Page 1

A trote e a galope . Poesia para a infância

Nuno Higino Poemas Alberto Péssimo Gravuras

A trote e a ga lope Poesia para a infância

Nuno Higino . Alberto Péssimo


A TROTE E A GALOPE POESIA PARA A INFÂNCIA


Nuno Higino Poemas Alberto PĂŠssimo Gravuras

A trote e a ga lope Poesia para a infância


Para a InĂŞs e o Dinis


O MENINO QUE NAMORAVA PAISAGENS E OUTROS POEMAS

Porto Campo das Letras Ilustração de José Emídio 2001


O DEGRAU Um degrau: subo, não subo? Se subo, não desço se não subo é mau porque o degrau é feito para subir. Mas como está dito se subo não desço e isso, repito, é mau porque o degrau é feito para descer. Como resolver? – Diga Nicolau! – É fácil, senhor: tira-se o degrau!

7


OS VENTOS Os ventos tĂŁo suaves, pequeninos entraram pela casa de mansinho e embalaram tĂŁo meigos os meninos

16


POEIRINHA Dança na luz, poeirinha, da mesinha p’rá janela da janela p’rá mesinha. De ouro é o teu cabelo de ouro as tuas tranças. Porque danças, poerinha, porque danças?

17


CAVALO DE PAU Blau, blau cavalo de pau vai acima e abaixo p’ra comer do tacho Blau, blau cavalo de pau vai abaixo e acima p’ra fazer uma rima Blau, blau cavalo de pau agora parou o verso acabou

20


MENINA Menina que está sentada numa nuvem sossegada. – Vai cair dessa frescura. – Não caio que estou segura! Menina que anda a correr na flor do malmequer. – Vai cair de tanta altura. – Não caio que estou segura! Menina que vai contente num cavalo reluzente. – Vai cair, ó formosura. – Não caio que estou segura!

30


BAILARINA Tenho dentro da alma uma bailarina baila quando baila baila quando quer. Nos cabelos livres tem um malmequer baila quando baila baila quando quer

32


VERSOS DIVERSOS

Porto Trinta por uma Linha Ilustração de Ana de Castro 2008


A MAGIA DAS LETRAS Era uma vez um senhor chamado p de pintor pintava números, letras e coisas à toa, tretas Com tanta arte o fazia que algumas ganhavam vida e saíam do caderno como se fosse magia O 1 adorava rum o 3 champanhe francês; o z pedia souflé o i comia kiwi e o m leite-creme; o magricela do j era doido por compota; o k bebia grappa o x preferia anis o e queria café e o a só tomava chá Agora digam-me lá como vai o senhor p governar o ateliê 40


UMA SEREIA Sou uma sereia vivo no mar alto tenho olhar azul, vestidos de tule que agito dum salto Venho à tua beira dizer-te um segredo: o mar é o meu mundo o mar é profundo o mundo é o meu medo

54


BEATRIZ A Beatriz queria ser imperatriz mas pensou melhor e disse: que chatice! Imperatriz é que não meu império é o coração. Imperatriz? O que eu quero é ser feliz

69


CRIANÇA TODOS OS DIAS

Leça da Palmeira Letras e Coisas Ilustração de José Emídio 2011


A CRIANÇA E O PEIXE Uma criança leva um peixe nos braços, um peixe generoso, prateado, leva-o para casa num braçado Aquele peixe teve muita sorte porque na criança há sol e mar: junto ao seu coração pode nadar

72


DAQUI DO MAR EU VOU-TE CONTAR

Leça da Palmeira Letras e Coisas Ilustração de Maria Eduarda Leitão 2013


O CANTAR DO GALO Canta o galo já é dia. Toma banho em água quente ou prefere em água fria? Canta o galo é de manhã. Tomará café ou chá? Come pão ou croissant? Canta o galo Có-có-ró-có-có e o Gonçalo, pé ligeiro, vai soltá-lo do poleiro

87


VERSOS A TROTE E A GALOPE

Inédito


O PALHAÇO O palhaço tem um laço no pescoço. O palhaço tem regaço de alvoroço. O palhaço tem um braço muito grosso. O palhaço tem um passo muito moço. O palhaço tem pão escasso p’ró almoço

106


DEBAIXO DA MESA Debaixo da mesa está uma princesa, e em cima da lua uma catatua. Dentro do tonel está um coronel, fora do poleiro está o batoteiro. Longe da mão está o gavião, perto do riacho a rã faz coaxo. Em frente à vidraça está uma praça, atrás da montanha esconde-se uma aranha

109


Um sozinho e um magote Uma serra e um serrote Uma gruta um archote Uma ferida um garrote Uma trave e um barrote Uma carta e um pacote Um velhinho e um velhote Um fortalhaço um frangote Uma noiva sem ter dote Um nó e um laçarote Um vestido com decote Um rapaz atrevidote: Quem não lê é um pexote Dá dois saltos e um pinote 115


CRAVOS DE ABRIL Dou-te um cravo dou-te um cento de flores do meu jardim. Dou-te um cravo, dou-te mil para celebrares Abril. Dou-te um cravo (e ajoelho) da cor do sangue, vermelho. Dou-te um cravo sem idade tem a cor da liberdade. Seu perfume espalha o vento pelas ruas em movimento. Liberdade, meu amor, sou teu servo e teu senhor 120


SÓ QUEM AMA HÁ-DE CHEGAR Gira a roda salta o arco vou ao mar não tenho barco Embarco sem embarcar nas ondas da minha infância À distância, todo azul, há um cavalo que me chama Só quem ama há-de chegar, mesmo parado caminha

124


PUBLICADOS EM COLECTÂNEAS

Pág. 128-131 – Verso a Verso, 2011 Porto, Trinta por uma Linha. Pág. 132-134 – Barricadas de estrela e de luas (Antologia poética no centenário da Primeira Guerra Mundial), 2013. Tropelias & Companhia. Pág. 135 – Abril certo na hora certa, 2010, Porto, PCP/Sector Intelectual. Pág. 136-137 – Festa da Palavra, 2007, Guião, Felgueiras


INÉDITOS, DISPERSOS


REDACÇÃO SOBRE O OUTONO Eu gosto muito do Outono porque traz dióspiros e folhas pintadas de nostalgia, traz castanhas, magustos, vinho novo: alegria. Eu gosto muito do Outono traz o Inverno pela mão, fechado, irrequieto, e leva-o até ao Natal: parecem avô e neto. Eu gosto muito do Outono porque é triste e alegre como toda a gente deixa-nos à porta, pensativos, o mundo todo em frente

143


CHUVA NO MEU CADERNO Desenho chuva com jeito com traço fino, perfeito, um e outro e outro mais em risquinhos verticais. Cai chuva no meu caderno, mas não é chuva de Inverno, chuva boa de Verão com saborzinho a limão Pinto a chuva a aguarela debruço-me na janela, e fico a ver como cai: – Olha como chove, pai! Chove chuva quando eu quero nunca por ela espero quando dela fico cheio sopro a nuvem p’ró alheio

148


Chuva que só eu governo quem quiser que o comprove: não sei se é em mim que chove ou se é no meu caderno

x


Índice O MENINO QUE NAMORAVA PAISAGENS E OUTROS POEMAS......................................5 Porto, 2001. Campo das Letras. Ilustração de José Emídio VERSOS DIVERSOS....................................................................................................... 35 Porto, 2008. Trinta por uma Linha . Ilustração de Ana de Castro CRIANÇA TODOS OS DIAS............................................................................................ 71 Leça da Palmeira, 2011. Letras e Coisas. Ilustração de José Emídio DAQUI DO MAR EU VOU-TE CONTAR..........................................................................79 Leça da Palmeira, 2013. Letras e Coisas. Ilustração de Maria Eduarda Leitão VERSOS A TROTE E A GALOPE.................................................................................... 105 Inédito PUBLICADOS EM COLECTÂNEAS............................................................................... 127 Verso a Verso, Porto, 2011. Trinta por uma Linha....................................................... 128 Barricadas de estrela e de luas (Antologia poética no centenário da Primeira Guerra Mundial), Porto, 2013. Tropelias & Companhia............................... 132 Abril certo na hora certa, 2010, Porto, PCP/Sector Intelectual....................................135 Festa da Palavra, 2007, Guião, Felgueiras................................................................... 136 INÉDITOS, DISPERSOS................................................................................................ 139


Título: A trote e a galope. Poesia para a infância Autores Nuno Higino (Poemas). Alberto Péssimo (Gravuras) Saídas da prensa de Tomás Dias Edição: Letras e Coisas, Lda. Livros, Arte e Design, Soc. Unipessoal, Lda Concepção Gráfica: www.josemiguelreis.com ISBN: 978-972-8908-92-8 Depósito Legal: 423012/17 Impressão: Rainho & Neves, Lda / S. Maria da Feira 1ª Edição / Março de 2017 © Autores e LETRAS E COISAS, Lda, 2017 LETRAS E COISAS, LDA. Livros, Arte e Design, Soc. Unipessoal, Lda Rua Padre Manuel Teixeira de Melo, 33. Bloco D - 1º C. 4455-161 Lavra. Portugal Telef.: +351 964 089 660 E-mail: email@letrasecoisas.pt www.letrasecoisas.pt


A trote e a galope . Poesia para a infância

Nuno Higino Poemas Alberto Péssimo Gravuras

A trote e a ga lope Poesia para a infância

Nuno Higino . Alberto Péssimo

Profile for José Miguel Reis Design

A Trote e a Galope - Poesia para a infância  

Poemas de Nuno Higino e Gravuras de Alberto Péssimo

A Trote e a Galope - Poesia para a infância  

Poemas de Nuno Higino e Gravuras de Alberto Péssimo

Advertisement