGIS e tratados com o Photoshop. Usando a base de dados fornecida pela prefeitura de São Paulo

região centro oeste O objeto de estudo foi a Região Centro Oeste do município de São Paulo, compreendendo as prefeituras regionais do Butantã, da Lapa, de Pinjeiros e da Sé. É uma região muito heterogênea, possui bairros do centro antigo, bairros altamente verticalizados, bairros no limite urbano, bairros jardins, entre outros. Por essa heterogeneidade e pela escala de trabalho, o plano de paisagem foi elaborado nas seguintes frentes:

Região metropolitana de São Paulo

hidrografia e topografia

38

edificações


1. diretrizes de construção e ocupação;

LAPA

2. manejo das águas; 3. diretrizes para as áreas verdes; 4. diretrizes estruturantes;

dos

eixos

PINHEIROS

BUTANTÃ

1

0

1

2

3 km

39


1. Controle de ocupação e densidade construtiva

regiões de borda na prefeitura regional do Butantã fonte: google maps

densidade construtiva na região do Anhangabaú

2. Controle da verticalização

padrão de ocupação na região da Vila Madalena fonte: google maps

padrão de ocupação na região do Itaim Bibi

3. Incentivo de adensamento

padrão de ocupação na região do Jardim Europa fonte: google maps

proposta de ocupação das quadras nas regiões dos Jardins

fonte: google maps

fonte: google maps

Imagem própria elaborada com o sketchup e o photoshop

Frear o adensamento em regiões já altamente adensadas e impedir que se avance em áreas na borda da mancha urbana preservando a vegetação e paisagem.

Controlar o fenômeno da verticalização excessiva em pontos da cidade, tanto os já verticalizados como os em processo de verticalização intensa. O crescimento interno da cidade pode ser feito de outras formas além de edifícios altamente verticais no centro do lote.

Incentivar o adensamento de áreas pouco construídas e de unidades unifamiliares por meio de edifícios que não só ocupem mais o lote, mas principalmente sejam lindeiros às ruas permitindo fachadas ativas. A vegetação deve ficar principalmente nos logradouros e não intralote como acontece nessas regiões.

40


1. diretrizes de construção e ocupação

3

2 1

3

3 1

1 2

1

0

1

2

3 km

41


Para o manejo das águas foi pensada uma matriz de soluções de acordo com as vocações e necessidades do terreno - considerando principalmente topografia e hidrografia.

Cisternas

Aplicadas em áreas íngremes onde predomina o escoamento superficial, pela alta impermeabilização a retenção da água em cisternas evita inundações nas regiões mais baixas.

42

Canteiros pluviais

Aplicado nos cursos dos rios, que não poderão ser transformados em parques lineares. Os canteiros filtram as águas pluviais e ajudam a reduzir a velocidades destas.

Imagens próprias elaboradas com o sketchup e o photoshop

Alagados construídos e lagoas pluviais

Aplicados nos fundos de vale onde predominam os processos de armazenamento de água pelo nível alto do lençol freático. Filtram a água e criam alagados e lagoas que podem ser associados a espaços livres e públicos.


2. manejo das รกguas

1

0

1

2

3 km

43


Da mesma forma que o manejo das águas, as propostas para a vegetação foram feitas por meio de uma matriz que considera principalmente a hidrografia e a distribuição da vegetação e áreas verdes.

Parques lineares Para os rios são indicados parques lineares que acompanhem seu curso, muitos rios estão canalizados e enterrados, busca-se também reaflorar esses corpos d’água e trazê-los para o cotidiano da cidade

Arborização Viária Foi pensado numa matriz de arborização de acordo com a escassez de vegetação nas vias

Parques urbanos Na região do Butantã parques urbanos visam proteger a vegetação em áreas com algum grau de ocupação humana - regular ou irregular.

Unidades de proteção As áreas de borda que estão praticamente intocadas devem ser organizadas em unidades de proteção adequadas 44


3. diretrizes para as รกreas verdes

1

0

1

2

3 km

45


A região centroeste tem os priincipais rios da cidade: o Tietê, o Pinheiros e o Tamanduateí. Foram realizadas estratégias para os dois primeiros pelo caráter estruturante deles para a cidade, principalmente pelas vias marginais e potencial de qualificação urbana pelas águas, pela natureza e pela paisagem.

Rio Pinheiros

Rio Tietê

- substituição da via marginal expressa por uma via arterial para transporte coletivo (ônibus e VLT) - criação de um parque linear na margem - redução do adensamento contrutivo no entorno - rebaixamento do nível dos trens, hoje um enclave urbano que divide esse trecho da cidade

- criação de parques lineares em suas margens - sistema de interligação das diversas áreas verdes ao longo do rio (cidade universitária, parque vila lobos, parque do povo, hípica, clube pinheiros e praças - redução do adensamento construtivo - substituição das vias marginais expressas por vias arteriais para transporte coletivo

via arterial

trem rebaixado

46

via férrea

ocupação de baixa densidade

parque linear

parque linear rio pinheiros

Imagens próprias elaboradas com o sketchup e o photoshop

via arterial

espaço livre integrado rio tietê


4. diretrizes para os eixos estruturantes

1

0

1

2

3 km

47

Portfolio  

Portfólio de arquitetura e urbanismo

Portfolio  

Portfólio de arquitetura e urbanismo

Advertisement