Page 1

MODERNISTAS...

Al. Gabriel Monteiro da Silva,2074 – Fone: 3061 5283 - joslavieroguedes.com.br


Antonio Bandeira Antonio Bandeira (Fortaleza CE 1922 - Paris, França 1967). Pintor, desenhista, gravador. Inicia-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participa, ao lado de Mario Baratta entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes - CCBA, que dá origem, em 1943, à Sociedade Cearense de Artes Plásticas . Em 1945, transfere-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realiza sua primeira exposição individual, no Instituto dos Arquitetos do Brasil - IAB/RJ. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permanece em Paris de 1946 a 1950. Frequenta a École Nationale Supérieure des Beaux-Arts [Escola Nacional Superior de Belas Artes] e a Acadèmie d la Grande Chaumière , mas, em busca de uma arte não acadêmica, deixa essas instituições. Entre 1947 e 1948 participa de dois importantes eventos: o Salon d'Automne e o Salon d'Art Libre. Em Saint-Germain-des-Près toma parte em reuniões de artistas como Camille Bryen (1907 - 1977) e Bernard Quentin. Com Bryen e Wols (1913-1951), de quem se torna amigo, forma o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Bryen; e ols de Wols), que dura de 1949 a 1951. De volta ao Brasil, em 1951, instala-se no ateliê do amigo escultor José Pedrosa,onde também trabalha o pintor Milton Dacosta e apresenta-se na 1ª Bienal Internacinal de SP. Em 1952, cria um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil - IAB/SP, em São Paulo. Retorna a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixa de expor no Brasil. Permanece na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realiza um painel para o Palais des Beaux-Arts. Ao retornar ao Brasil tem uma atividade artística intensa, participa de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Em 1961, edita um álbum de poemas e litogravuras de sua autoria. Volta a Paris em 1965, onde permanece até sua morte. (fonte Itau Cultural)


Antonio Bandeira Sem Titulo OST – 147 x 115 cm – acid 65 Catalogado no Instituto Antonio Bandeira Sob no. 1608


Antonio Bandeira Abstrato Lírico Tinta óleo e automotiva – 85 x 55 cm Catalogado no Instituto Antonio Bandeira Sob no. 1605


Antonio Gomide Nasceu em 3 de agosto de 1895,Itapetining, SP e morreu em 31 de agosto de 1967 em Ubatuba, SP. E Estuda artes plásticas em Genebra, para onde sua família havia se transferido em 1913. Na Suiça, estuda com Ferdinand Hidler e Gillard, na Academia de Belas Artes de Genebra. Frequenta também a Escola de Comércio dessa cidade, onde conhece o crítico de arte Sergio Milliet. Realiza contínuas viagens pela Europa, frequentando os ateliês de Picasso, Braque, Lhote e Severini. Fixa-se definitivamente no Brasil em 1929, associando-se rapidamente ao movimento de renovação das artes plásticas, preconizado com a Semana de Arte Moderna de 1922, ao lado de Anita Malfatti, Di Cavalcanti e outros. Foi membro-fundador da Sociedade Pró-Arte Moderna (1932). Participou do Salão dos Independentes de Paris, da I Exposição de Arte Moderna e da I Bienal Internacional de São Paulo (1951).


Antonio Gomide Retrato de Vera Azevedo OSM – 43 x 33 cm Inscrição no verso “Certifico que este quadro é retrato de minha pessoa pintado por Antonio Gomide -1943” Vera Zgorside Azevedo


Emiliano Di Cavalcanti Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo foi um pintor brasileiro. Ele nasceu em 6 de setembro de 1897, no Rio de Janeiro. Di Cavalcanti teve uma importante participação na Semana de Arte Moderna .O primeiro trabalho do artista foi como caricaturista da revista Fon-Fon, em 1914. Di Cavalcanti também foi um intelectual, sempre atento às vanguardas modernistas das artes plásticas. Em 1921, Cavalcanti foi convidado para ilustrar o livro “Balada do Cárcere de Reading”, de Oscar Wilde. Em 1923, ele viajou para Paris, onde conviveu com Picasso e Braque. A trajetória do pintor fez dele um dos artistas brasileiros mais populares de seu tempo. Participou de exposições individuais e coletivas em várias cidades no Brasil e na França, Estados Unidos, Itália, Uruguai, Marrocos, Portugal. Argentina e México. O artista morreu em 26 de outubro de 1976, no Rio de Janeiro.


Emiliano Di Cavalcanti Mulata Dalva OST - 80 x 65 – acid 68


Alberto da Veiga Guignard Nasceu em Nova Friburgo, RJ, em 25 de fevereiro de 1896. Filho de pai fiscal de impostos em Petrópolis e avô materno ,comendador muito abastado tendo desempenhado importantes funções no governo imperial. Guignard morou na Europa ente 1907 e 1929, incialmente em Vevey, na Suiça. A seguir em Munique, na Alemanha, Grasse, na França e Florença na Itália. Morre em 1962, vítima de distúrbios circulatórios no dia 26 de junho, em Belo Horizonte. Seu corpo é levado a Ouro Preto exposto à visitação pública no Museu da Inconfidência. É enterrado conforme seu desejo no cemitério da Igreja Ordem Terceira de São Francisco de Assis. Expôs em várias cidades e estados brasileiros. Internacionalmente expôs na França, Inglaterra, Portugal, Alemanha, Estados Unidos, Argentina, Itália, Escócia, Peru, Chile e Marrocos.


Alberto da Veiga Guignard Paisagem Mineira OSM - 30 x 43 cm Assinado frente e verso –dec. 50 Com expertise de José Roberto Teixeira Leite. Catalogado para reprodução em livro a ser publicado por Pierre Santos


Alberto da Veiga Guignard Paisagem Mineira OSM - 33 x 47 cm Assinado frente e verso –dec. 50 Catalogado para reprodução em livro a ser publicado por Pierre Santos


Alberto da Veiga Guignard Paisagem Mineira OSM - 20 x 16 cm- acie


John Graz John Graz ingressou no curso de arquitetura, decoração e desenho da Escola de Belas Artes de Genebra em 1910, onde é aluno de Eugène Gilliard, Gabriel Vernet ,Daniel Baud-Bovy e Edouard Ravel; Em viagem a Paris, se familiariza com o trabalho de Paul Cézanne e Ferdinand Hodler e entra em contato com o cubismo, o fauvismo e o futurismo. Conhece, também, o escultor Victor Brecheret e, em 1913, retorna a Genebra, onde desenha vitrais e faz ilustrações para cartazes publicitários. Trava amizade com o escritor Sérgio Milliet e conhece os irmãos Antônio e Regina Gomide, colegas na Escola de Belas Artes. Graz recebeu, por duas vezes, a Bolsa Lissignol e parte para estudos na Espanha. Noivo de Regina, vem ao Brasil em 1920 e casa-se com ela em São Paulo. Por intermédio de Oswald de Andrade, o casal passa a fazer parte da vida intelectual da cidade. Graz participa da Semana de Arte Moderna de 1922, expondo sete telas. A partir de 1923, executa projetos de decoração de residências: cria inúmeros vitrais e realiza design de móveis e peças como portas, fechaduras, luminárias, tapetes e afrescos. É considerado, com Regina e Antonio Gomide, um dos introdutores do estilo art déco em São Paulo. Trabalhou com Gregori Warchavchik, recém-chegado ao país, decorando as casas projetadas pelo arquiteto russo. Em 1925, Graz apresenta em São Paulo móveis tubulares, feitos de canos metálicos e laminados de madeira.


John Graz รndios Caรงadores OST - 50 x 60 cm - acid - 77


José Pancetti Giuseppe Gianinni Pancetti (Campinas, São Paulo, 1902 - Rio de Janeiro, RJ, 1958). Pintor. Dos 11 aos 16 anos, por decisão do pai, vive na Itália aos cuidados do tio e dos avós. Antes de tornar-se marinheiro, Pancetti é aprendiz de marceneiro. Em 1919, ingressa na marinha mercante italiana e viaja por três meses pelo Mediterrâneo. Em 1920, volta para o Brasil e, na cidade de Santos, executa diversos ofícios: é operário têxtil, auxiliar de ourives, trabalhador na rede de esgotos e faxineiro de hotel. Em 1921, em São Paulo, trabalha na Oficina Beppe, especializada em decoração de pintura de parede, como cartazista, pintor de parede e auxiliar do pintor Adolfo Fonzari (1880 1959). Em 1922, alista-se na Marinha de Guerra brasileira, onde permanece até ser reformado, em 1946, no posto de 2º Tenente. Em 1925, servindo no encouraçado Minas Gerais, pinta suas primeiras obras. No ano seguinte, para progredir na carreira, integra o quadro de pintores dentro da "Companhia de Praticantes e Especialistas em Convés". Em 1933, ingressa no Núcleo Bernardelli. Expôs em várias cidades no Brasil e na Inglaterra, Uruguai, Argentina, Estados Unidos, França, Italia, Chile, Portugal e Espanha.


JosĂŠ Pancetti Marinha OST - 22 x 27 cm - ano 53 Assinado frente e verso


JosĂŠ Pancetti Marinha OST - 39 x 52 cm - acid - 43


JosÊ Pancetti Marinha OSM - 17 x31 cm – acie Assinado frente e verso Verso: Stela. Bahia datado 10.05.50


Alfredo Volpi Nasceu em Lucca, 14 de abril de 1896 e faleceu em São Paulo, 28 de maio de 1988. Uma das características de suas obras são as bandeirinhas e os casarios. Começou a pintar em 1911, executando murais decorativos. Em seguida, trabalhou com óleo sobre madeira, consagrando-se como mestre utilizador de têmpera sobre tela. Grande colorista, explorou através das formas, composições magníficas de grande impacto visual.. Trabalhou também como pintor decorador em residências da sociedade paulista da época, executando trabalho de decoração artística em paredes e murais junto com Antonio Ponce Paz, pintor e escultor espanhol que logo virou um grande amigo de Volpi. Realizou a primeira exposição individual aos 47 anos de idade, expondo no Salão de Maio e na 1ª. Exposição da Família Artística Paulista, no ano de 1938 na cidade de São Paulo. Na década de 1950 evoluiu para o abstracionismo geométrico, de que é exemplo a série de bandeiras e mastros de festas juninas. Recebeu o prêmio de melhor pintor nacional na segunda Bienal de São Paulo, em 1953. Participou da primeira Exposição de Arte Concreta em São Paulo, de várias Bienais de Arte em São Paulo e Veneza. Sua trajetória inclui exposições em várias cidades brasileiras e coletivas Na Itália, Inglaterra, Escocia, Argentina, Alemanha, Portugal, Japão e França.


Alfredo Voli Bandeiras e Ogiva TST – 102 x 68 cm – início dex. 80 Catalogado no projeto Vopi sob no. 1764


DESENHOS


Antonio Gomide O Instrumentista Aquarela - 35 x 22,5 cm – acid 22 Expertise de Elvira Vernaschi


Alberto da Veiga Guignard Paisagem Imaginåria Grafite s/papel – 19,5 x 28 cm acid 1949


JosĂŠ Pancetti Marinha Grafite s/ papel - 18,5 x 26,5 cm - acie


Emiliano Di Cavalcanti Mulata Grafite s/papel – 33 x 22,5 cm - acid


Emiliano Di Cavalcanti Figura na praia Grafite s/papel - 24 x 27 cm - acid - 66


Ismael Nery Figura Grafite s/papel – 22 x 16 cm - acid


Tarsila do Amaral Bichos antropofágicos na paisagem Gravura 25/80 – acid Reproduzida no catálogo Raisonnè vol. III – Pg. 149


JOAQUIM TENREIRO


Joaquim Tenreiro Joaquim Albuquerque Tenreiro (Melo Guarda, Portugal 1906 - Itapira SP 1992). Designer, escultor, pintor, gravador e desenhista. Filho e neto de marceneiros, aos dois anos de idade muda-se para o Brasil com a família, fixando residência em Niterói, Rio de Janeiro. Retorna a Portugal em 1914, onde ajuda o pai a realizar trabalhos em madeira e inicia aulas de pintura. Volta a viver no Brasil entre 1925 e 1927. Em 1928, transfere-se definitivamente para o Rio de Janeiro, passando a frequentar o curso de desenho do Liceu Literário Português e faz cursos no Liceu de Artes e Ofícios. Em 1931, integra o Núcleo Bernardelli, grupo criado em oposição ao ensino acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes Enba. Na década de 1940, dedica-se à pintura de retrato, de paisagem e de natureza-morta. Entre 1933 e 1943, trabalha como designer de móveis nas empresas Laubissh & Hirth, Leandro Martins e Francisco Gomes. Em 1942, realiza para a residência de Francisco Inácio Peixoto seu primeiro móvel moderno. Em 1943, monta sua primeira oficina, a Langenbach & Tenreiro e, alguns anos depois, inaugura duas lojas de móveis; primeiro no Rio de Janeiro e, posteriormente, em São Paulo. No final da década de 1960, Joaquim Tenreiro encerra as ratividades na área da concepção e fabricação de móveis para dedicar-se, por mais 20 anos, exclusivamente às artes plásticas, principalmente à escultura. Em 1969, executa um painel para a Sinagoga Templo Sidon e, em 1974, dois painéis para o auditório do Senai, ambos na Tijuca. Fonte: Itau Cultural


160 x 34 cm


54 x 38 cm - assinado verso


Mesa tronco de Joaquim Tenreiro


Se preferir agende um horário quando poderemos atendê-lo com exclusividade. 3061 5283 e 3085 4725 Joslavieroeguedes.com.br Jo Slaviero & Guedes Galeria de Arte Al. Gabriel Monteiro da Silva, 2074 01442-001 – Jd. Paulistano – SP joslavieroeguedes@terra.com.br

Modernistas link  
Modernistas link  
Advertisement